Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:01489


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO !)K 183.3,
\\*fc*V ***%* **.***
SEXTA FKIRA 25 DE OUTUBRO
NUMERO 954.
itwmviifn<% ijjl U^C!?*"!".. IB I
; '
^
f
i. ii jualmenlc h B4H re*, a dentados, un Tpotrffcfi
lio i ii;... ii.i .i-,, / do .- Ai.:.-r>> >.>SUuUo ii pon
I. -, i ; .- ,...:! .;, ..;-. ; .'. i IHIOI > ittffc i| ,.-M'
>;(. (s ifiji ,.-,. l>r'j rilW i- ;:T;:. Hiles Qiner.tf p fin do a*ti .'Jldos.
TiMfo arora dtrpende de n-is menmos. da nsa prudencia. m
(irradio, e ium*.;i rom milenio corno principian!-1 e reii"*
ttpontado <<.>.;. atimirsco entre na Naques ruaU culta.
J*Htcamu> 3a i.'ri Assemh'u* Gernl Au iirmit.
\>
-: *H*yi8e< rxwv: tijjiiKW*M
B
a
3mpjreftft cui periumtttto por Io?e atctorino DfS&refi.
%-* **
OTAS m SEMANA.
.-6'. ucas-Svs. da Thez. P. de m. c Aiul. do J.
de Ordos d< Pr. as 2 h. e 6 m. da t.
Sabbali-S Evaristo HI.*" do m. f aud. do Vig.
(\. do l. Preamir as 2 li 54 m. da t.
Donrnijo-S Elcsbfn Imperador. Pr. as 3 h. 42
ni. da t.
RIO DE JANEIRO.
Ministerio do Impeli.
ILlm. o Exm. ScnborA liando se reunido o Con-
selho Administrativo em Sosso Extraordinaria uo
da 30 :!<> prximo passado me/ de Janeiro rom cinco
Membros faltando, hum comea>.a partecipada, entrou
sua deliberadlo varias materias de sua compolenvia,
e em primeiro lugar a que fazia o objectn nido. D< jiois de discutido hum dos objectos, que lia-
va entrado asna deliberaco, passbu-ae volaeao :
trez Conselheiros votarlo pro, e dous contra $ e.en-
tendendo en que devta igualmente votar, por isso que
romo Presdele, e Mebro doCoscjho nao deveri i deixar
de dar meu voto, o qual foi conforme eom o dos dous,
que volarao contra, oppoz-se hum dos Conselheiros,
mijo vol linh^sido differente do meu, a que en vo- sendo o> votos iguucs. preceder a parte em que f<-
lasse, por quanto si me competa o voto de qnalidade o Presidentaou o mitigo Regiment do Conselho da
ligo 22 da Le de 20 de Outubro de 1823 : e por is-
so hum e outro desaeerta a respeito do verdades ro u-
so, e valor de semelhante voto.
I!e voto de qnalidade (si $ un do entendo) aquello,
que, por previlegio, tem hum duplicado valor de c.a-
d.i hum dos votos eommuns dos vogaes oncorrenles
em qualquer reunio deliberante, de mancha que,
dado o,empate prepondera, e fica sendo decisiva a-
quella parir., que se uni o voto de qualidade, ve-
rificndose osefTeitos do seu duplicado valor, 1." em
produzir o empate, ou a iguatdade doa votos em qua
lo no numero, 2.* em fuzer preceder, ou valer como
decisiv-*, a parle que se uni. Persuado-mc que
esie voto competeao Presidente de Provimia sempnt
que trata em Conselhoas materias da competencia ne-
eessaria delle; sendo em todos oseases decisivo, e pre-
ponderante, ou elle estoja pela- parte da maioria, oQ
tenba produzido a igualdade numrica dos votos; en-
tendida a expressSo do Citado Artigo 22 da Lei de 20
de Outubro de 1823ter o Presidente o voto de
qnalidadecomo se mais explcitamente se enuncias-
te, e do mesrao modo, que se expressou o Regimen-
t da Maza da Vereacao em Lisboa no 3.e o que
por maior numero dos votos se assentar, se cumprir:
as oceasio-s de empale, c nunca o deliberativo, que
s> pertence aos Conselbeiros, entendendoassimo Ar-
tigo 22 da Lei de 20 de Outubro de 1823. Susten-
tei eu que o vol deliberativo tambcni me compela
as oeeasioes, em qne nSodeveSse usar do de qnalida-
de, por isso (pie eu romo qualquer outro Conselbeiro
era responsavel por meu vol, tendo mais em meu
favor a pr.ilica seguida por todos os meus Anle<%esso-
res, como consta daa Arlas das Sessdes daquelle lem-
po, o da da Junta da Fazenda, em que o Preziden-
te, tendo tambein o voto de qnalidade, quando nao
u/. deste tem voto deliberativo. Nao a presentando
o Conselbeiro oppositor rzoes que me convencesse, e
nema todo o Conselho, requeren que, para se evitar
duvidas em idnticas circunstancias para o futuro, se
^levaose a V. F,xe. huma representacSo a respeito, pe-
Mindo esclareeimeotos, o que foi approvado pelo Con-
srlbo.
Em conseqitencia do (\\\o levo ao eonbecimento de
V. Exc. o expendido a fim deque se digne esclarecer
ao mesmo Conselho a marcha, que dever seguir (Po-
ra avante a respeito da voiaco as materias proprias
da sua attribuico.
Dos Guardo a V. Ex. Cidade da Fortaleza do Ce-
ar ,r) de Fcvereiro de 1833 lllm. e Exm. Senhor
Nicolao Prreira d Campos Vergueiro..loze iMarian-
no de Albuquerque Cuvajcanti.
Purreee-me que o Presidente da Provincia do
Ceir, eo Membro do Conselho Administrativo nao
compreheudem perfeitamente qual lie o vptn de qua-
Itdade, que aquelle compete, ni eonformidade'do Ar-
Fazenda no ^ 6.ese puroos despaehos sempre con-
forme ao que parecer maior parle, e em votos guaes
preceder a em que for o Vedor daJFazenda,e as-
sim me persuado por ser demanil'esta nreessidade que
se entend.i ser de tal na I u reza, e qnalidade o voto,
que tem o Presidente de Provincia em Conselho.
Por quanto, nao podendo considerar si; o Presiden-
te privado de votar, sempre, e em todos os casos, [ri-
lados em Conselho, pens que paia dar-se esta priva-
cao era preciso que a Lei expresamente a decrelasse,
pois que em regrji o Presidente de qual uer Tribunal,
ou Corporacao deliberante nao he excluido do nume-
ro dos vogaes ; devendo o Presidente dar o seu voto
em ultimo lugar, na confarmidade do que ge ral ment
he estabelecido por direito a respeito do todos os Pre-
sidentes nao privados da faculd (de de votar e .po-
dendo acontecer muias vezes que eom o do Pre-
sidente se produdisse o empale, ou a igualdade nu-
mrica devotos por duas parles-, indispensavel he (pie
seja de qualidade o voto, queemiltir para que nao fi-
qut'm indecisas, e sem previdencia as materias impor-
lantissimas das r.ltribuicoes dos Presidentes das Pro
viuciasem Conselho.
Ainda mais me confirmo nesta opiniao atlendendo a
que ; sea Lei de 20 de Outubro de 1823 no Artigo
22 quisosse dar aos Presidentes nicamente o voto sim-
ples, romo o do qualquer outro vogal do Conselho, se
e'xprcssaria da mesma forma, que Relativamente ao
Presidente da Cmara Municipal, se express-u o Ar-
tigo 34 da Lei do l.de Outubro de 1828 ; esetives-
se por finr admiltil-o a votar extraordinariamente, uq
.--



-^
ea*o s de haver empate nos vol? dos Membros do
Consclho, o leria dechrado da mcsma forma, quea
)'|>;il. (loIJ.-redor da Juslioa, o declarou a Ord.
L. 1. Tt. 1.J9.c a respeito dos Presidentes das
clacoes o dispo/. o Artigo 3 do Decreta de 9 de No-
umbro de 1830.
Concluo por lano, que, no meu parecer, o Presi-
dente da Provincia deve ser considerado como vogal
constante, e eEfectivo em todas as deliberaces do Co-
SPffto Administrativo, e oom voto de qualidade nos
termos, que fico indicados.
Rio 15 de Marco d-> 1833Mofa.
Ulna. eExm. Senhor. A Regencia em Nome
do Imperador, Tomando em considern-n o (jue V.
Exc lia expoz em seu officio de 5 de Fevereiro do
rorrele anuo, sobre a duvida, que se ofereeeu a
hum dos Membros do Conselho Administrativo dessa
Provincia, de competir, ou nao a V. Exc. o voto de-
liberativo, que entendepertenec* s aos Conselhei-
ros; por julgar que a V. Exc. compete somonte o voto
de qualidade as oecasiSes de empite : H i por bem
Declarar, em conformidade do Artigo 22 da Lei de
20 deOutubro de 1S23, que tendo o Presidente vol
de qualidade nos negocios da competencia do Conse-
ibo, nao pode ser excluido de volar em taes negocios,
e que ras oceusioes deempate numrico regula a de-
ciso, conforme ao voto do Presidente.
Dos Guarde a V. Fxe. Palacio do Rio de Janeiro
em 10 de Abril de 1833 Nicolao Pe reir de Cam-
pos VergueiroSur. Joze Mariano de Albuquerque
t.avulcanti..
.,...
CMARA MUNICIPAL.
I ">. Sesso ordinaria do din 14 de Agosto de 1833.
Pi.izioFM.iv no Su. Mello Cavalcamu.
COmoauecerao os Snrs. Doulor Mavignier, Olivei-
ra, Silva, Camelo, e Gusmo, faltando com cau-
xi os Snrs. Estevt-.s, e Doulor Peregrino Maciel.
A'befta a Sesso e lida a acta da antecedente foi san-
cionada. O Secretario fez a leitura do expediente.
Hum parecer da CommisSo encarregada de exami-
nar a Proposta do Sr. Paula sobre terrenos marinhos
e que entrando em discuco foi depois a pro vado em
eonsiquencia do fjuecahio a proposta e se nomeou por
ivzuluco da Cmara buma Commissao composta do
Snrs. Camelo, e Dout >r Mavignier para decararem
se a Cmara prediza de terreno marinbo pira logra-
douro para ser pedido ao Exm. Prezidenle o terreno
que ella indicar.
uiro sobre o novo astamento Feito em Janeiro
poro Juiz d Paz do Pfcife para as Guardas Naci-
mes do mesmd Bairro. e Fregoezia cajo parecer en-
trando em votaeo, foi aprovido tal qtialParecer
da Com nissoA Commissao encarregada de pre-
sentar a nova devizao para a organizo da Guarda Na-
cional do Bairro do Recife, e de dar o seu parecer so*
br o maisde que trata o officio do Juiz de Paz res-
pectivo, tendo visto com toda individuadlo dito offi-
cio, assim como a lista dos Cidados qualifieados que o
acompanhou ; lie de parecer, que excedendo, como
excede o numero dos Guardas qualifieados ao de 400,
que delles s organizo naquelle Bairro bum Matalbo
composto dequatro Companhias na conformidade dos
artigos 30, e 37 da Lei de 18 de. Agosto de 1831, pa-
reeondo i;;'ialmeiite a Commissao. que a organizaco
se ja lii'a pela maneija abaixo indicadaParada Ge-
ral lo BatalhaoRa da Cruz
1.a Conipanbia sua parada a ra da Madre de Dos,
e ser composta, dos Guardas qualifieados, que mo-
ra re m as seguintes roasdaCadeiu, Beco Largo, ra
di cacimba, ra do Encantamento, e da Lapa.
na<
2.aCompanbia sua parada o Forte do Mallos, c se-
r composta dos Guarda? Naeionaes que inorarem as
ras seguintesRas do Vigario, do Cordoniz, do
A/eite de Peixe, do Amorim, da Moeda ; Beco de
Joze da Costa, Forte do Mallos, Beco do Abre u, ra
, do Burgos, do Trapixe novo, e becos das Crilas, da
Lingoeti, e ra Lama.
3." Companliia sua parada a Praca do Commercio,
e compoem-se dos Guardas Naeionaes que moro as
ras seguintos da Cruz, los Tanoeiros, Praca do*
Commercio, ra do Torres, Beco das miudinhas, Por-
to das canoas, ra da Guia, Scnzala velha, e Senzala
nova.
4.* Companhia sua parada o Arial da Intendencia,
e ser compota dos Guardas moradores em todo o
Bairro de Pora de Portas.
Quanto as vagas dos no*K>$ deque Irada o mencio-
do officio a Commissao he de parecer, que a Cma-
ra na ocazio cm que remetler a nova orgauisaco de-
ver resp >nder ao Juiz de Paz, que a elle compete por
a Le proceder a elci^ao dos postes, tanto na creaeo
das Companhias c Cornos, como cm todas as vagas que
houverem, e que por lano as deve proceder o mis
breve possivel, para que t\c huma vez se termine com
a organizaco da Guarda Nacional do Municipio. Sal-
la da Cmara Municipal 14 de Agobio de 1833hae
Masado Freir Pe reir da Silva.
O Sur. Oliveira fez n seguintc propostaPro po-
li ho, que a Cmara deve mandar embargar a obra de
Joze Carlos Texeira para recuar para traz ohngar ao
vizinboa passar termo nesta Cmara para fazer o mes-
mo quando houvci* de bolir liella, he do dever da
Cmara cuidar no bem publico. Caza da Cmara 11
de Agosto de 1833O Verador Joaquim de Olivei-
ra e Souza Rezolveo a Cmara que o Procurador
requeresseao Juiz de Paz respectivo huma ve-loria na
obra, e avizando ao Cordiador para com o Fiscal se-
ren prezentes, e q,Ie achando-se que a casa est fora
to alinfeamento que deve ler a ra fos^e embargada
para seu clono fase-la recuar e meter no* alinhameuto.
Rezolveo a Cmara que o Sur. Procurador fzesse
avizar a todos acin islas que esto na posse d- loja na
I raca dr Unio, ou seus bastantes Procuradores para
cbmparecerem ante ella no dia 17 do correle pelas
II horas da man ha. E por ser dada a hora alevan-
tou o Snr: Prezidenle a Sesso, e para constar man-
daran lser esta Acta em que assignaro. En Fran-
cisco Antonio Rabello de Carvalho no impedimento
do Secretario a subscrevi Mello Pro P. Doulor
Mavignier OliveiraCamelloSilva.,
*. \*%*
^OpiO o riosso Collega, Redactor do Diario d'Ad-
jminutracaoemseu N. H9, um artigo do De-
mcrata da Buhii a respeito do Par, em que diz, pre-
parar o Governo urna ex pe di cao contra aquella Pro-
vincia ; noticia esta, que por falta de judieiosas rgflc-
xoes do nosso Collega, pode causar gravas receios aos
amigos, e interesados na prosperidade daqnella Pro-
vincia, e a todos serias suspeitas a cerca das ntences
do Governo, que aptico por necessidade, e falta de
meios a respeito desta Provincia, acha (segundo diz o
Demcrata) (oreas para mandar contra o Para, que ;
nlopreciaa, quando te-las primeiro as deveria ,.m-
pregar contra os ladroes restauradores desta Provinci-
a. U emoerata porem nao eslava bem informado, e
perm.lla o nosso Collega, que digamos, o que sabe-
mos a este resdeiio. M
Pouco depois da chegada dos Exms. Senhore' Mi-
riam, e Vascoficellos, ao Rio de Janeiro, correo por
aqu voz, que cao de novo mandados ao Pa-, e
com tropas ; mas tal noticia nunca ganhou crdito, e
.


tfs)
I

dial depois, se soube, que estiva o primeiro daque-
les Senhores nomeado Presidente do Rio Grande do
Sul, onde j deve eslar, e o segundo Presidente do
Cear. Ento foi nomeado Presidente do Para o Sr.
Cosa Ferreira, Depulado por Maraidio que nao quiz
aeeilar, o boje he Presidente nomeado o Senhor Ber-
nardo Lobo de Souza, Deputado pela Parahiba, que
ceitou, e paitia do Rio de Janeiro nos principios de
^hilubro, segundo carta sua, que vimos. E nao s
nada se falla va a respeito de enviar tropas j mas al
pelo coutrario-dis-ulia-se na Cmara electiva um pro-
jeclo de amnista, e linha passado em segunda discus-
sao, que ao Governo se desse o direito de a conceder
por 2 inctzeB, leudo se fallado muito sobre i necessi-
dade de quanlo antes a conceder ao Para. Nao ha
pois no Governo intenco de euvinr tropas ao Para ;
porque de tal se nao ha mister, embora se nao tkf
Degas, que foi illi gal, e desnecessaria a rerusaco de
dar posse ao Presidente Mariani, e Commandanle d'
Armas Vasconcellos. Mjs deve se distinguir mu*to
leste arto o da represso do partido insurgido a 14 d'
Abril, que pretendendo dar leis Provincia, e opri-
mir com a minoria a maioria, empregandoa deslrui-
cao, e morte, foi rebatido pi lo mesmo m >do ; porque
queria elerar-se, nico de que se poda lan-ar nio
em ties cireunstaneias. Os Paraenses podVm crepe! >s por pedirem, e ubstarem a po>se da* m-
tii )i I a le uoinvi las, por tod >s aque'.les. qm* julga-
rem desn"cetaria a salva-o da Provincia, este acto
em si i I -gal. M is iiinguem de b u f os poder cen-
so rur por l ;rem resistido com arm is a quera enm ellas
atlenlava contra sua vida. F defeza, e a defe/.a, so-
bre ludo a da vida, e honra he sera pro junta.
Chegou o Paquete do Sul, e por elle soubemos,
qu a Corte ficava em soreg, e que a Assembba lora
prorogada alhe 6 de Oululiro ; nos seguinles nmeros
aremos mais algumas notirias, que souberraos.
NOTICIAS ESTRANGEIRAS.
Hespanha.
WtOtictas de Madrid al 26 de Agosto, dizem ler o
1\| Re gozado ullimmenle algumas melhoras, e que
poderia lalvez ueste dia dar um passeio em carrinho.
Os nossos Miguclislas (os de Inglaterra) espero com
impaciencia sua morle j porque se persuadem, que
the succeder D. Carlos, que ajudar enlo a D. Mi-
guel na reconquista de Portugal. (I)
America do Sul.Consta, que as novas Rep-
blicas, que ?e si pararo da de Colombia gozo muito
soeego, em-lhoro todos os dias, e que he espera ve I
assim o continuem por muito lempo. Suas dissencoes
fmdaro com a diviso da Repblica de Colombia em
3 Estados Independente, o de Venezuella, Nova
GfcinaAi, e Quilo, que ficaro tendo por limites, os
inesmos que linlio sob o Governo Hespanhol. O ci-
ome contra os de Venezuella mui favorecidos de Bol-
var cuias vistas polticas auxiliavio era cauza das des-
or leus e a soparaco fnzendo-os cessar, linha restitui-
do a paz a todos esles Povos. A numerosa torca mi-
litar de Bolvar foi debandada, e as Repblicas redu-
siro seu exercito u estado mais econmico possivel.
Esperava-se em Rogla em Agosto os Plenipotenciari-
os de Venezuella e Quito para tratarem da diviso da
(1) lito concorda com o que dissemos em um N.*
anteeedenle, que a morte esperada fe Fernando 7.
demoraria por muito lempo a D. Pedro em Portu-
gal.
s Do Redactor.
divida publici, quesera repartida na ruzao da popu-
laco, e rendas de cada um dos Estados.
(Do Times de 7 de Seterrd>:o.)
CORRESPONDENCIA.
Snr. Redactor.
POr m informado dice em huma carta trnsenla
em o seu Diario N. 217, que o Senhor Joaquim
da ('osla Arruda e Mello, tinlia ldo parte em a fubri-
ca.-o de huns autos de. libello de deser'dacSo, enea-
mi nhado por Joze Antonio Lopes, contra Joaquim Ro
drigues da Silva pers e como administrador de sua
molher Maria J:aquini; agora porem que me dizem
se procedeo a exame, tanto nos autos como no proto-
colo de audiencias passo assegurar que o dito Senhor
Arruda he innocente, e que o Autor da falsidade foi
o antecessor do dito Escrivo, e depois da morte do
dito Joze Antonio Lopes; e esta velhacadn foi ita
por gente velha com cara nova. Digne-se'Senhor Re-
dactor laocar em seu Diario esta, advertencia, que o-
brigado Ihu ficar o seo venerado
O Catana.
%%%*% %v
&b0o* Do Correto.
OCorreio Terrestre da Parahiba parte hoje (2i
Goi.inua'4 e Rio Grande do Norte;
^r^" O Crrelo Terrestre de Agoa-Preta parte hq-
|e (2 ">) ao meio- dia, conduzido as correspondencias
para Sciinhaeme Rio Formozo.
^\tttuiuv
^atoios a Carga.
rara o Rio de Janeiro, tocando na Bahin.
SEgue viagem com toda a bfeviJade' Brigue Na~
eional Eliza: quem no mesmo quizer eairgrtr*
ou hir de passagem, di rija-se a Pracinha do Corpo
Santo D. 67, ou ao Capillo.
Eeilao.
t
JOhivston Pater & Companhia lazeiin leilSo de urna
porco de fa3endas limpas, e averiadas que foro
salvados do nmifrangi do Brigue Inglez Clyde, no
dia Terca feira 29 de Oulubr pelas 11 horas da ma-
nila as casas de sua rezidencia na ra da Madre de
Dos.
Ma prcta de naci, cosiuha o diario de urna cava,
engoma lizo, mossa, e de bonita figura : na ra
dasCruzes sobrado por sima do Botequim 2.* andar,
se dir quem vend.
ft"^9 Um pedaco de trras proprias na estrada do
Arraial com duas caznhas de taipa coberlas de telha,
dentro do mesmo terreno, por preco cmmdo : traz
da Matriz da Boa-vista D. 11, fallar cora Pedro Joze
de Oliveira.
%C^ Urna espingarda de espoleta em bom uzo : na
Praca da Boa-vista D. 9.
^^- Um preto de 25 a 30 annos, proprio para o
eervco de campo : a ;praciiiha do Livramcnlo loja
D- 23.
^^ Urna negra de naco cambinda de 18 annos,
cora urna cria de 11 mezes, sabe cosinhar. engomw li-
zo, e coser cham : na ra da M;idre de Dos u. 31.
-
""-"
r-w


M
f)
s'.:>-' Rdogios do uutv patente desabnete mui
lindos ebem acardos: na na du Alfandega velba
n. S, ai-mazem Jnglez.
*?* Potassa Russiana de nrimeira sortP em barris
de 4 arrobas poi preco cmodo : ta ra do A^^ite de
p- ixe no armazem de couro>, e as-mear.
p* 1 (uotas de nacao, e lambem so trocao por 2
.indios presantes : na roa do A/.eile de peixe n. 17.
> ;>^* Icaria lia de, mandioca, de S. Matiics a 19-20
is o rtl-.jueire : aborda da Sumaca Imperial Brasilcir
ra.
^l3F* Urna cama e urna cowmoda de. cndur: na
esquina da ra do Fogo que volta para o beca de S.
Pedro, *i.u andar,
Compra*
UMa inorada de casa torri.i que sejn na ra de SaEl-
la Rita nova do lado do iiaseente, rom fundos para
o mar, e lobem hipoteea-se a mesma : na ra das
Cruzes n. 131.
Vr^* Dinheiro sem pezo sendo de trez o lavas, pp
la meta de lo sen valor : por dclraz da ra do Sol ven
da da esquina que tem lampian.
3** Um selim pira Scnhora que esteja em bom
izo : na ra $3* Um prelo eonsinheiro anda que nao enlen-
da de massas. d indo o vendedor por alguna dias- a e5
lento : na ra Nova caza de Manuel Gonralves Pere-
ia Lima.
.....*..&
Qxi'mbZMXtiito.
ARhewda se um sobrado, eom bastantes cnmmodn1',
e quintal murado, na roa de S. Rento em Olin defronte da ladeira do varadouro : no atierro da Boa-
vista u, 13, terceiro ainjar.
-^tO dia Terca feira perdeuese um anel eom brillia-
^| le na estrada da Magdalena atea passagcm : quem
o adiar e quizerler conseiencia pode entregar na loja
de lerragem defroute do beco da Congregarlo n. 66
que se dir quem he o dono o qual recompensar con-
forme o vallor que custou.
f*Cy Quem axou urna chave na ra do TWario es-
Ireitfl dirija-se a mesma ra sobrado D. 30, 2." an-
dar, que ser bcm recompensado.
*..l..* %
OAbaixoassignado barbara, e atrozmente calum-
niado nos Supplementos aos Diarios, d'Adminis-
traco n. 129, e de PernambUeo n. 207, roga no res-
peitavel Publico queira suspender o seu juizo, at que
o Tribunal de Jurados a que vai chamar j, e | os in-
l'unf- calumniadores se pronuncie a tal respeilo.
Antonio de Sa Cavalcanti Lina.
VT^* Quem anuneiwu querer ser caixeiro de urna
venda dando fiador a sua conducta ; dirija-se a ra
do Queimado venda D. 8.
r^* Pergunta-se ao Srnbor Emprezario \o The-
atro se csse drcipulo do Mr. Robertson, dos Jo-
gM Hydraulions ohegou pelo ultimo navio Fr.mcez,
ou be o celebre mitlior dalluminaco Parisienne
', if "o'dtser Mourisea) nunca vi>la nos Theatros
do Rr^l:' Sfi foro tal sugeio coasellure u S .
Empresario que nao engae o Publico eom patavriu
chocho, nem augmente os p'recos da caza pois ari s
ca-se nao ter Espectadores*
O inimigo dos engaos.
$f?" Alluga se urna loj na Praoa da Inio. Cabu-
g, Queimado. ou Ciiegiot livre dos novos imposto*
atrazados: anuncie.
fcC^*" Arrend.i-seo primeiro andar dn um sobradqp
e toja do mesmo em urna das ras mais publicas do
Buirro de S. Antonio ; anuncie;
V^? Pon isa se abogar urna esorava pora o ser vico
de urna casa ; na ra \ el lia n.
r"^ O sitio denominado brandad lugar de Parati-
be, que se anunciou pelo Diario de Pcrnanvbuco n.
232.a venda, se aeha arrendado, pelo seu propiieta-
rioo Reverendo Vigario Vicenle Ferrcr de Millo,
conferido o ni pe I de arrendamcnlo o pfonifssa de o
vender o rendeiro, ote durante o arrendamcnlo
pagar o preco pelo qu^l o a,u>l u.
^3** Piui/a sede 4005 rea ;i juros de doid por
cenlo, hipotecando se um predio : anuncie.
^T?1* O Snr. Offi.'ial ue lin mais de um anno de-
ve seis pat.coens a um sen companheiro, que ora se
acha neso, e que ape zes, nao lem dado copia de lenha a boudade rio
mandar saliafaser essa d< minuta quanttn, visto que o
lempo que lem decorrido be ba>lanle. e *> Snr. OIH-
cial, tem oulro meio de subsist ncia, alem do sold,
podendo por isso pagar es.-^.i ii.j!:r-u quanlia sem liie
ser penoso.
%&* Precisa-se de 100$ res a premio, sobre pe-
nhnres de ouro, e prata : anunrie.
^T^* Avizi-seao Sur. Ignacio Bastos, morador no
SerUo de Cacberamobim, e por hora cxi>tente n'es-
la Pyaca, que pode bir pagaT o importe doallugue)
do 2.* andar do sobrado, onde uiorou, por detraz (i,*
Malriz de S. Antonio; pois constando ao anunciante,
que o fora pagar em ocasio, em q^e elle nao estaVa
em eas-i ; por isso avisa afim de ser embolsado.
^tJF" Precisa-sr de urna de leite que riao leu ha cria,
anda mesmo sendo forra : defronte do Corpo Santa
n. 4, 2. andar.
<\%'\ a* *
''a*
THomaz, crilo, foi cativo de Jozc Felis da Bocha
FaiCtto do Kngeubenho Massangana, estatura mr-
iliana. cara liza, *e queixo fino sem barba, os dedo
d s mos torios, e principalmente os polegaes; levou
camisa, e siroula de algodo, urna calca fina cor de
rap, chapeo fino, e hacia encarnado, fgido no dia
23 do corrente : Joaqnim Elias de Moura, sobrado
de varamjas de ferro pegado Ao Quarlel do Hospicio.
NOTICIAS M A K1TLMAS.
Navios entrados no dia 24. #
LONDRES; 44 dia; & ing. />//, Cap. Mitk.
varios genf ros: Smilh 9c Leneaater.
VALPARAIZO;77dias; P.laxo Amr. EmuluAo,
Cap. John Lorde : couros, cobre, e mais gneros : n
Ferreir & Mansfifld. Passageiro 1.
PORTOS DO SL; Paq. Liopoldina, Com. o 1.a
Teuente Joo Maria Wanderlei. P^ssageiros 5.
Salados no mesmo dia
RIO GRANDE DOSUL. mloASS, ERIO DE
JANEIRO; S. Palma, M. Manuel Joze da Silva:
lastro.
TERRA NOVA ; Barca Ing. Rio Paquete, Cap.
Henrv Renck : lastro.
Jh'it,Y. ,\\{ Trp
no l)/situ. \X1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKTTGBDFQ_R6O2E0 INGEST_TIME 2013-03-25T13:06:33Z PACKAGE AA00011611_01489
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES