Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00841


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-^
mno de lMi.
Quarta f'cira 25
O DHRIO pubca-so todos os das que
Ljio forem de guarda: o preco da asslem-
| rara lie deif rs. por quartclpojo. od.aiHu.. Lsainiunciosdo assi(rnaptey sao inseridos
, r uao de 20 ris por linha, 40 rs. era lypo
lllerente, c as rrpeiicei pela metade.
lis aae *> ror'"'" i9'-'1""'' pas*0 rs-
|,..r Unir, e HSO cm typo diliercnte.
PHASES DA LA KOME2 DE JUT.HO.
. .. nva a 4 as 2 h. e 10 min. da tarde.
KSSSVl ao 3 minutos da tarde.
obela a l'J as 3hor. e 43 min. da man.
Dgoanta a 26 a 1 hor. da muihaa.
PARTIDAS DOS CORRLTOS.
Goiauna Parahyba, e Rio Grande do Norte
Segundas e Sextas feiras.
Cabo, Seriuhaem, Rio I-'ormoso, Porto Cal-
vo, e Utceyi no 1 11 e 21 de cada inez.
Garanhtina e lionilo a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a 13 c 28.
Victoria Quintas feiras.
Olinda todos os dias.
PREAMARDEHOJE.
Prlineira as 7 h. e 42 inin. da manhaa.
Segunda as 8 h. e 6 minutos da tarde.
do .ulho.
Anno XX S. Il-
iWw..i.j.Mj-,-,!T".'r-.m".i.|.iiwniB.'i
DAS DA SEMANA.
tvrryr^ Secunda S. Praxedei and. do J. de
D-da2.v., e do J. M. ca 2 v.
Terca Mciiclro, aud. do i. de I).
da.T, e do J. dos l-eitos
Quarta S. Apollinario, aud. do J. de
. da 3. vara.
Quinta S. Cliraistma, aud. do Jim I). de
da 2. vara, o do J. M. da 1. e 2. v.
Sexta 9 8. Hago ap. ?. Chrtttwlo
in. s. Tlieodomiro.
Sabbado Ss. Syinphronio aud. do J. de
I). da 2. vara.
Domingo S. Anna.
" .X^-
CAMBIOS NO DA 21 BE ll'LHO.
Cambio sobre Londres 2d. p. 1/a60 c iHId.
Pariz Xn ris i>or franco.
v) Lisboa 120 por 100 de preni.
Dse, de let de boas Arma 1 '/-. l 'A P- "'..
Otn-o-tica* hetpanbolas .M/!W a jgflwfl
Moeda de aMOO vel. 17#000 a IR/IIH
i,: (loo nov. 17/700 a
.....le 4>000 WMO a
Piula Pitacdes .... >^M a
Pesos Colutnnare. I#0S0 a
Ditos Mexicanos l/'40 a
Moedas de 2 patac. 1/780 a
1-400U
9/700
1J080
2'0O0
1/lHi
1/800
Acedes da C* do Bebcribe de 50000 ao par
Klimami m igiiiiiim^^
DIARIO DE
ERH.AM
PARTE CFFSCIAL.
Governo da provincia,
KVPEDIRNTE OH DA 10 1>0 COBItKSTE.
. Oflieio__Ao chefe de polica interino, declarando, que
I,!., ai demilsoea, que pedirlo Francisco Gomes do Arnu-
L Lina e Herciilano Jos Marroquini; este do lugar de
Lhrlelegado da frrgueza de Una, e aquelle do de 2.
tupiente do delegado de Nainreth.
[ [)i__\0 engenheiro ein clicfo das obras publicas,
Ligiificanrio, que o concurso no lugar de ajudante dos
ingenlieirns deve verificar se no dia 21 de agosto pro
Limo futuro, eni o palaoio da presidencia.
DitoAo mesinn, autuniando o tirar das, sobras da
Lila do artigo 2.0, capitulo 1., di primoira catliego
|ia da distribuicao do anno fir.ancoiro ultimo, a qnantia
B 249,12? rs para pagamento do que,.al ii Km do mei
-cjunhn prximo 6ndu. devo-e no engenbeiros e ans
Jjudsntoa d'estes. Parlioipno so ao inspector da the
mirara das rendas provinciacs o ao inspector-fiscal dus
Miras publicas.
DitoAo iiiesmo, diicndn, que lio polos mcios ordi-
liarioa, que doto o arremtente do 12 lauco da nitrada
lia Victoria rrrlamar de Manuel Pires Forrcirt o repara
[n dos dainos, que por elle llie uppe causados.
| DitoAu inspector da thesoiirnrin das rendas proviu
tiacs, ordenando, que, eiu cumpriiucuto do artigo 29 da
le i rovnoal n. 144, mande pagar a Manuel Lopes Vi-
bnna a qnantia de 150,000 rs. como graliucncao ans
irusservicos na qualidado do inspector interino do al-
odlOi
. DitosAo director do lyco.e ao inspector da Ilicin-
Lariadas rendas proinciae, communicondo ter prvido
i joanna Justina de Siqueira Varejfio na cadeira do pri-
nrir.is Ictlras, que para o sexo feminiuo fui lluramente
Treada na villa de Iguarass Tambcm so couiiuuuicuu
i respectiva cmara municipal.
DitoAo jui dodireito interino do Pao-do- Albo, ac
Lujando rcccpcfio do euoflicio.em que parlioipa ter sido
Ibsolrido do eriroo derespousabilidade, porque fra nc-
|uado. o ha Ter entrado em MMreioio do eu lugar, o Io
up|il'ciite do juiz municipal d'aquello termo, Lourenco
|u/erra Carneiro da Cimba.
DitoAo juiz municipal do termo do Bonito, exign-
in manirettaeln dos motivos, por que miiudou por em
abordado dous reos de erimes da natureza ilsquellea, era
lujo procesan deve funecionar a justica, em que pre
llmenle tivesse uuvido u promotor do niesnio termo.
-Participen se ao promotor publico du termo do Duni-
ii, que contra esse pruccdimenlo representara presi-
knoia.
DiloAo director do arsenal de guerra, acrusaiidn
L-mcssa d<> urna copia aulhcutica da portarla, que pela
(residencia lito fra expedida n 14 de fevereiro do cor
cute anuo.
Dito Ao niesmo, autorisanilo a compra dos arcos do
Irrro, de que diz precisar ana reparlicSo.
DitoAo mi'snio, ordeunudu, f.iCn apromplar e en-
|i\.iti,r 100 enrreiames, fim de ero: transportados
l a Parali iba.
. DitoAo director ilo lycu, determinando, que, de
liiiitiuniidade OOPI o artigo 39 da lei provincial n 144
Kie anuo, faoa arrendar orna caa, oujo aluguel an-
Luul nao ex coda de 200,000 rs., paras nula de priuieira
lelira, outi'ura do eiisiuo-mutuo. Oilieiou se res-
leiio au inspeolor da tbesourar'ia das renda provin-
ti.it .
Dito A' cmara municipal de Ignaras*, agradecen-
o a obsequiosa UXprerOc OODJ que o felicita pela
la entrada na adltliniatrteao da prnrnoiaj u promeltcii-
lo-lbe luda a cnoperaclu no que disucr respeilo ao euni-
|'i iiio'iiio das mas nbrigacoea.
Dito Ao l'omnandanie do brigue escuna Guarura-
r-avti-.'j.

u.'-r^.OT'afwaM
CAI'.OLllNA ^A SICILIA. (*)
I a tanguine fatdut
DIVISA DA OllDt.M DE S. JASI ABIO
pes, mandando, quo forneca racoc de porao ao ex-ol-
dadm, que vSo para a B.ihia.
DitoAo procurador da corfta, soberana e laieuda
nacional, exigindo o cu parecer cerca d'um oflloio do
delegado do termo de Gnraubnns.
Dito Ao Esm. e reverendissimo director do onr
so jurdico de Oinda, pedindo informaran a respeito
d'um requerimento de Joso Lourenco Meira de Vascon-
DitoAo juiz de direito interino de Goiann, nppro.
vaudo o eu procedimento para com o cscrivao do res
peclivo jury Loiz Francisco de Paula llego; o intclllgen
ciando odeli.ivcriioineado. para inlerinamento substi-
tnil o, a Ignacio do Torres B.indeira.
Poriaa__i director do arsenal de guerra, d.ternu-
iiaii,|o, fJ?n|irdisposicaodocbefe de polica interi-
no 25 granadeiras do adarme 17 com o competente
oorreiame para o servioo da .ubdclngalnra d tereeiro
districto de Nasareth, efiOO eartuclios do adarmo 13 para
o da delegatura de icrinhaem.Participou-sc ao chelo de
polica interino.
DitaNomeando para upplentc* do tubdolegado da
fraeco da freguetia de Ipojuca, pertenecnteao termo de
Serinhaem : em 1 u lugar a Miguel Alfonso Ferreira;era
t. s Jos Flix da Cmara Piuientel; em 3." a beoto-
nio da Silva Vieira; oui4.n a Tbomai de Aquino Pinto
Bandcirn; em 5.' a Flix Jos da Cmara Pimentel; e em
O. a Antonio Rodrigues de Aluicida. Comniiinicou e
ao oliefo de polica interino.
s^-x ct =iar i3x-i -:. aBZzyassz
tXTEMO.
HKSPANHA.
Maihid, Vi maio.
Discurso pronunciado por S. M. a rainha D Isabel II
asesto real do encarmenlo das cmaras hespa
iihola*.
n Scnhorc enadoro e deputadoi :
Qiiantascspetaneas concebi, vcndo-vo reunidos a
roda do liten tbrono a abertura da prseme legislatura,
se teem visto plenamente realiaadas.
tt No t-spaco de poucos meies, com O telo e perseve-
raiicainoiilouvaveia, leudes completado muita o nu-
(lurtantca tarefaa, nlgumas das quae teriao bastado nou-
tros tcrajios para nbsurvera atteuQo das cortes.
.. A vissa primeira obra, digna de oeenpar Ud privi-
legiado lugar sob todos os aspectos, fui a reforma da
couittiiico; reforma verificada depoi do una discus-
Ite sabia o profunda, e aeolliiJa pela uacuo com aquello
reapeilu e confianca, que devia inspirarlbe o uceordo
do* upremoa podere do estado, oceupados em toi lale-
cereinclhoraralei fundamental da inoiiarchia.
Para facilitar a sua ececucao, estabeleceiulo a ne-
cessaria harmoiiia comas leis orgnicas, que sao como
o scu complemento, antoraaiiea oompetenteuieuio o
meii governoj pola que una recento experiencia linlu
coniprovado, que nao era fcil fazel o por Iransinille
mais lentos o prolixo ao inciuio lempo; que nao era
poaiivel, sem atarrclar gravissmos prejuiaot, nontl-
nuar em lamaiilia confusao e desordem a adminislracao
do cslado.
Confio em quo as leis feilas pelo mcu governo, em
virtudo dn autorisacao das corle, nao Ibes daio lugar
a arrepender se da sua coiihauca.
Dou- vo os tuais sinceros agradeciiucntos pela liba
raliilade com que haveis alteudidu dol.ic.'oi da uiinba
real cana o do toda ininba augusta familia, que tem re-
cebido tau attignaladni prova da vo*sa lealdade a uo
brcia.
a Alm das muitas e importantes leis que leetn obtt-
do a vossa api'rovacfio.j para cutnprir o proinettido em
solemnes tratados, ja para niclborar varios ramos do
servico publico, merece particular mencSo a relativa a
asas- iJsiaatiaa mui
SEGUNDA PAUTE.
Conliiiimcii do Capitulo AWA'/V.
Castreo nao responden. I.evautou osolbo para ras-
pa, e <-i.ii t i-iii|ilmi-n lilauotuao por limito lempo. Hnvia
I" feo olbar preoeeuparlo, deaeouftanca, admiraran.
eapvrladu nelle por lio poderosas voies, u passado llie
lolna no eoracao om ludas as suas recordaces, todas
I uas paitei, e o revueata do repouso, em que dormia
|a lanUlI auno, s borrascas de sua primeira ikistcncia.
J"lava porom visivelniente contra o tcrrivcl aisalto;
|eni era elle hoiueiu a ninler as nrmas, sem dar golpe,
pilladora curoada. que viera perturbar sua Thebaida.
He muito larde respoudco elle com voz Minia, e
einnis quem me assegurj de que sois incera em voso
Irdio arrependiinento ?
Se miaba real palaisa vos nao b.il.i, Ubeleoei a
1 !> niiiiirai', loniai as vossas caulellas i quanto a vut
freis ludo o que qiiiierde ser.
I Anda ha pouco, Scnhura, respondeo Castreo com
P serena, querieis seduiir-me pela lisonja, agora lu-
la amiiicao. Sabei que ns fibras do orgulbo e da vaidade
lorrrau em iiniii ha 1111,1(0 teiupu, e que niiiguoiu be
pdo, neni niesmo una rainba, laie-las linda vibrar.
. Vide fiaran.' 160.
Immulci, destru pcranle Dos, a minlia personalidaile
tuda inlcira; nao lenho mais desejos, na.....ecessidades.
Que vantagens pode ter o mundo e vos inesiua sobre un
lOtWem que redutio a sua villa sproporcoes que I 1111-
ibaOMtP lista gruta que habito lia lanos anuos, so
me abriga, c mal me abriga, do furor das tempestades,
lo volco e das lleves do inferno; algumas veles niesmo
j feras me lomao a entrada. Durmo sobre um kilo de
folhas; urna foute corre all para me estancar asedo,
e a fura o fructos da florestas, que sao de todos, toda
a miaba na Ir 90 consiste em leite dos rebanboa e 110
|iAo do pastores, quando ellcs ni'o do. Tal he a miiilin
vida, c credes que me deslumhrareis com o ftil brillio
das dignidades, das honras:' Kngauaste-vos, Senbora,
nao suu o homciH que suppunheis.
Sois o hornera que eu quizera encontrar e conbe-
eer ao subir aolhrono; ler-rae-heis poupado multas
fallas o oiuitas desgrajas. Su cortezaos aehei quando
procurei niinistroi, e todava, podis acreditar-a,
seinprc desprezei o servilismo; s estimo o genios alti-
vo c os OoraCOCS de lurte tempera. E porque lambem se
conservio desviado os grandes eeraeteres Porque dei-
jJo ellcs o campo livre a baixesa e mediocridade?
Por que a sua ultives repugna contender com taes
inimigos, a por que nlem disto o premio nio paga a
lucta. .
__ Soelles eescondem, como os hao de descubrir
Reparai que a virtudc lem seus eicesao quo convm
evitar, niesmo por virlude ; e o desapego nflo he per
uultido lodo u mundo. Temei vos niesmo calur no
egosmo aforra de abnegacao. Quaes quer que scjSo
vuaaos votos, e eonlractos com vosco ou com Dos, se a
vossa patria vos reclamar, ella perteneca como un fi-
Ibo peitenee a ua mdi, ios o dissestes.
__ Ah! pereetto, queme nao desdigo, c se por ella
fusse necessario inorrcr.......
Porque morreri" ervi-la-liei melhor vvendo.
dotarao provisoria do culto e clero, em quanto nao w
secura de urna maneira eslavel, c ao mes.no tompo de
corosa c independenle ; a?sim como a importante medi-
da da restituicao iKre,a dos bens nao vendidos ; dando
com isso o mais autlicnlico tustemunho de um espirito
reparador ; ao passo que se asseguro solemnemente os
intereses o direilos creados 6 sombra protectora das
leis, que em tempo algutn. uem sob nenlium cunceito,
sarao perturbados. ,
., Para coroar dignamente os vossos trabalhos, tendes
examinado enm proluo esmero os or.'amentos ilo osla-
do, fizando es despezas que elige o servico publico, e
approvando, para asattco.lcr, o systema de conlnliuicoes
que vai cslabelecer-se. s meui m.nistros se dedicarao
com o maior zelo a esta diflicil ernpreza ; .nt.mamenle
convencidos de que. sem estabelecer a dev.da ordem o
concert na fazenda e nos diversos ramos da adi.....islra-
cao, be impossivel quo descance em solido e eslavel lun -
datnento osocego o prosperidade do reino.
O met govetno reconhece com a devida (ratidao o
valor da autorisacao que Ibe tendos concedido para o
arranio da divida publica. Procedendo em materia tao
delicada, nao lera outro objecto senao os principios de
equidad e iusti?a. alliviando, quanlo seja posuvcl, o en
cargo que pesa sobre o estado, o que a boa l nao podo
deizar de reconhecer; poim abslendo-se ao u.esmo
t.-mpo do dar o menor passo que possa menoscabar o
decoro ou os interesses da nac;ao.
1 Fraternisando em vossas discussoei a liberdade
mais ampia com a boa leo o decoro, bave.s eito um
assignalado servico patria, assegurando o crdito das
nstituicoes. ao mesmo lempo quo tendes compreucndi-
do a necessidado em queestava a naQao assim como
todas as que se teem adiado cm circumstanciass idnti-
cas, de dar forra e prestigio ao governo, associando-so
ao grande pensamento do restaurar a orden o o sauda-
vel imporio das leis. evitando perigosas rcaccoe.
Gracas ao vosso procedimeuto, nao menos illus-
(rado que prudente, lem podido o mcu governo continu-
ar com bou xito a comecada obra, nolando-sa na na-
ci sensiveis adiantamentos que annunciau o quo pode-
r ser no futuro, quando so eleve ao alto ponto de pros-
peridade e grandeza de que por tantos ttulos be mere-
redora.
a So, com o auxilio da Divina Providencia, secum-
prir esto fausto pronostico, tao grato ao mcu coracao
em grande parle se vos devera a vos, que no principio
do mcu reinado, o n'uma poca tao deusiva tendes des-
empenhado lealmcnto o grave encargo quo vos confiou
a patria, fozendo-vos odores da sua gratidao e do mcu
aprei'o." ,
r (/'. dotPob. dtLuboa.)
Folhas at20 de maio.O boletn da jornada da la-
milia real ebega a 27. e nessa noule licava em Chinchil-
las, sendo no transito saudada com tudas a demooslra-
ces de amor e venerago pelos povos. Roncali, capi-
lao general de Valencia, esperava a rainba em Minaya,
limite do dii'ricto.
O duque do llianzarea sabio no dia 28 para Pariz.
Em Barcelona so descobrio uoia ,conspiraco, e lorao
presos alguns individuos que forao dus batallioes
francos
Ltn Madrid bavia bastante effervecciicia : o desfecho
dos negocios de Roma, vozes de conspiracoes carlista
e dos exaltados, as prises o medidas fra da rbita le-
gal, a exaltagto e intrigas do partido ultramontano,
junto com a sabida da corle, e una baixa dos lundos
que ia produ/ir importantes quebras, causava 1 grande
tr^mmmnv 1 rt it ~ niiisMtiii 1 n m w^- ,n r la-
.Nao vos rcenlheitei batante? Nao he tempo de vosma-
nifeatardet, e entrar de novo ua vida activa!' A parla que
vos eu obro, ella condiii. Tianspoiide-a coiiiinigo af-
fouto e valoro. Sera una vergonbl que Bqueis en-
tre os hiiinbrat's'; e nunca vos consolarieia disso. Quem
aabo ale se os remoraos 1180 veriao povoar-vos a 0-
lidio?
Balavfio ha algn momento invenidos otpapoit; a
rainba bavia pausado da defeta no atlaque. Castreo
ueui mcsiiio combata; eum a canec entre as raaos silen-
cioso ouvia; e quanto 111.ua irrrsolocao j sua attitude re-
vi lava, mais autorititiva e vehemente e 101 nava .1 voz
de Carolina. Lila recubrava, ou ao menos suppuuha re-
cobrar, ns vantagens que perder 110 comeen. Demais
ella era sincera com sigo mesilla, e nao aalur.iava cun
Castreo ; procurava nello verdaileir.iiucnte um alliado,
e nao mu deases instrumento que se quebra depuil d
servido.
.Senluna, disse elle em fin erguendo a cabeca,
tendes vos beiu rclleclidu as promesia que me fil-
iis'
Nao iimentc as tenho pecado, antes do as propur,
mas cnlcndo cuinpri-las fielmente depois du victuria.
Dos o quena respondeo Castreo com ar des-
confiado.
11 tim.1111 incrdulo r\i-lainuii a r.wnli.i com ini|ia-
eieneia; o que he preciso cutan para con vencer-voa.'
Ja n5o duvido da lealdade de voa> prometa,
mas duvido que Ibe tenhais medido todo o alcauee, e
punco espero de proraestas feitas com leviaudadc. Voa
fallis de dar Sicilia una conalituiffio livre Os lugle-
es tainbem Ibe derAo una, lie a dellcs, ou oulra a que
leudes meditado ?
Nfio ineditci iienliuma, ois vos nicmo, vos, Cas-
toreo, quo a redigirvis, c quando u bou verdes redigidu,
quero, ouvi bem, que ejais vos quo a executeis, e des-
de agora vos nomeio racu primeirv ministro.
agiUeSo no povo madrileo: espalbou-e queema
nouto de 28 estivera a tropa em armas, porm parece
que so estiverao em quarteis algumas companbtas.
O arcebispo do Tarragona, que e achava em Roma
por nao querer jurar a censtiluicSo. e obtiveri breve
pontificio para o governo da dioceso, sabio par He-
panha, recehendo grandes provasde sympalbia econsi-
deracaodu ministro Castilho e Ayensa.
dem ale 2'i de maio:
No dia 22 nao pode ahir a procssSo de Corpus Clirn-
ti, em ooniequenoi* de ohover multo na occn.ia cm que
eslava para sabir, c porque o palriareha da Indias lex
prseme rainba, que, segundo o ritual, nio se poda ve-
rificar a procissao ebovendo. Entretanto Btnrlo-M ua
ollicios divinos n que nisislio n familia real, a corle, os
altos fiinccionaros pblicos, corporaci.es, o um grande
iiiimeio de peasoas.
No dia 23 puhlicuu-se n'um supplemenlo a Uaz'ta di
Madrid a constituir. 10 reformada, e sanecionadn pelo
tbroiio. Algn jornaes ncho cxlcuiporanca cta pu-
blicafSu, sobre ludo nlo se lendu discutido a le elei-
toral.
RUtO mesmo dia verificou-se eom grande pompa e
explendor, o enaerramenlo daa corle*. 8. M. a rainba,
aeompanhadn de auas augusta mai c irma.dirigio-se ao
I alacio da corles, n'uui rico coche, seguida de um bri-
Ibante sequilo, por entre as alas da tropa que seapre-
sentou 110 motor asaeio, e por um numeroso concurso
quo aeolheo S. M. con lodo o enthusiasmo. SS. MM. e
A. forao tamben ncolbidas com viva domonslrarOcs do
regoaijo no sallo do congresso.
A rainba Cbristinn, e a infanta D. Luiza Fernanda oc-
ouparao a tribuna da dirciln do tbrono.
Depois dolido o discurso do rncerramento, que fui
presentada a S. M. pelo presidente do concedi do mi-
nistros, deelarou este, cm nomo da rainba, ficar encer-
rada a lei'slnlura de 1844, na confuriuidadn da eouli-
luieao
SS. MM. A. paurlo enmguda ala da conle-
rencas, onde acceilrao um refresco que lhe eslava pre-
parado, o depois iclirrSo-se ao paco com o mesmo ce-
remonial.
Na tarde desae dia houve na nirsina sala da conferen-
cia um esplendido banquete para os senadore c di-po-
tados.
fio dia 24 parliro SS. MM. e A. para Barcelona, endu
acompanbadas pelos niinislros c autoridades. SS. MM. U
A. derifio pernoular nee dia cm Aranguez, o seguir de-
pnii o iteneraria marcado.
Sr. Martinc de la llosa nao acompanliou SS. MM. ,
por se tobar enfermo.
Contina u imprensa a oceupar-au com a concordata,
ou convenio viudo de Huma. Diz-se, que o governo re-
metiera a dita concrdala para Ruma com algunm ob-
servaces, enilo portador della um ofiicial de secreta-
ria. Outro* asseveriio que anda nada se fez, ccontinuao
a aapalbar que existe acrUe ministerial, c quo o Sr. Cas-
tilho c ajenia ser demiltido.
Parece que iw ultima aeiiao da cmara do deputado
se quera apresentar una prupoala, pira se dirigir una
meniagem I rainlia, manieiiando-lbe que 01 deputado
da naeo eonfiavao em que o governo, no inlervallo dn
legislatura, velara iiccvaanteuiciito pela defenaa dasina-
tituiCOCI, e pela prerogalivas do parlamento e do thro-
tiu ; o que nao se fez, por nao se tereiu presentado o
ministros a lempo.
A GazHa de Madrid diz, que os ministros nao ac aprc-
tentarao mais cedo no congresso, por julgarem que nio
se tralaria dnquellc assuni|ito.
O infante Francisco de Aasis ehegou a Pamplona,
e fui magnficamente hospedado pela muiiicipalidade.
0 capillo general e n oflicialidado o fui eomprimentar;
ea DOUlO a msicas dus regiiaento da guarnir.'10 Ihcdc-
rfiu una sereuuta.
Ahi temos nutra pronicsa temeraria. Ao ineno
devieis esperar, antea de vos obrignrdcs, que eu ficsse
a uiinha profissJo de fe politica. Nto sabis quae ejio
iieni raioba deias, uem nieu principios.......
Sei qunnto basta, para nao temer o que ignoro,
vos queris que vossa patria seja livre, o cu lambem i lio
inipussivcl que nos ambo nao realisemot ela vonlado.
TendeOOnfianCI cm im, poisquu cu a tenho em v.
Uh Scnhura, nao se trata de urna questaw de con-
fianca, csiin de principios. Para marchar na racima sen-
da, he preciso dirigir-so ao mesmo pomo; e sao por
ventura comuiiins uossas ideia acerca da sociedade,
para que pouliamu em commum uossas esperancat o
iiossos esforcos. Talvez acreditis que aferrado a urna
turma exclusiva de governo, eu va perder-rac em theo-
ri.is, em parallelo. Desenganai-voa; vi correr inuito
8.iuguu por amor de palavras, vollei para a cousas os
cilios e o coracao; as utopias me tornarao pratico, o
despreio dos simulacros le elevou ao culto da realida-
des. Quero para os bonicos uuia ventura sensivel, di-
reilos positivos, c nao direito* illuaorio, felicidades
imaginaria!, Quero que asoinma debens quecompurto
as diversas classes seja dada com cquidade cada indivi-
duo, c que todo, cada 11111 na sua situaran respectiva,
teuhaii o livre excrcicio e o emprego normal de na t.i-
culdades. Quero o desenvolvimento progresiivo da rara
pelo do individuo; quero em fim a harmona o a paz, em
(M da guerra e da uo.uolna. A sociedade he urna grande
familia, que nao pude prosperar sem que proaperem to-
dos os M.-iis membros. A pobreta de um s empobrece oa
n.-iroa. Os mais velhos deven soccorrer aos mais mu-
cos, os ni.ii lories aos mais traeos; todo* edeveio re-
ciprocamente amar, njudar c proteger. Eisaqui oque
duveria ser eo que nao he ; por toda a parte be deseo
nuccida a le da iialurcta, e a forca tem fundado cm ba-
ses olidas o reino do privilegio. Una poucu* tem usur-
pado a heranra do lodua, o nnlla c miiitei pul ii'.u lia


2
O Sr. D.'Luia P.iradella, genlil-hnmem 0 anligo in-
tendente da rainha I). Chriltint, e ltimamente admiiiis-
i r.nii'i- ,|,i caea Un infanta 1). Luizn Fernanda, tuicidoii-t
, i, ;;,, 11.-, 11. Ji >- s"' o ni una uarallia du barbear. Atlribuc-
sc ktc suicidio a, aliewicfiu mental.
(Unn.)
Iili'in ale27 de maio. Parece que hs-via grande di-
vergencia entre o preaiclentn do ministros o a rainha
Christina pnr ruin doa negocio de Itum.i. 0 artigo di
Rindo do fiV.i, o he anieacadur, 0 pretende encinarai
orea de que lia um partido <]'io nao mina o jfovcr
mas medita um golpe d'es'.ado em sentido absolutista.
Anda que este rumor 'diz o Heraldo nao tem o m-
rito da (iriginalidade e lie nula desgasta |ii'lo abuao que
lella tni feito os partido!, toinuu cale diai mais cun-
aiatcncia pelas curaplicacoei aohrcrindas n'uma quettau
importante, o corare a chamar a attenco das pessuas
gravea eicnsataa....... Tem-so fallado de influencias ae-
cieloa. de projecloa liberticidas, de reacco inininente,
de tendencias ultramontanas, de absolutismo, de teo-
cracia, e todas calaa phrasus leem adiado certo echo un
opiniSn, e suscitarn mi fim oa recejos de que fallatnus.
.......... Naa presentes circumatancias nada haveria que
jostificaase aemelliantea intentos. Sendo digno de untar-
se, que oa ineamoa dinrioa progressistasonde teem cabida
cases temores; sao oa <|iie mais se qucixu do predomi-
nio do poder a da debilidade dos obstculos que cmha-
racao a sua marcha. Que objecto teria um golpe d'esta-
du em circumstanciaa comeas pinito os uoaaos collcgas,
n como poderio jiiat;ficar-so nos ollws du pniz c da
Kuropn? Onde acharia quem o alentaste doceis instru-
incntoa dna seue planos'.' Nao, Dio eremos que devao
abrigar esses reeeioi os que sinceramente julgarom a i-
tuacau actual.
A rainha tinhn ido pastar alguna diaa a Aranjiici, c no
dia 'I baria de partir para Barcelona : a 2o chegou
Aquella real sitio o presidente do concclho, coni o prin-
cipe de Cavini, ministro de aples. Altcrou-se o ic-
ucrariu, por havcrcni becbigas em Quintauar da ordein.
Ilavio-se tomado em Madrid ilguiuns medidas arbi-
traria! contra a imprenta da uppoiiCto : Jos individuos
que se suppunho escrever para o Clamor Publico, Cor-
r.idi, a Pere Cavo, posto Dio era ncnhuin dea seus tres
redactores por taca reconhecidos, fnrao presos na ma-
ullan tic 'i.i. condolidos turre das guarda de corpu, e
no dia seguinle sahiru cm una oairiingcni escoltado
para Andaluzia !! A redaeco p>|blioou un supplenien-
lo, queixtndo-te amargamente dette proeedfmento I-
Ingal,
No dia 2fi forao recolhidua os c\emplares do l'sjiec-
taJor, c miili h|,i em 120,(100 rs. por haver desobede-
cido ordem de aprcacntar niti exeinplar no governo
poltico tres horas antes da publicacJo, conformo a nova
le da inqirensa peridica.
Parece que a rainha de Portugal conccdco urna pen-
sio de INI) rs. diarios a D. Tberea Hueaa, viuva du um
ollicial hespanhol enmugrado por motivos politices,
residente agora em Lisboa.
Katava-se Irabalhaudo na liuha de telegraphoi de Ma-
drid a Bayona, ha de aeguir-ac a du Lisboa, e depoia as
das capitaes de provincia.
O Heraldo dcsmeiilc a noticia de ter sahiilo para (lo-
ma un nilicial da sacrctaria dos negocio eslraugeiros.
Segundo algn peridico, fui tambein preso Prato,
director que foi do Patriota, sahiudo con: destino Au-
dalotfa!
Foi nomeade chefe poltico de Madrid o ev-depiilndo
Adela, pastando o general Concha que BXeroa esse car-
go para segundu cabo de Se ni ha.
Martinei de la H m nio acompenhi n rainha a Barce-
lona, dizem que por se adiar cnnvalcscciile.
O Heraldo diz que, apezar de ler o capitn general de
Madrid de ir a baldos, nao o subslilue o bario de Mecr,
na -un o chefe poltico.
0 general Ilclly parti para Scvilha; vai substituir o
general Warleta na capitana general da Andaluzia.
I'olhas ate ,'!1 de maio. A rainha linha ficodo no dia
O* em Almanta,
A crise da bolsa de Madrid comecava a paasar ; j oa
.'! por cenlo a contado ficavao a 334 de .'"'. a que che-
garlo,
('ralo nao fui conduiido a Andaluzia, mas eslava pre-
so COI ana casa. O Clamor Publico do dia 30 foi recolhi-
do e denunciado a o jurado.
O governo rcmetteo ao supremo concclho de justita
h breves que proven) sobre o governo dcqualm dio-
ceaca, pan que consulte se devein receber o benepl-
cito.
O governo ex pedio duaa circulares aobre ordenac.net
eccleaiasticaa <\'c,
U infante 0 Francisco presidio ao capitulo doscaval-
leiroa de Santiago na sua funeco do oitavario do Sacra-
mento na igreja dos Coiumcudadeiros, assistiiido suas
fdhas n'uma tribuna reservada.
Todoa catea das corrern rumorea sobre tentativas de
alterar a ordem. (.luana teira ale ae disac (|uc nos B.ii-
roa-llaixoa ae havio reunido alguna grupua. IJoe ae
conspira, que ltimamente ae tem fcito em Madrid ea-
PufCoe detetperadoi para alterar a Iranquillidade publi-
ca he eertn ; mas lambem o he que o governo e suas au-
toridades eatao rnuilo alerta, c o excrcito decididido a
escarmentar oa conspiradores.
A Posdata, fallando a noute paaaada disto, diz o ae-
guinte
Antes da noute se reunirn algn ropos de paisano
arinados.conimsndndoa por o II i ra es que se achao separa-
do d>> quadro do exercito, nao no ilairroa-liaixo, na
em diflcrentes sitios i|ue se propiinho era dar um golpe de mi, edeo mili-
to trabalho ua pcaaoai influeuiea du partido progresba-
la, (|uu acudirn aeiilar cala tentativa, conseguir que
IB diaaolvcaaeiu oa grupo reuiinciasaiMii n leu propoai-
to, l'azendo- Ibes ver o nio fim que nucesnarianicntc de-
via ler.
(Do Hrraldo de 30 de maio.
epela violencia ; aos oulros lucou em partilha a miseria,
a ignorancia e com tilas todos oa males, lodos os erres,
iodos o vicios que ellas produzem. Desbordado ao
inesmo lempo doa bena da intclligencin edosbuuada
natureza, uao aa forcea phiaias ciuduro, ingrato e in-
cessanle labor, c o espirito, eaau priuiciro dom, se Idea
entorpece por falta deexereicio, e se atropina como um
orgo intil e seni emprego ; isto he, em vez de ae ele-
varen) Deas aubre as azas do peuaamento, como he do
dcatino do hoiuem ueste mundo, rolo de queda em que-
da ate aos lo ui.ios inatincloe da animalidadc. Impa de-
cadencia! Abdicac.an sacrilega Kis o que he a socie-
dade, tal qual a fiero as ioslituiroes humaiiaa. Credea
voa, o rainha Carolina, que pretndela na qualidade de
mageatade, repreaentar a leo aubre u letra, credo que
o plano da Providencia (ciihao sido seguidos, e suas
vistas ureenobidaa? Nao, Senbora, nao, vi au u pen-
sis, e ae o pcnaasscis, nao ouaaricia confeaaa-lo.
Vos me mostris na verdadu o nial, mas o reme-
dio?.......
O remedio eata aemprcao lado do msl, i nos per-
tcnce deacobri-lo a fim de applica-lo. Para ialo basta a
reclidao do comean, c a boa vniitade.
Mas enifiui que queris quo eu laca ?
0 contrario do que hieran vossoa predeceasores;
o brando aaaim estarca no caminhoda verdade.Ate liuje
a realeza ae teiu posto i testa dus oppressorea; pucha ae
ella uina ves testa dos opprimidos, e verei que pro-
digios far. Nunca manir espectculo icra dado ao
mundo.
Mtso que vs queris que eu leute, he una revo
lufio.
Eisa palarra dos aniedronla, porque? Nao eita la-
do na iiaturea tugfito s lea das revolures lia revo.
lucea do sol, doa astros, das estacos; como njo teria a
sociedade lambem as ma ? 0 muiimenlo he a le da vi-
da : tudu se move, ludo marcha, tudo muda ua creacio;
CORTA DO SOL.
He escuiado dizer que [o pailel italiano, ou Ihe chi-
men) convenio, e a bolsa oceupo toda silencio, todas
as coincrsuc 's e pensamenlos, e como consequencia
necessaria dos Tactos, a crise ministerial. Vamos dar
conta aos nossos subscriptores de qusnto se diz sobre es-
tes particulares, e fazendo-o debaixo da epigrapbe
Porta do Sol, bem se sobo que no garantimos senao a
verdade do que se diz, porque nao inventamos e menos
accresccntamos pastel italiano. Affinna se que S. S
reconhecc a rainha ; que a respeito dos bens nacionaes
vendidos, que saridrd os compradores deltas (sem duvida
das cliagas do anathema; logo quo so indemnise de suas
perdas o clero dotando-o independen lo e abundante-
mente &c. Dizetn quo recommenda consciencia da
rainha o reslabulecimento do algn convenas de ira-
dos, e dizem que o pastel conten oulras muitas cousas
mais ern 15 arttgos ou capitulo dirigidos ao rustabele
cimento das cousas no estudo da ultima concordata de
1795. Accrescentao (especialmente os carlislas) que
papel A perte e reservado propoe e elige, o casamento da
rainha com o filho de I). Carlos, eomo preliminar para
regular ss outras quesloes. Suppomos que liavcrA erro
e exageracao em quanlo se diz, u assim fcarcinos na
incerteza o duvida, al que os peridicos esltangciros ou
os absolutistas pubhquem o convenio, cujo ridiculo
augmenta com o segredo que se guarda aqui de cousa
que a estas horas (era publicado a imprensa eslrangeira.
Di/cm que os ministros, logo que recebciao o pastd,
sentirao a indignHCo propria de peitos bespanboes. e
determinarao separar ignominiosamente o Sr. Caslilho
da sua cominissao, e emprehender nova e opposta mar-
cba com Homa ; porm que depois su es!riur5o os ni-
mos, deo-se voltas ao pastel, e se pensou em ac'cres-
centar-lbe alguns reparos para nao desgostar o santo
padre; isto be; que se escrevera urna nota.
Iliiiiioin noute houve u:na reuna > numerosa de
deputados no salo de ennferencias do congresso ; qui-
zerao alguns que se enviasse urna comrnisso ao gover-
no, oulros pediro que liouvesse sesso boje dirigindo ao
presidente um olficio que sassign&rao 19. Maoiles-
t&rao os Sis. Salamanca, Surtorius, e oulros, que a
cousa nao tinha a importancia que so 1 lie dava, nem
bavia que lazer cousa alguma, entendendo que esta
opinio era o do ministerio ; e nada se lez. Alguns
accusaro de erro os ministros em seu comportamento
com' Huma ; oulros disserio que o erro eslava em nao
baver adiantado mais e mais uosentido apostlico...
I.olivado soja Deosl
A bolsa condnuou boje o seu movimentode descida
um pouco mais accelerada. Allirma-so que ebego a
1 milboes as operaces pendentes a liquidar em dous
me/es, nos quaes urna baixa de "> por cenlo faria urna
perdade^l rnilbes de.reales (di millioe de cruza-
dos) aos compradores na subida, que nao deixaria de
arruinar muitus. Dizem queso appresenlrao ja na in-
dicaban pelo valor de '2 milhes de reales de ttulos
que nao lorio procurados nos seus vencimenlos, e que
uiistem crescidas poites no inesmo caso as caixas de
iquidaeo. Indicao-se pessoas que leem compradas
quantidades, cujs dillcrcnea de preco relerida be mu
superior sua fortuna: se annunciao lamenlaveis des-
granas.
Como consequencia de ludo suppe-se crise ministe-
rial, llizein uns que sera substituido o Sr. Mayans
como principal parle no pastel italiano; oulros allirmao
que o gabinete mudara de poltica com liorna; oulros
quo lambem sahirio do ministerio os Srs. Martnez d-
la llosa, l'nlal, eMon;c alguns que llavera tnuJanca
lolal de ministerio em sentido Villume. Ha tres das que
se propaga a voz de que o Sr. Salamanca ser nomea-
do ministro da fazenda, sem duvida para sanar as fu-
ndas da bolsa. Dos sobre ludo.
( Do Lastelnano de 1!) dt Maio. )
(Perioatco dot Pobres no Porto.)
INTERIOR.
SBatauBvan
a imiuobilidade he amorte. Ali que ae v* quizeaaeia,
sonhora, t'arieii da uussa Sicilia o Estado modelo, em
que n'outro lempo aonliei. Os chiinerico reino de S-
lenlo acriao por ella eclipsado; a tico.ao uiestua desbo-
tariaa vigiada realidadu, Vos u podis, auuhort!; e que
gloria para vos, ae fotieil a piiineira a dar ao principes
tale grande, este sublime eveuqilo I O auprruio poder
voa he confiado para a felicidadc doa humen, e uto para
o seu llageo; ponde o poder ao servico da justica, ea
juslica enihin triumphai, eaa maldicoes dos |io'vna ae
imcarao para vos em bencaoa, sua gratido vua erguer
eslaluaa, quaai aliares; circundado de santa aureola va-
lo noiiie brilliar com lodos oa eaplendores da imiuiirla
lidade. Muguificn he a recompema, fucil a laref.i Para
f.uer o bem, privilegiu nugualo bsala-vos querer. K
como u n,io querercia vua r Sedo jusla, sede grande,
sude a rainha da liberdade, povo caa na etoraeidiu,
liberlai-0 ligai-lhe as feridaa, diaaipai aa es|icaaaa tre-
raa em que ja, reslilui-lhe, dai Ihe o senlinientn do seu
direito, da sua diguidade, convidai o lodo a esao divino
banquete da iulelligcneia, de que acmpre fui excluido,
e de que ciufim he lempo que elle participe por aua vez
Para isto nao ae neeetsiliu nem uxcreitoa, nem palibu-
lot{ dizei amcuio : II.,ja luz o mu novu sol ae elevara
aubre a Sicilia; e u larva popular, quebrando ogroaac-
ro envollorio, excculara ana brilhante niethaniurphuae.
Taitas encontris ao principio reai.tenc da pariu dot
meamos que quiz.crdca saltar; tal he a sua degradafo,
que nem deaejao rchabililar se; nao duaaiiimvia por ca-
ses jirimeiroa obstaouloa; pelo contrario, peraeicrti; la-
ni, e for preciso, una ahilar violencia ao en termo para
rratilui-lo a aade : ee beijara dejioia a iuAo que o bou
ver ubrigado a cuiar-se. Sao estes, sendera ot nieus
principios e as minhaa eaperancas; prouvera a Deot quo
rosten) lambem na m, !
Carolina ouvia Castreo com seria alinelo; parecia-
lic entrar ciu outro muudo, Mo novas para ella crio aa
RIO DE JANEIRO.
O KEI.OUIO DA CAMAI1A DOS DEPUTADOS.
[Correspondencia reieivada. Correio da corle.)
Sf. Sentinella.Depois que passou n'esta casa o re
gimento commum, os patriotas ganbarao a partida :
nem sei mesnio porqu anda se malao com a dscussio
do parecer especial : confesse, meu amigo, que foi urna
carimba bem jogada Di/em-me, que o Junqueira,
quando tal vio, dco um pulo de contente, e louvou o
paree i ro Antao por assim baver salvado esta roo de
empenho. Que importa, que no regiment) hija o arti-
go 12, ou nao baja cousa nenliuma a respeito da ques-
lao ? 0 regiment, ctmarada, hade ser entendido co-
mo lr do agrado da soberana cimera dos deputados.
Aflirma-me o Saldtnba ( que j nao anda lio aris-
co commigo) que tudo se ba de arranjor em santa paz :
o Jos Carlos tem suado camisas para compr os liti-
gantes, e chegou a conseguir o seguinle : 1., os
sonadores votarn que ao senado compele o direito de
recusar lusoes, quando requeridas pela cmara dos de-
putados, e vice-versa ; 2., Iiaver urna nova votacio
revogando a anterior (Teita de sorpresa!) e admillindo a
fusao sobre as iif.Cvs ; 3.", os deputados approvaro as
emendas do senado, menos aquella, que exige 12 an-
nos de magistratura aojuiz de direito (lambem era du
mais!) para ser desembargador. Assim lica tudo arru-
mado, e nio ba razio de queixa. D porm quaren-
tena ao negocio, nao acredite de leve ; porque de hora
em bora Dos melbora.
Fallou liontem em primeiro lugar contra o parecer da
especial o nosso Penna : tedio minbas suspeitas, que
alguma se anda tramando contra o ministerio ; e se me
nio mente o ceracSo estou quasi dizendo, queaquelle
Limpo ainda ha de fazer alguma de arrumba. O Salda-
nba nio so fia n'elle. o dizia-me anligamente, que o
Limpo he un ha e carne com o Honorio. A lingoagem
do ligitioso n'estes ltimos lempos augmenta-mu as
suspeitas.
Depois do Penna tocou a palavra ao Urbano, que to-
mou a larefa de defender o parecer da especial, do que
be membro. O .N unes Machado tomn lugar ao p d el-
le, para incital-o com repetidos apoiadus e multo bem I
para lembrar-lhe argumentos, para commenlar os pe-
dacinhos de ouro do chefe da praia, finalmente para res-
ponder a interrupcoes, que por ventura ousassem fazer
ao novo Pico de Mirndola. Foi um discurso a do ;
alguns comparirao o Urbano com oboneco de engoncos,
e o Nunes com o menino, que Ibe puxa o cordel. O
Urbano mostrou com grande turca de lgica, que as
leis sio feilas, segundo a constiluicSo, pela tssem-
bla geral, e nao pelas duas cmaras. Este argumen-
to tinba esquecido a todos quintos at boje teem falli-
do ; e ulliiq que he de entupir l'ois se as leis sio fei-
las pcli assumbla geral, nao fica duvida, que o senado
be obligado i fusao das cmaras, e que nao vale 10 rs.
a opiniao dos que dizem, que as leis devein ser apresen-
ladas sanecao pelo voto do ambas as cmaras. Esta
razio o a outra tirada da ordenacio do reino convenc-
rio-me perleramente. Ora, diga-me voc, como se diz
quando a sentenca vai ser ejecutada, e he intimado o
vencido para pagar dentro das tithorasi' Ande, scVen-
tinel/a ; nio se diz requerer pela sentenca? E por
ventura quando se vai requerer alguem por urna senten-
ca, esse alguem pode anda entrar em duvida ? He
dente, ou queixo ; pagar, ou penliora. Depois d'islo
nio ba mais nada que dizer : a constiluicio explicada
pela ordenacio do reino fica lio clarinba, que be ines-
mo uma maravilba. O senado nio consultou a ordena-
rlo, estou certo d'isso ; do contrario nio teria dado ta-
marilla cincada.
Tordo fallado o Urbano, (oi a palavra bater porta
do rhetorico Moura Magalbaes, quo lallou latim e ita-
liano. Diz o Muniz Tavaret que o italiano pronun-
ciado pelo Moura parece-se muito com o allemfio,ou
com o russo : o Muniz Tarares sabe da cousa, porque
esteve em liorna, e all aprenden a lingos, e adop'.ou
todos os costumes italianos, sem eicepcao ainda a mais
pequenina. O tal rhetorico bracejou como um telcgra-
pho, enthusiasrnou-se, grilou, protestou que sabia fal-
lar portuguez, e finalmente concluio o seu discurso re-
petindo as palavras de um celebre ministro da Grecia,
chamado Costeleta, ou Coleta.
I enlio muita raiva quanco lallao os libios, porque
sempro repelem nonies atravessados, que nao outo bem,
e que s vezet troco por outros. I'en-ci que o Moura Ma
galhaes einprebendesse a viagem Polonia em busca da
constituidlo poloneza; mas nio, conlenlou-se com ir i
Noruega, como Ihe tinba indicado o Jansen, a quem o
doutor cedeo n'esta grande questo.
Tambem so servio da significacio etymologica da pa-
eousaa que ella ouvia. Seulia ae cnmmovida, arrutada,
abalado, aeno convencida. Esse papel de rainha popu-
lar, que a conviduvo, aorria sua audtciuaa unagi
II a cao; lisonjea va o aeu genio inquieto, o as suas viugau
ca do momento. Castreo exprima ae cora forca e fu-
go. Tito impassivcl no comeco, luha elevado gradual
incnlo a voz eloqueuuia, ao enlhuaiaaiiio Aa paixoea
do tribuno lidian feilo exploaao aub a luiuea du eremi-
ta. Arrebatado por ellas, tallara como Savonarole ao re
Carina VIH e Luurcncu de Mediis.
O' rainha da Sicilia proseguio elle em lom doins-
piracao, pcrguntaalea-iue <>a vosaoa deveres, eu vo-lm
indiquei, o vo conjuro a deaem|ienha loa; como cccle-
aiaalieo, ordeno v o -l em no me de Deua que morreo na
cruz para libertar oa huiuena, e fundar cnlre ellet o rei-
no da igualdade; a cte meiu tendea, maa lio infallivcl,
de.obler grafa em toa piuaenca, e do evpiar aena olhoa
oa eaeaiidaloa e crueldades do vusa vida; he a penitencia
quo voa iinponlio. Como honieui, como cidado, conli-
iiuoii elle com eiuoco o cahiodii ana pea de Carolina,
aupplico vos de joelhoa que deis a liberdade, mas liber-
dade verdsdeira, eata nobre c desatornillada Sicilia,
driuida ante no coiuu oui Chriitu em ana mortalha.
Eu u juro i oanle ua humena e peraule Deoa rea
pandeo Carolina eaicndendo oa bracea aobre a Sicilia.
U eco recebeo u vosso juramento, Amaldigoadoi
aejo ot perjuroa!
Neale momento uma capantoaa ddonaco, aeguida dr
segunda e terceira, abalou a monlanha ate oa aeus Ion
dainentua; o aolu treineo-lhet debaixo dot pe, um jorro
iinmenao d'agoa fervendu su eacapou da crtera, e ca-
bio em chuta em Ionio dellet.
' Acabimoi du receber ambos, continuou Cattorii,
o btptiaiuo de fugo; o volean abalou se ao juramento
que prettailet; ot proprios elementoa lotuau parte na
liona couapiracle. Nu eaquccais jamis cite solemne
juaamento.
lavra requerer, oquedisse ser procurar segunda tn.
j v vor, que o acbado do Anto V8 sendu aproveibj^
do. Disse o Mcura que a conslituicao, terviodo-ie u",~
te verbo, epritnia-sn com a maior propne,L,| "
a phrase que se far no senado tira .,..! j^
dts ; porque nao be smento a indicacao du lugar, njjj
explica, que a cmara, a quo se requer a lusao, n0 p,,.
de deixar de annuir o ella ; e finalmente, que o inj.
ment da vantageni do pro|ectu loi dado so eunnamm.
le A cmara recusante.
Pretendeo o presidente, ou ex-presidente do !&,,.
n'fio, que a intelligncia dada pelo senado ao artigo (i
era una grave injuria ao poder moderador, que con.
corre com a smegao na coneccio das leis. Este argu.
ment, queem meuconceito heodiosissimo, nao tem
a Orc, que Ihe deo o Jinien, acolyto do Moura n'm,
questio, o qual hradou lora de si enthuiinmido:-.lno
be que he argumentar Ora, venhu c, meu doutor
dig, porque he injuriosa ao poder moderador a ibW.
ligencia dada pelo senado ao irligo em queslao?-.
Porque teme ser vencido na lusao, e desconlia que o pn-
dr moderador nio tenbi o necessario criterio para dei-
xar de sanecionar a lei, que passou contra o seu voto, -
contra o interesso publico. Se he assim, te be ess0
ponto injurioso, a consequencia beque nio bi necesij.
dade de duas cmaras, que examinen) e discuti isler
o poder moderador seria suflicienle para corrigir oter.
ros, que commeltesse a cmara deliberante; ealim.
mo esta poderia deixar de ser tal, porm menmenia
consultiva: se he esse o ponto injurioso, ha injuria, sen.
prequeuma cmara rejeita o projecto de lei, que jal
approvado pela outra ; porque tambein desconfia, qj,
o poder moderador nao tenba o necessario criterio pan
deixar de saccional-a. Veja, dr., veja os absurdos a ui
d lugar essa sua opiniao ; absurdos, que nio podio
deixar de apparecer-lhe, quando a medilou ; econti.
nue a analysal-t, e ver que de consequencia em con.
sequencia, dr., voc ebegara al ao absolutsimo puro.
Entretanto o irgumenlo tem um grande prestimo ; di
lugar a algumas invectivas contra os adversario, e apre-
senta-os como inimigos declarados dan prorogalivasdi
cora. Sio peloticas da poltica. (Tuindoo Jansen gn-
tou : Isto he que be argumentir o Moura des-
concertou-se, e acreditou, que tinha dito grande par-
voice.
Leo este orador um livrinho que tirou da algibein,
dizendo que era a constituirn. .. nio be a poloneza...i
constituirlo de Noruega ; o leo um irligo que, pouco
mais ou menos, diz assim:-Quando uma cmara..(heua
nomo que acaba em mj' njntar um projecto de leda ou-
lracamara(lambem acaba em tny ;Iiki'mk-sk -ii \ oSloi-
tiog.e o projecto ser lei, se dous tercos o approvarem.
Esla nao pega : se a consliluicao brasileira quizesseo
mesnio, dira, em vez de poder requererreunirse-
ha a assemblea geral.Bem v que uio ha id ninl-ii-
na redaccio de ambas as leis: e se a constiluicio pola-
neza nao be mais lavoravel, b visto quo s ba identici
ideia da lusao ; mas o processo he totalmente difierente,
Depois da leitura do tal arligo.o Moura Magalbaes ml-
ico outra vez o livreco na algibein, e ninguem mais I
pOZ OI I LUIOS.
O dr. lirn muito /aneado por ae dizer que (odai
questio se suscitara por interesas partcula a ; cSmpi-
rou-a com a outra que tinha por fim impedir os magii-
(rados que fossem deputados; e disse quedomenno
modo se podia efirmar que a votacio n'aquella occati
tivera a mesma causa. Aqui chamou elle com granito
viiii'.s o Conculves Martins, que nao eslava na casa. Or,
islo he torra de m.'io genio Aqui vai esla resposli el
segredo : alguns dos que volrio contra a emenda di
instincto nao liverao outro lim mais que o interesso p<
licular : pois pensa o Moura Magalhies que o amorl
constituirn causou esse Iraccionaniento da patriolitil
maioria ? Engana-se : o interesse individual concorrei|
rnuilo para a victoria quo entio alcancou a constituicioj
assim como ba de contribuir agora para a sua derrota. I
0 art. Cl be o correctivo ao grande poder do senado J
e porque o Sousa llamos haviadilo que essa corporacaoj
nio linda outro correctivo que nio losse sua propria or-l
ganisacao, o rhelor cu chasqueou d'eilu, cbamou a esill
opiniao Iheoria nova, e invocou os mestres da sciencii:
ocaso ia-se tornando feio, o Moura podia pensar quel
inda eslava ensinaiulo rapa/es. e chamar opobredort-l
bula de Valenca a bolos. Nao ha poder no estado qual
nio tenba seu correctivo he opiniao do depulatlot
quem me oceupo : se eu fallasso, dava-lbe o meu o^ir-l
le, c perguntava- Ibe onde acliou elle correctivo au po-|
der moderador.
Fallou boje, quinta-feiri, o (7o do Alves Machado. I
Nio prestou : todava sempro ba que dubicar no discur-l
so d'esto escorio, quo nio he poltico da bulla das cr-l
cumiranciai, mas jugador, c laz jogo conforme as car-I
(as que Ihe dio. O cx-preiidenle do vinho e tnarmi-l
Anida que a i linha nao los.-e auperaliciosa, nn dei'|
xoude sentir um arrepiamento, o o espanto Ihe einbjr-
gou por aigiiin lempo a voz
Castreo, disse ella elllfilll depois de algum lem|"
de silencio, o pacto eata concluido; cu acceilu a v. '|
condic", vos ICceilail ai minhaa, tendea a uiinhl pi*
vra e eu a vossa; d'ora em diente noaia alliauja he de vi-
da c morle.
Em quanlo cumprirdes vnasua juranienlos
K vos os viissis
Eu nada jurci, aenhora respondeo Castreo, ttr-|
liando sua primeira impaasibilidade cus lie queviei"|
procurar-me minlia solidan, o nAo eu a vossa. i <' \
co a miiiha palria, c t'oi i ella u nao Vos que prc>m|
juramento de fidelidad. Se para ella poder valer "*I
alguma cuinoi, contal oommigo Aos mena din IIJ'I
soia aqui mais du que mu iuairuineutu do Dos, rol "'
e que voa impcllio a resuaciiar em mira n antiga '''I
nem quo eu auppuuha lunrto para aempre, liedlo que*
me loma a levar ana coiubales. 1'^ pois que lal he a ss
vontade, en mo resigno e obedece. Vollai, lenhora, ""'
vai-nie a, necessilo de anidan para me acoltnna"
nimba nova transformacio, preciso de forlifie.ir-inr |11'
la inedl lacio e pi la oraCilo.
Lembrai-voa que o lempo urge.
Lembru meeobnrei de eonfurmidade. Em P""'
OU li.ui|io nei eu mesun, ., Caslelveiralio ler-vo t*j
ha resposta. O' aolides queridas Klna fwrmitla"'
austera jiaitagum silencio augusto selvagens lian"'
mas! esplendore Iriuiliplianlea do aul da maulia I m^
liucolia da iiouic .'o' miiiha grulla 6 minhaa risue'-
mena sonhos possa eu, ao deixar roa para rreoimy
a lueta no meiodul homeiia, poaaa eu nunca ter (
dea voaaaa pusaa eu encontrar voa depoia da vicien
Aqui tenho vivido, aqui quero niorier.
FIM OA 8ECU.VDA PAUTE.
(CMMir-a-M)


linda v na opinio do sonado a subversio da monarchia,
L inlituicio de uma oligarchia ''>. LspeiUra, porque far sempre ua vontade. K a que
Ln'do (|uerem dar ese poder ?!.... exdama o Ilustre
htcamolai Ao do Brasil, cujos memliros conhetvinos
paoi de r.ranjctra, a ola priino pela arstocra:ia de
I....Utiento, 'i""1 P,M ''o dinheiro, nein mesmo pela
lo talento e virtudes? Nao ha entre nos fidalgos de li-
nbagem : o* senadores sao /> o b re s : pelo lado dos la-
lalos aqu na cmara e lora ba milita gente ; pelo das
I virtudes
A os quoque gtm tumus \
__ \,.,, estou eu, disse o Alvares, que tenho mui-
I: i amor da patria, tanto como o que tem mais ; a to-
dos os mam collegas sao assim.
Ora pois ineuSeniint/ia repita a esse amigalhio o
Irifio que elle mesmo attribuio as velba de S. Paulo :
ll'renumpcao e goa benta... todo o mundo sabe o
Iresto.
ltenla bern o sead > no que faz, senioNoS, os que
hitamos pela vilaliciedade, podemos arrepender-nos, e
enlo os senadores serio cleito por 12 annos.Para
que (aininho luror contra uma corporacao de pobres,
.,,,,.. so prelendrtnte*, filbos da olba ?! (ue receios
|p,ile inspirar o senado assim composto? Ora, amigo,
Inivlbor be que t tirar cataratas, e que nio queira
[laucar pooira aos olhos da genle. O ei-presidentc
Ido Rio-Grande do-Sul nada lucra com a poltica, tem
[prejuuo em seus inleressus, cono disse, eporqual-
|quer transtorno vai para Campias tirar denles.
Depois do Alvares, lallou oJuoqueira, e foi tio lu-
Icido, tiobrilhante, esclareceo por tal lrma a materia,
que os patriotas, vendo que os opposicionistas ao pare-
|ot nao tomavio mais parto na discussao, deixrio de
(aliar.
Appareceo a emendinha supprimindo a parto da con-
rluso do parecer quo acooselbava a medilacao ao se-
I nado. O bomem das vetperai siciliana pedio votacao
nominal i 11 deputados rejeilrao a primeira parteda
[rooclusao, 12 a segunda, l'oi suppnuiida a medita-
IO.
Kntrou em discussio uma resolucio approvando a
|ponso concedida a urna viuva. O gaiato do 1 secre
llario ^Jos Pedro), vendo o Tristao assignado vencido
i parecer, pedio-lhe explicares ; e o pobre Tristio
Inao tevo remedio senio declarar que opinara contra a
[pcnsio por nao estar provado que a viuva fosse bonrada.
lo Valdetaro disse que isto eslava provado, e a cmara
declaren que a viuva era honrada.V ivao os patrio-
||UI.
Adeos.
Sala das sessoes. 19 de maio de 1845.
O Relogio ha Casa.
PEftNAMBCO.
Maranbao, Cear, Rio-Crandc-do-Nortc, o Paradina;
14 dias e do ultimo porto 11 horas, vapor brasileiro
S. SebntiHo, de 210 toneladas, coinmaii lanle Mu
noel dos Santos Orncllas: passageiros; do Para para o
Rio. o escrivao da armada, Bernardo de Muanda
Fontoura, e 1 escravo crioulo. do nomo Antonio ;
Joiquim Lourenco Franca o Silva, com o escravo
de mue Joo Antonio de Moura Kuliui, eom 4 es
cravos crioulos, Francisco Rodrigues do Santos,
B(aileiros, e 1 escravo, de nome Joao, e mais 6
dit.is a entregar ; do Cear para Macei, o aderes Jo-
s Mara de Almeida Gama, Brasileiro, por ordem do
governo, 1 soldado camarade do mesmo; do Ceara pa-
ra a Uahia, Francisco .^empavo, Joao Francisco Sara-
payo, Brasileiros.e 1 criado.de nome Manoel; do Cea-
r para ollio-de-Janeiro, cadete Pedro Joaquim Nu-
nes de Mesquita.e 2 escravos a entregar; do Para para
Pernambuco, 1 escravo a entregar ; di Maranhio
para o Rio, 1 escravo a entregar, e 2recrutas para
a marinha ; do Ro-Grande do-Norte para a Baha,
1 corneta desertor,aentrcgarao commandantedadivi-
s8o;do Rio-Grande-do-Norte para Pernambuco, JoSo
Deodato Bouman, Brasleiro, sem passaporte; do
mesmo para o Hio de-Janeiro, li recrutas para a ma-
rinha, e 1 escravo a entregar; da Parahiba para
Pernambuco, Manoel Marques Camacho, Brasilei-
ro, em passa porto.
N. B. Entre os O escravos, que voem a entregar,existe
uma cabra, que dii ser forra, e que lora roubada,
Aouio takido no mesmo dio.
Havre-de-Grace ; brgue francez Cesar, cspitSo Patn
K. Garion, carga algodio, assucar e couros.
Editaes.
COBRttlU.
CORREaroNOENClA DA CIUAOP. E PROVINCIA.
Por mais que o Correio nao queira ser crrelo de
Imas novas, nao be possivel ; de toda a parte apparecem
[cousas capazes de lazar gritar a un delunto : ora, vejio
Ise ha razio para callar. Eslava todo o povo desta pro-
vincia erultando de prazer, porque ouvio dizer, o go-
Iverno era conciliador; affirmavio-lbe, que o despotis-
mo tinba acabado; que ludo ia um brinco; que nave-
gavamos em maro de rosas; emlim, que ora ebegada a
ida doiura; e, quando todos, de boquinhas abertas, es-
Ipcravo o mana cis que a Meca Ihe traza fome, ea
lime a niorle Ora, com isto nao queremos fazer car-
ga ao governo, porque o governo manda de telhas abai-
io. (Juem maiua de telbas cima est em seu direito,
le s nos cumpre abaixar a cabeca ; mas oquesequer
Jaber lie, se o governo que preside de telhas abaixo, po-
Idia, e deva suavisar tanto mal, e se o tem feilo ? Qual
lleito nem tenco. Precisa o mallo, ou a gente, quo
[no iiiulto tem fumo de rabo/precisa, dizemos, ou anles
grlao ellas, de fainha, la nao vai tal larinha : pobre
[genial Para suavisar aos nossos leilores, eosconso
larniafliccao que Ibes causar esta oarraco, ah vai
luina historazinha, que parece ter applicacio. Exis-
ta naquello lempo, ub que lempo !, em Pernambu-
co, um fogueteiro, que, apezar de ter por nome
\ entura, nao tinba lortuna para alimentar os lilbinhos,
sempre que elles (|uerio matar o bichinho fome.ou von-
tade de comer. Quando se achava neslas circumstan-
cias, e nao tinha larinha para oslilhos, que Ih'a pedio,
dava-lhes um boccadinho.de plvora para irem defar-
i.ar a lome. Kocebiao-oa os rapaies coin alegra ; fa-
zio seus buscaps com pennas de per, pela regra de
que: lilbo d^ pene sabe nadar-; mas, (juando lliechega-
vaoofgo, agora overas, queimava se um, gritavao
todos; e ento de la vinlia o Ventura de erreas, lam-
bada ueste, e naquelle, sera preceder oulra denuncia,
ou processo, e os rapazes esquccio-sj da barriga, des-
apparecia-lhes a fome, e lo dormir. Appliquems
el cuento. Precisao la pelo mallo de larinha, esli por
l morrendo de (orne, e o governo, em lugar, ouem
vez de ver se ibes pode matar a lome, e mandar-lbe
familia. manda-Ibes seiscentos cartuchos. .. Olhem,
que de plvora e bala!!! Que Ventura!!!
Consta-me, que um dos tres meninos que o Heredes
do Limoeiro mandou rexrutados, como Ibes disse bon-
tem, nao he filho de Jos Albino, e sirn de Luiz Jos
da Silva, lambem adoptivo os Ires ao lilhos de tres
iruiaa.'.
Miguel Archanjo A/onleiro dlAndrade, oficial da
ordem da Roa, cava/leiro da de Christo e inipector
da al/andega de l'ernamhuco por S. M. /., que
uto guarde, &c.
Paz saber quo no dia 20 do corrente, se h3o de ar-
rematar, em praca publica ao meio dia nove duzias e
nria de pares de meias de linho no valor de 5"> rs. ,
apprebendidaspelo cabo de polica Manoel Correia de
Sa, e soldado Antonio do llego Barros ; e bem assim
12 lencos de 6da, e 20 pecas de Iroeal de dila, no
valor de 38$ rs. apprebendidos pelo cabo de polica
Miguel Francisco de Sales, e soldado Filippo Nery de
Oliveira : a arremalaco he livre de dircilos. Allande-
ga, 21 de ulho de i8i5. Miguel irclinjo Mon-
leiro de ylndrad.
O engenbeiro em chefe da provincia, competen-
temente autorisado, manda fazer publico, que baver
concuiso para um lugar de ajudante dos engenbeiro
no dia 21 do mez de agosto prximo futuro : em con-
soquencia convida as pessoas que sequizerem prop
ao dito concurso, para se elislarem, at odialSdesse
mez, n'esta repartico, onde Ibes sera declarado o lugar
horas e mais circumstancias do dito concurso. Repart-
cao das obras publicas, '21 de juibo de 1845. Vau-
thier.
Avisos diversos.
CMM>.%JO.
Alfandega.
I'.endimento do dia 22...............3:555*441
Descarregaii hoje 23,
BarcaErmelindamercaduras.
Palhabote Canario aihos, batatas e cebollas,
liiigueEmpretamercaduras.
Barca7'no/i'is Mellar larinha.
Dedaraces.
=0 arsenal de guerra compra arcos de ferro pro-
priospara cubos de limpe/a: quem tal genero tiver,
mande sua proposta om carta leebada a esta directora
al o dia 2b' do corrente. Directora do arsenal de
guerra, 21 de julho de 18ta. No impedimento do es-
criturario, Jvdo Ricardo da Silva.
__ Pelo Ivco dcsla cidade su faz publico, que, cm
consequencia do que ordenou o Exm. Sr. presidente da
provincia directora do mesmo lyco, em oflicio de
21 do corrente, ir a concurso, da data deste a quaren-
ta diai, a cadera de latim da freguezia de S. Jos
desla cidade, queseacba vaga, pela demissao do proles-
sor, quo a exerceo. Os candidatos, que a referida
cadeira se qui/erem oppor, babilitem-se na conlormi-
dade das inslruccoes, quo regem os concursos Secre-
taria do lyio desta cidade, 23dejulhode 1848,
JoBo Facundo da Si/va (uimaiei, secretario.
=0 brgue Sagitario recebe a mala para o Rio-de-
Janeiro hoje (23) as 4 horas da tarde.
TI1EATK0 PUBLICO.
A nova Com pan h a Italiana
avisa ao respeitavel publico, que salibado
26 do corienle dai o segundo divert-
meato lyrico inicuamente diverso do pri-
meiro. Os bilbetes dos camarotes e pla-
tea vendem-se desde j em casa doKlircc-
tor, ra Nova n. )
segundo andar.
Avisos martimos.
Moviinento do Porto.
B
Auii tntadoi no dia 22.
Lisboa ; 34 dias, briiiue brasleiro Emprtza, do 204
toneladas, cupilo Antonio Jos (lonQalves, equipa-
geni 14, carga vinbo, uzeite, etc. ; a Francisco Se
verianno Rabello : passageiros, Joo Ribeiro Nev
c o Exm. barao do llamarac, tra/endo em sua com-
panhia Joao Domingos da Silva Porto, Brasleiro ;
Manoel Joaquim de Avelar, Agostinho Fernande
Lins e Antonio de Lemos, Portuguezes.
Para Gibraltar segu viagem.at o fim do corren-
lo mez, a g3lera franceza Antomctte, que lem mullo
bon commodos para passageiros : quem quizer ir de
passagem, dirija-se 4 ra do Trapiche, n. 19, escrip-
torio de Le Bretn Schramm 9t Companha, ou ao ca-
pitio a bordo,.
Para o Ass sai nestes 1 dias o brigue-escuna
Deliberaco, capillo Joao Goncalves Rocha ; para car-
ga e passageiros trata-se na ra da Cadea do Recife n.
40 ou com o capilo, na pra^a do Commercio.
Para o Rio-de-Janciro sahr, com brevidade.o
patacho nacional Valenje : quom no mesmo quizer
carregar, e ir de passagem ou remellar escravos a Irele,
falle com Gaudino Agostinho do Barres, na ra da Cruz
o. 66.
Segu breve para o Ro-de-Janeiro o veleiro pa-
tacho Caitro II por tor a maioria do seu carrega-
mento : quem no moino quizer carregar embarcar
escravos ou ir de passar.om para o que ollerece bons
commodos pode entender-se com Amorira IrmSos ,
ua ra da Cadeia n. 45.
__ Para o Rio-dc-Janciro seguc.na presente sema
na, o brgue 5. M aria Roa Sor te; inda pode recober
alguina carga miuda escravos o passageiros : para o
que tratase com Amorm Irmaos, na ra da Cadeia
n. 45.
__ Para o Rio Grando segu viagera o patacho Gua-
po com brevidade : quem no mesmo quizer embarcar
escravos, ou ir de passagem, pode dirigirse a Iratai
com Amorm Irmaos, ra da Cadeia, 11. 45,
Sahira o n. 35, oarh ir-se-ha a venia as O horas do
dia na praca da Independencia livrari n. 6 e 8.
O CLAMOR PUBLICO.
Sahir o n." 29, e acbar-se ba a venda as 2 horas da
tarde na praca da Independencia livraria n. 6 e 8.
Antonio Rodrigues Samico participa
aos seus amigos, e reguezes, que tem mu-
dado sua ollicina de t.irtarngueiro, do pa-
teo da ^tatriz para a praca da Indepen-
dencia, loja n. 34, aonde se acha prorap-
to a fazer todas as obras de tartaruga, co-
mo d'antes.
=Oaliaixo assignado roga ao Sr. thesoureiro da lo-
tera de N. S. do Guadelupe, para que nao pague, do
caso de sabir alguir) premio no tceio bilhute n. 2257,
visto ter sido lurlado do abaixo assignado, juntamente
com sois mil ri em cdulas.Diogo f.ui- da Silva.
un;i precisar de um bomem Brasileiro, de idade
de 24 annos, para caixeiro de ra venda, ou padaria,
procure na ra da Conceicao da Boa-\ isla, armazem
de sal n. li, ou annuncie para ser procurado.
Precisa-so de um mocjde 12 a 14 annos quo sai-
ba lr o escrever, para andar na ra acoinpanhando um
preto com laboleiro do fazendas; na ru da yuoima-
do, loja n. 6 so dir quem precisa.
Jos Francisco de Araujo Guimuiei, socio da
firma Victorino & Guimaraes, tendo de ir a Lisboa tra-
tar da sua ade, lica o negocio encarregado ao seu so-
cio Victorino Jos Ferreira, e por procuradores do an-
nuncanle os Srs. Henrique Jorge, e Cesar Kruger.
Sodia20para 21 doorrente lurlarao, do porto
da ra da Concordia, 1 travs de 38 a 40 palmos de
comprido, e palmo em quadro; quem das mesmss der
noticia no sobrado novo da mesma ra da Concordia,
ser gratificado do trabalho.
Joo Jos Itibeiro de Farias retra-se para o Rio-
do-Janeiro.
=0 abaixo assignado faz verao publico, que, (endo
frito penhora a seudevedor Jos Mara de Amorm Jnior
em cinco propnedades de casas por aluguel, o tendo es-
tas andado cm prai;a publica, e nao tendo apparecidu a
essas lanzador, pretende no dia 26 do corrente julho,
ser a ultima prara pelo juizo do cvel da 2.* vara e-
crivo Magalbaes.Joaquim Jote da Coila Fajoge.
= Um boineui branco e cazado, que (em uso de en-
ligar as primeiras leltras, se ollerece para dar lices
en: casas particulares, lauto nesla prai;a, como por si-
tios vizinhos a mesma, e promette o bom deseuipenho
nos s'us deve'H, e prei'O lazoavel : quem o quizer,an-
luncie.
Precisa-so de um muilo bom oficial charuteiro, e
que d conbecimento de sua capacdade: aquclle a quem
islo convenha, appareg.i na ra estreita dolto/ario, de-
Ironte do becco contiguo a igreja, loja nova, junto ao
barbeiro Goocalo.
=0 Sr. Jos Alves Xavier queira ir receber uma
encommenda, vinda de Portugal,de sua lamilia.na pra-
ga da Boa-Vista 11. 13
Oa-se dinheiro a juros com pe nitores de euro e
prata,mesmoom pequeas quantias;naruadaPraian.22.
Precisa-se do urna mulher de idade, capaz, p..ra
ser ama de urna casa, que sirva para comprar, e cosinhar
o diario de urna casa : na ru.i lar,; 1 do Rozario, fabrica
de charutos n. 32.
Precisa-se do um bomem para tomar conta de
duas canoas para vender agoa nellas; na ra Relia, so-
brado n. 37.
Carlos Clero retira-se para o Rio-de Janeiro.
.1 'V da Silva It.iie lio mudou-se, da ra Direita
n. 81, para a ra larga do lio/ario n, 46, 2.andar.
Kntregando-so a um preto 10 chapeos, sendo
tidemassa, o 1 de mulher, e .'2 lolhas de papeleo de
fora, para o mesmo levar na pracinha da Unio a-
contece o mesmo desencaminhar-se : por sso avisa-se
a quem taes chapeos forem oflerecidos, ou os liver
guardados, os tome, e leve na ra Direita, n. 117,
que ser recompensado ; do contrario se preceder con-
tra quem d'algum dos ditos objectos eslver de posse.
Alugio-ie os (erceiro e quarto andares, c 111 so-
lio, e casinha, e bons commodos, na ra do Trapiche,
n. 34:.1 tratar na mesma casa com Fernando deLucca.
W. 'A Cuj avisa as pessoas, que tcem contas
em suas mos, que admiltio para seu caixeiro a ;Mar-
tiniano Jos l.eite da Silva, a quem n<- porao duvida
em pagar qualquer quantia, tendente a casa.
Precisa-se de um caixeiro para venda, que tenba
pratica da mesma: defronte da ribeira da Hoa-Vista,
venda, n. 58. .
A pessoa, quo annuncou por esla folha querer
comprar uma casa, em ra que sirva para negocio do
venda, dirija -su ra do Cotovello, n. 31, que se in-
dicar o lugar.
= A escrava, prcla, crioula, de nome Agostinha ,
que andava procurando senhor, pertencente a Senbora
. Luiza Mana Soares moradora em I tapir, uma ele
acbava na ra do Rozario da loa-N isla n. 44 como
*e fez ver pelo annuncio, no Diario de quinta feira ,
10 do corrente ; o abaixo assignado declara que tem
justo, e conlratado com a mesma Senhora a compra
da dita escrava: se alguem char te com direito a ella ,
o declare. Custodio Jote da Silva.
Aluga-se um segundo andar com sotan, e bons
commodos na ra do Rangel n. 73 : a tratar na
mesma ra n. 54, com Victorino Francisco dos Sanios,
quo lambem precisa de um feitor, quo trabalhe para
um sitio na estrada de Belem;assim como de um estran-
geiro que saiba fa/.er e vidrar botijas e potes para
graxa e tinta : paga-se generosamente.
= Havendo quem saiba folear forangas e quei-
ra ser empregado dirija-so a ra Imperial n. i'l.
__Alug3o-se duas ululadas de casas terreas ha
pouco acabadas, com grandes commodos para familia ,
principalmente uma que ten: bonita vista para o mar,
Olinda, e S. Amaro em IVira-de-Portas no fim da
ra dos Guararapes ; o pretendentes dirijio so a casa
da pioprietario na ra da Cruz, n. 30 Joo Jos
Rodrigues l.offler ou na ditas a cima lodos o diuS
das 4 horas da tarde em diante.
= Aluga-se o primeiro andar do obrado 11. 2, da
ra do Martyrio; quem pretender.dirija-se a ra lar-
::t do Rozario venda n. 29.
es Aluga-se o segundo andar da casa n. 22. da ra
estreita do Rozarlo 1 a tratar nR ra do Paaseio n. 1.
=3 Antonio Jos Pereira de Mendonca oflerece-ie
com parlicufaridaiie aos Srs. negociantes dcsla praca ,
ea quem mais ronver.lia a sua prensa, no Forte-do-
Mattos, para rccolher gneros, tanto de estiva como
de oulra qualidades ; bem persuadido que nio s
pelo mdica preco, como pelo local, conveniente, are-
jailo eesparoso da Jila prensa ser preferivel a nu-
tro armazens que nio oderecem as mesma vanta-
gens ; desere.penhando cuidadosamente as obrigacoes,
a bem de dar geral salisfacao.
Jos Francisco Pinto Guimaraes, cirurgiao pela
escola real de cirurgia de Lisboa, mudou a tua residen-
cia para a ra da Cadia de Santo Antonio, tegundo
andar da casa n. 15.
__ Precisa-se de um caixeiro Portuguei, de 14, a
16 annos do idade, preferindo-se, se lr chegado de
prximo, para uma venda: na cidade d'Olinda, ra
do Amparo, venda de Jos Ferreira Marinho.
Lina moc,a capaz se ollerece para uma casa de bo-
mem tnlteiro, para lomar conta da caa, cozer, o en-
gommar; quem a pretender.dirija-se a ra Velha n.42.
=l)o-se (ty rs. de gratilicaco a quem descobrir a
pessoa que furtou um reiogio do prala e transelim
deouro, no dia 21 do corrente de uma casa na Boa-
Vista : o relogio be defeitio anligo laltando o pon-
teiro de segundos.
I'rccisa-so de uma lavadeira que lave perfeita-
mente de varrella ; na ra estreila do Rozario sobra-
do n. 2, segundo andar.
= Antonio Jos de Barros Veigas embarca para a
Itahia por conta e risco do Snr. Manoel Goncalves
Leal, um preto da Costa, de nome Joio.
Manoel Joaquim Pascoal Ramos embarca para o
Rio-Grande do-Sul o escravo Jorge, de naci Caran-
ga, a entregar a seu senhor Joao Antonio Jorge.
Precisa-se de uma pessoa, que queira vender
pi com um prelo prefere-se a quem ja tiver fre-
guesas; tamliemsed pode vendagem a quem qui-
zer : aira/, da matriz da Boa-Vista n. 22.
Do-so 300j rs. a juros sobro pcnbores, mesmo
em pequeas quantias : na ra Direita n. 72.
=a Aloga-se uma preta para o servico de casa; quem
a pretonder, dirija-se ao armazem de carne, na ra
da Praia, n. 43, a preta cozinha e faz o mais servico.
sa Honlcm a noule soltou-se um cavallo sellado e
enfreado de cor alazio-caboclo ps calcados, fren-
te aberta com o cabo ripadoe dinas curtas ; he bs-
tanle rincho e ardigo ; seguio desembestadament
pela estrada da Ponte-de-Cchoa e ha noticia de que
entrara para as mallas do Catuc ou Arraial : roga-
se a qualquer pessoa quo o tenha pegado, ou em
cujas Ierras elle tenba apparecido baja de o mandar
entregar no sitioOiveitidoem S. .lor do Mangui-
nd, a Jos Ignacio Soares de Macedo, que recompen-
sar generosamente.
= Km poder de quem estiver uma lettra de dous
contos de ris, acceita pela Senbora D. Maria Joa-
quina de Nazaretb Gusmio pode mandar receber di-
ta quantia em casa de Joaquim Flix Machado mo-
rador na ra do Collcgio n. 25; a mesma Senhora
protesta nao pagar premio porque nao Ihe fui apre-
sentada a ledra em seu vencimento.
= Antonio Dias da Silva Cardial vai a provincia das
Alugas a tratar de seus negocios, levando em sua com-
panbia um seu escravo de nome Luiz, de idade de
\i annos, cor parda.
= Lma mulher de bons coslumes se encarrega da
criaran de meninos de peito, impedidos e desimpedidos,
e tambem recebem-se meninos para se desmamar :
quem de seu prestinio se quiter utilisar, dirija-se ao pa-
leo do Terco, n. 26, segundo andar.
Roga-so aoSr. quetirou uma carta do correio,
vinda do Porto para Joio Jos Lopes da Silva o fa-
vor de a entregar na venda da esquina do becco das
Harreiras ; pois houve quem a visse em sua mi, e te-
nha a bondade de nio tirar mais caitas minhas pois
tenho por quem as mandar buscar no correio visto
nio as entregar no mesmo dia.
Hoje continua a discussao do novo compromisso
da irmandade do Apostlo S Pedro.
an No dia 21 do corrente abrio-se um nevo depozi-
to de refinacao e padaria na ra larga do Rozario ,
n. 23; no qual se acha a venda o melhor pi, que bo
possivel bolaxa de toda a qualidade tanto em porcio
como a retalbo bolaxinba doce, biscouto e falias pro-
prias para cha.
A pessoa que Ihe (altar uma escada de pedreiro,
apparera na ra do Livramenlo, loja n. 54, que, dan-
do os sigues certos Ihe ser entregue.
l-'azem-se transellins de cabellos de
qualquer modelo, anneis, litas, pulceiras,
&c., cxc. o mais bem leito que he possivel,
por preco mdico ; na ra do Cabug, loja
de ia/endas n. G.
Fede-se ao Sr. I. M. T. da S.,
prolessor de primeiras letras da Boa-visa,
que quanlo antes v pagar aquelles 8sooo
ris na casa do Sr. Nicolao, provenientes
de 11111 bilhete que comprou liado da ri-
la do Bandeira; a qual nao cor rendo, o
Sr. 1J. l'oi recebel-o; sem que at O pre-
sente os estmulos da sua constiencia o
impeliissem a ir restituir o alhei 1 seu
dono; se o nao lizer nestes dias, eobrar-
se-ba judicialmente.
O inimieo dos tratante*.
i
Compras.
= Comprio-se dous eicravos, um pedreiro e ou-
tro carpina.para urna encommenda do Rio-Grande-do-
Sul ; sendo bonitas figuras, pagio-se bem ; na ra
do Collcgio armazem n. 19.
i.omprio-se, para fura da provincia escravos
de 14 a 20 annos sendo do bonitas figuras pagio-se
ticm ; na ra da Cadeia de S. Antonio sobrado do
I um andar de vaiandade pao, n. 20.
Compra se uma escrava de idade de 35 a 40 an-
uos cozinheira ; na ra do Crespo, loja o. 23.


A
Compra-se urna
earri'!"ie crin arrobas ;
canua que seja nova
iiuiMii livor, annuncie.
Vendas.
Attencao !
= Vende-se a 120, 140. 100 e 180 rs. o covado de
chita ditas linas a 220 e "230 rs. o covado, sendo es-
cura, m.vJjpolo a 150, ltO e 180 rs. a vara dito
fino a 200, 220 e 240 rs dita madrasta uno a 280
n. avara, meios cuales e cassa de quadros a 300 r.,
chita a 140 rs. o covado, lindissimos curtes de cassa-
chitas a 2000 rs. o corte cbadrezes de linho para ja-
que tas a 520 rs. o covado, ruuito boa qualidade, supe-
rior setim preto de Macu para collele a 4500 rs. o
covado dito entre-lino tambein de boa qualidade, a
3200 rs. o covado, lustio.branco de excellenle qualida-
de a KlUO rs. o covado algodSo liso de boa quali-
dade a 100 rs. a vara dito americano largo, limito
ncorpado a220rs. a vara, dito trancado azul mes-
cludo a 240 rs. o covado, muito encorpado zuarle
azul de vara de largura a 260 rs. o covado muito boa
fazenda para pretos casimiras de quadros de boni
gusto para caigas a 1200 ris o covado lencos de
ctssa pintados a 100 rs. pecas de bretanba de rolo a
1800 rs a peca ditas de bretanba de puro linho, de
6 varas a 2800 e 3200 rs. brim trancado branco de
puro linho muito encorpado a M00 rs; a vara es-
guiao de superior qualidade do verdadeiro c puro li-
nho muito fino a 1500 rs. a vara, pecas de chitas a
i400 5200 5500 e 6000 rs. a peca escuras, ditas
do madaoolioa 2800, 5200 e 3400 rs. dito fino a
4000, e 4200 rs. a peca, medraste fino a 5200_e 5400
rs. a pega cassa de quadros para hallados a oOOO rs.
a peca riscadinhos trancados a 200 rs. o covado ,
muito boa fazenda para meninos cambraia lisa de
vara de largura a 000 e 800 rs. a vara castores ou
riscados a 240 rs. o covado, superiores cortes de cbali
le listrasdesedaa 16* rs. ditos de seda com flores a
50,000 rs. o corle, mui rica fazenda superiores
cortes de cassa-ebitas, modernos padroes, a 4200 rs. o
-orle, cambraia de listras brancas adamascadas a 5/rs
a peca, sarja hespanbola fina limito ensorpada a 2300
o 2500 rs. o covado dita franceza larga a 160U r.
o covado cscocez de algodao para vestidos a 500 rs. o
ovado brim trancado de quadros para calcas a 500
rs. o covado, de bonitos padrees, cbitas linas, de
gosto muito moderno a 320 rs. o covado chapeos du
sol, de seda para humen), a Wrs. ; alm dcstasla-
zendas outras muitas por barato preco : na ra do
Collegio, loja n. 1, do Antonio de Azcvedo Villarou-
co& Jrrnao.
= Vcnde-se potassa russiana superior o noia ,
ltimamente ebegada ecal virgein cin pedra vinda
agora de Lisboa ; na ra de Apollo n. 18.
= Vende-se suprrior familia de S. Cath.irina,
a granel, ensaccada, a bordo do patacho Etpadarie ,
na ra de Apollo n. 18.
= Vende se una canoa de carreira nova ; na ra
da Senzalla-Nova n. 4.
= Vende-se urna prota de naci propria para o
ser ico de casa e be de boa conducta ; na ra es-
trella do I!o/ario, n. 51,"prirneiru andar.
= Vendem-se chitas do raaiagens para cobertas,
decores fizas a 160 rs. o covado, pecas de bretanba
do rolo, pelo barato preco de 1600 rs. finissimos cor-
tes de cassa-cbila a 2400 rs. ditos de dita do quadros
e listras de cores a 4000 rs. lindos cortes de cambraia
de listras de cores e de goslo moderno a 4500 rs. lin-
deza do lau e seda o de quridros para vestido a 320 rs. o
covado tarlatana do ultimo gosto a 450 rs. o corte ,
mcias crua6 para homem a 2800 rs., cassa iisa lina a
400 rs. a vara pecas de panninbo muito lino a 5j rs.,
cambraia lisa fina a 480, 040 e 800 rs. a vara boni-
tos lencos de seda de cures a 1760 rs., riscaflinhos Irn
cezes de muito bonitos padioes para vestidos e jaque-
tas a 320 rs. o covado algodao americano largo, a
240 rs. a vara, chales do 18a e seda a 4500 e 5500 rs. ,
cortes de chitas finas u 1600 rs. e outras mudas (a-
;endas por barato preco ; na ra do Crespo n. 8, loja
de Campos & Maia.
= Vendem-se lencos de algodoe seda du bonitos
padroes a 640 rs. casimiras de algodao muilo encor-
padase de quadros pelo barato preco de 480 rs. o cova-
do riquissirnos cortes do colletos de quadros a 2560
rs. o covado ; na ra do Crespo n. 14, loja de Jos
Francisco Das.
= Vende-se potassa americana muito r.ova em
barris pequeos; na ra da Cudtia do Itecife arma-
zem deissuca n. 12.
= Vende-so, por prego coimnuiodo urna prota de
30 annos lava de sabio cozinba e he boa vende-
deira ; um molequede 15 annos, de bonita figura ,
e sadio ; na ra do Nogueira n. 27.
= Vende-se um preto crioulo bom trabalhador de
enxada proprio para o servico de campo ; na la du
Aurora n. 4.
= Vende-se ptima larinba de araruta ; na ra do
Collegio, botica n. 6, de Cypriano Luiz da Paz.
= Vende-so um escravo mogo muito relorcado e
de bonita figura sem vicios nem achaques ; ao com-
prador se dir o motivo da venda ; na ra de Hortas
n. 112
= Vende-se a armagao do botiqun) da ra do Tor-
res n. 18 ; a tratar no trapicho do Angelo com Fpi-
fanio Jos Antunes.
= Vende-se champagne de superior qualidade ; no
escriptoiiode Itotbe <& Bidoulac na ruado Vigario
o. 4.
=Vende-se a bordo do Lia le Eiperulaclor, fari-
nha de mandioca de boa qualidade e mais em cori-
ta do que qual tuer outra.
= Vende-so urna prcta de 23 annos; um moleque
do 16 a 18 annos, de bonita figura; as Cinco-Ponas
n. 21.
Vendem-se muito boas bichas, chegadas lti-
mamente de Hamburgo as melbores que ha na Ier-
ra muito grandes ; e tamben) se alugao, por prego
commodo e viose se applicar para mais commodida-
de dos prcteodentos ; na ra estrella do Rozario de-
fronte da ra das Laiangeiras loja de barbeiro n. 19.
-- Vendem-sesaccascom faiinba muito boa, de
S. Calbarina com 4 quartas a 68 rs. e sem sicco
a liOil rs. ; na ra da Praia armazem de carne, n.
19, do Azcvedo. I
Vende-se urna preta de 18 annos, tendo omiloldade
qu. ;m Icitc '.ra criar, com um filho moleque, muito
gordo e esperto de 7 para8rmzes; um bonito es-
cravo do "0 annos bom para p.gem e para todo o
servico ; urna preta com habilidades : na ra larga do
Kozario, n. 46, segundo andar.
= Vende-se milbo a 4# rs. o alqueire e sondo
com sacco a 4500 rs. e irna pon o de farinha de ta-
pioca muito alva e nova; iiu ra da Cadeia de S. An-
tonio n. l!) depozitode (arinha de mandioca.
.- \ endem-se epachos redondos e cumplidos es-
tojos de navalhas a contento grvalas muito supe-
riores para humen), garrafas de tinta superior para es-
crever botins para homem e senhora sapatos du
draque e de lustro de Lisboa, e Irancezes de to-
das as qualidades riquissimas mantas para senhora.,
de tile, seda e veludo caizas de tartar uga redondas e
compridas pelo diminuto prego de 2' is. riquissi-
mas llores o chapeos para senhora ; na ra larga do
Hnzario n. 24.
as Vende-se ura ornamento encarnado para celo-
brago de missa uncdito brinco com sebastos encar-
nados dous ditosrouxos com sebastos verdes, con-
tendocada um cesula estola, manipulo, bolsa de
corporaes e veo para calix ludo em. muito bom uso ,
urna bibliolbeca de Ferraris 8 v. em quarto; urna bi-
blia de Mainel e Concordancia 3 v. em folio ; um
tbeatro ecclesiastico 2 v. em quarto ; um jugo de
latilas novas do marlim para garno : na ra da Ca-
deia do liedle casa de Jos Mana ,eve n. 27.
= Vende-se dicionario de Moraes da quarta edigo;
na praca da Independencia, livrana ns. e 8.
= Vendem-se os seguintes livros : o Manaslicon
por Alexondre Herculano; Lu maison rustique com es-
tampas dition de 18 0 ; lbum, botanique ou his-
loiro de la litteature des Sciences, e des mcurs de l'An
gh'lerre ; um sonho da vida por Alendes Leal Jnior;
Annaes d'elrei II Joaolll por Fr. Luiz de Souza ,
publicados por A lezandre Herculano; l'ascal Bruno ,
romanse do Alcxandre (Jumas ; giammatica latina du
Verney ; M. Tullii Cict-runis; una collcccao de vis-
tas dos me I hures edificios da cidade de Pariz ; histoire
general par Millot, faltando-Ihe dous volumes ; os 2
lienegados; na ra do Crespo, n. l).
= Vende-se um escravo muito bom oflicial de pe-
dreiro pardo mogo bem parecido e de muito
boa conducta ; em casado Antonio da Silva (iusinio,
na ra do Queimado.
-Vende-se urna negrinha de idade de 10 annos, en-
gomma, coso bem e faz renda ; outra dita do idade
de 15 annos, comas mesmas habilidades, ambas ro-
colbidas, e ptimas para mucamas; urna mulutinha de
idade de 14 annos muito linda um pardo do idade
de 30 annos ; dous moleques de idade de 14 a 16 an-
nos ; 3 escravos de naci com bonitas figuras, e bas-
tante pralica de servico do campo ; todos du muito boa
conducta ; na ra Direita n. 3.
= Vende-se um escravo de naco de idade do 40
annos pouco mais ou menos sabe relinar assucar ,
pelo preco de 10(1.) rs., por ter uina perna indiada :
na ra do Hospicio n. 34.
= Vende-se muito superior e nova potassa da Rus-
ll; na ra do Trapiche armazem do assucar, n. 17.
Vendem-se quartaos novos e grandes; na ra
da Conceicao da lloa-Visva, n. 00.
= Vende-se ou arrenda-se a engenhoca l.imeiras-
de-Cima muito boa de assucar : a tratar no engenbo
Tamatape-de-Flores.
A endem-so 0 escravos pegas do 18 a 25 annos,
bons para todo o trabalho tanto du campo como da
praca ; um preto do meia idudo por 20j rs. bam
para servir una casa em trabalbar om sitio por estar
a isto acostumado um moleque de 14 annos muito
ladino ; urna parda de 18 annos cose engomma o
faz lodo o servico de urna casa ; duas escravas boas
quitandeiras ; na ra do Crespo n. 10 priuieiro an-
dar.
=-Vende-se um quarto novo carnudo o com car-
rego ; as Cinco-Pontos n. 160
=\ ende se cunclla em pu chegada no ultimo na-
vio do Lisboa, em latas de duas al moia libra; no ar-
mazem de Das Ferreira delronto das escadinhas.
jtllengo ao barato I I
= Vendo-so (arinha igual a do Hio de Janeiro ,
e milho novo, vin lo de .Macelo, na barcaga Feliz Au-
rora; vende so tamben) a retalbo ; ni rampa do Snr.
Ramos de Uliveira na (rente do trein.
= ^ ende-sc um escravo moco ptimo para todo
o servico principalmente para sitio ou engenbo ;
na ra Direita n. 12.
a Vendo se urna parda de idade de 2o anuos, co-
zinba, engomma faz muito bem renda e todo o
mais arranjo do urna casa por ter sido sempro a sua
oceupacao : na ra aa Cadoia do Itecife, n. 13. andar
= \ endu-se um subrado na cidade du linda na
ra de S. liento defronto dooito do S. Pedro Mar-
tyr: a tratar na ra da Guia, casa n. 22.
= Vende-so una casa de cuebeira de pedra c cal ,
bem construida que admitte dous e mais carros, com
commudos para criados no fundo da mesma situa-
da no lugar do Monteiro ; a tratar cun o major Manoel
do Nascimento da Costa Monteiro, que est autorisa-
do para a vender.
N endem-se chitas para coberta, de bons pannos
e cores lizas com estampas e arvoredos lir gindo mal-
tos pelo barato prego do 160 rs. o covado, finissimas
cbitas francezas rnuilo largas, de assento escuro ,
de quadros o listras. cores lisas, a 320 rs. o covado,
dita a 260 rs o covado lanzinbas de bonitos padroes
a 5200 rs. o corte e a 320 rs. o covado corles de cas-
sa-ebitas de todas as cores c muilo largas a 2/: rs. di-
ta em vara a 400 rs. dila transparente a 2560rs.,
cortes do chita de assento escuro e cines fizas a 1600
is. chitas cor do ganga e de outras muitas oU.es e
muito finas a 200 rs. ditas escuras de lindos padroes
a 160 rs., e em pegas a 5500 o 6/ rs., pegas de breta-
nhas de rolo de superior qualidade a 2j rs. algodao
Irangado muilo largo e escuro proprio para roupa de
escravos a 240 rs. algodao americano muilo encor-
pado a 220 rs. a vara dito muito largo e oncorpado ,
proprio para lences a 280 rs. madapolocs de todas
as qualidades ornis (azendas tudo por barato pre-
go ; na ruado Crespo n. 14, loja de Jos Francisco
Diss.
Vende se um sclliin com muito pouco uso e
urna manta de couro de onga ; na ra da Cadeia de
S. Antonio casa n. 25.
rs, a arroba ; urna balanga decimal, capaz de pesar
duas mil arrobas em estado perfeito; na ra da Cruz
n 55.
= Vendem-se saccas de (arinha, ditas de arroz pi-
lado ditas de dito de casca ditas de feijo mulati-
oho barris de niel, tu lo muito bom ; na ra da
Cadeia do Becife, armazem n. 8.
Cera tarrada.
- Vende-se em canas de 180 libras cada ama, sor-
lidas desde duas al 16 em libra ; na ruada Senralla-
Velha armazem n. 110.
= Vende-se urna linha ou trave de embirindiba
com 62 palmos de comprimento e proporcional gros-
sura ; urna canoa aberta de carga de 600 lijlos de al-
venaria grossa, mui bem construida e fabricada de pro-
zimo : na ra da Aurora n. 12.
= Na ra da Cadeia-Velha lojs du viuva Lardoso
Aires, vende-so o compendio da historia romana, por
VI. A. Lesieur, tradurido em portuguez por A. de
V. M. de Drumond a \g rs. o volume ; este opscu-
lo be do sgmma utilidade paraos collegises, e para as
pessoas, que queirioestudar esta materia, sem con-
sultar obras volumosas.
Vende-se um prelo e urna parda mogos e de
boas figuras ; aquel le proprio de tudo oservigo de urna
casa e de campo e esta boa lavadeira eogommadei-
ra e cozinba o diario de urna casa sem vicios nem
achaques ; na ra da Cadeia de S. Antonio ao p
da guarda n. 25.
= Venden) se presuntos inglezes quei|0S suissos
muito frescaes musanla iegleza salames de Ilam-
I urgo vinho de A'erry, de superior qualidade vinbo
do Itbeno dito branco (ranees Haut-Iiersac, Sau-
ternes Preignac, de diversos precos, vinbo do Porlo,
superior conservas inglezas e francezas, licor mar-
rasebino, e oulros objectos por prego commodo, cha-
rutos regala e fama-va do lu a 55/rs..o milheiro
c em porcao mais barato em casa de Fernando de
I .ucea na ra do Trapiche n. 34.
= Vendem se 1500 volumes de livros emfrancez,
inglez e italiano, tratando de moral astronoma, ma-
thematica chimica, physica medicina pbarmacia ,
o economa domestica, &c. ; 10 garralesde vidro com
capacidade de 7 caadas cada um ; 40 garrafoes de
barro com a mesma capacidade que pdem servir pa-
ra manufacturar vinho de caj; urna bomba de lato a
dous canudos que eleva agua a altura de um lerceiro
ou quarto andar; urna estante do peo amarello, que
pode conter 600 volumes, tudo por prego commodo ;
na ra Formosa da Boa- Vista casa terrea defronto do
numero 3.
sw Vende-se urna preta de bonita figura parida de
dous mezes, com muito bom leite e sem filho de 20
annos de idade e com habilidades; na ra das Flo-
res n. 21.
= Vendem-se 3 pipas, queslrvirao de dopozto de
azeite de carrapato ; na venda da travessa da ra Bel-
la n. 8.
= Vendem-se corles de vestidos de chitas finas, em
retalbo; na ra du Oucimado esquiua do becco do
I'ene frito loja o. 2. de Manoel Jos Goncalves.
\enue-se por 350* rs. um rico annelo com
um grande brilbanle assim como, por 100/rs. um
relogio de ouro de patente suisso de vidro e mui-
lo bom regulador ; quem quizer annuncie.
= Vendem-se saccas de leijao mulatiobo; no ar-
mazem do Gumaraes conlronte as escadinhas da al-
fandega.
i= Vende-se urna casaca nova cor de caf, por
mdico preco ; na ra da Senzalla-Velba n. 92.
em \ endem-se caixas de tartaruga para rap, por
prego commodo ; na ra da Cadeia do Itecife loja de
miudtzas n. 5.
= Vende-se urna arroba de pennas de ema ; urna
casa pequea ; umearneiro grande, proprio para sel-
la ; urna cabra (bicho ) ; na ra da Conceicao casa
n. 20.
= No armazem de Francisco Dias Forreira defron-
te do guindaste da alfandega vende-so por preco
commodo ; fumo de primeira qualidade para charutos;
charutos regala meia-ragalia e outras muitas qua-
lidades ; tapioca ; barris com 12 pescadas de Lisboa ,
a 4200 rs. ; can a si ras com batatas novas.
= Vende-se superior tinta de escrever, a meia pa-
taca a libra eadozevinlis a garrafa, levando esta
lihra e meia e com a garrafa a Ire/eutos e vinte ris;
na ra do Livramcnlo loja n. 34: na mesma loja
vende-se rap Mcuron, princeza fino, mcio-grosso e
vinagrinho da ultima fornada que sahio o mais su-
perior possivel, e o mais moderno rap do Bandeira.
= Vende-so um bergo ainda em bom uso, com
seuscurlinadus; no pateo do Terco, o. 26, segundo
da melbor qualidade por preco razoavel; assim com"
couros de bezerro inglez de boa qualidade e Um-
bem por preco commodo
Na ra do Hospicio, o. 14, bairro da Boa Vis-
la, vendem se tres escravas mocas, e com habilidades -
quem as quizer comparega.
Vende-se urna casa na ra de Xavier de S. R0I,.
em linda ra da Bica de S. Pedro na venda coin
fronte a mesma.
Ven ro um braco de balanga 3 temos de folht, nm
dito de pao demeio alqueire para baixo urna tab0.
lela do ourives; na ra de Agoas-Verdes, vend
n. 15.
Vende-se ago'ardente do reino a 800 rs. las,
nada dita de aniz a 700 rs. genebra a 720 rs. e en
botija a 180 rs. licor a 160 rs. a garrala e 8go'lt.
dente de lima a 800 rs. a caada; na ra da Rod.
n. 23.
Vendem-se sapatos de pala, francezes, a 1600
rs. ; na praga da Independencia n. 35.
Vende-se um pardo de idade de 20 annos, di
bonita Sgura e sem vicios, na ra das Cruzes, loi|
de marcineiro n. 29.
Vende-se vinagre superior a 5nu
ris a caada ; na rna do Aterro dos
A Togados n. 7 .
Na bolica nova da ra dos Quar-
(eis, de Jos Maria Goncalves Hamos, hi
um bom sortimento das melhores semen-
tes de horlalica, vindas prximamente
de Lisboa.
A riquissima obra intitulada 0
mez de Maria com ricas estampas,
contendo o nascimento, educacao e o seu
casamento com S. Jos, annunciacao.
nascimento de seu Santissimo Filbo, apre-
sent.-ir.3o, fgida para o Egyplo, encontr I
da Virgein com seu Bendicto Filbo; morte
de Jess, e morte de Maria, ascencao da
iiiesina; a ladainba e a Missa em portu-
guez
esta obra be muito propria para
as Senhoras se iistruirem na vida de Ma-
ria Santissima ; Diccionario Mugnum Le-
xicn, lloratius Juvencii Vendem-se na
praca da independencia n. 5.
Continuao-se a vender coeiros de
merino bordados de retroz de cores muito
bonitas, pelo diminuto preco de 5'ooo rs.
cada um, e bem assim lencos brancos
bordados de cambraia de linho muilo
finos a 7.S000 ris cada um, grvalas de
setim maco pretas a 400 ris cada urna;
na ra do Cabug, tojas de fazendas, de
l'ereira & Guedes.
Vende-se iarelo, pelo mdico pre-
co de /.sooo e 2s'5(io rs. ; na ra da
Senzalla-Velba n. i3H.
Escravos Fgidos.
%
ss Vende-se urna cscrava de boa figura com 20
annos sadia e com habilidades, que a vista dos
compradores se dir. 0 : na ra da Gloria, n. 89.
Vende-se um prelo do muito bonita figura, sem
vicio nein achaques rnuito mogo e ladino ; na ra
das Cruzes o. 28*, segundo andar.
= Vende-se urna escrava de 16 a 20 annos, de bo-
nita figura cozinba e vende na ra ; propria para
embarque e mesmo para o mallo por sor robusta ,
e propria para lodo o servico ; no pateo do Hospital do
Paraso n. 25.
= Vende-se o engenho Marolos na freguezia de
Tracunbacm que divide por um dos lados com o rio
Tracunbaem com mil bracas de fronte, o meia legua
de fundo, com casa de engenbo, e igreja de pedra e
cal o lodas as mais obras de esteios sendo casa de
vivenda de purgar, esenzalla, tudo novo, e bem
construido : a tratar no engenho Taquara com Fran-
cisco (lomes de Araujo, e no Becife com Francisco
Mamado de Almeida.
= Vende-se chocolate, ebegado ltimamente, tan-
to em porfi como a rotalho, por preco commodo ; no
pateo do Carmo esquina da ra de Hortas, lado di-
reito n 2.
= Vende-se urna boa escrava de naci Angola, com
5 crias todos machos, de 11, 12 e 15 annos de ida-
de ; na ra do Hospicio n, 26, se dir quem os vende.
Vende-se urna guitarra du chave a mais rica
possivel e com sua caixa ; na praca da Independen-
cia n. 3.
Vende-se urna morada de casa terrea na Boa-
Vista na travessa do Ouiaho : a tratar na travessa do
Veras, casa n. 3.
csOTwwMf lasa 11. ~(j. 1 h-i) l
= Vendem se bezerros de lustro de luperior quali-j Em casa de Adamson Howie & Companhia na
Jo, recenlemente chegados; colla da Babia a 12/lrua do Torres, n. 42, ha, para venderse, cbaoipagnne
= Dao-se 20(lj rs. de gratificarlo a qualquer pes-
soa, que pegare trouxer o cabra llario que lugio
do engenbo 5. Braz, na villa de erinnaem nos ul- I
timos das de abril p. p ; he baixo do corpo barbado, |
e o signal mais certoque tem, be ser vosgo de urn olho;
quando (ugio levou calcas do ganga azul jaqueta
tamben) de ganga riscada cinzenta ; tora de idacle2 I
annos; quem o pegar, leve a cidade do Recua, na
Camboa-do-Carroo em casa do Sr. Antonio Luiz do |
Auiar.il e Silva, que leceber a dila gratificacSo.
= No dia 20 do corrente fugio o prelo Benedicto,
de naci Rebolo estatura mediana cor um tanto
fula representa 28 annos du idade ; quem o pegar,
leve a ra da Cruz n. 43, quo ser generosamente re-
compensado.
= Fugio um escravo crioulo, de nome I.uiz, cor
fula, baixo, grosso docorpo, pescoco curio falla brao-
da, cabeca grande e redonda natural da cidade da
Goianna e foi escravo Jo (nado Jos Rodrigues Chi-
ves ; quem o pegar, levo ao Recife loja n. 20.
= No dia 9 do jullio pelas!) boras da noulu dei-
appareceo da caa do abaixo issignado urna preta de
idade de 14 a 15 annos, de navio Angola, baixa, ebeia
do corpo, cara redonda com marcas debecbigss,
nariz cbato o o signal mais evidi nle, para ser conde-
cida be ter na testa una barroca funda: rogase m
autoridades policiaes tanto da praca como do mil-
lo e capilies de campo quo a apprehendio e leven
a seu senbor, na ra Direita que serio recompensi-
dos. Francisco Xavier Cavalcanti de Albutjuer-
que.
= Fugio, no dia 20 do corrcnle a noute, um prf-
lo crioulo, do nome Chrislovo muilo ladino, altu-
ra regular cheio do corpo sem barba beicos gros-
sos ; julga-se ter fgido para Macoi por ter sido
d'alli, de (iuilherme Jo da (iraca: quem o pegar,
leve a ra Direita padaria n. 09 a Antonio Ahei
de Miranda que ser generosamente recompensado
de seu trabalho; advertindo que o dito escravo hs
ebegado a esla praca ba 3 dias.
= Fugio, na noute do dia 20 do corrente, um mo-
lequede nome Joan de naci Cosa baixo, grosso
do corpo ; levou camisa do linho aiul ; quem o pegar,
leve a ra de Apollo n. 10, quo ser recompensado.
= Na madrugada do dia 20 do crrenle, lugio o
preto fttonio de nacao Angola de idade de 20 aa-
nos, pouco mais ou menos., estatura alia, secco do
corpo cor bem preta ; tem umj cicatriz em um dos
ps ; levou calcas de brim trancado du cordau camisa
de brim aqueta de riscado encarnado o chapeo de
seda preta ; alm desta roupa, levou mais algum (
por isso pode ser encontrado com outra : roga-se a
qualquer pessoa que o pegar, de o levar a casan.
13 na ra da Cadeia do Itecife quo receber f0/ rs.
de gratilicagao.
PERPI. J NATVP. DE M. F.DE I'AKIA ifcqS.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERYCOGLB2_CWYMAE INGEST_TIME 2013-03-25T15:24:57Z PACKAGE AA00011611_00841
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES