Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:01201


This item is only available as the following downloads:


Full Text
NiXO DE i83i.
SABBAD0 28 DR M VIO.

NUMERO n3
SH

V
ID
MAli 1K fBAHASt

SiiViscreve-*e mentalmente a 6 {oris, pago adiantndos, eni cazado Kditor, na Direita Pf. fi; ; onde e recehem erretpond'ncH
a, e anuncio* ; este* inserem-e gratis sendo dos prourioi asignantes smente, e viudo assignadns, e serio publicados no da innncdia
! i ao da entrega, sendo esla feita ate o meio dia c viudo rezumido* e bem escribios.

Tndo agora depende de nos mesmos, da noSM prudencia ,
Os amumeios, que uso forem do assignantes deverao, a- i modera cao, e energa ;" oiitftiuenios eomo pncipiamos, e
Uta ras de maia condiccs, pagar por cada linlia nnuressa seremos a pomadus com fldmirncio entre as Naces mais cultos.
40 leis.


1
*

Proclamadlo da Aiscmilen Geral d Bratil.
PERNAMBCO: HA TYPOC.RAPU PIDRDTGNA, RIJA DAS FLORES, N. 1 8. 1 83 1




i. |ndo publicado no nosso Jornal a de-
clara o dorvota \o Stnhor Conselheiro
Gervazio l'ires Ferrira sobre os objectos
dos dous requerimentos, um de vatios ne-
gociantes desta Praca, tanto nnciouaes,
como estrangeiros, e outro de alguna' se-
nhores de engenho, somos obrgia dos a
faser algumas reilexes sobre os votos
deste Senhor, apezar de nao termos visto
anda e>ses retjuerimentos, nem ter siti
publicada a Acta da sessao, em que es-
te negocio foi tratado, por isso que elle
anticipou aquella publicacao, sem Ihe unir
ao menos a copia dos requerimentos, o
que, no nosio iraco entender, nao pode
ter outro lm seynao. surpreliender a opi-
niao*,publica chamando-a a toda asi.
Temos geral mente ouvido dizer : que os
negociantes requerero ao Governo da
Provincia a faculdade de pagaren, em co-
bre aquella parte do direito de entrada
das fondas, que at agora erao obriga-
dos a pagar em prata, allegando, que a
eseassez da moeda de prata era tal, (pie
era breve nao po leriao obter a negessaria
para pagamento do Direito ; e que os a-
gricultores haviao igualmente requerido,
que o dcimo do ispear, pago at agora
todo em prata, e no acto do despacho
para exportarlo, passasse a ser pago do-
ra em diante em cobre; allegando, que o
maior preco da compra da prata neces-
aria para pagamento do disimo, influa
no preco do genero, que todo era vendi-
do a cobre : o que se converta em seo
premiso.
Com estes dados, nicos que temos,
entraremos na materia, e veremos se po-
demos faser com que o Publico eonheca
o motivo, e o lim dos votos do Senhor Ger-
vazio.
Votou o Senhor Gervazio quanto ao
requer ment dos agricultores, que se Ibes
devia deferir, mandand que a Junta da
execucUo
9
* Fasenda desse ni mediatamente
a Le de i*> de Outubro de i83o, que
manda crear a Mesa das diversas rendas,
pe 1 qual se restabelece o direito das as-
signaturas, para pagamento- dos Disimos.
Nos, nao podendo deixar de estranhar
a demoya que te ni ha vid o da parte da
Junta d a Fasenda neste* particular, pas-
samos s6 a notar que o Senhor Gerv azio
faz 1 era ir a queixa dos agricultores na
suspeiso das assignaturas dos negocian-
tes, quando, segundo oovimos, ella rec.e
na differenta da moeda, porque se vende
o genero, aquella em que se faga o Di-
zimo ; nem he crivel que elles laucassem
mao de huma cauzal, que nao os alt-
ela directamente; nem pode influir eon-
sideravelmeiite no preco do genero, Com
preferencia a outra mais influente ; sal-
vo se o-Advogido, que Ibes fez o reque-
rmento os quiz trahir, advoganJo mais
a cauza dos negociantes, e dos poucos
agricultores, que reunem a esta qualida-
de a de negociantes despachantes da Al-
fa ndega, do que a dos agricultores em ge-
ral.
Como o Senhor Gervasio na exposicao
dos motivos deste seo voto, increpou a
Junta da Fazendz, que havia suspendido
aquelle direito das assignaturas, nos, com
a imparcialidade propria de esgriptor pu-
blico, vamos mostrar que a Junta nao
fez alguma asneira ; salvo, e se deve ter
por tal tudo o que nao for de accordo
com a opinio do Snr. Gervazio.
O Dizimo he hum direito, em que a
Fasenda Nacional se reputa interessada
na decima parte do; productos da agri-
cultura : os gneros da agricultura do Pa-
iz vendem-se a dinheiro, e pelo preco cor-
rente he que se paga o Disimo : logo quan-
do o agricultor vende o seo genero, vendo
igualmente a parte pertencente a Fasen-
da Nacional; deve por tanto compra-
dor pagar nao so' a parta do agricultor,
f



I
(4;
r ; \ !,: \iseua Nacional, e na mesuia
re / Ja ; e comi ao tenipo is i d^ierminou, os gneros erao jia.gos
en m>>eda de prata, por isso f'oi que se
man Ion cobrar o disimo nessa especie;
! a fiase de se si'\e, qua uj di q e a Junta sus-
peii leo o dir to Je asignatura que tinho
<>' antes, parece nos, que se couver-
nrst'outra A .Junta da r'azendu ,
urde:1 :n:].) que o diziino bsse pago no acto
do despach > restituG a Kazeuda Naci-
n.:! o direito cjne se I he tinha tirado a bene-
i j dos negociantes despachantes da Al-
i iudeija.
\iem disto os oouipradoros dos gneros
devem reputgr-se exportadores e realmen-
te ninitose; a o, como anda lio je sao expor-
tadores pessoaes: e ueste ea>*o o favor das
asignaturas eouvef li.-ae em proveito
naquelcs negociantes a (juem os especula-
do :v's e;n luttiao o seo earregamento ,
os quacs i lies metilo em cunta o pagamento
d '(ii/.i no. Como poreai oi o Sr. Gerva-
/io o que no teiupo di sita Presidencia eou-
eedeo aquelle dircCo aos negociantes de->-
o;:e!;.oites da Alfaudcga, e este Senhor imi-
to se <)l) de que as suas obras n&o sejo
reputadas obras primas e alean disto he
agricultor que exporta e negociante es-
paelian.t; da Alfandega eis poique neste
seo Noto 'undou na Mispens&o desse direito
o motivo i4i queixa dos agricultores e na
resti'ui ao deJle t or o o remedio delta.
S** disto oi que sequeixarao os ag acuit-
les ; se este he o remedio que perteodilo,
< e elle s Ibes pode curar, decidan eJIes
;:; it.os.
: .. seno- ;ora no voto so])re o reque-
r monto dos i'c^oeiaTit(js.
\ .i! -; <> Seiihor Gervazio Que ou se
nao aJ rutissem as f'a/endas vindaV das ou-
tras Provincias, embora oo;u Caretas de
Cui.i sern (pie de novo pagassem o direito
respectivo na 41fandegi desta Provincia,
no que se defersse aos negociantes nao
por ser ntcrcsrc (N. 3 ; sim de
iuter^se publico mamUtftdo-se^wr agora
que o pagamento dos direitos de importa-
co seja dora em diante, huma quarta
parte tao :. .mente em prata sendo em bi-
Ihetes des as-aunante.* as trez" quaitas parles
co rol)re que eouber nos despachos de
pag/:r.
Anida que nao enfeudemos o Peixo desfe
voto com tudo como isso nn influc no
cssencial de!le entremos" na anatse.
Neste vota rceorvhece o Senhor Gervazio
be n expressamente*que a uerteueab dos
negociantes nao era do seo interesse, sim

de interesse publico ; vejamos pois qual he
o interesse que elle advoga, fundados nes-
ta sua mesma proposicao que he hum axi-
oma de Economa Pclitiea.
Quer o Senhor Gervazio que por atterr
e-" do interesse publico se maride por agora
que o pagamento dos direitos que fbrem
de assignar, sej f'eito com huma quarta
parte smente em prata sendo as outras
tres em cobre isto no caso de se nao
admittir o prirneiro voto de se privar o
(d''eito das Cartas de Guia, cando sugei-
tas a pagarem de novo os direitos ne&ta
Alfandcgaas t'azendas que das outras Pro-
vincias vierem, embora com ellas. Como
para provar a Hcgjdade e pcrniciozidade
das Caitas de Guia dessas Cartas de (jue o
Senhor Gervazio tanto u?ou em quinto
neiiociava em ('zondas e uaoera contra-
tdor dos direitos da lfaiidega foi (|e o
Senhor (ervazi < empregou mais argumen-
tos citou AI varas, Pora es das Ai'aiidegtfS
de Lisboa Porto e das Sote casas e
Avizos. ese servio da pratiea de43 aunes de
Commercio, e mesmo por antepor esta
medida a entra, cremoz que esta he a que
elle prefera ao menos lie evidente jrla
leitura so deste seo o voto qae adinittida
ella nao devia ter lugar a outra; entao
nada inipoi tava que os negociantes tom-
prassem a prata por qualquer preco que
fosse para pagar os direitos porque o
Publico que era o consumidor hava 5|UOi'-
taf tudo nada m hn de attencao a esse
interesse ptiblieo, nem ab menos/// ago-
ra. A quom pois se prestaria ueste (aso
i attencao ? Nos nao desoobiimos outras
pessoas senao o.^ Cotraladore dos di re tus
da Alfiudega. aroberta i s(o com o nteres
se que taob m tira va a 1 a/.ewd a Nacional ,
he querer que o Govevpo ten ha os mesmos
scutim;tis cine pode ter hum Contrata-
dor ; e isto basta acerca deste voto.
Urna relexao n:;;is. Privar o cleito das
cartas de Guia, sen privar as nrtsmas car-
tas, anomala : privar as curts de Guia
que, por qualquer motivo que fpssc, eta-
vdeiu pratie.t ein todas as Al'.indegas do
Brasil, guando as suas rendas forao arre-
matadas, que nao foro entao reclamadas,
e (|iie ten continuado a estar ate haje em u-
zo, c lo uldade que, ao uosso ver, soj)o competir a que.-n tiwer a superintendi"orii
gcral sobre todas essas Alf.indegas ; e (pie-
rer que o Goverw de Pcniciiwhuco tome
urna medida (jue afecta a todas as Aliande-
gas do Imperio, e julgal-o authorisado pa-
ra isto; so porque he objecto que rejuer ex-
ame, e juizo administrativo, he nao querer
a anida de do Covcrno das Provincias ; c
*_*. --*-, /





(477)
TIIEATRO.
j. .'
jdgar a esta Provincia desligada das ou-
tras. Cora esta ultima relexo temos tam-
bera respondido so i. voto do Sur. Ger-
vasio, e damos por lindas as que por ago-
ra nos propusem os f'azer.
4
L\ManhS Domingo se representar a pes-
sa da verdadenVI). IG\TkZ DE CAS-
TRO DE POIS DE MORTA CwKOaDA -- lio fim da
qual urna nova dam- filh-i do artigo Cmico
Ja6 Albano, cnegad i a esta Cidade cantara
o Dueto do C*tiga lindando*o diver-
tiQiento com o Pantomimo do Imude, eo
Soldado : que rert tara eom o -- Miudinho
-- Advertase a9 respeiUiwl publico,que o
Cmico Fortunato Antonio Ribeiro, ejie-
g'ado i^al.Me.te a jsta < a da de eom n refe-
rida Duna e itra nesta uoi.te fazendo na
Comedia a parte do Re Alonso Princip-
ala as horas do eostume.
Beco da --ningoeta N. 2.

VENDAS
N


O
,\\VIOS A CARGA.
PARA Q PORTO.
..

Brigu? Portijgie importador forra-
do Qfcaviibadu cb Cobre,vmuito veleiro,
e eom ex re Jen tes co.uwnodos para Passa-
;;-iros: quelu no niesrFid quizer erregar,
o. Iiir Je pa$sg(*m diriji-se ^o Gapitao
na Pr.tci Coimnereio ou a Ra do
Colegio D. \ m

P.-.ra FjOMuies ou Trieste..
A. muito veleira ira lera Inglesa, nova e
orrada de cobre, lan meta de da e irga
pronta Crflem disso magnficos cmodos
pira passugeiros ; quera na niesuia quiser
carregar ou ir de p<*ssageui dirija-se a casa
dos seus consigna Lo i >s Sfiiitli e Laneaster
rua'da eadeia no 1 eciie n. 63.
- s **-

PASS vGEiROS'SOMENTE.
)
Ara o Rio de Janeiro ate (j de Junlio o
Irrigue Roa fe, Mcatre Agostando Rodrigues
liare ia, ja carregado, e com excelentes c-
modas para passagerosi querii pertender di-
riji-se abordo do mesmo Brigue fuudiado
defroute da [nspeccad do Algodao ou ao
A ra da Cadeia velha N. 7 : 6 caicas de
cera lavrada de 5, 6, e 10 veJIas em libra,
viuda do Rio de Janeiro.
Urna eserava da Cost*, 18 anuos, en-
goma Ii?o, cose, corta vestidos, e borda so-
f'rivelmente : na ra do llangel sobrado
D. 20.
Uia mulatinho de i3 anuos ; proprio
para pagem : na ra do Livramentc iojj de
louea.
(Jm eseravo, 18 annos, Mariwheiro,
de go\erno, ferra,-carea : na rol da Moeda
N. 158.
iJi preto Mocambirjue, 16 annos,
muito esperto : na ra do Trapixe primei-
ta loja de Kanieiro junto ao Pelourinho.
ffeas negras e um crilo de 7 annos
e uta Efla ttido cmodo : na ra do Co-
legio botiea D 3."
W.ii ricas n/.uito boas que servirlo
de bninlia de trigo ; 2 Banderas gran 'es
de casqinha do ultimo gostoj auuncie-
se /
-Ufn a Caza terrea n Jad eir do Vara do uro
em Olinda D. 5i. procuren) a Joaquim
Manoel de (Jveira Miranda na Kua i\ova
sobrado de dous andares D. 22 i.'c an-
d
ar
Urna escniva ladina 20 annos sabe
eozer e engomar e coziulia sqtrivtl ,
vende-se"por querer comprarse imi mo-
lejuc : na Roa-vista ao pe do Arma/.em do
Sal caza :\. i3i. -
IJnii 'iigro de a cao capaiciro i8
anuos ; vende-se por se querer nrn co-
zinheiro: na Rua Nova fjoja.de Selero de
Antonio Ferrira da Costa Rra^a 108.
, Urna canoa nova propra para abrir:
atrs do Aimasem 'de Carrocas do ludo da
eadeia, se vchvle em cont. '
_ Um negro, e urna canoa ^'agoa, que
enrrega a 10 rs. oito [xttacaste pode ver-.se,
na praia jnnto ao deposito da Ponte da
Boavista, e tem na popa o nomeTriunfan-
te-o agradando o mesmo negro dir' (juem
c seu senhor.
COMPRA.
v^rUein ti ver para vcndrfr urna balanca ea-
phz de pe/ar ate 1 o, arrobas, com os res-
pectivos pezs, aiinuncie.









P5T

-


(47*)
PERDA.
D\ra do Livramento ate a de Horra*
pcrdeoic a aa do corrente urna etra de
Rs sMio vencida nesse mesjio da, fir-
mada or Pedro de Alcntara Vieira, a fa-
vor de Pedro Antonio Cczar : ao mesmo
Pedro Antonio Cesar na ru das Sinco
pontaf, ou na do i vramento, lado direito,
l.o andar da casa D. i3.

AVISOS PARTICULARES.

Dioso F. King, Negociante Britnico es-
tabclecido nesta Praga, em consequencia
da Portara do Snr. Presidente, para obter
o seu Passapoite, faz publico, que vai ret-
rar-se para Inglaterra,
Bernardo Jos Cameiro Moutciro avi-
za as pessoas que tiverem Bilhetes de co-
bre de sua firma, que os venho receber
dentro em trez das, e nao o fazendo, nao
ficar responsavel em qualquer alteracad,
que liaui da nioeda.
Bernardino de Souza, morador no
Recife, retira-se para o Porto no Rngue
Sumaca Portuguez Quatro de Aosto e
roca as pessoas com quem tcuha tido con-
tas e se julguem credores lhas a presentera
Tio'praso de trer dias a fim de secan salda-
dS. .
_ Quem tiver una olaria para arrendar,
dirija-se ra do Aragao D. !.
Agostinho Joz Ferreira, faz publi-
co que tendo servido de caxeiro, de Ma-
noel Joz de Azevedo Amorim, retira-se
para os dominios Portugueses, e convida
a quem com elle tenha qualquer tran-
zaca a comparecer no praso de 3 das
em casa do dito seu patrao na ra do
Queimado D, 7. t '
' Preciza-se de um pnmeiro ou segundo
andar, as ras principis to bairro do
Recife : quem o tiver para alugar dirjase a
rua da Cruz JJ. 54, Botica Francesa.
__A pessoa que annunciou querer um
eonto de reis premio cora bypoteca,
pode comparecer na Prata da UniaO 11.
' Quem quiser receber 200^000 reis
no Rio de Janeiro com rebate de 4o por
,00 dandc aqui em moeda, annuncie-
sa.
NOTICIAS MARTIMAS,
ftavios entrados no da 20.
Dinam. /sarro, Cap. Loreiu Holdt em
lastro: a Schramm. .*.*%#-.
1 Goianna ; dia ; L. S. Joo Bcnt^a
M. Jos Rodrigues de Brito: cikm. do Mes-
trc.


Entrados a ai.

_ Aracati pelo Assu* ; 3} das ; S Cario-
ta.M. Jos Joaquim Alves : sal coiros, pa-
lta e sola: de Antonio Jos de Ol.veira
Costa. '5 passageiros,
_ Rio de Janeiro por Babia e Jaragua ,
a7dias; Paq. N. Constancia, Com. o a.
Tenente Eugenio Aprigio da Veiga,^ 1 as-
sageiros P. Jos [Gregorio Jnior Joao An-
elo Bitancourt.e asoldados demettidos.
Porto ; 49 dias ; B. Port. Importa
flor, Cap. Manoel Pinto de Araujo: yinh
e outros gneros : a viuva de Leal de Bar-
ros
4 Rio Formoso; 1 dia; L. Feliz Pernam-
bucana, M. e dono Francisco Xavier l ar-
delhas caixas.

Entrados a aa.

' Giquia'; i5 dias; S. Laurencia
M. Joaquim Jos de Mello: madeira de
construcW: ao xMcatre. Passageiros Lu-
iz Antonio da Cunha Bastos, e Antonio Vi-
cente Vieira de Mello.
Una; 1 dia; S. Desengao Vela,
M. Falis da Costa: caixas : de Joao Alves
de Carvalho Porto. 3 passageiros.
Londres; 53 dias; Baru Ing. Julut,
Cap. I). Grant: em lastro : Smith e
Lincaster.
.- Rio de Janeiro por Una; O:) das
Pat. I'asso? e factora, M. Manoel Joze
Ribeiro: caixas: de Beuto Joze da Cos-
ta.
-
Liverpool; 67 dias; B. Ing. ff'a
hficld, Cap. John. Ooaher : fazendas a
Lowe Richardsou e Ccmpanhia.

Entrado a a5.
Rarra Grande; a dias Iliate S. /Jntonio
Voador, M. Joze Marques : caixas : de
Lourenco Joze das Mevcs. 10 passageiros.
PERNAMBUCO NA TIPOGRAFA FIDEDIGNA.


",".../


.,

SUPLE
TO
AO DIARIO

.



O


N
i> n3.
PIRNAMnCO^TYPOaHAFU FIDEDIGNA, R. DAS FLORES, N. 13 1831.

8,

CORRESPONDENCIA.
-^r
>R. EJItor A muito que ouco filiar,
que o Excellentissimo Commandaute das
Armas cfestS Provincia, o Av d>s Com-
mante das Amias do Brasil, o Coronel Tra-
janq Antonio Gonsalves de Medeiros des-
pojou do seu Posto ao Sr. Tenente Coronel
Francisco Jos (i' Avila Bitaneourt Coui-
niandante do Batalbao N 5. de Casiatfores
de segunda Linha da Villa de Maman pe d esta mesma Provincia, que tem Lie
o N. 69 de segunda Linha d Exercito
e como agora este boato tenha sido espallia-
do com mnis vigor por pessois suas desafe-
ctas, e algum as corr manifiesta injustica
cingratido, ca qrim este Excellentissimo'
onr. Commandaiite d' Armas tez nao pe-
queos favores; vou apresentar ao Respei-
tavei Publico a amostra da sua conducta
com aquelleSnr. Tenente Coronel, contra
qucn; qujz proceder seu faiecido so^ro ex-
j're/idcnte o' esta Pi^vincia Alciandre
J sua pnsa6? jya nao se fez efectiVa por
eniioiitr.ii' Lj|#t invcneivel barreira na
muito cot|rtiiCOnjj conducta deste exeel-
l0i e lfe asfjo Sur. Comandante d'
A'rms, que hesnio n aquella poca de
1824, depois de decahido o pirtido de Per-
n a ni buco falla va na lingoagem constitucio-
nal, que se v no seu officio, (ne abaixo
se trauscreve. O Documento n. j.o j,e
o Officio de requisicao da prizao ; o docu-
\ftrdadeiro ueste negocio; porque quere-
mos ter o gosto de apresentar ao Publico
qual foi sempre a conducta do Excellentis-
simo Snr. Commaiidintc das Armas para
com este Snr. Tenente Coronel. Sur. Al-
fonso he pfrcizo que os horneas apparecao
no Mundo Liberal tal quaJ elles sao, epa-
ra isto nos desa.imos a V. S. para se
manifestar pela imprecisa, e nao as Com-
panhius particulares.
Son Snr. Editor com toda avneracao
e respeito seu muito aeetuoso assiguanta.



.--



O Boni /iniigo.
.

1.
ment n. 2. he o Oficio de oposico
a esta medida anti-constitucional ; e o do-
cumento n. c 3. fie a carta de agradecimien-
to do Snr. Tenente Coronel Bitaneourt, cu-
j-s pessas Oliciaes \he rogo Snr. Editor
o favor de inserir ni sua folha
Consta-nos. que o Snr. Tenente Coro-
nel A ftico d' Albuquerque tem proferido
iie.tsa Praqa do Recife nas^Companhias dos
Amigos da Liberdade do Brasil grosseiras
exprec&es contra o Excellentissimo Snr.
C-ommandante das Armas de quem acaba-
mos de filar ; c por isto o desafiamos para
apresentar pela imprensa os motivos de sua
queixa, sob pena de ser tido por menos
DOCUMENTO N.
T
lim. Sr. Consta:ido-me que o Tenente Co-
ronel Francisco Jos d'AWla Bitaneourt se
acha na Povoacao de Mamanguape, e at
exercendo o cargo de Jui?. Ordinario, ha-
vendo aderido a I10111 partido dicidente, e
inimigo da boa ordem, Ordeno a V. 5.
que j 1 mVnde Ordem pira ser preso, e con-
dusido para a Portales doCabedello. D-
os Guarde, a V. S. Palacio do Ooveroo 8
de Outubto de 8a4 --Alexandre Francisco
deSeixas Maxado Vice Presidente -- Illm.
Sr. Tenente Coronel Commandante das
Armas da Provincia.
Est conforme.
Nicolao Tolentino de Vasconcelos,
Ca pitad e Anidante d' Ordens.
N. a. o
LLustrissimoe Ex. Senlior. Accuzo a V.
Ex. a reapeo do seo Officio datado de
hontem Indicndome a necessidade de fa-
zer prender, e recolher a Fortaleza do Cabe-
de,I. ,Tentlte Coronel Francisco Joz
d Avila Bitancouft; pelo motivo de ha ver
adherido ao Partido revolucionario que
infelismente se declarou tiesta Provincia:
cumpre-me observar a V. E., que sendo
o Tenente Coronel immediatamente su-
jeito a minlia Authoridadc, como Officia,
de a. Linha, eu o teria ja frito prender^




m~m
*rr*
-


, (48o)
, n uiaasje em circunstancias disto ; mas
^o 'o uV*t por o ne>o que nao temi
do a' "1,'auo .-m flagrante en, algnnia a -
- ^i-p nartido e nao tendo eulpa ]ii-
'di" ," l t p o",d; creib a Cace da Cons-
S que nos rege que o nao devo pren-
de em .ora boatos populares que nio
mrecem f o acc.u.em de l.aver adher.do
Ta melle partido Uto nmito pr.ncpalmen-
te o se guindo o mais Iige.ro per.go
T nza Publica da Ordem e do respeto
I [ ei e aos Sagrados D.re.tos de S. M. L
'e r nstitueiomd ; em cuja considera^
,dg,.ei bastante suspende-lo como,a o
'suspend do Commando do p. BeWMO
de Cacadores de Milicia ate que S. M. 1.
e Constitucional, a Quem dar, parte
decida como for servido, m mdando conl -
cer do facto legalmente ou dispensa, do
eomo pode, Wndo po.s que aquelles
boatos e voxes populares so me fundi
a a sulpencao efue1 levo dito, juko que
ao devo proceder a pmio sem eulpa f r-
m,da e s por elles ; morn.ente quando
huma triste experiencia do >u me tem
(Tu verquanto sao faltos de verd.de e
filhos da calumnia e da intnga. Des
.'i.V Ex. muitosannos. Quartel
UaCdomn,Ido das Armas na Cidade da
Paraiba o de Outubro de i834 lu>t.psi
* e Ex. Senhor Alexand.e Prfndsm
T'seixas Machado Viee Prndente
da Provincia-Trajano Antonio Conni-
ves de Medeiros Corama.iddi.de da Armas
da Provincia.
Confirme.
Nicolao Tolentno de ^nsconcettos,
Capio Ajudaiite dOrdens.
N. 3.
TTustrissimo Senhor Tenente Coro-
el T a "o A ntonio Connives de Mede.ros
G.ato ao bem que Vossa Senhona a meo
b eficio aponcoVou, acho ser mu. o do
meo dever levar a preienea de Vossa Senho
ria nuanto lbeestou obligado, e a poz-
mente egozijo-me de ter hm Chele que
"be sustentar os direitos dos Homens e
reclamar pela ana rnzSo sempre que apares-
L Rustica: bom he que Vossa Senhor.a
tenba eonhecido a grande injusLea que para
mim setem preparado quando eu posso
. tifiear a Vossa Senhona sou amigo da
Uestabelecida, das Autoridades legal-
mente constituidas, e da razao. So.con.i to-
do resneito -De Vossa Senhona soldadoe o
do respenu u Cratic seo Joze de
brisad.ssi.no criado --francisco
vla Ritancoi.it. Mamanguape vinte oe
Subrode mil cito rentos e vmea-
,ro Estar reconl.ec.do por label.ao
Publico.
-kSUJO*

EDITAE.
A
fXctorisando a Carta de Ley de 2$ de
Novembro do armo p. p., que reg.la as
forcas de mar, ou Governo de b. M. ;
ra alistar voluntariamente ao reerutar ta tas
pra9as quantas foren, precias para o con
Lleto aquellas que a mesroa }W**
edevendo esta Provino), dar 5o prac^S
Srni o Corpa d'Attilharia de Mannb.i con-
loe a distnbuicao, J*^!*^'
testado dos Negocios da ^h.a-^;
secundo o estado de Populado do I mi*
ro, calculado pelo numero de seUS im-
putados e ordenandos tal alimento
por Avizo de 28 de Fevere.ro p. p. fU
Secretaria d'Esttdo dos Negobios da Ma-
rinhaao Exm. Senhor Fradente d esto Pio-
vincia cuja execuciio me foi ordenada pe-
lo mesmo Exm. Senhor; quaes qner indi-
viduos que quizerem alistar-se vo apU-
riamente comparecao neSta -IntendeiM a
ficand certos de que goara das vantagens
que marca o artigo 9. da mesma l.y o
mesmo se Uz constar a quaes quer Wari-
nheiros, que voluntariamente quiierem
sentar praca em o Bri-ue Barca 29 d Agos-
to para o completo de cuja Guarni sao
preciaos alguns Marinheiros. E para
nue chge a noticia a todos mande* ali-
C' ar o presente EditI nos Loares l-uhl.cos
2? deMaiode i83i Antonio huiro ue
larvalho.
Por Ordem do Sr. Intendente,
.loao Gonsalvc* odriges Franca
AVIZO DO CORUEIO.
O
- Bngue Boa Fe de que he Capitno \gos-
tinho Bodrigues Garca ; recebe a mulla
para o Rio de Janeiro no dia G de Junho.
PERNAMBCO NA TYPOGRAFIA FIDEDIGNA.





Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFGLR7WO2_7U13DH INGEST_TIME 2013-03-25T15:09:34Z PACKAGE AA00011611_01201
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES