Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00501


This item is only available as the following downloads:


Full Text
;
AUNO XXXI. N. 274.
Por S meses adiantados 4,000.
Por 3 mezes vencidos 4,500.

TERCA FEIRA 27 OE NOVEMBRO Ot 855.
Por anno adiantado 15,000.
Porte franco para o subscripta
W"*]
DIARIO DE PERNAMBCO
REGADOS DA SLBsgripgao-.
CAMBIOS.
e, ojaroprieUrio M. F. de Faria ; Riod Ja- [Sobie Londres, a 27 5/8
W. Joao Pereira Marlins "'- -
KJoao l'ereira Martn; Haba, o Sr. D.
'*uejeael Maeei, o Senlior Claudia Fakao ias ;
abena, Sr. Gervasio Viclor di Nalividade ;
I, o Sr.Joaquim lanacio l'ereira Jnior; dnra-
r. Antonio de Lenos Braca ; Ceara, o Sr.
Jos de Oliveira ; Maranhao o S. Jua-
gues Rodrigues; Piauhy, c Sr. Domingos
4ckiles Pes-oa Ceareuse; Para, oSr. Jus-
tino J. Kem.,. Amazona, o Sr. Jeronymo da Coala.
>^
Tf
/
l'-iris, 348 rs. por f.
Lif Loa, 98 a 100 por 100.
Rio de Janeiro, 1 por 0/0 de descomo.
A.COOOS do Banco 4"3 0/0 de premio.
* da companhia do seguros ao par.
Disconto de ledras, do 8 a 9 1/2 por 0/0.
METAES.
| (Juro.Oncas haspanholas. 299000
Mondas de 6JM00 velhas. 169000
de 65400 novas. 1619000
de 49000. 99000
I Praia.Paiacoes brasileiros. 29000
Pesos columnarips. 29000
moxicanos..... 1-9860
PARTIDA DOS CORRElOS.
Olinda, lodos os dias.
Caruar, Bonito cGaranbuns, nos dias 1 e lo.
Villa-Bella, Boa-Vista,ExcOuricury,a I3e28.
Goyanna cParahiba, segundas e sextas-feiras.
Victoria e Natal, as quinias-feiras.
PREAMAR DE IIOJF..
Primeira s 6 boras e 54 mininos da manliaa.
Segunda s 7 horas e 18 minutos da larde.
AUDIENCIAS.
Tribunal do Commercio, quarlas e sabbados.
Relaco, tereas-feiras e sabbados.
Fazenda, guaras e sabbados s 10 horas.
Juiz do commercio, segundas as 10 horas' e nis
quintas ao meio-dia.
Juizodeorphos, segundase quintasis 10 horas
1' vara do civel, segundas o sextas ao meio-dia.
2* vara do civel, quarlas e sabbados ao meio-dia.
EPHEMEHIDES.
Novemb. 1 Quartominguante as 2 buras 46 m-
utos'e 48 segundos da Urde.
9 Lita nova as 5 horas, 11 minutos
e 40 segundos da tarde.
16 QuartoerescenteasOhoraB,
utos e 49 segundos da
23 Luacheia as5horas, 31 mil
4 i segundos d. larde.
DIAS DA SEMANA.
26 Segunda. S. Podio Alejandrino b.S
27 Terca. S. Margida de Saboia v.; &. Josapbat.
28 Quarla.S. Jacob da marca f. ; S. Soslhisnes.
29 Quinta.S. Setfrniou m.; S. Cizinodiac A.
30 Sexta. S. Andr ap. ; S. Ettprepio m.
1 Sabbado. S. Nahum profeta ; S Eloi b.
2 Domingo. I. do Advento ; S. Balbina v. m. ;
Ss. Poociano e Adria inn. ; S. Cromcio.
au.
AJUMAS
?l-tnrl 4* \oBMMaa daa imi da
rrlime aa oA,-# d. Rtc Ife, oo*. aKele
novenanf* % 1855. jS
ORDEM DOIa l.v,
Sr. mare-1,.,1 rte CBmpo jose joa_
comnianda,,,,, M armt mandl
jUguarDiSo dar publieidade a *c-
ajoa jXj COp|a ||le fui irausniillida
cena W*4alJae 23 do crrante.
Procito.
adra por y-aca de Deose unnime ncclama-
*tyaperador cunsllucioual e defen-
sor perpetuo dea,a,|.
I ac saber aos #,c ^ uiiuha provisto virem,
juf, lendosnbldf a mi,a au-usUt preseoca una
oaumslta do cotAlbo supremo miliUr datada de 23
"> offickj o. 2B/de i| d, abril du 180:li du |Cuenle ge.
neral combaudante das armaa da corle, versando
sobra Mente e graduadlo que devem ler o audilu-
r**9fgaerra, e conforman lo-aie intciramenle cum
^Aracer do ronselho : ilei por bem, por minlia
unmedata e imperial resolurao de i do correle
uie/, mandar declarar teudo em vala a imperial re-
solurao dea de janano de ISli. que a searedilus
auditores devora gozar da graduacio de capillo,
a reputados mais aaoderuos en re os olllciars
, na coufurmidade das di>poe*j6es dos al-
evereiro de 176i a '.% ota ftvereiru'
lecrala de 21 4a marro d%
> cumpre que files useni
aes de estado
Pola' que
Ysoignnoo
andido I.tat Ferreira, ajadaute de
orden encarregnej do detalle.
fmuvk
COMARCA DE (iQIANNA
ltaaabu 10 de uoremb.ro.
Man amigo, sem luaia eumprinirulos, ja sei que
asta raed zangado em este seu criado, segundo
oasu ayrir|ial>teo Jaca. e*r t Ma ye-
H*jn atiMim ra,T. e Vme. sobesaa pea
que teulio passado, me perdoarin de linio sen cora.
gao, pitia lera sido tantos os tr*uallio* c desgostos-
porqaa lia passado esle scu rcspeitidor, que se os
narraste' seria um nunca acabar, pelo que pa-
rnuosaqui, para que, nao dinamo, comu o poeta
laliao: /n/uiulum, Ileiji/iu, abes renocare iloh-
rem.
ka resolvido tifioIhe eserever depois.qne depa-
ra seu importante Diario, coin o laclo occorri-
do em auto AnUo, coin o reverendo Fortnalo, e
enfio diste ea ca com os meus Iwles : quando o li-
Iho do nos*o capilAo mor morre, qoanlo maia o |u-
cador. Da feilo, meu amigo, quando se nao
i ante o ministro do altar ; quando se n.lo tf-
toaos elleilosdo Canon M t/ais, sldente diabolu,
qMdo por lm se nao teme a Daos, lodo he ilesor-
saina rao, ludo be salvajino, pelo que, lie bas-
tan so cr sen eorreupou.lciile, o eulo ja vi-,
'|ue mo quero itraejj, |ioralm i de s-u. defontos,
tilo aaa descubra ; o ae por ventura Ihe derem al-
;am emelieo, entilo diga, que silo dous que Ihe man-
algumas noticias ; o yuca, cara du viola velba,
"ni cangieaTi ao* quaes. desde j.t Ibes dou (o-
ederes comu meas procuradores, alim de re-
i por mim qualnuer olTensa phitira, bein co-
mo aignmas pauladas. Turadas, brocadas e pedradas
que par ventura rae quir.eretn dar. do que psssaro
*compfiteile quila^o !..
i'cdcas de toga.
^^^ode Podras de Fuga assim se chama
a pedr.i de lerir que ha eit enllocada em
planicie a mais bella, que au> ullios do ubset-
1 pode patenlear-se; leudo esst povuado em su
malar eitetisajl usa guari de meia legaa ; a soa
Itajlo he .i de nal pentgono,conlailu pnral-
^umasraai e tauvessas, o lado do norte pertence a
l.eodosal a Peruatnbuco pelo que ludu aqui
romum de dons, ha ilttas capellas em ruinas, e
Bljao lllial deTaip, e Sanio Antouiu lilial da
(Uotbc, acham-se equi algumas casas da algum gos-
to para o malo ; os liahitaules desl.i pavuardo silo
abaaladdos de agua prodigalisada por Infinitos ar-
rolos, que cercan! u povoacao; U0 lina como etsa do
l'ral, queogeQo,bomfaieju da provincia denou
a atavbelU cidade, que jamis esquacerio seu li-
me ; aajacenle ao povoado evislem os mais helios
t, qae cnllivados ae conveniriam-m delicio-
sos sitios de recreio; porem a falla de cosi, e ge-
nio lufsqiiiuliu lasa feito com que se deixe de la-
pidar a pedra digna de ser engastada em metal pre-
cioso, he pena, que esieja este lagar onde te oftere-
cem lanas propon-Oes para o commercio uo estado
vegetativo!
J que l'ailei em commercio, o meu amigo sabe,
que osP. K!>., i'nmii chamara a patulea, nao poden)
edabeleeer-se aqui, porque a rapaiiada he soberana
nao couseute esta gente, ao que se deve todo o a-
'rao do lunar, porque achando-se o commercio as
maos doseslraugcirot, a nao ser essa repulsa que
aqui soll'reni, teriaroos um commercio em maior es-
cala, desaliado pela feira de gados; e aquicompra-
riam os sertauejos a faaenda coro urna pequea dif-
fereni;a do preco porque ahise vende, aqui se da-
riam essas lransaci;es indispensaveis no commer-
cio, por serPedrasde logo o centro inoial dea ser-
loes, da maior parladas provincias do imperio, a
ugeriza he (aula, que se por ventura passa algum
portuguez por aqui, lie como galo por brazas, e se
motivos o torram descansar, sabe-se logo que em
(alcasa esla um portuguez ; eis que apparece oca-
pilo da patulea inlimaodo-llie mandado de
despejo incontinente tob pena de Ihe ircm atf
pello.
Ha dias tnaudara a esla povoarjo o colleclor co-
brar o imposto por um portuguez, nb que altroula
feila a repblica '.... Keuuio-sc o cougresso, e esse
deiihrron mandar urna coiniiiissao, alim de exlra-
nhar o procednneiito inslito do cstrangeiro,> di-
zer-lhe, que incontinenti lizessu ablativo de ,via-
gem, sobpena de u catregarem de pao !
A cninmisao dirigio-se so lugar onde se acba-
va o ealraugeiro, e u orador dirige u seguinle dis-
curso:
z>'ot con n'cif, relie Utnril d'aborder dan
mam ile '.' Sache:, jatncjlranger, au'on ne cen/
poinl imptutiment datiTmn empire Aiuda o ora-
nau linha por lindo o seu discurso,quando osub-
ado da mo de agarra nos inembras da corn-
il, e inaMa dous soldaSN acompanbar o ca-
do colleclor ; tal be, meu amigo, o adianta-
do lugar, lal he o estado de civiliaacao de
'eras de Kogo.
.Igricujtura.
io, a cuma, sao as prodceles agrcolas
(Mato lugar, o algndao um pouco decadente, em
quaaJo a cuma cse lie um louvar a Dos Os nos-
soaaenhorfs de cucf nho so fa/em especular o prejo
porque ah se est vendeudo o as hoja o objeclo de suas preoecupacoes e estSo em seu'
direitu. *
iambeni ha pur aqui um onlro meio de vida, que
he o-jugo, aiuda mesiiioo de parada, sem a menor
ceremonia, em virtude do que, apparece por aqu
umaalluvws da jogadores, viudos dahi, uns a Irtulo
de pequeos negocios, o aulros sem iienham abso-
Ulamcnle, e por aqui edad meics e mezes ; porcm
>so parece coslume muito anligo, e, por isso, j fez
le, que a polica nao se importa com iiso. puisme
BVO no lempo du caftio AOaasa. qoaado nrbdrte^
gadu du lado da Parahiba, nao deu providencias
respeilo, cliando-sc a espeluncas dos jogadores no
seu districlo ; nao obstante querer u nobre capilo
campar de grande policador, porm honra neja fei-
la ao seu curnela, que alroava estes bosques com o
toque derecollier, c alvorada* e dest'arle espanlnu
os ladres de cavallus, pelu qe uo seu reinado de"
raeMe:jBenos furtos do que eni outros lempos de
memoria para os communistas.
m*
tmim DA GUEHl M (ATi
Por L. m Bk.vukepaiue
Basta por hora, pois nao posso demorar o Juca, e
mesmu vou sacudir o p do meu palito, pois fui
convidado para enlrar com meu par de queixos em
unas bodas ; primeiro convite que lenho a honra
de recelier, pelo que nao me quero faier celebre, e
mesmu quero saborear o fiambre, e gritar viva a
noiva E enitflo ahi o meu amigo ser tembrado coro
tima aaude, que Ihe fara esle sen amigo velho c en-
Terrajado
'.arta particular.)
CASCARA BKUN1CIPAX. SO RECIFE.
SESSVO EXTRAORINAK1A DE It DE NO-
i EMltlUI DE 1855.
Presidencia 'do Sr. Barrio de Capibaribc.
Prsenles os Srs, liego Albuquerque, Reg, Oli-
veira, Barall, Mello, e liameiro, abrio-se a sessio,
e fo lida e approvada a acta da antecedente.
Foi lide o seguinle
EXPEDIENTE
Um oflicio do E.m. presiden!? da provincia, en-
vhndo approvada provisoriamente a postara addi-
cional, que esla cmara Ihe romelleu um oflicio
de 7 do correule, alim de que teuha ctecu;ao.
Maiidou-se publicar, e reinelter copias della aos
liscaes, adaasjado e engeolieiro cordeador.
Oulro do mesmo. commqnicandn ler, por porla-
ria de 13 de setembro ultimo, ucmieado ao padre
Joaqnim Jos deMenezes, para o lugaViaJe capello
do cemiterio publico desla cidade.Intetrada, e
niandou-se participar ao administrador.
Oulro da cnmiiiissAo de liygtee, remedido
cmara pelo Exm. presidente da provincia, dizen-
do que achando-se qnasi eslaguadas as aguas do
viveiro denominado do Muniz, situado no princi-
pio da ra Imperial, de maneira qneaa leem lor-
uado lodosas e lainacenlas, sendo|sabj!i que d'agua'
assim se exhalara miasmas perniciosos saude pu-
blica, julgava preciso que fosse o mesmo viveiro a-
lerrado. a ules que, com as evaporares das aguas,
que sayai operando medida qne continua o ca-
lor, venda a sull'rer a popularao delta cidade, pelo
que rocas,i a S. Ex. Iiouvessa de dar as provi-
dencias qae julgasse convenientes, ltesolveu-se
que, emqunlo se nao tomararo outras providencias
se ordeuas dono do viveiro que o melliorasse quaulo antes, ile"
modo a desapparecercra os inconvenientes aponta-
dns pela cominis-,ii'.
Oulro do delegado do primeiro districlo deste
termo, no exercicio de edefe de polica, na ausen-
cia desle, dizeodo em respo-la ao oflicio desla c-
mara, de 7 do correle, que acabara de transmit-
idlo por aopia ao commandaote do corpo de poli-
ca, alim de providenciar acerca do modo porque
se hilo postado is pracas do mesmo corpo que dia-
riamente deSlacam para os pontos em que fe fazem
os despejos pblicos desta cidade ; parecendo-lde
que no caso deltas reincidirem| na Infrarean das or-
dens que receben), seria confuiente que os flseacs
se dirigisseai diracbmeqle t'o mesmo roinmauda!.!.< un
' despe-
O custo predilecto desle povo lie brinquedo de
louro, tanto que teudo a illuslrissima muoicipalida-
de de liuianna prohibido o toureameoto era virtude
de suas posturas, suube o fiscal, que se ia dar esse
espjcUculo brbaro, dirigi se ao lugar, porm mul-
ta, bawtirrant virtude de terem os molecorios pas-
sii.lu o boi para o lado da Paralaba, e licou o nosso
Quiraquim, com*alingua na bocea, putmacil galu
ralusi/ae firacH olliaiidol. Vrja Vmc. que Ier-
ra de um elaslurio prodigioso para os pas da
vida....
Ao enlrar-sc para esla povuaco uor qualquer de
seus flancos, senle-se a alegra calar a alma do ob-
servador, porm logo que sa lera chegado au centro,
a aiegna ae con ver le era tristeza a vista das ruinas
das duas capellas; urna uoile achei-mc junio das
ruinas da Conceico, o vento sol tprava de rijo, e
eu ouvi um gemido, quo *al|svdo meio das ruinas,
aprunimd-rue, e posso descpkV, qaa o vento euca-
nando em urna renda das ruius* faca unvii de pe-
daco empedaro um gemido como quera lamentava n
abaudoiio da casa de Dos, e eiprobrava os habitan-
tes a falta de religiao; quaudo eu assim peosava, e
tema mesmu ser esnugado pelas ruinas, fui diilra-
hido peasbombasde um rojao, que se arrebentavaro
no Sr dirijo-me ao lugar era urna sala de dansa,
que principiava a l'unceionar, era a execueao do
scbolichs a ordein do da, admirava a propriedad'e
desses rapazas para cholear.por certo eslavam no seu
elemento, he u schulichs o passo naluial dos rapa-
es daqui ; he pena que lao graasdes genios nao vao
14 para a Crimea assislir aos soires que por l.i
dao os Ittissos aos. adiados, portanlo islo por c
nao be uiao, j ha goito, temos duas salas de
dansa !,.
Conita-roe que o nosso juit de paz esta sendo pro-
cessado pelo arl. 229 do cod. criminal, varaos a ver;
o que sorlir l vai.
para applicar-lhes a precisa eurreccao.Inteirada
e raanilou-se communicar aos flseacs.
Oolro do mesmo, requesitando, em additameulo
ao oflicio supra, e para sali quisitou tambera o commandante do dito corpo,
urna nota dos lagares em que se enllocan |e>prai:as
respectivas para vigiarem no servifo darde
jos.Que se salisfl
Oolro do engenheiro cordeador, remetiendo o
orcamenlo do enrocbameulo supplcmentar as obras
do .-derrmenlo c estacada do terreno ao sal do
theatrode Saula Isabel, na importancia de 1029000.
A' ooinmissau de. edilicacao.
Oulro o fiscal do Recite informando ser exacto o
qae allega Joaquim Paes Pereira da Silva, a respei-
lo de Ma cavallarica. na ra da Senzalla Vellia. n.
111-Concede-se a licenra pedida pelo peliciona-
r, para fazer suraidoero e oulros niilhoranientos
na caxallarica, una vez qae fique esta com mais
de trinla palmos de frente, e lalisfaca as deroais
cundicoes das posturas.
Oulro do fiscal da Boa-Vista, informando ler
exacto acliar-ee desconcertada em estado de nao po-
der mais servir a carrora n. 1 de l.uiz Pereira Ka
pozo.Inteirada, e raauij|p-se dar baixa na code-
la relativa dita carraca*
Oulro do administrador da companhia eojearre-
gada da timpeza da cidade, declarando qut^topu-
blicos os terrenos, que tero e continua a kjfeifeil
rissr as- ras da Concordia e AlecrieaJmRbi-
rada.
#Onlro do mesmo, dando parle do sesvico feito de
5 a ludo eorrsn*aajQuese pubticasse.Os Srs.
OlveiraaGameiro^^Bm o seguinle requerimen-
to, que foi npprovadoj^bdando-se expedir ordem
ao fiscal do Recite, pa^F executar a medida de
polica nelle contida. Kecoubecendo a impro-
priedade de urna prai.a publica em frenlc de um
templo importante, como seja a matriz da freguesia
de S. Ftai Pedro Gouralves, dando lugar a couli-
naadas irreverencias em occasiao de actos os maii
solemnes, como seja quando sabe o Sanlssimo Vi
lico, visto como os almocreves de mistura
grande numero de cavados, aperlados pela peqoe-
nhez da [iraca, nao guardan) o decoro devido, oem
prestam a menor adencio um dos actos de maior
reverencia da nossa religiao ; alm de fazereni do-
Itfl*.
O exordio tem tradiooes qae pui emus chamar iu-
lima*. Ellas pauem do saldado veterano au cuus-
crlpro, e do oflicial velho ao joven secundo lenle
que sabe da escola de Saiol-Cy r. Pela miaba parle
iit assim que aprend mudo da nossa historia mili-
tar, lie o eotretenimento dos seres de guarnicao
martas vetes animados pelos vapores do ponche, rvo-
taCtf honesta e Aoderada derfogo das balnlha? para
o v*ws)igaairreiro qne coala loas eampanhas, e para
osjsv na utllciaes que o escalam. (.loando eu esta-
jirlo na cidade de 0... acontecia-me mni-
i alguns de raen enmaradas passar o se-
rjoeaa oasa do coiiMnanilanle l.assillc. Era um oflt-
rial rjflK-mado de cavallarin que vtllara ra idade de
viuaaflMneu annos para soa provincia, lendo deixa-
dourna das pernas aa Despatilla, mas que de l Irou-
xera a cruz e a fama de fe i los brilhaa:es. O com-
inaaidaulo Lassalle gostava de rallar da guerra, como
lodo o soldado veterano ; mas considerava-a como
ama ueceseidade cruel. 1,'mii norte que admrava-
aioseese kamor pacifico em um rioso, elle nos dis-
i Uapazaa.aiada he cedo, aasenlai-voa, xou rele-
I epiodio da guerra de t.alaluaha Acei-
| ampenho a proposta do velho comman-
um copo de ponche, accendenios o
i ella coroecou assim :
vero da 1811 a aldea de Gallados ao sul de
Ordjji (i designada ctimo um dos pontos de oceupa-
..io dn exercito do Calalualia, calo i'onimaailado
pelo marecdal Macdonald. Callados era urna villa
de oiloccntus a noveceulos habilaules ; mas soa po-
sicAa aa sul de Ordal ollerecia laes vanlageiis para as
eommueicacoes catre o qoarlel general que eslava
em Barcelona, e o sul da Cslalunha ucessantemente
saleado por culumuus expediciuuarias que essa po-
vuaflu foi incluida uo numero das que eiam desti-
nada receber destacamentos, que iniidavam de
deslino Oda Torca efiecliva em r.izao dos aconleci.
ir.entus. Sitala der leguas distante de (Irdal, e 0*
cando a cavalteiro sobre a estrada de Barcelona,
Callados era o ultimo posto avauca do do exercito da
CalaiBoha, e assemelhava-s a urna tenliuella per-
di la | Mocada entre a divisa francezi e um paiz
novo |iara nos, no qual tantos perigos desconhecidos
poilinm amearar aossas tropas.
Ea oceupava esse ppnln extremo com uns cin-
coenla cavallciros. Ora estovamos na Hespantia
acampados por loda a parte, maS na eslabelecdos,
0 'rallamos sempre a mito sobre os copo, da espada
fcssa situara influa em oossas relacues com os habi-
tantes.
Mesmo nessa guerra implacavel nossa gente cura
a faciticuiade de carcter que helio natural aos Fran-
cetes, procurava os llespanhoe anda quando era
por eslajevitada. Apenas chegamos a Callado., Ira-
vamos UsiciDiento com a villa luda. (Juanlo
hospedara, Jfm> foi fe.lo logo no primeiro serao.
Depois daWbns minlos Jeronymo, meu ordenan-
za, bata familiarmente sobre o venlre de Benedicto
cslalajudeito, que com ar grave e conslrangdo res-
pondia-lbe fazendo as mais profondas e mais hu-
mildes audajoes, puxava a orelha de Padrillo e lau-
cava um olhar aalanlc a Therexa lilho do mesmo
Nao era sem razao que Jqronymo fdra appellidado o
Paritiente.
O Parisiense, esla palavradiz ludo, conten a co-
media e o drama, a Jovialidade das encruziihadas e
o derosmo dos campos da batalla), u genrale o
corneta. Jernuxmi era sement corneta ; mas, pa-
ciencia^ alistado na idade de quinze annos linha en-
tilo a|ienas vinle e tres, e de victoria em victoria nao
Uvera tempeste aprender a ler.
Me-lre Benedicto nao se Ihe assemelhava. 'Que
Ijpo, incas joviMis ramaradas parece-me v lo an-
da. Sua cabera curia e quadrada, o que he raui ra-
ro na Calaluiilia, apresenlava lodos os caracteres de
urna vonlade absulula ; seus olhos pequeos, prelos
e inquietos liubain um brilhu eitranho. Sua estatu-
ra eslava abaixo da mediana ; elle era secco liein
como a mor parte dos Calalies, mas vendo-o deslo-
car fardos enormes, cunbeci qoe uceultava debaixu
de um envoltorio anparenlemenle dbil grande Tor-
ca muscular e agtUdade de selvagem. Seus beicos
finos e irnicos, desmeuliam a boadade habitual de
sua linguagem quaudo dirigia-se a uro soldado frau-
cez, e upportava sorrindo as gracolas as vezes um
tanto brulaes de nossa gente.
Padrillo era o helio ideal do pai. Nao curvava-se
dianle de niagnem. Era um rapazinho ao mesmo
lempo robusto e delpdo ; sen semblante linha a bel-
leza severa e regular de um camafeo anligo, mas
seu olhar duro e feroz fazia sombra ao quadro, e
pareca dennnciar-suas iacliaacf.es odiosas o crueis.
Grave e recalado, quando aeuhuma paixo o agua-
ya, elle nao tributara admireejo alguma ao porte
psito de cargas de assucar dentro das grades, que
cercara a frente do mesmo templo ; lomando eAo s
o Iranso, como enchendo o adro de fragmeulus de
assucar ; o que faz atlrabir grande numero de in-
sectos ajenlos ; requeiro qae seja removida a pra-
tti du assucar para a parte do torread do ar- nal
de iiiariahl, a na de Apollo ; assim como que as
enlradase sabidas dos cavallus que conduzeni assu-
car, sejam pelo caes daquella ra.
Paro da cmara municipal de Recite 14 de no-
vembro de 1855.Oliveira Gameiro. u
Foi appruvado um parecer da coaaajjpat) deedi-
licacao sobre a preleocd'o de Aagaia Caslo.lio da
Luz, dizeado a commitsao que nao lia pareceudo
de absoluta neceisidadea desaprofiriacip da casa da
requerenle, sita ao lado da matriz da freguezia do
Poco, Hilo obsta ate te-la a islo destinad* a plaa do
lugar, com o lim de alargar a prara que all estu
mareada, e dar-the mais belleza e exldhsau, todava
se a cmara podis, e nao liavi obra triis urgen-
tes, promovess* a desapro|iriaco, uu au caso con-
trario, pedisae ao governo da provifeia alleraco
da planta.Resolveu-se que o pi
teudesse com u pruprielaiioda casa
que por ella pede, para depois e
dous casos indicados pela commi
conveniente for.
A' requerimenlo do Sr. Oliveira,
niara se raandasse proceder a irr
juais transitadas osando-se da pipa
lim se acha preparada, alim de com
poder calcular a despeza em que
esse servido em maior escala ; e tnai
dir ordem ao administrador da corop
gada da limpeza publica, para por ei
rigarao alagando carracas e fazendo o mais qne for
preciso para sua cieciii;ao.|hVcumincndou-se rom-
missao de polica que traanse com a companhia
de Beberibe sobre a forma do foraeciniealo d'agoa
dus seus chafantes para dito fim.
Aoencerrar-sea sesali receberam se uns papis
viudos da provincia, para a cmara iutbrmar, rela-
tivos a' requisicau de movis e outros objeclos que
para a' casa de delencfiu, fez o respectivo adminis-
trador, sobre o que foi de parecer o procurador fis-
cal da fazenda qae as despezas com laes objeclos
deviam correr por conta do cofre mocIpa) em vis-
ta doart. 57 da lei do I. de oulubrojpe 1828.A
cmara resolten serespondesse a S. %xc. quaBSeas
desperas nao podiam ser feilas pela ninilisritl I
de, n'io s porque a obricacao qae Ihe inipe o ci-
tado artigo, lia mudo que pertence aaa cofres pro-
xiuciaes, a casia dos quaes tem sido feila e conti-
nua a fazer-se a conslrucrao da dita casa de delen-
51o, mas anda porque pela ki do orcamenln mu-
nicipal vigente s est a cmara idsirid* >ao for-
neciineato de luzes para dila pri.-ao.
Mandou-se reinetler a commissao de ^edilicacao
a peticau vinda da presidencia para a tomara a al-
teudcr.de Jose I''raaeisco l'ertira da.4iiva,relativa
ador se en-
re o valor
ir um dos
que mais
Iveu a ca-
nas ras
para esle
eussio >e
mporlar
u-sc expe-
la encarre-
ra tica a r-
fnados de seu syW^gra da Cadeia desta fre-
guezia, que deisflh BnifPlatWa do caes projecladu,
alim de que oMjhdeinJfi-eoiaj commissau coin o re-
querenle e Antonio Jos de Uagalhaes Uat^sy qua
tambem possue urna pequea essa na
Iratecoai ambos sobre u valor desses pqasiaaMe
a planta da cidade manda demolir para fregancia, e
afurmoseameuto da ra, afim tic se cuidfsWqJssua
desapropriacilo.Uespacharam-aeas pelices de An-
tonio Pereira de Parias, Antonio da Costa Kego
DE PEBWMBieO.
Keunio se bontem o collegio eleiloral desla cida-
de para o fim de proceder a eleirio dos depulndos a
assemhla legislativa provincial. A primeira mesa
compoz-se dos senhores :
O juiz de paz, tenenle-coronel Joao Valentn) Vi-
lellit, prctidenle.
r. Francisco do Kego Barros Brrelo.
Dr. Manuel de Barros Brrelo.
Dr. l.uiz Filippe de Sousa l-eao.
Padre Beiarmiao Jos Cavalcanti.
A segunda mesa ficou coraposla dos senhores :*
O Exm. barao de Camaragibe, presidente.
Dr. Francisco do lego Barros BsrTeto ,
lente coronel Jeto Valenlim Vilella .
Tabelliao Francisco Baplista de Almeida.
Escrivao Francisco de Barros Correa. .
COMUNICADO
O HOSPITAL PORTUGL'EZ.
Esle til e po eslabeleciimuto nao be smenle
urna idea, um pensamento, um desejn, mas um
faci cunsummado. I ra da de jubilo nacional pa-
ra os Purluguezes assigualou a soa iuslallarao ; :W
dias deptus foram suas portas aberlas indigencia.
Inslillado a lt> de setembro, da da maioridade eda
arrlamac.ua do joven re de Portugal o Sr. U. Pedro
V, foi defliiitivamenle aberlo au da 18 do corren-
te, em preseura de um brilhanle concurso de Por-
liigue/.e e Brasileiros, entre o quaes se nolavam
pessoas raui disuadas pelas suas posiroes sociacs em
todas as gerarchias. Todos se coagralulvam mu-
tuamente por una obra ISo meritoria, que na s
honra u paiz, onde ella se consummou, como aquel-
les que nella liveram parte pela sua geoerosidade e
cordeal dedicacao. a
Era um espectculo, digno da apreciarao do lio-
mem Ilustrado, a fusilo da familia portugoeza* e
brasileira, congralulando-se mutuamente por um
actu, que paleoteava a todos urna verdade incontes-
lavel ; islo he, que as mesmas ideas e os mesmos
pensanieutos se confundan) em suas mentes, como
o mesmo sangue circula em suas veiai. Quando o
governo do Brasil abre os cofres pblicos a indigen-
cia desvalida, quando os Brasileiros' lem mostrado
ama generosidade a toda prova, n Purluguezes <
confundidos entre seos hospedes, acompanham
essa trrenle de pbilantrophia com signaos de ama
fraleriiidade, que os honra. Por toda a parle os Por-
tuguezes e Brasileiros rivalisaro em aclos de cari-
dade, por toda a parle se cslrsilim os vnculos qae
os uiiem pelo sangue, pela religiao, pelos costumes
e pelos grandes interesaes humanitarios.
He um principio inconcusso, que o esludu e a
pmtra do Evanejpo aoabarao com as duas miserias
do nosso tesaslo : o pauperismo e as discordias ci-
vis ; a primate, iazeado cora que o povo satisfa-
ca por si proprio assaai necessidades, se habitu a
rwu^o seu^mjwaJajaaaiA adauira o espirito
de independencia ; segudaT calando no espirito
da todos a idea da joitiga e da caridade confundidas
nfcte precedo do Decalugo : amar a Daos sobre to-
das as cousas, e ao pruximo como a us mesmos.
mesnsf ru(lMuil0 de,e lison-sar-iios a marcbs.que vai levando
* nossa recente sociedade, acompanhando em ludo
t* luzes do seculo, esobresahimlo pelo-espirito de
beneficencia, que se ten desenvolvido mis ultima9
calamidades porque Invenios passado.
Depois da inslallcao do Hospital Portuguez co-
Monleiro, Antonio Martins Gonratves, Aulaaio P Pruvisorio, reuniram-se os subscriplores, e de-
BeriiarduOulnteiro, Francisco Antonio Al ves Mas-' "rmnaram que fosse permanente, conslrutnd-se
marcial de nossoa cavalleiros e aos exercicios euer-
reiros, de que fdra mudas vezes testemunha alienta,
mas silenciosa. Algumas vezes nossa gente assislira
aos sens jogos, e s snaa lulas com os rapazes da al-
dea, as quaes elle desenvolva incontestavel supe-
rioridade, e Ihe teslemunhara francamente sua ad-
miraciio mas o rapazinho aeothera sempre esses
elogios com um silencio desdenhoso e feroz. (Juera
tivesse crido que todo o sentimento lerno era inler-
dicto a essa ndole de bronze, ler-se-hia eugai
pois elle amava verdaderamente ao pai. ij
e'le fallava-lda com ternura ou afagava-o cou_
olhar orgulhoso depois de urna das lulas do queelle
sabia vencedur, o semblante lao sombro do rapazi-
nho era Iluminado pelos reileos de urna ternura
infinita, e recebia nova belleza do sentimento qae
fazia palpitar-lbe o coraco de ordinario lao imrao-
vcl e Uo fri. Tal era Pednllo ; uossos cavalleiros
riara do odio que elle pareca ler-noi, e um de nos-
sos soldados mais joven* recentemeute sabida de um
lyceo de Pars para o combate, comparava-aaHAnni-
bal menino, jurando nessa mesraa HesplH^dio
eternu aos Romanos.
Ma% o irm.lu parecia respirar o odio, ler-se-hia
podido iaveutar para a irma n palavra amor. Era
orna linda rapariga de deteses annos ;
deixandu ver urna camisa depura deslumbradora,
juslillio verde guarnecido deJba galflo de ouro, e a
mautilha nacional lixada noa^H da cabera |ielu In-
ga de larga lita encarnada, lons os olhos leguiam-
na, e sobretudo os do corneta Jeronymo.
Meu predecesor o teoenle Masson, assignalara-
me Bsuedicto como pudendo ser perigoso per cau-
sa da influencia que exercia sobre os Intuanles da
aldea. Cbegarara-mu aos ouvidos bualos aas Ihe
erara pouco favoraveis : era temido. Sendo Miga-
raenle barbeiro o cirurgiao pobre, enriqoecaf sem
que niaauciii podesse allirmar como. Mas o JHiuic
da contrabandista acbava-se mudas vezes unido ao
de Benedicto ; dizia-se tambem que daranle um
anno de ausencia combalera curajosamenta
varra contra os Francezea, e as ms linguas asseve-
ravam em vuz baixa que esse homem nao empregara
suas armas unicamenU contra pobres soldados feri-
dos na famosa expedira d Navarra, e que roubara'
aas estradas aos Francezes e sos Hespaadoes com
urna imparcialidade cujo resoltado fura recbeef-Ihe
a bolsa. ,
O alcaide orrvindo esses boatos, julgara de sea da-
ver fazer urna vi-ita a lleuediclo ; aiagaeui sobe o
que se poetara entre ellas ; mas o alcaide que era re-
putado per homem tmido, jurou dahi em dianle
carenhas, Joao Francisco de Reg Maia, Jos da
Cunha Porto, padre Joao Capislrano de Mendunca
Jeronymo de Abrco, Joaquim Clemente dos Santosj
Jos Francisco Pereira da Silva, Jos Mara Bor-
ges, l.uiz Pereira Rapuso, Mauoel de Jess Jurdao
f.aldeira, Manoel Antonio Pereira,, Manoel A Ivs
Guerra, Manoel Figuera de Faria. Thomaz de
Aquinu Carvalho, e levsnlou-se a sesso.
Eu Manoel Ferrtira Accili, secretario a escrevi.
Bario de Capibaribe, presidenlr.Itigo Sa
Pereirallrala de AlmeidaOliveiraGamei-
roMello.
' HiMini I
BEPARTigAO SA FOIJCIA
Parte do da 'Jti de novembro.
1 lira, e Exm. Sr.Levo au conhecimenlo de V,
Exc. que das diflerehtes participaeoes honlem c boje
receidas nenia reparlicSo, consta que se deram as
seguales oecurrencias :
Foram presos : a miaba ordem, os marojos ingle-
zesKobert Wilsone KobertoPsyne, por serem de-
sertores.
Pela subdelegada da freguezia dRecile, o ma-
rujo ingles Ssaoc Mollavel, a reqtfisicao de sen res.
pfjclivo cnsul, e Cosme Jos da Crol, por desuniera.
la subdelf gacia da freguezia da Boa-Visla,
escravo Conslanlino, por fgido.
os guarde a V. Exc. Secretaria da plicia de
l'esmambuco 'J6de novembro de IK'ulijan, e Exm.
Sr. conselheiro Jos Beato da Canha e ^nfaeiredo,
presidente da provincia.O chefe de poliofc, l.uiz
Carlos de Paiva Teixeira.
que nao conhecia pessoh mais honrada que Beuedie-
lo. Teria u cslalajadeiro morlo a mnlher de des-
gustos, secundo dizia a voz publica t Era urna aecu-
saclo cnica a qual o alcaide teria sem duvida pro-
testado ; o certo he que elle vigiava de perto sua
linda tilha, e que na anuencia do pai, Pedrillo era o
Argus mais vigilante que oro seductor poda en-
contrar. ^
Eutrelauto boa e atlenriosa para com lodos, The-
rexa mo parecia preferir muguen). Lina inaubaa
ea eslava janella que ficava em frente da posa
quando ouvi o seguiule dialogo entre o rinao
irmaa : .
de ir.
has de ir.
que nao irei ?
Porque os Francezes passeiam uo bosque junio
du cemileriu, e...
E ?...
E lie um amante qae vas ver. '
(.ala le, Pedrillo obraras melhur viudo comi-
go orar sobre o tmulo de nossa pobre raai ; fazem
hoje dous annos que a perdemos, e nsda me impe-
dir.. |
Nao irt! j4
Hila
1
para este lim um edificio apropriado, para o quai
ja roncorreraiu muitos donativos c promessas ven-
tajosas. Agora trata-se da acqoisicao de um terre-
no, que satisfar todas as condires Irygienics se-
gundo os preceilos da sciencia, e as conveniencias
pralcas de semelbanle estabelecimento. Dest'arle
em poucos dias vio-se surgir do nada, cumo por
encanto, ama iiittilaicao de beneficencia, qae pro-
meta longa duracao, asseguraado no porvir ampia
colbeita de aclos meritorios, pelos quaes*venham a
e-lrcitar-se anda mais os viuculos sociaes, que ja
prendera os dous povos iraiaos.
A Commissao de beneficencia foi ineansavel para
adiar um edificio, que'reunase todas as condices
exigidas pela nalureza do estabelecimenlo e pela
Junta de llygiene publica ; nao dependa islo s-
menle de seu arbitrio, mas tambem das autoridades
do paiz. Depois de mil tropecos deparou com urna
casa, que, as condcOes necessarias reuna a bene-
volencia o a generosidade doten proprelario, que
fraucameule jadea, para que nella se collocasse o
Hospital l'utflRtt, emquaulu te nao fundava o
edificio pijjj| [Sajnsno cima ditsemos. Esla casa,
perlencealfijjjsai^
he um beBn^obrado, situado au norte do corredor
do Hispo, ampio e completamente solado ; o que
mudo conlribue para que o ambiente seja sem-
pre fresco e paro pelas correales de ar, que se re-
novara freqiienlemenle, e pelo arvoredo de que se
acba cercad). -
No I1"1* lerreo ha duae-salas de frente, em urna
das quaes eslavam colloeadus oilo leilos^uia oulra
Cinco ; seguiudo-se dous quartus, unde*r um tres ledos, e no oulro qualro ; por todo vinte
ledos perfedamente preparados e em estado de re-
reberem as ducales. L'ma grande tala de jaelar,
ama eozinlia espacosa cora a sua despensa, comple-
taran! o andar lerreo, alcm de um bello lerraro e
de ora jardi que cerca loda a casa. No anda
superior ha um grande salao de frente, onde se
arhava collocado um altar decentemente ornado.
Nesse salao, destinado tambera para urna enferma-
ra, onde cabem 16 leilos com muda comraodidadr,
foi feila a reuniao dos convidados, e a solemne aber-
tura du liospdal pelo seu digno director. Seguem-
se tambera dous qurlus espajosos e destinados para
doentes particulares, que prefiraef tralar-se alli
sua cusa ; em um delle*. esteva a saerelaria, oude
se va a piante do novo Hospital Portuguez, coja
conslrucrao fura ja determinada ; no oulro urna
machine elctrica e qualro caixat de nslrumentos
cirurglcos, que o director amhnspital offereceu para
nelle lervircm, emquante" o eaiabelecimenlo nao ot
lvesse seus.
Os leilos sao de ferro balido com qualro pslings
de altura, outros tantos de largura, e oito e meio de
comprimento. Na cabeceira de cada ledo lia-te a
teguinte cifra douradaH. P.Hospal Portu-
guez ; cada ledo eslava tambera munido da um pe-
queo trem de ferro. No oratorio preparado ao
sali celebrou missa solemne o Itv. Sr. vigariu da
Boa-Visla, em cuje freguezia se acha o hospital
ella assistiram lodos, os convidados. A junes! ad-
ministrativa do hospital, nao qoereodo distr.imV as
camotas do verdadeiru fim de soa applicaco, lomou
sobre si a despeza da solemnidade da abertura, co-
mo ja tiuha feilo cora a despeza da iustallarao. To
da as embarcarues portuguesas, sullas nu porto do
Hecife, esliveram embandeiradas nesse da. Alguns
erros essencaes de lypogrtnhia privaran) o Sr. pro-
vedor do hospital da inlencao, que tinha, de"obse-
quiar os convidados com um exemplar dos slate-
los, pela pressa com que foram impressot nease
intuito.
Depois das onze horas? reunidos no grande sallo
lodos os convidados, prnouncioo o Sr. Dr. Jos dr
Almeida Soares de Lima Bsstos um brilhanle dis-
curso, cheio de ideas luminosas e de principios lio
manilarios. S. S., lomando per tbema o vers. d(
S. Paulo, na soa primeira carta aos Cornthios
Sunc autem manenl /Mes, spet el chantas; tris
hax; maior aulem est cltarilaslralou da carida-
de como Urna dat primeios virtudes chrisiaas; e
por ama deduccao rigoreaa dos factos historeos,
desde a civisacao das nfeypcies ale e idade media,
protou que e moraPMo EsaMalho na^ia meiborado
a coodiceo humana, a poflj ^f fazer desapparecei
ido o horror, que anda lin os entumes bar-
tros c as leis de sangue Bppevoi, qae ja l fo-
ram, aprzar da soa alta cnSfifao. A phUnsophia
liegas foi perfeitameide cosnpreheadida'Je Sr.
Dr. Almeida, .quando a corapareu cum a moral
cbritla em seas prinalpras luadaraenlaw, princi-
pios que cuuslituem a elvilua^io moderna.
Concluido o discurso, o Sr. Dr, tetMfe, uiqua-
lidanV d pran(o it i jIt ^ i ., a
(it.r.^1 obot ti |iatat-aXesnnH rJmecncetaH
com geral tpplauso de lodos as concurrenlet. A
junta administrativa, cujos nomet etlo eslampados
no fim dos estatuios do hospital, bem merecen de
seas compatriotas e de todos quaulos presenciaran)
o asscio, a ordem e a perfeila armona entre ludo-
os mitleres de semelhaale estabelecimenlo. Ot
membros da junta adminitlrativa lornarain-se Jtg-
nos de todat as sympathiat, exlremandu-se no me-
lindre e na delicadeza com que Iratavam a todos ot
convidados, e no empenho de satitfazeiVm a todas
as pergunlat qoe se ibes faziam. As coasequeucia.
desla obra meritoria ao deum alcance incoramen-
turavcl para o l'uloro, porque ella far desapparecer
essa mutua desconfianza, que tanto mal lem feito
aos nostot reciptocos interesses.
Pels noile o hospital esteve completamente Ilu-
minado ; mais de duzentat luzes resplsndeciam em
lodo o recinto da casa, desde o andar lerreo al o
tuperior, desde a frente al o terrajo do jardn).
At cinco lioras da tarde comee,aram a allluir raudas
familias brasileiras, e pela nodo todo o edificio es-
teve sempre cheio de visitantes de ambos os sexos ;
as aove da noite, quando nos retiramos, anda com
difliculdade se podia subir para o andar superior.
Mudas familias esliveram seoladas Uo lerraro, oolras
passeavam pelo jardim, favorecidas pelo'bello luar,
que convidaba a este recreio lao proprio da'eslacao
calmosa. Pela noile foram anda incantaves os
membros da junta administrativa nos seus obsequios
e na sua extremada benevolencia.
CORMiSPOMMS.
Srs. redactores. O inaudito cynitmo com que
horneas desconceituado, e reconhecidameale mos
se abalancam recorrer a imprensa, e por ella cu-
brir de baldes as reputarles d'aquelles que, qnal
espectro aterraddr, seguem e perscrutam um por
um lodos os seus pastos na carreira da proslilasci e
infamia; e anda mais, o proposito sempre Arme
que estamos em au consentir que pastera impu-
nemente as torpee (furtivas aggresaoes dos prosti-
tuidos dos ccus ; eja obrigam hoja responder e
immnudo arante) estampado as columnas do seu
Otario de 9 de osjeubru, na parte allutiva qne nos
te refere, e que se uscreve com o j conhacido ve-
Ihacho deBananeirense.
Refutando, Srt. redaclures, esse nuleyrio e eslulo
sacrificador da honra, se atienda bem I da hesva e
do pundonor de teu'neopro irmo isr este vil
execrando abocanhadaV da innocenda e da virtude!
este monslro sdenlo de horror e vingaitca este
abtynia deleilavel tem eoslnmes, sem lei, e sem me-
ra) ; refutando digo, semelbanle coripdeo, urna ac-
|lo qoe iaeeslrnxlo sejulilojido desta villa, fi-
eesSa, lUsll
de
Final lale o hospital ja se acba fuucdonando
reccjto da junta administrativa e do
ida como primeiro medico do eslabele-
cimenlo. Alguns mdicos brasileiros tambem oll'e-
quim Ignacio Ribeiro Jnior, fa>eceram seus servicos gratuitos ao mesmo hospital,
no caso de sermos invadidos pela molestia, qoe ora
afllige algumas provincias do tul ; e a raesma jun-
ta administrativa aceitou esses offereCimentos, que
devem assigaalar um faci transcendente na mutua
cooperaeflo dus homem da sciencia para um fim com-
mum : itto he, para alivio da humanidade ; por-
que a patria do homem de ledras he o mundo, e oj
medico christ.o principalmente deve ser por toda
a parte a imagen) viva da caridade. Do fundo do
nosso gabinete sandaraos etJMalmenle a todot estes
motos esperanzosos, que se preparan) para orna li-
to naTrenie'rfi -E Lv'n """"""hez agarrando asomaos da ir-
rnZSZi. m"a- perloa-as com violencia para rete-la sbrete
para role-la sbrete}
poial da estslsgern ; mas no momento em que a dor
arraacava um grito a Thereza, um punbo vigoroso
arrochava o braco de Pedrillo, e urna voz forle arti-
culara eslas palavras: uSolla. pslifinho 1 O novo
interlocutor era Jeronymu. Pedrillo foi obrigado a
ceder, e Thereza pude cuinprir um piedoso dever;
mas apenas vio-te livre, agradeceu a Jeronyrao com
osru mais helio aorriso.
Afrancesada', exclamou Pedrillo; meu pai e
Prez soberao ludo.
Cala-te! tornou Jeronxmo, do contrario bei
de rorrigir a li e a Prez.
Mas Pedrillo lulava e quera correr aps a irraaa.
JerouyaBolaiiroa-i. em am quarto. que eslava abee-
I porta i chave, o con a janella done
lilil grade de ferro, Pedrillo licou presi
Atoa sobre o poisl da estalagem en
lodo pola exprc--ao de rccnnlveciaienlo qae brilla
oo olhar o) ftereza* Jernuyolto seaiimealal a pen-
sativo, era um prodigio |ue liahamos \iinle adiar
as monlanhas da Catalnnlia; mas era laniliem um
incenveaifile grave. Ad (crli-ot^do perifoTa que se
tenvnha, e aeontelliei-lha seriamente que evitaste
a presenca de Thereza.
Prez a qaem Benedicto venden laja de barbei-
ro, resoltan) a fazer della, sen genro, era com Pedrll-
leste qi
o. dj
<>
hanr de
lo o guarda do Thereza, a qual perteguia cora seu
ciume mesmo snles do casamento. Beuediclo nun-
ca amara a tilha, teda a tua afleiejo eslava empre-
ada e.m Pedrillo, e pouco Ihe impurlava a feialda-
de e o ar detprezivel de Prez ; o barbeiro serva-o
e lisungeava-o era loda a occasiao.
Uualro das depois Jeronyrao veio a mira, e ful
lou-me desta maneira:
Mea lenle, abracei-a.
A quem, Jeronvmo t
A Thereza.
E's um patife, e obraste mal.
Estoa certo de que ella ama-me, senlior l-
enle.
Tanto peior obraste.
Se voosa teuhoria houveste vislu Pedrillo, te-
ria ridu muito.
Como Pedrillo eslava l ?
Elle sorprendeu-me no momento em que eu
abraeava Thereza, apesar de sua resistencia. Chegoo-
se a mim paludo de colera, e diste-me : o Senlior ca-
valleiro.por SanThiago nao insulte maita urna rapa-
riga catalia de qae sou iranio, do contrario lera de
conhecer minha faca, a qual jnro-lhe que (em a la-
mina solida e aguda
V. que Ihe respndele 1
Xiimbei da ameaca, e creio que elle foi contar
indo a Benedicto.
Jeronymo, se continuares, seaj assastinado !
L'ma uuvem loldou n phxsionomia ordinariatjuat-
le liio alegre do cornela, o qual lornon :
Vossa senhoria lalvez lenha razao, meu lenle.
(Juando o rapazinho encarou-me, lembrei-me desa-
gradavelraente do olhar de unta serpenle verdee a-
marella qae vi na minha infancia no Jardim da Na-
ci, e dase comino : He bem possivel que eu receba
meu passaporte desse fedelho.
Seria melhor que tivesses meaos presentimeutos
e mais prudencia.
Alguns dias depois eu acabava de recebe)' um ofli-
cio que sem marcar-me anda a dala, a anuncia va-rue
que haviamos de deixor brevemente Callados, quan-
o urna noite Jeroaxmu depois d baver feito innu-
ieraveis brindes ao imperador, o quiulo esquadrao
de cavallaria, e ao exterminio de todos os Inglezes,
suas duas alfei^es mais vivat e sea odio mais inve-
terado, confessou-me com circumlocures inui deli-
cadas que era o amante diloso da bella Thereza.
A pobre rapariga apezar da vigilancia de que era
rodeada por Benedicto e Pedrillo, sobteludo depois
da scena do beijo, impedida pelo seu corac3o, e f-
cilmente teduzda pela soa metala ignorancia da se-
duccao, nao podera retistir a Jeronymo.
Reprehend meu ordenxnca ; que mais podia fa-
Lpersf Demonslrei-lbe quanto teria lerrvel para elle
a vinganca de Benedicto, e censurei sua conducta
para com essa pobre rapariga.
Posto que eslivesse sob o imperio de numeratas
libaco-s, Jeronymo foi asss senlior de t para jurar-
me com lealdade que amava profundamente a The-
reza, que nao a abaudonaria, e confiou-me teu pro-
jeclo ile faze-la primeira canliniere do quinto es-
quadrao de cavallaria, o que, acrescentou elle, nao
deixai ia de ser extremamente lisongeirnara a aacilo
hespauhola em geral.e para seu fuleflMsgro em par-
ticular.
Bem sei que o imperador nao gotta de ver-oos
conlrahir u conjjingo, diste o meu ordenanza ma-
neira de perorarlo ; mas elle nlo se far muito ro-
gar quando soober que trata-se de teu cornela Jero-
nymo do quinto de cavallaria ; cotihecemo-nos na
Allemanha ; alera disto, meu lente, cont tam-
bera cora vossa senhoria para referir hrandamenlr o
negocio ao coronel.
Eu teria rido, se o caso tivesse sido menos grave.
i >uiz agastar-me, mas nao pude conseguir ; porque
a todas at miabas objecces J eroaymo daxa ra/.oes ca-
pases de enternecer um defuato. Seuli que nao pq-
dia mais conler-me, mandeio-o a tabua, e deilci-no
com a imagiaaao mu perturbada por essa confi-
dencia.
de lio honrosa, offerecendo seas pedos i espada
da epidemia, e oppundo-lhe o broquel de suas lu-
cubrares.
Cumpre tambem advertir qoe o governo lem sido
ineansavel em preparar todos oo elementos de urna
defeza heroica contra os ataques de um ioinaigo
lao insidioso como a epidemia reiuanle no snl.
Urna commissao, presidida palo Sr. Dr. Sanenle,
dividi a cidade e seus suburbios ero varios dittric-
los e poolos mdicos para occorrer todat as emer-
gencias do primeiro astallo : cases, camas, reme-
dios, roups para os indigentes, urna ambulancia
pura cada districlo, lado est fllinsll nteesninlii
com um zelo qae faz. honra ao governo e a seos
agentes. Sptimos que itto mesmo nao se lenha
feilo publico urna e mudas vezes para animar o po-
vo, e para evitar escndalos da ordem dos que se
deram ao Para, na Babia, e ltimamente een Sergi-
pe. Cumpre que a autoridade ao se prepare em
silencio como para sorprehender os incautos, mas
que te moilre tolicita, que anime a todos, e vigore
etsa confianza, que inspira a bundade de Dos, com
ot recursos da inteligencia e do poder humauo.
Debaixo de lio lioongeiros auspicios Dos fai o
resto pela tua misericordia e pela tua infinita bon-
dade. Anda temos eanoraur,a deque seremos pre-
servados de semelbanle flagetlo ; aiuda uotriatoo a
eonanca, que nos iutpiram a boadade do nos cli-
ma e a proverbial tobriedade do nosso povo ; aiuda
temos um presenlimenlo feliz de qae a nossa bella
provincia fara urna excepcao do mal, qae nos encara
tem alrever-se a curaraetler-nos de frente. A anp
de Dos nos preserva, seja Dos louxad para
sempre.
A. L. '
mi. a. _^,_ .ui,,
ullqosoe aleives, e de
9T*
stepon de iosi
pintar anee digno cavalleiro emo~ um homem de-
testado e coberto de rrimes pede-lhe, que apresen-
te formalmente documentada a copia d'uin ofDcio do
sobredito subdelegado e de qoe Iralavu o correspon-
dente., lia no mando homens para ludo e com ef-
feilo, semelbanle coragem he um escarneo ao -bqtn
sonso, porque, pretender defender a ora homem sem
crdito, a um borne u perdido he querer atrepellar
todas as regrat da josliea, e da razio, he o maior de
lodos os escrneos!!
Mas ludo ser infructfero, porque, Srs.' redacto-
res, lenho de dous anuos i esta, parte, me eocarrega-
do de arrancar a negra mascara com que estes fer-
cados dos cocos nos teguero cobarde e Iracoeiraroon-
le naescuridao das trevas. em quanto que ns-oan-*
companhamos cora aquello denudo, e com
nobreza que em circunstancia nenhuma
faltar, por merc de Dos.
Nao uos importa a nos queo Aldei
dro ou Paulo, e que falle ou deixe de faller
dade, o certo he que na refuUcao, as ceusuras oo
accusacilo ao subdelegado desuero se trata, foraos
acia losa e allusivauenle mordidos pelos viperinos
denles das intaciaveis vboras di pndilhanaoss-
ccos ; estamos em nosso direito deffendendo-nos,
repellir as torpes allotuet do uefando escrevinha-
dor. e nesse presupotto oot permillira' o Sr..,
deiaoque era favor de conveniencias que nos
zem respailo, nos declaremos franca e abtolnj
te retponsavel pela veracidade de^auas atserejem
retpeitode (udo quantoou autoH|*espeito
pouco que lem denunciado do jpdj|
Targine Candido dat Neves.
lo do sabea
rNo da seguinle conservei-o junto de mim debii Pos ^U*itaal*ato^.*M*''m.,^?on?-
o de lodos ot pretextos qae pode imaginar para
iaepedi-lo de ver Thereza. Emlim faltando-mo ra-
zts plausiveis para rele-lu ao meu lado, encarre-
guel-o de levar meu relaloi-io semanal a Ordal, a-
compauhado de dous cavalleiros.
Esperando a ordem que Jeronxmo devia Irazer-
me di Ada I, apressei a revista da parlida. Eu li-
nhaflj^k de una guerra de punhaes e de lacas, e
querf ifKpa-la minha gente Pedi |ios ao coro-
nel no meu relalnrio que me autorisasse a deixar Cal-
lados quanto antes. Para nao irritar a colera de
Benedito se tivesse alguma suspeila fia falta da tilha,
eu ai o quoria que Jeronyrao estivesse presente
revitla ; esperava evitar assim qualquer encontr, e
decid i que a revista seria feita no dia 9 de julbo t
seis b iras^sajordi'.
Ira qee^HoK hora depois do loque da cornela,
appar ?cerae sobre o Imanar das habaroesuns qua-
renta cavalleiros, os mais activos ja montados, os ou-
lros trazendo do cavados pela rede, e todos dirigia-
do-se para,a praeai de San Jos, iugir marcado para
o ajuDtamento.
Apenas os ravalleiroa-ttinham-se reunido dianle
do ponteo da groja no centro da praca, vio-se af-
Agora, pergualaremos com
franqueza que nos sao conhecidas, ao"H
do Sr. Aldeio, queris, que anle oe^
do paiz vamos provar como o vosso n*JB
delegado lem abusado do poder publico qafl
daraeolocxerce'.'!! queris, que ante os l
bunaes provemos at a ultima evidencia
e mais eudalodos os vossos, uao devem, a
que nao sejs por uinadessat circumslancias sjua is-
senlam no capricho, no egosmo e no desregramea-
to poltico de algum potentado sem opiuiao publica,
e sem criterio, oceupar st posi{0es ofliciaes ?! que-
ris anda, Sr. du araozel, que provemos com o tea-
fluir a mor parte da populscao da aldea. Essa gen-
te nao roostrava nenhuma intencao hostil; mas cir-
culava diante da trepa, e pareca curiosa por con-
templar debaixo das armas esses cavalleiros lerriveis,
cuja fama corra por lo% a parte. Observadores
mais alientos teriam visto Islvez uessas phisionoaiias
sombras, nessas palavrinhas trocadas em vez baixa e
mx sleriosa, neeses odiares cheios de odie Uo expres-
sivo e so mesmo lempo lao dissimulado, rouilot rao-
livos de inquietadlo. Quanto aos meus cavalleiros,
ou por habito ou por indiflerenca nao pareciam fa-
zer caso dat disposices dos Catalies, e ufTereciam
pela viveza de suas maaeiras um contraste notavel
com a gravidade rocatada, que be carcter ditlin
vo das raras hespanholss.
Repentinamente, ouvio-se o galope furioso des
cavado oa ra principal da aldea: era Jeruuyeio !
Deixra alrsz de si os dous cavalleiros que o escolta-
vam, e precedia-os nesse momelo meia legua.
Jeronymo partir suspirando; mas obedecer co-
mo soldado, ato he, sem murmurar; tmenle reser-
vara a'si o direito de ir duat vezes mais rpidamen-
te do que o correio, portador ordinario da corres-
pondencia, e fuere em viule e qualro horas urna via-
gem que esle nao fazia em meaos do dous das.
Desembocou na prara coberto de suor e de poeira
depois de ler escapado de derribar dous ou trea gru-
aiave
lmenle dianle de teu cavado, e sem fazer caso das
pragas enrgicas que o acolheram na psasaeem, che-
gou junto do deslacamenlo^.Abi pergunlou se eu
eslava anda no meu aposato^nada respondeu s
perguntas que zere|t*Ue ej^afpnaraolas a respeitu
da parlida, e volloo *Bsma-a*sma rapidez. Alguut
minutos depois eal0oM miada rata de peraa tesa,
e leudo a mo diretla uWltura da viseira do capa-
cele.
Jeronymo fura inscripe na oejkicula do esqua-
drao pelo nome de Jeroiixrao1nglcz,"uome funesto
que Ihe fizera dar ou recebsKoaoii culiladat do que
tinha de letras. Os cavalletreo velhos do esqoadro.
e seus amigos inlimos detignavam-no por ledos os
appellidos que Ihe baviam valido soa bravura i to-
da a provn e teu ar tombeleiro. Era o primeiro em
urna carga, o ultimo em urna retirada, elivrava-se
dos lances mais dlfliceis pela sua audacia; por isso
fdra baplisado coro u siuistru sobrenume de Engaa
a Morte. Delgado e vigoroso ao mesmo lempo, de
porle airoso e altivo tinha a tez lvida e doenlia qae
he particular a populac.au da grande cidade, e qu
apenas fura corrigida pelo sol abrasador da Heepa-
nha. Seus olhos grandes e negros linham a eepres-
so de oustdia qae era sempre o lempo, a idade e
i

*J




-14*
....------------------r---------
lem mili Je -pea-oa. imuspeilat, quo u vosso irmo
sol. lelegado lora prevaricado em seu cilicio, e tem
man.la lo chimar a pretexto ile servico publico Ira-
' balha lores para s-u engaito sem pagar-Ibes devi-
damene seoTCompelenios junue'.'! queris ifinal,
qae na proas** historia .le vojrffc tbaaiinaveis pro.
genitoresatleadei bem... n'ctta historia negra e
vergonliosa II! procuremos laclen para mostrar quem
lales, aMPtiais, e (Juan, para futuro podis aer 1
Baila, Sr. Mtiguista ; pouco lem sida o que le-
vamos il-(l jaja^it-dizer o mwaoo de mi. ? yuan-
DIARIO OE PERMMBUCO TERCA FfIRA 27 DE HOVEMBRO PE 1855

SCIENCLtS E ARTES.
PHVSIOI.Ol.IA.'
Pdese recuar os limite* da vida humana 1 L'm
profeisor.de chicnica, celebre por teut-metholot de
ensino, aprsenla osla questao em urna memoria
apresenlada i academia das scienciM inlilalidl :
Sobre at cauta* da crhice e da morte senil. Esle
chamico lie Mr. Eduardo Robn. Elle entende com
elteilo quo vida humana poda ser prolongada, e
corto lem f em sua opiniao, procuro 01 meio. ra-
do mos|r iSramenle a opiniii publica quo o- cionaea de chegar a esle resultado, que procurara por
muilo lempo ainda, dizeis sus leilor; lie estl a
nossa opinip e be lamhem seru duvida a de Mr. Ro-
bn, que esperando ama grande sonma, uos Iraz
orna inleretsante p.rcella desse. meloa. Finalmen-
le supDundo-ae que baja um eicesso de audacia em
semelhanle invesligacao, por nos-a parle nao vemos
neiibum mal em que se commellam excelsos nesle
genero ; islo serve de contrapeso.
Um astrnomo (fue levanta a questao de saber, se
a la he babilavel ; um chiroico que emprehende
recuar o limites, divida humana ; agora um en-
gonheiro, que deseja por ao alcance de om gran-
diMimo numero os meios de peregrinaro na super-
tele do globo {necessidtdo esla sentida por lodos );
depois um medico, cuja nome he urna auluridadr
o qual determina no homem a faculdade da propbe-
cia e oulras faculdades maravillosas ; um gelogo
que emprehende demouslrar que a creaco dos seres
vivos. u3o est acabada, e que aqoiilo que existe, le-
ra urna continuado (desles ltimos tilo poderemos
fallar boje, mas esperamos faze-lo brevemente ) ;
eia nao cahiremos complelamente em lethargia.
Os seres vivos podem ser comparados com forna-
Ibas sempre accesas; a vida s existe com a condi-
rao da combusiao, mas a eorabasiao que-se opera
em nos, como a que se di em nossas cbnmiiis,
deita mil residuo, uns restos, as cinzas ; estes rei-
los quo se nccomulam sempre, eis aqfti, segundo
Mr. Robn, a causa principal da velhiceeda morle
senil.
O alimento qualquerqueseja a sua nalureza, ve-
getal ou animal, liquirjvou solido, he carr**do de
malcras mineraes, qu"! combuso I he fa/Ktado-
nar as dilTerenles parles do organismo, servem a
principio pra a nulric.lo, e he somante qoando o
esqueleto esla consolidado que, rontinnaudo a af-
fluir, ellas encruslam e mineralisam as pessas do me.
(Misma.
A ntanaira por que a mineralisaoao determina a
velhicc- no homem, parece claramente indicado.
De urna parle a os num, a rigidez maior dos ligamentos posteriores dos
ldotdelerminam urna respiracSo cada Tez mais
da vez menos extensa, e que acaba por
mus reos aja erimes que me imjMtais, e que nao pas-
sainos de om calumniador, eaiiihaiv.o, dallaremos
que mordais sem troperos na estrada que indigna
e tracoairamule has trilliado. Queris ainda maior
franqueza, Sr. dos cocos? n,1o he possivel.Tend.es
visir aflManlo, a hjaldade e a franqueza com que vos
haventtK acompanhado a'esse pleito em que por
ventura temos sempre lutado esm armas desiguaes,
porque o vosto infanta p'oaa4wempre se lia de as-
.elharao do assassino cruel qtajl lo mala, e s fe.
re metlido nos escuro* somlirios do seus escondrijos.
Se queris arrostrar com as coosequenciat de vossas
eiocraveis calumnias, se ludo quanto Bridas dito a
nosto raspeto, e a respcilo de ptasoas qae me sao
charas, pode valer de alguma causa na conscienca
publica, garant a sua veracidads, desembucai-vos,
uioustros do inferno. Vessa capa do annimo com
que encubrs ossas faces escuadas de brio, de ver-
gonha e de pudor! Av*nle, senhores neves, avan-
te !!! econlai comas franquezas de adversarios gene-
ruaos que nio sabara lamer, sendo temidos ; nao sa-
bara dizer o que nSo sabara provar.
Cnnhecemot, Srs. redactlas, que em nosso modo
Sito e da prudencia, e offendemo. at os principios
de Roa edneacio : sabemos, lambem que esses mei-
os vilenlos de defesa quasi sempre dio em resalta-
do as graves aguales que p6em em coustanie reac-
C*o o espirito de ociabtlidade que dar permane-
cer entre todos os homens, e islo he -de faci urna
calamidade mas, circunstancias de oulra ordem
asistentas vezes que nos indaiam desconhecer lo-
do o pessjpk tae* verdades, nesso caso nos achraos-
nos, Srs. redactores ; e se com ludo merecemos si
censuras dos homens honestos, de boa menleUiajro-
gamo* sejam indlgeme' para quem nao deve calar
as verdades que proclama. lYrdfm humildemente
pedimos aot homens honestos e entendidos.
Muilo obrigado a' Vmcs.,Srs. redactores, pela io-
scrco de minha cripta no seu Diario. '
Villa de Bananeras 5 desmembro de 1855.
Ijnnardo Bezirra. CavalcantiJuniw.
Un. redactores.Tendo os habitantes da comar-
ca do Rio Formoso deliberado enderezar ao Enverno
imperial orna representado par ser all conserva-
do, como juizdedireuo, o Illm. Sr. Dr. Joao Bap-
'isla Goncalves Campos, que fOra ha pouco nomeado
efcefe de polica do Para, donde he natural; e lia-
vendo-se ja oblidn moi voluntar menlo um grande
numero de assignaluras no termo deSerinhaem, para
o que lodos se preslaram com incrivel afn, e rheios
Je esperanzas, sucredeu que ao depois se soube es-
crupulisar em acquiescer aquella digno,magistrado a
UojuSlarepresenlarao, para que se nao sappuzesse
ler elle para inso direcla ou indirectamente concor-
rdo.Entao resolveu-se nao se ir de encontr a
esse designio daquella honrado magi-lrado, que tai-
vez aisim se exprimisse pala >.ua raconhecida mo-
.desla, e foi por isso mallogrado lio nobre inlenlo.
Agora poim que o Sr. Dr. Oimpos retira-se *h-
quelle lugar, hs forra dar-se publiridade i sse fac-
i, e na hora da despedida pajsjr-lhe inais esse tri-
buto devido ao teu distinelo mercimcnlo ; pelo qoe
peto-Mies. Srs. redaciores. que tskzlignem de inserir
com brevi lade, a predita represefflcao inclusa, pa-
ra que lodos ao menos saibao como por aqoi se por-
lou aquella eslimavel magistrado/e as vivas sauda-
des que deifa en Ir as pessoas je lodos as classes.
Ui habilaiiles do leraao do Ra Formoso acaban de
dar o mais solemne teilemunho da cordialida le, e
coBsiJera^ao que sempre consagraran! ao Sr. Dr-
Campos, na hora da soa partida, e quando all ja ba-
via cessado a aba joriidiecjio de juiz de direilo, inn-
mera ves vizilas recebeo.oos diassubtcqueoles a cea-
acao do seu eiercicio, e ao parlir daquella cidade
un acompanhado, corno errrrriimfpHo;pelas wiosi.-.,
que all existem bem organisadax, at qnaes vollaram
depois de alguma distancia, assini como por cerca de
cincoenlacavtlleiros, pessoas giadas, e recouimenda
veis do lugar que o seguiram al a villa de Seri-
nhaem (duas leguas de caminlio onde pousou aqucl-
le eslimavel juit'lvaJireito. Na villa de Serihasm,
apatita ehegou, foi logo cumprimenlado por milites
dos Rus habitantes, donde parti, no dia 12 do cor-
rcnle para ir despedir-se de mim seu especial amigo,
residente querr na proximidade dslla,e al mesmo
nf-sa casa>recebeu elle grande Homero de visitas, e
no dia 13 do andante mez pelas cinco horas da
manhSa seguio para n Recife, acompanhado ainda
por ajgous outros amigos scus al a distanciare
xinco leguas, na'povoacao denominada doVermelho,
onde possuidos de verdadejras saudades dalle se se-
i e derao-lhe o ultimo abraco, e o saudoao
I desped la.F.is o modo honroso por que
pre acolhido, e considerado o Illm. Sr. Dr.
i durante lodo lempo que dignamenle exer-
ceu o lugar de joiz de direito daquella comarca do
Ro Formoso ; eis o glorioso premio, qu obtem um
magistrado, como elle, que sem faltar om pice lo
cumprimenlo dos seus deveres, sem deixar banca de
distribuir a mais recta justica ca;>vel em suas allri-
boitoes, e de manter a plena gravidadc devida ao
^eu carcter, c a sua elevada posicao, soube sempre
anisar essa rigidez dos seos'actos com a ameni-
|,candura, que resumbram em suas rnaoei-
anto (l-linguem a sua pessoa, porque com-
I a ausleridade e arrogancia em
de quem se demanda joslca,
fisar por nm pouco, mas logo se
nuilas vezes provocam graves
E, pois, agora que o Sr. Dr
ha no Recife, e su prepara para se-
letlino, digoe-se de acolher os fervor-
la o sinceio anhelos que em aeu bem es-
i Exm. familia nao eessao de dirigir os
comarca d Rio Formoso, oude sempre
lizer-ie o sea nome, e a soa recta e sabia
i eticam gravadas saudosas recordagoes.
jo conduzam a salvamenlo, os ventos Ibe se-
jam mni propicios, e o mar booaocoso com sincera-
inen-te desja-lhe.
O seu verdadeiro apreciador, e amigo.
Upamimmiat.
lados den
leajj ca.i
ser quasi
ser-quail inteirameule diaplu-agmalica ; de outra
parte, a ossilicacao dos vasos e de suas vlvulas, a
diminuido do calibre das arterias, a oblitera{o das
capillares, o augmento das cellulaa pulmonares, a
diminaicao do numero de seus vasos capillares; tor-
nara a circularlo cada vez mais diflicil e diminuem
a superficie respiratoria.
O ar fleaodo cada vez menos em contado com o
nsue, o liquido lorua-se menos arteralisado. e
da urna cor mais aperlada ; obslrue o tyslema ve-
noso como no estado de asphyxia e as experiencias
sobre a quantidade de acido carbnico exhalado,
sobre a temperatura animal, sobre a passagem de
cerlos elementos dosangue as ourioas, nao permit-
iera duvidar, que-se produz, a parlir de urna cerla
idade urna couibusto gradualmente menos abun-
dante.
Com a combnstao e o calor, a eleclricidade e o
Huido nervoso dimiiioem, por tanto a sensibilidade
e a canlraclibilida/lo leroam-se menores, os movi-
menios fazem-se lonlofllt acliridade geral diminue,
enfraquecda por todas solos causas, a afeo neivo-
sa conlnbue por sua vez parafoimioaicio da com-
buslao, e ... todos saber como iplo acaba.
Forte com este rte^oduio,. que tem alsun valor,
Mr. Robn esporo prsau que he fcil demorarla
velliica e a morle do'sjm grande numero de ani-
maes,% isto enfraquaoendo os poeaomenos de com-
bu-tAo lenta.
Consegsjinlsmenle, prope fa/cr Ires series de ex-
periencias sobre os animaos, cuja vida^ lem pouca
durarac.
Uns serSo nutridos com alimentos ordinarios, que
coiilenham TStBOHr-TOinerias miperaes incrulanle>-
Uutros coni^Timeitos mais on menos privados
deslas materias por meio de dissolventes apro-
priados.
Os ltimos finalmente cora alimento, ordinarios,
mas com a condicao de administrar, desde ama cer-
ta idade, acido lctico, o qual tem incontestavel-
raente a propriedade de dissolver as materias mine-
raes, e parece proprio para dissolver, durante a
vida, as que ja eslo depositadas no organismo.'
Se nos perguntarem o que pensamos do assumplo
das indagacoes, que escotVu Mr. Rubn, esla per.
eaola insidiosa'nao nosmbarac.ari muilo ; res
ppnderiamos que aprovamos muilo o assumplo e pe-
dimos ao autor que persevere nelle.
Bem sabemos que te dir : Paracelso Van Hel-
moull ele.; mas primeiro que todo os nomes nao
nos impOe quer no bem quer no mal, e alem disto
sao nomes, de grandes engenhos; c depois sentimos
urna orle repugnancia por esses jaizos felos e que
circalam no publico como moeda de cobre, e qoe
todos aceitara de boa f sem um novo exame sobre
estas grandes doutrinas qde, das prulundezas do
passado, brjlham ainda aos nossos olhos como re-
lmpagos e volces indammados. .\ossa repugnan-
cia se fortifica com a observadlo dos fados.
Vemos com eueito que muitas doutrinas, no dizer
de seus adversarios, nao estao ainda moras ; ve-
mos algumas que, julgadas absurdas em um mome-
lo dado por um cerlo grao de saber, sao pouco de-
pois c por um grao de saber mais elevoVo, plena-
raonle justificadas como principio, e olrodawdit na
-ciencia olli.ial. ^
Asiim nio he muilo para desojar qpojOOMis se
consiga transformar em ouro um mnHRjpflk, e
somos daqueUas que nao nos contentamos inteirt-
mente com islo ; mas, o seculo dezenove certamen-
te nao he mais lao ignorante para negar o principio
da alchimia. lia na humanidade um cerlo numero
de ideas, detenimientos, de crencas, de a'spiracoes,
que nao resultara directamente da experiencia, que
ellos precedem, as quaes nascero esponlanea, iutui-
livameule; enconlram-se too todos os logares, em
todos o lampos, sempre as mesma debatode lgei-
rot dislarces; formando no lempo urna tradicco
mlerrompida, como no espato urna rede sem lacu-
oa : constituidas enrtbo>o, formariam o todo dou-
Iriool o mais respeitavel.

o bacilos de ootra viaa fazem dasapparcer nio lilno
'los arrabaldes da faris. Em om encontr que ho-
vera o anuo precedente entre qoinlo de eavmlari
e ama brigada de lanceiros hesnaulies em Araga*
Jeronymo que achava-sjl sempre nn mais forte d>
peleja, malura com tba propria m8o Ires cavalleiro
imroigos, a vendo ferido o coronel do regiment,
apetra-se e o amparara com teu corpo, al que nova
carsa ffila pelos olliciaes que estavam inquietos pela
.orto do coron-l. desembaracou-o com aquella, cuja
vida foi cerlamenle salva por es.e neto de dedicacao
oda bravura. Jeronvino receben nassa aecJo s'ete
entiladas; roas em recompensa desse feilo de armas
-sur pedido do coronel obleve a cruz. Alguma
as depois foi condecorado pelo seu coronel
inte do relmenlo, o qual baleu palmas, e arolheu
J eslruudosos vivas a distioccao tao justamente
WTerlda ao intrpido soldado. Jeronvmo une nao
omp.Hi lecia a vista do nenlium parigo, e qoe leria
n.lo e zomba lo dianle da bocea dos canhoesicarre-
gadoa da malrallia, eslremaceo nesse dia ao contac-
to d iilonosa estrella quando tocou-lhe o pelo, e
daamaiou como urna rapariga.
Havia pouco lampo quo era meu ordananea, e ja
eu linha Hdo mil orcasiOas de experimentar sua de-
dicacao, sem rallar de certa experiencia d.-sa guer-
ra, qual nao eslava ainda habituado. No momea-'
o em qua elle enlrou-meem casa, eu achava-me de
lium.T alesre, porque esparava a prxima rheeida
do destacamento, pelo qual deviamos ser rendidos.
Eniao linha eu apenas vinle elresaimos: os ex-
emplos bnthanlrs e promptas fortunas militares ax-
citavam o nulramioWi.oiilios daambic.1o. Ma<(i-
lava o Ircio cVm iiiHVocia-o iodignava me por ti-
rar nassa aldeaob-ej*: aJU, mais felizes meus
-amaradas combaliam ffPrnlaV c cobriam-te de
gloria na Alia CaialunliTTfiojcoi.fi,. de Navarra.
Ja volta, rou bravo Jcrunvmo! (.loe diz-se
le novo em OrdafaKguiitei ao cmela, o qual es-
parava immovel no Minar da porte.
E|* aqu os offltfbuieu leueule. Pelo que
ouvi tlhjer parece que o pifla., le Mr. Uevigne esta
lanuubo para vir renier-nos.c que i>lle havia de
partir algumas horas depois da mim.
LiMoofllcias cun ancin. Ellas annunciavaiu me
ue^desiKamauto que eu esperave poda ehegar
MI maslo na tarde di oolrMsa em Calalos. Eu linha ordem de reu-
i ta da seauinle a mrahu brigada composla
^qoinlodecavallari, do nono de huwaro, d.ri-
Mrae um puco para o oesle de Ordal, onde es-
ilkZZT?'' B **>"**- Esses dousraamen-
o teonir-se no fim de poocua diat pon
atacar a Navarra, impellir para o sol os bandos ua-
varrezw qoe commandados pelo Empecinado,-isw
qaiet.vam muilo not-os poslos avancadot do cavaU
lana*
As oformatoes que dava-ma esse officio nao per-
miiiiam-me duvhlar de que durante minha ausen-
cia do regiment a intnrreicao navarreza, linha-se
eslendidoapontodelornar-se formidavel e Irans-
bordar sobre aUalalunha.
Urna carta particular quedrigia-roe um amigo da-
va-mc nolicfcamais minuciosas sobra a nalureza e
origem desse\TaJlovanlamenlos: sabia-se em Ordal
cora certeza que alcuus caudilhos /linlum ousado
atacar poslos francezes de rorca consideravel, nao
conlenlando-se mais de seguirero ot corabots e assas-
smarem os Ijridaa e os conductores. Dizia-se
tamben que Mloa, Renovales c o Empecinado nio
pudendo com seos soldados irregulares fazei frente
aoexercilofrancezencarregado de combate-Ios, li-
nhatn espalhado soat guerrilhas, e haviam-se lauca-
do sobre a Calalunha. Era em conseqoancia de al-
snns ataques tentados por ellas sol,,,. ,,os enmbois
c pequeas guarnicoes.quo o nosso de hus.aros.meu
regiment e Ires balalliOrs de infanUria deviam bre-
umenle por-te em sua perteguicao.
* O espirito das luslrticcflas consieiiadas no ollicio
odelo da roncislo militar, era mu simples : vigiar
Plratar bem ao. h .hitantes ; mas reprimir todaM
tentativa de lavanlamenlu com o mais infiexvel rfl
gor. e por lodos os meios possiveis. Na,, havia ne^
nhuma c.rcumstancia determinada ; o olllcial eslava
advertido, compelia-lha vigiar e lomar lo las as ,,re-
caurnes que pudesse suggerir-lhe a ualureza dosta
guerra de sorpresas e de emboscadas.
Cnllados antes da oceupacao militar fora aun foco
de resistencia, o mesmo o refusio or.linar
uta bandos ; mas se exitlian na popula,
tos de levanlamoulii linham-so desvaiieciav
da nossa gente. Todavia alguns rumores surdes ha-
viam dispertado minha allencao chaguda do meu
deslacamento; roaa apena, poderam ollerecer um ca-
rcter inquielador.edoBtei medidas taes que os ha hi-
lantes mam.se forjados a ab.iid,.n,r.aasespera..ras.
ou ao menos a d.ireri-lai aguardando oecatiao mais
lavoravel.
Enlendi-me com os meus oflicinoJRHtiores s-
breos ditp.WirOes que convmha tomar alora par em
seguranra os brav..s que commandava.
A caria particular que receb ditlb-me que em
Orda falUva-te muilo do Fradiuho. um doaehcfes
mais lemiveisdos bandos revoltosos da Cotalunlia
dizia-se que fora valo naso I e que provovelmoole
nio detcharui da atacar nosess ^osto. avancojo tal-
t Poit bem o que Barn die da telenda e da re-
ligio, a saber, que pouca ciencia affasla desla ul-
tima, o muila ciencia approxim#della, pode-se
dizer das relacaies da* sciencias co.n essas ideas oti-
adas de que lemos fallado ; |ouca sciencia aparta
Wlas, moilatcieucia tpprotima '. rquila sciencia
etridux a ialdlpo a a Justifica.
1 acahar-se-ha reconhoceudo-ia que a sciencia,
debaxo do ponto de visto ogmalico, nao lem servi-
do senao para desenv olver o que desde a orgem
eslava em germen na humanidade.; a parlir desse
momemto empregar-se-ha lauto cuidado em desen-
volver a iuspiracau, quanto se lera em mata-la, e
a iuluic.au ser considerada como o faeho da eipe-
riencia. '
Mas para approvar as investigacocs, a que se d
Mr. Robn, e que se referem a urna das crencas
mais vivas da hnmanidada, o que em o nosto en-
tender as justifica, lemos urna razan ainda, ei-la :
Toda a qualidale qua apparece excepcionalmente
em urna espacie, he o indicio de urna regra nova, i
qual esla espacia pode ser submellida.
Ora ha macrobios oq centenarios na especie hu-
mana ; loso o macrobismajhc compalivet com a or-
canisar,ao humana ; a consequencia nao he Toreada,
mas note-se que logo que o macrobismo se produz-
sua causa pode ser determinada. Ora, possuir urna
cansa, he ser senhor do effeilo ; tau mais^ijmplcs-
mente, pode-se formular os ragimens, que produ-
zissem centenarios, e o que al qqui he excepcao,
pode vir a ser regra.
Se IIJpiM.lv(o Rover Collard vivessa, nao me das-
mentiria.
A longa existencia dos patriarclias provoca o sor-
riso do" incrdulo ; mas em lempos muilo menos
lisiantes de nos, euconlram-se fados, que nao sao
manos verosimais e que ninguem pode contestar.
Entendemos que nao desagradamos ao leilor, cuan-
do alguns :
Ponce l.paaa, morrea em 1760, no ducado de
l.axembourgu, na idade de 12\ aunos; pouco lempo
antes cultivava un campo e camin,ara a pe distan-
cia de 6 a 7 leguas. -
Eleonora Spicer, morreu na Virginia em 176.1 na
idade de 121 annos. Conservoo o uso de seus senti-
dos al o ultimo momento.
A senhora Barnet, mora em Charleslowu em
1820, na idade de I2:t anuos. I.embiava-se per/e-
lamenle de acontecimenlos, que tinham lido lugar
um seculo antes.
Grandef, morlu no l.angucdoc em 1756 com 126
anuos. Era official de ourivas e trabalhava ainda
dea ou doze das antes de sua morte.
O Ingles Joao Neuwell, morlo em 1761 com 127
annos de idade, em loda a plenilude de sua ra-
zao. '
Oulro Inglez, Joao Baylet, mercador decarneiro,
morlq em 1706 com 130 annos de idade. Nos lti-
mos annos de sua vida, conduzia rebaulios de car-
neiros para os mercados de sua visinliaiira.
Margarda l.aivler, Inglesa, morta em 173'J, com
13annot de idade. Poucot das antes ia a p a
urna distancia de tres a quatro militas e vollava pa.
ra a casa no mesmo dia.
Jos Barn, negro, morto na Jamaica em 1808 com
140 anuos, Poucos das antes razia jornadas do i
m filias.
. Polotiinan, cirurgio na Currante, morlo em 1825
na idade de 110 annos. Na vespera de sua moile
pralcou^a operacao do cancro com muila des-
treza.
Thomiz Patr, morlo em Londres, na idade de
152, em 1635. Al a idade de 130 annos, pode en-
lregar-se a todos os trabadlos de agricultor e mesmo
de baler trigo.
Obtl, aldea de Silesia, mVrla em 18, na idade
de 155 annos. Tinha trabalhtdono campo i.a ve-
pera da sua morle.
Jos Snrrington, Norweguense, morlo em 1797
com 160 annos de idade. ConserVvW at o ultimo
momento sua razao e seus senlid-.s.
Joao Bo i,., nascido no Temeswar, morlo em 17iO
na idade de 172 anuos.
Pedro /.orlan, compatriota do precedente, morlo
em I72 cora 185 annos de idadsjfc
Se compultassemos t vida desles aorm'qxlraordi-
nanos. recan,.ceriamos que he berodkjEti delermi.
nar as causas de sua longevidade ;,o privilegio, J de
que eram dolados, parece rorapalivel com todos os
gneros de vida.
Aprsenlo alguns exeroplos'.
.tumbal Camoux, morlo com 121 anuos de idade
e que ligura em um quadro de Horacio Vernet, be-
ba muilo vinl.o e viva de alimentos grosseirus
cirurgio Pololi'man, de que cima fallamos.nao pas
sava um dia sem embriagar-ot; a camponeza Obi,
morta com 155 aimos, beba ordinariamente dous
copos de aguardeple por dia. Na precipitacSo de li-
rar-se urna couclusao. poder se-hia exigir a embria-
auez em privilegio de urna longa eristenca. Ma
temos Eleonora Spicer, nftrla com 121 anuos, sai
ler bebido nunca licor espirituosa ; Grandes, mor.
lo com 126, nonca linha bebido vinho ; Joao El-
finghao, morlo oa idade 144 annos, nao conhecia
licore. sonau do visla. .4Jem desles conlraslet,
eis aqui fados qua nao sao mui facis de cornpre-
hender :
Dniz (uignard, morlo com 123 annos, hahilava
uioa caverna feta no "tufo ; Drahakemberg, morlo
com 146 aunos, linha sido preso pelos corsarios e
havia soOirido 15 annos todos os tormentos de um
cruel capliveiro ; Joo Laflitlr. morlo com 136 an-
uos, linha contralllo desde a infancia, o habito de
bsnhar-se duas ou Ires vezes por semana, conser-
vando-o ateo lim de sua vid. ; Joao Causear,'mor-
lo com I37annos,faziagrandeu)odoslacticinios; Jo3o
de Oulegro morlo com 14U annos nulria-se do Irigo
da Turqui e de coves ; Thomaz Parr, morlo com
l52atitioae9 meies,nulro-se toda a sua vida de pao.
queijo, leile, soroe cerveja ; filialmente Pedro Cor-
lan, morto com 185 annot, vivia nicamente de le-
guraes. .
Tudo islo he muilo contradilorff fjg6o creio qUe
fcilmente se possa dedusir as roaOos de um redi-
men proprio para produzir QfcoUiini.. ; por
isso nao he al,i que se deveinvesligar. O ensino.que
esles fados Irazem cumsiay, he basta n le precioso pa-
ra quo nao se exija mait nada delles ; he nina re
velaeao que elles fazam, com lodas as eieVptOr,
naturaes. Provando-nos qoe a vida humana poda
ter prolongada muilo alera do seus limites ordina-
rios, elles nos convidaranarauma indagaran, cuja
idea, na^svatisencia, nao leria podido aprasantar-
se oajHB espirito, sem qae a rejeilasseraos logo.
Compele-nos agora descobrir as causas e conquistar
os meios. ,
Aindagacao nio nos parece indiferente,e se para
vivar al o Je-fecho da |cc3i> actualmente empe-
nhada nesle globo, fosse batanle o rgimen do aci-
do lctico, de mui boa vonlade nos sojeilariamos a
elle.
Se fosse verdade quo a arte de augmentar em
grandes proporces aduragaoda vida humana, nos
fosseaccessivel, nao deixaramosde approvar o con-
traste da longevidade futura com a urevidade da
existencia no passado.
Por curta que fosse I vida de notsos psis, ella
Ibes seria su Hiriente para fazer urna ampia ceifa de
dores ; por longa que possa ser a vida de nossos li-
nios ou a nossa em nossas existencias futura-, eila
au ser jamis bastante para exhaurir asnobres di-
licias, que o futuro remunerador reserva para os
homens de boa vontade.
(Preste,)
"HmCAOES a peddoT
i escrip-
INSTRUCCAO PECO METHODOCASTILUO.
Na sexta h-ira 23 do andante novembro, foi vizita-
da a minha escola pelo Exm. Sr. direclor gerai, e
alsuam Ihe diste que o menino do Illm. Sr. Adria-
no eslava all ha 7 mezes.e nem conhecia as ladras
chamo a allencao publica para a caria do pai deste
menino, que abaixo se le, e dalla inlira o publico a
m vonlade, o odio inquallilravel, que se lera ao
melhndo caslilho.o melhor de todos os methodos por
ora. Vejamos :
A lai regularoantar de 14 de maio desle auno, or-
dena, arlico 74 : O melhodode ensino as escolas,
ser em geral o simultaneo. Averigunos se pode
dar-se essa simullaneidade em oulro melhodo que
nao seja o melhodo caslilhu.
Ahre-se urna escola, e pela capacidade do profe-
sor, arfluem, snpponhamos,60dtcipulos inleinmen-
le analphahelos : o mestre (era de ensinar a esles 60
discpulos a caria do A, B, C ; com o qoe gastar 6
minutos com coda discpulo o que prefz 360 minu-
tos, 6 horas. Onde esla aqoi o melhodo simulta-
neo '! Este .fastidioso processo lem de repetir-se
dia, manas, meses. Onde o lempo para a
la e para a asnlabilidade 1
Soppunhanios que a escola se abre com alguns
meninos ja habilitados para decoriOes : todos nos sa-
bemos o qua sao os decoriOes. porm ouaamoi o que
diz ollllm.qonsellieiro Dr.Antoniofclidano de Cas-
lilho. ^
ObrigtcSes que se podem preencher pessoal e
directamente nao te delegara. A obrigacao do mas-
Ir he ensinar, como o direilo dos discpulos apren-
der. O medre entina sempre, os discpulos apren-
dem sempre. Em quaesquer escolas que nao tajara
Mmullaneasyichar-ac-ha peifetamenle violado esle
grande pritjaipjo. Ver-e-hao uns alumnos arvora-
dos em mefes, e perdendo entre lano o seu lem-
po de aprenojorein, e oulros desradados al de dis-
cpulos, poiAe achara entregues a decurioes, mes-
tres feilosapressa, carccenles de lodos os requi-
sitos essencitK.
As decunaj das escolas jesuilicas, e as monitorias
das escolas mutuas, nao se abonara com urna nica
seria consideracao. A experiencia rooslrou e ha de
mostrar sempre, qoe sau um arremedo mais ou me-
nos imperfeilo do ensino, uns pluvmetros de erros
c despropsitos, om tirocinio anlecipado de peilas e
compadrios le calumnias e viiiganr^s.
Os inferiores insurgem-sa contra a autoridade ab-
surda e ridicula dos decuri&es quo Ihes sao per lao-
os modos iguaes ; astas pseudo doulrinadores vin-
gam-se, os primeiros" nao aprrndem, os segundos nao
ensinam, por consequencia, e alm de nao ensioa-
rem, n3o aprendem lamhem, porque estao reprsen-
la,,do a comedia de atina* asinum frica!. O pro-
fessor tilular-troriiiila'como urna divndada de Epi-
eurctj ^ ludo islo he deploravel a qualquer luz que
se cotoalere Hma vez chegado aqui o raciocinio,
apresentf-so nal,.ramenle ao espirilo um detidetan-
dum, qual he, azer dos alumnos lodos de urna clas-
se, om s individuo moral, entrega-lo a immediala
vigilancia o dnulriuacao de um mestre idneo,
isto lie, eme saiba,possa e quera. O ensino perfei-
tamentefimultaneo que nunca d'nnles se lizera faz-
se boje, onde ha bons raeslres, pelo melhodo casli-
lho:ecomque resallados vrVm-no lodos os qoe
nao fechara us ulhos evidencia, os quo assisliram a
exposieflo publica que fizperante o Exm. Sr. conse-
Iheiio presfdtntc ttin lwo^ii,clo'peraii[e um nu-
meroso coneiirso i.o dia 16 de setinibro.
Oucamos ainda o Sr. astillio.
ajk. almi
s. tawdJo de -
ves masmu Callados. Dado esse caso, meu amigo
feliri i a va-me previamente pela honra que eu leria
fazendo nma presa tao imporlanle. Esse partida
rio adquirir urna reputaran de ferocidade que pa-
reca anal fundada secundo todas as facanhas que
dalle te cnnlavam, mesmo despojando-as da exage-
ro de aUnraas uarracoes de campa,iba. Mil ver-
Mies rorriam sobre esse homem extraordinario : uns>
disiam que era moco alto e robusto, o que alias na,,
leria correspondido ao sebrenome qae Ihe haviam
dado os soldados franceses; mas lodos concordavam
em diser que levava saos bandos ao combatee a pi-
Ihagem ordinariamente vetldo de fraile. A's vezaal
p.issiv.im-se duas ou Iras temanas sem nint-nei
ouvir fallar dalle ; depois corra a noticia de qua
om comboi fura tomado, c que pequeos destaca-
mentos apanhados de improviso em um desfiladei-
ro foram morios com circumslancias de crueldade
revollanle. Nunca fora visto senao disfarcado com
o hah,tu que oscolhera : os ebronistas de campanha
julgavam-no um fidalgo armiado, oulros uin ver-
dadeiro Irada, oulros amfim um contrabandista.
Como havia obra de dous mazes que nao ouvia-se
fallar delle.as particularidades qoe meu amigo expu
nha-mc a esse respailo oceuparam-me mui poucos
instantes.
ma que esluda camin,a por" mna regulo des-
o tenebrosa ; a memoria be apeuas o seu
viandante, o enlendimenlo o seu faclio.
Ib para mim. que a principal causa do quasi
horror que existe aos esludos, deve ser o obrigarem
desdo** principio o estudioso a nao dar um onico
passo senao agarrado e prendido ao seu bordao, com
o faeno apagado e prohbicao de o acender. A et-
cola tem sido o paiz dos papagaios e nao das aguiat;
o axameou acto final he Capitolio para o quemis
palavras lomou dos compendios e postilas, e rocha
larpa do espirito que nvestigoo e comprelieuden.
Da escola devem sabir o futuro homem e a fulura
molher, saliendo fallar (prenda rara em nossa Ierra)
sabeudo ler correla e animadamente (prenda r-
rissima) sabefdo escrever legivel e cerlo, sabendo as
principaos operacOes arilhmelicat, sabendo os rudi-
mentos da relieiao, os d> moral, os da civilidade, us
da hygiene. Dxal que os livros, os meslres e a po-
lica das escolas sejam taes que em NOVEMEZES
de cada anno a maioria dos alumnos o comiga.
Se a leilura auricular, te a leilura de perodos no
quadro prelo.ou no Mitsissipi, se a leilura, se a cs>
cripta diciado-para as ardoias, oiTcaicadi nos pa-
pis vidros sobre traslados, se, finalmente a escrip-
ia que dos traslados se patsa afina! para o papel or-
dinario, versar ludo sobre doulrina chritUa, dicla-
mei de moral, regrat de civilidade, aforismos de bi-
gyene, grammalica, elementos de geographia, ele.
ele, claro est que lodat estas cousas se apreude-
rao. ao mesmo lempo e nos mesmos NOVE MEZES
que se aprende a lr c escrever, mas nicamente
pelo melhodo simultaueo puro que he o melhodo
casllho. Vejamos sobre grammalica o que diz o
mesmo Sr. Casliluo.
A grammalica tem sido umdos mais fuleis.inais
nescios c mais vergonhosos ensillos entre nos Bs-
cipuloso mestres sabem grammatcas, e nao
grammalica. rammalica nao he um livro-aH
menot gordo, mais ou menos aulorisado, mais ou
menoto|j|iiebrecido demvsterio, grammalicAao
enso Mam da linsuasem ; os mais idiotas sa-
bem donde lodo o principio quasi ludo quanlo nella
hade substancial e verdadeiro, o restante depreco
o adquirem ara se Ihes sabendo aprasenlar tem pe-
dant-ra : assevero-o porque jamis de urna vez o
experimente.
Um mestre, qoerendo, ensinar analticamente
a grammalica do applica$lo e presumo sen apralo
de livros, sem tediosas Icchnologias superfluas, sem
Irambolhos de. delinicOes leiluaet. Aualisari ao
acaso um periodo que Ihe servio para a leilura ou
escripia : o padre nosso, urna mxima, urna regra
hyglenica. Far comprehender a simiilicatao de
cada palavra, a dilTen-nca de ndole grammalical alo
urnas a oulras as variaveis, a razo das variacoes e
a razo porque ua hipolhese dada lem, e nao podia
deixar d? lar aquella forma, averiguar com os dis
cipulos a ordem natural e a ordem convencional a
usual do periodo ; com o que Ihes dar, alem da
grammalica servical, a Iheoria da ponluacao e reci-
taban.
O aforismo a 2do et.em ludo he precioso, a
quasi sempre verdadeiro no ensino ; mas este ensi-
no s pode ser bem aproveilavel pelo modo siimil-
laneo poro, islo he, um s mestre para lodosos dis-
cipulos.eesles pode exerular-sc pelo melhodo por-
luguaz.
A lei regularnenlar de 24 de maio diz qoe o me-
lhodo do ensino em geral ser simultaneo ; mas esle
n3o podo execular-ne pelo melhodo Casllho : releva
differencar o que s3o methodos, e modos de entino.
De se confundirem duas consas tao distinclat, diz o
Ilustre lilterato.nao pouco delrimenln lem recebid
a iii-iniica primaria.
O melhodo he processo interior e essenrial, o o
modo processo exterior e accideolal ; lodo o entino
tiippoe por lano um melhodo, e um modo. O
ler pode ensinar-se synlhelcamenlemelhodo Ja
cotol. Msilamenlemelhodo I.emare. Analyiica-
menlemelhodo Casllho. A ordem por que nesle
ultimo eslo distribuidas, filiada., encadeaida, as
materias, os artificio! cora que se facilq o entender,
o decorar, do que resulla goslo, aproveilamenlo e
perfeicao, ludo islo he ainda parle do mesmo melho.
do. O modo de ensino he cousa rajji diversa. Ensi-
nar o mestre a cada discpulo separadamente ? En-
jillara a todos conjunclamenle ? Eslsbelecer de-
curias conforme ao uto dos Jesutas? Circuios h-
erarchcui desde si, al aos mais atrasados, como
as escolas lancaslerianat Eis ahi moda ; modos
perlelamenle dislinc|os dos methodos. O melbod0
he a alma, diz o Sr. Casllho, o modo he o corpo da
doulrinacao..O melhodojanalylico purluguez comas
suas cundieres de clareza, amabilidade, mnemonisa-
cao, movimeolo, msica, presteza, e perfeicao de-
resoltados, escurece lodos quantos methodos so lera
enlre nos cxperimenlado. e o modo simultaneo que
Ihe est ajusladp o torna superior a lodos.
Dizem es antagonistas do melhodoNao se deve
aliviar I tato de trabadlos a infancia porque he ne-
cessario jaicdispu-la com lempo para os Irabalhos se-
rios da vida. spera e Insto,' enlrisleca-mo-la ainda mais ? Por
qua Lavemos de padecer muilo, comeremos a pade-
cef muilo mais cedo? Pelo conlrario Interrogue-
mos a nalureza, que he sempre a melhor guia ; foi
ella que fez la-i risonlias, tao descuidosas, lao salis-
felas, taoasaaveis, e tao amavelraente impreviden-
les | infancia e a puericia, lambem l ha suas penal
he verdade ; mas lao fugitivas, 13o dapressa esqoe-
cidas SAo aquellos roslinhos os nicos que tabam
chorare rir ao mesmo lempo Por mim ofnfesso-
que nenlium infeliz me inlernece mais profumla-
mente, que urna bem aventurada crancinha N3o
me he postivel, vendo-a nos seus brinquedot, na sua
boa f, que era ludo te fia, nos seus pr. jacios, que
nunca preveem difflculdades, no sau bem querer t0
sincero, na sua innocencia loda feita de ignorancia,
na tua iudapendenriaznha, 13o dependente, sem
ella o presumir, de lodos e de ludo ; nao me posto
livrar de sentir, no fundo do coracao urna grande
pena, pensando nos das temerosos, que a aguardara I,
Se he urna victima como realmente o he, porque a
nao corearemos das mais rosas que poder ser, em.
qoaulo ha lampo ".' Deca mam contra p cntico I
Esses cales rigidissimos atcandalisam-se de ouvr
os filhos do povo antoar na escolla, e cora versos de-
centes e uleis as modas populares, de que jamis ra-
Iharam em quanto as ouviaro sahir dos beccos in-
mundos, e das tabernas, com letrilhas torpes e de-
v.ssas Murmurara maisjdaMagdalena convenida,
qae da Magdalena peccadoraf Interroga, m li-
vros q> sciuncia ; elles vos dirao qoe os pulraes
tem no canto a sua gyinnastica, que te desenvolvem
por ella, e se fortificara-, e qoe em ne-iliuma especie
da genle-he a plhysica lao rara,como nos cantores de
profiss3o.
OaMV qlc as mate!,as e as-palmas caneam !
Canjao/as marchase as [.almas, como cauca o can-
to. Donde provinha a inquielaco perpetua, e in-
coercivel das enancas lias antigs escolas 1 Aquella
inquielarao era um protesto continuo da naluresa
contra a immobilidade a que-lhe condemnavam as
suas indefensas creaturinbat. Nem a palmatoria,
ero as varas, nem a prisao, nem as injurias^uem o
jejum conseguan) a immobilidade exigida no pro-
grarame da pedantario.
Daixem pois cantar at criancinhas, ellas mesmas
que o desejam, que o pedem, que o agradecen!, sa-
bem melhor, que esses seus padrinhus farizeus, e
que Ihes conven,. He o seu nstiocto, tigamo-lo,
que obedeceremos nalureza.Antonio Feliciano
de Casllho.
De cario : d'enlre 74 discpulos qoe lenho hoja
apenas 8 sao primitivos da minha estola ; esles sao
francos, fallan, alto ; Ot 66 lem vindo de oulras as-
colas ; o teu fallar he tudo, e com as maos deba-
xo dos bracos, como o lMufo de Moliere ; mas nao
deiiajp cora loda a sua liypocrisia, de serem os pri-
roeictJDtWovinar eom pennat e crees, os conditei-
Ibes estao mais prximos Entio, antes
a e liberdada do melhodo casiilho.*,26de
novembro de 1885.Francitco de Freilat Gamboa- \
Illm. Sr. I raucisco ola Freilas l.amboa.Neta
momento recebo* preBf Wf** de V. S. qual
passo a responder, julg*JFnexacto todo quanto
V. S. diz-me cm sua c*f^p dissara hoe em sua
ans, porque mea ilho hnndezesfoi qae entrn em
sua aula, c a lera frequentado talvez 3 por motivos
de molestias, e de urna das vezes levou consecutiva-
mente mais de 3 semanas sem l ir.emqoanto nAoco*
nhecer as latirs acho lambem inexacto, pois que a
mim mesmo lem por muitas vezas me dilo, toda.
im como as ledras do conla, emquanto a idade
tem 5 annos e meio, e no meu entender lem lido
aproveilamenlo, e estou muilo satisfesto com V. S.
por todos os motivos,poi.'jolgo impossviel pelo espa-
to de lampo, que elle freqoenla a aula, attendendo
a idade; nao poda ler mais adiamntenlo do que
taro, e muito sinto qne elle fosse a causa involuntaria Se vio ctrapuco. (alhados na i
LLi l",,'.e,,e d"abr' qUe m araanhaa pessoalroente rae atilenderci com V. S. Ki. fl________:_______-
para Hte afiriaar ludo que Ihe exponliu puliendo V.
S" utar desla minha retpotla como Ihe convier.
Sou com consiJeraco e respailo, de V. S" alenlo
venerador e criado^ Adriano Xtjvitr Per, ira de
/rilo.Soa casa 23 u/ novembro de 1855.
P
xm Sra. D Maria Carolina
Marques Soarea.
Rota, rota de imor, porpurea e bella.
uem d entre os ge>voa le etfolhoo da campa 11
(Almrda Garrell.l
Mais um triste exemiJo acaba de ser dado a
vistude ; a Exm. Si. |). |Ai Carolina Mar-
ques loares carrou seus olhos no somno do
luraulo, e sua alma despenden lo o veo para
as resines ethereas, foi andar os ryatenos de
alcm-vtda, e agasalhar-se :io seio de" l)eo.
A Exm.-> Sr." D. Man, Carolina Marques
soares, era uro anjo radiant. de virtudes, que
appareceu no mato dele muido corrompido,
era urna flor mimosa nascida >m Ierras de Por-
tugal; que respirava o perruno da. brizas do
reo de pernambuco ; ot llicson-ot de sua in-
lelligencia, a afabilidad* de seu 'ralo, a Ical-
dade e constancia que dedicou a -.us amigas,
a nobreza de seus seiilimenlos e profunda'
sensibilidade de sua alma, raziara ver nella
urna deslas creatina- anglicas, predestina-
das a espalhar em torno de si o perfuue da
s\ mpathia, e fazer chorar soa parda com v>Jt
a amargura de urna saudade pangante, e :>
aquelles que apenas Iheconsagrarain urna sim-
ples afeirao, passaiam por este transe doloro-
so, mais funda devera ser a agona de tea
esposo, que vio morrer era sens braco, o dolo
de sua alma, a virtuosa companhetra de seus
dias, a extremosa cousorle, que havia raaliss-
do nesle mundo seu sonho de- amor e felici-
dade, o que se pasta ueste momelo he urna
dor lenta, silenciosa, terrivel, mpossivel de
descrever-oe, qpe s po le ser'avallada pe-
los que pas o mesmo thesouro: mais desgranado porm do
que elle e do que lodos, geu filio, que divaga
por longas Ierras e na pout roceber o derra-
deiro suspiro, a derradeira i, :c.i > de sua m8i.
era breve ha de elle aportar a estas plagas's
encontrara o tnmulo em qua ella cese nica, a
o cv prasle qae Ihe cobro a campa tnris'de-
xenios este quadro desolador e aTIictivo; o
levamos os olhot ao sepulcro onde jaz seu
cerpo inanimado, para o eo onde sua al-
ma foi receber o premio do juslo e a corea da
virlude, e rogusmos a Dos que noseucha de
resignaba., para supportar sua per.la, e ensine
aquelles que fizeram parle re sau coracao a
ca,formar--..- com os decretos da Providencia;
continuando a ama-la em Christo, que lam-
bem nos .mou.
, Eila nao nesou soqre a Ierra; a Ierra Ihe
saja leve.
Por urna amiga taudota.
Recife'24 de nov-mhro d 1855.
Nao flquem por i"o, corogo zangado.,
Eu quero urna coosa primeiro dizer.
t* lenho defeilos nega-lo nao devo.
jepodpm, bem sei, meat erro notar;
Mci igualmente que he (lisio h>er crilica,"
po indo I,miles preseriptos pastar.
C. P. B.
.Pfiuireiro.h
, l'eriodico doi Pobret no Porto.
COMMESCIO.
ALPANDEliA.
Kendiraenio do dia 1 a 24
Idoin do dia 26. .
:5:356J018
I2:683{t2t>l
:8992l!l
YAtlEDADE.
' Mili ,
iriojate
i .*pro
.irfdi,
Melti osoflicios na algibeira, e detei seghida nelo
corneta. '"m
Eniao, Jeronymo, di.e-lhe eu cerlllcanilo-rae
>ea "Uin de man jumento eslava hem iu.la
ado que nao linha quando meu ordenania ha-
via exerrido essas funcraws, qe dises de nossa par-
O corneta c.lendeu os beico., respoudeu fazendo
om gesto qua eslava om contradiccao evidente com
|. asalistaco pouco equivoca que brilhava Ihe nos
IJec- j Olhos.
Meu lenle, ouvi dizer que o peloldo de Mr
Deytene deixara teu corneta na sierra de Alraenaza
voltandp dellilmago, a serei ohrigado a ficar aqui
com este lenle, o olllcial mais rigoroso de toda a
nossa. cavallana que aaha-se na Hespanlia !
Essa noticia desgostou-me a tornei :
Ah Duverl foi morlo'!
Sim,, meu lenete um liro de carabina na
caber ,! o pobre velh la licou em companhia dos
olios e dos corvos, e prov.vetmeute la ficara al ao
bola-sella geral. comodizem os sacerdoles.
~~ *** lle hem necessario que fiques aqui *
Baf. meu tenenle, e-se negocio devera' ser
decidido enlre vossa senhuria e Mr. Uevigne, e elle
lera o reguiaraenio a seu favor disse-me o cornela
com ama augootla que proeumt encohrrr.
Eu bem sabia qae a angustia de mestre Jeronv-
mo nao provinha do raceo de ficar em Callados co"m
o tenenle temido, porm do receio de que eu o le-
vaste comigo. Para mellior fiugir o petar e a dor,
llejulg.iia proposito deixar escapsr um enorme
tospiro.
Hyjocrifa dsse-lhe eu sorrindo dos esforcot
que la/tacara parecer muito affectado por urna cir-
cumsianria que causava-lhc vardadeira alegra...
Mu,lo bem cmlinuei; mas a mariposa voando e
*no do fogo queima em fim at azas, meu amigo, e
loasi preferira vei-le parlir com o destaca-
So!
Alguns atlantes depois eu eslava na
saudo revista a minha tropa.
Em lodos esset enrgicos semblantes brohzeados
pelo tol rdanle da Catalonha lia se a nesligenria a-
lesre do Francez junta a coragam tantas vezes pro-
vada, e a eouliauca imperlurbavel em si mermo que
principalmente- nesa poca era o carller oitlinc-
livo do soldado. Na verdade era urna tialhviropa,
era lalvez nossa uielhw cavallaria daqaelle lempo.
Ah. o que ascapou desses bravos ao punhal e"4
veneno min|| em 1812 mais do que trocar o sol ar-
den a da Il#pa!,a pelas ondas fra, da Beresina..
O. debis relio, dessa gente famosa foram aniquila-'
Yjs pelas halas da liga na memoravel campanha de
1813a
prac*, pas-
muuos m
Vicerdt e
lenta na ,
liria,!.,- ,
Quando leriftiuei a revsla de lodas as particulari-
dades, cuja importancia real tmenle he comprehen-
dtda pelo soldado, mandei formar o crculo, e am
poucas palavras iutisli sobre a absoluta necessidade
de velar incessaiuemeiite e de evitar com cuidado
loda a r\a que podaste occasiouar urna lula, ua qual
nosso pequeo numero tornara a vantagem proble-
mtica.
Eu a reenviar os soldados para eus alojamentos
quando umoelles iuclinandn-se sobre a sella, sag-
rou pela Urelliaanm joven Calalo da quatorze a
quiue aun*, que mcltara-se debaxo 4* barriga dos
ulava-nns allenlameiite.
cava I
Pni
A|
en.
ca|
ul.lmooe esfon
- OotrV ifo.1
sa sean, Hdm
Ah! vi!
pied*
A petar
pre
razinha '. dizia o cavalleiro tacudtOdo-0
isio te en-nar a nao vir espiar-
tpezar da dor quedes ia setitir, u/apazinho soi
ndldo iMo rodo .ao dtaOjttkfl
escapar uifXljueixa ;'mas 1
rorc,os otaesperndos para llvrar-^e.
'Vicente '.' exelaraai revoltttfpoc
essa sean, % admirando a firmeza VJb menino.
Vossa senhoria o reconhefera facMtnenle te
elle levantarse n caneca, meu tenenle, rfapndau
com humor o veHio cavalleiro smsollsr i orellia
do marlyr ; ha o filho do estalajadaro Benedicto,
oso po.-.endo fazer mais, vem espiar-nos!
-Que importa! ordeno-le que solas esse menino
Jeronymo que aohava-.a no centro do circulo a-
ju.iou o rapatinho a retirar-.e do meio dos caval-
los com ama brandura de que s eu conhecia o se
sredojein raconhecmanlo detse serviro o joven
Hespanhol niurmurou em dialecto calalao algumas
-avrasqne mo entend, mas cttjo accenlo odioso
-essionou me ; depois mattendo-se conio urna
por bauo dos ultimoscavallos perdeu-se nos
s que rodeavam meus cavalleiros.
A ordem que eu dera ao velho soldado era lio
peremptoria que elle ubedecer logo ; ma. ergue-
ra os hombros com despeilo, e lomara a liberdade
de fazer certas murmurarles que fing nao ouvir.
A aceito desse hornera era urna falla grave depois
(fas reconiniainlacr.es que cu acabava de fazer ; mas
.s motivos delcrmiiiarani-me a indulgencia*
era um soldado veterano sempre descon-
apparenria, mas sempre dedicado ara rea-
lioMiOJI rujo semblante desgosloso e severo leria
po-tido servir de lypo aos ruosos iiiimorltlisadns
pelo pincel de Cha, le ; eu sabia que alr,
nAscara que mine sorna, e que somenl"
gava-sa nos dias_jie bata ha, havia um paaj
dado cheio de dedicacJo, de paciencia e II abnega-
3o ; alm disso setjfcl que nesses lempos de lutas
continuas, e de pdHres peniveis convinha fazer
carias concessr.es ^Prnomens que as offriam.sem
todava deixar compromeller a dignidade das dra
gonat.
Entretanto a leilura dos olli ios. Jas particularida-
des que me refera o amigo sobre o levanlaraenlo
das partes orieiitaes da Calalunlia tinham-mo ins-
pirado vivos cuidados. Pergunlri um instante a mim
mesmo se nio obrara com prudencia mandando
prender a Benedicto, a algons oulros habitantes da
Callados; mas renunriei logo a esse piojera que
podia oflncer graves inconvenientes provocando a
revolla qoe e.i (pieria prevenir, l-'i/. romper o cir-
culo e reenvei minha gente para os seus alojamen-
loi depois de haver feilo a lod,.s urna suprema re-
commend.r.io de prudencia, ailive junto de mim
os raaos dous quarlel-mestro, dei-lhes minhas ins-
trurroes. o oxpliquei-lties n que deviam fazer em
rajo de aloque. Obra de quinze cavalleiros esla-
vam alojados na e-lalagem, e os oulros abolelados
da lous em dous pela povnaoito-; sua agglomerarao
em lomo de um ponto que fosse em caso de sor-
prezn am centrada ajiinlamenlo parecau-me neces-
saria. Decid pots que ara uffcial inferior seria eo-
carrofaoo de operar essa concentracto, e de trazar
DEFIMCAO' DA PAI.AVRA TOLO.
Se vires um hornera nos outros tlenlo
Medindo, nu emprgo, no adorno, talvez.
Fazendo juiz-s, sem ler contcieujcia,
Chama-lhe bem lolo, por mais d'uraa vez.
Se vires um homem, dizod que as bellas,
Por elle, rendida., captivas estao;
Canlaodo conquistas, cantando victorias ;
Sabei qoe nio patsa-tkbom toleirao.
.Se tiret luneta pendida no itito,
De quem ticer titla aguda, e tagaz :
vabei que he bem justo, te alyum in
Do nome de tolo, a of/erla Ihe faz.
Se vire, um homem tirar da carleira
At librat as duzias, e um bronze gastar ;
Convem-lhe, smenle, o nome de tolo,
E dar-lh'o nao devem jamis hesitar.
Setirtsguerreiro, da era pretenle, ,
De quem a cintura pareca i*i dedal,
A a pouca grottura, orp das Ugat,
Sabei na lotice, nao te/a um rical.
Sa vires guerreiro, alumno de escolas,
Por isto, tmenle olhar com desdem
P'ra os seus cantaradas ; dizei promptaraeole,
Aquella guerreiro he lolo lambem.
.Se t-fr Um homem, vaidoto co'as gallas.
Retrato, htm viiui, tirando ao paclo,
Ollurr, com detprezo, p'ra ludo que o cerca,
Sabei que niiopatsa de bom toleirao.
Se vires um homem, direito, especado,'
Em frente do espelho, Ires horas, ou mais :
Sabei que he somenle uro lolo famoso ;
l-Yzei-lhe justica, te o nome Ihe dais.
Se vires lambem n'alguus bons disvellos,
Na parva trela, das barbas pintar,
Bigodet, cabelles, de cores diversas;
Bom tolu, somenle, lite haveis de chamar.
Se viret um homem, por modt fingrr-se
Doente abatido de paluda cor;
Sabei, devem todos chamar-lhe grao lolo,
Pois nisto nao fazem mais leve favor.
Se vires um homem de grande chicle
Suspenso no pulso, e andando de
Vagando as ras da nossa Lisboa;
He (olo somenle, somenle, o que he.
Se vires n'algnem desajos rdanles
De ser engrando, e bons Jilos dizer ;
Mas s disparates dos labios Ihe saliera ;
Diploma de lolo se Iha in de oll.recer.
se vires um homem, tas lojas, pagando
A' bella caixeira'o jBJjo sorrir
A peso de pinto* ; e nao creas
Oue nestas pasmas^Testeja a mentir.
Se vires um homem, aos nolros dizendo,
Que lem mil encargos, de grande valor.
Que Iraz mu sujeitos os seus subalternos;
S lolo Ihe I,avernos chamar em rigor.
Se vires algom hornera cora fama de forle,
Dizendo que deu, que ferio, que malou,
Mat leva taponas; lie tolo, e nao deve
Zangar-sc se acaso algum Ih'o chamo,,.
Seriret um homem a musa emprestada
Pedir aos poetat ;%epo /timado* prolettos d'amor, como teas,
lle tolo bem tolo nao hoja que'cer.
Se vires um homem, as teimas ingenie,
Da sua vonlade fazendo tima lei ;
Bem podem u. testa c'locar-lhe una c'roa,
Qae tal individuo dos lolos he rei. ^
Oetearregam hoje 27 de nocemXi
Barca tngleza-iror z70u*-baolhao. '
alera nglaza//rmaonamereadorias,
B-jfpe nslaz_*'//ff/0_jjen,
Barca francezaPalanquimrarvgo s
Barca americana-.*Ja/ia-fannha a bojacliiulias
(jalera ingteza luguttasal
Patacho amerieano-iMoiai, //. Comer./-ttbosdu
Sumaca hespanholt-',0/aB*_derM/ "%?"
amUUB C-EHAC,
Kendimentodn dit I a 24. f
dem do dia 26 */*
47:9189317
M4fl02
IIVEIISAS V*
"tendimentodo dia 1 a 24.
'-m do di 26 .
ftECEHEDOK,^ -r HENDAS ^t^iA^T-
dem do da 26. "
15:192*451
56655IU
----------
15:758*970
CONSULADO PKOVlNfIAi
Hendiraento do da 1 a 24. r^j^ntjia
",e,n "dia -*.....j ; jS
_________________* 39:1564
39:1564299
MOVIMENTO DO PORTO.
u- i Xavio entrado no dia o-,
Km ,le Jai.eiro-20 da., barca franca^' tia\,. j.
2.9 tonelada,, capitao Bolais, e^ip^Vm la!' cm
lauro ; a Araorfm Irmaos.
por 15 dias.
icn doTjinareotcnt
tfacio* sahidot no mesmo dia. \
l.ras'lefra
Kto (.ran.Ie.., mestre Miguel Archanjo di CS
IB"t i d,e "'g0 e m,ls *">"" Passtg,-
ffil^ K./T.'1'-?1!?' '**
i razeres, Lstevao Jos da Costa.
hatmoiilh-BriBue oorlugoez Gailherrainai,, cap-
(ao Joaquim Jos Rodrigues Contente, carga cou-
ros e mais gaiteros.
BahaHiale brasilciro Caslro, mestre
de Castro,.carga aztile de cattapati
eros. Coaduz 10 pas-age,
Liverpool pMa ParahibaBsrca
capitn Inoran.
New-York:
capilao I..
Suspen


rlador, de
. equipagein
; a Ihormu de Aqai-
dinamarquaza Pre-
>o J -J^P^Hr'
iiobec. jpl
lidias.
aspanhola uAugela, de 221
toneladas, capillo Joan B. SuripflH em 1.1,
em ltiro ; i Manuel do Naacmooto Pecain. Fi-
cou da quarantena por 10 dtttk-
Idem26 dias. brigiio bj-a.sileir*v*Flor da Rio, de
20.) loneta la., eapiuVi Jos* Francisco do. Santos,
equipagem 1 carga pipas o sais gneros; aCu-
riocv Lompanhia.- .Fictm de quarenlena nar 10
das. 4
Idenf28 das, brlgue brasilero aMentor, de 155
toneladas, capiti.. Joaquim Francisco da Silva
Cruz, equipagem 13, cana pipas ; a Vi*va Amo-
nm ; Filhos. Ficou de qnarenlena por W das.
laralnba24 horas, hiato brSsileiro uCamOesa, de
II loneladaa, mestre Maboe! Sopbi da Peal.
equipaaem o. e.rxa ssor^r e totas da manBuc ;
jo mestre. Passageirot Jos Ignacio l'irueola,
FredericoAogust... Jos Bcnlu Alfaia.
Rio de Janeiro26 dia, brigue hespanhol Previ-
sor, d 190 toneladas, capitilo Narciso Aira
equipagero tO, ara lauro;-a ordem. Ficoo de
quarenlena por 10 dias.
Sacio talado no mesmo dia.
ValparalzoBarca tueca aEleonorao, cipilao Ber-
kman, carga assucar.
-----
EOITAES.
I Pernarn-
secretari
O Illm. 9*..*npeclor di (hesoararii provin-
cial *m cuntprimenlQ da resolocao da junta da fa-
tenda, manda razer publico que o contratada eon-
servacao permanente da estrada do norte ni non-
vamenle a procajo dia'lS de rfezeojbro pr*miroo
vndouro avahado em 1:20HT728'rs. por 10 iBezes.
E para constar se maudoo adiar o prsenle e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thrsuaraaVprotaft
buco 26 de novembro de 1855.O
I'". d'Annunciac.lo.
O Illm. Sr. inspector da Ihe-itjjpria pro
em cumprimenlo da resolocao di jnnti ,
manda fazer publico que o contrato da
permanente da aslrada de Pao d'Alho.
manta a prara no dia 13 de dazembro prrftimo
d.-uro avaliado cm 4:0008000 rsv por lempo#de lo
mezes.
E para conslar se man lou fflur o piaoj de pu-
blicar pelo diario. .,
Secrelai ia da Ihesouraria provincial da Pernatajto'-
eo 26 de novembro de 1855.O toorelario, t\'. F.
d'Aiintiticiaro.
JoSo Mara Wandeiikolk, eaUtHairo da imperial
ordem do Cruzeiro. Chrislo, e S. -4eto de Avia,
chele de divisdo da armada nacional |p>pori*<,
commandnnle da estacan naval de Pernambaeo.
romprehendida enlre os parallelos do Rio de S.
Francitco ecabo da S. Roque, por S. M. o Im-
peradorque Dos goart% cavalleiro da ordem
de Francisco primeiro do reino das Daas SiciHas,
etc., ele.
-
F.cosaber que em eiecucao da) ordena do fitm.
Sr. ministro da marioha, qoe me fonm IraBtroitl-
das pelo quartel general, em officio n. 63 de 10 de
l*M t do dispotlo as intlmcrON qne
mais mo homens para a Potada del Sol; na mesms
ni. nh.'i, mandei transportar para la meu cajii.te e
minha mala alim de passar ah a noile. Foi o ma
idoto dos meus quartel-mestres que proceden a essa
operacao. Decidi igualmente que urna guarda de
quinze humen, (icaria loda a noite na tala inferior
ia posada que servia de cuzinha.
Meus quariel-meslres haviain-mo deixido desde
alguns momelos para vigiaren) sobre a prompla
eifcuco de minhas or.leus, quando pareceu-ine ou-
vir o eslrondo surdo de um tiro de carabina na di-
reccao dos bosques da pinheiros-laricos e^obreirns
qoe gufrnacam a estrada de Callados ajjfc rei logo o cavull.., e e-cutei al-ma*elpJtV>o lim
de pouros segundos o vento Irouie-invctHis eslron-
dot irregulares mu fracus, nos quaes lodava meu
ouvido rtercilado julgou reconhecer o aun das ca-
rabinas de nossos cavalleiros.
Ser o destacamento de Mr. Devigtic que
eslar em lula com algutn bando de revoltosos'.'
putei.
Csrutei anda inclinado sobre o arcaoda sella,mas
passaram-te alguns minutos a os liroa nao te reno-
varan) ; peiKei que podiam provir da algaraa ca(a-
Aa, e retirei-me para o meu aloja,neto com a in-
teurflo de ler a mais eiacla vigilancia. Durante o
caminlio live o cuidado de observar o efleilo que os
tiros lioham produzidosobre os ululantes os quaes
deviam le los ouvido. Algumas jancllas somenle
haviam-se nberlo mostrando-se apenas alguns sem-
blantes que me parecer.,,,, exprimir sorpreza ou
curiosidade e dcsapparoeeiidu lodos pooco de-
pois.
A posada para onde me dirigi eslava nesse mo-
mento em o seu preprielario, o qual raras vezes
deitava da .asistir s nossas revistas, e nunca esque-
cia-se de saudar humildemente dulumiar da e.la-
lagem cada um doisol lados que voltava para o seu
ap .sent. Essa circunstancia da ausencia da Bene-
dicto rato podia escapar-me ; mas ci.nclui que o es-
lalajadero que paSSava por mui hbil alirador fora
pa-sear no bosqoe para refazer sua mesa, a qual des-
pojavam promplamenie os cavalleiros que era obri-
zado a alimentar ; accrescia qne era esse o mesmo
dia da semana que elle escolhia oidinariamenle para
suas escorsoes.
Padrillo eslava uo liminar da pousada ; al o mo-
mento atp que cheguei perlo Celia vi-o oa allilude
de um hornera, cujas f.cul.l ..les auditivas ettao avi
daraeute spplicsdas. O passn de meu cayallo dei-
pertou-lhe atlenro, elle ercuen a rabera que linha
leveroaole inclinada na direceflo do tiosqtie, e reco-
hrou nh pfayainnotnin habitual, astuciosa frii-
itUtjmoi
Quando passei. liroa o chapeo cora* contra jontade,
e julgueitcr Ihe as feicGe4#rn o*pres-ao fugitiva
de Inumpho. Sa,udei-o e eorel jTOias apena dera
tres pastos na .ala inferior da eslalagem, vollei-me.
e pergunlei-lha era liogoa hrapauhola :
Onde esla s-u pai. Padrillo ".'
Mas n seulior uOirial nao labe qoe he boje sea
dia de caca da respnndeu-me o menino, en) enjo
roslo essapergunta inesperada ni* fez estremecer um
msculo.
fclnlrei no quarl* que me fora preparado no pri-
meiro andar. Havia quasi urna hora que eu eslava
ahi lendo o colovelo apoiado sobre a m-sa. e apkca-
bei;, inclinada para ama cana da Catalunha, quan-
do ouvi o rumor de bolas pesadas na aseada, e tutu
quarlel-raeslre apresentou-se t.minha porta.
Eniao que ha, Benard ?
Urna novillada, meu lenle, o de*lac
Mr. Devigne cheg, o pro/avelmevite aaoi,
que ouyimos lem alguma .ignilicaco ; pui*
cavalleiros da guarda avancada coinma
brigada Bohertu asta' ahi em bauo. dizaq
ve garahulha no bosque, e que Mr. Devi
ferido moilalmenle. .'
me,
Ferido morfalmcnle exclamei levan!*1
e atacando a presta men cinlunln.
Sim, seulior tenle ; suas ordena ?
Maude locar ja o bola sella, tome del cavallei-
ros, e corra adente para reconhecer a Iropa que
chesa ; eu osseauirei brevemente.
Dasci apos o q^iarlel ma-lre, o qual fji corran,!,.
exacular tninhai orden-. No paleo grandif das estri-
baras achei Jeronvmo oceupado ja em seFlar meu
jumento ; seu cavallo ctlava -ellado dianle do porta.
Era-um hornera de ferro ; a tonga carreira da ves-
|iera detia le-lo fatigado muilo, nao obstante1 Isso,
uchava-se promplu primeiro ijpa lodos.
Oh di--,- elle com ar triumphanle, parece que
o deslacamento encontrn nina cuernllia no cami-
nhn ; meus preseulimenlos comecam a exptfcar-sc.
Sam responder a Jernimo, sallai sobre o cavallo!
e atravessei a prsja de San Jos De tudas as partes
sahiam meus cavalleiro, et mais antigs ja montados
os roanos experimentados preparando os cavados
com promplidao, mas sem a precipitaran desalada,
que rl a mohecer as tropas ainda pnao habituadas
a' guerra de sorpresas. Os mais antigos cavalleiros
e entre elles o meu cornela que disperlavam os
echos da aldea a dos bosqaescnm os seus grilos eoer-
reiros. cnllocaram-se pouco depois em forma de 1m
talha na mesma prar.i am qu duas -horas antas e*
rev pnojra am rerlsln.
CvtHinuar-te-ha 9
I
I
I

I
.J

V3^;t -v. m


f
=
OilnlO RE PERM1BUCO TiRQft FEIM 27 D{ NOVEMBRO PE 855
bailaran! cm o decrelo n. 1.191 He U de abrij do
currenl innn, fie aborto a bordo do brigae barca
. Itamarac om amtemeqlo d* voluntarios para ser-
virera dos navios da armada nacional e imperial,
sob aa stguinles condiciSes :
Classes do lislamenlo.
1. l)a niarohagem, cojo contrato fr sej
dettnaiD.ido.
2." Da rnartohagem, por lempo de um a Irea
auno?.
3." Da!
e imperial
arinhagero com os prazos de seis a oilo
annos. ,
Os veucinianlos a ruis vantajjetis que as pracas
coulraladds en) virlgde deslas mil urroes lem de
perceber, sao as segundes:
jaldos por mez.
Classe superior 20?, primeiros marinheiros 18,
aguados marinheiro* 159 a grumetes 100.
Premios,
i voluntarios de 1.a ciaste so peiceberao os si-
dos que llie competirem na forma cima referida.
sem terera direl'.o a premio oo fratilirac.a'o'eilguma.
Os volunlarios da >.' classe, sendo marinheiros
dOS, 1S ou 70J, conCorme lorem os contratos
*pr um, dous ou tres annos. Sendo grumetes le-
nto pela mesma fsrma 10, -2->t> ou :!*.
. Os voluntario da 3.a ciaste recbenlo ruis umi
qoarla parle do maior premio que poderiam obter.
conlralando-i
marinheiro ou
Se nao fur
40 annos, so
i. classe.
da t.' classe, na praca, de
que Mies competir.
do insr e tiverem mais de
preaaio correspondente aos da
l.rililiearao.
O tolunlatioa da 2." e 3.a classes lerjo alem do
premio cima dilo, gralis^Bjan de 49 se forem es-
ros, ou de 3sendo narionaes, seseapresen-
tt)||p|a) jeiengajador.
pratiflearao serre^R* todas as vezes que
fiodo "P^roeiro contrato a piara quizer
vir por lempo nunca menor de 3 anuos.
Vaotageus.
A's pravas comprehendidas nestas tres classes dar-
se-ta guia de desembarque no fim do contrato coru
nlo que previnam ao commandaule dous mezes
aules 4o que preteodem.em tal poca deiiar o ser-
vico ; e fieam tentus do recruUOKulo, sendo na-
cime por lempo igual ao que teaham servido ;
excepto o caso da circumstancUs extraordinarias.
As>.l-> de invlidos.
Compete a lodas as pravas nacionaes qua para
ol|o concorrerem coin um da de sold por mez.
I'agnuento dos premios o gratificarles.
Aos da 2.a classe, se o alhUamenlo fr por uan an-
uo sera entregue o premio integralmente no acto de
asseotarero prara ; se por dou ou Iros annos em
Iros prcslacoes iguaes, sendo a primeira paga ao as-
ilar praja, a segunda quando vencido melado do
, o a leraeira no flm do contrate. _
" | 3.* tbsse receberio urna terca parle do
afjMenlar praca, oulra "Igual quraS uo
auno de SaaaWb o restnulc no fim
cnsul declarando acharem-se desembarazados do
senri{o da respectiva nacAo. ^
>.' CLASSE.
Marinhagem sercindo por um a tres annos.
Devem ser fortes, saos, o acostumados vida do
mar. Servirlo o lempo de, seu contrato vencem
o sold por'mez ji cima declarado. Recbenlo
pelo engajaraento os premios seguinles : send.ip.ru-
meles, 10, ou 310000 ris, segundo se contrata-
ren! por um, dous, ou Ires annos ; se forem mari-
nheiros 20, +3." o" 70>000 ris, e recebe/So maflt a
gratificarlo do 49000 reta os estrangeiros, e $000
ris os nacionaes, apresenlando-sedirectamente par
o aHstaroeolo ; gralificacao esta que nao se abonar,
repetidamente ao mesmo individuo por cada nov.
contraclo successivo qae lizer nao sendo esle pin
mais de tres ann. 0 premios referidos ser-lhe-
hao pagos inlegralroeule no aclo de assenurem pr*
ca se o atistaineuto for por um auno : se por dou
od Ires annos em Ires preslaroes iguaes, a primen
salisfeita como no primeiro caso, a segunda quand
vencido melade do prazo do contrato, e a lerceii
lindo o mesmo rJrazo. Sendo nacionaes compele-lli.
o asylo de invlidos concorrendo para elle com un
dia de sold por mez.
Nao leva-se em conla para 9 precnchimento do
prazos doalislamenlo, ou contrato, o lempo que pa
sarem ao hospital, e nem o de prisao em virtade d.
senlenca, soffrendo de mais a mais o que desertar a
perda "das vantagens do premio, e do lempo di.
servico anterior.
Os estrangeiros tambera sao admillidos a engaja-
menlo apresentando documentos do seu consol de-
clarando eslarein desembarazados do servido da res-
pectiva narflo.
3.' CLASSE.
Marinhagem servindo de seis a oilo annot.
Devem ter os requisitos di^da-asegunda classe.es-
aplqjaj.pralica da vida naaaflK; pelo qae e rom
mais le 10 annos nao leem anmenlo de premio es-
esta classe ronlratando-se como os da
segunda, na praja de grumete, ou marinheiro. Ser-
virao pelo lempo de sea contrato com o sold dos da
segunda classe.
Kecebe) de premio o marcado para osdetsa clas-
se com o augmenlo'da quarla parle conforme a prnc
que Ibes competir, dislribuida pela maneira seguin-
le: terca parle logo que tenhao assenlado praca, ou-
tra Ierra parle no fim do primeiro anno de servico.
e o restante lindo o prazo do ali.lamenlo ou enga^
;a, oulra
ncarOesqne competen) ta segu
pn serao fagas dnjun
naes que a respectiva presidencia mandn ja por
em pralica desde o 1 do mez prximo pretrito ;
regiment que estar patente esta secretaria du-
rante as horas do seu espediente para quemquizer
ve-lo, tirar mesmo delle algoma copia.
Secretaria da'capitana do porto de Pernaniioiro
em (i do novemhro de 1855. o secreUrio,-sl-
xandre Rodrigues dos Anjos.
Aviso a que se refere a declararlo supra.
Capia.Circular n. 52. Ido de Janeiro. Minis-
terio dos negocios da marinha em 5 de novembro
.le 1855.lllm. e Eim. Sr. Tendo sido mudado
la pavoiflo das Salinas na provincia do Para, para
1 proximidade da torre do respectivo pharol na pon-
a da Atalaya, o pan de bandeira, onde se fazem os
ignaes dos navios, que se dirigem aquelle ponlo>
ilim doreceber pralico, o havendo-se determinado
o presidente da mesma provincia, mandase obser"
Mf all o regiamenlo de signaes, constante do in-
iuso eiemplar, participou-me elle em oflicio n. 22
iim 'tata He 21 de setembro ultimo que foi designa-
0 o dia 1 do mex proiimo pretrito para eomecar-
e a por em pralica o sohredilo regiment : o qoe
ummunico a V. Esc. para que o mande fazer p-
dico pela capitana do porto dessa provincia.
Dos guarde a V. Eic../ofio Mauricio ll'ander-
ey,Sr. presidente da provincia de Pernambuco.
iiimpr.i-se.Palacio do goveino ile Pernambuco 21
le novembro de 1855.Figueiredo
ConformeAntonio l.eite de Pinho.Conforme,
secretario, Mexandrc Rodrigues dos Anios.
DIRECTORA i.KKAI. DA 1NSTKUCCO PU-
BLICA DA PROVINCIA.
Pelt respectiva secretaria se faz publico a quem
''onvier e interessar, que nos termos do art. 3, se-
cunda parte d 1 lei provincial 11. 369 de II de mato
>o crrenle anuo fica abeatpilrsde o dia 15 a 20 do
nez de dezembro proxinsf vindouro um concurso
eral para os discpulo de todas as esrolas publicas
le insirurr.io primaria, qoe e npresenlarem dados
poi promplos com distinrc.lo por. seus mestres nos
siams annoaese as materias do entino do 1 e
ifl grao, maiores de 12 annos de idade. que tiverem
lido bom romportamenlo e desenvolvido vorarao pa-
a o magisterio ; sendo o concurso" presidido pelo
Etm. Sr. director geral, e p-rante doos esamina-
1 .res comeados pelo governo da provincia ; a lim
le ter lufara nonieacio dos prufessores adjunclo-,
le que traa o citado artigo. E para ronslar se
iiiaiidou publicar o prsenle. S'Crelsria da direc-
loria geral 2fi de uovembro de IKSj.O secretario,
francisco Percira Freir.
alm
eTjjra erreonta aos
|ue pasearen) como
tiempo de pritSo ero virir.de
nao sr contado pira o prcenchimento
nenio dos volanlarios qualqiMr. que?
^e perlenc^ra. li o desertor aoirn-ro
o a perda das vantaiapsdo p/citio e do lempo
rvijajolerior.
^^^fttr peeeoa qae se propozer a agenciar
bn**Ma>a Irclasses cima mencionadas,
ttapreseotareroa ttord* desl; briguo barca,
a graligcaslo de 4por aajesliangeiro e 59 por
*'
) eatrangeiro para ser admitIMo dove eihi-
documento do seu cnsul, comprovaudo adiar-
le desembarazado para se poder contratar no servi-
50 oacional.
lio e gralilicacai' sarao pagos quando a
a for jidmiltida a bordo.
brigue barca Ilamarac, orlo no inos-
queir de Pernambuco em o !< de novembro de
Joao Mara H'andenkolt.
' O lllm. Sr. inspector da l^esouraria provincial
em comprimenlo da ordem do Ezm. Sr. presidente
da profiocia de 12 do cavrreule, manda farerpubli-
^^^^B dia 6-dii dezembro proiimo vindouro,
ti novamenle a prara para sei arrematada a quem
menos Uzee a obra dos/repafUIflfgeules de que
ca o acode de Carnar jajdH |' novameaXe em
1:2H!S*O0.
ra eonstarPfcMtH i-r ('maVaVa aflixa
raatalt e poblir if pfiMktrio.
da llieiajararia provincial de Pernam-
iv/embro de ls:,j._0 secretario, A. F.
na provifkial
oturo 1 HRIa da (azenda
MHsb^bw 110 d Bn de dezembro
odouro vai nuvamnle a praja para ser
Majada a quero por menos lizer a conservado
Irada do sol, avallada em reis
jmenlo.
Teem direito a gralificacao de aprecntarao. e sen-
do narionaes compete-IJies o asylo de invlidos con-
correndo para elle com um dia de sold por mei.
Sotrendo disconto no lempo do engajamento da-
quelle que esliverem em prisao cumprindo senlen-
;a, e lamber a perda das vantagens do premio, e
do lempo do servico anterior, no caso do deserlarem.
Os estrangeiros tamben) podem ser engajados com a
apresenlarao de um documento do su cnsul de-
clarando eslarem paraisso desembarazados do servi-
co da respectiva nac,ao.
4. CLASSE.
Sercindo no corpodoimperiaesmarinheiros.
Devem ser horaeus da vida do mar, de 18 35 an-
nos, oa al 40, cidad0ts bratlleiros, fjrlesv s.ios, e
capazes de-lodo o servijo. Servirao 10 annos na
prara de grumete; nao pastando dentro do primei-
a classe de marinheiros, pois n'esle caso lie so-
mente 6 annos o lempo da servico. Vencem sidos
mez : cabos de marinheiros I6900U res, e I83
rcados, primeiros marinheiros 129000 reis,
reis embarcados; segundos ditos 109600 rs;
eiros ditos S)900 re; e os anmele 390OO res,
Ierra, e 79000 reis, embarcados. Aboua-se-lhes
premio do engajamento 1009000 reis, se forem
rinheiros, e 6UJ000 reis sendo grumetes : pagn>
eomo os dos voluntarios da 3, clase.
DE
8. IH1B1L.
Sociedade Dramtica Eoafrezaria.
EXPECTAC1LO EM HR \NU (.MI \ PELO
ANMVERSAKIO NATAI.hV UE S. i. I.
Vendido psra dua noitescom doos dramas hoyos.
Sendo o primeiro
Q HQHIEM DE OURQ.
E o segundo H _
0 FGIDO DAS (ULES DE lOi\M-B\\
ou
A JSTIC4 DEDEOS,
pessoas que quizerem bilheles podem desde ja
encommenda-los no escriptorio do thealro.
tranrclins ile lilagrao* muito ricos, alfinetes de pe-
to co.n parolas, brincos, rozelss, boldes para camisa,
roioas, rspli.ndoresa ella paia imaaem. o oulras
mullas obras, diversas pcfns do prala romo bec,
salvas, colheres, castrae*t aeias e jarros, estribos,
esporas, urna rica bandeja grande, etc., as sobras
da engeuho Coqueiros, na comarca de Santo Anlfio,
ao engenho d'agua denominado Mamucaia, na fre-
guezia de S. Lourenco da Malta, pudendo ser ven-
dido a prazo com desobriga dos credores, 00 com fir-
mas negociaveis nesta (iraca. O leilao cima uAo
pudendo ter lugar quarla-feira, 21, conforme linha
sido aununciadu, fica transferido para trrra-feir.i, 27
1I0 correle, as 1(1 horas da inanhaa imprcterivel-
mi'ule, no armazein do agenle annuocianle, silo na
na*do Collegio 11. 15, aonde os enhores pretenden-
tes aos Bous cima declarados, que rjuizerem alguns
esclatecimenlos acerca delles, poderao se entender.
O agenle llorja far leilio, por aubrisarao do
lllm- Sr. Dr, juiz de direito da prnneira vara do ri-
val. Silva (ioimiraes, coulorme o seu despacho pro-
ferido em requerimenlo dos herdoiroe de Joao Es-
piansa conlra los uarla Kngel, de varios objec-
los de ouro,prala e diamantes de diferentes qualida-
des : lerea-foira 27 do correte uo seu armazem na
rila do Collegio n. 15, depois do leilao dos hens do
fallecido Caetano Pereira (joncalvcs da Cuuha.
O agenle Borja fara leitio em seu armszem,
na ra do Collegio 11. L5, de oina grande quanlidade
de obras de marcinena novas e ufadas, como bem
sofas. consolos, m>-sas redondas, cadeiras, commodas,
guarda ruupas, guarda lour;a, lavatorios, .ap aa l.i-
re, marquetas, earleiras e mochos, etc., etc., vanas
obras de ouro e prata, relogios para elgibeira, vulros
e loura>, urna grande1 porreo de iniudezas de diver-
sas qualidades, e outros muilus objeclos que sska-
clnrAo patentes no inesno aimazein, osquaejie
entregarn pelo maior preco olTererido. quinla-elri
29 do correle as 11 lioras .da manhaa ; assim como
urna porzfl" de rap da fabricado Rio de Janeiro'e | |,em fallante, e quando falla he de "vaaarVe uuTro
alguns escravos de ambos os sexos, lodos esses ob- '
Protesto.
O ahaixo assigrtado faz sciente aos rs. cautelislas
e vendedores Tle bilheles das lolerias e outrasquae
quer pessoas, que nSo paguciu ou facam transarrao
alguma com 20 lOjeio bilheles 4a leguuda aarlo'da
egonda loirria do hospital Pedro I j, qut. correno
da 28 do crreme, os qiiaes lullieles foram perdidos
pelo al>ai\u a-signado, e oslan lamben! asignados
pelo abaixo as.iguado cuino caulelista, e o nmeros
sao os seguinles: 2 meios n. 475!), 2 ditos 11. Uso
2 ditos n. 2193. 2 dilos n. 1391, 2 dilos 11. 41163 '
ditos n.-45<>3, 2 dilos n. H197, 2 dilos n. 795, 2 diius
i). 22o5, 2 ditos n. 875; a pesna que aehou, que-
rendo restituir, aera gratificado ; e protesta o mesmo
abaito a-sigua loajio pagar dilos meios bilheles caso
saiam premiadosTerife 26 de noiembro de 1855.
O caulelista, Antonio da Silva (iuimarAes.
O abaixo assignado, vendo no Diario de Per-
nimouco n. 28:'um annoncio dn Sr. Jo> Joaquim
de Souza Leinos, morador em Mamanguape, em qoe
diz ezistircm em mu do baixo assignado doas le-
Iras j pagas, pero ao mesmo Sr. I.emns se digne
presentar os recibos em como foram pagas, ou qual-
qner convene,ao lesalnada, como diz pode prov.ir.
Advirio ao Sr. |.euio- que o- homens de boa fe si p-
galo com dinlieirn ou cuusa que o valha, e oAo com
pantominjos e Iraupolinices como o Sr. Lemos quer
fazer rom algunas pessoas que Ihe confiaran, na
lazendas; em qaanto ao prevenir que ninguem fara
negorio rom ellas, nao o ronsideru acreditado para
se poder fazer negorio com ellas, quando mesmo ju-
dicial casta a receber.
Jos Joaqoim de Caslro Moura.
CEM MU. REIS DE 1.RATIFICACAO'
l'ugiram na 'arle de 25 do crrente 2 lera VOS de
nacao Costa, um pbr no-no Jorge, meiu fula, tem na
frente 2 denles partidos e no roslo lalhos pequeos
jectos serio vendidos sem limite.
AVISOS DIVERSOS
Oiiein perdeu urna chave de brora no largo
do Ho.pital, dirija-sea Iravessa da ra das Cruzcs
n. 8.
k i'Crto.
Furlaram na illirio Pioa, na uunlia do dia 25
do mrenle, e renlena os objeclos seguinles : um relogio de ouro
sahonele, de patente inglez, 11. 19023 da fabrica de
l.ilhcrland Davies tV C. de Liverpool, orna"rica cor-
rente de cabello gaarnecida de ouro, una pequea
correnle de ouro com om pequeo alinele com as
iniciaejjaB, L. e uina chave da forro pequeua, ludo
presoasjdiUielogio e tierlencenle Manuel ltuar-
qne de MaatVo l.irna Jnior, no valor de 2509000 ;
rogi-se a qnalipier relnjoeirn n petsoa a quen# ns
tilos objeclos forem oflerecido-i, a entrega na rila do
I mmenlo n. 26, que sera generosamente recom-
pensado.
Precisa-se alugar urna preta para o servido
diario de urna casa de pouca familia : na ra dos
.Marlvriot n, 36, lalima
38 pessoa que Uo carteiro da Boa-Vila re- &
fg ceben duas carias viudas do Ki de Janeiro ;
par o ahais.o assignado, tenia -a bondade
9 mandar entrega-la- na trave.sa.ilo Artgfl n. sa
^1 h ou declarar a sua moraila para ser pro- S
$ cura lo.Gustaco Julio Pinto -facra.. Qg
de nome liaspar, estatura regular, cor bem preta e
cara chela, lem ons pequenos lalhos no roslo, deules
limados na frente, lmbem faja descamado ; arri-
bos levaram difTerenles ruupas : roga-se a ludas as
pessoas que m pegarcm levar a pra^a do Corpo
Sanio n. II, a seu senhor Antonio Muniz Machado,
que recbela a gratifiraru cima.

Precisg-se de urna ama para o servico de una
casa de pouca familia, dando-so preferencia a urna
prela captiva : na ra Direita n. 13.
Aluga-se ama escrava engommadeira pa(a cas
ne pouca familia : qoem tiver,' dirija-sc a ra da
fruz 11. 5.
Ic ser
I
AVISOS MARTIMOS.
alacho ser por lempo de I0mer.es con-
la I- de Janeiro, d 1856.
ara constar se mandou aluzar o presente e pu-
bJtcar ptlo Diario.
rrflaria da thescuraria provincial He Pernam-
einfro de 1855.O seerelario, A. F.
Sfela cao.
Im. Sr. ia^peclor da Ihesooraria Iprovincia,
Uo de resolurao da jaula da fazenda
l^itro que a arrematarlo doapedagio
^^^^broua fui transferida' para o dia 29
do curre
R mandn afiiiar o presente e pu:
1 thesoararia provincial depernam-
1 de aovemlicu de 18.55.O secrrtario. A. t.
inctocio.
M^j^lRAgOES.
-SCiici.ir
jTqecoes
*cem, tan
BANCO DE PERNAMBUCO.
O Bancope Peniarrbvtcocontinu a to-
mar lettrar sobre o Rio de Janeiro, e a
ontra a mesma prara. Raneo de
Pernambuco 10 deoiitubn^de 1855.__O
icretaui^la dtreccao, JrjMlgnacio de
Med'
B fawlo de couformidade coin'as ini-
las observar pelo decreto n. 1591 de
abril do corrente anno, convida a todos os in-
viduos que su queiram voluntariamente alis-
(ar nn servico da armado, a comparecer na mes-
ma capilauia a lloras do seu expediente, bem como
os que mediante a competente gralificacao queiram
tyncinro niesrna alislamenlo, sendo, pelas ditas os-
ases, as gratifica) E a premios avjue se oflere-
ulu aos agentes como aos alistados, os prazos
por qoe estes lem e contratar-se. o lempo que de-
ein servir para obler escusa do servido militar,
o sidos que percebem n'um e n'oulro caso, e as
vaniagens que ai leis concedem, como sejam,
sailo de invlidos, o augmento successi-
|Mocioienlosre a reforma uu iaenfu dn ser-
0, com sold inlciro 00 proporcional con
assuas prara, na marinhagem, oa nos corpos
rinha, pela maueia abaito declarada :
I." CLASSE.
Marinliagem srrrindo sem lempo determinado.
Devem mar. Servirao o lempo que quizerem. Vencem de
sold oor mez, 2IW000 r. os de classo superior,
1830M r.. os primeiros loarinheiroiy 151)000 reis,
os segundos dito, e UrjOCO rs. us grumetes.
Nada rcuebero a titulo de p/einio ou gralificacao.
Tar.to guia de desembarque, prevenindo dous mezes
antes o commandaule respertivo, que lhe ser im"
rnediatamenle dada, nao havendo n'isto inconveni-
eate para o servlcu.
Etliibir-seJia ao que forem nacionaes urna re-
salta, enlreaWe com a guia de desembarque, derla-
randofjue a contar da dala da merma guia sao isen-
Iqs do recrutamento pur lempo de um uno, ou por
lempo igual ao que tiverem servido nos navios do
Estado, ae este prazo for menor ; isencao somenle
luapensa no caso de circuinstancias extraordinarias,
ado narionaes corapelellies asylo d invlidos
coBcorrendo pera elle oom om dude sold por m7.
r>troceiros tarobern podem ar admillidos aoen-
\*p*1jmW*> rtoepiB^to? do raaDaetiro
assylo de Invlidos concorrendo para elle com um
dia de sold por mez, e mais urna gralificacao rata-,
sal igual a ama Ierra parle do sold, que venara,
no fim de 10 cunos de servir-o, ea metadedo dilo
sold depois de 16 annos. Compete-Ules mais a re-
forma depois de 20 annos de serviro, c Irein direito
a balta 00 fim do lempo qae se declara devem) ser-
vir,
Sollrem o discoolo no lempo de seus eusajamentos
daquelle que passarem em prisao enmprindo senten-
ra, e perdem as vantagens do premio, e as'iin o lem-
po do servido anterior quando par ventara descr-
en).
. CLASSE.
Sercindo no Uutallwo Sacal.
Devem t_er os requisitos da 4, classe, sendo porem
a idade deIS ali5anoos poJendo-se admittir estran-
geiros medanle previa aiilorisacSo do governo.
Servir j 6 anno-, pelo menos, com o sold diario
de tO reis, os I. sargentos, 3:10 reis os 2. dilos,
120 reis os cabos, e 100 res os soldados. Receben) o
premio de 1.VtaO0U reis se n3o forem maiores de .10
annos, e o de 1008000 reis se tiverem mais desla
idade, pago conforme esta estipulado para os volun-
tarios de SA classe.
eem direiln as gratificarse* designadas as leis
[terrilo, no caso de reforma do contratos, e a
vencerem mais estando embarcados os I. e 2. sar-
gentos a quarla parle do sold, e os soldados sold
dobrado.
Compete-lhes asvlo'de invlidos concorrendo par"
elle com um dia de sold por mex. Compele-lhe
mais a reforma depois leem a baixa preenchido o tempo que se declara te-
veretnservir. Soflrem o,disconto no lempo de seas
engajameulos do que estiverem em prisao comprindo
,entnra, e perdem as vantagens do premio, e assim
a lempo de serviro anterior, quando deserten).
6.y|grk.
Menores a/>resfP Bri'n/ieirot.
Devem ser cidadaos tirasaa] Bilc Illa 17 auno-
de ronslrucc,ao robusta, e propriadn a vida do mar;
podendo-se admittir menores de 10 annos lendo suf-
licicnle descnvolvimeuln pliisyco para os exercicra
do aprendizadu. Rerebein o premio de 1009000 reis
pago de promplo inlegralmenle aos pas, tutores, ou
quem siras vezrs lizer.
Passam a grumetes logo que liverem a idade de 17
annos, contando d'ahi em diaule o lempo do serviro
para obterem a baita como qualquer ootra tirara do
corpo de imperiaesmariuheiros.
Vencem inensaimeate o,sold de .'.'tino reis, e
ccuiipete-lhesasylo de invlidos concorrendo elle pa-
ra com um dia de sold por mez. E nao leva-se-lhes
em corita no flmpo doengajameulo oque passarem
em prisao cumprindo senlenca, c perdem quand
desertem, as vaniagens do premio, e o lempo de
servico anterior.
Gratificarlo aos que se propozerem a alistar vo-
luntarios para a 1." al 5.* cla Recebero por cada um idneo IgOOO reis se fur
eslraTigeiro, e 5J000 reis sendo nacional.
Capitana do porto de Pernambuco, em lo de no-
vembro de 1855.
liliziario Antonio dos Santos.
Capiliio do porlo.
BANCO DE PERNAMBUCO.
O banco de Pernambuco toma dinhei-
rdjjui-os, de cont'ormidade com os seus
estJ|ptos, Banco de Pe nambuco 2. de
novemiSli. de 18."..).Joao Iguacio de
Medeiros Reg, secretario Ja dtreccao.
^CONSELIIO ADMINISTRATIVO.
O conselhoadministrativo lem de comprar o se-
gunde :
Casemira carmesim, cavados 100 ; ^aniagem, va-
raajOB e meia"; sap-los eilos na provincia, pares
130* ; algodaoem rama, arrobas 1 ; cubos in
18 ; rolhas de corlira para garrafas, grosas 3 ;
dtiziastl ; laboas de ussoalho
secante, libras 1 ; farro sueco quadrado de 7|8,
quinlaes 20 ; aromo de lalao enlrefino, arrobas 2 ;
cobre, arrobas 20.
Quem quiier vender estes objeclos aprsenle as
soas propostas em carta fechada, na secretaria do
conselho s 10 lloras do dia 3 de dezembro.
Secretariado conselho administrativo para lome
cimento do arsenal de guerr26de novembro de 1855.
liento Jos f.amenha Lins, coronel presidente.
Bernardo Pereira do Carmo Jnior, vogal e
secretario.
Para o Rio de Janeiro
segu com brevilaue o bem conhecido brigue bra-
Compele-lhes Isileiro Damao ; para n.reslo da carga, pasageiros e
Te
Quailos
Quinto!
Oitvns
Deci mQjfl
Vigesir
1:50JJQOO
1 ttttes-oou
625 500JJ'000
50U00O-
ca n's. i; 15, 15 e 40, ra Direita n. 15
e da Prata n. 50, sendo os premios, pagos
logo quesaia a lista geral.
Bilbete inteiro 5*60t *:000j000
UelBv 2ij800 9:5008000
1.S020 i:o(>t)j6fJb-
iaJ-ViO
1|100
7j0
aw
O rele tfli cautelista declfcque so pa-
ga nosbillttesinteiros vendidos am origi-
nar'*, os 8 porcentodo imposto wlei, nos
premios grandes, devendn o possuidor re-
ceber do Si" tiiesqpreiro o seu /Mmpeten-
te premio, que OJfn ot ditos 8yor cento
recebidos dosjreaWido caulelista prefaz a
sorte por inMKWVdesconto algum.
eentfrija a
o andar.
0 ASSESSOR FORENSE
I-inda a audiencia, que primeira lem
dada pelo juizo municipal da primeira vara, e na sa-
la da mesma, ser arrematada por ser a ultima pra-
ra. urna casa n. 130, na ra de S. Miguel de A fuga-
do-, com silio de Ierras foreilfes, que lem i50 palmos
de fundo e 380 de frente, lado en) rota estado.
' Na ra Nova n. 22, preciss-sede um moleque
escrtvo de ti a 16 annos, para fazer tolo servijo de
casa.
IRMANIHDE DAS ALMAS UO RBCLFE.
A mesa regedora da irmandade das almas, erecla
na matriz do Corp> Sanio, manda ronvidar a lodos
os seus i r man-, para assislirem boje o oflicio solennie
que a mesma irmuudadelcm de mandar celebrar ps-
las.alraas.O esenvao, Jouquim Lopes de Aluieida.
vetes.
LOTEHIA
DO HOSPITAL PEDRO II.
Quarla vembro undmi indubita-
velmente as rodas- da refe-
rida lotera, pelas 9 J^ ho-
ras da (iiunha, no empac-
so salo da ra da Pri
n. 27: os meus bilhetes e
cautelas estao expostos a
venda as lojasj conhe-
cidasdo respeitavel publi-
co. Pernambuco 114 de
novembro de 1855. O
eauteiista, Salu$tanodeA-{l
quino ferreira. !#!
COMPANHIA DE BEBERIBE.
Pupvine-se aos seuhores
accionistas da companhi..
de Beberibe, que o Sr.
caixa da mesma est auto-
risa do a. partir o 15* divi-
dendo, na razosle 12^500
por aeyo. liecic 93 de
Mvenibro de 1855. (^
lBretario, -Luis da Cosa
^Porlocarreiro.
Quem qitiser dinbeiro na prara do
Rio de Janeiro, a 5 dia* de vista, entenda-
se com AntonioMose Rodrigues de Somu
Jnior que sacca contra aquella piara :
a tratar na ra do Collegio n. -21, pri-
meiro andar,.
O padre l^omaz de ^Mila Mariannl defjesus
aUgilhaes se olferece para ter capello paa> aquelle
seuhor de euqeuhn que qulzer ulilisar JarWisa>
mais aclo prupnos ensinar priuieiras lellras, doulrina christa, arMh-
melica, gratpnalica da Inicua purtugueza, gramuia-
liugua latina, uiuiica e francez : o senhor de
escravos, para o que ten) excellentes comino lo-, ira-
ta-se como consignatario i. i. t. r\, ou como ca-
pito a bordo.
COMPANIIA DE NAVEGACA'O A VA-
POR LL'SO-BKASILEIRA.
M.'U. Ro-
drigue, a-
eente desta
companhia.
declara que
o vapor D
Varia 11,
a la deve-
la c h e g a r
de 27 para
2fi lo cor-
renle, ese-
guir-ie-ha
em surt painu.i, u que ju .e auuuiicioo.
PARA O MARAMHAO E ifVRA
Sahe com brevidade por ter maior
perte da carga a barca brasileira Bri-
Ihaiite : para o resto trata-se com os
consignatarios Novaes & C., ra do Tra
picheai. 04 primeiro andar.
Baha.
Vai seguir com brevidade o liiate na-
cional FORTlL\f\, mestte Joaquim Jos
Silveira, tem grande parte do seu cares*
gamentoprompto : para o resto, trata-ge
com os consignatarios Antonio de AI inci-
da Gomes & C., na rua do Trapiche n. 16,
segundo andar.
RIO DE JANEIRO.
Segu no dia 28 femez correnle o patacho Bom
Jess, recebe cama e passageiros : a Iralar com Cae-
lano Cyriaco da C. M. aojado do Corpo Sanio n. 25.
Para o Rio le Janeiro segu. Manan o ber-
uaalim nacional Despique de Beiris, raajlllo Elizen
deArauju Tranca, al o dia 8 de dezerMvaaa cor-
renle e por ler dous lerdos lo carga pronta, e para
*
o rr-iu da carga
ros : Irata-sa
quim Ramos
Recite ou com
pretende sabir n
ascravo' a frele e passagei
nalaro Mannel Joa-
rua da Cadeia Velha do
o na prara,
A BAHA
lia. a muilo veleira somaca
nacional Hortenr.ia. a qual tem parle de seu carre-
gamento promplo ; para o resto e passageirns, tra-
ta-se rom seu c 'ii-ignaiariu AntonioLniz de Oliveira
Azevedo, rua da Cruz n. 1.
l'ara M.cei segu impreteriveimente na se-
giiinte semana a barraba Carolina, i> para o r
da carga e passageiros para os quantum opl
commodos, lrala- ja n.56 de t'raucisco Custodio de Saropajo.
Real e. lupahia de paque-
tes iiiglezesa vapor.
No fim do mez
espera-se da
Europa um ds
vapores desla
companhia, o
qual depois da
demora do cos-
lume- seguir
para usul: pa-
ra pa'sageiros
etc., 11 ala-so com os agentes Adamson HowiaA C,
oa rua do Trapiche-Novo n. 42.
l'ara o Cear segu o hiale Crrelo it(fmrte ;
recebe carga e. passageiros: trata-se com Caetano
C> riaco da C. M ao lado do Corpo Santo n. 25.
Para Lisboa, a galera portugueza Jo-
ven Carlota, capitao Bot ventura Borges
Pamplona : para carga e passageiros, tra-
se cqm os consignatarios NovaesA C, rua
do Trapiche n. 3*. '
.Para o Rio de Janeiro sahe conriniii-
lodg^aajjj^tevidaili'. o muitoveleirbrigue RE-
ptWaaT^HK, o qual tem a maior parte dn seu
depinho, duzas 20 ; carlfcgainento promplo : para o restante
e passageiros, trata-iAcom Manoel Fian-
ciscoda Silva CarrigHna rua do 4>)llegio
n- 17, segundo andar, ou com o capitao
a bordo.
l'ara Lisboa pretende sabir com a maior bre-
vidade a bem contienda barca porlugueza UraliJiio,
quem na mo-ma quizT rarregar ou ir de passagem,
para o que tem as melhores accomodares, dirija-se
aos ronsiRiial.iriiis'l'ii.uua/. de Aquino 1 onseca i\ I i -
Iho : na rua lo Vlgario n. 78, primeiro ailar ou
ao' capiUo na praca.
ma do Collegio
n, .28, terceiro
anda*.
a-se dinheiro sobre peoliores: guar-
da-seo maior segredo e mdicos juros.
Precisa-se de urna ama de leite: na
rua Direitan. S, padatia da. viuva Ma-
chado.
COMPANHIA DE BEBERIB.
O Sr. director da Companhia de Bebe-
ribe manda fazer publieo. que por delibe-
ra rao da administrarlo da mesma tem de
aiyematai-se o rendimento da taxa dos
chalarizes e bicas desta cidade, por bair-
ros, ou na totalidade por tempo de 1 a 5
annos.% contar do 1 de Janeiro de 1830'
As pessoas a quem convier contratar po-
dem enviai:assuas propostas aoescripto-
rio da oummiIimi. ate o di x K) de de/.eta-
bro pro\iijK^ Recile 2 de ovembro ae
IRS.^.-j^^Ufecretario. [.ni/, da Costa Par-
toca rrciro.
LOTERA di provihcja.
Aminhaa, S8docui%ij-
te, as 9 Yq Ilotas da ma-
nliaa, he a extraeco ta
seg-tinda parte da se^und
lotera do hospital Pedro
11: existe um pequeo res-
to dos feijzes bilhetes dos
cautelistas abaixp assio-
nados as tojas-j an-
nunciadas; ospremiossao
pagos apenas sahir a lista
geral
Oliveira Jnior <$ C.
Na rua da adred Dos n. :i(i, exisle una
caria viuda do Rio tirando do Sul, para o Sr. Pe-
dro dr. Assis Campos Cosden.
Tutiq honlem (26 do correle pela- madruga-
da, a prcla Ho*, de najao Conjo, idade pouco mais
onmenos2Sauuos.de estatura regular, c tem na
testa o sirjoal de sua nar.lo, levou vestido de chita
rain ja usado com cerpo de oulra chita dillereote
muilo'desbolada e quasi branra.e um chale de qua-
dros (ambem desbotado : qutm a pcear ou rler no-
ticia Iclla dirija-se a rua da Cruzo. 12, segundo an-
dar que receber a recompensa.* <
l'ede-se ao dislincfo corpo nleitoral, que se
nSo esqoeea do nome do cidadilo Francisco Xavier
das Neves para depalado provincial, recuaimcndado
pelos iclevanles servidos prestados ao paiz como
unto que foi no goveroo lo Luiz.do Kego, e ao
lenallle guerra desla provincia'por eparo de Iriu-
la annos.
O imparcial.'
' l'recisa-se de una ama forra.jPfterava, que
de pouca
Todas as lardes das 6-;. as 8 '' llavera no aterro
da Boa-Vi.la n. 3, ezcelleules aorvclcs de anas qua-
h la.le. de fruclas escolhidas, servidos sem demora e
com lodo o arelo exigido.
morada por ler
que esleja pela
rlc. : quema peg
be Saniu Antonio
dalho.
Na primeira audiencia lo lllm. Sr. l)r. joiz
dos feilos da fazenda cunlinuam as arrematarles pur
venda de bcils peubnracos por e\ecures ra fazen la
provincial j annunciados por este jornal, que silo os
seguinles : una ciis terrea na rua Pima dos Afo-
gados n. i por OJ, penhorada a Antonio Vaz Sal-
gado ; oulra lila na rua de S. Miguel n." 101 m um
pequeo silio por .U\5, penhorada aos herdeirjis de
Joaquim Caetano da Luz ; ontra dita na rua do Mo-
lorolomb n. 38, sendo de pedra e cal por 10U9, pe-
nhorada a Joao la Cruz ; oulra dila ns mesma rua
n. 31 por 2009. pcnljsaraoa aos lentenos de 1111a da
Cuuha ; oulra Ida a sil i j na rua de S- Miguel rio-
Afgados por 2)0, penhorada a Manoel i...... .h es
Serviiia ; um Ierren e mal-naes no becco doOuia-
bo n. 52 por 2i9, penhorado aos fillios de lenlo Joa-
quim de Carvalho ; *nm pequeo sobrado na rua de
S. Jos n. 211 por 6005, nos lu.-rrieiro* de Antonio
Miguel; un) sobrado com pequeo silio uo lugar
dos Coelhos n. 6 por 3:00!)), penhorado a Fortunata
Candida Cuelho ; urna casa terrea na rua le S. Jos
n. 36 por 1009 ja annunciada, a Anluoio Francisco ;
um pequeo-..lirado no lugar do Reino ios n. 23
por 6009. a Antonio uarle I'ercira ; a renda an-
iiual em 24S Jacasa terrea n. 107 na roa de Santa
Hita, a Joao Thurnaz Pereira ; urna escrava .le nome
ThereOS de iiaroo, com 40 annos por 3009, penho-
rada a Vlya Vieira & Filhos ; a armario la loja le
sapateiro na rua Direita desta cidade n. 101) por 10a,
a Joao liom-s I'ercira ; duas bancas te amarello e
eii.c.i r.ideiras da mosma madeira, a-seulo de polha
por Ki-, penhoradas a Caelano de Assis Campos.
Se algue.m se julzar com algum direilo casa
la rua da Gloria n. 10, queira dirigir-s a rua do
Crespo n. 23, no prazo de 5 dios, ou anuuucie.
Irmandade das almas do Itecie.
Terr,a-reira 2jL1o correnle, a irmandade das Al-
mas, erecta na naflriz do Corpo Santo, da 160 rs. de
esmota a todo o qualquer pobre que comparecer em
dito dia no olliciu que a mesma irmandade pretende
fazer celebrar. Joaquim Lopes de Ahlenla, es-
crivo.
O solicitador Uoapao de Souza Lisboa inu.tnu a
sna residencia para a rua da Caftihon du Carmo, pri-
meiro andar do sobrado n 19, aonde pide ser pro-
curado para os negocios tendentes- ao seu einpregc.
Candida Mara Piocidouia, viuva le Manoel
Jos Cnrreia Braga acha se procedndo inventario
dos poucos beus que lhe ficaram por fallerimrnto de
seu marido, escrivao dos nrphos Unto, os credores
podem preparar *6eus proces>os para serem pagos,
pelas forjas da lieranca vislo que a.ldio a beneficio
do inventario a mesma heraiir.a.
D. Mara de Si Albuquerque dilucida, viuva
do linado Josc Francisco MaWdc la Almeida. pelo
presente 'declara aos credores do dilo seu tinado ma-
ndo, que elle nenhuns beus ifbixou alm los poneos
trastes de casa, e que ella passa a fazer a descriprao
desles mesmus Irastes perante o juiz cumpelenle,
a lim de fazer abstencu da parle que possa lhe locar iragens na roa da
a beneficio de inventario e dos mesmos credores. I quim Vidal & C.
lica do
engenho que qurrer, pude procurar o annuncianle
na casa de sua residencia, na roa da Concordia, das
0 horas da luanhaa ero diante de qualquer dii.
ATTENCAO AO BOM SORVETE.o
De novo faz-se publico que na sala decentemente
arraigada na rua larga do Bosario'n. 46, primeiro
andar, iiavera'sorvele, caf e boln los, asMm como
lem uina sala lamben) preparada para qualquer >e-
nhora poder estar a seu costo. No"domiug2.)|do|cor-
reule, llavera' aorvete de leite e Crerne a's 10 horas
do dia na mesma casa.
O abaixo assignado avisa ao respeilavel pobli-
cp, que existem duas lellras pagas na inflo de Jos
Joaquim de Castro Moura, em Pernambuco, ji ha
muito lempo, urna da qunntia de 4639519 aceita a
26 de Janeiro de 18..3 a prAo de mezes ; unta dita
da quautia de 2003 aceita ai, 18 de mar.;o de 1804,
cujas duas leUjaj nao tottaaCat alaum por conven-
co que vez^H|aj1| ara como com os
mais credorajJJ^H por
sa a toda.eaaJ|H Hh nao lvenlo .ttf
negocio algum con ditas lellras, e por isso o pode
provar. MamaJBJ^n^Je novembro de 1855.
^^w Joaquim dcSour.a Lemos.
-No dia 21 do correntaifujio uina prela de ua-
;lo Angola, fula, le nojne Uvlcna, reprsenla ler
18 a 20 anuos, lem to.tos ilireil marcas de le i u de bordo d
o COSJBjBfl
Iho 'de qua
drinha que i
para a l'enlia e
o formulario de todas as acco'es co-
nhecidas nnosso foro
OH. CAIlLOSANratOCQRDEIBO.
Acaba de serajfclicada e acha-se a renda na li-
VTaria da esquina asi Collegio n.o 20 de Ricarda du
Frailas C. a^ffmeira parte do Assrssor Frense
ciiendo, alem du furmajlacio do processo perante o
jury, v adopiado pelo governo ) notavelmenle ang-
meulado com lodas as petiroes. despachos, e mais
termos que nella foram apenas indicados :
O formularlo completo dos recursos.
O do processo de hubeas-corpus.
O dos termos de bem ,tver.
O dos termes de seguranza, quer ex-officio, qner a
requerimenlo de parle.
O formulario do processo por quebrntenlo desles
termos.
O de lodos os processos policiaes, e sjaie cabete na
.rada.
de suas appellaee.
do processo por abuso de liberdade de imprensa-
quer porcrme de injuria, uer por enroe de ca-
lumnia.
O Jo processo de responsabilidade dos eroprega-
dos au privilegiados.
O do processo por crime de contrabando.
. Esle Ir.lialho aeha-se feila cum tanta raioncieti-
dade e.cla/eza, qofos Srs. juzes, delegadas a aab-
delegados, escrivaes, advogadoa, inspectores de quar-
teirao, procuradores, uuoulro qualquer empregado
de juslira, quaudolijo lenliam mesmo ideii alguma
de processo, o poderao instaurar e rooduzl-lo por
si mesmos regular e legalmeute : laes sao as expli-
cajoes do Assrssor Forense.
Na casa cima indicada, veiuje-se tambera a rol-
lecrilo de principios, regras. mximas e axiomas de
direilo em geral, pelo mesmo Dr. Cordeiro, obra de
imineusa vaiilagem para os Srs. juizes, advocados
pruvisi,uuaus. etc., por isso q% nella se enatntra,
cm ordem alphabelica, todas as regras, mximas de
direilo, ele, com cilacao las foules de onde sao co-
lindas.
O preco do Aisessor Forense he 59 Brochado, (e
69 encadernado.
O da collecc.au dosprcipios e uxioraas de direi-
lo he 2J>.
tem no braijo
io, lovou ves-
es a/ul ja ve-
rasa da ma-
ua Direita
ora a sua
suspeilas
Casa Forte ele.
i ruadaCadea
que sur pago do sen tra-
nina de leite : no
Precisa-se re tima
hotel francisco.
Antonio Joaquim Vidal, dcuuura prucoracao
baslanle'a Fortunato Antunff Coelho. islo em 19 de
oulubro de 1853, para Iralar d"recebar do padre Jo-
s Januariu Pereira Lima, morador no lugar de-
nominado Tanques provincia da Paraluba ;
acontece que esle d. ra ao mcu procurador um es-
cravo e um cavalio em pagamento, como ronsla do
recibo do dito Coelho, pa-.ado junio a' pn>ruarao,
em dala de 7 de barriru re 1854, e anda at o
prsenlo nao deu cujHhmentu ao sen dever : o dito
Coelho lem tilo que o escravo o linha remeltido pa-
ra um engenho perlo dp fjoianua, para de la o man-
dar para esta, porn, ha das Coelho estove nasta
prara, e fugio de me procurar, fu-ando de vir ler eo-
inigo, como me disse em um encontr que tiyerons
na mandila da dia 19 d crrenle, e como se retiras-
se sem que vase dar-mc ronla, protesto e fac,o po-
blico, para qoe ninguem l'ara neguriocom dito Coe-
lho, sol dilocscravo. que vem a ser de nome Joao,
cor parda, idade de 24 annos, bonita figura e andar
descansado, assim como se dar lina gralificacao a
pessoa que se julgar habilitada parase eiicurobir de
procurar c liaver o dilo escravo a miuha posse, para
o que leuho em mcu poder os docomcnlos precitos.
Roga-se piulan i, as autoridades policiaes dignem-se
lomar conhecimeulo do expendido. Loja de fer-
Cadeia de Antonio de Joa-
CONSULTORIO HOMfflOPA-
THICO.
, (iiattnli. para os pobres.)
28. RUA DAS CBLZES 28.
0 r. Casanova la consallas e faz vui
las a quajuuer hora do dia.
Os medjPameuloslioroceopalhicos mais acre- {
ditados do l'niverso, tao os que silo prepa-
rados pelo Srs. CATELLAN e WEBER,
pharmaceulicos cm Pana: nesta casa tem
sempre uovgrandc sortimenlo desles me-
dicamenlus em tinturas de todas as dyna-
misarfles; e em glbulos preparados pelo
proprielario desle estabe.lerimeolo: earlei-
ras de todos os lamaulios, e muilo mal* em
conla do quo em qualquer ontra parle.
1 rarleira de 21 medicamentos.
1 frase de tintura a escolher
1 ibo> avulsos, a 300, .")00 e l.
Elemenlusdehomecopatilia, i vol. 69OOO
IN. B.^Cada carleira encerra os med-
caineoivj pmervativas erjjravos-do ehu-
lera-morbus.
Alaga-so o lrceiro andar da me do Amorim
trata-se no segundo an-

O lllm. Sr. capiliio do porto, em observancia
da ordem do Exm.Sr. presidente de 21 do correnle,
manda fazer pnblicn o aviso da repartirlo da mari-
nha de.'i (ambem do correnle, dj qual consta nao s
se liaver ordenido a mu.laura.da povoa iodas Salinas
na provincia do Vara para a proiimidado da torre do
respectivo pharol,na pona da Atalaya, o pao de ban-
deira, onde se fazem 09 signaes das aeviee, qae di-
rigen) se a aquelle ponte, afim de recebar pralico,
nna tambem .1 oberwc3n alH do ragD*oto de sig/
LEILO'ES.
muilo bous
--------------------rWh*
risado pelo lllm. Sr. Dr. _
o sen lesiiclio proferido I ...
O agenle Berja, autorisadi
joiz de nrphAos cortorme o sen lesp^cho pi
no requerimenlo lo lutnr los orplins lilhus do fal-
lecid j Caetano Pereira tj.'nr.alves da Cuuha, em pre-
senta do dilo Sr. juiz, rnnstinnar o leilao de al|
beus ja aiinunciido-, pertenrenles aos inenciol
nrphs, a saber : diversas obras de bnlhaule e
manle, enireaaquaessobiesaliMi 2 riqai'simr
nelOes. alflaetes de peilo e OWes para ab?rtura,
orxa]trapd qaafltiilade de otrafite ^oro''Cvinii bem,
saiba coziuhar e ensalmar, para, urna i-
familia : ha rua Iinpeiial 11. 37.
Desencaminliou->e lo poder do abaixo aas>ig-
nado um meiu bilhete da actual lotera do Moni
Sio de numero 5307, que lem o n..me do me 11 verso, pede-se purlanto aos Srs. raulelislas que
nflo paguen) o premio que por sorle Iho sahir, scnilo
ao abano assignadd.
Bernardirio Lopes de Amorim.
Precisa-se d'um criado para casa d'um eslrau-
geiro solieiro, o qual d lindar suljrun.lucia : na
rua da Cruz 11. 10.
Aluga-se para passar a fcsla urna excel'enle
casa na povoa5.l1> dos Apipan, com muilo bons
commodos para urna familia, com banho n
Iralar na rua da Praia n. 2, ou rtiru -u Sr.
Apipucos.
Precia-'e de um pequeo para caixr-iro de urna
taberna no Itio I-urino-o : quem iireleuder falle com
o Sr. Jos tomes Leal : na rua da Cadeia do Itecife
n. VI.
Perdeii-se cm lim de julho urna lellra de
2:0009, passada a favonio Sebnslio Alvea da Silva,
e aceita Dnr Ignacio Ferreira le Mello Lessa, com
dala de 27 dejunho de I85, a veucer-se nn mino
de 18-Y7 ; avisa se pnrlauto a quenaiclia for apresen-
lada, quo a nao negocie, pois esW-seni efleito por
j se ler prevenido ao aceitante.
Permula-sc urna boa casa terrea, chaar-pej-
prio<, livre e desembararada. rom l.om quinlafe
boa cacimba, na rua de Aguas-Verdes, com s-hi la
para a rua de Borlas, e lem propnrco para oulra
casa, por oulra nobairru da Boa-Vista : quem pre-
tender anninicie.
Manoel de Souza Silva Serodio, inoraslor no
riachilo .le l'anellas de Miranda, tejido negociado
nesta |ira<; 1 rom varias pessoas a quem suppe nada
dever al prsenle, excepto aos Srs. Jos Joaquim
Percira do Mendonra e Manoel Antonio da Silva
Antones por niln esl.r ainta o lempo vencido ; pelo
mesmo convida a tola'as pessoas que se jolgarem
seu rredores -le apreientar su.i* coalas no prazo de
3 diasjph casa do Sr. Jos Correft da Silv. n s
neo ironas 11. 71, que sent papa, Becifajde
libro de 18>.
Opto, rielario la linha deoinklhus faz fenle
ao 1. -pi'ittvvel uajklico. qae vai rajftr o mnibus da
l'aiaawasrar]M dasajl'o do crranle mez ; os Srs. assig-
naiife nflo li\er. iu conylet.id ajj. sua- assigna
sale aquella dala,' bejap
1 no estnplorin da na da
in. i:i. .
hajA de vir receber a dille
Cadela de Manta An-
n
ra-se de ama ana para.casa de familia :
(."Tlospilirl, tberna n. l.
11. 29, por pre;o commodo :
dar do mesmo.
Precisa-se le urna mullier forra ou captiva pa-
ra lavar desahito e engommar, e de um bom felor
para o collegio da C>nceir3o, na Tamarncira, em
Cruz de Alma*, ou na loja do Sr. Ricardo, esquiua
da rua do Collegio.
IV-rderA honlem, 23 do correnle, de larde,
n'om paastu&iCapunga atoa) |'oro, pela beira do
rio, voltaijdBBb Mouteiro, ui relogio de ouro pa-
lomo MfjjNa^a]|lia robera, 11. 1193, rom um pedaro
de correnle de ouro de esmalte azul.e mais ino gan-
cho de ouro preso jio dilo relogio. Para maior ro-
iiheciiiieiiloteinescriplu.no mosliador II..I, llo-kell
Liverpool : quem o arhar e qoizer restituir, pode
entiega-lo na rua da Cruz dn BcciTe n. 21, primei-
ro andar, que ser bem recompensado.
Aloga-se uiia prela propria para toilo o servi-
co de una casa, e sabe coznhar c engommar: quem
a pretender, dirija-se a rua dos Marlvrios, casa do
coronel Salgueiru, junio a igreja.
Aluga-se o terreno andar la casa 11. 53 da
rua da Cadeia do Her fe, com commodos para pe-
quena familia : a tratar no segundo sudar da mesma
casa.
Manoel do Amparo Caj' A; Companhia pete
ultima vez avisan) a seus anillos leve.lores que s
esperam pelo saldo de seus dbitos al o fim do cor-
rele mez,pois que qneriam poupar deslalos em de-
clarar os nome- pelo jornal, porm u lei rnu.nicrrial
islo nos ohriga para nito ficarem prescriplos os nos-
sos dbitos. Aquelles dos nossos devedorc* que qui-
zerem pagar ou pasar lellras, dirijan) se a roa No-
va, luja 11. 18. e enlra/lam-se com o Sr. Manoel do
Nasrimenio Viauna, que est aulorisado a receber,
passar rexibo e pagar. E na quadra msenle mais
que em ontra qualquer, por se adiar o aiinuiiriaiile
desde selemhro prximo passadn entregue aos cui-
dados de dous illuslres e habis mdicos, provenien-
te de duas opera^es que s.dreu em urna perna pela
dilala;3n de urna arteria. Por esta mesma razilo nao
lem o annunriante podido salisfazur seus debilos em
lempo a seus credores, pelo que he olor menle gra-
lo por tercio riles altendido a molestia do annun-
cianle.
Alnga-se a loja de um sobrado sito na Passa-
gem da Magdalena, no principio da Iravessa que
volla para o Remedio : na mesma ioja existe uina
armarflo con) lodosos ulenrilios de taberna em bom
estado, c vcude-se por prei;o muilo commodo, lano
paraNicar como para sahir : os prelendeules podem
dirigir-se a rua larga do Rosario, pa loria 11. 18, que
acharan toin qoem Iralar. Na musma ueris t-
um bom paleiro que euteuda perfeilaniunt
tiro de paitara.
l'oro da Panella.
Na Iravessa da Saude lia sorvele as quarlas-fci-
ras, sabbados e dominaos, e vespuras de diis-saulos
alarde, dos ti as 10 horas.
Aluga-se a rasa terrea com slito, na Soludade
n. 17 : a Iralar no paleo do Carmo n. 17.
No dia 28 do correnle se deve arrematar ero
praca publica do Dr. municipal da 2.* vara, o uso
fruto do sitio e casa 110 lugar do Mauguinh, penho-
rado a D. I.ar.n.iniia Rosa Candida Regtieira. por
execu^ao du conde de I'arrnbo, cuja prafa lera lugar
na sala das audiencias desos de linda ella.
Desja-se Tallar con os Srs. Jos Joaquim da
Silva, que morou ou mora em Oliiula, e Domingos
Valenliin, que ignora-se onde mora e ambos do rei-
no de Portugal, para se dar noticias de suas familias
venham ou inanem a loja de Bastos c\ Concalves :
na rna da Cadea do flerife n. 28.
-r-Precisa-s de urna arpa para co7inhar aa rua
deHorU..!;
Recite aV de novembro de I8J0.
^^'--slVii
S A pessoa quotrouxedo Rio de Janeiro uina J$
',': eueommenda para Julio Anguslo da Cunha.H
f tiajhnaiaos. leulia a bondade de enliega-la 9
fJJ na rua da Aurora, em casa do Sr. (iuslavo jVj^aS'i8@Si-.s;:C":.3a
Lotera
DO HOSPITAL PEDRO II.
Ouarta-ieira 28 do courentc, andam
as rodas da segunda parte da segunda lo-
teri do llospilal Pedro II; os meus'afor-
tiuiados bilheles ecautelas acl.am-sc a ven-
da as lojas docostume, e no aterro da
Boa-Vista ns. 48 a68. Recite 2! de no-
vembro de 1853.y0 eauteiista, Antonio
da Silva Guimanes.
O Dr. Das Fernandes, medico, reside no
primeiro andar do sobrado da rua Nova,
esquina da di Sol : onde continua no ej-
ercicio de sua protissao.
Madama Seasso
modisla.
Aterro fia Boa-Vista 11.31.
Participa as seuhoras desla ciliado,que recebeu um
sortinientn de differenlrs objeclos de modas, ricos
chales de Inuquim e-lampados com um bello dese-
nlio, dito, burdados, dilos de relroz, romeiras bor-
dadas a matiz, chapeos de seda para seuhora e me-
ninas, novas modas de grinaldas de llores escarales,
ricos cenes do vestidos de chamalole prelo, dilusde
seda bronca para uoiva. dilos de oores para baile.
Inri., o lo- lecidos de ouro, obras que as -cultoras oao
dei\arflo de comprar, nobleza de lodas as cores, ri-
fes, vestidos, enfeites para thealro c bailes, e eJiUas
militas fazenda. de gasto.
Candido Jos Lisboa, antigo discpu-
lo do Sr. padre Joaquim Hapliacl da Sil-
va, approvado plenamente pelo lvcu
desti cidade, da' lidies de latim', l'rancez
e porluguez : na rua de Apollo t. 21.
tcoleria do lios-
pital Pedro II.
Aos 50006, 2:50O.s e lOOOs
Corre' quarta-l'eira S cki presente me/..
Os bilheles e cautelas do eauteiista An-
tonio JoJrj Rodrigues de Souza Jnior, nao
esto it.jeitosao descont dos 8 por cento
do iitiposto da lei; os quaes se acham a
venda as lojas d praca da Independen-
AO Pll
No armazem de
tas, rua do I
vende-se um compl
de fazendas, finas e gitjj
precos mais baixos do que t
ti-a ijiial(|iie- parte, tanto em por-
res, como a retallio, affia se aos compradores um r
para todos : este estabetecnn
aljrio-se de combinarao crfci i
maior parle das casas commerciaes
inglezas, raneczas, llemas e suis- i
sas, para vender fazendas, mais em
conta do que se tem vendido, e por
isto ofereceudo elle maiores van-
tagens do que outro qualquer. ; o
propnetano deste importante e$-
tabeiecimentoficonvida a'todos os
seus patricios, e ao publico em ge-
ral, para que venliain (a' bem dos
seus interesses) comprar fazendas
baratas, no armazem- da rua do
Collegio n. 2, de
Antonio Luiz dos Simios & Bolir.


C. STAKR & C.
respeilosamenteannuncian qoe nu seu extenso es-
labelecrmenloemSanto Aiiiara\couliiiuain fabricar
cum a maior perfeirau e promplido, toda a quaida-,
de de machinisino para o uso da acikuUpra, na-
vegado e inauufaclura; e'que para maior commodo
de seus numerosos freyuezes e do publico em geral,
leem aberlo em um dos grandes arnuxeas do Sr.
Mesquita na roa do Brum, alraz du arsenal de ma-
rinha
DEPOSITO. DE MACHINAS
constru las no dilo seu eslabalecimenlo.
All arharilu us compradores um rompido sorti-
menlo de mor i,da. de ranna, com todos os melhora-
menlos .alguns delles novos e orlgioaes) de qoe a
experiencia de muilus anuos lem mostrado a neces-
si.ladc. Machinas de vapor de baixa ala aressau,
taixas de todo tamayho, tanto batidas p Tundi-
das, curros de inoo erdilos para conduzirl rasas de.
-issurai, machinas para muer mandioca, MMjpa pa-
ra dilo, fornos du ferro balido para fariiiha,\rados de
ferro da mais approvada cousirucrito, fundes para
alambiques, envos e porlas para fornalbas, e urna
inlinidade de obras de ferro, que seria enfadouhn
enumerar. No mesmo deposito existe urna pessoa
inteligente,e habilitada para recabar lodas,as en-
commendas, etc., ele, que os annuneianles Cantan-
do com a capacidade de suas alucinas e machfn%uo,
e pericia de sens ofliciaes, se compromoltem a fajter
execular, coni a maior presteza, perfeicao, s
couformidade com os modelos ou deseuhos^c j
res que liles forem fornecidas.
ROBIJ.AFFECTEUR.
O nico aulorisado por decisao do conselhii
decreto imperial.
Os mdicos dos hospitaes recommeudara u Arrobe
de Laflecleur, como sendo o nico aulorisado pele
Enverno, e pela real sociedade de medicina. Esta
medicamento d'um guslo aradavel, e farl a tomar
em secrete, esta em uso na maiiuha real desde mais
de GO anuos; cura radicalmente cm pouco tempo,
oom pouca dospeza, sem mercurio, as afleccoes do
pelie, impigeii**, as consequencias das sarnas, ulce-
ras, e os accidentes dos partos, da idade critica, e da
arrimouia hereditaria dos humores; runvein aos ca-
tarrhus, a bexiga, as ronlracrfies, e a fraqueza dos
urgilos, procedida do abuso das injerre ou de son-
da.. Como anli-syplnlilico, o arrobe cura em pouco
lempo os fluxos recentes uu rebeldes, que volvem
iiicessanles em conscqueiicia du emprego da copai-
ba, da cubeba, ou das iajMKs que represeutem o
virus sem neii*yta-lo^JL arrobe Laffecteur he
c veteradas ou reA^deiPn* mercurio e ao ludurelo de
polassio. I.isboiine. Veude-scn bolica de Brrale de
Antonio Feliciano .Vives dMpfcveilo,prara de 1). Pe-
dro n. 88. onde acaba laamBar urna grande porrao
de curraras urandese r.aidaa'as viudas direelamenlo
de Pari, le rasa do dJiWoyveau-Lairecleor 12, ru
Bicheo Pars. Os larmularioa dao-se gratis em
rasa do agente Silva na prara de D. Miro. a. 82.
Porlo. Joaqnrm Araujo ; Baha, Lima & Irmaus ;
Pernambnco, Soum; Hio de Janeiro, Wiaha & Fi-
Ihos; el Moreira, loja le drogas; Villa Nova, Joao
Pereira de Msales I.eite ; Rio Grande, frao de
Paulo Cont .V (".-
ARAJKJS DE FERRO.
Na 'undicao' de C. Starr. 4 C. em
Santo Amaro acha-e para ver>d8r arat
dos di ferro de '-rir- quadade-
c
^y
"





PIMO PE PERM0W8MIO TtRv\ FEIHA 7 Ot NOViMBRO UV 1855
1>
COHSULTOH& dOS POBRES

S5.M
O Dr.P. id
nianhaaateo mate dia. u
OBerece-se igua I m e u
quer roulhcrgiie.eejeja r
AB5
cas todo o dios aos pobres,
ilquer horado dia ou noile.
Iquer operario dacirurgia, e acudir promp
cujyaeireurastanrianao pcrrailtain pagar
a qual-
NO (lOKSMMItl || DK. t. A. LORO IOSCOZO.
Na taberna da" ra dos Marlvrio n. Mi, veu-
da-se a muitu superior carne do "sertAo. por prero
cumioodo.
Vende-se nina boa esurava com al-
habilidades, leStotiosdeidaiK;:
na ra de Santa-Cruz u. 7,-2.
tratarse
Mauual completo de uieddiciua
elo Dr. Mosco
aario do tei
tuguez
nm di
fila
que conten a h
MENTOS NO
soai que sequ
etperiraenlare
azenrieiros e senl _
que una ou oulra ve/, n"
a todos o pas de familia
doa. a prestar < cantinen
O vade-iuecum do homeopalha
obra tambeni til as pesSoas
me grande, acompanhado do
O diccionario doa termes qfmedie
5 8* RA NOVA 50
VNDESE O SEGUIN7T :
la hpmeopalhica do Dr. O. II. Jalir, traduzido em par
uajxg voliimcs encadernaelos em dous e acompanhado de
atjfcedcina. rirurfzjs* anatoma, etc.. ele...... JOJOOO
que Iratam do eludo e pralica da homeopathia, porjser a nica
i naA.l'A"UU)ENK.SIA OU EFFEIT06 DOS MEDICA-
wJjfouheoimi'iilo- que nao poflentvjlspeusat as pes-
^"iicnid, iuleressa a lodosos mdicos que qoizerem
ios seonvencerom da verdade d'ella: a lodos os
recursosdos mdicos: a lodosos capilesde navio,
qualquer iuroinnimlo seu ou de seus tripulantes :
f, que nm sempre po em suae enfermidades.
medicina domestica do Dr. Hering,
aoeetudo '
s (tan
bero (i
da homeopathia, un volu-
termoi de medicina ....
irania, auatomia, ele.,- etc., encardenado.
108000
:tooo
Sera verdadeiros e be* prepararlos med.camentos nao te pode dar um passo seguro na pralica da
horaeopathia, e o propnelanu deste eslabelecimeuto se lisongeia de le-lo o mais bem montado possivel e
uinguem duvida liojo grande superjpridade dos seus medicaraenlos.
PRECOS IN VA RA VEIS.
Boticas da 5 ou :10 dynamisarao. ?
De 12 tubos .
I>e -21 .
De 36 i> .
De 48 .
De 60 . ,
De tU . . .'
m
(lualquer deslas boticas em linduras, o dobro.
Cada tubo avulso
-
Menores.
. 8*000
. 159000
. 203000
. 2SJ00O
. 309000
, 60*000
t
"Grandes.
I09OOO
209OOO
259000
309000
359000
Meia onc,a de qualquer lindura da quinta d> namisac.lo
Lm frasco da verdadeira linetnra de rnica......_. ;.....
Na.meMMMia ha leinpre a venda grande numero de tubos de cryslai da
vidrospara medicamentos, e aprompla-se qualquer fccummenda de incilicamenloscom toda a'brevida^
de e por precos muilo commodos.

I9OOO
29OOO
29OOO
divenios tamaitos,
trataieito atim. H,.
PreservativD e curativo
DO CHOLERAIORBUS,
PELOS DRS
%.STa3 JaE3 .1 .
ou lustruccAo au povo parase pode/curar desla enfermidade, administrndoos remedios mais ellicazes
para ala/ba-la, emquanlb'se recorre ao medico, ou raesmo para cura-la indepcudenlc dekles nos lugares
em que nao os ha. .
TRADUZIDO EM PORTU1.ULY. PELO DIUI' A LOBO MOSCOZ.
Esles dous opsculos contornas ndieaces mais claras c peWsas. e pela sua simples c concisa exposi-
cao ail ao alcance de todas as inlelligencias, nao so pelo quealzrespeito aosmeio curativos, como prin-
cipalmente aa preservativos que tem dado os mais satisfactorios resultados em toda a paite em que
elleslcm ido postsem pralica.
Mudo o Ira lamento liomeopathieo o uuicoque tem dado grandes resallados no curativo desla horr-
vlfermidade, julzamos a proposi o traduzir esles doos importantes opsculos em lingua veruecu-
la,|para desl'arle facilitar a sua leilnra aquemignoreo francei.
ae-se unicameule no Consultorio 4m Iradoctor, ra Nova o. 52, por 29000. Vendem-se tambem
i hiedicanicutos precisos e boticas de 12 tubos asm uin frasco de liuclura 109000,* um dilo de 30 lubos
209000. *
.O SOCIALISMO
PELO GENERAL ABREU E LIMA.
Ainda etistem alguns eierflplares enqumiernados,
o acham-se a' venda na loja de livros dos aenhnres
Kicardo da -Frailas & C, esquina da ra do Collegio,
em caa do aolor, paleo do Collegio, casa amarlla,
no primeiro andar.
Preciaa-ie de unv ama para urna casa de pun-
ca familia :* na prai; do C.orpo Sanio u. 17.
Nuvus livros de homeopathia em fraucci, sob
todas de summa imporlancia :
llah'nemann, tratado das molestias ehronicas, 4 vo-
'e............209000
lale, rroleiasdos meninos.....69OOO
Hering, homeopathia domestica. .
Jalir, pharmacnpn homeopalhira. .
Jahr, nevo manual, 4 volumes ....
iahr, molestias nervosas.......
Jahr, molestias da pelle.......
Kapou, historia da homeopathia, 2 vuiaino
Harthmann, ttalado completo das nraeslias
do* meninos. j. ....
A teste, materia medica homeopalhica. .
De Fayolte, doutrina medica homeopalhica
Clnica deSlaoneli .......
Casliiig.fJerdade da homeopathia. .
Diccionario de Mvalen.......
AllUs completo <"t anatoma- com bellas ea-
Umpas coloridas,.conlendo a descripcao
de todas as parles do eorpo humano .
vedem-se todos esles livros no consultorio horne
tnico do Dr. Lobo Moscoso, ra Nova u. 50 .
ineira audar. '
7000
(9000
169000
t>9000
89000
169000
10900o
KSOOU
79000
69OO
49OOO
101000
wjooo
I CONSULTORIO CHUTIU B
HOMffiPATHICO.
i (Gratuito para os pobres.)
liua de .Sanio Imaro, (Mundo-Xoafl n. 6.
O Dr; Sabino Olegario I.udgero Piuho d
igj cohsullas todos os dias desde :'is 8 horas da
? manha at as 2 d< lafde.
Visita os eulcruMfa- seus domicilios, das
2 horas em diaBMa&UH casoMuentinos
tisif*
AsnK
especial seguud
pelos praticos mo
tem 110 consultorio ci
^auaCJIK^BCjKjKaBuflul
.Mass.i adamaulina.
lle*j(eraluieiile recuuhecida' a eicellcucia desla
preparacSo para eliunMar denles, porque seus resul-
tados seiupre felizes sao ja du dominio do publico,
siebuliao Jos de Oliveira faz uso desla preciosa
nUmt' pata 0m 'ncl'a",< e as pessoas que qu'iz-
- rem honra-lo dispondo deseas servicos, podem pro-
cura-lonar(raveiH do Vigario n. 1, Joja de b-
: DE1TIST1FBAICEZ. Z
0 Paulo daignou, dentista, establecido na
ra larga do Rosario n. 36, segundo andar,
9 colloca denles com a pressaodo ar, e chumba
d,BlH3W a masa adamaulina e oulro* me-
taes. 1 J
. 99m'mm99
N*a-sc de urna ama para lavar e engom-
inar para Dina cranc,a: 11a ra Direila n. 86, segun-
do andar. B
REPERTORIO DO MEDICO
HOMEOPATHA.
KXTKAUIOO DE RUOFE E BOEN-
MNGHAUSEN E OUTROS,
'"tojjni ordem alphabelioa, com a descripcao
Betodas as molestias, a indicacao phvsio-
> Uieripeulicgi todos os medicamentos ho-
!: HttP* dc Co concordancia.
Mi^MfjMa signilicacao.de todos
e medicina afjrurgia, e posto ao alcance
das pesanasdo pi
l DE MELLO MORAES.
W>( podem mandar buscar 01 seos
t'vemplares, assim como quera quizer comprar
AULAiDE LATIM.
O pa; ^Vicente Fevtcr de Albuquer-
<|uemudOUJlsiia aula para a rita do Ran-
gel u. ff, ondo continua a receber alum-
nos ftieraoseexternos desdeja' por me-
dico fh-ero comr he publico: quem se
.(uiqsr uttlisar deseupequeopre$timo o,
pode procurar r o segundo andar da refe-
rida casa a' qw/quer hora do* dias uteis.
Aluga-se am sitio com boa casa de sobrrto, a
qual tem mullos commodos. sita na povoaco do
Monleiro ; a tratar na roa do Trapiche u. 1 i.'
tommUi fERHAlBlirANA.
Adireceo pede aos Srs. accionistas se dignem
realiiara ultima prealaco de 15 fJK) il o dia 15 do
niez prximo futuro.
PLBLJCAUO' I.11TEKAKIA.
Sabio .. luz o Manual do Mudante de Ultim,
dividido em duas parles. A primeira coulm um
compendio de grammatica latina, exliahido dos me-
ihora#ae se tem publicado : compreliende as qna-
tro sjandes divisoes da gramraalicaelynologia,
Snlgf.prosodia e orlhographiae trata de todas as
fcejeepcoes man precisas, sendo cada urna
deseWTlartes ennqoecida de copiosas notas eipostas
um ordem e ao alcance de todas as inlelligencias :
rormaado a lexlo um volume menor do que o da
arte do padre Pereira. A. segunda parle eonlm a
mvlhologia ou historia da amiga religo dosGregoi
c Romanos, e am breve tratado dos custumes e cere-
monial, lano civjs como religiosas dnj anlicos Ko-
manos ; am volume de mais du 300 paginaa em 4.:
a.chj a venda na cidade da Parahiba, na loja do
Sr. Rutlno Olavo da Cosa Machado ; na cidade da
rea, na loja do Sr. Manoel Jos da Silva ; e na Ba-
>>nia, na loja do Sr. Carlos I'usgeli : preco de cada
cxempUr 49000. '
As mais moder-
nas chflftnas
para s^horas.
He chegao a piai;a da Independencia, loja de
loaquim de Oliveira Maja um completo e variado
de chape! mas para senhoras, do muito
la e dos mais especiaos gostos de Paris,
Mb couta do que em uutra qualquer
jaatai loja se veudem cliapeos de todas
RNa monillos e meninas, ludo goslos
[roprios da fcsla.
Pwoiii-ioalagar urna ama que wiba eminhar:
na rna Jo ngel u. II, primeiro andar.
- Preeisa-se de urna ama de leile : na ra Direi-
la o. 24 primtiro andar

sabonele pa-
iflia Senzala
1 prelo velho qoe
livode hor*i Ifrdeslilacao por
de saula Hila.
;Compram-se palacoes brasileiros e
liespanhes a sOO*: na rita da Cadeia
do Recite, loja d.e'cambio|n. 38.
Comprase edectivamenle bronze, lalao e cobre
velho : no deposito da Tundilo da| Aurora, na ra
do Brum. logo na entrada n. 28,e na mesma fundi-
rlo, ero Santo Amaro.
Compra-se ama cirrora n bom estado, com
cavillo 00 boi : a tratar na raflfto Amoriin 11. K,
armazem de Paula & Santos, ^r
. ~Z. Ka f*^tca e reclilicaio do engenho lilinua
de Cima compra-ie coustautemenle agurdenle a 2
", com o abale de 80 rs. em caada do preco corren-
to da praca, com a qual mantera urna frequenle cor-
respondencia que Ihe marca as alteracOes du mer-
cado.
Compram-se escravo de ambos os sesos, e rc-
cebem-se para se vender de couimissan : ua ra Di-
reila n. 3.
Compra-se um
auntiucie.
quaiid manso : quem tiver
VENDAS.
lolliiiiia\
PARA 18S6.
Eslo si venda as bem couhecidas y-
IImillas impressas nesta 1\ pograpliiaS_**
de algibeira a ."i e as du porta a 1 00; as
de algibeira alm do kalendario 'ecclesF-
astico e civil, coiite'ui um resumo dos im-
posto* muuicipaes, provinciaes e geraes
que ali'ectamtodas asclasses da socieda-
de,extracto dosiegulamcntos parocliias,
docemiterio, enterrse sello, tratamen-
to de ^rias molestias, inclusive a do cho-
lera, contos, variedades e regi'as para fa-
zer manteiga e <|iteijosde dilterentes qua-
lidades, dittas ecclesiasticas ou de padre a
480 rs. : vendem-se unamente na lirra-
rtan. ti e 8, da praca No itm do mez sahirao a ruz as de al-
manak.
cavallo gordo e bonito, de cor
ra de Aguas-Verdes n.33, so-
Vndese uai
rodado foveiro: na ra
brado.
mTty'^T* 1" ",b*rna com l,oncos funaM'
ra DireiU dos A rogados 11. 40 : a
tenderem dirijam-sc
quem tratar.
mesma,
s pessoas qoe pre-
qne acharan com
\'ende-se urna parrao de garrafes, garrafas,
e harneas vasias : po hotel da Europa.
Vende-se na ra da Cruz 11. jo a verdadeira
gomma de malaria a .100 rs. a libra.
Veude-se nm cavallo ruco, grande, muilo hom
e ma.lo gordo : a trnlar na ra Nova, loja n. 7, de
Joso l-rhiicisco Carueiro.
TAIXAS DE FERRO.
Na fundirao' d'Auro;a cm Sunlo
Amaro, e lambein no DEPOSITO na
ra do Brum logo na entrada, e defron
do Arsenal de Maiinha ha' setnpre
nde sortimento de taiclias tanto
rica nacional como estrangeira,
fundidas, grandes, pequeas,
tundas ; e em ambos os logares
existem quindastes, para carregar ca-
noas, ou carros livres de despeza. Os
precos sao' os mais commodos.
PAKA A l'ESTA.
Aluga-se nomelhor lugar da Torre, um
sitio com grande casa nova, estribara c
coclieira-equartopaia Icitor : a tratar na
ra da Cru/. 11. 10.
Navalhas a eoiiteuto.
Na ra da Cadeia do Rccife 11. 18, primeiro au-
dar, cscriploriu de Auusto C. de Abre, couli-
Duam-se a vender a 89OOO o par (preco ru, as jii
bem conhecidas e afamadas navalhas de barba feilas
pelo hbil fabricante que mi premiado nWxposirao
de Londres, as qu.aes alera de duraran exlraarilia-
riaraeule, naoseseulem no rosto ua accao d corlar ;
veudem-se com a coudicao de, nao agradando, po-
derem os compradores devolve-las ate 15 diasdepois
pa compra reslituindo-seo importe.
\ i'iide^e um novo c xtellen-
' le carro da i rodas, de go-to
------_ modenisj.:1i trstar mi ra .la
Madre de Dos n. 17, ou coi Jos Uuarte le Oli-
veira Reg.
\ende-se um lindo inuMinho de 1( anuos,
raoilu esperto o bom para paaem, urna prela crioula
Qoe'.en?OTa,co/.inhaelva,4aemviciA una dita
ua t.,nlsrWtn as mesmas lublTIMIes, "que vende
na ra, um prelo di- 3.1 anuos bom para sitio: na
ra dos Coartis n. 21.
Vende-se urna pori.ito ile laboas usadas, e 1
cues para amo.lras, pesos, balanca e medidas de
pao e de folha, por commodo nrero na ra da l.in-
-uel.i 11. .1.
Milho em saceas
\ ende-se muilo superior milho em sarcas : ua ra
do Amorim n. 41, armazem de Francisco Guedes de
Araujo.
lilho em saecas
Vende-se na ruu doncanla'menlo u. 76 A, milho
em saceas. de superior qualidade, por preco com-
modo.
Vende-se nma armacao na ra Direila n. 48,
com commodo para familia : a iralar ua mesma casa.
Emcasa de Hqgiy Brunn &C, ra da
Cruz n. 10, vendem-se:
Lonas c brins da-Russia.
Instrumentos pora msica.
Espelhoscom moldura.
.lilohos para jardins '
Cadeiras e sola's para jardim. ^
Oleados para mesa.
Vistas de Pernainbtico.
Cemento romano.
Gomma lacea.
MECUANISMO PARA EHSE-
NHO.
NA FUND1CAO DE FERRO DO ENE-
PiHEIRO DAVID W. BOWNIAN. A
RA DO BRUM, PASSANDO O ^HA-
FABI/
lia semprc um grande sorinnento dos sesu'iules ob-
C:los de mechanismos proprifts para eii^enlios, a sa-
r : moends e meias moeudas da mais moderna
Construcco ; taixas de ferro fundillo e balido, de
superior qualidade e de. todos os lmannos; rodas
deutadas parugua ou animaes, de todas as propor-
Ces ; cnvos*l(Beeasdeornalliae resislros de ho-
eiro, aguilhoe, bronzes, parafusos e cuvilhOes, moi-
uhu de mandioca, ele ele.
NA MESMA FUDICA'O.
se xeculam (odas as encoinmendas com a soperie-
ndade ja conhecida, c com a devida prestezae com-
modidade em preco.
Eincasa.deN. O-Bielier&C, ra
da Cruz n. i-, vende-se :
Vinho di- Madeira em quartos e oilavos
ha tris.
Vinagre branco.
Tintas em oleo. '
Lonas.
Brins da Bussia.
Papel de etnbrulho.
Saceos de estopa.
Cemento.
Por commodos piceos
Vende-se urna criuulinha de I i anuos, honila
lisura, e sem vicios, vinda do mallo, propria para
so applicar a qualquer serviro que se Ihe queira en-
sinar; na Sledade n. 52.
" Veudc-se um bom e vistoso cavallo, ou tam-
bem orna parelha de doas. que serve para sella e
carro : na travesa da Madre do Dos n. 19.
Vendem-se saceas com milho muito novo, e as
saceas bastante erandes. por pre^o mnilo commodo :
na rna do Amorim n. 48, armazem de Paula A- San-
Ios.
OS MUITO CONHECIDOS QUEIJOS PIMA.
Na taberna da ra Nova 11. jo, tem os queijo* pi-
ma muito frescaes, porterein desembarcado houlem,
nssirr como flaraeugos e ludo o mais para o passa-
nienlo da fesl, por moito commodo preco e de su-
perior qualidade.
/
PARlNIlA DE MANDIOCA.
\ riideui-ae sacras grandes cain farinha-ffe mau-
diura pin preco coiiimodo : para fechar conla, : no
arma/.eiu iie l.uiz Aune defrohto da Alfandege.
superior doce de caj'e de todas as qualidadeslis
fruclHs. minio bem leilo, lanlosecco cm bocelinbas
euleilndas propria para presente, romo de calda
em barriliuhos ; e tambera se vende as libras : na
roa do Qaeimado loja fl. 2.
_ Sal de l.iboa a bordo da barca portuguesa
Ijytira : trala-se ua ra da Cadeia do liedle cora
V. A. S. Carvalho.
.Va fre^ueziadeSaiiln Ama.o de JaboaA) Veu-
de-se urna parle de |-J:464d2ol do engciiho FloMsla,
avallado por :i:000J, dislaiile de-la praca .1 leoa,
e com ella as bemfeiloriassecuinles, reila's depois Ja
menriiiii.-ida avaliacao no inesrno en&enlio c em suas
Ierras como desrreve-se abaixo, sendo : n sde do
eiuenho Floresta, urna excellcule casa de % venda de
sobrado envidranida, de pedra e cal. feita a moder-
na, com bstanles commodos para urna familia nu-
merosa, urna e-tufa de seccar assucar e um* ptimo
banheiro, ludo de pedra c cal, e lias ni'lhores Ierras
do referido en^enho : mu oulro d'ggua levantado
em Ierras quasi virajna ha dous anuos, denominado
Mallo (jrosso, que sracha boje inocule e rorreute,
com as segaiules obras : um acude com capacidade
para moer boas safras, e com proponjes de ser aug-
mentado, casa de engaito com caYouco de pedra,
roda d'agua, moenda e suas per lenca, casa de cal-
deira rompala, dem de purgar do mrsmo modo,
dem de lislilacao com alrnubique de cobre, cubos
e suas perlencas, idem de encaivamenlo, dem de
hgMIal de prelos, dem dascriiidus, idem de viven-
da, una oulra quasi acabada, lodas estas obrasde
pedra e cal. Vende-se tambara a afra creada nesle
ultimo engenho, assim como 1U,|KHI ps de caf ah
planladn, alguns bois, carros, quarlios e alguns es-
cravos, alem desnzalas de escravos, estribara, casa
de fanulia, casa de bagaco de esteios ; ludo ven-
de-se oom algum dinheiro a visla, e o mais a prazo
cun boas firmas ou oulra saranlia quo Ihe seja equi-
valente : a Iralar-aaM Kecife rom o Sr. Jos Joa-
quim Jorge, rus do Crespo, ou no referido engenho
com o Sr. Joflo Francisco Xavier Paes Brrelo, que
inellioriucnle pora a condiee da referida veuda.
vlufas de biii#.ic.Ii!i.
Chegaraui as excellenles mel.s de burracha para
erysipela, ditas de 13a para homem, seuhora e me-
ninos, rulao hamburguez em garrafas, e tinta para
marcar rouparua da Udea do Recife n. 11.
Rico gaze <|i
seda,
coni quadros de liudna cores, fazenda propria para a
noile de festa, pelo diminuto prec- de IjOUO o cova-
do : em frente do becco da Congregaran, roa do
Qoeimado n. 38.
Vendem-se pipas vasias: na roa da Cuia n. 61
segando andar, epara ver na mesma ra n. 0, ta-
berna.
RELOGIOS AMERICANOsfpARA CIMA DE
MESA.
Chegaram os relogios americanos com corda de -i
lloras e de 8 dia, diversos modelos, como tambem
pregos americanos : vendem-se na ra do Trapiche
D. 8.
OBiAS
As
DKouao
mais modc'rnas.
Os abaixo assignados, douos da loja de uurives, na
ra do Cabag n. 11, coo/ronte ao paleo da matriz e
ra Nova, lajera publico, qae est3o recebendo con-
tinuadamente muilo riejs obras de ouro dos melho-
res goslos, tanto para senhora'.como para homens e
meninos ; os precos coolinuamunesmo baratos como
lera sido, e passa-se conlas com responssbilidadc, es-
peciheando a qualidade de onro de 14 ou 18qoila-
tes, licandii assim sujeilos os mesmdS por qualqijer
duvida. Seraphim& IrroSu.
Gnn Linda
A1100 RS. A VARA *
Acabara do chegar Irinla dillerenles padroes de
urna climbraia que madame Jeuu Linda trajava era
elerabni mais de um vestido por dia, Buso depois
todas as senhoras elegantes de Paris daram esla
cambraia e de go-los anda uo conujH m\. esla a
venda nicamente na ra doOueiraWi08, fren-
le do becco da Congregarlo, d-se amostras com
peiihor. ,
Vendc-se urna negra crioula de boa figura,
propria para casa de familia, com 3 erras de I a 4
anuos de idade, sendo a mais velha mulata, a qual
fugnmma soflriveliuenle : a tratar ua roa da Cadeia
".o Recife, loja de miudezaa 11.7.
4 5 00 0 Cf VADO.
Na loja junto a da Fama, na roa do Queimado 11.
33 A, se contina a vender panno preto prova de li-
man de superior qualidade, pelo diminuto preco de
3900 o covado; convida-se as pessoas do bom e
barato que veuhara ver dila pechincha, que visla
/Sulla nao desaro de comprai, por ser fazenda que
o verdadeiro preco por quanlc se ten vendido he-dc
.I9OOO 1 alm deste existem oolras molas qaalida.-
des, que se vendem por meaos do que em oulra
qualquer parte.
Fumo em folha.

Na ra do Amorim 11. 39, armazem de Manoel dos
Santos Pinto, ha muilo superior fumo em Tolda para
charutos, por preco commodo.
. Vende-e moito bom milho em saceos grandes
vindos da Parahiba, e muilo boa carne do serlao ;
ludo por preco commodo : na ra de Santa Hila n.
1, taberna.
I (RAM 4TTKl{4#J l
9 A tintura de losna romana, de Sollini, he fjt
k. uradoi excelleules remedios Inicos tonheci- aij
ti dos, eque maor Homero de vezes lem pro- 9
i duzidu nielhores elTetos nal molestias a que SJ))
se lem julgado applicar. Cara com admira- #(
vel promplidAo as dore nervosas do esloJ^|
mago, accelera a dgeslao na pessoas que a $
lardia, fz desapparecer os amargos de a))
I e os gazes que se accomulam no esto- aj)
, e desenvolve o appelile ; cora igual- aj)
W mele as desynterias chronica, as fliclao- aj>
sidades, c he um poderoso remedio para as m
m criancaquesollremde lienteria ou dejecrocs tB
0 alvinas liquidas, emuilas vezes repelidas, as #
quaes seaclum os alimentos mal digeridos, m
m As senhoras que padeccm de chloroseou pal-
0 lida cor, acharao na untura de losna romana A
um remedio elDeaz, o qual sendo osudo por
algum lempo as torna coradas. Tem sido de
grande vanlagera no Iralamento da leucor-
rhea ou flores braucis,e junl ente no tluxo
19 sanguneo proveniente do alonio do utoro.
ff Seu uso he mu simples: as pessoas adultas
f devem lomar duus colheriuhas de inaulida _
fp em jejum, e duas a noile quando se quiza-
rem ugazalhar, dissolvidas cm pequea quau- A
lidade de agua raorna. Ascriancss lomaiio A
A urna colherinha deraanha e oulra a noile. S
Vende-se uiiicameute ua holica do Joaquim
ajs de Aliueida Piulo, ua ra dos Quarleis. an
iitM98Mt-gll)tSS|!
Veude-se urna escrava crioula, moca, com ha-
bilidades e sem achaques : na ra da Guia o, 10.
!
covado,
com lindas e variadas cores, rica la.i com qaadros da
cores fingndo eda, pelo diminuto preco de 610 rs.
o invad. : na ra do Queimido 11. 3K.
Fazenda rica he
flavina.
Chegada ltimamente pela barca frauceza Luiza
Aaria, e esti rnente venda na ra do Onemado
n. 38, em frente do becco da Congregaeao ; coja fa-
zenda he loda de seda com lvrasem. d cores, com
una vara do largura ou mais, |peb> diminuto prece-
de 18600 o covado ;'d-se as amostras deixando pe-
nhor.
Vende-se urna negra de 40 aonos, boa vende-
dora de ra : na ra das Cruzes n. 9, loja.
Vende-se urna boa escrava de algumas habili-
dades, com 28 annws : a Iralar na na da Sania Cruz
n. 32.
Veude-se urna casa ua ra de Sania Thereza :
a fallar na ra estrella do Kosario u. 26, loja de en-
cadernador.
Vende-se superior farello em saceas grande.-.
una sacca 44000, e em porcu de 5 saceas para cima
a :l?-00,familia de tapioca em accas de 3 arrobas a
cima ; a fcjOOO a arroba, he moito superior : na
travesa daMadr de Dos armazem n. 0.
Vendti-sti tnn globo do
mundo, obra frauceza che-
gado), ltimamente e por
bafrato pre9o: na ra a
Cruflfii. 26, primeiro an-
dar.
FABINUA DE MAXIOCA.
lajtiNa ra do Vgario 11 5, veude-se por
mdico proi; superior
COM PEQUEO TOQUEJDE A VARIA
Indiana de quuaJros de seda e algodao, de
muilo bom posto, a 20o covado.
Vende-se ua ra do Crespo, loja da esquina qua
volla para a ra da Cadeia.
Vendc-se urna halapca romana com lodos oa
seus perlcnces.em bom oso e de 2,000 libras : quem
pretender, dirija-se .1 ra da Cruz, armazem 11. 4.
Vestidos e chales.
Vendem-se chales de seda srandes com algum
mofo, pelo barato preco de 65OOO n., cortes de cas-
n de cores cora barra e alsumas pialas de mofo,
pelo diminuto preco de I96OO o corte, assim como
oulra mullas fazenda- por barato preco: na ra
da Cvdeia do Kecife loja n. .10, defronle da ra da
Madre de Dos.
Brins de vel la: no .armazem de N. O
Bieber & C.. ra da Cruz D. 4-
Vende-sc excelleute taboado de piuho, recen-
temenle chegado da America: na rui de Apollo
trapiche do Ferreira. a enteuder-se com oadminis
ador do mesmo.
Taixas par& engentaos.
Na fuudicao' de ferro de D. W.
Bowmann, na ra do Brum, pastan-
do o chafariz continua haver um
completo sortimento de taixas de ferio
fundido e batido de 5 a 8 palmos de
bocea, as quaes acbam-se a venda, por
preco commodo e com proinptidao' :
embarram-se ou carregam-se ent carro
sem despeza ao comprador.
Relogios eober-
tos e djydb^ertos
de ouro, paten-
te inglez.
Vendem-se no escriptorio do ag^nlede
le loe, Francisco Comes de Oliveira. r,ua
da Cadeia do Recife n. 62, primeiro In-
dar, os mais superiores relogios cobertos
e descobertos de ouro patente inglez, de
um dos mais afamados fabricantes de Lon-
dres, vindos pelo ultimo paquete inglez, e
por menos preco do que em outra qual-
quer parte.
\ ende-se urna escrava crioula, raoc* e sadis,
que cose. eiiKomma, cozinha, e he muito aarinhosa
par meninos : nu aguado audar da casa n. 53 da
ra da Cadeia do Hccife.
Derroule da iKreja da Madre de Dos
1111... 2o, ve..de-e farello chegado ba p
zem
I.i-lio

arma-
pouco.de
Oracao contra a peste e o cholera-
' morbui.
Ael.a-se venda na livraria n. 6 e 8 da praca da
laBepeodencia um folhelinho com .liflereutes ora-
joes contra o cholera-morbo, e qualquer oalra peU
le, a io r. rada um. M ^
Rap.
Vende-se o verdadeiro e muilo fresco rap Paulo
Ccrdeiro: ua rna larga do Kosario o. 38, ionio a
botica. '
Chales de merino' de cores, de moito
bom gosto.
Vendem-se na ra do Crespo, loja da esquina que
volla para a cadeia. H
Ven.le-se um bom cabriolel descoberto com
arraios, e tambem um carro de 4 assentos, 110vo.com
arreios.ludo vida de quam quizer se lentra, ianio
ma.s porque o preto he razoavel ; na.ra Nova, co-
heira do Sr. juinteiro.
COGNAd VERDADEIKO.
Veude-se o verdadeiro cognac, laolo em garrafas
como ea^garraTOes: ua ra da Cruz n. 10.
CASEMIRA PRETA A 4^500
o corre DECALCA.*
Vendem-se na ra do Crespo, loja da esquina qae
volla para a roa da Cadeia".
Vende-se bico ile blnnde branco e prelo de s
verdadeiro, 30 por cenlo mais barato qne em a
quer oulra parte, e de loda as larguras moito I
las litas dilo : ua ra Nova casa de relojoeiro n. _
A boa fatua
dioca
farinlia de man-
Cabriolte.
Vende-se um bonito cabriolle com hom e elegan-
te cavallo : para" ver e Iralar, na rna da Itoda, co-
cheira do Sr. Paulino.
ROLAO FRANCEZ.
Vende-se esta deliciosa pitada tanto em
poivo como a rctalho, em porcao na ra
da Cruz n. 2(j primeiro midar, e a reta-
llioa i-0 rs. a oitava : na ra da Cadeia,
loja de Vaz A teal.
Na ra da Cruz n. 2(j primeiro an-
dar, veude-se urna porrao decai\as com
saidi nhas em latas, muito novaspor terem
chegado no ultimo navio francs, e por
baratissimo prero.
Vende-se o excelleute champagne
em caivas, ltimamente chegado deFrn-
ca, e licor de Kirsch : na rua-da Cruz n.
2, primeiro andar.
Veiide-se^Ba ra da Cruz n.' pri-
meiro andar o aprectavelcha' preto em
libras, assim como chocolate francez o
melhor que tem apparecido no mercado,
e por prero muito em conta.
TESTOS
para yokarete.
Veudem-se na ra da Cruz n. 20 prij
meiro andar, caimanas com tentos muito
delicados para o apreciavel jogo de vol-
l a rete, ou para outro qualquer jogo, l-
timamente vindos de Franca, epor preco
baratisimoif
Vende-se urna porco de frascos
com rollias de vidro. muitoproprios para
CQBtSfcar todaa qualidade de rape, e por
pro^muilo Apminodo : na ra da Cruz
n. 26 primeiro andar. <
PALITOS FRANCEZES.
A fabrica de chapeos de sol da ra Nova n. 23,
esquina da comboa do Carmo receben pelo 'ultimo
navio chegado do Havre os objecle segrales : pali-
tos de panno lino forrados de seda prela e de cores,
ditos de sel i in do China, dilos de pal lia de seda,ditos
de alpaca prela e de cores, dilos de li.il.o de tirela
nha branca, casaca* de panno preto e do uiliino gos-
to, riqwssiniascamisas com a'ierliiras, punhos e co-
larinhos de linlio.um lindo sortimento da grvalas
deabeda.'uau completo surtimenlo de chapeos de sol
tic teda e o* panno para hornera o seuhoras, assim
como chicotes, bengalas e muilos oulros objectosde
poslo, os quaes se vendem por prero muilo dimi-
nuto.
Puxnry.
Vndele ua rita do Trapiche ii-lC,se-
gundo andar.
Vende-se lardo muilo novo em sac-
t;'s,gran(les por prero commodo : na rna
do Amorim n. iS. armazuj> Paula &'
Santos. T -,
Vende-se urna muala de bofl
aunas de idade, cosltreira e eugKKKKa^Hom
mullo bom etlt, parid dajajtz e meto, e ni
vicios de qualidade algamaS no Hospicio, si^
Sra. viuva Cunta n. 6.
Vndate milho aos alqueinr de medid
Iha a I>a000 '. na ra do Rioeel passando o bacco do
Carcereito.
VENDE BARATO :
labras de linhas brancas ni. O, 60, 70 e 80
Libras de ditas ns. 100, 120 e 130
Duzias de tesouras para costara
Duzia de ditas mais unas
.Macos -com 40, 50 e 60 pecas de cordAo
para veslido
Pesas com 10 varas de bico eslreito
Dozia de dedaes para senhora
Caiiinhas com agulhas francezas
Caitas com 16 navellos de linhas de marcar
Urozas de boloes para carniza
Pulceiras encarnadas para meninas
Dilasgrandes para senhora
Pares de meias finas para senhora a 240 e 300
'Meadas de linhas muilo finas para bordar" 160
Meadas de linhas de peso joq
brozas de botes milito finos para calcas 280
llabados de linlio aberlos e bordados. 120 e 240
Cartciras linas de raarroquira para algibeira 600
I-i velas rtourad.s para calcas e collete 120
Tinleirose areeirosde porcelana,n par 500
Charuteiras entrefinas \.M
Duzias de torcidas 11. 14 para candieiro 80
Pentes da_va/dadeiro bfalo para alisar 300 e 500
50
tiO
19100
10280
13000
19280
240
560
100
160
280
160
240
320
Pecas com*6T>- varas de fila branca de linho
Caixascom clcheles Trancezes
Carrileis de linhas de 200 jardas de boa
qualidade
Macinhos com 35, 40 e 47 grampas
Suspensorios,o par
Carrileis de linhas de 100 jardas, autor Ale-
xandre 4
Aloro de todas asas iniodezas vendem-se oulras
muilissimas, que avista de suas boas qualidades e
baratos precos causa admirara aos compradores:
na ra do Queimado, nos qoalro cintos, na bem co-
nhecida loja de miudezas da Uoa Fama p. 33.
Bous gostos-e de
boas qnalida-
des.
Na ra do Queimado, nostjktro cantos, na seron-
da loja de fazendas n. 22, defronle do sobrado ama-
relio, vendem-se fazendas por precos que real-
menle iajem admirar ao publico : Panno preto
llliissimenbava de limao, para casacas e palUk,
pelos ^rHVtimos precos de 2j.it)0, 39500 e 5jR)0
o covado. casemira prela de superior qualidade
a 2 e 296OO o covado, alpaca prela muito lina a
400. 500 e 600 rs. o covada,-.corla de colleles de
fustoes de bonitos padroes e ceMajsJsias a 700 u '.KHI
rs., chales prclos do laa e seda^Suilo arandes a
28800, chapeos de sol de seda pajos e de cores, fa-
zenda fupennr a 695O0, camisaPrance/as pintadas
jara homem a 10280, riscados da India muito linos
e largos e moito bonitos para vestidos a 280 o cova-
do, selim prelo maro, faienda moito superior a :tj
o covado, sarja hespauhola muito superior a 2,400 o
covado, merm muito fino a 2*000 o covado, meri-
no selim o mais superior que pode haver e muilo
proprio para palito a 160U o covado, chapeos de sol
de panuinlio a I96OO, chitas francezas muilo finas e
largas, dendvos padroes a 320 o covado, fil de li-
nho liso e com llores a-tje 19140 a vara, luvas de
pellica de Jouvin para homem e senhora, rhegadas
00 ultimo navio francez a I98OO rs. o par, lavas de
sed de lodas as cores com belolat a 1J280, camisas
de mcia muilo finas a 19, lavas de lio da Escocia
hraocas e de cores 400, c|00 e 600 rs. o par, man-
tas de seda para grvalas, pretas e de coras, rnailo
boa fazenda a 19280, panno lino azul de superior
qualidade a 49 o covada. ricas 1 o rae iras de relroz
bordadas a 119, lenciihos de retroz fraucezes a
19:280. cassas francezas muilo finas e de booitos pa-
drOei a 300 rs. o covado, cambraia fioisaima de sal-
picos alia vara, camisas francezas muilo finas e
bem feilA para litrnem a 29.JOO c 2800, corles de
cassas para vestidos de bonilos padroes e com 7 va-
ras a -i o corle, lentos branco de cambraia de li-
nho maulo linos o grandes a 69 a dozia, ricos chales
decluafly com lislras de seda e bastante grandes a
89. dilo^de merino muilo finos e lisos a 69, luvas
pretasd tore,al, de Lisboa a 19120, cjially amarello,
la/enda superior e qoe mnito se osa para vestidoa
800 rs. o covado, romeiras de cambraia com lacos
de ricas litas de seda a 19280, grvalas de seda de
bonitos padroes a 610, meias de laia para padres a
29 o par, cortes de casemiras lina e de bouitns pa-
droes para calcas a 5>, brinzinhos de linho de bo-
nitos padres a 240 o covado, brim (raneado de poro
linho eiAbonilos padroes 800 rs. a vara, Tapim
preto aHphin, proprio para vestidos e batiras de
padre a^^O o covado, risradinhos francezes muilo
linos e bonitos padroes a Ji o covado, ineios le
prelos para grvala muilo superiores a 19, le
brancos de cambraia muito finos a 300 rs.,
amarolla muilo superior a 320, meias brancas ajinas
para senhora a 240. 300 e 400 rs. o par, ditas pretas
muilo liiias a 320, ditas para homem, fazenda su-
perior, sendo brancas, pretas e croas a 240 rs. o par.
Alm de lodas eslas fazebdas oulras muilas que s i
vista das boas qualidades he que se pdem ver o
quaoto sao baratas, a(aocando-se aos Srs. compra-
dores que neste eslabclecimenlo nao na fazenda al-
umina que seja avadada, e sim ludo sem avafla, de
bous goslos e boas qualidades.
Cortes de cassa pina quem quer dar es-
tas por potteo dinheiro,
\endem-se corles de cassa chila de bom gosto 1
29, diloi de padroes francezes a 29400, cassas rosas
para aleviar luto, dilas prcta dc.padres raiudos a
J9 o corle, alpaca desoda de quadros de lods as co-
res a 720 o covado. lencos do bico tanto pintados
coao bordados a 320 cada um, grvalas de sedo pa-
ra homem a i o l.-;600 ; lods estas azeudas ven-
dem-se na roa do Crespo 11. 6.
-- Vendern-se no armazem d. GO, da ra da Ca-
eia do Recite, de Ilenry Gibson, os mais supero-
es relogios fabricados em Inglaterra, por precos
mdicos.
. A HADOS AMERICANOS.,
Chegaram os arados americanos, e veudem-se na
roa do Trapicha a. 8, pelo preco j sabido de 40.
Veud
tfi. era
n. 18.
PIANOS.
Veudeut-se em cas* de Uem \ Itruni.o*
C ra da Cruz u. 10, ptimos pian A
dos no ultimo navio da Europa.
deHenry Brunn 4C, ra da
lia para vender um grande
sortimento tle ouro do melhor gosto, as-
sim como relogios d ouro da tente.
REMEDIO IMCOMTAl EL
INC LENTO HOLL WAV.
-Milheresde individuos de lodas asuacoe podem
leslemouhar a virtudes tieate remedio incofjfpara vel.
e provar em caso necessariu, que, pelo uso qua delle
hzeram, tem eu corpo e membrov loB
saos, depon de haver empregade uutilinenle oulro
Iralamento. Cada peisoa poda-ie-ha convencer
denas curas maravilhosas pelaleftnra dos peridico*
qoe Ih as relalam lodos os dia ht~uilos unos ; e
m.-iior parle dellas sao lio sorprcadeules que admi-
ram os mediros mais celebres. Quanlas pessoas re-
cobraran! com este soberauo remedie o oto de tts
bracos e pernal, depois de Ur j*manecido longo
'empo.no hofpilaes, onde deilaW.tlrer a ainpula-
v0 Doliai ha muilas, que hadJK deixado caaes
!"> ms de padecimenlo, para sel sobmellerem a
operacao dolorosa, foram curadas coraplela-
>._. VJWl^XEHEZ.
e-aesopeiV ^ de \erez ao bjfjgl
aasa de E.^aT^yatt: ra do ^|HHI
LEONOR D'AMBOISE.
Vende-se o excellente romance histri-
co Leonor d'Amboise, duqueza He Breta-
nha, 2 volumes por l000rs., nSpirfaria
n. 6 e 8 da piuca da Independencia.
Vende-se cal em pedra chegada no ul-
timo navio de Lisboa, e potassa americana
da mais nova : no nico deposito da ra
Be Apollo n. 2B, de A. J.T. Basto|&J
Companhia.
Pratos ocos patentes
para conservar a comida
quente: vendem-se ua pra
9a do Gorpo Santo, arma-
zem n. 48, de Kostron Ro-
ofcer s^C.
Vende-se ajo em cndeles de um quintal, por
prec muito commodo : no armazem de Me. Cal-
mont Companhia, praja do Corpo Sauto n. II.
Na ra do Vigario n. 19, primeiro andar, ven-
de-sefarelo novo,chegado da Lisboa pelo briguets-
deranca.
Deposito de vinho de cham-
pagne Chateau-Ay, primeira qua-
lidade, de propriedade do conde
de Marcuil, ra da Cruz do Re-1
cifc"n. 20: este vinho, o melhor
de toda a Champagne, vende-se
a 56$000 rs. cada caiga, acha-se
nicamente em casa de L. Le-
comte Feron & Companhia. N..
B.As caixas sao marcadas a fc-
oConde de Marcuile os ro-
dos das garrafas sao azues. M
POTASSA E GAL YIRGEM.
No antigo e ja' bem conhecido deposi-
to da ra ola Cadeia do Recife, escriptorio
11. 12, ha para vender'muito superior
potassa da Kussia, dita do Rio de Janeiro
e cal virgem de Lisboa em pedra, tudo a
precos muito avoraveis, cbm os quaes li-
caro os compradores satisleit os.
"ente, roed'ianle o uso deste
orna, da Ue pessoas, na e'
ment, declararam
do lord eorregeda
malaj
nvesse
coOlanlemeute,
ment que uecessiUsie a alrTzT'ii
ultado seria provar inconleatav.i.,
cura t
roenwqJaJiMio. Al-
diaule
ate da
.eojara-
incooletaVelmente : Que todo
O unguentoVie til ma particularmente nos
,. teguMei ca$ot.
Alporca. _
Lepra.
Jlale dai peruas.
jjdos pellos.
Caimbras.
Callos. 1
Caneeres. J
CorladdrM. 1
Uores deeabeca.
das castas.
do membroa.
fcufermidades da culis
em geral.
Eufermidades do anua.
EruDces escorbticas.
1;islalM 110 abdomeu.
Friaade ou Talla de ca- tremor de
lor ii.s jzlremidades. Tlceras na bocea.'
(jeogivas escaldadas.
I n chaces.
lnflammurao do ligado.
da besiga.
. > ende-se esleMgueulo no c.lal^ain
de Wrcs.il. -MfasimM.* na loja de
ticaieaj, drognisfat-aAiH, pessoas enc
sua venda em loda'l lrica do SulJ
Vende-se a 800 reiscada bocelih,eenlm nm
era porlugoez para explicar o nda^H
e olha.
Mordeduraiderapti.
Queiaaati
Sarmt
Supirrare nutrida.
ludia, era jlalqeer pal-
le qu seja.
do figade.
- das rrlii nlaiiatn
\ eias torcidas, ou anda-
das as peina.
insl
fa
mai
buco.
ungento,
lera I he em casa do Jl.
rna da
n. ?2.
em saceas que tem um alqueire, medida
velha por OOO reis : nos ai ina/.er#os.
3,5 "7, e no ai mzem defrfinte da porta da
affandega, ou a tratar no escriptorio de
Novaes & Companhia na ra do Trapiche
n. 54, primeiro andar.
POTASSA BRASILEIt^A.
Vende-se superior potasra, fa-
bricada no Rio de Janeiro, che-:
gada recentemente, recommen-
da-se aos senhores de engenhos os
seus bons elfeitos ja' experimen-
tados : na ra da Cruz n. 20', ar-
mazem de L. Leconte Feron d
Companhia.
GHAROPE
DO
* BOSQUE
O nico deposiloeoolina a ser ua blica de Bar-
lliolomeu Francisco de Souza, na ra largad* Nefa-
rio n. 3ti; garrafas graudes5500 e pequeas 3*000.
IMPRTAME PABA 0 -PUBLICO.
Para cara de plitisica am lodos os seus dulciente
graos, quer motivada por eonslipacoes, losse, aath-
ma. pleariz. escarns de sangee, dr de cosa (Te
peito, palpilacao no corasilo, coqueluche, bronchile
dor na garganta, e lodas aimoleslias dos oreaos pul-
ftinnar^.
monar^.
A boa lama
e cruas para boshom, fazenda
lf,*Ueilo par, b^^B
ncas eamarellas para ImBm
de meia moito II-
r.( dila da
la e.tefel.v
r. ricos jar-
versea U-
VENDE BAK.VTO :
Lenciubos de retro de todas a core para pesen-
t.o de senhora e meninas, pelo barato pieco de 1J,
FARINHA I1F MAMIinrv bs")''u* d9 c"'" *imarraiieia para vollarata
r AtUItHA Dt. MANDIOCA. a oOO, touca de laa para senhoras menina a 1
Vende-se superior farinjia de mandioWL,,as mu1" '""V*dc ,io da Esorlabrancaa e de co-
.,+L~. ... ........:_ T m P'ra l,on,lem e """*' a 00, m^^M
par, meias brancas
muilissiino si
petlieade Jo
c estira a t
as sj
alg
(o fin
barbeirfl
loaduras L
500 r., dii
phosphoro!
ros doilrai
maullos a
do todas a
roupa, dil.
tos padroes
nissini.'s para barba, caasiveles
as qualidades, bices finos de linho de
e diversas larguras, ricas franjas de
e de cores para corliitado, leourat^,
mais linas que he possiyel enconlrar-se.e
tissimas coosas qoe ludo se venda por
preco que aos proprios compradores c
IcAo; na ruado Qaeimado, nos qoalro .
| bem conhecida loja de miudezas da Boa KeW |!
A boa fama
VENDE BAKTO:
Kicos aenles de tartaruga para caM
Ditos de alisac tambem de tartaruga
Dilos de marKn lambem par'-
Dilos imitando tartaruga para
Lindas meias de seda de cores
Meias pintadas fio d Escocia para'
Bandejas grandes e de pintura
Papel almaco sreve e paulado, tesma ,
l'eniias liuissimas bico de lanja, gioza
Esgu-Vne linho
r e algodao,
muilo snperibr, com 11 varas a pe, por 38500:
vende-se na ra do Crespo, loja da esquina que vol-
a para a ra da Cadeia.
4.31500
Vende-se cal de Lisboa ltimamente chegada, _.
sirn como polassa da Ktarsia verdadsira : na praca do lilas muito boas sem saJeTa^jrfla-
GorpoSanton.il. Oculo. de armacao de ac fcadoaceVe,
M'F\TI1 Lonetas com armacao de taraanga
AGENCIA
Da Fundigao' Low*foor. Ra da
Senzala nova n. 42.
Neste estabelecimento continua a ha-
ver um completo sortimento de moen-
das e meias moendas para engenho, ma-
chinas de vapor, e taixas de Ierro batido
e coado, de todos os tamauhos, para
dito.
Riscado de listias de cores, pn
para palitos, calcase jaquetas,
o covado.
Vende-se na roa do Crespo, loia da esqaipa qoe
olla para a cadeia. .
CAL DE LISBOA A 4000. -,f^,.
Vendem-se barr com cal virgem de Lisfepara
fechar conlas, pelo diminulo prero de iOOB e b ir-
^..1' "i3 u ,'>de!' d. Recife 'J n- 50. fron-
te da ra da Madre de Deo.
Moinhos de vento
ombombastJerepuxopara regar borlase baila,
decapim; nafundicade D. W. Bowmau : na ra
do Brum ns. 0,8 elo.
AOS SENHORES DE ENGENHO.
zido de 640 para 500 rs. a fibra
arcano da nvencao' do Dr, Eduar-
800
isooo
J00
jooo
500
Dilas com armario de bfala
roncadores da Jacaranda comBons espelhos
Meias de laia muilo' superiores par padres
Kicas beugalasde canna rom lindos casles
Dilas de junco com bonitos casles
Kicos chicolea para homem e sfihoia a i e iJ-JOO
Meias pretai.jBygodao para pidres, o par
tiravalasdeaHde lodas as ores
rilas d vellutWide todas as cores, avara 160 c 320
Atacadores de cornalina para casaca 400
Kicos reloginhos para cima de mesa 1>)00
Suspensorios linos de borracha, o par 400, 50Q. M
Penles muito linos "para sui-sa
Escovas muilo finas para cabello
Capachos pintados muilo bonitosa 760
llotes linissimos de roadreperola paraca-
misa, a groza IJOO
Alm de todo islo vendem-se oulra/ muilas cou-
sas, que avista das qualidades e precos faz admirar:
na ra do (Jueimaiiu, uosqaalro cautos, ua loja Je
miudezas da*Boa lama n. Ja.
ESCRAVSFDGroOS."'
Desappareeea na noile do dra 9 para 10 do cor-
rele mez um negro Cassange de uome Manat Pe-
queo, de 4 anno, pouco mais ou man
secco, p largos e saceos, barbado, leyon
branca e urna calca de riscado azul e uoi i
palha com urna fila prela, lambein levoui
xa da roana, he quebrado e lem as indos
por ser amacador de padaria : quem o pigal1
n padaria francez do aterro da Boa Vista
que sera' recompenssdo.
do Stolle em Berln, empregado as ce- No dia 11 do crreme mez tugio o hreto Joao
lonias jngle/as e hollandezas, com gran-
de vantagem .para o melhoramento do
assucar, acha-se a'venda, em latas de 10
libras, junto com o methodo de empre-
ga-lo no idioma portuguez, em casa de
N. O. Biebcr & Companhia, na ruada
Cruz. n. 4.
Vendem-se em casa dc S. P. Jolins-
ton & C, na rita de Senzala Nova u. 42.
Sel lilis nglezes.
Relogios patente inglez.
Chicotes de carro e de inonUin.i.
Candiel rose casticaes bronceados.
Lonas inglezas.
Fio de. sapateiro.
Vaquetas de lustre para carro.
Barris de groxa n. 97.
Vinho Cherry em barris.
Camas de ferro.
crioolo, de idade de -JO anuos, mais oa menee, de
estator e figura regolires.tendo urna pequea cara-
triz sobre o olbo direilo, levando comsigo duaaal-
cas de algoflio riscado azul, Irea camisas do uesino.
tres diltai de madapoln com peilo de linhaKbsn a
marca I). W. Ilowruan, quatro camisa aovas da al-
godlozmho, um chapeo novo de palha americano
com Tila prela, urna jaqoetauova de ganga amarlla,
um chapeo de sol novo de pauninho prelo, e urna
cohert de chila velha ; qaem o appreheuder e la-
var, i Francisco Manoel dos santos Lima, naruaUo
Brum u.8, sera generosamente recompensado.
tOOtfOOO de graulicarau.
Uesapparccea no dia 17 de agosledj^onaij pu-
do, pelas 7 lloras da noile, a prela l.ourenca, 4 oa-
c.lo Angola, de idade 35a 40 anuos, sponcp mii au
menos, cnni o sigime srguiules : nm dedo da mo
direila ochado, magra, lem marcas brancas naj deas
pernas; levo camisa de al^odaoeMieJMMUo e
chila rosa, raimo fino, e mais una liquxa i mapa
roga-sea todas as autoridades policiaes ou e Ues
de campo que a apprehendam e levem a sen se
Jolo Leile de Azevedo. ua praija do Corpo Senl
17, que recbeme gratificarlo cima.
4

PEBN. TYP. DE M. |F. DE FARU -
iras.
"I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EF100N100_9IMZXH INGEST_TIME 2013-03-25T12:37:54Z PACKAGE AA00011611_00501
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES