Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00938


This item is only available as the following downloads:


Full Text
T
505.
Aw de 1889.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
Sabserevo-so na Tipografa do
satura todos o diu atis.
mo Diario raa DI re Ha N. S07 1 andar ea Mes por 640 res huma olha
QARTA FeIRA 20 DE OTUBRO. S. JUO Cando.
,
Preamar as 7 horas e 42 minutos da manha.
ONe
CORRESPONDENCIAS.
Editor =x Casrnte^ Bonito
Sur. J, B de Sena he o guapo Orador
lectivo do Da 12 Je Outubro. E q
ito. <>V
idor ef I
me linl
cules hs commum a amitos eapadachins da
Antguidade. Dio-loro faz raencao de 3 Her-
cules; Cicero falla de 6 ; porm os mais ce-
lebradas sao o Egypcio^ o Fenicio, o Cre
tense, o Romano, e o de Thebas. Deste"
la* cousas, que elle djz Plinio nao foi ta5 huns conta 7 trabalhos, outros at 37. O
eloquente ito Elogio de Trajano. O auno Auctor da Biblioteca universal em huma dis-
assado estreou-se este lsoc ates com sua sertncaS eru&itissihia faz ver, que todos es-
8a ao Imperador; ecomo estiva milito en** Bes Hercules nao nascerao, se nao das rea-
rufadocoma protecca do ex Prezidente T. coes hiperblicas das aventuras de alguna
X., que era o pedestal da Columna; como Mercadores Fenicios, que negociava por
na espelunca de. roa vejha contava-se com a difTerentes lugares, e estabelecrao colonia,
queda in livel ta Costituica, engendrou Harokel, donde foi derivada a palavra
o pregadeiro apostlico huin Elogio, com*- Hercules, na Lingo a Fenicia quer dizer
posto de retaios emprestados, e fazendo Mercador, traficante, &c,
menean de todos os facios pblicos, e memo Ora eis aqui o hroe fabuloso, que o
ravei do Imperador, nr-uito de pensado dei* Domine, Redactor do Cruzeiro achou ade*
aaeinabsoluadesleoabranca o memoraudis- quado, e comesnho para servir de paralello
imo facto da Constituica, por Elle oflfereci* ao Imperador C. do Brazil! No vasto carf-
daa* discuea, e beneplcito dos Brazdciros. poda Historia nao encontrn hura Soln,
Mas este auno ja* nao foi atsim. O O- hum Lycurgo, lium Numa, hura Trapujo,
buin Marco Aurelio, hum Tito, e mMitos
outro* Grandes Principes, que promove ao a
muir, vi; mo na vei imacu segeus filicida de dos Povos ? Nenhum destes ser-
per siimma Tolaret, Gramina, nec teeras vio ; eso servio o fantstico Hrcules so por
curen lasaUset aristas Diz, que os facciosos causa da grcinba das Columnas Mis airt*.
al Carvaho quizerao" dar wsbo da Constitu- da assiu esquecco ao Snr Jo/e Bernardino
^, qua elle Orador, e os mais Columnas huma das falladas de Hercules, que foi o va-
desejao soMmtar cam unhas, e dente*! Se rejo, que deo no famoso Iadra5 "Caco ; e
este nao he o csnh< da verdadeira Irona, bem poda applicar isto ao facto do Nosso
Tiao ha tal figura em Rhetorica: assim como Imperador ter sacodida d* Alfandega do Al-
relativaracnte ao Escriptor o Elogio he a goda a certo Caquinho.
amostra insis bem ochada do mais completo O arremate do discursa he galauttssi-
ridienlo. De 1*2* para ca' o chamado Tram* mo. Ahi vai, reparem bem. Non plus
fcolho (peles Columnas* tem-se robustecido ultra J. B. de S. Que tal o hosso Do-
a pezar dossalahauecs. que Iba ten dado a mine? E sucia do Japa: he mister por tanto transigir no um'oral da porta dr Alfande^a do Al^odao
radar no Cruzeiro 1*29 filia na Constituica,
ge bem que a' m aneira da Ninfa Camilla, de
nuem diz Virgilio Illa vel intacta? sesetis
com as circunstancias ; e assnn ja vai appa*
recendo uo Cruzeiro palavra Constituidas,
se bem que sempre fugitiva, e amargurada
Porm que engorovinhado paralello foi
>rir esse novo Domine *' (Mestre de
*
Non plus ultra J B- de S. que
lescob
quer dizer -* Nunca maisd'aqui para dentro
J. B. de S.; o porque perguntem aos me.
nios da roa. Que forcadas analogas v\a
ues>e burlesco paralello Ali os souhid^a
Fr. Gerundio de Campaias) entre o Impe- trabalhos de Hercules va arrastrados peloa
rador, e o fabuloso hroe, filbo de Janiter, cabellos servir de norma ros heroicos fe^i
e Alcmena Parturient montes, nascetur o Nosso Defensor Perpetuo. Al at o Cap^
ridiculos mus. '* Vcm Hercules com todas be^alho do denominado Elogio he huma c.
as snas proezas balhf, sopara ter o trosti taca de Diderot, que naO sei a que prop0w
rha de fallar em Columnas. O nomede Iler zito fot ah? betada aos empeches ; porq,Jo
l
.




tt
M
o que exige aquelle Floxofo ele hum bom carga: quando hum Pemamhucano cingt
Re he justamente o que constitue hum Mo huma espada, ou maneja huma espingarda
arca verdaderamente Constitucional: e as- he para defender o Imperador Constitucio-
lim he, que o desojamos, e felizmente pos* nal, e a Naca o, e nad para algemar o seu
subimos. Entre tanto que aplausos, que Paiz depois de derramar o sangue de seus
n bibas, e mais bibas nao* gramaria o patricios, e irmaOa. Hum, ou outro Oficial
Domine dos seus bajoujos subscriptores, indigno, que por baixo, e servil se alistou
Nesse dia recebeo sem duvida bons paios, e nessa execranda sociedade, nao he capaz de
prezuntos, e o competente molhador da pa- infamar a briosa corporaea militar de Per*
lavra Bem dizia o elegante Lucrecio, nambuco.
Omnia enim stolidi magis admiran tur, a- O nosso mesmo Imperador ja' deo aos
mantque Pernambucanos o honroso epitheto de de-
Iuversis qua sub verbis latitancia cer fenseres da liberdade Brazilica : he precito
uunt. desempenhar tad nobrs, e lisonjeiro titulo.
A estupidez nao estima, e admira, se Demos a vida, se precizo fiSr, para sustentar
nao as cousas escondidas, debaixo de termos os trez mais sagrados Objectos de todo o nos-
mysteriosos. Com eleito ute aqui era o Sr, so afecto, isto he ; Independencia, Impera-
Domine conhecido pelo Papa al'oda, ago- dor, e Constituica. Quem se atrever a to-
ra he de mais a mais o Non plus Ultra. car nestas trez Deidades, nao de ve existir
Boa be a minba trra Ninguein sabeapre entre os Brazileiros. VivaO" pois a InJepen-
ciar esses ridiculos mais do que dencia, o Imperador, e a Constituicad : Vi*
O Somnmbulo. va os Brazileiros livres: Viva a briosa
Tropa de Pemambutfo : Viva o Batalha5 55
^p de segunda Linha ; e desappareeo da fase
Sda trra os infames, e captivos columnas.
Na. Editor Excelleote Batalhao be o Sou Sur. Editor, seu muito affeicoado.
* de segunda Linha do Exercito! FizeraO

O
Decidid:
S:
Na. Editor. = A Constituicad nao he
hum vad fantasma como querem alguns,
nem as suas Leis sao inuteis, e tanto assim
aua illumina^a no Dia 12 do correute ; e
as duas noites imtneJiatas soltrao fogo de
vistas. Nao lhe sei descrever. Sor* Editor,
a influencia, que observei n'aquclle numero*
sissimo concurso. Depois de repetidos Vi-
vas a S. M. I., e C., Assembla do Bra-
sil, NacaO* Brazileira ; hum grito geral se que as vejo obierradas.
fez ouvir, que dizia Morrao os columnas Li no Diario de 11 do prezente o cilicio
e este grito foi tao aplaudido, que outro de 23 de Setembro, no qual S. Excedencia
se na5 ouvia por todas as ras da Cidade de o Snr. Piuheiro fez ver ao Excellentissi-mo
Olinda, que nao fosse Viva o Imperador Bispo eleito desta Diocese os motivos que
C., e morra os Columnas; at pelas cazas lhe assistiad para julgar irrita a proposta do
nao soava outro cco. Cabido, e dar por tanto a preferencia ao
Oficiacs, Sargentos, soldados por toda Padre Francisco Joaquim das Chagas, o
a parte di vagavad clamando de instante em que era de esperar de S. Ex., pois bm co-
instante Viva o Imperador C ; morra os nhece, que poderes e auctoridades nao sao
Columnas Hum mariolla imprudente na remedios para manutenir o socego publico,
occasiaO do fogo appareceo, como quereudo e felicidade da sociedade, sim a imparciali-
tomar as dores pelos columnas. Quasi o ma- dade na observancia das leis, que felizmente
taO ; e muitou custou a accomodar o furor nos regem ; nunca por tanto esperei menos
do Povo, que o quera fazer em pedacos: de S. Ex. o Snr. Piuheiro; pois bem certo
mas felizmente houve quem acalmasse a e* estou no seu modo de praticar desde os pri-
fervesceneia, e continuara) os Vivas at a meiros lugares, que oceupou nos quaespor-
manhecer. Snr, Editor, huma cousa he ver, tou se com toda dignidade, e nunca as suas
outra he dizer. NaO he possivel rezistir a' uccoes lhe servira de desar.
torrente da opiniao publica, Quaoto mais Nao sao pois Snr. Editor as circunstan-
tein enredado esses infames columnas, mais ciai do Seculo, que fzera a injuitica ter
firmado tem o espirito Constitucional. Ellee scrupulos de aparecer; em todos os tempos
dizem, que nos queremos Repblica, e quem os homens honrados tiveru por timbre a o
quer Repblica festeja com tanto enth usas* bediencia a lei, e respeito a virtude, e o des-
mo os annos do Monarca ? potismo sempre a seos pes jaso ; quando
Quando o Cruzeiro continuamente in- pois Snr. Editor os negocios da Repblica
censa a Tropa de Pernambuco, he para ver, sao dirigidos por pessous habeia, e honradas
se por este modo a divide de seus concida* como o Excelentissimo Snr. Pinheiro, a re-
daos* e indispoe contra ella agente do Povo. sao por assim dizer submette a si a menina
E&ta muito engaados. A Tropa de Per- le, que s tiranos poderad resistir a princi-
nambtico na he huma recova de beatas de pos certos; que o preferir o nome de Ci -

\
\


(St47)
r
dadad probo, ao de prente do consocio do
Cabido de Ribeira. ltimamente Snr. Edi-
tor anda que esta decisaS fosee relativa, ou
a beneficio de hum particular, como toda a
aociedade interessasse no desenvolv manto
de taes actos ta5 conformes a Justina; por
que a felicidade dos Estados consiste nao no
interesse particular, sim no publico ; e co-
mo fosse observada a lei; tenho lugar Snr.
Editor de congratuladme, ejulgar feliz a
nacao Brazileira pela felis Constituica que
a rege, e cujas leis se fossenr violadas seria
um crime capital contra a sociedade; e tan
to mais se fossem os transgrtssores estes,
cujas pessoas se acha revestidas de auctori-
dade, por isso que ao crime se ajuntava um
prfido abuso do poder, que Ihe titiha sido
confiado. Foi por tanto mui conforme a re-
soluca de S. Ex. o Snr. Pinheiro, e o Snr,
Padre Nuiles ja que entrn nos estudos, e
nao estes eni si para melhor fallar, o nao
trocar os ce ; pelos 1.1. va' ser velho do co-
ro do Cabido da Ribeira, ja que a idade va-
letudinaria nao pcrrnitte, que seja menino,
Tenho |Snr. Editor concluido a minha
correspondencia, e muito me congratulo de
ver effeitos da mais salutar medida, qual foi
a mudanca do Snr, Thomas Xavisr, em hum
Cidada probo, que merece as homenagens
de que he digna a virtude, e estas por tanto
devera ser publicadas pela sua folha ; qu
muito Ihe pede o
Amigo da Justica.

Correio,
PEla Administraban do Correio se fas pu-
blico que parte deste Porto para o Cea*
r, Maranhao, e Para no dia I. de Novetn-
bro o Paquete Nacional Imperial Patagnia
de que heCommandante Joaquim Lucio de
Araujo. E para Maceio, Bahia, e Rio de
Janeiro no mesmo dia o Paquete Nigtr,
quera nelles quizer cerregar ou ir de passa-
ge dirija-se ao Administrador do Correio ;
e na respe a alhe as 9 horas da noite se re-
cebem cartas e pnssada que seja esta hora
se proceder' a feixar se.
O Correio Terreitre do Ceara' recebe
a mala no dia 22 docorrente ao meio dia.
Avizos Particulares.
OS Administradores da Caza da Viuvade
Carvalho Rapozo k Companhia, con-
voca para Sexta feira 22 do corrente mez,
no Escriptorio na ra do Colegio, as 10 ho-
ras da manh, precisas, a todos os Credores
a mesma, ou tenhao, ou nao assignado o
comprimisso ; assim como os quo estiverem
de posse de Letras sacadas, ou endocadas
pela firma da Casa, dos quaes nenhum co
nhecimento havia na Administraran, para so-
bre este objecto eoutros, se deliberar: ad*
Tertindo que os auzentes fica sugeitos a
qualquer Jeliberaca que tomarem os que
estiverem presentes.
Francisco Feliciano Rodrigues Sette
irma de Antonio Bernardo Rodrigues Sette
faz certo ao Publico, que tendo-se auzenta*
do o dito seo Irmad deixando alguna papis
elle convida seos Credores para coacorre*
rem no dia 21 do corrente Outubro no Aterro
da Boa-vista D. 10 primeiro andar onde Ihe
serao patentes suas circunstancias.
No dia Sabbado 16 do corrente pelas
3 horas e meia da tarde, foi atacado hum
sugeito, no caminho da Cidade aletn da For-
taleza do Boraco, por tres ladres ; hum
branco, era Europeu, hum cabra, e hum
negro, os quaes totnarao Ihe o cavallo, em
que hia, e tem os saguintes signaes : casta**
nho claro, F gordo, dinas aparadas, com
um aelim sem goldss, e ja usado ; recomen
da-sa que todo aquelle, que tiver noticia,
ou souber onde existe o dito cvalo, ou qnem
o tem dirija se ao Patio de S. Pedro caza D.
4 que Ihe ser bem recompencado.
Manoel Pereira Camelo aviza ao Res
peitavel Publico, que ninguem pode faaer
negocio com o Engenho Pao a m arelo, que a
nunciou o Reverendo Joze Felicio de Mera
Lima no Diario de Pernambuco 501 para
vender, o qual se acha em Ietigio com o a
nunciante, cujo espera Sentenca a seo favor
da Relaca da Metrpoli? da Baha, alero
das mais queja tem alcansado a seo favor,
e quem com o dito tratar qualquer negocio
ficara' millo, e protesta uzar dos meios que
Ihe compete.
Antonio da Silva Pereira tendo procu-
rado carta do Rio de Janairo encontrn seu
nome notado com o N. 6*152 vinda no Pa-
quete Niger, e pedindo-a na Administracao
teve por resposta que ja tinha sido tirada,
iguorando o anunciante quen fora o curiezo
que Bem temer a lei a infringi, e nao s
por esta ves ; mas como sabe que as vezes
aparece nesta Provincia hum Mestrede Bar-
co de igual nome pode ser que elle a tenha
tirado de baixo de boa fe' caso assim acn*
teca queira este Snr, entrgala na ra do
Re /ario na venda do Lisboa, ou anuncie a
sua moradia para ser procurado.
Preciiase falar com o Reverendo Am*
brozio, morador na Freguexia deQnexera*
mobim a pouco chegado nesta Praca; e co
mo se ignora a sua rezidencia, o mesmo Re-
verendo fara' o favor anuuciar por este Dia-
rio.
Qualquer caza de comercio que queir
aceitar hum caxeiro para ra ou para outro
qualquer emprego sem ordenado anuncie por
esta folha.
A pessoa que anunciou precizar de hu-
ma mulher forra, de c&r, para o servico, e
arranjo de hum hornera solteiro, procure na
primeira venda na esquina do Aterro da Boa
l


(SUS)
Vista no fm da Ponte, lado direito, que a-
chara' com qucm tratar.
Compra-se.
TAmarinob, era porca grande, ou pe-
quena: na ra Direita a ilharga da Sa-
crista do Livramento Botica D. 21.
Vende-se.
OU arrendare, uin citip grande, na es
trada do Arraial, com urna baixa ex*
tenga, e larga cortada por uro riaxo, co n
capacidade para inanter todo anuo 42 vacas
deleite, com arvores de fructo, 60 pe* de
larangeiras grandes, e muito arvoredo pa i-
tado, boa caza, estribara, coxeira, cui
para criado, c aviamentos para farinha : b-
nuncie por este Diario,
Hum sobrado de 3 andares, cito ni ni %
Nova N, 25: na ra de A;oas verde*
No o
Huma Botica com seos otencilios np-
u
Arrenda-se.
M citio, anexo a Cidade d' O inda,
com caza de vivenda para grande fami-
lia, caza para escravos, e estribara, com
matas, born cercado para vacas, boas bai-
las para plantaca decapim, ou outra qual*
quer, podendo-se fazer Olera, por aver bom
barro, e porto para condueo do tijolo i na
Cidade de Olinda, ra dos 4 canto3 sobrado
D. 1.
Amas de Le i te.
PRECizA AtfVado na Patio de N. S. da Paz caza
D.7
Escravos Aprehendidos.
fl^T 9 lia 13 do eorrente apareceo no sitio
.L i io Pena huma cabrita que lera' 6an-
uo* ijuco mais ou menos, de dad), a qnal
i.11 e cessanos, por preco cmodo, a dinheiro ou a sea i ,n> procure em caza de Joze Goiic.aU
prazo : na ra Direita junto ao beco que en
tra para o Patio de S. Pedro botica nova de
Joao Antonio Pinto dos Santos o qual fus
este negocio em virtude de se char bastan-
te deente e Ihe ser necessario sair para f>ra,
para se curar.
ves de Icaria que dando os siguaes cortoi
sera' eutregue,
Escravos Futidos.
iHowaz crioulo, idade 12 a 13 annos,
nonita figura, dentes breos, cor bns>
1
Por preco cmodo, huma preta ladina tante fulla, a orelha esqnerda furada, Icvou
de nacao, cozinha o diario de urna caza, lava vestido calcas, e jaqueta de ganga azul cora
de brrela, e he raariscadeira : na ilharga riscas brancas miudas, dcsapureceo- Domin*
do Livramento do Jado da Penha no i,an- go 17 do eorrente andando a vender miude*
dar do sobrado D. 23. zat era hum taboleiro piquetio pintado de
Huma negra do gento de Angola : em verde ; os prehendedores bveino a seo Snr.
fora de portas entrando no 3. beco a prU na ra da Madre de Dos por cim da Bat-
meira caza ao virar domesmo. ca que recebera' a competente gratificeos ;
Quatro sacas muito boas leiteiras cri- o Snr. do mesas o adverte que o dito escravo
olas, e novas, e veniie-ee por terem aparta jafoi furtado, e por nao querer seguir da
do as crias e nao dareni mais leite : nos A- Caza forte para diante o tornaran a deixr
fogados adiante da Igreja de S. Miguel, eio
buma caza piulada de verde.
* tiilhetes da segunda Lotera dos espe
taculo do Imperial Theafro de S. Pedro
de Alcntara do Rio de Janeiro com ore-
vir, sei quem foi, ese agora aeot)ce ornes-
mo, hirei contra qucm Q tirar fui tado, Rema
contemplado que ja tive da primeira vea.
Antonio, Augico e taliado no rosto ;
Engracia, enchuta do corpo, e ja com aU
bate de 20 por ceuto, a qual corre por todo guns cabellos braneos na cabeca ; Mara,
o corrate mez : na ra do Queimado venda nacao Cabuud, gorda, pes groos, e de
D. 8.
~ Hum preto, sem vicios, com muita i*
lea para Pedreiro, moco, e sera barba : na
ra Nova boiiea de Joao liaplisia dos Gui
u
boa altura, fgidos no da do eorrente wez,
do Cngenho Cangassa': os apreheudedores
levcas-o ao mesmo Engenho, ou no Aterro
da Boa vista cazuN. o7, que ser rccoui*
pencado.
Luis, mulato, idade 32 annos pouco
mais cu menos, torto de hum oiho, denles
Mi loja na ra da Cadeia N. 56 : por largse podres, pouca barba, os bra9os lor-
ia da mtsma, ou na ra da Cruz tos, e as juntas marcadas de xagas, bem fal-
m a rae us Peixoto,
AIIoga-se.

- Hum citio com caza de vivenda, e que
csteja lifirto da ornea ; na ra da Cruz caza
D.45.
-.
lante, estatura mediana, e sec do corpo,
futido no dia 2 do correcta do Engenho Ca-
rauba : os aprehendedores levem-o ao dito
Engenho, que scra5 bem recompensados.

Pernambuco na Typoqrafia do Diario.
i

i
i.\.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQ8Z52Y8U_0ZQX10 INGEST_TIME 2013-03-25T13:22:16Z PACKAGE AA00011611_00938
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES