Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00592


This item is only available as the following downloads:


Full Text
~m*
mmtmmm

N. 969

J
Amo de 1890. W

:

DIARIO DE PERNAMBUCO.


Subscreve-ae o* Tioejrafia do meimo Diario rua Direit N. J67 I. andarem mezes por C40reitkuafolfca
ne stira todos es <4is atis.
,
Segunda Feira 14 deDezembro. S. Agnello Ah.
i
Preumar as 7 horas e 42 minutos <$manhaa.
-
&
CORRESPONDENCIA. ranhuns, donde fugio para aqu, edaqui
para esse Recife, para onde parti eni
JNr. Edictor. Que outro homem companhia de seu amo ; e segundo ja li
me provocasse, ein uin peridico, a re- impresso, anda pasteando de ombro a
ponder-lhe, arguindo-me com Justina, ombro com esse seu protector, e digno a-
ousem ella, de factos, que a sua, e mi- migo o Capitao Mor Xavier, que disto nao
nhareputacaO me obrigassem a exclare- sepeja. Eutre tanto para que nao passem
cer, justo seria que eu na5 me esquivasse por vagas as minhas asserc,oes, eu as es-
de lie dar as devidas sastifaces, com clarecerei urna por urna : vamos a ellas,
a moderaca, que a decencia exige ; po* E' fera sem parelha. Os factos,
re.n Cardial! o infame Cardial! Nao; eu que irei apontando, o demonstrarao com
nao Ule responderei, se nao com odespre- evidencia. E' descarado mono da Cosa
so, que merece umscelerato: e esta mes- de Leste. A sua fisionomia, e immo-
ma resposta nao se dirige nem a conven- ralidaJe impdica, que apaixo mosfrarei,
ce-lo, nem a envergonha-lo ; porque provara o que digo. E' cao de fila do
moustros nem se convenrem, nem se en- Capital Mor Xavier. O presumo que
vergonliaG; dirige-se nicamente a de- e^te Sur. descobrio em um reo de todos 03
jiuncia-lo ao Publico, mxime aos lio- crimes, ja para o empregar em servico de
mens de bem d' essa Capital, para que sua particular confianca, ja para o en-
o conh.ess.ao, e o evitem como peste, nao ca regar da Polica ( sendo elle o maior
.lhe dando ngresso em suas cazas. A rasaG reo de Polica ) na Povoacao do Bre,o
eu Ibes direi7 em 1826 e 27, onde viva insultando o
Semea Ferreisa Leite Cardial, essa Publico, ja finalmente para se acompa-
lera sem parelha, que de homem so tem nhar com elle, conhecendo-lhe as perver-
a triste con (imraca. asss recomendada sidades, asss pro va esta assercao. E'
por Lavater ; esse descarado mono da adultero, e incestuoso de sua propna en-
Costa de Leste ; esse Ca de fila do cele- teada O facto de ter levado um tiro do
bre Capital Mor Xavier; esse adultero, genro por causa della, de a ter descasado,
e incestuoso de sua propna enteada ; es-e por assim dizer, de, por causa della, ter
vil traidor, e brbaro assa>sino de quatro dado desgostos a mulher, n.ai da dita en-
mortes sabidas, urna da quaes fez por teada, que vive com elle, e a fama pubhr
dinheiro, que para sso lhe derao ; esse ca de tudo isto; embastante para tiraros
reo de todos os crimes; em fim essediabo, escrpulos a quem duvidar crer. E' la-
que sobscreveu contra mim urna diatribe, dra, e saltiador de estrada, nh O negro
queappareceupenduradanoN. 115 do que elle, na qualhdade de encarregao
terreo Cruzeiro, em que elle devera ser de Polica tomou a um outro larlrao, e
crucificado de cabera para baixo ( se ser* vendeu como seu CU a Luis uai te Pi-
visse de patbulo aos maos ) e' o mesmo------------------- _# -
que, por alguns dos seus crimes, prend, (1) Aonde achon elle esse ireito r so
e mandei amarra-lo, como elle confessa, se aprendeu com os que di*ui, q*ie la-
e remette-lo ao Corrcjredor desta Cornac drao, que furta a ladrao tem cem an-
ca o Ouvidor Jacobina, no Panema, nos.de perdao ; porem o pobre do An-
u'e d'ahi o mandou para a Cadeia de Ga. Ionio Rodrigues tbem seria ladreo, pa-

II ,11 I P -
. Jjj -



/
Pii ^luL-^_-

W3
o**

i
- ,
V
(10T8)
.

pheiro, e as mortes, que mandou fazer Vejamos o que d.z esse feroz qua-
ua estrada f perto da fazend Jatoba') drupede. Que eu, ein simia lie fiz
a Antonio Rodrigues, e a seu cargueir urna grande injustiea.... Coi admlio do
para o roubar, segundo consta da Devas* anginho Injustiea tem se feto em per.
sa que tirei (2) sobre tal acto, asss o seguir, por muito meno, asjrracionaes,
prova" E'vil traidor, e brbaro assas- e fugitivas Oncas uestes Ce. toes, ao mes-
sino de 4 mortes sabidas, urna das qaes rao passo qu se deixa vi ver impune entre
tez por dinheiro, que para isso lhe derao. os homens um dragao mais mortfero, que
A maneira com que assafsinou a seu todas as serpentes venenozas do mundo,
amigo Joaquim de Lumna Freir no C- Qu diz mis ? Que um inocentmho;
reri Velho pela paga de um cavallinho porque tendo-lheeu declarado por causaes
ruco poinbo, e vinte mil reis em dinheiro, da sua prizao um enme, que achei em
quelhedeuD. Theodora de Campos, so- aberto, sobre urnas pancadas, que deu
a do dito Lumna, para elle o matar a. em Joa5 Anecleto, e outro enme da mor-
fUdd, d suflbeado, d sbrte que n5 te, que fez em Careri, appreseiita agora
ap1)arcesse satigtie, asss prova5 traicao, baixa na culpa do 1. e folia limpa do
barbridade, corrupcaS de costms, 2. Com effeito !!! Que elle appreseiw
depravment de conciencia no ultimo tasse Certidaode livramentodo 1. nao
rao. As mortes sao as sguintes : pri- admira; porque na5 se adiando ap*
fair a db did Luna no Careri, donde pens a Devassa das pauladas ao respecta
veio Prcatbria, que fbi mandada ciimprir t livramertto ( quando mu legalmente o
hel actual CrrgedOr dsta Comarca, 0 prendi ) elle inmediatamente tratou de
Odvidor Jacobina, erri viitude da qualo' destruir essa causal, requerendo-me para
prend: segunda, e tercera as do Arito- he mandar dar baixa naquella_ culpa
Ido Rodrigues, e sed Cargueir rist ppresentando-me nessa occasiao a sua
'ferino, sobre as quaes devassei m Julho respectiva sentenca de livre, da qualo
do bkznte arino : quarta, a de hum cri- meu Escrivao lhe passou essa Certidao,
Ollo de nouie Joa5 da Rocha no Brejd que hoje appresenta, sem declarar se a
M Madre de Dos, de qu ha pouco, de- obteve, antes, ou depois de preso ; po-
vilssou o oulro Jiz, meu companheiro, rem que appresente hoje urna folha corr-
lem do mi que ainda se ignora. Eis da, e limpa da Villa de S. Joao do Careri,
qui o infam, que teve o insolente desea- sem culpa !! Daquelle mesmo Careri!
ramento de aprsentar em Publico b'ra- Daquelle mesmo Juizo, donde veio o De-
batido contra mim no Cruzeiro. precado, que foi appresentado ao Corre-
______i____________1! gedor desta Comarca, que lhe pos o cum*
ra o maridar matar, e roubar ? Respn- pra-se !! NaG ha descaramento igual !
. d ti Froburdor d Capitao Mor rabu- E' o maior de todos os desaforos Snr.
]jt Edictor, de duas urna : ou esse ladrao as*
(2) Es't Devssa e' a qu o facirioro- sassino furtou as firmas do Juiz, e do Es-
zo diz ia tr sido tirada m 1826 pelo ac- crivao daquelle Termo, para ppresentar
ut OuVdor do Crime, que1 ehtao era um follia falsa, o que faz considera-
Corregedbr dsta Comarca. Desgrana- lo re'o de unis um crime ; ou entao o Es-
to as tn'z pessas, que inri dos tus pro- criv da Villa de S. Joao de Careri foi
lectores du parase deilar rio banho ( por comprado, o que parece mais provavel ;
ser ir fino ) de certa crianca rece as- pois para ali parti um dos Protectores
cid no Brejo, la' se oro pela goa a- (3) do malvado positivamente buscar
bixo, quando se despjou 0 bnho fYa ; esta folha com todo o empenho. O que
p'orqe os depoimentOs ficarao sem a ru- resta a final ( depois que se desfiar esta ve-
brica do Ministr dvassnte, e Devas- Ihacari, como pretendo ) e' ver se o tal
sa sem sehtencd, cmo corista de huma Escrivao ainda ficar ali exercendo o seu
certidao, que tirei da Ouvidtria, que por officio, depois que se poser na respeitavel
extensa naoajurito qi : at' est'sem presenca da Rellacao do Destricto, a sua
corpo de delict, nem directo, riei indi-----------------------------------------------------
recio. Por tanto desrian-te, qu com- (3) Antonio Francisco Cordeizo de
pYi corn met deVe^ visto achar-sea- Carvalho, a quem esse infame trata por
qelle t Hri^rio riiri irtd sem D- Capitao Mor em seu arazel, nao sendo
v's1.
elle nem simples Capitao.


V


.
fik.
> y

(ior9)



indesculpaver crimmalidade, e erro de malejo miseravel bestiaga Melhor f.
OtllCK) anrp.rlf mmpttirln anrnl Ha iim fonL -, -,~ 1_______J;___. i
officio adrede comettido aprol de um fac
noroso erii despres as Leis.
Vejamos o que diz anda esse mons-
truoso Cardial. Que eu matei um ca-
boculo na Villa de Cimbres em 1824: po-
is bem ; como nao foi em estrada, e' limi-
to fcil de se provar essa acusacao* e
raj que em vez de estumares teu cao de
fila, te meteces na concha, qual cascuda
ostra, para com mais seguranea, ecau-
tella encubrir a nullidade do teu carc-
ter, e hires desfrutando o limo que asa*
goas turvas te ten tetado ao bico desde
1822, ate hoje j pois co contrario passa-
mormnte tendo elle por sen Protector, e ras pelo desgosto de ver a tua falta de ca-
Procurador um Capitao Mor Rbula, racter, patifarias, e crimes patentiados
Por tanto aprsente o crime; pois argir* pelo pelo, com huma rigorosa analise
e nao provar, val tanto como nao fallar, principiada de 1817 ate 1829. Quem fal-
Que mais ? Que o prend por elle ser la assjm nao" te engaa,
decedido pela causa da Monarchia Consti. Finalmente, Sr. Edictor, guardei
tucional do Imperio.... lrra um mons- para ultimar, ou concluir a prezente car*
tro! um quebrantador das suas Leis um tinha, urna passagem digna de riso, o
demonio, cuja.existencia se tem tolerado caso: Nao tendo mais aquella cara de bi-
a despeito da Justica, para eterna vergo- cho brabo que diser de mim chamou-me
nha de quem o protege Dise que es a- farroupilha por vezes, nao so a mim, co-
migo do Capitao-mor Xavier, e que este mo mais a algumas pessoas deste lugar.
teu, porque te apoia ; nao do Impera- Ao 1er semelhante palavra fiquei logo sa-
dor, cujas Leis postergas, e por cuja ra- rapantado e confesso-lhe que o tal nome
sao te odeia, e te manda inorcar. Porem me servio de pulha ; pois tendo-o lido
nao se admire que o maior dos Reos as- militas vezes (posto que com indiferenca,
sim pense ; porque o mesmo Capitao-mor e sem saber o que signiticava) no Crusei-
(que nao tem vergonha de se abaixar a ro, e Amigo do Povo, assentei comigo,
servir de Procurador, Solicitador, fiaba- que a cousa nao era boa, fasendo logo i<
"bula, Requerente, e Protector, tudo ao deia de que sua significacao seria a peor
mesmo tempo, desse ediondo refugo da-------------------------------------------------------
naturesa) assim o escarrou deseu proprio de habito de Christo, em que o sobredito
punho, em uns lindos pro va ras, que so- Principe tisera a um rieo Jadeo, por este
bscreveo, como Procurador, a favor do terdado, ou imprestado urna grande so-
Reo ; o que bem prova que elle em tudo ma de dinheiro ao Estado depois da inva-
orgao ("ate dos pensamentos) do tal Ca- sao dos Franceses. Eis aqui o Epigrama.
nilan-mnr nni *el* ntonrl n..P nuantn Qnndo S Nd$0e8 inCultS imperOVOO,
as cruzes os Jadeos se penduravao;
Hoje que impera o s&lo de bises,
Pendentes dos Judeos estao as cruzes.
Ora, se aquel le Judeo (que tal vez
tivesse abjurado os
fasendo um tao re-
pita-mor ; pois este intende, que quanto
mais patife se pode ser, maior jus se ad-
quire ao honroso titulo ou Amigo do Imperador (4) Triste ani-
(4) O que havia de ter graca era, se o ja fosse baptisado, e tiv
Capitao-mor Xavier, que mestrao n'ar- seus erros de crenca) jfe-,
te de adquerir Documentos subrepticios, levante servico a Nacao Portuguesa, me-
o livra das mortes, e roubos, arranja-lhe receo com tudo aquel le satrico Epigra-
uma papelada de servicos feitos a S. M. ma, o que nao devera merecer um La-
L e C. fasendo-lhe ver a perseguica, drao, que apesar de ser christao pior,
que tem sofFrido por amor delle, e afinal que um Judeo, e que a pesar de ser Bra-
appresent-o aqi com humdispachohon- sileiro so tem feito mal a sua Patriar
roso, ou pelo menos com os hbitos de Responda o Sr. Capitao Mor Xavier, ou
Cristo, e Cruzeiro ao peto. Tudo se po- escute oque se deve responder, que
der ver se ouver absolutismo, que elle, e mudar as celtas em grelhas, isto o ad-
todos os malvados desejao ; porem labem jetivo gentlico Judeo, para o substan-
vcraG anchado pelas esquinas das ras um tivo Ladra, ficando o sobredito Epi-
vera anchado pelas esqi
Epigrama, que di*em, apparecera em
Lisboa no tempo deD. Joao 6. (mian-
do Principe Regente do Reino Unido)
para vergonha dos agraciados, e agraci-
antes, o qual teye por causal unja merco
grama da maneira seguinte.
Quando ei Nacoes incultas imperavao,
as cruzes os Ladroes se penduravao ;
Hoje que impera o scHo de Luses,
Pendentes dos Ladroes estao as Orases.


T~
J
.
," ".jp


1 ,
r
(1080)
possivel ; porque com ella que tenho
"visto meter-se a rediculo pessoas abasta-
bas, limpas, e de merec ment, como al-
guns dos SrS. Deputados, Negociantes,
Agricultores, &c. que sao libe raes ; e
por isso vendo cahir sobre mim o raio da
Avizos Particulares.
OLeilao anunciado por Luiz Gomes
Ferreira para o dia 11, tica transfe-
rido para Ter^a feira 15 docorrente mez.
O Sr. que anunciou no Diario N.
palavra farroupilba disse comigo: 213 de Sabbado 5 do corrente !er hnma
E'o que faltava Chamou-me deirtago- carta viuda da Babia para Affonso de AU
go! (que o nome mais feio que eu achc, buquerque Mello, sendo este Clrigo,
por acabar em gogo > ; agora sim, queira por obzequio procurar lio Semina-
empulhou-me o Cardeal Que Ihe hei de rio de Olinda a seu Irmao Antonio Gomes
responder ? Nesse meio tempo olo pa- Coelho, eu anuncie por este Diario a sua
ra cima da Mesa, e vejo os Dicionarios moradia para ser procurado,
de Moraes Bravo (disse eu) ali esta'

Leilao
Ue pertende fazer C. J. Wylep no
dia Terca feira, 15 do corrente pe*
las 10 horas do man ha na casa de sua re*
zidencin, na ra da Cruz N, 4, de di-

Uma Besta muito nova, castanha
or preco cmodo : na ra das Flo-
quem me ha desengaar se esta palavra
significa republicano, anarchista, ou de-
magogo ; vamos a ver. Levanto-me, e
pego no primeiro tomo, procuro a letra f,
folheio, e acho o seguinte FAKROU-
P1LH A, S C. Pessoa esfarrapada Ali!
Sr. Edictor, nao pude me conter nesse versas Fasendas, a saber
momento! Dei risadas avista da defin- Carnizas de linho, finas, e ordinarias
^aS de Moraes, como setivesseencontra- Manoquins de diversas cores
do naquelle Dicionario algumas das pas- Carnefros dem
sagena mais ingracadas de Gil-Bras, Di- Lampioesde vidro da moda, eoutras Fa-
abo Cocho, 13. Atfonso de Alfarache, zendas.
Compadre Matheus, ou D. Quixote ; por Veilde-SC
velha, e imprestada, que in illo tempore
foi verde, c boje tem cor de macaco, com
a qual ja se tem visto o pobre diabo into- res D. 15.
nado algumas vezes. Avista deste redi- Hum cvalo menos grande, escuro,
culo achado, Sr. Edictor, recobrei alma gordo, com andares, e o mais bem feito
nova, nao podendo deixar de rir todas as possivel, manco, e muito vivo : na Boa-
veses, que me lembro, que os verdadeiros vista junto a Serrara de vapor, a fallar
arroupilhas, ou esfarrapados sao fc que com Emigdio de Souza Lobo Branda.
usaode semelbante termo contra pessoas,
que sao capases de os vestirem por cari*
dade. 'Portante basta de carta, e desde
ja protesto nao responder mais coisa algn-
ma a esse estara pado, Ladra o, Assassi-
no, que por tal ja foi amarrado por mim,
visto que de nonhuin modo me rica bem
disputar com um ente tao despresivel.
Adeus, Sr. Edictor; sendo Ihe pos-
sivel dcf a luz pelo seu Diario a presente
carta, muito obrigara' com este favor ao
Allnga-se.
ff
Seu Venerador,
Antonio dos Santos dc$e e assignante
Pesqueira 20 de Outubro de 1829.
-------------*-------------------1

1

.
,
Ltm escravo que saiba andar com
Vadeas, e mugir leite : na ra do
Mondego caza D. 16 ; e igualmente se
contrata o mesmo ajuste com qualquer
bomem forre.
Viagens.
Ara o Porto a Galera Portugueza
Carolina que pertende sabir com to-
da a brevidade por ter a maior parte de
sua carga pronta ; quem na mesma quiser
carregar ou hir de passagem dirija-se ao
Capitao Joao Luiz de Castro, ou a sua
Coasignataria Francisca Felizarda Leal
de Barros.

Ir'ttrjmmbuco na Tipografa do Diario.



V

-r-*r-*:


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E30QT57QS_ULYMNI INGEST_TIME 2013-03-25T13:28:57Z PACKAGE AA00011611_00592
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES