Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:01349


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO DE183I.
i

GC&TO# NUMERO 18j
DIARIO DE PERNAMBUCO.
,; ,--------- -----------
Os anuncio*, que nao krem d > aasignantes devertiy a-
lem daBs c Uta. Paar Vor cada linha i,npre.sa Wrt..
er eatrpf ue na loja de Livreiro da ra dj Livrameuto
Ate *.
40., I
T.irfn fl-,ra eoende de nos mesmos, danossa prudencia
Pra>;~o da Msembtea Gcrl do Bratl.

-
PNABDCO NA T.POG AMA >E ANTONIO JoZE DE MAIDA FaLCAO

^

*
*
CORRESPONDENCIA.
0#. JSdrtor Supporuo ser deinteresse pu-
blico a historia que lhe vou contar, nao escrpo-
lis 3, hrcommodal-o com o favor, que ib* peco de
a publicar em seo Diario, e he o caso: Pela ter-
ceira p,trulha cvica da ra Direiu desta Lidade
do Recifc, que eu commarulava foi pfe30 o preto
forr.'ILourencO Joze cavares pinto por ser encon-
trad,' e'd 8 horas da noiite do dia 24 de Jnnho de
Jnnho p.p. ciii hima fa de ponta, e hum tri-
d> nte de t" rrd com aste de madeira, na deligen-
ci de Kafir a kUfti hornera, tendo pouco antes es-
pancado a outro, e escapado a's mos dos que o
prender por eta tilpa, como fui informado
Dtl .s pessnas, que se ochava) presentes. Asaun
Er.su era flagrante delicio e=ie homfen. criminoso
pelo u/o de .nas viudas pela Le, com ajqua-
e se pos em'ar-titude hostil contra a patrulnado
meo commando no acto de sua prisao, fo condu-
cido a cadeia publica desta Cid de f orde-n do
Senhor Joiz de Paz respectivo Felis Joze 1 va-
res de Lira, a quera Hs mrela do preso, e ca,
armas pela parte, quena manh do segninte da
Ihadir-ai, com reffe.encia de todas as circunstan-
cias, ed da.BC.ao nominal das testemunhas, que
iultfuei necesarias para formero do corpo de de-
licio, a que o Senhar Jui* devia prooeder na for-
ma do seo Regiment. Entretanto que eu lamen-
lava ver, que entreras anda existio essea 110-
uiens des 1.01 alisados, que se armo da punhaes
para exerdtarem seus genios caminemos, e der-
ranjarea sobre.ti.ivylus pretextos o sangue de
" pacficos 'Cidadaos, que movidos pelas necesi-
dades davidavagaonoite, e da pelas res da
Cidade desapercebidos e escudados nicamente
'com a Sagrada Egide das Leis, que garanten a
LVberade eseguranza individua, Folgava tao-
ben de ver que cc. tigres com figura humana
cncimtraxfio por toda parte hum eficaz correct -
vj a* sasdamnadas menles; por que va w-
darios de todas as classes embriagados no cese-
Z.de manter a ordem publica ; e suppunna que
Cois da nosaa Regenera Poltica t.nhuo de -
aparecido el, eupeifcie de Pernambuc esses Mi-
astros da iniquiaade, que tanto ,nos ******
e que os menos corrompidos principiavao a ser
^ iuslice ros ; ms, Senhor Editor, qua en-
JSL 1 Jo erSo eaes me ente, de rasao !!
Estas imagens, que lfcbngeatjo *^ "T *?
desaparece0 >em a rapidez do ra.o, ^o m
diaXolhendo-me a casa de ^a JablacSb
vi sahir de huma taberna da ra Otreita hum hb-
mem babada. furioso, e.ontr ea.m P"'
maiores insultos, e amearp^e conhea'
aquellea quem, en por om dever ava &to pren
der com toda a Justina, e candade, que efevo *
todos os meossimilhantes. .
Aturdido com esta scena para mira nao espe-
rada, procure", com anciedade bel Jot
solturaf de uin reo, a quem SU julga.a exP,a^
ocrime, quehavia coimettido, a ao menoe me.
tiSoem'rigoroso processo ; *^"**JJ*
harao foi tanto rr.aior, qnanto era o conceito, que
eX do Senhsr Jui cU.culp .deste crimino.
so Nao fot neceeaarta nnnta dehgenca para sa-
ber que o Senhor Juiz 4e Paz h^^t
o preso na cadeia oito das, sem ^^Jfe
o m ,ndou soltar. M P^^^^S
Juiz me pareceo mais agravante, wo h
S he ci'ivel que hum velho **?<
colhido ror as compatriotas para exercer a vara
Iaju4* em favor do pobre conlra r-neo -1
direito, sejaomesmo, quede f so evemplodeinjustica, ^^f^f^^l
nesta todos os actos dessa alluvia > de> Mugara
SafS agente, do ^SJSffl!^
corrompe a moral, e bons coatume* dt a povos ^
O meo espirito assim arrebatado la M>J*
hemeHte peiSo, ^esitava no que J^JJJJJ
mas chamando em meo auxilio os P'" P1"-^
perio conrede a todos os ^,dadJTm" v|nrticirml
nene sentido aecusei perante a Cmara Mum.c p^
a prevaricado do ^hor Juta d^*-J^
rigindo a' mesma Cmara hum requ
dentado, PJ*!^&t^4?&5 a
Cidados do seo Municipio bou veste
minha queixa as oP^lbonil ^
mo lhe incumbe o Artigo 58 da l/arta u ^-


G


*
"S- *





* .


primen o (leOutfAbrode 1828. Esta minh^pe
ticao foi HttendiJa, e encaminhada ao Exm.
Senhor Presidente da Provincia eui data de 9 de
\ Julho p.p., e por este ao Senhor Lira Dar res-
ponder. Milgranas sejo dadas s Aulhorida-
des, que cumprem com os seos deveres. Em
a data de 14 do mesmo mes, respondeo o Senhor
'Lira, que mandando notificar as testemunhas
mencionadas aa minha parte estas nao compare-
eero, por ser este o costufne de nao quererem
servir de testemunhas cm accusacSes; que a par*
to requereo soltura em continente, ao que elle
nao differio pelos desejos, que o occupavo de nao
deixar ficar impune um criminoso; e que nSo po-
dendo mais resistir a voz da Lei com que Ihe
gritava o preso, e vendo que as testemunhas nfio
comparecido o mandou soltar ; miseraveL descul-
pa e nem poda ser outra a de hum Juiz preva-
ricador. O official encarregado da notificacao
nao achou as testemunhas apesar de ser huma
dellas o Senhor Ignacio Neri da Fonceca Jnior,
3ue vive noite, dia em sua botica, o Senhor
oiz nao so ube mais onde era a minha residen
ca para me pedir o comparecimiento das testemu-
nhas por mira nomeadas, ou a noine cjo de ou-
tras ; finalmente tudo foro obstculos invenciye-
is ; e s nao foi dificultoso para o Senhor Juiz a'
soltura de hum criminoso, preso em flagrante de
licto com armas condemnadas pela Lei, e com
lias atacando t) individual dos seos ConcidadS-
*os,
Neste estado se achav este negocio quando
chegou a Lei de 6 de Junho p.p. ; e em seo cum-
plimento foi pelo Exm. Presidente todo este pro
Ccsso submittido ao Juizo dos Jurados da Liber*
dade de imprensa, de cuja severidade contei que
nao escapasse o Senhor Lira, a vista da evidencia
da sua culpa, e da futilidade da sua defeza ; e es-
la idea, eu o confesso, me interneceo, porque a*
borreco o crime, e nao os homens, que o prati
Mas Senhor Editor, qual nao foi o meo
cao.


assombro, e dos espectadores, quando no dia 17
do crreme .Agosto em plena sesso do Jury, de.
poisdehum nolemne juramento prestado sobre o
livro Santo Evanglico e a face de hum publico
numeroso, e respeitavel, Cidados revestidos do
venerando carcter de ntegros Juizes de aecusa-
co ; depois de huma conferencia secreta, e des-
assombrada de tudo, que he capas, ja nao di-
go de abater, sim de acanhar o espirito humano
voltarao para a salla do Jury, tomarao assento
as cadeiras da imparcialidade; e aji em alta voz
ouvi proferir esta SentencaO Jury nao achou
materia para aecusaco. Sala do Conselho 17
de Agosto de 1831Manoel Paulo Quintella,,
Francisco Antonio de Oliveira,, Amaro Fiancis-
co de Moura,, Joze Tavares Gomes da Fonce-
ca, vencido,, Joze de Pinho Borges,, B^rnardi-
no Pereira de Brito, vencido,, Antonio Joaquini
de Mullo,, Manoel do Nascimento da Costa Moo-
teiro,, Antonio Joaquim Ferreira de Sampain
Manoel zidro de Miranda, vencido,, Joo P,"
res Ferreira: Miguel Arcanjo Monteiro de An-
drade.
Hum sussurro respeitoso foi o que succedeo
ao profundo silencio, que guardavo os honra-
dos espf el.acores, que convencidos do crisne do
Senhor ftfuiz, esperavao ver em sua Patria, depo.
is de sua Regenerado Poltica, hum exemplo de
Justic't, q^f fisesse desfalecer a todos os Magis-
irados coi rompidos. Eu ouvi mesmo mu toa
feUes fallaren!, poucO mais, ou menos na seguin-
L




telMgu^gem : sem duvida hum anaihema celeste
temjido tuneado contra nos. O destino que re-
ge a sorte dos Mortaes nos tem condemnado a es-
cravidao, e ja nao temos recurso, H ira Gover-
notiranno, e estrangeiro s nos dava Ministros i-
niquos, com poucas excepeh. O nosso valor
ao trave de mil sacrificios tem ruta t o em nossas
mos a escolha de nossos primeiros Magistrados :
nos os elegemos, e elles sao tao injustos como os
outros ; eso differem nascausas da iajusti^a, por
que aquelles poft^raavio hs Leis por dinheiro, e
estes por huma mal entendida condescendencia,
ebondade de corado fdsem o mesmo, e como
quer, que a Lei se nao cumpra estamos-no mesmo
estado. ,
Heassim, Senhor Editor, que os nossos Pa-
tricios estolhidos por nos meamos para nossos ju-
ises atacaj nossos direitos e transgridem impune-
mente nossas Leis, que nos tem custado tantos
suores e fadigas ; heassim que elles assustando
sos povos crdulos, e ignorantes,* fornecem o
meio fcil de serem cpndusidos por malvados a
seos tenebrosos fis; porque o povo em toda a
parte he sempre o mesmo com pouca differenca, e
nao conhece, que muitas veses convein sofrer hum
mal para livrar-nos deoutro maior. Os Senho-
reS Juises de,Facto cm e*te injusto procedircen-
to ferirao a Digriictade da Nacao ; atacaro a li-
berdade da Patria, abusaro da boa fe' dos seos
Concicados, que os escolhero para seos Juifes ;
e dero hum terrivel exemplo, que nos pode ser
para o futuro bastante funesto. Os Senhores Ju*
ises que assim obrarao np tem por isso perdido
o bom conceito, que merecem ao Benigno Publi-
co Pernambucano, porque elle sabe faser justica
a pureza de suas intenses ; mas- he necessario
desagravallo corrigindo este erro com urna serie
nao interrompida de ju I jamentos imparciaesdem-
brando-se que a Authoridade hoje depositada em
suas mos nao he propriedade sua, que a seo bel
praser possao dispor sem responsabilidad : que
a Justina nao tem amigos, e que deve ser admi-
nistrada contra os Reis em favor dos pobres men-
digos quando a rasao estiver de sua parte: e fi.
nalmente que assim obrando cumprem com o que
devem a Dos, a Patria, a si mesmo, e a todqs
os eets similhantes.
Sou Senhor Editor,
Seo assignante e obrigado
Bsarmino de Anuda Cmara.

P
ANNNCIO.
Ela Intendencia da Marinha se fas publico,
que sevai fretar ama embarcaco para condusir
Tropa desta Provincia a do Rio Grande do or-
te : rodo, e qualquer Proprietario, u Consigna-
tario, que a tiver, eaqueira fretar pelo menor
Pre9> podem dirigir.**) a mesma Intendencia pa-
ra tratarem do seu respectivo ajuste. Intenden.-
dencia do Marinha 25 d' Agosto de 1831.
Antonio Pedro de Carvalfro.
Intendente.
THEATRO.
x\.Manh28 a beneficio clara'-principio ab
espectculo a sinfona intitulada.-. O Califa de
v




Bafyad-* seguir-* ha reprezntacao da pessf
Os Salteadores do Monte Negro, ou Camila no
Subterrneo. N09 nter val los se tocarao agr
da veis Sinfonas*, ,e no fim se cantara' um belsi-
mo Dueto, terminando o divertimento com o En-
gracado Entrems Manoel Menees* ,
NAVIOS A CARGA.
v
Paiia o Rio de Janeiro.
Eoe viagem no 1. de Septembro a Escuna
de Guerra Jacuripe, deque e' Cominandante o
1. Tenente Joaquim Joie de Oliveira ; quem
quizer ir de pas-age dirija-se abordo da raesina,
ou a ra da Cruz N. 19.
.
VENDAS.
M quartao bom estradeiro, e novo : na ra
de S. Joze DI." >
r* Um cavallo ruco pombo, bonita figura.pas*
seiro, canegador, e esquilador: na ra das Trin-
chen-as N. 219.
.2 negros, e 1 negrinna, e bixas chegadas de
prximo : ha ra dfl Cadeia velha N. 47.
r- Um escrav pardo, de SO annos, para fora
da Provincia : na ra do Queimado D. 10.
-- Urna canoa, ou barcaca, que conduz 10 a
12 ca xas de assuoar d barra fora: defronte da
Cadeia D. 7.
Chapeos finos de seda de superior qualida-
de : na ra do Cffcspo D. 7.
. Duas canoas, grandes,...que carregao mais
de ummilheiro de tijoilos cada urna, sendo urna
nova, e outra uzada, mas em bom estado : na
ra Nova venda da esquina, ao pe' da ponte, D.
36.
Urna morada de caza jterria, chaos proprios,
l). 1, sita no becodos Martirios, tem quintal mu-
rado, e cacimba; um preto muito fiel, e bom cor
cinheiro a exceseao de massas, e urna bonita mola-
ta, idade de 28 annos, doceira, cestureira, engo-
madeira, sem vicios, e cosinha sofriveloiente,
propria para ama de urna caza :.na ra das Cru-
ces D. 4, 2. andar. .
-. Prez untos novos em 280, e em quar
tos M0
Bolaxinha ingleza a a 140 e 120
Cba isson novo a jg'a 1$000
Ervadoce a 28
Cominbos a ^"0
Bixas vindas ltimamente de Lisboa, por preco
- c inodo, e todos os mais gneros: na ra do
Rani/tl, venda D. 26.
-Din escravo de 17 annos, official de capa-
teira : na esquina do beco do carcareiro, ra da
Penha 1.
Um moleqneladino, idade 18 annos, coz-
nba sofrivelmente : na Aterro da Boa-vista D. 5.
Urna molata eom 16 auno, coainha, lava
de varrela, e flabo, coze, e engoma lizo : na ra
do Crespo D. 3.
Rape* Princeza al #600 rs. a .i ama
da Cadeia velha N. 15.
r- Rape' Princeza novo a 20 rs, a oita-
va, e libra *^5S
Dito Brazileiro a 15 re. a oitava, e libra 1$200
Bicos, e rendas de linha de Franca
Yecs, e chales de filo' de linha que se lav|.o
i A
I /
Pentes de ta-tarugrendados do ultimo gosto,
preflo cmodo
Fazenda moderna (Lavantine) paro vestido, mui-
to bom gosto i na pra$a da Lniao loja N. 20.
Na mesma compra se, e vende-se efectivamente
moeda de ouro, e prata, e ouro e prata uzada
com feitio, ou sein elle.
Colecao das Leis e Decretos do Imperio do
Brazil desde 1822 te* 1831
Repprtorio sistemtico, pelas materias e ordem
alphabetica de toda a Legislacao novissimas
do Imperio do Brazil
Historia da revoluto do Brazil no dia 7 d' Abril
ISSi
dem da Francezaem 1830
Regularaento das Guardas nacionaes
Atribuigao da Regencia Permanente do I. da
Brazil
Regiment das guardas municipaes do I. do Bra-
zil
O Correio da Cmara dos Deputados
Biblioteca Constitucional do Cidadao Brazileiro,
em formato de folhinha de algibara o
1. volume contendo a Constituico do Imperio
2. '* o regiment dos Collecte
res da Decima, e das Cmaras Municipaes
3. o o Indicador dos Juizes de
Paz, e as Leis sancionadas durante a Sesso de
1830 a respeito dos Juizes de Paz e seus Es-
crivSescom a Tabella dos Emolumentos do*
mesmos Juizes de Paz e Escrives
4. o Cdigo criminal do I.
do Brazil.
O Simplicio Poeta < Jornal
Na ruado Tiapixe d'Alfandega velha N. 5.
i i.
u
COMPRAS.
M litro da crea cao do Mundo, em bom es-
tado : na ra Direita venda D. 35.
. Duas caadas de le te diariamente : no bof
tequim da ra das Cruzes,
' -'
A
ALUGUEIS.
_ LuoA-se urna canoa, que carreja 8 patacas
d'agoa, sendo o balde a 10 rs. : na ra do Roza*
rio D. 4, 3. andar.
Allugo-se 2 pretos, que entendem de todo
o sorvico, e principalmente do de campo : na ra
do Rozario Botica sem N.
AVIZOS PARTICULARES.
\_J abaizo assignado aviza, que ninguem con
trete com Matildes Francisca Coelho sobre urna
morada de caza de um andar nos 4 cantos da Ci-
dade de Olinda pertencente ao cazal da mesma,
e que ficou por falesciment de seo marido Joao
da Silva Maia por andar em litigio com o anuncia
ante, que por esta forma previne a todos para que
ninguem se xame a ignorancia, ,
Luix Antonio Barbeza de Brito.
. O abaixo assiguado pertendendo breva re-
t rar-se para Europa avisa as pessoas que tverem
Bilhetes de Cobre, ou contas de se apresentarem
dentro do prazo de 15 dial, para serem promp-
tamente pagas, rog-i igualmente ai pessoaa que

*
4
K


' i
Me devem de no mosmo prazo faserm effeetivoS os
pagamentos.
Jao Abrttham Ma&ea.
_ Quem percizar de una arca de caza ; diri-
fa-se a ra por detrs do Sacramento da B ja-vis-
a O 14.
Tonilo sido as minhas cazas de boteqnim,
buhar, e de pasto corrida*, sein ter precedido
mandado, nem prova de as mes mas existirem
coizas cri mi nozas ; e tendo se-me dito, que estou
desacreditado, e que me devo retirar, son obri-
gado para evitar a continuacio de attaques, eu,
e minha familia a deixar esta bella Provincia, e
passar ru para urna das do Sul; e para o poder
fazer oflfereco a venda o boteqnim, e buhar de que
sou ssnhor, & paasuidor na ra dos Tanoeiros, e a
caza de pasto, e botequim na ra do Corduniz
no Forte do Mattos, a todos os Snrs. que quis?-
rem comprar, ou juntas, ou separadas, e igual*
mente convido aosmeos credores para comparece-
rem com os seus crditos, quando aa ditas cazas
forera vendidas
Antonio du Silva.
Quem for dono de urna vaca que aparecen
no da 19 do corrente, anuncie os seos stgnaes,
qne lhe sera entregue ; e nao se responde por ella
sendo que nestes dias seu dono nao apareja.
. Quera quizer dar 150$ w. a juros de 2 por
ceuto ao mez, com o prazo deutn atino para se
acabar urna caza que se hipoteca; anuncie.
Perciza-se 100$ rs. com juros de 2 por cen-
to, hipotecaudo-se a parte de urna caza, por lem-
po de um anno ; quem os q^rizer 8ar anuncie.
A pssoa, que anunciou no Diario querer
hipotecar uina caza sita no Patio de S.Pedro;
dirija-se a Praca da Unio toja N. 20; Eo me
mo avizo faz se a quem anunciou no Diario de 17
do corrente querer 400$ rs.
Preciza se de 800$ rs. apremio del* hi-
potecndole 2 cazas termas novas- defronte de
Garvazio ; na Praca da Unir N. 20
O Alferes Joo Antonio Villa Seca, Agente
do Corpo da Polica desta Ciclado, convida a
quem per menos quiser fMecer de capim, niel,
e inilho a 65 cavallos do dito Corpo, e a ette com
carnes, feijfio, taucinho,flu4hhh, &c. a que iom-
pareca no Quartel do Commandante as 10 horas
do du 29 do corrente, pura ser estipulado, & n-
tractado devidaai enta perant os mewbros do
Concelho da caixa de administrando do mefemo
Corpo.
Oabaixo assignado, Niffgocinnte que Foi da
Capital da Provincia da Paral)iba do Norte,, ten.
do, depois da pafilioa cessao, que a trez annos
fez de todos os seos beus, em commum beneficio,
de seos credores, sem a menor diffituldade da
parte destes, sofrido urna como morte civil, em
cujo estado tem stipperado, com su numerosa fia*
milia, urna inrinidade de prvaco^s, mediante as
quaes tena absolutamente sucumbido, se um
poderoso auxilio da Providencia, extiraulando
eaas proprias forcas queae aniquiladas, edirigin-
do as bem fasejas mos de seos amigos, nao ou-
vessem afuyentado deseos tectos a misrrima in-
djgerrfia : e posto que o abaixo assignado tenha
laucado amo de todos aque'des rr.e;os de que se
tem/ ilga do capaz para vi ver, sem dt-trimnto
de si'fa honra, emenos preco de si com o tim (nio
.

ipreciavl) d lomar-se menos oneroso rfos
s"e.-s ines'ii08 am ig03 ; nao pode todava permane-
cer no s ado menos laborioso, ou quaze apa tili-
co em que se acha, mormente pela con?icc,ao, de
que e'cipa a mais vulgar meditacao, e de que
esta' plenamente certo o de quanto o homem e*
sns.eptivel no perfeito gnzo de suas faculdades.-*
Piir fia Uto, qer o abaixo assignado mostrar-
se abelitfrto para de novo incetar a nonroza profi-
cao coimfercial, e lhe e' de summa importancia
app recer dislisade de antigs responsabilidades,
especialmente daquellas que tinhao por garante a
firma de Machado 8f Costa. Em virtude do
que fas o prezente Avizo para inteligencia de que
Convir, protestando nao admittir a menor qflestao,
que debaixo de qualquer pretexto se lhe parten
da oppor, 30 dias depois da prezente dacta de 20
d' agosto de 1831. v
* Manoel Lopes Machado.
\

zem,
Quem percizar de umcaix'eiro para Arma-
ioja. ou roa : anuncie.*.
Perciza-se de urna ama deleite farra, o
cativa ; no Pateo de N. 8. do4Terc^ D. 10.
Prec5.*sift de urna muiher branca, que na
seja mossa, para ama de caza d" um hornera sol-
teiro; uo beco daPob' N. 5, 2. andar.
A pessoa, que anunciou no Diario N. ^
l'7d qusrer hipotecar um nvoleque ladino procure
no largo do Terco D. 10.



..


ESCRAVOS FJUGDOS.
JI'Oao, moleque de 8, a 9 aanos, tem a marca
OnbbraQo esquerdo, e ufalfeito d cabec,* ; f-
gido no da 19 do crrente, levaudo vesiido cale;*
de r;Rcadinho azul, e camisa de xilla : oh apre-
bndedores levem-o a ra da Cruz N. 52, que
seriio recompancados.
Na noiie do b:a 17 "do corrente figio um
escravo lad'no, pi.r nome Domingos, naco de
Angola, estatura regular, cheio do corpo, b stari-
te barbado, cara larga, levou carniza deri*cidi
nlio iz;il, e Calca branca;' o? aprehendedoies,
stiio rtem Peeo>mpencdas por Jo-quim Pereira
da Cunho, na ra dos Barbwiros ao pe' Uo Corpo
Santo. :.:.-.....


G.
NOTICIAS MARTIMAS.
Navios sahidos no da 26 j

[
Oianwa; C, &moifi0d'j P'dar, M. Ma
noel Falca i, equip. 7, em lastro. /
Angolla, porB'UgUtHa; E.'D^spiqie^ M.
AlexandreLitjno, e^uip. 19^ carga agoardente, e
farinha do Reino, p'iss-g?iro Joze Antwnio Pe<
reir, Joze Joaquim, e Jze dj Fontcs Medei-
ros.
Londres ; B. Ing. Cordelia, Cwp. James
Hunter, equip. 9, carga aatajptor, s algodo.
" Liverpool por Parahiba ; B. Ing. Am:ty,
Cap. Robeit Muilneu, ^equip. 11, caiga pta- i
ca.
Parahiba; B. Ing. Glorat, Cap. Georga.
T. Airey.
..
A
i
PERNAMBCO NA TIPOGRAFA DO DIARIO, RUADA SOLEDADES, o 498 181..
/'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL1TAYPM0_2V68PV INGEST_TIME 2013-03-25T13:52:53Z PACKAGE AA00011611_01349
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES