Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:01454


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-V
ni*WH"
**aj*~
DE 1831. QUARTA FEIRA 9 D NOVEMBno NUMERO 239

ARIO DE
ii|j-TiTiriFaTiTH
mensalmente & 610 re. adiantads, na Tipografa do Dirid, ra da Soledade N. 498; na loja* livros do Snr. Figue-
jao N.* 30; na rua do Lirraminto lado do Naaoente D. 16; onde se recebem correspondencias, e anuncios; estes nsi-
rein-se gratis StuteeiOs proprios assignantes somente e vindo assignados.
Subscreve-se
rpa, Praca da Uniao
Os anuncios, que nao forera dos assignantes devra alem das
de mais condicSes, pagar por cada linha impressa 40 re. e ser en-
tregue naloja deXirrero da ra do Livramento D. 16, ou na
Tipografa do Diario.

&*
Tudo gor depende de nos mesmos, da nos prudencia, mo-
derac,ao, energa; continuemos cmo principiamos e seremos a
pontados oom admirado entre as Nacoes mais cultas.
Proclamado da Asiemblea Geral do Bratil.
-V
. attiptej&o em ^ernambuco por antonno 3|o$e De 0mtm tfalcaov
-^--------------------*&#&#&#&*--------------


I
ARTIGO DE OFFICIO;
Llm. eExm. Snr.Fui entregue do
Officio que V. Exc. me dirigi 'em data
de 27 de Setembro findo, partecipahdo os,
desastrosos accontecimentos que tiverao
lugar nessa Cidade em os dias 14, 15 e
16 do mesmo mez por effeito da subleva-
do dos Soldados que formavao a guarnicao
della. Com quanto taes acontecimentos
sejao para sentir-se sempre, muito lisongei-
ra com tudo me foi a noticia de se achar
restabelecida a ordem, e tranquilidalde pu-
blica, resultado sem duvida das sabias pro-
videncias de V. Exc, do denodo, e cora-
gem dos bravos Pernambucanos.
Esta Provincia goza presentemente de
socego, e he tal o espirito de ordem, que
reina em a mxima parte dos seos habitan-
tes, que me animo a assegurar a V. Exc.
qu o mesmo socego nao ser fcilmente
perturbado.
Ora partern para essa alguns soldados
na charra Carioca, ficando muitos otrs
pronunciados, e presos pelas desordens,
que fizerao n curso da viagem do Rio de
Janeiro para esta Provincia, os quaes em
tempo conveniente serao remettidos com os
competentes processos para responderem
a Conselho de Guerra nos Corpos, a que
pertencem. Dos Guarde a V. Exc. Pa-
lacio do Governo da Bahia 13 de Outubro
de 83l.-Ulm. e Exm. Snr. Joaquim
Joze Pinheiro de Vasconcellos Presidente
da Previncia de Pernambuco Honorato
Joze de Barros Paim.
CORRESPONDENCIA.
A3JVj. Editor.-Havendo cessado osi mo-
tivos, que me fizerao callar, nao justo
que continu o me& silencio, quafido en-
tendo, que devo prestar o meo contingen-
te a prol da minha trra, e minha gente.
Aqui esto por tanto com a minha compe-
tente grana^eira, e orneo grito de alerta e
passe de largo nao ser tao xoxo, que dei-
xe de espantar os temerarios, que ousao
zombar de nos, e nos atacao.
Venho pois aser um quarto ao Olinden?
se, ppelinho insultantezinho, e aristcra-
ta -cruzeiratico: preciso arrumar-lhe a
granadeira aos peitos, que as meninos sao
tao ouzados, que se chegao aos babados.
Que impostores! Que mentiras! Que in-
solencias se nao lem nessa tolha de 4 do
eorrente O rancor qu dommava as al-
minhas daquellas joiatf!!! Entremos com
elles,-e depois gritar-lhes-hei o meo alti-so-
nante volte.
Dizem os Miistrissimos Redactores -no
tal numero que o procedimento do Gover-
no a respeitodo Snr. Brigadiro (1) Pau-
la teve por motivo a comparar do com-
portamento deste Senhor com o do Coro-
nel Francisco Jacinto Pereira na Setem-
brizada: eis aqui urna mentira, e urna in-
solencia. Nem os Illustrissimos podem.
saber as razoes; porque o Governo obra
deste ou daquelle modo, e si disso estao per-
suadidos sao muito asnos, nem o Gover-
no podia ssim proceder pelas causes, que
inculcao esses mocos. O Prezidente da
Provincia informando o Governo dos suc-
cessos de Setembro nao deixa lugar a essa
combinacao, e os Peridicos menos ; pois
at o proprio Olindense prodigalisou elogi-
os ao Snr. Brigadiro Paula. Por onde
avaliou entao esses comportamentos ? Foi
por aquelle canal, que apontou o Senhor
(1) Apezar da vontade dos Redactores do Olin-
dense o Snr. Paula tao Bi gadeiro como o Snr.
Francisco Jacinto Coronel; ....e....e----e nao
sei ^ue lhe diga.
(L
^W-

r^?
K^


,*
*m
,

m*
J

Eiitor do Diario: e um Governo, que quer
faser acreditar, que obra sempre com dig-
nidade, governa, assim como o Olindense
quer decidir da opiniao Publica ? Regen-
cia e Ministerio de um Imperio o mesmo
que um Peridico Aristcrata, e corcova-
do ? So* se o Olindense quera, que por
forca o Snr. Brigadeiro at contra a von-
tade de Dos, fosse mrtir da boa ordem :
mas ainda assim ; o Snr. Coronel foi mar*
tir ? quereria sel-o ? Eis o que eu nao pos-
so a valia r; mas se houver occasiao promet-
i a S. Brgida, que vio o Inferno, ir em
romana daqui a Olind com ps descalcos
e vela na mao chamar os Illustrisvimos
para presenciarem o caso, e decidirem.
Dizem mais os taes meninos, que as
pessoas de bons sentimentos folgao muito
de ver dimittido um Commandnte das Ar-
mas, que se tem tornado tao suspeito : (2)
que impostura O que chamao os Mus-
trissimos^ bons sentimentos ? Gente de
bons sentimentos a do seo partido, nao
assim ? Pois essa mesma que muita
outra diz ser de mdos sentimentos. E a-
gora ? Ninguem da fe* de suecos nao.
Podem guardar os seos bons sentimentos
para serem ricos. O Snr. Brigadeiro tor-'
nou-se odioso ao partido dos tllustrissimos;
mas nao suspeito; tornou-se odioso todos
os que querem ser orculos das Auctorida-
des, influir, e ingerir-se as couzas do go-
vVino, dominar, e dictar pelos grandes me-
racimen tos de dar jan tares, &c. &c &c.
talvez a custa de algiuna pobre creatura
desgranada, ou alma do outro mundo. Is-
to muito diferente de ser suspeito.
A comparacao do Srir. Brigadeiro Pau-
la com o Snr. Commandnte das Armas da
Corte Lima tambem contem muita impostu-
ra, mentira, e insolencia. Se os iustris-
simos conhecio, que um Militar brioso
tendo a desgraca de sofirer urna subleva-
c,ao na tropa do seo commando deve con-
siderar como dever de honra pedir logo a
sua dimissao; porque assim se nao exprs-
sarao naquelle tempo, e o fasem agora ?
E por que impondo tanto os lustrissimos
de scioncia dos pansamentos' do Governo
central, nao sabem de factos do desta Pro-
vincia? Perguntem ao Concelheiro, que
(2) Deixo o que diz respeito ao Snr. Coronel F.
Jacinto; porque nito de imnha intens menos*
caba-'.o, excepto, se os Senhores Redactores tanto
quizerem apurar o negocio, que me obriguem a meo
pezar a f.wel-o.
(970>
hes disse qne os assignados na representa-
cao erao gente ou desconhedda, ou que/
nunca havia existido, se o fJnr. Brigadei-
ro Paula pedio a sua dimissao ao Presiden? ,'
te em Concelho, e se Ihe foi .negada alta- /
mente; mas entao o homem era excellente,
hoje suspeito, e devia por sua honra pe-
dir a sua dimissao A sublevado da tro-
pa no Rio de Janeiro se nao chegou a tan-
tos excessos, tambem nao ficou tao separa-
da dos seos officiaes, e at o tal Comman-
dnte das Armas entrou de queixo no acto
da representacao, e obrando assimmao po
da deixar de ser suspeito; mas por ^nde
souberap os lustrissimos, que elle iavia
pedido immediatamente a sua dimissao, &c.
&c. &c. ? Que mania de mocos A di-
missao teve lugar mais de mez e meio de-
pois do barulho (3) e por motivos de mo-
lestia, e foi immediatamente, e para se jus-
tificar. Nao teria ella lugar antes por at-
tenco aos clamores de Lima Regente, Li-
ma Ministro, Lima Commandnte das Ar-
mas, e tudo Lima, do que por tal justifica-
cao, de que so o Olindense sabe ? E a vis-
ta do expendido, quem se portou com ma-
is honrar Quem pode servir de modelo aos
Militares de honra ? O Olindense queren-
do feixar esta inflada de insultos, diz com
o descaramento do Cruzeiro O Snr. Pau-
la Vasconceos nada disto fez, e os seos
amigos cada vez o tor nao mais suspeito.
Que disse de mais o Cruzeiro ? E' verda-
de que Joze Bernardino transita sao e sal-
vo entre os Pernambucanos, e os illustris-
simos, que lhe seguem as patadas littera^
ras, naoerrao o seu calculo, quando julgao
que podem insultar impunemente os Per-
(3) Fallo com documento na mo : isto fax d9-
mentir solemnemente o Olindense. Leio : atten-
do bem.
DECRETO.
A Regencia, em Nome do Imperador o Senhor
D. Pedro Segundo, Attendendo ao que Lhe repre-
sentou Joze Joaqnim de Lima e Silva, Brigadeiro
Gommandante das Armas da Corte e Provincia, so-
bre o estado arruinado de sua saude, que lhe nao
permute o poder continuar naquelle Emprego;
Manda desoneral-o do referido Emprego de Com .
mandante das Armas da Corte e Provincia. O Con-
seibo Supremo Militar o tenha assim entendido,
lhe expela os despachos necessarios.
Palacio do Governo em 1 de Setembro da 1831,
dcimo da Independencia e do Imperio.
Francisco de Lima e Silva.
Joze da Costa Carvalho.
Joao Braulio Muniz.
Manoel da Fonceca Lima e Silva.
(Extrado do Diario do Governo)
(Nota- do Correspondente.)
i
i

Vfy



j- iiii(i.,frfcT? ,iof>-
y%v
Jfcw
(971)
I
mbucanos. Em fim, meu caro EdiJtor,
rsao trez badelhos desconhecidos que cha-
mao desconhecidos e faltos de senso a um
*^Ka|ide numero de Pernambucanos, que
querem negar-Ibes odireito de peticj&o, ea-
valiar asua conducta. Disto so o Cruzeiro
foi capaz e depois delle a sua segunda e-
dicao, isto ; o Olindense.
Quera findar aqui; mas lembra-me per-
guntar esses mocos tao Legistas, tao
sabios, si o Officio de um Ministro d' Esta*
do pode destrnir o Decreto, e Patente da
Regencia,. o Ministro que assim obra,
nao infrji.ge a Lei, e si infringir a Le
favor do partido do Olindense virtude.
Agora resta-me assegurar esses moc.os,
que elles, eoutros que taes e quejandos es-
crevinhadores sao os que fazem desatinar os
inexperientes, obrigando-os dezejar actos
illegaes, ou abafar o amor da Patria;
ou para se vingarem, ou para nao recebe-
rem insultos, que nao punem, em faga de
servidos, e sacrificios.
Columnas de grimpa erguida, Cruzeiro
ressuscitado, Liberaes perseguidos, e insul-
tados cheira-me volta de Pedro Panaca:
elle vira, levar-me-ha o diabo na propug-
nado pela Liberdade: mas eu creio, que
hei de mandar desta para melhor vida mui-
o feiticeiro, e capoeira, que anda entre
nos. Fica alerta
O Sentinea Pernambucano.

Bi
AVIZO.
^Revejiente ser, publicada a corres-
pondencia do Snr. Feliciano Joaquim dos
Santos. ______ ^__.
at?o do Correto.
jUEt 0 Brigue Presidente de que he
Capitao Theotonio Coelho de Siqueira re-
cebe a mala para o Rio Grande do Norte
no dia 13 do corrente ao meio dia.
A,
Cgeatm
.Manh a' i 0 do corrente a Beneficio de
Mara Angela Montini Garzia se hade re-
prezentar a Comedia ~ Os Trez Gemeos
Nos intervallos dos actos tocar-se-hao agra-
daveis Overturas. Terminada a reprezen-
Jaeao da pessa dancar-se-ha um lindo Qmn-
|lo, e depois se cantar um dos milhres
'Dutos, dando fim o divertimiento com
Pantomimo -* A Doida Pela Pintura.
LEILA
HOJE.

JLVApe' da Bahia, rea preta, dois ca-
vallos bons carregadores: n ra do Quei-
madolojaD.il.
(f- Urna venda no Bairro da Boa-vista
ao lado direitodaS. Cruz, onde temolam*
piao, com poucos fundos, e cmodos .para
morar familia: no beco da Lingoeta N. 3.
3=- Prezuntos Inglezes, proprios para
fiambre, e por pre9o cmodo; na ra dos
Quarteis D. 2.
f3- Um cabra de bonita figura, muito
bom bolieiro: na ra do Vigario N. 7.

Q
Compran
Uatro Taxos de cobre
o
Uarta feira 9 do corrente de varios
trastes em bom uzo na ra da Cadeia ve-
lha no 1. andar da caza N. 48, pelas 10
horas do dia, o qual ja se anunciou para o
dia 7, mas nao teve lugar por incoveniente.
3" Leilao que pertende faser a Comis-
so encarregada do apuro dos roubos a-
prehendidos de todos os gneros de vendas,
e artigos de ferragens na Salla de Palacio
do Governo no dia 10 do corrente.
3* Quinta feira 10 do corrente pelas 10
horas da manha the as duas da tarde; as
cazas em que mora o Brigadeiro Francis-
co de Paula e Vasconcelos, ra da praia,
bairro de S. Antonio, continua a haver o
leilao de alguns movis quasi novos, e de
hum Cavallo: por tanto aquelles Snrs. que
quiserem lanzar podem comprarecer.

em
bom
;o, proprios para Rifinaclo de assucar,
e outros quaesquer pertences para a mesma
athe 13 do crente mez; ra do Colegio
loja de lou^a, e vidro: ou anuncie para ser
procurado.
3* Historia Universal de ^illot Com-
pendio de Theologia Moral Evanglica
har formar dignos Ministros da Penitencia,
ou por outra, Obra de Theologia Moral de
Penafiel; sendo usado, e em conta, anuncie.
-
1
4


tm

.

o.
.-V



..,
m~p





A,
arrentmmetttcu

(9)
X
.

.
.Rrenda se o 2. e3. andar do sobrado
da ra do Livramento D. 23: ra do Cole-
gio D. 3. Na mesma arrenda-se o sitio do
Bem-fica prximo a caza, que foi de Joao
Ruiv o, com bastante arvoredo, e porto de
desembarque.

SLVhxsatig*
%J M sobrado novo de 2 andares, e um
grande sotao, quintal, e cacimba; os ditos
andares taobem se aluga separados: ra
do Crespo D. 7.
_L^| O dia 5 do corrente Novembro desde
a Praca da Uniao at a ponte da Boa-vis-
ta perdeo-se urna caixa de prata, qum a
tiver achado, e a queira restituir na mesma
Prac.a da Uniao N. 10, ou na ra do Vi-
gario a Antonio Joze Pereira de S& rece-
ber de achado 16$ re.
on, .vendo no Diario de 26 de Outubro
p. o anuncio de venda de rima propriedade"
na Villa do Brejo da Arqfr, Provincia da
Paraiba, fazem pub#co^que sendo Bc/*kv
Correa Lima o que pertevde^ vender dita
propriedade, ninguem a pode comprar,
por que sobre ella ha um litigio na referida
Provincia, e sem ultima decizao da cauza
millo todo, e qualquer negocio com o
mencionado Lima.
Manoel Gomes da Cunha.

M
abt?o$ $wctiax\m$>

t
!
LAnoel Alves Guerra como Consig-
natario da Escuna Brasileira Sette de Abril,
ltimamente chegada do Rio de Janeiro,
desde ja previne ao respeitavel Publico, e
protesta nao pagar conta alguma contra-
Inda pelo Capitao da mesma < Manoel Joa-
quim Martins a titulo de ser para a dita
Escuna, pois que o nao authorizou para
semelhante fim.
fct Qualquer Snr. que se queira reti-
rar desta Cidade de Pernambuco, para a
de Lisboa, querendodaratnoeda aqui, para
! receber, ou receber gneros desta Cida-
de, que daqui orao exportados, com as
vantagens do costume, dirija-se a ra do
Rozario caza D. 19, tratar do ajuste das
3 oras da tarde athe as 4.
3* A pessoas, que anunciou no Diario
N. 235, querer dar a premio um cont de
reis, querendo dar parte desse dinheiro,
anuncie a sua inorada.
(3* Quem precizar de um caixeiro,
chegado pouco de Porugal, anuncie.
(^ O abaixo assignado, e mais herdei-
ros do falecido Joze Ignacio Ponse de Li-
0ctafco0 f ugt>c&
J.
Oao, Benim, ceg de um olho, e tem
urna feridaem urna das pernas; fgido
couza de quatro mezes: ra do Vigari,
N.7.
&3* Dczappareceo ao Padre Joao Bar-
boza Cordeiro, Redactor da Bssola des
dos fins de Julho um cscravo com os se-
gmentes signaes; crilo, moco, se;; i barba,
cheio do corpo, baixo, olhs empapiu/ados,
e alguma coiza feio de cara, e mesmo de
figura: chama-se Pedro. He provavel que
tenha procurado as paragens dos Engenhos ^
Gurjah, Engenlio Novo da Coneeicao
(donde he natural) Cajabusso, e por ahi
algures: o Capitao de Campo, que no lo
trouxer, ter. alem do contado pelo seu tra-
balho, mais urna gratifieac.ao do nosso a-
gradecimento. N.


NOTICIAS
Navios sahidos no dia 3.
U NNA; S. Conceigao da Ponte, M.
Ignacio Marques: lastro.
Dia 6.
- GOIANNA; Can. Conceigao do Pi-
lar, M. M. Falcao.
- HAVRE; G. Franc. Le Seirte, Cap.
F. H. Lamarie: algodao.
~ LONDRES: B.Jng. John, Cap. J.
Macfarlanc: algodao, assucar, e couros.
&
Perjvambuco jta Tipografa do Diario, Ra da So le da de N. c 498. 18&


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC2X4EEYR_KOBBMP INGEST_TIME 2013-03-25T15:17:23Z PACKAGE AA00011611_01454
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES