Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:01110


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AN1
83i."
' SABBADO 26 DE FEVEREIRO.
NUMERO 45
BJ1A11I BE 'JPMRABlUGiD
Snbsotwe-se mentalmente a f.fo reitpagos adiantadat, na T/pografia Fidedigna, na laja de Livreiro de Manat Marones Fianna, u
dafenhaailhargadoUvr.imentoD. 1, g em oasa do Editor, ra Direita, a. %-j ; en cujos lugares tambera sereceberocorrespondenk
tas, anuncios: estes inserem-st gratis, sendo de assignantcs, vindo assignados, e cm o lugar da morada, e ieraS publicados no dia imme-
dtato a da entrega, senda esta feita at meto dia e rindo relamidos.
PERIfAMBUCOJ NA TYPOGRAFIA FIDEDIGNA, RA DAS FLORES
s, ir. 18.
1001.
ARTIGOS D'OFFICIO.
1 f Sr. Commandantc do Brigue Barca 29
de Agosto, faca entrega de todos os negros
novos, qne se acho a bordo da Escuna
"Ciernentilia, apprehendida no Porto de Goi-
ina, ao Capitam Tenente Intendente da
Marinlia, para este os fazer desembarcar
conforme lhe foi ordenado pela Junta da
Fazenda Publica, devendo sr feita essa
entrega por hum inventario onde se declare
os que tem niorido depois da entrada neste
Porto : coutinuando a ficar de baixo de
sua guarda os officiaes, e mais pessoas per-
tecnentes a dita Escuna. Dos guarde a
V. S. Palacio do Governo de Pernambuco
ai de Fevereiro de i83i. Pinheiro.
DECRETO.
M.E por bera Sanccionar, e Mandar que
se execute a resoluto seguinte da Assem-
blea Geral.
Art. nico. As arrematarles dos direi-
tos das Alfandegas, e dos consulados de sa-
bida, que se houverem de fazer em virtude
do artigo trintae quatro da lei do orcarnen-
to, n&o podero abranger mais longo teinpo
que o da duracao da referida Lei.
Antonio Francisco de Paula e Hollanda
Cavalcanti de Albuquerque, do Meo Conse-
Iho, Ministro e Secretario de Estado dos
Negocios da Fasenda, e Presidente do The-
souro Nacional, o tenha assm entendido, e
fca executar com os despachos ncessarios.
Palacio do Rio de Janeiro, em sete de De-
zembro de mil oitocentos e trinta, Nono
da independencia, edo Imperio.
Com a Rubrica de SUA MAGESTADE
IMPERIAL.
Cumprr.je, e Registe-se. Rio em 10 de
D-?embro de i83o. Hollanda Caval-
cuati.
f
Temos noticia do Collegio de Serinhem
onde teve o Exm. Hollanda 2 votos, eo
Illm. Doutor Barata 33, o que faz a so-
nta de 160 votos para o primeiro, e 166
para o segundo. Isto nos Colegios de cuja
eleices temos ouvido fallar, e sao os apon-*
tados no nosso Dirio de hontem, e o ci-
ma referido.
Pede-se-nos a insercao do seguinte.
A BAHA DE TODOS OS SANTOS, MINHA PATRIA^
DEDICATORIA.
Ao era minha intencSo, adorada Pa-
tria, pegar mais nunca na penna, para a pre-
sentar ao publico urna so idea pela irnpren-
sa a respeito dos negocios do Brasil. Eu
tenho sido arrastado aleivosa mentir sem
culpa, por ealaboucos e masniora^, tnh
estado qnase sufocado pelo ar corrupto
ardente de abobadas seputeraes: a fallar
verdade, quase tenho sido primeramente
interrado do que morto: eu, torno a repi-
tir, tenho vivido longo tempo fora da com-
municacSo dos humanos, desterrado, pe-
regrino, e arrancado minha familia; qua-
j se, ceg, atribulado, e com a pele sobre os
;: ossos: eu finalmente tenho lutado perto de
sete annos com a intriga, odio, vinganca,
e tyrania, e a bem dizer com a morte; e
tqdo s por haver publicado gazetas em de-
feza de eos direitos, independencia, e li-
berdade, Patria!! Por tanto eu tinha so-
bejos motivos para por mordaca eternamen-
te ao meu pensamento e boca: em verdade
era de esperar que me nao lembrasse de sa-
bir outra vez como soldado da liberdade,
a fazer sentinella a bem de cidadaos ingra-
tos e crueis: isto he resoluco rnui natural
ao homem e a todo o vvente perseguido:
mas em fim o amor do meu paiz deo bata-
Iha e venceo meo corado, vista a perigosa
crise que nos ameaca.
E com grande esforco pego da minha ar-
ma para vigiar ne*ta nova guarita de Pira-
j, posicSo segura, e nosso quartel gene-
ral, a pesar do terrivel fogo que me podem
dirigir astutos nimigos com intrigas e per-
y


HE

*mr.
ffiS)
seguicbes: a tudo me aventuro; porque es-
tou certo que se dormitar um instante, ou
se for acometido, nao falta rao patriotas
corajosos croe me acordem, e defendam:
pois que boje esta Mi Patria, nacao livre
e indcpendfinte, lie de nos todos: a pouco
eramos un mixto de Tuptnambs, Caites,
Botieudos, e outros calmelos, e gentes
brancas e morenas, misturados com Portu-
guezes na apareneia forros, na realidada-
de escravos; mas hoje todos somos Brasi-
leiros e formamos um so corpo, e povo de
irmos livres : urna s palabra abrange
ludo, (i) Por tanto cheio de confanos, e
cora os ollios itosem ti, Patria, don prin-
cipio ao meu trabalho, ajudando a causa
pubica nesta nova guarita : pois a pezar
de tu io parecer que vai bem, segundo
systema dos egostas, traidores moderados,
v camellos, eu sempre gsitare como solda-
do da liberdade, =: alerta! sr. .
E nem o estar de sentnella, a bradar
alerta, lie cous de pouca importancia,
quando a mesmo Dos dos exercitos disse
pelo ministerio de Ezaias =: vai: poem sen-
tinella na atalaia de vigia estou se pela do
profeta Esequiel =: filho do homem por sen-
tinella le puz. E por ventura ser pe-
quena honra,, igualar-me ao profeta Haba-
cue, dizendo, como elle aos meos compa-
triotas, que estou posto em atalaia, de guar-
da, e azendo senlinella? Sim, 6 Patria, u
son sentinella da liberdade, indeperdenci,
c constituic, par* velar a bem da nosaa
Patria, eda prosperidade que nos promette
o santo systema liberal que abracamos, e
que ha vemos sustentara custa da propra
vida. -
Este meu brado alerta!! =: quer dizer
que cuidemos bem em nossos, direitos e ga-
rantas, ceguran (i) Urna so palabra abrange tudo.- Eu
fallo dos bons Portugueses, ja patriotas
identificados eomnosco como irmaos, ami-
gos zelozos da Constitnicao, Independen-
cia, e Jiiberdade, e defensores do Brasil,
boje patria eomum denos todos: fallo da-
quelles que se ocfalo promptos e determi-
ados de coracao, a combater as tramas da
nboniiuavel Santa Alianca, os Jesutas, e
seos sequases aristcratas; e de se arremes-
sirem coni ierro e fogo contra todo e qual-
quer individuo, que seja opposto ao siste-
ma e liberdade da Patria. Quanto aos Por-
tugueses egostas e ingratos, ou qualquer
lrasileiro que goste de ser captivo, repito
s paJavras de Jess Cbristo S5 vade retro
'Batana z rr 'oge para.lopge do. Brasil, demo*
lo l luas. ...
i-
stitui-
denca, e observancia exacta da con!
cao, porque a malvada santa alianca, apos-
tlicos, e aristcratas, ainda teimam por si
e pelos aborninaveis jesutas disfarcados,
inimigos das luzes e da liberdade, a derra-
mar um veneno subtil, que se estende mes-
mo na America; elein penetrado por entre
nos.- Ate me parece que foi para ensi na r
a todos que bradem s alerta =em tempos
duvidozos, que Nosso Senher Jess Cbristo
mesmo tambem poz, e fez sentinella, como
se le em S. Matheos, as palavras S= estai
pois alerta fiquai-vos aqu e ngiai com-
; etc. E pela de S. Marcos, depois de
sro:
mandar que se faca sentinella bem attenta,
as palavras, =2 ohai e estai aleita; acaba
bradando ^alerta E finalmeutepela.de
S. Lucas mandn que estives3em alerta em
todo o tempo. Tudo i ato, 6 Patria, pro va
indubitavclinente, que ha vendo crise, in-
trigas, e perigos, devenios estar de sentinel-
la.; e que he virtude e dever de um cida-
dao, zeloso pela prosperidade e seguranca
de seo paiz, estar de vigia liberdade, e
gritar como en alerta!!
Fazer sentinella he accao de quem desejaN
seguranca e paz: a voz es alerta cruao deve
causar suspeita nem espanto e eis o por-
que eu grito alerta, e nunca mudarei o
titulo e a epgrafe da minha gazeta ; di-
gam o que quizerem os servs aduladores do
poder, esees abiertos hipcritas, debaixo
da capa de moderados, egoistas velhacos,
serpentes tentadoras sabidas do abismo, e
traidores patria. Esta palavra alerta s
he dos ceos, he do Fspirilo Santo; por isso
brado, e brar^rei sem cessar ao Povo da
Babia e do Brasil inteiro = alerta!!
Aceita pois, Patria, o pequeo sacrifi-
cio deste filho, soldado da liberdade, sabi-
do das marmorras, boje livre e laucado em
teos bracos; que escapou a tantas feridas
barbara e aleivosa.nente abertas, pelos
traidores de Pernambuco, e tyrania do Rio
de Janeiro, de novo faz sentinella, e conti-
nuar a bradar alerta =r para teo bem e
de todo o Brasil, e proveito geral da huma-
lidade.
S feliz e livre eternamente, Patria
adorada: assirii eu te desejo; e conheee
que ainda tens filho que por ti combate e
te dedica esta gazeta.
1
A Sentinella da Liberdade
Cypriano Tse Barata de Almeida.

\
(Sentinella.)


i
mm

**m
>f,i.- A.
BOU
(1*1)
>ede- s^-nos o Para a publicado do Se-
guinte.
SENHOR.
O'
Conselho Geral da Provincia do Para',
cbeio de gratido tributa a V. M. I. as ma-
js cordiaes gracas pela demissfto do Coro-
nel Joo Paulo dos Santos Barreto de Co-
mandante das armas desta Provincia ; ras-
& MSt? b,rilhante coni V. M. L destruio, e anniquilou ocahosem
que estava infundida esta Provincia pela
influencia maligna daquelle despota sobre
todos os seus negocios. Sim, Sr. este bello
Paz do Amazonas, que forma tal vez a
mais importante parte do Imperio BraziV
leiro, foi o theatro, onde por quasi quatro
annos apresentou as mais desenfreadas pai-
xes aquelle Empregado, e onde desenvol-
veo hum carcter tao nefario que, machi-
nando partidos, fomentando dissenses,
alentando} espera neas criminosas, semeou
inimisades, e cavou abismos sob os mes-
nios pes dos Paraenses, Cujo merecido
conceito elle pertendeo fazer duvidoso pe-
rante V. M. I. e com especialidade o da-
quelles Cidados, que exemplo deV..M.
I. trabalharao aprol da Independencia do
Brazil. Em huma palavra, Sr. aquelle Em-
pregado Militar, por disgraca destes Po-
vos, se cornportou ate o fin da sua comis-
sao de maneira tal, que se tornou bem a-
eertada a profundamente meditada Opinio
de V. M. I. que na Proviso de 12 de Mar- \
co de 1829 expedida pelo Conselho sopre- ]
mO Militar o contempla seg, e desordena-
do ns suas paixbes, arrastado por ellas, e
so segu ndo o seu instincto: to justa, e I
to Esclarecida Opinio aue intira mente ;
faz persuadir a este Conselho, que aos o-
Ihos de V. M. I. he diftcil oceuftarem-se i
os satellites do Absolutismo, da anarchia,
anda quando para satisfaserem suas pai-
xes perversas, tomo a capa da Gonstitu- !
cionalidade, e se cobrem com o veo do-
ble da hipocresa poltica: assim so por no-
mentoSjO crime se poder disfarcaras Pers-
picases vistas de V. M. Imperial!
Se desta sorte, Senhor, V. M. I. com
Mo benfica salvou a Provincia desse es-
tado de coacco, e violencia, que necessa-
riamente produsiria huma trrivel reacao,
este Concelho nao pode deixar de render
a V. M. I. as devidas Grabas, que as publi-
car para que o Brazrl saiba deste voto,
que he expressao da maior parte dos
habitantes^ desta Provincia, e para que os
Krasi!eiros tod >s contemplem e admirem
o Augusto, e Iamortal Pedro 1. que sern I
cessar levanta novos Padroens ao seu amor,
e que a todo o momento da' provas de qu
Elle he o Fundador da Lberdad Brasi-
liana, o Amigo dos Brasileiros, o Monar-
cha que melhor tem sabido harmonisar o
explendor do Throno com a singelesa da
Constituic2o.

Salla das Sessoes 6 de Desembro de i83o.
LEILA'O HOJE.
oje 26 do corrente continua 0o Leilo de
carne seca abordo da Escuna S. Jse, Cap.
Sardi, de bandeira sarda, fundeada na praia
do Collegio, e se repetir todos os dias ate
finalisar a pequea quantidade de carne
abordo da mesma Escuna.
Os pertendentes ao referido genero eon-
correro abordo da mesma Escuna, on- pa-
ra ajustes particulares a Jos Antonio d'O-
liveira.
LEILA'O -
~* Qu perteudem fazer Guilherme Fog,
ktc. de fasendas limpas, no da Qtfarta fei-
ra 2 de Marco, pelas 10 horas da manha,
jia casa de sua residencia, ra do Vigark*
n*P 12.
~}f> :..
ARREMATACA'O
fpjigunda feira 28 do corrente se hade ar-
rematar pela Ouvi loria do Civel urna ca-
noa grande que esta' na prara do Colegio,
cptoxinia ao Palacio do Governo, e mais 1 i
pranxes de amarelo e um de loiro de
$ppi: deposita rio Joo Antonio Baptista
Moniz na rbeira, tudo penhoradopor Luas
Custodio Correa a Jacob Luiz deCarvalho
VENDAS.
F
JZiftf Olinda, urna armacao e utencilios d
venda : defronte da bica de S. Pedro D.
Ai
-i, Um mulato, 26 annos, hbil e instru-
ido no servico do campo : na ra Nova lo-
ja defronte da Igreja D. 21, ou anuncie-se.
i:.^ Urna porcao de trras no sitio do Li-
ria, destricto de Campia Grande na Para-
hiba, na ra estreita do Rosario n. 29,
i. andar.
. Bixas grandes e frescas por prego com-
nodo, e com a condico de se trocaras qu
nao pegarem : na venda de 4 portas N. 22,
esqnina da ra do Vigario para o Forte do^
,Mattos.




{1-fe}
ALUGUEIS.
.
U M sitio na Oros de Almas com bastan-
tes arvoredos de fructo, baixa para capim,
e casa com bastantes commodos, quem o
pertender falle a-Cosme Damiao da Silva,
na casinha do Despacho no Pateo do Car-
ino,
_ No beco do Marisco D. i. ha urna a-
ia de leite para alugar-se, parda, livre e
de bous costumes.
_ Na Casa forte urna casa com 4 quartos,
prompta e caiada, quintal com fructeiras,
e bom poco, at Novembro : na ra do Fa-
o
p
AVIZOS PARTICULARES.
Recisa-se fallar ao Sr. Joao de Barros
Correia Pacheco, para se Ihe intregar urna
carta de Portugal, e tratar negocio doseu
intercsse na ra da cruz venda n. 02:
alli, ou anuncie-se por esta folha.
^ Quem percisar de um administrador
para Engenho, homem de boa conducta,
to que d fiador, anuncie-se por este Di-
ario.
_ Quem tiver para alugar nm sitio per-
to da praca, que tenha casa para pequea
familia, e'capim, ou lugar para plantar-se
o necessario para o sustento de um cvalo ;
anuncie-se por esta folha.
^Qocm tiver para alugar urna casa de
um andar, ou um sobrado, ou mesmo urna
-casa baixa tendo esta bom quintal, no
bairro de S. Antonio e ainda mesmo 110 da
Boa-Vista, nao sendo era beco ou ra es-
cusa, annuncie por este Diario.
_ Preeisa-se de um sobrado de um an-
dar, commodos para urna familia nao miji-
to grande, ou de dous andares pequeos,
com quintal que possa admittir estribara,
sendo em qualquer das mas do centro da
freguesia de S. Antonio, c se da' maior a-
luguel do que estiver rendendo : anuncie-se
por este Diario.
"Ui
ESCRAVOS FUGIPOS.
JlVIa negrinha, 12 anno, seca, meia
fulla, pes grandes, fgida a^24 do corren-
te com vestido de chila asul, cabeceo de
caca, e baieta verde, com um taboleiro de
.azenda, que venda, e se julga estar acui-
tada : na ra das Trinxeiras D. 4-
NOTICIAS MARTIMAS.

Navios entrados no dia a3.
\


^ Rio de Janeiro ; 3o dias ; B. Ing. Ma-
thilde, Cap. Jaeob. G. Hard ; em lastro: a
Biogo Cockshot e C.
Entrados no dia a4-
^Liverdool ; 44 ias ; B. Ing. fifn
Cap. Henry Dryden : em lastro : a Thomas
Gardner e C.
Entrados no dia 13.
p* Dito, 36 dias; B. Ing. Harreit, Cap.
William B. Rhodes : em lastro : a Russell
e Mllors.
^ Plymouth ; 4o dias; B. Ing. M'iry,
Cap. JamesTurcan : em lastro: ao Capi-
tao. Passageiro John Turcan.
_ Gaibu ; 1 dia ; S. Temendade, M.
Leandro JosedeSousa: caixas: a Antonio
Rodrigues Lima
Saidos no dia a3.
^ Santos pelo Rio de Janeiro; B. Con-
vengo, Capitao Jos Jacinto deAbreu;
nal cocos. Passageiros Capitao Monoel
Ignacio de Carvalho Mendoza e duas so-
brinhas menores, Moyses Mendes Ossuno,
Tunezianno, Jos da Costa Leite, Sebas-
tio Ciriilo de Sousa, e Luis Antonio de
Almeida.
_ Barra Grande; Hiate S. Jntonw Voa-
dor, M. Jos Marques: em lastro. 3 passa-
geiros.
Saidos no da a4-
m Aracati; B. Ing. Pandora, Cap. .
Carry: lastro. *.,*. /
_ Goianna ; L. Calvario da Santa Crazy
M. Joao de Dos Monteiro : lastro.
_ Aracati ; S Conceicdo Flor do Mar,
Jos Rodrigues Freir: lastro. Passageiros
Jos Correia de Albuquerque, e Mauoel Jos
deFreitas.
_ Parahiba ; G. Ing. Alexander, Lap.
John Sullivan ; fasendas.
Sahidos no dia 20.
_ Una : S. Restaurar a\ M. Francisco
Gabriel Domingues : lastro.

PERNAMBCO NA TYPOGRAFIA FIDEDIGNA. i83i.
1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENZ487O8Q_2X37KU INGEST_TIME 2013-03-25T12:32:44Z PACKAGE AA00011611_01110
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES