Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00775


This item is only available as the following downloads:


Full Text
u
T. 483.
M*
'('
~
>- t'Ml
t

[ftfto fc 1830.

-'
>#
DIARIO DE PERNAMBUCO.
S.bs.rcTe-se na Tipografa do neino Diario na Dlratta N. t97 1. andar em veces por 640 res baa folla
qua sahir todos os das uteis.
--
Quinta Feira 8 de Julho. 8. Procopio M.
.

Preamar as 6 hora* t 54 minutos da tarde.

COMMNICADO.

vao duas grandes mesas com imitacao.de
R bosque, em que se encontravao exquisitos
Aiou o memorvel Da Dois db J- manjares, e delicados vnhos. Tres \U
.HO! Dia para eempre fameso nos Fastos lustres Acadmicos recitaras dois elogios,
da Nacao Braiileira. Dia que pos fim e dois sonetos em que manifestarao o ta
oppressao Portuguesa, e em que primei-
ro tremola rao os nossos Pavilhoes do A
mazonas ao Prata.
Bravos Filhos de Mavorte, que son*
besteis deender com gloria a liberdad*
da Nacao Brazileira E vs que em de*
feza da Patria conclusteis a vossa honro*
sa carreira para receber na Habitado dos preco liberdade jamis pode sofrer os
Justos o premio devido a vossa coragem ; ferros da escravidao; a Liberdade ser*
lento de que sao dotados. Finalmente
depois de ejecutado o Himno Nacional,
e depois de muiias outras pravas do pra
zer, que se di visa va em todos os semblan*
tes, findou-se o Baile as 4 horas, e meia
da manha.
Brazilero9 Qiim' sabe dar tanto
Acceitai os votos sinceros de hm cora cao
Brasiieiro. Sim! Raion eis Dia famoso,
em que o Brazii Triunfante vio seos in-
justos aggressores procurar espavoridos no
vasto Ocano abrigo contra os nossos in-
venciveis guerreiro3, e serem ahi mesmo
perseguidos Mas para que repetrei eu
factos, qu2 seachao gravados nos cora
eterna no Brazii. Viva pos a Liberal
Constituico, o Melhor dos Monarcas, a,
Augusta Assemblea, e a Nacao Brasi-
lea. '
CORRESPONDENCIA.
KJR. Edictor. Nao respondo, as por
coes de todos os Brasileiros ? O jubilo e quidades, insultos, e injurias do immora
prazer, queelles patentearao, claramente lissimo Peridico Amigo do Povo; porqu
o manifestao. A briosa Academia Olin la' sabe todo o mundo, #jue os escriptos
dense animada do fogo Patritico, que desses homens sao assignados por Jozs
sempre a caracterisou sollemnisou esse Victorianos Gomes, e outros doctores de
grande Dia coral hutn explendido Baile, enxovia ; e de mais cada hum d o que
para o qual a Cmara de Olinda cedeo as tem, e busca o seu semelhante: o mfeu in-
ua Sallas, que forao ricamente ornadas; tent he vi ver desment ndo esses Chris-
na principal se achava a Augusta Effigie taos vellios, que fzerao divorcio com o
do Grande PEDRO, que tanto se mor* pejo. Hum desses Christaos Velhos no
taltsou irtsse Da de GSoria. Mais de 200 Amigo do Povo N. 56 diz que se e
pessoas do Recifi's e Olinda animados de tivesse registado a minha Carta Imperial
igual cntiiusiasrno, e transportadas de pra- ( sobre a Cadeira de Rhetorica ) na Se
zer cencorriao para fazer o acto mais bri- eretaria do GoVerno, T. X. erirj replica-
lhante. Duas Orquestas executarao aN do para a Corte, mostrando, que ea esta*
ternademeute as Pecas de melhor gesto.
Maquina Aerosttica, e girndolas de lo-
go diverliao a multidae, que cerca va o -
diicio ; as 8 horas da noite servio-se hum
explendido cha*, e as 10 forao os hospe-
des conducidos a huma Sala onde se axa-
va confirmado : mas existindo soraente
'aquella Reparticao hnTsimpIeaAviso,
nao era este o Diploma de connnacao. 7
Eu sei, que pertender mott&r ae
mentiras, e falsidades desee Peridico he
querer dar por conta as arcas do mal



porm ferve-ma o aangue; quando eio,
tanto despejo, e impostura. Por isso ro-
go Ihe, Sor. Edictor, queira publicar o
seguinte Requerimento a ver, se
ssa gente por huma so vez tem vergonha.
UiMtrissimo, e Expelan tissmo Snr.
Presidente. Diz Fr. Miguel do Sa-
cramento Lopes, que se Ihe faz precizo,
mande, que na Secretaria desse Governo,
revendo os Livros dos Registros, se Ihe
passe por certidao ao pe' deste ta soman-
te o da, mea, anno, o livro, e a pagi-
na, em que fai registrada a Carta Regia,
pela qual o suplicante foi confirmado na
Cadeira de Rhetorica, e Bellas Letras do
Seminario de CMinda. =s= Pede a V. E. ,
seja servido de assim o mandar = E. R.
M. Paise do que constar nao haveiulo
inconveniente. Palacio do Governo de
Pernambuco J8 de Junhode 1830 ~- Pi-
nheiro. Vicenta Thomaz Piras de
*' Figueiredo Camargo, Cavalleiro da
*< Ordena de Christo, e Secretario do Go-
4t verno da Provincia de Pernambuco por
** Sua Magestade Imperial, que Dos
" Guarde &c. Certifico que a Carta IU-
* gi pela qual foi.o Supplicante,Confir-
' mado na Cadeira de Rhetorica, -e M-
las Letras do Seminario de Oiinda, foi
regist&da no dia quatorz* de Novem
" bro de tnil oito centos vinte e hua, a'
folhas duzentas e vinta e ele do Livro
Nono do registo de Provises Reaes de
Partes. para que o referido conste
onde convier fiz pasear a prezente Cer-
tidaa em virtade do Despacho retro.
Secretaria do Governo de Pernambuco
* seis de Julho de mil oitocentos e trinla,
* Nono da Independencia, e do Imperio;
?h Vicente Thomaz Pires de Figueredo
Camargo.
Fr* Miguel do Sacramento Lopes,

*(
4
i
3
a
8,
'Nb* Edictor. Parece, que o Snr.
Chanceller, e o Snr. Gustavo estaos posta-
do! a meterem a bullidas cauzas mais se
has desta Provincia zombando da Lei, e
das Authoridades, que nao dormem sobre
sua accoes. Nao satisfeitos de deixarem
impune o Carcareiro Filerete, que deo
fnga aos dous prezos de moeda falca; nao
contentes de tirar-se a devasfa, inquiindo
testera un has a' prezos com o Carcereiro na
Cadeia, ameacandoos que vaojurar; sa-
fe ndo eui im, que o cnaie de moeda faU
sa he de leza Magestade, o conserva a*
inda solt, sem dar execuc,ao a Lei, prn-
denlo o antes jnesmo da culpa foimada
para que os prezos lom liberdade possaS
jurar.
lito, Snr. Edictor, anda nao he na
da; amis solene mangacao consiste,
em se meter por Carcereiro hum Primo do
Escriva Campos, seu aomensal, seu es-
crevente, pess'oa sua em fim, sem se res*
peitar aOrd. do Liv. 1. tit, Y9 45,
que prohibe os parantes dentro do quarto
QTko, ocuparem empregos juntasiente, e
sem conciderarem, que tamos a face de
todas estas couzas o Snr. Prezidente, que
nao desconhece estas malversacoes, se a
nimar&o, apezar disto a nomearem para
Carcereiro a hum ente, que nao tem deli-
beracao propria, porque todo he fugeito
ao Ecrivao Campos; elle he aquelle por
quem o Escrvao Campos mandava con
vencionar o pre^o porque havia ficar a
soltura de certos prezos ; por elle se man-
dava offerecer Alvarats de Fianca por a*
vultadas quantia% em concluzao elle ha
hum quadro fiel do Escrvao Campos, co
m pojase introduz de Carcereiro a alma
do Encrif ao no corpo de seu Primo ?
Todos sabem, que o motiv destas
ft\ I icarias he a ingerencia, que o Snr.
G ustavo quer sempre ter com os prezos ;
o lucro do Escrvao pelos seus milagrea, e
o temor que ambos tem, que o segredo da
paneila se nao descubra pelo Filerete ;
porque a astarez ambos da conciencias
lavadas, e as suas cazacas bem limpas j
o Filerete tinha sido prezo, anda sem cul-
pa formada, pois o crimshe de Leza Ma
gestade; ja a devassa esta va pronunciada;
nao se tomariao testemunhas com o Car-
careiro solt, amea9ando os prezos para
nao jurarem, o que verdaderamente sa
bem ,* industria de que se servio o Snr.
Gustavo para nao pegar dos prezos de*
poiment digno de pronuncia.
Dice-me pessoa fidedigna que o pre-
zo fizara, as perguatai, que se Ihe fez,
ai seguntes interrogarles V. S. sabe,
que eu sou hum pobre ; que nao tenho
meios para, comprar huma maquina ta
importante ; que basta ollar para ella, a
para os meug teres para se saber, que nao
be propriedade minha; se me encarreguei
desda administracao, foi por que me disse-
rao, que V. S. era socio desse fabriso, e
pruletor dos socios, que V\ S. bam sabe o
eonbsce; e com estas interrogaces, a
% i
>
i




v
t
Tespstat se derao ai prgntat poir ac Trocarse a moradia de huma boa ea*
badas, e dah a pouco soltou o Careareiro za terrea, na ra da Roda, com commo-
os prezos de moeda falsa, itfo he oe dous dos para huma grande familia, por oufcra
linicamente^deasa aprehendas. caza mais pequea em qualquar das ras
Eu nao assevero o fado por verdadei- mediatas ao Rozarlo ; quem quizer trocar
ro, si bem que nenhuma dificuldade en* anuncie por este Diario, ou entenda se
contr ; por que piares couzas tem pvati- com o destribuidor do mesmo, do bairro
cado o Snr. Gustavo, mas permita-se-me de S. Antonio.
que eu faca as seguintes reflecSes. O que Quem percizar de huma eserava ca-
inculca a facilidade do Careareiro para paz, e verdadeira que sabe preparar jan
com estes prezos, em oontrapozicao ao tar ordinario e diariamente, de boa eou*
que pratiea com outros ? Por que S. S. pa, arroz, guizados, assados de forno, e
nao recomenuou, quedecessem estes, co- cate ; anuncie a sua moradia, enomepa-
mo recomendou, por huma Portara, que ra ser procurado.
dessesse o Roma ? Oque quer dizer a Jozefa Thereza de Jezus na quali-
indiferenea de S. S. para coni este cri- dada de herdeira e testamenteira deseo
me ? O que se entende de nao ser o Car- falecido irmao Joze Fernandes da Rocha
careiro logo prezo, assim que se descobrio aviza a todas as pessoaa qne se concidera*
a fuga de prezos de tao concideravel cri- rom acredores do mesmo Ihe aprezentem
me ? O que da* a entender tirarle a de- suas contas com toda as elaresas e justifU
vassa com o mesmo Careareiro solt, e na cados no prazode trnta dias, e as que a-
administracao da Cadea ? Se o cont, parecerem dahi em diaotc a testamenteira
que me cOntarao, he falso, os fatos do nao esta' por ella. .
Sur. Ouvidor o eneuleao de verdadeiro; a Em caza de Btnto Lopes Gru Ata*
dieidida proiecao ao Careareiro, e a es* raens morador na Ra da S. Cruz na Boa
capula, que esta' qoerendo dar a pronun* fleta caza N. 215 se acha huma negri-
ca parecm bem vizivel mente ; que he nha que apareceo Nna sua porta na nbite
defeza natura!, que todohomem busca em de .3 do corrente pelas 9 horas e icia da
caaos taes. noite e como nao falla a Llngoa Portu*
Nao pretendo Snr. Edictor o enco* gueza nao sabe dizer quem he seo Senhor
m oda r mais insirame porobzequio estas por tanto apessoa aquem faltar derija-se
emportante3 regrinhas que lhe ficara' o- ajmesma caza asjsima que dando os Signa*
brigado, e ainda mais sefor chamado ao escertos se entregara.
O Eniprezario do Theatr tedo de
dar hum excelente divertimenio Domingo
de tarde preciza para o dezempnho do
mesmo de hum Burro que seja manco, e
que consinta que se lhe faca a barba:
qual quer pessoa que tiver o dito animal,
e o quizer en prestar ou alugar podefa' di-
rigir-se ao Theatro a qual quer hora do
dia para tratar do ajuste.
Vende-se.
KJma negra com leite, que sabe eo*

Jury, o seo respeitador
O ImparctcU.

Avizos Particulares.
O Afilador desta Cidade e seo termo,
faz sciente, que a caza da sua rezi-
dencia, he no aterro da Boa-rista lado es-
querdo N. 89 todas as pessoas que se a-
cha rem na obrigacao de aferir seos pezos
e medidas para del!e3 uzar, e que ate' o
prezente nao tem feito talrez por igno-
rancia de nao saberera as Posturas da C-
mara Municipal, ou pelo nenhum cuida-
do dos empregados da mesma nao execu-
tarem as Posturas de que estao encarre-
gados: o deverao faser em termo breve
por estar chegado o mez de Julho da re?it-
ta grande, e que todos deverao compare-
cer com es seos pezos e medidas, a caza
meniionada para aii seren revistados e a<
ser,
engomar, e cozinhar : na ra
do Niuxo do Noia em caza de Jos I na-
ci N. 5*f.
Huma eserava crila de idade de 10
annos costureiva, engomadeira e rendeira,
sem vicios, ou defeitos : na segunda caza
terrea atraz da guarda da Boa-vista.
Hum muleque de idade de 10#a 11
annos : era fora de portas N. ? J0.
Bixas vindas ltimamente do Porto,
-4>
ferides ; e aquelle que. o contrario fizer a preco de 320 ate' a 80 rs. segundo os ta
ficara' sugeito a mesaia Postura. manhos, e Tapkx




- --
r
:wo8^
,
libra em Arroba a 1*0 rs. a libra: na
venda da ra do Rozario entre as duas bo-
ticas D. 9.
Preiuntos amito bons a 140 rs. a li-
bra, tinta Verde, olio, barra de earne sal*
gada de vaca e de porco, barra de fumo
da America, e aal de purgantes por libra:
na Prac,a do Commercio no Armazem
ar. as.
Na loje deerrage defronte da lgreja
da Madre de Dos N. 201 os livros se-
guintes
Cnrto de Mathematica para uzo dos Cor*
pos d' ArtiIberia com estampas finas por
Bezout 2 volumes.
Tratado de Artilharia eom estampas finas
por Muller, 2 voluntes.
Compendio Militar eacripto segundo a
Doutrina dos milhorea Autores para uzo
. de Artilheria com estampas finas por
< Azevedo, 1 volume.
Elementos de Trigonometra plana por
Bezout, 1 volume.
Curco de Mathematica para uzo doaguar-
doa Bandeiraa e guardas Marinbas com
estampas finas por Bezout.
Elementos da Analize por Bezout 2 volu-
mea.
Cartas de Luiza a Abailardjeacriptaa em
Francez e mais uniros por madico
preco.
JLeilao.
a Ve pertende fazer Joze Rodriguas
da Silva Barroca de fazendas de Al-
godao em maa estado por conta de quem
jpertencer no#dia Sexta fe ira 9 do corren te
pelas 9 horas da man ha na Caza |da sua
Tezideusia na ra do Queimado N. 66.
do defunto Luiz de Mello, que dando os
signaea certos, e pagando as dspezas lhe
sera'entregue* :
Escravos Fgidos.
THereza de Nacao Benguela bastan*
ladina the parece ser crila tem hurn
talho tundo na testa esta com a cabessa
raapada seta do Corpo levou hum vestido
de chita ja disbotado e Panno preto ja
uzadn: os prehendedores levem-a na Ra
do Caldereiro D. 25, %
Noticias Martimas.
Entradas.


D
.

Viaffens.

_ 'Ia 4 do corrente. Baltimore; 49
dias; B. E. Amer. General Pulaski, M.
Charles L. Foxeuell, equip. 6, carga fa*
rinha, e mais gneros do Paa, a Ferrei*
ra & Mansfield, ficou de Quarentena de
observacao de 3 dias, por ter morrido o
PiL.to na viagem.
Dia 5. Goianna ; 3 dias ; C. Con*
ceica do Pilar, M. Manoel FalcaS, e
quip. 7, carga caixas, e algodao, a Joze
Antonio Falcao, passageiros Antonio Jo-
ze de Mideiros, e Joze Antonio de Sa\ -
Serinhaesn ; f 4 horas ; S. Concei^ao, M.
Antonio Joze da Silva, tqnip. 8, carga
caixas, Antonio Ferreira da Silva, pas-
sageiro Antonio Ribeiro Palha.
Dia 6. Bahia ; 6 dias ; S. S. Jo-
ze Trinmphaute, M. Manoel de Bauza
Espindola, equip. 8, carga macaba, a-
zeite doce, e carne, a Manoel Joaquim
Ramos e Silva, pasaageiro Joaquim Pi-
li heiro.
Saludas.



PAra o Carac' pelo Ceara' atha o dia
24 do corrente segu viagem o Pata-
so Paquete Feliz de Pernambuco, quem
neiie quizer carregar derija-se a caza da
Joao Ferreira dos Santos no Forte do
Mato.
Escravos Apprehendidos.
FRancisco, crilo, aprehendido na
Vi lia de Macelo por Francisco Xavi-
er das Chagas Capitao do Campo ; seu
Snr. uirija-se a ra da Praia no sobrado
D
w 'Ia 3 do corrente. Liverpool ; B
Ing. Active, M. William Jollard, equip.
12, carga algodao.
Dia 5. Havre ; B. Franc. Sidonie,
M. Francisco Pedro Hily, equiu. 10, car-
ga algodao. Liverpool; Barca Ing,
Maecleafield, M. Thoms. Tucku, equip,
12, carga algodao.
Dia 6. Havre ; G. Franc. Ca-
moens, M. Joa Jaques Edou, equi p. 14,
carga algodao, e couroa.
Pernambuco na Typoffrqfia Uv Diario.


* V


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ESTN5BJCZ_R3EV1G INGEST_TIME 2013-03-25T13:20:13Z PACKAGE AA00011611_00775
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES