Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00500


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AftNQ XXXI. N. 273.
*
*
N
*->.
i
Por 3 mezes adiantados 4,000.
Por 3 meses vencidos 4,500.
SEGUNDA FEIRA 26 DE NOVEMBRO Ot 1855.
M
Por auno adiantado 15,000.
Porte franco para o sobscrploi.
DIARIO DE PERNAMBUCO
ENCAKltKUADOS DA SUBSCR1PCAO'- j CAMBIOS.
.MMfc'f propripl'tio M. F. de Faria ; Rio de Ja- Sobre Londres, a 27 5/8
erera Martint ; Baha, o Sr. D. l>arjs, 34H rs por
Duprad; Maceiu, o Seulior Claudiuo Falcao Das; oa .: '
Parahba. o Sr. Cervario Viclor da NaliviJ.de ;| Lisboa, 98 a 100 por 100.
Natal, oSr.Joaquim Ignacio Pereira Juuiur; Ara-
oSr. Aoioni de Leaos Braga ; Cear,
Jtaprira Jone de Oliveira ; MaranhAo n Sr
wra Marque Rodrigues: Piauhv, c Sr. Domingos,
lerrulano Achiles Pessoa Ceareus'e; Par, oSr. Jui-1 ua compendia de seguros ao par.
lino J. Ramo.; Amazonas, o Sr. Jeronymoda Cosa. 1 UisooDlo de leltras, de 8 a 9 1/2 por 0/0.
Lisboa,
Rio de Janeiro, 1 por 0/0 de descomo.
, o Sr. AccOts do Banco 43 0/0 de premio,
mingos Ji Compsnhia de Beberibe ao par.

METAES.
uroOncas haspanholas. 2615000
Moedas ue JMnO velhas. 169000
de 5400 novas. J6000
de 4(i00. 97000
Praia.Palaeoes brasileiros. 29000
Pesos colomnarios. 20000
mexicanos..... 19K6O
PARTIDA DOS CORREIOS.
Olinda, lodos os das.
Caruar, Bonito eGaranhuns, nos das 1 e la.
Villa-Bella, Boa-Vista, ExeOuricury, a I3e28.
Goyanna eParahiba, segundas sellas-feras.
Victoria e Natal, nasquinlas-feiras.
PREAMAR DE IIOJK.
Primeira s 4 horas e 30 minutes da tarde.
Segunda s i horas c 4 minutos da manha.
AUDIENCIAS.
Tribunal do Commercio, quarlas e sabbados.
Relacao, ter^as-feiras e sabbados.
Fazenda, tiuartas e sabbados s 10 horas.
Juiz do commercio, segundas as 10 horas e as
quintas ao meio-dia.
JuizodeOrphos, segundase quintas s 10 horas
I* vara do eivel, segundas e sextas ao meio-dia.'
2" vara do civel, quattas e sabbados ao meio-dia.

paite *mwi.
GOHKANDO DAS AwMtXAB
QlimU[l.ir.l o coaaoaaad > arm.e o
Perw.mb.co m eiae XUelfa, em -i de
anmaebr* de 188.
OKDEM O UJA N. 1 o*.
O loareclial de campo enramndome das urinas'
endo em presenta as communicacoe recebidas da
presideuci cora a dala dehonlem, declara para que
leuda o oeceeaariu rueito, que em virlude d'ordem
1, eiarada em aviso do ininislrrid dos ne-
6 do aedanlu nez, ioi engajado
da exercilo com a> vausuens de
fes do corpo de sande do eapcilo, o
tur. Dr. em madecliia Augusto Carneiro Monteiro
da Silva Santn, tjrqual Mear considerado addido ao
balalbao 2" de iofanlnria, para nelle fazer o servido
que Iba competir, conjuntamente do hoipilal regi"
mental.
O menino roareclia! de campo coinmandaiile das
armas, publica para conhecimenlo d.'i guarnirlo do-
ta provincia o aviso que segu'transcripto, com res-
paila a regularidade que deve haver noa .hunos de
gralittcsvoes ofliciaes do rorpo de engeoheires, em
ralelo as commrsses, segundo o d posto as ius-
lrucr,es de 1Q de Janeiro de 18i:l.
Rio de Jaueiru.Ministerio dos ne/tocios da guer-
ra em 27 de outubro de 18o. III111. e Exm. Sr.--
10 das cunta* de despeza da repartidlo da
la de regularidade que tem hnvido era
uraliflcaMes at-
en commlasoes da
rador que V. Exc.
ie n.'ia s.e|am em reta-
"orine o rfispxjaU naa ins-
IbW-'l, devemio os mes-
recibo, que pastaren,
diarera empregados, atiin de
la da para cunde-
eiiciinenlos 5lo os que devida,
ipetein ; adeudo po-em V. Exc. re-
etaria de estado qu.ndo en-
lender, que ,is referida vantagen nao eorrespon-
nalureza da commissao.
guarde a V. Ext.--.1f urque: de OAaitai.JeBS> caja Competencia lie
Sr. presdeme da primaca de l'erimmbueo.
Assignndotate Joaquim Cntlh.
aaJoos aaeorre,.
lineado pan misturado familia de trigo, familia.,
de arroz, de milito, de batatas, etc.
as observables que se seguem lomaremos por
lypo o pao feito com 75 parle de familia de Irigo e
23 da fjrinlia de arroz. Esla mistura produz um
h.-llissimo pilo, de agradavel sabor, e que satis-
faz sob lodos os pontos de vista. Deroais o rendi-
menlo em pao desla mistura he superior ao de urna
igual qaanlidade de familia de trigo na raz.io de II
por ecuto.
Resumiudo as objecees apresentadas contra a
introdareo da larinha de arroz ua paiiilicurao
peloe Srs. Cerardin de Rulo, Chesmon, Poggiale
e por difl'erenles peridicos, podemos red,uzi-lasa
duas prinripaes : a primeira he que o rendimeolo
superior he devido nicamente maior quantidade
de agua retida pela mistura ; a segunda he que o
arroz conten menos materia nutritiva do que o
trigo.
Examinemos estas dus objeccoes:
O rendimeiilu superior da familia de trino mistu-
rada i do arroz lie devido nicamente a urna maior
quanlidade de agua retida pela mistura, alo lie po-
sitivo, lia comtudo urna observarlo que nao tem
sido feita, o meuos nao meconuta, e que me pare-
ja)*, que deve modificar graudemente a conclusao que
se tem tirado desta olijec'ro ; a saber: que o pAo
cenlendo mais agua he proporcinalmcnte menos
nutritivo. Com elleito a porcao de humidade na-
tural. Inherente -farinha de trigo, tal como he
entregue as nadaras he de 10 eiiiqunnlo que,
segundo as itiveslig icoes "de Braconol, nao coutm
no seu estado ualural ruis que > %, e mesmo mui-
tn menos, segundo a opiniau de oulros chimicos.
tionlitca-se immediatamente a importancia que tem
da otMMacao para a questio que nos uceura. A
p de arroz, coulendo menos humidade na-
tural do que a do lajgo, absorve e retm rnais do
laiGcacSo ; mas o pao della feito n3o
>r isso ama quanlidaJe proporcional mais
aeqoeatjU ni* empobrece, u que
1 iuevilavelmple se a fariuha de arroz
nao fosse naturalmente mals secca do que a do
trigo.
Nada mala race do que apresenlar esta obser-
var.lo, serviudo-me das analysaa jlis por lio
tOBeos, caja competencia he incedoJ Bhparece-
se ej*)* ella-responde victorios*j|j ^^e(5,111
EPIIEMERIDES.
Novemb. 1 Quarto minguante as 2 boras 46 ^ni-
nutos e 48 segundos da larde
9 Lita nova as 5 horas, 11 minutos
e 40 segundos da tarde.
16 Quarto crescente as9 horas, 20 mi-
nutos c 49 segundos da manha.
23 La cheia a*5horas, 31 minutos e
4i segundos da larde.
*a/4~, aju.laute de
CIO.
mbargidor l-'irmiaa
za.
leaembargadsm
TRIBUNAL.
Aul
Kulraraaa em exercicio
ara GRiraa, ltimamente nnmeada* adjun-
lo; faitea aero causa o Sr. deputad Oliveira.
Os Srs. desonibarg.idures Santiago e Valle, remel-
4eraBSksd*aallo( que eitavam em seu poder
embargo do coronel Caapar du Meuezrs Vas-
acHtos de Drummond contra Thomaz d'Aquioo
^^BAdou-ee correr a revisto com o Sr. des-
arlndiir Villares, visto estar fon da caa o Sr.
doeoebergailor Valle.
Ioi distribuida ao Sr. Gilirana, por nao ser mais
adjuulo o'Sr. Valle, a a'ppellacao ei Ir partes :
Appellaute, Ricardo Depperuian ;
ppellada, a vmva Uartins de t^rvalho, come
tulora de seas Hlhus.
Sr. Villares, |ior nao ser mais adjunto o Sr.
Sautiagu, a appellai.-au entre parles :
'ApprlUolea, Rapliael Flix Jos Carcia c JoSo
Augusto Baudeira de Mellu ;
Appellada, O. Maria Filippa Soulo.
I1TEU0R.
A PANIFICACA.
A maior parle doa ensaios tentados uestes ltimos
lempos para dimHftir o preco do-pao parece-rae que
daos pracessos geraes : o priineiro con-
ntr con a farinha de rrigo um rendi-
em p.1o superior ao rendinieulo ordinario
r manipnlaroes particulares ; o segundo em njis-
OMariuha de trigo diversa Urinhas 00 fculas
An preco actualmente inferior.
"i primajp processochega.se au resultado bo-
k a rarnha cora a agua a ferver e re-
,a massa. Jilo he preciso ter grande pers-
acla para couhectr.que por meio desla manipu-
la se lulroduz na farinha urna quanlidade d'a
gua evidentemente maior do que pelo prucea."
habitual da panitcifo. Can elTeilo 01 clnmicos,
e principalmejile o Sr. Kaspall, tem demonstrado,
dentro d'agoa em urna temperatura de qua-i
ascellul.s qae encerrara a fcula, abrindo-c
jmbiium-se intimamente com a agua, e dao em le-
sutlado urna masa* homognea.
A farinha, para ehegar a este estado do massa,
(era poi aluorvido urna quanlidade de agua maior
ila qae no nftdo de amassar ordinario, e guardando
e*ia porcao d'agua de que a cozedura do pao ndo
e pnta-ln aenao em certa propor^o, produz
I rendimento superior ao obtido pelo proce-so
illual. He evidente que esle augmento he de-
vido u agua daujuo a fcula se emlebcu e que por
cwaaeguinte ofto fabricado desla snrte'he, em peao
igoal, oais uqauoa e menos nutritivo do que o pao
ordinario, e isto na razio directa da quanlidade de
agua ahaorvid.i. Ksle melhodo he poia radical-
* ms, e nao da" na realidade economa al
gtHBM.
aguudo merece tlleiieau mais demorada. Cou-
state, canto ja disae, em misturar diversas fculas 00
fariaYha* do Irigo e fazer com essa mistura o pao,
segando o modo utaal. II asaini que se tem fa-
FOXiETIIir^
1 *> I -
ORIGINAL DO Di ARIO DE PERNAMBUCO.
_ 4 4MW]t4.
ii..*h? ? : l,e uma PobHrar-ao pos-
1,T H.u ^""""""'"e poela.-nas'ido
mu BraaU, nesle btllo palz que parece uma fetta el-r-
na d ualureza ; he o producto de um mande artista
de.conhen.to entre nos, que uem desperla recorda-
jue- nem sympall.ia. e cuja existencia iptna. clieaa
hoje ao noaso conhecimento por meio das sua nal-i-
vra geladas arravez do tmulo. r
M. A. Alvares de Azevedo, natural da cidade de
S. Paolo^ftedurado na capital du imperiu, as fa-
da preid fc-lbo o nastimenlo e I lie aerviram de
inadrinhajlMIe om verdadeiro aenij ; um iutelli-
sahji prfltjjfcgUda, que Oeo concede com avareza
a terU e*eelhi anuos fo uma immeusa peni a para as ledras lira-i-
leira PJg achou nem ..leu ao aeculo fnrmae nova.,
porque nao leve lempo, ni.iseom'o seu maravilhosn
fatonlu loawa um lug.ir dislinctn entre os grandiosos
mouumeuie. do genero humano ; loriiuu-se um do
re do_ peu'ainento a da iii.pirncao, o .1 su;, realeza,
posta ojoc ephcmerii, exerreu-a com toda a magesta-
'*'? eu'0' c"" todo o prestigio da grandeza.
Nau* trenres I1.1 um lundu de tristeza que se
derrama sobris rclacdes da sua vid, sobre os eos-
1 tunea* aobre 01 monumentos, sobre a pliy.ion.uu
dos humeiu que elle pinta.lie o sitial de uma
imunguiv!, aaprama, que o devora al o ulli
imlanle.
presentar esta ok
n..ool*| l|pai
se fundaolm qi
presoiiuda.
l'aasemos a segunda, que se rundaU que o
arroz conten menos materia nutritiva do que o
faigo.
Os chimicos leem por habito calcular a facoldade
oulnliva de ara alimento pela quanlidade de mi-
Creio que esta base
de ser inalacaarel; e
roes da physiologia,
maia seguro do que a chi-
llo OM phenomenus da vida
tena ateta ta
ate seas ractoi
prtanlo irei
qae me'parece om g
mica, pelo que disjg
animal.
Ha
nrincipalm
coja carne serve
honiein, o bol e o
carneiro, e que Ihe furnecem a parle mi solido e
mais nutritiva de un alimentado, s'oessencialmen-
le herbvoro ; ora, est prpwq pelos chimicos
que as plantas com que se alimentara esses ani-
maos contera uma mu diminua porcao de azoto.
Como, pois, a*Milece quefB carne encerr uma tao
importante e*jo*itidade de materia azotada'.' Esle
aojiofiiio, bascado sobre fnclos inconlestados, in-
das-nos a o.io aceitar sera exan.e a objecego de que
agora nos oceupamos. Talvez se diga que o azoto
vem por ouira via alem da alimentaran ; isso pu-
rera nao esi.i demonstrado, e applicar-ae-hia tanto
ao hornera como ao animaes.
I'ode-sc anda suppr que, por menor que seja n
quanlidade de azoto comida uo alimento dos her-.
bivoros. este azoto he guardado e accumula-se nos
orgos onde completamente se assemelha. Isto po-
rein he uma pura hypothese, que se nao pode soa-
leutar era face da leis condecidas da composieflo
e decompofico orgnicas, leis de renovarlo lu-
Coasaale, que silo, como lo bem o demonstrou o
Sr. I- lourens, a propria essencia da vida do In-
dividuo. Parece-me que se pode concluir deala
simples observarlo que a quanlidade de azoto co-
uda na carne dos animaes, e, por cousequeo-
cia, necesaria compnsirau dessa carne, uto es-
la acmpre era relarao com aquella que encerrara
as substancias qtfe serveni 1 nutrirn destes ani-
maes.
Creiu pois que, sem torear os' termos da com-
pararan, pode se ate cerlo punta applicar alimeu
tacao humana a coniiderjco que resulta deste lac-
lo ; e era muito justamente permillldo duvidar de
que alguus ceutesinins de materia azotad, em am
alimento como o pao, que nao he definitivamente
mais do que uma parle da alimentadlo do ho'raem,
sejam tao inditpensaveis coma o dzem e sustenlam
algn ehimicoK.
l'm oulro aclo sobre o qual se nao lera devida-
raente chamado i altencao, he que um quarto ou
um terco talvez da populado tolal do globo dispen-
sa o Irigo e loma o arroz e ouira fculas para base
de sua alimenlacjio. Assim, he bem sabido que a
maior porcao do immenso continente asitico, para
fallar de uma parle do mundo, alimenta-ae de
arroz e nao de trigo ; e isto tem lugar em latitudes
e coudiroes climatricas anlogas s do nosso palz.
Em Franca mesmo, em algumas provincias de
leste e snl o emprego do tnilho tem substituido o
do trigu ; e ainda niuguem.demouslrou que os ho-
mens d'esses lugares sao menos robustos e menos
activos do que os uutrus. Se, pois, popularues tao
consderaveis podem di.pensar o Irigo e subslitui-lo
pelo arroz e nnlho, como explicar- que a inlro-
ducrjio de viola cinco por cea** d'estas fcula ua
uossa panficacao, possa ser Aprejodicial como o
prelendrm os Srs. Cirardin, Wggiale. Chrsnon e
mas o.tom da inspirarlo, o encanto, a suave ma-
gia da lingungem, or vehemente e refleclida, ora
cheia de unccSo e de ternura, transporta, falla to-
das as lemhranras, electrisa os corares e nos disper-
tara svmpalhias que entilo no pareciam' exlieU
Os seus ve.sos 3o scintillantes de enthutiasmu e
ebrios de urigiualidade.
Filho de uma era de proaresso, as suas dures im-
inorlaes e a< aoas aipirares infinita* nao Ihe lizeram
eaquecer os padecimenlos e a oppressao dos seus se-
melhanles ; e, em algumas das anas poesas, enlende
que a liberdade deve preceder a marcha dos povos,
como a columna de fugo dos Israelitas.he o labro
santo, que arvora nos seus mais desolados pensa-
menlos.
Todaas inspirarOes do fecundo'Alvares de Aze-
vedo sao hj nios de um lyrismo maravilhoso, n|.
miravel; e debalde no circulo eslrrit do pensamen-
lo, o espirito procura indicar e determinar a phy-
ionomia d>s aas creaces. He um Tacto s.ugular,
que nao pos-amos trabar o carcter que assignala as
gloriosas prodiicres do genio! Homero, Dante, Sha-
kespeare, Moliere, Cervantes, Camea, sao monu-
mento dn a InurarJIo infinita, e nada mato ; a syn-
these hoinaua he impolenle para p.cesar e distin-
guir estas diirercule glorias da leltras e do pensa-
raenln para inarrar-lhes um lugar dlslincto ua his-
toria do genero huniano.
Asiin, o Crepsculo as Montanha, o Canto do
Aeculo, a. Lagrimas de tiangue, um Cadver de
ootroa ? Antes de emiltar principios scientifiros doslecalculei a gravidade do perigo para aquella ra e
quaes decorrem tao importante consequencias, de- ennrmi.lade do prejoizo...
ver-se-hia estar bem reito de que elles se acham em Seuli, apezar de velho,Tenascerem-me meus bros,
harmona com os facto, e vao da accordo com as e esquecdo da amavel companhia e de meus Irajea
ob.ervacOes positivas. A scencia tem por veza dominguejos, que, por lenlacSu, liavia envergado,
soflrdo grandes decepcies, e todos ainda nos lem- corri ao lugar. Por mais prorapto que eu fose j
bramos do caldos de gelatina de osaus, que tiveram l ache o secretario do goveroo. -Inspector d'a al-
oolr'ora lana voga e cahiram em justo esqueclmen- fandega, e o engenheiro civil Francisco Soare de
lo. A chiraic orgnica est muito pouco adianta- Retumba, dando aquelle provideod. para ser dia-
da para ter u direilo de pronunciar-se ex-proftsso mada a forra publica e auturidad*a(e este indican-
sobre quesles tao graves como as que dizem respei- do o mcios mais sensatos de vedar*juaiore. dainos.
DAS da semana.
26 Segnnda. S. Pedio Alexandrino b m.
27 Terca. S. Maag da de balxia v.; 5. Josaphat.
28 Quyta. S.Jacob da marea f. : S. Sosthisne*.
.29 Quinta.S. Saturniuo-m.; g. Cizinodiac m.
30 Sexta. S. Andrap. ; S. Euprepio m.
f Sabbado. S. Mabum profeta ; S Eloi b.
2 Domingo. I. do Advento ; S. Balbroav. m. ;
Ss. Poncianoe Adria mtn. ; S. Cromacio.
lo a al'menlaco.
He preciso igualmente nao eiquecer qae a mis-
tura de arroz ou de unirs fculas cun a farinha
de Irigo nao foi apresenlada seno como expedien-
te para os anuos de caresta e que uinguem pensa
em propo-la para o uso constante. Dermis isto
eria impossivel, porque nos annos de colheila
abundante o preco do pao resultante da mistura
seria provavelmente mais elevado^ do que o do
pao de trigo puro. Ora, admiltindu mesmo que o
pao, coulendo vinle cinco por cenlo de arroz ou
de niillio, tosse om quarto meuos uulrivo que o pilo
de trigo puro, nao se seguira dahi grande prejuizo
para a nutrsao. Aqu eu exagero muito a conces-
s3oa fazer-se aquelles que nao queras* esla mistu-
ra de arroz ; porque muito chimicos admiltemque
o arroz conlm ete por cento de materia azotada
! o trigo, parece con ter 12 por cenlo, termo medio)
v-se que a difieren; nao he muito grande.
Tem-se dito que o pao he um almaoJh comple-
to, por isso qve contera ao mesmo lempWiuateria.
albuminosas, gurdas e feculentas ; concordamos ;
mas seria preciso demonstrar que a fariuha de rroz
e as oulras fculas silo desprovidas de om (lestes
productos. Ora, aecusam-aa tao soineiite de nao
conter tanta materia azotada, o qae ulo quer di-
zer que nao cunlenba iuteiramerrtaf; e depois se-
ria lao dlnicir dar-Hies o gluleu que talvez Ibes fal-
le, caso se chegassa a provar posilivainenle que com
eleilo a ^usencia desle principio as torna mais nu-
tritivas ?
(.toando pens na coo.ideravel quanlidade de
gluleu que se esperdica as fabricas de gomma,
com grande detriineole da hygiene, croio qae este
problema nao seria iosoluvcl e qae haveria meio
dentilisar eale producto para enriquecer as fari-
nha de arroz e de nnlho misturadas 9 de trigo. Um
peridico ja chegou a dizer que isto havia sido ex-
perimentado com successo em multas padaria.
Mas naohc esleo lugarproprio para entrar em
maiores detalbes a esse respeilo. Alm disso eu
nao eslou convencido da iiece,sdade de enriqae-
cer-se as fariohas de arroz e milho pela iolroduc-
SJo de uma certa quanlidade de gluten ; posto que
seria eminentementeavantajoso tornar mais san a
industria dos fabricantes de gomma, utilisando o
gluleu que ahise perde. circnmslancia esta que lem
eito classilicir esla industria no numero das arles
insalubres.
Terminarei por uma ultima observar-ito. >os
aperreicoatneutos sceessivo iilrodazidos aas dife-
rentes manipularocs-do Irigo nao se d grande im-
portancia aos elleilos physiologicos desle.geuero ali-
menticio.
Llliinainenteo Sr. l)r. Saucerrote, em uma no-
ta publicada pelos jornaes de medicina pelo pe-
ridico 4 Sciencia, aliribue ao perfeicmnVnto era
peneirar a farinha de Irigo alguus desarranjos in-
lesliuaes que parecem ter-se multiplicado nesles
ltimos lempos. A minha propria experiencia est
nesse ponto de accordo com a do meu honrado col-
lega, ejulgo que uma pequea quanlidade de se-
mcas no pao he til 1 digeslo. Aqu anda os da-
dos da uhiraica acham-se em contradicho com as
observaces medicas e dao-lheuma nova decepcau-
As quesles que acabo de excitar deveriam por
sem duvida ser tratadas cora maior minuoiosidade
do que o fiz. Mas nao tenho a prelenco nem os
meios de resolve-las ; e mesmo, se he preciso ma-
nifestar todo o meu pensanienlu, julgo-as scienli-
licamentc insoluvei- no estado actual dos Oossos
conheciiueulos. Nao lite pois oulro lira seno con-
vidar os sabios a um novo esludo de todas estas
quesles, porque eslou conveucido de que os chi-
micos foram demasiado precipitados cinillindu dog-
mticamente o seu jinzo sobre problemas comple-
xos que escapara em grande parte sua competen-
cia, e que as suas coneluses parecerarn-me estar
em completa e llorante opposirao cum oajMktsgc-
raes que acabo de. expor. Dr. fene^Wau.
( Science. )
( Osario do llio de Janeiro. )
ORBESPONDEMCIA DO DIARIO DE
PERNAMBUCO,
PARAIHBA.
19 de novembro.
Nao sei se esla chegar a seu poder, pelo correio,
que |iuje parle, por quanto dorm, pelo motivo que
abaixo dirri, boje como um (dalgo de sangue bem
azul, qoero dizer, al o sol ter feito um quarto de
ten gjrn diurno.
pe-me, porque o somno he traidor, e nao ha resis-
lir-lhe. Agora mesmo nao tenho consciencia de es-
tar perfeitamente acordado, peto que ainda Ihe pe-
to desculpa de alguus discuidos, que appareram
alem dos coslumados.
Honlem as 8 horas pouco mais ou menos, da imi-
te, estando este seo ciado em lagar deleitavel a
aprasivel, na mais amavel companhia, completa-
mente esquacido das miserias desle mundo (o diabo
aenipre a arma !!!) ouco uma voz, que diziafo-
go no deposito do algodSo!
Eu sabia que, nao havendo mais onde guardar a
crescida porcao de algodao da grande saffra
auno-, exisliam uns poucos de inilhares de
d'aquell genero, apilhadas as ras do Varadouro,
poeta, a, latas intimas, etc., etc. sao rseos lumino-
o, ineilinguiveisde uma imaginado frvida, fe-
cunda, esplendida, grandio, que uro di allestar.-ln
asgeracues totoras, existencia de mais afcaenio
prodnunso. que al a idade de vinle unoa^guu *
sua patria obras primas,immortae, pela arandela dn
fompusiraoe pela expreso, .empre cmbolsamadas
ns dohras de vasla erudicSo.
. Cen mil louvores e cen mil desatores iitmin.u
f-!l,L'""-"1 P.'sis i-encaalr. M*s,l,.ma. s.lo qua.i semprea il'ba ZJ"
palavraVd. morte.-on.^to funesto do sen deslino; | des gloria, humanas; mas as* existencia foi 13o
rpida, que nem permillioque a inveja o perseguisse,
nem que a adularan Ihe queimasse eucenao.
A sua poesia ou he inspirada pelos soflrimentos
do seu coracao e pelas agonas da miseria e das dure
do seu aeraelhante, ou pela abobada do firmamento
pelo echo das montanha, pela minen-idade dos ma-
res, pela mestura de cores, de estrpitos, de perfu-
- vivifiram o espaco a uosafagam ossenli-
vaga e inconstante alegra, e pelo amor
roa virgen), que como um doa eraphins
he accendia no pelo uma cbamma sem-
pr*aaTB.
icn nao nos permute trasladar aqu uma daC
suas ereacOes inteira ; mas com linio terminaremos
estas reflexde que nos suggerio a leitura do seu pri-
meiro vnlume, citando uma da* notas mais lerna da
sua harpa melodiosa :
S eu morrease amanilla, veria ao menos,
Fechar meus olhosminha Iri.le irraa !
Minha mili de aftlade morreria,
Se eu morrease amanilla !...
Foi a sua ultima cranlo, segundo diz o biogra-
pho ; e com etTeito, um hymno a Dos, sua mua
e sua mu i devia ser o fim da carreira deste grande
genio. Osenlimanio que viviflcou assnas produc-
i;nes e deramou sabr cada uma della. um ar de festa,
de solemnidade e de melancola, devia seroallimo
a cxliugiiir-se em sua alma. Danto tambemem-
balsamou na sua imuiortalidadu a idea de sua irmaa
e de sua na i.
Muito previniram aquelles datuabdividiius.porque
as peasuas que priineiro acudiram, desorientadas 00
ignorantes, poxavam urnas a suecas em cimero de
combuslo para uma das- intactas,oulros corta vara
os Mmenlos dellas com que as preditpunbam ao iu-
cendio. -^ ,
1 elizinenlc o incendio comerara fcfc|ro das pare-
des de um armazem, nao concluid* 1 na coberto;
mas apenas distante de um monte talvez superior a
vinle milsaccas, apeuas qualro palmos.
A primeira funja de primeira lioha que leve as
honras da noileque chegou ao lugar, administradas
pur alguna Inferiores, em pouco lempo removeu
urna lal quanlidade de algodao, qu* deixon um es-
paro era roda do incendio de urnas poucas de
bracas.
Os sinos (ansiara, os quarteis lossJVam chamada,
e o novo corra em burbuto. f
S Exc. o Sr. vice-prssideule eo ^r. chele de po-
lica, e mais autoridades nao se fiatrsm esperar, e
todos multo ti/.erani.
Os olliciaes de primeira liuha, guardas nacionaes
e polica, concurreram promplamenle, distinguindu-
se entre lodos u iurausavcl rapilof arias e oulros,
cujos ilomes ignoro. Muitos cidad.los Irabalharam
cura dedicarao ; mas lamben) muitos mandries la
se acharara, nicamente para emlurarar e dar sen-
lencas cada qual mais apreciavrl. *
N.lo Ioi possivel salvar uenhuma das sacras, que
se achavam dentro do lal armazem improvisado,-
mas laiubem nenhuma ouira arden e os pequeos
incendios queapparecara enlre-asque cslavain es-
paldudas, pruduzidos pelas faiteas, conducidas pelo
vento, -erara prornptamenla sulfocados.
S. Exc. conservou-se no lugar de incendio alcas
duas horas, e o Dr. chele de polica' com o capilo
Farras e mais autoridades poliejaes ainda ueste mo"
ment l se acliain, porque no interior das fronteiras
ainda arda Ia.
Calcnla-se u prejuizo em ciucoenfe coolos, que es-
la.dividido por varias pessoas que alliktiiiliam 13a.
Nao p'oo furlar-me era rallar oWejnenle no
mea amigo Retumba, que muitos seivicos fez 11a-
quella noile. Receba elle meus eroboras ir eps
sorvijos, embora eu alli nao (ivesse o i ninor pedo
de la.
Lastimo que nao tendamos aqur uma so bomba, e
mals lastimare!, se a assernbla nao aulorisar a com-
pra de urnas duas. A lirio foi forte, e Dos qu,era
que ella apnruveilav anua da) qa$ ir rafa dOMiarra*
uma (al quanlidade de fila exposla ao priraeiro des-
cuido, no meio dn ra.
Hoje pela manha, quando accordava, eis que ou-
co oulro arruido, iudago, e finalmente soube, que
qualro presos, que conduziam "agua, pndeudo colher
uma chave da guargalhera. se linharn posto ao fres-
co, dando com nsliarris nos 'soldados.
Felizmente foram presos, apezar de eslar a ti opa
canrada do servir de (oda a noile.
Parece vamos caminhaudo 00 progresso das desor-
den.
Ja que estou com os Ihugss era cosas, continuo.
Nodia23desetembro (indo foi'raptada forja
dearqBjP, na Alagna Tapada, (armo do Pombal,
uma menina de familia, cujo nome oceulto por de-
cencia a mesraa familia ; nao sai quando esses ousa-
dos Par lerao urna equiv.leuta'puincao.' He mui-
to desaforo bifar-seassra urna lierdeira por direilo
de conquista.
O Romanos pagaran com as Sabinas, c eutrelau-
lo ellas nao lindara heranra-.
No dia 26 de outubro no lugar Serra Crande, um
escravo da viuva do capitao Silvestre Rodrigues de
Carva.ho, quizobrigara forja, urna mulhcra acom-
panha-lo ; esla pedindo alguin (empo para arrumar-
se, pode fogir, mas u malvado alcanrando-a deu-
Ihe mula facatias, das quaes eslava a dcidir. An-
da em fuga.
No dia 211 de oulubro foi aaaastiuado na Ihdepen-
dencio Jos Porreara da Silva por Jacinlho Alves
da Silva. Oizem que aquella era pimplo, e quiz
fazer de segundo 110 que perleucia ao secundo.
No dia II do audaule no lugar Calbofa, termo do
Pilar, Mauoel Carneiro de Souza deu uma tacada
no estomago de Belarmino do llollanda Cavalcanli.
Motivos frivolos o levarara aquello ciime.
Eis o que ha de obras lliuggaes.
A assernbla vai sera novidade em reman, ape-
zar do burburinho, que de vez em quando faz um
orador serlauejo, que esl aqu coiu preiences
a eulidade. Aquelle Dr. que dizem saber o nomo
A epidemia do cholera continua va a lavrar em di-
versos pontos da provincia dn Rio de Janeiro, la-
zando sobre ludo estragos consideravei na cidade de
Campos ; na corte porem j nlgum tanto lua
deiniuuindu, como sem duvida ler.lo notado o nos-
sos leitores, avisla dos boietins diarios publicados
all, e qoe transcreveinos em nos-a folha. Na Babia
igu.lmenle o lerrvel flg-llo hia despp.icc-n.lo, se
bem que com bastante vagar, e por um modo aein-
pre irregular, isto he, reapparecendo em alguus lu-
gares, onde j d ivinin boas razde para julga-lu ex-
linctu. Na provincia de Sergipe tambem se desen-
volver ltimamente a epidemia, e diversas locali-
dades foram forlemeote accommellida au mesmo
lempo. O governo porem. logo que soube que essa
provincia tinlia sidu invadida pelo mal, fez partir
.inmediatamente o presidente para e|la nomeado,
liabilitaiirJa^aaaiMi lodosos uieiuspossives para oc-
correr s raatoSptcnles necessidades da populacao.
O Exm. presidente da Baha tambem tem procura-
do enviar soccorrot para all.
Algumas uomeacues de jui/.es municipaei, de di-
reilo, e desembargadores foram paseados ultiina-
inenle ua curie, e, por j a termo mencionadu
em oulru numero, despensam-nos de aponla-lasde
novo aqu.
Um experiencia de navegajo aerea linda sido
feito ua corle, segundo referen! os jornaes a'.lli, e o
lu-sino autor della uuo duvidou subir nu balau que
preparara, o qual drpoi de ter pairado alguus mi-
nutos aobre a cidade foi cahir na agua ; ms toliz-
raenle sendo era lugar frequeii|ado por bules e es-
cleles, um destes acudmdu logo, salvou o intrpido
aeronauta. Isto prava que nao obslaiile a catoini-
ilade que peta sobre a capital' do imperio, todava,
o genio da industria e da aclividada humana nao
para alia, e que o movimentu a elle dade marcha
em ura progresso bem digno de ser imitado peas
outr.is provincias, algumas das quaes parecem per-
manecer era completo marasmo. '
No da O do crrenle foi dissolvida pela seguuda
vez a tessao do jury desla cidade, por nao ler sra'o
possivel reunir numero legal de juizesde fclo.
fallecern!esta semana os Sr. leneutes-curonei
Pedro Jos Carneiro Monteiro, conimaudante do
corpo de polica, e Juan Pedro de Araujo c
Auuisr, director do arsenal de guerra. Foram Hu-
meados pra substituir ao priineiro, o Sr. major
J0.10 Nepumuceno da Silva Purlella, c ao segundo
o Sr. leneiite-cnruuel Sebastian Lepes Cairaaraes.
No da 19 o Sr. cootra-aliniranie 11. Johnstonc,
cummaiidanle em chefe das furjas de S. M. Brilau-
aMa na America do sul, acoiupaiihado da sua olli-
clalidade, e do Sr. cnsul nglez, visilou ao Exm.
Sr. presidente desla provincia ; o qual no da 23 di-
rig o-sea bordo do vapor Rtfteman a visitar pela
sua vez ao Sr. contra almirante, huido companhado
pelo Sr. inspector de marinha. S. Exc. foi recebi-
do com as honras do eslvio, salvando a fragata in-
gleza Infatigable, e sendo respondida peto brigue
barca bra-iien-o llamar ac.
Logo depois da edegada do vapor mglez, no mez
de telerabro. publicamos1 uma carta dos habilantes
da ilba de'Santo Autao, uma'das do grupo de Cabo-
Verde, era que os habitante daquelle lugar implo-
ra va m succorro, com que toesem allviado da fume
qoe, lia tres annos os acabrunha ; e, nao' obstante
chainarmos sobre esle pedido a allenrao do publico,
e couvidarmos mesmo a commissao encairegada de
obler assignatura para o Hospital Porluguez
Provisorio par* promover uulras com aquelle fim ;
todava ale hoje nad.. se lem feito oeste sentido ;
entretanto que uo Rio de Jaueiro, e mesmo na Ba-
ha, a-sru-que all chegou a uolicia do altclivo es-
tado em que se achavam os iuf.-lizes habitantes de
Santo Aiitu, abrirain-e subscripriies a favor dalles,
e matla peasuas" para ella lera cocurrido. A'visla
.lisio, ainda uma vez lerobraroos a noasos leitores
que nao deixera perder uma tao opportuna occasiao
de prem em pralica seua senlimenlus geuerosos.-
Heiueu a nlfandega t.'K):t:l(x>J79 rs.
Falieceraui esla semana 35 pes-oas, sendo : livres,
10 dumens, 7 rauiheres e 13 prvulos ; e escravos,
3 dumens.
i. 11 111
HEPAHTICAO DA POLICA
Parte do (lia 21 de novembro.
Illm. eExra. Sr.Levo ao conhecimenlo de V,
Exc. que da diOerentes participa roes hoje recebi-
das nesla repartn-ao, coosla que se deiara as segra-
les oecurrencias :
Foram presos : pela subdelegada da freguezia de
Santo Antonio, o pardo Caseoiiru, por suspeilo em
ci inte de roubo.
Pela subdelegea da freguezia de S. Jos, Loiz
de I-1 aura Miranda, pur briga.
E pela subdelegada da freguezia da Boa-Vista,
Aulonio Mrndesdoa Santos, pur desorden).
Em ofllcios desla dala refere o delegado do pri-
ineiro districlu deste eermo, que liuuteni pelas 9 hu-
ras da noile fallecer asphixiado por submrsAo Vi-
cente Antonio dos Santos Correia, casado, morador
ua roa de S. Francisco, a qual tenan Ju passar pe-
la ponte proviaoria, por cima de uma tabua, cahira
ao rio, e nadando por alguro lem|io recusara ser soc-
|-corrido por oulros, que se evl'orc.ivan em alva-lo,
al que inerguldasido com rapidez de'apparecera de
lal forma, que at o pretenle u seu cadver nao foi
inda encontrado, apezar das diligencia emprea-
das peto respectivo subdelegado, e que tambera bou
lem as ti horas da larde no lugar do Manguinho da
freguezia d< Boa-Vista, tora pisada por d ras caval-
los de um cario urna prela. que se diz ser escrava
da Exm." viscondes procedrndo o subdelegado d.i mesraa freguezia as
convenientes udagarOas.iiao poder anda desrobrir
quem fosse o condoctor dos ditos cavalh, lio enlre-
lanlu que conlinuava em suas pesquizas atim de ser
descoberlo eajmuido o seu autor.
Dos guard* l'eriHinbiico 21 d* novembro de' IKoIllm. e E
Sr. cnnseHaairo Jus Benlu da Canhs e I igueireto,
presidente da provincia.O chefe de pulicia, l.uiz
Cdrlds de Patea Teixeira.
Se nao alc.anr.ar mais o correio, o que muito la- "a'0'' be irra pouco buliroso ; mas uus negocios
rarnlarei, ir na primeira oppoMumdade e descui-
d Pedregulho aiuda estn muito lembrados.
Esl a meraa assembloa era coiicloaiu de
das de trabalho, mas parece, que que|iri
para lindar a tarefa.
Saude, e patacos; pois nao pusso mais por boje.
seos
'urogacau
DIARIO DE PEK.MHBICO.
PERNAMBUCO.
REC1FE 2 V DE NOVEMBRO DE 1855
At 6 HORAS DA TARDE.
KKTOSPEf.T SEMANAL.
Chegaram esta semana do porto posul o vapor
brasileiro Paran e o iuglez '/"anuir, o prhoeiro no
dia 18 e o segundo no da 19. Em cnisequencia do
pequeo inlervalo que houve enire a sabida de um
e oulro, as milicias Irazidaspelu ultimo poucu adiaa
laram ao que eouberaos pelo priineiro.
r*Jjfc--resplaiidecenle, magnifle,
imPRre do consol britnico.
a
cam
m
> o- fros
das tolas.
mentera. i) spletii brit
filhos d'Albion ainda

O ugouros
mylho,
dansa e das
A esquadsa amiga e pacifica, sob o fumrrvjos seus
carnWs, sojas salvas estrepitosas fazea* estremecer
is huraiUpS telhndaaxato Recife, Inca no cume dos
m a flamuMn guerra, para ain um signal
de paxWj na inrsma larde as dragona; d'ouro do
lenla do alinirantoje coofandem m orna festa
' '
habitadlo
Em ra/.ao da nossa natureza mltipla, mysleriosa,
impalpavel e fatdica, podemos, escondidu no perfu-
me da flores ou no saz crepitante do Champauda,
assistir a esle raoui elegante e romplelo.
Ao lado da gravidade simi-ullirial de una reuniau
desle geneio, u abandono e o allraclivo de urna te-la
particular reinavam em toda a sua alegra repentina
e improvisada : presidente da provincia, comman-
danle das armas, ciiefe da estarao nnal, cnsules es-
lianzeiros, negociantes ingleze's e franceze, gracio-
la ladics, elegante e nao menas graciosas brasile-
ras, se coiifuudiam no complexo piloresco desla raa-
mo cosmopolita.
Para le iniciar, charo leitor as delicias de toda a
especie, prodigahsadas pelo hospedeiro, <> me resta
um pesar, he que entre esta multidao favorecida, eu
nao tivesse podido lomar corpo e alma e partilhar
dos irosos materia que observe! sob a minha forma
mystica e vaporosa.
Os infelizSo invejosos; e ,1 Carleira nao poda
deixar passar, sem dizer uma palavr, nesla noile de
delicioso remember, era que se assocaram o hora
gesto, a profusao e a elegaoria, para festejar tambem
um almirante iiigiet, que o destino dentro am pou-
co talvez chame para Testasde oulro gen.ro, era que
o canhan a a fuzitlari.1 sarao a nica orchesira.
Nao temo para allingir u bem, era a laaisivida-
de das oulras naroe*, era as sua tradi;. es antigs:
temos algumas recordur/ies 11 i-ci.las du hontein;
raas isto lie ulllrieniu para indicar u nosso destina,
requaua sua espdera acaudada, egue com
conTphcie o lypo ideal qoe eiicaTra eaa al, he igual
diasMe do Eterno ao hoperic que ua staa longo du>
racSo manifesta a leis santas da raz3o e da liberda-
de. Apenas fet-se da le di humanidad) a lei do
eu ser, cllecomecou a viver a vida imiairsal.
Se na hora presente, poucos inouuroaatus de pie-
dade anda sao olTerecidos enire n< indigencia
Tivemos jomaos de Marselha de 20 a 26 do passa-
do, e delles extrahimos o seguinle : -
N Crimea nada de novo linda (ido lugar. O exer-
cilo france/. avaucjiva todava continuamente na
planicie de Badar oceupaudo j o alto Belbek, o
que indica ser sua intenso atacar o inimigo aiuda
iiq correr do anuo.
Os Kussos, pela sua parte, fur(ifioaru-se uus luga-
res altos abandonando os postos avanzados logo que
se apresenlam os seus contrarios.
As cliuvas j erara graudes, o que estorvava os
(rabalhos dos alliados, bem que nenhuma alterarlo
(enham ainda produzido quanto salobridade.
. A esquadra que de Kamiesch se dirigir a Odessa
nada empreheudera coulra essa cidade, raas desta-
cando um numero sufllcienle de vasos desembarca-
ra um corpo de 3,000 hmeos na pennsula de leu
desvalida, isto nao nos dore desanimar. O g*uero valecenc* dos dowtes.
humano conla por seculos os diversos periodo da
soa educaran; e os coracOesoutr'ura repellidos., que
nao sabiara unde repoutar, hoje anda inilhares de
lesnas .lisiantes du foco commura da patria, era vir-
lude da le geral da I1.11111n1dj.le, encontrara minia-
res de cebos sempaldicos, ou entre os seus compa-
triotas, ou entre os e.lranbos, em cajo gremio vi-
vera. S nos fosse permillido fazer um voto, diria-
mos que uma nica lngua e um nico monumenlo
seriaima forma material do deslino supremo da hu-
manidade nesla vida.
Posto que os Porloguezes aqu residentes eslejam
ligados a nos por cadeias diversas, e as suas dures
enronlrem echo* sympalhico. nos corares brasilei-
ros, com ludo d iva-sc uma (acuna na espbera do eu
patriotismo, a qual o rrscido num-ro d seus^b-
pi.lada.n reclamava que fo.se prcenchda. Esla urna
foi de algurna aorta salisfe.ta no da 19 do corrale
rom a inauguraran do hospital Porluguez de Bene-
ficencia, e ueste da os fundadores desle po eslabe-
lecimenlo se elevaran) a uma regiSo superiur entre
as narOes civilisadas.
lie uinu instituirlo civilisa lora, de grande ulili-
dade para a socielsde humana e a mais meritoria
peranle Dos e os humen, he uma conseqiienca evi
denle da pa/. de que gozamos, e na 1 deixar de cau-
sar urna impie-sao favoravel no espirito das BOfJa**
eslr.1n-eir.1s, pois falla ruui alto em favor do nossos
hbitos sociaes e liiimauilariu. Agora, para que esta
obra meritoria progrida e produza o fruclo. que se
aguardam, ciimpru que seja administrada com zelo,
dedicarao e santa uniflo, tora de caprichos raesqui-
uhos e odiosos,
O eslablecmeuto esl situado na exlremidade
norte do bairro d* Boa Viiia, n'um ampio e solado
edificio cercado de grandes arvoredns, o que muilo
conlribue para que esteja sempre circumdado de
ama attiraosphera fresca e pura, e tem ua parle pos-
terior om pequeo jardim, que pode servir para coa-
dra, e ajudada por elle bombardeava o forles de
Kinburu dos quaesse apossra. tendo aceito a guar-
nirlo, coroposla de i.aOOhomens, a capiluUcdo que
Ihe fra olferecida, a qual Ihe permtlio sabir com
as honras da guerra ; todava relirando-se,|os Rus-
sos lizeram voar as fortficacoes de Orzakofl".
Esla pusjr.iu abre aos alliados a entrada do Dni-
per e corla aos Kussos luda a cumraunica;3o por mar
entre Odessa e Ncolaief, cidade de que ainda se
nao qui/. retirar o czar.esperando ver qual a inleii-
'..10 da equ'adra viuda Odesia.
O general inglez Svllipsoii tora demillido do com-
mando das Jorras doajoa ncelo em operaco na Cri-
mea, subsiituindo-u-n general Codringlon.
N Asia os Russos preparavara-se para ouira vez
alacarera, Kart.
No mar de A/.oil os alliados apossaram-se da la-
man e Fauagoria sem graude opposirao da parle dos
Russos.
Na Dinamarca fra recomposloo ministerio, sendo
lomeado mi nsito do interior para toda a monarchi
o Sr. Bang e o Sr. Dakh director dos negocios inte-
riore do reino da Dinamarca.
Na llespanda linha-se descoberlo uma conspira-
c3o Carlista e varias partidas desee credo achavam-
se em armas.
Dos oulros paizes nada consla que merera ser
aqu mencionado.
Publicamos hoje ama correspondencia em defeza
do Sr. juiz de direilo Jo3o Baptisl Cunralve Cam-
pos, uu qual enlendeu o sen autor que a simples a-
serra.i, conlda em nosso artigo de 12 do crrenle
de haver o Exm. Sr. presidenle da provincia re-
coramendado ao mesmo Sr. Campos que nao passas-
se a vara servito a seu successordevia 1er contesta-
da, por nao Ihe parecer innocua.
Enganuu-se porm o Sr. correspondente, pois que
nao tivemos em raenrV irrogar censura nlaoma -
quelle magislradu, de quera alias fazemos bom con-
reito, smente tivemos em vista, reslabelecer a
verdade dos f.iclos e mostrar ao publico que a pre-
sidencia nao linha entregado ao abandono a coiuur
ca do RO l-'ui nioso ; nao sendo por esta razao .que
all sedara o desembarque de Africanos, como se
lem querido- fazer acreditar.
Nao negando uois o defensor do Sr. Dr. Campos,
que com euello houvesse a lobredila recommenda-
efio por parte da presidencia, acha-so em p a iiosa
prop-icaoeniillida aa) drle/a do guvorsM provin-
cial, e com ella provada a boa intencj)* lite, que
era oao licar a comarca aero a pri***tr aoloridade
judicaria, era urna qu adra em quTobem publico
reclamava todas as precaoc,Oes.
'Quanlo a argnmenUrae jurdica do Sr. correspon-
dente, para mostrar que a presidencia nao poda fa-
zer aquella recoinmendaco, e que nem o Sr. lir.
Campos devia eslar por ella, a menos que quizetse
commuller ara crine, lremos qae, s quera nao
tem o menor conhaclmcoto dos negocio administra-
tivo., pude oxtranhar um sementante procediin.nte,
quando lodo saben)que a cada momento se fazein
recommendasucs uu insinuacoes da mesma nalure-
za, sempre que ellas lem por lira o bem do servico
publico, a o Sr. correspondente que lano cita o c-
digo criminal, moslrando-se versado em suas dis-
posiros, sera duvida. nao ignorara que, em varios
arlgos do mesmo cdigo, consagrou o legislador
brasileiro o principio da utilidade publica, allri-
qondo-lhe a virlude de legitimar ou innocentar o
meamos excessos ou abusos do poder.
Seqnize.semos dar mais deseifvolvimeulo a esla
especie, nao nos fallaran) lambem exemplos, torne-
ados quer pelo goveruo geral, quer pelo provincial,
para provar qoe pralica seguid pelo acluai pre-
sideule mlu haSJojjiihuma uovidade embora .respeile-
mo o excsiVtVa>crupulo de quem nao quizer es-
lar por ella. O cerlo he que julgamos conveniente,
e eslimamos poder assevemr, sem receio de ser des-
mentido, que a comarca nao eslava sera juiz de di-
reilo, e que ,1 presidencia fui a esle respeilo (u pre
vidente quanto era possivel ser, parecendo-uus mes-
mo que o Sr. Dr. Campos nao comparliihar o e-
crunjato de seu deflensor, quando vemos que, lendo
ellefJaTicia pelas gazetasde haver sido removido pa-
ra o Para, e de se terem feito o qae as participarles
compelenles em 11 de jolho, dejxou-se todava licar
silencioso no togar, alo que, cessando.o tuslu do
cholera uo Para, otllcira pediudo a communicarao
de sua remoro, visto n3o Ihe ler rhegado a ralos,
como affirma o correspondenle, a de qae falla o
o Diario de It do dito mez de iuldo.
E o qu*dissemos acerca da recomraandaso feita
presidencia he igualmente applicavel ao facto
mora na comraunicaclo da remurao do Sr.
. Campos, facto que, vista do expeato e da pro-
pri correspondencia a qoe nos referimos, subsiste
como o-enunciamos era nosso artigo de 12 do cor-
rete, nao nos parecendo carecer de demonstradlo o
que alias he raauleslo.
De passagem diremos ainda uma vez qua o Sr.
Dr. Jos F'ilippe de Souza Lean, fui mandado seguir
para a comarca do Ro Formoso antes de expirar o
prazo de tret mezes de que traa o defensor do Sr.
Di. Campo*, o que anda explica a inlenr,ao da pre.
idencia de nao querer que a comarca ficatse sem
juiz de direilo ; a he smenle isto o que quizemo
tornar bem saliente, c nunca ollender, ao menos de
lev, o Sr. Dr. Campos, qoe por tanto nao iiecessita
de defeca.
Nao obstante, concluiremos manifestando o desejo
quo temos de que o Sr. correspondente nao pret-
cinda da apreeiacito do facto da apprchenso, das
medidas tendentes ti reprets&o do trafico, e da
sustracetto de porte dos africanos, Muilo convra,
com efleito, que quem se julgar habilitado enire uo
desenvolvimento de Tactos lio impor||nFS sera re-
reto de comprometimientos, e lendoVJOmenle era vil-
tas servir ao paiz, dando lestoraunnoda verdade.
C0N1IJNICAD0S
Uma candidatura
Apresenlamos au corpo eleiloral dos dignos seoho-
reseleitoresda provincia o Sr. Henrqae Augusto Mi-
lel, para que seja eleito depotado provincial. Diramos
apenas duas palavras em abono desae candidato, que
em nossa opiuiao, merece os nossos sutfragioe a teto
litlos para tanto. Engenheiro civil, tem moalrado
aplidao no dsempeuho da sua fancc/Ses, ssalii proa-
lado servidos relevantes. Se a sua intelligencia e
illuslrarao ealivessem ainds em dnvida, citaramos
os seus escriptos. Nao enfadaremos os nteres,
cora'a minados* c'xposir.io dos serviros qae lem
prestado a provincia, durante o exercicio do seu em-
prego, apenas tocaremos nos mais moderno, parque
os oulros >io bem conhecido.
Por copla do governo v3o abrir-se doo cauaes-
Um entre o rio da Mangabeira (o braco da Seri-
nkaem) e o rio do Passo (braco do Rio-Formoao). O
oulro consiste na cana|ura0 do brarochamadoAre-
quind al alraz da magnifica enseada de Tamau-
dar, onde a companhia de vapores costeire* Tai
construir ura pequeo caminlio de ferro para lavar os
gneros viodos pelos ros o eanaea at o ao tra-
piche de Tamaudar. Assim taremos um speetmen
deraminlio de ferro e algumas leguas de navegar*)
interna de,que tanto precisamos, e que evitarlo os
perigo das barras de Serinhaera e do Gamella. No
meio dos justos louvores que deven ser taohta* por
iao uleis emprezas, enconlrar-se-bao os nones da
companhia, do governo fe do Sr. Milel, qae foi
11 quera lembrou e orrou a obra,e u3o detcausuu
u emquanlo nao foram ellas decididas. Alttr de
servicos desla ordem, o Sr. Milel (em serviros pres-
tados em parle da imprenta Iliteraria e- poltica da
nossa trra. O uosto juizo sobre a ma moralidade
publica e privada, Ihe he honroso, embora as acca-
saces exageradas que se Ihe tem feito.
Nao concluiremos sem tocar na qoestao constitu-
cional da validado de sua eleirao. Vimos uo JUia-
rio de Pernambuco, uma Ilusiva citarao de arlgos
da cunstiluiQao, com o intuito de inipngnar a elecu
dos eslrangeiros oaluralisados. A doutrua he er-
ruuea.
Saben lodos que o principio, aTegra geral qae di-
mana dos arlos 91 e 93 da coa-tituico, be que os
eslraneeiros nalur.lisados poden aer eleito* aolori-
dade nacional ou local. A eveeprao esta principio,
esla no s'tgo 'J, que os rxclae de serem nomea-
do depuladns. Dahi concloem, o* sectarios do brasi-
leirisino nato, que-os eslrangeiros qae se naturali-
sam, ralo podem er eleitus diputados frotnnciatt.
Conclusao precipitada e irreflectida.
A expresso-depoiador e refere a deputado ge-
ral, porque a conititucao nao reconhere a enlidade di-
putado procinciol, com que se denomina vulgarmen-
te os membrot daasaembleas legislativas provinciaes.
substitutos, saaajodo o acto addkional dosaotgos
menibro do camelho geral de provincia. Por otro
lado, he eipresso quer para elriclo dos membros
da u-seinblea legislativa provincial, exige-se como
qualidadc necessaria, sement a idade de 33 anuo,
prubi.lade e decente subsistencia, segundo > artigo
75, qoe nao esl revogado. E lauto esta artigo ate
exclue os eslrangeiros natura usados, que a couslilui-
rao exprassamenle ealabelece no artigo 79 tres
nica excepc&esa do presidente da provincia, do
secretario e do eommandante da armas. Nem pode
igualmente ler torca alguma o argumento lirada do
artigo i do acto addicional que diz assim: a elei-
rao das asseinblas provinciaes far-se-ha da-mesma
manrira, qae se fizer dos depulados asaembla
geral legislativa ; porquanlo v*-se claramente que
esta diapostao refere-se s forma do processo
eleiloral. >
Se pois a candidatura qoe pleiteamos, nao pode
ser conbatida razoavelmenle, nem pelo lado do
mereciraenlo, uem pelo da validada da eleicao, per-
inillain os opposilor* que demos o nosao vot su
Sr. Henrique Augusto MiletpV que fervorosamente
pecamos aos .tenais, eleitotn) que o iiourem cam o*
seus sutfragius.
O eleitor de S. Antonio.
O pavimento Ierren do lado da frente lem duas is-
las, era uma daa quaes eslavam collocados uito leilo,
e era ouira cinco; lem rai*dous quarto grandes,
em um eslavam Ires leilns e em uulro qoalro. No
pavimento superior o edificio aprsenla um grande
salto na frente, com cnpacidade para 16 teitos, e la-
teralmente dous lindos quartos espacosos, deslina-
dos para doenles particulares : em um dos quaes a-
chava-se a secretaria, e shi se ubservava a planta d<>
novo Hospital 1'ortugueaWctija cunstrucrao se pro-
jecla, guarda-roupas, etj c no outro una machina
elctrica e qualro caixds*rom instruroenlos eirural-
cos. nll-recidos pelo director do hospital, para nelle
servirein emquanlo o eslabelecimenlo os nao tivesse
eu<.
O* leilus preparados sao em numero de vinle, e
de ferro ; a cabeceirn de cada um lia-se a seguinle
l.nla era ledras douradas : II. P. Hospital
Porlusuez, e cada leto ae ochava lambem munido
de om pequeo trem de ferro.
No sajao* chava preparado um modesto Oratorio,
oltorefBb, pela piedade evanglica dus bous padres
l.apuexsWidos, As nnze horas pouco mais ou menos
u v igario da frecuezia celebruu m.sa em presenca
de grande numero de espectadores, e logo depois o
pruvedor du eslabeleduienlo recituu um discurso
anlogo, com o que linahaoo-se ceremonia darinau-
gurac.io do Hospital Porluguez de beneficencia. A'
noile houve graude concurrencia de familias a visi-
tar o eslabelecimenlo.
Ou a msica leuha tuna origem mylhologica ou
lenha ..iiiaa*ta*mre*l.heiiit'uiilelaVFlmenlearornia
mais sedut.o^HBavel du bello. Jesos Clirislo trouxe
a msica du MaVlerra, canlou um hymno ,10 sabir
Sara Horlo, e em a noile do seu uascimento era
elem inilhares de Aojos caotaram :gloria ao Al-
tissimo al as alturas do co, e pac aos homerrs de
boa voniade.
Nos primeirus lempos histricos Orfeo e Apollo
eram confid.rados pelo idolatras como os inventores
da mosiea, mas a soci*dade Chrisiaj altribuents!
liiographia do lenle Luiz Francimo dt
Carxatho Coulo.
Agora loma a espada, agora a pomar.
(CamOes sogeto VI./
Docemtntc inspira, doce cama,
(Ferr. I. 2, carta 10.)
A Msica, e a Poesia leem a laurea do leante
Luiz Francisco de Carvalho Cotilo: ella nio folgo .
rasgos allivolosde aguia sobenaa; roa recordao
galante poetar mimoso, eapisHK meloda, qae
adorara os dbrimentn.e trahalno da,vida. O tem-
pu em que flureca na Cidade do Recife Wrcrnanr
buco, donde nunca sabio, l.uiz Francisco de Carva-
lho Coulo. nascido no hairroMa Boa-vista dS mesma*,
Cidade, foi om lempo de paz, e amixade. A sarabi-
oes, e odios polticos nao dividan, e alormenlavam
os homens. Elles nao gocavam na monarchi abso-
luta, em que viviam daHberdade,e direitos polticos
de hoje, e suas vanlagens ; mas os senlimentos de
honra, os hbitos de ordem, e lemper.inr.-i, um* cor-
dial urbanidade ero fim os unia em geral, e Unto
00 quanto os compensava. A Provincia como ajase
conlinuava sobra a espada, e a sombra dos toaros *
descancar, e a restaurar com alegres diva*J*esas for-
ras fatigadas. No verio; nrmente tu arrabaldes
de proverbial diverlimento, e soriabilidade, a' mar-
gem do Capibaribe, a gaOXe de alguma pbsaassso,
meios, embevecida en tal bonanca, e enfeilieada daff
influencias d uma nalureza lisooha, e benfica, fu-
aindu calma da Cidude.entregava-ne a lodos os pr*-
zere facei,a lodos osgozos iuuocenles.Msicas dansa*
collaresfaraili.ires,e alternas entre pesaos de diver-
sa caaf,lorneio,e folias;de preferencia nos das fe-
riados,e das novenas,e Testa! dosoragos dasla
Igrejasjoto
privilegio a una virgem, que con a loavidade e ma-
gia da sua vos aconpankada pelo, acconiaos do
eu orgao converteu a f milhares de barbaros Esta
virgem foi depois Santa Cecilia, qual foi lomada
pelos msicos comu sua protectora, e as relaroes ar-
tsticas da sua vida ministraran! uassomptn deqoa-
dros admiraveis 1 Rapliael e a Dominiquioo.
A so* testa no dia > do novembro he uma verda-
dera solemnidade arli-lica em todas a parte am
que se glorifica o seu martyrio ; neale da todo* os
interpretes da arle c>sluui-ra render-lhe orna ho-
menagera de venerarlo, e foi este coalume que fea
qoe vanos artistas cnropozeseero hymno para o dia da
sua festa, e que o poela ingle/. Dryde.i Ihe dedicaste
uma ode, que he urna das suas melh res producc&es.
Quinta feira pass-d, na igreja do Livranente,so-
lemnisou-e o aeu anniversario rom alguma pompa.
A compoalr.au da mise, posto que saja enliga, hade
eosto e de grande difliculaSde, esperialmenle o telo
de haixo, que foi vaeiJjPpmaate interpretado poY
um joven bartono, qa^Brra o futuro pone vir a ser
ura completo baixo^HBo de Quisedet exeen-
Iriro da croacjlo prrtjjpv, he uma feliz romposic*o,
onde reina grande aniruocao javeoil, estro uniente e
seiiliiiieiilo elevado ; de o prduelo da inspiraijao d*
um joven artista, dolado?**, uma bella voz de tener,
voz vibrante, clara, extensa e moi harmooiosa. A
iutroducrao desle tolo, episodio diracil da compusi-
rao, foi fielmente interpretada per orna das nottas
fraulas mais dislinctas. A' tarde exeeutaram-se
varias pecas de msica, iiolando-se com parliculari-
dade urnas variaret pela mesma fraola.
Mas parece-nos que reina alguma desharmuuia
entre esta ciasse de artistas, pois ulo achamus a pro-
fusao que suppunhamos encontrar. Assim, 1
caraos S. Cecilia qoe da mesma sorte ana*
leu 'f burdo e Valeriano, e harmouisoo'
dessidentes da f, se digne congratular os I
gidos rebeldes nesla Ierra du Recite.
rafotfo^rWi-iVraiW"

--- B|M
,--
II El



1
,ry i
DIARIO BE PFM.RIUGO SEGUNO PEIRI 26 DI NOVEMBRO OE )86S
~=


Pupsalinteim, e'Apipucos, ahreviavam as delirio* i
noflec.e di**. E qu.i lia i*tode novo.ou eslranho-Os
prai-re lomados moderartienle ao como o orvalho
as flore ; reanimara ludo. Vede como em om do.
corecde-Euripedesoguerreiro exclama: O' raiub
da* riquezas, feliz pM. da deocas mai* bella Curo
qoanla impaaeneJl te M* lomo qne *AhSm8 opprm*. e quebrante, antes
que en pos* te**" a o11*. *! de
grecas, e gozar T toas dios, e cautos, de taai flo-
res, e coroat, tas felin. Tristi tiam lotige repelle
,i t (diz Salamio) mullos enim ncctdil triilftia, el
non nt ulitilas in Ola. Na* Obras da crear,;! (diz
anda om sabio ejceiplor) todo conspira a procurar
impreques agradaveis *' vista, on ios sentidos. Ca-
da ser dertioado ao nosao uso lam urna betleta, que
he independiente de sua utilidade : o meamos objec-
tos,que nao lera algaima relajoiromediala coronosco,
parece que i receben) urna figura, e cores igrada-
veis. porque tem de ser exposlo a nossas vistas.
A nalureza trabalhando assim por toda parle ero
aflinir cobre ne a ensayoes agradaveitftem, sem
duvida, por flra excitar, e fortilicar em nos un*
doce aenibilidade, que tempere o fogo da* paxoe,
c a spera do amor proprio. Feliz o homem, que
ouve,eguarda discreto esla muda exportado da na-
trtia, iusinuanle, o divina I Mas por que as flo-
res, e frctos de ama pai doarada deleitaran) enlo
a provincia de I'ernaroboco, como dizemos, nao se
presuma dahi, que o seu etpirlo, a costumes eti-
vessem ignobilmenle eflemioados, e corrompidos.
Certamenle urna seosibilldade refinada tem conse-
quencias funestas dasdeque nao he conitanternenle
dirigida pela razio ; vem desea fonle a molleza do
sv barita, que rebaixa ohnmem a um ser degenerado?
frao, e deprezivel. alas nao he esse o caso de Per-
nambuco : recreacGes naturalineule oecessarias, e
uleis, praieres inoOensivos, roormente aps Iraba-
llios dorisaimos, e privacOes terriveis, nao. se con-
funden) com a depravarao. Do Esparla cantou I'tn-
daro :
Sparle ail u la luis le rouseil des vieillards,
l.'ardeur des jauue* gens, dignes enfants de Man,
Lo fer etineelant, ladanse, la musique,
Les f*tes, les plaisirs, l'allegresse publique.
B |a em 1807 foi ndniiravel, e grande o numero
de voluularios l'eruambucanos, e rouitos da* princi-
paes familiaes, que se alistaran) na primeira liuha
do Exercito voz do sea (iovetnadnr em nome da
jialria amcac,ada. (1) Em 1809 sahio de Peroambuco
urna expedicio militar ao l'ari, composta de tres
i-ompanhias de iiifanlaria, e duas de milicianos par-
dos, e urna de pelos, i) Em 1817 a Provincia ar-
vorop resolot, com espantoso impulso, prodiga do
ssu Singue, u pendu da liberdade, e independen-
cia, k estmulos > do sea carcter generoso, e livre.
O rempimenlo.de Coianna, e seu governo em 1821
foi um patio, arrojado, e nobre para a realidade do
svslertV poltico constitucional, dcsaggravo, e li-
vramento de oppresaye, e loucuras governamentaes.
K a firmeza coui que ua mesma Provincia em 1821,
.i*\a*la o patriota desinleressado, e estrenuo Manoel
de Carvalho Paes de Andrade, e resisti a cus* de
tantas vidas, e sacrificios impotico coulradiclo-
' ria, e absurda de urna Constituirlo poltica, cm que
se uio va legilimidade, e tegurauei, partida de um
carcter poltico eminentemente verstil, e desalen-
lado, nao th'a poder estranhar o mundo inlelligen-
le, livre. Assim pois uao procede om povo a po-
drecido nos vicios, e poltronera. Mas se reconhe-
ceraos a oobrezq dos priocipios daquelles roovimen-
los, peljas, tambero coderanaroos altamente e
acodacaento, e selvatiquez com que na Provincia
oalra* vezes *e tena coro ferro deaMido meeqoi-
nhss divergencias, e patsageirus interesses polticos.
Que un) povo uSo selvageru, que estfina as vanta-
gem da paz. e Iranqoillidade, as nlo deve mal-
baratar ;i qualquer nfimo preco, ou falso inle-
rease.
Dant
les seiitiont les plus mechanti prosperen!,
ja o lextualisoa Plutarco. Mas caroinham acaso de
oalra (orle as nacOes novas"! Tul be mesmo infeliz-
mente a vida da* naroes j feH, cabalmente
rollas, com maiores, ou menores inlervallos de si-
lencio, e qoietacSo, e maior, ou menor intentidade
do movimoate, e choques.
Ora, he faril de ver, que naqoelle Ibeatro de sa-
tisfaga*), e pasalempo, que te abra Umbein, posto
que com menos pumpa, e sido, no burgo saurios0
da Boaviagem borda do mar, na featrvidade do*
I Foi este o Bando:Pernambacano, a des-
granada revolucSo da Europa lorua a incommodar-
iii acate novo Mundo. O principe Kegenle N. S.,
apezar dos estorbos, e sacrificios que tem feilo para
conservar ama perfeila neulrnlidade, manda por as
foreas desla capitana em catado respeilavel para po-
derem com vanlagem, e confia tica do soccesso repe-
tir gloriosamente qualqoer ataque. E ser preciso
que para a defeza da Patria eu use de coac;ao com
un Povo, cojo nome, fidelidad?, e patriotismo se en-
coulra tantas vezes nos paitos portuguezes'.' Ser
preciso, que depois de Ir* nno, e cinco mezes de
um goteroo de brandura. e saavidade, eu lance mao
de meios violentos, qoe tanto rcpuunSo ao meu cora-
cA ? Nio ; s vossas vislas eslo seinpre presentes
os ejemplos dos vossos maiores; e esle clima nao
deixa degenerar senliroentos transmitlidos de pas a
lilhosDM 13o gloriosasuccesaSo. Viode pois alislar-
mis volonlrieinenle ao Real Servido, que em ces-
sando a "Urgencia das presentes circumstancias eu vos
deixarai.raeolher ao seio de vossas familias ; quando
los faSfora a recrulados nao altenderei a requeri-
iiientoalgum emquan|pj nao servirero os dez anuos
da lei. PernambucauoSj^voz da Palria, edo vosso
soberano vos chama, aafc general que reepeita os
seus dateres, e qoe vos promelle a vosia deroisslo.
Dado debaiio do sello das miuhas arma nesle qoar-
lel seaeral aos 3 de dezembro de 1807.Caelaim
l'iuto de Miranda Montenegro.
(2) Bm lodos os lempos marcharan) soldados de
Pernambuco para qutti lodas as Provincias do 11ra-
sil. Nlo fallando as expedic? de rlo da) nunarcliia constitucional representativa at
as quues o contemporneos eslo a par;
"miniado a rrlacSo de muilas anteriores desde o
po da Prajaieia ; recordamos as qoe sahiraro
liar o M-raohJpnvadido pelos Krancezes, ero
, 1700, para a Coloma do Sacraiuenlo de qastro com-
panhias em 1736, o a duas em 1737 ;-par Fernan-
do, oecupaoo oetMKBezes, em 1737 de duzeolos
JRrande do Sal em 17673 ; para
8. Cathariua da e*V regiment em 177b, e d mai*
III Uomeaa*por oalra vez ; e cinco para Angola, a
lora remes-as de recrulas aos doze, e aos viute em
diverso ajino, acompanhando reos degradados ; a
rsaber : asVopas qoe levnram Joao Fernandes Viei-
ra, Aodr Vidal deNegieiros, e Antonio da Silva
IVreira, eaailao de cavallaria na guerra com o* Hol-
l.indeaaa, qundo foram a governar aqoelle reino ;
c soccorro que mandou o governador D. Joao de
Sania; e o ullio,o de duzentos homens em duas
i-umpanhius, como as antecedentes e.pedcOet, ex-
cepto a de Joo remandes V ieira, que foi um pou-
co menos numerosa. Aclnmos interesae na caria do
governador geral do Kraiii ao de Pernambuco, qne
p.ssaroos a transcrever.
Seolior lernao de Sonta Cooloho.Maite sin-
lu a ruiru aova do soccesso de Angola, e nao menos
nJe Ihe poder en mandar da qui soccorro algum ;
porque os doa* tercos desla piara aeham-se ainda
c* acor estado que os dessa, a*sim pela dininuifao
da iofaiilara, como pela aaatVencia da que boje mao-
ito as hostilidades dos barbaros as Villas de Boipeba,
vairu, e Caraamu, donde vem lodo o sustento a este
povo. para tercm mao com seu amparo em seus mo-
raderes.osquaes em tem liberdade para plantaren)
uiaulimeotos, de que he a roelhor prova valer boje
a lariuha ( que nao sabia de dou lusles, e doze
vioteiis o sino 1 don cruzados, e es se nao acha ;
do mesmo modo as fronli iras deste reconcavo de
aagip* e Jagaaripe. donde lambem vem fari-
Bf, iua principalmente aslenhas, sem a quaes
r Jjtrio lodo< o> engenhos ; e em nenhuroa pane
de-tas podem os lavradores plantar rocas, nem cor-
lar lenhus, sem a eguran^a das armas. E mandan-
do eu agora dous capiUes com cero infantes a meller
de pdsse o capilan-inr'ir de Scrgipe de El-Rei ( cajo
pnvo o nao quiz admitlir por nao liear sem exem-
plar castigo semelhante excetso : he lana a falla de
soldados, que nao podem as companhias, que ordi-
nariamente enlravam de gnarda nesta praca em
qoatro pacto*, prever mais qoe o de palacio. Muito
leavoa V. 9. o esforjo que laz para o soccorro que
determina mandar: ainda que Ihe eonsider a dilli-
cuUade de fazer a gente, muito mais na experien-
cia, que a qae-V. S. sigoilic.i no intento : pira ser
inaior o servir.*, qoe V. S. faz a S. A. rato lio qoe
heavesaam os impossjveia, qoe s o zello de V. 8., o
famosos Cuararapes, e assim mesmo
eiu QlinBI," coslumes ainda hoje, rm laes poca,
mais ou .menos observado-, linliam os primeiro pa-
pis a h rnio-ura, o amor, e o genio ; que l'amour
ttt de tout Itt dieux celui i/ni saillemicux techa'
mi d^J'arnasse, di.se Kaciuc ; por onde surgirn)
divajflKpoclus, e msicos bem acedos cintaudo a
belaaVIe as doce maguas, e illuse que de ama-la
lalvea nos provm. Sobresaho a lodo Luiz Fran-
cisco de Carvalho Cooto. Foram seus pas Flix
Francisco dos Sanios, e sua miilher Anna (gaite-
ra Joaquina, Pernambacano : e tea* avs maternos
os italiano David Barbosa dos Sanios, e sua mtillier
Mariana de tal. O* nome dos avs paterno nio te-
mos podido saber.
Era o menino l.niz Francisco o primeiro objeeto
do amor, e das esperanzas de seus pai ; e nio des-'
conliecendo estes, que o homem he ludo, ou nada,
secundo a educado que receba, desvelaram-se em
cultivar o seu espirito subtil, e em modelar para a
virtude um corara ingenuo, que ja ua infancia se
descubra indulgente, e compastivo para os desas-
tres albeioa. Mas o mancebo tendo aprendido lalim.
rhetorica, e msica, obteve de seo* pas o alistar-se
de soldado voluntario no regiment de infantaria de
primeira liuha da provincia ; o que efieituou em 11
de dezembro de 1779. Passou a Auspec,ada em 28
de fevefeiro, e a Cabo em 30 de oatubro de 1780 ; a
Furriel no 1.de Janeiro de 1783, a sargento em 17
de dezembro de 1788, e a Tencule da 6." companhia
por decreto de 9 de novembro de 1799. Quinze mil
ris mensaes era o sold. A profissao das armas nio
o divorciou das letlras; conslanlemeute vinculado
i leitura, proseguio em aprender, e foi um dos mili-
tares instruidos de Pernambuco.
Compoz Luiz F'rauclsco de Carvalho Coulo umitas
modinhas, as letlras, e as msicas, uolando-se entre
esta, e aquellas o mais perfeilo accordo, e alguma
qoasi improvisadas cithara, instrumento em voga
naqoelle lempo, ou viola, em que lambem era
deslro. (,uizeraiuos oflereeer com esto artigo algu-
ma dessas msicas por amostra do seu tlenlo, e ges-
to : mas ja ninguem deltas se lembra, salvo alguus
pas-os destacados e imperl'eitos. Podemos lodavia
asseverar, que todas eram lindas, e insinuantes, edi-
vinamente inspirada a da modinhafc.rp'rsinen/a,
afora,Ingrata,como ha mailos anuos o ouvimos a
diversos profesores, e oolras pessoas de dlscerui-
medto, evolo na materia, qoe j nao existen). Al-
gomas das muilas leltrinha >So esta*:
Exp'rimenla, agora, ingrata,
Ouanto doe cumes ler !
Bebe lambtfm do veneno,
. Jue me zesla beber.
ESTRIB1LHO.
Quaotu me alegro,
De le ver triste .'
Vejo-te agora
Como me viste.
Ua tormento* de Cupido.
Ilias de ver-me sofirer!
Bebe lambem do veneuo,
Que me fitesle beber.
(Juaulo me alegro, etc.
Unirs duas qoadras mais nao 3o leiubradas.
OUTKA.
Vosse diz, qae en sou a causa
Da sua grande afllicrau t
Qoe por meu respeito sent
Palpitar seu coracao 7' :
Moro, cuida que eu Ihe creio'
Nunca, diga isso, uao.
l-allam aulras duas quadras, seguidas do mosroo
eslribilho.
UCllUb
Wai, ngrala,vaJ,Wora,
Vi ver lenge do* humanos,
;ue eu j;i esloa pullo caneado
sofirer os leo* engaos.
Ai le le le l, aioh '
la mesma me has de viogar.
r;
UUTBA.
Resuicitou o Tyranno '.
lato hacerle? lie verdado.
Aonde me CKonderei
Da sua ferocidade > .
Me* en ja sinto
Kasgar-me o pello.
Faltam os dousuUimos versos do eslribilho, e on-
tras duas qoadras.
OliTKA.
Dou parabens a mim mesmo
De me chegar a Patente,
lia lautos anuos, que sirvo !
E inda agora sou 'l'eneute.
Faltam o eslribilho, e ontras duas quadras.
OUTRAv. |^
' Caspite jninha senhora
Estou-lhe muito obrigado.
Enganou-me. Pacieucla !
Nio serei mais engaado.
Mandar-me, que cu c;i osse,
Eu ir moa contente,
Voss de repente
De mim se esconder *
A veloz imagem
Bem cheguei-lhe a ver.
I'orem a paasagem !..
l'oi de tremer.
UUTRA.
Ametro Capibaribe,
Doce refrigerio humano,
J de tino* despedimos ; >
Adeos! Adeus At o auno.
si, qaal no arrebata grandinto na epopa, qual
no commove, e lalvez moralsa elegiaco ; Tyrleo
nos inflamma, c impelle > armas ; Anarreonle fa-
,-il ajlo inimoso nos desenfada e enfeiljca. Cada
um esla' no seu lugar e lodos bem. Alin do que :
o nosso lim Declai linhas biographicas dos poetas e
escriptores Pernambucauos, he primeiro colher, e
eilabelecer elementos com qae se posta ajuizar des-
de quando, e quanlo em Pernambuco te cultiva a
litleratoraeas boasaMe ;e segundo coadjuvar o de-
seuvolvimento e consolidajao da cultura e amor dis-
creto e uecetsario da letlras, e das mesma* artes
entre no, para o qoe snppomos a emulaca um
meio eflicaz ; a emulacao esla paiao nobre e gene-
rosa, qoe admirando o mrito, as bellas cousas e as
acroes de bolrem, procura imita-las, ou mesmo
excede-las, trabalhando para islo corajosa, e por
principios honrosos, e de virlnde. E al nao se tem
ja visto obra defeiluosas, ou de meo goslo, excita-
ren) tlenlos superiores a responder-Ibes com pro-
dceles maravillosas, coulinuameule louvadas 1 Fle-
chier, de quem at bella arles, e principalmente a
poesa foram o primeiro emprego, lia freqoenle-
mente es sermonarios Italianos, e llespanhoes, a que
chamava gracejando seus bufes; e julgava que o
ridiculo dessas obras contribua a Ihe fortificar, e
apurar o goslo i verdade, sem a qual uo lem a clo-
queara belleza, nem Torra. E he o mesmo Fie-
cher quem fez de um mao exordio de Lingendes o
ncomparavel da orarlo fonebre de loreua. Ka*
poetas semelhtnles exemplo* sao sem cunta. I.onge
porem de us, apezar do que recordado tica, e da
certeza de que uesle assumpo he s enlre a mulli-
dlo de lenialivas iofelizes que se eleva algum re-
sultado grande, o insinuar, e mesmo preeonitar pa-
ra nenhum lim obra monslruostt, ede pessimo gos-
lo, estrago, e peste da boa lilleralura. S as prodc-
eles do* notaos patricios isenlas de laes defeilos, e
que forcm decentes (mediocres ou de examiuaco)
entregaremos por desempenho do nosso eucargo ao
dominio do publico.
Apezar da complacencia c benfaj*jale, que fa-
ziam o Tundo do carcter de l.uiz caWOciico de Car-
valho Coulo, hoove enlre elle e o ajudaute Joao
Nepomuceno da Silva Purlella um desconcert em
verso mu reprebensivel; e infelizmente nao foi o
primeiro entre poetas, e Iliteratos em Pernambuco
(4); nem laes desavenga* c debales, mais ou meaos
violento*, e detcomuiedidos, faltam em qualquer
da* uaees mai civilitadas, em lempos auligos, e
moderoot.
Era o lenle l.oz Francisco de Carvalho Coulo
de boa estatura, e bem apestoado, cabello ruivo,
(ez clara, e rosada, e de olho azues. Morrea ao dia
l." de Agosto de 1808, e foi sepultado ua Igreja de
No*a Senhora d* Conceicio dos Militares ua Cida-
de do Reeife : solteiro, e sem descendencia.
A. /. de Mello.
N. B. Supprimiram-se nutras nota* e documen-
tos) pela sua extentao, mas opporlunamente serao
piilicadas.
SONETU.
Tu, Garrida senil, que a ser passasle
Sanguesuga das bolsa, e gavetas,
Enribicado objeeto dos Pateta*,
E do* Homens de bem iofamc traste :
l'u, Cbimica infernal, que ora inventaste
Para os leas inlerettes, novas tretas,
Quando da chaoiin as tujas gretas
U Padre Santo Antonio apoienlasle :
Bruza infausta, que a Sanio Unofrc insana
Pelo pescoco peudnrasle ao teto,
Por nao leret diuheiru urna semana !
U cordel puxa ao leo Caluuga prelo,
E dize a toa Mai Viridiana,
Que adviuhe quem fez esle souelo.
MU1E ALUEIU.
Um grilhn duro, e pesado
Eu vi na roaos de Cupido:
Coitado daquelle Amante,
Que no grllhao for meltido!
(.LUSA.
t'.om sua aljava pendente
\ ciius vio o Dos meniuo
Procurando em desatino
De Vulcano a Forja ardeulc.
Da causa a Dea scienle,
Que o traz como cego errado,
Pela mao com doce agrado.
U vai cooduzindo a Yenda, .
Onde elle austero encomend
I m grilhn duro, e pesado.
U co\u mestre accender
A fornalha manda logo :
/.une o folie, chispa o fogo :
E eis o ferro a recoser.
U bronls ihe vem dzer,
Que eslava ja recosido :
Pega de um malho fornido ;
Baleado, um grilhao forjou,
U qual (inda absorto eslou '.:
Eu vi na caaos de Cupido.
le se apagar a lembranca de toas boas qnali-
dadet.
U despacho de deieinbargarior Traca compensa do
lesgoslo, que Ihe Irnuxe a morte de om irmao, he a
justa retribuirlo dos serviros qoe tem prestado, e o
premio bem merecido pelo fiel cumprimenlo dos
seos deveres.
Hoje que a sua posc.ao o leva a nutro lugar, e que
nao podemo* ser tachados da dependentes e lison-
geiros, corre-nos a obrigaeao de fazer geralmente
conbecidas estas verdades ; e se os nosso* volos, pa
ra que elle teja removido para a relacio desla pro-
vincia, nao forero ouvidos. sejam ao menos oovidos
osquefazemos pela sua felicidade : taibam os Ilus-
trados Maraoheoses apreciar o homem de bem e o
juiz imparcial.
C. V.
%
u o ran
jypana
'"ajftVTma
ljarao
a su;i dspoui;* sabe veu
rneal* de soccorrer A
naaiVcjue defender seca
bast que wja tauta f fi
cent* leadlo maodada
tanislas, qae dali cosan)
ros, eaa tres navio, que
nuntiaieiiliis : porqjje at (I
capitana, peto i n temprame
lome. E vai o atrev
ilc maneira com as m
mente se fazero, que
intajaj o*
noraWBou
> loda IvfcVa
Teri V. S. o merec-
ja que en nao posso
ila capitiiiia : e
da de S. V-
cuslo ***er-
qui'tar os barba-
ndei fretados, a
adreem aquellas
clima, nol.ivel
barbares crescendo
ibos, qoe improvisa
fvntaria que aqoi liou-
Em paz le fica,
Capibaribe.
h qoe saudade
Nesle apartar !
Surge do Pojo,
Vem escolar.
O texto denlas cantigas ha o que J entra diverso*
uot paroceu mais verdadeiro, e exacto; mas julga-
mo* qae anda atsim eslo corrompidas as verdadei-
rat compotiroes do aulor.
A qae damos .em ulliiuo lugar foi compesta u des-
pedida da feata e cetirada do Poro da Paoella no ol-
limo da de estada ah, em casa do Dr. Manoel
Fraucisco Maciel Montciro, de quem ara o autor
emigo, e assidoo assislenle, bem como da outras
pestoat do melhor trato e selecto. U* circumslan-
les alientos ouvindo-a cantar pela primeira vez, e
repetir larde, de sorlo se sensibilisaram, que a
nao pouco* escaparan) doce lagrima* taudosas coro
vivos applauso. Mas o nosao patricio uao foi ape-
na* compositor de modinhas ; leve por algum teni-
do a direc(3o do Ihcatro publico, onde se represen-
tarara dramas fl^ em versos ao natalicio da Ra-
an*) D. Mara^^ do Prncipe Regente ; fax lam-
bem muilos hymnos, esuas msicas ao Menino Je-
ss para o* festejos de presepios, eolio mais em aso
uo Reeife eUliuda ; ludo com summa propriedade,
correcao e grar. O seu soneto e glosa da quadra,
e Anacrentica, que no lira dedas rabiscas achara o
leilor, nao sao inferiores, em nosso coito pensar.
Reconhecemos, que o mrito de autor de modi-
nhas (anelrahimos das outras obras do aulor) nio he
das primetras, lim um pouco tenue, como o gene
re de que parte ; mas nJHeisa de ser um mrito
artstico e relevante se a eomposicao lie ]prmoro-
aa. "< Na ordem dos talento, como na das condi-
res, a variedade o a desigualdade forman) a lur-
moiiia geral, assim como a iguaidade pretendida
prodaz a confusa, eo chaos. diste nio nos lem-
bra quem.) 3> Na msica, por exemplo, esle sobre-
sabe na religiosa ; aquello ua profana, marcial, ou
lliealral : e oulro as chcaras, ou cauligaapopu-
lare*, lao ingenua* e bellas, qoanlo com n^Haer-
dade nos mostram ai ualureza. E por igoal aa^a|H>e-
9lo cuino i
lumam,
melalr..
>
Vi-o sim, e tresiobrado
Era o ierro desmedido.
Que s pelo Dos Cupido
Poda ser sustentado.
E com elle o vendo armado,
Sobarbo e ufano o semblante,
Clamr : C.riHiao semelhante
No mundo nao pode haver !
E qualquer que elle preuder,
Coitado daquelle Amante!
Ette infeliz pritiuneiro
Liberdade no^spere :
Chore, blateme, exaspere ;
Ke*l*ra uo capliveiro :
Piedade, o Dos frrchero !
Como attm 1 ver destruido
Oueret tea culto isoff(do j*.
Se-lo-ha, se em Unto dauo t
Insistes do pobre Huma
Que no griThSo for i
ANACREQNTICA.
Doce Ro jleleiloso,
One tuepi'aodo enlre flores,
Nos convidas claro, e puro
A gostar os leus favores :
Feliz, que visl*, e not bracos
lens de Aglae toda a belleza '.
Tu sabe* qae em vio adoro
Tal primor da Natoreaa.
Lava-lhe a dura otqoivanra,
Por piedade, rio amado ;
E ao meu praulo enterneceudo-a,
Feliz faze a um desgracado.
Assim busquem sempre as Niufat
Em la crrenle fria
Miligar de amor os loso-,
E a calma ai denle do dia.
>'uum caique tribuere.
0 lllm. Sr. Dr. Custodio Manoel da Silva Coi-
maraes, juiz de direilo do civel desla cdade, foi des-
pachado pelo goveruo imperial desembargador da
relajo da provincia do MaranlUo. Este acto, que
era esperado por seus amigos, e numerosos afleiroa-
do* realisou-se fioalmenle ; e se por om lado elle
revela o pentamenlo jutliceiro do governo imperial,
por oulro palenleia o verdadeiro mrito que se n-
eo n Ir a em o nomeado.
E realmente, sem nos referirmos ao evercicio de
joiz de direito, que leve em diversas enmarcas, em
qoe sempre conscio dos seus importantes deveres se
purlou com toda dignid ide, pedemos allianear. qae
nesia cdade para onde fora removido o lllm. Sr.Dr.
Custodio Manoel da Silva Cuiniares, foi um perfei-
lo
\ APPREUENSAU DU HI.ATE NECRE1RQ.E O
.111/ DE mu El 10 UO UIO-I HUMOSO, GUN-
CALVES CAMPOS.
Na* ditcuises havidas enlre o Otario de Pernam-
buco e outras gazelas desla cdade sobre providen-
cias preveulivat do trafico de Africanos e o laclo da
appreheusau do hiale Negrei o'juulo barra do rio
Seriohem tero o mesmo Diario, a em arligos de fun-
do, ja em comrouuicados usado de alleguges pre-
judciaesa' direilo delerceiro, cujo nome nenhuroa
razao havia para ser proferido na materia sugeila,
menos que o fosse iransitariameule e de um modo
'nnocuo para elle. Tal he a anercijo de que o juiz
'e direito Joo Uaptitta tion(alves Campos, remo-
vido da comarca do Rio Forrooso na j observara a
recommeudaeaod Sr. presiJeule da provincia para
nio largar a vara e uao ao seu succe-sor Dr. Jos
Filippe de Souza Leiobem como que S. Exe. de
morara de proposito a coinmuoica(ao ofllcial da-
quelle juiz com y intuito de rele-lo no exercicio da
vara al a chegada do successor. O aulor dos arli-
gos osleotaudo-se possunlor da integridade dos fae-
tot.padeceu evidente equivoco, e paleuieou olvido de
alguma das disposicoes legaet do paiz. S. Eic. uao
demorou, enem puylia demorar a coinmunica;ao
oflicial. Nao demorou, porque, sendo a remocho
decretada ero 22 de juoho, se l uo Diario de 16
de julho que *#Exc. cm ti desse inez fez.scienle ao
juiz de direilo Souza l.e.io achar-so esle removido
da comarca do Bouito para a do Rio Formoto. Ao
rxlracto desse oflicio se acrescenta declnrac.au.
Fiteram-se as cummunicaces necettariai.Urna
destas coromuniea(es necesiarias foi um oflicio de
igual Iheor e data dirigidoaojoiz de direilo (substi-
tuido) Goncalve* Campos. Ora, marcados 3 mezet
de prazo au Dr. Souza I.ej, como se marcou,e a lei
o manda, claro- eslava a cooseqoente inteiiudade
do exercicio deap vara por outro igual lempo, iute-
rioidade esta resultante do facto das remures e por
virtude da lei, o que i poderia ser evitado, se se
couseguisse do juiz de direilo Souza Leio o desistir
do gozo do prazo, como ja alguma vez se tem insi-
nuado algum juiz de direito removido. .Se pois,
como ai publica**) e data* couveucem, S. Exc. ero
II de julho expedlo ai communicardet neceitariat.
si he, 19 das depois do decreto uo Rio de Janei-
ro, lie manifest que at nao demorou, e menos que
as demorou de proposito. Nem as poda demorar sob
pena deincorrer no crime de falta de exacrao no
cumprimenlo dos seus deveres como presidente por
uao expedir as ordent de Sua Mageslade o Impera-
dor. Uque parece que acouleceu foi deacucatni-
uhar-se (por caso fortuito provavelmenle o oflicio
dirigido ao juiz de direil Campos, o qual, em qoan.
lo o Para' solivia o furor do cholera-morbus, aguar-
dava lodosos das com susto aquella publicada com-
municacaodetna transferencia para aquella,prvin-
cia, lugar que alias nunca solicitara. Correndo po-
roro a noticia de que a epidemia all se extinguir,
e temender|>or otro lado que ella veise a**altir
Pernambuco, reliadlo que a realisacode sua nyi-
danca para clarara' Ihe razia o beneficio de poder
escapar densa potsibilidade lerrivel. Eolio ofliciou a
S. Exc. fazen lo-lhe saber que as suas maot nao elio-
gara > commnnicacio de que reztva o Diario de 16
de julho ; S. Etc. atsim tcenlificado etpedio em
segunda va o tea oflicio de 11 de julho, o qual foi
recebido em Rio F'ormoso peraole tetleinuubni pelo
dito joiz de direilo ero 16 de oatubro pelas 8 horas
daianhaa.
>A' vitta do etposto, pergoala-te se o joiz de di-
reito Campo deas* dia e horaem daule poda mai*
relera vara 7* Nao, nao. E nao, porque la est o
arligo 140 do cod. criminal que pune o empregado
qoa conlioua o exercicio do emprego depois de sa-
ber oflicialroenla qoe se acha delle demiltido, re-
movida, oa substituido, Nio (*ainda ama fea),
porque l esla o aviso n. 8 de '22 de Janeiro de 1844
expedido pelo cnto Sr. ministros da Ijutlica Car-
neiro I.eao, hoje marquez de Paran, e actual pre-
sidentedo conselho de ministro ordenando termi-
nantemente que o juiz de (direilo removido, logo
que tive noticia oflicial de sua remocAo, ,< embora
nao tenba chegado o seo successor, passe**} vara
ao joiz municipal designado substituto pena de se
Ihe fazer eflecliva a responsabilidade pelo crime do
art. 140 do cdigo cfaeninal. Nada mais claro para
provar qae o juiz de direilo (joncalves Campos, foi
liel lei quando pelas 8 horas da manhaa do dia 10
da oatubro passou a vara ao seu substituto legal Dr.
Borges Leal, joiz municipal de Barreiros. Se o
contraro praticatse nao o excutariam da pena os
desejos exlra-ofliciaes de Exc. de conservar-se na
vara al a chegada do successor Souza Leio. Se
S. Exc. lal consa ordenaste ; se o juiz de direilo
Campos, a cumprisse, tatito o mndenle, como o
mandatario eraai reos do mesmo rrime ; o cdigo
he bem claro, nao composla duvida. .VinSrtts
l'lalo, sed mag rnica vertas. Se S. Exc. gozatse
de tamaita faculdade, o ordeuaria lerminante-
menle por oflicio. MasS. Exc. sabia que o nao po-
da fazer. Logo S. Exc. nao demorou a participa-
raooflicial, c uem ollicialmeoie ordenoo a conser-
varlo do juiz removido na vara, porque sabia que
sso era contra lei etpreua, o que he ainda outro cri-
me dislncto do artigo 140 do cdigo penal.
Mas, se por roelura podesse demorar ( o qae se
nega ), entioo mel mais suave e natural de-evitar
a iulerinidade, e sem o perigu de mandar, ou indu-
zr e insinuar um lerceiro a cometter um crime ( o
do art. 140 ), seria ordenar no Dr. Souza l.eo, que
Mari* Xvelina da Silva e seu primo Joaquim Alves
da Silva Valenca. que por ultimo se lnham recipro. torze d
eamente promellido casameol ; e como D. Luia
de Jeus Valenca, tua mili, a quices catar com
Len-1 Bezrrra Cavalcanli, filho de Luiz Cavalcanti
de Albuquerque, fez ella parlicipar ao seu primo, e
pedo-lhe qne a raptaste afim de catar com elle, e
nao com o Leonel. Joaquim Alves em vista des*e
convite e com discernimnlo e prudencia superior
soaidade recorreaoteu li Joan Valenca,alim da por
seu intermedio obter de sua iimaa a desistencia do
catameulo de sua filha com Leonel, ao qoe elhjjao
nio e fez sentir ao pai detle ; deixando por issaBHa-
quim Alv-et de eOeclnar o rapto qoe sua prma^he
propunha para evitar um calamento que ella re-
pellia.
Enlrelanto D. Loiza levada por laaaBaakfM e con-
telhos a drede preparados por parle dos iuteressados
pelo casamento de Leonel, annue de novo ao casa
menlo de sua filha com esle e pa'ra esse lim faz en-
trega delta a Luiz Cavalcanti, em cujo poder a con-
siderava segura e iuevilal o casamento.
Irritado Joaquim Alves com semelhante procedi-
menlo e possuido da paixao que imita por sda pri-
ma, e ainda mais arraslado pela considerarlo de ha-
ver ella pedido o sea auxilio, resolveu ir a casa de
Luiz Cavalcanti em companhia de meia duzia de
pestoas de sua confianza ; e como qaer qoe o nao
achasse eniao em casa, te fez acompanhar de sua
prima sem a menor violencia da parte della, e a
confiou aos cuidados de teu lio Aulono Vctor Cor-
rea, rm coja cata foi ella depositada, com o intuito
de etlecluarse o casamento ; urna vezoblida a dis-
pensa do pareslesco e licenca do respectivo parocho.
Constando porm que os filhot de Luiz Cavalcanti ir-
mao de Leonel, vinham ero busca de Joaquim .Vi-
ves, e munido de ama precalona, seguio esle com
o seus compauheiros para o engeuho Camivozinho
de sea lio o major Francisco Pi da Silva Valonea
onde a drposilou.
Continuando ainda as perseguires a Joaqoro Al-
ves por parle de Leonel, sen pai e irmSos, e s-beu-
do disto o coronel Joso Pedro Velloso da Silvera
foi entender-sc com o major Francisco Pi na espe-
ranza de poder conciliar o nimos,e oblcr de D.Lui-
zao seo assenlimenlo ao casamento de soa filha com
Joaquim Alvet, para o que depotitou esle sua pri-
ma no engenho Ribeirao ero casa de Coriolano Vel-
lozo da Silveir, que della assignou deposito. Fri-
to islo o coronel Jos Padro etereveu a D. I.uiza,
acerca do casamento, e fez-lhe sentir que, no caso
de nao querer aoouir ao seo pedido, Ihe seria bel-
mente entregue sua filha, como o foi tem opposic,do
alguma no dito engenho Ribeirao, onde pan rece-
be-la viera sua mai, ero cuja companhia actual-
mente se acha,
Eis aqu o fado lal qual se elle deu com as sua*
principar* circnmslancias, e nolaveis oceurreocias.
Basla a eipoaicao para contrariar iuleiramenle
todo quanlo se inventa uesla carta do amigo de Ua-
raohuns,cujo autor te nao est muito mal informado,
quiz sem duvida de proposito fallar a verdade com
o maior -desfarameuto.
E certamen!*) quaes as prova que exhibe esse no-
ticiador de lev Tapiada entrado em pleno dia, com
grande sequilo, e toda lacrimosa em-cata de Joao
Valenr i 7' Nos o eroprezamo e conjuramos para
que declare ama s lestemonha da* muilas a que se
refere, ou mesmo qualquer oulra prova. As pessoas
que acompauharam a Joaquim Alvet e ana prima,
eram toda* iocapaze de aro procedimento menos
digno, e nem poJiam formar ama quadrilha em fal-
ta de om chele ou antet em ausencia do aulor deua
carta. U estado astuttador em que se irba (iara-
nhunt, ua phraze do autor da carta ao seu amigo, he
lalvez devido i lngua, e penna do* calumniadores e
mentirosos, que gralailameute olfeudem a reputara
ile pessoas que lha So mu superiores, e a quem ten
denle veuenoso nao pode' morder. Tanto mais ca-
lumniosa e difamante he esta carta trauscripta no
Echo, quanlo nella se allribue ao mea amigo Bento
da Silva Valencia toda a inlervenrjo ueste rapto, e
se diz ser elle mano de Joao Valenca ; entretanto
que esse amigo nao leve parle alguma em ludo
ato, e nem he mino de Joao Valeo^a e sim seu so-
brinho.
Agora avahar* o respeilavel publico o conceito e
criterio que pode merecer o aulor dessa noticia qae
te nio peja de fallar a verdade com o maior cinismo
em tim facto que elle mesmo confeti,* ler sido publi-
co o notorio, e em que Ihe era fcil ser contraria-
do por qualquer que quizesse rettabelecr a verdade
delle e o crdito de ineus amigos indigna e injusta
mente ofitavldos ; sendo qae foi ette o nico moti-
vo qoe cjlcmrsuu a tracar essas linhlt, caja impre-
sao em seo conceitoido jornal Ihe roga.
t'm de teta attignantet.
SCIENCUSE ARTES.
ASTRONOMA.
A luahehabilavel.' Publica e uro facto, indaga-
se, se elle he verdadeiro: projecta-ae urna cousa,
procura-te saber te he realisavel; mai ce ningoem
acha o facto, nem conargae exeeolar a cousa, aqoal-
les que assim naufraga rain, conrluem que o objeeto
nao existe, ou quea idea he chimenea, e como estes
hornea* sao porhypothese) os primeiro* de tea lem-
po, ninguem poe embarazos em adoptar suas con-
clusoes; entretanto la vem am dia em que om ho-
rnera, collocaudo-se pela primeira vez em um poni
de vista novo, ou applicando um meio, que al en-
fo oao foi empregado, he bem succedido, onde os
mais habis naufragaran!.
A opinii de qoe a loa he desprovida de almos-
phera ter por ventura a torle, qne lem lido oulro*
tanlofjjaajalladot negativos7 Entretanto ella he pos-
ta emlrma por um abtervador, cujas ideas leriam
feliz xito, tanto mais quando estas se conciliam f-
cilmente com as observacQ*, das ques se lem tir
concluses contraria*.
A qoe-lo he urna da* mai* lolereasanles de astro
nomia, porque se a la nio taca atmosphera (o qae
se admillo geraimenle,fondando-seem prova nume-
rosas e delicadas, devidas aoe mait habis observa-
doras), nao he habilavel. Ella tem como a Ierra am
envolucro de ar respiravel, a vid pode desenvolver-
te em sua superficie; os selenitas, sondados por He-
elius, sao possiveise podemos operar ve-Ios; ac-
- ic teln
se pastatse ao Rio I onuoso ; por nat mlot, *aM' Iresceuto que sf nos fosse dado gozar algom dia des
como portador o oflicio de rommunicacao ao juiz ia via, ppderamos cerltraeule adiar meio da eu
Campo; iaafepar aquello que quando prompl a
lomar a vaprenendasse esle o seu aviso junto coro
essa participarlo allcial de S. Exe. Assim no met-
uio momento que um sabia oulro ealrava :
he o melhodo que pouco mais oa menos segu o
governo imperial auaudo rende os presidentes de
provincia. Nao to porm esta as regras das leit
e regulaineiilo de 180.
Quaulo al aqui fica dito musir que o acto do
juiz Campos he extreme da mai* leve censara : na
liuha a defeza de ningoem u v meticulosa neceiti-
dado de criar para aquelle jniz urna falta que nio
cometteu, nem ja era antoridade naqnella comarca
na poca em qoe aportara s praas della a infame
tripularlo do barco negreiro. U aulor destas lindas
indo de iutroroeller-se na apreciaran dqfaclo
apprebeuaao, das medidas tendentes a' faflkcBo
do trafico, e da soblracsao de narle dos Afreal*7a'
menos qae venha a' ser obrigado a a entrar nrsses
pontos conjanrlameule com a defeza de um empre-
gado que nunca deixou de ser leal a* ten* superio-
res tabeado liar esta lealdade com a observancia das
|eis,do qoe lem colindo louvores ofllciae* con-tantes
de muilos documentos solemnes, pblicos, e authen
lieos, nao graUatfo*. Volta'r-se-ha porem ao prelo no
caso de haver Meisleucia nesle delalhe, que bem po-
de.ser posto de parte como desnecessario para as
qotsles agitadas.
oaajarva
vetee,se fura muila, era menos do qoe se ha mvsler
para segurar Be dilatadas parte*, romo ano s* em
que vivem ot moradores desla* villas, e Reconcava,
sendo to iucerlo o lempo, e lugar ero que ha de dar
it assnllu iao eonlino, a lio repentino inimigo. E ce
itlosenjlo remediar com a vinda daquelles homens,
desIraiifHo-lhe as aldeias, te perder a Babia, e o
BraaH. E esle dao 13o Interior rulo d* lugar ao re-
n do mais remlo, ainda que lambem de lo
-0TMf(|(encias para esle Estado. Den* guarde a
V. & atentos anuos. Baha e Janeiro 31 de 1671.
Malte servidor de V. S.Alexandre de Sousa
/Mr.*
i uuz.
fl
I Moliere uo duvidava apropr*r-so de qual-
quer prnaamenlo, ebomdilo, que nos autores de-
parava, e da- lo, por seo, oliendo : Tomo o qoe be
meu em qualqoer parle que o ach. N.1o somos iRo
rico, e temerario, que (aramosoutro tanto. Hespei-
lainos o allieio, e lodavia mo tonhamo* originalida-
des. Oa entendidos tabem, que RaJMeJMMb) ocror
rem pensamentos alheios a quem flHwtaT, e qoe
se nao tem grande engenho uada'Cjraa de aaa can,
e nada lem de original. Declaramos esla Vez par lo
das, qae te acaso os leilores recouhecerm nestas
mnala* biographicas pensamenlot.ou eipretaOet, ca-
jo autor ve uflo declare, somosronlenlrs qae tries fa-
0o a devsid* restiluica. Sja o que distentios ver
dadero. e til, embora ejeuainamenle prearte, ou
nr,e, ficamoe calisfai***.
tomar parle as quetloes polticas, que se agi-
l.iram duraule o exercicio de soa jurisdicrao, deu
sempre promplo uipedienlc aos negocios, que pen-
dan) peranle oseu juizo/o suas decisiies ero so fi-
zerain esperar por longos mezes, uem foram profe-
ridas por considerarlo esla ou aquella parciali-
dade polilica. O grande numero de acroes, que fo-
ram Migeilas ao seo conhecmenfo demonstra a
confia ora, que uellu linham os pleiteante ; pois que
estes, qualquer que fosse a tua cor polilica, qual-
quer que fosee a su* posico social, linham certeza
de encontrar sempre am juiz.
Sempre polido para com as partes, sempre afltvel
para com seus empreados ja em publico, j em par-
ticular, em cata, oo na sala da* audiencias, onde ra-
ristimas vezes deixou de comparecer, somos .tetle-
munhas de que jamis Ihe escapou expresso alguma
menos delicada ; etem tolerar nem autorkarabus,
oa detregramenlo dt seo aanordinadea, tev+e sem
pre respeilar, e estimar delles; pelo que dilTkllmen-
CORRESPONDENCIA.
rs. redactores. Lendo o Echo Pernambucano
n. KS de ii do correle deparei com urna carta par-
ticular Viuda de Carauliuut, cm que se lala de um
rapto que tivera logar em o lermo de Cimbres na
pessoa de orna filha de D. Lui/.a de tal, das cirenms-
lancias que o precedern) e acompauharam culo seu
resultado. Sem que pretenda negar a existencia do
facto, forjoso me he sabir ao prelo, contra meo ge-
nio e profissao, para fazer sentir ao publica a inlide-
lidade e nsiadc com que o aulor dessa caria nar-
roo o ftefo ao seu amigo, esobre ludo injusllr,a
com qne lalecjc de Jreposilo fez recibir lodo o odio-
sa sobre os nvtut dicUncInt amigos Joao da l'orruio-
cula Valenca aBenlodaSilva Valenca. Atsim pois
limito-me smente a expor o facto com loda a fida-
lidade e veracdade, para que o publica precie o
jatitexto dessa earta e o carcter de sea tutor.
Decde mulla exl'tem afleicOes e syropt,lhi* etilr*
trar em cumiuuuicarao com os homens da la, p que
ua deixaria de ser om aconlecimenlo Uo memora-
vel, como a maior parte daquelles de qae se falla
licite mundo.
l'ru astro de 8(30 leguas de dimetro,' de3,700 le-
gua de circuinferencia. onde o dia e a noite se suc
cedern, sem razer jumis o dormir ou o despertar
de nenhum creatura.cujos echo ficam eternamente
modos; no qual reina uro silencio, ao qaal nao po-
de ser comparado mesmo o da inorle e que, situado
a,90,000 leguas de nt, uflo livetse oulra funecao, ge
nao esclarecer nossas noiles, e isto muito mal esta
arao he de I. place ; he ama idea desagrada-
qoc a evidencia da provas pode smenle uot
obrigar a admitlir ; em qoanlo acharrr.os um ponto
fraco, us as declararemos suspeita. K como, per-
guno-vos, nao lamentar que o espectculo magni-
fico, de qae se poderia gozar da loa, se reprsenle
perpetuamente diante de nma sala vazia ou diaole
deom cadver?
Faziamo urna idea lao favoravel da exsleucia das
selenila, que lamentariamos muito. se n8o di
trastero que elles nao exislem. Que qoadrj
o da ierra sutpen lida no xenilh, raoslrai
baixo de am dimetro ireze vezes maior qu
metro aparente da la, derramando urna laajVIeze
vezes mais forte que esl, gyrando sobre si msjCJa
com uuia rapidez de, mi de 6 legua por niiuulo
eein-J horas n'iostraaaio-sedebaixo de lodas as suat
faces ao observador, jne distingue facilmeule a olhos
us nosaos continentes, nottos mares, nosaaa cadeiat
de roonlunhat, os gelot do nossot polos, itossos de-
serlos, nossas florestas, nossat esquadras! Enlrelan-
to se o observador fa'l'gor-se com esta represenlacao
grandiosa, lio bastante passar-te para o outro hemis-
ferio sabe-se qoe a la nos aprsenla sempre a mes-
ma face.) Caminhaiido para esse globo, cuja volla,
com o auxilio de um caminbo de Ierro circular,e lo-
cnmolfjra de Mr. Connell, tefazia em menos de cin-
co da, elle eucoutra a cada. pao o* climas mais
Wlados, e em razao da.nalvarau volcnica do solo,
fauno* de vila atal* pittovSacot ce succedem sem
iiiti'rrup(ftnaos npssos olltos, Os diasa as notes lau
um poeafj) extensos, tendo quasi qualorte vezes vinle
e qaalro huras, mas a durac.au ha ftlatica) drbcjajri
cia da selenita couforme ellcflfai
qnelle hemisferio!
tm qoanlo o hftrlWio, Me permaBerinos e-
ternaroenteorcullos, tica mergulhado drenle qua-
at nat eapessas trevas, aquelle
que noseonlempla, vi a obscurdade de suat ailes
di-sipad* pela esplendida illuminacao da Ierra. Por
pouco qne os selenitas sejam naccestiveisa e*se iiiae-
nuo orgulho, que nos fz considerar o nosso globo
como o centro do muudo, nao devem dovidar qae
a Ierra tenha ido creada para proeurar-lhe* urna
rtuaeao intermediaria entre o dia solar e a espeata
noite. Fioalmenle at (ran*ito**de temperatura sao
lalvez um pouco precipitada!, mi)fc deve-*e acoslu-
mar-*e com islo, a consegoinlemeule lomar cada um
suat preeauciiet. Como poit retiguarmo-uos a crer
deshabitada urna habilarao.da qaal todo* detajaram
Tazar a cas de campo do geoero humano 7' Al hoje
te lem hospedado all lonatlcos.
Mas a opiniao de qoe ella he deshabitada fanda-se
em numerosas observarles, e principaimenie nesla.
A la passa por dianle de orna estrella e a escon-
de aos notsos olhos : lomemos o momento em qoe o
astro scnlllante lorna-se vizivel ; o rtot, que elle
not enva patsarao enllo muito perto do nosso sat-
lite ; se esle lem urna atmosphera, os raios, atreves-
sando-a, serao desviado* de tua direrao, ou como
se diz, re frangidos, se a loa nao tero atmosphera, a
luz, que vem da estrella, conliuuara seo caroinho em
linha recta, nio haver refraceflo,
Pois bem, ninguem observa refracto, logo a la
nao lem atmosphera, logo ella nao lem em sua I
superficie nnii agua, uem Ierra vegetal, logo ella'
nao nutre plantas, uem animaes, nem selenitas.
Mas na llalla ha om individuo chamado Pompo-
lindc Cuppis. Logo que he noite, esle sabio (e o
he) empnoha um excellenle telescopio, e ei lo que
parte seno para algum congresso de demonios, ao
menos para a loa, he esta a 3ua paiao. Numerosas
>ao as viagens, que tem feito, de mudo qoe lera reo-
oblo os malcraos de orna nova Selenographia.o qoe
he para a loa o qae a geographia he para a trra,
e ei-lo que etereve a um de seus collegas, ao director
do observatorio de Roma, o P. Seccbi, que tem vis-
to com seus olhos a almotphera da loa, em oulros
lermo* que vericou a refraccao dos raios estrilares
no momento em que estes locavam a extremdade
du astro, de qoe se trata.
Entretanto, na se crea que o Sr. l'ompolio de
Cuppis aecuse de erro aquelle que nao leem visto o
que elle observo ; na quesiao nao entra o amor
proprio de ninguem.
Mat, como he pottivcl qoe nao baja contradicho
enlre am sim e oro nao ?,Mada ha lao simples, e
digamus logo ; itlo proven) de que o* observadores
nao tem observado do metmo lugar. O que esta
retpoela pode ter de obscuro se tornar claro am om
instante.
Merope apena chegou a la, foi inlerpellada pe-
la deosa do lugar. Ella qaeixa-se amargamente da
impertinencia dos plulosophus que C> beles nutre, oa
quaes lem a pretencio de regular seas pastos a sua
marcha, e lomam sua medida com lana exaelidao,
romo se qaizessero fazer am vestido para ella. Se-
htoe leria hoje oulroa muito* motiva* de queixa I
Ninguem ignora que couheeeroos tnoilo me|hor a
superficie da la do que uro grande numero de ra
gifies terrestre*. Tem-te deajBtu com urna precisSo
admiravel anas plauicies, tm valle, e*a depre*-
set profundtt, ornada* com o nome de maree, sua*
raonlaohas e essai prodigyaat crtera*, a > Elepcr
lomava por recintos fata^cado* ; tem-ee-lhe dado
al nomrt ; tem-** feilo mai-, lem-se medido com
urna exaelidao maito conveneeie a al(|ir>Ja* mon-
tanhas, e os recultadua, a que se lanxajbegado, ve-
rificado Pa W- Hertrbeel e agora lora de dovida,
sao deaM n*iue Pdem causar sor pre**. j^
Os ajfl Hti lUstenUvam, ignoro auas razat
e naofl aava esta coulistao, que os animada
loa *ff vicaeoeota ve/.e maiores que os da Ierra.
Se elle* se tvessero limitado a dar dimensescon-
sideraveis as monlanhas de que est cheio este as-
tro, nao se poderia deixar de admirar sua perspi-
cacia.
Com efleilo, nesle globo, cujo dimetro a;lo he
maior que a quarla parla a|| djjju, ba moiilanliai
que podem sutlret a couiparac^rew* o que conhe-
ceroo de raelltor Detle gei**o. laes sao as mou-
laubas seguale :
Dorfel lem de allura 7,liU3 metros.
Newlon 7.864. Wk
(>*alu* 6,95b.
Curlios 6,709.
Mas veja-*e o contraste '. A la lio rica em picos
gigantescos nio tem, segando o Sr. Pompolia de
Cuppis, senao urna atmosphera de urna leuuidade
extrema, a he precisamente etla despropnreflo eolre
a allura da alroospbera a das moiicMhas, que ex-
plica e faz acabar o detaccordo que la enlre as ob-
ervaces do astrnomo italiano e as de seu:
deceasoret.
A altura da atmosphera terrestre oao esla
perfrilamcate condecida, roas he sem duvida pelo
menor de 10 a 12 lernas ; ora o da la seria quao-
do muilo de 580 metros e talvez de*cese a 43
melros.
Emquaulo a almosphera terrestre excede rouils
legoas o come dos noso picos os mais elevados, a
almosphera lanar tena pelo contrario dominada em
mui grande aliara pelas monlauhas daqoelle globo.
formando libas e*carpada no meio ,do oceaoo
aereo.
Por bizarro qae islo pareca, uada ha Uo potsivel
e a loa fazia aqoi a exacta contra parle de Pallat.
esse pequeo pUnela. cujo diamelro he de Irinlt e
duat leguas, e que todava tem urna almosphera de
oiloceuios kilmetros de altara.
Devenios dizer que o Sr. l'ompolio de Cuppis
nao' he o primeiro, a cujo espirito se apresenlou a
hvpolhese que precede ; e por exampi adiamos uo
Aimuario da secretaria das longitudes para o au-
no de 1842 a ph"se srguinte, em que Mr. Arago
faz allutao a urna de suas noticias : Devera notar
estas observares nao leriam efllcaci*. te a ai-
ra lanar nao exceSestc as summidades das
nlu de que o aslro est coberto d ( pag
346..
Seja o que for, nem por isso se deve deixar de
explicar como om raio de laz, que vem locar a bor-
da da loa, pode, segundo' os catot, ser op nao re-
frangido.
Com efleilo, *e o raio loca urna monUnha, eal*
excedendo a carnada atmospherica, o raio nao he
incurvado.
Se pelo contraro o raio pas* janlo du nivel ge-
ral da loa, velo menos 400 a 500 melros de sua su-
perficie, encentra a almosphera, alravessa a e he
desviado.
Mas o primeiro caso deve apresular-se mulo
mais vetes que o segundo, c eis aqui porque. A
lu que Clearco chamava u o mais bello e o mais
lmpido eipelho em polido e em lustre que ha no
mundo, a lem sido pelo contrario terrfvelmenle
asilada, e e pelo pensaiacnto dividir-se-a eircuiu-
ferencia que oos he fronteira, em 360 graos, acha--
se que 5t oceupados por monl.ohas e 109 so-
menle por planicie*, valles e depresses mais oo
meos profundas, i
Dahi resolta que*% mo que ruf-a a extremdade
da la, deve enconIra-la com muito mais bquTn-
=
ve ediliciot de 66 metro*. t> pa*sa*.ein oitroot
que o* selenitas, araca* dstpraporcio marceda en-
tre at suat monlanhas e a saa almosphera, lea
sobre nos esta vantagem de podaren) elevar- ci-
ma da carnada de ar respeilavel que o* cerca, e sa-
bio o*meio de*e |ran*p<*tUrem e tlacionarroialU,
itlo na devo ser muito inis diflicil pira bUe* 1sap-
pondn-os feilos imagem de Deo) do que para nos
o irmos Irabalhar debaixo d'agua ao abrigo de am
sino pneumtico. Que partido poderiam elles tirar
dest* vantagem tile o que oao Bo* aveuturaremo*
a itidagar. Continuemos:
lia sem duvida moilo, poucas pessoas que aioda
peitsem qoe, dos globos innumeravei* que povoin
o universo, a trra he o nico habitado ; ma a pro-
babilidade do contrario, posto que eqoivalenlRA
urna certeza, nao tem aos olhos do maior numer"*
aoforidade de orna prova expernnenlal. A produc-
to desla faria o effeito de urna revelado ; a* in-,
telligeDcias lieariam revolucionadas, e o tmpulao .
que o espirito Jiumano receben da detcoberta da.
Amcriea apenas poderia ser posto em paralltlo com
oque Ihe imprimira adescobarla de tere* vivo* e
inlelligrute* em am globo diflelenle deste.
Pensamos que desla ou daquella maneira ter lu-
gar urna levelacao deale genero. Quitado venta*o
astrnomo e*crular a* torea* at aqui deeaheei-
dat, que dispe em unnel ou em espiral rite moulio
de poeira lumiafxa de quenada ataano he reprateu-
lado por aro col, e que itwtav retislido ao poder de-
cuinpuoenle do telescopio de llrrschell, nao pode-
mo-crer qoe o homem fique em urna perpetua ig-
norancia da que ce passa as regioes iiifiuiUmenW
mais approximadas dallo a em globos, aos quaet *o
se pode considerar intetramenlc esiranh. Grupa-
dos com a ierra, como em am archipelago flucteau-
le, em torno do metmo sol, e marebaado em har-
mona em procura dot deslinos desconbecidec, alias
forrrlam junios as tliversas cdade* de urna s repn-
blic, cojo tlro central c radioso he capital. Ti-
ro do progresso de nossos conhecimenlos em materia
de astronoma a consequencia desla eperur;a.
Os a'lrot nao nos foram coobae
po, secaio pelat leis mslliematicas, -t% raes obede-
cen! ; depois adquirimos a res|>eila> dalles alau noroes phyticat (exemplo : eslu la oplico das almos-
pheras do sol); temos lirado delle* aoeOe* metbeo-
ragicas i.exemplo : as nuvens de Jpiter, negaia*
polares de Marte; ; h >je a mineraloga dos eupaeos
celestes lem sua pedra de espera nos aerolilhes, a
geograpliia dos astros lem sea primeiro capitula ais
carias da loa ; finalmente eis.qae lord Bovinos
prometle para o auno de 1813 a geologa do nosso
satlite. Continuemos esta progresj-ao ; a loa
ojo eal deeherdada de seus serec vivoa,- c atlroao-
ntia lera logo sua bolanica e sua zoologa. Final-
mente o desotrvolvimenlo da vida naqoelle globo
lera, come em o nosao, sua cora em ama especie
inlelligente ? A historia n ilaval da loa v
go junr-ce tua anthropologa ;
da Ierra e da la tornaren-so i
Iros, aer "por ventura |
muilo lempo *em camm
1.aplace caleoloo... ni

mmente variavel e ealrava gante ;
> ainda
nam saas cabe;**
malo com lencos
lao urna banda fi
rupa doscavalle*
bagagens e ob
marero at toa* c
chosas franjas e
O indispensavel
mas troca* caca auas
proprio* para for>
ostentan) cipri
encarnada e verde.
parle inlatraale
_
tz allut;
ue eitai
lotpher
wntanl
lez* que rar**vea^^H
ca, fora do qae dentro de sua atmosfltara.
Nao s os casos de nao refracto devem ser tois
numerosos que os oulros, mas aioda a refraccao na
pode ter jamis seno fraqaistma, e leosla ama con-
sideris importante. Deve ter- frac, porque lie
proporcional densidade do meio, e porque a den
si.lade almospherica sendo proporcional gravida-
de da superficie do globo que ella envolve, a atmos-
phera lonar, qae cerca um aslro, onde a gravdade
he Irinla vezes menor que na Ierra, deve er trinla
veze* mais rara que a atmosphera terrestre.
Se as novas experiencias que vai fazer o Sr. de
Cuppis confirmaren) as que ja tem feilo, (Iran de-
mouslrado que a la He habilavel. Depois *e pro-
corar abe; se he habitada, a a certeza disto nao
lardara muito provavclmenle em ser oblida : deva-
ne coolar ela retpeilo com ot proeretsot d* pti-
ca. Mr. Guctelel escrevia em 1826 : a Com o au-
xilio dot*uielhores instrumentos, pode-se observar
este globo (* lu como se nos acliassemos somante
algumas leguas distantes della. a Em 1830. Mr.
Babiuel, escreve em um arligo espiriluo-o: nt vemos
a lu lio ditlioclameele como do alto dos Alpes se
yt os campos da Saina. O que est feilo da urna
boa idea do que se far.
O poderoso telescopio, com cajo auxilio lord Ks-
i fez laatai descoberlas adroiraveis em astronoma
estrellar, telescopio que cuslou 300.000 frs.. e pesa
l.OOO kUpgramos, parece ser excedido pelo do Rv

dele poni de vida ainda,quajtfrtedadtJJJ i*.xisleiJ Mr. Cralg. Se havia na la monumentos de um
>* V
dimensao goal *fJl| torres deNotrc Dama, nos os
VWUmoi; ma n*J se podeexair qe genle qae 6
tem am Kilmetro de ar cima de su* cabeca, ele1
Bachi Bazookt, o levam collocad* a*n lal dispon
que dcanc*asaa base cobrro hombro ecqnec-
do sobre rocaudo a orelh*.
V'Bo precedido* de um limbaleiro mai'vlaatro, o
qual leva duas tambores oa ditas de guerra colla-
cadas de ambos os lados docavallo ; esla* caita* ten
ama figura mui parecida ao* qoeijos redando*,
com ella* di o tocador lodos o signaes da atara)
avaucar, carregar e retirar.
O armamento, como todo o mais deste* irregula-
res, nao he uniforme : uns usam espingarda* muilo
compridat ou langas, alm de pistolas de qae todi
estao prvido ; oulros, tabres qae collocam por bai
xo da per na esquerda locando na sella. A maior
parle osam yataganes, cVn que os antiaos mostul-
manos recolham nos campos de balalha a oa san-
euiiolenle colbeita de caberas, e com que oblir
os premios e sinislros sorriso* do Pacha que prcti
dia ftinocao.
Mas a melhoria do%eu armamento he sem da-
vidaalanea. Naohenraadae tosca como he g
ramenle a da cavallariweurop*. qaal be nal
para o ataque em linha, oa quando por ama real
rada em desordem cada uro faz o que queh O
be sabe fazer melhor uso della* a saa lance
cumprida, leve, flexivel e penetrante ; maneja-
brande-a em lodaf s direc^oes cara destreja
miravel, girando com ella em volla da cabeca c
o faria com urna vergasl. No mais velos'4
rida cavallo,apanha com alance um annelfp
e finalmente quando llie^ouvm arn
ooi objeeto dado com lat cart
lha.
O turcos com os seus pesados e **|^^H
curvos raras vezes sabem fater uso da lanja, ao.pas-
so que esla as mao das Bachi Bazouks he a
nha das armas. He extraordinaria a sua habiHdaaV
para cavalgar.
He ceno que o homem mcis'desprezivei ao ver
este soldados extravagantes. cm setf aspecto sel -
vagem, brrot uus c queimdos, sen traje exotko
como ludo o que usan), voltaria a cabera com [
prezo : mas se o mais esperto e civilitado litera de
coropelirenv equiarao com o Baohi Bazouk, difli-
clmente saliiria airoso, e Irocar o seo desprezo por
oulro seiilimcnlo.
Para se poder julgar, diz o aulor desla ttoti
era preciso v los correr e gallopar. pelas plaaMos,
moveudu e dirigindo seus cavnllot em todas as di-
rccr;ves, niio parecendo homens mas sim objeclos fa-
bulososqueaumagtr.To ero sonlio uos aprsenla al-
gumas vezeap Todo o Bachi Bazoeefhe ardeata a
lerrivel. Entregue a si mesmo .nao tem ideas de
muralidnde; na sua cabeca nSocaoe a exitleucia de
ama lei que Ihe prohiba apoderar-e dos betis
alheios ; e be por isso qoe elle rouba c mala coui a
mesma impastibilldsde como se ao faxe-lo caaa-
pritse urna parte do dever qae a saa profissao Ihe
impe.
Toda a sua religiao *e reduz a pequeas pratitas
e algumas-orace, ea aborrecer sque rhamaa ia.
liis, e as abluroes. Daqai vem o serem o eanje-
mo personificado; ma* como ninguem Ihe altee
que islo be am crime, cousideram-o como urna vir-
tode.
O Bacbi Bazouk nunea se embriaga ; caf* agua
to as mas bebida, arroz e p.lo o ceu alimenl ; o
eu nico amigo he o cea cavallo ; dorme onMe lite
anoilece, Tudo isto faz que sejam incapaces de
disciplina; he preciso aproveita-los laes qoacHP*
oalra cousa heimpostivel.
Entre os servidos que preslain no exercilo, al-
guna sao excellenle* laes como os de vigas. Sao
mui a proposito para inquietar, e por em alarme o
inimigo, ameacar seut combovs ; epara tudo qnau-
lo praticain to exercito russo, os cossaco* ma no
se pode evitar nunca queroubem. qncintetU, a nia-
lem os feridos oinlefo-os que cabero enj.soas luios.
Ha lempos, duzentos ou Irezento amfk, "biram
da Eupaloria, e galopando para a esqfjJVda da pla-
nicie, cabiram repentinamente sobre os patios avan-
cadot do cmicos, arrojaram-no d'alll, e suttenla-
ram um vivo liruleio com os qu sihiram em au-
xilio daquelles; os cossaros pr lim foram repelhidos
e Ires u quslro que cahiram feridos foram cnasti-
natlossem piedade,
Um oflicial russo, desenfreiando-ie Ihe o cavallo,
em quanlo puznava par salvar-ce, vio se rodeado
de meia duzi* de Bachi Bazouks, o* aiiaes immedia-
tamenle o derribaram crivado de ferdas ; no mes-
;., jeja momento foi despejado de quanlo levava de l-
a* aSm valor, e laucaran) o fogo a seus vestidos qoan-
doanda respirara.
A* vottar da saa excurcJu> faziam ama aMptarr'i
tais lances, outrot tratiam

-


1

i.
terrivel ; oos brandia


I
.....aatfflHB
SE
BIMIO DE KRMIBUCO SttUMft FIM 76 Ot NOVEMBRO PE IM5
saceot 4a corarla, tarta* e oulrot effe ilos, alpont
traziem Tracas tomt-aM ios cossaros, owlros condo-
lan feiiet le fono, lados tra/iarn alajoina eousa, e
al foi vitto om com ion marmila ;| vasia. To-
dos srrlavam e eonversavam em illa -yoies, am dif-
forentts a poueo agradavet dialecto* a'r*bet,ao rajt-
ino (ampo qoe eolrM correado a lfH-
Uvbm Allali AlUli! coro' entb.usasruo.
Era om espeelaauio inesp/neavel. Enlre elle so-
bre sahia um jovah de viul* anuo, quanrio muilo,
com vislat de fogo, form>o8 e retorcidos bigodes
negree, a quera a aulor def la etboco leve occasio
de fallar ao entrar em Eupatorio, o qual em mi
liuguagf m larca referir/- parla que Ihe coube na es-
cara-naca. / t
Cita joven Irada/unta langa tirada aos cossacos e
diriga o tea cavaNo coro urna greca e ligeireza que
causara inveja ara msls consumado cavall-iro, Nun-
ca (ladee*! esqueicer, dii o unlor deste discurso, a
asp.tMo de b/iilal furocidade eslampada as for-
raeiiis fec6ej Jo joven, ao conlar que passou por
cia dot--viacos, que jaiiam flidos no casepo a
que aM mesratrtait>o irailava, riudo-se, os seus la-
merlos da agona e oVacabava de malar |a lira.
relalorio desle brbaro, era acoropauliado dos
alaridos des teuscompanheiros qae o adoairavam em
lodas as direcc,es,parcendo antros lanos demonios
subidos do inferno. .--
No campo em qw te pattaram as scananilue se re-
fer* poda distinguir-te o fumo da lavareda.ein que
arda o corpo do desgranado ollicisl rtaaso, siibindu
ao. areaa forma d'uina columna branca : massas de
cavaltaria msso. meio encubertas |>or iruiueiisao nu-
Jt PQ?ira e encaminhavaat por ama altura que
est pin detraz da Eupaloria sol com lodo o seu
brilho ilurainava 13o diner*oa ohjeclos, e nao po-
da liave/contraste mais competo enlre o mais for-
mse qu aalureza pode olfer-fer e o mais repug-
(spaitoet humanas, t* Turcos e Trtaros
a raceber os Basis Betouks ao iliriglreru-
se esUaaom os\depoy>s qae torearan) para quarleit:
em lodo o cautillo te ronnavui grupos qua ou-
avam de mil molos as respectivas
asido os autores A) semclhante ei-
cetesa como vertMnirus hroes.
Braz Tisana.
lal PRENSA
PERIDICA KA l.KAN-BHE-
lAPUj ~"^
Diario i iicymnlia.
Times. 59:000
Moroing-Adverrlser ti:6O0
Daily New...... 5:300
Morning Herald..... 3:30o
Morninoj Post..... H.tOB
Mornin/gGhroaicle. SS500
'y Diarios da farde.
Ma. ...... ,
Carne secca- Temos smenle 16,000 arrobas do
lliu tirando do Sul, da qual se
vendeu de tHKI a 59400 rs. por
arroba.
Firinha de Irigo- Enlraram nesta semana qualro
earrriaroentos : sendo 3 dos Esta-
dos Unidos, montando a 3,800 bar-
ricas e I de llespanha com 150 :
um dos carregaraentos chegados
procedente de Richmnnd foi ven-
dido por atacado a 34*000 rs. por
barrica. O consumo lera sido pe-
queo, e o niiTcaiio esta suprimo
com 13,000 barrica, a 700 saceos
de Valparaizo, tendo-se vendid,.
e<(a a -20 rs. por 6 arrobas ; a d,
Baltimoie a isOOO r.. de Phi
ladelphia de 369 a 27, a de New
York a 27, a de tienova, Rich-
mond e llespanha a 28, e final
nenie a Fontana SSSF a 303000 :
Falla-te em compras para ;i Eu-
ropa, porm no nos consta se ef
fecluas tifuebra Vendeu-se a 360 rs. por botija.
Pa'sas -------l<1en> ttt>00 ". a caita.
Qneijos.....dem de 13400 IJttiJO rs. os Ib-
an l mango.
vinhos Negociou-se urna partida do E-
Ireilo a preco occullo. Vendeu-si
o da Figueira de 2753 a 2909 's.
e os de Lisboa a 3005, 3109 a 3209
r. por pipa.
Uesconlo ... 8<>m alleraco,
r retes- Eslao mais firmes, effectoando-sf
as ultimas transac&es de 5'2|6 a ,V.
para'o Canal.
Tocaram no nns-o porto : 2 navios que se deli
nam pesca da balea, 1 da Australia, 1 arribado
cdm madeiras, 1 de bacalho, e 2 vapores.
Enlraram: 3 de bacalho. 3 com farinha de Irigo.
3 com gneros e fazendas, 2 com cascos, 2 em las-
tro, 2 com carvilo, e 5 com genero* de oolras pro-
vincias.
Sabiram : 5 com carregameulo de assucar para
porlos eslrangeiros, 2 com parle de carga para aca-
bar de carregar na Parahiba e Macei, 1 em lastro.
a o patacho sueco '. Tretnuden, que havia arri-
bado.
ru-aram tundeadas 64, a saber : 8 americanas, 21
bratileira*, 2 franceas, i dinamarqueza, 7 hespa-
nholas, 13 ingleze, 1 norueguense, 8 porlugneis, 1
sarda e 2 snecas.
PAUTA
do prepon correnl$ do ayucar, algodao, e mai*
gneros do paiz, que se detpacham na meta do
consulado de Pernambuco, na semana de 26
de notembro a 1 de dezembro de 1855.
Assucar em caitas blanco 1." qualidade (9
>, o 2.* n
n ii mase.........
i> liar. etar. Jirancn.......
o >i masca vado.....
ii refinado.........".
Algudo em pluma de 1." qualidade
2.' i)
Bll<
John Bu!
Brilannia. .
Courl Joarual
Wekl)
Weckly Tiojat
111:000 i
97:000
76:600
no Corlo.
co
'RACA DO RECFE DE NOVEMBRO AS 3
HORAS DA TARDE.
Gotttoes ofllciae't.
A-jucjr maicavado regolai2gl.)0 por arroba.
:y.a^colhido aiiwicago2250 idem.
..isAMIEi'.A.
Iroanto do dia 1 ai>3. .
Idam do dia 24......
3>ft:4l3802l
25:9129997
385:356t8
v '''
em caroco.........
Etpirilo de agurdente......caada
Agurdenle cachaca........
> da caniia....... i,
retlitada......... i.
rio reino.........i
tienebra
a
Licor .
. caada
. botija
. caada
garrafa
um alqaeirc

im
u
um
Afro/, pi I actor- duas arrobjpw
ii cm calla...... fj[
Azeite da mamona........caada
roendobiiu e de caco
a de saiie.....
Cacao,........% .
Ave araras .....
papagaios'.....
Bollehas ...........
Biaeoitot..........
Caf bom..........
o resslollio........
com casta.......
a uido .........
Carne ucea........
Cocos com casca ^. ..:
Charulos bous ..*..".
ordinarios ^. .
regala e primor
Cera de carnauba
em velas _m^
ccnlo
I
9.
v

Deicarreiam hoje 26 aV nocembro.
Barca ingieraBonitoo resto.
litigue talla*WeilingloH mercadorias.
^uglnu-rfar UowKbacilh.
americanaAzcliafarinha e laboado.
' amcricaoay. A. Hazardfarinha.
Sumaca licspanholao/anfannln, masas e
autaa.
i americanoScuiadiversos seeros.
ericano,1/oAo.i II. Comeryuboado.
i bratileiraHorttiuiamercadoiiat.
0!NbU4.Aim tiEHAL.
landimanlodo dial a 2J. 46:6719929
dem do dia 24
1:246>388
47^)189317
1IVE11SAS PROVINCIAS.
Raudimsntodo da 1 a 211..... 1-9599580
dem do di J....... 3(940
1:9639520
Exporlacao .
*hiH, liiale bratileiro Cast>oo, de 53 toneladas,
iauio o icguinie : 221 voluraes gneros eslran-
:% pipas e 2 '; ditas, 56 harris, 4 toneletes,
arlolns azeite de cirrapato, 11 rolos salta.
jviiriaul por Maceil^ galera inglea Medoran,
.uoeladat, cooduzio o teuuinlc : 2,800 sac-
,000 arrobas de assucar, 800 arrobas de
iverpool pela Paraliiba, barca ingleza Norval,
1339 toneladas, conduzio o teguinle : 982 bar-
i bacalho, 1,144 pt de laboai de piuho.
I e partos do continente, barca porlugueza
' da Main, de 220 toneladas, conduzio o se-
: 3,800 taocot com 19,000 arrobat de as-
aKar.
BBUOR1A DE RENDAS INTERNAS GE-
BAES DE PERNAMBUCO.
Imeato do dia 1 a 23.....14:6758609
dem do dit 24...... 5I6;842
15:1929451
consulado Provincial.
Rcudimento do dia 1 23..... 36:3579"
Ida* do dia 84....... 87;
37:2309919
*i, ii
*'
O DE 1855
Algddit -
DE NOV
S DA TA
tunamil.
____ Fsaque do ullimo vapor feza-
i te a 27 Jj* i. por lj. pn-ro
que te lornoo liruii ; porcm de-
pois negociaram-te alsomaa lel-
Iras a 27 3,4 d. por 1 a 60 d. v.
- Enlraram 924 tarcas, das quaes
orna partida de Planeo e lVje
oblsve 59S0U rs. por arroba, tan-
lo pela sua superioridade, como
pelo bern eatacameuto ; < onlra
partila mais inferior a 59300 rs.
j- ,a ^p^P^P^Eas oulras venda* regu
de 4it8QOa 59200 rs. por
arroba.
Assucar A entrada 4em tido mais avullada
do qae cottumava ;m mez igual
da oalraa safras, o que alliiluiinos
ao prefe, tanto mais que nunca
veiu ao mareado tanto a-sucar bru-
;' lo. Os precis foram mais fracos,
aa> fe\jindo-se o offeref ido de 23300 a
29500 rs. por arroba 1I0 mascava-
do e broto ; a de 29800 a 43000
rs. por arroba do brinco, e a maio
ria da prara receia entrar no mer-
cado pela qua.i certeza de perila.
Couros- :-------Venderam se a 205 rs. por libra,
o falla-te lamucui cm 210 rs. dos
saceos taUailim,
A/cilaAloce- dem a 29200 rs. u galao do de
Mediterrnea.
BacalBK- O mercado rucebeu qoatro carrq-
gaiiieulos, dos quaes um foi \eu-
Unlo para a Baha entra 129200 c
I293OO rs. por baruca ; oulru est
em ser ; e os oulru dous obtive-
iam 129000 rt. O ovllente regula
por 11,000 barricas ; lendo-se re-
talludo de I39500< a 14-3 rs. por
barrica.
Bolacliinlius'- Veudeu-se a 69000 rs. a barri-
uHiha.
aem a 19780 rs. por libra do
Hjsoii.
Caf ------ Vmdeu-se em leilo cerca de 800
uceas do Rio de Janeiro a 59100
ra. por -arroba, do que levava o
brigua sueca Wiliam TretMgfn,
que aqui enlrou rebocado peto va-
por ingle'. Avon, eru conseqoencia
^^ de 9 lar encontrado desarvorado,
na vlagem que fatln p Sto-
" oaJiolaa.
Cobre rr%>.i ma*
Couros de boi salgados
verdes........-.....
>i espiados......... 11
a" de ouc,a..........
a cabra curtidos.....
Doce de cala*/......JK ... '
i) >) goiake '.....^T ...
tjgj tecco ,............b
jal".............
Esldpa nacional.......... 3-
)> eslrangeia, imo d'obra
Espanadores grandes.........om
a pequeos....... 1
Farinha de mandioca.......alqueire
o n milho...... \ (g
aramia ........ n
F'eijao...............alqueire
Fumo bom ............ 1$
ordinario ..........
em follia bom........
1 ordinario.......
reslolhu........
Ipecacuanha............
tiomma..............aiq.
tiengibre............. t$
Lenha de acliat grandes......eenlo
11 11 pequenaa ..... u
i> > toros .... ...->.
Pranchas de amarell de 2 costados urna
o b lonro.........
Costado de amarello de 35 a 40 p. de
c. e 2 y a 3 de I.....
de dilo usuaes .
Cosladinho de dilo .
Soallio de dil.....
Ferro de dilo a .
Costado de louro '.
Cosladinho de dito .
Sonido de dito...........
Forro de dilo.......' .. a
>) cedro..........
loros de tatajuha .......quintal
Varas de parreira......... duzia
agailhadas........ a,
a 11 quiris..........
Em obras rodas de sicupira para c. par
eixos )i i)
Melacp...............caada
Milho 1.........: ; alqueire
Pedra de amolar ......... urna
u filtrar .'......
u rcbolos.........
Ponas de boi...........ceulo
Piassava .............molho
Sola ou vaqueta........... meio
Sebo em rama......l
Pellet de carneiro .... 7Q. urna
Salsgbarrilba...........@
TapRetJ^,............ ;,
1 nha>de boi
Sabilo .
Esleirs de perperi........ama
Vinagre pipa.......',
Cabecas de cachimbo de barro. milheiro
9
.
9
39600
2*100
39840
59400
53OOO
43600
19-150
9650
9400
3480
3480
3650
9580
240
9580
9210
58200
13280
9640
29240
13280
.000
105000
35000
79000
89960
43500
39OOO
39300
69400
59OOO
3>siu
19400
3OOO
29100
109000
129000
9160
9200
9100
9200
159000
9240
" 9200
9160
3360
9280
19280
19000
29000
19000
19600
29500
39500
69400
109000
69000
89000
59000
43OOO
389000
39OOO
19500
29IOO
3900
103000
189OOO
149000
em comprmanlo da ordera do Eim. Sr. presidente
da provincia de 12 do crrenle, manda faier publi-
co que no dia 6 de dezentfcro prximo vindouro,
vai novamenle a praca para ter arrematada a quem
por menos flzer a obra dos raparos urgentes de que
precisa o acule de Caruarti avaliada novamenle em
1:2149400.
E para constar a quem convier se mandou afliza
o presente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 20 de novembro de 1855.O secretario, A. F.J
d'Annunciaco.
Wllm- Sr> '"petlor da thesouraria provincial
m cumprimenlo da resolucgo da junta da lazenda
manila fazer publico que no din 13 de dezembro
prximo vindouro vai novamenle a praca para er
rremalada a quem por menos fizer a conservadlo
oermanenle da eslrada do tul, avaliada em reis
i.1009000.
A arrematado ser por lempo do 10 metes i coo-
ar do 1 de Janeiro de 1856.
> E para constar te mandn aOixar o prsenle e pu-
blicar pelo Diarto.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
ouco 20 de novembro de 1855.O secretario, A. F.
l'Annunciacao.
O Illm. Sr. inspector da theaouraiia (provincia,
m cumprimonlo do j-eolucao da junta da fazenda
naiida fazer publico que a arrematarlo do pedagio
la poni de Tacaruna foi transferida para o dia 29
do correle.
E para constarse mandou aflixar o presente e pu-
blicar pelo Diario. .
Secretaria ,la thesouraria provincial de Pernam-
buco 22-de novembro de 1855.O secrrlario, A. P.
la Anunciacao.
DECLARADO ES
CONSELUO ADMINISTRATIVO.
Oronselho administrativo; em cumprimenlo do
arl. 22 do reg. de 14 de dezembro de 1852, faz pu-
blico, que foram aceitas a propostas de Joaqun)
Jos Das Ferreira e Honorio Fiel do Nascimento
Feitosa, para fornecerem :
O 1., 1,079 etltiras de palha de carnauba, a
240 rs.
O 2., 1,000 pares de sapalos fcilos na provincia,
a I38OO rs.
E avisa aos supra lilus vendedores qu devem re-
colher os referidos ohjeclos ao arsenal de guerra
no dia 26 do crrente niez.
Secretaria do conselho administrativo para forne-
cimeulo do arsenal de guerra 23 de novembro de
1855.Bernardo Pereira do Carmo Jnior, vogal
etecretario.
BANCO DE PERNAMBUCO.
O Banco pe Fernn'buco continua a to-
mar Iettr;is sobre o Rio de Janeiro, ea
lacar contra a inesma prara. Banco de
Pernambuco 10 deoutubro de 1855.O
secretario da direccao, Joao Ignacio de
Medeiros Reg.
-A capitana do porto de conformidade cotjf as ins-
lruc(0et mandadas observar pelo decreto n. 1581 de
li de abril do correle alinn' convida.a lodos os in-
dividuos que se queiram voluntariamente alis-
tar 00 servico da armada, a comparecer na mes-
ma capilauia a huras do seu eipedieflfa, bem romo
os que mediante a competente ui\iii8ae*o queiram
agenciaroniesmoalislamentu, sendo, pelas ditas ins-
truccOes, as gralilica^fies e premios que se oflere-
cem, tanto aos agentes como aos alistados, os prazos
por que estes leeni de conlralar-te, o lempo que de-
vem servir para oblar escusa do servico militar,
os sidos que percebem n'um e n'oulro caso, e as
oalras vanlagens qae as leis concdela, como srjain
soccorros d'atilo de invlidos, o augmento successi-
vo de vencimenlos, c a relorma ou soiiq.Iu do ser-
vico activo, com toldo inleiro ou proporcional con
forme as suas pracet na mariuhagem, ou nos corpos
de marinlia, pela maneia aballo declarada :
l. CI.ASSE.
Mariuhagem servindo sem lempo determinado.
Devem ser forles, sao, e acoslumadot a vida do
mar. Servirao o lempo quo quizerem. Vencem Je
toldo por mez, 203000 rs. os de clasie superior,
I85OIKI rs., os primeiros mtriulieiros, 159000 ris,
os segundos ditos, e 103000 rs. os grumetes*.
Nada receben) a Ululo de premio ou gratificado.
Terdo guia de desembarque, prevenindo dous mezes
ante ao cnmmandanle respectivo, que Ihe ser in-
mediatamente dada, nao haveudo n'islo incooveui-
eula par o servjrro.
Exhibir-se-ha aos que loreni naciouaes urna re-
salva, entregue com a guia de desembarque, decla-
rando que a conlar da dala da mesina guia sao isen-
tos do recrulamenlo por lempo de um anuo, ou por
lempo igual ao que liverem servido uos navios do
Estado, se esle prazo for menor; isciicjMtmenle
suspeosa no caso de circumslancias extraorainarias.
Sendo naciouaes compele-lhes asylo de invlidos
concorrendo para elle com um diade sold por mez.
0< eslrangciros tambem podem ser admittidot aoeu-
gajamenlo apreseuUndo documentos do respectivo
cnsul declarando acharem-se desembarazados do
servico da respectiva nacao.
2.a CI.ASSE.
Mariuhagem ser rindo por um a tres anuos.
Devem ser fortes, saos, e acoslumdos a vida do
mar. Servirao o lempo de seu contrato vencem
o'sold por mez j cima declarado. Receberdo
pelo engajmenlo os premios seguinles : sendo gru-
metes, 10,'22. OU343000 ris, segundo se contrata-
ren! por uro, dous, ou tres anuos ; se forem mari-
nheiros 20,45, ou 703000 ris, e rereberao mais a
grttilicaao de 49000 ris os estrangeiro, e 53000
ri os naciouaes, apresenlaudo-se directamente para
o alislamento ^gratificacao esla que nao se abonar
repetidamente ao n.esmo individuo porcada novo
contracto soccessivo qae fuer nao sendo, este por
mais de tres aiuio. Os premios referida* jer-lhes-
hio pago Integralmente no acto de assaJHki pra-
ca se o alislamento for por um anuo : fa^por dous
ou tres auno em tres preslacoes iguaes, a 'primeira
no lim de 10 ennos de servico, e a metade do dilo
sold depui de 16 auno. Compele-lhes mais a re-
forma depois de 20 anuos de servico, 9 teem direilo
a baixa 00 lim do lempo que se declara deverein ser-
vir, '
Soffrem o disconlo no lempo de seut engajamenlos
daquellequepassarem em pristo cumprindo scnleu*
c-i. e perdem as vanlagens do premio, e as-im o lem-
po do servido anterior quando por ventura deser-
ten).
. CI.ASSE.
Sercindo no Hatalho Saval.
Devem ter os requisitos da 4, classe, sendo pnrem
a idadede18 at45annos podendo-se admiltir eslran-
geiros mediante previa autorisacao do goveroo.
Servir 6 anno, pelo menos, com o sold diario
de 5*0 reis, os I. sargentos, 330 reis os 2. ditos,
120 reis os cabos, e 100 reis os soldados* Rccebem o
premio de I.V'9000 reis se n.lo forem inaiores de 10
anuos, e o de IOO9OOO reis te liverem mais desla
idade, pago conforme est estipulado para os volun-
larios de 3. classe.
Teem direilo as gralihcac,ue designadas as leis
do exercilo, no caso de reforma dot conlralos, e a
vencrem mais eslaudo embarcados os 1. e 2. sar-
gentos a qurta parte do sold, e os toldados toldo |
dobrado.
sido annuuciado, (ira transferido para terca-feira, 27
do crrenle, as 10 horas da mauhaa imprclerivel-
meute, no armairmdo agento aun uncante, silo na
ra do Collegio o. 15, aonde os enhores pretenden-
tes aos lieos cima declaradot, que quizerem alguna
esclarecimenlM acerca delles, podero se entendeaft
Henrique Broun & Companhia larao leilaTo,
por intervencao do agente Oliveira, de grande e va-
riado sorlimento de umidezas e de ferragens finas,
muilo vendaveit;' egunda-feira, 26 do crrenle, as
10 horas da maullan, no seu armazem, roa da Cruz.
O agente Borja far leilao, por autoritacao d
Illm. Sr. l)r, joiz de direilo da pi uncir vara do ci"
vel. Silva t iuinmaes, conlnrme o seo despacho pro-
ferido em requeriiuenlo dos henlciro de Joao lis
piranse contra Jos Duarle Kangel. de arios objec-
los de ouro.prala e diamante* de ditrerenles qualida-
des : terca-foira 27 do crrenle no sen mmazem oa
ra do Collegio n. 15. depois 1I0 leilao dos hens do
fallecido Caetano Pereira ti-oncalves da Cunha.
'21
Compele-lhes asylo de invlidos concorrendo par'1
elle com um dia de sold por mez. Compele-lhe
mais a reforma depois de 20 anuos deservido, e oh-
leein a baixa preenchido o lempo que se declara de- I
veremservir.*Sofl'rein o disconlo no lempo de seusl
engajamenlos do que liverem em prisao cumprindo
senlen^a, e perdem as vanlagens dO'premio, e atsm
o lempo de servico anterior, quando deserten).
6. CLASSE.
Menores aprendizes marinheiros.
Devem ser cidadaos brasileiros de 10 a 17 anuos
de cunstruccau robuila, e aproprailo a vida do mar;
podendo-se admillir menores de 10 annos leudo sof-
Ucienle desenvolvimenlo phisjco para os exerciciot
do aprendizado; Rerebem o premio de 1009000 reis
pago de promplo integralmente aos pas, tutores, ou
quem soas vezes fizer.
Passam a grumetes logo que liverem a idade de 17
anno, contando d'ahi em dianle o lempo do servido
para oblerem a baixa como qualquer ollra pra^a do
corpo de imperiaes marinheiros. t
Vencem mcnsalmenle o sold de 330C0 reis, e
compele-Ibesat\lo de invadus concorrendo elle pa-
ra com um dia de sold por mez. E nao leva-se-lbes
em coula no lempo doengajameulo oque pastaren)
em prisan cumprindo scnlenca, e. perdem quando
descren), as vanlagens do premio, e o lempo de
servico anterior.
ratilicacao aos que se propozerera) a alistar vo-
luntarios para a 1. at 5." cla-set. --,
Receberao por cada um idneo 49000 reis se for
astrangeiro, e 59000 reis sendo nacieoal.
Capilania do porto de Pernamliuca, em lo de no-
vembro de 1855.
hliziario Antonio dos Santos.
Capilno do polio.
MARTIMOS
O agcnle Borja fari leil.ui em seu armazem,
na ra do Collegio n. 15, de nina grande qtiantidade
de obras de marcineria 'novas e usadas, como bem
sofas, cousolos, m> sa redondas, cadeiras, commodas,
guarda roupas, guarda louca. lavatorios, (aparado-
re, marquetas, carleirase mocho, ele, etc., varias
obras de miro e prala, relueios para rlgibeira, vidros
e louca, urna grande porreo de miudezat de diver-
sas qualidade, c outros inuitos objerlos que se a-
clm.o patentes no mesmo armazem, os quaes se
entregaran pelo maior prero ulferecido, quinla-feira
29.do correte as 11 horas da ma ulula.
AVISOS DIVERSOS.
AVISOS
Para o Rio de Janeiro
segu com breviiade o bem conbecido,brigue bra-
tileiro Damao ; para o resto da carga, pasageiros e
escravos, para o que Um excedentes coinmodos, tra-
la-se com o consignalario J. >. I). F., ou como ca-
pilao a bordo. 1
CO.MPANHIA DE NAVEGAQA'O A VA-
POR luso-brasile'ira.
M. B. Ro-
drigues, a-
gente desla
companhia,
declaa que
b vapor. I)
.lirto II,
esla deve-
c h e g a r
e 27 para
28 do cor-
rentc, ese-
guir-se-ha
em Sun partida, u que ja se anu'unciou.
Para o Aracaly segu em poucos dias o bem
couhecido hiale Capibaribe; para carga e passagei-
ros. Irata-se na ma do Vigario o. 5.
PARA O MARAMHAO' E PARA'
Sabe com brevidade pdV-ter maior.
p&rteda carga a "barca brasileira Bri-
lliante : para o resto trata-se com os
consijjnatarios Nova es &.C., rita do Tra-
piebe n. 5i primeiro andar.
t090flm"tisfe'la co"10 "u P'*a**ro CJV>, a segunda quando
inlnnn 1"
ceulo
109000
89000
tijOOO
:t9500
79000
69000
39200
29000
39OOO
13280
13600
43920
l-S(l
443000
20-1000
3200
29000
9640
69000
9800
49000
9320
29400
5ft200
9240
179000
49000
3210
91*20
9160
:I09000
53000
Baha.
^^H
eocido raeladedo prazo .lo conlralo, ca lerreira
lindo o mesmo praio.-lendo naciouaes compele-lhe-
o asylo de iuvalidotajBncorreiido para elle cojn um
dia de toldo por merT**
Nao leva-te em conla para o preenchimenlo dot
prazot do alislamento, 00 contrato, o tempo que pas-
taren) au'hospital, e nem o deprisao em virtude de
tentenca, sollrendo de mais a mai o quo desertar a j qnim Ramos a Silva, na ra da Cadeia Velha do
parda das vanlagens do premio, e do tempo
servico anterior.
Vai seguir com brevidade o hiate na-
cional FORTUNA, mestre Joaquim Jos
Silveira, tem grande parte do seu carre-
gameatoprompto: para o resto, trata-se
comros consignatarios Antonio de Almei-
da Gomes &C., na'rua do Trapichen. 16,
segundo andar. -^
Companhia Brasileira de Paquetes a
Vapor.
O vapor Im-
perador com-
mandante o l
lente Torre-
tao, espera-se
dos porlos do
norte em 27 do
crrenle, de-
vendo seguir
para os di tul
no dia seguin-
te ao da sua
chrgada : agencia na ra u Trapiche n. 40, segun-
do andar.
RIO DE JANEIRO.
Segu no dia 28 do mez correle o patacho Bom
Jess, recebe carga e passageiros : a Iralar com Cae-
lano Cyriaco daC. M ..au Indo do Corpo Santo n. 25.
Para o Rio de Janeiro, segoe viagenro ber-
gaulim nacional Despique de Beiris, capitn Elizeo
de Aaujo Franca, al o dia 8 de-atfzembro do cor-
rente e por ter duus tercos de carga pronta, e para
o reto da carga miuda, escravos a fele e passagei-
ros : tiala-se com o consignatario Manuel Joa-
MOVIMENTO DO PORTO.
iVactot entrados no dia 24.
Boenos-Ayres35 dias, briguehetpanhol Barcalo,
de 239 toneladas, capitao Jos Fonrodona, eqoi-
pagem 13, carga vatilhame e lastro ; a Vi uta
Amorim Filho. Chcguu honlem a lardinha.
New-Bedford56 dias, barca americana Cavaheru,
de 290 toneladas, capiau E. Nickleton, equipa-
gem 32, carga pelrechos para a pesca ; ao cap
lu. Veio refrescar e seguio para a pesca.
Havre26 dis, gabra franceza Emma Malhildcn,
de 292 toneladas, capitao Houdrl, equipaKem 37.
carga fazendas o mais gneros ; a l.asserre & Com-
pauhia. Passageiros, Jo3o BapUila Portal, Ar-
relche, Luiza Wolichard, V. Souvage, Jules Elien-
ne Uiraw Prelre. Juln Lasterre.
Fortune Bay37 'lias, brigue inglez Delphinn, de
193 toneladas, capilo G. Norman, equipagem II,
carga bacalho ; a Mr. Calmonl & Companhia
Nados sonidos no mesmo di:
GenovaBrigue tardo aRimac, capitao G. Garsin-
adla, carga asucar.
Slockholm Brigue tueco nWm. Tersmedto, capi-
tao J. Sventson, carga a mesmt que Irouxe.
Canal pela ParahibaBrigue inglez Speavii, cap
lao Heney Ropcr, em lattro.
Liverpool por MaceiBarca ingleza aarh Anna,
capilio F. i. Rizi, carga assucar.
imt*
'
O Illm.
Sr. inspector
Os eslraiigeirosiambem sao admitiidos a engaja-
,menlo apreseolando documentos do seu consol de-
clarando estaremdesembarazados do servido da res-
pectiva nacao.
3. CLASSE.
Marinliagcm terciado e seis a oilo annos.
Dtveio ler os requisito dot da segunda classe, ex-
cepto a pralica da vida martima, pelo qae e com
mais de 40 annos nao teem augmento de premio es-
tipulado aos detla classe conlralaudo-se como os da
segunda, na piaca de grumete, ou mariiiheiro. Ser-
virao pelo lempo de seu conlralu com o sold dot da
segunda classe.
Rccebem de premio o marcado para os desMtJas-
se com o augmento da quarla parle coniorm*fl&tca
que Ihes compelir, distribuida pela maneira JPin-
te : ler^a parle logo que teidlo ssenlado prac.a, ou-
Ira-lenja parle no lim do primeiro aono de servisu,
e o restante findo o prazo do aliitupeolo oa euga-
jamenlo.
Teem direilo a gratilicar3o de apretentacao, e sen-
do nacionaet compele-lhes o asylo de invlidos con-
correndo para elle com um dia de toldo por mez.
O disconlo no lempo ilu en^nj-ataenlo da-
ue esliverem em prisao cumprindo tenlen-
mbem a perda das vautagena do premio, e
uipn do -ervico anterior, no caso de descriaren!,
ilraugeiros tamhem podem ser engajados Al
apresentarao de um docuaiculo do sau cnsul de-
clarando estarem para istalfctemharacaclosdo servi-
cio da respecliva nacao.
i. CLASSE.
Sercindo no corpodoimperiacsmarinheiros.
Devem serliomeusda vida' do mar, de I!S a 35 an-
uo, ou ale 40, culada is brasileiros, l'jile, to, e
capazes de todo o servico. Servirao "lo anuos na
praca de grumete; i,o passando dentro do primei-
ro a classe de marinheiros, pois n'esie cato beso-
mente 6 anuos o lempo do servico, Vencem toldos
por mez: cabo de marinheiru I63OOO reis, e 189
reis embarcados, primeiros mariuheirdi ISgQOOreit,
e 149000 reis em|aa,do.-; segondosdilaitOJOOO rs;
terceiruililos SMWreis; eot grumete .ri300f>ails,
em Ierra, e 73000 reis, embarcados. Alion-an^iei
por pi einj do engajamento 10|*}000 .reit, te forem
marinheiros, e.liOKK) reis sendo grutatei
das voraularius da 3, classe. Compele-lhes
liivalfam coocorrendo para elle corn om
rsoldo popqps, e mais ama grallflcaco men-
' *am* m** F*ti d f^9'qa*
ta
E
'O
m
No da 28 do correnle se deve arrematar em
praca publica do Dr. municipal da 2. vaca, o uao "?." *
froto do sitio e casa no lugar do M4n*gunrr%(|fnSo- Boa-Vista ni- *B t 08
rudo a I). I.auriann.1 Rusa CaTulida Reiiueir, por
eiecu^ao do conde de Farroho, cuja praca lera logar
na tala das audiencias depois de linda ella.
da as tojas do costume, e no aterro da
Recite 21 de no-
vembro de 1853.O cautelista, Antonio
da Silva Hu maraes.
PUBLICACAO' LITTERARIA.
Sabio luz o Manual do Bstudante de Ijttim,
dividido em duaa parle*. A primeira conlm aro
compendio de grammalica latina, etlrahido dot me-
more que se tem publicado: rom prebende at qoa-
tro grande divisoes da grammalica-t*t*""molnga,
tyulaie, prosodia e orthographiae traslade lodat as
regras e e.cepc,o**-a mai precita, seade cada ama
acatas parles enriquecida de copioaat nou eipoataa
em ordem e ao alcance de todas aa itjKligenciat;
formando a tetlo um volme menor do que o da
arle do padre Pereira. A tegunrla parlo cont
rri> iluilogia ou historia da anliga religilo da*afgot
e Romanos, e um breve tratado do coslumes^cere-
monias, lano civis como religiosas dM**1finoa Ro-
mtno ; um volume de mai de 300 pagina em %.:
acha-se a venda na cidade da Parahiba, Ka loja do
oa
cife ou com o capilo na. praca
PARA A BAHA
pretende sabir uestes 8 dia a muilo veleira sumaca
Vcional llortencia. a qual lem parlade tea carre-
nirntu promplo ; Tiara o reslu e najJMciro, Ira
la-secom seu consignatario Anlouial|^p|a Oliveira
Azevodo, ra da Cruz n. 1.
Para H guinte semana a barraja Carolina, u para o resto
da carga e passageiros para o quaes lem ptimos
coinmodos, Irala-te na roa da Cadeia do Hectfe,le-
ja n. 56 de Francisco Custodio de Sampaio.
Healc nipanhiadepaque-
tes yiglezes a vapor.*
.\ o I i ni do me/.
mprra-e da
Europa um dot
vapore detla
companhia. o
qual depoS da
iercoradoj^s-
me legWr
. rao sul: pa-
ra pa>sageiro
ele, Iral.i-se com os agentes Adamtnn, Howit rS C,
oa ra do Trapiche-Novo n. 4,2.
Para o Cear segu o hiate Correio do ,\orte ;
recebe carga passageiros: Irata-se com Cuelan
Cyriaco da C. M ao lado do Corpo Sanio n.25.
Para Lisboa,a galera portugueza Jo-
ven Carlota, capitao Botjjajntuia Borges
Pamplona : para carga e ajaT^sageiros, tra-
se com os consignatarios Novnes & C.^rua
do Trapicbe 11. 5i.
LELO ES.
O agenta Borja, aulorijado pelo Illm. Sr. Dr.
joiz de urphaos conforme o seu despacho proferido
no rc.q-.ierimeolo do lulor dos orpliHus llhos do fal-
lecido Caelano Pereira Gmicalves da Cunha, em pre-
senca do dito Sr. juiz, coiislinuar o leilao de alguna
bens ja annuuciado-. perlencentes aos mencionados
urphaos, a' saber : diversas obras de brilhanle e dia-
maule, enlre a quaessnbiesalieio 2 riquissimos an-
MHfc allineles de peilp o holes para abertura,
una grande quanlidade de obras de ouro como bem,
IraiieeRna de lilagraua muilo ricos, allineles de pei-
Mpl corosi^Bpl.ndari,> e-ellas paia imauam, c oolras
Sira.-, diversas |iecas ,ie prata como beir,,
is^ollieie-, cislicaes, bacias e jarros, eslribo,
fm esporas, urna lira bandeja sranrMMHc., tobrus
gaf TO engenho Coqueiro, na eomarerde Sanio Aniao,
e o cnguiiho d'agua deuuininado ajniuucaia. na fre-
guezia de S. Lourencoda llalla, poa^ftndo ser ven-
dido a prazo com desabriga dos credores, no com fir-
ma)*? negociareis nesta praca. O leilao cima n8o
pedendo ter lagar qart*Keire, 24, coofonnaUoha
Irmandadedas almas do Kecie.
Ien-a-feira 27 do correle, a irrpandade das Al-
mas, erecta na matriz do Carpo Sanio, da 160 rs. de
esniola a todo e qualquer pobre que comparecer em
dilo dia no olllcio que a mesma irmandade prelemle
fazer celebrar. Joaquim Lopes de Almeiila.es-
crivo.
O solicitador Romao de Souza Lisboa madou a
sna residencia para a ra da C.uuboa do Carmo, pri-
meiro andar do tobrado 11 19, aonde pido ser pro-
curado para os negocios tendentes ad sen emprego.
O abaizo assignsdo, leudo sido deshumana-
mente aposentado do lugar de lerceiio escriplurario
da thesouraria da fazend desla provincia, tem
que o livesse pedido, o antes de baver cumpla-
lado o lempo .f*M-tMrcirio necessario para fruir o
mesquiulio urdeal^fc que venca, lema tatitfaco de
derlarar ao paiz qae sua consciencia nao o ac
cusa de ler praticado um so aclo que mesmo appa-
renlcmenle jusllfiqae o aclo de que foi victima jun-
tamente com sua au pequea familia, a qual, no
dias em que Ihe fallar o pao, deve, em obrdiencia
ans preceiloa da religiao que cura o abaitc assig-
nado protesta, rogar mil bens aos enlet sumamente
bem fazejos, que, occullo, na irevas, prrparam-
Ihe o golpe que ferio-a de morle, que he muilo
mais doloroso ao abaixo assianado, porque o cous-
litue em circuslaucias de nao puder salisfaser os se-
rios empeuhosem que esla para com os seu nume-
rosos c.-edores, alias nimiamente han.loso, Ruuba-
do de ludo quaoio possqia no fatal dia 2 de feverei-
ro de 1849. em que arriscou em pro do llirouo e
das msliluicoes juradas urna vida bstanle avanca-
da, da qual nutras muitat dependan). Tendo ser-
vido ao estado puresparai de 53 anuos, e do modo
relevante, ja como mitilar-, em cujo carcter e-leve 9
anno na campanha de Montevideo; j como juit'
de paz da fregue'zia de Santo Antonio do Rente em
poca em qoe a semelhanle cargo etlavam dunetas
as funces policiaet, e em qoe a provincia passou
ppr 3 cominores por de mais serias; j como ajo-
danie rta ilirecloria do arsenal de guerra cabendo-lhe
a honra do quati tempre dirigir aquella reparljrSo
e a gloria de promptificar lodos os apresto para
a eipe-licoes que desla provincia id archa rain em
conjuncluras diferentes, para o norte e o sol do im-
perio, inclusive, e que muito uvullpu a que foi pa-
cificar a Baha, quando rovolucnnada por Sabino
e seus satlites ; j como ajudante do commissaria-
do fiscal do mim-ierio da guerra; ja como oflicial
da pagadoria militar ;j cerno escryvao mi mesma,
ja como subdelegado de polica j.i finalmente como
raplian de voluntarios ; sendo baleado no referido
dia 2. Nrslas circumslancias diz a infra assignado
etperava que em Ma de remuneracao c*niiuna, o
l'itasem gozar do mi-ero emprego qae Ihe coube
e,n paga de tantos e ftao repelidos sacrificios ; nao
torceden porcm, assim, eei-lo a bracos com a mise-
ria, no invern dos diat. e nuaudo nao pode appel-
lar, se 11.10 para a munificencia imperial ou enlao
para a mizericordia divina.
^ Joao Arcenio Baboza.
Candida Mura Proridonia, viuvade .Manuel
Jos Corroa Braga acha to piocedendo inveulario
los poneos bens que Ihe ticaram por fallecimenlo de
seu marido, csciivao dos orpho Brito, os credores
podem prepaiar sea processos para -crein pasos
pelas forcas da heranca visto que a-idio a beneficio
do iuvenlario aumesma heranca.
BANCO DE PEHNAMBl CO.
O banco de Pernambuco toma dinbei-
10 a juros, de conformidade com os seus
estatutos. Banco de Pernambuco 25- de
novembro d" 1855.Joao Ignacio de
Medeiros Reg, secretario Ja direccao.
D. Mara de S Albuquerque Almeida, viuva
do finado Jos Francisco Mmele de Almeida, pelo
prsenle declara aos credores do dilo seu finado ma
rido, que elle nenhunt bens deiiou alm dos poneos
M-asles de casa, e qjie ella passa a fazer a desrripcao
desles mesmos Irasles jieranle o juizu compeleii'lc,
-lim de fazer abstenerlo da parle que possa Ihe locar
a beneficio de inventario e dos mesmos credores.
O abaito astignudo, morador oa ra da Senza-
la Nova n. i, declara que nao lie elle a pettoa que
com n mesmo nunie fora presa pela subdelegada de
S. Jos, mencionada na parle da polica do Diario
n.269 de 21 do correnle; o aonunrianle espera que
eesa pettoa em plena liberdade annuncie sua mora-
da, porque deseja-se conhere-la.
Miguel Joaquim da Cosa.
Precisa-se de orna escrava para o servico de
casa : na ra da Pools Velha n. 1.
Aluga-so o terceiro andar da ros do Amorim
11. 29, por prec.0 commodo : trata-te no segundo an-
dar du mesmo.
"* Srs. redactores.Como se trataste na assem-
blca provincial da Parahiba, obre o coverno do
Exm. Sr. Dr. Francisco Xavier Paes Brrelo quan-
do pretidenle daquella provincia, c esa discuao
fotse dtda ao publico no Parahibano ni 10 e
II. ven lio pe. 111 -I lies que p,ra maior exteiu.ilo da
verdade e da sloria.que juslameule cabe a lao dig-
no administrador, se dignrm inserir em seu Diario
esta metma di.cus-flo, para cujo lim llie envi dilo
jurnaes a que me retiro, visto que o tea Diario be
maislidoCom islo muilo obrigarao ao teu assig-
uanle.......J.
Precisa se de urna mullier forra ou captiva pa-
ra lavar de Jaba o e engommar, e de um bom felor
para o collj)a da C-nceicao, na Tamariueira, em
Cru/ de Alaa, ou na luja do Sr. Ricardo, esquina
na flHBhl.
( Perdfca-siwonlem, 23 do correnle, de laJV
n um paWio da Capunga al o Poro, pela beira do
rio, volt.11.du pelo Moulero, mu relogio de ouro pa-
leuta inglez, caita coberla, n. 1493, com um pedaco
de correnle de ouro de esmalte azul, e mais um gan-
cho de ouro preso 110 dilo relogio. Para maior co-
tiheeimenlo tem escripto no mosliador Ron llo-kell
Liverpooj ; quem o achar e qoizer restituir, pode
enlrega-lo na ruada Cruz do Rtrife n. 21, primei-
ro andar, que er bem recompensado.
Quem annunciou precisar de 200S sobre se-
guranza de um casal de escravos, derija-se a dislila-
cao por delraz da fgreja d Sania Rila.
Aloga-se'uma pela propria para todo o servi-
co de urna casa, e sabe coznharc engommar: quem
a pretender, dirija-se a ra dos Mariv nos. casa do
coronel Salgueiro, junto a igreja.
Aluga-se o lerceiro andar da casa n. 53 da
ra da Cadeia do Recite, com commodos para pe-
quea familia : a tratar no segando andar da mesma
casa.
Manuel do Amparo Caj' & Companhia pela
ultima vez nvisam a us aniisos devedores que s
esperam pelo saldo de seu* dbitos al o lim do cor-
renle mez.poitque queriam poupar desgotln em de-
clarar os nunie- pelo jornal, porm a lei commercial
a islb no obriga para nao ficarem pie-i-nplu- os nos-
sos debilos. Aquelles dos nossot devedore que qui-
zerem pagar ou pastar ledras, dirijan) se a ra No-
va, luja i). IS. e enleiidiiii se com o Sr. Manuel do
.Nasrimeulo Vianna, que est aulurisado a recebar,
passar recibo e pagar. E na quadia peteme mais
que em nutra qualquer, por se achar o anuuncianle
desde selembro prximo pastado entregue aos cui-
dados de dou illusins e habis mdicos, provenien-
le de duat operacOes que sullreii em urna pernn pela
dilatarlo de orna rteria. Por esta mesma razao nao
lem o anuuncianle podido salisfazer seus dehilos em
lempo a seus credores, pelo que he cierna mente gra-
to por lerem elle atlendido a molestia do auriun-
cianle.
Qotm di 3003 a juros com penhores de ouro,
se dir oa ra estrella do Rosariu 11. 7.
Os bilheles inteiros os. 4610 o i 52 i iJjpUerla
do hospital Pedro 11, que corre no dia 28.pe(P:em
a Jcronymo Oulra e ao menor l-lavio Augusto Viei-
ra de Mello; lilho leeitimo du capitn Domingos
Adolphu Vieirn de Mello, os quaes bilhelcs esio
firmados 110 verso com o nenie do mesmo menor, e
licaram em poder de Jeronymo Dulr.i.
Aluga-se a loja de um sobrado silo na Passa-
gem da M-gdalena, 110 principio da Iravessa qoe
volia para o Remedio ; na ine-ma inja ctisle urna
Hiinacao com lodos os ulencilius do laberna em bom
estado, e vende-te por prero muilo commodo, lanto
para licar como para sahir ; os prelendeule podem
dirigir-se a ra larga do Rosario, paitara n. 18, que
acharan com quem tratar. Na mesma precisa-ac de
um bom padeiro que eulenda. per fe llamen le do tra-
fico depadaria.
Poco da Panella.
Na travessa da Saude ha sorvele as quarlai-rei-
ras, tabbado* e dominsot, e vesporas de diti-tanlos
, das 6 as 10 hora.
Aloga-se a casa terrea com sollo, na ?oledade
n. n r a tratar no peleo de Carmo n. 17.
*
as chapelioas
para sen horas.
He chegad praca da lndepeudencia, loja de
Joaquim de Oliveira Maia um completo e variado
sorlimento de chapelinas para senhotas, de muilo
boa qualidade e dot mait eapeciaea gotlot oe Part,
por precos maisem conla do que em nutra qnatquer
parte. Na mema loja se vendem chapeos de tfldae
at qualidade paru meninos e menina, lado gostot
proprios da fetta.
Augusto Carneiro Monteiro da Silva
Santos, doutor um medicina, pxieta' ser
procurado na ra do Aragao n. 19, pri-
meiro andar, ou na rita das Larangeiras
n. 15, das 10 horas da manliaa, as 2 da
tarde.
O Or. Diat Keruandes, medico, resid no
primeiro audar do sobrado da roa. Nova,'
esquina da d-, Sol : onde continua no ex-,
ercicip de sua prolisso.
LOTERA
DO HOSPITAL PEDRO lf'
Quara-feira S8.de no-
vembro andnii iniliiliiln-
velmeiiteas rodas da refe-
rida lotera, pelas 9^ ho-
ras da maullan, noe.-puco-
SO SiiIO dil Pila dil Pr'iHl*r* HufinoOlavo di Ci-tta Machado ; oa i
au iilld'l U.lIU.l U I" lIHaWrea, na loja do Sr. Manuel Jote da Silva fe na Ba-
n. 27: os meiis billietes epm7u^lASr' Car,Ml>uMe,i; p"<"
cautelas estao expostos ai c r*iSc iiiiatla^
venda ns lojasj conbe- x
ciJasdo respetvel publi-
co. Pernambuco '4 de
novembro de 1855. O
cautelista, Salustiuno de A-
quino Ferreira.
COMPANHIA DE BEBERIBE.
Previue-se aos seubores
accionistas da-compaa,,
de Beberibe, que o Sr.
caixa da mesma e'st auto-
i isado a pa^ar o 15 divi-
dendo, na razo de itff&OO
por accao. licife !5 de
novembro de 1855. O
secretario, Luis da Costa
Portocarreiro.
Quem quizer dinheiro na praca do
Rio de Janeiro,'j#3 dias de vista, entenda-
se com Antonio Jos Rodrigues de Souza
Jnior <|ue sacca contra aquella prj^ca :
u tratat na ra do Collegio n. 21,^pri-
meiro andar,
Precisa-sede urna ama deleite: no
hotel Francisco.
A' pessoa que annunciou precisar de urna sa-
la ou meia-aaua para duas pessoft, dirija-te ao Re-
cite, ra do Torres n. 8, primeiro andar.
ATTEVCAO AO BOM SORVETE.
lie novo faz-se publico que na tala decentemente
arranjada na ra larga Rosano-n. 46, primeiro
andar, llavera* sorvele, caf e bullnlios, assim cqmo
tem urna sala lamben) pauarada para qualquer >e-
nhora poder eslar a aeuVslo. Nu domingu^jdoieor-
reule haven' trrele de leile e creme a't IU horas
do dia na mesma casa. '
Remedio contra mordeduras de toda
qualidade de (.'obras.
No lonco esparo de | annos em que viagei por
alguna seiies do Brasil, eiiipn-auei todos ot inri s
ao alcance da miulia inlelligiiid, allm de descubrir
um especifico certo para-es eufermidade ; no prin-
cipio desla lao espiuhosa como importante larefa,
ensaiei alguna medicamentos vulgares por dilTrren-
let processos ; em abjujis doentes uproveilaram ;
^as uSo em lodos.. I'uroma catualidade que parece
mais dirigida pela Pruvi-jancia, do qae pela tciencia
dot hornera, ensaiei a nM|uin veaelaNlla vul-
u.ir. o fcliimciite m realate-to* os meus desejos. De-
pois de li.iver esperiineafJJfA cm mullos entes mor-
didos por qualquer e-iiecHB cubras, e Vlt* esca-
parem, reconbeci sertre^nmedio o B*HwiapiJo,
enermeo o iiifallivel. He paranlo do rrteeTrigoruso
dever palenlca-lo ao publico e em particular ans te-
nhores faendeiros. l'ela alia cunlianea que dep-
sito nenie especifico, ooso respuus.ibili-ar-me a pagar
o prero duplo do vidro, lo las as vetes que esle re-
medio, iipp!icando-se, nOn produla elTeilo. \ elde-
se na ru- do Collegio botica n. (i do Sr. Cypria
l.uizda Paz.Joaquim Jote Rodrigues Fra'nra.
Desjr)-se fallar com o. Srs. Joto Joaquim da
Silva, que morou oa mora em Olindn, e Domingo)
Valenlim, que ignora-se onde moro e ambos do rei-
no de Portugal, para sedar noticias de suas familias
venliam ou mandem a loja de Bastos na ra da Cadeia do. Recife n. '8.
Precisa-se alugar orna ama que saiba cosinhar:
na ra du Rangel u. 11, primeilo andar.
Precisa-se de urna ama de leile : na ra Direi-
lo n. 21 primeiru andar
Precisa-se de urna ama para co/.iuliar : na ra
de 11 orlas n. 138.
O abaixo astignado avisa ao respeitavel publi-
co, que eiistem duas ledras pagas os uio de Jos
Joaquim de Castro Moura, em Pernambuco, ji ha
muilo tempo, urna da qunutia de 4639319 aceita a
26 dr Janeiro de 1853 a prazo de 5 mezes ; ama dita
da quaulia daajUUo aceita eiu 18 de marco de 1854,
cujas duas leflQpnao tem vigor algum por conven-
rjo que vez tanto com u Sr. Moura como com ot
mais credores, e como ji etlejain pagat, por itso avi-
la a toda e qualquer pettoa que ulo deveruo fazer
negocio algum com as ditas letlrat, e por isso o pode
provar. Marrjanguape 19 He novembro de 1855.'
Jote Joaquim de Souza l.emus.
Vieram da Uha de '-'emendo no brue Cea-
rense 10 saetas rom milho, trazendo as sacras a mar-
ca JA, para serem entregues a Claudio Dubeut, e
cuta e leuham extraviada ditas taccat, roga-se a
pettoa quesouber aonde ellas estilo, de parliripar
no escriptorio do mesmo Claudio, nu ra da Cadeia
de Sanio Antonio u. 13.
No dia 21 do crrente limo orna pretn de na-
cao Aligla, fula, de nome Helena, reprsenla ler
18 a 20 anuos, lem lodos os denles, e lem no braco
direilo marcas de ferro de bordo do navio, levou ves-
lido riocunl flores encarnadas chales azul j ve-
llioyde quadros. suppe-se eslar em casa da ma-
ia*Me morou no becco que vai da ra Direita
a afilia e vendia cocos, e boje se ignora asna
ida por ler-se mudado ; tambem ha suspeilas
qoe esleja pela Capunga, Patsagem, Casa Forte etc.
etc. : quem a pegar, pode leva-la a ra da Cadeia
de Santo Autonio n. 7, que ser pago do tea Ira-
baili i.
Desapparecau qutrla-feira, 21 de novembro,
em occasito que i paia leuda, o moleque Samuel,
crinulo, idade 1 anuos, oflicial de tapaleiro, lev ou
cainita de madapoln e calca de ganga amarella j
lavada, com ot sixnacs seguiotrs ; allura 6 palmos,
puuco mais ou menos, lino do corpo, bonito, cr pre-
la tirando a fula, olbos grandes e vivos, bocea, na-
riz e o mait regular, bont denles ; pretume-se eslar
acoitaao em alguma cata usando do olllcio, ou ae-
duzido por.alguem para Jora du praca, de qqe bu
desconfianzas, o conlrajqaem prutesla-se empregar
todo rigor da le ; a pessoa que o pegar ou der noti-
cia certa, sera gratificado com genero-idade,djri-rin-
do-se a serrara do Ierro d oa.Visla, e guaida-se
agredo.
Precisa-sede um eitor que.seja bom
eliel : na ra da Cadeia-Vellia n. i">.
Antonio Joaquim Vidal, dea ama procuracao
bastante a Forlanato Antonio toelho. islo em 19 de
outuliro de 185:1,para tratar de rereber do padre Jo-
s Januai io Pereira I.ima, morador no lugar de-
nominado 'Tanques,, provincia da Paralaba ;
acontece que esle d- ra ao meu prji'Brador um es-
cravo e um eavallo em paghmesjKomo consta do
recibo do dilo Coelho, pa-sado )W a' procuracilu,
em dala de 7 de fevi reirn de 1854. e anda al o
presente nao deo cumprimenlo ao seu dever : o dilo
Coelho lem dito que o escravo o ludia remedido pa-
ra um engenho perlo de Goianna, para del o man-
dar para esla, porm ha diat Coelho esleve nesta
praca, e fugio dme procurar, ficamlo de vir ler co-
migo, cerno Ine disse em um eucontro que lvemot
na manilla do dia 19 do crrenle, e como se relir.is-
se sem que v esse dar me eoola, proleslo e faco pu-
blico, paia que uinguem faca negocio com dilo Coe-
lho, sob dito escravo, que vera a ser de nome Ju.io.
cor parda, idade de 2tJ-.nnns, bonita figura e andar
descansado, as-im ajamse dar boa gratificarlo a
pessoa que se julgar habilitada parase encumbre de
procurar e haver o dilo escravo a nimba poste, para
o que teulio em meu poder os docuiiienlos precitos.
Itouu-se portaulo, as autoridades policiaet diguem-se
tomar couhecimento do expendido. Luja de fer-
ragens na ra da t'-adoit de A nlonio de Joa-
quim Vidal & l..
Recife 20 de novembro de 185.").
pussna que Irouxe do Rio de Janeiro nina M
minen.la para Julio Angosto da Cunha 4)
maraes, lenha a hondada de entrena-la 9
mu da Aurora, em i a-a do Sr. tiuslnvo aj|
Jos do Reg, ou cntao declare a sua ino- (Sj
DO MSPITAL PEDRO 11.
Quarta-feira 28 do cotfrente, andam
as rodas da segunda parte da segunda lo-
tera do Hospital Pedro II; os meus afar-
tunad6s bilhetes e cautelas acl.am-se a ven-
Madaiaa Scasso
modista.
Aterro da Boa-Vista n.31.
Participa as senhoras. desla cidade.que re
sorlinienln ae diflerenlrs objertos de mo
chales de louquim estampados com um
ulio." ditos bordados, ditos de retroz, romeirat'.
dudas a matiz, chapeos de teda para senhora e
ninas, novas modas de.arinatdaa de llores escarale,*
ricos cortes de vestdoa de chimalole prelo. ditos de,
teda branca para noivs, ditos de oores para bail,
lorbaules lecidos de ouro, obraque as tenboru Ble
deixarao de comprar, pobreza de lodas as cores, ri-
fes', vestidos, enfeiles para Ihealro e bailas, e oolras
mnitas fazendas de gasto.
Candido Jos Lisboa, antigo discpu-
lo do- Sr. padre Joaquim Jxaphad da Sil-
va, approvado plenamente pelo lycu
desta cidade, da' lices de latim, francez
e portujjuez : na ra de Apollo *,^L-
2 j. Km, de*, A
contina a reaidir na raa^iova n. 19, primei- 4%
i ro andar. **
O Illm. Sr. thesoureirti manda fa-
zer publico que se acham a venda- os bi-
lhetes da seguada parte da segunda lote-
ra do HospitaMe Ca idade, cujas rodas
andam no dia 28 do andante me. O
mesmo Illm. Sr. thesoureiro manda de-
clarar, que pelo plao abaixo transcripto
que serijo extrahidas as loteras da
provincia, inclusive a presente do Hos-
pital de Caridade.Thesouraria das lo-
teras 19 de novembro de 1855. Luiz
Antonio Rodrigues de Almeida, escrivao
das loteras.
PLANO
5,00*0 bilhetes &90U0 ris, 25:000*M)0O
Beneficio e sello de 20 por tent. 5:0009000
ihoT
m
qoe es
1 Premio.
1 a
1
1 **
3
7 " .
14 B
30 *
70 ii
1,540 ')
1,668 Premios.
3,332 Brancos.
200D000
1005000
aoooo
205000
10*000
59000
20:000-9000
-s
5:00090'H)
2:500 W90
i.-OooSrJo
5OOM00
6009000
60fl|rJ00
70NI|||
7:7001P
20:0009000
5,000
Thesouraria das loteiias da provincia,
7 de novembro de 1855.O thesouteir
Francisco Antonio de Oliveira.Approvo
Palacio lo governo de Peinambui
de novembro de 1855.-*-lfjgueiredo.
Antonio Joaqnim Vidal Companhia, com
loja de ferracens na ra da Ca4i:i de
nem pela ultima vez >queUaa^*neas d'vedores qae
se acham demorados era sutvmB lebilos, que mi
e-peram al o fim do crrenle riMaWc rrio
de ser incommodados por esle jornal e por
nssim esperam que os ditos seut devedores
deem occasiao para lal fazer.
Lotera do hos-
pital Pedro II.
Aos 5:000*.*, 2:5O0.s e l:00Os.
Ck>rre quarta-feira 48 do presente mer..
Os bilhetes e cautelas do cautelista An-
tonio Jos' Rodrigues de Souza Jnior, nao
istao sujeitos ao descont dos 8 por cento
do imposto da le "jwos quaes se acham a
venda as lojasdapia(*a da Independe*^
cia ns. i, 13, lei, risa Direita n. 1%
edaPraian. 50, sendo os premios pagos
iogoquesaia a lista geral.
Bilhete inteiro 5S60u
Helo bilhete isSOO
5:000.s'00O
:5000O
1 :(i6s6ifW
l:250i*OO5r
1:000O00
G25S000
500{i000
250.S000
Teivos iif9t0
Quartos IsilO
Quintos l.slO
Oitavos 720
Decimos 600
Vigsimos 500
O rele ido cautelista declara que s pa-
ga nos bilhetes inteiros vendidos em origi-
naos, os 8 por cento do imposto da lei, nos
premios grandes, devendo o possuidorre-
ceber do Sr. thesoureiro o seu coinpeten-
te premio, que com os ditos 8 por cento
recebidos do referido cautelista preais a
sorte por inteiro, sem descont algum.
i) padre
Macalhacs se
tannur de en&e
mais actos pro:
ensillar primei
mlica, rain
lira da Inicua lal!
eiifienho que quizer,
na casa de sua retid
9 lloras da mandila
la Mariauna de Jess
capelljo para aquello
r ulilisar as mimas u
ro sacerdotal, e pura
doulrina chrltla, arilb-
inguajarluiueza, uraiuiua-
musica Traucez : u senhor de
ocurar o annunciante
ra da Cortcordia, das
de qualquer da.
pdApro
eOTKt
Tendo o abaivo attianado, na qualidade de
procurador do Sr. Manuel Lopes da Silva, residente
em 1'nrtuRal, de fazer protestar varios Ululo de di-
vidas que ao mesmo senhor se acham a dever algu-
ma pessaas, as qoaet j ha multo tilia ver.cidiss, e
por nao ter o abano assisntdo cunhecimeato destes
senhores, faz o presente para que o mesmos te diri-
jan! ra dn Queimtdo, loja 11. 14, afin de a. tea-
Balar antes que seos nomes vio para juitu Recife
21 de novembro de 1855.
Jos Rodrigues Ferreira.
1




OJMM DE PEMMUOCO SEGUNDA FEIRA 26 DE NOVEMBftO OE 1155

lluras da
que con
SIEN-'"
CONSULTORIO #0$ POBRES
**0 BA VOV4 1 4V1AB O.
U Dr.C. A. Lubo Moscuzu da consultas liomeupalhica todos os dias aos pobres, desde 'J
mauhaa aleo aaeio di, e ein casos extraordinario* a qualquer hora do dia ou uoile.
Ofletece-**ign.iliueule para pratiear qualquer uperafo decirurgia, e acudir prouiplameule a qual-
quer mullierqu ebleja mal departo, e cujascircomslaaciasmo pcrmillaui pagar jo medico.
ULT0R1B DO DR. P. A. LOBO 10SC0Z0.
50 RA NOVA 50
VENDE-SE O SEGUINTE :
pelo de meddicina homeopalhica do vt. G. II. Jahr, traduzido em por
ll pelo Dr. Moscozq, qualro voluntes encadernadot em dous c acompanhadoda
ciouario dos termos de medicina, cirurgia, anatoma, etc., etc...... '.00000
ra, a rois importan te de todas as que tra4aradoetudne pralicadaliomeopathia.por'ser a nica
a base funriamonlal .'esla iluulrina4JtTtaTB0tiKNr>lA OH EFFEITOS DOS MEDICA-
O ORGANISMO EM ESTADO DE SAU*Vconhecimenlo que nao podem dispeusar as pes-
~oaj que se querero dedicar i ortica da verdadeira mediciua, iuteressa a todos os mdicos que quizerem
experimentar a <>oulrimi de Ilajineinann, e por si metilos te convencerem da verdade d'ella : a lodos os
azendeirose tenhores de engenTO que esto lonce dos recursos dos mdicos: a lodosos capilaesde navio,
qne orna ou apira ver uao podem deisar de acudir a qualquer incommodo seu ou de seus tripulantes:
a todos os pas do familia que por circumstancias, que estn sempre podem ser prevenidas, sao |obrit,a-
dot a prestar in continenli os primeirotvtoccorros em tjBs enfermidades.
O vade-mecum do homcopalha ou tridoecao da medicina domestica do l)r. Uering,
obra tambein til as petsoas que se dediram ao estudo da liomeopalhia, un volu-
-. me fraude, acompanhado do diccionario dos termos de medicina......
' diccionario dos termos de medicina, cirurcia, anatoma, etc., etc., enclirdenado. .
Sem verdadeiros e bem preparados medicamentos nao se pode dar um passo seguro ..
liomeopalhia. e o proprietnrio des uinguem duvida boje da graude superioridad dos sena medicamentos.
PRECOS INVARIAVE1S.
Boticas da 5 ou 30* dvuamisaru.
12 tubos....................
21 o ...............V....
3B ....................
4* .....................
60 ....................
O* 144 ....................
Qualquer deslas boticas em tirftluras, o dobro. **
Cada tubo avulso...... ............... 18000
Mela utica de qualquer tinctura da quinta d\ uautisacu ....%..., -WHKi
L'ui frasco da verdadeira tinctura de rnica..........., > ijoOO
Na mesma casa ha sempre i venda grande numero de tubos de crystal de diversos tamaitos,
vidrospara medicamentos, e aprompti-se qualquer eucomraenda de medicamentos com toda abrevida-
de e por preco* muilo cOromotfos.
VENDAS
109000
30U0
na praln a da
Da
De
De
De
De
Menores.
. 89000
. I590Q0
. 209OOO
. 239000
. 309000
. 60)000
Grandes.
103000
209000
29000
IIOOOOO
:tJ9000
TRATAMENTO HOMOPATHICO.
Preservativo e curativo
DO CHOLERAHIQRBUS.
PELOS taS.
ou inslruccu ao povo parase podercurar desla enfermidade, administrandous remedius inais ellicazes
para ata/ha-la, emquanto'sc|acorreao medico, ou mesmo para cura-la iudependenlajdesles nos lugares
em que nio os ha.
TRADUZIDO EM FOBTUGUEZ PELO DE. P. A. LOBO MOSCOZO.
Estes doos opsculos contmas rndicares mais claradpwcisas, c pela sua simples c concisa expsi-
to est ao alcance de todas as inteligencias, nao su pelo qF diz respcilu aos meios curativo*, como priu-
cipalnaeote as preservativos que lem dado os mais satisfactorios resultados em toda a parle em que
elles tcui sido posto cm pratica.
Sendo o Iralainenlo homeopalhicu o nico que lem dado grandes resollados no curativo desla Itorrl-
velnCvotiilade, julaamosa proposito tradozir estes dous importantes opsculos em liugua vrnecu-
la.Jpara esl'arle facilitar a sua leilnra a quem lanorco francez.
Vende-se nicamente no Consulloriodo traductor, ra Nova 11.52. por 29000. VenVnt-se lambein
^^Hlicamenlos precisse boticas do 12 tubos com utu frasco de tinctura 10*000, um dito de 30 tubos
JB8000.
O SOCIALISMO
PELO GENERAL ABKEli E CIMA.
Anda exislem nUuus cteroplarrs unquuderuados,
c acham-se a| venda na toja de livrosdos senhores
Kicardo de r'reilas ^ C., esquina da ra do Collecio,
e em casa do autor, paleo do Collegio, casa amar ella,
110 primeiro andar.
Declaro qot- possoo urnas Ierras sitas no termo
da villa de Cimbres, em Cernambucu. na freguezia
de Muxoto, lugar denominado S. Pedro da Boa Sor-
te ; atales Ierras cora casa, cercado, etc., comprei
1 AolMl Jos Ferreira da Silva, Esta trras le-
lo principio da extrema de- Auna Isabel de Siqoeira
pelo riacho do sitio cima ale eucaallrar com Ierras
do Manoel Jmo de Goes per urna e oulra parte do
riacbo at tapar com Ierras de uutres .que a vista de
sea* Ututos legaes possuam : tornarlo a pegar da ex-
trema do dito Ma'noel Jos para cima cmn lodas as
aguas e confrontadles que hooverem dentro dos fun-
do da dita trra al topar com uniros reos ; por-
que as ierras de Manoal Jos s tent as anuas que
penrierem para dito riacho. Cidade da Fortaleza do
Ceura 19 de maio de 1835.
Dr. Jos Loureuco m Castro Silva.
0 abaixo astigliado avisa ao publico, que o seu
escriptorio he por ora na casa de su residencia, no
I aterro da Boa-Vista, sobrado 11. 42, Kecife 22 de
novombro de 1853.Msximiano Francisco Duarle,'
oterivao privativo do juizo commercial.
Ci\SlLT0RI0 CEKTIU S
' HOHffiOriniGO. I
.(Gratuito para os pobres.) M
llua de Santo Amaro, (Mundo-Soco) n. (i. |Sf
O Dr. Sabino Olegario l.udgero Pinho d M
j consultas lodos os dias desde s 8 horas da w
2 inanhaa al as > da larde. *
Visita os enfermos em seus domicilios, da 6
2 horas em dianle ; mas em casos repentinos
e de iiioleslias agudas e graves as visitas serao
fcas em qualquer llura.
As molestias nervosas merecen Iratamento
especial segundo meios boje acouselhados
pelos pralicos modentos. Estas meios exis-
lem no consultorio 1
COI
1 lollihilias
tARA 1856.
Esto a' venda a| bem conliecidas i'u-
llitahas impressas neta typograpliia, as
de algibeira a 520 e ai de porta a 1 'O; as
de algibeii-a alcm do kalendario ecclesi-
asttcoe civil, contem um resumo dos im-
posto mumeipaes, provinciaes e geraes
<|tie atlectamtodas asclasses da socieda-
de,extracto doslegulamentus parochiaes,
docemiterio, enterrse sello, tratamen-
to de varias molestias, inclusive a do cho-
lera, contos, variedades e regras para fa-
zer manteiga e queijosde dillerentes qua-
11 iludes, di I tas ecclesiasticas 011 de padre a
480rs. : vendem-se nicamente na livra-
ri n. b" e 8, dajjrara da Independencia.
No lim do mez saliitao a luz as de al-
manak.
Puxury.
Veude-se ua rua do Trapiche n. I o, se-
gundo andar.
Defroule da igreja da Madre de Dos, arma-
zem n. 25, veude-se farello chegado ha pouco de
Lisboa. \
Vende-se arelo muito novo em sac-
os grandes por preco commodo : na rua
do Atnorim n. 48. armazem de Paula i
Santos.
Vende-se urna eserava crioula, mora e sadia,
que cose, engomma. cozinha, e ho tnuit" carinhnsa
para menino : no sesundu andac da casa 11. 53 da
rua da Cadea do Recite.
Vende-se urna mulata de bonita figura, de 20
aunes de idade, cosureir e eniiummadeira, com
muilo bom leile, parida de mez e meio, e nao leio
vicios de qualidade al&uma : no Hospicio, silio da
Sra. viuv* Cunta o. 6.
Vende-se urna eroulinha de 11 anuos, bouita
figura, e sem vicios, vinda do malla, propria para
se applicar a qualquer servico que se lhe queira en-
sinar; ua Soledade 11. 52. .
Vende-se milito aos alqueires do medida vo-
lita a t>9000 : Da rua do liaugel passaudo o becco do
Carcereiro.
Vcndc-sc um bom e vistoso cavallo, ou lam-
liem urna parelha de dous. que serve.para sella e
carro : ua travessa da Madre de Dos n. 10.
Vendem-tc sacras com milito muilo novo, e as
suecas bastante grande, por preco mnilo commodo :
na rua do Amorim n. 48, armazem de Paula & San-
ios.
Veude-se um cabriole! (Timn balaur) viudo
do Kio de Janeiro, moito rico e com lindos ai reos
todos guarnecidos de metal do principe o coberlo
de muro da Russia envernisadu : a ver nositiodo
Cajueiro na Passagem da Magdalena.
OS MUITO CONMECIDOS QUE1JOS PIMA.
Na taberna da ru Nova 11. 50, lem os queijos pi-
tilla muito ir i-raes, por lerein desembarcado honlem,
sssiir como nameiigus e todo o mais para o passa-
menlo da fet, por muito commodo preco e de su-
perior qualidade.
Charutos.
. Na roa da Cadeiji do Hecie o. 15, luja, coulinu.i
s ler um completo sedimento de encllenles charu-
tos da Baha.
Vendem-se pipas vastas: na rua da Guia n. 64
tegondo andar c para ver na mesma rua 11. 9, la-
..#
PARA CIMA
PABINIIA DE MANDIOCA.
Vendem-se taccasrandes rom fariuha de man-
dioca por preco commodo : para fechar cuntas : uo
armazem de l.uiz Aune* defroule da Atfandege.
Veude-se uina taberna sita na rua da Litige-
la n. lo, non: lugar de iiegzocio e propria para um
principiante por ter pouco* fundos : a tratar na
utsma.
VEMJK-SE
superior doce de cajo' e de tudas as qualidades de
Inicias, muilo bem feito, tantosecco ein bocetinhat
enfitiidas proprias para presentes, como de calda
em Itarrilinhos ; e tambem se vende as libras : na
rua do Oueimado luja n. 2.
""Sal rlt, Lisboa a berilo da barca poriugue Ugetra : tratase na rua da Cadea do Recife com
V. X. S. Car val ho.
Na freguezia decanto Amaro de Jabuatao veu-
de-se urna parle de |-J:t6t92til do engenho Floresta,
avahado por 36:0009. distante desl
e com ella
a praca 5 lesoas.
11 ella as bemfeitorias seguinles, feila's depois d,
lunada avaliarto no mesmo engeiilio e em suit,
ierras como deserrve-se abaito, sendo : na sede do
engenhu Flaresla, unta encllente casa de viveudade
obrado envrdracaua, de pedra e cal. reta a moder-
na, com bastante commudos para urna familia nu-
merosa, unta e.tufa de seccar assucar e um ptimo
Oanheiro, ludu de pedra c cal, e as m-lhores Ierras
do referido eu|ienho ; um uutro d'agua levantado
em ierras quasi virgens ha dous anuos, denominado
Mallo Orosso, que se acha boje moenle e trrenle.
com as seguinles obras : um acude com capacidade
para moer boas sal ras, e com pioporcaes de ser auR-
inentado, casa de engenhu com cavuuco de pedra,
roda deim completa, idem de purgar do mi-sino modo,
dem de dislilacao com alambique de cobre, cubos
e suas perteneas, idem de eucaiamenlo, idem de
hospital de pretos, idem de criados, idem de viveu-
da, e unta oulra quasi acabada, todas estas obras de
pedra e cal. Vende-se tambem a s.fra creada nesle
11 limo engenho, assim como 16,000 ps de caf ah
plantados, alguns bois, carros, quarl.os e algn* es-
cravos, alent desnzalas de escravos, e-drib-ria, casa
de fariuha, casa de bagaro de esleios ; ludo veu-
de-se com algum dinheiro 1 vista, e o. mais a prazo
com boas Armas ou outra garanta que lhe srja equi-
valente : a tratar-te no Recifo com n Sr. Jos Joa-
qun) Jorge, ros do Crespo, uu no refet ido engenho
com u Sr. Jnao Francisco Xavier Paes Brrelo, que
melhormcnle pora as condicOes da referid venda.
Metas Chegaram as eieellentes uiei.s de borracha para
erysipela, ditas de laa para homem. senhorae me-
ninos, rolao liamburguez eui garrafas, e tinta para
marcar*roupajroa da Cadea du Recife 11. 15.
Rico gaze de
seda,
com quadros da lindas cores, fazenda propria para a
noite de Testa, pelo diminuto preco de 13000 o cova-
do : em frente.ala becco da Congregaran, roa do
.tiieimadu 11. 38.
A
ally
800 rs. o ovado,
com lindas e variadas cores, rica laa com uuadros de
cores liugindo eda. peo ,li minuto precu'de 610 rs.
u covado : na rua do (Jucintado n. 3H.
Fazenda rica
flavina.
he
Cf
ja muih
- Precisa-sc de uma^ama para urna casa do pou-T ?m c"'ad,',
ca familia: na prar.ooCurpu Santo u. 17. ~ ^c"
Preeisa-se de orna ana que saiba euguminar e
cuzinhar, para urna casa de pouea familia : quem
quizer, enlenda-se no largo da Ribeira, taberna u.
I, que faz quina para a ruado Santa Rila.
Quem precisar de um coziohoiro francez para
hotel ou rasa particular, dtrija-se ao hotel dj Bar-
ra, aa roa do Trapicho Novo.
A pessoa que precisar de 8O3OOO ou 1:0009 a
premio com penhores de prata 00 ouro, procurtsua
roa da Mangueira u. II, na Boa-Vista, que achara
com quem Iratar.
Aloga-ao una amj para servir j de casa de 0111
homem sulleiro. sendo de boa conduela e fiel : a tra-
tar ua roa das Cruea n. 21, segundo andar. Adver-
t lldo-ae que s se alagara al o dia :!.
Oeiue,
DomhtJ Si d itvembro llavera sorvete de crome
das 11 herasdu dia at 3 da tarde, e de fructat das 5
e meia as!) da noite : ua rua da Cadcia ds Recife
II. 15 primeiro audar. (*
se urna etf(tPrda de 2 canos que se-
quem liver e qoizer vender, dirija-te
ao armazeW n. / do caes da alfandesa, para Iratar.
Coiupra-se urna casa lerrea uao sendo em bec-
cos, c no batrro da Boa-Vista: a tratar na rua do
Rosalinda Boa-Vistan.M.
ajfc.- l.ompra*W aJkVdWso de cobre,
om
40 PtBLIC.
No armazem de fazendas bara-
tas, roa do Collegio n. 2,
nde-se um completo sortimento
IffijzeDda, Unas e grossas, por
mais bai;os do cjue emoli-
rte, tanto em por-
Iho, aliianrando-
afci'es um s preco
estabelecimento
mbinaro com a
r pat le dos casas commerciaes
i francczas, allcmas e suis-
|b. vender fazendas mais em
cor
taJP(s*rJocjae outro qualquer ; o
proprtario deste importante es-
tabelecimento convida a/ todos os
seus patricios, e ao pubL'co em ge-
ral, para que venham (a' bem aos
eus interetses) comprar fazendas
baratas, no armazem da rua do
Collegio n. 2, de
Antonio Luiz dos Sanios & Rolim.
>que se teta vendido, epor
ierecendo elle maiores van-
' Novos livrosde liomeopalhia em francez, seb
ludas de summa importancia :
Hahnemann, tratado das molestias chronicas, 4 vo-
lumes............
Tesle, arolottias dos meniDos .... i
lermg, liomeopalhia domestica.....
ahr, pharmacnpa homeopalhica. .
JahTpJMio manual, 4 vulums.....
JaMHMetlias nervosas.......
Jahr^Mplettiat da petie.....
UaponVhJstoria da homedpalhia, 2voluines
Hadhraann, tratado cmplelo das molestias
dos meninos.........
A Tesle, materia medica homeopalhica".
De Fayoll, doulnna medica bomeopathic
Clnica de Slaoueh ......
Casling, verdade da liomeopalhia. ".
Diccionario de N y sien ......\
Alllas completo de anatoma qum bellas esl
lampas coloridas, conleudo a descripcao
de todas as partes do eorpo humano .
?^em."Mntod0!,eles l'vros no coDsullorio homepa-
iIiilo do Dr. Lobo Moscoso, rua Nova u. 50 nri
meiroaadar. v
Masta ada
IJe'geralmenle recoui
preparaelo p.ira cit
lados sempre felizes a
SebastiJo Jos de Olive
matea, para o lim Indio
rom hoora-lo dispondo
eura-lo na travesea
huiro.
209000
6000
79000
69000
169000
69000
89000
169OOO
IO9OO0
89000
79000
(JSOOO
9000
lOOO
StafOOO
lina.
eice|lcueia desla
teus re.ni-
do publicb.
preciosa
s que qui/.o-
1 podem pro-
Joja de bar-
nilicaao,
ndollse
pmiSTirTAscEz. :
meio, e em
o : na travessa da
do n, 5, 00 aniion-
cie para ser pr
Compra-se um espelhu propria para alfaiate,
que esleja em bom utu ou novo: na rua do Colle-
gio n. i.
Compra-se um seilin iugle< eiu buui esladu :
na rua do Queimado ik 30.
Compra-se um quaudii que seja manso : quem
liver aunuucie.
Compra-se un relogio de ouro, sabonete pa-
tente inalez, bom regulador : na rua da Scuzala
Velha n.50.
Compra-so, ou aluga-te um preto vellio que
emenda du cultivo de hurle o flores: deslilacao por
delra/. da Igreja de saula Rila.
Compram-se patacoes brasileirox e
hespauhes a 'ZS'OOO: na rua da Cadeia
do Kecife, Jeja de cambio|n. jjjl
Compra se elTectivamente bronze, lalau e cobre
velho : 110 deposito da fundido do Brum. logo na entrada n. d8,e ua mesma fund-
cao, em Santo Amaro.
Compra-se uina wrrora em boro estado, com
cavallooo boi : a tratar na rua do Amorim n. 48,
armazem de Paula & Santos.
Vmmk PERMBIJ'ANV
A drecrao pede aos Srs'. accionistas se dignem
rcalisar a ultima preslacao de 15 q4} al o dia 15do
mez prximo futuro.
O cautelista Salustiano de Aquino
Ferreira olferta de muito livre e e\pon-
tanea vontade, para as obras da igreja do
Divino Espirito-Santo, as segnintes
las da segunda parte da segunda I
avor do hospital Pedro II:
6 meios bilhetes ns. 1055, ti50
1751, 2183e2iJ2; itreos us. '2IG,
3055, 5043 e 5079; 12 quintos, sendo 2
de cada um dos seguinles ns. 34*, 3W7,
5363, 338*, 328(i e 5386 : squaes eslao
em poder do thesoureiro da respectiva
irmandade.
-r No dia II do correnle fugi.o da cidade nova de
santo Amaro um mulato escravn, de nome Creino
com os sientes seguinles : idade que representa 95
annos, estatura entre regutar e baia, secco do cur-
po. cor clara, cabello conv.uaitlo seja um pouco
denso e encolludo, todava fuer tirar a crespo, e
empre o Iraz bem perneado e grande, lalvez o te-
ma corado, bous denles e alvos, pouea barba a go<-
1 co,ns?r,,ar Pf o bigode, physionomia aarada-
vel e nao Teta, ipntto prosista, toca violo e canta
bem escrevee le p..uco, eutende de sapateiro e al-
raiate, gasta de andar calcado e limpo, pasta por
torro em qualquer parte que nao o couhecant ; sud-
poe se ler-te dirigido para o norte da provincia
roga-te podante as autoridades policiaes e capimes
de campo de o appreheuderem e levar ao seu senhor
Joso Jacomo de Araujo, na dita cidade Nova, ua uri-
meira casa das do Sr. Antonio Jos Gomes do Cr-
relo, que graltMcqiajjeuerosameiite.
berna.
RELOCIOS
DE
i'JLi seut
r(ffi(
m Paulo baiinouv, dentista, ettabelecido na
roa larga do Rosario n.36, seguudo andar, 9-ual
colloca denles com a prestdodo ar, o chumba t
dtoles com i tuassa adaniautiua o outro me- m
V- laes
Procisa-se de urna ama para .lavar e ensotn-
Soaod Un"' Cr*U*: nt rUa Dlri,a ""ie' seg""
REPERTORIO DO MEDICO
HOMEOPATHA.
EXTRAHIDO DE RUOFF E BOEN-
N1NGHAUSEN E OUTROS,
posto em ordetn alphabetiea, com a descriprJo
abreviada de todas as molestias, a indicaco pltvsio-
log.ca o Iherapeulica de todos os medicamentos ho-
meopathicos^scu lempo de acedo e concordancia
seguido de um diccionario da ajgnilicacao de lodos
os termos de medicina e cirurgl^e poslo ao alcance
das patoas do povo, pelo
m. A. J. DE ELLO NORAES.
O Srs. atsignautcs podem mandar buscaros seus
exemplares, asstmcouto quem quizer comprar
AULA DE LAflM.
O padre Vicente Ferrer' de Albuquer-
quemudou a sua aula para a rua do I
gel n. 11, onde continua a rceber al
nos internos eexte; nos desde ja' por _
dico preco com- lie publico: quem se
quizer utilisar d^seupequenoprestimoo,
pode procurar 1 segundo andar da refe-
rida casa a' qu quer hora dos dias uteis.
Aluga-se utn silio com boa casa de sobrado, a
ultos commudos. sita na iioaBBaV do
AMERICANOS
MESA.
I.bogram os relogios americanos cun corda de 24
horas e de 8 dia, diversos modelos, como (ambem
precos americanos : vcodem-su na rua do Trapiche
OBRAS DE otj-tt*)
As mais modi tnas.
Os aba 1 mi a.ignados, iluuo da loja do ouiives, na
rua alo t.abnga n. 11, confronte ao pateo da matriz e
rua Nova, faiem publico, que estu recebendo cou-
liniiadami'ule muilo ricas ultras de ouro dus inelho-
res goslos, Unto para senhnra como para humens e
meninos ; os precos conliuuam mesmo liara'.os como
lem sido, e passa-se cotilas coma-espousabilidade, es-
pecificando a qualidade de ouro de 1-1 00 18 quila-
tes, cando aim sujeilos us mesmos por qualquer
duvida. Serapbim (V Irma.
Vende-se por commodo* preso diversas pecas
de musir, novas e de exrrllente gostu. viudas lti-
mamente ilo Rio de Janeiro, e accomroodadaa para
Paula e violao, haveudo algumas boas modinhas de
recente ftobliearo com aconapanhamenlo para pia-
no c violo : 00 largo da Ribeira de S. Jote n. 11.
No hotel da Europa ha urna porco de garra-
fas e garrafes vastos, e urna porreo de barricas para
vender.
. Vende-se urna eserava mosa e sem vicio, co-
zinha o diario de urna casa, coso, e faz lodo serviro:
na rua do Cabug o. 16, segundo andar.
Vende-se doce de caj secco a 500 rs. a libra,
e de otra qualquer qualidade : na rua do Itomlim,
em casa do Mnnoel N unes de Mello.
Vende-se urna eserava crioula, de idade n
pus, sem vicios uem achaques algn*, com muito boa
figura, sabendo coser muito betn, fazer labyrinthb,
bordar, cozinhar .0 ordinario de urna usa, eusaboar
e engommar. Pela regularidade de conduela he ra-
paz de se eticarregar da direcrao de una casa, e o
motivo por que se vende dir e-ha ao comprador;
quem a pretender, poder dirlgir-se a rua do Rangel
o. 17.
Genn Linda
A MORSA VI
Acabam de rhegar Irinla differenti
urna cambraia que inadame Jeuu
stuibro mais de um veslidu por
torras as senhoras elegantes de Par
cambraia e de go-los ainda riAo conhetidoi .
venda unicaineulr na rua doguemado n. 38,^611-
le du becco da Cougrcgaciu, d-se -amostras com
petilior.
Vende-se urna negra. crioula de bou lisura,
propria para casa de familia, com 3 crias de I a i
annos de idade, sendo a matt velha molata,' a qual
enguiiima sollrivelmente : a tratar na roa da Cadeia
do Recife, loja de miudezas 11. 7.
i 3,500 0 CiVADO.
Na luja junto a da l-ama, na rua do jQueimado n.
33 A, se contina a vender panno preto prova do li-
man de superior qualidade, pelo diminuto preco de
39500 o covado; convida-se as pessoas dolime
tralo que venham ver dita pechiucha, que ,1 vista
.della nao deinaro de comprar, por ser fazenda que
o verdaileiru prei;o puY quanto te lem vendido he do
59000 ; alcm deste etistem outras muilat qualida-
de!, que se vendern por me.ios do que em outra
qualquer parte.
Fumo em folha.
Na roa do Amorim 11 39, armazem de Manoel dos
Santos Pinto, ha moiht superior fumo em folha para
charutos, por preco commodo.,
..-"* Vende-se muito bom milito em saceos grandes
vtndos da Parahiba, e muilo boa carne do ser la o ;
ludo por preco commodo : ua rua de Santa Rila o.
>, taberna.
ClUfl-
:<1

GRANDE ATTENIIAO -f i
A tintura de losna romana *de Sollini,
lem
Monteiro ; a tratar ua rua do'lrpicrio 11! WL
VAKMAS E GRlDEf?.
Cm lindo e variado sortimento de modellos para
varandaa e gradartas de gusto modernissimo : na
fundtcao da Aurora, em santo Amaro, e no deposi-
to da mesma, na rua do Brum.
Til
A tintura de losna rumana,"de Sollini, be
W um dus excellenles remedius tnicos eonheci-
m dus, e que raaior numero de vezes lem pro-
duiido melhores elTcitos as molestias a que
se tem julgado applicar. Cura com admira-
Wjel prumptid.io as dores nervosas do eslo-
r*aj^arcelcra a digesl.io as pessoas que a
'aB^lia. faz desapparecer os amargos de
9 itocc e os gazes que se accumulam ou esto-
V mago, o desenvulve o appetilo ; cor igual-
V mcule as desynlerias chronicas, as llacluo-
JD sidades, c he um poderoso remedio para as
criancaaquesoflremde Nenien ou dejecree
(b alvinas liquidas, e muilat vezes repelidas, tas
ti quaes se aelwm os alimentos mal digeridus.
As senhoras que padecem de chlorosenu pal-
(t lida cor, achar.io na tintura delosni romana
i remedio efllcaz, o qual sendo usado por
9 algiiut lempo as turna coradas. Tem sido de
9 graude vantagem no Iratamento da leucor-
9 rhea ou (lores brauets, e juntamente uo fluxo
9 sanguneo proveniente do alonio do tero, m
9 Seu uso lie mu simples: as pessoas adultas 9
9 devein tomar duas culheriulias de uitnlula m
9 etu jejum, eduasa noite quaudo so quiz- 9
9 rem agazalhtr, distolvidns em pequeaquatt- A
lidade de agua moma. As crianoes lomaiao
9 urna colhrriuha de inauliaa e oulra a noite.
9 Vende-se nicamente ua holica de Joaquiu
9 de Alaieida Pinto, na rua dos Ouarteis.

i
i
I
Chegada ltimamente pela barca frauceza Luiz
Mara, e est smente 1. 38, em frente du becco da Congregaran ; coja fa-
zenda he luda de teda com lvrasem de cores, com
uina vara de largura ou mais. |pelo diminuto preco
de 19MB o covado ; d-se as amostras deixando p-
nlior. ?
Vende-se urna negra de 10 annos, boa vende-
dora de rua'; na rua das Cruzcs 11. 9, loja.
Vendem-se 33 Iraves de louro de 32 a 45 pal-
mos de cumplido, o de palmo de grussura : na rua
do PilarL 111.
Vende-se urna boa eserava de algumas habili-
dades, cum 38 anuos : a tratar na rua da Santa Cruz
11. 32. 1
Vende-se urna casa ua rua de Santa Thereza :
a fallar na rua estrella do Rosario n. 21;, loja de en-
caderdador. j*
Veude-seitaajttlitr fareHo em-aarecas gran.les,
urna sacra i;*)0, tj enfcporsao de 5 safras para cinta
a 3s800,farinha .le lapiuea ero acca-de :t arroba a
tima ; a SOOO a arroba, lie nuito toperior : na
travessa da Madre de leos armazem 11. 5.
\ eude-sc uina maraca muilo linda e muilo
mafBii, qi e 11.10 abe morder, e com principio de
rtansaij lambeip um papagaio fallador, cfila e lo-
ca o Nflino nacional, a scbotisclt e a inoren i nha,
alem de nutras inuila- causas; quem pretender, di-
rjase a airada de Joao de Barros, em frente do
porlao do Sr brigadeiro Jnaquitn Bernardu de li-
goeiredo, que achara com quero tratar.
Vende-se um globo do
inunde,obra frauceza obe-
lado 111 tima mente e por
barato preco: na rua a
Cruz n. 26, primeiro an-
dar.
Veude-se um cavallo iuiju, grande, muilo hom
e muilo gordo : a tratar na rua Nova, loja o. 47, de
Jos francisco Caraeiru.
FARINHA DE MANDIOCA,
Na rua do Viga rio 11 5, veude-se-por
mdico proe superior farinlia de man-
dioca.
Cabriolete.
Vende-te um bonito cabriolele com bom eelegan-
te cavallo : para ver e tratar, na rua da Roda, co-
cheira do Sr. Paulioo.
ROLAO FRANCEZ.
\ euae-se eaMctlicioxu pitada tanto m
porcao eornoaretiillio, em poirao na nua
da Cruz n. 2G primeiro uoaar, e a reta-
lliou H) rs.aoitava: na rua da Cadeia
loja de Va/, & Leal! "
Na rua da Cruz n. 26" primeiro a
dar, vendgfjfi urna porco deeaixas co
sai -di nlias platas, muito novaspor tere:
chegadofio ultimo navio francez, e por
baratissimo preco.
Vende-se o excellente champagne
em caixas, ultinuHnente chegado deFran-
ca, e licor de Kirsch : na rua da Cruz n.
26, primeiro andar-
Vende-se na rua da Cruz u. 20 pri-
meiro andar o apreciavel cha preto em
libras, assirfl como chocolate francez o
melhorquetem apparecido'no mercado,
e por preco muito em con la.
Voltarete?
com pequknotooue.de avaria.
Indiana de quadro de seda e algodo, de
muito bom gosfb. a 520 o covado.
Vende-se na rua do Crespo, loja da esquina que
Milla para a rua da Cadeia.
Vende-se urna batanea romana com lodos os
saus perleucet.em hom uso e de 2,000 libras : quem
pretender, dirija-se rua da Cruz, armazem u. 4.
Vestidos e chales.
Vendem-se chales de seda grandes com algum
mofo, pelo barato prero dr <>QOOO r., cortes de ca-
sa de cores com barra e alsumas pintas de mofo,
pelu diminuto preco de l.-lilHI o corte, a-.un como
outras multa fazendas por barato prec,o:%a rua
da Cadeia do Recife loja n. 50, defrenle da rua da
Madre de Dos.
Brins de vella: no armazemdeN.O
Bieber & C, rita da Cruz n. 4.
Vende-se eicellente taboado de pinito, recen-
lemenie chegado da America : na nu de Apol o
trapiche do Ferreira. a entender-se comoadminis
ador do mesmo.
Taixas pare engenhos. <
Na fundicao' de ferro de D. W.
Bowmaun, na rua do Brum, pastan-
do o chafariz continua haver um
completo sortimento de taixas de ferio
fundido e batido de 3(a8 palmos de
bocea, asquaes acham-se a venda, por
preco commodo e com promptidao' :
embarcam-sc ou carregam-se em carro
sem despeza ao comprador.
Helogios cobejr-
tos e (iescobertos
de ouro, paten-
te 11 o le/.
Vendem-se no escriptorio do agentede
leiloes, Francisco (ornes deOliveira. rua
da Cadeia do Recite n. 62, primeir
dar, os mais superiores relogios
edescobertos de ouro patent
um dos mais afamados fabricjrl
dres, viudos pelo ultimo paquete inglez, e
por menos preco do qu*rem outra qual
quer parte.
RUA NOVA N22
Oracio contra a peste c o cholera-
inorbus.
Acha-se venda na livraria n. 6 e 8 da praca da
Independencia um felhetinhu cora dillereules ora-
ces contra u cholera-morboi, e qualquer outra petfl
le, a -10 rs. cada um.
Rape.
. Vende-se o verdadeiroe ruuilo freaeo rapo Paulo
Crrdeiro: na rua larga do Rosario o. 38, junio a
botica.
Chales de merino' de cores, de moito
bom goato.
Vendem-se na rua do Crespo, loja da esquina que
volta para a cadeia.
Vende-se um bom cabriole! descoberlo com
arreios, e tambem um carro de 4 asientos, novo,com
arrebol, ludu vista de quem qoizer se tentara, la'nio
mais porque o preco he razoavel ; na rua Nova, co-
heira do Sr. ijuinleiro.
COGNAC VERAEIRO.
Veude-se o verdadeiro cogitar, lano em garrafas
como em garrafes: ua rua da Cruz n. 10.
CASEMIRA PRETA A 4*500
0 CORTE DE L.
Vendem-se na rua do Crespo, loja da esquina que
volta para a rua da Cadeia.
VINHO XBREZ.
Vndese superior vinho de Xerezem harrisdo
l|*. emeasa de E. H. Wyatt: rua do Trapiche
FAZENDAS DE GOSTO
PARA VESTIDOS DE SENII0RA.
Indiana de quadros muilo lina e padroes novos;
cortes de Ida de quadros e flores por preco commo-
do : vende-se na roa do Crespojoja da esquina que
volta para a rua da Cadeia.
LEONOR D'AMBOISE.
Vende-se o excellente romance histri-
co Leonor d'Amboise, duqueza de Breta-
nha, 2 volumesporlOOO rs., na livraria
n. 6 e 8 da praca da Independencia.
Vend-se cal em pedra chegada no til-
da
_de;
issa ar
Vend^e-se urna eserava eriooBr, moca, com ha-
bilidades e iu achaques : na roa da oia u. fO.
Vendem-se dous pianos fortes deja-
caranda', onstrucco vertical e com to-
os melhqramentos mais modernos,
do vincio no ultimo navio de llambin-
ua ruaduVCadeia, armazem n. 8.
SYSTEMA MEDteo DE H0LLOWAY
PILULAS HOLLOVWAW
Kste iuestimavelespecifico, compdisio inlcinthen-
te de hervn medicinaes, nao oonlem rraercorio, em
alga*n c-utra tabstanc deleclere, Be amito aos
lenra infancia, e a compaairac mfia^leUci*- "
igualmente promplo e seguro n/radeirragar 9 "all
nt cumpretco mais robotta lie inicuamente i-
cene em soaa epeacoes e effleilos ; pois bucea -
move at doencat de qualojber especie e grfe, pj*,
mais antigse tenates
Entre militares,
inediu, muila
preservando em
saude e fot-
lodos os
Ai mais ai
racao ; fa;a
elle i i os desla ataawnfct;
10 Ala
2T^
i sejam.
ada com esle re-
porta da norte,
birm recobrar a
entado ianllneule
nrftgar-scfi detespe-
le ensato dos cffieezea
i toedicina, e pretlet rec-
aude. a .
^
peraraoo benefiC
Nao se perca leodfe em tomar este remedio ana
qualquer das seguintf teajermidades :
Accideulesepileptiecs.
Alporcas.
Amputas.
Areias(mald';.
Asthroa.
Clicas.
Convulsocs.
Debilidade ou
cao.
Debilidade oo
forjas para
cousa.
esinteria.
Dor de garganta.
'rica.
Pebre I
Cota.
Heoipr:
Hjd -.
Ictericia
ludiget
extena-
talla de
qualquer
I mi.
mai
2B, de A. J.T. Basto &
Vende-se bico de blonde branco e preto de seda
verdadeiro, ;{tl por rento mais barato que em qual-
quer oulra parle, e de luda as larguras muito boni-
tas lilas dito : na rua Nova cara de relojoeiro n. 22.
A boa fama
VENDE BARATO:
Libras de linlias brancas ns. 50, 60, 70 e 80
Libras de ditas ns. 100, 120 c 130
Ditzias de lesuuras para costura
llu/.ia de ditas mais finas
Maros com 10, 50 e 60 pejas de cordo
para vestido
Peras com 10 varas de bico eslreito
Duzia de dedaes para senhura
Caiiinhas com agulhas francezas
Caitaseopt 16 novellos de linhasdemarcar
Grozat de baldes para carniza
I'ulceiras encarnadas para meninas
Ditas grandes para senhura
Pares demeiaa linas para senhura a 240 e 300
Meadas de linhas muilo lluas para bordar 160
Meadas de linhas de peso jqo
Crozas deltoides milito linos para calcas 280
Babados de linbo aberlos e bordados' 120 e 240
19100
19280
1JW00
19280
240
560
100
160
280
160
240
320
600
120
500
120
80
500
50
60
70
60
40
10
3
par
Vendem-se na rita da Cruz n. 2(j pri-
meiro andar, caixinhas com lentos muito
delicados para o apreciavel jogo de vol-
tarete, ou para outro qualquer jogo, l-
timamente vindosde Franca, epor preco
baratsimo. *^
-^Veude-Kiima porcao de frascos
com rollias de vidro, muilo propros para
conservar todaa qualidade de rape, epor
preco muito commodo: na rua da Cruz
n. 2b" primeiro andar.
PALITOS FRANCEZES.
A fabrica de chapcot de sol da rua Nova n. -J:|,
esquina da rumbn do Carino recebeu pelo ultimo
naviu chegado do Havre os utijeclos seguinles : pali-
tos de panno lino forrados de -seda prela e decores,
dilu deaelim do Clrloa, dito de palha de scda.diloi
de alpaca prela ede cores, calos de linbo de bt|
nha branca, casacas ata pantin preto e do ui
lo, liqoKMiiiuscatttipkcom aberturas, pu
lariHhos de Imito. lindo sorlimeiilo d
de seda, mu completo surUnienlu de'cba
de seda o ilitpaniiu pnra liOHetu o aaiib
01110 chiooK. beaflUt fWltos Mnfn
oslo, osquaes seeudeni por preco muii
uto.
SACCAS COM MILHO NOVO
Vendem-se na loja da rua da Cadeia
Velha, esquina do Becco-liorgo.
Carleiras linas de na mquim para algibeira
l'ivelas dourado para calcas e collele
Tinleirose areeirosde porcelana,o par
Charo te iras entrefinas
Duzias de trridas n. 14 para candieiro
Pentes dttpiwrdadeiru bfalo para alisar 300
Pecas congr |2 varas de lila branca de linho
Caixat com clcheles ranfezes
Carrileis de. linhas de 200 jardas de boa
qualidade
Macinhps com 35, 10 e 47 grampas
Suspensorios, o par
Carrileis de linhas de 100 jardas, autor Ale-
xaiidre
Alm de todas estas miudeaas vendem-se oulras
moilissimas, que vista de suas boasqualidades e
baratos precos causa admiracSo' aoa compradoret:
na rua do Queimado. nos qualro cantos, na bem co-
nhecida loja de miudezas da Boa Fama n. 33.
Bons gostos e de
boas qualida-
des.
Na rua du Queimado, nos^kiairocaiitus.oaicsoD-
da loja de fazendas 11. 22, defroule do sobrado ama-
relio, vMein-se fazendas por precos que real-
itienle bflh admirar ao publico : Panno preto
liiiissidUBpva de limao, para casacas palitos,
pelos bitSaVimu- precos de 29OO, 39500 e 59000
o covado,. Asemirt prela de superior qualidade
a 29 e 29600 o covado, alpaca tirela muilo fina a
400. 500 e 600 rs. o covadty csjfle de colleles de
fuslOes de buii(lws padioes eco H^t a 700 OO
rs., chales prelos de 13a e si Hhuito grandes a
29800, chapeos de sol de seda^Ks e de cores, fa-
zenda superior .1 69500. canafllrrance/as pintadas
para honieni a l9"280, rtscadofVl India muilo linos
e largos e muito bonitos para vestidos a 280 o cova-
do, selim prelo maco, f.i/.enda muilo superiur a 3k
o covado, sarja hespanhola muilo superior a 2,400
-ovad., merm muilo lino a 29000 o covado, meri-
no selim o maa tuperior que pode haver e- muilo
-Tfirio para palito a IjsfJOO 0 covado, chapeos de sol
'--nninho a I96OO, chitas francezas muito finas e
. 1, de novos padroes a 320 o covado, fil de li-
nho liso e com flores a 19 e 19140 a vara, luvas de
pellica de Jouvin para homem e tenhora, chegada
no ultimo navio frtncez o I986O rs. o par, tovas de
aedt de todas as cores com belolas a 1J280, camisas
de meia muito finas a 19, luvas de fio da Escocia
brancas e de cores n 400, 500 e 600 rs. o par, man-
tas de seda para grvalas, prelas e de cores, muitu
boa fazenda a 19280, panno fino azul de superior
qualidade a (9 o covado, ricas roiueiras de relroz
bordadas a 119, lencinlios do relroz francezes
I92it0, cassae francezas muilo linas de bonitos pa-
drees a 300 rs. o covado, cambraia linissima de sal
picosa 19a vara, camisas francezas muilo finase
bem feilas para homem a 29500 e 29800, corte de
catsas para vestidos de bonitos padroes e com 7 va-
ras ijo corle, lencos branros de cambraia de li-
nhojttto finos e grandes a 69 a duzia, ricos chales
decH com Itslras de seda e baslanle grandes a
89. dim de merino muilo finos e lisos a-69, luvas
prelasde lorcal. de Lisboa a 19120, chally amarello,
fazenda superior e que muito se usa para vestido
800 rs. o covado, romeiras de cambraia com laros
de ricas lilas de seda a 19280, grvalas de seda de
bonitos padroes a 640, meias de laia para padres a
29 o par, corles de casemiras finas e de bonitos pa-
droes para calcas a 59, hrinzinhos de linho de bo-
nitos padroes a 240 o covado, brim trancado de puro
linho o dijfeonilos padroes 800 rs. a vara, lapim
prelo litlittlp, prnprio para vestidos c balines d
padre a I92W o covado, riscadinlios franceze
finse bonitos.padresa 210 ocovado, meios
prelos para grvala muilo superiores a 18,
broncos de cambraia muilo finos a .'100 re.,
amaKIla muito superior a 320, meias branca
parneuhora a 210, 300 eJJXI ra. o.par, dilat prelas
muilo linas a 320, ditas jt/a homem, fazenda su-
perior, scudu brancas, P^Hf o cruas a 210 rs. u par.
Alm de todas estas fazepPl outras muilat que sii i
vista das boas qualidaott he que se pdem ver o
quanto sao baratas, alianrando-se aos Srs. compra-
dores que ueste eslabelerlroenlo nao ha fazenda al-
goma que ajaja avadada, e sim ludo tem avaria, de
bous gosloafa boas qualidade!.
Cortus.djji cussa liara ipiem (|uer dar l'es-
^HS'por pouco dinheiro,
VeinMMe corles de cassa chita de liuui uslo a
2, diloiihppjdroes francezes a 29100, casias r.uas
loto, ililas pretil de padroes miudos a
Ra de seda de quadros de lodas as co-
rvado, lencos de lateo tanto pintado-,
^Rl) cada um, aralas de seda pa-
Br^i5 o IJ9 fm fazendas ven
deut-se do ^Hfl^^Mp^
' Veoden-se no armatuii B.60, da rua da Ca-
deia do Recife. de llenry (Tibaon, os mais superio-
res relogios fabricados em Inglaterra, per preoot
mdicos. ^.
ARADOS AMERICANOS.
Chegaram os arados americanos, e vrndero-se nj
roa do Trapiche n. 8, pelo prejo j sabido de 409.
nova
e Apollo n.
Com pa lili a.
Pratos ocos patentes
para conservar a comida
queme: vendem-se na pra-
ca do Gorpo Santo, arma-
sin n. 48, de Uostron.Uo-
oker $ U.
Veude-se aro em cuuhettt de um quintal, por
preco muilo commodo : do armazem de Me. Cal-
moni & Cutuptnhia, praca do Corpo Saulo n. 11.
Na rua do Vigario n. 1SK primeiro andar, ven-
de-sefarelo uovo.chegadoJBLisboa pelo brigueti-
deranfa.
Deposito dAinho de ham-
gne Chateau>A\
dade, de propredade do cpndtttfl
U____..Ti I i .1 9M
W
"X

3
de Marcuil, rua da Cruz do Re3
cife n. 20; cste^rinho, o melhot
de toda a Champagne, vcjide-se
a 36JO00 rs. cada caixa, acha-
unicamente em casa de L. Le?
comte Feron & Companhia. N.
BAs caixas sao marcadas a lo-
goConde de Marcuile os ro-
^ tulos das garrafas sao azues.
POTASSA E CAL VIRGEN
No antigo e a' bem couhecido deposi-
to da rua da Cadeia do Kecife, escriptorio
11. 12, ha para vender muito superior,
potassa da Kussia, dita do "Kio dechinero
e cal virgem de Lisboa em pedra, tudo u
precos muito avoraveis, com os quaes i-
caro os compradores satisleitos.
FARINHA DE MANDIOCA.
Vende-se superia^aarinha de mandioca
em saccas que tem um aiqueire, me
velha por 3S'000 res : nos armazei
5,5 e.7, e no armzem defronte da porWda
alfandega, ou a tratarr-o escriptorio de
Novaes & Companhia na ruado Trapich
n. 3i, primeiroandar.
# POTASSA BRAS1LEIRA.
H Vende-se superior potassa, fa-
0 bricada no Rio de Janeiro, che-
(A gada i ecentemente, recommen-
^ da-se aos senhores de engenhos os
f seus bons efFeitos ja' evperimen-
tados: na rua da Cruzn. 20, at-
W mazem de L. Leconte Feron &
O Companhia.
Esgumcfde linho
k e altgodao,
muilosuperior, com 11 varas a peca, por 39500:
vende-fe na ru do Crespo, loja da esquina que vol-
a para rua da Cadeia.
A3$500
Vende-se cal de Lisboa ltimamente chegada, as-
sim como potassa da Kussia verdadsira : ua praca do
Corpo Sanio n. 11.
AGENCIA
Da Fundicao' Low-Moor. Rua da
Senzala nova n. 42.
Neste estabelecimento continua a ha-
ver um completo sortimento de moen-
das e meias moendas para engenho, ma-
chinas de vapor, e aiias de ferro batido
e coado, de todos os lamauhos, para
dito.
ammrace.
Irregul'ar'idade da rr.cus
iroaio.
-ombe/igat de ludaespe-
C_
^JtV -pedra.
-^lawichasna cutis,
"justrurrao de venir*,
'htisiraou cousutaprSo
pulmonar. .
Dureza no vettlre. A Kelrn(ao d'uurina.
Eufermidades no figarJos.* Kheumaiitmo.
Sv mpteoiu secandarioe.
'" mores,
jtp doloroso,
ebres biliosas.
intermitientes. Venfrw (mt.>
Veudem-se estos pillas no eslabeiecinieiilo
de Loudres, n. 24-. Slrand, e na- IrW de torios o
boltcarts. droguistas e oulras pe**oaM.rBrarrrgadas
de tua venda m tvda America do^urVJlavena e
II etpan ha.
Vende-aaebocrlinhas a800 rs.
contem MMMIruccilo em porto
o modo de Catar destas
O deput1M>%tral he em j
maceitiee, na xua da
ICO.
Eniaqueca.
Erysipela.
Kebre
V
com
siveis
naslo^ni doSL._.
MtnoalileaLeile, rua da
ria Carueiro, ru
conla.
enences pa-
a lidade' que
i: DO*arma4
iiiC, rua dt Tr
Vende
tente inglez, e
tem vindohat
de Ada mson
che n. V2.
a boa fama
VENDES A RATO: /
Lencinlios de relroi de lodas as cores para peseo-
co de senhoras e meniuat, pelu barato prefO dr 4, *
baralhos de Carlas linissimas francezas para ttllnreti *
a 60, louras de laa para senhoras e meninas a 640 >
luvas muito finas de fio da Escoria branca e de co-
res para homem e senhoras a 400, 500 e bO rs. o
par, rneias branda ecruas para homem, Calenda
muitissimo superior a 160. 00 e -210 o par. luvas de
pellica de Jouvin brancas e smarellas para homem
e enhor a 19900 o par, camisas de meia muilo 0- "
tas a de pura Isa ara homem a 3aj00t>ajB j
algodio muili.siroo finesa 15 e 1%MM), leatjjl *
lo finan para papel 19500, ditas su peol
barbeiro a 19900, 'equea moito finos a 39, rt
loadoras para cllete de madrrperola e de met
500 rs., ditas para palitoa 600 r., caiiinhas
phosphoros propriaajajara chata lo a 20 ra.. rico* >
ros dourados de porcelana para flores de diversos la-
mauhos e prejos, ricaaJilas de teda laaf^^H isas,
de todas ascores e largaras. esCova^^H
roupa, ditas para cabello, trancas
tos padrrs de diversa largaras ecores, navathe li-
nissimas para barba, caivetes Gnittimoa e de todaa
as qualidade, bicos finos de linho de bonitos 1
e diversa* larguras*, ricas franjas de algodio I
ede cores para cortinados, lesouras pl
mais finas que h*-postivel encontrar-te.
tissisnas cousas que ludo se Vende por I
precos que o propriot compradotrs cata
cao: na rua do Queimado, noa qualro
bem coohecida loja de miudezas da Boa Kamaji. :i:t
A boa fama
VENDE HABATO:
Ricoi pentes de tartaruga para'cabera
Dilot de alisar tambem de tartaruga
Dito de inarlim tamben) paraaHtJtr
Dilos imitando tartaruga para cubera
Lindas meia de seda de cores para crTanras 19B00
uas de
1 nW. .,,
Ruteado de lisli as de cores, propiio
para palitos, calcas e aquetas, a 160
o covado.
Vende-se na rua do Crespo, loia Ja esquina que
olla para a cadeia. "
CAL DE LISBOA *000.
\endcm-se barris com cal virgem de
fechar cuntas, pelo diminuto preco de
ril : na rua da Cadeia do Recife, oja n
te da rua da Madre de Deot.
Moinhos de vento
ombombasderepuxopara regar horlase baisa,
decapim.uafandieaodeD. W. Bowman : narua
do Brum ns. 6, 8 e 10.
Meias pintadas fio ds Escocia para crlancasaMeaOO
Bandejas grandes e de pintura tinas39000 i#800
Papel almajo Breve e pautado, resma
l'ennas linissimas bico de latida, gioza
Dita muilo boas ra ter de lauca,groz*
Oculos dearmacao de ac cor#radoaces
Lonetas com armaco d tartaruga
Ditas com armario de bfalo
Toucadores de Jacaranda com bons espelhoa
Meias de laia muilo superiores pat* padrea
Ktcas bengalas de anna cun lindos caaHea
Ditat de junco com bonitos rastet
Ricot chicote para liomem e seuhota a la e^
Meias prelas ata Igodao para padre, o per
t.ravalas de A de lodas as core ^1S e 1J300
ti la de velludo de toda aa mutufan 160 e 320
Atacadores de cornalina parVH| 400
Ricos reloginhos para rima deTIM 49000
Snspentorios finos de borrarha, o par iOO, 500,000
Pentes muito finos pera sonsa
Escotas muMo finas para cabello
Capachos pintados muilo bonito*
Botes Irhisaimos de ma Jreperola para ca-
misa, a groza 19200
Alcm de ludo islo vendem-ea oulrat muilat coa-
sas, que i vista das qualidade* e precos faz admirar:
na roa do Qoeimario, noa qnalro cantas, na toja de
miudezas da Boa Fama 0. 33.
ESCRAVOS FGIDOS.
AOS SENHRES DE ENGENHO.
eduzido de 640 para 500 rs. a libra
I)o arcano da invencao' do Dr. Eduar- ...
db Stolle em Berlin, empregado as co- No dia 11 do crtente mez
lonias inglezas e hollande/.as, com gran-
de vantagem para o melhoramento do
assucar, acha-se a venda, em latas de 10,
libras, junto com o methodo de empre-
ga-lo no idioma portuguez, em casa de
. O. Bieber & Companhia, na ruada
Cruz. n. 4.
Vendem-se cm casa de S. P. Jolins-
ton & C, na rita de Senzala Nova n. 4 2."
Scllins-inglczes.
Relogios patente inglez.
Chicotes de carro c de motilara.
Candiel tose asticats bronzeados.
Lonas inglezas.
Fio de,sapateiro.
Vaquetas de lustre para carro.
Barris de graxa n. 97.
Vinho Cherry em barris.
Camas de ferro.
Detappareceu na noite do dia 9 para 10 do cor-
renle mez um negro Catsange de notae Manoel l'e-
queno, de 45 annos, pouco mais ou tnenos, cortHi
secco, pea largos e seceos, barbado, levno camisa
branca e una calca de riscadu azul < um chii^H.
palha com urna Na prela, lambein levou unta ifatpaa
v de roup, he quebrado e lem a mos clja*tas
por ser amacador ile padaria : quem o ngr leve-o
ua padaria franceza do aterro da Ba Vista n> 50,
que sera' recompensado.
ile mez fugio u preto Jogo
crtnulo. de idade de 20 annos, mais ou menea, de
eslalora e figura regolares.tendu urna pequea cica-
triz sobre o olho din-i lo, levando comsigo dual cal-
cas de algodo riteario atul, Ires camls/t d**fie*M*,
ires (lillas de madapoln com pello de Htrl cci a
marca I). W. Bowman, quatro camisa, nova de al-
godiloznho, um chapeo novo de palha americano
com fita prela, urna jaquela nova de ganga amarell,
um chapeo de sol novo de panninho prelo, e uaia
lobera de cinta velha ; quem o apprehender e la-
vara Franciaco Manoel do* Santos Lima, ra rua du
Brum u.K, sera generosamente recompensado.
101M000 de gratiicaeao.
Dejappareteo no dia 47 de agosto pro\i,iu feM.
do, pelat 7 horas da noile, a prela Loureuc*, de ,i.
r.lo Angola, de idude So a 40anuos, pouco ma ttl
menos, oro o* signaet seguale : um dedo da mjo
direila incitado, magra, lem marcas brancas as duas
peritas; levoo camisa de algodaoziohe, vestido de
chila ra, panno fino, e mais um Irouxt de rouoa-
roga^ea todas as autoridades policiaca ou captties
do campo que a apprehendam e levem a seu tesa*
Jollo Leile de Azevedo, na praca do Corpo Santo
17,-qae receberu a gratifleasio atima.
tSW. TYP. DE M. |F. DB FARIa
,-; .^
A 1355,
V



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM64L5133_YL973Q INGEST_TIME 2013-03-25T13:55:43Z PACKAGE AA00011611_00500
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES