Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00843


This item is only available as the following downloads:


Full Text
de 1845.
n hURlO publica-sc todos os das que
, ,1,-L'iiarda: o pro?o da assigna-
,, ci.s dos assignantes sao inseridos
r1'; ,. "r as rcnetlcde pela raetade,
Jrnh". e 160 em typodtfferente.
pHASES DA LA NO HEZ DE JUI.HO.
\ as 2 h. e 10 niin. da tarde.
, i \ as i e iu mu. iw >'
|Ua nova iQS ;{ Mliimtos a l;u-,ic.
""i".', i J'l'as :hor. e 43 mi. da man.
^T"** daminhaa.
Sabbado 20
PARTIDAS DOS CORRK10S.
Ooianna Parahyba, e Rio Grande do Norte
Segundas e Sexta Cfiraa. .
Cabo, Scrinliaeni, Rio Formoso, Porto Cal-
vo, e Macey, no 1 ", 11 c 21 de cada niet.
r..i i.i nliuns e llonito a 10 e 24.
Roa-Vista e Flores a 18 e 28.
Victoria Quintas l'eiras.
Olinda todos os dias.
PREAMAR de HOJE.
Primeira as 10 h. e G min. da manhaa.
Segunda as 10 h. e 3(1 minutos da Urde.
de Julho.
Anno XX N. 105.
o.
fe
DAS DA SEMANA.
21 Segunda S. Pia\ed.s aud. do J. de
D'da'2. V., do J. M. la 2. v.
-22 Terca ? Meneleo, aud. do J. de
da 1. v, e do J. dos Fcitos.
23 Ouarla S. Apellinarlo, aud. do J.
U. d.-i 3. vara.
2 i Quinta S. Chraistina. aud. do Jalz I). de
da 2. vara, < do .1. M. da 1. e 2. v. _
25 Sexta S. Tingo ap. s. Gbrlttovao
ni. s. Tlieodoniii'o.
2 Sabbado Ss. fjympbronlo aud. do J. de
D.. da 2. vara.
20 Domingo S. Auna.
CAMBIOS NO DA 24 DE JULHO.
Cambio sobre Londres 2 d. p. 1/a 60 e 00 d.
Paria 370 reta por franco.
Lisboa 130 por l"l de piem.
Dew. delet. de boa Arma i Al '!,}>"/
Oero Oncat heipanhota* 31/500 a .w^iot
,. Mocda de5/400 vel, lT/mtw a S/IO"
- de 6/400 nov. 1W700 a is*oini
>, de 4INI0 O/Mo a !i/7(Mi
Prala-PaUcoe .... 1W I/?
.) Posos Columnarea. 1/oso a 2/ihmi
Ditos Mexicanos 1/040 a l/i0
. Muedas de 2 palac. 1/7S0 a 1/800
AccSe da C do Beberibe de 50/000 ao par
MTAMBUGO.
PARTE OFFSCIAL.
Governo da provincia.
EXPEDIENTO D'< niA 22 nn corbente.
Ofljcio Ao presidente da Parnliib, significando,
ichcnpinio dobrigadeiro commandnnte das armas
featn provincia, que ns seos soldados pertencente ao
telacamenlo, que daqnella para aqu vcio, o o soldado
Pcente Ln.t Beterra, all recrutodo cm jnlho de ISil,
|0edescriarlo, c S. Ex. c forao npresentar, devem
ier enviados para esla cidade, ftm de responderem n
enceldo de disciplina; visto serncllu que residen., ns
tn.icii.unhn, n vistn de cujo depoimeutu deve org.-im-
itr-se semclhanle eonecllio.
Dito Ao coronel Francisco Jos Martins, nomcan-
i-u par, do accordo cr.m os eidadoi Jos Bcnto dn
Cunta Fifoelredo e Manocl Paula Qnintella. e de con-
irraidada cora a rcioliicio de 11 de novembro de 1831,
nrcaniMr, para o collcgio dos orpho, o projecto d'es-
lalos, de quo traa o art. 10 da lei provincul n. 144
odemaiu ultimo.
Hilo Ao inspector da tbesouraria das rendas pro-
vincial pprovando arremntncao, feita por Pedro An-
Knio Teiieira Gu i maraca, do imposto de 20 por ceiito
mlirc n agnardente de consumo no municipio do Cabo;
declarando, que, visto nao bnvercm apparocido.liei-
linle ao imposto de igual naturea no municipio de
[fuaracu, deve indagar, se est dispolto a renlisar a pro-
pi.sta o individuo, que por elle offerceco mais um terco
Siquanba, porqoo se o baria arrematado, no declarar
v.ih.la aarremafacao, a que se segu esse offerecimen-
lo, no caio.de que teja negativa a rcsposia, quo sellie
llanda solicitar.
Hilo Aoengcnlieiro em clicfo das obras publicas,
mtoriiando-0 a mandar pjssar segunda via do titulo do
ordenado, vencido no me de agosto de 1SV2 pelncnge-
iheiro Augusto Kersliug ; visto ter-se deoiicaminbadi.
la primeira, que aoi respectivos berdeiroi havia sido en-
tregue Ollicioii-sc respeilo ao Inspector dathesou-
rana das rendas provinciaes c au inspector fiscal das o-
brai publicas.
Dito A' cmara municipal do Limoeiro, declarando
lio ter-lhe a |ei n.n 141 marcado quola para pagamento
j'un adrogado, que Ibc agencia a arreendacao das divi-
das; eeiigindo urna relacao do seu devedores, coni
.specificacao da nnlurcia do debito, da dota do lempo,
iniquo se" o conlraliio, c de ludo mai que coneorrer
issa para habilitar a presidencia i providenciar a res-
[jieilci.
Portara Dcelarando que ao secretario do corpo de
pulida cabe a gradase de 2." cuiumaudaote de com-
pauliia. Coinmunicou-se ao inspector da tbesouraria
das rendas provinciaes o ao inspector-riscal das obras
publica.
Hila Ao commandanle do briguc-escuna C'uarnra-
\ys, ordenando, de paasagera aos 2.--' cadetes Jcronymo
uaoiiteiro da Rocba, e Augusto Cesar Bitni.court, que
.iowrvir na Babia, cao soldado Luit da Franca Ruli-
L, cujo destino ho [.ara Scrgipe. Parlicipou-se ao
cuimuaiidnnte das armas.
EXTERIOR.
ESTADOSOBIDOS
Piulo assegurar-se, que poucos documentos diplo-
m.ilicns se lerSO visto, como o que vamos publicar. Ilr
elle uiii.i carta que o ultimo presidenle dos Estados Lili
aoieiivioua Cbino, por via do Mr. Calel.-Cusbing, B
ien.li. propnslas ao imperador desle imperio para enta
bular relactal de eommercio. Todos eatio persuadido
le i|uo scinclbanto doCHinenlo foi redigido por Mr.
vVelitor, posto que n5o appareca o acu nome cnlre ai
outras a*s;ualuraa.
o Ao imperador da China. Eu, Jolin Tyler, presi-
denlo dos Estados-Unidos da America, vos envi esla
5ria por iiiiiii ataignada. Deaeje que gozci completa
allo. A China be um grande imperio, que ae eslendo
por una grande partu do mondo: os Chins compocm um
j.nvo numerlo. Tendea mboes do dnbeiro c milhes
ile subditos. Os vinte e seis Estados Unidos da Aineri-
c ,o tao grande como a China, anda que a sua poj.u
"ajin nao aeja Un numerosa. O sol nnscenlo allumia,
I l'.slado-Uoidos, rio lio grande e montanha tao
fallladaa como nos vossos estados. Aa nossas poaaea-
oes se L'stcndeui do grande Ocano ao oulro Ocano
e pela parte do Leito s o mar nos,lepara dos vusso es-
tados. Embarcando-no noa portos de nossos grandes
ros, c navegando para o Puente, ebegamosao JapSo e
i. mar Amarello. Pois sendo ussim ludo islo, eu digo
<|ue os guvernos de duas lio grandes na^oes devem vi
ver em pat. Couvchi, o assi.u o quer o Ceo, que am
luis se estimciu e ubreni cun prudencia. Esla he a ra-
i""S por quo en envi a essa curie a Caleb-Cushing, uiu
doi honiem mais subios e inslruidos do nono pal. A-
penai este chegar China se informar do estado da vos-
a sade.
Ira acompanhado de sccretarioi o do interprole.
OsChini ilc-.i-j.iu coiuinerciar com o nnsso povo, c nos
Venden n cha e a seda, que nos adujpirinio com dinhei
rn o uniros arligos. Mas, so os Chiiu o Americanos
'l'.ercm eiumuereiar, un com os oulros, he preciso
que o lacio por molo du regras, a fin do que iieui as
Vuiiaa Ira, nem as musas sejao violadas.
O nono cmbaixador Caleb-Cushing leva plenos pil-
eros para concluir uin tratado de eommercio justo c
IZsivnl) o qual, alcui disso, uao prejudiquc osinleres-
c dos dous panes. Praia ao Ceo que 0 povo possa
ci.ninicTciar, nao smente en. Canlao, mas tainbcni ero
Anioy, Nngp, Schagbai, TutschenFou o em todoi os
"utros pontos, que te julgueiii lavuiaveis para a troca
as mercaduras entro a Chiua e ui Lsiudua-l-'uidus, con.
.1
a condicSo de que o coiumerciantei nSo fallom i voa-
aa Icia, nem e noaaaa. .
. Pela nossa parle promettemna nSo amparar os mal-
fcitore, nem proteger o que violaren! a noaaaa leu.
He sta a razio por que ficamos penuadidoi do que a
chegadn do nono memageiro do paz ao vosso imperio,
e o conteudo da carta de que he portador, aerao do vos
so agrado, c que o vossoa grandes dignatario!, invest
dos doi voisos poderes, concluir.', com elle um tratado,
para fixar aa regraa do eommercio, n fin. de que nada
perturbe a p entro a China e os Estados-Unidos. U Ceo
permita que esto tralndo aeja assig.mdo pela vossa im-
perial mau ; asiim como o ier pela nimba, com n au-
lorisacio do icnado edo nono grande concelho.
.. Deo vos conservo bom, e faca que reine a paz en
'"iTscripla cm Washington, a 19 de julho do anno de
Nono Senhor do 1844. Vono affectuoso amigo. -
John Tyhr. _,.,,,
(Courrier del Etalt-Unu.)
Cada dia se torna mais provavel a guerra entre os Ei-
tados-Unidos e o Mxico, por causa da annexacao de
l'exas. ,
O governo do Mxico tornou a repetir as suas notas
aodaUniio; mai desla vez lrao ma.s energ.cas as
suas razSes ; e enviou tamben notas aosuopnsontanles
da Franca, Inglaterra, o Hcspanh. Inliuiou ollicial-
mente ao min.stro dos Eslados-Unidos a mterrupcao
de toda as relacOes d.plomalicas ; e algn peridicos
accrescenlS quo expedir um decreto, fechando todos
os portos do Mxico a bandeira da Ln.io americana e
que ia mandar um exercito para a fronteira. (Olube).
Washington, 26 de abril.
O poverno araba de nomear um cnsul para o Japao,
onde he de esperar que sej. mui bem recebido, vistas a,
relacoea que .. Japo boje mantcm con. a Hollanda.c com
aadt'mnis uacoei europea, en. qOanlo no comuir.rcio.
as quae Ihe nao permittem exeluir urna bu potencia.
SISSI.
Zurich, 19 de mato.
O governo austraco dirigi ao de Lucerna urna carta
congratulatoria pela sua ultima victoria.
O gabinete austraco manifest a esperance de que a
derrota dos corpos francos ser urna garant.a suffic.onte
para mantera tranquillidade; e entende que se devem
dissipar os temores dos estados limitrophes daSu.ssa.Nuo
haduvidaque, e Lucerna no abusar da sua victoria,
o unir sabiamente a moderaco A lorCa, todos os verda-
deros Suissos se reunirs ao redor da sua bandeira para
combUeraanarchia. Diz-se que o corpo diplomti-
co pensava em dirigir-se ao governo do Lucerna, a t.m
do interceder pelo doutor Meiger; mas mis temos ra-
zoes para acreditar, que o governo nio esperara este
passo, para conceder a commutaco da pena que se
per.. (aiette de Zurich)
dem, 23 do moi'o.
Segundo uelicia de Lucerna o gro-concclho decrc-
tou que se suspenda cxcoucDo da cnlcnca de minie
proferida contra o doutor Sleiger. Oconeelbo execuli-
vo recebeo orden, deapresenlar propoita a ocrea mcios que pdem empregar-se, para impedir que o dou-
tor Stciger possa ser perigoso ao canlao, icm se cva
ettoito sentenra de n.orte. Ograo-concell.o recebe., va-
rios pctices a favor do reo, e ...na delta coi.t.nlin 4:0.4
assignaturaa. lmmedialamei.te.por orden, do grao-con-
cclho.ie procedeo i renovavao loUl do concelho execu-
livo. O general Sonneml.erg sabio eleito noprime.ro e-
crutin.o. Tamben, foro reclcitos varios mewbro do
concelho anlerior.
No mes.no dia en. que o doutor Ste.gcr fo. sentencia-
do morte, dirigi un. leatnmcnto n seu filbo, no qual
ac Icen oa leguintci paragraphos:
Amo a Deo sobre todas ns cousas, c no prximo co-
mo a ti mesmo. ,
. Teme a Dos ; mai nao tema o homens, que sao
formados de p como tu, e lilbus do un. mesmo pai.
. Con. OMntO porem nao deva temer os homens, et .-
la sempro.meu filho.ooilendel-os: trata-os con. amor c
Mtima inda que le persiga,., e te odeiem. Dcstc modo
obteri a conaideracao ca beniquercnca daspessoas bou-
" So activo e trabalhador, porque aaai.n pudera us-
tentar tua nti, c acudir as sua neeess.dades n nina ida-
de avancada. Usa de um diario, onde lance toda. a. nc-
ces da tua vid.
Evita as in companbta; eaconsclho-lc, quo nun-
ca pn.firas palavras indecenle.
,! Cuida oa tua saude, sem te entregares a mota ,
porque esla he um fecundo n.ana.icial de enlerm.dndc.
u Obra cm tudo con. moderaco. e nunca le embria-
gues, porque a embriaguez degrada o homcm, e o taz
inferior aos brutos.
- Nunca le esquecas doi teui irmaoi c dos leus p-
renles.
. |,0 todas as semanas ao menos una vez estes pre-
ceitos, eobscrva-os pois a bencuo pnternai lesegu.ra
por tuda a parte. .
, Aden me., filbo. recordn-te que, anda que con-
demnido muri, nao aou criminoa... Talveziejo esla
as ultima* palavr. que le dirija. Rccorda-tc .empro de
leu querido pal.
MOMIA.
Btrlim. 6 de mato.
Muitos membros distinctos da igreja eatbolica allemaa
se retiriro do cisma, e tornrao a entrar no gremio
da igreja orthodoxa. Sabo-se, alm disso, que o re de
Hannover acaba do prohibir a reuniSo do membros da
nova igreja na casa da muoicipalidado de Hildesheim,
o de ordenar que n9o so permitto discusse algumas
a lavordaquella igreja. Attribuem-se estas medidas de
rigor inteTvencao do enviado austraco na dita curte.
(Gazelle Allemande.)
Porordem do governo, acaba do mandar se armara
corveta de guerra Amazona, que far este anno s or-
den do baro Dircking-Uominreldet.uma viagen scien-
tilica s ilbas Canarias, as Antilhas, s costa do M-
xico, Colombia, e aos portos do lirasil. Ser esta
a nrimeira vez, que se veja fluctuar naquelles mares a
nossa bandeira, a qual por toda a parte vernos abrir e
tenderassuaarelacOes. NoOriente, na Indias, na
America procura-se a sabida dos productos da nossa in-
dustria, e por isso necessita-se de urna marinha pode-
rosa ; e esperamos que o governo nao descuidar tao
interessante objecto.
Trata-se do lundar em varirs pontos do reino escola
do agricultura, cujos estabelecimentos serfio gratuitos,
para aquelles jovens camponezes, que se dedico cul-
tura de trra, listes estabelecimentos scrao sustenta-
dos custa do estado, e o curio, que nellesse ha de
ensinar, durar tres annos. (Gazelle de Cologne.)
SL'BCIA.
Stockolmo, A de mato.
A commissao, nomeada polos estados da Suecia pa-
ra redigir um projecto de constituico, j apresentou
o seus trabalhos. Segundo este projocto, licio is-
tindo asactuaesquatroordens do estado, e estabele-
cco-se outra ordem, na qual scrao admittid cer! i
classcs de cidados que nao pertenco s outras j exp-
enles; participando, por conseguinte.estaclasse de cer-
losdireitos de que at agora se chava privada.Cadai u-
nu das ditas ordens deve nomear cincoenta deputados,
que comporo as dua cmaras l.gislativas. tsta modi-
ticacao nSo satisfaz os desejos de todos os partidos,
pois os demcratas nao querem nem classes, nem or-
dens, mas sim a abolicao systcmatica de distinccOe e
privilegio?. [Corieipondanl d'llambourg )
CHIN*.
Assegura-se que o imperador da China acaba do ab-
dicar o poder as maos de urna regencia ; mas anda
se ignora a quem designar por seu successor. Este a-
conleciniento ha de produzir necessariamento grande
resultados. .
orcamento do anno passado aprsenla um delicil
de 38:800,000 lacls (o taol vale uns iSaOOris), quo
ser impossivel cobrir. porque o povo he demasiado
pobre para pagar novos imposto. Ainda permanece
cmiMacoa expedico francea, o os commissionados
quo vieroa bordo da mesma, abrlro una oiposicSo
do toda a classe de merendonas francezas.
(Uombaym Tima,)
l.l',v> SICILIAS.
Mapules, 20 de maio.
Acaba de assignar-so um tratado de eommercio en-
tre o reino das Uues Sicilas, a Irania, o a lngluterra,
esperando se lambem, que a Hespanha entrar neste
ventajoso tratado. (Commerce).
(1). do Governo).
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO.
O KELOGIO DA CAXIAIlA DO DEPtTADO.
[Correspondencia reienada. Comi da corle.)
Amigu entinclla. Veja vuc cuino o diabo na nr-
ma : o minialerio esl qu*i dando com a entente cordia-
foempaotana; nao ie admire portanto, aodcralguma
dr de barriga ao pobre do Jos Carlos, quo assim pa-
rodiar o ataque de ligado de M. Gito, c se i. bem
contcntinho para Macal.r, cantando
Tiro le le l!
Marojinbo, bate o p.
Se tal acontece, bei de ler muita pena ; nlo porque
chucho dos lorveteto do po-de lo', mas, pela falta de
minitro Io desfruclavcl. A maioria est anunibriida,
arrepella-se furiosa, e desfaz se coiu iii.prccaco con-
tra o velhu senado, que eiilendeo, que laiubcm valia al-
gumn couia, e quer ruolral-o. He verdado, que inda
se Ihe pode dar volln: n ideia do Alvares Machado he
adequada para esse fin ; mas os patrilas nao tero o
menor apoio no povo, que inda cala lembrado das do-
oepedea por que ten. passado, sempro quo os Uo ho-
meiis da a/rio e da liberdade querem fazer doli cicada
Deixemoi ino, e varao s lenoe do lexla feira e lab-
llonlem principiou n leuao peta 3 ^diacnasao da V*-
us do Paulo Barbota. J nao ha tanto fogo por cila
dama ; parece que Iho derao em alguna balda, e por
sso j nao lia por ella aquellei amigo requebr, n-
qoelles namoros que lano (scandalisrao os hoiociis e-
rios i cuufesao, que a mi fcnti nao lora vestal, e ago
ra dizem que s querem que ella seja menos in cm .na
vida. __Para isso seria i.eceisaria una conversan com-
pleta, como a da Magdalena, e uisso nao creio en. O
serratilla do Mediano, de S. Paulo, aqu estove Ha
fundo a tal lenuora Venus o o maii he, quo n5o tea-
bou !
Continuou a diicusaSo da fixac.o dnfrcatde mar,
para lb'4G 1847. O Ferraz uiasaou o governo icm
d nem compaixo : he a hiiloria de lodo os das. (Jo
fados de ningueiu ignorados a auarchia, que em to-
dos os ramos do servico publico, em todoi os espritus
tom produtido o ministerio actual. Aqu lie o poder
civil, em lucia com o poder espiritual, e querciido ab-
sorvcl-o ; all he a Buree publica auxiliando, contra a
vontado dos povos, eleicea do dcpuladot e senadores ;
em una parte a drnintatraclo da jnstica entregue
mais supina ignorancia, mi mais proterva venalidade ,
em outra sao as proprias autoridades judioinriaae poli-
eiaes, que arrcgimculao e dirigen, grupos de assassi-
iios Nao ha seguranea ; a tranquillidade publica es-
l merc de meia dola de desordeiros, que sem rei,
nem roque roubao, assassino o emitan com a impuiii-
dade.__Ainda nao salisfoii com lanas miserias, o go-
verno provoca urna lucia entre as duas cmaras legiila-
livas ; e mo tabe nem pode lirar-se d'esse mo passo
con. dignidade. Tudo isso fe objecto do discurso do
Ferraz, que com documento provou quanto allcgnva.
__Disso anda, que o ministro da fazenda Ibehavia
pedido quo npreicntasio n'esta casa documento con-
tra O inspector da fazenda da Babia ; e como este ic-
uhores ondao sc.npre em manejos infames, entenderlo,
que o cobo da palmilla tivera retacos occnllns con o
Manuel Alves, que esle lliu subministrara ns dooumen-
loi para haver a accusacJo, o elle poder desfechar o
raio da demissao contra" aquello empregado. Pensa-
ran portanto, que era chegada a occa.iau do dcaacredi.
lar o Ferraz, e deixar |iara sempre o fermento da calum-
nia, que deve pcrseguil-u cmquantu seguir a vida pol-
tica. Lcvantou-se o sapienlissimo Junqueira, que
disse perolas a respeilo da nao do eilado, batida p..r
ventos e mare; dos desgoslos que causa a poltica je,
sen. qne, nem para quo. convidou o Goncalve Manilla
a dei\ol-a, par gozar das dncura da vida privada. O
Junqueira foi eloquenlissimo, c por veze deo gitos
aos ouvintes : ha milito lempo, que nao dava tamauha
barrigada O ilollanda lamben, lallou para lastimar o
lempo, que se perde em perguuta sobre o oslado do
piiz ; e eu jiilgo como elle : par que pergunlar por
nina cousa que ludo o mundo sabe Os deputados de-
vem raqui em dianlo regular os seus discurso pela
vontado dui miniitrul e como o quo elles querem ho
frg, arbitrio e dinheiro nlo teem nada mais
que fazer, do que ir votando o que elle peden. Di-
ga, diga, pergunlava o ministro da marinha ao Ferraz,
quacs tora as ntcrpcltacoes, quo me dirigi nSo ad-
mittu discussao, bei de re|.onder cm duns palavra.
O Ferraz disae-lhc, que nlo era necessario repetir,
porquanlo o ninistio tiuha tomado apeniainenloi.
Apontaiiientos brada o Ilollanda eu, aponlamer.toi!
Esl engaado ; estivo uqui aprovcit.indo o lempo, o
fit um projecto de lei, que mandare, para a mesa, so
dispensan os formalidades. A cmara disparou a rir,
c eu lamentes o desgraco d-'cste imperio, que tem inini-
trostacs; deplorei a orlo d'cita cmara, em que um
ministro faz alardo de desprezar asdiicussr.es, de mc-
nosprezar t.i depulados I! Sobe voc qi.al era o pro-
jecto de iei ? Nada menoi que a aulorisacao para es-
tabelecer colonial militares : he mai um arbitrio, que
.le goveruo quer ter sua dipuscao para o exilio
disfamados; he maii dinleiro, quo elle pedo para e.
banjar!
Moje o Dias da Molla fez um requerimenio.para que
se nomee una commissao especial, a qual se incumba
de reformar a lei da guarda nacional, sobre as bases
deum projecto aqui oflvrecido em 18W. O Dias da
Molla vai-se chegando para a patrulha : eensuiou gra-
vemente o ministerio, pomada ler leito do que devia
lazer edeo umeanelao noJoao Paulo que promet-
tco una lei para guarda nacional e esqueceo-se da
promena.
OMollinbo continuou a sua serrazina sobieo pro-
jecto da lei eleitoral.
Ao meio dia aqui eslava o Ilollanda para sustentar a
fixiGao das lrcts de trra para 18461847.O Sou-
za Martins pedio ao ministro interino da guerra, que
diminuisse a frca ; que tivesse pena do misero thesou-
ro do Brasil. Em seguida este deputado discorreo pelas
piovincias do Norte o implorou a commiieraco do
governo pira aquelles desgracados Brasileiros merc
dos furotcs das autoridades. Dizem, que o Hollanda
nunca foi ministerial senSo de si mesmo : he enga-
o elle fez opposicao ao sou proprio governo o a
prova be o seu discurso de boje. Nada se faz; o cor-
po legislativo gasta o lempo intilmente ; o governo
nao pode obviar tantas desorden. A patrulha lavou-
seemagoade rosas, deo apoiadoi, applaudio a ex-
posicSo que o ministro da guerra interino fez do es-
tado miserando de nossa cousas.
O Coelho Bastos em um aparte ao Sousa Mar-
tina declirou que acceitava a discussSo sobre o tiro do
ex-presidenteda Parabiba-do-Norte, Pedro Chaves.
Segundo o patrilas a morto do vigario de
Parnagua no Piauhy be justificada pela morte du
Joao Facundo no Ceara. '
Diz-me o Saldanba que duas cousas Ihe dern
no golo na discussSo do parecer da especial sobre o se-
nado, lina foi a ausencia do Ottoni que nem as-
signou o parecer, quando lodos o vito por estas ras
passeiando ; e a outra foi a bella figura que fez o
Mendes da Cuoba, correndo os bancos dando risa-
das, e dizendo gracas, quando fallavo os queie oppu-
nbao ao parecer.
O Hollanda apresentou boje urna proposta ao
corpo legislativo : he o tal projecto que elle fez em
quanto fallan o Ferraz.
Sala dtsseitoei, 21 dejunbode 1845.
ORelogio paCaia.
P, S. Em 23 dito.A lei de fixaco das forca de


c==
trra, o presidente retirou- a di ordem do dia na Mt-
tlo de aliltado a pretexto de terminar so a tercoira
aisoussSo da Venus, atienta a importancia d'esta que
> Urbano1 Me urna estrategia para desimpelir o Hol
ni.1.1 a lim de poder estar presante no senado, onde
he precisoseu voto. Adiada a Vmui. oceupou-se a c-
mara rom unas pensos al que nio li vendo rata ,
Irvaritou-se a sessao ; e iii fi-oru lamp, osdepu-
iodos do se preparare u pira as fogoeirai de S. Jlo. A
le de filelo das Torcas Di-0 entrara em discu-slo, em
iiuanlo o ministro eitiver oceupado na sua amara ,a
reuisic,io do Jote Carlos.
PERNAMBUCO.
CMARA MUNICIPAL DA CIDADE DORECIFE.
sl.SsA EXTRAonDINAniA I) k 17 ni: Ji i.iio l)K 1845.
Prendencia do Sr. liego e Albuguerjue.
Achandose presentes os Sr. Uliveira, Carneiro Mon-
teiro, Reg Marros e Cintra; laltaodo com causa par-
ticipada o Sr. Mello Cavlcanl, e sem ella os domis
Sis. ; abrio-so a sessio, sendo approvada a acta da an-
tecedente. Dando o secretario conta do expediente, men-
cionou um oflicio do secretario do governo da provincia,
remettendo actos legislativos da assembla e governo ge-
raes. Intcirada, mandn archivar.
Outro da cmara de linda, aecusandn o recebimon-
to do d'esta cmara, cm quo participava haver juramen-
tado, o achar-se na administracao da provincia o 2." vi-
ce-presidento Manoel deSouza Teixeira. Inteirada.
Outro do contador da cmara, exigindo, que so mar-
casse o prazo d'entro do qual os devedores de liecncas
deveriao psgarcm conlormidado das posturas. Dc-
pois do examinado e discutido, mandou a cmara afli-
xar editaes, marcando o prazo de trintu dias, o commu-
nirar-so a contadoria.
Outro do procurador da cmara, participando ter
desempenhado a ordem recebida a respeito de Manoel
Nunes Bahicnse, menos na parto criminal, por llie nao
competir. Inteirada.
O Sr. Carneiro Monteiro, om qualidade de menibro
da commissao de polica, apresentou um parecer sobre
a petico de Joao Hilario de Barros encarregado d'afe-
ricio dos pesos e medidas do municipio, negandoao re-
juerente a porcentagem pedida dequinze porcento, e
arbitrando a gratificarlo annual deseiscentos mil rit,
cm quanto fr o requerente conservado n'csse lugar.
Depois de discutido, foi approvado pelos votos presentes,
declarando o Sr. Reg Barros, que nao concordava t-
mente em que esta resoluco comprebeodesse o anno
rorrenle : ofliciou-se ao procurador e a contadoria.
FrSo mandadas ao procurador difiranles conlas pa
la promover a arrecadacao, e mandada ouvir a commis-
io d'edificifio sobre os requerimentos de Antonio lio
Iriguet Lima, j informado polo fiscal do Recifc, e de
Tbomaz d'Aquino Fonseca, mandado informar pelo
presidente da provincia.
Despachrio-se es petiQflcs d'Anastacio Xavier de
Couto, Antonio Cordeiro daCunba, Antonio Dias da
Silva Cardial, Albino Jos Ferreira, Antonio Jcsde
Oliveira, Bento Soares de Aragao, Fugenio Duper-
ron, Francisco Jos da Silva, Joao Francisco de Sou-
za Xavier, Jos l.ouronro da Silva Jnior, Jos Ma-
chado Soares, Joaquim Goncalve Vieira Guimaraes,
lo.io Bernardino de Sena, Jlo Mauricio Wander-
ley Joaquina Josepba Lopes, Luiz Antonio Vieira,
Manoel Ferreira Accioly, Miguel Archanjo de Figuei-
redu, Manoel Goncalves dos Santos e outros, Margarida
Francisca da Silva, Nicolao daudautt, Soverina Fran-
cisca da Costa, Theolonio Joaquim da Costa e Ubaldi-
na Maiia dos Prazeres.
O Sr. presidente da cmara deferio juramento ao pro-
fessorde primeiras lellras da freguezia deS. Jos, Joa-
quim Antonio de Castro Nunes, e ao juiz de paz do 2."
dislriclo da freguezia de Jalioalo, Joaquim do Si,u/a
Lato: e por estar completa a hora, levantou-se a sessio.
E eu /co Jote Ferreira de ^guiar, secretario a escro-
vi. liego jilbuqutrque, presidente. Cintra Ma-
noel. Carneiro Monteiro. liego Rarrot. Uli-
veira.
Parecer da commisio de policio a que le refere a
acta tuppra.
Joao Hilario de Barros, encarregado da afericio
dos pesos e medidas, requer o pagamento do 15 por
canto da quantia de rs. 8:365.670, que recolheo aos
cofres da caniaia por intermedio do procurador da
mesma, provenionte daa afenroes durante o lempo de-
corrido do Io de outuhro do anno p. p.. a 31 de Ja-
neiro do aorrente.
Por despachos do 26de abril c 4 de junho mandou
a cmara ouvir ao procurador e ao contador, e lorio em
auas inormacoes mais quo muito lavoraveis a preten-
(/3o do supplicanle, concluindo que se deve mandar pa-
gar a quantia de 1:254,830 rs. equivalente aos 15
por cento requeridos. Nio pude a cmara municipal
altendcr a lio absurda pretencao, por estar despida dos
menores fundamentos, ltenlas as ra/.oes que a com-
missao de polica passa a expr. Antes de estar cm vi-
gor o novo regulamcnto deaferices, rendia esta (ter-
mo medio) a quantia de rs. 2:500,000, que, por falta
de concurrentes a arrematacio.passava a sel administra-
da por conta da cmara municipal; ordenando esta,que
se gratificaste ao agento encarregado com a quantia de
rs. 450,000, equivalente a 15 porcento do rendimen-
t Mientan; e, comoem os anno subsequenles a alin-
elo do dilo n ndimento nunca exceda das alternativas
que necessariamento acompanho as arrecada(es de
semelbante natureza, licou por isto subsistindo a grati-
ficarlo de 15 porcento como ordenado do administra-
dor da aferigao. Mas, adoptando acamara municipal
um novo* regiment, a levando todos os emolumentos
ou tazas 10 e 20 vezes mais do que o anterior; accres-
centando apenas a afericio das regoas e ancoras, objec
tos estes que bern pouco alteraran o trabalho do aferi-
dor; permanecendo.como sempre fura, o processo em-
pregado na afericio no que diz respeito aosupplicante,
por itio que tanto tem que abrir urna medida que dan
tea pagava 2 por eiemplo, como aferil-a actualmente
pagando G, sem que, par semelbante alteracao da laxa,
aeja atropelado o supplicante em auas funcces, e assim
pretenda a mesma porcentagem, para obter um ordena-
do asss desproporcionado, comparativamente ao tra-
balho empregado ; tanto mais exorbitante be a pre-
tendo do supplicante, quanto no corrente anno finan-
ceiro municipal inda falta addicionar ao reudimento da
.ilericai, cima notado, o producto das revisoes, que
necessariamento importar em rs. 4:188,000, dedu/.in-
do-e-. < 15 por cento segundo a pretencao do aferidor, c
addicionanilo-seos 15 porcento de aicricio, (eremos em
resultado um ordenado, ou porcentagem, excedendo
2:000,000 rs. .dados pula cmara municipal por aferir
pesos o medidas, ao mesnio individuo quo mezes antos
aferia igual numero deolijectos, (com a escpeloj no-
tada) pela quantia de rs. 400,000 a 430,000. A vista
lo oxpo>to conclue a commissao de policia que se indi-
lira o que requor o supplicante por ser mu lesiva aos
interesses da municipalidad semelbaute pretencao; e
que a cmara municipal arbitre em lempo o que dove-
r perceber o supplicante, tendo em vista oque perce-
bia antes do novo regiment, e o diminuto accrescimu
de trabalho, do que tanto quer fazer sobresahir o pro-
curador em sen informe. Se, porm, julga a cmara
municipal que a commissao do polica, encarregada de
meditar sobre a pretencao do aferidor, he que devra
lomar a iniciativa em objecto de semelbante natureza,
entao ella propoe, como paga mais que muito tufci-
ente a compensar o trabalho do supplicante. que a c-
mara municipal Ibe arbitre o honorario de GOO.000 rs.
annuaes, pagos em quarteis, pelo servico prestado in-
cluindo o da futura revisan; e que, depois desta conclui-
da, trate de por em arrematarlo o processo da afericio,
p se por ventura nao apparecerem concurrentes, enlSo
deve empregar todo esmero em escolhcr pessoa quo,mais
habilitada quo o supplicante, exerca como convem (5o
melindrosa tarefa. Jolln 10 de 1815. o Carneiro
Monteiro.
CORREIO.
CORHESPONOENCIA UA CIOADB i: PROVINCIA.
Ditia um velho emperrado, que eu conheci, quon-
do aqui foi publicado o acto addicional: Estamos per-
didos nos j nao tinbamos gente para senadores, de-
putados geraos, concelbeiros, juizes de fado, &c. on-
de acharemos agora para mais 56 deputados ? *O ve-
luo na verdade era sebastianista, o se boje fosse vivo es-
tou certo que Ibe teria cb^gado o desengao. Andava
aqui o partido ordeiro com uns escrpulos! Fuio nao
serve para isto; e Fuc? he born para isto,mas nao para
aquillo ; em fim eslava nos principios do velho. Vai
senio quando por fortuna desta nossa trra poz sena
governanr;a a sucia praieira, e gracas a Dos surgirao da
Ierra, como sapos, tantas capacidades, queja Ibe sobra
gente : trata-se de presidente ; para esse cargo basta
um senbor de engenho, que saiba jugar o gamio e a
bisca de nove, o do p para a mi, ah appareceni mais
de 100 habilitados paa presidentes ; quer-se gente
para deputados, recrulio-se logistas, militares estupi-
dos, hachareis acanalhados, padres renegados, magis-
trados doudos nlo ba mos a medir com tanto can-
didato, o sobra gente em barda; precisa-se de ma-
gistrados, e apresenta-se quantos hachareis estupidos
alcancrio a carta, como o mendigo obturn esn.ola do
avlenlo, e que,nao tendo mais para onde vollrem-se,
bavio dado em jugadores ou tratantes ; nao se pdem
dispensar empregados de policia, e da classo dos pe-
raltas, dos rusguentos o reos de policia tira se quanta
gente se queira para esses empregos; demiltem se os
ofliciaes da guarda nacional, e nao be possivel deixar
ile nnrnear outros,ah esto os rasgados sem eir ntin
lieira.e nao falta gente desta. Y. cnlao anda hatera go-
verno,quese acanbena escolba de emprugados,que hesite
om fazer nomeayes? Oual I chegou com efleito o reino
da igualdade, que equival) ao reino da estupidez, e
nao falta gente paramis nada: o devasso, jogador,
estupido, pelintra he magistrado, he agente de poli-
ca, e dahi para cima, c para haixo, tuda be hom, lu-
do presta. \ iva quem tanto bem nos fez !
DIARIO IIe mivunuui.
Recebemos pela galera Sicord-l'ish jornnes inglciei
que obeglo a VI de junho ultimo.
.Vi imite ilo (lia 0 leve lii|nr u baile Cottui, que den
a cinilia un palacio de liuelvingliam, no qual apparee-
ro todo un convidados com u trajes da era de 1740 a
170. A eonipuiil.ia fui de porto de 1,200 pessoaa em
numero, inclimivc o curpo diplomtico o u principad
eatrangeiroa deditliocto, exitenlea na metropole to-
dos adoptarlo os traje* d.iquclla (quien, app.ircccndo
com os uniformes de auas respectiva uanca. A nobre-
ta que assiilio, adoptou os traje dua niemhro de ana*
familias, queviviao naquelle periodo, leudo sido o ves-
tuario copiados do retrato de familia com a maior
exaotidto,
INn casa dos coniniunt come^ro os traballios dn ses-
tio do 10 de junlio, propundu Mr. Villier una coiu-
miss.'in ilo inil.i a easn para reconsiderar n soai reulu-
ees sobre a almlnao de luda as resirieees na imporla-
cio (lo trigo estrangeiro ; e depoi de breve discussau
foi a proposla rtjeilada jior 234 contra 122 voto.
Ka sessao de lo disse Mr. Laboucbere que circulava
na eidnile um boato, a cujo respeito desojara faier una
pergunta ao honrado barouete, priineiro lord dothesou-
ro. O boato era, que a corte de Uespanha linlia, lia pou-
co, feito uina reclamarlo ao joverno, para que o asu-
cares prodiizdo na sua colonia de Cuba e Purtu-Ri-
co fusni'iii ndiiiiliidus na Inglaterra para coiibiiiiio, n,i
mesma atala de direitos que pagao os que sao produii-
doa na menos mais favorecida, fundando aua preten-
cao sobre tratados cnlao tmenles; que ello te abite-
ra deeiiiittir naquelle momento opmiu nlguina quan-
to a validude da preleiicu, na desejavn saber, se de
facto liaba ella ido apreiciilada pelu governo hespa-
nbol?
Sir R. Pcel disse que era verdado haver o governo re-
cebido do ministro liespanbol una correspondeneia re-
clamando, em virtude (lo tratado de Utrecht, o direilo de
admiasao dos nssucarcs prndiiidot em Cuba c l'nrlo-
Kico na escala mai favorecida de direilo. Todava,
iiinda nao >e linba dado respoats a eita rcclamoco ; mas
!juc elle nto liesilava em diier que odi|>ijria a por em
oeoaaiao oppurtuna peraute a caa aquella correspon-
dencia e a Ma reapoata, Nu eiitrciantu, que elle devia
louvar a prudencia do honrado meiiiliro d* oppusiclo
em ilister-sc de emiltir upiniao alguma a respeito puia
quo a exigencia ca respusla teriao aprcentad.i casa
gar os ordenados, premios, e outras despezas dos d
toj novos collegios. Foi apoiada ; mas ficou adiada.
as sessoes de 10 foi approvada om ambas as cama-
maras nemini centradicente urna mensagum da rainha,
recommendando que te concedesse a Sir H. l'ottingor
a pensio vitalicia de 1,000 libras annuaes, em remu-
neracio dos sous eminentes tervicos, especialmente
pelo rlo, habildade e disencio que mostrou como ple-
nipotenciario de S. M. B. na negociacSo de um trata-
do de paz ecommercio com o imperador da China.
Na cesa dot lords passou om 3.a leitura o bil sobre
atominario de Maynooth, por urna maioria de 131 vo-
tos ; e na dos communs tambem passou om 3.* lei-
tura o il7 do banco da Irlanda.
SS. MM. o rei o a rainba dos Belgas erBo esperados
no dia 19 de junho em Ostende, onde haviSo de em-
barcar para a Inglaterra em visita a rainha Victoria, e
ao princiqe Alberto; na qual visita esperava-se que se
demorassem de.: dial poucot mait ou menos.
S. A. R. a duquea de /te estava prestes a partir
da Inglaterra para a Allemanba a fim de visitar os seut
prenles n"aquello paiz. Constava que a duqueza se au-
sentara por espaco de tres mezes, e que passsria algu-
mas semanas com o gro-duque o duqueza de Saxe-Co-
hurgo, no palacio de Coburgo.
SS. A A. Hit., o duque c a duqueza de Nemours
tinho chegado, com urna numerosa comitiva, a Dover,
de voltada Inglaterra para a Franca, no dia lu tarde;
e dahi seguirao, depois de jantar, paraOslendc, donde,
segundo as apparencias, fario o seu trajelo em 4 ho-
ras ( rucio. No mesnio el i a a noute esperava-se em Do-
ver a duquoza de 'ent.
Escrevia-se de Frankfort a 12, que o principe Met-
ternicb tencionava visitar a sua herdade deJohannis-
herg em fintde julho; edizia-se, que, cm quanto abi
residisse aquello dstincto estadista, seria honrado com
urna visita da rainha- Victoria.
O Journal de Debis publicou o seguinto extracto
de urna carta, datada de Venna a 21 de maio : A
corte de Austria loi oflicialmente avisada da prxima
vinda da rainba Victoria a Allemanha. O principe Al-
berto tambem acomponhari a S. M. O duque do Saxe-
Coburgo, e M. do Slockman, general ao servico belga,
sao esperados todos os dias na nossa cidade. A prxi-
ma vinda da rainba Victoria foi igualmente annunciada
ofiicialmente ao senado de Frankfort.
Communicadu.
Como o Diario iYano n.u 140 contestn os relevantes
servicos prestado pelo digno ex-commandante gcral do
eorpo de polica, o Sr. Pedro Alexandriuo de Barros Ca-
valeanti.em prnl daordem publica na celebre Septembri-
lada, e altribiiio toda a gloria, e triuniplio ao Sr. Car-
neiro, Antonio, Francisco, Joaquim, e alguem mai, of-
fereceinoa ao publico o seguiutu documento otUcUI; o
qual mugir toda lili que foi coru as inuniee, a
quaes o Sr. llnrroa coro risco de sua vida, o Icincridodc
trouxe do Bruiii, que a forra da legalidade desharatou a
soldadesca.
O amigo do mrito.
Ulna, e Exm. Sr.Levo ao conhecimeuto do V. Exo.,
para ser presente regencia do imperio, que, estando
e fia ciliado cm perl'eilii lraii|iiill dado al odia 14 (lo
crrenle, c do repente pclai i) lioraida noute lomrio
a arma o toldado de todos 01 batalbe de primeira
lnlia da guarnilo deta jirafa, c, dcsubedeeciido o at
fairndo fugo ao coinmaiidanto dai arma, que imine-
iliaiameute linba corrido a acommndal-oa, oexpulsan-
lo os ullieiaes, u lr.io reunir ao campo do erario
onde (orearlo o laboratorio, o tieai ,io aenliore do to-
da a mullican, enlregando-o depois eliaimna ; u
em quanto se tocava rebate na guarda principal o una
ilein.ns, elle sedicioso collockvflo peca d'artilliaria
em diverso ponto, e se derramavao por toda esta ci-
dade, fazeiidu fogu e soltando grito de morra o
cuniinaiidante das arma. F.slc, vindo ter comniigo, c
certificando-me, que ia por em pratica ludo quanto
podese, para o chamar a ordem ; vendo-e sem forca
ut disposicio, dirigio-sc fortaleza das Cinco
Ponas, onde pode reunir una viute soldado de poli-
cia, qun ah e aclinvo aquarlelado e com ellealgum
paisanos, quo se Ibe friio reunindu ; seguioatapo
voin'.o do Afogados, com o fim de le reunir ao desta-
camento d'all, o aos milicianos e cidadaoi, que se Ibe
juntassem, e depon marchar contra oa amotinados.
Neste apuro de ciruiiiiistancias, e confiado no patriotis-
mo dos Pernanibiicanu, nao bciitei cuntervar ine no
palacio, donde iuimedialanieiilo exped mu ollicial de
marnha, c oulro de tropa de linba, fortaleza do
llriiui para tirar munrOe c conirrval-ns no mar, a fin
de fornecer ao luIiiIos, cm qualqnor ponto que se
reunissriH; maa eaaa providencia foi infructuosa,
quo o da guarnirn da fortaleza, fingindo iidn
conheecr m a leitra, impedirlo, que sahisaem as
munirea, e al retiverJu preso por algumat hora
o dos ofliciaei. Knto. e sendo jn 11 lloras, to-
do o povo tiiiha dciapparccidu da ruaa o dai pruca,
i se otivia n fogo de moaquetaria por toda a
cidade correrlo ao trein, e, escalando a porta a
golpes de machado o saquearan, o destruirn nt
irraniot interno, dividindu pur tuda a pupulacu,
que se Ibes reuni, e por todo o preso, que ja tiuliau
soltado da diversas priara, a anua que exillo.
I.ogn comerou o horroroso laque por toda acidado,
onde entre o eslrondo dos tiros, e dos machados naa
portas das hijas, e dai vendas, le ouviio algunt vivas,
e morras; e se viaoas chammas, ateada em urna cata
na pracinha doLivrainento.ameacarem dereduzir iicin -
zas a cidade. Assim so passou toda a noute, tem que
o palacio, que sempre te conservou aborto, fosse inva-
dido : entao me persuad, que ot malvados tinho mait
sededoouro, quedetaogue, at porque sii casualmen-
te assattinavlo. Ao desponlar do dia quinze, ja te
ouviao menos tiros de mosquetera, e o canaaco da nou-
te, o a embriaguez os fez tuspender, por momentos, o
furor de roubar; ou antes, por ta acbarem em grande
parte na ra dat Cinco-Pontai, fazendo vivo fogo ao
commandante das armat, que os veio I esta hora ata-
car, e tendo trahido por aquellei metrnoi soldados, que
te Ibe tinbo reunido vio su lorcado a voltar com os
poucos paisanos e milicianos, e foi-ie eitacionar na
Boa-Viagem, como depoit eu soubo, por ollicio que
ao iiieaiuo lempo
Na mesma icsso, rciolvendo-ie a casa dos communs
em commiisio para tratar da concetsao as initituicoes jdelle recebi, reipondendo au mesnio, que lizesse todos
acadmicas da Irlanda, propoz Sir James Graban a se-jos esforcot por vir soccoirera cidade. NIo era possi-
guinte rcioluf,io : Que te deduziue doilundotcon vel tratar com ot rebeldes, que, senbores dat armas, e
solidados do reino unido da (irao-liretanba e Irlan-
da una somma, que nao exceda a 100,000 libras, para
ai despezas do estabelecmento de novos collegios des-
tinados a promover a instru an na Irlanda ; e maii nu-
tra somma, que nio exceda a 21,080 libras, para pa-
espalbados em grupos por toda a cidade, nada exigio,
nio tinbao chele, o nem o levantarlo : apezar disso, o
bentmerito juiz de pas, Joao Arsonio Barboza, tentou
accommodal-os; mas se algum pareca attendel-o, ou-
tro o atneaava, o t Ihe literio fugo Pude reunir o
concelho ( que na madrugada tinha convocado ) as oii0
horas da manhia, e com os membros, quo por entre o
fgo poderlo comparecer, estivo em sessao permanente
dando algumas ordem para o centro; ordenando ao rt'.
gisto do porto de impedir as jangadas e canoas, que |e.
vassem fazenda roubadn;e brindo communicai;5o comt
commandante das armas, e o coronel de milicias, l'rD.
cisco Jacintbo IVreira, postado as immediaces do
bairro da Boa-Vista, com a gente qun se llio reuni i|a
cidade d'linda, e de diversos outros lugares. Km ta.
do osle da dirigirlo os malvados o seu ataque, princi.
palmenta ao bairro do Recifc com logo de mosquelirjj
e arlilbaria, onde matarlo um estudanto do curso ju-
rdico, que com outroi, o alguna paisanos, e milicia-
nos Ibes tinhlo foito a resistencia que Ibes fui possivel
ontrando finalmente, e pondo cm actividade o saque,
no qual se demorarlo bastantes horas, e depois voltario
este de Santo-Antonio, onde conservavio a maio(
parte da lrga, quo tambem vugava pelo bairro da lioj.
Vista. Pelo fim da tardo, j alguns cidados appare-
cilo dispersos, faiendo fgo aos que igualmente en-
contravio dispersos, o que osobrigou pouco o pouco a
reconcentrar-sa nn campo do erario, para onde (Orlo
recolbendo a arlilbaria, que linbao na praca cio, e em oulros pontm, o neisa necasilo fizerao fogo
pelo corredor do mesmo palacio, que vai para a tbesou-
raria, o para a frente desta secretaria, ondoexistemo;
vestigios das balas. Sobreveio a noule, e anda conti.
nuava o saquo, que durou at o dia sean inte (16) mis,
conlinuando-lhcs o cansaco, a embriague;, e talteig
remorso, j se tornavlo menos temiveis. Pude enlio
mandar o lonento Pedro Alejandrino de Barros Falcio,
com nova ordem ao Hrum, dando-lhe ampia permissio
de por om pratica, tudo quanto Ihe fosso necessario pa-
ra trazer-me as muniedes do guerra, o qualportou-te
com tinta actividado, e ardil, que em menos de umi
hora conduzio ao porto dez mil cartuxos, e alguns Lar-
ris de plvora : com isto so roanimou a coragem Jos
paisanos, que correrlo ao escaler, e se muoiciarao.
Logo communiquei ao commandante das armas, eao
referido coronel Francisco Jscintho, que entrassem com
a sua gente; e fortaleza do Brum, que j se achav
ivre, e oceupada por paisanos, principalmente de e-
tudantes do curso jurdico, que, quando do campo do
erario, a tropa de linha rompesse fgo contra os pata-
nos, e apparecesso no telegrapho bandeira encarnada,
lizesse higo aos rebeldes. Estes se conservavio no dita
campo de murres accesos, e os que se espalhavao pel
cidade, j comecavlo a ser desarmados, presos, e re-
medidos para bordo das embarcarles. Ocorpode
paisanos do coronel Francisco Jacinlho, repellindo 01
que encontrava na sua marcha, entrou nesta praca is
duas horas da tarde, e foi recebido com o maior en-
thusiasmo: ordenei-lho, quo se conservasse em Loa
ordem, e esperasse a chegada do commandante das
armas, para enlao intimar-se ao sediciosos de se ren-
derem, visto que estavlo sitiados; e s no caso de ataque
fi/esse investir o campo. Ncste momento rompem os se-
diciosos o fugo de arlilbaria para o palacio e ponte do
Recifo, onde havia urna guarda avanrada de paisanos e
milicianos, o que deo motivo ao dito coronel investir
com os seus, e com a guarda avancada da ponte, e Ir i -
umpbando o amor da patria, tomarlo ai pecas, e pren-
derlo a maior parte dos sediciosos, j esmorecidos pelo
fogo que tambem sofTriao da fortalea. E assim licou
livre a cidade de taes munstros. Enllo comecava a en-
trar pelo lado do Sul o commandante das armas com os
seus, trazendo na rectaguarda uns trila soldados, que
tinha feito prender, o pondo na vanguarda setenta de
quem nao confiava, por le em sido uns e oulros do nu-
mero dos sediciosos, e entrando na praga, se repetir)
os vivas naci brasileira, assembla geral, ao Im-
perador, aos heroicos I'ernambucanos c elle. Eti>
tem presas a bordo das embarcacoes, e guardadas pela
escuna Rio-da l'ruta (que por esse motivo fica aqui re-
tida) para mais de mil peisoas en! re soldados, crimino-
sos que estes soltarlo, e gente da nfima plebe, que se
Ibes tinha reunido, todosem flagrante delicio,uus por-
que faziio fogo e erlo encontrados com as armas na
mo, e outroi por lerom apanbados com os roubos. 0
numero dos morios nlo pode ser com oxaclidlo avaha-
do, porque logo se dava sepultura aos cadveres; com
tudo aflirma-se, que dos sediciosos ebegaria a cem, e
dos cidadlos, entre ns assassinados por occasilo do sa-
que, e os que se balero com viles, ebegaria a Irinta, e
muitos feridos, alguns dos quaes gravemente. Forao
arrumbadas o roubadas: no banrodo Recifu novo loju,
equatro tabernas ; neste do >anto Antonio trintae
tret lojaa.e vinte o urna tabernas; e no da Boa-Vista trw
tabernas. Mandei fazer depsitos em todos os ha ir ros,para
recolher a fazenda roubada, e algum dinbeiro que tam-
bem se descol.no, e anda a policia trabalba nesta di-
ligencia debaixo das ordena do ouvidor geral do crime,
e dos juizes de pa'; e fz espalbar circulares pelos da
heira-roar, para apprchenderem a que aporlassc pe-
los teui districtos em jangadas e canoas, o bem assim
pelos do centro, e alguma se tem apprebendido.
Fico na diligencia do ver, se ot roubados, conforme
propoz o referido ouvidor do ctime, nomelo algn
eommissao de entre si, para lomaron conta de tudo, i
lazerem o dividendo, segundo Ibes parecer mais justo;
visto nio ser possivel entregar a cada um o quo era de
sua propriedade. Us juizes ficlo trabalbando nos cor-
pos de delicio, para depois instruir-seos competentes
processos.Entretanto veom chegando as milicias do in-
terior, para lazerem o servico da praca, que al boje
tem sido indistinctamente por ellas, pelas guardas mu-
nicipaet, e pelo paisanos, e ot dat fortaleras do lirum,
e Buraco pelos estudiles do curso jurdico, t) arma-
mento licou pela maior parte arruinado, e assim mes-
mo peas mos de todos. Hoje o rnandei recolher io
trem por um edital, para ser concertado, como fr pos-
sivel, os distribuido pelos milicianos que estiverem
desarmados, e pelas guardas rnunicipaes organisadas.
Por esta razio loroa-se indispensavel o que j rcquisi-
(ei em oflicio de 27 de agosto e 5 de selembro do pre-
sente anno Tem-lije dado o maior cuidado o grande
numero desses desgranados, quo se acbio presos;
povo, justamente irritado contra riles, nlo pode loffret
que sc|iu trazidos para as prisoes de Ierra, qucsec'0
reparando, tornando-se por isso medida de prudencii
conserval-os bordo : mas,para os guardar, faz-se in-
dispensavel mais urna embarcacio de guerra, alm do
brigue-barca, que est ao servico desta provincia, o
qual at hoje nao he ebegado do Ceara. Igual cuidado
me di o destino que devem ter aquelles doi soldado
prctot, contra os quaet nio baja da haver prova suhV
ciente pata a pronuncia; porque temo, se forem sollos,


3=
nuo oflendao e sr-jao oflndidos pelo paisanos. Muitas
outras cousbs poderla ainda relatar a V. Ex., porque
os acontecimentos [ornccem ampia materia ; mas, aim
de quo urnas me nSo occorrem, o outras se passrao
distante de mim, o meu espirito, ainda horrorisado pe-
las scenas. que em grande parle prcsenciei, e fatiga-
I, ,.nlll tropel de providencias que tom sido necessario
dar me nao permitte continuar ; o que irei farendo
n outras orcasiOes : somonte accroscentarei, que ne
nhotn carcter poltico ainda descobri ncstcs aconteci-
inentos, o que os espiritos ja so vao tranquillisando;
|)eos guarde a V. Exc. muitos annos. Cidade do Re-
nfe do Pernombuco, em 20 de setembrode 1831.
lllm. eExm. Sr. Manoel da Fons-'ca Limae Silva.
Joaquim Jos Pinheiro de Vaiconellos.
Correspondencia.
Srs. Madores. No Diarto-novo, n." 161, appa-
reco inserto un annuncio, r-commendando ao cantor
darlos Ricco, que o modere na maneira de fallar so-
bre os habitantes desta capital, onde tem rccebido tan-
ta hospitalidad!-. Ksta rccommendacSo ho mais que
ociosa, pois que o dito artista tem declarado alto c bom
som, quo he falsa a accusaro, que se Ihe faz, por quan-
ti) nunca faJU, nom jamis fallar mal de um paix,
quo ale o ultimo momento Ihe dra provas de sympatbia
e ami/.ade. O Sr. Ricco apenas leve urna quesISo com
uma pessoa, que injustamente o tinha insultado, e a
quem dirigirio algumas palavras, um pouco duras na
verdade, mas dignas d'aquolle quem se referio; mas
isto loi um fado particular, que nSo tem relacao com o
n-speitavcl publico ; quo na verdade nada tem com o
individuo, com quem o Sr. Ricco questionou, quo at
nesla provincia he to hospede como o Sr. Ricco, eque
supponho, no ter a ridicula protenco de representar
por si s a populacao d'esta capital. Quanto adizero
snnuncianto, que o Sr. Ricco usou das exprcssoes, que
lano o estomagado, invejoso dos elogios lecidos ao Sr.
Marinangeli, director da nova companbia ( em trino
com mais uma calda, que formava & competente QUa-
dkii.uv) he esta uma imputarlo s digna do mais alto e
soberano desprezo, porque o Sr. Ricco tem educsco, he
adicta as direitas, e por conseguinte incapai de desacre-
ditar seus companheiros ainda mesmo quando do des-
crdito ilclles algum proveito Ihe possa vir.
O Juiliceiro.
Publicares a pedido.
Illin. e Exm. Sr. Tcndo, cm data de 4 docorrenle
jiilho, dirijido-me a esta presidencia, solicitando provi-
dencia, que poienieni a claro, se, existindo em excrci-
eio um juit do civel, poda o juix doa Mina da faxenda,
em son impedimento, ser substituido pelo juta munici-
pal; foi ela presidencia servida mandar Ottfir ao dito
I luil dos feito da faxenda, o qual. em sua respuata de J
docorrenle, sobre nao sor preciso no que expenden,
coneluio acr.osando-me de leviandnde, e esta sua respo-
ta assim motivuii a decalo da inesma presidencia de 10
d enrente, pela qual foi decidido, que o juu dos fei-
to linlia ubrado eraregra. Devia en aquiescer a esta
decisao, te ella nan tivesse recabido sobre uma especie,
que talvci nao fosse por mim bem expresaa ; como po-
rm ajottica, enbom servico importe,urja cu maUcx-
pliolto, fbrcoio he rollara V" Ex. Sendo-me apresenta-
do no din "i do andante mex um requerinieiito de Fran-
cisco doGarralho l'aead'Andrade, sobro O qual mu inaii-
daraonrir ojuis municipal o dr. Francisco Rodrigue
Sette, oujo requerimentu junto por publica forma, o re-
cnnlieccndu que, catando em actual exercicio o juta do
civel da ?.' vara, nao era poia competente para olliciar
iiim procesaos da faxenda o m-sino juix municipal, (po-
lar da portara dcsta presidencia de 4 de Janeiro deate
aiiuii, uoiii o fin do evitar nullidadci, m' dirijji a esta
presidencia, pedindo earlarccinientu. Ncaiai circuiua-
lanuias sirva-te V. F.x. detreininar, se o juta municipal
pude continuar a aupprlr no impedimento do jota doa
feito* da blenda em virtude da portara lupracilada,
exiatndo em exercicio um juta do civel, a quem a "le de
20 denoveinbro rio 1841 ft, 4." exclusivamente incum-
be a subtiliiico dos teitos da faxenda, o tim do que se
anisa,sem porigo de nullidados, progredir-so no sen an-
Jimenlo, oem oulro qnaeiquer em quo for suspeilo o
mesmo juix dos feitus da faxenda.
Dos guarde a V. Ex. por muitos annos. Recite 22 de
jnlliu de 1846. lllm. c Exm. Sr. ooncelbero Antonio
Finio Cliichorro da.Gama, presidente dcsta provincia.
0 procurador-fiscal interino, Clemente Joto Ferrara da
I Cuita.
ix l'ranoisco deCarvalbo Paes d'Andrndc.que.tcndo-
ic-lbe feilo penbora como testamenleiro de loa fallecida
mii I). Calb.irina Eugenia Fcrreira Maciel, para pagar o
sello da beranca que meima tocara por mona do det-
embargador Manoel Leocadio Radamacber, esendo jul-
goda a mesina prnbora por sentenca, dcsta desistir odr.
procurailor-hscal interino da blonda, por termo lavrado
nos autos, e se proceder posteriormente a outra, que
nao cliegou aicrjulgada poraenteuca, porque osup-
plioante abreve da theiouraria o pagar por preiticoei; e
parque em laet cireuiii.tancias o iiipplicante nao be
abrigado a pagar edlina da chancellara, que Ihe he
exigida pelo eserivo, porquanlo a primeira penbora,
pela qual se averboo a referida diiima.cadiicou, eu mp-
, pilcante nao foi oundemnado pelo segunda, caso em que
(lmenle ppderia ser obligado a pagar esse imposto na
'forma das lei que regein a materia (decreto de 31 de
I fi'.slo IS.iO as palavras, todo o autbor, ou reo contra
quem le proferir entenra; decreto de 21) de noveui-
bru 1836. Todos os que tiverem sido condemnadoa
por enlencaa proferida por juixes de qualqurr deuumi-
imcao, nuclasse decreto n. 180 de 9 de d'abril art.
12 n que aera obrigadn a parle nao privilegiada, c
f'ir vencida) requer por isso eP. n V.S. se digne decla-
rar, queoaopplioanle nao be abrigado a pagar a referi-
da ditima, a tim rio que este llie sej.i unido para em todo
leni|iu constar. Procurador, i'raxedei da omeca Cou-
tinho.
Despacho. Diga o dr. procurador-fical. Rccifo, 2
tejuino IS'li). Rodrigues Sette.
Reapoata fiscal. lupplicaate devp, pelo meioica-
riaes.allcgnr o sen direito.e nao por meio de mu simple
requerimentu, que nrile caso nifl pode invigorar a BO-
oeao. Recife. 2 de jiilbo 1845. O fiscal Interino,
Ftrreira da Costa.
Tendo en sido reformado pelo 2." vicc-preiidente
dcsta provincia, quando iufelixinente diriga as redeas d averno, segundo me fui coinniunicado pelo lllm. chefe
'lelegiao cm nllicio desla data, c aebando-e r.cm par-
le de docnle o major do botalblo, c m capilaea Jo
Papttau da Silva Manguinho, e Manoti Antonio doiPaa-
sui ecSilva; citando devidainente licenciado o capito
Francisco T.uix Vires; cumprc que V m. aasiinia, na tor-
mu da lei, o cenimando do batalli.'io ; fieaudo igiialmenie
na intelligencia, de que desde ja rstou dalle desonerado.
Quarlel do iniuha residencia, 11) dejulbo d* 1845.
lllm. Sr. Manoel Jos Lopes Braga, oapitlo cominaii-
daute interino do bilalbo. Francisco de I'aula Son
sn Lodo, tenante-coronel.
Quarlel dt minha residencia, 19 de julho de l8i.
OHDEM AU I!AI*IMA".
Tendo sido reformado pelo vice-presidente desla pro-
vineia, quando diriga ai redeas do governo, segundo
me foi cooimunicadopelo lllm. cliefo de legio om of-
ficio desta data, acabo de laier entrega do commando
do batalho ao capitn Manoel Jos Lopes Braga, por
seacbarem com parto dedoente o major, e capitSes
mais antigos, nao obstante o protesto legal, que fta
contra minha reforma. Eu faltaria som duvida ao de-
ver de gratidSo, se nSo aproveitasse a presente occasio
para dirigir meus elogios aos Srs. officiies (com excep-
c3o do respectivo majorj, ofliciaes inferiores e guardas,
pela disciplina, subordinado e respeito, que sempre
mostrarlo : por isto, o pela maneira sempre honrosa e
distincta com quo me tratiirSo durante o espagodeO
annos, que tive a honra de commandar. e dirigir to
respoitaveis cidadaos, quoirao acceitar meus elogios, e
agradecimentos, com especialidade os Srs. capites, Joo
liaptista da Silva MBnguinho, pelo telo promptidSo.as-
seio, e exaccao, com que exerceo o CBrgo de mandan-
te, e de instructor do batalho, e Manoel Antonio dos
Passos e Silva, pela coadjuvacio quo me prestou pa-
ra o desempenho das minhas obrigacoes, o a todos di-
rijo mullas saudosss despedidas.F. P, S. Ledo.
lllm. Sr. Reccbi o oficicio, que V. S. me diri-
gi, em data do boje; e cerca do seu contedo lenho
a diier, quo (ico scienle de baver o Exm. Sr. presi-
dente da provincia iodefirido a minha pretendo de
dar alta na reforma, quo sem ser pur mim pedida, e
sem me caber por motivo de idade, ou de molestia pois
que lelixmento, em ainda moco, o bastante vigoroso,
e de perfeita sade, me deo o segundo vico-presidente,
quando, por inlelicidado da provincia, dirigia as redeas
do governo. Em cxecuc,ao do citado oflicio acabo de
oliciaraocapitao, Manoel Jos Lopes Braga, para as-
sumir ao commando, visto quo o major do batalho
est com parle de doento assim como os capitSes, Joo
Baptista da Silva Manguinho, e Manoel Antonio dos
Passos e Silva, e com Jicenca o capitao Francisco Luix
Vires.
Ja uma ve/ proteslei contra a minha reforma, pelas
raifie expendidas do n5o ser por mim pedida, e nem
me caber : novamente protesto, peranto V. S e pe-
ranle a provincia inteira, contra o acto do governo, que
V. S. mecommunica, nSo s por aquellas raides, mas
tambem porque nao conheco no presidente da provin-
cia o direito de reformar ofliciaes da guarda nacional ;
e, se me no opponho injuslica, que soflro, deixan-
do de entregar o commando do batalho he porque
sou nimiamente escrupuloso, o respi-itador das autori-
dades; mas este meu protedimento nao importa assen-
timento, e approvacao ; por quanto desde ja vou pro-
curar os meio legaes dereparacao; e eu cont, que,
quando em Pernambuca 6e fuer juslica, serei altendi-
do, reslituindo-se-me ao exercicio do meu posto, de
que fui esbulhado.
Aproveito a occasio para apresentar a V. S. os
meus respeitos, ea grando consideracao, crnqueteoho
a pessoa de V.S., quem agradeco, quanto se pode
agradecer, em grao muito subido a conlianca, que em
mim sempre depositou, e a leal coadjuvucao, que me
prestou para o bom desempenho do minhas obrigacoes
Dos guardo a V. ">. muitos annos. Quartel de minha
residencia em linda, 19 de julho de 1848. lllm.
Sr. Francisco Antonio do Souza Lcao, coronel chele
de legiao do Olinda. I'ransiico de Paula Souza
LeSo, tenente-coronel.
CMME3IO,
Alfandega.
Rendimenlo do dia 24...............8:0(j9j00"
DescarrcgaG hoje (.
BarcaErmelindameicadorias.
BiigueEmprezaidem.
Palbabote bespanhol Canario idem.
BrigucLaura idem.
Alovimento do Porto.
A'urio entrado no dia 2L
Maranhao ; 46 das, patacho brasileiro Nepluno, de
122 toneladas, capitao Jos Alendo de Souza, equi-
pagem 8, carga arroz, farinba o azeite de carrapato ;
a< capitn : passageiro, Jos do Carino Corroa de
Oliveira, Brasileiro.
A'aeoi tahidot no mesmo dio.
LisbOa ; brigue portuguez Feliz Destino, capitao An
Ionio Joaquim Rodrigues, carga assucar e madeira :
passageiros, 1). Maria Candida Pina, 2 filhas e 1 fillio,
Brasileiros ; Bernardino do Azevedo Santos Jos
Francisco de Araujo Guinaraes, Porluguezes.
Liverpool; brigue inglez Andes, capilao John Drake,
carga assucar e algodSo: passageiro, John Andrews,
Inglez.
Macei e Babia; brigue-escuna de guerra Guararapet,
commandante o 1." tenente Jos Secundino Gomeo-
soro : conduz : para a Babia os escriv3es d'armada
Jos Antonio Franco Lima e Antonio da Silva (lui-
mares. os cadetes Jernimo Monteiro da Rocha e
Augusto Cezar Bitancourt, 1 soldado, 4 ex-soldados
e 26 recrulas para a marinba ; pira Macei o 2." te-
nente d'arlilbaria Joo Evangelista Nery da Fonseca,
sua seohora, 1 fiibo o 1 soldado, seu cantarada.
Macei, Babia c Rio de-Janeiro; vapor brasileo '.
Sebastio, commandante Manoel dcsSantes Ornellas:
passageiros : para Macei, Jos Lazari, Austraco ; o
alferes Jos !\laria de Almeida Cama e 1 soldado, seu
carnerada ; para a Rabia, Amaro Rodrigues Lopes,
Laurinda de Mello Franco eJoaoRibeiro Nevesdo
Amaral, Brasileos; F. H. Batlersby, Inglez; pa-
ra o Rio-de-Janeiro, Joo Castanhide, Hespanbol;
o escrivoda armada Bernardo de Miranda Fontoura,
o cadete Pedro Joaquim Nunes de Mesquita, eHes-
cravos a entregar.
Navios entrado no Rio-de-Janeiro ; 19 das, brigue brasileiro Feliz-Du-
lino, de 293 toneladas, capitao Jos da Silva Qua-
resma, equipagem l(, carga farinha, caf, etc.,
ele. ; a Amorim lrmaos : passageiros, Andreza Ro-
drigues da Silva, Jos dos Santos Ramos, Jos Joa-
quim Bo/erra Cavalcanti d'Alququcrque, e I cria-
do, Brasileiros.
Aleobaca ; 12 das, garopeira brasileira f'om-l'im, de
30 toneladas, mestre Manoel Feliciano Borges, e-
quipagem "i. carga farinba : a Magalhaes Basto :
passageiro, Prussino Fontoura do Carmo, Brasileiro.
Navios sahidos no mesmo dia.
Parahiba e Cear, Transporte Brasileiro n. 1. com-
mandante o capitao-tenente JoSoCustodio d'liondao,
com a carga de farinha do governo.
Aracaty, sumaca brasileira Santa Cruz, mestre Mano-
noel Rodrigues de S, carga varios gneros.
Rio-Grande-do-Sul e portos intermedios, brigue
brasileiro Sagitario, mestre Fructuoso Jos Pereira
Dutra, carga sal : passageiro, Jos Antonio Sera-
Neo du Assis Carvalho, Brasileiro, o 8 escravos a en-
tregar.
(Jbservacao.
Entrou nesto porto o brigue-escuna de guerra Cal ya-
pe, commandante o capitao-tenenle Eluiario Antonio
dos Santos, e que se achava empregado no cruzeiro.
Declarages.
=U arsenal de guerra compra arcos de ferro pro-
prios para cubos de limpeza: quem tal genero tiver
mando sua proposta em carta leebada a esta directora
at o dia 26 do correte (boje). Directora do arsenal de
guerra, 21 de julho de 1815. No impedimento do es-
criturario, Jado Ricardo da Silva.
O arsenal de guerra compra limas ingleas, cha-
tas de ll polegadas ; ditas de 12 ditas ; ditas de 6
ditas, e (lilas de-i ditas; de meias canoas de 14 ditas;
ditas de 8 ditas ; dita de 6 ditas; editas de i ditas;
murcas chatas de 8 ditas; editas meias cannasdeS
ditas ; limatos de 10 ditas ; e ditos de 4 ditas : quem
tal genero tiver, mande sua proposta, em carta fecha-
da a esta directora at o dia 29 do crrente me/..
Directora do arsenal de guerra 24 do junbo de
ISi'i. No impedimento do escripturario Joo Ri-
cardo da Silva.
- O administrador da mesa da recebedoria das ren-
das geraes internas avisa, pela ultima vez, aos morado-
res dos bairros do Recife, Santo Antonio, Boa-Vista,
A logados, para que venbao pagar a taxa de escravos,im-
posto do banco, seges, ovarrinhos, bensdo m3o mora,
barcos, e canoas, e imposto de typograpbas, despa-
chantes da alfandega, al o fin do crtente me/, por
ja se adiar protnpta a relacao, para ser remettida ao
dr. procurador-liscal ; erara evitar incommodos, e
despezas, fax o prsenle annuncio. Recebedoria, 18
de julho de 1845. Francisco Xavier Cavalcanti de
Albuquerquer.
NOVA CMPANHIA ITALIANA.
TBIATKO PUBLICO.
Hoje 26 do corrento mex, s 8 horas em ponto, to
r lugar a segunda reprcientacao lrica, quo sera dis-
tribuida pela maneira seguinte :
1." Symphona.
2. Duelo n un eslasi da opera Torjuoo
Tasso, msica do Donizzctli. Tenor e bartono.
3. Aria Ecco il pegno da Oemma de Vergy,
msica de Donizxetli. Baixo.
\.<> Duelo Amor possente nome da opera -4rmi-
tla e llinaldo, mniica de Rossni. Soprano e tenor
Intervallodc 20 minutos.
5." Sympbonia.
6," Aria f'orie n quel cor sensibile do Roberto
Devereux, de Donzzelli. Bartono.
7." Aria Iol'udia ne suoi bei carmi do Tor-
quato Tasso, de Donizctti. Soprano.
8." Duelo Sul campo delta gloria do ielisario,
de onizzetti. Tenor e baixo
Intervallo de 20 minutos.
9. "Symphona.
10." Aria L'amo ah lamo da opera Capuleli
e Montecchi, de Bellini. -Tenor.
ll. Duelo Che antiptica da opera CAi'ora
de llossembergh, de llicci. Bartono ebaxo bullo.
N. B. espectculo principiar iinpreterivolmenle a
hora annunciada.
Nos bilhetcs da platea superior estao marcados, por n-
meros, os bancos e os assentos, que os Srs. espectadores
den:ni oceupar.
O director roga-lbcs, que nao inverlSo esta dsposi-
cSo, a fim de que os mesmos Srs possao contar com os
seus lugares, quando bouvercm de sabir, e para este
fim be, que receber na porta do theatro inetade do
bilhete (onde lera marcado o assento ) que devero
guardar at o fim da represerilai;3o para moslrar, se Ibes
for pedido.
Preco por cada noule.
Camarotes do frente, da ordem nobre. 12*000
Ditos lateracs..........7>>000
Ditos de frente, primeira ordem.....SOOO
Ditos lateraes..........5*000
Platea superior..........2*000
Ditageral.......; 1000
Acbao se venda em casa do director, na ra Nova
n. 7, segundo andar, o, no dia da recita, no botiquini
do Iheatro.
Para o Maranhao sai, em puucos dias, o brigue-
escuna nacional .aura: para passageiros traU-sc com
Novaes & C., ou com o capitao '< bordo.
Para o Ass sai. nestes 6 dias, o brigue-escuna
nacional Aquia : para carga o passageiros trala-se com
Novaes & C, ou na ra da Cadeia n. 0.
Avisos martimos.
= Para o Cear vai partir, oestes 6 ou 8 dias, o fati-
gue brasileiro Fmpreza, entrado de Lisboa, ha 3 das:
para carga ou pasiageiros, trala-se com Francisco Se-
verianno Babello & Filbo, no largoda Assemblca.
Para o Ass sai nestes i dias o brigue-escuna
Delxberaco, capillo Joo Gonealves Rocha ; para car-
ga e passageiros trata-se na ra da Cadeia do Recife n.
40 ou cem o capitao, na pra{a do Commercio.
Segu breve para o Rio-de-Janeiro o veleiro pa-
tacho Catiro II por ter a maioria do seu carrega-
mento : quem no mesmo quizer carrogar embarcar
escravos ou ir de passagem para o que offcrece bons
commodos, pode entender-se com Amorim Irmios ,
na ra da Cadeia n. 4o.
Para o RioGrandesegue viagem o patacho Gua-
po com brevidade : quem no mesmo quizer embarcar
escravos, ou ir de passagem, pode dirigir-te a tratar
com Amorim Irmios, ruadaCadeia, n. k\
Avisos diversos.
= Barlbolomeo Vieira Brasileiro, retira-se para a
provincia do .Maranho a tratar dos seus negocios
LOTERA DO TIIEATRU PUPLICO.
Devendo esta lotera, pelo adiantamenln da ven -
da de s. us bilhetcs sera quo primeiro lem de dar
andamento as suas rodas ; estao respectivo theiourei-
ro resolvido a fazel-a extrahir no prximo mez de agos-
to iufallivelmente : para o quo convida aos amadores
deste jogo a so prevenirem de bilhetcs. os quaes acho-
so nica ment a venda no tairro de S. Antnio.na,
loja do mesmo thesoureiro ra doCJucimado n. 39,
o na botica do Sr. Jo5o Moreiro pateo da matriz ; o
no bairrodo Recife lojas do cambio dos Srs. Vieira.
e Manoel Gon.es. Escusado se faz lembrar ao respei-
tavel publico a confianca que mereco esta loieria, pc-
li regularidade do seu processo de extraerlo; processo ,
que passa a ser ainda mais perfeitamente desempenbado;
porque as rodas teem de andsr segundo o novo re-
gu lamento ; entretanto que as loteras que han un-
nunciado, parece nao se quererem desaferrar do anti-
go systema de extraccao.
P.-ceisa-so do '2HU. rs. a juros n dnui por centn
ao mex. d-io fiador que garanlo a dita quantia ; por
un .-mini : na ra dasOuxea, loja de encadernador n.
.'i se dir qncm pretenda.
= Henrico Ramming subdito Dinamarquez, re-
tira-se para o Rio-de-Janero.
= D-so dinbeiro a pmmio com penhores de ouro
e prata mesmo em pequeos quantias; na ra do
Livramento, n. 2.1, segundo andar.
Umn innllier capax se oflercce para anu de una
cana, exeeptuai.ilo comprar e engomiiiar ; na ra >la
Seinalln Nova n. 16,2 "ailar.
O VKRIHDKiRO REGENERADOR, n. 33, eiti a
venda nos logare do cni|umo.
Precisa-se de alugar um preto escravo, para car-
regar um panac com p3o para o matto, pagando-so
mensalmente 10,000 rs., e dando-se o sustento: os
pretendentes, dirijao-se a ra da Guia, podara S. R.
R. f. f.
= Aluga-se um arma/em de uma s porta na ra
da Praia, n. 51 propro para carne secca com to-
dos os pertences ; a tratar na ra do Livramento D.12.
ss A pessoa, quecomprou dous lencos du sedaem
folha e j. debrunhados e marcados com as lellras so-
guinles I. G. 1. sendo um preto e outro carmixim ,
com listras e quadros pretos querendo restituil-os ,
so dar o mesmo dinbeiro por quo forflo comprados :
procurar na ra do Cabug loja que foi do Sr. Ban-
dera ou em casa do Sr. Calmont ou na do Sr. Ma-
noel Jos> do Souza Bastos.
l'reeisa-se alugar diias pretas, <|ue
sailio vender todas as qualidades de
Trillas ; na ra Nova 'i. l.
Deseia-se fallar a Mr. C'elier; na
i na de S. Hita n. 85.
Jos Francisco do Araujo (uimarSe, socio da
firma Victorino & Guimaraes, tendo de ir a Lisboa tra-
tar da sua sade, Ira o negocio encarregado ao seu so-
cio Victorino Jos Ferreira, o por procuradores doan-
nunciantc o Srs. Henrique Jorge, e Cesar Kruger.
No dia 20 para 21 do corrento lurtrao, do porto
da ra da Concordia, i travs do 38 a 40 palmos di.
eomprido, e palmo cm quadro; quem das mesmas der
noticia no sobrada novo da mesma ra da Concordia,
ser gratificado do trahalho.
= Aluga-se o segundo andar da casa n. 22, da ra
estreita do Roiario : a tratar na ra do Passeio n. 1.
Precisa-se de um caixeiro Portuguez, de 14, a
16 annos de idade, preferindo-se, se for chegado de
prximo, para uma venda: na cidade d'Olinda, ra
do Amparo, venda de Jos Fcrreira Marinbo.
=Dio-se Soy rs. de gratificarlo a quem descobrir a
pessoa, que fur'ou um relogio de prata, e transelim
de ouro no dia 21 do correte de uma casa na Boa-
Vista : o relogio be de feitio antigo faltando o pon-
teiro de segundos.
=a Precisa-se de uma lavadeira que lavo perfeita-
mente de varrella ; na ra estreita do Rozario sobra-
do n. 2, segundo andar.
= Antonio Jos de Barros Vcigas embarca para i
Babia por conta e risco do Snr. Manoel 4jonr;alves
Leal, um preto da Costa, denomeJoao.
= Aloga-se uma preta para o servico de casa; quem
a pretender, dirija-se ao armazem do carne, na ra
da Praia, n. 43: a preta cozinba e faz o maii servico.
= Antonio Dias da Silva Cardial vai a provincia das
Alugas a tratar de seus negocios, levando em sua com-
panbia um seu escravo de nome l.uiz de idade de
12 annos, cor parda.
b No dia 21 do corrente abrio-so um novo depozi-
to de relinacao e padaria na ra larga do Rozario ,
n. 23; no qual se acba a venda o melbor pao, que ho
possivel, bolaxa de loda a qualidade tanto em porcao
como a retalbo holaxinha doce, biscouto e falias pro-
prias para cha.
Fazem-sc transellins de cabellos de
(itialt|uer modelo, aunis, fitas, pulceiras,
tkc, &C. o mais bem leito que he possivel,
por preco mdico ; na ra do Cabug, loja
de fazendas n. G.
Agencia de tassaportes.
Na ra do Collegio, botica n. 10, e no atierro da
Boa-Vista loja n. 48, tiro-se passaportespara dentro o
forado imperio,assim como despachao-se escravos: tudo
com brevidade.
Antonio Rodrigues Samico participa
aos seus amigos, e (reguezes, que tem mu-
dado sua oflTicina de tartarugueiro, do pa-
teo da Matriz para a praca da Indepen-
dencia, lojan. 34, aonde se acha promp-
to a lazer todas as obras de tartaruga, co-
mo d'antes.


4*
Ni rua larga do Rozario, venda n. 29 eiiste
urna carta para o Sr. Joo Antonio Machado, inda
da cidade do Porto.
Perdeo-se, desde S. Annaato Manguinho o
secundo tomo da gramtnatica Iranceza doSevene,estan-
do o dito forrado coro papel preto ; quem o achou ,
sendo que o queira restituir, dirija se a rua estreita do
Kozario n. 30, primeiro andar que 9e llio fcar niui-
to agradecido, ilm de ser gratificado.
No sitio do Hospicio do Exm. concelbeiro baro
de llamara, i, d-se gratuitamente leile de burra as
ppssobb en ferinas que delle precisaren) e com es-
pcrialidade a pobreza ; eistoie Tara diariamente, das
6 di S horas da manba e das 4 as 6 da tarde.
Manoel Joaquim Pascoal Ramos embarca para o
liio-Grande-do-Sul os eteravos Jorge, Angola e Pe-
dro crioulo, a entregar a seu senhor Joo Antonio Jor-
Manoel Joaquim Humos e Silva comprou por
ordemdoSr. Antonio Jos Monteiro da Silva Guima-
r.ies e por contada Francisco Antonio de Lima do
Maranhao meio bilhete n. 1963 da segunda parte da
16.* lotera a favor das obras do tbeatro publico ; cujo
bilhete vai ser remedido ao mesmo Guimares.
A mesa regedora da Senhora S. Auna, erecta na
igreja da Madre Je Dos, tendo do Tazar a fusta da
Diestra Senbora no dia 27 do corrente convida a
todos os devotos de S. Anna e aos seus irmaospara
assistirem ; -dvertindo que s se faz vespera dia e
T*-f)eum, pela igreja precisar de grandes reparos no
que ja tem consumido grande parle do j diminuto
rendimento que a mesma tem : u como a Testa nao
pode ser annunciada por girndolas, como era de cos-
tuine em todas as leslas por estarmos subjeitos aos 3
poderes a/em o presente aviso por meto esla folha.
8= O Sr. A. J. M. queira ir p;ar a quantia de
23/rs. ou mandar ordem aoseu correspondente ao
abaixo assignado da coinmissao e comedorias do seu
escravo Manoel; e, nao o fazendo no prazo de 3 dias ,
se publicar u seu nomo por extenso. Grigorio
Francitto de Torret e Va\concUo> Jnior.
Thomaz Triaga subdito Italiano rctira-se pa-
ra o Maranho e leva em sua companbia Venancio
Miquelcte o Daniel Antonlel.
= Desappareceo, no dia 23 do corrente, do largo da
Assembla urna canoa de amarello com 30 palmos
decomprido, e 5 de largo pouco mais ou menos, e
tem no fundo 7 remendos pequeos de differontus ma-
deirai ; quem a adiar ou delta souber dirija-se a
iua da Cadeia-Velha n. .10 que ser gratificado.
= Precisa-se de um menino para caixeiro de venda,
com pratica, ousem ella eque d fiador a sua con-
ducta ; na rua da Concordia n 4.
= No dia 29 do mez passado appareceo, em casa de
Antonio Vicente Vieira de Mello urna escrava de no-
me And reza que diz sor das Alagoas: quem for seu
lenhor a procure no Passo-de-Camaragibe no sitio
dos curraes em casa do annunciante ; o qual nao se
responsabilisa de forma alguma.
= OTferece-se urna criada Portugueza para todo
o arranjo de urna cata ; quem de seu prestimo se qui-
zer utihsar, dirija-se a rua do Sol n. 1.
= Precisa-se alugar um preto para conduzir carne:
paga-so por semana : quemo liver, dirija-se a rua do
Itangel, n. 17.
= Precisase de um caixeiro queentendade ven-
da ; no pateo da S. Cruz da Boa-Vista n. 3, venda do
coleada de pedra se dir quem precisa.
lotera do seminario.
= Devondo a lotera do seminario episcopal de Olin
da ser a primeira que corra, por se acbar urna gran-
de parte dos bilhetes j vendida roga se ao respei-
tavel publico que compre o resto dos bilhetes a lim
de seannunciar o dia mprelerivel do andamento das
rodas que ser breve ; e alm dos lugares annuncia-
dos tambera se vendem na luja do Menezcs na rua
do Collegio.
= Aluga-se um escravo ptimo padeiro ; na rua
estreita do Rozario, n- 22. primeiro andar.
= Precisa-se de urna ama, que saiba cozinhar en-
gommar e Tazer todo o servieo ; na rua do Crespo
n. 8.
= Frederiro Lensimger, subdito Dnamarquez, re-
tra-se para o Rio de-Janeiro.
Arrenda-se, annualmentc ou pelo lempo que
se contratar, urna das casas terreas do Exm. barao de
Itamarac no lugar do Manguinho por preco com
modo: a ti atar na rua de Hortas, n. liO.
Compras.
ss Compro-se por commisso escravos de am-
bos os sexos de idade de 12 a 30 annos; pago-se
liem : na rua Direita n. 3.
= Compra-sn una bomba de Trro para urna ca-
cimba que tenlia de 20 palmos para cima de altura ;
na praga da Boa-Vista n. 32.
i= Compro-se, para ra da provincia escravos
de 14 a 20 annos sendo de bonitas figuras pago-se
Le.ni; na rua da Cadeia de S. Antonio sobrado de
um andar de varando de pao, n 20.
= Compra-se um preto bom cozinheiro para urna
casa estrangeira ; quem liver, annuocie.
as Compra-se um preto ou moleque que saiba co-
zinhar dando-se o contento e pagando-so os dias
do servieo queestiver acontento ; em Fra-de-Por-
tas d. 96, ou atraz do tli-atro armazem de taboas
de pinbo de Joaquim Lopes de Almeida caixeiro do
Sr. Joio Matheos.
= Compro-se dous escravos um pedreiro e ou-
tro carpina.para umaencommenda do Rio-Grande-do-
Sul ; sendo bonitas figuras, pago-se bem : na rua
do Collegio armazem n. 19.
Comprio-se escravos para eugenlio e quartaos
capados; no Atierro dos Afogados, n. 31.
Vendas.
Vende-se um caial de escravos, com urna cria
feoiea Je 8 anuos, o negro ganha na rua, a uegra co-
zinha o diario de urna casa, engomma lizo, coze bem,
borda e Taz lavarinto, e a cria tem principios de costu-
ra : na rua da Senialla-Velba n. 142, segundo andar.
Attenco !
= \ eode-sea 120, 140, lOe 180 rs. o eovado de
chita ditas Tinas a 220 e 25o rs. o corado, sendo es-
curas, madapolSo a 150, 160 e 180 rs. a vara dito
fino a 200, 220 e 240 rs. dita aladraste fino a 280
rs. a vara, meios chales de cassa de quadros a 360 rs.,
dula a 140 rs. o eovado, lindissimos cortes de cassa-
chitas a 2600 rs. o corte chadrezes do linbo para ja-
quetas a 20 rs. o corado, muito boa qualidade, supe-
rior setim preto de Macu para cohete a 4500 rs. o
eovado dito enlre-fino tambem de boa qualidade, a
3200 rs. o eovado, lusto.branco de excedente qualida-
de a linio rs. o eovado algodo liso de boa quali-
dade a 160 rs. a vara dito americano largo, muito
encorpado a 220 rs. a vara, dito trancado azul mes-
ciado a 240 rs. o eovado, muito encorpado marte
azul de vara de largura a 260 rs. o eovado muito boa
faienda para pretos, casimiras de quadros de bom
gosto para cairas a 1200 res o eovado lencos de
cassa piolados a 160 rs. pegas de bretanba de rolo a
1800 rs., a pera ditas de bretanba de puro linbo, de
6 varas a 2800 e 3200 rs. brim trancado branco de
puro linho muito encorpado a 1400 rs. a vara es-
guia ) de superior qualidade do verdadeiro e puro li-
nbo muito fino a 1500 rs. a vara, pecas de chitas a
4400 5200 5500 e 6000 rs. a peca escuras, ditas
de madapoloa 2800, 3200 e 3400 rs. dito fino a
4000, o 4200 rs. a peca, madraste fino a 5200 e 5400
rs. a pera cassa de quadros para babados a 3000 rs.
a peca riscadinbos (raneados a 200 rs. o eovado ,
muito boa fazenda para meninos cambraia lisa de
vara de largura a 600 e 800 rs. a vara castores ou
riscados a 240 rs. o eovado, superiores cortea de chal
de lstras de seda a 16j rs. ditos de seda com lloros a
50,000 rs., o corte mui rica fazenda superiores
orles de cassa-ebitas, modernos padrdes, a 4200 rs. o
cor le, cambraia de listras brancas adamascadas a 3/ rs
a peca, sarja bespanbola fina muito encorpada a 2300
e 2500 rs. u eovado dita franceza larga a 1600 rs.
o eovado escocez du algodo para vestidos a 300 rs. o
eovado brim trancado de quadros para calcas a 300
rs. o eovado, de bonitos padrdes chitas finas, de
gosto muito moderno a 320 rs. o eovado chapeos de
sol, de seda para homem, a 5/rs. ; alm destasfa-
zendas outras minias por barato preco : na rua do
Collegio loja n. 1, do Antonio de Azcvodo Villarou-
co & Irnio.
- \ ende se cancha em pu chegada no ultimo na-
vio de Lisboa, em latas de duas at meia libra; no ar-
mazem de Dias Ferreira defronte das cscadinbas.
= Vende-se muilo superior e nova potassa da Rus
sia ; na rua do Trapiche armazem de assucar, o. 17.
ae V endem-se 6 escravos pesas de 18 a 25 annos,
bons para todo o trabalho tanto du campo cmoda
prora ; um preto de meia idade por 200, rs. bom
para servir urna casa em trabalbar em sitio por estar
a isto acostumado um moleque de 14 annos muito
ladino ; urna parda de 18 annos, cose engomma e
faz todo o servieo de urna casa ; duas escravas boas
quitandeias ; na rua do Crespo n. 10 primeiro an-
dar.
\ emlem-so capachos redondos o compridos es-
tojos de navalhas a contento grvalas muito supe-
riores para homem garrafas de tinta superior para es-
crever botins para bomem e senbora sapatos de
duraqueede lustro de Lisboa, e Irancezes de to-
das as qualidades riquissimas mantas para senbora,
de tile, seda e voludo caixas de tartar uga redondas e
compridas, pelo diminuto preco de 2s rs. riquissi-
mas llrese chapeos para senhora ; na rua larga do
Rozario n. 24.
ss \ ende-se um preto crioulo bom trabalhador du
enxada proprio para o servieo de campo ; na rua da
Aurora n. 4.
= Vende-se milho a 4/ rs. o alqueire e sendo
com sacco a 4500'rs. e urna poreo de (amiba de ta-
pioca muito alva e nova; na rua da Cadeia de S. An-
tonio n. 19 depozitode larinba de mandioca.
= Vendem-se muito boas bichas chegadas lti-
mamente de liamburgo as melbores que ha na tr-
ra muilo grandes'; etambom se alugo por prego
commodo e vo se su applicar para mais commodida-
de dos pretendentes ; na rua estreita do Rozario de-
fronte da rua das Larangeiras loja d.e barbeiro n. 19.
= Vendem-se lengos de algodo aseda de bonitos
padroes a 6i rs. casimiras de algodo muilo cncor-
padas e do quadros pelo barato preco de 480 rs, o eova-
do riquissimos cortes de cohetes de quadros a 2560
rs. o eovado ; na rua do Crespo n. 14, loja de Jos
Francisco Dias.
= Vende-se potassa americana muito nova em
Larris pequeos; na rua da Cadeia do Recife arma-
zem de assucar n. 12.
= Vende-se, por prego commmodo urna preta de
30 annos luva de sabo cozinha e be boa vende-
deira ; um molequo de 15 annos, de bonita figura,
e sadio ; na rua do Nogueira n. 27.
= Vende-se potassa russiana superior o nova ,
ltimamente ebegada e cal virgem em pedra, vinda
agora de Lisboa ; na rua de Apollo n. 18.
= Vende-se superior Tariuha de S. Catharina ,
a granel, ensaccada, a bordo do patacho Espadarte,
na rua de Apollo n. 18.
= Vondem-se chitas de ramagens para coberlas ,
decores filos a 160 rs. o eovado, pecas de bretanha
de rolo, pelo barato preco de 1600 rs. linissimos cor-
tes de cassa-chita a 2400 rs. ditos de dita de quadros
e listras de cores a 4000 rs. lindos cortes da cambraia
de listras de cures e de gosto moderno a 4500 rs. lin-
deza de lu e seda e de quadros para vestido a 320 rs. o
eovado tarlatana do ultimo gosto a 4500 rs. o corte ,
meias cruas para homem a 2800 rs., cassa usa fina a
400 rs. a vara pecas de panninho muito fino a 5a rs.,
cambraia lisa fina a 480, 610 e 800 rs. a vara boni-
tos lencos de seda do cores a 1760 rs., riscadinhos Iran-
cezes de muito bonitos padroes para vestidos e jaque-
tas a 320 rs. o eovado algodo americano largo, a
240 rs. a vara, chales de la e seda a 4500 e 5500 rs.,
corles de chitas finas u 1600 rs. e outras multas Ta-
zendas por barato preco ; na rua do Crespo n. 8, loja
de Campos & Maia.
-Vende-se uina negrinba de 16 annos, sadia ;a
vista do comprador so dir o motivo da venda: na rua
do Cabuga ioja de ourivesn. 3.
= Venda-se urna bonita parda de 16 a 18 anuos,
recolhida perleita coslureira e engommadeira ; doui
pretos de idade do 20 annos de todo o servieo ; urna
negrinba de 10 annos muito bonita ; duas pretas
cuzinheiras lavadeiras e compradoras ; urna dita de
16 a 18 annos com um molequinbo de 7 a 8 mezes ,
muito bonito ; a preta tem muito bom leite, engom-
ma cozinha ehe recolhida : na rua larga do Roza-
rio n. 46.
= Vende-se um bonito escravo bastante moco ,
sadio esem deTeitos; na rua da Cruz n. 3, segun-
do andar.
= Vende-se um preto de meia idade proprio pa-
ra o servieo de sitio ; urna preta ainda moga ; na rua
do Cabug, n. 16.
== Vende-se um par de esporas de prata moder-
nas sem Teitio, e de muito bom gosto ; na rua do
Crespo loja da esquina ao p do arco de S. Antonio.
sas Vendem-se dous escravos mogos e de bonitas fi-
guras ; na rua da Cruz n. 51.
= Vende-se urna escrava crioula, de24 annos, de
bonita figura engomma, cozinha e lava ; urna ca-
brinha de 13 annos, de bonita figura cose cbSo e
faz renda ; urna- linda negrinha crioula, de 7 annos;
dual escravas de naeo mogas e de bonitas figuras,
proprias para todo o servieo ; dous molecotes crioulos
de boas figuras, de 18 anuos proprios para todo o
servieo ; um lindo mulatinho de 18 annos, proprio
para pagom o tem principios de officio de pedreiro :
na rua dasCruzes n.22, segundo andar.
AtttnfUo ao barato I I
= Vende-se farinba igual a do Rio de-Janeiro
e milho novo, vindode Macei, na barcaga Feliz Au-
rora ; vende so tambem a rotalbo ; ni rampa do Sur.
Ramos de Oliveira na frenle do Ircm.
Vende-se um escravo moco ptimo para todo
o servieo principalmente para sitio ou engeoho ;
na rua Diroita n. 12.
= Vende-se urna boa escrava de naco Angola, com
3 crias todos machos de 11, 12 e 15 annos de ida-
de ; na rua do Hospicio n. 26, se dir quem os vende.
= Vende-se urna casa terrea na rua da Gloria ,
n. 90 com 3 quartos e em chaos proprios; a tratar na
rua do Crespo n. 10.
= Vende-se urna venda com os (undos a vonlade
do comprador e\c um dos melbores lugares, que he
no Recife travessa da Madre de Dos n. 1 : a tra-
tar na mesma venda.
= Vendem-se chitas para coberta, de bons pannos
e cures (has, com estampas earvorodos fingindo mal-
los, pelo barato prego do 160 rs. o eovado, Gnissimas
chitas francezas muito largas de assento escuro ,
de quadros e listras cares lisas a 320 rs. o eovado,
dita a 260 rs o eovado lanzinbas de bonitos padrdes
3200 rs. o corte e a 320 rs. o eovado cortes de o'as-
sa-chitas de todas as cores e muito largas a 2/rs. di-
ta em vara a 400 rs. dita transparente a 2560rs.,
cortes de cbita de assento escuro e cores litas a 1600
rs. chitas cor de ganga e do outrai muitas coros e
muito finas a 200 rs. ditas escuras de lindos padrdes
a 160 rs., e em pegas a 5500 e 0/ rs., pecas de breta-
nhas de rolo de superior qualidade a 2.) rs. algodo
trancado muito largo e escuro proprio para roupa de
escravos a 240 rs. algodo americano muito encor-
pado a 220 rs. a vara dito muito largo e encorpado ,
proprio para lences a 280 rs. madapolOe, de todas
as qualidades emais fazendas ludo por barato pre-
co ; na rua do Crespo n. 14, loja de Jos Francisco
Dias.
= Vendemse cortes de vestidos de chitas finas, em
retalho ; na rua do Jueunado esquina do becco do
Peixe-Frito loja n. 2, de Manoel Jos Goncalves.
-\ enue-se por 350, rs. um rico annolao com
um grande brilbanle assim como, por 100/rs. um
relogio do ouro de patente suisso de vidro e mui-
to bom regulador; quem quizer annuncio.
= Vendem-sesaccas de feijo mulatinho; no
mazem do Guimares confronte as escadinhas da
Tandega.
i= Vende-so urna casaca nova cor de caT,
mdico preco ; na rua da Senzalla-Velha n. 92.
= Vendem-se caixas de tartaruga para rap por
prego commodo ; na rua da Cadeia do Recife loja de
miuderas n. 5.
aaa Vendem se bozerros de lustro de superior quali-
dade, recenlemenlechegados; colla.da I alna a 12/
rs, a arroba ; urna balanga decimal, capaz de pesar
duas mil arrobas, em estado perfeilo; na rua da Cruz
d. 55.
Cera lavrada.
- Vende-se em caixas do 180 libras cada urna, sor-
lidas desde duas al 16 em libra ; na rua da Sen/alla-
Velha armazem n. 110.
= No armazem de Francisco Dias Ferreira defron-
te do guindaste da alfandega vende-se por prego
commodo ; fumo de primeira qualidade para charutos;
charutos regala meia-ragalia e outras muitas qua-
lidades ; tapioca ; barriscom 12 pescadas de Lisboa ,
a 4200 rs. ; caoastras com batatas novas.
= V ende-se superior tinta de escrever, a meia pa-
taca a libra e a doze vintes a garrafa levando esta
libra e meia e com a garrafa a trezentos e vinte ris ;
na rua do Livramcnto loja n. 34: na mesma loja
vende-se rap Meuron, princeza fino, mcio-grosso e
vinagrinho da ultima fornada que sabio o mais su-
perior possivel, e o mais moderno rap do Baodeira.
aaa Vende-se urna preta de bonita figura parida de
dous mezes, com muito bom leite o sem filbo de 20
annos de idade o com habilidades ; na rua das Flo-
res n. 21.
= Vendem-se 3 pipas, quererviraode depozito de
azeite de carrapato ; na venda da travesa da rua liel-
' n. 8.
= Vende-se o engenho Marolos na freguezia de
Tracunhem que divide por um dos lados com o rio
Tracunbem com mil bracas de Trente, e meia legua
de Tundo com casa de engenbo e igreja de pedra e
cal e todas as mais obras de esleios sendo casa de
vivenda de purgar e senzalla ludo novo e bem
construido : a tratar no engenho Taquara com Fran-
cisco Gomes de Araujo, e no Recife com Francisco
Mamade de Almeida.
= Vende-se chocolate, chegado ltimamente, tan-
to em poreo como a retalho, por preco commodo ; no
pateo do Carmo esquina da rua de Hortas, lado di-
reito n 2.
= Vende-se urna escrava do boa figura com 20
annos, sadia e com habilidades, que a vista dos
compradores >e diro : na rua da Gloria, n. 89.
= Vendem-se, por preco commodo urnas poucas
de travs e linbas de pao d'arco proprias para cons-
truceSo de pontes e trapiches ou obras de segeiros ,
por terem bastantes annos de seccas ; a tratar na rua
da Cruz no Recife depozito de rap de Gasse.
= Vendem-se grosas de photphoroi americanos ,
ar-
por
da melhor qualidade que ha, por preco commodo,
por atacado e a retalho ; na praca da Independencia ,
n. 4.
= Vende-se colla fina para marcineiros e pintores,
por preco mais commodo, do que da que vem da Rahii,
por atacado, ou a retalho; na rua da Cruz, easu de pin-
tor n. 49.
a \ ende se limito boa larinba a pirro de 4( ri.
a sacca ; na rua do Ctaeimado, loja de Ta/.endas n. i|.
= Vende-se a mais nova e boa larinba de mandioca,
ebegada nltimamenle de Ucubagt rro hiate S. Joie
Grande Tundeado confronte a rampa do Sr. Jos Ha-
mos de Oliveira a 4400 rs. o alqueire da medida ve-
Iba e sendo porgo de 50 alqueires para cima, a
4200 rs.; a tratar narua da Cadeia de S. Antonio,
depozito de farinba n. 19.
= Vende se um moleque de idade de 10 annns;
um guarda-louca e um guarda-roupa : no princi-
pio do Alterro-dos-Afogados, n. 31.
= Vende se um moleque de 17 a 18 annos mui-
to diligente, bom copeiro e cozinheiro; em Olinda,
rua da ribeira casa contigua a do Sr. Folha que ah
se dir o motivo da venda.
= Vendem-se e alugo-so bichas, tambem se ven-
dem aos ceios, de superior qualidade o mais bara-
to do que em outra qualquer parte ; narua do Trapi-
che n. 28.
= Vende-so urna barretina para guarda nacional,
um bonete grvala e cor reame du lustre, ludo no-
vo por prego commodo ; na rua do (ueimado es-
quina do boceo do Peixe-Frito n. 2.
=Vendem-se duas duzias do camisas de madapolo,
bem feitas e acabadas, pelo diminuto prego de lljSOU
rs. a duzia; e se empresta dinheiro sobre ouro e prata,
ou se compra, fazendo conta : na rua daCadeia do Re-
cife n. 6, primeiro andar.
Vende-se urna casa terrea na estrada dos A inic-
ios, com um bom quintal: a tratar em Fura-de-Por-
tas j chegando a igreja do Pilar casa n. 147, que
achara com quem tratar.
Continno-se a vender coeiros de
merino bordados de retroz de cores muilo
bonitas, pelo diminuto preco de SSooo rs.
cada um, e bem assim lencos brancos
bordados de cambraia de linbo muilo
finos a 7ooo ris cada um, grvalas de
setim maco pretas a 'im> ris cada urna ;
na rua do Cabug, lojas de fazendas, de
Pereira & Guedes.
Na botica nova da rua dos Quar-
teis, de Jos Mara Goncalves luimos, ha
um bom sortimento das melbores semen-
tes de bortalica, vindas prximamente
de Lisboa.
Muito superior cha hys.'on da In-
dia ; na rua do Crespo, loja de Ji. J, Sil-
va Magalhes, n. 11.
Vende-9e vinagre superior a 5oo
ris a caada ; na rua do Aterro dos
A logados n. 7 .
Vendem-se queijos londrinos muito
frescos ; no armazem o. 44> 'mt do Tra-
piche.
Escravos Fgidos
= Do-se 2()0j rs. de gratificago a qualquer pes-
soa, que pegare (rouxer o cabra llario que lugio
do erigen bu >. Braz, na villa de Serinhein nos l-
timos das de abril p. p ; he baixo do corpo barbado,
e o sigoal mais certo que tem, he ser vesgo de um olbo;
quando lugio, levou calcas de ganga azul, jaquets
tambem de ganga riscada cinzenta ; lora de idade 20
annos; quem o pegar, leve a cidade do liecile ni
Camboa-do-fJarmo emcasadoSr. Antonio Luiz do
Amaral e Silva, que leceber a dita gralificago.
= No dia 20 do corrente fugio o preto Benedicto,
de naci Rebolo, estatura mediana, cor um tanto
Tula representa 28 annos du idade ; quem o pegar,
leve a rua Ja Cruz n. 45, que ser generosamente re-
compensado.
= Terga Teira 22 do corrente Tugio um proto,
que andava em urna canda tirando areia pregado em
urna corrente ; julga-se que o dilo preto tenba ido pi-
ra dentro dos mangues para quebrar a corrente a lim
de poder escapolir: este preto be estoporado do lado
esquerdo anda couxo e a mo nao a abre bem ; ti-
nha chegado, ha 3 semanas, da Parabiba, que l esle-
ve Tugido 5 annos : assim roga se as autoridades poli-
ciaese capites de campo que delle souberem, ba-
jSo de o prender, e lavar a seu lenbor, no sitio
por detraz do sobrado do nado Monteiro, que serio
recompensados: do mesmo sitio as duas horas do di
25, desappareceo um cavallo rodado, capado, prin-
cipiando a ficar pedrez pela cabera de idade de 6 par
7 annos, muito mantudo ; quem o levar ao dito sitio,
ser recompensado.
= No dia 20 de maio do anno passado Tugio umi
preta crioula de nome Ricarda de idade de 2\ annof,
pouco mais ou menos alta secca cabera chala e
pequea cara redonda denles limados e j arruina-
dos olhos Tundos e pequeos, vista trocada e no
olbo esquerdo tem urna pequea belide junio a pupH'i
tem urnas manchas pequeas pela cara orelbas pe-
quenas e dobradas ; be canhota pos apallietados e
mal Teitoa muilo lala, falla apressada gosta mul-
to do sucias e batuques : quem a descobrir e levar t
rua do Livramento sobrado n. 17, ou no sitio do lio*
zarinho ondeseacba collocada a capella ser bern
recompensado: advortindo-se que a dita escrava andi
pela cidade de Olinda lugar do Bom-fiucesso.
= No dia 27 de maio fugio um moleque do Enge-
nho-Novo, Treguezia de S. Anlo do nome V icto-
rianno de idade de 16 annos, com ossignaes seguin-
tes : tem o dedo grande da mo direita corlado, e os
dedos doa ps trepados uns sobre os outros : quem "
pegar, leve ao dito engenho, ou a casa do Sr. Manoel
Gongalvoa da Silva na rua da Cadeia que ser ge'
ocrosamente recompensado.
PERN.
P.ATYP. DE M. F.DE FAK1A---- jb/S'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E529OUF0P_B9GAQJ INGEST_TIME 2013-03-25T12:47:02Z PACKAGE AA00011611_00843
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES