Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00564


This item is only available as the following downloads:


Full Text
u T
mtek
NV 241

.-;,


iitfo r/,9 1829.


Di ARO DE PERNAMBUCO.

U SSK^SSf d me>m D*f ** *' e A. W- ez por C<0r.i.kanit foIha
S
cunda Feira 9 deNovemrro. S. Theodoro M.
Preumar as 3 horas e 42 minutos da tarde.
Mfc-

-A *
T

. CORRESPONDENCIA. nada, s<5 com 1|llma monfanha de
$Xr. Edictor. ~ Quanto mais hin. f execra?a5 Pub"ca> "laiordo que o Cim
Lombriga, a^SRKSa eXe80bqruearfib:ft!flCabrCnha: he
o Lombriga, e mais pat.farias encontr Ete o Bjtpado1 iS*" Sempre
no Lombriga. A vista do s-rande ervi .,,1" r "lsPano do. batuca ; mas esse
bnndo-nos todas as maroteiras, e Crimea eoma*j*"uSZ 1 ^
a Columna, quena llavera nue dpflfrnHa r. i wMungimino.
es,es bobos ? O Povn .!' 1&SJT QU<" P^**' S"r- E'lict0r' Xi"
vlaemcu.dados: 1&%* ^bSSLTSU tt ^ *
jolgava multas veZes seos inimigos, da KE^iSflLlF^ qUe*
Constituido, do Soberano homens oue simhm *"stltmao ? As
nao bra a aquel cova de Sa^se Zu T/ / '* h"m ap0'O0 > *r~
nao para os observar, e por sciente de t SS^SE^TTC 5?' T"
do a queni competa. Como na3 incbava ha "Jwi. Antonio Vilas Boas, Joaquim Berna, mi d^Se^o?rtt1 S P
In5 ? I""; ^i'O'"f T""ne' e Joa3 Lombriguera hera o W"aih,f
.mar o brioso Chefc, que L, ali se in- iffi V^S^df^r^
trod.rn.rao para observar todos os passos, particulares, Campos, *," cap
paruc.p.raS. L. oS.r. Antero; como barbeiro, o caxorrinho dorue Farizeo
nao padece duv.dav.sta as contas, que de notabilsima recordacaf lolto de
o.nesmo Excellent.ss.mo Snr. deo ; por barco, ama secca, e ate oPinZTot
que, como bem pondera o Somnmbulo, Conirrewca o x Prn^,T -
rm conhece o Snr. Anterojura, qu .HJHRi o forra.T no 'coSse"
esse Chefe honrad.ss.mo nao hera capaz vindo de Major do Batalha dos mi
depassarahum procedimento talsemes- ques
tar bem e miudamente informado do ne- Estes, e outros bisborrias desta esto-
gocio: forte op.o meu Lombriga, forte fa hera os que ultmamete comounnls
mond te armara os Constitucionaes! E a abortada Cnl.,mT '" cm.Pu,n^
ta espertinho, ,a5 resva.adico cahiste na Sm?C ?!& ttS
atoe.rar Para que te fiaste as susgastes bulo ) que os Officiaes PSperire que
Par? ^a"C0 ti a0te de S- PaU a,i foS mettidos, entrarao fara co hecer
Para oue acredita, e as paparrotices a sucia; o Snr. Tenente Coronel ThZ
t"l'L QuTenasnalvz,''nacommen. mas Antonio, esse ainda foi ma"s decsi
1 h! "' ,'Spad?a C^?la d m' V0 : fi a Primeira "** e nao vena
gue de tantas vict.mas? F.caste sem aUpela maior parte, se n taberuelros


(962)

lapuzes, oPapaalgodao fazendo noezu*
ras, corcovando-se, e dando rsadinhas de
Joze Espada, Lombriga lambido, como
hura fillio de rato, todo espivitado, sol-
tando empolas de pedantismo, a que elle
chama eloquencia ; o Scriba, empantur-
rado, so estirando hum olho cubi^oso pa-
ra asalgibeiras dos irmaos mezarios, Zu-
za com riso sardnico, talvez enfrascado
na capa dos pasaos, que arvorou era sobre
cazaca Domingueira, sobre casaca de ve-
neranda idade, o diarrea locutoria por
alcunha Juiz do Povo; o marchante ra-
bolista, que depois de esfolar bois em S.
Anlao, veio rsolar asalgibeiras das des-
grac,adas partes neste Recife ; vendo |>o
is a semeihante mascarada ; foi se man-
dando mudar, chegou-se ao Exeellentis-
simo Snr. Antero : muito cedo voltou V.
S. ( parece-me, que estou ouvindo aquel-
le Snr. ) Ora ( tal vez respndese aqurl-
le ) napude la' parar nao vi se nao taj
berneiros, e gente tal, que estando eu
aniii a 5 annns. nunca taes figuras vi por
essas mas : aquillo he sucia de peralvi-
llios t* e nunca mais la foi.
Que riso nao merecem hoje os pala-
vrorios do nojentissimo Cruzeiro, e seu
lacaio o muleque Amiguixo, exaltando a
alta jerarqua da gente da Columna !
Quem ha de louvar a noiva ? Bem como
certas mais de bom humor, que tendo du-
as, ou tres filhas cubicadas do rapazio,
em cujas cazas os rnfioes sao effectivos, e
parecem mal assombradas, mais emfim
sogras de todo o mundo: mas que em en-
trando novo pertendentea prmeira cousa
de que tractao essas reverendacas he ga-
bar a honra das suas* meninas, puras, co-
180 huns anjinhos ; assim o Lombriga
uos quera iropingir por fina porcolana,
por gente preciosa hum punhado de ba-
damecos velhacos como todos os diabos.
Defensores da Reiigiao nao cessa o Lom-
briga de chamar aos seus filhinhos da pa-
til'aria, aos seus Columninhas : e a Reli-
giao mandara1 por barriz de plvora as
casas do seu prximo, de seus irmaos em
J, Ch risto para os fazer voar ? Di rao,
qnp he mentira ? Todo o mundo deve dar
mais crdito aos Snrs. apontados pelo
Somnmbulo, como testemunhas, do que
ao Papa algoda, ao Se riba, ao Lombri-
ga, &c. &c.
Que corja Que canalha Que pe*-
1e.se estava arranjando nesta Praca O'
Lombriga infernal, sume-te ahi por l-
gum monturo: hypocrita, desappareca
do meio dos homens. O Imperador man-
dn que fizessem morrer o Deao, e tao
grande numero de familias vizinhas da
casa deste ? O Imperador determinou-te
que arranjasses huma Sociedade cuja di*
visa fosse varrao-se das nossas ideas
asexpressoes de Constituicao ? Treme,
Lombriga, tremei captivos, revoltosos, e
assassinos: se aqui o Snr. Ouvidor do
crime, ou vos tem protegido, ou concor-
rkio para a queda da actual Constituicao,
e he mudo espectador de tantos escnda-
los, S. M. I. tomara' em grande consi-
dera cao o clamor universal dos Escripto-
res, as representacoes de alguns Ci dadaos
honrados, tudo de accordo com as con tas
do Excel lentissimo Snr. Governador das
Armas: tremei sm ; porque nem vos
pensis o devido crdito, queao Soberano
merece esse honrado, e integerrimo Ge-
neral.
Em vao o pertendesieis angariar pa*
ra o vos<> partido, em vao o vosso malva-
do Cruzeiro, e Amiguixo he teeerao con-
tinuos louvores, mais arrancados pelo
medo, do que por amor, que lhe lenhae*:
vos hoje lhe beberieis o sangue, se podes-
seis: mas aquelle mmortal Governador
lie muito nosso, peitence, e he Chefe dos
farroupilhas, sto he ; dos Constituciona-
es e nao cessaremos de cantar em vos-:
fio desdouro
Cambada Columna
Que queris vos ?
O invicto Antero,
Isso he ca' para nos
Estribil ho
Isso he c para nos,
Isso he c para nos,
Bacalho, e ferros;
Isso he la para vos.
Com eFito grandes, e raras cousas
apparecem de vez em quando nesta Pro-
vincia Parece, que he a trra Brazi
leira mais perseguida de quilombos ; po-
rem gracas a Providencia : energa do
Governo se deve a extincao do de Ma-
lunguinho, ao zelo do Excellentissimo
Snr. Antero devemos o desbarato do qu^
lombo do Lombriga: por isso os dous
queria-se tanto! Louvoures, e agrade-
ciraentos pblicos seja dados aos Snrs.
Tenentes Coronis Thomas Antonio, e
Joaquim Bernardo, e aos Snrs. Majores
Thome, e Joau Joze, que fiis aos seu
sagrados juramentos inteirarao de tudo ?

<

_

>


(969)

\


r>
S. E. i os Constituetonaes olhavao para
estes Snrs. com suspeita, e ja nao pouca
nd'gnacao: justo he, que se Ihes restitua
o crdito : nem se diga, que el les forao
traidores : traidores seriao elles se assitn
nao procedessem, ppjs que herao obriza."
dos a dcscobrir ao sen Chefe a ruina, que
ali se projectava contra o systema Consti-
tucional, jurado pelo Soberano, por elles
rnesmos, e por toda a Nacao.
Cruzeiro do mo ladrao, Amiguixo
da espelunca dos assassinos, que diris ?
Quem mais vos acreditar ? Que he da
gente honrada, e gente de reputaca, e
prob'dade do vosso partido ? Hu.ni antro
de ferai, onde se condenpnava a morte
tanta* familias, descuidadas, hera a So-
ciedade dos amantes da ordem ? Huma
cahiida, onde nem se podia ouvir a pala*
yra Constitualo hera a sustentculo do
Throno, e das Authoridades ? Mas ah !
nos Conslitucionacs temos por devisa a
generosidade ; vos proyectando assassini-
os, e ruii:::s, maquinando a destruicao
da L nos ameacaveis com a forca, que so vos
merecis; nos a vista de vossos crimes
nao vos dse jo naos amorte, nem mesroo,
que huma rigorosa devassa tome conheci-
n opprobwio, de que se devem cobrir os vos-
sos nomes : bastadnos a vossa propria con-
fuzao, e sub ja va-nos o vosso arrependi-
ment, se delle fosseis capazes. Conhe-
<;a o Braz i, conheca o Immortal Pedro
1 c que pm 1829 houve nesta Provincia
huma malvada Sociedade, tal vez soprada
por alguns Mandes da Corte para derru-
bar a Constiluicao, e derramar o sangue
de seus Con cid a daos, enchendo de luto,
de pranto, e estragos o seio da Patria.
O Magnetizado.
<
Avizos Particulares.
JOa&uim Goncalves Bastos morador
na ra do Livramento, tendo tido no
.Diario n.c 238 de 6 do corrente mes.
artigo avizos particulares, h,um anuncio
d'izendo que H Joaqnim Goncalves Re-
te S e com pan Wa faz a scient^ que a sua
rifa nao podia correr com a do Seaunar
ro de Olinda rpelo pouco lempo, que res-
ta para extracaG dos bilhetes w declara
que 1nt* anuncio nao mande ia-zer por
imC ter nenhuma rifa .que hovesse de cor-
rer com tal Lotera,e por is6o nao respon-
sabiliza pelo importe dos bilhetes que
ajam de se ter vendido de baixo aoseu
nome.
O Agente do Correio da Villa de S.
Antao ariza ao respeital Publico que pre-
sentemente se achao criados Correios da
quella Villa para esta Cidade o qual fa
a sua saida daquella Villa em todos os di?
as Tercas feiras de cada semana e volta
desta Cidade aos dias Quinta.teira impre-
tenvel mente.
O Cirurgiao e Dentista Italiano, faz
scienteao respei'avel publico, que nao
obstante o anuncio do Diario de 29 de A-
gosto, e do Cruzeiro de 2 de Septembro
p. p. tem determinado demorar-se por
mais algum tempo em consequencia do
milito que tem tido que f ;zer pela sua ar-
te, igualmente faz sciente que agora tem
a sua moradia na ra da Sanzala nova,
junto ao Porto das canoas N. 3 15, I.
andar, assim todas as pessoas que se qui
zerem utilizar doseu presumo queirao di-
rigir--se a 83SS8S& casa.
Em dias de Selembro on Outubro de
1825 deo. Jobo Antonio da Silva Castro
hum relojo para conseriar, e retirou-se
para oCear sem o procurar: o Sr. Re-
loj otii o a quem fcsse dado esse relojo,
querendo-o restituir, dirjanse a ra da
Madre de Dos no sobrado junto a torre
da mesma. Igreja ou anuncie por este Dia-
rio para ser procurado na certeza de que
ser pago do-concert.
Arrematares.
ARnEMATA-se em Praca por arrenda*
ment a quem mais der huma mora-
da de caza de tres andares com loje, na
Praca da Uuiao beco da Po" D. 5, pelo
Juizo do Civel em Palacio velho nos dias
12, 19, e 26*do correte mez.
Arrenda-se.
HUma caza com seo quintal decapim
e algumas mais plantas, na Fregu
zia do Poco da Panel la lugar do Montei-
ro* coiTO bom banho : o Monteiro na
venda de sima da ponte.
ABuga-'Se.
HPma preta quitandeira: no Bote
quim da ra Nova.
Huma canoa de carreira : no mesma
Botequim.


ir.**'



/
*
(964)
p i'
o

no-j): r Compra-se
jiI. tofato de.Cataoisuao de Mont-
'pelhir; ou toda a obra estando em
fr&'uzo: na ra da Cadeia velha loje
de Antonio Jze Lopes de Albuquerque.

Vende-se.
Destila9ao sita na Boa-vista ao pe
>da serrara de vapor, com todos os
Alambiques, eutencilios na mellior or-
dem, e prompto para Fabricar duas pi-
pas de agoa arden te por dia, a prazo, ou
da maneira que se ajustar, na caza pega*
da a serrara na ra da vira<;ao te pode e-
xaminar este til estabeleciment a vista
do Inventario ; tabem se acha a venda
no mcsmo lugar huma porco de costado
de amarello.
Huma escrava moca, boa figura,
costureira, engomadeira, cozinheira, e
era vtcio nem molestia alguma, para fo-
ra d a Provincia : na Pracinha do Livra-
ment sobrado de 2 aodares D. 21.
Boa farinha de mandioca a cinco
^jctoav-aa u aiuucuc uu xuaoi ipiuiiu 11 t Isl-
illa Jnior Braga & Compauhia, junto ao
Arco de Santo Antonio.
Huma venda no Afogado com pou-
eos fundos : na caza do despacho das a-
goas ardentes no mesmo lugar.
Huma negra de boa figura, engoma-
deira, e com huma cria de 2 mezes : na
ra da Cruz por detras do Corpo Santo
em cazado Padre Ignacio Francisco dos
Santos.
Huma negra moca sem vicio algum:
-na Boa-vista beco do quiabo D. 6.
ao Capitao na ra da Sanzala velha, ca-
za N. 43, 2. <=> andar.

Primeiro oa. i 1
Premios saludos na primeva parte t la sex-
ta Lotera < lo Seminario.
. Premios grandes.
N." Prem. N." Prem, N." Prem. A
574 100# 1579 20$ 3095 96^ 1
999 40# 797 50$ . 4
1181 400# 2173 20$ m
Premios de 8g000 rs.
N . N." N." N. N.os N."
8 623 1068 1567 2229 2830
108 58 105 8 47 8 l
12 60 53 70 66 57
215 88 77 95 90 78 i
32 710 86 637 311 90
86 1 273 93 75 97 >,
320 43 87 72i 434 47
31 82 310 42 65 3002
63 6 39 98 80 14 f
7 815 42 900 574 49
nn -O 105
15 36 66 70 8 205 i
24 72 72 2021 46 7
41 909 88 52 60 319
50 50 99 55 71 454
68 72 415 70 99
78 6 35 84 719
549 85 46 99 44
86 1038 89 219 60 .
602 55 528 24 815 ^
*
Viag-ens.
PAra o Rio Grande do Norte sahir
impreterivelmente athe o dia 20 do
corren te mez, o Brigue Prezidente, Ca-
pitao Joaquim Antunes de Souza ; quem
n'elle quizer carregarou hir de passagem,
dirija-se ao dito Capitao, ou a Antonio
Joze de Amorim.
Segu viagem para Lisboa at 15 de
Dezembro a Gallera Thalia, quem n'ella
quizer carregar, ou ir de passagem, (po-
is tem muito bons cmodos^) dirija-se a
seu Consignario Joaquim Pereira deMen-
donea defronte da Cada, caza D. 7, ou
Noticias Martimas.
Sahidas.
J^JIa 5 do corrente. Bahia; S. De-
fensora, M. Fernando Anis da Rocha, e-
quip. II, carga azeite doce, e farinha de
trigo, passageiros Joa5 Ignacio Ribeiro,
Joze Antonio, Joze Antonio de Souza e
1 escravo, Manoel Rodrigues Gomes de
Souza e 4 escravos no vos com guia, MaJ
noel MendesdeCarvalho, Joze Machado,
Fr. Francisco de S. Joze Magalhans,
Domingos Joze Gonsalves Vianna, eA-
maro da Silva Neveg. Assu ; B. E.
Silvana, M. Joaquim Francisco da Silva,
equip. 17.

*t
Permml/uc na Tipografa do J)< rio.
i

y *-
i
,rr -..--**.-. -
, I < -
r~m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6TBIODT3_PEZQG1 INGEST_TIME 2013-03-25T15:14:02Z PACKAGE AA00011611_00564
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES