Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00577


This item is only available as the following downloads:


Full Text
rr
-^

"^
"S"*"
N. 254
/fu #10 rfa 1820
f
DIARIO DE PERNAMBCO.
Subscreve-s* na Tipografa do mesmo Diario roa DireitaN. e 367 1. andarem mezes por 040 res huma folka
que tahira iodos es dias uteis.
Ter$a Fbira 24 de Novembro. S. Jouo da Cruz C.
Freamar as 4 horas e 6 minutos da tarde.
H7""^Q %fc o-*-*-T>*e
CORRESPONDENCIA.
Ninguem sefassa agressor
Sem razao, e sem valor.
( Nao de Jovens de um veliio ex*
perimentadu. )
io)Nfl. Edictor. L com a pachorra,
e calma de espirito proprias de minlia i-
dade, c temperamento, a insolente enca-
da de desaforos do Snr. Capitao Mor
Xavier ( ex aggregado da honra, e da
verdade, e actualmente effectivo ta infa*
ma, e as mentiras ) pendente do Cru-
zeiro N. 110, na qual inculca ter
respondido a' que elle chama nogen
to (\), impoltico, atrevido, e rnen-
tirozo aranzel, inserta no Diario N.
185. Com effeito! Se assim e' que
elle quer justificar-se para com o Pu-
blico, esta bem aviado; pois nao basta
dizer mente, e' mentira, naseja men-
tiroso, falsario, calumniador, &c. pa-
ra mostrar sua verdade ; e' preciso que
idemonstre lgicamente; e demonstrada
que seja, segue*se por urna conclusao na-
tural aconvicc,ao do mentiroso, ou calum-
niador, que fica entregue por si mesmo a'
execraeao publica, sem precisar descom-
po-lo: assim pratiquei no meu chamado
aranzel; demonstrando escorrego por es-
(1) Os gostos sao relia ti vos: a que
certos individuos causa nojo, muitas vezes
agrada a outros, e viceversa, v. g.: um
ramalhete de flores, que e' um objecto a-
tractivo da vista, do olfato, e ate' do gos-
to, ou paladar de aIguus. mimosos, e di-
licados passarinhos como o Beja flor, e
outros, certamenle um objecto de njo
para um Urub,, e outros animis immun-
dos, como o Snr. Effectivo em mentiras.
Por tanto valhao sem sello ex causa os
corrego (2) do Snr, Effectivo em mentiras
(3), sem melter no escuro neiihutna das
suas calumniosas assercoes, nem impro-
pera-lo. Pelo contrario porem o que res*
pondeu o Snr. Effectivo em mentiras em
seu car taz pendurado no Cruzeiro N.
110? Respondeu segundas mentiras com
maiores desaforos so proprios de sua redi-
cula pessoa, : E porque nao disse man
palavra sobre a passagem da gente do
Roma pela sua porta ? porque au falln
na mehsagem, que liie mandn, para a
desviar das suas barbas? porque nao
mostrou que tinha forsas inferiores para
lhe cortar a passagem ? porque nao pro-
vou que nao foi por cobarde, nem por
parcial, que a deixou passar, como z
ver? porque nao negouque as suas guer-
rillas nao foao postas para baler os ni*
migos, sim para defender nicamente a
sua caza, e es para ella marchassem ?
porque nao repetio o caso das tortoras de
acoites, e queimaduras do prezo das
Varzinhas, deque, justificando o Com-
mandante da Expedicao em sua prrmeira
correspondencia condemnou-se a si ? por

epithetos a cima referidos com que obse-
queia a minha segunda correspondencia.
(2) O termo escorrego de que usei
por metfora, quando analizei as menti-
ras do Snr. Effectivo em mentiras, nao
tem mais lugar ; pois nao devo usar de fi-
guras com o mais desfigurado mentiroso
do mundo, que foi o primeiro a atacar-me
sem decencia. As pessoas bem educadas,
qne nisso reflectirem me deseulpaio a li-
berdade, que tomo, nafrase, com que
lhe vou respondendo.
3) Este e o tratamento, que d'ora
em diante lhe darei pelo pisad rom, que
tem em virtude do seu constaue habito-
de mentir.

W


: "-- ''<;. -> :. : y,V: :fr,. -- )inii-r i- ____; .T ',-, rr "^r.-,-,.- .,-,'. ;.Wv.'rV
(1014)
que naosejustificou a'respeito do que seu; pois nao obsta aquella minha res-
iiz ajvoz publica sobre as trras de Jaca- posta official, para d'ahi se concluir, que
rara', que forao a causa principal da pri- eu anda nao tivesse dado outras provi-
zao de Semeao Correa atraicoado por el- dencias primeiro que elle: eu repet re
le ? porque finalmente nao tocou en al- aqu o principio do mesmo Officio, que
guia destas coisas, que ta interessante ellejulga servir-lhe de grande triunfo,
era re bate r para sustentar a ra reputa- para avista de seu conteudo responder
cao? Coitada! Sera'preciso que alguem melhor; e-Io aqui Apenas reeebi o
responda por elle ? Eu responderei : por primeiro officio de V. S. tratei hn me-
que e'muito descarado, muito mentiroso, diatamente em dar as providencias,
milito falto de carcter, muito vil, muito que estava a raen alcance, bem como
infame ; pois a ser o contrario disto res- fosse oficiar logo aos dois Comrnan-
ponderia primeiramente a tudo, para ao dantes mais prximos Povoacao do
depois voltar-se contra mim, se tivesse Brejo sobre a cliegada da tropa sedici-
razao; porem como nao a tinha calou-se "osa aqnelle lugar ...." basta ; por
sobre taes pontos, como velhaco, que ", aqui se conhece nicamente, que ate' esse
para fallar em outros, que Uie fiserao con- lempo eu nao estava ainda ao facto da
la, a fnn de melhor descompor^me, como natureza do cazo, isto ", da Romada, e
redicnlo espadanchim ; que sempre foi, ua sua invasao no Brejo ; ms logo que
, e hade ser. (4) fui oficialmente instruido do seu ingresso '**?
Seria bastante o que acabo de dizer, naquelle lugar, passei immediatamente a I
para que nao llie respndeos mais ; poiem dar providencias directas sobre um objec-
como elle ajunta d.)is cilicios nieus por to certo. L oo nao se pode affirmar, que ,
Documentos ao seu atrevido ca-rtaz para eu nao tivesse anteriormente dado outras
provar com o primeiro que elle aqui providencias, ou ordem de mera preven-
foi queni logo deu providencias sobre a cao sobre o mesmo caso, de que antes se
Romada ( nico ponto que Ihe mereceo ignora va a seriedade, dirigiudo-me pelas
mais atienda o em minha carta ); e com o noticias va^as, que ja entao corria : o
segu
sari
do par,
assim coutinuar a iludir as Auctoridades, fectivo em mentiras nTe officiasse, eu ja
que nelle tanto confiarao ; justo que eu me. tinha adiantado a dar outras provi-
ainda escrevinhe estas rabiscas para o dencias sem ser para retaguarda. Passe-
desmascarar de todo, juntando-lhes tau mus pois ao segundo Documento, que o
bem tres Documentos, que, se nao me mentiroso Snr. ajunta cotnp mais inte-
engano, nao terao replica, como os seus, ressante a sua impostura,
que se derretem a'semelhanra do gello O segundo Documento, que o Sur.
exporto aos raios do Sol. Passemos po- EfFectivo em mentiras appresenta como
rm a examinar primoirameute os seus urna grande de-coberta, para formar o
Documentos, paraenta vermes se os me- seu miseravel dilema, vo'ta-se todo contra
us valeo mais, ou menos a vista delles. elle, pelo seu proprio argumento de ia-
O primeiro Documento do Sur. Ef- ver eu faltado a verdade Eu em minha
fectivo em mentiras nada prava a favor primeira correspondencia de nove de Ju-
------------------------------------------------------- uno inserta n'Abelha N. 3 16 ou nes-
(4) Nao son contraditorio, como o se meu officio de dez de Fevereiro, que
miutisoso Snr. ja nolou, por ter dito em Ihe serve de segundo Documento no
minha primeira correspondencia, que el- sobredito Cartaz ; pois a isso respondo,
le era digno de uiaiores elogios a outros que nem em urna, nem em outra coisa
respeitos, e agora dizer o que elle sem- alterei a verdade; porque naquelle oiicio
pie foi, e hade ser; pois taobem se refiro-me nicamente ao que me info.r-
pode diser de um ladrao que elle digno mou um soldado, e eis a de grandes elogios a outros respeitos, me- palavras nelle referidas por mim Per-
nos em limpesa de mas. Foi ueste sen- guntei-lhe ( ao Soldarlo ) que numero
tido, que fallei, quando o Comandante seria, disse-me de 30 a 40 seria o mais
da Expedicao o elogiou ; e elle foi ta as* Ora, quem refere alguma coisa por este
no, que nao entendeo o verso modo, nao assevera. Logo mente se-
<*1


_
riB

**
-
'-**..





(iai5)

iranda vez o Snr Effecvo em mentiras Mere* que ess* pescador era "***
en ter que Sevefei ocalmente ser vas fu. colhido com a isca da menUra na
em aiser que as^.ve,cl i0 fi do anzoi da impostura, nao equivalem ao r*.
numero do* bandidos de 30 a 40, hca do anzoi yo em deixar passar
resupnueacia; ltpe, dqnaocnegara tcoma_p mom a0 pe da estrada,
fgSKW ras* ssgu -rfen=
H w & t nrrialidade coma- tre suas grrimas, que, a pesar ae se*
asua cobarda, ol parcialioaae cora ^ b e bem arma-
queltes mesmos, cujas desgracas he eer- WI* hes nao fazer
vrap de mais um degrao para a sua ele- dos tiverao r J^SSmi para aN
*d, ~'P-"7NdSSs".'. oo^cn,!. Jo .icio do RtadoS*
ao conteni ao o Documento ao seu ultimo aranzel. Bra-
e de S. M. o Imperado!uuto. q mentiroso Em*8 que di* a
me remunerou ?.....I 01 saina _agor cansados. 6
ra o Publico. oGovernoda W ^mptos de embicada nao seria* bas.
im %^W2T?JtoCJE E para cortar a passagem, btele
jueajunto, Documento .9gK J^JJJ Jar a esta palgem, nao
punbo(emoanal)depo,,dedeIxarpaSe ama ?P ^
^ndloSribt^r^'par, no escu^ e descompor-me, pe*
marcTw a pozdelles na grutesca frase Vgff^.^ mmifmmmm
S^ffifiSS e"mips dad9 Pe' Coronel Frailero
tm^J-J^SSf^SSSZ^^ auem me devora a emulaca&r *em elte

^^KSS' 5-MM *-* -Ibormente1 sera'
?0S, e armados, tal, a aual mumcao^ ^M ^5 meassa Wregar
Que tal! Pois Encargad* do|a. queja^de ante m^ ^ ^
verpp, com asordens l#g veoT, Forte toupeira! e'ta estupida;
ffo cortar a marcha aquejes *MJ ver h ^j^^,,,^
coinp at para perseguios, e bate-(os, *J! quaiidadfiS( basta reflect
anda me consulta ( depo.s de laxamente H^M^to g'eu infame tMl
osdixar passar) para sabe* JJ querq *g**j ^ ^
que se marche -!J^# ^1^ Jar do Padre" Joa Barbos.
WJSSa^^3(C ^^^^ad^ma*
P^^fcTffiSSME (5) Esta Padre, que aqu esteve de
cha, porque taobem nao ^pSBWM* raoe{|a5 e Meslre por espasso de um wi.
vas'ordns minhas, nenhuma attencao lhe Capellao eM p V ^
merecexido as do Governo Bnivo o> ^J^g^,^ de um nuncio, ^
carregado do Govenn. guapo ng JJWj^^ couvidando a outro para
dor de &. M. 1.. e na&solhe ter dado ^^fe^ "K*S Eftfectivo em mentiras. Elld
HWj^gaSS Jf?qtt3ava.Se Joa5 Patricio
reforma, a graduacao de Coronel, e nw p n



--a^w -


"!
-------------


i mu
;- Ini'iiii- --'
".i ..->

\
mo
bis coelhos. Malvado o teu mo ca-
rcter nao me en ti mida, nem com tigo
jamis transig rei: eu vou rasgar de hu-
ma vez tuagrosseira mascara.
Pede-me esse mentiroso Sr. que lhe
construa a ultima parte dn meu officio,
que lhe serve de Documento segundo no
cartaz ; e de pois de o tradusir como as
suas ventas, conclue, disendo, que se as-
6im nao he o literal, e genuino sentido da-
quella passagem, explique-o o degradado
Joao Barbosa Cordeiro, pondo-lhe urna
nota* para melhor explicar quem seja o
tal. Bello modo de denunciar! porem, se
para faser mal ao Padre, tarde; ese
para me desacreditar, nao ha de que.
Vamos a traducao da t assagem ; ms an-
tes disso repilamola *m Se tenbo gente,
haveria feito tal vez o que nao deveria fa-
ser n- Sim, Senhor, aiii vai construido o
ponto com as seguintes palavras >-* Vis-
to ser V. S., e nao eu o Encarregado
pelo Governo para Ihes cortar a passa-
gem, e batellos, o que nao fez, ou por
cobarde, ou por parcial, como ja lhe
mostrei em minha segunda correspon-
dencia, pormeio daquelle dilema, que
ficou sem resposta. Quer mais al-
guma coisa? Eu lhe direi, sem ser precia
so chamar em meu auxilio o Barbosa de*
gradado, assim como V. S. chamou o
Carapeba, seutenciado a pena ultima,
para apadrinha-lo para com os Romeiros,
pedindo-lhe, que em todo caso os desvi-
asse de sua porta pela estrada do Liberal,
como consta de urna carlinha sua, que
existe goardada para seu tempo ; e se du-
S
J>
5>
>
3>
J5
>
Leal, e debaixo deste nome appresen ta-
ra seos papis corren tes, e desembarace-
dos, como fea; ver a varias pessoas deste
Termo, inclusive aos Reverendos Paro-
chos do Buique, e desta Freguesia, que
nao lhes descobrirao falsiade alguma.
Alem disto nunca' recebi ordem alguma
do Governo contra elle, occorrendo de
naais a mais nunca o ter visto, nem con he-
rido anteriormente. Outro tanto porem
nao pode diser o Sr, Effectivo em menti-
ras sobre o Carapeba seu conhecido do
Recife antes de 24, seu amigo aqui depo-
is, de sentenciado, seu companheiro em
funcoeos, e banquetes, seu par em con-
tradanzas, valsas, &c. e a final seu de-
nunciado ao Amigo do Povo, segundo a
fama publica. Isto e' que e* ter carc-
ter!

vida, eu me responsabilisarei a apresen"
ta-Ia quanto antes.
Eis aqui, Sr. Edictor, o homem, que
^iz queu lhe invejo os encomios dados
pelo Comandante da Esped cao ; que ser-
vio a contento do Governo da Provincia,
e de S. M. o., por Quem foi agracia-
do, sem requerer (6) ; que deu provi*
dencias primeiro que eu : que todo o ser-
vico, quefiz, foi nicamente aquelles do-
is officios aos Capitaens Izidoro, e Grego-
rio na retagoarda (7) ; que nao exita
em tomar a defenciva em opposicao a
quantas Romadas apparecao (8) ; qu
(6) Sim, Senhor, ja se sabe que tirou
a sardinha com a mao do gato ; pois nao
faltad engaadores aos MonarChas: assim
tivessem elles desengaadores Entao o
Sr. EFectivo em mentiras, e outros que
taes h seriao remunerados na forca, sem
qu taohtMii o requeressem &c.
(7) E! tau desgranado o Sr. EFectivo
em mentiras, que ate' pelos prprios
Documentos, que appresenta he conven-
cido! Diz que todo oservico que fiz>
forao aquelles dois officios para a retago-
arda, e ajunta ao mesmo tempo um
officio meu, que lhe serve de primeiro
Documento, em que vem as seguintes
palavras. Entre tanto certefico a V. S.
'ja ter mandado igualmente notificar a
" Companhia desta Villa, que fica a des-
" posicao le V. S. para o que julgar
M conveniente ao mesmo fim. Agora
pergunto eu : a Villa de Cimbres fica na
retagoarda, ou na vangoarda do Brejo ?
O Buiqti, donde apppesento mais dois
Documentos, taobem estara' na retago-
arda ? Alem disto acresce, farinha, ca-
valgaduras- e o mais que voluntariamente
prestei nao sao servicos ? Parec-me que
tudo isto avultara' mais, que ma jartta
de fejoens com cuscz com qu foi sus-
tentado o piquete de Ordenanzas dois di-
as no lugar de Isabeldias.
(8) Sim, deichando-as passar inclu-
mes, para depois atraizoar, e calumniar,
como fez a Semeao Correa para lhe tomar
as trras de Jacarara', e a mim para se
empoleirar na effectividade de Capitao-
mor, fintando a algumas pessoas para
sustentacao das tropas, e athe mandando
despticamente pegar o gado alheio, co-
mo praticou na Fasenda Ipojuca do Te-
nenle Coronel Domingos de Souza Leao,
que por sua honra nao lhe pregara' urna
4
7




Mh
~'- .
' m**iji
"<"'' iiri i :'

(ar)
finalmente nao rae responde mais, por
quqjulgater dito perolas, era imputar*
me. o que elle tem ern si, deixando sem
reposta os pontos mais salientes da mi-
nha primeira, e segunda cerrespondeucia.
R
DOCUMENTOS.
1.

Ecebi hoje as tres horas da madruga*
Por tanto dcse por despedido a respeito da o officio de V. S. em data de 7 do cor-
da presente questao, que parece-me ter rente, em que me partecipa vagar notici-
ficado respondida exuberantemente, sal- as de vir subindo das matas para estes
vo, se o mentiroso Sr. anda recalcitrar, Certoes hnm bando de salteadores, e que
para que eu lhe aprezente pela iniprensa yem matando, roubando, tomando armas
a sua sobre dita cartinha ao Carapeba
(9}, o que de bom grado fareii ajuntan-
do urna noticia ehronologica de sua vida
poltica dez 1817 at 1829, para diver-
timento dos que gostao de ver dar o seu a
seu dono.
Adeus, Sr. Edictor: sendo-lhe pos-
sivel insirir em seu Diario a presente car-
aba para que u esteja alerta, e prompto
com a gente deste Destricto, a que res~
pondo, que se elles tem xegado victorio-
sos athe Beserros, nao contara a mesma
vantagem neste Termo, se ca' xegarem.
Ja' mandci notificar a gente, como V. S.
m,e determina para com a presteza, que
urge o caso se achar no meu Quartel, on-
ta, para que o Publico fique certo de que de fico esperando as Ordens de V. S. com
o impostor nao me convenci, muito o-
brigado ficara' com este obzequio
Seu Venerador, eassignanle.
O Capitao Reformado
Manoel Joze de Serqueira.
milhores informacoes para minha guia.
Deus Guarde a V. S. Buique 8 de Feve-
reirode 1829. -* Illustrissimo Sr. Capi-
tao-mor Manoel Joze de Sequeira *h Jo-
ze de Albuquerque Cavalcante, Cdm-
mandante interino do Buique.
9 O
Cabo de receber segundo officio de
V. S. com data de hoje, pelas 7 horas da
vazao, que ouvesse ; e depois que recebj
este segundo officio de V. S. com maior
raza5. posso afirmar a V. S. ; que nada
ha' que ressiar dos dolidos, que me diz
famosa querela de ladrao, para nao se me-
ter a faser cortesas com o chapeo alheio,
illudiudo o Governo com generosidades
desta naturesa. Verdade he que destes
servicos nunca fiz, nem pretendo faser ; note, e as mesmas horas respondo, para
eporissodevo procurar em mira mesmo voltar logo o portador. Com satisfacao
a causa da rainha reforma, como elle diz digo a V. S.; que encontrei nos Buiquen-
em seu cartaz. ses a maior coligancia, em-omptidao pos-
(9) E' de notar que appareeendo no sivel para defeuderem suas propriedades.
Amigo do Poyo tima carta, em que um honra, e Liberdade contra qualquer in-
Amigo da tranquilidade publica (quedi-
sem ser o Sr. Eflfectivo em mentiras) de-
nuncia o Carapeba, o PaaVe Joao Bar-
bosa Cordeiro, Leite, o Vieira, o filho,
e Antonio d' Albuquerque, como perigjo- vem subindo para ca', pois o menos que
sosnesta Provincia ; e tendo apparecido l.hes podera'acontecer he voltarem amar-
unia porcao de gente revoltada dez os. Af- rados daqui., se o nao forem logo ah pelo
fogados ate' este Termo procurando en- Xavier, visto V. S. diser-me agora, que
grossar partido, proclamando, e alistan* he elle o encarregado das Ordens do Go-
do povo, como ja arfirmou o dito Sr. Ef- verno para esse fim por participado; que
fectivoem mentiras em sua primeira cor- delle recebeo hontem. O que admiro he
respondencia ; e sendo elles finalmente o Prezidente nao ter officiado a V. S. so-
homens perdidos, a quem todo o negocio bre hum objecto de tanta monta. Meu
faz conta, como diz o Amigo da trauqui- mano o Capitao Antonio Cavalcante ain-
lidade publica ; toda va nem um dos de- nao he xegado. Dos Guarde a V. S.
nunciados quiz apparecer aessa gente, Buique 9 de Fevereiro de 1829. hh Illus-
nem ao menos para ver que feitio tinha, trssimo Sr. Capitao-mor Manoel Joze de
bem como fosse o mesmo Carapeba, que -----nrr*.--------------------------------------------
sendo incumbido pelo seu amigo denunci- clpou-se, e Ihes nao quiz de sorte algu-
ante para hir com urna mensagem como ma apparecer Mas nem por isso esca-
pessoa acreditada para os taes, elle des- pou de ser denunciado na cabera do rol.








a


1_-J---------


C1018)


Sequeira. m Joze de Albuquerque CavaK Porto 25, Paq. Ing. Eclipse, Com. C.
cante, Commandante interino. Griffen, passageiros Joaquim Antduio
Pinheiro, Luis Fernandes Carneiro Viei-
3. o ra encarregado de Despachos, Manoel
n Joze da Silveira, Jernimo Alves da bil-
C Ico sciente do que V. S. me parteci- va Pinheiro Viguerio, Joao Joze Barbo-
pa em seo officio en data de hoje. Dos za Bocaio, Doutor Joa5 Joaquim Pesta-
Guarde a V. S. P090 dos Patos 10 de na, e Fernndoda Cmara Leme.
Fevereiro de 1829. hh Ulustrissimo Sr. Dia 20. Cururipe ; 16 dias; S.
Capitao-mor Manoel Joze de Siqueira. ** S. Antonio Vencedor, M. Francisco Go-
Francisco Xavier Paes de Mello, Capi- mes de Figueredo, equip. 17, carga ma-
tao-mor Agregado. deira, a Bento Joze da Costa, passagew
N. B. V. S. como recebo oficio do ros Manoel de Motta, eJoao Ferreira da
Coronel Commandante da Expedido con- Costa. Porto de Galinhas ; 24 horas ;
tra os facciozos, sendo, que V. S. queira L. Cleopatra, M, Joaquim Goncalves, e-
se marche em seguimento delles tenho 50 quip. 7, carga caixas, ao mesmo M.
homens promptos e armados, tal e qual Unna ; 24 horas ; L. Dezengano Felis,
municao. M. Felis da Costa, equip. 8, carga cai-
Estavao reconhecidos. xas, a Joao de Carvalho Porto, passagei-
. "ro Luis Goncalves de Azevedo.
111 M Dia 21. Marseilles ; 44 dias ; B.
Leilao Sardo Ochword, M. Jacqvas Barbaurz,
equip! 10, carga gneros, a Lanera &
QUe pertendem fazer Luis Gomes Companhia, faz Quarentena de 6 dias.
Ferreira & Mansfield no dia Quarta *'. l
feira 25 do crrante mez pelas 11 horas S'ihidaSi
da manha de varias fazendas.
PerdeU-se. JL^Ia 19 dito. Londres, pelo Rio
NO dia 22 do crrante na Matriz de Grande do Norte ;" B. Ing. Bee, M. J.
S. Antonio de huma crianza que oi Campbell, equip. 11, em lastro, passa-
Batizar huns coraes de bracos cu jos sao geiro A. Helbert.
enfiados com contas de ouro e coraes mi- Dia 20. Rio Formozo ; S. The-
udos encarnados ; quem os tiver achado tes, M. Henrique Carneiro de Almeida,
bu algum ourives que lhe sejao offereci- equip. 11, em lastro, passageiros 1 es-
dos os podera' tomar para fazer delles en- cravo de Francisco de S. Santiago, Ma-
tiega na ra do Livramento ao entrar pa- noel 'Goncalves Vianna, e Joze Alvaro
ra a Penha sobrado D. 23 2. andar que da Silva Freir.
sera' gratificado generozamente.
Escravos Fgidos.
IZabel, boa estatura, seca do corpo,
e cor tula, levou vestido de xita roxa,
e pao azul : os aprehendedores levem-a
a Boa vista ra velha D. 39.

D
Noticia Martimas.
Entradas.
Dia 21. Benguella ; B.Trajano,
M. Manoel Francisco de Araujo, equip.
51, carga agoardente, e assucar. hh Ara-
cati ; S. Carlota, M. Antonio Rodrigues
de Souza, equip. 12, carga agoardente,
e assucar, passageiros Joao Antonio Soa-
res, o Reverendo Vigario Manoel Joa-
quim Ayres com suas manas, Joze Coe-
Iho Bastos sua Tia Maria Thereza do
Carmo e 3 escravos, Joao Antonio da
Cunha, e Joze Affonco com sua mulher
Maria das Neves, 5 filhos 5 escravas e 1
parda forra Luiza Maria. *h Rio de Ja-
neiro, e Bahia ; Paq. Ing. Eclipse, Com.
mmm)lk 19 do crrante. Falmouth, por C. Griffen, passageiros os mesmos que
Madeira : 38 dias ; trazendo da ultimo trouce.


jxr^^^o
Pernambuco na Tipografa de Diario.

- ..H'

mi-m.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFYBGPDPN_1J1N5G INGEST_TIME 2013-03-25T14:43:47Z PACKAGE AA00011611_00577
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES