<%BANNER%>
Diario de Pernambuco
ALL ISSUES CITATION
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/00800
 Material Information
Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Friday, July 06, 1855
 Subjects
Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
 Notes
Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:00800

Full Text
-
ANNO XXXI. N. 154.
Por 3 meses adiantados 4,000.
Por 3 meiM ventados 4,800.
SEXTA FEIRA 6 DE JLHODE 1855.
.*.
Por anno adiantado 45,000.
Porte franco para o subscripto!.
M
\ '
*
DIARIO DE PERNAMBUCO
7
Y
EXCARREGADOA DA SUBSCWPf. VO-
Recite, o proprietMio M. F. de Farin ; Rio de Ja-
neiro, o Sr. Jon PereiraMerlins; Baha, o Sr. D.
Honrad ; Maeei, o Sr. Joaqoim Bernardo dei Me n
donen; Parahiba, Sr- Gervazio Viclor d Nalivt-
dade ; Natal, o Sr. Joaflnlm Ignacio Perein Jnior;
A raeatV, o Sr. Antonio de Leaos Braca) Cear, o Sr.
VictoriMoffHto lestjai; Miranhao, Sr.Joa-
quila Marques Rodrigos ; Piauhy,* Sr. Domingos
Herculano Aekiles Psima Cearence ; Para, oSr. Jus-
tino J. Ramas ; Amaxoua, o Sr. Jetnnymo da Cosa.
CAMBIOS.
Sobre Londres, a 27 1/4 47 i/8 d- IPor 1*'
Pars, 355 rs. por 1 f.
Lisboa, 98 a 100 por 100.
< Rio de Janeiro, 2 por 0/0 de rebate.
Acues do banco 30 0/0 de premio.
da companhia deTteberibe ao par.
da companhia de seguros ao par.
Disconio do latirs de 8 a 9 por 0/0.
METAES.
Ouro.Oneas hespanholas* |. 29000
Mo'das de 69400 velhas. 169000
de 69400 novas. 16*000
de 4*000. 99000
Prata.Paiacoesbrasileiros. 19940
Pesos columnarios, 1*940
mexicanos. .... 19860
PARTIDA DOS CORREIOS.
Olinda, todos os das
Caruar, Bonito e GaranhtiM nos das 1 e 15
Villa-Bella, Boa-Vista, ExeOuricury, a 13 e 28
Goianna e Parahiba, segundas e sextas-eiras
Victoria e Mata), as quintas-feiras
PREAMAR DE IlOJE.
Primeira s 10 horas 6 mi huios da roanhaa
Segunda s 10 horas e 30 minutos da tarde
AUDIENCIAS.
Tribunal do Conimercio, segundase quintas-felras
Relacao, tercas-feira&e sabbados
Fazenda, tercas e sextas-feiras s 10 horas
Juizo de orphos, segundas e quintas s 10 hars
1* vara do civel, segundas e sextas ao raeiofia
2* vara 'do civel, quartas e sabbados ao meio dia
EPHEMERIDES.
Jullio 6 Quarto minguante os 12 minutos e
40 segundos da Urda.
14 La nova as i hora*, 21 minutos e
4o segundos da manhia.
52 Quarto crescente as Shoras, 30 mi-
, nulos e 40 segundos da manhaa.
29 La cheia as 4 horas, 44 minutos o
33 segundos da manhia.
DAS DA SENARA.
2 Segnnda. 8. Isabel; S. Oihon b.
3 Terca. S. Eulogio ra.; Ss. Anatolio e Dathio.
4 Quarta. S. Isabel rainha viova f.
5 Quima. S. Filomena v. ; S. Trilina ra.
6 Sexta. S. Domingas v. ni. '. S. Isaas profeta. '
7 Sabhado. S. Pulcheria v. imperatiiz.
8 Domingo. 6." Ss. Precopio e Priscilla mra.;
Ss. Cecilinde Auspicio mra,
faite irriciiL.
\
MINISTERIO DA GU12RRA.
Rio de Janeiro. Ministerio dos negocios da
ijnerr, am 1dJ4sto do 1855.-Ulm. o Exm.
Sr.__S. M. o Imperador ha por beta determinar que
nos priroairea vapores sigam para seus oorpos os of-
lleiss constantes da inclqsa relacAo, ficanln na in-
diligencia baque deve V. Exc. lanar racolher. so
hospital paueofwu iapeCeinadoj, on prostw ot
qeien.iealmf i oWprotetto de msririia tal
tarera ao imlurque. A pagador ds h-ojia* *bc
nrdetxt para ajusta i Cufltat eTTassarTata'w -Torm-
(sUtbfeeida aos efliciaes de que irdo. Dos guar-
do a V. Etc.xfafqmz te Cax'm.St. bario de
Tramandahy.
fie loe* ios offieiaes los iifftrenlf carpo* doexer-
cilo aos quaes te refere* r* ietia dala.
1. regiment de rtitharia cavnllo.
Capjiao-Luit HMHqne de OH v eir Eubank.
MmemHeneaM*rEdardo de S Psraira de Castro.
2. baUill|MMiMntaria p.
CapilSo Norberterto A4airo Lopes,
l'rimeiro-tenenla Loiz Cartn da Costa Pimentel.
Thomaz GoncaNes da Silva.
3." baialhao (fe artiiaria a p.
CapitSo Jos Podro Nolasco Parejea da Cooh.
Primeire-lenenU SoJioaWfo 6VCu*a TEca e Costa.
Joaquim da Ganut Lobo' d'!
lijo de erlfnarii a p.
Capitn Jote; Mara de Alencaslro.
Bri'zilio de Amonm Betecra.
u Jlaoel Jos Qoellio do Freilas
l'rimeiro-tenento Jos d Cerqueira Lima.
'O d arliihart do' Mallo-Grosso.
Majar .los Pwiro Heitor. I
SeoreUrU de estado dos negooa* da guurra em 1 6
.le joalio de 1S5..Libanio A*iuto ia CunJu
Maltos..
Rio de Janeiro.Ministerio los negocios da
guerra, ein^tli pe jnho de 1855.Illm. e Eim. Sr.
De ordem dp S. M. o Imperalor manda V. Ese.
raeoHier ao prneiro batalhiode artilliaria a pe os
otliciaes constantes da relacSo junta, qoe sendo do1
Ao adjunto approvado oeste ultimo exame so da-
r um ltalo da eapacidade profesional, conforme
o modelo que se adoplar.
Arl. M. Os adjuntos, dt'pois do (rlennio de
liabilitacao continaarao addidos as escolas publicas.
O gorerno da provincia designar, dentre os maio-
res de 18 aiinos, aqoltes que devjm substituir os
professores em seas impedimentos. '
Nessas occasies pereeberao mais dnzentps oo Ire-
zentos mil rii de crnlilicai;So animal, conforme a
escola fot- do prtmeiro ou segando grao.
Ait. 41. Os asljunioj qoe tiverem obtido litlo
Arl. M. As escola de segundo grao podero ser
regidas por dpos professores, divididas conveniente-
mente por ambas as materias do ensino, on por um
professor, e um ou Jous .adjuntos, conforme as exi-
gencias do servir.o. .
Art. 55. A presidencia designara caas no centro
dos dislriclos com as precisas accommndacocs para
as escola*.
Onde nao liouver edificios pblicos, os mandar
construir, oo alagara' provisoriamente casas par-
ticulares.
jjy.id.de rmrfeosio-al... forma do arl, 3, * * .f*1*" Pwtarto. ***'
T.__________J:. j___,-r-'-_...- miltidoso Iivtos cumpelentcmriite anlorisados.
d'Esa.
e se acbarem as condicOes do art. 13." serilo Hornea-
dos professores pblicos das cadeiras qoe vagarem,
sem dependencia das formalidades dos arls. 18 e 21.
Para esleQm o director geral apreseotara' ao pre-
sidente da provincia orna lista de lodos os adjuntos
que se acbarem competentemente habilitadas, dando
a respeito de cada um as informarles necetsarias'
Art. 42. Os adjuntos as circunstancias do ar-
liC'i antecedente puderSo reqaerov- licenca ao pre-
sidente da provincia para leccionarern em collegios
eescolas partcolarcs desta, ou as de instrucrao
publica de outras provincias.
No caso, porm, de oblerem esta licenca ,
perderao a gralilica^o do artigo 37, O f po-
dero ser apresenlados para professores na falta de
adjuntos, que se hajnmconservado addidos as esco-
las publicas da provincia.
Art. 43. Em quanto nSo se organisar definitiva-
mente > classe dos adjuntos, segando o systema des-
la 1ei,e instruccOes, que forem dadas para sna
eiecucio, portera o presidente nomear, precediendo
concurso,se animo julgar conveniente, oovindo o
conselho direetqr, at o numero de dez individuos
de fora das escolas publicas os quaes se rilo ejercitan-
do nestas pelo mesmo modo, e coro as mesmas obri-
gac;oes vanlsgens dos membros daqnella classe.
Arl. 44. Os actuaes substitutos das escolas sero
conservados e empregados, como adjuntos emquan-
to se Ibes nSo der oulro deslino, percebendo os seos
vencimenlos adunes.
Arl. 4. Os adjuntos, de qoe trata o arl. 43, se-
rio propostos pelo director geral, sendo previamen-
raesmo corposeaclum em dilerentcs destinos. Dos le justificada a sua morafjdade, o idade maior de 18
guardo a V. EscMarque; d C'axias.Sr. bario
do Tratnanaahy.
iielarao iot ojfu*ais do prtmeiro latalltao dt arli-
Iharia mpa i/ue se refere o offitlo detta data.
CapiUes Jos Antonio Nolasco Iperaira da Cnnlia,
Manoel Jas Machado da .Costa, Pedro Francisco
Nolasco l'ereira da Cunh, Mnoel Balbino Nolas-
co Peroira da Cunta ; ot priroeirss-tnenles Jeru-
Dyrao sTnaaciseo Coetho e Kirmin Herculano de
Mor aas-Ancora.
Secrelatia de esftdo dos negocies da guerra, era
IGdejunlio de 1S5*.Tbaio Atigutio da Cunha
Mattai.
OOVEHMOI1A PKOVfNCIA.
LE N. 369.
Dt noca orjonisarao inllrucrio pttblicn da
provincia.
Conclusas.)
CAPITULO II.
l>roftw>rtt adjuntos, subttitui^Bei nos escolas.
Art. .$1. llavera ama classe d< professores adjun-
' toa, tujonurasro ser fixado pelo presidente da.pro-
vincia,-ov.id.os o director geral e'o conselIfnT
Art. 35. A classe dos protessores adjuntos sera
formada dos alumnos daaescolai publicas, maiores
de dozeannos de idade, dados, por prompUM com
dMineeio nos exames Mnuaes qiie tiverem (ido bom
procedlments. deserrvolvido vocacio para o ma-
gisterio:
Sarao preferiris em "igualdad* de eircomstancias
os Aillo* dos professores pablices que estiverem no
raso do"art. 3t, os alumnos pofires.
'Att- 36. A nomeaiJo dos profps'iores adjuntos se-
ra taita per portara do presidente da provincia, sob
ffoposl 4o director geral, envido o cooselho di-
*mf ; primeira nomeacio ter lugar no fim do cor-
ren*, anno em concurso geral, que se abilr para
o disc^ulos de todas as escolas mblica de inslroe-
gno asinstrocfies que se expedi-
r n^c^.formi.Ude do art. 1.
O coiisiiiio director arganisarit (lenlr os que mais
se dulinqui^i oeste concorso nma lista, da ciual
ser feria a escha pelo presidente da provincia.
Arl. 37. Oswofejwres adjuntos desde que forem
Horneadas perrebena rjm.i gralilicacao animal, que
ser rea alada pal" nanefi*^>wr.
No primeira anno...... 20tt&000
No sesjando...... 25O00l)
. No Urteico em dile. .... 3O0SOO0
Arl. 38. Estes proressore fleariio addidos u es-
colas, corno adjuntos, para se ap*rleicoarom as ma-
terias e pralicas do/eosine.
I'.idem ser mudados annual minie da escola por
ordeni do director geral.
Arl. 39. No fim de cada anno de ejercicio, e ale
o lereeiro, passargo por examo peranti o director
geral edons examinadores npmndos pelo presiden-
teda provincia, alim de se conhecer o grao do su
aproveamento.
Seo rosullado dosexames de Ibes for desfavoravel, aerflo elimiiudot da classe de
adjunto*.
O exame do lereeiro avino vertir, em geral, so-
bra as materias de ensino, e especialmente sobre os
meobodes respectivos, e o systema pratico de dirigir
urna escola.
jtol^tmT =
anuos, e procedendo-se a um exsme de suflicien-
cia e aptido peranle o mesmo director por doos
examinadores nomeados pelo presidente da pro-
vincia.
Ai I. 16. Tambem haver nma classe de profes-
soras adjuntas, segundo o systema dos artigos an-
tecedentes, e com as mesmas obrigaces e vantagens
que serio mais circumslanciadamente desenvolvi-
das as instrucres, que se refere o artigo 43.
CAPITULO III.
Das escolas publicas primarias, suat condieoes
e^rej/imen.
Art. 47. O ensino primario as escolas publicas
comprehende :
aA inytmc*Hit ntornl e rottgiosa.
A leilnra e escripia. 4
As nocOes essenciaes de grammalica nacional.
Os principios elementares da arilbmelica e soas
operaces fundamentaos em nmeros inleiroi.
O sj sienta de pezos e medidas da pioviocia. Po-
de comprehemler tambem:
Odesenvolvimeulo de arithmetica em soas aprJU
cales pf'ii-" -Wj em /]nRbrad^i.e-Jicimr9
qaer em complexos e proporr^>es.
A leitura dos evangelhos e noticia da hisloria
sagrada.
Os elementos de historia e geographie, principal-
mente do Brasil. ; ,
Os principios das sciencias phisicas, applicaveis
os osos da vida.
A geometra elementar, e agrimensura.
Desenlio linear, noces de msica, exercieio de
canto, gyimiaajiea, e am estado mais desenvolvido
do systema de pezos e medidas, nao s da provin-
cia, como do imperio, e das uac,es, com quem o
Brasil lem maior trato commerclal.
Arl. 48. As escolas publicas primarias serio di.'
vdidas em duas classes :
A uiiii perlcnecrao as de intrucrao elementar
com a denominarlo de escola de printeiro grao.
A oulrn as de aatruccao primaria superior, com
a deaominac.no de escolas do segando grao.
Arl. 49. O ensino as do primeiro grao ser es-
trictamente o que se acha determinado na primeira
parle do artigo 47, as do segando compreheodern
de mais ai materias da segunda parte do mesmo arti-
go, que por deliberaco do governo, sob proposla
do director geral, oovido o consellio, se mandar en-
inar.
Art. 50.. as escolas para o sexo femenino, alm
dos objerlos da primeira parle do artigo 47, ensi-
nar-se-b.lo tambem bordados e Irabalho de agollta
mais necessarios.
Arl. 51. Em cada paroebia haver pelo menos
urna escola do primeira grao paca cada am dos
sexbs. j ,.
Art. 52. a designarlo ilas localidadef, em que
devem ser estabelecidas escolas do primeiro e se-
gando grao, e do seu programar do eusino, ser
feita por delibera cao do ceaselbo director, com ap-
provatao da presidencia.
Arl. 53. Qacluacs proteseores nao podero re-
ser acadeirai do seaundo grao, sem que provem
compcteutemenle as suas habilitarOei as materias,
que accrescerem a aquellas, em que'foram ap-
provado*.
A preideocia, oovido o direcloe geral, fixora am
prazo razoavel para a execueSo desle artigo.
Sao garantidos premios aos professores, oo a quaes-
quer pessoas, que compozerem compendios, ou
obras para uso das esrolas, e aos que tradozirem
melhor em pnrtu?nez os publicados em lingaa es-
trangeira, depois de adoptados pelo presidente, se-
gando as disposl^Oes do art. 3 4, combinadas'com
as do art. 4.
A adopto de livros, ou compendios, que contc-
nham materias de ensino relig'oso.sera' sempre pre-
cedida da approvacao do prelado diocesano.
Art. ,j7. Nao obstante a disposir.lo do artigo SI,
quando em urna parochia por sua pequea popula-
cho falla de recursos, ou outra qualquer circoms-
lancia, nao se reonir numero saflicienle de alumnos
qoe justiliqaem a creaco de escola, ou a soa conti.
nuacao, a liouver no lagar escola particular bera
conecituada, podera' o director geral, oovido o de-
legado e o conselho de districto, e com approvacao
da presidencia, contratar com o professor dessa es-
cola a admissao de alumnos pobres, mediante urna
gratificarlo razoavel.
Art. 58. No havendo escola particular na paro-
chia, e querend* o parodio, ou seu coadjutor en-
carregr-se do ensino, podera' a presidencia, sob
proposla do director geral, conccder-lhe a gratifica-
cao, a que se refere o artigo antecedente.
Arl.- 59. No caso de soppressao de ama escola pu-
blica, o professor respectivo, se ainda ro for vita-
licio, reconheceado-se que nao procedeu de fado
seu a falta de alomos, de que trata o artigo 57,
sera' de preferencia e'mpregado na primeira vaga,
servindo entretanto de addido a outra escola com
metade de seos vencimenlos.
So porm for vitalicio, continuara' a perceber os
seus ordenados por inleiro, e emquanto nao for no-
meado para outra cadeira, servir' tambem como
addido a algaraa das escolas existentes, que o direc-
tor geral designar.
Art. 60. Todo o expediente dentro das escolas se-
ra' feito a custa dos cofres provmciaes.
Corrern tambem por conla drs mesmo, cofres as
drspezas de fornecimentos de livros e outros objec-
tos necessarios ao ensino dos meninos pobres.
Aos meninos indigentes se fornecera' igualmente
vestuario decente e simples, quando seus pas, tuto-
ras, curadores ou prolectores o oio poderem minis-
trar, juslficaodo-se previamente sua indigencia pe-
ranle o dffector geral, por intermedio dos delegado9
1 c conselho dos respectivos districtos.
Art. 61. O goveruo por um regulamento especial
determinara' o meio pratico da se darem laes justi-
ficarles, bem como a maneja de fiscalisar-se a cou-
servacao dos Objeclos distribuidos.
Art- 62. Se em qualquer dos dislriclos Iliterarios
a ultima mm.
Per madama C. Rejbaad.
(*)
/


VIH
tieleslino Piolot era o nico hirdejro da av. Ella
deixou-Ibe obra de dexe mil friirccsem mnedn, a
casa jrelha cotn sua mobilia do lempo dos duque, de
BreUnha, um jardimzinlto anitexo, que mo fora
cultivado desde muiins anuos, e so qual abundavam
a frama ef bardana* Essa fon ana i'eslnmprou o
joven obreiro. (Inmolados aquellesque vivem de
seus ioiuaes elle nao sabia cantar., e alsuos saceos de
escudos pareceram-llie Urna mina inei|olavel. Ins-
lalloi-se na caaa em repara-la. < couservnn em seu
serviep a boa mlber qoe tratara Calle! Piolot em
sua breve doenra. Esta era Uva de neo guarda da
alfande^a, f.izi.t o serviro caaeiro e ia > resto da dia
caurejar pela nica ra de4>:. leondo meias.
Desdees prihjeitos das r.elestir I'iolol manifes-
tara ama e. r-a,i pela tocieilade com que
devia achar-re'. nathaluiente em contacto. >in-
guem o vira un oteq uiin, elle njo tou-
Ydlva a ningucm par rasa, e ape
as sabia para pastear sosinho neira do mar.
Como corra o boata.de que Calle Piolut deixra co-
fret cheios de ditlierVo;./boa lie dp P... inlerei-
ava-se mallo por sabeiM) que.fa; ia eu herdeiro, e
interrogava Mosni, a velha criada ; ora esta nao es-
perava que nin^uerrr rogatse para dar iuformares
sibre sea joven amo, Se qual chataava familiarmen-
teCelesliuo.
Ninaueni pode definir a ndole dosse rapaz, di-
la ella, creio que n3o he loto, e com ludo nunca o
ouvi fazer o menor raciocinio : enfad.i-ne de faUpr.
Pastea lodo o dia dentro de casa, iu deila-se defiai-
xo do grande pareiro do jardim, n con templa ai nu-
vens que passam. ll's vetes diverle-se em 1er ; mas
() Video Diario n. 151.
ndaren giiio menores da dote annos em tal es-
lado de pobrrVa, quo alm da falla da roupa decen-
te, para freqi MBrem as escolas, vivam em men-
dicidade, qV^jieriio os tara' recolher a ama das ca-
ses deaulo, que devero ser creadas para semolhan-
te fim, com am regulamento especiaL^s
Emquanto porm, n.lo forera estabelecidas essas
casas, os Meninos poderao ser entregues aos paro-
dio, ou coadjutores, oo mesmo aos professores dos
dislriclos, com quem o director geral contratara',
precedrtelo approvacao do governo, o pasamento
mensal da somma precisa para o supprmento dos
maemos meninos.
Art. 63. Os meninos, que estiverem as circuns-
tancias do artigo antecedente, depois que receberero
a inslrur.r.io do primeiro grao, serao remellidos para
as companhits de operarios dos arsenaes de guerra
ou marinha, ou para ofticinas publicas, ou particu-
lares, mediante um contrato ; neste ultimo caso,
cornos respectivos proprielarios, e sempre debaixo
da fiscalisacio do juiz de orphaos. *
.Aquelles, porm, que .so dislingulrem, mostrando
eapacidade para estados superiores, recbenlo o des-
Uno, que parecer mais apropriado a sua intelligeu-
cia eaplidjo.
Arl. 1>1. Os pait, tutores, caradores, oo protecto-
res, que tiverem em sua companhia meninos maio-
res de sete aunos, sem impedimento phisico oo mo-
ral, e Ihei ii'o derem ensino, pelo menos do pri-
meiro grao, incorrerao na mulla d< viole cm
mil ris, conforme as suas circunstancias.
A multa sera' dobrada em cada reincidencia, ve-
rificada de seis em seis mezes. O prncesso nestes
casos lera' lugar ex-oOicio, da mesraa sorle que se
pratica nos crimes policiaes.
Art. 65.0 director geral por si e por seus dele,
gados velara' eflicazmenle na execucao dos artigos
nlecedentcs. e pira este fim haver' das autorida-
des lcaos as listas das familias, coulendo os oomes
e idades dos meninos pertencenles a cada urna.
Arl. 66. Os professores pblicos de qualqner dos
graos, alm das ohrigariies declaradas em diversos
arligos desla lei, devem :
l.Manler as escolas o silencio, a exaclido ea
regolaridade necessarias.
2. Apresenlar-se all decentemente vestidos.
3. Parlecipar ao delegado respeclivo qualquer im-
pedimento, que os inhiba de funecionar.
4. Organisar com o meimo delegado o orramento
das desperas de sane escolas para o anno financeiro
segointe, o qaal sera' enviado ao director geral na
poca, que for marcada.
5. Remelter-lbe no fim de cada trimestre um
mappa nominal dos alumnos matriculados, com de-
rlararno de soa freqoencia, o aproveitamento ; e no
fim do anno ara mappa geral, comprehendendo o
resaltado dos exaraes, e notando d'entre os alumnos
os qee se lizereni recomraendaveis por sea laicato,
ApiVtca^Slr Ttoralidade.
Estas notasacompanhadas'de observacoes do director
geral, serao transmitidas a presidencia, para que de
futuro as tenha em considerado.
Os mappas serao organisados segundo modelos im-
pressos, remellidos pelo director geral.
Art. 67. Os professores pblicos de qualquer dos
graos nao poderao :
1. Occupar-se, nem oceupar os alumnos em mis-
teres estranhos ao ensino, durante as horas das
licoes.
2. Ausenlnr-se nos das lectivos das fregaezias,
oade estiverem collocadas as toas escolas, para qual-
quer ponto distante, sem licenca do delegado respec-
livo, o qual s a podera conceder, e por molivo ur-
gente, al tres diax consecutivos.
Arl. 68. Os professores publicas das escolas situa-
das fora do municipio da capilat recbenlo men-
talmente os seus veocimentos das respectivas
collectorias provindaes, para o que o presidente da
provincia expedir as necessarias instrucrOes Ihe-
souraria da fazen-ta provincial.
Art. 69. llsver era cada escola um llvro de
matricula dos alumnos, rubricado pelo respeclivo
delegado. A matricula ser gratuita, e dever ser
leita pelo professor, a vista de urna guia annuol do
mesmo delegado, que, depois de registrada, (cara
archivada al o anno seguinle.
No livro da matricula notar o professor as fallas
dos discpulos, e seu adiantamentn em cada tnez at
o dia, em que sahirem da escola, e com declararlo
do motivo da sahida.
A guia dever ser passada a pedido do pai, lutor,
carador, ou protector, que declarara a sua residen-
cia, estado, profisso, naturalidade, filiacao, e idade
do alumno.
Arl. 70. Nao serao admillidos matricula, nem
poderao frequentar as escolas :
1. Os meninos, que padecerem molestias conta-
giosas.
2. Os que nao tiverem s;do vaccinados.
3. Os escravot.
Art. 71. .A's licoes ordinarias das escolas' nao po-
derao ser admillidos alumnos menores de cinco an-
nos, nem maiores de quinze.
Ar. 72. Quando urna escola do 2o grao lver dous
professores, serao estes obrigados alternadamente
por mez ou por anno a ensinar as materias da ins-
truccao primaria duas veaee por semana oas horas,
qoe Qcarem lirres, aiuda que seja em domingos e
dias santos, aoi adultos que para esse fim se Mies
apreseotarem.
' O governo peder incumbir esta larda mediante
urna gratificarlo, que sera marcada por cada disc-
pulo, ao parodio ou seu. caodjutor, as parochia,em
quo nao liouver o ensino do 2 grao.
No caso de escusa da parle desses funceionaros,
ou nao se podendo verificar par qualquer circums-
lancia a providencia mencionla, podera ser incum-
bido daquelle ensino nos domingos, e dias santos
prbfessor do 1 grao, ou algom professor particular,
que te queira encarregar delle, com a referida gra-
tificarlo.
Arl. 73. Os meios disciplinares para os meninos,
serao os seguales ;
Reprehentio.
Tarefa de Irabalho fora das horas regalares.
Oulros castigos, qoe excilem veame.
ComraanicacHa ao pais para castigos maiores.
Expultao da escola.
O director geral, ouvindo o conselho director, ex-
pedir instrucrOes para o emprego destes meios dis-
ciplinares.
A pena de expulsao s ser appli^ada aos incorri-
giveis, que 'possara prejadiear os outros por seu
esemplo, ou influencia, depois de esgolados ce re-
curtos do professor, e da auloridade paterna, e pre-
cedendo autorisacao do direcfor geral, por interme-
dio do respectivo delegado.
Art. 74. O melhodo de ensino nat escolas ser em
geral o simultaneo : podera todava o director geral,
ouvindo o conselho director, determinar, quando o
julgue conveniente que se adopte oulro em qualquer
P.rocina, conforme os seus recursos e necessidades.
Arl. 75. as escolas publicas serao feriados, alem
dos domingos, e dias de guarda, os de fettividade
nacional, designados por lei, os de lulo publico, de-
clarados pelo governo, os do carnaval desde segunda
al quarta-feira de cinza, os da semana tanta, e de
Paschoa, o dia 2 de novembro, e os que decorrerem
desde 20 de dezemnro al 6 de Janeiro.
Arl. 76. No regiment intecuo das escolas, que
se refere o 7 do arl. 3 se eslabelecerao regras pa-
ra os exercicios escolares para a execuclo do art. 73,
forma e poca dos exames dos alumno,, horas das
lices, e oulros objectos desla ordem, que nao esti-
verem exprestamente regulados as disposicoes an-
teriores i
Arl. 77. Os professores pblicos de uro e nutro
grao se reonirao duas vezes annualmeole, as ferias
da Paschoa, enas do Natal era, logar, qoe lites ser
designado pelo director geral, para conferenciaren!
entre si sobre todoe os pontos, que interestarem o
rgimen interno das escolas, melhodo do ensino, sys-
tema de recompensas, e ponieres para os alumnos,
expondo as observarles, que houverem colhidevda
sua pralica, e da leilora das obras, que tiverem in-
sultado.
Estas conferencias serao publicas, e poderSe-lin-
rar al tres dias consecutivos, em horas annuncWas
por joruaes, onde os liouver, ou poT edilaes.
O director geral, ouvindo o conselho director, da-
r insliiicres espertaos para a eiecnrao desle *rfh}o,
as quaes serio expedidas, depois do approvades |>eio
'ftJWrjWt-..
TITULO III
quinto a fazer aljama couta, isso nunca lhe aconte-
ce. Elle vera o forro da sala cabir-llic sobre a ca-
bera, e nao se levantara para pregar-lhe um prego.
Seu gosto inrlna-o a ler cuidado de sua pessoa.
Todas as manliaas lava o roslo, frisa os cabellos e
vetle-te com asseio, porm he para ti t que prepa-
ra-se assim ; pois apenas sabe tarde para ir pastear
pela praia. e observe que dava urna volla para nao
patear diaiite da guarda da aifaudega, onde ha em-
pre gente. Se por acaso euconlra atguem que o
sauda, conleula-se de per a mao no chapeo, e canli-
nua seu camiulio ufano, como se fosee am Ker-
brejean.
O cavalleire eumpria escrupulosamente os deve-
res do uso, ainda mesmo para com seus mais humil-
des vizinbos ; assim no dia das exequias nao deixou
de r dar os pesamos ao.neto de Caltel Piolot. Al-
um teinpo depois o joven obreiro apresentou-se no
easlellu para pagar-lhe a visita. .
Era de larde, o risonho sol de junlio dardejava
bllqoiinenle seus raios por entre as gelosas, e der-
ramnVno salan urna claridade branda e fresca. O
cavallMro as*enlado em sua poltrona lia em voz alia
i relacao de una viaccm s.Indias orienlaes, e a so-
bimba, inclinada sobic sna obra de tapecara, ou-
via-o com allencao. Parto delta (erlrudes com o
cesto de 18a sobre os joelltos, escnlhia as cores do ra-
malhele de peonas que Irene bordava, e puuha a
bla en novellos, em quanto Mimi em p (liante del-
ta, e teodo o ucgaiho ao braco, voltava a cabera com
ar distratlido, e olbava pela janella.
Ter-se-hia podido fiizer om bello quadro domes-
tico com essas figuras assim asrupadas, e cada urna.
femada isoladamenle lerl, oflereeido ao artista um
lindo modelo.' O cavatliro linlia ama admiravel
cabera de vellto ; aefls.fl^oes grandiosas, sua estatu-
ra elevada, riavnfn-lhd&rar de um destes persona-
sen! de Conidio ; e (iertrjjfles com seu vestido pre-
lo e soa pbjsionomia austera e branda, represeola-
va as molheres piedosas do grande seculo, madama
de Comb en madjroj de Miramion. A fnrmosura
soberana do madnnJ*ella de Kerhrejean, sus cstalu
ra esvelta, seue lontjos cabellos de reOexot dnurados
traziam a memoria os lempos fabulosos da cavila-
ra, laes deviam^fejbui mulheres da corle do rei
Arlus, a loura rimja^Jiiievra, e madama Iteolt de
mos alvas. Ao primeiro aspecto essa belleza res-
plnndecen'.e deixiva na sombra o rosto Irigueiro e
Da inslruccao publica secundaria.
CAPTULO NICO.
Ondedece ser dada.
Arl. 78. A instruccSo publica secundaria da pro-
vincia ser: dada no Gymnasio Provincial.
Ar. 79. Kicam supprimidas das actuaet cadeiras
de lalim, as das fregaezias de S. Fre Pedro Gon-
calveo, S. los, Bon-visla detta cidade, pastando os
respectivos professores, ou substituios servir 00
Gymnasio, se para islo os julgar habilitados o presi-
denle da provincia ; e devendo no cato contrario
permanecer oo magisterio al qoe o governo Ibes d
um destino conveniente.
TITULO IV.
CAPITULO NICO.
Do ensino particular primario e secundario.
Arl. 80. Nioguem podera abrir escola ou oulro
qualquer estabelecimento de instrucrao primaria
ou secundaria tem previa autoritario do director
geral.
Arl. 81. Os prclendentes justificaran idade maior
de 21 annos, moraldade e eapacidade professional,
pelo modo determinado nos arligos 14, 15 e 17 a
20, e decanlo a profisso que tiverem ejerci-
do, oo qual o seu meio de vida nos ltimos cinco
annos..
Arl. 82. As provas de eapacidade poderao ser
dispensadas pelo governo, segundo as materias que
pretenderen! leccionar.
1. Aos professores adjuntos na forma do arl. 42.
2. Aos que tiverem sido approvados nos estados
superiores, pelas Academias ou Kaculdadet do im-
perio ; aos que forem, ou tiverem sido professores
pblicos e aos hachareis em humanidades.
3." Aos que exhibirem diplomas de Academias es-
Irangeiras, competentemente legalisadot.
4. Aos nacionaes e estrangeiros recoohecida-
menle habilitados, a quem o governo conceda dis-
pensa, ouvidos o director geral e o conselho di-
rector.
Art. 83. O director de om cstobclccimenlo de
inslruccao deve, alm das outras murtc/ies do art.
80, justificar idade maior de 25 annos, e declarar :
1. O programma dos esludos, e o projeclo de re-
gulamento interno de sea estabelecimento.
2. A locatidade, comraodos e situaran da casa em
que liver de ser fondado.
3. Os nomes a habilitac/s Teasc* dos professores
que houvor contratado ou pretender contratar.
O director geni regular em instracc/ies na con-
formidade do numero 3 do 8 do art. 3 a maneira,
por que deve ser provada a eapacidade professional
dos directores, segundo a importancia dos respecti-
vos eslabelecimenlos.
Art. 81. O presidente da provincia marcar om
prazo razoavel aos professores e directores actuaes,
nao s para te habilitarem, como tambem para re-
gularemos seus eslabelecimenlos, na forma das pre-
sentes ditposicea.
Art. 85. No' caso de fallecer algum diredor de
estabelecimento desta ordem o governo podera dis-
pensar na idade o lilho ou herdeiro maior de 21 an-
nos, que pretenda continuar a manle-k) ou dirigi-
lo, se no tiver contra ti eutr* motivo de inler-
dicco.
Art. 86. Os professores oo directores de eslabe-
lecimenlos particulares t3o obrigados:
1. Remetler aos respectivos delegados re a torios
Irimensaes de seos trabalhot, declarando o numero
de alumnos, a disciplina e compendios adoptados,
e fazendo as observacoes, quo entenderem conve-
nientes.
2. A participar-lhes qualquer alteracao, que pro-
jeclem no rgimen dos seos eslabalecimeulos com
a precisa antecedencia, e a^solicitar autorisacao pa-
ra isso.
3. A dar-Ibes parte de qualquer mudanra de re-
sidencia.
4. A franquear-lites as aulas, dormitorios a mais
dependencias dot estabeleciraento, no caso de os
quererem inspeccionar.
Arl. 87. Os directores qee nao profeesarem a
regiao catholica apostlica remana, serao obliga-
dos a ler nos collegios um sacerdote para ot alora
dos desla communbao.
Arl. 88. Os proressoresedirectores de eslabeleci-
menlos particulares poderao adoplar qaaesquer
compendios e methodos, que nao forem expressa-
menle prohibidos.
Art. 89. lie vedado ao director de eslabelecimen-
los parlicolares :.
t. Keceber em soa casa com domicilio fiso outras
pessoas alm dos mestres, discpulos e empregadot
regulares dos mesmos estabelecimento-.
2. Mudar sem previa declarac.au e licenca o ca
racter de seu-estabelecimento, qoer ampliando o
programma, qoer donando de observar e cumprir
os empenhos contrahidos com as familias nos pros-
pedos e annuocios. I
paludo de Mimi; mas quem vollasse a vista para elle
observara que a lillia do sallimbanco linha grandes
olhos negros o nvellodados, um perfil elegante, la-
bios rosados e cintura fina. O traga modesto que li-
nha ordinariamente assentava em sea semblante sem
brilho, o neste momento ella eslava linja com tea
vestido roxo, sea lenco recortado e seos cabellos bas-
tos alados com ama lita preta.
Ab exclamou ella repentinamente avistando
Celestino qoe balia a grade, eis o ueto de Callel
Piolot.
Tu o condeces ? pergnnton Irene.
Sem dovida, responden ella ; vi-o orna tarde
em que pntseava na estrada ; elle saodou a senhora
Gerlrudcs que eslava sobre o terrado. Keconheco-o
bem, embora esteja em Irage de ceremonia.
De o lulo.
Elle est todo vestido de prelo com urna gr-
vala branca como Mr. Longemain.o notario, quando
vem fazer toa visita no primeiro dia do anno.
O cavalleiro tirou ot oculos e fechou o livro. Um
instante depois Celestino apparrceu. Adiantou-se
capidamente at ao meio, da sala laucando um odiar
em torno.de si ; mas ahi parnu, tirou o chapeo que
livera o cuidado de no tirar na antecmara, e an-
dn como Mr. Bocas nos dramas da Porta de San
Marlinho. O pobre rapaz havia frequentado os Ihea-
tros do passeio publico, e pensava que era assim
que convero apresenlar-se na boa sociedade.
Assenle-se, tneu charo Piolot, diste o cavallei-
ro mosirando-lhe urna poltrona perto da sua. Te-
nho grande satisfcelo de m-lo.
Celestino fizera um grande esforro para ejecutar
soa entrada; porm depois desse primeiro passn, que
alias era o miis dillicil, peiturbou-se repentina-
mente, tropefou em um muvel, e chegoo, sem saber
como, diante do tear de bordar, o qual quati derri-
ba, veltando-se.
Bom dia, seuhnr Celestiuo, dase madamesslla
de Kerhrejean conlendo um leve sorriso. Eu linha
pedido a meu lio que lhe rnmmiiniraise a parle que
.loniei em sua alllici;ao. Como esl alora f
Milito bem, responden o rapaz com voz sudo-
rada, e procurando sabir da especie de triangulo
que formavaio em torno delle a aia e as duas rapa-
riga!.
Assente-se, meu rapaz, repeli o cavalleiro
faz muito calor l fura, nao ha vtrdade ?
Arl. 90. Os collegios de meninas s poderao ser
regidos por senhora, qne provem estar as condi-
c/ies exigidas para professorat publicas.
As directoras de collegios ficam sujeitas s mes-
mas obrigaces impostas aos directores de eslabele-
cimenlos de intlrucrao secundaria.
Arl. 91. as casas de educado de meninas nSo
se admitlirSo alumnos, nem poderao morar pessoas
de sexo roflscolino maiores de dez annos, excepto o
marido da directora.
Art. 92. O directores dos collegios, que d'ora
em diante sn estabelecerem, serao obrigados a ler,
quando sejam ealrangeiros, pelo menos nalsde dos
protessores brdteiro*. ., -.
Art. 93. Sao applicaveis i matricula, ou' ad-
missao de alumnos em lodos os eslabelecimenlos
particulares de inslruccao as disposicoes dos nme-
ros 1 e 2 do arl. 70.
TITULO V-
CAPITULO NICO.
Falla dos proftstotfs e directores de estahelecimen-
tos pblicos e particulares, penas que ficum
sujeilos, proceiso disciplinar.
Art. 94. Os professores pblicos, que por negli-
gencia ou m vonlade nao cumprirem bem ossens
deveres, inslroinjo mal os alumno, exercendo a
disciplina sem criterio, deixan-lo de dar aula sem
causa justificada por mais de (res dias em om mez,
ou infringindo qualquer das dispoiicas desta lei,
ou as derisoes de seus superiores, ficam sujeitos s
penas seguinle:
AdmoeslicSo.
Reprehensao.
Mulla at 50 rs.
Sopenan de exercic'u e vencimenlos de um i
tret mezes.
Per da d cadeira.
Art. 95. As tres primeras peuasserao impostas
pelo director geral, e as duas ultimas por delibera-
cao do conselho director.
Haver recurso para.o governo provincial de to-
das at penas, excepto das de admoeslaco e repre-
hensao.
O recurso dever ser interpostu dentro do prazo
de cinco dias, cootados da inlimacao.
Art. 96. A pena de satpensao ser imposta :
1. Na reincidencia dp actos, pelos quaes o pro-
fessor tenha sido multado.
2. Quando o professor der mos exemplos, ou in-
culcar mos principios aos alumnos.
3. Quando fallar o respeito ao director geral, e
mais funceionaros incumbidos 'da inspeecao do en-
tino, em ado de servlco.
Arl. 97. O professor publico perder a sua cadei-
ra, mesmo depois de haver servido o lempo de ar-
lgo 25:
1. Quando for condemnado i pena de gales on
prisocom Irabalho, ou por crme de estupro,'adul-
terio, roubo .ou furto, ou por algum oulro da cias-
te daqaelle<, que oOen.lem a moral publica ou a
relgiao do estado.
2. Quan lo Unha sido suspenso por Ires vezes.
:!. QuandoTomentnr a inmofatuflSe entre os a-'
lumnos.
', Art. 93. Ftear suspenso do ejercicio, e venci-
mentos respectivos o professor, que for argido d'atv
gum dos crimes especificados no artigo 15, ou pro-
nunciado nm oulro qualquer.
Arl. 99. Os profossoses e directores de escolas,
e eslabelecimenlos particulares d'inalraccao prima-
ria, ou secundara, incorrerao na multa de 509000
2003OOOr5i, qoando abrirem as ditas escolas, ou
est.ibelecimeotos, oo ahi leccionarern, tem previa
autorisacSo do director geral.
Arl. 100. Incorrerao tambem na malla de 209
100 ris, quando deiiarem de cumprir as obriga-
ces, qoe esta lei Ibes irope.
Art. 101. Na reincidencia dos casos do artigo an-
tecedente, ou qoan lo os professores e directores of-
femlerem, ou consenlirem em olfensas moral, e
bons costumes, ou quanlo persislirem na falta, de
que trata o rligo 99, a presidencia mandara fechar
a respectiva escala, aula, ou collcgio.
. Art. 102. A imposirao de qualquer d'eslas penas
nao isents o culpado de sofirer algnma oulra, em
qoe haja incorrido pela legislarlo era vigor.
Arl. 103. Quando o conselho diredor tiver de
julgar as infracoes disciplinares, na conformidade
da ultima parle do artigo II, seobservarao as dispo-
sicos dos arligos seguintes.
Arl. 101. Apresenuidao directora acensadlo por
denuncia, oo requerimenlo de parle, oq recanhe-
cendo elle, qoe deve ler lugar independente de ser
requerido, convocar o conselho, para que a julgue
procedente ou inprocedenle.
Art. 10a. Jalgada procedente a denuncia, ser
oovido o acensado por e lhe for assignado pelo director gcra|, segando .1 dis-
tancia, em que se achar. (
Art. 106. O conselho interrogar ao acensado,
para o qua o director gera! o Tari comparecer pe-
ranle o mesmo conselho, e ouvir as prisa, que
souberem do tacto denunciado, assignindo previa-
mento dia para isso.
Arl. 107, Sobre a' resposla do acensado, depois de
se haver procedido as diligencias do artigo antece -
denle, ou revelia, quando o aecusad nao responda
00 prazo, que lhe liouver sido assignado, o conselho
resol ver sobre a natnreza do del icto, e pena, que
lhe deva ser imp osla.
Art. 103. Para qoe o conselho jolgue procedente
a aecusacilo, e possa declarar,que lem lugar a pena
de domiasflo d'om professor vitalicio, ou de fechar-
te urna escola, ou collegio particular,' he necejstrio
que o mesmo cooselho se aehe completo, deveudo
para isso convocar-so os membros substituto! no im-
pedimento dos eITcctivos.
Art. 109. Nos casos do artig antecedente o con-
selho director nao Impor llefinrliramoBle a pena,
mas sobmrtler a soa decisio presidencia, para
que retolva sobro a materia.
Art. 110. Nos casos, qne affeclarem gravemente a
moral public, 011 em que baja perigo na demora da
deliberacao definitiva, o director geral dever ius-
peoder desde logo o professor culpado, ou determi-
nar, que se feche o estabelecimento par tico lar, al
a decisao do conselho, qde ser immediatamento
convocado, levando-se tadVwtiooriecImenlo da pre-
sidencia.
Art. 111. Serao reguladas pilo governo, ouvidos
o director geral, e o cooselbo, logo depois da sna
poste, at tizan, qne devem ser cobradas por cada li-
cenca para abertura d'aolas, e collegios parlicolares,
pela expedica'o dos ttulos de eapacidade professio-
nal, eassim quaesqoer outros emolomenlot da repar-
tirlo de instrucrao publica.
Arl. 112. O producto dessas Orlas, emolumentos,
e multas sera' recolriido ao. thesouro provincial, e
formar um fundo de reserva para ser applieado a*
despezai da directora geral, e do raeihorameolu do
ensino.
TITULO VI.
CAPITULO NICO.
Do Gymnasio Provincial.
Art. 113. Pie o lyceu desta cidade convertido em
um Intrnalo de educacao publica, e de intlrucrao
secundaria'sob o titulo de Gymnasio Provincial de
Pernambuco.
Arl. M4. educacao do Intrnate tender cons-
lanlomente a formar o corceo do alumnos, e a ins-
pirar-Ibes o mor da relgiao e dos bons costme,
pela patarra, e pelo ejemplo.
Arl. 115. Ainttroccaodolnlernalo>oaereceri nm
systema de esludos elementares, qua abrace as lel-
tras, sciencias e artes, qne sao indispeosaveis aos que
se destinaren! a escolas especiaes, ou aos quepcelerf"
derem ejercer com vanlazem qorlqer ramo de in-
dustria, ou de cdmmercio.
Art. 116. A edufncJo religiosa, e moral dos -
lumnos ser confiada ao regedor, o ao esmei
do Instituto, e eoadjnvada por lodos os pr'otaeSs-
res.
Art. 117. As segointes disciplinas, e cadeiras for-
nim o systema de estuJos do Gymnasio:
l.i Liogui latina, distribuida em daos cadeu
ra. '
2. Lingua grega, em urna cadeira. fc ( -,
3." Lingua francesa, era urna cadeira.
4; Lingaa ingleza, em orna cadeira.
5. Lingua allemaa, em urna cadeira.
6.< Dcsenho, ero urna cadeira. 1
7." Historia e Geographia, em doas cadeira?. /
8. Malhemalicas clemenUres, comprehendndor
Arithmeliea, lgebra al eqoaees do 2. gro^/
Geometra, Trigoaomelria rectilnea, em nma ca
^
Muilo calor, senhor cavalleiro, responden elle
sempre no mesmo lom e decidtnde-te a passar dian-
le de Gerlrudcs para ganbar a cadeira que lhe era
destioada.
Mas nesse movimenlo levon comtigo a lila qne a
aia escolhia, e o neaalho rpidamente'arrancado dos
bracos de Mimi foi eahir sobre os sapalos do caval-
leiro. Celestino preeipilno-te para apanha-lo, e as*
senlou-se depois conservando-o na m3o com om ar
de confusilo espantada.
Nao he nada, ditse Irene depois do ter apanda-
do o novello qoe. rolara tambem sobre o assoalho ;
mis vejam essa louqoinha que acha grica em impe-
dir as-ini a patsagem gente com fios de da cor da
rosa I
Com cuello Mimi ra i gargalhadas sem fazer ca-
so dos signaos que fazia-lhe a aia, do emhararo em
qoe punha madamesella de Kerhrejean e do descon-
lenlamento do cavalleiro. Passada essa explosao de
alegra, ella dirigite a Celestino, e disse-lhe :
Eia, senhor, restiloa-me o que lomou-me.
lie boa vonlade, balbuciou elle apresenlando-
Ihe o negalho.
Mas a rapariga meneou a cabera com um sesto de
impaciencia, e esiendeu os bracos para fazer lhe com-
preltendcr que devia tornar a por as coutnt no esta-
do em que as linha adiado. Depois gue eJIe obeds-
ceu, Mimi fez-lhe ama reverencia, e ventou para
junio de I erlrudes.
Ella nao he tmida, disse em voz baixa o ca-
valleiro aia.
Celestino havia recobrado algom saugue fro, e o
cavalleiro acabou de tmnquillisa-lo pela sua benvo-
la faniiliaridade.
Eolito, meo charo, agora que receben a heran-
ca de sua av nao pretende estabelecer-se aqu'.'
NSo sei ainda o quo farei,, retpondeu Celesti-
no; este lugar' nSo he muilo airadavel, principal-
mente a quem esteve em Pars.
He conforme encaratn-se as cousas; e onde
tem ainlencAo de morar?
Na capital.
Nao faca isso, meu amigo, replicn o cavallei-
ro vivamente; reflua sobre soa poalrao : rom o
que soa av delxou-lhe e traba liando pelo seu ofll-
cio, Vmc. pode viver aqui mui commodamenie, o
que certameole nao lhe acontecer em orna cidade
grande. Fazendo algnns reparos em soa casa ter
urna habitarlo melhor do qoe inuilos I1ur2ue7.es de
Paria, qoe alias pagam um grande alosad, melhor
que todos os obreiros, que veem-se obrigados a mo-
rar em dorriveis goas furladas, cojas janellas asse-
meldam-se s armadllhas para apadhar lobos. As-
sim hi" ludo o mais. Conheeo a capital, e nao hesi-
to dizer-llie qoe he o lugar mais doentio para os ri-
pazes como Vmc. ElleS ahi perdem-se em corpo e
alma, porque ha ahi om lodacal que corrompe a lu-
do o que toca, sao mis tradieOes, e os'exemplos
perniciosos. ato
Depois dessas palavras Celestino nao alreveu-se a
diter qoe pa-sara tres annos em Paris, e que linha
quati saudades dessa vida das aguas furladas a Ja of-
licina, de qoe o cavalleiro fallava cora tanto desdem
e indiRnaco.
Por ora n.lo ten lio nenlium projeclo, disse elle;
escolherci n lugar em que hei de fixar minda resi-
dencia, quando aborrecer-me desle.
Isso pode acontecer-lhe brevemente, observou
Irene; ouvi dizer qne Vmc. vive quasi stinho ?
Tenbo alguns livros quefazero-me companhia,
responden Celestino com certa emphase.
Vmc. aproveila as horas vagas para instruir-
se i' Faz muito bem, disse o cavalleiro vivamente.
Tenho urna boa biblioteca, e p-la-hei com muilo
goilo tua prefere?
Gosto muilo dos versos, retpondeu Celestino
evasivamente-, ha passagens mui bellas em Augusto
Kavachon.
Ol 1 oh I nao conheeo este poeta, murmurou
o cavalleiro.
Talvez elle nao tenha escriplo muito, disse
Irene.
He om de meus amigos, responden Celestino
ingenuamente. Seut versos nao eslao impressos ;
mas correm algumat copias. Possuo urna de soa
bella salyri sobre o poder, que comer assim :
Se eu detesse Incensar-te, quebrara a lyra!...
Meo charo Piolot, eu lhe farei ler couiat me-
ntores, inlerrompea o cavalleiro. Conhece os auto-
res anligos, os que rhsmam-se classicos t
Tenho nuvido fallar delles, responden o rapaz
com algum desdem.
Hei de emprestar-lite soas obras ; agora ellas
seriam muilo elevadas para Vmc; imporla princi-
piar pelas obras menos primorosas. Vmc. vira visi-
Philosophia racional e moral, m urna ca-
deira.
10. Sciencias nitnraes, comprehendendo historia
natural com os elementos de zoologa, botnica, mi-
neraloga e geologa, phlsica "O chymiea em sena
principios genes, e miisapplieaveis aos usos da vi-
da", em duas'cadeira.
11. Lingos elillerstora nacional, em nma ca-
deira.
12." Eloqoenca e Potica, em nma cadeira.
Arl. 118. O presidente da provincia organisar um
regiment espacial para o tiymnatio, no qnal se re-
gular a parte do ensino, qoe deve ficar eompetin-
do cada cadeira, a ordem dos estados, o tytlema
das lir,es, o melhodo dos exames, e todo quanlo
for relativo ao moviraento interno do eitabeleer*
menlo.
Art. 11. O estado liUerarie, e ecenlBeo -do_-
Gymnasio sera percorrdo em seto annos loeli-
vos.
Arl. 120. Os alomaos, que Dnalitarem o estadio
sem nota, e forem approvados encada um dos sete
annos nas malarias, que eompoe o sea ano, rece-
berao um certificado, om forma de diploma, assig-
nado pelo regedor, e professores do ultimo anno, e
secretario do Instituto. ,
Arl. 121. Oi alumnos que obtverem o cerlifiea-
do'de que trata o artigo antecedente, serio'sempre
preferidos em concurrencia com oulros para os em-
pregos pblicos provinciaes.
Arl. 122. Alem das ditdptinas meneieoadas no
art. 117, qoe formara o systema de esludos da Gym-
nasio, ensinsr-se-hao tambem pelle asarles de m-
sica, danta, gymnatlica, nalacao eeqoitacaa, sob
a direccio de mestres especiaes, os quaes percberSo
o ordenado porque se ajutlirera, no podendo ex-
ceder a 600, o que se der aos dewrMmsca a na-
laclo.
Art. 123. O alomno do Gymnasio, oo eslranhn
so estabelecimento, qoe for reprovado em um anno,
nao pode ser admitlido a oovo exame, senSo depois
de lindo o prazo de um anno.
Arl. 124. Sent admittidos no Instituto meio-
pensionistas o alumnos externos ; mas estes ltimos
lerao oas antas e em lodos os aclos da communida-
de assentos, ou logares separados dos internes o
meio-pensionistas.
Arl. 125. Ser permillido aos alronos externos
qoe fieqoenticem o Gymoatio, malricolar-se em
qualquer dos annos, com tanto que isjam appro-
vados nas materias do anno, ou annos anteriores.
senhor Celestino; adeo, meu amigo, responderam
ao mesmo lempo Irene, Mimi o cavalleiro.
Nao se incommode, no se Incommode! disse
o mancebo dlrigindo-se para a porta e laudando vi-
"t
lar minda biblioteca e procuraremos o que lhe con-
tera.
Celestino exprimi seu reconhecimenlo iucbnan-
do-se. Essa apreciacao de sua instruccao e de sea _
gotto lisoogeava-o modiocremenle ; mas nao julgon vamenle o cavalleiro, o qnal obslioava-se,em acom-
conveniente provar sua competencia tentando algu-
nas citares de seu amigo Kavachon, e abandooou a
qoestio literaria.
A nalureza he muilo bella nesla estacao, excla-
mou lie soltando a vista para o jardim.
Ella be sempre bella na notsa Bretanha, diste
o cavalleiro vivamente. Apenas as primen-as geo-
das levara as follia das arvores, nossas sebes de es-
pinheirot cobrem-se de flores, e 110 corajao do in-
vern a Ierra lem ja um ar de primavera.
He om espectculo que a gente nao farla-se
de contemplar, conlinuou Celestina ecolhendo as
phrases ; a simples nalureza he tao admiravel! Um
de mees amigos he artista, e desenha paizsgens. Eu
ia com ello, e via o pintar. Elle fez dianle de mim
um quadro graude para a exposcao... era urna pin-
tura magnifici.... todava foi recasada.... Umqoa-
dro sobre o qual elle passra Ires mezes, um quadro
que lerla comegado sua reputadlo, e feilo lilvez sua
fortuna Elle foi obrigado a relira-lo, e entao os
amigos falsos que tinham-nojelevado is nuvens, dif-
ramaram-no por loda a parte. Julguei que meu
pobre amigo eiHloudeccsse por isso.
Coitadol que fez elle dessa piulara '.' pergun-
lofl Irene ingenuamente.
PorsMelicidadc era nma paisagem, bem co-
mo ja disse. Elle poz no meio urna bella vacca e
algumas gallinlus, e euviou-a ao pai que he criador
em Monlmarlre. O bom homemjulgou qtte o filhoi
pinlr esse quadro de propo-ito para po-lo sobre a
noria de seu estabelecimento, e agora todos podem
v-lo serviodo de taboleta na fazenda do vellio Bo-
binan. JSw
A i'onversacgo prolongou-se assim at a hora do
j.nitar. Celestino comptehendeu que era chegado o
momento de relirar-se; mai para elle era ama
grande diflleuldade ahir.. Aailava-te sobre a cadei-
ra, e torca as abas do chapeo meditando nma for-
mula para despedlrv*e; emfim levanleo-se como
impedido por urna iiiela7e~s)isse passando a mao pe-
los cabellos:
He Urde, permita qoe me relire.
Adeos, mea charo Piolo!, at a odlra vista,
panha-lo.
Depois que elle sabio, Mimi exclamou seguiodo-o
com a vista al a grade.
Quena creca que he o neto daqnella velha
Cattel to bia e 18o estampada i... Elle est pen-
leado, lem tovas e urna correte de relogio.
Achas-lhe bom ar ? pergunlou madamesella de
Kerbrejtan.
Oh 1 tlm, elle nao parece um obreiro, respon-
deu Mimi.
diz isso porcausa de toa casaca preta, ob-
servou Gerlrcdes com nlencSo om lano r.ombeleira.
No mesmo dia depois do jaitlar Irene levou o ca-
valleiro ao jardim, f-lo asseotar-se junto de si so-
bre um banco, e disse-lhe em lom mysterioeo:
Meo lio, ereio qoe veio-me urna idea boa.
Qual, miaba finia ? ^^
Sabe o qoe eonvm faxer t Conven casar Mi-
mi com Celestino Piolot.
O cavalleiro meneou 1 cabeca, reflectio um mo-
mento, e retpondeu abriodo a caiza de tabaco, como
faxia sempre em aso de hesitado e de perplexidade.
Tua idea nao he absolutamente roa ; todava
entreveju moitas diftlcoldades. NSo pdese propor
esse casamento a Celestino; seria misler que elle
cuidaste nisso por si mesmo.
lie verdade, murmurou.Irene.
Elle pode cuidar oitto se ficar aqui. lornou o
cavalleiro; entretanto nao fallemos a esse respeito,
e sobre indo eonvm qne Mimi nao suspdteessa es-
pecie de projeclo,
Fique tranquillo, mea lio, respondeu Irene in-
genuamente, ella nao lera a menor desconfianza.
A sorle de Mimi te d cuidado, muida Hllti'i
eccreseentoo o cavalleiro depois de algum silencio.
Sim, pens nisso muitai vezes, responden Ire-
ne ; amo essa pobre, rapariga!'e desejo ve-la feliz.
Bil nao he verdaderamente m, murmurou o
cavalleiro ; mas lem nma ndole rebelde aos benefi-
cios da educacao.
Se n tivetsemos recebido ainda pequea, no
etlaria 13 selvagem, replicou Irene vivamente.
(ConKmiar-e-n '-r,
-"*-
< *-**mKmmMk
M m


\
r-
OsS(
I1J80,
>e.j
I
t
Arl. 126. Sara do mesmo modo permillido i qual-
qaer individuo que liver esludailo em anal de f-
n, vr m Gj ranasio pats.tr aalos exames las mali-
rias que cornpde o seu syitema de estados, para
obter o Ululo ou cerlfiesdo, de qui traa art.
I.
Arl. 127. Safa igualmente permillido a qoalqaer
individuo etiodar, como extorno, ai disciplinas que
forera exigidas como, preparatorios, para quilquer
da* Academia! os Faculdadus do Imperio, lodepin-
denle de seguirem a ordem i egulir dos tiludot ne-
ceisariospira bter o certitVado em hamanidadea.
Arl. 128. NIo serao admiilidoii como alomooi in-
ternos, oa nieio-nensionUtai, meniooa malare da
doze annos, teja sob que pre ex lo for.
Arl. 123. Nao tario adroil'.ido*, era podero frc-
quentir n aulas do Uymoisto, teja qoal for a calhe-
Sacia a qut qutiraea pertencur.
1. Os menino* que padecerem molestias Conta-
giosas.
2. Os que nao liverem iido vaerinadot.
3. Osescravos.
Arl. 130. Os alumnos internos pagarao ao Insti-
tuto a retribuiro mensat da 309, meio-pensio-.
nistas a de 159, a os'exlernos a de 58, e teropre por
trimestre aovaoladoa.
O tosino de quatquer das artes de que fax mensao
o art. 122, exceprao dai de gimnstica e ntlarSo,
devo ser pago separadarritole ao 1 tistilulo per iqucl-
les qae estadarero.
Art. 131. O presidente da provincia poden man-
dar admillir gratuitamente, oovido o regedor do
Gymnasio, al teta meninos pabrec, como alumnos
internos, seis como moio-peos onistas, e doie como
externos, com tanto que taes manaos stjam de pro-
- vada intelligencia, pertene;am i familias no-
natas.
Art. 132. A direcfto do Gymnasio ser confiada
a um rededor com o ordenado de 1:400, e a gratifi-
caran de 6009.
Art. 133. A polica e disciplina d#s alumnos ser
eucorregada a um censor, con o ordenado de 1:2009
a graliheacao de 500.
Art. 13. A calheehete, a axposicao do dogma
e todo* os actos religiosos serte exarcidos por um es-
moler, com o ordenado de 1:2(09.
Ait. 133. O ensino do Intli uto ser feilo par :
1. Qaatorze profeasoret, cada uto cora os venei-
mentoa da 1:0009 Je ordenad >, a 5009 de gratifi-
eaeje.
2. Um professor de desenho ;omH00 de ordena-
do, 400 de gratificaso.
.'I. Nove i repetidoras, com o ordenado cada nm
delles de 500$.
Em igqaldad decircumslamlas os repetidores se-
rao preferidos para preenchnenlo das cadeiras de
inttrucc,ao secundaria que vigatem.
No regiment de que trla o urt. 118, ae determi-
narlo as condtfoes para o previ neolo dos lugares de
repel stores.
Arl. 136. O eipedienle da secretaria do Instituto
terw (tito posfam secretario eom o ordenado de
800.
A'L. 137. A reotila e desped do stabelerimenlo
a os respective registros, serao encjrre'gados a um
ecnomo, qut (em de prestar fnj$a Idnea da qaaa-
a que o governo designar no neto de tomar posse
daste etaprego, e vencer o ordenado de 1:0009-
fi ArL 138. A saode dos llamaos internos a a de
j- 4odos oa funecionarios do Intualo que residen)
dentro dalle, aera confiada a sol lade de um medi-
co, ota O ordenado de 50>. _
Arl. 139. O tervico das atlas, e o interno de todo
o eatomelecimento, ser (tilo ptlat-teguinle* empre-
gadoi:
l'm bedel, veneendo o ordenadodo 6009000
Um mordomo, com o orden lio dn 3609000 -
t, Um norteiro, com o ordenado de 5009000
k> Um continuo, com o ordenado de 5009000
\ serventes treetswrios para o meneie do Gym-
i veneendo a; soldadas que tt mordomo com el-
i ejutltr.
Vagando o lugar de continuo, que ser preenchi-
do pelo que o serve actualmente do Lycco, sera sup-
priroido, e suas obrigacoea fcir So'i cargo dos serven-
tes, csino for designado.
Art 140. O regiment do Instituto estabelecr
as iltribuices e deveres de cada tm dos funeciona-
rios do Gyranaiio.
Arl. 141. O censor subslitae ao regedor na toa
falta ori impedimento.
Art. 142. O esmoler subtlitue ao censor em sua
ausencia ou embanco.
Art. 143. No impedimento e filia do esmoler no-
mearu o presidente da provincia um sacerdote de
recoahecida virtude, que o substitu, u qoal vence-
r o mesmo ordenado que o proprieUrio, emquan-
to por elle servir.
Arl. 144. Os professores lubsliluirto uns aos u-
tios, como, for determinado. Os repetidores pode-
rte tambero substituir aos protestmet..
Arl. 145. A gralificajio pelo sierrieio compel-
r aouncrionarolque for encarrilado de substituir
a oulro.
Art. 146. O regedor, o censor, o esmoler, os re-
petilores, o mordomo e o porteiro do Gymnasio, !30
obligados residir dentro do edificio.
Art. 147. Os professores, o secretario, o medico
e o ecnomo podem residir fura do Instituto, com
lano que neile se achem t horis em que a dlsri-
plina e tervico indicar, a mais em todas as oecasies
em que forem enarcados.
Arl. 148. Os professores do anligov I.yten paisa-
rao par.-i o Gymiitslo Provincial, e loraet as propr i as
materias que all professavam, ou serao encarrega-
dos de ler ooras, como o governo jtilgar convenien-
te, sempre com audiencia dos raesmes profes-
sores.
Arl. 149. Os professores do Intrnalo reunidos
em corpa, e presididos pelo sen regedor, quer den-
tro de estabelecimenlo nira delibenirem. qoer fra
delle, formaran oque le hade chamar congregado
do Gyraoatie Froviaciul de Pernimliuco.
Art. 150. O regedor, o tensor, n mus emprea-
dos da Gymnasio leraa de livre noiueagao do presi-
dente da provincia. Os lugares sin professores ss-
.M vitalicios, os de repetidores tordo o carcter que
Ihes for dado no rgimen lo do Instlalo.
O prndente da provincia far as primeiras ne>-
mearoes pata preejttjtar (quadro dos professores,
i; logo qne for completado, tarto suas vaggi prvi-
das por concurso, oa forma doi arla. 13 i 16,18, 19
e 81 23.
Art. 151. Os professores do Gimnasio lerto di-
i-eilo a ser jabiladot com o ordnalo par ioleiro, no
lim de viola a cinco annos da tervico activo.
Art. 152. Os que antes do (em|M mencionado'no
iirtjgo antecedente esliverem iniposslbililados de
eontinuar no exerciew da suas func<;ies, podero ob-
ler sua jubilajao com a parte doorelenao proporcio-
nal ao lempo que htawerem effecl vamente servido,
no podando pore gozar deste furor antes de dez
annos de oxercicio.
Arl. 158. Os proeisoree do Gymnasio leem di-
iraito:
1. Ao augnienlo daqaarta parte dos respectivos
iirdenadoi, quaodo forera conservado nomagiilerio,
tob pronoila do regador, depois da Tinte e cinco an-
uas de tervijo.
2. A serera jubilados com os iwos mneimentos
por inleiro, st letvirem otpr mais di dez annos, alm
dea que vao mencionadas no arl. U l.
Arl. 154. Fka stipprimida a cadnira de obslreell-
i-,ia eslabaleeida testa cidade, e o preiidenle da pro-
vincia aulnrisado a jubilar o respectivo professor
<:ora o ordenado correspondente a Udo o tempo qne
iia servido naquella cadeira, bem como na de phy-
ilcn.
Art. 155. Qoando as pensiles pagas pelos alum-
nos do Gymnasio excederem as desjezaa do sen cos-
Icio, nao compreiiendidasneUiias que te fdzem com
os empregados delle, podar o preitldtfjte da pro-
vineia estabelecer mils urna cadeiii para o entino
das sciencias uaturaes.
Arl. 56. Ficam revogadas as dispdtijoes em con-
Irario.
Mando, porlanlo, todas as autor dadas, a qnem
o conhecimento e eieenrao da referida resoluto
pertencer, que a enmprani a fagam cuwprir lao in-
l. irarntale como uelia se coiilera. O secrelario da
provincia fae> imprimir, publicar e correr. Cidade
do Recife de Pernambuco aos 14 dj maio de 1855,
trigsimo quarlo da ndependenci i do imperio.
L. S.
Jote BeMo da Cunha e Figveireio.
Carta Je lei, pela qoal V. Bs.e. manda exeentar a
nisoloco da astemhla legislativa provincia), qoa
iinccionou, regalando a inslrncrttt pnbliea prima-
rii esecundaria dn provincia com) cima se de-
diir.
PIMO DE PEBMAMBCO SEXTA FEIBA 6 OE JULHO DE 1855
Para V. Bxc. ver.Francitco Ignacio de Torret
Bandtira a fez.
Sallada e publicada nesia secreliria da provincia
de Pernambuco aos 14 da maio de 1855.Joaqvim
Piret Machado Portclla, official maior servindo da
secrelario.
Hegiilrada fl. 162 v. do livro 3. da leis pro-
vinciaei. Secretarla do govtrao da Pernambuco 18
de maio de 1855.Joao Dominguu da Silva.
nnn
ExawtUtaM at 2 di jalao.
OfflcioAo Bxm. manchal commandante dna ar-
mas, declarando que fioam expedidas as convenlen-
les ordtns, nao t para rtm transportados para a
Pirahibi, ug airares Jos d'AvIla Bitanconrt e Jos
Cirios de Oliv'eira Franco, bem como o familia des-
te. ms tambem para qoa te passem guias da soecor-
rimeuto a esses ofltciaet, ibonando-se em os devi-
dos lempos a quanlia de 159 ri. mensacs que o se-
gundo dos referidos alteres pretende consignar de
seu sold to doulor Prxedes Gomes de Souza Pi-
tanga,Expadiram-fo as ordens de que se (rala.
DitoAo mesmo, recommendando a expedicao de
mas ordens, para que o capillo Manoel da Cunha
Wanderley Lins, satisfaga a exigencia da lliesouraria
de fazenda no offlcio qae remelle,cerca da divida de
que pede pagamento o mismo capiUo.
DitoAo mestnu, inleirandn-o de haver aulorisa-
do o inspector da Ihesouraria de fazenda, a mandar
pagar a despeza que, segundo o documento que S.
Exc. remellen, fez o alteres Guilherme Marques de
Souza com alugueis de cavallos para sua conducho
e de sua bagagem ao cenlro da provincia.
DitoAo inspector da Ihesouraria de fazenda, de-
volvendo os papis relativos ao pagamento que pede
o alferes Coriolano de Castro e Silva, aflm de que
proceda a respeilo de conformidade com a sua in-
furmarto sob n. 399,
DteAo mesmo, communicando haver, em vista
de sua informacao, deferido favoravelmento o reqoe-
rimaato em que l.uii Garios Frederico de Sampaio,
pede licenc.a para vender a Jos Jacoroe Tasso J-
nior, pela quanlia de 8009000 rs. o dominio til de
urna toa cata na ra da praia de Santa Rila, sita no
Ierren de marraba n. 210.
Dito-Ao chafe de polica, ioleirando-o de haver
expedido ordem Ihesouraria de fazenda, para ser
paga a importancia do pret que S. S. remetleu das
diarias abonada) aos seis recrutasjvjue vierana do ter-
mo de Flores para esta capital.
DitoAo commaodtdle da eslacao naval, acen-
sando recebido o offlcio com que S. S. remetleu a
nota dos procos, porque foram contralados os gene-
ros necessarios para fornecimento dos navios da ar-
mada, barca de eseavaco, enfermara do arsenal de
mnrinha e praraa dos escaleras do mesmo arsenal no
trimestre do primeiro deste mez 30 de setembro
vindouro. e declarando que approva scmelbanle
contrato.. Ctmmunicou-se Ihesouraria de fa-
zenda
DitoAo eomroaodanle superior da guarda na-
cional de Iguaratt, declarando haver autorisado ao
inspector da thesooraria de fazenda, a mandar pa-
gar, estando nos termos legaes.a follia e pret que S.
S. remelteu.
DitoAo eapito do porto, dzendo qae n Ihesou-
raria de fazenda tem ordem para pagar, estando nos
termos legaet.as Ire contas que Smc. remetleu com
offlcio tob n. 363.
DitoAo inspector da thesooraria provincial, para
mandar por era hasta publica a obra do segundo
lingo da estrada de Muriheca, servindo de base a
e.sa arrematado o orramenlo e clausulas que re-
melle por copia.Communicou-so ao direclor das
obrns publicas.
DitoAo mismo, dizendo que, se ao arrematan-
te du fornecimento dos medicamentos precisos para
a enfermara da cadeia desla cidade Barlholomea
Francisco de Souza. convier o abale de 25 poi cenlo
no valor do respectivo formulario, mande Smc fa-
zer eflectiva essa arreraatac,3o,devendo no caso con-
trario, ir do novo praca semelhanle fornecimento
servindo de base o abale cima mencionado.
Dlo-7-Ao mesmo, approvando a arrematarlo que
fez Manoel Ignacio de Ollveira Lobo, do servico da
capalazia do algodao rio consolado provincia!, dando
porliidor Jos Alves da Silva Guimares.
Dlto-Ao- mttmo, reeommenlaadu que vista do
ornamento e clausulas qne remelle por copia.mande
Smr. pr em hasta publica a obra do 14 lauro
da estrada dn snlN-Communicou-sa ao direclor das
obras publicas.
DitoAo mtsirio, inteirando-o de haver deferido
favoravelmenle um rcqucrimcnlo em queo ajudanle
de engenheiros da rciiarlirao das obras publicas Joa-
qoim l'ires Carneirn Monteiro, porseu bstanle pro-
curador, pedia se mandatse fazer eOecliva a licenca'
de doos annos que lhe foi concedida pela assembla
legislativa desla provincia, rom vencimenlos para
eslodar ero quaiquer parle d* Europa. Igual ao
direclor das obras publicas.
DitoAo commandante do corpo de polica,dizen-
do que a conla qae Smc. remetleu da despeza feila
com o sustento dos dous calcetas empregados na
limpeza do qoarlel daquellc corpo, foi Iransmitlida
Ihes'uraria provincial para ser paga estando.nos
termos legaes.
DitoAo agente da coropanhia das barcas de va-
por, declarando que a Ihesouraria provincial (em or-
dem para pagar a quanlii de JOOO rs.,emque im-
porlam as passagens dos criminosos Felisberto Jos
Mendes, Pedro Alves e Jos Pedro dos Sanios Coco
e bem assiro dasduas pracas que os escoltaran), os
qoaes vieram di Parahiba a bordo do vapor Impe-
rador.
DitoA commssao de hygiene publica. Jul-
gando conveniente que a commissilo de hygiene,
trate de pastar nm exame as tabernas e oulros l-
gales de mercado, aflm do recouhecer-se se os gne-
ros alimenticios sao vendidos em estado de perfei-
53o, como muilo convm salubridade publica ; ar
sim o communico a Vmcs., qne poderlo para isso re-
quisitar o auxilio policial que for necessnrio.
DitoA cmara municipal do Recife, recom-
mendando a que haja de expedir suas ordens aflm
de actlvar-se a limpeza das ras desla cidade,
cumprindo que sejam removidos quanto antes todos
o monturas que forem cnconlrados.e extractos quaes
quer focos pesllenciaes, e bem assim que sejam fis-
calisadas as tabernas o oulros lagares de mercado,
para evilar-se a venda de gneros al menucios em
estado de mina.
Relario dot crtininoioi pretot na comarca do Lf-
moeiro por ordem do rupeclito delegado, desde
27 Joao Goncalves de Jesos, desertor.
Manoel Antonio, tentativa da morte.
Francisco Monteiro, desertor.
Manoel Cabra, fermenio grave.
Joo Lacio da Silva, desertor.
Leonardo Jos de Medeiros, fcrimenlo grave.
MTERI8R.
BIO DE JANEIRO
SENADO.
Da 38 da malo 1855,
Ld-se o segninte expedinte :
Um offlcio do vice-presidenle da provincia do Rio
de Jinefro, remetiendo 20 exemplare das leis, de-
cretos e regolamenlos promulgados naquella provin-
cia durable o anno paisado.Ao archivo.
Um reqaermento da mesa interina da santa casa
da Misericordia da villa da Consliluirao, na provin-
cia de S. Paulo, pedindo a roncessao |rie seis lote-
ras parasen patrimonio. A' commssao de fn-
zentln.
I#-se e fica sobro a mesa o teguintc projeclo :
A assembla geral legislativa resolve:
Arl. 1. Fica prohibido dentro das igrejastodoe
quaiquer arto do processo eleiloral, salvo as ceremo-
nias religiosas que prseme a lei que regala at e-
Arl. 2. O governo na irle e sen municipio e
os presidentes as provincias, depois de onvjr as res-
pectiva* cmaras municipacs, jicam aulorisados a de-
signar a edificios em que os mencionados actos se
devem prnticar. Esta designaran ser publicada nos
respectivos eriilaos eleitoracs.
Arl. 3. A designarlo dos edificios ser fcita sob
a legninte ordem de preferencia : em primeiro lu-
gtr, quaesqoer edificios pblicos como os das cuna-
ras municpaei,ou daquelletque lirvnm para a reu-
nilo do jury e temelhtntes ; segundo, em qnaes-
quer predios mesmo annexoss igrejas pertencenles
a ordem lerceiras, confrariasot irmandades.e outras
corporasOes lemelhanles, e os dormitorios dos con-
ventos ou oulros edificios que delles fazem parta;
em lerceiro, edificios particulares com previo con-
lonlimento dos proprielaros ; e quirlo, flnilraenle,
os consistorios t sacristas das igrejas, preferindo-se
em igualdade do circunstancias os consislorios a sa.
criilaa de igrejas tm qoe ordinariamente se nao nd-
miuislrara os Sacramentos, ou em que nao est per-
manente o SS. Sacramente.
Art. 4. Ficam para este cffeilo revogadus ai dls-
posicea da lei de 1'J de agoilo de 1846 e quaesquer
diipos50es em contrario.
a Pico do tenido em 28 de maio de 1855.Fon-
leca.
He apoiado e opprovado o segointe requeri-
raeuto: ,
menlol com urgencia :
c 1. Urna relacSo nominal de torios os municipios
do imperio por comarcas e provincits, com declara-
do das parochas que cada um contera.
2. Urna relacao dos lerraot para os quaes tem si-
do creadojuiz municipal letradopor comarcas e
provincias, com rirsignafao nominal dos municipios
que compoem enila termo.
ii 3. Urna relacao dos conselhos de jurados actual-
mente existentes por comarcas e provincias,com da-
signacao dos lugares em que se rene o jury, p dos
municipios que compoem cado um.
ee 4. Se fdr possivel, urna relasao do numero dos
juradosqualificados ltimamente em caja munici-
pio do imperio por comarcas e provincias, expedin-
dono caso de nao cxUtir essa relacao suas ordens pa-
ra o effeito.
e 5. Copia dos quadros que houver as secreta-
rias de estado das distancias entre es diversos muni-
cipioi e parecidas por comarcas e provincias, ou s
por provincias se nao houver por comircas separa-
damente.
i Pajo do senado 28 de maio de 1855.Pimenla
Bueno.
Passando-se a ordem do dia, enlra em primeiro
discassao a proposicilo da cmara dos depulados ap-
provando as tabellas que regulara os direlos paro-
chiaes i- emolumentos que so devem perceber as fre-
gueziss do arcebispado da Rabia, e bispados do
Rio Grande do Sul, S. Paulo, Maranhao, Goyaz e
Marianna.
Be apoiado e approvado o seguinle requeri-
meulo :
Qoe o projeclo seja remedido is commissOe
de legisltcao e ecclesiastict. Silteira da Molla, a
Segue-se a primeira diseussao da proposirao do se-
nado autorsando o governo para conceder 14 roezes
de liceiica, com lodos os seus vencimenlos, ao Dr.
Antonio Polycarpo Cnbral.para ir :V Europa tratar de
sua saude. '
He apoiada a seguinle emenda :
ee Em vez d.i palavra vencimenlos diga-se,
veneendo en respectivo* ordenados.
ee Sala das sessoes 28 de maio de 1855. l'iscon-
de de C.tquitinhonha.n
Discutida a materia, heapprovada a proposifao.fi-
cando prejudicada a emenda.
Enlra em terceira discattao i propoeicao da c-
mara dos depulados concedendo loteras sania.ca.
sa da Misericordia, expostos, e hospital dos lazaros
da cidade de Cuyab, com aa emendas approvadas
oa 2.* discusso.
Vm a mesa a seguinle emenda :
a Igual concesso he feila.
ce I. Ao hospital de caridade da villa de Va-
lene.
2. Ao hospital de S. Pedro de Alcntara de
Goyaz.
S 3. Para nm hospital na villa de Ubatuba.pro-
vineia de S. Paulo.
ee 4. Para o hospital da Misericordia da villa da
Conaluicao, na provincia de S. Paulo.
5. Para conclusc da igrija matriz da fregue-
zia da Senhjra da Saude, termo de Marianna, em
Minas Geraes..t/arquor de Monte Alegre.Fon-
teca.BarSode Moriliba.Souza Ramos.Fer-
uande Torres.Silveira da Molla.
O Sr. Presidente declara que nao submelle ao
apoiamenlo os paragraphos 1., 2. e 3., por opposlos
ao arligo 62 do regiment ; e sao apoiados os para-
graphos 4. e 5.
. Siio igualmente apoiadas as seguintes emen-
dtt :
e< 1.a Igutl concessao he feila nos hospilaes de It
e Sorocalia.Foiuca.Silteira da .Molla. '
2. Concoda-se tambem 1 lotera ao novo hospi-
tal da capital do Ceara.Menear.
ee 3. Conceda-so 2' loteras para os reparos da
igreja de Nossa Senhora da Estancia, da provincia
de Pernambuco.Mrquez de Olinda.
Discutida a materia, he aoprovada a propnsicao
com as emendas da segunda discassao e' as de
'je- *
O Sr. Presidente declara que as emendas fcilas e
pprovadas em terceira dseussan teran a sua nllima
disciKsao na l. sesan. .
Segue-toa terceira discassao da proposieBo eli c-
mara dos depulados, declarando que tem direto ase-
rom reformados na forma da lei n. 602 de 19 de se-
tembro, e do decreto n: 722 de 25 de oulubro de
1850, os oITlciaes u> guarda policial das provincias
do Para e Amazonas, qne nao foram contemplados
na orgamsac.ao da guarda nacional dai mesmas pro-
vincias-
Verficando-se nao haver casa, o Sr. preiidenle
declara adiada a discassao, e d para ordem do dia
a ultima discassao das emendas-feilas e tpprovadis
na terceira dscussao da nropnsicno qae concede lo-
teras casa de Misericordia, expostos e hospital dos
lazaros da cidade de Cuyab. O restante das mate-
rias dadas pan hnje, e a primeira discussao da pro-
pusirao do senado, qae tem por flm promover a in-
corporarlo de companhifts para a pesca, salga e aec-
ca de peixes no litoral e ros do imperio, com o pa-
recer e emendas das commisses d fazenda e com-
mercio, lvenla a sesso i 1 hora e 35 minulos da
larde. ,
Nos das 25, & e 29, nao houve casa.
30
Approvada a acia antecedente, e nao ha ve rulo es-
pediente, passa-ie a ordem do dia.
Entrara em ltima discussao as emendas novas Tej-
as e epprovadas em 3.discussao da proposirio da
cmara dos depulados concedendo loteras casa de
Misericordia, exposlos e hospital dos lazaros da cida-
de de Cuyab.
O Sr. Presidente declara que por engao na ul-
tima sesillo admillio e'foi volada urna emenda offe-
recida peloSr. Alenear, a qual continha materia que
havia sido rejeilada em 22 do mez correnle em ama
propositaoda cmara dos depnlados, e que enl-n
da que sofcre esta emenda nao derla mais contlnaar
a discuuo.
Coniullado o senado, a pedido do Sr. Silveira da
Molla, decide qae a dita emenda nSo seja adrait-
lida.
Julgnda's discutidas ai oulrat emenda?, e postal
votos cida urna por sua vez, so todas rejeladas.
Suscitndose a qnesllo de ordem te devia ser de
novo volada a adoptao do projeclo, o Sr. presidente
declara que, segundo o regiment, nao podia admil-
lir lal votarlo.
Tendo o Sr. Fonseca recorrido p?ra o senado des-
lt decisao no caso de ser pelo regiment ndmiltido
tal recurso, o Sr. presidente declara que bem qae o
regiment s admitli recurso das suas decisfles no ca-
jo especial dos arls. 26 e 27, e que u,1o teja pruden-
te amplia-lp om lodos os casos, para nao se dar oc-
catiao a qu seja alterado sem ter pelos meios nelle
estabclceidos, ia comttirio submetler a qucslio de-
cisao do senado.
Gansultado o senado, approva a decisao do Sr. pre-
iidenle ; e sao enviadas a commssao de redaceaoaa
emendas approvadas na 2." ena 3."' disrus-ao da pro-
posi{ao. '
Sao approvadas tem dbale em terceira discussao.
para ser enviada sanean imperial a propnsicao da
cmara dos depulados declarando lerem direilo a
ier reformados na forma da lei n. 602 de 19 de se-
tembro do decreto n. 722de 25 oulnbro de 1850 os
ollici.ies da suarda policial das provincias do Par e
Amazonas que nao foram contemplados na organi-
sajao da guarda nacional das mesmas provincias ; e
em primeira para pastar segunda, a proposirao do
senado autorizando o governo a promover a iucor-
porarao decompanhias para a pesca, salga e secca
de peixes no liltoral c rios do imperio ; com o pare-
cer e emendas das coraraissOes de fazenda e com-
mercio.
OSr. Presidente declara esgotada a ordem do dia,
convida aos Sri. senadores prsenles para Irabalha-
rem as commissOes, e dn para ordem do dia a se-
gunda discussao das proposicocs do senado, urna au
torisaodo o governo a passar caria de nalvlralisacao
de cidadao brasileiro ao Dr. Otar Pertiani, a oulra
concedendo irmandade de Nossa Senhora do Ro-
sario da cidade do Desterro faculdade pin poisalr
bem de raz li o valor de 8:0009, trabahos de
commisaoes, levanta a ses*ao.
31
Lida approvada a acta antecdanle, passa-se ao
goinla expediente :
Fica o senado inteirtdo da psrticpaco que faz o
Sr. visconde de Uberaba, de acbar-se doente.
Fica sobre a mesa a follia dos vencimenlos dos
empregados da secretaria e paco do senado, perlen-
cente ao presente miz.
He apoiado e'vai a imprimir o projeclo oflereci-
do pelo Sr. Fonseca em 28 desla mei, prohibindo
dentro das igrejas lodo e quaiquer arto do processo
eleiloral.
Passando-se a ordam do dia, so approvadas sem
debate, em segunda discussao, para passarem a ter-
ceira, as proposiedes do senado, orna autorsando o
governo a passar carta de ualuralisac,3o de cidadao
brasileiro ao Dr.. Dr. Cesar Persian, e nutra conce-
dendo irmandude de Nossa Senhora do Rosario da
cidade do Desierro, facaldade para possuir em bens
de raz al o valor de 8 conloa de res.
O Sr. Presidente declara esgolada a ordem do
da, convida nos senhorea seductores para trabalha-
rein as commissOes, t d para ordem do dia se-
guinle o mesmoa trabahos, e levanta a sessao.
, 17 de junho.
Foram nomeados presidentes das provincias do
Piaohy o Dr. Joao Lustoza da Cunha Paranagu, e
do Maranhao o Dr. Antonio Candido da Cruz Ma
diado.
O Sr. Dr. Olympio Machado, presidente do Mara-
nhao, passou para a do Amazonas.
19
Comla-noi qua o Sr. conselhero Sergio Texeira
de Macedo foi removido da legajio de Londres para
a de Washington, e qae o Sr. conselhero Francitco
Ignacio de Carvalho Moreira, qua resida em Was-
hington, passa a representar o Brasil oa Grta-Bre-
tauha.
[Jornal do Comierdo.)
^*ss**ssstea*-
CORRESPONDEN SI A SO DIARIO
SE PERNAMBUCO.
NATAL.
27 ele junbo.
Pelo S. Salvador lhe escrevi, porm chegando
aqu o Impcralri: e nos Irazendo a triste noticia da
remocSo do nosso distinelo e honrado chele de poli-
ca o St. Dr. Herculano Antonio Pereira da Cunha.
para juiz de direilo de Goianna nese provincia, sen-
do substituido pelo Dr. Regaeira Costa, nao quero
perder o correio de boje, para por elle lhe identifi-
car quanto foi dolorosa para todos os Kio-granden-
se?, essa noticia : tem querer offonder a modeslia do
Dr., sem querer mesmo me servir da oecasilo para
lecer elogios a ningnem, pois como Vmc. sabe, son
pouco abundante nesse genero, e nao gesto de os
prodigaiisar direi, qae esse arto do governo fo
para nos urna verdadera ealtmidade, foi um arto
que lancoa a todos em um iosondavel mar de triste-
za, sem dislincco de partido. O Sr. Dr. Hercula-
no pelas suas bellas maoeras, pelo seu cavallerismo
liulia grangeado a afeirao e eslima de lodos os Rio-
grandenses, e pelos saut principios de jnslica aa fa-
zla digno de maiores elogios, e permilla-te dii-le,
para"o governo de nrall consderacao, pois roeu
amigo, nao lemo dizer-lhe que he elle nm dos ma-
gistrados, qae mais honra essa illuslre corporarao
brasileira! Praza aos Ccos que nao nos saja aind
mais dolorosa a ausencia do Dr. Herculano !!...
Desta vez paiece qae ospem da patria nao Uve?
ram muila preguifa, pois qae tendo a assembla de
se reunir no 1 de julho, j aqu ha numero soffici-
ente para sna abertura.
Acha-se marcada a reuniao do jury de S. Goncalo
para o dia 6 de julho, vetemos de l o que me diz
o Marianno, e enlao lhe commonicarei.
Corre aq* que foram desannexados do jnizo mu-
nicipal delta cidade os termos de Extremos e Toa-
ros, qae cram reunidos, formando um termo em se-
parado com um juiz lettrado, he islo o qae dizem
se n(firmara do Rio, porm euque nao vejo nisso con-
veniencia nem poltica, e nem administrativa, nao
pude anda penetrar o motivo qoe lal a aconselhava
tanto mais quaulo se leenconhecido que da reuniao
dos termos, principalmente sob a direccao do actual
juiz municipal o Dr. Kabellq, que pela sua impnr-
cialidadee rigorosajastica se fazdigno de consdrra-
{ao, innmeros bens ha resallado para a boa marcha
dos negocios pblicos, que ele conlinun all viviam
na mais perfeita ennfusao, lalvez servindo de joguete
aos caprichos e intereses de alguem; e com esta di-
visa quem sabe em oue se tornar o pacifico termo
de Extraos! A experiencia que he o melhor mes-
Irc, provara quanto venho de xpor.
Antes de honlem respondeu ao consolho de inves-
liga^ao o capitao Mauricio, de qae ja lhe falle ; em
que deu a brincadeira ? '
Consla-me que o digno vice-presidenle da Para-
hiba dimillira as autoridades policaes da cidade de
Souza, pela far5a que pozeram em siena com o al-
feres Urbano elesta provincia, destacado em Porlo-
Alegre, s da qual ereio qoe lhe dei parle, por um
tal arta* pois he o Sr. Dr. Flavio (se me nao enga-
o nn nomo) digno de meas elogios.
Anda estou muilo impreciouado pela mudanra
do Dr. Herculano, e por isso nada ruis lhe posto
dizer por agora.
Recommende%ie ao collega do Rio, j qae creio
que por l o-papel he tao caro que nao chegt para
se escrever tos amigos; eu na posso tambem pagar
o porte de cartas; alm de qoe seria urna superflui-
,dade, fazendo Vmc. o obsequio de lhe enviar mi-
nhas saudades.
deos, saude e Vargent, ele. ele.
PERNAMBUCO.
JURY SO RECITE.
Dia > ej.lho
Presidencia do Sr. Dr. Alexndre Bernardino do
Res e Silva.
Promotor publico interino, o S.r. Dr. Francisco
Gomes Vellozo de Albuquerqae Lint.
Advogido, o Sr. Dr. Antonio Jos da Costa Ri-
beiro. ' #
Escrivao, o Sr. Joaquim Francisco de Paula Esle-
ves Clemente.
Feila a chamada as 10 horas da manha.i, adiaram-
se prsenles 39 Srs. jurados.
Foram multados em mais 209 rs. cada nm dos se-
nil ores jurados j multados oos anteriores dias de
seuao.
Aberta a sessao, loi condazidoabarra do tribunal,
para ser jolgado, o reo Manoel, prelo, escravo de
Heorique Pereira de Lucent, acensado por crime
de morte perpetrados na pessoa de Joao Francisco
de Andrade.
Compoz-se o conselho de senlenca dos seguintes
senhores:
Joaquim Augusto Ferreira Jacobina.
Antonio Goncalves de Moraes.
Francisco Antonio di Rosa.
Joao Antonio da Silva Grillo.
Coronel Joo Francisco de Chaby.
Joao Carneiro Rodrigues Campello.
Pedro de Alcntara Abren e Lima.
Francisco de Paula e Silva
Antonio Nobre de Almeida.
Jof Bernardo Venlura.
Joao Chrisostomo Feroandes Vianna.
Findososdebalea foi o conselho conduziilo a sala
das ron lerendas as 2 horas da tarde, donde vollou as
23|4 com suas reipoilas, que foram lidas em voz alta
pelo presidente do jury, em vsla de cuja decisao o
Sr. Dr. juiz de direilo condemnou o reo a pena de
gales perpetuas grao mximo do arl. 193 do cod.
crm., pagando sen senhor as cusas, e tppellou para
n snperiejj tribunal da relacao, c lcantou a sessao,
adiando-a para as 10 horas da mauhaa do dia se-
guinle.
Pernambuco 5 de julho de 185.1.lllm." e Exm.
Sr. conselhero Jos Benloda Cunha eFgueiredo,
presidente da provincia.O chata de polida Laix
Carlos de Paita Teixelra.
MAPPA do movimento do* doentes tra-
tados na enfermarla de marinlia da
provincia de Pernambuco, no trimes-
tre de abril a junho de 1855.
NOMES DAS MOLESTIAS.
Abemos
(i).
Apoplexia fulmname.
Blennorrh8gia .
Bobees venreos.....
Bexigas........
Bronchitet '.......
Cancros venreos.....
Carbnculo ..'....,
Cephalalgia.......
ConlusOes .....
Dores aniculares sipbililicas .
Esquinencia, ......
Erisipela.........
Febre henigua .......
Dita inlermilenle.....
Dita dita perniciosa.....
Fistola ourinart. .....
Fcrimenlo penetrante a cavida-
de do peilo.....(2).
Hepatiles chronica.....
Ophlalroia .......
Pneumona......
Pleoriles acompanhado de gas-
tro inleritis.......
Bheomalismo articular .
Syphilis contlilucional (3).
Plhysica tuberculosa (4).
Cceras ........
>ounn;i.
na
tjiaa'e
(1) Falleceu ao entrar na enfermara.
(2) Esta praca ara deteriora da armada, fora fe-
ndo por onde udou, e por mait de 8 mezes estivera
preso fora da cidade, sem tratamenlo algum.
(3) Era africano livre.
(4) Era africano livre.
Joaquim Jos Alves de Albuqaerqu.
Cirurgiao direclor.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
para o mar lodo o lixo, abaslecimento de vveres, e
surnmo cuidado nos navios chegidos do Par ; con-
fian.;! cmflm no presidenta, chee de polica, jonta
da saade publica...
Teve logar hoje pela raanha a inauguracao do
Aleno Pernambocano: (o Insido, a nomeroto o
coneano ni academia, e entre elle comparecern!
ai peanas mait gradas dt capital. O 8r. Dr. Joa-
quim Vilelli, presdanlo da mesma associacao red-
loa um rico dlteorto anlogo ao honroso objeelo
do amor ai icieoeiu, Immanidade, a a aua nobilit-
timaelatttdoijoveni evirlaoiot icademicot. Per-
mlU Dos que o generosa insiitulcAo sirva para a
potteridade de om monumento de gloria para Uo
diiinctos brsileirot.
Adeot mtu amigo, aceile um laurioto amplaxo, t
Irtnsmllla-o aos nossos amigos de Ipojuca,Paralriba,
Bonito e Garanhans, Querendo o ceu al ver-
mo-noi.

f.
Obscquiaram-nos eom os os. do Jornal do Com-
mereio de 17,18 o 19 do patudo, Iniidot pelo bri-
gue nacional Sierra, chegado honlem do Rio de
Janeiro. ;
A noticia mais nolavel que encontramos, he a da
modifieacao do minitlerio, em consequncia da re-
tirada dos Srs. Visconde de Abast, ministro doi ei-
Irangeiros, e do Sr. Bellegarde, ministrada guerra ;
mas essa modifieacao, segundo derlareu o Sr. pre-
sidente do conselho, marques de Paran, na sessao
da cmara temporaria de 16, nao trouxe mudanca
alguma na marcha poltica do governo, tendo os es-
ministros solicitado suas demissOes.
Tinha fallecido o conselhero Francisco de Paula
Pereira Duarle, presidente do supremo tribunal de
juslica e vcador da casa imperial.
S. M. o Imperador, em altearlo aos servicos pret-
tados na noile de 13 da maio prximo pastado, por
occasiao do incendio da ruada Valla, houve por bem
condecorar com o oflicialato da Rota aos Srt Ja-
les Henry, eemmandanle da crvela franceza 7"Aii-
tV, e Girulme, da corveta lmbuscade ; e com o ha-
bito da mesma ordem tos Srs. Leroux, Lougueville,
L'Hopilal, Chautset c Branelee, officiaet perten-
cenles i primeira dai ditas corvetas,e aos Srs. Mth,
Slane e Fnivre, pertencenles i segunda.
Foi condecorado coro o habito da ordem de Aviz,
o commandante interino do batalhlo 13. de infao-
taria, D. Diogo Roberto da silveira.
L-se no Jornal de 18 ;
aAssassinalo. O capitao da, galera norte-ameri-
cana Sea (fi/cA, entrada' honlem ueste porto, foi
aasassnado em alio mar no dia 5 do corrente.
Refere o inmediato, qae tomo o commando da
galera depois do assassinaio, qae na manliaa do dia
5 entrando na cmara encontrara o capitao muri
na cama, e vira depois qne lnha grandes conlusdes
na cabera. Accrescenta que ignora a causa desse al-
(enlado e qaem o perpelrou.
As autoridades que honlem visilaram o navio lo-
maram immediatamente as necestarias precveles
para que o assassino nao so evadine A guarnirao
acha-se presa a bordo sb a gqarda de um destaca-
mento de imperiaes marinheiros, commandados por
um oflicial, ede algn: is pracas do brgoede guer-
ra norte-americano Bairitortdge.
Em oulra parle enconlrarjo os lei lores ama re-
moc,an e doos despachos de presldcnlej de proacia,.
assim como a Iroca entre doos dos no,sos mnislroi
plenipotenciarios. _.
HEPARTiqAO SA POLICA
Parle do dia 5 de julho.
Illm. e Exm. SrLevnao conhecimento de V.
Exc. que dai dill'ernlcs parlicipae;oes hoje recebidas
ueita repartirtl.i.consla que oram presos:
A ordem do Dr. juiz de orphos o oflicial de jus-
lica Antonio Crrela Onca, sem declarao do motivo.
Pela subdelegada da freguezja do Recife, o ma-
rojo Antonio Gomas Rodrigues, para averiguarles.
E pela subdelegada da (reguezia de Sanio Anto-
nio, o porloguez Jos Francisco Galvao, tambem
para averiguaroes.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria da polica de
Recife 1 de julho.
Talvez mtu amigoquando estas minhas lettras fo-
rera lidas eu ja estoja entregue as raaos do soberbo
Neplono navegando nesse tmulo (luetuanle do Va-
por inglez. Exprimir-lhe quanto ainto de tristeza,
quanlas saudades, ora, ralam em meu corarlo nao
he para mira, e nem para os qae ignoram os segre-
dos d'alma.
Vou parlir meu boro amigo, voo deixar, (em mi-
nha.vontade por pouco lempo) a minha patria, os
objectosqtK me sao charos, ludo que vejo, ludo qoe
oto, para ir ver looginqual trras...
. Amaohaa lalvez por tarde ja do Recito nada mais
me reste senao ama nuvem fugitiva no norisonle, c
quando cahir a noite mais nada !
N'outro dia... cea e mar.
Sinlo profundamente deixar a popularlo 13o im-
pressionada com as terriveis noticias do cruel devas-
tador ese el.olera hediondo, que n8o sei, te com
fundamento, se diz estar no Para. A' primeira no-
ticia trem, e ciia-me que arrependi-m de haver
lido algoma cousa sobre esse trrivl caminhanle
em algum lempo, porque os seus symptoraas appa
receram-me a imagnacio com vivas cores ; depois
porem que pensei, lembre-me que cima de ns ha
quem vele sobre os destinos da' humauidade. Nao
sou fatalista ; creio intimamente nos decretos da
Providencia, e se Reos quizer ferir-nos com esse ler-
rivel flagelloquem poder evila-lo'.' E assim, meu
amigo,divinamente fallando devemo-nosresignar,orar
e)pedir fervorosamente ao|Omnipotente para que afil-
ie de nos esse tremendo azorrague de sua cholera
divina.
Humanamente porem fallando he de crer, a com
dados provaveis, que nao seja essa epidemia, que
grassa no infeliz Par o cholera asitico por
alguna motivos : primeiro que s ha atacado a popu-
lacho inferior, coma escravos, indios etc., signal
evidente, qae a miseria, a falla de alimentos, oa es-
tes em mo estado lem sido sentiros para o desen-
volvimento desta epidemia, porquanto a nao erem
esles ot motivos, lodos mais ou menos teriam parti-
cipado de sea contagio. Ero segundo lagar o que
mais ha concorrido para o desenvolvimento dessa
epidemia tem sido calor, qae ha all tbido a 90
graos, e islo ajudado com a falta absoluta de carnes
verdes, como ja disse, vendo-se a pobreza na cruel
neceisidade de alimentir-se com o perniciosissimo
piraric-u, qne tantos males ja caasou a nona escri-
valura, quando urna vez, por especularlo tem da-
vida aqu foi importado.
Ainda mais mea amigo, ma acho animado (oHo sei
se me estarc convencendo ; mts afilrmo-lhe, que
nao eston toreando a minha razio) a nao crer, que
seja o cholera, porque sendo os porlos, os lagares
onde primeiro invide essa, sobre todas, funestsima
epidemia, aqui chegou o S. Salvador nao Irazendo
i teu bordo um s Cado, te quer dessa sloenra. '
Crendo mesmo que seja o cholera, (he um esfor-
t;o ) resta-nos appellar para as misericordias celes-
tes, e abaixo deltas para a homeopalha, Nao lem
salvado o Exm. diocesano do Par lanos enfermos
com o emprego desse novo methodo de curar ".' As-
sim o disse seu correspondente. Se porlanlo, for%
cholera,e por falalidaele quizer passar por entre mis,a
resta-nos esperanza de nao serem tantas as victimas de
suas iras; alcui de que he de esperar quea rorporarjau
a quem cslo affeclos os meios para evitar, lano
quanlo pnssa, taca sinislrosna laude publica empre
gue, ajudada pela presidencia lodosos recursos para
remover d'enlre neis as causas que podem manifes-
tar mais cedo essa epidemia.
Meu amiga, se minha voz podesseser ouvida por
loda populacho cu dira, que nao se allerrasse com
quesquer noticias, que por ventura postara vir do
Par ; confianza no ceo depois das supplcas,dos exer-
rios piedosos, dai abstinencias, e conlriccio ; con-
lianr na (erra depois da limpas as ruis, removido
Srs. redactores.Nao era do mea proposito vol-
tar i sua conceilaaria olha para dar urna salisfac-
cio cabal ao Sr. Dr. Nabor Carneiro Be/erra Caval-
caoti, porque nao obelante elle reronhecer e sincero
e verdico de minha linguagem no comrounicado de
12 de janho, qae me tozo favor de tanto apreciar,
sem dovidt por eslarmot de tecordo aobre principios
iueoncussos de direilo publico coostitndonal, toda-
va mustrou disposicao de nao aceitar a discutso
dos inauditos fados pdV elle pralieadot coro o noseo
bom colleja e meo particular amigo o Di. Joo
Francisco Coelho Bltancourl. porque interprelou
oa distendea alguma. proposr.6et minhas pdr lal
guiza, que multo ai Iraosfigurou e desfiguran como
fossev. g.querer que se enlenda, oa te colha do
melindre do poder judiciario enecessldade dajus-
ticaque o espirito de classe inhiba nm magistrado
de proceder contra um collega ten, indicado em cri-
me de prevaricado! Nonca paseou-mc pela menle
qae o Dr. Nabor roste capaz de tirar ama conduslo
tao (oreada desse meo, enunciado : he to que roe
desanima a lal ponto que me faz retirar multo ero
lempo, e nao aceitar um duelo que elle qner que
te Irtve entr mis com armas desiguaet; porque te
elle libe tambero manejar 9 paralogismo, eu pre-
somo nao cobrir-me e atacar senlo com o racio-
cfqio.
Pode muilo embora o Sr. Dr. Nabor lomar a mi-
uha dedaraco como indicio de cobarda: tomento
de pttsagem lhe direi que tu nao davrdarin levan-
lar a lava e ergaer a vzeira, se elle quizetse comt-
go baler-se como leal cavallero, e nao atsaltar-me
como fez nessa sua estirada respostt de 2 do cor-
renle, na qual por mait qae dissetse n3o se juslificon
do teu iniquo ptocedimenlo para com om seu col-
lega, (endo o arrojo de propalar que sao fallos ot des-
cmenlos que o meu aslimavel collega e amigo o Dr.
Coelho Bitanconrt juntara as suas resposlat nesse
dous amigerados processos de responsabildade, con-
Ira elle instaurado! nao por inspirado dt, jurtica,
mas por incentivo do vinganca : e tanto basta para
que ninguem etlranhe qae os denomineverdade-
ro parlo do inferno.
Aqui permilla-me o Srt Dr. Nabor, como actual
jaiz de direilo da comarca do Limoero.erae lhe per-
goote qae certeza tem ji de que nos nrigioaea de
lasa documentos existem vehemente indicios de fal-
idide ? Aponle-ew, te he capaz, qae ver a exhu-
beranle jualificacao da sua aulhenlieidade,. porm
nao vomite injurias contra qaem tem urna repula,
cilo Uo illibadn, como o nosst bem conhecido colle-
ga o Dr. Blaocourl, pois *yre risco de con-pur-
car-se eom o qoa de si lanc.a: mas como he que sen-
do oSr. Dr. Nabor p formador da colpa previne assim
o seu juizo 1 Nao tem em suas raaos o duplo poder de
o pronunciar e condemnar ? como pois ainda insis-
te na exhibijao dos orginaes somanta para dar ao
sea /idus Achates o surnmo gutdio que elle deseja
ter ? A lanto o sacrifica a amisade qoe os liga ? 1
Condemne muilo embora o mea amigo Dr. Bilan-
coarl; mas antes de o fazer, nao o maltrato de om
modo tao immerecido; nao lhe mande varejar a ca-
sa, nem prende-loa cada momento como por lanas
vezes lem tentado ; nao se lerabre que que por hoje
ser juiz, amanhaa nao ser reo, nao simples acensa-
do e iunocenle como he o Dr. Bitancourl, mas ver-
dadeiro roo, legitimo feo, reo convicio do aboso de
poeJer, de prevaricaras, de excessn de jonsllicrao,
de arbitrariedades: em somma de crimes graves e
enormes. Nao esl longe disto, vai em boa mar-
cha. Andar assim qne he bom andar.
Nada mais me reala do que agradecer do interior
do meu corarlo ao Sr. Dr. Nabor as gentilezas com
que teve a bondado de brindar-me, no remato da sua
Ksilente resposta. Nao sou 15o vido de louvres
io ermJTe'Tli Isso'lh'as elMlVei fVs'qual \XS=
ram. J esl bem conhecido, para que eu me d
mais to trabalho de responder-lhe. Reroatarei ei-
lando-lhe esla mxima evanglica:IC.r. fructibus
eorum cognoscetis eostai um d o que tem.
SeU constante lelor e assignanle, o
Nicopolitano.
27 de junho de 1855.
QUE OFFERECE M. L. M. W.
Do Ihtono e patria, defensor anlign,
tioerroiro campea* da independencia,
A Vjeira hombreaste em coroptlencia,
A fama da Turene esl eomtigo.
Em tea paito tao bravo acha jazigo ,
Essa fllha do co BeneBcancia '.
Gom a espada JovicU impSet a tartaleada,
Com t dertraampras, rimas ao traigo.
Dttcrerl om heroa, e nene tapelhn
Vi prsenle, vara* posierWada *
O manchal Jos Joaquim Coelho !
He elle om santuario di amiitde,
He no seu conejo Arme Evingelho
Dever e patria, gloria e llherdade .'
--------- illa
Resumo do gue te fez para o nulhoramentv do porta
no trimestre ltimamente finio.
Dique da liba do Nogueira
Attentamento doa-Uranles eotiboamenlo de 27
bracas de estacada empedrada* al o nlTl do baixa
mar.
Caes, do Norte.
Assenlamenlo los (iranes, alenda fletara de 13
bracas de estacada, sendq *J eotaboadaf, ede
17,269 palmos cbicos de muralha da alvenarit e
caularia, ou 11 toacas corren (es de caes completo.
Arrecifes.
Factura de 25,280 palmos eubieo da mnralha de
alvenarit argamaisada da cimento, du 2i bracas
correales.
_ Caldeirt do Norte.
Facan de 204 palmos rbicos de munlha di al-
venana, ou um quarlo de braca correle de caes
completo.
Escavarlo.
Conlinuae;ao da precita o porto, portas a* logar,
eoroat dos Pa.sarinhot, resallando exlrabirtta-te 801
caota e 20 balelAei ele treia para alerrot, a 74 ca-
ndas para lastros de navios.
CAPITANA DO PORTO.
Kendimeplo no trimestre flnrlo em30 de junho
do corrente anno : a lber:
Maltas............. 1189000
Sellos pagos as repartiente coropeiealet
de documentos txhbidot. ..... 2369110
m ____ 3548110
ERRATA.
No toneloi natlaarafao do Ihiatro de Apollo,
publicado no Otario de 3 do crranla, onde se l
Fevralea-seFnix.
COMMERCia
*
:
>
f
-*
ALFANDBOA.
Rendimenio do dia 3 a 4. .
dem do dia 5.....
55:0761903
10:336*445
65:4t3S48
PtBLICACOES A PEDIDO.
QtTtreseldo por Jtautao Claro dot Santos e Silva
o so aaalft) o trenor Proarto a Ctmtu
JaTortira Alves.
Eu nao tenho vaas grandezas,
Nem riquezas,
Com qae le posta brindar ;
Eq t lanho, minh'Alzira,
Pobre lyra,
Que acompanha o mea penar !
Vale mais. qoe prala e ouro,
Meu Ihesouro ;
Vale mais, qae o mando ioleiro !
Eu quero, qae minha lyra,
S desflra,
Teu oome tao feticeiro 1
Tenho minh'alma rendida
E incendida
Em tao grato e doce ardor!
Tenho um peilo (,1o constante,
Minh'amante,
Qae t te consagraamor !
En nao tenho vaas grandezas.
* Nem riquezas,
Com qoe le posta brindar ;
Eu s tenho, minh'Alzira,
Pobre lyra,
Que acompanha o meu penar !
Em verde-eicuro Jambeiro,
To faaueiro,
'. Descantava um passarinho !
Como era bello e for iroso,
Tao saudoso, i
V-lo trale, coiUdnlio !
Modulando grato canto,
Negro pranlo,
Dos olhinhos rebenlava !
Os rigores, qae carpa,
Noile e dia,
Noile e dia lamentara 1
Ninguem sabe o que senlia,
O qao soffria
Tao mimoso passarinho I
S se sabe, que fnou...
Oue lerminou,
Sea fddario !... coitadinbo !
Vede, mortal, nele quadro,
Desastrado,
A quanto cheza urna paixae !
Qae quando nos domina,
T fascina,
A mais illuslre Razio I
UM A LAGRIMA.
A' aeaulda mortt da Illm. Setxhara B. Fran-
citca Maclel Borgeat Iatal, oTereoida ao
at presado conforte, o mm aoalfo o Illm.
Sr. Sr. Aatoalo Borcea Leal.
Ji deixou de viver essa matrona
Em ama 13o brillianlo o lenra riadr,
D'enlre os bracos do esposo e dos fllhinhos.
Desta vida voou elernidade,
O' esposo infeliz, que pena lofTre
De veres extinguidos tros amores 1
Qu' esta esposa, que a viela le affagava,
Entregue to dei mu a cruas de'ires.
Morte morte cruel 1 parque (inste
A seus fillis a mai tao carinhosa :
E levando-a, deixaste a prole adlicla
Carpiodo toa dor toda chorse.
Mas a Ierra he um campo bem etlrilo,
Onde a virlude sem vigor dcflnha,
Tu Ierra ddxando o que era Ierra,
Para viver no cea voaste atiaba
LSda man-iio dos jmtos, onde vives
Ot olhos volve a este vai de pranlo,
E a Dtoi implora que proteja e ampare
O esposo c os filhos, que le choram linio.
S. A. S. R.
Duearregan hoje 6 de julho.
Hngue hamburgaezCitobarras de ferro.
Brigue sardo Dainopedra,
Brigue porlugoezRpidadiversot gneros.
Palacho porluguezfrilhante dem. HI
Brigue brasileiroMeropipas vanas e teo.
Importacao.
Vapor inglez Avon, vindo da Europa, rtmtigaado
a agencia, manitattou o seguiulo : D("
1 caixa joias ; a Tumo Momeen & Vinaasa,
2dilt dilaa ; a Rabe Sehmeleaa & C.
1 dita dita ; a J. Pedro Adoor & C.
1 dita dita e 1 embrullio amostras ; a L. i^eonate
Feron C.
1 caixa jdas, 1 dita cobertores, 1 dala lencas dtse-
da ; a J. Keller & C.
, 2 dilas bichas ; a J. Teglameer.
1 dila calcado ; a De'messe Leclere C.
1 dila amostras ; a Schaellin Se C.
1 dita ditas ; a Luz Antonio'de Siqaiira.
1 dila roupa ; a J. Rayroond.
1 dita dila ; a Ilolom.
2 ditas obras de metal, 1 embrullio papeb ; a N.
O. Weber & C.
2 embralhos amostras ; t Brunn Praeger 4 Com-
panhia.
3 ditos dilas ; a Fox Brothers.
1 dito ditas ; a II. Cibson.
1 dito ditos ; a C. J. Atlley & C.
1 dito ditas ; a Rosfran Rooker & C.
1 caixa livros; a H. B. cnsul.
1 dites papis ; a Adamson Howie c\ C.
i 1 dila ditos; a proca de commerco.
M'la ditos ; a ItwBOll M.llar. & C_
1 dila ditos ; a A. M.C.Soires.
Brigue nacional ero, vindo do Rio tinada da
Sul, consignado a Thomax de qaino Fonseca & Fi-
llio, manifeslou o segainte :
376 barricas e 264 meras di lis tebo, 15 barril gra-
ta. 15 caixat taita-parrilha. 154 pipas abatidas : a
ordem.
_Hla.toj nacional Qapibaribe, viodo do Araealy a
S-II. eAll(n%lHn 3 l.ni* lUrf,M Am ___,.

k
Assi'i, consignado a l.nit Borgos ala Cerqinini, maTil-
feslou o seguinle :
130 elqoeires tal, 184 toares miados, 53 momos
ditos, 1 tace buxo de peize. 4 calas cera am'vela,
27 coorot lalgados, 13 taeeet cara de caraaaba ; a
ordem.
1 barrica calcado, 1 lato ovas; a J. J. Dias Fer-
nandez.
Vapor nacional 5. Saltpdor, viada dos portas do
Norte, consigunads a agencia, mmifetlon o sr'
guin'.e :
3 fardosfispos do Chfl* a Arattaga Brvtn.
97 rolos taba ; a Machado & Pinheiro.
4 taccas a 4 p&coles ; a Antonio Joaquim bd>-
gues Jnior.
1 caixa ; a Joaquim Ferreira dSa.
i dita ; a Augusto Moniz Machado.
1 dila ; a Tfiomaf.de Faria.
Brigue nacional filvira. vindo do Ride Ja-
neiro, consignada a Machado & Pinheir. manifes-
lou o segninle :
1 caixa fazendas ; a B. Praeger fC".
30 bnrris alpistt ; a J. M. da Rosa.
4 fardos ditas, 200 barra e 912 tacCot farioha, 35
lernos e 20 volmas barricas vaeint, 120 eaisan, 120
meiat dulas e 80 qoartol pastas, 1 caixete cicarre,
1 dito roupa, 575 saces e I caixa cafa, 7ditos cha-
peos, tYdilai cbocolale, 1 dila cha, 3 dilas rap, 50
roiot e 50 latas famo, i caxottt rntreadorUs, 23
barril polassa ; a orelem. ti
CONSULADO liBRAL.
Kendimenio do dia 2 a 4..... ,5:fi88540t
dem do dia 5 1:156o310
6:81498.10
->
:
LMVERSAS PUOVINCIAS.
Rendimenlo do dia 2'4.....
dem do dia 5 .......
12>87
1199359
133S434
Exportaoao'.
Liverpool pda Parahiba, gatera ingleza eeSera-
phinai), de 129 toneladas, conriuzio o seguinle :
2,172 saccoa com 10.860 arrollas de assacar.
KECIBEDOltlA DE RENDAS INTERNAS 6E-
ilAES DE PEKNAMBUCO,
Rendimenlo do dia 2 a 4.....5;32296l
dem do dia 5....... 1:0289*08
6:3513021
i-
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimenlodortia 2 a i..... 10:.88a29
dem do dia 5 ........ 3:5149135
11:1029864
MOVIMENTO DO PORTO.
No dia 5 mo houveram entradas oeiri unidas.
EDITIS.
Pela inspecao da alfanelegaee faz pohlico, que
no da 9 do corrale depois do. meto dia sehao deaf-
remalar em hasta publica porto dt mesma repar-
te;ao, sendo a arrcmalaQjfit-tra de direlos ao trre-
malante, 800 gigos com cerveja com urna doria de
garraas cida um. prefazendn ao Indo 2,400 medidas,
a 600 rs. por medieta, toUI l:HOS00O,rs., vindos do
Havre oos navios Gastare 2. e Alma, e abandona-
dos i direlos por J. B..Las*erre C.
Alfandesa de Pernambuco 5 de joUio de 1855.
uspeclor Bento Jos Fertmndes Barros.
O film. Sr. inspector da thesooraria provincial,
ra comprmanlo da resolucao da juta da fazenda,
manda (ar publico, que a arrematado da obra do
ae;odeda viltosJo Buque foi Iranifeiida para o dia
12 de j albo prximo vindouro.
E para constar te mandan, aflhar o presente e pu-
blicar peto Diario.
Secretaria Ja ihesouraria Drevnciat de Pernam-
buce 28 do janho de 1855.O aecrelario,
A. F. da Annunciacuo.
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria provia-
cial, em cumprimento da ordem de Exm. Sr. pre-
iidenle da provincia de 14 da maio oKinto, miada
convidar aoi proprielaros abaixo. mencionados, a
eulregtrem na mesma Ihesouraria, ao prazo de 30
dias, a contar do dia da primeira publicado da fe-


DIARIO OE PLRKAMBUCO SEXTA FEIRA 6 OE JUNHO DE 855
' S
573600
198800
18500o
6t800
1U9800
fc

tote, a importancia du quotai cofn que dovem
entrar para o calcamenlo das catas da travessa de S.
Pedro, conforme o disposto na lei irovincjal n. 350.
Advertindo que a falla da entre} a voluntaria, er
ponida com o duplo das referida* quoliis, na eoo-
furmlade do arl. 6 do reg. de 3! de dexembro de
185.
N. 4. Calharioa Mara do Sena. .
ti. 6. Manoel Antonio da Silva iitois.
N. 8. Manoel Jos'da Molla.
N.10. Mara Rosa da Assumpoito. .
N. 1. Manar I Ruarque de Macedi. .
E para constar se roa don alfiler o presente e pu-
blicar pelo Diario. ,
Secretaria u> thetoanria provin.iml de Pernam-
boco 9 de junho da iai5- O sectelario, Antonio
Ferreira a JMmnciaco.
O Illm. Sr. inspector da tliesouraria provincial'
inri rumprimento da ordem do Enn. Sr. presidente
da provincia de 23 do corrate, in. nda fazer pu-
blico que no dia 19 de julhosjroun o vindouro, pa-
rante a* junta da rascada da mesma thetouraria, se
lia de arrematar, a quero por menos fizer, a obra da
estrada da Magdalena, Isto be, o l. lanca da de
l'.io d'Aiho, avallada em 72:3aOJOTJ) rs.
A |rroraalaco ser Taita na forma da lei provin-
cial n. 343 d 15 de maio do auno Hado, e sob as
clausulas especiaos abaixo copiadas.
As pessoas que se prupozerem esta arremata-
rlo comparecam na sala das seesoes da mesma junta
no dia cima declarado pelo meic dia competente-
mente nat-Mladas.
E para constar se mandou afiliar o prsenle e
publicar pele Diario.
- Soerataria da lltssouraria provincial de Peronm-
buco25dejontio de 1855__O secretario.
Antonio F. d'Antmvaff.
Clausulas espeaaes para a arremaiacao.
1." As obras do primeiro lauro da estrada de Pao
d'Alho,farse-hao de conformidado com o otc,amenlo,
plantase perlis,approvado pela directora em conielho
apresentado a approvacao do Bim. Sr. presidente
da provincia, na Importando 72:360:;000 rs.
2.a 0 arrematanladura principio s obras na pra-
zu de'dons meses e as coiclujr no de dous annos.
contados na forma do **i. 31 da lei provincial n.
288, sendo obligad* a dar sempre transito ao publi-
co de p o carros.
). O pagameertod*importand en arremnlac.no
ssifeilo na forma do arl. 39 4a lei provincial n. 286,
sendo metade em apalieee da lvida publica, creada
pela lei' provincial n. 354, e a oulm metade em
mnedl corrente.
i. O arrematante dever torao monos metade do
peiiaoal do servico de .Rente livre
.).' Para lodo o que nao se echir determinado as
presentes clausulas nem no orcetmnlc, seguir-se-ha
o que dispoea respeilo a lei proviiciil n. 286.
Conforme. O secretario, 4. P. u^nnunciarao.
O lllm. Sr. inspector da Ihesnirarto provin-
cial em cura primelo da resolurao di junta da fa-
zeitda, manda fazer publico, que no dia 19 de ju-
ila vai novamenle a prara parea, r arremata-
do a qoem por manos (izer a obra o*, reparos de
qu; precisa o afode de Caruarii. tvaliada em
1*129000 rs.
li para constarosmandn afflxar o'ppsenle e pu-
blicar pelo Diario.
secretaria da thasonrari* provincial 3 Pernam-
buco 25 de |uulio de 1855.
.0 secretario,
Antonio Ferreira da Annvncirao.
O administrador da mesa do contuladoprovin-
cia!; avisa que tern de ser arrematadas em lista pu-
mesmo consulado, ni dia 9 v> cor-
horas do dia, a prela Germana,riou-
para 14 annos, avaliad i era 850000,
a bote do patacho Sania Cruz, avallado em 50
rs., sendo importancia total de 1:0(09000, o oe
foi apprebemtido pelo guarda Eneas Tatgine Accw
li, eaa 12 de Janeiro deste auuo por ei.lravio dos d.
reilos provinciaet de exporlacAo. Mata do consola-
do provincial 5 de jullio de 1855.
intonso Carneiro Macixaio liios.
ca!, avisa que le
^\__bita a porta do 1
mf rtiti, pelas II h
la, idide de 13 n
ohrigaroes mercantis dque sao credores os ditos
seus constitointes, e deplores militas pessoas ausen-
tes e sicomas desconhedas de que nao ha noticia,
e cujas residencias sao certa', constantes das reto-
rnes junta, vem o suppcante requerer a vossa sc-
nhoria que se digne de admillir a protestar como
protesto cm nome de es constituintes para conser-
vaco e resalva dos direos deste, contra seos de-
vedures respectivos, a oe distribuida este se llie
lome por teimo o sea puesto, paissndo-se carta de
cdilos para ser intimada os supplicados devedores,
00 a seus herdeiros, afirole nterromper-se a pres-
erpcao na forma do arlo 453. paragrapho tercero
doCod. Comm.Pede ai. S. IHm. Sr. Dr. juiz de
direilo do commerco defriroenlo. E II. M.-J-'ran-
cisco Joao de Barro;
Nada raais se conlilrk em dita pclir3o, a qnal
seudo-me apreseulada nd> oe meu despacho se-
guinle :
Dislrihoida, como reque, RecIT 28 de junho de
18a*.Silva Guimaraes.
Nada mas se conllnha e> dito meu despacho,cm
virlude do qual o escrivao quem foi dita pelicSo
distribuida, lavrou o lermodo protesto do theor se-
guinle.
Aos 28 de junho de 1855,nesta cidade do Recife
peranle mim e as lestemulias abaixo assiguadas,
disse Francisco Joao de Ritos como procurador
bstanle da Vicente Thomasios Santos, JoSo Joa-
quim Vieira e Vicente Ferrara da Silva que pro-
teslava como de faci protstalo iem na lorma de-
clarada em sua peltrao relrocuntra Bernardo Jos
da Graca o oulros cooUanles de como disse e proleslou na Irma de sua dita pe-
tijao retro, que fica sendo pare do presente assia-
11011 comas leslemunliasabaixcassiguadas.Eu Jtfe-
qnim Jos Pereira dos Sa:ilo.,;ji-riv,"ni o escrevi.
Francisco Joao de BarrosMaoel Jo^ Soares d'-
Avellar.Antonio da Silva Posoa de Mello.
Nada mais se conuha em dio protesto, e he o
Iheor da duasrelagoes apresenadas pelo supplican-
le da forma sesninle.
i>vedores o Vicente Thomazdos Santos: Bernar-
do Jos da Graca sua lellra veuda em 6 de novem-
bro de 1847, 3139100 ; Francco do Pauta Paes
Brrelo, dita, 12 do maio de 1H1. 1:5209 ; Miguil
Allonso Ferreira, obrigaeSo d( 13 de. fevareiro de
18*0, 2OO9 Joaquim de Paula uedes Aleoforado,
sua letlra de 22 de novembro delfJJI :. X. Schroe-
der e Delinque Hetmes, suat jas lellras vencida*
em 2 de outubro 2 de dezonbro de 1813, 509, e
28O9 ; Bernardo Jos da Caara e herdeiros de Do-
mingos Allonso Ferreira, sua lellra vencida em 20
de abril de 1845, 6509 ' herieiros de Francisco de
Paula Cavalcartti de Laccrda seu dehilo de maio de
1810. 320 ; Guillicrme l.ui/de Tnuble, sua -01111-
aatao de 8 de setemLro de 18W), 60; JJoao Pereira
Pamplona, dita de 13 de oitubro de 1843,15;
Luiz Tenorio de Mello Albuqierque e Jos de Mel-
lo Albuquerque,sua letlra vencida uo primeiro de
novembrode 1845, 1089; Canillo Urbano da Fon-
seca, soas obrigares de feverciro, marn o julho
de 1811, 3109; Nuno Marta de Seixas, importan
ca de seu debito de 1844 a H45, 1809 ; Maria de
Jess Caslroe Manoel Luiz di Castro, sua lellra de
27 de maio de 1846, 6O9; htrdeiros de Joao Au-
Kusto Drcban I.abord, urna hura de 1846 e urna
obrgac.ao de 18.">0janeiro 17,3i090:>0.
Devedores a Vicente Ferreira da Sdva.Mano6l
Marques da Costa Soares, suasduas letlra* vencidas
era 1850 moeda corrente, '009802; Jos Fer-
reira da Silva, seu debito mel, 59760 ; herdeiros
de Joao Bapln(sCes.u, metal 1549519; herdeiros de
Francisco Jos da Costa Guimaiaes, metal, 6399428:
herdeiros de Jos Pereira da Graca, 3758657, de sen
debito de maio de 183'2;l)nmiiisos Alves Barbosa,rac-
ial, 279222; herdeiros de Joaquim Jos Flix, metal,
1439318 ; Jos Antonio l.opes, metal, 3739803 ; Jo-
s Antonio de MagalhSes lia.ios &C, seu debito em
selembro do 1841.1:5189225 ; Barlholomeu Bomfin,
metal, 1369619.
Devedores a Joao Joaquim Vieira,Francisco
Anlouio de Araujo, ama lellra vencida em 28 de
feverciro de 1850, 2839750; l.uiz Paulino CavalcanU
Vellcz de Guivarra, ums lellra vencida em26de
outubro de 1850, 709; Antonio Jos Pntenla da
Conceicao, reslp de seu debito, 7449. '
Nada mais se continua em ditas rclaces. E lia-
vendo o SHpplicenle provado com lestemunhas a au
sencia, c incerteza da residencia dos supplicados e
fazendo-me o respectivo esrriv m os autos conclusos,
nelles profer s sentenra do theor seauinte.
Julgoapor sentema a justificarlo folbas, emendo
que se proceda a ciiarau edita! requerida. Kecife 3
de julho de 1855.Custodio Manoel da Silva Gui-
maraes.
Nada maisse continhn rmililn senleuc, em vir-
(ude da qual o escrtvto que esta subscreveu, fez pas-
sar a presente carta de edilo<, pela qual hc por in-
timados os supplicados supra declarados pelo con-
leudo do protesto e peiir.lo nesta insertos, afim de
evitar a prescripeflo dos dbitos tambero supra de-
clarados : pelo que todos os prenles, amigos e eo-
uliecidos dos ditos ausentes, os poderao fzer scien-
les de ludo quanlo fica cxposlo.
para constar mandei passar
Por esla secretaria se faz publico, que as fallas dos
esludanles desta Faculdade dadas no mez de maio
do corrente annu, sao as segundes :
Primeiro anno.
N. 1. Abilio Alvaro Marlins de Caslro, den 1 ralla
abonada, n. 2. Benjamim Franklin de Oliveira
Mello, deu 3 faltas abonadas, e 9 nos mezes ante-
riores ; n. 5. Antonio Americo de Urredo Jnior,
deu 4 faltas abonadas; n. 10. Alvaro Barbalho
l'clioa CavalcanU de Albuquerque, deu 10 fallas
abonadas, e 1 nos mezes anteriores ; 11. 15 Joao Pe-
dro dos Santos, den 2 faltas, 1 abonada, e outra nao
abonada ; n. 19. Jos Belizario Heuriques da Cunba
deu 1 falla ajjonada ; n. 26. Pedro CavalcanU de
Albuquerque Maranhao, deu 1 falla abonada, e 6
nos mexesanteriores ; n. 28. Joao Alvos Dias Vi-
lella, deu 3 fsllas, 1 nao abonada, c-2 abonadas;
n. 31. Amaro Joaquim Rapuzo de Albuquerque,
deu 3 fallas abopadas ; n. 42. Pedro da Veiga Or-
nellas, den 2 fallas abonadas, e 6 nao abonadas nos
mezes anteriores ; 11. 44. JoSo Lopes de Carvalho
Lobao, deu 1 falta abonada, e 1 nos mezes anterio-
res ; o. 45. Raymundo Furtado de Albuquerque
CaVsIcanti, deu 6 fallas abonadas, e 1 nao abonada
nos mezes anteriores ; n. 51. Jos Joaquim de Mo-
raes Navarro, deu 2 faltas abonadas ; n. 53. Joio
Anlunes de Alcncar Rodovalliu, deu 1 falla aluna-
da, e 4 nos mezes anteriores ; n. 55. Jacinlho Paz
Morcira de Mendonca, deu 1 falta abonada ; n. 56.
Antonio Muniz Sodre de Aragao, deu 1 falla nao
abonada ; n. 57. Carlos Spiridiao de Mello Mallos,
deu 2 faltas, I alionada, e outra n8o abonada, e
2 nao abonadas nos mezes anteriores ; n. 61. Euc-
diuo Guarany de Audrade Capaoba, deu 5 faltas
abonadas; n. 61. Jos Ctiolano de Souza Lima, deu
10 faltas abonadas, e 8 nos mezes anteriores; n.
65. Jos Goncalves da Silva, deu 4" fallas nao abo-
nadas ; n. 66. Dcmoslhenes JertTesoa. da Silveira Lo-
bo, deu 1 falta abonada, e 2-nos mexes anteriores ;
n. 72. Javinn Ferreira Mondes Giiiinaraos, deu 7
faltas abonadas, e 5 nos mezes .interiores, sendo 1
nao abanada ; n. 73. Aurcliaoo Augusto Pereira de
Carvalho, deu 1 falla abonada, e 1 nos mezes ante-
riores ; n. 75. Jas Mirlinian 1 CavalcanU de Albu-
querque, den 2 fallas no alionadas; e 1 nao abona-
da nos mezes anteriores; 11. 76. Manoel Neto Car-
neiro de Souza ijindcira, deu 2 fallas abonadas, e
1 nos mojes anteriores ; n. 80. Americo Muniz Cor-
deiro Gitahy, den 1 falta abonada ; e 6 nos mezes
anteriores, sendo"! nao abonada ; n. 82 Jos Fi-
goeiredode Andrade deu 3 faltas abonadas, o 5
nos mezes anteriores ; n." 83. Francisco de Salles
Pereira Pacheco, deu 1 falla abonada, o 6 nos me-
zes anteriores ; 11. 86 Francisco Ignacio Wernecb,
deu 5 faltas 4 abonadas, e 1 nao abonada ; e 9 nos
mezes anteriores ; n. 87. Jos Gomes de S B irreto,
den 1 falla abonada, e II nos mezes anteriores.
Segundo anno.
N. 2. Antonio Teixeira Belfort Rovo, deu 1 falla
abonada ; n. 3. E luardo da Silva Rabello, deu 1
falta abonada, e 1 nos mezes anteriores ; ti. 4. Fi-
lippo Honorato da Cunha Mininea, deu 2 faltas
abonadas, e 3 nos mezes anteriores sendo 2 nao abo-
nadas,; n.6. Francisco Jos Marlins Pem\a Jnior,
deu 1 falta abonada ; n. 9. Joaquim Ignacio Alva-
res de Azeredo, deu 1 falta alionada, e 1 nos me-
zes anteriores ; n. 10. Joaquim Jos de Oliveira An-
drade, den 2 fallas abonadas, o 1 nos mezes anterio-
res ; n. 11. Joaquim Ribeiro Soares, deu 1 falla
abonada ; n. 12. Jos Calandrini de Azevcdo, deu
2 fallas abonada', e 1 nos mezes anteriores; n. 13.
Joo Jnvencio Ferreira de Aguiar, deu I falla abo-
nada, e 3 nos mezes anteriores ; o. 14 Jos Mariano
da Costa, den I falta abonada, el nos mezes ante-
riores; n. 15 Jos Silvano Ilermogenes de Vasconcel-
os, deu 1 falta abonada, e 2 nos mezes anteriores
sendo 1 nao abonada ; n. 18 Manoel Innocencio Pi-
res de Figueiredo Camargo, deu 1 falta abonada ;
n. 19. Manoel Pereira de Moraes Pinheiro, deu 1
falla abonada ; n. 23. Paulino, Ferreira da Silva,
deu 2 (altas abonadas, e 6 nos mezes anltriores ; n.
2i. Pedro de Albuquerque Aulran, deu 1 falla nao
abonada, e 2 alionadas nos metes anlefiores ; n. 25.
J>

para constar mandei passar o presente e mais
piltro do mesmo Iheor, sendo ura publicado pela
U lr. Costooto Manoel da Sriva Ginmara, jnu mprensa, eouiro affisado pelo respectivo porleiro
d; direilo da primeira vara do commerco nesla |'uar do cosime.
"Vado nesla cidade do Recife em 4 de iulho de
vio
osenv
Gi'iuia-
IHGj.Jwi|ou Juan rereira nlscrevi. Custodio Manoel 'da Silca
riiei.
O Dr. Custodio Manuel da Silva Guimaiaes, juiz.
i'e direilo da primeira vara do, civel e commer-
, rio nesla cidade do Recife de Pernambuco, etc.
Fac,o saber aos que a presento carta deedilos vi-
rara, nn della {noticia JtiNerein, como D. Ignacia
Joaquina Lopes da Silva, me fez a pelicao do theor
cidade do Uccifs . Foco saber aos que a presente caria de cdilo''-
rem ou dell* noticia tiverem come Mesqirt" &
Dutra, me ftzeram a pelicao do theor se?ui-se :
Dixsm Mesqoila A Dulra liqoiddlariw da casa
Mesgnia Dulra & Cejo e Uias *o devUores Ma-
noej Ramos da Souza Brandan da qusn1" e 8859&50
envinas lellras re igual quantia ver*'1'' orna em
22dsiisJade184, outra em 9 Je Teverciro deUefainl? ,
- ^ Dix V. Tgnacia JoTqmia I.SpTda SilvaTViuva
Jos Dioso da Silva, e lutora de seus dous filhos me-
sU,0$m4aSVo de 2 imrcen" ; RtJngo'jacin-
v Iho da Silrr, a quanlia de 1:3^9080, ira urna let-
lra vencida no 1 de jsneir Je 1846, dem do juro
do 2por cont ; Thomaz daCnnl Sisnao dsSiquei-
ra, a quanlia de2:6139, <* daas lett-as vtsxidas
urna a 12 de junho de 1**5, outra a 12 de dexem-
bro ele 84*. alem do uro de 2 por cent.o; Jos Joa-
quim de Fariss Mello quanlia de l:6d26O0, em
urna lellra vencida-* 16 de junho de 1815, alem do
juro de 2 por earxo ; Jacinlho Ferreira de Aguiar,
a quanlia de 1;*299450, em nma lellra vencida cm
22 du marco e 1846, alem do jura de 2 pur cenlo ;
Amaro Flornicio Gomes, a quanlia de 4893880. em
urna leltra rencida no 1 de Janeiro dt 1846. alem
rdc i 1p2 por ceato ; Manoel Ignacio da Fon-
i! Silva, s quaojia de 1:8759400, ana urna lel-
tra vineisa a 20 de abril, do 1846, alem do juro de
11(2 porcenlo ,- Gaspar Francisco de Macedo, a
/uaoti de 4979030, era urna letlra vencida a 13 de
marc.it da 1816, alem do juro do 2 por cenlo ; Joao
Jos ele Miranda, a quanlia de 1:003921 J, em urna
tira vencida em 26 da selembro de 1846, alero do
iro de 2por cento ; Antonio Kovies da Purifica-
do, ii quanlia de 1:911(200, em urna lellra ventida
, a 34 de abril ds 1846, atetado juro dt 11 por cenlo ;
Euslsqaio Virissimo de Figueiredo, a quanlia de
4:754.1620, am ama lellra vencida s 15 de feverci-
ro de 1846, alem do juro de 2 por cenlo ; Amaro
Loarenfo Gamas, a quanlia de 4881880. em urna
Ira vencida no 1' de. maio de 1846, al m do juro
por cento ; e porque os supplicsoles nao Iem
Xtea do domicilio-dos supplicados e fluerem pro-
lar pelo seo direilo e nao Ihes correr a prescrip-
* lo en quaoto intentara a ace,a-i cootpeenle por
isa requeren! a V. S. que se digne mindar tomar
por termo o protesto des supplicsoles, depois do
qusn escrirdo piste caria de edilos con o termo de
30 din para seren aflUados nos lugares do costume
e publicado) as gazelas desta cidade pura assim ser
intimido sos supplicados o protesto,- depois de pro-
rada i ausencia e incerlozada residencia. Pede a
. V. S. 3r. Dr. jale de direilo.do civel e do commer-
ci lite seje servido deferr-lhes.E il. M.Jos
Narciso Camello.
t^f* Destriboida ; como requerem. Recife 22 de jqnlio
de 1835.Silva Guimaraes.A Cnnhu.Oliveira.
I Aos 2S de unho de 1855, nesta cidadu do Recife
em meu escriplorio vieran Mesquita & Dulra, e dis-
seram em presenta das teslemuiibas abaixo assigna-
das qoe ellesprolestavam contra os supplicados por
lodo iiconleudo declarado na petirae ret o,c em eon-
formidade da mesma protestado Iem afim d"e pro-
duzr o devido eOeilo. E de como assin: o disseram
proti'slaramGxeste termaem que sssigntram com as
ditas lestasaonhas. Bu Pedio Tertuliano da Cianba.es-
crivao o escrevi.Mesquita & Dolra.Domingos
JT Barbosa RodriguesManoel Ryrnnndi: Ptnaforle.
E mais se nao conlinha em dila peU^o, despacho,
't deslritmisao e termo de protesto aqui cjpildo, em
virlade da qual produziram ossupplicanles suas les-
> temautbas e sobindo os autos a mioltacoiieluslodei a
senlenca do Iheor segninle'.
Jdl,|o por sentencia e castas a justificaco fls, e
1 mando que se proceda V< citar ao cdilal reqaerida.
Recifn 3 de julbo de 1855.Custodio Ma toel da Sii-
va Gaimaraes.
E Riis senao conlinha em dita senlenca, aqui co-
piada em virlode da qoal se passou a prsenle com
, i o prazo de 30 dias, e pelo Uieor da mosma bei por
inlimados aos supplieadoa do referido protesto que
ser p jblicadi] e afilsado nos lagares do cusame e
publicado pels gazeta.
~ Dada e passado nesta cidade do Recife 4 de julho
,e 1855. Eu Pedro Tarlalaoo da Cunba, cscrva
.. sul^crevlCustodio Maitotl datilca Ovtmares.
O Dr. Caetodio Manoet Ja Silva Gulroanle', juiz de
direilo do civel e comnvercio. desta cidade do Re-
cife, e seo termo porS. M. I. e C.etr.
Fac/i saber aos que a presente caria de edilos
virem on dalla noticia tiverem, como Viaucisco
Joao de Barros me dirigi pos escripia a tetic.au do
theor leguinle :
Diz Francisco Joo de Barros, como (roturador
bastan o de Vicente Thomaz dos Santos, ite Vicente
^Settttia da Silvae de Joao Joaqom Oliseira nesla
cidadl, qns latido cm san poder varios ltalos ds
I
ores, pejr seu bastante procurador, que Joao Manoel
de Barros Wanderlej, morador na comarca do Cabo,
liertesedor da quanlia de 1979556 r.., de urna lellra
vencida em 31 de dexembro de 1842 ; a vittva e her-
deiros de Manoel Ilenriques Wanderley, da quan-
lia de 1725617 rs., de urna lellra vencida uo ultimo,
de maio de 1847 ; Gonzalo Francisco Xavier Ca-
valcanU L'clioa. da quantia de 2:5009 rs., de 3 le-
Iras voncida a ultima em 31 de maio de 1854 ; a
viuva e herdeiros de Francisco Xavier Csvalcauli
liclioa, da quanlia de 1:7939750 rs., de urna leltra
vencida em 31 de maio de 1843; Manoel Jos da
Coala Guimarles, da quanlia de 2289530 rs., de urna
lellra vencida em 26 de outubro de 1843; Benedicto
Teixeira da Silva, ou seus herdeiros, da quantia de
110g rs., de urna leltra vencida em 28 de Janeiro de
1847 ; Joao Alves de Araujo Lima ou seos her-
deiros, da quantia de 1029880 rs., de urna lellra
vencida em 24 de Janeiro de 1842 ; JoSo de Dos
Pereira ou seus herdeiros, a -quantia de*IGlBt57 rs.,
de, urna leltra vencida em 12 de Janeiro de 1840 ;
Antonio Jos da Costa Guimaraes, a quanlia de 509
r.,dc urna lellra veucida em 17 de Janeiro de 1850.
E como at o presente n3o lenham sido pagas ditas
lettras, quer a supplcaole na forma do arl. 453
3 do cod. comm. protestar para resguardar e assegu-
rar lodo o direilo qoe assiste para cobranza das
referidas lellras, e requer a V. S. que mande lo-
mar por termo o protesto, e intima-Ios aos suppli-
cados, mandando passar precatorias citatorias para a
comarca do Cabo, para ahi ser citado o primeiro, e
para a comarca do Rio Formoso, para serem citados,
asegundo, teiceiro e qnarlo supplicados, e justifi-
car para serem citados por edilos os ltimos, por nao
se saber o lugar onde existem, afim de prodnzir
seo efleilo e costas.
Pede a V. S. lllm. Sr.Dr. juiz do civel da pri-
meira vara e do commercio, deferimento na* forma
requerida.E R. M.Advogdfco, Almeida.
Distribuida ; como retraer. Recife 20 de junho
de 1855. Silvs Guimaraes. A Cuuha. Oli-
veira.
Aos 21 de junho d 1855, nesta cidade do Recife,
em meu escriplorio velo o solicitador Rufino Jos
Correa de Almeida, procurador bstanle da suppli-
cantc D. Ignacia Joaquina Lopes da Silva, e disse
gm presenca das lestemunhas abaixo assignadas, qoe
elle por parle dt sua con-luinle proteslava conlra os
snpplicados por lodo o canteado declarado, na peli-
S*i relro, e na conformidado da mesma protestado
teni, afim de produx'r o devido effcilo. E de como
assim o disse e proleslou, fiz est termo, em que
assignou com ditas lestemunhas.
Eu Podro Tertuliano da Canba escrivao o escrevi.
Rufino Jos Crrela de Almeida. Theodoro de
sVImcida Costa.Victorino Jor de Souza Tratassos.
E mais senao conlinha em dita peliejio despacho,
dislrihuir;ao e lermo de protesto aqui copiado ,
em virlude da qual produzio a sapplicmle suas les-
temunhas, e subiiido os autos ennelusao, dei a mi-
tilia senlenca do Iheor segointe:
Jalao por senlenca e cusas a juslilicaca ja foihas.e
mando que se proceda a ciljclo edilal requerida.
Recife\3de julho de 1855. Custodio Manoel da
Silva Guimaraes.
mais se nao conlinha em dila senlenca aqui co-
piada, em virlade da qual se passou a presente, pelo
Iheor da mesma hei por intimados os snpplicados do
protesto, que ser publicado e afiliado nos lugares
do eoslum'. e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife 4 de julho
de 1855.
Eu Pedro Tertuliano da Cunha escrivao o subs-
crevi.Custodio Manoel da Silva Gnimarei.
Polidoro Cezar Borlamaque, deo 2 fallas abonadas ;
n. 27. Raymundo Ribeiro Soares, deu 1 falla abo-
nada ; n. 28 Scverino Das Carneiro, deu 1 falla
abonada ; n. 29. Augusto Elisio da Faitear;. Hpu o
nmaautmaoas, e 2 IKi mezes anteriores ; n. 30
Landelhio Tertuliano MarinH FalcT, deu " Taitas
abonadas, e 18 nos mezes anloriores; n. 31. Anto-
nio Lourencode Araujo. deu 1 falla abonada ; n.
32. Antonio Jos de Amorim,den 2 fallas abonadas,
e 2 nos mezes anteriores ; n. 33. Ernesto Francisco
de Lima Santos, deu 2 faltas abonadas ; n. 34. Eu-
neiroz^Maltozo Ribeiro, deu 3 fallas abo-
ank'in Americo de Menezes Doria,
"da* e 1 nos mezes anteriores ; n.
M. Int.__^^BWt AJraeida, deu 13 fallas abo-
nadas, e 1 nos mezes anteriores; n. 39. Manoel Can-'
didodeAraojdLima, delv'l falla abo'nada ; e 1 nos
mezes anteriores ; n. 40. Salvador V ieenle Sapucaia
deu 1 falla abonada, e 2 nos mezes anteriores ; n.
41. Leandro Francisco Borges, den l falla abonada
e 1 nao abonada nos mezas anteriores ; n. 42. Anle-
ro Simes da Silva, deu 1 falla abonada, e 2 nos me-
zes anteriores; n. 45. Virgilio Alves de Lima Gor-
dillio, deu 3 fallas abonadas ; n. 46. Manoel Peixo-
to desjVacerda Wernecb, dea 6 faltas abonadas, e 1
nos mexesanteriores ; n. 47. Joliao da Cotia Mon-
leiro, dea 3 fallas abonadas, e 1 nos mezes anterio-
res ; no 48. Antonio Joaquim de Magalhaes Caslro,
deu 4 fallas sendo 1 nao abonada,e 4 nao abonadas
nos mezes anteriores ,n.49. DuarleJos de Mello
Pilada, deu I falta abonada, e i nos mezes anterio-
res ; n. 50. JoSo Candido da Sil, den 4 faltas abo-
nadas, e 2 nos mezes anteriores ; n. 52 Pedro Al-
cntara de Miranda Veras, deu 1 falla abonada, e 1
nos mezes anteriores ; n. 53. Jos Francisco Van-
na, deu 5 fallas abonadas, e 3 nos mezes anteriores',
n. 54. Antonio Baplista Gilirana Cosa, deu 3 fallas
abonadas, e 5 nos mezes anteriores ; n. 55. Francis-
co Jos Fernandes Gilirana, deu 6 fallas abonadas,c
2 nos mexes auleriores ; n. 57. Francisco Marlins
da Fonceca, deu 3 fallas abonadas, c 1 nos mezes an-
teriores ; n. 59. Jos Antonio Coelho, deu 1 ralla
abonada, e 1 nos mezes anteriores ; n. 60. Pedro Se-
cun lino Mendes Litis, den 1 falla abonada, e 1 nos
mexesanteriores ; n. 61. Ignacio de Loyola de Sou-
za Jnior, deu 3 fallas abonadas, e5 nos mezes in-
teriores ,- n. 64. Benjamn Pinto Nogueira, deu 4
fallas abonadas, e 3 nos mezes anterioras ; n. 65.
Jos Gonjalves deMoura, deu 2 faltas abonadas, e 3
nos mezes anteriores; n. 66. Jos Manoel de Freilas
deD 1 falta abonada ; n. 67. Braulino Candido Men-
des, deu I falla abonada, e 1 nos mezes anteriores;
o. 69. Thomaz Antonio de Paula Pessoa, den 1 fal-
ta abonada, e 2 nos mezes anteriores ; n. 70. Tho-
maz Gareez da Rocha Vasconcellos Montenegro, deu
3 faltas abanadas.
de Lima, deu 15 fallas abonadas, e 2 nao abonadas
nos mezes anteriores ; n. 35. Joao Baptista da Ama-
ral e Mello, deu 4 faltas abonadas, e 7 nos mezes
anteriores; n. 36. Antonio Jos de Assumpeao Ne-
ves, deu4 faltas abonadas.-; e 2 na"o abonadas nos
mezes anteriores ; n. 37. Manoel Carneiro de Oli-
veira JuuqUeira, deu 6 fallas, sendo 5 nao abona-
das, e 2 nao alionadas tos me/es anteriores; n. 38.
Henrique Cerqueira Lima, deu 5 faltas nao' abona-
das, e 3 nflo abonadas nos mezes anlerior.es ; n. 39.
Antonio Jos Alcova, deu 2 fallas sendo 1 nao abo-
nada, e 2 nlo abonadas nos mezes anteriores ; n. 40.
Antonio Pinto da Rocha, deu 1 falta abonada, e 2
nos mezes anteriores, sendo 1 n3o abonada; n. 41.
I'ilippe do Mello Vasconccllos, deu 3 fallas nao abo-
nadas, e 3 nao abonadas nos mezes anteriores; n.
42. Francisco Jos Cardozo Guimaraes, deu 5 fallas
nao abonadas, e 2 nos mezes anteriores, sendo 1 nao
abonada ; n. 43. Joao Bernardo de (Maalhaes, deu
I falla nao abonada, e 1 nao abonada nos mezes an-
teriores ; n. 47. Manoel Alves de Lima Gordilho,
deu 6 faltas abonadas, e 16 sos mezes anteriores
sendo 5nao abonadas ; n. 50. Tilo da Silva Macha-
do, deu 2 fallaabonadas; n. 61. Manoel Jote M.i-
rinho da Cniha Jnior, deu 1 falla abonada ; n. 52.
Braulio Romulo dos Sanios Colonia, deu 3 fallas nao
abona.las, c 1 nSo abonada nos mezes anteriores; n. 53
Antonio da Cunha Xavier de Andrade, deu 1
falla abonada, e 2 nos mezes auleriores, sendo 1 nao
abonada; n. 54. Miguel Cerqueira Lima, dea 3 fal-
las nao abonadas; n. 56. Basilio Quaresma d'Arau-
jo TorreSo, deu 5 fullas abonadas, e2 nao abonadas
nos mezes anteriores; n. 60." Jo3o Coelho Bastos,
deu 9 fallas, sendo 1 nao justificada; n. 61. Fran-
cisco Maria Sodr Pereira, deu 1 falla nao abonada,
e3 nao abonadas nos mexesanteriores; n. 62. Ma-
noel da Fonseca Xavier d'Andrade, den 2 faltas abo-
nadas, e 3 nos mezes anteriores, sendo 2 njo abona-
das; n. 63. Julio Augusto da Silva, deu 2 fallas,
sendo 1 nao abonada; n. 65. Jos Ribeiro d'Almeida
Santos, deu I falta abonada, e 6 nos mezes anterio"
res, sendo 4 no abonadas; n. 66. Conrado Alvaro
de Cordova Lima, deu 4 fallas, sendo 1 nao abona-
da, e 2 nao abonadas nos mezea anteriores: n. 67.
Manoel Antonio Morcira, deu 2 fallas, sendo 1 nao
abanada, e 2 abonadas nos mexes auleriores; n. 70.
Manoel Flesmonlanba Ribeiro Soares, deu 25 faltas
nao abonadas; n. 72. Jos de Mendonca Reg Bar-
ros, deu 1 falla abonada, e 1 nao abonada nos me-
zes auleriores; n. 73. Filippe Xavier d'Almeida, deu
3 fallas nao abonadas, e 2 no abonadas nos mezes
anteriores; n. 75. Jos da Rocha Vianni, den 2
faltas sendo I io abonada, e 2 nao alionadas nos
mezes anteriores; n. 76. JoSo Peixoto do Miranda
Veras, den l falta nao abonada, e 5 tos mezes ante-
riores, sendo 1 nao abonada; n. 77. Joaquim
Theodoro Cisneiro d'Albuquerque, deu 2 fallas sen
do 1 nao abonada, e 2 nos mezes anlerisres, sendo
1 nao abonada, ti. 78. Tertuliano Ambrozinu da
Silva Machado, Jen 6 fallas sendo 3 nao abonadas,
e 3 nos n.ezes anteriores, sendo 1 nao abonada; n.
79. Deolindo Mendes da Silva Moura, deu 5 fallas
abonadds, e 5 nos mezes anteriores, sendo 1 nao -
bonada; ii. 81. Domingos Moitleiro Peixoto, den 1
alta n.lo abonada, el nos mezes anteriores sendo 2
nao abonadas. /
Quarlo aniso.
N. 2. Albino tellis de Moraes Reao Jnior, den 4
fallas abonadas ; n. 4. Antonio Teilea da Silva Lobo
Jnior, detj 1 falla abonada, e 1 nos mezes anterio-
res ; n. 5. Augusto Carlus de Almeida o Alboqoer-
que deu 2 fallas abonadas, e 2 nos mezes anleriores;
n. 6. Aurelio A. Pires de Figoeiredo Camargo, deu
1 falla abonada; n. 7. Claudiano Bezerr* CavalcanU,
dea 2-faltas abonadas, e 2 nos mezes anteriores ; n.
8. Dionisio Rodrigues Dantas, deu 2 faltas abonadas,
e7 nos mezes anteriores; n. II. Fernando Alves de Car-
valho, deu 2 fallas abonadas, e 2 nos mezes anterio-
res ; n. 13. Francisco Baplista da Cunha Madureira,
deu 9 faltas abonadas, e 9 mis mezes anleriores ; ti.
14. Francisco Domingues da Silva Jnior, dea 1 fal-
la abonada, e 4 nos mezes anteriores ; n. 15. F"ran-
cisco Joaquim da Silva, dea 1 falla abonada, e 2 nos
mezes anteriores; n 17. Franklip Washington de
Souza Reg, den 3 fallas abanadas, e 1 nos mezes
anleriores ; n. 19. Gustavo Gabriel Coelho de Sam-
paio, dea i falla abonasla- sxjfl n(iamBa.iniiMw;
anleriores; n. 42. Mariano Joaquim da Silvs, deu i 400; alvaiade ordinario, arroba e meta ; arcos do
fallas abonadas, e 4 nos mezes anleriores; n. 43.
Daniel Eduardo de Gouveia Portugal,deu 1 falta abo-
nada, e I nos mezes anteriores. l
Secretaria da Faculdade de Direilo do Recife 30de
junho do 1855.
Eduardo Soares a" Albbergavia
Secretario interino. 1
Os 30 dias uteis para o pagamento da decima
urbana na reparli(ao da mesa do consulado provin-
cial findam-se no dia 9 do corrente, lindos oaquaes
incorrem na multa de tres- por rento lodosos senho-
rios dos predios qoe deixarem de pagar seus dbitos
no anno CONSELHO ADMINISTRATIVO.
O conselho administrativo, em virlade de autori-
sacao do Exm. presidente da provincia, Iem decom-
prar os objeclos seguintes :
Para os msicos do 8. batalho de infanlaria.
Bonetes 11, rharlnteiras II pares.
Mein lialalh.lo do Cenra.
Mantas de 1.1a 312. sapalos 100 pares.
Diversos corpas.
Panno verde escuro para sobrecasacos e cab.As do
10." batalliio 158 covadns, manas de Ida para o 4.
batalhao de arlilharia, 9. e 10. d infanlaria, com-
panhia de artfices, e de ovalara 253, apatnspa'a
os inesmos 1:101 pares, botos convexos grandes de
metal bronscado com o u. 10 de meta) ama relio
2282, ditos pequeos com o mesmo numero 1956,
panno azul mselo para o' 2. batalhao de infanlaria
135 covados. sapu'.os para o mesmo 57 pares; capoles
de panno alvadio 63.
Recrulas em deposito no 2. batalhao.
Sapalos 50 pares.
Oitavn batalhao de infanlaria.
Mantas de loa 355, panno verde escuro cutre-fino
1871 covados.
Nono batalhao de infanlaria.
Mantas de 13a 376, panno verde escuro enlre-fino,
covados 1468.
Meio batalhao da Paralaba.
Mantas de 1,1a 48.
Quarlo balalhaod arlilharia.
Panno carmesm para vivos, covados 90.
Escola de primeiras lellras do segundo balalltao.de
infanlaria.
Ara prela, libras 6, compendios dcarillimelica
por Avila, 3.
Quem os quizer vender aprsenle as suas propos-
tas cm carta lechada na secretaria do conselho admi-
nistrativo t 10 luirs do dia 12 do corrente mez.
Secretara do conselho administrativo para fortte
cimento do arsenal de guerra 5 de julho de 1855.
^o.ti! de tirito fnglez, coronel presidente. Ber-
nardo Pereira do Carmo Jnior, vogal e secre-
tario.
Iwro aorlido, 2 arrobas ; aro surtido, 1 arroba ; co-
la aaxtahia,a20 libras ; cadeados de ferro, 10; ca-
nelas pi pennai, 40 ; dedaes de repuxo, 20; do-
bradiees de ferro, 30 ; fio de vela, 2 arrobas ; dito
de algodao, 5 libras; lona sorflda, 400 varal; linda
e merm, 2 arrabal; dita-de barca, 5 arrobas e
meia ; lencos de seos, 50 ; oculos de alcance, 2 ;
papel almajo, 10 resuas; dito de peso, 2 ditas ;
pennas d'ave, 100 ; dilasd'aco, 6 caixas ; pedras de
amolar, 2'; pregos de cobr para coslado, 2 arrobas;
pregos de ditot para forrai, 2 ditas ; ditos ripaes,
7,000; ditos batel, 7,000; dita, de assoalho, 1,000;
ditos cabraes, 2,600 ; par de Ierro, 20 ; piassab.i,
15 molhos ; paos do pinho on vrtgonlinhat, pran-
xOes de po, carga ou olticica, 120 raspas de fer-
do, 30; saceos de eoodnccito, 30 ; sola, 12 meios ;
Una branca, 10 arroba; dita pret,' 10 arrobas;
travs de difiranles qualidades, 150 ; taitas de
bomba, 5 libras ; ditas de ferro, 5 ditas chombo
em lenjol, 9 arrollas ; dito em barra, 10 ditas; vis-
las de osso, 150. O forneclmento de lijlo d alve
naria grossa, a razio de 20 milheiros por mez ; Jilo
de cal prela, a razan de 2,000 alqueires pelo mesmo
lempo.
Secretaria da inspercTo do arsenal de tharinha de
Pernambuco 2 de julho de 1855.O secretario, ,*/Je-
j-andre Rodrigues dos Anjos.
^ A adminislracao dos estabelecimenlos de ca*-
ridade, achaudo-se na posse da doactlo feila ao mes-
mo eslabeleclmento por D. Joaquina Mara Pereira
Vianna, manda faxr publico a quem convier, qoe
nos dias 5, 12 e 19 do crranle, na sala daa suas
sessOes, pelas 4 horas da"Iarde, ir.lo praca as ren-
das das casas aliaixo declaradas, pelo lempo que de-
correr do dia da arre natar.80 a 30 de junho de 1856,
A saber :
Sobrado n. 15 da ra" da Croa'vio Recife,
por ',. ...... 8009000
Dito o. 9 da rita do Codorniz, por 009000
Dito 11. 4 da roa de Costa, por. 3909000
Dito n. 25 da ra da Senaala Velha, por 16S9000
Dito n, 30 da roa da Cadeia do Recife,
por............ 60dl9000
Jilo n. 5 da roa da Lapa, por. 2769000
Casa terrea n. 26 da travessa da Senxala
Nova, por. ......... 6O9OOO
parlo detta cidade, consiflindo em velas, maslros,
cabos etc.: sexta reir 6 do oorrenle ai 10 horas da
monhaa porla da alfandega.
AVISOS DIVERSOS
Regiment de castas.
Sahio a luz o regiment das custat judi-
ciaet, annotado com os avisos que O alte-
varam t vende-se a 500 res, na livraria
11. fe8 da praca da Independencia.
Rga-se a pessoa que por engao
recebeu urna barrica com colla no dia 3
do corrente, baja de mandar levar a pra-
ca da Independencia n. 6 e 8, que sera'
recompensada ; nao o iazendo vera' seu
neme por extenso nestejornal, poishouve
quem a visse receben-.
M4SSV D1AMANT1I4.
Francisco Pinto Ozorio chamba denles com asta
deliciosa massa, coja sua boa qoslidadej be noto-
ria, assim como lambem caifa com ourn a prata, e
oulros melaes btancos que toas coras igualara muilo
aos proprios naturaes ; pode ser procurado para este
fim, na roa estrella do Basarlo o. 2, coafronte a
igreja.
Do patacho Val ente, fugio um es-
cravo mariuheirodenome Caira, crioulo,
idade 28 annos pouco mais ou menos, al-
tura regular, foi vestido de calca derisca-
do, jaqueta de brm, camisa branca e
chapeo de molla: quem o arjprebender
pode-o levar em casa de Hovaes d- C,
ra dq Trapiche n. 34.
_. SB-_._
Precisa-se alugar urna escrava que
saiba fazer todo o servicio de urna ca- j
sa de poucci familia e qu? seja fe!,
paga-se bem agradando: na ra do j
M Rangel n. 59, serrando andar.
^BSUKaMaatBtfSBaaaaBaMiaaBBariBW i------ *
O Sr. J. B. M. venha pagar quantia que sea
mano fieou devendo da casa em que morn, e se o
nao fzer le de ver seu nome por extenso.
n. -JU. Heraclilode Alencaslro Pereira da (Iraca, deu
10 fallas abonadas, e 2 nos mezes .interiores; u. 21 s
itorculuuu de Mendonca Vasconcellos Dniz, Jen 2
fallas abonadas, e 5 nos mezes anteriores ; n. 22.
Ignacio Alves Nazirelh, deu 1 falla abonada, e 1 nos
mezes anteriores; n. 23.Innocencio Pinheiro Correa,
deu 5 fallas abouadas ; n. 24. Joao Alfredo Corren
de Oliveira e andrade, deu 4 fallas abonadas, e 6 nos
mezes anleriores; n. 25. Joao Antonio dos Saiitos,deo
20 fallas, esperado, e 14 nos mezes anleriores; n. 28.
Joaquim Antonio da Silva Barata, deu 2 rallas abo-
nadas, e Cosa Barradas Jnior, dea 3 fallas abonadas, e 1 nos
mezes anteriores ; n. 30. Joaquim (jomes da Silvei-
ra Jnior, deu 7 fallas abonadas ; u. 31. Jos Boni-
facio de S Pereira, deu 2 fallas abonadas, e 2 nos
mezes anteriores ; n. 34. Leopoldino Delftno de
Abren, deu 1 falla abonada, e 4 nos mezes anterio-
res ; 11. 35. Luiz Antonio Pires, deu 2 fallas abona-
das, c 7 nos mezes anleriorrs ; 11. lili. Mauoel Joa-
quim finio Lisboa, deu 4 fallas abonadas, a 3 uos
mezes anteriores; n. 38. B irarJo Amavel Rodrigues,
dea 0 fallas abonadas e l nos mezes anleriores; n:
41. Antonio Guilherme de Figoeiredo, dea 8 fallas
abonadas, e 1 nos mezes anteriores ; n. 42. Francis-
co Augusto da Costa, deu 16 fallas abonadas, e 5 nos
mezes anleriores ; n. 43. Jos Rufino Pessoa de
.Mello, deu 1 falla abonada, e 2 nos mezes anteriores;
n. 44. Joao Luiz Soares Marlins, deu 1 falla abonada;
n. 16. Joaquim'Rodrigues Seixas, deu I falla abona-
da, e 1 nos mezes anleriores ; n. 49. Pedro ulonio
Falcao Brandao, deu 5 fallas abonadas, e 1 nos me-
zes anleriores; n.50. Pedro Vellozo Rebello, deu 6
fallas abonadas, e 4 nos mezes anleriores, n. 52. Se-
rafim Muniz Brrelo, deo 3 fallas abonadas, e 1 not
mezes anteriores ; n. 53. Carlos Augusto Ferraz de
Abren, deu 1 falta abonada, e 1 nos mezes anlerio-
res ; n. 54. Cimillo Jos Pereira de Faro Jnior,
deu 8 fallas abonadas; n. 55. Francisco Antonio Pes-
soa de Barros, deu 7 fallas abonadas, e 2 nos mezes
anleriores ; n. 56. Joo Francisco de Moura Maga-
lhaes, deu 2 fallas abonadas, e 1 nos mcies anterio-
res ; n. 57. Luiz Francisco da Veiga, deu 6 fallas
abonadas, e 3 nos mezes anteriores t n. 61. Francisco
Luiz Anlunes de Campos, deu 2 fallas abonadas, e
DECLAKACO ES.
O lllm. Sr. inspector do arsenal ile marinha
manda fazer publico, quo no dia 9 do crranle mez,
s 11 horas da iiia.ibaa, designado iiudeclarac;a 1 com
dala de liontem, para a compra de diversos objeclos
precisos ao fomecmeulo do almuxarifadg, fara lam-
bem precedidas as proposlas e concurrencias do es-
lylo, entregues as propostas al aquella hora, a dos
tbaixo mencionados :
Tinta de escrever, 12 garrafas ; remos de tojo, 6
dozias ; caivetes finos de aparar penna, 24 ; pen-
nas d'ave, 200 ; obreiat, '>0 pies; louro para assoa-
lho, 20 duzias; lona eslreila e larga, 30 pera. O
earvao de pedra qoe for preciso para fornecimento
dos navios d'armada e oflicinas desta reparlicSo.
Terceito anno.
N. 2. Alvaro Nstor de Albuquerque Mello, deu
1 falta nao abonada, e 2 nao abouadas nos mzes
auleriores ; n. 3. Aniceto Jos Borges, deu 7 faltas
abonadas, n. 5. Antonio Joaquim Fraucode Su, deu
2 faltas abonadas, el nos mezes anteriores ; n. 7.
Anlouio Lopes de Mendonca, deu 2 fallas abonadas,
e 1 nos mezes anteriores ; n. 8. Aurelio Ferreira
Espiuheiro, deu 1 falla abonada1, e 1 uos mezes an-
teriores; n. 9. padte Candido de Souza Requiri,
deu 2 faltas alionadas ; n. 10. Antonio Columbano
Serfico de Asss Carvalho, deu 7 fallas abonadas, e
4 nos mezes anteriores ; o.-11. Cordolino Barboza
Cordeiro, deu 3 fallas, sendo 1 nao abonada, e 2
nao abonadas nos mezes anleriores ; n. 12. Domin-
gos Antonio Alve Ribeiro, deu 1 falla nao abonada
e 3 nos mezesanteriores sendo 1 nao abonada ; o.
15. Francisco Teixeira do S, den 2 fallas nao abo-
nadas, e 1 abonada uos mezes anleriores; 11. 16.
Gentil Ilomcm de Almeida Braga, deu 3 fallas sen-
do 1 nao abonada, e 2 nos mezes anleriores sendo 1
nao abonada ; n. 18. Ilermogenes Scrates da Silva
T/avarcs de Vasconcellos, deu I falla au abonada
n. 19. JoSo de Aguiar Telletde Menezes, deu 4 fal-
las sendo I nao abonada, e 4 nos mezes anteriores
sendo 2 nao abonadas ; n. 20. Joao Carneiro Lodo
dau 2 fallas abouadas ; n. 23. Juo Severiano Car-
neiro da Cunha, deu 1 falla abonada, e 1 nos mezes
anteriores ; n. 25, Jos de Amorim (jarcia, deu 3
fallas sendo 2 nao abonadas, c 1 nao abonada nos
Secretaria da capitana do porto de Pernambuco 3 mere' anlerior*' i " 27. Jos Maria Ribeiro Para-
de julbo de 1855.O secretario, Alexandrc Rodri-
gues dos Alijos.
BANCO DE PERNAMBUCO.
O Banco de Pernambuco sacca sobre
a praca da Bahia, e contina a tomar
lettras sobre a do Bio de Janeiro- Ban-
co de Pernambuco 25 de junho de 1855.
O secretario da direccSo, Joao Ignacio
de Medeirgs Reg.
guussii, deu 1 falta abonada ; n. 28. Jos Marques
Camachu, deu 2 faltas abonadas ; n. 29. Ladislao
Acrisio de Almeida Fortuna, dea 3 faltas endo 1
nao abonada, e 8 abonadas nos mezes anteriores;
n. 31. Manoel Caelano da Silva, deu 1 falla abona-
da, e 2 nos nfezes anleriores ; n. 32. Tarquinio
Braulio de Souza Amarante, deu 1 falla abonada ;
n 33. Padre Joaquim Graciano de Araujo, den 1 fal-
la nlo abonada, a A* faltas sendo 2 nao abonadas
noi mezes anteriores ;|n. 31 Jos Ignacio de Andra-
t nos mezes anleriores; n. 63. Antonio Ferrejra Gar-1 "i9'1:'"'* P[ Berilio da Costa Moreira. foi
..,.. por infraceao do artigo 22, titulo i, em vi
cez, deu 3 fallas abonadas, o 1 nos mezes anleriores; 'ier encontrado esposta a venda urna BorcSi
n. 65. padre Joaquim d'Assumpr,3oaldanha, deu 2
rallas abonadas, e 6 nos mezes anleriores ; n. 67-
Luiz Mrquez Piala Wanderley, dtu 1 falla abona-
da, e 5 nos mezes anteriores; o. 68. Eneas Jos
Nogueira, deu 3 fallas abonadas, e 6 nos mezes an-
teriores ; n. 69. Francisco Pinto Peisoa, den 8 fallas
abonadas, e 1 nos mezes anleriores ; n. 71. Joflo Go-
mes Ferreira Vello*, dea 2 Jallas abonadas, e 1 nos
mezes anleriores.
Quinto anno. '
N. 2. \nlonio Marques Rodrigues, deu 3 fallas
abonadas, e 2 nos mezes anteriores ; n. 4. F'elisbino
de .Mendonca Vasconcellos Diniz, deu 1 falla abona-
da, o 3 nos mezes anteriores ;\t. 6. Ga>(Ao Ferreira
de Gouveia Pimcnlcl, deu 1 fulla abonada, e 2 nos
mezes anteriores ; n. 8. Joao Evangelista Marlins,
den 1 falla abonada ; n. 9. Joaquim do Nascimcnto
Cosa Cuuha Lima, deu 1 falla abonada, e 3 nos me-
tes anleriores, tendo 2 nao abonadas ; u. 10. Joa-
quim Mendes da Cruz Guimaraes Jnior, deu 3 fal-
as abanadas, e 1 nos mezes anleriores ; n. 11. Jos
Antonio Rodrigues deu 1 falla abonada ; n. 13. Ju-
lio Amando de Caslro, deu 10 fallas abonadas, e 4
nos mezes anteriores, sendo I n3o abonada ; n. 15.
i-ferino de Almeida Piulo, deu 1 falla abonada ; n.
16. Germinano Antonio Vilal de Oliveira, den 2
fallas abonadas ; n. 19. Francelino Adulfo Pereira
Guimaraes, deu 1 falta abonada ; n. 2o. Salusliano
Orlandu de Araujo Costa, deu 1 falta abonada, ol
nos mezes anleriores ; Francisco de Paolo Salles Ju-
uior. deu 1 falta alionada ; n. 22. Jos Vicente de
Azeredo Coulinho, deu 1 falta abonada, e 4 nos me-
zes anleriores ; >. 24. Manoel do Nascimcnto Ma-
chado Portella, deu 4 fallas abonadas, c 15 nos me-
zes anteriores ; n. 28. Jos Caelano de Araujo, deu
4 fallas-abonadas, e 4 nos mezes anleriores; n. 29.
Pedro Cbrisolngo da Cosa Abrcu, dea.) fallas aliona-
das; n. :lI. Caries Theodoro de Buslamanlcd,'u 4fal-
las ahonadas,e5nos mezes anteriores; d. 32. Luiz do-
mes Pereira, deu 3 fallas abonadas, e 1 nos mezes
anleriores ; n. 33. Antonio d'Avila Ptmpeia e Cas-
lro, den 2 fallas abonadas, e 1 nos mezes anleriores;
n. .'WiJoao dos Sanios Sarahvba, dea2 filias abo-
nadas, e 4 nos mezes anteriores; n, 39.' Luiz Carlos
de Magalhaes Brevet, dea I falta abonada, e I nos
mezes anleriores; o. 41. tolo Frau.-isro Nogueira
Castillo Bronco,jdeu 1 falla abonada, e 1 nos mezes
Relar.ao das multas impostas pelo Dr. subdelegado
da freguezia da Boa-I'ista em o dia 20 defu-
nho de 1855.
Aterro da Boa Vista,
Taberna n. 8.Pereira & Silva foram multados
por infrarcSo do artigo 21, titulo 4 das posturas mit-
nicipaes, em virlude de serem encontradas urna me-
dida de flandrcs de duas garrafas, outra de I gar-
rafa, o outra de meia garrafa em mo estado e sem
lmpeza19000.
Dila n. 20.Jos Faustino de Leraos, foi multado
por infi-accao do artigo 22, titulo -i, em virlude de
ser encontrado exposta a vend< urna porcap de caf
moidu falsificado com milito83000.
Dita n. 24.Joaqun Vicente Marques foi mul-
tado por infraejio do artigo 22, titulo 4, em virlude
de ser encontrado e exposta a venda urna porcao de
caf moido falsiRcado com milhs89OOO.
Dila n. 42.Manoel Joaquim Moreira foi mulla-
do por iiifrace.l-i do artigo 22, titulo 4, em vjrtude
de ser encontrado axposta a venda tima porrao de
caf moido falsificado com railho89000.
Padaria 11. 50.Eugenio Barrelier foi multado por
infracto da segunda parte do artigo 2, titulo 11,
em virlude de ser encontrado um pezo de 8 libras
falsificado, faltando li2quarla69000.
Dita n. 66.Manoel Gomes Loureiro foi mul-
tado por infracco da segunda parle do art8o2, ti-
tulo 11, em virlude de serem encontrados falsifica-
dos dous pezos, sendo um de meia arroba, fallando
meia quarta, e outro de o\to libras, fallando 12 01-
uvas-l 28000.
Taberna n. 81.Jos Bilncourl do Amarante
foi mudado por infraccilo do arligo 22, ltalo 4, em
virlude de ser encontrado e posta a venda urna por-
co de caf moido falsificado com railho89000.
Dila n. 88.Jos Maria Goncalves Vieira Guima-
raes foi- multado por infrarco da segunda parte do
artigo 2, Ululo 11, em virlude do serem encontra-
dos falsificados 4 pbzos; dous de oilo libras, fallando
em um duas otavas e n'outro qualro. um de quatro
libras faltando quatro oilavas, o outro de daas li-
bras faltando qualro oilavas e sem eslar aterido ;
assim como por infraccilo do arligo 22, Ululo 4, em
virlude de ser encontrado oxposto i vends cha em
estado de corf upcHo 329000.
l'raiji da lloa Vista,
Taberna n. 10.Slaun-i Gomes Loureiro foi mul-
tado por inl'r.irroo da segunda parte do artigo 2, li-
tlo i), em virlude.deser encontrado falsificado um
pezo de nito libras, faltando 9 oiUvasogoov.
Dila n. 18.Jos Dias da Coila, foi multado por
infraccilo da segunda parte do artizo 2, Ululo 11,
em virlude de ser encontrado falsificado um pezo
de 4 libras, faltando duas oilavas6-5000.
Dita n. 15.Joaquim Domingues da Cunha fui
multado por infraeco da primeira parle do artigo 2,
Ululo 11, em virlude de serem' encontradas qnalro
medidas de pu, um pezo de meia arroba e outro
de oilo libras sem.cslarem ateridos12SO0O.
Paleo de Santa Cruz.
Taberna n. 2.LuizGnnzaga da Rocha foi mul-
tado por infraccilo da segunda parle do artigo 2, ti-
tulo II, em virlude de ser encontrado falsilicado um
pesu de nma libra faltando 4 oilavas65OOO.
Dita n. 4.Manoel Fernandes de Araojo Castro
foi multado por inliaccio do artizo 22, litis 4, em
virlude de ser encontrado e xpusta 11 venda urna
porrao de caf moido falsieado com milito89OOO.
Ra de Santa Cruz.
Taberna n. 2.Manoel Ferreira Fialho .foi mul-
tado por infraccao da primeira parle do rtico 2, ti-
tulo II, em vil lude de serem encontradas 5 medi-
das de pao sem estarca aferi lasIO9OOO.
Dila n. 5.Antonio Fernandes de Azevedo foi
multado por infraccao do arligo 22, Ululo 4, em
virlude de ser encontrado exposla a venda urna por-
co de caf moido falsificado com mHio8&000.
Ruada Soiedade'.
Taberna n. 13.Manoel Vaz da Silva foi mob-
lado por infraccilo do artigo 22, ttulo 4, em virlude
de ser encontrado e exposta a venda urna por$3o de
caf moido falsilicado com millio8&000.
/ Caminho Novo da Soiedade.
Taberna ti. 9.Francisco da Costa Aniaral fot
multado por infraccilo do arligo 22, titulo 4, em
virlude de ser encontrado exposta a venda urna per-
cao de caf muido falsificado com railho-8&000.
Corredor do Hispo.
Taberna n. 2.Antonio Ribeiro Fernandes foi
multado por infraccao da primeira e segunda parle
do artigo 2. Ululo II. em virludeMe ser encontrado
um peso de 4 libras fallando urna qnarla, e tem es-
tar aferido83000.
Dila n. 20.Francisco da Costa Araaral foi mal-
lado por infraccao da segunda parle do arligo 2, t-
tulo 6, em virlude de uzar de balanca com as con-
chas de laiiio para pesar comesliveis4$000.
Ra do Hospicio.
Taberna n. Vicente Ferreira da Costa foi mul-
tado por infraccao do artigo 22. titulo 4. em virtode
de ser encontrada urna porcAo de mauleiza cm es
lado de corrupcao85000. ,
Ba do Carnario.
Taberna o. Manoel Marlins da Sjv, admi-
111 lilla 1I0
rlude de
posla a venda urna porrao de caf
moido falsificado.com milhoSJOOO.
Rui da Aurora.
Taberna 0. 24.Custodio Alve Rodrigues daCoa-
la, foi multado por infraccao da segunda parle du
artigo 2, titulo 11, em virlude de serem encontra-
dos dous pesos falsificados, sendo um de duas, li-
bras faltando 4 oilavas, c oulro do urna libra faltando
6 oilavas128000. .
Dita n. 28.Custodio Alves Rodrigues da Cosa,
foi mullido por infracrao da segunda parle do artigo
2, Ululo 11, m virlude de ser encontrado um peso
de 8 libras fallando 4 oilavas6000.
Dila n. 56. Loureiro & Irmao forera multa-
dos por infracr^n da segunda parle do arligo 2. ti-
tulo 11, em virlude de ser encontrado am peso, de
4 libras fallando 4 oilavas9000.
.Travessa do Marlins.
Taberna n. 1 Victorino de Souza Pinto foi mul-
tado por infracto do artigo 22, titulo 11, cm vir-
lude deser encontrada una grande p irc-'m de Caf
falsificado com igual porcjlo de milito89OOO. .
Ra da Conceicao.
Taberna n. 6.Luiz Jos da Rocha foi multado
por infraccilo do arligo 22, Ululo 4, em virlude de
ser encontrado exposla a venda meia barrica de ba-
clhaoem estado de corro pean, e urna porcaode caf
moido falsificado com milho16,1000.
Ra do Pires.
Taberna n. Manoel Joaquim Carneiro Leal foi
multado por infraccilo do artigo 5, titulo 11, em
virludo de ser encontrado falsificada a balanca
IO3OOO.
Subdelcgacia da freguezia da Boa Vista. 21 de
jnnho de 185.O subdelegado, Antonio Ferreira
Marlins Ribeiro.
Dila n. 30 da mesma travesa, por
Dita n. 93 da ra du Pilar, por ^ .'
Dila n. 95 da mesma ra, per. . .
Dita n. 97 da mesma ra, por. . .
Sobrado n. 18 da ra do CoHegio, por .
Dito do largo do Carmo n. 13, por. .
Dito da roa Direila n. 3, por . .
Dito n. 5 da mesma rus, por ....
Dito n. 7 i Iemidem, por......
Casa terrea n. 123 idem, por .
Dila da travessa do Carcereiro n. 11, por
Dita n. 13 da mesma (ravesta, por. .
Dila n. 17 dem dem, por. r .
Sobrado o. 39 da ra do Roda, por .
Dito n. 16 da ra de Santa Cicilia. .
Dito n. 13 da ra do Padre Floriano,
por............
Os pretndeme* dovem comparecer no lugar as
horas aprazadas, acompanhados da seos fiadores, ou
munidos de cartas desles. Administrado geral des
estabelecimenlos de caridade 2 de julho de 1855.
O escrivao,
Antonio Jos Gomes do Correio.
609000
1209000
I2O9OOO
1209000
1:000900e
4a&tM
5569000
6609000
5769000
969000
9000
729000
729000
5211(000
1209000
1209000
PUBLICAgAO LiTTERAR.A.
Acha-te i venda o compendio de Theoria e Frail-
ea do Procesio Civil foilo pelo Dr.-Francisco de Pao
la Baplista. Esla obra, alera de orna introducto
sobre as a croes e exceproes em geral, Irata do pro-
cesso civel comparado com o co'mmercial, eontm
a theoria sobre a applicacao da cansa julgada, c 011-
Iras doutrtnas laminosas: vende-s nicamente
na luja de Manoel Jos Lete, na ra do Quei-
mado n. 10, a 69 cada exemplar rubricado pelo
autor.
COMPANniA GVMNASTICA FKANCEiA.
O director Henault tem a honra de.avisar ao pu-
blico desta cidade, que obleve licenra para UMA
NICA represenljcao, a qual lera lagar lerca-leira
10 do correle. Convida aos amadores que 1 he
deem a sua coslumada benevolencia e proteccdlo.
Esperando deslo rrspeitavel publico um bom acolbl-
mento, desde j lite agradece. "
O jorlial de segunda-feira dar o programma da
represenlacao.
Os 4 quartot de bilheles da presente lotera da
matriz da Boa-Visla ns. 2941, 2415, 2304 e 2834
pertencer a sociedade R. da Moeidade, os quaes -
cam em poder do Ibesoureiro da mesma.
flerece-se-uma ama para casa de postea fami-
lia, nao Iem cosame de sabir na roa : quem pre-
tender, dirija-se roa de S. Jos n. 4.
Nb dia 6, ai 11 huras, na sala das audiencias
depois de Onda a do Sr. Dr. juiz de menles, se ha
de arrematar um sobrado de um andar, sito na roa
Imperial n. *)2, em ebioa proprios, com 34 palmos da
frente e 69 de fundo, o mais 252 para quintal, ava-
llado em 3:0009000, duas casas terreas, sitas na roa
Bella, urna de n. 10, cora 20 1|2 palmos de frente e
SO de fundo, cozinba tora, qofotal monde, cacimba
nceira, avallada cm 8509000, entra de o. 8, com 21
t|2 palmos de frente e 80 da fundo, coxinha fura,
quintal morado, cacimba meeira, avallada em'
1:0009000, ambas foreirat, e ntrt**escrMa, todo per-
lencenle ao finado Antonio da Trindade.
Aluga-se por precn razoavel o primeiro andar
da roa da Cadeia do Recife n. 47, proprio para mo-
rar homem solleiro ou escriplorio : a tratar por bai-
xo, na toja de Manoel Ferreira de S.
Precisa-se de ama prela para servir em nma
casa de -pequea familia, nao se xige habilidades e
nem que seja moa -. qoem tiver e quizer alagar,
dirija-se ra do Rangel, taberna n. 5, oo anuuucie
por etle jornal para ser procurado.
D-se dinheiro a premio da en por cento ao
mez, com hyputheca em bens de raiz nesla pricst:
quem precisar annuncie.
Roga-sc no lllm. Sr. Dr. juiz de capaila*, qoe
taja do laucar suas vistas sobre os bens de N. S. da
lloa-\ iagem ; este patrimonio tem de relata annnal
mais de 1:0009000, as tnat casas algumss j Iem ea-
hido e oalras cstao para cahir, lodos os annos se re-
cebe o rendimento d patrimonio, o que se fax deste
dinheiro todos os irmaos ignoram, por isa* roga-se
ao Sr. Dr. juiz de capellas, que chame a coalas a
esles senhores que leem sido tao exactos com as bens
de Notsa Senhora, nomeando quanlo antas urna com-
mitso. nlira de reparar os bens que Iem cabido e
oulros qoe estilo para cahir, dando esla eomrnissjo
conla mcnsalmente da despeza 'que fez naquelle
mez. Islo pedem irmao.
No dia 26 de junho fugio a crenla Antonia,
filha do sertao. a qual fot arrematada na villa do
Cabo veio para esla cidade ha 2 annos, estatura re-
gular, gorda, fula, bnns denles, am olho de manos,
cara larga, e esla com a cuUs cheia de marcas dabe-
xigas ; rogs-so a qualquer auloridade que a ppre-
hender, a mande entregar na rUa Direila n.24, qoe
ser recompensado.
O lllm. Sr. inspector do arsenal da marinha
manda fazer publico, que no din 9 do andanto mez,
precedidas ns proposlas e concurrencia do estylo,
apreseoladas aquellas, al t II horas do dito da,
proceder a esta mesma hora a compra dos objeclos
declarados na ola junta, precisos para fornecimento
doalmoxarifado, com quem por menos vcnde-los,da
melbor qualidade, c conforme as amotlras que ncsle
sentido acompanharam as propostas, sendo que 1 os
comprar em maior porgo, se os presos islo con-
vidaren!.
Secretaria daInspeccilo do. arsenal de marinha de
Pernambuco em 2 de julho de 1855. O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Nota que refere-se ' declararlo desta dala pa->
ra a compra de objeclos prerisos ao fornecimento
do almo.rarifado.
Agolbas de palnmba, 20 ; ditas de brim e lona,
AVISOS MARTIMOS.
. PARM RIO DE JANEIRO.
Segu em poucos dias o patacho nacio-
nal MCTHEROY, capito Manoel Pedro
Garrido, a' tem parte da carga engajada :
para o resto e escravos a frete. trata-se
com os consignatarios Isaac, Curio&C,
na ra da Crua 11. 49, primeiro andar.
PARA O ARACATV-
Segu em puncos dias o bem conhecido hiato Ca-
pibaribe: para carga ou passageiros trata-se na ra
do Vgtrio n. 5.
RIO DE JANEIROX
O patacho nacional VALENTE, capi-
toFrancisco Nicolao de Araujo, segu
para o Rio de Janeiro domingo 8 do cor-
rente, s pode receber escravos a frete,
para os quaes tem excellentes commo-
dos a tratar como capitSo na praca,
ou com Novaos & C, na ra do Trapi-
'che n. ."H.
.RIO UE JANEIRO.
O brigue nacional FIRMA, capito Ma-
noel de Freias Vctor, segu para o Rio
de Janeiro ^uestes dias. por ter quasi seu
can egatnento completo, pode anda rece-
ber algumus miudezas e escravos a l'rete
para os quaes tem bons cotnmodos: trata-
se com Novaes cSt C, ra do Trapiche
n. U.
PARA A BARIA
segu rom umita brevidade o hiale nacional Dos
Amigos, capilao J0A0 Rodrigues Vianna Danlas ; j
tem parte da carga prompta : para o reslo trala-se
com o seu consignatario Antonio Lniz de Oliveira
Azevedo, na ra da Cruz n. 17, uu com o capllio na
praca.
Precisa-se de qualro marinheiros naconaes pa-
ra completar a tripularlo da barca nacional Sauda-
de, que .pretende seguir para Bnenos-Ayrzs :
quem convier pode dirigir-so a bordo da mesma,
Tundeada cm frente do trapiche do Polourinlin para
(Ular.
Para Lisboa pretende seguir brevemente o pa-
ladn porluguez Rapio, por ter a maior parle do
carregamenlo promplo : quem no mesmo quizer car-
regar ou ir de passaaem, trato com os consignatarios
Thomaz de Aquino Fonseca & l'ilbo, na ma do Vi-
gario n. 1 praca.
Companhia de navegacao a vapor Luso-
Brasileira.
Esperando-se do sul nesles dias o vador D. Pedro
II, comrr.andanto o lenle Viegas do O', seguir
para S. Vicente, Madeira e Lisboa, com a mais pe-
quena demora, o que se recomincnda aos Srs, passa-
geiros. As cartas para Portugal pagarAo 300 rs. par
cada i oilavas e> jornaes gtalis. A companhia te
rnmpromellc n enviar carias para qualquer parle da
Europa com o porte de 18000 porcada 4|8e osjor-
nacsflO rs. cada nm. O agento Manoel Duarte Ro
drigucs, ra do Trapiche n. 25.
_ LEILOES
O agente Borja faro leil.10 em seu armazem na
ra do Collegio n. 15, de um cxcelleule sobrado de
um andar com bastantes commqdos, lendo' 35 pal-
mos de frente o 71 a 75 de fundo em chaos proprios
com um oplimo terreno ao lado que pode-se mu
bjtn edificar outra casa, tila na rus de S. Pedro Mar-
Ivrem tllinda i>. 58, o qual ser entrne pelo maior
preco que for offerecido em conseq
je Pe'o man
eqweSj* de si
au poden no fazt
ser
para liquidaran. O agento Borja nao podefioo faxer
o leilao cima que devia Ier lugar Ierra feira 26,
iransferio-o para odia sabbado 7 de julho as 10horas
em ponto.
Robert Knight, capilao do brigue inglez Phan-
lom far.i letllo em presenca do cnsul de S. M. Bri-
tnica por intervenido do agento Borja e por conla
e risco de quem pertencer. do aoparelho do dito
brigne desacerado na viagem de Terra Nova para o
V
<
AttencSo.
l.nva-se e ongomma-sc com aceto e perfeicao, e
loma-se coala de roupa par* lavar : aa travessa do
Carioca, a tratar com Antonio Pinto de Souza.
Theatro de Apollo.
A commissAo administrativa da companhia de ac-
cionistas convida a todo esles senhores para a ren-
niao ordinaria da assemblea geral,que deve ter lugar
no domingo, 8 du corrala mez de julbo, as 10 horas .
da manbaa. como he determinado na ultima parle
do arligo 17 dos estatutos da mesma companhia. afim
de se dar edmprimento ao disposto nos g do referido
arligo.
O abaixo assignado pede ao autor do annoncio
Sublicado 00 Diario de 5 do correle com as inieiaes
B. M. em que pede o pagamento que sen mano
fieou a dever da casa em que moroo, se se calende
com o abaixo assignsdo.Joio Baplista de Medeiros
Precisa-tn de um caiieiro para toja de calcado:
no paleo do Livraraenlo n. 9.
Qoem annunciou Ier para vender urna negra
boa engoramadeira, dirija-se o ra da Ctnx do Reci-
to n. 23 ; pags-se bem..
Pracisn-en de nma ama forra eo eaerav*, ou
mesmo de am motoqne pira -servico ds eompras e
mandados de urna pequea familia : ns roa do Hos-
picio n. 7.
Rogare ao lllm. Sr. Joio Lopes o favor de
declarar por esle jornal a quem comprou o escravo
Florencio, cscr.tvo de Joaquim Jos Pereira dos San-
tos, fgido desde o anno de 1825. Islo naer saber
Precisa-se de am ue tenba praltM
de taberna e qu* d hadj^pioriftadacta : ua rea
do Encantamento u. 10.
Joaquim Aniones, porluguez, relira-ee desta
cidade para a Bahia.
Na ra Nova n. 37 existe omt caria para) o Sr.
Dr. Francisco de Salles Alves Maciel.
Aluga-se urna escrava muilo del, engomisop-
limamenle, Uva, cose e cozinha muilo bem : qoem
a pretender, dirija-se Passagem da Magdalena,
primeiro sobrado pastando a ponto pequea, que
achara com quem tratar.
Por ordem do Irmao juiz da irroandade do
Sinlissimo Sacramento da matriz da Boa-Viste, coa- '
vida a todos os irmdos da rrfffsma, para comparece-
rem no domingo, 8 de corrente, as 9 horas da ma-
nhSa, no consistorio da irmandade, para, em mesa
geral, Iratar-se de negocios de importancia, que di-
zem respeito ajoesma corporac^lo. Meclfe 5 de ju-
lho de 1855.Jos Antonio Morilra Dias, escrivao.
Ne dia 7 de julho, at 3 hora* da tarde, na por
la do Sr. juiz de paz do i.i dislriclo da Boa-Vista,
sera arrematado um bilhqr cora seus perlenccs, pe-
nhorado a Adolpho Riaud, por exeeucilo de Domin-
gos Dias dos Santos.
Qoem annunciou Ier nm escraVo de 25 annot,
para trocar por ama prela que sins para rea, pode
appirecer no Rncife, na roa da Crol n. 14, segando
andar, para ver se se faz temethaate troca.
O abaixo assignado, vendo em ,0 n. 1*2 desta
Diario o seu neme entre os 3 pYoposlus para subde-
legado e suppleales.deste districto de Alagea-Secca,
muito agradece ao lllm. Sr. delegado desta comarca
de Nazarelli, 00 a qaem quer que seja le-lo propns-
lo, porque s* pelo menos fosee con-altado taberia das
razOes juslifleaveisapara nao se lembiar do sao nome,
pelo que declara, que pelas mesmas, nenhum lugar
ou emprego de auloridade podera aceitar na co-
marca.1). V.,C. A.
Anda precisa-se de odia nma que saiba bem
cozinbar, sendo s para esle servico : na ra Angos-
ta u. 3, sobrado.
A respola do Sr. P. Feldel miaba pergun-
(a no Diaria de 4 do crrenle, nao he senao nma
OHtra evasiva. Nao indague! saber dos coslumes do
mesmo. Sao esles l(o notorios quflo a soa honradez
e bravera. A esle senhor qu* me escreveu nSo ter
receto nem do Diario nem de outra qualquer antea-
ce : costa moilopublicar a verdade. que fere o sea
amor proprio elliejlie pouco airosa. No entonto diz-se
que ua scgunds-leirafoi umteuamigo (, para obstar
publicado de um meu annoncio no Diario, e
consla-me que o Sr. l'eidel mesmo recorren
polica para proliccSo contra a sgradavel sorprexa
liydropalica da qusl afanou-se ole ter o menor r>
ceio. Este ultimo notre paseo divulgan'na comp-
leme repartirn corla historia mjsleriosa de um tal
Canevarro Costa, da qual he lempo que os credores
dessemsseate se aparecma publicar as particularida-
des. O Canevarro,slHt Costa (conforme sejalga,fera
despachado pelo vapor Josephina, qual pasageiro
de re no de prou I se sena no Para, e conviria mui-
lo que vollasse quanto antes para esta cidade. Para
o Sr. Feidel, judeu,da. forra de 28 genovezes, re-
servo agos e mais agua.F, tdlmann.
(*) Se o Sr. Edlmann se refere a nos, assegora-
mo-lhes que pessoa alguma procuran obstar a pu-
blicado do sea arligo.O Redactoru.


DIARIO OE PERMBUCBQ SEXTA FE1RA 6 DE JULHO DE 1855
Furtaramdo sitio, eru Simio Amaro, de Anlo-
uio Jos Pereira, na uoilc do dia 3 do crreme, um
qutrto rodado e urna beata caslanha foveira : quem
delles der noticia e leva-loa i roa do Cabog.i n. 16,
sera recompensado.
Masa adamantina.
Sebasliao Jos de Oliveira receben de Frauda lia
poneos dios nova poroso de m-tssa adam.inlin.i para
chumbar deules, lisia preparacSo, ineonlestavel-
raarote superior a todas as que al agora se emprega-
vdm para-este lira, lia>a onica capaz de preservar de
total ruina os denles cariados, e porque Ihe anche
perfeilamenle aa cavidades, e adquira apenas appli-
cada, a mais completa solide/. Come prova deala
verdade poderia o annunciantn inditar grande nu-
mero de pessoas, quem, sempre com resultado o
mais reliz, a lem applicado, isle porm seria ocioso
porque he quasi geralmente reconhecida a suprema-
ca desta preciosa prepsrae.Ho. O aonunciante offere-
ce, pois, seas serviros, nrto so ra chombar, limpar
e tirar denles, como lainbem para oulro qualquer
fim de sua arte a todas as pessoas que se dignarem
honra-lo, procurando-o a qualquer hora na sua leja
da travessa da ra do Vicario n. 1, ou ao lado do
Corpa Santo n. 83, segundo andar.
Prccasa-se de um molequc
Velha n. 10.
na ra da Cadeia
urna ama : no aterro da Boa-
' Precisa-se Se
Vista n. 60.
Lotera da matriz da Boa-Vista.
Bilhetes inteiros 5$00.
No aterro da Boa-Vista n. 48, praca da
Independencia n. 11 e 16 e ra doCol-
legio n. 9, vendem-se bilBetes inteiros da
lotera cima, a qual corre a 7 de julho.
a 5$300.
Desapparecn no dia 28. de jonho o escravo
Joso, de nacao Angola, que reprsenla ter 30 annos
MHlaalaVlM ""IMllfrtm redonda, com
carne sehre s o*ms ; Man eahmlw saeststndo da
orelha tiranta ponta do qnei-io, e aulro mal pe-
queo m cima ; UaUli mama e coatnm* a em-
briagar-te. anda ganbando ni ra; levou camisa
caica de riscadn aiul e um benets, ele. : qualquer
Mataa que o pegar levo-o ao teu senhor D. da Silva
Campea, na roa das Cruzes n. 40, qoe recompen-
sara.
Pergonla-se a administra ello do patrimonio dos
oraWhw o orpnlas, motivo |rque estamos ero
principio de sano Ikianceiro de 1.855 a 1856, niio pez
c-m praca fornecimenlo do* medicsmenlos para
IratatMDlo dos meiaaos orpMct ? Com soa resposU
melhor se esclarecer a mraii adminislraco a ao
pablico. O Amigo da ctriioie.
Recowimeaah ac as autoridades poMeiaea ca-
pitaes de cerneo a aupreheosao do escrave rioiilo.de
nome llrai, que se aeba fgido desdo novatnbro
1853, lem o sujoae. segua loa: baiie, eteio di
corpo, IdadeK annos, phisioeemia agrdate!, b
barbada, os denles superiores uns sllenlas qoe
debaiio, tendo oni delles qnebrndo. o que lie mu
^^artzes de acontes as nade-
itrado Das Claco l'ontas e paite
le, incorcii-sa forro, e mt^^H
de neme : c|em o nppr-|
nade, no artnaiem n.
[
I
^
\

CONSULTORIO DOS POBRES
50 WLVA MOV A 1 BU 50.
O Dr. P. A. Lobo Moscozcd consultas homenpalhicas lodos os das aos pobres, desde 9 horas da
manha aleo meio dia, e ein caos extraordinarios a qualquer hora do dia ou noite.
Uflerece-se igualmente p;rn pralicar qualquer operarn de cirurgia. e acudir promplamenle a qual-
qner mulher que esleja mal Je parlo, e cujas circumstancias nao permiltam pagar ao medico.
NO CONSULTORIO DO DR. F. A. LOBO I0SC0Z0.
50 RA NOVA 50
VENDE SE O SEGUINTE:
Manual cumple* de meddieina homeopalhica do Dr. G. H. Jahr, traduzido em por
luguez pe Dr. Moscozo, quatro voluntes encadernados em douse acompanhado de
um diccionario dos termos de medicina, cirurgia, anatoma, ele, ele...... 208OQ0
Esta ob>a, a mais importante de todas as que tratam do esludo e pralica da hnmeocalhia, por'ser a u nica
que contis abase fundamental d'esta doulrlnaA PATBOGENESIA OU EFFETOS DOSMEDICV-
MENTOSNO ORGANISMO EM ESTADO DESAUDEconheeimenlos que nao podem dispensar as pes-
soas qoe Mqucrem dedicar i pralica da verdadeira medicina, inleressa a todos os mdicos que quizercm
experimentar a doulrina de llahnemann, e por si mesmos se convencerem da verdade d'ella : a lodos os
.fazeadeirosesenhores de_ engenho que eelo longe des recursos dos mdicos: a lodos os eapilaesde navio,
que urna ou outra vez nao podem deixar de acudir a qualquer incommodo seu ou de seus tripulantes :
a lodos os pas de familia que por circumstancias, que nara sempre podem ser prevenidas, sao obriga-
Jos a prestar in contintnti os primeiros soccorros em suas enfermdades.
O vade-mecum do homeopalha ou tradcelo da medicina domestica do Dr. Hering,
obra tambem til as pessoas que se dediesm au estudo da homeopalhia, um vol-
me grande, acompanhado do diccionario dos termos de medicina ..-... iO&OOO
O diccionario doa termos de medicina, cirurgia, anatoma, ele, etc., encardenado. . 3j?000
" Sem vefdadeiros e bem preparados medicamentos nao se pode dar um passo seguro na pralica da
homeopalhia, e o proprietano deste eslahelecimenlo se lisonceia de le-lo o mais bem montado possivel e
ninguem duvida boje da grande superioridade dos seus medicamentos.
Boticas a 12 tubos grandes....................<
Boticas de 24 medicamentos em glbulos, a 10, 129 e 15)000 re.
Ditas 36 dilos a............... .
Ditas 48 ditos a..................
Ditas 60 dilos a................
Ditas 144 ditos a..................
Tubos avulsos .,....,.....................
Frascos de meia onca de, tinctura................
fJtejaXadaiaa^tinctura a rnica.................
1 Sajropre Wnda grande numero de tabea de rrvslal de diversee lamanhns,
tos, ? aprompU-se qualquer encommeoda de medcame) tos com loda a brevida-

_! as arTacfiea 1
__aaersha.
lo Dr. i'jr i
pfluaiejpspi
^^^^^^^^HWtB[rado a Coslodin
.leadeCar i rasa swk|s a* faseadate dlvl-
das activas da arlejo, aila na roa do Queimudo n.
21 A., e daaejando conservar lodos os fregus que
j.i o sao do mesmo eslabelecimanle. avisa a todos
aquel i praca cerno de fra della, qoe Ihe
lo devedores. que venlism a maarna toja satiafaxer
os seus defcitos, qae ah achariir bbat sortiroealo de
novas o bsralistimas/azendas. e o melhor agrado, e
a mearas franqueza qee sempru houve nesle eslbe-
lecimenlo.
Retratos.
No aterro da Boa-Vista n. 4, terceiro andar, con-
tinua-se a litar retratos pelo systema ehrv-slalolypo,
con iDla rapidez e perfeicao.
Dr. Ribtlro, anadco imlii iini iiislili|i|afal
Cambridge, contina a residir na ra ataCroz do Re-
> i|i 11 lailia, aeda ii ida asta?
qualquer hora, e convida aos pobres para consultas
8$000
208000
->SO(>0
303000
60MOO
IDOOO
5000
23000
cen modos.
ADAMANTINA.
segundo andar, Paulo Gai-
, chumba os denles coro a
nova e maravillosa con-
de encher sem preasAo doln-
dades do denle, adquirindo
ilidez igual a da pedra mais
ar os denles mais estraga-
yrimitiva.
WSTITITO H0-
DO. BRASIL,
HOMEOFATIUCO
ion
ECLM DO
IPATHA.
ai> emrenho Tbaln-,
renal Hurculauo\:aval-
gratis, e mesmo os visita quanclo a* circumstancias o
eiijam, faz especialidade das noleslias dos elhos e
ouvidos.
ndicacJo ehysjo-
aiaila sil aMr,*il mUi'BflaVI ''' '.o^s os medicamentos tro-
la roeopaimcos, seuTempo di" aefao e eoneordancio."
seguido de um diccionari6 da signirtcacao de lodos
ostermos detnedicine e cirergia, posto- wt- alca uto
das pessoas do povo, pelo ,
ffOM(EOr\THI\.
Remedio eflicacissinios contra .^^.
febres intermitiente.
Ciaro e seguro fe cu- f
(a/e todas as molestias 2
k.> Aumane, e parli- "
s que reinam no Bra- t
os melhores Irata- J
lo europeos romoj
a propria experi-1
Olegario I.ndgero ;
oje recohhecida c'o- \
que tratam daappli- i
Vis curativo das mo- J
principalmente, nSo |
seguro sem posaui-la e |
de familias, ossenho- I
[cerdoles. viajantes, ca- i
nejos etc. etc., devem
ver promplamenle a I
molestfa. i
jbrncliura por 100000 \
encadernados I1J000 (
menle em casa do autor, i
Amero n. 6. (Muhd No- *
Quem precisar de nm caixeiro brasileiro, que
sabe escrever, fallar correctamente a lincoa franreza,
c.igualmefnc possuindo todos os requisitos necessn-
rios para poder escrever e fallar com a maior perfui-
oRo a lingoa portugueza, entendendo alauma cousa
da lingoa inglesa, dinj-se ra do Trapiche n. 36,
segundo andar, das 9 horas da maahna aleas3 da
tarde.
A taberna de Gurjali de cima conlinua a eslar
prevenida de om completo sorlimentode molliados,
miudezase fazendas; por tanto todas as pessoas que
quizerern continuar a honrar este estabelecimcnto,
alli acharAo ludo, que precisarem a vontade do com-
prador, pelo mesmo pre?o ou com pouca dillerenca
da praca ; na mesma taberna ha cortas de lila do nl-
limo goato, chegados ltimamente para vestidos de
senhoras.
PIRA ESCRAVOS.
. a \hm n.
Cobertores de algodan encorpados: na ra do
Oueimado, loja n. 17. !
Deeial atten-
cao ao barateiro.
Vinho da l'iaueira, Me Lisboa, braoco snpcrinr,
tinto do Porto engarra! ido, muilo hom, o vellio a
S00 rs. a garrafa, azeill tloce do melhor, vinagre de
Lisboa engarrafado, brl Icoe lintn.sardinhas de Nen-
ies em lalas, queijos di raUomuito frescae, passasi
clin,.ricas, paios, p-ean los, cerveja de superior qua-
lidade, vinho Bordeaus epgarrafado a ^00 rs. a gar-
rafa, v a 320deixando se o casco, dito champagne
da melhor qualidade, lio muscalel do verdadeiro a
560 n garrafa, charuto! da Baha muilo bous, salan
Inane do Rio, grata i ti laia- da incllior, hatatas.de
superior qualidade, ch de todas as qualidades e do
melhor, bolacliinha ii leja superior, manteiga in-
gleza e franceza, baiih de porco muilo alva, bola-
chinha de araruta mu s superior, velas de carnauba
pura e de coni| osico, ditas de espermacele das me-
lhores qualidades, e p lo'mais barato preco, talba-
rini, macarr,1o e alelri cevadinha, sag, marmela-
da, papel almacn e i! peso, diln pautado, e ludo
mais de muito boa qu lisiado, eo mais barato que
se encontra : na taber la da ra Nova O. 50, na es-
quina da ra de Santt Amaro.
Vendem-o 2 litros nuticos, o Pillo instrui-
do e laboas de i educa-, ludo em hom estado : na roa
estrella do Roaario n./6.
Vende-se urna casa de laipa com 90 palmos de
frente e 100 de fuade, com muilos arvoredot de fru-
clu, polo prreo deaViOBOOO : quem quizer, dirija-sc a
ra Imperial n. 165 i a qual casa he na Iravessa do-
Trindaee. { '
Vendem-se 50Q telhas, 500 tijolos de alvcnaria
batida, 500 de lailctthn, 1.000 de tapamento ; con-
fronte ao cnalariz da roa do Brum. Nesae mesmo
lugar liram se pnsaiportes para dentro e frn do im-
perio, folhas corridas, ttulos de terrenos de mari-
uha, com presteza.
Vende-se superior doce de poiabn, feilo lio so-
mente de casca : natua do Rangel, quina do becco
o Carcereiro, taberna n. 50.
Que fuma| armalica lem nns charutos que
se vendem nicamente, t por preco commodo, na,
loja da raa de Crespa] u. 19.
VINHO CH|RR EM RARRIS.
Em casa de Samuel P. Johnston & C,
rita da Senzala-Nova n. 42.
VLNHO DO POBffOSPERiOR FE1TORIA.
Vende-se por preco commodo no armazem de
de Barroca l Castro, ra da Cadeia do Recife n. 4.
Esl a sshir al
> Rio de Janeiro o
REPEBURIO DO MEDICO
HOtEOPATHA.
EXTBAHUl DE RLOFF E BOEN-
NINGfiUSEN E OUTROS,
posl en ontam alphabetica, com a descripeo
abrevenla da-I asjafeas molestias,
Grande sortismenlo de ca leiras de homo'O- me
pathia muilo em centa.
', oncade tintura a esclher. 19000
Tubos avalaos a 300, 100 o 500 rs.
Elomanlosdebonveopatbia, 4vol. fujOOO
H No coasoltorio homceopajhico do Dr. Casa- 9
nova, ra dasCruzea n. 28.

..Manual dos terceiro lranciscanos.
A cha-re no prelo o manual dos rmeos da V. 9.
. Terceira da Penitencia do S. P. S. Francisco.
A 1, parte desta obra conten a historia da insli-
tuicSo da ordem, a regra com muitas eiplicac^es, as
absolvieses, as indulgencias o S. P. Benedicto
XIV, aa do S. P. Po VI de que ainda nae goia-
vam os lerceiros desta vasta dierese, e alm disto as
qoe pertencem s ordem tercfira do Recite, e lodo
mais que diz respeito aos lerceiros e a ordem.
A 2.* parte be nm perfeito devocionario, contm
o methodo de oovir miisa, de confessar-se, a via-sa-
era, a coroa seraphica. ora;0es da manliaa e da noi-
te, um devoto ejercicio ou oraeoes ao doloroso co-
s rarJo de Mara Sanlissima, imlulgeuriadas por Po
VH, atgnmas: odtras orarles, > responso de Santo
Antonio, a historia e as visitan da Porciuncula, etc.
A 3. parte contm d modo de ajodar e assistir aos
agonizantes com melifluas e tocantes oracites, absol-
viera de Benedicto XIV, dos franciscanos, dos car-
melitas, dos confrades do Resero e das Dores, eal-
gumas benc3os.
Esta obra que pela 1.'parle .icrtence aos irmaos
lerceiros franciscanos, pela 2.' u 3.' he neeessaria a
qualquer ehrislio, e pela 3. it dispeusavel aos Srs.
sacerdotes.
Asaigiut-se a 19000 o exemplar em brochura, no
consistorio da ordem terceira, das 9 horas at as 3 da
tarde, na livraria classica, no la -o do Collegio n. 2,
e na loja de livros da roa do 'Collegio n. 8.
Tendo de retirar-mc para o Rio de Janeiro,
deixo durante a minha usenci; por meus procura-
dore* os Srs. George Palchell, Vicente Ferreira da
Coala e Jos Francisco Barrote.
Joaquim fihppe da Costa.
Aluga-se uro sitio no lugar dos' Afosados, na
ra de S. Miguel n. 39 : a tratnr na Boa-Vista, roa
da Gloria n, 69.
Conalando-rae que a Sra. D. Leopoldina Maria
da Costa Kroger pretendo alienar seos 'neos de raiz,
previno aoa que os quizerern comprar, de que movo
contra a dita anhora accao decendial pelo jnizo da
priroeira vara do commercio do Recite, pa-.a me pa-
gar da qoantia de 4:8809000 e dos juros, vencidos, e
qne esses bens eato aojeitos ao referWb pagamento,
afim de do se chamarem oa compradores era lempo
algom a ignorancia. Recife 1) de raaio de 1855.
Mathiaa Lopis da Cosa Maia.
Precita-se de urna ama para casa de
homem solteiro, sendo parda ou preta, e
que saiba' coser, ensabar cozinhr. e,
tendo necetsffic, comprar alguma cousa
na ra, porque ha escrava para fazer es-
te ultimo servico: na roa estreita do Ro-
sario n. 15.
ATTENCAO.
O abaixo assignado tendo-se prevalecido do Diario
o anuo panado para pedir aoi seus fregueses,com
especialidado nos senhoras acadmicos, que houves-
em de satisfazer os seus debitoano prazo de 15 dias,
c como quer qoe nenhum resultado tirarse vista
das razdes por elle allegadas, para justificaren! a
impossibllidade em que enlao se achavam de pagar
essas dividas, esperialmente os ltimos, que rom a
mudanca da Faeuldade para o Recife, foraffl abri-
gados a fazer- grandes despezas, e Com qoanto dessa
anuuenca ao abaixo assignado sobreviesse nfln pe-
queo prejutio aos seos inleresses commerciaes,
com lodo, de muito bda vontade condescendeu com
clles, esperanzoso de que tanto ine melhorassem de
eondc.ao,viessem pagar-lhe oque deviara. Mas como
assimoaolem acoutecido al igora.e o crdito do
abaixo assignado soffra grande quebra na pra^a, lan-
camaopela segunda vez do flian o como meio mais f-
cil ocondueeute a o tiro que lem ;m vista.para de nov
rogar aos seos|devedores, que pur seus brios e hon-
radez vciiliam erabolsa-lo daaqiianlns, qoe ha tan-
to lempo Ihe devem,. devendo Hender que o an-
uunciaote, alm de ter esperado com paciencia por
tanto lempo, tem tambem de ociorrer as suaa neces-
sidades, emui principalmente ce satisfazer seus de-
veres para com os seus credores na praja : porlan-
to, determina o prazo de 1 mez, A contar desta da-
ta, por folgar lempo sufliciente para ser indemnisa-
do dasquaniias que liie devem. Observando, po-
rm, que se nao esliver embolan o lindo eale prazo,
lerilo de passar pelo desdouro de ver seus nomes e
quanlias respectivas atoradas por extenso nesto jor-
nal, visto como o abaixo assignado enlende ser um
aboso da sua paciencia |e demsiada condescenden-
cia! e sobre ludo porque assim requerem seos inla
resses, crdito e repulacao. Olloda 3 de julhode
1855.Antonio Ignacio d'Amandula.
DB. A. J. DE MELLO NORAES.
Snbscreve-se para esta obra no consultorio horneo,
palliico do Dr. LOBO MOSCOZO, ra Nova n. 50-
primeiro andar, por 59000 em brochara, e 69000
encadernado.
O Dr. Sabino Olegario I.misero Pinho,
mudou-se do palacete da ra de S. Francis-
co 11.68A, para o sobrado de dous a oda-
res n. 6, ruade Santo Amaro, (mundo novo.)
INFORMAgO ES OU RELACO'ES
SEMESTRES. .
Na livraria n. 6 e 8 da praca da In-
dependencia, vende-se relacoes emes-
trae por prec^comrnodo, e querendo res-
ma veride-sc ainda mais em conta.
Dsenci)mioliou-se ou furlaram da ra da
Praia, da porta de um dos armazens de carne, om
quartao castanho, cor de sangue, com nm nico sig-
na! branco em baixo, de meia marca, caneca pelada,
dina cortada, capado de fresco, aberlo de cima e de
baixo, menso e com calos as pas, carrega bem
bato ; desappareceu no dia 20 de junho correnle
dn lugar indicado : quero delle der noticia ou levar
a ra do Vinario n. 19, primeiro andar, ou no enge-
nho Espirito Santo do Sr. Jo3o Elloy, ser recom-
pensado generosamente.
Novo* livros de homeopalhia mefrantez, obras
(odasde summa importancia :
Hahnemann, tratado das molestias chronicas, 4 vo-
lumes............ 209000
Tesle, rroleslias dos meninos ..... 69OOO
Bering, homeopalhia domestica..... 79000
Jahr, pharmacnpnliomenpalhica. 69000
Jahr, novo manual, 4 volumes .... I69OOO
Jahr, molestias nervosas....... 65O00.|
Jahr, molestias da pelle....... 89000
Rapou, historia da homeopalhia, 2 volumes I69OOO
Ilarthmann, tratado completo das molestias
dos meninos......... 10900o
A Teste, materia medica homeopalhica. ts^OOU
De Favolle, doulrina medica homeopalhica 79000
Clnica de Slaoneli ....... 69000
Casling, verdade da homeopalhia. *. 49000
Diccionario de Nyaten...... 109000
Attlas completo de analomia com bellas es-
lampas coloridas, cnnlendo a deseriprn
de todas as parles do corpo humano . 309000
vedem-sc todos esles.livros no consultorio homeopa-
thico do_ Ur.-Lobo iloscoso, ra Nova n. 50 pri-
meiro ailar.
AULA DE LATIM.
O padre Vicente Ferrer de Albuquer-
quemudou a sua aula para a ra do Ran-
gel n." 11, onde continua a receber alum-
nos internos eexterno desde ja' por m-
dico preco como he publico: quem se
quizer utimar de seu pequeo prestimo o,
pode procurar no segundo andar da refe-
rida casa a' qualquer hora dos dias uteis.
EDUCADO DAS FILHAS.
Entre as obras do grande Feneloo, arcebispo de
Cambray, merece mu particular mcnc,,1c otratado
da educaran das meninasno qual esle virtuoso
prelado ensina como asmis devem educar suas fl-
Ihas. para um dia chegarem a oceupar o sublime
lugar de mi de familia ; torna-se por lano urna
necessidade para todas as pessoas que desejam gui-
a-las no verdadeiro caminho da vida. Est a refe-
rida obra Iradu/ida em porluguez, e vende-so na
livraria da praca da Independencia n. 6 e 8, pelo
diminuto prego de 800 rs. 1
Os aballo assgoados fazem scienle aores- 9
9 peilavel publico, que comnraram a padaria
qoe Toi dn viuva do fallecido Carlos, sita no 9
9 largo de N. Senhora do Terco oa Cinco P.m- jr
m la*, os quaesprometlema todos aquel les se 11I10- 0
9 res que Ihes fizerem a honra de comprar o ex- Q
9 relenle pi, bolacha fina, biscoilo, falias.
9 bolachinas de aramia, dos servir cora asme- g
9 Ihores fuinhas que houver no marcado, as- 9
9 im como a sna bolacha grande le firmada 9
9 coro a firma de Ribeiro ' Pinto, e a pequea 9
com a de R. iS; P., avista do exposlo esperam 9
9 concurrencia lano de seus amigos, como 9
9 dos Illms.Srs.'deengenho: a padaria priu- 9
9 cipiar a trabalhar no dia 2 de julho correte. 9
9 Ribeiro & Pinto. 9
Os credore da mas* de Jos Schia-
tino previnein a todos os devedore* da
mesma massa, que nao paguem nada ae
mesmo Jos Scluatino, ^sob pena de paga-
rem segunda vez ; pois o nico encarre-
gado-de receber a memas-Tvida he o
ar. Ignacio de Souza Leo.
Traspassa-se a armacao e mais repartimanto
do armazem qe foi de materiaes no fim do becco
Largo confronte a ponto provisoria : ((ucm preten-
der dirjase a travessa do Pociuho armazem de ma-
teriaes 11. 28 A, indo pata a cadeia nova.
Coulinu a estar para ser alugada a granda
casa da travessa do Pocinho junto a Camboa, com
eicellentes commodoa: oa travessa do Pocinho ar-
mazem de materiaes 11. 26 A, indo para a cadeia
nova.
' Previrre-80 ae Sr. Antonio Maria .le Va'son-
cellos Bourbon, que tendo-se. desencaminhado a '-
tra qoe bcetsotj a Manoel Antonio (ionealv . em
1844, cujo extravio foi posterior a conciliacSo relati-
va dita lellra ; conseguiolemenle que a nao pague
a qualquer que por ventura a lenha ichado.
Oflereco-se urna mulher hbil para o servico
de casa de om homem solteiro, ainda mesmo para
um sitio perlo da praca : quem precisar, dirija-se i
Boa-Vista, becco dos Ferr i ros n. 4.
l'reci-a-se de urna ama que saiba rnvommar,
e tratar, de sala, rjara casa de pequea familia : a
tratar na ra Direila n. 91, primeiro andar, na qui-
na do becco do Sirigado.
Na ra do Cabugn n. 9, terceiro audar, preci-
sa-se de urna ama boa cozinheira.
Precisa-se de urna ama forra que saibs bem
engommar e cozinhr, para urna casa de pouca fami-
lia : ua ra das Cruzes o. 28, primeiro andar.
Precisa-se de um ama de meia idade para o
servico interno do urna casa : no alcrro da Boa-Vis-
la n. 78.
' Precisa-so,de una ama forra ou captiva, para
o servico interno e externo de urna casa somente de
dua* pessoas : a tratar na Iravessa da ra Bella, co-
chura n. 2.
Aluga-se o aegundo andar da casa da ra do
Queimado n. 9 : a tratar na loja.
Quem precisar de ama osera va para ama, diri-
ja-se a ra do Queimado, loja n. 14.
Precisa-se de ama ama para, o servico diario de
urna casa de pouca familia : na rna das Laraugeiras,
no segundo andar do sobrado n. 14.
Aqui ilao ha iizura.
Alugam-se as bem acreditadas bichaade Uambur-
go, das que os facultativos coslumsin mandar appli-
car, pois nesle estabeleeimeoto as ha bem fresqui-
nhase de bous tamaitos, e prova, que quem lem
precisado de 8 basta 4, e os preros sao bem rasoa-
veis : na ra estrellado Rosario! padaria n.13.
A melhores bichas que tem vindo a esta
provincia,
sao as que vieram ueste vapor inglez que passou pa-
ra o sui, tem um palmo de comprido, e segundo di-
zem os freguezea, lem teito uina bicha mais sangra
do que 5 ventosas; eslAo no deposito deltas, na ra
estrella do Rosario n. 11.
.jemmmm-m
Vemlc-se uin|4ioda uyilalinha de 15 para
16 annos, boa
he portanto u
com a ondieao
sadia * sem vicio ulcum,
op.lima mucama, vende-se
nSo, sabir para fra da
elendenlcs procurem na
.Gloria n. 85, casa terrea
iiruiiii Prueger&C., tem para ven-
da em sua casa ra da Cruz n. 10.
Lonas da Knssia.
Instrumentos para msica.
Oleados para mesa.
Charutos de HaVana verdadeiro.
Gomraa lacea. jj
I e^s\l^ajaJyPlJfcil^"fc^lf;,frl'JOTa^iJaja| aWK
Vende-se
sando a ponte,
poneos fondos
afreguezada :
no Chora-menino.
taberna, no Manguiuho, pas-
..P0" pa" principiaole, com
imodo para familia, e muito
ton Jos Antonio Marques,
Luiz Jos dP\Arjo te'm para vender no
seu armazem da ro^ddllrum 11. 22, esegnioie, che-
gado ltimamente :;gigos com champagne de surle-
riorqualidade, eoaRrrafcs e\ineias ditas, tornos de
cestos muilo hom fcltbs, carrnlios para meninos,
muito fortes e booM urna grande machina de lavar
roups, urna balaittl romana com todos os seus per-
(ences, que pesa daHOO a 1,000 libras, ludo por pre-
co commodo.
Panmrsetif|ijwlo, brins hrancos, casemiras
e ganga de cor, leayosac sclim de cor para grvala,
grvalas feitas, e Jotras niilas fazendas de gosto,
por preco razoavel i na ra do Crespo, loja n. 19.
Vendem-se Hopeo de sol de seda c luvas de
seda para ttomens e senhoras, ditas de lonjal prelas,
com dedos e sem fes, por preco commodo i na na
do Crespo, loja n. t).
Vende-se .me taberna, sita na povoarao do
Monleiro, coMtrenie a igreja de S. Panlas'. com
poucos fundes, propria para homem solteiro ou pou-
ca familia.: a tratas; na mesma.
Veudem-se htalas novas de Lisboa, vindas no
Bf^aifl a*v"-a 50 f. ajjbra ^jja taberna da roa de
lionas n. ft. - _._
Vende-se nm sobrido de doas andares no Re-
cife :.< ra do Cordonis^h. 10 : a tratar a ra da
Assump(3o confronte o nicho n. 20.
SEBASTOPOL.
Na ra da Cadeia do Ite/ib?. loja n. 19, vendem-
se ricas estampas coloridas, representando os mais
nolavcis aconlecimentos da Crimea, os quaes sao,
alm de oulro-:. o desembarque dos exercilos alija-
dos, cerco, ataque e bombardeamenlo de Sebastopol,
vista desla prara, tirada de diversos pontos, batalhas
d'Alma, d'lnkermaii de llalaklava, bombardea-
menlo de O.le--,1, vista de Coiislanliuopla, quadros
dos principacs personagens russos, turros, inglezes e
francezes, que lem figurado na guerra, e finalmente
muitas oulras vistas, pelas quaes pode qualquer pes-
soa conhecer exactamente as posic,es e movmeutos
das esquadras e ctercilos belligerantcs.
AiiEMU DA Fl MHCIO
EDVVIN MANV, ESCK1PTOR10 DE RO-
SAS BRAGA 4 a, RA DO TRAPI-
CHE N. it.
Tem para vender um completo sorti-
mento de taixa,-moendas e meias moen-
da para eugenho, cuja superioridade ja'
he bem conheciqfc dos senhore de enge-
ulio desta provincia, dos du Paral 1 iba e
das Alagoas, desde quando taes objectos
do mesmo fabricante erara vendidos pelos
Sr. Me. Calmo0t&C, desta praca.
MMMSfeMSSSBsf
da melli
Vendem-se sapolis grandes ; no sitio da Trem-
pe n. 1, sobrado que lem taberna por baixo, e ua
ruada Cadeia do Recife, taberna defronle do becco
Largo.
Vendem-se 2 coiixos bons cantadores : na roa
do Hospicio n. 1. *
Vende-se om carro de conduzir lazendas, qua-
si novo : na ra do Encantamento, armazem n. 76. A
Vende-se um terreno na rna da Praia, junto a
casa do Sr. Jos Uygino de Miranda, j aterrado pa-
ra se edificar : quemo pretender, procure na ra do
l.i vramenl.p, casa n. 20, segundo andar.
Vende-se em um silio 110 Saigadinhn, hons pa-
ra scrcm mudados, pequanos|pcs de coqueires.de p-
ntenla da ludia, de ubaia, de abaticabn e de caf :
para tratar, no aterro da Boa-Vista, lenda de funi-
leiro ao ekegar a malriz,
Vcnde-se urna bonita escrava que engomma
com pcrfeicfto, cozinha, cose chao e faz todo o ser-
vico, urna ditn para lodo o servico, um preto cozi-
nheiro do diario de urna casa.
Vendem-se queijos do reino, o qaanto pode ser
bom ne-le genero, tanto por seren muilo frescaes
como peta boa qualidado da massa, por preco com-
modo : na rOa dos Martyrias, taberna n. 36.
Vendem-se 70 saceos com familia de mandio-
ca, por .preco muito razoavel : a tralar as Cinco
Ponas n. 71 ou 6fi.
Vendem-se 2 escravas crioulas, sendo 1 de 25
annos com 1 cria de 2 mezes, e outra de 30 annos,
nplima engommadeira, cozinheira e lavadeira : na
ra de Hurlas 11. 60.
Charntos linos.
Cliegou ltimamente la Baha uro, completo sor l-
menlo dos muilo afamados charutos varetas e e>. F-
lix, sendo em caixas de 100, ditas de 50, e ditas de
25: vende-se nicamente na ra do Queimado n. 9,
loja de Azevedo & Carvalho.
A pechincha.
No aterro da Roa-Vista n. 8, defronte da
boneca.
Ceblas chrgadas ltimamente de Lisboa a 200 e
400 rs. o ceiilo. presuntos, linsuiras. paios, mantei-
ga ingleza de to^as as qualidades. dita franceza, bo-
l.ichinha ile -,>i!.i, biscoilos, e muitas ontras qualida-
des, passas, ameisas, tmaras,.ch da India de Indas
as qualidades, c muilos outroe gneros chegados l-
timamente, ludo ile superior qaalidade e preco mais
barato do que em outra qualquer parle.
Vendem-se 3 obras de Theologia Moral, ulti-
ma e.tirao, por muito mdico preco : na praca da
Independencia n. 24 a 30.
Vende-se um escravo moo para lodo o serv-
50, he fiel e sem vicio algum : no paleo do Terco
n. 9.
Vende-se urna taberna, em Olinda, bastante
afreguezada. no Varodoiyro n. 17, defronte do em-
barque : a tratar na mesma. Caranle-se o aluguel
da casa por ser o vendedor o mesmo proprielario ; e
caso o comprador qoeira casa decente para familia,
tambem se aluga urna outra junto a mesma taberna,
Vendem-se na loja de 4 portas n. 3, ao lado do
arco de Santo Antonio :
Cortes de vestidos Luvas de pellica de Jovin, sendo prelas, para
mo pequea de senhora
Chapeos brancos de superior castor
Dilos dilos adilo
Ditos prelas de seda, aba larga
Riscados francezes
Moinhos de vento
eomhombasderepaxopara egar horlaa e baixa,
decapira,nafundica6den,vV. Bownian : na ra
do Brum ns. 6, 8 e 10.
AGENfiA
Da Fundicao' LowMoor, Ra da
Senzala no* n. 42.
Nestc estabelecimero continua a ha-
ver um completo soiimento de moen-
das c meia* moendas iara engenho, ma-
china* de vapor, e Uta de Ierro bajido
e coado, de todo* >* tamaubot, para
dito.
2*500
1900a
89000
IOOO
48000
200
GRANDE E HOTO
Sorljmeulo de chapeos de ol tanto do seda como
de panno, para homens e senhoras.de lodosos lama-
nhose qualidades, palitos de panno, seda, 18a, lioho,
alpaca etc., de (odas escores e qualidades, calcss de
brim branco c pardo.e um sortimenlo de malas para
viagem,'assim como baleias para vestidos e esparti-
Ihos para senhoras, cohre-se e cnnccrla-se loda c
qualquer qaalidade de chapeos de sol, por menos
Ereco que em outra qualquer paarle : na ra do
ollegio n. 4, casa de J. Falque.
Attencio.
ei.,,i ., ,-,. a...a.j atao n> twt rto
Queimado n. 33.
Pelo preco faz conta.
Chales de lila c seda, lindes padroes, a 29500 : na
ra do Queimado ri. 33.
I Vende-se farinha de mandioca, em saccas, por
preco commodo : na rna Nova n. 35.
I Vendem-se 4 escravos de maja idade, proprios
para o mallo, 1 prela, 1 moleque de 5 annos, melle
bonito : na roa do Livramenlo n. 4.
Vendem-se dou piano* forte de
Jacaranda-, construccao vertical, e com
todos os raelhoramentos' mais modernos,
tendo vindo no ultimo navio de Ham-
burgo: na ra da Cadeia, armazem u.
21.
NAVA1.IHS A CONTEMO E TESOURAS.
Na rna da .Cadeia d Recife n.48, primeiro an-
dar, cscriplorio je Ansalo C. de Abrcu. conti-
nuam-ae a vestder 88000 o par (preto (xo.-as j
bem conheridas e afamadas navalhs de barba leilas
pelo hahil fabricante qu* foi premiado na ex.iosicao
de Londres, as quaes alm de duraren ztraerdioa-
riamente, nao se sentem no rvsto na accio d curiar ;
vendem-se com a coodicAo de, no agradando, po-
derem os compradores devolve-las al 15 diasdtpois
pa compra restiluindo-se o importe. Na mesma ca-
sa ha ricas lesourinhas para unlias, feitas pelo mes
mo fai'icaole.
TAIXAS DE FERRO.
Na fundicao' d'urora em Santo
Amaro, e tambem no DEPOSITO na
ra do Brum logo na entrada, e defron
te do Arsenal de Harinlia ha' sempre
um grande sortimento de taichas tanto
de fabrica nacional como etrangetwt,
batida, fundida*, grande*, pequea*,
raza, e funda ; e m. arabos os logare*
exittem guindastes, para carregar ca-
noas, ou carro livres de despeza. O
precos sao' o* mais commodo.
Na casa de Hbrard & Blandn ra doTra-
picht>Novo n. 20 e 22, vendem-se os se-
gu ntes gneros:
Yinho de Champagne superior em caixa
como em garrafa.
Vindo de Bordeaux superior em caixa co-
mo em garrafa.
Cognac verdadeiro superior em caixa co-
mo em garrafa.
Vinho de Xres superkr em caixa como
em garrafa.
Azeite doce de Pagmol; o tnico verdadei-
ro que tem no mercado.
Salames de Lyon muito frescos.
Conservas de Naate de toda as quali-
dades. i
Mostarda preparada Diaphano, a melhor
que tem apparecido no mercado.
Queijo susso qlegado pelo ultimo navio.
Os freguezer ficaiao satitfeitos da boa
(jttalidade dosgeneros, como dos presos
moderados.*
I
-
casa
dade: vende-se em S
Taeger &C, ra gjg
WBSMXm
Vender Jo apreciavfel vinho Bor-
deaux engarralado, muito proprio para as
pessoas que se cham em dieta o por pre-
co barati**imp por ser urna pequea por-
DENTISTA.
Paulo Gaignoux, dentista francs, eslabele
cido na ra larga do Hosario n. S6, segnudo 9
andar, collora denles com gengivas arlificiaes, 9
e dentadura completa, ou parte della, com a 9
presso do ar. fg
Rosario n. 36 segundo andar. 9
9999999999 $
O Dr. Joio Honorio Bezerra de Me-
nezes mudou a sua residencia da ra
Nova, para a ra da Aurora sobrado n.
62, que faz esquina com o aterro da Boa-
Vista, e ahi^iitinua a exercer a sua pro-
issao * dedico.
CS5*Jr9^:**J5Se
J. hW, DENTISTA,
Precisa-se de um bom Irabalhador de padaria
e que queiracurarreear-se de entregar pito em ama
pequea freguezia de pSo, Hado conta da casa : a
tralar na padaria do pateo da Sania Cruz u. 6.
LOTERU
DA MATRIZ DA BOA-VISTA.
Amanhaa, sabbado 7 de
julho, he o i nd u bita ve 1 an-
damento da referida lote-
ra, no consistorio da igre-
ja de IN. S. do Livraincn-
to, pelas 10 horas da ma-
nlia; os meus bilhetes e
cautelasestao no resto, nos
lugares j condecidos do
respeitavel publico Per-
nambuco 6 de julho de
1855.-O cauteista, Sa-
lustiano de Aquino Fer-
reira.
rao <|uerest
primeiro anrj
Venden
absynfho e:
navio h-ariceti
do : na ra j
dar.
na ra da Cruz n. "20,
o& verdade!ros licores de
tch, chegados pelo ultimo
por 'preco muito commo-
Cruz n. 26, primeiro an-
TEIWOg UM VOLTVRETE.
Vendem-sJicajxinhascorEtentos de mili-
to bom gost para o api eciavei jogo de
voltnfete, c|gados ltimamente de Fran-
ca e por nauto commodo-preco : na ra
da Cruz n. K, primeiro andar.
Vende-sstlodo o necessario para urna eslri-
baria para doemcavallos, incloindo as lelhas com
pnuco uso e poj preco commodo : ua ra do Colle-
gio n. 4.
guarda na
Pernatnbl
dea sua i
de 1851,1
9 HficacaoJ
a ec nnon
ti nicipios,!
i

9 contina a risidir na ra Nova n. 19, primei-
9 ro andar. au
# 9*9*SS
A mulher que annunciou nesla folha querer
coser em casa de familia, procure nesla hpographia
que se Ihe dir quem precisa.
COMPRAS.
Comptam-se acc,es dcBeberibc : na ra larga
do Rosario u. 3li.
Compra-so urna negra de boa figura, que sai-
ba bem engommar, coser c cozinhr, paga-se bem ;
assim como um moleque de 14 a 16 annos : quem
(iver, dirija-se i ra da Cruz n. 23.
VENDAS.
COM PEQUEO TOQUE DE
AYARIA.
A 5$000 rs. u pessa.
Vendem-se na ra do Queimado, loja n. 17,
pe^as de msdapoUo com pequeo loque de avaria a
39000, e algodozinho americano com pequeo lo-
rjue a 29OOO a peca.
35 Acha-ssi venda o manual do guarda na-
J cional. ouiaklleci;lo de todas as les, regula-
9 mentes, etsens e avisos conrernenles a mes-
9 ma guardj nacional, organisado pelo cppilAo
9 secretarie|(erardo combando superior da 9
onal da capital da provincia de ;
Firmino Jos de Oliveira, des- 6J
aorganisaco al 31 de dezembro
alivos nito s ao processo da qua-
urjo de revista, etc., etc., senflo
dos enrpos, oraanisaeao por mu- @
ilalhoes, o companhias, com map- 9
pas o nlsdelos, etc., ele.: vende-se nica- 9
_ mente ajar, pateo do Carmo n. 9, primeiro an- 9
9 dar, a ."IODO por cada volme, 9
3&Sfc.sJ-@8@a*
Na ra da Cadeia do Recife n. 18 vendem-se
relogios deovro, patente susso, qualidaile superior,
mais barato do quo em qualquer outra parle.
PUkVSB'jl ATIENCAO' PARA QUEM TI VER
BOM liOSTO..
C. C. Ilesse avisa as pessoas gradas e de bom lora,
Tiie Ifem pan vender 2 lindissimos carros de 4 ro-
das, do maiS novo mudcllo de Paris, e ollimamcnle
acabados ; construcro dos dilos carros foi feiln
mu de propesito para acreJitar o seu eslabelecimcn-
to, e agradar aos freguezes, de quem lem recebido
nilo equivocas provas de sua benevolencia^ por so
empregou todo o zelo d'arle na sua solidez e bem-
fciloria. o olerecc deaassombrado a lodo e qual-
quer entendedor, o.pretendentc a (oda hora do dia,
na ra do Pires n. 22, sonde podem ser minuciosa-
mente eaanlyidos ; o preco dos ditos ser razoavel.
Vende-se arroz pilado muito superior, dito de
casca, sacras cem milho, dilos com farinha de man-
dioca, loda mais barato do que ero outra qualquer
parle, qoe Ir para se acabar com o reslo : ua tra-
vessa do Carioca, armazem de Antonio Pinto de
Souza.
VESTIDOS.
Os njais bonitos corles desvestidos de cambraia que
lem apparecido 110 mercado a lij.'iOO, dilos a 49500:
na ra do Queimado n. 33. -,
Na ra Ua Cruz n. 26 p
dar, vendein-sc os segunsjal ^IWj
muito barato preco que faz^dm-an, re-
logios de ouro patente'susso, dito de pra-
ta, ditos de dita domada e ditos de dita
galvanisada.
Vendem-se batatas novas a IJ600 o gigo : no
armazem do Cazuza, no caes da allandcga.
Vendem-se na ra da Concordia n. 26, saccas
com arroz de casca', por prcc,o muilo commodo, e
tambem se vende na mesma casa um banbeiro de
madeira com poucu uso, por qualquer preco.
Vendem-se lindas pulceiras de cornelina para
sechora a l.-xim, ditas para meainas a 19400: na
ra do Queimado n. 63, loja de J0S0 Chrysoslomo
de L. Jnior.
A 55OOO e66'OOOrs.,
corles de cambraia e seda, fazenda boa e de lindos
padres, dilos de barege de seda com babados a 8f
rs. o corle : na ra do Crespo n. 16, loja da esquina
Velas.
Vendem-se excetlcnlcs velas de carnauba pura e
de compositito, sendo estas do melhor fabricante do
Aracaty, pelo commodo prece de 149500 a arroba :
na ra da Cruz armazem n. 15.
ATTENCATJ', FREGliEZES.
Cheguem ao que he borne barato.
Chourieas.paios, presuntos, alelria, macarrao, ta-
Iharim, cslrellinba para sopa, boiachinha de aramia,
farinha de Maranhao, todas as qualidades de cha,
boiachinha ingleza, passas, velas de espermacele de
superior qualidade, lalas com superior gracha, cer-
veja branca e prela, vinho velho do Porto, -engarra-
fado, Bordeaux, champagne da melhor qualidade,
chocolate, manteiga ingleza e franceza, e outraa
mullas cousas novas, por preco que muito convir
aos compradores: na taberna da ra Nova d. 50, que
faz quina para a ra de Santo Amaro.
Na ra do Crespo, loja n. 12, vendem-se bons
cobertores .de algodao, lirancos, de pello a 1)400, e
sendo em poreflo faz-so alguma difisrenea no preco:
tambem vendem-se sedasescocezaa a IjjO ocovado,
bonitos padroes e sem defeilo.
Superior vinho de champagneeBor-
deaux : vende-se em casa de Schafliei-
tlin & C, ra da Cruz n. 58.
A ELLES, ANTES QUE SE ACABEM.
Vendem-se curtes de casemira de.bnm gosto a 29,500
49 e 59OOO o corte na ra do Crespo o. 6.
Taixas part engenhos.
Na fundicao' d ferro de D. W.
liowmann na ra do Brum, passan-
do o chafariz continua haver um
completo sortimento de taixas de ferro
fundido e batido de 5 a 8 palm de
bocea, as quaes acham-se a venda, por
preco 'commodo e com promptidao' :
embarcam-se ou carregam-se em carro
sem despeza ao comprador.
Cera de carnauha.
Vende-se na ra da Cadeia do Recife n. 49, pri-
meiro andar.
Vende-se um cabriole! e dous cavallos, ludo
junto ou separado, sendo os cavallos muito mansos e
muito costurcados em cabriole!: para ver, na co-
cheira n. 3, defronlo da ordem terceira de S. Fran-
cisco, e a tratar coiri Antonio Jos Rodrigues de Sou-
za Jnior, na ra do Collegio n. 21, primeiro ou se-
gundo andar.
Vendem-sepm asa de S. P. Johns-
ton & C, na ra de Senzala Nova n. 42.
Sellin in/jlsjzes.
Relogios patente inJez-
Chicotes de carro e le montarla.
Candimos e castirai bronzeado.
Chumbo em lencol.barrae municao.
Farello de Lisboa.
Lonas nglezas.
Fio de sapateiroedevela.
Vaquetas de lustrepara carro.
Barris de graxa n.97.
deposito u mwa de todos
OS SANTS DA BAHA.
Vende-se em C., na ra da Cauz n. 4, algot'ao tran-
cado daquella fah-ica muito proprio pa-
ra saceos de assuar e ton pa para escra-
vo, por pre^o canmodo,
-^-Em casn de J. Keller&C, na ra
da Cruzn. 55 ha para vender excel-
lentes pianos vindo; ltimamente de Ram-
burgo.
Vende-se urna bilanra romana com lodos os
saus pertences.em bom uso e de 2,000 libras : quem
pretender, dirija-se na da Cruz, armazemn. 4.
COGNAC VERDADEIRO.
Vende-se superior reinar, em garrafas, a 129000
a dnzia, e 19280 a garrita : na ra dos Tnnoeirns n.
2, primeiro andar, defsnnle do Trapiche Novo. ,
FARINHA E MANDIOCA.
Vende-e superior farinha de mandio-
ca, em saccas que tem um alqueire, me-
dida velha, por preco commodo: nos
armazens n. 5> 5e 7 defronte da escadi-
nha, e no armazem defronte da porta da
alfandega, ou a tratar no escriptorio de
Novae & C, na ra do Trapiche n. oh,
primeiro andar.
Chales de merino' de cores, de muito
bom gosto.
Vendem-se na rna do Crespo, loja da esquina que
volta para a cadeia.
rtTTENQiO.
Na ra do Trapiche 11. 5i, ha para
vender barris de ferco ermeticamente
fechado, proprios para deposito de te-
ses ; este barris sao os melhores que se
tem descberto para este im, por nao
exhalarem o menor cheiro, e apena pe-
zam 16 libras, ecustam o diminuto pre-
co de 4.S-000 rs. cada um.
Vende-se pipas, barris vazios e bar-
ricas internadas: a tratar com Manoel
Al ves Guerra Jnior, lia rita do Trapiche
uva..
Attencao !
Vcndc-se superior fumo de milo, segunda e capa,
pelo liaralissimo preco de SgeS* arroba : na rna
Direita n. 76.
Potassa.
No anliso deposito da rna da Cadeia Velha, es-
criplorio n. 12, vende-se muilo superior potassa da assucar, aclia-se a venda, em latas de 10
Russia; americana e do Rio de Janeiro, a procos ba-, libras, junto com O methodo de empre-
ratos que he par. fechar con!... \ga.io no idioma p0rtUguez> em ^ .
Xa. ra. jja V40UO-O-XO, primi- N. O. Keber 4 Compsuthia, na ruada
ro andar, temrpar vertrjiepaivefSSs'iai "'
icas para piano, violfio e flauta, cono
sejam, quadrilhas, valsas, redowas, sic-
tickes, modinhas, tudo modernissimo
chegado do Rio de Janeiro..
Attencao.
Na na da Cadeia Velha o. 4",lnj do S(Manoel)
vende-se damieco de laa de duas larguras, roailo
proprio para nberias de cama e pannos de mesas
$ DTASSA BRASILEIRA. d
(0f Ved-se superior potassa, &- I
(A bricaja, no Rio de Janeiro, cite
Af. gada recentemente, recommen-
S da-w ao senhore de engenhos os
7 setrbons eireitos ja' experimen-
tai^: na ra da Cruzn. 20, ar- m
99 mm de L. Leconte Feron& W
$ Gmpanh.ia. fk
iOS SENHORES DE ENGENHO.
Rtduzido de 640 para 600 rs. a libra
o arcano da-invencao' do Dr. Eduar-
fjVStolle em Berln, empregado as co-
bnias nglezas e hollandezas, com gran-
le vantagem para o melhoramento do

Vendem-se ricos e modernos pianos, recente-
nlo chegados, de encllenles vozes, e precos\en>
'lll --iijjj^" *ls' i'i VimpinliijL rn*
la Cruz n. 4. -
Capas de panno.
_Vendcm-se capas de panno, proprios para a esla-
eao prsenle, por commodo pre;o : na rna do Cres-
po n. 6,
Grande sortimento de brins para-quem
quef ser jemenho com pouco din!eiro.
Vende-se brim trancado de listras e qoadroa.de pn
ro linho. a 800 rs. a vara, dilo liso a 640, ganga
amarella lisa a 860 o covado, riscados escuras a imi-
lacao de casemira a 360 o covado, dilo de linho
280, dito mais abaiio a 160, castores de todas as co-
res a 200, 210 e 320 o corado : na roa do Crespo
COM PEQUERO TOQUE DE
Algodao de sicupira a 2&500 39 : vende-se na
roa do Crespo loja-da esquina que volta para a ra
da Cadeia.
Alpaca de seda.
Vende-se alpaca de seda de quadros de bom goslo
a 720 o covado, cortes de 13a dos melhores gustos que
tem vindo no mercado a 43">00, dilos de casia chita
a 1(800, sarja prela hespanboln a 2&100 e 29200 o
covado, sclim preto de Maciio a 2$800 e 5>200, guar-
danapos adamascados feilosem Guimaraes a 39600
a dnzia, loalhas de rosto vindas do mesmo lugar a
99000 e I29OOO a duzia : na ra do Crespo n. 6.
CHALES DE LAN E ALGODAO,
ESCURAS A800 RS. CADA IM.
Vendem-se na rado Crespo loja da esquina qoe
volta para a ra da Cadeia.
COBERTORES.
Vendem-se cobertores escaros, grandes e peque-
nos, a I92OO e 720 cada nm : na ras do Crespo n. 6.
CORTES DE CASEMIRAS
DE CORES ESCURAS E CLARAS A 3000.
Vendem-se. na soa de Crespe, leja da esquitja qoe
volta para a ra ds Cadeia.
MMSt MSM1
S Deposito de vinho de cham-
pagne Chateau-Ay, primeira qua-
lidade, de, propriedade do conde
de Marcuil, ra da Cruz do Re-
cife n. 20 : este vinho, o melhor
de toda a Champagne, vende-se
a 36J000 rs. cada caixa, acha-se
nicamente em casa de L. Le-
comte Feron & Companhia. N.
B.A caixa sao marcada a fo-
goConde de Marcuile os ro-
tulo das garrafa sao azues.
FAZENDAS DE GOSTO
PARA VESTIDOS DE SENHORA.
Indiana de quadros muito fina e padrees novos;
corles de Ua de quadros c llores por preco commo-
do : vende-se na ra do Crespo loja da esquiua que
volla para a ra da Cadeia.
CASEMIRA PRETA A 4*500
0 CORTE BE CALCA.
Vendem-se na ra do Crespo, loja da esquina que
volta para a ra da Cadeia.
Na rna do Vigario n. 19, paimeiro andar, ven
de-sefarelo novo, chegado de Lisboa pela barca Gra
tidSo.
Deposito do chocolate francez,- de urna
das mais acreditadas fabricas de Paris,
em casa de Vctor Lasne, ra da Cruz
n.27.
Extra-superior, pura baunilha. 19920
Kilra lino, baunilha. 19600
Superior.' 19280
Quem comprar de 10 libras para cima, lem um
abale de 20 % : venda-sc aos mesmos precos e con-
dicKs, em casa do Sr. Barrelicr, no aterro de Boa-
Visla o. 52.
preco muilo commodo : no armazem de Me. Cal-
moni & Companhia, praca do Corpo Sanio n. 11.
Riscado de listras de cores, proprio
para palitos, calcase j aquetas, a 160
O covado.
Vende-se na ra do Crespo, loia da esquioa qoe
volta para a cadeia.
Vendem-se no armazem n. 60, da rna da Ca-
deia do Recife, de Ilenry tiibson, os mais superio-
res relogios fahricados'em Inglaterra, por presos
mdicos.
Vende-se encllente laboado de pinho, recen-
teniente chegado da America : na rui de Apollo
trapiche do Ferreira, a eotender-se com o adminis
ador do mesmo.
A taberna da rna
NOVA N. 50,
na esquina da ra de Santo Amare, ache-ae saHida V '
de muilo boas gneros e por muilo commode preco,
de iiianeira qne ao ver o elTeilo agrada, e ao ouvtros
precos faxcomprar, porque na verdade vinho oas-
catel engarrafado, de borqoalidade, 640, e entres
muilas consas por preco diminuto, nSo haverr quera
nao se anime a comprar.
ESCRAVOS FGIDOS.
. Desapparecn do engenta Camorirr. Gran
da rreguezia de Agua Preta, o escravo Gabriel.
cao Benguelle, parecendo ser criosrto mas ngvis
maior de ;12 anuos, altura regular, cr rouUo prt'
cabellos achatados, olbos amarellados, bastante vi-
vo e ladino, dado a contar historias do qne tem vial .
por onde tem viajado, mentiroso-e atrevido quando '
est embriagado, pernas tinas e bem fechado de bar- v
ba, rosto redondo, j lem sido sonado, levou nra
gancho ao pescoeo que he de suppor o lenha lirado,
porm ha de estar com o couro do pescojo grosso e
sapero, o qual foi escravo do Sr. roajor Antonio da
Silva Gusmao. (rabalha de oarbeiro. tambem en-
lende de cozinha, trabalha d pedreir e sabe fazer
lelha. Desaparecen no mesmo d do dito engenho
cima, em companhia do mesmo escravo Gabriel a
escrava de aome Maria, naci Cassange, idade 3
annos, bastante alta, muito seeea do corpo, cor pre-
la, cabera comprida para Iraz. j bstanle piulada-
de cabellos brancos, principalmente pelas rosales, tea
um dente de menos na frente, no queixo de cima,
roslo comprido, bec,o de cima meio revirado, nariz
afilado, pes seceos, peilos muilo pequeos, a qual
escrava o seu enligo senhorja raoroo em Gurabira,
districlo da provincia da Parahiba ; ambos os escravos
dcsappareceram no dia 28 de malo do eorrente an-
uo : por isso roga-so todas as autoridades policiac*.
e capilaes de campo, bajam de apprehende-los e le-
va-Ios a seu senhnr Ignacio Ferreira de Mello Lesa,
no encenho icima, ou nesla praca a seu correspon-
dente Manoel Antonio de Santiago Lean, morador
na ra Angosta a. 3, qoe serio besa recompensados.
lio engenho Brejo de San Jos m comarca da
Y ictona.fugio o preto Manoel por atetmha m.iarno,
o qual lem os seguintes signaes ; he de nacto An-
gola, idade 10 annos, barba no queixo, muilo pouca
na cara, lem um denle quebrado na frente do quei-
zo superior, bem feito de corpo, estatura e grosaura
medianas, lem orna perna mais arossa proveniente
deferidas, que talvez ainda lenha- ais urna aber la :
he moilo ladino que parece crioulo, he rendido de
urna virlha, pelo qne se torna potroso, gasta de in-
dar sempre' com calcas e camisa de cuta ou algodilo
azul: quem o prender love-o no dito engenho de'
Luiz Barbalho de Vasconcellos. ou no llecife a Joa-
quim Correa de Resende Reg 4 Irmaos, ou no en-
genho Cajabnss ao rendeiro Manoel Barbosa da Sil-
va, que em qualquer das parles se gratificar com
gencrosid.ide. ., v
,1
S
Vende-se ac em cimbeles de um quintal, por No dia I. do proiimo passado mez, aosenlou-
' se do engenho Llinga de cima, na fregoezia do Ca-
bo, um escravo crioulo de uome francisco, de idade
30 annos, pouco mais ou menos, baizo, ebeio do cor-
po, cara liaa, ventas espa(0sas, beb;o superior pen-
deule, pernas finas, ps pequeos, rendido, segundo
parece, da verilha direila, osando de funda algunas
vezes, tem varias costuras antigs de acoules nelas
itjgas de acoules"pelas
costas, trabalha de earreiro e no mais servico de
campo, he muilo regrisu, e eonsia haver dito qoe ia
errr busca de algnem que o accolhesse. como jn o es-
leve quando perlencenle a oulro seuhor : assim avi-
sa-se a peasoa em cujo poder elle se acba, que haja
dedevolve lo a seu legitimo dono no predilo enge-
nho, pois he bem reprehensivel e eulpavel scmelhan-
(e proceder.
PERN. TYP. DB M. F. DB FABIA, -1855