Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00756


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-.i-irnin
^
N seo.
Anno de 1830.
^
4
DIARIO DE PERNAMBUCO.
9ab8crei-M na Tipografa nesn Diaria na Direita N. 287 1. andar em saezes per 840 res baa folha
i|ue satura todos os dias atis.

Sexta Feira 16 de Abril 8. Engracia V. M.

Prtamar as 10 horas e 54 minutos da lardt.

RTICOS d' OFFICIO.
JLLlustrissimo e Excellenlissimo Sr.
S. M. o I. Foi nimiamente sensivel a
communicacao, que V. Ex. faz em seo
Oticio de 14 de Janeiro ultimo, das nao
equivocas pravas de amor, e adheso a S.
Augusta Pe*soa, que patenteara os Ha-
bitantes dessa Provincia, querido se pu-
blicou a noticia do desastre acontecido ao
Mesmo Senhor no dia 7 de Dezerabro do
anno passado, e conjunctamente a deja
Estar salvo de todo o perigo : E Certo nos
sentimentos de klelidade, que animaoes-
sa interesante parte da Na(,*ao Brazileira,
me Ordena, que assim o leve a o conheci-
ment de V. Ev.; bem como, que Lhe
fui igualmente agradavel a participado
descachar a Provincia no gozo da mais
pereita tranquilidade. Dos Guarde a
V. Ex. Palacio do Rio de Janeiro em 19
de Fevereiro de 18.30 -* Mrquez de Ca-
ravellas. i-t Sr Tliomaz Xavier Garca de
Almeida*- Cumpra-se, e Registe-se. Pa-
lacio do Governo de Pernambuco 14 de
Abril de 1830.^ Pinheiro.
ILlustrissimo e Excellenlissimo Sr. hh
S. Mi o I. Acolheu com a merecida
consideraba o as sinceras express5es de ju
bilo, e amor, que V. Ex,, por si, e como
interprete dos puros, eleaes sentimentos
dos Habitantes dessa Provincia, encarre-
gou aoTenente Coronel Francisco Joze
Mastins de fazer subir a Sua Augusta
Prezenca pilo fausto motivo do Seu Feliz
Consorcio. E me Ordena, agradeca a V.
Ex. estcpublico testemunho do quanto sa-
be apreciar todas as occasies, em que
posta mostrar ao Mesmo Senhor a i liba-
la ve 1 adhesao, que consagra a Sua Sa-
grada* Pessoa. nh Dos Guarde a V. Ex.
Palacio do Rio de Janeiro em 3 de Marco
de 1830, >-h Mrquez de Caravellas. m
Senhor Thomaz Xavier Garcia de Al*
meida.

Pedese-nos a insergao do seguinte
Avizo.
ftja M. o. Ha por bem que V. S. ,
interpondo o seo parecer, informe com
urgencia sobre o requerimento incluso e
documentos annexos de Antonio Joaquim
de Mello, prezo ha mais de hum anno na
Fortaleza do Brum, no qual qHeixaiidn-*e
da Sociedade -* Columna do Throno *-,
dos Dezembargadores e Escrivaes dessa
Rellano, pelas iniquidades e injustieas
porelles praticadas contra o Supplicaule,
pede providencias sobre a denejraeao da
revista que interpoz para o Supremo Tri-
bunal da Justina. Dos Guarde aV. S.
Palacio do Rio de Janeiro em 9 de Marco
do 1830. *-* Visconde d* Alcntara nn Sr.
Francisco Joze de Freitas.
Pede-se-nos a publicaqao da seguinte Fe*
hcitaqao dirigida a S. M. I. e C.
Enhor. m* O Conceibo Geral r*a Pro-
vincia de S. Paylo, orgao fiel de seus ha-
bitantes, tem a batir de vir significar a
V. M. I. o jubilo, que trasborda em se-
us cora^oes por ver salva a Nac.ao, ecom
ella o Throno de V. Magestade do abis-
mo, que lhesoavava a miseravel, mas
sempre activa facao dos Absolutista. Nao
* que os Paulistas temessem recher ferros
da mao de um punhado de imbees, mi
perversos : el le descendem de antipas-
sados, para quem a liberdade, a innepen-
dencia, e o seu Monarcha eraG os obje-
tos snelos, em que el les nao deixa v<5 to-
car em quanto vivos: mais i Ilustrados, po-
na5 menos bravos, que seus maiores, os
Paulistas de boje na es pe rana em seu

c

**r
.'.. '


W0^
\\\\\
un nU
**
(1448)
slo a rebeldes, antes no momento, em do Legitimo D. Miguel. Em um dos
que Ihes constasse, que as avenidas do nmeros do sen Peridico tonta galantes
Throno se achavao por elles tomadas, a coisas a' crea da sua defuncta ****
Provincia se transportara em massa para do Brasil; mas nos estamosjonge de Ine
desempeclas, e para arrancar a Sagrada dar crdito, pois crdito nao merece um
Pessoa de V. M. I. a qualqner coacto homem tao desprezivel e tao vil. JMie
que traidores Ihe quizessem i ni por: chefes traz urna longa listados seus colla Dora*
lhes nao seriao precisos, porque ao grito : dores; declara seus nomes, e o numero
i-. Paulistas, querenifazer-vos escravos hh de artigos que escreverao; outra dos que
concorrerao com cinco mil e tantos pezos
para a redaccao da inmunda Gazeta :
entre as sommas dadas notao-se duas,
urna de 200 pezos, tirada dos cofres da
Polica pelo Snr. Araga5, ouIra de 1500
dictos pelo Snr: Clemente Pereira, tirada
vao que a Provincia de S. Paulo applauda dos meamos cofres. Diz que a Portara
os meios tao simples, quanto efficazes, para se Ihe entregarem dois pelos, e ty-
com que V. Magestade dezez o trama H- pos da Typographia^Nacional fira 961-
berticida, antes que urna pinga de sangue gnada pelo Snr. Jcfto Sevenano Maciel
dos malvados possuisse o terreno da liber- da Costa, v%d, Mrquez de (ueluz.
Jade; elles nao privao de que os Paulis- Affirirta que entrara n'aquella empreza
tasbem.dfgao a V. M. I. por ter arre, mhito deboafe\ e que a Gazeta sedes,
dado de si a homens, que por sua conduc- tinava toda a enchovalhar os Represen-
ta equivoca, c suspeita de connivencia,, tanteada Nacao, e todos os libera es, com
com os monstros, tinhao incorrido na o fim de derribar o Systenia Monarchico
execracao pblica, e s com lito conju- Representativo, e que com grande sur*
o correr as armas seria um movimento u
nanime.
Mas estes sentmentos tao concordes
com o Brazileiro, e Constitucional Cor-
ceo de V. M. I. ejporvezes suscita-
dos, mesmo por V. Magestade, nao pri*
rasse a tempestade : a nao ser assiin, tal
vez com o pangue impuro dos malvados
se misturarse o sangue dos bons Brazilei-
ros, e entao a liberdade teria custado rea-
is caro
preza se viu que nao produzia esse effei-
to, antes o contrario &c. Mas nos nada
d'islo accredilamos, ou quasi nada ere-
mos, porque edicto por Joao Maria da
Costa, que sobre todos os seus antigos,
Dign-se pois .V. M. I. de acceitar os e muilo conhecidos merecimentos, e bo
parabens, as heneaos, e os sinceros agr- as qualidades, ajuncta este nao pequeo
decimentos dos habitantes da Provincia de de por ao Sol tudo quanto entre elle, e
S. Paulo, qneoConeelho Geral depois os seus dignos associados se passra.
de cabalmente inteirado deque saoesses Sempre tem este fim, este resultado a
os seus sentimentos ; e nao outros, tem a sociedades dos perversos. Mirem-se rV
honra de levar ante oThrono de V. M. este espelho os devotos da Gazeta do Bra-
I. ; etenha V. Magestade a certeza de zil; e vejarse quanta razao teve Farol
que a Monarchia-RepresentativaConstitu* Paulistano, o primeiro e mais forte con-
dona! hade medrar entre nos a despeito de tendor d'aquella immunda follia, para a
tudo, e que a escravidao pao hade levan- combater tao lijamente como fez. Ve-
tar seu throno, se nao sobre as ossadas do jao os nossos Loi lores de que tempera e-
derradeiro Paulista. ra o Ministerio de entao, e notem quan-
A' Sagrada Pessoa de V. M. I. Guar- ta raza assistia a* opposicao, que o fez
de Dos muitos annos.
, Paco do Contelho Geral 27 de Ja-
neiro de 1830.
m Machado.
i

cair. Esperamos, que tanto accontece-
ra' a'sucia do Analysta : demos lempo'
ao lempo.
Ate' aqui o Farol Paulistano. Nos
temos visto o artigo do Cidadao do Mun-
do, a que se refere o Farol, no qual diz
o referido Costa, que todos os papis
r Oao Mara da Costa, que foi muito pertencentes asna Gazeta forao trans-
honrado Redactor da Gazeta do Brazil, mittidos ao Snr. Manoel Caetano Soares,
esta' nos Estados Unidos escrevendo urna agente principal ( como *e diz ) das
folha intitulada o Cidadao do Mun* doutrinas, e escripuw do Cruzeiro. Nos
do, em linguagerji Hespanbela, a favor damos a Joao Mara da Costa aqueile ere-
j
#Artigo do Farol Paulistano.
r.
r*
"
TT
M


-~~-
I
fl449)
- *
dito, que merecem os que como elle, se
vendem a hum. partido infame; mas o
facto do Snr. Manoel Caetano receber
no Ri de Janeiro os Artigos e onginae
da Gazeta-costa nos faz crer era paite o
que avanea Joa5 Mara, quando suppo-
mos aquelle incumbido da Gazeta Portu-
gueza em Pernambuco. Quando o Snr.
Manoel Caetano receber o premio, que
he devido aos trahidores, hira' taobem
escrever hum Cidadao de Mundot e en*
tao saberemos quem agora lhe paga &c,
&c. O certo he, que o dinheiro dos Bra-
zileiros tem dado para tudo. quanto he
para seu descrdito, para seu prejuizo.
Os Ministerios transactos, dispondo a seu
arbitrio dos rendimontos da Nacao, a
tem sacrificado a sua propria custa.
&
COIUtESPONDENCIAS.
Nr* Edictor. A Exeellentissima
Junta di Fazenda no tempoda Presiden
ca do Sur. Tilomas Xavier, nomeou Ad-
ministrador do Contrato do tabaco, a Lu-
iz Francisco Ccrreia de Brito : este Snr.,
que tem tanto de bens da fortuna quanto
S. Sebastiao tem de camisas, foi si vera
est fama, investido na posse da adminis-
tracao sera ter prestado banca idoqea na
forma da Ley ; e sendo passado mais de
hum anuo de sua administrado anda nao
recolheo ao Thezouro hum real de ren-
dimento do dito contrato; tendo tirado do
Thezouro nao pequea soma para o fabri-
co do tabaco : pode ser que tudo isto as-
sim nao seja, porem as ms lingoas, Snr.
Edictor, dizem.... em fin ramos adan-
te.
Nada deve ser mais bem administra*
do em qualquer Nacao ou Estado do que
a Justica, e a Fazenda Publica: estas
cittas repartieres, que cono rasao sao cha
madas por alguns Polticos a alma do Cor-
po social, estao tao mal administradas em
Pernambuco, qu* a da Justica nao pode
ser peor ; e a da Fazenda e o Excellen-
tissimo Snr. Pinheiro nao tiver todo o
cuidado em breve tempo icara' no mesmo
estado.
Sur. Edictor, publique quanto antes
esta cartinha no seu Constitucional Dia
ro, a fim d que o Excellentissirao Snr.
Prezidente mande em Junta vir a sua
prezenca assim a livro em que se tomao
as fianzas dos Thezeu reros, Arrecadado-
res, e Administradores dos contratos, e
outras rendas publicas, como os das en
tradas, e sabidas dos dinheiros, para ver
quartlo o referido Correia de Britto, ha/
tirado, e recolhido ao Thezouro de rendi-
miento do dito contrato, e examinar se
prestou flanea, e se he idnea, sem a qual
elle na6 pode ser Administrador do Con-
trato, e a Excellentissima Junta he res
poasavel.
Hum Farroupilha.
Pede-se ao Snr. Edictor do Diario de
Pernambuco a insercao da segu nte
Proposta feila pelo Vereador ( entao
Presidente ) da Cmara Municipal da
Villa de S. Antao Tiburtino Pinto de
Almeida, Professor de Gramtica La-
tina, em Sesea* Ordinaria do dia 7 de
Abril do correte anno.
1.a
^g|Us tendo a experiencia mostrado,
que o numero dos mao* augmenta se,
mor mente por duas causas ; a falta de e
ducac,ao, e instruyo publica, que pare-
ca do dever da Cmara representar a As*
sembla Legislativa, que a falta de mes-
tres, habis para instruir a meeidade pro-
vinha dos pequeos ordenados, arbitrad
para estes empregados ; pois que erad
lastimar nao haver hum so mestre publico
no termo desta Villa as grandes Povoa
cSes, Bizerros, Carur, Bonito, e mesmo
na pequea do Gravata, que desse a be-
ber a tenra mocidade os primeiros ele-
mentos, prestando-lhe nao vulgar educa-
c,ao ; por isto que aqueles ordenados nao
convidavao.
2.*
Que se pedisse a Augusta Assemblea
huma Escola pelo sistema Lencastriano
pan* est a Vira, por ser huma das grandes
da Provincia : visto que o Conselho Ge-
ral, a quem se tinha dirigido esta suppli*
ca, nada deliberou a este respeito.
3.
Que, como esta va persuadido, que
os Membros da Cmara erao amantes da
Coustitui'ca, edeS. M. I?, Queaju-
rou, e mandou jurar, se obtivesse da Au-
gusta Assemblea a graca de permttir a es-
ta Cmara, o uso do Escudo das Armas
do Imperio com a legenda Constituj
cao, e Imperador.
Sendo esta proposta unnimemente
apoiada pelos Vereadores entao exitter
*
*
"I U '-------:-------r
Trr


Il'l JM li

m

\
(1450)
&
tes, os Snrs. Monteiro, Silva, Barros,
Pinto, deliberou-se, que se escrevesse a
Representaos para ser asignada ein
Sessa, deliberada para o da 14 do enr-
ente mez.
Hnm A asignante.
*
Correio,
PEla Administracmo do Correio Ge
ral dt:sta Cidade, se faz Publico que
parte deste deste Porto para o de Lisboa
no dia 24 do corrente o Brigue Dido, de
que he Mestre Balthazar Joze Reis ; as
Cartas sera o lansadas na Caixa Gera! ate*
a& 9 horas da imite do dia antecedente.
Atzos Particulares.
O Sargento Erculano, vindo a poueos
das da Corte no Correio Beaurepare
queira ter a bondade hir a ra do Rangel
casa N. 25, entregar o que lhe pedio
paradffzembarcar Jomo Chrizostomo Fer-
leira Santos, do mesmo Correio, ou quei-
ra ter a bondade de declarar sua morada ;
por cuja raza 5 se faz o seguinte anun-
cio.
Francisco Joze da Rocha, faz scien-
te ao Publico que tendo dado hum jura-
lento em huns Autos pertencentrs a.fu-
lano de tal Barrozo em huma cauza con
tra Domingos dos Passos cuja ignora, e
como fosse por pedido de Joze Zacaras
juramento, pois o seu ti orne apareceo em
taes auctos foi por huma entrega, e para
salvar a sua conciencia faz Publico para
que chegue a noticia de todos que foi co-
acto.
Joaquim Eufrazio da Cruz Prsbite*
ro Secular, aviza ao Snr. Domingos Ro-
drigues dos Passos, que a caza na ra de
S. Francisco em Oiinda NS 3, heo seo
patrimonio, e por isao nao tem direito al-
gum o Snr. Passos na referida caza, e
para que conste faz o prezente avizo.
A caza de Pasto, que foi do falescido
Ricardo, na ra da Cruz N. 66, eon
tinua a fazer comer, e dar Hospedagem,
tudo por presos cmodos ; as pessoas que
quizerem ser servido do presumo da mes*
ma, n ella achara o com quem tratar.
Antonio Joze da Silva Magalhaes,
faz sciente ao respeitavel publico que nao
heais Caixeiro da Senhor ranoisca
Felizarda Leal de Barros.
Vende-se.
HUm sitio com bea caza de pedra e
ca chaos proprios, varias arvores de
fructo excellente agoa que ate serve para
beber, com alguns chaos na frente do
mesmo sitio ptimos para se edificar pro
priedades, no lugar da ra dos Pires ;
^uem pertender falle com o Deatribuidor-
deste Diario do Bairro de S. Antonio.
Meios bilheres da primeira Lotera
do Rio de Janeiro concedida a beneficio
dos Emigrados Portuguezes a S$000 reis,
na ra do Colegio loja de iouca e vidros,
ra do Crespo na loja de fazendas da qui-
na ao virar para a ra do Queimado, e no
Recife no botequim de Joze Caetano.
Huma negra, idade 30 annos, eozi-
nha, engoma, e lava ; na ra de Hortas,
D. 37.
Perdeu-se.

NA noite do dia Quinta feira Santa,
ou foi furtada huma medalha de A-
viz ornada de pedras crisoltas com sen
respectivo lacj, faltando o va rao que
prende a fita : se alguem a houver adia-
do, ou fbr offerecida venda, participan-
do ao Major Joze Gomes Ferreira, na i-
liarga doLivramento N. 19, sera're-
compensado.
Furtou-se.
'Uma canoa pequea, com corrente,
.pintada por dentro de verde, e esta*
va amarrada por detraz do aterro da Boa
Vista, e foi furtada no primeiro deste mez,
quem a achar queira participar a Lowe
Richardson & Companhia, no Foi te do
Matto, que sera' recompensado.

Escravos Fgidos.
JOao, nacao Angolla, moco, bem pre
Lo, seco do corpo, pernas finas, com
marcas de be x i gas, carniza tinta, culete
de riscado ja uzado, cal^a de brim tran^
V*ado taobein uzada, chapeo de palha ve~
Iho, e baeta encarnada ; os apprehende-
dores levem a ra das Trincheiras em ca
za de Manoel Martins de Freitas, que se-
rao bem recompensados,
^
l
r I
JPernambuco na Typografia do Diario.
^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3X3028CL_O06PIT INGEST_TIME 2013-03-25T12:24:31Z PACKAGE AA00011611_00756
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES