Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00574


This item is only available as the following downloads:


Full Text
- : V -ti.
i
.\



Atino de 1820.


DIARIO DE PERNAMBUCO.
--
9ubcreve.6# na Tipo?rnfta do meimo Diarlo roa Direita N. e J67 1. andiretn mezes por 040reishuma folha
%n lahra todos os das atis.
'

I
I .
Sexta Fura 20 de JVovembro. S. Felis de Valois.


** -^W-
:. -
P reamar aos b^jninutos da tarde.
c

^Q^fQjmi


CORRESPONDENCIA.
Si
:
perador nunca se vio em estado de coac-
tan, pelo contrario os Povos bem longe
a3>\tk. Edktor. Logo que em Portu- de se insurgirem festejarao unnimes a
gal appureceo o grito da Constiluicao, o sua Regencia, e Delle receberao o impuU
Nosso Magnnimo Imperador cometo u a so, as iMsinuaces, as Orders a t qu O
desenvolver os sentimentos liberaes, que Acclamarao Imperador Constitucional, e
nimavao o seu Grande, e Generoso Co Perpetuo Defensor : ate em huma carta
racao. Apenas tinha apparecido este, ou particular escripia a seu Real Pai Elle se
aquelle escriptorj e ja' S. M. I. procla- nao esqueceo de emittir os principios libe-
mava aos Povos, que a Soberana Ihes raes, que O animao. Que relaraS pois
pertencia; que tinhao todo o dirito de tem o Brazil nestas circunstancias e as-
insurgir contra a oppressa ; que a von- sijn doutrinado pelo Soberano coin a< Mu.
tade geral hera a Ley Suprema de huma narquias da Europa, onde a maior parte
Naca.; que o Brazil devia ceders luzes dos Monarcas nao do seculo ; queliera do seu interesse, e palavra, que naseja dirigida a firmar a
necessidade emaueipar-se, e formar o no uullidade poltica dos Povos?
Vo Pacto social por meio de huma Cons- O escriptor, que no Brazil por sua
titui^a toda Brazileira ; que Elle so fi* devocao, ou fie impreifada se pro>ozer
cava no Brazil ; porque os Povos Hiere- dar cabo dos principios lber afea tem a ven-
queriao, que os nao desamparasse ; que cer duas inso pera veis diffi eulddes': hade
estes heraoos que o faziao Imperador, e lutar contra as luzes, e ideas dominantes
DeFensor Perpetuo ; finalmente que EHe do seculo, luzes espalhadas ate os conlius
nao quera para si nem mais, nem menos da Ierra, c hade combater a iofalivel (re-
do que Lhe osse marcado na Constituicao. ponderanci.i, e Voga, que ioil jbitavei-
Essas Proclamaces, essas Fallas, mntf tem gerado na opiuiao publica n:a
esses Decretos correm por todas asmaos ximas proferi desde o Prata at o Amazonas : ninguem Soberano. Regs ad exemphnn (diz o
ha, que ignore, que o Mesmo Soberano Texto sagrado) totus comt foi o Principal Chefe, e Promulgador das e e o Meu Monarca he o prinieiro a espa-
maximas Liberaes. A Constituicao, por/ lliar e aplaudir os principio* liberaes; que
Elleoffcrecida aos Povos, passou a firma- muito he, que en os repita, e sustente ?
las, como Leys fundamenlaes do Imperio^ Entretanto o Cruzeiro, e falso Amigo do
Leys juradas por Elle mesmo, e por todo Povo esfalfa o prelo, e a paciencia dos
Brazil. Que devemos ajuisar do Cru> letores para metter a le diculo, e correr a
zeiro, e Amigo do Povo nesta Provincia, esponja a todos oses principios. Elles
doAnalysta, Diario, e Jornal do Com andao pescando em quanto livro pdem
jnercio na Corte, quando pertendem des- descobrir propozices contrarias as don-
truir estas mesmas mximas, e fazer crer trinas do Seculo : as obra- (muito bem
aos Povos, qqe sao anrquicas, e revol- escriptasj do servilsimo Joze Agostinbo
tozas ? tem andado em bolaiuias : o filosofismo
Hecrivel, que o Soberano procla em papos de ara nha ; cono se o esputo
jnas&e a seus subditos insinandolhes dou- dos maldictos sofistas da Franca, princi*
triuas desorganizadoras ? O Nosso Im- pios pela maioi parte eucaminhadus a
f
m 1
**T*
#
T ..
^#U



)V \ ': .'.' ''..:- {ttf'3*

?isla a prosperidade da maioria da Nacao, T)Ei.a Administrado do Correio se faz
da quaJ todava nem desejo ser eonierido, 4^ Publico que o Paquete Nacional
a grandeza, integridaJe, e considerado Imperial Pedro fundiado nest Porto re-
do Imperio ; o amor, respeko, e obedi- gressa sem falta noI. de Dezembrfr
encia ao Soberano. Dominado des tes sen- para a Capital do Imperio tacando no*
timentos, .ojerrao farroupilha* crnn que; porto ja conhecidos: o mesmo achare
me br-itifla e*e* reptiz, so*, me provoca prompto a recber carga e passageiros e
rjso; sobejawdo para mtnfa desforra o na vespera athe as nove horas da nt>ite se
despresy e .-indignaba universal, em quo Methem carias, pagada que seja esta ho*
destruir a Religiao possao ter analoga vao encerrndo, e ate dos mesmos, que
com a Poltica, e aquellas mximas de os alugara.
Direito Natural escripias a face de Luiz 0 Magnetisado.
14 por hum Sabio, e virtuoso Biipo, Fe-
nelon, por hum profundo Montesquieu, e
analytico Condillac! Sr. Luiz Francisco Correa de Bruto.
Eti sei que em todas as cousas huma- |kT _
as pode haver excessos: sei, que ha' X^| Ao perca o que he seu por faUa de
maniacos de principios liberes, assim nome la* diz o adagio nh quem se queima /
como os ha' do absolutismo : roas a.vir- albos come n nao tenho expressoes com
tude consiste na mediana. Se eu depois que Ihe possa gabar a franquesa com que
de ler o Contracto Social de Rousseau, ou Vm. toma as carapu<^as : encapellou ?
a Educacao de hum Principe por Fen- Tenha paciencia ; a minha assignatura
Ion, e Diolago dos morros, e outros mu- jul^o que o doestou mais do que a supra-
|os desta naturesa .quizer logo levantar dita facadinha ; socegue, isto sao couzas
huma repblica no Brazil, sou hum gran- queja passarao, Vm. he que quiz dar
dissimo tollo com o contrapezo de desa- hum tavaco de louro cagao, pertenden*
vegonhado, e revoltoso: as&im taobein, do justifica r-se, acomulacao de outra as*
se eu ler a especie de Novela intitulada neira de exigir o meu verdadeiro nome,
nh Voz da Naturesa sobre a origem dos caso nao fosse algum degradado. Na5
Goveroos ** ou o Espectador Portuguez Sr., nao sou ; nem sou como, aquelle ta*
do Padre Macedo, e procurar estabelecer ful que furtava uvas no quintal da.Penha,
no Brazil actual hum Governo idntico e disso mesmo blasonara, de chapeo ar-
com q-de Fortugal, e Hespania, e mes mado, e casaca rota...... iembra-se ?
mo o fl Franca, e Inglaterra a creos Ora nao seja tollo: pois he para 'cornizo
respeitos ;. sou hum asno completo, adu que Vm. so farroupilha quer santifica r-se,
lador fedorento, e. perturbador, e contara historia da borradella ? Nao,
Estes os meu sentimento, ejulgb Vm, de ve offerecer a sua apologa ao res;
que sao idnticos com os dos verdadeifos peitavel Publico, a quem he responsavel
Liberes. Blasfemen) embora esses Pe* por suas accoes : por tanto arrange-a co.
riodicos, soprados pelos Mandoes da mo poder, ou pessa a quem Ihe faca f
Corte, e espalhados pelas Provincia*; porem nao minta ; porque sera' peor!
seja muito embora bem quistos dos Minis* Finalmente Vm. oque quer he nao ser>
teriaes ; porque he sorte da fraqueza falo da borradella, pois diga que quem o fez
mana estimar os que lizonjeao os nossos nao estava em seu juizo, e esta' tudo aca-
caprixos por mais desalisados, que ejao w bado : quem duvidava disto ? A res-
embora conten com-despachos seguros^ peito de proclama* de pulpito *h tem m
com bons Offieios, quando houverem de em quanto a ser mo Juiz do Povo, diga;
requerer ao Ministerio (se najo for% este hh como o poderia ser bom, quem foi fi-
engodo nao hav-iao Cruzeiros, Amigos do Ihe pouco obediente, irmao ingrato* amf-
Povo, Analistas &c> em quanto eu, que go desleal, e finalmente huma figura de
nem aspiro a Escrivao de Juiz de Paz, e Manipanco muito feio, e muito tollo ?
faco do meu Soberano mais grave con- Adeus Sr. Brttto ja' Ihe disse, que
ceito de prudencia, inteireza, e sabedo* nao mecha muito: eu sou
ria, fugirei de querer lisonjear o Monar* Hum que nao borrou o Retrato Reah
ca fe muito menos os ulicos) e igual- __- q
mente de hir deaccordo com os sentrnen-
toldos liberes exaltados; tendo so em Correio.
J
*. >


M*-
i ii h
(1003)
/
t se proceder' immeditment ai fechar
-as malas, ficando fora todas as que che*
garem depois.
Avizos Particulares.
POr virtude de urna Ordem do Tri*
bunal do Excbequer de Inglaterra,
da data de 17 de Maio de 1827, pela
^ual he comettido a Richard?, EsCudei-*
ro, un dos Master do dilo Tribunal, o
indagar, averiguar, e relatar ao Tribu-
nal' tvuaes' era o os legitimo Donos, ou
Proprietarios (cujas reclamaco chao na5 satisfeitas ) da Carga do Navio
Mrquez de Pomhal, taobem denominado
Europa, que deu a vela de Pernambnco
em dias de Mar^o de 1817, e que foi ca
pturado por Pirata6! a 26 do referido mez,
e que foi depois a praia, e encalhou em
Nassau-, h'ew Prorirfence, as Ilhas de
Bahama ; isto ao tempo, ern que o Na-
vio foi capturado, e nauragou ; e quem
sao hoje os legtimos Reprezentantes pes
Soaes daquelles dos referidos rinos, ou
Proprietarios, que hoje se achem niutos :
Se faz pelo prezente saber a todas as
pessoas, que erao ao tempo que o referi-
do Navio varou, e se perdeu, legtimos
donos, ou Proprietario de algunas das
Fazendas, que fazao parte da Carga do
sobre dito Navio, e a<>s ligifimos Repre-
zentantes pessoas dos que hoje se achem
mortos, que antes, ou ate* o\dia 5 de Fe
veriro de 1830, por ses Sol lidiadores,
comparecao, e provem ante o dito MH
pie em Londres, as siias respectivas Re-
clamacoes ; aliar se rao excluidos do be-
neficio da referida Ordm.
Todo o interessado, que carecer de
ulteriores explicacoes, pode dirigi.r-se
gum comprem quaesquer bens a Germa*
no Antonio Alves morador na ra do Ro*
zario da Boa Vista, por quanto traz plei*
to Judicial com tra o dito pelo Juizo de
Fora com a pena de se julgar a venda
nulla, e de nenhum efeito athe desiza do
Julgado e Sentenciado da mesma cauza.
Quem percizar do prestimo de huma
Senhora ( branca ) para os arranjos in-
ternos de huma caza: procure em Fora
de Portas ha quarta caza da Intendencia
da Mari n ha, que la9 vera' a anunciante,
e tractara' as condicoes.
Vende-se,
.
M bom Cavaljo, carregador, e pas1-
eiro : no Mundo Novo caza N-
Em Londres
Em Lisboa
No Porto
a Joze Van Zeller
a F. & H, Van ZeU
ler & Companhia
a F. Van Zeller &
Companhia
Em Perhambuco a Joze Antonio d' O-
livra.
Para atojmento de negros novos a
caza N. 50 na ra da Cadeia do Reci-
e, quem se quizer utilizar dirjanse ao
seu Administrador Antonio Fernandes
de Azevedo morador na msma ra Caza
N. 14, ouao sitio doCanatreiroadi-
ante do Hospicio.
A vlnva Afina Francisca, faz sciefi-
te ao respcitavel publico que de niodo al-
JMLse
198.
Hum cazl de escravos de boa figu*
ra, ja feitos a trra, no trabalho d cam-
po, setn vicios, de idade de 25 a 26 ali-
os, dogentio de Anguila ; no Trapixe
da Alfandega Velha.
No Aiinzeni novo da ruado Roza-
rio D. 14, o seguinte
Vinho multo velho do Porto Feitoria ca-
ada 1,280, gar. 160
Dito de Lisboa rnuito
bom can. 960, gr* 120
Dito de dito can. 800, gar 100
Mantega nova milito superior libra 360
Caffe do Rit superior 120
Dito 100
Azeite do Porto muto bom can. 1760
gar. 240
Agoardente do Reino caada 1,600,
gar. 240
Gehebra de Ola oda 240
Toucinho muito bom lib. 140
Vinho muscatel portuguez gar. 2$0
Prezuntos de Lamego quartos 220
Paios de Castella duzia 2,300
Espramacete de 4, 5, e 6, em lib. 400
Cha penda de superior qualidade
libra 1100
Dito Isson, libra 1000
Papel almaco primeira sorte resma 2600
Dito seguida sorte > 2200
Dito de pezo, resma 3600
Licores de todas as qualidades chegados
ltimamente de Lisboa por grecos cmo-
dos.
Pianos bons por precos cmodos ; n
ra da Cruz N. 33, na mesma dezeja-
se fallar com o Sur. Antonio Joze Pinto,
fflho-dO Snr. Bernardo Joze Pinto.
Na loja tie Joze Ignacio, defront* do


MM
.....V ..i.
Til" ni






0004)
Cole-io, col!e9oes inteiras dos nmeros cor, feicoes midas, olho*; vivos barba
da Luz Brazileira, viuda do Rio de Ja- feichada, calca e cam.za debr m, temo
neiro; e advertirse aos compradores que fficio decaneeiro, ""*g jf0*.
s se vender ascollecoes inteiras, e nao aimos de idade, $^"wJ2i de uu
nmeros avulsos tuvro ultimo : os aprehendedores leven o
numeos avulsos ^ ^^ da ^ fmde esla, 5
Jjeila / Botequim na ra do Colejo, que serao
aE pertendem fazer Jolmston bem recompensados. 30 annos
Pater & Compaohia, de diversas Prudencio, de ^^Jg
fazendas limpas e avariadas, no dia Sex* mediana estatura, fulo,^comJU a de 1 um
ta feira 20 do correte pelas 10 horas da ou mais dente, na frente *^ *
manhaa, na caza de sua rezidencia ra no queixo, ftgidoirodm 10 J*~
do Vicario N 7. bro : os aprehendedores leyendo a seu
do Vigano JN. /. d^ na riur ^ Cadeia peff&dQ a caza d>
ViagenS. defunto Dezembargador Parias que sera
)Ara o Cear coui a brevidade possi- bem recompensado,
vel, o Brigue S. Manuel/ quein nel-
iTquizer carrejar ou hir de passagem
( inclusivamente para a Pititinga, Tou-
ros, Calcara, e Ass ) dirija-se a Bento
Joze da Costa, ou ao Capitao Joao Ma*
noel Al ves.
Arrenda-se.

*

.

H,
Noticias Martimas.
Entradas.

>


17 rln rorrete. Anguila ; 27
Oa toda a Festa do Natal, huma ca- das, E. Mana Gertrudis; M. <**



huma familia grande, e arranjo para ca
vallo, quem a pertender entenda-se com
Joao. Goncalves Rodrigues Franca, em
Fora de Portas caza N. 42, o*na In-
tendencia da Mariuha das 9 horas da ma-
nhaa, as 2 da tarde. -
ro Jacinto Falcao Murzello de Mendon-
ca Doutor e Juiz de Fora.
Sahidas.



Alluga-se.
]A i/, Bahia, e Rio de Janeiro;
B. Hol. Antnerps Welvaren, M. N.
Peters, equip. 12, em lastro, passageiros
C.Primeiro andar da caza de 3 anda- Joze Fabia Daltro Barreto, Claudio
Jres no aterro da Boa Vista, por cima Manuel da Costa, Antonio Garca da
da loja de fazendas, quem o pertender di- Rocha Vasconcelos Montenegro, Joze
rijai a mesma loja. Garcez da Rocha V asconcellos Monten*
J J gro e \ criado, \ ceiile Ferreira Alves
PerdeU-SC los Santos, Joao Antonio de Vatconcel-
lus, Antonio Goncalves Martin* e 1 cria-
E" M Setembru leseado huma espora de do, D. Francisco Baltizar da Silva An-
correntes, edebompezo na estrada tanio Gomes Villaca el e-cr.ivu, rmn*
dosAfhtos perto da Igreja; quem a a- cisco Joze Pereira de Alboquerque e 1
chou, e quizar restituir lvela na ra do criado, Andre Pereira Lima el criado.
Ranel em caza do Almoxarife do tos* Manoel Joze Espinla e criado, Pedro
pital Militar que receber seo axado. da Silva Marques e I criado, Li z

Gonzaga Pao Brasil* Joze Vieira Rodri-
gues Carvalho, Bernardino Fe reir Pi-
D
Escravos Fgidos. $^0 do Sacramento Bra*
Ominos, nacao Rengela, seco do ner Guardiao do Convento de S. Fran^
corpo, boa altura, bastante dreto da cisco da Villa de Sennhem e 1 criado.
*>
Eernambuc*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMSJXQE1P_86B5E9 INGEST_TIME 2013-03-25T12:52:53Z PACKAGE AA00011611_00574
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES