Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00607


This item is only available as the following downloads:


Full Text

i
AUNO XXX. N. 177.

Por 3 mezes ataiitados 4,000.
Por 3 mezes visncidos 4,500.
QUINTA FEIRA 2 DE AGOSTO" DE 1855.
DIARIO DE
i
i'W tUlEGADOS DA SUItSCRlPt:.V >.
ireprieterio M. I", de Paria ; Bio de Ja-
neiro, or. Joao PereiraMarlins; Baha, n ir. D.
Onprad ; Maeci, o Sr. Joaquim Bernardo de Men-
donjn ; Parahiha, oSr. 6er*tioViclor da .Valivi-
dade ; Natal, o Sr.Jeaquim Ignacio Pereira Jiinior;
Arscaly, oSr. AajtideLemos Braga; Ceara, o Sr.
Joaquim Jos deflPttra ; Maranhao n Sr. Joa-
uim Itarqdes Rodrigues ; Pianhy.'c Sr. Domingos
lercolano Ackile Ptoa Ceareneo ; Pira, oSr. Jus-
tina S. Ramas ; Amazonas, o Sr. Jirn)mo da rosla.
Cambios.
Sobre Londres, a i7 1/4 a 27 j/8 d. por 1.
Pars, 355 rs. por 1 f.
Lisboa, 98 a 100 por 100.
Rio de Janeiro, -2 por 0/0 de rebata.
Acedes do banco 30 0/0 de premio.
da oiopanhia de Beberibe ao par.
da eompanhia de seguros ao par.
Diseonto de lettras de 8 a 9 por 0/0.
METAES.
Ouro.Onca hespanholas- 295000
Modas de 63400 velhas. 169000
. de6400 novas. 16000
de 49000. 9J000
Prata.PatacSeebraseiros.* jteO
Pesos columnarios, 1)940
mexicanos..... '.1JD860
------------- i --------------*_~
Seoaivel a tiiltafuietecinsotriiio r..ossos
assignante* da Pamliiba na irregularidude
da remeuade seus DIARIOS, sem cfue a
la desiernos ca^j,|i, temos procurado re-
media-la pagando um portador semanal
paraos conduzir, sempre que governo ot-nao poder levar.
Advertimos aos senhores que nao qui-
aerera continuar com. a assign.it m-n, que
devem mandar suas despedidas no dia em
nue termnW^^t fca^do eiiton-
dtdoqueo resiliente da fSs do 1 do
rnmediat importa a continuado.
PARTIDA DOS CORRE1S.
Olinda, lodosos dias
Caruar.it, Bonito e fiaranbate nos dias 1 e 15
Villa-Bella, Boa-Vista, ExeOiiricury, a 13 e 28
Goianna e Parahiba, seguidas e sextas-feiras
Victoria a Natal, as quiatas-feiras
PREAMAR l>E I KM E.
Primeira is 7 horas 42 minutos da tnanha
Segunda s 8 horas 6 minutos da tarde
t
^*
[
EXTERI0.

JA
COKBjCIPONDKNGIAS HO D i AHIO
BBPE&NAMBUCO.
HAMBURGO.
* de jnlho.
Faz justamente lioje um mez que leve lagar o en-
rraraanlo formal e definitivo das conferencias "de
Vieem
em qi
penoso e q
carencia di
la e ctar
ci em _
lado, coiao 1
ir-se urna pal
lodos- esses mi
urna das par<
obre *
i, qilquer que rosso a pesirl*
r.reasse, nada poda ser mais
" esa* longo negociar, cuja
ilavadeade o principio aber-
Des-ie que lanos saeri-
liavi feito do ambos os
Hltfo era maspossiiel concJu-
geeidia. Por oiilra parte,
^hham ainda nssegur.ido a
Mrales qualquer resultado de-
-ajaj i*l verdade que a* pitrp-
ivetneraa certa primaria sobre
a Hiisaw, eisa uao se chava verificada mos suc-
uerra, de mareen queso roanse a Rns*-
r-se i vontide da Franca e da Iogla-
erdade lie quea) Bussia ate jora enm todo
aaeiM estreos, nao IMhaaeado victoriosa, mas tam-
e achava vencida de qinlquer manrira
.Anula estara em p Si-bastopol ; anda nem orna
- linha c Uncido as fortaleza. rss* no
Iril. fa-.incla,ll llAl.l...-r.-. .:......L __ r.
i, Gronsladi,
[rastaiiains do
ibjm desde
ise esl
a* meaon da
E rwu
machn dos ,
de todas as pro
potencias occM
Coi laes
IjJKfors. Snoaborg.
a paz ""
io para uingueip era mu]
icias orcideolais jomo a
loegociac^js, roanos ( or
causa da Austria. A Prnn<
r*f?ae da coopera^
neutralidade ou;
lar lnTt(! "le MalAkoff e o Redan o sal daquella.
As tropas franeczas lindara ja entrado tiesta torre, e
P'Ttjn quar.lo de hora. vio-e tremolar sobro seus
muros a bamleira francefe. As dilTerentes columna
porom destinadas para o assallo nao poderam com-
binar as suas eyolues, e o resultado fui que o as-
sallo foi repellido enm immensas perdas para'os al-
udos. Como parece, foram os Inglezes que. pela
lentidao dos seils mnvimentus e pela falla de devidos
preparaUvos, liveram a culpa de que falhasse o as-
salto* lies deviam ter asfaltado o Redan ; mas
pozeram-se em niovimenlo larde de mais, e. quando
ebeaados eni frente do ponto principal do ataque,
faltararu-l!cs as fachinas necessarias-para atravesar
o rosso que obstara a passugem. Uesse moihj o Rp.
dan se acluiu em posicA.i de voltar o seu fogo contra
os Fraueezsjs que atultavam Malakoff, e. segando se
dizjlfoi ess* u principal motivo das pardas que abri-
garan) o general P.alissier a abandonar o assallo. F-
cilmente se c.ineeb*r o etTeito desanimador que em
Pars e Londrestasaram es pnroeiras noticias desse
muo socceaso. Receava-ie j que a consequencia se-
na a perla d<< posisScs tomadas em f dejuoho.
NSo foi porm assim ; e os Ros** rdo poderam ti-
rar mais vanlagem do mo eito do analto dos seus
adversarios. .
Desde cnta.i nao honve novo encontr (liante de'
Sebastopol ; provavelnitale, dentro de poucos dias
S" renovara o assallo de Malakoff., Entretanto, os
sitiantes lralam.de ebegar a omassdio regular por
trinclieirti em xigiaii, pera procurar-se as con-
dises de um reliz resultado.
Lord-Ragln, n general chefa da esercito ingle,
nito sobreviveu rrinito lempo ao infausto dia 18 de
junbo ;e s horas da manhiasjodia '2H tallecen
apos nma molestia de alguos das. O raarecbal Ra-
i desse mu lo seguio cm breve o seo primitivo
cotes o marecltal franco* Saint Arnaud. E a (tuan-
tosgeneraes e.toldados nao servir anda de sepul-
cro a Crimea !...
1 Nestea uhimos lempos tem harido nm pouco mais
de morimento oo Bltico. Ha verdade que j nao se
esperara grande cou>, jM esquadras alijadas alli
reunidas. Parece que oigorerno* me.mos tambera
nao acreditaram em qualqner resultado decisro,
porquanlo ate agora nao liaviam mandado tropa al-
guma de desembarque. A aclividade das squadcaa
allisdas consiste em bloquear a codas, inquietar n#r
varias demonstraron as tropas do inimigo all col-
locadas. irbc* algomas balas, esptomr navios,bom-
bardear um ou ootro lugar. N*o se pode negar qa*
um fado acontecido 5 de juoho con tribua per
Al OIENCIAS.
Tribunal do Commercio, segundase quintas-feiru
Relaro, tercas-feiras e sabbados
Fazenda, quartas c sabbados s 10 horas
Juiz do commercio, segundas as 10 'horas e as
quintas o meio-dia.
Juizo de orphos, segundas e quintas s 10 horas
1* varado civel, segundas e sextas ao meio dia
2* vara do civel, quartas e sabbados ao meio dia
EPIIE1IERIDES.
4 Quartominguanteas 7 horas 1 mi-
nuto a 42 segundos da tarde.
12 La nova as horas, 32 minutos e
44 segundos da tarde.
20 Quariocrescenteas5 horas. ."V mi-
nutos e 45 segundos da tarde.
27 La cheia a 1 hora, a 3 segun-
dos da tarde.
tpo a Russia tri-
Austria, a despeilo
-----tuellioisas que ha\ i.i feo as
tes, kMinprc lido a intenrlo
> tomar parte efleeriva a guerra. Essas pfn
l4oiiisj) acr semeale auna anseaca de guerra
l Reeaw, c nolria-ea aegperanr.i de que
l timples asneara seria bastante pra que ella ce-
m. Quando purera c3 moslrou que au era tao
tmo se esperas i mj Vtamia.lrtlmitlar Rus-
tll.mn amo influir para ;!ue as putencimtoecidentaes
cedtssem pela sua parte.
! htsuve mais mara.rjlhoso o que a hibilid.de
Vienoe/ise m procurar cada y* no-
'nlerprelacoV* par n fuairopnitot da paz ; de
meter! que. .i final*e toro.van ellas iUiasrios p*-.''
e Pans na*,-se ^yuMm em ,,reeila-las, em Vi- "
eoa lavaram se a|m|p.s aa sign.il (Je innocencia.le
declanm-se que unajMtfJfro-- Mpotencias oecideu-
laeenanliaviam eceeinde as proposta- da.Austria.
e||l (Ose achava ira pnii^jlo de pujar pela espada,
e prefers di-Kara lisa. ejrcitos la
ciar ao carcter da guerra um lado odioso. Neise
da. legumlo te allinna, o nsvjo inglez Cak man-
dou .i trra, perlo de Hngoe-Utd, um escaler cem
a b.mlcira parlaraeniaria, para alai desembarcar I-
guinmarinhoirns russos, presos ha algups das. Ape-
nas poi-ram peem trra, os ngleaes vram^e sis-
eados por soldados russos, que mataran) urna parle
delles, priioi.ande outra. Segundo todas a* appa-
rencias. os Inglezes nessa occasao nao deiiaram de
coramelter rreguiari l.ules, e fui por sua propri.
culpa qoe u< Russos nao os considerar.im como parla-
mentarios nem iraiaram como laes. Tambera se-af-
lirma geralinenle, e nao smente da parte dos Ros-
so, que os lnglc/.es ja po- diBereMcs vezes aliusa-
ram Ja handeira prlamenlara para faiee medicAt,
reconhecimentos. clc. ; e dessa maneira he l.am
prurivcl que os Mofas, suspeitando a mesma f osa
eir. Hango-l,id. proceilerim em ronformiade com
essaauspcila. Apelar de ludo islo, o acoMeciraenlo
causn grande irrilacjo na Inglaterra, ,e a primeira
conseqoencia f>'ajueoalmirarileniglri mandn de-
tru.r Hangoe-lild, e o lrlegrt all estahelectd...
fcwe iitWMrilejiairniaJo egui.lo pelo de Nvst.dl,
*"*' -
- ..-.stfTas. e diga-
mos agora .-ligninas palavras acerca dos negocios da
Alienta nba.
A r-.luce.i.i dq ejercito di Austria tai o sigiul
para que os estados medianos c pequeos da Alle-
inanha reduzi-sem igualmente os seus contingentes,
ojie se acharara em eatado prompln para a guerra
\Ttriaj% vnliar oilo das de,iois de serem chamados, o ctlado
prompln para a guerra nao tica infringido ; e os
lirenciamentos nao pouco agradareis aio para os co-
rres dos estados, os quaes desde 1848, quasi lodos,
__ leem trrais icou urna onlem do da imperial ao ei- Os alistaiueuto para a Ugio cttrangeira ingieza
,flini)MM,.. tem tino om andamento vagaroso por causa da vigi-
lancia dos, dilfereutes estados allemaes. e o aumero
dos alistados ate agora rolo oscedo a 700, collocados
no lugar de alilamento na ilha de Ilelgolaud ( en-
trada do rio-Elba.')
, Em gcral o mea dejunhn foi mulo pobre quanlo
poltica interior, c s o Hauovre allrahio algu-
Ba allenra- qnau lo se reunirn) as cmaras
onvocadns linalmenle pelo s-iveruo depois de militas
nlougasehcsilaeofs. () lUuovrche o nico lugar
onde o roinlilucionalsmo allemao lem sido al
a urna verdad* ; e as cmaras actualmente con-
vocedas esto batalhaudo a batalha exlrem cm fa-
vor ilclle.
declararan
Ifl, O im-
pelo ge-
im al-
ITepa* austracas
e em Ji de ju-
1
i e da Inglaterra,
oiseguida de un
m o lini de
colloeadas nasfcvn
io sg pnhlicou ui.....
i. ordenando o licenceamenlo das rservas, em
iro lugar dos ejrcitos ns. 3 1. Tmha-se em
vista maiof numero de licenceamenlos, e em geral
cslcnla-se que a reducj.lo leocionada do ejercito
austraco ira at 110 oo J00 mil homens.
1 Russia no esperou por i kerdasle que IHe coijcedeu o^rocedimento da Aus-
rto, deempregar no tlieitro da guerra Contra o> nir-
l*u, as su.is lropis esislenles na Polonia. I'ma
Irte (leste ejercito foi dirigido para a Crimea; una
outra para as'costssdo B.illico, para fazer frente a
esqo idras anglo-francezas que all cruzaran).
Apezar 4 todo sto a Austria (ratn tle evitar
qaatquer rompiraenlo solemne orne* potencias oc-
cidentae. Conliiiuou a declarar que qer, susten-
tar as exigencias dos quatro pontos, comj um ludo
mdirisivel cintra a Ituss a. o oo caso om que as po-
tenc)as eczarrecusasseaajajlis-los, ntioa Austria forcaria
a acceilaQilo delles com mJo armada. Ai memo
lempo 'Jmgmdo-se de novo Prassia ejigindo delta
qoedherisse lambem aos 4 pontos soh as mesmas
^^B Mas como se poda logo ler previtlp,
ssicebearse dall urna nova recosa, e ao mes no tem-
i urna ora derliraco dos ga-
esdeParise Undres, de que ees nao se
tara mais obH|adns aos quairo ponto-,' e qusj
ouentrario se re-erravam na occssiiln de una pa/.
isMipulacau ai lih tum, ascoudiroes que Mies
nem mais ventajosas e edequads aos asilos
srra. Osy-ua/rojM/HoiVde nf.idoiiha ine-
aei.'l- irle a (car asimilados ou quasr
potencias ocpidenUes ; anda que
sustenta-los, cites nao *r,1u
\' a allisnrja com a
HH^BS11 'illianca bavia
al isdas lolencias ecciden-
com a'lurquia, Por este
irigou-se o defen-
contra qoalquer in
annl
dado
, ts
der
V
MbiMto de V ,,,., ^7 ,erer
f.
S*| '!S. iara dl-ssa mai.Vira
*r, gabiiMjle de V.enna a um, ^j a J0
^^Bpedisse a.sua rec.luda em plena neutrali-
TtZ 1uel5er,ai,l,"l!, P^smajlliancacor'
r, 1-. ^-guerra, sohrelndo- a
Crimea,-ea.j.,m Mm^gm IlLguirara .cm rapi-
^C"SV"'*dc* no mar
(lpAz.ff.da loJ Ktache JnUale. Haven!
do-so forrado ddl llteeaioinho de Kerlsck, una
WWitsios eolrnii no inarde Amit
"i.- "W600 eJ''l"nale M pravas de Uuenili.
lan-k. Tagaorog e Ghai-k, queimando em
rteos immeosos depsitos do trigo e feno
desliwdos p,ra os .ejercitas russos na Crimea, e
indo todas as embarcaefles que eiiconlr.vmn,
2.1'nW1 qUe er* ur"Pr'eJade da cor ia ru-ss,
idos, armazins etc. 1). parlemos Russos orto
se tentou tosi^euca, e prapriemente elles nao ti-
* suni-.etUee par poderem esperar qual-
. '.I'grande, foram as perde. por
Aecanadas pelos alliados aos -eus a,l-
.jjue rrtletMi populado russa a ultimo
waimiatcernell, odioque diflieilmele
dimita de quaesqaer sacrilicios, pura vin-
s;ar-seooioimigo(levaslador.
') ^11 S?r!.di"."c,'leSeb8'nP0l. bsardentes com-
o fet* o alliados senhores das forlfieatOes ei-
tertores do lado occidenial da praCa. J). ambas a,
partes coneramlarrentes-de sanguc. O comb.te
foi mal* a bayoneta e coronhad'armas.qua a
lnftJ ff Francezes cinco vezei lomaram ai forti-
c*^! W*"my '*""" vee* f"fam repellidos pe:
combate nao lerminou na primeira
JMfcntc na MguH os Russos se viram
.... a ahipdonar s posic/jes que se liaviam
tors,ide ios ust matis.
S fiaeTde junbo repetio-se o con.hale de maio do
u"k ste de SebWnntol. Os si I i.mies linhnm de I ti -
;BHlnleele conlr., urna porc. de forliflcacOes
estriares,,qe*eabria. fortaleza. Estas forlil'ca-
rt*a sao asebamadas Bu ~o do Cabero-verde ; pelos
ussos A'umrc*l* latnsalio os neioes de Vdlhynien e Seleginski ).
ianlia< d-r) "sas rertiflcaeo^, e dMis de um combate re-
^sP.ambem mutV Briento.os Francezes al-
.g/nnim occups>-a,\Je'*D**no lempo o- Inglezes
^iWnararn a posietto russa Jtf sol di.Cabe;o-verde. Mas
e^Pcom tesMFestas Moras, taV langujnoleiitas e r'ieias
de sacrlei lis havTkTm cajjeguido quo po-
, der dar principio o (Milio- |r<)pqarnenle dito, is-
la he, da propria forlaleiia de SeWslopCl- Esta pos
J siliilade s>i eomerou a ejlstir nesse dia ;v|udo (que
alefntaosapHira nao lira mais do que (i .preludio
do drama, e osle bavia distado nove mezes.
rauja e a n:;la- broa apa, o imperador, posto que se chame
- lambem Napoltlo Bonaprle, tem o anlenle deseio
Att enK.ni> il'* .. aman ..nn.n .1. 1^-1 -II. -- *
V
s --. e ,nezes' ci pai gara ni .
A pnmeira tentatira para penetrar na fujaleza defenderem, no caso deque fosse novamenle alaca-
foi mal necedida. Em T8 de moli devia-se C'- da. As potencias occdenlaes nao julgaram esla pro-
I'ARlS.
2$ de. juoho.
A guerra he urna cjase lerrivel, e se aquella cm
que a fcurnpa ,e aelia empenhada, nio fosse ezigida
imperiosaraenti- jielo inleresse evidente' da crilisa-
rao, podcr-e-hia quasi maldije-la. Qqaulo saugue
derramado, q.iantos thesoiiros esperdii;ados, que no-
lires esfortos da aclividade humana gaslus'em pura
perda As familias em luto, os pavos empobreci-
dos, a marcha Jprogressive da humnnidade delda.
eis os resiniudos liquidis da guerra. Oh! os ela-
dislas seriara bem criminosos, se podendo poispar
aos poros este flagelln, livessempor pr.i'.er arremes-
s.doom. ido ncsieaTijsmo de calamidade e de
ruin.
Porm qaanln msis se eslu.la a guerra actual em
suas causa- e em sua marcha, mais se chaga a re-
conjiccer que a responsabilidado dalla nio pode ser
imputada aos governoe-d, Occidente; nem a Franca
orm n Inglaterra liiiham a utenor phantasia guer-
reira : a IiiElelerra, com seo" vasto commercio,"-que
se derrama sobre lodos os pontos do globo, (cm a
imperiosa necessidade de paz.e a respeiloda Franca,
embora seu espirito militar seja mais vivo, mais
pronunciado,embora o noroe de scu cliefe actual l#-
nha urna como irradiacSo das balalhas, pode Vmc.
ter certeza, que he contra sua vonlade que se aue-
messa sulliejenie, e se* propria Kussia fosse chama-
do pera pmpnciar-se, he certo que a livera ejeiln-
do, porque ssneerra o principio da limitaro, que
ella repelle peremptoriamcnle.
Seja como for, a Austria pensou que no estado
desea desinlelligeifcia, anda nao era chgada a hora
della tomar parle activa na guerra, embora conser-
ve as posic/ies militares, que loraou nos principados
danubianos e na Uallicia, eprevuida conlra qual-
quer ataque, continua do sen lado as negociares, e
procura minorar o onas nanceiro que pesa sobreel-
la, licenciando provisoriamenle orna parte de seus
soldados. Todo o Irabalho da guerra nesle momento
pesa sobre a Franja e sobre a Inglaterra, e he na
Crimea, que estas duas poteucias ateveiu preparar
com seus successos os elementos de urna aolocSo.
Por ventura o'.conseguirto ellas? Eu o espero e
creio que sim. As forjas que se *cham ncsle mo-
melo diante de Sebastopol, se elevara a perlo de 200
mil homens, os mais valenles soldarlos do mondo,
e aos quaes nada he impossivel, mes Sebastopol lie
um bocado bem diflicil de se lever, cneio como esla
de focles. de banhes e de bayonetas.
Os nssos Renconlrarainemires de seusofliciaes um
hornera, quo lem o genio das forlficacoes, o general
lolleban, que fez de sua cidade urna praja quasi in-
ejpugnavel, lautos sao os mcios de defeza, que elle
tem multiplica lo. lie necessario tomar-e urna apoz
outra, urna mullidao de obras forliflcadas, e o surecs-
jo do da faz mais lerrivel a lula do dia seguinle.
Entretanto as mais felixes noticias nos chegam : no
dia de 7 desle mez, posijoes imporlantissimas foram
lomadas ; eis-aqui o despacho telegraphico do gene-
ral l'elis-ier, que aununcia este Iriumphv : 7 de
juuho as 11 horas da noile.As seis horas e meia
nossos siguacs do ataque foram dados, o urna hora
depois nossas aguioa flucluavam na Colima Verde e
nos reductos daCarenage.
A arlilharia inlaig eahio em nosso poder, e OO
prisioneiros ; estamos de pofe das obras conquieta-
das. Nossos lliados,co*av.seresolocao habitual, lo-
maram da sua parle a obtl da Carreira e se estaliele-
ceram nella. Todas ai tropas mostraram-se admira-
reis era enOiitsiasino Hedicacao.
Oespiojini posteriores cunOrmaram estas noticias e
deram noro*pormenores: A cifra dos prisioneros
Russos dpva-se a 402 homens, enlrandn'nesle nume-
rosa!) oSeiaes. e loraaram-se 73 eatUics. A perda
do nosso lado foi lambem sensivet e conta-se entre
os mortos um aeoeral d maior esperanra; o joven
n ,|,var*0,,eo ''oes coronis AIrs. Braci'on c Ilardy
Os Kus-os n|o bo tem iiicnmmoiladu uina so vez em
nossas. nov posijues.
IndepenJnredeStta successos rio assedio, asesqua-
riras alindas acesjojai de fazer urna diversio minio
til e importante. Ja fallis lime. daejpedicSocontra
a cidade de Ker|ch: em consequencia da lomada des-
eid reSj as chalupas, e o' grandes botes das naos de li-
ni, a mar d'Azafl, onde eslss forciaj lomaram lo-
do o navio mercantes da Russi. Alemdiilo, todas
as cidades, onde o governo moscovita (iuha e-l.ibe-
lecimenlos, foram suceeasivamente visitadas pela flu-
lilha adiada, qne deslruio por toda aprteos ahale-
cimenloe do ejercito inimigo. As principses deslas
e'dadee,sV Msrieupo. (ieoitchi. Tagaurock ; ella
ullima-eomenle fez Iguma resistencia, sendo promp-
lamenl tomada. Os alliados conser\aram somenie
Pr nMiode urna gureselo de .QtJojjttnens, o for-
te de Jemkale que par sua poslH domina a
enlradadoedoasimirei. As perdw, que os Russos
wlh-aram com esli eiptUigao, eao incalculaveis.'
Como vi), estes cornejos do cummando do general
Pelissirr (ISoa. mels bellas esperancas ; mas a guer-
ra lora vicissiiudos diversas, a.deve-'-C eslar proinii-
lo para todas a. vq^rtuatteiil.allllMal enoja- I
iraram ah o pavi-
Siimpho foi de rur-
hain atacado ao
poscSo' russa,
. peludos com gran-
> inimigo se vollavam
rao, que se quera tomar era'defendida por aOO ca-
nhes, e os Hussos deviam neessariamenle levar pa-
ra alu toda as seas tropas dHponiveis. Tres divi-
sOes liveram ordem de dar oissallo aMilakofTpor
Ir^s lados tullronle-. I ni fagnete devia serrir de
signal, para que o ataque livess lugar ao mesmo
lempo, infelizmeule o general Mairan, que com-
lUHiidava um deslas di visees, se euganou com o si-
gna! e lomou pelo fugela um bomba alirade con-
tra a cidade, parti um quarte leve de sustentar s o fogo fnorlireroifo inimigo.
Sua divi.-au sollreu perdis eBOrmes e o nobre gane-
ral foi morlalineiilo ferido. Pt^a cumulo de -des-
grana, o general llriinel, que cemmaiNlava urna i u-
tra di visita, foi merlo immednHauante no momento
era que travava o combate e sua niorle trmue algu- .
ma desordem entro seus soldado. Urna s des i res
divjsfle leve um morneuto da saccesso. Colloca t.i
dehaijo das ordens do genera U'Aulemarre, ella
conseguid o fin), arremessaiidefoiisselciras mimigas
um punhedo de bravos, que l
Iho da Franca ; mas ab esl
ta duracio ; os Inglezes, '|u
mesmo trm|io que nos. urna
O grande Rdenle, linli.un sid.
des perdas e lodos os esforcos d. ,,
conlra adivisao do general li'Autemarre. que eslava
horrivelmente decimada. O general 'Pelissier julgou
eniao que ludo eslava perdido e deu a todas as tro-
pas o sigual da retirada. Os Rossos nao nusaram
persegui-las ; eslavam milito rntenles e admirados
de lerem podido resistir-nos urna vez. ISao perdemos
terreno nesle combale cale algemas posicOes secun-
darias ficaram em nosso poder. Sem fallar no pres-
tigio de nossas armas, que solfee com efle mao suc-
cesso, livemos perdas, que o inimigo lem exagera-
do, sendo eoniludo enormes.
As parlicipncOes olliciaes dizere que livemos 15
soldados ou inferiores morios ou desapparecidos (is-
lo he, prisioneiros ) e Kili feridos. entrados as
ambiilaiicias. Cnntam-se 57 nffieiaes morios, 17 pri-
sioneiros ei>6 feridos. Nao lenhev a cifra esacla das
perdas soflridas pelos Inglezes, idas ella se elcvou a
pouco menos de 1.000 lunnens merlos e feridos.
O moral do ejercito all,i lo na parece ler solTri-
do com o mo resol lati de-de curaba le, e os ullimos
despachos do general Pelessier Janiinciam a firme
resoluto de tomar1 urna desforra notavel. M
quanlo sangue*dever anda correr antes que as le-
ranei forlificac/iee de Malakoff caiam em nossas
maos !
fio he smente o fono do
nosos generaf: o cholera, e
que apparece por toda a par
que se lem fartulo tanto em uoi
bem illuslres victimas. He do c
o anuo passado o glorioso marech_ t
ja iM-je lenho de noiiriar-lhe a marte *do vcnerave.
cliefe do ejercito inglez, o marecfcal fiord Ragln, o
qual succumbio por sna vez a um ataque da cholera
no dia 28 de junbo.
0-antigo enmpanheiro do djMBB de Wellinglon
n.lo liuha tal>ez a aclivitla ledVajpiriloe de carpo
necessana nesta guerra laboriosa, mas sua grande
nlelligeiieia, seu sangiia-frio iiuptr^urbarel, sua va-
leulia luda a piova sao liiulos Iroperireis ao re-
rouhcciioeiilo do sen pal os sentimenlos oos
DIAS DA SEMANA.
30 Segundt.. S. Donatilla ; S. Rufino ro.
3t Terca. S: Ignacio de Loyolla, fundador dosJ.
1 Quarta. As cadeios de S. Pedro apostlo. "
2. Quinta. N.S. dos Anjos; S: Eelevo.
3 Sexta. Imeneio da S. Cruz.
4 Sabbado. S.Domingos de Gusmo, fundador.
5 Domingc. 10. N.S. das Naves; S. Eu-
- triquio soldado m.
|mgo, que ceifa
, flagcllo lerrivel,
de ha Russos, e
ixercilo,faz lam-
er, qoe morreu
I Saiot-Arnaud,
el
S5E \ ltfif di? trjma- a ol,ra da P"- a e'- l forr.os, porque naquellas regioes a resistencia parece
pojicao universal de Pars. | dever ser lerrivel. Para dar-lhe urna idea a este
ul... i s uever ser lerrivel. l'ara dar-lhe urna idea a este
He sob os muros de Sebastopol que se concentra I respeilo, e sem entrar em urna numeracao de fnrla-
)te lodo o inleresse da questao do Orien- leas e baslies, citaremos apenas um faci : o \ler-
lo randes nrnreircies Si tt. ,- ,ia,.., /;, ,,,.a,. .. ,.-i... -_,*!_'.. .
tiilieanal,,.
misa ; por Isla os governos al iados eetiunain com
a mais louvarel persereranca. a enviar Crimea re-
irlos e provisoes de todo "o genero. A Inglaterra
re-ruta apretadamente a legiao estrangera, acaba
de enviar ao ente inuios de sens regiraentos da
milicia. A respeito da Franja, seus esforcos e sacri-
ficios nao se iiterrompem.
Nestes ltimos dias fiz urna viagem a Marselha, e
percorri (seja dilo de passagem) as -J15 leguas que
separan) esla cidade da capital em IS horas; Vine.
nao pode fazer u.na idea da actiridade, qoetfreiiis
nesle bello porto, cujas, reIars"iescom o de Bernam-
buco sio (ao mullplicadas. Vi la os mais bellos c
os maiorcs uavios do mundo, o Great fepub c e o
Quecn of Clippers, e muitos oulros anda dos quaes
atguns lem cinco mil leudadas, e que em poucos
das se carregaui de canhoes. de carretas, de balas,
de boinbas.de homens e de cavallos, para rebocados
por Mean grande navio a vapor, lomaren) n cami-
nho da Crimea. He incrirel o dioheiro que se deve
gastar com islo. mas a aclividade humana apparece
em toda a sua grandeza, c he este um bello espect-
culo. r
Emquanto a guerra absorve desle modo a tlten-
Cio Cm nossos porto de mar, Pars lem um ar de
resta por caus.i.deua exposi5o,qi.ajcoraei,M a al-
Iralnr os estrangeiros. O ro de Porragal como Ihe
disse, aqui chegou e depois de uro mez de dejmoi a
parlio psra a Sardenha. A municipalidadc Ihe deu
um baile magnifico, no qual osTentou toda a sua
pompa. O lord maire de Londres, com seus al-
dus ejrcitos ; por e-a-camura dos commnns, por
proposta u> lord Pamerston, deoMc presan cm tlar
a familia de defunlo aro m.geettcu leslemuuho de
gralido da Tngl.derra. Ella vol'ou por acclamacd
urna pensao de 1.000 libras esterlinas viura re
BMBaglan, e urna Deouo de 2,tt0 libras ao seu
filbo ro,n> velho.
exclusivamente todo o inleresse da questao
le, que loin 1,1o grandes propbr;es. Sao os canhes
anglo-francezes que devem cortar o n gordiu da di-
plomacia, e quando houvercm conquistado a Crimea,
este rclleiro e esta chave da Russia, poder-sc-hao
aguardar rom plena confiaoi;a os acontecimenlos e
as proposiges de paz. porque teremos entre as m3os
urna garanta material, que responder pelo futuro
do equilibrio europeo. Perteucendo o Mar Negro
as csqoadras alliadas, assim como o Mar d'Azofr,
ver-se-lia smente navegar nclles o pavilho anglo-
francez ; os navios mercantes le todo o mondo, ex-
cepcao dos da Russia, l rilo scm mudo, con luzindo
da talas as parles, e trazeq-Jo para todas as regioes,
a troca de productos importantes e lucrativos ; C-ms-
lanlinopla livre de quaesquer perigos desenvolvere
sob a hispirac.io das potencias orcidenlacs os ele-
mentos de progresemode poder e duracao que encerra
o imperio oltomaim^ Assim que a independencia
da Turqua, a liberdade do Euxino forem firmadas
a despeilo da Russia, desapparecero os perigos da
guerra europea rom que cerlos renles da opiniao
nos aoicifam. Todo o mundo germnico, apezar da
MU neutralidade obstinada, nunca se poder decla-
rar em favor do czar contra a Franca e a Inglater-
ra, sabe cabalmente qoe dahi depende a sua ejisten-
eia ou nao ejislehcia, permiltiria o eslabelccimen-
lo do bloqueio no Mar Rallico e no Mar Branco, c
enl.1o a impotencia da Russia toruar-se-hia com-
pleta.
O novo coinm.indante em chefe das forcas france-
zas imprimi no tbeor das operaras um impulso
enrgico, que consegue vcr.Iadeiros resollados, mas
infelizmeule cu-lados unis dolorosis saAilicios.
Os Hussos j.i nao lem" nem paz nem iregoa. Em a
nossa ultima carta aiinun i unos a passagem do Tc-
hernaia. a occupaclo deste importante rio, a toma-
da de Kerlch, de Jenikalc. d'Arabol. de Jcnilchi, o
dominio completo do Mar d'AzofT. Hoje he um no-
vo bombardeameiilo de Sebastopol seguido ao cubo
de algumas horas apenas da lomada de pontos con-
srderaveis que faziam a forra dos sitiados, e por ou-
Iro lado sao lambem noro Iriumphns ohli frola e as tropas anglo-francezas no Mar d'AzofT. os
(|qu*es abrem urna livre passagem ao ejercito de Ba-
Ioiiiii para a Crimea pela costa da AJiassia. He a
oceupajo de Tagaurok. um dos maufricos cenlrn
de ibaslecimenloi dos Russos, e d'ora cm vanto um
simples cruzeiro de vigilancia impedir toda a reno-
varan deslcs recursos do iiiiinigo. Tuda isto ao ni-s-
mo lempo loma a situaba > eicellenle, a pniio pu-
blica hu sempre animada, al podemos izer que
lem no trimpho a mais certa esperanza.
A 6 le jmili.i os sitiantes abrirn) o fogo contra a*
obras eilerinrcs da prac;a. e no .la seguinle as aguiiy
fluctuavam na Gallina Verde e nos dons reductos da
Caror ; eslo primeiro feito que collocou lias m>s
dos sitiantes OJ prisioneiros, do* quaes 5 sao ofli-
ciaes e 73 boceas de figo, pira lodas as pr.iporrojs
de urna batalha, as tropas franco/..is Iranspizeram
com granito eutliusiasmi a dl-tanria considerarel
que as separavs dos reduelo*/ combaterain debiij.^
de una chuva de halas e de melralbi para ah po-
der penelrar, e d.-pois para so eslabeleccrcni conlra
m ataques a.ggressivos que os Itiisse* reun los em
Brandes maesas eieculavam incessantemente, o unn
jkpra depois do comer;.) de unu lula, um dos man
gloriosos episojios da cuerra, nn?ar*m as suas ban-
deiras obre ires reductos tomados
fm,onde se aclia o almirante l'enaud, o almirante
Dundas, e vanos capitaes Inglezes e fcaoeezes appa-
relhou um dos dias do mez de junmr'para Crous-
tadt, seguido do Dragn, do TivvelTv, e do Dassas.
(.liega o ao canal, entre Cronstadt e S. Petersburgo,
pude contar i naos, fragatas e 2 crvelas, a ao lado
Uestes navios 11 canhoeiras a vapor ancoradas, e
mais tunee un recinto do porto de guerra 2 ca-
nlioeiraa arranjadas cm tres linhas. AUi icou a
-------- ... ._,. ,,,. pela sua parle
os Inglezes eieculavam o programma combinado .las
....,udi> remo. operacoes, lomandoieom o mesmo vigor e coma luei-
> coioiiiaaolu ,m chafe ,1 'setcitoin^b;* foi '| ^JMlMP "k" '" "~ """ 'esa rillllH
>-^aasvar xeosaral. rto (pial se faifa rridilo neraT"^"nTaalWrfo de um fog teiriv-.-l, e ape/.ar das fre-
30 general SUmnam, flnattl -..-.:, '
. I ---------- .- ..u.iw.w^, "III -i l|. i"
uermeii e seus cherilTs vitaram lambem a capital e
u pina hospilalidade de principe cusa d
-,--------- ""r"! "" .eme ye
de assignalar o ssu nome por Irabalbos pacificos. a a
guerra cora a Rusda o lem sorpreu lido desagrada-
velmente no meio das obras gigantescas, que tinli
roniecado. Elle acabava seu palacio do i.ouvre.qsse
ser sem conlradic;ao o rpais magnifico monumento
que existe no mundo, fazendo-lhe aformoseamentos,
qee pareciam irreatisaves, porque era necessario
achar centenas de miihes para ahater, centenas de
nilhues para'rei'onslruir ; mas sua principal preo-
eupacu era esla eiposiclii unirersal de 1853, para
a qual finha rom i la lo o mundo intelro. Ora, a
guerra qoe, rigorosamente fallando, n.lo impedia os
grandes tmbalhos da capital, deria com'eltl'llit^au-
sarum damnu funesto no successo da eiposiclo",
prodozmdo ccrla inquetacaolnos prodoclores de'lo-
dos os panes. E,le recelo, que cm parte se realisou
lena desviar do%spirito do imperador todo o pen-
X-lo !""r'': m "" q'Km, l""Je ',ara
O rerdadeiro perturbador do mundo, he o czar de
- as.Jluss.as, que Jravou o eonfiicloDor ambicao
e pw ivi.lea. c o continua por orgulho.llj* crise s
acanarnnodiaein quejo orgulho russo liver sido
abalnlo porqualqucrderrola memoravel mas ah '
elle nio acabara, senao para comtcar alguns anuos
depois, ou lalfH alguns me/es de repouso.
Nao se admire, pois, meu charo collaboradnr, se
ns conferencias aberlas em Vienna para fazer a paz
malograrara-se miseravelmenle; nao poda ser de
oulro rao .lo. A Franca e a Inglaterra deviam exi-
gir certas condieOes, offensivas al um certo ponto
ao amor proprio da Russia, e que esl devia recu-
sar. Con vi nha impedir, seno para sempre, ao me-
nos por mais lempo que fosse possivcl, que as esqua-
dras mo*cuvilas do mar Negro podessem conalanle-
mcnlc amcacar ('. uislanlinopla, e para islo era mis-
ler esigir a linniaean deslas esquadras. Nesle ponto
lio que nao se conoardou.
Ja Ihe fiz saber as conferencias, em que foi agua-
da esla questao, o Vmc. bavia de ler lido os protoco-
los publicados pelas gazetas inglezas e francezss.
N.lo restara mais a tazer senao v criticar por uui ac-
lo ultimo as epposiefies das potencias, e ueste fim
tere lugar sua ultima reuniao a 1 de jnnho. Este
protocolo do pura forma cncerro-j o congresso e en-
Iregou a soluto da questao surte das armas.
Muilo se tem perguntado aqui, e Vmc. lambem
ha de proravelmenle pergunlar, qual ser de boje
em dianle a atlitude da Austria. He cerlo que o
governo de \ ienna seseparou nessa occasi.lo, deseos
alliados de 2 de dezembro e que fez certas tentativas
do paz. que H Franca e a Inglaterra n.lo julgaram
,... aceitaveis. Em minha ultima caria fallei-lhedeslas
Une tentativas, que manlinham o ttalu quo ante belli-m
" da esquadras rosea, e davam u Porta, como prin-
cipal garanta,'a prorees.a das grande Dolencia a
V
cidade. Em uraa sessau solemne do corpo munici-
pal,elle apreacntoO urna meusagem de felicita^Oes.
cnea ile senlimentos os mais cordeacs, e i qual o
prefeilo do Seua responden em inglez. Todas es-
las trocas de civilidades niloconlribuem pouco para
estrellar a alliance.
-Nossos visinhos Inglezes lem urna distraerlo que
nao temos e francamente nao Ibes invejo 1,1o pouco
prescnleinenle. Elles lem sen governo parlamen-
tar, que Ihe permute acensar o ministerio por qual-
qner motivo. I)izia-se que em virtude da gravida-
de das circunstancias, os partidos consentiriam em
dar por algum lempo ao menos,treguas s suas pre-
lencoes e conlenda, qurnao podem deivat de pre-
judicar o iolei^sse publico, chamando para a sua
posicio pessoal a attncao dos homens de estado,
qnegoveruam. Infelizmente a ro'.ina parlamentar
prevalece sobre a'necessdade poltica, e hoje mais
qoe nunca as cameras ing|ezas,parecero voladas a es-
w guerra de pahvras, que nao pode produrir nada
de bom.
Ja Uie fallei das numerosas interpellarOes, que fo-
ram reilas as cmaras dos lord e na dos communs-
esta quinzeua anda vio apparecer 'duas mocoes, que
punham era duvida a ciistencia do gabinete. Urna
deslas propostas era a presentada por M. DTsraele o
leve em resultado a volarlo de urna emenda de Sir
Francis Baring.que he iuleiramente favoravel ao mi-
nislerio. A outra nao foi anda resolvida ; foi apre-
senlada por Mr. Layard, que pede o reforma admi-
nistrativa; esta proposla hade ser certamente ou re-
leitada ou coinplelamenle emendada.
Nao se compreheude na verdade esla lenecidade
da opposisao que prosegne parlicularmenle o mes-
mo lira do gabinete. Se a Inglaterra tivesse um es-
tadista mais decidido e mais popular qalord Pal-
merslou> o esforz que se faz para o baqaSer, tirera
um senli lo ; mas onde est este homem 1 Eu nao
o rejo em parle alguma, e o que me sorprende he
o engo de lodas estas agilaces parlamentares, pe-
rigo tan grande e t.io eridenle, que o priucipo Al-
berto, apezar de sna reserra habitual, se julgou
obngado a faze-lo aber em om banquete recente.
Ao coucluir dire urna patarra sobro a llespanha.
Deram-se dous fados grares na peninsula ; priinei-
ramente houve na quirzeua muitas tenlaliras de in-
surreires Carlistas ; alguns gorernadores de pro-
rncia foram sorprendidos pelo morimento e alguns
soldados e milicianos foram morios, mas parece que
a senha nao foi geral e o gorerno mos|ra-se era
eslado deiubjugar os insurgentes. Em segundo
lugar, he o gabinete, qne acaba de ser reorga-
nisado quasi iuleiramente. Espartero e O'Don-
nel sao os nicos qne ficaram no poder ; os Srs.
Madoz, l.uzuriaga, Lujan, Aguirre e Sania Cruz se
reliraram, sendo substituidos pelos ministros se-
guinle : os Srs. Fuenla Andrea, na jusle,g ; Bruil,
ua fazenda ; Iluelve-, no reino ; Martnez, no fo-
mento ; /.abala, no estado. Nio se sabe o que ra-
lcm os nevos minislrss, mas serao bem habis, se
cunseguircm sapar as cbagas da llespanha.
7 dejulho.
Eu linha razao de mal dizer a guerra, no princi-
pio da minha ultima caria, e os acontecimenlos,
que sealropclnm, justifican) bastantemente o hor-
ror, qne eicitam nos amigos da hiimanidade estas
scenas do destruirlo o carnificina. O sangue derra-
mado pela Franca c Inglaterra ludia ao menos ba-
nhado al aqui louros, e uossas tropas linham
sido por toda a parle victoriosas. Mas eis-aqui hoje
o reverso da medalha : as policios viodas da Cri-
mea n,lo mencionara mais successos como no passado.
No dia 1H de jnnho (dia fatal, annversario da bata-
lha de Waterloo sofTreraos um graviasimo revez, e
um grande numero de bravos soldados perdeu a
vida. Eis-aqui em pouca palavras a narraran de-te
combate, que Vmc. achara mais circumitancisdo
nos relatnos ofliriaes publicados pelas gazelas
franrezas inglezas.
O general Pelissier linha revivido tentar um
grande esforco, c apoderar-se da torre Malakoff, da
qual dominariu o cidade e o porlo de Sebastopol. O
ataque era terrivelmente diflicil, porque a forllfica-
ao general Simpson.
As operarles das esquadras alliadas no liallico
lijo lomar .un anda um carcter decisivo. Dir-se-
hia que os almirantes"estudam, antes de obrar, se o
ponto Ue ataque dore ser Helsingfors. ou Cronsiadf
"i Rige, auuclle que Ihes aprsenle mais probali-
dade succes*. Emquantb fuzem sua esculla, cites
acabara de desrobrir um estranho e lerrirel meio de
deeza empreado pelos Russos. do qual estlveram a
poni de serem victimas. Os almirantes Dundas e
I enand, embarcados ambos no .vapor Mrrliii, li-
nhain-se approxmado da costa de Cronstadl, quan-
do o navio, em qoe iam, soflreu repenluiainenle
um violento abalo, seguido immediatamenle de ou-
lro choque anda mais violento. Alguma folhas de
cobro to forro do navio foram arrancada) e algu-
mas corda quebradas. Era evidenle que os Rus-os
trabara occulladoinslrumentos de deslruirao no fun-
do do mar. Com effeilo depois de pacientes opera-
cues os marinheiros inglese fizeram ama pesca sin-
gular ; apandaran) 4-1 machinas infernaes poslas
dcbaiio d'agua, as quaes deviam fazer ejplosao
quando a quilbo dos navios alliados tivessem toca-
do otedo submarino, que as prenda,
c 5* lnilc,li";,,i inventada pelo Dr. Jacobi de
fao letershurgo nao linham lodo o poder, que
Ibes illrihuia seu diablico inventor, porque se as-
sim fosse as esquadras alliadas eslariam hoje sem al-
mirantes. L'm vapor inglez parti do Ballico le-
vando estas machinas para a Inglalarra. l'm oulro
incidente merece ser mencionado. Um navio a va-
por o CossucA' quizdepor na praia rassa alguns ma-
nnbeiros.que eslavam a bordo de um navio de com-
mercio rosso, que elle linha captnrado.
Lm navio parlamentar foi enviado i costa de llau-
go para desembarcar estes homens, mas a guaruicio
russa, depois de ter deisado desembarcar a eqi-
pagem do pavio, os receben a liros de espingarda,
matou e ferio alguns homens e fez oulros prisionei-
ros. Esla violarlo da direlo das gentes excilou a
indignacHo geral na Inglaterra, lano mais quanlo se
jolgou a priiiL'ipio que toda a equipagem linha sido
assassinada. Hoje, cora qnanlo se saiba que os of-
licacs e a maior parle dos marinheiros cahiram as
mos dos Russos, o negocio nao est ainda muito
claro e a gazel de San Petersburgo sustenta, que
nao fora arvor.ido o pavilb.lo parlamenlar.
. He preciso muitos homens e muilo dinheiro para
auslentar-se esla desastrosa guerra e a Franca Ble
tem esgoiado seus sacrificios, por isto o imperador
acaba de courocar o senado e o corpo legislativo para
pedir ao paiz novos recursos de homens e de dinhei-
ro. A sesso extraordinaria abrio-se a 2dejulhoe
creio que he iudispensavelque Ihe faja saber porin-
leiro o discurso, que o imperador pronuncian nessa
occasiao, porque toda a poltica occidental seja ex-
posta uelle. Eis-aqui como o imperador se expri-
m*. (|)
Noloo-se muito nesle discurso phasee relativa a
Austria : Ettamoi ainda t eitcra que a Austria
cumpra teuseompromistoi. Pareceu a muitos que
esla advertencia em om discurso solemne, nao era
muilo prudente, alenlas as dHIlcuraades da situa-
sen da Aeslria, que nao se senle apoiada pela Alle-
manha, e qoe correra maiores perigo do que nos
rompenrto preripii.nl luiente contra a Knasia. Alen)
dwlo as financas austracas acham-ie era deploravel
eslado e parece que a Inglaterra Ihe recusar um sub-
sidio mesmo no caso cm quesezlecidisse pela guerra.
No mesmo dia, em qoe o djscurso imperial foi
pronunciado, apresentaram-sc ao corpo legislativo
Ires projeetos de lei; o primeiro autorisando o re-
rrulamento de 150,000 homens da classe de 1855;
este recrulanjeiilo s se poder fazer depois do 1-
de Janeiro prximo; o segau lo autorisando um novo
empreslimo de 7.50 tOHhoes de .frneos; o jlerceiro
creando nevos impedios indirectos, cujo producto he
avahado em 70 milhoes. Os dous primeiro projee-
tos rorajn volados hontem e antes de hoiilem, e o
lerceirn nao encontrar opposic.no seria.
A llespanha esla cada vez mais enferma : Espar-
ero que he o nico hornera verdaderamente popu-
lar, quiz dar sua demissio rainha depois da vola-
Slo das bases da conslituicao. A rainha ficou bs-
tanlo afilela, julgou-e-rirdida, e derlarou que sua
vida nao ejUva em sejtffancii, se Espartero a aban-
donasse. A rnnlas insiancias dec.idio-so que o du-
que da Victoria ficaria%o governo. Mas agora mes-
mo acaba de iusufgir-se Calalunha ; os operarios
ahandonarnin asollicinaa, podindo augmento de sa-
larios. I in dos princtpaes emprezarios foi morlo
na subleva.;",!, e ,, cidade est em poder do povo,
que a saqueia. O general Zapatero, que a governa
rwagiott-se na cidadella com as tropas de seu com-
maiidn ; a guarda nacional recusou marchar. Cada
da apparecem novos movimenlos carlistas, e lodos
os das prendem-se em nossas fronleiras chefes, e sol-
dados desle partido. A Hcspauba, repilo est mui-
lo enferma.
Boletim da Bolsa. Os le 1| por cento subiram
i 9.i fr. e-25 cent.; descerara a 92 fr., ficaram a
92 fr.
Os 3 por cento subiram a 70 fr. '.1.5 fr,, drseeram
a 65 Tr. 80 cent., ficarara a i fr.
Consolidados inglezes subiram a 82 3|4, descerara
a 91, hcararaa9l 1|8. -
qnenlessorlTdas dos Russos. Esles resultados, du-
plicando o ardenle eulhusiasmu dos sitiantes lem ole
lal sorte aperlado os sitiados na*ra?a.que daqui era
vanlc os Irabalbos do assedio ees porto; de Kamiesch
c de Balaklava estn Abrigadas de-tas grandea-sorti-
das at enblo t.lo perigoses. Como dissemos ao prin-
cipio, as vanlagens cujUm mui caro, os Inglezes e
Francezes sefTrcram pjtdas conjjdaraveia sob todas
as relaeoes, iato be, rierlaram.flHfo thealro da lu-
la grande numero dos seus e oJB^Lrlorioso<. Pelo
que diz respeilo aos Francezes, i^^Bog o coronel
lira,i, ion. coronel Hardj, agMH 17avarande,
o .>0 de linha perdeu lodos uaSeufoRlclaes. o 3 e
8. do zouavn perderam 8 o primeiro, e o segundo
T. pulre os Inglezes o melhores e os mais valenles
de entre elles tunbem enconIraram urna morle he-
roica.
Jieguinlo as operajes o sed curso, leve lugar a
17 um rcronheriiiieiito eu Ailodor, o oceupando o
general lli-quell'clitray as tropas alliadas se pre-
paran) para atacar na dia seguinle o grande Rden-
le da torre MalakiiSs^Ks baterus depeiLlenles.. A-
peziir de lodo o ardor, apezar desta impaciencia.
elvaz por causa de lodo esle ardor e de toda esta
impaciencia, o alaqua" conlra o grande Rdenle e
torre Malakoff mallogrou-se infelizmeule. o iuler-
vallo que se paseara entre 7 e 18 linha ministrado
aos Rossos a occasiao de concentrar lodos os seus're-
curos sobre o ponto em que eslavam amcacadu-, e
na falla de bolletins anglo-francezes daremos o lej-
o do d.espacho russo acerca desle feito : Depois
de i horas de embonada homicida e de um bom-
bardeamenlo inaudito, o inimigo tentou a 18 pela
madrugada o assallo conlra os bastilles ns. 1, 2 e
3, e conlra u hasliao Komilaff {.Malaknfl ) .-.repel-
lidos em todo o punios com perdas imnensas os
Francezes se retiraran), deilandn G00 prisionei-
ros Depois desle estallo 1.1o brlhanlemenle re-
pellido pelas" nossas tropas na vespra, o inimigo
lem quasi cessado o fogo, e at 19 noilc, nada no-
tavel se passoii nos arre lores de Sebastopat. A
falla de publicarlo dos despachos do general Pe-
lissier no que diz respeilo a esle feito. di a pensar
que o bollelira do principe tiorlschakoff he venlo-
deiro ao menos em pacte. Ja no combale de 7, a-
pezar dos seus gloriosos resulla los, i Furia h'ran-
ceze linha Irazido perdas con-ideraveis : desla vez
'resulla dos relatnos verdicos que o entbusiasrao
ra tao prodigioso, que chegados i ch.la das emi-
nencias, descerara a rampa aos gritos de : c/da-
de! cidade! sem se fortificaren! nesta primeira
vanlagem, em parir um s instante ; lerriveis des-
cargas de metralha receberam os sitiantes, e os seus
esforcos heroicos vicram quebrar-se contra as obras,
cavallos de frisa, abatidos e accumulados as cr-
cumvizinhancas da tlrre de Malakoff. Chegando
disseminados, esba forillos mui pouco numerosos pa-
ra oflerecer ao inimigo urna resistencia compacta,
liveram de affionlan um alaqoe dos mais ener-
slcamenle dirigidos, c foram obriaados a retirar-se,
como lees, mas fizeram malar-se : d'a-
:~y ..... .......... c iti.iHtttia. (-oniiiitr'ti ,i s:ia
ilerrola lao perlo das canhoeiras que ama deltas di-
rigi-Ihe um tiro de peja. Sem dignar-se de res-
ponder, e cuntan lo 17 naos no porto militar, e rnais
longe perlo do rMe de ^Kroaslotl 10 vapores de
guerra de diversa* capaeflades. O Merfin tralou
de rollar : apenaflinhnellr caminhado durante al-
gum lemp"o com orna celeridad; de 7 a 8 milhas
um lerrivel abalo se fez sentir abordo acoinpanlia-
dii de ama detoiiar.io tub-marina. Era urna pri-
meira experiencia das machinas infernaes do famoso
professor JaCobi. Felizmente nio acontecen mal al-
gum, o Meflin conlinuou a sua derrota, os dous
almirantes, nssim que o abalo pa-sou. observaran) o
navio inmediatamente, e depois desta rpida iiis-
prcc?o o almirante Penaud com uraa fleugma bri-
tnica, voltando-se iara o almirante Rondas Ihe
disse : All-i<-wel, ludo vai bem, respondeu este ul-
timo, e desl'arle se felicilavam por lerem sabido tao
Telizmenlc de um passo que podia ser tao fatal a"
ambos. Durante este lempo o Firefly soffria urna
esperienc anloga com a mesma fclicdade e -em
avana grave, salino sobre si proprio como orna car-
pa, .e a modo que ia sossobrar, mas cunlinuon a
derrua como o Dragoneo Dassas. Depois pesca-
ra ra as pi-sagens Tosas imichinas infernaes.
tisas esquadras alliatto bem prevenidas daqoelle
lado, as suas operaees comecarao proMmajenle:
a 20 da junbo foi ordenad* d.. golpho de Finlandia
pelo almirante Dundas ao contra-almiraolc Bniioe
que apressa-se a partida da sua divisaoqiie se com-
pile de l'J narios de guerra, dos ques7 tao de
alio bordo % 12 chalupas conhoeiras de novas cons-
Iruccues, armadas cada una de duas" pecas de gros-
So calibre. Todos os oflicaes de torra foram im-
mediHlamente chamados. Sweaborg ja foi homfcar-
lleada, e varios edificios foram incendiados.
O pensamenlo do governo francez sobre os acon-
tecimenlos operados lano sobre o thealro da guerra,
como no dominio da diplomacia, acaba de se fazer
coiibccer i* nacocs, o imperador NapoleSo, convo-
can.lo m cmaras para tomar todas as medidas capa-
ses da habilitar o paiz a falr face a qualquer aven-
i itil. i i.li. ..V.-:. .____r_ .... .." '
poder intrigai que ahi se agitara, rivalidades que
.ah se embal.-m incessanlemeule, lulas de ambicio
e de inleresse, em fim orna mobiiidade inceesante
dos grandes empregos, capaz de inquietar o fotu-
ro desle paiz, pelo qual a Franca e Inglaterra fazam
tao grande sacrificios. Mehemet-Ali, Rizza-PacbA,
Keschid-Pacha pae desgrana, ,i ,|ilio ao poder.
Na Italia asseveraui que se trata de estabelaeoC
uma confedercaoeemelhaule confederarlo gar-
manca, e que comprehendera o reino de aples,
Modena, Parir, a Tosrfna e e l.ombardia. Cede
nm dos eslado i confederados ministrar umcnnlin-
l.t.iuir. a.i,;.. .. i i """" ,l" "."" i. ""naos esisooiconieuerailos ministrara umcnnln-
em,,, lo^H ,.u-lalerra->""'"' sua gente militer, s'tailf ea'submelierla e decUoe da
derrota tao perlo das can hoeir.is tme oto.. ,i,.ii ., ,i ....r.. i____... ;___._ .
lo.lij.io A.- .' :- --=- i"|uci even- iw miras ; j. agmenlo do sello do pl
Ar i'l -.\i u i COm ,"'.'llscuri0' le ape- i.ropriaco'pelo eslado dos direilos dV
'-ar ua gravnlade das circurasianrias. rur.iiiiraii t.d_ ma *._L.a,_ <.-:- _'_l-I _. ____-
. PARS
6 de julho de 1855
Guerra VOriente.Poltica europea.
Em o nosso roiilinenle europeo ludo se resume
nos dous grandes aconlecimenlos que desde muito
lempo luain a alinelo do mundo inteiro, a obra ra
(1) Vida o artigo Diario de l'ernambmo.
I.taieram-Se C.....V ku.3, na- nicinntil
bi perdas inedunhas em todas as dleiras. He depois
de semelhanlcs instantes que os momentos sao ler-
riveis, un procurara aos onlros, conversara, oler-
rogm-se, e muitas vezes occorre uraa trgica res-
posta : morle, morle.
Percorrem-se os ambulancia, e ahi se enconlram
jovens e valenles olliciaes e soldados ensanguentados
que na vespera s pediam balalhas, e a genle Cea
afilela ao ver que todo este sangue ha sido, por as-
sim dizer, intilmente derramado. Oh d8o-se re-
s luces arriscadas que se nao justificara pelo trim-
pho. e que na falta de triumph fazem amargamen-
te lamentar as conlemporisaroes que tanto se Cen-
suravam E comludo, apezar da profunda dor, de
que estamos penetrados, nio ser justo pensar que
no decurso de um assedio tao longo, lao diflicil, ba-
ja alguma cousa extraordinaria a que um ou varios
assallos'tparciaes sejam referidos? E ralo se poder
dizer com consolaC/to qne desde o romero da guerra
da Crimea, fm a primeira vez que as tropas alliadas
soffreram um revez em urna grande operarjlu com-
binada I Nesle feilo de 18 de jnnho os Francezes
viram cahir os generaos llriinel c Maxrau, :I50 olli-
cias, 1571 ofiiciaes inferiores o soldados, 11>H en-
traran) nas ambulancias. As perdas dos Inglezes
sao tamben) considoraveis, ainda mais, perderam o
general sir J. Campbell, o tencnte-coronel Veo do
7.o dr fu/.ileiros, o lenente-coronel Thom.iz Sh id-
l'orth do 57 de nfanlaria, e 4,000 ofiiciaes inferiores
i! soldados. Emfim, eoasa cruel o lamenlavel entre
lodos, o feld-marechal l.ord Ragln succiimbio a um
ataque de cholera ; mui perlo do campo de batalha.
urna morle de soldado suarisou o grande lulo que
causa na Inglaterra, ao menos arabou dignamente
urna longa e gloriosa carreira. Nono filbo do ,*
duque de BtauTorl, nascera cm 1788. casara-se en]
I8ll rom a s-giind filha do 3 < condo de MorninO
ton, sobrinba do duque do Wellington, enlrara.qo
esecclo como porta-handeira do i.de dragoes.a'9
le iunho de 1801, lenle cm 1805, capitn em
1808, niajor cm 1811, lenente-coronel em IKIJ, eV
ronel em 1815, major-setieral em 182.1, (enrule-ge-
neral em J838, aenefal a 20.de jnnho de 1854,
fira nomeado feld-marccbtl a 5 de novembro de
1851. Filri* especialmente nas guerras da India qne
elle vira desenvolver-se a sua fortuna mililar.
Foi substituido no commendo da tropas inglezas
pelo generalofaimpson. Infaligavtis de dedicado e
de herosmo"a despeilo de lodi as prov aritos, os
ejrcitos alliados eslavam preparando com ramfiaii-
ca um grande golpe.
Bltico.
A eeqnadra artglo-franceza ja ti/era os reco-
n hei'i raen los que devem preceder a suas ira por I a li-
les operacoes, e devia tentar os mais heroicos es-
zar ,U grav i I .le dss circumsiancias, encontrn Tid-
hesoes unnimes. A importancia de semclhanle'do-
r-oineiito nos impe o-deverale trancrcve-lo aqui por
inleiro: i
Senhores senadores e depuladns. As negoci-
coes diplomticas incetadas duraiUe o correr da mw-
sa ultima sessiu, \-is liulia.u feilo presentir que eu
seria ubrigado a cbainar-vns de novo quando ellas
chegassem a sen Ierran. Infelizmente as conferen-
cias de > ienna foram inipolenles para dar a piz. \s-
sim, vendo de novo appel.'ar para o palriolismo do
paiz e o vossn.
Dar-se-ha caso que teiihainos fallado as prin-
eipios de moderara n ,- tabelaeiineiilo das cpsiirV-
'-'".'';' >ilu |0">-J ex i laslflo diai
ganliado do is b.lallias, forjado a Ru-si. a evacuar
osprincipa.los, e exbaurir as soas forjas para defen-
der a Crimea. K.iilim, linbamos em nosso. favor a
adbesao da Austria e approvar.lo moral do reslo da
uropa. Neota sluacao, o gabinete de Vienna nos
pergunlou so eooenirriainos tratar sobre basas j
lormul.i las vagamente antes dos nossos Iriumphos.
lima recusa da nossa parl pareca natural. Nao se
(ievia crcr que as exigencias da Franja o da Iugla-
erra se augmentariam a proporrln da grandeza da
lula e dos sacrificios ja fulos'.'
Pois bem, a Franja e^jTlnglalerra n3o se pro-
valereram das suas vanlagen*, n'am squer dos di-
reilos qu Ibes offereciam o tralado anteriores,
lauto- linham peilo tornar a paz mais fcil, e dar
urna prova irrecusavel da sua raoilerajao. I.imia-
mo-mos a pedir no inleresse da Allemanha a livre
navegajao do Danubio e um dique centra a onda
russa que quer incessanlemeole obstruir emboca-
dura deste grande rio ; no inleresse da Turqua e da
Austria urna melhuf couslluijao dos principados,
altiu de que sirvan) de trincheiras conlra estas inva-
soes ineeSaateraente renovadas era o. norte ; em
um inleresse de huraanidade edejustija, as mesmas
garantiai para os Oristans de lodas as communhes
sob a prolecrao oiclusva do sullao ; no inleresse da
t orla como no da Europa/pedimos que a Russia limi-
(asse a um algarismo ra/.oavel o numero dos navio
qne alia conserva isentos de qualquer*alaque no
mar Negrot c os quaes ella s pode manler no in-
tuilo de aegressao.
Pois bem, ludas estas prnposijocs qu chamare
magnnimas em consequencia do seu desinteresse, e
que ao principio foram approvadas pe i Aoslria.
pela P/ussia e pela propria Russia, se desvanecer.un
nas conferencia.
o A Russia que linha cousenlido Iheoricamenle
aniquilar a sua preponderancia no mar'Negro.recu -
suu qualquer hmitajlo das suas forjas navaes, e ain-
da estamos a espera de quea Austria camn/a os seu
compromissos, ua quaes consisliam em tornar o nos-
s i Iratado de altianja offensivo e defensivo, se as
negaaiaces nao tivessem bom xito. Verdade he,
que a Austria nos propoz garantir com ella por um
tralado a inlependencia Turqua, e considerar
para o futuro como casus belli o caso om que o nu-
mero de navios da Russia cjccdesso ao que exista
ames da guerra.
Aceitar semelhanle proposirao era impossivel,
porque nflo limitava de raancira alguiqa a forja d.i
Russi, c pelo contrario, parecamos sanceionar u
sua preponderancia no mar Negro- por via de urna
ennvenjao. A guerra devia seguir o sea curso. A
adrairavel dedicajan do ejercito e da frota trani
dentro em pouco um resultado feliz ; perlence-vos
ilar-rae os ineioi de continuar a lula. Opaizji
moslrou quaes eram os seus recursos e a sua con-
lianja em mm. OlTereceu-me ha poucos mezes 1,700
milhoes demais que eu pedia, urna parte bastar pa-
ra sustentara sua honra mililar e seus direilos como
grande najao. Tinha resdvido ir collocar-me no
meio deste valonte ejercito, em quem a presenra do
soberano lera sempre prodpzido uraa iulluencia fe-
liz ; e teslemunba dos heroicos esforjns dos nossos
soldado me ufanara de podar dirigi-los ; mas ai
graves quesillos agitadas no estrangeiro permanecen)
sempre cm suspeusao, e a nalureza das circumsian-
cias engiran) no interior novase importantes medi-
dos. Assim foi cora dor que abandonei esle pro-
leclo. r
O meu governo vos propor que volis a lei an-
nua do recrulamenlo. "Nao baver leva extraordi-
naria, ^e se tornar a entrar nas vias ordinaria- .jue
necessilam para regularidale da admnislrajao o
vol da lera nm auno antes. Ao terminar, senho-
res, paguemos aqui um solemne, um justo trbulo
de elogios a a.melles que combaten) pela patria ;
associcmo-nns s su.is saudades por aquellos cuja
perda ella deplora, o ejemplo de toda a abnegarlo
cconstauria nao lera sido dado em rao ao mundo.
Nao nos desanimen) os sacrificios necessarios, pois
que, como sabis, urna najan deve, ou abdicar
qualquer papel poltico, ou sellm o instincto e a
vonlade de obrar conforme a sua nalureza geral,
sua historia secular, a sua mi'slo providencial, de-
ve por inlcrvallos saber sujeilar as prorajes que
pode ronduz-la gerarchia que Ihe he* derda.
Coqfianra em Dos, persereranca em nossos esfor-
cos c chegareraos a urna paz digna da allanra de
dous grandes poyos.
Os Irabalbos legislativos vao comecar immediata-
menle.
A Inglaterra ae est sempre preoecupando das
suas (iiiesles ie reformas, e os laclo qne lem lo-
gariia Crimea as tornam cada dia mais animada,
M. M. Roebuck, Layard e oulros prusegucm com #<
vehemencia na-ua obra, ao i-.a-so que do ihrnna se m
:iitrtall-i n.r, ^ n.n.(...n..^.. .. ^-,--_,:-^-_ -
confederaran. Creada no intuito de assegurar .
Irauquillidadc no interiore a independencia no ex-
terior, esla eodTedersja seria apenas provisoria:
ludo sto paras* er urna coneepjo da Anslcia, que
rom a sua obstinada neutralidade nio eiiste sem in-
quietaran, e naosejulga secura contri os perigo
da desraembracao de um dos elementas heterogeueee
que a compile.
Era Roma o cardeal Ahlonelll, m o de Sua
Sanfidade Pi IX foi objeclo de.si lentaliva de
assassiualo malogrado.
O joven re de Porlugal deiiou a Franja, e parlio
para Koraa afim de receber a beojodosoberanopon-
tiiices e dahi seguir e completara a toa viagem.
Emfim, do n.itso oaeidete europeo, sabemos com
mui grande inleresse a que se passa nos estados da
Uniao Americana,esla lutado norte contra osa!que
ameac.a quebrar a unidade do edificio feden
hm mais perlo ie mis, o qoe fice lambem, oque
necup sempre a alleujao publica, lie a sorte da
Irespanba.
Nada se consolida nesle infeliz paiz, nem se quer
o ministerio de Espartero e de O'Donnell.M. M. Ma-
doz, I.usan, I.u .uriaga, Agoerre eSanta Crnz deram
asuademMao. M. Madoz qaasi que jsenlo en-
tenda cora os banqueiros de Madrid, nem Ue poseo
com a assemblj conslitainte, acerca das queslOes II-
nanceiras. O esu successor he M. Bruil, rico bee-
qbeiro de Sarag ica, cojo patriotismo e experieucia .
los sitos negociis designavam para esta funejao, e
que or-recera ha pouco lempo ao governo bespanhol
ludo quanlo possuin, afim de coadjuva-lo. O gene-
ral Zeabola snbiJilue a M. tnsuriaga nes negocios
estrangeire, M. M. Martioez. Fueuleandres, Ha-
ches, lomaram as pastas de M. M. I.izan, Agoer-
re c St. Cruz. Todos s,lo memhros das cortes.
Ao entrar noi negecios, M. Brnil, para fazer Tace
a siluajao. apptcsnnton um plano tinanceiro que se
pode resumir di iMaeira sesuinte : 1, nevo occres-
cimo de 1 |iorcenlo setire a contribuijilo lerrilo-
nal ;\ augmento dos direilos do sal, 50 reales por
100 libras J^. augmento do sello do papel; 4, ap-
sindicancia
que se arrecadim hoje sobre as municipalidades;
>*, restabelecaBinto dos direilos de entrada publica,
para as" despeza. municipaes, ignoramos ainda sea
discosseta sera diferida, porque" a questao he vehe-
mente e muiconaideravel : a divida fiucleahle que
om maio se elev. va a 581,5Jt,987 reales elevou-se no
fim do mesai -1.810.1 0 reales, e loma to-
os "^^---HHhii considejj^^^^Ha das
faculdades linanreiras desle paiz, e constilueverda-
deiraniente um perigo imminenle.
As corles na s.ia sessl jonho larmina-
ram a dist-ussao das ebeeHanpHBciqnaes, a quat
comerada a 2:1 le Janeiro duroa por coasequen-
l cousa de 5 mezes, enistem poucos eieni-
denmpfrli mais laborioso. As cortos se sus-
leram depeia do voto dos fondos de que t
ver no lean rUooiiiiloHo. ~A trHut^mimr 'ajawda-
vem volar, a lei eleitoral, das relaeoes entre o po-
der ejecutivo e n corpos legislativos, u do governo
e da administrarlo provincial e municipal, d orga -
uisajao dos (ribunaes, da imprensa e da guarda
nacional, estas luis farao parle da coiislilaijo co-
mo leis addicionaes, s poderlo ser reformadas pe-
las viasconslitoconaes.
L'm decreto real aboli o servijo forrado na goar-
da nacional, e s abre as lucirs da milicia sosteon-
lrihuintee a seas filhos, dahi desconientamenlosa
agilaces. Ha lodos esles embarajos diversos, aos
quaes Tora diflicil resistir na serenidade de paz, ajun-
ta-se os iraibararns resollantes- das sublevajOes que
perlurbam a maior parle das provincia, e das agila-
ces produzidas pcloaamottas carlistas, ludo hto ha
nui triste.
G; M.
IMTERIOR.
appeUa para a mndeiaro
A Suecia c a Dinamarca se interrogan) seriamente
sobre a questao instante de saber se prestarlo pro -
jimanente as potencias occidenlaes a sua coopera-
rlo, e a sorlo da Fiulandia he mui enrgicamente
disentida.
5" No mundo germnico, segundo a confissao com-
pleta da sna impotencia diplomtica, depois da ul-
tima ses.i da conferencia de Vienna, n'uroa pa-
lavra, depois de semelhanle rever, as circulares an-
da se poderlo sem dunda trocar, mas d'ora em
vante'ja nao illudir.ln a ninguem. He na Allema-
nha somenie que o lo das negocaje est comple-
tamente quebrado, Irata-se de renova-lo em Pari.
A Franca t.lo pobremente devotada, tao generosa-
mente desinteressada nesle negocio do Oriente
presidir ao arbitramento que deve regular os maio-
res interesses do Occidente, o Piemonte figurar
lambem ncsla novs conferencias.
Em Conslanlinople reinan) nas altas espheras do
e o patriotismo de todoV >Ju.,",,,u uepo" ^veuou-e aa actualidad, par.
se inlerrogam seriamenle' """""-""/ msserera que se enganou, porque confian-
PARA'.
Um. 9r. Dr. pretiienu da commissao de hygie-
ne publica.Detarei no- Trcze de McWde 7 do
correojte com um oflicio de V. S. com dala de 24
le junbo, que foi cncaminhado ao Sr. presidente da
junta central, e liquei sorprendido com a accusa^So
que V. S. se julgiu autorisado fazer-me a respeito
das declarajaJes que fajo na carias de saude: devo,
portantp, repellir lal accusajSo. Nao coroprehen-
do como V. S. fondado na sua autoridade de presi-
dente da commissao se julga antorsido a ejercer
's funeyes que competem a mesan commissito, por-
que avista do regijlamenfo, he claro, que o que or
resolvido em sesiao he que deve prevalecer, e nao
o que o presidente, que s tem vol de qualida-
de, quizer ou oulro membro. E lambem nao com-
prebendoa razio em que V. S. se funda para qua-
srer que en oa oulro medico obedejamos o seu de-
.crelo cm nedecina. Nao he passivel, Sr. Dr.,
seas ti lentos, mas nao me curvo a *ua
opiniao, a epidemia reinante nao he no mea enten-
der ocholera-morjoajBaiatico. Entendo assim, se-
nhor br.
Da V. S. a entender jtie.o navio Defensora foi que
ioipnrtou a epideioia, mas V. S. foi o proprio qoe
com calma declalnV no parecer de exame que se
procedeu, que os (otoos falleceram em viagem por
envenenamento de cobre das caldeiras I "e-eu se que
a caria de saude desse navio velo limp, que do ro-
tero da viagem niio constata de semelhanle epide-
mia, qoe e capitio nao rae declarou coosa alguma,
e que os colonos lodos gritaran) desafperademeate
que morriam fem, portaulo se algum documen-
to se minislroB neiae navio em contrario das provas
que achei, deve irer que foi arraojado com ante-
data para defza do capitSo, visto que depois que
appareceram os prard**casc da epidemia, foi que
entrn a vagar tal'MRl de cholera na-na vi u por se
dizer quo passou pata altura-das ilhas Canarias, o
que tambera a mim nflo se declarou. Posso infor-
mar a V. S. que muito antes da chegada de tal na-
vio h :iv t. ...n nesta cidade muitos casos semelhanles
aos que se desenvolvcram de 26 de maio em dlan-
le, e queja eiistiam na villa de Ourem, como deve '
constar no oflicios das respectivas autoridades dirigi-
dos ao governo da provincia, qoe devem existir na
secretaria do governo, dos quaes eu live sciencia.
Nao quesliono n*ua opiuido nem o seu tratamen-
lo, porque devo talvez julgar-rae pouco habilitado,
porm o que enfeudo be, que os sens escriplos pu-
blicados pela imprensa tem servido mais par ater-
rar a populajSo do que para dieigi-la, do qne son
leslemuuha oceular, apezar de nao ter lido lempo
para relacionar os enfermos que leude tratado, e se-
gundo a opiniao dos meas mostres, o maior mal ero
urna quadra epidmica he o terror, como se vio na
cidade de Camela Parece que o Sr. Dr. conhecido
como era por meu raucoroso inimigo desde 1839 .
que.tomei cunta di. hospital militar, por ordem do
iniao presidente o Sr. conselbeiro Franco, e disei-
inlando depois aproveitou-se da actualidade para i
IllTH inn
w
do eu em Dos na> sei agradecer a esmola qoe me
tem feilo nesta qundra, como atiesta a nopulajo iu-
ler, c o hospital dos colonos da agencia do Ama-
zonas, que Icndo eu' recebido em 19 do mez passadu
com quareola e (autos doentes ainda nenhum falle-
cen al, lio)* da epidemia, grajea Divina Provi-
dencia. Melhor seria que ajuoUndo-noi todos, tra-
ta-sernos de apresenlar um guia medico para o po-
vo, e nao eslar-se a perder lempo em desacreditar
a quem s traa di Joccorrer1 a humaoidade com os
seas rseos hlenlos, e nio de engrandecer-se! 1 Pa-
rece qoe se la fei o um jogo poltico da calamida-
de em que uos temus adiado! Como nio ti-
po para fazer relejiio dos doeole* que tenlio Irali
nem para entrar msta materia escolsticamente, de-
^ i*
"'
i
' I
I
*


NI
v* declaraf-lhe que .contimo t linear as cartas de
tande rotuna ola que icivio ile thema para l coa
iccotaic, porque nao o julgo pe de subjugar i
minha opiniao, e porqo.d eilteedo W 3 cP'demU
actual ni'he o cholera asitico de que tratei em
Parit, rom o- cholera spuradieo desenvolvido pela
DIARIO O PERNAMBUCO QUINTA FEIRA 2 DE !)fc AGOSTO 1855
=
prelos -2 e dos metliros outrot 2.
toas. b
Tenho oblido excellenle proveito do
elixir paregorlco americano, e o mesmn^Tr. aconte-
cido t lodos qnantos dello tem^ieilp uso. A sua
vanlagem he incontesta> de Camet officianj"'B'overno, pediodo conSWiie-
tancla a tea*^^0 ^ito "*'' e recommendando-o
favor do qual
repenlini mudanca da eslacao, c por outras causat
que exporei no .01* que pateo .1 dirigir ao Sr. pre- ^-^^ miracul(Mi)i C(
"S lSSSii. D. V: S.. attento ve, *X^,,.guindo alli ta.vor a vid. iU ente ;
rt.do.--Dr. Camilo lose do Vnl^^ eo gnveru, .mrned.atamen.e ordeno, que se ...-
fizesse semelhante reciamarito. O colmenlo do gom-
j)erador gt ..
maraes.
JeVKi oflicio de 11 do
J|^^dereear V. Exc,
^^"Tratsar espanlosameule nest. ct-
.on jtif _^oU(e Qu c0 0 ca0erli que desgra-
cie nos veio aasolar. Os bairros todos desla
cidade, us tos arrabaldes, os eslabeecimentos pu-
blicse ptrlicularts, asfrefueziascrcumvHnhas, as
Amadas ruraes de quasi iodos us ros mais prxi-
mos, lado tem sido invadido pela funesta doenza.
O municipios da Viga, Soure, Salvaterr, Cacho-
eira, Bai io, e Camela n!to menos tem sido poupados
pela epidemia. E o qae maii ho. a duzeoUs leguas
pouco miisou menos desl.i ca\>ilal, namargem sep-
tentrional do Amazonas, na cidade de Obidos, arre-
benlou t mal no dia 11 do torrente com um carc-
ter assuit.dor, ficando inclumes por em quanto,
permita Deot que para senipre, moilot lugares, fre-
guezias, e villas intermedias, |>or onde passam os
vapores da Companhia de Navef.acao do Amazonas,
outro botos pontos d'eecala d' iquelles barcos. Es-
te pulo lio longinquo dado pela mordiera enfermi-
dade, e revenido daquella cirtumslancia, nao he
coota nova nos .nnaes d. aciencia ; muilos fados
denla ordena relatam os autores, que tem tratado e.r
prafesso destegeoero de ratletlii.
" Por tuda a parle lem ella ee i fado muilas vidas.
Ne capital tem regalado a noria idade diaria nestea
ltimos quinze dita entre vinte < :!9 pessoas, quando
termo medie mi lempos ordinarios ti. de tres, po-
deade a.;ora Bret-se, que tres qusrtas parles
correm por ..ata da epidemia reinante. Nos dis-
IrictosddM pilal tem aido consideravelo nn-
devido iso i tres causast."
Balaca dessej. lugares ser com-
gente, sobre |<|uem a doenja rei-
aanle maii impresclo tem feilo, 2." t ignorancia
quasi alsoluta em alguns dos lugares affectados a
respeilo da manera, a meios de se poder qualquer
libertar do furor, o violencia do mal,'.!. ao abato
iodispensavd nesla molestia, peraua-
maior parte dot infelizes doentes, qae
morrem. te nao comerere. Nao se pode pois calcu-
lar,nem mesmo aprximadtmen e, o tamaito do es-
trago, em ratao de que os >5nlerramenlos to por ahi
faites por via de regra fora dos lugares detlinadus
para semelhantes actos, e tem conhecimenlo da au-
toridad* publica competen le. Os sitios, rocas, tilias,
asmargens dos ros, e igaraps mi ribeirot sao ou-
tros lanos cemiterios, por onde se entrega i Ierra os
ltimos despojos dos noaset irmaos. Nes municipios
cima mencionados tem igualmente sido grande o
, prejaizo das vidas,e pelas memas razcs nlo te po-
de av.li.ir a extensSo da mortildade, accrescendo
en/nessas localidades nao lia por ora delegados da
saode publica, que possam inloraiar commissao
d'bygieut do. succestot m.nt nulaveis, e dignos de
oommeinora^ao.
Maldoe,al t ullioiae-noliciei Irazidas pelo
%majez, haviam sutturabidb'eele pessoas, lo-
das anl|rM, domiciliadas na ciilade: na eolpnia ne-
nhom tuso liava anda o:corr.do. Parece fora de
duvida, que foi o dito vapor o importador do mal
para alli, por que so foi di as denotada cliegada del-
lo aquelle parto, que se observaM o* primeirosca-
acoaUetodoanda mais qui a bordo fallecern)
em vI|n^BiBaaaaVB^'v'^u<'s'
Sr. viee-piosidenle
[nndieamenlos, e ins-
sa tratar aquella doen
fpdfatras tofrre a epidemia rei*
Pve a lionra U enviar' a V. Exc,
extr.hir oito-
lislribaidos pelos p-
rochos, profesores, dcli'Eiidot t: obdelegadot de po-
lica lo interior da provincia ; e cabe-ma a satisfa-
jlode participar a V. Exc, que apezar de tosca-
mente etcripto.atsim mesioo lein servido aquelle ar-
lgo de maito soccorro i populadlo dosnossos luga-
rejos. aldeas, villas, cidados, e lazenda. do interior,
por onde nao ha um s mudico ou cirargiao, que
podeAn ensinar os meiot curativos contra tao fatal
enfermidade. A conflrm.f,ao desla verdade eu a le-
uho de Soure,.e.Salv.Utti.l|de Junde se mu diz, que
o appatecimento alli dd jornalTreze de' Maio
com ao/uillc dito artigo fura de grande vanlagem pa-
ra salvar moitas vida?. Pelo mu lado, como presi-
io d'byijiene publica desla provin-
eito a ber da humanidade em
posto asiieurar a V. Exc. que
Exm. Sr. vice-pi esidenle annuido s
ha:i proposs, como i. E\r. poder verificar pe-
los documentos junios.
Bh maltas nutras providencias lem sido
KntMmo governo lom o fin de abaste-
cer a capital de carnes vardes e farinhas ; porquan-
lo ru> nvidente qae em frente de tao devastador mal
recu.m os animas mais aeorocstdos, e por semelhan-
le razio lodos fugirlo de procurar o nosso merca-
do, airida mestno na cerljia des mais seguro, e lu-
craljvos interese9 : daqtii como oevitavl -eonse-
quenc i a fome, a qual se ainJa nao se faz senlir, e
lalvtz mesmn nao cbegariimos a senli-la em \ irlude
das acertadas medidas adoptad >s pelo governo, nem
por isso drizamos de expurimenlar a escacez de ludo
qo*nk he objecto- alifneirticto, particularmente do
que le mais procurado n.t actual qaadra, como seja
carne, gallinhas^elc, ele.
%. poca da recrudescencia o mal parece ter co-
e^ad i a 15 do corradle, e deide enlo grande tem
.amerados atacados por lodo. o. pontos da
capital. Calcul lerem sido ji aiiecUda 6 a 7 mil
leatMi, islo he, um ler^o da paj>olac;o. Muilos ca-
so rraealinos e grarisnimos tem sido observados
nesla nuinzeni. Individuos houveraij, que faram
valos de manluta, na roa uo leu estado habitual de
sadt, e de larde j iam caminho do cemilero ;
oalros deitaram-se nqile hrns iamanheciam mo-
ribundos, jdiathi a pouco exriravam ; oolros erara
forlemenle atacado, com todo* os ijrmptomas exage^
rados da epidemia, m baoj|>y>_tm complicados
d* dnimi'
con nm*M m
urna ncsla triste Hrcunuanri i Uuatjtla ao parlo da
villa dan Breves, AWtIsttaWt j| ^B| Blinei-
ros, isln he,as que or Mbta pro-
fceia, trazo Wf eoares,
^^Bsido d?sapieildamea'.o!.jij ^^H|t Iripu-
lc/Jes; algumanosea regrBittT^ra^nrigadas a
ma-arabiea com ludano liquido de Sydenham.
(Scrop. um) para uso inlerno tem sido um medica-
mento precioso contra as diarrhas.
O sinapismo demorado por meia hora e mais no
.epigastrio tem produzido oplimoi beneficio, para
combater as dores do estomago c os vmitos. A san-
gra no braco lem sido salutar logo no principio da
doenca, nos casos fulminanles e n'outro-, que sem o
serem, se mostraran! todava acompanliados de al-
guma gravidade.
Quinze vezes tenho laucado mao della, cinco em
casos de ataques fulminantes, em que os sujeitos fi-
cando sem falla, s expermeulavam hnrriveis caim-
bras ; qualro desles foram salvos, sendo dous lapuios
e dous brancas, dos quaes um era colono da compa-
nhia de Navegado do Amazona*, por nomc Jos Pe-
reira ; o quinlo fallecen, era urna prela, escrava,
de 50 annos, que ha muilo solTria de careinoma no
eolio do ntero, sendo oalaqne complicado de ahon-
dante hemoptvte, durou tete horat. Qualro,vezes
no pariodo lgido, sendo um prclo, dous msticos e
um branco ; este sem esperanca de vida, colono da
companhia, de nome Manoel (o barbeiro), escapoo;
os oulrot fallecenm. E finalmente seis vezes em
casos grav, e complicados quasi sempre de hysttfc-
ria ; deetes curaram-se cipco, e fallecen um por rao-
tivo de recalada da molestia, estando ja livre de pe-
rico, era colono da companhia, chamava-se ltomfio
Pastorice.
Apezar de loda esta vaatagem do emprego da san-
gra, medicarlo muilo aconsoibadt nestes casos pe-
los mestres da scienca desd lempos os mais remo-
los, e especialmente depois de 1832 pelos h.beis pra-
licos Broutsaii, Roehe, Santn, Houillaud, Boit-
ean, Labal, Foy, Sandras, Delpech e muitos ou-
iros que tem tratado didaticamenle deste genero de
enfrrmidtde, como V. Exc. perfeilamente abe, lem
no enlanlo este precioso meio curativo sobTrido urna
encarnizad, opposnao da parle dos charlaiacs, dos
huroa-opathas, de aUzuns ignorantes de entre o po-
ya, qae presumindo saber alguma coasa, at de me-
dicina, por lastima e vergouha delles nada sabem,
mesmo das coasas mais comezuhas, e o que mais
he, de algum medico, jae, nao sei por que motivo
enleodeu em sua sa
a sangra contra o cfc
O povo fascinado
anda yela leinbranc i
jjue devia desacredilar
gares, e dominadlo
es eiTeilos da sangra
a segunda parte do mencionado oflicio de
c. tonlin a di/.er, que duas lloras depois de ter-
mot deixado o porto de Camela o Exm. l)r. Ange-
lo Custodio Correin, que ale enlao pareca gozar de
vigorosa saude, foi repentinamente accommettido de
urna diarrhea, que dentro de ama hora chegou ao
seu auge de utensidude lornando-se branca, e logo
acompaohada de caimbras nos membros superiores,
e de lodos os |symptomat qae ha pouco enumerei.
Enlao empregnei o Iralamento geralmenle seguido
servio.lo-me dos medicamentos, que trazia o com-
mandante do vapor, e consegu fazer cessar a diar-
rhea, e todos os outros symploma*, e apparecer a
reai-cao (res horas depois do ataque. .Vesse momen-
to embalei-me na doce e animadora esperanca de ter
salvo urna vida lao preciosa, entese presupMateani-
mei a chara consone do finado, que enlfWBjava
snbmersj em pranto e tristeza. Mas oh 1 aranos
da Providencin !... urna hora apenas duraran as
roelhoras porque subrevieram os vmitos, ereappa-
rereu a algidez, contra a qual foram baldados todos
os meios, anda os mais enrgicos, e inuteis os estr-
eos, que empregnei nao s como medico, mas como
um dedicado amigo, e 10 horas depois de ter ataca-
do exhalou o Sr. Ur. Angelo o ultimo suspiro re-
vestido da maior resignaco, elranquillidade de es-
pirito, como se.a quem ceno de ter Irilhado' nesle
mondo o caminho da virtude, encara a hora do pat-
samento como a em que deve receber o premio que
Ihe compele.
Cabedizer a V. Exc. gue muilo concorreu para a
morte desle lllustre Paraenso a conslernasao, em
que ficou o seu coradlo ao ver o estado lamenlavel
de Camela, o qual foi bem apreciado pot elle, por
que ia em pessua ora s, ora em minha companhia
{asa do rico, e do pobra levar a consolarlo, e dis-
tribuir lhes os medicamentos, e esmolas, e por isto
releve V. Exc. que a minha penna aproveile o en-
sejo para em nome da populaco Camelaense Ten-
der as homenagens eagrtxlecimentos devidos a me-
moria de nm benemrito da sua patria, que bem
mereca urna coroa cvica, se a Providencia Ihe nao
livesse destinado a da gloria, por sao que arrosloo
lodos os perigos, c expoz a sua aaapria existencia j-i
como administrador da proviuaT ja como parlicu-
lar para salvar a de seus conterrneos, e foi sem
duvida por nao haverem recompensas suflicientes
neste mundo, que Dos o chamou a si para Ih'at dar
elle mesmo.
He quanlo tenho a honra de informar a V. Exc.
que se dignar acceilar os protestos de minha estima
e alta considerarao.
Dos gunrde a V'. Exc. Para 2 de jnlho de 1955.
I Um. e.Exio. Sr. Dr. Jo.lo Mara de Maraes,!), vice
presidente da provincia.
Dr. Jos Ferreira Canlo.
(Treze de Maio)
na febre amarella, recusa-se a aceitar -o beneficio,
quando te Ihe pflerece ; e ja por duas vezes tenho
pastado icio dissabor de ver impugnada a minha
prescripeao, urna dellat por insinuarlo lie medico,
segundo fui informado. No enlanlo na esfriarei a
vista de laes difllculdades ; hei de continuar a acon-
selliar ste meio curativo sempre qae o jalgtr indi-
cado, embora o rejeilem por ignorancia. Nunca
sobrecarregarei a minha conscieocia com escrpu-
los uascidos'de loqcas condescendencias, ou de inap-
lidao.
Outros mdicos desla cpital tem pela mesma for-
ma na aclualidade feito applicaeao da sangra com
excellenles resultados ; a esses tambem lem appare-
cido osrnesmos embarazse difliculdades que a mim,
porm sao dolados de coraaem, e as vao vencendo.
O temao' ha de curar este grave erro ; verdade he,
que lalvez um pouco larda, quando algumas vidas
ja tenham sido sacrificadas a miseravel preocenpa-
e3o e ignorancia.
Termioarei attes esclarecimentos officiaes, parti-
cipando i V3IC., que asembarcaces, que vao lar-
pslcofto par. paizes eslrangeiros, lem ido
.1 de Carta' de saudejp.issadas pelo provedor
Heguiote nota ji's por
por cauta da etlacao do lempo bastante calorosa o
chotera-smoradicn com carcter grave.He ana pa-
radoxo em medicina o que aquelle empregado
nosso |coliega ennuncia ; por qaanlo, nao sei como
se possa dzer, que um doemja be sporadica, qnando
ella lera aneciado largamenle, em granift ccala
ao mesmo lempo nma boa parte da pipulajo nao
s da capital, como do resto da provincia ; este pre-
dicado assignam os escriplores mdicos como cunho
indecliuavel de urna epidemia qualquer. Quanlo t
causa eu a contesto ; eslou convencido, e em lem-
po provarei, que a doenca que dolorosamente nos
afllige, foi importada. Mas por quera? Ainda u5o
o posto francamente declarar ; eslou rollicndo do-
cumentos, informa?Oes"qae muito hao de elucjdcr
esta imporlanle questao. A voz do pvo porm
aecusa a galera Defensora como a autora das nos-
sas desgracas e sofTrimenlos, e talvez esta condem
najo nSo esteja longe da vere%de.
Dos guarde a V. Exc. Para 21 d#Junho de
1855. -Illm. eExm. Sr. Dr. Franciaco da Paula
Gandido, presidente da junta central de-HygCjoc
Publica do Kio de Janeiro.
. Dr. Francisco da Silca Costra, presidente da C.
de Hygienc'Publica da provincia do rao-Par.
MARANHAO.
KELA.TOUIO
da commissio de hygienepublica, em
relac.io com a epidemia reinante no
Para'.
Illm. e Exm. Sr.A cominissao de hygiene pu-
Lazarelo de observadlo.Ad primeiro demos o
Ululo de lazarelo da observado ; he dettinado para
os navio, que nao trazem molestia suapeila a bordo,
o que nem a tveram durante a sua Iravcatia. Neslas
crcumslancins, e para n3o vexir o commcreio, lor-
na-se .intil sua rcoioc.io para mais longe, c ahi
sdtfrem a quarenlena da observarlo que Ihe. he im-
posta pelo regulamento, e proporcional ao numero
de dias de sua viagem, o depois de serem descarre-
gos, arejadns, lavados a purificados, to admillidos a
livre pratica.
As mercadoras sao expostas tambem ao ar, sof-
frem fumeuacoes aquellas a que he applicavel esse
meio de purilicac.ao. Sao igualmente destinadas as
m.cas, roupas de vestir de camas, quando te julga
necessario. Os passageiros ahi retidem por um es-
paco de lempo Igual ao da quarenteni do navio, nao
sendo permillida communicacao nenhuma directa
delles com a cidade.
Estaciona oeste ltatelo o Sr. Dr. Cezar Augusto
Marques, encarregado de visitar os navios antes de
enlrarem a barra, e de Ibes dar o deslino apropriado
a seu estado sanitario. Este facultativo be ao mes-
mo lempo incumbido de remelter para o correio a
mala da correspondencia, depojs de convenienle-
menle desinficionada por furacgac,r>es guylonian-
nas.
Perlence-lhe tambera observar c fazer observar
todas as ordens expedidas para tornar eflicaz a qua-
renlena, maniendo o Lazarelo no mais completo iso-
lamento que for possivel.
Lazareto da itha'do Meio.Para os navios que
trouxerem doentes de molestia epidmica a bordo,
oo que a liverem lido ddraule a viagem, he deslina-
do o Lazareto da ilha do.Mdo. Esta ilha situada a
um legoa da cidade ou mais, i sotavento, separada,
da larra por um estrello ( Boqueirao ), alta, coberla
de arvoredo, eseacosa, com urna enieada e um au-
coradouru abrigado, ptrecen-nos reunir as condic*
(Oes precisas para-um estabelecimento d'ette genero.
A agua, que ahi ha, te bem que nao da melhnr qua-
lidade ( um pouco selenitosa ), he comludo polavel
e pode servir. A falta da agua he quasi geral em
lodoi os pontos que se pode lerabrar aqu para Laza-
relo, sendo assim matroo esta ilha onde se encuntra
melhur. Se se considera de outro' lado at vanta-
geas que resullam'de sua situacao, e isolamcnlo pa-
ra a facildada da fiscalsacao quarenlenaria, convir-
se-ha que seria difcil achar urna poticSo mais apro-
prada para aquelle fin.
Alli se acham duas casas que torno construidas pe-
la previdente sollicilude do governo, quando ha um
anno um echo distante do cholera-morbut que per-
corra a Europa, aporlon a estas (traas ainda vlrgens
de sea pestfero contacto.
Dessas casas, urna era destinada' para a enferma-
ra oulr.i pata deposito de mercadera! : d'ellat se
lem ulilisado a tripnlarao da corveta a vapor Para
ense, que aqu chegou do Para1, depois d ter
Ih perdido 13 homeus de sua tripularlo, que tc-
rumbiram epidemia. Durante a vigero adoeceram
alguns, e dous morrerarq-lhe. Depois de Tundeada
inda se deram casos da mesma molestia bordo e
duas mortes. Pojen desde o da 16 de junho p. p.,
extinguio-se completamente o mal, n o vapor ja are-
em organisar
blica, a quem pertence a iniciativa de, ludo quanto. ija(|0) |ava(jo,e desinficcionado so
diz respeilo a* interesses da taude publica, julga
do seu dever apresenlar a V, Ble. nao somenle o
seu parecer acerca da epidemia actualmente reinan-
te no Para, como expr a sabia apprecic,ao de V.
Exc. o plano geral das medidas adoptadas par ella
para obstar importarao da molestia nesta provin-
cia, e estorvar os seas progressos, no caso do seu.
apparecimento.
Satureza provarei da epidemia.
Parecendo primeira vista que temos sobejas
nformazoes da epidemia era questao, depois de lan-
as noticias exlrahida* de carias particulares, da nar-
rarlo dos passageiros, ou mesmo -da exposico de
alguns facultativos acba-se que quando o medico
imparcial qaej formular o eu juizosobre analureza
dessa molestia, percebe que nao s3o sufliricnies ol
dados que al agora^pos-uimos para te pronunciad
definitivamente.
Entretanto, o que me parece fura de questao, e o
que apenas he contradilo por aiauni fados exagera-
da., de'que olidas razies nos permitiera duvdar,
he que nJo heo cholera epidmico o verdadeiro cho-
lera asitico, cujo nome s, lem enchido de terror a
nossa populacho, t '
Julgamos' reconncwr as descripes qna lemoa
a vista a molestia conhecid ha muitos scalos na
Europa, que alguns modernos lem dado o nome
de cholera europeu, outros d% cholera nostras, e em-
fim deuomin.dafllUra espordica por Geoffroy,
Chaufiert, e ouko.
'Esta optaa40RajM ser tambem a do Sr. Dr. Ci-
millo, e a da maior Arle dos medios Ilustrados do
do so espera
Je
Para.
Com effeilo, o cholera epidmico se aprsenla or-
dinariamente com caracteres mais terrives, sobre-
nstro devastador cos-
por conlinoidade, e
s. navio algum de
lidias. De outro
ole.-lia, a ausencia
Illm. e Exm. Sr.Em cumprimenlo ao oflicio
de V. Exc. com data de 28 do mez passado, em que
V. Exc. .exige, que cu o informe do que vi e obser-
ve! d.rint. tempo, que estive em Camela, relati-
vamente a epidemia reinante, escus estragos, c bem
assim a respeilo do ataque, |que soflreu, e do qaal
veio Tallecer o Exm. \ ice-presidente Dr. Angelo
Custodio Coma, tenho a ponderar V. Exc. quan-
to a primeira parle do seo. oflicio, que a cidade de
Camela aprsenla urna daquellas scenas, que sj po-
dem ser observadas com o coracao tranzido de dor,
mas n.to descriplasj^que a nao ser a moila dedica-
cao do mesmo tictp^osdenle, (da qual foi victima)
sua familia e aos seus conterrneos, e a confianza
qae meassislia.de que a medicina auxiliada pela Pro-
videncia Divina ia melhor a sorte daquelle infelia
povo, certameole leamos ambos desanimado.' Ex-
porci todava a t. Exc. mui succintamenle o que
ohserve :
A deedilosa eidade de Camela,, assimcomo ledos
os seos'dittrictos, eslava brazos] com a epidemia,
que imibem reina nesla capital e em grande parle
da provincia, porem alli com mais intensidade e
malignidade do que em qualquer outro lugar, pos
e o numero das pessoas atacadas diariamente era
ando o raen calculo de 90 a-100, e o dos casos
es de 321 34, termo media, haveodo dias .le -ho-
gar a quarenta e tantos, e um delles a 52, o que he
extraordinario para urna populacho de seis e tele
mil almas qual he a daquella cidade.
Devo porem advertir, que para ino concorria nao
ludo na sua invaso. Esse
luma a propagar seus
nao consla que no" Pa
porto onde lavrasse o chcjtj
lado os ymptomas mesmo
de cerlos signaes palhognomonicos, a morlalidade
relativamente diminuta, sao circunstancias que
nos confirmara na consoladora npiniao que.ja enjil-
limos.
O cholera espordico de ordinario se desenvolve
espontneamente, sob a influencia de causas de insa-
lobridade locaes, e eslas nao faltarao no Par para
explicar o seu oateimento e seus progressos. O des-
seccamento dos etnaes artificiaes que rodeiara a ci-
dade, a jeral escastez.dos manlimenlos de boa qua-
lidade, o ato de alimentos salgados ou mesmo cor-
ruptos, e emtiin a rpida lransizfi> dos ardores do
da, ao fro das noites devida, ao solslicio, cis-ahi
as causas i que se deve attribuir a irrupcao dessa
molestia que (emquanto a nos) deve ser considerada
como urna aflecro nervosa alineando com especia-
lidade o grande sympathico.
Seja porem qual for nossa opiniao sobre a nalure-
za da molestia, surge a qaestio :' como deviamos
proceder a seu respeilo '! Porvenlura de viamos Ocar
inactivos espectadores do resultado, ou tomar medi-
da, enrgicas para prevenir qae nao fossemos tam-
bem contaminados !
A commissao de hvgiene determinou obrar como
enccitlar-se s margens do rio. a marra OTO-se ao mal- pouco o desanimo que se apoderoo daqoelle povo,
lo para ahi esperarem algum toecorro ; no munici-
-pio lido, urna completamenle sem gente. Exm. Sr., nao
pense que este .doloroso quadio seja alguma, iceno,
pelo contrario, he a pura realidade ; e se necessario
for cilarei os uomes das infelizet viclimas. Dos se
amercie de nos !
Tambem lem sido desde a juelle dia, que avultou
mais a morlalidade. Na prxima barca enviare) a
V. Exc. omappa da mortaliclade occasionada nesla
capital pelaepidemia reinante em todo o mez de ju-
nho.
A clatse baixa da sociiade e desla os Indios ou Ta-
spuios, e os pretos, conl nua ser o alvo principal do
atsoslador flagello. Na classn media, e na mais ele-
vada,, poneos leom sido por ora os casos obser-
vados!, e nesta por via de regia he sempre benigno o
mal.
'Rao floalisarel este raen oflicio tracado muilo
pretsi ao qanlo da da invaiao de urna figeira cho-
nlo si pela vista de-seus prenles e amigos morios
como por se verem inletraraenle. detnrovidos de
meios, medicinaes proprios a combater o terrivel fla-
gello. qae os dizimava, at a chegada do Exm. Dr.
Angelo, que levou os medicamentos precisos, e mais
que ludo pela idea de que a molesta|era'conlagio8a,do
que resultava, serem qnasi abandonados os que ti-
nhnm ainfelicidade de ser all'eclados.e fallarem-lhes
aquelles cuidados, que mui poderosamente contri-
buem para o rcstabclecimenlo da saude.
E lao convencidos eslavam do contagio, que as por-
tas e janellas das casas permanecan) todas fechadas,
as roas qnasi desertas, e as puncas pessoas que as
traiisilavam, trnziam um lenco tapando o nariz e
bocea ; os cadveres dos que fallecan), eram man-
dados conduzir para o cemilero pelo subdelegado de
polica (qae de passagem seja dilo, valiosos servicos
prtstou) o qual para sso lutava com muilas diflicnl-
dades porque ninguem se qaeria prestar anda com
grandes vanlagens pecuniarias, pelo que vi
lerina, que ape/.ar de lod.i i sua bcnignidade, nem aqutjlle obrigado a usar de violencia, e assim .
por lato deitou de me abaler consideravelmenle a
forCnS, tem palentear a V. Exc. o resultado da mi-
nha clnica na actual epidemia.
Tenho tratado desdo o comeco do desenvolvimeu-
lodeca fatal enfermidade ai hje 36C docnles pelo
tyslema,d. queja dei conta ao publico em o artigo
Ditas nalavras sobre a epidemia reinante, e do
qaal V. Exc. tem noticia. Eram 80 brincos, 19 la-
puios, 267 pretos ou mctlic.os. Dos brancos fallece-
rn) 7, sendo l.mulher e 6 homens, estes ltimos
eram colono.da companhia de navcgazao.de Amazo-
nas, os quaes tuecum oran pela forma Mguinte : 1
de diolera cm recihi-.a, 1 lo. cholera ijinplese fran-
ca, 1 de cholera superveni ;nle ao quarlo dia de fe-
beo amarella e 1 de clioler;, supetv.niettifr eoova-
leseunza de febre biliosa gavissima. Dos lapuios 4
pereceram no period) lgido muito adlanlado, dos
rao aconlccia as vezes adiarse so no meio do cami-
nho. c sera ler quem conlinuasse a dirigir o carro,
que ronlinha os cadveres, porque aquelles, qae
elle linlia podido agarrar deilavam a correr cora
medo de aproximarem-se ao cemlerio. Felizmen-
te pude convencer com o meu exemplo nao a todos;
mas a muitos, e islo com grande cusi, de que a
idea, que fornavam da molestia, era falta, o qne
reunido a minha presenca c ao verem que ja havia
raedioementos os tranquillisou um pouco.
A molestia apresentava todas at variedades, qae
se lem observado nesla capital, porem o qoe mais
geral se moslrava era a diarrhea branca, ou biliosa
acomp.nhtda de caimbras nos membros, e logo de-
coraposizao da face, vomitas e algidez com tuores
copiosos e frios, e cm pouc.s horas suecumbia o do-
eie. v
te a molestia fosse realmente o cholera asitico,
ainda mais na hypulhese de ser essa contagiosa.
Ja, o ditsemos, quando a duvida ainda he permit-
|ida, e qae ajMlieias que lemot antorisam algu-
mas pessoas raitl existencia do cholera epid-
mico, seria fallj^o nosso dever, se mo pozessemos
em pratica os preceilos que; a sciencia e a huma-
nidade aconselham, c que a prudencia justifica
sempre.
Dos meios que lembramos para preencher esto
flm, uns pertencem ao governo, e sao ohjecto da
hygiene publica, outros dependen) da voluntaria
eoadjavaco dot particulares, e deven) ter aconse-
jados em beneficio do inlr.esse geral, visto que
nao he possivel auloridade o iotervir na su. exe-
cuzao.
O que iucnmbe ao guverno fazer executar, e
que ja se acha em grande parle feito, he o se-
grale :
1.a Tentar pelos meios conhecidos (lazaretos e qut-
rentenas.' opp provincia.
2. Por em pratica (odat es medidas de polica sa-.
nilana destruindo quanto possivel todas as causas de
insalubridade.
3. Organisar um svslema de soccorros para os
pobres, para o caso pouco provavel em que sejamos
aecommeilidos do mal.
Lazaretos.
Intil e fastidioso seria entrar na ditcusso das
Iheorias que tentara, explicar a Irasmisso e pro-
pagarao do cholera, ja polo contagio, ja pela infec-
Cju>, ou por ambos os modos, ja erallm por urna al-
leracao do ar desconhecida em sua eesencia.
, Em urna questao que divide os juizos das maioret
autoridades, e em que nos fallecen) os dados de ob-
rvtzao propria, leriaraos de reprodu/.ii os argu-
mentos ja sedicos e bem conhecidos da um partido e
lo oulro, e concluiriamostdeclarandu-nos coolagio-
nisla com Moreau de Jonns, ou an(i-ronlagionittR
com almas, sem que dabi resallasseprcveitoalgura
real.
Enlrelanlo a opiniao antl-contagionista, dominan-
te hoje na sciencia, nos parece a mais razoavel, nao
obstante o que asseulamot qae a institnctlo dts qua-
reotenat deve ser contervada, ao estado actual de
nossos conhecimenlos, visto que em questao de tao
vital importancia, se se erra, convem enlao que seja
por excesso de prudencia.
Dout lazaretos foram creados, um na Pona da
Areia, oulro na ilha do Mido.
cado para sua quarenlena
coradouro da cidad
Estao sido regiere estes l.aiBatWi por um regula-
mento provisorio qoe a presta orgaoisou e expedio
esta commissao, pira a direccao daquelle serviro.
Tanlo quanto o permillio a bfevidadedo lempo,
e os meios a nosso alcaoce, providenciamos para
que te fornecesse aeste Lazarelo, aqullo de qoe ha-
via misler piramootar a sna enfermara, e propor-
cionar a teas hospstdes os commodos e arranjos com-
patveis com as cSeaimsIaiirias. Nao liavendo outro
navio alli em quaCMnaa, foi inulil enviar medico a
ette Lazarelo, por quanlo o mesmo Sr. Dr. Claudio
J. P. daSilva, medico da corveta, exerecu estas fanc
Zdes como de jusliza ; ejim quanto a polica da qua-
renlena foi confiada ao comnaandanfe da mesma
crvela, que a lera pontoalraenle obtervado, confor.
Hpdo-se com as ordens recebida. tambem n'etse
tentido do Sr. chtfi da estarlo navel.
Mas como um Lazareto'nao he um estabeleci-
mento que te improvise, o quo s para occorrer as
exigencias do momento montamos ste o melhor
possivel.acontecen que a casa destinada para enfer-
mara nao se achava em bom estado, e que loi-se
obrigado a applicar para este fim o armazem desti-
nado para fazeodas, o qual por #Sr construido na
baixa e sem janellas, he qaente e hmido
Apezar detla crcjirnstancia que nao prelendemipt
escurecor,Otrdoeii|e l se trataran) e convalesceram,
continuando o resto da guarncao a ficar itenta da
epidemia.
Polica sanitaria.
Em primeira Uuha dos meios empregados para
neulralisar os cfllitos de urna epidemia, oo prevenir
sua inlroduczao, est a extcuzSo das regras di poli-
ca satinara, reconhecida hoje corno inconlestavcl-
menle o mais eflicaz em lodos os paizes civMisados.
A prophytaxia bygenica qae tem por fim remo-
ver as causas predisponentes cas epidemiat.se refere
principalmente a dous objectos: 1. destruir, no re--
cinto das cid-des e nos lugares povoados em geral
lodas as causas de infeccao, lodos os focos de mas,
mas, ou emanacOes capazes de alterar a composizao
do ar, commonicando-lhe propriedades deleteria 2.
liscalisar a nalureza, composizao, e estado de lo-
dos os genero, que constiloem a alimentacao dos
povos.
Cora estes principios se conforma o systema de
polica medica seguido pelo governo, de coucerto
com o Sr. presidente da cmara municipal, e que
est sendo posto em execucao.
Consiste na adopzao das seguinles medidas:
Ordenar a limpeza em gertl das ruat, prazas e
praas da cidade,
Faier remover desses lugares pblicos o lixo: as
immundicias,as materias vegelaes ou animaes e ludo
em fim quanto he tusceplivel de viciar a pureza
do ar.
Dessecar as aguas estagoadas e charcos que exis-
ten! em alguna bairros da cidade.
Conseguir dos particulares que concorram para
o mesmo fim maniendo no maior ceo tuas testada,
de casa, seus quintaos; e seus terreno, vazios, o
que ser fiscalisado por vistas domiciliarias., e im-
pondo se as mullas das posturas da cmara muni-
cipal aos casos de sua infraccao.
Velar para que se fazm os eolerramenlos obser-
vando-se tridamente as regras para esse fim esta-
tuidas, a, *
Oisseminar a populaco, onde quer que se ache
muito accunrulada, sendo o balrro da Praia Grande
aquelle que debaixo deste ponto de vista e de outras
circunstancias desfavoraveis merece a principal at-
tenzao.
Vr/.ilar lodos os edificios e estabelecimentos pu-
blicos : quarleis, collegios, seminarios, convenios,
etcolas, fabricas e ordenar para que tejam pollos
uas melhoret condi^ies possiveis de sal*ubrdadc,
tanlo no que diz respeilo ao aceio, como a sea r-
gimen interior.
Vizitar ts quitandas, barracas, pallaras, acou^ues
lodas as vendas, emm de comccliveis,'hem como
revistar o. l.boleirot ambulantes, para verificar te
osgeoeros vendidos para contumo do publico tao
frescos, pnrot, nao alleradot nem pphislicados, im-
pondo no caso conlrario as penas e multas marca-
das pelas posturas da cmara municipal.
Cremos, apezar de que assim pensem distinclos
mdicos, que seria muiloajnzar o prohibir a ven-
da de licores alcoolicoij| ffcsmci das comidas (ri-
las usadas no paz catnlisAlTs, arroz do louci-
nho), recurso ordinario de tima rarle da populazao
e cujo uso moderado ralo dea. prejudicar aot est-
magos afleitos a ellas. Concern sim qoe nao tejam
asadas com excesso, mas para evitar o seu abuso,
parece-nos que he muito ordenar a sua suppressao,
que quasi equivale a por o povo em dieta.
Prohibir a venda de carnes e peixes salgados se-
rit tirar maior parle dos habitantes da ilha, so-
lueliidfc cscravo-. o teu ordinario sustento, mas
cumpre fitcelisar para que estes gneros nao possam
ser vendidos seinlo em perfeilo estado de conser-
vado.
Sendo a salubridade da cidade mais dillicil de
raanlcr que de conseguir, he esse o objecto que
deven, tender porfiadamente os reforjo! da polica.
Distribiirao de oecorroj.
Inda que firmemente convencidos de qne os nos-
sos e-forros para arredar de nossat pralas a epide-
mia do Pawserao coreados do mais feliz resultado,
nao podamos licar desprevenidos para o caso pou-
co provavel, mas possivel erallm de ten appareci-
mento, c j temo, de antemao preparado (udo para
teu recebimento.
A fra o hospital da misericordia, e a salas la-
leraes da igreja de S. Panlaleao que foram enfer-
maras de bexigosoc, o governo lem a sua, diiposi-
zao o convento das Mercez cedido para esse fim, e
procura-se inda mait ama cata, para montar hos-
plaes provisorios, em que serio receido trata-
dos os pobres atacados da epidemia.
Vara o ser vico de cada um delles terao nomet-
dot deus mdicos, os quaes terao tambem eocarre-
gados de visitar em seus domicilios os pobres que
nao poderem ser admillidos nos hospitaes.
Com actividades sa est preparando roupas, col-
xes e lodo o mais material necessario para o servi-
Zo desses hospitaes.
llavera, como se lem praticado em circmstan-
cias iguaes, fornecimenlo graluito de dalas alimen-
tares, medicamentos, e mesmo roupas os doentes po-
bres visitado! em seu domicilio pelos mdicos em
commissao do governo, ao mesmo lempo que o for-
necimenlo ou da botica un de dieta, para os hospi-
taes ser contratado com pessoas idneas, e regula-
do com toda a or lem possivel.
A commissao se applica com zelo
um regulamento para que seja feita a dislribuicSo
de soccorros gratuitos aos pobres, em caso de ter-
mos acommelidos pela epidemia, com loda a ordeml
e regularidade, de modo que seja o seu objecto cf-
ficazmente preeochido, e os fundos despendidos
pelo governo em vistas lao louvaveis e dianas, bem
aproveiladosera ntilidade publica.
- Hygiene privada.
Nao basta porm qoe o governo se esmere em
por em pratica todos os meiot a mu alcance, se nlo
he ajudado nesta tarefa pela boa vonlade dos parti-
culares, os quaes'sc devera compenetrar de que
isso os convida o tea inleresse proprio.
Kicarao baldados os exforjoc do governo a favor
da saiide poblica, te nao coocorrer espontneamente
para o mesmo fim a esclarecida cooperario de lodos
o cidadSos.
Antes de paccarmos Iracar algumas regrat de hy-
giene privada, qae convem que seam observadas
por lodos, j come meio preventivo de detenvolvi-
inenln da epidemia j para allenuar os seas effeitos,
e limilar.a toa cxteozlo, lembramos que a observa-
Z3o d'e-les preceit"! be raoralmente obrigatoria, e
que nao hesfncalpa o detprezo da propria vida, para
quem por seu mal fornece alimentos ao estragos de
urna epidemia, no centro de urna populaco.
He i nossos olhos commetler um erime de lesa
humanidade.
Sao-nos inspiradas estas reflexet pelo espectcu-
lo desanimador da incredulidade ou incuria deplo-
raveit de urna grande parte de nosta populaco, qoe
desprezando os beneficios da vaccina acaba de for-
necer n voracidade da bexga lanas vctimas sem
defeza
Eis aqai, n'um quadro resumido, em queconsis-
lem essas leis da conservacSo propria. ,
Hygiene presercativa. Habilar casas seccat, e
bem arejadas, sendo a melhor poticao nesta paiz,
a de leste; entreter n'ellas o maior aceio,e nao aecu-
ranlar muila gente sobre ludo os quartos forrados.
Fogirde reunies numerosas, com especialidade "em
salas fechadas.
Usar de alimentos nutritivos, porm alo indiges-
ra o pcazo mar-1 (os, de boa qualfdade, e cm qaanlidade razoavel e
Tundear no an-1 comedida. Evitar as carnes de porco, as carnet de
peixe salgadas, ot maiitcos, e as comidas emfim
conhecidas como excitantes por toa nalureza, ou
pelus adubos, que a compile. Abster-se de fructas
mal sazonadas, especialmente de ananazes, mele. e
pepinos, e de bebidas alcoelicas, exceptuando o bom
vinho em mdica quaalidade, se te esta habituado
a elle. .
Trazer roupas suflicieulemante espessas para res-
guardar das v.ii'iacoes da temperatura, homidade, e
calor almosphericos. As que s3o applicadas sobre a
pelle devem ser freqoenlemente mudadas.
Passear ao arlvre, horas mais frescas do dia ; nao
fazor exercico capaz de cancar, sobre ludo nao im-
par aos que trabalhim trelas excessivat. Propor-
cionar o s.aft, idade, at fadigas e s exigencias do
lanotos, onde s chavas abundante, snecede brnsea-
menle um sol abrazador, el tice-tersa. #
O cholera symplomalco he aquelle que se acha
ligfdo diversas doenras agudas e gravissimas. Eu
poderia citar alguns exemplos d'aquella especie de
che lera por mim mesmo observado aqu no Mar-
nhlio, quando em 1836 e*1837 reinarara ai febretbi-
liosat iotermitenlet.
O cholera calailalico he aquelle que nasce de um.
consliluicio determinada da atmosphera, da exage-
racio daetlacao, seja pelo fri, pelo calor, jci pelas
che vat, de mais, ou menos, qae podem apparecer
em certas pocas ; teja por falta de alimentos, ou
pelo aso de alimentos de mi qaalidade, ou pelo in-
cremento da populazao e porlaolo da aglomerado
de muilos individuos as habilariies ; ou pela roo-
danza dat aguas polaveis, devida as chuvas excessi-
vas ou t teccat nao coslumadas. Em Franca e em.
ou'.ros paizes da Europa o cholera calastatico apparC-
ce independenlemenle do cholera asitico, o he cha-
mudo mal popular, epidemia provincial, pequea
epidemia.
I > porrales, em teu oitavo lvro dat epidemias, faz
me ncao d'aquella especie de cholera qne foi obser-
vado em Londres, segando Svdenam em 16691676'
e lluxerne em 1641. Appareceu em 178o em Pa-
rs etc.
Todos os autores, qae tem eicrpto lobre o cholera
cataslalico, estao de accordo que o signal caracters-
tico d'aquella forma de cholera he .de nao pssar
alem dot limites da influencia da rousliluic.io medi-
cal, com a qual o dilo cholera adiase ligado.
Agora te etaminarmot com,allencao, siluaz.lo em
qae se achava o Para quando appareceu a doenca,que
hoje alli reina,veremos qae aquella capital te achava
em todas at condices .prprias para produjjr o
cholera calastatico,
Comelteilo, as chuvas quoldiaoas fataram o calor
portanto. foi excessivo: f.llou absolutamente a carne
fresca ; ha muito que ot legomes frescos, at verdura,
e as fructas sazonadas nao appareciam no mercado ;
ai ave domesticas (vulgarmente creacao) chcgarain
a nm pre dia ostr d'aqoelle refresco. A maior parle dot habi-
tantes cavados no lucro que Ihe otferecia a colbeila
Todos os peridicos de Madrid te oeeapm larga-
Denle dos soccettoi de Barcellona.
A Corona de /Iragon. jornal de Barcellona dia o
segnintc no eu artigo de fondo :
Que he o que pedem essat masiai immentas de
iperarios que dtuham as nosta. roas, sem todava
nectrarem-se hotlis, sem contuliar pettoa alguma,
ias/emos dize-lo em honra toa, tem para nada se
prcpwrarem ?
a O direilo de aisociaclo.
Pedem lambem qdwde um CBodo gar e fir-
me te eslabelezam et horat de IrabalHo, e que te
contlilua um grande jury de patroet e c
que regulem de acord ai inlellgeoclat qae entre
elle te tuteilem.
Poit bem, conlinna-se se jury, Mt tambem o
pedimos em nome da liberdade, em nome das fami-
lias, em nome da Iranijuillidade publica, em nome
de loda Barcellona-
a Ot Operarios continuavam percorrondo pacifi-
camente a cidade. sem apparenci hostil.
O jornal cima citado diz que ho.ove onftlm'ande
retoiao das auloridades civis militares, na qna
se oraeou urna commissao que ouci as proposti
dos operarios e veja se ao accetaveis, para m lo*
o caso resolver o qoe for raaie conveniente.
Se as suas exigencias foremdesmedidas, ce ni
quizerem concilia^ao, o que nao he de esperar, por-
que, di o jornal allu,li,1o qne tCDC que elle, a de-
sejam.cmtao proceder-se-ha com energa.
Vanas petacas creem bdje que lodoi etce moci-
mentos revoHwo qoe estao tendo Jugar na Hcspa-
nha sSo provocados por manejos da Rosta entre
estat pessoas ditlingue-te o eorretpondende do Ti-
mes em Pars, o qual te acha bem informado a cer-
ca da poltica hetpanhola.
O levanlamenlo, qae leve tugar em Barcellona,
diz elle, esl eslreilaraente ligada com at tramas dos .
Carlistas dentro e fra da Hspanha, com ai dot Le-
giliraislas denlro e fra de Franta, e com a perma-
nente eontpjrarao das farrOes Mazzini a
ao pasto qntjjodos sao susientadote excit
Rosta.
O mesmo correspondente predi* te a intarrei-.
cao te estender, as corles, toruaiidPwSt) perigo im-
mineote, se declararao em setsao permanente, e lo-
maran! a forma oo o ttulo de convenrao nacional.
Netle c.to atacada porMontemolim de oalro e pe-
lo socialismo ile outro. nao ser dillicil conjectuar-te
qual vira a ser a sorle da rainhe^_sabl_ Demais
so a insurreicilo te estender am) nWe da llespaBtu
um exercito francez de observazo dever er esta-
cionado ao longo dos Pv reneof.e nao tsabe ce Lr
Nipoleflo poder dispensar presentemente ama tal
forrar. O que ole madece duvida he que a pobrsj
IJespanha acha-C em criticas circum-tanefas e que b
f
1
do caoulehone, precipilaram-se as maltas, abandu- *rono de Isabel Fernando corre grande perig.
Quanlo ao molan de Londres, en como o refere
corpo.
ntrete
ler alibi
iberdade do venlre, e ao metmo tempo
atalhar pela dieta e medicamentos apropriados qual
quer diarrhea incipiente. Prevenir lodo o resfria-
mento capa, de prodozir a suppressao da transpira-
cao. Usar de banhos antas tepdos que frios. e sem-
pre com toda a cautela. Ser continente, e nSo com-
metler excesso algum.
Viver alegre, desterrando da alma todas as pai-
xes tristes e. de conccntraztlo : melancola, colera,
e principalmente o medo.cujo elleito he despojar-nos
da Torca de retecho de que tanto carecemos.
Eat^regrns da hygiene privada qoe devem sem-
prc9p dirigir, e com especialidade quando nos
aehflE debaixo da. imminencia de orna epidemia,to
por cea bem facis de formular; ser.i porem lao f-
cil o conseguir-se a sua realisazao na pratica ? Nao,
por certo.
Nada cuta dizer-se qoe se deve habitar casas al-
tas e frescas, qne so se deve ingerir alimentos saos
e repiradores, e que emfim te deve agaaalhar o cor-
po dat intemperios;do ar, e nao Irahalhar al a fadi-
ga ; mas para o pobre que obtem apenas o estrelo
necessario casto de muito suor, esses precetus no
parecem mais que urna irona amarga, e a sciencia
nm lecido vio de engaosas utopias. .
He eoiao qjfc a candado publica deve eslender a
maot^enelicenle para melhorar quanto possivel a
sorte precaria dot infelizes ; he enlao. nos lempos
calamitosos de epidemia, que a esmola oflerecida
pelo rico ao pobre, he nao smente urna virlnde, mas
nm dever social qoe aconselha o inleresse da pro-
pria conservazao. Assim o tem entendido as nares
cultas, onde as tubscripzes aberlat n'etsas desastro-
sas quadras parajalivio da hurnanidade que geme,
tem sempre encontrado favor decidido, quando oao
enthasiasticos sacrificio I
Tal he o plano geral das medida hygicliica
que adoptoa esta commstao pira obstar ao ingrosso
da epidemia do Para o'esta capital, o ao raeno
quando seja este resollado inexequivel, para mino-
rar os'seus lamenlaveit elleilot; tal he a obra qoe
lera a honra de apresenlar eonsiderajao de V.
Exe.
Nascida de hontem a Commissao de hygiene po-
blica ainda lera peranle si por cosSIruir todo o edi-
ficio do melhorameolo da saiide publica, entre nos
ainda tao atracada. Esse objecto bm do mais im-
portantes da adminittrzSo,fractode longo! estados,
e cujo desenvolvimenlo depende do da civlltazao
em geral, nao he obra de um dia.
Hojea commissao tentn fazer frente a ameaca do
perigo, lutando, como pdde; com grandesdifficuldasi
dei, propria mesmo de urna repartirlo qae ainda
tem ludo por crear e organitar.
Satisfeila com ludo de ter ennscienciosamente de-
serapenhado o seu dever, pede V. Exc. a conti-
nuara. da confianza com que a (em honrado, asiim
como espera juttiza do publico imparcial.
MaraoMo 30 de junho de 1855.Jote Miguel
Percira^trdnso, presidente. Jos Ricardo iauf-
fret.Joii Sergio Ferreira.
nando a cultura ; e d'ahi nasceu a esca-sez, e mes-
mo a falla das cousas mais necessarias a vida. Isto
obrigou a ciaste pobre, islo he, a mais numerosa da
populazao, a limentar-se Am carnes salgadas e pei-,
xe salgado de pessima qaalidade, qae em oalro tem-
po teriam lancado ao mar. Fazia-se nalnralmente
uso de maior quantidadede bebidasalionlicat que do
cestume, para dsfarrar o mi got e facilitar a di-
gesiaode alimento tao nocivos. Limparam-ce, se-
gundo dizem, ocanos d cidade, o que desenvolva
mitmai infectos, finalmente naa porzo de colonos
vcio augmentar o numero desla populaco pooco
abastada. '
Pcrgunto agora te, vsla de laes elementos de
dislruirao, nao seria um milagro que o Para esca-
paste ao cholera ou n qualquer ootra epidemia.
A poiado em fados laes, creio, que nao haver exa-
gerarlo em avaorar-se que o cholera hoje existente
no Para nao foi importado, porem que alli nasceu
de todos os elementos muilo proprios para produzir
tal molestia. Dizendo qae o cholera que reina no
Para, he paramente cataslalico, quero dizer tambem
qoe elle nao possue a facaldade de transmitiese ;
fs cuidado qae, como ninguem ignora, he um dos
principan signaes do cholera asitico.
Com efleito, se o cholera paraense livesse comsigo
a facaldade de transmissao-, levemos contestar qoe
ha rocjtfo que aquella enfermidade terrivel reinara
er.tre CaW Maraohenses. 1, porque anlet de re-
ceber ac Botlbs officiaes da existencia do cholera no
Para, o maTexistia naquella capital dnde muilC'
timpo, nJoWo desenvolvido, como hoje, he verda-
dade. mas existia; e como nao liouvestem ainda qua-
renlena!, e que por isto a pratica com .01 patsagei-
ros fosse lifre, e com os mariiiheiros podemos con-
cluir, que se o cholera paraense livesse a terrivel
ficuldadede transmissao que pertence ao cholera
asitico, tWtranho seria boje o'4healro dos golpes
desle flagello cruel: o qae graras B Dos, nao lem'
acontecido. a
2. Depoit da noticia oflicial da existencia do cho-
lera oo Para, como aqai em Jtaranhao nada^stives-
o jornal porlugoex cima citado.
No domingo, 1, houve em Londres um molim
em resallado de um projeclo de lei apresentado na
cmara dos communs por lord Grosvenor, qoe pro-
hibe ooaaUttrcio .o domingo.
EofVyde-Park renniram-se no domingo, 1,'
mais de cem mil pessoas, a maior parte perleocen-
les as classet medias e operaras.
Ao principio nao havia rtraonstrazao alguma,
porem depois, querendo os cabos de polieia ffacttr
o povo' aflm de dexar o iraoiito livre as carroagens,
ette nio qoeria ceder, resullaadM
dencias, fazendo ato os cabojcS^H
bastSes, sendo feridat 2 a*jLj^|
Sinde qnantidade. f)epoi
smente apopada.
Muilos grupos gritav.i
mingo.
que fora canta 'do molim.
cr.Os'individuos prnos em Hyde-Park "foram ca-
tela e qualro. o quaes foram entregues aos tribu-
naes. n *
' Os eleilores ja sabem que* parli
fora extraordinariamente convocas!
imperador. O discurso que S. 1
aberlura^I sessAn be o seguinle :
SttjJBBadores e deputadoi. As o
diplomatl Bataboladas duran
sao vot tj Bfeito prever qne
i;im.'intvi jaCoir quando I
Desgrar^LnMKte aiconfcrefl
Ve
deram produzir a paz.
novo para o palrolTjtjto
' Fomos por venlnfir
ment das condizoet? Nlo*jB
peranle vos. (liria am aun.
qne a guerra comeara, 8 j ai
liuham salvado a Turqua, a
rias, obrigado a Russia a evac
empreaar loda. as suas torcas
I inalmenteMadtaanospo adteso da Austria a a
approvacjo ratMaB) reto al Koropa.
(i Nesla siluacio',0 gabiauUML Vieona pergonlcti-
not ce cajtjtjtt/^iaraoa a negociar sobre batee j va-
garaentesfl Hadas antes dat BtJCili victorias-
a A reflea di nossa par, devia parecer oataral.
Nao devia suppor-se com efleUoqae aexigencia! da
Frunza e da Inglaterra cretceriam na proporcao da
grandeza da lula e dos sacrificios j feilo. ? Pois bem,
a Franca e a Inglaterra nao te apioveilaram, em
mesmo dos direilos qae lhes offereeram o tratados
se preparado para o estabeleclmenlo das TpSnml- gorrJtntDillct rttMajaya torucr raai. famil a
, ____ paz e dar urna prova incoitcmtttlvjraa' cem mepata-
ras, sena impossiveldeobtervar-se escrupulosamen- "
te as medidas de quarenlena, impedindo o contarlo
entre ot contaminado!, e os empregados da ad'minis-
Irazao, oa mesmo com outras peatoas, pois qu;
aquelle contado foi absolutamente at hoje em -
.vallado.
;l. Eralim, quando o vapo de guerra brasileiro
P.araensc sahio do Para, tendo quati toda a sua tri-
l.olazao mditpotUcom 20 a 25 doentesi nMcama!,
uliservou-squcpoucos dlac depois de ier chegado i
esta provinclc'ter deserfibarcatln os sen doeotes
ia ilha do Medo, nao obstante o desamparo, qoe se-
undo dizem, se achavam lodo ot doentes, oblive-
am logo am melhoramenlo tal, qoe, a exeepeo de
dous, que suecurabiram, os mais se reslabeleceram
em poucot dias, sem que apparecost oalro novo ca-
so de doenza.
Pergunto agora, ce tal he a marcha observada de
cholera asitico, cojo principal signal consisle na lu-
nesta facaldade de lransaiil(ir-e com a mSor fac-
idade, o de espalhar-te cora mxima rapidez?
Nao, por certo. O terrivel mal nao se comporte,
le om modo tao benigno; pois atacando ligeiramen-
le deisa aps si estragos tao grandes, que a con va-
letcenca otferece quasi lanos perigo como a pro-
pria deenza:
Avista, pois, desla coniidernzes, creio que, sem
temer de#er lachado dffexageradp, podemos lcgta-
mentc condnir, que o cholera, que existe hje no
Para, nao foi importado, mas tim que alli iiascei.,
e qoe alli deve morrer sem eslender-te. cessando us
cautas que Ihe deram a vida, a qae ciada o alimen-
tan); porttnlo que o cholera qae-reina no Para
nao he o cholera asitico, mas tegurameefle o chole-
ra cataslalico. Traza aos 'cct, que presente do-
raonstrtcao acalme a agitagao eo terror, que.^exii-
tero, e fazam nascer nos aspirtos lodo o socego, e
que hao mister para reatabetecerem-te do a^ilojorir
t
gaa
n Nslimitarao-nos a pedir, o i ulerete da AHe-
raanhd, a livre navcgacjlo do Dviubio e um dique
rontra a ondarussa que coulitraanamenle vem obs-
Iruir a foi desle
Turqua e d
(piada para
baluarte co
inleresse del
ranas para
Imito dj etxlusi
resse da Porta e no
sia limitaste a um oa
no inleresse da
- ade-
alira de que scain um
Oet do norte : no
ica as mesmasga-
nnnhoes de-
inte-
pa, pedimos qoe jRus-
razbavel ot navios que
Tendo esludado como medico, isto he, com lodo o
inleresse profei!ional,devido am objecto 13o impor-
lanle, lodos os relatnos feitos pelos mdicos, que
lem observado a doenza que hoje reina no Para, se-
guio-se d'aquelle estado, que etloo convencido, que
odos os yin plora.., ainda que sem ordem esem me-
thodo ennunriadot, referem se aquella enfermidade
chamada cholera-morbus. Tenho observado, que
no Para, como era lodos os lugares visitados por a-
quella doenza, ella tem conservado os mesmos symp-
tomat, a mesma marcha, sem que a dinoreuca dot
climas, dat constituirnos, dos alimentos em nada al-
tere a tua caracterstica pbisionomia.
O cholera, aquella doenza ta" generit, aquella en-
fermidade, cujos symptoma sao tao bem atsigntla-
dos, e Uto constantes, de sorte qoe se nao pode con-
fundir com outra doenza, aprsenla diflerentea for-
mas, e por isso se dividi em cinco elasses.
1. Cholera sporaclico. 2. Cholera endmico. 3."
Cholera symplomatico. 4. Cholera cataslalico. 5.'
Emfim cholera asitico.
Todos os choleras apresonlfio observarlo os mes-
mos svmplomas. A dilTerenza que existe eulre ara
e outro rontitte as circunstancias t quaes cada um
se acha ligado. Porlantn, o que vou expor tendete
aos sv mplomas do cholera asitico, pode, meos ti
inlensidade, applicar-se aos oulro. choleras.
O cholera sporadicn he aquello que apparece so-
lado sobre urna on algumas pessoas, desenvolvido pe-
la accao de causas predispunentes particulares, ide-
osincralicas, sem que o clima, a eslazao, u qual-
quer mudanza d'ella lenhainflocncia algum. sobre a
sua apparlZ'l''-
O cholera endmico he aquelle qoe nasce da in-
fluencia de cerlos climas em raza de localidades in-
determinadas, v. g. os paizes queoles, hmidos, pan-
duzido pela mortal epidemia de bexigas, que aca-
bamos de tolfrer, e qutypessots mal intencioriadn
naovaodeduzirdestasicTnhas propocizoac, qae en
quero insinuar que at quarenlena! so idttleis.
Declaro .llmenle, que as adidas a* mais aevi-
rs devem ter tomadas a reepjlo dos paviot, qie
nos vem do Para. ^
Mao gfadoas ameacas de oni mal tao grande, a
opiniao d quera quer que fr nao deve prevalece)
Todos devefn renair simullane.acenle ot seo. br-
ees contra a inlroduczao do flagello. A ariminstr.i-
c.'ia deve empregar lodo o teu poder, toda a sa. vi-
gilancia para fazer observar o mait escrupulosamen-
te asprecauzoes de quarenlena, como se licatsc i'.e-
monslrado, qae a enfermidade que reina no Para he
verdaderamente o cholera asitico.
Assim o requer a humanidade ; nssitn 'o exiie a
prudenciado governo, mo s para salvar a respon-
tabilidade di adminitrarao, como lambem para so-
cego dot administrados, que sempre sao inclinadlo a
exagerarem o perigo que 0|neaca, e acensar a Im-
pericia e descuido, quando infeli/.mele a epidemia
invade o territorio confiado aot teu* cuidados.
MaranfeVi II de jaltw deJ855. -S:
Dr. yauo'SaiRner de PiefreUcce
{O Observador Marpense.)
sutteula no mar Negf o.ao abrigo de qualqu ilaque,
e que nio pode sustentar senao csraH
aggrestivo.
a Poit bem, todas estas propostas, tfBe al
chamar magnnimas pelo sea drainlereece, que
tiohem cido approVadtjs em principio pela Aus:
pela Prussia, e pela propria Kutsia, drsvanecertm-
le as conferencias.
A Rusta que consentir thearicamente em por
um termo sua preponlerancia no mar Negra, re-
cusou limitar as suas torcas navaes, e no! estamos
ainda etferando que a Austria realise seot com-
promitsos, qoe eonsisliam em reducir o oflentiro e
defensivo tratado de alli.io^a no cts em que ttne-
gocitzOes se fr uslra ssein.
VR Austria he verdade, nos propoz ciwjuncta-
mcV)le com ella garantir por um tratado a indepen-
dencia da Tarqui lerar no futuro como
casus betli, o caso em qae o mero dos navios da
Russia excedesse o que exista aiHas da guerra.
Aceitar seraelhaate propoila er imptasivel,
poeoste ella nao prenda por forma alguma. Rutsia,
e pelo conlrario nos jwrecia ianjCCionr ata. pre-
ponderancia no mar
venzao. A guerra to
r A adtfliraveT-ded.
dra trarSo' em breve1
do feliz ; a vos pertenec
tincar a lta.
a O paizi mostrou quaes
e a sua confianza ero mim,'
I La alguns uiezes oflereccra fJ
do que eu pedira*;'umt par' ("isa
a sua honra militar e os ^^k
naci. Resolver ir collocar^a^^H
lenleeiercilo onde a prtBanz d>
deixar de ter urna influencie f ratmha dot
heralcet etforzotdot nossos soldados, havia de en-
de ama con-
.inaar.
e da caqoa-
pero, um recolta-
os meios pan con-
Tacarsos
I

DIARIO DE PEKNAflBUCO.
hontem d.
Pelovapqr Creat Wetlern chegado
Soulhamptoo viaLitboa, Made,ra. Tenerife e S. Vi-
cente recBomo. a cartas de noten, corretponden et
de Parit e Hamburgo. Iranscnplac em oulro
logar desle Diario, e tambera gazetas .nglezas fr,-
ceza, e porluguetaa, alcanzando as pnmeiras a 8. ai
segunda, a 7 e a. ultimas a 13 do mez passa.lo.
Nenhum aconlecimento extraordinario Uvera lu-
^ar nos iiaize que ficam do oulro lado do Atlntico
aepois qudela partir o O. Marta //que ha pou-
co nos visiloa.a oo ser a reuniao de periodo 100,(100
nessgas em Londres cora o fim de reclamarem con-
tri um projeelo de lei apresentado na casa doscom-
D)uns,prohibindo o commercio domingos, e e tublc-
vazao dot operarios de Barcellona, que pedem o di-
reilo do aisociajao.
Este teaundo movimento ia-se j .calmando. Se-
gundo a Nacin, as ullimas parlicipazocs recebica!
pelo goveroo em Madrid annunciavam que os ope-
rario! linhao vdllado aot teus Irabalbos sem necessi-
dade de mais medidas que as adoptadas pelat antn-
ridadet locaes, entretaiilo o Diario llespanhol iio
confirma etla noticia ;elle dizque a ullima parte
recebida pelo governo com dala de 5 de iulho an-
nuacie qae aioda conlinuavam os grupo de opera-
rios pelee ruat de Barcellona, e que a siluatao do
principado b. fravlsrime. ______
i No Jornal da Commercio de Lisboa de 12 do pai-
tado le-e o tcguiolc e respeilo do movlmcnlo eni-
Imcx.
tabCfbccer-nae de ot diri -m as
loe. que se suscitaran) fra d U eslo i* por
resolver, e a nalu reomilaneie agio no
interior novase imprtanles medidas. Foi par lalo
com sentimenlo qoe ebandonei este projeeie.
n Q mea governo Vo propor que volelt a le an-
ual 'do recrulajteiilo.
aaaaaeeeMlBefl eacripzao MtraordioariH, eguir-
se-lhe-tco w Irerllia-, t>>, qae etige*. para
a regularidade da^u^^ijg0 vetodjpvcccrnta-.
ment coro um asiee aa
Conelaindo, teahore, 9 p> eqm nmintlo
Iribalo d cloaios aaacMl^^penoalem pela pn-
lria,.am.)ciemo-oos saa cauda* por aquellos coja
per da lameot.
O exemplo de Itmanha desiicar.loe roneUnda
nHo ser de balda .presentado ao muado. Nio nos
desanime*1 os sacrificios oecessarios, porque, beca o
sabis, 'orno oacSo deve, ou abdicar a san pot-ao
polilic'a, ou se ella lem o inttinclo e a roldado de
obrar em harmooia com a sua ottercoa onerosa,
com a taa hittoria secular, com a saa raisto provi-
dencial, deve, de ve. era quando, sata Ver as
provaces que ao como um cryso onda, ra no-
vas forjas para chegar poticao que Ihefjj
a Confianza em Deot o perseveranejS
esforzos e s alcanzaremos urna paz digo d
ca de duat grandes nazoes,n
Em ootra occatiao ja tlisscmot, que ti ;jpropos-
taade le foram apresenladas pelo goven I cor-
po legitlalivo a primeira contrahir um emprcslim
de 750 miihees a segunda para o eslabetecimen-
tude diversos impostes ; a terceira fixando era 140
mil h.mens o contingente de 1855,qae dever ter
chamado ao servico em 1856. Agora accrescenla-
reraos qoe, segralo o Conititutiannel os novat Im- ,
posto! to oi ceguinles : ^jr~^~ \
Primeiro, clevir de 34 fr. a 0 fr.jntde 1 de
agosto prximo, odireito sobre os aloa|K:rgondo,
lanzar desde a mesma data o direilo^flc transporte a
que esiao mjeitos ot viajanlw uos#aminhosde ferro
sobre a totalidade em vez do Jnrco do prezo do
lugar, tornando exteusivo este llfihuto t mercado-^
rias expedida.ii grande vclocidJ,de : terceiro, nt\
crescentar, a eunUr da prr f^jigatio da tai, urna
nova decima s conlribi' Jfo indireclas sajaitas
anliga dcima de goerre j
A perda dot tlliado' ^faasallo.qae deram a I
re de Malakof a 18 de )Jf|10 fni bstanla ami
ravel, cabendonella Qiranteiei.maior par
lime carta da Crira#a, etcrij, pr un ^
dessa uazao exprmete a esbrreiptjiui no
lee (errenos : J / .
O general lltetTntl fol^orto. =cal
hcou fendo. tSuasi Mm o corone*J'%et*o fraN
de cmbale, ahilos/^piciaef tupetl % muilos'
mais offlewK^^biiltefBo,.
" ,l* aiTalhoei qoe para atsim icer desappare-
"ram,-/A perda lolal anda pur. tent 5,000 horneras
fra &A romba(e ; 2,000 da dtrlUo de Autemrre,
Pf1,300 de cade unte dac outras. As reservas
,/a soffreram porque nlo enlraram em JpC8o. a
I JO general Pelltdar nBo elev a lano a perda dot


3/
I ARIO E PERMIBUCO QUINTA FEIRA i DE AGOSTO OE 855
S



I



4
franceses, lodnva en nd relatuiio ; o minislro da
gherra, exprime-so nos termos egui ates :
uQuartel ge eral n frente Je Sebastopol, 22 de
jtiaho.
c Sr. raareclial.togo depois da conquista das
obrai exterion !i no )ia 7, tinlia ludo lisposto para
deltas lazer a taso do nosso ataque cintra o pen-
prio recinto du Karabelnaia. Tinhamo-las armado
cora arlilharia do maior calibre ; as commaniea-
{Ses e pracas d'armas russas linlum sido aproveila-
das para o nosio uso ; o terreno e as diiposijoes
para o combate esludados minuri isarosnle- o usbv.
ercilos alliados linham-se encarregad cada uTUa
so a Urefa. Os ioglezes deviam atacar o grande H-
dente no desdamos assenhorearmo-nos de Malkoff
do Radenle da Querenagem e dos intrinclieirarneutos
que protegen estalestremdadedoarrabslde. Heescu-
sado. S. asar bal, encarecer a V. Esc. as conse-
queucias Vista iperajao, se fossn beu succertida.
Depois desnossn ltimos triumphus, a attitudo do
o eolho'iasmu das nossas tripas agoura-
vem o seecesso. JS3o havia pois que esperar.
aeeordo com lord Ragln, no dia 17, os i
filemos cahir sobre a praja de Sebastopol nm (fgo
K-rrador,particularmente sobre as amo rasolviilo atacar. O inimigo om breve dei-
iou de Geerespt nder de Malakoff e do grande Ra-
tiUej./Ue provavel que procurarse poupal as suas
[ferias e reservar o seu fogo, e que uno aplTresse
tanto qaarHo deviamos suppr, con o* etMIos do
oo*> bombarda-amento.
Seja como I ir, a superioridad!! da"* arlilha-
ria nos coulirraru no nogao projeclo de atacar no
dia 18 de junhc, e na noile anterior adoptamos to-
das a fisposi jes neeesearias para re, lisar o mov;
ment geral ao romper do din. ,
Tres divisor deviam tomar parte n> combate )
as iivisoes Majran e Rrunel, do aguuiio corpo ; a
divisAo de Autsmarre do primeiro ; a divisad da
guarda imperial formando a reser.a.
isao Mayran eslava encurregada do ala-
direilu e devia apossar-so dos fotrincheira-
mentos que se esleodem da batera do pontal al
ao Radenled ierenasem.
A divis*IBlbel direila.
A diviao d'Aulemarre devia manobrar pela es-
qaerda para *e isseuhorear desla imp< rtante forli-
fienj-ao.
I A mfeamk^eneral Mayrar era diflcil. A
ii isfjtntin hrigaai iima^au ifairapelu coronel Sau
go ousasse'apfoyeitar-it contra elles da sa vanta-
gem.
As nossas perdas So grandes ; tivemoi cuidado
desdo o principio da aceito de levantar do campo os
nossOs ferido. Mas parte desles morios gloriosos fi-
caram nos fotsos. No dia seguinte se Ibes presla-
r.nii as ultimas honras.
*" Alm do general Bruoct e do general May-
ran (este morrea neite passad) temos de lamen-
tar a perda de um oflc8resTfndo por todo o ex-
ordio, o joven e valenle tenenle-cnrunel de arli-
Iharia Lajioussiniere que morred subindo aesplana-
da de ana Irincheira obstruida de tropas, e diri-
gindo-s*de nma das suas bateras para o reduelo
Brancion.
He urna parda milito pnra sentir ; era um oli-
ficial esperanjoso. Bastantes olliciaes' superiores
foram ferido dando u mais nobre exemplo. Olli-
ciaes do estadVroaior, e ofliciaes de fileira todos
ciimpriram dignamente o sea dever, e o soldado
foi sempre adiniravel.
_J,*'*wno*37 olliciaes morios" e 17 prisidoeiros ;
,541 olliciaes inferiores e soldados morios e ostra -
?lados ; 9f> ofliciaes e 16M liomens entrados as
ambulancias.
_ Muito .ferimenlos considerados graves, nao o
sao tanto cmo ao principio.
Os assignalados com estas honrosas cicalrizes cm
breve ToltarSo lileira.
Estas perdas nao esfriarnm o ardor nem a con-
fiaoca destas valemos dvisdes.
Anhela por tirar a desforra desle dia, fazen-
do-o pagaT*ro ao inimigo.
lodos, e lodos comprehendem que na prxima lula
a fortuna na-j trahir o valor. Recebe!, etc., etc.
Petistier. a '
rio, de lerceiro de xuavos, devia sabir do dalila-
deiro na Querinagem, no ponte cm quelpt o
aqueduclo, ir ac longo da esquerda do desfltUelro
viando quonli fosse possivel o fego do inioalgo, ,e
ir pela garganta a balera do pona I.
r A segunda brigada, ka'ordena do general Fai|-
f, devia avanpir. pela direiti do Kadepte da Oue-
renagem. Ja i lunida de lodos o. recurso para a
callada.
A reserva especial desla divitao oompunh-se
e dous balallWSes do 1. regimeulo dos alirado-
rM da guarda. Todas estas tropas achtvjm-se nos
woi poslos em lempo competente.
A divisan llrunel tinha urna das si as brigadas
Da frente e a direila do reducto Brancion ( Collina
Verde) a ootra na parallela a rela:(uar;la e a direita
desle reducto.
<'Igual disposico linlia lomado a divisio d'Au-
>ricada Nol, n frentn en nsquerda do
Un ; a brigada Breten, ni parallela a
retaguarda.
iterits de arliiliaria, pcdiuido mano-
)s la rjl.iguarda do
reducto Brancion, para sercm dirijidas sobre as pc-
ininiigo, se conseguisseinos astenbore
armo-nos dolas.
a A divisSod i guarda imperial larmado reserva
geral dos 3 ataques, eslava em columna na reta-
guarda do reduelo Victoria,
o Escolhera rara me postar a biliaria I.ancaslre,
le llova dar o signal p>r mi io de fogue-
taa, para o movimeiifl geral.
Brandes difllculdude" do terreno,
jlauulos accumuladus pe, inimigo, e
anda que os misos, por cerlo sabedoflMHM nossos
lo?, Cstiveijiajm prevenidos HIHos para
lde com raio si BK, que se
>dido ser geral I^BfBn<-'l> cm
P^P^Pjjiivido "BpfTe
HOt^ravos, leri irnos conseguido
uneoiexiuo tafcedeu assim
:ebivel frusiou a nussa tenta-
tivo.
Mate mais do htXMi metros co
e devi.i dar o sigiial, qaaudo o estrepito de
O Ue fuzrkiria vivssima, cortaJo pelo re-
lombodos tiros ile metralba, me fez couliecer que a
arelo se travara com calor na dice.la.
Hwnefleito, nouco anfesdas (re*horas, o gene-
itMayran julgara t. aeu signal n'uma
bomba com rasln incendiado, arrojada do reducto
Brancion. Uelialdeo advertiram desea engao.
: Este valenle e infeliz general deu ,irdem para
comecar o aiaqnAeblumnas SanrinuFnilh rnr-
raram logo ; o primeiro isapeln fji maznilico mas
apena as caberas de columnas se oozeiain em mar-
cha, cabio sobre ellas ama clima d; bal u c de me-
Iralha.
Esta metral ia arrazulora sahio nao so das obras
que qoeriamos turnar, ar ''--ny'"
S!3S os* Kadf'aat*s% toda a "Pe.a
i ni fu vra
i dei o li
ropas naSbrar
comi'eltated batera
I SHipBfgB ttt
(a de vapor, e
maiiobraram ben com fortuna. Todava devem
ter sotfrido ais unas avanas. Eslu fogj prodigioso
embargoo o esforz1'das nossas tropas. Tornou-se
iaipossivel aos amos eoldauos o avaoanrein, mas
ii 80 recnaMMB MIJu e 'iii T.
i fari.lo duas
Brailtae leve de
lardar ole. IB
lpfechaed'oll'os
o i i d campo de
-bataina, qaaauo '-'
Ltncaslre.
I Ai otras tropas paafcram euiao ar oiar o movi-
praniatuio da divisjio da dimita. Esta vale li-
le divisto, om instante em confusiio coia n perda do
seu general, rene a voz do general tropas envorida> apoiadas pelo -2. liaUlMu de linlia
e um dos btalliiies dos tiradores :,a goards, a.r-
deos do bravo cironel Boudovill, resiltem n'arrta
iaaosidade do turreno onde o generala* postoo e
*hi se conservain.com intrepidez.
< No entretanto informado dista rtoacSo,que
poda loruar-ie pergosa, dei ordemao naneral. Re-
gnaull deSamt Jean de Angely, pira mandar I ba-
. lalhoes de aliradorn dn guarda, da reserva geral.
em soccorro desl i di visao. Q^^B^H>- Me. I i
l.lricb marcliaram com esta (sasHl^K'CODse uram
reunir oe que an lavam disperte* pelo liesli
da Ouerenagem. e viera dar mi solido ap
general de I'ailly, occaipaudo o tundo dero.
Lord Ragln em seu relalorio sobre o mestno as-
salto, diz que a perda dn exercto inglcz fora dcjl I
individuos, sendo-21 ofliciaes a 144 soldados mortosi
68 ofliciaes e 10.">8 soldados feridos, dous ofliciaes
e 150 soldados perdidos.
Os relator ios dos generaes em chefe dos exordios
alliados, sao mui eslenso, por isso nao os Iranscre-
vemosaqu id.nnos porcm a narrarsorussastjue he mais
breve.
Eis aqu essa narrar.lo, como a publica o Euro-
pean 'I i mes :
No dia 6 desfondo (18) ao romper d'alva o inimi-
go em grande forja, e sustentado por fortes reservas
alacou simultneamente o basliJo n. 1, as barracas
fortificadas entre os bastidas u. 1 e 2, o bastillo n.
2, obatti'o korniluff, o bnsliao n. 3 e o obra cha-
mada tiribuk situada .i direita do Peresuypp ; alen-
tava-o a esperanza de abrir caminho por alguma
parte ao longo desso linha de defensao..
O numero das tropas trazadas an assalto andou
por .'10,000 liomens, sem coular as reservas. Os Fran-
cezes uvaucaram pelo flanco direitoe pele centro, os.
Inglezes pelo flanco esquerdo.
e Os,sitiantes, prvidos de escadas, fachinas e
instrumentos de sapa, av.inoarain rpidamente ao
ataque. A despeiWdo pesado fogo de niel ral ha p mos-
quetaria que faziamos rllover sobre ellcs, suas co-
lumnas chegaram al aos nossos fosaos e comecaram
a escalar os para pe los.
a Porem a linha dos intrpidos defensores de Se-
bastopol uunca esmoreceuC Elles recebcr.m os ou-
sdos assallantes com ns ponas de suas bayonetas e
repellirain-nos para dentro dos fossos. As col'.Mas
do inimigo flirojaram-se eniao sobre a batera Ger-
vais,*peOetraram deulro della e expelliram o bata-
Ihao de infantaria que a guarneca. Continuando em
seu progresso, oceuparam as casas mais prximas do
bairro Karabeinaia desde o forte Malakof ate ao cu-
me dos estalriros.
a A felicidade de nossos adversarios nao foi de
tonga duracao. O lenle general ChroulefT, vigilan-
te commandanle da linha de defeza do bairro Kara-
beinaia, fez marchar urna reserva de COO atiradores
par o terreno entre os bastios n: i e KornlofT
Quando o inimigo passou pela nossa linha jun
lo da batera Gervais,o lenle general, collocando-se
frente de nma enmpanhia do regiment'de infanlat-
ra Savsk e tomando com sigo um balalhao do regi-
ment Vollowa, conduzio-os a carga.
Estas tropas reforjadas a lempo por cinco com-
panhias do regiment Yakoulsk e mais tarde por um
balalhao do regiment Velis, derrotaram os Frao-
cezes, e tendo-os expeilldo da balera Gervais, per- completar
seguiram-us al as suas proprias trincheiras, ma-
tando bayoneta os que resi-tun na relagusrda. A
companhia do regiment Sevsk di'tinauio-te pe'a
sus intrepidez, durante o combate. .
Em todos os poutus da linha de
animadas pelos scus commandaiiles,
rante l'anfiloffe major general principe Ouroussoff,
comba lera ir, com exemplar eoragem, e repelliram os
assallantes.
Nossas baleras do lado do norte de nossos tipo-
res que yarreram as columnas do inimigo em lodos
os pontos em que poderam fazer jogar os seus ca-
nbo;s, contribuirnni consideravelmente para o boai
sMcrps-o desta hrilhaote accao,- o vapor Vkidimar em
particular, commaudadu pelo capilasmBoulakolT,
aproximou-se repelidas vezes da entradaTla baha de
Careagcm e dahi varreu as reeervas do inimigo.
a A perda do inimigo, cojaejcolumnas ealiveram
eiposlas a nm tembelissimo fogo de metralh e
mosquetera, he mui^consideravel ; a remojao dos
tjje lave ti.g.
da larde pedido dos con.mandantes em chefe dos
alliados he urna prova disso. O ndmert dos cad-
veres era lao grande que os Francezes > nao liveram
_tropas
ra-almi-
liluido conforme o edicto do 26 de julho do anuo
prximo passado, com a addirjflo do 30 membros,
que deverao ser eleilos. A Dinamarca iiunipii 17.
o Schleiwig Seo liolstein 5. Os candidatos ele-
giveia devem 1er 2.) annos ou mais. Os eleilores
deverao ter urna renda annual de 1,200 Ihalers ou
pagar 200 lliafers de imposlos por annb. As relacSes
federaesdo Holstein nao ser.ln levadas ao conheci-
menlo do conselho da monarchia. Todas as ques-
les de argencia qoo siirgirem a respeito do liols-
tein deverao ser regalados separadamente em cada
occasio. b
Urna carta de S. Pelershurgo publicada mi Gazela
Nacional de Beriim diz, que nesses ltimos anuos
inuilns Juicos diquella ridade se tem convertido
ao chrisliaoismo.' O correspon.lento avalia ehi
80,000 o numero desses individuos que assim tem
nrVidado de religiao.
O rei de Portugal e sen irmao o duque dn Porlo,
achavam-secm Roma, e l assisliram a sumptuosas
solemnidades que liveram lugar a :>9 de junho na
baslica de S. Pedro em honra dos santos padroeiros
da cidade eler'aa.
O rei da Blgica nchava-se cm Pars, onde fora
visitar 2 exposijao universal. S. M. recebera na
capital da Francjltodas as honras que Ihe assegu-
Tam sua elevada po-cao e seu merecmentopessoal.
Dos mais paizes da Europa nada consta qne me-
reja ser mencionado.
A ludia continua tranquilla. Na China anda lii-
lam os rebeldes com o imperialistas. Aquelles,
nao lendo podido tomar Cantan forra de armas,
pretenden) agora ver se podem rcduzi-la pela fume,
entretanto em oulras partes tem elles sido varias ve-
zes batidosjjelos seus adversarios.
Corria^j^o imperador daquello visto paz havia
f.illen.leWB esta noticia au se'dava anda como
certa. P
No Hayn o imperador Soulougne achava-se doen-
le, e dizem que sem nenhuma esperanja de resta-
belecer-se, receia-se quo sua murle Iraga novas per-
turba jes ao paiz.
Relativamente aos Estados-Uatidos, Mxico e Chi-
li, eis o que se l no Journal iu //acre e Journal
des Debis :
Por Soulhampton recebemos algumas gazelastra-
zidas pelo paquete imericano lt'n locou em Cnwes passando para Bremo. As noticias
de New York por essa via alraujam a 16 de junho ;
mas t,-m pouco interesse nu que resatita a poltica.
Falla-sesmenle da convenjo dos knuw-nolhing*
reunidos emPbiladelpha. TendMke a maioria pro-
nunciado pela adopjao do compBBtso da comuiis-
sao acerca da escravatura, anual nega ao Cungr-sso
fedralo direito de tomar parle naMUf-lode^sa que--
lao no que diz respeito a caita estado, es dissident.-s
aconselbados pelo senador Wilson prolestaram e
retiraram-se. I'ormaram urna reunrjnjaa parle don-
de literarii urna proclamacao ao povo.
ti *A assembla mAi nao deixou de proseguir em
seus trabalhos. Ums proposta tendente a admillir
aos catholicos americanos na i>ssociajao excitou vivo
debate, e lu rejeitada por grande maioria.
a Emlim esta sesslo foi encerrada a 1."> de junho.
No momento de separar-se a assembla adopto u
unnimemente um voto de de-approvaj.ui da admi-
nistrajao doSr. Pierce. "
ii Por via do Panam- ebegaram noticias da expe-
dijAo naval dos lliados destinada a obrar contra
Petropolowsk. Reunida as ilhas Saudwlch pensava-
se que poderiaapaarecer diaule da fortaleza rua
pelo melado dejanho. Dizem que compde-se de
13 vasos tanto francezes como-inglezes, e entre elles
a vapor, ludo debaixo do coinmanilu do almiran-
te Bruce, cuja baodeira esl.i enllocara a bordo du
Monafch de 80 pecas, e do almirante Fourichou, o
qual icou a sua a bordo da Forte de 30 pejas. Sup-
punha-se que llT tinha (em vista a reducjn de
Sitk, e das nutras possesses (uss is do norte da Asa.
ii As noticias de Valparaizo alcanjiim a I ", e.is
de Callao a l de maio. Reinava a (ranqullidade
talo naCbile como no Per.
i Netle ultimo Estado cria-se q%e o genoral Cas-
tille seria eleilo presidente. O raihoay entre Arica
e Tacna eslava mais de melade acabado.
a As noticias do Chile consisten quasi em repeti-
joes; designare novamenlc como lestemunho da
penuria dusmarinieiros do paiz o decreto do minis-
tro da niiirinlu autocisande os navios nacionaes a
ua equpageni com dous lerjos.de
rarujos eslrangeiros. A crlse monetaria ia decli-
uando, e o grande numero das chegadas dava a
maior aclividade ao porto da Valparaizo.
a Aoroesmo lempo que Santa Auna dirge-se ao
sul do seu imperio para combater a insurreicAo. o
telegrapho da Nova Orleans annuncia que o norte
do Mxico acaba de revollar-se. Avisos-de I.an-
passas dizem. qoo tendo o dictador enviado um
emissario a Monterey cum ordem de prender e exe-
cutar muitosdus priueipaes habilanles, a populajao
inleira pegou em armas para defendelos, e conse-
gua po-los em liberdade. Os rexultosos fizeram
toesmo urna demonstrajao contra ajwule.
o O governador de Nuevo l.eon fBp. Nulicias de
Malumorasde 12 de malo diz:m queHis tro'pis pre-
par ivaiu-se para deixarem essa cidade c marcharen!
contra os rebeldes de San l,uiz Putosi. Chihuahua
est igualmente presles a pronunciar-se. A anar;
cha reina pois nesse malfadado paiz.
Todava recebemos carHh do Mxico de 2 do
O general IjMfrJKfco
la do general da om batalho de grana-
tetros desl
Udciro, e
ralla.
O alaqm
neral Bru
Sueles que
llBBHtevia
PPA a guarda do desli-
protegend? a.a>di-
tve roelhor loite. O ge-
ido conpletir anda to-
aarido ii gir; mila de fo-
subo to ar.
__nto e cinco minutes, toda a'
travra o combate premaluiwmente. Comlu-
H_'tropM marchavara com denudo ; porm
banou eonlra o fono bem sustenla-
Ira obstculos iioprevi
ao o general llrunel fui mortal-
aeio do neito por urna bsla.
lo91, foi despeiteaila pr urna ba-
meios de conduejao bastantes para leva-Ios e o oflicial
encarregado desse deverpedio-nos que enterrassem os
aquelles queiao podiam levar.
:i Tal lie a historia dessa faranlia sem exemplo da
guarnijao do Sebastopol, aqu.d depois de nove me-
zes de sitio e tro tecriveis bombardeamenlos. repel-
lio o desesperado a-'sallo do inimigo, causou-lbe una
perda immensa e com heroica d idiaacjlo esta anda
[iromptu para fjfcislir a qualquer i F tentativa da
parto do meemn. ""
egundo o Invalido Rusto a gflJjWTcao de Sebas-
u no alaque de que tranimus e no bom-
bardcamenlo do dia antecedente 1 oflicial superior,
Isubllternos eolKl homens morios, alen de 6 olli-
ciaes taperiore-, 42 subalternos e pouco mais ou
menea 3,378 horneas ferido. _
Kelalivamentc ii oceupajo da linha doTchcrnaia
opas alladas, eis como se exprime orna carta
da Crimea :
itEsto completamente engaados em Franja acer-
ca da Importancia da linha do Tcheruaia ; julgaes
que nos oceupando-a, temos re-olvido o problema e
Cortado as comvunicacoes; nao he assim, nicamen-
te levamos os cavallos da cavallaria ao bebedouro e
nada majs. Qnando occaparmos es escarpados pla-
tos, que orlan) o rio, desde a foz atea distancia de
urna legua e meia, pouco mais uu menos, fazendo
inia curve} e prolongando-se para u norte, na di-
eeflo de Simferopol ; quando era samma, se entrar
bnente pela direi- *m abe*, e a cidade for investida, enlo o caso he
outro. At consegair islo. nada temos feito.
esc|uadra do Bltico, nao tendo atacado inda
nenhum dos portos russos de primeira ordem, hom-
hardeou e deslruio ltimamente a pequea cidade
de Nystadl.
Em aples tem-se feilo varas prisSes polticas.
O governo prohibi a exportaran dos objeclus quo
os Alliados transporlavam de l para a Crimea.
Cr-se que essa. prohihijao dar.-i lugar n pedidos de
explicariies da parte da Franja e da Inglaterra. Se-
gnudo ama correspondencia do Mornlng Chroni-
ele, sao tamben) prohibido; todos oi'joroaes que d,1o
canta dos aconteoimenios que se pnssam ba Crimea,
sendo alm dissoeslrictamente vigiados os Uieatros,
ca fej e loga/es de'reaniio.
Icgrajadoque tentara contra a vida do canleal
mu^onsid.._... _-------v.._ ------------------
.ifr no da >eguintg pelas *iior!rs *otrente que rallam de urna balalha dada em Zamo-
ra, ~na qual segundo dizem, Sant'Anna derrolou
completamente os revoltosos, e fez 2,0u0 prisionei-
ros.
o Todas as outras noticias sao faltas de interesse
tanto no interior como no exterior. A mesma abun-
dancia de dinheiro,-a mesma calmara de negocios,
bell apparencia de colheila, nenliunias IransacjSes,
dizer cinc osa^H iaso des- Anlonelli fora r'onderanadb morle: corre quo o
laria iutempeslr 1
neaom.
o Ha
avancar n
1 balalhao
dasHJo desfil___
enlrincheirameuo
trojotl por nsle valenle regiment.
anide Vlliers tolln o coromamlo
das tropas orivoWidaa ao co-
roael Lor
?"m-se firme; nu son parto em
qoaeilo o resto dti divtal,iC(.npl,va a- Irincheirai
para prevenir as eventaelijides doeombats.
:ia esquerdu o general d.'.uteiaarre nao pode-
^^Mrarem acjdo antes da Hivisc Bruaol; alem
Hssonao pedia laier idea^ aijEi.fcjsa da fozi-
f da Quere-
naigqal para, assalto, fez
o5 de cacadoi-es a p, e o
*., aue segoinlo a cumui-
KarnbelnaiB. ehegaram t ao
qne o liga a. torre Malakoff,
traiupnzerametluentrincheiramenti), aforam entrar
no proprio reciu o.
a Ja os sapadores dispunham as escadas para ao
restante do 19, e ^ara o regiment 9Bf; cojo mo-
vimenlo o general d'AatenSarre oprusBv;i, segnndo
a ana valenle caliera decolamna. Por uio instan-
te podemos persnadirmo-nos da icloria. As nossas
i.linham sido basteadas sobro as rurtiicajos
annfeliznente nossa esperanza em breve a
^^^ea. O- nossos alliados tiniam encontrado
taculos i o alaque do Hadante, tinliam es-
racas 7 1|2 a 9 b. por libra : Guayaquil b. :
Domingo. 3 1|2 :ftr 4 1|2 : Bahia | 5|8
i| b.
Amslerdam 7 de julho.
Caf. No mez de junho passado n cafe de Java
foi inloiramenlc iudependenle de lodas as oulras or-
les. Emquanlo que o do Brasil, de S. Domingos e
do t'.ov lilo lii-nvam mv ruivi'i-, e que uto liouvc oC-
casiao de poder-s oble-los por baixos prejos, o de
Java constantemente ganhou. Sob a influencia de
ama procura sustentada para o consume os possui-
dores altearam as pretenres e Corroso foi subscre-
ver a ella, ltenlo o algasjjio redolido das existen-
cias. Ao lado de um mercado animado qi auto ao
de Java, baixou o prejo do caf do Brasil, posto que
se li/.i'ssem mais Iransaces talvez do que do coita7
me : 1,200 saceos vindos no Terpsichore, (iior mul-
lo lempo conservados cima de seu valor a 27 cent.*
foram vendidos em baixa a J3 1|2 cent. ; depois
2.300 saceos pelos Isabel e Joanna a 251|2 cent, pelo
bom or uarlo a melhor a 27 1|2 cent, pelo superior
colorido. As boas marcas pelo Courrier, foram re-
compradas a 26 1|2 cent., c muitos oulros lotes pas-
saram para segunda mito. PWece -haver da parle
dos importadores desejo de realisar as vendas ; e ol-
fereceram ainda an mercado 3,000 saceos viudos pelo
canee aqui, 3,700 pelo Elisa, em Rotterdao. Es-
tes dous carregamentos em qualidade boa corrale
se obteriam a 25 1|2 cen. No mercado ha mais an-
da 2,700 saceos do colorido misturado com o prelo,
vindos pelo Cora a 25 cent., p 2,500 saceos mais
pelo Terpsichore a 2t cent.
A 3 de julho foram expostadas a venda 1,100 sac-
eos do bom deslavado amarello a escuro Iu anco de
Cusa Rica, e 2,800 saceos dn ordinario de Santos
que foram pagos caro para o interior.
O deposito do de Java sobre cdulas em toda a
Mullan la, segundo as notas publicadas pela socieda-
de de commercio, he dc50.972accos coaira 201,895
no primeiro Me julho de 1851; e I 0022 suecos na
inesmu data em 1853. As existencias da'sociedadr
de commercio sao boje de 339,70!) saceos contra
431,000 em I85t, e 519,000 em 1853. As entregas
no mez de junho foram de 38.168 saceos um 1855
contra 38,072 cm I83l 23,788 em 1853, o 17,206
em 1832. Foram enlregoes durante o seis primei-
ros inezes de 1853 434.294 saoaas contra 354,088 m
1851, 357,487 in 1853 e 471,831 eD\1852.
Destas stalisticas v-so um aagmemo no consumo
u um deposito tilo limitado emjegunda rulo, que
nao ha lembranja de seo ler visto tao reduzMo des-
de vinle annos u esta parte.
Assim aarmeza actual dos procos achando-se em
face das precisOes que lem de se proluzir as ven-
das' publicas do outono os prejns lera o* ainda de
subir.
A--ucar.Transacjes pouco importantes em a-
sucar bruto que se sustenta firme a vista do graude
favor jque gozamos retinados a pro.lucran i esleses-
14 contratada at o fim de albo.) Do de Java 4,500
cabazes foram vendidos a II. 30 pelo n. 12, 1,200
barricas) 1,000 caixas de II ivana ns. 14 a 16 de 11.
32 I p! a 33 l|2. As surtes do Brasil nao apparece-
ram no mercado. A 10 de julho. a suceilade de
commercio ha de vender 82,439 cabazes de assucar
de Java.
Courose pelles. As vendas das serles da India
linii sido menos importantes que du costino; : ven-
das solfriveis foram feilas das sorles de Buenos Ay-
res e Moutevido; e por issuos depsitos dedas sor-
les provenientes das partidas nao vendidas no ulti-
mo leil.lo da sociedad,) de cmninercio vo-se dimi-
nuindo. Nao se cita venda alguma de cauros do
Brasil. Pelles de cavallo sem procura.
Antuerpia 7 de julho.
_ Caf.O merc.ido quanto a este artigo se sustenta
n'uma posirao normal. A pimura das sirles do
Brasil que linha estado moderada, lomou impulso
nos ltimos das de junho. Diversas compras im-
portantes foram feilas para o consumo, e a procura
para a exportaju se despertou. Os prejo onslan-
temente mui firme* altestam finalmente algum me-
Ihoramento.. O, cals de San Damingo san igual-
mente procuraJfc f
As gran les aflbaaa effecluailas nn Hollanda pela
r*ociedade dstjHKlarrio duraaie u mez de junho
leem provoca4 Em sumnja a situajSo dos mesados da Hollanda
nao pode deixar de.rcagir sbalo de Antuerpia, e
espera-se igualmente urna alta prxima nos procos.
Vendas : 18,600 saceos de Brasil pelo prejo cola-
do e 17,600 de San Domingos, sendo metade a entre-
gar, 1.000 saceos do Rio de Janeiro foram vendidos
em leiblo por causa de avarifJBit e 60 cmt. por
l|2 kl. direitos pagos.)
Luimos prejos.No depB^KaflIlde cslrangoi-
ro do Hrisil lino ver lo 7 a 27 Cent, verde l't [\> a
2ti l|2cent., esverdinhado 241(2 a ->~i cent ,bom
urdnario23 1|2 h 1\ cent.,bafco ordinario a ordi-
nario 21 a 22 1)2 cent..Sao Domingos 27 a 27 1(4
cntimos. As importajes durante o mez de junho
consistirn em 5.771 saceos dn Ro, 20 ditas dkjj
vana e3,090 du HonrTua.
Depois do primeiro dejaneire foram imf 175,397 sacras do todas as proveniencias zoj^
117,387 em 1851 no mesmo periodo o 141,1
1853 .
Existencias (l.e 2.;| mao) em 1 le jolln.
S. [ As vendas gerae-s tam sido limitadas a 180,770 sac-
cas, sendo 2,740 ola Pernnmbuco ( de6 1|2 a 8),
2,550 da Bahia ( de .'. ';' a7 1(2 ), 4,350 do Ma-
ranhao ( de 6 a 8 \\.
Uflimos prejos.Vei riambuco de 6 3|8 a 8 por in-
ferior ordinario a lino, Uahia 6 5|8 a 7 1|8 por or-
dinario a bom,Maranhao 6 1|2 a 7 1(2 ordinario
a bom.
Existencias592,340 saccas, sendo 42,000 do Bra-
sil contra 939,000 (16,000 do Brasil) em 1854 no 1.
de jumo.
Havre 7 de julfto.
Caf.Mercado calino rom precios Traeos. A ven-
da.cm leilau de partes relativamente asss impor-
tantes reduzio as transarjoes lii.ect.is. Venderam-
se amigavelmenle : 1,800 saceos do Ba pelos procos
seguimos : o nao lavada do 52 a 57 fr. (por 50 kl.
deposito, o lavado a $7 e li7. 50 c,t ,600 saceos
de S. Domingos a 61 e 62 fr. os mclhores erus,500
s.iceee e barricas do Ceylao das plaulajes por diver-
sosjH ^Be 200 sacros de l.a Guayra.
Rnrieilao furam adjudicados .580 saceos \lo IVio de
Janeiro a prejo de97 a lll livres (ledirWtO) 1,000
saceos do Hait a 109 fr, oe crus do Cabo, 190 a 107
fr. os do Porlo Principe, 110 a 111 fr. os de Gooai-
ves, 4,424 saceos de Java de prejo de IOS a 115 fr.,
e 6,255 do Ceylao de 102 a 107 fr. (livres de di-j
reitos.)
Deposito dn1.de julho 9,065,850 Jj2 kil. contra
5,376,4.50 cm 1853.
Nesle exposlo figaram 367 suecas da liibia,
17,220 saccas do Rio de Janeiro, devendo se acrea-
centar a estas existencias 5*15 saccas e 19 barricas
do Bio vendidas pela Voca Paulina.
1 I timos prejos. Rio de Janeiro lavadu vendavel
bom vendavel 1 fr. 30 c. a 1.44 o kllug. deposi-
to ; nao lavado bom a fino ordinario 1.04 a 1:12,
ordinario96 c. a 1 fi. 02, Bahia Ue 1. fr. a 1 fr.
14 c. .
Assucar. Um pequeo numero de transacjes
smente fui assignado, e o artigo fica fraco. As
sorles das colonias francezas liveram urna baixa de
25 c. depois'urna alta de 50c, e ne.-les ltimos
das de 1 Ir. a surte boa n. 1. que he a base. Alem
de 1,900 barricas das colonias, e 2.000 caixas de
Havana vendidas iimigiivelmente, foram negocia-
das 5,910 saceos de Pernambuco para as retinarlas
do norte da l-'fion a prejo de fr. 25 por 50 kil. (de-
posito), qualidade igual ao n. 9 3|4 do typo.hollan-
dez. Em venda publica tambem liveram 2,000
saceos de Pernambuco a prejo de fr. 17 a 2.30
porOkilog. (deposito.)
Ullimus prejos: Brasil, branco 140. a 145 fr., so
menos 121) si 140, mascavado 110 a 118 por 100 ki-
lo g_. (livres de draUos.)
Couros e pelles^Bhirante todo o mez de junho o
mercado conservnM calino, porrn firme, e mes-
mo occasiunalmenle em alta quanto aos coaros sec-
eos.Vendas39,700. a saber : 7,167 soceos. 2.005
salgados d.i Plata ; 800 do rio Hacha ; 2.000 do Ma-
ranhao e Pernambuco ; 251 da Nova Orleans, sal-
gados seceos ; 4.000 de Valparaizo salgados ; e 4,000
ditos do Rio Grande. Ficamoi com um deposito de
26,100 seceos da Plata, 3,175 salgados, 2,000 de la
Guayra seceos,940rio Hacha e 200 seceos da Ha-
vana, e mais 5,000 couros seceos de cavalia.
Cacao.Fizeram-se algumas Iransacjes -quanto
ao dn Par e >la Trindade a 54 fr. pelo primeiro, e
a diversos prejos o segundo.
Cabellos.Negocios assas activos ; nota-so a ven-
da de 5 fardos do Rio a prej secreto era face de 2
fr. 60 o kitog.
MurselIvi 6 de julho.
Caf.O mercado lem sido muito calmo. As pro-
veniencias doBrasil liveram sahiiUem algumas ren-
leuas de saccas do Rio de Janeiro dlsnoolvei, sen-
do ao todo 3,900 saccas a prejo de 51 a 55 fr. 50
kilug. (deposito) ; alm disso 800 saccas du Rio a
entregar a 55 fr. Das outras proveniencias apenas
cilam-se 2511 saccas daS. Domingos, boa qualidade
a 60 fr. 1511 de-Puerto Rico obliveram em diverso
lugar 65 fr.
Assucar bruto. O mercado que as tres primei-
ras semanas do mez.-de junho nao tinha apresentado
seuao mui pouca ^majo, levanlou-sa nesles l-
timos das. A procura foi. indislinclameute tanto
dos productos das nossas colonias, como dos assuca-
res eslrangeiros.
Couros.A xcepcao da ultima semana, nao ap-
pareceu no mercado nenhuma das proveniencias do
America ; exclusivamente versou o negocio sobre as
proveniencias 'frica. Entre as irimsajoes que
transpiraram ltimamente 1000 coaros de Bueuos-
Ayres de 19 a 20 kil, vendidos a tOi.fr. 50 kil (de-
posito.)
C-icio.Fallou-se na venda de um car regntenlo
de cacao do Par negociada!* entregar,por um navio
franco; ; mas nilo estamos eertus das candijes para
as p*odermos iffdicar
quim Jo-ai Pereira dos Santos cscrivi
l.uiz An.onio dos Santos.Miguel J
Pernambuco.Paulino da Silva Mindel
E ma^|i>a nao conlinlu em dito term
testo, d,. N^qual seguia-se a relajao
dores do Ihc ^wgaiole :
Mariano Tibu\io do Mello resto de urna
vencida 1900049 rasJlo Jos COrreia, resto d
duas dils 2983480.Manoel Mara d Costa, im-
Eorlanciu do urna dita, 948270 rs.Manuel Luiz
arreto, importancia de duas ditas, 6OO5OOO.l.oa-
renjo Pe eirn de Moraes, resta de ama dita 1258219
rs.Manoel JowS Nuiles, resto de nma dita, 218/895
rs.Antonio PaJ da Silva, impoTtamia dequatro
datas, 1:5399330 r.Manoel Maurine.Wanderley,
importancia do resto de urna dita 121ftf2ri./e-
feriuo j'iccioli Lins, imporlanria de oiol dita,
100,-jOOO. Manoel de Barros de Almeda l.ins^ii; -
portancit de urna dita 80000 rs.-rMiguel A.
Wanilerhv. importancia do re|lO de urna dita
258-3911 rs.Andr Justino Titara abonado por
Jaclnlho Paes de Mendonja, importancia de urna
letlra, 134/490 rs.FernSo Soares Carneiro de Al-
buquerque, mporla.ncia de urna dita, 2003300 rs.
Luiz Piulo da Silva,importancia de ama dita endos-
ada por A. II. .le l.ima, 150/380.Joii" Gomes de
Mello, ii iporlancia de urna dita 353976.Manoel
Alves Te. xeira.importancia de duas ditas, 1:9469427.
Manoel da Rocha Xavier Cavalcanl, importancia
de duas ditas, 259223. Jos Marlins do Reg, im-
port.iocia de urna dita, 1419350.Antonio Jaclnlho
de Mcdeiros, importancia do ama dita, 293500.
Vicente Ayres de Souza Mouteiro, importancia de
uina dit.i 4109619.Antonio de Almeida Franco,
imporlan'ia de Ires ditas, 4573740.Manuel Jos de
Barros, rnportauca de urna dita, 140
gaprompla; para o resto trata-sa com aeti_consig
nataro Domingos Alves Malheus, na roa da fcro
n.54.
LEILOES
____________
O agente Oliveira far lilo, reqoerimenlo
'" df[ostario da masut fallida de Andr Naoser, e
despacho do lili. Sr. Dr. juiz do commercio, de
limos escravos menores, de 12 a 14 annos de
tjTplo de marcilieiro, e ootro, rrieolo, carca do 22
auno,, bom iapatt;o : qainta-felr, 2 de agoslo pr-
ximo, 10 meio diai>P ponto, n* escriplorio dp men-
cionado agente, ra** Cadeie^do Kecife.
AVISOS bJVERSOS
Jos
19970
di-
Caf.Calma as
mas precises de cons
Trieste 30 de^unlio.
Irainacjfles:: faZ-se face a algu-
-185:
San Domingos 13,000
Java .. 8,00i)
Diversos. 1,000
1851 1853.
17490-Hfi. 9.000 sac
28,090 55,600
17,04 15.500
1,500 1,000 '
Tolaes. 70,000
63,300
91,100
leve decadencia do prefu do algodao, tal
ve balanjo commercial.
Os consolidados ficaram em Londres
913t8 ; os fundos brasileiros a 100 7|8 1
T99 a 100 ; e os turcos, de 81 3|4 a 81
Passou honlem por aqu no vapor Oreat IVeslern
o Sr. Eduardo de Mornay, que se dirige ao Rio de
Janeiro, afim de obler do governo imperial algumas
modificajes ao contrato da estrada de ferro desta
provincia. Deixou em Londres os negocios tal
respeito bem encaminhadns, Meando a testa delles o
seu mano o Sr. Alfredo de Mornay, e espera-se que
com os pequeas favores quo val sollicitar, allega-
remos ao m. da nossa empreza, que lautas iliflicul-
dades lem encontrado, procurando o Sr. MornayJ
sempre pela sua parte vence-las. a
COMMERCIO.
Santo Padrela inclinado a eommutar-lhe a pena,
jnes que a corte initw sobre a necessidade de nm
castiga exemplar que contenha os perversos. 4
Escfeyein da cidade elernii o soguinte :
11 A Santa S lornoii a chamar monsignor l'ranchi
sen iioocio em Madrid. O senhor Pacheco nao par-
tir daqoi antes da ehegada desse prelado.
01 A corle de Roma no meio los dissabares que
eausam-lhe os negocios de Ilespanha e do Piemon-
(e, lem a satisfjjaode veraplanarem-se difflcu! la
desque exisliam desde muitosiinos eom a Austria,
aples e Portugal.
11 A concordata com o governo austraco aeha-se
j redigida pelo senhor Viale-Prela, e o principe ar-
cebispo de Praga, o senhor Schwtzenberg. Nessa
occasio a Academia Imperial das Bellas Arles de
Vienna recebeu do imperador a ordem de preparar
um rico missat golhico que ser.i enviado a S. S. em-
presente.
> Acorte de Roma espera terminar sua desaven-
Sl com o rei de Portugal. Essa desaveuja resolta
o direito de nomeacilo para os bispados da India.
Em razao dos grandes servijos prestados a religiao
pelos rets de Portogal. um Papa Ibes confedera o di-
raito de noineareqLoa/a os bispados de Cantau e de
Mojambiqie, e aebspido de 1,111. Depois do
eslabelecimento do regimeu constitucional o gover-
no porluguez tem sustentado mus do que nnneaes-
to exposlos ao foa de melralia, iiae apezir nireito, porm medlibte compensaces ; -Pi I\
a ...,___:J __ ... ... .' u..h M..li',r A Jl;i. .1- ..._r...... ____ l i-
ra conhecid 1 lenacidade, linha n sido abrigados
a retirar.
Assucar brqto.A procura foi fraca e as negocia-
jo os sem nenhuma importancia, os compradores nao
ucrendo ch'egar aos prejot-jaedidos, a mor parle
as transacjes concluidas foram Alina! facilitadas
por meio de permutas por assncar refinado. Vendas
2,350 caix-s da Havana pelo prejos seguinles: n.
l:a II. I! I| pavilhao naciiibl) 11. 10 11 a fl. 13
l|8, 12,000 feixos da NI iiiilhS fl. II) para expor-
lajo. Do Brasil nada.
ltimos prejos: 'PavilhaoflHMal) Uavana lr-
gueiro 11. II) a II. 13 3|8; 11. ltaWU| a 13 7|8; n.
12 fl. 14a 14-1(4-; 11. 13 0.14 1,9% 14 3|4; u. 14 0.
.15 a 15 l|2; 11. 15 fl. 15 314 a 16; 11. 16 fl. 16 a 16
l|i- i| a 1(211. de ineiis pelosassucares fracos e
hmidos.)
Vendas do primeiro de janairo ao primeiro de
jiilhu de 1855.-42,407 caixas da Haiaun, 31,165 do
Brasil. Existencias no I.- de julho de 1855 27,000
saceos da Havana, 6,500 saceos do "Brasil contra
16,50 caixas de Havana, c 23.000 doBrasil em 1854
em igual poca. ,
Couros e pellos. A calma aesignalada no nosso
ultimo resumo, que foi pelo .-Ivon ceden lugar com
a ehegada do ultimo correio da Plata a urna aclivi-
dade sustentada desde entao e a Otn.1 alta gradual
de 1 a 2 cent, em lodos os prejos. BtU alia acom-
panhad.i de transacjes seguidas relativamcnlo a Al-
cacara parece definitiva kturante toda a campaoha.
Os cuur..s miudos.lem sido pagos de 55 1|2 a 58 l|2
c, o-jile boa qualidade e os inferiores de 52 a 55 1|2
c. Os de boi de boa qualidade de 12 a 15 kilug.. tem
sido vendidos de 59 1(2 0 62 1(2 e. os de Buenos
Ayres, e de 57 a 59 cent, os de Montevideo.
Chin-es, Vendas. 40,OO0Me Buenos Ayres e
Montevideo a fr. 25 pelos de) vaccas e a fr. de 28 a
:l(i mistralos. Existencia 55,000 da Plata e 7,000
de bfalo.
Cacao. Sem transacjes que mcrejam atlenjSo ;
porm a mesma firmeza na sustenlajao dos [rejos.
Sao colados ; o 6 Maranhao a 25 1(2 cent, (deposi-
to), o de San Domingos de 19 a 19 1(2 cent., o de
Guayaquil a 231(4 cent., o da Babia falla presente-
ment no deposito. As provisSes sao limitadas ,1 350
saceos de diversas sorles eonlra 1,200 em 1854,2,300
em 1853 na mesma data. (1.- de julho.)
Londres 7 de julho.
Caf. Mercado regalar com prejoj firmes. A,
procura para o consumo se inanlem activa : As (ran-
fj. 34 por quintal, e 35 id. ; 3,000 saccas de Puerto
ico liveram lambem sabidas II. > ll a 42 1(3 :
iianlo a- Brasil venderam-se 4,100 saccas de 32 a
35 Ir2 o quintal.
Assucar bruto.-wDepois de completamente aban-
donados nos primiros das de junho os asshcarei bru
lerdera* lugar a Iransardes ussarimportanfs taririj
a il-ponib'ili lado como a entrega anb o imperio das
precisoes reaes reveladas pelas refineras. Furam
por tanto vendidos 8,900 sacaos de Pornumbiiro,
(branco) por prejo de fl. 21 aaB 1(2 ; 1890 ditos dito
manado de II. 20 a 21 ; IODO saceos da Parahiba,
(branco) a 21 fl. e '700 feixos'(marono branco) a en-
tregar a fl. -20 1,4. aw
ALFANDEGA.
Rendimento dd dia 1......11:0273785
escarregam hoje 2 di agosto.
Barra ingleznEmmabacalho e laboa*.'
Garopeira nacionall.ierarofumo e charutos.
Paticho hespanhelColeb'radiversos gneros.
Barca ingleza Counte'* of Zltlgndlanas c
^ carvo.
Barca inglezaSnotoionbacalho.
CO.NSULADO GEKAL.
Reudimentn dD da 1...... 2:550*700
l.'lVERSAS PROVINCIAS.
Rendiraenlo do da 1...... 658305
Exportacao .
Porto com escala por Lisboa, barca portugueza
Santa Clara, comluzin seguinte : 2,810 sacros
o 6 barricas assucar, 1.756 couros salgados, 26 1(2
pipas melajo, 10 duzias costados de amarello, 322
saceos farinha de pao. ,
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia i...... 7783183
H..*-.rKSultM)0 PR0VINCIAL,o>o-,nr,-llsa,:"es lem sido especialmente sobre os de Ceylao.
2:3ol00/- Vendas 20,000 saceos de Cevlo nativo, 3.761 har-
. 8,000 sac
iugos, ^yjram compradores por wtes' de 2,000, a
lecas le S. Do-
Jonquimltibeiro, importancia deduas dib.
rs.Jmio Agtinho do .Nascimeolo, resta
las, 236$C87 rs.Jos Filippe Ribeiro.'im
do umadilii, 62M87 rs.Jos Pereira da Silva, im
porlancia de las ditas, 4843637 rs.sJoao Caelano
dosSantoi, importancia de duasdilas, 3363445 rs.
Joaquim Pereira da Rosa, importancia de quiltro
.dita- '.i:ri-.;ii2 rs.Carlos Jos da Silva, resto de
orna dita, 333780 rs.Evaristo da Costa Leilo, res-
to de lima dita, 933520 rs".Cosme Jo* de Carva-
tlio, importancia de urna dita, 2800000 rs.Pedro
Celestino da Cunha, importancia de urna dita
5523568 is.Pedro Alexaudrino Gomes, uri. valle,
254-3000 rs.Francisco Guiu-alves Beiris, importan-
cia de tima letlra, 5503000 rs.-^Herdeiroa de Jos
4 Antonio Pessoa e Mello duas ditas, 6493890 rs.
- francisco Solano Pereira, urna lila, ti'xj'JOO rs.
E-'lev.lo Jos l'ajtf brrelo, uina dita, SlluQOO ra.
Germano la- Cosa Callldo, importanr:ia de duas di-
las, 3003030 rs.Viuva de herdeiros ife Jos Este-
ves dos Possos Lins, importancia de urna dita, 563120
rs.Manuel do Reg -Burros, importancia de una
dita, 1:0033000.Padre Sebasliao Jos d',e Moraes
Bello, im porlancia de uina dita,' 900;0O0.Jos
Luiz da Silva, resto de duas dilas, 385,893>-Fran-
cisco de Salles Cantoso Lins, resto de urna ofrdem,
1205745.JoaoHypolilodoMeira Lima,restodoajma
obrigajao 8386O rs.Manoel Joaquim dos Aoj os,
importancia de uina obrigajao e cpnt de llvrtii,
1423068.Manoel Cario Vellozc- de Mello/ abono'
que fez a Jos Joaqjiim VeJIoso, 622s000.Alexan-
drino Francisco Barauna, saldu di cuntas, 2263KI0
rs.Filippe Nery de Mendonja, resto de caulas,
I:11"S145.Francisco Joaquim Antunes, reslo de
cuntas, 366-3757 rs.PadrManoel Alves Pereira,
reslo de emitas, 0'i)030BfjWos de Almeida Cinta,
resto de contass 2l36j^KrViuva de Joaquim Jos
de Santa Auna, resltfl^Ktas, 4023742 rs.Viuva
de Juaquim Jos de Wm Bauior, reslo de eonlas,
313600 ssManoel da CrOz 'Marlins, Insto de eon-
las, 114361 rs.VenncioPessoa de Mello e Alba
querquo, reslo decontas, 729848 rs.Herdeiros de
Joao Firmino da Costa Barradas, resto de eonlas,
D93247 ri.Jos Lopes Guimnraes, resto de cuntas,
73/100 rs.Joao Francisco do Regu. resto de eon-
las, 16992)9 rt.Herdeiros de Manoel francisco do
Rego.H-eslo de coalas, 163960,Joanna dos Pasaos,
reslo de comas, 94/200.
E mais se nao continha cm dita reluci de deve-
dores, depois da .qual produzio o svpplicanle suas
testemunlias que justificaran! as ausencias dos sup-
Slicado, euja justificajo foi julgada pela sentenja
o llieor egninle :
Julgo pir sentenja e cusas a justificajo folhas, e
mando que sejproceda a ritacao edita) requerida.
Gecife 3 le julho de 18 15.Custodio Manoel da
Silva Guimaraes.
E mais se nao continha-em dita sentenja,'em vir-
lude da q jal o escrvao abaixo declarado fez pastar
e presente edllal, por bem do qual lie i por intimado
o prolesto aqui copiado a todos os supplicades cima
declarado, afim de que seja interrumpida a prescri-
pjao ; e mando a tudas as pe-soas pareles, ami-
gos, on conhecidos dos mesmos snpplicados devedu-
res. para que llie.s fajan) aviso de qae por este edital
Ibes he intimado o referido protesto. Eptra que
chegue a noticia de lodos, mandej pasear o prsenle,
pelo qual so farn tre*de igual Iheur.qus o pariirij
do jiiUo Jo-o das Sai m aa
sala das audiencias, out do commercio,
e so publicara pela iiiipritoM.
Dado o lassado iicstn cidade do Recife, aos 18 e
julho de. 8 ^^a_. ^Mafl
Rti Fr.i'irls'rri Ignacio de Torres Bamleir, esrri-
vao interi 10 o subscrevi.Anselmo Francisco Pe
relti.
Esta
saibam
TOES DE IIWOSITOR.
rplna aceteIl^^,',0 que
^compor-
c lenhain
lamento para
qua'es principia
cana algiim lTabalho,
veitar.
ender a com
se posta ap
uuris.O uiercaaV) continua muito calmo, esta
sifu icao nao fez ainda baixar aa procos : ct,(HK1 cou-
ros de boi e vacca do Rio <
peso de 18 a 32 libras foram i
03 a 67. O restante das co
sider.iveis fui sobre as sor
Cacao.Sustenta-se firm
qoe ja' teem sido vendidos alguns cem "saceos
do Par. _
a 9______fW______________
MOVIMETO DO PORTO.
itevidco (seceos^ de
I a prejo de 0.
"as pouco conr
India. .
fl. 27 e 28, prejo por
NioiOf- aHru'Jo-' im dia 1.
Soulhiimpton o \xttim interine di is22 riins, vapor
ingle/. iitireal^KtTnn. rommandante i. A.
Bevis. PassagSUS, Francisco I). Tenerhurd, I.e-
raistre Charles Alexandre, Manoel Jet Pereira
Pacheco, Waste de Saiuville, David Boumaa, Jo-
s Ricardo Coeiho, Jos Mendes.
Melbourne82 das, barca americana Alce Fra-
zer, de 406 toneladas, cap tilo David H. Taber,
cqifipagem 23, em laslro. Veio refrescar e segu
para New-Bedford.
iVapi'i sonido no mesmo dia.
Bio de Janeiro e poctos intermediosVapor ingle
Great Western, r.immamlante T. A. Bevis.
Passageiros desla provincia, Hermana Meliriens e
I lil lio, Antonio da Cunha Car val Im Bastos, Dr.
Francisco de Asss Pereira dn Rocha e 1 criado,
M. Wyley, Henry Bigham.
Carlas seguras vindas do norle para os senhu-
res: Alexandre da Cunha Coeiho Calnnho, Domin-
gos Carlos Gerson de Sabuia, Joaquim Luiz da Silva,
1 Jos Antonio de Figueiredo, Jos Manoel de Freitas
Jiiromeiihi. Manuel 'levares Cordeiro.
0 8(-cret4rodoconellio de direccuo
do Banco de Pernambuco, avisa aos se-
es accionistas do mesmo Banco,
fe se ficha autorisado o Sr. gerente a
pagar c se\to dividendo de lOi'OOO rs.
por aecao. Sala das jessoes do conselho
detrecrSo do Banco de Pernambuco aos
11 de julho de 1855.
EDITAES.
3o e e'spekulajao
o consuma, fize-
>
i
&


Jara o impelo dos nossossoldados jae aflU
*f de**L circuoistancia, :ontin earregando o niioigo ; porem a Mita de accordo no
toque dea nossas divisoes, deixou mi !> Vi ni
de uos earregare-n com as reservas, e aartilliaria do
Grande Radenle e o inimigo no pi rdeu nm so ins-
lanle para dirigir sobre os nossos brivos caladores a
p ss oulras reservas de KarabelBfia.
i Em frente de Torcas tao consi ieraves o com-
maiiiiamle Garmer do ,,o balalhao, ja ferido cinco
bits, proco roo, mas debalde, consilcvar o terreno
onquislado. Olirigado a ceder ao numero, Irans-
psz o enlrincheiramenlo. O general Nipl reuni a
sata brigada reforjada pelo 39 de linha ; ainda se
pretenden tentar um novo moviaaenlooftensivo para
proteger o bom xito desle novo esfurco. e tendo-me
avisado o general de Autemarrequ a sua reserva
reduzla o74 de linha,mandei-lh- o regiment de
MMQe da guarda ; porem .1 cliegaJ desloa vetera-
Slt- atan* o enumble necessaro para urna tentativa des-
la ardem, com urna s, divisao, sem opoio, tanto
pela direltacoiiio pela esquerda. e devastada pela
jj arlilhariil do Radenle, contra a quil ns n-nsos allia-
upi-niliam o seu ataque, em breve onheci que
b ibilidade alguma fuvoravel.
nove V: forjo s tinha o resulldo de maior
dcrraniaioenlo de sangoe inutilinsale. Erain oilo
horas e meia. dei oidora geral para se relirarem aa
trincheiras. Efla operajao realisoit-se com a maior
ordem esangee (rio, sem qae o i iimii',o us perse-
gaitse em direcela alguma. lima paite das Irinchei-
raa russas fleoo seeapada por alg ma geate nossa,
qeje se retirad Meeassivamenle o wm qae o ioimi-
espera-tecobrar f|4ireito de conferir esses benefi-
cies.
a snissas abrfram a 2 de|julho sua sessao
anniijpWpfconselho nomeoo para seu presidente
ao cavallelro Echcr de /.arich e para vee-presi-
VnrerT*^-Jo cavalleiro Blosch, de Borne, memhro du
partida conservador. .
No ciluasflfMoa estados (representantes dos cin-
16es ) foram noaieados, presidente o cavalleiro For-
nero-l, do rentas o* Vaud, e vice-presidente o ca-
valleiro Schwarz, de" Argowa, ambos pertencenles
ao partido radical.- --,
Na Dinamarco fora ullimnmente publicada a eons-
tiluijao da monarchia. O r*J estara ja reslabele-
cido da qoeda que dera. mas -nao apparecia ainda
em publico. _^^^^m
Eis aqiii--s>a(4)^?cflfvei,i da capital daquelle
reino.
Copenhague 29 de junho.
o O conselho supremo da monarchia foi aberto
hoje pelo minislro da fazenda, o qual leu as cartas
patentes do rei que promulgam a constiluijao
para toda a monarchia. Eis aqui em resumo o texto
dessa carta.
H
O rei jora observar a consltuirao. Os minis-
tros (io responsuveis. Estabelecido' um orcamento
normal, lodas as desviajoes serao discutidas de 2 em
2 annos. O presidente do conselhu be nomeado
pelo rei. O conselho nao he competente para lo
mar a iniciativa das medidas. As Dietas separadas
do reino e dos ducados serao convocadas do 2 em 2
annos, e durante esse periodo nao podtrjto ser dis-
solvidas mais de duas vezes. Todos bscasos de con-
flicto que surgirem entre a Dieta especial e o con-
lelho da monarchia serao regalados pelo reiem con-
selho privado. O conselho da monarchia ser cons-
bEWsTA COMMERCIAL UOS PRIXCIPAES
MERCADOS DA EUROPA PELO VAPOR IN-
GLE*. GREAT-WESTEBN, PAKTIDO A 7 DE
JULHO l)E SOL'THAMPTOh.
Jlamburgo i de julho.'
Caf.A procura para a expoclaja
tendo acompanhado a procura para o
ram-se IransacjSes assas importantes. A procura do
colorido do Riu parece se ter om pouco reanimado
nesles ulmos lempos, e 01 baixos prejos da orle
inferior teem chamado a altenjao dos compradores.
Os cafs de Santos, principalmente as sortes colo-
ridas, se vendem com facilidade pajareros va 11 ta-
jeaos.
A prxima colheita devendo ser moderada no Bra-
sil, e os cafs de Java se/guindo na Hollanda urna
marcha ascencional bem pronunciada, o mercado de
Hamburgo, mais cedo ou mais larde, lem de sotTrer
11 reajao desta -Minean, e de pr-se em plena alta.
Os possuidores eslo bem convencidos desse resulta-
do, e por isso eslo tenaces em suas prelenjOes ; as
transacjes, pois, cuntinuaram, no mpz de julho,
n'um restringido limiteVendas: 25,600 saceos do
Brasil (Bio de Janeiro e Santos) a prejo de 3 1|4 a
"il|m. banco as primiros semanas, e de 3 3|8
a ^ m. banco as ultimas :9,500 sarcos de S* Do-
mingos de 4 1|2 a 5 l|8 m. b. ;9,9011 saceos de La
Guayra de, i 7|8 a 6 lii ;e 100,000 libras de Puer-
to-Rico d 5 3,8 a 6 3|* a libra.
ltimos prejo.Cafs do Brasil (ordinario a fino
ordinario) ordinario 3 3p3 a 4 m. banco ;real or-
dinario i l|Su i 1|i;bom ordinario 4 3(8 a 4
11|16 ; fin ordinario 4 3|t a 3 1,4 :S. Domin-
gos, ordinario 4 1|2 ;real ordinario 4 9|I6 a 4
5(8 ;bom ordinario 4 3(1 a 4 7|8 :fino ordinario
4 7,8 a 3 7|8 : Poerto-Bico 3 5(8 a 6 3|-i : La
Guayra nio lavado 5 1|8 a 5 1)2 lavado 5 5|8 a-
6 3|1.
Assucar.Os possuidores do mascavado tendo fei-
lo algomas eonccssOes nos prejos liveram lugar
IransacjSes asss importantes, a saber : primeiro
em ilispunibilidadc 6,800 caixas da Havana, a prejo
de 14 libras 1. Banco 11 21 libras 8 b., o branco de
21 a 22 libras,5,500 saceos do Brasil (Pernambuco)
o mascavado de 13 a 11 libras 1. b., o branco de 16
libras 4 b. a 18 libros ;segundo, a entregar 9,000
saceos da Mauilha, mascavado a 12 libras 9 b.
ltimos prejos.Havana branco de 16 3(1 a 17
l|i por 100 librs : somenos de 13 1|8 a 17 1|2,
mascavado de Hall 3(1 de 12 I i'i a 11 5|8 ;Ba-
bia, braceo 16 3|( a 17 1|4,mascavado 15 3| a 1
l|l ;Rio de Janeiro ( nBo existe no mercado ) ;*
Pernambuco, branco 15 1|4 a 17,mascavado 13 3(8
a 11 |8por 100 libras.
Couros.Firmes em rontinuajao: foram vendidos
das sorles que inlere-- un ao Brasil 2,400 nicamen-
te, sendo 1,200 do Bin Grande do Norte a receber a
bordo por prejo de achill. 6 l|2. ',
Caco.--Os possuidores estao rani firmes. Chega-
ram por via de Llsbo 228 saceos da Bahia, e 274 do
Para que ainda eslo por se venderPrecos :Ca-
riqunhas, 2,900 r maslras das plaulajes, 900 sac-
cas du Bio de Janeiro por prejo secreln, 800 ditas
lilo para Trieste e 3,600 saceos a entregar a 40 sh
9,para o Mediterrneo em sorles do Brasil 5,300
saceos, de San Domingos 1,800 saco* a 14 sh. para
a exportacao. Emlim das sortes 1.1 India 2,000 ca-
oaslras, 4t Java oSumalra de 12a 51 sh. e 300 di-
las de Mpca a prejo de sh. S&*a 81C
Comludo a opiniao Tica favoyavel a respeito deste
artigo e todos se aprazem em pensar que a silmibao
de Hamburgo e principalmente de' Amslerdo nao
deixar.i de manter prejos altor.
Assucar.A quantidade olferecida sendo ainda
superior a procura os prejos tem sollrido baixa de
12 dinhrtros por quintal. Eis o resumo das vemlas :
8,000 barricas das Aulilhasa prejo de 35 a 39 9 ;
30,500 saceos de Mauricia de 31 a 37 610,000 di-
tos do Bengala e Madras ;da Havana 18,800 cai-
xas vendidas amigavelmenle a prejO de sh 22.0 din.
a 12, e can leilao 2,900 caixas bom mascavado a
mascavado lino de 32 a 38,do Brasil 10,130 accos,
sendo 2.630 de Pornambui' 1 mascavado vendidos
em leiles a prejo de sh. 32. 6, e o branco escuro
31. 6., 3,000 da Bahia mascavado para Amslerdau
de sh. 17 a 20, e 3.500 saceps branco de Peruambu-
co para o Mediterrneo a 25 sh. Emum uos lei-
I8es 17,000 saceos da Manilha foram veudidos a
prero de 34. 6 a 35 por clayed.
MelajoAfora algumas centenas de barris da Do-
minica e d'Antigoaoegociaram-se 2 carregamentos
de Cuba pelo precqtfnoe de 17 a 17. 6.
(enrose peUajKlaaaaejes seguidas quanto as
sorles da NovaTwhes do sol, quanto as de Buenos-
A> res. e do BrqnrTfcuco negocio honve. Diversos
lotes da Plata apnaenUdas nos leilas foram al re-
tiradas, atientas aaSfrelencoes altas dos possuidures.
t.urao.Nova baixa de cerca |de 2sb. em eome-
quencia de importantes chegadas de perlo de 1,290
saceos da Trindade, dn pardo a bom vermellio fo-
ram entregues a prejo de sh. 37 e 10. 6.,500 sac-
eos da Granada de 33a 10 pelo haixo pardo a fino
vermelho.
Ipeeacuanha.Por um lote ligciramcntc avaria-
do, lendo sido retirada a parle saa h.JB por libra e
alguns saceos avadados foram dcixajlos pelo preco
de sh. 3. a 6. 10, t jk
Liverpool 7 de julho.
Algodao.A sobre excilaj.lo febril qaa'aasifnala-
mos pelo Ivon, foi seguida da mais coraBa rearo
queimaginar-se posta, o depois de ten a 4idoa no-
tar em maio uina semana do corra de ifit)/KKI saceos,
vimos pastara mais fraca deque se tensflerabranja
( 24,000 ). A especulajo e a exportaran cmser-
vanwe fra dp.mercado, e consumo precedentemen-
te aprovisionado quasi nada compra.
O fuluro depende do mercado de Manche-ter e
dos nossos fabricantes qne ainda pdem-se conser-
var militas semanas fora do mercado se assim Ibes
convier ; mas no correr de julho nossos depsitos
pareceram tao fracos comparativamente aos do anuo
pastado qne flcariamos bem admirado senSo appare-
cesse alguma animajao as negociajOes.
Pela inspectora da alfandrga se faz publico
que 110 dia 2 do agesto '.prximo futuro, depois d-
meiu dia, se hito de arrematar cm hasta publica
porta da mesma*repartijAo, sen > a arrem.itarao li-
vrede direitos ao arrematante, 19 raixas rom 7,000
ceblas vindas do Porlo no brigue Bom Succs*o,\ e
abaudonadas aos direito. por Sebasliao Jos da-Silva.
sendo o centn de ceblas avahada em 800 rs. total
605880. Alfandega do Pernambuco 30 de jnltio de
I85.O inspector, Bento Jos Ftfnanitt Barros.
O Illm. Sr. inspector da thesooraria provincial
manda fazer publico, que do dia 2 do cnrrenle em
diente se pagara os ordenados e mais despezas pro-
vincisea vencidas at o ultimo de julho prximo pas-
sado. Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco i. de agoslo de 1853.O secretario,
A. F. da Auiiunciaj.io.
O Dr. Anselmo Francisco PertiUi, commendador da
imperial ordem da llosa, joix de direito especial
do commercio da cidaJe do-Abcifo, provincia de
Pernambuco, por S. M. I. 'JtT ele.
Fajo saber aos que o presente vircm. que no dia
23 de agoslo do r.11 rente mino se ha de arrematar
por yenda,a quem mais der, depois da audiencia des-
le jnizo, cm casa das suas audiencia, urna parle da
casa de pedra e cal n. 90 com sitio no lugar da ra
de S. Miguel, froguezia dos A fugados, contendo al-
gumas fruten-as, cacimba, tanque, penhorada por
execujao de Rita Mara de Jess, contra Jos do
Ssnlos da Silvira, avallada em 1:1005 rs.
E para que chegue nolicia de lodos,mandei pas-
sar edilaes, que serao publicados pelos jornses e af-
lixados na praja do Commercio e casa das audi-
encias.
Dsdo e passado nesla cidade do Recife aos 31 de
julho de 1855. Eu Francisco Ignacio de Torres
Bandeira, escrivao interino o fiz eserever.Anselmo
Francisco Peretti.
O Dr. Anselmo Francisco Peretti, commendadur da
imperial ordem da Rom, ejuiz de direito espe-
cial do commercio desla capttat do Recife provin-
cia de Pernambuco, por S. M. o Imperador, que
Dos guarde, etc.
Fajo saber aos que o presente edital vircm, e
delle noticia tivereiu em como Lournjn Jos das
Neves diriga a este juizo a pelijao do llieor se-
guinte :
Lourenjo Jos das Neves qilerendo ubstar a pres-
cripjao dos ttulos constantes da relajan junta, re-
quer a V. S. digne-se de mandar por termo o sea
protesto para o fim de ficar interrompida a mesma
prescriprao na forma do artigo -153 do cdigo com-
mercial.
Pede a V. S.Illm. Sr. Dr.juiz d? direito d
commercio assim delira, sendo intimado b me
protesto aos devedores, por editos, por eslarem
sentes, e delles so nao ter noticia, justificada au-
sencia.E R. M.O advogado Fonscca.
E mais se nao continha era dita pelie.lo, a qual
leve o despacho segainte :
Distribuida; como requer.Recife 27 de junho de
lit.">Silva Guimaraes.
ftiada mus se continha cm dito despacho, em
primelo dn qual procedente a dislnbuijao a
erivHo que lavron o termo de protcstu do Iheor se-
guinte : .
Aos 27 de junho de 1835, nesla cidade do Recife,
peranle mini e as testemunhas abaixo assignadas
disse Lajje Antonio los Santos como procarador bas-
tante de Lourenco Jus das Neves,1 qua pur este pru-
trsta va romo de faeto protestado lem na forma de-
clarada em sua pelijao retro, contra seus devedores
declrelos na relajan junta, e de como disse e pro-
teslou na forma da dila pelijao retro, e relajao
junta qae tudo fica sendo parte do presente, assignou
com as teslemuohas abaixo declaradas. Eu Joa-

DECLARACO ES.
SALI DE BAILES PBLICOS,
NA
IAMPRAIA.CASAEMQIE FOI OllTX'ORA
TH.KATU l'HlLO-OliAMATlGO.
I.RANDE BAILE DE MASCARAS
EM K DE AOSTO.
As 8 horas da noile a banda la msica 1 segun-
do balalhao da guarda nacional desle manicipin,
dirigid pelo hbil professur o Sr. Hermogenes, an-
nunciar o cornejo do baile, e pelas numerosas e va-
riadas pajas de seu repertorio deixani o publico ple-
namente utisfeito. Ao Sr.-meslre-sala est incum-
bida a direojao e boa ordem do baile, o qual termi-
nara sempre as 2 horas, pouco inaiiou menos. Os
directores, em vista da boa ordem, que honve no
primeiro baile, tem a honra de convidar o Ilustra-
do publico desla cidade para assistir ao seguudo no
dia cima indicado, cerlo llague se lem empregado
todos os me os para a coripleBsalisfajao dos concur-
rentes. Os tullirles esiao venda em_casa do Sr.
Joaquim Monleiro da Cruz, ra do Queimado.
avisos martimos?-
. MARANltA'O E PARA'.
Sejjtic ;m poneos das o liiate naciomS1
ADELAIDE, recebe caiga e passageiroi
trata-se com o consignatario J. B. da Fq*
seca Jnior, ra do Vigario n. .
Ao Ro de
Janeiro,
O brigue nacional MA-
RA LEZIA vai seguir em
poucos dias: para a ter-
ca parte do seu carrega-
mento tute lhe Taita e es-
cravos a rete, para os quaes da' as nelho-
res accommodacoes, trata-se com os con-
signatario!' Antonio de Almeida 6omes
& C, na rita do Trapiche n. 10, segun-
do andar.
PARA O RIO DE JANEIRO.
Pretende sabir com muita brevidade.
o patacho nacional CONFIANCA, por ter
parte do seu carregauento prompto:
para o resto da carga c escravos a rete,
trata-se com os consignatarios Novaes &
Companhia, na ru ou com o capito na praca.
Para o Porto por Lisboa segu com a maior bre-
vidade a mudo ron herida galera porlugoczaT Bra
rharense ; quem quizer carregar ou ir de pajtagem,
dirija-se aos consignatarios T. de Aquino Koaeeca Fillio, na rna doVigariu 11. 19, primeire andar, on
"(ao, na praja.
lA 0 RIO DE JANEIRO..
Segae esta semana a barca Mathflde, por ler o sea
carregamenlc prompto, so recebe escravos a frete e
passageiros para o qoe lem excellentes commodos :
a tratar com o eapiao Jernimo Jos I ellos oa
com Manoel Alves Guerra Jnior, na ra do Tra-
piche n. 14.
. f.EAKA' E MARANHAO.
Segiieno da II) do crrenle mez o palhabote Ce-
nis, capillo e pralico Joaquim Antonio Gunjalves
Santo ; para o resto da carga e piissngeiros, trta-se
com Caetauo Ciraco da C. M., ao lado do Corpo
Santo n. 25.
Para Araealy, no dia 15 do correntc, secuo o
hiate Correii do Norle ; aipda pode receber carga :
a tratar coro Caelano Cyriaro da C. M., ao lado do
Corpo Santo n. 25.
Para a llahia segu em poucos das a veleira
Garopeira UoracSo por j ter a maiur parle da car-
poderiam teV*artido dos
o que no dia $ de julho S.
ha dos meo conhecimen-
nteressadj mais
ia, na ha
pice-
lodos
era casa do au
na
O abaixo assignado* proprieta-
re Ja linha de mnibus, faz sci-
enie ao respeitavel publirX), que nos dotmii&os a
dias santos tarde haver um oa dous mnibus
para ilpipueos." As horas da partida gpo 3 e 3\
meta, e do vegresso Je Apipucos 6 e 8 e meia;
1) do billiele da ida e volu be 19000 rs., fi-
caodo expressamente, prohibido o ingratso quando
se nao der a precedente entrega aos bolieiros dos
respectivos bilhetes, os quaes s terao vaiidade pa-
ra os mnibus que partera i horu cima men-
cionadas; nao he atlenrlivel redamacao de pessoa
alguma que nao esltver s horas marcadas das par-
tidas; nao lie permitudo fumar-se dentro dos m-
nibus: os bilhetes paraos mnibus vendem-se no .
escrip orio da ra das Larangeiraa a. 18, nico lu- .
gar onde se receben) as assignaturay. S aerad
admittidas nos mnibus como assigaantes as pes-
soas, ru apresentarem o recibo aos bolieiros, do
contraigo serai obrigadas a pagar por viagem na
raza de 19000 rs. para Apipucos e 500 para a
Passagem.
atoinfio Dubtvx.
1 RECREIO MILITAR.
w Previne-se aos senhores socios qae a parti-
9 da lera lunar no'dia 11 do corrate,' e la pro-
fe postas para convites de familia serao entre- W
jj>- guus ate o da 4, na casa do abaixo assigna- <9 '
9 "o.v ra do Aragao n. 12.O secretario, 9
J| O idleres Barros.
#
RA DO WKCIOJUir
Tn"-55>smipIeto soi caft ^ de *e-
tuarias (>ara mascarados, de diversos ca-
racteres e pocas, os mais ricos que
podem encontrar.
Avisa-se aos senhores queassignaram
para a edicacSo da casa de baile delta ci- .
dade, que amanha 2 de agosto a's 4 i
ras da tarde, ten', lugar a primeira t
nio geral para ser constituida a compa-
uliia c.eiinrtivarDente, no salao do theao
de S. Isat^H 2%
O MBTHODO CAS1TLHO GRATIS
A ve 1 dado o a aciencia silo Win de Dos, como o
seero humano devem ser patrWonio de fedo elle.
Emquanto o Etm. Sr. conselliVo Antonio Feli-
ciano de Caitilho s por intormajc\ preciava a mi-
nha poaca capacidade, eu viva davMaaa, se bem te-
ria comprehendido o seu insigne melrtorlo de leilura,
porque I
meue aa
ElC fO;
tos pratii
nesta pii
tar-me J
seu ntelhii
do que
vangloria ofTerecer-me
que se ipiiierem nropor ao mag^^H
cellenie methodo, leudo as hubihtaj
grammjtica earithmelica. Aiodahim-
carta do Illm. Sr. depilado a asaem
do Rio Grande do Norte, o Rva. padre
rencio Gomes de Oliveira, o qaal em noWe de seus
parochi inos pede o ensino pelo methodo Caslilho:
igaaes riecessidades militam em oulros moitos pon-
tos deste bello paiz, e ser possivel que tantos jovens
vegeten) na indolencia e quij na miseria, tendo um
meio tan honroso de subsistencia Oa minha parte
cumpro o m'eu dever, a minha aula, de dia e de rroi-
te he franca a qaantos se quzerem iniciar no faeili-
mo methodo do Sr. Caslilho, e para de todo acabar
com as llovidas susciladas' pelds inimigus do metho-
do, lenciuiin nn dia 8 do proiimo setembro dar a pri-
meira iuposiriio do meas alumno} de seis mezas
lectivos aoJEim. Sr. eooselheiro presidente desta
pr.ovincia, c a lodas as capacidades qae se dignaren)
honrar-rae, era m dos melhores saldes desla capi-
tal. Aula do methodo Caslilho, rna tarca do Rosa-
rio :,. (>-.Francisco de Preilas Ga*\toa, professor
provisiouado pelo governo <
Na larde dij ter ja para quarta-l ira, 25 do pr-
ximo paisado mez, desappareceu do sitio denomina-
do Brejc, no ongenho Pimentas, frecuezia do Cabo,
um moleque de nome Domingos, com idade de 15
annos, pouco maisou meaos, crioulo, eheio do cor-
po, h>m prelo, o oltio direito rasado, orna cicatriz'
junio da venta do mesmo lado proveniente de um
couce de cavallo, nariz bem chato, pes largos ; eom
o qual lambem desappareceu um quarto pedrez ja
velho, com urna bexiga no espinhajo, e bem galopa-
dor ; suppoe-se o moleque ler fgido 00 quarto, a
ambos eitarem furtados : rega-se as autoridades oa
pessoa pirlicular que souber do dito moleque e ca-
vallo, eu algum dos dous, dignem-se avisaron lavar
no senhor dos meamos, o bacharel J0S0 Francisco
de Arrorla Falcau, morador no sitio referido, oa
asia praja anSr. Joaquim Manoel Ferrara de Sou-
za, na pateo do Carmu n. 1, 'jue ser bem recom-
pensado. ,
Procisa-ae de om caixeiro de 10 a 12 annos :
quem pretender, dirija-se ao paleo doTerjo n. H.
Pr cia-se de orna mulher de boa conducta,
que saibi cozinhar e coser, pam fazer o servijo m-
ii;ruo da casa de om homem estranaeiro aolteiro,
perlo do Recite : a tratar oa ra do Trapiche n. 36,
primeiro andar.
ESPIRITO SANTO.
Anloni) de Almeida Braodao e Souza, irmao do
DivinoEspiritn Santo, faz ver aos nossos irmao, que
por ilevorlo olTerece ao menao Divino pala adjuto-
'"io das obra de sqa nova igreja do Collegro^ meta-
"do que Ihe-ashir por sorle em o meio bilhte o.
17 da lnleriadesU provincia que tem de correr
hado, i do presente m
O SOCIALISMO.
Felo general Abraa a Zalaaa.
Acha-se a venda na loja de livros dos Srs. Ricar-
dq df Frutas & C., esquina, da roa de Collegio, e
do Collegio, casa amarella,
toda as formas, por
ios compra-
^BBP^^Mieeaex-
em quaee acha Ira ja-
mano, desde o primeiro
a todas as classes
-se, o evangelho
ados todos os Uros
doutrinas estao, portento,
as indiligencias.
faiale allemao, na ma Nova n.
5-2, faz tifa e qaalquer obra do sea oflicio, lando o
panuo, pi r rommodu prejo.
Calca de asemira de cor fina 50000
Dita d. Jila dita lOyOQO
Dila de dila 120000
Hila de dita pela ISIOOu
Casaca de panno prelo fino 288000
Dila de dilo superior 380000
Palito de alpaca prcla 100000.'
Dilo de dila 12900
Desappareceu no da 27do mez prximo passa-
do um mualo de nomo Pedro, que ioculca-se forro,
e tem os signaes seguinles : gordo, cara bastante
larga, de Mgode, e com um signal bem visivel no
brajo direito de ama dentada de porco ; levan ca-
misa de madapnlio e calja de riscadinho azul ou de
eanga: quem o apprehender, leve-o ra do Man-
do Nove, casa de Andr A velino de Barros.
O abaixo assispado, autorisado pela Sra. D.
Mara Seuhorinha do Livrameulo, faz negocio com a.
armaran da loja da ra do Queimado o 50, para pa-
gamento do debito que o casal da mesma (entrara
deve ao herdeiro Manoel Antonio Pereira de Abreu,
de quem h> o abaim assignado procurador; a tratar
na ra Direila n. 17.
Jos Joaquim Lima BairSo.
A ahaiio assignada lem aulorisado ao Sr. Jos
Joaquim Lima BairSe para fazer todo negocio com
Ka loja -1a ra do Queimado 11. 50 ; podeodo tratar
com o mesno senhor na ra Direita a. 17.
Mana Senhoiinha do Livramenlo.
No dia 29 do mez prximo passado appareceu
no sitio da viuva de Manoel Caelano Soares Carneiro
Mouteiro urna prela de nome Mara, que se diz for-
ra, e cuino a viuva recaa que o nao seja, para se li-
vrar de loda a responsabilidade faz sciente, para que,
a quem elln perlenccr, quanto antes v basca-la, nao
respondendo a viava pela que acontecer.
Joaquim Lopes de Barros Cavalcanl mudoo a
saa residen ria paia a rna Nova n. 33, primeiro an-
dar.
George Patchett. curador fiscal da massa lalli-
da de l.enpildo da Silva Quetrotvttz sciente que o
Exm. Sr. ju z especial do coramarcte, designou o dia
3 do correnta, pelas 10 hora do dia; para os respec-
hvos credorusse reunirem na casa desua residaacia,
em coja reu iao tem de se apresentar o parecer da
commissSo nomeada para verificacau dos crditos.
I
\
Vf*


/
[ magnas.alen
Oflorece-se
I quer mulher
LOTERA W RIO DE JANEIRO.
No dia 21 ou 23 de corrente devia cor-
teria 9- da cultura das amoieiras,
anda le acham (venda algn meios bi-
Ibfcte nas tojas rfiTeflaJume, na praca
Independencia: os premios etit[~'
logo que se tenha eito a i*,
'listas.
Ntuueira 4 Ulivein faznro sciguto ae"i
tover pi.litieo qu<-omprar>in iiiriaieei ,
igarm r. 11, qae gyrav. enm ,firnd Jus Aa-
^nCa* C. Ihrre **&*& aatJ
.!".;! lo a (ero
toadrto ^.T,0^^- *'P'nS'e" l-
de aro'prsio psiti 6 Kico de orna
na rea de iVipielit^n.
para' singar ualfgrande sobrado de
b"!"n' frei*sJSl. Amarinho : trala-
aoatcitodor Mande.; Lu. do Reg, ra do
maulo 7, aguad., andar.
RKKDE JANEIRO.
A LOTHA DESMaSCARADA,
SOCLEDADE DE INSTRUCCAO
ELEMENTAR DE PARS, *
DIARIO OE
SULTORIO DOS POBRES
)
9.VM? i OVA 1 .**.*& O.
s*
/
S.^iL^A' 6**? "consultos Iiomeopathicas tedoi os dfes aos pobres, desde i.,,. da
extraordinarios a qualqoer bora do dia ou noile. ^-
ticar qualquer operacSo de cirurgia, e acudir promptonvintn niiai.
t' partO, e, CUiaSClrClimSlaLiriannHnnprmillam n.n.r a .l/^ '
^LA
1%
TRADIZIDA JgM VELGAR
COM Uto AfWBNDICE E ALGUMAS OBSERVA-
NTES SOBRE AS LOTERAS O
BRASIL, OFFEHECIDA; A' CONSIDERADO
IX PODERES POLTICOS DO
ESTADO E DB TODA% 8 IESSOAS QUE JO-
GAM NAS LOTERAS.
UM G IOSSO E NTIDO VOLUME
BROG.IADO 5J008, BNCADEKNAUO 69000.
Desojando-se unlcamend. obir as asaignaluras
qoe ejaui neeessarias para garantir melade das des-
peta* da impresslo, a obra vi entrar n prlo, e
sera acn atinada da selacao din pessoas qoe hon-
raren earn ini assignaturat esta mleressante publi-
claaaes sociaet.
i beuiguo icolhimenlo de lodis as
**ss
SUBSCIIEVE-SE NO RIO DE JANEIRO. EM
*SA DOS SRS.
E. e II. Laeromert, ra da 'Quitanda n! 77.
co de Paula Brito, praca da Consliluico
6. I;
he de Frailas Cumiarles e C, ra do Sa-
T bao n. :{6. -
<5! ^'Nrtr.'Br.v^
a JVpographi.i do Corrtio.
tto 'Sisar), roa da# Quitanda
de parto, e, wjaaeirconlstauciaaDaopermittam pagar
W CONSULTORIO DO DR. P. A. LORO
50 RA NOVA 50
MOZO.
;ido em por
mpanhadode
VNDESE O SEGUINTE:
Manual completo de meddicina homeopathica do Dr. G. H. Jahr, trad
tug.iez pelo Dr. Moacozo, quatro voluntes encadernados em dous e ac
nm diccionario dos termos de medicina, cirurgia, anatoma, etc., ele
Esta obra, a mais importante de todas as que tratara do eslndo e pral
que eootm a base fundamental d'esla doctrinaA PATHOGENESI
MENTOS NO ORGANISMQEM ESTADO DB SAUDE-couhecimeo
soa que sequerem dedicar n pratica da verdadeira medicina, in
experimentar a doctrina de Hahnemann, e por si meamos se fconv
razendeiros e senhores de engenho que estao longe dos recursos
que urna ou oulra vez nao podem deiiar de acudir a qualqoer
a lodos os pas de familia que por circumstancias, que ntm afempre podem ser preveni
dos a prestar in conlinenh os primeiros soccorros em suasAorermidades preve"'aa9'
O rade-mecum do homeopalha ou traduccao da medicina) domestica do' nr ll.rnn
obra tambera utU pessoa, que drfieam ao.sloj0 daTmeopaUiV um "Z-
me grande, acompanhado do diccionario do. termifi de medicina
OTd^
Boticas a tu tubos grandes........
Boticas de 24 medicamentos cm glbulos, a 10 12 e 150000 rs '..... 89000
Dilas 36 ditos a ^^
Ditas 48 ditos a *.......' 20^m
Ditas 60 ditos a ................ 233000
Ditas 14* / ditos a ..........' :t0000
Tubos vui7:.......'.'';.!'.*' 60o
Frascos de rneia oiiia de lindura. .'.*,.'.',*',', ...... IftOOO
Ditos de verdadeira lindura a arhica' '. ......... 2c000
de e or presos milo comidos. qualqner eucomn,eoda > med.camenloscom toda a brevida-
no
da nemeopalhia, por sera nica
)UEFFEITOS DOSMEIG4-
que nao podem dispensar as pes-
todos os mediros que quizerera
icerem da verdade d'ella: a lodos os
mediros: a lodosos capitiesde navio,
commodo seu ou de seus tripulantes :
sao obriga-
106000
39000
Da pratica da
TRTAMEKTO omopathico. "^
Preserva tico e curativo
DO CHOLERA YIORBUS,
PELOS DRS
em que nao [os i,a para cur-la indepcndente destes nos lugares
IDO EM PORTUGUEZ PELO DR. P A. LOROJUOSCOZO.
- PELO DR. P
lisies ni-l ..,
lo la ao alcance de oa, as indigencias, u9 p.lo m^aSS
i sasfacloiios resultados em toda a parle era que
cipalmenle aus preservativos que tem dado os mais
elles tcm sitrf,, postos ciu pratica.
Sendo i0 Iralamenla) homeopathirn o
ndadeT Tomi &7oP;;;r,o'\ra2"?V d^S^^so1^^.7^"v- m* **-
Mercantil
n.55.
la, para dejarle UcU
^Vfiflfbe-se unicamel
!l-
-~ I
Qoi'lB precisar de uro. homem para adminis-
trador d engenho, o qual calende bastante da casa
de caldeira, etambera enlunde de olera qur era
obra fina, qur em grussa: quem pretender annun-
ia Mr procurado.
e de urna ana para todo snico de
roa casa de portas i dentro, menos corinhar: a tra-
tar na ru; Direila n. 91, primeiro andar.
e de urna ama deleite: na rna das
Calgadas a. 9. #
iloga-se para algum cslabelrcimeuto a princi-
le para cocheira, um grande annazem rom 4
!i no lugar da I'onte Velha da Boa-Vis-
ta, junto-i anaf; a pessna que Iba convier, dirija-sJ
a serrara do aterro da Boa-Vista.
tar ta-e no dia 29 r,o corrente mez de julho,
do Cbor? menino at o ('.achinga, um alBnele de hn- i
Ihanle |ueoaehiir e quizar restiisj^l
dirija hora-menino, sino de Antonio
Jos de Castro, ou na roa do Visario/n. 31, quesera
recompensado.
lia 3 do correle mez. dpos da audiencia
. jnit de urpliaos, na sida das mesma, se lia de
arremalai par renda annoal o iilio da roTImperial
denominado Viveiro, coro casa de sobrado,
seuzala, viveirns, coqueiros arvoredos ; he a ulti-
ma praca
credores do fallido Audr Nauzer,
que.em riuniao d.i dia 3f de jnlho foram nomeados
U Duarle das Neves. Manoel da Silva
e Paula &antojf p^ra comporem a conimis-
sSo de verificarlo dos/ creiiitos, pelo que sao convi-
dados lot.os oscredefes apresenlareineus tilulos
no prazo de Iras das aos memhros da cpmmi'ssao,
Om de piidar eata a presen lar seus Irabalhos no dia
7 reuni&o.
5 Dtsiippreceu ao abaixo asignado de dentro
na banca.po'r occaaMa de rqudar-se'da
a do Queunado, nm alfiiplede pe-
to redoud/ora urna cobra Drfssads, e sobre a me.s-
3 ib de r3[l i la do mesmo esmalte ;
S4lhBf'os P"rinm Pre, S-
nica. Rogarse a
cidas de appre-
lpuo de leva-las
i Queimado n.
lia despendida. .
Lacerda Junioi.
. MASSA ATWlfSNTINA.
Ra do (Vosario n. 36, sesrffcdo andar. Panlo Gai-
gnom, JMnlisla francez, ebumba os denles com a
inassa*adamantina. Essa nova e maravillosa com-
posicjSj lem a vantagem de encher sem pressan dolo-
roaaJodas as anfractuosidades do dente, adquirimlo
eny poucos instante solidez iual a da pedra mais
dqfa, e permiite restaurar os denles mais estraga-
ojos com a forma e a cor primitiva.
dous importantes opsculos ui
ua leitura a quem ignore o francez. F""
onsullonodo iraductor, ra Nova n. 52, por 2c000 i
veruacii-
fW\ PUBLICA.
(o dia :i de agosto, (ero dueer arrematado i casa
terrea na ra do Rangel n. 23, por ser a ultima pia-
fa denois da audientia do Illm. Sr. Dr. juiz de or-
phJos. avahada era 1:4008000 em chaos projirios.
Af a-se um terreno no linar da Capunga
Nova, com 30 palmos de frente e OO SOO de fundo:
quem o pretender dirija-se a na Nova n. 13, que
achara coi a quem tratar.
Precisa-se de um rapai: para ciiseiro de um
engenho na freguezia d Eicada : qom pretender
dirija-se a roa da Seuzala n. 38, junio dojohnslon.
. Arrcda-e uro sitio na estrada do Rosarinho,
cora casa I asanle grande, m jilo ba baiia para r-
pita, e mi itas arvore de frulo de diversas1 qualida-
det: queri o pretender dirlja-se a ra Nova n. 1.
racia-se de i, ma ama que cozinhe o diario de
sa ii fara o laaisservico, mimos engornmar c
^^^Haudo o senico pa'ga-se bem : a ra
doxMa;
llera* n.
te adiar redor rom qualquer li-
lari de Ssnl'Anna CavSIranti,
queira dii-igir^e-a Iratnr na ra 1 'ireila dos Afoga-t
dos ;;46, islono
carem (ffei1
Beierra.
das, o contraro ti-
.IBIICACAO' DO INSTITUTO 110
HE0PATOIC0 DO BRASIL.
THESOURO HOMEOPATHIGO
OU
VAE-MECL'M DO
HOMEOPATHA.

Mtlhodo conciso, claro e seguro de cu-
rar homopift'Hcanicute todas as molestias
que affligewa ervecie humana, e part-
, en lar mente aquella que, reinam no Bra- I
.i/, retfgido secando os melhores Ir.ila-
) dos ne liomeopalllia, lano europeos romo
| americanos; e seuundo a prupria eiperi-
' eiKia, pelo Dr. SabinehGlegario Ludgere
) PiDliu. Esta obra lie hpje reconhecida co- '
rao a melliorde ludas que -tratam daappli-
ca^ao homeopatliiea no curativo das mo-
lestias. t)s curioso, principaUnenle, nao i
podem lar om passo senuro searpossui-la e
consulta-la. Os pnis de familias, os senho-
nts de eneenhu, scrdotes, viajantes, ca-
paes de navios, sertanejoslc. etc., devem
i le-la i mau para otcorrer pronipumcqlea
L qualquer casode HslMtr
'DoarVoifces enAroaHB>or 108000
I etreadernado llfOOO
i Vende-se nicamente em casado autor,,
' ra de Sanio Amaro n. 6. (Mundo No-
| vo). i
na"iT.ir1l"..j0CaqamOc,avii,no da Silva lem carta
na linaria n.6<8 daPraCa da Independencia.
u.7l;S!l!,r?g^a 1re" Joa1lnl'. 'm condecida
por vender tapiocas ha minio tempo, ella ja nao he
moca tem o, cabellos lir.oco. e com una "rand
al que parare coroa, leve, saia de barra cor de
rosa .panno da (.osla azul ora lislras branras ha
- csroiihanca que ella se tenha evadido para Pedras
de Fugo, onde ja esleve fgida mezes: por i*o sa
roBa autoridades policiaes rinai* pessoas que a
enderc leva-I.Tn mk, ,i, ->--T
mero 9.
raSam prendere Ieva-laM iravewa do Trapiche" nu-
r, 'b!"l "'nado, lendo" de apresentnr o es-
vjracasf^seu fallecido pi Manoel Francisco
belecido na cidade do Rio-,F..rmoso, pe-
iga bomfade de
no dia 3 do cor-
"' reunidos, concor-
dareui a m^ijMraUe seu embolso, visto ciar auto--
ram "In' *?**!** lJurla""'-" lodos, compa-
vitar ilejBoras. vislo que se acl.aa
rtl d
!!^J.<"10SO**euS credur lenham#i bomfade d
comparecer na ra da Prai.n. 31,
rente, a* 1|> berae do dia, alim ,te ,
r deteriorar alguna gneros.
Est a sabir.a luz no Rio de Janeiro o
REPERTORIO DO MEDICO
HOMEOPATHA.
EXTRAHIDO DE RUOFF E ROEN-
NINGUAUSEN E OUTROS,
posto em ordein alphabelica. rom a descriprao
abreviada de todas as molestias, a indicarao-phj-io-
logica e Iherapeuca de lodos os medicamentos ho-
meopalhiros, seu lempo de acrao e concordancia/
seguido de um diccionario da smnilirarjo de-lodos
os termos de medicina c cirurgia, e posto ao alcance
das pessoas do povo, pelo
DR. A. J. DE MELLO MOIE!,
Snbscreve-se para esta obra no consultorio hornee,
pathico do Dr. LOBO MOSCO/o, ra Nava n. 50-
primeiro andar, por 09OOO em brochura, e (i-XHXI
encadcrnaiUi.
(^ O Dr. Sabino Olegario Ludgero^ Pinho,
mudou-se do palacete da roa de S. Francis-
co n.68A, para o sobrado-de dous anda-
resn.fi, ruade Santo Amaro, fmuodo novo.)
Regiment de castas-
Sahio a luz o refjinento das custas judi-
ciaes, annotado qgpp os avisos que o alte-
rarp.m : vende-seW5t)0 res, na livraria
n. (fe 8 da praca da Independencia.
3" Novo* livrosde homeopalhia uiefrancez, obras
Mas de summa importancia :
casa fechada, e se pode
Joao Francisco"I'rera.
. --Osnlidito rrancez Villelle relira-se para fra do
Precisa-sede um criado branco. que d fiador
a sua conduela : Irata-se no hotel da Europa.
Antonio Forreira da Silva Maia vai a Porloga
Di'i-se diuheiro a juros sobre penhores de*,
e prala : na ra estrella do Rosar, loja de ourives
n. 10, se dir quem da.
r~ rreci'?-salugar urna inulier para cozinhar e
razer o serv.co interno de um raa de pouca hmi-
a ou urna escrava para fazr estes dous serviros e
ambem o servicoexter*, : na roa ireita, sobrado
n. 8b, segundo andar.
LTa^c e"r*P,rio.?e Domingos AlvesMaUeus, ua
jua da Cruz do Recile n. 54, dejeja-se fallar a negp-
em,. ,1. .ntoresta, ao Illm. Sr. capi.a Inoce,Ao
da Ctinlia Ooianna.e Joao Paulo de Souza.eco.no
ennosa.ba de sua miradas, pede-se aos mesmos
*s. qoe se digne comparecer no mesmo escripo-
Tad,." a"n"."c,*P,mW'ls P"a serem proco*
* Manoel Luii da ^iga.autorisado pelo Sr. prn-
coiailor gcral ,uterino da veneravel Ordem Terceira
t,t '.V","*00 d ?e''i della cidade. pe
preeule| cliama aos devedores de foros da mesmaH
orden., av.rrm pagar ditos foros at o dia 10 de
agoslo prox.mo (uturo : na jo. do l.ivramenlo n.
27, secundo andar lodosos diasdaa 6 dr
9, alun de naecahireni um eommisso.
-r,,7T ^ cr*v Que annunciooe por esle jornal
para alngar-se, na roa da Maoguei n. 5, mise
rfuga^, e qoando se alngu. he com urna cria
airrvtSS^"'6 '1l'.'S"r. Um Prel" q J3 robusto,
agradaMdo paga-se bo.u aluguel: na ma da Concor-
rt7PreC',^e comPrr blH*r de boa qnalida-
* ,evcs'eja.em bora estado, con seus perlences :
quem liver annnnele para ser procurado.
^Z'.lt^'6631"3', um'1 escr,T" Para tan! T|,lo P0UC* fan,llia : D03l< < Bo-Vis-
sT,^88 ?,B,.i, cam:,rir'ha ma mulher que seja
m, de.?0D,Pa'" me a dona da easa :
quera quizer, dmja-M a ru. Uireila, botica n. 31.
.,7',,,rrJSa"8C dc doa' ,to" P> cas* de r'"nla,
sendo urna para ensommar, e oulra paracozinliar
na ra da Cruz do Recito n. 50. C"D-"
n 7.\Lre'"l.a"S^ms casa lcrrea com '3o Brande,
ofVi aT3nda- defe^ pararua- wlendo4
*,*'"' coz,nlu fra. luinUl grande mura-
lo oueT Pr.0pr,a '<"* d quintal lem so-
na, e n. 'ara 'l0QS Ud0>' Um dos "uae5 l" v*la
ra o mar : que/n a pretender.
y Vende-se um escravo moc,o : na ra 3o Colle-
2io, toja o. 16.
Vende-sc um escravo de bonita figura, moco e
com o officio de cniioc.ro. o qual se vende porque
nilo quer servir ao senhor : nesla Ivpographia se
dir.
Palitos lr;inccz.es.
Xld?m'se Palns franrezes de brim-de linho a
JS>iOO. de alpaca preu e de cores a 7e 89 rs., de
bamhazim.a 10, de inorim. seiim a t2. de panno
fino pnlo e cor de rap a IGSe issj ra. : na ra No-
va n. 4.
Chales.
Na ra Nova, loja n. 4, vendem-e chales de me-
rino e casemira a .60, ditos bordados a seda a 10&.
Luvasdc pellica.
Vendem-se luvas de pellica para hamcm e senho-
ra a 1JJ280 o par : na ra Nova, lojt n". 4.
Farnha de mandioca para acabar : vende-se
por lMOO cada u.na aacca : na ra da Cadcia do
Recito n. 30, loja do Faria Alachado,
. Vendo-se um prelo ptoprio par 1 qualquer ser-
vido por ser possanie : na ra Imperial n. 171.
Por 20O9OOO rs.
Vende-se tima rabera italiana, original Guar-
ncrius, anno 173t Cremona ; quem a pretender
comprar, am.uncie por esla folba.
Vende-se urna boa escrava muilo esperta e de
ptima conduela, cozinha bem o diario de urna casa,
o emende de engomnudo. costura clia, marca, faz
labyrinlhoe lie muilo carrfibnsa para meninos : na
ju da Cruz n. 52, segundo 'andar.
Vendo-se um bom escravo moco, muilo bom
cozinheiro o de bo conduela, urna esclava parda, de
20 anuos, com principios de habilidades, urna prela
que engamma, cozinha e faz lodo o servico ; na ra
dos Quartois n. 24.
Vende-se 1 sof, 6 cadflra. 1 banca de .mcio
de sal, lodo de Jacaranda. 1 enmmoda de ama'rello,
18 qi.adros dourados com bonitas esUropas, 4 anne-
loes de onra-de toi sem feillo, ludo ipto he vendido
flOrprero mtiib/'commodo por ser de urna pessoa qoe
relira-se : na ra da Roda n. 52.
Whnde-se urna negra dc nacjlo, quilandeira, de
bonita figura : na ra Augusta n. 3 A.
\ ende-se orna negra cora muilo bon leile.com
urna cria doi3 mezes, e uinn negiinba de 8 atinoi,
iiiuin bonita : na ra do Livramenlo n. 4.
No pateo do Carino, quina da na de (lorias
11.2, vendem-sequeijos novos a 2S080, cl.ouricas
novas a 440, gomm aSOrs., rafea 180, mante.ga
ingleza a 800. 960 e 1&200. azeile doce a 640* vinho
de Lisboa a 400 rs., bolachiuhas finas Lisbonencs a
400 rs.
He baratsimo.
Na ra do Queimado, nos quatro cantos, na loja
de fazendas n. 22, defronle do sobrado amarello,
vendem-se bonitas mantas le seda pelo barato preco
de 59000, lenco* de seda para ataibeira, fnzenda mui-
lo supenor a 1.^600. ricos corles de seda para vesti-
dos a 149 e 209. chales de merm mnilo finos e de
muilo benitos padroes a 69, scl.m'preln maciio com
pequeo loque de mofo pelo avessu I 19600 o cova-
do, lenjos do seda do cores tiara grvalas,, fazenda
muilo superior:. 13sj|uvas de seda de todas aseares
e sem dcfeiloalgui.ni l.-> o par. dilas prela's de lor-
Cl. de Lisboa, o mellior que pode havera 19 o pal,
lentos de cambraia de linho a 560, rasemira prela
muilo lina n 29 covado, merino prelo muilo fino a
3o o covado, princeza muilo boa a 500 rs. a cavado,
nieias brancas linissimas para seuhoras a 40O rs. o
par. Uncos mu.lo bonitos de caMoa 1>, diales de
d.ffercnles qualiilades c de htMAsidroes a 6i0,
800; 19.196O e 29 cada nm, linistintos chapeos pre-
los franeczes a t'ctKlO. e leh. diiji^Ho-as muil.ssi-'
mas fazenda', qoe por se lerem wrnoBatado em lei-
lAo e se querer acabar com a luja. veudem- prerus que far admirar aos compradores ; a e"llas,
anlcs que se acaban, ineus amigos.
Vendem-se 4 travs de emberiba prela com 50
palmos de compridoj>9 a lOpollecadas de grossura
em quadro : no caes do. llamo- j halar rom Jos
Mara Fernandos ThoBt," ou na ra da Concordia
rom Manoel FirminoTlrreiro, onde lambem se ven-
den, travs do 30 a Wpal.no-, boas qualidades, en-
xams delooro de 22.paln.os do comprido, e 6 pran-
cboes de louro. ludcrbonco.iimoilj prero.
Veude se urna escrava rr.nula de2'r ai.nus, en-
smnma com perfeh;ao, cozinha c lava : na ra do
illou. 99.
--.-
Ja manl.aj s
boa faia
Vendem-so- muilo bonitos chapeos de sol de;seda
pequeos e com molas proprios para meninas de es-
colai pelo baralissinio prejo dc 39000 rs. ; he coi.sa.
IHo galante que quem vir njo deixar^dja^ijsnprar :
na ra do Queimado, loja de miudezas da fcoa fama,
ila^cam. t
Na ra do QueiouMo, loja de miudezas da boa fa-
ma n. 33, vendeDMCpasraras muilo boas pelo ba-
ralinho prora de 50011. cada 1:111a, a ellas antes que
se acabem, que litMklla deltas e a por^ao he'pe-
quena.
Vende-sc urna ref.nario de assocar dentro do
Recito : quem a pretender comprar, dirija-se ao de-
posito dc assocar, ni rita da Cruz,- dos Srs. Souz &
Carvalho, que ah se dir com quem se pode tratar
do ajuste.
Vende-sc urna canoa que pega mil lijlos de
alvenaria erossa, bem construida, com boa correle
e Ierro, por preco commodo : no paleo do Paraizo
a. 10. -
* V '
Vende-se urna !>oa vacpa de leite,
parida de novo: no sitio do Chora-me-
nino, sobrado da In rica de rap.
Vendem-se alguna ps de cypresles e de mag-
nolia, e vasos de louc.a para flores ; na ra da Cruz
o. 10.
Velas.
Vendem-se velas de carnauba pura, Je 6, 7, 9e
10 em libra, pelo diminuto prero de 14> a arroba :
na rita Direila n. 59.
Vendem-se saceos com superior gomma dc en-
gornmar, dila de aramia, em saceos e em arrobas :
na ra da Cruz do Recito n. 36, casa de Mendes &
Braga.
[\a loja das seis
portas,
Em frente do. Livramenlo.
Manteletes de cambraia bordados, fazenda mnilo
lina e bonita a dua* patacas, lencos de cambraia
brancos e pintados, proprios para mao a seis vinlens,
neos pequeos par meninos a quatro vinlens, e
luirs muilas fazendas que se qoer acabar.
Vende-se cal virgem, cliegada hon-
tem, e de superior qualidade por pre^o
raaoavel: no annazem de Rastos & Ir-
maos, ra do trapiche n. 15.
Na ra do Vigario 11. 19, primeiro andar, ha-I
para vender superior folroz de primeira qualidade,
do fabr.r.inle-jSjqueirlinbas de roriz e de nume-
ro, e fio pqrrttt, todo chesado pelo ultimo navio vin-,
do do Porto, o juntamente vinho superior, feilnria
em peqaenosrriarris de dcimo.'
N. 55aterroda Roa-Vista-^r. 55.
PIRIER.
Acaba de fazer urna especie d venezianas com o
nomo ttores, de nova invencSo parajanellas, servem
de ornamento e tem a vantagem de impedir a cor-
renten de ar nos aposentos eenlreler-lhe a frescura
uecessaria. Podem icual.nenie servir para arma-
zens. Por um cunerthusn mechanismo silo muilo
mellior do que as venezianas enligas. S com a
vista mellior se pode saber o'qusnto sAo eieellenles.
Brins de vella : no armazemdeN.O.
Bieber & C, rita da Crun.' 4.
rdiRiEB.
ATERRO DA BOA-VISTA N. 55.
Vende-se um carro de quatro
rodas, novo, muito elegante e
leyc e e novo modelo: em
FARINHA DE TRIGO PON-
TANA.
do superior qualidade, em primeira mao, e por pre-
co commodo : na rna da Croz, armazem n. i.
& POTASSA BRASILEIRA.
($) Vende-se.superior jiotassa, fa-
() bricada no Rio de Janeiro, ebe- m
gada recentemente, recommen- "
8

casa do Poil
OS MELHORES CHARUTOS.
que ha presentenoMIe no mercado; veudem se por
preco razoavel: na ra do Crespo, luja n. 19..
FARELOS E SESEAS BE 'LISBOA.
,Na ra do Vigario armazem n. 7, ha
para vender semeas clrelo* milito novo",
desembarcado boje do patacho CONS-
TANCIA
Na ra das1
crioula de 25 aun
ni.a e lava ; urna
n. 22, vende-se urna bonita
que ensnmma, cose cbo. cozi-
FARINHA DE MANDIOCA.
Vende-se superior irinba de mandioca
em saccas que tem um alqueire, medida
velba por 5<000 reis : nos armazens ns.
5,5e7, enoarmzemdelrpntedaportada
'alandega, ou a tratar no escriptorio de
1 lanhia na ruado Trapiche
ro andar. .
\F\DE-SF
na ra Nova n. 38, defroote da igreja da Conreitn
dos Militares, cadinbos Ho norte do lodos os, tamn-
nhos, vern.z copal a ',KK) rs. a libra, muito bom, op-
limas orgernas para funileiro, lesouras para dito,
alicates muilo fortes, roletas para esporas muilo
boas, vidros para vidrara,'em mita e a relallin. e
lodos os preparo* para offirina de laloeiro e funi-
leiro.
Fazendas baratas:. ,
I Corles de caa de cores cun barra a 29000, chita
boas dajgsfe* fuasa 180 rs. *o rovado, ditas largas
para ln^K 20) rs.. ditas adamasca.la azul e amarel-
laspro^fcpara cubera a 240, tiscados franrees
largos ajHuadros modernos a 260, pe^as de cassa de
lisia cqnVTvaras por 1600, dilas dequadros a 29n.
corles d seda pruprwpara noivas a209000 rs..cam-
braias de linho finas a 59000 a vara, panno de linho
parajences com mais de 11 palmos de largura a
cozinha lava ; e unVdito be" Na^ode W.,,- ffi.^-'.If^i.^- cambraia" de" sadpiro;
aliaito asonado fiet.o com a fabrica decbji-
\
rutos-rAl-AMA VA,no Trapirl
qu foide seu fal Tei-
seira : roja-se aos'seostregoezes queiram app:
ru'osde Udos H
deira : qi em delle*|H^H
gueira i
^ncisco AuJ^^B
- ..... 209000
Teie, nrolest'.iis dos meninos ..... 69000
Bering, homeopalhia domestica.....79000,
Ao
i
i i?-tl, de izando por seo
itonio 00.ador awn
A!-JpJaeum sitio no luga'
gado*, na ra de San-Miguel n. 59: a
tratar ra Boa-Vista, ra da Gloria n. 69.
Precisa-se. para urna casa eslrangeira, alogar
urna prela escrava, que saiha bem lavar de barrel*
e engornmar perfeitamente. e paga-se com vanta-
gem : quem assim a liver dirija-se ao hotel ioglcz,
que se dir com quem contratar.
Aluga-se um sobrado na ra do
Amparo em Olinda, CDm'eommodospara
grande familia, ptimo quintal e cacim-
ba, em um dos melhores lugares por ser
no largo do Amparo. quem a preten-
der- diri/a-se ao Recile, ra das Cruzes n.
56, junto a esta typogrephia.
Aos senhores de engenho.
No prirleiro armazem do boceo dotioucalves, ven-
Mp-e laeias barricas de lariuha da mais superior
qualidade.
Os Sr. Maooel Fernandes Rodrigues e Jo
Franciscc da Silva, moradores em Po-d'Alho. t
nlitm boodade appirecer no Recito, rna do Quei-
mado, loja 11. 10.
FUNDIDO.
Na Inadicto de Jos Baptisla Braga, na ra Nova
11. 38, tunde-se toda a qUalidad e laiao, assim como fai-se joalquer obra tendente a
laloeiro e funileiro com toda a pertoicae e prero
commodo.
O Lt. Ribeiro, medico pela univeriidade de
Cambridiie, conlina a residir ti: ra da Croado Ke-
cito n. 19, 2. andar, onde pido ser procorado a
qualquer hora, o convida aos pobres para consallas
it, e mesmo os risita quando as circuoslancia o
ei.jam, .iz especialidade das molektiaa dos olliui e
ouvidos.
ahnemann, Ira.ado da, momias chronicas, 4 vo- Collegio n. loysTgundoTn^^eacba^omui'lem
l^a^H^sssssl .\l\ 4\n,-\ llfllGI". '
aoaTt1,1! V,'8 *"* an,,ar' com 3 sal e 2
iro cautos a tratar na loja da mesma easa.
dar^ deTrel, do*- >" Juiz < senles, se ha
ImiiriaTn n'Q M?2*>Je "'" an," "
do e m. U O- > ""Jll !" 'Joeinais2.)2paraJBkla|, avaliadn em -'-OOlKiori
perlencenle ao finamRntonio d,, TriSd.de. "
nominado Th HUdS ^'l0 cnrren,e- dA **> oom.tiado Miylhado, na frecuezia de Campia Gran-
de,idPard:,in',13nda Paahba' Uml, "^inh"5e edto.
"pnos, de nome Alezaodrina ; supne-sc
oar-, del" -"""' m a',0,",, vilU Prvicia
Suato ,ePr hr Pari 6,U *,Pital : Prlaoto rog.-se a
loVn. ri r T 'n,Prador "" ut qualquer pes-
re, SST a'""' .""V," diriir"* a do
vowto d0Ji. A,sosl,nl,o Vieir Coelho. ou a po-
Sh!r 'Ja d0 Fa80nde d mesma freguezia de
Carapiua Grande, a Domingos Martins Pereira.
COMPRAS.
pharmaenpea homeopathica. 69OOO
novo manual, i voluraes .... I69OOO
moleslias nervosas....... 69OOO
tnelestias da pclle....... 89OOO
, historia da homeopalhia, 2 volumes I69OOO
lann, tratado completo das moleslias
meninos............ IO3OO0
materia medica homeopathica. 890011
layolle, doulrina medica homeopathica 79000
nica de Slaoneli ....... 690011
iting, verdade da homeopalhia. 49OOO
cionario deNysIen....... 10)000
Altlas completo de anatoma com bellas es-
tampas coloridas,.contendo a descripeo
\ 'de todas as parles do corpo humano 309000
vedem-sc todos estes livros no consultorio homeopa-
thico do Dr. Lobo Moscoso, ra Nova n. 50 pri-
meiro auilar.
AULA DE LATIM.
O padre Vicente Ferrer de Albuquer-
quemudou a sua aula para a ra do Ran-
gel n. 11, onde continua a receber alum-
nos internos eexterhos desde ja' por m-
dico prec-o como he publico: quem se
quizer utilisar deseu pequeo prestmo o,
pode procurar no segundo andar da refe-
rida casa a' qualquer hora dos dias uteis.
EDUGACA'O DIS FILHAS.
Lnlre as obras do grande Fenelon, arcebispo de
Cambra), merece mui particular menor ohalado
da educaste, das meninasno qual esto virtuoso
prela4p ensina como as mais devem educar suas fi-
Ibas, para um dia rhesarem a oceupar o sublime
lugarda mi de familia ; lorna-se por lanl urna
lecessWade para todas as pessoas que desejam gui-
1-las no verdadeiroraminho da vida. Est a refe-
rida obra Iraduzida en. portuguez, e vende-taJaL
livraria da praca da Independencia 11. 6 e 8, pelo
Biionlo prero de SOO rs.
Compram-se aceces de[Beberibe : na ra lar-
ga do Rosario 11. 36, segundo audir.
COMPRASE
toda a qualidade de melal velho, menos ferro : na
ru Nova n 38, defronle da igreja da Conceirao dos
Militares, loja de funileiro.
Casa de cunimissao de escravos, na ra do I.i-
"amento n. 4.
.- Compram-se escravos de ambos os seos. de idade
ae \ a .10 annos, sendo boas figuras paga-se mellior
do que em oulra qualquer parle.
Compram-se os dramas Fernaudo III e An-
tonio Jos ou o Poeta e a Inquisirao : quem os li-
ver am.uncie. M
Compra-se urna prela de bonil figura e moca,
que seja boa costiircira e engommadeira ; pasa-'se
bem agradando : na ra do Trapiche n. 11, primei-
que cozinha, lava e vende ua ra.
LEONOR LVAMBOISE.
Vende-se o excellenf romance histri-
co Leonor d Amboisc, duqueza He Rreta-
nha, 2 volumes por LsQOt) rs., na livraria
n. 6 e 8 da praca da Independencia.
Vende-se urna taberna na ra daSenzala Ve-
llia n. 15, e n3o havendo comprador, vendu-se a re-
tadlo ; lodo o donodc taberna faz negocio comprar,
a saber : vinho bou., vinagre, azeile doce de Ljsboa,
e mo-vndendo junio, rclall.a-se pelo diminuto pre-
5,0 de 610 .1 garrafa, touciiiho superior de Santos,
cerveja, genebra de Ilollanda. ligelas, ralos e ba-
cas, azeitc ile carrapalo, sard.nl.as, yuto de carneo,
arroz de casca, um peso dc an ola, oulro de meia, e
lodos os masgeneos que ..ella se acliarcui : a tra-
tar na mesma'p. I?.
Vendem-ie 3 escravas, sendo 2 ptimas ergu-
as, muilo lidas, ptimas para .mu-ambas ; 1 dila
para quilandeira : na ra Direila n. 3.
Batatas a
1*120 RIS A ARRORA,
vendem-se na (ravessa da Madre de Dos n. M,
armazem de Agoslinho l-erreira Senra GuinvarAes.
da-se aos sertliores de engenhos o
seus bons elleitos ja' experimento;
tados: na ra da Cruz n.. 20, r^
mazem de L. .Leconte Feroii
Comnanhia.
Na ca do Vigario n. 19, primeiro andar, ven-
de-se Trelo novo, che jado dc Lisboa pila barca G'ra-
tidao. 1
Capas de burracha baratiwimas.
Vendem-se capas de [borracha, o melbor poesitel,
por preco que se nao vende em parte alguma ..a
ra da Cadeia do Recito, loja n. 50, defronle di ra
da Madre de Dos.
Moiahos de vento
"ombombasderepujopara regar horlas e baia,
decapim. na fundida*de D. W. Bowman : naru
do Bruinns. 6.8el0.
AGENCIA
Da Fundicao' Low-Mcor. Ra da
Senzala nova n. 42.
Neste cstabelecimento continua a ba-
vet- um completo sortimento de moen-
das e meia moendw para engenho, ma-
chinas de vapor, e taixas de Ierro batido
eoado, de todos Os tarUuios,
dito
para
Vendem-se em casa de S.P. Johns-
ton & C., a ra de Senzala Nova n. 42.
Sellins inglezes.
Relogios patente inglez.
Chicotes de carro e de montara..
Candieiros e casticaes bronzeat dosl
Lonas inglezas. "
Fio" de sapateiro. .
Vaquetas de lustre para cawo.
Barris de graxa n. 97.
Vinho Cherry em barris.
Camas de ferro. .
DEPOSITO D\ FABRICA DE TODOS
OS SANTOS DA BAHA.
Vende-se em casa de N. O. Bieber &
C, na ra da Cruz n. 4, algodao tran-
cado daquella fabrica muito proprio pa-
ra saceos de assucar e roupa para escra-
vos, por precio commodo,
Em casa de J. Kelier&C, na roa
da Cruzn. 55 ha para vender excel-
entes piano vindos ltimamente de Ham-
burgo.
Vende-se urna balanca romana com lodos os
su perlences,cm bom uso e de 2,000 libras : quem
pretender, dinia-se a ra da Cruz, armazem n. 4.
COGNAC VERADEIRO.
\ende-sc superior cognac, era garrafas, a 129000
a duna, e 16280 a garrafa : na ra dosTanoeiros n.
Mpdar, defronle do Trapiche Novo.
*nerino' de cores, de muito
bom gosto.
-Vende
em-se dous piano fortes
Jacaranda1, construccao vertical, e c_
todos os melhoramentos mais modernos,
tendo vindo no ultim navio de Ham-
hurgo: na ra d Cadeia, armazem n.
A boa fama
saina'.1""1.0 Pn'inia'lo nos quatro cantos, loja de
blarin 1 boa f-"na 3:t' ^udeUs-se ossegoinles
lo ho!. '"",? ptt':os mencionados, ludo de moi-
"^J* 1U3dadesl a saber :
jeJianrasparacosloraa laOOO
Per7srnJ,*,I1.,',Paraa,a,'CabelIn*
Pre d.mylTade filalflvrad> W
Peca de fi?; braDca, para >euh<,r
d a in b'aneas de linho
Pecas de b.co estrello com lo varas 560 e
Carle.r.nh.scom lOOaguIh... sorlida. '
Maco.de wrdao p,,a %,,,,; mlMm
Laiut com clchele, batido,, france.es
bscovas finae para denles
'".l^T!nc?!,?d, Vm meninas e senbora*
a sem dtfeilo I9200
240
4?
640
240
m>
o
lt
320
atarear
.Linhu blanca, de novelo ^ 70XT
brozas de bolees para carei -
Meadas de nsitas linissimas para bord
Vleadas de linbas de pese
'^arrileis de lindas finas de 200 jardas
-rozas de Iwlfies mriito finos para calcas
-anas com 16 novillos de linhaid marc
Duzi de dedaes para senhora
Suspensorios, o par
Macollos de grampas
Cartas de aafineles
*'x'la* com '""iainedos para meninos
Vgulhe.ro, mnilo bonitos com aeulhas
lorc.das para iandieiro, n. 1.^
v-autnhas com golhas frtncAa*
uabadosabertos de linho bordados e Usos, a 120o
Alem de ludo islo outias muitissima et
le muilo boas qualidades, e qoe se veude
no barato nesla bem conhecida loja da bu:
19000
160
160
100
7>o
280
2fW
T
50
100
320
200
80
0
Chalet.
V

'endem-se na ra do Crespo, toja da esquina que
volla para a cadeia. M
ATTENCO.
Na ra do Trapiche n. 54, ha para
vender v barris de ferro ermeticamente
fechados, proprios para deposito 'de te-
ses ; estaJkbarijis>|sao os melhores que se
tem descoberto para este fim, pr nao
ciliahuemo menor cheiro, e apenas pe-
zam 1 (i libras, e custam o diminuto pre-
co de ijjOOO rs.-cada uTT
nutopre-
Vende-se pipas, barris vazios e bar-
ricas internadas: a tratar-com Manoel
Alves Guerra Jnior, na ra do Trapiche
n. 14.
dar.
VENDAS.
O Dr. Joao Honorio He/.erra de Me- ~.
nezes mudou a sua residencia da ra ^00^"'"''-' a001" um leqBeD0 '"""'
u i, ^7 proprocoes para mais dous ou trez standes, na
Nova, ^ara a ra da Aurora sobrado n. f freguezia dos Afugados : a Iratar 1,0 paleo do Terca,
G2, quefazes([uinacom o aterro da Boa- n" 9! V andar"
Vista, e ah continua a exercer a sua pro- .. Vendem-se cm casa de Fox Brothers, aa na da
t pro-
nssao de medico.
l JANE, DENTISTA,
Preeisa-se por aloguol de :! prelas escravas
para o sei-vico de casa : qi em as tiver, dirija-se ...
l",ri .,. n n*i90'00r;t V Sl eomt) qaai 'be'eciniento : a Iratar na mesma ma d. 49,
par a rea Bella 011 Monde Novo. I meiro indar. 1
a

contina a residir na ra Nova n. 19, primei-
9 ro andar.
1 Aluga-se o primeiro andar do sobrado da roa
da Cruz no Recito n. 40, proprio para qualquer es-
pri-
uadea dq Recto n. 62, relogios de ouro, chegados
Jionlem pelo vapor inglez, de ora dos melhores fa-
bricantes de Londres.
Vende-se om seliiin de borrainas com lodos os
perlences, anda em bom eslado : na padariada ra
Direila u. 40. "
Vende-se um escravo de 18 a 20 anuos, sem
vicios nem achaques, com principio de sapateiro,
entende lambem de canoeiro, Irabalha de eniada, e
serve para pafem: Da roa dos Quartois n. 9, casa
torrea. t
i
f
nao se engenta.
NA RA DO QUEIMADO N. 40
Henriqne ^seatm acabam de arrematar* cm le-
Ido grande porcjlo de fazendas dc seda, 13a, linho e
algodAo, cquerendo acabar, avisam ao publico, que
se vendem por diminuto preco as fazendas seguio-
les, bem como oblras muilas, c dito so as amostras
com penhor-.*
Corles de cambraia de seda de babados, a 79000
Corles de n de quadros, a 48600
Sedas de quadros e lisirs, covado a 900
Adelinas de seda de quadros, covado a 800
Alpacas de seda de quadros, covado a 600
Setim prelo Maeo liso, covado a 29600
Sarja preta lavrada, covado a 29000
Sarja preta lisa encorpada, covado a 19.100
Tnfetn azul claro mofado, covado a 360
Chales pretos de reros, a *" 98000
Cl.alev de seda de cor grandes, a 89000
.Manas de seda para senhora, a .ijjOOO
Lencos de seda de cor. grandes a 19500
1.euros de seda de cor pequeos, a 800
Lencos de seda de cor para grvalas, a 721)
Corles de colleles de seda com barra, a 29000
Chales de merino bordados seda, a 99500
Chales dc merino com franja deseda, a .59500
Chales de 1,1a de core,, a 49500
Corles decasemira prela fina, a i 49500
Corles de casemiras de cor finas, 43000
Corles decolletes de laa, a 800
Panno prelo fino, a 29500
Ourelo prelo para panno, covantr 39000
Panno de varias cores lino, covado a 49000
Merino prelo decortOo enfesladn, covado a 640
Alpaca preta de lustre fina, covado a 500
llrim liso de puro linho, pera a S-IHKI
Aberlnras linas de cor para camisa,, a 700
Corles de colleles do fusiao fino,, a 600
Cassas Trncelas de cores fina*, vara a 600
Ganga amarello de quadros e lisa, covado a 240
CUitos francezaslsrsas, covado a 260
Rtscados fraacezes muito largos, covadu a 220
l.enros pequeos de cassa linos, a 300
Ricos vestidos de seda de quadros, corle a 149000
Vestidos de seda rom loque do mofo, corte 129000
Nobreza Bfjrcore, para vestidos, covado 19400
m com loque de mofo, covado 1-5100
Lencos de aana- prelo mneo a
Pulceiras de velludo prelas e de cor a
Colleles de rasemira prelos bordados, corle
Corles de colleles.de seda de cores a
Alpaca de ronlao prela e dc cores, covado
Lencos de cambraia de linho a
Luvas prelas de lorral para,senhora, o par
Cassas de cores esrocezas, covado
MadapolAo lino com loque de mofo, pera
Lidas ISas de quadros com 4 palnio! de
largara, covado
29880 rs,.-corle de rasemira de cores a 4*000. brim
de qoadrinhos a 240 rs. o covado, sArgelim escoro
com moto a 160a covado, luvas decores fio da Es-
cocia a 160 o par, esguiao para peilo de camisa a
I9SOO rs. a vara, panno preto e de cores, merinos
finissimos, e onlras muilas fazendas que a diuheiro
se vendem por preco barato : na loja o. 50 da rna
'da Cadeia do Recito defronle da ra da Madre de
Dos.
FfriiSia de man-
dioca a 2#&0O'
1 a sacca.
No armazem de Tasso limaos.
Vendem-se corles de cassa prelf de bom goslo,
pelo diminuto preso de 29000 : na ra do Crespo,
loja n. 6.
I.AIIVRINTIIOS.
l.enros de cambraia do iinho' muilo finos, loalhas
redondas e de ponas, o mais objeclus desle genero, j
ludo de bom goslo ; vende-se barato : na ruada
Cruz n. :li, primeiro'andar.
A 95000 A PECA.
Vendem-se peras de brim fino de linho. com 20,
varas, proprio para aerlas, loalhas, lncoes e oulra '
muilas oliras, pelo baralisaimo prero de 99000 a pe-
ra, assim como oolras muilas fazendas que a diuhei-
ro se vendem barato : na roa da Cadeia-do Recite,
toja n. 50, defronle da ra da Madre de Dos.
VINHO DO PORTOSUPERIOR FEITORIA.
Vende-se por prejo* commodo 00 armazem de
de Barroca 4 Catiro, run da Cadeia do Recito n. 4.
Velas.
Vendem-se encllenles velas de carnauba pura e
de composiclo, sendo estas do melhor fabricante do
Aracaly, pelo commodo prero de 149500 a arroba* :
na ra da rTBsV """'"" 11. 15.
Potassa.
No anligo deposito da roa da Cadeia Velba, es-
criptorio ... 12, vende-se muilo superior polassa da
Russia, ameneoM e do Rio de Janep, a preeos ba-
ratos que he pajra fechar conlas. W
-r- Na rua^fo Vigario n. 19, primei-
ro andar, tem para vender diversas m-
sicas para piano, violao" e flauta, pomo
sejam, quadrilhas, valsas, redowas, scho-
ttckes, modinhas ,-fiidO itodernissimo ,
chegado do Rio de Jpneiro.
Grande sortimento de brins para quem
quer ser gzmenho com pomo difiheiro.
Vende-se brim trancado de lislras e quadros.de ao
ro linho, a 800 Vs. a vara, dito liso a t, ganga
amarella lisa a 860 o covado, riscados escures a imi-
tacjlo deca,etniraa36)^eovado, dito de linho a
280, dito mais abaiio a 160, castores-de todas as co-
res a 200, 240 e 320 o covado : na ro*%> Crespo
n. b.
Alpaca de seda.
Vendte alpaca de seda de quadros de bom goslo
a <20 o covado, corles de laa dos meibres costos qoe
lem viudo no mercado a 45O0, di toa de cassa chito
a 19800, sarja prela hespanbola i-MOO e 2J600 o
covado, aeltm prelo de Maco a 29890 e 39200, guar-
danaps adamascados feitos em (lo martes a 3*600
a duziu, loalhas de rosto viudas di mesmo lueara
9900O e 129000 a duzia : na ra di. Crespo D. 6.
CHALES DE AAN E ALGODAO,
ESITROS ASfO RS. CADA 11. <
Vendem-se na rna do Crespo toja esquina que
\ rolla para a ra da Cadeia.
CORTES DE CASEMIRAS
DE ORES ESCURAS E CLARAS A 3000.
. Vendem-,e na rna do Crespo, lo da esquina que
volla para a ra da Cadeia.
GHAROPE
asf!^* DO ,
BOSQUE
0 nico deposito contina a ser na blica de Bar-
lliolomeu Francisco dc Souza, na ra larga do R
no n. 36jjrrafas grandes39300 e pequeas 3
mnmm para o tfoim
1 ara cura de phl.sira em ledos os seut diflerenli
graos, qcr motivada por coiisliroeM. Iiuii >,il.
na plenriz carros de san-, Td^Udose
paito, palpitado no corac.lo, coqwloche
dor na garganta, e (odas a, molestia
niopares.
MOEXDAS sd^|
Na fundicao de C. St|H
em Santo Amaro, acha-se
moendas de canns todas de _
modello e construccao muito sur
ARADOS DE
Na' fundicao' d C
iianto Amaro acha-se
dos &a. ferro' de -
de um
A CONTEN
a .do Reci
r e A ususli
der a 8^KX)
NAVj
i
Na n
ciar, ei
ni.am-se
Lera conhecidas e afameda
pelo hbil fabricante que fi
iic Londres, as qtiaja-plm
riamenle, nitoseseSt
vetulem-ee com a cndilo .
dercm os compradores devoi
|ia compra rcstiluiodc-se o i
sa ha ricas lesourinlia para;
rao fa'lante.
Atleocao.
ia nova n. 50, que faz qeioa para
oaro, a*}hando-se bstanle sorlida
i Croa ar
I.I.EffV
19200
500
43000
29O0
540
500
720
400
:^^S(Xl
A ELLinKANTES QUE SE ACABEM.
Vendcm-sccflrtas de cassmirade.bom gosto a 29,500
43 e 59000 o corle ; na ra do Crespo n. 6.
Taixas pare engenhos.
Na fundicao' de' ferro de D. W.
Bowmann, na ra do Brum, passan-
do o clmfariz continua haver um
completo sortimento de taixas de ferio
fundido e batido de 5 a 8 palmos de
bocea, asquaes acham-se a venda, por
preco commodo e com promptidao' :
embarcam-se ou cai-regana-se em carro
sem despeza ao comprador*.
Vende-se um cabriolet e dous cavado,, lodo
junto ou separado, sendo os cavallos muilo mansos e
muito cosuttadus em cabriolet: para ver, na co-
cheira n. 3, defronle da ordem lerceira de S. Fran-
cisco, e a tratar com Antonio Jos Rodrigues de Sou-
za Junior, na ra do Collegio n. 21, primeiro ou se-
gundo andar.
FAZENDAS DE GOSTO
PARA VESTIDOS DE SENUORA.
Indiana de quadros muilo fina e padroes novus ;
corles de lila de quadros e flores por pre$o commo-
do : vende-se na ra do Crespo loja da esquina que
volla para a ra da Cadeia.
CASEHIRA PRETA A 4>500
0 CORTE DE CALCA.
Vendem-se na ra do Crespo, loja da esquina que
volla para a ra da Cadeia.
SMM
Deposito de vinho de cbam- m
t pagne Chateaji-Ay, primeira qua-
lidade, de propriedade do conde tt
de Marcuil, ra da Cruz do Re- |
cife n. 30: este vinho, o melhor";
de toda a Champagne, vende-se .!
a 56S000 rs. cada caixa, acha-se
nicamente em casa de L. Le-'
comte Feron S Companhia. N!
B.As caixas sao marcadas a fo-
goConde de Marcuile os r-
tulos das garrafas sao azues.

Venile-se urna parda m
b lidades e bonita figura : na
Veade-se cognac da melhor qalidade:
di Croz 11.10.
' AOS SENHORES DE ENGENjIU
fleduiudo de (>40 para 500^j
Do arcano da'invencao'
da Stolle em Berln, empr
lonias inglezas e hoHandezas", c
de vantagem para o melhoran,
ai;sucar, acha-se.a venda, em la!
libras, junto com omethodo de ein}
gii-lo no idioma, portuguez, em casa de
N. O. Bieflp & Companhia,,na ruada
Cok. b. 4.'
4
\

A labernrd roa Nova
i' ra de Snlu Ama
qualquer parle, como o e superior viobo Figoeiu -de Lisboa : poc Ws
visa aos seus-^uHs-Tsajsj|aWau>H4od-bos
c barato ; assim como lem papel de ledas aa qoili-
t:ades, por barato preco.
CAL YTRGEM.
Vendei-secal de Lisboa,vciegado no pa-
lacho CO.VSTANCA, entrado hontem,
preco commjB
Apollo iv 2B.
Contina a vener-se obra de direilo o
^ ogado dos Orphaos, com -um apndice importante,
tonteado a Iri das ferias eticadas dos Itlbataaosde
jisli{a,-eo novo regiment de cusas, par!
j .izrs, eserrvaes, empre'eades de justica^l
que frequenlam os esludos de dirtile, fl^^H
39OOO cada templar: na loja do S^^^H
'ci, ra da Cadeia n. 56 ; loja de encadernacS
I vrns, ra do Collegio n. 8 ; paleo do Collegio,
vrana classicn. 2, e na Tirn'ra fla Independencia,
I vraria n. to.
7- Ynde-se ou ar(nda-se ura siliaa,s>aaAa>v
com, com plaa de capim, arvoredos da rraKlSk*
l-rra para plantar qoem prelen.ler, dirija-s'ai. pi-
I"o da matriz de S. Antonio n. 8, qne-ahiarhora
com quem Iratar.
Rolao francez.
Vende-seo verdadeiro rplao francez ero frascos
de libra e a rctalhq : ui ra larga do Ro-
Rap Paulo Cordeii
Vende-seo verdadeiro e muilo fraseo rape foato
Cordciro : ua ra larga do Ro-
Vendem-se afiadoiL^
e 610' rs.: na ra larsa de
.i
Attenco.
Uesappareceu no dia 17 de jolho om escravo do
unme Manoel, representa ler, 50 annos, de narao
Angola.com os signaes segtfinlos : estatura baia,
fritas de algn denles na frente e falla muito ; to-
Vti camisa azul j velha, calja branca de brim liso ;
s'ippe-se aiulir nos arrabales derla cidade : roga-
>s as auloridade policiaes e capitites de campo o
apprel.endaro, elevem-o roa larga do Rosario, loja
i). 40, de Manoel Jos Lopes, ou ruade Mondego,"
s lio o. 45, que serlo bem recompensados,
Uesappareceu no da 26 de junho de 1850,
escravo Raymundo, maulo, cr acaboctoda, cabel-
lo! prelos, bocea grande, desdentado na frente, na-
ueposilo ao chocolate franco/., de urna n. chato, ventas grandes, pouca liarba.peruaa-arosas
das mais acieditaaas'falfclras dePacis, f 'r1"ca^s' allura 'eSbr, idade mais de 35. "
j f w uesroaai, (rupalha de sapa eiro, a condece alenma umb
emeasa de Vctor Lasne, ra da Gnu alfabeto portogue...qBe taivez salfi 5?*
ji "? IsVnna nnmoa fnt J.. __ i?_ sa
Evtra-superior, pora baunilha. 18920
faslra fioo, baunilha.
Superior. %
Quem comprar de -l'libras par- cima.tem um
abate de 20 % : venda-se aos mesdios procos e 'eon-
dices, em casa do Sr. BarrelierT no aterro de Boa-
Visli n. 52.
He barato que admira.
Vendem-se sacros com feljao por di-
minuto preco: nos Quatro Caritos da ra
7001 do Queimado, loja n. 20.
Vende-se acn em cndeles de om quintal, poj
pre,r) muilo commodo : no armazem de Me. Cal-
mont & Companhia, piara do Corpo Santo n. ti.
Riscado de Iistras de cores, proprio
para palitos, calcas e jaquetas, a 160
o covado.
Vende-se na rna do Crespo, loia da esqoina qoe
volla para a cadeia.
. Vendem-se no armazem n. 60, da roa da Ca-
deia do Recito, de Henry Gibson, os mais superio-
res relogios fabricados em Iuglalerra, por preeos
mdicos.
Vende-se excedente laboado de pinho, recen-
ten, etilo checado da America : na rui de Apollo
trapiche do Kerreira. a entender-sn com oadrainis
ador du messno.
Deposito de cal de Lisboa.
Na ra da Cadeia do Recito, loja n. 50, contina
a vender-te barris com superiur cal virgem de Lis-
boa, |K>r preco commodo.
fcens nomes, tot comprado ao Sr. Manoel
da Sdva, ecoosl^jue o dito es?ra*o anda p
Wajfl ten. p lem apparecido na cidade de Si
por sso rogase a todas as autoridades policinese
cspilSes de campo, que hajam de prende-Io e levar
a seu senhor Ignacio Ferreira de Mello Lessa. no
engenho Camor.ro Grande, rregueziade AguaVpela.
ou nesla praca a Manoel Antonio de SanUaso Leu
que seta gnerosamenle recompensado. *
. ~. De*f W"** niaobaa de 2 do correle, de
bordo do brgue Amorim, no porto de Macei, pro-
vincia de Alagoas, om escravo marinheiro de segoti-
da viagem, de nome Francisco, crioolo, cor preta,
falla gago, eslatura ordinaria ou regular, levando
con sigo a loupa que tioba? e bonel de panno : o
qual escravo foi de Nicolao Alves da Silva, senhor
do eiiEciiho Atibumas, na mesma provincia : qoeea
der noticia delle, capturar, ou levar casa desaajaw
se .dores Sacavem Barbosa & Companhia, ea Ma- .
ce., ou nesla cidade aos Srs. Amorim Irruios f
Ci mpaiilna, ser generosamente recompensada.
Em 16 de julho fugio do engenho 1 leseo gane '
friguezia do Bom Jardira, um prelo crioolo, per nol
mo Roque, idade 30 annos, e reprsenla ler menos
alio, secco, nariz grosso eatregacado, peritas li
be ros grossos. ps regulares^ cor avermelhada : le-
vo .i um ravallo russo pedrea, novo, e esquipador -
qu;m o apprehender. ieve-o ao eueenha cima, ea
a roa da Cadeia do Recito n. 21, qaaHer generosa-,
mente recompensado.
\
"f\
Mr*
PERN. TVP. DE lf. F. DKFaRIA.- 1866


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E98NULXJV_R42DCX INGEST_TIME 2013-03-25T16:30:04Z PACKAGE AA00011611_00607
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES