Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00582


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mmm
N. 259

Anuo de 1829.
DIARIO DE PERNAMBUCO.
Subiere..,. Tlpofrtfi do mesmo Dimrio r Dir.it. N. 67 I. nd.rem mtz.s por 640r.ishuiM.foIh.
... satura todos as das atis.
Ter$a Feira I. de Dezembro. & Bibiana V. M.
Hreamar as 9 horas e 42 minutos da manha.
gffiaiiini"Di

rticos de Officio.
DECRETOS,
Onstando, por Officio do Presidente da Pro-
vincia do Cear, que alguns individuos esquecidos
do seu solemne juramento ao Governo Constitucio-
nal, que felizmente rege este Imperio, e que Eu
muite Dezejo Manter, attentavao contra a sua exis-
tencia, a fim de proclamaren) alli o Governo absolu-
to, e exgindo a seguranza do Estado que em taes
circunstancias, attenta a distancia em que se acha a
referida Provincia, se adopten prompta*, e enrgi-
cas medidas, nao sopara extirpar, e punir na sua
origem tao horroroso crime, como para fazer cessar
o progresso de seus terriveis effeitos : Hei por bem,
Tendo ouvido o Meu Conselho de Estado, e na con-
formidad, do artigo cento setenta e nove, paragra-
pbo tnnta e cinco da Constituicao, Ordenar que,
o caso de se ter desgrncadamente realisado tao
detestavel projecto, se suspendan provisoriamente
na sobredita Provincia por tempo de seis mezes (se
antes se nao tiver conseguido o restabeleciment da
Ordem, c a perfeita tranquilidade della) os para-
graphos quarto, *exto, stimo, oitavo, nono, e d-
cimo do citado artigo, para q.ie, sem as formalida-
des nelles marcadas, se possa proceder contra quaes-
quer pessoas complicadas neste delicto, ficando to-
dos os mais em seu inteiro vigor. Lucio Soares Tei-
xeir de Gouva, do Meu Conselho, Ministro, e
Secretario de Estado dos Negocios da Justica, o te-
nha assim entendido, e fac,a executar. Palacio do
Rjo de Janeiro em trinta e hum de Outubro de mil
oitocentos e vinte nove, oitavo da independencia,
e do Imperio.
Com a Rubrica de Sua Magestadeo IMPERA-
DOR.
Lucio Soares Tixeira de Gouva.
OR convir ao servico Publico : Hei por bem
dar por acabado ao Bachai el Martiniano da Rocha
Bastos, o tempo que lhe falta do lugar de Juiz de
Fora do Aracaty, a fim de entrar ja no exercicio do
le Ouvidor da Comarca do Crato, para que se acha
nomeado. Lucio Soares Tixeira de Gouva, do
Meu Conselho, Ministro e Secretario d* Estado dos
Negocios da Justica o tenha assim entendido, e faca
executar com os despachos necessanos. Palacio do
Rio de Janeiro em trinta e hum de Outubro de mil
oitocentos e vinte nove, oitavo da Independencia e
do Imperio.
Com a Rubrica de Sua Magestahe o IMPE-
RADOR.
Lucio Soares Tixeira de Gouva.
M,
CARTA IMPERIAL.

Or convir ao servico Publico : Hei por bem
dar por acabado ao Bacharel Manoel Pedro de Mo-
roes Mayer, tempo que lhe falta do lugar de Ou-
vidor da Comarca do Crato. Lucio Soares Tixeira
de Gouva, do Meu Conselho, Ministro e Secreta-
rio d' Rtado dos Negocios da Justica o tenha assim
entendido, efc-a executar com os despachos neces-
sarios. Palacio do Rio de Janeiro aos trinta e hum
de Outubro de mil oitocentos e vinte nove, oitavo
da Independencia e do Imperio.
, Com a'Rubrica de Sua Magestade o IMPE-
RADOR.
Luc Soares Tixeira de Gouva.
A noel Joaquim Pereira da Silva, Presidente
da Provincia do Cear. Eu o Imperador Consti*
tocional e Defensor Perpetuo do Brasil, Vos envi
mnito saudar. Tendo por Decretos da data desta
dado por acabado ao Bacharel Manoel Pedro le
Moraes Mayer o tempo que lhe falta do lugar de
Ouvidor da Comarca do Crato, e ao Bacharel Mar-
tiniano da Rocha Bastos, o de Juiz de Fora da Vil-
la do Aracaty, a fim de entrar este ja no exerticio
dWiella Ouvidoria, para que foi nomeado por
Decreto de dezoito do corrente : Hei por bem que
em virtude desta lhe mandis dar posse do sobredito
lugar de Ouvidor da Comarca do Crato, indepen-
dente de nao appresentar elle anda a sua respectiva
Carta, que ser4 obrigado a fazel-o dentro do prazo
de hum anno. O que Me pareceu communicar-vos
para vossa intelligencia e devida execucao. Es-
cripta no Palacio do Rio de Janeiro em trinta e
hum de Outubro de mil oitocentos e vinte nove, oi-
tavo da Independencia e do Imperio. IMPERA-
DOR. Lucio Soares Tixeira de Gouva. Pa-
ra Manoel Joaquim Pereira da Silva.

EPARTICA DOS NEGOCIOS DA JSTlCA.


XLlsthissimo e Exccllentissimo Senhor. Fo-
rao presentes a Sua Magestade o Imperador os Of-
ficios datados de 25 de Agosto, 16 el? de Septem-
bro passado, que V. Ex. dirigi pela Reprticao do
Imperio, accompanhados das participacoes, que
V.^Ex. havia recebido, sobre os rumores, que cor-
riad na Villa do Crato, de pertenderem alguns in-
dividuos proclamar alli o Governo absoluto ; e
Mesmo Augusto Senhar, supposto Se persuada que
hum tao horroroso attentado nao ,se ter realisadq,







vt ;
'>'
SP#


mm



,
mm
mm**


(1036)

. U pelas providencias adoptadas g g^S^otjIS -S
V. Ex., como pela confiaba que Uta figo da .nnoce. J cu,
o, puros senlimentos dos Brasileo.. ^XTataario se d*epvolvSi em taes
que leaes ao solemne juramento quep.es- quede_o.d. ano se oe
?ara5 ao Gove.no Monarcl.ico Const.tuc,- "^S% Xulhoridades
nal, que felizmente rege este Impeno, e ^LZTp^ he da Su. tapen-
que Sua M.gestade Imperial mulo Dse- compeum? p q c
ttSfXSff tS *5Stf2& ave,
ttasss2Mas 3-i-tf i-ss:
osas ptWMte* de taes mv.duos; todava Ita dojJanem d^ ^
Quereodo, ctan a soll.c. ..de, com que 1829. liUCio
vela sobre a cstabilidade do mes.no syste- vea. Sr. Manoel Jaaqui
roa Constitucional, habilitar a V. Ex. bilva. ______ ______
para efficaz.nente promover a tranqu.lli-
dade do* fiis habitantes dessa lw'. W AvFSD0 Sua Magestade o Impera-
taaer extirpar na sua ongem ao per- JgJ^, (le 18Rd meZ anteceden-
versa, iniencoes quamlo por desgrana "pwlW W .JJ ^
pos-S ter llegado a eflb.U ; Houve por J^H.g^ F Cratofdando-lhe
beta Ordenar, pele. Decreto da o, .a v do o |o acaba_
clusa asignada pelo tWlheHO Ofhc.,.1 p i og J > ^ ^ ^
Maiur .lest-.Secretaria d'Estado doaNe- ^^"V?,,' eordenando por Carta
gocta da Junta, .que em taes circu... I de V U d^ p^
ta.u-ias vkoria^ntp por lempo de sc.s mesese "^JJ" carla ^^a daque|le
antossenar-t.verconsegu.do o e,tab le- ^y^, da/delle posse, e
YSr\tt = 6P=et,=a8a"q9 = 3&E o communico a Vm. para sua
dado deaj os 4. = o. '. iteIHBda, e para que ha a de partir,
e 10. do artigo 179 da Const,tinca., pa- "^"'^^^ ord'eni do Presidente,
ra que sem as formalidades nelles marca- >go ^ ^ fi d ce.
las se possa proceder contra quaes quer
pessoas complicadas ueste debelo : e por
que parecen conveniente que em taes cir-
cunstancias fbsse ja substituido o acta
Ouvidor daquella Comarca, o Bacharel
Manoel Pedro de Moraes Mayer, pelo
. / --______ !!. .>-\,\*rir a
der alii ao conhecimento legal dos factos
crimino**, e attentatorios contra o Go-
verno Constitucional, que felizmente nos
rege, segundo acaba de participar o Pre-
sidente de*sa mesma Provincia, que trans-

Dos Guarde a Vm. Palacio do Hio
de Janeiro em 5 de Novembro de 1829.
Lucio Soares Teixeira de Gouvea.
Sr. Juiz de Fora da Villa de Aracati Mar-
tinianno da Rocha Basto.
(Do Diario Fluminense.)


CORRESPONDENCIA.
-
\ i

M
r
lacs faci : Houve Sua Ma^estade outro
sim por bem pelos Decretos das copias
unla* dar-lhe por acabado o lempo que
iiie alta do dito lugar, e ao Bacharel
Martin.ano dadfrocha Bastos para elle
norneado, 0 deTuiz de Fora da Villa do
Aracati, para em virtude da Carta Impe-
rial igualmente inclusa entrar ja na posse
dasobredita Ouvidoria, e proceder acorn-
ptente devassa sobre tao criminosos pro- ^ ,. Cada vez me conven
Ldimentos, a fim de serem os seus autho- u ^^^ sa5 malvadoPf ,
res e cmnplices competentemente proces- ^o M -
8ados, .punidos com todo o rigor das Le- "g^1* NelIe na0 so se ve confir- V
i,. SuaMagestade o Imperador, O- ta a*^ao ^ o aravel Som,



0037)


.
feemos de mais huma oouza, que ale'
parece incrivel, que hura hoinem confesa
asse, estando em eu perfeito juizo) tai
he p facto.que refere dee ter intercepta*
do a CGiaunicac.au entre o Redactor do
Constitucional, e o erudito Padre Mestre
Frei Miguel, que d-izem ser o Somnm-
bulo. Para nao acredilarmos ste boato
basta ya ser espalhado pelo Padre Forea
Redactor do Cruzeiro desta Provincia, e
pelo seu Ajudante Cafelefeie Columim,
Reductor do Amigo do Povo ; por quan-
to> ja hoje passa por hum proverbio em
Pernambuco disse-o o Cruzeiro, ou
Amigo do Pftvo logo lie mentira ; po-
rem concedamos, por motivo de argumen-
to, que existi o tacto, isto he'; que ha-
via essa correspondencia secreta sojjre
materias de Peridicos, a qual foi pelos
Columnas interceptada, pergunta-se ; po*
diao elles fazer isto ? Eis o primeiro pon-
to, que faz o objecto desta carta. E seja
o segundo sabermos qual o crime do eru-
dito Padre Mestre Frei Miguel por escre-
ver as orihodoxas douixhias inseras no
Constitucional, e no Diario da Provincia
debaixodo nome suposto de *h Somnm-
bulo -H
Em todos os Paizes do mundo civili-
zado ten>se no maior ftpreco o segredo
yeras os que infringen! a ley da inviola-
bilidade do seu segredo. Em Inglaterra,
que hoje he para nos o mesmo que Roma
ja foi para lodo o inundo, minias vezes se
tem deixado ci fazer grandes descobentas
para se nao infringir esta ley; e em Fran*
9a a Asaemblea Constitunte, contra a
qual tanto tem clamado o Cruzeiro, e
Amigo do Poyo, jiao qp& abrir as cartas,
que se Ihe apresentarao, e que podiao
descobrir, e patentw urna grande cons-
piracao, preferiodo antes marchar envol-
ta no escuro manto da incerteza sobre a
descoberta do crime, do que dar bum so
passo seguro, violando a Ley da pubUc*
confanca.
A ConstituicaSVdo Imperio Tt. 8.
Artigo 179 27, diz o seguinte O se-
gredo das Cartas he inviolavel &c., e
a Orden, do-Reino L.p & Tit. 8. ff
$,9 impoem. pana arbitraria a todo o que
abrir carta q.ue nao for &ua; mas os Co-
lnulas zombao tanto das Leis, que in
tercepta partas, que nao sao suas, a-
brem-nas, j/jim^as, ejulgaS^e 'cao segu-
ros, que iiizem alarde deste cri me, e o
que mais he abitao-se a diizer, q*ie tira-*
rao publicas formas: das que criminosa-
mente tomaraS, prometendo dalias ao
publico na primeira ca#ia; e dirJao elle^
isto, se nao tivessem as costas quentes ?
Decerto^ue nao. Porem o-que se deve
esperar de horoens, que se reun rao em
huma Sociedade secreta para destruirem
a Constituicao actual, e sobre suas ruinas
cavarem a ruina da Patria, levntame o
antigo goverao absoluto, e unirem o Bra
il a Portugal debaixo do titulo de Impe-
rio unido de Portugal Brazil e Algarves ?
O que se de ve esperar de huma Sociedade
cuja maior parte he composta de bomens
como o Capitao Pedro Borges inimigo a*
cerrimo da Independencia do Brazil, o
que se prova com factos, que elle nao po*
de destruir, e que se presa de ser, como
disse no Ciuzeiro 163 amigo da monar-
qua; porem eu acrescento, porque o co-
nheco, que hade ser Porfcugueza, pois
que contra a Rrazileira ja fez fogo na
Babia incorporado aos Lusitanos, por cu-
ja rasao nao deve gosar dos direitos de
Cidadao Brazileiro, estando no mesmo
caso o seu illustre Collega o Capitao Le*
al ? Pe huma Sociedade a que perten-
cerno Portuguez Joze Yaz de CMiveir,
que, se he verdade o que se diz, ate' as-
signou huma representa cao na Baha para
ser tirado de bordo do Paquete Inglez o
Benemrito Patriota Gervazio Pir^s Fer-
reir ; e o Alferes Antonio Pinto da Poli-
oia, que por inimigo da Independencia
foi pelo General Labatut mandado paia
esta Provincia, aonde desembarcou de
gargalheira ao pescoco, e tao farroupilha
que a carniza, que trasia de rota era hu-
ma rede ; se nao toda casta deprimes, e
malvadezas ? E he entre a lista de tao
conspicuos e honrados Cidadaos que o Sr.
Dezembargador Gustavo ouzou diser a
S. M. I. que teria muita honra de ter o
seu nome escripto!
Agora pergunto ao Padre Forca qual
o crime das corresponden cas do Som-
nmbulo insertas no Constitucional e ja
no Diario desta Provincia ? Se o crime
do Somnmbulo o de ser Constitucio-
nal, na verdade nao ha homern mais cri-
minoso, do que o erudito Padre Mestre
Frei Migud Lopes, e os Redactores dos
traz Jomaos da opozicao porque com a
maior coragem tem aniquilado as sub*
veraivas doutrinas do Ciuseiro, e Amigo
do Pavo, sustentaude a Constituifaogu*

M
T
er


(1038)
'.
rada e abrindo os olhos ao Poyo, o qual Constituido, sustenta a Independencia,
taobem criminozo ; porque a todo custo e louva O Imperador que agora mesmo
e-ta' disposto a sustentar esta mesma nos acaba de dar, pelo Decreto que man-
Constituicao, unido, e debaixo das or- da suspender no Cear algumas das ga-
deus do Excellenlissimo Governador das rantias da liberdade individual do Cida-
Armas o Snr. Antero Joze Ferreira de dao, huma prava indelevel da sua Cons-
JBrito cuja immutavel Constitucionaiida- titucionalidade, e conta coin o invicto
de tero eito baqueiar a Columna. Antero, e todo este Povo em defeza do
Leaose as correspondencias do Som- Imperador, da Constituicao jurada, e da
nambulo e os Columnas que apontem bu- Independencia do Brazil.
ma, que nao seja fundada sobre os prin* Snr. Edictor, sou^
cipios proclamados por o Snr. Dom Pe-
dro 1. Nosso Imperador Constitucional,
e que nao esteja de accordo oom a Cons*
tituic,a5 do Imperio : apontem huma so
Seu venerador.
O Philo-Patria.
em que, ainda censurando do Excellen<
Raridade.
FErnando 7. passou de Soberano a
Porleiro,
Farroupilbas,
tissimo Presidente, nao seja em termos
decentes e respeitosos, e com a maior sub-
jnissao, recomendando obediencia a ley,
respeilo s Authoridades, e batendo ao
mesmo lempo, nao so o absolutismo, como m 400# rs. annuaes I
a democracia: e poder-se-h dizer outro
tanto do Cruzeiro e Amigo do Povo ? De
certo que nao. UJies tem manejado a in-
triga, atibado o faxo da discordia, insul-
tado o Congresso Nacional, balido os
e creado do Conselho dos
so porque Ihe assenarao

Avizo.
_Ede-se ao Snr. Acadmico queixoso
Jf^qufira declarar o nome do Estudian-
te, que mandn vir da Franca lndissimos
principios liberaes proclamados pelo nos- r
so Imperador, rediculari-ando a sobera- Autran.
na dot>ovo, que a Constituicao recouhe* Crrelo.
ce a vida privada dos Cidadaos tem sido V% Ela Admemstracao do Corroo Ge-
dedada, e posta no olhoda ra, em fin MT ral desta Cidade, se faz Publico que
ninguem lhes tem escapado ; a palavra parte deste Porto para o de Santos no da
ConUituicao nao se ouve sabir dos labios 8 do corrente a Polaca Anna Cathanna,
estes dous Redactores para os quaes a de que he Capita Joan Joze Santos Cu-
-vtrtude he bum crime atroz, e o crine nha, as Cartas sera lansadas na Caixa
virtude sublime. eral at as 9 horas da noite do dia ante-
Intrepido Defensor dos inalienaveis cedente.
direitos do homem, Atleta das Liberda- AvZOS Particulares.
des Brazilienses, e da Constituicao jura- f
da, terror dos Columnas, flagello doCru- Erciza-3e de hum rapas que tenha
zeiro, e amigo do Povo, amigo verdadei- Jr principios de Boticario, ou mesmo
ro do homem, Pernambucano honrado official: naruadoRozarioBoticaD.il.
Frei Miguel do Sacramento Lopes, se es A pessoa que annunciou no Diario de
o immortal Somnmbulo recebe os votos Quinta feira 26* do corrente querer criar
da amisade, que te consagra bum povo dirija-se a ra do Amorim nu Forte do
de Hroes (os Pernambucanos ) pelos Matto caza N. 107, ou anuncie a sua
grandes e relevantissimos servicos, que moradia para ser procurada,
presentemente tens feito ao Brasil todo, Sebastiao Joze da Cruz, faz publico
especialmente esta Provincia de ondees que ninguem compre a Fortunato Joze
filho; continua atrilhar a estrada da hon- Carduzo, dois escravos que forao delle,
ra, que tao denodadamente tens incetado, Joao Cabinda, e Antonio Angico, ambos
e escudado com a Constituicao jurada, e surradores os quaes ja os vendeo no dia
com os principios proclamadospelo Gran- 11 de Outubro do corrente armo, e se a-
de Pedio J. nao temas os insultos do chao fgidos.
Padre Forca no Cruzeiro, que redige, Antonio Joze Villas Boas, morador
nemas bravatas dos Columnas ; desmas* na esquina da ra do Encantamento do
cara o tramas des* infames ; defende a Recife preciza falar a Viuva de Jacinto
* /
N

.V


r ii lu
C1039)
Pimenta Carmo, em negocio que muito
interes&a a esta Senhora, e lhe raga se di-
rija a sua caza, ou anuncie a sua mora-
dia.
Manoel Joze do Nascimento faz pu-
blico a todos as pessoas que lhe fzerao a
honra de comprar bilhetes de sua rifa,
cuja teve extracao com a primeira parte
da sexta Lotera do Seminario de Ohnda,
queirao dirigirse a ra do Rangel loja de
cera D. 37, que ah receberao os seos
premios, pois o anunciante dezeja satis-
fazer os premios a seos donas.
Manoel Joaquim Silva eCompanhia,
faz sciente que pertendia correr a sua rifa
nol.c de Dezembro persuadido que se
extrahieem os bilhetes, e como existe hu-
ma porcao del les, por isso o anuncian le a-
viza que pertende ultimara dita rifa no
da 20 de Dezembro no caso de se ven-
derem os bilhetes ateo dia 16do mesmo ,*
para se avizar o lugar em que hade ter o
860 devido efeito, e por isso convida o a-
nunciante as pessoas que sao apaixnnadas
por ele jogo, que nao se riemorem em
dbmprar, os quaes bilhetes se achao a
venda nos lugares seguintes, Praea da
Uniao lojas de ferragem D. 10, e 12,
Pracinha do Livramento loja D. II, ra
dollozario, venda junto ao btequim do
Furtado, ra do Cabuga loja de cera,
Pateo do Livramento botica D. 23, ra
do Livramento venda D. 3, e Pateo da
Santa Cruz venda do Rapozo.
Veutle-se.
MAduziade cadeiras de condur, e
htim ganap* com acentos de palhi-
nha, ehumjogo de bancas que abre de
rudizio, tudo novo ; na ra da Cacimba
D. 5, casa de Marsineiro.
Taboado que servio de forro de Na*
vio, para fazer tapajens para entulho ;
o armazem que foi de sal, na ra da Pra-
ia, ou Ribeira.
Vinho de caj, engarrafado, e o ma-
is bem fabricado que tem aparecido, gar-
rafa 400, e320; na Pracinha do Livra*
ment D. 26.
Huma venda as b pon tas, D. 21,
a qual tem cmodos suficientes para hu
jna familia, e tem poucos fundos; na
mesma.
Huma negra ladina do gentio de
Angolla, idade 25 annos pouco mais ou
menos, boa figura, sabe cozinhar, ensa-
boar, e tem hum filho com 4 mezes de
idade ; na ra da Penha quina do beco
do Carcereiro D. 26.
Huma venda com poucos fundos na
ra do Rangel antes de chegar ao beco
do Carsereiro, D. 24 ; na mesma.
As Oraches de Cicero em Latim, in
usum Delphini, inda em bom uzo, e por
pree,o cornado ; na quina do beco do Ro-
zarlo, Uo primeiro anJar do sobrado D.
16.
Hum escravo crioulo para fora da
trra, bom official de Pedreiio ; na ra
da Conce9ao da Ponte N. 29,
Hum preto, alguma cousa bucal,
sem vicio, nem defeito, e bom trabalha-
dor de enxada ; na ra da Conce9ao da
Ponte sobrado N. 2.
Hum moleque de idade de 12 annos,
hbil para qualquer servido, e sem acha-
que ; na ra da Cruz D. 14.
Vinho tinto da Figueira, chegado
prximamente, caada 720, e garrafa
100 rs. ; na ra da Cadeia N. 5.
Huma escrara de na^ao Cnsange,
idade 20 annos ; na Camboa do Carino,
D. 9.
Cartas de Syllabas para meninos;
na loja de Antonio Joze Bandeira e'Mel-
lo defronte da Matriz de Santo Antonio,
prec.0 120.
3 Vacas de leite amojadas, chegadas
a pouco de fora, e hum novilho pai de
curral muito manso, e serve para servido
de carroc,as ; na ra do Araga 40
Huma raza na ra do Cutuvello,
com salla adiante e atraz, duas camari-
nhas, cacimba, e quintal; na mesma ra
D. 5.
Hum quartau bom ; na ra do Ro*
zario que vai para o Carmo venda D.
29.
Huma negrinha com 6 mezes de ter*
ra, que representa ter de idade 14 annos,
bem parecida, e sem|molestia ; no Forte
do Matto, no primeira andar do sobrado
N. 13, de manh ate' as 8 horas, e de
tarde das 2 ate' as 5.
i
Arrenda-se.
HUma caza na Cidade de Olinda, ra
do Amparo, pelos 3 mezes da festa
contados do I. de Dezembro : na mes-
ma ra, a fallar com Zacharias Peixoto
de Brito.
Hum sitio na Madalena, muito gran-
de, com 5 boas baixas, muito arvoredo de
toda a qualidade, bom P9> tanque,
----
t^
awhi




(1040)
caza de vi venda de pedra e-cal legante,
assobradada, com sotao, estribaria, e-por-
ta o ; quem a pertender di rija-se a ra de
Hortas sobrado D. 33.
Viag-ens.

.
p
(Ara Londres com toda a brevidade
o Brigue Ebenezer por ter pronta a
maior parte de sua carga, queni quizer
carregar, ou hir de passagem dirija-pe a
caza de Antonio da Silva & Companhia.
Allug-a-se.


,
Ma morada de caza de trez andares,
Noticias Martimas,
Entradas.
MJIa25 deOutubro. Porto de Ga-
linhas ; 24 horas, S. Rainha dos Anjos,
M. Manoel Domingos Gomes, equip. 10,
carga caixas, ao mestre. Lisboa ; 51
dias, B, Port. Fortuna, M, Francisco
Feliciano da Silva, equip. 13, carga g-
neros, a Joze Antonio Gomes, passagei-
ro Francisco Antonio Vaz. Lisboa^
U__________________________________________________,
com armazem, que abrange duas 39 dias, B. Port. Espirito Santo, M.
cazas, e tem loja nfrente, na ra do Joaquim da Costa Figueiredo, equip. 22,
Torres no Recife ; quem pertender dirija- carga gneros, a Domingos Rodrigues dos
se a Boa Vista na ra da Aurora D.; 5, Passos, passageiro Cypriano Antonio Ro-
adverte-se que este arrendamento so pode- drigue.
ra' ter lugar no prtmeiro de Fevereiro de Dm
1830.

Perdeu-se.
ia 26. Rio de Janeiro; M di as,
B. Port. Dous Irmaos, M. Joao AI ves
Carneiro, equip. 17, em lastro, ao mes-
H
IIC.
Sahidasi
'Um anel de diamantes na madruga-
ba do dia 28 de Novembro, na ra T^^
do Livramento ; quem o a'chou pode di- MJlA 25 dito. Seguio viagem para o
rigir-se a ra de Agoas Verdes em hura Norte a G. Amer. Young Phoenix, que
sobrado de hum andar de fronte da sacris- estava fundiada no Lmneirau.
tia de S. Pedro, que se Ihe dar' o a
diado.
Furou-se.
ia 26. Augolla; E. Mara
Gertrudes M. Mavalino Joze de Santa
Anna, equip. 15, carga agoardente e
assncar, passageiro Francisco Goucalves
NO/dia 25 do corrente Jium cavallo Lisboa. Liverpool; B. lng. High
ruco sujo, < di as pretas aparadas e lander, M. John Dickinson, equip. 12,
cauda preta algum tanto curta, e tem um rarga algodao. Unna ; L. Mara da
signa) no quarto esquerdo de mal de Bes- Gloria, M. Joao Luis da Silva, equip. 5;
tas e unha do mesmo pe branca ; a pes- car^a molhado% passageiros Joa Janu-
soa que delle souber dirija-se a ra do ario Serra, o Reverendo Antonio Xavier
Cabuga' loje de fazendas D. 7, onde sera* Garca de Alraeida com 1 criado, e 1 es*
recompensado do seu traba]lio. cravo, Manoel Joaquim da Costa Alfe-
Na noite dia 28 de Novemhro da res, Joaquim Carneiro Machado Ros e
Ponte da Boa Vista, hurn Cavalo que hia 2 escravos Mathias e Antonio. Porto
conducido por hum preto, e tem os signa- de Galinhas; L. Cleopatra, M. Joa-
es seguintes Mellado, com as dinas e ca- quim Gonsalves, equip. 9, em lastro.
bobranco, huma banda das dinas cum Londres; G. Ing. Pyramus, M. James
pridas, e a outra aparada, com huma ou Eider, a qual tinha fundiado no Lamei-
duas mudas por fazer, tem hum carosso rao a 23 do mesmo.
debaixo de hum dos su vacos, e outro dito
pequeo na can na de huma das maos pe-
lo lado de dentro, tem carrego baixo e
nuudo ; quem souber do dito participe no
sobrado l). 3, na ra do Livramento que
sera* bem recompensado.




Vndese na Typografia a
preco de 120.
.;.

I | I Ipii l|

Vernambuce na Tipografa m Di/trio.
**
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8JV8IHSC_432AVL INGEST_TIME 2013-03-25T13:26:27Z PACKAGE AA00011611_00582
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES