Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:01333


This item is only available as the following downloads:


Full Text
NANO DE 1811. SEXTA FEIR.4 5 E AGOSTO NUMERO 167.
DIARIO DE PRNAMBUCO.
_____:___
s


-
vene mensamente a 640 rs. pago* adiantado*. na Tipografa do Diariora da Solidad* 5. 498 na lote ftirti te
PraCfl da Una* N. 30; na Luja d> Liweiro de Joze J-mquim Nuneo de Abreo, ruado Livrameto lado do!-
Snr Figueroi, PraO
en-c O 16; onde s? -
asignados, eserafl publicado no da i mediato ao da entrega, sead
> "loVonde > reeefcetn camrp->nd-*iicias, eaouaci ; este* inaerein-*: gratis sendo dos p'oprfoi.asignante*iwinegte, e rindo
.:. r-----j:-. Ja .,.r i
----------
=cr
O anuncios, que nao f .rem d.ia assignantos deverS<>. a-
]em das de mais c. ndicoes. pagar po' cada linha mpreesa 40 rs.,
e ser entregue* na liya de Livreiroda raa du Livrameutt sa-|
vente
Todo agir depende df* nos meamos, da nossa prudencia,
moderacao, eenerga; c iitinuem.ia como principiain-u, e se-
remos apoiiladjg c jm admirac&neutre as NacSeajgajji cultas.
Gerildo Brasil.
Proclamado fta Atsetnblea
i
i

m
Pbrxambco na Tipografa bb Asf onino Joze db Miranda Falca.
A
DECRETO.
Refrnela Provisoria em Nome do Impera*
lor, o Senhor D. Pedro Segunda, Tem Sancio-
nado, Manda que se execute a Resoluco se-
guinte da Assemblea Geral.
Art. 1. Fuo approvadas as DitpofiWe-
Legislativas inseridas no B^gilamento da A 1-
miriistr:><,' O eral dos Correios, mandado obser-
var por Decreto de cinco de Marco denploito-
centos vinte e nove, cono as eguintes excep-
Ce9. ,
Art. 2 o Fjca Supprimido oEmprego de
Director Geral dos Correios, e competmdo a
Direcco e Inspeccap do* ojeemos na Provincia,
ondeestivera Corte, Ministro d Imperio,
as eutras aos Presidentes.
Art. 3. Ao Administrador do Correto
Geral do ro de Janeiro, ,alem das attribuicoes,
que lhe forao marcadas n,o sobredito Regulamen-
to, ficao tao bem competindo' as que tinha o esr>,
ti neto Director Geral.
Art. 4. Os ensaios, mandados fazer pe-
las amaras Municipaes, sero a' custa da Fa-
zenda Publica. <
Ar^ 5.9 Ninguero sera* obrigado a meU
ter na malla dos Correio. cartas, ou quaesquer pa-
peis, nem a'pagar o porte dedes, quando nSo se-
jo conduzidos pelos mesmos Correios, ou entre*
ues pela AdministraejSo.
Art. 6. O Commandante de qoalquer
avio de Guerra, ou Mercante, entregara' no
Correio, logo que chegar ao porto, todas as Car-
tas que vierem a* cargo dos mesmos Navios, sob
pena de dez a' trinta mil teis. Esta Carta- pa
garo somente melad* dos portes, c os referidos
Commandantes receberao vinte por cento do va-
lor delles. ,
Art. 7. Sero francas d* porte nos Cor-
reio do Imperio as Fotbas peridicas, e Jornaes
Pblicos Nacionaes: e dos Estrangeiros, os que
forera dirigidos para as Bibliotecas Publicas! as
Folhas Peridicas, e Jornaes Pblicos Estrangei-
ros, que forem dirig dos a', particulares, paga-
rlo ao ir ente a oitava parte do porte.
Manoel Joze de Souza Franca, do Cnselbo
doM-smo Imperador, Ministro e Secretario d'
Estallo dos Negocu s d.\ Justicia, encarregado in-
terinamente dos do Imperio-,- tenba asaim enten-
Ta
'
dido, efic;a executar. Palacio d-- iode Janet* .
ro em sete de Jtinho de mil oltocanioa' e trinia
hum, Dcimo da Independencia, do ltnpe-
rio. #
Marque* de Caravellas.
JVitofao Pereira d Campos Vergueo.
Francisco de Lima e Silva. A
Mano el Joze de Souza Frtpga'? -,
Cumpra se e registe*e. Cocreio d WrnaAlS*
buco 3 de a^o-uo de 1S31.
Bruno Antonio de Serpa Brandao.
' Administra lor do Correio.


ARTIGS D'OFFIOS.


iLlra. e Exm, 8r. Re-mtto a V. Ex. o in-
Cluso Offlcio, qtw me dirigi o Juiz de Paa do
Bairro de S. Antonio desta. Cidade, em que, ex-
pedindo as ha na ra das cinco Ponas, pede, que baja nel-
la btna ronda snecessiva desde as 6 horada
manli ate as 8 da noite, composta de nu mero de
Pracas, que for sufficiente, para impedir as de-
sordens, ate que se estabeb-co as Guardas Cvi-
cas ou que a Cmara publique algunas postura
sobre os vivanderos, que li se costumao juntar :
E como me parece ju&ta a ua reqnesicao, a com-
munico a V. Ex p-ra que a bem da tranquil-
cele publica, a mande sattafaser. Qcos Guarde
a V. Ex. Palacio do Governo 28 de Ju ho de
1831 Joaquim Jos Pinbeiro de Vasconcellos^
Ulm e Exm. Sr. Francisco de Paula VasconceU
los, Commandante das Armas desta Profinci.
Avista do Officio de V. S. em data de boje,
tenht a communicarlhe, que o remetti ao Com-
mandante das Armas,para mandar^ostar na ra
das Cinoo ponts huma Patrtilha sufficiente desde
as 6 horas da manh ate as 8 da noita, a fin de
prevenir, e embaracar as frquentea .desorilens,
que ali accontecem em rasao da grande reumao
devivandeiros, que se estacionSo naquelle lugar.
E por esta occasiSo curapre-me leiab ar a y. .
que lambem contribuir? muitopara p.evenir d.-
ordens o t*m com que se recolbao as suas ca-
zas logo depois das8 horas da noite todas as ne-
frns, que costumao vender pelas ras, ou
ra^as, cnfurme me commumea oto
^-
II II T l l a n r\
>


*
- :>;. -..
-
I I iM
;
M
?[ 67 ]


*
v
ommandante Interino da Polica, e bem assim
prohibir inteiramente hura jogo chamado de Ui-
Sal, com o qual se costuma roubar os miferaveis,
inexpertos ho.iieiw, que vulgarmente se disera
Matutus, e sedusir os escravos para perderem
os dinheiros, que recebem de seus Srs. para com-
pra de vveres, e outras precizoens, comnwnnn-
do-lhes V. S. as penis Decretadas no Artigo23'),
e 281 do Cdigo. E sendo informado, que hura
individuo da Ronda Cvica de nome Joaquim
Gonsalves, apparecera na ra das 5 pontas as 2
horas da tarde do da 25 do corrente fazendo de.
sordens, armado de huma faca de ponta, e por
que fora embarazado de uzar della, correr a sua
caza, lUmfr;rol..... com huma Granadeira, das-
que V. S/recebeo no Trem, somente para o ex-
ercicio das Rondas ; nao me posso despensar de
chamar a attencaD de V. S. para prevenir esse a
buso, fazendo riscar o nomj desse individuo, e de
icrual procedimento da Lista dos honrados Cida*4
daons, que com sacrificio do seu descanco, si'em-
pregao no exercicio das Rondas. Dsos Guarde
a V. S. Palacio do Governo de Pernambuco 28
de JulHo Je 1831. Joaquim Jos Pimeiro de
Vasconcellos Sr Juiz de Paz da Freguesia de
S. Antonio do Recife, Feliz Jos T*vares tje
Lira.
- ^ <\
Umpre me lembrar a V. S., que muito con-
tribuir' para prevenir ai Ufeoraeiu noctur-
ns-sque frequentenente apparecem n'esta Ci-
*" a^ruTe,"^ faser com que se recolhao as suas casas
logo depois d*s 8 horas da no.te todas as negras,
"e costuma j vender pelas ruai, e pracas, con-
nne me-cimmunica o Commandante Interino*
a Policia, e bem assim prohibir inteiramente
huns jogos prohibidos por leis, em os quaes se
coetuma roubar os misara veis e inexpertas ho-
mena, que vulgarmente se disein Matutos, esedu-
sir s escr.avos, para perderem os dinheiros, que
recebem de seus Senhores para compra de v-
veres, e outras precisoens, communando-lhes V.
S. as penas Decretadas nos Art. 289, e28l do'
Cdigo Criminal. Dos Guarde a V. S. Palacio
do Governo de Pernambuco 28 de Julha de 133i
Joaquim Jos Pinheiro de VascDnceilos Sr.
Juiz de Paz da Boa vista Josa Francisco Ferreira
Catao.



Srssao
CMARA MUNICIPAL.
Extraordinaria de 23 de Jlho
de 1831.
Presidencia do Snr. Moraes
Rbsente os Snrs. Caldas, Pei*oto, E'te*
ves, Brito, Bezerra Cavalcanie, Rocha, Costa
Jnior, e Paula.
Recebea-se hum officio do Exm. Snr. Rres'u
dente acompanhado das demarcac59s, que fes a
Cmara da Cidide de Olinda dos Degtrictos dos
Juizes da Paz da mesma Cidade, para que a' vis
ta de seu conteudo, fique est Cmara inteiradi
do procedimento daquella outra, para^ approvar
ou desaprovar as referidas demarcacss, recla-
mando no caso de invaso.
Recebeo-Se outro de Prxedes da Fonceca
Coitinho, em que partecipa ter aceitado a norae-
acAo de Administrador da comida dos presos po-
res.
Outro do Sar Vereador Joze Rodrigues do
Passo, era que participa nao est ftnda a wa li-
cenca pois que pela segunda requisicao hade-se
findar a 26 deste mez.
Outro do Snr. Vereador Joze Ramos de
Olkeira, partecipando, que anda continuo os
motivos de seo impedimento para comparecer nes*
ta Cmara.
Propoz o Snr. Presidente, que wccedendo
progresivamente es estar intulhan do o princi-
pio da Ponte da Boa-vista na pane da ra No-
va, cora os repetidos leos de ios, que os pre-
tos para ali conduzem produzindo deste ntulho
em roda dos esteios a sua putefracao, se fazia
mister, evitar-se este mal, pondo se huma senfinel-
la no dito lugar, que se encarregue da defeza des-
se ihtulho, e que se requisitssse ao Exm. Snr.
Presidente para obter do Commandante das Ar-
mas, a referida sentinella da guarda mais prxi-
ma ; o que fot approv&do, e mandou-se ofici-
ar. ., 4
Propoz o mesmo Snr. Presidente, que se
mandasse aterrar a escavacao que tem feito as a-
goas do Manguinho no atterro antes da Ponte, a
qual as enxentes do Rio, ja impede o publico
transito, o que com facilidade se poder a' conse-
guir antes, que a ruma passe a mais ; a qual foi
approvada e se deo logo ordem ao Fiscal para
fuzer intulhar com a maior brevidade.
Propoz o mesmo Senhor, que se fazia ne.
cessario a' beneficio da Saude publica, transfe-
rir.se as vendas de carnes seccasdos armazen3 da
rua do Collegio, e Praia do mesmo Collegio, pa-
ra as casas da Ribeira, por dois grandes moti-
vos : 1. .porque as carnes muitas vezes pouco
fadiai exalao mao cheiro por aquella visinhanca :
2. porque deata maneira se priva os uzos desho-
nestos das M<*retnses escandalosas) nftS casas da
Ribeira, e asseniu de mendigos com molestias
contagosas, cuja pro;oa'^Xo nao foi logo appro-
vada, ticando adiada para a seguinte Seseao.
. Declaiouo mesmo Snr., que ja se achavao
recibidos da Junta da Fazenda os 200^ ra., per-
tencentes a casa leg ida para sustentaco dos pre*
.zos pobres, re^uisitando, que se mandasse dar oes-
?saq-ianti* ao Administrador da comedoria dos
prezos, Prajredea da Fonceca, Coitinho, 50^'rs.,
para incluir as despezas do mez,_ por assim Ihe a-
ver requerido ; a cuja re^uiscaq se ufficiou ao
Procurador para satisfazer. -
Requisilou o Snr. Venador Ptlzoto, que as
Actaa pas-adas nao vira declarado, que a licen*
e concedida para se levantar o moi amento, em
memoria, dos Mrtires da Patria, tivessa a con-
dicao corno devia-ter, de nao-se gravar inscr^ro
de qualidude alguma, e que apeaas se Buti^aT"
esta Cmara de negar a faculd-i le no requen-
mento dos prndente, e como era necessano par-
ticipar ao Publico, que nenhuma insenpeao foi
permitida, que elle instara para que se insertase
nesta Acta esta declaracSo, o que fui approva-
da,
Declarou o Sur. Vereador Costa Jnior,
que elle dseoipenhara' a inconvencia, qOe tive-
ra para se corresponder com o Escrivo Deputa-
do da Junta da Fazenda, para se saber a manei-
ra porque se havia pagar os Empegados, na il-
uminacao, saude, e mais pessoas a' cargo da
Cmara, que deve remeter mensalmente lium
Mappa de receita, e despeza para receber pelo
Procurador as quantias necessarias pera paga-
mento dos Empregados, e ficoa dessa serte a
Cmara nteirada,


l 'l'lil'W'
.^


*
%'IM
__
IMMI
[680],
Oflfereco o Snr. Venador Caldas huma re*
presentado para a A asamblea Legislativa, que
continua motivos relevantes para transferido do
Curso Jurdico de Olinda para esta Cidade, e
entre os muitos, que offere eo foi a inutilidade
da Biblioteca na Cidade de Olinda, sendo a mai-
or parte da populaco, que dolle deve faser uzo,
jla Cidad* do Recite : o que foi approvado, e lo-
go fci assignada, e remetida para a Assemblea.
Appresentarao os Srs. Vereadores Peixoto,
Bezeira Cavalcante, encaire^ados da Commis-
sao das Posturas os Titulos, e Artigo, que ha-
vio organisado, e redigido os quaes sendo dea*
cut los, e depois d'algumas reformas se manda*
rao imprimir, para hir aparecendo em cada Dia-#
rio bu ni Titulo ate' a concluso das mesmas. E
por ser dada a hora declarou o Sr. Presidente fe
cha. I a a Sesso e para constar mandarao faser es-
ta Acta em que assignarao. Eu Francisco Anto-
h> de Carvalho Secretario-Interino da Cmara
Municipal a Escrevi,, Moraes P. Caldas,, Pei-
xoto,, Bezerra Cavalcante,, Brito,, Rocha,, Es-
teves,, Paula,, Costa Jnior.



Posturas da Cmara Municipal da Cidade do
Recife.
Saude Publica.

Titulo 1.
j. 1. ^| Enhum cadver sera* enterrado
d'cntro das Igrejas, Sacristas, Claustros de Con
ventos, ou em qualqueroutros lugares dos recin-
tos dos mesmos, sob pena deseos Administrado*
res pagaran 25$600 rs. de condemnaco, e o
SacriaiSos desofrerem 6 dias de prizo por cada
iifnuc,5o. Esta desposicj tera' o seo endita des
de, que se estabelleceretn, os Semitonos Pblicos,
ou haver-se precedido publicado da Cmara
Municipal, designando os lug^ses em que sede-
vero fazer os enterramentos ditinitivamente, ou
provisoriamente.
$.'2. Nao se podera' abrir cavas em ditos
semiterios em lugares ja occupados por outros C*
daveres sendo no chao, sem decorrer deaoito me*
zes, e sendo em Catacumbas dois annps, e ineio,
salvo se foi por Ordem de Magistrados Crimmaes.
As covas, ou catacumbas nao liciro abenas ia
is de 21 horas : os infractores pagaro a multa
de \2$000 rs.
%. 3 Os Corpos sepultados serao cobertos
COm 6 palmos de trra bem socada, e em cada
sepultura nao podara* ter mais, que hum corpo, e
^jquando hajo mais pU multiplicidade, se al ir
gara* a sepultura de maneira, que fiquem os cor-
pos em distancia' de 3 palmos ; iato se entender'
com os corpos adultos, regulando se para os ca>
daveres de meuos de 7 annos, a metade da altura,
e distancia declarada : os infractores pagaro 4$
rs., e nao tendo com quepagarem sofrerao 48 ho-
ras de priso.
S> 4. A Cmara tendo designado os lugares
m que se devem enterrar quaes quer anitnaes,
que morrereui, ou carnes corruptas; os que as en-
terrarem em outros lugares, ou leixarem de en-
terrar no determinado, pertencendo-lhe o objecto
corrupto pagara' de condemnacj 8$ rs., e de
ser enterrado a sua cust-i, cujas cova deverao
ser reguladas conforme o $. antecedenl j em por-
pocao de seos tamanhos, e nao tendo com que pa-
gar sfrero 24 horas de priso, e u mesmas pe-
nas impostas no presente sofreo aquelles, que
se utilisirem da earne, ou coiro do animal, que
morrer de qualquer enjfermidade.
. 5.t Nenhum cadver sera' sepultado sem
que o facultativo, que tractou de sua emfermida-
de, passe humaCertilo, que declare se o finado
morreo com contagio, ou sem elle o dia, e hora
de seo falesc'unnto, o sua moradia, a qual aera'
appresentadaao Jui de Paz da Fregus i a res-
pectiva declarando-i'1 o lugar em que se destina o
enterro, e do qual re;ebera' huma guia pela qual
.proceder' as licenc,asordinarias. Sendo porem
a morte repentina, mediatamente sedara' parre
ao Jniz de, Paz paa nomeiar facultativo, que
deve examinar o Cadver, que devengo dito pro-
fessor declarar se a raorte foi naturaj^OTpor effei-
tos de materias veneaozas, ou accao violenta pa-
ra usar o dito Juiz o seu dever ; procedendo-se
na respectiva guia, declarando igualmente -ofa-
cultativo as horas que devem regular o seu inter-
Vamento : 03 infractores pagaro de 5, a 10$ rs. ,
e nao tendo cpmquu pagar sofrero 2, a 4 dias
de priso.
k. 6. O Cadveres de qualquer tamanho,
cor serao conducidos a sepultura em caixo, e co-
berto com pao, se a sua enfermidade for conta-
giosa na forma que vereicar a Certido do Pro-
fesor veri Kaador : nao havendo porem contagio,
podero ser cond zidoa da forma, que convier,
sendo bem am^rtalhados : os infractores pagaro
10#000 rs. de condemnaco, e nao tend
pagar 3 dias de priso.
C Continuarse-a. J
<-
/

.
Pede-st-tios apublicagao do seguinte:
SONETO.
"^SW,^
A
:
_Lvic>eas, Brazil, agora sin
Hes livre, poderozo, e lndep endent,
D'esse Pedro perjuro, e impudente
O governoexpirou, ja teve fim :
A olumna malvada, vil, ruim,
Que triste carpe seu senhor auzente,
U i^uiou, foi a terr de repente ;
A l vi jaras, Brazil, agora sim.
Nao mais occuppem cargos estrangeiros,
Nossa fonja ganhou a Independencia ;
Seja o lucro pois so' dos Brazileiros :
Constantes sustentemos a Regencia,
Admite o tirano ventureiro
Quanto o Brazil ganhou com sua ausencia.
Justiano Antonio da Fonceca.


Si
CORRESPONDENCIA
^JNr. EditorPergunt* o Curioso se he lici-
to a hura Lente que anal isa a Constituico ex-
pender doutrinas contrarias a' tnesma ? Respon-
do que fundado na Lei que autorisa a fazer ana-
lises rasoaveia da Constituico tendo censurado
algumas das suas disposices abalancando-ine a
sustentar as Eleicoes directas por serem mais po-
pulares, emeparecerem mais avantajosas, sus-
tentando que o Imperante nao devia ter*
n* nonia$o dos Senadora que os Min
i'" '""p




-If...'.--
rtri


L]


pelo facto de referendarm os Decretos, em que
se exerce qualquer das attriboices dpP^er
Moderador, estavao sngeitos a' r^sponsabilid^de.
Tenho sustentado que a inviolabilidade do Im-
perador nao se estende aos actos por elle prati-
- cados como simples particular. Se as m'rnhas
doutrinas desagrado ao censor por serem err-
neas mereco toda a desculpa pc$8Errare hum-
num estMas se elle fi huma pergunta tao
ambigua para derramar contra mim o fel da ca-
lumnia ; digo-lhe que obra muito mal por pro-
, curar-me orender tao gratuitamente,
Sou Snr. Editor com o mais profundo res-
peito **.
Seo
i
Seo attento Venerador e obrigado.
Pedro Autran da Mota e Albuaueraue.
------------
j

O
AVIZOS DOCORREIO.,
*N
I
' Brigue Despique, de que he Cp:t8o Joze
Feliciano. Pereira sai para o Rio .Grande do Sal
no dia 10 do correte mez.
A Sumaca N. S. do Monte Pernambueana
recebe a malla para o aracati no dia 10 do cor*
rente.
M
AVIZOS PARTICULARES.


- *&>
NAVIOS A CARGA.
Para oRio de Janeiro.

i Te* 15 docorrente o Brigua Brazileiro Dous
raos : quem nellequizer carregar ou ic de pii-
" dirija Se a Joze Antonio de Oliveira.
Para Rio Grande do Sl.

J\ Te' 15 do corrente o Brigue Brazileiro Ne-
to Despique : quem nelle quiser carregar ou hir
de passage diriju-se a Joze Antonio d* Oliveira
VENDAS.
U.
Ma morada de caza terna no a trompado por
preeo cmodo': na ra da Cadeia velha IS.
19.
Na ra da Cruz N. $1% e na ra <\* Ca-
deia do Rcife N. 15, ha para vender bilhetes
deum Rifa do Rio de Janeiro, qoe corre com a
prxima futura Lotoria em favor do Theatro da-
quella Corte, e he na verdade muito bem despis-
ta, e ordenada; cada bilhete comprehende 10
Nmeros, econlem a Rifa 95 premios, que n<
maior parte sao compostos de ricas pessas de bri
filantes &c.; custo dos bilhetes 8#000 rs.
No armazero N. 43 ra da Cruz vende-se
por prr 903 commedos o seguinte; vinho de chanv
pagne, Bordaux, madera, Porto, &c., genebra
em fmsqueiras, e agordei\tes de todes.^s quada-
des, azeite doce engarrafado, preznntos de porcp
ecarneiros, cjueijos de pinha, e outras quididades
de Londres, mostarda. conservas de vinagre e as
sucar, noyamsnte chegada e muito frescis, tintas
de todas as cores, olio de linha<;a, agoaraes, ta-
pioca do Para', cha em latas, e varias outras coi-
I
A noel Florencio Alves de Moraes, Colee
toV interino da Povonc^o dos Affogados, Caza
Forte, Pc,a, Monteiro segunda vez faz publi-
co, que os Proprietarios dos Predios Urbanos de
tes lugares, venhao pagar a boca do cofre,-o
que se echao devendo, visto achar-ge quaze aca-
bado q pfazo marcado na Lei, no fim do qual im-
mediatamente se pora'em execra a mesma ljei;
e para,este pagamente devem dirigirle todos os
dias ters ao Palacio do Governo na Sala contig.ua
a do Beija-MSo.
Ta'bastante t*mpo que apareceu, existe
na Villa de Queixeramobi i, Provincia do Ceara',
bum escravo por nome Antonio, que foi de Joze
Antonio de Costa e Sa', da Villa do aracati, in-
titulaudo-se fojro ; porm sabe-se que foi vendi-
rfp nesta Cidade, eignora-set q-;em ; por tto
roga se a.quem perteitcer dito escravo, eqiira
esclarecimeuto soor* este objecto que se en ce mi -
nhe a ra da Cruz no Recf, armazeai de Anto-
nio Teixeira Lopes N. 23.
Hotel do Commerch.
Na caza N. 43, me?a redonda todos os
dias alinocos, jantares as 2 horas, e ceas particu-
lares apromptadas com a maior brevidade e con-
forme as ordenef vinhoa, lie res, agoardentes,
serveja, &c. da melhjr qu*Udade, empre promp-
Q
. "
< O abaixo ass^nado sendo charaido ao Ju
iz de Pa* dete Bairro de S. Antonio a requeri-
mento de Urb no Vira de Vacom^llo*, disen-
dd qtleem 1822 mandou aoanunc-ante tira i Sa-
cas d Im, e que ai recebeu o seu em; onet o
Anunciante faz publico que nufia receben laoi
al&rntria, e n^in t*w pouco conhece tal,Urbano Vi*
eir ? porque nunca-o vio; por ato protesta de-
fendi-r-se, o perseguir com todo o rigor que a
Ley Ihe permetir, easeu tempo fara' publico
qual foi o motor desta falcidade. i :
Joo Rtbeiro da Cunha.



,
George Brcklehusst Negociante retirarse
para a Provincia do Cear, faz e!*te avizo para
cmm>rircum s ordena do Governo.
Antonio Joze V ieira d'xrauj i, faz crta ao
publico, e em parte a seua devedorea, quede
hojeem diante nao deem quantia lgutna para
seu pagamento a Joze Jacinto Franco por nao
ser mais seu Caxeiro.
.





NOTICIAS MARTIMA*
Navios entrados no dkr 9.
Ut
NkA ; 24hpra; S. Da^ngano Feli, M.
Feli de Costa, carg caixns, a J^o alves de Car-
valho, pas^ageirs Joze: dos Pr'azies Roza, An-
tonio Joze ilosSmtos, Manoel Pereire, Manoel
Ferro Caatel B.anco e 1 escravo, Domingos
Fe reir da Rocha. ,
Anela; 93 das ; B. Absmo, M. Francis-
co Joze Coneia, c*rga esleirs, e mandobim, e
8 escravo* a Francisco aibeiro de Brito, passa-
geir s Rita Pimenul e huma filha menor.
PERNUMBUCO NATYPOGUAFIA DO DIARIO, RA DA &LEDaDEN. 498. 1831.
'V

e-vasmWmt*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQ7P8ZDBH_ILWXJE INGEST_TIME 2013-03-25T14:29:00Z PACKAGE AA00011611_01333
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES