Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:01114


This item is only available as the following downloads:


Full Text
vNNODF i83i.
QUINTA FEIRA 3 DE MARQO.
NUMERO
4p
BlAia IB IPIIHAMIIDC
ai
Snbscrere-se nensalnente 6 (o reit pagos allantados, na Typografla Fidedigna, na lo/a de Livreiro de Manoel Marques Pianna, Ba
dm Punha a ilkarga do Livr amento O. l, e en casa do Editor, rita Direitu, n. *6j ; en cujas lugares tamben se recebero co*responlcn~
cas, e anuncios : estes inseren-se gratis, senda de assignantes, vindo assignados, e (M o lugar da morada, t serao publicados no dia tm/nt-
dial i a da entrega, senda esta fcita ati e ,-neio dia e rindo retmmidos.
PBRNAMBCO; NA TYPOGRAF1A FIDEDIGNA, RA DAS FLORES, N. l8. 183
1.
ir
*
AMAR A MUNICIPAL
XVemetto a VV. SS. o requerimento, por
capia junto, do Sr. Conselheiro de Pro-
vincia, Pernardo Luiz Fereira, a fim de
que satisfaco a' sua exigencia. Dos guar-
de a VV. SS. Palacio do Governo de Per-
nambuco 8 de Fevereiro de i83i Joaquina
.Tose Pinheiro de Vascoacellos, Srs. Presi-
dente e Vereadores da Cmara Municipal
desta Cidade.
. fem o artisro aS do Regiment das Ca-
niaras Municipaes acha-se ordenado, que os
'Camaristas, que faltaren) sem causa justi-
ficada as Sesses paguem 4,ooo rs. de mul-
ta por cada falta : nao apparece urna so'
condemnaco desta ordem laucada em re-
ceita: este defeito so se pode conliecer a'
vista dos livros dos termos de Vereac,o,
onde devem estar lancadas as excusas; re-
queiro pois, que se oficieao Exm. Sr. Pre-
sidente para exigir da Cmara a remessa
do livro de termos das Vereacoes do auno
financeiro passado es Requeiro mais o livro
onde se achar registada a glosa feita pelo
Conselho Presidencial, e os livros cm que
se acharem escriptas as coutas desde a4 at
28 Bernardo Luis Ferreira.
_ A Junta da Fazenda Publica desta
Provincia, respondendo ao officio da Cma-
ra Municipal desta Cidade do Recife, de
7 do corrente, em que expoem a nececidade
de receber algum dinheiro, por conta dos
quarenta contos de reis, que devem estar
promptos, e a sua disposicao nos Cofres da
mesma Junta : Manda participar a dita C-
mara, que a quantia marcada na Le do
Orea ment para obras Pnblicas deve ser
destribuida pe/as diversas Cmaras, como
julgar mais conveniente e determinar o Pre-
sidente em Conselho na forma do tt. 1.
Cap. 1 art. 1. p. 4', e Cap. 2. art 9.
da mesma Lei, e que por tanto sem esta
'formalidade nao tem lugar a sua reclamado.
Recife em Junta de n de Fevereiro de i83i
_ Pinheiro, Freitas, Silva, Belmonte, Car-
valho, Ferreira.
_- Em presenca do Officio do Tribuna
da Junta da Fasnda Publica desta Provin-
cia dirigido a esta Cmara em data de 11
do corrente mez, e anno fica a Cmara in-
teirada de serem os quarenta contos de
reis applicados na Lei do Orcamento para
as obras publicas da Provincia distribu veis
pelas Cmaras da mesma Provincia. Co-
mo poroto o Illm. e Exm. Presidente do
Governo e da Junta em o seo officio de 8
do corrente mez, e anno nos avisa de haver
a mesma Lei do Orcamento das des pesas
da reparticao da Junta mandado applicar
a quantia de seis contos, e tresentos mil reis
para o reparo da Cadeia desta Cidade, e
o referido reparo exige a maior prompti-
do, imploramos a V. M. I. nos queira
Mandar dar esta quantia e avizar a Repar-
ticao por que de vemos mndala receber.
Dos Guarde a V. M. I. por 'inultos an-
nos Casa da Cmara Municipal do Recife
em Sesso Extraordinaria de 19 de Feve-
reiro de i83f.
Caetano Joze Ferreira, Joze Antonio Este,
ves, Joze Rodrigues do Passo, Francisco
Gonsalves da Rocha, Joa Baptista Soares
J nos tardavo os palavrorios da
gente da fe do carveiro a cerca do Colegio
Eleitoral do Recife. O Cruzeiro n. /
sahio finalmente com a sua costtimad* u\-
garavia, e quando julga ter dito pe rolas
em verdade so avancou dispropo/.itos (com
sua licenca) Comeca o bom do Jornal por
lamentar, que taes actos se celebrein nos
Templos, assim como ate loteras, e rifas,
e o mais he, que pela primeira vez vamos
de accordo com o Cruzeiro : mas donde
nasce a culpa desse sacrilegio? Sera' dos
liberaes? Certamente que nao : Disto so he
censuravel o Governo, ea Cmara, que vero designar outros lugares, e nio a Ca-
sa terrivel do Dos vivo para celebrar
desses actos meramente civiz e populares.
Nao ha epitheto de que tanto nos glorie-
mos1, como o de liberal, embota o Cruzeiro
(que nao perde as ms manhas) chame qui-
lomdo ao ajuntamento de libertes: fica-nos
tobem a liberdade de chamar a columna
cabilda, recova, ttbanzfat ou outro qual
i


MI
mmtmmmmk
W)
rjuer uQU\e e igual yUsci^dito : roas ,o.que
lulo se 4^ve despre/^"iie-n .n(^a d9ipru-
*eiro ueste lugar, confessando finalmente,
que o epitbeto" liberal he honesto, e digna
4oclionjem. Ora viva Dos, -que os afues
ja7 parece, imevem chegar-se ao reg.
Que cliferenca de ingoagem do anno passa-
iioninVo de todos os -rimes: os (iberaes me-
recio ser pendurados nos patbulos (yejfio-
se os Cinzeiros desdo principio): hoje po-
rero o >mcsmo Cruzeiro n. 9 fi diz, que o
epitbeto liberal nao so he .Loro, se nao ho-
nesto; ino so be presto, se^io digno do
hacueroJ !J Cada vezdftp mais postas, hen-
daos Dos.
Era muito de .espejar, que o Gimzeiro
apparecesse defoudendo .os Srs. Major
de milicias Pedro jorges, e Gapitam d'arti-
. Jbaria .enj; porque em -fim sao se/n nem-
buma duyida. ambo florantes ce tatibus,
Anades amJso ; porem .por mais que o
Cruzeiro ae aiUne por probar o nacionali*-
jmoleases dons Sis. sabe todo o mundo
deseos fejtos, e que elles foro acrrimos
jnimjgas ,do Brasil, e wuito proroptos em
azer as. partes ao partido Portuguez, que
nos fa/ia a mais cruenta guerra: o Sr. Leal
pode dizer anda assim, que tem defeza na
sua aecusa^o; .mas o Sr. Pedro Bccges pelo
contrario tem aecusacao na sua propria de-
feza. Quanto a dizer o Cruzeiro, que esses
dos Srs. ja erao liloitores, e yotaro as
elecoes pausadas da nova Legislatura sem
bav.er quera se oppozesse, respondemos,
que isto be hum argumento negativo, o qual
nemhuma forca tem, quando ohapozitivo;
queremos d&r; que se se provar, que esses
Srs. jio.sjto v*ddaos Brsiieiros. nao devesu
ter votos as nossas eleices, e se ja o tize* j
rao huma vea, ilegalmente tpfizerao; on>
de ha er-ro, desmancha-6e.
Mu improprameutedifcb Cruaeiro, que
o quilombo liberal foi mais cruel, que o dos
negros fgidos.; porque os negros fgidos
sao escra,vos, sorte, que Bao cabe aos libe- |
raes, pertencemdo mu justan^wte aos o
jbims, que mito se Uonro de ser capli-
ms, e -eslava? promtos a .dennamar a ultima
gota do &eu saugne para Katar a -cscravr
do : ha. poreai tama jjkmvy* nao peque-
ra entre os negros fgidos, te .os cDtluowias,
c v/em a set, que quedes fagenvda rompa-
dade sgus 4W pilque julgao, que
assim ser o livies, e estes dezento do gre-
mio krasileiro, dsan*parani a Const tg&t'fr>
pa?a se iaaenoi eseca-vx; os pmuiciros
4untikD*e m quilombos para escaparen
ao cap i veiro; os segundos reuniao-se era
libambos para cngenLar meios de ae tarna-
vem captivos. Deciduo os leitores qual be
pior Jaia de escravos, se estes, ou aquelles.
O Cruzeiro vai de mal a pior, e em mate-
ria de ridiculo leva geito de adrar a barra
adiante do defunto paJhaco Amigo do Povo.
Sim: que incultos nao sofreo no mesmo
CrMseiro o Exm. Sr. Hollanda 'avalcanti!
Elle pertencia ao quiombo libera!, e isso
he ele sobejo para merecer o* sarcasmos
(alias honradores) do Cruzeiro, e corrtpa-
nhia: mas hoje apparece no Cruzeiro as
virtudes cvicas dpste illustre pernambuca-
no O' gente do Japo a quera vos compa-
raremos? So a vos mesmos; poique na soci-
edade noencoutra pessoas, que vos asseme-
Ihem. Finalmente os columnas suspeilao,
que o Exm. Sr. Jotanda Cavale.uiti ir-se ha
ageitando ao partido do .poder; isso basta
ja' nao pertence legiao de deaionios ; ja-
he hum excellente candidato; ate ja tem
virtudes cvicas : se se declarar absolutista
(o que nao esperamos) sera' canonizado pe-
los columnas: boa gente! Louvado 3eja
Dos.
_Os Columnas sao ferasto carnicerras,
que nao perdoao nem a vivos, nem a raor-
tos ; ja saciados de injuriar a todo o inun-
do ; coaio quer que a nova I^ei da Liber-
dade do Prelo lhes prendesse as mios, e as
lingoas ; por isso que a enxovia ja Hies nao
pode valer cora bum So publicista de sen
seio, passaro-se para os finados, e la 03
vo iucomodar no terrivel silencio do se-
pulcro. Km sabendo qie morreo hum li-
beral : eilos, como abutre sobre o cadver,
e de baixo do nome de Epicedio, dies ira?,
etc. etc. desco/.em o liado as cinzas de burn
hornera, que ja se nao pode defender E
sao estes os Christos veibos, os hotnena da
' do carvoeiro, os esteios do Altar, etc.
etc. ? Accaso nao se recordaro do caridoso
preceito do Snr. nos livros sanctos da nos-
sa sagrada rcligiao Parce sepultis ? Que
tnestres de moral ? que filsofos Christos !
ue horaens to extra n ha mente ridiculos!
im o N. 46 do Cruzeiro apparece huma
noya descompostura com titulo de ies ir ai
s venerandas cinzas de Benjamn Constan!,;
e jem caracteres mu grados para forrar es-
lpda, embora seja com huma grande par-
voiee. Nao para aqu a raneorosa moral do$
Reverendos columnas : estes sorvos de.^-
os nao contentes com abocanbar, e roer
os mirrados ossos dos valeussimos Mira-
.beau* e Benjamn Constant, condema^o a
ambos as profundas dos infernos. Ora
q n& caray*o dessa gente uso baja se nao
sangue, forcas, e infernos Dar sp-ha ca-
so ique o Cruzeiro sejato Legailo a latera de
Satanaz ?
\


l>l'llHi i.L
(l99
.Atas para que nos caneamos em sensurar
as maldades da columna ? Que mal pode
vir a memoria dos Ilustres jY|irabeau,e Ben-
j.jni^onsta4it dos sarcasmos Hfl Cruzeiro?
:*.eaquelesgrandes horneas pagarao a na-
tura o tribrto de nascklos ; os seus eru-
(ii.tissimo e^criptios, o seu patriotismo, e
rasoavel a inor da liberdado o torna im-
mortaes na memoria dos hpmens. Nao ha
muitos dias, que o mesmo Cruzeiro citon
a authoridade de Benjamin Constant (e nao
he a primeira vez ) para apadrinhar as ma-
mas absolutistas, se bem que torcidas as
propozicoes a seu geito : mas apenas son-
be, que' era morto, atirouse ao cadver
com pena de abustre fa milito. Ora o Cru-
zeiro desoompoudo a Miraheau, e Benja-
mn Constant he \erdadeira rente lmm cao
ladrando a la.
AVIZOS DO CORREIQ.
VENDAS.
C
n.
15.
vJ Paquete Imperial Pedro acha-se prom-
to, e segu viagem a 8 do corrrente para o
Rio de Janeiro pelos demais partos da> Es-
cala : os carregadoros e passugeirs dirijao-
se Administrado do Correio: a mala ei-
xa-se as 9 horas da oute de 7.
1
^.i \pim de planta, posto a porta, preco
com modo ; no botequim da ra das Cru-
aes D. 3. .
Urna negra bucal: na ra da Uroia
_ lima dita,.de angico, 4o annos, para
'ora da trra : as tojas do sobrado do
llerculano na Trempe.
lima Postilla do Conimercio, nova, e
preco commodo: anunrie-se por este Dia-
rio. ,. .
, Uii escrat ra da Guia n. 4o.
_ LJm canap, e 12 cadeiras do Porto
de assento de palha, e urna meza redonda
cora, assento depedra, tudo em bom uso,
preco commodo : na ra de Jos da sos-
ta n*. 187, Forte do Mattos.
------ +?? --------
COMPRAS.
TjiM preto bom cosinheiro, dandb-se'ff
contento : na quarU casa dos Quarteis da
Intendencia da Marinha, ou ammcie-se.
ALGEIS.
U M sitio em Beberibe debaixo, proprio
para planfa^o de capim, e para creacao
de gado por ter muito pasto: os perten-
denies dirijao-se a ra da cadeia velha
n.6.
_ Na ribeira do peixe junto ao bote-
qum da entrada ha urna ama de leite,
pairda.
~ Na casa da Professora da Boa-vista
defronte da Gloria, ha outra, escrava, pari-
da de pouco, euis e cria.
A
AVIZOS PARTICULARES.
-<
. Pessoa, qne para administrador de En-
genho, se anuuciou em o Diario n. 45, di-
rija-se a Jos Camello de Sa' Cavalcanti, na^
ra Nova D. g.
,-, Quem precisar de um administrador
de Engenho, ou sitio perto da Praca : anun-
cie-se por esta folha.
Pertende-se faser urna Sociedade em
umaloje de Fasendas, que tem de fundos
2:5ooo$ rs. estabelescida as Alagoas ; a
j pesoa, que se quizer propor a esta socieda-
} edad* tendo alguns fundos para unir aos
jai existentes sendo de mais de 5oo$ rs.e
sendo conhecida, capaz de desempenhar?
tal empresa, e de boa conducta offerece-se
metade de todos oslucros: para o ajuste,
dirija-se a ra do Queimado por cima da
Botica de Miguel Jos Rrbeiro *. andar.
-> Antonio Domingues Ferreir tendo
de inventariar seus bens para partir com
os erdeiros de sita falecida mulher Rita Ma-
ra da Visitacao, faz sciente a todos os seusf
credores, para qe justiquem competen-
temente as suas dividas, para serem atendi-
dos nas partilhas a fim de evitarem mais
difdcutosa cobranca, e desta sorte satisfei-
to este respeito o seu dever.
Z. Roga-se ao Sr. Manoel Antonio da
rru qu*ra apparecer na Typograia Fide-
digna para tratar negocio de seu nteresse-
e nao se o procura em sua casa por se gno-
Precisa-se de um cont de rs., em
mo^da de cobre, passando-se letra contra
uma casa commercial da Praca da Babia ;
com o carneo respectivo: a quem convier
esta transacc^v anuncie por este Diario. >
m Quem anunciou no Diario n. W a
venda uma escrava ladina, de Angola, din-
ja-searuaDireitaD. 10.
Precisa-se de um sobrado, ou 2.
aaar que nao tenha outr por cima, en*


**
(400)

qualquer ra das prncipaes de S. Antonio,
ou Boa-vista, e se pago alguns meses adj-
antados : anuneie-se por este Diario.
No Escriptorio publico da ra do Co-
egio, continua a tirar-se passaportes para
o interior a 5$ rs. para barra forra a 7$
rs. cartas de seguro a 4$ rs. folhas corri-
das, e todos os mais papis das repartieres
desta Provincia por precos commoaos, con-
tinua a fazcr-se as traduces ja' anuuciadas,
arvores genealgicas, e da mesma forma a
incumbencia de causas civis, ou crimes
avuisas, ou por partido nos auditorios e
tribunaes desta Cidade.
__ Quera precisar um caixeiro de ra que
entende de escripturaco, procure no ter-
ceiro andar da casa defronte da Igreja do
Rosario.
Em Olinda largo do Amparo n. 3
tera pessoa que se dispoe a faser jantares
para f'ora por preco commodo, ecom aceio.
_ Percisa-se de um rapas, para caixeiro
de um Botequim e Bilhar: anuncie-se por
este Diario.
, Quera precizar de um rapaz para
caxeiro de ra, escritorio, ou loja; anuncie
por este Diario.
Quera percizar para Semana Santa um
Sacerdote que prega, e canta, eque pode
preheuxer todos os officios, que'j se nao
complicaren! : anuncie por esta folha para
ha ver inteligencia.
tfSCKAVOS FGIDOS.
JL/A Cidade da Bahia ugio, ou furtarao,
um escravo, mina, nacao Uca, de nome Ro-
que, com principio o" ofh'cial de surrador,
com os signaes segnintes : moleco de
i6a2oannos, meio buc,aJ, cara comprida
e carrancuda, urna piquena cicatriz na so-
bra ncelha- esquerda, muito preto, estatura
ordinaria, pernas sambas, quasi trocando
os joellios um no outro. Quem do mesmo
der noticia, ou aprehender, se dirigir a
ra do Trapixe n. 3, onde ser recom-
pensado.
_ Felis, cabra, 4o annos, carreiro, baixo,
secoo, cara descarnarda, barba rara, per-
nas um pouco arqueadas, urna cicatriz na
garganta de um talho que deu em si, ca-
sado, foi escravo do Capito Ma noel Bizer-
ea de Vasconcellos, e fugio a i5 de Desemr
bro p. p. da Boa-viagem : alli, ou no Re-
cife ra Direita n. 307.
^ Anna cabra de idade de 38 a /o bai-
xa, cbelos andados, mos, e peis pequeos
sempre anda de xinelas, fgida a deis me-
ses, tem hum papel que mostra dixendo
que he forra : os aprenhendedores levem-na
a sua Senhora Francisca Theodora ; no Ar"
ralhar, que da 3o,ooo.
NOTICIAS MARTIMAS.
Navios entrados no dia 1.
~, Rio de Janeiro; 26 dias ; G. Ing.
Marr% Cap. William Rowatt: em lastro:
Harrisson Pool e Latham. Seguio para
Maranho no dia 2.
_* Rio Foruiozo ; 1 dia ; S. S. An-
tonia Ligeiroy M. Jo7e Joaquini da Costa :
caixas : ele Joze Luiz Paredes. 1 passgeiro.
Dito ; dito, S. Guadelupe, M. Cus-
todio Moreira dos Santos : caixas : de Joa-
quim de Souza Gime.
_ Una ; 1 dia ; L. S. Cruz, M. Caetano
Joze d' Oliveira : caixas de Joze Rodrigue
de Brito.
Entrados no da '2.
Sirinhem; 1 dia ; L. S. Antonio; M.
Alberto Martins : caixas : de Antonio Joze
de Oliveira Costa,
^ Terra Nova ; 48 [dias; B. Ing. Mer-
ma d, Cap. H. R. Marshall; bacalhao: Dio-^
go Cockshott.
Saidos no (lia i.
_- Porto de Galinhas ; S. Conceifo
Felicidadet M. Manoel Doraingues Gomes :
em lastro.
~* Para o Norte ; o Paq. N. Patagonia,
com o i. Tenente Joaquim Lucio de A-
raujo. Passageiro para o Para Antonio Joze
da Gama Malcher.
Rio Grande do Sul ; S. llainha dos
Anjos, M. Manpel Luiz dos Santos : sal.
Angola : B. Abismo, Cap. FVanciseo
Joze Correia ; diversos gneros.
Saldos do dia 2
. Porto de Galinhas ; S. Temeridad
M. Leandro Joze de Souza : em lastro.
PERNAMBUCO NA TYPOGRAFIA FIDEDIGNA. i83x.
L.

rita^M^i


Full Text

PAGE 1

vNNODF I83I. QUINTA FEIRA 3 DE MARQO. NUMERO 4P BlAia IB IPIIHAMIIDC ai Snbscrere-se nensalnente 6 (o reit pagos allantados, na Typografla Fidedigna, na lo/a de Livreiro de Manoel Marques Pianna, Ba •dm Punha a ilkarga do Livr amento O. l, e en casa do Editor, rita Direitu, n. *6j ; en cujas lugares tamben se recebero co*responlcn~ cas, e anuncios : estes inseren-se gratis, senda de assignantes, vindo assignados, e (M o lugar da morada, t serao publicados no dia tm/ntdial i a da entrega, senda esta fcita ati e ,-neio dia e rindo retmmidos. PBRNAMBCO; NA TYPOGRAF1A FIDEDIGNA, RA DAS FLORES, N. l8. 183 1. ir € AMAR A MUNICIPAL XVemetto a VV. SS. o requerimento, por capia junto, do Sr. Conselheiro de Provincia, Pernardo Luiz Fereira, a fim de que satisfaco a' sua exigencia. Dos guarde a VV. SS. Palacio do Governo de Pernambuco 8 de Fevereiro de I83I — Joaquina .Tose Pinheiro de Vascoacellos, Srs. Presidente e Vereadores da Cmara Municipal desta Cidade. — fem o artisro aS do Regiment das Caniaras Municipaes acha-se ordenado, que os 'Camaristas, que faltaren) sem causa justificada as Sesses paguem 4,ooo rs. de multa por cada falta : nao apparece urna so' condemnaco desta ordem laucada em receita: este defeito so se pode conliecer a' vista dos livros dos termos de Vereac,o, onde devem estar lancadas as excusas; requeiro pois, que se oficieao Exm. Sr. Presidente para exigir da Cmara a remessa do livro de termos das Vereacoes do auno •financeiro passado es Requeiro mais o livro onde se achar registada a glosa feita pelo Conselho Presidencial, e os livros cm que se acharem escriptas as coutas desde a4 at 28 — Bernardo Luis Ferreira. A Junta da Fazenda Publica desta Provincia, respondendo ao officio da Cmara Municipal desta Cidade do Recife, de 7 do corrente, em que expoem a nececidade de receber algum dinheiro, por conta dos quarenta contos de reis, que devem estar promptos, e a sua disposicao nos Cofres da mesma Junta : Manda participar a dita Cmara, que a quantia marcada na Le do Orea ment para obras Pnblicas deve ser destribuida pe/as diversas Cmaras, como julgar mais conveniente e determinar o Presidente em Conselho na forma do tt. 1. Cap. 1 art. 1. p. 4', e Cap. 2. art 9. da mesma Lei, e que por tanto sem esta 'formalidade nao tem lugar a sua reclamado. Recife em Junta de n de Fevereiro de i83i Pinheiro, Freitas, Silva, Belmonte, Carvalho, Ferreira. _Em presenca do Officio do Tribuna da Junta da Fasnda Publica desta Provincia dirigido a esta Cmara em data de 11 do corrente mez, e anno fica a Cmara inteirada de serem os quarenta contos de reis applicados na Lei do Orcamento para as obras publicas da Provincia distribu veis pelas Cmaras da mesma Provincia. Como poroto o Illm. e Exm. Presidente do Governo e da Junta em o seo officio de 8 do corrente mez, e anno nos avisa de haver a mesma Lei do Orcamento das des pesas da reparticao da Junta mandado applicar a quantia de seis contos, e tresentos mil reis para o reparo da Cadeia desta Cidade, e o referido reparo exige a maior promptido, imploramos a V. M. I. nos queira Mandar dar esta quantia e avizar a Reparticao por que de vemos mndala receber. Dos Guarde a V. M. I. por 'inultos annos Casa da Cmara Municipal do Recife em Sesso Extraordinaria de 19 de Fevereiro de i83f. Caetano Joze Ferreira, Joze Antonio Este, ves, Joze Rodrigues do Passo, Francisco Gonsalves da Rocha, Joa Baptista Soares — J nos tardavo os palavrorios da gente da fe do carveiro a cerca do Colegio Eleitoral do Recife. O Cruzeiro n. / sahio finalmente com a sua costtimad* u\garavia, e quando julga ter dito pe rolas em verdade so avancou dispropo/.itos (com sua licenca) Comeca o bom do Jornal por lamentar, que taes actos se celebrein nos Templos, assim como ate loteras, e rifas, e o mais he, que pela primeira vez vamos de accordo com o Cruzeiro : mas donde nasce a culpa desse sacrilegio? Sera' dos liberaes? Certamente que nao : Disto so he censuravel o Governo, ea Cmara, que

xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ES60PQ161_KAY4LP INGEST_TIME 2013-03-25T16:20:03Z PACKAGE AA00011611_01114
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES



PAGE 1

MI mmtmmmmk W) rjuer uQU\e e igual yUsci^dito : roas ,o.que lulo se 4^ve despre/^"iie-n .n(^a d9ipru*eiro ueste lugar, confessando finalmente, que o epitbeto" liberal he honesto, e digna 4o c lionjem. Ora viva Dos, -que os afues ja 7 parece, imevem chegar-se ao reg. Que cliferenca de ingoagem do anno passamcsmo Cruzeiro n. 9 fi diz, que o epitbeto liberal nao so he .Loro, se nao honesto; ino so be presto, se^io digno do •hacueroJ !J Cada vez¡dftp mais postas, hendaos ¡Dos. Era muito de .espejar, que o Gimzeiro apparecesse defoudendo .os Srs. Major de milicias Pedro jorges, e Gapitam d'arti. Jbaria £.enj; porque em -fim sao se/n nembuma duyida. ambo florantes ce tatibus, Anades amJso ; porem .por mais que o Cruzeiro ae aiUne por probar o nacionali*jmoleases dons Sis. sabe todo o mundo deseos fejtos, e que elles foro acrrimos jnimjgas ,do Brasil, e wuito proroptos em azer as. partes ao partido Portuguez, que nos fa/ia a mais cruenta guerra: o Sr. Leal pode dizer anda assim, que tem defeza na sua aecusa^o; .mas o Sr. Pedro Bccges pelo contrario tem aecusacao na sua propria defeza. Quanto a dizer o Cruzeiro, que esses dos Srs. ja erao liloitores, e yotaro as elecoes pausadas da nova Legislatura sem bav.er quera se oppozesse, respondemos, que isto be hum argumento negativo, o qual nemhuma forca tem, quando ohapozitivo; queremos d&r; que se se provar, que esses Srs. jio.sjto v*ddaos Brsiieiros. nao devesu ter votos as nossas eleices, e se ja o tize* j rao huma vea, ilegalmente tpfizerao; on> de ha er-ro, desmancha-6e. MU improprameutedifcb Cruaeiro, que o quilombo liberal foi mais cruel, que o dos negros fgidos.; porque os negros fgidos sao escra,vos, sorte, que Bao cabe aos libe| raes, pertencemdo mu justan^wte aos o jbims, que mito se Uonro de ser caplims, e -eslava? promtos a .dennamar a ultima gota do &eu saugne para Katar A -cscravr do : ha. poreai tama jjkmvy* nao pequera entre os negros fgidos, te .os cDtluowias, c v/em a set, que quedes ¡fagenvda rompadade SGUS 4W pilque julgao, que %  assim ser o livies, e estes dezento do gremio krasileiro, d£san*parani a Const tg&t'fr> pa?a se iaaenoi eseca-vx; os pmuiciros •4¡untikD*e m quilombos para escaparen ao cap i veiro; os segundos reuniao-se era libambos para cngenLar meios de ae tarnavem captivos. Deciduo os leitores qual be pior Jaia de escravos, se estes, ou aquelles. O Cruzeiro vai de mal a pior, e em materia de ridiculo leva geito de adrar a barra adiante do defunto paJhaco Amigo do Povo. Sim: que incultos nao sofreo no mesmo CrMseiro o Exm. Sr. Hollanda 'avalcanti! Elle pertencia ao quiombo libera!, e isso he ele sobejo para merecer o* sarcasmos (alias honradores) do Cruzeiro, e corrtpanhia: mas hoje apparece no Cruzeiro as virtudes cvicas dpste illustre pernambucano O' gente do Japo a quera vos compararemos? So a vos mesmos; poique na sociedade noencoutra pessoas, que vos assemeIhem. Finalmente os columnas suspeilao, que o Exm. Sr. Jotanda Cavale.uiti ir-se ha ageitando ao partido do .poder; isso basta ja' nao pertence legiao de deaionios ; jahe hum excellente candidato; ate ja tem virtudes cvicas : se se declarar absolutista (o que nao esperamos) sera' canonizado pelos columnas: boa gente! Louvado 3eja Dos. _Os Columnas sao ferasto carnicerras, que nao perdoao nem a vivos, nem a raortos ; ja saciados de injuriar a todo o inundo ; coaio quer que a nova I^ei da Liberdade do Prelo lhes prendesse as mios, e as lingoas ; por isso que a enxovia ja Hies nao pode valer cora bum So publicista de sen seio, passaro-se para os finados, e la 03 vo iucomodar no terrivel silencio do sepulcro. Km sabendo qie morreo hum liberal : eilos, como abutre sobre o cadver, e de baixo do nome de Epicedio, dies ira?, etc. etc. desco/.em o liado as cinzas de burn hornera, que ja se nao pode defender E sao estes os Christos veibos, os hotnena da do carvoeiro, os esteios do Altar, etc. etc. ? Accaso nao se recordaro do caridoso preceito do Snr. nos livros sanctos da nossa sagrada rcligiao „ Parce sepultis ? Que tnestres de moral ? que filsofos Christos ue horaens to extra n ha mente ridiculos! i£m o N. 46 do Cruzeiro apparece huma •noya descompostura com titulo de ies ir ai s venerandas cinzas de Benjamn Constan!,; e jem caracteres mu grados para forrar eslpda, embora seja com huma grande parvoiee. Nao para aqu a raneorosa moral do$ Reverendos columnas : estes sorvos de.^os nao contentes com abocanbar, e roer os mirrados ossos dos valeussimos Mira.beau* e Benjamn Constant, condema^o a ambos as profundas dos infernos. Ora %  q£ n& caray*o dessa gente uso baja se nao sangue, forcas, e infernos ¡Dar sp-ha caso ique o Cruzeiro sejato Legailo a latera de Satanaz ? \



PAGE 1

l>l'llHi • %  i.L %  ( l 9 9 .Atas para que nos caneamos em sensurar as maldades da columna ? Que mal pode •vir a memoria dos ¡Ilustres jY|irabeau,e Benj.jni^onsta4it dos sarcasmos Hfl Cruzeiro? :*.eaquelesgrandes horneas pagarao a natura o tribrto de nascklos ; os seus eru(ii.tissimo e^criptios, o seu patriotismo, e rasoavel a inor da liberdado o torna immortaes na memoria dos hpmens. Nao ha muitos dias, que o mesmo Cruzeiro citon a authoridade de Benjamin Constant (e nao he a primeira vez ) para apadrinhar as mamas absolutistas, se bem que torcidas as propozicoes a seu geito : mas apenas sonbe, que' era morto, atirouse ao cadver com pena de abustre fa milito. Ora o Cruzeiro desoompoudo a Miraheau, e Benjamn Constant he \erdadeira rente lmm cao ladrando a la. AVIZOS DO CORREIQ. VENDAS. C n. 15. vJ Paquete Imperial Pedro acha-se promto, e segu viagem a 8 do corrrente para o Rio de Janeiro pelos demais partos da > Escala : os carregadoros e passugeirs dirijaose Administrado do Correio: a mala eixa-se as 9 horas da oute de 7. 1 ^.i \pim de planta, posto a porta, preco com modo ; no botequim da ra das Cruaes D. 3. • — Urna negra bucal: na ra da Uroia lima dita,.de angico, 4o annos, para 'ora da trra : as tojas do sobrado do llerculano na Trempe. — lima Postilla do Conimercio, nova, e preco commodo: anunrie-se por este Diario. ,. Uii escrat Antonio Domingues Ferreir tendo de inventariar seus bens para partir com os erdeiros de sita falecida mulher Rita Mara da Visitacao, faz sciente a todos os seus f credo res para qe justiquem competentemente as suas dividas, para serem atendidos nas partilhas a fim de evitarem mais difdcutosa cobranca, e desta sorte satisfeito este respeito o seu dever. Z. Roga-se ao Sr. Manoel Antonio da r r u qu* ra apparecer na Typograia Fidedigna para tratar negocio de seu nteressee nao se o procura em sua casa por se gnoPrecisa-se de um cont de rs., em mo^da de cobre, passando-se letra contra uma casa commercial da Praca da Babia ; com o carneo respectivo: a quem convier esta transacc^v anuncie por este Diario. > m Quem anunciou no Diario n. W a venda uma escrava ladina, de Angola, dinja-searuaDireitaD. 10. Precisa-se de um sobrado, ou 2. aaar que nao tenha outr por cima, en*



PAGE 1

•*•*• (400) qualquer ra das prncipaes de S. Antonio, ou Boa-vista, e se pago alguns meses adjantados : anuneie-se por este Diario. —• No Escriptorio publico da ra do Coegio, continua a tirar-se passaportes para o interior a 5$ rs. para barra forra a 7$ rs. cartas de seguro a 4$ rs. folhas corridas, e todos os mais papis das repartieres desta Provincia por precos commoaos, continua a fazcr-se as traduces ja' anuuciadas, arvores genealgicas, e da mesma forma a incumbencia de causas civis, ou crimes avuisas, ou por partido nos auditorios e tribunaes desta Cidade. __ Quera precisar um caixeiro de ra que entende de escripturaco, procure no terceiro andar da casa defronte da Igreja do Rosario. — Em Olinda largo do Amparo n. 3 tera pessoa que se dispoe a faser jantares para f'ora por preco commodo, ecom aceio. Percisa-se de um rapas, para caixeiro de um Botequim e Bilhar: anuncie-se por este Diario. —, Quera precizar de um rapaz para caxeiro de ra, escritorio, ou loja; anuncie por este Diario. — Quera percizar para Semana Santa um Sacerdote que prega, e canta, eque pode preheuxer todos os officios, que'j se nao complicaren! : anuncie por esta folha para ha ver inteligencia. tfSCKAVOS FGIDOS. JL/A Cidade da Bahia ugio, ou furtarao, um escravo, mina, nacao Uca, de nome Roque, com principio o" ofh'cial de surrador, com os signaes segnintes : moleco de i6a2oannos, meio buc,aJ, cara comprida e carrancuda, urna piquena cicatriz na sobra ncelhaesquerda, muito preto, estatura ordinaria, pernas sambas, quasi trocando os joellios um no outro. Quem do mesmo der noticia, ou aprehender, se dirigir a ra do Trapixe n. 3, onde ser recompensado. Felis, cabra, 4o annos, carreiro, baixo, secoo, cara descarnarda, barba rara, pernas um pouco arqueadas, urna cicatriz na garganta de um talho que deu em si, casado, foi escravo do Capito Ma noel Bizerea de Vasconcellos, e fugio a i5 de Desemr bro p. p. da Boa-viagem : alli, ou no Recife ra Direita n. 307. ^ Anna cabra de idade de 38 a /¡o baixa, cbelos andados, mos, e peis pequeos sempre anda de xinelas, fgida a deis me¡ ses, tem hum papel que mostra dixendo que he forra : os aprenhendedores levem-na a sua Senhora Francisca Theodora ; no Ar" ralhar, que da 3o,ooo. NOTICIAS MARTIMAS. Navios entrados no dia 1. ~, Rio de Janeiro; 26 dias ; G. Ing. Marr % Cap. William Rowatt: em lastro: Harrisson Pool e Latham. Seguio para Maranho no dia 2. _* Rio Foruiozo ; 1 dia ; S. S. Antonia Ligeiroy M. Jo7e Joaquini da Costa : caixas : ele Joze Luiz Paredes. 1 passgeiro. — Dito ; dito, S. Guadelupe, M. Custodio Moreira dos Santos : caixas : de Joaquim de Souza Gime. Una ; 1 dia ; L. S. Cruz, M. Caetano Joze d' Oliveira : caixas de Joze Rodrigue de Brito. Entrados no da '2. — Sirinhem; 1 dia ; L. S. Antonio; M. Alberto Martins : caixas : de Antonio Joze de Oliveira Costa, ^ Terra Nova ; 48 [dias; B. Ing. ¡Merma d, Cap. H. R. Marshall; bacalhao: Dio-^ go Cockshott. Saidos no (lia i. _Porto de Galinhas ; S. Conceifo Felicidade t M. Manoel Doraingues Gomes : em lastro. ~* Para o Norte ; o Paq. N. Patagonia, com o i. Tenente Joaquim Lucio de Araujo. Passageiro para o Para Antonio Joze da Gama Malcher. — Rio Grande do Sul ; S. llainha dos Anjos, M. Manpel Luiz dos Santos : sal. — Angola : B. Abismo, Cap. FVanciseo Joze Correia ; diversos gneros. Saldos do dia 2 .— Porto de Galinhas ; S. Temeridad M. Leandro Joze de Souza : em lastro. PERNAMBUCO NA TYPOGRAFIA FIDEDIGNA. i83x. L. rita^M^i