Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00488


This item is only available as the following downloads:


Full Text



L
ANUO XXXI. N. 261.
r i
Por 3 raeres adiantados 4,000
Por % vanea vencidos 4,500.
SEGUNDA FEIRA 12 DE NOVEMBRO DE 1855.

Por anno adintado 15,000.
Porte franco para o subscripto!.
%
*
DIARIO DE PERNAMBUGO
l.\<. \iiiii;i;Altos DA SLBSCRIPC.AO'.
Recife, o preprieterio M. F. de Faria ; Rio de Ja-
neiro, or. Joan Pereira Martina ; Bahia, o Sr. D.
Duprad ; Macei, o Senhor Claudino Falcao Dia ;
Parahiba. o Sr. tjervazio Viclor da Nalividade ;
Natal, o Sr. Joaquim Ignacio Pereira Jnior; Ara-
ily, oSr. Amonio ile.Lelnos Braga ; Ceat,o Sr.
Joaqun) .loen de Oliveira ; Maraniao o fc. Joa-
flim Marques Rodrigues; Piauh\, c- Sr. DTniicos
lerculann AckilesPessoa Cearense; Para, oSr. Jus-
tina J. Rumo; Amazonas,jo Sr. Jeronymoda Cosa.
CAMBIOS.
Sobre Londres, a 27 5/8
Pars, 34 rs. por f. ,
Lisboa, 98 a 100 por 100.
Rio de Janeiro, 1 porp/O de descont.
Acces do Banco 43 0/0 de premio.
" da Companhia de Beberibe ao par.
_ da coinpanla de seguros ao par.
Disconlo de leltrasr, de 8 a 9 1/2 por 0/0.
. METAES.
Ouro.Oncas haspanholas. 2919000
ftloedas de 65400 vellias. l6000
de 65M00 novas. 16>000
. de 4S000. ... SJOOO
Prala.Pataces brasileiros. ..." 2*9000
Pesos columnarios. '0000
mexicanos..... 1X60
PARTIDA DOS CORREIOS.
Olinda, lodos os dias.
Caruati, Bonito eGaranhuhs, nos dias 1 e 15.
Vi|la-Bella, Boa-\ isla, ExeOuricury, a I3e28.
Goyanna e Parahiba, segundas e se.iias-feiras.
Victoria e Natal, as quintas-feiraj.
. .. I'lil. AJ Alt DE IIOJE.
Primeira s Gjhoras e 54 minutos da manha.
Segunda as 7 dorase 18 minutos da larde.
parte irnciii.
COMISANDO DAS ARMAS.
Ourtel -c*oer||^ etMsao as rasas ale
Fenaaoalaeico ata claad alo Recife, as 10 4*
aavesabro ele 1856.
OHDEM DO DA N. I ili.
O marecbal de campo comniandanle das armas,
alzando consequente que os Conselhos Econmicos
mandad.is criar nos corpos arregimenlado do ejer-
cite pelo dcTlo 1649 de 6 de ootobro ulla*js> se
lastalle* em lim mesarlo di a no* corpos existentes
nssu prc viuda, que principiem a funecionar no 1
de Janeiro 4o anno de 1856, visto como o pretenl
teiTtaar, ordena, qoe no dia 28 do mez vin-
e taja a eleicke dos referidos conselhos, de
aliada com o regulamenlo que baixou cora o
citado drereto.
O mes (no mareckal de ctmDo faz cerlo para conhe-
cimenlo 4a iraasBlO, e elidios necessarios, qne o
8r. lene ils eorote reformado Jos Antonio Pinlo,
obtivera por aviso do ministerio da guerra de 2 de
jUiho desle anno a demissflo que pedir do comman-
do d pi'esidio de Fernando de Noronha, segundo
conilou de oflicio da presidencia datado de honlem ;
huiro ira qoe por deliberado da mesma pres-
ia :ommunicaila em oflicio de 30 do mez passa-
;.apitao do 4. bnlalhifo de arlilharia a pe
tt Amoriea Bezerra, segu boje para o sul
lela, Com o fim de ajudsr o Sr. capiao
' Ha colonia Leopoldina nos Irabalbos da de-
irca{3!) da legoa era ejualro da colonia mililar de
Pieaenlrirae.
Assigindo.Jos Joaquim CotUto.
Conforme.Candido Leal Ferreira, ajudante de
ton* incarregado do delalhe*
TRIBUNAL DO COMMERCt.
Setro judieiaria em'U de nocembro de 1H55.
Mldencia do Exm. Sr. desembargados Firmino
Antonio de Souza.
Falln coa causa o Sr. deeerobargador (tirana.
9 Sr. deputado svpplenle Haooel Ignacio de Oli-
varra parlicipou nao poder, por incommodos desnu-
de, cenlicoar a comparecer ; ofliciou-se para subs-
% vaga, ao Sr. Hsnoel Joaquim Ramos e
Siva.
tfti ladflkdo o aecordae proferido na appellaclo
lx.p..rS:
Appellante, Luiz Antonio VeJra ;.
Appalladoe, o* administradores da nvusa fallida
ele Ricardo Royle.
Pauagins.
Appanawle. Anlooio I.oureoro lavares ;
Aaaarlatle, Seaarfiao Jos de Barros Brrelo.
Do Sr. deaMtargador Santiago ao Sr. desembar-
tXw.laii.
leUate, laea tiarva'ho de Albaquerquc ;
ieW, MfMMl Pereira d* More*.
goa. Eu m
8 jljfcaueces
^HLwgat
jtihitgaiitWfc
Un!
l
erreira da Costa;
IIC; W
o.
e Fraila
Carneiro da Cunli
m deaprezados.
Diilritmicio.
desamliargador Leo a appellaclo entre
ipellanle, Joaquim Manoel Carneiro da Cunda ;
folalo, Francisco Lucas de Sooza Rangel,
amo tutor dos menores fillios de Francisco Porfi-
rio de l?reila.
EXTERIOR.
AS FREIRS DE MINSK.
. coneco Morris nos da a sesainle inle-
na nollcia do que se passou em orna eo-
aeelle a poueo teve com a abbadessa Ma-
t establecida em Roma com o resto
as lanas companheiras, que foram marlyrisa-
p Uowia, por uaojiaererem apostatar da religiao
"*H|a para i MI\> russa, chamada Orthodoxn
mm Hacrina me descreven assegninles
se passaram ellas! por esparo de
la esleve carrestda de grilhoes, que
piodu/.irau irm granda,iactia(o nos artelhus
laaitia, o que correiam ate a carnes ; o inchaco
ad tinle. Os iuslriimoiitos, cem qoe eram acoi-
*, me disae ella, deicarregavam 50 golpes de
la vez ;^e eram formados, acrescentoo ella, dos
m1 do urna drvore, que, quando seceos eram
(c tragis a qaebradicojj mas quando verdes,
e emprogadof, como acoilegiPesgavam a carne, e
n correr e sangne. Esle castigo era infligido
( mai freqoeucia nos ltimos anuos do sen
iroel marlTrio ; tales d'esle lempo, ellas
o sorTriem com hlerrupcao de um, don, e al
>r*z inezes, mas allimamente eram applieados os
a^oites duas vezea em cada semana, nas tercas e
sexlas-feiras, ou nas quarlas e sabbados ; mas o
que nos sentamos, disse a abbadessa, mais do que
osaugue, que corra, era a ignominia de ser-
mos despidas. Nos eramos aladas, como solda-
n dos; as feridas nao eram curadas n'esle lempo
al que fosaem oulra vez aberlas por novos afoi-
" te*, a
a Em volla dseos pesclos era .iladi urna corda,
nao com um u ligeiro, mas com um n moito aper-
lado, e Irez vezes ao dia eram arrojadas a urna la-
go. Eu me esqueci de pergunlar-llie por quanlos
succesttivos, ou em que intervallo de lempo islu
r ; mas (tergantando quanlo tinha dorado
lie i, aabbadesaa mediase, que linha gran-
Idade em responder a esla queslao parti-
cular, porque respailo d'ella, ana memoria nlo era
muilo clara, celia linha sido sempre moito cuida-
dosa em nada exagerar ; julgava com ludo poder
afilrmar com seguranca, que esse castigo linha du-
rado por dous mezes. Anda permanece em soa gar-
ganta um incliaro do volunte de nm ovo, causado
por esta corda. Ella descreveu a tortura de um in-
terrogatorio com o lim da que ellas abra^assem a re-
ligiao Sclavonia, e quando aflirmaram que jamis
abandonaran! a religiao Calholica Romana, eram ar-
restada* debaizo d'agua, ou sacodidas com violen-
cia de um ladjpara oolro. Seos hbitos eram mais
grosseiros do que o panno, de qne se fjzem os sac-
eos, e quando sahiam da agoa, elles encliagavam
em seus corpos. Sele de snas irmaas morreram de-
baizo d'csl.i tortura, e foram enterradas em urna
cova na praa, ou arrojadas um bosque vi-
sinho :
A Madre Macrna altribaia a conservarlo de
sua vida, e de lanas de suas religinsaa a milagrosa
prolecriio de Dos. Desculpai-me, se eu acrescento,
qne islo nao he eilranho na historia dos Marlyres,
e lem sido antes a regra do que a eicepcio desde o
tempi) em queS. Joio soflreu na Porla Latina Dos
sa agradou em dar *s sele suas coroas e palmas, se
elle milagrosamente salvou as vidas das outras. de-
baizo de soflrimentos, que causaran) naturalmente
suas morles, ellas nao perderam a aurola do mar-
lyrio, se elle ncrescenla ;is snas primeiras gracas, o
dom da perseveranea.......,
a Os golpes, qoe a abbadessa receben quebraram-
Ihe um dente, e produziram em sua cabera tama-
nha ferida, que os bichos se suslenlavam n ella ; um
cirurgiio, que a etaminou depoisqoe sa vio livre de
seus algozes, diase-lhe que ella devia louvar a Dos
de sua raz,lo nao ler sido aneciada.
o Em urna oecasiao com sua communidade,' ella
esleve encerrada por sele das, sem oufFo alimento
qoe arenques peit) salgados; nem pilo, nem agua
Ihes concedan) ; no selimo da Ins foi permitidlo
irem orna bomba (no meu paizJkse ella, chaman)
a fonle, bomba,, naeipeclacJs>4|Ke bebendocom
excesso, ellas por si metmas a* ^rruinas>cni. O sal
tinha arrancado a pellede nossas llnznas, e labios,
e nossas hocras eslavamensangnenlsdas. Eu chamei
""* i"*S Ha rVnpwsasM acabaskWPos tele
dun de^tUnnci>. e o T i HZgp m honre
daasele Dores de No.sa Senhnra. pelas almas do
Purgatorio, que arden) de seda, vaqu seus odos e-J
enrheram de lagrimas) e mis cantamos junlas um
Ueum, e depos urna Mngnilicat em voz alia,
'disse elra, com um tiso alegre como Dos nos
midi. Elles nos mandaran) um barril de cer-
veja para tentar-nos a beber, mas, grabas a Dos
nos todas nos conservamos al a meia noite; eniao
estancamos nossa sede com algunas hervas, que co-
Ihemos, hervas disse ella.semelhanles as que comem
as vareas. ^.
Taes foram as cousas, qoeAkreferio a abbades-
sa Macrna. Agora algomar observaOes sobre a
verardade do narrador ; do que tn depende sua
eredibilidade. Quando ella chegou Roma, ro
sen confessor o famoso jesoila o padre Ryllo, que
lamben), segundo pens, era polaco, o qual Toi rei-
lordo collegio da propaganda, econaagroo riepois
soa vida, por zelo para salvarlo das alma, a mis-
sao da frica, da qual foi vigano apostlico. Elle
leve por successor aquelle domem singular o car-
dea! Mezzafanle qoe por espaco de dons annos ejer-
cen em sen beneficio, o seu prodigiosa dom das
linguss. O eardea! Frunsoni (se eu a pnde bero
perceber ) he o protector de seu novo convenio, do
qual he ella superiora, e fundadora.
Esle fado diz alguma cousa : quando ella chegoo
a Roma trazia em sua bolsa urna nica moedn de
cinco francos, oo cinco patacas, e agora habita em
um pequeo convenio com oito (libas espiriluaes !
Anda que os nomes de que leudo fallado, nao
sejam de pessoas facis em acreditar com lgeireza,
eu leudo de mencionar um anda mais angosto. Eu
nao pretendo citar o nome de sua saalidade pro-
nunciando sobre a materia ; nas os qoe conhecem a
extrema caoleHn da santa S saberlo apreciar as se-
gonles arroes do sanio padre ;
i Na fesla de S. Joo Cancio, do que ella moilo se
lembrava por ser esle santo da Polonia, o papa vi-
aitou a Trinil de Monli, onde a abbadessa tinha
si'lo recebida pelas freirs francezas; foi islo,
FOLHITia.
PE PERNAMBUCO.
lio I Bm verdade, seja Dos
morlo .' Viva el re Feliz
anda noles lempos de eslre-
e revolucionario, pode trans-
aos a cora hereditaria ilo
leilo de mofle ao successor.
a caan dos liourbons, cuja
b por mala de um seculo totalmente
irregular. ^ |?Luiz XIV, o sceplro dos Capelos
Itadea diversas, ora feliz e orculho-
o. ora iviUa/Jl a aacarnaciilo: e hoja os netos de
onerUi Forte partilharn o destino dos simples mor-
aos : oo eomem n pao negro do exilio, ou os seus
Tttios. Utarnae jaieai esquecido, longe da patria
Fel'i alguna JBomenles, v Lalz XVI arrehata-
jm-lh) das maB heramja gloriosa dos seus anle-
passadoj; a o caMafalso lie o Ihrono onde elle exhala
as aB ratiMjs lolimas da sua alma, deavairada pelos
conselhos de ambiciosos corlezaoi.
Surg, ilepois um grande pliantsma que espanla e
faz e,tri.rpecer o mundo; arranca as Flore, de i
do estaidaNe de S. Luu, ubsllue-as pela anua so-
barb, e alirtal a sua SOmhr se esvaece em um ro-
clisdn ifeserld no meio do ocano !
Luiz XVn, Carlos X, LuizFiUppe. nao sao mais
Be urna recordar-ao histrica ; e um horneo), dun-
rcsor|plo, e boje imperador, necupa o Ihrooo
Frauga ;;be aclualmanle considerado como o arhi-
" deslios di Europa, seuao de todo o mundo ;
: len^wi ollio cravados sobre elle ; as na-
cs exliirctas esperam a i essorreirAo do seu
ranzllio ; eSaProvidencia guarda em seos
_ desiiiio desie fiomem falidico.
dio raorre um soberano, em lodosos cantos
nn-se polas, biosraphos publicistas, e i por-
as aeces da virtila illulreque o sepul-
^l^^^rra ; rUm se as animosidades, aecumu-
^Hwtreelpas.
* novo soberano soba ao dtono, eniaoln-
Vrozea qoe linham chorado o dtorlo, applau-
vi'i m lodos o ton, e dao-fhe melhores-
dailes maor somma de virludts do que li-
nha e aatieetaer.
rerlo poni
rae qne eramos
tevttfaflwe qae o e
cacjla ile am pava ;
jimio* o enthnsias-
ordenft, porque en-
eslado Ue a personifi-
naos qual IIm a pro-
digaliados pela commuohao, reverlem
lempo sobre cada um dos individuos.
Este eulhnsiasmo he congenlo, prova o poder mo-
narchico e a uniao profunda do povo e do're : prin-
cipio myslerioso que contunde ao mcsmotentyo os des-
tinos pessoaes do monarcjia (unidade) com os deslinos
geraesdo povo (o accordo. Masq-iando algumas frac-
rni's de orna narao sollre privare, e implora a pro-
teerflo geral para seus irmaos morios lome.o accor-
do i unidade sao ainda mais profondos, e o povo e o
re, como um i-.orac.ao qoe palpita em um so peito,
so devem ler om alvo, um desejo, fim umanlario,
aliviar a miseria.
E este fado constante de acclamaccs populares a
e-niciaes, de saudades e de lagrimas sobre o Inmolo
uo soberano que aeaboude reinar, segoido das accla-
mai;oes no menos enthusiastas e de elogios nao me-
nos ofliciaes em favor daquelle que comer a reinar,
nao .era a imagem mais vrdadeira das illutOes men-
tidas que o povo gosta de crear, nos seus sonhos de
melhoramcnlos sociaes ?
A poslerdade que comeca para aquelle cujo t-
mulo se fecha, pode verificar os hens qoe elle pro-
duzio e os males que deiiou praticar em en nome
He o passado conhecido.he o facloconsommado.hea
verdade qne sempre se diz aos morios,um reinado
a rneile pelos aeontecimenlos que o lustraram. E
porque razao, sobre este sepulcro ene entao s per-
lence i historia, a elogio e asglorinca(es fazemsem-
pre o Ihema da oradlo fnebre?
A posteridad he a historia, a a historia he a ver-
dale. Carlos IX ao morrer lega a historia de Fran-
ca urna nodoa do sangne que nada podo apagar, e
com lodo os biographos da poca nao tiveram bs-
tanle encensn para glorificar o seo reinado. D. Jlo
II, roja memoria he boje urna vergonda humanita-
ria, desee ao tmulo por entre as saudades de um
povo nlro. O elogio e os suspiros das regies su-
periores cuconlram cebos al no proprin povo ; e a
adoleci biographica do da, ephemera como o en-
censo cuiiiprado para as suas exequias, se vai exliu-
guindn pouco e pouco al que a historia imparcial a
severa diga e cscreva nas anas paginas de brouze a
verdade fatal desle remado de sangne.
Asiini. ao passado deisamos a apreciaran dos
fados conhecdos e consumados, ao futuro as es-
perances o as aspirscoes publicas. Mas acautele-
mos-nos de exaltar por acclamares enlliosasla-a
aurora de um novo reinado, cojo occaso pode ser se-
pultado nas lagrimas enoarrependimenlo. D. Pedro
V, poslo que seja urna reliquia das monarchias go-
Ihicas, he oriundo de um seculo de progresso e de
liberdadr, pode ser om grande bem, ou um grande
mal: a poslerdade o julgar.
vo monareha. Este senllmento de rigosijo que elec-
trison lodo o reino loiitano, transpondo o atlntico,
me parece, em IB46. Depois de receber as freirs
e mais pessoas do convenio, o sanio padre subi para
ver a aBbadesta de Minsk, qoe s fallava a lingua
polaca. Ella arrojou-se a seus ps, e o sanio pa-
dre Ihe disse como san doce riso costurando. Oh 1
vos sois ainda viva ; vs tendea urna longa vida.
O padre Ryllo, e ontro sacerdote polaco eslavam
presentes. O santo padre pergontou-lhe o que po-
da fazer em seu beneficio ? e ella pedio-lhe urna
indulgencia para a sua Nossa Senhora. O papa gra-
ciosamente cnncedau-lh'a, e perzuntoo-lhe que
nutra cousa quera '.' e ella diese. Vossa santidad?
deu Mara ama indulgencia, |deveis dar agora
urna a Jess, significando o seu erucifio, que.o pa-
pa lambem indolgencioa.
Em outra oecasiao, qoando ella eslava eslabele-
cida em o seu pequeo convenio de S. Malheus,
junio a Santa Maria Maior ; a opposlo a bem co-
ndecida casa de retiro dos padres jesutas em Santo
Ensebio, o papa honrou-a com oulra visita, qoando
benzeu a soa casa e a pequea igreja ainda nllo
acabada, aqual, das qiialroeenlas igrejas re Roma
lie a nica que tem o nome de S. Malheus ; islo
leve lugar em 29 do mez de Mara, anles da rep-
blica....
O sanio padre depois de urna raissa em sua ca-
pella privada, na qual esleve presente a princeza
Udescalchi, mandou a Madre Macrna por esla
princeza o calx, de qoe enlao se tinha servido ; e
ella o guarda nviolavel. consderando-o em sua
singular simplicidade, como urna graciosa retribui-
rlo do santo padre por am marcador de hvro, que
ella linha feito, e qoe elle se tinha dignado accei-
tar de suas maos.
Ainda resta para mencionar o ponto mais impor-
tante. A abbadessa trouxe comsigo de Minsk o li-
vro de suas regras, o pequeo livro que
ella tulla cobrrlo de cera e coiido em seu
habito, e ella o guardava ( servindo-me de sua pro-
pria espressao ) como sua proprin alma, >sem que
jamis livesse fallado delle. Pastando por meio
da Franca ella era repelidas vezes pergoolada por
papis : mas ella aponlava sempre para o crucili
Ainda mesmo depois de ter chozado a Roma
oconservoo occullo. Algans arredilaran)
historia, alguns nao acreditaran) ; e o lempo
chegado. Eniaojmaarcpublica Romana, quando
om instincto piujfl Hr os homens para desco-
brirem aquplles.^HHMm servos especaos de Dos
afim de qne fossnm'enes os primeiros qne soflres-
sem ; foi por lano a abbadessa de Minsk arrancada
de sua nova e humilde casa ; em lodu esse lempo se
conservoa o livro escondido. Finalmente, quando
o papa Pin FX foi restituido ao Vaticano, e a ab-
badessa ao seu pequeo e pacifico convento, o pe-
queo, e velho livro lacerado de regras foi lirado do
seu escondrijo, e o sanio padre foi rogado para con-
firmar estas regras de S. Basilio para a casa do Es-
quilme; o qne o papa te* por um decreto datado,
como eu percehi a abbadessa, de pouco lempo...
Eu lenlio procurado em minha versao de suas
snnltncee conservar sua simplicidade, quanlo m*
H
llianle empresa,por
la realisar um imp
AUDIENCIAS.
Tribunal do Commercio, quarlas e sabbados.
Relago, tere.as-feiras e sabbados.
Fazenda, quarlas e sabbados s 10 horas.
Juiz do"commercio, segundas as 10 horas e nas
quintas ao meo-dia.
Juizodeorphos, segundase quintars 10 horas
1" vara do civel, segunda,* e sextas ao meio-dia.
2* vara do civel, qujutas e sabbados ao meio-dia.
EPI1EMERIDES.
Novemb. 1 Quarto minguante as 2 boras 46 mi-
nutos e 48 segundos da tarde.
9 La nova as 5 horas, 11 minutos
e 40 segundos da larde.
16 Quartocrescente as)horas, 20 mi-
nutos e 49 segundos da manha.
23 La cheia as 5 horas, 31 minutos e
4isegnndo8da larde.
DIAS DA SEMANA.
12 Segunda. S. Martinno p m. ; S.qftajp b.
13 Terca. Ss. Anadio o l'aulilomm. ; 8.-Zahina
14 Quarta. S- Abtliodiac. ;S. Gurias ni.
15 Quinta.S. Clementino nf. ; S. Feloroen.
16 Sexta. S. Goncalo de Lagos; S. fclMajjjt-in.
17 Sabbado. S. Gregorio Thaumalurgo b.Jj
18 Domingo. 25. S. Odom ap. 8. sequio
id. ; S. Brrela ni. ; S. Oriculo m.
ida por
iiciliaaxjl
m
roipossivel faze-Io ; masen evo peeair-vos que J 3slmpneiler.
..a.!, -i-i. -:. .. j_ p' ____ i>___... _.
ceiteis debaixo de f o que nao he possivel Irans
miltir pelo papel, to lie, a impressao da perfeia
veraeidade, qne produz sua notavel simplicidade de
maneiras ; en acrescenlarei someoteqae he di lirio-
so ver a inrein indilTerenca, com qoe ella disse .que
alguns acredtavam nella. e alguns nao acreditavam.
Ella diza. que conlava de boa vonlade o que Ihe
linha acontecido para a maior glora de Dees e se
o povo Ihe nao da crdito ; bem Jess condece lu-
do quanlo se passou. Era aigumaa vezes mui apro-
prieda no principio, e fim de lal conversado a sau-
dacao fjiudclur Jetut Chrijitnrcomo era seu pie-
doso cosime.
Collegio Inglezem Roma 28 de mao de IHj.
John Canon Morrit.
(The Tablet n. 702 IG dejando, ,'
v ( Notieiador Calliolieo, da Bahia. )
PERMBICO.
UECIFE10 DE NOVEMBRO DE 1835.
AS 6 HORAS DA TARDE.
*ET0PECT0 SEMANAL
lima nova industria acaba de apparerer entre mi,
a qual deve sem dnvida Irazer grande uliidade aos
habitantes desln capital. Refcrimo-nos fabrica de
refinarao de assocar dos senhores Reg & Brrelo,
estabelecda no Monleiro. e cojo eyslema e appare-
Ihos j foram precisamente descrip'.os por urna com-
ms,ao para esse fim nomcada pelo Exm. presidente
da provincia. Vimos ullimamenteduasamoslras do
assocar all refinado, e em verdade o adiamos excel-
lente : tem elle un alvora lal, ama gr3a 13o trans-
parente, e um sabor lao puro, que nao pode soffrer a
menor comparado com o de que presentemente usa-
mos, carregado de impuridades e al exalando mo
cheiro pela impcrfeiplo do processo da refinarao
commum entre nos.
Lutando com a dilliculdades inherentes funda-
rHo de um ejajjbejecimeiito de lal nrdem, em um
paiz novo c hBo de recursos como o nosso, os-Srs.
Reg & Brrelo nao desanimaran), e com inlelligente
perseverancia acabam de ver cordados seu esforcos,
tendoconcorrido para essebomresiiltadooauiilio pe-
cuniario prestado pela nossa assemblca provincial de
accordo com a presidencia. Fazemos votos pelopro-
enconlroa echos sonoros nos peilos porlaguetes que
aqu esislem ; e no dia t do correnle os Portugue-
zes, inspirados secretamente pelo cnsul de S. M.
Fidelissima, mandaran) celebrar um Te Deum, na
igreja do CorpoSanlo.
A solemnidada foi explendida em ludo quanlo de-
pendea directamente da vonlade dos directores, lla-
via riqueza, magnificencia e prnfusao de Inzes e de
convidados de todas as gerarebias sociaes, lima or-
chestra de ciucoenla e tantos artislas'nlerprelou fiel-
menle a ingenna conoepeo do Sr. Fachineli, que
depoiede um parlo doloroso de Ires mer.es, segando
nos dizem. veio a lume desfeiluosa e incompleta.
Pobre aborto, quanlos tormentos oOresle para vires
ao mando Tem paciencia ; nao le fizaste a li mes-
mo, a culpa he do leu progenitor. Poucae harmonas,
e eslas mui Iracas ; e nem om desses grandes rasgos
que assgnalam o tlenlo do artista. Haviam pedaco
ajit eram mais proprios para um Depro/undti do que
para urna composc4o de grande regosijo. Se excep-
tennos o Te ergo quaximos e a harmona lina I da
creaeAo, o qne fica he um misino sem nome. ^
Ouvimos o sermSo, mas lalvez o onvissemos mal,
por isso nada diremos a esle respelo ; entretanto
aguardamos a publicacju para entao applicar-lhe a
nossa dbil critica. Ouvimos fallar nas corles de La-
mento, como fundamento da legilmidade do reinado
de D. M. II; em lulas entre Francisco I, Carlos Quin-
to e a casa de Bragance ; mas lalvez onvisaimos mal,
a publicidade nos esclarecer.
Agora, nao ser fora de proposlo consagrarmos
algumas palavras ao logar onde o aclo foi celebrado.
_ Nao pretendemos dar ama descripcao circumslan-
ciada do monumento nojaMan complexo, que (oda a
gente condece e lem poddaTapreciar vonlade ; di-
remos smente algumas palavras a respailo da res-
tauradlo interior e do mu novo aspecto sob a rela-
cao artstica.
O ledo superior da nave he um grande parallelo-
cramino, de estuque arqueado nas extremidades
recamado de rhombos dourados.ecujo meio,bastante
magro e bstanle pobre, comporta fallos baixos re-
levos sobre applicarao d'ooro.
No centro, disposta entre daas vastas clara boaa,
existe ama peca de um oval desagradavel sobre fun-
do azul, guarnecida de ama custodia doorada, cer-
cada de ama gloria com raos brancos : fora o em-
blema sagrado, que symbolisa o deslino divino do
losar, toda esla parle decorativa he de um ouropel
chamejanle e mesquinho, digno apenas de ama sala
de danaa on de um caf.
O lelo do allar-mor he igualmente em forma
ahohadada com qualrn curvaturas regalares, sobre
sresso de semeHianle cinpreaa,l)or eatarmos persua
didosde que ella realisar nm importante mclhora-
mento redamado pela saude publica, a qual nao po-
de deiiar de soltrcr no seo lano com o largo uso que
fazemos ato um assucar.qne paseando por um processo
qne o devera purificar, toina-se ainda mais impuro,
em conaequencia dos iugredintes de naturea
para esse fin einprpgados. A meldnr qrafldade do
novo asaucar refinado vende-s por 1(500, a inferior
por <>9000 : he sem dovida om preco muilo barato,
em enmparacao do qoe nos cusa presentemente o
assucar refinado commum.
Aprnvelaremos a oecasiao para noticiar lambem
aos leilores a existencia de ama outra fabrica qoe
ha ja alzuns mezes Irabalha nesla cidade, e cuja pru-
du^ao oflerece sem Juvida suas vaulageus. lia a
fabrica deasphallo, sila na fSti do Brom, no bairfo
do Recife, e pertencente ao Sr. Manael Luiz Coelho
de Almeida. O asphallo, como se sabe, he applicavel
ao calfamenlo de toda a especie, e principalmente
aos pavimentos terreos dos armazens e lojas, as .cal-
cadas, e com particular provetto as eoainhss collo-
cadas nos pavimentos superiores das casas, pois que
sendo menos pesado qoe o lijlo, evita do mesmo
modo qae esle as occasloes de incendio resalanlas
dos descuidos dos colinde i ros. Tambera se applica
ventajosamente conslruco ou reboco dos lauques
de que usam o senhrires de engenuo para deposito
de mel on de asna, visto que sendo impenetravel
humldde preenche melhor aquelle funqueama-
deira, evitando a Iranssudacao dos lquidos, e sendo
mesmo de maior durarlo. O i-alrameulo de asphallo,
pouco mais caro que o de lijlo, leva-lhe vanlagem
na elegancia e dorafo*. e ponahso lem sido de pre-
ferencia adoptado no Ro de Janeiro, Rio tirando do
Sul e Bahia.
-No da i Ovemos do sol o vapor Im/Ktador, cojas
noticias do estado sanitario do Rio da Janeiro ainda
nao foram satisfactorias. Continua va all a epidemia
a desenvolver-se, fazendo consideravel numero de
victimas, e a par della lambem se desenvolva a ma-
na dos suicidios. Tinha sido.publicada a le da re-
forma eleiloral, ruja ntegra je demos aos leilores, e
fallava-ee na dissolucSo da cmara temporaria, sem
quesaibamos qoal o fundamento desle boalu.e o grao
de crdito qne nos deve merecer, emhoru nao no pa-
reja a medida extraordinaria e inaudita, como a al-
guna parece. ,
Na capital da Bahia marrhava a pesie para a sua
evtincran, mas conlunava ainda a fazer eslrai.os em
nutra localidades do interior, e a invadir as qoe
se achavam inclumes.
Na Faculdade de Direilo desla cidade lem prose-
guido o (rabalho dos Actos com regularnlade, e se-
gundo nos consta, mais alzum riger m tem desen-
volvido allimamente, varias reprntHas tem havldu
nos 1., 2. e :.> annos. afora alzlas apprnvardes
iimptirilrr, ou UR avulsoa, os qoafs ha chegsdo
al o 4. anno. Nos exames preparatorios do Colle-
gio dae Arles, pelo contrario,temos ouvii'o diterque
continan) as musas pela airtiga. no que nao deixa
de haver prudencia, pois que todas as innovaroes e
reformas sao perigoias, mxime quando os abusos
ainda sao sustentados por saos velhos ealeios.
O seminario episcopal de Olinda, que lambem vai
marchando regularmente, condettjp os seos iraba-
lbos do prsenle anno, teodoridwHK approvados:
i'ni latim, 3 esludantes plenamenlzt^Htepliciler, e
1 reprovadn; era francez, lOapproVMti plenamen-
te, l simpliciter, c 1 reprov.ido; em geegiaphia, 7
approvados plenamente, 3 siniphciler, eBtaorova-
dos ; em rctliorica, 6 approvados plenamsjip e 3
simpliciter; em plulosopdia, i approvados plena-
meule', 3 simpliciter. e 2 reprovados ; em historia
sagrada e ecclesiaslica', 12 approvndes pleaamcnle ;
em moral II approvados plenamente ; em dogma 10
approvados plenamente; em insUtalces ranonica
e eloquencia eagiada, 12 approvaJqsaleiiaucnle, e
UataUtalenaueute, e Iracos Imml.ros a
i sido irMrm
a parle da polica qne ___,____
- para a parto dirpoliel que
licafl, onde acharao
a noli-
comarca
Hemellemos os leilores
em onlro logar vai pablt
cia de mais um assassinalo perpetrado na
de Pao d'Alho.
Rendeu a alfandega 11*0009881 r.
Falleceram 32 pessoas. ."> homens, 6 mulheres, e
13 prvulos, lvres ; 3 homens, 3 mulheres e 2 pr-
vulos escravos.
BONITO.
a daPnliar-si
COMARCA DO
4 de novem
Resla smenle nm mez para deflnhar- res do paseado j Sr. SS. Esle anno lem corrido lao
depressa Nao e se ser islo devido as inmen-
sos males com que nos ha mimoseado, anda que o
os lempos de prazer que passam mais ligeiro. Nao
sem razao Ihe fallei no fim do ultimo das mulias ap-
prehensOe a respelo do numero cinco, e d cedo
elle lem desempenhado pois nos ha sido hem fatal,
c nao podemos dizer todo porque ainda falla botar a
sua loa dom decembro.
licitemos o memento para o fim.
Nada de novo ren de lout; os Mi lem estado ?m
qoielarao. *
Disse um aolgo: o castigo corre manquejando a-
ps o crme e apanha-o, islo he verdade. Jo.1o Soa-
resandava em Bezerro fazendo de bicho carda, raet-
tia medo a ludo, dava sorras, ele, ele,, e al d'aqui
envin a polica por mais de urna vez tropa em sua
procura (porque diza-se qoe n gente da Ierra o nao
pegava) e de ludo zombava o melro, que dorma nas
selvas. S chegava a casa de aallos e sempre promp-
lo ; emfim passa orna Torca de linha, o agarra c leva
para o Recife, ludo saltn de contente por ver em
seguranza tao pesiimo cifoyeii. Jo3o Soares lie cri-
minoso de morle era Bezerros, alem de mais coosi-
olas que all (em, e nesse carcter o recommdnda-
inos ao dislinclo Sr. I)r. chefe de polica.
A oulro assumplo.
Pensava meu bom amigo que nao havia enlre nos
quem ainda se lembrasse de mandar buscar negros
novos, porqoe a opiniao publica essa vrdadeira e
nica sancrao das les lia muilo se ha pronunciado
lo- III
es, de
ata lo
i;; -.-i.., i_____i jr 1. .^uomb-.o vh. iju.hu curvniuras reculares, sonre
ro aedamado re dei Portugal a 16 desrtembro. fundo braoeo, reeamado de nrabeccs em relevo e
l'l^L'J'^llia.S'"""1!." .<, re'no s lem esfor- dourados. As paredes laleraes desle aliar, as das
cedo para R'orifiear a exallacao ao Ihrono do sea no- daas capellas situadas na exlremldade do braco da
i braca) .
croa que forma a Igreja, sao pinladaat fresco, com
ouro e cor
Na dispusic.io desla pintora, o artista ideou imitar
papel pintado, e com efleilo primeira visla o ob-
servador julga ler dante de si urna decoradlo desle
genero.
A capella do Saolisamo Sacramenlo he nolavel
pelos ornatos arrjiilecluraes. .Jparla-se complela-
menle das regras eslabelecidas. he inteiramenle de
phanlasia. Enlretanto o estylo do renascimeolo da
arte domina em lodo esle mstico caprichoso ; o ar-
tista tornou-se original, e creou um estylo totalmen-
te -ni generii.
A entrada he fechada por uro grada de madeira,
pintada de branco, com relevos d'ouro, he rematada
por ama pera em espiral volteante e acaohada, qae
recorta o antigo eslylo de decorarlo portuguesa, he
urna especie do emblema numismtico das moedas
de seis mil e qualroeenlos. O todo he pesado, aca-
nhado e pretencioso, mas he rico e de grande elleito
de perspectiva, he o gosto mais vulgar, o mais apro-
priadn s apreciares das mullides qae em materia
d'arte e de estylo s admiltem a afliafacao de am
sentido,a vista; he o gosto que domina em qnasi lo-
dos os oossos templos.
Alm deslas partes que temos analysado, o tem-
plo possue na principal nava dous altares de eada
lado, lodos qoalro novamenle decorados segundo o
mesmo eslylo de phanlasia, onde abunda o ouro acu-
mulado com profasao.
F'nalisareraos esla parle da nossa Carteira por
urna coincidencia um pouco curiosa. Antes do se
execolarem na igreja do Corpn Sanio os trabalhos
que acabamos do assignalar, o ultimo acto que se ce-
ledrou nesle edificio sagrado foram as exequias da
finada D. Mara II ; e depois da restaurarlo interna
do templo, a primeira solenmidade qae ah leve lu-
gar foi o aclo com que as Porlugoezes festejaran) a
acclamacao do sen jovei. monareha. '
A Patriahe um jo-oal, publicado em Lisboa, o
aior producto da iuiprensa lusitana ueste genero.
esslc a celebre descoderla de tiulleraberg ; o forma-
lie um ponco maior que melado do Diario de
Periiambuco.; he escripto geralmenle em linguagem
correcta ; mas sem elevarlo de eslylo.
Considerado soh am aspecto particular lem por
fim delender os intrresses geraea do pair, a com os
principios do Time* em Inglaterra, a Tamanha in-
genuidade he singular Temos para ns qne o mo-
delo adoptado pela redacto da Patria u3o he dos
melhores. Com efleilo, o Time, nem sempre he o
echo fiel da verdade e dos ioleresses geraes do res-
pectivo paiz. Muilaa vizes defende quesles injus-
ta, o meramente lllhas das conveniencias de algom
partido poltico, como da pouco acontecen quando
se agitou no reino 'unido a reforma das inslituicTies
polticas ingieras. F. se a nova gazela porlngneza se
repula o.orzao genuino dos inleresses geraes da na-
cXo, nesle caso s deve tomar como norma e divita
os eternos principios da Joslica e da verdade.
contra lAo horrivel negocio, mas a lano cheaa a se-
da do ganho!! Nao pode haver cousa mais bar-
bara !! pois nos que vivemos no seculo da re^enera-
$ao e do progresso, que ja nos aprevenamos no ve-
lho mondo com foros de narao civilisada, havemos
de ronsenlir que homens que nasceram lao lvres co-
mo ns, que lem lanos direilos como mis, que s Ihes
temos a vanlagem do mais forte, se redozam a urna
15odesgranada condicao. qual a do captiveiro, anda
peior que a dos brutos .' Nao he preciso lanzar a
animadiversao publica sobre aqoelle que saltando
por cima de todas as considerarnos sociaes, e s len-
do em visla o mcsquinlio e egostico principio ilu
prtmo mihi, intentar reviver no Brasil o reprovadn
trafico de Africano, extnclo ja, pde-se dizer, tra-
cas a seriedade com que o governo, secundado do
Brasileiros conhecedores dos seus verdadeiros inle-
rees se ha empandado nessa honrosa larefa.
Ainda ha quem enlenda qne sd com escravos poda-
remos ser felizes, he ver muilo perlo!.' Sao tantas
e lio claras as razes que se oppfie a' escravidSo an-
da mesmo quanlo a' nossas conveniencias agrcolas,
nico prisma por onde a encaran) os seus apologistas,
que seria enfadonhu enumera-las. Eu lenlm ja fei-
lo observar, diz Carlos Cumie, no seu excedente tra-
lado de Icghlarao, qne ao passo qae o numero de
escravos cresda na Italia, o paiz ia perdendo sua
ferlilidade e acabava por ser convertido em pasl.i-
gens.
Plinio perzuntava a si mesmo qual a causa de lao
abundantes colheilas nos primeiros lempos da rep-
blica, e a descohrio no porque entao homens, qne
chegaram a oceupar a dignidade de cnsul, rolliva-
vam os seos campos com as suas proprias maoa, en-
tretanto que em sed lempo as plantarles eram con-
fiadas a miseraves carrejados de ferros, que Iraziam
na fronte a triste e aviltanle marca da servidao.
Nao se ronrlua do mea modo de fallar, que son dos
que enleudem devermos acabar de hoje para a ma-
nha com os escravos, vejo os inconvenientes ou dc-
vo dizer melhor oa prejaizos dessa demasiada philan-
Iropia; ainda nao estamos preparados para lano. O
que n jo quero he que se augmente o circulo desses
infelizes e se dificulte a cura dessa chaga que roe os
nossos coslumes, alraza os nossos inleresses e mancha
nossa illoslracao. Se que a sorle dos escravos enlre
mis hoje he muilo dillerenle da Jos primeiros lem-
pos, mxime depois que se nao imperial am mais.
tanta ,otise) j rieis lano, o que nao aoonleceria, se
fos-eis nosso contemporneo | me parece que ha-
dis de eslar de queixo aberlo de manha al a
no le. ,
Ao seu da villa do Paro, meu collega, moilo me
pe i duraran) as expre-s-'s disper di radas em prol des-
la nsigmfcancia, qoe rabisca para o Diario do nos-
so amigo ; nao sou digno da altura em que sua be-
nevolencia cnllocon meas humildes escriplos ; antes
tomo alo como urna prova de seu indulgente cora-
CJo. Dizer lambem o aproen em que lenho suas
pri durciies scia parecer que Ihe quero pagar o im-
mererdn elogio que se dguou dar-me, porm quan-
do eu assim o fizesse nao se pedera isso tomar co-
mo retribuirlo, porqoe o lugar que V. oecupa na
arena correspondencia! ha por lodos recoohecido, e
eu sempre sou quem Ihe devo.
Adeos, sir compadre, recebi a rartinlia e nesles
dous das Ihe devolvo etc. ele. ele.
Au retofr.
{Carta particular.)
NB.Qoando se encontrar ah eom o nosso ami-
ga S.C., d-lhe lembranjas, e acedera de que nao
me esqueco de sua amavel pessoa, diga-lhe que c
recebi o precioso livrinho encadernadoo Social....
e s> bem qiie a encadernac^lo nao teja ntida toda-
rsa..............
CMARA MUNICIPAL DO BECIFE.
SESSA'O EXTRAORDINARIA DE 5 DE NO-
VEMBRO DE 1855.
Presidencia do Sr. Bario de Captbaribe.
Presentes os Srs. Bego e Albnqoerque, Dr. S Pe-
reira, Oliveira e Mello, fallando sem causa parti-
cipada os Srs. Barata, Reg e (iameiro, abrio-se a
sesiao, e foi lida e approvada a acta da ante-
cedente
Cnnsisiiram os trabalhos d'esla sessao nicamente
na cootinoacao 4a discussao do projecto de posturas,
na qnal lomaram parle todos os vereadores presentes,
e especialmente o seu autor, e os Srs. Oliveira e
Reg e Alhnqiirrqne, roncluindo-se hoje mesmo a
primeira discussao.
Foram approvados os arligos 9, coro a emenda do
Sr. Oliveira, para seraan varridas e errigadas nao s
,s ras nelle designadas, mais anda aquellas, rajos
moradores eslo pelas diadas postaras isentos desta
obiigacao ; 10.11, 12, I i, volando conlra este al-
-.---------------._ _r. ,|... iiv nii|rMi mioiii liinr-i. ----- ------------~------^ n
Senhorea conlieco ea, e felizmente ha maitos ilesW,imo S"- liveir Mello< 15. eom a emenda do
tes, ciijos captivos sao etrellenlemente tratados e
vivem ama vida melhor qoe a de mulos forros, que
por ah vagam furtando < a valles e morrendo a fomc,
porm a condicao sempre he m !
Aqoi fien; nao quero pasear por mprudenle. Mi-
nhas pobres reflexes devem sempre ser tomadas nas
melhores nlencoes. Nao desejo perlencer ao nume-
ro daqaelles que para se mostraren) atiram palavras
houilas, idas generosas, sem se importaren) com as
consequencias, e neni com suas ronvrcoes: respe-
lo bstanle as conveniencias particulares, quanlo
mais as publicas; e desde que tmei sobre ineus
lipmbroa-a mrnlo de seu nnticiador, ve ana'
sido i*afleylema. Medito sempre qne. faieco
qnalquer coaa no papel, porqee alni de er este
mea genio, tenli em mulla ronta o seguinle pi
lo de Bonald : il faut que l'hoin^pense sa pn
arant de parler sa pente.
Passemos do serio ao patusco. !SaP K como !h
isse, candidato, mas lenho lambem uneu, a res-
eto do qual ja Ihe escrevi, e espero qn&ossignoria
o lomar sob soa valiosa proleccao. Quando se en-
contrar com o nosso IV afilrme-lhe que -je ne m'ou-
blierai pos do seo, diga-lhe mesmo em Irancez.
Aos amaveiscollezas de Garanhnns e Izuaras.
lembretamben)ndilo cujo quitla, pelil. Nesta da-
ta I he mando i lisias com diversos nomes, indo em lo-
daso do meudepulaclinhi) in fieri para cossijnoria
as ir publicando urna i una, afim de ser Monsieur
le nom mais condecido.Procuran elle meler-se
enlre os mais imprtanles da provincia, e para pare-
cer cousa, e ver se pesca eju< modi; o lal meu pro-
tegido est moilo sahidinho e j bastante iniciado
nos mysterios cabalstico-.
Quer o mea afilhado qne sen nome saia m urnas
atz lisias para dar conhecer que lodos o lembram e
por isso pede-me para Ihe pedir que esgotadasas que
remelle, v tossignoria trocando os nomes debaixo
para cima e de cima para baixo, com lano que o
delle figure em (odas, porque sem lim he esle, e'nao
se Ihe d com os ontros, ane s os rncaixnu para
apadrinliaroseu.Porm cordado qoe nao seja, nem
dos primeiros para nao parecer serma encommeo-
dado, e nem dos ltimos' porque se nao julgne que
vai por encher numero. Convcm que as'Ues chapas
ou lisias sejam asignadas, ora por om eletor de tal
parle;-ora por um elellor de qnal, ele. ele, emfim
vouignoria que v'lodo isso melhor que mis por es-
lar iniciado nos segredos da natura arranje la isso
do melhor modo e maneira.
Mon rher, conversemos um pouco; quantas vezes
nao deixa vossignona tscpr urna ri-adinha, acora-
panhada de um oh maganes, se as lypographias
falassem.....'.!!
Ah Democrito, se vs, que morrestes 362 annos
anles de J. C. (qoando nao havia ainda aupponho.
Quanlo polilicn europea, a Patria declara que
e acompanhara a Preste, e nas doulrioas econmicas
e noticias cnmmerciaes os melhores jornaes de Fran-
ja c de Inglaterra. lambem nao podemos sym-
pathisar com semelhaole processu. A independen-
cia he o carcter esaencial de orna gazeta. Deve ler
ama redacto sua, e apreciar Uta aa quesles sc-
gundo os principios que lheoJBBprios. A verda-
de e a critica nao perlencom eflpTivamcnle a esle
oa aquelle individuo, a este on aquelle povo, he a
parlilha da lodos os homens,ou aeja Europeo, ou seja
Americano.
Com effeilo, todo nesle mondo he relativo, aqullo
qoe convem a am Estado, nflo conven) a outro. Eco-
nmicamente fallando, as reformas qae a proprieda-
dejlerrilorial exige em Franca nSo sao as mesmas
que convera i Inglaterra, especialmente Irlanda,
onde os land-lords representan) o papel dos Lati/'an-
dia qae onlr'ora arruinaran) a Italia ; da mesma sorle
que as medidas politices que esle ultimo paiz requer
sao diflerentes das que reclaman) todo os estados da
Confederaran germnica, onde anda reinam quasi
(odas as inslilurs da idade media.
Assim a nossa opiniao he que a Patria deve ser-
vir-se das gardas em qoe falla para simplesmenle
exlradir deltas os Tactos, que se nao improvisara, mas
deve nprecia-los e jalga-los segundo as suas noees
polticas. Os eseriptores das gardas citados por ella
s.io lao suscepliveis de aberrarles e de absurdos como
quaesqaer nutras individoos, e militas vezes han de
advozar, e na realidade tem advogado causas injus-
tas e absurdas.
No segundo artigo do primen o numero da Patria
l-so o seguinle :Para animar a agricultura, que
he a vrdadeira riqueza de Portuznl, convem liber-
tar a Ierra, e promover com moderarlo a diviso da
propriedade. Cerlamente, a Ierra he a principal
fonle real de riquera, c afean pair onde a mor parle
do solo de um monopolio de alguns individuo, que
nem o cullivam, porque nao podem, nem o enllocara
em coudiees accessiveis a qualquer memhro da
communhao qoe o solicite segundo s prescripres
da le, a miseria geral he urna coosequencia inrviia-
vel.e por isso o Estado quanlo anles deve tomar me-
didas a esle respelo.
Infelizmente, nos Brasileiros, especialmente os
filltos do Norte, nos achamos neslaa tristes cnndire,
relativamente propriedade territorial ; e esle cala-
do de cousas he evidentemente urna das causas que
tem feito qne a coloniac,ao eslrangeira nao lenha
medrado entre ns, como enlre o nosso visinhos
da America do Norle, para onde emigrnm em 1816,
perlo de 600,000 pessoas. Mas l o eslrangeiro que
checa, enconlra as condicoes necessarias ao desen-
volvimenlo da sua actividade: trras eollivaveis,
para aforar ou comprar, via de commanira;ao ler-
reslres e fluviaes, e seguranza de vida e de pro-
priedade.
Sr. Mello, para os liscaes so roodarem, a noite, as
ras da cidade, quando julgarem conveniente ; 16 e
17 ; seiido rejeitado o artigo 13 pelos votos dos Srs.
Reg e Albnqoerque, Mello e Oliveira, qoe lam-1
bem votou conlra o artigo 13.. J no tlm da discus-
sao, obtendo a palavra o Sr. Reg e Albuquerqnc,
det-.laroa que se conformava com o espirito da pos-
turas, eveepcao de algum defeito que possao ellas'
couler, e que s pralcamente se podem conhecer ;
mas que duvdava de sua cxecucilo, poc demandar
ama despeza, maior lalvez de20:00tf) res annuaes,
com que nao pode carregaro core municipal, so-
menle ueste ramo de servro, tanto mais, achando-
se a muDirpalidade a bra^eeveom aa despendosa,
obras da capella do Cemtrlo, e do maladouro pu-
blic
Arfldo-se adianlada a hora lev.intou-.se a sessa-.
do despachadas as pelirOes de- D. Candida Sel
ra LasOrre, e .Jos Antonio Goimaraes.
I Ferreira AaaHli, secretario a escrevi.
de Cggibaribe, presidente. Oit-cr'raw-
Barala. Me9^uo- S Pereira.
rem pas-
BEPAal KO DA POLICA
ParleJ 9'" lle novembn.
I lim. e Exm. SrTPaW ausencia do Dr. chefe de
pulida desla provincia, lenho a honra de levar'ao
ror.hfrmenlo de V. E\c. eJoe/daf'riilTercntes part
c.ipacacs hoje recehidas nesla aMfrti^a, consta que
se deram as sezuinles occorajpcias
Foram presos: pela subdelegada da frezo
Sanio Antonio, os portugueres Joao Luiz do
los e Jos Lu/ Pacheco, por suspeilos de serem
sadores de aedulas falsas, Anna Rosa, Joaquim Fi-
lippe Pereira, por insultos, e os pretos escravos Cos-
me e Joao, por fogidos.
V. pela subdelegada da freguezja da Boa-Vista,
o portusuec Miguel dos Sanios Coimbra, por espan-
cainento.
Por oflicio de i do corrente, communicou a esla
re| artirao o delegado supplente do termo de Pao
d'Alho, que ao amnnhecer do da 1 desle mez ap-
parecera assassinado Jos Coutioho da Silva, de cor
acahnclado, morador em Duat-Pedras da comarca
do Limoeiro, o qual lendo pernoilado nas campirras
da Vanea Grande di fregoeria do mesmo termo de
Pao d'Alho, fra ah roubado e morlo a ronce d'ar-
ms e pauladas, sendo que segundo as informares
oblidas por aquella delegneis, o delicio fra perpe-
trado ppr um grupo de escravos fgidos capitanea-
do!, por oulro de nome Severnn, pertencente a Joao
Mauricio senhor do engenho Serrana, alem do que
fra encontrado junto ao cadver um pao quo se re-
conhecera ser do dito Severinn. Por um tal alterna-
do esl o mesmo delegado procedendn nos termos
da lei, no entretanto qne de accordo com os dele-
gado de Nazarelh e Limoeiro, a quem se dirigir,
esl empregando as mais activas diligencias para
capturar os criminosos.
lieos guardes V. Exc. Secretaria da polica de-
Pernamboco 10 dennvembro de|IK.V,.Ulm. ejxm.
Sr. conselhero Jos liento da Cunha e Fguiredo.
presidente da provincia.O delegado do polica do
pri neiro dislriclo desle termo, Francisco Bernardo
de Carvalho.
..lem desles artigos em que temos fallado a Pa-
frtVi conlem notros de interesse local, e algans de
pouca imporlanci. Enlretanto fazemos votos para
quu esle fillio recemnascido da imprensa transa-
tlntica se crie, e corresponda as esperanzas dos seos
prc genitores.
lim pasado nos nossos arrabal des sempre lem n-
ter sse para o habitante da cidade, onde nao se en-
cor Ira vestigio algum de verdura, cuja contempla-
re he urna necessidade para o espirito.
As nossas diversas estradas, orladas de casas mais
ou menos elegantes, cercadas de urna esplendida
vcr-otar.o e de inleresaantes paizagens, supprem de
alguma sorle esta necessidade do espirito ; e poslo
qm algumas pessoas preliram a chamada lylrada
Nova, em consequencia da sua reclidao, com todo
esdi monotona iifflige, e por isso preferimos a da
Ponte de Vchoa pelo espectculo variavel que de
ipn tulo em quando oflerece ao observador ; mas to-
dava nao nos podemos eximir de censurar o mo
gosio dominante de levanlarem-se altos muros de
pedra e ral dianle das casas, o qoe nao sai diminue-
ntes a belleza, como al cerlo poni he prejudicial
saude, pois que no verao se lornam ontros lanos fo-
cos de calor. Em vez desles allos mnros, fora me-
lhor cercar os sitios cora arvores nativas, e IrazcMas
sempre tratadas, o que augmenlafia o piltoresco des-
las habilticoes campestres.
Mas sem embargo desta falla, a estrada da Ponte
de L'choa he a mais aprasvel, especialmente pelos
edificios qae possue em suos margeos ; nolando-se
particularmente urna casa eollossal de archileclura
sem nome, tirando ao golhtco, o que na realidade
nao passa de urna mcnslruosidade archsclclural ; he
pouco, mais ou menos a copia degenerada de am ve-
lho caslello de meia idade, com lorrinhas, campai-
uhas e pequeos lories. Falla-lhe smenle a ponte
levadira c as amelas. Finalmente este palacio cam-
pestre parece ser do gosto do roestre o do nosso pu-
blico, e islo he o essencal: he um objeelo de soslo
e rio d'arle, e sob eslo aspecto s nos cabe aprovar
e nos calar.
J se anda m quarto de legua makalaraisudo nes-
la estrada, o Dos permita que a obra continu e
na i fique no poni em que se acha ; mas fra con-
veniente demolir a propriedade que fica na irradia-
ran das estradas dos AIDiclos e da Ponte d'L'choa,
pois que, com a adop;ao de eemelhanle medida,
mais interessanle se tornara a ultima.
I ni dos dias passado tomos velha povoacjlo do
Monleiro, que hoje he anles um lugar proprio para
re-l urar a saude delriorada, do que para reereio.
A tapanca e a Passagem da Magdalena eoulros lu-
gares, em ronseqnencia da proxtmtdade em que se
achara du cidade, lam altrahidn toda a concurrencia,
de orle qae o Poco, a celebra Casa Forle e o decre-
pito Monleiro nao lardarlo rauito que perteneca ao
dominio das bellas minas.
Mira. Sr.Comprindp o que pela disposicAo do
t; ."> do arl. 91 do rezulamento, me he determinado
na qaalidade de administrador da casa de del jaU,
cabe-me offerecer considerarlo de V. S. refle-
xes que acerca do estado desle eatabaledmeolo
julgo convenientes, sentode qae o pouco lempo de
exercicio do rheu emprego me prive de salisfazer o
desejo de qoe fossem ellas Uo proveilosa qaanto
reclama esle importante ramo de administrarlo, e
ao mesmo lempo salisfazendo-me em caer qae V.
S. aellas .ao menos achara bem raanilestado o eaferco
com que pela maior alinelo e consideraggo ao ser-
vigp, lenho procurado executar o regulameoto, etn-
seguindo assim nao pequea vantageot.
Existam ctoalmenle recolhidos nesla casa de de-
lencao 195 presos, alem de 40 sentenciados que a
22 de setemhro foram remanidos para Fernando, e
nlo me he possivel apresenlar um mappa da* en-
tradas e sahidas de um modo regular e conforme a
dispoeico do paragrapho e arlig* diados por nao
ler ainda ela repartido o livro, por mim ja reqai-
sllado, de que trata o arl. 105, qae aeria a baae des-
t Irabalho.
Os presos acham-sa divididos em rlaases n oon-
formldade do art. 2 da regulameoto, t lenho procu-
rado o maia poseivel fazer que catas sejam subdivi-
ddas em secees, segundo o arl. 3, attendendo es-
pecialmente ao sexo, idade, psito social e motivos
de sua detenrao, e cabe-me a salislajao de commu-
nicar a V. S. que, servindo-me de meio breados
qae de preferencia me sao permitlidos peto arl. 33,
para manler a ordem e disciplina, lenho consegui-
do o desejado resallado, leudo apenas por ires ve-
res infligido penas disciplinares a tres presos.
Oatros qae nao os presos tem exigido de mim o
mais serio Irabalho e vigilaocia, pois que coaluma-
dos a qtianta especie de Iraficancia Ihes suggeria
soa elevada cobica nao trepidan) em procurar por
lodoa es me ios continuar tao Iselta carreira, e nlo,
contando com delexo oa connivencia da minha
parle redobrro em esforcos e aleirices para pr
meio de eiloVces a ananos eoolinoaveaa a aavar
tao torpe ambicao JPnas~ se aqudles tem cedido e
obedecido s admoestac,es e forra da razao, espe-
ro que estes continuarSo aver frustrados os seos pla-
nos, al que desengaados e rcemeos da penic3o
modera de vida e lalvez que ainda urna vez aejam
uleis a sodedade.
Recoohecendo a necessidade da limpeza e asseio
dos prisioneiros e de suas respectivas prisM em
adenro a diflerentes artigos do regalamen&tnanho
conseguido que o estabelerimenlo no seo. todo offe-
reca om espectculo agradavrl e digno da altenrao
publica, e lenho o pra/.er de direr qae os meas es-
forcos lem correspondido aos meus desejos e a geral
apreciarse dos qae tem vindo vlsila-lo, oflreceado
assim grande vanlagem ao bem eslar e coromodida-
de do prisioneiros. (
O edificio esl todo caiailo .a limno, sendo lodos
os corredores e varandas lavados ama vez por se-
mana e varridos diariamente, dando-se o metano em
cada ama das prisoes, cojas paredes lenho-me esfor-
zado para qoe se eonservem' sempre limpaa.
Os presos eonservam-se sempre lmpos e deceu-
lernaaie vestalos, sendo jna roupa \a\ qeasj lolali-
por este eslalieledaaa^o. e por sa-,
a necessidade de r.onserva^rVwRtpre assim
ado coritaaado e carantidor de saude nao lenho
ido as rMef ipees dos arts. 38 VS, em vr-
ludc do quaajgmam elles banhos geraes em cada
semana, seoejptarbiados tambera semanalmenle e
conservando-se eom cabello' corlado rente: seas
prises acham-se fornecidas do necessario, e era lo-
dos os presos recoohcee-se a satisfarn de urna sor-
te mais agradavel e menos dolorosa.
Em allenran. poie, a lado isto, e'as medidas qae
empregaei logo em principio de ininlia administra-
cao, he que devo o favoravel resultado de reinar em
todo o estabelerimenlo o maior silencio nas horas
convenientes, e o nao menos apreciavel da exlioe-
cilo dosjogos prohibidos a dinheiro ontros diver-
limenlos a qae eslavam affeos os prisioneiros, e que
lao perturbadores eram do necessario socego e mo-
ralidade.
lledic:indo-sp ao Irabalho em suas proprias cellu-
las eJaWaSoras convenientemente eslabelecidas os pre-
sioneiros prosseguem Heos oflicioa sem haver o
menor desvio de suas aVavgaces, e gozar da liber-
dade de lambem em horas certas e determinadas
coramaoicarem-se com seus pareules eamgos, re-
cebendo objeclos, e cartas que sobre a necessaria
nspeccao Ihes sao entregues.
A sua alimentacao teasido suflicienle e satisfac-
toria, pois lem o omecedor eomprido seus devares,
aperar de terem apparecido algans desvos que de
prompto foram remedia*) sem perda do servico e
do fiel curaprimcnlo do regulamento.
O servido da bomba lem sido feito com regolari-
dade e constantemente forneddo d'agua a teda* a
prisoes. e mais lagares em que ellase faz necessa-
ria, sem que leoha havdo a menor rcclamacao.
Os lampees,' aperar de lmpos e constantemente
prvidos do necessario, nao corresponden) ao fim
qae forjo) destinarlos, pois nao dao a daridade
ia se fax para aariailancia doaj
car di
establi
em lodo,
cripcfli
talla o i'
a fabrica
ama calder
filtros, caldei
segundo o ys(
urna machina d
visitamos a re
" irrcto. He nm im
o primeiro desle: ^
pretendemos dar ama1
cuto, porque los
passagem qu
disllnctoa:
'darificailores,
baixa preaso
Howard e de
rta ceollVaS Iflra purgar.
Estes cinco apparelhos consttoera e complexo do
macliinismo, o qual dentro de 12 hora pude trans-
formar o caldo da cana no mais baila crvslalliuo
assucar. (guando entramos no estabcleciinenlo, ha
poneos minutos havia parado o Irabalho, a por ieso
nao podemos presenciar o movimenlo da machina,
que deve ser inleressaote e coakzso. A} diversas
parles desle lodo sao movidas a vapor, e apenas exi-
gen) o Irabalho braca! de 12 homens livres.
Este relinaria inconteslavelraente properciooa
vanlagens higyenicas e econmicas*e mais cedo ou
mais tarde aralisr com as especoljOe-desle gene-
ro, que, alem de oulros ilefeitos, datpnlflcam a sao-
de, com os meios de qae se serven) para parificar o
assucar, especialmente o sangue uV fcoi em estado
de completa pulrifaccao. O assnear do eslabeleci-
mento do Monleiro he purissimn e cryslillino ; e de
mais manipulado por om processo innocenle, que
uenhum mal pode cansar a quem delle usa, cres-
cendo a lado islo qae se vende pelo mesmo preco
que o chamado assucar refinado das nonas mil ven-
das desla cidade.
O pensamenln maia rpido e mais seguro do qoe
(odas as vas de rommunirar.io condecidaslelegra-
phica oo elctricanos liga por cadeias indissolu-
veis. A coinniuniracao existe ; e a imprensa, ele
clamor de mil vozes, corre, e eepalha por toda a
parle o mais nfimo dos escriplos que mancha um
papel inmaculado.
E o qoe responderemos ns a essa lembranc cor-
dial de um homem desconhecido, que l da nossa.
irmaa. a proviuda da Parahiba, se dicnnii enviar-
nos linhas de cougralolacao e elegios? Em verda-
de lemos alguma vaidade para deixarmot de ser ac-
cessiveis ao louvor, e a nossa humildade escondida
se regosija em aegredo com as manfe(ac,oes publi-
cas de louvoresem fvof da nosta obra ephemera.
Assim, atravez do e-paco que nos sapera, aperlamos
a mSo deste amfta desconhecido,' e' receba (elle os
nossos protestos Me reconhecimenlo, Picando cerlo
que sempreaue no fr possivel, nos havemos de es-
forzar em favor da soa patria, com a mesma dedica-
ra o com qae consagramos a noisa aclriidide Aterra
em que ateemos.
(Abialak-tl-KrtAif.)
1
i



iitii inn
1

r ___


t

=:
v:1,1..
pimo de wmuwBoce skuidi fiai 12 ot uvhiro pe iiss
dMi lo labes divido a altura Mixta do Jiflcio,
ao 10 sea pequeo amero oa mies imperfeiclo do
teu micltiaims.
Por falla do lugar proprio, achando-se infeliz-
mente i enfermara no niesmo correr das prise* e
no roeio iJellai, ende alguna preso atcommeltdot
de heigas confluentes, desenvolveu-se ule nal por
forma til qae chtgoa t 24 o numero do dnentes,
alem ios quaei foram 11 alicadoi de oalru moles-
tias, o denat e onlras no decarso de 40 diai da ri-
nha ulioioisIracSo morreram i no raez de agoslo, e
um mi do Miembro ; he porem stUsfalorio dizer que
apena i exstor hoje 10 doentea e uenhum dellet bcxigu, o qoe sem duvida he resullado do isseio e
limpei;a era que te conservan) os presos, suas ret-
pectivis prisOes, eem grande parte lamben) da obri-
gaeao qoe impuz da se vaccinarem oa novamen-
te enitadoi, ao 'que de boa vontade se letn elles
praaUltilc he poit de esperar, que alenlas todas et-
tat apunanitoncias, e de mais, a limpeza da enfer-
mara todos ot dfes famegada com labarraqae e
ames, e o xelo dedicarlo com que o respecti-
pallativo a o gulrda enfermeiro toecvrrem
e cuidadotameole os.doenle recolhidoi
enfermarla, continuar a melhorar o astado sanita-
rio detle etlabelecimenlo.
Ot empregados desta casa em geral compren) suas
ofarigaOes, o jervico tem sido feito com regnlarida.
de, e ullendendo o quanlo se torna necestario para
jetar alTeilo ai pretcripcoes regulamenlares do
aerviv > o llel cumplimento das obrigacoet de cada
um dalles, tenlio extrcdo a necesiaria vigilancia e
usliga, tuspendendo al alguna por toas fallas, co-
mo ja tfyeoccasiSo de fizer ver a V. S.
Ve loinha parle nao tenho poupado nem ponparei
esforcis para com (oda rectidao faier realizar as
medidas do regularcenlo e a proporcfto qoe a ex-
periencia me for aconaelliando no modo de o conse-
guir, itei procurando allingl-lo com a perseverarla
eamei'o com que cestumo servir,
l>eo guaAeysJL S. Caa de delencao II de ou-
lubro de 1988.ITIin. Sr. Dr. Luiz Carlos de Paiva
Teixeira, chefe de polica.O admioislrador, Flo-
rencio Jos Carneiro Monteiro.
DIARIO Dfi PER1UMBUC0.
A iiprekentn atol africanos em Serinhaem.
O pilriolisroo esclarecido do governo imperial e
a sua constante solicitud? oo emprego das medidas
oais enrgicas e adaptadas a .represlo do brbaro
IrafcD da escravatura, tinhe nao salitfeito ple-
namente a expectativa do paiz e tranquillisado a
opiniao publica a esse respeilo, senao tambera leva-
do ao i-jpirilo do governo inglex a convirrao deque
nSo poliSo ser mais leaes e proficuos os esfor'ros em-
pregados no Bratil para acabar de urna vez com o
referida trafico, e livra-lo assim de urna nodoa, ao
momo lempo qoe do maioi*-rancaro que corroe a
sua Industria.
Betn tranquillos em verdad nos achavamos lo-
dos, a "isla dosfelizes resultados obtidoi pelo governo
impert); e diriaindo a nossa alinelo para a colo-
niiscaY, como para o nnico malo capaz de snpprir a
falta du bracos de que se ressenlia a nossa agricultu-
ra, deptis da etnacto completa do trafico por um es-
paco ds mais de 4 annof, nao receiavamos, era mes-
mo podamos esperar, quo alguem houveise rao for-
ternentt dominado da ambicio do egoilmo, que
nio iripidan* peranlajidajpt continuar a impor-
tarlo ile africanos por tanto lampo inlerrompida, e
comprt mellar por mel de um desemparque arteira-
mente calculado e bem tuccedidn a honra do gover-
no e da nato brazileira*. Entretanto foram excedi-
das aa previsOes de todos pela audacia criminosa de
raitertvti* especuladores, que a ludo saarrojam, an-
da cea os marores riscos, com Unto que satisfaca a
lora* ambicio, a devoradora sede do gaoho que os
subjaga e dirige.
La desembarque de africanos foi tentado nesla
provincia, e o logar para elle escolhido, oo deter-
minada pelo acaso e pela Torea das circumitonciai,
foi o termo de Serinhaem da comarca do Rio For-
mato, timo ja bem inleiradot dtvem de estaros le
torc, pidas publicarGes ferias em nosa folha, asura
como niri oalrit deetecidide. A lealdade honrosa
do governo imperiafspao pode ser posl em duvida,
nem felimente o tem sido, por amar de um fado
qoe contraria os teus mais pronunciados esforcoi, e
qoe tem duvida desaliar a sua mais enrgica e de-
cidida leproverao. Pode-lo-ha porem ser alcaldada
do delegado dt) rrietmo gowrno nesta provincia'.' I'u-
der-se-ha diste que a vigilancia e
Eim Sr. cdflMneiro Jos Kenlo da Confia*
redo,alo estejam na mais perfeilajMcordanVjp^m
a solicitada-e 6a tsforcos (em sabido mtrecer, lorntnd-te sajasre mais digno
della? Poder-te-ha dizer qoe ddflLvto dot oulra*
auloridi'.des de Peroambuco lenlia havido negligen-
cia aso (operar para o fin a que se dirigem ot ei-
forcos da governo'.' He o qoe qoanlo a nos se nao
poderia aOlrmar sem leroeridtde, e tem manifestar
urna inienc.lo malvola ; lia o qae quanloa mis nao
te poderia metalo por em duvida, a menos qoe se
queira trazar para ama qnetiao tai qae s honra do
Bratil a a lealdade do sen governo se aoham empe-
nliadaf, as metmai prevencOes, oi metmos odios, a*
raesmas leviandadea, com qae sao tratados ot peqae-
tsM oagocios dos partidos, as disputas a que os seas
ulereases dio lugar.
Nadaquereado aventurar ligeiraroenle acerca Je
orna qarsiao (a.o m'ilindrosa, limilama-naaA dar
simples noticia do fado, ULeomo chegou tm nosso
conhecimento, esperandaJBHo lempo por-nos a par
de loda as circomstaoeraWelle, pqra entao faltar.
mos con) seguranra. Hoje porem que nos adiamos
de ludo inleirado. tamos apretentar ao publico a
narraban fiel de lodo o occonklo, fazendo a respei-
laas noisas succinlas refljeles; e estamos persua-
didos de que felizmente nao sera necessario mais do
qoe jsso., para que so nao posta 8o menos duvidar
da solicilule e escrupuloso zMo da presidencia em
corresponder as vistas do governo imperial, em um
Degocio- em que ollas (3o perfeitaroente se ajuslio
eum I o iuiao geral do paiz.
Coustiindo de ama maoeira vaga ao Exm. Sr. pre-
sidente, no dif 5 de julho prximo passado, que na
comarca do Rio Formoso havia quem fallaste em
desembarque de africanos, Iralou S." Exc. .de em-
ir II diligendas possiveis afim de ver se obtinha
ello aljama informacao positiva e dr-
il nada podando coaiefui
que Iha i julgoo
rspreta-la.^^H lxatela or-
i caaaajaedanlo da et-
Hiera ararla para Kb
aa. Baaei dignos empregd
mlructrferas ai soas dlligenci
nhum indicio se (1 esc orlo que ind
taspeilar gravemeate a proiiabilidaj do
que fallado.
Tresiiezes te pastaram depolt d'isto, e quando
j te ad avara mesmo desvanecidas ai leves sutpeltat
qoe havia, eis qae no da II de ontubro prximo
pistado appareeejanto .(ha de Santo Aleixo noi
mares de Serinhaem um palhabote,, que diziam es-
tar impsUdoe ptrisso em qaarenteoa. No da i>,
demandando a ha urna barcaca que andava condu-
zmlo pudra d'alli piM e)Ia e(iade. o julgando o pa-
ilebote qae ella o a perstgair, levtutoa o ferro e
precitadamente enlroa a barra de Serinhaem, i
pralicaca por haroneas. Foi entao qoe se dlvolgoa
qoe o pillubole continha africanos.
D'aqui ja se dcixa ver claramente, qae o c'apia"
i do palhiihole a teus co-ros nao ronlavam de ma-
neira al juma com o apoio da populacao do Serlnha-
prebendendoo immediatamente com ot 162 africa-
nos qae condola. Ciim|re porm no omiltlr que a
ate lempo j se achava a bordo do palhabote o inspec-
tor de qfjarleirao de Serinhaem com cinco, pessoas
armadas, o qna nao obstante oovira dizer o comman-
danle do dee(acimenlo que alguns africano* haviam
tido tirados ante de tua chegada, furia esse qae a
I ler-se verificado, foi tambero sem duvida antes que o
referido inspector para all te dirigase.
Recebando a presidancia as parlicipacOes odiciaet
doaprezamenloeito j>elo delegado e pelo comman-
danle do destacamento, ordenou in continente que
parllise o brigue de guerra /tamartc sob o com-
mando do Sr. cliefe da eslacao naval, allm de con-
iluzir logo para esta capital toda a preza, e empregar
lambem as necessarias diligencias para a captura da
Iripolarao do palhabote.
O eommandante do /amarara, demorndose
mais (empodoquese presumiaser necessario.chegou
de volta a esta cidade no da t do passado, trazendo
o palhabote 158 Africanos, poit que dot 162 ha-
viam fallecido 4 de innanicao, verificando-se a
morle de orn delles antes da sea chegada a Seri-
nhaem, as dos oalros (res posteriormente. Estes
158'Africanos acham-se hoje depositados nos arse-
naes de guerra e marinha. E como quer que ja es
livwsem feitas as primeiras diligencias da audito-
ria de marinha, e nao podeisem as autoridades po-
liciaet de Serinhaem, de accordo com o commin-
danle da ettaeao naval, conseguir a captura da Iri-
polacio do palhabole, apezar das terminantes or-
den que para isto tiveram, ordenoo anda a presi-
dencia ao Sr. chefe de polica que se passasse n co-
marca do Rio Formoso, allm de proceder a mais es-
crupulosa indagicao do .fado occorrido, e ver se
alcancava capturare* delinquenlei.
Tal he em resumo a exposioao fiel do fado -da
aprrehensflo dos Africanos acompanhada de (odas as
suas circumslancias, assim como das providencias
(ornadas an(ese dtpoitdelle pelo Exm. Sr. presi-
dente,nao havendooma sdasnossss asserrOes queja
n3o (enhasido nu n,1o possa ser anda comprovada
por documentos e peras ofliciaes. Nao nos oceopa-
remos por ora com a fuga da Iripolarao do navio
ntgreiro, nem Uo pouco com o extravio dos Afri-
canos qae se diz ler havido, pois qae a dilucidaran
desses fados aceessorios acha-se ainda dependente
das pesquizas a que esl procedendo o Sr. chefe de
polica ; mas entretanto comprometlemo-nos a tra-
tar delles logo que estiyermos para isso sofllciente-
mcnle habilitados.
Tomando porm por base o que havemos exposto
Prgan(aromos agora : he possivel em boa f davi-
dar da vigilancia da presidencia e das mais autori-
dades acerca do laclo em quetUo'.' Nao lomoo
aquella todas as providencias que o caso exigia, e
nao fizeram asouiras em execujilo das ordens rece-
bidas o que eslava ao seu alcance ?
Sem embargo disto, enlendeu o cnsul deS. M.
Brilannica qoedevia queixar-se e proleslar contra a
negligencia das autoridadesbratileirat, sem allender
que com esse procedmenio deixava bem entrever
qnanlo he fcil o seo espirito em guiar-se por sug-
geslOos malevnlH, lalvet por um excesso de ze-
lo no que respeita ao servir do teu gover-
no. Al autoridades nao eslavar em seu posto.
diz o senhor consol inglez, qnando apparecen o
navio negreiro, o a consequencia diiso, he que al-
gaos Africanos foram reduzidos A escravidao com a
sua posleridade. Apreciemos porm o valor desla ob-
jeccao, e veremos qae ella nao procede por Ihe fal-
tar a Torca qoe lhc soppde o Sr. consol.
O palhabole apparecen, como dissemos, no dia 11
Dominado de laes ideas, o implacavel correspon-
dente, nao cama de acensar com urna brutldade
sem exemplo ao digno e honesto Dr. Verga Pcssoa,
trocando assim o pergaminho de bacharel, pela es-
farrapada jaqoela do calumniador, qnesummarnen-
la lastimamos, bem como a reprodcelo em sroisa
escala do espirito de pnixdes reactoras e vingalivaa.
A questan dos -lias de estada, contados no inventa-
rio dos bens da fallecida mulher de Jos da Cosa
Araujo Pereira, reapparece debaito das mesmas
formas, |sabtis(iodo assim a prova em contrario por
nos apreienlada em anleriores arligos, fizando ca-
hlr por Ierra (.lo injusta quao graciosa accusaeio ;
loilavia adverliremos an imperlinen(e e malvolo
correspondente, que te a nossa argumeu(ac*o nao
procede, no seu moda de entender as cousus, qual
a razao por que della leesquecendo, de novo a re-
produz com as mesmas palavrat ? Para os que n3o
pensam nem se do ao Irabalhu de investigar os
fados, acreditara que a vtrdade he a mentira repe-
lida, e contentes e s.atisfeilos porque o carvo da ca-
lumnia quando nao qurima (isna. Demonstramos
do novo reprodozindo o mesmos documentos sera
em nosso entonder esperdirar (ampo sem ulildade
para a causa da juslira quo esposamos.
Ouanto ao catn da faca-de prate desapparecido e
allribuido com toda galantera ao Dr. Vega Patioa,
diremos qoe nao sendo ella descripta na basca que
se proceder, nem lambem se provando sua existen-
cia, quando a polica dera varejo na casa do assas-
sinado Uanoel da Silva, ahur lunada pela familia
desle infeliz, complicada na liorrivcl catastrophe,
sem duvida que nenhama cul pabilidade pode reca-
hir no delegado de polica Veiga Pessoa. S a iraa-
ginacao em dilirio, so o requinte de maldade poda-
r atlribuir lio feia e torpe aecusarao a prlmeira
auloridade policial do logar o nao a qualquer pestoa
do povo, que evadir a casa Que lastima, que ver-
gonha, qae miseria appeltidar um seu collega de
Itdrao de um cabo de faca, no exercicio de func-
cOes policiaes He pois sem a menor sombra de ra-
zao lodo esse resentimento despeiloso quo o E. A.
O., correspondente do Liberal (em estampado, cor-
lo daimpunidade. Nao insistiremos mais na conira-
riedade desta torpe aecusarao, sobejamente prova-
da, com oque nesla sentido escrevera o Nyctaiope.
Muilas e niailas veres o'julgador por se o jnlga.
Quanlo ao galante episodio, qae o corresponden-
te nos canta, do passaporle coocadido a Machado e
Indo, para se transportaren! para o Ing.-i, onde fo-
ram presos conduzindo cnvallos Tunados ; compre
ponderar, que essa oceurrencia nada lem de extra-
ordinaria, e della nenhum dciar pode recahir sobre
o digno delegado Veiga Pessoa. Por quanlo, achan-
do-se Machado eslabelecido em Nazirelh, e gozando
elle boa repulacao, nao he muito de cstranhar, que
o delegado Ihe dtse um passaporle, para seguir a
saa viagem. E demais, que culpa tem a aulorida-
de, e al mesrno Machado, que pessoas de sua come-
tiva, livessem cavados (orlados em seu poder .'
desde quando he cosame vcrilicar-se'que os cavados
que te alugam sao bem ou mal possuidos pelos al-
moereves que ajus(am os seas serviros ? Ji se v pois
qae esta circomslanoia que nao desaira a Machado,
menos ainda pode lisnar a auloridade policial da
comarca o Dr. Moscozo da Veiga Pessoa.
Bem poderimos evitar esse dissabor, deixando que
o impaitirel moro E. A. O, Tost por ahi alem pre-
gando bem ou mal, a sua promessa de guerra e
guerra de morle......mas que sao tinas. He
sina do correspodente, declamar a troxe e mote, ca-
lumniando e insultando a seo bel prazer, e la para
seos liris, ao Dr. Moscozo ; he sina nossa rebalermos
do passado, e foi apprehendido na madrugada do dia suas eslratogias, refu(ando suas calumnias : he iam-
13 na barra de Serinhaem,(ermo reunido da comar
do desse termo, hornera geralmente bem conceilua-
do, e que quasi sempre se acha em exercicio, linha
vino a esta cidade, deixando em seu lagar o sup-
plente immediato, o qual dizem, que eslava doeole
to lempo do apparecimenlo do palhabole e da toa
apprehcnsan, e por esta causa foi dimKido. Tudo
isso He verdade; mas o que concluir dabi ? Nao es-
lava porven(ura em seu posto o delegado efledivo,
o mesmo Sr. coronel Drommond, a como elle o eom-
raandanlello desUcamento, o qoaes cffeclvamenle
fizeram a apprehensSo? (Juaes s3o, pois, as ontras
autoridades que deviam estar emseus pastos, mas
que todavia nao eslavam Qoal he sobretodo o fac-
i de negligencia que a qualquer dcllaa pode ler im-
pulado '.'
Ojuiz monicipal do logar havia insltaatmentc
j^tollicilado da presidencia urna licenra, em princi
de setembro, para tratar de negocio sea nesla c;
tal, e S. Exc. hesitou eteatoocedlr-lh'a; rjaajj^tai
pela segunda vez deoflB licenra por fl Va
IfeBilomez. O joiz enlroa no
da ; mas por* ventura nao
peclivo supplenle, que
de direilo da comarca,
Para ; mas entretanto a p
nida, e querendqaajfeiai
lerinidades, julgi
CAJj,e
3 Ift
tn tina do correspondcnle, descompor ao seo des-
do Rio Formoso. O prirneiro supplente do delegaJaf,reclu, em yezde documentar sem qoe duvida laca
lodo qae se aventaron a publicar.
Em condusao, diremos do corresponle E. A. O. s
vezesVigilanteque nos Talla a necetsaria pacien-
cia para refolarmos asserres sempre repelidas em-
bnra pnlverisadas, desislindo de boro grado, de loda
e'qualquer discussao que nao lenhn de versar sobre
uovospontos deaccusarf.es. Asim pensa e julgoo
Jntto:
da liiPp obli-
iea lagaj o res-
poslo '.' O jui'.
movido para o
la, sempre prev-
aos inconvenientes das in-
enle demorar a communi-
cai;ao do aviso de iiMBunocao, alim de que elle po-
m passar a vara Vseu luccetsor, a quem foi or-
Btfido qae perlisso logo para a comarca. E como
se isso nao fura bastante, recommetidou ainda a pre-
sidencia ao jaiz de direita removido, que nao entre-
gasse a vara senao ao leu saccessor ; reeommenda-
cio que todavia deixoa do ser observada, pastando
aquello juiz a vara no dia 10 ao juiz municipal de
Barre ros, embora contaste que o sea succetsor nao
te demorara om chegar, como effeclivamente che-
gou logo no da 11, tomando potse do lagar no dia
13 emqae se effectaou a apprehencao.
4* te v portento que nao he exacto o dizer-se
que as autoridades nao eilavam era saos patios, e
muito menos ainda que houvesse negligencia culpa-
vel e inexplicavel. como o pretende o Sr. cnsul. E
se a dtspeilo da taccnla, mas verdica exposicao que
acallamos de fazer, insiste ainda oSr. cnsul em seu
modo de pensar, ent.tu parece-nos que nos aotorlsa
a dizer-lhe qae o oommamlanle do vapor inglez in-
fiernan, o qual ao lempo do acontecido, andava
cruzando aosul da provincia,nao pode deixar de par-
ticipar dessa coJpavel e inexplicavel negligencia,
que S. S- afllrma ler havido.
Voltaremos opportonamenle ao nssompto.
GOMMUICADO.
Rvro. parocho da referida (regoezia Jernimo de
Albuquerque Maranhao. Esta poste (diz o Alma-
nak ) foi seguida de am relatoriu, que apresenlou o
coadjuclor da freguezia, em qoe mencionou muilas
centenas de casamehtos nudos, d'enlre os quaes ha-
tiam qualro, que o mesmo coadjuclor accoiou ler
feilo, e que deixava cargo do vgario para serem
revalidados HJI i9irva cada ponto de admirarlo par
cada am dos calamentos nudos.)
3." litro do registro dai Ierras.
isse mais o Almanak que nos exeruplares apre-
lenlados para o registro nao se meucionaram as
qaanlias, que s haviam pago! No que eslava sobre-
rnaueira embarazado o vlgariu nuio de Nova Cruz.
4. Asemethawa dos tres mancebos na fornalha de
Babylonia.
Conlou mais ( no qae Ihe achei muita graca ) que
na capital onvio-se toque de tino : cerlo devoto (tup-
poera-te ter tido o ladiritao ) corren i igreja ( sera
pouco mal de meia noite) edepois de fazer tua'ora-
r,ao, ou complemeiU do costume, vio junto ai gradei
Iret meninos asseolados tobre crepitantes lavaredas:
aos quaes perguntoa o devoto, oa sachristao, que
nomes linharo, e o que fazlam all? Ao que respon-
den o primeiro eu me chamo dios Santos tirados ;
e o segundo o meu nome be carne em sexta feira ;
e o lereeiro ca efe aVimmao do meio dia' para tar-
de. E logo depois etaSaeram todos ao meimo lempo
formamos a trempe, em que se ha de queimar o
commercio da Ribeira. E perguntando-lhes o de-
voto a rai3o de queimar-se aquel le coaamercio ;
Responderam una toce: dir-le-lieraos, depois que
nos declarares a razao, cm quo se fundou o clero na
astembleea provincial para nao deflnder a guarda
dos domingos e das santos impugnada a modo de
pelirao pelo mesmo commercio.
Vine, qae he lodo charadiila, decifra l esles
qualro arligos da pteolilha do meo Almanak. Urna
M cousa Ihe digo : com a transferencia da sede da
ntatriz de S. Rento para a capella de Nova Crur,
corlou o Exm. Prelado pela raz o n gurdiano to-
bre a quesUo de aiudt poder perleucer u freguezia
de villa Flor o ditlriclo de Nova Craz : toi urna
verdadeira rolAo, e o taulelmo dos haliilanles de
Nova Cruz.
Apropotilo : que lira levou o correspondcnle de
villa Flor? Si tiver opportuoidade, d Ihe minhas
lembrancat. Al mal ver. A.
10 Padre Venan
11 a .loa
12 Le
em, nam com a negligencia ou ndiereuca das au-
torididos laceas, parque da contrario nio estara o
navio por tanto lampo defconle da costa tem desem-
barcar a toa carga idicita, eorrendo alem de ouiros o
grave risco do ama apprehensao pelos cruzeiros bra-
tileiro e inglez. A (ente do palhabole por tanto es-
lava receiosa e indecisa, teniendo nlguma conlra-
riedada viuda de Ierra, e eapaz da mallograr a sua
crimnela emprexa. Islo nos parece evidente e in-
conteilavel.
Urna vez espafliado o boato de qae o palhabote
eontiota africanos, a primeira auloridade qoed'es-
ta cireuitlanda toabe por ter a qae te achava mais
prxima, foi o Sr. coronel Drommond, delegado do
SerinhBum, o qual, morando como te sabe, legua e
naia diante do logar onde eilava o navio, avisou o
aataataanlanle do dettacamento de. Rio Formoso,
qoe se ncttava cinco leguas disiantflfc barra de Sc-
rinhaeni. O eommandante recebendo^a aviso, paja
taeii quite do dia 12 poi-se loso otra jWudila prat*
teea a oaraian aera o paHtaaela 1 em a forra do
eaacemmando e a marchas forcadat conteguio che-
gar He anda com o silencio da endrogada, ap-
Ofuiz municipal de Sazarelh e o implacaitl
corrtspandenle do Liberal n. 917.
III.
Parece-no! ler moilrado em oulros arligos debai-
io dula epigraphe, com evidencia palpavel, que o
pequeo grapo de Nazireih, capitaneado pelo cor-
reipondenle E. A. O. tem poder modelar o tea
programma difamatorio, tem fim algum til e ne-
nesiario ao bom andan.ento da juslira, sem cohe-
rencia em seus principios, nao lem oolra base de
operaroes mais que o despeilo, por nio haver sido
nomcado om de teus membros para n lagar de jaiz
municipal : nao lem oulro Manto mais do quo in-
juriar aquella que Tora rtconduzido por assim con-
vir atilidade poblica, o a deipeito de prclenees
mallogradas do repedido E. A. O. Na presenra das
mas paixes infiammadas, he preciso que todas as
regrat da prudencia desaparecam, que todat ai eon-
vealenctat soclaes se calem, qoe a propria razio a-
pague o seu facho luminoso, e acompanhe s cegas
os desvarios do amor proprio offendido, e a Iheoria
das desafleiciles que osle grupo consagra ao inleger-
rimo Dr: Veiga Pestoa, apparera em publico revet-
lidl com maravilhosa indaslria Sera jusliOcavel
o banal procedimentodaquelles que assim proceden-
do, aliram a maot cheias, ao seu adversario injurias
e calumnias, a par das mais nojenlai acensares Eis-
aq'ui o que em conlinuacSo patsamos a discutir.
Que o pretendente vara municipal dosejasse ser
o nomeado, nao he no nosso moda de encarar as
coasas, um objeclo digno de censara, e muito me-
nos um crrne, urna vez qoe nesse desejo, nobre oa
soa origem, e||r nao lance mao, como esl prali-.
cando, para chegar a seus lias, de meiot reprovados
pela moral a bons coslurnei, e mais que muito pre-
judieiaes i assoclacao. Se a vara municipal tem pa-
ra o E. A. O. tantos allraclivos e das m3os Ihe fn-
go, tem saber como, a retignaeao he o nico reme-
dio a sem males a a lano toOrimento... e nnnea o
de insultar a quem a obteve por urna jusla recom-
pensa e bem merecido galardao ao mrito daquelle
que Uto dignamente a exeree, a conteni da gante
boa da comarca. Explicada assim a ogersa e m
vonlade qoe o limitado grupo, liberalisa ao Dr.
Veiga Pesioa, patsamos agora a analitar a serie de
torpes accusacOes, que o citado correspondente E.
A. O. estampara ara aa columuas do Liberal, ot
detpiado o manto du tres vogaet, reapparecendo
Vigilante rtdicola melhamorphote, intil e eo-
ohecido ardil.
Senhores redactores :Como a poca seja do lo-
llerancia, e o eovernp imperial qner :.aem duvida o
concurso dos bons bratileiros, para o bem do paiz,
nao deslingnlndooulrabandciraseno o merecimen-
Ufe sendo eu aoologisla do tao nobre programma,
o a conrJaBarao de meus collegas eleiloret
os abaixo del H|8, romo cdadaos aptos para com
ignidade jBaaapenharem os deslindas lugares de
depuladoaSovinciaes. Entre elles figuram algans
hoinensrrsropposirao radical, mas individuoa lae,
que cada um de per si symbolisa a ordein, a illm-
Iracao, c o afierro as noetas instilnirdes. He lem-
po de deporem-se antigs rivalidades, e approveila-
rem-se ossorvieot de tao conspicuos cidadaos, que
sem duvida muilo hnorara provincia. Sou Se-
nhores redadores / m eleor.
1. Barao de Camaragibe.
2. Bario da Boa-Vista.
3. Birao de Soassana.
4. Dr. Manoel Mend'es da Cunha Azevedo.
' o. Dr. Jernimo Vilclla de Castro lavares.
6. Dr. Francisco de Paula Baptists.
7. Dr. Francisco Carlos Brandao.
8. General Antonio Correa Seara.
9. General Jos Ignacio da*Abreu Lima.
10. Dr. Caelano Estellila Cavalcanli Pessoa.
11. Coronel Antonio Francisco Pereira.
12. Tenenle coronel Antonio Carneiro Machado
Ros.
13. Dr. padre Jos Antonio Pereira Ibiapina.
14. Dr. Antonio VTcenle do Nascimenlo Feitoza.
15. Dr. Antonio Joaqnim Pereira Barnizo de
Moraes.
' 16. Dr. Francisco Joao Carneiro da Cunha.
. 17. Dr. Manuel Joaqoim Carneiro da Cunha.
IX. Coronel Lua Candido Carneiro da Cunha.
iy. Dr. Joao Jos Ferreira de Aguiar.
20. Dr. Manoel Clemenlino Carneiro da Cunha.
21. Dr. Virialo Aurelio da Cunta Gouveia.
'22. Dr. Eslevao de Albuquerque Mello Monte-
negro.
23. Dr. padre Joaquina Francisco de Farias.
21. Padre Joaquim Pinto de Campos.
25. Dr. Jos Mara Moscozo de Veiga Pessoa.
26. Dr. Antonio LintCavalcanli de Albuquerque.
27. Commandanle superior Joao Joaqnim da Cu-
nha Reg Barros.
28. Dr. Joao Antonia Cavalcanli doAlbuqoerque.
29. Cidadao Antonio du Costa Reg Monteiro.
30. Dr. Francisco Serfico da Ansiz Carvalho.
81. Dr. Felippe Lopet Neto.
32. EngenhajilUos Mamcdo Alvcs Ferreira.
33. Agrculit^Hitonio l.uiz Pereira Palma.
34. DezembargVdor Jernimo Marlinano liguei-
ra de Mello.
35. Dr. Felippe Carneiro de Ulinda Campello.
36. Dr. Manoel Francisco de Paula Cavalcanli dt
Albuquerque.
Sr*. Redactores. Tendo vitlo em seu Di'nno
alguma listas de candidatos para depulac.ao provin-
cial, leinbroii-nie lambem de orgaohar ama compos-
ta dos cidadaos illuslres pelas inai posi^Oes, roorali-
dese fortunas que jtaixo se' seguem, e tobre ludo
porque tema provincia de ser representada por
classes.
Titulares.
1 Barao de Suassuna.
% da Boa-Vitla.
3 de Capibaribe.
Militares.
i General Jos Ignacio de Abreu e Lima.
5 Antonio Corroa Seara.
6 Tenenle-roronel Aulonio Gomes Leal.
Magisterio*
7 Dr. Francisco de Paula Baplisla.
8 Pedro Aullan ila Malla Albuquerque.
9 Joao Jos Ferreira de Agolar.
Ecclesiatlicos.
io Hnrique de Resende.
Raphacl da Silva,
lo Anlnnes de Meira llenrques
Guarda nacional.
13 Commandanle superior Francisco Alves Caval-
canli Camboim.
14 Tenenle coronel Antonio Francisco Pereira. -
15 Majnr Jos Joaquim do Reg Barros.
Advagadas.
16 Dr. Iva Miqnilino dja Cunha Sonto Maior.
17 o Antonio Vicente do Nascimenlo Feilosa.
18 )i Angelo Henriqaes da Silva.
Magiitralara.
19 DexeianWgador Caelano Jos da Silva Santiago-
20 Dr. Antonio Francisco Peretli
21 Franciae Gomes Velloso de Albuquerque
Lias.
Negociantes.
22 Tente coroacl Jos Candido de Barros.
23 Antonio Marques d'Amorim.
24 S*k Pires Terrtra.
FaaBllalivos.
25 Dr. Coime de Sa Pereira.
26 Sabino Olegario Ludgero Pinbo.
27 n Jos Francisco Pinto Gnimaraet.
Empregados pblicos.
28 Tenenta,coroirel Antonio Carneiro Machado Riot.
29 Major Antonio Jos de Oliveira.
30 Inspector JotUadro da Silva.
rafes sores.
31 Major SilveflpKnlono de Oliveira Mello.
32 Dr. Leonardo Augusto Ferreira Lima.
33 Joaquim Antonio de Catiro Nones.
Solicitadores.
34 Tenenle coronel Rodplpho JoAo Barala de Al-
meida
35 Tenenle coronel Jo3o da Silveira Bnrget Tavora.
% CapiWo Miguel Jos de Almeida l'errtambuco.
Joaquim Jos Diat Pereira.
Manoel Joaquim Moreira.....
Miguel Jos Rodrigues da Costa .
Francisco Thomaz das Nevei. .
Joaquim Xavier Vieira.....
Francisco Rodrigues dos Sanios .
Manoel Joaquim Gopcalves. .
Paolo I rnutisco Rezende .
Unirle Ferreira da Cotia. .
Joao Jote do Cont.......
Jacinlho Jos Neves Leile. .
Antonio Francisco dos Santos .
Manoel Domingues da Silva. .
Antonio Correa dos Sanio .
Jos Mara Fernaudes de Magalhaes.
Joaquim Domingues Fernaudes. .
Francisco Fernaudes Duarte. .
Miguel Jos de Brilo Barreiros. .
Jos Joaquim da Silva Goimaraes .
Manoel Ferreira' Fialho.....
Joaquim Coelho de Almeida. .
Jote Francisco de Oliveira .
Antonio Albino Leile Braga .
Antonio dos Sanios Silva.....
Malliias Jos Gnmet......
Miguel Jos da Costa......
Joo Aulonio Pires de Moura ,. .
Bernardioo Gomes Gramoso. .
Jo3o Correa Carneiro. .
Antonio Marlins Carneiro d'Azevedo.
Jos Marlius da Silva.....;
Silvestre Ferreira Alves.....
Jos Igoacio Braga.......
Manoel Fructuoso du Silva. .
Miguel Jos da Silna......
Joaquim Vicente Marques.....
Antonio Jos Pereira Bastos. .
Jos Jacinlho de Carvalho.....
Joao Ferreira dos Santos Juuior. .
Joao Machado Braud.lo. .' .
Aleaandre Pinto........
Floreocio Marlins da Silva Borges. .
Jos Joaquim Gomes da Silva. .
l.uizJoio Alfonso.......
Jos da Costo Azevedo......
Manoel l.uiz de Abreu.....
Manoel Jos de Azevedo.....
Aolouio Rodrigues Pinto.....
Padre Aulonio Alvaro da Silva. .
Aulonio Francisco Bizarra. .
Joao da Silva Auauslo......
Manoel Jos de Araujo.....
Joao Rapozo........ ,
Manoel Ignacio da Silva Teixeira ,
Joao Baplisla Ferreira (iraca .
Miguel Gomes da Silva.....
Antonio Jos Magalhaes da Silva.
Jos Pedro Fernaudes......
Antonio Gomes de Pinho. I. .
Manoel Jos Barbosa. .
Pedro Claudioo Duarto.......
Antonio Frnandes da Silva. ,
Jos Francisco da Silva. .
Manoel Rodrigues de Amlrade Paiva .
Jos Marques de Oliveira.....
Joao Lopes da Casia Araujo. .
Joto Alves I.oureiro...... .
Manoel lavares de Aquino ,
anoel Jos Leile da Silva Guima-
fa*
Joa
PIBL1CAC0ES A PEDIDO.
Gotnnulia 1 de novambro.
He meodeugue, e bambaovo, chein de nao pres-
ta, e bem sandeo, todo aquede qoe, por nao querer
ditpender uns253 res Cun urna carteira homeupa-
thic-i, desafora de justo direilo de se fazer doulor
Por mim o digo ; bem aperlado que eu eslava,
qaando chrismava a lal carteira pormachina de
fazer defantoa : nesse lempo nem eu era senhor dou-
sor, nem as minhas ilgibeiras eslavam prenhes do
pecunia lotum Hrcumit orhem : hoje qoe professei
os aforismos dos novos Hypocrales, lodo me corre
om vento em popa : viva a homeopathia Se a for-
tuna me ajuda, cont fazer fortuna, conforme o pla-
no, qu> na minha ultima missiva Ihe indquei: o
mais he escrever na areia. E digao la que no ha
arle de adquerir ictericia e dinheiro simultnea-
mente!
Quero inlerromper esta descripso, para narrar-
Ihe o que me conlou o meu Almanak, o qnal havia
sabido a campo desde que Ihe escrevi cm 16 de te-
tembro. Elle chegou muilo ancho de si pela impor-
tante provisan de noticias, que Irouxe: vamos
ellas:
1." Himno publico.
Esto ramo ( nao sou eu, he o Almanak quem o
diz) na chamada villa de S. Bento, he urna verda-
deira lint cara : o proTettor deixa-ie fiear por um
mez inleiro no tanto ocio ; e lem razao ; porque he
bem tolo quem (rabalha, quando pelo nao irabalho
recebe a rennmeracao do servico.
a. Poste de tigario, e transferencia da sede de
matri-.
Toi empostado na cepeda de Nova Cm, para en-
de foi transferida a sede da mntrii da S. Bento, o'
HOSPITAL PORTUGUEZ DE BENEFICENCIA.
Subscripto agenciada na freguezia da Boa-Vista,
em favor do Hospital Portuguez Provisorio em
Pernambuco, destinado a servir de asylo aos Por-
luguezes desvalidos.
Exm. hispo diocesano......
Padre Jos Antonio dos Santos Lessa.
Joaquim Antonio da Silveira. .
Domingos Antonio da Silva Beirz. .
Manoel Jos Gucdes de Magalhaes. .
Joao Ferreira Ramos. ... .
Manoel Gomes I.oureiro......
Duarte Borges da Silva-. ....
Joao Luiz Ferreira Ribeiro. .
Beato Frnandes do Pasto ....
Padre Antonio Teixeira.....
Ignacio Jos de Couto......
Jos Mara lloncalvet Vieira Guima-
raes...........
Manoel Jos Pereira Goncalves. .
Antonio Pereira da Costa Gama .
Francisco Coelhoi Braudao ....
Antonio Goncalves Villela. ....
Joaquim Domingues da Cunha. .
Antonio Frnandes de Azevedo. .
Joao Jos Lopes da Silva.....
Um unnymo. ........
Luiz Moreira da Silva......
Francisco Jos Goncalves da Silva. .
Francisco da Coila Amarai. .
Thornaz Pereira de Mallos Estima. .
Sebaitiao Marqdcs do Natcimeuto. ,.
Joaqnim Alves Barbosa.....
Joaquim Joto Rabello da Silveira. .
Jote Bilancourt da Amarante .
Lniz Pereira Rapozo......
Antonio da Silva Ferreira ....
Doniiugos-Bernardino da Cunlia. .
Joao Jos da Lux Ferreira ....
Bento Jote djMpiranda.....
Antonio Jos 'de Carvalho.....
Francisco Antonio do Val.....
Jos Antonio Soaree;de Azevedo .
Domingos llenriqavadot Santos .
Manoel Luiz Coelho......
Joao Jote dot Santos......
Antonio Jos \ az.......
Jos Das da Cosa.......
Jos lluarle Cuilinho.....i
Joao Baplisla Rodrigues.....
Antonio Goncalves Costa .....
Antonio Joaquim Ferreira .
Domingos Pereira.......
Joao Jos da Cosa e Silva ....
Joaquim Anacido Alfonso ....
Jos Alves Lima.......
Antonio F'ernandes Lima. .
Francisco Bolelho de Andrade. .
Antonio Joaqun Ferreira Beiriz .
Francisco Ferreira da Silva .
Antonio de Freilat Guimaraei .
Lourenco Pereira Mendes ....
Jos Antonio Ferreira.....
Jos Goncalves da Silva Rapozo.
JoBo Francisco Paredes Porta .
Jos Justino de Lomos ....
Julio Cetir Pinto de Oliveira
Francisco de Sonta Rabello.
Domingos Goroet Leoreiro .
1003000
509000
5OS000
505000
308000
309000
309000
309000
309000
309000
259000
209000
209000
209000
209000
209000
203000
20000
209000
208000
209000
159TX0
159000
159000
109000
109000
109000
109000
IfWJOO
108000
109000
109000
109000
109000
109000
109000
109000
IO9OOO
IO9OOO
IO9OOO
IO9OOO
IO9OOO
tOSODO
109000
109000
IO9OOO
103000
la Costo Campos. .
Carapannado ...
David Marlins da Silva llorg
Antonio Muniz ,
Joo Baplisla Goncalves
Antonio Jos Pedro Lago.'
Manoel Joaquim Carneiro Leal. .
Manoel Frnandes da Colla B. .
Bernardino Pacheco da hilva. .'. .
Ignacio Ferreira Mallut.....
Jos George.........
Bernardino da Costa Feneira. .
Jo3o Pereira Goncalves.....
Maximino Marlins da Silva Borges.
Silverio Manoel da Silva ....
Jos Ignacio Carreiro.....1.
Antonio Francisco da Costo.
Bernardino Jos da Costa.....I
o Fructuozo da Silva.....
au Carvalho de Mello.....
Franri-co Perra da Silva ....
Antonia de Andrade Conleiro. .
Antonio Jos Leilo......
Tolal. .
55000
59U0O
59000
59OOO
59OOO
59QQ0
51000
59OOO
.19000
59000
69000
.59000
59000
5900
580OU
.59OOO
590OO
59OOO
59OOO
59OOO
59000
59OOO
59000
59000
59000
59000
59OOO
53000
59000
59000
59OOO
59OOO
.59OOO
59000
.59000
59OOO
59000
59OOO
59OOO
58000
58000
59OOO
59OOO
59OOO
59OOO
59000
59OOO
59000
59000
9000
39000
39000
39OOO
39000
39OOO
39OOO
29OOO
29OOO
29O00
29000
29000
29000
29OOO
29OOO
29000
29000
29OOO
2900a
29OOO
29OOO
29OOO
29OOO
29000
29OOO
29OOO
29OOO
29000
29OOO
28000
29OOO
29000
29OOO
29OOO
29000
290 00
..29 000
29000
2S000
29OOO
29OOO
29000
29000
Bento Jote de latios .
4) anoel Mart Lope'......
\, anoel Francisco Paredes .*'. .
Joao de Araojo Lima.....*.
Francisco Jos Correa Marques.
Joto Bernarda de Carvallia Pipo .
Manoel Cirreiro da Silva.....
Liaqnii Jos da Cunha Guimarae .
Bernardina Ribeiro Coelho, ....
Jos da Cotia Carreiro Guimardes. .
Antonio Joiquim Kabello Biiloi.
Antonio de Sqzallotolhi......
Joi Ferreira da Cotia......
Joaa de Azevedo Pereira.....
Domingos j0t Pereira da Silva. .
Joaquim Jote Cardoso......
Joaquim Bento de Souza. ." "
Francisco de Andrade Conleiro. .
Jos Rodrigues de Azevedo .
Bernardo Jos da Rocha.....
I.iurenlirio Ferreira dos Reis .
Antonio Jacinto Pacheco.....
Ji aquirn Jos l.eitao......
Jet Lopet da Silva.......
Buroardino Pereira llamos .
Manoel Jos da Silva......
Victorino Jos Correa de S. .
Jecinllio de Faria.......
Minoel Jos Ferreira......
Eslevao Sudr.........
Joao Joaquim Vieira......
Lnii Jaciotho Sadr......
Mnioel de Oliveira Baganho. .
Victorino Pereira Teixeira .
A lonio Moreira Rea .......
MinoelJosde MaUas......
Antonio Francisco Marlins de Miranda.
Joi Bernardino Alvet......
Jos Joaquim de Oliveira.....
A .1 Ionio lavares Ferreira.....
A ntooio Pereira Deguer ". .
Francisco Jos Frnandes Pires. .
Jiaquim Pereira........
Jote Pereira Azevedo......
Joao Flix da Rosa.......
Joao Antonio de Macedo.....
Custodio Pereira da Silva. /
Amonio Pereira Tyranno.....
Joaquim Antonio de Oliveira .
Domingos Jote de Avila.....
Manoel Jos de Amida.....
Henriqne da Silva Moreira ,
Manoel Fonles Gomes......
Jm Dias Costa Cardeal. ^
Miguel Francisco Ferreira J.
Jos Soares Pinto Correia. ^\
joao do Amarai Raposo ...'..
Bento Jos Airoza ,.....
Aulonio Francisco Alves Ferreira .
Jos Machado Malheirot.....
Manoel Alves Santiago.....
Mauoel leado de Carvalho .
Manoel Jos de Souza......
Malheus Aulonio da Miranda .
Manoel Joaquim Soares.....
Antonio Pialo de Magalhaes. .
Joao Rayroundo Teixeira......
Jos Mara Monleire '. -.
Joaqnim Carneiro Leal .
Joao Jote Mendea Bastos ....,,
Antonio Pinto de Miranda 1 .
Francisco Lniz dot Santos.....
Antonio Ferreira de Soaza Castello. .
Jos Marlins Lopet.......
Joao lialciino da Silva. .
Manoel Bento de Mendonca ,
Jos Rodrigan Areia ..,..,
Jet da Silva Chrispiano.....
Francisco dot Santos Moreira -. .
Joaquim Pereira Ramos .
Jote Baptisla da Silva Goimaraea .
Antonio Jos Pereira Ermdas .
Jos da Coala Gomes .
Jos Feriiandeajfcela Torres.
Manoel da Silva Pereira. ,
Jo.iqum da Silva Campo. .
Anlonio Jos de Oliveira. .
Romao Jos da Silva ....
Joao Cantoso Rabello .
Vicente JosLapes.
Jos l.uiz dejabas. ....
Tolal
59000
59000
59000
. 59000
58000
i-RACA DdjH V 10DE NOVEMI
HtjpH DA TARDE.
Colacfies ofliciaes.
58000 Cambio sobr Undret-60 di. 97-5|8 d.
Dito sobr. dito 60 a 90 d|V. 27 3|4 d.
Iletcoiito por 30 diat8 1|3 a i0 anno.
aLFANDEGA.
Reudimento do da I a 9. .
dem do dia 10. ,
59OQO
5eO00
59000
53000
.59000
590011
59000
.59000
59000
.59000
59OOO
59000
59OOO
59000
.59000
59000
.59000
59000
59000
59000
59000
59000
59OO0
5*000
59000
59000
59000
59000
59000
59000
59000
89000
.59000
58O
59000
59000
59000
59000
59OOO
59000
59000
59000
59000
59000
59000
58000
58000
.59OOO
5900
59000
59OOO
59OO
58000
59000
59000
59000
59000
59OOO
.59000
1:3909000
Manoel Ferreira de Souza Barbosa, secretario.
Subscripto agenciada na freguezia deS. Jote em
favor do Hospital Porlugoet Provitorio em Per-
nambuco, de-tinado a servir de asylo aos Portu-
goezes desvalidos.
Illms. Srs.
Jos Joaquim de Lima BairSo. .
Francisco lavares Correa.....
Jos Jeronymo da Silva.....
Jos Francisco de Lima .
Joaquim Antones da Silva ....'.
Pedro Jos da Cosa.......
Manoel Firmino Ferreira.....
Jote Pinto de MagalhSes.....
Jos de Mello Costa Oliveira. .
Joaquim Luiz dos Sanios Villaverde.
Bernardino Jos da Silva.....
Jos Antonio Alvares Miranda Goima-
raes ...........
Francisco Jos do Campos.....
Manoel Jas Ferreira Gusnrto 1
Loiz Caelano Borges *.....
Antonio Jacinto Borges .
Jos Carreiro da Silva......
Joao, Pinto da Costa.......
Manad Frnandes Mascar'enhas. .
Joto Domingues da Cusa ..'...
Jos Joaquim Soares ......
Antonio Joaquim Goncalves Goima-
raes ....'|f
Jos Luiz de Souza Ferreira. <*H
Joao Piulo Regs do Souza. 7*.
Antonio Jos Arantes ,.....
Ignacio Ferreira da Cotia.....
Jos Ignacio Avila. .\. .
Anlonio Moutinho da Silva '. ,
Joao Teixeira de Soaza Lima .
Antonia Joaquim Goncalves Fraga. .
Francisco Jote de Araojo.....
Anlonio Pereira Vianna .....
Joaquim Theodoro da Silva. .
Joao da Silva Leile ....
Joao Ferreira da Silva......
Hnrique Jos dos Santos ....
Antonio dos Sabios Ferreira. .
Alvaro Jos Esteves Braga ....
Jos dos Sanios Laborino.....
Luiz Ferreira da Cosa......
Jote Pinto Ribeiro.......
Manoel Padieco de Andrade. .
Joso dos Sanio Souza......
Mauoel Jos da Silva l'iuienel. .
Francisco Pereira da Sitia Saulos. .
Olivio de Souza........
Manoel Ferreira da Silva.....
Antonio Alvares Miranda Guimaraes.
Querino Joaquim do Barros.
Jos Ribeiro Goimaraes.....
Jos Diniz da Silva.......
Domingos Ferreira Lima.....
Antonio Benlo de Campea
Bernardino Anlonio da Silva lilao*.
Vicente Atvcs Machado .....
Antonio Jacinto Medeiros Dutra .
Dionizo Ribeiro Lopet# ....
Jos Pertira Magalhaes Basto .
Antonio Ferreira Braga.....
D>8000 Joao Baplisla da Bocha.
. .
Joaqnim Lucio Rodrigad.

Si
109000
109000
109000
109000
69000
59000
59000
59000
59000
59000
59000
09000
59000
59000
Francisco Smet da Silva Mafra .
Bernardino Francisca dot Saataa Oli-
veira. ..........
Luiz Antonio dos Sanios Pereira .
Ventura da Silva Boa-Vista ....
Jote Antonio da Costa Vrenle .
Anlonio Goncalves.......
Anlonio de Araojo Lima.....
Manoel Jos da Cosa Cabral. .
Joaqoim Constantino Pereira. .
Jos Pinto da Cosa.......
Jos Goncalves da Silva.....
Manoel Goncalves Meirelles ....
Antonio da Sonta Daarto.....
Joaquim MT(!n........
Francisco Kabello Mua .....
5051100
509000
508000
509000
.509000
509000
5O900O
309000
30900
303000
308000
309000
:10900o
3O9000
309000
309000
3O9OOO
209000
209OOO
209000
209OOO
209000
209OOO
269OOO
209OOO
2O9OOO
209000
108000
1O9OOO
IO9OO
IO9OOO
108000
109000
IO9000
108000
109000
109000
IO9OOO
IO9OOO
109000
IO9OOO
IO9OOO
103000
IO9OOO
109000
108000
109000
109000
109000
109000
MtSOOO
109h00
109000
IO9OOO
109000
108000
109000
109000
109000
IO9OOO
IO9OOO
IO9000
IO9OOO
59000
59OOO
58000
59OOO
59000
59000
58000
59008
59000
59000
59OOO
S9OOO
,59000
59000
59OOU
59000
59000
59000
59000
29000
29OOO
19000
29000
29OOO
28000
3|OO0
2SO00
I92OO
I9200
28000
29000
2*0OU
29000
29000
COMMUHCIO.
Galera mgleza-doramertadoriat.
Barca inglesaAapAo-bacalhao.
ONSUI.ADO GEKAI
Rendimentodo dala,
dem do dia 10 .
1*K
11:8189763
riy?,,oviiiciA.s-
Kendimento do dia a 9.
dem do dia 10. '.
739IM1'
MWOO
'- 75**3>*
Exportacao-.
Grenoek, brigue inglez Othellpo, de 106 toalla-
das conduzio o segumte :2,800 saceos coro U
arrobas de assucar.
HECEBEDORIA DE RRNDAB INTERNAS GP
RAES DE PERNAMB1JCO.
Kendimento rjo da 1 lO.
dem do dialO ....
CONSULADO PROVINCIAL
Reudimento do dial a 9..... 9:01
dem do dia 10........U
103989181
PrTOA DO RECIFE tu DE NOVEMBKO DE 1855
AS 3 HORAS DA TARDE.
Retlsta semanal.
Cambios----------Sacouse a 27 5|8 d. per II
Part"8' e =P "' *
rarls, porem Ira poneos aaeid
Algodao----------Entraran) 547 saceos,
vendidat a 5 por arroba o regu-
'".59200 para o entrefino, e
400 pelejfiki
Assucar----------Contra a o|fflKe da maiora da
rirarii, fundan rrot preeae- das
mercados coiiaM iilm. eetsrhaeaat
aigumas catas a comprarem es
genero pelos altos precos ja^^H
cidos, obtendo os brincos dt2>
a 49300 por arroba, o maacavade
de 29300 a 29500. Ot agreullore
animado* com esto bom prev m
i aprestado las reuieisus, por isoa
entrada tem sido vaalajo
mo superior ao qoe se
rar.
Couros- Foram mu procurada
se a 200 rs. por libra!
salgados, preco este 1
vez.conlatkdo no nono mei r.
Bacalhao livemosllljas cirregaroanlos, 1
dizem foi vendido um atarea ta
119800 e oulro de 128. Retalhoue
e a I2K t, e ficarim em ser
8,300 barricas. O consumo foi ani- "'
^ ina-Jn.
Carne secca- Relalhou-sc de 4,fi00 a 59*00 por
rroba o Rio Graude, ncando
cm ser tnicamente 23,000 arrob!
da primeira.
-*lfin primeira.
jouuu Familia de Irigo- Bem que nao (ivemos ehlrada
Mantoiga-
Queijos-
1:6779100
Manoel Ferreira de Souza Barbosa, seer
este genero nao tem animac-.,
consumo foi limitado. Vendeu-se
de 229 a 309 por barrica, et
a ensacarla, e algnma de Bl^^H
re ero leilio a 209. O carreaa-
menlo que dissemoa a' semana pau-
sada ter de seguir para antros
los, ficou lodo aqu.
9,550 barricas e 8001
panzo.
- Vandeu-te de 600 a 620 rt, por li-
bra da franceza.
----------dem de 19600 a 19550 por am dot
flamengos.
Descont Rebaleram-te llraade 8 a 10 li!
Fretes--------------Do. assucar para o Canal de 65
67., para Liverpool jala Para-
hibs 1 45, e para o Medilerra-
. neo a 7.5 ; a pal alaorUo para
Liverpool a 9|16 pela Parahiba e
5|8 em direilura.
Acroes ----- Da companbia cosleira a vapor
venderam-aaao par,
Tocaram no porto : 1 vapor, erat
rar* e Macei.i qoe i
Enlraram : 7 em Ir
carne sec%j, > com bacal
ropa, al
Sahiram : 3 de ca
Fernanda e 2 cora
rurlos eslran
jram no porl____
it. 28 brasileiras,

13 Uezembargarlor Jeronymo Marlinano Figoeira
Advogado Jos Bernardo Galvao Alcanforado.
.5 Promotor Jote Francisco da Costa Gomes.
16 Agricultor Manoel Thomaz de Barros Campello
17 Lente Dr. Jeronymo Villela de Castro Tavares.
VVRUMDE.
NOTICIA DOS EFFE1T0S DA I1ERVA MEN-
TURASTO, CONTRA O CHOLERA-MORBliS (),
Copia.Regiment de infantaria n. 15.Envo a
V. S. a copr inclusa de urna receila que me fui re-
meltida pelo quarlel-gcneral da oitava divitao mili-
lar, para que, no caso que nesse destacamento seja
alguma prac.a atacada do cholera-morbus, V. S. man-
de fater a experiencia do remedio que all ae acn.
sellia ; pois asseguraui oa melhores resaltados. Dos
guarde a V. S. Qu.irlel em Lagos 29 de agosto de
1855.Illm. Sr. commandanle do destacamento de
Albufeira. O commandanle do regiment n. 15,
Pedio Paulo da Silceira, brigadlro graduado.__
P. S. A eiperjencia.de que (rala este oOlcio tem ret-
a com accordo do respectivo facultativo. Pedro
Paulo da Silceira, brigadeiro graduado.
Copla.Vertida em portuguez Carla dirigida
pelo Se- go.vernador da Pennsula ao estado-maior da
capitatea general de Valenca, a por este ao Exm.
capitao general D. Pedro d'Alcatra mato.O Sr. co-
ronel govemador militar da Pennsula em dato da
1 do correle diz o seguale : Nao sei ie V Exc.
sabera que detcobrimos o verdadeiro antidolo contra
o cholera, qae temos nesta praca ha 20 dias. No dia
18 para 19 do mez ultimo ji era am peridico' que
um pastar d'Audalozia, havondo sido atacado no
campo, se curara com urna herva chamadaMen-
ta u a parte, (arlos como estamos de receilas; porm quiz
De 15 qae elle me chamaste a altenrao de eucarregar
o Maucher de se eolender com o pharmaceatico e
apandar a dita herva. Adiada qae foi, ordenei ao
medico comeres a ua-le, a ainda que reeebeu o
aviso com desden), leve que sujeitar-se o qoe se Ihe
linlia determinado ; e leem sido laes os seus elfeitos
qae, desde aquelto dia em que se comecou a appli-
ear, n3o lem havido urna s pessoa que se n.lo lenha
curado em 24 horas. De mais de 60 atacados que
haviam honlem, inclusive um sargento que fra ata-
cado lia 1 dias, estao j convalescentes.
Sirva isto de governo a V. Exc. para a sua fami-
lia e amigos, fazendo espalhar esla noticia cm pro-
veilo da humamdadc. E demos grasas a Dos por
nos ler palnteado o remedio para tao grande cala-
minade. v
Mcnthraslo, herva conhecida tmbem por horte-
laa aquatiea, horlela syltestre : ot teui talos sao
poaco mais oa menos de altar de um pe, as folhis
lernas e eoberlaa.de bolhas, a flor branca e vcrmelha
de eheiro agradavel.
So o enfermo tem diarrhea applica-se-lhe nm em-
plastro fro desla herva sobre o estomago ; se lem
vmitos fiz-se della om cha, e dase meia ljela de
mtia era meia hora al cessar o incommodo ; conti-
nuando porm a asar-se, em qualquer dos casos, de
duat em duas horas. Esle cha ou infuso deve fa-
zer-se apenas de duas folhas pira rrianras, e de qua-
lro para oa de mais idade. Adverte-se porm que o
abuso he muito prejudicial, e por isso deve sempre
coiisultir-se facultativo para precaver qualquer mao
resullado.Soria 6 de agoslo de 1855.
Esto copia foi fielmente verlida do original, como
en a entend. Nao obstante todas as explicarles para
que ae nao confunda esta com oolra herva qae ha
semelhante, remello lambem urna porejo.
Praca de Villa Real de Santo Anlonio 21 de agns
.1. til-.-. l\ xnvwn.a.. nluin. t-_ ....
. ""Y"' '", ""."-"." "'eagos- Sr. ministro da marinha, queme faram I
to .le 18.V. O governador interino, Jos Anlonio das pelo quartel general, em ofcio n. r
Souza Chagas.-E*U> conforme, Ameida. oalabro ullimo e do disposto as in.lru
Tere a bondade de enviar-nos esla noticia <
----------------------------------------------------------------,---------- _, ( . bamburguezas, 4 bespanhulat. 8'inu
guense, 9 porlogoezai, 2 tarda e 3
MOVIMENTO DO PO
Lembramot aos nossos palricrios para depnlados
provincias* os teguinles nomes.
Dr. Caelano Jos da Silva Sanligo.
Juiz de direilo Joaqoim Goncalves Lima.
Agricultor Barao de Capibaribe.
Promotor Marcos Correia Tamarindo.
Lento Dr. Lnur'aoaajVrigo de Loureiro.
Agricollor MaiiaMraeiile de Almeida Calanho.
Advogado Frar*JewCarlos Brand.lo.
Jaiz monicipal JoWFrancisco Huirle.
Negociante Antonio Marques de Amorim.
10 Juiz de direilo Manoel Clemantiuo Carneiro da
Cuulia.
11 Professor Francisco Joaquim de Barros Correia.
1 SSSS.P|d,b".0 L'mbcl7'iued<8 "Mello. W-uXJi0Ul.,^S"
i Dezambargador Jeronvmo Mari niann K annin .!.,r_ .'..:... u____. ..."
Sanios entrados no dia 10.
Terra Nova50 dias, barca ingleza sSapphoi, aa
350 toneladas, capilao Me. Ketlen, aqaipaaee!
. carga bacalhao;'a Me. Calmonl iV Coaanaahia
Rio de Jaoeiro3dias, brigue hrasileire amiou,
de -34 toneladas, capitao Cielo Marce^^H
da Silva, equipagam 12, em lastre, pipas com
agua; a Jos Joaqoim Diat Frnandes: 1
toneladas, capilao Manoel dot Pata
equipagem 13, carga til e pallia ; a Edt
reir Ballhar. Pisiagelro, JoAo Bapliat,
J"oz. Ficou em observado por 3 dias.
Lisboa48 dias, baica portuguesa Gr
259 loneltdat. capitao Anlonio Per
Peitana. equipagem 16, carga vinlio a
rot ; a Thomaz de Aquiii
sagetros, Belarmino Bapt
de Aquino Fonseca, D. ]"
Araealy15 dias, hiato br___
toneladas, meslre Jos Joaquim
geni 5, earga_cnaro* e sola ; ao n.
ros, Joaquim Caelano, Jos dril
Jos Machado. Fi';ou de obier,^
Rio de Janeiro18 dias, polaca hespanhola _
es, de 268 toneladas, capitao Carlos Ros
equipaaem 12, em lattro ; a Manoel do Nascii
to Pereira. Ficou de qaarentena por 15 dias.
Hatios sahidos no mesmo dia.
Rio de JaneiroBarca americana Qtnrade, capi-
tao Wm. H. Salvburg, em lastro.
ValparaizoBrigui hamburguez A.uguslon, apftil
C. Dliam, carga astocar.
.Vano. entrados no dia ti.
Terra Nova18 dias, brigue ingles aflu-aU
, toneladas, capitao John Warrea, equi
carga 2,400 barricas com bacalhao ;
moni & Companhia.
De cruzar Vapor inglet nHiileman, commandan-
le Chrittian.
Xaoio sahido no mesmo dia.
GreenoctBrigue inglez Oihallaa, capilao George
Rohertson, carga astocar.
EDITAES.
_.e del-
inle va se-
no da 12 de
__teoaalado por
irneoto da 5 par-
irte do to-
_iiz n. 2.
cuja Ierra
mo im-
I Ierra per-
O Dr. Anselmo Francisco Peretti,
imperial ordem da Rosa, e joli
do commercio nesta cidade do
de Pernambnro, por S. M.
suarde, etc.
Faro saber aos que o p
le noticia trerem.que ~~
gonda ve em praca pj
novembro proximo^iLL^ .
venda a quem mais 1 um 1
le do sen valor ua forma d,
lirado de 3 andares aliona rua 4
avahado rio lodo eyn 7:0005000
parto fazendo menr.lo de
por la na quantia do 1:8668667
te foi peanerada por execucHo de Miiunel perra
MagalhJes setuonario do commendadnr J0X0 Perei-
ra de Andrade, contra Manoel Luis Coelh de Al-
meida, a saa malber.
E para que rhegae a aoticia aoe, lieilantes man.
dei pastar a preaenle, qrte sera pafficado pela ieP
prensa e dou* de igual Iheor, que setllo allixados nos
logares detigoados por lei.
Dado o passado nesta cidade do Recife aos 10 de
novembro de 1855.
Eu Francisco Ignacio de TorreiBanrleira eserivao
interino o fiz escrever.
Anselmo Francisco Peretti.
Joao Mara Wandenkoll., cavalleiro da imperial
ordem do Cruzeiro, Chrislo, e S. Bento de A vi,
chele da divitao da armada nacional e imperial,
commandanle da eslacao naval de Peruanibueo,
comprehendida entre os parallelos do Rio de S.
Francisco ecabo de S. Roque, por S. M. o Im-
perador, que Dos guarde, cavalleiro
de Francisco primeiro do reioo das D'
ele., ele.
Faro saber que em execaco de ordeus do Exea.
- Sr. ministro da marinlia, que me faram (ransmittj.
_.... ^uu..^. aw..v,n(, vu. v...^.v ... w
outubro ullimo do disposlo as inttr
baxaram com o decreto n. 1591 de ti
{') leve a uonaane de enviar-nos esla noticia o crrenle anno, (lea aberlo a bordo do briaj
nosio bom collega o Sr. Narciso Jos Gomei do Sou- llamarac um alislamaoto da volunlarius
lo, que a houve de um seu amigo o Sr. Sorlaoo. virem uot navios da armada nacional e
mi-lhff. n taj*mn* vniiu m. 50b as seguales condiedet :
Classes do alittamenta.
1.. Da marnhagta>f|aB:,tr,|a rtent tempo
delermin.ido.
Agiadecemoi-lhe, e fazemos votos para que o qoe
nella te diz assim seja.
Advertimos aos tortores que nao alteramos nada
dp original que nos foi remedido, com quanlo urna
ou outra palavra nos deixe duvida a respeilo da Ira-
ducrao, porque a parte estencil da noticia est cla-
ramente eipoala.
O Rtdaetoret do Jornal Pharmacculico Lusitano,
f '
2.a Da raari
aunot.
3.a Da retrie
annot.
l S
f
-

taaa de set a iu
.V
-V
IllTinnn


S
DIARIO GE KRMMBIieO SEGUHl FEIM 12 DE N0VEMRRO O! >85E
O* vencimentoi mais MinUtn que s pravas
loulrMadas em >irlqde desle instruccdes (em de
parceber, tao as seguinle;
Saldos por bh
Clatt mperior 20, primeiros marinheiros 189,
-tguodoi marioheirot 15 a grameles 10.
Premio*.
Os voluntarias de 1. ciaste s perceberilo os sol-
a que Ihe rompelirem na forma cima referida,
ara direilo premio oo gralilicafao alguma.
voluntarios da 2.a classe, sendo marinheiros
Balso u "09, conforme (orem os contratos
m, dous M Ircs asnos. Sendo grumetes te-
Bfla mesma forma I5, 223 nu 31.
Os voluntarios da 3." classe receberao mais urna
qaarla parle do niaior premio que poeriain obler,
coolratando-se como o da 2. clssse, na prac-a de
nurinheir OD grumete que Ibes competir.
Se uto forem lumens do mar e tiverem mais de
48 auno*, lerdo o premio correspondente aos da
i.' ctese.
Gralifcacjto.
Oa voluntarios di 2.a e 3. ciaste* lento nlem do
premio cima dito, a gratificacan de 49 se forem es-
Ihgoirus, ou de 59 sendo nacionaes, se se apresen-
as por'si proprio, iudepeiidento de engijarfor.
ata gratificarlo sera repetida todas aa vezes que
Tindo o primeiro contrato a pracja quizer anide, ser-
vil par lempo nunca menor de 3 aunos.
Vantagens.
A's pravas com (xebendidas nestas tres classes dar-
ss-fc guia de desembarque no tim do contrato com
lano que previuam ao commandanle dous mezes
antes de que,pretimdem em tal poca deuar o ser-
vico ; e ticam ismitot do recrutamenlo, sendo na-
ciunaes por tempn igual ao que tenham servido ;
eicep'o o caso de circumstancias extraordinarias.
\tH\fi de invlidos.
Compete a toditas pracas nacionaes que para
elle concorrerem com um dia de sold por mez.
Pagamente- dos premio gralfca$Ges.
Ao* da 2.' ciaste, se o aliflamenlo for por um an-
W> sera eulregue j premio integralmente no acto de
aseentarem praca ; s por dous ou Ires annos em
tre* preslacoes igoaes, sendo a primeira paga ao as-
sentar praca, a secunda quando vencido melade do
prazo, e a terceira no fim do contrato.
As da 3. c/asse receberao orna terca parte "do
premio ao asseotar praca, oulra igual qu.mli no
tim do primeiro anuo de servico e o restaule no fim
do cetatraio.
ficac,esque compelem as segundas e ter-
ues serio pagas 'conjunclameule com a
pnnwiUlAtltarSii do premio.
Observarles.
se levar eio conta aos voluntarios da 2.
o lempo qu peatarem como doentes nos los
pitaes.
\- O lempo de prielo em viriuile de sen tenca
i ten contado gca o preenchimento dos prazos
iintamenlo dofvoUuiarios qualquer que seja a
*M a que pertenc,am. E o desertor soffrern alm
o aperda das vantagentdo premio e do lempo
de serviro anterior.
-3." Qualquer pussoa qpe se propozer a agenciar
voluntario* para as Ires classes cima mencionadas,
toe osapreseotarem a bordo desle brigue barca,
l gratificarlo de 18 por um eslrangeiro e 5 por

iwtrangeiro para ser admillido deve exhi-
tneulo do seu cnsul, comprovando achar-
lerobarsrado pera se poder contratar no servi-
ca.uacional.
." O premio e tratrifcrSo serio pagos quando a
. praca contratada fr aMnnliria a bordo.
Sudo do brguo barca flamarac, surto no mos-
eiro de Pernambuco em o Io de novembro de
Joo Mara H'anienkoHi.
O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria provin-
Ul, uro cumpriineoto do despacho do Exm. Sr.
sidente da provincia de 2 do correnle, manda fa-
t publico que uos dias 20, 21 e 22 do presente
>, parante a junla da fazenda da mesma thesou-
rii, te ha de arrematar a quem mais der o rend-
| do pedagio da barreira da ponte da Tacaru-
do de base a arrematarlo o offerecimenlo
lo licitaulii Anselmo Jos Kerrera, da quan-
iOjfJOUrs. por anuo.
malae,ao lera feila por lempo de 31 mezes,
ir do primeiro de dezembro ilo correlo auno,
ao lirri de junho de 1858.
x que se propozerem a esta arremilacao
ijia tila daa sessoes da mesma junta nos
irados pelo meio dia competente-
mente habilitadas.
B para constar s* mandn aluzar o presente e
publicar pelo Diario.
Secretaria da Ihesouraria provlnci.il ile Perham-
>de novembro de 1855. O. secretario, A. F.
d'Annunciac'o.
Hu. Sr.inspector da Ihesonrara provincial,
a enmprroento da resolueflo da junta da fazenda,
bzer pnbtiea que obra dos reparos urgen-
te precisa o acalde de Caruar, vai nova-
praca no dia 29 do correnle.
'constar se roandou afiliar o prsenle e pu-
blicar pela Diario.
Dadoe passado nestj cidade do Recite aos 7 de
novembro de 1855. En Francisco Ignacio de Torres
Bandeira, escrvao interino oiubscrevi.
Anselmo Franciico l'erelli.
DECLARADO ES ~
raria provincial de
" secreta
nam-
f.
blicar
mu ai
Pbstxi se i
brrio.
thesourart provin-
"o da junta da fa-
yai novamentt
por menos
.lo perman
K40S000 rs.
loa afliiar o presente e pu-
relaria da tlinouraria provincial de Pernambu-
co 5 de nwmbro. d 1855. 0 secretario, A. F.
fAimunciarao,
O Tllm. S. inspector Ihesouraria provin-
cial em cumprimentu da orden, do Exm. Sr. pres-
deme da provincia de 2 do correte, manda fazer
publico que do dia 22 do meemo, peranle a junla da
mesma Ihesoumia. te ha de arrematar a quem por
rr.eeos lizer a cnservafao permanente da estrada de
lia. por lempo ta 10 mezes, a eontar do 1 de de-
bru prximo viudouro, e pelo preco de............
Hnata(8u ser feila na'forma da lei provio-
13 de l.'i de malo de anco Ando, e seb ai
^^Hl especules abaixo copiadas.
Mteoas qne se propozerem a esla arremalar.lo
jam na sala das sessoes da mesma junla no
^^^Hi declarado pelo rrfeio dia competentemente
^Hda.
ra constar se mandou aflixtr o prsenle e pa-
pdp.l Dia lia
aria da ttieflgparla provincial da Pernam-
|Jtiitnbr|llll855.O secretario, A. F.
Ilipeelaea pera a arrematarua.
ibltoa da conservacu da estrada do
le, na distancia de 2,3ia4r5arrtrao execula-
:onfonnidade com o orctmeplo apprnvado
teloria i ai consclho, e apreseoladn a appro-
va porlanciadel:il)l3728rs.
0 pagajnenio serii feilo por preslares mensaes
em vlslu do atiestan do engenheiro que assepure "
execucJo do tojilralo por parle do arremalanle.
) arremttanle sert obrigado a empregsr me-
n Iraballiadores de pessoat livres.
Itematante entregar a estrada no flm do
m u elhor estado do que quando a reee-
agratificacao arbitrada pelo engenhei-
i exceder de lOpor.cenlo do valor de ar-
5. Para o que Bao se achar previsto as prsen-
le! clausulas, nein uo orr;araeoto, seguir-se-ha o aue
d\spoe a le n. 386. lonferme.0 secretario, A. F. AnnunciarOo.
, 8f. inspector da Ihesouraria provin-
npiimenlo da ordem do Eim. Sr. pre-
oiincla de 2 do correnle, manda fazer
i di 22 do mesmo, peranto a jui.ia 6a
ira tliesuuraria, se lia de arrematar
enosflzer I conservacSo permanente
i d'Alho, por lempo de 10 mezes
erobro prximo vindouro, e
i n.
\ feila na forma da lei provin-
oo do nnno flndo, e sob as
I;^^HHtei1adas.
leteni n esla arremalarSo
(omparecan ai tala daa Wtsoes da mesma junla no
teio dia cumpelenlemen-
E par c k mandou afOjar o presente c pu -
blictr pela so.
e^erelwia^irMteouTarfn provincial de. Pernam-
linco > de nortmbro de 1855.O secretario, A. F.
d Aniiinriariit.
Ctauulli* espeeiaes para a arremalarSo.
t Execut.r-se-lino ditos trabalhos de confurmi-
darle com o oicamento apprnvado pela directora em
--Tfonselho e apnMenlado ae Exm. 8r. presidente Da
importancia de 4:O0000f' fs.
2." O pagamento verificar
-'ies inensaei
3. A mela Je do pessoal ser de pente livre.
4, Seo arrematante liver comprdo os der me-
zes com as suis obriga^Des, e deixar esla estrada em
r-ielhor estado que a tonitra.receber a lilulo de gra-
lilicasao mais dez pir ccnlo da Im'porlancia total da
larernalai^lo.
.a Para ludo o que nao se adiar previsto as pre-
teutes clausulas nein fio ornamento seguir-se-ha o
|ue dispOe a respeilo da lei provincial o. 286.
Conforme.-O secretario, A. F. d'Aiuiunciarao.
da
especial
do commercin, por 8. M. I. e C. ele.
Paco sabet aot que o prsenle edii.il virem, que
por faiii de licitantes vai segunda vez em pra^a pn-
"*""(U juizn no dia t2do correnle, para ser ar-
l por venda a quem mais der, com o nba-
"^ I arle na forma da lei, kmladeda bar-
"mada Yurora Pe;,' avaliadn no lodo
( rs. ; caja melade fazeodo mcnr.lo do
li, he da quantia de 1505000 r., a qual
sahoradi aas herdeiros de Francisco Carneiro
a. por oiecacio> M Jos Antonio Basto, por
de Oliveira liuimar,1es
A capitana do porto de conformidadejeom as ins-
Iruccfies mandadas observar pelo decrelo n. 1591 de
lt de abril do correnle anno, convida a todos os in-
dividuos que se queiram voluntariamente alis-
tar no servito da armada, a comparecer na mes-
ma capitana a horas do seu expediente, hem como
os qu mediante a competente ralifcacan queiram
agenciaromesmo alislamento, sendo, pelas ditas ins-
lrucc/>es, a gralificacOes e premios que se olTere-
cem, lano .ios agentes como aos alistados, os prazos
por que estes leem de conlratar-se. o lempo que d#-
vem servir para obler escusa do servido militar,
os sidos que percebem n'um e n'outro caso, e as
oolras vanlagens que as leis concedem, como sejum
soccorros d'asilo de invlidos, o angmento successi-
vo de vencimenlos, e a reforma ou isencao do sr-
vjo aclivo, com sold inteiro ou proporcional con-
forme as suas praca ni marinhagem, ou nos corpos
de marinha, pela maneira abaixo declarada :
K CLASSE.^
Marinhagem tervindo sem lempo determinado.
Deveno ter fortes, saos, e acostumados a vida do
mar. Servirao o lempo que qui/.crem. Vencem de
sold pqr mez, 2OS0QO rs. os de ciaste superior,
18?0O0 rs., os primeiros marinheiros, 155000 ris,
os segundos ditos, e 109000 rs. os grumetes.
Nada receben) a ttulo de premio oa gralificacjlo.
Terao guia de desembarque, prevenindo dous mezes
anles ao commandanle respectivo, que Ihe ser im-
mediatamente dada, nao Inven ln n'islo inconveni-
ente para o servi(0.
Exhibir-seha aos que forem nacionaes urna re-
salva, entregue com a guia de desembarque, decla-
randoque a contar da dala da mesma guia sao te-
ios as recrulamento por lempo de am anno, oa por
temaarjynal ao que livercm servido nos navios do
Estado, se esle prazo for menor; iseocao somente
suspensa no caso de circumstftnoias extraordinarias.
Sendo nacionaes compele-lhes sylo de invlidos
coucorrendo para elle com om dia de sold por mez.
Os estrangeiros lambem podem ser admiltidos ao en-
gajamenlo apresenlaodo documentos do respectivo
cnsul declarando acharem-se desembarazados do
servido da respectiva nacjlo.
2." CI.ASSE.
Marinhagem tertindo por um a tre anno*.
Devem ter fortes, saos, e acostumadot i vida do
mar. S?rviraog|aj lempo de sea contrato vencem
o sold por mqJP)* acmi declarado. Ileceherao
pelo engajmenlo os premioisegu'nles : sendo gru-
metes, 10, 22, oa 3,1-5090 ris, segundo se contrata-
ren) por um. dous, oa tres annos ; se forem mari-
nheiros 20,45, oa 709000 ri3, e receberao mais a
gratificaeo de 49000 ri* os estrangeiros, e 59000
rit os nacinnaet, apresenlando-sedirectamente para
o alislamento ; gratificaran esta que nao se abonar
repetidamente ao mesmo individua por cada novo
contracto toccessivo que fizer n3o sendo esle por
mais de tras annoi. Os premios referidos ser-lhet-
hao pagos integralmente no acto de ssentarem pra-
ca se o alislamento for por am ann ; se por dous
oa Ires annos em tres preslares igoaes, a primeira
salisfcila como no primeiro caso, a segunda qnnndo
vencido metade do prazo do contrato, e a terceira
lindo o mesmo prazo. Sendo nacionaes compele-llie*
o asylo de invlidos concorrendo para elle com am
dia de sqjdo por mez.
Nao leva-se em conta para o preenchimento dos
prazos do alislamento, oa contrato, o lempo que pas-
taren) ao hospital, e nem o depritilo em vrtnde de
tentenca, saflrendn de mais a mais o que deserlar a
prda das vanlagens do premio, e do lempo do
serviro anterior.
Os estrangeiros lemhem sao admiltidos a engaja-
menlo presentando documentos do seu consol de-
claranJeaaUjjajndesembararados do serviro da rel-
3. CI.ASSE.
Marinhagem tervindo dt ttitioio annos.
Devem ter os requisitos dot da aegnnda ciaste, ex-
cepto a pratica da vida mar i lima, pelo que e com
mais de 40 annos nao leem augmento do premio es-
lipuladct.aosdesla eUssc conlratando-se etino os da
segunda, na prai*> de grumete, oa aufljplieiro. Ser-
Tirio pelo lempo de ten contralaM^Pnldo dos da
segunda ciaste.
Recebem de premio o marcado para os dessa cas
' te cum o augmenlo da quarla parte conforme a praca
qae Ihes competir, distribuida pela maneira seguin-
ten Ierra parte logo qat lenhao astenlado praca, ou-
lra Ierra parle na fim do primeiro anno de serviro,
e e restante linde o prazo do alittamealo ou enga-
jaraento.
Teero direilo a gralificajao de apreseutarfio, e sen-
do nacionaes compele-Ibes inatvlo de invalido! con-
correndo para elle com mi Be sold por mez.
SoffrenHo disconlo no lemp^^aTcngajamcnlo da-
qnelle qne estiverem em prisao cumprindn tenten-
ca, e lamben) a perda das vanlagens do premio, e
do lempo do servico anterior, no caso de detertarem.
Ot estrangeiros lambem podem ser engajados com *
apresenlarao de um docomenlo do seu consol de-
clarando eslarem para itso ilesembararadaaap servi-
do da respectiva uacao.
4. CI.ASSE.
Servindono corpodoimperiaesmarinheirot.
Devem ser homens da vida do mar, de 18 35 a li-
nos, ou al 40, cidailao bratileiros, fortes, san-, e
capazes de toda o serviro. Servirao 10 annos na
prara de grumete; nao pastando dentro do primei-
ro a classe de marinheiros, pois n'este coso he se-
ment 6 annos o lempo do serviro. Vencem sol los
por mez: cabos de marinheiros 1691)00 reis, e 189
reis embarcados, primeiros marinheiros 129000reis,
e 149000 reis embarcados; tegundos dilot I09OOO rs;
terceiros ditos 89000 reis ; e os grumetes 58000 reis,
em Ierra," e 79000 reis, embarcados. Abona-te-lhes
por premio do engajamenlo 1099000 reis, te forem
marinheiros, e 608000 reis sendo grumetes : pagos
como os dos voluntarios da 3, classe. Compele-llies
assylo do Invlidos concorrendo para elle com um
dia de sold por mez, e mais urna gratifcalo nien-
sal igual a urna terca parte do sold, que vencem,
no fim de 10 ennos de serviro, e a melade do dito
toldo depoi de 16 annos. Compele-lhei. mais a re-
forma depois de 20 annos de servico, teem*direilo
a biixa no fim do lempo que se declara deverem ser-
veriftcar-ie-ha ein dez pretti-
0*frpselino Francisco Perelli, commendador
"Mpaml ordem da Hosa, juiz de direilo
teramuario
lei pastar o pn
BOflBflW ie;|.
aot licitantes, nian-
poblicado pelalm-
teiem muda
Soffrern o disconlo no lempo de seiu cngajamenlot
daquc'ile qne passarem cm pri cu, e perdem as vanragens do premio, e assim o lem-
po do serviro anterior quando por ventora deter-
lem.
b. CLASSE.
Seriando no Balalhiio S'acal.
Devem ler os requltiloa da 4, classe, sendo porem
a idadedcIS atiannos podendo-se admitlir estran-
geiros medante previa autorsac,ao do governo.
Servirao 6 annos, pelo menos, com o toldo diario
de 540 reis, ot I. argentos, 330 .reis as i. ditos,
120 reis os cabos, e 100 res os toldados. Recebein o
premio de 15U9000 reis se nao forem maiores de 40
annos, e o de 10*9000 reis te tiverem mais desla
idade, pgo con forme est estipulado para os volun-
tarios de 3.a classe.
teem direito as gralificaoes designadas nat lei,
do exercito, no ctso de reforma dos contratos, e a
vencerem mais estando embarcados os 1. e 2. sar-
gentos a quarta parle do sold,-* os toldados sold
dobrado. /
Compele-lhet asylo de invlidos concorrendo para
elle com am dia de sold por mea. Compete-lhes
mais a reforma depois de 20 annos de serviro. e ob-
leera a baia preenchido o lempo que te declara de'-
verem servir. Soffrern o ditconto no lempo de teas
engajamenlot doqoe eslivercm em prisao eumprindo
sentenra, e' perdem as vanlagens do premio, e assim
o lempo de serviro anterior, quaado deserten).
6." CLASSE,
Menoret aprendizet marinheiros.
Devem ter cidadaoi brasileiros de 10 a 17 annos,
de conslrucrao robusta, e apropriado a vida do mar;
podendo-se admitlir menores de 10 annos lendo snf-
firienli! desenvolvimenlo phisyeo para os exerciciot
do aprendizado. Recebem o premio de IOO9OOO reis
pago de promplo integralmente aospais, (alores. 011
quem suas vezet fizer.
Pastam a grumetes logo qne tiverem a idade de 17
annos. contando d'ahi em dianle o lempo do servir
para oblcrem a baia como qualquer ootra praca do
corpo de imperiaet marinheiros.
Vecera mensslmeole o toldo de 39000 reis, o com-
pele-lheaatylo de invlidos concorrendo elle para
com om dia de toldo por mez. na leva-se-lhes
em eenta no tempo de tngsjamanto o qae pMMrem
em pritao comprindo senlenra, e perdem; quando
deserten), as vanlagens do premio, e o lempo do
serviro anterior.
tiralifleacao aos qne se propozerem a alistar vo-
luntarios para a 1.a al 5.' classes.
Receberao por cada um idneo 49OOO reit se for
eslrangeiro, e 59000 reis sendo nacional.
Capitana do porlo de Pernambuco, em lo de no-
vembro de 1855.
Eliziario Antonio dos Sanlot.
Capitn do porlo.
O Illm. Si. capilao do porlo manda fazer pu-
blico, que em \irlude da ordem do Exm. Sr. presi-
dente >la provincia datada de honlem, expedida de
eonformidade com o que requiriiou a proveduria da
saude, nenbuma embarcarlo, quer nacional ou es-
Irangeira, pode erilrar para o porlo desla cidade de-
pois do sol poslo. Capitana da porto de Pernam-
buco 10 de novembro de 18S5.O secretario,
Alexandre Rodrigues dos Aojos,
O Illm. Sr. capilao do porto salisfazendo o dis-
,poslo no aviso circular do ministerio da marinha de
25 de oulubro ltimamente lindo ao qual refere-se
a ordem do Exm. Sr. presidente de 7 do correnle
mez, manda fazer publico a Iradocrao abaixo da no-
la dando coohecimento da medida sanitaria, a que
lem de fcar sujeilas as embsrcac,oet brasleiras que
partindo dos porlos desle imperio forem ler a Bue-
uos-Ayres.
Trtducejlo.
Da copia annexa ao aviso n. 108 de 17 de oulu-
bro de 1855, dirigido a repartirlo da marinha pela
dot negocios estrangeiros.
Ministerio do governo e relaees exlerioret, Boe-
not-Ayres 27 de selembro de 1855.
Ao Sr. encanegado de negocios de S. M. o Impe-
rador do Brasil, cavalleiro commendador Dr. Joa-
quim Thoma/. do Amaral, etc.
O abaixo assignado ten) a honra de dirgir-se a
S. S. por ordem especial de S. Exc. o Sr. governa-
dor, manifestando-llie que a capitana do porlo rc-
presenlou ao governo a inconveniencia que resulta
de que os navios de guerra estrangeiros e os paque-
tes em contraveneno da pratica anteriormente ob-
servada em o nosso ancorados, e que he lambem
commumeute adnaillida, nao so nao te aproximam
ao navio que o governo (em estacionado no canal
exterior para a visita de saude e do porlo quando
proceden) do ultramar, como nem ainda esperam a
dita visita para desembarcaren! os pastageiros.
Se em todas as pocas pode ser prejudicial este
abuso, na actualidade em que nao s a Europa, co-
mo o mesmo Brasil, se acham infectados da lerrivel
epidemia do cholera-morbus, indubilavelraenle po-
de comprometiera saude publica.
Em lal casoS. S..comprehender hem a absoluta
necessidade d.e qu d'ora'em dianle lodos os navios
de sua narao sem dislincrao alguma, quando chepa-
re m a nossa baha procedentes do ultramar, e ain-
da quando tenham tocado em Montevideo, te apro-
ximem anles do desembarque de suas equipagens,
pastageiros e oulros ohjeclos ao referido navio do
etlado situado no canal exterior, para a dita visita
de saade e do porlo e para obler so.i classificarao
depois de submeltido i ella.
O abaixo assignado espera que S. S. se tirva adop-
tar as medidas convenientes para que os comman-
danles e capiUles de navios da 035.10 de S. S. nao
possam allegar ignorancia.
O abaixo assignado aproveitandn esta occso,
renova a S. S. 01 protestos da sua mais elevada coiu.
sideracao e apreco.Valenlim Alsina.Cbnfi
Joaqnim Mana Nascenlet do Azambuja.
.Secretaria da capitana do porto de Perna
8 de novembro de lejj^O secretario, Alexandro
Rodrigues dos Anjot.
O Illm. Sr. capia do porlo em enmprimento
da aviso circular da repartirlo da marinha de 17
de oulubro ltimamente lindo, e de ordem do Exm.
Sr. presidente em officio de 17 do correnle mez com
referencia-a elle manda fazer publico o exemplar
abaixo dn aviso aos navegante* enviado pela legaro
imperial em Madrid, relativamente a urna alterarlo
no pharol da ilha de Tarifa.
' DIRECCAO' DE HIDROGRAPHIA.
Arito aot navegante'.
Pharoes das costas de Iletpanha.
Pelo ministerio da marinha e coramunicadas pelo
do fomento, ae rereberam nesle etlabelecimenlo no-
ticias rslativna alterarlo que te ha de effecluar
em a luz do pharol de Tarifa debaixo da direcrao
do corpo de engenheiros de caminhos, canaes e por"
tos e em presenta das quaet te ha redigido o segoin-
le anboncio.
Pharol da ilha de Tarifa Etlreilo de Gibrallar.
Em o 1. de selembro do presente anuo ahumara
desde a por al no nascer do sol, o novo apparetho
calaclioplrieo de primeira ordem, grande modelo
com que te acaba de substituir o anligo pharol gira-
torio enllocado em a parte mais meridional da ilha
de Tarifa, sendo sua situarlo qne em nada ha varia-
do a seguinle:
l.aliliidc 3C0000" N.
Longilude OO.c35'38" E. do observatorio de
marinha de S. Fernando.
O foco luminoso est elevado 142,5 ps sobre o
nivel dos preamares do equinoco.aprrsenlando orna
luz branca fita visivel a 20 milhns, sempre qne a
permuta o estado da atmosphera e o olhodo observa-
dor se ache 60 pos sobre a superficie do mar. Ma-
drid 28 de julho de 1855.Joaqoim Gutirrez de
Ru baleara.
Secretara da capitana do porto de Pernambuco
8 de novembro de 1855.O secretario, Alexandre
Rodrigues dos Anjos. .
iirectora geni I
IHSTRDCC40 PUBLICA DA
PROVINCIA.
Pela retpeclivn secretaria se faz publico, para co-
nhecimeulo dot Srs. professores e directores de esco-
la* e eslabelecimenlos particulares de inslruccjlo pri-
maria e secundaria, que ainda nao tiverem pre-
sentado ao Fixm. Sr. director geral interino at li-
cencas que ohliveram para abertura de dilat escutas
e eslabelecimtjlos. os programmas de eslodoi e re-
ulamenlo interno, e urna ola dcclaraloria da rale
numero da casa onde se acham ; para que o f a rain
al o dia 20 do correnle, sol) rs penas infligidas nos
arts. 99 e 101 da le provincial n. 369 de 14 de maio
do correnle anno. E para constar a quem convier,
Riundoo-se publicar o presente. Secretaria da di-
rectora geral da nstrucco publica 8 de novembro
de 1855.O secretario, Francisco l'ereira Freir.
Secretariado consclho administrativo para fnrne-
cimen 1 n do arsenal de guerra7deoovembro de 1855.
Denlo Jote Lamenha Un*, coronel presdanle.
Bernardo Pereira do Carmo Jnior, vogal e
secretario.
PUBLICAQAO LITTERAHIA.
Contina a vender-te a obra de di-
reitoo Advogado dos OFphaos, com um
apndice importante, contendo a lei das
ferias eairadas dos liibunaet de justica, e
o novo Regiment deCutta*4 para uso dos
juizes.escrivaes, empregados de justica, e
aquelles que freqnentamos estudos de di-
reito, pelo preco de SjfOOO cada exem-
plar; na loja do Sr. padre Ignacio, ra
da Cadeia n. 56 ; loja de encadernacao e
livros, ra do Collegio n. 8; pateo do Col-
legio, livraria classica n. 2 e na prara da
Independencia n. Ue8.
DE
n (.VIH
"forjjpe,
Jm
iTjUilrii I.
S. I ABEL.
SAIII'.UMI 17 DE NOVEMBRO.
Recita a beneficio do actor Bezerra
Ir a scena o drama em 3 actos de Fredarico Sou-
liornado de msica
AS MEMORIAS DO DIABO.
Pertonagent. Actores.
Robn......... O "beneficiado.
Rapiniere....... Sr. Pinto.
Mrquez de Lormias. ... Sebastian.
(anide de Cerny..... n .Mendos.
Joao (jaulhier...... n Senns.
Valentim........ u Monleiro.
lia Calharina...... Sra. I). Hita.
Baroneza de Ronquerolle* a Amalia.
Amelia........ Leonor.
Condeca de Cerny Jesuina.
Fiodar o espectculo com a sempre applaudida
comedia vaudevilleem 2 actos
0 CARA LINDA.
O beneficiado sempre grato ao respelavel publico
peruainliucano, espera nao desmerecer anda desla
vez a sua illuttre protecra'o.
THEATBO DAfOLLO.
Expertacolo phanlastico de ejercicios phxsicospor
Mr. Uolnn, no da lerca-feira 13 do correte.
Depois da orchestra etecolar urna bella overlura,
comecar o eipeclacalo da maneira seguinle :
! parle.
Nova pndulaaeria, cuja carnpainha collorada en-
tre as mitos do espectador dar a hora pedida com a
celeridade desejada.
A columna de lavas.
O novelo delinha.
O tapa-vento misterioso.
A" barra.
O cofre de cryslal.
O electro medical.
2 par*.
A caita de joias. -
As bombas e as balas.
As moedas.
A Mrrata ineigoUvel.
Asidlas sxmpalicas.
3* parle.
Finalisara com as vistas dos priaajaaes monumen-
lot da Europa em poliorama.
Eis o programma rio espectculo qoe Mr. Robn
lem a honra de oflereccr ao publico desla cidade, de
quem espera a sua generosa eoadjuvarao.
O bilhelcs se acham a venda 110 mesmo (healro
cima indicado, em casa de Mr. Hebrard, ra do
Trapiche Novo n. 22. e em cata do Mr. Scasso, al-
lerro da Boa-Viela n. 31. jj
(.'.ninerali as 8 horas.
AVISOS martimos.
RIO DE
JANEIRO.
Obligue nacional MAMA LUZIA, ca-
pito Pedro Valette Filho, com brevidade
vai seguir ao porto indicado, tem grande
parte do seu carregamento tratado : para
o resto, passageiros e escravos a frete,
(aos quaes da' as melliores accommoda-
epet) trata-secom os consignatarios An-
tonio de Almeida Trapichen. 16, tegundol nr.
nsignal
tnde
BANCO DE PERNAMBUCO.
O Banco pe Pernambuco continua a to-
mar lettras sobia o Rio de Janeiro, ea
sacar contra a mesma praca. Banco de
Pernambuco 10 deoutubrode 1855.O
secretario da direcrao, Joao Ignacio de
Medeiros Reg.
Tendo esla repartirn necessidade de carpin-
teros de machado, calafates, carapinas, pedreiros e
ferrerus de todas as classes, para at obras a seo
cargo, o Illm. Sr. inspector convida aos que quei-
ram assim emprecr-se, 1 apresenlarem-se-lhe, ou a
quem toas vezes aja, afimdeserero admiltidos con-
forme as suas habililacoes. Secretaria da Capilania
do Porto de Pernambuco 31 de oufubro de 1855.O
secretario. Alexandre Rodricues dos Anios.
CONSELHO ADMINISTKATIVO.
O conselho administrativo tem de comprar o se-
guinle :
Para o meio balalhiio da Paralaba..
AlgodaozDho, varas 803 ; brim branco izo, dilat
803 : panno prelo para pollinas, covmlot 80 ; bo-
lea.brancos wandet de osto, grozat 20 ; dilot dilot
pequeos de dilo, ditas 10} ditos pretos, ditas ') ;
sapalos, pares 30i.
Meio balalho do Cear.
Alsodaozinhu, varas 053; brim branco lizo, dilot
653 ; panno prelo para polainas, covados 60 ; bo-
lOes brancos grandes de oteo, grozas 15 ; ditot ditos
pequeos de dilo, ditaWi ; ditos pretos, di-
tas 17.
Forlaleza^ro Brum.
Caldciras de ferro estanbado pequeas, 2.
Armazent do arsenal de guerra. Ullicinai de 1.a e
2. classe.
Cabos de linlio velho, arrobas SO ; taboat do ai
toalbo de louro superior, duzias 12 ; dilat de di
de dilo infernr, ditas 12 ; ditas de dilo de pinito,
ditas 20 ; costados de pao d'oleo,8 ; secante, libras
20 ; ochre, arroba 1.
Ofllcinat de 3." classe.
Ferro socco quadrado de 7|8, quinla.es 20 ; dito
inglez dilo de polegada e ;4, ditos 10 ; dilo de verga
de varauda, inglez, dilns 2.
. classe.
rame de lalito enlrefinu, arrobas 2 ; dilo de fer-
ro de amarrar, dila 1; caiat com fallas de Flandres
singellas, 2; ditas com ditas dobradas, 2 ; lences
de cobre fino de 7 libras de peso cada um, 12 ; cai-
ta com vidros dt 18 a 20 polegadas, 1 ; cobre, arro-
bas 20 ; carimbos do norte de n. 10, 20 ; ditos de
dito de n. 12, 20.
Quem qniter vender esles objeclo%dlpresenle ns
suas propostas em caria fechada, na aecrelaria do
eenwlho a 10 hora do dia 14 do correnle mer.
4
Para o Rio Grande do Su I
segu cum brevidade, per (er parle da carga promp-
la, o brigue brasileiro Sympalhia : quem no mes-
mo quizer carresar o resto ou rde passagem. enlen-
da-se como capilao Candido Jos Francisco (joulart
a bordo, ou na ra do Trapichen. 11, com o consig-
natario Manoel Alves Guerra.
Baha.
Vai seguir com brevidade o hiate na-
cional FORTUNA, mestre Joaquim Jos
Silveira, tem grande jarte do seu carre-
gamento prompto : para o resto, trata-se
com os consignatarios Antonio de Almei-
da Gomes & C, na ra do Trapiche 11.16,
segundo andar.
laranhao e
Par
A escuna nacional JOS, capitao Joa-
quim Jos Alves da8Nevetf vai seguir em
poucos dias aos porto indicado: para
o resto do seu carregamento, trata-se
com os consignatarios Antonio de Almei-
da Comes & C, na ra do Trapiche n.
16,segundo andar.
Para Lisboa, a galera portugueza-uJo-
ven Carlota, capitao Roe ventura Borges
Pamplona : para carga e passageiros, tra-
te com os consignatarios Novaes & C., ra
do Trapiche n. 54.
Para o Rio de Janeiro sabe com muila brevi-
dade o brigoe nacional Sagitario, de primeira
classe, o qual lem a miiior parte do sea carregamen-
to prompto ; para o restante e passageiros, (rata-te
com Manoel Francisco da Silva Carrito, na roa do
Collegio n. 17, legando andar, ou.com o capitao a
bordo.
Quem livor cotilas com o brigue socco ll'm.
Tertmeden, arribado a este porlo, queira apresen-
la-las para serem pagas al o dia 12 do correnle ao
meio dia, 110 escriplorio dos comgnalarios N. O.
Bicber & Companhia, ra da Ou/. n. 4.
Para a Baha o hiate nacional Amelia pretende
sabir no dia 13 do correle, por (e*p seu carrega-
mento quasi prompto ; para o reslyja passageiros,
tra-se com o sea consignatario Antonio Luizde Oli-
veira Azevedo, roa da Cruz o. 1.
PARA O MARAMIU>' E PARA
Salie com brevidacllspor ter maior
parte du carga a barca biasileira Bti-
lliaute : para o resto trata-se com os
consignatarios Novaes &C, ra do Tra-
piche n. 5i primeiro andar.
bem, salva, casticaes, bacas, um tabo--
leirogiandPftntribo, esporas, etc., urna
casa terrenta na cidade de Lisboa, com
13 janellasde frentee 7 de lundo, botan-
do estas para a ra do Abarracamento e
aquellas para a ra do Jardim, tendo a
qual quintal murado, as terrasemPortupal
na provincia do Douru, e as sobrada ter-
ratdoeiigenhoCoqueiros, na comarca de
Santo Antao, ambos ja' annunciados, o
engenho d'agua denominado Mamucaia,
na reguezia de San-Lourenrp da Malta,
tambern ja'annunciado, podendo ter ven-
dido a prazo com desobriga dos credores,
011 com firmas negoctaveis nesta praca,
e quatro escravos nocos de bonitas ligu-
ras : tera' lugar o leilaoter^a-feira 15 do
coaren te, as 10 horas da man lia a. no ar-
ma/.etn do agente annunciante, sito na
ruado Collegio n. 15, aonde os senhor.es
pretendentet aos bent cima menciona-
dos, que quizerem a.lguns esclarecimen-
tos acerca delles, pderao se entender.
Lelao de (i pipas deseoo, sendo parte do
carregamento da polaca hespanhola
Mathilde, condemnada neste porto.
Com autorisarao do Illm. Sr. inspector da alfan-
(lega J. E. Knberls far leilJo no dia 13 do corren-
le ao meio dia, no armazem alfandegado do Sr. J.
A. de Araujo, no caes de Apollo, de li pipas de tebo,
at quaes sero vendidas por conta de qnem pcrlen-
ccr, para pagamento das despezas inherentes ao car-
regamento da mencionada potara.
O auenlc Borja por aulon-arao do Illm. Sr.
I)r. juiz municipal da 2a vara civel, Oliveira Ma-
cel, a requerimenlo de I). Jeronyma Mara de Al-
buquerqiie, credora da lirma soeial de Cosa ti I.e-
mos. far lelao de diversas fazendat per tenientes a
dita firma, constando de roariapoloot, algodanzinhnt,
lirios para caira, meiat para liumem e senbora, urna
Erando porcjhi ite retal los de chita e de outras fajen-
tas, roupa feila ele. as|quaes fazendat se acharan
paleles no arinazein da roa Collegio n. 15, do asen-
te annonriante, onde lera logar o leilto, segunda-
reir 11 do correnle as 11 horas da manhila.
O agente Borja far lelao-em sen armazem,
na ra do Ollcgio 11. la, quiila-feira, 15 do corren-
le, ai 10 horas da manhila, de nina grande quanli-
dade de objoelos perlenceulet a urna pessoa que re-
tira-sc pan fora da provincia, consislindn n'oma
etcellenlc mobilia de Jacaranda com pedra, ama di-
la de amarello, urna rica cama franceza com corti-
nados, um ptimo guarda-vestidos, commodas, la-
vatorios com pertences, aparadores. mas grandes e
pequeas, louca e vidrot para serviro de mesa, om
rico candelabro, lanlernaa, vaaos. catangas eenfeites
de porcelana para sala, algamas obras de ouro e
prala, c oulros inuilos ohjeclos. qoa impossivel fiira
mencionar, os quaes so achanto patenles no mesmo
armazem no dia do leilao. e se entregarlo pelo
maior lauro nlferecido ; assim como varios escravos
pecas de ambos os setos.
CHOLERA-MORBUS
Tratamehto allopathico e homeopathico comparado.
Acaba deimprimir-e o interessinte OPSCULO acerca do Iralamento, preservativo e curativo da
cholerina e cholera-morbot, pelo Dr. Vares, anligo medico em che fe do hospital dot cholericot era
llruxellas. e (rjduzdn do francez pelo Or. Joto de Souza Sanios. Esta obra toraa-se inuito necessaria
e til aos Srs. fazendeiroi e chefes de familia, pois que seu autor a escreveu de maneira que qoalqoer
pestoa pdente Iralar-se. afim de poder alalhar os primeiros impetos desla lerrivel molestia, emquanlo o
medico se nao apretenlar Vende-se 110 Kio de Janeiro por 2BU0O cada eiemplar, na botica central ho-
ineopatliica da ra deS. Jos 11. SO, na ra de S. Pedro n. 33, ruado UuviJor n. 32, na lyppgraphia do
Correo Mercantil; e em Nicterohi, ra da Bamba u. 59. Boea-se ao. Srt. signantes de virem buscar
tcusexemplares ou inandarem, por meio de um bilhete assignado. a ra de S. Pedro n. 33.
(T't'ii. o papectret que te tegum acerca tita otra.) ,
Ao imblico.
rcede it^^H
AVISOS DIVERSOS-
Almanak.
Como se esteja confeccionando o alma-
nak, roga-se a todos o tenhoret que ti-
verem alteracoesamandar, se dignemen-
via-la a' livraria n. (i e 8, da praca da
Independencia.
Pede-se ao S(. Manoel Joaqoim Antunes Ca-
valcanli que venha a roa do Crespo n. 9, a negocio
de sea iolereste.
IM DESEJO.
Algaem que oavo o discurso de bacharelamenlo
do vigario Bocha Vianua. diste qae elle dissera desA
la bella terrinba o que Mafonta nao disaera do toaJ" de
cinho ; uniros porem dizem que rito foi lauto. Nes- lor-
ia incerteza nao he tanto de desejar que este .-aca-
dmico lito celebrltado manriasse publicar essa sua
ultima siniilaririadc '.' S assim se pode ver quem
falla a verdade.
Dignut ett operariut merced
Quem trabalha merece n
Em am paiz oude pouco se escrevr, ludo quanlo apparece deve ser bem acolhtdo, especialmenUs
quando silo obras bem escripias e de geral interesse, laca sao as que agora te publicaran) e nos vieran)
ler a inao.
A primeira he o O puse o lo tobre a cholera-morbus asitica, seu Iralamenlo preservativo e curalhro,
escriplo pelo Dr. Varlez de Brusellat, anligo medico em chefe du hospital dot cholencos inquefcipt
que foi iraduzdo pelo Sr.Dr. J..ao de Sooza Santos. Ue esla obra de 1.1o transcendente utifldade o
occasiao actual, que esta publeae.o mottrao talento, o patriotismo e humanidade do Iradoclor ; he obra*
Iftn indispensayel que torios a devem ler, ler, decorar o Iraze-la continuamente comtigo, tanto mdicos
como nao mdicos. Embor os primeiros blatphemem da homoeopalhia, nao obslaule curarem-se mal-
los destes n si e suat familit pela medicina homeopalhica.
A segnnda obra he a grammalica portugueza do Sr. Cirillo Dilermndo da Silveira, obra mal bem
escripia, com melhodo e clareza, conlendo todos os precetos neeessarins para a composicao porlujxieza ;
he obra indispentavel tanto aos profestores como aos alumnos das escolas primarias.
Ambot estes teohoret sito dignos de elogios e de agradecimenlo de seot conlerraoeot, e he por itto que
mallo recommendamos ao publico eslas duat obra*.
Joo Canido de Dos e Silra.

Ao publico.
A rgida observancia dos principios da medicina homeopalhica j* me habilitan) tmilMt sida
cholera do segundo e lerceiro periodo para preceiloar regras em minha clnica, ero eonformidade com o
que sobre 140 lerrivel molestia obtervavam os medico* bomeopalhas da melhor nnmeaJana*propa e nos
Estados-Luidos, e principalmente o inuilo dislinclo medico de Bruiellas o l)r. yarll
Temos- tratado al lioje 15 cholericot do legando e lerceiro periodo, e deilet s perdei
bns He cholera tecca. Um j nao peqoeno numero do primeiro periodo lemos lido a fortuna de ver ret-
labelecido rom summa brevidade.
Aalorisado pois pela propria eiperiencia, entendemos poder eterever ama breve e clara inttruccao
para se guiarem aquellas pessoas que eotlumam confiar em ns,e ot que deltas te quizerem olilizar
Na etacla observancia deltas podem ot doenies descansaren), emquanlo esperam o medico oae deve -
dirigir o tratamenlo.
Para aquelles porem que viven) fra de promplo alcance de'medico, nada de melhor Ibet potae
indicar (loqueo eicellente opsculo do l)r. Varlez, anligo medico em chefe do hospital do* cholenco*'
em Brmulla, tradu/ido e dado a la" pelo Dr. Joao de Souza Santas, medico homeopalha.
. As pessoas que se qnizerem utilizar dat minhas instroccOes, as enconlrarao nai boticas da roa de S
Jote n. 59, e na daQoilanda o. 61.*
.. Or-Jacinlbo Rodriguti Ptreira f*is..
Rio de Janeiro, U de selembro de ia>o.
lliu bom folheto.
O Sr. Dr. Souza Sanios acaba de fazer um grande servico a humanidade publicando o opsculo aov
ore a cholera-morbus atialica, ti almenlo pretertatiro e curativo desla molestia pelo Dr. Varlz. de
llruxellas. r
A exposirao melhodica desse escriplo, sua clareza e desenvolvimenlo o peao aleanaa de lado a he-
mem qae laiha ler e lenha tenso commum, e por isso nesla quadra he mallo recommeadavel. e todo* o
devem ler.
O governo faria am verdadeiro serviro ao paiz se conseguisse faze-lo etpalhar por toda a parte, dan-
do a cada pai de familia um folhelo e os modicamenlos que nelle se indicam.
De menos, de moilo menos recursos dspfte o humanitario Mello Moraes. e enlrelanlo ha com toa
liberaliriade olferecido salvacAo nesta quadra melanclica a nm milhao de familias, ditlriboinda instrac-
coes e remedios gralit.
r 11. V0nl,nue "r* **",lo' servico.sao os que recommendam o liomem : teu nome corre a sorle do
rolheto que melleu na cirenlaao. Nos Ihe damos sinceros parabens, e Ihe aogunmos um risonho
futuro.
( Do Repblica.
Na loj n. 2 da ru Nova, aliaz da matriz, pre-
cisa-se de ofllriaes de alfaale de obras grandes.
Precisa-se de urna amt para casa do pooca fa-
milia, para ensommar e fazer alsoin servico de casa:
na rus da Cadeia do Becifo, defronte do becco Lar-
go n. 25. -
Fugio do engenho Ubaqninha urna eterava
crioula de nome Monica, idade de 35 annos, alia,
fula, com falla de denles na 'rente, com bstanle
leilo, a qual foi comprada nesta praei ao parir Jos
Francisco de Anuda : a pessoa que a pegar, dirja-
se ra Direita 11. 3, que ser recompensada.
11 liasp
Inrem ni
segunri
3,14587
LEILOES.
lo ti
Oagente Borja, autorittdbpolo Illm.
Sr. Dr. juiz de orphos, conforme o seu
espaeho proferido em requerimento do
utor dos orphaos, iilhos do tinado Cela
no Pereira (ioncalves da Cu 11 lia, em pre-
senca do dito Sr.juiz, fara' lelao de mais
alguns bens pertenecntes aos menciona-
dos orphaos, a saber : diversas obras de
brilhante e diamante, entre as quaes so-
bresaliera dous riquissmos anneUes, al-
line.tes de peito e botoes para abertura,
uma grande quantdade de obras de ou-
ro, como bem, trancellintde iilagraa mili-
to rico, alnetes de peito com petlas,
brincos, botOas paraz^amita, coras e res-
plandores para imagem, e outras muitat
^bra?, etc., div'erwrpefjas de prata, como
Estabelecimentos de
Salnsliano dj Aquno l-'erreira
lal Pedro II a melade dos premi
quatro bilhetes inleiros da quai.
lotera do (iymhasio Pernambacano
I ',)(> e -2M1. dem nos bilhetes inieiroyda primei-
ra parle da terceira lotera d (ivmnasioTBrnambu-
cano ns. 11 .Vi, )533, 1648 e 2189.
O abaixo assignado pede a lodas at pestoat qne
Ihe sao devednres por lellrasj vencidas c outras de
contas de livros documentadas, tanto aquelles qoe
sto agricultores como algumts pessoas desla praja,
que veiiham resgalar teot crditos al o flm do cor-
renle mez ; este prazo he para os qae moram ne/ta
prara, e al o flm do correnle anno para com os se-
nhores qae sao agricultores, principalmente para
aquelles devednres que o abaiio assignado j protes-
lou seus dbitos perante o-juiz do commoroio des-
la capital em 30 de junho prximo pas-ado, como
consta dos editaes publicados em 3 de julho do cor-
renle anno nos lugares pablcus desla cidade como
be de eoslume, e lambem no Diario n. 151 de ter-
ca-feira 3 de julho do correnle auno, que ronttou a
relac-lo de 21 llovedores que firam publicados, e
qne seus debilos impertan) em 7:88l367. O abaixo
assignado declara a esles seos llovedores que s es-
pera o prazo maleado nesle annuncio, qae vai pu-
blicado 3 vezes, para nao chamarem-se a ignoran-
cia, para depois quando formos a juizo n)o lerem
razao de quc'ixa. Becife 12 de novembro rie 1855.
Joaquim Antonio de Santiago I.essa.
Galvanoplastia.
Doura-so c pratea-so com loda perfeirilo c aceio,
c por mdico prec,o, lodo c qualquer obfeclo de me-
tal por mais delicado qae seja : na ra Direita n. 50.
Alaga-so ama loja de um sobrado sito na Pas-
sagem da Magdalena, quina que volta para os Re-
medios, com armnr.lo e utencilio* de taberna ou sem
elles : quem pretender, pdc enlender-se com o ad-
minislrador Manoel Antonio de Jess, na roa larga
do Rosario n. 18.
No hotel da Europa d-se bom ordenado para
um hbil cozinheiro.
Paga-te generosamente a prelas que vendam
azeile de carrapato ; assim como se compra uma
carroca em bom uso ; os prelendentes dirijam-se
cocheira que tica na travesa do Ouvidor.
Fugio na noile do dia 9 para 10 do correnle
mez um negro Cxsange, do nome Manoel Pequeuo,
de 45 anuos, pouco mais ou menos, corpo secco, ps
largos e sercot, ligara secca e barbado, levou camisa
branca e ralea de riseado azul, chapeo de palha com
Uina fila preta, tamhem levou ama Irouxa de mapa ;
pode-se conbecer melhor por ter quebrado, e lam-
bem as maos por ser amatsador de padaria : quem
o pegar love-o a padaria frar.cezaulo alerro da Boa-
Vista n. 50, qae seri rccompenffl
Domingos Jos da Conha^JiTpcs faz publico
qoe venden a sua padaria, tila na ra da matriz da
Boa-Vista n. 36, livre e desembarazada, l0* Srs. Mi-
guel do* Sanios Coimbra e Antonio Abetino Leile
Braga, em a qual flzeram os mesmos compradores
sociedade sobre a firma rie Coirrrbra & Braga, como
contla do recibo e letlras qoe me aceilaram, a qual
padaria nao foi t vendida ao Sr. Miguel dos Sanios
Coimbra. como o fez publico pelo Diario 11. 260.
Quarln-fcira, 14 do correnle, (Inda a audien-
cia do ltlrn. Sr. Dr. juiz dos feilos da fazenda, 110
lugar do costuine, v.io em ultima prac,a os bens se-
guinle*, por eiecucSes da fazenda provincial : por
venda a casa larrea no paleo dn Biheira n. 17, com
32 palmos de frente e 68 de fundo, com cozinha den-
tro, cacimba propria e quintal murado por 1:000?,
penhorada a Manoella Mara do Nascimenlo ; o ter-
reno j anuanriajo no becco do Quiabo da pnvoacao
dos Afogados por 259, penborado aos llhos de Benla
Joaquim de Carvalho ; a cass terrea na roa do lian-
sel n. 53, penhorada a Joaquim dos Bcis (jomes por
9009 ; um sobrado j annunciado, silo na ra de S.
Joto n. 20, penborado aos herdeiros de Antonio Mi-
guel por 600; ; a casa terrea na ra de S. Jns n.
36, penhorada a Antonio Francisco Moeol por
100-;; dila no becco do Bureos'n. 25 j aunnnciada,
penhorada ao padre Baphael Antonio Coelho por
5009 a renda animal da casa terrea penhorada a
Joao Thoinaz Pereira, na ra de Sania Hila n. 107
por 219 ; os movis peuhorados a Cieano de Astil
Campos, que oslaran prsenles, lodos em 169 ; a ar-
macao da loja de sapalos penhorada a Joo I ionios
Pereira, ua ra Direila 11.100 por 109 : quem qui-
zer arrematar eomparera.
Terca-feira, 13 do,correnle, depois da audien-
cia do Illm. Sr. juiz de orphaos, sera arrematado um
eteravo, pardo, moro, avahado em 3009, perlencen-
le aos orphaos de Antonio Rodrigues Lima.
No dia II do correnle mez fugio o prelo Jo.lo
croulo. de idade de 20 annos, mais ou menos, de
estatura e figura regulares,lendo uma pequea cica-
triz sobre o olho direilo, levando comsigo duas cal-
tas de algoriao riseado azul, ires camisas do mesmo,
iret (lillas de madapoln com peilo de linho com a
marca D. W. Bo man, quatro camisas novas de al-
godaozinho, nm chapeo novo de palha americano
com fila preta, uma jaqoeta nova rie ganga amarella,
um chapeo de sol novo de panninho pre'.o, e ama
robera de chita velha ; qaem o apprehendcr e la-
var a Francisco Manoel des Santas Lima, amado
Brom n. 8, tero generosamente recompensado. *
Indicages para atalhar a cbolerina % holera-mor-
bus, em q na tito se espera o medico.
, fies non verba, -
ti Factot, t nao paiaerai.
Alcidezon friezada pelle, pulso concentrado : carophora 0|3 dynamitasao 7 glbulos, ob uma gola
Untura em uma onra d agua, ama colher de sopa de quarlo em quarlo de fibra, al reipparecer o ea-
; o que tendo lugar, te suspndela a camphora. Tambern *e otara das frieces de agurdenle eaaj-
pnorada, ou de duas parle* d'agua Reliada, ou fra com ama parlo da aguardante, at reappareeer a
ralqr. Esle lririy>e< terao feilas em sentido directo, iilo he, da cabe;* para o pos, servindo-se para este
lira, de uma escova envolvida em panno de linho, 011 da propria m3o.
Vmitos com darrha e eolliens: chamomilla Ofti dvnamisariio 7 glbulos, u ama gola de tintura en
ama onra d'agua, ama colher de sopa de uma em uma hora, al melborar.
., .111
A omilos com diarrhca : ipecacuanha 0|3 dxnamiaarao, administrada conforme asegunda indiea^ao.
Vomito* com collicas tem darrha : nux-vomica 0[15 ama gola de Untara, admnittrada d roetroa
forma cima.
v -M*
t.ulbcas simplesmeule : a mesma quarla indicaran.
-V. O. Logo que o (lenle melhotar dove-se suspender qualquer das sapradiat anplicace, tati pe
na do peiorar. y
- I>r. ^oiio de Souza Sanlot.
Lonsullorio da rna de S. Jos n. 59, aos 9 de oulubro de 1855.
'IjAAs applica(es quenles, externas ou inlernas, no ettado lgido sjo pergosas, e al metalo fa-
laes, p*W|oe he lei invariavel da natureza, reagr sempra^m sajalido inverso a aecJo de lado Motilo
ue a estimula.
11 deoulebro de 1855.
i-se de um .
balhar ato uma refmac
Pilar n. 131
i em E
por alueuel para Ira-
ra rie Portas, ra 4}
rtigiram dawisjaoho las Mallas, no dia 5 de
novembro de 1&5S, Sravos, sendo o negro Joflo,
vermelho, crioulo, idade de 35 annos, espadando,
olhot brancos, narra adiado, irm na perna direita
urna marca de frula embaixo juut" ao lornnzello,
moilo fallante e muilo mentiroso, e levou umnpi'-ga
de 18 libras na perna esqnerda,,-Onlro chamado
Mauricio, baixo e arosso eji ripia, reprsenla ler 50
annos, em cima da** cosas (Mnao direita lem aaM
marca de um talho de urna foice.bebe muilo funifl
levou uma pega de 15 libras. Oalro, .mulato, JeW-
nymo. idade de 22 a 25 anhns, baixo, rosso, barriga
grmde, falla arrastada e gaguejada, ofticial de sapa-
leiro, cabello eslirado, com uma pega na perna de
i' libra: quem os pegar e levar ao engenho das
Maltas, sera bem recompensado.
Para amanhecer no dia 5 do correte desappa-
receu do silo riefronle do Poro, perlencenle aos her-
deiros rio Aado Pedro Cavalcanti de Albaqaerque
Li, o pardo Manoel, que representa ter 60 ancos,
levou camisa de algodao azul, (em as peroas e
m5os marcas como quem leve calor de ligado, be
calvo: roga-se a apprehensao do dilo escravo aos
rapitaes de campo, que o levando ao mesmo sitio,
serao recompensados.
Precisa-te alugar um prelo para o servico de
penca familia : a tratar ua ra do Oueimadn o. 7.
A pessoa que anuunciqi querer lomar 1:000
a jurot com hypolheca, dirija-se a ra Nova u. 44,
segundo andar, das 9 as 3 horts da larde.
Precisa-se de uma ama qoe saiba bem cozi-
nhar, damlo-se 189 mensaes: a Iralar na ra da
Aurora n. 58, e la te dir quem precisa.
Antonio Jote Uoncalves de Azevedo, leslamen-
leiro e administrador dos bent deixados pelo finado
Antonio Teixeira de Mallos, fallecido na villa do
Pasto de Camaragibc, provincia das Alagoas, onde
esl o auniincianlo concluindo o inventario de ditos
bens, pelo prsenle convina aos herdeiros do referi-
do tinado para que iralem de te habilitar, afim de
assitlirem aot termos ulteriores do mesmo inventario,
e lomarem conla da heranra antes que seja arreaa-
dada pela fazenda nacional, visto como agora mesmo
vai o aunancianlo prestar contas da testamentaria
c pruceder-se as partillias.
Os directores da cumpanhiu de Segaros Marti-
mos Itilidade Publica, em comprimenlo ao artigo 41
rio* eslatutiis, convidara os Srs. accionistas a compa-
recer) un escriplerio da companlua no dia -15 do
correnle au meio dia, ra da Cadeia do Recita n. 42,
primeiro nJar.U* directores, Manoel Joaquim
Rautase S Iva, l.uiz Antonio Vieira. Becife 10 de
novembro de 1855.
P ecisa-se de um bom cozinhei-
10 para casa estrangeira depouca
fam.lia : na ra da Cadeia do Re-
cite n. 21.
Precisa-se de sete centos mil reis a
premio, dando-se duas cscravas por segu-
ro : quem os quizer dar annuncie.
O cautelista Salustiano de Aquino
Ferreira, oll'erta de muito livre e espon-
tanea voutade, para as obras da igreja
do Divino Espirito-Santo, as seguintes
c,nitela!. da primeira parte da terceira
lotera do Gvmnasio Pernambucano.
ioitavosn 3-28, X ditos n. 2249, 4
ditos n 2343, 4 ditos n. 2344, (J tercos
11. 258T. 25^)1, S085, o0.~)9, 3011 e 301.",
t (puntos n. 347(i, 3477, 3178, 3479,
5480-e 3511 ; as iptaes se acliam em po-
der do thesoureiro da irmandade.
Procisa-se de urna ama de leite, pa-
Lga-sc bem: na ra Nova o" 46, segundo
andar.
_ Graliflca-se com 103000 a qoem levar a ra do
Sol n. 23, segundo andar, ou descubrir quem pegou
um xex(< fgido 00 da 6 do cerrenle, pelo lado da
ra das llores.
Precisa-se para entinar a tre meni-
nas em um engenho, de uma senhora que
para isso se aclte habilitada, que tenha
boa conducta e todas a condicoe que
se exigem para uma boa mestra : a quem
convier procure no pateo da matriz de
Santo Antonio, sobrado de um andar n.
1, qoe achara' a petwn com duem dte
tratar.
Dr. Sa
Correio Mercantil.
Hgjir.
4009 a joros de 1.1(4 par cenlo,
raa^a uma cata eata cidade qae
quem qoizer dar anaunci* pa-
Precita-i
dando-se por
rende 109 m<
ra ter procun
Precisa-se rieum ama qae lenha bom leile pata
criar uma menina de 30 dias, paga-te, beta: na roa
do Collegio 11. 2.
O encarregado do casal do cerone Antonio
Marques da Cotia Soares, abaixo atsigoado, pede ae*
devedores do mesmo eaial, qu* se dignem taUtfaaer
tem debilos anles do lim do correnle mee, afim da
nao verem teus nome* "nts columnas de*t< Dtari*s
como ter forcoso para se avilar a preteripc^o de
uas dividas, conforme o diipndo no coriigb eommer-
cal, da qual salisfac.10 resaltar reciproca vanla-
gem, evitando-** dente modo detpeza* judiciae*
desgostos.Jos Marque* da Cosa Soare*.
O abaixo assignado pede ao* tea* devedores do
mallo^ favor de maudarem remir mas leVra* ha
muiladjneirias, aples do flm do correnle mez, para
assim toparen) despeja e degoslos. Recite 7Me
novembro de 1855.
Jos Hasties da Coda Soares.
. Aluga-se ou vende-te um eterava mallo prev
prio para armazem de assucar, do que j lem mu I
pralica : a tratar na roa da Cadeia de Recito a. 15.
Precisa-se de 1 jOOj a juros de 1 1x2 por cee-
lo, di-se o* juros adiantados de(am anoo, e por se-
auranca hypolheca e*a bmi lio : quem pretender
annuncie.
Jos Candido de Barro modou o sen escriplo-
rio para a roa da Cruz n. 52, primeiro andar.
Na roa estrella do Rosario ha srvele* toda*'a*
iiuiiei a 240, e nos domingos depois das 3 hura*
bous srveles de creuie a 360, havendo lodo* a* dias
excedentes charutos.
Precisa-se de om caixeiro : na (ravetsa da raa
da Concordia n. 26.
Precisa-se de um servente moco, prefariudo-te
escravo, para Irabalhar na casadas aferigoe, aja-
se bem ;. quem quizer, dirija-se ji mesma aasaj
da Plonaliaa a. 36.
m
cita-te de
zinhar e
do n. 17 do tierra-da Bea-Yi-
ama forra ou cfjMiva, que'^^H
Viada s venda o impmto^ai^reri'clh
1 aa^prrente aanaaaa 1*
ceute aajfcrrenle asina de 18.55-1856, las fregaeziasde
Santo AmaBo de Jaboiitao e Miiribaca : quem ire-
lenrier, lirr||aa a rna da Florentina a. 36, a fallar
rom o arremtenle.
A verdadeira
garanta!
Na roa Direita n. 75 offerece-se no* amante* do
jogo das loteras, a verdadeira garanta nos bilhele*.
cuja garanta enlende-se tao smente com o* bilhetes
brancos, os qoaes se pagam como ae sahisae o aaaacao
riinheirn. Us bilhetes garantidos sao firmado* eem
dous sellos para ditlioauir-se dos que 11S0 o sjo.
PRECOS.
Rilhelcs. S5000
Meios 4S0OO
Quariot 2g000
Oitavo* ffia
Decimos 800
Vigsimos 400
Obras de
ouro as mais mo-
dernas .
Ot abaixo atsigoados, done* da loja de oarives, ua
ra do Cabogii n. II, confronte ao paleo da matriz e
roa Nova, fazem publico, que es tao recebendo con-
tinuadamente muito ricas obras de ouro do* melho-
res goatot, fanlo para senliorat como para horneo! a
meninos ; os preeos conlinuam mesmo barato* cono
lem sido, e passa-te contal com responsabildade,
especificando a qoalidade de oure de 14 ou 18 qui-
lates, tacando assim sujeilos os mesmo* por qualquer
duvida.Seraphim & Irmilo.
O baojhrel Joao da Silva Costa, mo-
ra no baisrrjda BoaVista, ra dos Praze-
res- ,3t
Precisa-se alugar um piano em meio
uso: a tratar no armatem da nu de
Apollo n. 20.
~y
vil inn


,
amm DE PERMiaBCO SEGbHD FE1RA 12 Pfc N8VEM6VR0 OE 1855
TAIXAS DE FERRO.
Na fuiklic.ao' d Aurora em Santo
Amaro, e tambem no DEPOSITO na
ra do Brum logo na entrada, e defron
te do Arsenal d Marinha ha' sempre
um gi'ande sortimento de taichas tanto
de fbrica nacional como estrangeira,
batidas, fundidas, grandes, pequeas,
razas, e fundas ; e era ambos os logares
existen quindaste, para oarregar ca-
noas, ou carrol livres de despeza. Os
precos sao' os mais commodos.
NAVALHASA CONTENTO ETESOTRAS.
Ni roi da Cadeia ilo Recife n. 48, primeiro an-1
dar, escriptorio do Augusto C. de Abreu, conti-
nuam-se a vender a 88000 o par (prego fizo, as ja
bem condecidas e afamadas navalhiis de liar!... feilas
pelo hbil fabricante que foi premiado na ej,iosirao
de Iftidres, as quaes alm de durarem eilraardina-
riamente, njtosesenlero no rosto na aegilo d corlar ;
vendem-se cora a condigao de, nao agradando, po-
derem o compradores devolve-las al 15 diasdepois
pa compra restitoindo-se o importe. Na mesma ca-
sa ha ricis lesourinhas para unhas, feilas pelo mes
roo fairicanle.
PARA A FESTA.
Aluga-se no melhor lugar da Torre, um
sitio cotn grande casa nova, estriharia e
cocheira equartopara leitor: a tratar na
ra da Cruz n. 10.
LOTERA DO GYMNASIO PERNAM-
BUCANO.
AOS 5:000^ 2:500$ E 1:000$.
O caut lisia Antonio da Silva Guimares, tem ex-
poslo a Viuda os seus rouilu afortunados bilhetes da
pnmeira parta da lerceira lotera do Gymnasio, a
qual corte no dia I" de novembro correle, os quaes
slao a venda as seguintes lojaa : aterro da Boa-
Visla ns. 48 e 68 ; ra do Sol n. 72 A ; ra do
Kiogel n. 54; praga da Independencia ns. 14 e
I
16 ; rut
ruz o. 43, e ra do Pilar n. 90.
PRECJOS.
Mtietea ioteiroi 5S500
Meios 81800
Quarlos 19400
Oilavos 700
Decimos 580
Vigsimos 300
0 mesmo caotelista declara, que garante
Menteos seos bilhetes inleiros em originaes, pagn-
doos premios sem o descont dos oilo por cento do
imposto peral.
Manoel Bezerra Cavtlcanli faz sciente a quem
inleresaar poste, que comproa viuva Vicencia Ma-
ra de Jeius o sitio denominado Agua Branca ou Sa-
pucaia, na enmarca de Naiarelh, junio so engenho
_ Picao, cuja escriplura foi lavrada pelo labelliAo S.
Precisa-se de urna ama de bons roslomes para
amanten lar o criar um rescem-nscid prefere-sc
nma prela escrava
do Noto i n. '6.
na roa de Sanio Amaro Mun-
Aviso aos pais de amilia do Recife-
Urna senhora habilitada e com moila pratica de
educar criaugas do sexo femenino, ofterace-se aos
honrados seuhores, que sendo queiram servir-se do
aeu presumo, a supplicante avisa com lempo para
ser procurada ; determina abiir um collegio no dilo
lugar; Ihe parece muito til e necessario, pois que
nao ha ; e sendo queiram ir matriculando de hoje
em dianle as suas dilu-, sendo tenha urna eollecg.lo
de '20 alumnas, ella vai para o dilo lugar c receber
pensionistas externas e intentas : quom Ihe convier,
dirija-se ra do Vicario, segund andar da casa n.
13, que l.i se dir quem he o supplicanle.
Preoisa-se de um criado para fazer compras, e
ajudar algum servigo de cozinha : no Pocinho, casa
lerreade vidracai.
.. Perdeu-se um cachorro d'agua no
dia 24 do crtente, com os si gnaessegui li-
tes : todo branco, com orelhas grandes,
'curto, e cstava tttn potiro tosqniado, tem
apenas tima nodoa por bai\o de urna das
orellias. costuma acudir pelo nome JOU-
LI: quemoacharouder noticia, di-rija-
sea ritfido Trapichen. 15, armazem, que
sera' bem recompensado.
AULA TjE MTIM.
O padre Vicente Ferrer de Albuquer-
quemudou a sua aula para a ra do Ran-
gel n. ti, onde continua a receber alum-
nos internos eextf nos desde ja' por m-
dico prero com he, publico: quem se
quizer utilisar d--seupequeoprestimo o,
pode procurar r segundo andar da refe-
rida casa a' qu quer hora dos dias uteis.
.: h JANE, DENTISTA, S
% contina a residir na roa Nova n. 19, primei-
ej) ro andar. tj
& ?* S**
Esl a tahir a lpiaao Rio de Janeiro o
REPERTORIO DO MEDICO
HOMEOPATHA.
E.YTRAHIDO DE RUOFF E BOEN-
MMiHAUSEN E OUTROS
po|t em nrdem alphahelir.i, com a dcscripro
abreviada d lodasas molesliss, a indicarlo jlrysio-
logica e Iherapeutica de lodos os .mdicamentalho-
meopalhiros. seu lempo de aeglaaij enneordmeia.
seguido de um diccionario da sigfflncarao de lofcs
slennos de medicina e cirurgia, e auto ao alcance
das pesioas do povo, pelo
0(
DR. A. J. DE MELLO MOttAES.
Subsereve-se para esta obra no consultorio homeo-
pathico do Dr. LOBO MOSCOZO, >ua Nova n. 500
priraeir andar, por 51)000 em brochara, e 6900,
encadernado.
AO PLBL1C0.
No armazem de fazendas bara-
tas, ra do Collegio n. 2,
vende-se um completo sortimento
de fazendas, finas e grossas, por
precos mais baixos do que em ou-'
tra qualquer parte, tanto em por-"
cfies, como a retalbo, amanendo-
se aos compradores um s preco
para todos : este estabeleciment
ahrio-se de combinaran com a
maior parte das casas commerciaes
inglezas, francezas, allemaas e suis-
sas, para vender fazendas mais em
conta do que se tem vendido, e por
isto ofFerecendo elle maiores van-
tagens do que outro qualquer ; o
proprietano deste importante es-
tabelecimento convida a' todos os
seus patricios, e ao publico em ge- .
ral, para que venham (a' bem dos
seus interesses) comprar fazendas
baratas, no armazem da ra do
Collegio n. 2, de
Antonio Luiz dos Santos & Kolim.
l napa namu
Aluga-se urna excellente loja propria para
miudezas ou qualquer ootro estabelecimenlo, na ra
dos Quarteis n. 20, a qual loja esta prnmpta com orna
ptima armagao que se vende por menos de metade
do seo valor : a Iralar na mesma ra, na padaria do
Sr. Manoel Antonio de Jess.
Miguel Jos dos Santos Coimbra previne 8o
respeitavel publico, qoe cnmprou a padaria sita na
ra por detraz na matriz da Boa-Vista n. 26 a Do-
mingos Jos da Cunha Lases, em 4 de outubro pr-
ximo passado, livre e desonerada de todos os dbitos
onus a que a mesma eslava obrigada.
Candido Jos Lisboa, antigo discpu-
lo do Sr. padre Joaquim Raphael da Sil-
va, approvado plenamente pelo lycu
desta cidade, da' lices de latim, francez
e portuguez: na ra de Apollo r. 21.
Massa adamantina
AnIonio Barbnza de Barro's, eslabelecido com sala
de barheiro na ra da Cruz n. 62, primciro andar,
chumba denles com esla preciosa massa ; na mesma
sala vendem-se e alugam-se bichas por comtnodo
preco.'
Novo* livros de homeopalhia em francez, sob
todas de summa importancia :
Hahnemann, tratado das molestias chronicas, 4 vo-
lumes............'2OJO00
Tesle, rroleatias dos meninos.....
Herinc, homeopalhia domestica. .
Jahr, pharmacopa homeopalhica. .
Jahr, novo manual, 4 voluntes ....
Jahr, molestias nervosas.......
Jahr, molestias da pclle. ... .
Itapou, historia da homeopalhia, 2 voluntes
Harlhmann, tratado completo dasjnoleslias
dos meniuos. ..!...,.,
A Tesle, materia medica homeopalhica. .
De l'avolle, doutrina medica homeopalhica*
Clnica de Slaoneli .......
Casling, >enfade da homeopalhia. .
Diccionario de Nvslen.......
Attlas completo de anatoma com bellas es-
lampas coloridas; contend, a descrip(o
de todas as partes do eorpo humano 305000
vedem-se todos estes livros no consultorio homeopa-
thico do Dr. Lobo Moscoso, ru Nova n. 50 pri-
meiro audar.
L0TERL\ DA PROVWIV.
AOS 5:000s, 2:500* E l:000s.
O caotelista Antonio Jos Rodrigues de Sooza J-
nior lem eiposln a venda o bilheles e cautelas da
pnmeira parle da lerceira lotera do Gyrimasio, que
corre sabbado, 17do corrente, aos preem^.abauo
nasli.jas da prar da Independencia ns. i,' 13, 15 c
40; ra Direita n. 13 ; e na da Praia, loja de
zendas n. 50. Sendo pagas por inteiro as s
grandes que obliveremijus ditas cautelas, na r
do Collegio n. 21, ptilBro andar ; e asqpttal.
rem em seus bilhetes inleiros tambem o possnklor
Sebe a sor te por inteiro, sendo os oilo por cento do
erido caatelisla, e o complenle premio do Sr.
Ihesoureiro.
Bilheles 5&500 Recebe por iuleiro
COMPRAS.
^AVISO.
Em ^oianna, becco do Pavao u. 14,
armazemdeAranha& Albuquerque, com-
pra-se toda equalquer por^o de assucar
e paga-sepor bom preco,
Compra-se um escravo de meia idade para tra-
tar de um cavallo; assim como urna casa terrea
em Apipucos ou Monleiro, que nao exceda de 5009
a 6008 : na ra da Cadeia do Recife n. 16.
VENDAS.
t
63000
7|000
6s000
163000
(3O00
85000
1630001o
logoon
K3000
"3000
63000
43000
103000
iolhiulia
, PARA 1856.
Estao a venda as bem conhecidas fo-
Ihinhas impressas nesta typographia, as
de algibeira a 520 e as deporta a 160; as
de algibeira alm do kalendario eclesi-
stico e civil, conten um resumo dos im-
pqstos municipaes, provinciaes e geraes
de, extracto dosregulamcntos parochiaes;
docemiterio, enterrse sello, tratamen-
to de varias molestias, inclusive a do cho-
lera, contos, variedades e regias para fa-
zer manteiga e queijosde dillerentes qua-
lidades : vendem-se nicamente ni livra-
ria n. 6 e 8, dapraca da Indeprndencia.
No lim do mez sahirSo a luz os alma-
naks, assim como as folhinhas de resa.
Oracao contra a peste e o cholera-
morbus.
Acha-se venda na livraria n. 6 e 8 da prac da
Independencia um folhetinho com dillerentes ora-
(des contra o cholera-morbos, e qualquer oulra pesa
te, a 40 rs. cada um.
Vende-se um moleqoe de 9 anuos : na ra das
Cruzas n. 9, loja.
Vende-s* urna morada de casa lerrea, na qui-
na da ra de 8. Jos n. 29 : a Iralar na mesma, e la
se dir quem he o dono.
\a loja das seis
portas.
Em frente do Livramcnto.
Brim de algodlo com 5 palmos de largura, proprio
para lenc/ies e loalhas a cruzado a -vara, e eslreilo
com 3 palmos a quatorze intens, chales de ganga
encarnados a duas patacas, e de quanros a imilacao
de lila tambem duas patacas, corles de vestido de
cambraia a doos cruzados, proprios para irao hanho.
RELOGIOS
cobertos e desco-
bertosdeotiro,
Patente
Na ma Nova, loja n. 2, vndem*sc bara-
to, a djnheiro a' vista.
Casacas de panno prelo 108000
Sobrecsaces de panno de cor I2500
Colleles de seda para meninos IsOOO
Chapeos para homem (>NHX>
Camisas de linio, para homem 13000
Dilas de cores para dito 25500
Lencos de teda para senhora 15200
Ditos de fil de lirdto .-,00
Veos de lili, do linlii. 35000
Vinagre aromtica, 1 frasco IgOOO
Pavios para candieiro. 1 duzia joo
Ditos para dilo, I rosa 180IX)
Espelhos de quadro 1300K
Calcas de easemlra 8(KX>
Dilas de dita 3000
Aboloaduras donradas 53000
l-eques de papel I5OOO
Ditos de seda 23000
Lencos de elim prelo 45000
Collarinhos para camisa .-(o
Lenco de seda par grvala I5OOO
Corles de rollete- de fusta 25000
Ramos de flore 13000
l.uvas prelas para senhora 19000
Dilas de cores e seda 800
Filas para carias de hachareis 59000
Atraz da matriz, na ra Nova, loja 11. 2, de Augusto
Colombiez.
Vende-se um escravo de milito bonita figura,
de idade, pouco mais ou menos, IH annos : quem
pretender, dirija-se a ra l'ormosa, na quiula casa
terrea, do finado Baro de Beberibe, vindo pela ra
da Aurora.
Veudem-se ch.los de differentes larguras, a
voolade dos compradores, para fazer casas, os quaes
lem porto de iiKl palmos de fundo, e sMJplanfados
de arvores de inicio ahuiladas em boa i.rdero,silos na
ra da Esperanza, que he a que se nbrio da Soleda-
de para a Estancia: a Iralar com Manoel Pereira
Teiteira, morador no me-nn. lugar.
Erva matte.
He chegada de Paraguay a verdadeira erva malte,
e vende-ae 110 Forte do Uatlos, ra do Codorniz,
taberna 11. 9, a "9500 arroba, e a 320 a Hbra.
Vendem-se travs de qualidade e de louro, de
30 e 40 palmes, 2 caooas pequeas de 1 s pao, sen-
do 1 de .-iiuarelto oulra de burdaozinho, ludo por
precos commodos para fechar conlis : os preten-
deres ilirij.im-se a Antonio Leal de Barros, na ra
do Vgario n. 17.
Vende-se um carro novo de
4 rodas e de 4 assenlos, multo
leve e de construceflo moderna
por iprer;o commodo: ni roa Nova, cocheira de
Adolpho Bourgeols.
Cheguem freguezes ao que he bom e ba-
rato para o passamento da festa.
Na taberna da ra Nova 11. 50 ha bom doce de
Rolaba, queijos frescaes, champagne da melhor, pre-
sunto, paios, chouricas, superior qualidade de man-
teiga, chocolate e bolinhosde Lisboa, a melhor qua-
lidade dech h>sson e do Rio, em Islas de 1 e 2
libras, velas de esperroacele, bolachinhas de araruta
e ingleza, muilo superior loucinhn de Lisboa, e ou-
Iras moilas cousas.
Attencao.
6
Francisco Jos
Germano,
Helojoeiro sJJJss, na na
1 no-1
C7.
Vendem-se no escriptorio de Soolliall Mellor &
Cnipanhia, na ra da Cadeia do Recife n. 36,- os
mais superiores relogios coberlos e descobertos de,
ourn, patente inglez, de um dos melhores fabric.in-
les de Liverpool, vindos pelo ultimo paquete inglez.
Attencao ao ba-
rato .
Riseados francezes de lindos e modernos gostos,
cores fizas a 240 o covado, alpaca de seda de qua-
dros, fazenda muilo nova e superior qualidade a 800
rs. o covado, chales de chally bordados, riquissima
fazenda a 139, lencos grandes de casemira de todaa
as cores eom franjas a 29500, e oulras muilaa fizen-
das, que a vista os Srs. compradores nao deizanlo
de comprar : na ra do < bieimado n. 33 A.
Camisas france-
zas,
Meios 25800
Teicos 19880
Quartos 19400
Qoinlos 19120
Oilavos 700 "i
Decimos .580
lem
CONSULTORIO GENTR.1L
HOKEOPVTHICO.
(Gratuito para os pobres.
fus de Sanio Amaro, (Mundo-S'oto) n. G.
O r. Sabino Olegario Ludgerd" Pinho di
j> consallas lodos os dias desde s 8 horas da
madhAa al as 2 da larde.
JH Visita os enfermos seus flomicilio, das
I 2 horas em dianle ; mas tm casos repentinos
e de molesliasagudafljnves as visitas serao
felliis em qualquer hora.
Al molestias nervosas merecer Iratamenfo
especial segundo meios boje acouselhados
peles pralcos modernos. Estes meioi ejxis
no consultorio central.
Massa adamantina.
He sorhucnle -reconhecida a eirellencia desla
prepararlo para cliumbar denles, porque seus resul-
lados sempre felizes sao j do dominio do publico.
Sebastiio Jos de Oliveira faz uso desta preciosa
massa, tara o fim indicado, as pessoas que quize-
rem honra-ln dispondo de seos servidos, podem pro-
cura-I na Iravessa do Vigario n. 1, Joja de bar-
beiro.
4M4'9 Q9&9 C8
I DENTISTA FRANCEZ. I
Finio Uaignouz, dentista, eslabelecido na 9
lo Rqaario n. 36, segundo andar, 9
escota a prsalo do ar, e chumba 0
fBenics com a massa adaman lina e outros me-
iaea. m,
!son
DISCURSO SAGRADO,
Recitado em commemoraca.o da in-
dependencia do Brasil, no solem-
ne Te-Denm que os habitantes da im-
perial cidade de Nictheroy,
fixivam celebrar no dia 7 de se-
tembro de 1855,
PELO
SU. JOAWIM fim DE CAMPOS,
Conejo honorario da capella im-
pei*ial,ofllcial(la orleni (te]iutado assembla senil pe-
la provincia de rei-namluico,
professor deeloquencia nacional
do antigo lycn da cidade do Ite-
eife. litliothccafio da Kaculila-
de de OJreito da mesma cidade,
c spcio corresjinnilentc do insti-
tuto histbricodo Brasil, etc.
Este discurso impresso e vendido ocios Srs. La-
emmeil i Companhia, do Hio de Janeiro, por gra-
ciosa lieenca do autor, vende-se na livraria n. 6 e 8
da praca da Independencia, a 19000 cada, eiem-
plar.
Trecisa-se de om escrava por nlugucl para o
serviro de urna pequea familia : na ra do Hospi-
-10 n. 7. r
Aluga-se o segundo andar da casa da ra do
Trapiche 11. 11, propria para escriplorio, ou peque-
ua familia : a tratar na mesma casa.
LOTERAS da provincia.
O lllm. Sr. thesoureiro manda kzer pu-
blico, (|ue se acliam a venda na tliesoura-
na dr.s loteras, na ra da Praia 11. 7, os
lilhetes- da pritneira parte da terceire
loteriie do (jymnasio, cujas rodas andam
iinpnttuiiveimente no dia 17 do andante
mez. Thesouraria das lotcjjfc "> de no-
vembro de 18r>.Lu AaSb Rodri-
gue de Almeida, escriva > da* loteras.
Na ra do Coll do andar, pre-
seja stdia e le-
mos 300
:000000
2:5009000
1:6669666
1:2509000
1:0009000
> 6259000
5009000
2509000
O caulelista,
Antonio Jos Rodrigues de Souza Jnior.
D-se 9008 a premio com hypolheca em urna
casa em um dos Ires bairros desla cidade : quem o
quizer, enlenda-te com o Sr. Jos Caelano de Car-
valho, na botica do Sr. Barlholomeu Francisco de
Souza, na ra larga do Rosario n. 36.
Aluga-te urna casa de oro andar e solo com
quintal, as seguintes mas: Augo'la, Direita, Li-
vramento, ou em oulra qualquer roa da Boa-Vista :
quem quizer procure na ra da Praia, armazem de
carne n. 29, ou annuncie por este Diario para ser
procurado.
Acaba de chegar inova pimenta da Jamaica,
escolente para temperos, assim como ssgu', cevadi-
nlw e ervilhas : no armazem de Paula Sanios,
roa do Antorim 11. 48.
Arrenda-se urna das tojas do sobrado n. 11 do
Ierro da Boa-Vista, offerecendo mesmo commodo
para familia : ,1 Iralar no mesmo sobrado.
Para os lerceiros franciscanos a nova e verda-
deira estamenha ; em easa de Narciso Jos da Cosa
Pereira, no paleo do Carmo n. 2.
Carros fnebres
No eslahelecimenlo de Jos Pinto de Magalhnes,
silo no pateo do Parizo, casa n. 10, encontram-se
carros fnebres para defunlos, donzelas e anjos com
ricos rnalos segundo as ordens de cada um, alu-
gam-se caiioes para ons e outros,'e vendem-se mor-
lalhas de pinho de lodos os tamandoa. Bncarrega-
ed lirar licencas parochiaes, guias da cmara, for-
nece vestuarios para defunlos e aojos, armacOes ero
casas e igrejas, carros de pasaeio, cera, msica, e
ludo o mais que for necessario, por preeos commo-
dos e promptidao.
Guerra do Oriente.
Retratos dos priocipaes generaes, e estampas co-
loridas de algamas bilalhas : na ra Nova n. 9-
Amassadores.
Precisa-se de dons amassadores que entendam
bem do servido de padaria ; paga-se bom ordenado:
na ra Imperial n. 173.
O SOCIALISMO
PELO GENERAL ABREU E LIMA.
Ainda e\islem alguns eiemplares enquadernados,
e acham-se a' venda na loja de livros dos senhores
Ricardo de Freitas & C, esquina da ra do Collegio,
e em casa do aulor, paleo do Collegio, casa amarella,
no primciro andar.
Aluga-se um sitio com boa casa de sobrado, a
qual lem mullos commodos, sita na povoarao do
Monleiro ; a tratar na roa do Trapiche 11. 14."
Relogios
das melhores fabricas da Suissa, tanto de ouro como
de prata, ditos foliados e doorados ; vendem-se mais
baralo do que em oulra qualquer parte, na ra da
Cadeia do Recife n. 18.
Precisa-se de 8008 a nremio por hopolheca,
pelo prazo de 6 mezes, pagndo-se os juros adiaula-
dos, dando-.c porseguranca urna boa mobilia de Ja-
caranda e um bom piano,o qual sii vale 6008; quem
quizer annuncie para ser procurado.
LOTERA DO RIO DE JANEIRO.
Acham-se a venda os novos bilhetes
da lotera quarta, do recolhimento de
Santa Thereza, que devia correr a ."> ou
9 do corrente mez: as listas esperam-se
pelo vapor PARAN', que partir' in-
fallivelmente a 10 do corrente, e deve-
ra' aqui chegar a 17 ou 18 : o* premios
sao pagos a distribuicao das mesmas lis-
tas.
os, de muilo bom goslo
28600 e 28800 a camisa :
veudem-
na ra do
Cortes de case-
mira de cores
A 4.5000 RS.
He mniln barato, corles de casemiras de lindos
goslos a 49500, fazenda que se lem vendido por 58;
cheguem ao barato que j resta pouco : na ra do
Queimado n. 33 A.
No armazem do caes da alfandega n. 7, de J.
J. P. de Mello, vendem-se saccas de farinha da Ier-
ra muito nova e bem torrada.
Vende-se a armacao da luja da ra Direila n.
85, loda envidraeada, propria para calcado ou oulro
qualquer estabelecimenlo, ofTerece loda a vanlagem
poner o local muito bom, e o aluguel muilo em
conla. 1
Vende-se nm casal de escravos com algumas
habilidades : a tratar na Camboa do Carmo 10,
segundo andar.
Velas.
Vendem-se excedentes velas de carnauba pura, de
6, 7,8. 9, 10 e 13 por libra, e por menos preco do
que em oulra qualquer parle : na roa Direila n". 59,
na fabrica da viuva do linado Brilo.
Attencao.
Vendem-se duas canoras e dous bois bous, sendo
as carroraa de pouco uso : quem pretender, dirija-
se ao Manguinho, sitio que foi do linado Candido,
que achara com quem trata.-.
A boa fama
VENDE BARATO :
Libras de linhas brancas ns. 50, 60,-70 e 80 18100
Libras de dilas ns. 100, 120 130 1*280
Duzias de tesouras para costura I5OOO
Duzia de dilas mais Tinas 18280
Macos com 40, 50 e 60 pecas de cordao
para vestido 240
Pegas com 10 varas de hico eslreilo 560
Duzia de dedaes para senhora 100
Caiiinhascom agulhas francezas 160
Caias com 16 novellos de linhas de marcar 280
Grozas de bolOes para carniza 160
Pulceiras encamadas para meninas 240
Ditas grandes para senhora 320
Pares de meia finas para senhora a 240 e 300
Meadas de fin has muito finas para bordar 160
Meadas de linhas de peso 100
Grozas de holftes muilo linos para calcas 280
Babados de linda aherlos e bordados 120 e 240
Carleiras finas de marroqoim para algibeira 600
Fivelas dourad.s para calcas e collete 120
Tinleirose areeirosde porcelana,o par 500
Charo le ras entre linas |jn
Duzias de torcidas n. 14 para candieiro 80
Pentea de verdadeiro bfalo para alisar 300 e 500
Pecascom6 l|2 varas de lila branca de linho 50
Caizas com clcheles francezes 60
Carrileis de linhas de 200 jardas de boa
qualidade 70
Macinhos com 35, 40 e 47 grampas 60
Suspensorios, o par 40
Carrileis de linhas de 100 jardas, autor Ale-
xandre 40
Alm de todas estas miudezas vendem-se oulras
muilissimas, que vista de suas boas qualidades e
baratos precos causa admiraran aos compradores :
na ra do Queimado, nos qualro cantos, na bem co-
nhecida loja de miudezas da Boa Fama n. 33.
ova n. I,
lendo recebiili
ouro suissos,
patntese ori *
urna nova inv
cessita de cha
Paris ; assim
Vende-se urna bonita parelha de
cavallospara carro, cor ruca, no-
vos e em boas carnes, outrocam-se
por dous cavallos de sella :
da Cadeia do Recife n. 21
Na ra di
se por 2G,000
Precisa-se de urna boa ama
da Cruz n. 48, segundo andar.
de leile : na ra
TENCA'O!
legio n. .1 loja, vendem-
s seguintes obras em per-
feito estado: Melli, opera 7 vols.. Bavoux-
Conflits 1 vol., Berenger, Justice Crimi-
tfel 1 vol., De Felice Droit des Gens 1
vol., P. Bonin, Comentaire do cod. pe-
nal I vol.. Le Ferrier, curs. de droit pu-
blic. 2 vols. Nazareth, process criminel
1 vol., Nicollini droit penal 1 vol., Va-
tel Droit des Gens 2 vol., Gioberti Philo-
sophiedeA. RosminiT) vols., Riter Philo-
sophie Cretienne 2 vols., Geographie de
Goestri 3 vols.
Vende-se por preco que convida
urna escrava crioula de meia idade, bo-
nita ligura, cor retinta, co/.inhao ordina-
rio de urna casa,ensaboa excellentemente,
engomma pouco, vende na ra e sobre-
tudohe muito carinhosa para meninos :
na Camboa do Caimo 11.18.
Vende-se um piano inglez em bom eslado, e
por prego commodo ; quem o pretender, dirija-se ao
aterro da Boa-Vula n. .11, sobrado, primciro andar,
que all adiar com quem'tralar.
Vende-se um casal de cachorros d'aqua, mui-
lo gordos e bonitos ; vendem-se lainbem separados:
na ra das Cruzes, sobrado de Ires andaras, esquina
do becco da I'ol 11. 32, segundo andar.
Vendem-sc saccas com milho, muilo grandes,
chrcadas agorada Parahiba.e muilo novo: na ruade
Sonla Hita taberna n. 5.
Vende-se a taberna da ra da Florentina n. 30,
visto que o dono deeja relirar-se desla provincia
a Iralar de sua saude : quem pretende-la dirija-se a
amesma, que com o domo far todo negocio.
Na ra do Vgario n. 22, vende-se por prego
commodo graixa em bexigis, paios e sebo, chegados
ltimamente do Rio Grande do Sul.
PIANOS.
Vendem-se em casa 4e Henry Brunn &
C- ra da Cruz n. 10, ptimos pian os
chegados do ultimo navio da Europa.
rico sortimento de
nomelro*, meios chi
*es, de segundos, iiulepe
h que para se dar cord
ojos esliveram na exposirlo de rt
orisontaes de praia, dourados e
foliados, os qoaes sao dos melhores fabricantes, e por
cujos se responsabilisa por um on dous annos o seu
rejo la ment, e i]llanto ao preco se vendem mais ba-
ratos que em oulra qualquer parle ; assim como na
mesm. acharilo um completo 6ortimenlo 'de relogios
patente inglez, lauto saznete como de vidro, por
precos baralissunos. Na mesma etisiem conslanle-
menle i( losios americanos rom disperlador e sem
elles, d um goslo muito agrajavel c por preco- mili-
to em conla, que s i vista os freguezes pdenlo
avallar.
Vendem-se no armazem no caes do Ramos'n.
4, siccas rom millo., chegadas de Mamanguape, de
superior qualidade.
Vende-se um laboteirn -envidraearto para ven-
der fazendas ; ua ra da Moeda, sobrado n. 28.
Vende-se urna prela de nacSo, boa cozinheira
Invadeira e eiuommadcira, com 28 annos de idade :
na ra da Guia n. 34, piimeiro andar.
MIUDEZAS BARATAS PARA ACABAR.
vende-se a teja de miudezas no aterro da Boa
\ isla n. 82, com poucos fundos, ou a relalho, sendo
pelos preces seguiules: linhas de n. 40 n 80 18. di-
las de coiesa 18, meias para senhoras muilo boas a
200e 240 rs., pelles de marroquim a 18600 a pelle,
lio psra sapaleiroa 680 rs.* libra, grampos a 60 rs.
o maro, linhas da carritel de cores a 20 rs., dilas de
200 jardas a 60 rs_ creies seis por 20 ra., ditos de
chumbo 40 rs., sapatos de marroquim a 560 rs., fila
de seda de lonas m Ares a 60 rs. a vara, ditas de ve-
ludo a 100 rs. iflra, colxetrs a 40 rs., dilos fran-
cezes a 70 rs., paloesde lustre a 28800, oculosde
armacao a 160 rs., dilos de cangalha a 60 rs., lixa a
20 rs., espelhos a 160 rs, marcas para jaquel a 80
rs., papel de cores a 600 rs. o pacote, dilo almaco
perlino a 38, filas de linho a 10 rs. a peca, dilas de
cores a 30 rs., lesonras linas a 120 rs", e ootras
multas miudezas que e-lano patentes a vista dos
romptailore-, assim como so vende a armaran da
mesma toda envidraeada e envernisada, propria pa-
ra qualquer estabelecimenlo, por prego muilo favo-
rsvel.
Vende-se urna casa de laipa muilo bem fella e
muilo propria para passar a festa, na Cfpunga, sita
no porto do Jacobina, lem um quintal bastante gran-
de de comprmento, e tem 50 palmos de frente :
quem a pretender, dirija-se a ra Direita n. 95.
a
Uniao, na ra da Cruz n. 40,
ha para vender un sortimento de conservas linas co-
mo pileta poi, sardii.es, asperges, lansue de biif-
palc de foiesaucisses, beafslak, chapoiineau au jam,
bon, poulcl au ju d'crevisse, Iriandeau de veau ;
assim como diversas qualidades de viudos, cuino
Champagne, Xers, Madeira, Porlo de ptima qua-
lidade, vinho de Franga branco (aligo) e tinto, di-
versos licores, hummel, ele, cognac engarrafado,
tambem ha petiscoa arelados ao modo europeo a
qualquer hora.
Vende-te um escravo de honila figura, possan-
ie e muilo fiel, idade 18 annos, com principio de
marcineiro, enlende de cozinha, oplimo para pa-
gem, holieiro. 011 armazem de assucar, assim como
urna escrava de 30 annos, engommadeira, lavadei-
ra, cozinheira eqiiilandeira, ambos muilo sadios :
na ra de Dorias n. 82.
Vende-se a casa terrea n. 33. sita na ra de
Morololomb, nos Afogadns : n Iralar na ra do
(.iiicimadu n. 21.
Vende-se ama porcSo de pipas vastas que fo-
ram de agurdenle, despejadas ha pouco : na ra da
Guia n. 64, segundo andar.
Na ra do Vigario n. 33, vende-se urna boa
escrava de 21 annos de idade, ptima para lodo o
servigo.
VINHO IXERF.Z.
Vende se superior vinho de Xcrez em barris do
1|i. emeasa de E. II. Wyalt: ra do Trapiche
n. 18.
Relogios cober-
tos e descobertos
de ouro, paten-
ta inglez.
Yendi'in-se naaScriptorio do agentede
leiloes, Francisco^fomes de Oliveira. ra
da Cadeia do Becif'e n. 62, piimeiro an-
dar, os mais superiores relogios cobertos
e descobertos de ouro patente inglez, de
um dos mais afamados fabricantes de Lon-
dres, viudos pelo ultimo paquete inglez, e
por menos preco do que em outra qual-
quer paite.
Bons gostos e de
boas qualida-
des.
Na ra do Queimado, nos qualro cantos, na segun-
da loja de fazendas n. 22, defronte do sobrado ama-
relio, vendem-se fazendas por pregos que real-
mente fizem admirar ao publico : Panno prelo
ilniasimo, prova de limito, par* casacas palitos,
pelos baratsimos pregos de 28500, 38500 e 59OOO
o covado, casemira preta de superior qualidade
a 28 c 28600 o covado, alpaca prela muilo fina a
400, 500 e 600 rs. o covado, curtes de collete- de
fusloes de bonitos padr&es cores fizas a 700 o 900
rs., chales prelos de lila e seda muilo grandes a
28800, chapeos de sol de seda pretos e de cores, fa-
zenda superior 1 68500. camisas francezas pintadas
para homem a 18280, riseados da India muito finos
e largos e muilo bonitos para vestidos a 280 o cova-
do, .e.iim preto maco, fa/.enda muilo superior a 38
o covado, sarja hespanhola muilo superior a 2,100 o
covado, merino muilo fino a 28000 o covado, meri-
no setim o mais superior que pode haver e muito
proprio para palito a 18600 o covado, chapeos de sol
de paiininho a 18600, chitas francezas muito finas e
largas, de novos padrqes a 320 n covado, fil de li-
nho liso e rom flores a 18 e 18140 a vara, luvas de
pellica de Jouvin para homem e senhora, chegadas
no ultimo navio francez a 13800 rs. o par, luvas de
seda de todas as cores rom hellas a 18280, camisas
de meia muito finas a I;,' luvas de fio da Escocia
brancas e de cores a 400. 500 e 600 r. o par, man-
as de seda para grvalas, prctas e de cores, muito
boa fazend a 18280, panno fino azul de superior
qualidade a 48 o covado, ricas rnmeiras de relroz
bordadas a 118, lencinhos de retroz francezes a
18280, cassas francezas muilo finas e de bonitos pa-
droes a 300 rs. o covado, cambraia linissima de sal-
pisas a IJa vara, camisas francezas muito finase
ptm feilas para homem a 28500 e 28800, curte de
cassas para vestidos de bonitos padr&es e com 7 va-
ras a 28 o corle, lengos trancos de cambraia de li-
ntio muilo linos c grandes a 69 a duzia, ricos chales
de chally com lislra de seda bastante crandesa
88, ditos de merino muilo fisjjaj e lisos a 68, luvas
prelas de torgal, de Lisboa a lfl20, chally amarello,
fazenda superior e que muilo se osa para vestido a
800 rs. o covado, romeiras de cambraia com lagos
de ricas fitas de seda a 18280, grvalas de seda "de
bonitos padroes a 640, meias de laia para padres a
28 o par, cortes de casemiras Caas e de bonitos pa-
drees para caigas a 58, hrinzinhos de linho de bo-
nitos padrf.es a 240 o covado, brim Irangado de puro
linho e de bonitos padr&es a 800 rs. a vara, lapim
prelo linissimo, proprio para vestidos e batinas de
padre a 18280 o covado, riscadiohos francezes muilo
finos e bonito, padr&es a 210 o covado,. meios lengos
prelos para grvala muito superiores a 18, lengos
brancos de cambraia muilo finos a 300 r., ganga
amarella muito superior a 320. meias brancas finas
para senhora a 210, 300 e 100 rs. o par, ditas prelas
muito finas a 320, dilas para homem, fazenda su-
perior, sendo brancas, prelas e croas a 240 rs. o par.
Alm de todas estas fazendas oulras muitas que s A
vista das boas qualidades he qne se podem ver o
quanto silo baratas, itliangando-sc aos Sr*. compra-
dores que neslc eslabeleeimento nao ha fazenda al-
guma que seja avariada, e sim ludo sem avaria, de
bous goslos e boas qualidades.
FAZENDAS DE GOSTO
PARA VESTIDOS DE SENUORA.
Indianadequadroi muilo fina e padroes novos;
corles de l.ia de quadroa e florea por prego commo-
do : vende-se na ra do Crespo loja da esquina que
volla para a ra da Cadeia.
Vendem-se no armazem B. 60, da ra da Ca-
deia do Kecife, de Henry Gibson, os mais superio-
res relogios fabricados em Inglaterra, por prego*
mo lieos.
LEONOR D'AMBOISE.
Vende-se o excellente romance histri-
co Leonor d'Amboise, duqueza He Breta-
nha, 2 vol times por 1000 rs. na livraria
n. 6 e 8 da praca da Independencia.
. Vende-se cal em pedra chegada no ul-
timo navio de Lisboa, e potassa americana
da mais nova : no nico deposito da ra
de Apollo n. 2B, de A. J. T. Basto &
Companhia.
Deposito de vinho de cham- w
f| pagne Chateau-Ay, primeira.qua-
<0f I idade, de propredade do conde
gh de Marcuil, ra da Cruz do Be-
cife n. 20: este vinho, o melhor
de toda a Champagne, vende-se
, a 36$000 rs. cada caixa, acha-se
* nicamente em casa de L. Le-
I comte Feron & Companhia. N.
t B.As caixas sao marcadas a fo-
SgoConde de Marcuile os r-
tulos das garrafas sao azues.
m*mm**mmt
FOTASSA E CAL VIRGEM.
No antigo e a' bem condecido deposi-
to da ra da Cadeia do Kecife, escriptorio
n. 12, ha para .Tender muito superior
potassa da Kussia,dita do Rio de Janeiro
e cal virgem de Lisboa era pedra, tudo a
procos muito favoraveis, com o quaes fi-
caio os compradores satisieitot.
Pratps ocos patentes
pura conservar a comida
qiuente: vendem-se na pra-
ca do Gorpo Santo, arma-
zem n. 48, de Ro4fton Ro-
oker $ C.
Vende-se ac em cunheles de um quintal, por
prego muito commodo : no armazem de Me. Cal-
moni & Companhia, praga do Corno Sanio n. 11.
Na ra do Vigario n. 19, primeiro andar, ven-
de-se Trelo novo, rhegado da Lisboa pelo brigae't-
deranpa.
FARINHA DE MANDIOCA.
Vende-se superior farinha de mandioca
em saccas que tem um alqueire, medida,
velha por 5&000 reis : nos armazens ns.
">, 5 e 7, e no armzem def rfinte da porta da
alfandega, ou a tratar 00 escriptorio de
Novaes SiCompanhia na ruado Trapiche
n. i, primeiro andar.
SYSTBMA MEDICO DE HOLLOWAY
A boa fama
VENDE BARATO :
Lencinhos de retroz de Indas as cores para pesco-
go de senhoras e meninas, pelo baralo prego de 18,
baralhos de carias linissimas francezas para voltarele
a 500, toucas de laa para senhoras e meninas a 640,
luvas muilo finas de fin da Escocia brancas e de co-
res para homem e senhoras a 400, 500 e 600 rs. o
par, meias brancas e croas para homem, fazenda
muilissimo superior a 160, 200 e 240 o par, luvas de
pellica de Joovin brancas e amarellas para homem
e senhora a 18900 o par, camisas de meia muilo fi-
nas e de pura lila para homem a 38000 rs., dilas de
algndSn muilissimo finas a 18 e 18200, tesouras mili-
to finas para papel a 18500, dilas superiores para
barheiro a 18500, ieques muilo finos a 38, ricas abo-
loaduras para cllele de madreperola e de metal a
500 rs., dilas para palitos a 600 rs., caiiinhas com
phosphoros proprias para charutos a 20 rs.. ricos jar-
ros dourados de porcelana para flores de diversos la-
innbos e pregos, ricas filas de seda lavradas e lisas
de (odas as cores e larguras, escovas linissimas para
roupa, dilas para cabello, Irangas de seda de boni-
'ts padroes de diversas larguras e cores, navalhs li-
nissimas para barba, caivetes linissimos e de todas
as qualidades, hicos finos de linho de bonitos padr&es
e diversas larguras, ricas franjas de alumino brancas
e de cores para cortinados, lesouras para costura as
mais finas que he possivel enconlrar-se. e oulras mui-
lissimas cnusas que ludo se vende por t,io baratos
pregos que aos proprios compradores causa admira-
gao; na ra do Queimado, nos qualro canias, na
bem coohecida loja de miudezas da Boa Kaman. 33.
A boa fama
Vende-ae hico de bloode branco a prelo de seda
verdadeiro, 30 por cenia..mais barato que em qual-
quer oulra parle, el de loda al larguras muilo boni-
tas fitas dilo : na ra Nova casa de relojoeiro n. .
VENDE BARATO:
Ricos pentes de tartaruga para cabega 48500
Dilos de alisar tambem de tartaruga 3e000
Ditos de marlim tambem para alisar 18400
Dilos imitando tartaruga para cabega 18400
Lindas meias de seda de cores para criangas 18800
Meias pintadas fio da E Bandejas grandes ede pinturas finas38000 e 48000
Papel almaco greve e paulado, resma 48000
Pennas linissimas bico da langa, groza 18200
Ditas muilo boas sem ser de langa,groza 610
Oculos de armacao de ac com gra.duag&es 800
Lunetas com armacao de tartaruga 18000
Ditas com armagAo de bfalo 500
Toucadores de Jacaranda enm bons espelhos 38000
Meias de laia muilo superiores para padres 28000
Ricas bengalas de caima rom lindos castoes 28000
Sitas de junco com bonitos caslf.es 500
icos chicotes para homem e senhora a 18 e 19900
Meias prelas de algodao para padres, o par 600
Grvalas de seda de todas as cores 18 a 18^00
Kitas de velludo de todas, as cores, a vara 160 e 320
Atacadores de cornalina para casaca 100
Ricos reloginhos fjara cima de mesa 48000
Suspensorios finos de borracha, o par 100, 500, 600
Penles muilo finos para suissa 500
Escovas muilo finas para cabello 610
Capuchos pintados muilo bonitos 700
BolOes linissimos de madreperola para ca-
misa, a groza 18200
Alm de tudo islo vendem-se oulras muitas cou-
sas, que avista das qualidades e pregos faz admirar:
na ra do Queimado, nos qualro cantos, na loja de
miudezas da Boa' Fama n. 33.
COGNAC VERDADEIRO..
Vende-se o verdadeiro cognac, tanto em garrafas
como ero garrafoes : na ra da Cruz n. 10.
CASEMIRA PRETA A 4?600
0 CORTWE CALA.
Veudem-se na ra do Crespo, loja da esquina que
volla para a ra da Cadeia.
FLOR DE FLOR.
A Farinha de Santander Flor de Flor,
e a melhor farinha de trigo que existe em
todo o mundo, por isso sempre hequalili-
jcada a mais superior em todos os merca
dos, aonde tem sido importada ; he esta a
primeira vez que vem a este mercado,
pore'm garante-se a veracidade da infor-
maeo: vende-se nicamente no arma-
zem de Tasso Irmos.
Vende-se urna grande escada fi\a de 22 palmos
de comprido e 4 1|2 de largura, ptima para solilo,
le madeira pelia-niarlim, muilo bem feite, por pre-
go muito barato, para desocupar o lugar : na ra de
llorlas n. 82.
PILULAS
Esle inaetimavel especifico, cocelo inleiranieii-
le de hervu medicinaes, 11S0 conten merenrio, era
alguma oulra substancia delfclerea. Benigno a aaato
tenra infancia, e a compleigjo mala delicada, be
igualmente prumpto e seguro para' desarraigar o
na compleiglo mais robusla ; be inleiraraenle isa
ccnie em suas operagoes e effeil ; pois busca e M-
move asdoencas de qualquer especie e grao, p*T
mais amigas e tenares que aejam.
Entre militares de pessoaa curadas com este re-
medio, mullas que ja eslavam as porl. da estele,
preservando era seo uso, cofcseguiram recobrar n
saude e Torgas, depois de haver tentado inolilnwote
lodoa os outros remedios.
Armis afilelas nao devem enlregar-sa a deaespe-
rarao ; fagam um rmpeteme emaia dos rfneazw
elidios desla assombrosa medicina, e prestes reco-
perarao o beneficio da saude.
Nao se perca lempo,em temar ease remed para
qualquer das sguuilesenfermidades j
Accideutesepileplieoa.
Alporcas.
Ampo las.
Arelas .mal d').
Aslhma.
Clicas.
Convuls&es.
Debilidade ou eilrnoa-
go.
Debilidade ou falla de
forgas para qualquer'
cousa.
Desinleria.
D*r de garganta.
de barriga.
11 nos ros.
Dureza no ventre.
Enormidades no ligado.
venreas.
Enzaqueca.
Ervslpeie,
Pebres biliosas. -
inlermillenles.
labre loda especie.^
Gota.
torrhoidas.
ropisia.
ca.
1 udigesl&es.
litflaminacot-
Irregolaridad da mena
iroagso.
I.ootbrigas de (odaespe-
cie.
Mai-de-pedra.
Manchas na culi*. .
Obalrurcjto de veatre.
I'hlisjtaou coBsnfcftrio
pulmonar.
Ketengio d'ourina.
Rheumalismt.
>} m plomas serMdario*.
Temores.
Tico doloroso.
Ulcera.
Venreo (Srt.V,
POTASSA BRASILEIRA.'
Vende-se superior potassa, fa-
bricada no Rio de Janeiro, che-
gada recentemente, recdmmen-
da-se aos senhores de engenhos os
seus bons eireitos ja' experimen-
tados: na ra da Gruzn. 20, ar-
mazem de L. Leconte
Companhia.
Vende-se nma balanga ron*
aetis pertences.em bom uso e de 2,000
pretender, dirija-se A ra da Cruz, arm
^sguiao
e algodao,
muilo superior, com 11 varas a pega, por _
vende-se na ra do Crespo, loja da esquina qa
ta para a ra da Cadeia.
A3$500
, Vende-se cal de Lisboa ltimamente chegada, as-
sim como potassa da Russia verdadalra : na praga do
Corpo Sanio n. 11.
Vendem-se es as pillas no elabelecim*to aera!
de Lendres, n.244. Slrand, na lojTZ^oVw
boticarios, droguistas e oulras pessoas tacar
He^n". enl Uda A> Sul?!
Vetide-seasbocetinliasa800rs. Cada urna netta
contera urna mstrocgSo em porluauez para einlirar
o modo de se usar'deslas pilulas.
O deposito geral he em rasa do Sr. So.m phar-
raaceuuco, na ra da Cruz n. 22, em Pern
CHAROPE
BOSQUE
O nico deposito contina a ser na blica eVe Bar-
llielomeu Francisco dcSou/a, na ra lardad* Rosa-
rio 11. 30; garrafas graudes5a500 e pequen 3>000.
IMPORTANTE PARA 0 PUBLIC
Para cura de phlisica em lodoa os sena diBerenles
graos, quer motivad por coiulipaetea, losse, aslh-
ma. pleuriz. escarns de sangue, dr de eoataooi
peilo, pntpitagSo no coragao, coqueluche, bronc
dr na garganta, e lodas as molestias dos orgSt
monares.
Vendem-se sellins com perte H pa-
tente inglez, e da melhor qug
tem vindo a este mercado :^
de Adamson Howie&C. ra do Trapi-
che n. 42.
W CORTES TURCOS.
\ endeqi-se estes delicados corle* de cana prela
com piulas carmezins a listrados, os mais lindos pos-
sivei pe'a sua novidade de padroes, e so se vendem
as lojas dos Srs. Campos <& Lima, rna doOespo ;
Manoel Jos Leile, roa do Qoeiroado ; Narciso ala-
ria Carneirn, ra da Cadeia, por prego maito em
conla.
vwitfirtfizutwiirM
M.^MnMHMMaSM ____ __ ---
ajela esleariniis de 6, pellas dr irarmore
3 p" mesas, popel ya>j inglez, papel de
rmbrulho, oleo de linhaga em botijas, chico-
para carro e arrfe para 1 e 1 cavallo,
le
ibrjjca d* aaatleatVH
laiar, tinta biauca o
Da

NCIA
FondicaoWjLow-Moor. Roa da
Senzala nova n. 42.
Neste estabelecimento contina a ha-
ver um completo sortimento de moen-
da* e meias moendas para engenho, ma-
china de vapor, e taixas de ferro batido
e coado, de todos os tamauho, para
dito.
Rucado de listras de cores, proprio
para palitos, calcase aquetas, a 160
o covado.
Vende-se na ra do Crespo, loia da esquina que
olla para a cadei.t.
Chales de merino' de cores, de muito
bom gosto.
Vendem-se na ra do Crespo, loja da esquina aue
volla para a cadeia. "
Moinhos de vento .
orabombasderepuxopara regar borlase baixa,
decapim.nafundigafideD. W. Bowman i narua
do Brum us. 6.8e 10.
AO SENHORES DE ENGENHO.
Reduzido de 640 para 500 rs. a libra
Do arcano da inyencao' do Dr. Eduar-
do Stolle em Berlin', empregado as co-
lonias inglezas e hollandezas, com gran-
de vantagem para o melfaoramento do
as suca i-, acha-se a venda, em latas de 10
libras, junto com o methodo de'elnpre-
ga-lo no idioma portuguez, em casa de
N. O. Bieber & Companhia, na ruada
Cruz. n. 4.
formas de fern
lim da India
verde, metal anata* para forro,
mano, armamento Tj todas as t^L^L\
babos de linho, de calfr de manilha
lo pite de .--ueci.T, ejampagneM
nos do Renho : veudem-se no armazem de
J. Astley & C, ra da Cadeialp. 21.
Vendem-se dous pianos fortes deja-
caranda", construcc,uo vertical e cota'to-
dos os melhoramentos mais modetiH,
tendo vindo no ultimo navio de Harobur-
go : na ruada Cadeia, armazem n. 8.
Venderse um rico violao de chaves,
todo marchetado de madreperola com
muito bons sons e muito cert- de re-
gra: a pessoa que o pretender e
dirija-se a praca da Independend
14ei6.
#-
\ ende-se a armacao da urna taberna cao oa
poucos.fundos que lem, no largo da Tremp
commodos para grande familia independel
Lerna, rom bom quintal, carimba que anta agua
dentro de casa e com a qoa$ le faz garepa para f ni-
maes, do que est muito afreEuezda,#aeu ali
suel be muilo commodo : os prelendenic-
lugar, que acharlo com
ao sobrado n. 1 no mesmo
qoem tratar.
Rape.
Vende-se o verdawhro e muilo fresco rap
Crrdeiro : na ra larga do Kusarlo%. :(8, hiato a
botica. \
BOM E BARATO.
Vcnile-'P um terreno cora 60 palmos de frente, e
fundo .t balso mar, promplo para edificar jtor ca-
lar aterrado, >ilo no aterro dos Afogaaos : oo paleo
do Trrgo n. 4.
Villa^verde<
CAL DE LISBOA A 4>000.
Vendem-se barris com cal virgem de Lisboa, para
fechar conlas, pelo diminuto prego de 49000 o bar-
ril : na roa da Cadeia do Recife, loja n. 50, defron-
le da roa da Madre de Dos.
Continua-se a vender a verdadeira bolacha fina
denominadaV||a-verde, na padaria da ra Im-
perial confronta a fabrica de sabio n. 173, rea es-
Ireita do Rosario n.9 A e i5. Kanael a. 14, largo
^ do Carmo, quin iLj.oa de Horlas n. 2, Lr
^~- JS^6 ; e a que se vender em onl'a qu||
eewa mesma denominagao he falsa.
Vendem-se as melhtres bich
que ha no mercado, lano a ceios i
tambem saalugam: na ra das &
Vende-se excellente taboado de pinho, recen-
temente chegado da America : na rui de Apollo
trapiche do Ferreir', a enteuder-se com oadmiuis
ador do mesmo. <
"Vendem-se em casa de S. P. Johns-
ton & C., na ra de Senzala Nova n. 42.
Sellins inglezes.
Relogios patente inglez.
Chicotes de carro e de montara.
Candieirose casticaes bronzeados.
Lonas inglezaf.
Fio de sapa turo.
Vaquetas de lastre para carro.
Barris de grnxa n. 97.
Vinho Cherry em barris.
Camas de ferro. '
Taixas para engenhos.
Na fuudicao' de ferro de D. W.
Bowmann, na ra do Brum, passan-
do O chafariz continua haver um
completo sortimento de taixas de ferro
fundido e batido de 5 a 8 palmos de
bocea, as quaes acham-se a venda, por
preco commodo e com promptidao' :
embarcam-se ou carregam-se em carro
sem despeza ao comprador.
Vestidos e chales.
Vendem-se chales de seda Brandes com algum
mofo, pelo barato prego de ($000 rs., cortes de cas-
ja de cores com barra e aleumas pintas de mofo,
pelo diminuto prego de I&6O0 o corle, assim como
oulras muitas fazendas por baralo prego: na ra
da Cadeia do Recife loja n. 50, defronle da run da
M idre de Dos.
Brins de vella : no armazem de N. O
Bieber & C. ra da Cruz n. 4.
Sedas ricas.
Vendem-se corles de seda branca e de cores, com
babados. fazenda superior : i loja de 4 portas, na
ra do Oueimido n. 10.
ESCRAVOS
O abaiso assiguado, morador na ra da Con-
cordia, di boa 'gralificario a quem Ihe appreliender
o seo escravo pardo Herenlan, que reprsenla ler
16 annos, que do silio a ilharga da igreja do Mon-
leiro aonde se conservava acerca dajkrious annos, deja
appareceu domingo 28 de oulubro nodo, as seis ho-
ras da manilla. Nesae mesmo dia foi encontrado na
Varze, aonde foi nascido e criado, e no seauiule es-
tove no engenho San Jlo no dilo logar da Varzea,
aonde foi vislo por diversas pessoas, e procurou a
um lavrador do citado engenho Francisco Xavier
Correia para o comprar, cojo Xavier he sobrinho do
linado Jos Xavier Lina Wanderley a qoem dilo es-
cravo perlenceu ; leven urna caira da latead* de
linho eom quadros, camisa de madapoln e chapeo
de pallia pintado de novo com lini azul, e unta Uta
cor de rozo Ierra, lie regular de corpo, fuma, lem
em urna das candas urna cicatriz por causa da urna
ferida que leve, tero os denles alvos a os da irenle
largos, abre um pouco as pernos quaiidnjmotinh,
he bastante vivo e a cor lia sobre escara. Rnga-se aa
autoridades policiaesa captura do mesmo.
Antonio l'into de Barros,
100$000 de gratificarlo,
Desappareceo no dia 1" de agosto proxij
do, pelas 7 horas da noile, a prela l.ouren
glo Angola, de idade 35 a 40annos, pouc
menos, com os signaes seguintes : um de
direita inchada, magra, (em marcas brancas
pernas; levoa camiaa de algodftoziaho, resW
chita niza, panno lino, crois orna tronza de reoea:
rosa-se a lodas as autoridades polieiaes ou capsules
de campo que a apprehftmtaak e levero a seu seeaVor
Baga do Cea* Si
IT, que receber a
PF.RN TYP. DE M. F. DB|FaRIA 1855
BM"-''"'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2TFZNXUZ_KD5RT0 INGEST_TIME 2013-03-25T16:35:09Z PACKAGE AA00011611_00488
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES