<%BANNER%>
Diario de Pernambuco
ALL ISSUES CITATION
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/00724
 Material Information
Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Monday, February 01, 1830
 Subjects
Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
 Notes
Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:00724

Full Text
.

f


N. 304.


.ttttO ffe 1&S0,

DIARIO DE PERNAMBUCG.

Subscreve-se na Tipografa do miimo Diario roa Direita N. 267 I. andar era mezes por 040 res huma foiha
que sahir todos os das nteis.

Segunda Fbira 1. de Fevereiro. S. Ignacio B. M.


trtamar as 10 horas < 54 miniaos da manhaa.
1


4*
CORRESPONDENCIA.


&
Nh. Edictor, Continuando a rea-
Lembre-se o Snr. Cordeiro perante
quem dice que tnha baila para o Juiz,
que tirasse a Devassa das mentes que fez
Cardeal a Atoniu Rodrigues, e seu car-
pondera carta do Snr. Palhaco Cordeiro gueiro em Jatoba', e peia para as teste
obre os indicios, proba bilidade, e certe
za que de mi ni exige, a respeito da arg*
cao, que Ihe fiz do meu assassinato, faz
seme precizo primeiro que tildo advertir*
lhe que nao de ve uzar tanto de bebidas
espirituosas, para nao perder a reminis-
cencia, e por-me na forcoza necessidade
de lhe lembrar o que devera desejar que
ningutem soubesse. Assim obrao as pes-
toas de bom senso, que toma o por modelo
de suas accoes a exemplar conducta dos
honiens de bem, cujo virtuozo siso, e cir*
cunspeccao na5 perdem de vista para se
dirigirem tanto no publico, como no par-
ticular ; mas desgraciadamente os Palha-
cos seguem outra rotina. Estes so* tem a
mira nos ademaos dos Arlequinf paraos
arremedar, servindo de bobos, em quan-
to os homens de bem, e circunspectos, a
maneira dos habis pilotos regendo-se p-
la bssola, nao se affastao da carreira da
honra para imitarem os homens virtvozos,
que sao os veidadeiros paradigmas, em
quem fitao os olhos. Longe de miin o
querer moralizar, ou ensillar o Snr. Cor-
deiro a viver; porem vendo a sua misera
vel brutalidade, em querer ser bobo, ser-
munhas ^ue nella jurassem , lembre-se
mais quando dice ( depois da priza, e
Devassa, que tirei sobre os ditos crimes
do Cardeal ) pie ha va dar urna dentada
segura, e que quando a dsse havia ser
em um bichao, fazendo alluzao a oiiui,
por entender que eu era esse ; leiubre-se
finalmente.... mas para que tanta !em-
branea ? O Snr. Cordeiro bem sabe que,
a excepcao delle, e do Arlequim, de quem
he Palhaco, eu nao tenho um s inimigo
(l) de quem suppor aquella maldade ; e
se tenho faca favor indicallo, que me da-
rei por convencido de calumniador, e lhe
pedirei perdao publicamente. Mas entre-
tanto como nao lie capaz de me fazer cal-
lar com essa declaracao, tenha paciencia,
e va* euvindo, urna vez que me lirn a
terreiro com sua carta sem se lembrar to
que aconteceu ao seu Amo Xavier por se
metter taobem a taralhao com aquellas
cartas de vapor pregadas no Cruzeiro
contra meu Pae, a quem primara mente
excitou, cujo resultado foi ouvir, ouvir,
ouvir, e atina I metter a viola no sao, e
callar-se como enojado por ouvir o que
nao lhe fazia conta. He verdade que es-
vjndo de Palhaco do Capitao Mor Xavier ees Snrs. contao sempre sair victoriozos ;
por inutallo nos seus deboches, parece-me
que nao saio fora das regras da decencia,
em aconcelhallo por caridade, que deixe
essa vida : e sequer justiicar-se nao pre-
ciza trazer-me por diante ai virtudes do
seu simulacro ; porque o resultado dessa
bestial justincacao sera' o desprazer, e
("I) Nao cont nesse numero os Car-
deaes, os Barros, e toda a comitante ca-
terva de bebarroes, salteadores, ladroes,
faccinorozos, e assassinos aggregados ao
Snr. Caoitao Mor Xavier e seu Palhaco ;
porque lodos estes, a semelhanca de urna
magna de ver-se cahir por trra naoso corporacao, que vive em cummunidade,
idolatra, como o objecto do seu culto, fazem um so ente moral com o Quixote
Para que se desengae, ouca. Xavier, e Sancho Panca Cordeiro.
\j
~m*+mmv~~+
T
tttr
TT
T


**

mtf^mtm^agwerwm^'-



(1222)
-.
.
porque vendados
suadem-se nao so
aobem que os outros
mais estupidos que elles, pelo, que ja con* tro modo de segurar quesem por em risco
lo cm o triunfo infallivel ; e qundo se a sagrada pessoa do Capitao Mor Xavier,
veem rebalidos pela rasao, lembrao-se nem oppriinir o Povo de Cimbres concille
i|^hfflttffterteter^tff.cpeh^ o cmodo, &gnratrca de tartos?" Fi-
persuadidos de que como valentoes nao mil raen ter nao podera' oExcellentissimo
4>odero ficar mal. M rzera veis con veta- Sur. Prezdente obstaras violencias dfc-
cao se que a sUa crassa iguoraneia esti- quellesSnrs. para que os chefes de fami-
mulada pela ambicao de quererem fiafe* lias descancem no regaco da past, e nao
se vejao na dura precizao, ou de se mu-
rar, sacrificando os seus patricios h
causa do transtorno actual no Termo e dareii, ou dse perderem ? Porem que
Cimbres, atsim como o tem sido em qual digo eu basta de digressao ; tornemos a
quer parte do Mundo', onde s bdas lis carta do SnY. Cordeiro.
anda nao tem corregido os mos costp Diz este Palhaco, que elle, e seu A-
mes. Mas na# he asim que o Arl*quim mo nao sabiao da minha viagem : isto he
e seu Palhaco discorVem alli; ells ate ja que heihnoceftcia Se nao sabiao, para
se lemhrarao de fonnar tm corpo de ge- queme mandou o Capitao Mor Xavier
te armada com seuS ecravos, e pssoas officios em caminho, quando me diriga
forras, que pdesSem reunir, para mais para Crauna, por Francisco Leite Tor-
charem contra a casa de Pesqueira, e pd- res Gatndo, e voltando este, elle quefer*-
blicamente arrasalla, nao dejando em -do cer'tificar-Se se com effeito eu desoa,
p, segundo me mformrao, nem o so- ou nao, lhe pergunta, se sabia, ao que
brado. Que tal a resntucad O certo he respondendo que nao, elle lhe affirma que

que do dizer para o fazer vai muita cotisa,
e p6r isso nao nos amedrontou esta noli-
cia, apezar de que n5 ha mito que fiar
em bebarroes, mxime quando por des-
grana stao encarregdos do Govrro, e
da frca de um lugar. Com tudo em seus
nter val los lucidos ells na5 desconhecem,
qile os t rimes perpetrados a toda luz, e
-Sefli pretexto sao arriscados; e por ssa
rasao lembrao-se decalifiniar-nos de re-
publicanos, alcunhao-nosde farroupilhas,
e naocessao de dar partes aecusadoras da
nossa reputacao ao Governo, pedindo
tropa, e mais tropa para acuelle desgra-
sim ? Diz mais esje bobo que depois do
tiro, segirind eu para a Povotca8 do
-Brejo, alli fiz um grande espalhafacto
( mentira ), corp de delicto ( verdade^,
e para estrondar o caso reurti ( mentira )
naquella Povoacao mais de 20 homens ar-
mados, sem que fizesse diligencia para
descobrir a pessoa, que me havia atirado.
Bem as pessoas, que alli apparecerao
forao meus primos, cunhados, e amigos,
que apenas souberao do caso eorrrao ar-
mados com seus pagens, e fmulos em
meu socoorro ; mas quid inde? Esta gen-
te chegOu 24 horas depois do caso aconte*
9ado lugar, nd nao existe pertubador ido ; e como poderla ainda no imita dia
algum do socego publico, se nao o mesmo descobrir cousa alguma ? Que conse-
(2) que reqnesita essas tropas. $ sera* gueria eu em mandar rastejar no 2. , ou
(2) Ja ftta subentendido, que so con*
to um, qjue he o Capitao Mor Xavier ,*
porque elle he so capataz, que retine
em torno de s os OordeirOs, os Cardeaes*
os Barros, e quantos facinorosos hoje lhe
appareicao para fazer partido, visto que
a gente boa do Termo fogedelle cama o
diabodacruz. He sobre isto que o Gok insuflaria ajmitndo esaarneo a' offensa,
verno devera olhar para dar outras pro- em dizer queeu como aspo fui quem feri
videncias, e nao mandar lhe mais forca; o asno1, em que hia montado, ao que
pois do contrario veremos o Brejo da igualmente respondo, que elle, e so elle
Madre de Dos feito urna Prca de Ar- como malvado, e grosseiro quadrupede
mas, em quanto o Xavier for Capitao .--------------------------- -
Mor de Cimbres, onde a desconfianca em vez de desvancer-se augmentara'.
3. dia o lugar, em que levei o tiro ?
Nada ; logo, segundo a Lgica dos Pa-
chacos, nao ha indicios, nem probabi-
dade ; porque nao vi, nem coftheci o as-
sassin. Nao ha desatoro igual Se o
Sur. Cordeiro tivesse vergonha, e um bo-
endinho de juizo, nao escreveria seme-
1 liante caita, e quando escrevesse nao me
L
*^pi





(1223)

evajsfif*.
Continua o Snr. Ccfvdere. dizendo;
que nao admira que en caUsmnieafrCa>
piteo: Moj, ja, que est Snr. por seus
garandes peccados ( isto he mesmo frase
de Fallalo > se fcewi distinguido constan
temeute com relevantes servcos envttili*
lade a' S. M. I., a' Nacaoy e ao Povo
de Cimbres, Ac. Que estpidos l Que
insulta de Palhaco ao Imperador, a' Na-
joao, e ao Povo de Cimbre-! Como- se
manda imprimir tantas asneiras mistura-
das cun desaforos! Apfe So se o Palha
90 enfeude que S". M. T., a Naca, e o
Pouo de Cimbres fazem bypostaticamen-
te um so individuo na pessoa do Xavier,
cuja vida pubhca nao deve mais ignorar
o Respeitavel Publico para enhecer, de
.urna vez, o carcter desse Quixote, tao
gabado pelo seu Sancho Panca Cotdeiro.
Eila aqui principiada de 181T ate o pre
zente.
Em 1817 aquelle CavaHeiro da triste
figura ( o Xavier ) berrava publicamente
que tinha urna espada ferrugenta para es
cavacar a cabera do Snr. D. Joao 6. ,
ajuntandb aquelles improperios, com que
naquelle tempo os patriotas muleques in-
gnltavao a mesmo Snr.; mas lo o que
a revolncao foi abaixo, feichou o bico de
tal manelra, e de tas ardiz usou, por via
do sed natural protheismo poltico, que
te ve a flcidade* de escapar nao so da for-
ca, Cono do purgatorio da Baha, onde
outros mais innocentes jazerao S para 4
anuos.
Em 1818, 19, e20, nao faltemos, que
fot para andar assombrado pelo que fez.
Em tll cobro alma nova com a Re-
voiNjao de Gianna contra Luiz do Re-
g : nessa epocha principou elle a intri-
gar o Povo de Cimbres contra meu Pae,
a quem apelidava de corcunda por nao
consentir que elle, e outros espancassem
os Europeos. como entao meu Pae era
Sargento Mor das Ordenanzas com exer-
ckio de 'Capitao Mor Interino pela vaga,
que (leste posto havia, o Xavier tanto il-
ludi a Cmara de Cimbres naquelle tem-
po, que conseguio ser proposto em pri*
nieiro lugar, so pela seu patriotismo de-
maggico. .
Km I682meteuse no Batalhao ligei-
ro, nao poupando insultos aos que era o
desaprovadores das suas patifarias: bap*
tizou marinheirosb e. arremedando sacri-
legamente nestes insultos as cecemoniaa
religiosas, bem como a dos Santos leos,
que- era. reprezentada por mio de oruzes
iraoadas pela sua benta mao em cujos
dedos, continhauma baila degranadeira,
que representava o oleo sagrado, coma
qual faaia crzes, naa testas, peitos, e eos-
tas dos recera-baptizados, como: symbolo
da regeUer.ac.ao, qwe elles devino esperar
de semeUiante demagogo, e amoleeado
anarchista, que sempre conejuiareste in-
solante ceremonial, passando um ccete
pela costas do^^iotentados Europeos
( em forma de plaina de carpinteiro ) pa*
ra os de-empenar, &c., &c.
Em 1*23 foi Baratista em Pemambu*
co at ser redusido por Manoel Clemente
no Rio de Janeiro* para vir coadjuvar a
prisao do infeliz Barata quando regressas-
se da Corte, ondeestava paraqueixar-se
de S, M. I. a Assemblea Constituinte pe-
la injhstica, que dizia fazer-lhe S. M.
por nao despaehallo Capitao Mor de Cim-
bres, avista da Proposta que a illudida C-
mara fizera, pondo-o em primeiro lugar.
Que orglho! O mesmo Manoel Ciernen
te foi quem o desvaneceu dessa atrevida
lembranca, e Ihe-arranjou os negocios de-
maneira que voltasse consolado com o ha-
bito de Christo, e despachado Capitao
Mor aggregado.
Em 1824 foi Carvalhista, e s mu-
dou de opiniao guando recebeu um car-
ta de certo prente, tendo marchado an*
tes disso a favor do Carvallo para Garua-
ra, donde desertou cobardemente, por
assim dizer: poisTtitroduziu alho no a-
nus para pe fingir doente de febre, e des-
darle poder voltar para casa sem se de-
clarara favor de um, ou de outro partido;
taobem proclamou contra S M. L; pois
a na5 ser assim nao teria mandado arran
car, e queimar suas eloquentes pecas, que
se aehavao affixadas, logo que soube do
desembarque do General Lima na Barra
Grande, pelo contrario as deixaria inc-
lumes para alegar servicos descascas d*
alhos, como costuma, k
De 1825 para 26, yendo tido de S. M. I. ja estafa segura, tornou*
se desapiedado carrasco : nesse desgracia
do tempo mandou elle dar urna novena de
bollos em urna mulher forra na Povoacao
do Brejo, de cuja sevicia resullou apo-
drecerem as mads da dita mulher, que
se nao foge, ou para melhor diser, se pes*
soas compassivas a nao ti rao escondida-
r~

-vw*-*


rntm

(1224)


-^p

botica de Joao Pria da Silveira na rua
do Rozado nesta Cidade; ou em Olinda
ao sobrado de dous andares defronte de
fk Sebastiao.
Huma venda em muito bom lugar,
e tira-se todos os gneros que nao fizerem
conta ao comprador ; na Camboa do Car-
mente do tronco morria victima da bar-
baridade desse monstro, que se recrea-
va em metter no quadrado soldados de or-
denanzas para os castigar com cipo, e
espalderadas, como se fossem de tropas
de primeira Liaba.
Dos fins de 1826, para 27 principiou
outra veza tornar-se liberal a vista dos moD. 3.
proguessos da guerra do sul, teniendo Hum cavallo russo muito bom gor-
que o Imperador fosse vencido, e que o do; na Typografiadeste Diario.
Carvalho tornasse ao Brazil por mar, en* Tres quartaos bons para carga,
trando Bulivar por trra, como disiao os por preco commodo ; na rua Direita ven-
tollos, e elle os acredita va. Forte mise- da IX 35.
na.
De 1827 para 28 confirmou-se libe-
ralao a ponto de applaudir, em dos dif-
ferentes juntares, perante mais de 40 pes*
soas, com vivas, e palmas, a un soneto
<"'
Leilao


Ue pertende fazer Nicolaus Otto
Bieber hoje I.5 do corrente, as 10
horas da manhaa, de 15 caixas de assu^
feto pelo Saldanha !a nos Estados Unidos car avariadas, par conta e risco de quem
contra S. M. I., pedindo a repiticao do pertencer, defronte doTrapixe d1 Alfana
mesmo com o maior enthusiasmo, eale* dega Velha.
ra possivel. Que descaramento! Isto
bi em Junlio de 1828, em Genipapo, e
Ipojuca.
Em 1829 de Fevereiro em diante to-
mou nova mascara e confirmou-se pela
segunda vez carrasco publico depois da
-'*
.
Noticias Maritiraas.
Entradas.
Romada para cuja extinccao nao c^perou M^^te^ FSfm*
como faS ver Lmtntm ***. <..- SKSFt ?' Conce^<> R*> M". M.
como farei ver na seguinte carta, queaa-
hmi' a manh, se Vm. Sur. Edictor,
continuar a obsequiar do mesmo modo ao
Sea Venerador, eassignante.
- Interno dos Santos de Sequeira Cava/cante'



.

Avizos Particulares.

Joze Rodrigues, equip. 12, carga caixas
a Antonio Rodrigues Lima. Alcoba*
ca; 14 dias, L. N. S. da Penha, M.
Nicolao Lopes Ferreira, equip. 6, car-
ga Jacaranda' e farinha, ao mestre.
Aicobaca; 14 dias, L. N. S. da Lapa,
M. Joze Lourenco da Costa, equip. 6,
carga Jacaranda*, ao mestre.
Dia 26. Nenbuma.
Dia 27. Uina ; 24 horas, S. De.
zengano Feliz, M. Felia da Costa, e
-
fl %EacizA-se fallar com o Sur. Joao Pe
JTreir de Carvalho, e como se ignora Tu F8 - *e'" ?* -VT' ?
asuamoradia, o dito Sor. queira deca- SmlhoKnto '"
rar por este Diario para ser procurado.
Venue-se. ^
JUm* preta ladina, idade 40 anuos /lA 25 dito. Cowes ; B. In-. Eun-
ipouco mais ou menos, milito sadia, na, M. GliverClapman, equip l car-
Sptnh"1 'g^3* habilidades; na na gaassucar. Porto; G. Vort. Caroli-
r.Sn n ?d ia qmna d bcco do ,,a' M- Joa5 Luiz <> <*> ^uip. ,
W. 7 Vi a -u ca-ga assucar. Filadealphia; B. E.
j" ca."""" de estribara, bornes- Amer. Mary, M. GorgeAobrian, equip.
tradeiro, ardigo, bonita figura, de cor 8, carga assuear. Q P
mellado agemado de dinas preta, e huma Dia 27. Filadelphia B Amer
junta de bois mansos ludo por preco Globe, M. James Devereaux enui 11
commodo ; os pertendentes dirija5.se a carga as sucia. P
.
------- | S0S-----------,------------._________
Pernambuco na Tipografa do Diario.
<-,


__
/