Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00972


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r V
N. 314.
*
Anuo de 1830.
DI ARIO DE PERNAMBUCO.
Sabtcreve-M na Tipografa do maimo Diario roa Direita N. 567 1. andar a meie por 040reU huma folha
qna aahirtodos os dial atis.
Quarta Feira 5 de Maio. Converga de S. Agostinho.
treamar as 2 horas e o4 minutos da tarde.
^HV
I
ARTIGO de OFFICIO.
Llustrissimo e Excellentissimo Snr. =
Sua Magestade O Imperador Acolheu
cora aquella benignidade que tanto O des-
tingue as provas de amor e veneraeao a'
Sua Imperial Pessa que derao com V.
., os Habitantes dessa Capital, as pu-
blicas demonstrares do seo regozijo pelo
restabelecimento da Sua Preciosa Saude:
E me Ordena que assim o partecipe a V.
E. para sua satisfacao, e em res posta ao
seo Officio de 12 de Mar^o prximo pas-
eado. Dos Guarde a V. E. Palacio
do Rio de Janeiro em 15 de Abril de 1830
Mrquez de Caravellas Sur. Joa-
quina Joze Pinheiro de Vasconsellos.
&
CORRESPONDENCIAS.
Wn. Edictor. Visto o Cruzeiro
N. 269 temos grandes esperanzas ( ou
os nossos ) de ver canonizado a Francisco
Xavier Capitao Mor de Cimbres, que
gesto para os Brazileiros Vendo no al-
tar hum Santo crilo, couza que the en-
tao so era permettida a nossos Tios la'
da Europa : grecas a Providencia, ja te-
mos no Brazil hum Santo Onde sera'
elle collocado ? Sem duvida no Poco dos
Patps: la'vai partida a Freguezia de N.
S. das Montanhas em Cimbres ; porque
o Santinho se for posto em alguma Igreja
particular foge, e vai apparecer no men-
cionado lugar, e tanto lia de fazer, que
ha de ser o Padroeiro da ova freguezia :
he pena nao ser isto ja, para o Padre Xi-
co prefer-la a qualquer outra em troca da
do Recife. Grande pezar me resta de nao
alcanzar esse tempo, vista a cressida ida-
de de 70 annos, para hir fazer huma ro-
mana a tao Jjpax Santo, e pedir-lhe insest
santemente, por todos aquelles, que n*
este mundo, elle martirizou com prizoes
injuriozas, denuncias falcas, diatribes,
calumnias, e tudo quantp pode inventar
a maledicencia. Vamos ao homem como
vivo, e pecaminozo ; sera' virtude calcar
em hum tronco a hum Tenente de primeii
ra linha. e sentar-se sobre o mesmo tron-
co a interroga-lo, dando de q uando m
quando gargalhadas ? Sera' ? Sera' vir
tude hir com forea armada sobre os Indi*
o* da Villa de Cimbres matar, prender,
e expatralos, e ao depois sinhorear-se de
suas trras f Sera' virtude fazer hum re-
crutame*nto a torto, e a drreito calca-Ios
no tronco, e ao cabo de Ms deita-los as
simtrpecos para baixo viagem de 60 le-
goas amarrados com cordas ? Sera' ?ir*
tude comprar trras a hum herdeiro, e
com este pretexto escalar, e destruir hu-
ma propriedade possuida pelos de mais
henleiros, que vendo-se assim maltrata-f
dos tudo abandonao, indo chorar sua dis\
graca por trras alheias ? O que fazo !
para que enfadar o respeitavel Publico,
quando ojulgo ja sabedor de outras mul-
tas que omito, nao por falta de oceurren-
cia, mas por nao haver papel, nem mes-
mo tipos, que possao abranger quanto ha
de perversidades neste, a quem o Cruzei-
ro com tanto gosto ellva ao ponto de se
julgar ja Santo ; o que so parece ser para
isso pago, e bem pago, ou enta por sim-
pathia, assim como por antipatina, ou
talvez por nao Ihe pagar inda melhor, se
derige contra o Capitao Mor Sirqueira de
maneira tal, que nao deixa duvida a pai-
xao, que contra dito tem o Snr, Disposto,
e quanto a mim nenhum outro mq^o ha
do que a diterenca, que dista otf virtude
ao vicio. O Capitao Mor Maftoel Joze
de Sirqueira, semprye seguio acarreirada
virtude, bom filho, bom Espop, bom
...... rK:....
i >mmmmmm \\


*4
7
^R^
*
' jir-1"
(1506J
y r
<
#. Pai, botn Cidadao, e como tal governou
aquele termo the aquele dia abencoado ;
quanto ao9 mais c reos segundo quer o
Snr. Disposto, os juljo defendidos huma
ves, que sao huns, filhos, outros genros,
e outros amigos dt dito Capitao Mor Sir-
queira, seguindose disto o nao poderem
ser perversos etn tao boa companhia. Que
audacia do homem virtuozo, e valentao,
traetar mal ao llustrissimo Snr. Correge-
. dor Jacobina, dizendo que vende a Justi-
na por dinheiro!! Por a cazo e9te bene*
mrito Cidadao faz caso de dinheiro ?
Pessoa de muita verdade vio ao mesmo
contando ( com sua propria mao ) viute e
cinco mil reis em cobre, para emprestar
a hum pobre dizendo, este homem quer
comprar huma rz, a ver se tiraao menos
meia arroba de carne para sustentar sua
familia esta semana, vamos a ver. Snr.
Editor quem assim obra he ou nao virtu-
ozo? He ou nao amigo do seo semelhan-
te ? He ou nao filanthropo ? Quanto a
mim he superior a quantos elogios se lhe
possa dar: que em porta ladros de caeos,
taobem latem a La mas a nao podem
morder. Eu lhe rogo Snr. Editor faca
enserir na primeira de suas folhas estas
quatro mal t lacadas linhas, a fim de que
o respeitavel Publico suspenda por hum
pouco o juizo em quanto possa aparecer
as proprias defezas de quantos fes mencao
o malvado Disposto, pois que eu no cazo
s me toca o defender a innocencia de-
premida por hum verdugo. Sou Snr. E-
?ditor com respeito De Vm.
Attento venerador e obrigado.
O Inimigo dos Columnas,
s,

'Nr. Edictor. Rogo lhe a inaercao
desta ininha Defza a huma Portara da
respeitavel Junta da Fazenda Publica de
16 do corrente, em que mal enformada
me encrepa, e nisto muito obligara' ao
eu
Assiguante,
Jacinto Joze Tilomas da Silva,
lll.m0 Snr. Juiz d'Alfandega Grande.
A Portara da respeitavel Junta da
Fazenda Publica, datada em 16 do cor-
rentei que impoz a V. S. a obrigacao de
estraruiat-me a demora das Folhas dos
Guardas] Extraordinarios, Patroens, e
Remeircd desta Alfandega, que foi por
Y. S. Ali^iozamente cumprida em 16 do
corrente, cauzou-me bastante dissabor;
por ser nella increpado por culpas alheias;
e assim como foi dever de V. S. dar intei*
ro cumprimento a ella, igualmente he
meu fazer ver a V. S. que sou falcamen^
te acuzado ; para que sobresaindo minha
onra, recaia o crime em quem o come^teo.
Quando tomei posse do logar, de Guarda
Mor, com que Servio-Se Agraciar.me S.
M. o Imperador, achei as ditas Foi lias a-
trazadas em deis mezes, e pondo todo ex*
forco em medicar este mal, conclu polas
em dia, isto he dar a Folha no mez actu-
al do mez pretrito, o que exactamente
tenho ate' boje executado, e consta da da-
ta de cada huma dellas ; mas como estas
nao possao ser remetlidas ao Thezouro,
sem que o Escrivao da Meza Grande cer
tiuque o seu contiudo, como lhe incumbe
acontece que este Official, alias probo ;
pelos seus muitos fazeres humas vezes, e
outras por esquecimento as retenha em
seu poder o longo espacu, que o cazionou
a dita Portara : essa reten^ao, nunca fi-
lha do doli, consta, como ja' dissedas
suas datas e della he testemunha toda esta
Alfandega : que culpa pois pode ter o
Suplicante das faltas alheias ? Deverei
responder pelas commissoes de outrem ?
Deve a culpa de outrem recahir sobre
mim, e detrahir minhainteireza; e como
para o Em pregado Publico a reputacao,
e dezempenho dos seus de veres sejao*lhe
os objectos mais charo9; por isso levo a
prezenea de V. S. esta minha veraz ale
gacao, para V. S. servirse taSbem lova
la, a prezenea daquella respeitavel Junta,
donde emanou a sobredita Portara ; para
que inteirada Ella da exacao, com que
procedo, possa conhecer d'onde provem a
morozdade repreendida. Dos guarde
a V. S. muitos annos. Alfandega 28 de
Abril de 1830.
Jacinto Joze Thomas da Silva.
Guarda Mor d'Alfandega das Fazendas.

Correio.
PEla Administrac,ao do Correio Geral
desta Cidade, se fas Publico que par*
te deste Porto para o de Lisboa no dia
12 do corrente a Galera Brazileira S. Jo-
a o Baptista de qu he Capitao Joao Pedro
Sa' e Faria ; e para o de Loanda no mes-
mo dia o Brigue Brazileiro Triunfo do
Brasil de que he Capitao Pedro Jorge Vi-
dal, as Carta* serao la usabas na Caixa


V
T
0507)
Gesal ate' as 9 horas da noite do da an*
tefdente.
A malta do Brigue Brazileiro Tri-
unfo Americahopara Lisboa se feicha as
9 horas do dia 5 do corrente.
. Avizos Particulares,
JOhnston Pater & Companhia Consig-
natario do Brigue Ingles Alicia Cap-
ta5 Priestman, vindo d* ntwuerpia, en-
trado neste porto etn 16 de Abril p. p.,
avizao, que abordo do dito Brigue vie-
rao dois Fardos com a marca BH nu-
meros 5 e 6, que forao descarregados pa-
ra Alfandega das Fazendas; os Srs. a
quem elles pertencerem hajao de declarar
sua moradia para se Ihe mandar cobrar o
frete dos mesmos, visto que os conheci*
mentos declarao a sua entrega a Ordem e
na falta toma rao as medidas que a seme-
Ihante respeito a Ley lhei concede, para
embolso do dito Frete.
Quem percizar de huma ama de caza
boa engomadeira, e cozinheira ; dirija-se
a ra do Padre Florian caza N. 32.
As pessoas que por sua extrema po
breza e molestias se acharem as circuns-
tancias de hirem para o Hospital da Cari-
dade denominado de S. Pedro de Alean*
tra, dirjao-se pessoalmente ao Adminis-
trador abaixo assignado morador na ra
das larangeiras, porque serao admitidos
em quanto houverem camas e meios dos
manter, e se pela concorrencia faltarein
alguns dos meios indicados, ficarao espe-
rados aqueles que suas molestias o permi-
tirem, sem que para isto nessecitem da
dependencia de empenhos que tao abuzi*
vamente tem acontecido no curto espaco
de minha Administrado porque em taes
cazos nao sao aceitos.
Vicente Ferreira dos Guimaraes Pcixoto.
O sobredito Administrador pede as
pessoas que estao constituidas credores
com crditos passados pelos Srirs, Admi*
lustradores seus antecessores em gneros
que se ten bao vendido de qualquer natu-
reza para o consummo dos hospitaes de S.
Pedro de Alcntara e Lazaros, assim co-
mo os possuidores de trras a quem os di-
tos hospitaes pagao foros, aprezentem se-
lis ttulos ao actual Administrador porque
convem-se saber o estado de empenho em
que se cimo os ditos hospitaes, para se
proceder no seu resgate em seu devido
tempo; este conheci ment ae faz precizo
verificado nortazo de 30 das.
Preczase de hum exelro europeo .
para huma venda quem estiver nestas cir-
cunstancias di rija-se as cinco Pontes ca-
za D. 43.
Oferece o respeitvel publico Joa*
quim Joze de Carvalho, a retratar a olho
com amis propriedade possivel : pes-
so que se qizer utilizar do seu presumo,
dirija-se a Boa-vista ra do Rozario caza
N. 23.
A pessoa que precizr de hum rapas
para caxeiro de escrita, ou loje ; anun-
cie por este Diario.
Compra-se.
HUm preto bom cozinheiro, e huma
mulata ou crioula boa engomadeira
e costureira ambos para fora da Provin-
cia : no Recife na ra da Cruz caza
Hum pao de rede : anuncie por este
Diario,
Vende-se.

HUm cavallo lazao caxito, de bonita
figura, e com todos os carregos : na
ra. do Rangel D. 37.
Hum escravo de nome Silvestre,
nacao Beni, de idade de 26 a 28 aunos,
ladino, e sem ofticio : na ra das Trin-
xeiras caza N. 213.
Huma morada de caza de pedra e cal
com chaos proprios no lugar do Mondego
estrada da trempe : os pertendentes fal-
lem com o destribuidor deste Diario do
Bairro da Boa-vista.
Hum muleque de Nacao AngoIIa,
bonita figura, de idade pouco raais ou
menos 13 anuos, e sem vicio algum : de-
fronte de Palacio no 2. andar do sobra-
do que nacio.
Alluga-se.
HUm a morada de caza terria no Ba r*
ro de S. Antonio que na5 exceda de
4 a 5$000 rs. mensaes : anuncie por este
Diario. m
Huma caza no Bairro da Boa-vista ;
quem a tiver, anuncie por este Diario.
Perdeu-se.
K**a/(
N"
dia 1. 0-*do (jrrente, huns cora
zes azues claroi, com osseua.com-

--
T*-


/
C1508)
X
" ptenles requfifes, 'de menina : quem os /dos Aflitos defronte dehnm ferreiro que
achou e os queira restituir, dirija-sea roa (j^'recompensado.
da Gamboa4 do Carmo ^.^^'^S^SS^tSJlJS^C^
generosamente recompensado doseutra- lp***^ ^ .
balno. /gustado fica meio gago, tevehum panadizo
Yiagens.
SEgue viagem para a Baha athe o da
16 do correte a Sumaca Ezequiel,
Mestre Manoel" Joze do Sacramento,
quem na mesma quizer carregar, ou fre- vdoj(ual receberao 25$ rs. de gratificado
tar para qualquer porto do Sul dirija-se ao
mesmo Mestre ou a Joao Evangelista da
""Costa e Silva.
no dedo grande de huma das mos e por is.
so ade ter a marca, com officio de cariticei.
re, fgido em Agosto do anno p. p. : os a-%
prehendedores levem-o ao ATogado a Anto-
nio Rabello da Silva Pereiraque he seuSc.
Escravos Apprehendidos.
HUma negra que mostra* ser nova, a-
prehendida no dia l. do corrente
ja chegando ao Engenho Choquia ; quem
Noticias Martimas,
Entradas.
I Ji 30 do corrente. nn Rio de Ja neiro;
13dias; B. E, N. I. Felis, Com.ol.0
a a

.
/
'?

for seudonodirija-te ao ATogado ra de Tenente Joaquim Eugen.o Avelino pas-
S. Miguel em caza do Capita de Campo sagein* o Tenente Corwlel*
Joze Pedro de Alentara. Maior Pedro Joze da Costa Pacheco Go-
vernador das Armas do Rio fcrrande do
Fjanrsivnfl Fiio-ilos Norte e 3 criados, o Capita do Estado
SCraVOS f UgWOS. Ml0r do Exercito Joze Lucas SoaresRa-
LUiza, de idade de 15 a 16 anuos, pozo da Cmara e J escravos o ex Ca
nacaS Angolla, ladina, boa altura, date do 1. Corpo de Artilhana dePozu
eeca do, corpo, bem prete, rosto miudo e cao da prime.ra L.nha Joao Chnsostomo
ciscarnado,' e olhos.hum pouco vivos, fn- de Olivera, Martin Joze Felipe, o Se.
gidanodia 1. do corrente, com pao cretano do Governo do Para Joze da
azul, saia preta de lila, e vestido de chita Fanceca Lessa com sua Senhora huma
roza da fabrica por baixo, e levou hum cunhada e huma escrava ; para o Para
taboleiro pequeo forrado com huma toa- Joze Corsino da Silva Rapozo. Costa
, Iha e dois pratos com doce pois sahio a de Patagonia, tendo sahido de Bortn *
-render: os aprehendedores levem-a a ra. 10 mezes ; G. Amer. Mainc, M.B.
;do Jardim .na ca&a^juntoat) porteado Manter, equip. 22, carga azeite, ai
! mesmo onde se vende doce de goiaba, que
sera'bem recompensado ; protestando a
mesma Senhora contre qualquer pessoa,
v^a queatenha ocultado por malicia em sua
caza.
Candida, nacao Angolla, de idade
Ihos na flor do rosto, bastante magra,
com bastantes varrugas, em huma perna,
leva va huma mordaca de folha de flandes
na boca fexada com um cadiado, fgida
no dial.0 do corrente vindo do Man*
% ffuinho para o Recife, razendo huma rw.
*l! atidpia encarnada com huma cortina a- l^FUdito.
rira & Mansfield, w Costa de Patagonia ;
tendo saludo de New London a 10 mezes;
G. Amer. Electec, M. M. Griffing, e-
quip. 30, carga azeite, a Ferrcira & Mans-
field. Cosa de Patagonia ; tendo sabido
de Sag Haboeu a 9 mezes; G. Amr. Tha
mes, M. H. Cooper, equip. 24, carga azeite,
a Matheus & Foster. Costa de Patagonia ;
leudo sabido de Sag Haboue a 10 mezes ; G.
Amer. Hensey, M. S. Griffing, equip. 23,
carga azeite, a Matbeus & Foster.
Sal idas.
Salem ; B.
Amer. Olinda,
a
bandeja encarnada com huma cortina a-
zul: os aprehendedores levem-a ae citio M. D. H. Maus, equip. 8, car$a assucar,
de Mariana da Piedade, no caminho couros. <

Pernambuco na Typograjia do Diario^
w


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIXG5VPR1_PYIGAM INGEST_TIME 2013-03-25T12:54:02Z PACKAGE AA00011611_00972
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES