Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:01793


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i '-mfrfijf, ^^.
>*.
ANNO Dft 1836. TERA FEIRA
12 DE ABRIL N. 78.
DIARIO DE PERNA
DAS DA SEMANA.
11 Segunda N. 8. dos Praz. A. dos Js. do C. de m.
e de t ses. da Tliezouraria Publica. eClianc. de
12 Terca S. Vctor M. Re. de m. aud. do J.
de O. de t.
13 Quarta S. Hermcnclgido M- ses. da Thez. Pub.
14 Quinta S. Tiburcio e V- Re. dem. aud. do J. do
C. de m. e de t.
15 Sexta S. Bazilissa c A. ses. da Thez. P. aud- do J.
de O- de l. La n. as 4 h. e 38 m da t
16 Sbado >. Engracia v.m. Re. de ui. e aud. do V. G.
det. em Ulinda.
17 Domingo do^Bom Pastor S. Aniceto P. M.
Perkamboo, a Tvf. dk M. F de Fari. 1836.
wmaasaamtau
Ttdo igora depende de nos mesmos. danossaprn
dei til, moiieracao, e energa i continuemos com
prilli tinos, e eremos montados cnin admira-
C,o ture as Nac,oes niais cultas.
Proclamafo do Juembua Oeral do Brasil
Snbscree-sea 1000 rs. mensaes pagos adiantados
ne Tipografa, e na Praca da Independencia N.
37 e 3S onde e recebem correspondencias Icgli-
saaas, e aniiuncios ; merindo- MIM e" endo
los propriosassignanles, e indo signados.
CAMBIO.
Abril 8,
JLiOndres, 89 1|2 Ds- St. por 1 cid. ou prata a 50
por cont de premio.
Lisboa 50 por o|o premio, por metal, N'om.
Franca '.'45 -240 Re por franco
11 io de Jan. 6a 7 poroento de premio
lioedM de 64(X) i'261K) a 1*8M0
4,;000 7.,000 a 7100
Peoa I ,,440
Premio da prata 50 p. c
das lettras, por mea 1 2poro|o
Cobre 25 por cento de descont
PART \)A 5S COK li KIO.
Olinda_Todo> os liasao mein da.
Qoiana, Albandra. Caraiba. Villa do Conde, Ma-
manicimpe, filar. Real de S. Julo, Brejo d'Arria.
Ilainba, Pombal, Nova i.e Soasa, Cidadfl do Natal*
\ illas de Goianninha, e Nova da Prineeza, Cidade
d* Fortaleza. Villas do unir*. Monte mor novo,
Aracatv Caicavel. Caninde. (irania, Imperatriz,
> ."irnardo, S. Joiodo l'rinripe. Sobrar. Novad'
El Re v. Ico, S. M.itlu-us. Keicbo.lo saltftffj, S.
Antonio do l.irdim, Qiiexerainobim. Parnabiba
Segundas e Sextas feiras ao meio d.i por va da
Paraiba. Santo A nlaoTodas aa onjot* fttiraaao
meloda. Garenhuns, e Bonito-nos alas 10 e 24
de ada mes someto da Floresno da 13 de
cada Ole* ao meto da. Cabo. Scriiibaein. Bio For.
mozo. A roa l'reta e Porto Calvonos das I, |1
e21 d" cada mes> Serinhaem, Rio rormoco, e A
gos PreuSecundas, Q .ni,.- c >extas leiras.
~ na
H
PARTE OFFICIAL.
PERNAMBUCO:
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
Acta ds 2. SesSi-5 ordinaria da Assemblea
Provincial de Pernambuco aos 8 de A-
bril de i836.
Presidencia do Sr. Dezembargador Ma-
ciel Monteiro.
Estando presentes 30 Snrs. Depotatjos,
faltando corr causa os Srus. Dr. Brito,
e Tihmtino, esem pai;ticlpat;a os Snrs.
Vaz Salgado, Padre Fonve.a, e Ancora,
o Snr. Presidente declarou a berta a ses^C,
0 2. Secretario fiz a leitura da acia
i3. da sessa extraordinaiia, e da i. da
sessa6 ordinaria, que foraappiovadas.
O Snr. i. Secretario det conta do expe-
diente mencionando ter receido parleci-
paca de se adiar doenle o Snr. Deputado
Tiburtino : e de huin requeiimenio de
Rufino Joze Correia de Almeida, Fra-
pregado da Secretaria desta Assemblea,
pedindo ser despachado pata 1. OflLial
cretan para dar o seu parecer.
O Snr. Presidente passou a nomear as
Comuiisses que fallava, esahira elt?ilos
para a de Justica Civil, Criminar, e Ne-
gocios Ect le-iasticos Dr. Urbano Sabino
P^ssoa de Mello, Dr. Francisco Joaquim
dasChagas, Dr. Joaquim Manotl Vieira
ele Mello.
Para a deExame das Posturas das C-
maras, representaces &c. Dr. Marioel
Francisco de Paula Cavalcanli, Dr. Joze
Telles de Metieses, Nicolao Joze Vaz Sal-
gado. t
Para a de Rendas Municipaes, Orea men-
t* e exame dasContas Joze Ramos de
Oiivtita, Francisco de Carvalho Paes de
Andrade, Bento Joze da Costa.
Para a de Saude Publica Dr. Joze Eus-
taquio Gomes, Dr. Francisco Xavier Pe-
reir de I3i ito, Tiburtino Pinto de Almei-
da.
Para a de Pelices Dr. Joze Telles de
M> nezes, De Felis Pe oto de Brito e
Mello, Leonardo Bezena de Cerquen a
Cavalcanli.
P.,ra adeLegislaca Padre Antonio da
Tiindade Aniones Meira, Dr. Joaquim
Wanoel Vieia de Mello, Dr. Francisco
de Paula Baplisla.
Entraras etn pimeira discussa os do
us pareceres das Commi-sSes sobre os ob-
iexlos da mensagem doExm. Snr. Presi-
dente da Provincia, e rezolveo-se, que
passasse a 2. discussa.
Entrou em 3. discussa o projecto n.
1., e no decurso della fura oferecidasas
s.g minies emendas : do Snr. Pcixoto ao
art. i. depois do J 4. occresrentein-se os
seguintes -'-5. mandar disolver os a-
juntamentos perigosos. 6. mandar rondar
os lugares onde convier. 7. mandar dar
buscas. Alem destas atrihuices, rxer-
cer lambem as que competem ao Juizde
DireitoChefe le Polica--Do Snr. Padre
LaurentinoNoart. 1. suprima se o 5.
Suprima .-e o art. 9, e por conspguinte
tambem o 6. -Do Snr. Pessoa de Mello-
No art. 2. depois das palavrasPresiden-,
te da Provincia, aerescenle-see seiviro
por espago de 3 anuos supiimrido-se o
resto do art.Do S"!". Peixolo aoart. 3.
Depois das palavras bensderaiz acrescen-
te-se, e empiego publico.--Do Snr.
Vieira de Mellosubslilua se o art. 5. pe-
lo seguiuteAos Juizes de Oifios e Mu-
nicipaes, alem das suas altiibuices fica
tambem perlencendo: i. conceder as fl-
aneas, que a lei autorga em cazos crimes:
a. julfiar, as conlravenees as Posturas
Municipaes, 3. preparar os processos, que
tem de ser submetlidos ao Jtiizo dos Jura-
dos: 4. ju!gr definitivamente os Crimes,
que e.-t.iva na aleada dos Juizee de Paz--
Suprma-se osarts. 6., 7., e 8 ,--Do Se.
Dr. Pedro Cavalcanliaditamento ao art.
9.os Juizes de Paz sera elleitos por 4 an-
nos da mesma maneira porque se ellegnn
osVeriadores das Cmaras. O Cidado
que obliaor maior numen de votos ser
Juiz de Paz, os mediatos em votos seit
suplentesD> Snr. Pessoa de M. lio No
art. 9. suprima-se do ptincipio at a pa-
lavra concilisces--e ponba-S"' icaS su-
primidos os Inspectores de Quarteira, e
limitados os Juizes de Paz a lazer concili-
aces, e julgar definitivamente as causas
civeis at a quantia de cincuenta mil reis
Do Snr. Vieira de Mello ao ait. II
Os Promotores seniio por 3 annos-Do
mesmo Snr.-Art. aditivo ao art. 13 O
Prefeito nomear para cada Parocliia da
Comarca hura Subprefeito tirado ('entre
os Cidados da mesma Parochia, o qual nao
vencei a ordenado alguai. Ilt* la atlribui-
ga do Subprefeit 1. execatar as ordens
do Prefeito. 2. Remelter iintnetliatamcn-
te ao Prefeito todos os prezos. que o fo-
rera a ordern do mesmo Prejeito, acom-
u inli.-iilos dos 1 espectivos Corpus de d- licto,
e teslemunhas dt> facto criminoso. 5. Ao
Sttbpiefeilo icaS inmediatamente subui -
tlitiadus os Cidados, que n..S forem G.
N. Snr. Dr. Chagas ofereceo hora Pro
je. to, como emenda substitutiva ao pro-
jecto em discu sao.
Sendo duas horas, etendoalgumSnrs.
Deputados pedido a palavra, o ocie. Pre-
zidente declarou aiada a discussa, e
deo para otdem dt da a cititnu*c,a
da mesma, e da segunda lo Regiment
interno, elevanlou a .seisa.
Thomaz Antonio Maciel Monkiro,
Proideule.
Laurentino Antonio Moroira de Carvalho,
l. Secreta io.
Luiz Rodrigues Sette,
2. Secretario.
GOVERNO DA FKOVmClA.
Expediente do dia 8.
Para sua inteligencia, e execnca re-
metto Ihe a copia inclusa de um Avizoda
Secretaria de Estado dos Negocios do Im-
perio sol vendo llovidas apparecidas nessa
Academia e levadas ao conhecimento do
Coverno Impeiial pelo Director intiri-
no da mema u Padre Miguel do Sacramen-
to Lopes Gama e o Lente Doutor Louren-
co Trigo de Louiero.
Dos Guarde a V. S. Palacio do Go-
verno de Pernambuco 8 de Abril de i836.
__ Francisco de Paula Cavalcanti d'AI-
buquprque. Sr. Dotilor Antonio Joze
Coelho, Director Intirino do Curso Jur-
dico.
Portara; Ao Inspector do Arse-
nal de Marinha para mtifaser as reqimt-
coens que lbe fez o Procurador Fiscal em
officio t!e2i do roez p: p:
Offico ; Ao Procurador Fiscal, com-
municando-lhe ocontheudo da preceden-
te Poitaria,
Portara; Ao Commandante da Es-
cuna Viitotia, para informar sobre o
contlieudo fif'mn offico do Commandan-
te da Fortaleza do Bi um, que reprezenta
ter o mesmo Commandante da Escuna
salvado, st m dev,r, priineiro qu9 a dita
Furlale/.a, 110 tlia 6 do correle.
__ Ao Gommandaniedo Paquete Cons-
tanca, para entregar ao d< Paquete Leo-
poldina os invlidos, e pirnos, que tem
desegmr pata a Corle.
" Ao Commantlarite do Paquete Leo-
poldina para conduzir os individuos que
receher do Paquete Coiistanca, que sao
Grepotio Jese, Antonio Moreira, Bernar-
do J >ze 'leSou/.a, Clemente Jos Bezer-
ra, Joa llaplista Jones Fag-oii, e Ricar-
dtx Devesse, eo preso Senrino da Costa
Fianoo.
-- Ao Inspector do Arsenal de Mari
nha, para fazer apromptar, a fin le ser
remelti.io para a brigada ti'etta Provincia
esl.ii ionad. 1 no Para o scgumU r.2oo
calcas tle brini, i.'.oo carniza*, too col-
xSes *a/.os, 200 lencoes de brim, 200
Travesseiros, 2oo Fronh^s de brim, 700
hornees le biim, 5o MarhadOi, 5o Foi-
ces, 5o Paz de ferro, 10 Picarelas, urna
fuiM tlec-mpanlia, 2o ariobas de ferro, e
d<.z dila de ayo.
Dia 9.
__ Ofliiio; Ao Commandante Supe-
rior da G. N. d'ette Municipio, para
despencar'do servico os [individuos empre-
gados as ibras Publicas, constantes de
urna relacaS, que se Ihe remetteu.
Ao Inspector d. Tliezouraria, para
mandar entregar ao Commandante Geral
do Corpo de Polica a quantia de a55$ooo
rs., a lint de pagar 3o clavinoles compra-
dos ao Negociante Adolfo Schramm, a
8$500 rs. cada um.
^t- Ao mesmo, remetlendo-lhe as or-
dens do '1 hezotuo Publico Nacional sot
nmeros i3, lj, e i5.
Continuar se-d.
A.RTIGOS D 0FFICIO.
H'm. e Exm. Snr. Temos muita salis-
faca em partecipar a V. Exc. que a se-
gunda remeda da suhsct ipcaS beneficio
dos infelizes I'.naenses se cha recebida
n Matanha pela Commissa encarre-
gada desse b distiiblliclo por aquellas desgravadas vic-
timas, c>mo ludo V. Exc. inelhor ver
da copia lo cilicio que incluso V. Exc.
enviamo".
Dos Guarde por muitos annns a V.
Exc. Rerife aos 6 de Ahiilde i836.Ao
Illm. eExm. Senhor Francisco de Paula
Cavalcanli de Albuquerquc Presidente da
Provincia & da Sociedad" Beneficenle
Assignados Luiz Gomes Feneira, Fran-
cisco Antonio de Oiiveira, Joa Prea
Ferreira.
Illms. Snrs. Em 29 de Dezembro p. p.
ti vemos a honra ue responder a primeira
de VV. SS. de 28 de Noven.bro do anno
findo, participando-lhes deilaverroos re-
ceh do os i2,50O Patai oes, que os gene-
rosos habitantes des-a Piovincia pelo in-
termedio le V V. SS. remeltera m aa-
xilio dos desgravados Paraenses, e bern
asstm de que nos haviamos reunido hu-
ma mitr.i Commissa ja creada u'esta Ci-
dade para ifliial lim de destritiuir soccor-
ros a infelizes familias aqu refugiadas, e
por ullimo que com o devido einpenho
hiamos dar coinego ;o.s nossos tnraalboa
sob a presidencia do Exin. Sur* Prcsidenia
da Piovincia.
Afora '.emos accrescfntar que com
prestida arta de VV. SS. de i4 de Ja-'
ueiio tiitimo, recebemos a segunda re-
meflaa de 2 528 e meio palaces pie VV
SS nos envi.ra pelo Brigoe de Gn i-ra
Purluguez-Conde de Villa Flor-, e b |ne
no-acli.iinos eiicarregados de iistr\uir
pelas pessoas iufelicitadas com ohom>-
res do Pi nao .- O producto da stibs-
ctipcao beneiiceiite dos pliilautropicos
Pernambucanos, como de mais duas pro-
movidas huma na Capital do Imperio e
outra no Cear, tendo esta Cunimiasao
ja reetbido em resultado da primeira a
quantia de cinco contos de res em prata
valor mugo, v da Segunda 1,000 pata-

H
I
NUMERACAO INCORRETA


2
DIARIO DE PERNAMBUCO,
cSes, que com as duas remessas de Per-
nau.biico piefazem o total de aO:38y^360
ieis, em pratl valor atilign. D'esta soma
temos dUirbuido *t 3 de Janeiro p. p.
s familias emigradas para e.-ta Capital
8:5a7$:)60 rs., e remetemos para o Para
400 arrobas de carne, 119 barricas de
Bolaxa c 3 caxas coin remedios, impor-
tando ludo com o fele em 2:68t$l73
rs. As.sim temos ja dispendido por Cotila
do producto das tressubsciipces de Per
namburo, Po de Janeiro, e Cear reis
n:208$533 em raoeda corrate pa-
Como o Piesidente do Pai o Exm. Sr.
Marechal Manuel Jorge Rodrigues e o
Juiz de P. cio Joze das Merces Tavares aos quaes
haviamcs consultado sobre o melhor meio
desoccorrer ali as pessoas e familias ne-
ces.-itnd.is, concoidem em ser convenien-
te un'tter.se daqui tambera algum di
Dfltairo em prata, es'amos ua resolucio de
assini o execatar logo que se ofereca occa-
ziio segura.
Muito nos lisooge.uemos que os nos-os
exforcns e boasintences no cumprimento
da tarefa de que Vv. Ss. nos encarregaro
pos?o corresponder honroza confianca
que em nos depositario e ao mais louvavel
e prlriotico amito dos beuvficeiites subs-
criptores d'essa Provincia.
Dos Guarde Vv. Ss. muitos annos.
Ilu-N. Snrs. Lui Gomes Ferreira,
Francisco Antonio d'Oliveira, e Joio Pi
res Penetra. Pernambuco.
Maranhio 12 de Fevereiro i856.
Henrique & Joio Moon & Comp.
,__ Francisco Tavares de barros.
Joze Redrgues Roxo.
Joaqun. Franco de Si.
Raimundo Carlos Ribeiro.
Antonio Goncalves Machado.
A. Russel Smith.
DIVERSAS REPARTICOKNS.
Quartil do Commando Supeiior das G.
N. do Municipio do Recife 8 de Abril
de 1806.
O dem Addicioual adoDia.
Illm. Sr. TendooIIlm. Sr. Co*-
mandanle Supciior intimado vocalmente
do Alferesdo 5.# Batalhi Victorino Jos
Carneiro Monteiro, que se recolliesse pre-
so a sua ordem por ter faltado a marcha,
e o encontrar a paisana ; e hem assim
mandado recolher a mais dous G. N. do
mesmo Balalha por igual motivo; deter-
mina, quo V. S. me informe se os men-
cionados individuos e.-ta, ou nao recn-
Ih'dos ; e qi>e de toda, e quabpier oulra
praca, que pelo mesmo motivo for sendo
presa, em virtude das ordens, que se a-
rab.i de dar, V. S. exija dos Comman-
dantes respectivos participaca do dia, e
hora em que s efectuar e pris>>5 para me
comraunicar, a fim de me servir de go-
verno. O que de ordem do nr-i-roo lllm.
Sr. commnnico a V. S. paia levar ao
conhecime nto do Illm. Sr. Chefe de Le-
giaS, e para sua iiitelligencia.
Dos Guarde a V. S. Quartel do Com-
mando Superior das G. N. 8 de Abril
de 1836. Illm. Sr. Manoel Goncal-
ves Pereira Lima, Major da 2.* Lrgia.
Joze Claudino Leite, M.jor Ajudante de
Ordens.
De igual teor, somente quanto a se-
gunda parte, &e expedo do Major da i.*
(egiaS.
COMMANDO DAS ARMAS.
Quartel do Commando das Armas de Per-
uambuco O de Abril de 1836.
Ordem Addicioaal a do Dia.
Hateado desolemnisar-se o Anniver
sario da Elevaca do Snr. D. Pedio 2. ao
Trono Constitucional do Brazil, o Com
mandante das Armas em cousequem-ia de
Ordem do Exm. Snr. Presidente da P10-
vincia, determina que amanh por as lo
horas do dia esleja formada era grande u-
niforme na Piaca da Boa-vista, a Di-
yi*5 composta dos mesmos Coi pos, e
Riigadi qi.e arrumarad no dia 25 do p.
p. por occa-ia do Anniversario do Jura-
mento daConstituic. 5, O Snr Comaian-
danle Supeiior Francisco Jacintina Pe- J
reir Commandanle desta D'twltaH, to-
mata pelas 11 hoias a meara a posica na
Ra do Collegio, que na Parada anterior
se tomn, e seguir o que depon se houver
de determinar--Assgndo Joze da Costa
Rabello Reg Monteiro, Gommandanle
das Armas.
MEZA DAS DIVERSAS RINDAS.
A pauta he a mesma do N." 75.
ARCENAL DE GUERRA.
O Arcenal de Guerra compra brim pa-
ra ramizas, calcas, eco'xes ; assim como
paz de ferro, e 890.
As pessoas que taes objectos tiverem
compaiecam no mesmo Arcenal para Caler
eos aju-lis.
CORKEIO.
A Sumaca Gentil Araeiicana recebe a
malla para a Babia no dia 14 do crtente
as 5 horas da tarde.
CORRESPONDENCIA.
Snrs. Redactores.
De-de que ILo Communi ado inserto no
eu Diario N* 40 deste anno, onde se
Quartel do Commando das Armas de Per-
nambuco 8 de Abril de i836.
Ordem Addicional a do Dia.
Havendo-se bontem formado em grande
Parad* para solemui-ar o Anniversario da
Elev.ica aoThrono do Sur. D. Pedio 2.
Joven Impetador do Brazil; o Bata!ha5
7. de Gastadores e 4. Corpo de Artilheria,
ambos de primeira l.inha, o 1. 2. e 3.
Batalba deG. N. da L-giaS desta Cidadi ;
o Commandante das Armaagradece a to-
das as pracas que comparecera, o asseio,
e uniforniidade com que se a p presenta rao,
e ao Snr. Commandaute Supeiinr, eaos
demaisSnis. Officiaes dirige os seus elo-
gios. Assignado Joze da Costa Rabello Re-
g Monteiro, Commandaute dai Armas.
procura insinuar a fus dos Curso Ju-
rdicos em hum s, eeste, cstabelecido na
Capital do Impeiio, tive rocegas de llie
responder : mas as minh.is muitas ecu-
paces empecera-me o desejo, por mais
querericoso, que en seja de publicara mi-
nba opinia a eM proposito : o que agora
faco. protestando de dizer francamente u
que a uto, c-mo costuran.
Amo a verddde, onde qoer, que appa-
reca ; e por isso na5 pude deixar de ap-
provar algumas ideas do A. do tal Com-
municado morraente na parte, que diz
respeito aos inconvenientes, quede neces-
sidadedeve de ararretar a superabundan-
cia de Bachareisformados : mas poroutra
parte desconformo do seu parecer quanto
as medidas propostas p.ira se obviar este
mal.
A primeira medida proposta he a fusa
das duas Academias. Examinemos, se
com effeito essa medida produzir o resul-
tado, que se deseja. Persuado me poder
mostrar o contrario ; e felizmente o A re-
conheceo nesta parte a insufficiencia do
.-eu argumento: mas para nao deixar a
menor duvida a este respeito, passarei,
cora a devida venia a ofleierer ao Publico
Ilustrado as seguintes refluxes.
Em i."lugar a dispesa da pasaagera pi-
ra o Rio de Janeiro n6 me. parece tiaii*
nha, nem tao onerosa para, os Sorlistas,
dico, que os faca descorocoar da impresa :
em 2. lugar ainda concedendo-se, dada
a fusa, que para o Rio de Janeiro aflua
menos rapazrs do N01 te, nao se lolhe com
isto a grande concurrvnria dos do Sul ; e
teremos por conseguinte, que ali haver
sobejida de Hachareis formados, e no
Norte mingoa : aqui os mesmos ignoran-
tes achar-se ao em circunstancias de po-
der ginhar muito dinheiio, e acola os sa-
larios dos que tiverem inererimento ver-
se ao deminuidos pelo grande numoode
concurrentes, e os que forem baldos de
mrito piocurarS pertu bar a tranquili-
dade pub'if'a a fnn de prscarem em agoas
turvas. Talvezse diga, que os que sobe-
jarem no Sul se passar5 para o Norte, e
desta maneira estabelecer-se- o justo e-
quilihrio : poim anda assin; resta-me
boma duvida, e vem a ser ; se o espirito
de Provincialismo, que mais que muito
se ha desenvolvido entre os Brazileiros,
nao sirva d'estoi vo a essa pa*sgem. Hoje
oque cada hum qner he adquirir impor-
tancia, e consideraca na sua Provincia
com exclusaS dos das outra, embora te-
nhaS estas virtudes, e talentos. Certo,
he isto hum grande mal: mas tt.5 .Jo naS
Ihe veremos o remedio. Supponhamos
poiem, que he graciosa a hypothes do
Provinriali-mo, e que os filhos do Sul
possaS advogar com acceitacaS, e oceu-
par empregos em ss Provincias do Norte ;
teremos anda as im, que em quanto se
nao estirpar d'entre nos a mania da for-
matura, que be sede insaciavel d'empre-
gos pblicos, o excessvo numero dos Su-
listas formados ser novo germen de dis-
cordia, e dihsencSes disseminado pelas
Provincias do Norte. Nao lie pois pe-
la fusa das duas Academias, que se
previne o mal. O verdadeiro remedio
est, a mcu ver, em dar-se outra direc-
ca ao espidi da Moridade, excitando-a
a consagr r se cultura de outras scienci
as, e a procurar outros empregos.
Diz o A. do Communicado, que estan-
do a Academia no Rio de Janeiro, ser-lbe-
. mui proficua a inspecca immediata do
G.averno. Pode ser, que assim seja : mas
por que rasa s por isso se ha de tirar ("e
Pernambuco o Curso Jinidico? Os nos-
sos Legi.iladoies, que la facis, e lib 1 aes tem sido *>m reformar o que se devra
conservar, sea-n tambem no que he mis-
ter, qup se reforme. Ponha a Acade-
mia de Pernambuco debaixo da immedia-
ta inspecca do Presidente da Provincia,
ou d'Assembla Provincial, qu" desta ma-
ncira andar mais vigiada, e tegu'ar.
Alean de todns estas rasSes, como tra-
gara Pernambuco, que parece ser a Pro-
vincia engetada do Imperio, que se lhe
sacasse do sen seio o Curso Jurdico, m-
xime em huma epocha, cm que vogaS ar-
rogant' s as fates ideas de desmembraQes,
e separaces ? H Academias na Corte, a
Baha lamben) tem a sua de Medicina. S
a Pernamhuco se lhe ha de arrancar a que
j possae !
Approvo, que se augmente o quantita-
tivo das Matriculas, as.-im como que se
exija lodosos Preparatorios, na confor
m'dade dos actuaes Estatutos : at quize-
ra, que o E-tudante paga>se para fazer
Acto do i. Auno 50ft rs. ; para o do 2."
'00$; para o do 3 o 150$; para o do
4. 200$ ; e para o do 5. 25o$. Tor-
ne-se dispendiosa a educaca dos Barba-
reis formados, que s cursar as Aulas
Jurdicas os fi I los de pestoas abastadas, e
que tiverem vocaca para esta especie de
estudo* ; eso deste modo poder-e- con-
seguir, que entrera no Sacerdocio da Jus-
tif 1 pessoas distinctas, e qualificadas pela
sua lnhagem, e riqueza, e que nao haja
excesso de Legistas, como desgracada-
mentej v.ti apparecendo entre nos, mal
esle, que cura pie a todo custo prevenir ;
pois que esta classe de pessoas be perigo-
sssimaemtempos crticos. Lembrar-me-
palrimonio de todos, quantos tiverem pen.
dor para os cstudos. Seo filho do pobrj
be talentoso, applique-se s Artes, qu
muito carecem de pessoas, que cooperenj
para o seu melhoramento ; pois qUe da
perfeicaS das Artes depende o augmento
da produccaS da riqueza, e prosperida le
publica. \IIaja embora Sociedades Patri-
ticas, que se etican egucm de dar aos fi.
Ihosdos pobres huma educacaS apropri.
da sua capacidade, e ao oflirio, a qUe
se destinaS: seja e>ta di-pesa, em f||a de
taes Sociedades, suplida pelas Provincias ;
insliuaS-se os filhos des pobres na Meca-
nica, na Chimica applicada s Arles na
Agronoma, na Marinba, no Commer-
co, em ludo em *umma, que pode fun-
dir proveito Sociedade iuleira, o que
me pare'e mu justo, e consenlaneo ; mas
nunca deve a bolsa dos industriosos, nem
a do Publico concner para que se for-
memos tapates pobres, s porque a Na-
tureze briodou-oscom algum talento. E
nem d'aqui levanten! os meus desaffeicoa-
dosa poeir, de quo advogo, e favonoa
Aristocracia ; por que em toda a parte
deste nosso planeta, chamado a Terra a
riqueza sempre leve, tem, e ter vanta-
gens, e commodidades, que nao podem
parlilhar as outras classes : e fra disto lo-
go que o pobre pela sua industria, e pru-
dente eccouomia tornar-se abastado, o
rico, peder dipendt-r com seu filho ta-
lentoso, mandando-o para os estudos Ju-
rdicos.
Convenho, haja todo o rigor nos Exa-
mes Preparatorios, e hum dos meios, que
me parece azado para se conseguir este
fim he acautelarle o Governo de prover
d'ora em dianle as Cadeiras do Colegio
das Artes a Estudanles do Corso Jurdico
para que nao venha succeder, fazerem-se
uompadrescamente os Exames Paepara-
torios.
Como medida salutar para prevenir a
superabundancia de Bachareis formados,
aventurarei apuntar tambem a seguinte,
e vem a ser ; prolongar a formalura, exi-
gindo-se seis annos dYsiudos em vez de
sinco. As materias, quesa o objecto do
i.'e2* Anuos Jurdicos, naS se podem
aprender, nem encinar em la curio espa-
co de ten po. He manifest a olhos vistos,
que em dous annos nao se ensinaS, nem
aprendem sofrvemetate o Direilo Natural,
o Publico Universal, o Constitucional, o
d.<8 Gentes inclusive a Diplomacia, e o
Diieilo Publico Ecclesiagtico. Era pois
ronvinhavel em meu frtco entender, que
aj maleiias dos Estados Juridicos losem
legulddas, e distribuidas desta maneira
I.* Anno : Direilo Natural, e Publico U*
ni versal. 2.0 Anuo : i. Cadeira Direilo
Constitucional; a.1 Cadeira Direilo Pu-
blico Ecclesiastico. .3. Anno 1 Cadeia
Uiieito das Gentes inclusive a Diplomacia*
2/ Cadeia Ecconomia Polilira, 4.0 Au-
no i. Cadeira Direito Civil Patrio; 2/
Cadeira Direito Criminal. 5. Anno i.*
Cadeira Continuaca do Direito Civil Pa-
''io; 2. Cadeira Direito Commercial, e
Martimo. 6. Anno Processo Civil, e
Criminal.
i sempre desta passagem de Henrique de
S. SimaS (Callieclnsrae des industriis
pag. 353) : que o rgimen do terror foi
inventado em Franca pelos Legistas.
Nao vou de accordo corn a idea de se
(ormarem >ou deseeducarem rapazes pobres; que ti-
verem talentos; e muito menos .que essa
dispeza seja feila cusa das Provincias ;
por que nao atino com a rasa suficiente
Seria mister alcm disto, que nenhum
Bach-arel formado podesse por banca de
Advogado, ou oceupar emprego de Ju-
dicatura, sera que precisamente bouves-
s praticado por e-paqo de dous annos com
hum Advogado de crdito ; por que te
nho por desacord, que se permitta o
exercicio da Advogaca, e muito mais o
da Judicatura a mocos inexpertos, e que
apenas saem das escollas com huma lntu-
ra, ou leves noces de Jurisprudencia j
mocos, que pela insufficiencia ele seus co-
nhecimentos devem, ainda sendo dota-
dos das melhores intences, compromet-
iera a juslica. quer dos Clientes, quer dos
litigantes. Tudo requer hum tyrocinio;
e n he das cousas mais faceii o advogar,
ou julgar.
caso se preponlu seguir o Cuno Juii- para que a Carta de Bacharel deva. ser o
Ei-i, Srs. Redactores, as d"as, que me
occorrera, quando li o Gpramunicado, as
quaes tenho a honra de fazer publicas, pa-
ra ver, se os nossos Legisladores toma al-
gumas medida a respeito de hum mal,
que j est emminente, e que cumpre
quanto antes remover, sem que sej pie-
ciso fundir as Adcademias, dando tudo pa-
ra 1 C'Ue, e Alda para ss tiistes Provin*


.
V .
DIARIO DE
cas do Norte j sobejamente mal aquinho-
*wda. S -u &.
O Deputado Provincial Lopes Gama.
'Director interino do Curso Jurdico d'Old.
FUBLlCACA A PEDIDO.
A impunidadedeve cessar ; a tranquili-
dade publica deve descancar sobre bases
mus Ornes, e seguras. Por S. Ex. o Rev.
Hispo Feij, e se<>9 Ministros Limpo de
Abren, Alves Branco, Lima e Silva, e
Manoel doNascimeuto, na Proclamacio
aos Brazileiros.
INTERIOR,
As palavras mgicas da Proclamacio do
Snr. Bispo Begente ser o principal cui-
dado duG. a o.-ci.lh.i do Empregados P-
blicos; elle.vs rio apio veitados, onde quer
que se enconlrem, quaesquer que tenhio
Sido at agora aa suas opinies, e o partido
que tenhio seguido, e perteucido vio de
dia a dia sendo entendidos, conforme a in-
encio de quem asescreveo: veja-se a Lis-
ta dos chamados para assignar billetes de
papel moeda, que vai emitir o Snr. Mano-
el do Nascimento. Nao mo os Emp ega-
dos das Repartices extinctas ('|ue forio
exlinetas para 6e crear novas imitis, e
despendiosissimas, eque deviioser preen-
chidas com atiradoree de pedradas e dosor-
deiros condecidos) que se chamaiio para
aquella pexincba dos rdis por assiguatura,
nio, loi o .-ogro de um irmo do Ministro
da Guerra, que j desfructo um gordo or-
denado na Gasa do irinoc nte Imperador;
foi o Snr. Faustinocujo genro L>ma e[S-l-
?a he Secretario de Guerra, Vogal do
Conselho Supremo, eDeputado; tudo al-
cancado depois do 7 deAbiil ; he oSnr.
Machado deOIiveira, cajos procedimen-
tos no Para muito induiro para as desor-
dens de Malcber, por teiem aqui sido lou-
vadas ; bura tal Padre Geraldo, crea tu-
ra do Snr. Evaristo 4rc. hedesta mam-ira,
que se zumba com os higodeados Brasilei-
ros, teimando com huma contumacia a
mais impudente em converter as rendas do
Imperio em propriedade das crea turas das
chamadas notabilidades da Aloderaco : e
nio se con teolio com um proceder tio in-
justo, e ruinoso para a associacio brazilei-
ii, ainda achincal^o os crdulos, e de
boa fe dizendo-Ihe em Proclamaces, que
vio proceder de outra mam-ira : he a.-sim
que con em os tributos onerozos, que pa-
gio os oprimidos brasileiros, para as bol-
cas de urna niivem de voraces arpias, que
voio de todos os cantos do Impe io com os
papos vazios a encher-se nos cofres pbli-
cos: he por e.-sa rasio, que os de.-ordeiros
e rusguentos das Provincias encontrio mo-
tivos assaz plauziveispara pregar a sep.ua-
cio, porisso, que nio he deficil demons-
trar a medonba desorden) do G. e o des
.carado patronato, que seguidamente se ob-
serva rusta dos suores de toda a popula-
ci do Imperio Eainda o Correio 011 i-
cial ou o seu Redactor Conego Januario
, (que de novo foi chamado pelo Governo
do Sur. Feij) quer que a Assemblca Ge-
ral na futura sessio entregue ao Snr. Feij
.aquelles recursos necessarios, e grau de
forca conveniente ( Correio Offical de 11
deste mez) : hoje ninguem duvida que o
Governo do ex Imperador fui muito menos
oppressor, mais liberal (cai-nos a penna de
-vergonha! ) mais brasileiro me-smo do que
odesses Republicanos Moderados, quelhe
succedeiio ; eentretanto essa gente -stafa-
va-se, intrigava, menta torpemente, por
Ihe coarctaraauctoridade quea Constitu-
ci'J oulorgou a esne Principe; arrancaro-
Jhe aqoelles recurcos neces.-aros, egrau
de forca couveniente, em que nos falla o
Conego Januario de agora, rebellario o
liando, que cessem os odios, easrancoro-
sas reminiscencias de passado, be quando
a Admiiiistracio sem se apartar urna liaba
da sua vereda moderada, e parcial, remete
para o Para ao biigadelio Soares, com
Oficiaes de que o Governo du Permanente
tirilla odio (j dissemos e todos conhecem,
que o Coverno de enlio compe o actual,
e al com os mesmos individuos, e es^ravos
das ine.-mas influencias ) para serem sacri-
ficados; pois de outra maneira nao se poJe
explicar huma ial lembranca, vista do
espii ito do norte do Bi azil, e do que se es-
crrve por al ; e de que o Covrrno muita
noticia tera. Mas he a essa gente, que se
pertende armar de forca se ial lamidade
acontecer, se ainda a Assemhla Ger*l *on-
sentiremcrime, ver-sc-h.i oBrazil relalha
do, efumegandoem vingancis, e horrores.
D-se faculdade a e.-ses homens ranrorosos,
e odenlos de, por exemplo, nW Til"'09.
Costos Militares, Lugares de Magistratura,
fitas das Ordens militares, e as nutras prero-
gativas, de que eslava investido o Ex-lmne-
rador: Evaritsto, Paulo, Brhnza, Stur
nio, Mestre F lis. Padre Januario, Ra-
phael Pereira de Car val lio, Joo Pedro da
Veiga, oTravassos, Auieliano, o Cirurgi-
o Thom, Valladares, einais outros que
taes partidistas da ordem actula, com os
Tiiulos de Condee, Grio-Cruzes, e mais
recompensas, que s para o merecimento
secreou as Monarquas: ver-se-hia as ma-
is horrendas pretericoes na Armada, e Ex-
crcito &c. o resultado havia de sera reac-
gio mais cruenta : entretanto lie por esse
grau de forca que fazem votos os Modera-
dos. Dos aparte do Brazil tamaita osla*
midade Nos estamos vendo, que a Lei do
< )i(.amento, o Ministro da Marinha des-
pachou-.se a si, e ao desertor Taylor) que a
Lei, que serve |de Regiment a Regencia,
e a todas as de mais nio sio respetadas,
que he o raesmo que nada, que os Minis-
tros fazem quantas arbitrariedades Ihes dir-
tSo suas almas raalfazejas, oulhevem de-
terminadas da Omnipotencia, que re.-ide
na ra dos Barbnos, ou na liba de Paque-
ta : (uanto mais quando elles tiverem a
desculpa das Leis Dos, tende pie-
dade do roubado Brazil !
raujo...................
Joio Gomes de Souza........
Lourenco de Barros Vasconcel-
los.....................
Sevenno Corivia............
Padre Manuel Goncalves da Sil-
va ......................
Conego Manoel Feneira da As-
censo...................
Padre L>uacio Goncalves da Sil-
va.......................
Joo Oas Oariieiro d'Alhuquer-
que......................
Urbano Vieira de Vasconcellos
6&'too
6^000
6&000
6#000
6&000
5&000
5#ooo
5&000
5$ooo
Joze Carlos da Sil va.......... 5 Francisco Cavalcanli Albuquer-
que-"................... 5&4O0
Manoel Bicerra do Valle...... 5$000
4&320
4$000
4$000
4&000
4$ooo
4$ooo
t'f
(Do Con^equen.te.)
Jo/.e Marinho Falco.........
Joze de Seabra Andrade......
Joze Vas da Silva............
Joio Francisco Maucio de A ra-
ujo.....................
Diog Soares de Albuquerque..
Amaro Joze Lopes Coutinho...
Joio de Andrade Lima e Aze-
ved"0-'.................... 4^3aO
Joze da Costa Vedeiros....... 4S3aO
Joze Luiz IVreira........... 4^3aO
Joze Gomes da Cunlia Pedroza 4^320
Joo Goncalves da Silva...... 4$000
Manoel Barboza Camelo...... 4$000
Henrique Pereira de Mora.-s
Campilo................
Padre Luiz Ignacio de Andrade
Lima...................
J. V. M. C................ 2'ooo
Padre Francisco Goucalves Car-
n"ro................... 2^000
Joio Giialberto Bizerra de Mel-
Io...................... 2^)000
Somma Rs. 520^580
Joaqim Manoel Vieira de Mello.
Procurador da Sociedade Beneficente
em Nazareth.
?i /a 1T3 superiora ^tt nos-as forgas.
llura Peridico poltico, rujo fin tende
ao esci'arecimtnto da verdade a cerca da
conservace8 da seguranca publica, da or- ,
dem da tranquilidade,
da Imnestidade,
e da ii.e-ma felicidade,
deve conter firy qualidades taas, ^te| n>
S^*1 nos fallecem, esomenle sao reserva-
das aos sabios : mas, a idea <|ue nos in-
das a procurar o bero, e desviar o mal,
lie ta lisongeira aos liosios oaos, (quanto
lie, huminslindo cummum todos osa-
nimaes) que por mais que conbeca-mos a
verdade, no que acabamos de dizer, na5
loi pos-i ve I desviar o I3f* nosso pensamen-
to, de dar-mos Jtk a luz eate Peridico.
3^)000
2^880
O 7 de Abril.
Muita gente h, que lamenta.
e chora as consequencias desle dia: mas
be sem razaS.... Vatha nos Dos com
estes Doutores 1
Ego vocor ylntniu*.
(Olndigenan.0 !.)
Relaciod'aquelles Cidadios babitantes do
Termo da Villa de Nazareth, que ben-
ficamente subscrevero em favor das des-
granadas Familias do Para.
50$000
30&340
20^)000
Exercito, e o Sete de Abril appareceo, e
com elle oe escndalos, as preseguicSes aos
verdadeiros L beraes honrados de mistura
com os outros que se chama vio retrograde,
.Caramarus, Restauradores : toda a popu-
lacio se recordr desses actos' de niquidade,
edeingratidioa mais feia sendo Ministros
os Srs. Feij, e Manoel de Lima. E quan-
do tudo aconselha a reconciilacio, quan-
do a polilic se casa, coma justica^ delerm
Joaquim Martins daCunha Sot-
to Maior.................
Manoel Felisberto Marinho Fal-
cio.....................
Christuvio de Bocha Wanderlei
Joaquim da Co-ta Villar...... 20^000
Lourengo Velho de Mello..... 20$0()0
Joze Mtria de Barros Barreto.. 20$000
Joio Querino Rodrigues da Sil-
va..................... 20&000
Francisco Xavier Soares...... 16$000
Francisco Gomes de Araujo Li-
ma.......................
Antonio Xavier Carneiro daCu-
nha.....................
Manuel Joze de Ol\eir Millo..
Joaquim Francisco Cavalcanli.
Ignacio Joaquim de S. Anna ..
dernardino Candido da Cunha
Uiha..................
J. P. A. M...............
Antonio Manoel de Araujo. ...
Joio de Andr^d Lima........ 10^000
Joze Profiro Lobo de Andrade. 10$000
Amonio Luiz Dias.......... i0$000
\Uthias Goncalves Guerra J-
nior.....................
Christovio Goncalves Guerra..
Henrique Pereira de Moraes.. .
Ignacio Xavier Carneiro da Cu-
nha. \...................
Joze Cavalcanti d Albuquerque
Joze Antonio da Costa Azevedo
Padre Antonio Goncalves da
Silva.....................
Joaquim Manoel Vieira de Mel-
-*??:.............. 6&400
Felippe Coelho de Moura..... 6^00
Joaquim Joze d'Albuqueique
Maranhio............... 6&Q0O
FranciscoTuvartsPessoa de A-
16$000
12.)000
10^)000
10^)000
i0$000
10^000
i o2iooo
i o$ooo
o^jooo
iOjJJOOO
10^55000
8^500
ii^OOO
7^000
7^)000
I lust. Sr. Com esta i eceber V. S.
emprata, no valor d l$44o rs. o pata-
cio, a quantia de Rs. 5aeJJ-oo, produc-
to da subscripto, dequelui encarregado
a promover no Termo da Villa de Nazareth
da Mata em beneficio das c<>M>ternada.s fa-
milias do infeliz Para. V. S. queira dar-
Ihen o destino secundo as irishuces da
Sxi-dade Beneficente, e faxer sentir
mesma Soiiedade, que o de-empenho d'es-
sa honroza trela foi em grande pule de-
vido ao apoio, queeucontrei em os conspi-
cuos, e viituozos Patriotas d'aquelle Ter-
mo.
Dos Guarde a V. S. Rlismenle. Be-
cife29 de Marco de i836. Sr. Domin-
gos Aliono Neri Ferreira, Thesoureiio da
Sociedade Bem fcente. Joaquim Mano-
el Viera de Mt-llo.
Illust. Snr. Accuzo a recesso do
Oficio que V. S. acaba de dirigir-me, ao
qual acompauhou a quantia de 433^J)8oo
rs. em moeda de prata pelo valor porque
red liid.i as Estates Publicas, que ao
agio de -Jo p% pcefaz a quantia de 5ao,58o
rs. producto da Subscripcio por V. S. pro-
movida no Termo da Villa de Nazareth da
Malta a favor dasdesgracadas familias Pa-
raenses.
Deon Guarde a V. S. Thczouraria da
Provincia de Pernambuco a9 de Marco de
1856. Illust. Snr. Dr. Joaquim Manoel
Vieira de Mello, Juiz Municipal e Orlaos
da Villa de Nazareth da Malla. Domin-
gos Afl'uiico Nei i Ferreira.
THEATRO.
No dia j3 do correntc se representa a
bentficioda actriz Eufemia Alaria da Silv.
o seguinle expectaculo ; depois da Ove tu
rao Cerco do Badajoz, se representa
Peca As minas de Polon Seguindo-sa
depois a Cavatina Sou de Amor a Mene
sageira, e a Aria past dando fin oExpectaiu'o com a nova Tarca
que tem por tituloU noivo em mangas
de camisa.
ANNUNCIOS.
Sihio a luz o a.0 N. do Semanaiio Ci-
vil, conlendo artigo. muito interessantes,
os que desejarem ouv-lo vendeme avul-
oana naca da Uno n. 37 e 38, tambem
se assigna mensalmente a 640 rs, ; e no Be-
cife, ra da Cruz, loja do Snr. Jeronymo
Luiz da Costase vendero avjJ nar tambem. A falta de suficientes as-
siju.inie- he quem tem retardado a apari-
co dista follu regularm nte,
99 Hoje s.ihio a cjninta remessa do
esquita Jnior. Vndese nos lugares
pelo pieco do costume.
VAKIEDADE PROVINCIANA.
Libertas, decus, ... (mais Indgena) Li-
beitas, ho/ios que, el nima noitra, in
labio sunt. A nossa liberdade, honra,
e vida estaS ero perigo.
Dai arcada lium o que he seo.
le lium axioma muito antigo:
que, a justica deve principiar por caza.
A tarefa a que nos impomos -% na re-
dajaS do presente Peridico, be sem du- I a casa pegada ao btcodu lufecuo D. 1.
AVIZOS PARTICULARES.
Faz scienlp ao respeitavel publico Alaria
Anglica do Sirramento Santo-, que nin-
guem compre, hyputequp, ou faca a'gum
outro contracto com Joze Joaquim da Cos-
ta, ou Joze G ma mudar de rime) cazado com sua sogra
Gertrudes Alaria do Sacramento, sobre
rez moradas de cas.'S terreas, sitas no
I! un o d S A'itonio, urna no lugar do pa-
teo da Penha contigua ao sobrado de Jo-
Joaquim do Espirito Sonto, outra na ra
do Baugelquetem um nixi, e outra por
detraz desla aa ra da praia, assim mais os
escravos, Antonio da costa, A nlonio novo,
e Engracia, pois que lodo o tracto que com
elle se fis.-r por din lo nullo, e de ne-
nhum eTeito avista da Ord. Liv. 4." Til.
i 03, a qual determina que as mulheres
viuvas que casio de 50 anuos, tendo des-
cendentes, nao po.< guin em sua vida, wm ao tempo de sua
moi te as duas partes dos seus beus. E co-
mo consta a annunciante que o dito mari-
do de sua sogra a pouco chegado do Rio
de Janeiro para onde fora mandado preso,
pertende vender ou faser outro algum trac-
to dolosamente em pi ejuiso de seo fxllio Jo-
ze Marinho Pereira dos Santos erdeirone-
cessario da referida sua sogra, previne por
esta forma ao publico, afm de evitar so-
mente questoens que pura o futuro posso
occorrer.
%-^~ Quem precisar de urna crila ca-
paz, com boas abilidades, e ja de maior i-
dade, para ama de urna cM. por preco
commodo, dirija-sea ra do Nixo doNuia
buscando para a ra de Alanuel Coco em


DIARIO DE PERNAMBUCO.
Quem precisar d'um rapar Brasi-
Jeiro para pagem, ou criado d'alguraa ca-
za, emeroopara servir em algunia pada-
*Via, dando fiddor a sua conducta: annon-
c.e por esta folha.
yy Um rapat que tem estudado Latim,
Francei, Rethorica, c Filosophia, das quaes
tein sua9 certiddes de exame, se propoem
a ensignar para fora desta praca em qual-
quer lagar, o quar'se preciso for dar 6a-
dor a sua conducta, e.nio sensinar as
quatro facilidades, como tambem ensillar
prinjeras letras, e Miuica : a pessoa que se
quiser utilisar doseu pequeo presumo,
- anriuncie por esta folhu para ser procura-
da.
yy A pessoa que annuncin querer
comprar uui atlas pode dirigir-se a ra
Jova D. 5 e 6, onde achara um em gran-
de formato novo e do auno de 1835.
yy Os credores do defunto Augusto
Jeamnairesio convidados de mandar rece-
J>er os importes das suas contas nos das 15,
14, e 15 do corrente raez das oito horas
para o meio da na casa do Testamenleiro,
T;ia da Cruz n. 60.
yy Precisa-se de um feitor capar para
um s.tip na ponte de Uxa : a fallar cora
Ordeiro Leite no mesmo sitio, ou comCa-
pibmbe, naprenca d'algodio no Forte do
Mallos.
yy Offerece-se um rapaz paia loja de
miuile.-as, oqual tem bem aceio no trata-
rnento da mesma, e d fiador da sua con-
ducta ; anriuncie,, ou dirija-se a i ja de
miudesasao p do Sur. Bandeira, luado
C-bug.
yy Quem precisar de uira ama capaz
e Gel para o servico de urna casa, dirija-se
no pateo de S. Pedro do lado da ra das A-
guas verdes D. 8.
yy Na ru Nova, casa D. 26 segundo
andar', precisa se de una mulher, que
saiba cosinhar, e de urna preta, ou preio
que saiba faser o servico ordinario de urna
casa..;
yy Quem tiver para alugar urna es-
crava, que saiba faser o servico ordiuario
d'uma ciia ; annuiicie por esta folha.
yy Precisa-se de urna casa terrea, que
nao exceda de 7 a 8$ reis, e quetenha al-
guns commodrs, e nao seja em m<> lugar
* no Bairrode Snio Antonio, ou da Boa-
vista :. quem a tiver anriuncie.
yy Quem precisar de um caixeirn Bra-
Mro para qualquer negocio, dirij* se a
ra das 5 Puntas D. 36.
yy A Senhora Umbelina Rosa, que
se mudou da ra do Rosario, quena por
este Diaiio, declarar sua inorada. pfs se
llie desja Tal lar.
yf Precisa-se fallar cora o Sor. Joze
'joaquim deSauta Anna para se Ihe entre-
nar urna carta, e igualmente urna enco-
menda vinda de Macelo, queira dirigir-se
ao atierro dos Afogados sobrado do Lima
dt fronte do vivtiro.
yy Quem precisar de urna ama para
traciar de urna casa, a qual cosinha, engo-
ma, cose, e faz iodo o inais servico de u-
macasa, e da fiadora sua conducta, sen-
do para casa de homem solteiro ; dirija-se
a praca da Independencia loja a. ia.
, yy Quera precisar de ura rapas Bra-
sileiro p^ra caixeiro de qualquer casa de
roramercioou loja cora idade de 18 anuos
dando fiador a sua conducta, dirija-ae a
ca.-a de J. S. Perelte, pjleodaSmta Cruz,
que dir quem se propoem paiaeste fin,
yy Precisa-se de urna pessoa que sai-
ba trahalharui padaria, forra, ou cativa ;
na ra Direila padaria D. f\l.
Dois negros mogos, propuos para
ca regar cedeira, e nao se olhar dar me-
lhor preco agradando : na ra do Crespo
loja D. i?., ou arinuncie por esta folha.
yy Tr*z milheiros de tijollo de ace-
naria batida : na ra Nova D. 5 e 6.
LEILO.
Bento Joze Aires faz le lio por ronta d
quem pertencer, do casco do Brigue Es-
peculador, rom irastros reaes. gurups,
amarra de ferro, bombas, e 3 ferros, em
lotes; boje Terca feira 12 do corrente
na Praca do commercio, os 10 horas.
VENDAS.
NAVIOS A CARGA.
Para Lisbo-
O Brigue Poitugues Africano pretende
sair no uia 30 do corrente: qnem nelle
quiser carregar, ou ir de passagem procu-
re a<> Capitona Praca, ou ao seu consig-
natario.
COMPRAS.
Urna abra de Larraga Ilustrada pe'o
portuense, eu Grusim : quera a tiver an-
nuicie por ete Diario.
Urna negra de naci Benguella, cosinha
boro, lava b-m de varrella, e engoma sof-
frivel, muito acetada, delante, e nao
tom vicies: na ra dosQuaiteis sobrado
do 3 andares junto ao Quartel da Polica,
yy Duas negrinlias de 12 a 13 annos
cada urna, com principio de coser, ecosi-
nhar : na ra do Gollegio segundo andar
da casa do Sur. Tenente Coionel Manuel
Cavacan'e.
yy Sei travs de palmo em quadro,
de 44 palmos, de camassari d'carenexo :
na loja ao p da Botica de Joo Pereira na
ra do Rosario.
yy Cebo a i$600, bolaxinha doce,
dita ingleza, fisjos em seiras, caita! de pa-
cas, paios de Lisboa, presuntos, cha em cai
xilinas, letiia, bafnade aseitonas, barricas
de bacalbu, saccas de arroz puado, bala-
tas, chocolate, ervilha, ameixas, saccas de
feijio molatinho, todo chegado prxima-
mente e por preco commodo : na ra dos
Qnartei.i D. 2.
yy Urna mulata de 20 a 22 annos,
boa engomadeira, cosinheira, lavadeir,
e cos;nhrira ti.do com perfeico, e a vista
do comprador se dir o motivo porque se
vende : na ra do Nogueira sobrado D. 6.
fcy Folhinhas de porta em porces a
80 r- is cada urna : na ria Nova D. 5 e 5.
$ry Urna escrava crila para o servico
do campo : no armasem de carne ao p do
arco da Conceicio de Joaquira Jos Rufi-
no.
yy Para fora da Cidade urna crila de
a3a2anos, cosinha o diario de urna
casa, engoma liso, ensalioa, lava de vai re-
la, de bonita figura, e muito p principio do atterro dos ACfogados quarta
casa do Conha.
yy Um cavallo pequeo p'oprio para
menino com os seus penences, selim e
freio, ludo em hmn uso: na ra de S.
Goncallo ao p da lgreja D. 34.
yy Urna poiQio de esleirs de perperi,
muito grandes, e boas, e cebo em pies :
no armasem de Joaquim da Silva (Stlles na
piaia docollegio por baix.0 das ca-as do Sr.
Manoel de Carvalh>.
yy Um m deque de i3 annos de ida-
de : em casa de Elias bapliald da Silva, na
ra da Cruz.
yy Xjiope de ponai de espargon,
preparado pelo procego de Mr. Chevallier,
prximamente chegido de Libia, assim
como tod.ij qualidade de simentes do Or-
talice, l >bem chegada prxima roen t<\ to-
do por prego commodo : na Praca da Boa-
vi-iia Botica D. 16.
yy Deis eavallos sendo um bom car-
regador haixo, e ou tro e-qupad'>r, am'>os
por preco com nm ido : na ines.ua Botica
ac mi.
yy Um bom sortimentn de canoas
vindo das A'agoas : na praia do. col'e^io,
ou ni B (tica Francesa na ra dos Quaiteis
D. 3.
yy Gordas pira vio'o: na Gidade
de O'inda loja da ra do Coto.
yy 100 palmos de trra no atterro dos
Affogados, de propriedade, lado da man?
pejueua, fundos at a biixa mar de Cipi-
baribe, que fico confronte ao Coell.o: na
ra Ir-s Aguas ser des sobrado ao.
yy Urna cabra muito leiteira, e man-
ca, propria pira criar urna crianca : no
aterro da Boa-vista, D. 31.
yy ptimos licores de divercas quali-
dades a aoors. agarrafa, e mais emeonta
tomando grande poico : na ra da Roda,
D. i5.
fcy Urna negra de 18 annos, urna mo-
lata de a6 e um lilbo de 6 annos, com boas
habelidades: na ra do Fogo, D. H-
yy Um moleque de 16 annos, que sa-
be cozinhar, e faser o mais arranjo de ca-
za : na mesma caza cima.
yy Una venda com poucos fundos,
na ra do Rozario estreila, D. 20 : na mes-
ma.
yy Um cavallo com sufriris andares,
por preco inuLcomodo : na ra do Crespo
luje D. ia.
yy Um negro mosso, que cosinha
mui bem o diaiio d'uma caza, emassasde
todas asquadades : na ra do Queimado,
caza amarella.
yy Cadeiras d'arruar de muito ;l)om
gosto, ltimamente chegadas da Babia :
na mesro caza cima.
yjt Urna escrava mossa, que sabe co-
zinhar, en>aboar, e vender na ra, coiU
2 filhos, um de 8 annos, eoutro de 9 me-
zes : ha ruad'Aurora, terreira csza tenia
indo da ponte ; ou na ra Nova, aima-
zem de louca fina, D. 12.
yy Uma escrava crila, m-ssa, sem
hahelidades : na ra das Cruzes, 1." andar
do so'irado D. i3.
yy a mulatos propris para qualquer
officio : na pracinha do Livramento, loje
D. 19.
yy Um cavallo pieto bom carregador :
na mesma loje.
jlju Duas cazas tenias citas (uma) na
ra da Conceicio, lado doSul,
Ji 9L D. 44. e (oulra) na ra de S. Jo-
ze, lado da Igreja, D. lo : no Aterro da
Boa-vi-ta, loja do sobrado D. 59.
yy A parle d'um engenho na ribeira
deUnna, com boas tenas ; e tohein se
troca por algum predio n'esla praca: n
ra Direila D. 21.
yy Uma cania de cazado d'angico cora
os seos competentes cortinados de cassa,
um berco deangico tiobem com seus cor-
tinados e muito pouco uzo, um espelho
grande, 4 quadros desala, eselins nza-
ttos tanto de homem como de mulher : na
ra do Hospicio, caza junto ao lampi-
de colete, um de franckn verde. /'I
ao.
Uma negra de 17 annos, engoma
perfeitamente, cosinha bem, coze chao, e
lava hem : na rua Diieita, i. andar do so-
brado lo beco do Scrigado.
*f^ Um sitio no lugar denominado
Meloeni em o suburbio d'Olinda, Fregue-
zia de M.iranguape, com grandes terrenos,
bastantes fructehas, varze p*ra capim, e
tem um bi agod'agoa christalma do rio Pa-
ratihe: fallar com o seu Prop ietario,
Francisco da Costa Mai tiris.
yy a Selins promptos e arreiados, e
1 sella, ludo em bom uzo: no pateo da
S.Cruz, venda que confronta com algieja
e faz esquina para a rua do Rozario.
yy 1 Marquesa moderna decondur,
1 meta d'amarello com abas para jant^r,
x garrafas hraucas dequarlilho, 1 laxo de
cobre de ao aa libras, 1 bacia d'arame
de 12 libras, eoAlmocreve de Petas em
5 volumes : na mesma venda cima.
$3- Folinhas de porta, de Al-
gibeira, e de Padre, para o pre-
sente auno de 1836, por prec,o
commodo, na Praca da Indepen-
dencia, loja- de Livros N. '37 e
38, e na rua da Madre de Dos
venca que foi do Rezende.
cortes -------------, ------y.
outro de sarja lisa, e o oulro de sarja de
flores, uma calsa de pao fino pardo, va-
rios vestidos de Senhora, duas botuadu-
ras de ouro, um alfinete de peito, e alguns
aneis um par de sapatos de duraque asul,
e 13 pataces : a quem for offerecido qual-
quer das referidas pecas, teme e entregue
a Francisco Jos das Chagas, na rua do
Padre Floriano D. 6, que gratificar com
generosamente, e ao mesmo lempo protes-
ta usar com todo rigor da Lei contra quera
ooculta o dito furto.
PFKDAS.
Perdi se uma pulceira contas Francesas de ouro : quem a acliou
podeentiegar a Manuel Bizcna Cavalcan-
te de Albuquerque no paleo do Terco D.
i3, que se dar as alvicaras correspoden-
tes ao traste, e se mostrar a outra irma.
FURTO.
No dia to do corrente'entregou-se a um
preto g-tnfudor um bal pequeo, e este
desapareceo como mesmo bal, levando
dentro o segrate: ura corte de caraca, i
ESCRAVOS FGIDOS.
Joze, cri'o falto-lbe trez dentes na
frente do queixo superior, alto, seco do
rorpo, olhos meios affuqdados, e vesgo do
esquerdo, falla muito descancada, e os pez
alguma coua enxados ; fgido no dia 6
Marco p. p.; este escravo foi visto na rua
do Rangel poucos dias, e consta que an-
da em Sinlo Amarinho de Agua-fria : os
api ehendedores o podero lev. r rua No-
va D. 5 e 6 defronte de oitirtda Matriz,
onde recebeao 25$ reis degratificacio.
yy Joaquim, mulato, ruivo e gordo,
tem o braco dirtito mais curto do que o
esquerdo, tem as peinas aiquiadas para a
parte de dentro ; fgido ha oito dias do
Barros, onde pastorava seisquartos que
levou consigo, dois dos quaes, que sio os
mais ordos tem uma marca de um A com
um B ambas letras juntas, os trez mais
magros tem a marca que se asseroellia a ura
cinco deitado, e mais uma poldra alazn
sem marca alguma, este mulato levou ves-
tido camisa e calsa de riscado, e cos uma
a intitular-se por forro qnando anda fgi-
do, Sertanejo: qui n o pegar leve-o a
1 ua Nova D. 5 e 6, onde ser generosamen-
te recompensado.
yy No dia 19 de Marco fugio um es-
cravo de nomePiobrto crilo beju fallante,
mediana estatura, seco docorpo, tem fal-
ta de dois dente na frente,, cujo escravo
lem sido encentrado na Praia do Jang ese
supSe estar la : qualquer Capitio de cam-
po, ou outra qualquer pessoa poder pga-
lo e levar ao .eo s-nhor no principio da
rua Direita sobrado D. 3, que ser bem re-
compensado.
)iry llum negro, crilo, idade de ao
anuos, estatura ordinaria, rosto cumpridu,
tem falta de alguns denle*, e bem conhe-
cido por uma sicatriz de uma fstula que
leve na cara do lado esquerdo ; este e -
cravo cosinheiro e foi pouco comprado
Manoel Francisco Alvesda Silva, chama-
se Silvestre : quem n pegar e levar seu
seuh.ir Luiz Gomes Ferreira rio YJondego,
alera do a< h ido receber mais 20$ reis de
gratifii-ac".
Taboas das mares cheias no Pono de
Pernambuco
26Segunda i -
25 -T:>
3a7-Q:-^ -
* 28 -Q:- -
-
o
29 -S:-----
2 O:
Oh. 5 i m
i42 .
a 30 a
3 i8 1.
4 6
5-i8
6- 6
1 Manh
NOTICIAS MARTIMAS.
Navio entrado no dia ti.
RIO DE JANEIRO; 28 dias? B. Mr-
quez, Cap. AaloiiioGregorioda Silva Pas-
tna : varios gneros : G. A. de Barros.
Ton. i59.
Sahtdos no mamo dia.
NEW-YORCK; B. Amr. Deglil, Cap.
John l. Slong : varios gneros.
Obsetvaces.
Fez-sede vella do Lameirao uma Bali-
eira Americana.
rB>. NA TlP. DO DIARIO. l836.
^M


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOW96V2SG_V91XU0 INGEST_TIME 2013-03-27T15:12:59Z PACKAGE AA00011611_01793
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES