Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00521


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mmm
"
2-25

A nao de 18*29.



DIARIO DE PERNAMBCO.



*ub*#?-s na Tipografa do raesrao Diario roa Dlreita N. 7 1. andarera mezes por 640 reishum falta
que sahir :udos os dial oteii.

Ter$a Feira 20 de Otbro. fk Joao Cando.
-"

freamar as 11 horas e 12 minutos da manka.



e*

Si
CORRESPONDENCIA.
&Nr. Edictor. 'No oSuuy do Poyo
N. 19, ou Peridico da ma de finados
vem huma carta, qua sendo dos Redacto-
res ; porque lodo o mulo lhes conhece o
estillo, dis-se de hum Amigo da tranqui-
lidade publica. Muita somma de perver-
sida.de he precisa para que Escriptores
Pblicos, e alguns delles Ministros do
Altaromema yergoiihosa tarefa de de-
nunciantes, de accusadores rancorosos de
liomens, que estando alguns sentenciados
a morte, tinhao de subir ao patbulo, se
fossem procurados, e prezos H muito
que o Cruzeiro, e oSiuiy do Povo des' os
seus primeiros N.09' se encarregarao de
accusadores gratuitos dos prezo* pela de-
vass da pasquinada. Todo o homem sa-
be, qHe hum prezo por mais crimiuozo
que :>eja, he huma pessoa sagrada, e que
nao deve qfrer o despiezo affecto ao cri-
me, senao depois de ouvido, convencido,
e sentenciado. E que conceito se de ve
fazer de Sacerdotes Christaos, que de sua
alta recreaca5; por espontanea mal vade-
za tomao o brbaro prazer de aecusar, de
argir, de corroborar as suspeitas do cri-
mepara de certo modo preparar contra
elles a opiniao publica, e abrir caminho a
condemnacao Judiciaria ? Que detrimen-
to pessoal lhes cauzara esses seus Conci-
dadaos.
Eu nao deendo, nem crimino esses
Srs. prezos; suponhamos que; porque
naosei, se sao innocentes, ou culpados,
a Justina confrontando ospontos, e ar-
gumentos de aecusac,ao com os da sua de-
feza he, que os deve condemnar, ou ab-
solver : eis aonde se extendem os princi
pios da minha moral: escrever contra el-
les, lembrar erros passados, produzir ar-
rumen tos de criminacao, perseguilos em
fim sobre o motivo da sua prizau he sem
duvida fazer o infame papel de aecuza-
dor, e conseguintcinente declarar guerra
a Caridade Chrislaa. Rusquern aquellos
Reverendos Redactores as ressursas, que
quizerem, cubrao-se do escudo de ze!o
pela estabelidade do Imperio, o qual ten-
do o Augusto Deffensor, que tem, tanto
precisa do auxilio desses titiles, como hum
Leao podei carecer de saguins para o
sn-apiitarem : nao nodem defender-sedes^
te argumento Ou os prezos sao culpa-
dos, ou innocentes : se sao culpados ; a
Authoridade competente, que lhes appli-
que a Ley, e os condemne ; e he falta de
caridade nos Redactores, pessoas extra-
nhas a questao, pessoas que em nada fo-
rao ofendidaa, servir de accusadores, e
quaze de carrascos; se sao innocentes;
nao ha perversos, que se possa comparar
aos Redactores.
Mas aquelles Jovens tem mostrado e-
videntemente a sua innocencia a este res-
peito : a defeza, que produzirao, o exa-
me que fazem dos depoimritos das teste*
munhas levao ao ultimo grao de certeza,
que estao hmpos de toda a culpa, que se
lhes imputa : e a vista de pro vas tao con-
vincentes, que execrac,a publica naome-
recem >esses Escriptores, e dous d'elles
Padres, que se constitu rao verdugos, e
ceusadoros destes prezos ? Que Religi-
aoheadestes Sacerdotes intrigantes, e
sanguinarios ? Em que mxima do E-
vangelho encontrarao, que devia ser per-
seguidores de seu prximo, que elles bem
sabem, sao innocentes nessa materia ?
Pregao a Religiao, copiao sermoens in-
teiros as suas gazetas, blasfemao contra*
os inimigos do Altar ; e do Altar passao
muitas vezes aos seus gabinetes para ac-
cuzar por escriptos pblicos a Brazileiroe,
seus Patricjos, a homens seus limaos ?
T~


,-JT-,
wmt



(902)
Supponhamos, que os reos denunci- qual se vai creando no Brazil huma cas
artos pelo caritativo Amigo da tranquili- sft toda privilegiada de Fguroes, Dezem-
dacle publica existen) realmente nos lu- bargadores, &c. que ludo arranjarao a
gares, que este bello Si*, denuncia as Au~ seu geito, adoptara o desgrasado plano
thoridades ; supponhamos, que estas des de injuriar a quantos conhecem de senti-
perladas por este Peridico delator, dao meatos contrarios : e para levarem ao fim
providencias, espalha ordens, e vem a as suas perteneces tem lanzado mao dos
*er prezo hum dos sentenciados a morte, meios mais indignos, indecorosos, e in-
e que cliega a cumprir a fatal sentencia ; justos. Desacreditar, insultar, accusar
quem judou a lvalo o patbulo, nao o partido opposto tem sido todo o sen dis-
forao aquelles Redactores ? Os Sacerdo- velo ; e como enteudem (com rasao) que
tes, queeugendra esse Peridico, nao os amantes da actual Constituicao, eal!
licariao irregulares ? Decidao os Srs. Mo- guns demagogos, que tal vez por ahi ain]
racistas: se o Ecclesiastico, que jura em da existao, nao podem hir de accordo
caso de moi te, tica irregular ; porque pa- com as suas mximas ; aquelles por que
ra ella concorre, ainda que indirectamen- querem ajusta mediana, estes porque
te, o que acensa, e denuncia o sentencia- 1 lies sao diametralmeste oppostos ; co-
do de pena ultima, que vive oragido, pa- indem ludo, medem todos pela mesraa
rece, que deve estar no mesmo caso. fleira, e amigo da actual Constituicao he
Negara a ps juntos, que tal carta demagogo, e por consequencia victima
nao he producao sua : mas ainda que as- de seus insultos, de seus baldoes, e intri
him seja, coopera rao para a denuncia ; gas_
por quanto quando esse malvado, amigo Errados em sua poltica, desgeitozos
tidvez da tranquilidade, mas inimigo do na e*ecucaodo olano. elles nao reflectil
seu prximo, llies levou essa horrivel cor- rao, que o exemplo he o primeir, e prin-
respondencia ; deviao responder-lhe cipal estelo de qualquer doutriiia : liypo-
Monstro, nao ven has tornar o pulso ao critas comecarao porsedizerem Christaos
nosso carcter : nos somos Sacerdote*, e velhos, homens da fe do carvoeiro, Vsj
que o na5 roamos, nao deve o nosso Pe- tentculo da Religiao, e do Throno, e
riodieo, ser o vehculo de semelhantes n mesmo momento, nos mesmos Prio;
denuncias Nos nao queremos sa- dicos accendem o faxo da discordia, ata-
ber, se esses homens existem, ou cao a honra, derramao toda a enxorrada
nao na Provincia : nada temos com isto. das descomposturas mais peconhentas, es-
Vai, carrasco de teus Patricios levar essa tabefecem huma especie de circo de gla-
denuncia as Authoridades, que tomarao diadores Gazeteiros, invectiva5, denun-
oa teus ditos na cofltfi'deracfto, que mere- ciao, aecn^ao, epareeem inspirados pelas
cem: -rnfe so* nos assenta instruir com tunas. Desacreditarao-se completamen-
mederacao, pregar a doutrma d Jezus te ; chamarao sobre si huma maca de n*
Cmrttfro com a palavia, e o exempto, dignaca g- ral, que excede a todo o en-
obedferrcra as Ley*, &c. &c. ** Isto he 6 carecimento. En a rao a marcha ; pois
que deverao fazer esses Padrea Redactte*, pata acertare, e grngearem tal vez al-
aimfo no caso de ha ver htui Irtrftti ta!5 giti partido attendivel, hera mister, que
desalmado, que Ibes levaste para ftprl- seguissetfi fraln camuilo inteiramente
mir tftaeNftinte denuncia. cdnra o. DeclararaoVse defeusores ace 4
Sr. Edictor, con-fato-He, que e rittos das Autrioridides ; sahem a campo
desconlteckrts : mas a htitnHiifttedte a res- Magistrado Honradi-.sitno, e nCorruptivel,
peilu dte primeifos, e a Jttftiea, e ittnO- nao va i de accordo com a 'parid i I ha,, per-
chara a respeilo dos Segttndo* me exci- d todds os respe toa de Magistrado e os
tafao estas reflexdes. Os Redactores b antagonistas dos firrodpilhas, os Cava-
AttJeiro, e t&mty do Povo, tendidos Iheiros Redactores do Santo Cruzeiro, e
rSt0Grac4a, isto he, UbblhfKto ptfra Misionario oJfittt'y tornarao-se farroupi-
(ue a otistttt^a6 Jeja reformada, red- llfs { hoc) quero dizer; tem does-
8
^hdo^e ?. g. a Carta rfeFrah^a, qtie tadb aqtrlle ihtegerrimo Ministro nao
ft CoiisiltirtcaS de tarrtexa, eih^rtiide da nau pwwa, msate na de seu respei-


i-
.-r : i" '
MiiTiTf
..Mi-
li .....
tayel Pai, homem. de conhecida honra, drecerem as corpulencias, pela maior par-
e Brazileiro de nao vulgar saber. Isto te cabreiros, e completamente malcrea-
nao sao calumnias, armas favoritas des- dos. Toda a Provincia em pezo, a gen-
ses Srs. sao cousas escripias n'aquelles temis sizuda detesta as doutrinas desses
Peridicos em bom tom, e a todo o mun- dous Peridicos enredadores : os Europe-
do prezentadaa. os de boa educado, e grandes posses, a
Sao desgeitosos ( oulra vez digo ) mesma Rapaziada do Commercio, pe/a
porque se conheces^em a naturesa do co- maior parte nascidos em Portugal, so* Ih es
taca o humano, teria por deviza a mo- falta gritar pelas ras 1-1 fora Cruzeiro,
deslia: buscaria adquirir oconceitode fora yiuiSo do Povo ** Reil.tao despidos
bem intencionados, e so assim venderiaa de amor proprio, e conhecerao, que he
as suas opinioes ; porque huma exporten* esta apura verdade, que publica para
cia nunca desmentida nosensina, que a- correcao, e emenda desses Redactores
inda as verdades moraes para ser abra- O Magnetizado.
cadas dependem do carcter, e proced- qi-----
ment da uessoa, que as profere : bem # .
sabido he o si vi me Mere, Jolendum &Nn. Edictor. Nao podando ser in*.
est primi.m ipsi ubi Pregar o Evange- dilerente accuzacao, que, sob o cspe
Mo e cubrir osen prximo de injurias, ciuso pretexto de salvar-ai* de suspeitas,
recomendar a f do carvoeiro, e deuunck me faz lium Sur. Assignaie do Cruzeiro,
ar as Authoridades homens sentenciados vou rogar-lhe, queira transe rever no seu
penna ultima, que se diz vivem por ah eslimavel Diario esta minha prezente de-
forajidos armar-se defensor das censo- clarado, para que o Publico eonheca as
ras as Authoridades, e perseguir furiosa- cii constancias deste negocio na parte
mente com injurias, e chocarrices hum smenle que me iz respeito. bou o I he-
Magistrado, que goza alias da' lama de zoureiro da Lotera do Seminario de Olin-
incorruntivel, he desmanchar com os pe da, para cujo einprego me falln o Revo
S sePtem feito com a cabera. rendissimo Snr. P. M. fc M.guel Joa-
Deaemcanem-se pois os Redactores quirn Pegado, Escnvao della ; e como
do Cruzeiro e vm*> do Povo : as suas tal nao tenho outra encumbencia alem de
mmrndencias, intrigas, e deshonesta ma- receber e entregar o d.nheiro con que
kdicencia tem os desacreditado a hum ella gira ; e nem me toca determinar o
ponto, que eumesmo Ihe* tenho d. O prazo da venda dos seus bilhetes, onda
nartido, queiulgao ter, he da gente, ou extraccao das suas rodas: dezejando a-
mSiMk .miai*^***ii* &* <\n{ eTm m.lll couber' fi'maro
nmi 1 .... ____i_____j~ A_l. riada Tntpria. avi/ei rom teiBDO
K
a p*olar os Poros so de/ejao, une *
ttikao na?, teme no sagrado TiImmi intermedio, sempre insuport* vcl ao Po-
da Magi ra.ura'; sao os bom conheci* buco, mas nao sendo das mu.hucurtas
Inimeo da Independencia, que ha,,ouco attribuicSes fiscalizar este negocro, em
e n og Leudo votos pola coVrvaca, e qu nao teuho se nao a referida agencia
nrosperidade do Madeira na Bahia, e ... sei porque nao tem s.do marcado e
chama do ao Imperador rebelde a seu ate para a extracto, e o Sur. Assignan-
Real Pai hoje bazofea de Imperialistas tdoCrueeiro podera' ex.g.r esta decla-
ibsoluti-tas em qnamta se persuaden!, que
ainda o Brazil vira' a unir se a Portugal:
sao qnatro ate cinco Officiaes muito igno-
rantes, c mnito impostores, qtiesenlono
animo galiuhas queiem o Monarcha ab-
soluto para que se diga at/uelles eipi-
raca do Sur. Eserivao nico agente que
conheco da L^teria^ ou mesmo de quem
quer, que fnr, ,**as nunca de mim, que
estou tao sciente e tenho tanto direito
sobre isto, como elle mesmo.
Parece-me ter dito quanto basta pa-
^aZ WSB nlr: entendTm ra .anear de nrim a -or sombra de suS;
ca'deLeys: tudo decidem prfa espada ? peita, esperando qoe o Publico rae laca
sao huns raios ( no botcqurm, e n par- justi^.
tidas > sao huma, ou duas duzias de ven- bnr. Edictor sou
delhSes, a quera Dos por ser muito Bom Seu venerador
conceda huma alma pra lhes nao apo- JoaS Martins Ribetro.
!. li

'y1


-L
_-
.
/

(904)

, ------------------!
Avizos'.Pn


da Cruz N. ? 60, de.huma ipprcao de
bertanbas de jaranea e outras de Ham*
burgo, cacas unas bordadas e lisas, ves*
irticulares.
A Botica da ra Direita D. 21 de lidos de cassa, gangas de cores, lnsos de
Manuel Caelano Fernandez, se ad- cassa brancos e de cores, lnsos de seda,
mite liuui rapaz para aprender a dita oc- meins de algodao, cassa pintadas, e fitas
cu paca sendo bem procedido, quemes- de setim.
ti ver nestas circunstancias di rija-sea mes- Que pertendem fazer Guillierme
ma. Fogg & Companlna, de varias fazendas
Meroz & Companlna, ra Nova, a-/ limpas no da Quarta feira21 do corrente
viza ao publico que a sua rifa corre im/ pelas 10 horas da manila, na caza de sua
preter ve 1 mente com a prmeira parte da rezidencia ra do Vigario N. 12.
sexta Lotera e convida ao publico de
comprar o resto dos biihetes preco 400 rs.
Alluga-se.

*
Compra-se
'Uma Canoa de amarelo de 46 pal
,mos de comprido, e 4 de boca ; Fo%
ra de Portas venda N. 23, ou anuncie
por este Diario.

R
Uma caza^ terrea por de traz do Sa-
cramento, do Bairro de S. Antonio,
com bastantes cmodos, falle na ra do
Crespo loja D. 12.
O primeiro andar das cazas N. 57,
na ra da Cruz, pintados de novo, com
muito asseio, e cmodos para huma pe-
Veude-Se, quena familia ; na mesma ra casa N.
Apk' Princeza chegado ltimamente 7, segundo andar.
>
<
Perdeu-se.


'O dia 18 do corrente as 4 horas da
tarde huma espora de prata com cor-
rele, na Cidade de Ol oda desde o Ar
rombado at a ra do Amparo, quem a
Achou-se.

ra do Seminario de liuda ; ra do Ca- TTm livro intitulado Ethica de Job
fde Lisboa a 1,200 rs. a libra ; Bra-
ca da niao loja de Avelino nmeros 31,
e32.
Hum escravo pardo, para fora da
Provincia, com idade do 18a20annos,
sem molestia alguma : ra Nova D. 19.'
Huma escrava crioulla, idade 14 ocliou pode dirigir-se ao sobrado de 2 an-
anuos, sem vicio algum, e com principio dares no oitao do Rozario lado da torre,
de Custureira ; Porto das Canoas D. 3, qu recebera' as alvicars.
terceiro andar.
Bilhtes inteiros, e meios, da Lote-
H\
quem for seo dono pode procura^
deira. lo em Olinda na ra de S. Benlo em caza
No armazem de tres portas entre a de Francisco Soares da Silva Estudante
loja das fazendas baratas, e a deferragem do Curso Jurdico, que Ule sera' entre-
-
Noticias Martimas.
Entradas.
Ia 17 e 18 do corrente. = Nenhu-
ma.
Saludas.
Dia 17. = Rio de Janeiro; B. Ing.
Pomona, M. Callarles Tessier, equip. 9,
em lastro.
Dia 18. = Malaga; B. Franc. Le
Federic, M. Sebastian Enui, equip. 10,
na ra do Livramento o seguate
Vinho do Porto muito bom feitoria
garrafa
Dito de Lisboa superior, garrafa
Dito mulher e lhos muito bom gar.
Quejos muito novos fcfoilandezes, 1
X de quatro quali>des a 1,200, 1,100
960, e640
Papel de 3quahdades, refina 4,200, 3,600
e 2,800
JLeilao
gue
140
120
120
700
.

io
Ue pertendem fazer EmanuelRicou
& Boilleau, no dia Tei'9a feira 20
do corrente as 10 horas da manha, na ra carga algodao.
u

Ptrmmbuc& na Tipografa do Diario.

A
r
/>^?>


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1MF9Q7TP_IENIML INGEST_TIME 2013-03-25T13:01:52Z PACKAGE AA00011611_00521
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES