Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:01275


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO DE 1831. QUINTA gpfRA fe8 ife JULTTO NUMERO
*<50
DIARIO DE

Snr. ..B-------r ---
eme D. 16; <>nde se receben
gusignadot, esecad publicados na
to anuncios, me nao f rem d "^^J" ''^J? *"
len, dasde mais c.-adieSe*, paga ,o cada Ilaha rmpre *a 40 re.,
e ser entrene, na faja* LUrTlro ..a raa d, Livrametu w-
mente,
Tiulo agora depende de hos mesm d* nos J*"*"
remo a^ated* co adiiracaaentre as H*G5esiaw ffOWWM/K Km&'w <5w o *rril.

PbE.AMBCO NATiPOGHAFIA B *lOuf Jo*- DE MlBANDA f ALCA.
mi j w1].'



1
ARTIGO DOFFiGlOa



i-
C
^OnttANOt) tt este Governo : que lumaraen.
te se tem dsapachado goHnde porca> de-cobro oj*
fblha, e que tem subido cdnsideravelmente d
r,reco:vendendo.secada libra* nove tuetoes,oque:
Wsuspeitar, que era' applicodo ao criminto*
fabrico de moeda falsa, euuiprd me excitarlhe
o cumprimento da ordm, que lhe fedirijida em
:M de Marco do.corriente anno, para nao tap
charsemelhante genero, se nao depois doa des-
pachantes e habilitaren perenteo^respctivo J ui
de Pan, dando V. S. parle a este G a ver no o qao
tem deixado de faser, nao oblante arefenda or-
den,. Dos Guarde a V. 8. Patacio do G jverno
de Pernambuco 7 de Jiho de 1831 Joaqu.m
Joze Pinheiro de Vasconcelos Snr. Juiz d
Alfrndega das Fazendai Joztf da Fnho Bovges.
dense; do Olindense temer* ? Ab! slra : es*
Quecia-me, d > Jihsxtrisiimo Olindense, que eu
quero eSfabelecer a doirtrino d espionagem, so
porque andei da figia observando o qt mfmm
va na casa do i smente ste.irisU argumento, i ? "!
monto cessoo de repetir, maa KtMttJW
se eu desse crdito a quinto' rae tem *W~
odiosa dootrift- H-i "-* aos "

CORRESPONDENCIAS.
. t II >
B. Editor.Depois d rotuna ultima cori
resoondencia, em que partec.pi a bonitas corsas
qTse^emnacasa Jo Snr. Col no Monte.ro,-
ot-me preciso marchar em nova dtroccao para in-
dagar o que se faz em corto lugar,* que seo
tempo lhe darei conta, e porisso nao fn. prompto
em responder aos Mtuiritnmot, mas aqu me te n
de noto assuas ordens com a granadeira as
costas, miaha companhe.ra ^f^JS
tuideque eu,que nunca tivemedo dos ^ncedores
dos Jilustrissimos, ou que os seos woiM
bons) IOoMo mais terca que o zuido das bal-
k.: pelo contrario eu espe-o-da benevolencia dos
HlustrUsimos desculpa a' tardanc* da minha^res-
SS prometendode.de ja que a W*faJ*
Z\eVde ser menos forte por isso que elles con-
ftitoVqor miba anteririr lhescausou amargor.
Srf?q'to queeltes desconfiem : tenho ou-
Sao diser ao. entendedores d. Poesa, qne am.
dasbelezas do Comodn conservar o bufo
scena. Basta de exordio, vamos a 'W
mas antes disto fumemos um *9**}X
Bata funiHC* consolou.oe o p no. Apontai.. ..
^.Xncipo disondo os ' leo tosco aranzel, enjertado no N. W do Uim
dootrini nierhor competena aos lllustvis-
simo,... .Chiten !.. *. Vamos odiante. ****
se muito os lUustrissimo* por que eu os than>el
p^rios da Aurora, e ^cycloped* lo^non,
eMe?tem raza-, porque somente quem presuma
de grande i ab\o que n3 poda sofrer, que me
d.X, que se serve das ideias de oalrom. Que
Hiaitas coisas que apparecem *
Hdense, urnas sao extrahidas da Autora,fjtT
das, como se diz, setas em grecas, ***,**:
la fielmente copiadas sem se toigff
declarar-Da Aurora,.-com algumas cepwe.
como fazem todos os Redactores, urna reidade,
que^umostrarei quando entrar na anabse oW||
S Jornal, para a qual De,s me ajude o mod*
tempo sufficiente, mas nao jnlgao, ^gg
que defeito copiar a Aurora ; antes
Ja muito kmvavel, porque a Aurora fc-gj*
da um dos Jomaes, que deve servir de modello.
defeito achoeu na zanga que Uverao os MU***
simas poreudiler, que ^"^ESZ
vao, ensoparan a Anrora. E que bn mbIc
Mundo" q^mlonojo plagi nio ? Atumd>m1^
lustrhsimos essa sentoncn,. conhecidndet odoo
-NihiVsuhtoknovum. Murta gente boaepla
giaria, os me.mos sabios o tem ^^J^^
fao, sem que daqui resu te verg nba algn, o
^"aa^aK'S l. i*


=5?
1*
f >
T
[ 654 ]

i
gante ; porque eu djsse que dles tinhao dito
. que o que havia de bom no Curso Jurdico de O-
hnda estasa na Patritica. Quem lesse a minha
correspondencia ai lentamente havia de perseb r,
que eu fallei em geral scm individuar pessoa al-
guma: logo grande m f querer converter urna
propozico geral n'uma especial; e afirmei esse
iacto, que rae dizem ser verdadeiro ; por que o
(cjtw umita gente intende por Illustrissimos nao
sao rnente os Illustrissimos Redactores do Il-
lustrissimo Olindense: esta famdia jg mais com-
prida, Pois houve pessoa, que entra na classe
dos Illustrissimos, que disse o que eu afirrrei, e
sabe-se era que caza, e perante quem. Quando
aetratou da redaco do GRANDE Jornal, o
mais bem escrito em Pernambuco, como disse ou-
tro Illustrissimo ouvi dzer que se iao aparar
multas pennas, a saber Macednicas, Angole-
nucas, Francas, Francezas, Martinicas ; e en-
tao disse eu ca com os bot5es da minha farda,
por certo que agora fica Pernambuco, e quic o
.Brasil[todo illustrado d' urh jacto Que pefl.
as nao tem o Brasil agora Daqui conclu eu,
classe dos Illustrissimos (epteto que justa*
mente te tem grangeado ) extensa; mas ja ve-
jo que os Redactores do Illustrissimo Olindense
sao so tres ( agora que faz bom tempo ; porque
quando o tempo anda eslava chuvoso e carran-
cudo, dizia-se que era a hum : ) Valha-me De-
os com tanta metamorfose! Segundo pois a
conhssao dos Illustrissimos Redactores til
dividir a classe dos Illustrissirnos em dois ramos
ou especies, urna bignere, ou generatim, a ou-
tra in specie, ou specialim; pertucendo a primei.
ra os elaborantes, concomitantes, aurifiante, a-
conselhanles, harmonizantes, os da roda, o da va-
nclmha&rc. #c. *c,, e ficando os lllmtrissimos
fcenores Redactores na segunHa, que fito mui.
to bem encaixadcs, assim como a minha baione-
ta na boca da granadeira.
Mas ja me ia perdendo, como o soldado que
na faleira nao acerta o passo, e por isso tornando
a primeira forma, digo aos Illustrissimos, que
segundo arniha expozicaoja mais s* me pode
chamar calumniador, e intrigante: sendo preoizo
desprezar todas as formas 3e raciocinio, de que
tanto blasonao os lllmtrissimos, para seiirar to
estranha concluzo. Vamos aoutro assumpto.
leemos Illustrissimos que eu dice que el les en.
trarao na Patritica com intuito desere.n Depu-
Udos. Naohatal : sofrao que os desminta for-
malraente. Eu d.ce que os lllnstrissimos f rao a-
conselnados mansamente para csse fira, e isto e'
umaco.za muito diversa. E que tem isto de o-
posto a Aristocracia ? Onde esta' a contradicao ?
Na cabec* dos Illustrissimos. Resta dar L
CfiSSu8 aoll"*trissmos Redactores pe.
a declarado que fazem de que ainda nao sao
to para serem Deputados, oza esta que todo^o
Mundojignorava, mas que agora ficasabendo, e
*e os Illustrnsimosin specie dizem que nao sao
aptos para tao alto emprego (Quem labe se a in-
tencao desmente as palavras ) nao falio Illus-
trissimos in genere que dezejao aquellle honrozo
cargo, e segundo dizem as ms lingoas a Patrio-
t.ca fot instituida para este fim. Irra, com tanto
i;.lfar mal. E nao e' para admirar, meu caro
fcd.tor, que um dos Illustrissimos Redactores a.
penas conta 23 annos de idade quando te verifi-
car a sua formatura ? Sim : e importa, visto
ter menos sabido, que o Brasilsaiba, que um do*
Jtustrisstmos Redactores do Olindense tem 23

annos, quando se formar, e que e* muito sabedor.
que outro importa, visto ser menos sabido, que o
Brazil saiba, andou p rseca, e meca, olivaes de
Santarem, vio, como Eneas, os costnmes demui-
tPovs e muitas Cidades, e tambem e' rnuito
sabedor, e que o outro em fim no-lhes fica atraz.
Aqui, meu Editor, eu nao posso deixar de excla-
mar. Estes mocos fazem honra ao Brazil, el-
les sao a alegra do nosso povo Tu gloria po-
puli nostri, tu Icetitiu Israel. Fico aqui por que
enea xa muito bem o ponto final, deixando an-
da um bico d'obra para outra vez acerca do final
da resposta dos Illustrissimos, e como e* ja tar-
de, toca a recolher. Vou dormir, adeos.
O Sentinella Peruambucauo.
jNr. Editor. Hum correspondente de ora
, de portas no Diario de sexta feira 15 do corrente
queixa-se que hum lampiao se tirara por causa de
obras na casa onde hera collocado ; e aconcelha
que se poda firmar em outra parte naquelle nres-
mo lugar ; desconfia que o dito lampiao fosse
transportado para alguma ruazinha onde more
ulgum figuro ; e que em fira isto nao he cousa
nova desde o principio dos lampioens. O corres-
pondente mesmo, indica a causa justa da tirada
do lampiao; e qoanto ao resto, o arrematante ro-
gaao correspondente incarecidamente que apon-
te ainda que seja hum so' exemplo de qualquer
lampiao durante o tempo do arrematante, que
sendo firmado em qualquer parte, desaparecesse
della, para cumprir a surrelfa q-.ie o correspon-
dente inventa indo ter nao a hnma ruazinha, po-
em mesmo a qualqusr ruazona em obs equio a fi-
go rao.
O Arrematante
" '' !" .
Emigdi de Souza Lobo Brando.
s
Nr- Editor. Vou por esta expor-lhe um
caso a respeito do desvario, qne teve o Cordeador
Joze Grillo, o qual sendo encanegado pela C-
mara Municipal d'esta Cidade, para faaer a boa
direcco dos predios, que se forem construindo,
parece, que quer faser certo o adagio, que diz :
o direito do anzol he ser torto ; porque devendo
leguir rectameute em todos os lugares, que ter-
minar em baixa-mar; muito inverso praticou na
cordoacao, qne procedeo no lugar denominado
Pocinho da Panella; onde afastou-se da recta
direcco, e oblqoou ao sul com tanta divergen-
cia, queda a entender, huma deduas, ou igno
rancia, ou parcialidade: oque nao s heem pre-
juizo meu, como muito contrario as ordens da
mesma Cmara; pois sendo do seu dever obstar
a progresso de taes torturas he elle o primeiro
transgressor com prejuizo do Publico, eparticu-
Rogo-lhe, Snr. Editor, a insercao d'estas
l.nhas : a fim de ver, se a Cmara providencia,
mandando d.sfazer o que ainda tem remedio.
bou onr. Editor
Sea Venerador eassignante


Francisco de Amorim Lima.


V
m>
"a


"i
Tf
V. .'

[ 655 f .
*l
.



ad(
fazei
Y
ANNUNCIO.
^U sociedade composta de seis membros se
oearedigir um peridico semanario intitu-
ecod olinda cojos fias, edeulhesse<
pblicos pelo seguinte ;) t b
'' -' 3
Prospecto. c
Eco d' Olmda~er' imprewo em formato
grande, esah.ra' todos os Sabbados, comegando
a 0 do corrente. Paf a elle se recebero asig-
naturas mensaes a' 320 rsM pagos no principio de
cadamez. As pessoas que se qniserera assignar
poderao d.r.g.r-se, no Recife, Typogrfia Fi-
dedigna e a botica do Pinto na ra Nora; eem
Olinda, ra da Biouinha D. J, e botica do
Gonzaga, ra d S. Bento.
O Eco d'Olinda tratarcom especialidade: 1. =>
das reformas constituctonaes, e do estado poltico
de todo o Brasil, principalmente desta Provincia:
2. o do Curso Jurdico ; da Moral, e Literatura :
. o do estado poltico da Europa, e em geral de
toda e qualquer materia, que estiver ao alcance
cte sociedade, urna ver que della resulte utilida-
de ao Publico.
Sobre os mensionados objectos aceitar-se-hV
correspondencias, communicados, &cM sejao da
pessoa que for, com tanto que venha tudo legal i-
sado, emereca o assenso dasociedade: sendo
somenteum dos membros redactores o conven-
cunado para abrir as cartas, que a ella forem re-
metidas, contendo escritos dessa natureza, e o-
bngando.se elle aguardar o segredo, mesmo pa-
ra coraos outros socios ; e por isso taes cartas se-
rao enderezadas ao lugar de sua residencia, ra
des. Pedro Martyr, n> 1.1.
Os membros da sociedade com a redaccao
desse peridico nem urna outra cousa tem em vis-
tas que nao seja concorrerem com seos limitados
contingentes para o bem do paiz que os vio nas-
cer; e constando ella de jovens cuja inexperien-
cia, e poucos fundos literarios anda Ibes nao
permittem levantar afoitamento a voz na vastido
do mundopoltico, nao deixa de reconhecer a
desproporco do pezo que volunuriamente toma
sobi e seos hombros respeito de snas forgas in-
tellectuaes, ainda pouco desenvolvidas ; mas
possuida dos nobres sentimentos que sempre a-
nimaro corages Americanos, nenhum sacri-
ficio se poupara', a fim deque lendo, meditando,
e comparando as opinioes dos melhores escritores,
consultando as pessoas doutas, e examinando os
diversos jornaes, tanto nacionaes, como estran-
geros, possa dignamente preencher os fins que se
prope.
Quanto sua imparcialidade nada se atreve
dizer, deixando aos leitores sensatos ajuizarem
sobre esse ponto vista de seos escritos : somen-
te- afianza que to dcil ser' em reconhecer os
seus desaguisados, logo que lhe forem admoesta-
. '. coJno pontual em censurar os alheios sem
distincao de pessoa, emprego, ou jerarqua, sem
com ludo offender o melindre do Cidado probo,
e menos implicarle no laberinto odioso de fasti*
diosup. polmicas.
E este o plano do peridico que a sociedade
julgou acertad. offerecer aos seos compatriotas,
convidando-os ao mesmo tempo a auxiliarem seos
ensaios, ja por meio de esciarecimento*, ja por
meio de advertencias, e lembrangas felizes, que
mu i tas vezes por nao serem vulgarisadas, priva a
sociedade civil de innuineravcs beneficios. Pos-
bSo seos esforcos mere^emb benigno colhimen-
to de seos tonddados, e contribuir ao acuanta*
ment da niavcha constante progressiva do nos
sopai2 natal.
iUmrr.

u,

'.' I i. .,'i
VENDAS.
>tofft!

*m
M sitio pequeo lia asuraba dos Aflictos com
caza depcdra e cal, earvoreo do Pas, ees,
trangeiro : largo de S. Pedro D. 9.
"" Urna molatadbannos de idade, com a-
ma nina de 4, coze, lava, engoma, e e'geitosa
para criar meninos ; urna canoa nova, que car
rega oito patacas d'agoa: em Olinda, sobrado
do Varadouro N. 18.
-- mapreta com tfmi cria do gehtio de An-
golla idadade de 24 a 25 annos, e a cria de 8 pa-
ra 9, vendedeira de ra, e e' muito ligeira para o
servido de casa : na ra Direita D. 54.
4 Cera amarella por prego cmodo : na Pra-
r ca da Boa-vista, Botica D. 3
mt Vende ee, ou troca-se por duas morada de
casas ternas nesta Praga ; urna caza com ranxo
para almocreves, que bem acomoda 50 cavallos,
tudo de pedra, e cal no lugar da Camboa do Gi
quia', com terreno bem plantado' de capira que
supre dito ranxo abundantemente; como taobem
se vende urna morada terria na ra de S. Miguel
da Povoago dos ATogados : na ra Direita D.*
54..
A fabrica de bolaxa, da ra Direita D. 1q
Grompta, e oora escravos prop'rios para o trba-
lo da mesma, a dinheiro ou a prazo, e rece*
hendo*8e o valor n'esta, ou em outra qualquer
Praga. ~
Um relogio de repetigao novo por prego
cmodo ; um espelho dourado moderno ; quatro
quadros tambem doorados ; urna farda de Sar<
frento em muito bom estado : na Cidade de O
inda ra da Boa ora N, 8,
~* Um chao contiguo ao Hospital da ra N va ; quem o pertender falle com o administrador
da Fabrica da ra das Flores. cb
Um sitio na Piranga com cercas nativas de
espinho, capacidade para se crear gado, e para
trabalharem 20 escravos, caza, e oleria de pedra, .
e cal, pomar, &c.: na ra do Rozario, Botiga
D. 11. i
Na Praga da Unio N. 30 t
Artes Latinas do Padre Antonio Pereira a 500
Novo Methodo de Gramatiea Latina a 1000
Virgilio em 8. 3 vol.
Dito Eneida por Mllevant em 12. 4 vol.
Horacio em 12. 2 vol.
Na loje do Bandeira, ra do Cabuga' os te*
guintes impressos
Colleccao das Leis do Imperio te* Dezem-
bro de 18>0 em 25 v. de Iil6 a
Constitu cao em igual formato unida a mes-
ma colleccao
Dita em \
Cdigo Criminal em dito
Lei da Liberdade de lmprensa
Dita das Cmaras
240



Regiment das raesmas
}/ei das Col lee tas
Dita dos Contractos
Dita do Conselho Geral de Provinsia
Diarios Nuticos o oento
Bilhetes de diversos vinhos, e licores o cento
Cartas d' enterro

240
900
160
120
00
60
60
190
500
80
SO
)
y
!<


7
(
i

'\
l '
Cfe*
60
30
40
u
i
200
160
160
190
300-
80
MO
60
Mappas mensae* d* Bato^*U MlA.
Ditosi semana* de ditos, e de Compaotnae
Falfaas inteiraa de Iafereaooaa semestres de
primeira Linha Ji ^i ~
Livros de ditas para Batalhooa de Cacado-
res de segunda Linha {JJ2
Dito rara Regimenfo de Caf allana I"""
-- Um sitio na estrada dos Aflictos, dolado
esquerro* jtwto ao;**** do Paul* a aJIoiic* da
ra do Riozario 1X7*., .
- Ka loie de Jalo Cardozo Aires* ruada Cav.
kia velhaos seguhues impresaos
Guia das Cmara* i*
Dita de Juizea de Paz
Q Bom homem Ricardo
Fonte da Verdade
Diversos bilbetes pera botica, e de licores
o cento
Ditos para quant i as de cobre dito
Exercicio de peca
Telgrafo de bandeiras
A Receita de Tayuya
Vt Dna^woradaedecazaateariaa, noraa, oem
paredes dobradas, aja tipjejadaa, e um sobaado,
comportan, e cosinea dentro oeste, estribara
eoberta da telha, todas ti4 com quintal, par-
reirs, araonas da fruto, &. ecaos preprios;
Bous ferros para tirigne, ou graed* Sumaca; 4
negnis para o aarsioo de Alaaceogas, os quaes
jatem andado.embarcados; tdo-por preena ma*
modos : do Forte do Mattos, ra do Aniorim,
* IBflL
** ma canoa aberta, que pega na carga de
lpessoas, com feco ueo : no arnmiem de
urrocas por. detrae da caza da. opera.
Mobilia de caza era bom uio, urn quadro
uovo doe* Imperador, liaros latinos para prin*
cipiantes, Diccionario de Moilaes ultima edicao,
nina, mol atinha com- grande hbilidade ; tudo por
presos commodos, e ate'uiestno apraao : na ra
das Flores D. 7.
i *m-Bx*t- Conve-oanc'icao de trocar-se ss que
nao pegarem :. na venda de q na tro portas-da ra
do Vigano esquina para o Forte do Mattos.

; < isro
COMPRAS

Ui
M calis em meio uzo, sm ftitio : na*ra da
C*deiav(dt*loj*N>*3>.
a**
W
D<
ALUGUEIS.

JrOus. queraos bons carregadores a-, 320 rs.
por dia ; e lbem se ven Jem : Botica da ra. da
liozario D. 5.
m Qitfem prerizar. de a*a mulher para
raniodecez*, que sabe cozer, engomar, ec
nfer; dirira se a ra Dirett l>. 45.
.-* Antonio de Luna rettra-se para \*
por isso fas o presente anuncio para camprir
| deus do Governo.
Di-se005000 rs a juros de 1 \ ao
Bob boa firma, ou h;poteca de proprieda
largo praao; na botioa de Joze Paulino
ine.da, roa do Rosario D. 5. '
. -*. Lui Antonio Vieira GaimarSes taz constar
aouem cortvier que o niuguel da caza, emque
mora, asta, recolado ao Deposito Geral dssde o
primeiro de Janeiro at o ultimo de Juluo cor.
renta- -
Ir- Precisa-se de urna mulher forra, ou escrava,
que tenha boa leite, e os maisr requisitos para
soertcamgar aereaba- de um menino; quera
seachar a***tos err umataneiaa annuncie.
Pertende-se falar, con o Snr. Francisco
Jze Caeaaito, natural de Portugal, e das i orne-
diaco* daCidided Porto, para ss Ihe entre-
gar urna aarta de grarwle. importancia ; e como
seiatnora onde o dito Snr. exiBte, queira ter a
bonlade de ir a osa d Joze Francisco Rabet-
rnr da-Sonaa, nvrad-r no principio da ua do
Torres, junto Pra^a do Commercio.
-~ Precisa se de. huma preta catvi, qu sirva
paraoarcanj de caza, saib coznhar, en>*a-
bear &-;'* una do Pai*o D 75
Precisa-se de un cozi^rh iro na Botequim.
de Antonio da Silva, beco da hngoeta.

ESCRAVO FGIDOS.
Antonh> congo, idade 90 aonos, estatura
alta, fheio do corpo, cor preta, be ana grossos,
e urna costura de aueimadura ao ji.olho direito,
fijgido a 2b de Junho p. p. : o* fcprehen.ledarea
letem a ra-da Santa Crtsz da Boa-vis la D. 36,
que 8erS<> ret-ompencadoa*
Jooj baca, b->a figura^ sen barba, p di
neito ragr9^, es-co.n 4 dedos, e urna fecida
jasecca nolug^rdodedo uinimo; berma fro-
dite ; fgid-j a 86 do correnta com camsa e se-
roladeetpa.: na primeira padaria da ruado
Quarteis D. 5.
___Fugtoem Dezeinbro de I830umpreto An-
gico : riat-todb rethlhado, olhos e boca grandes,
dentes laigoa, ealtoa, labro gro-sos, pouca bar-
ba, muilo ladino, o peito miu psgrendes, echatos : a'ra da Florentina so*
bradb D. 7. o ahi sera' bera recompensado.
m>

l
faJr
AVIZOS PARTICULARES.
. f>ZE Joaquim retirare p^ra Angola; quem
tiar contas com ella quera comparecer no Aterro
o* Affocados, defionte do Viviro do Muma
-*- A pess radadeqem annunciou o cercado no lugar de
Jrlar-.ngtiape. dirija-be a ra do Ruogel, junto a'
Uibeira D. 8 .




NOTICIAS MARTIMAS.
Navios adrados no dia 2t.

V^AttAcu, per Ceara; 8* diis; trazando do
ultimo-porto.O, B. Mocunpe, M. Manuel Gmi-
calves da Costa, carga coitos, sola, e sal,a An-
tonio d\ Silva & C.nnpanhia, paasageiroa Ja"
quim Domingtea daSilfA. Fel*uirio .lose di
Costa, Carlos Francisco Elliot, e Antonio Nu-
nes de M ello.
<
fERJNAMBCO XSATYPOGRilFIA O DIARIO, KA DA SOLEOAEN. 498. 831-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4B7G5GS3_2336EY INGEST_TIME 2013-03-25T14:02:26Z PACKAGE AA00011611_01275
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES