Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00698


This item is only available as the following downloads:


Full Text
N. SOL
Annode 183^,
.' i
V
DIARIO DE PERNAMBUCO.
Subscreve-s na Tipografa do mosmo Diario raa Direita N. 267 1. andar em mezes por 640 res huma folha
que sahir todos os das uteis.
Quinta Feira 28 de Janeiro. S. Cyrillo B.
\

1

>

Preamar as 7 horas e 42 minutos da manha.


'

-



CORRESPONDENCIAS.

Nr. Edictor. Nao em meu pen*
-
nos "finos em cujas circunstancias cU-
viao ser avallados a 2:400, e passou im
mediatamente a fazer aprehensao nos
sar, parte alguma do mundo, aondfe o mesmos, valendo-se do estupido, e mal
Commercio, essaclasse tao til e necessa- concebido artigo 45 do Foral d' Alfande*
ria ao Estado, sorra mais empecilhos, e ga, que alias, me parece, ja se^rcha al-
embaracos, como no nosso Brazii, e par- terado pela mtii recente Ley de 21 de Ou-
ticularmente nesta Provincia, aonde quo tubrp de 1828.
tidianamente estamos vendo alteraeoes, e O Despachante vendo desta forma
arbitrariedades praticadas pelos Empre- embaracar-se-lhea sahida de sua fazenda,
gados dos difieren tes ramos de administra? requereu ao actual Juiz interino Berna r-
cao publica, que nos fazem persuadir por dio Joze da Cuirha, para a conseguir,
jseu sistetia^de dependencia, que inui lia- visto estar o despacho legalmente feito D-
bilmente rnanohra, que o seu fito ani- lo respectivo Official da Meza da bettiH
quilar inleiramente o giro Coinrnercial,' ra, a quem compete.a classificacao das
que em todas as Nacoes civilisadas goza fazendas, e sobre quem deveria recahir a
das mais decididas vantagens, e proteo responsabilidade, se a houvesse, e nunca
c,ao : hh o facto, que passo a expor, e cu, sobre o Despachante, que de iieiihum mo-
ja veracidade incontestavel, por exist- do interveio na factura do despacho, como
rem os necessarios documentos, Ihe fara' a finaj julgou o Tribunal da Relacao por
melhr conhecer o, que vae por esses Tri- seu Accordao. Nao pensou, ou nao quiz
bunaes de arrecadacao, aonde su reina a pensar assim o Snr. Juiz interino, que em
irregularidade, desleixo e patronato, mas razao de certas divergencias e parda I ida
com especialidade na Alandega das Fa< des, julgou a aprehencao procedente, e
zondas, aonde tudo isto se acha no maior encaminhou todos os Documentos para o
grao de perfeicao, ( porque o mal vem da Juizo dosFeitos, fazendo porem ver ao
caheca ) e aonde teve lugar o seguinte caxeiro do Despachante o incommodo, e
accontecimento. empate, que hia experimentar com a de-
Havendo a caza Ingleza de Harris* mora inevitavel em semelhantes casos, e
sons Poole & Latham feito um despacho aconcelhando-o que te accotnmodasse com
de fazendas cfn Outubrode 1828, no qual o Conferente ( como depois aconleceu
foi incluido um fardo de pannos, ft/rao es- com a casa de Lasserre, a quem por um
tes classificados entrefinos pelo respectivo frivolo pretexto tabem embaracarao um
Feitor da Meza da Abertura, e conse- fardo de lencos, e depois do Conferente,
quentemenle avahados a 1:600 reis o co- por despacho do Juiz, haver dado urna
vado, que e' o valor marcado na Pauta da pessima, e injusta informacao contra a
mesma Alfandega : quando porem veio o parte, conheceu immediajamente a raz.o
fardo para se lhe dar a competente sahida, e justica, que esta tinha a' vista de 100$
foi embargado pelo enta conferente da reis, que recebeu para deixar sabir o
porta, Joze Joaquim de Figueiredo, cujo mesmo fardo, e evitar-se assim urna ques-
superior enteudimenlo classificou os pan-i tao judiciaj ) ao que elle nao assentiu

-T
~T
.
' i



w
i

(1210)


ah temos nos o negocio seguindo a via Louvado, que o Sr. Juiz interino se di-
do Direito gnou de dar por suspeito, hatia sido por
elle chamado logo nocomeco da questao,
Veja agora o juizo curioso,
Quaiito no rico, assi como no pobre,
Pode o vil interesse esede imiga ..
Do dinlieiro, que a' tudo nos obriga.
Can. C. 8. Est. 96.
Depote de urna delonga de 15 mezes foi
% finalmente por Accordao do Tribunal ua
Relaca julgada a aprehensa improce-
mas como a sua opmiao fora entao em fa-
vor da parte, claro fica o motivo da sus-
peieao.
Tendo pois o Despachante de nomc*
ar novo Louvado ( e poderia ter nomea-
do quinhentos, em quanto o Sr. Juiz
interino, e o Sr. Oliveira procuravao o
Accordao nos auto8 ") louvou-se no Sr.
lente que se entregassem os pannos ao Joze Mara Giraides, e o Sr. Oliveira de-
Despachante, e que pagasse o Embar-
gante as costas &c., nomeando-se pfem
dona Louvados para novamente se classi
ficarem os Pannos, que achando-se fui os
deveriao pagar o excesso dos Direitos.
Ora, no lempo, em que foi originada esta
questao, nao havia anda tomado posse o
actual Contracto, que consequentemente
nenhuma ingerencia deveria ter na sua
soluca, tratando-se meramente de elle-
ger, em concordancia com o Accordao,
a parte um Louvado, e a Fazenda outro:
O Jims poretn, para dar urna prova da
sua considera cao para com o Sur. Joze
Antonio ri" Oliveira, Cotitractador Fiscal
da Meza da Abertura, noineou-o Procu-
rador da Fazenda, sem embargo de duas
pois de muitas difficuldades, e recuzas
obteve o Sr. Antonio Domingues Ferrei-
ra, e ambos estes Srs. de commurn accor-
do decidir*}, que os Pannos erao entre-Ji-
nos, ist> que o despacho havia sido
feito coherente mente 9 sem dVo nem ma-
licia. Tal foi o rezultado da questao, na5
obstante a esperteza, com que o Sr. Juiz
interino a pertendeu torcer, querendo,
que os Louvados entendessem do valor
dos Pannos, e nao da qualidade.
Pergunto agora, Sr. Edictor, sobre
quem deven recahir os prejuizos occasio-
nados por semelhante litigio, como sejao
o deterioramente, que forcoaamente de-
vem ter soffrido os Pannos, a differenca
do valor do mercado, do cambio, e o ju
replicas, que fez a parte, mostrando-lhe, rodo empate?
que o Contracto nada tinha com a ques O que resta a notar, e que dealgu-
ta ; e concedeu-lhe authoridade, para ma man.eira compromettea dignidade do
por parte delta nomear Louvado d'aqui Sr. Oliveira, haver pertenecido insinuar
se dtixa ver, que o Sur. Juiz nao confian* ao sen Louvado, ( como este patenteou
do na sua ntelligeneia, e conhecimentos perante algUmas testemunhas, que e po-
financeiros, desconfiou taobem dos do sen dera apontar ) que os Pannos erao finos,
coljega, o Sur. Juiz interino, porque ao que elle nao assentiu, declarando sem-
sendo este, alera de sen immediato, Offi pre, que erao ntrennos ; mas semillan-
cial de Fazenda. parece, que e'a'quem te passo nao se deve tornar notavel em
competa ultimar a questao na auzencia hum negociante, que se tem conduzido
do Juiz, o qual taobem por este passo no sen assento de contractador Fiscal,
mostrou o apreco, que fazia da capacida- com huma henignidade, e condescender
de, e nteireza do Sur. Oliveira, noque qia, quelhe tem attrahido as heneaos dos
com tudo se enganou, pois competindo a' Commerciantes em geral, e que so* appro.
este Sin. ( ao menos assim parece) na veitou tao propicia occasiao para dar
desagrada va ser mero espectador, toman-
do a parte activa do negocio, deulogo
por suspeito o Louvado do Despachante,
com quem nada tinha, lancando assim ao
Sur. Oiiveira em urna per fe i ta nullidade,
J. L. P. O.

5>Nh. Edictor. Asna complacenciaeir
transcrever minhas mal tracadas, lindas
sem embargo dos poderes, de que elle se me tem animado de modo que, apezar da
achava munido.
minha ignorancia, estou firme em dumprir
&' porem de notar, que este mesmo o meu prornettirxenlo; o cazo: Aquk*


i

.
TW


mmmmmmm

(121I)

i
v\

le Germano Ferreira Pitta, bem conheci*
do do ex ti neto, Regiment de Artilharia,
de quem. ja Ihe fallei, e que foi apanhado
em hum ajuntamento de mais de 500 pes-
soas com huma boa faca de ponta, foi
posto no meio da ra, por nao ter crime,
C provavei ) e isto por sentenca, ou co-
mo quer que se chame, do Juiz Ordina-
rio desta Cidade. E sabe o motivo ? Eu
Ihe digo : foi porque nao se chama rao as
testemunhas nomeadas na parte do Of-
icial, que o prenden, pois forao julgadas
parte ,' (segundo o entender do dito juiz,
valha a verdade ) a pezar de alguns se-
ren os soldados, que acompanharao o
mesiuo Official na diligencia, e que virao
mu as elasas a tal bicuda ; o que comu-
nicando a hum meu amigo desse Recife,
disse-me, que quando a Pollicia prenda
qualquer, os mesruos soldados serviao de
testemunhas, o que acomoda-se com o
meu modo de pensar, por isso rogo-lhe
queira dizer-me alguma consa de Direito,
pois do/Torto muito sabe.
Sen velho assignante.
O Ignorante.
EDITA ES.
jffJL Junta da Fazenda Publico desta
Provincia, anuncia a todas as pessoas
tanto desta Praca, como fra della, que
tiverem auimaes muars, ou cavallos re-
forjados para venderem, e que sirva o pa-
ra oirabalho de puxar a Artilharia, di-
rijao-se a Casa da Fazenda da mesma
junta, por si, ouporseus Procuradores,
nos dias, e horas marcadas para o seu ex-
pediente, a fim de se proceder aos neces-
arios apistes Secretaria da Junta da
Fazenda Publica de Pernambuco, a os
26 de Janeiro de 1830.
Antonio Marianno oV Azevedo.
---------------*---------------

Endo ja' feito constar por meio de
Editaes, que a reepeitavel Junta da Fa-
zenda desta Provincia me ordenou em mil
oito centos e vinte tres, fizesse arrecadar
por esta Meza osdireitos do assuoar da
Provincia d' Alagoas, e que os Mestres
de quaes quer einbarcaees d' ali viudas
viessem apresentar na referida Meza as
competentes Guias, ou outro quaiquer
documento, por isso que nao convinha
a comodidadedas partes, boa fiscalizacao,
eseguranca dos dircitos desta Provincia,
T,
queiemelhante arrecadacao se fizesse em
outra parte; assim como, que os recebe-
dores das caixas, e mais volumesd' assu-
car comparecessem na mesma no acto do
dispacho para declararem ser daquella
Provincia, e em que embarcabas forao
conduzidos a fim de nao so* se conferirem
pela lista da carga, e se verificar nao se*
rem desta Provincia, como; para que
nao sofra aquella algum prejuizo nos seos
direitos, e poderem os recebedores exigir
os precizos, e indspensaveis documen*
tos, como he do seo dever, para deshone-
raras finuras al prestadas por seos cons*
tituintei, e fazer-se a escriturado, e ar-
recadacao separada como determina a
mesma respeitavel Junta, e nao tendo in-
felizmente a maior parte do mesmos pos-
to em pratioa o segundo quesito tao india*
pensavel para evitar o prejuizo, que posta
ter aquella Provincia, deshonerar as re-
feridas flaneas, e evitar o infalivel seques*
tro porque hao de passar, tudo em conse-
quencia da mais escandalosa ommissao d'
alguns dos mesmos -recebedores, aponto
de venderem as caixas a diversos, recebe-
rem o seo producto, e nao seren porta rem
com mais nada, nao vjudo a esta Meza
dispachallas para o fim de deca ra em se*
rem daquella Provincia, sabendo, que os
compradores s lhes intereea a abreviatu-
ra do embarque, e nem protestando com
responsabilidade dos mesmos para que lo-
go que pertenderem despachados sejao
convocados para assistirem a factura dos
dispachos declarando, e requizitando o
que tor a bem de seos constituintes, visto
a impossibllidade, de nao poder eu saber
entre a multiplicidade de volumes, que se
dispachao, quaes pertencem aquella Pro-
vincia, sem a indispensavel declara^ao
dos recebedores, e conferencias das Gui-
as, ou Listas eomo he pratica em todas as
casas de arrecada cao de Fazenda, a pezar
das providencias, que tenho dado aos Of-
ficiaes das bal la ocas dos trapixes* Para
que pois se evitte a continuacao de ta
escandaloso, e prejudicial abuzo, e cons-
te a todo o tempo, queja mais tenho dei-
xado de providenciar, reclamar, e fazer
ver aos mesmos recebedores por meio de
Editaes, e bocalmente o que Ibes cunipre
fazer a bem de seos constituintes, e da*
quella Provincia, salvando assim a minha
responsabilidade, cumpre me novamente
lembrar aos mesmos recebedores, o que
restritamente sao obrigados a fazer nao


^w.
C121S)
s pelo que fica expendido, como pelo in sim seja, quena os possuir ou comprar bena
teresse, que Ihes resulta da consignacao sabe as penas da Lei, por isso nao pode-
dos refferidos voluntes. E para constar, ra' ena tempo algum ser admettido descuU
mandei afixar o prezente por mina assig- pa seja qual for, pois na mao de quem a-
nado e sellado com o sello Imperial. Me- parecerem sera' tido e publicado como ra-
za do Dispacho do Assucar, e divercas toneiro, e acuzado pela Le, para o ^ue
rendas de Pernambuco vinte cinco de Ja- se faz publico por este Diario, e por ou-
tros avizos queja se tena mandado para
differentes partes da Provincia.
aaeiro de mil oito centos etrinta.
O Escrivao da Receita Geral.
Miguel Arcanjo Monteiro de Andrade.




.
, Vende-se.
'Um carrinho de duas rodas, novo, e
Jimiilo maneiro para hum cavallo; na
ra da Cruz armasem N. 08.
Noticias Martimas.
Entradas.
D.
Ia 23 do comente. Rio de JaneN
Hum ca vallo com todos os andares, ro, Baha," e Jaragua ; 35 das, trazen-
e bonita figura; na ra das Trinxeiras do do ultimo porto 3, Paq. N. I. Cons-
a casa aonde se aluf a cavallos. tanda, Com. o 1. Tenente Roberto
Alluga-SC Nicolao Murphy, passageiros do Rio de
Janeiro, o Major de Engenheiros Ricar-
^^ Sobrado N. c 11 de hum andar na do Joaqurm 'los Santos, o Tenente Pe-
Vs#rua da Sanzalla Velha, quem o per- dro Cronemberg-r do mesmo Corpo, o
tender dirija-se a loja do mesmo.
Huma preta captiva, sein vicios, e
que enlenda de cozinha, quem a tiver an*
nuncie por este Diario.
Hum prelo, que entenda do servico
de huma caza, e que seja capaz de cozi
Cabo de Ksquadra do 2. Corpo de Ar-
tilhara ele Pozicao Manoel Anselmo, e
segu para Plauhy, Antonio Joze dos
Santos esua mTher, ditos da Bahia, Ca-
etano Vicente de Almeida e 1 escravo,
Francisco Jorre Monteiroe 1 escravo, o
iihar o djano para huma pequerfa familia; soldado que foi do Batalhao 19 de primei-
ra linha, que vem com passagem para o
na ra da Cruz N. 7, 2. andar.
Arrenda-se.
A
Afilacao de pontes fora, a pessoa
que pertender dirjanse ao aterro da
5. corpo de Artilharia Montada, ditos
das Al; goas, Matheoe Cazado Armanda
e 1 escravo. Porto de Pedras ; 48 ho-
ras, E. Conceicao e Ponte, M. Igiacio
Roa \ista D. 4, lado direito, athe odia Marques, eqnip. 7, carga caixas, a Jo*
8 do mez de Fevereiro, para tratar do seo ze da Silv;; Un roca, passageiros Joze
ajuste. ^ Fernandos Frade, Joaquim Joze da La-
JBiSCraVOS Fgidos. pa, Antonio Buarque de Gusmao e 1 es-
. cravo, e Antonio Joze Pinto. Rio
I^JA noite do da 25 para 26 do cor. Grande do Sul ; 26das, B. E. Pampei-
JL^ rente auzentarao-se 2 escravos novos ro, M. Joze Francisco Dutra, equip. 10
de tanga, com a cabeca rapada, de Na* carga carne, ao mestre.
y\o Congo, sendo huma negra moca de
peitos em pe', refeitado corpo, bonita fi
gura, denles decima na frente abertos pa-
ra os lados, com gafurina ; e hum negro
alto, de meia idade, os dentes pouco a
beitos, e levou huma rede, ambos tem
a marca M no braco esquerdo; os appre
Saludas.
D.
Ia 23 dito. Londres ; B. Ing.
Elizabeth, M. John P Wells, equip.
10, oarga assucar. Londres; B. Ing.
Ebenezer, M. Henry Bartlett, equip. 9,
hendedores le vem na ruado Queimado carga assucar e algodao. Rio Formo,
loja de ferrage N. c 66; que serao recom zo; L. S. Joze Viajante, M.Antonio
pensados, ha desconfianza de que fossem Joze da Costa Fernandes, equip. 6, em
ieduzdos por algum rapiador, caso as lastro.
Pernambuco na Tipografa do Diario.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1UBN2NYY_4ENQMJ INGEST_TIME 2013-03-25T13:01:11Z PACKAGE AA00011611_00698
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES