Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:01584


This item is only available as the following downloads:


Full Text
i7


i
i.





O DE PERNAMBUCO

i

dalPi-agroi
Stt)iffine*ft e rn;nsalieiite a fiWrs. abantados, na Tipografa do Diario, rna da Sofcdadc X. D 498; e na leja de Hvros
aiao V. 37 c$i; onde se recebem correspondenias, e anuncios; entes irwrem- jjratis sendo dos proprio* acunante* comente e rin-
do asonado. Os anuncios, que nSo forem dos assignantes devera alela a de mai* condides, pagar $>r cada linha impressa 40 r.
-
Quinta feira S- C/tnuto ud. do Juiz dos Feitos de m-, e do Vig-
Geral de t- -P. fc 5h. e 18 m-da t-
Sexta (Vira S- Srbastiio *ud. do Juiz dop Feitos, "Our. da C.
de m., do Juiz de Fora det., c Junta da !'.- P-s fi h. e fi m- da L
~
Tudo agora depende de n#s meamos, da nossa prudencia, nio-
deracao, e enerara; continuemos cont principiamos e seremos a-
pontdos com admiracito entre as N;icoes mais cultas."
Proclamafio da Assemblem Geral do Brazil.
%mptt&p fcr &emambuco por flttttttrio %o$t De a&tranna tfalco.
-

-*MM$9&
ab^O.
\_/S anuncios, e correspondencias para
o Diario recebem-se em S.- Antonio agora
somente na loja de Livros da Praca da U-
niao, onde tambem poderao as'pessoas que
d^zejarem fallar ao Editor do Diario, diri*
gir-se das 8 as 10 horas da man ha.
Core#pott&eiTea& J
KyNii. Editor J agora e ck> meo de ver
sustentar a polmica incetada pin o |>o
de Olinda, se bem que nao foffiose-
dactor, que me dirig na minha primeira,
inserta do seo N. 28.3. Se o Senhor fe-
dactor do Eco entende, fme o Padre F&i"
j teto commetlido actos extravagantes, eu
estou fora de o pensar: tem feichado os o
Ihos algunias vezes tetra da Constituico;
mas tem sido sempre para salvar o Brasil;
porque elle tem bastante animo para enca-
rar urna aecusacao, e sofrer ainda urna pe-
na, que a ingratido lhe quisesse impor,
pelo troco da gloria de haver servido Pa-
tria. Tem sim o Padre Fcij* infringido a
Constituico haquella parte, que abrigan-1
do os anarchistas, desmorona va as cautellas
legaes do Governo. Nao obstante isto con-
venho em que necessario obstar os seos
voos; porque pode acostumar-se a infrin-
gir a Lci fundamental e passar dos anar-
chista aos nao anarchistas, o que alia* nao '
fez anda.
Porque o Padre Feij expede Portaras
s diversas Estacoes Judiciaes, nao se se-
gu, como quer o Senhor Redactor, que
ssa iftffir todas as Estaques; por
o Poder Judiciario seja
elle o po
que con qu
pela Constituico ndependeutej todos sa-
bem, que os Magistrados estao de alguma
fonwa sugeitos ao Ministro da Justica, o
que naosuccede a respeito dos Empregados
do Correjn: se el! saceedessem as Portar-
as daquele Ministro, Heran too criminosos
como elle ; mas o certo que uso lias car-
tas abortas no Corriro urna i:; p*ffco
muito vaga, e eu na minha- primeira carta
ja aeguei razues, que o Sftr. Redactor E'co nao contestou.
Quato as eleicues dos 'Offieiaes das
Guardas Nacionaes e tumulto das Munici-
paes. o que se imputa ao Ministro e intei-
ramente fondado navontade de quero o luz:
o Senhor Redactor do Eco julga-o capaz
disso, e eu nao, como a vontade do Sur.
Redactor liyre* a minha o e tenlio por
mima razao jleque quem arrasta todos os
perigos por manter a ordem,4^*) crivel,
que promova os tumultos e a efesordem, e o
Padre Feij, que nao precisa de Portugue-
zes jamis concorreria para que elles em*
polgassem os lugares, onde ha Brasileiros
dignos. Assim mesmo quando eu^vlr a lis-
ta desses Portuguezes, entao me con vence-
r! da existencia do facto, da qual ai-jda
duvido muito; sem que com tudo me per-
suada da inculcada ingerencia do Padre
Feij as eleicoes.
Resta-me responder ao Senhor Redactor,
que me pergunta, si uin Ministro, que se
abalanca a infringir a Constituico duvida-
ra conservar cspiOes, commetter perfidias,
entreter traicoes.... Entendo, que um
Ministro inimigo da Liberdade, avesso a
um comportamento Constitucional, malva-
do, e habituado a commetter actos: ""violen-
tos e indignos, estara neste cazo; mu*
r-'
I
D .
A


t* u
i


TT
111 hm
o.. es& *> Padre Fdj: m si elt tem
:jfo a Cj'stilii^aOj/rmO1 J&ot odio
tfte fciberdade, o o seo toiiporta-
le tantos atmos nao deifca lagar a
(fim boa f) qufl elle seja capaz
perversidades. Si algihia con Ran-
ea Se pode ter nos ^omens, o Padre' Feij*
tem. certamente direitcv^fis^eos compatri*
otas.
Declaro ao Setihr Redactor, que nao
sou Depirtado, nem ttfmbem amigo do.Pa-
dre Feij, e sirva est inesma decJara^ao
para u meo Patricio o Senhor Francisco
Antonio Pereira dos Santos, a quem alias
prezo nao obstante as suas exalta9oes, que
eu sei desculpar. Declaro tambem ao Sr.
Redactor da Bussola, que nao quero illu-
dir a ninguem, e qfie aptezar da acrlfrtOrtia,
que respira muitas vezes nos seos escrptos,
eU sustentara com elle a polmica, seui fa-
llir da mitfha flettma. .
Pela pirblicacao destas linhas flear ao
Snr. Editor muifo obrigado o
PrmamhucWt.
Si
.
.
Nn. Editor S a *pre$sao nao fes*
se hum pouco chula, eu Ih <$iria agite,
que qem pari jAathtos qile o embale;
porqu eu nao posso carrejar corn as ma
selas mmhas e dos outros. Htfm di des*
tes estando eu de visita em sua casa, per-*
guutou-ihe Vm. se eu havia lido huma
Correspondencia, que em o N. 28& do Seo
Diario vinha em resposta outrft, que em
o N. 12 do Eco de CMinda vinha a fespei-
to de Cartas,jgtie no Correio se a abriro
depois do P. t eijo, e a respito de outras
coizas, que disia-o para mim suspeito au*
tor daquella Carta vinda di que do Rio de
Janeiro, e me dice Vm. que a tal Corres-
pondencia^do Diario me era atribuida; Co-
mo Vm. maisj que ninguem sabia, quem
era o Autor, nao foi necessario muito tra-
bado para o persuadir de que o era u,
e nisto ficamos. Vai se nio quando ap-
parece em o subsequente N. do Eco de O-
linda hum Artigo do Redactor m contes-
lcao Correspondencia do *** Pernambu-
cano e nelle a seguirte expressao Ora
hem este foi o ponto em tado 'Pernambucano defendi mais
Exjh. Snr. Feij fc.rc. Sfk
Vistos os precedentes, Snr. Editor, to-
mei logi> a carapuea, que assim como
quem Hf quer a coiza> me cortou o Snr. I
ItVt
Eco de OUnda. Ora eu itWF bem, era
que grao de respeitabiliddfthe Vm. tido. ,
por aquefte Redactor; imo sm se Vm. va- 7
le para fte tanto, como a pessoa respei-
tavel que escreyeo a Carta do Rio
ou ao menos como o que a elle dfce, que
leu era o Pernambucano: o certo he que
lassim vai tudo, e assim he tal vez a aber-
/tura das Cartas no Correio depois do P.
Feij. Seja porem' o qu tor; Vm. Snr.
Editor, s dicar ao Redactor do Eco de
Otinda, queeuTrao^ou o Pernambucano
daquella Correspondencia do seo Diario N.
283, obrigar mufo a este seo amigo, que
tambem he hum
Deputado Pernambucano
V. H. de Rezende.
N.
O
, Os temos dito a todos quantosem os-
sa presenca tem aventurado, que o ?ln>.
Snr. Resend o auctor da corresponden
oia em questao, que nao so naO est assi
gnada por este Snr., como que sabemos,
por quem foi feita, o que podemos asseve-
rar, sem. uzarmos dos subterfugios, com
que algumas veses se cpsrumS'O encapar es-
tas couzas; %
O Editor.
idimi ni,
Pede-sellos apublicaqao do seguinte.
Endo mui notorio, e at prejudicial
administracao da JUstica, o abuzo com
e demorao os utos nos Caftorios sem
se seguirem os termos, e qiterendo obviar
sse abuzo, determino aos Escrivaes deste
Juizo da Ouvidoria Geral do Crime, qu
nao demorem nos Cartorios os autos mais
de vinte e quatro horas sem seguirem logo
os termos, e fazendo o contrario sofrerao a
penai da Lei: o Escrivao Gadino intimar
esta ao Escrivao RbeMo edepois de .passa-
da a certido, m seta entregue. Recife
*7 de Janeiro de 1832.
Suvza.
ANNUNCO.
.
p
El a Intendenoia da Marinha se faz
publico que^ em hasta Publica se h*de ar-
rematar o aparelho do Brigue Bom-fini *
veame, assim como huma porcao de ano-
ba de cobre velfo, do forro do Paquete A-
tlante, e igualmente urna porcao de Quin-
taes ^le cabo velho, e ferry. vlho. em an-
coras e pe^as de ArtilheriaTelcstos da Fer^
^J



Wt

I
u
~
/
raria. QuTUTjler j>esoa que convier, com
s pareca nos df^ 24, 25, e 26 do corren te
"*Vnez. Intendencia da Mara em 19 de Ja-
neiro de 1832.
Por Ordem do Sur.% Intendente Joao
Goncalves Rodrigues Franca Escrivao da
Intendencia.
S3t?o0 Do Correto.
!
O Brigue Portuguez Ffor de Beires, i
te tjue Cipitao Jozc Mara Cardozo,
recebe a mala para o Porto no dia 29 do
crlente.
3- O Corrio Terrestre de S. Antao
deve partir hoje ao meio dia.
5abto. a Carga,
Pvha*Maceio\

A Sumaca Grogue Americana;
quttb nella quizer carregar dinja-se abor-
do da dita defronte do Trapiche da Alian-
dega nova, oii a Gaspar Joze dos Reis,
em Fora de Portas.

* B

aenuag.
\

Ixas- vindas proximamenfe^do^Porto,
boa qualidade, e por preco (forruSo : ma -
Roa vista ra do Aragao, venda deoarapa
D. 4. F
&3' Um cvalo meo com algunias \fi&
Mas anata cadas, sem achaques, com urna
muda iiha por fazer, e carregador \ iur-
ta paco: na Praca da Boa-vista sobrado
N. 115.
3- O sitio denominado Rio Tapado, a-
diante da Cidade de Olinda meia legoa,
eom lugar de btber agoa, pescas, e pes-
queira, com 80 pes de coqueiros, lenha,
trras de plantar, seftl caza, e foreir a
('amara da Cidade de Olinda : no Recifc*
beooda Lingoeta sobrado N. 3.
jr" Urna negra de 18 a 20 annos, com
principio de ooaiViha, e lava de sabo: na
Boa vista ra do Aragao D. 18.
{& Urna cama de condur de arma^ao,
e um gratule coxe pira banuo: na ra do
fiivramento U. 2,0.
3" Urna dtizia de cadeiras, um canap,
e.3 banquinhas de sala, tuTdo de Jacaranda,
de bom gosto, e por preco cmodo: no so-
brado de um-par defronte da Matrjz de j
&. Antonio, i
fcf^Prata ve% por preco cmodo, u- .
ma Arara muitTrlpansa, e 2 Ppagaios fk- .
kkJores: na ra da Cruz junto da cacimba
N. 14, % o ndar# .
G^ Carrinhos de mao: na ra 71a (IkijS *
em caza de Matheu? & Forster, lSar
com J. Carroll. *
(?* Pipas eJjasrj^de vinho Fonceca, e
barris de 5 e 7eni;pipa de alto PRR : na
ra da Cruz, em caza de Joaquim Joze x
Amorim.
&3* Urna negra crila, de 28 anuos, la-
vadeira, e ozmheira; na Soledad* N. 1,
D. 494, do lado do sol;
G^ Urna preta crila, de 26 a 28 an-
nos, sabe engomar betn, cozer, bordar de
ouro, e prata, faz toda a quafidade de bo-
linhos, de doce, e eozinha beni: na roa-do
Colegio D. 8, 1. andar.
$3* CM uxim, vinho do Porto de 6 anT
nos, e um mUeque-cozinheiro: na ra do
Rozarb p. 1.


\
1 Compris.
tOEts vaca de leite ; quera as tver aunn-
ce.
I
ce.
-
ij> Urna scraVa de 10 a 20 annos de
idade: anecie.
(3\ Breviarios em bom uza Magnum
lexicn: i na ra do LivrameMo D. 23,
2. andal.
t^ Um ctstvo bom canei'ro: anuii-
T
jiWWB J Ml|| *,,
t-attugueuf/sf
A. ?
Luga-se o3. anjlar com sotao, bons
cmodas fpma. -grande 4aua no Aterro
da Boa-vista par ciaia. 4a i^- d&azendas
D. 14 ; Ta mefrna fcje. %naljjypn1e se a-
luga a'Htf pao-a? a armafiSto^oni um
resto d? feseiWfts, otr-sem 'e41a. -*
p

|MMi
i .+
EitfwaAO-ae dois billietes finnados por
Manoiel Caadozo da Fonaeea os quaes se
perderao desde a ra da Cadeia at o firn
da Ponte do Recife; qual quer pessQk que
es tiver achado os peder levar a caza de
Gaspar de Menezes Vasconcellos de Dru-
mnd d que receber hum bom p^etnro.
.......
4


T
Pessoa que a lempos anuncou pelo
, querer comprar urna caza lerna em
h-o-de S. Antonio .sendo que anida
nz declare a sua morada.
(t^Manoel Joae dosSantos, e Joaquina
Ribeim do Nascinfentojorecizao- dar urna
Kb para tora da H#8$a a tratar de
of negaos; e para cimpnrem com as
ordens fazem este anuncio.
(t- Quem percizar deum caixeiroTra-
zileiro para loje; dirija-se. a ra do Livra-
ment venda U. 13. -
M- Ignacio Francisco Gomes Jardnri,
Pintor, que exista na Praca. da Una;
feente ao Respeitevel Publico que ten.
presentemente a sua caza abena, na na
aTcadeia velha N. 14 .1. andar cu,o
tem na varanda o emblema de sua arte: e
bom te tas convidar a todos aqueles Snrs.
de conbecimentos que se_dignem coadju-
vallo com as suas benignidades, ep;roteeues
para o adiantamento do mesmo; que pro-
testa com exaco, contentar a todos;
63- A pessoa que tiver urna negra para
alujar que^entenda de copiaba, e de costu-
ran anuncie a sua morada.
b- A pessoa que anuncou querer du-
zentosmilreisajuros, sobm hipoteca em
urna caza; dirija-se a ra do Crespo N.
12, 2. andar.
' tf O abaixo assignado faz sciente a
iodos os Snrs., com quem tenha do tran-
zacoens, que lhe aprezentem suas contes
dentro em 3 dias, para serem inmediata-
mente pago^ c^rigno Lu.z ^ paz


i

mmDIENTE da ALBEGA.
Eml7 de Janeiro dd082. <;j^*V
TI *
JJRigub Inglez Mary, vindo de Liver-
pool em lastro. ^
- Brigue Inglez S. Jaw*, vmdo de
.Liverpool
43 Fardos)Fa2ffindag -
37 Caixas)
20 Barris com batatas
30 Tonelladas de carvo de pedra
320 Barris com mantiga
21 Volumes.com vidros
248 Barras de ferro
145 Embrulhos)F raffem
13 Barricas ) .*
8 Ditas com pregos
19 Pina cam azeite doce
4 Voumes com ura carrinho
200 Gigos com batatas
12 Caixasde cobre
12 Taixas de ferro
20 Barricas com assucar
21 Carrinbosde mao
1 Aparador
1 Caixa com urna bolla de cobre
I Carro
1* Embramo de paz de ferro
1 Folis
22 Volums com trastes de caza.
i

. -


]\_Lanoel, deidade de 18 annos, pardo,
nao muito claro, corpo delgado, com al-
' una signis de bexigas; fgido no da 1J
do corrente com calca, preta, e vesta de
riscadoj uzada: irto da Boa-vista
em caza de Joao Antonio de Miranda.
.
NOTICIAS ^E& MARTIMAS.
Navios entrados no aw. i.
Liverpool-, 45 dias; b. ing. wa-
liamRusseU, Cap. J. EngUsh: lastro:
Russel Mellors & Comp.
SahMos W corrente.
Porto de pedrAs; l. s. 4nt*#
. ToBrazU, M. Joaqun, JozeMartina: te

trl RIO dd JANEIRO; Pat. Carolina,
bler, Cap. W. Worth. #
Dial/.
^ TRIESTE; B. Sueco, Cap. I ITa-
hen de Lutthens* assucar.
tf?*l498.
.\

1.
>t


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFQ871Z52_Q3G5TQ INGEST_TIME 2013-03-27T15:18:49Z PACKAGE AA00011611_01584
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES