Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00497


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO XXII. H. 270.

tPor 9 mazos odantados 4,000.
Por t meses vencidos 4,500.
QUINTA FEIRA 22 OE NOVEMBRO DE 1855.
Por anno adiantado 15,000.
Porte franco para o sobscripto.
DIARIO DE PERNAMBUCO
ECAMREUADOS DA SrtiSCRIPCAO
Jt)*ci, o preprietorio M. F. de Faria ; Rio de Ja-
neiro, o Sr. Joao Pereira Marlins; Bahia, n Sr. D.
-Ditprad; Mtcci, o Senhor Claudino Faleao Diaa;
IMhiba, o Sr. Ilervazio Viclor da Nalividade ;
lUl, e Sr. Joaquina Ignacio Pereira Jnior.; Ara-
Sr. Antonio de Leroos Braga ; Cesr, o Sr.
Joaquim Jo- deOliveira ; Maranhlo n Sr. Joa-
qun) Marque Raartfaes; Piauhv, o Sr. Domingas
colano a ekileaP**oa Cearense; Para, oSr. Jus-
tino J. Ramos ; Alaaauaas, 0 Sr. Jeronymo da Cosa.
CAMBIOS.
Sobre Londres, a 27 5/8
a Paris, 348 rs. por f
Lisboa, 98a 100 per 100.
Rio de Janeiro, 1 por 0/0 de dcseonlo;
Accoes do Banco 43 0/0 de premio.
da Companliia de Bebtibe ao par.
_ da companhia de seguros ao par.
Disconio de lellras, de 8 a 0 1/4 por 0/0.
Ouro. Paita. MF.TAF.S. Oncas haspanholas. Modas de 6941)0 velbas. de 69400 novas. de 4S000. Pataces brasileiros. Pesos columnarios. . . 299000 169000 169000 99000 29000 29000 l860
PARTIDA DOS CORREIOS.
Olinda, todos os das.
Caruar, Bonito eGaranhuns, nos dias 1 e 15.
Villa-Bella, Boa-Vista,ExeOuricury, a I3e28.
Goyanna eParabiba, segundas e sextas-feiras.
Victoria e Natal, as quinlas-feiras.
PREAMAR DE HOJE.
Prirneira s 2 horas e 4 minuto* da tarde.
Segunda is 3 horas e '8 minutos da manha.
P1RTE imCUL

MINISTERIO DA GUERRA.
Cirttttofr.Rio de Janeiro. Ministerio doa ne-
octos da steierra, em 30 de outubro do 18.55Illm.
Bim. Sr. De ordem de S. M. o Imperador re-
Mello a V. Eie'., para que lenha a devida execojo,
o incluso exemplare da decreto n. 1649 de 6do
carrete, erando cunselhos econmico no* carpos
arretrintenlados do extreito, oapprovaodo o regula-
meato para a su. gerencia.
Deo* g*i da a V. Exc. Mrquez de Caxias.
c. prasidsal* da provincia de...
- I*deSe Msaaebro o 1855.
ios econmicos mu corno* arregimenta-
*QfSMSB. i wgatMinHi JMra
,
abolido os eantatnot astaainittr.tivo* dos
fardiimento, creados pelo airar de 12 de
imre* <*e tMO sera que definitivamente e provl-
MM acorta da isaneira por que devem ser de-
tinpenheda eattiasfa ucjes administrativa*, qu e
aeruvam a cargo dos ditos cuiuelhs. como as de
roo Irata o irl. 6. ila caria da lei de 21 de novero-
1830 : lisa" por bem mandar crear nos corpos
rronjeaiul* los do aiereilo conselhus econmicos, a
l aervip de regimeato o regulamenlo que com
cate balsa, iiasignado pelo Mrquez de Casia*, do
meo conealho, ministro e secretario de estado do
letoadanaerr. que assim o leulia entendido e
i macular com o despacito* neceawrius. Pala-
Rio le Janeiro, em 6 de oolubro de 1855,
sima quarto da independencia e do imperio.
r a rubr ci de Soa Magestade o Imperador.
/tssjataawn/o para es conulhit econmicas dos
, rJi r eyumnUtpi o cxen-Va a que te re-
fere o atento Jeito data.
I. Em Mda.om do corpos arragiwrntadoa,
livonas arana* do exereitu, formados de dua*
* con: panhi.s, haver um con.elho denom
* .* Eaaiiwnieo-- composlo dos respectivos ofll'
I snjsarlare efleetivM, aggregadoj oa adeudos,
it esllvemii do exercicio de suas runeaja* ep*-
**5*. <** conmanriantes das compaubiae.
trt. 2. O major oa o oommandaute do carpo se
i fiscal do cofisailio. e um dos cororoandanles de
saaahia i Uiesoureiro. O lecrelario do corpo fa-
loda a etcriplurajlo do conselho ; e o qnarlel-
raealr* racaii*** das eetsoa* etapalenles os deuhei.
ira* awHaocuilw a gerencia mamo coiiselho, e
lata ealiog dedo* eea sessao. L'm aubalteruo do
co*p, oAoclivo, agregad* oa ddido, era o agea-
oarregado das compras que o cooaellio deler-
ariur, viia doj aamulra que (oreo) por osle ap-
-
L 3i O lliewweiro o o agente serio eleilos ae-
'strataaeMe. o* ultima sanio que o conselbo ea-
leifciw mm ce da iuaho o detembro de cada ao-
O ; o stVtp-hlo tajaabem qaando os qae estiverein
a desempenliar ramcide* n-
lelln empresas ; qaando
arem transferencia do corpo,
eveniualidade do moieatia ou-
recoiihocer a usetsaidade da
ate qaando decaliiresn da
.a monirn
,onnaaativea*
IWacerem,
'Manda por
loseraice *
- ^t
A *ltco dotta* doos funcionario* ser*
: voto* da maioru de lodo* o* asombros
I de empala o presidente doci -
r logar a reeleicjio das entorno*
prego* nao naararTo* dous
) nareicla aoAorior.
^OOOvartiaotaTtfo-
> satn do ser-
ordem positiva do respectivo presidente, expedida
sobsua responsaliilid.de em casos urgentes, nao se
far.i despea de quantia nenhuma ; e a que contra-
riamente se lixer, nao ser com tal levada em
conla.
Arl. 12. Os fandes destinados a quateier das es-
pecialidades mencionadas np arl. 7^o poderlo
ser distrahidos para nenbum. das oulr.s,- sem im-
periosa necessidade justificada e deliberacio do con-
selho.
Os fondos das economas licitse diversas qnanlias
reeebidas, de que trata o n. 7 do mesmo aniso, se-
rio applicados qnelles objectos de arranjo inferno
do corpo para que uSo houver consignacSo peculiar
sob joizo e deliberacio do cnnselho; tambem
quellea, para que sao destinados os fundos dos seis
nmeros anteriores, no momo caso, e com as mes-
mas coudicoes cima declarada*.
Arl. 115. Para a contabllidade ajenjo:
cada orna das especialidades da,
reren arl. 7., Iiavar um livo-em
con I as correnlaa'W" receita deipeza privativas,
tanto de dinhtiro como de gneros. As acia* das
sesses do jpjiseibos se escreverio em um s livro
especial, e Bailas se laucara por extenso ludo quan-
to constar eaa *4garismo nos das conlas correles
das diversa* ispecialidades ; e aesim, mais as deli-
beraron qu* o consellio (ornar em relafio aos nb-
jectoa de sna adir.ioistraru. Estos livroa, e assim
tambem lodos o* documento que o cooselho liver
de archivar, serio rubricados pelo respectivo fiscal.
Art. H. Os livro da actas de coolas crranle
do cooselll* serlo riscadns e ewriplnrados tanto
quanlo Tur pesaivel. confornie o syslama eslabele-
cido para o consellio administr.tivoa, a al agora
seguido por elle* ; e da mesma forma o ser o rgi-
men peculiar do Irabalho, e a comprorario da
receila e depeza.
O presidente porern poder' Tazer em todo o sys-
"e escripiuragio e de provoceos as modlfca-
T* jqlg'ar indispensaves o convenientes a'
clareza e simplicidade ; pondo em pratica
ulificaijoes, al qoo o governo as approve ou
eca orn (lema geral para rrgulansar e uni-
fonnisar lal nhjecto em todo os corpo.
a^pT 15. O cooselbo econmico provisorio
logo que a forca qae ella* administraren!, se M
Iher ao corpo a que pertencer, prestarlo conloa
sua Herencia, perante o conselbo econmico
do dito corpo, fazendo entrega a este do*,
que exislirem em cofre, dos livros e dos d
lo* respectivos, Picando depvis considerado*
vidps
Arl. 16. O qoartel-ntestre do jareo, alem
incumbencias do arl. 2., lera' a seVcar^o o* gene-
ro de fardamento laaoofaclurado, e por manufac-
turar, recebidos do arsenal ; c os que por deler-
mijilo do conselbo Torero comprados par. o rancho
das pra)as, oa para outro qu.lquer objecto da* at-
tribuicsie* do mesmo con selho.
Arl. 17. .Nos carpos de cavallaria e de arlillmria
a cavallo, compo4o de seis ou mais compauhias,
indera' haver luis agenslaBJUe o respectivo eon-
selho julgar iodispensvel.^BI de qualquer arma serao dtojeiisadoj de todo ser-
vico da escala, daraule o semestre em que estive-
rem no exercicio da agencia.
Arl. 18. Conforme preso correte no merend,
dos geiier** alimenticio, os fundos existentes em
caixa aliado* ao rancho, e o valor semestral das
elapcs. conselbo econmico cVlerminara o numero
da comida qoe diariamente deve ser distribuido as
a natureza e quantidade' dos seeros de
i*. cotBiKir cada rarao; lodo sempra em
[eso** % eros ejam do boa qaalidada, e
surte das comidas diarias nanea seta na-
do qoe o oreado semcstralinenle para a etapa da
DHoAo mesmo, declarando haver o encarregado
dn lazareto dn Pina participado, que o Dr. Candido
Jos Casado Lima entrara hootem no exercicio do
logar de medico do |rnojaao lazareto.
reeommendando a expedido de

IfcV
ni*.
cep^Jo das de (Hesnureira, para cujo emprtgo no-
moaro ora do officiaes da compaubia, eUeclivo, aq-
pregad* ou id"dtdo. O mesmo praticar a respeilu
4o* rodividuos que devem exercor as funece de
quai'ltl-aaestre. de agenta e de sacrolaro, psdeudo
OnmeacAO desle recibir em om sargento ou cade-
te de reeoriliecide idoneidade.
Arl. fi. Sil por qualquer motivo de ser vico rnili-
'Ur destacar de um corpo para fra da provincia on-
provincia a gr.hde distancia do raipeetivo qo.rtrl,
aflm d aht permanecer temporariamente algnma
fraecio do carpo, correspondente a' forca de orna
asi mais compauhias, formar-se-ha neasa forja con-
nalho econmico provisorio, anlogo ao do artigo 1.
no ao do 5.*, conforme n forja destacada ; e esse
oaoaerh* coraprira fielmente na parte qoe Ihe fo-
rem applicaveis a disposicoes do prsenle regula-
nsente.
Art. 7. A> comelho econmico competir a ge-
' roncal a Ihculiuco da receila e despezados dinhei-
, ro* aa.vwiieotes da segujnte* verbas: 1., rancho
eral das ar.icas ; 2., fbrragero, (erragem, remonta
corativo di cavalhada dos corpos montados e ven-
da* alo* cava lies inrapazes da servido ; 3., mauuf.ic-
lora do f.ird.Hienlo das pravas de prel, coja mate-
ria prima for receida dos arsenaes, por * cuavl a* ssrsi'ci}. oo for comprada prlo conselbo
em virlude dn urdens doagovernu ; 4., concert de
Asavontental liellico ; 50bopilaes ou enfermaras
i cano do corpas; 6., concert de armamento,
A-eame t eqoipamento ; 7., economa lidia de
t jafrqaer os|ieciaHd.de, sem prejuizo dos fins a que
em destinados es fundo de que ellas provierem ;
Itm lamlicm ledas as mais qnanlias qoe por ven-
lenliam de sor reeebidas ot\o corpo para qual-
l(s*> Dea qae teja diverso dos mencionados
i ounwrns precedentes.
. Pn* guardar os dinheiros desuados aos
liaaado* no artigo 7., llavera um cofre com
rae de chave dilTerente ; c serlo rla-
(H o prestdenle do conselbo, o fiscal o o llie-
Q corre s se abrir em sessao regalar do
Ai sesses do conselbo terio losar doas
i y mi, sendo urna do 1.. al 10, e onlra de
11 do mez. Alem ditso, o couselho po-
* extraordinariamente sob convocac^o
aiando algom circmitanria de mo-
*J as sesses se recollierflo ao cofre
i e se tirarlo as quanlias ne-
)**a* ^ procdendo-sa oa prirneira
l mez so exarn* ajaste das conla
lerlor, de qoe se lvrara orna acia que
_ II. por todo* os membros do conselho.
! A* deMeroi^ei o cooellia serlo sempre lomadas
sob o vol (la rnVoria abaorola dos membros que o
compoem.
Arl. 10. As acia das sesses do conselho sera6
f lid. pelo injor fiscal ante de anignada, alim da
v*Tiricer-*e na o qoe t*U tclalado nellas concorda
eom o* documento, d receila e despeza, com a
conlas crrenle', O eom as deliberares que o con-
selho houver tornado.
Arl. 11. em aulorisacSo previa do conselbo ou
r
r
ti
CUogaod jante de sua canJoseplia deu um gri
lo de sorsprai'.a, e recuou cioco pasaos. Acabava de
avistar aoaeutada em om degro da porta orna mu-
""* ,i"l>a a eabeca as cnaos na allilnde da ora-
i~a2'T*^ med1 tar.ao, oa da dr. Ao grito da aia a inu-
Iher |avautos-w, e balbocioo com voz mui branda e
tremola :
Nlo me reconhece, mai Joeepha ?
Ooem he Vmc ronrmaroo a aia a quera a
pertorljaVIo e a emocAo liravam loda a percepco.
Soo lubina. *^
Onvindo esa nome. Josepba serenou-se, appro-
ximando-se da joven eecrava, pergontoo-lhe :
, E qoe faxes aqui, querida filha '.'
Venho pedir-lhe liopedaaem para esUi noile.
Heope/aaem exclamon Joseplu.
Sim ; "jpoU do haver balid., tres vezes a sua
i |>or(a. seaili-iue desesperada. Eniao Vmc. eslava
(ora '
JMSB... Tinlia ido ate a Cruz do Pescador fazer
urna oracio em romaria, balbuciou Josepba ; roas
esta* aqoi hn mnito lempo '!
Ha cluco minlos apenas.
Aaia respiroo. Recelara que lobina bou-ese
aaMldo antes da volt, de Andr, e liveste visto l.l-
vei sabir o juren militar.
Corlada 1 lurooo ella ; mas porque vens pedir-
me h*pedagi>m Fugisle da casa do marquez *. Pos-
te estucada ? Qae te aconleeeu emfim ?
Nada di lodo io, mli Jo de eajiversar coto Vmc. Nao qaer que entremos 1
t-erlameo*, respondeu a aia alTeclando por esse
Vid Diario o. 265.
conselbo Bo-
les **mn da nitlr economa do dinheiros ad-
miuislrados, e a beueficiodas pracas; teodo sempre
em vista o bem do servico militar o a reputadlo do
corpo a qde pertence.
ArL 20. Nfto ser permiltido descontb nenbum no
soldadas pracas de prel sobo pretrxlo de econo-
mas, de dous gratuitos, oo de deficiencia de fun-
do do corre da administrarlo econmica do corpo,
para qualquer objeclo da gerencia do comelho.
Arl. 21. O membro do conselho serao solidarios
na responsabiliclade do diuheiros gneros confia-
dos a oa ainiiuislrafii.
Arl. 22. Tas guias das pracas de prel qae forem
transferidas de mis pata outros corpos se menciona-
ra especificadamenle anumero e qualidade das ora-
ra de fardamento que Ihes houverera, sido abona-
das' desde que assenlaram prara al a W* da Irans-
ferencia ; para, a' vista dessas guias, t* couhecer
qaaes as peca* qoe se devem abooar a cada urna das
ditas pracas de entilo em dianle, segunde a tabella
que por dclerminaro do governo regalar o venci-
mento de fardamento em lempo de'paz.
Arl. I. As pracas de prel qoe frem promovidas
a ofiicial de palenie, que liverem baixa, que forcm
reformada e excluidas por senlenca, nlo lerlo di-
reito a reclmelo de ajuste de coatas de fnrdamenlo.
Por pecas, cuja lempo de vencimrnlo nao se lenha
completado, quando liver.lugar qualquer daquell.s
eventualidades. Os herdeiro da pravas de pret
que fallecerein nao tcrlo direilo ao pasamento de
vencimenlos militares que tas pracas deixarem em
divida, semlo mostrando-se devidamente habilitados
na turma da legislarlo do imperio.
. Mn. 21. No* (lulos de divida de fardamento
qae pawarrm s pracas comprchendidas no arti-
go antecedente se mencionar a data do assentamen-
to de praca, a de (odas as cirenmstancias qoe alte-
rar.m lempo de' vencimento, com declaracSo des-
sas circomslancia, o numero e qualidade das pe-
ces de fardamento que liverem recebido, e das veu-
cidas nlo reeebidas, para seren pagas as dila pra
cas do importe denlas pecas, segundo o valor esta-
belecidu.
Art. 25, Dentro dos del priroeiros dia dos mezes
de Janeiro e julho de cada auno o presidente do cou-
selho econmico remelter ao soverno, pelos Iran-
mifes eslabelecidos, um relalorio circumslanciado
de toilos o movimentos dos fondos da respectiva
adaaisfracio, e das deliberacoes que houver lo-
mado, fazendo-o acompaohar de ama conla crren-
le, da qual se conheca a receila e despoza de cada
especialidade, e o estado do fondo lolal da caixa ge-
ral, ludo relativo ao semestre lindo.
Palaeio do Rio de Janeiro, em 6 de oulubro de
1855. Mrquez de Caxiai.
asi i
OOVERNO DA PROVINCIA
EXPEDIENTE DO DIA 16 DE NOVEMBRO.
OrflcioAo Exm. marechal commaodante das ar-
mar, reeommendando o ecpediceO de soas ordens
para qoe o commaiidaii le do 4 bslalhlo de arlilha-
ila a pe, mande apresenlar nm soldada do mesmo ba-
talhao no juiz monieipal de Olinda, ahrn de enlreg.r
os ollirios de couvocarao do jory d'aquelle termo.
Commaniconse ao supradilojaiz.
DitoAo mesmo,
suas orden*, para que *o Inspector da allandega con-
sinta no despacho isenln de direitos de 192 libras de
fio |de linbo vindo de Lisboa na barca portuguesa
Gralidao, par* aso dos estabelecimentos de canda-
rte.Commnicou se a respectiva administrarlo.
DiloAo mesmo. tramrmllindo para o lim conve-
niente o aviso de fellra 10b n. 33 iiaVimporlancia da
1:OOOJ00(), saetada pela lliesouraria de fazenda da
Kvincia do'.Bin Grande do Norte sobre a desla, c a
de l'homai Gomes da Silva.Participon-se ao
Exai. presidente aquella provincia.
p mesmo, declarando que, lendo ojuit de
Baplfal. Gon;alve Campos, participado
i o lugar de chafa aolicia do rata para
oieado. rsmitveo sHfar ao mcattioaado
ria de 6758000 rs., i como ajad* de cnslo
termo Sjedio da tabella n. 3 annexa no decreto n.
687, e reeommendando que nao mande abonar-lhe
a referida quantia, mas tambem pagar-lhe o* orde-
nados que vencer.
DiloAo chele de policio, communicando haver
autoriaado o inspector da Ihesoorari. da faienda a
mandar pagar a importancia das diadfc abouadas
ans cinco reeralas de marinlia.ulliuiamante apurados
na comarca do Limoeiro, no caso de estar nos (erraos
lega*. relacao qoe S. S. remellen.
aaVAo juiz realor da jiinl. de juslica, lians-
millindo para ser relatado emsesso da mesma una
o procc* Moraes. Seiaplnm de Souza l'errtlra e Antonio Ju-r
Nones, este ansperada eaquelles soldados do 4. ba-
lalhlo Te arlrlharia a pe. Parlicipou-se a* Exm.
marechal commandanfe das arma.
DiloAo inspector do arsenal de marfnha, inlei-
rando-o de haver anlurisado o inspector da Ihetuu-
raria de fazenda,a mandar pagar a Salvador Pereira
Brasa, a importancia da conla que Sruc. remelleu,
caso eslea ella nos termo leaaes.
DitoAo delegado do 1 dislriclo do termo do
Recite, dixeodo qoe transmltlira Ihesooraria pro-
vincial pala ser paga, estando nos lermos legaes a
la que Smc. remollen da despeza feita com a con-
1* 20 colchoes, igual numero de traressei-
1en;es de brira para a eiifermaria da casa
ao.
Ao juiz dudireilo da comarca da Boa-Vis^
nido que convem qae Smc. remella com a pos-
revidade aq engeuheiro tivil Henriqne Goi.
Fernando Haifels, encarregado de proceder
iheclrnenlo e explorarlo do Rio S. Francisco
lodo o seu longo curso, as informacdei qoe poder
ministrar e forem precitas para qu elle possa orga-
nisar a descripcAo Inpugraphica e eatatistica de que
trata o arl. 10 que remelle por copia,das inslruc(oe
dada pelo ministerio do imperio.Nelo sentido of-
ficiou-se aos juize municipaes da Boa-Vista e Ca-
broh, e as re-prclivasjcamara municipaes.
DitoAo inspector da Ibesouraria proviocial, com-
municando qae autorizara o director dos obras pu-
blicas! comprar para a obra da ponte pmoisoria do
Rerife. cinco barris de alcalrao a isr> rs., cada um,
quatoize duzias de laboM de lonro a 209 rs. a duzia,
seis escopeiros a 18600 rs., e 20 arrobas de prega*
de consirocc.io a :l?Kio rs. a arro-ba.Oftieioo-**)
a respeilo ao mencionado director.
- 17
(inicioAo Exm. marechal commandanle das
armas, para mandar presentar doas soldado de
cavallaria ao joiz de direilo dt/2. vara Jaste clda-
de, para entregar o oflicios de eonvoeacSo do ju-
ry. Ommunicou-se aosupradilo joiz.
DiloAo mesmo, reeommendando qae mande
aprwenlar ao commandanle da estaco naval, ao dia
19 do crrenle a larde, ama escolla d* 8 praca* para
sSfseaar oa s*ajstaQcieaiee.sBnshvs^ajskaMkr asxBsaNsaa iMr*
o presidio de lTernadono^BH^^sa" o brigue de"
guerra Cearense.
HiloAo inspector da Ihesooraria de fazenda,
para mandar fornecer com brevtdada ao comman-
danle saperior da comarca do Rio Forrooso, os li-
vros meaeionado na nota qne remelle.
Kola a que se refere o officio supra.
Dous livros de 30C folhas cada om, para registro
das praca* dos dous balalhe de infaularia da guar-
da nacional do municipio de Barreiros.
Um dilo de78 folhas, para registro das pracas da
seceso de balklhao de reserva do mesmo muni-
cipio.
lim dilo de 78 folhas, para registro das pravas do
esqoadrao de cavallaria da guarda nacional do mu-
nicipio do Bio Formoso.
Um dilo de 78 follias, para registro das pracas da
seccao de batalho de reserva do mesmo muni-
cipio.
Um dilo de 36 folhas, para registro das pracas da
compsnbia vals* de reserva do municipio de Se-
rinhaem.Cmnmnicou-se ao referido commandan-
le superior.
DiloAo mesmo, inleirando-o de haver falleci-
do no dia 15 do correle o le nenie-coronel Jlo
Pedro de Araajo e Agolar, que oceupava o uinpre-
Vo de director do arsenal de guerra.
DiloAo chefo de polica, declarando em prime i-
ro, que mandou deposilar no arsenal de mariuha,
disposic.ao deS. S., os nove Africanos livres qoe re-
melleu para esla capital ua barcada de que he meslre
Joao Ignacio de Jess, e era segundo lugar, que
licam expedidas as convenientes ordens par. ser paga
ao referido mrstre a importancia do frele porque S. S.
contratou a condcelo dos ditos Africanos.Expe-
diram-se as ordens de qae se traa.
DiloAo inspector do arsenal de mariuha, re-
eommendando que ordene ao commandanle do
transporte /.egalidade, que passe a mo do com-
mandande do brigne de goerra Cearense a quan-
tia de 15:0008 que recebeu do inspector da Ibesou-
raria de fazeoda, para entrenar ao commandanle do
presiJio de Fernando.Oflicioo-se a respeilo ao
commandanle da estacao naval.
DitoAo joia muuicipal da 1." vara desla cida-
de, reeommendando a expedirlo de suas orden*,
para que no hrigoe de guerra Cearense, qne lesn de
sahir no dia 20 do correle, embarquen! infallivel-
menle no dia 19 os sentenciados qoe seguiam no
Legalidade, e arribaran) anles de liontem.
PortaraConcedrndo ao arremalaute do empe-
dramenlo do 2. laoco dfeseslrada daEseada, Fran-
cisco, de Pinho Borges,lons mezes de proroga;lo
para a conclosilo das obras do seu contrato.I'ize-
ram-se as necessaria commonica^es.
COBniIANDO DAS ARMAS
Qoartel-i.n*rl do cosaaaaado das armas da
Peraaaaamco na old.d. do Radie, est :>l de
novuabrod* 1855.
ORDEM DO DIA N. 151.
O m.reciial de campo commandanle das armas,
em vista das communicarts reeebidas houtem da
presidencia, faz corto para indiligencia da goaroi-
co e etfeito necessarios.
encontr urna alegra qoo nlo senlia, e'abrindo a
porta, enlr.ram.
Josepha paron na prirneira rala onda hnvia I*, *
encarando logo Tonina, exclamou I
bom Dos do co qne lens t Esls fria como
,S.?" T-a 'P0"0". eu o olhos atogados em
lagrima; estas doento ?
Sim, respondeo lobina, e mui doenle.
Onde padews \ perguntou Josepha tornndo-
se de repente seriamente terna e silenciosa.
Aqu! disse a joven mulata pondo a roao no
corelo. Amo, nimba boa Josepha, amo !
E dizeiido estas palavras, lancoa-se sobre urna c.v
deira mu commovida e palpitante.
Enllo amas sem esperance de ser amada para
padeceres assim ?... K
Sem esperance responden Tobina occallando
e rosto no seio da aia.
..-&** marmurou Josepba. Eia, querida li-
Iha, *amosa como nenhuma rapariga de cor o be
em looTW Hnvana, e nlo pode amar sem esperance
de er amada... Qoem he aquelle, pelo qual leu co-
radlo cantou'!
Nlo posso nomea-lo, disse Tobina eslreroe-
cendo.
He algom fldalgo "
lobina conteulou-se de fazer um signal allirma-
livo.
Cerlamenle nlo he raro na colonial ver-se rapa-
rigas de cor enamoradas de mancebos broncos, e nao
he extraordinario quedabi resulto um drama ou urna
emoro. A mullir res da casia de Tobina slo a pre-
sa habitual dos ricos e dos elegantes da raca branca.
Se sao livres, dlo-se a quera quer loma-las, se lo
escravas, tornam-se objeclo de um mercado moitas
vezes enlr* o senhor e o proprio amante, sem qne a
moral da colonia se escandalise por hato. Mas (em
havido casos, em que segundo os hbitos da infancia
e a especie de eduracln que reeeberam ao contacto
com a enbora, cerlas moca escrav*, princlpal-
menle na posieao de predilecla qne oceupava Tobina
por exemplo, liraram ideas elevadas e honesto. Es-
las acharam om freio para sus paixOe, liveram
horror'da prosliluicJjo luaos* de suas companhtiras,
Tmenlo aja* tambem loi
esolai.So d* 18 de feverei-
de aviso do miaislerio da
:/, ile oovsBbrn.
i igual data, y de uovem-
I.' Que S. M. o Imperador hoovo por bem, por
sua immediata e imperial resolacSa ate 20 de oulu-
bro ollimo, tomada sobre consalta do conselho su-
premo militar, indeferir o requerimeato de Francis-
co Jos de Sonsa, que pedio ser reintegrado no posto
de segundo laneute de arlilharia, d* qu foi priva
do pela provislo do mesmo Iribuual i 18 de marco
de 1833, por nlo apresenlar nova raxOes, ajm da
qoe appareceu a alia couciderafio de mesmo angos-
to senhor, em onlro requerimenlo qare tambem loi
iudeferid.i pela imperial resoloi.io d* 18 d" '
ro do 1847. o que coostou
guerra de 9 do andante mez
2.- Que por decreto de
bro) fui S. M. servido conceder Iraca de corpos e
compauhias ao* senhore capille* Antonio Caetano
Travassos, e Claudino Agnallo Castello Branco, este
do quinto balalhlo de infanlara o aquelle do dci-
mo da mesma ama, segando foi commanicado era
aviso de 12 do cilado mea,
3.' (ja* por aviso do referido dia 9 di
(overuo de conceder pa.s>eem ao Sr. alfa1
balalhlo do l'iauhy l.uii Marlins d* CarvlSSf para
o segando de infantera, a deste para aquelle meio
batalho ao Sr. altores Viclor Goncalves Torres.
4.* Finalmente -qne a 6 do crreme se espedir
ordem pelo ministerio da guerra, aflrn de seguir pa-
ra este provincia i reunir-se ao sokredito balalhlo
2' a que pertence, o Sr. alteres Pedro Martiui, que
e achava na curie, o qnal esl. de qaartntena no
lazareto do Pina desde o dia 18, toado vindo no pa-
quete de vapor Paran.
Determina o marechal de campo commandanle
das armas, por conveniencia do servido,que o Sr. l-
enle reformado Luis Jeronymo Ignacio dos Sanios,
AUDIENCIAS.
Tribunal do Gommercio, quarlas e sabbados.
Relacao, tereai-feiras e sabbados.
Fazenda, quarlas e sabbados s 10 horas.
Juiz do commercio, segundas as 10 horas e as
quintas ao meio-dia.
Juizodeorphos, segundase quimas is 10 horas
1' varado eivel, segundas e sextas ao meio-dia.
2' vara do cival, nuarus e sabbados ao meio-dia.
EPHEMERIDES.
Noveinb. 1 Quarto minguante as 2 boras 46 mi-
nutos e 48 segundos da tarde.
" 9 La nova as 5 horas, II minutos
e 40 segundos da tarde.
* 1(> Quartocresccnleas'Jhoras, 20 mi-
nutos e 49 segundos da manha.
23 La cheia as 5 horas, 31 minutos o
4 V segundos da Urde.
DAS DA SEMANA.
19 Segunda. S. Isabel viu. f. rainha.
20 Terca. S. Flix de Volis; S. Octavio ni.
21 Quarta. Apresenlacio da SS. V. no Templos
22 Quinta.S. Cecilia v. m.; S. Feleroon m.
23 Sexta. S. Clemente p m. ; S. Chrysogno.
24 Sabbado. S. Joao do Craz ; S. Felicidade m.
25 Domingo. 26. e ultimo depois do Espirito San-
to ; S. CUharina v. m. : S. Erasmo m.
passe neala dala a servir como addidn oo quarto ba>
tilha* de arlilharia a p ; e que o Sr. capillo Tra-
vassos seja considerado addido ao dcimo de infan-
tera emquaulo ojo segu para o seo deslino.
AssignadoJos Joaqun Coelho.
Conforme.Candido Leal Ferreira, ajudante de
ordens encarregado do delalha.
nani i
TRIBUNAL DO COMMERCIO.
Setiaojudiciaria em 21 de uotimbro de 1855.
Presidencia do Exm. Sr. desembargador Flrmino
Antonio do Souza.
OSr. depolado Oliveira voltoa a funeciooar no
impasrimeiito do Sr. I.emos.
expediente.
Avisa do ministerio da juslica de 3 do correle,
declarando que em quaalo viver o serventuario vi-
talicio do olcio privativo de prnleitos, cread* por
le desla provincia, deve ser manlido na poete do
memo oflicio, compelindo a elle smenle o referi-
do protestos.
Julgamentot.
Embargante, Bernardo Jos da Canha ;
Embargado, Maooel Antonio dos Sanios lonl
Foram desprezadus os embargos.
Embargante, D. Maria Carolina da Bril* i
val lio, por si e come totora de seuslilhos ; tf1
Embargado, J. F. G. Kluder. ~
l -iran despre/.ados os embargos.
Emharganle, Jlo Frederico de Abren Hego ;
Embargado, Soares 4 oompanhia.
F'oram desprezados o embargos,
Appellaulc, Francisca do Prado ;
Appellado, Julo Martina de Barros.
F'ol coulirmada a senlenca appelada.
Embargante, JatVi Frederico de Abreu Reg ;
' Embargados, Soares & Compaajpa.
Foram desprezados os embargo
Appellanle, Antonio l.ourencsi lavares ;
Appellado, Sebastian Jos de Barrea Brrelo.
M*udou-se revalidar o sello da letlra a fl. 7.
Embargantes e embargado*, jiaio Cavalcanli de
Albuquerque e Manoel Pereira de Moraes.
Foraoi desprezados os embargos.
Bavb.ea.au, Fr*a*l... H.irier.-
Embargado, o consol francec.
Foram desprezados.
Passagens.
Appellanle, Ricarda Depperman ; *
Appellada, a viuva Marlins de Carvalbo, como lu-
lor. de seas lilho.
Do Sr. Valle ao Sr. Lelo.
Embargante, Vicente Ferreira da Coste ;
Embargados, a viuva e herdeiro de Jos Fernan-
da* Eiras e Fernandes Silva & Companhia.
Do Sr. I.elo ao Sr. Valle.
Embargante, a viova Martin de Carvalbo ;
Embargado, Jlo Cerdoso Ayres.
Do mesmo ao Sr. Gilirana.
tmento.
Embargante, Gaspar de Meuezes Vasconcello* de
Drummond ;
Embargado, ihom.z de Aqnino Fooseca, por si e
como (olor de seus Ribos.
Ficou adiado o julgameulo a pedido de om dos
Srs. depnlados.
EXTERIOR.
e seus sonhos fnram casto oo ambiciosos. Do amor
senliram rnenle as impretses honestos e do ho-
rnera qae Ihes tez cantar o caracho, segundo a ex-
preaslo havaneza de Josepha, lizeram .um deo* para
su alma, um marido para o seo corceo. Se esse
hornero lie braoco e nobre, o sonho para as raparigas
como Tobina lorna-se um pssadelo horrivel puvoa-
do de tormentos, de odio, de vingance e de maldi-
jao. A quem odiara mais enllo, ao amante impossi-
vel ou rival* Ellas mesmao ignoram ; mas odiam
e e Tem ama presa pelo menos, seja qual Mr, e o auge
da felicidade e da embriaguez he quando com as gar-
ra e os denle podem dilacerar duas victimas ao
iiicino lempo.
Hl* he a regra geral; mas ha excepcoea. Natal
impulsos, resignado** admiraveis, dedicarles pro-
tondas lesn sahido dessas paixoes tumultuosas.
Tobina fra a corapanheira de infancia de Anto-
nia, fra dada n moca branca bem corno nm brinco
para dlslrahi-la. Assim como na Europa faz-se pre-
sento aos meninos de bonecas, as colunias do Ihes
bonecas vivas nrelas ou araarellns. Essas bonecas
crescem na afieicio das donas, depois lomam una
sobre a oulra sem o sentirem urna inflaencia e urna
aulnridade que manifestara se em todas as accoes da
vida tanto no mal como no bem. Acontece *s vezes
que o carcter vingalivo do negro prevalece, apaga
com rapidez de raio u lembranca de todos os benefi-
cios paseado., o na occaso o odio lorna-se tanto
mais implaeavel porque Ihe he mais fcil satisfa-
ze-lo. Mas tambem lem-se podido citar em honra
dos escravos rasgos de dedicaclo, de aOeiclo e de
abnegarlo capazes de commover os corares mais
Irios.
T"'.er* a Pos'So de lubina para cora a marqueza
Daguilla | acresceutarei que eram coliaras, e que a
velha Jusepha era a Innle em que (inham tirado a
alien;.lo, qae pondo de p.rte a al.jeccSo da eserava,
os direitos do senhor e a differenca de cor, as mura
como iluas irralas.
Onvindo o comero da confidencia de Tobina, Jose-
pha sentir grande perturbarlo passar-lh* palo espi-
rito e um fri mortal alacar-lhe o corarlo ; lodavia
J.ONDRES.
15 do oolubro.
Recebemos importantes noticie* da Crimea do
lliealro silico da guerra. Do primeiro lugar o
principe dorNcliakolV.annuncia pelo lelegrapho, em
a larde de II, que o;inimigu ayancara com ama forca
cousideravel para o valle de Belbek, e se nrep.rav.
para avanzar ainda mais para adianto. Em Cons-
lanlinopla soabe-se qus os Rassos alacaram Karva
29 de setembro. e foram repelhdo com ama perda
a\aliadasam 2,500 morios e com o duplo desle nu-
mero d Bridos. Este be a noticia riada por lord
Slr.tfisnjPPis parece que os Turcos calculan) a per-
da do inimigo em om algarisino muilo mais eleva-
do. Todava, presurae-se qoe ai victoria* que sa
aguardara slo de maior imporlaocia do que as qoe
lera sido alcancadas.
O general trancez na Crimea parece estar resol-
vido a dar um ataque anles que o invern torne inac-
tivo o seu magnifico exercito. O commandanle ros-
so aprecia plenamente a importancia da late, o o
seu governo parece querer-preparar o mundo para
um roovimenlo retrogrado das tropas russas. Rele-
va lembrar qoe o primeiro indicio de evacuarlo de
Sebastopol foi dado om um despacho publicado
principe de GortschakofT. As nossas tonifica
snffrem, escrevia o general, e o conselho d
Pelersburg revelou o f.clo a Europa. Agora o
principe Gorlschakofl e seus superiores se titea
igualmente communicalivos.
Acreditamos plenamente qoe se eslo delormiua-
dos a relirar-se, os alliados poderiam realmente fa-
zer nma campanha antes do invern. Efles tem
fortificado Severnaya e a passagens da sua planicie
para resistir i invarlo do* seu* inimigos oo inlimi-
da-lo com urna damoosiraco de resoluclo. Se
ganh.rem algumas semanas, repulam-se, provavel-
roente com justira, segure ao menos por seis me-
se, e, indubilavelmeole, gatarao lodos os meios
para supprir e augmentar os seus exercitos durante

o invern. Mas, se o marechal Pelissier se adiar
bstanle forte para nma marcha vigorosa, se o seu
transporto e o sea commissariado nlo tallar, se po-
der apoderar-se de cada urna da passagens qae
conduzem toa posicjlo, ao passo qoe os ameacar
da praia, lie inconleslavel que a torca rossa, enfra-
quecida pela recente mortanriade e ameafada em
suas coramunicires, se retirara ao mesmo lempo.
Soubemos ha pouco dias qoe os Franceses ti-
nliam extendido a sua extrema direila sobre a pla-
nicie qoe Tica ao sul de Ozembash, e occoparam as
montauhas que cerrara o valle de Baidar. Segun-
do o mappa ver-se-hn que deslas montauhas as oas-
cencas do Belbek podem ser alcanzadas na visinlian-
ta de OlarUrhjk.
Posto que as nicas estradas do norle "do valle
de Baidar sejara una para kololuz a direila, e ou-
tra para Ailodor aesqaerda, o* Fraurezes parreem
ter feilo para si um caminho alravez das col linas,
e entrado com forra cousideravel' no valle eslieito
do Belbek, que corre entre a colimas de greda de
ambos os lados ale que chega a retaguarda dos
Russos.
A ala esquerda do exercito do principe Gorlseha-
koll suilenla com loica aladeira entre a passagem
de Ailodor e o Belbek, ao passo qae grossos desta-
camentos avancam para nossa direila provavelmeule
para defender o dcsliladeiros do Kalcba superior, e
as montauhas do Alma. Mas he o valle de Belbek
que nos diz respeilo.
Os Fraucezes entrara ni l, e provavelmeule avau-
carara ale a pequea aldeia.de Albal, levando dian-
le d*jM os postos a vaneados dos Russos. Se o mo-
vlnaasM n|o for fingido, he prnvavel que o mare-
chal Pelissier lenha decidido atacar esto ponto.
(leMt intuito he forrear o desliladeiro e accommet-
ler a retaguarda runa. O lorie, positflo qoe os Ras-
sos oenupam, esl* a duas milhas abaixo do rio, onde
quasi que se juntara de ambos o lados, para formar
* eslreila passagem de Kulschuk Siouren. He esto
o quarto dus.sei desfiladeros, pelo qual a posieao
rossa somenlis pode ser slcancada. UilTlcilmeite
podemos julgar se o marechal Pelissier pretende
forrar esla passagem, masnm general com um exer-
cito numeroso, exaltado pela victoria e acoslnraado
ao ataque de urna praca fortificada, definitivamente
ser dissnadido por om lal obstculo como urna
monlanha, com as suas estradas escarpadas e erri-
radas de pecas.
A vanear para Perekop por outro flanco dos Ros-
so partee indicar urna campanha segundo um pla-
no mol oxlesajo. Semelhanle marcha pode rliftiril-
e leronls alvo que nlo seja reconhecer a
estrado*, fojas quaes suppoe-se que o inimigo rece-
T projeclando rolaras operares na sna
relaguarria.
vida-e. que o marechal Pelissier estoja suffi-
cienteoientc fui le para destacar urna lal forja par
loria, e lem-se concluido que o movimeulo er
finRiOo, edtri o lim -rnente, d- chamar urna forja
russa para a parle septentrional, e eufraquecer a
defeti 4a grande planicie meridional!
Tu tai i, a renovarlo da marcha parece conlradi-
zer e*te baercao, e bem pode crer-se que a prese li-
ra de nma grande torra as visinhanjas da estrada
de Perekop he projoclala pelo general francez para
atsuslar o inimigo, e drsorganisar a sna retirada, no
caso de que oina marcha bem succedida no flanco
opposlo lorca-la-hia a relirar-se. Nlo podemos pre-
dicer.se o* Rossos sarao interceptados e toreados a
depr as arma.
Eslo acostumados com as estradas, o provavel-
inente podem mover-se com mais firmeza do qae po-
demos segai-los. O sjoneral que se retirou por nma
ponte, pode relirar-se por um isihmo ; mas que nlo
he muilo larde para fazer urna brilbanle e mais ef-
recliva campanha, e expedir a inimigo da pennsu-
la, temos sempre sustentado, o ainda rdeuanMule
eremos. Entretanto roigamos de onvir dizer algu-
na rao** eeero* da* nossas proprte traasaof
Tem-se feilo ltimamente as seguinle pergen-
ias ; pretender o general Sirapson avanjar contra
alguma cousa ou contra algorn '.' Estar' a cavalla-
ria iugleza para conquistar louros como os seus ca-
maradas francezes, ou invernar quielamenle no
lioro '.' Ficarlo 35,000 luglezes para guardar
*0 emquanlo os seus alliados atacam a pa in-
imigo ? A vagarosa, mas grata resposla cs-
em um despacho justamente recebido pe-
la secretaria da guerra.
Sir Coln Campbell, com grande torca de infan-
lara o arlilharia, ehegou a Eupalor. Agora ja
nlo ha dnvlda acerca do carcter determinado das
operaron alliadas. Denlro de poucos dias havemos
dereceber noticia de resultados importantes, ou lal-
vez decisivos. *
A defeza de Rars nlo he o menos glorioso epio-
dio desta grande guerra, como oolr'ora em S. Jotlo
d'Acre, e nos nosso proprios dias em Silislria. a pe-
ricia, coragem, e devolajlo de um Inglez excilou o
inerle, mas obstinado Mussulmano. heroica reais-
leucia. No interior das montanhas da Armeni_.
abandonado por aqnelles que o deviam 1er coadjn-
vado, o vlente general Williams trabalboo e pele
jou durante mezes. Ha cousa de dez semana,
com os seus poucos devotados companheiros, /ol el-
le cercado em Kars por loda a forja do exercito
russo.
O Ceilos do general. Jo seu eslado-maiar. e da
valente guarnijln, toril.sido occollos ao mundo ; he
presumivel que d'ora m vanle se lornem pblicos,
e que o mrito real nlo fique sem recompensa. Oa-
viraos diier que so enviara cavallaria e tropss irre-
gulares, que a penuria ia em augmento, o qu* poda
limilar a resislenejai Rnte a 20 dias.
O despacho jusfl Bcecebido diz qae a 29 de
setembro os Ku-soM esbaratados em um assal-
lo geral, e perdesH Be 7.IKX) homens. ao passo
que o detonsore l*l ) somenle 700 morios e fe-
ridos. Nao menos oVT.OOO mosquetes licaram no
campo. A realidade e a magnilude da victoria nlo
pode entrar em dovida.
Proyavelmenle lera destruido o designio dos Rus-
sos de tomara praja por assal lo, e os lera forjado a
levaular o assedio. Nada riizemos de Omer-Pacha e
da sua marcha da costa. No anno seguinle pode pro
vavelroenle adiar um campo para o seu senio em
urna campanha oflensiva, se o seu exercito for recra-
tado, vestido e pago ; ma* com as Iropas que agora
dirige, e uesla estarlo do anno, nada se dev es-
perar.
Urna campanha de invern oaquelle paiz ha to-
talmente irapouivel. A guamijao de Kars deve
depender de si s. Emfim, os successos que recor-
damos boje sao os mais importantes depois da que-
da de Sebastopol. Temos para nos que a ultima
tranqnillisou-sedepois om pouco,c lornou dirigindo-
se joven eserava :
Dissesle que queras cnnsultar-me, falla, qne
onselho posso dar-te?...
posto non
vo. s*aa-
abeaB
lb*iHI,
Otija-me, mli Josepha, nlo posto nomear ese
hornero, nobre, bello, joven, bravo, M-o... ven-
do-. Eu nao sabia iieni queria sabes^Hlle amava
ou se era amado por nenhuma mulher|Wia o m\s.
torio e a incerteza qae deiiavam-me feliz. Mas um
dia eslava junto de urna mulber tambem bella, n*-
bre a moja, e pelo seu olhar, pela soa pallidez, pelo
seu Iremor senli que ella amava como eu o mesmo
homem. Oh eu poda espreila-la, espreilei-a, e
oube...
Desgrajadi! exclamou Josepha, o homem qoe
amas he...
Cale-se, mli Josepha dase Tobina applicando
a mo sobre a bocea de Joseph i, cale-se ; minha se-
nhora poderla onvir.,.
Antonia marmrea a aia estupefacta.
Sim, lornou a eserava em voz baixa ; pois sel
qoe ella esl aqui, pois esta noile recebeu a Mr. de
Laverdant emquanlo eu choravu porta de raiva e
de cinme.
Bom Dos do co exclamon a aia caldudo so-
bre ara aisento, estamos perdidas !
fc porque '.' replicn Tobina. Porque sei que
minha srnhora ronvidou o Sr. Andr a vir aqui.
porque o vi sahir lia ponco acompanhado por Vmc. ?
Perdidas! sim eslariam ambas se fosse oulra pessoa
que possoisse esto sesredo lerrivel, se minha sen ho-
ra nlo fosse minha colleja, se eu nlo a amasse como
se a mesma mli nos'Jivesse dado luz. Porque
pensa Vmc. qne he Tonina quem ha de perd-la ?...
Eu a salvarei antea, le fr preciso...
A estas palavras brio-se a porta da sala vizinha,
e Antonia appareceu siallid.i e commovida. lobina
sallou involunlaiiamenle para trar : nenhuma mu-
lber acha-se c*m ipdifferenra diante de urna rival
feliz. Antonia dirigio-se joven mulata, e pegan-
do-lhe das man e>qneeeu sua digndade di* seubora
a ponto de abraca-la.
Ouvi ludo, Tobina, disse ella depois de ara
momento de silencio ; leo-me amor o dodicajao,
suprema lula se esl approximando enlre os allia-
dos e seus inimigos. Nao duvidamos que esta sccres-
cenlaru outra pagina ao rol das nossas glorias mili-
tarrs, se a iucapacid.de qae tem occasionado tantos
desastres nos privar novamente rio nosso qoinhlo
as honras qne os nossos alliados conquistaren).
(Times.)
la?
i tarel s
nlo be verdaK? Oh guardaras bem no fundo do
corajlo esse rarel segredo.
Elle morrer coraigo, senhora, respondeu a
mulata, mas pelo amor de Dos exclamou ella ca-
ntado aos |is de Antonia, diga-me se o ama real-
mente.
O silencio de Antonia ordenado pelo pudor e pela
digndade respondeo por ella.
Pois bem, continuou Tobina, se Vmc. o ama,
nlo torne Jamis a v-lo, o marquez Daguilla sabe
ludo.
Cos exclamaran) ao mesmo lempo Josepha e
a marqoeza.
E Vmc. nlo ignora qne o marquez malaria o
senhor Andr. E se elle nlo sorprendeu a senhora
aqui esla noile, he a mira que Vmc. o deve.
Ali?
Sim, a oiim. j_*nbra-se daqaelle dia em que
algum lempo depdH^Liueda de Mr. de I.averdar.l
Vmc. o vio passa^^Haallo na ra ? Aviaiando-o,
Vmc. deixou escapar om grito que a [rabio ao mcu
roracao. O marques que eslava prsenle ouvio-a
tambem, sorprendeu sua emojao e a fronte lornou-
se-lhe sombra de colera e de desconfianra. Desde
esse momento elle tem espreitado lodos os passos de
Vmc. e de mli Josepha, (odas soas distraerles,
lodos n seus suspiros. Eu fazia o mesmo... Mas
meu senhor liuha em seu serv jo dous Catalles per-
lencentes a um banda de salteadores que eslo acuu-
lados as malla de San Marcos, de nome Isluritz e
Algedrn. Oh conhajo-os bem, pois um delles, of-
fereceu-me urna vea viole oujas de ouro para eu
aoimpanha-lo. Ilonlem elles viram rali Josepha
tallar oo senhor Andr na ra, e esta roanhla em-
quanlo Vmc. eslava na iareja de San Francisco, vi
esses duas homens entraren) no palacio pelo jardira.
Ch.guei sublilmenle poita do marquez, e ouvi bem
que tralavain rio encontr de hontem a noile. Elles
pronunciaran) mesmo meu nome Inmanrio-me como
leslemunhn por haver assislido a isso. Relirei-me
rpidamente para dar um aviso secreto ao senhor
Andr, dn qual elle nlo fez caso. O marqnez depois
chamna-me, e ameajoa-me de mandar dar-me cin-
coenla chicoladas pelo intendenta de urna de suas
quimas, se eu nio Ihe deseobrtse o que sei do cn-
ACADEMIA DE SC1ENCIAS.
Do clima t da inflaencia, que exercem os terrenal
coberlos de maltas ou tem ellas.
Ha emito lempo qoe *e trata da mfluencia exrr-
cida no* climas pelo drrribamenlo das mallas, ro-
teamento e pela cultura ; ans tem exagerado seus
eOeitos ; ootros tem negado ; entretanto existo um
grande numero de observajes consignadas em as
uarrajoes dos viajantes, as indagajoes melrorologl-
cas o as iuformajes ofllciaes dirigida ao governo,
no lim do consolado, que nlo permiltem duvidar
que enkgeral o derribamenlo das mallas di mi une a
quantidade das aguas vivas, que correr rm um
paiz, e torna o clima mais 'ecco ; que he a cauta da
nudez das monlanbae ; da furmajlo da torrentes e
das endientes extraordinarias ; finalmente priva do
abrigo .contra a acjlo dos venios, entre certos limi-
tes, porjoes de territorio. Precisamos os tactos, e ve-
jamos cm primeiro lagar quaes tetn sido as caosas
ger.es do derribamenlo e o* elleitos que delle lera
resultado.
Do Ganges ao Euphrates, em urna exlenslo de tois
de mil leguas de eoroprimelo e de muilas centenas
de leguas de largura, tres mil anuos de goerra des-
truirn! aquelle* paizes. Ninive e Babylonia, lio ce-
lebre por sua ovili.ac.ao avaojada e por sna opu-
lencia ; Palmj ia e Bolbeck, por sua magnificencia,
nlo oflerrcem mais boje ao viajaule, senlo ruinas,
que atiestan) oa grandeza pastada, e que se arham
iij meio dos deserlos, oudeulo se encoulra mais, se-
no aqui e all vestigios das ricas culturas, qne oo-
lr'ora ah exisliam.
Cyrot, Alexaodre o seus socceisores devastiram
nma grande parto da Asia. Os Bomanos vieram
depois, aps estes os Sarracenos e finalmente os
Turcos, quo completaran) a ruina daqoelles -pai-
zes..
- A Palestina offerece semelhanle contraste. Com
efleilu, quese tnrnun esse bello paiz de Channaa,
citado peta Biblia como o paiz ra.ts lerlil do univer-
so ? lodos esses paizes a llamados pela dojnra de
seu clima, privados de suas florestas, nao tem agua
nem vegetarlo, e por loda a parto se offerece ao via-
jaule silencio e morle.
Na frica, desde o Oceauo Allaulico.alo' as ramas
de Carthago e desde esla al o areaes d l.jbia, as
florestas, que vivificavam oolr'ora aquelle paizes
em urna exlenslo de perlo de 1,000 leguas, estao
hoje dittaotes da praia do mar 10 legoas pelo
menos.
O Egipto esl sem mallas; Memphis e Thebas
su apicsenlam ruinas' no meio do deberlo de
areia.
Na Grecia, como na Porsia, as cidades as mais llo-
rescenlesdesappareceram, qaando os paizes visinhos
foram privados das malla-.
V-se poi que a ausencia de mallas em um paiz,
que oat^ora eslava caberlo delta, he o isnal mais
cello da passagem do grandes conquistadores, de
urna civisajau a vaneada oa de commcjes polti-
ca-, algomas veaes profandas. Na Inglaterra por ex-
emplo, em consequeocia deslas causas reunidas, nlo
se eueonlrain mallas com mu poucas exccpjes, se-
nlo em os parques. As florestas da Dalia linham j.
desapparecido uo dominio romano ; a invaslo do
brbaro acabou a sua deslruijlo, o se nao toase o
carvau de pedra, he orovavel que as de Franja es-
livessem anda mais diminuidas. As floresta, pelo
contrario conservam-se nos paizes pobres por taita de
industria ou de vias de coramuuicaj-lo com seos vi-
sinhos.
Citamos agora tacto* particulares : De Sausure,
em sua viagem ao Alpes, **4gnla a diminuirlo das
aguas do lagos da Suissa, em consequencia do ro-
teamenlo, sobretodo da* aguas dos lago de \ ver-
don. Moral, Neofchatel o Bruenlz.
Mr. Choiseul-Gouffier nlo pdeachar no'l'ruada
o rio Scaraandro, que era anda uavegavel no lempo
de Plioi-.; seo leito boje esla inteiramente secco ;
he verdade que.nao cusiera mais o's cedro, que co-
btuio a maul -Ida, oudo elle uaocia. ____
Mr. Desbassvne de Hichmont rerilicon que exis-
ta na iIlia da Assompjlo urna bella tonto situada ao
p da moulauha ; esla tonto seccou-se por causa do
derribamenlo das mallas, e depois vioe ella reap-
parecer, quando a monlanha cobrio-se oolra ve*
de mallas.
Mr. Boassingaolt, dorante a sua estada ua Boli-
via, leve occaso de tazer moitas observajes desta
genero, as quaes slo cheias de interese.
O valle de Aragua, provincia de Veuezuela, he
cercado de todos os lados de montanhas u collinas,
de modo que os ros, que ah corren nlo lem sabi-
da e daonascimenlo ao lago' Tacariguaou de Valen-
ciana, que, .na poca em que Mr. de llumboldt o
vio, no principio desle secuto, experroenlava ha ons
trila anuos um dessecamenlo gradual, cuja causa se
ignorav.
Em 1822, Mr. Boussingault soubedos habitantes
que as aguas desle lago linham soffride nma eleva-
dlo mui sensivel; Ierras que oulr'ora tioham sido
cultivadas, estavam debaixu das aguas; mas tam-
bem no eapajo de 12 anuos, o valle liuna sido o
lliealro de lulas sanguinolentas durante a guerra da
independencia, a popo lacio linha sido decimada, as
Ierras linham ficado incultas, e as florestas, que cres-
cem com ama rapidez to prodigiosa nos trpicos, li-
nham acabado por oceupar urna grande parle do
pair. V-te poi a influencia que exerce o derriba-
menlo das maltas ua quantidade de agua, que corre
oo existe em um paiz, porquanlo lagos que linham
perdido soas aguas por causa do derribamenlo, ad-
quiriram-as oolra vez, qaando as florestas reappare
cer.m.
Entre as causas, que concorrem para a formarlo
das trrenle na monlanha deve-se contar em pri-
meiro o derribamenlo; as obtervajes de Mr.
Surel nos Alpes nao deixam nenhuma riuvida a
esle respeilo. Estas observajes conduzem s segua-
les concluses.:
O (errnos alravessados por torrentes de origem
rcenle, sao extremamente despida ; encoslus lti-
mamente privadas de maltas, sao prompl.mente ar-
ruinadas por torrentes He nova furmajlo ; por con-
sesninle, onde as florestas cabera, ha prodcelo de
urna mullidlo de trrenles. Ha um tacto geral nos
Alpes.
Quando, na encosla cubera* de pedajos de pe-
dra das rochas, que coroara osciraos das montanhas,
a vegetajlo vem a desenvolver-se com rigor, asrai-
zes abracam com forja esses pedajos de pedra, for-
mara ama rede inextrcavel, e nlo larda-se em ver
floralas espessas de abetos e lario guarnecerem os
flancos da monlanha, se porventora se fazem cortes
inconsiderados no sentido rio declives, as agua* cor-
rem nestas riirecjes, levam comsigo a trra vegetal
e nlo lardan) ero formar um sulco, que alarga-se,
estonde-se com o lempo e acaba por formar urna
torrente. as partes onde nlo se cortn o mallo, na-
da disto lem lugar. '
ve^-se pois qae a presenja de um floresta em om
te oppe a forma jlo das
derribamenlo entrega o
mal-
solo torlemente iucl:
trrenle, ao passo
solo accio das ag
A influencia, qu*
gos contra os ventos,
as ftoi
orestas exercem como abri-
acjo qoe ella exerce na
(emperalura foi assigoalada por Jeflerson em urna
obra, na qual publico* as observarle, qoe fea ua
Virginia, influencia, cujos efieilo talvez elle exa-
geroa.
As brisas do aascenle e do sueste p.reeem pene-
trar raai denlro do'paiz, ele; i medida qae a* tet-
ra forem roleadas.he provavel qpe se calendan) Saun*
longe no oeste.
Parece que se fax unta mudan ja uiuito arusivel
em nossos clima; os catare*, assim coca* o* fro*
slo menores que oulr'ora, relativamente: -peas* a,
que nlo slo ainda mnito velha. ele.
A queslio eslava ah, qu.ndo Mr. Beequer*! lava
a lembranca de reunir toda at observaot** ""pa-
Ihadas, relativas influencia do 'dirrieamenlo, ro-
leamenlo e cultura oo* climas, e comprel)end-
los em om tratado elementar de climatologa.
alim de que se pode.se achar alti toda* a* nojOes
de meleorologiaagtatarias para discutir-* o seu
^*j,|pStF
Nesta obra, que elle acaba de apresenlar acade-
mia das ciencias, o autor d om esboco histrico so-
bra o estado das florestas na superficie do globo, nos
lempo os mais remotos, a* vicissiludes porque tem
passado por causa das goerra, dos progrrssos da
civilisajiu e mudas oulras cansas ainda ; insiste la-
bro sea criado actual e presenta para cada Miado
da, Earopa o* dados estalislcoa das superficies co-
berla* de mallas e privadas deltas ; rau'lrou qoe a
Franja, qae lem urna superficie de 49,1*18,393 oc-
iare possiie ainda, nao obstante os ralearoaMos.
que se lem feilo desde a conquista de Jaita Cazar.
8.80.550 hectrea de floresta, itlo he. peaeo mai*
d 16 por cenlo ria superficie do territorio qoo a
Suecia he a regiln mais chela de maltes na Europa
(80 por cera ; a Busia a a Ueste eleitoral su de-
pois, em quanlo que a Dinamarca, a Hespanna a a
Inglaterra slo oa Mtlps mait tallot de malte*. A
Franca esla uo mato termo.-
A America he a parle do globo, ande a florestas
slo as mais extensas e as mais gigantescas, por atas
exercem orna grande influencia no seu clima e sao
particularmente as que eslo situadas ara* re-
gioes Iropicaes, aqoellss coja acjSo be a usis mani-
fesla.
Calculase em "i71,(100 leguas martimas qnadra-
das aanperlce1 da America meridional, da qaal
a quana parle he de roontaolias cobertas de
la. .
O Brasil, paiz dat floralas virgen*, tem
perlicie de 120,006 leguas qoadratjas. AGoj
Colombia, ele, eslo igualmente coberlas de i
tas florestas virgen.
A America septentrional poasac tambora
flore-tas.
Nessa obra se acham descrito* os deserto*, os *tep-
pes, os Danos, as savanas e o* pampa,* infloanria
climatrica, que exercem ; traa tobretudo da prin-
cipae cbameeas e torras inrsandada* de Frasca.
laes como a Sologne, Brenore, Bresse, Dorabe. Ca-
margne. e as Charoecas. Comparando a Campia
belga, qne se melrtora hoje, com a Sologne, aator
demonstra qoe esla ultima pode er regatiarada com
o auxilio dos mesmo meio*.
A* Gallias oa poca da occuparlo romana, tata se
corrrpunham somenle de flor*-las, leaos c panlaao*.
cumo lem avahjado a I aun autor*, mas cama dia <>
proprio Cexar, ochavan *a all vastes externte* de
Ierras, as quaes os habitante se enlreaovam caza
soccesso a coliura do < ereues c oolrot prodoctos a-
gricolas, sem qoe'a visinhanja das florla* poze*-
aem obstculos. Citaremos particularmente Rerry,
o Sotssonnais, urna parto do Franco-condado o do
Lanauedoc, que pertencera ainda ao numero de
mis meihores provincias. O clima nao en por-
lanlo 15o extremo, como se (em vaneada, e para
explicar o erro do escritores, deve-se admiltir, qoe
elles lem generalsado resallado, que nlo asara ap-
plicavei-. seuSo cerlas parle*resnela, ds Franja,
qne ulo slo as mesmas. Comtudo hoovo mrinora-
menlo de clima nos limite do elailos pntiatidos
pelo derribamenlo das maltas, pelo role.mento c pe-
la riesapparijao dos pantano*.
Asina>a Breooe, com urna snperficie -de 86,000
heclares, era, ha dozescalos, caberla de florestas,
entrecortada de prados, banhada de tontos currantes
e vivas, e era aflamada peta ferlfliriade de toa* pas-
asen e de seu clima. A' desapparijlo das florestas
succederaro os lagos e os pantanos e tornaran) end-
mica as tabres intermitientes, cm a quaes lula
boje a populajlo. A iiiMlobririade tornon-se tal,
qne o gado se reraseote desta inflaencia perniciosa ;
o mesmo estado de cousas lem logar em Domba; os
tartos recolhidos provam que esle paiz tai oolr'ora
rico e populoso ; o de*povo*mento e alhsalubridade
nlo remontara alera do XV secuto, poca era qoe
comejou-se a eslabelecer-se tanques. Filialmente
sabe-se que naquelle paiz a salubridade desappa-
rece e a insatubridade corneja, onde o roteamenlo
para.
Esludando .i distribuijao do calor em Franja,
acha-se que no osle e no norle os pontos, qoe pos-
suem a mesma temperatura media aonual, coinci-
den! geralmente com as parrtelas geographicas; o
que mostra que esla distribuirlo he uniforme ; ao ,
centro e ao iiascente nao acontece o mesmo. Oa mea-
mos pontos se encontrara uas linlni*, que e abai-
xam para o equador ; ule resultado indica ama
temperatura mais baixa na regido, que derrama soas
aguas no Mediterrnea, do que na da* oulras barias
da Franja em lalilorie igual. Toes diflereuca* de-
vem ser allribnidas nlo s aos macices doa Vosgos,
no pialo central o aos Aipes, se nio ainda i freqaen-
cia e inlensidade dos venios do norle e do nordeste.
As linhas reunindo os pontos, qne lem a mesma
temperatura media de esli, em que possuem a mes-
ma temperalnrn media de invern ou da estio, go-
zan) igualmente de propiedades nolaveis. As pri-
meras se manifestara lodas para o norle, a medida
que seencaminha par* o interior do conlmente.o qne
annuncia que os estos slo mais calidos no inlerior
uas Ierras do que oas costas do ocano ; as seguidas
peto contrario, ahaixam-ae rpidamente par* o sal,
prora de que os invenios lornam-se mais desabridos,
relirando-se das cosa*.
As infleides das linhas de temperatura jante do
Jura e do Alpes moslram qae existe perla deasas
cadeia de montanhas urna causa de resfriameoto
uem nulavel.
Os res e os governos qne Ihes lem succedido de-
pois de Carlos Magno al a poca actual, lem con-
feccionado ordenanjas e decreto* para se opporem
deslruijlo das florestas, mas nao procoraram culti-
var as cbameeas, o cobiir de mallas as montanhas
ou a trras incalas, e reparar os desastre* cansados
as florestas pelas guerras, pelos pragressos da civi-
litajlo e por cauaMivertas, que temo* assigtw-
lado.
O imperador Mrpolelo I, eujo vasto genio abrau-
sia em too lodo lodas as quetles ociae, parece *n-
tetanto ter lirio a inlenjln de ocejtarse delta,
Drque fez imprimir em 1801 a esHttica dos de-
partamentos, nos quaes te acham a tjH|^s dos an-
tigos dislriclo*, da municipalidades e dos epntelbos
geiaes, relativas ao funestosefteitos do dembamen-
(o das mallas. Os exlraclo* dessas estalislicsVn* se
conlro de hontem noile enlre mli Josepha e Mr. de
Laverdant. Jorei-lhe que jgnorava lado. Alguos
instantes depois ameajando-me de mandar-me ajou
lar pelo algoz no meio da ra, encarregoo-me de
examinar se Vmc. sahia esla noile, e de dizor-lhe
onde ira. I'ingi aceitar essa raisslo odiosa, e men-
li-lhe persuadindo-o de que Vmc. fra sua estan-
cia de Sania Bonavenlura para fazer provislo de flo-
res e fruclos.
Anloni j, branca bem como urna ajucena, leudo
os labios roxos e os olhos atogados em lagrimas, on-
vir^oro terror esta narrarlo de Tobina.
VEnllo sabias que eu vnha aqui ? exclamou
ella.
Sim, respondeo a mulata. Vendo o senhor
Andr sahir segui-o de longe, vio-o dirigirse para a
porta de Tieira.e nlo hesitei em crer qae Vmc. vir
a casa de mli Josepha. Oh! senhora,coolinoou*Tobi-
na lauca ido- e no ps da marqoeza, se Vmc. o ama,
nlo lomo a v-lo nunca,nao taja com que seja asaas-
sinaib.
Tobina eslava bella sopplicando assim Antonia, a
qual recusava prometler o que Ihe pedia a joven es-
erava. Josepba tai obligada a inlervir, e obteve
que deixaria passar alguna dias anles de tornar a ver
Andr, de maneira que podessera desvanecer-te as
desconfianzas do marquez.
Escreva-lhe is*o! exclamou lobina meio trium-
phanle ; pois calculara em seu pensamento qoe oilo
dia uoderiam trnzer o esquecinienlo da parto de um
ou daaklro.
Etarever-lhe isso reptlio Antonia ; mas......
Vmc. quer enllo faz-lo raorrer smaos de um
assassino exclamou a mulata com urna eloqoen-
cia persuasiva, diante da qual Antonia pareceu aba-
lada.
E quem Ihe entregar esse bilhele ? mnrmu-
rou ella.
Eu, respondeu a joven eserava.
Antonia lancou um olhar rdanle sobre Tobina,
ella era ln bella, seus olhos grandes e negros eram
lo luminosos, sua cintura (lo delgada e lio airo-
sa, sua pello lio fina e brilbanle qu a marqueza
nlo pode e\imir-se de nm senilmente profundo de
ciume.
Nao, disse comsigo, nao Ihe escreverei, Tobi-
na nlo Ihe levar essa despedida de oilodia* qae se-
ria talvet eterna... pois ella o ama. he formo*,...
emfim he minha rival...
E ao mesmo lempo velo-lhe ao espirito qae quan-
lo a mulata Ihe dissera bem poda ser urna machi-
najio de ciota, e que o marquez nada sabia. Esleve
prestes a rasgar o bilhele, e enlreg.r-se aos riscos
da aventura ; mas um pensamento de prudencia a
releve :
Burla por borla Von dar-lhe o bilhele porque
se en lh'o recusa.se ella poderte Irahir-me ; mas Jo-
sepha se encarregar* de deetruir-lhe o elTeilo.
Enlregou o bilhele a lobina, a qoal occullou-o
coidadosamenle no seio, e de boa vonlude le-lo-hia
mellidono corajio para conserva-lo intacto. Esse
bilhele era mais do que a vida, era a esperauja,' era
o amor de Andr qae acabava de ser-lhe restituido.
Ao menos ella assim o cria, coitadinha !
Mas, diase ella repentinamente, os serenos po-
dem prender-me, e conduzir-me cadeia. He preci-
so que Vmc. me d um salvo-conducto.
Eis o que val mai* do qoe nm salvo-conducto,
lornou a marqueza entregando a bolsa a Tobina.
Os serenos poderiam dizer qoe nao sabem lar ; mas
tabem sempre distinguir Um dobrao de urna piastra.
Obrigada exclamou Tobina lau jando-se logo
oaslrevas.
Qaando a mulata sabio, Antonia comejou a re-
criar ler-lhe mostrado demasiada conftanrn, e com-
mnicou soas dovida a Josepha, a qoal dehtou-se
pouco a pouco persuadir lambes), o como a ate nada
desejara tanto como obedecer os vontades eao* ca-
pricho da marqueza, promelteu-lhe emfiro ir no dia
Sjuinta iareja, e no caso de nlo achar ahi Andr,
rgar al casa delle para induri-lo a vir neasa
noile comov-fora comencionado ao lugar qae Ihe se-
ria designsnn-
Tobin
riilad
rara
perdil
(Coai,niai**-*o.;
caminho malt corlo para vollar
re carrendo. -'rate vete* pa-
se de quo o bilhele nlo eslava


i
-


teJX.----
.-
nhiri

a***?******


OIMIO DE KRIAIBUfO QUINTA FEIM 22 91 MVEIBRO DE 1855

f

r
acham na obra, provau) que as qoeixa rara gerae*
ero loda n Fr|iica uaquella apoca. He moilo pro-
vavel qun ai guerras no pernailliram ao imperador
exeeulai a obra de roteamenlo das eharnecas o a
creadlo de mallas as munlauliai. O melhoramen-
lo da Campia uelga e hollandesa parece todava
que deve ser poalo larohem na ordaro de sais va"t
coiiepro; ; perqu elle continaoa em projacto tai-
ta em 1662, para reunir o Rheno ao Etcant, a he
esta june-lo, que tarta sido a pedra angular da re-
nan*racai desta provincia. Os Irabalhos comeradns
oram in arrompidos em 1808. continuados depois
em 1818, lempo em que se lixou um projeclo detl
nitivo.
,( As ftireila* ao dcsapparecendo cada dia, diz
Mr. Beeqoerel, apressemo-nos em deler soa deslrui-
cao e crear outras navas, porque noisas minas de
carvao de pedra na sil mexgotaveis. Com o aug-
mento actual de Consumo de carvo de pedra, nilo
se Ihe da mais de riii/eutos annos de existencia;
ent.lo haver nccc9id.de de pedir-se vegelacao
actual o conibuslivet ioditpensavel s nossas ueces-
sidades..
Esperemos que uma paz profunda permita ro-
tear, cultivar oh cubrir de mallas as Ierras paludo-
sas e Incultas em planicies,em monlanhas. Os beue-
liclos, que d.xhi resultarlo, sero Um melhorameoto
nos climas tacaes.um augmento de riqueza publica e
recursos preciosos para as eventualidades do futuro;
domis temus para garante esta phrase de um dis-
curso cele jre, que levo um graude echo na Eu-
ropa : *
Temos immaaso territorios incultos para rotear,
estradas para abrir, portos para cavar, ros para tor-
nar navegiveis, canses para terminar e uossa rede
de eslrads re ferro para completar.
O autor tiiega s conaequencias seguintee : as flo-
restas obrara sobre o clima de um paiz como causa
de resfriamenlo, como abrigo contra os ventos e co-
mo sentado de eutroler as aguas crrenles e oppor-
se lo estrago das monlanhas.
Est prvido que o derribanienlo de mallas em
uma grande* e*Ja>ii*a melhora a temperatura media,
como procarar>im demonstrar as observares de Jcf-
lMscn,| taita na Virginia e na Pensilvania. Com
effeilo Mi. de Uumboldi. que recolheu ejdiscu-
tio as obtervaeea recentes sobre dilTereutes ponto
da America septentrional, chega a uma conclu-a
inleirameiite opposta. De oulro lado, as observacoes
de MF Buasjingaull, Hall, Rivero e Rolin, feilas
uos Iropidis, desde o nivel do mar at' as alturas,
onde se encontrara climas leaapaMdos, provam que
a abundancia das florestas afaV atamidadv, que del-
tas resulta', ludem a resfriar rxlima. e que a
seceura ou aridez prodoz um tffello contrario. Pa-
ra explicar esla contradicho, devrria admillir-se
que aa observaces feitas por Mr. de Humboldt so
esmeraran) depois dos grandes derribamenlos de
maltas; todava pode ser que ticaodu a temperatu-
ra media u mesara, a repartirn do calor' durante o
anuo fosse mudada e que oeste caso, o clima ae te-
lina modificado. Os documentos histrico* relativos
as culturan uos secutas passados nilo sao sullieienles
para resolver estas quesloes.
A prese ac devastas florestas as regifiet Iropi-
caes, situadas debaiao dos meridianos da parte occi-
dental da Europa modificaran) provavelmente a
rorrente ascendente do ar queme, que vem mode-
rar-senas latitudes medias. Se pois no correr do
seculos, ai arelas do Sahara se eobrissem de bosques
ellas uao esquenlariam mais alo so no lempo da
cliamina solar como na poca actual ; por conae-
guinle os 'lentos do sul, qoe melnoram boje nossos
climas, ftflo leudo mais uma temperatura to eleva-
da, a tornaran) mais desabrida. Para convencer-e
disto, baat.i eiaminar o que se pasta no continente
americano, onde as regoe Iropicaes tao oceupada;
por vastas florestas, de irameusa savanas ou -gran-
des ros ; as correntes ascendentes de ar qaenle nao
podem ablandar o clima do* paizes situados debaiio
da* latilud medias lauto quanlo forera as corre-
le* de ar queme vindas do Sahara respeilo dos pai-
ze* de notso hemispherio collocados debaixo das
meantes latitudes.
l intlueucia das floralas, como abrigo, esl boje
demonstra la ; todava esses abrigos nilo obram de
uo) nodo absoluto ; oselfeitos que prodozeindepeu-
deaa dt altura.da qual aopra o vento.
Se* altura nao he a da floresta, o vento
he delido a cada paseo pelas arvores, e perde
cada vez mais a sua rapidez ; resulta dahi qoe se
a floresta tirar uma espessur.i sufflcienle. a corrate
teir chegi.ado a >ua xlrcmidade, dcia inteiramen-
ledeser a)rcinvel. No caso em que o vento sopre
de ama altura superior das arvores, a florala t
tem neco oa crrante de ar inferior, a massa de a*
superior, que nao encolra cima da floresta uenhum
obstculo, continua sea curso com a mesma rapidez
abalaudo todava a carnada de ar inferior. Militas
vezes um niropje anteparo de arvores serve de abri-
go ; aasiro no valle do Rhodano, onde sopra o mis-
tral, ame simples Sebe de doas metros de altara
preserva ai culturas, em uma distancia de 22 me-
tro*.
tro* lloi-esta inlerposla oa passagem de ama cor-
rate de ar hmido, carregado|de miasma* pestilen-
cia*, preserva alguna vezes de seus eftailos todo o
paiz llorado do oulro lado, entretanto que a par-
le descoberta est exposta s doencas : A* arvores
por lauto purifican) o ar infeccionado, lirando-lhe
sen miasmas.
Nao se pode boje por era, duvida a influencia das
floralas, como causa conservadora das aguas vivas
de oro pata ; um grande numero de tactos nio det.
xam duvida a respeito, sendo corroborados petas
qaeixas numerosas, consignadas as estalisticas pu-
blicadas em 1801 por orden) de Napoleao.
A presenra da florestas no* paizes de nSBiitanlias
seuppoe a nudez desta ultimas, formarlo das
lorrenles.s ruioasoiusadas nos valles pelas enxur-
rada e finalmente a obslrucrao dos lugares inclina-
do pelos i'ragmentos dos rochedos, assim romo as
inmmdares doa paizes cortados por fonles e nos.
Cooeluamos finalmente com o autor, que se me-
lhora o clima de um paiz, roteando-se as eharnecas,
loroando-iie saos o* terrenos pantanosos, cobriudo-se
de maltas as monlanhas e os terrenos nao agrcolas,
que nao siio de rocha viva.
Dtsle nodo, nao so se faz sadio um paiz, enio
tambem ausmenla-se a riqueza publica e crea-se
recursos precisos para as eventualidades do futuro.
4 (Monifetir.)
tenuar. O que Ira bem exacto he que a fa/.enda pro-
vincial esta pingando, o para mal de oosios peccados
os colonos ltimamente viudos custaram rouito caro
e aqu querem passar como o melhor fidalgo ale-
inao, sobreludo quanlo a adega.
Nata cidade continuara alguinas medidas de pre-
cio ; mas anda le nota que muiu eousa est por
- -------------- Mar, principalmente quanlo ao que depende dos
particulares. A maioria das casas b,.
rece que
carradas de morios pamrern pela frente da tuaija-
S. PALLO,
S. Paulo, 2 de novembro.
Contina a ignilicar-llie, primeiro que ludo, que
i uwso calado sanitario ainda nao sollreu allcraro.
Mullo se filia era cholera, mais aioda nao chegou a
hora da Miedlo para a gente de S. Pasta, que Dos
vai amparando. Se a felicidade *e' manlem, quero
|ra ea o, foros de Ierra abencoada ; bem entendi-
do, no qoe respeila a saude publica : quanlo ao
mais, vanos remando.
.Todava, nao temos deiado de solTrer continuos
sobresalto), ja pelo caminhar imprelerivel da epide-
mia, j pelos boatos, as mais das vezes aterradores,
qae alguns se iucumbem de incolir, dando como
sujo o poilo de Santo*. ltimamente tome victimas
de oto rtate mais falso que tira licor anti cholenco,
que poz a pupulaeau em alarma. Kiz enlaoapproii-
mada id do que sera desla Ierra se a molestia vier.
tiorreu canto cerlo, e qoasi ollicial, que o cholera
havirrebenlado em Santos, sendo ja fallecidas pes-
taa do luir. Deu vulto ao boato a reunio da com-
miaso sanitaria que, a luda a presia, se reuna em
palacio. A final, depois de muitas apertura e afflic-
coes, reconheceu-eque a noticia linha sido mulu-
plieada p<.r dea; que nenhnma victima tallecer dos
liabitantes de. Santos, e qae apenas se tiohn dado o
seguate, can aqu copio do meo correspondente da-
quelta cidad*.
Bouve grande alarma ueala cidade, procedente
do boato que o cholera rabentoa m uossa casa. Voo
ja Ihe dizeudo que tal ido ha. Retamo a fonle de
semellianles noticias, que sem duvida Ihe chegarao
viciada.
falleicram dous mani)li*ajMa bordo da Calha-
rinentp, qoe se achava de quariamna. O comman-
daale do vapor alcan(ou ere prica, com o moti-
vo de oo vir preparado para manlor-ie durante o
dezdjas. Istia) causou aorpreza aos mais acautela^
^o vapor ao trapiche, vapor j cor#
ico, pois qoe a morte dos dpus mari-
j divulgado, nao obsiauleo* mteres-
i Mvercm procurado esconder, acontece que
lerceiaarnarujo caheatacado da moleilia.
late iconlecimenlo leve o effeilo que deve ima-
ginar ; a povoacao ficoa alucinada, julgou-se j ago-
nisanle, < enfureceu-se contra o provedur de saude,
que tai en em consent a livre pralrca do navio cho-
lenco. E'tn empreado teve de sofl'rer aa iras do po-
vo qae Iho dava a origem da desgraca qae se iam
solTrer oa localidade, e, segundo acabara de me di-
zer, tai moralmeaf maiUaUdo. Al agora uauhum
ca te diu em gente do paiz : mas cooliua o alvo-
s casas he inmunda ; pa-
J naJa c-'da f Por si, sera que veja a.
carradasde morios passarem pela frente de su.ja-
nellas Algn, na louca upiniau de que o cholera
nao subir a serra. dormera ua indolencia, enera ao
me.os observan, as posturas da cmara moncpal !
O qae mais escaadalisa he um facto que so se po-
dera dar etnS. Paulo. A ra D.reil, urna das pin-
cipaes da cidade, tai descalcada, para se applcar
novo systeraa de calcamento. Occorreram aqui oaia-
bwh (uao acbo oulro vocabulo)que demoram a obra.
re,ul'ado he que a ra be um deposito de lama
podre, remos, poi, dentro da cidade, e muilo tran-
qutllamenle, o mais perigosofco de infeccao, e nes-
1" quadra pluvial. Ora, dtaa-ae a verdade, nSo ha
ezplicatu para este facto. Senhores j que ludo ho-
je se explica peta fldalcuia e riqueza, eu vos con-
juro para que acabis esse esaandalo : a ra lem
dous bM3aa ; valha-nos ao menos iso.
A irmandade da Consolaco caininba debaixo
dos melbores auspicios.Acaba de ler o praxer de sa-
ber que o Sr. baraode Tiel recebera um ollicio do
Sr. ministro do imperiocommunicando que Sua Ma-
gestade se dignou aceitarlo titulo de protector da ir-
raandade.D-se os embtras ao Sr.hVaiicisco Taques,
que se lembreu do indicar que se liptarasse de S.
M. esta grara. Comsemelbante aconlecimento, leu-
do a irmandade adquirido a proleccao do monarcha
mais caridoso, ella se tornar poderosa, para alli-
viar a degracas de tanta gente.
Ella ah comeca. J lomou conla do hospital de
lazaros que se manlinha de um modo horrivel de
referir ; ilaqui a poaco j< se derramara outros be-
nelirins. Que louvor n.lo merecem por esle tacto os
Srs. Olloni e Monte Carmelo !
*A Iranquillidade publica segu sem matar alte-
rarao. No enlanto, deu-se agora um facto que ha
muilo lempunaose via na provincia. O Dr/Manoel
Benlo dnedes de Carvalho, joiz de direilo da Fran-
c?, lem procurado conter ama horda de garimpeiros
que recntenteme lera feilo falcalruas naquellas pa-
raaens. Alguem inlereHado em aue as cou cammhem com a devida raoralidade, mandn des-
tachar na porta de toa casa dous tiros de grande plan
quela, que varoo as portas exterior e intertar.Fe
lizmente uSr. M. Benlo uSo tai victima dos sicarios.
A Franca em outras eras mcllia raedo; era o foco
de desordene malfeilorias, nao pareca estar emso-
ciedade organisada. Depois que o Dr. Manoel Bento
para all tai, e muito mais depois que lomou a dig-
iiidade dejuiz de direto.alcanroo legitima influencia
e lem procurado moraliaar o povo mais duro, j e
pode habitar a Franca, sendo al um lugar tranquil-
lo. Mus este aconteuimento nao debona os Fran-
queaos, pois se sabe que das ultimas tnrbolencias as
pessoas do logar nao tem participado. Aos garim-
peiros que em certas pocas, como a prsenle, in-
vadem o 'ugar, he s devida qualqoer alteraran.
Permita que faca uma reclamarlo por meta de
seu Jornal, qussempre se presta a beneflciar-nos.
Estamos em urna verdadeira caresta de moedas de
pequeo valor. Anda ha bem poucosdias vi um
nosso desembargador correr a cidade em busca de
troco para nma cdula de 50 A falla estende-se
a Ihesouraria, onde o nosso solicito Joaquina Floria-
no se ve.em talas para pagamento dos ordenados:
estamos na poca em que os collectores entram com
seus quarleis, montando na quanlia de 100:0009, e
apenas 2008 ** reuniram em pequeas cdulas. Se
estas liubas aproveilarem, nos Ihe agradeceremos ;
o inconveniente nao he pequeo.
3 de novembro.
Ora bem ; correu a eleiclo provincial, acabou a
peste efeilural, e n phase mais hedionda da vida pu-
blica. A mitades, s vezes as mais intimas, relares
as mais consolidadas, quebram-se oestes lempos. E
agora casos bem deploraveis se repetirn) : nanea se
vio uma eleicao tao procellosa. E como nao ser as-
sim se lodo o mundo quer legislar ?As chapa formi-
garam.accrescendo aioda as feilas no interior da pro-
vincia.onile as vezes um Emir dicta a sua vontade :
coma presente eleicao o espirito de partido eufra-
queceu anda mais. Tenho visto cartas de muilo
pontos da provincia quei\ando-se da falta de unid-
de no credo chamado conservador, e dando como
cerlo qoe jamis semelhante credo se consolidara,
i.reo qae esse desgosto nasce das permutas e tran-
sacrOes que se operaran) : um ebefe de colleglo, por
exemplo, querendo fazer Iriuraphar algons Iuzias,
fazia um tratado de commercio com uma potencia
vizinha, acusta da aorta dos correligionarios; os pro-
prios reiteres da chapa empenhavam a cabera peta
victoria dos caranchos. Para o norte da provincia
("m 1 aubale e Jacarehy) collocaram os Iuzias com a
maioria de votos, o que" fez desconfiar a muita gen-
te. Faca idea da immoralidad* que presidio esla
eleico, no ponto de vista de correligionansmo. O
escndalo subi a ponto tal que saquaremas guerrea-
vam saquaremas : e, o que he mais, hostilis .u-se
armaos dedicados, porque relacionavam-M com os
fetores da segunda chapa. Altribue-M todos estes
procedimentos a ser esla a ultima eleicao peta velho
systema, sobo qual cada coilesio nao grita indepen-
dencia. Agora ja lodo clamam pelos circuios'Como
ao os homens e suas opmn.es 1 Felizmente o Sr.
Paran j vai conlieeendo a silaajao.
Para honra da provincia nao elevo omittir uma
considerara; os delirios eleitoraes s ae ouviram em
Ir uu quatrocollegios de pouca confianza. Quanlo
aos olros. vio-se que procederam com murahsaca.
At o Ur. Manoel Rento, anligo partidario devo-
lado e de boa f, tai podado : qoem nio transigi
uaufragou J nao precisan) delle 1 !...
No meio de ludo isto entraran) para o numero dos-
36 os Drs. Carrao, M. Francisco e Marcondes. SSo
3 vozes liberaes que se ouvirilo na assembla. Com a
entrada do Dr. Carrao qoero errar dizendo que ga-
ndamos muito. He discotidor, e nao se apartar de
nos para volar pelos inleresses da provincia. Nem
memu o segando: nada digo do terceiro, que he
novato.
0 senador Molla tai anda eleilo: seus amigos nao
quizerainconfiar na opiniSo iucompativel.Oxal que
s: jpf0- 'orne assenlo, e venha ajudar seus amigos na
difticil tarefa, em qae se encontr moila questlo de
Damiilo que precisa de seus serviros. )
En^io-ih a lista dos deputailjijslJW para 1856
e 187.0 que posso asseverar "neqoe cada oro suou
camina para galgar a cadeira, nestes lempos de trai-
cao.
Ha de notar nao Agorar nellao nome do Dr. Hip-
polvto, que goza eutro nos de indisputavel influen-
cia, por seds velhos ervicos e prestigio. S. Exc. de-
clarou na renniao confeccionadora da chapa, que
renunriava sua candidatura, qUe se declarava in-
compativel desde que as cmaras passaram atjn-
compatibilidades.
ri,',mosemestebommembro da commissSo de
Tazenda, qne bem falta nos fara, pelos seas conheci-
mentos na materia.
Els os dignissiinos, em qaem Dos ponha a vir-
tude ; ellesque decidam as qoestes d Tamandu
pela sua conscienei, nao pela somma de ulilidade :
1 Bario do Tiel ..........wj
2 Dr. Salvador Correa Ceelho......480
3 Dr. Joaquim Ociado Scbias : 179
* Teoente-coronel Amador Rodrigues Jordao. 66
5 Dr. Antonio Joaquim Ribas.....465
6 Dr. Delphlnn Pinheiro de Vchoa Cintra. '440
7 Commendador Antonio Joaquim da Rosa 430
8 Commendador Anlonio de Queiruz Telia 426
Conselheh-o Ctrlos Carnetro de Campos. 421
10 Dr. Pedro Taques de Almeida Alvim 417
11 Dr.Antonio Goncalces Barbota do Cunta. 416
12 Dr. Diogo da Mendooca Pinto.....415
13 Dr. Joo Senario.........414
14 Dr. Jos Alves dos Sanios......413
lo Qinego Dr. J. Manoel Gonralve de An-
drd*.......
16 Francisco de P. M.
manidade e ap paiz arrancando do asiorague esse*
desdiloso habitante de allem-mar... Amen.
Parece, que definitivamente licamiis. privados do
nosso amigo Dr. Ignacio Nery da Fonceca. S. S.
Eretendepaasarcombrevidadesua familia para esse
ecife, oude inleresses mais reaes, que nao os da
agricultor*, o charolo com Instancia. O Dr. Nery lo-
go que ahi cliegou, enconlrou o mesmo acolhjraenlo,
que gozava quando resida nesse Recita ; a sua cli-
nca antiga reappireeau, o aeus numerosos ami-
os inslaram puriua residencia nesso lugar; consul-
tando aos seus inleresses resolveu defluilivamenle
mudar-se : com um engenho enlresue a um zeloso
arrendatario, a ua propriedade Monte d'Ouro on-
de pretende edificar oulro ewjenho, o Dr. Nery, que
estudou para medico, e desle goza uma brilhante au-
reola, e v que lendo os aeus engenho arrendados
podera-lhe ser mail ulcis, do que se uelles morasse,
porque ou bem curara, ou hem plantara, c sem-
pre ausente dos seus serviros,cominuinemente entre-
gues a ineptos administradures, resolveu Ijxar a seu
domicilio u'essa capital, nao deixando com ludo d*
acudir aos reclamos dos seus amigos d'esla, e de ou-
tra freguezias para onde for chamado.
Com effeilo : uro medico, ou bem medico, ou bem.
agricultor ; se os interesse de seus Irabalhos agr-
colas o cliamiio para junto deltas cnnslanlemenle,
deixara de acudir aos chamados dos doeules ; se ti-
ca he tachado de egoismo.e com razao.porque o bem
geral he prererivel ao particular, e se vai padecen)
os seus inleresses, porque nem sempre se eucantram
adminislradore como um Saldanha, um Savdra
ele.
Ora quando um medico agricultor he sempre re-
compensado de longinquas jornadas, de fadigas, e
dos felzes resallados de seus cuidados, vale a pena
indo, que soflra algum prejoizo ero leus inleresses de
agricultura; ma quando elle, Iraz para sua casa
dontro da carteira as notas de brete respondola
mandarci, deixe moer as cannas deixe vir os
portadores do Recitae oulras qae taes moedas in-
giravei, he uma verdadeira ainecura, perde seu
lempo, mata seus cavados, estraga sua saude, e por
lim o feitor nao tem feilo seno chupar o pingue or-
denado, sem dar luoros ao seu amo.
Releva notar, que o Dr. Nery fot sempre gene-
rosamente recompensado por alguns amigos (seos, e
de quem he provavel, qee continuar ser sen medi-
co. Com esses nao falta eu ; mais cora aquellos que
julgam, que um medico por ser medico, pode curar
indistinclamente gratis, no entretanto, que por da-
veres de amizade, e gratidao u Dr. Nery da rauitos
dos seus amigos nanea quiz receber paga pelos seus
Irabalhos, como anda sde fazer.
A tranquillidade continua inalteravel. O subde-
legado t*m feilo reviver alguna processoj, e lirado
ouiros* tem sido incansavel no cumprrmento de seus
deveres.
Relirou-se para o Recita o matar instructor do 3.
balalhao da guarda nacional d esta fregueza, dei-
xando impressas era lodos os coracCes vivas recorda-
r,os de soa polidez e qualidades eminentes. A des-
pedida tai pattica : a frente do balalhao n'uma ap-
paratosa revista o major n'uma breve alocucao ma-
n festou seua agradecimentos ao leen le-coronel e
aos domis olliciaes pelo modo hospilaleiro, o bon-
dadoso com qoe tara sempre tratado' desde que aqui
esteve ; essas palavras sensibilisaram geralmenle a
lodos, qae conheciam de perlo aqnelle dislinclo
militar.
Consla-me, que o Sr. conselheiro presidente se
acha moilo satisfeito com o bom desenvolvmento
desse balalhao. e lem requintado ao governo geral o
seu armamento.
S. Exc. tem razao para regosijar-se, porque o 3.
balalhao he nimiamente caprichoso, e esta n'uro p
digno de ver-se. l.onvore* ao Sr. lenente-corooel
l.amillo.e ao* Srs. olliciaes, que tambem comprehen-
derara as posires, que Ihes dera o governo.
Nao tenho expreesoea com que agradece, ao* meus
collegas, seus correspondentes de -Macei, e do Pa-
co deGtmaragibe a roaneira como me Iralao. Pri-
meiroa aquello collega!Ficai persuadido quaatam-
po, que ahi demorei-me em voisa bella capital nao
tai perdido; pelo menos conheci que nao lie a peqae-
nbez de ama localidade qoe concorre para o atraso
moral de seas habitante. Macei he pequea, ma
immensa em aeus Irataveis povoadores, pessuas ge-
ralmenle de quem dei o muior apprero possivel. Dai
j. por mim o parabens ao voseos novos leilos depu-
1.1 molle o corara, e ma alma lo eborrachadf ',,.m'US T,*"'' porque a maioria delles enlrou
re Anlonio Fereira da Silva, Bernab Franciico
Val de Carvalhaes, Jos Antonio Vieira Barbosa e
Jeremas l.uiz 1 Silva pretenden) formar um oulro
asjlo pera a pobreza.
Todo isto nao pode deixar de ler uma grande in-
fluencia moral sobre a oossa popularilo, que aguar-
da tranquilla o futuro.
Actos taes merecem ser transcriptos, e a humani-
dado agradecida lanzar suas benr.iossobrc esses ci-
dldaos benemritos.
Seria para desojar que lodos elles se reunissera
para um su ponto, e que, dividindo assim entre s o
Irabalhos e sacrificios a que podem ficar exposlo,
pudessem raai fcilmente preencher ease fim nobre
que propoe-se observar: minorar as dores e enxu-
aar o pronto dos Infeliz.
Reuniram-se honlem varios dos Srs. negociantes
dsta praca para combinaren).
1. O expediente a lomar, ltenlas as medidas do
Exm. governo provincial, que, dadas com lim de
procurar evitar a invasao nesla da molestia reinante
no Rio de Janeiro, veem fechar em extremo as reta-
cos martimas deste porto.
2. A melhor maneira de deavaueaer esse terror,
que (em-se apoderado do interior da provincia,
vista das noticias desauimadoras propalados ja por
mal intencionados, e ja porsummamenle medrosos,
quanlo ao estado sanitario deala cidade; terror que
tem feilo paralysar os transportes, e eslar o nosso
mercado despruvido de todos os gneros, com grave
prejuizo na s da lavoura como do commercio.
O resultado da reuna foi lerem sida nomeados
o Srs, Jos Vergoero, Jos Antonio Viaira Barbo-
sa, e Anlonio Ferreira da Silva JuffrWpfra dirigi-
rem era nome do commercio desla prara urna repre-
sentarSo ao Exm. governo da provincial, ponderan-
do-lhe Indos os males, e chamando em atlenrao es-
sa cooperario, para que citas sejam removidos.
Applaudimos muilo esla deliberarlo, e aera que
queiramos avatirar observaban alsuma, permita-se-
nos dizer que admira que ella nao fosse ja tomada
anta. Isto purera no nosso humilde entender nas-
ce de o corpo do commercio nesla praca nao tfcr um
centro para qualquer deliberar,! prompla, o que
parece-nos seria remediado se houvesse ja, nao di-
zeraos uma praca, mas ao menos uma sala do com-
mercio, onde os Srs. negociantes se reunissem.
Por ordem especial do Exm. Sr. vice-Dresidenle
da provmcia tai removido o lugar da quaren-
lena para a tazenda do Pereque, que o seu proprie-
taro, o Sr. Valencio Augusto Teixeira Leomil, co-
mo ja referimos, generosamente para ease fim ofle-
receu ao governo. Ja parti para alli um destaca-
mento de 12 praras, commaudado por um ofllcial
inferior, para guarda da quareolena eseguranra das
cargas ah depositadas.
O lugar he excellenle c offerece as uecessirias
vantagens de um estabelecimento dequarrnlena pa-
ra os passageiros de navios que vierem dos porlos
infeclados; a delerminarao, porm, para alli 8es-
carregarem os ditos navios as suas cargas, afim de
serem desinfectadas, causou muita sensacao na pra-
ca, i vista das immensas difllcnldades e eslorvos que
" resultaran ao commercio.
t> sua preseoca, para
as prov idencMHadas
ra cuneuceaajps-
ele urnas, e abadula
dahi
Se o Exm. Sr. vice-presidenle da provincia se
dignnsse honrar esta cidade com sua preseoca, para
ver com os seus proprios olhos as
contra a invasao do cholera, para
soalmento das inconveniencias de
necessidade de oulras medidas, por certo mullo se-
ria remediado. A presenta da primeira auloridade
da provincia muilo contribuira para desvanecer o
terror, e inspirara a necessaria conflanca ao povo
de Sanios, que ancioso espera ver realisar'-ae esle
seu mu jaslo desejo! Oxal qoe seja alteudido.'
Herala Commercial.)
{Jornal do Commercio do Rio.)
PERWMBl'CO.
COMARCA DO CABO.
Ipojucn 12 de novembro.
Meu charo, desde que d'alu part he a occasiaq
mais asada,que tenho para dar-lhe noticias roinhs
esta em que para ahi segu o nosso compadra Zex
que deo agora para querer a forliori ser hornera
praciano, vindo, indo, pra aqui, para acota, tal-
lando, gritando, e o diabo que o carregoe, pobra
homem eu le deserv.... porm nio tivesae eHtX
do. Cheg
sidarado t.
nheiroa st tu
400
396
11 Desembargador Fernando Pacheco JordHo. 392
Dr. Marlii.h* da Silva Prado.....:*Jk
IS Dr. Joaquim Floriano de Codoy. 36S
20 Manoel Alfonso Pereira Chaves.....
*, ?.r" S*i l>eiro ie ^:"do Segurado. .
Dr. Manoel Marcondes de aloura. .
23 Dr. Marlioi Francisco R.beiro de Andrada
* Lammendador Marc*liajjjoc de Carvalho.
s-i Dr. Antonio de Queiroa^HIvs.
26 Dr. Francisco AutoiiiogJHLlmeida Mello.
27 Francisco de P. T. ~
28 Dr. Joaquim Piolo Porto." ".!".
20 Senador Jos Mauoel da Fonseca. ."
30 Dr. Francisco Emygdio da Fonseca. .
31 Bario de OuaraUugueta. .
32 Padre ioia Vicente Valladao. ". '. '. '.
33 Coronel Dr. Ignacio Jos de .Iranio. .
34 Senador Jos Ignacio Silvera da Mott*. .
3"> M. E. de Toledo. .
36 Dr. Joao da Silva Carrao! '.'.'.'.'.,
Da segunda chapa foram eleitos'somenle os que se
ve em gripho ; que sao 6.
Dar-lhe-hei
393
3.1
342
338
336
333
332
332
321
327
324
321
31!)
31
314
312
310
rojo, porque o choierico tai recolhido ao -hospital.
dentro da cidade. Se quer que Ihe falle claro di-1 r'"'" ",*
,0-lhe que aseos,, prvenlas oo c.mfnta,& ac
aqu. : na,. .. execolaro asorden, da preaidencia, j^oianobe o nico o
as quarentenas convertem-se em uma completa bor-T
la para mis, e marlyrio para os passageiros.
Jv. pois, que vaarios mais tranquillos ao saber
que pela foz de Santos anda nao nos veta mal.To-
davi, eu fio me na Virgem e nao daixarei de cor-
rer ; as ordens do Sr. Aimeida nao sendo ejecuta-
das tridamente, como peile a crcnmslancia crti-
ca, pode acontecer qua o inimigo, protegido pela be-
nevolencia de algum erapregado de saude, sorralei-
raiucnls venha entrando pelos nosso dominios. E
isl sera auto mais laslimavel, quando se sabe que
muilo dioheiro se lem einpregado as preveures ;
e *ealguu> desmandos tem havido, proceder dos
ageoles secundarios, que nao saben) pesar quanto
rusta ura crdito. O que mais revollara lie, se for
verdade, oque consta era respeito s quarentenas,
materia dm que, me parece, estao abolidos os pri-
vilegios. O que he muito exacto lie qae os passa-
geiros pnssam aqui horrorisados pelo locai em que
licam tillados, u mais insalubre, pela enorme des-
peza qoa ffzesa para alravessar os 10 das.
B na imponaeao he qae esta a cousa, ao menos quan-
lo ao Para fallou-se nos colonos ; quanlo ao Rio,
iiaqnelle prelo. Cr-se qoe o governo est bem per-
saadido disto ; pois se talla j em cordao sanitario ao
Coballo, eiso era Santos se declare o cholera.
ja 'itlaa comas estao nos taza***) m mal ex-
jrio ; oa gneros alimealnM aab'em fabulo-
uca tropas querem dtWMj a gente do
f pouca deseon^HflBdo isto unido
que o cofre Ketataevila-
far neala pocj,-fleenham-nos j
i te a misericordia da Dos pode I-
que seria um pobre dt'acho ; lirem-lhe aquello fil-
tro que val a pena conversar-so com o nosso com-
padre quando nao esta penteado. Sim, mea charo
vai elle, e carregado decarlinhas de namoroelei-
loral ; pobre do nosso compadre Zez, qae depois
de calvo, engiado, corcovado, quebrado, maltrata-
do, eicalavrado, atormentado, sapecado, alrapalha-
do, agontadu, qner metler-se em funduras de ca-
balasvalha-o Dos! Moslre-llie o cemilerio, ja
ouvio '.'
Todo por c camioha avante. A calma abrasa
a secca lorra ; e a fome mata, na aei at quando
os nonos grandes* poccads terao pelo co pu-
nidos !
A misericordia da Dos permuto, que males mais
gravea nao nos afllijam.
Em diversos en ten los lera havido procissdes de
penitencias ; os sanlosandam mudados, a devoedes
amiudam-se e realmente, a excapro de ama, ou
oulra cova o de Caco, onde nem se qner abem,que
existe um Dos, ludo niais caminh* cora o ollios
uo alto, esperando conlrielo que Dos perde.
Asoracsque Vmc. maudou para en distribuir
pelo povo lizeram ci/pora, mas que fossem ; que-
rendo mande oulro tanto oa mais, pois ido tambera
entra uo numero de obras piat, e os meus patricios
vao. logo transforman do-as em brevet, e peuduran-
do-as ao pescoco. O que regula nesla minha gen-
te he o medo, e a f, o qae nao tazem ja pouco,
porque os capilaes e ii.dalgos.... ora estes cafuam
de nma oraran devota, e Iralam roesmo (-ajculi
mes riderunt I ) de desrosginarem ou deapersoadi-
rem os pobres de suas crenras. Que alimpem a
mao a parde.
Hoje enconirci-me em caminho com,... sim sc-
nhor, com o Sr. Honorio. (Misericordia que diise
eu Vmc. sabe muilo bem, qae nSo tou capaz...)
da villa, que ia garbosa e galvnicamente bifurca-
do em um legante gnele de rgo entre a barga-
das, de pescco que era uma regua !... O Sr.JIo-
Sorio ia benza-o Dos, que era mesmo um Mavor-
i 1 E de bigodes de mais a mal Quer ver Vmc
qne o Sr. Honorio fez como o moros da moda, qoe
usam de bigodes e os militares 1 Poi laiba que
dea o beiro de cima ao estado, reservando para
ri ou pira mais algaem o de baixo.
O regulamenlo militar e o figariuhr n3o se
lavam desla pecha, nunca mais 1 pois nao he uma
verdadeira usurpado ao direilo de propriedade,
(omar.-se um traste de lano mimo para o Estado.'
Pois o Sr. Honorio eslava assim, e se elle soubcise,
que raivinhas lem causado com o seu bigode a....
a.... certas pecurruchiuhas um elle l se al com
qaem Ihe quer bem.
Meu charo, nao me beide esqoecer agora. Como
be que o seu correspondente do Rio Formoso, que
muilo o respeito, consento, que o D.... Ibe esleja
contando frioleiras, como a que Ibe eucatqaelou
1") do tnez passadode aataajaUaes bicudinlio em
numero de 80 se haviamj Hilo pelo Cabo, e
Ipojuca ? Estas cousas qjB Hir.em trata-te lo-
go de exhibir assim umM Hde prova, que ao
menos se potsa dizerqS Be '.'Eu pelo me-
nos eslou hospede em luda**JJBre muilo desejria
que o collega pediste ao seu D....alguma provasinha,
que me fizcase inclinar a crer, que o seu D.... be
um adevinho doa peccados; quando nao o collega
nao levar a mal qae Ihe diga, que na credo .' que
uo credo que Ma credo Peco por tanto ao no-
bre collega que por todo os saolos que por aua es-
aeuc* vital eiclarec.1 ao pobre W de Ipojuca em
que engenho presume o seu ... eslarem esses bt-
cudinhos de Gui para tambem fulminar contra (r\
nta|iie Iralicanle. Espero qoe nao sa enfade, como
cavalleiro que he.
Tem dado agua pela barba a muila genle essa
VS'ura dos negriuhos de Sanio Aleixo ; a muila
ate lem posto de cara a banda, como se Santo
eixo fosse l algum padroeiro de irmandade de
prelinhos : foi um anachrouismo completo, foi um
erro ou^de lugar ou de nome ; o desembarque que
deveria ler lugar ou em alguma iiha de S. Benedic-
ta, oa em alguma oliscada de S. ElesbOo. O qae
Ihe posso aflirmar he que o Dr. chefe de polica
nao he para grara-, e era .'ra de etcuadas Como
pois subverleram.se peta Ierra oilenta Africanos '.'
Ah!... queguella dilatada Daqui a me/es esiAu
unscnooliiihosda gemma, espertinbo* as enxa-
das que fara goslo ve-Ios. O certaJu que dessas
briucadeiras podem resultar aiudBcousequencias
desagradaveit.
Eu era de opnao, que nao deveria nanea darse
cabo no machado. Quem tica a fiual compromelli-
do neasas alhiadas sao os'negriuhos porque.emquau-
lo a polica nao Ibes poe osgadanhos elles vao pa-
gando as favas que o demo comeu E uma infamia
he uma deshonra para o homem de bros qucri
na lista, que d'ahi euvici em minha missiva ao mea
amigo redactor desle jornal ; diiei-lbe, qne afinal
In esperanzas de quebrarse o circulo de erro dos
luppleittes. Agora vao para as gatimonias da porta
rajfr-.sup/i/eH'M.essas pobres victimo dos tappleu-
, que bao de tirar seu ventre de miseria com pir-
raras e rebenditat em discolo do que soflreram
seus antigos colleEas, depulados honorarios, repre-
sentantes viifurquilhados, ou supplentes namorados.
Congratulo-me cora vosco, collega, pela feliz che-
gada do vosso digno presidente e a todos anhelo mil
prosperidadesadeot.
Ao collega 4o Paso :Amigo Uve o descosto de
nao vos ver quaado por esse apraaivel lugarejo pas-
se em meu regraaao a Ipojuca, ma vi a vssa mora-
ilia, o que nao deixou de alegrar-me, porque pelos
santos beija-se os altares. Agradeco-voseordealinen-
te as phrase* lisongeiraa de qae vos dignaste servir,
quando faltaste em meu nome em vossa missiva de
18 do mex pastad. Fizesle-me juslira quanlo as
minbas inlences ; ma nao tenho e eu aei ) as
qualidades que me quizesle obsequiar; com lado
uquei multo penhfrado por tanta bondad vossa. Re-
commendni-me ao Quineai e mandai sempre as vo.
sas ordens ao vosso mais humilde collega... Mea
amigoadoos: dispouba de eu velho afleicoado.
W.
(Carla particular.)
uidco proceloso ; ja' lem havido
qualro reprovacocs, g estamos uo comcro. IMnar
do 2 anuo sempre foi de calmara: ignoro a causa
de apparecerem agora lufes hurrivei. Ser que o
esludo dos santos padres nao deleita?
Nos mais annos ha paz. S contla um simpliciler
no 4.
Aionguei-ine peta consideraVSo de que lio cedo
o3o lerci eorreta para essa.
{.Carta particular.)
Santos, 5 de novembro de 1855.
Com o maior prazer declaramos qoe o estado sa-
nitario desta cidide continua muito satisfactorio c
livre de qualquer caso da molestia reinante.
S. Exc. o Sr. vice-presidentc da provincia diri-
gio uma circular a varias pessoas respeitaveis desta
cidade, reclamando peta seu concurso a bem da
conservado da saode publica e de seos auxilios a
bem dos pobres, se infelizmente a epidemiaJpvadir
a musa popularlo.
Regozjarao-nos de assegurar qno S. EsJJK encon-
trara todo o apota, pois que a melhor possivel ds-
posscao se lem apresentado em lodos os circuios para
conenrrerem a um fim tao meritorio. Para
accrescrnlaremot:
prova
O Sr. Joso Vergueiro, como chefe da casa dos Srs.
Verguero C., formou era urna de suas proprieda-
des una eufermana particular, e dea ordem ao me-
dico de ma casa para recolher para ella qualquer
pobre qoe pnssa ser affeclado da molestia reinante.
Sabemos igualmente qae o mesmo senhor oflereceu
ad)rntar a quantia que necessaria leja para melhor
limpezji da cidade.
Informo-nu tambem que os Srs. coromendado
ncar a cusa do san^uedo seu prximo, querer ex-
por-ie porum inlereue srdido a vindicta da hu-
raanidade ultrajada e olleudida, e a ac{Jo da jusli-
5.a*. Tr,licai coni firmas, Iralicai com o albeio, tra-
llca com moeda falsa, iralicai com a vossa honra,
iraficai com a juslira, traficai com apoltica; mat
nao trafiquis como sangue de entes, que por leit
divinas e humanas nasceram livres. Crueldad*
cousummada barbardade inaudita Queris ler
uma fortuna ? Queris, mao arado vossa sorle ad-
versa, ser opulentos ? TraAajjjki. lavrai a Ierra,
canai-vos ; mus nilo queisjHBbpar u suor de vos-
so roslos coin a peded* inM| | lilbos da frica I
A nalureza vos condemnar cotilo fras, como al-
go/.es de seus fllhns.
E dizem que sao civilisados, nascidos no secuta
das luzes I Que barbaria, he cegueira. A polica
leie ser incansavel, a profundamente activa ueste
negocio, e loda prudencia be pouca em negocio,
onde e achara empenbadas honras particulares, o
nome do governo, e os brios naciooaes.
Acham-sc comprometlidot oeste negocio ao me-
nos pelos actos da policia, pejaoas de reconhecda
probidade, 6 o publico est afRnto para o desfecho
necesariamente vergonhoso de tio nefanda trapa-
lliaila. Culpen) se us criminlos, mat noestejam
immisos mesquinho, aproveilando-te do anonymo
para raarularem eus desaftaiepado. Repilo": a
polica nao deve dar-se por salitfela dat invesliga-
50es, que lizera ; se possivel for os esbirros empor-
calharem tapetes com enlameadot tapalOes.... em-
porca-lhe-se muilo embora, ma reslitua-se o cr-
dito ou do pobre, ou do rico, e flque desempenhada
a re palacio brasileira, com especialidade a desta
provincia, onde se deu facto 13o vergonhoso, da
tanto escndalo, e estupidez. Se eu toubesse onde
permanecan) esse* Africanos, nio seria en n denun-
ciante, mas a polica fari um grande ervico ahn>
COMARCA DORIO FORMOSO.
1 de novembro.
Charo amigo, pn'mtim omnium saude, felicidades
e dinheiro, o maior resolvente das diiliculdadcs da
vida, lie o qae mais Iba detejo.
Nao aei por onde comece, e petar anda por onde
acabe : pens iva poder hoje cumprir o prometlido na
minha passada, ttto be, hltloriar-lhe com todos os
ff e rr o aconlecimento da desovarlo mal-lograda do
palhabole negreiro mas, mea amigo, pasniavit ga-
la lelusque fleacit olhando ; os roarrecos compro-
metlidot cmbrulharam de tal torta o negocio, arran-
jaram um tal laberynlho, onde a policia anda de
oculos de baela Verde, que nem o diabo he capaz de
saber, como ua realidade se deu, ou preparou-se o
contrabando ; a muito menos quaes os. especulado-
res. Se Ihe fosse n referir os uomes dos apontados,
como tendo parta na creativa, sera um De'os nos acu-
da ; tinha de envlar-lhe uma lista maior do que a
dos candidatos depulacio provincial; al j onvi
dizer, que tiesta negocio, os principaes agente tarara
os Inglezes I A proposito, sera exacto qoe a ajevar-
no inglezpretende lomar ama salisfaro soleme ao
Brasil por esta crirne de leza-magestade.commeltido
em Serinhaem ; e que para isto j mandn retirar
loda a esquadra do Bltico e do mar Negro, bem co-
mo parle do exercito acampado em Sebastopol ?
He o que dizem Mendes e Gamhern* ; aecrescen-
landn mais, que pretenden) tirar uma desforra em
nos do que soffreram dos Russot.
Haja o que liouver, o certo lie. que a lilapo ra rilo
de Africanos deu-se ; que san autorenMrem im-
punes, Deoe touvado, etforce-te como quizer a po-
licia, por ora bem impotentezinha para dar o coque
da juslira nesse felzes; que muita genle ha de fi-
car compromellida, ao menos moralmenle ; e final-
mente que o Brasil lera anda mais de solTrer a bri-
lanniea arrogancias; se he cerlo que (segundo me
dizem) o Sr. consol dena nao bellirosa nacBo quiz
dar a moslra do panno presidencia da provincia,
que Ihe deu a mais digna e cathegorica res-
posta.
O notso chele de policia, o Dr. Paiva, aqui che
(mu encarregadu de (indicar do tacto em vrtude de
Sien da presidencia ; mas, quanto a mim, nada
IP, apexar de la reconhecda pericia, tlenlo e
prudencia : a toa artillara he de pequeo alcance ;
nao chega ao inimigo ; lano mais quando .veta si-
tiar a praca, cellocando-seem laa grande diitanca
delta : o negocio tai l em Serinhaem, e elle a yn -
dica de c.
Meu amigo, he moilo certo o ditado urna an-
dorinha ni So- fas terao. Em quanlo a policia
na contar com oulraa elemento, nao encontrar au-
xilio na pessoas gradas da sociedade, e na indif-
ferculismo, perde teu lempo, e lera o desgosto de
ver quebrar as mullas de soa rede, quando por in-
felicidad nella se embararar algum tubarao-
zinlio.
Vejamos como se sahir elle desse intrincado laby-
rilho, apezar de meus miiot agouro. Quem Ihe dar
o fio 1
E au ha malea que vera para bem'.' O negocio
dos Africano nao veio fazer etquecer o cholera, que
ja nao ha quem so lembre delta, nem mesmo o
masiante noticias, como com algu-
clumariio os seus leitures: comece-
Uedlissima aenhora
Policia.
' O nono delegado acha-se novamenteem exercicio,
por ae ter Andado a licenca oblida para ir a essa cida-
de : contina a bem detempenhar sua commis-
sSo.
O chefe de policia, o Dr. Paiva Teixeira, aqui se
acha, ha pouco das, tratando de averiguar o tacto
de contrabando dos Africano.
Quanlu ao mais petsoal da polica vamos penima-
menla : o subdelegado, que muilot bon serviros
pudn prestar, ja' peta sua inlelligencia, honradez,
probidade, importancia social, e ja' pela sua aclivi-
dade, esta* physicameute impossibililado de j pres-
tar, porque uma chronica enfermidade o Irar conli-
uuaineiilu em ura elito de dores; licam-uos.porlanlo,
os supplentes, que s agora edm a noticia da vinda
do chefe de polica, mostraram a fome devoradora
pelo exercicio do cargo : quertam todo a um lempo
exercer as funerdes de subdelegado !
Mas he que Ihes achava razao: desejtvam mos-
trar ao seu chefe o quanlo sao amantes do pata :
quenamleroccasiaode em sua presenra desenvol-
veren) a boca da intelligeucia policial e ajuda-lo a
agarrar os contrabandistas e contiabandiados.
Bem boa occasiao para o Sr. chefe de policia com
seus proprios ulho examinar o altado da policia da-
qui dar-nos o pedido remedio.
Dos permita que melhoremos completamente
quanlo a esle respeito.
J mirra.
Marcha regularmente, achando-se em exercicio o
juiz proprtelario que aqui chegou no dia 12 do pas-
sado.
On
eierc
ci, pericia e prohibida, ara "trato flao, e "de'verda-
delro cavalbiro : tem ido bstanle ilsilado palas
pestots mais grada deit cidade, qoe ie mostrara
penhorado par com elle ;'tat he o teu modo de Ira-
lar.
O Dr. Campo, anda ae conserva entre nos, e bre-
ve nos cleuara saodosot: consta-me, que numeroso
acompanhamenlo se prepara para o *goir at Seri-
nhaem em suaiua temida retirada. Drixa osle ma-
gistrado honrado sincerase afl'ecluosos amigos, que o
apreciavam ; e em geral lodos moslram-se saudno,
quaudn se falla em sna pailida.
A heneaos do co o acompaen).
Cmara municipal.
Tem silo no I osa e enaigica na continuarlo do
melhoramento do municipio Uta patnolicamente
encetadoi.
Segur anca individual e de propriedade.
A nao ser algum furto de cavados, de que algu-
ma pastoasse qaeixam, nada mais ha a registrar.
Satubrdade publica.
A calarrhal molestia reinante nesta cidade, vai
em diminuir. ,
A atmotphera tem lido alguma alteracio com al-
lomas chuvas, que tem cabido, o qne ha reanimadb
o agricultores desanimados com.o excessivo verao
desle anno.
Deo quetra-te lembrar de nos, dandonos bem
creador o anno vindouro.
O gneros alimenticio conservan) os prero da
pauada.
Serinhaem.
Alli hoja toda a ordem do dia he o negocio dos
Africanos: a policia por ora nada tem conseguido
retpoito da tal negoeio. Se ea tone coaa polietal
agarravaoamigo D.........o elle me havade por em
pratos tirapos a negociada, qae em pagamento Ihe
deixasse ficar os doa bicudinho filiado.
Quanlo ao mai nada lenahavido de novo.
Consla-me que cerlo iuirWgos du corouel'Menezei
mandaram, ou prelendem mandar um communi-
radoem forma de carta de aindicanciaao Liberal
Pernambucano, na qual apresentam o coronel como
connivente no contrabando, e no desapparecimento
de algum dos Africanos importado! : te tal ditserera
pode ficar certo, de que nao pana isto de uma no-
jenta calumnia, forjada para cevar mesquinhas vln-
gaas. A vina do coronel Gaspar de Menezes he
um lestetnuuho autenlico, de que ludo itto n3o pas-
ta de dma revoltanle calumnia.
E-le era o pago aue deveria elle esperar do tela-
vantissirno sarvico, qae a^ahava de prestar ao paiz.
O que tenho dilo do coronel Menezes, *pplco da
mesma sqrlo ao leueiite-coronel tiaspar Dcha Caval-
canli, quem larabrm se al iran os laes sindicantes;
nao podem ter mar injusto. Felizmente o panado
e o presente desles dous prstame cidadads^emfim
loda tua vida, os garanlm dos boles da calumnia :
a parta ensata da popularlo Ihe fara a merecida
uttica. *
"Nada mait ha que raereca as honras de er men-
cionado.
Aceilclaajjbranras do Cunh, o diga ao Tavora,
sollicilailojpsjja homeopalhia, e futuro coronel da
guarda nao ou nada que nao me esquero de sua
candidatura, pois muilo desejo ve-lo. brilhar na pro-
vincial, e mostrar a sua enrgica e vaporosa.farra
inlellectual. ^*
Basta da mastada cora os vivos, pois o aino da ma-
triz me esla dizqafjta, que ao menos por momento
ma oceupe dos morios, e que me v lembrar'sobre a
campa do finadodo que fui antes de ser u queseo
ma no qne justamente ninguem pema.
Adeos.
O liio-Formoienie.
(dem.)
niaim
KEPAIITIQAO SA POLICA
Parle do dia 20 de novembro.
Illra. e Etm. Sr.Na ausencia do Dr. chefe de
policia desla provincia, tenho a honra de levar ao
conhecimento de V. Exc. qae da diferentes
cipares hoje recebidas nesia reparticSo,
se deram as aeguintes occorrencias:
Foram presos: peta subdelegada da frej
Recita, o porlaguez Jos Francisco Galvo,
da Alexandrna Mara da Couceirao, ambo***!
brga.
Pela subdelegcia da freguezia de S Jos, o
pardo Boavenlura Xavier da Costa Monteiro, e
prelo Joaquim Fernandes da Silva, tambem por
briga.
E peta subdelegada da freguezia dos Afogado, o
guarda nacional do G balalhao, Joo Paulo do
Santo, a requticao re seu respectivo commandanta,
e o pardo Benedicto Joto Roan de Souza, por feri-
raento.
Deo guarde a V. Exc. Secretaria da polica de-
Pcrnambuco2l) itaovenabrnde185.).Illra. eExm.
Sr. consellieiro Jos Bento da Cunha a Figutiredo,
presidenteda provincia.Q delegado de policia do
primeiro dislriclo dette termo, Francisco Bernardo
de Carvalho.
21 -
Wlllm. e Exm. Sr.I,evo ao conhecimento de V.
Exc. que das diflerenle- participarles hoje recebi-
das uesta repartidlo consta fue te deram as seguin-
(es ocaurrencias :
Foram presos: pela delegacia do primeiro dislric-
lo dete termo, o porlugue* Jos Parlado do Reg,
para averigamele sobre om roubo.
Pela subdelegada da fregoezia do Recita, o pre-
lo escravo Joaquim, por infracrao de posturas nm-
nicipaes.
E pela subdelegada'da freguezia de S. Jos, o
pardo escravo Jos Bezerra*, por fgido.
Deo guarde a V. Exc. Secretaria da policia d
Pernambuco 21 de novembro de 1855. I lim. e
Exm. Sr. conselheiro Jos Benlo da Cunha a Flgoei-
redo, presidente da provincia.O chefe eje policia,
Lu: Cartot dr Paiva Teixeira.
partlrao, ro servir no lugar de ecriv3o da batanea
da mesa das diversas rendas. Tendo prienchido
sempre estes cargos satistaelortamenle, o Sr. Duarte
foi nomeado inspector do estucar e algodao, d'onde
passoo tervir uo tribunal do commercio desla pro-
vincia como official de secretaria, emprego este que
nunea axercta, por etlar servindn Interinamente da
ofllcial maior do mencionado tribunal; pelo que a
Sr. Duarte teve da prestar nao pequeos serviros,
visi que talando com nao pequea difliculdadei, a
Sr. Duarte lev* de organtar com zeta eicvssivo a s-
crelaria daqnella reparlic.io, a qual deixou ame-
Ihor forma e ordem possivel. Com a nova organita-
3o do tribunal do commercio de segunda instancia,
oSr. Duarte leve, como ofllcial-matar de exercer
as unccSe de tecrelario, e da urgauisar com o mea-
mu zeta o rchvo desta oulra secretaria, merecendo
por teu zeta capricho a estima geral do pretulen-
le, vogaes e memoro do dito tribunal, a lmenos
de leot collega e tubordinadoi. Se o cdigo com-
mercial nao inhibase por nao ser bacharel, nin-
guem mais habilitado qae o Sr. Duarte para a aflec-
lvidade do cargo de ofllcial maior. E, poi, contan-
do o Sr. Duarte33 annoi de ervico na tazenda pu-
blica, prestando-se sertpre ardenteraenle em diver-
jas cnses a' cansa da oWem com zeta, e lendo como
militar 23 auno de relevante trrico, o Sr. minis-
tro fez honrosa jnxlic* nomeando-o para o importan-
te emprego que hoje paisa a exercer; alm de que
o Sr. Duarte he bem conhecdo netta provincia co
edeiido referido maro com cal branca, devendo
er fe Un da outra qualquer cor que ao teja rabra a
rosea: os infractores sollrerao no prirmnro caso a
malla de 49000 e a demolirflo da parte do.miro qoa
exceder a' altura} determinada ; e no legaaaa, se-
ment a mulla de 49, e o duplo na reincid
Pac da cmara municipal do Recita 1 2m.
bro de 1855. E Bario de Capib.rbe, preside.!, _
Gustavo Jos do Rgo. Siaplie Jos de Meto
Rodolpbo Jlo Barata de Almanta. Dr. Coa.
das Perora.Autonio Jos de Oliveira.
Approvo provisoriaroatJla. Palacio d* governo de
1 ernambuco 18 di novembro de 1855.Figueiriio.
ConformeAntonia Leite de Pinfio.
Coofarme.-rOiecrelario.Mnnoal Ferreira Aeeioli.
Manoel Ignacio d* Oliveira Lobo, fiscal da fregoezia
de s. j.r. Pedra Goncalve do Recita, etc.
d.^M0!13r.,B0 publico' ('ae a cmararnoniaipal
desla cidade Ihe expedir a portara baiw Irku-
cr,P"; *lh. dar Idtalro cumprim.oloV
irrevl tnv'~Re,C"eCende t"D*" municipal
irreverencia pr.i.eada pelo, almocreve. conductor*,
de assucar, que cora seu. cavados agglomeram*
grande numero no acanh.do pateo d.%jaTatrta
dessa freguezia, em occasiao, muita vezes, era qoa
se celebrara oa actos de mai, acat.menlo de m?a
relig.a, a que deixam de prelar o menor re.peito
acresceudo que nao so deitam da grade, para den!
_ tro do atrio carga, de anci,-9M r,KI ,nraWr
do em documentos, qoe comprovam o que por co-
ra de Apollo, para onde o abrigar a
iihecimeDto que temos asseveramoff. A imnurcia.ida-I,rem 8 OT ^eermioan,Jo-lhef iijualmenta
de e reclidao que acaba de manifestar o Sr. conse-
lheiro ministro da juslira. Horneando o Sr. Duarte
para cargoUoimportante, he uma prova irrefraga-
vel qoe dflPtre os pretendemos a esse lugar ne-
nhum man'do que lie esteve no caso de preen-
che-lo. Recita 19 de novembro de 1855.
Justo.
COMMEHCia
PRACA DO RECI FE 21 DE NOVEMBRO AS 3
HORAS DA TARDE.
Cotaroet ofllciae.
Cambio sobre Londres60 d|v. 27 \\-> d. a di-
nheiro.
AI.FANDEGA.
Reodimanio da dia I a 20. .
Idam do dia aj, '?". .>_ .
294:6801675
17:791*176
312:4711851
,,,sr>p
.
Deieorre/am hoje 22 d
Galera inglexaBonita mercado:
Barca inglez.Yon-obacalhio.
Barca inglcza ll'or Howkidem. *
Brigue inglezHellingtonmercaduras.
Barca americanaJ. A. Hazordtarioha.
Patacho americanoAcolnfartaha e botachiuha.
Rarca porluguezaFlor da Maiadiversos genero.
Patacho sardo'/.aranzaidem.
Brigue sueco Tertunde cafe.
Brigue brasiloiroDamaopipa vasias.
Imporlaca o.
Brigue inglez Slarr. vindo de Dundce,consignado
a ordem, manileslou o seguinte :
368 toneladas carvao ; a ordem.
Brigue inglez Spray, vindo de Terra No
signado a Jame Crabiree & Coropanhia, ma
o seguinte :
2,575 barricas com bacalho, ans concignal
Brigue hrasileiro Brilhante, vindo dv Rio
neirq. consignado a Novaes & C. manitasl '
W pipas vasat, 200;caixa sabSo, 1 sacca caf ; a
DIARIO DE PERWBICO.
LeJo !I
Ora
ma ra:
mos pe
^cl
laUvflta
Temos a vista alguns nmeros do Times posterio-
res ao qne recebemos peta vapor Tomar, entrado
em nosso porto no lim do mez prximo passado.
Da Crimea Rnssos e Alliado, como que descan-
sando das fadigaa da lula terrtvel que por tanto tem-
Co susteolaram diante da parte meridional de Se-
astopol, cooservam-se quasi em inaecao-sea se ani-
maren) a medir oulra vez as respectivas tarcas. He
verdade que os primeiro, estabelecidos na parle
septentrional da famosa fortaleza, tazem um fogo
continuo, mais ou menos vivo, sobre -os segundos,
quede sua parle nao deixamjde responder-lhescomo
podem e devera ; mas esse fogo, peta grande distan-
cia qoe separa o combalentes, quati nenhom dam-
no Ihes causa. Por agora, bem que os Alliados por
vezes lenhain apparecidu dianle das pusiresoccupa-.
das pelos Russos, parece todava que nada empre-
hendero contra estes em (erra. Emqaaoto porm
assim descansa o seu exercito, a esquadja prepara-
se para seria operacoe.
Odessa vai ser bombardeada. No dia 7 do passa-
do uma grande parle da esquadra adiada parlio pa-
ra esle lira, de kamiesk para aquella cidad* onda
chegou no seguale ; posto qae o Russo tenhara
augmentado consideravelmenle as respectivas forti-
ficarles, lie iilui provavel que a prafa soffra grande
damna, visto a grande forja que contra ellj vai
operar.
No Bltico j nao eram posiivei as operables, o
lempo lortia-se cada vez peior e pouco dia se pai-
sarao sem que o gelo lenlia prendido a aguas no
fundo daquelle mar. Corra que os vapores peque-
os envernaran! em algn dos porto neutro da
Noruega e Suecia para qae logo uo principio da
primavera ae possam adiar no tbealro da acra.
O estado do Rasaos na Crimea, mesmo em Sebas-
topol, uao he 1,1 critico como se poderia crer, vis-
ta do* ltimos aconlecimento que alli tiveram
lugar.
O corresrjotalenle especial do Times, escrevendo
do acampamento dianle djauella fortaleza com data
de 29 de setembro, diz qlP1* om contralle nolavel
e al aliliclivo entre o proeedimento do exordio al-
liado depois do di 9 em qae o Russos se retiraran)
da parle meridional da mesma, e o sonhos tabns
com qae a imprenta da Inglaterra entreten) os seus
tallecen.
Segando elleafflrma, oa Russo tange de prepara-
rem-sa para fogir desanimado, pelo contrario eata
calmaraeule fortificando aua nova peaiejo, aero que
nada denote da parte dos mesmo a menor intenvilo
de abandona-la.
Separado dos alliados por um braco de mar pro-
fundo, por um rio por om oileiro lu ingreme co-
mo um muro, elle nao tem que temar que om no-
vo bombardeamenlo oa obrigue evacuar ua nova
posirto como foram obrigados a evacuar a primeira.
Accresce a isso que as obras taitas para ligar o for-
te Constantino, Sievernaia, Miguel e Catharina,
juntamente com esset meamos forte, com a eidadel-
la com os fortes que Ihe* Gcam na retaguarda for-
mara na opniHo do correspondente uma grande ba-
lera, qae pela sua distancia nao pude damnificar se-
riamente os alliados acampados alraz de Sebastopol,
mas que pode inleiramenle resistir a qualquer ata-
que de infantaria da parte do sol.
Ceneluindo, transcreremos aqui as proprias pala-
vras do correspondente :
He poi evidente, di elle, qoe as expeclacOes
do povo inglez nao se realisaram plenamente, qne
nao nos achamos na potse indispntada de Sebastopol,
qae os Russns nao eslo inleiramenle derrotados, e
que a campanlta ser renovada no anno seguinte,
lando o inimigo seis ou oilo mezes para retarcar-e,
para recrutar seu exercito exhausto, para reunir
novo material, a para disputar nosso progresso com
nova niorlandade. -
najan novo juiz de direilo tem encelado o seu
c* C0^"J.'! tados, r'eanindo ,i inlelligan-
COMUNICADO.
Um acto de rectidao, Justina e imparciali-
dade do Sr. conselheiro ministro da
juslira.
Acaba de ser nomeado escfivo privativo do com-
mercio o Sr. major Maximiano 1-rancsco Duarte.
Esle acta de jastica do governo veio confirmar a al-
ta consideraran de que ja goza no paiz o Sr. conse-
lheiro ministro da juslira. Foi certamente urna pro-
va que acaba de receber o Sr. Duarte de seo bons
serviros o da juslira imparcial do governo, que nao
cata a qaem, quando ha mritos reaes para occopar
as posicOes do paiz. O Sr. major Maiimiano Fran-
cisco Duarte principiou a exercer os lagares pbli-
cos, que sempre preenrhru com dignidad* e dedic-
is o desde 1823 na idade de 18 annos, em cujo lempo
foi este Sr. pralicante us lugares da secretaria da
junta da tazenda e de amanuense da cootadoria da
meama junta no exiinclo erario. Depois passoo a
servir ao lugar de escrivao d* embarque da oiliucla
altaodeg* do nlgodan, donde, por exiincdlo dessa re-
jeho brasleiru Bom Jess, vindo do Rio de Ja-
consignado a Bartbolomeu Loureneo, manife-
u* seguala :
1W pipa vaia, 4 peca cabo ; a ordem.
Brigue nglez Morvat, vindo da Terra Nova, con-
signado a Johaslon Pater & C manileslou o se-
guinte :
2,560 barrica* bacalho, 1,142 ps laboadode pi-
nito, 50 barricas batatas ; ao consignatarios.
Brigue inglez Sitccess,iiu lo de Liverpool, consig-
nado a Johnston Palera C, manitastou o ta-
garote :
258 toneladas carvao de pey* ; aos consignata-
rios. ^^
Vapor brasileiro Arador, viudo do porlos do
ni, consignado a *g*Ba), manifestou o seguinte :
1 volme ; a BrendW Brandis <& C.
1 caixa ; a Pedro de.Alhavde Lobo Moscoso.
1 dita ; a Jos JoaqBf|*JaU)|iveira aSilva.
1 dita ; a Leopoldo 4H r'aJft
Mi ; a Frederico JMpGuiawife.
dita ; a Policarpo Joe>Lyue.
dita ; a Francisco de Paul* Di* Fenand*.
dila ; a J. Keller & C.
dita a Jos Joaquim Codho Jniora.W
dita ; a Dr. Braulio Candido Reg JUandes.
dila ; asise Mara da Silva Velho.
Vapor brasileiro Paran, vindo do porto* do snl,
consignado a agencia, manifestou o seguinte :
1 enepaado : **". Paula Figueira da S.
1 caixa a JoaqaJa*it de Amorira.
5 volumet, 1 paWIfT21alas ; a Novaes & C.
1 dito a C. J. Astley & C.
1 dito ; a Jos Candido de Barros.
1 dilo : a Augusto Netta de Mendonrn.
I cala ; a T. Mpmseo & Vinassa.
1 dita ; a A. P. Oliveira Ramos.
1 dita ; a Joaquim Ferreira Meode Goimares.
23 dila ; a Baitos & Lentos.
t dila ; a J. H. Deoker.
1 dita ; a Manoel Figueiroa de Faria.
1 dila ; a Joao Pinto Regs de Souza.
20 .bancas, 10 mesase 21 cofres ; ao caatinandante
da eslaviio naval.
1 aaixa ; a Chardon.
i dita ; a P. G. de Souza Pilanga.
1 caixa joia ; a Bernardo' Noral.
I dila ; ajot Baplisla da Fonieca Jnior. .
1 dila ; a]t). Souza Franca.
2 dila; a Jote Velloso Soares.
1 Uta ; a F. A. Menezes.
1 caixole ; a Loiz de Carvalho Paes de Andrade.
t volume ; a R. de Cataln.
1 dilo ; Jos ttibeiro Guimaraes.
1 dita ; a Eduardo P. Wilson.
Brigue inglez Waf Sloorck, vindo da Terra No-
va, consignado a Me. Calmont & C, manifestou o
seguinte :
2,600 barricas bacalho ; aos consignatarios.
CONSULADO GERAL.
Rendimenlo do da 1 a 20. 35:5809262
dem do dia 21....... 3:573j829
39:I54#091
' LMVERSAS PROVINCIAS.
Rendimenlo do dial a 20..... 1:777J683
dem do dia 21........ 9
1-7772883
Exportacao
Valparaizo, brigue hamburgaez Ilarriel y Mol-
lyn, de 256 tonelada, condazio o seguinte :2,-l.jO
sarcos com 14,929 anoba e 22 libras de atracar.
Liverpool, brigue inglex Tilaniaa, de 114 tone-
ladas, conduzio o seguinte : 3,500 eco com
17,500 arrobas de assucar, 403 sacca com 2,192 ar-
roba o 30 libras da assucar, 2,200 meios de sota, 1
eaixao doce, 1 caita peonas.
RECEBDORIA DE RENDAS INTERNAaPuE-
RAES DE PERNAMBUCO.
Rendimenlo do dia 1 a 20.....11:775*889
dem do dia 21....... I:092j242
12:8688131
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendiinauto do dia 1 a 20..... 27:5473150
dem do da 21....... 4749755
30:0215905
MOVTMENTO DO PORTO.
Xaciot entradas no dia 21
Aracaly10 dia, hiato brasileiro Correio do Nor-
teo,'de 87 toneladas, mestre J0A0 Antunes da Sil-
vera, equipagem 6, carga couros a mata genero;
-TlCaetano Cyriaco da Cosa Moreira. Passagei-
ros, Jos da Silva Porlo, Joao Jacinlho de Sam-
paio. F'icou de observarlo por 3 das.
Charlslowu, tendo locado na Parahiha86 dias, pa-
lacho americano aMahala II. Comervn, de 254 to-
neladas, capillo John W. Garitn, equipagam 9,
carga madeira ; a Wm. Lllley Jnior. Arriboo
a este porto com agua aberla, "sen destino era pa-
ra o Rio de Janeiro.
"".1 rti-^-W dia. barca americana AzeliaB.de
26o toneladas, eapitio Davi, equipagem 10, car-
ga tarinha de trigo e mais genero; a ordem. Pa-
sageiro. alanoel Antonio Vianna. Seguio para o
Rio de Janeiro.
Terra Nova26 dias, brigue inglez Danle, de 189
toneladas, capiUo Micluel Rreckineridge. eqai-
pag>m 12, carga 2 410 barricas com bacalho ; a
Johnston Pater & Companhia.
, Navios sahidos no mesmo dia. A
Em commissaoBrigue de guerra brasileflp Coa-
remen, commandanlc o capilao de fragata Mo-
rn.
Liverpool Brigue inglez Titania, capilao II.
Pearce, carga assucar c algodao.
que a entradas a tahida do avalle qae eandaii-
rem assnrar lejara pela roa do cae de Apollo.
Dos guarde a Vmc. Passo da caaaaaa rnaatalpal
do Recite ero seisao de 14 de novembro de 1855.J
para que so curapra a mesma portarla lao intatra-
menle como nella se conlem. faz publicar pelo jor-
nal official, dando principio* eiecudta no dia 19 du
correle. Hairro do Recita 17 de novembro da
1855.O fiscal, Manoel Ignacio de Oliveira Lobo.
Joo Maria W'andenkolk, cavalleiro da imperial
ordem do Cruzeiro, Chrislo, e $ Bent de Aviz,
chele de divisao da armada nacional e imperial,
coramaodanle da eslacao naval de PeruatnksK*,
vomprehendida ntreos parallelos do Rio ala S.
Francisco ecabo de S. Roque, por S. M. o IB-
perador, que Deo guarde, cavalleiro da orden
de Francisco primeiro do reino dat Doa Sicilia*,
le, ele.
Faroeaber qoa em execuco de erdens do Exm.
Sr. minitlroda marinha, queme taram Iransmilli-
das peta quartel general, em ofticia n. 63 de 10 de
oulubro ultimo do dispatle aa* iotltaecoe. qae
baizaram com o decreta n. 1.591 de 14 de abril do
currante anno, fica aberto a bordo do brigae barca
Itamarac um alittameolu de voluntarios para ttr-
virem no navio da armada nacional e ilparial,
sob as segninle* condiroes :
Clasaes do alistameulo.
1." Da mariphagem, cujo contrato fr sem lempo
determinado.
2. Da maristjtagera, por lempo da ura a tres
anno*.
3.' Da marinhagam cera osrirazos de seis a oitt
fonos.
Os veucimenlos e mais vantagens qa* aa prajat
coutraudl em virtnda destas inlraK(oea tem
per-eber, sao asseguinle:
Sold por mez.
Ciaste loperior 20, primeiro* mariulnkas 18,
eguodo marinheiro15 e grumete* lOf.
ffPremos.
Os voluntario* de 1. ciaste s perceberSo os si-
dos qoe Ihe competirem na forma cima referida,
sem lerem direilo i premio oa gratiScacao alguma.
Os voluntarios da 2.a classe, tendo marinbirns
lerao 208, 4S$ oa 709, contarme %nra os coi
por" am, doas aa tre annos. Sendo gruesete
rao peta mesma forma IOS, 229 ou 349.
O voluntarios da 3. ciaste recebera* mais um
qnarla parle do maior premio qoa aoderiam Mar
contratando-te comp os da 2." clatae, oa praca da
marinhero ou grumete que tlaaacosapetir.
Se nao forem homens da mar a verem rntris de
40 anno, s lerao o premio correspondente aos da
2. di*e.
liralilicarao.
O Toiualario da 2.a a 3. claatai lerto ata do
premio adma dito, a gratificaran da 49 te forer a-
Irangeroa, oa de 59 sendo naciooaes, w saaaraen-
lareni por i proprios, indepeodente da agujador.
EU gralifiayrao sera repetida toda* a aezea qae
lindo o primeira coasralo a prar,a qnizer aluda aer-
i vir por lempo nanea mastor d 3 Vino*.
Vantagens.
A' pravas compreheodidas netli tre* citase dai-
serlia guia de desembarque no lim do contrato coa*
lano qua previnam ao commandanta dou* tatagas
antea de qoe pretandem em tal poca deixar .0 ter-
vir ; e ftaam itentos do recrularoento, tendo na-
cuuae por lemjjo igual ao que lenham servido ;
excepto o caso de circumslancias extraordinaria.
Ayta de invalido. I
Compele a todas as praca nacionaes qaa para
elle concorrerem com um dia de saldo por raes.
Pagamento do*premio* a gralificacOes.
Ao da 2.a citase, te alitlamento fdr por am sa-
no ter entregue o premio inlegralmenl* no acto de.
aseeaUresa praca ; ae por d*os on tre annos em-
ires preslacoe iguaes, sendo a primeira paga ao s-
aenlar praca, a segunda quando vencido melada do
praze, a a lerceira no fim do contrato.
A da 3. ciaste receberao ama tarea parta do
premio ao a*senlar praja, outra igual quanlia >
Om do primeiro anno de servijo s restante no tan
do contrato.
A gratificarse que competen) s segundas e
ceiras cltsses serio pagas conjonctamesiU C*jE
primeira preslacao do premio.
Obtrvacoe.
I." Nio se levar em conla aos voluntarios da 2." .
classe o lempo que passarem como doentes nos has-
pilaea.
2. O lempo de prirto em vnude da senfar
nao aera contado para o preeochimento dos
do alistamenlo dot voluntarios qualquer que 1
classe a qae pertencam. E o detener tolTrera alm
dito a perda da vantagea do premia a do lempo
de servico anterior.
3." Qualquer pessoa que se propozer a agenciar
voluntarios para as tres ciaste* adma aattacranadas,
que os preaeotarem a bordo desta brafa* barc*,
(era 1 gratiflearao de 1 por um eslrangerra e 59por
nacional.
4.* O eitraogsiro para ser adrailtido deve aa\i-
bir documento do teu consol, comprovtndo echar-1
se detembararado para se poder contratar
ro nacional.
5. O premio e gratificarn terao paga* awado a
praca contratad* fr admiltida a bardo.
Bordo do brigue barca Itamarac, sarta no pjos.
queirn de Ptrnambuco em o 1. de novembro ale
1855. Jtata Maria iraitdenkotk.
O Dr. Anselmo Francisco Peretli, commendador da
imperial ordem da Rosa, juiz de direito espedat
do commercio, nesla cidade do Recita a.provincia
de Pernambuco, porS. M. I. C. ele. t
I'aco saber aos que o prsenle edllel virem e dal-
le noticia liverem. era como no dia 26 do correle
se h de arrematar por venda a quess mais der, em
prara publica destejuizo, uma escrava de nacao, de
nome Rernarda, avaliada por 2509, penhoradalo
exccnUdo Antonio J" RiUneourt, por execuvKo
dos exeqocnles Roslroa Rooker t Companhia.
E para que chegue noticia s todo* mauaei pastar
o preseute qne ser publicado pela imprensa, e dajjf,
de igual theor que *erao afiliados, un) na prara do
commercio e oulro na sata das audiencias.
Dado e pataado nesla cidade do Recita ao* 15 de
novembro de 1855.Eu F'rancisco Ignacio de Tor-
re Bandeira, etcrvSo interino o subscrevi.
Anselmo Francisco Peretli.
EDITAES.
DECLARADO E3.
A cmara municipal desla cidade manda pn-
blicar para cunhecimento de teu municipes, a pos-
tara a Idicional baixo transcripta, approvada pro-
visoriamente pelo Evin. presidente da provincia, em
data de 13 do crrante, a qual da pubiicac.au desta I "IZj''
em diante lera execuco.
Paco da cmara municipal do Recita em sessio de
14 de novembro de 1855. Rara* de Capbaribe,
presidente.Manoel Ferreira Accoli, secretario.
Postura addicional.
Art. 1. Nenhom proprielaru poder levantar a
margein das estrada publicas, maro de pedra e cal,
que lenham mai de seis palmos de altara, medido
do nivel da mesma tirada* ; ficaado porm per-
miltido enllocar grade* de ferro sobre o maro qa*
liver esla ou menor altara.
Art. 2. Flcam expressamsntt prohibidas a oaia-
Acha-se recolhido a' casi de delenrao a* dispo-
si^ao desla subdelegacia o prelo Pedro, escravo, qu>
diz ser de Roberto Gome, morador no engenhoSan
la Cruz, o qoal tai preso por estar fgido '*}em
for seu senhor comparora cora seus documentos pa-
ra Ihe ser entregue.
Subdelegada da fragnezis bro de 1855. O subdelegado, Francisco Ma-
chado.
Por esta subdelegada se taz publico, qu* o- .
ram apprehenddo dou vavaltas, um de cor roca
e oulro ranino, por sutpeila de serem furlado* :
quem for teu douo comparera, que justificando,
Ibe sera entregues.
Subdelegacia de Santo Antonio 21 d* novembro
de 1855. O tubdetagido, Jos du Costa Dou-
O lllm. Sr. capilao do porlo saristazendojesKt-
po-lo no aviso circular do ministerio da marisma de
S5 de oulubro ltimamente lindo ao qual retare-te
ordem do Exm. Sr. presidente de 7 o cifrante
mez, mtnda fazer publico a traducrSo abaixa da-
la dando conhecimento da medida sanitaria, ti qoe
lem de ficar sujeilat as embarcSfues hcasiltira ,0a
partindo do portos desle iiaperio forea lar a Btte-
Bos-Ayres.
^
~J


.-

i

. I
*
\iL
MMMg^**"^" "


. '.':..' --'-.

I
TradnecSo.
Da copia le neta lo viso u. 108 de 17 Je oule-
bro de 185! i, dirigida t repartido da mirinlit pel
do negocticetrangeiros. *
Miaietarli o goveroa e relatOw eilariores, Bue-
noa-Ayrts 57 de Miembro de 1855. '
Sr. eiicarregado de negocio de S. M. a Impe-
rador do Brasil, eavalleiro eommenfJador l)r. Joa-
quim Thom iz do Amaral, ele*
O abajxo ussigoado lem a lionra da dirigr-se a
S. S. por or lera wpecial de S. Exc. o Sr. governa-
dor, manfeitaiido-ihe que capitana do porta re-
presentoa a< governo a inconveniencia que resulta
de que os oaviot de guerra etlrangeiros e os paque-
tes en. conlrivoneSo da pratica anteriormente ob-
servada em o ootso ancoradeo.ro, e qutjte tambem
cemuiuroeiilii aJmjttida, nlo so nao aproximan,
io nato qu< o governo lem estacionado no canal
exterior para a visita de laude e do porto quando
l*oadem do ultramar, come ufm ainda esperan, a
dita visita pira desembarcaren! os paisageiros.
l em todis as pocas pode ser prejudicial este
iso, na actoalidade em que n3o so a Europa, co-
e mesmo Brasil, se acliam iufeclado* da terrivel
ma de cliolera-inorbui, indubllavebneple po-
de comprometer a saude publica.
Em laicatos. S. comprebendera bem a ibsolla
nefessidade lie que d'ora|em diante lodosos navios
de toa afie soto dislinefoo algoma, quaudo ebepa-
a nossa hiihla procedentes do ultramar, e ain-
ila quaudo Inaitam tocado em Montevideo, se apro-
l ames do desembarque de uas eqnipageBs,
igeiros c oulros objeclos ao referido navio do
> Minad no canal exterior, para a dita visita
lie ande e di porto o para obler sua clasiificac.aD
depois de snltmettido i ella.
O abaitoaisignado spera que S. S. se sirva adop-
tar a* medidas convenientes para que os comman-
danta e cap lies de navios da nafo do S. S. nao
pota allegir ignorancia.
O abalxo- signado aproveitnndo esla occasiat),
reoeva a S. S. os protestos de sua mais elevada con-
sideras*) e apreso.Valenlim Alsina.Conforme,
Joaqeim Matia Nascentes de Azambuja.
relari da capitana do porto de Pernambuco
Sdeaovemblo de 1855.O secretario, Aleundro
Rodrisoes des Aojos.
- O lllm. gr. espitando parlo manda faier pu-
o. q*e eni virlude da ordem da presidencia, os
es o mostr das embareacoes, inclusive hieles
pretenderen, sabir para os porlos do Imperio,
io aprenenlar na oecnsilo de exigirem desta re-
te o documento de que trata o artigo 19do re-
menle dos capitanas, a carta de saude, alm
do* de mais despachos. Secretaria da capitana do
> de Perriarobueo 16 de novembro de 1855.No
impedimento do secretario,
Francisco Firmtno Monteiro.
Peta delegada de pelicia dn termo de Pao d'A
lho se taz pu Mico, que foram apprefWndidos doui
cavalleemellidos. om, a um ladrao de cava los que
I'le evadirle qnando cercado, e outro foi echado
Bell imoute e com cangaRia : qoem for seu
ds|r)vapreaeiile-e, que legalmenle Iba ser entre-
gue. Belem ejjde novembro de 185,).O delegado
supplente. Clirlflovao dos Sanios Cavalcanti.
BAKfiO DE PERNAMBUCO.
) Banco pe Pernarrbucp continua a to-
mar lettras sobie o Rio de Janeiro, ea
sacar contra a mama praca. Banco de
Pernambuco 10 deoutubro de 1855.O
erario di direccao, Joao Ignacio de
Medeiros llego.
0 lllm Sr. capillo do porlo em cimprimenlo
da aviso cirot lar da reparticao da marinha de 17
de ooleatro ullimameote lindo, e de ordem do Eim.
Sr. presidente em officlo de 17 do crrenle mt com
relmela a lio manda fa.er publico o eiemplar
abaiiodoaviioso navegantes enviado pela legseo
i*periil em Madrid, relativamente a urna alterado
!< pbarol da illiae Tarifa.
DrBUCAO' DE HTDROGRAPHTA.
finito aos navegantes.'
Phaioe* das costas de Hespanlta.
Pelo minitlsrio da marinha e communicadas pelo
do Itaiaalo, se recaberam nesle ettabeleci ment no-
ticae* relativas n alteracao que se ha de eiTeelnar
aleadailurot de Tarifa debaixo da direccao
Bde engitnheiros de caminhos, canaes e por-
los aera prest ac dasquaeaae haredigbjoo teguin-
le aauoocio. ff
Pbaral da ittai de Tafia Estrelle davGibraHar.
En o 1.* de Miembro do presente anuo alajaiar
desda a pdr i t no nascer de sol, o nevo aaaerelho
caUeliopirico do primuira ordem, grande modela
cora qae te ai ata de substituir o mitigo pbarol gir-
tuejo collocad era a parle mais meridional da ilha
da Tarifa, sendo ana lilaacSo que em nada ha varia-
da a seguinte:
Lalilode 3-=0sy N. .
Longilude 085'-38" E. doAbservaloriode
asartatia de S. Fernando.
O foco luminoso est elevado 142,5 ps sobre o
nivel dos premiares do equinocio.apresenlando ama
Uz branca fu tisivela 30 militas, sernpre que a
permita o eslaclod* atmospliera e e albo do observe-
der se acateb) ps sobre a superlicie do mar. Ma-
drid de julae de 1855.Joaquim Bialierrez de
Rabaleara.
Secretaria da cap lana do porto de Pernambuco
8 de novesnb o da 1855.O secrelarie, Alexandre
Itedriguas di Anjee.
U Ma. Sr. refedor interino do yranasio" Provin-
cial, manda declarar era cooformidrde do artigo
134 calhalogo dos compendios adoptados para o eini-
no dasaulisdo instituto no prximo futuro aane.
Paral 1" e 2" cadeirada lingua latina.
Gramlhalina de Jos Vicente Gomes de Moura
atnpVidio de historia sagrada ; Coroelio, Fbulas
!e ledro fSaluslio; Virgilio; Horacio ;Tilo-Livio;
Oraco/ea de Gicero.
Pare a cadeira de lingqa francea.
Uraranula por Borgain, em 2 voluntes ; saleta
francaj de lloquete, 2* ediccao ou a mais moder-
ave ; diccionario francez porluguez e por-
^^^^Hlt de Foiiseca e Roquete.
Para a cadeira de iingua inglezs.
Uacaasda iraiawalici mglez pelo Ur. Pereira do
Hego ; Ceari de Varsiens anglaises por P. Sadler,
M dirtao ; t,ours gradu de la langue anglaise pelo
raesnto ; dictioQsrio inglez portoaoez e portaguez
inRtsssaar V(eire, ediccao de 1855.
lira a cadeira de BiaMtemalicas.
6' ntathematieas por Oltoni, adoptados
l saarinha e escola militar.
r_flra a cadeira de ph'ilosoprtia.
_ i, 1 icijOes de philoaophia.
in a 2 cadeira de scieucias naturaes.
e* eiamentres de botnica de Lindley,
lradacco de Dr. Ildefonso, Rio de Janeiro de 1843;
;seite.i Buan publi par Rurel; Genera planla-
rnot. Deeantielle ; Plantes usuelies des Bresiliens,
Ilor Saint Haire; Nouvelle.malirr medcale Bresi-
enue avec planches par la Docteur Slarltu.
Cadeirn de liogua e lilteratura racional.
I.iccOe oraei, obriganiioje o renpeclivo pro-
fesser rganiai o seo consadaal
lectivo vindoort'.
Cadeira de desenlio.
I.lccdja ores, obrlaando-se igualmente o respec-
tivo- (X Moer a organisar o seu compendio.
Cadeira da Iingua gres.
Ckcoes onrf, ebrigando-se o profe>sor a organi-
(ar ama arle so Bm do aono ; selecta greg, adap-
tada ao uso don principlantes ; diccionario de grego
paralaiiui njfraueez; tratado de raizes Bregas ;
tabulas de Etopo, em grego ; Novo Testamento
en freg.
i>deira de rlietorica.
Ijcdoes elimenUres de Eloquencia Nacional, por
Fian* de Crvalho.
Dita de geoarapliia.
Os mesuioi compendios adoptados ao eilincto 1 y-
cu.
Secretaria do Gymnasio Provincial da Pernambu-
to 10 de novembro de 1855,-0 secretario, Antonio
iin^Attumppio Cabrat.
. O arsenal de marinha contraa a compra dos
rlbjeclo* abaiso declarados no dia 23 do crranle
mez ao meio da para fornecimenlo do almoxirifa-
le :tinta tranca, cairo velho. sola, Uo de vela,
riaeaM.deJfctKlnccAo, broxas sortidas, tinleiros de
Hslanha, doaes do repuxo, caivetes, peanas de
pato, datas de lap, follias de FlandYes grossas, lla-
iieltMda navios, lona iogleza estrella, dita larga,
Wo, podras de amolar, vistas d'osao, canelas, al-
uWde, folha de cobre de 18 a 20 ooc.es, pregos de
dala forro pe 'a as ditas, e azeite para o pharnl.
Secretaria da inspeccao do arsenal de marinha de
PernaraaMco eai 17 de novembro de 1855.Noipi-
pedrraenla do secrelirio, Miguel Paulo de Souza
Raatel. m
. i----------------------------:--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
tes de se retiraren) para a corle do Rio de Janeiro,
ferio a honra de apresenlar a este muilo digno, e il-
iaslrado publicnpernambucano na noilede
SABBADO i DE IVOYEMBRO.
PRIME!KA PARTE.
Depois dos professores da urchetlra lorarem urna
das suas mais brilhanles ouverluras, a aria a final da
opera
Do grande mostr onizelli. rer execulada na rabe-
ca pelo bcnelciodn a loda orchestta
t SEGND4 PARTE.
O joven Alexandre em obsequio a seu irmfto bene-
Gciado, to'rara no seu'instriinieubj ricas e brilhanles
variacOes (sobre ama cavatina da opera Belisario,
doimmorlal Donizelti), compostas por L. Uerz, e
dedicadas pelo mesmo ao Sr.Carlo9Lipinski,primci-
ro viollno de S. M. o imperador da Rnssia.
TERCE1RA PARTE.
O aclo primeiro da lio applaadtda e engranada cu-
media em 3 actos, ornada de msica,
C4M0ES DO ROCO,
pela companha dramtica.
QUARTA PARTE.
A bella e locante cavatina CASTA DIVA na ope-
ra NORMA do insigne Bellini execulada pelo bene-
ficiado a grande orchestra.
QUINTA PARTE.
Artista Alexandre executara no sea instrumento o
gande TREMOLO E BEBJBT com acompaaha-
menlo da orchestra.
SEXTA PARTE.
O acia segando da comedia.
STIMA PARTE.
O mais moro Aiexaudre executar sobre a rabeca
( a pedido de multas pestoas', a bella cavatina do com-
positor Fachinetli cantada ltimamente pela) Sra. lie.
periui no Ihealro de SI. Isabel em agradaaflbenlo aos
Ilustres acadmicos desta cidade e otlVrecida ao Exm.
Sr. presidente desta provincia. D'enlre um povo to
fagueiro, ele.
OITAVA PARTE
Terceiro e ultimo acto da coifiedia.
NONA PARTE. '
Ser execulada pelo joven Alexandre (a pedido de
muitas pesaoas) a linda e engranada pera denomina-
da FELINA, REDOYVA E SALN, bem conheci-
da,ne*ia capital, e instrumentada pelo hbil profes-
sor P.Nolasco Baplisln.
Dar lim ao espectculo a bnihanteJVALSA DO
GALLO, composla e exculada pelo mesmo joven
Alexandre, imitandoo animal cem a toa rebeca..
Com este bello e escollnde Uivcrlimenlo, que o be-
neficiado ua sua despedida lem a honra da oflarecer
ao generoso a Ilustrado publico desta bella provincia
espera mereceasjua valiosa prolecctu e indulgencia,

DIARIO Ot PERRAMBUCO QUlRTA FEIRA i O NOVEMBRO OE 1855
pelo quedesdajaaeconfessa eternamente grato.
O-bilheles de camarote?, c cadeira? vendam-se
em casa do beneficiado, holel inglez no Recife, e no
lia do espectculo no mesmo Ihelro.
P. D. Em um dos intervallos o beneficiado ira re-
ceber as esporlnlas dos respectivos camarotes, agra-
decendo aos seas prolectores.
Principiara as 8 horas.
AVISOS MARTIMOS
nha de trigo,*a melhorexistente no mercado: sexla-
feira, 23 do rorrele, as 1(1 horas da manilla, no
annazein n. 12. silo na ra da Madre de Dos.
O agente Borja, auturisado pelo lllm. Sr. Dr.
juiz de orphos conforme o seu despacho proferido
no roquerimeoto do tutor dos orphlos iliiosjlo fal-
lecido Caelann Pereira Gonralves da Cunha, em pre-
senta do dito Sr. juiz, continuara o leilao de alguna
bens a annunciados, perlencentes aos mencionados
orphlos, a saber : diversas obras de brilhanle e dia-
mante, entre as quaes sobresalten) 2 riquissimos an-
netes, alfineles de peilo e boluca para abertura,
urna grande quantdade de obras de ouro como bem,
trancelins de filagrana muilo ricos, alceles de pei-
lo eom parolas, brincos, rozetas, bolOes para camisa,
coroas, resplmdores e sellas paia imagen), e outras
muitas obra?, diverjas peras de prala como beta,
salvas, colhcres, casticae?, bacas e Jarros, estribos,
esporas, urna rica bandeja grande, ele, as sobras
do engenho Coqueiros, na comarca de Sanio Anlao,
e o engenho d'agua denominado Mamucaa, na fre-
guezia de S. Louren^o da Malla, pudendo ser ven-
dido a prazo com desobriga dos credores, nu com fir-
mas negoclavels nesla praja. O leilao cima nlo
pudendo ler lugar quarta-feira, 21, conforme tinha
sido annunciado, lien transferido para 2.a-feira, 2
do crrenle, as 10 horas da manilla impreterivel-
mente, no armazem do agente annonciaiile, silo na
ra do Collegio n. 15, aonde os senhores pretenden-
tes aos bens cima declarados, que quizerem alguns
esclarecmeulos acerca dellcs, poderao se entender.
AVISOS DIVERSOS.
ESTA JO TOM !
Chgaram ainda a' ra do Collegio n.
8 alguns exemplares do HYfflNO TRIUIR-
PHAL a tomada de Sebastopol, posto em
msica pelo pianista Josc Fachinetti, e
vendem-se a $000 i-s. cada e\emplar.
Bella impressio do Bio de Janeiro : lia
poucos.
aluguel para o
rifa
do lio.pi-
Para o Bio de Janeiro
segu com brevilade o bem conhecide brgue bra-
siteiro Datnao ; para o resto da carga, passageiros e
escravos, para o que tem excellentes commodos, tra-
la-se com o consignatario J. J. D. I'., ou com o ca-
pilla a bordo.
J*ara a Baltia segu imprelerivelmcnte no da
25 da/torrente mez, por j i ter loda a carga prompta,
o veleiro e bem conhecido hiate brasilairo Ca*t
s recebe passageiros, para o que tem excell
commodos;as pessoas que nellequizerem ir de passa-
sem, dinjam-se i seu consignatario Dominaos
Malheus, na ra da Cruz n. 54, al o da 23 de
reule.
ASSL"'.
Para o Ass segu na presente semana a escuna
nacional Linda ; para cara e pisssdjfiros Irata-se
com o consignatario'Eduardo Ferreira Balthar, ni
roa do Vigario q. 5, on com o capillo na praca.
Para Macei seee sexla-feira, 26 do crranle,
a galera ingina Medora; pode recebar alguns pas-
sageiros, para o que lem excellenles commodos: a
Iralar em casa de Janes Ryder & Companhia, rol
da Cruz o. 6. W
Para o Cear pretende sabir a galera ingiera,
Bonita ;pde recebas; alguna passageiros, para o
3ue tem excellenles coxmodosr a tratar em casa de
ames Ryder & Companhia, roa da Crui u. 6.
COMI'ANJJJiE B&AgA.'O A VA-
ILEIBA.
M.D. Ro-
drigues, a-
genle desta
companhia,
dja/lara, que
o vapor D.
Mara II,
a esta deve-
r cliega r
Precsa-se de um escravj par alu
servico de urna pequea familia : na
gio u, 7.
Tendo o abaixo assianado, na qualidade de
procurador do Sr. Maooel Lopes da Silva, residente
em Portugal, de fazer prnleslar varios ttulos de di-
vidas quaao mesmo senlior se acham a dever algu-
mas pessoas, as quaes j ha muilo eslo vencidos, e
por nlo ler o abaixo assignado conhecimenlo des?es
senhores, faz o presente para que os mesmos se dri-
jam rna dn Queimado, loja n. 14, afim de os res-
salar anles queseus nomes vio para juio. Recife
21 de novembro de 1855.
Jos Rodrigues Ferreira.
O abaixo assignado declara, que o bilhele da
segunda parle da segunda lotera a beneficio dn hos-
pital ajjalro II n. CIO, pertence ao Sr. Jo Pacheco
Mendes (do Ceara).Padre Aniunes de Oliveira A.
D. Rosa Candi.la Gonralves Berreira, viuva do
fallecido Jos Gonjalves Ferreira a Vi Ira, convoca
os credores do seo casal para se rednirem no dia 20
do crranle, na rna da Cadeia do Recife, casa n. 43,
as 11 horas da manhSa, ashn de licarem intelrados
do esladp do casal, e de deliberarem acerca de seus
inleresses.
Precisa-se alugar um escravo que saiba Iralar
dccavallos, que seja fiel e do boa conduela : dirja-
se a fondigo da Aurora.
A pessoa que do corleiro da Boa-Vista receben
tluas cartas rindas do Rio de Janeiro para o abaixo
assignado, lenha a boudade mandar entrega-las na
.vessa do AragSo n. 19, un declarar sna morada
r procurada.Gustavo Julio Pinto Paeca.
Maooel de Araojo relira-se para fora da
;oa que aonunciou precisar de 2009 a ja-
res, dando por seguraiica nm casal de escravos, diri-
ja- roa do Queimado n. 37, primeiro andar, quo
se dir a pessoa que faz este negocio.
No dia 11 de crreme fugio da' cidade nova de
Sanie Amaro um mualo escravo, de nomo Urcino,
com os signacs seguales: idade que representa 25
aunes, estatura entra recular*baixa, aecco do cor-
no, cor claro, cabello com qaanto seja um pouco
ato e encolhdo, todava qner tirar a crespo, e
PPre o ta)z bain penieai e grande, talvo? o le-J
ha cortado, bous dente e alvos,'pnuca bai ba e sos-
ia de conservar pora e bigode, physonnmia agrada-
vel e nlo feia, multo protiil, loca violo e canta
bem, escrevee 1<> pouco, entende de sapateiro e al-
faiate, gosla de andar calcado e limpo, passa por
forro em qualqner parle qdV no o cunbecem ; sup-
poe se ler-se dirigido para o norte da provincia:
roga-se porlanlo as autoridades policiacs e capitaes
de campo de o apprehenderem e levar au seu senhor
Jos Jacome de Araujo, na dita cidade Nova, na pri-
meira casa das dn Sr. Antonio Jos Gomes do Cor-
reio, que gratificar ceuerosamenie.
GAB1NETK FUUTUGUKZ l3E
LEITDRA.
28 rele, ese-
guir-ie-ha
em sua p.irlnlH, o que ja se annunciou.
Para a Baha segu em poucos dia* o veleiro e
bem conhecido hiate Castro, do qual be capillo
Francisco de Castro, por j ter parte da carga prom-
pta : pira o resto, Irata-se eom o sea consignatario
Domingos Alves Malheus, ni ra da Crui.
Para o
conhecido hii
ros, Irata-se '
racaly segoe em poneos dias o bem
i Capibaribe; para carga e pasiagai-
'ra do Vigario n. 5.
Precisa-sede 30O8O0Ors. a juros, dando-se por
seguran;* om casal do escrnvot pur 8 roezes : quem
llieconvier esle negocio annuncie para ser procu-
rado.
Antonio Joaquim Vidal, deuuma procurarn
bastante a Fortunato Antonio Coelho, islo em 19 de
oulubro de 1853, para Iralar de recebar do padre Jo-
s .Ianuario Pereira. Lima, morador no lugar de-
nominado Tanques provincia da Porahiba ;
acontece que esle drra ao meu procurador um es-
cravo e um cavallo em pagamento, coma consta do
recibo do dito Coelho, pa?sado junt a' procurac,flb,
em dala di- 7 dp fevrrcro de 1854, e ainda al o
prsenle nao deu cumprimento ao seu dever : o dito
Coelho lem dito que o escravo o tlnha remrllido pa-
ra um engenhoperlo de Goinna, para deb o man-
dar para esta, porni ha das Coelho esleve nesla
praca, e fugio de me procurar, (cando de vir ler co-
ntigo, como me di?se em um euconlroque livemos
na manhla da dia 19 d'i rorrete, e como se retiras-
te sem que v-esse darme eonla. protesto e faco pu-
blico, para que ninguem faca negocio com dito Cue-
Iho, sob dito escravo, que vem. a ser de nome Jlo,
cor parda, idade de 24 annos, bonita figura e amlai
descansado, assiin como se dar boa gratificarlos
pessoa que se julgar habilitada parase encurabir di
procurar e haver o dito escravo a minha posse, para
o que tenho em meu poder os documentos preciso?.
Koga-se por tanto, as autoridades policiacs dignem-sr
tpmar conhecimento do expendido. Loja de fer-
ragens na ra da Cadeia de' Antonio de Joa-
quim Vidal & C.
Recife 20 de novembro de 1855.
O holel de Jaboallo precisa de um' hom cozi-
nheiro o paga bem : qoem quizer coiilralar-se, po-
de diriKr-se loja de Bezerra &Moroira, na ruado
Queimado n. 46.
Jesuno Carneiro seos commitlentes, qae concenlrando-se ^
mais para o foco do commercio, pasin sen
rscriplorio para a ra da Linguete, sobra-
do n. 86, segundo andar, e bem aasim ao (if,
respeilavel publico, que oSr.-Manoel An- v
Ionio ca Cuba, como seu companhero, (A
medanle um convenio, ser Irresponsavel J
pelos seus prejuizos.
Lotet-ia do Bio de Janeiro.
Acham-se ve.ida os novo bilhele* da lotera aR
do Monle Po Geral, que devia correr seguoda-feira
19 do presente. O vapor D. Mara II, devia par-
tir no dia 20, por elle recebereniosjnruaes com lis-
las, o qual deve aqo chegar nodi.i25ou 26. Os
premias serlo pagos logo que se lenha (tilo a dis-
tribuidlo dos ditos joruaes.
Precisa-se alugar um quarto ou otea meia
agua para duas pessoas : quem tiver annuncie.
Precisa-se alugar urna ama que saiba cozinhar
c|fazerlodo o servico de casa: na ra Dlreila u.68 se-
gundo andar.
Precisa-se para ttma casa estrangeira
Je pouca familia, de urna mullier que en-
gomme com pereicao, forra ou captiva,
paga-se bem sendo fiel e tendo boa con-
ducta : na ra do Trapiche n. 38, arma*
zem.
A pesata que trouxe do Rio de Janeiro orna
eneommenda para Julio Augusto da Cunha
9 Guimares, lenha a hondada de entregarla
^ na roa da Aurora, em casa do Sr. Gustavo
Joado Reg, ou ento declare a sua mo-
I
COMPAMA DE BEBERIBE.
JNo se tendo reunido
iiumero suiciMite de se-
nhores accionistas da com
paiihitide Beberibe, para
haver assembla geral
convocada para boje, oSr.
director convoca de novo a
assembla para o dia 25 do
corrente^ ao meio dia, no
respectivoescriptoiio. Re-
eife 20 de novembro de
1853.O secretario, Luis
da Costa Portocarreiro.
A mesa regadora da v/neravel ordem lercera
de .%.,>. do Garmo, convida a todos os chanssimoi
irmaos da metma ordem a comparecerem com seus
habito, na laadja da noss veueravel ordem pelas 3
horas da tarde do da 25 do crrente, aliin de irmos
acompanhar a procisslo de Corpus Chritli, cor cen-
vile de S. Bxe. Rvma. '
A viuva de Fortnalo Correia do Menezes tor-
na de novo a pedir a lodos os seos dcveddre, qae
Itajam do vir pagar o que devem al o Rm de no-
vembro, e lodos aqoelles que nlo forero promnjos
em seas pasamentos passarao a ser execulados, e t^i
nomes publicados, islo para evitar a prescripc,o.
Na offleina de pintor da roa do Hospicio n. 21,
recebem-se 2 meninos ou 2 moltqoes de idade de
14 al 16 annos para eusina-los o sobredilo offlcio.
' Convdase a lodos os irmaos terceiros da veue-
ravel ordem terceira de S. Francisco desta cidade do
Recife, para que comparecen) na nossa ordem no
da A) do crrante mez pelas 3 horas da larde para-
mentados eom seus hbitos, aliin de cm communida-
de acom pan harem a procisslo de Corpus t.liristi.para
que fomus convidados por S. Ene. Rvma.
Precisa-se de um -trabalhador forro ou captivo,
sendo que seja forro prefere-se norluanez : a tratar
na reliuaclo do pateo do Paraizo n. i.
No holel de Jaboalao prccisa-sc alugar um lio-
mem para tomar conta de urna estribara, e paga-se
bem : quem quizer pode dirigir-se a loja de Bezerra
& Moreira, ra do Queimado n. 46.
Por ordem da dirceloria do Gabinete Purtuguez de
Icituratiesta cidade, se ruga aos senhores associados
.J do mismo, quando nilo furein pessoalmente boacar
" tirrrrs, qneiram mandar um bilhele notando
io no lim do uno
PABA O MABAMHAO E PARA'
Sabe com brevidade por ter maior
parte da carga a barca brasileM Bri-
Ihante : para o resto trata-se com os
consignatarios Novaes d C, ra do Tra-
piche n. 54 primeiro andar.
Babia.
Vai seguir com brevidade o hiate na-
cional FOBTUNA, mestre Joaquim Jos
Silveira, tem grande parte do seu carre-
gamentoprompto y para o resto, trata-$e
com Os consignatarios Antonio de Almei-
da Gomes & C, na rita do Trapiche n. 16,
segundo andar.
Para Lisboa, a galeraportugueza Jo-
ven Carlota, capitao Boeventura Borges
Pamplona : para carga e passageiros, tra-
s com os consignatarios Novaes & C., ra
do Trapiche n. 34.
(RIO DE JANEIRO.
Segu no dia 2Kdo mez correle o patacho Bom
Jess, recebe carga e passageiros : a Iralar com Cae-
tano C) naco da C. M. ao lado do Corpo Sanio n. 2.
Bfera o Rio de Janeiro segne viasem o ber-
ganlinrwacional Despique defeiris, capitao Elizea
de Araujo Franja, at o da 8 de dezembro do cor-
renle e por ler dona tarcos dt carga pronta, e para
o resto da carga miada, escravos a frete a passagei-
ros : Irata-se com o consignatario Manoel Joa-
quim Ramos e Silva na ra da Cadeia Velha do
Recife ou com o capitao na prora,
Para o Rio de Janeiro sahe com
muita brevidade, o maito veleiro brigue
KECIFE, o qual tem a maior parte de
eu carregamento prompto : para o res-
tante e passageiros, trata-se com Manoel
Francisco da Silva Carneo, na ra do
Collegio n. 17, segundo andar.
LEILOES.
Muita a t ten cao.
O cautelista Salustiano de Aquino Fer-
reira oif'erece bilhetes e cautelas a's pes-
soas que costumam comprar para nego-
Attencao.
O
aterr
debilotWb fim do mez, do contrario se pbiicair
seus nomes ueste Diariu.
que devem fabrica de charutos do
a-visla n. 60, venham alisfazer seos
tgge,
d "'a til-
os MSn I
liornas tic
As mais moder-
nas qhapelinas
para senlioras.
he chegado praca da Independencia, loja de
Joaquim de Oliveira Maia um completo e variado
sorlimento de chapelinas para senhoras, de muilo
boa qoalidade e dos mais especiaes costos de Paris,
por presos mais em eonla do que em oolra qualqner
parte. Na mesma loja se vendem chapeos de todas
as qualidades para meninos e meninas, lado goslos
proprios da Testa.
ATTENCAO.
ecisa-te alagar ama casa n'uma das ras do
ci, nesta cidade e para lora, aos precoa !"S5Sa" Jo, Porem 1e o aluguel nao exceda
abaixo, sendo em porco de 100. par ^ er e quizer
cima, dinheiro avista, em seu escriptor
na ra do Trapiche n. 56. segundo an-
dar : sao pagos sem o discont de 8 por
cento do imposto geral.
0 lllm. Sr. thesoureiro manda fa-
zer publico que se acham a venda os bi-
lhetes da segunda parte da segunda lote-
ra do Hospital de Ca idade, cujas rodas
andam no dia 28 do andante mez. O
mesmo lllm. Sr. thesoureiro manda de-
clarar, que pelo plano abaixo transcripto
he que sero extrahidas as loteras da
provincia, inclusive a presente do Hos-
pital de Caridade.Thesouraria das lo-
teras 19 de novembro de 1855. Luiz
Antonio Bodrigues de Almeida, escrivao
das lotera.
PLANO.
5,000 bilbelcs 5000 ris, 2.">:000000
Beneficio e sello de 20 por cento. B:000JOO
20:000?00n
1 'rtnio. .
1 a.....
1 .....
1 .
3 .a.. 5008000 .. 100*000
7
14 5000O
30 20000
70 10*000
1,540 5*000
1,668 I * 'remios.
3,332 Brancos.
5:0008000
2:5009000
1 .'000*000
5008000
600*000
7009000
7003000
600*000
7u0*000
7:7009000
--------------<
20:000*000
5,000
Thesouraria das loteras da provincia,
7 de novembro de 1855.0 thesoureiro
Francisco Antonio de OliveiraApprovo.
Palacio do governo de Pernambuco 15
de novembro de 1855.Figueiredo.
Quem precisar de ama ama, para lodo o ser-
vico de casa de homent solleiro : dirlj-ie a roa das
As'sogainhos, n. 8, qne achara com quem Iralar.
. No largo da A'sembla casa de 4 andares pre-
cisa-se di; Jim eiiieiro que lenha pralica.de com-
mercio, dando o competente; fiador a contento.
Sor vetes.
Uniu.o, ra da Cruz u. 40.
Sorvele-s de cromo do meio dia em diante, e de di-
versas finetas as 6 horas da larde.
D-se dinheiro a joros sobre penhores de ooro
ou prala : na roa de anlo Amaro n. 16, dai 9 as 4
horas da tarde.

Antonio Joaqnim Vidal ti Companhia, com
loja de ferraaens na rna da Cadeia do Recite, previ-
uem pela ultima vez aquelles de seos devedores que
se acham demorados em solver seus dbitos, que s
esperam al fim do crrenle mea, do contario lera
de ter iuiommodadot por esle jornal e porjatlira
Ihe
C
AULA DE LATIM.
0 padre Vicente.Fen-er de Albuquer-
quemudou a sua aula para a ra do ttan-
gel n. 11, onde continua a receber alum-
nos internse externos desde ja' por m-
dico preco comr be publico: quem se
quizer utilisar de seu pequeo prestimo o,
pode procurar r o segundo andar da refe-
rida casa a' qui 'quer hora dos dia u/eis.
Aluga-te um ailio com boa caa de eakfado, a
qual lem mullos commodos. sita na povdaclo do
Monteiro ; a iralar na ra do Trapiche a. 14.
O padre Thoroaz de Sania Marianna da Jess
Magalhacs se ofTerece para ser capellao para aqoelle
senhor de engeuho que qoizer utilisar as mistas a
mais aclos proprios do ministerio sacerdotal, a para
entinar primeras ledras, doolrina chrlslaa, arilh-
melica, grammalica da Iingua portugoeza, gramma-
tica da liogua latina, msica e francez : o senhor de
engenho que qoizer, pude procurar o annuucianle
na casa de sua residencia, na ra da Concordia, dar
9 horas da manlia em diante de qualqner dia.
CONSULTORIO CENTRAL
HOMOPATHICO.
(Gratuito para os pobres.)
Itua de Santo Amaro, {Mundo-Noto) n. 6.
O Ur. Sabino Olegario l.udgero Pinna d
comalias todos ot diaa desde s 8 horas da
manhSa at as> 2 da larde.
Visita ot enfermos em seus domicilios, dai
2 horas em diante ; mas em casos repentino
e de molestias agudas e graves aa visitas serao
Tejas em qualquer hora.
At molestias nervosas merecem tralamento
especial segundo melos hoje aconselhadot
pelos pralicot modernos. Estes meio exis
lem no conaullorin central.
prprii
rVec
annuncie por esle jornal para ser procurada
lugar
adver-
THEATRQ
DE
S.ISASUL.
Sociedad* Dramtica Emjirezaria
aatoaita aaaiaaiMa pam Exm. Mr. y
fa-aaSMa, naa ataasal do javaa m
Jos Aquilas UtTiccioni
O agente Borja fani leilao em seu armazem na
roa do Collegio n. 15, quiula-feira 22 do correle a
11 horas da manhaa, de vario objeclos de difieren-
te! qualidades, como bem obras do marcineria novas
e usadas, obras de ooro e prala, reoslos para algi-
beira, vidios e loucas para eima de mesa, um rito
lustre, quinquillera francezas e oatros moiloe ob-
jeclos, os quaes se ncbarao patente no mesmo ar-
mazem ; asaim como varios escravos mojos de am-
bos os sesos, tem lmite de preco nlgum.
Oagenle Borja, autorisado pelo Ilira. Sr. Dr.
juiz de orphaos, conforme o seo despacho proferido
em requerimento do tutor dos menores (litios do fina-
do Manoel Jos de Araojo Machado, em presenca de
dito ftr. juiz, far leilao de 3 escravos perlancenlcs
aos referidos menores, sendo nma muala de meia
idade, dejnina figura, um molalinho de 12 anuos,
e urna m^Hinha de 10 annos, os quaes leem de ser
vendidetrvte armazem do agente atuntunante, silo
na roa do Collegio o. 15, se\la-(tira, 23 do corre-
le, as II horas da manhaa.
O agente Oliveira far leilao. por despacito
do Eim. Sr. Ur. juiz especial do commercio, azara-
do em requerimento do curador fiscal da ina-sa fal-
lida de Manoel Gomes de Azevedo Ramos, dai di-
vidas de livro mesma massa, na importancia de
rs. I :ii::isixo, segando a respectiva relarao dellas
em poder do dilo asente, para exame anlecipado
do preleudenle.: sabbado, 24 do correnle, ao' meio
dia em poni, no seu cserinlorio, ra da Cadeia do
Recife.
Henrique Brunn &C, fardo leilao, por
irvenrao do agente Oliveira, de gran-
le sorfimento de fa7.endas, todas pro-
prias do mercado, e recentemexite despa-
chadas : quinta-ieira 22 do corrente, as
10 lioras da maullan, no seu armazem,
ra da Cruz.
-er O alante Oliveira far leilao. por coala e rlsca
da qaaaa t?rtaoear, da rea d4Wntd*rtrt-
nelle o
volume e o numero da obra qoe quizerem ; asaim
como leiiham a boudade de fazer recolher i hblio-
theca os volumes que lverera em seu poder alm do
prazo concedido para a letura. Pernambuco 21 de
novembro de 1855.J. C. Coelho da Silva,i. secre-
tario.
Precta-se de nm padeirn que saiba Tornear e
que enlenda de todo o mais trafico de padara : qoem
esliver nesla circumslancias, dirija-se a roa larga do
Rosario n. 18, qae achara com quem tratar.
Precisa-se de nm prelo caplivo para o servico
de ama casa de paslo : na roa do Amorim n. 36.
OS Ml'ITO CONHECIOS QUEIJOS PIMA.
Na taberna da roa Nova n. 50, lem os qoeijos pi-
nha muilo frescaes, por terem desembarcado honlem,
assirr como fiamengos e lodo o mais para o paasa-
mento da fela, por muilo commodo preco e de ae-
perior qualidade.
PARA A BAHA
pretende ahir nestes 8 dina a muilo veleira sumaca
nacional llorttnciu, a qual tem parle dewu earre-
gamenlo prompto ; para o resto e passageiros, tra-
la-se com seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo, roa da Cruz a. 1.
Antonio Alves da Costa, de Banaueiras, por ter
encontrado oalro de igual nome, de hoje em diante
leassignara' por Antonio Alves da Cosa e Silva.
7- Precisa-sede urna ama para cozinhar na ra
do Queimado n. 9.
3a9s***s$9ge-99@$a
IN o rna 11) do corrente, fugio da roa do 4}
9 Brum, nm cavallo lazan foveiro, capado, (B
ps calcados, frente aberta, dinas e pona 9
9 da eauda corladas, com signal de cangalha 9
~ que era para o que servia, esl carnudo e 0
de lamaoho regalar : qoem o tver apanha- S)
do pode-o levar a ra do Itrum o. 20, que
9 sera pago do sea trthalho.
A mesa regedora da irmandade de Nosaa Se-
nliora da Soledade, erecla na igreja de Nossa Senho-
ra do Livramento, tem determinado fazer a fesla da
mesma Senhora no dia 23 de dezembro.O secreta-
rio, Alfeu Odn da Cnnha Goianna.
50 DE URATIFICACAO'. .
Desappareceu honlem do brigue Sumpathia o es-
cravo de nome Simeao, perlencenle ao capillo do
dito brigue, o qual escravo tem o sigaae seguales:
erioulo quasi fula, oalaral de Sania CaUjariiia, eata-
lura regalar, nariz um pouco afilado, #oca barba,
falla de om ou dousdenlesjM frente, atguma cousa
gago, e couata haver dordH esla noite na ra do
Raugel, casa n. 41 (a;ouon) por all ler-se adiado
roupa delle. l),i-so pois 509 a quem o prender e le-
var a 'bordo do referido brigue, on a casa de Manoel
Alve Guerra, uarua do Trapiche n. 14.
Aluga-se o armazem da casa do Trapiche No-
vo n. 12: a fallar ao etcriplorio Hother Bidoolac
Precisa-sede um caixeiro de 12 a 15 annos de
idade: a Iralar eom Manoel Jos Gomes Braga, roa
da Seozala Velha, padaria o. 98.
Perdeu-se um alfinele de peilo de senhora de
ouro, esmaltado, da ra Nava al a entrada da rna
do Cabuga' i quem o acho# leve-o na casa larrea n.
3, da roa que (fea pur delraz da matriz de Sanio
Anlonio ou Calabouc,o, que sera' bem recompen-
sado. |
Deseja-se saber te nesla provincia existem os
Srs. Alexandre Teixetra Coimbra e Manoel da Cou-
ceicao Cosa, e no cato de terem fallecido, o seus
berdairos, para negocio de seas inleresses: na ra
de Apollo n. 18, armazem de Manoel Ferreira dn
Silva Terroso.
A mean regedora da irmandade do Senhor
Bom Jetas do Pastos, erecla na igrejn matriz de
S. Frei Pedro Goucelvet do Recife, convida a lodos
os seus irmaos que dgnem-ie comparecer no dia
25 do correle mez pelas 3 horas da larde, afira de
eucorporados icompanliarem a procissao de Corpus
Chrisli, para o que lomos convidados por S. Eic,
Rvmd.
Precisa-se de cerca de 8008 juros sobre pe-
nhorel de ouro e prala : qoem quizer dar annuncie.
Nos abaixo designados tazamos saber ao lllm.
Sr. presidente e mal membros da sociedade Noolo-
giea, quo recouhecemos hoje nao ser dila socieda-
de que no* devoramos dirigir em o nosso amiuncio
do Diario na. 264 a 265, mas sim ao Sr. J. jj de
M. N., e por itso declarando que ella' nada nos deve
Ihe pedimos desculpa e desojamos que acceilando es-
la puDiicacao tcomo urna salisfarao fique tambem
salvo o seu crdito.Castellao & Vieira.
NOSSA SENHORA A CONCEICAO DOS MI-
LITARES.
O secretario da irmandado de Nossa Senhora da
Conceicao dos militares, em cumprimento ao artigo
18 doa estatutos respectivos, e de ordem da actual
mesa regedora, convida a todos os Srs. irmaos desta
irmandade, para que sesirvam comparecer na igreja
da mesma Senhora no dia 25 do correnle pelas 8
horaa da manhaa, assislirem a missa votiva do Es-
pirito Sanio, e depois desta a mesa geral, qne se ha
de proceder para a eleicjlo do pre-ldeole que lem
de funecionar no aono prximo futuro. Consisto-
rio 21 de novembro de 1855. Antonio Jos Itiliei-
ro de Moraet.
Precisa-se de orna ama, prela forra ou captiva
fiara cozinhar e engommar o lodo mais servico in-
aernu e externo de urna casa de pouca familia: a tra-
tar na pateo de S. Pedro tohrado o. 4, primeiro
andar.
aaj Precisa-te osa amataador. na ra i ttuala
Nova, padaria a. 30.
Bilhetes. 5s350
Meios.- 2.S675
Tercos. Is82
Quartos. I.?560
0 tintos. 1,SIIH5
Oitavos. 680
Decimos. "joO
Vigsimos. 280
Pernambuco 17 de novembro de 185.".
O cautelista Salustiano -de Aquino
Ferreira.
Lotera
DO HOSPITAL PEDRO II.
(Juarta-feira 28 do corrente, andam
a roda j da segunda parte da segunda lo-
tera io Hospital Pedro II; o meus afor-
tunados bilhetes e cautelas acl.am-se a ven-
da as lojas do costume, e no aterro da
Boa-Vista ns-- i e 68. Recite 21 de no-
vembro de 1855.O cautelista, Antonio
da Silva Guimares.
Carros fnebres
ADMINISTRADOR AGR.
Este estabelecimento, sito em um ar-
mazemperlenctJnte aos religiosos francis-
cano, confronte a secretaria de polica,
esta' competentemente montado, tendo
ptimos carros para prvulos e adultos,
com excellentes ornatos, sobresahindo en-
tre todos osdeprimeira'oi'dem: assim co-
mo os pannos sao os melhores que presen-
tementdB^om ricas borlas e guarneci-
dos de gwPo e franjas, tudo em eonfor-
midade do regulamento do cemiterio,
tem rico caixoes tanto para uns como
para outros, encarrega-se de tirar licen-
caso parodio e camata municipal, l'or-
nece msica, cera, carros de passeio, dis-
tribuido de convites, armacOes de ecas
e igreja, e Urdo quanto he necassario ,a
um enterre-, sem que os doridos tenham o
menor treommodo. O estabelecimento um
acha-se em estado de bem servir por ter *a
Esoispropriasa todos os misteres, tam-
il tem morlalhas de pinho para vender,
e aluga caixoes tanto de anjos como de
defuntos: para tratar no mesmo arma-
zem como administrador,ou as rasda
Cadeia de Santo Antonio casa n. 34, na
do Queimadon. 1, e a noite na de Santa
Thereza n 52.
PL'BLICACA' LITTEHARIA.
Salii.t luz o Manual Un E'tudanle de l.atiin,
dividido em duas parles. A primeira conlm um
compendio de grammalica latina, exlrahiio dos me-
lhores qne se lem publicado: romprelieiule as qoa-
Iro grandes divisdes da grammalicaelymologia,
tyntaie, prosodia e erlhographiae trata de lodas as
resras e cvcepr;6es mu precisas, sendo aj^aU urna
destas parles enriquecida de copiosas nofl Mtoslas
em ordem e ao alcance ile lodas as indBHicias ;
formando a lexlo um volume menor arque o da
arle do padre Pereira. A legunda parle conlm a
mylhologia ou historia da enliga relsio dosGregos
e Romanos, e om breve tratarlo doi coilomes e cere-
monias, tanto civis como religiosas doj amigos Ro-
manos ; um volme de mais de 300 paginas em 4.:
acha-se ti venda na cidade da Parahba, na loja do
Sr. Rufino Olavo dt Cosa Machado ; na cidade da
rea, na loja do Sr. Manoel Jos da Silva ; e na Ba-
ha, na loja do Sr. Carlos Puggeli ; preco de cada
exemplar 43000.
Francisco-de Paula Ferreira, leudo de retirar-
se para fora da provincia, traspassa o arren.lamento
da armadlo de sua venda, sita na ppvoacao do Mon-
teiro, com lodo o neceasario commoito independenlc
para morada, sendo com o conienlimento do pro-
prielaro: a Iratar no meimo lugar com o annuuci-
anle.
Domingo 25 do correnle haver
se qoe paga.se um ou dous mezes adiantados.
~ Predea-se de um caixeiro porlusuez de 14 a
Ib anuos, qne seja diligente e que d fiador sua
conduela : na roa estrella do Rosarlo n. II.
Precisa-se de urna pessoa que queira encarre-
gar-se da criarlo de um mulatinho de nove mezes ,
a quem convier dirija-se a ra dos Marlvrios n. 14,
que achara' com quem tratar.
A pessoa qne annunciou querer comprar orna
erammalica philosophica, por Jeronymo Soares Bar-
bosa, dirija-se a praca da Independencia ns. 6 e 8.
Augusto Carneio Monteiro da Silva
Santos, doutor enjmedicina, podea' ser
procurado na ra do Aragao n. 19, pri-
meiro andar, ou na ra das Laraageiras
n. 15, das 10 horas da manhaa, as 2 da
tarde.
Piecisa-se de nm caixeiro para lomar urna ta-
berna por balanco, sendo qae dr} fiador a sua con-
duela, prefere-se que lenha 11 a 16 auno de ida-
de : a tratar ao pe da matriz nova de S. Jos, casa
n. 5. '
-Madama Theard, c.he-
gada de Franca pelo ulti-
mo paqueteinglez,con vida
as senhoras de bom gosto
a approveitarem essias uoi-
tesde la, para vir admi-
rar e comprar os en fe i tes
e adornos de todas as es-
pecies, que ella mesma
escolheu no meio de todas
as uovidades de. modas,
que^ appareceram na ex-
posicao de Paris.
Preciia-se de urna ama para o servico inferno
da casa de um hornera solleiro : na ra da Cdncor-
dia n. 26.
Contrala-se por evapreitada a constroccao de
urna casa sobre pilare*, na estrada de Belm:
quem a mesma obra serfulter propr, dirija-se a/ua
do Pilar n. fia, das 6 as 8 horas da manhaa.
Offerece-se urna ama para servir em casa de
ponca familia : a Iralar no becco do Rosario, casa
a. 16.
. Os abaixo assianados declaram ao respeilavel
poblico, e principalmente ao corpo do commercio,
que apartaran) amigavelmcule no dia 20 de oulubro
prximo pausado a sociedade que linham na padara
Clraz da matriz da lina-Vista n. 26, que gyrava dc-
ixo d.i firma de Coimbra 6 Braiin, ficaudo desta
data em diante por eonla do socio Coimbra a geren-
cia da dila casa, ficaudo sujeilo a todo activo e pas
sivo debaixo da firma de Miguel dos Sanios Coim-
bra. Recife 20 de oulubro de 18.Yi.Antonio Ave-
lino Leile Braga, Miguel dos Sanios Coimbra.
assim esperam que os ditos seus devedores
deem oceasiao para tal fater. .
AVISO IMPORTANTSIMO.
0 cautelista Salustiano de Aquino Fer-
reira avisa a's pessoas que compram bi-
lhetes e cautelas las loteras da provin-
cia para negocio,que resolveu-sea vender
pelos precos abaixo declarados, sendo
a quantia de .lOOsOOO para cima, dinhei-
ro a vista, na ra do Trapiche n. 36 se-
gundo andar. Sao pagos sem o descont
de 8 por cento do imposto geral.
Bilhetes.......5250. 5:000s00
Meios........2S625. 2:500,8000
Tercos.......Ijjfft. 1:666*666
Quartos ...... J.,338. 1:250*000
Quinto*.......l,070. 1.000*000
Oitavos....... 669. 625*0041
Decimos...... 540. 500*000
Vigsimos..... 270. 250*000
Pernamfcjico til de novembro de 1855.
O cautelista, Salustiano de Aquino Fer-
reira.
Manoel Gomes Leal & Ceropanhia pedem a to-
dos oa teaa-devedores queiram ler a hondade de pa-
sar-lites as soas eonlas al ao fim do crlente roez,
compareceodo para tal lim na sua casa, ra do Cres-
po n. 9, segundo aodar, ou na roa da Cadeia de
Santo Anlonio n. 22, primeiro andar, onde podero
tambem relorm.r alguns de seus crditos e legajisar
as mesmati eonlas por meio de antros litlos, vislo
como na forma do cdigo commercial he istode abso-
luta necessdade, eerlos de qae lindo o prsenle mez
os annunr antes promoverlo a cobranea das mesmas
dividas pelos meios judiciaes.
cU
(A I fr.
O Dr. Dias Fernandes, medico, reside na {A
primeiro andar do sobrado da ra Nova,
esquina da d Sol : onde continua no ex-
eicicio de sua profissio.
I
um omoibos para Santo Amaro de
Jaboalao, saliir.i as .) horas dn ina-
uhla, e reuressa dalli as horas que concordar a
inaioria dos pasiaseiroi, costa laOOO o bilhele de
da e sulla : e vendo-so no eseriplorio da ra da
Cadeia de Sanio Anlonio n. II).
No holel da Europa preci-a-sc de um escravo
para servico de casa.
lamandade do Divino Espirito Santo de
S. Francisco.
O secretario da mesma irmandade, em nome da
mesa regedora, convida a todos os seos chariwimos
irniAos, principalmente us nosios irmaos metarios),
pira no dia j do correnle, pelas 2 horas da tafde,
comparecerem no referido roiivenU, para, enearpo-
rados, acompanmirem a procistslo deCorpot Chrisli,
aa D fuaina convidados por 8. Bxe.
cr
Precisa-se djkm ptimo oflicial de pharmacia,
dando fiador a sufloiiducla, do que se lite dar om
bom ordenado : a Iralar na roa Nova n. 53.
Madama Scasso
modista.
Aterro da Boa-Vista :\31.
Participa as senhoras desta cidade,que recebeu om
sorlimento de diOereiilrs objeclos de moda, ricos
chales de louqoim eslampados com um bello dese-
nlio, dilos bordados, dilos de retroz, romeiras bor-
dadas a matiz,-chapeo de seda para senhora e me-
ninas, novas modas de griaaldas de llores escaralos,
ricos corles de vestidos deelnmalole prelo, dilosde
-eia brain-a para uoiva, ditos de oores para baile,
I ii r ha n les tenlos de ouro, obras qne as senhoras nao
rleixarao de comprar, nobreza de (odas as cores, ri-
fes, vellidos, enfeitcs para Ihealro e bailes, e oulras
innitas fazeudas de gasto."
Precisa-se de urna molher de idade para ama
de urna casa de pouca familia ; na ra larga do Ro-
sario n. 32.
Cigarro de S. Pauloa^verdadciro surucaba.
Avisa-se aos Srs. acadmicos, qne de novo he che-
gado no depo*ito de charutos da roa larga do Rosa-
rio a. 32, um grande sorlimento de cigarros deS.
Paulo, vindo pelo Rio de Janeiro no ultimo navio,
e qae se vende em poreio e a relalho, sendo a 500
ri. o ccnlo, e por meuos cm milheiro.
Aluga-se
para se pasear a fesla duas casas na Torre, cada ama
coas 3 quarto, 2 salas, corintia fora, copiar, e mai-
to frasea, quarto para escravo a estribara, por eom-
modo preco : a tratar atraz a aaiivf 4* kWVMt
a. 13.
CONSULTORIO HOMOPA-
THICO.
(Giatuito para os pobres.)
28. RA DAS CRUZES 28.
O Dr. Casanova dti consolta e faz visi-
tas a qnalquer hora do dia.
Os medicamentos homocopalhicosmaisacre-
dilados do Universo, Ao os qne silo prepa-
rados pelos Srs. CATBLLAN e YVEBER,
phannaceulicos cm Pars: nesrrt casa lem
sernpre um grande sorlimenlo desle me-
dicamentos em tinturas de loda a dyna-
misac,6es; e em glbulos preparados pelo
proprietarie desle eslabelecimenlo: carlei-
rajde lodos os tamandoa, e moilo mais em
do que em qnalquer onlra parte.
carieira de 24 medicamentos. 63000
(rateo de tintura a escolher 13000
Tubos avulsos, a 300, 500 e I?.
Elemen tos de homu-opalhia, 4 vol. 69000
(A N. B.Cada carleira cucarra os medi-
7 carne )"s preservalivos e curativos do clto-
t)9 lera-inorbui.
Na loja da Boa Fama, na ra do Queimado n.
33, recebom-te encoramendas de ramos arliliciaes de
diversas fruclas, como pitanga, nbaia, caj', mac.la
etc., lano para rnalo de bandejas de bolinhos, co-
mo para doces seceos.
Urna pessoa versada em cinco lingual, vario
ramot scienlilicos e historia, entina para fura do Re-
cite, porem s pode contratar negocio para a fregoe-
zia de Santo Anlao ou parte coojuncla a ella.
Candido Jos Lisboa, antigo discpu-
lo do Sr. padre Joaquim Kapbael da Sil-
va, api-i-ovado plenamente pelo lyceu
ulesta cidade, da' lices de latim, francez
portuguez: na ra de Apollo n. 21.
Antonio Roberto, com loja na roa Nora n. 13,
acaba de leceber pelo ultimo navio francez um com-
pleto sorlimento de fazendas de goslo como sejam,
chapeos di: seda para seohora, dilos para meninos,
ditos de Miro brancos e decore^, diles de dina para
hornera, forras de velluaH hadadas, ricas caixas de
charflo, leqoei de charafl pennas, luvas de pel-
lica de Jouvin, camiStaBafK casta bordadas com
manguito para senhora, Heot eafeites de cabeca e
flores, fitas, bicos de blonde, jogus de xadrez, obra
da China, e ontras mailas fazendas de gosiu, france-
zas e da l bina, qae asanlo plenles ao comprador.
Almla se acha por alugar urna casa terrea, sita
no lugar anl'Anna de dentro, cajo lunar he o mais
salubre pcssivel para a {establo presente : na ruado
Trapicha Novo n. 20.
J. MI DENTISTA, S
0 contina a residir na roa Nova a. 19, primei-
m\ ro andar.
ai
mcUa-se para o servico inlerno de ama casa
estrangeira, de urna pessoa que enlenda de cozinha
e etigomm-:: na roa Nova n. 17, se dir quem pre-
cisa. '
Aloza-sc o primejje andar do sobrado tU roa
do Hospuio, que fui da sociedade de dansa Recreio
Militar : n Iralar com Frederico Chaves, no aterro
da lioa-Vi-la u. 17.
REPERTORIO DO MEDICO
HOMEOPATHA.
EXTRAHIDO DE RUOFF E BOEN-
NINGHASEN E OUTROS,
e posl^jm ordem alphabelica, eom a descripeo
sLJim i
ade I
e tlirap
abreviarMUe todas as molestias, a iitdicacAo phjsio-
logica e llierapeulica de todos os medicamentos ho-
meopalhii-os, seo lempo de acejo e concordancia,
seguido dii um diccionario da significarlo de todos
os termos le medicina e cirurgla, e posto ao alcance
dat pessoas do povo, pelo
DR. A. J. D| MELLO NORAES.
Ot Srs. nssignanles podem mandar bolearos seus
exemplares, assim como quem qoizer comprar
Precisa-se de ete centos mil reis a
premio, dando-se duas esclavas por segu-
ro : quem os qiier dar annuncie
Massa adamantina.
He gerlruente recouhecida a excelencia desla
prepara;ao pora chumbar denles, porque seos reiuP
lados sempre feliae sa j do dominio do publico.
Sebaslio Jos de'Oliveira faz oso desta preciosa
massa, para o fim indicado, e as pessoas que qaize-
rem honra-lo dispondo de seus servicae, podan pro-
cura-lo na Ira vessa do Vigario a. 1,aloja de bar-
beiro.
9
: DENTISTA FRAHCEZ.
,. Paulo tiaignoux, dentista, estabelecido ua
* rea larga do Rosario n. 36, segando andar, 9}
9 colloca denles com a pressaodo ar, e chumba #
dtnlet com a rnasaa adamantina e oulros me- 0
9 taes. m
999*mm
Attenco.
Desappareceu na atadrugado de domingo. 11 do
corrente, ama canoa fie carreira de om t pato, pin-
tada cor de chumbo, a qol ja foi vista com frete na
camama da Barreiras : quem a acbou leve a cata da
esquina, confronte ao Ihealro de Santa-Isabel, qoe
ser generosamente gratificado, oa avise para ter
procurado ; protesla-se desde j contra qoalqaer
pessoa que eitiver de posse delta.
Novo livros de homeopathia em francez, sob
lodas de aumma importancia :
Hahnemaan, tratado das molestias
lumes........ .
Teete, rroleilias dos meninos .
Hering, hemeopalhia domestica. .
Jaltr, pliarmacnp.i homeopalhica.
Jahr, novo manual, 4 volumet ....
Jaltr, molestias nervosa. ......
Jahr, molestias da pe le........
Rapou, historia da homeopathia, 3volme*
IIarlltmann, tratado completo da molestias
dos meninos..........
A Teste, materia medica homeopalhica. .
De Favolle, doulrina medica homeopalhica
Clnica de Slaonelt .......
Casling, verdade da homeopathia. .
Diccionario de Nytten.......
AtUat completo de anatoma com bellas es-
tampas coloridas, conlendo a descrpcao
de todas as partes do corpo humano .
vedem-se todos estes livros no consultorio homeopa-
thicodo Dr. Lobo Moscoso, roa Nora n. 90, pri-
meiro andar.
uJBmmBmmsi
AO PUBLICO.
No armazem de fazendas bara-
tas, na do Collegio n. 2,
vende-se um completo sortimento
de fazendas, unas e grossas, por
precos mais baizoa do que em ou-
ti.i qualquer parte, tanto em poa>>
^oes, como a retalho, aifiaiicando-
se ao compradores um t preco
para todos : este estabelecimento
ahrio-se de combinacao com a
maior parte das casas commerciaes
inglezas, francezas, allemaas e suis-
sas, para vender fazendas mais em
conta do que se tem vendido, epor
isto ofFerecendo' elle maiores van-
tagens do que outro qualquer ; o
proprieta rio deste importante es-
tabelecimento convida a' todos os'
seus patricios, e ao publico em ge-
ral, para que venham (a* bem dos
seus interesses) comprar fazendas
baratas, no armazem dafrua do
Collegio n. 2, de
Antonio Luiz dos Santos dt Rolim.
<*waiti,4vo-
.* tus
. MWX
. f0O
8no
469008
IttpOOrj
7S00
49000
90(099
0 ASSESSOR FORENSE
au
o formulario de todas as acoo'es co-
nhecidas no nosso foro
PELO
DR. CARLOS ANTONIO CORDEIRO.
Acaba de ser publicada e acha-se a venda aa K-
vraria da esquina do Collegio o.* 90 de Ricardo da
I" i-eilas A C. a primeira parla do Assewor forense
eooleodo, alem do formulario do processo peronle o
jury, ( adoptado pelo governo ) nolavelmente ang-
menlado com lodaa as peticoes, despachos, e mais
termos que nella foram apenas indicados.:
O fbrmolario complelo dos recursos.
O do processo de haoeas-cerpvs.
O dos termos de bem viver.
>dos termes de seguranza, quer ej-officio, qner a
requerimento de parle.
O formulario do processo por quebrntenlo destes
termos.
O de todos os processo policiae, e qae carbota o;i
aleada.
O de anat appellafOes. |
O do processo por abuso de liberdade de imprensa-
quer por crime di injuria, qoer por crime da ca-
lumnia.
Jo processo de tajajtansabilidade do* emprefa-
dos nao privilegiados.
O do processo por>rime de contrabando.
Ee ira bal lio acha-se feilo eom tanbwpinaciosi-
dad/ e clareza, que os Srs. jones, deletjflka *t>a- '
delegados, escrivaes, advocados, ioapec9|de qaar-
leirao, procuradores, ou outro qaalqaa'r^aaajaregado
de juslice, quando nao lenham metano tdeia aignaa i
de processo, o podero iastaorar e eondoii-la por
si mesmos regalar e legalmenle : taca ale as exp-
caces do Asaessor Forense.
Na casa cima indicada, vende-se tambem a coi-
lectilo de principios, regras. maxiatase axiomas da
direiloem geral, pelo mesmo Dr. Cordeiro, obra de
immensa vanlagem para os Srs. juizes, advogados
provb^onados, ele., por isso qae nella se enconlra,
cm ordem alphabelica, toda as regras, mximas da
direilo, ele, com chaceo das Tontea de onde Ma ce-
Ihi.las.
O preco do Asaessor Forense he 58 brochado, (e
eocadernado.
pnA da colleccao dos principies e axiomas de dire-
PARA A FESTA.
Aluga-se nomelhor lugar da Torre, um
sitio com grande casa nova, estribarie
cocheira e quarto para leitr: a tratar na
rita da Cruz n. 10.
PUBLICACA'O COROT.RAPHICA.
Esta' a venda na livrarla classica n. 2,
no pateo do Collegio, a obra intitulada
Breve Noticia Corographica do Im-
perio do Brasil, escripia em 18i; e ro-
ga-se aos senhores assignantes que tenham
a bondade de mandar buscar os seus
e\emplares, no armazem. de leiles, na
ruado Collegio n. 15. .
NAVALHASA CONTENTO E TESOliRAS.
Na roa da Cadeia do Recife n. 48, primeiro an-
dar, eseriplorio de Augusto < de Abren, conti-
nuam-se a vender a 89000 o par (preco fixo, as j;i
bem condecida* a afamadas navalhs de barba, fejilas
pelo hbil fabricante que foi premiad* na e,>***c,o
de Londres, as quaes alm de durarem eitra*
riamenle, naoseaaatent no rosto na acso d
vendem-se com*ao0di(;3o de, n3o agrad
derem os eompradoreadevolve-las at f
p'^mp2!l^Sie1!tL,^mXe
sa nancn toaonrlMUapata iraWlii,
mo filricaBia,

.
-


i
I


PUMO DE PEMA1BUU) TQUH.TI ftlM ti OE NOVMMO OE 1855
CONSULTORIO DOS POBRES
O mu* VOTA 1 AHBAB ftO.
O Dr. P. A. Lobo Moscozo di conjulu homeopathica lodo os dias ao pobre, desde 9 horas da
manh; a .it o meio dia, e em casos extraordinarios a qualquer hora dodia ou nolle.
OSerece-s igualmente para praticar qualquer operaco dacirorgia, e acudir promptamenle a qual-
quer mulherque esleja mal de parlo, e cujascircumslanciamao permitlam pagar ao medico.
SO COSSITORIO DO DR. P. A. LOBO I0SC0Z0.
50 RA NOVA 50
VNDESE O SEOUDfTE:
Mauual completo de meddicina homeopathica do Dr. G. H. Jalir, Iraduzidoem por
luguez pelo Dr. Moscoio, quatro voluntes enradernados em dous e aeompanhado de
un diccioaario dos termos de medicina, cirurgia, analotnia, ele,ele...... 20Q000
Ela obra, a maisimporlanle de loda* as que tratam do esludo e pralica da homeopalhia, porlsera nica
inv"^"!- /u"(!"mcnll ,,'e,a doulriuaA PATHOGENESIA OU EFFEITOS DOS MEDICA-
MENTOS NO ORGAMSMOEM ESTADO DE SAUDE-conliecimei.to. que nao poden, dispensar as pes-
soas que se querom dedicar a pralica da verdadeira medicina, iuteressa a todos os mdicos que qoizerem
eipenmenlar a doolrma de Hahnemann, e por si mesmos se convenceren! da verdade d'ella a lodos os
aaendoiros e senhores de engenho aun eslSo longe dos recursos dos mdicos: a lodosos capujes de navio
que urna ou oulra vei nao podem deuar de acudir a qualquer incommodo teu ou de seus tripulantes :
a todos os pas de familia que por circunstancias, que nem sempre podem ser prevenidas, saolobriga-
uo a prestar in contmenU os pnmeiros soccorros ero suas enfermidades.
O vade-mecum do homeopalha ou tndoccao da medicina domestica do Dr. Herios
obra lambem mil s pessoas que se dedicam ao estado da homeopathia, un volu-
me grande, aeompanhado do diccionario dos termos de medicina 0 in-OOO
O diccionario dos termos de medicina, cirurgia, anatoma, etc., etc., eocard'enado* TMM
Sem verdadeiro e bem preparados medicamentos nio se pode dar om passo "segur na pralica da
homeopathia, e o propriet.no dele eslabelecimento se lisongeia de te-lo o mais bem montado possivel
umguem duvida hoje da grande soperioridade dos seus medicamentos. possivel
De
De
De
De
Da
PRECOS INVARIAVE1S.
Botica da 5* ou 30" dvuamisac,ao.
ts! tubos......
oi ....., .
36 .........., ,
<*...........
0 a i ........
De 14* ............
Ouatquer desla boticas em lindaras, o dobro.
Cada lubo avulso.............. 1000
Meia onca de qualquer tinctura da quinta dvnamisacao '. ". '. '.'.'.".** onoo
Um frasco da verdadeira lindura de rnica........... ISJJ,
TtdrMormH^m!'1'.em.pre','e^d" ena!' nqmero de lBbos de "7sU' de "os Umanhos,
Tiaroepara medicamentos, e aprompli-se qualquer eucommenda de medica
fle e por presos muilo commodos.
Menores. Grandes.
. 88000 1o000
. 1.-.500O aosooo
. 209000 259000
. 259000 309000
. 309000 359000
. 60000
amentoscom toda a brevida

I
TRATAMEiYTO HOMOPATHICO.
Preservativo e curativo .
DO CHOLERA MORBUS,
PELOS DRS
uu insiraccao ao povuparase podercurar desla enfermidade, adminislrandoos remedio mais etlieazes
para ata/ha-la, emquanlo" se recorre ao medico,ou mesmo para cura-la iudependente deitea nos Issm
em que nao os ha. ttsix*
TRADUZ1DO EM POBTUGUEZ PELO DR. P. A. LOBO MOSCOZO.
Estes dous opsculos contmas indicarse mais claras e precisas, e pela sua simples e concisa eioosi-
cio est ao alcance de todas as iotelligencias, nao pelo que drzrespeilo aosmeios curativo como orin-
cipalmenle avs preservativos que lem dado os mais satisfactorios resuliados em toda a Darle na
elle lem sido potlos em pratic*. K H
Si'ndoo Iratamenlo homeopathico o nico que tem dado.grandes resollados nocuralivo desla liorri
vel enfermidade, oigamos a proposito traduifr estes dous importamos opsculos em lingua man.
la.Ipara dest'arle facilitar a sua tritura aquemignoreo francer.
Vnde-se nicamente no Consultorio do Iradudor, roa Nova n.52, por 29000. Vendem-se lambem
rnwl'camentos precisos e boticas de 12 tubos com um frasco de lindura 109000, um dilo de 30 lubos
O SOCIALISMO'
PELO GENERAL ABRE E LIMA.
Anda eiislem alguns eiemplares enqundernados,
e acham-se a' venda na loja de livro dos senhores
Ricardo de Freitas & C, esquina da ra do Collegio,
e em cia do autor, paleo do Collegio, casa amarella,
no primeiro andar.
COMPRAS."
Com'pram-se escravos e recebem-se para ven-
der de commisso : na ra Direita n. 3 defroule do
boceo de S. Pedro.
Corhpram-se moedas de prata e se-
dulas.de 16000 e 2#0'00 reis, que nao se-
jam rotas: na ra da Cadeia do Recite,
loja lie cambio n. 58.
Coropram-se acedes da divida provincial : na
roa larga do Rosario 11. 36, segundo andar.
Compra-te uma-escrava prela 00 parda, que
seja m>c e sem achaques, engummadeira e coslu-
reira : paga-se bem: na ra de Apollo armazem
n.52.
Compra-se urna espingarda de 2 canos que se-
ja mu ;to boa : qaem tiver e quizer vender, dirija-se
ao anaaiem n. 7 do caes da alfandega. para tratar.
VENDAS.
lolhiulias
Pili 18S8.
Estao a' venda as bem condecidas fo-
Ihinhas impressas nesta typogiaphia, as
de algibeira a 320 e as de porta a 160; as
de algibeira alm'do kalendario ecclesi-
astico e civil, contem um resumo dos im-
postos municipaes, pnovinciaes e geraes
^ae, e (.tracto dos regula montos parochiaes,
doa.'miterio, enterrse sello, ratamen-
to de varias molestias, inclusive a do cho-
lera., contos, variedades e regras para fa-
zer inanteiga e queijosde dilerentes qua-
lidades, dittos ecclesiasticas ou de padre a
i80 rs. : vendem-se nicamente na livra-
ria n. 6 e 8, dapraqa da Independencia.
No iim do mez sahirao a luz as de al-
manak.
Vndese um bom escravo para lodo o servico
e principalmente para armazem de assucar : a ira-
lar na ra da Madre Dos o. 2.
Vende-se tarops para refrescos de diversa
qualiciades em por0o e a retalho.por commodo pre-
so: no paleo de S. Pedro n. 1.
RELOIOS AMERICANOS PARA CIMA DE
... MESA.
Uuigeram os relogios americanos com corda de 24
loras e de 8 8a, diversos modelos, como tambera
|weg(H americanos : vendem-se na ra do Trapiche
Vendem-se 3 escravos moco de bonitas figu-
ras, l molatinha de idade 18 annos, que engomma,
cose c cozmha, 1 negra mor;a com as mesmas habi-
iwau.;, e oulra que coziuha o diario de urna casa
na rua Direita u. 3.
' 'T^v*n Mr*, a garrafa, e saccas com muito bom'miiho a
PUW. no paleo do Paraito, taberna da estrella
Ul 14-.
Em casa de lenr\ Bruna & C., rua da
Cruzn. 10, ha para vender um grande
sortimento de ouro do melhor gosto, as-
sim'como relogios de ouro de patente.
TAIXAS DE FERRO.
Na fundicao' d'Aurora em Santo
Amaro, e tambem no DEPOSITO na
rua do Brum logo na entrada, e del'ron
te do Arsenal de Marinba ha' sempre
um grande sortimento de taichas tanto
de febrica nacional como estrangeira,
batidas, fundidas, grandes, pequeas,
razas, e fundas ; e em ambos os logares
exi$tem qutndastes;- para oarregar ca-
noas, ou carros livres de despeza. Os
precos sao' os mais commodos.
' ARADOS AMERICANOS.
Lhegaram os arados americanos, e vendem se na
roa do Trapiche u. 8, pelo prejo ja sabido de O9.
- Vende-se um cavallu ruco, granate, muilo hom
e muilo gordo : a tratar na rua .Nove, km u 47 aV
Jos brancisco Carneiro. #
Vender urna maraca nmii liada e muilo
mana, que nao sabe morder,! Rrlneipio'de
nansa ; e lambem um papagaio falUdor, cantee lo-
t, y"? D,cl?nal' chottach e a rooreninha,
alem de oulras mullas cousas: quera pretender, di-
nja-se a estrada de J0A0 de Barros, em frente do
parta* do Sr. bngadeiro Jnaquim Bernardo de Fi-
gueiredo, que achar com quem tratar.
en de-se um globo do
mundo, obra franceza che-
gado ltimamente e por
barato preco: na rua a
Cruz u. 26, primeiro an-
dar.
laram es
DI
i
ECHAHISIO PARA ERSE-
NA FUNDigAO DE FEKRO DaENGE-
NHEIRO DAVID \BOWNIAN AA
RUA DO RRUM, PAGANDO O HA-
ITAnLba
ha semprejAjrande sorumento dos seguioles oav
Kninos proprio para enfcenbos, aX
r!Li-?^, mela5 oeDdM d ais moderna
conalruciao tanas de ferro fundido e balido de
superior quahdade e de lodosos lamanhos ; roda*
denudas para agua ou animaes, de todas as lropor-
Sea ; crivos e boceas de fornalha e registros de bo-
oro, aguilh&es, bronzes, paralusos e cnvilhOes, moi-
uno de mandioca, etc., etc.
NA MESMA FUNDICAO.
seej.jculamlodasasencommendascom a soperio-
ridade ja conhecida, e com a devida prestezae com-
modilade em preco.
~m casa de N. O. Bieber da Cruz n. 4, vende-se :
Vinho de Madeira em miarlos c oita^fe
bams. \ lo,
Vinagre bra
Tintas em ol
Lonas.
Brinsda Russia.
Papel de embrulho.
Sceos de estopa.
Cemento.
Por commodos precos.
-*- Ra rua do Crespo n. 11 luja do amigo baralei-
ro, vendem-ie as seguintet obras : grammalica da
lingua porluguexa, por Caslro Nones, enendernada
S ,?m ''"" o; o esludo christao por
120 cartilha do Porto com 27 eslampas por 400 :
cartas do Dr. Jeronymo Villela por 500 ; o sanio
muagre por 80 ; compendio de grammalica porlu-
gueza por Jos Alejandre dos Pas.os 480; um sonho
polilico por Moraes Pinheiro por 320.
GENN LINDA A 900 RS. A VARA.
Acabam de chegar Irinla dilerentes padrOes de
urna cambraia que madama Jenn Linda traiava ero
aetambro mais de om vestido por dia, e logo depois
lodaa as seohoras elegantes de Paria imitaram esla
camjraia e de golos anda nao conhecidos
venda nicamente na rua doQueimado n.
tedobeccoda Congregado, d-se amosli
penhor.
7" ) "U,T'*e pip" va,i": oa raa d* Guia n. 64
egundo andar, e para ver oa mesuia rua o. 9, li-
berna. '
Vende-se superior farello em saccas grandes,
"^bS? I8?00! e em W'&o de 5 saccas para cima
a d#8UO,rarinha de tapioca em saccas de 3 arrobas a
cima ; a WOOO a arroba, he muilo superior : na
Iravessa da Madre de Dos armazem n. 5:
. ; vende-se nma negra muito boa, propria para
servico de ensenho : na rua do Amoriro n. 39, ar-
mazem de Mauoei dos Santos Piolo.
Fazeoda rica he
flavina.
Chegada ullimamenle peia barca franceza Luisa
" W?,eme,freto,dolb4VDd11 "'"* d Qae,m,do
fm7d* be'0'P*e t"m UvrwTd'rcol-es: *jKiVp*Sf l(\H fliP *> fc
r?^ "'"i"8 0am' P" diminuto Pre3 I W CSIIUU Ufv St^CIcl
nhor"600 CTad : d8-sea' mo"r" odo'pT A m o corte.
Na rua do Queiioado em frente do becco da Con-
gregcao passaodo a botica, a segonda loja de fazen-
das de Uennqoe & Santos, vendem-se cortes de ves-
tidos de seda dequadros a I5# o corle, dao-se as
amostras com peuhor.
Vende- ama negra crioola de boa figura,
propria para casa de ramilla, com 3 crias de I a 4
annos de idade, sendo a mais velha mulata, a qual
eognmroa soflrivelinenle: a Iralar na rua da Cadeia
do Hecife, loja de miudezas n. 7.
,.TI "%}'"*' "I"*Xo" de Ci'|",0 s'a "> W-
1* !r 'aq ,em commdi>s para familia: a
tratar na metmacasa.
iTi.Clp.*cho":on,'>ri,los e redondos a 800 rs., po-
,!:T f.0,.,ll0,-,.ndem-e na rua do ytieimado n. 3,
ioja de Joao Chnsostomo de Lima Jnior.
. Vende-se urna rasa lerrea, conrui.ih a mo-
oerna de lijlo e cal, na rua Imperial al.n da t-
urica de sabito : a Iralar no pateo do Terco n. 32.
Vende-se um cavado de sella por preco com-
modo : na rua da Florentina n. 3(.
Vende-se a revista militar dT eiercito pnrlti-
euez de 1851 a 1854 : na prara da Independencia,
No aterro da Boa-Vista n. 80, vendem-se ul-
iimameuleclieeados de Lisbtia presuntos 320 a li-
bra, chooncas a 400 rs., Inociuho a 320, chocolate a
100 r. a libra, massa de eslrellinha e pevide a 400
rs. a libra, vinho museatel de Setubal a 19 engar-
rafado. 8
Vende-se um sitio, na estrada do Rosarinho,
conrronte a igreja do mesmo nome, lem casa de pe-
dr 11 cal em bom estado, cacimba com agua de be-
ber, boa baia para capim, e arvoroaa de fruclo :
a tratar na sua das Trincheiras'n. 46V
Vndese urna prela moja de nacaocom al-
gumas habilidades: na rua da Uuia n. 9.
NOVOS CORTES DE SEDAS
PARA VESTIDOS.
Ricos cortes de vestidos de sedas, corles de catn-
brai de seda, corles de cassa chitas, chales de me-
rino de lindas cores, ditos de relroz bordados, cami-
sua, camisas franceza para hornero, peitn* para ca-
misas e oulras muitas fazendas novas: na roa Nova
loja o. 16 de Jos Loiz Pereira.
Vendero-se por preco commodo 3 venesianas
cora suas competentes caixas, em bom estado, 1 re-
oslo de quadro de lindo gosto e bom regulador s no
erro da Boa-Vista, sobrado n. 17.
, ~ Vende-se urna casa na roa do Fogn. 32: a
iralar na rua do Livramenlo n.2l.
A 3,500 0 OTADO.
Na loja junio a da Fama, na roa do Queimado n-
JJ A, se ednlinua a vender panno prelo prova de li-
mSode superior qoalidade, pelo diminuto preco de
.au o covado; convidase as pessoas do bom e
barato qne venham ver dila pechincha, que visla
della nao deuarao de comprai, por ser fazenda que
JIS* 1 p!,c pur '"""',0 "^,em rendido he de
TWaJU ; alem deste esislem oulras muitet^uialid.i-
des, que se vendem por meaos do quekjfc oulra
qualquer parte. |
Fumo em folha.
Na rua do Amorim n 39, armazem de Manoel dos
santos Pinto, ha moilo superior fomo em folha para
charutos, por preco commodo.
Palitos france-
ses.
6 Vendem-se palitos e sobrecasacos de panno fino
preto e de cores, lodos forrado de seda, e da ollima
moda, pelo barato preco de 209000 : ua rua Nova,
loja u. 4.
Vestidos. ^
Vendam-ae cortes de barege de seda com 25 coval
dos, azenda nova e de gosto a 209000 o corte ; a
rua .\ova n. 4.
S. MATIIEUS.
Condeces grandes proprias paraengommados para
os bellos sitios.por serem muilo leves e ler muita ar-
rumaSo : na rua estreila do Rosario n. 13.
Vendem-se 3 moradas de casas sitas oa rua Im-
perial ns. ai, 218 e 220 : quem quizer, dirija-se a
mesma rua n. 44.
Vende-se urna negra de narao, ptima quitau-
deira, e por preco commodo : na roa da Concordia,
taberna 11. 26, se dir quem vende, f
Vende-se um ptimo casal de escravos com ai-
Rumas habilidades : ua camboa do Carmo sobrado
o. 10, segoodo andar.
Vende-se moilp bom milhoem saceos grande)
vindos da Pnrahiba, e moila)boa carne do serlao :
luuo por pre^o commodo : oa rua de Santa Rila o.
o, taberna.
. ~ Vende-se urna neira crioula com todas as ha-
bilidades, de idade de 24 annos, e bonita figura : na
rua do Livramenlo n. I.
^^^-^
GRANDE ATTENCAO!" 2
A hnlura de losa romana, de Sollini, he J
9 um dos encllenles remedios tnicos eonheci- 9
dos, eque maior numero de vezes lernpVo- #
i dundo melhores elleitos as molestias a que
se lem julgado applicar. Cora com admira-
9 vel promplidao as dores nervosas do esto- B
t naito, accelera a digeslao nat pessoas qne a M
t lem tarda, faz desapparecer os amargos de
W bocea e os gazes que se accumularo no esto-
mago e desenvolve o appetile; cura igual- S
W meule as desyntenas chronice, as flactuo-
sidades, e he om poderoso remedio para as S
m enancas que soflremde lienleria ou dejeccoes
V alvinas liquidas, emuilas vezes repelidas, as 2
quaes se acharn os alimentos mal digeridos 2
As sen horas que padecem de chloroseon pal- 2
hda edr, acharao na tintura de losna romana 2
uro remedio elueaz, o qual sendo osado por M
algum lempo as torna coradas. Tem sido de
w gfande vanlagem no Iratamenlo da leucor-
m rnea ou dores brancas, e juntamente no Iluto 4
9 sanguneo proveniente de alonio do ulero'^2
9 Seu uso he mu simples: as pessoas adultas #
9 devem tomar doas colherioha de manhaa 2
9 em jejuni. ednasa noile quando se quize- 2
9 rem agazalhar, dissolvidas em pequea quan-
9 lidade de agua morna. A crianess lomarao
9 urna colhennha de manhaa e oulra a noile
8 Vende-se nicamente na botica de Joaquim
de Atmeida Pmlo, na rua dos Ouarleia
99999999999-9999999999
SACCAS COM MILHO NOVO
Vendem-se na
FARINMA DE MANDIOCA.
Na rua do Vigario n. 5, vende-se por
mdico proc superior farinha de man-
dioca.
Uliudezasdebom
gosto e baratas.
loja da rua da Cadeia
Velha, esquina do Becco-Largo.
Camisas france-
sas.
Vendem-se camisas francezas com oeilo de linho a
Rico
)gaz
selft
e de
CHAROPE
DO
BOSQUE
O uuico deposito continua a ser na botica de Bar-
Iheloineu Frauciaeo deSouza, na roa larga do Rosa-
rio 11.36; garrafa graudes59500 e nequenas :i9000.
nrMTANTE PARA #f 11LIC0.
^ira de phtsica em lodosaeusdiflerenleg
,fWf "Otivada por conslipacfie. tosse, asth-
Bz. escarros de sangue, dr de costados e
joilo, palpitado no cora^ao, coqueloche, bronclil
dor na garganta, e toda a eWftuasdo orgias pul-
2M*J de ida. cores, fazeuda propria paro 1
?2d Sr?'' .""i0 udimi0,,,0 P'e W C0-
Qutim.Tore"ed0bCCCO *W5K roa do
Challj
*A 800 rs. o covado,
im linda o variadas cores, rica l.ia com quadros de
cores fingindo seda, pelo diminolo preco covado : na rua do Queimado n. 38. """"*"
Chapeos para se-
nhoras.
na rua Nova, leja n. i, de Josc l.uiz Pereira JunfoV

Chales de tou-
quim, #
.l.V^deDl"fe cil8les d ,ou,luim bordadobraiicns e
chally para ves-
tidos.
-,J5Mf-.**ly d quadros o luirs, faeenda
moderna e de gosto para vestidos ; dao-se amostras
com peohores : na roa Nova n. 4. '""""
Frondelina de
seda.*
oda de seda, campo liso coro lislra, de seda melisa-
das, o que faz realcar o mais possivel, vende-se un-
"meule na rua do Qoeimado loja. n. 40 de llenrf-
que & Santos, em frente do becco da Congregacao,
paMando a botica a segunda loja de fazendas.
r bZ r^r6"88 uma1"era de nos, muito .ada
eboafateira e vendedora de rua : na rua dasCru-
ze n. .* luja.
. Braceleles de bom oslo.
\ endem-se bonitos braceletes de cornalina nara
senhnrasa 13900 ditos de diferente, go..o,.corP.,
1S280, ditos parmeninas a 19900 .eolio se acaban-
fnmo LTn.QUe,mad ",3 l0J" de Joao Chrii.-
lomo de Luna Jnior.
Feio e bom.
amado Queimado n. 63 acabada chegar as
bem conceiluadas navalhas feio e bom verdadeiro
"500 aPena P"UC08 eS,j* e pre! ,le
, CERA DE CARNAUBA.
Vender cera de carnauba em poreflo e a relalho,
por preco commodo : ta rua do Rannel n. 1
a PALITOS FRMCEZES.
A fabrica de chapeo de sol da roa Nova n. y
esquina da comboa do Carmo receben pelo uitiio
navio chegado do Havre os objeclos seeuintes pau-
lo de panno fino forrados de seda preta e de cores
ditos de setim do China, ditos de palha de seda,ditos
de alpaca preta ede cores, ditos de linho de brela-
nha branca, casacas de panno prelo e do uilmo cos-
to, riqusimas camisas coro aberturas, punhos e co-
laruihos de linho, um lindo sortimento de grvalas
de seda, um completo surlimeolo de chapeos de sol
de seda o de panno para hoinem o senhoras, asiim
como chicotes, bengalas o rauilos ootros objeclos de
gosto, os quaes se vendem por preco muilo dimi-
nuto.
^",; rico-' l,l'ues com ''"rota, espelho e plu-
ma a M*)W e 39000 rs., nova, luva de pellica de
imra'i0 U"'0 para '""nem co," P'a seuhora a
lolu l'".r- dilas de seda para seuhora e hornera a
19280 porem uiuilo boa fazenda, alfinetes de. ma-
dreperola par chale a 800. lindas Mistaba com
o irasquinhus de eslraclo 5000, penles de tartaru-
ga para atar cabello a 491O0, dito, de baleia muito
superior qualidade a 1600, lO0. 19000, 50n, ||-
nnas de miad a methor e a inain fina que ha no
rnerr,d0 a oo, 2,0i :,20, carteirinhas d agulhas a
iM?|i'Vlesed" e bur^i,clll, ullimo aoslo a Paris
, l5:'H'' dila a 500 o par, bonete*, roilinhas de lid
avradas feilas em Paris a 19000. muilo bonitas e
oaralas rica* cuixinhas de ainendnas coulciladas pro-
prias para se dar de mimo > -29000 a caita, allineles
douradoemaaspeaiJOOO. ro/.elas donrada muito
bonitas a l90O..par, meias de laia para padre a
ip uniros objeclos por menos preco do que era outra
ualquer parle : na rua do Queimado n. 63, loja de
Joao Chnsostomo de Lima Jnior.
Fumo em folha.
v ende-sa fumo em flha muilo superior para ca-
pa : na travs* da Madre de eos o. 16, armazem
do Agostinho Ferreira Seura tiuimanlcs.
\a loja das seis
portas.
Em frente do Lifrumento.
Chales de tnuqom pretos a oito mil reis, saias
Clrj.f1 e '' se,lho'as a dez lust6e, manguitos
ooruaoos a quatro patacas o par, luvas de seda de
i* c,,,fo losloes, aventaes para meninas a dez |u-
oes, veslidos de seda para meninas de 3a 4 anuos
nSaVa r*'8' ,'hale, de ^d oil m" re'9' mei,s
pmiaaas para meninos de -2 e 3 annosta quatro vin-
ie.is o par, chales de quadros e de ganga encarna-
dos a doas patacas.
A 5,600.
Na rua Nova n. 10, acaba-so de receberum lindo
apriimeoio de roraeiras de relioz bordadas, ditas de
linlio muilo lina., diUs de barras a 39600 cada ama,
e espariilho muito huos, ludo por preco commodo.
l. Vende_!ie u' lj< de ferragens em muito bom
iu.sr e alreguezada, por ser em urna das melhores
ras desla cidade ; veode-se com os fundos a vonta-
oe ao comprador : quem quizer comprar'annunrie.
Vende-se um resto de saccas com cera de car-
iiauia, por preSo commodo : ua rua Nova, loja
u. a.
Cabriolete.
Veode-se um bonito cabriolete com bom .elegan-
te cavallo: para ver e Iralar, 111 rua da Roda, co-
cheira do Sr. Paulino.
a la parisiene.
tlliesou om lindo sorlimento de chpeos de seda
parasenhora, nienioase meuinos, loja franceza, ua
roa Nova n. 10.
Des points.
Junio ao variado sorlimento de fazendas france-
zas, sao contemplados chales de relroz bordados a
matiz, manteletes do ultimo gosto, luvas de pellica
deJouvin, e muitas oulras fazendas que e eocon-
Irnm na loja fronceu, na rua Nova n. 10, por com-
modo prejo.
Vendero-se sceos com muilo superior gomroa:
no alerro da Boa-Vista, loja de calcado n. 14.
Vende-se assucar reunido na fabrica de vapor
prata fina#140 a libra : no largo do Carmo,
qoina da roa do Hurtas n. 2.
Chates-fle. tutiquim
Vendem-se chales de looquim bordado, broncos e
de core, fazenda de muilo gosto e boa qualidade :
na loja de 4 postas, na roa do Queimado n. 10.
lelas brancas.
Na loja de 4 portas, na rua do Queimado n. 10,
ha pra vender cortes de vesiidosde seda branca,com
babados esem elles, haveudo sortimento para esco-
Ihr, e por preco commodo.
Vendem-se cobertores para escravos : na rua
do Queimado o. 10, loja de 4 porta-.
Superiores chapeos de castor bronco com pello
e rapado; vedem-se na loja de 4 portas, na rua
do Queimado a. 10.
a l moliere, i
Acaba do chegar loja franceza, .na rua Nova n.
10, um lindo e variado sorlimento de calcado-para
homenscomosejam, borzeguins elstico, aapatdese
bolina de om dos melhores fabricantes de Paris.
Castor.
Acaba de cliegar um lindo sorlimento de chapeos
de castor brancos e de massa pretos, lodos muilo fi-
nos e de modelos os mais modernos, e de fellro,
brancos e pretos.
Mandarme bri-
Ihante.
Acaba de cliegar pelo ultimo navio frauce*. urna
fazenda inleiramenle nova denominada Mandarme
Brilhaule, sua qualidade he a melhor flmivel, bai-
lante larga, toda de seda com listras e qrffllfosasseti-
nados, formando urna cascarrilha, o qoellM da mal-
ta (iraca, vende-se nicamente na la doQueimado
em frente do becco da Congregarn, pausando a bo-
tica a segnnda loja de fazendas n. 40de lienrque &
Santos, dao-se as amostras com penhor.
, Vende-se hlala novas chegadas ullimamenle
d. i.Uboa na (iralidaoue do Porlo ua barca lor
da Maiao por preco commodo: na traversa da Ma-
dre de Dos n. 16, armazem de Agostinho Ferreira
Seura GuimarSes.
laceas con. fariulia.
Vendem-se saccas com farinha da Ierra, nova e
bem torrada, por prec,o commodo; na roa da Cadeia
do Hecife, lojan.il.
R0J.A0 FRANCEZ.
\ ende-se esta deliciosa pitada tanto eta
porcao como a reta lito, em poivao na rita
da Cruzn. 2( primeiro indar, ea reta-
llioa-iO r8tapjtava: ua rua da Cadeia,
loja de Vai & Leal.
Na rua da Cruz n. 26 primeiro an-
dar, vende-se urna porreo de caixas com
sardinhas em latas, muito novas por terem
chegado no ultimo navio francez, e por
baratissimo prero.
Vende-se o excellente champagne
em caisa, ltimamente chegado de Fran-
ca, eB Be Kirsch: na rua da Cruz n.
2*. prs^Rl'0 andar.
Vende-se na rua da Cruz n. 2(J pri-
meiro andar o apreciavel cha' preto em
libras, assim como chocolate francez o
melhor quetem apparecido no mercado,
e por prero muito em cotila.
. TESTOS
para voltarete.
Vendem-se na rua da Cruz n. 26 pri-
meiro andar, caixinhas com lentos muito
delicados para o apreciavel jogo d.e vol-
tarete, ou para outroipialquer jogo, l-
timamente vindosde Franca, epor prero
baratisimn.
Vende-se urna poreiio de irascos
com rolhas de vidro, muito proprios para
conservartodaa qualidadcde rape, epor
preco muilo commodo: na rua da Cruz
n. 26 primeiro andar.
COM PEQUEO TOQUE DE AVARIA.
Indiana de quadros de seda e algodSo, de
muito hom gosto. a 520 o covado.
Vende-se ua rua do Crespo, loja da
esquina que
volla para a rus da Cadeia.
Vende-se urna batanea romana com todos os
seus pertences.em bom uso e de 2,000 libras : quem
prelender, dirija-se rua da Cruz, armazem n. 4.
Vestidos c chales.
Vendem-se chales de seda grandes com algum
mofo, pelo baralo prejo de 69OOO r., corlea de cas-
sa de cores com barra e algumas pintas de mofo,
pelo diminuto pre^o de loGOOocrle, assiro como
oulras patita fazendas por haralo prec,o: na rua
da Cadeia do Hecife loja n. ,">0, defronle da rua da
Madre de Dos.
Brins de vella : nb armazem deN.O
Bieber & C.. rua da Cruz n. 4.
Vende-se exceilenle taboado de pinho, recn-
tenteme chegado da America : na rus de A pot o
trapiche do Ferreira. a entender-se com o admiras
ador do mesmo.
Taixas para engenhos.
. Na fundicao' de ferro de D. W.
13owmann na rua do Brum, pastan-
do o chafariz continua haver um
completo sortimento de taixas de ferro
fundido e batido de 5 a 8 palmos de
bocea, as quaes acham-se a venda, por
pretjo commodo e com promptidao' :
embarcam-se ou carregam-se em carro
sem despeza ao comprador.
Relogios cober-
tos e deseobertos
depuro, paten-
te inglez.
Vendem-se no escriptorio do agentede
leiloes, Francisco Tiomes deOliveira. rua
da Cadeia do Reciten. 62, primeiro an-
dar, os mais superiores relogios cobertos
e deseobertos de ouro patente inglez, de
um dos mais afamados fabricantes de Lon-
dres, vindos pelo ultimo paquete inglez, e
por menos preco dbque em outrstjgjual-
quer parte .^w
Vende-se bico de blonde branco e preto de seda
verdadeiro, 30 por cerito mais barato que ero qual-
quer oulra parte, e de toda as largura moilo boni-
ta fita dito : na rua Nova casa de relojoeiro n. 2
A boa fa
Qracfio contra a peste e o cholera-
i morbtis.
Acha-se venda na livraria 11.6 e 8 da prca da
Independencia um folhelinho coro dilerentes ora-
je contra o cholera-morbat, e qualquer oulra nott
te, a 40 r. cada om. ^^
Rap.
Vende-se o verdadeiro e muilo fresco rap Paulo
Ordeiro : na roa larga do Rosario o. 3b, jodio a
botica.
Chales de merino' de cores, de muito
bom gosto.
Vendem-se na rua do Crespo, loja da aaquina que
''olla para a cadeia.
Vende-se nm bom cabriole! descocerlo eom
arreios, e lambem um carro de 4 assenlo, novo.com
arralo.,ludo vista d. quem quizer se tentar, lano
mais porque o prego he razoavel ; na rua Nova, co-
heira do Sr. Quinleiro.
COGNAC VERDADEIRO.
Vende-seo verdadeiro cognac, lano ero garrafas
como em garrafes : oa rua da Cruz o. 10.
CASEMIRA RETA A 4?600
v 0 CORTE DE CAL{A.
v endem-se na rua do Crespo, loja da esqoina que
volta para a roa da Cadeia.
VINHO XEREZ.
Vende, superior vinho de Xerez em barr do
l|4.emelsa de E. H. Wyatt: rua do Trapiche
D. 18.
FAZENDAS DE GOSTO
PARA VESTIDOS DE SENIIORA.
Indiana de quadros muilo fina e padroe novo:
cortes de illa de quadro e florea por preco commo-
do : vende-se na rua do Crespo loja da esqoina qoe
volta para a roa da Cadeia.
LEONOR D'AMBOISE.
Vende-se o excellente romance histri-
co Leonor d'Amboise, duqueza He Breta-
nha, 2 volumes por 1000 rs., na livraria
n. 6 e 8 da piara da Independencia.
Vende-se cal em pedra elegada no ul-
timo navio de Lisboa, e potaisa americana
da mais nova : no nico deposito da rua
de Apollo n. 2B, de A. J. T. Basto'&
Com pa nina.
Pratos ocos patentes
para conservar a comida
quente: vendem-se napra-
ca do Gorpo Santo, arma-
zem n. 48, de Kostron IIo-
oker #C.
Vende-se ac em eunhele de um quintal, por
proco muilo commodo : no armazem de MeVCal-
mt ti Companhia, pra^a do Corpo Santn. 11.
- Na raa do Vigario n. 19, primeiro andar, ven-
de-se farelo novo, chegado da Lisboa pelo briaoefci-
ocraufa.
REMEWO IMCOMPARAVEL
LNGLENTOHOLLOWAY.
Jlllharesdeindividoo.de todas as naces poda
eaiemuiihar ae viriodesdesle remedio incomparavol,
n,amr f"1 C"0Mc*mt>o, que, pelo uso qoe delle
asTenol^ "." "W e mensiVc. inleiramenle
lam^ dVl,a,*w -Rado inolilmenleoros
de'?!"'.0?: _C*d,J der-,e-h.
ue I '"":?""'!"* Pepenar, dos peridicos.
7lIlla,,to,So sorprendeol.sqoe .daos-
, "-*"no remedio .. oiodT-o.
i.l petrD"-' <,*P' '" permanecido lemo
aT "Z^?, "".. deviau'.oflr^.^S.
Si a \ a nu,,,M' 1ae havendo deiud. ee
asylosdepadecimenlo, paoa >. nto .?damelUrem
easa operacao dolorosa, fWilin curadTT.ilplHa-
mente, medanle o uso desw precioso reaa*dioVAI-
gomas da aes pessoa, na efosSo de sen raconheci-
menlo.decl.raram estes resultados benficos diento
do lord corregedor.e outros magistrado, afir d
oais an!enlicaremua aflirmalivi.
Ninguem desesperara do tillado de sua salde W-
livesse bastante confianca para eu-aiar ede raadir
constanleroente, segoindo alguna lempo o li ad-
menlo que neeessitasee a nalureza de mal cojo re-
sultado seria provar incooteslavelmenle : Oue lodo
cor I
O unguenloVie til man, parffei,/armja*lM>
itfUiHtei ctuot.
9
ATO:
60, 70 e rjt)
e130
tura
Libras de lindas
Libras de ditas n
Duzias de lesouras
Duzia de ditas mais'B
Maos com 40, 50 e 60 peca
para vellido
Peta com 'u varas de bico estreilo I
Dozia de dedaes para senhora
Caiiinhascom agulhas francezas
Caitas eom 16 novellos de lindas de marcar
de cordio
240
360
100
160
M
160
240
l'ulceirasencarnadas para meninas
lillas grandes para seuhora
Pares de meias finas para senhora a 240 e 300
Meadas de linhas muilo Roas para bordar 160
Meadas de linhas de peso .j
Crazas de bolfies muito finos para calcas 280
Babados de linho aberlos e bordados |j>0 e 210
Carleiras linas de marroquim para algibeira 600
livclas dourad.s para calcas e collela 120
Tinteirose areeiros de porcelana,o par VIO
Charuleiras entrefinas ,o,
Dozias de torcidas n. 14 para caodieiro ij
Penles de verdadeiro hualo pHra alisar 300 e 500
Relogios
das ra.tl.orfs lahrieasda Suissa, tanto de ouro como
de prala, ditos foljidotedoorados; vendem-se mais
barato do que em oulra qualquer parle, na rua da
Cadeia do ttecife o. 18.
Pesascom 6 l|-2 vara de fita branca de linho
Caixas com clcheles fraocezes
Carrileis de linhas de 200 jardas de boa
qoalidade
Maciohbs com 35, 40 e 47 grampas
Suspensorios, o par
Carrileis de lidas de 100 jardas, autor Ale-
zandre
Alm de todas esuu miudezas vendem-se ootras
mniliuimas, qoe a vista de suas boas qualidades e
baratos preco causa admiraran ao compradores
na rua dogoeimado. nos quatro cantos, o* bem co-
ndecida loja de miudezas da Boa Fama o. 33.
Bons gos tos e de
boas qualida-
des.
Na rua do Qoeimado, nos quatro canto, na segun-
da loja de fazenda n. 22, defronle do obrado ama-
relio, vendero-se fazendas por precos que al-
enle ftzem admirar ao publico : Panno prelo
liu.ssimo, prova de limSo, para casacas e palitos,
pelos baratsimos precos de 2J500, 39500 e 5J0OO
l VdJnf?Semr,J prel," d0 8UP"' qoalidade
? eS*02^COVido alpac" Prela moil O"
uu. 50 e 600 rs. o covado, corles de colleles de
fustoes de bonitos padrees e cores Oxas a 700 o 900
SZei LM prel.M d? Iaa ,eda moil (randes a
23800, chapeos de sol de seda pretos Vi de cores, fa-
zenda .openor a 6JS5O0. camisas francezas pioladas
para homem a l280, riscados da India muito finos
e largos e mo:to bonito* para vestido a 280 o cova-
do, setim prelo maeuo, fnienda muito superior a .1
o covado, sarja hespanhola muito superior a 2 400 o
covado, merino moilo lino a UNO o covado.'meri-
110 telim o mais superior que pude haver e muito
proprio parjnalil a ISCOO o covado, chapeos de sol
de p.jininbdft 15600, chitas francezas muilo lina* e
largas, de ndros padr6ea_a 320 o covado, fil de li-
nho liso e com flores a gfc 1M40 a vara, luvas de
pellica de Jouvin para Hs*iem e senhora, chegada
no ultimo navio francez a I98OO rs. o par, lavas de
sed de todas as core com hellas a 19280, camias
de meta moilo finas a 1, tovas de. fio da Escocia
brancas e de cores 400, 500 e 600 r. o par, man-
as de seda para grvalas, preta e de cores, muito
boa azenda a 182S0, panno fino azul de soperior
qualidadea4oeovado, rica romeira de relroz
bordadas a 11, lencinhos de relroz fraocezes
1*280, cassas francezas muilo fina e de bonitos na
droes a 300 rs. o covado, cambraia finissima de sal-
picos a 1 a vara, camisa* francezas muilo finas e
bem feilas para humera a 28500 e 39800, corles de
cassas para vestidos de bonitos padroea e com 7 va
ras a 29 o corte, lenco branco de cfinbraia de H.
nhomuilo tinos,e grandes a 6A dozia, ricosch.les
S'h' >aC.'?-'"de,Serda bas,ante wndeaa
89. ditos de merino muito finos e lisos a 68, luvas
pret.sde lorcal. de Lisboa a 1120, chally amarello,
fazenda superior e que muilo se usa para vestido a
800 rs. o covado, roroeiras de cambraia com lacos
de ricas filas de seda a 19280, grvalas dejeda de
bonitos padrSes a 640, meias de lara parilpadres a
28 o par, corle de easemiras finas e de bonitos pa-
drees para calcas a 58, brinzinhos de linho de bo-
nitos padroes a 240 o covado, brim transado de puro
linho o de bonitos padroes a 800 rs. a vara, lapim
prelo fioissimo, proprio para vestidos e balines de
padre a 19280 o covado, riscadinhos francezes muito
finos e bonitos padrOesa 240 ocovado, meio lencos
relos para gravita moilo superiore a 19, lineo
raneo de cambraia muilo fios a 300 r., ganga
amarella muito superior a 320, meias branca finas
para senhora a 240, 300 e 400 rs. o per, diu prelas
muilo fina a 320, ditas para homem, fazenda su-
perior, sendo brancas, prelas e croa a 240 r. o par
Alero de todas estas fazenda oulras muitas que su 4
vista da boa qualidades he qoe se podem ver o
quanlosAo baratas, ofiancando-se aos Sr. compra-
dores que oeste estabelecimenlo nao ha fazenda al-
goma qoe seja avariada, esim ludo sem averia de
bons gitos e boas qualidades.
Cortes de cassu para quem uer dar fes-
las por pouco dinheiro,
.Vd'm"secJr-M deeM" *"" de bomgosioa
29, ditos de padroes frsnceze a 28400, canas" rozas
para .leviar lulo, dila prela. de padres miudos a
28 o corle, alpaca de seda de quadros de todas as co-
res a fo o covado. lentos de bico lano pintados
comobordadwa 320 cada om, grvalas de seda pa-
ra homem a 18 e 1600 ; todas esla Tazeoda ven-
dem-se na roa do Crespo n. 6.
Deposito de vinho de chain-
pagneslhateau-Ay, primeira qua-
lidade, de propriedade do conde
de Marcuil, rua da Cruz do Re-
cife n. 20 : este vinho, o melhor
de toda a Champagne, vende-a*
a 56$000 rs. cada osuxa, acha-se
nicamente em casa de L. Le-
comte Ferqji & Companhia. N.
BAs caixas sao marcadas a fo-
Conde
?
go
tilos d
ircuil-
-e os ro-
as
gar
FOTASSA
No antigo e ja' bem conhecido deposi-
to da r* da Cadeia do Recife, escriptorio
n. ha para vender muit superior
potassa da Russia, dita do Rio de Janeiro
* cal virgem de Lisboa em pedra, tudeu
precos" muito favoraveis, com os quaes fi-
carao os compradores satisfeitos.
FARINHA DE MANDIOCA.
Vende-se superior farinha de mandioca
em saccas que tem um alqueire, medida
velha por 3$000 reis : nos armazens ns.
3,5 e 7, e n,o armzem def ronta da porta da
alfandega, ou a tratar no esjfcptorio de
Novaes & Companhia na ruado Trapiche
n. 34, primeiroandar.
f d@99Sds o
m POTASSA RRAS1LEIRA. tt
Vende-se superior potassa, fa-
bricada no Rio de Janeiro, che-
jada recentemente, recommen-
la-se aos senhores de engenhos os
seus bons elleitos ja' experimen-
j tados: na rua da Cruzn. 20, ar-
W mazem de L. Leconte, Feron &
9 Companhia.
Alporeas.
Caimbra.
Callo,.
Canceres.
Corladuras.
Dores de cabera.
"~ da costas.
dos membros.
Eufermidades da culi
em geral.
Enfermidade do ano.
Erupces escorbticas.
Fstulas no abdomen.
h ri,iIdade ou falla de ca-
lor as extremidades.
Frteiras.
Gengivas escaldadas.
Iucha^oes.
Inlammacao do flgarl..
da beiigi.
matriz.
Lepra.
Male das pernas.
. do pellos.
daolhoe.
Mordeduras de reptis.
PicadwvdessKKVantfa.
Pnlmea.
Jueimidelas.
Sarna.
Suporacdos ptridas,
liiiha, em qualquer par-
le que seja.
Tremor de ervo.
Ulcera na boeu.
do ligado.
Vewtoreidii,ouno3a-
das na pernea.
Veode-eeesleunguoolono labelechneaiU-tr. |
de Londres.. 244,A-fro*,e ne*,}..d> todwtSK-
ticarios. droguistas e oulras pessoas enantemiaUt
BiJSon..'" ld' "Amer4ca d0 S.. Csi.
Vende-se a 800 reis cada tiocelinta.eeiaei urna
instruccao em portug.ez para eiplicar o modo d.
fazer uso deste ungento.
O depoi(o,gerahe ero caa do Sr. Sooaj, ulur-
' a roa da Croz'n. 22. en^esWni-
maceutico,
buco.
fama
&
Esgui^o de linho
e algodao,
muilo luperior, com 11 vara a peca, por 39500:
ende-se na rua do Crespo, loja da esquina que vul-
u para rua da Cadeia.
A3$500
Vende-se cal de Lisboa ltimamente chegada, as-j
iagai
VENDE BABATO:
Lencinhos de retro de lodas as core para dhco-
jo de senhoras o meninas, pelo barato Bree 47T*
baralhos de cartas finissima francezas para vsailaMto
a oliO, loucas.de Ua para senhoras e meaiMf
luvas muito fina* He fio da Escocia brancas
re para homem e senhoras a 400, 300 e IWr
par, meias brancas sema para homem, I ande
moilissimo superior 160. 200 e. 240 o par, tas d>
pellica de Joovin brancas e amarellas para homem
eaenhora a 13900 o par. camisas de nteia muito fi-
nas e de pora iaa para homem a 39000 r., dila* da
algodao moildsimo finesa 1e 12O0, le**,, mui-
lo finas pava papel a 1500, diu superiores para
barbeiro a 15O0, leques moilo fino a 3, rica abe-
loaduras para collete de madreperola erfcnwUt
oOOr dila para palito a 600 r.. canloha ero
phosplioro proprias para chorlos a 20 rs.. riraaJar-
ros dourados de porcelana para flores d diverso
manhos e preces, ricaa, filas de seda lav
de lodas acore e larguras, e cava finias!
ronpa, ditas pora cabella, tranca de sedde^K.
los padres de diversa largor eeore, aavama* S-
nissimas para barba, caivetes fiaissimos de lodas
as qualidades, hicos finos de lies, de bonitos paka
e diversas larguras, ricas franjas 4 alasdt. BraAcas
e de cores para corlinados, bMoapas par castora a
mai finas que he possivel encontrar-ie. e oulra nu
simas coosas que todo se vende por 13 |BM
^^t^?TBimr* tfrr
bem conheefl ltj. Al al.dWB LiV^l
A boa fama
VENDE BARATO:
Kieos peutc de tartaruga para caber
Ditos de alisar lambem de tartaruga
Dito de mtrfim lambem par alisar-
Ditos imitando tartaruga para cabeea
Lindas meias de seda de om para criancaa w
Metas pioladas fio da Escocia parar,ns2404OO
Bandejas gapide e de pinturas finas38000 e 4J00
'apela I maco greve e pautado, restira
l ennas Hnissimas bico de lanca. groe
DiUs muilo boa sem ser de lanca,groza
Ocolode armacao de ac com graduacoes
l.unecascom armaco de tartaruga
Ditas' com armacao de bfalo
Toucadores de Jacaranda com bons espelke
Meias de ajia muito superiores para padrea'
Kieas bengalas de canna com lindoa casloea
Ditas de junco com bonitos casloes
Ricos chicotes para homem e senhora a lia Jl
Meias prelas de algod.lo para padre, o par
Grvalas de seda de toda 1 core.
Fitas de velludo de lod. a, cote, a era 168,
Atacadores de cornalina para casaca
Ricos reloginhos para cima da mesa
Suspensorios fino de borracha, o par 40tf 5MU
Penles moilo fios pira sui.sa
Escora moilo finas par cabello
Capachos pialados muilo bonitas 70U
BolOes fioissimos de madreperola para ea- .
misa, a groza 1d2fi0
Alm de ludo islo vendem-se oulra muila 4aaT-
sas. qoe o vila da qoalidade precos faz aaMrr:
n., rua do Queimado. nos qnalro cantos, oatajad
miudeza da Boa Fina o. 33.
4*500
ESCRAVOS FUG
r
ara do
Farelo novo
prximamente chegado : no caes da alfandega, ar-
mazem n. ,'1.
Vendem-se no armazem n. 60, da roa da Ca-
deia do Recife, de Henry Gibson, os mais superio-
re relogios fabricados em Inglaterra, por preco
mdicos.
sim como potassa da Kossia verdadsira ;
Corpo Sanio o. 11. ,'
AGENCIA
Da Fundicao' Low-Moor, ]
Senzal nova n. 4*.
Neste estabelecimento continua a ha-
ver um completo sortimento de moen-
das e meias moendas para engenho, ma-
(binas de vapor, e taixas de ferro batido
B coado, de todos os tamauhos, pasv
tlito.
HUcado de listras de cores, proprio
para palitos, calcase aquetas, a 160
o covado.
Vende-e na rua do Crespo, loia da esqeiuaqae
olla para a cadeia. ~ 4"
v.,..m CA' D? LISBA A 4*000.
esiSSTuT S"d!M tedt K=
Moinhos de vento
ombombasderepusopara regar borlase baisa,
de capim, na fundicao de D.W. Bowman : na rua
do Brum ns. 6, 8 a 10.
AOS SENH3RES DE ENGENHO.
Icleduzido de 640 para 500 rs. a libra
Desappareceu na noile dodia 9 pasa 10Vcr-
reme mez um negro Caisange de nome Mwieel Pe-
queo, de *o annos, pouco mai oa meaos, carpo
secco. pes largos e seceos, barbado, laven camisa
branca e urna calca de riscado azul acn aSsaaoS
palha com urna lila-prela. lamban levM i
1a de roupa, he quebrado e tem aa mi caJaJMaa
porser amacador de padaria : qatm o petar I
napadari, franceza do aterro da Boa 1
qoe aera' recompensado. JJ*
Desappareceu no dia II *do corre- ame, de
engenho Cinipapo, comarca de Santo AaNa, a es-
cravo por nome Zacaria.. reprsela lev 98 asmo,
bano, secco do corpo, ps bastante palbeladoa. lem
urna rertdmha em ama pera, soppee-n ve elle
anda nesta prac como ganhader qaem a appT-
hender leve-, ao mesmo engenho, ene ser ajeluiu-
samente ratificado.
..- Appareceu no asgeohn Paolistg, em nm des
dia deste mez om prelo de nome Aotoolo, qe diz
ser escravo do Sr. Joso liuilherrae da Fansera, do
eogeuho Ribeira Grande : quem se julRar eomdi-
reilo ao mesmo, haj de o procurar no lagar indica-
do, certo de que o proprielario do raeaario aogenh
nao se responsabilisa pela norte ou lega do asesrao
escravo.
esappareceo do engenho Silfo do Mei. de
rregoezia de Una comarca de Rio Formoso, *>' AA
5 de outubro do correle aono. o negro Coaaee,
crioulo. representa ler de idade 35 anoo, edr rasa,
altura regular, olhos redondos, lesla salieete, com
pequeos cauto, cicalrizes de relho as costas,' pe
largos, pouca barba, denles perferto, levando raspa
de algodao azul, e chapeo de palha, sendo ofhctal
de carreiro, cojo escravo foi comprado nela praea ao
Sr. Jlo Krederico de Abren Reg em 13 de malo de
IKJOdo que rogase a todas as autoridades pofidae
e capitae de campo o aprehendam entregando peala
prac ao Sr. Manoel Alvea Ferreira ou no ateaa
engenho a seo Sr. Leocadio Francitco Cavalcanlide
Albuqiierque, e protesta impor-se as pena da lei
Do arcano da invencao' do Dr. Eduar- robreq.ualquer pmo* que enhaoccaihsdQ.-
do Stolle em Berln, empregado as co-
lonias inglezas e hollandezas, o)_sV gran-
de vantagetn para o melhoramento do
assucar, acha-se a yenda, em latas de 10
libras, junto com o metJiodo de empre-
ga-lo no idioma portuguez, cm casa de
N. O. Bieber 4 Companhia, na ruada
Cruz. n. 4.
Vendetn-sc cm casa de S. P. Johns-
on & C, nb rua de Senzala Nova n. 42.
ellins inglezes.
llelogios patente inglez.
Chicotes de caito e de montara.
Candici 1 os e casticaes bronzeados.
Lonas inglezas.
Fia de sapateiro.
\ aquetas de lustre para carro.
liaiiis de grasa n. 97.
Vinho Cherry'em barris.
fiamas de ferro.
Ao du 11 do correle mez ugio.o prelo Joo
crioolo, de idade de 0 nn, mais aj menos, de
estalara e Hgura regulares.lendo urna pequana uc-
tnz sobre o olho direilo, levando comsigo deas al-
cas de algodao riscado azul, Irrs camistsdo roesaao,
ires dilles de madapoUo com peilo de linho con a
marca D. W. Bowman, qualro camisa novas de |-
godaozuiho, nm chapeo novo de palha americano
com fila prela, urna jaqueta nova de ganga amarella,
um chapeo de sol novo de panninho prelo, e um
cobrla de cbila velba ; qaem o apprelmder e re-
vira Francisco Maaael do Sanios Lima, ua rea do
Brum n. 8, sera generosamente recompensad..
IOO.sOOO de gratiiicarao.
Desappareceu no dia 17 de agosto prximo pjju-
do, pelas 7 hora da noile, a prela l.oureuca. J oa-
cSo Angola, d idade 35 a 40auno, pouco aun ao
menos, cora 01 ignae eguinle : em dedo da mao
direila incitado, magra, lem marcas branca ees doas
pernas; levou camisa de algodozjoho, vestido de
chita roa, panno fino, e mai ama Irouxa de rouoa-
roga-ea todas as autoridades policiaca ou capiUes
de campo que a appreheodam leven a seu aeater
J0S0 l.eite de Azevedo, oa praca.de Corpo Sanio a
17, qoe recebera a gralificaco acisaa.
e '
i
I

>
PBBN TYP. DB li. F. DE FaRIA l5

-*-...- -


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E907MOUFG_XBXWN4 INGEST_TIME 2013-03-25T16:35:19Z PACKAGE AA00011611_00497
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES