Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:01271


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*-"**
AKK.fa!1M1. SEXTA FB4 22 DK JULTTO NUMERO 156
DIARIO DE PERNAMBUCO.
? ***cr~~ -mente a 640 rs. P^ a"-^ "jt
Sor F^erBa, Pra*;a da UniSo N.o SO, LoJ d*^J^
^JfiSlSSS no^CeSk;5 ^^r^,C:a^^^t8hora.^dirvi0<,Q K2 be escnpto.
Os anuncios, que nao frem das assignantes deverao a-
le das de mais endites, pagar por cada linha .mpressa 40 rs.,
eSr entregue, na lojade Livreiroda raa d, Lmameuto so-
mente.

Tudo ag*ra depende de nos mesmos, danossa prudencia,
moderacao, eenergia; c ntinuemos JlW*1,f"
remos fcpontadus cara admiraco entre as Nac*es man culta.
':" Pnclamaqio da Juemblta Geral do Bratii.
!

PBRKABB0CO BATiFOGBAFIA AbTOK.NO Jo DB MlBAB.A FALCA..
'.
I

>': '
Quortel do Commandv Armas de Pernambuco 20
de Julho de 1831.
Ordem adicional a do ia.


..;
f Snr. Ccmmandante da Armas manda fa
aerpubco: aos Snre. Officiaes, queporcauza das
comosses Poltica de 1824 forpo deseraprega-
dos, e sera sidos, que compareci im preter vei-.
mente no da 28 do corrent, pelas. 9 no-
r da manha, na Secretaria do Com-
mndo das Armas, tanto os queja la tem hido a-
pwzentar-se, em virtude da ordem do da 12, co-
ma o que anda nao tem comparecido---Ass.g-
nadj.-- Francisco Joze de Carvalho, Capitao
Ajudante d'ordens da Pessoa


.


CORRESPONDENCIAS.
J3)XV. Editor. He necessario nao capitular
moa de forma alguma coro os nossos bons mocos,
Btohe, os columnas, e fazer lhes ajustica, que
merecem : he raister, que esta nao recaa so so-
bre aquelles, que commandarao Corpos, e repre-
sentarlo de Figuros no Theatro Poltico, remet-
iendo ao esquecimento certos hroes, dignos de
igual punicao. n
O Caprto Joaquim Moreira Lima, do Bata-
Iho 19 deprimeiraLinha(hojel4) he era ver-
dade hum chssss, que tendo ia o seo corpo de
delicio as paginas do immundo Cruzeiro, com
tudo, podendo anda illudir-nos, he bem que ap-
pareco os documentos juntos, que ndamenos
To do que huma confisso propria, de ter sido
sempre um perverso absolutista, e conspirador
contra a Liberdade de nossa Patria. Que servil .
Que escravo !! .
Queira por tanto, Snr. Editor, enserir com es-
ta os mencionados documentos, para inlelligen-
cia d'aquelles, que por ventura ouyerem de to*
mar conhecimento di conducta do Snr. Moreira
Lima; no que certamente fara' hum servico ao
Publico, e particular favor aogeoVenerdor ,
O Amigo da Justina.
-i.



. :

'<
i

.

->
Bm. e Exnu Snr.

Diz Fuam, que a bem se lhe faz *
tidao doOfficio, que a este Governo rijio em
23 de Agosto do anno prximo passado o apitao
Gregorio Joze Alves da Silva, e bem assim o the-
or do ofncio que a este diriiio o Capitao do Ba-
talhao 19 de primeira Linha Joaquim Moreira
Lima : para esL fim &\ .T. Exc. Ihe ..
passar a certidao requerida. --., K> m. *
e nao havendo ncovenenUr Palacio foUowr
no de Pernambuco 19 de Julho de 1831 ~ri
nh6r0t r.oxmSo
Certidao
Vicente Thomaz Pires de Figueiredo Ca-
margo, Cavalleiro da Ordem de Christo, elbe-
cretSrio do Governo destaProvinc.a de Pernam-
buco, por Sua Magestade Imperial,.Que, Deo
Guarde, Certico, que no Archivo desta Secre-
tariaexistem os Offices, de que o SuPphcan
fazmencao cojo teor lie ?^^2^l^
simo e xcellentissimo 9enhor s-Ac5MO o rece-
bment do oficio de Vossa Excellencia, datado
devintenove do pretrito Julho, no ^
comenda, sendo-me possivel, o armamento de
tarTmbas para os soldados destacados na Povoa-
3oo Brejo : sobre o que tenho de ponderar a
Vossa Exillencia, que? nao obstante aro. nha
idade provecta, e padec.mento dos olho. qne
sofro alrezannos, que me d.hcultao a monta a
nao obstante a falta de tabeado no lugar, o quaL
so'podevir delonge, e com demora delibere i-
me com tudo a promptificar as tan robas com a
poss.yel brevidade. Mas reflet.ndo depois n^cn-
dicao expressa no dito officio de ser a conta das
de^ezasFfeitas com a indicada obra, ^>gnaJ*
peirCo-mmandante do Destacamento para.poder
ser paga nessa Prac*: resolv a suspensao do p.o-
iecto, em quanto fago presente a Vossa Exce en-
V,a, que em negocios, qae tragao dependencia
da'voqntade, e aritrio ^ sobredlto Commandan
te, naodesejo figurar por quanto este hornera
te'ra constituido raen gratuito .n.migo JKinio de
me ultrajar era altas vozes PeIa9nrraUraSniedaco^
voacao, ameacando-me ate' amarXenCia a"
cordas, e. uxanclo de termos, que a decencia a-
conselha calar A evidencia do que ^ Jto
conhecera Vossa Excellencia do Olhcio incluso,


-<
T
l 3%}
em cujos termos fogo a V. Exc. se digne escu-
sar-me relaces com esse Commandante, que a*
lem de me serem um sacrificio, sao igualmente
perigosas pela insolencia constitutiva de tal in.
dividuo. Estagraca ja foi urna vez por mina sup-
licada a* V. Exc. no officio de 30 de Junto,
que dirig a V. Exc; por tanto isentando-me
V ^xc' (como he de esperar) de uma condi
cao to dura, me tem disposto a' prestar-me, nao
no servido declarado, mas era todo outro.
Dos Guarde a Vossa Excellencia. Quartel do
Poco vinte trez de Agoatode mil orto centoeirifl.
**'I"m' e ExceHeiitissimo Senhor Joaquim Jo-
ze Pinheiro de Vasconcelos, Bem Digno Presi-
dente da Provincia de Pernambuco Gregorio
Joze Alves da Suva.Recebi o seo officio datado
de vmte otto do ultimo mez de Junto, e vejo,
que Vm. se acha disposto a'nao dar cumprimen-
to as minhaa requisicoea, e nem taojpcco res<
posta ao ultimo officio meu, datado do mesmo
da, e mez de Junho dirijido V Vm.; talvez sei a
este procedimento de Vm. proveniente de algum
espirito Republicano, que em Vm. exista, e que
oraversao a's Tropas fiis a' Sua Magestade o
. mperador procureescusar.se prestarlhes oa au-
xilios, que lhes sao necessarios, como tenho fcilo
ver a ha Excellencia o Snr. Presidente. Ora,
como assim teha Vm. praticado, quero affim-
Car-Je que os meos sentimentos Sao contrarios
aos de Vm,, nem que Vm. d as provas mais au-
tenticas dos seus sentimentos Republicanos, na-
ta meassusta, nada me faz temer; assevero-lhe
desdeja, quesera'gloria para mim querer Vm ,
e outros (se os ha tfr afoitos ) renovar os tem-
pos, que dero principio a minha cirreira as ar-
mas ( em mil oito centos e vinte quatro ) tS glo-
riosa ; e por ser aprol da causa de um Monarcha
que tenho a honra de servir, desejarei mostrara-
inda a qualquer Republicano a minha intrepidez.
Deixando isso departe para seu tempo, quero so-
mente, se Vm. ainda obedece a S. Exc. o Snr,
Presidente, que responda-lhe, qual he o motivo
.denSo querer satisfaser as minhas requisicoes,
isso com a maior brevidade, porque nesta mes-
ma occasiao torno segunda vez partecipar ao
mesmo Exc. Snr. desse seu procedimento. Re-
quisito agora a* Vm. um Cavallo, e dois homens
quedeverao achar-se nesta Povoaeao ate' odia
sete do torrente para condusir a um soldado do
Destacamento, que se acha bastantemente doente
para a Cidade do que igualmente faro a Vm. res-
ponsavel a S. xc. o. Snr. Presidente, se por
falta da pronta satisfago desta requiftiro o di-
to soldado piorar, e ouver de falecer, u a nao
sat.sfazendo, do que houver de resultar as medi-
das-que eu tomar para esse fim, e por outro qu.l
quer, a hm de que o destacamento nao padea
.& qn Yn P0**"* mediar, as nao
qu.zer -Dos Guarde a Vm. Quartel 'no Brejo
da Madre de Dos trez de Julho de mil oitnceil
tos e finta-Joaquim Moreira L;ma, CapitSo e
Commandante do Destacamento do BreK-Snr
Gregorio Joze "Aires da Silva, Capita/comex-'
ercic.o deCap,taomor.-Ep,ra que o referid:,
conste onde tonv.er, fiz passar a rresene em vir-
tude do Despacho retro, Secretaria do Gorerno
dePernambuho vmte de Julho de mil oitocentjs
e tnnta e hura.
Vicente dornas Pires de figudredo Camargo.

atam
*3)Nr. Editor, m A poucos dis cheeado a mi?
nha Patria depoi de uma ause/fcia de 7 annoij
*m que por amo rdella sofri' os pesados grilhoes, e
orrores da bm checda Presiganga, e quantas
arbitrariedades poderia inventar o governo de
Pedro vivas, vim despachado secretario do conm-
inando Uas Armas desta Provincia, despacho que
muito me glorio?, nao pelas vantagens que deU
le me resultao, ( pois sao bem poucas ) sim por!
quejulguei, que ainda nellepodia prestar alguns
eerv^es a est Patria que melie4o cara. S
incidente porem quisque o meo regosijo nao fos
se completo, porvir achar falecido meu To o P.
Jco Baptsta da Fonceca, a qm tr.uito estima-
va, nao so pelo sangue que me circula na* reias,
c;oino pelas suw boa qu didades: dcixando tres
riihos orlaos. A dor que me acompanha por nao
ter icios para cuidar da sua aejopa^o so' almas
sensiveis podem ajuizar. Lendo o lindense n.
,23, no xtrato da Sjtfsao da Sociedade Patriti-
caArmcniaadora, vi uma proposta do Sr L. J.
Ribeiro para quea Sociedad* auctprize ao seu
ThsoureirO crispender mentalmente por conta
della oito mil rei^ em beneficio daqnelles infelices,
isto^m virtude de ter recebido da n i delles uma
carta pedndo-lhuma esmola por nao ter ate pa-
ra Ihes dar o necessarjo alimento !.. A dor aqu,
Sr. Editor, me sufoca, einterrompe......Lou-
vores mil sjjxfados ao Sr. Ribeiro, e aos mein*.
Kros da Sociedade, que apoiaro a proposta;
mas permita -me-S. 8. que !he faca urna adverten-
cia, e vem a ser, que julgiva maia a proposito,
visto que querem obrar ese'rasge de Filantropa,
tira-Ios da companhla em que esto, para em ou-
tra parte tratarse da educco daquelles, que,
podem inda m d"uv ser uleis ao Brazil, pote
que ali jamis a edurcao pode Ser boa, e nem o
Si. Ilibeiro, e a >ociedade verem os fruct09 de
seus filantrpicos disvellos : de factos eu sei, que
a decencia mnnda Cnlar, e que se S. S quiser
ouvir meparticularn entea beneficio daquelles in-
flices, eu llios exporei com-ftanquesa. Lem-
bro tainbem [a S. S., que meo Tio deixou pouca
cotiza, ( e mais de.xaria se nao.....) do que
ha Testamenteiros ( nao sei quem seio, ) que
junto ao que a Sociedade Ihes aplicar, pode dar-
se-lhes uma educaco, se nao totalmente boa, ao
menos, porem quanto, sofrivel. Concluo disen.
do, que eu me presto de muito bom grado, e ate'
por obrigacao, a cuidar della, uma vez, queme
entenda com S. S. ^
Queira, Sr. Editor, fazer-me o obsequio in-
serir estas mal trocadas linhas em sen Peridico
a 'Jmjle chegara conhecimento do Sr. Ribeiio'
e da Sociedade, no qqe obrigara* muito a seu Pa-
tricio, e Amigo.
Jos' Joaquim da Fonceca Capibaribe.
,


O JVfl. Editr. Tenho um filho, para com
quem oanecto particular de Pai imeparavel- a-
tentopois a sua educa9Soprimaria como talvez
unjeo bem, que Ihepotsa prestar, drreja^a, que
elle ativesse na melhor perfei9ao, porem infor-
marao-me, que o Mestre ta minhaIWnMa'ta.
ra onde o pertendia mandar e' Estudanfe do Cur-
C>Juridico e igualmente Professor sto posto,
tenho deiXMdo de o matrteular, pornue esto, per
bufido, que ha vera* feni duvida implicancianoi
nos




f
deverea d'aquelle Profesor, e muito principal-
mente nao tendo el|e quem o ajude. Gomp pois
possivel isso! (oclamei ea) A Cambra de Q?
linda nao sabe diaso ? neg, ou ento nao rae
ifonniaoa verdade, ou... .... 4 ,,-. ,
Em quanto pois me ponho ao facto, Snr, E
fjitor, dezejo, que d puhlicidade a estas/quajro
Jinh 19, que talvez ajude mata ao esclarec meato
do que pertendo saber.
Sou seu respeitador
O Pai de familia.
\
, j .
tr> y.
S<
JVjt. Editor-rAo canto ronquenho d.Q frango,
que appareceo no seo Diario b. ti as asas, tizo
meu si^nal de surpresa -e-corri ate' a sua porta
pira dar o meo renpeitav^l e sonoro ccoroc.
Si.n Sur. Editor, .o'Ufc! fraogo e'nue\o, e' nani*
co, tem g srna, tem bobas, e em fim e' rapao i/su
Jij entro na qu'estao di bondade ou maldad--
d,i puhlicucodo depoimento do Snr. Quintella.,
eestou quelbi muito triste lembranc,a ; eu vou
.tratar das parvoices, e mentiras do frango, e ppr
que nao .me.posso demorar dar-lhe hej somente
dous piniooes, .pois nao vale a pena espesinhar
lUm.capo. Disse o frango que o Snr, Manoel
de Carvalh bi Presidente porgf ral acclamacap
i asscntimcnt ); e isto nina menina : o Snr.
Carvalh f illeito Presidente pelo (ollefrio de
todus os Etltitores da Provincia, e con(ira>adp por
trez grandes.Conseiho.-, gem meter em conta as I
diver-as repiwent::o5t>s de repartices respeitave-
is. H%ta e' a verdade, so'franco. TJm flintp,
un frango cm j nao capaz de efcpor a vida
pelo p i ; mas um gallo, bvi"so, bem empenna-
do, toin crista e espoiis nao so expoe a sua vi-
da pelo pa'i, como p|ag muiheres, e.filhos, e se
a>sim r o fosse, nao haverib mais pintos, nem
frangos. Ha muito quem. defenda le sustente o
seo terreiru, cmii del les e' este


Seo creada
Galio.
EDITA!*.

. ..
-
Antonio Elias de Mores, Prezidente da Cma-
ra Municipal desta Cidade Juiz da Pora da
m JP Ac saber aos.Snrs. Juizes de.Facto, qUno
tlia qtmr&i fera, que se ha de contar, 37 do.Cor-
rente, lude haver reun-ao. de Jury em a cwa da
Cmara; horas, do coa u me,, para sejulgarem as
cauzas proximamante appaiecidas. Recife 21
deJulhodei831.
Antonio Elias de Maraes.
.i .
i -


O
AVIZOS DO COIiREIO.

Paqfcete Nacional Atlante deque:Com-
mand.'ntj oTenente Joaquim Manoel OUveira
Fegueredo sai para o Para' no 1. d9 Agosto to-
cando rios^Portos do Ccara' e VLuanho quem
nelle quizer entregar ou ir de pas.-.agem jit'ijtse.
a Adniinir-tracao do Crrelo. As mallas sao en.
treges no ultimo do corrente pelas 9 horas da
noite.
-4.
]
-h O Brigue Importador recebe malla para
o Porto no dia 23 do corrente as 4 horas da tarde.
>* O Brigue Brasileiro Bpm fim recebe a mala
para Lisboa no dia 23 do corrente api? $ras "cTa,
manha\ .
u ** O Brigue Brasileiro M erees, e Passos rece-
be a malla para Lisboa no 1. de Agosto ao mei-
o dia. __
NA
a.. .,.n
tlOS A CARGA.


ros
SJHk
JEpE viajzem a Sumaca S, Sguel ...AfeBtrf
Francisco Caetano de Almeida ; quem ,nai meg-
ma quizer carregar dir.ija*se ao inesmo Mestre a
bordo ou a Manoel Joaquim Ramos e Silva.
fl
- .ypNDAS.

Y
mm'l % V -
M raqueiro novo de prata, gpstp moderno z
pa ra da Cadca vclha 1$. lp.
. r* Urnas tabulas, e seuB copos, tu do. d roapi
fim novo : na ra d.e $> Jfct n0VB N. ? 0?. .
Urna preta;, na rjua da S. Cruz da Boa-vi^
to N. *36.
r-, lJr^amola|a, 4?. 2$ annos, co^tureira, en-
gpmadeira, doceira, el, e propris, jjfljra" criar
meninos um preto cozinheiro mestre, a ex
cep9o de maesas : na na das Cruzes p. 4 ; onde
tbem se compio escrjavps^por baixo preco,
Vende-se, ou troca se por um preto moco,
robusto, e sem vicios, urna negra da costa de 15
a 16 annos, bonita figura, e de bons costumes,
propria para todo o per vico, principa jimente para
p.decaza, para o.qual tem muita habilidade, e
bons principips : na praca da Bba-vist 1. P an-
darD. % ''
Urna negrinha.crioula cpm^lQ annos ele i-
dade : na ra do Queimado,^ loia de lerraje de-
fronte.do beco da Dpngregacao N^. 8o.
-r tiumalojadeiazendasnas cnco ppntas ern
muito bom lugar e'bons commodose ppeos fup-
dos, a dinheiro ou a prazo: urna mulata escura
cpm urna cria, e bonita figura, sabe engomar, ep-
aer.e coainhar p diario detumacasa: um negro
de boa estatura, moco, sem vcio.algum ; na ra
do.Crespo n.6.
--Vende se ou aluga-se urna canoa de carreira,
que conduz doze a quatorze pessoas, na ra do
Crespo D. 3. ..-
Dous moloques sendo um bom cozinheiro, e
outro para qualquer servioo de caza, ou de Cam-
po ; na casa junto aoTneatro no pnmeir an-
dsr. v Ji 1
Um fardamento completo para pfficial /le
Cavallaria da segunda jnha, ja servido, e gor
sopor preco commpdo ; na ra doVigario ar-
masemri.0.91* ;.
Tapioca de excellente quahdade em barri-
cas ; abordo daSumacaS. Miguel j^ndiafSa'ae-
ffonte da praia do$pl;ego.
Quem annupciou no Diario de quafta jeira
80 do correte .querer. .coraprar ura selim dirija*
se a ra do Quein a do loja D. 9. t -.
a-ejnde-se ou troca se um preto oflBcial ^.cje al-
faiate por umpreta>:qWW?^*Wr\naf,iua
do Padre Florianno', sobrado de Anastucio Ale-
xandnno daSilviML .' MUUJt UP J".. .'i
o u cot trm


^
le
V

t 648*1
COMPRAS.
MA caza terria em qualquer na deate Bai-
lo ou de S. Antonio, ou mesmo na Boa-vista,
que tenha hom quintal, nao obstante estar dam
nieada: a ilharga do Livramento indo para a
Penha2. andar D. 23.
f
ALUGUEIS.
Luga-se a loja da Praga da Uniao n. 37
e 38, de quatro portas, cora armacao de vinhati-
co, toda envidragada, pelo mdico prego de cem
mil reis anuaes; 03 pertendentes podem fallar na
mesma Praca d. 31 e 32.
A


.
O
ARRENDAMENTO.
Engenho Mariuna vinculado, muito pr-
ximo da Villa de Goianna, prompto, moente e
corrente, ecom soca para mais de mil e duzentos
paes; trras para soltas de gado, distante do era
Darque vinte ou trinta bracas ; os partidos de<
traz das fornalhas do engenho, os quaes se avis*
tao da casa de vivenda ; e tem perte de quatro
legoas de mata ; apessoa, que oquiser arrendar
ntenda-se quanto antes com Thomaz Antonio
Gu i maraes na dita Villa, ou nesta Praga na ra
do Queiir.ado D. 11. Arrenda-se por trez ate*
seis annos.
-

FURTO.
,/m. 8 do corrente furtarao de dentro da caza
(chamada da plvora) do Snr. Antonio dos San-
' tos Pinheiro, no sitio Parnamirim contiguo a
propriedade denominada S. Anna, um cavatio
mellado com dinas, e cauda brancas, nao muito
gordo: quera delle souber, querr denunciar na
mesma caza, oh na ra do Rangel sobrado da es-
quina do beco do carcereiro, que sera' bem re-
compengado.
Nodia 20 do corrente furtou se hum copo
de prata lizo, beirn. fina, com riscos feitos ao tor-
no : quem delle tiver noticia, ou o comprou, po-
de sem susto leval-o a' ra do Rozario, venda D.
9, ou loja de relojueiro no largo do Colegio
que sera' recompensado.
------------


.
P
AVIZOS PARTICULARES.

Reciza-se 200$ rs. a Juros de dois por can-
tos ipotecando se 3 escravos, e dando-se bom fi-
ador ; anuncie-se.
" Quem quizer rebater urna Letra a vencer-se
a 3 mezes da data desta, com boa firma : anun-
cie. >
Joze Pereira de Souza, e Manoel Pereira
de Souza ret.irose para Portugal, e como sejul-
gfi. livres de trausagoens com esta praga, fazem
somente este anuncio para poder obter seus pas
. saportes.
** Quem precizar de caixeiro para ura Erige,
nho anuncie asua morada,
. b
. Quem percizar de um rapaz Brazelro para
caixeiro de ra, ou armazem ; dirija-se a ra do
ViearioN. 25, 2. andar.: )
Quem quizer dar 150#000 rs. a juros pon
espago de seis mezes, boa firma, ou ipoteca dr
um escravo ; anuncie.
Apessoa que per'tende a caza terria com
bons commodos, quintal murado, cacimba, &c,
procure o sobrado D.9, na ra do Livramento.
. Quem a' tempos anuncou querer comprar
urna carteira, declare a sua morada, pois se ven-
de urna Americana, bem feita, e com pouco uzo.
A pessoa que anunciou no Diario do dia 15
do corrente mez, querer entregar urna carta vin-
da do Rio de Janeiro para a Senhora D. Henri-
queta Mara, queira anunciar a sua morada.
..
L.
ESCRAVOS FGIDOS.
iUiza, naga conga, peijada, baixa e cabe*
guda, botoes na cara (signal da sua nacao) groga
do corpo, o dedo polegar da mao direita sem u-
nha, reprezenta ter 30 e tantos annos, fagida no
dia 9 do corrente comsaia de barra azul com um
remend de chita branca na frente : os aprehn*
dedores levem-a atrs da Matris da Boa-vista em
caza de Francisco da Silva Amorim D. 13.
Joze, nagao cagange, idade 21 a 22 annos,
estatura ordinaria, seco d^jcorpo, a orelha esquer-
da furada com um brinco, tem 2 taltios no brago
esquerdo, fgido nodia 16 de Junho do crreme
anno com caiga azul e listas encornadas ; na ra
do Padre Fluriano D. 24.




NOTICIAS MARTIMAS.
Navios entrados no dia 21
LIvebpool; 52dias; G. lng. Medora, Cap.
H. Cuming, em lastro, ao mesmo Cap.
A
Navios saludos o mesmo dia.
.
Racati ; S.S. Rita Carlota, M. Joze Joa-
quim Alves, carga fazendas, e molhalos, pasaa-
geros M. Vctor do Nascimento, Antonio Pe-
reira Reg, Joao Francisco Fernandes e Mello
1 escravo e 1 criado, Joze Pamplona e2 fmulos,
Joo Ferreira Lopes e 1 escravo, Francisco Xa-
xier de Oliveira, Francisco de Mello Barreto e 1
escravo, Antonio Pereira dos Santos, Manoel
Ribeiro, Iza bel Mara Ribeu
1 filha menor.
Francisco Xavier de Carvalho, Antonio Manoel
de Souza, Manoel Antonio da Silva Cerillo e 1 fi.
lho, Manoel Joaquim da Silva Magalhaens, An-
tonio Raymundo Brigiao dos Santos e 1 fmulo,
Mathias Joze da Costa e 1 escravo, Joze Ferrei-
ra Lima 1 escravo e 1 fmulo, Gongalo Gomes
da Silveir 1 filho 1 escravo e 3 fmulos, Joaquim
da Silva Mura e 4fmulos, Antonio Pinto Mar-
tina, Joze Severino Alvea Bizerra e l filho, Aw
tonio Cerillo de Queiros, e dous escravos reaioti-
dos.
.
Liverpool; B. Ing. Bel^rave, Cap. Eve-
rard, carga assucar, e algodo.
PERJNAMBCO NATYPOGRAFIAU O DIARIO, RA DA SOLEDADES 498, 1831,
>
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED576VOYQ_3DZXRN INGEST_TIME 2013-03-25T15:52:29Z PACKAGE AA00011611_01271
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES