Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00499


This item is only available as the following downloads:


Full Text
...'

&M1I0 XXII. N. 272.
Por 3 meses adiantdos 4,000.
Por 3 mezes vencidos 4,500.
SABBAD 24 NOVEMBRO DE I8S5.
>-
Por anno diantado 15,000. *
Porte franco para o subscripto!.
DIARIO DE PERNAMBUCO
ENt
M
vCAIlREGADOS DA SUBSCIUPCAO'-
Recite, o praprieterio M. F. de Faria ; Rio da Ja*
>sr..lo5o Pereira Marliua ; Baha, n Sr. D.
Macei, o Senhor Claadino Falco Dial;
o Sr. liervHiio Vctor da Nallvade ;
LSr.Jcaquim Ignacio Pereira Jouior: Ara-
V- Amonio de Leroos Braga ; Cear, o Sr.
l Joan de Oltvtira ; Haranhao.o Sr. Joa-
arquot Rodrigue; Piauhy, c Sr. Domingos
A AdkilesPestoa Coartse; Para, oSr. Jus-
o; Amazona*, o Sr. JeroDymoda Coala.
CAMBIOS.
Sobte Londres, a 27 5/8
Ptris, 348 re. por f.
Lisboa, 98 a 1U0 por 100.
Rio de Janeiro, 1 por 0/0 de descont.
Acedes do Banco 43 0/0 de premio.
a da Companhia de Beberibe ae par.
da companhia de seguros ao par.
Disconto de lellras, de 8 a 9 1/2 por 0/0.
Otiro.'
Prata.
MKTAES.
Oncas baspanholas. . . 2955000
.Moedas de 69400 velhas. . 16JO00
* de 69400 novas. . 169000
de -18(100. . 99000
Patacoes brasileiros. . 29000

19860
PARTIDA DOS CORREIOS.
Olinda, todos os das.
Carnari, Bonito eGaranhuns, nos das 1 o Ib.
Villa-Bella, Boa-VisU, ExeOuricury, a 13 e28.
Goyanria eParahiba, segundase sextas-leiras.
Victoria e Natal, as quintas-feiras.
I'IIKAMAR DE IIOJE.
Primeira s 4 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda s 4 horas e 54 minutos da manha.
audiencias.
Tribunal do Commercio, quartas e sabbados.
Relacao, tercas-feiras e sabbados.
Fazenda, quartas esabbados s 10 horas.
Juiz do commercio, segundas as 10 horas e as
quintas ao meio-dia.
Juizodeorphos, segundase quintas s 10 horas
l1 varado civel, segundas e sextas ao meio-dia.
2* vara do civel, quartas e sabbados ao meio-dia.
EPnEMERIDES.'
Novemb. 1 Quarto minguante as 2 boras 46 mi-
nutos e 48 segundos da tarde
9 La nova as 5 horas, 11 minutos
e 4 segundos da tarde.
ltt Quarto crescenle as 9 horas, 20 mi-
nutos e 49 segundos da manha.
23 La cheia as 5 horas, 31 minutos e
'44- segundos da tarde.
DAS DA SEMANA.
19 Segunda. S. Isabel viu; f. rainha. ,
20 Terca. S. Flix de Velis; S. Octavio m.
21 Quarta. Apresentaco d8SS. V. no Templos
22 Quinta.S.Cecilia v. ni.; S. Faleion m.
23 Sexta. S. Clemente p m. ; i. Chryaogoo.
24 Sabbado. S. Joo da paz ; S. Felicidade m .
25 Domingo. 26 e ultimo depois do Espirito San-
to ; S. Calharini v. ni. ; 5. Erasmo m.
TE TICUl.
y
%IM8TERI0 DO IMPEHIO.
i Mageslade o Imperador ha por bem approvar
8 andar que se observe, para eiecucao do 8 do
arl. S do regulameolo qae beiou ">"> o decreto n.
1381 A de 17 de fevereiro de 1854, o reimento
interoo para ai escolas publicas de intlrucr.au prima-
ria, qoe adi inte aegoe, organiaado e assignado pelo
oonaelheiroile estado visconde de llaborahy, cono
iospealor geral da iostroetalo primaria e secundaria
do monicin* <* c*',e- Palacio do Rio de Janeiro,
ero aodeoulobro del855.Luix Pedreira do Cau-
ta Ftrroz.
W rabana*a interno para a eaoolaa pu blicaa de ioe-
tr uocit 'o pr linaria.
ios decere do profetsores.
Art. I. O professor publico deve:
1. Procurar, porlodoa os meios infundir oq co-
racAa dos seos discipulos o aentimenlo doa devel*
liara cent Deot, para coro a patria, pas e prenles,.j
|ara eom o prximo e para com sigo mesmo. U pro-
(edimealo do profesaor e aeos oxeroplos sao o meio
inaa eftica de conseguir ate resallado.
sji 2. Mantero ilencio na escola.
j 3;,Apreseniar-se all decentemente vestido.
J$ 4. Participar ao delegado rspedivo quatquer
mpedimeuAo qoe o inhiba de desempenhar Kn de-
veres.
5. Organisar animalmente com o mesuro dele-
itado o prcanxnlo da despeza da respectiva escola
para o. anuo lwuceiro seguinle.
. Hemelter uo liin de casa trimestre um mappa
naj das alumnos matriculados, cum declararan
da fresjuencia e aproyeilaroeulo de cada um, e no
fin da anno um mappx geral comprcliendendo o re-
sallado dos flamea, e notando d'enlre os alumnos os
^^^flzeremrccommendaveis por laleuto, applica-
e moralidade. Estes mappas serao orguuisaikis
negando modelo, impretsoa remedidos pelo inspec-
Art. 2. O profesaor t poder usar na aua eacola
iloaVrvroa e compendios que forem designados pelo
nspeclor geral.
:t. profesaor publico nao pode :
i. Oeeupar-sa em objectoa eatranlios ao entino
durante as hora das tictes, aero, empregar oa alum-
nos em sen iervic,a.
2. Ause niar-se bus diaa lectivos das freguexiar'
onde esliver enllocada a asela, para qualquer potito
ilttlenl,' aem licenca do-delegado respectivo, qo% 6
a poder conceder, le par monyo urgente, at tres
dias toDstouirvos.
f 3. KianajT-prolimo coatmercial ou de iudus-
iria.
S *. Exerner uenliuiu emprego administrativo sera
dateriacao previa do inspector geral.
Aft. i. Aloro das obrigaees sapecisliaaate deca -
asta capitulo e as qoe san ealabeleddaa no
regulamealo de 17 de fevereiro da tttai, licsin oa
iwiataatoriii ijaalMjajr* (orara upeciacadas was d-
vefaa* partei desla reffime"l- '"
Va t'Obilia < a economa da$ icolat.
\xl. 5. llavera porta de cada escola urna labo-
:om as ^rmaa isaperiaes, indicando a que fre-
goexia perlince. u sexo para qoe lie destinada
nacsma eacola, e qual a aua graduarlo.
Art. 6. A escola deve estar,sempre na maior lim-
oeta e aseio, fateodn o proleasor varrer a casa pelo
lanos urna vez oo da, lava-la duaa vetes cada mez,
o conservar'iberlaa aa janellas o miior espaco de
lampo que l'or poativel.
Arl. 7. Cida escola deve ter os sepuintes objec-
A imagem de Senhor Crucilicado, o retrato de S.
M. o Imperador, umrelogio, um armarlo, urna roe-
,in estrao e nina radeira do bracos para o pro-
lanor, cadeiraa para aa pes tajla, bancas e mesas inclinados coro linleiros fi-
los, orna ampollieta, om mappa do Brasil, oulro
la provincia do Hio de Janeiro, um quadro grande
e madeira pintado do prelo, esponjas e giz para
icios de aritliinelica e orlugrapliia, um qua-
mappa eom o systema geral de pesos e medi-
doavalorea das moedas do imperio, quadios
a leilura, e oulroa com medelos de escripia, ar-
lotiia, papel, e eomprndios para oa meninos po-
bres; ponteirns, cabids para chapeos, regirs com
guarnicAo di metal, tama para agua, c vazillias me-
nores.
ArL jk O inspector geral, onvido acnuaelliodirec-
- lar, peder modificar esta relacAo, se assim o esigi
reo) as pecessidades do ensino.
Art. 9. O pmfeasor he respousavel pelos ulensi-
lioa d aua eticla, deveadoajapresentar ao respectivo
detegado sobre a deteriorajpa dos mesmos, e a ne-
tessidadede'kM reformar ou substituir.
Arl. 10. Ao lomar conla da escola deve o profes-
aor, pt**nc.a do respectivo delegado, fazero in-
dos movis e oleoailins que i.clla^char, re-
awvando-o no prinaipio de rada auno, em prese lira
da maaoHi delegado.
Deaaas inventarios, qae sern aasignadot oslo de-
legado e pelo profeasor, devera aer remetlido um
oxemplar inspectora geral, Qcando oolro em po-
jar do respectivo deleaado.
Da$ oeaaaWrB ala admittao i matricula dot alum-
no, das materiit de que te eompe b entino nat
acotas primarias, eda disciplina da' aulas.
Arl. II. A matricula nasescolaa primarias sera
gratuita, e dover ser Ma p%lo profesaor em pre-
sanca de oroi guia aoaual do respectivo delegado, a
qual depois le registrada sera archivada al o anno
segonle.
Esta guia dever. ser pausada a pedido do pai, to-
bar, curador t)u protector, que declarara soa residen-
cia, estado r proliasao, e a iiaturalida.lt', filiadlo a
Hade doalumaa. Arl. *S do regalamento de 17 de
fevereiro de 18H.)
Arl. 12. Antes de pastar a guia de matricula,
exigir o delegado um attestado do professor da es-
cola que o menino tiver ltimamente frequentado,
no qual declare o motivo de ua tahida, e o grao
de inslrucrao em que seaehava a este lempo. Eaaa
mesma declaradlo far o delegado na goia que pas-
ear.
Arl. l:l. Nao serao admiliidos rualricula, nein
poderlo frequenlar as escolas :
1. Os meninos qae padeerrem molestias conta-
giosas.
2. Os que nao liverem' sido vaecioados.
3. Os escravos. ( Arl. 69 do citado regult-
mentn.i .
Art. l. A'a liroes ordinarias das escolas nao
podero ser admiliidos alumnos menores de cin-
co anuos, uem mtiores de 15. (Art. 70 do regola-
metilo.)
Art. IB. As escolas publicas serlo divididas em
duas claases :
A ama pertancerao as de inslruccao primaria ele-
mentar, com a denominarao de escolas do 1. grao ;
outra as de iostruccAo primaria superior, com a de-
nominarlo de escolas do 2. grao. (Arl. 48 do re-
galamento.', *
Arl. 16. O ensino as escolas do 1." grao compre-
liendc:
A inslriiccao moral e religioaa.
A leilura e a escripia.
A analyss grammilical.
As qualro nperacGes sobre nmeros inteiros e
frarrOes.
O systema de pesos e medidas do
'Arta. 47 e 49 do regulamento.)
Art. 17. as escolas do 2. grao o ousinu corpure-
lieuder, alcm das materias que furmaro a inslnrJJjao
primaria elementar, as da 2.* parle do arl. 47 do re-
gulsmenlo de 17 de fevereiro de 1854, que por de-
liberarlo du governo, sobre proposla dn inspector
geralioovidoo cmisellio-directur, se mandaren)adop-
tar. (Arl. 49 do regulameulo.)
Arl. 18. Has escolas para o sexo feminino, alm
das nuteriat que formato a ioslruccao primaria ele-
mentar, se ensinanlo os bordados e os (rabalhos de
agulha mais necessarioa.
Poder-ae-hXo tambero ensinar as da segunda par-
le do art. 47 do resul imonln do 17 de fevereiro da
icol que o governo designar, sobre proposla do
nspector geral, e com audiencia do coaselho-dirac-
lor, conforme as diversas localizada em que forero
situadas, e ana importancia. (Art.~"56 do regala-
memo.
Arl. 19. Uavera emJ|flfecola um livro de ma-
Iricula "J^HjAh^^Bado pelo respective dale-
aado, e^^^H p professor as fallas Jas dis-
municipio.
cipulof,!
da
mo-
adiantaaaanlo em cada mez, ai
em que saliireoj'da eacola, e coro a declaraban
livo da saluda. (Arl. 6* do regulamealo.)
Arl. 20. Alm desse livro, liaveri ouaru tambero
rubrica lo prlo delegado, em qua caerrveru o profes-
sor ludo quailto for relativo aaprocadimento.ao ca-
rcter e a'a Jisposicoes dos alaaaao', e ew qua ut
avtaarasaaa e mata uloridad-a q.e vtaHarem a escota
pndeAo f.ucr as suasobservares.
*
Par se-ha nesse mesmo livro um aasentameolo es-
pecial para o iiome de cada alumno, de modo qoe
as oolas e oliservacOtja>que Iba forem relativas poa-
sam acompajJWr de aft aula para oulra ; de-
vendo seratJJBdos utaawetaria da inatruccJo pu-
blica, qnando"^alaniiio deitarde frequenlar as es-
cnlaa publicas.
Arl. 21. Ao terminar os traballios da aula fara'o
P'ofessiT a chamada dos alumnos, notando os que
liverem fallado.
Arl. 22. Os Irahalhosescolares serao dividido! em
aulas da manha e aulas da tarde.
No verio principiaran as aulas a'a 8 liares da ma-
nha e acallanto a's 11.
No invern principiarlo a' 8 .' e terminaran a's
11 J,'.
As aulas da larde serio sempre das 3 a's 5 }'.
Art. 23. Nos lugares fora da curte era que, pela
distancia da morada dos alumnos, nn for de fcil
oxeruro o que disps o artigo antecedente podera'
o inspector geral, onvido o respectivo delegado, al-
terar as horas Jas aulas conforme julgar mais conve-
niente.
Arl. 24. as escolas publicas serao feriados, alero
doa domingos e dias santos de guarda, oa de fesla
nacional mrcalos por lei, os de loto nacional mar-
cador pelo governo, os de eolrndo desde segunda al
aquarla-feira de Cinza, os da Semana Santa, os da
semana da Paseos do Espirita Santo, e os que de-
correm desde' 20 de dezembro at 6 de Janeiro. (Arl.
74 do tegulameulo.)
Arl. 25. Para que possam a aolas principiar is
horaa marcadas ueste regiment, deverii o profesaor
preparar de aute-luao pennas, papel, e mais objee-
tns necessarios para os trabalhos do da.
Art. 26. Ao principiar a aula de mnuhaa e ao
leimAr alarde, reanlo os alumnos uma evir
ora^ao, que aera escolhida e ensiuada pelo
fessor.
Arl. 27.liuraule a cola, nehum alumno podar
aosentar-se, por qualquer motivo qoe seja, aem li-
cenca do professor.
Arl. 28. O professor oio consentir qoe entra-
da neni u sabida da aula os alumnos se reunam em
grupos mui|nnmerosos, nem qoe facam alarido oa
asauada na porta da aula.
Arl. 29. Aos sabbados consistir o trabalho da
larde na recordarlo final, por argumentarlo das li
?6ea que liverem os alumnos aprendido dorante a
semana ; em escripia por aposta, c em exercicios
religiosos mais prolongados (loque nos oolros dias.
Art. :). Os meios disciplinares para os menino
serao os seguintes.:
Reprehenaflo.
Tarefa de Irabalho fra das horas regulares.
Oulros caaligbs qoe excilem o vexame.
tommunicaeSo aos pais para easligoa maiores.
Expulsao da esrola. (Art, 72. do regalamento.)
Art. 31, Se a falta que o alomno commetler for
de deveres escolares, dever o professor adverli-
lo em particular que procedeu mal, aconselhando-e
para que nao recaa na mesma falla.
Arl. 32. Se o alumno reincidir, devera o profesaor
admoesta-10, fazeodn-o pastar do logar que uccopar
na classe para oulro inferior da mesma classe.
Arl. 33. O alumno que nao se corregir por este
meio ser reprehendido em presenca de lodos os
companheirus e em voz alta pelo professor, que I lie
marcar. tarefa de trabalho fra das horas regalares.
Arl. 34. O nome do alumno qoe durante moiloa
dias 'uccessivos njo preeucher bem os devores esco-
lares sera escriplo em ledras grandes com a designa-
cao da falla.
Arl. 35. O nome da alumno ficar assim escriplo
mais on minos lempo, conforme se mostrar'elle ar-
rependido e corrigido da falla ou faltas que liver
commelido.
Art. 36. Alm dettes castigos.poder o professor
mandar o alumno por-se de p ou de joelhot com os
bracos aberlos, durante o lempo qoe julgar necessa-
rio para punir.
Arl. 37. Ounndoo alumno naos emendar com a
applicar.io desles castigos, escrdjreru Saanfessor ao
pai, tutor oo prolector, dando lhe contado sen mao
prucedimento, para que mais severamente teja cas-
tigado.
Art. 38. Serao expulsos da escola --a alumnos in-
corrigiveis, qoe posiam prejudrear aos ostros por
seos eiemplos ou por aua influencia, depois de es-
golados lodos oa recursos do profeasor e da aolori
dade paterna, e precedehdn aulorisafo por escrip-
lo do inspector geral.
Art. 39. No fin da aola do sabbado larde lera
o professo, em voz alta es Domes dos alomos que
durante a semana liverem (ido ino procedimenlo,
e dos'que mais se liverem distinguido por soa ap-
plicaca.o e buin comportamenlo.
Arl. 40. As recompensas conshtirao :
Na pa-sagem de um logar inferior para oulro su-
perior da mesma ciaste. '
Na inscriprao era letras grandes do n me do a-
lumno em um quadro chamado de honra.
Na proclamacao dos nomes na aula do sabbado k
larde, e na commuuicacao feita pelo professor fa-
milia de alomno, de que asta satisfeito com elle.
Arl. 41. O alumno qae durante tres mezes for
sempre o primeiro proclamado na lista du sabbado,
e que durante este tempo liver o stu nome escriplo
no quadro de' honra, usar dentro da aula, e por
espado de um mez, d uma pequea medalha presa
ao peilo por orna fita. Esta medalha lera' de om lado
a palavra Premio, e do entro a seguate im-
cripriio Escola publica de primeiraa lettraa.
Art. 12. O acto de conferr-se a medalha ao a-
lumno deve ser feito com solemnidad, mandando
o profesaor que lodos os alumnos se levanten), e d-
rigindo ao agraciado algomas palavras laudativas.
Arl. 43. Tara' o Duina rucado do quadro de hun-
s aaMKtsj^sjcsMBp
do' maia e liverem distinguido pelo aeu bom pro-
cedimenlo, applicacao e inlelligencia, alem de Ie-
rran o alteslado de approvarao, serlo premiados ; e
d'enlre oa.cinco, o que for julgado maia dislinclo
por una votarao de preferencia entre elles lera o
premio de honra.
Arl. 58. Consiitirao os premios em livros de re-
liuitu, de moral e de litteratura Dacioual, que se-
rao escolhidos pelo cousellio-direclor.
O premio de honra consistir' em nina medalha
de pr.ila. leudo de um lado a effigie de S. M. n Im-
perador, com a segainte legenda em redor A' in-
seguinte inscripcjlo Eacola publica de instruecio
primaria.
Arl. 59. Concluidos os exames, fara' a commis-
sAo a disiriboirSo dos premios no da fasignado pe-
lo presidente, sendo proclamados,oa flaaes dos que-]
forera approvados, oa quaes serao panucados pela
imprenta, bem como os dos premiados.
Art. 60. Em cada escola lavrara' o professor um
termo dos exames, qae sera' assignado pela com-
mssAo, fazendn o sea presidente ao inspector seral
uma relac.au eircumslanciada do prooesso e resolta-
do dos eiames.
Arl. 61. S- pelas informares e rtlaco** dos pre-
sidentes das coromiases julgar o inspector geral
que alguro profeasor merece louvor ou censura,
Ih'o i-oimnuiiicara' por uflicio, ouviuo o couselho-
direclor, e dandu de ludo parte eircumslanciada
ao governo. -
Dispotcet geratt.
\rl 65. As ilispnsices enunciadas nesle regi-
ment sao applicaveia s escolas de meninas, deveu-
do as professores deslinar pelo menoa uma hora por
lia para os trabalhos de bordados, marcas, costu-
ras, ele.
Art. 63. O inspector geral podera', quando jul-
gar conveniente, alterar qualquer disposira > Oeste
regiment que nao esliver ja determinada pelo re-
gulamento da 17 de fevereiro de 1854, ouvindo o
cooselho-direclor, e comraonicaude ao governo a
modificocao qoe fuer antes de saa execucao.
Art. 64. Tudo quaodo diafe este regiment
respeilo dos proles-ores he applicavel aos que inte-
rinamente regerem qualquer radeira.
Art. 65. Durante os trabalhos das aulas so. pode-
reuuir-se no dia 26 do torrente, os estatores das
parochias desle municipio, aflm de procederem a
eleirao dos de pulados a assemblca legislativa pro-
vincial, assim o communico a V. Exc. para que nos
termos do arl. 72 da lei de 19 de agosto de IMll
se digno de comparecer na igreja matriz desta fre-
guezia, no dia immediato a hora do costme para
celebrar a mista solemne do Divino Espirito San-
io.Ofllciou-se a cmara municipal para mandar
apromptar o que for preciso para tal IIm.
DitoAo Exm. juiz especial do commercio, com-
muuicando qne por decreto de 2 do correiile, se-
lelligencia, ao zelo e a' eaaplieaajf ; e irooataaa eximio consloa de aviso da reparticloda jnstica de
4 deste mez fora uomeadn serventuario vitalicio do
ollicio de escrivao privativo daquelle joizo Mstimiano
Francisco Duarle, a quera se marcoo o pralo de 3
me/es, para a a presen tcalo da respectiva carta.
Fizeram-se aa necesssrias communicaees.
UilgAo Exm. conselheiro presidente da rea-
can, declarando que segundo constou de participa-
rlo da secretaria do ministerio da juttlca de 7 do
correnle, fora exlinclo por decreto n. 1665 de 3
deste mez o logar de jui/. de dlreilo do civel deala
capital.Expediram-se as necessarias commuruW
carpe,.
DitoAo mesmo, communicando que por decre-
to de 2 deste mez segundo consloo de participa^ao
da Terciaria do ministerio da juslica de 6 do tr-
renle, fora Horneado o juiz de direilo Custodio Ma-
noel da Silva GuimarAes, para desembargador da
relacao do Maralo. Fizeram-te as outras com-
inniiicare.
Hito'Ao Exm. marechal commandaole das ar-
mas, dizendo que pela leilura do aviso qoe. remel-
le por copia expedido pelo ministerio da guerra em
9 do correte ficara S. Exc. inleirado de que fora
deferido favoravelmenle o reqiirrimento, em que o
segundo cadete do segundo balalhio de infanlaria
Francisco Mara de Alinea la Seixas, pedia passagem
para o terceiro da mesma arma.
DiloAo mesmo; tr.-insmillindo por copia o aviso
inslerio da guerra de 6 do correnle, do qual
que se expedir ordem para vir para esta
:a a reunir-se ao respectivo corpo, alferes
do segundo balalhao de infanlaria Pedro Martina,
qoe te acha na corle.Commooicou-se a theaonra-
ria de fazenda.
DiloAo metmo. remetiendo por copia o aviso
da rrparlic.in da guerra de 10 do correnle, no qua
nao ni se manda por em litierdtde os soldados do
primeiro batalhao de caradores hoje oilavo de in-
fanlaria, Jo.lo de Dos, Manoel Rodrigues e Jote
R.'ix inundo Pinto, por nao exittirem assenlamen-
toa a seu respeito, por onde possam ser julgados
criminosos, mas lambem declara-se qoe na dala do
citado aviso expedio-se ordem, para que soba a
secretaria daquelle ministerio copia do procesto do
reo Jotquim Jos dos Sanios.
DitoAo mesmo, enviando por copia o aviso do
ministerio da guerra de 0 do correnle, do qual cons-
ta- qoe por immediata e imperial reaolurao de
20 de iiulubrn ultimo, for indeferidu o reqoe-
a dominis
* prtmncii
rao ter entrada as eacol
encarregadas da inspeccaa
aa autoridades
os pais dos a-
e as pessoas
verem licen-
aluinno que de,merecer essas recompensas.
Dos Txamet.
Arl. 4i. No mez de dezembro de cada anno pro-
cederae-ha a examet em todas as escolas publicas
de inslruccao primaria, para verificarte qoaea ot
alumnos que podem ser dados por promplos.
Art. 45. Os exames em cada escola* serio feilos
peraulc ma coinmissao, composta do respectivo
profeasor, do respectivo delegado, que ser o pre-
sidente da coinmissao, e de mais orna peesoa Hornea-
da pelo inspector geral.
Na falla ou impedimento do delegado, tera' ella
substituido por quero for designado pelo inspector
lumnos, ou os qoe iuh ve
decentemente vestidas que p
ca do respectivo delegado.
Inspectora geral da instroccio primaria e secun-
daria de municipio da corte, em 2 de maio de 1855
Visconde de Ilaborahy.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 19 tE NOVEMBRO.
OllicioAo Exm. ministro do Brasil em Paria.
Havendo falta absoluta da um compendio para o
eotiooda logoa grega no Gjmnatio, quaareala pro-
-a tar aaalttaiaajaj, t|^ouj..j^aajaxJp-

leresse rogar
i de fazer imprim!
com a pussivel brevidade o maouscrpto junio, que
precisa estar aqoi promptn oo principio do anuo
lectivo, que romera uo mez de fevereiro.
Ao primeiro aviso.de V. Exc. ser promplaraen-
le salisfeita a despeza que com lato se fizer. *
Dito-^Ao Exm. presidente do Para, participando
ler ja expedido as convenientes ordeut, para seren
comprados pelo arsenal de roaajnlia desla provin-
cia e enviados para o dessa, os objectos menciona-
dos no pedido qoe S. Exc. remellen.
DiJa--Ao Exm. commandante superior da guarda
aacipn do municipio do Kecife, Iransmitlindo por
geral. copia o ollicio em qae o delegado do primeiro dia-
Arl. 46. Cada professor dever remoller ao de- lr.clo.do termo do Recife particioou. qae ja fdra en-
I'OLHETIM.
i 'a ata i
naT> tarv n w: 7-m *. -
Por Xavier Ejraaa.
I ,


VII
O marque/. Dagoilla lomara para villar n Hevana
aganliar seu.palacio as ras mai desertas. Com-
auanlo ao guia de Andr houvesse feito longos rodeios
para cooduti-lo a Magnificencia, cala quinla nao
ditlava da cidade mais de uma milha : aaaim.nao foi
ureeno mui'.o tempo volante dirigida pelo marquez
para rhegar ao termo de aua carreira. Antonia re-
cobrara apenas os sentidos e eomecava a entreabrir a
cortina da seda que fechava a carruavem, qoando o
cavallo purou dianle da puriinha do jardun, pela
qaal Jstsephi fizern Andr sahir ni dia de aua
queda.
Pondo o pe no estribo para descerda volante,
Anlouia vio diaole de ti o marido, e a lembranfa da
acea horiiiel a que acabava de assisllr represenlou-
se-lke ao esnirilu. Ella agarrua-se carraagera para
ota cahir, e pergontoo com-voz desfallecida :
Onde imIoo 1
Em aua cata, tenhora.
Oh 1 meu Dees 1 meu Dos murmurou a po-
bre melUer i crullando o rollo nat maos.
Daguilla lomou Antonia nafa bracos no momelo
am qae as Ierras iam fallar-llae, alravessou o jardint,
a aVpaaitoo ajas fardo qaasi ioanimado sobre um
lato ; aepwa retirou-ae friameule aem proferir uma
palavra nem de colera, nem de reprehnntjlo, nem de
pladade.
No anoaoeiilo em que o marquez sabio, uma rou-
Iher levanlou-te em am dos cautos maia escorot da
alcova, e dirigio-aa ao leilo. Antonia senlio enlo
legado do seu districtu a rcla;9o dos alumnos que
liverem de serexamioados
Arl. 17. Os exames serao annunciados pela im-
prensa com antecedencia de tres dias, declaraodo-se
ao mesmo lempo os nomes dos examinadores.
Art. 48. Versarao os exames tobre ai materia"
que cooslituera a inslrucc.au primaria, e serao fei-
los por escriplo oas doutrinas em que for isso pos-
tivel.
Arl. 49. Tera' influencia oa volaego, nao so o
exorne oral e escriplo, mas anda o que constar do
registro das olas e obsenrares que sobre cada
alomno liver o profeasor.
Art. 50. S paderao ser examioados os alumnos
qoe para isso forem julgados habilitados pelo res-
pectivo professor, deveodo o acto ler lugar oa esco-
la em que concluirem os estados.
Art. 51. Oa alumnos queaiao esliverem as cir-
cumslancias indicada! no artigo antecedente, e que
nao obstante liverem notavel adiantamenlo, e se
mostrarem dignos de elogio pela sua applicacao ou
inlelligencia, serlo era signa! de dislinccao apresen-
lados pelo professor aos oolros membros da commis-
l #
Art. 52. A commisstlo tera' espeeia^cuidTdo em
examinar o estado dos alurouos na compoticap, dan-
do-Ibes assnmplos facis sobre que possam discorre,.
por escriplo.
Art. 53. Not examet* verbaes serao ot alumnos
interrogadot individualmente, devendo para cada
um dellet dorar esse aclo meia hora qoando muilo.
Arl. 51. Expriuir-se-ha a volaran por cdulas,'
era que estejam escripias as palavras approvado
approvado com dislinccaoreprovado.
Arl. 55. Ot alumnos qae forera approvados em
todas as materias qoe constiluem a inslrucro pri-
maria recbenlo um attestado assignado pelos mem-
bros da coinmissao e rubricado pelo inspector geral*
Arl. 56. Nesle attestado far-se-ha a declaradlo
do grao de approvarao que liver ubtido o alumno,
e daa materias em que mais se live distinguido.
Art. 57. Os cinco alumnos que melhores exames
liverem feito, e que durante o tempo de seus estu-
um beijo e lagrimas abrazarrm lhe a mao, ergueu
pemvetmeule a cabera, e exclamou :
lobina !
Siro, tenhora, sou eu,... Mas que aconteceu !
que ha ?
lobina repeli Antonia cora energa febril.
Mas onde eslivesle desde a uoile de hontem '.' Acaso
me Irahste 1
Eu Irahi-la exrlamoo i,Joven mulata rahiodo
de joelhot. Mas aconteceu alguma desgrana *
Anda duvdas? Poitbem, vai Magnificencia,
e vers... E ac elle nao est morlo...
Jesw, Mara Jaalisse a muala erguendo-se vi-
vamente "era assirn^ae Vme. o amava ?
E em dar oovidos a Anlunia qoe balbociava an-
da alaumas palavras, parti como ama seta sem mes-
mo cuidar em sua qualidade de escrava nos perigos
de nina carreira nocturna pelas roas da ridade. Pas-
tando dianle do aposenlo dn marquez, vio om raio
que perlurbava de quando em quando o silencio da
noile.
A grade do parque eslava aberla ; Tobiua enlrou,
e correu ao safio. Chegando ahi, sentio-se prestes
a eamorecer vitta Oo sangue que cobria a esleir ;
mas reanimando-se, procurou com a vista o cadver
de Andr. Tomou a vela que arda sobre ama me-
sa, e percorreu o salan ; mas eslava vatio. A pobre
rapariga senlio d-sliimbrar-ss-lhe a vista e desfalle-
cer-lhe o corarlo por causa do reftexo que lancava o
lago de sangue, e do cheiro nauseabundo que aubia-
Ihe ao cerebro. Tobina foi obrigada a asaentar-te
um momento em uma carieira baixa a doua passos do
lagar em qoe fora fendo o joveo militar. Julgou
qoe ia perder o juizo.
Os malvados levaram-nu '.' murmurou ella, ou
elle nao eslava morlo, e pude fugir t
Tobina tendo o rosto, as miios e os vealidnt man-
chados de sangue, levantou-se como te fura movida
de loz que sabia por baixo da porta, e ouvio-o pas-, por uma mola iovisivel, lomou a vela e recomecou
sciar apreasadaraenle no qoarto. Cosleou furtiva-' suas invesligacOes. Reparou en 13o que os movis s-
mente o reparlimenlo, e ganhon o jardim por onde a lavam coberloa de nodoas, e que as paredes tinliam
fusida pareria Hie rnais fcil de exrcolar-se. j ot cunhoa de maus que nellas haviara procurado em
Tobina achou enlreaberla a porta que o marquez aupremo esforz um apoio desesperado. Vio depois
rurjpou
-Klre
tregua ao sargento quarlel-lfelre do 3. balalhao
de infautaria da mesma guarda nacional Carlos
Augusto de Barros Lima, o armamento e corrame
com que se luvia ausentado u guarda,do metmo ba-
lalhao Antonio Aogutlo de Souza Navarro Lins.
DitoAo Exm. marechal commandante das ar-
mas, declarando que, em vista do que ponderen a
commiisSo de Uigyene Publica, lera reaulvido que
se nao reunam as tropas era graode parada no dia
2 de dezembro prximo viodouro, auniversario do
feliz natalicio de S. M. o Imperador, devendo po-
rem ter lugar o cortejo do ettylev hora do cos-
tume.
DitoAo commandaole da estacao naval, recora-
inuiidaudo a expedido de suas urdens, para que o
commandante do brigue Cearense receba i seu bor-
do e trasporte para o presidio de Fernando, os sen-
tenciados de juslica que forem remettidot pira o
mesuro brigue. e bem assim, as prarat de primeira
liuli i que mi) escollando os referidos presos.
DituAo juiz relator da junta de juslica, Irans-
mitlindo para serrelatado em tessaoda mesma jonta,
o procetso verbal do soldado do-2. balalhao de in-
fanlaria Agosliuho Jos.Partlcipuu-te ao marechal
commandaole das armas,.
DiloAo commandante do presidio de Fernando,
dizendo qoe por ler arribado ao porto desla cidade
o transporte nacional Legalidade, que d'aqui satu-
ra com destino qoelle presidio, fez seguir o brigue
Ceareiue, o qual couduz nao s ot presos de juslica
qae teera de camprir sentencii no mesmo presidio,
mas lambem a correspondencia offlcial e 15:0005000
para occorrer aa detpezas daquella ilha.
DitoAo inspector da thesooraria provincial, iu-
leirando-o de Uaver approvado a deliberarjlo que
tomou o director dat obraa publicas, de mandar
comprar para a obra da casa de delenrao 5 doziaa
de astoalho de louro a 208000 a duzia, 6 dilat de
forro de amarelio a 429000 lambem a duxia, e 185
alquejres de cal lina a 13600 ris o alqueireOfli-
ciou-se neste sentido ao menciooado director.
20 I
OllicioAo Exm. hispo diocesano. Tendo de
r lavntnlo (T FrancAeo-JOs de Souza, "-pedtndo ser
reintegrado no posto da segunda lenle de artilha-
ria de qae foi privado pela provisao do couselho
supremo militar.
DitoAo mesmo. tfansmillindo por copia o aviso
da repartirlo da guerra de 9 do crlente, du qual
consta qoe ua metma dala se concedeu passagem an
alferes do meio balalhao do Pianhy LaMarlIns del
Carvalho, para o segando balalhao de infanlaria, e
deste para aquello rneio balalhao ao alferes Vctor
tioncalvet Torres.CommunicOu-se a thesouraria
de fazeuda.
HiloAo mesmo, remetiendo por copia o aviso
do ministerio da guerra de 12 do correnle, do qhal
consta que porldecrelo de 9 desle mez, se concedeu
troca de corpos e compendias aos capilaea Antouio
Caelano Travassoa eClaudiuo Angelo Castello Bran-
co, este do quinto balalhao de infanlaria, e aquel-
la do primeiro da mesma arma.Inleirou-se a the-
sooraria de fazenda.
DitoAo mesmo, para remelter com brevidade
a lim de aer enviada ao Exm. presidente das Ala-
goas, ama crrlidSo dos a-sen lamentos do capitn do
oilavo batalhao de infanlaria Ricardo Jos da Silva,
relativos ao lempo em que elle servio no segundo
batalhao da mesma arma.
HiloAo mesmo, Iransmitlindo para o fim con-
veniente copias dos decretos pelos quaes foi nao s
demillido Jos tioncalvet da Silva, de emprego de
amanuense da recebedoria de rendas internas desla
provincia, mas lambem aposentado Joo Arsenio
Idrtiosa, no lugar de lerceiro escripturario da con-
tadura daquella thesouraria.
DitoAo mesmo, communicando afim de que. o
faca coaalar a qoem competir, que com aviso do
minitnfp da fazenda de. 27 de oatubro ultimo, fora
remetlido o decreto pelo qual ae nomeinu a Joa-
quina Antonio Mendes Ras, para o lugar ale ama-
nuense da.recebedoria de rendas internas desla pro-
vincia.
Dito-a-Ao presidente do tribunal do commercio,
commooicando que, por decretos de 2 do correnle
segundo constou de aviso do ministerio da juslica
de A desle mez, foram nomeados servenlaarios
(nucios dos ollicius de escrivfles de appellaco-es e ag-
gravos e protestos de letras daquelle tribunal, Gui-
Ihermino de Albuquerque MarlinsPereira e Jos
Marianno Cavalcanli de Albuquerque, aoa quaes se
marcou u prazo de tres mezes para apresentaco das
respectivas cartts.Fizeram-se ai necessarias com-
municaees.
DitoAo mesmo, communicando qoe por decre-
to de 2 do correnle, segando constou de as so da
repartirn da josiira de 5 do mesmo roer, foram no-
meados os desembargadores Antonio Baplista Gi-
(irana e Manoel Rodrigues Villares, para adjun-
to! daquelle tribunal.Expediram-se as necessarias
communicaees.
Vide Diario o. 271.
em toa preripitar-ao esqoecera-ae de fechar qoando
chegara. Vendse fra da casa, a muala deilou a
correr, e ou por felicidade ou por destreza, conse-
guio escapar aoa arenos. Aquellea que estavam em
seus lugares ou dnrmiam realmente ou fingiam dor-
mir junto de uma porta. Eaea somnos complcen-
les e bem pagos, auloritavam lodos os escndalos,
lodos os crimes e (odas as desorden] de qae llavana
era ilir.tro eada muir. '
lobina alravessou awim a cidade sem diflicoldade.
e gaohnn o raraiuho da Magnificencia, onde chegoa
aem reapirar. A certa distancia avisloo alravs dat
folhas das arvores do parque a claridade trmula
da las diecrela que fdra accesa para Iluminar um
serao de felicidade, e qae alluroiara smeule um eri-
Depois euvio o relincho Inste da am cavallo
-'me1
om Iuiieo relo de sangue desde o ponto em que es
lava ale porta que dava para o jardim, e porto da
porta orna cadeira, oa qual se asaeotara quando
enlrua.
Elle fogio, murmurou a rapariga, e repoosou
alli.
A muala correo ar/jardim, coja ara eslava h-
mida, e ao mesmo lempo ouvio no fondo da alea es-
querd.i o relincho do cavallo. Acudi a eaaa chama-
da inlelligenle, e vio Andr deilado de coalas des-
matado, tendo um p preso em um estribo, e segu-
landn entre os dedos as redeas qaa liaviam pastado
pelas orelhas do cavallo. No momento em qae ella
chesou, o pobre animal rinchon novamente, e fare-
jou com as ver.las j tintas da sangue o semblante
pallido do joven militar.
Tobina deitoo escapar am grito terrivel, e ao mes-
mo tempo a vela eahio-lhe das mos, l.ancoo-se so-
bra Andr, desembararno-lhe o p do estribo, o
ajoclhada dianle dese corpo inerte, cobria-o de bei-
jos apalpando-lhe o corai.ao para cerlificar-se se res-
lava anda alguma vida a esse cadver.
Etsa scena passou-se em um desespero raudo ;
ueuhuma lagrima corra dos olhos da joven escrava,
nenhum grito lhe sahia dos labios. Ella conlenlou-
se de mormurar muilas vezet o Borne de Andr, ap-
plicando-lhe o ouvido i bocea para sorprender ama
resposla. Perto desse logar tusurrava a catala de
uma fonle. Tobina correu a ella, e encheu at roaos
de agua fresca, a qual veio lancar sobre o rosto do
militar; depois de cinco ou seis carreirns pensou que
era mais fcil condozir fonle o corpo do desgrana-
do, aegoroo-o peina hombres e arrastou-o difilcil-
menle alea borda da nascenle, onde lavnn-lhe o ros-
to. No fim de alguna instantes pareceu-lhe que seus
membros inteiriradas tnrnavam-ae flexiveis, depuis
veio a respiraban, e os labios paludos de Andr bal-
buciaram dbilmente um ubrigado.*
Elle vive anda '. uxclamuu Tobina com alezria
a com expresao, cuja energa apaixooada s Dos
pode ver e compreheuder nesse momento.
Levantando em seus bracos a caliera do joven mi-
litar, diase-lhe :
Tem forca para fallar, senhor 1
Andr volveu os olhos moribundos para a rapari
ga ; mil nao podendo recoohecer na profunda escu-
Sdajaque envolva essa tcena a pessoa a qoem diri-
a4e>. murmurou : .
He vose Antonia Y Que aconteceu '.' Sua hon-
ra est perdida... Deos,dianle do qual vuu compare-
cer, he leslemunha de qae eu quizrra resgala-la
cusa de minha vidak. Fuja...
Fez um movimemOTomo para ae
repentinamente :
Eslou sofiocado..
fnlar-se, e dsse
DitoAo juiz relator da junio de juslica, Irans-
mitlindo para ser relatado em tessau da mesma
junta, o processo verbal do soldado do oitavo bala,
llio de infanlaria Florencio Pereira.Parlicipou-se
ao Exm. presidente daa Alagoas.
DiloAo director das obras publicas, dizendo que
pode ir tomar conla das chaves do gabinete de clu-
mica e pbistea fazendo em presenta de alguem um
inventario dos objectos qoe alli encontrar.
DiloAo juiz municipal da primeira vara, Irans-
mitlindo para lerem o conveniente destino, ai guia
dos sentenciados militares Joaquim de Sania Amia
Francisco .Monleirn.as quaes vieram das Atagaas
para esla provincia no vapor Paran cora destino
so presidio de Fernando.Officioo-se ao provedoi
da saode para recommendar ao commandante do
destacamento do Pina a seguraora dos roencionades
sentenciados.
DitoAo inspector da thesouraria provincial, re-
commendando que mande adiantar ao theaooreirc
pagador da repartirn das obraa publicas, a'qoan-
iia de .V.2OO80OU ris, para as despezas oao s da*
estradas do porto de Gallinhee e Tamandar, mas
lambem do Gymnaso Provincial.Communicou-se
ao director daquella repartirlo.
DitoAo director do arsenal de guerra, Irausmit
lindo por copia o aviao dn ministerio da guerra d-
12 do correute, uo qual se declara que o mestre
dasiilli-inas.de lerceira classe daquelle arsenal.
Francisco Nunes Vianna, nao deve ser chamado ao
pouto, abonndose sempre o seu jornal.Commu-
nicou-se a thesouraria de fazenda.
DiloAo mesmo, recomraendando que informe
com urgencia se ja Joraro remedidos para a Para-
hiba, osarligos de armamento e far lmenlo para o
meio batalhao de caradores, conforme se derlemi-
nouero aa/isos de 20 de fevereiro, 13 de junboeS
de nuvembro do anuo prximo pastado, de 3 de
Janeiro, 7 de fevereiro e 3 de nutubru do correnle
anno. s
Ollicio Ao Exm. presidente da Parahiba, di-
zendo qoe os procestos qae devolve dos soldados
Joo Jos dos Saolos e Jos Bezerra da Silva, a qoe
S. Exc. ae refere em aeo ollicio de 3 do correnle, ja
foram julgados pela junta de juslica, conforme cons-
ta das sei.lenc.as lavradas em ditos procestos e duof
ficio do relator da mesma junta constanfe da copia
que remelle.
Dilo Ao commandante superior da guarda na-
cional do monicipiodo Recife, approvando a detibe-
racao qoe S. Exc. lomou de mandar prestar urna
guarda para fazer at honras fnebres ao finado l-
enle de 2 balalhao de(reserva da mesma guarda
nacional Ajiloniu Francisco Xavier.
Dito Ao Exm. conselheiro presidente da rela-
cao, inleirando-o de haver o bacharel Delphino Au-
gusto Cayalcanti de Albuquerque, participado que
no dta-fajdn correnle reassumira o exercicio dat
fiiuecdli juiz municipal do termo do Bonito.
lana! coaamunicarao ae fez ao inspector da thesou-
raria de fazenda.. .
f*fl~ Inlfim tajtjratjliil rrrn-n--- das ari
mas, Iransmitlindo por copia o aviso da repanicao
da guerra de 5 do correnle mandando dar baixa do
servirlo ao soldado particular do 10* balalhao de in-
fanlanja Manoel Jos de Figueiredo croe por ser in-
corrigivel nao deve continuar a pertencer s'fileiras
do exerclo.
Dilo Ao mesmo, recommendaudo a expedic.au
de soas ordens, para que a tropa de 1" linha exit-
lente neala cidade reunindo-se a guarda nacional, e
aob a direcrao do ofliciala quem por lei competir o
cumulando, marche para a [rente da igreja matriz des-
la freguezia no dia 25 do correnle at 3 horas da lar
de, afim de acompanhar a procis-ao de Corpus Chria-
ti, e declarando qoe a guainicao da praca nesse dia
sera feita por um doa corpos da gearda nacional que
nan poder marchar. Expediram-se as convenien
les ordens a respeilo.
Dito Ao mesmo. inleirando-o de haver aolori-
sado o inspector da' thesouraria de fazeuda a man-
dar pagar o que se esliver a dever ao capilao Ma-
noel Claodino deOliveira Cruz pela marcha qoe fez
pital, para a comarca de Gtranliuns, e no
resto.
Ao mesmo, parar ministrar os escltreci-
mentos, que no of*cio qoe remelle, solicita o Exm.
presidente das Alagoas, acerca do soldado Joaquim
Jos de Sam'Auna pertencenle ao 8 balalhao de in-
fanlaria.
Dilo Ao inspector da thesouraria de fazenda,
dizendo que pode expedir suas ordens, para que na
alfandega desla cidade se consinla no despacho isen-
lo de direitos'dos dous cscaleres, qu; tendo sido en-
commeudados para o sqraico da mesma alfandega,
chegartm de Bostn no brigue amcncano|.S'. Thurs-
lon.
Dilo' Ao meamo, inteiraodo-o de haver o ba-
charel Joaquim Goncaives Uma, participado qae no
dia 8 do correnle reassumira o exercicio dat lunc-
ces de juiz de direilo da comarca do Bonito.
Dilo Ao mesmo, rcommendando a fiel execo-
r.o do aviso que remel.le por copia, no qaal o Exm.
. ministro da juslica exige a remetsa da demonstra -
feita por aquella Ihesoeraria, da despeza que
rante o exercicio de 1854 1855 te fez nesla
provincia com oservico do referido ministerio, afim
de se orgauisar ero lampo o balance provisorio que
tem de ser presente ao corpo legislativo na soa pr-
xima futura rcuuii.0.
Ditu Aojuiz dos Mos do fazenda, dizendo qoe
para poder cumprir o dwposlo no aviao que remede
por copia, expedido pela repartirlo da* fazenda em
9 do correte, faz-se precito que S. S. preste os et-
clarecimenlos exigidos em o citado aviso, relativa-
mente a um precalorio que' fora expedida aoMara-
uhao.
Dilo Ao capito do porto, Iransmitlindo por
copia, para ler a devida pobliedade o aviso da re-
detb^ar
mr.
le v"
ira [Sr. i
vi**.
,,. dan
Tobina ouvio om ultimo som inarticulado espirar-
Ihe uo peilo, e depois elle recado morlo.
A muala ficou insensivel, lendo a cabera apoia-
da sobre a do joven militar. Supersticiosa e limida
como he a gente de sua raca, Tobina tendo desper-
tado de seo abatimenlo leve medo de licar sosinha
alta noile, .liante ilesae cadver.
I.evanlou-se apressadameule, e foi ajoelhar-se ua
oulra extremidade do jardim debaixn de ara cara-
manchel de jatmim, onde ae pz a orar. Pouro a
pouco veio-lhe o senlimento do perigo ; seu peusa-
menlo anda nao linha ponderado a gratidade de aua
pu-n;."iii. Se fose sorprendida dianle desse humera
aasassinado, manchada de sangue como cnlao eslava
nessa desorden! de ve-tidos e de semblante, que res-
pondera ? Nao sabia nenhuma das circumslanrias
do crime, nSn sabia qoe mao ferira Andr, posto que
sospeitasse a causa e o autor, ua ao menos o instiga-
dor do homicidio. Seria obrigada a dizer o que sa-
bia da entrevista de Mr. de I.avenan! e de Antonia,
e denunciar o marquez Daguilla '.' Mas como o pro-
varia, emhora a quinta do marquez fosee o Ihealro
do crime Tohiu.i via-ae pula perdida. Reslava-lhe
tmente um meio de talvarao, era fugir e ir viver
as mallas.
O cavallo de Andr ah eslava, ella poda mnta-
lo, e aotes do alvurecer achar-se fra do alcance.
Tomuu enrgicamente esla rrsolurao, e dirigiu-se
para u ponto, onde eslava preso o pobre cavallo, o
qual continua,a a rinrhar de qoando em qoando.
Mas o nobre animal achando-se livre chegara ao ca-
dver do senhor, e farejava-o cavando a Ierra. To-
bina caminhoii para o lado deste rumor sem ler cona
ciencia da direccao que toniava, Imperan oo cada-
ver de Andr, deu om grito, e agarrau-se s Hias
do cavallo, o qual assuslou-te, corren pela alea e
sallou a grade. Veudo-se no campo, aspirou forte-
mente o ar, e parti a galope para a cidade atlrahi-
du pelo instnclu e pelo cheiro da estribara.
Tobina va assim escspnr-lhe o meio em que con-
paitiro da mariuha de 5 do crrente, du qual cons-
ta que nao s te mandou mudar da povoario das
salinas na provincia do Para, para a proximidade
da torre do respectivo pharol na punta da- Atalaia o
pao de oaudeira. onde ae fazem os .aisnaes aos na-
vios que te dirigem aqaelle ponto, afim de recebar
pralice, mas tambera que se mauduu observar alli o
regiment de signtea, consiente da copia que ca-
na, o qual ja se acha em pralica. a
Dito Ao mesmo, remeneado por copia o aviao
da repartido da mari.nha de 6 do torrente, do qual
consta hayer->e declarado que o regolamento dat
cuslts n. 1569 de 3 de margo deale anuo/deve apro-
.veilar aos secretarios das capitanas doa porto*.
Dilo 4o meamo, autorisando-o a eslabelecer ao
tule ao norte desla cidade uma 'linha lefegraphica
comprrhendendo os pontos por Smc. indicados.
Dito Ao provedor dasaude, para mandar en-
tregar ao director interino do arsenal de guerra, 4
raitdes de armamento que vieram das Alagoas no
vapor Pararlo. CommoDicoa-te ao referido di-
reclor.
DitoAojaiz municipal da primeira vaca, v-
leirando-o do haver designado para preii lir uo da
28 do correte a extraera Ua 2* parte da 2* lotera
do hospital de caridde. Commonicou-se ao dte-
oureiro dat loteras.
DiloAo commandante interino do corpo de
polica, dizendo qae pode conceder licauri ao alten
res daquelle corpo Gutlhermino Paes Brrelo, para
ir votar, oo coilegio da cidade da Victoria onde he
eleitor, valo ter sido chamado para jsse lim.
Dilo Ao metmo, declarando qua pode mandar
pastar escusa aoa soldados daquelle corpo Jos Ale-
xandre da Cunta e Joaquim dos Santos A lineada,
visto lerem completado o lempo do seo eugajameato
e nao querem continuar no ervico.
Dito Ao mesmo, autorisaiidoo a passar escu-
sa do servico ao segundo sargento daquelle carpo
Manoel Cavalcanli de Albuquerque.
Dito Ao director da colonia militar de l'iiotn-
letas, dizendo que deve Smc. renovar as recoao-
mendaees ja feilas para obler o arrolamenlo da-
quella colonia, _pois que ha urgencia no relatarlo
que se exilio.
Portara.Concedendo a Pedro Antonio Taixei-
ia Gumaraes arremalaote dosrguudo lanro da es-
trada dos Remedios, i mezes de prurogacSu para a
cunclusao das obras do seu coulrato. Fizeram-te
ai neceas aria comroanicaees a respeito.
isnassiaai
GOBIMAHIXK) DAS ARMAS
Qaartal-geoeral ta ooanaaaao das araata ala
Peraaaabaoo aa ctdaa a Ha el fe, ata 23 aa
noveaaaro de 1855.
' ORDEM DO DA N. 153.
Na larde do dia 25 do correle, oa forma das or-
dens em vigor, e daquella] que foram expedidas pe-
la presidencia com a dala de 21, ut corpas da guac-
ia nacional desta capital e us de linha do ejercito
aqu existentes, pegarao em arma1, aflu de arompa-
iiharem a prociatlo de Corpus Chriiti, qae tem de
shlr da Igreja matriz de santa Antonio. Boa eoa-
sequencia, determina u marechal de campo com-
mandaule das armas, que essea corpos, forniem ama
divisao de duas brigadas, so, o commando do Sr.
cor miel l.uiz Antonio Favilla.
A I.1 brigada se comnor do 1.a, 2. e 3. bala-
Ihoes da guarda nacional, sob o commando do Sr.
coronel chefe de legiao Domingos Alfonso Nery Fer-
reira. ;
A 2.a brigada, que sera commaudada pelu Sr. l-
ente coronel Manoel Rolemberg de Almeida, te-
formara do corpo dearlilhtria da guarda nacionale
dus balalhoes 2., 9. e 10. de infautaria do exer-
clo, reunido o 10. ao 9. ero allenrao a etiguidade
da forca de ambos. <
A companhia de artfices arenada de espada, for-
mara alai goarnecendo o palliu, a a cavallaria da
guarda nacional compara' o "piquete qae dever
acompanhar a San Jorge.
A't 3 horas m poni a divisao estar' formada em
linha no largo de palacio da presidencia, donde ae-
gira' immedialamente para a pnsirSu que tem de
oecapar em altilu le a' acompanhar a procissao, se.
guDdo as delerminacOesqae receber do tea respec-
tiva cominaudanleA A divisao ira' muuiclaja para
dar as 3 descargas do estylo ao rcolher da procis-
sao ; a fortaleza do Brum salvara*ao sabir e rco-
lher da mesma.
Assignado.Jos Joaquim Citellia,
Conforme.Cundido Leal Ferrara, ajudante de
ordent eucarregado do detalhe.
AUDICIN Al. A DE N. 153.
O marechal de campo cominaadanle das armas,
em face da commonicafo qoe lhe fci feli era dala I
de hpntem, declara para conhececimeiito da goarni-
cao, que a presidencia foi servida nomer hontem
mesuro, o Sr. majur do 9 batalhao de infanlaria Jato
Nepomuceno da Silva Pnrlella, para cominaodar o
corpo de polica, em svibsliiuicao ao Sr. lente co-
ronel Pedru Jos Carneiro Mouleiro, qoe fallacea.
Determina porlanlo e meamo marechal, que o Sr.
mejor Portella passe a tomar o commando qae lhe
foi confiado, devendo em consequencin das ordens
da mesma presidencia atsitlir ao tecebiraeuto o Sr.
coronel Luiz Anlonio Favilla, que exhibir om rea-
(orio circomsianciado do estado em qae adiar o
corpo.
Toado d( seguir para o presidio de^raando do
dia 30 do correata o transporte Legalidade, e de-
vendo seguir para alli o commaudanU do meamo
presidio o Sr. major du corpo de estado maior da 2
classe Sebastiao Anlonio do Kego Barros, tica desde
ja desligado do balalhao 10 d infanlaria ao qual est
addido, e exonerado das fuicces de fiscal, qoe serlo
eiereidas peloSr.capiUu maia anlign queae adiar pre-
,enle uo balalhao. O Sr. capiUo do 9 balalhao da
mesms a.-ma Jos Joaquim de Barros, he nomeado

fiara pardMajr. No primeiro momento njua com-
preliender^aaem a presenca do corpo de Andr jun-
to do cavallo, e imaginara que elle podera arrasar-
se ale ahi ; mas o rumor da cscala fe-lhe logo ca
nhecer qoe fra o cavallo que te approximara do
senhor.
Esse fado bem simples em ai mudou toda a direc-
rao dos pensamentos da esCrava, a qaal vio oelle
una especie de licau e de advertencia.
Eu ia abandonado, murmurou rifa, quando
aquelle pobre animaljflhrmanecia aqu Entao elle
o amava mais do queY?
Assenluu-se no chao junio de Andr, e poz-se a
contempla lo atmves das Irevas. As rarsmat refle-
es que haviam-llie vindo a iniaginacao debaixo do
caramanchel vultaram-lhe ; mas entao iuvadiram-
Ihe tanto o espirito como o coraco. A eminencia
do peiigo nao escapou-lhe ; purm ella lembrnu-se
tambero das palavras que Mr. de Laverdaul pronun-
ciara rom u ultimo sopro de vida.
Elle dsse qoe leria dado a vida para salvar a
honra perdida de minha senhura, repeli Tobina
com-iae. Ah pusso eu fazer menoa do que elle ?
Agorjhjue esta muri, quero morrer lambem E
sirva minha morle para salvar minha boa senhora.
Tendo por assim dizer firmado esse pensamiento ge-
neroso ero sua consciencia, Tobina levanloo-se coro
reeoloco, lomou aoa hombros o corpo de Andr, e
arrastou-o al ao salan da casa, onde ajoelhou em
um canto para chorar e orar.
VIII
Sem duvida oa leitorea nao esqueceram-te de que
Tobina Mra presa na noile precedente, e depois
transportada por Algedro casa de um dot serenos,
cmplice ceg, e complacente dos feilos nocturnos
dos dous bandidos. Devenios poit explicar romo
Tobina ae achara no quarto da marqueta Daguilla
no moaaento em que o marquez depunha sobre o lei-
lo a raullier meio detmaiada.
A joven mulata fdra confuida com muilas recoav
mendaces mulher do sereno, occullsdora ordiaa-
ria dos ubjrctot fuados, e por conseguale mu apta
para occultar uma escrava, a qual poda em rigor
ser considerada como um objecto representativo de
certu valor. Tobina na grave situarn em que se
achava s linha um cuidado, o desapparecimento do
bilhete salvador que se encarregara de entregar a
Andr. Pouco Imporlava-lhe o maia ; nem a pri-
tao que em seu pensameulo nao poda deixar de ser
momentnea, nem as consequencas de tua ausencia
da cata do senhor a inquietavam.
Mas era evidente que Mr. de Laverdaul nao avila-
do do pengo ira a igreja na manha segoinle, acei-
tara o convite que lhe fosae feito para qualquer en-
trevista, e cabina era alguma emboscada abumina-
vel. Sabemos que Tobina prrxira justamente. Saa
idea lita, quando achoo-se na casa da mulher do se-
reno, foi fugir a lempo para prevenir Andr.
Ai recommeiidaces de Algedro mulher do te-
reno liiiham sido tao precisas e severas que a joven
muala fra immedialamente fechada chave. Do-
rante toda a noile e anexar das tentativas qae fez,
foi lhe impossivel entrever a posabili tade de ama
evasao ; mas reslAa-lhe lodo o dia seguinle, e em-
quanlo a hora fevnravel a eolrevitta nao a aorpren-
desse na pristo, lobina conservara a esperanca de'
fazer ao hornea* a quera amava com lana dediracSo
e mxsierro, o servir de salvar-llia a vida. Por isso
soflreu com pacieocia, parlamenteou desda a ma-
nha com a molher do sereno, oflrreceu-lhe ouro,
jurou-lhe pela Virgem Sanlistima que nio descu-
brira a muguen, nem o rapto uem o lugir em que fura eurarcerada. A carcerei-
ra foi sarda aos rogos e insensivel s lentr;et.
A' proporcao que o dia aUiantava-se, crescia a in-
quietado da pobre rapariga, e quando o sol come-
rou a descer no horisonle, lobina senlio verdadeiros
terrores. Reslava-lhe aoraenle recorrer s-ettergkas
resolusoet que d o desespero. Pouco irapertavam-
Ihe os meiot com lano qua couseguisse evaajir-ae, e

/


-------------------^^^
tomar o curamando do destacamento do sobredi- mu cl.ro do presdeme, o jury relirou-se i sala das
raeldiu, e rrnder o capillo Andr Accidi Pi- Anj|,*r,c.e. ; no Qm de hora e inda, ui.io, dando
ro,qiie.ledegoirpsraeseu reapedrvo corpo, o seu verdlcl, cujo resultado foi-
?do u orde-is de governo. O batalhao II* d, i. Do,,arli Cordelier, Uesraromez, .llos
Mana Hornear um subalterno para ir rendar do DHenoiu declarado culpad de compileidade de
amo testecaroaoto o Sr. altere. Joaqun; Manoel alternado e de machioaCao leudo por flm eale alten-
* Silva a S, que lave passagem para a filtlri do lado.
8 balalhto da referida arma.
Asaigpudo.Jos Joaquim Coelho.
Conforma.Candido Leal Ferreira, ijudaolt de
' orden Miearregado do,d.lalhe.
PIMO OE PMIU8UC0 SaBftOO 24 0 NOVEMBRO OE 1855
COMMANDG SPERIC.
Quarul itoeommando superior do guarda nado-
de 1855 mun'"pi0 R,cif' ^ oeM"
Ordam do da o. 5.
S. Kic. o Sr. commandanle superior determina
qm cor pos de cavallaria, artilharia, primeiro, se- N0VA EPIDEMIA.
lerceiro de inTantaria da guarda nacional, A nova, a grande, a verd.deira epidemia, mais
S'ud< ^ Jrl,corr.en!? *"" "rapanhar a temivel cem vezes do que a cholera e de que o ty-
3oicEr a^^^^si ji ft **- ** -- -
armas, de quero receberio as orden relativa, a hora dr,d' "P*"' de se contar por militares numero
formal ir* e mais delalhes tendeles a marcha. A d* invasoes que ha havido, sendo quast todos os ca-
SSi'i!nl.d'* *"* fe" Pr COn,i"',nl<"da ,0' fui'"" P-ra a barriga. Empenhados os
O baialliio de adunara dar o..*.* ..___i nossos coufrades de gazelilha em faier celebre a
da marinl
sxdenria a o texto as da alfeodega e eadeia, sendo o
itallilo de arlilharia dar a guardado arsenal no,,8 eou""Sei de a"" em faier celebre a Miguel Augusto de Olivaira.
inl a, o primeiro a do consulado geral, o se- cnoler' empenhado o governo em publicar 'as par- Vicenle da Araujo Pjnheiro.
a do thesouro, o terceiro a do palacio da pie- les sanitarias (ehama-ae raido aorh cao sem rabo) Joao Vieira Pai.
o que ditera respeilo a esla enlermidad., era im- Agostioho Rodriguos Campelu
*ri lT 7, L T mi.- M "1"' quedizem respeilo a esta enterraid.de, nem im- Agosliu
uperior Jo da do sexto batalhao, asi m como o j- '. .- T~
ajadairte (le parada e olficial de visita. porlancia se da ao novo contagio, apeiar de neuhum MaooeL,
Oatro *m, manda publicar para coshacioienlo meaieo ttber curar al agora, a de ler invadido "
NI COCDO. desle municinio. no nrMlnn ir.m.nln dp.do ar1cae maiM inllmua mr^.lnAnAm .l .. _...
puoticar para conhecimenlo BU' <> "uer curar aie agora, e de ler invadido rearo cavaicanli Wanderley.
;ipio, que preatou juramento desde as clasees mais nfima da sociedade ateas roes- Francisco Manoel Bereoger.
nnrodoto "nT" baU!,,0 Ja mas re8i" do goveruo, havendo lido um ttrrival Dr. Gabriel Soares Raposo da C
" a.anvjilvimanln .. narota a-.*...l.,.X_<. f.. i. Il- A...___ ai /m n
dofcorpM desle raunicif.
aJ^w^f datom.mdpi.^^o ^^ZZ "",g,,VerU0, h"eDd 'd Um *** T "b"e' Soa,es RaP* d Camara-
sido nome.do por deersto deste anuo, o lente co- desnvolv,n"nlo propna reparli{des do Estado. Ur. Antonio Alves de Sooza Girvalho.
roael Loi? Francisco de Barros Reg. Muitos dos casos tem sido qaalifcados pelos don- Manoel dos Santos Nones de Olivaira.
raaina igualmente o me*mo Exm" Sr., qoe os lores da arle de curar em cholera fulminante. Pali- JoSo Antonio Pereira de rito
Tt^ZZlt^XZ^Z^Z^ ^ o vosto. barba ". c.b..o descuidado, vas- Antonio Lea, de Barro.,
le commac do superior, urna pra<;a ou inferior,-aflin "do "/"ff'ie- e certa debilidade no estomago, sao Ac
<*a sarem empregados em tirar copias das respectivas
quansVacees.
' ... dade, que lodavia se apresenU muitas vexes com lo- Antonio Leite Pilla Orljiueira.
!^U^l'XX,l?^Z!2}ZZ. d0'' '-"""- c,""""os- Custodio Jos Alve.
He contagiosa em summo grao, e passaodo ospri- A
meiros momentos sem se apercebida, tor.ia-se
-------------^ .-b...u.,u u n, ajuufliiic uo uiueiis rrau-
cisco da Miranda Leal Seve.SebattMo "Lopes Cui-
maraes, clirfe do estado roaior.
Illin. ISioi. Sr.Em resposta ao ofticio da V. '" """" m sor apar
Esc. datado de hoje, teoho a diier que ,cabo de por chronica at a' murta do enfermo.
ser:.Vd.'iofc.u'Krm:^::: sh*""?. ***,da He^nh,, nd., ^0,^01.^7.i^.
apezar de ser aqu endmica, nSa se Ihe ha achado r
linaria, i-, jr a :f ar inianlaria, allm de arruma- "-- -------, ----------------......,.>.,... ua lata.
rem c.m a tropa de 1* linha para acompanhirem a apMar e,er aqui endem<. "a se Ihe ha achado Dr. Lua uarle Pereira.
arociaaao da Corpus Cnrisli, cuja torca presumo ser remedio algum e he mal da cholera, do typho, do Antonio Pedro de Figueiredo.
30 pracaa, sendo o. batalhoes 2 3" da bobo, a dos molins e de quaotas pregas aflligem a E disaolveu a seasao na forma da lei
rnaior naniero de prajas. O Sr. chafe de astado nrMui, h. ,nK.u.-. ..:.--____________... v r.,_____ .. .
I pracas, __
maloT ..Ttend^coarv. g^de'^mt^ TT^ ^'^Z^'^0 """*
sinasnenle estenctal tberica.
-I orden relativas a dita marcha.
Dees go superior dn guardo nacional do municipio do Re-
cife, 39 da Bovembro de 1855. lira, a Exm. Sr.
marocha! ros Joaquim Coelho, dignissimo com-
mandanle la arenas desta provincia. Barao da
Bom-Vitta, commandanle superior.
EXTERIOR.
O recenseamenlo dos ltimamente invadidos dar
a reconhecer qual he a inlensidada deste mal.
Atacados na espanha1* milhOes.
Curadosoenhom. ,
A falta de eitalislica que se nota sempre ueste pa-
fi, fea qtn nito postamos Osar cora seguranza o nn- E
mero da morios que todava calculamos em 50 por
TRIBUNAES FRANCEZES.
.UUntado anlra a rida do imperador tMis Sa-
po leo.
O IriLun il de correicao do Norte acaba de jul-
Xar e proetsso relativo i machina infernal encon-
"rada a 11 le selembro do anuo passado no cami-
nho de ferro de Lilla a Calais. Os debales coroeca-
raas a 10 de agosto, sob a presidencia de Mr. Bine!,
dataran, dous das. Os aecusadoe eram "oilo a
saber:
Bicolo Julio Jacquiu, de i anco, eogenheiro
civil, nasci lo em Troya, residente em Schaerback-
les-Braiell (Blgica,) revelia.
Celestino Nicolao Jacqoin, 34 anuos, jornaleiro
mechanic, natural de Asis sor Aube, residente ero
Saint Jone-eo-Noode (Blgica.) a revelia.
Jalo Baf lisia de Hennies. 35 annos, conductor de
trabalhos, natural e residente em Leiennes (Norte.)
Jos Con ilant Vandamme, 3 annos, alfeiale, na-
taral de SI. Ornar, residente em l.ille.
Emilio Cesquien, 24 annos, offlcial de ensam-
blador, na oral de Gand-, residente eni Ronchin
(Norte.) '
Jaa Doart, 35 anuos, aflieial de serralheiro, na-
tural aretiilenle em l.ctennes (Norte.)
Loia Jos Cordelier, annos, Oador de algodo,
natural de Fives, residente em Lezennes.
Pranciscc Desrummez, 2t annos, jornaleiro, na-
tural e resideule em Lezennes.
Brasa acc usados : l.o de ler, em 18i, *m Laro-
aeraaH, eoaimettido a tentativa de alternado con-
tra a vida di S. M. o Imperador, a qual tentativa
dito alienado, seja por lerem por dadivas, pro
anviacas, machinaret ou artificios col posos
provoeado a asta aceta, oa dado inslruccoes para a
commetler ;seja por lerem procurado armas, inslru-
isieatos ou (|uaesquer ootres meies qoe servirao ac-
eto, sanando que elle deviam servir para ella ;seja
por tareai, eom conheciaaento, ajudalo ou aasistido
ao autor ou autores da aejao nos fados que a prepa
""* fecililaram, ou nos que a consumara. ~w. p.uw .
De tereea, aa mesma poca, e designadamen- c'ul' de Albuquerqua.
Illl. .. __ ir.-i.i i_.___i__ i
ru.ro
laaaiLille, em Lezenue, na Magdalena ele., em
l.aafbariat, reaolvido e concertado entre raoitas pes-
aaaa oaaa resolucio de obrar, tendo por Ora unj at-
taatado contra a vida do imperador; con a circoms-
Uaciaaa que asta resolucao de obrar foi seguida de
aetaa eoeamettidos en comecados para preparar a
saa eiecacto; crimes previstos e ponidos pelos ar-
tsgarS, 86, 88,89, 9, 60 do cdigo penal, o nnico
dg lei da 13 de jaaho da 1853.
Na hemii-yelo via-sa um grande cesto de vime,
cantndoos accesorios da machina infernal cons.
Iruida pelos aecusados. A caia cylindrica, submet-
lida ao eiaioe dos peritos, aonlem 2 kilmetros e
107 gr. de fulmnalo demercurio, ungido com gom-
ma vermallia : e^e pos o essegciulmenle fulmi-
nantes ;sSc o que s empregam para carrfgar as
capaala.dan arm.s de pereuiso ; a pjlha da ltunzen,
colloaada de 30 50 metros do ponto ero que de-
rla fater-se a eietoslo, era assas forte para deter-
nlaar esta mploso por meio da incandescencia do fio
de platina; -'
da camiuho
Feliciano Augusto de Vatcoocellos.
Al.xaadre Americo da Caldas Braudau.
; a esploeae terU produzido a demolicuo c*ud'<* *<* Lisboa.
o de feraa, com a projecijo do. earri. ; e Joa Joa6 Pedro da Silva.
admitliadeapassagerasimulUnea d'am tren, ama
daaloeaco le sobre os oarris teria lido iulaHivel- r-/'"'''PP* Nery Collaco.
mente legar na coodires a mais desastrosas. O jMe Aaloes Guimarlaa.
parilos aeeiaseentao no seu relalorio, que he fcil 'oa4u'a> Jas de Miranda
lofasar urna ideia da forja de eiplosao e da deslrui- Anluio Luix do Amaral e Silva,
jaedeeta siacliina infernal, representando se qae
o pea fulminante conlidot no cytiadra de ferro
riaa mais
sulaa d'arm
,...u.b. -UU.K.VS ^ ijnpyrd ue ierro se- wi^imii,euu
iue sufficienle para earregar 75:000lc.p- Luit JmDJ de Albuquerque.
lis renas. Anaturea e o fim da mi- '-"i'l'ereira de Mello.
china infernal estavao pon clarameule eatabeieeidos.
eiqaiem declarado culpado de lar turnado par-
aa machinaco, nao leguidu de execurilo
-------,.-_.----------n-------a .Hfln^ci uui oaiiius ue uineir.
Quanlo ao. dous accuiados declararan) daremse Beruanttno Ferraira da Gnu.
circnmslancias allanuantes.
U'llennin he roudemnadu
por leda a vida.
Desquieus aro 5 auno, de prisio.
(La Patrie, de 15 ala agosto
trabalhos forrados
3O080OO ra. correspondente aos quiuze das de ses-
3o, cujos multados sao os seguintes senhores:
Manoei Francisco de Moura.
JoSo Bernardo de Siqueira.
Francisco Eusebio de Faria.
Joo Anaslacio Camello Peswa.
CapiUo Joao Ribeiro l'eisoa de l.acerda.
Ur. Francisco do Reg Barros da l.acerda.
Manoel dos Santos de Oliveira Gonralves.
Augusto de S Albaqmrque.
Dr. Manoel Francisco da Paula Cavalcanlida Albu-
querque.
Ignacio Alves Montero.
Joa Duarla Kangel.
Antonio Gonralves dos Sanlus.
Joao Gonjalrea dos Sanios.
Jos Candido de Barros.
Jos Velloso Soares.
Malhias Mendes Rodrigue. Campelo.
Manoel Thom da Silva.
Jos Iguacio de Lyra. '
Pedro Joaquim Gomes,
iguel Augusto de Olivaira.
geraliriente os primeiros symptomas desta enfenni-
BEPABTICiAO DA POLICA
Parte do dia 22 de novembro.
Illm. eExm. Sr.Levo ao conhecimenlo de V,
xe. que das difierente. partieipa(des hoje reeebi-
i~. ento. Ataca coro predilecCo as vinvas e elasses paa- oecurrencia,
citas.
(ti Porvenir.) .
(Peridico dot Pobres no Porto.)
Foraro presos : pela subdelegada da freguezia do
Recife, os marojos ingleses John Blackbume, Feney
Douglap, Blakson Lamploroh, Waller, John Tomp-
,on, Georga Wallersom, Georce Whitan aJT-ri^^ Wp"a"X- A ~--h I requisito do respectivo con.u., n,,.n
fMaraelha ). Ouvi.les fallar talvez da bulha que ella
fex o auno passado com os seus pretendidos sucesso,
lor Charg pretenda nao ler perdido nem nm so,
assim o havia felo estampar nosjoroaes polticos
de LeSo e Brdeos.
ti Quando este anno o flagello do. veio atacar da
novo, as autoridades se abalaran), e entendern) que
era de Ka dever aclarar a verdade; confiarain ao Dr.
Charg urna das enfermaras do liotel-Dieo. Ah
ajudado pelos seos collegas na homeopalhia, por phar-
maeeulicos, por alguns mancebos seus adeptos, qne
se volaram ao Iratamento dos doeolei (porque elle
linha achado o*pessoal ordinario insofficienle e inh-
bil, ) acouleceu-lhe o que era fcil"prever: nao fo-
raro boo resultados o que a publicidade descubri.
a Da 26 cholencos entrados oeata enfermarla
morreram 21, o Sr. Charg relirou-se.
a Para que a experiencia fosse mais cendudnle,
lioha-se estabelecido orna enfarmaria na qual os
doentea eram tratados pelos meios racionaes,que nao
leam preleocSes a fazerem mnravilha.. Durante o
mesmo lempo, de 25 doentea nao morreram se-
nt 11. -
a Cada enfermara tinha o seu dia de rceoslo.
c Pensoquaesles faci aio bstanle decisivo, para
manifestad? por um comeco de eiecuco, ote.falhou 1ue semelhantes esperieueias se uto repilam.porque
sent por crcumslancias independente. da vonlade se a K'encia ganlia algaau cousa, o que he duvi-
de sen. aul.ires, ou de se lerem tomado cmplice '*
na cholera. Ero mullo, emanare, d. doenta, o do^ ,.r7. T- T '
lor Chare prelendia ndo ler nerdido n.m m ^ TZ '" ^^ ^"^ Arro.ndo e Pedro,
doso, a luiraanid.de porde seropre um pouco. u
(Uazeta Medica de Lisboa )
PERNAMBUCO.
JUBY DOHEGIPE.
Dia 20 de novembro.
% Dia 20 de novembro. .,--"'. uoo a seo bordo o Sr. contra al-
o Presidencia do Sr. Dr. AUxandre fernarUino do* m'ran,e Jhnstone, commandanle em chefe das
aw a .Sifea. "'" de s- M- Brilannica na America do sol: 19
Promotor publico o Dr. Antonio Luix Caval- pi
Esciivo Joaquim Fraueiwo de Paula Esta ves
Clemente.
. Feila a abantada a 10 uorat da ouiihaa acharam-
ae presenta. 23 seohores jurados. "*
MiguelSerafim de Castro Nuues.
Antonio Jos dos Santos Serviua.
Autonio Caroeiro da Cu ola.
Jos Alexandre Ribeiro.
Dr. Joto Jos Piulo.
Joaquim Duarle de Azevedv.
Malhias Manoel de Jess.
Francisco Geraldo Moreira Temporal.
Jos, lnuoceucio Pereiraada Cotia.
Ignacio Jos d'Assunjprao.
Candido Thom.z Pereira Dulra.
Domingos Aotuues VUUca.
Amaro de Barros Correia.
Jos Aulouio de Brilo Baatos,
l'oram disacosados per haver apreseutado atiesta
do da molestia os seguintes seob'ores :
i,,,, une,ndi ojutuo pui ciarameuie esialielecidos. "*" *w muiub. uo uorreo.
violenta explesao, que davia caar o romp- Antonio Caroeiro Machada Rios.
!*& iii.lul..u 4. ..~:.l_ j_ *___ Dr InSn Ll ...i. c.._
roeato, iuslanlaneo do camiako de ferro, vaalo can
aaados, o chamado de Heonin fer-se
roNnoiaV
|h> i leatraifo e de morte, liihara sido Ue fria co- Ur- Alnio dos Sanios de Siqueira Cavalcanti.
roo hbilnjfje calculadas.
Batea
olar pala rtataneia da usa liaguaeem ; dominara
seo comal ees pelo ascendente d'uma energa sel-
vagan), eera temido'de todos. Depoi. do interro.
gelerio de. acensados, qae, com o depoimenlo de 40
tastemunhaa citadas a, requerimenlo do ministerio
publico, ocaaaram urna audiencia, oeviram-se os 3
(rilo., o passou-e ao* debales em que se entren
elreo.miniterio publico e a defazs. No flm desta
'egnada e diiata audiencia, e depoi. de' um resumo
ministrador do consulado o Sr. Jalo Xavier Carnal. m d"Uculdade Vtm entuar-e as vendas, e
ro da Cuaba. t,ue para ,ni ol,eg"r- "ja predio pereorrer cami-
* i, i. j D',0* aoe "* "ehicnlos de transporte nio podem
Ate um. hora da larde nao compareceudo mais vencer .ero um duplo empreao de forra ; ue -
jurad, algum,, Sr. Dr. juiz de direilo multen a bretudo iso seja urna 1.1 medida posa em execu-
chaaar a lempo para impedir desgranas milito roaio-
ra 0> que aquella, que meditava.
Ao nnoilecer lobina cenleve su i alegria. alias
urna alegria immensa quande a mulher do sereno
irooxe Ihe luz com a ceia.
Ha na. Anlillias duas armas fonnidaveis nas maos
dos ercravns, e das qoaes elle servem-se com lerri-
val energa .em calcular-lher as eonsequeocias. Ba-
sa, duaa arma, ato a fugo e e veneno. Elle. a. ma-
nejan como por insliiu lo, e empregam-nas em todas
* circums ancias. quer em proveilo de soas vingan-
>?* easoai sqoer para ervirem a ootrem. He a ala-
vaaea nodoroaa de toda as tua. acres honestas oo
inaiinos...
. Afea.s a molher do sereno doixeu-a sosinha,
lobina chegou a Inz \ cama de madrir.-i branca que
ntobiliavn o quarlo onde eslava enearcerada ; de-
poi. abrindo ao menso lempo a junella, enja eleva-
;a aaedir i, alou ahi o leiijol da cama a deu com
lerror elr grito : a fogo fogo 1 a
Ao .mesara lempo a claridaae vermellia do incen-
dia alia ir ion a cjsinha. Ao otimeiro grito, a mu-
Ihar do sereno acodira, e abrir^Lpreciplladamente a
porta de arlo. No momento A qae ella entreva,
lobina abarrada ao lencol escorregava al ao chao,
' a fugia em enconlrar nenhum obslaeolo.
A joven mtala rorrea pcMneirainenle i easa de
Mr. da Lavardanl, massoubeque Andr linha sa-
liido bem romo Joa. ao qual ella ala pode avisar.
Corren ao palacio DagolHa : a marque* tambera
haaaeyiahar. Foi occoltar-se na feova da sendo
'. Wgaiel cenia ndo a liorns e os mnalos, eseulaa
da todas m rumores exteriores e interiores. Emiini
..-H\. asMimas acea qoe pnssou-
ir alia a taahora, a sabaroo. a reata.
Antonio Jos Gomes do Correio.
Df. Joto Mara Seve.
Alboquerqiar.
A requi.lc.ao do iuspector da
thesoncaria, o ad-
cada ara dos qoe faltaran! sem escasa legitima em
Pedro Ca
egorio Paes de Andradc.
ilcanti Wanderley.
nlonio Goocalvas Ferraira.
Joa Paulo da Fonsaca.
.nlonio Augusto Maciel.
Joao Ribeiro Ponles.
A
nlonio Mximo de Barros Leite.
laquim Ludo Monleirn
Dr. Lniz Duarle Pereira.
A. B. Deixaram da ser multados alguns juizes de
icto, por nao lerem sido notificados ou por ja le-
rem fallecido on se acharen fora do municipio.
Pela subdelegada da freguezia de Sanio Aulonio,
pardo alanoel Ignacio Ferreira Lima, por ebrio e
por briga.
E pela subdelegada da freguezia da Vanea, o
prelo eacravo Pedro, por fgido.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria da Micif.ua
l'eruambuco 22 de outnbro de leti:Illm.e Jaua.
Sr. cowelheiroJosBenlodaCunha e Figueiredo
prendante da provincia.O chefe da polica, etb
Carlos de Paita Teixeira.
23
Illm. e Exm, Sr.Levo ao conhecimenlo de V,
Exc. que da. dilterenle. parlicipacoe. hoje receh-
da. oesla reparto consta que se deram as segua-
les oecurrencia :
Foram preso.: pela subdelegada da freguezia do
Recife, o americano Bill John, e o porluguez Joa-
quim Jos, ambos i requisito de .eos respectivos
consoles.
Pela subdelegad, da freguezia de Sanio Antonio,
o pardo Joao Paulo, por oso de armas prohibid...
E pela subdelegada da fregnezia da Boa-Vista,
prele escravo Belmiro, por desobediencia.
Deas guarde a V. Bxc. Secretaria da Mici. de
Fernamouco 23 de novembro de 1855. Illa, e
Exxn. Sr. conselhelro Jos Bebi da Cu ni.. p.^-Il.
redo, presdeme da provincia.O chefe de polidaf
tir; Cario, de Poica Teixeira.
DWRIO DE PEMilicor
No dia 9 fundeoo no LaroeirSo a fragata ingleza
Infatigable, Irazeudo a seo bordo o Sr. eoolra al
passou a sua baodeira para o vapor Rifieman
entrn para o moqueiro. Nasse dia velo elle com a
sua offlcialidade comprimenlar ao Exm. presidente
da provincia, .eado acompaohado pelo Sr. cnsul
irfglex, qne na notle do me.mo dia obaequiou o seu
almirante com um baile, ao qual as.i.tiram varia.
pes.oa, grada, e entre ellas o. Exms Srs. presideu-
te e commandanle das armas. Uontero ao meio dia
o Exm. presidente acompaohado dos Srs. inspector
de marmita, e commandanle da estacao naval visi-
lou oSr, almirante i bordo do Rifleman, onde foi
recebido cota as honras do aatylo, salvando a fraga-
ta ingleza, e respondendo a esUssalva o brigue bar-
ea /(amarar.
Furaro nomeados : director interino do arsenal da
guerra o Sr. leneole-corooel Sebaitiao Lepes Gui-
maraes, e cororaand.ule de corno de polica o Sr.
mnjor Joao Neporooceno da Silva Porlella.
C0.UMILMCAD0
A mudanca da praca do assacar, decretada pela
cmara municipal, aeria medida acertada e boa,
lento o motivo ero que ae fonda, se nao fajae lio
*.... u uioiivo em que se ronda, se nao fase li
chorre e bruscamente ejecutada, sem alteado
at-
de
in-
er
teresse e conveniencias publicas que deviam
devidamenla coasiderados.
Custa a crer que com um momento de refleao
se procedesse a decrelaCao de semelhanle medida,
que o espirito meaos providente reconhecer como
acarretadera da funestos reaollados aos productores
j do primordial ramo de nossa riqueza, o. agricul-
Que exislam prajas especiaes para cada urna das
mercadorias ou gneros de commerdo, em aa quaas
posaam lodos prover-se do que precisarem para o
eu Irafico, he necessidade qne os paizes civilisadus
convenanle, aero que aquellw, cojo. Inleres.es la-
Rilimos ella fere, lenham lempo para lomar suas
providencias a cautela, para allenuar o mal que se
Ihe vai causar, he de cario proceder dilHdl de ser
qualificado, e que era se quer pode ser justificado
pela razto que o diclou I. Ha acto que revelara lu-
do, menos a madrese e altanero qua deveram de
presidir as deliberaros de urna corporac.So, eleita
pelo povo para cuidar de seus interesses, lano mais
quanln e4es interesses se ligam aos de urna indus-
tria, que noa enriquece e civilisa, a qua lao defa-
vorecida vai se arra.lando entre noa, qoe al da
Propna cmara municipal, a quem um .6 favor nao
lem ella qae agradecer, acaba de recaber nm golpe
Uto fetal, qne produzio de prompto urna baixa con-
sderavel no preco do seu genero.
Coro effeilo, a mudanca da praca do assucar pro-
duzio, como era de esperar, sua pernicioa influen-
cia, seudo causa para urna baixa de preco, por iso
que grande nomero de armaxens, ficando muilo af-
laslado do centro do mercado, leem da fezer des-
pezas eom os carretas, e essas despezas, como toda,
as demais alcav.las, deven sabir das cosa, do ven-
dedor. Enlrelaulo anda aqui nlo lica o edicto
monicipal: o Iraosilo para a nova praca ser
felo pelo cae. de Apollo a islo he, por um arcal
quasi iulraosilavel por qualquer vehculo, a menos
qoe se nao empregue dupla torca da lrao$ao. De
sorleque. ao passo que a adminislrajo da provin-
cia, datado com os meios que Ihe fecnlla annual-
mente a aasembla provincial, procura dar deseo-
voivimento a factura da estradas, para faoiiidade
das commonicacaes, em beneficia da lavoura e do
commerdo; ao passo que os agricultores, no gozo
den beneficio immenso, recorrem ao meio de Iran.-
porle, que com o mesmo numero d animaea con-
duz maior quantitfade de arrobas, a nossa muoiri-
palidade, sem allender a (ae. conveniencias, decre-
ta que lodos es bens feilos a agricultura (quem inu-
'liltaado., e que mesmo fltntro desla cidade. dous
passo. d mercado, veuha o pobre lavrador enter-
rarle nos sreaes do. caes de Apollo I
Porque se nao espera que o governo mande cal-
Car aquella rut, para entlo tom.r-.e a medida,
que desdent eslabelece, tero eslarem as cousa.
preparada 'fiara' sao'.'
Pedimos, pois, a cmara municipal qne baja por
bem revogar o seu edicto, quinto as carrocas a car-
ros, coosenlindo que riles posaam seguir pelas roas
da Cadei. e Cruz, al" a nuva praca, pelo menos em-
qu.nto se nao calca o cae. de Apollo. Easa pedido
que Ihe fezemos, aceile-o ella como a expreario do.
desejos de lodos quanlos, como nos, mandan ao
mercada dessa capital os productos de saa lavoura
em carros e carrocas. *
Nao seja a nossa municipaiidade ioOexivel ao*
clamores da urna classe imprtame e desinleressada,
que nunca Ihe pede cousa alguma para seu benefi-
cio exclusive: revogue essa medida que tanto a
prejudica, e os nossos louvores formarto o cortejo
da. heneaos d.quella mesma ciaste sobra a cabera
de cada um dos Ilustres vareadores, qoe, ouvin-
do noasa supplca, condoer-se de nosso solTri-
menlo.
JaboaUo 20 de novembro de 1855.
O malulo de /abomtao.
Dr. Caelauo Xavier Pereira da Brilo.
Manoel Goncalve. Ferreira. ------,--------r-----. T.,i
A requisigao do- director & Faculdada de Direilo 'cem Mtisfeito, e que por nossa vez compre lam-
" lenle da mesma o Sr. DrSedro Autraa da Malla *" M" ""* '-------l"4-------'''------
bem aallsfazer. Mas que se imponha ao productor
de qualquer genero a obrigato de levar o resulla-
do de sua industria a um logar, em que s com
rouila difiiculdade podem cflecluar-se as vendas, e
VoPJemos aos acontedmentos que aaaAam-se.
Jos ficou inquieto vende a neile afliular-te'sero
ue o amo vollasse. Nao havia nesse dia reouiao
aa filarmnica nem em nenhum dos circuios da
etdade ; ale bouvera baile nem reala em nenhoma
dss casas principae. de Havana, onde Andr coslu-
mava ir. E de mais elle prevena sempre o seu fiel
mayoral qeaade linha'de passar anoile em reuniao
na casa de jogo ou no circulo. Jos eslava pois
espreila ora debrocado a niadas jsoellas da casa
examinando a ra pela duaflktremidades, ora de
senlinella no liminar da purrfT lendo ds olhos e on-
vidos vollados em todas as direcre.
O dia conveava a alvorecer, rilh.res de carretas
I. mSo, oo posadas por nm burro que sao o pri-
meiro simal do dispertar da cidade, sulcavam ja a
roa* indo levaras feiras as provisoe. de florete de
Truclos.
Centenas de negros envollos em coberlas para se
zaranlirem da frescura matinal, dirigiam-se aos dif-
fereules pontos do porto onde havia m de Irabalhar.
O arrebol da aurora abrazava j todo o zlmborio do
co, o que nesse bello clima acontece mesmo, antes
do sol ler assomado ao horisonle ; erolim Havana
eslava com vida, bem como se diz nesse paiz.
Jos, cada vez mais Inquieto, via passarem as car-
ralas de inicios, burros e negros, esculava lodos ca-
ses rumores e eetranhava que o amo anda ujo che-
lase Emfim, ouvio na ra vsinha mnilos gritos e
cima dos gritos o relinche e o galope de um caval-
Cjto quasi que de orpreza, aem dilacero e espajo
--- --o----- -----1 .u..,^. ...,. i,, 8riin o remidi o o galope de um rav.l-
IhtaWi. o lanlo ao marquez ewava no .age- lo. e menos de um minlo depoi, Zo o ZaZ,d,
^ Vivai.eidaaa re.pondeu-lfce uko criado qoe Andr llanda no meio de cem pessoas tenia!
tta,!r'0"" '"'"' ">S'.e^c- tam prende-lo, dirigirse para. c-,a, dlaEte d qual
Bm que lugar ? Era o que Tobma nao po- parou mostrando as ventas e os joelhos daSmao, co
r. ro occullar-ae na alcov. da sendo- herios de sangue cnalh^do ihi* iMi.j .
berlos de angue coalhado, as sllhas quebradas
redeas pedentes em ped.cos.
l)eoa do co "
e as
amores exteriores e interiores. Emfim Doo do co excl.mou Jos lancando-se
oivio p.ssos na escala, agachra-se alrazde anirtal, houve ama desarara ou um crime I*
mOVld. AaSMRiaa A arana nil* n>Mni,_aa m,^. lnlirF.iL.i. ni iianru ___I.___,_ _
ao
----------'--------------------- -*.- w un iiuo 1
luterrogou os negros ; as nica informadles que
Igoes podenm dar-rha forem qua ha roela hora o
eavallo galopav. tem cavallelro, e naquelle mesmo
estado pelas roas da cidade, roas ninguem soube di-
zer donde viera.
Ao mesmo lempo os pregocirosannunriavama
ev.slo da escrava Tobiua, muala de 17 anuas per-
leramente ao marquez Daguilla, e desapparecida da
casa havia dous das. Prometli.-se a recompensa
de cincoenla piastras a quem a levasse ou denuu-
ciasse seu refugio.
Os pregoelros e os relinchos do cavado de Andr
passaram no mesmo instante debaixo da.janellas do
palacio Daguilla, e e?se duplo echo do crime pene-
tren pela porta aberla para ferr ao mesmo lempo
o oovidos da maiqueza e do marquez.que nesse mo-
mento eslava em p ao lado do leite da mu-
lher.
O aenhor Daguilla empallidiceu e Antonia er-
gueudo-se branca bem como urna defunta sobro o
cotovello, disse ao marido :
Mas scnlior, lobina eslava aqui honlein de
uoile ; eu a vi e fallei-lbe...
Mas aqui nao eslava aiitu-lioiilem, seuhora,
respondeu o marquez, c se agora ella nao esta em
cas.,he porque sem duvida foi levar alguma mansa-
gem lardia, ou um beijo de despedida ao cadver
daquellu hornera.
Antonia recahin sobre u leilo occullaudo o rosto
nas maos.
Emquaulo isso passava-M ua cidade, os negros
dos arredores da Magnificencia vendo podio aber-
lo 1.1o cedo e o chao escavado pelos ps dus cavadas
admirar.m-se ; roas nao lizeram rauilo caso disso.
Depois alguns oulros mais curiosos passaram limida-
menle a made para colherem flores fusindo logo,
lima negrinha de sele ou sito annos ousada como
sao todas nessa idade, pendran mais adianto e val.
lou dizendo que vira sangue oai ras do iardim.
Cada urna, dessas descbenos corra a cid-de lo-
mando proporc,e cada vez mais exageradas, e que
alias etiavam prximas a verdade. Emfim os ne-
publicacOes a pedido. .
A retauro' aa igreja do Collegio, eooM-
grada aoDivino atapb.lo Santo.
Ao Exm. e Rom. Sr^D. Joao da Purificacao Mar-
que! Perdigjt, Mfpo diocesano de Pernambvco.
Crenca do honum Dos, oh creura amiga
Que illurllnas o orbe, os santos dogmas
Quem l'osDode negar ; e a magestade
Dese grande portento, que ligando
Em sania cemrouohao remotos mondos
A' humana geracao trooxe a adeuda 1
Senhor Dos do-Siney, gloria dos aojos,
No easlo aeio da fonnosa Vfrgem
Que a tribu de Intel abrlhantava.
Tomando a nossa carue, pela Ierra
Sabio, humilde te viraro procurando
Difumjir a verdade, a lux, a graca,
Que podesae vencer a irevaj a morte
A que os filho. 4a Ado foram votados !
Excelso Redemptor da humanldade,
Nas aguas do Jordio principiaste
A abrir-Doa o camiuho vida eterna
Do original peccado nos lavando.
Qu exemplo edificanle o soberano.
O aotor de maravilhas ante o aerva
Geonflexo e pedindo-lheo baplUmo.
Qual deises imperantes qoe aa mostrara
Vaidoaot, governando a noasa especie,
Descera de seu Uireno a confoadir-se
Co vassallo plautando oo se paito
lltimildade, e virlude, amor a vida '.' w
S elleo promellido por Elias,
S o grande Uo universo emprehender.i
Trabadlo lio difiicnjkjprefirindo
Ao descanco de rei o bem do povo !
Quem visee o Daos dos evo. descendeodo
Do apogeo do poder, de lana gloria,
Habitando entra nos, e propagando
A doutrioa da f, da caridada.....
E uro momelo descrase de seu uome.
E ao Daos de Sabbaolh, Baja justo e (arte,
Maltratado e ferido por aquellos
A quem vinha oulorgar o" panizo,
Se chama de ijpembusleiro, e se despoja
Dos modestos vestidos, se ligando
A columna fatal, onde soflrera
A maior das aOroutassem quaiiar-M I
Dio por aceplro urna caima, e por cora
Penetrante, espanos que Ihe ferem
A .agrada cabera al no crneo I
Ah 1 que fcil Ihe fra o. soil'rimetilos
N'um instante mudar palo seo throuo,
Hat a obra eminente e veneravel
Nao eslava cootummada : era preciso
Que midios de Judeos teslemiinhassero
O cordeiro innoeenle alevanlado,
No madeiro que deu-nos libard.de,
Enlredou. malfeilore., e banhando
O Golgoiha awabroM com seu sangue;
Mesmo all dajiolaudo-w indulgeole
E pedindo perdi p'r'os seus verdugos I
Descrales da verdade a Mai querida
De Jesns condemnado, debulhada
Em pranlo copioso o fructo amado
Ao calvario seguio, vendo-lhe as magoas
Que vinham-lhe der no centros d'alma :
Esentou-lhe ns palavra. moribupdas,
E aflicta Ihe date: Tu, roeu filho,
a Mea Senhor e roeu Dos, deias qne eu soOra
o A amargura de ver-te padecendo?....n
E entao maior sentir atormentara
Da humanidade o marlyr nesse empenho,
Que para nos salvar elle encelara.
Escalar os gemidos, os solucoa, '
Baf
Da virgem consternada, e p'ra livrar-ne*
Deix.-I. angulada em sua ana
E prevendo a sentida soledade....
Foi dor que valeo mais que mil injurias.
Que mil feridns, que a Irairo de Jodas.
Architelo sublime da (llura
Que aro vea de agradecida, Ihe ara ingrata
O afeo immeniuravel eoroando,
E aponl.do o discpulo predilecto
A pobre Mal de dore repastada
ciEi all o leu fllho/ssacro forro
Do R.deroplor dos homeus aa axliognindo!....
Detcreole. da verdade, o veo do lempo
Ragou-.e annuvado ; e as roonlanhas
Desaliando senliram essa morte!....
Contrisleu-se a natnrae vossos pei'"'
Nem se quer se abalaran) ao prodigio
De tal retignaeio, de lal ahinco
Do hornera divinal ao flm supremo
De redemir o mundo eseravlsado !
Descrentes do Creedor, a mageslade
Que apresen!, o treipasao do Cordeiro
NSo vos faz abracar a sua crenca,
A crenca que alimenta o rorpo a alma?...
Feliz a miuha gente, a mioha Ierra
Onde surge o pendi immaculado,
Seu uome asaignilando e sua crenca.
Oh imperio da Crux I u leu escudo
Jx no co, estampado palo El.rno!
Se nulr'ora oppriiniJos, de um jogo pesado
Captivos, a incuria de quem nos prenda
Sentimos, ero lempo ae ouvio reboado
O grito que a todos no Irouxe alegria.
Ao brido de livres ergueram-se os filho>
Da trra adamad, que ampara o cruzeiro ;
Saudaram Aadiada, seguiram-lhe o. Iridios
A sombra do livre D. Pedro Primeiro.
Sciencia e progresso foi todo o seu norle,
Sdeneia e progresso se vio fulgurar I
Os ferros quebrando lornara-aa forte
O pulso qua ha pouco se vir* quedar.
E a trra do. bravos turgindo vinosa.
Naci oslentou-se de grande valor :
Mil templo, ciddes ergueu aBanosa
E o sol que despola Ihe marca oro primor.
Mata boje um triumpho subido ella conla
No templo arrogante que vio restaurar :
Se a incuria aoa arimvos lio grave se apona,
SouberuaM livaai o erro emendar.
O. moros otigos de Jerotalem
Lancoa-os por Ierra roonarcha arrojado
A sua impiedadelevou mais alm....
O temple elle ordena qne seja arrasado ".' ] .
Mat pateam-se os lempos, e o temple famoso,
Bem como a cidade de novo surgi....
E Dos oQendido ao rei criminoso
Com peo*, .overas e justas puni.
Deixaram primevos o templo manchar,
Primevos paeaaramha nosso o presente.
O povo que ha pouco sentio-se aecordar
Ao mundo ja mostra que vive, que .ente.
Nesses lempos pasudos quem o eren I
O altar onda o santo sacrificio
Ao Dos sacramentadooQereeiam,
Tornou-se em manjadoura para a. beatas 1
Os santos prufanaram-se, e o. nixo.
Abrigavam d p a sella, o fraio !..,.
Ah I qoem pode deix.r de no presente
Lamentar a impiadadedos passados '.'!...
Longo lempo jazeo no eaqueciroenlo
Esse templo por ludo violado....
Ma o povo da grei peruambucana
Esplendor e grandeza reslaorou-lbe.
Nio surgi mais ligeiro da. rodas
O templo da cidade derrocada,
Do que vimos erguer-se m.gestoso
Ao consenso feliz (i) e pelo esforro
Deste povo chrisiao, novo cenculo
Pelo Espirito Santo Iluminado!
Filho. de Pernambuco, aova gloria
Reuuio-ie ao lloran que cerca o nome
Rrasileiio e cliristao eue, voa illuslra.
Lindo sol de setembro resplendendo
Cada vez mais nitente, aponte agora
Nio rnenle o natal da Independencia,
Mat da cruz do Senhor novo anecesso.
Recife. Soledade 17 de Miembro de 1852.
A. B. Oilirana Cotia.
i ca-
pin-
apida-
ex-
po-
o-
laa
ser
io e
a dos
groa entraran) no salo d. casa onde acharara o
daver de Andr e Tobina na desorden) qoe ii
taino.. '
Os primeiros que la entraran) fugram ra
mente, e guardaran) o segredo ; pois ara lal a
Iravagante organisaco djmlic.a era Coba nessa e
ca, que as lesiemunha. chamadas para deporem
bre um crime eram molla vezea mais maltratad
do que o proprio criminoso. Aconteca mesmo
absolvido um assassino, uro ladrio, um felsarL .
pagaren) as testemunhas as coalas, primeiramenle
com seus bens e depoi) com a vida. A juslica
ma os cmplice, invtenosos do reo, a punha-se
abrigo do mal, absolvendo-o de crimes prova *
deixando pesar toda a responsabilidad, d. atti
rao sobre as testemunhas e sobre os denunci
le.
Assim todos fugiara de denunciar ou dar teslemu-
nho de qualquer crime, visto que as proras lornavam-
se nudas para ajustira dianle das mearas
nymss.
Comprehende-se a razao porque os primeiros _.
descobriram o horrivel espectculo que oOerecra
sali da Magnificencia, goardaram silencio ;
lana gente enlreu o salde- dessa casa que em'
noticia da crime chegoo i ddada seto que niu
soohesse quem a levara.
A', primeiras palavras que foram pronunciad.
diante de Jos o desgranado ludio deu um gri
dr, e correa Magnificencia conduziodo elle
mo o aguazil-mayor, o qual na verdade faxia
caso disto.
IX.
Tobin. nao pronunciou urna palavra nem lento
tugir diante dos primeiros individuos que entraran)
no salto. Conservou a mesma atlilude dian
empregadn da plida e da juslica que vinha v
car o crime, e acensar a q,iica pessoa achada,
do cadver de Andr de L.verJaul.
Oa gritos de dar e desespero de Jote, e os ibncoa
arcusa-
iao-
ano-
que
o
. mas
ilim a
guem
lo de
mas-
nle do
veri 8-
junio
TABELLA
Dos fretes a bordo dot navios da companhia per-
uambucana de nacegacao cotleira a vapor dentro
da provincia.
Ace......... JOTO
Agurdenle ou alcool. Pipa. 39200
Alcalino......,. Barril. 400
Algodioem rama.....Sacca. 19000
o fio. ..... Arroba. /200
9600
Arroz.........Sacca. 1320 #320
Assncar........Sacco.
Azeile........Barril. 8-VX)
Banha........ a 9160
9320
Biseoilo ou botadla. Arroba. 9060
Breu.........Bail. 9610
Cafe.........Sacca. 9320
Cal......... a 3ia
Calcado........ Caalo. 3000
Caldeira........Urna de 1 a 59000
Carnauba em pallia. Molbo. 9
o rama. Arroba. 9060
vedas. a Vi 60
Carne aecea...... a 9060
i> salgada......Barril. 9600
Garrapato.......Sacca. 39000
Ceblas........Canaslras. 9320
Cera em rama......Caiga. 9060
a vedas.....Arroba. 9060
Cerveja. a Barrica. 9600
Cha.......... CaixadeiOb. 332o
Chapeos....... Caixao. 9800
Charnlos.......Caixa. 9020
Chombo....... 9060
Cigarros........ 9020
tubaa. ,,....... 906U
CoqaVos. 7.....Dozia. 9020
Couros prajjbirados. ". Cixole. 9600
Hitado.. .... o seceos. . 9080
91170
Doce em c.ixela......1 ma. 9020
Doce em Irascos.....Caixote. 9300
Bspermacele. .* Caixa. 9100
Esl.nho........ W)60
Esleirs do paiz..... a 9030
Farioha de mandioca. Sacca. o trigo. Barrica. 9>00 9300
Fazenda........Caixao de lO 9900
a

Feijao. .
Ferrageu. .
> .
Farro ees barra.
Fogo de artificio,
200 I98OO
Pacota o 100 19200
200 29000
Sacc. 9320
Caixa.'. 19600
Cixole. 9600
qq. 9060
Duzia. 9100
(1) O cootenlimealo que deu o Exm. coaielbeiro
presidente da provincia para a reatauracio de lio
magestoso templo.
m
apaixonados que prodigalitou ao seu joven amo,
coromoveram Tobina e arrancaram-lhe lagrimas. O
aguazil-mayor fex tres pergunlas mulata sqaaes
tema ve-la responder da maneira que laucasse a jus-
lica un ddalo de uro processo complicado.
Es a autora desse crime ? Quem impedio-te a
commelte-lo ? Tens cmplice. ?
T.nlo a piimeira como asegunda, como
perguola Tobina nio respondeu nada. O
mayor eslava mui falisfeilo.
Entao confessas ? pergunton elle.
A escrava fleoo muda ; mas iuclinaudu-sa para
Jos, murmurou oslas palavraa:
. Vou morrer ; arunicra o que acontecer, he
intil quee Vmc falle a ninguem da entrevista da
Puerta de Tierra.
Dito islo, pox-sea solurar, seguio o aguazil, a qual
conduzio-a i prisao da cid.de no meio daa vaia. e
do. aadieran, da populaba.
O marquez Daguilla smenle foi citado para veri-
ficar a ideolidade de sua escrava. Nio ponda axi-
rair-se de una eiaocao profunda, quando vio dianle
de si Tobina tranquilla eresignada esperando a mor-
te e decidida a soffre-la sem qua elle podesse com-
preliender quae. eram os motivo, a o senlimento
que exrilavam a joven muala a aOrooltr aua wrle
com tanta obmissan.
Assim ato ao ultimo omento racaiava que To-
bina ae desinentisse, e confessasseque fon mensagei-
ra e cmplice da deshonra da ma/quaza ; mas nio
autora da sajriiiio da Mr. de Lavardanl.
Mat, a idea de que a deshonra de Antonia e de
aeu proprio nome dependa de orna revelado da po-
bl escrava' allviva-lhe o pesudacouteiencia, e .lie
e.lava jncioso aur saber o desenlace desta drama
qae a mesma JMUC4 via com prazar lerroioar ero
outra compliracio pela execuc,,lo de urna acrava.
Para compreneoder bem o senlimento que axaeri-
menlava o marquez Daguilla, coovcm que o leitorM
transporte ao meio da sociedade colonlil, onde otes-
Arroba.
Duzia.
Caixa.
Sacca.
Barril.
Caisa).
Cento.
Caltao.
ge.
t
I
Caixole.
Barril.
Pipa.
Sacca.
Cilio.
Caixole.
Fardo.
20 peca*.
Caixio.
Caixote.
C Cixole.
Um.
9060'
29000
I9OOO
9*00
9160
tooo
9*00
900
9

I
9300
9500
39200
9320
19600
I9OOO
19200
2O90OO
19200
9800
9800
9220
8J000
9300
>200
9320
9
19000
9010
900
IO90OO
_ 79000
Ciiade24lb.l9800
Sei.
Urna.
Barril.
Arroba.
Cixa.
Mofli.
Barril.
Duzia.
Folha. da Flandres. .
Gamella., sorlid.s. .
Gencbra.......
Gomroa.......
Graia.......
Inslrumentos de msica.
Unha.......
Llcoraa.......
R 4
l.ouca fina......
a da barro. .
Mateas......
Manlaiga......
Mal........
Mllho........
Mludezas......
a .....
Mobia. ,'.".'.. .'
Obra.de cobre.....
i> n a ....
u Flandres. .
> .....
Paos, travs. ....
estelos.....
de jangada. .
Pedra da amolar. .
Prixe ..Igado. .
Penna. d* eroa. ...
Perfumaras.....
Piaasnbas. .....
Polaasa.......
PranxOei de amaretlo, .
diversos.
Queijoe. ." .
Rap........
Redes...... ,
Sabao.......
Sal........,
Sarro.....
Sebo em rama. ....
valla......
Sellins.......
Sola.....i ; .
Tabaco aro folha. .
> rollo. .
T.boa. de amrello. .. ,
i> diversas. .
Taboad de amrello.
diversos. .
Tamancos......
Telhas e lijlos. .
Toros de aogi-o. ,
o de mangue. .
Touciaho......
Vinagre.......
Vibho.......
Obtervacoei.
_ 1. Os calxwes a excepfao dos da fazenda.serao da
6 palmos de comprimeotu, 3 de largura,:! de altura,
isto he, de 5t palmos cbicos : e. oa caixole. de 4
palmos de comprimento,; de largura e \ de altu-
ra, 25 palmo, cbicos. .
2.a Pelos que escederem estas dimenses ae co-
brara proporciooslmenle em raxio do exceaso.
3. Pela menor encnmmenda ae cobrar 29000-'rs.
e d ahi para cima conforme o ajuste em allencio
qualidade. *^
4.a Por dinheiro se cobrar 3| sendo em ouro,
1 em pr.la ou cobre, e ero. papel y % de 3:0009
Pa" c'""' desta qtiantia para menos.
N. B. O .Mocar que for directamente levado por
conla do exportador para o porto de Tamaodar, le-
ra um .batimento de 20 0(0 00 frete marcado na
presente tabella.
Arroba.
Arroba.
Alqaeire.
Molho.
Arroba.

Uro.
Un meio.
Anona.
Secretoria da Ihewuraria provincial de Pernam-
buco 20 de novembro de 1855.O secretario F.
d'AnnunciacJic.
. O Illm. Sr. inspector da Ihesour.rta provincial
em comprmanlo da resolucio da junta da fazenda
manda fazer publico que do dia 13 de detetabro
prximo vindouro val nevamenta a praca para ser
arrematada a quem par menos fizer a canamelo
permanente da estrada 40 tal, avahada ero rais
5.40090OO.
A arre malicio ser par lempa daO meta, i toa-
lar do4 da Janeiro da 1836.
par. coronar ae roaadoo afiliar o presartee pu-
blicar pelo Diarto.
Secretaria d. ihasoorarla provinci.l de Pen-aro-
buco 20 de novembro de 1855.-0 tecretorio, A. F.
d Annunciacio.
raiT7Jilm" ^ io,PlOf da Ihesourari. !
2W mIf.um.P"n"'lo do retolocao da junta
E para constarse ra.adou afflxar oro
bhcar pelo Diario. ^
Secrel.ri. da Ihesonraria provincial d.PW
buco 22 de novembro de 1855.-0 t*cnZ
da Anunctarao. ^^"
JoSo Mara Wandenkolk, cavalleii
ordem do.Cruzeiro, Chrislo, e8. ,
chele de divisio da armada naccm,
commandanle da eslacio naval das
coinprehendida eulre os parallelo* <
Francisco e cabo de S. Hoque, por im-
perador, qqe Dos guarde, eavalleiro
de Francisco primeiro do reino das Da;
ele, ele.
Faco saber que ero eiecujlo de ordena
f
9300
9
9060
9200
9100
9160
9160
9500
9060
*Ze*imobt*m Srminislrud^ariuh., queme fer.m Iraror.
" dat pelo quartel geoenl, ero offlcio n. 63 de 1
Duzia.
Caixote.
Cnto.
Barril de 5
Pipa,
a
9000
jgOOO oulubro nllimo do dispoilo nas nslruccj*
Owuvn haivaram rnm n il.p.atn n' I xn .1. 4* ... .1
89OOO
59OOO crrenle auno, fiea aberlo a bordo duTrigne
9100
9400
9600
19000
9320
39200
39200
COMMERCIO
PRACA DORBCIFE23 DE NOVEMBRO AS3
HOIIAS DA TARDE.
Colacfie. afliciaea.
Cambio sobre Loudrea27 ii2 d. 60d|v. com praxo
Descont de ledras de 3 e 6 meaea9 Ii2 X ao anno
ALPANDRUA.
?d.0mWd,ftnH.VU1'5P- #M*S587
Idam do dia 23. 7 JT 15.-0829434
359:4139021
Dtieetrregam hoje 24 di notembro.
lialera inglezaHermeoneraercadoriat.
Barca iOjajjaaa Bonitaferro e carvio.
Brigue Miet ffi/lnffton-r-mercadorias.
Barca .avericana .tzelialaboado.
Brigue amerioajao Semaf.rinha de trigo.
30NSULADO GERAL.
Kendimantodo dial a 22. 43:5869750
dem do dia 23 -^ 3:085917
~M6j67l9929
I1VERSAS PROVINCIAS!
Rendlmenlo do da 1 a 22.. 1:9339330
dem do dii 23 269250
1-9599580
Exportacao .
Parahiba, lancha braailain Flor do Rio Grande,
de 42 tonelada., conduno osegolntea: 190 volu-
roes genero, ealrangeiro. e n.eionae., S barrica!*)
sebo, 1 quartola graxa, 9 ucea, cera de carnauba,
1 dita arroz, 170 caixa* sabao.
Liverpool por Macei, barca ingleza S.rah Aon,
de 630 toneladas, conduzio o segrale : 599 sac-
cas com 3,443 arrobas e 27 labra d* algodio, 2,613
saceos com 13,075 arro*aa de assaca
Falmoolh, brigue jBuguez ej
339 toneladas, condnziW 'segoinS
meias ditas sebo, 3,4iR couros aral||ptos, 3,800 pon
tas de boi, 21 1(2 toneladas de oaaes.
Slockholm, brigue tueco Wm.Tenmedeoa, de
415 toneladas, conduzio parle da carga com que en-
tran.
KECKBEDOK1A DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 22. .* 14.1999079
dem do dia 23......'. 4769530
14:0759609
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 1 a 22. 33:7119635
Idam d. di. 23....... 2:645,899 d.sse o lempo que patearen, como doent
36:357534
MOVIMENTO OO PORTO.
.Vario- entTadoi no dia 23.
Parahiba24 bona, hiato brasileiro Conceiro de
Maras, de 27 tonelada., madre Severiano da Coa-
la e Silva, equipagera 4, carga loro, de mangue ;
* Paulo Jos Bapliala. Passageiro, Francisco
- Christiano Garcia.
Cbo-Verde47 dias, barca americana Sea Fto
wer, de 282 tonelada., aplao llenry B. Ma-
comber, equipagem 24, carga pe trechos para a
pesca ; ao cepiUo. Vdo refrescar e seguio para
a pesca. .
Buenos-Ayres43 dias, polaca hespanhola -Indus-
tria, da 150 toneladas, capillo Joa Marisl.ny,
equipagem 9, carga va.ilhame ; a Amorim Ir-
maos.
Australia78 dias, escuna americana Pride of Ihe
Sea, de 250 londadas, capillo L. B. Hodges,
equipa gara 10, sarga lia e mais gneros ; ao ca-
pilio. Veio refrescar e segu para New-rk.
; ftavtot sahidot no mesmo di*.
ParahibaHiato brasile ro Conceicio Flor das Vir-
tudes, meslre Izidoro Belo de Mello, carga
lazendas e mais gneros. Passageiro*. Joao Fran-
cisco de Lima, Manoel Maria Brandes, Laurindo
Jos Medeiros.
CanalBarca Ingleza aWlch of Ihe Ware, capiao
J. Small, carga assocar.
ParahibaBarca ingleza Springbok, capillo A.
Fraser, em. ladro. Su.pendeu do lanieirio.
baixaram com o decreto n. 1591 de 14 de abril do
f I
I
Itamarac um alistamenlo de voluntario* p
virem nos navios da armada nacieD; erial,
sob as seguintes eoqdicdet :
Classes do alistamenlo.
i.' Da marinhagem, cojo contrito fr aero lempo
delerminado.
2.a Da marinhagem, por lempo da aro a tres
annos.
3. Da marinhagem coro osprazo dp seis a dio
annos.
O veucimenlos e mais vanlagens qae as pracas
contratada em virtode deslas iasJruecoea tero de
perceber, sio a. seguintes:
Sidos por mez.
Classe superior 209, primeiros marinheiroa-189,
egondos martoheiros 159 e grumetes IO9.
Premios,
* Os voluntarios de 1 clatse a perceberio oa lai-
dos qoe Ihe eompetirem na forma cima retes
sern lerem direito I premio oe giaWBroca a
O volonlariost eiaaajkj ros
lerto 209, 459 ou 709, cenata
por um, deoa ou Ires anatas. Sendo s
rao pela mesma forma 10$, 229 ou 349.
Os voluntarios da 3. elaase receberao
cjuarla parte do maior premio que poderiam o
contratando-se como os da 2. classe, na pr.
raannlieiraau grumete que Ihncoaaf
Sa nio fatas* horaeos do mar I
40 annos, s torito o preo correaf^HH
2. classe.
Gratifica ca.
O. voluolarios da 2. e 3.' clatMS l.i _____
premio cima dito, a graliucaco da 49 s ..
Irangeiros, ou de 59 sendo nacioaae, te e
tarem por ti proprio, independente da 9
Esta gralQcacaaaryanalida todas a
Dado o primeiro eeajg a anca quixor-
vir por lempo nqnaj| Br da 3 anno..
Vanlacen.
A's pracaa coanpraaWdidaa aaalatTua claataa dai-
se-h. guia de desentalrBe ao fim do contrato can
tonto que previnaut^o eaa.auad.nle doaa mezas
ante, de qu. pretenden) aa tal poca daixar a aat-
vico ; e ficam isentos do recrutamenlo, aenda aa-
ciuoaes por lempo igaal aa qoe lenhaaa ai
eicepto o caso de circumslancias exlraordinaria
Asylo da invalido..
Compele a todas as praca. n.eionae. qua' para
elle coucorrerem com um dia de sold per mez.
Pagamento dos premios e gralificacOea.
Aos da 2.a classe, se o alistamenlo fr por
no sera entregue o premio integralmente no acto i
assenlarem praca ; se por dous ou Ira. annos
rminau, de
lipas e 22 Ires preslacet iguaes, sendo a prmeira paga ao _
1- enlar praca, a segunda quando vencido melada
prazo, a a lerceira no flm do contrato.
A. da 3." claue receberlo orna terja
premio ao assenlar praca, outra igual
flm do primeiro anno de servico e o r
do contrato.
As gratificares que compelem as eeg
ceiras distes serio pagaa coojanclamenl
primeira pre.tac.io do premio.
Qtiervases. _
1.a Nio ae levar em conla ao. volun
pll.es.
2. O lampo de prisio em virlude
nio sera contado para 0 preendiimento
do alistamenlo dos voiuularios qualquer
classe a que.perlenc.an). E o desertor ol(r
disso a perda da. vanlageot do premio s^^l
de setvico anterior.
3.a Qualquer pessoa'quaoe propoaer a^aasaotar
voluntario, para as tres clasaes cima menciet
e que oaapreaealaraia a borda da'ate artaai
lera a grallficaci,a de 49 par uaa .draagain a 59 par
nacional. <
4.* O adrangeiro para mt admldo deve exhi-
bir documento do seu Majal, conprovaada adiar-
te desembar.cado pararob podar caartralax aa s*r*Ji-
(o nacional. .
5.a O premio e gniifieaelo erao pago, qaando a
pr.ca contratada fdr admiltida a borde. -
Bordo>do brigue barca Itamarac, sarta no raos-
queirn de Pernambuco em o !< de novembro c
1855. JoaahlWim tVandenie.
r
EDITAES.
O Illm. Sr. inspector da Ihesonraria provincia)
em cumprimento da ordem da Esm. Sr. presidente
da provincia de 12 do correle, manda razer publi-
co que no dia 6~ de dezembro prximo vindouro,
vai novamenle a prara para aer arrematada a quem.
por menos flzer a obra dos reparda urgentes de que
precisa o .c.ude de Caruarii aValiada novamenle em
1:2149*00.
E para constar a quera coovier te mandn afiliar
o presente e publicar pelo Diario.
cravos sio lido. em lio pouca conla quesua vida nio
pea no pralo da balance quando no oulro acham-se
o uome, a honra a o brazie de urna familia, nio
devemos aecusar nos propietarios de escrava. ; a
causa principal disso he a propria eacrav.lura que*
degradou fercosimento urna porcio da especie hu-
mana.
Resudara dessa silua{ioanormaldous senlimenlos
que manifealam-se mai naturalmente, e com igual
energa nos eacravos, ou no senlimento da vingauca
sem piedade, ou o senlimento de um dever que ins-
pirado pela Itubmiuio fuodaja. na contcieada de
soa inferioridad, chega a eaemarao, *abnegar.io
mais sublime. Tobina dava um exemplo em apoio
do qual poderi.imos citar inilhares de fados seme-
lhantes e autnticos.
A joven muala foi condemnada a ser euforcada,
e previamente acoul.da em todas as encrozilhadas
d. cidade.
Na vespera d execuco Tobina pedio para ver e
fallar a marqueza Daguilla, o que foi para o mar-
quez ora motivo de emurto e de terror. Antonia
foi prisio duiante a poite. Vendo-a entrar, Toni-
na caliio-lhe aoa ps e exclamou com respeilo :
Ah minha "senrrofaT eu bem dizia que saa
amor o malaria O rneu, pelo contraro da-me tor-
cas para rootrer caro elle, e salvar a Vmc. Nio me
lmanle ; eu morreria igualmente pela dor da mor-
te delta, e da vergouha de Vmc. Aatim, nada mu-
do em meu destino ; poreni o que parle-me o cora
ci anlecipadamenle he aer acuitada na ra pela
algoz, eu que nunca fui castigada pelo. mea. senho-
res. Peca ao marquez que alcance qu. me sejam
dispensadas os ac,oilea.
Cora afleilo a maior humilhacjo para am eacravo
ha ser sobroellido pela primeira vez a um castiga
Cporal. Algun.ha 4ue habiluam-se a iaao, e pro-
na ca vezes recebar vinle rhicoUdas a seren
fjaaaraeradoa por ama ora smente ; pelo contraria.
para oulros o lldln ha o cumulo da infamia.
DECLARADO ES
CONSELHO IDMINISTRATIVO.
Oconselho adminislratlvo, am cumprimento do
rl. 22 do reg. de 14 de deaembre de 1852. taz pu-
blico, qae for.m aceita, aa r-rooosl. d> Joaaaim
Jos Di.. Ferreira e Honorio Fiel d aadroeulo
Feitosa, para Toroecerem :
O 1., 1,079 elidas de p.lha de carnauba, a
240 /.
O 2.*. >,000.pares de aapaloe fattoa provinda,
a ,19800 n.
E avisa ao supradilo vendedores que devera re-
eolher os referidos objeclos s arsenal da guerra
do dia 26 do eorrenle mez.
Secretaria do eonsdho adainislralrto part foraa-
cimento do arsenal de guerra 23 da novembro lia
1855.Bernardo Pereira do Carmo Jnior, vqgal
e secretario.
BANCO DE PERNAMBLCO.
O Banco pe Perpatrbuco continua a lo-
1
Tobina refera depois todas s circumslajcias da
horrivel ooite qoe pastan na Magnificencia, e quan-
do Antonia a abrac,ou para retirarse, ella acres-
conloo-:
Manda dizer mista, pelo repoaso de mmha
alma, seuhora, eu orarei por Vmc. la no ea
Vollando ao palacio, Antonia cahe deunaiida aos
ps do marido.
No dia aeguinle Tobina dispensada dos aceites,
foi ratonada dentro da prisa*. O publico aered-
lou qu* a joven muala allrahira cm soa fara.tu-
ra a Mr. de Laverdanl 11 quinta da Magnigteacia
para aaaaadna-lo, e roubar-lhe a sommas cosidr-
veis, e es joias numerosas que sempre trazia com
rige.
A ausencia de lobina da casa do seuhr duraute
dous dias consecutivo* provada pela procIJtajScto de
que fora objeclo, e lenificada por lodeoiiae atrs
servos bem como lodos os faci* que ai/onlecaraat
nos dous dias nio deixaram duvida sobre a exadidio
des.11 versio.
I
I in mez depoi. deste aconteciroenlo o marque?
Daguilla assenlado i cabeceira do leite de Antonia,
doentee lnguida perguatou-lh* :
Seuhora, quae alo seus projeclos para o fa -
aro?
Resolv relirar-rat a uro convenio, raapaoWea
a marqueza.
Eu vinha ou"erecer-lhe itao metano. Maa ica-
mo. escolher um convento em Madrid. Este pafc
esl maldito para n. !
Sim, senhor.
AIguiis dias depon) o marquez e a marquesa Da-
guilla deixaram Havana e faziam-se de tala pana
H es pan lia.
FIM.
i .
W


I


DIARIO DE KRHMBUCO SBADO 24 DE ROVEMBRO CE 1855
\
mar letl ra sobre o Rio de Janeiro, ea
tacar contra a mesma praca. Banco de
Pernambuco 10 deoutubrode 1855.O
secretar; o'da direccao, Jobo Ignacio de
Medeirai Reg. ^
Achi-ie recolhido eisi de delenrao a* dispn-
cio desla subdelegara o prelo Pedro, eicravo, que
dte eer de RobertoCome, mondar no engenhoSan-
U Crai, > qual fui preso por eelar fgido : quem
for seaaenhor comparescon seus documentos pa-
ra lheter eulregue.
Sobdelegt cia da freguezia da Vanea li t de novem-
bro de 18. O subdelegado, Francisco Ma-
chado.
Por eita subdelegada se fai publico, que fe-
raro apprehcndidos dous cavallos, un de cor ruca
e oulro cardao, por suspeili de serem furlade* :
quem for seu dono comparec, que justificando,
(urdo eulregues.
ibdeieg icia de Sanio Antonio 21 de novembro
subdelegado, Jos da Coila Dou-
i capitana do porto de conformla Jo cdm as ins-
Irucc&es mandadas observar pelo decreto n. 1591 de
If abril lo crreme anuo, convida a lodos os in-
ie se queiram voleatiriamente alia-
o da trroala, a comparecer na mes-
Phuiri horas do seu espediente, bem como
Midi inte a competente gratificacSo queiram
genciarom-smoiilislamenio, sendo, pelas dilas ins-
IruecOes, as gratificacoes e premios que se olTere-
cem, lano .ios agentes como aos alistados, os prazoe
por que esle teem de contralar-se, o lempo que de-
rm strvir jara obler escusa do servico militar,
js sidos qoe percebem n'um e n'oolro caso, e as
luirs vantagens que as leis coocedem, como sejain
soccorros d'asilo de invlidos, o augmento successi-
vo de veocinieatos, e a reforma ou iseucao dn ser-
viso activo, eom aoldo inleiro ou proporcional con-
tis sua:. pracas na marinliagrm, ou nos corpos
loba, pela maneira abaiio declarada :
1." CLASSE.
" Marinhaf,'$m tercindo sem lempo determinado.
Devem ser fortes, saos, e acoslumados a vida do
mar. Servirse o tempo que quizerem. Vencem de
"odo por mez, 209000 rs. os de classe superior,
SJOOO rs., >is primeiros cnirinheiros, 159000 ris,
C* segundos ditos, e tUfJOO rs. os grumetes.
Nada recebis a titulo'de premio ou gratificacito.
lera guia de desembarque, prevenindo dous mezes
anlea ao ioin naudaule respectivo, que Iba ser im-
mediatamenli) dada, nao haveudo n'islo inconveni-
i ate para e servido.
Exhibir-se ha loa que forem naciouaes orna re-
salva, entregue com a guia de desembarque, decla-
randoque a contar da dala da mesma'guia sao sen-
il recruttjuento por lempo de um anuo, ou por
o iguayiajaiji tiverem servido uos navios do
*> se el H^|t^MMa\; isenc,So lmente
I4?eusa ktanflas ej raorrjinirias.
o naciouaes etOrf^&es isylo di invlidos
jBCorrendu pan elle NBiim diado lobJo por mez.
Os estrangetros tambein podem ser adraittidos aoen-
(ajamento airesenUndo documentos do respectivo
cnsul decliraudo acharem-se desembarazados do
serviro da
II
Marta^l
Itoveafllj
mar. Servirlo
taaros, e 59000
directamente para
nao se abonar
porcada novo
sendo esta por
referidos ser-lhes-
de asientareirr pra-
anoo ; se por dous
fi. CLASSE.
Menores aprendizet ma'rinheirot.
Devem ser cidaditos brasileiros de 10 a .17 annus
de construccao robusta, e aprupriado a vida do mar;
podendo-se admit ir ntenoies de 10 anuos tendo suf-
Hcienle desenvolvimento phisyco para os exercicios
do aprendizado. Recebem o premio de lOOJOOOreia
pago de promplo integralmente aos pais. tutores, ou
quem suas vezes fizer.
Passam grumetes logo que tiverem a idade de 17
auno* cootando d'ahi era diaute o lempo do servico
para oblerem a baia como qualquer outra (iraca do
corpo* de imperiaesmarinheiros.
Vencem mensalmenle o sold de 33000 reis, e
compele-lhesasylo de Invlidos coocorrendo elle pa-
ra com um dia de sold por mez. E nao leva-se-lhes
em conta no tempo do engajameuto o que passarem
em prisao cumprindo sentenca, e perdem quando
desertem, as vantagens do premio, e o tempo de
serviro anterior.
ralilicacao aos que sepropozerem a alistar vo-
luntarios pan 1. ale 5." classes.
Hecebero por cada um idneo 49000 reis se for
estrangeiro, e 5000 reis sendo nacional.
Capitana do porlo de Pernambuco, em lo de no-
vembro de 185o.
Eliziario Antonio dot Santos.
Capitn do porto.
Oliva nac,So.
CLASSE.
*ervintopor um afires annos.
res, saus, e acoslumados vida do
o tempo de seo contrato vencem
0 sido por mez ja cima declarado. Heceberao
pele engijaioenlo ol premios teguiutet : sendo gru-
inilai, i0.-2S, aBi9000 ris; segundo se contrlta-
iim por um, dous, ou Ires innos ; se forem roarir
iiheiros 20, 45, oq 70a000 ris, e receberlo mais I
UrUlScacle de 19000
ivs os natioiiaes, apre
1 alisUmeuto ; gralifi
repetidamente 10 m
contraed sacaessiro
neis de tres annoi. Ot'jjj
1 o pagos lo tegrilmeonNA
Ci se o alai miento for por a
" Mnon em tres prestaron iguaes, a primeira
foita cono no primeiro caso, a segunda quando
lo nMUide do prazo do contrato, e a lercein
lindo p mesa o prai. Sendo niciaoaes eompett-lhe,
" Hjlo de iu validas caaicorrendo para elle com um
lia de sold por mez.
lo levi-t em coula para o preencliimeiilo dos
azos do alittimetito, ou contrato, o lempo que'pas-
narera ao hospital, e uem o de prisao em virlade de
iwnlenca, sofirendp de mais a mais o que desertar a
dn vantagens do premio, o do lempo do
trrica interior, v
Os estringiiro* tambe aao admittidos a engaja-
menlo apresiolando documentos do seu cnsul de-
darindo esUremdesirabra(ados do serviro da ns-
ipectiri 01(30.
3.' CLASSE.
Uarmkgem strtinio de seis aoito anuo/.
Uevem le s reqoisilos dos di segunda* clisse.ei-
ccploapralca da vida martima, pelo que e com
onii de 40 innes nlo teem augmento de premio es-
jriado 101 desla classe coMratandp-se como os da
lIMtida, na praja de grumete, ou marinheiro. Ser-
rio pelo tempo de seo cootrat com o sold dos da
segunda classe. *
ecebem Je premio o marcado para osdesia clas-
. se coan o aut ment da quirla parte coifonnea pni;a
quilhee competir, distriboida pela maneira segoin-
' terca parle logo qoe leolUlo assenlado praca, ou-
tra trra parte no lim do primeira at no de servico,
a o restante lindo o prazo do alistamento ou enga-
linl
fiw dirlilo 1 graBcasao de apre*eutacAo, e seu-
teiooaet cempele-lhes o asylo de invlidos con-
oorreodo palla elle com om dia de aoldo gor mez.
Breodo disco 11 lo no lempo do engajamenlo da-
jalleqae esliverem em prisio cumprindo lenten-
S, e lambeta 1 parda das vanlagenn do premio, e
do tempo de senico anteriarTuo caso dedesertarem.
| O* eslrangeitos lambem podem ser engajados com 1
a pros anta 5*ii de um documento do s*u cnsul de-
clarando eslarem pira iaso ilescmpira ;ados do airvi-
ooda.respodUa nacae.
4. CLASSE.
Stniniono corpoioimperiaesmarinheiros.
Uevern isr homeps di vida do mar, de 18 35 an-
nos, 00 al k), etdados braiileiros, lorie, s,1os, e
capizes de lodo o serviso. ServirSo 10 iodos di
anca de gramele; nio passaodo dentro do primei-
, ro a classe < e marinbeiros, pois n'esle caso he so-
meala 6 lam o lempo do servido. Vencem sidos
por mez : cjfcos de mafinheiros 161)000 rei, e 18)j
embarcados, primeiros marinheiios 129030reis,
00 reis embarcados; segundos cilos IO90OO n;
terceiredil>s S!)00 reis ; e o< rameles 53000 reis,
em Ierra, e 7000 reis, embarcados. Abona-se-lhes
r premio do engajamenlo 1009000 reis, so forem'
inarinheiros, e O9OOO reis sendo grumetes : pagos
como oa do- voluntarios da 'i, classe. Coropele-lhes
Wylo de le validos concoTendo para elle com um
dia de soldi' por mez, e mais urna gratificar o men-
sa! igual a jma trra parle do sold, que vencem,
no fim de 10 annos do servijo, e a metade do dito
sold depon de 16 inrioa. Coinpete-ihes mais a re-
forma depiis de 20 annos de servido, 9 teem direilo
I baia do lim do lempo qoe sa declara deverem ser-
vir,
Sofrem 11 diiconlo no tempo de seas engajamentos
Ulejuella qua passarem em priiio caiaprindo senten
_ra, aiurdam is vantagenede premio e issim o tem-
po te secvipo interior quando por veoturu deser-
Um.
. CLASSE.
Sereindu no Balalhfo Xavat.
UavesD Ur os requisitos da *, claa*>, sendo porem
1 idade de(8 atianaos podendo-se udmillir estrm-
geiros mediante previ autorisagao do governo.
Servjro 6 anuos, pelo menos, com o sold diario
de 5*0 res, os I. sargentos, 330 reis os 2. ditos,
120 reis a cabos, e 100 reis os soldudos. Kecebem o
premio dia i^-OOO reis se nao forem maiores de Mi
anos, a e'de IOO34HIO reis se (ivercm mais desla
idade, pago conforme esla estipulado para 01 volun-
Uria da 3. classe.
l'eem direilo as gratificarles designadas oas leis
de iiarcito, no caso da reforma dos contratos, e 1
vencer mais estando embarcados os I. e 2. sar-
gento* 1 qarta parle do sold, e os soldados sold
dabrado.
Cotnpete-lbes asylo de invlidos encorreado para
lie com um dia de sold por mu. Compete-lhe
Mis 1 reforma depois de 20 annos de serviro. e Ob-
leero a baiapreencliido o lempo queie declarade-
Verem servir. Soffreui o ditconlu no lempo de seus
ajmenlos do qoe esliverem em prisao cumprindo
jHac*, e perdem as vantagens do premio, e assim
o tana de aavrtco niertor, qoaad dantli.
THEATRO
DE
S. ISABEL,
Sociedade Dramtica Emprezaria.
Recita coacedida palo Eim. Sr. 1 roldle 1
provincia, eoa btneflclo da ]o*ea rabeqalau
Jos Aquiles Uguccioni
Grande e ezlraordinaria representarlo lyrico-dra-
malica em despedida ) que os dous rabeqoislas an-
les-de se relirnrem para a corte do Rio de Janeiro,
terao a honra de apresenlsr a esle moito digno e il-
luslrado publicopernambucano na noilede
SABBADO 'i DE NOVEMBRO.
PRIMEIRA PARTE.
Depois dos profesiores da orcheslra locaren) urna
das suas mais brillantes ouverturas, a aria a final da
opera
Bo grande roestre Uoniselli, ser ezecutada na rabe-
ra pelo beneficiodo a toda orcheslra
SEliUNUA PARTE.
O joven Alesandre em obsequio a seu irinao bene-
ficiado, turara,11o seu initrumento ricas e l.nlluntes
variacOes (sobre orna cavatina da opera Belisario,
do immorlal Doniaelti), compostas por L. Herz, e
dedicadas pelo mesmo ao Sr. Carlos l.ipinski,primei-
ro violino doS. M. 11 imperador da Russia.
TERCEIRA PARTE.
O acto primeiro da tao applaudida e engranada co-
media em 3 actos, ornada de msica,
1 aWts do roco.
pela eorhpanhia ilramatica. *
QAtt/A PARTE.
Aballa e loeaulo cavatina CASTA DIVA na ope-
ra NORMA do* insigne Beini eieculada pelo bene-
ficiado 3 grande orcheslra.
Beal ompanhia-de paque-
tes iuglezesa vapor.
N'o fim do mez
espen-se da
Europa um dos
vapores desla
companhia, o
qoal depois da
demora do cos-
tume seguir
para osul: pa-
ra pa'sageiro*
ele., Irala-se com os agentes Adamson Howie &C,
oa ra do Trapiche-Novo n. 42.
Para o Cear segu o hiate Crrelo do Mirle ;
recebe carga e passageiros: Irata-se com Caelano
Cyriaco da C. M., ao lado do Corpo Sanio n.25.
Para Lisboa, a galera portuguesa Jo-
ven Carlota, capito Boa ventura Borges
Pamplona : para carga e passageiros, tra-
se com os consignatarios N,ovaes & C., ra
do Trapiche n. 34.
LEILOES.
TE.
liar aoUret
'Ha cari Be.
tn asradecim
a rbica
do com-
Sra. De.
Unto aos
QUINTAAARTE.
Artista AllxandreeieeSara no seu iuslruinenlno
gande TRKMOI.O DE BERIOT com acompanha-
menlo da orcheslra.
SEXTA PARTE.
O aclo segundo da comedia. *
. STIMA PARTE.
O mais inoro Alejandre execulirj
pedido de mullas pessoas a bel
isitor Fachiiielli cantada ullimn
perrnl no lhelro de Si1. Isabel em
Ilustres acadmicos desla cidade e effereclda ao Eim.
Sr. presidente desla provincia. D'enlre um povo Uo
fagoeiro, etc.
OITAV4 PARTE
Terceiro e allinm acto da comedia.
Nona parte.
Ser ezecutada pelo jpvro Alejandre a pedido de
muitas pessoas a linda e engranada peca lenomfna-
da FELINA, REDOWA DE^ALON. bem conheci-
da nesla capital, e instrumentada pelo hbil profea-
sor 1'. .Volaseo BaptislaC
Dlra frm 10 espectculo a bnlhanle VALSA DO
(i.W.LO, composla e exculada pelo mesmo joven
Alexainlie, imiiandoo animal com a sua rabeca.
Oom esle bello e escomido divert ment, que n be-
neliciado nasos despedida tem a honra deoflerecer
ao generoso e illustrado publico desla bella provincia
e-pera'merecer sua valiosa prolec^ao e indulgencia,
pelo que desde j se confessa eternamente grato.
Os bilhetes de camarotes, e cadeiras venden-se
em casa do beneficiado, hotel inglez no Recife, e no*
dia do espectculo no mesmo Ibeatro.
P. Einjp dos interaaMos o beneficiado ira re-
ceber as esp^Has dos respetivos camarotes, agra-
decendo aos tSl prolecloras.-
Prioeipiara *a3 huras.
AVISOS MARTIMOS
* Pira o Kio de Janeiro
sesuo com brevilade o bem conhecido brigue bra-
sileiro Damao ; para n resto da carga, passageiros e
escravos, para o que lem excellentes commsdos, tra-
ta-se com o consignatario i. i. D. I"., ou com o ca-
pito a bordo.
COMPANHIA DE "NAVEGAgA'O A VA-
POR LLSO-BRASILIRA.
M. D. Ro-
drigues, -
gente desla
companhia,
declara qoe
o vapor D.
Maria II,
a esla deve-
la c liega r
de 27 para
28 do cor-
rele, ese-
guir-se-ha
em sua partida, o que ja se annuncioo.
Para o Aracary segu em poucos das o bem
conhecido Jiiale Capibaribe; para carga e passagei-
ros, trata-se oa ra do Vigario n. 5.
PARA 0 MARAMHAO* E PARA'
Sahe com brevidade por ter matar
p&rte da carga a barca brasileira Bri-
Ihante : para o resto trata-se ciri os
consikjnataiios Novaes &C, ra do Tra-
piche n. ~> primeiro andar.
Baha.
Vai seguir com' brevidade o hiate na-
cional FORTUNA, mestre Joaquim Jos
Silveira, tem grande parte do seu carre-
gamento pronrpto : para o resto, trata-se
com os consignatarios Antonio de Alnici-
da Gomes &C., na ruado Trapichen. 16,
segundo andar.
Companhia Brasileira de Paquetes a
Vapor.
O vapor Im-
perador com-
mandanle o Io
lente Torre-
io espera-se
dos porlos do
norte em 27 do
_correnlc, dc-
vendo
no dia segoin-
le ao da sua
chegada : agencia na ra Uu trapiche n. l(f, segun-
do indar.
O agente Oliveira far leilo, por despacho
do Exm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, exara-
do em reqoerimeqln do curador fiscal da massa fal-
lida de Manoel Gomes de Azevedo Ramos, das di-
vidas de Ijvro mesma massa, na importancia de
rs. 1:6C3>480, segundo a respectiva relarao dellas
em poder dq dito agente,, para exame an'.ecipado
dos prelendenles: sabbado, 24 do crrenle, ao meio
dia em ponto, no seu escriptorio, ra da Cadeia do
Recife.
O aajenle Borja, aotorisado pelo I lira. Sr. Dr.
juiz de orphaos, conforme o seu despacho proferido
em requerimenlo do tutor dos menores filhos do fina-
do Mauoel JoscdevAraujo Machado, em presenra do
dito Sr. juiz, far leilo de 3 escravos perlencentes
aos referi-los menores, sendo orna mulata de meia
idade, de bonita figora. um mulalinho de 12 annos,
c urna mulaliiih 1 de 10 annos, os quaes teem de ser
vendidas no armazem do agente anouncianle, silo
na roa do Collegio n. 15, sexla-feirav 23 do crran-
le, as II horas da manlifla.
O agente Borja, anlorisado pelo Illm. Sr. Dr.
juiz de orajiaos conforme o seo despacho proferido
no requerimenlo do tutor do* orphaos filhos do fal-
lecido Caetano Pereira Gnnralves da Cunha, em pre-
senra do dito Sr. juiz, constinoar o leilo de alguns
bens ja aununciados, perlencentes aos mencionados
orphaos, a saber : diversas obras de brilhante e dia-
mante, entre as quaes sohresahem 2 riquissimos an-
oeles, alfineles de peiln e boloes para abeslura,
urna grande qusutidade de obras de ouro como bem,
Irancelins de filagraha muilo ricos, alfic'eles de pei-
to com parolas, brincos, rozrlas, boloes para camisa,
coroas, resplondores e sellas paia imagein, e nutras
muitas obras, diversas peras da prata tumo bers,
salvas, collieres, castceles, bacas e JaTroT| estribos,
esporas, urna rica bandeja grande, ele, aa sobras
do engeuho Coqueiros, na comarca de Santo Anio,
e o engenho d'agua denominado Mnmncaia, na fre-
guezia de S. Lourenro da Malla, podendo ser ven-
dido a praso com desabriga dos rredores, ea com fir-
mas negociivels nesla pra^a, O leillo Rima nao
podendo ter lugar qusrla-feira, 21, conforme linha
sido annuuciadu, Hca Iransferido para lerca-feira, 27
do crranle, as 10 horas da manilla imprelerivel-
menle, no armazem de agente annunclante, sito na
roa do Collegio n. 15, loode os senhore pretenden-
es aos bens cima declarados, qoe quizerem alguns
esclarecimenlos acerca, dees, poderlo se entender.
llenrique Bronn & Companhia farflo leillo,
por inler\eu(ao do agente Oliveira, de gran le e va-
riado sorlimenlo de miudezas e de ferragens linas,
muilo vendaveis ; segunda-feira, 26 do cnrrenle. as
10 horas da inanhaa, no seu armazem, ra da Craz.
O agente Borja far leilo, por auloriscao do
Illm. Sr. I'r, joix de direilo da primeira vara do ci-
vel, Silva imini ies, conlorme o seu despacho pro-
ferido em requerimenlo dos herdeiro de Joo Es-
prense contra ios iiarle Rungel. de varios objec-
los de ouro,prata e diamantes de difiranles qualida-
des : lerca-foira 27 do crrante no seu armazem na
ra do Collegio n. 15, depois do leilo dos bens do
fallecido Caetano Pereira Con;alves da Cunha.
AVISOS DIVERSOS.
Ilonlem 1 noite, perdeu-se em om |dos mneos
do Caes ou, o que he mais provavel foi furtaMo na
igreja d Livraiuento um man de sedulas conlendo
:is< 1 a 3209 rs., inclusive una nota do banco de
1005 rs. : caso alguem lenha adiado eqoeira resli-
luir, dirija-se a esla lypographia, que de boin grado
se 1 lie dar meladc dssa quanlia. *
Aluga-se a loja de um sobrado silo, na Passa-
gem da Magdalena, no principio da travessa qoe
volla para o Remedio ; na mesma inja existe urna
armaro com lodosos ulencilios de taberna em bom
estado, e ven te-se por prero muito comino 1o, lano
para ficar como para sabir : os prelendenles podem
dirigir-se a ra larga do Rosario, podarla 11. 18, que
acharo com que-ni tratar. Na mc um bom pa leiro qoe enlenda perfeitamente do tra-
fico de padara.

Poco da Pa riel la. *
Na travessa da Saude lia srvete as quirtas-fei-
ras, satibados e domingos, e vesporas de das-santos
Urde, das (i.1, as 10 horas.
No dia 28 do crranle se eleve arrematar em
prara publica do Dr. municipal da 2.a vara, n uso
fruto do sitio e casa no lugar do Manguinhi, penho-
rado a D. Lurianna Rosa Candida Regueira, por
necurao do conde de Farrobo, coja prara lera lugar
na sala das audiencias depois de nda ella.
LOTERA
DO HOSPITAL PEDRO II.
Quarafeira 28 de no-
vembro and un indubita.
velmeiiteas codas da refe-
rida lotera, pelas 9 y% lio-
ras da manhaa, noe>pato-
so salao da ra da Praia
n. 27: os meus bilhetes e
cautelas estao expostos a
venda as lujas j conhe-
eidasdo respeitavel publi-
co. Pernambuco 4 de
novembro de 185*$. O
cautelista, Salustiauoala-
quin Ferreira.
COMPANHIA DE BEBERIBE.
Previne-se aos se tibores
accionistas da compaolija
de Beberibe, que o, Sr.
caixa da mesma est auto-
risado a pa^ur ola0 divi-
dendo, ? rjwraode 'l.-OO
por accao. Kecife 25 dt;
novembro de 18511. O
secretario, Luiz da Cosa
Portocarreiro.
O secretario da imandade de Nona
m do8^ -S^^iiPra^0 l'er9> em noae da mesa con-
B1U DE JANEIRO.
Segu no dia 28 do mea crreme o patacho Bom
Jess, recebe carga e passageiros : a tratar com Cae-
tano Cyriaco da C. M. ao ludo do Corpo Santo n. 25.
Para o Rio do, Janeiro segu viagem o ber- kt
gaiiliui nocional Impique de Btiris, capil.lo Eliteo
de\raujo Franca, al o dia 8 de dezembro do cr-
ranle e por ter dous terros da carga pronta, e para
o resto da carga miada, escravos a frete e passagei-
ros : Irala-se com o consignatario Maneel Joa-
qoim Ramos e Silva na ra da Cadeia Velha do
Recife ou com o capitn na prara,
vidaatodos'osseuscharissiinos liiuos, pa-
ra a na : I i.i a pelas horas da tarde, se
dcharcm na nossa igreja, para a irman-
acompanhara procistao de Corpus-
' a convite deS. E\c. Rvma.
Para o Uio de Janeiro sali com
muita brevidade, o muito veleiro brigue
RECIFE, o (jiuil tem a maior parte de
seu carregamento prompto : pura o res-
tante e passageiros, trata-se com Manoel
Francisco da Silva Carrico, na rita do
Collegio n. 17, segundo andar.
PARA A BAHA
prelende sahir nestes 8 dina i muito veleira somaca
nacional Ilortencia, a qual lem parle de seu carre-
gamento prompto ; para o resto e passageiros, tra-
ta-se com seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo, ra da Cruz n. 1.
Para M-ceio segu imaretervelmente na se.-
guinte semana a barrara n Carolina, para o resta
da cirga e passageiros para os quaes lem ptimos
commodos, trato-se na roa di Cidria do Recife, W-
ji n, 56 de Francisco Custodio de/Smpelo,
uem quizer dinbeiro na prara do
de Janeiro, a diasde visti, enfeuda-
se com Antonio Jos Rodrigues de Souza
Jnior que sacca contra aquella piara:
a tratar na ra do Collegio n. l, pri-
meiro andar,
Precisa-strd urna ama deleite: no
hotel Francisco.
ATTENCAO'.
Honra seje feiUa to pobre capital de Pernambuco
porque seus lilhos se esmeran) rm dislinguir-se
com os seus feilos; quem j- vio um balo como no
dia 22 do correle mez subi aos ares, felo por mis
ridadilos dislir,clos uascidos ueste solo delicioso.
Louvoresejaui dados ao resprilavel autor ; eu
Aira do Rio de Janeiro, onde habilei guranla e
lanos auno', e Da mlubi provincia va^buwr o que
nunca vi fora della, bem diziam Br'pais, e
rogo a Uo respeilaveis arlislas que passan Jo na ro
I Direila n. 2, loja de fazendas, iiililnlada Loja da
Pobreza, que ah enronirarlo um amigo o patricio
prompto para os receher, e ao niHlao lempo ofle-
rece Oleo diminolo presluno.Recife 23 de no-
vembro de I85").Joaquim de Dos Baptisls.
'Tjiluga-se urna escrava engommadeira paraca-
se de pouca ramilit: luem tiver dirija-se i'rui da
Crai a, 6.
A' pessoa que annuuciou precisar de urna
la ou meia-agua para dua's pessoas, dirija-se ao Re-
cife, ma do Torres n. 8, primeiro andar.
Domingo 25 do crranle, he a Testa de No*sa
Senhora do Rom Parlo, na iereja de San Jos de Ri-
ba-Mar ; ha vesperas, festa e Te-Deum.
ATTENCAO AO BOM SORVETE.
De novo fiz-se publico que na sala decentemente
arranjada na roa larga dn Rvario n. Iti, primeiro
andar, havera' sorvele, esf e bolinhos, ass1m> como
lem urna sala lambem preparada para qnalquer e-
nhor poder estar a seu goslo. No domingo 2 do cor-
rete havera' aorvete de leile e creme a's 10 horas
do dia oa mesma casa.
Remedio contra mordeduras de toda a
qualidade de cobras.
Nj> longo esparo de 16 ahnos em que viagei por
alguns sertdes do Brasil, empreguei todos os melns
ao alcance da minha intelligoucia, afm de deseobrir
um especifico cerln para esta enfecmldade ; no prin-
cipio desla l.io espi'ohosa como importante larefn,
ensaiei alguns medicamentos vulgares por ditferen-
tes processos; em alguns doentes aproveitaram ;
mas ntto em todos. Por orna casualidade que parece
mais dirigida pela Providencia, do que pela sciencia
dos homens, ensaiei a raz de um vegetal nao vul-
gar, e felizmente vi realisados os meus desejos. De-
pois de haver experimentado em minios entes mor-
didos por qualquer especie de cobras, e todos esca-
parem, reconheci ser esle. remedio o maia rpido,
enrgico e iofallivel. lie paranlo do meu rigoroso
dever palentca-lo ao publico e em particular aos se-
nderes fazendeiros. Pela alia confianza que depo-
sito ueste especifico, ouso responsiibiliaar-me a pagar'
o prero duplo do vidro, todas is vezes que este re-
medio, appcando-se, niln pruduza effeiro. Vende-,
se na ra do Collegio bolita n. 6 do Sr. Cypriano
Luiz da Paz.Joaquim Jos Kodrtgues Franca.
Desja-se fallar com os Sr. Jos Joaquim da
Silva, que morou ou mora em Olinda, e Domingos
Valenlim, que ignora-se onde mora e ambos do rei-
no de Portugal,'para sedar noticias de suas familias
venham ou man tem a loja de Bastos & Gnnralves:
na ra da Cadeia do Recife o. 28.
D. Maria de S AlbuqiierqoeAimeida. viuva
do linado Jos Francisco Mamede "Alenla, pelo
prsenle declara aos rredores dejseu dito marido,
que elle bens alguns aleni de poucos trastes, e que
ella passa i faz-r a Hescriprilo desles mesmns tras-
tes peranle o juizo competente, a fim de fa/er obs-
teneflo da parle que poasa I lie tocar a beneficio de
invenlario e dos raesmos jeredores,
Precisa-se alugar urna ama que moa cnsiohar :
na ra do Rangel n. II, primeiro aaaVr.
Precisa-se de urna ama de leilerT na ra Direi-
lo n. 21 primeiro andar
Manoel de riouza Silva. Seodio, morador no
KiachSo de Panellas de Miranda, leudo negociado
nesla prara com varias pessoas a quem suppe nada
dever al o presente, excepto so Sr. Jos Joaquim
Pereira de Mendonra, e'Manoel Anloaio da Silva
Aniones, por nao estar aiuda o lempo vencido : pelo
mesmb convida a todas as pessoas que ss julgarem
seus rredores de presentaren! suas contas no prazo
de 3 das, em casa do Sr. Jote Carreiro da Silva nat
Cinco-Pontas n. "I, que serao pagas. Recife 23
e novembro de 1855.
Precisa-se de urna ama para lavar e engom-
mar para urna crianca : na ra Direila n. 86, segun-
do andar.
Precisa-sc de urna ama para coziuhar : na ra
de liortas n. 138.
O abaixo assignado avisa ao respeilavel publi-
co, que exislem duas letlras pagas namaodejos
Joaquim de Castro Maura, em. Pernambuco, j ha
muilo tempo, urna da qunnlia de llit5"il!) aceita a
2(i de Janeiro de 1853 a prazo de 5 mezes ; urna dita
da quanlia de 2009 aceita em 18 de marro de 18,Vl,
cujas duis leltras nao lem vigor algnm por conven-
ci que vez lano eom o Sr. Moura como com os
mais rredores, e cotilo j eslejam pagas, por sao iri-
sa a tuda e qualquer pewoa que nio deverao facer
negocio algum eom as ditas lettras, e por isso o pode
provar. Mamanguape 19 'le aovembro de 1855.
Jos Joaquim de Souzi Lemos.
Vienm di Illia de Feniendo no brigue Cea-
rente 1 Osare as com milito, Irazendo as sacras a mar-
ca CD, para serem entregues a Claudio Dubeux, e
como se tenham extraviado ditas sacca, roga-se a
pessoa quesouber aonde ellaa estao, de participar
no escriptorio do mesmo,Claudio, aa roa da Cadeia
de Sanio Antonio u. 13.
IV S. mai Tos
homens.
A manhaa (25 do crrante) (Ira lugar na igreja da
Madre de Dos aaolemnissiina festa de Nossa Se-
uhora mai dos homens, sendo o orador o reverendo
Sr. padre mestre Juao Captslranode Mendoza ; pe-
las 5 horas da larde um magestoso balo subir ao
ar ; a noite haver Te-Deum, e o orador ser 4* re-
verendo Sr. Antonio Manoel da Assumpfau : as
msicas de orcheslra e marci-l achai-se conliadas
aos cuidados de dous dos nossos mais dislinctos pro-
fessores ; se o lempo permillir haver ntn eseolhtdo
e brilhante fogo artificial: emfim para a magnifi-
cencia do tao pomposo aclo a nada se lem -poopado a
digna e benemrita mesa actual ; espera-se, pois,
qoe numeroso seja o concurso de devotos, afm de
zjue mais edifcame e respeilavel se torne urna tal so-
lemnidade.
No dia 21 do crranle fugio uina prela de u.i-
rao Angola, fula, de nome Helena, representa ter
18 a 20 annos, lem todos os denles, e lem no braco
direilo marcas de ferro de bordo do navio, levou ves-
tido roso com flore encarnadas e chales azul ji ve-
lha e de quadros, suppoe-se estar em casa da uia-
drinhaakue morou no becco que vai da rus Direila
para aTenha e venda cocos, e hoje se ignora a sua
inorada por ler-se mudado ; lambem ha suspeilas
que esleja pela Capuuga, Passagem, Casi Forte ele.
ele. : quem a pegar, pode levarla a ra da Cadeia
de Sanio Antonio n. 7, qoe ser pago do seu Ira-
bttlho.
Aluga-se a casa terrea com solio, na Soledade
n. 17 : a tratar no paleo do Carme n. 17.
Quem precisar de um criado estrangeiro, o
qual sabe cozinhar com perfeiro, aonuncie por esla
tolha para ser procurado, ou dirija-se ao becco do
Peixoto n. 21.
ISTA NO, TOM !
i.liegaram nimia af ra do Collegio n.
8 alguns exemplares do HHtiO TR1UM-
PHAL a'tomada de Sebastopol, posto em
msica pelo pianista Jos Fachinetti, e
vendem-se a 2^000 rs. cada e\emplar.
Bella impressao do Rio de Janeiro : ha
poucos.
Desappareceu quarta-feira, 21 de novembro,
em occasiao que ia pata teada, o moleque Samuel,
crioulo, idade I annos, oOicial de sapaleiro, levou
camisa de madapoln e esler de ganga tmarella ji
lavada, com os siinaes seguinles : altura 6 palmos,
puuco mais ou menos, fuo'do corpa, bonito, er pra-
ta tirando a ful, olhos grandes o vivos, bocea, na-
riz e o mais regular, boos denles ; preume-sc eslar
acoiann m alguma casa usando do oflicio, ou se-
dozido por alguem para fra da praca, de quena
desruiiliaur.is, o contra quem prolesla-se empregar
lodo rigor da lei ; a pessoa que o pegar ou der noli
S|a certn, ser gratificado com generoSdade, dirigin-
a-se a serrara do alerro d Boa-Vista, e guaida-se
segredo.
Precisa-se de um ciixeiro que lenlia pratica de
loja de sapalos : no alerro di Ba-Vista o. 46. ,
Precisa-se de um feitor que seja bom
eel : na ra da Cadeia-Velha n. la.
Precis-se de 200000 is. a juros, dndose por
seguranza um casal de escravos por 8 meze : quem
lheconvier esle negocio annuncie para ser procu-
rado.
Alilonio Joaquim Vidal, deuuma procurarlo
bstanle a Fortunato Antonio Coelho, islo em 19 de
ouiuliio de 1853, para tratar de receher do padre Jo-
s Jauuario Pereira l.ima, morador no lugar de-
nominado Tanques provincia da Parahfba ;
acontece que esle dera ao meu procurador um es-
ctavo e um cavado em "pagamento, como consta do
i cribo do dito Coelho, passado junto a' procur>r3o,
em data de 7 de fevrreiro de"1854, e anda at o
presente nao den eumprimenlo ao seu dever : o dito
Coelho lem dito qu o escravo o linha remedido pa-
ra um engenho perto de Goanna, para de lo o man-
dar para cstn, porn, ha dias Coelho estove nesla
prara, e fugiode me procurar, tirando de virler co-
ntigo, como me dise em um encontr que livemos
na nianh.1 da da 19 d.> crranle, e como se retiras-
se sem qdt v:esse dar nic eonl, protesto e fajo pu-
blico, pata que ningoem far negocio com dito Coe-
lho, sob dito escravo, que vem a ser de nome Joao,
cor parda, idade de 2i anuos, bonita figura e andar
le-r.insado, assim como se dar boa gnililrariin a
pessoa que se jolgar babilladi parase encumbir de
procurar e haver o dito escravo a minha posse, para
o que tenho em meu poder os documentos precisos.
Roga-se portanto, as autoridadespoliciaes dignem-se
lomar conhvcimenlo do espendido. Loja de fer-
ragens na ruada Cadeia de Antonio de Joa-
quim Vidal (SC.
Recife 20 de novembro de 1855.
Muita aeneao.
O cantelista Salustiano de Aquino Fer-
reira ollerece bilhetes e cautelas a's pes-
soas que costumam comprar para nego-
cio, nesta cidade e para fra, aos presos
abaixo, sendo em porco de 100)1 para
cima, dinheiro avista, erf seu escriptorio,
na ra do Trapiche n. 36. segundo an-
dar : sao pagos sem o disconto de 8 por
cento do imposto geral.
Bilhetes. 5g50
Meios. 2$675
Tercos. I 820
Ouartos. 1$3G*
0 tintos. 1^085
Oitavos. 680
Decimos. 560
Vigsimo. 280
Pernambucu 17 de novembro.de 1855.
O cautelista Salustiano de Aquino
Ferreira.
X A pessoa quetrouxedo Rinde Janeiro urna H
eneommenda para Julio Augusto di Cunha j*
i tiuiinar.'ies, lenha a houdade de eulrega-la
9 na ra da Aurora, em casa do Sr. Gustavo y
$ Jos do Reg, ou eniao declara a sua mo- ff
9 rada. m
Lotera
DO HOSPITAL PEDRO. II.
Quarta-feira 28 do correntc, andam
as rodas da segunda parte da segunda lo-
tera do Hospital Pedro II; o meus afor-
tunados bilhetes e cautelas arl.am-sc a ven-
da as lojas do costume, e no aterro da
Boa-Vista ns. 48 e 68. Recife. 21 de no-
vembro de 1853.0 cautelista, Antonio
da Silva Guimares.
Carros fnebres
' ADMINISTRADOR AGR.
Ete estabelecimento, sito em um ar-
mazem pertencente aos religiosos francis-
canos, confronte a secretaria de polica,
esta' competentemente montado, tendo
ptimos carros para prvulos e adultos,
com exeellente ornatos, sobresahindoen-
trecodos os de prjmeira ordem; assim co-
mo os pannos sao os melhores que presen-
temente ha, com ricas borlas e guarneci-
dos degallao e franjas, tudo em confor-
midade do regulamento do cemiterio,
tem ricos caixoes tanto para uns como
para outros.encarrega-se de tirar licen-
casdo parodio e camaia municipal, for-
nece msica, cera, carros de passeio, dis-
tribuido de convites, armarties de ecas
stfereja, e tudo quanto he ecassario' a
uaW enterro, sem que os doridos tenham o
menor incommodo. O estabelecimento
acha-se em estado de bem servir por ter
pessotspropriasa todo os misteres, tam-
bem tem mortal has de pinlfb para vender,
e aluga caixoes tanto de anjos como de
defuntos : para tratar no mesmo arma-
zem como administrador, o as rasda
Cadeia de Santo Antonio casa u. 54, na
doQueimadon. l.ea noite na'de Santa
Thereza n 52.
PUBLICA CAO' I.ITTERARIA.
Sahio lu/. o Manual dn Esludante de Lalim,
dividido em duas parles. A primeira contm um
compendio de grammalica launa, estrellido dos me-
lhores que se lem publicado: comprehende as pos-
tro grandes divsdes da grammalicaelymologia,
yoleie, prosodia e orlhographiae tratarle todas as
regras e excepres mais precisas, sendo cada urna
dessas parles enriquecida de copiosas notas expostns
em ordera e ao alcance de todas as tnlelligencias ;
formando a texto um volume' menor do qoe o da
arle do padre Pereira. A segunda pjrle contm a
mythoiogia ou historia da ulica religiao dos dragos
e Romanos, e om breve tratado dos coslomes e cere-
monias, tanto civs como religiosas dos amigos Ro-
manos ; om volume de mais de 300 paginas em 4.:
acha-se venda na cidade* Sr. Rufino Olivo ds Costa Machado ; or cidade da
rea, na loja do Sr. Manoel Jos da Silva ; e oa Ba-
ha, na toja do Sr. Carlos Puggeli : preco de Cldl
exemplar 48000.
No hotel da Europa precisa-se de um escravo
para serviro de casa.
lamandade do Divino Espirito Santo de
S. Francisco.
O secretario da mesma irmandade, em nome da
mesa regedora, convida i lodos os seus charissimns
irmAus, .principalmente os nosnos rmeos inesarios),
para no dia 25 do crranle, pelas 2 horas da tarde,
comparecerem no re feudo convenio, para, encorpo-
rados, acompaoharem a procis-ilo de Corpas Chrisli,
que para esse lim fumos convidados por S. Exc.
Rvma;
A mesa regedora da veneravel ordem terceira
de N. S. do Carmo, convida a lodos os charissmos
trmtos da mesma ordem a comparecerem com seus
hbitos na igreja da nossa veneravel ordem pelas 3
horas da tarde do dia 25 do coarnle, alim de irmos
acompanhar a procissAo de Corpus Chrisli, por con-
viledeS. Bxc. Rvma.
As mais moder-
nas ehapelipas
para senhoras.
ie chegado a praca da Independencia, loja de
Joaquim de' Oliveira Maia um completo e variado
sorlimenlo de chapelinas para senhoras, de muilo
boa qualidade e dos mais especiaes goslos de Pars,
por preros maisent cunta do que em outra qnalquer
parle. Na mesma loja se vendem chapeos de todas
m qualidades para meninos e meninas, tudo gostas
proprios da festa.
Augusto Cunen o Monteiro da Silva
Santos, doutor em medicina, podea' ser
procurado na ra do Aragito ti. 19, pri-
meiro- andar, ou na ra das Larangeiras
n. 15, das 10 horas da manhaa, as 2 da
tarde.
No dia 1!) do crranle, fuglo da rita to <$
llrinn, um cavallo laiao foveiro, capado 9
pos calcados, frente%berla, clinas e pona 9
da cauda corladas, com signal de cangallia 9
que era para o que servia, estu carnudo e 9
de lauaulio regular: quoiti o liverapanlia- 9
do pode-o levar a ra do lirom n. 20, que 9
0 sera pago do seu trabalho. m
:\higa-se
I
pan se pissar a festa duas cusas na Tarre, cada uina
com 3 quartos, 2 salas,'coiinlia fra, copiar, e mui-
lo fresca, quarto para escravo e estribara, por com-
modo preca: a tratar atrit da malrix da %|l-VI|ii
De U.
8
O Dr. Dias Fernandes, medico, reside no fl|
primeiro andar do sobrado da ra Nova, -
esquina da di Sol : onde continua no ex-
eteicio Je sua proflssao.
Madama Seasso
modista.
Atcnotlu Boa-Vista .31.
Participa as senhoras desla cidade.que recebeu um
sorlimenlo de dijjerenlrs ohjectos de modas, ricos
chales de louqaim estampados com nm bello dese-
nlio, ditos bordados, ditos de relrox, romeiras bor-
dadas a matiz, chapeos de seda pera senhora e me-
ninas, novas modas de grinaldas de flores escarales,
ricos cortes de vestidos de chamalole prelo, ditos de
seda branca para uoiva, ditos de oores para baile,
torhatites lucidos de nitro, obrasqtie as senhoras nao
dei varo do comprar, nobreza de lalas as core*, ri-
fes, vestidus, enfeiles para Ihealro e bailes, e cotias
militas fazendas de gasto.
Candido Joa Lisboa, antigo discpu-
lo do Sr. padre Joaquim Raphaei da Sil-
va, approvado plenamente pelo lycu
desta cidade, da' lices de latim, francex
e portugus: na ra de Apollo v. 21.
S J. JANE, DENTISTA,
% contina a residir ni ra Nova u. 19, primei- I
Xi o andar.
*ei
Precisa-se de um padeiro que saibi Tornear e
que entend de todo o mais trafico de padaria : quem
eslver neslas circunstancias, dirija-so a ra larga do
Rosario n. 18, que achara com quem tratar.
Precisa-se de um prelo captivo para o servico
de aii casa de pasto : na rui do Amerim n. 36.
Precisa-se de urna ama par coiinliar i na roa
do Qaetmado n.9.
REPERTORIO DO MEDICO
HOMEOPATHA.
EXTRAHIDO DE RUOFF E B(
NINGHAUSEN E 0UTR(
poilo m ordem jlphabelica, eom i d>_._
braviada de todas as molestias, a indicacao pnysio-
logira e Iherapeulica de lodos os medicamentos ho-
meopalhiros, seu lempo de acrJo e concordancia,
seguido.de um diccionario da significarlo de lodos
os termos de medicina e cirurgia, e posto ao alcance
das pessoas do poro, pelo
DR. A. J. DE MELLO HORAES.
Os rs. nsaignantes podem mandar buscar os seui
exemplares, assim como quem quizer comprar.
Precisa-se de sete centos mil reis a
premio, dando-se duas escravas por segu-
ro : quem os quizer dar annuncie.
Antonio Alves da Costa, de Bananeiras, por ter
encontrado oulro de igual home, de hojeem diante
seassignara' por Antonio Alves dt Costa e Silva.
AVISO IMPORTANTISSIMO.
0 cautelista Salustiano de Aquino Fer-
ceira avisa a's pessoas que compram bi-
lhetes e Cautelas las loteras da provin-
cia para negocio,que resolveu-sea vender
pelos precos abaixo declarados, sendo
a quantia de 50OJO0O para cima, dinbei-
ro a vista, na ra do Trapiche n. 56 se-
gundo andar. Sao pagos sem o descont
de 8 por cento do impost geral.
5:000$00
2:500j000
1:666.S'066
1:250z000
1:000000
(255000
SOOfOO
25000a
Pernambuco 19 de novembro de 1855.
-0 cautelista, Salustiano de Aquino Fer-
reira.
0 Illm. Sr. thesoureiro manda fa-
zer publico que se acham a venda os bi-
lhetes da segunda parte da segunda lote-
ra do Hospital de Ca idade, cuj as rodas
andam no dia 28 do andante mez. 0
mesmo Illm. Sr. thesoureiro manda de-
clarar, que pelo plano abaixo transcripto
he que serao extrahidas as loteras da
provincia, inclusive a presente do Hos-
pital de Caridade.-Thesouraria das lo-
teras 19 de novembro de 1855. Luiz
Antonio Rodrigues de Almeida, escrivao
das loteras.
PLANO.
5,000 bilhetes 59000 ris, 25:0009000
Beneficio e sello de 20 por cento. 5:000900*0
Bilhetes. Meios..... Tercos'. Quartos Quintos. Oitavos..... . 5S250. 2$025. 1J785. i#538. 1#070. '. 069.
Decimos ,.',. .. 540.
Vigsimos . . 270.
20:0009000
1 p 1 remio. ' '
1 B
1
3 " ' . 3009000
7 . . . 1009000
* 14 . . 50*000
30 . 20*000
70 . 109000.
1,540 >l 59000
. ?/
1,668 P reraios.
3,332 Biancui.
5:000*000
2:500*000
1:0009000
500*000
6009000
700*000
7009000
6009000
7009000
7:700*000
00
5,0"00
Thesouraria das loteras da provincia,
7 de novembro de 1855.O thesoureiro
Francisco Antonio de Oliveira.Approvo.
Palacio do govertjo de Pernambuco 13
de novembro de 1855.Figueiredo.
U-se dinheiro a joros sobre penhores de o%ro
ou prala : na ra de auto Amaro n. Iti, das 9 as 4
horas da larde.
Antonio Joaqiim Vidal ti Companhia, com
loja de ferragens na roa da Cadeia do Recife, previ-
nem pela ultima vez aquelh-s de sen devederes que
se acham demorados m solver seus dbitos, qoe so
esperam al o lim do crrente intv, do contarlo lerSo
de ser incommodados por esle jornal e por juslica;
assim esperam que os dilos seus devedores nio lites
deetn occasiflo para lal faier.
Manoel Gomes Leal dt Cempanhin pedem a lo-
dos os seos devedores queiram ler a bondade de pa-
gar-Ibes as soas conlas al an fim do crlenle mez,
compartiendo para lal fim oa sua casa, ra do Cres-
po n. 9, segundo andar, ou na ra da Cadeia de
Santo Antonio n. 22, primeiro andar, onde podero
lambem reformar alguna de seus crditos e legalisar
as mesmas cqjbi por meio de uniros ttulos, visto
como na rnffiM cdigo coinmerrial he islode abso-
luta necessidade, ceriosdeque lindo o presente mez
os aiiiHiucianles promovero a cobranca das mesmas
dividas pelos meios judiciaes.
AJuga-se o armazem da easi do Trapiche Ne-
vo n. 12: a fallar no escriptorio Rolher Bidoalac.
Deseja-se saber se nesla proviucia esistem os
Srs. Alesandre Teizetra Combra e Mauoel da Coti-
cem|a> Cosa, e no caso de lereiu fallecido, os seus
heJBfros, para negocio de seus inleresses: na ra
daWpollo u. 18, armazem de Manoel Krrreira da
Silva Tarroso.
NOSSA SENHORA Di G01CEI-
CAO DOS MILU ARES.
OViteUno da irmandade de Nossa Senhora da
Conceicao dos militares, em eumprimenlo ao artigo
18 dos eslfiulos respectivos, e ile ordem da aclual
mesa regedora, convida a todos os Srs.. unaos desta
irmandade, para que sesirvam comparecer na igreja
di mesma Senhora no da 25 do-rorrele pelas 8
horas da maullas, as-islifem a missa votiva do Es-
pirito Santo, e uepois desta a mesa geral, que se ha
de proceder para a elcirao do pro-idetite que tem
de funeciooar no anuo prximo futuro. Consisto-
rio 21 de novembro de 1855. dntonio Jos fibei-
ro de Moraes.
Precisa-se um imassador. na ra da Senzale
Nova, padaria o. 30.
GABINETK PORTUtiUKZ DE
LEITRA.
Por ordem da directora do Gabinete Portuguez de
leilura nesta cidade, se roga aes seuhores associados
do mtsmo, quando nio forem pessoalmento bascar
livrns, queiram mandar um lnHiele notando nelle o
volume e o numero da ubra que qoizerem ; assim
como leoham a bondade de fazer recolher i biblio-
Iheca os volumes qoe tiverem em seo poder alm do
prazo concedido para a leilura. Pernaiubuco 21 le
unvemliro de 185oJ. C. Coelho da Silva,I." secre-
tario.
Lotera do hos-
pital Pedrll.
Aos $:000o, 2:5006 e 1:000*.
Corre quarta-feira 28 do presente mez.
Os bilhetes e cautelas do cautelista An-
tonio Jos Rodrigues de Souza Jnior, nto
eslo sujeitos ao descont dos S por cento
do imposto da lei ; os quaes se acham' a
venda as lojas da praca da Independen-
cia ns. \, 15, I5iM0, ra Direita n. 15
e da P.r.iia n. 50, nido os premios pagos
logotiuesaia a lista geral.
Bilhete inteiro 5.s60u 5:000^000
Meio bilhete 2jj800 2:500.s00O
Tercos I.S20 1:66.s((iti
Quartos l.sHO 1:250.s000
Quintos I .si 60 I:000jf000
tivos 720 (25,s000
irnos 600 500S000
Vigsimos 500 -250S000
O referido can elisia declara que s pa-i
ga nos bilhetes inteiros vendidos em origi-
nacs, os 8 por cento do imposto da le, nos
premios grandes, devendo o possuidorre-
cebe! do Sr. thesoureiro o seu competen-
te preirj|l4fue com os ditos 8 por cento
recebidtl do referido cautelista prefaz a
sorte por inteiro, sem descOnto algum.
mmww m\m\\\y\\\.
Adtreccilo pede aos Srs. accionistas se dignem
realtsar a ultims presta{ao de 15 o<0 al o dia 15 do
mez prolimo futuro. M
Irmandade do
Divino Espirito
Santo,
A mesa regedora convida a'todoa os saos chariss-
mos irmaos a comparecer em'sua igraja oo dil 25
do crranle as 3 horas di larde, pira em cor-
porifjjo irem acompauhar a procissao de Corpus-
Cjirisli.-
O cautelista Salustiano de Aquino
Ferreira olfert de muito livre e expon-
tanea vontade, para as obras da igreja do
Divino Espirito-Santo, as segnintes caute-
las da segunda parte da segunda lotera a
favor do hospital Pedro II:
6 meios bilhetes ns. 1053,1150. 16*7,
1754, 2183 e 2492; 4 tercos ns,2616,
3035, 3043 e 3079; 12 quintos, sendo 2
de cada um dos seguintes ns. 3446, 3447,
5567, 5584, 3286 e 5586 : os quaes eslito
em poder do thesoureiro" da respectiva
irmandade.
t No di 11 do correte fugio da eidada nova di:
Santo Amiro um mulato eserare, de nome Urcino,
com o sigues segnintes : idade que reprsenla 25
annos. estatura eotre regular e baia, seeco do oer-
po. cor clara, cabello com quanlo seja om peaco
denso e encolbjdo, todava qoer tirar i crespo, e
sempre o traz bem peoleado e grapde, Ulvas a le-
nha cortado, boos denles e alvos, pouca barba e gos-
la de conservar pera e bigode, physionomia afriaa-
vel e nao feia, muilo prosista, loca viollo a caita
bem, escreve e le pouco, eulende de sapa tetro a al-
faiale, gosla de andar calcado e limpo, pana por
forro em qualquer parle que nlo o couhecam ; sup-
nOe-se lr-e dirigido para o norle da provincia :
roga-se porlanlo as auloiidades PoliciaM e capiUes
de campo de o apprehenderem e levar ao mu senbor
Jos Jacome de Araujo, na dita cidade Nova, na pri-
meira casa das do Sr. Antonio Jos Gomas de Cor-
reio, qoe gratilicar geueroeameule.
Tendo o ibais assitnado, na qoalidide de
ptocurador do Sr. Manoel Lopes da Silva, residente
em Portugal, de fazer protestar varios ttulos de di-
vidas que ao. mesmo senbor se acham a dever lign-
inas pessoas, as quaes j ha mufle estao ver.cidos, e
por nlo ter o aballo essignado conhecimento desses
senhoras, faz o presente pan qoe oe mesmoi te diri-
jim a ra do IJueimado, loja n. 14, afm da oa rea-
calar antes queseus nomes vio para juizo. Recife
2l.de novembro de 1855.
Jos Rodrigues ferreira.
D. Rose Candidf tionralves Ferreira, vista do
fallecido Jos Connives Ferrra e Silv, convoca
os credores do sea casal para se reunirem do dia dt>
do crranle, na roa da Cadeia do Recife. casa n. 43,
as II horas da niinhla, afm de lcarem inteirados
do estado do casal, e de deliberaren! acerca de seas
inleresses.
Jos Mauoel de A najo reliri-e para lora da
provioeii.
Consulado de Portugal em Pernambuco.
Os credores do linado subdito porUgusz Feraando
Antonio Fidi sao convidados apreaealar dentro
de oilo dias as soas eiecuc"esio carlorio de apen-
les, escrivao Vasconcellns, Ha do serem alteodidos
e se proceder raleto na forma di lei, di importan-
cia que se ha liquidado do respectivo espolio per
parte desta consulado. Consolad da Peatagal, em
I'ernambuco'aos 22de novembro- de 1855.O citio-
celler interino, S. M. Alces Carioso.
AULAjDE LATIM.
O padre Vicente Ferrer de Albuquei-
quemudou a sua aula para a ra do Kan-
gel n. 11, andecontinua a receber alum-
nos internse ex ter no desde ja'por m-
dico preco comr he publico: quem se
quizer utilisar#d^eu pequeo presumo o,
pode procurar r;segundo andar da refe-
rida casa a' qu quer hora dos dias pitis.
Aluga-se om sitio com boa casa de sobrado,
qoal tem mallos commodos, sita oa povoacao do
Monteiro ; a tratar na roa do Trapiche n. ti.
O padre Thomiz de Sania Marranea da Jess
Magalhaes se ouerece para,ser capellao pan aaaelle
seohor de engenho que quizer ulilisar as atisaase
mais actos proprios do niinist'rrio sacerdotal, e para
oiisiiiar primeiras ledras, dootriaa chrisUta, arilh-
melira, grammalica da lingua portggueza, gratama-
lica da lingui latina, msica e francez : o seahor de
engenho que qaiier, pode procurar o annuiicianle
ni casa de Mi residencia, na rui di Concordia, das
9 horas da mantilla em diante de qnalqncr dia.
C0\Sll/nHill) (EMBU
IIOMOPATma
Greruito para os pobres.)
Wuo de Santo Amaro, (Mundo-Noeo) n. tj.
O Dr. Sabino Olegario l.udgero Pinho da
consultas todos os dias desde s 8 oras da*a#
manhSa al as di tarde.
Visita os enfermo; em sens domicilies, das '
2 horas em dtinle; mas em caaos repentinos i
e de molestias agudas e graves ai visitas serao !
fei'.as.em qualquer hora.
As molsiias nervosas merecen iratamealo i
especial segundo meios hnje aconselhadae ;
pelos praticos modernos. Estes meios
tem no consultorio central. ,
Massa -adamantina.
Uegerlmenle recormecida i excedencia desta
prepararlo para chumbar denles, parque seas resul-
tados sempie elizes seo j de dominio 4o publico.
Sebaslio Jos de Oliveira faz aen desta preciosa
massa, pira o fim indicado, e as pessoas qae qoize-
rem hsnra-lo dispeede de seus serviros, podaos pre-
cura-lo na .travessa do Vigario n. 1, loj de bir-
beiro.
S
eMaM)t)iitctii _
* DENTISTA FRAIGEZ.
Paulo Gaignous, deiilisla, estabelecido ni
' rea larga do Rosario n. 3tS, segundo andar, 9
8 colloca denles com a premio do ar, e rhumhi 9
9P denles com a massa adamantina e outros me- .q)
9 lies.
SBSMtl
Novo* livre de homeopathii em frmcez, ob
todas de summa importancia : I
Hahnemann, tratado das molestia chranicaaV 4 vo-
lumes............ 20000
Teslfe, rroleslias dos meninos..... 69OOO
Hering. homeopathia domestica..... 7#0f>0
Jahr, pharmacnpa homeopathica. 69000
Jalir, aovo manual, 4 volumes .... 169000
Jahr, molestias nervosas....... 6*0011
Jahr, molestias da pelte. ...... 89000
Rapou, historia da nomeopalhia, 2 volumes I69OOO
Harlhmann, Ifalado completo das molestias
dos meninos........... IO9OO0
A Teste^materia medica homeopathica. 89000
De Fav lie, doulrina medica homeopathica 79000
Clnica de Slaoneli ....... 69000
Casling, verdade da homeopathia. 19000
Diccionario de Nvslen...... 109600
Atllas completo de anitnmia eom bellasas-
lampas coloridas, conlendo a descriis
de todas is partes de corpa humara 309000
vedem-ee lodos estes livros no consuMuio homepa
thico do Dr. Lobo Moncuso, ra Noyi a. 50 pri-
meiro aodar.
COLUTORIO H011WA- f
THICO.
^Giatuito para os pobres.)
28. RA DAS CRLZES 28.
0 Dr. Cisanova dn coneutlas e fiz visi-
tas a qualquer llora do dia.
Os medicamentos homu'upatliicosmaisacre-1
dilados do Universo, So s que slo prepa-
rados petos Srs. CATEU.AN e WEBER.
pharmaceulicos em Pars: nesla casa lem
sempre om^grande sortimento destes me-
dicamentos em lintoras de todas as dyna-
misares; e em glbulos preparados pela 1
proprielario deste estabelecimento: cartel-
ras de todos os tamaitos, a muito mais em
conta do que em qualquer outra parte.
1 carleira de 24 medicamentos. 680U0
1 frasco de tintura a escolher 19000
Tubos avulsos, a :)0, 500 e 19.
Elementnsde homutopathia, vol. 69000
N. I!.Cada carleira encerra os med- (n
ranieu: s preservativos e curativos do cho- 5
lera-morbus. 9}
PARAJt FESTA
Aluga-se notnrlhor lugar da Torre, um
sitio com grande casa nova, estribara c
cocheira ct|iiartopara leitor: a tratar na
ra da Cruz n. 10.
PBLICACA COKDliltAHCA.
Esta'a venda na livtarla classica n. 2,
no pateo do Collegio, a obra intitulada
Breve Noticia Corographica do Im-
perio do Brasil, escripia em 185i; ero-
ga-se aos senhores assigaanles que tenham
a bondade de mandar buscar os seus
exemplares, no armarem de leiloes, na
ra do Collegio n. 15.

/'


,,
OUIHC DE KRIURBKO SAB*D^ 4 OE NOVEMBRO K
CONSULTORIO
POBRES
O Dr.l'. A. Lobo'Moscozodaoonsullas homeopalhiCM todu os da aos pobres, desde ti horas da
roaDba aleo maio dia, e tincaseis extraordinarios a qualfBr hora do dia ou uoite.
Oflunaa m Igualmente para pralicar qualquer upertHaVde cirurgia. e acudir proiilptamenle a qual-
quer amiba* aja* esteja mal de parto, e cujascircumslanciasnopermiltam pagar ao medico.
m (ISSIILTIIMO DO DK. P. A. LOBO MSHBO:
\lM 9o ra* nova So
,IHENDE SE O SEGUINTE: ?
Manual completo de'meddiciua homeopalhica do Dr. (1. 11. Jahr, trduzido em por
tuguez pelo Dr. Moscozo, qualro volumesencadernados em dous e acompanliadode
ura diccionario dos termos de mediciua, cirurgia, anatoma, ele,ele...... '20&000
Esta obra, a maisimparlante de todas asquetralam do esludo e pralica da homeopathia.por'ser a nica
qaeconlni abase fundamental "esta doulrin'aA PATI10GENESIA 01! ErVEiTOS DOS MEDICA-
MENTOS NO OhCiANISMOEM ESTADO DE SAUDEconhecimenlo que no podem dispensar as pes-
soas que sequerem dedicar pralica da verdadeira medicina, interessa a todos os mdicos que quizerem
experimentar a ''oulriua de Hahnemaun, e por si meamos se convenceren) da verdade d'ella: a todos os
azendeiros esenhores de engenl o que estilo once dos recursos dos mdicos: a lodosos capilSesde navio,
qae urna ou outra vez nao podein deixar de acudir a qualquer incommodo seo ou de seus tripulantes :
a lodee os pais de familia que por cirenmstancias, que ntm sempre podem ser prevenidas, sao |obriga-
dbs a prestar in conlinmti os riineiros soccorros em snas enfermldades.
O vade-mecum do homeopalha ou tradcelo da medicina domestica do Dr. Hering,
obra (ambem ulil as pessoas que se dedicam ao esludo da homeopalhia, um volu-
me grande, acompauliado do diccionario dos termos de medicina......> 109000
O diccionario dos termos de medicina, cirurgia, anatoma, ele, ele, encardenado. 38000
Sem verdadeiros e befa preparados medicamentos nao se pode dar um passo seguro na pratica da
homeopalhia, e o proprietario desle eslabeleeimento se lisongeia de le-lo o mais bem montado possivet e
uineuem dnvida boje da grande superioridade dos en* medicamentos.
PRECOS INVARIAVE1S.
Boticas da 5" ou 30* dynamisacio. Menores.
89000
De 12 tubos
De 34
De 36 i>
De W
De 60
159000
208000
259000
, 309000
609000
Ijrandrs.
I09OOO
2O90OO
258000
308000
359000

19000
29OOO
28000
Da 144 ...............
Qualquer deslas boticas em linduras, o dobro.
Cada lobo avulso......., ...
Meia oof a de qualquer lindura da quinta d\ nainisarao
Um frasco da verdadeira lindura de rnica .-
Na mesma'eita ha sempre .1 venda grande numero de tubos de erystai de diversos lmannos,
vidros para medicamentos, e aprompla-se qualquer eucommenda de medicaraenloscom toda a brevida-
de e por prcos muito commodos.
TRATAHEVTO HOIEOPATHICO.
Preservativo e curativo
00 CHOLERA-MQRBUS.
PELOS DRS
CH^aV.VK.UC: !E2 Ji%.aXKftK ou lustrticrao ao povo pira seapoder curar desta enfermidade, administrndoos remedios mais ellicazes
para ala/ha-la, emqugulo.'serec urea medico, ou mesmo para cura-la independeule desles nos lugares
em que nao os ha.
TRADUZIDO EM PORTUGUEZ PELO DR. P. A- LORO MOSCOZO.
Esles doos opsculos contenas indieacoes mais claras e precisas, e pela sua simples e concisa eiposi-
;ao eslavo alcance de lodas as intelligencias, n.lo so pelo que diz respailo aos mrios curativo-, como prin-
cipalmente aus preservativos que lem dado os mais satisfactorios resultados em toda a parle em que
elles lom sido posto* eiu pralica.
Sendo o tralainenlo homeopailiico o unicoque lem dado grandes resaltados no curativo desta horri-
vel enfermidade, jo leamos a proposito (raduzir estes dous imprtenles opsculos em lingua verncu-
la,,para del'arte facilitar a sua leilnra aquemignoieo franco/.
Vende-se nicamente no Consultorio do traductor, ra Nova 11.52. por 29000. Vendem-se lambem
na medicamentos preciaos e boticas de 12 tubos com um frasco de lindura IO9OOO, um dito de 30 1 ulios
J09000. '
O SOCIALISMO
PELO GENERAL ABREU E LIMA.
Anda exigiera alguns exemplarcs enquailernados,1
e acharole n' venda na loja de livros dos senhnres
Ricardo de Freitas & C, esquina da ra do Collegio,
e em casa do aolor, pateodo Collesio, casa amarella,
no primeire andar.
Fesla na igreja
A MAHK K DOS.
Domiugo, 25 do correnle, Teni lugar na igreja da
Madre de Dos a fesla da veneravel imaaem de N.
S. Mil dos Homens, com a solemnidad devida. Ora-
ra na Osla o reverendo padre medre pregador da es-
polia imperial Joao Capislrano de Mendiftica, e no
Te-Denm o reverendo padre Antnuio Manoel de As-
sompcSo.
Declaro que possuo urnas Ierras silas 110 lermo
da villa de Cimbres, em Reman buco, na freguezia
de Muxol, lugar denominado S. Pedro da Boa Sor-
te ; as quaes Ierras com casa, cercado, etc., comprei
a Antonio Jos Ferreira da Silva. Elis Ierras le-
rao principio da extrema de Aonu lsabi-1 de Siqoeira
pelo nacha do siiio'acima at encontrar com Ierras
de Manort Jos de (joes por orna o otra parle do
riacho ale topar com Ierras da oulros que a vista de
seos tilolns l'gaes potsuam : cornaro a llegar da ex-
trema do dito Manoel Jos para cima eom todas f s
aguas e confrontarles que houverem dentro dos tun-
d da dita Ierra al topar com oulros oreos ; por-
que as trras de Manual Jos s lem as aguas que
penderem para dito riacho. Cidiide da fortaleza do
Geara 19 de maio de 185. '
Dr. Jos l.oureueo de Caslijo Silva.
O abaixo.assignado avisa ao publio, que o sen
uacriptorio he por ora na casa de sua residencia, uo
atejro da Boa-Vista, sobrado 11. 42. Kecife 22 de
uuvonibru de 1855.Maximiano Francisco Duarle,
escrivilo privativo do juizo eommercial.
Prrcisa-se de urna ama pan urna casa de peo-
ra rmilia : na prara do Carpo Simio k. 17.
Precisarse da orna ama que saiba engommar e
cozinhar," para urna casa de punca familia : quem
quizer, enleuda-se no largo da llibeira,' taberna o.
I, que faz qaina para a ra de Santa Hita.
Quem precisar de um cozinheiro Irancez para
hotel ou casa particular, dirija-sn ao hotel da Bar-
ra, na.ra do Trapiche Novo.
Aluga-se orna casa no Poro da Paera, con-
fronte a do Sr. Joo Francisco Carneiro Mooleiro,
com os seguidles commotjos : 3'salas, licuarlos, co-
piar, e ciizinbn separada? quem a pretender, dirja-
se a Manoel da Silva Neves, em Fra de Portas.
A pesaoa que precisar de 8OO9OOO 011 1:0009 a
premio com penhores de rala 00 ouro, procure na
ra da Mangueira n. 11, na Boa-Vista, que achara
com quem tratar.

Aloga-ee urna ama para ser viro de casa de om
Numero saliriro, sendo de boa conducta e el : a tra-
ir na ra das Cruzes n. 21, segundo a 11 lar. Adver-
t ndo-aa que s se alugar al o dia 24.
Grenie.
Domingo 25de aavembro llavera sorvele de creme
das 11 horas uo da as 3 da larde, e de l'ructas das 5
e meia as 9 da uoite : na ra da Caduia ds Recife
II. 15 primeiro andar.
Irmantladedas alma* do Kecife.
A mesa regedora da irmandade da almas do Ke-
cife, convida a lodos osseus irro.iog que comparernm
110 da 25 do eorrenle mez pelas 3 horas da tarde,
allm da" incorporados acompanliarem a prnssirao de
Corput ChrUUe, para a que fomos convidados por
S. Exc. Rvm.
Aluga-se pelo lempo da fela moa caA nos A-
pipucos, com commodos para fimilis, e aanca-ae
ser muilo fresca e com excellealo vista, por estar na
inelhor psito e perlo do rio : a tratar em Fora de
Pollas, na ra do Pilar, n. 135, segundo andar.
COMPRAS.
postos municipaes, provinciacs e geraes
3ue aiTectam todas asclasses da socieda-
u, extracto dosregulumontos parochiaea,
do ceuiiter o, enterrse sello, trata mea-
to de varias molestias, inclusive a do" cho-
lera, contos, variedades e regias para hr-
zer manteiga e (pteijos de dilerentes qua-
lidades, dittas ecclesiasticas 014d padre a
480 rs. : vendem-se nicamente na livra-
ria n. 6 e 8, da piara da Independencia.
No lim do mez sahirSo a luz as de al-
manak.
Pu
xury.
Vende-e na na do Trapiche n. 16, se-
gundo andar.
I AK1M1A DE MANDIOCA.
Vendem-se saccasgrandes com fariuha de man-
dioca por preco rommodo : para fechar conlas : 110
armazem rio LuizAnnet defi&nle da Alfandege.
Vcude-se urna taberna sita na ra da languc-
ia n^ 10, bou; logar de negocio e propna para um
principiante por ter poucos fundos : a Iratar ua
mesma.
Compram-se mqedus de prata ese-
dnlasde 1^000 e 2/^000 res, que naose-
atn rota: na ra da Cadeia do Recite,
loja de cambio n. 38.
Compra-se urna escrava prela 011 parda, que
-eja moga e sem achaques, engimmadcira e coslu-
reira ; paga-se bem: na ra de Apollo armazem
^PCompra-se orna espingarda de 2 canos que se-
ja muilo boa : quem tiver e quitar vender, dirija-se
ao armazem n. 7 do caes da alfandeaa, para tratar.
Compra-se urna casa larrea u.1o sendo em bec-
coa, e no bairro da Boa-Vista : a tratar na ra do
RosVinda Boa-Vista 11.il.
Compra-se um laiio de cobre, neio, e em
bom estado, por preco commodo : na Iraveaaa da
Concordia ou Cadeia Nova, sobrado o.., ou anuun-
cie para ser procurado.
Xomprase um espelho pioprio para alfaiate,
H esteja
gio n. 4.
uperior doce de caj' e de ludas as qoalidades de
fruclas, mu>lo bem feilo, lano secco em bocelinhas
entintadas proprias para prsenles, como de calda
em harriliiihos ; e tambem se vende as libras : na
ra do Qneimado luja n. 2.
Sal de Lisboa a bordo da barca porlugueza
Ligeira : Irata-se ua ra da Cadeia do Recife com
V. A. S. Cacvalho.
Na treguezia dbanlo Amaro de Jaboalao ven-
de-se urna parte de 12:1649261 do engeuho Floresta,
avahado por 36:0009, dislanle desla praca 5 leguas,
e com ella as bemfeitorias seguirte*, feitas depois dn
mencionada avaliarao no mesmo eogeuho e em sois
Ierras como descrev-se abaixo, senda : na sede do
engenho Floresta, urna excelleole caflBtviveoda de
sobrado eovidrarada, de pedra e cal, Teila a moder-
na, com bastadles commodos para urna familia nu-
merosa, una itlufa deseccar asscar e um ptimo
Danheiro, ludo de pedra e cal, e as m-lhores Ierras
do referido engenho j um oulro d'agua levantado
ern Ierras quasi virgens ha dous anuos, denominado
Mallo Grosso, que se acha hoje inoenle e eorrenle,
com as seguintes obras : um a;ude com capicidade
para moer boas safras, e com proporces de ser aug-
mentado, casa de engenho com cavouco de dhj,
roda d'agua, moenda e suas perleras, casa dMh-
deira complela, idem de porgar do mesmo modo,
dem de disiilaco com alambique de cobre, cubos
e suas perlencas, idem de encaixamento, idem de
hospital de prelos, idem de criados, idem de viven-
da, e orna outra quasi acabada, todas estas obras de
pedra e cal. Vende-se lambem a s-fra creada nesle
ultimo engenho, assim como 16,000 ps de caf ah
plantado, alguus bis, carros, quart.os e algn" es-
cravos, a lem de senzalas de scravos, estribara, casa
de rarinha, cata de bagajo de esteios ;do ven-
de-se com algara dinlieiro a vista, e o mais a pnzo
com boas firmas ou outra garanta que Ihe seja eqni-
valenle : a tralar-%e no Kegife com o Sr. Jos Joa-
quim Jorge, ru do Crespo, ou no referido engenho
com o Sr. J080 Francisco Xavier Paes Brrelo, que
melhormente pora as condiroes da referida vepda.
Meias deTnirraclia.
Chegaram as excellentes mei.s de borracha "para
rysipela, ditas de la para homem, senhora e me-
ninos, rulan hamburguez em garrafas, e tinta para
marcar roupa. '
Vende-se urna casa terrea com muilos comino,
dos para duas grandes familias, com4salas e 7 qutr-
los bastantes grandes,-coziuha fra, e mais um so-
laoznho para quem tiver scravos, quintal murado
com 100 palmo e mais 200 que he cercado de cerca
de limao com alguna arvoredos, na ra do Jojo Fer-
nandos V leira, na Soledade : quem a prelender, di-
ri|a-se a estrada nova da Soledade que va para o
Mauguinho, no sabradinho da ra da Esperaura.
uuTT VeDde_e um escrava crioula, moca, com ha-
bilidades e sem achaques : na ra da Guia n. 10.
Vende-se urna negra de-40 anuos, boa.venSe-
dora de ra : na roa das Cruzes n. 9, loja.
Vendem-*e 33 travs de louro de 32 a 45 pal-
mos de comundo, e de palmo de grossora : na ra
do Pilar o. 111
Vende-sen** ba escrava de algumas habili-
dades, com 28 annus : a Iralar na ra da Santa Crot
n. 32.
Vende-se urna casa na ra de Santa Thereza :
a fallar na ra eslrcita do Rosario u. 26, loja de en-
eadernador.
Fazeda rica he
flavina.
em bom uso ou novo: na ruadoColle-
inglez em bom estado :
Compra-se um selliu
na ra do Qneimado o. 30.
Compra-se um quaudii que seja manso,: quem
liver annuncie.
Compra-su um relogio d) ouro, sabonele pa-
tente inalez, bom regulador : na rua da Seuzala
Velha n. 50.
Compra-se ou aluga
enlenda do cultivo de borla
delcaz da Igreja de sania RU
prel) velho que
destilaran por
VENDAS
TAIXAS DEFEKKO.
Na lundiqao' d'Aiuoia om Sanio
Ajuaro, e tambera no DEPOSITO na
1 ua do Brum Jogo na entrada, e defron
te do Arsenal de Mai inha ha' sempre
um grande tortimento de bochas tanto
de labrica nacional como estrangeira,
batidas, fundidas, glandes, jequenas,
razas, e fundas ; e em ambos os logares
existem quindastes, para carregar ca-
noas, ou carros livres de despeza. Os
precos sao' os mais commodos.
Vende-se urna casa terrea, construida a mo-
derna, de lijlo e cal, na rua Imperial alcmd fa-
brica de sabao : a Iralar no paleo do Terjo n. 32.
Veude-se um cabriolel Timn balance) vindo
do Km-de Janeiro, muilo rico e com lindos arrrios
todos guarnecidos de metal do principe e coberlo
de couro da Kussia eovernisado : a ver no silio do
Cajuero na Passagem da Magdalena.
, Vendem-se 3 scravos mocos de bonitas liga-
ras, 1 mulatinha de idade 18 annos, que engomma,
cose e cozinha, 1 negra moca com as mesmas habi-
lidades, e oulra que cozinha o diario de urna casa :
na rua Drela u. 3.
Vende-se vinho verde a 19600 a caada, e a
200 rs. a garrafa, e saccas com muito bom milho a
ijOOO : no pateo do Paraizo, taberna da estrella
u. 14.
OS MUITO CONHECIDS QUEIJOS PIMA.
Ka taberna da rua Nova u. 50, lem os qoeijos pi-
nha muilo fresraes, por lerem desembarcado honlem,
assirr como flamengos e ludo o mais para o passa-
menlo da fesla, por muilo commodo preco e de su-
perior qualidade.
Charutos.
Na rua da Cadeia do Recife n. 115, loja, oulinua
a ler um completo sortimeolo de excellentes charo-
Ios da Baha.
Vendem-se pipas vasias : ua rua da Guia 11. 61
segundo audar, e para ver na metM rua n. 9, ta-
berna.
RELOCIOS AMERICANOS PARA CIMA DE
MESA.
Chegaram os relogios americanos com corda de 24
horas e de 8 das, diversos modelos, como lambem
pregus americanos : vendem-se na rua do Trapiche
n. 8.
Veude-se um eslabelecimenlo de barbeiro, na
quina da rua do AragSo n. 43: quem o quizer, di-
rija-se ao mesmo eslabelecimeulo, que achara com
quem Iralar.
OBKs DE Ol)0
As mais modernas.
Os abaixo asslgnados, dono* da loja de oowves. na
rua do Cabuga n. i 1, confronte ao pateo da matriz e
rua Nov, hiern publico, que esUo recebendo con-
tinuadamente muito ricas obras de ouro dos inellio-
resgoslos, tanto para senhora*omn para homens t
meninos ; os precos continuara mesmo bara'os como
lem sido, e passa-se conlas com responabilidade, es-
pecificando a qoalid.de de ouro de 14 ou 18 quila-
tes, ficando assim sujeilos os mesmos por qualquer
duvida. Seraphim iV lrmo.
V ende-se por commodo preco diversa- pecas
de msica, uovas e de excellenle goslo, viudas lti-
mamente do Rio de Janeiro, c accommodadas para
flaota e violo, havendo algumas boas modinhas de
rcenle publicacao com acompanhamenlo para pia-
no violio : no largo da Rbeira de S. Jos u. 11.
No hotel da Europa ha urna porrao de gani-
fas e garrafdes vasios, e urna porco de barricas fcra
vender.

' Vende-se urna escrava mor; e sem vicio, co-
zinha o diario de urna casa, cose", e faz todo servico:
mi rua do Cabogji. 16, segundo andar.
Vende-se doce de caj secco a 500 rs. .1 libra,
e de outra qualquer qoalidade : na rua do Bomlim,
em casa de Manoel Nunes de Mello.
Vende-te urna escrava crioula, de idade 22 an
nos, sem vicios uein achaques algn, com muito boa
figura, sabendocoser muilo bem', fazer labyrintho.
bordar, cozhihar o ordinario de urna cas, e'nsaboar
e engommar. Pela regularidade de conduela he ca-
paz de se ci.carregar da direccao de urna casa, e o
molivo por que se vende dir e-ba ao comprador ;
quem a preleuder, podet dirigirse a rua do Rangel
o. 47.
Vende-se urna laberna na rua Drela, bem
afreguezada para a lerffc e mallo, ou faz-se negocio
com a aimuco, tirando os gneros, para na casa bo-
tar oulro qualquer eslabelecimenlq, e o'dono faz lo-
do o negocio : a Iralar na rua da Cadeia de Saulo
Antonio n. 26.
Genn Linda
A !)00 RS. A YARA.
Acabara de chegar trulla dflrenles padroes de
urna cambraia que (nadante Jenn Linda Irajava em
selembro mais de um vestido por da, e lugo depois
todas as senhoras elegantes de Pars imilaram esta
cambraia e de go-los anda nAo conhecidos ; esta a
vejida unicamrule na rua doQuemado 11. 38, fren-
le do becco da Cougregario, d-se amostras com
penhor.
Chapeos para se-
nhoras.
' Vendem-se os mais modernos e elegantes chapeos
Je seda e bloude com ricos enfeites para senhoras :
na rua Nova, loja 11.4, de Jos Luiz Pereira Jnior.
Chales de lou-
quim4
ilaTai
Chegada ullimamenle pola "Barca frauceza Lui:"
Mara, e est smenle venda ua rua do Qneimado
n. 38, em frenle do becco da Congregacao ; coja fa-
zenda he loda de serta com lvragem d cores, com
urna vara de largura ou mais, |pelo diminuto preco
de 19600 o covado ; da-se ai amostras deixando pe-
nhor.
Veodem-se chales de tonquim bordados branens e
de cores, ditos de casemira. bordados, ditos de chai I \
com barra de seda, dilos' de merino lisos: na rua
Nova, loja 11. 4.
chaIIy para ves-
tidos.
Vende-se chally de quadros e lislras,*' 'fa/enda
moderna e de goslo para vestidos ; dilo-se amostras
com penhores : na rua Nova n. 4.
Vende-se orna negra crioula de bou lisura.
propna para casa de familia, com 3 crias de 1 a 4
annos de idade, sendo a mais velha mulata, a qual
engomma softrvelmenle: a Iralar ua rua da Cadeia
do Recife, loja de miudezas n. 7.
A 3,500 0 Cf VADO.
Na loja junio a da Fama, na roa do Qneimado 11.
33 A, se contina a vender panno preto prova de II-
infln de superior qualidade, pelo diminuto preco de
395OO o covado;" convidase as pessoas do* borne
barato que veukam ver dila pechiucha, que vista
del I nao deiiarao de comprai, por ser fazenda que
o verdadeiro prego por quarto se lem vendido he de
09OOO ; alm desle exislem oulra muilas qualida-
de, que se veodem por meaos do que em oulra
qualquer parte.
Fumo em folha.
Na rua do Amorim 11 39, armazem de Manoel dos
Santos Pinto, ha muito superior fumo em folha para
charutos, por preco commodo.
Vende-se um ptimo casal de scravos com al-
sumas habilidades : na camboa do Carmo sobrado
11. 10, segando andar.
. Vende-se muito bom milho em saceos grande
vindos da Parahiba, e muito boa carne do serillo ;
ludo por prego commodo : na rua deSanlaHila n.
o, taberna.
he
(RANDE ATTE^AO!'!
A tintura de losna rumana, de Sollini,

loliiiihas
PARA 1856.
Estao a' venda as bem conbecidas fo-
lias imptessas tiesta lypograpliia, as
gibeira a 320 e as de porta a 160; as
de nlgibeira alm do kalendario ecclesi-
asticoe civil, conten um resumo dos in>
/
Itieogaze de
seda,
coui quadros de lindas cores, fazeuda propria para a
noite de fesla, pelodimiuulo preco de IJJOOO o cova-
do : era frente do becco da Congregaran, roa do
Qneimado u. 38.
Cballf ,
A 800 rs. o covado,
com lindas e variadas core, rica Ua eom qoadros de
cores fingindo seda, pelo diminuto preco de 640 rs.
o covado : na rua do Queimado n. 38.
------------------- **jaw t 'i ii p ,1 11 ii f (jt; ^IMIIIII, ID
9 um dosexcellenles remedios tnicos conheci-
du, eqoe raaior numero de vezes lem pro- %
i duiido melhores etTeitos as molestias a que 9
se lem julgado applicar. Cura com admira- 0
9 val<)roinptidao as dores nervosas lo esto- 9
naauo, accelera a digestao nai pessoas qne a 9 lem lardia, faz desapparecer us amargos de %
9 bocea e us gazes que se accumulam no esln ff
m mago, e desenvolve o appelile ; cura igual- %
mcnie as desynlerias ilironicas, as llcluo- 9
(9 sidades, c he um poderoso remedio para as 9
9 criancas qua suHremde lienleria uu dejecre
alvinas liquidas, e muita vezes repelida, as A
V quaes se achmos alimentos mal digeridos. 9
91 As -enliora que padecem-de chloroscnii pal- 9
0 .lisia cor, aclurao na tintura de losua romana 0
9 um remediu efllcaz, o qual sendo usado por 9
algum lempo as torna coradas. Tem sido de
grande vanlagem no Iralamenlo da leucor-
rhea ou flores brancas, e juntamente no fluxo
sanguneo proveniente de atonio do ulero.
Seu uso lie mu simples: as pessoas adultas
rtevem lomar duas colheriuhas de mandila
9 em jejum, e duas a noite quando se quize- 0
9 rem agazalhsr, dissolvidas em pequeliaquan- A
sjt tidade de agua moma. As criancus lomaiao a$
0 orna colheriiiha de manb 1 e oulra noile. M
0 Vende-se anicamenle ua botica de Joaquim 0
:de Almeida Pinto, na rua*rios Quarleis, m
TT
*r
s
Veude-se superior farello em saccaB grandes,
nina sacra iiU00. e em parran de 3 saccas par cima
.'.-MK),familia de tapioca em saccas de 3 arrobas a
cima ; a 49000 a arroba, he muilo superior : na
Iravesaa du Madre de DCo armazem u. i.
Vende-se urna negra muilo boa, prupria para
servico de engeuho : na rua dn Amorim n. 39, ar-
mazem de Manoei dos Sanlus Pinl.
.Vende-se urna macara muilo linda e muilo
mansa, que nao sabe morder, e com principio de
danza ; e lambem um papagaio tallador, cania e lo-
ca o hymno nacional, a scholisch e a miireniulia,
alm de outras muilas cousa : quem preleuder, di-
rija-sc a estrada de Joao ile li.no-, tt freule do
porlJo do Sr brigadriro Joaquim Bernardo de Fi-
goeireil, que achara com quem tralai.
Na rua do Crespo n. l| loja do antigu baralei-
ro, vendem-se as seguirte obras : grammatira da
lingua porlugueza, por Caslro Nunes, encadernada
pnr560eem broiura 48'i; o esludo christa por
320; carlilhas do Porlo rom 27 estampas por 400 :
carias do Dr. Jeronymo Villela por 500 ; o sanio
milagre por SO ; compendio de grammalica porlu-
gueza por Jos Alexanrtre dos Pas'os 480; nm sonho
poltico por Moraes Pnheiro por 320.
Vende-se mu globo do
mundo, obra frauceza che-
gado ltimamente e por
barato preco: na rua a
Cruz*n. 26, primeiro an-
dar.
Vende-se um cavallo ruco, grande, muilo hom
e minio gordo : a Iratar na roa Nova, loja n. 47, de
Jos Francisco Carueiro.
FARINHA DE MANDIOCA.
Na rua do Vigario n. 5, vende-se por
mdico pt'dB
dioca.
superior farinha de man-
Miudezas debom
gosto e baratas*
Vendem-se ricos loques com bolola. espelho e plu-
ma a 29000 e 39000 rs., novas luvas de pellica de
Jouvin tanto para hniuem como para sentlora a
19900 o par, ditas de seda para senhora e homem a
13280 porm muilo boa fazenda, alHnet'g de ma-
dreperola para chales a 800, lindas caixinhas com
6 frasquinhos de estrado 2S000, penles de larlaru-
sa para alar cabello a 4940o, dilos de halea muito
superior qualidade a I96OO, 19200, 19000, 500, li-
ndas de miada a melhor e amis fina que ha no
mercado a 200, 240, 320, carleirnha de agulhas a
320, ligas de seda e borracha o ullimo goslo a Pars
a I92>v0, ditasa 50o o par. bonetes, roinhas de fil
lavradas feitas en Paria a 19000, muilo bonitas e
ralas ricas caiinhas de amendoas con reliadas pro-
nas para se dar .le mimo 29000 a caixa, altineles
dourado emgaspe a 29000, rozetas dourada muilo
honilasa 19000 o par, meias de laia para padre a
l/SOO o par. filas c*cocrzas, trancas, biccus finos, e
oolros objeclos per menos preco do qoe em oulra
qualquer parle : na rua do Qneimado 11. 63, loja de
Joao Chrisostomo de Lima Jiinior.
Cabriolete.
Vende-se um bonito cabriolele com bom elegan-
te cavallo : para ver e tratar, na rua da Koda, co-
cheira do Sr. Paulino.
Mandar i fie br at-
ibante.
Acaba de chegar pelo ultimo navio francei urna
fazenda ialciiarnente nova denominada Maudanue
Brilhaule, sua qualidade he a melhor possivel, bas-
tante larga, toda de seda com lislras e quartrosasseli-
nados, foroAdo urna cascarrilha, o qoe Ihe da umi-
ta grara, vende-se nicamente na roa do Queimado
em frente do becco da Congregarao, passaudo a bo-
tica a segunda loja de fazenda n. 40de llcnrique &
Santos, dSo-sr as amostras com penhor.
ROLAO rRANCEZ.
Venae-se esta deliciosa pitada tanto em
potjpao comoaretallio, em porrao na rua
da CrUz n. 2ti primeiro -.indar* c a reta-
Ihoa 40 rs. a oitava : na rua da Cadeia,
loja de Va/. & Leal.
Na rua da Cruz n. 26 primeiro an-
dar, veude-se urna porqao deeaixas com
sardinlas em latas, muito novaspor terem
cliegadono ultimo navio francez, e por
baratfcsimo prero.
Vende-se o excellente champagne
em caixas, ltimamente cliegado deFran-
ra,e licor de Kirsch: na rua da Cruz. n.
26, primeiro andar.
Venderse na rua da Cruz a. pri-
meiro andar o apreciavel cha' preto em
libras, assim como chocolate francez o
melhor qutem^pparecido no mercado,
e por preco muito em conta.
TEJVTOS
para voltarete.
Vendem-se na rua da Cruz n. 26 pri-
meiro andar, caixinhas com tontos muito
delicados para o apreciavel jogo de vol-
tarete, ou ppra outro tpjalquer jogo, l-
timamente vindos de Franca, epor preco
l)aratisimo >
7 Vende-se urna potvito de irascos
com roldas de vidro. muito proprios para
conservar toda a (jualidadede rap, epor
preco muito commodo : na rua da Cruz
n. 26 primeiro andar.
Relog
ios
das melhores fabricas da Suissa, lano de ouro como
de prata, ditos foliados edooradus; vendem-se mais
baralo dn que em oulra qualquer parle, na rua da
Cadeia do Kecife o. 18.
CEB DE CARNAUBA.
\ ende-se cera de carnauba era poreSo e a relalho,
por preco commodo : na ruado Rangel n. 1.
PALITOS PRANCEZES.
A fabrica de chapeos de sol da rua iova 11. 23,
esquina da comboa do Carmo recebeu pelo ullimo
navio chegado do Havre os objeclos seguinles : pali-
tos de panno fino forrados deseila preta e decores,
ditas de selira do China, dito de palha de seda,dilos
de alpaca prela ede cores, dilos de linlio de brela-
ulia branca, casacas de panno preloedo uitimogos-
lo, riquissimascamisas com aberlnras, puuhap e co-
larinhos de linliu, um lindo sortimento de grvalas
de seda, um rompido siirlimenlo de rfiapos deso
de seda c de panno para homem e seuhoras, as como chicote, bengalas e muilos oulros objeclos de
gosto, os quaes se vendem por proco muitu dimi-
nuto.
Braceletes de bom goslo. .
Vendem-se bonitos braceletes de cornalina para
seuhoras a I99OO dilos de diferentes gosluse cores a
10280, dilos para meninas a 19900 eslflo se acaban-
do : na rua do Queimado n.63 loja de Joao Chrisos-
tomo de Lona Jnior.
I'eio e bom.
Na rua do Queimado 11. 63 acaba de chegar as
bem rouceiluadas navalha feio e bom verdadeiro
ac inglez, resta apenas poucos eslojos c o preco de
IJfOO.
Frondelina de
seda.
Pelo ultimo navio francez chegou urna fazeuda
nova nesle mercado com o lindo iiome Frondelina,
loda de seda, campo liso com lislras de seda malisa-
das, o que faz realrar o mais possivel, vendese uni-
camenle na rua do Queimado luja 11. 40 de llenri-
que & Sanios, em frente do becco da Congregarlo,
passaudo a botica a segunda loja de fazendas.
SACCAS COM "MILHO NOVO. j
Vendem-se na loja da rua da Cadeia
Velha, esquina do Jecco-Largo.
Vestidos de se
\ 158 QXORTE.
Na rua iloQpeiioadom frenle do becco da Con-
gregaran paitando a botica, a seguuda loja de fazen-
das de Hcnrique & Sanios, vendem-se cortes de ves-
tidos de seda de quadros a Vtf a corle, dao-se as
mi.ilra com penhor.
iiieirc 1
COM PE0U1.NO TOQUE DE AVAR1A.
Indiana de ({tiadros de seda e algodio, de
mi tito bom gosto. a 520 o covado.
Veude-se na rua do Crespo, loja da esquina que
volta para a roa da Cadeia. >
Vende-se una balanra romana com lodos os
sus perleuces.em bom uso ede 2,000 libras : quem
prelender, diriia-se 11 rua da Cruz, armazem n. 4.
Vestidos e chales.
Veudem-so diales de seda grandes cym algum
mofo, pelo baralo preco de U9000 rs., corles de cas-
ia deenrescom barra e algumas pintas de ,moo,
pelo diminuto preco de I&600 o corle, assim como
oulra muilas fazendas por baralo preco: na rua
da Cadeia dn Recife leja 11. 50, defrenle da rua da
Madre de Dos.
. Brins de vella : no armazem deN.O
Bieber & C.. rua da Cruz n. 4.
Veude-se excellenle taimado de piuho, recen-
temente chegado da America : na rui de Apol o
trapiche do Ferreira. a enleoder-sc com o admiras
ador do mesmo.
Taixas par; engenhos.
Na fundicao' de ferro de D. W.
Bowmann, na rua do Brum, passan-
do o chafariz continua haver um
completo sortimento de taixas de ferio
fundido e batido de 5 a 8 palmos de
bocea, as quaes acham-se a venda, por
preco commodo e com promptidao'
em barra m-sc ol carregam-se em carro
sem despeza ao comprador.
ISelog
5os cober-
tos e descobertos
de ouro, paten-
te inglez.
Vi *
Vendem-se no escriptorio do agente de
leiles, Francisco Gomes deOliveira. rua
da Cadeia do Reciten- 62, primeiro an-
dar, os mais superiores relogios cobertos
e descobertos de ouro patente inglez, de
um dos mais afamados fabricantesde Lon-
dres, vindos pelo ultimo paquete inglez, e
por mehov.pre;o do que em outra qual-
quer parte.
RUA NOVA N22
Vende-se bco de bloude branco e prelo de seda
verdadeiro, 30 por cento Mais baralo qoe ero qual-
quer oulra parte, e de loda as larguras muilo hund-
as filas dito : oa rua Nova casa de relojoeiro 11. 22.
A boa fama
Ora cao contra a peste c O cholera-
' morbus.
Aclia-se veuda na livraria ti. 6 e H da praca da
Independencia um follielinho com diflerentea ora-
res contra o cholrra-morbae, qualquer oulra pesg
te, a 40 rs. cada um.
Rap.
Vende-se o verdadeiro e muito fresco rap Paulo
Crrdeiro : ua rua larga do Rosario B, 38, juulo a
botica.
Chales de merino' de cores, de muito
bom gosto.
Vendem-se na rua do Crespo, loja da esquina que
volla para a cadeia.
Veude-se um bom cabriolel descoberlo com
arreio, e lambem um carro delassenlos, novo.com
arreios.tudo i vista de quem quizer se lenliri, lano
ni8is porque o preco he razoavel ; na roa Nova, co-
beir a do Sr. Qoinleiro.
COGNAC VBKUAEIRO.
Vende-se o verdadeiro cognac, tanto em garrafas
como em garrafes: ua rua da Cruz n. 10.
CASEMIRA PRETA A 4*500
0 CORTE DE CUCA.
Vendem-se na rua do Crespo, loja da esquina ue
volta para a rua da Cadeia.
VINIIO XEKEZ.
Veudesesoperiorvfnhr.de Xerezem barrisdo
1|4. emeasa de E. H. Wyall: rua do Trapiche
FAZENDAS DE GOSTO
rara vestidos de sen hora.
Indiana de quadros muito lina e padroes oovoi;
corles de lia da quadros e florespor preco commo-
do : vende-se na rua do Crespo loja da esquina que
volla para a rua da Cadeia.
LEONOR DAMB01SE.
Vende-se o excellente romance histri-
co Leonor d'Amboise, duqueza He Breta-
nha, 2 volumesporl000rs., na livraria
n. 6 e 8 da praca da Independencia.
Veude-se cal em pedra chegada no ul-
timo navio de Lisboa, e potassa americana
da mais nova : no nico deposito da rua
de Apollo n. 2B, de A. J. T. Basto ,&
Companhia.
Pratos ocos patentes
para conservar a comida
qneite: vendem-se napra.
9a do Gorpo Samo, anwa-
=
Em, casa deHenrv Brunn & C, rua da
Cruz n. 10, ba para vender um grande
sortimento de ouro do melhor gosto, as-
sim como relogios de ouro de patente.
Enicasa de Henrjr Brunn 4C., ru da
Cruz n. 10, vendem-se:
Lonase brins da Russia.
Instrumentos pora msica.
Espelhoscom moldura.'
Globos para jardins,
Gideiras e sola"s para jai'dtni.
Oleados para mesa.
Vistas de Perna mbuco.
Cemento romano.
Gomma lacea.
IECHAHISIO PASA ElfiE-
NHO.
NA FUNDICAO DE FERKO DO ENGE-
NHEIRO DAVID W. OWNIAN. *A
RUA DO BRUM, PASSANDO O oHA-
FARIZ,,
ha sempre um grande somtenlo dos seguales ob-
jerlos de mecliauims proprios para engennoa, a sa-
ber :_ muendas e meia moeua da mais moderna
conslrucca ; latas "di ferro fundido e batido, de
-uperior qualidade e de lodosos tarnanhe
(Untada* para agua ou almaes, de loda* prpor-
ces ; crvos e boceas de fornalba e registra* eiro. aguilhoe, brbnzes, parafusos ecavilhoa aioi-
uho de maiMliacl, etc., etc.
NA MESMA FUNDICAO.
se eieculam todas as eneotnmendas com a superio-
ridade j coohecida, e com a devida presteza tc*m-
modidade ero preco.
mcasa deN. O- Bieber &C, rua
da Cruz n. i, vende-se :
Vinho de Madeira em quartose oitavos
bar lis.
Vinagre branco. *
TMtat em oleo.
Lonas.
Brins da Rnssia.
Papel de etnbrulho.
Saceos de estopa.
Cemento.
Por commodos precos.
VA RAMAS GRADES.
Um lindo e variado sorlimenlo de moddloe para
varandas e gradaras de posto mudernistimo : na
fundirSo da Aurora, em Sanio Amaro, e no deposi-
to da mesma. na rua do Brum.
PIANOS.
. 48, de Uostroii lie- (?em" d
oker $ C.
Vende-se ac em cuuhelss'de um quil
preco muilo commodo : un armazem de Lu.
moni & Companhia, pfara do Corpo Santo r
Na rua do Vigario n. 1, primeiro andar,
de-sefarelo novo, chegado da Lisboa,
deranfa.
*HK
sejfcapoi
1S100
10280
UWOO
1280
240
560
100
160
280
160
-240
320
VENDE BARATO :
Libras de liabas brancas ns. 50, 60, 70 e 80
Libras de ditas ns. 100, 120 e 130
llu/.ias de tesouras para costura
Doria de di|a mais finas
MarrA com 10, 50 e 60 pera de cordilo
paraveslido (
Pecas com 10 varas de bico eslreilo
Duzia de dedaes para senhora
Caisinhas com agulhas. francezas
Caizas eom 16 novellos de linlias de marcar
(trozas de botOes para carniza
l'ulceiras encarnadas para meninas
Ditas grandes para senhora
Pares d meia finas para senhora a '240 e 300
Meadas de linhas muilo fiuas parabordar 160
Meadas de linhas de peso '100
Grozasde boles muilo linos para calcas 280
Babados de linho abcrlos e bordados 120 e 240
Carteiras linas de marroquim para algibeira 000
Fiveia dourad-s para calcas e coHele 120
Tinteirose areeiro de porcelana,o par 500
Charuleiras enlre linas < (q
Duzias daparridas n.'14 para candieiru 80
Penles d verdadeiro bofa|o para alisar 300 e 500
Pecas com 6 112 varas de Ota branca de linho 50
Caizas com clcheles francezes a 50
Carrileis de linhas de 200 jardas de boa
qualidade 70
Macinhos com 35, 10 c 47grampas (X)
Suspensorio*, o par ,jq
Carrileis de linhas de 100 jardas, autor Ale-
jandre hq
Alm de lodas estas miudezas vendem-se oulras
muilissimas, que ,i vista de suas boas qoalidades e
baratos precoa causa admiracAo aos compradores :
na rua do Queimado. nos qualro cantos, oa bem co-
nhecida loja de miudezas da Boa Fama n. 33.
Bons g-oslos e de
boas qalida-
des.
Na rua do Queimado, nos qualro cantos, na segun-
da loja de fazendas n. 22, defronle do sobrado ama-
relio, vendem-se fazendas por preco* que real-
mente fatem admirar ao publico : Panno prelo
liiiisaimo, prova de limito, pr casacas e palitos,
pelo baratsimos precos de 2J500, 3500 e 5000
o covado, casemira prela de superior qualidade
a 2 e 2J600 o covado, alpaca prela muilo fioa a
400, 500 e 600 rs. o covado, cortes de colleles de
fustOes de bonito padroes e core liza a 700 o 900
rs., chales prelos de Ua e seda muilo grandes a
28800, ch-peos de ol de seda prelos e de cores, fa-
zenda uperior a 6$500. camias francezas pintadas
para homem a 18280, riscados d* India muilo linos
e largos e muilo bonito, para vestidos 280 o cova-
do, selim prelo mar,10, fazenda muilo superior a 3$
o covado, sarja^ hespandola muito superior a 2,400 o
covaoUmerino muilo lino a -29000 o covado, meri-
no selim o asis superior que pd* liaver e muilo
proprio para palito a>1860 o covado, chapeos de sol
de panninho a. 18600, chilaa fraucezas muilo lina e
largas, de novo padrees a 320 o covado, fil de li-
uho liso e com Oore a 18 e 1J40 a vara, luvas WlrfT Fundirn' I nm Mnn.
pellica deJouvin para hornero e senhora,^chegada laOW-MOOr.
00 ullimo navio francez a 18800 rs. o par, luvas da
sed de lodas as Cores com belola a 18280, camisas
de meia muilo finas 18, luvas de lio da Escocia
brancas e de cores i 400, 500 e 600 rs. o'par, man-
as de seMa para grvala, pretas e de cores, moilu
boa fazenda a 18280, panno fino azul da soperior
qualidade a 48 o covado, ricas romriraa de relroz
bordadas a 118, lencinhos de retroz francezes a
18280. eassas franieza muilo fina ede bonitos pa-
drees a 300 rs. o covado, caoOtraia linissima de sal
picos a 18 a vara, camia francezas muilo finas e
jem feitas para homerrt a 28300 e 28800, eorle.de
eassas para vestidos de bonitos padroes e com 7 va-
raajJtSo corle, lencos branros de cambraia de 11-
nho muilo linosei.ranJesa68a duzia, ricos chales
de chally, com lislras de seda e bastante grandes a
88, dilos de merino muilo finos e lisos a 68, luvas
prelasde torcal. de Lisboa a 18120, chally amarello,
fazenda superior e que mullo se usa par* vestido a
800 rs. o covado. romeiras de camb/aia com lacos
de ritas lita de seda a 18280, grvalas de seda de
bonitos padroes a 640; meias de laia para padres a
28 o par, corles de casemiras finas e de bolillos pa-
droes para calcas a 58, brinzinhos de lindo de bo-
nito padroes a 240 o covado, brim trancado de puro
linho e de bonitos padroes a 800 rs. a vara, '
preto finissimo, proprio para vestido e ba
padrea 18280 o covado, riscadinhos francesl
finse bonito padroes a 240 o covado, mel*'
prelos para grvala^ muilo superiores a 18,
brancos de cambraia muilo fino a 300 rs.,
amarella muilo superior a 320, meias brancas
para senhora a 240, 300 e 400 rs. o par, ditas pretas
mullo finas a 320, dila para homem, fazenda su-
perior, sendo brancas, pretas e cruas a 240rs. o par.
Alm de lodas estas fazenda* outras muilas que s i
vista das boas qualidadea he que se pdem ver o
quanlo sao baratas, nfiancando^ie aoa Srs. cmpra-
lo nao ha fazenda al-
dorca que neste estabelecimen
guma que seja avariada, e sim ludo sem avaria, de
bous goslos e bous qualidades.
Cortes de cassa para quem uuer dar fes-
las por pottcodinheiro,
Vendem-se corles de cassa dula de bom goslo a
28, dilusySe padres francezes a 28100, caas rozas
para aleviar lulo, ditas preta de padroes mindos a
28 o corte, alpaca de seda de quadros de lodas as co-
reiA.7*) o covado, lencos de bico tanto pintados
a 320 cada um, grvalas de seda pa-
I e 18600 ; lodas estas Telendas ven
dem-se nad* rio Crespo 11. 6.
Veoffm-ae no armazem n. 60, da rua da Ca-
deia do RecifaMt Henry liibson, os mais auperio- .,
res relogios fabricados em Iugjsjlerra, pir presos Vaquetas
mdicos. Birril de
ARADOS AMEKICANOS.
Chegaram us arados americanas), e.vendem-se na
rua dn Trapiche 11. K, peln pree j sabido da 408-
t
Deposito te'^Hi^fde cham-
W PaSne Chateau-Ay, primeiraqua-
0 lidadefcde propriedade do. conde
', ruada Cruz do Re-
este vinho, o *aelhor
Champagne, vende-ae
rs. cada carxa, aCha-sc
nicamente em casa de L. Le-
comte Feron B-As taixas sao marcadas a lo-
goConde de Marcuil-e os rq-
dft tillos das garrafas sao azueS-
POTASSA E TTlRGEI
\o antigo e ja'bemj Btliecido deposi-
to da rua da Cjjflfl a^SCripU>rio
n. 12, ha par^*| wL^m superior1
potassa da Rnssia, dia do Rio de Janeiro
e cal virgem de Lisboa em pedra, tudo a
,precps muito iavoraveis, com os quaes i-
caro os compradores satisfeitos.
FARINHA W$ MANDUCA.
.. Vende-se supeiior farinJMsl mandioca
em saccas que tem um alqeire, medida
velha poV 5J000 reis : nos armazens ns.
o, 5 e 7, e no armzem defronte da porta da
alandega, ou a tratar 1:0 escriptotio de
Novaes Companhia na i-uado Trapiche
n. 54, primeiro andar.
BUS
i
*
POTASSA BRAS1LEIRA.
Vende-se superior potassa, fa-
bricada no Rio de Janeiro, che-
gada 1 ecentemente, recommen-
da-se aos senhores de engenhos os
seus bons elfeitos ja' experimen-
tados : na rua da Cruzn. 20, ar-
mazem de h- Leconte Feron &
Companhia.
Esguiao de linho
' e algodao,
muilo superior, com 11 varas a peca, por 38500:
vende-se na rua rio Crespo, loja da esquina que >ol-
a para rua da Cadeia.
A .,$500.
Vende-se cal de Lisboa ltimamente chegada, as-
sim como polassa da Russia verdadsira : na prara do
Corpo Sanio n. 11.
AGENCIA
da
Senzala nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moen-
das e meias moendas para engenho, ma-
chinas de vapor, e taixas de Ierro batido
e coado, de todos os tamauhos, para
dito.
Riscado de listi as de cores, proprio
para palitos, calcase jaqnetas, a 160
o covado.
Vende-se na rua
olla para a cadeia.
da Crespo,
loia da esquina que
CAL DE LISBOA A 48000.
Vendem-se barril om cal virgem de Lisboa, para
fechar conlas, pelo diminuto preco de 48000 o bar-
ril : na roa da Cadeia do Recife, loja n. 50, defron-
te da rua da Madre de Dos.
Moinhos de vento
*omboinbasderepu,iopara regar borlase baixa,
decapim.nafnndicaddeD. W. Bowman : na rua
dnBrum us.6,Se 10.
AOS SENHRES DE ENGENHO.
Redondo de 640 para 500 rs. a libra
Do arcano da invencao' Jo Dr. Eduar-
do Stolle em Berlin, empregado as.co-
lonias inglezas e hollandezas, com gran-
de vantagem para o melhoramento do
assucar, acha-se a venda, em latas de 10
libras, junto com o methodo de empre-
ga-lo no idioma portuguez, em casa de
Si. O. Bieber di Companhia, na ruada
Cruz. n. 4.
Vendem-se em casa de S. P. Johns-
ton & C, na rua de Senzala Nova n. 42.
Sellins inglezes^
Relogios patente inglez.
Chicotes de carro e de montara.
Condieirose casticaes bronceados.
Lonas inglezas.
Fio de sapateiro.
sde lustre para cairo.
gi-nxa 97.
M 3linho Clierry em barris.
Gimas de ferro.
O uuico deposito eonjH|
tholmeu Francisco de Souza,
rio n. 36; Karrafa grandes
IMPORTANTE
Para cura de plilisica
i. quer motivada
a, pleuriz.
>Ho, palp
dr na garifa
monares.
ATO :
LeiiciohM de rfllOTde Indas as core* para posco-
i.o de soahoras e mrniuas, pela baralo preco 4* 1,
baralhos dr orlas finissinras franeezas para.vnllarrle
a 560, toucas de la para senhoras e meuuas a 6*40,'
luvas muilo finas de Qo da Escoria branca e de co-
re para homem e senhons a 400, 500 e 600 rs. o
par, meias brancas e crua¶ hornero, (alenda
muitissimo superior a 160, 200 r M) o par, lu\as de.
pellica de Jouvin brancas e amarella par* homem
e senhora a 18900 o par. camisas de meia moiti
as de pura lAa para hom^m a 39000 r.. dilaaM
alaodo nmili-simo Onasa 18 e 19ii00, lesouras i
lo finas para papel a 18500, ditas superiores
barbeiro a 18500, eques muilo finos a 38, ricas
luadoras para cutete de marireperola e de metstj.i
500 rs., ditas para paul a 600 rv., caisinhas eem
pbo-piorus proprias para charutos a 20 rs.. riro j.
rus dourado de porcelana para (lores de divers
manhos e precos, rica filas de led'a.lavr
de todas as cores alargaras, estovas flnMsil
roupa, ditas para cabello, trancas da sm^^H
los padroes de diversas larguras e cores, im-valaM
nissimas para barba, caivetes finUsitno e de l
as qualidade, bico fino de linho de bmiitoi | Hf
e diversas largora, ricas franja d alaodSo b
o de cores para cortinados, lesonra fiara costara as
mais fina que h possivel eneoatrar-se,aonlrn nat-
isimas cousas qo* (afean se vende por 13o b
preco que ao proprios compradores cansa i
C^o: na, rua do Queimado, nos qualro cante
bem coohecida loja de miudezas da Boa Fama o. 3,1
A boa fama
VENDE BABATO:
Hico penles de tartaruga para cabec*
Dilos de alisar lambem de tartaruga
Ditos de marfim. lambem^ara alisar
Dilos imitando tartaruga para eabecr
Lindas meia de seda de cores paral
.
lueo
Meias pintadas fio d Escocia para criancas 400
Bandejas grandes e de pintura finasS96C 000
1>900
0
800
I9OOO
[-500
aaooo
2*X
000
500
Papel l maro Breve e paolado. resina
Peonas finisaimas bico de tanca, grasa
Ditas muilo boas tem ser d,e laoca.groza
Oculosde armaro de aro com araduaces
Lunetas com rniaco*de tartaroga
Ditas coro armacAo de bofalo 9-
Toucadores de jacarando cor* bons espelho*
Meias de laia muilo superiores pari padres
Ricas bengala*dr canna\com lindos casloei
Diias de junco com bonitos raslOes
Kiros chicles para homem e senhora a 18a IjSOIl
Meias prelas de algodao para padres, o par
Grvalas de seda de lodas as core*
Filas de velludo de loaM as cores, a ara 160 e 30
Atacadores de cornalina para casaca 400
Ricos reloginho* para rima de mesa
Suspensorios tinos de borracha, o par 400, 500, 600
Penles muilo finos para suirsa
Escovas muilo finas para cabello
Capacho* pintados muilo bonitos
Boies firrisahnos de madreperola papa ea-
B Alm de tudo isto vendem-se oulras muilas cou-
sas, que \ vista das qoalidades e precos faz admirar:
na rua dn Queimado, nos qualro cautos, ua laja de
miudezas da Boa Fama o. 33. '
li.
SCRAVOS FGIDOS.
Desapparecea na noile do di* 9 para 10 do car-
rente mez. um negro Cassange de oome Manoel p*.
queno, de 45 anno<, puucn mais ou menos, carpo
secco, ps largos e seceos, barbado, levnu camisa
branca e urna calca de riscado azul um chapear de
palha com urna lila prela, lambem levoa orna lr*u-
xa d roupa, he quebrado e lem as mSos dejadas
por ser macador de p ua padaria franceta do aterro da Boa Vista n. 50
que sera' recompensado.
Apparecru no engenho I'aulisla, em upi dos
dia* desle mez nm preto de nome Antonio, qae diz
ser escravo do Sr. Ju* (uilhrrmr da Fonseea, do
engenho Rbeira Unradr : quem se julgar caro di -
reilo ao mesmo, luja de o procurar uo lugar irdlrl
do, cerlo d* que o proprietario do mesmo engenha
nao f. respoosabilis* pela norte 00 fuga do tnesmu
escravo.
No da 11 do crrante mez fugioo preto Joao
crioolo, de idade do 20 annos, mais ou menos, de
estatura e figura regulres,lendo urna pequea cica-
triz sobre o olho dirrilo, levando comslgo duas cal-
ras de algodao riscado azul, ires camisas do mesmo,
tres (lillas de madapoUo com pello de ltt*o com a
marca 0. W. Bowman, qnalro camisa aovas de al-
godAoznhu, um chapeo novo de pilhaBjknerirano
com fila prela, una jaqueta nova de gtdVfemarella,
um chapeo de sol novo de panuinho pjHI e urna
coberla de chita velha ; quem o apprehender a le-
vara Franclaco Manoel dos Santos Lima, Ta rua'do
Brum u. S, sera generosamente recompensado.
lOtWOOO de gratificarao.
Desappareceo no dia 17 de agosto proiimj pjjjj-
do, pelas 7 horas ria noile, a prela Lourenca, Je .ia-
CAo Angola, de idade 35 a 40 annos, pouco mamau
menos, rom os siguaes seguinles : um dedo da iBSo
direila ochado, magra, lem marcas brancas na* daas
pernas; levoa camisa de algodauzinho, vestido de
chila ra, panno fino, e mais om Irona de roupa:
raga-se a lodas as autoridades policiaca on'capiUes
da campo que a apprehendam e levem a seu seohar
J0S0 Leilede Azevedo, na praca do Corpo Sanio n.
17, que receber a gratificarlo cima.
>
PEBN. TYP. DE |f. |F. DE FABIa 1855. ^J


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED7APSWDP_4RJWKA INGEST_TIME 2013-03-25T15:31:04Z PACKAGE AA00011611_00499
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES