Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00455


This item is only available as the following downloads:


Full Text
VA
Anuo de 1846.
Sabbado
O DIARIO ponlic-e todos os dii que no
oren da guarda : o preco da aasignatur* lie <
(non r. por qurtel, fagot adianladai. Os
ananncios do, assignanle inserido a razio
de 1 ri, por linl.a, 40 rii en ypo diOeren-
le a a, repeticas pela melade. Of que nSo fo-
.re'm Miignantes p*go 80 ria por liaba, e IGB
em lypo differenle.
PHASES DA LA KO MEZ DE .NOVEMBRO
la. che a S, a, 0 hora 51 minutos da maoh.
Mingoanlea 10, borne Js min. damanh.
Lu nova a I, as.8 horas c 39 mi. rli-larde.
Crstctnie a Js, ai 8 horas e 11 mi, da tarde.
PARTIDA DOS CORRFIOS.
C.oiann e Paral, vi*. Segundas e Seztos letras
Rio Grande do Norte, chega as guaras lairas
M meiu dia e parte uas masmai Iioras na*
Quintas fairas.
Cabo, Se.inhaom, Rio Formoso, Pnrlo Calvo a
Maeyd. no l., II e Jl de cada mez.
Garanluins a Bonito a 10 e 24.
Bo-Vislae Flores a 13 e 28.
Victoria oas Quintas feira,.
Ulinda lodos os dial.
PREAMaR DE HJli,
Primeira a 0 h SO minutos da tarde ^
Secunda a 0 h. 51 minutos da maiilia.
,1c Novembro. Anno XXII. K. M-
I
dias"da semana.
!J Secunda. S Chenle. Aud.d..J,dos orpl.
, ,1o J. do G. da 2. V-, do J. M da IV.
2< Tarea, S. Porciano Aud. ilo J. do c.v. v.e-doJ.de paz do?, diside!.
3t Cuarta. S. Jocunda. Aud. do J. dcrv. d.J.
v e do i. de pal do i disl. de U
36 Quima. S HUino. ud.doJ. deorpbao,
do I .municipal da I. vara. 1
27 Sasla" Jo.ipl.at. Aud. da J. rio civ. da I.
v e do J. d paz do I. dist, de I.
38 Sabbado. S llortul.no. Aud. do 1. do civ.
da I. v., e do J de paz do I. dist. e J. da I.
30 Domingo. S. Saturnino.
CAMKIOSNO DIA 57 DE NOVEMBRO.
Cambio sobreI.ondre*38 a 28'/,d.p.lf 60 d.
Par S5 ris por I raneo.
Lisboa 100% de premio.
Pese, de Irtras de boa* (irmaf I 7f1>- V.";
Os.ro-Onc.sh.--spanl.ola... W {*??
. Moeda.de 6J.no vel. 16,200 a 1JS"0
, de 1*100 nov. I|000 a I6f 00
de 41000... Wn '
Prata PaUcOes..........
Pesos columnarc.
Dilos Maaicanos.
, Miuda... ......
ij'.iim' a
1(090 a
i mo a
1*160 a
2*060
31000
*?
l|7i(
iriiuua. ......... "r'
Acede da Comp. do lidiarme de 60JOOO ao pao
DIARIO DEFERWAMBCO
PAKTE 0FFIC.AL.
LE N. 161; DE 14 DE NOVEMBRO DE 1846.
^ulorfW 9.vrtlde*eia a mandar construir umn ponlf oor o
rio Japomm e a fater abrir i acatar o rio Uotanna.
Antonio Pinto Chichorro da Gama, presidente da pro-
vincia de Pcrnanibu. o. Faco saber u lodos os seus ba-
bitonto, que .a assemblea legislativa provincial deuc-
tOU, e u saiiccinnri a le seguinte >
i,l 1 o presidente da proviuna he autorisado fa-
icr todas as desprzas necessarlas com a consiruccao da
ponte do rio Japoii.im, abertura c cscavacao do no Golau-
na. no termo desle nome.
Art. 9 Para occorrer semelhante despeza, apphcar
a verba designada para as congruas dos conegos, cujo
pagaiiirnlo passou para o cofre geral; e Igualmente as
verbas decretadas para outros servlcos, que se poderein
suspender sem Inconveniente.
Ficio revogadasas bife dlsposicrjes ein contrario.
Mando, porlaulo, a todas as autoridades, a quein o co-
nheciiuenlo c execucao da referida le perteucer, que a
cumpi'So e faco cumplir lao inteiramente, como uella
se conten. O secretario interino desla provincia a faca
imprimir, publicar e correr. Cidade do Recito de Per-
nambuco aos qualorze das domez de novembro de mil
oitocentos c quaienta c seis, vigesimo-quinlo da indo
pendencia e do imperio
I jj, itnloaio Pinto Chichorro da dama.
Carta de lei, pela qual V. Exc. manda czecular a reso-
llicio da assemblea legislativa provincial, que houve
pur beni sauccionar, auloi isaudo a prcsideucia a cona-
truiraponte do ro Japomliu, abertura e cscavacao ao
rio Ooianna, na forma cima declarada.
Para V. Exc. ver.
Thtodoro Machado Freir Pereira da Silva a fez.
Sellada e publicada insta secretaria da provincia de
lYinainbiico, aos 14 de novembro de 1840.
/nlonin Jote de (Mireira.
Registrada a folhas S95 do llvro 1." de registro das leis,
que serve nesta secretar! da provincia de Pcrnainbuio,
aos 14 de novembro de 1846. '
UanoeUoii de Souza Luna.
LEI S. 162. DE 14 JJEKOVF.MBRO DE 1846.
Conedeooarrrmolaii doimpoito de 2/000 r. por cabecade
ando contumido o uiunicipio de oiannaf em o irirnnia de
1841 a 1843, um abale da quinta parle do preco da arre-
matafo.
Antonio Pinto Chichorro da Gama, presidente da pro-
vincia de Pcrnainbiico. Faco aaber a lodos os setis ha-
bllanlcs, que a assemblea legislativa provincial decrc-
tou. c eu sanecionei a lei seguinte :
Art 1 Fica concedido ao arrematante do Imposto de
dous mil ris porcabeca de gado consiiiiiido no "><'>-
nio de Goianna, no triennio de 1841 a 184.1, o abate da
quinto parte do preco, poique foi arrematado este i m-
r0A2. Firo revogadas todas as iris e dlsposices em
coulrrio. ,, ,
Mando, poilanto, todas as autoridades, i. qufm o
conhecimento e execucao da referida lei perteucer, que
a cuinpro e facao cuinprlr lo Inteiramente como nella
te conten. O secretario merino da provincia a faca
imprimir, publicar e correr. Cidade do Recito de Per-
lianibuco. aos quatorzc dias do mez de novembro de mil
oiloceulos e quarenlaeseis; vigesimo-quinlo da inde-
pendencia e do imperio. .
L S Antonio Piulo Cfiiehorro da bama.
Carta de lei, pela qual V Exc. manda execular o de-
creto da assemblea legitlaliva provincial, concedendo o
abato da quinta parle do preco, por que fol arrematado
o impostode dous mil lhj porcabeca de gado do no municipio de Golauna, no triennio de 1841 a 18-m
Para V. Bxc. ver.
Ignacio Antonio rnela fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia de
l'iTiiaiiibuco, aos l4 de novembro de I840.
ilatonio Jote de Olivnra.
. Registrada a folhas 6 do livro 1." de "M^m^
que serve nesta secretaria da provincia de 1-crnambuco,
aos 14 de novembro de 1840.
Jfanoel Jo de SoutaLuna.
LE N. 163, DE 16 DEWOVEMfiRO DE 1846.
Autora a preridenci a contratar com "" "P"*" fou
eiona/oe.lran9ira a eon.lruccao de ^.f"'0"
de pedra, que communique o bairro de Santo-Antonio com
a pnroaco do Afogadoi.
Antonio Pinto Chichorro da Gama. Pr"'d,cnJcj" ^;
vincia de Pernamhuco. Faco saber a ^^StST
bitames, que a ajMembla legislallra provinc.al decre-
tou, e eu sanecionei a lei seguinte : ,,.|.in .
Arlieo 1. Fica o presidente da provincia aiiloiis.ido *
con alar coin nina companhia nacional ou e.trangeira
a factura de una ponto pensil, ou de pedra. como for
miis conveniente, e que coiniuunique o bairro de >aii-
:S-; Ai** Afolado.. co^dendo
nos cmnrezarios privilegio de pedagio pela orma se
gulnt --d" rei.porc.oa pedestre ; viute r/i( por cada
Snlmal eavall.r. vaceum ou muar, c vluic res por cada
r"ArtdV"FieCp,r'evogada. toda. a. lei, e dlspo.icde. em
"atondo; portanto, toda, a, .jtato. W
conbeclmenlo e execucao da I^WW*^
uue a cumnrao, e acau cumplir too inteiiami m<
'e'omo^neli7e conlm. O secretorio inirnuodr.to pro-
vimia boa imprimir, publicar e correr Cidade_ o
Recito de ^erodmbuco. aos dezaseis do mez de no
bro de mil oitocentos e -renla e seis ; vigesuno-qui,.-
lo da independencia c do imperio.
i i ^alonio 1'i.ilo t'Airaorro da (.ama.
Carta de lei, pe, qual V. Exc. manda executar a re-
so fuetoda ..,e,.!bl.qiegslaliva proViacial. '"^do
op.esidenteda provincia a contra "=""'u,"Vr1 "C
nhia a factura de urna ponte pensil, ou <*<*.**
con.muniqneo bairro de Santo-Antonio coi .. povoa-
cao do. Afogado, ; ludo MM^tehn *"*
nrorf.ro lachado Freir Pereira da Sifca te.
Sellada e publicada ne.U -cetar.a da provincia de
Pernambueo ao, 16 de novein.u-o^-jj"*^.
Registrada a folha, 297 do livro 1.' de w'|JjJ"
Iris, que serve nesta secretoria da provincia de Pe
nambuco, ao, lBde novembro *': fuml
Manocl Joi de Souto Luna.
de mil oilocenlo, c quarenta c sei. ; vigesimo-quimo da
independencia e do imperio,
t 's Antonio Pinlo Chichorro da ama.
Carta de le, pela qual V. Exc. manda .eclar a ve"
solueiio da assemblea leglslalivapro-incial, auto isan-
,1 o govemo da provincia a despender "'*= l.re9
eontos de rcl. con. um acude a logar-J*^
Ramalho -i bem como a de um cont de ris com ou-
"roatude no lugar da Gloria-do-Goil ; ludo na forma
cima declarada. para v. Exc. TOr.
niodWo Machado Freir Prrlra da Silva a f-
Sellada c publicada nesla secretaria da provincia Uc
Pernambueo aos 16 de novembro de f
y4n(omo Jos de Ulicexra
Recislrada a folhas 298 do livro 1. de registro de leu,
que serve nesta ocelaria da provincia de Pernambueo,
o-10 de novembro de 1846.
Manat Jo de Souia Luna.
I.EI N. 164, DE 16 DE NOVF.MbRO DE 1846.
Allloma o ooirrno prot-tofio' a mandar construir um acude
oTiacho-do-ll/malho. cm Paja-de-Horce, e antro na
poronfdo da Oloria-do-Uoitu.
Antonio Pinto Chichorro da Gama, presidente da pro-
vincia d Pe. nambuco. Faco saber todos os seus ha-
bitantes, que a assemblea legislativa provincial decre-
tou, e eu sanecionei a lei seguinle : ,rl.,,i ,
rtico 1. O govemo da provincia Oca autorisado a
des.nfder ate quantia de ires cont, de lalMI
factura de u.macude no lugar denominado --H sil o-
do-Ramalho- termo da villa e comarca de Pajau-de-
"VrTi. Fica Igualmente autorisado a despender at a
qua laf de un. cont de ris con. a factura de umoulro
ayude na pOTOacio d.?Glor.a-do-Goito,..o lugar, que Ibe
n nri'i'i ni. i;s ruiivt'iiii'tilf. ,
PAr 3 Emquanto a assemblea legislativa provmc.al
nao decretar fundos para esta despeza. Oca o mesmo
enverno autorisado a .,.pilcar para ella parte das tobra.,
,,uc houverein na, verba, de dopeza do orcamento vi-
gfA.' 4. Flcao revogada. toda as leis e disposicoe,
f'Madofrpr.nnlo, toda, as autoridades, a quemo
con .cimento c execucao da referida el perteucer.
ou acnprao. c facao umprlr lao Inleiramenle como
?,rla "come,... O secretario interino desla provincia
faca np rl. r. publicar e correr. Cidade do Rec.fo
de Pemambuc. aos dezaseis dia do mez de novembro
ii&j&HBHOaesaaa*
t
MEMORIAS DE UAL MEDICO. (*)
por aicjcanDrc ^umajs.
PR1MEIRA PARTE.
CAPITULO XV.
MAUA-ANXOIIXTTA-JOBEHA,
AKCHIDUQl'EZA D'AUSTRIA.
NSohtWlacoineffeito lempo a perder, como dl,.era
balsamo i un. grande estrepito deca.ru.gens ^deeav.l-
los, e de vo/.es re.oava pelo cam.nho. de ord.nailo too
pacifico, que condu.ia da estrada a casa do barao de la-
V0Av's^r5o-se enlao Ir, carruagens, ...na da,^quae,
robera de donradns e balxo-relevos n.ylhologicoi, nao
esuva, a deapeifo de >ua magnificencia, nem menos em-
poeirada, nem menos enlameada do que u';f;r-
.o parar junto porta principal, u qual estar Gilberto,
cuios dilatados olhos e tremor febril revelavao aviva
rinocu ao aspecto de lana grandeza.
Vinte cavalleiros, todos mocos c lu.idot, vicrao pos-
la r-.e iunto principal carruagem, quando deila se
apeou.eneostoda um l.o.uem vestido de preto.que tra-
zia en. aspa, por baixo da casaca, a fita de grao-cruz da
Orden., urna donzella dequinze a dezaseis anno..pin-
teada sen. polvilhos. ...as con, una simp ieid.de que
notirava ao perneado urna altura de palmo eroelo a
cima da fronte.
(*) Vide Diario n.' 243.
LEIN. 165, DE 17~)E NOVEMBRO DE 1846.
onetrfe o. do por eruto, de 20 lolerio. de ^$*t*
cada orna para a conttraccaode u* iospila de '."*'''"
a denominar de nosrn.M. or rioao ..; jaWrttd **
dencia a concorrtr com o auanl.a annuai de seis eonio ai
rp.. rao. conrelo, do, prtrf do palnmnnio do tofce-
/eeimenlnsdr caridade ; indica a verba, deque, no cerrrn-
te anno financeiro, deve ter tirada cssa quantia.
Antonio Pinlo Chichorro da Gamo, presidente da
provincia tle Pernambueo. Faco saber a todos os seus
habitantes, que a assemblea legislativa provincial
decretou, eou sanecionei a le seguinte :
ArliHO 1. Ficio concedidas adinlnistracao do, esta-
beleclmentos de caridade de.la provincia vinte lotera
de cen cont, doris cada urna, as quaes aeran extra-
hidas, como fr mal, conveniente, e de HMMH
nao deixe de haver dentro de cada anno o andamento
ArtV.'owptttl das lotera, sobredits, ,e deduzir
o beneficio de dW por eruto para ser aMjiateUBraM
empregado n.edlficacSo de um hoipita. ^^dadaj
que se fu no sillo do Coelhos, c lera a denominado de
L HOSPITAL DE PEDhO II. ......
Art. 3. O presiileiite da provincia bea autorisado a
despender annualmenle com a rcedilicacao c coneer o
do, predio, constitutivo do patrimonio do, eslabelcti-
mento. de caridade desta provincia a quantia de se.s
Art. 4. No correle anno financeiro. a quantia, de que
trata o artigo antecedente, ser, deduda das obra,
que bouverrm na opplicacao da renda provincial, e aa
Importancia do ordenado do secretarlo da Prnvin,ia- "-
cando para iso revogado o art go 3 I da lei ... IM I. de abril de 1846, na parle relativa aodllo secreta.,o.
Art. 5. Ficflo revogadas todas as disposiefles em con-
trario.
- Maudo, portonto, todas as autoridades, a quem o co-
nhecimento e execucao da referida lei pertenec-, que a
cumprao e facao cumprir tao inteiramente como nella
.e cont.... O secretorio interino desla provincia a toca
Imprimir publica, e correr, tidade <" Rcc.'reifld,.p"
nambuco. aos 17 da, do mez de novembro de 181b, v
gesimo-quinlo da independencia e do imperio.
j _s Ionio Pinto Chicharro da (ama.
Carta de lei. pea qual V. Exc. manda exeeutai a reso-
lucao da assemblea legislativa provincial, concedendo
adininistraco dos estabeleciinenlo, de caridade vinte
loteras de i-em tontos de ris cada urna para a cdilica-
, ao de um hospital de caridade. com a dcnoiniiijicao de
= HOSPITAL DE PEDRO ll = c dando outras disposi-
coc, ...ais. ludo na forma cima declarada.
y Para V, Exc. ver.
Theodoro Machado Freir Pereira da Silva a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia c
Pernambueo. aos 17 de novembro de 181b.
Antonio Jos de Ulwina
Registrada a folhas 299 do livro 1. de registro de leis,
que serve nesla .ecretorla da provincia do Pernambueo,
aos 17 de novembro de 1846. J
Manoel Jos de Souza Luna.
LE |. 166. DE 17 DE NOVEMBRO DE 1846.
Sul.Via ao foro mm.m o eonnrcimenlo dos feitos ^la'J*fa
provincial; e aulorha o presidente da prqiw.a JX ncmear
aldanles permanentes ou provisores do prccurador-fiscal.
paraproporem, dsrigirem cpromorerem ai cautas da mtl-
tna faienda nos romarras rf fAra da capital.
Antonio Pinto Cliieho.ro da Cama, presidente da
nrovineia de Pernambueo. Faco saber a todos os sou.s
habitantes, que a assemblea legislativa provincial
decrelou, e eu saneeionoi Ti le sc>i>"to :
Artigo 1 ( '.(inlicfimenlo dos feto* da Tazon-
,la provincial fica pcrtcnmi.lo ao Mro .oiniiiuiti,
sendo o processo o mesmo estabclecido para os let-
tos du fazenda geral.
Art Para propor, dirigir c promover as causas
da fa/enda provincial as comarcas de lora da capi-
tal, he autorisado o presidente da provincia a no-
notncar ajudantes permanente, ou provisorios do
procurador-fiscal provincial, arbitrando- hes grat,-
Bcacfies raswvta, segundo as regias esUbeleculas
Dosparagraphos 1,2 o S, artigo 16, da le. geral de 2*
de novembro de 1811. ..
Art. 3. Fico revogadas todas as leis o disposi-
edes em contrario. .
Mando, portanto, a todas as autoridades, a quem
o conhecimento e execucao da referida resolueno
bertencer, que a cumpro c faeno cumprir tilo intei-
j-ament como nelh.se conten. O se.-.eUno interino
desla provincia a faca imprimir publicar e correr.
Cidade do Recife de Pernambueo, em 17 de novorn-
bro de 1846, vigesimo-quinlo da independencia edo
' L S Antonio Pinto Chichorro da Gama.
Carta de lei, pela qual V. Exc..manda executar a
resolucfio da assemblea legislativa provincial, que
manda passar o conhecimento dos feitos da fazenda
provincial para o Mro commum, _c autorisa-o a no-
mear as comarcas de fora da captol aldanles por-
mai.iM.trs ou provisorios do procurador-fiscal pro-
vincial, arbitrando-lhes gralilkaY0es.
Para V. Ex.o. ver.
Ignacio Antonio liorges a fez.
Sellada e publicada tiesta secretaria da provincia
de Pernamhuco, aos 17 de. novembroi de 18W.
.Inonio Jote de Olxvetra.
' Registrada n folhns 300 do livro 1. de registro de
leis, que serve nesta secretaria da provincia de Per-
nambueo, aos 17 de novembro de 1846.
Manoel Jote de Souta Luna.
PERNAMBUCO.
Ma.ia-Anloniella, pois que era ella, chega*a a Franca
co... urna rrpulacao de belleza, que nem se.npre Ira/.iao
as,, neezas destinadas apartill.ar o II. roo deuossos
res Eradimcil estabelecer una opln.ao acerca dos seus
llio, que, sem seren precisamente bello,, tomav.io.
co.rorn.ee la qiieria, toda, a,exprrssoc. cobre ludo
as .ooppo.tas de blandura e desden.; o nariz era bem
feito, bello o labio superior, mas o Inferior, aristocrti-
ca hrranca de dezasete Cesare, muito giosso. mu.lo pu-
chado, c algun.a. vezes ...uito cabido, so pareca estol
de aecrdo con. o lindo rosto, quando este quena expri-
mir a colera ou indlgnacio. trabas core admiravci.,
via-se-lhc correr osangue sob o delicado tcctdo da pe -
le- oi.elto o eolio, oshonibroseraodesuprcmab.il,-
7a' asmaosreaes. Tii.haanda.es bemdUlincto: uiH,
que ella tomava, e era firme, nobte e un. pouco apres-
sado outro.aquc edeixava ir, e era este ino le, caden-
ciado, e, poras,!... dizer, acariciador. Nunca houve mu-
mer?qertivesse maliengracada mesufa: nunca houve
a iba, que saudasse con. ...ai. selencia. Dob.ava a ca-
Leea dria s vez para de, pessoas e nessa nica in-
clinacfio dava a cada una o que Ibe cabla.
NessediatinhaMaria-Antonletta o seu o lar e,or Ir
dciuullicr, e de rflllhet fttU eslava decidida, se era
f-ssive a nao ser delphiiia por todo o da. Trans uz.a-
he o .osto a ...ais serena uanquillidade; a ...ais e-
cnu dora benevolencia Ibe anlmava o olhos. Traz.a
veslldo de ,e,i,n bronco, e nos beilos braco, us cal.ia-
Ibe mantelete de largas rendas.
Apenas po. p em ierra, voltou-se para ajudar a dcs-
cer da carruagem urna das suas damas d honor, que a
id.de i lon.avan.ais pesada; depois. recusando obra
co. que Iheorlerecia o Lomen, de casaca nreta e "'a azul
iva. cou so.iui.a, .pirando o ar, e olbando para todos os
todT como se quiUse aproveltr-se, .t as menores
cousas, da rara liberdade, que a si dava.
- Oh! que bello sitio, que bonitos arvores, que linda
casinh dlsscella. Como se ha de ser feliz ..o... estes
Do,,"a?es, cdebaixo dessas arvores, que too boa som-
brNedsse" momento, aPresentou-,e Filippe,-seguido de
Andrea, que, com os longos cabellos eutrancado. em
vesridoqde eambrala, dava o braco ao barao. que
trajav. urna bella casaca de velludo azul claro, reliqu a
de seu artUgo esplendor. Escusado he dizei\ que.
Adelphinaparou, logo que vio as tres pessoa, que
se dirigio para ella.
Em torno da joven princeza, apinlioou-.e a sua corte :
olUciaes com os cavallo, pela, redeas, corlczao, de cha-
peo na mo e braco tracados, rallando ao ouvido un
dos outros. .
Filippc de Taverney approxiinouse da delpb.na, pal-
udo de cnioco, e com melanclica nobreza:
Senhora, dis.c elle, se V. K'. real me permute, te-
rcia honra de aprcseuiar-lhe o barao de Taverney-
Maison-lloiige, ...cu pal, c Clara Audreza de larerney,
uilnha in.i.,... .
Obaro inclinou se prorundainrnte, como quem sabe
tozer cortezias a rainhas. Audreza dcciivolvco toda a
graca da timidez elegante, toda a pulidez too lisongcna
de un. sincero respeilo.
Maria-Antoniella olhava para os dous irmaos, c como
lhe occorrla o que Filippe Ibe dissea da pobreza de seu
,pai, avaliava a sua morlihcaco.
Senhora, di,se o barao com voz chela de dign.dade,
V. A. real faz extrciua honra ao castello de Taverney;
too humilde morada nao he digna dereueber tanta no-
breta e tonta formosura. .
Sei, que estou em casa de um velho soldado a
Franca, e mliiha ini, a imperan. Ma.ia-'lhereza, que
muitoguerreou, me disse, que nesla tena os maisri-
caa de gloria sao quasi seniprc o, iais pobre, de dt-
nheiro. .
E con. incfiavcl graca estendeo a bella nao a Anrc-
za, que a beiiou com o joelbo em tetra.
Entreunto assustava-e o barao, seinpre na sua Idcla
domname des.e grande numero de pessoas, que too eu-
cher-lbe a casa lao pequeua, e licarem sem assculos.
A deiphina o lirou de repente do embarace.
ASSEMBLE'A PROVINCIAL.
SESSO EM > DE NOVEMBRO DE 1846.
PHESIDENCU DO SR. *OUZ* TEIXEIBA.
fCoiitlnuacilo do numero antecedente.)
Sao lidos e approvados o, jeguintrs pareceres:
a A cominlssao de conta e orcauentos das cantora
municipaes, aque.n toriio submettlda, asila cmara da
villa de NazarrtO, doanno, que decorreo do I." de outu-
bro de 1844 30 de setenibro de 1845, entrando no exa-
mV das mesnias, achou, que a receito toi oreada em
1.893/800, da qual arrccadou-,c 580^60 r., fleando por
arrrcadarl:3l3Vl40;c'pic, setendo despendido daquan-
lia oreada 8?(tyo0-2, lieou a favor o saldo de 1:017/198 rs.
A cominlssao, linalmente, eoniparou as despejas
com os documentos, que aconipanhio, c a achou le-
galisadas : he por islo de parecer, que a, comas ejao
approvadas; litando a cmara desonerada de pagara
multa de 10000 rs., que lhc Ib i imposta, pela Taita da
Meus Senhoi es, disse ella, vollando-se para a, pes-
soas, que coinpui.l.ao a sua comitiva, neui o incoiinnodo
das iiiinha, phanlazia., nem o gozos do privilegio de
urna deiphina lhe devem caber. Rogo-Ibes, que me es-
pi.e.naqui, que eu voltarei em ine.a lio.a. Aco.npa-
nbe-ine, miohaboaLaugerhau,en, disse ella en. allc-
maodamad'bonoi, que ella bavia .judado a apearte
da carruagem. Siga-no, .enbor, dnme ella ao hdalgo
vestido de preto.
Este, que, ob asimples casaca oflerecia umanotovel
ter i on- elegancia, era hoincn de uns triuU anuos apena,, bello
o^eTn fj". e.degrado,., niaucias. arredou-.e parada,
via esquecido da insignia de grao-cruz de Sao-Luiz. pastage
pastagem princeza.
Maria-Autoniet tomo.. Audreza a seu lado, e fe.Fi-
lippe signal de vir para o p da irma.
0 barao achou-sc junto da per.oiiagem. eminente
sem duvlda, quem a deiphina conceda a honra de a
acompauhar.
__ II,. V. senlioria eolio um Taverney-Maison-Rou-
ge ? dise este ao barfio, a brincar com os bofe, da ca-
misa de mafnilica renda d'lnglaterra, com aristocrtica
incivilidade.
Como devo responder? pergunlou o barao com
una incivilidade, que em nada cedia do lidalgo vesti-
do de preto.
Diga simplesmcnte, me., principe, respondeo este,
ou vossa eminencia, se lhe agradar ...ais.
I'ois bem! saberi V. eminencia, que ou um Ta-
verney-Maison-ltouge, verdadeiro, disse o barao, .em
deixar uiciranieutc o ton. chasqueador, que lao raras
veze. perda.
A eminencia, que liuha o tocto dos grandes Iidalgos,
conheceo facilmenle, que traiava com cousa mais Bna,
do que um lidalgole. .
EU casa he a sua residencia de verao ?
De verao e de invern, replicou o barao, que dese-
java acabar com nterrogacoesdesagradaveis, mas acom-
paubando as suas reposta com urna grande concito.
Filippe, da sua parte, voltava-sc inquieto de vez em
quando para o lado de seu par. A casa, com eeilo, como
que se pproxlm.ve aincacadora e irnica para unpla-
cavel mostrar a sua pobrea.
J o barao cslendia resignado a inao para o l.miar da
porta, deserto de vi.llaiitc, quando a deiphina, voltau-
do-se para elle:
Desculpe-me, senhor, de nao entrar em casa : esto
tomba me apraz lamo, que aaui patsaria a vida. Estou
fatigada de cmaras e salas, liaquinzc diaa, que so me
recebeiit em cmaras, quaudo eu gosto do ar, da om-
bra e do perfume das flore..
Depoi., dirig.ido-se Audreza:
Mademoisella, mandar-mc-ha trazer aqui, sob es-
tas bellas arvores, unta laca de lei te, nao he assiin?
Senhora, disse o barao, mudando de ccVr, como ou-
sar oll'ereeer a V. alteza too ...esqu.iba refeico?
*- He o que cu prero, com ovos frescos, senhor.
Ovo, fresco, e lacticinios erao os meu, festn, de
Schojiibruim.
De repente surgi La llrle, radioso e inchado de orgu-
lho, vestido con. maguitlca libr, com um gnarda-uapo
I MUTILADO


*HT
i >
remesa das anas contal no (empo, que a le na rea, at-
tentos os motivos relevantes, que apresentou, ofliciando-
ae neste sentido d respectiva cmara pelo canaes com-
petente!.
ii Sala das coinnissors, 26 de novembro de 1846.
Pinto d'Almrtda. Luis liorna.
A coininissao de conlas e orcamentos das cmaras
municipios, a f|iiem foro subinetlidas as contas da c-
mara da cldade da Vl'tnria, do ailo, ijiie deeorreo do
1." de outuhro de 1S44 30 de setembro de 1845. exaini-
nando-as rom a devdn ailenco, achou, que, sendo or-
eada a recelta em ^MOtTOS. arrecadou-se 2:3f>ty78-2, fi-
cando por nrrecadar 3:587^043; e que, se tendo despen-
dido (oda a 111 r i arrecadada, nada ficou a dever,
apresentando o laido a favor da supradlta quantia
de 2-587/043.
"Achou. finalmente, a coinmlsso, que as despezas
estao justificadas com os dociinientoa, que acoinpanh-
rao: he por isto de parecer, que as contal devcni ier ap-
provadas.
Sala dai cominissoes, 26 de novembro de 1846.
Pinto d'/llmeida. Luit Roma.
Sao lldas e apprnvada as seguimos redaeces:
Do projecto n." 40, que manda descontar no ordenado
do medico do municipio os venclmentoi, que perceber
como vaccinador provincial.
Do projecto n> 33, que reconhece dlrelto na cmara
de (fin-la para cobrar at o 1 de julho de 1841 o im-
posto das bataneas de pesar asiucar nos trapiches do
Rcclfe.
Do projecto n.Ml.que transiere asede da freguezia de
Itanibc, para a capella de Santo Antonio em Pcdras-de-
Fogo.
Do projecto n.* 36, que orea a recelta e fixa adespe-
za das cmaras municipae* para oanno de 1846-1847.
O Sr. Reg Mnnlriro manda i mesa o seguiute reqitc-
imento, que, depois de algumas rellexcs, hcappro-
vndo:
l'i oponho a creacao de tuna coinmlssao de exame do
thesotiro provincial, a qual lera nomeada pelo Sr. presi-
dente. Rrgo Monteiro. t
O Sr. Presidente uoma para esta conimissao aoa Srs.
Pt'ixnlo de Brito, Posma e Juaquim Villela.
i) Sr. Juaquim Villela requer dispensa desta eoinmis-
tuo, pelo fundamento de ser prluiodo inspector da the-
icniraria das rendas proviuciacs,e sobriuho do respectivo
contador.
OiSrt. Filela Tarares e hiendes da Cunha fazein algu-
mas reflexaes tendentes justificaren! os fundaincutos
da dispensa.pedida pelo Sr. Joaquim Villela.
O Sr. Xunet alachado combate ai rcllexes dos prece-
dentes oradores.
Terminada esta breve discussao, e consultada a casa
acerca da materia, sobre que ella versou, decide-se, que
se aecclte a dispensa.
t) Sr. Pretirate iioiiiia o Sr. Carvalho Mendonca, para
substituir aoSr deputauo dispensado.
las: pondera, que, a dar-se esse fornecimento. tornar-
se-hia niillo o imposto das aferices, pois sserioafe-
rldas as muidas da munlcipalidade, a cujos cofres per-
tence o producto de um tal imposto: e faz diversas
oh tras considerares, tendente! a justificaren! ma
opniao.
O Sr. Cabral diz, que a palavra cuia quer dizer o ilies-
ino que medida, c que aquella foi preferida por ser mais
vulgar noLiuioeiro : observa, que o contrato das medi-
das he antiqnfcpImaAm villa, poli foi autorisado por
nin ouvldor em 1812. quando de povoacn que era, .foi
ella elevada a categora em que se aeha: allegando, que
semelhante,verba de recelta tein ildo seinpre approvada
pila assembla, declara, que desconhece a rasao, por-
que a pretende annullar; econclue, votando pelo ar-
tigo.
Sr. Manes Machado faz algumas eonsideraedes ge-
raes, e insiste as Ideias, que emittio. quando pela prl-
meira vez falln sobre o artigo em discussao.
O Sr. I.aurentinn vota contra o artigo, por entender,
que elle estabelece um monopolio.
O Sr. Tiburtino d algumas expllcacues acerca do fac-
to, sobre que versa a questao; c sustenta o artigo.
A iiscmso fiea adiada pela hura.
O Sr. JVune Hachado requer, que, dispensado o in-
tersticio mareado no regiment para inteivallo das dis-
cussdes, de-se para ordem do dia da sessao segiiinte os
projectoi, que hoje passro em primelra Jiscusso.
A assemhla assente ao pedido do Sr. deputado.
O Sr. Prndente d para ordem do dia da sessao se
gninie: Icitnra de projectol e pareceres; discussao
dos pareceres adiados; segunda dos prnjeclns ns. 44, 32,
e49; primelra dodc n. 48; terceira das posturas ntunl-
cipaes da Boa-Vista, Cimbres e Victoria; e conllmia-
c.'io'da segunda das doLimoeiro: e levanta a sessao.
(F.ra mais de 2 horas da larde),
"'"nte participado contadoria e ao procurado!;.
Ficou adiada a execucao do despacho da presidencia
sobre a petico de Jos Rodrigues Perelra, at sessao
vindoura, e comparechnento do Sr. Mello Caralcanti.
Por deliberarn da cmara, tomada nesta sessao a re-
querimento do Sr. Dr. Aqnian, offlciou-se ana tiscaes
para prem em effectlVa e-xecuco o titulo 2.* %% !. e 2.'
das posturas de 19 ilefevereiro de 1833.
Dcspachrao-se as prtiedes de Antonio Rotelh > Pinto
de Mosquita, Amaro Antonio de Paria, Alexandrino da
Conccico Cimente I, Auna de Freitas Antiincs. Carlos
Mnller, Francisco Antonio de Oliveira, Francisco^ Jos
de Paula, Joaquim Antonio da Silveira, Julz c irmaos de
S.-Jos; Manuel da Silva Mariz : e levaninu-ie a sessao.
En, Joo Jos Ferreira .de Aginar, secretario a subs-
crevi. llego Albuquerque, presidente -- Cintra Manotl.
Carneiro Monteiro Barro Harala Aquino.
t
ORDEM DO DA.
Primeira discussao do projecto n. 32, que reitilue fregue-
tia de tricrrai o lugar denominado Carangurjn, e diipCu, que
o limites entre esta freguetia e a do llonito tcjo os decreta-
dos pela ti provincial n. 65, de 12 de abril de 1839.
He approvado sem discussao.
Terceira diseusso do projecto u. 34, que luppriine a
frrgnezia de llarreiros.
He approvado sem discussao.
Terceira discussao do projecto n. 43, que restabrlcce
a rideira de grammatiea latina doLimoeiro, reconhe-
cendo direito para rege-la em o professor Manuel Alves
Perelra.
He approvado com a seguinte emenda :
ii InsMiire-sc o artigo 2.", que foi rrjeltado na segun-
da disctalo. S. R. -- tiii Huma. Cabral.
Sao approvadosem terceira discussao os projectos ns.
45, 46 e 47: o Io, isenlando do imposto da declina a ca-
sa, em que se reunein os Ingle/es para pralicarein os ac-
tos de sua rellgio; o2., concedendo Igual isencao por
dezannos aos edificios, que, para una nova fabrica,
construrao em Santo-Amaro os engenheiros e maclii-
nistas Chriltovo Starr t Corapaotlll ; o 3.", autorisan-
do o governo a mandar contratar pela admiuistrafao dos
rstabelecimentos de candado o pagamento, em presta-
roes, do que devein ao respectivo grande hospital Ma-
nuel Vicente de Ilollaoda Cavalcanti eseus irmaos tu-
te II. ni os.
Tainbein sao approvados em primeira discussao os
projectos ns. 44 e 49 : este, revogando a lei n. 115 de 8
de malo de i843; e aqurlle, alteraiuto o compromisso da
irmandade do SS. Sacramento da cldade de Golanna.
Continuacao da segunda discussao das posturas da c-
mara municipal do I.lnioi lio.
Tendo o artigo 9.* fleado empatado navotacao, bre-
se de novo discussao acerca dellr.
(I Sr Villela Tature declara, que vota contra o artigo,
por jiilga-lo riiinprrhensivo de una medida, que vai de
i M'iiitio aos principio! coustitucionaes.
O Sr. Kunes Machada pede, que se harmonise a redac-
rao do ai ligo com os termos prnprios da legislaran gc-
ral, isto he, que se diga medida, em lugar de cuia : e
sustenta a dniilriiia do .n ligo, allegando, que elle evita
a fraude, que da falta da providencia, queda, he bm
poisivel, que resulto.
OS, filela Tarares anda combate o artigo, por sup-
p-lo contrario a llberdade de industria, e do cnmmer-
cio: ciitenile, que elle coutein disposiedes, que a cma-
ra nio dove decretar, pnrquanto oque lile incumbi a
le foi marcar os padrdes das medidas, e nao fornre-
nopunho, em frente de um caramanchel de jasmins,
cuja sombra pareca, que a delphina invejava.
A mesa est posta para S. alteza,disse elle com una
mistura de screnldade ederesprito impossvel dedes-
crever.
Oh! rstou em casa de um encantador! exclamou
a princeza rindo.
F. foi quasi correndn para o odorfero caramanchel.
0 barao inquietUsimo, esqueceo-se da etiqueta, des-
amparouodalgo vestido dt preto, e correo aps adrl-
jiliiiia.
Filippe e Andrea olhavao um para o outro aluda mais
anciosos, que admirados.
Ao i lugar sob a abobada de verdura, soltou a delphi-
na um grito de sorpreza.
O.baro, que chrgou logo atrs, dro um suspiro de sa
lisiacn.
Andrrza deixou cahir ot bracos com ar que aigni-
ficava :
O que quer isto dizer, meu Dos?
A joven delphina vio com os cantos dos nlhos esa pan-
tomima: linli,i ella espirito capaz de comprehendr es-
irs inystorios, e o coraco Ih'os nao tivesse feito adi-
\inhar.
Sob os cipos de cleniatitos. jamiins e madre-silvas llo-
ridos, i njos nudosos tilos laucavo mil esnossos ramos,
eitava armada urna mesa oval, deslumbradora, pelo bri
i lio do lilil ti adamascado, que a cubra, e pela baxella
de piala domada, que cobria a toallia.
Dez talhores esperavo dez convivas.
1 ina rrfeico delicada, mas de urna estranha coinpo-
sifo, havia logo attrahido os id los da delphina.
I rao fructos exticos confeitados, doces.de todos os
paizes, bolinhos d'Ali p, laraujas de Malta, limAes e el
ilras de inaudita grandeza; ludo em grandes salvas
1 iiilini os mais generosos viuhos brilhavo com todas
a cures do rub e do topazioem quatroadmiiaveis gar-
rafas lavradas e gravadas na Persla.
leite, que a delphina havia pedido, enebia um jarro
de piala domado,
A delphina oibou em derredor de si, centre os seus
hospedes su vio caras paludas e assombradas.
As pessoas da comitiva admiravao e se regosijaro sem
nada compreiieuder, mas taiubeni lem procurar com
prehendrr.
t Kiitu, o senhor baro esperava-ine ? perguntou a
delphina ao barao de Taverney.
Eu, sentiora? balbuuou este.
Cmara municipal do Recife.
SESSAO EXTRAORDINARIA DE 14 DE NO-
VEMBRO DE 1846.
PltESjDENCIA 110 Sil. REG ALBUQCERQUR.
Presentes os Srs. Carneiro Monteiro, Cintra, Dr. Aqui-
no, e Karata, abrin-se a sessao, e foi lida e approvada
a acta da antecedente.
O secretario leo un ofeio do F.xin. presidente da
provincia, remetiendo, para a cmara informar, cin vir-
tude de resolucao da asseinbla provincial, urna reprc-
seiiiacan, que a iiiesuia assembla 6 prielarios de sitios no lugar da Capuuga, pedindo ade-
rogacao da postura n 24, de l4 de malo de 845 A'
commisso do petices para dar o seu parecer e formu-
lar a nformacao que sciuelhaute respeilo se deve
dar.
Outro do vereador Manoel Cavalcanti, participando,
i|iie,niir incommodado, nao poda comparecer sessao.
Inteirada.
Outro do presidente do concelho geral de salubridade,
pedindo cmara, fosse posta em ellectiva execu(ao a
postura, que manda agoar as ras e pracas desta cilia-
do, ponderando lorem apparecido diversos doeutes ata-
cados de fobres Intensas, que em parle podio sor at-
ti buidas ao grande calor, que se snll're na presente es-
taciio.--Maiidou-se aecusar a recepcao do olficio; expe-
dirao-se urd-lis ao fiscaes, recommeiidaudo-se a llol ob-
servancia da mencionada postura; e aulorisou-se ao
director dh coiiipanhia dos ribririnhos para mandar
agoar as pracas tiesta cidade, cujos moradores nao te-
iilian obrigaco de o fazer.
Outro do fiscal deS -Jos, pedindo cmara, arbitras-
se a quantia, que devia ser para ao Dr. Joo Ferreira da
Silva polo axame, que fuera em una rez, que na oc-
easio de ser murta aprosontuu syniptouias de moles-
tia.-- Mandou-se passar mandado de pagamento de
2/400 rs.
Outro do ine.sinn fiscal, apresentando os mappas do
gado ni mo para consumo em todo mez de outtibro ul-
timo, com deelaratao do que morreo do mal de tingui,
e deouiros ditl'erenlrs malos.
Outro do fiscal dos Afogadns, participando, que ainda
nao Ihe ora possivel responder a esta cmara acerca da
quena, que contra elle apresentra o arrematante dj
albricio, A. Gonealve do Jlorao.i, por Iho faltarem algu-
mas averiguarles, para ento responder satisfactoria-
mente.
Outro do niesnio fiscal, apresentando o mappa do ga-
do morto para ronsiiiiin de sua freguezia at 17 de ou-
tubro, com declaraco do que morreo de tingui.Intei-
rada.
O Sr. vereador Rarata fez o seguinte requerimento,
que loi approvado, e em consequoncia expediro-sc as
convenientes ordeus para salisfacao das exigencias co-
udas no citado rrquei monto :
Tendo de propor algumas medidas a bom do inte-
rosse da municipadaile, e nao o podendo fazer sem os
precisos esclarocimentos, requeiro, que esta cmara de-
termino, que me soja entregue por quem o deva ser: l.,
iiiii.i relaco de todas as causas desta cmara, natureza
do cada nina dolas, por que juizu peiidom.o o estado em
que seacho; 2 um balanru demonstralivo do estado
do rofro municipal ; 3.", outro balauro da receita e des-
poja do anuo fiianceiro prximo passado ; 4., o regi-
ment, que regula o trabalho desta cmara; e 5.*i o
rogiilainoiito da compaiiliia dos ribririnlios. Sala das
si'ssdei da cmara municipal, 10 de uovembro de i846.
O vereador, Manila. >
Foi juramentado e empnssado no lugar de fiscal da
Roa-Vista Ignacio Jos Pinto, para o qual fra nomea-
do em sessao de 3 do crreme, c expedio-sc a convc-
DIARIO DE PEIIMUItUCO.
Hontem nao houve sessao na assembla provincial ;
eporisso a ordem do da para a dehoje he a mesilla
que para aquella dia eslava designada.
No ultimo (leste mez acaLa na tliesou-
raria da fazenda o troce) das notas de
100#000 rs. de cor verde e as de
20,?000 T.S. papel encarnado, por
nutras de igual valor : e dessa data em
diantes poderd ser ellas substitu.las
na caixa da amortisaco em a corte do
Bio-de-Janeiro.
BESCISREtu HOJE 28.
GaleraSiror-Fs*morcadotlas.
RrigueTarujo-I.dem.
HrigueJotephina & Emiliadem o barricas vaslai
Hrlgiie-eseiuiaKnurabarricas vastas.
PatachoWaiordcarvao.
Consulado.
RF.NDIMENT0DODIA !6..
Geral. ... .......
Provincial.........
Diversas provincias. .....
Udviiiiento do Io
"TnT
fmnn
323*41?
J7/5ffl
Variedades.
que un
Sem duvida, nao he em dei minutos, que se fazem
seinel lian tes preparativos, e eu eslou na sua casa, nao ha
mais de dez minutos.
E acabou a phrase, olhando para 1a flrie, o que quera
dizer:
Sobreludo, quando se nao tem mais,
criado '
Senhora, respondeo o barao, eu esperava na verda-
deaV. A. real, ou antes eslava prevenido da sua che-
gada.
A delphina voltnu-ae-se para Filippe.
O senhor ento escreveo? perguntou ella.
Nao, senhora.
Ningiiom sabia, que eu devia parar na sua casa, se-
nhor; estou quasi a diier, que nem eu mesnio, porque
encubra este desojo a iniu inesmo, afim de evilar o in-
commodo, .|ue estou causando, e s esta noite fallelao
lenliorsrii filho, o qual, ha urna hura, anda eslava junto
a iiiini. e s me deve ler precedido alguui minutos.
Com cuello, inlnlia senhora, apcuas um quarto de
hora.
F.nlao, foi algiima fada. que Ihe rrvelou islo; tai-
vez a ni nli mli.i do inaileuinisella, accreiceulou a del-
phina, sorriudo e otilando para Andreza.
Seiihora, disse o barao, ollrreccndo um assenlo
princeza, nao foi una fada quem ucadvertio desta boa
fortuna, mas.. .. *
Mas? repello a princeza, aovr que o barao hc-
ilava.
Foi um feilicoiro!
Um feiticeiro! como assim ?
Nao sel, porque nao ontendo de mgica ; inai, em-
fini, lio a elle, senhora, que devu o rrceber com alguma
decencia a V. A. real, disse o barao.
Entuo nao podemos tocar em nada, disse a delphi-
ua, poii que esta rrfeico, que tomos diante do nos, he
obra da feilicaiia, e S. erafnencla apreisnu-se de mais
em abrir esse pastel de Straburgn, do qual por ceno nao
comeremos. E oss, minha chara amiga, disse rila
sua aya, desconfi desse vinho de t.hypre, cfapcu-
moeu.
E ao diter Isto, a delphina deitava em um grande copo
d'ouro agoa de urna garrafa redonda como um globo, e
de colla curto.
Mascom efl'eito, disse Andrea com nina especie de
terror, talv tculia S. alteza rasao.
Trema Filippe de sorpresa, e ignorando quanto se
havia passado oa'vcspera, olhava alternadamente para o
t'M NOBRB IN0LEZ K l'St TAPUL rCaTUCDEZ.
T7ni Ingle/, da comitiva de Cobden fez n'uin janlar
em Paria, a seguinte pintura de um aristcrata iuglez,
que en deixarei morallsar pelos admiradores do espiri-
to de nacoiialidadi- liritaiiuica.
Um cozinheiro (ranee prepara o jantar do nobre se-
nhor, a quem uin criado-do-quarto ruino prepara para
o comer. Os seus viuhos sao do Hhena, do Ebro ou do
Porto. As plantas dos seus jardius sao da Asia. O taba-
co, que elle fuma, he da -Imrrieii O seu cavallo he rabe.
Os seus caes de caca sao do monte San'Hernardo. A sua
galera est cheia de qoadrositaliano e ftamengo, c n sen
museo de fragmentos gregos. As perolas, que adorno
nuiadj, uo foro colliidas, de certo, em neuhuina con-
cha britannica, nem as plumas, que Ihe enfeiao a cabe-
5a,arrancadas de nenhuma ave de Inglaterra, he quer
iilraccea vai ouvir os cantores italianos, e ver os cmi-
cos allem i A sua inslrucco provein-lhe dos autores
latinos; a sua rellgio he Oriental. A arlthmetlca, que
aprendeo, he rabe; e al o seu tmulo ha de ser de mar-
more eitrangeiro!
Que nos digo agora, que ha entre nos que eitranhar
a quem monta n'um cavallo inglez. em sellim ingles,
com ti ci inglez (no cavallo) seguido de um jockey iu-
glez, com um chicote francez na mo e um charuto de
Manillia na bocea, que leva na cabera chapeo feito por
Italiano, no corpo, fraque talhado |,nr Allemao, nos ps,
bolas lenas por Francez; que alunara pao despalillo!,
com cha da China e manleiga de Cork ; que come qucl-
Jo p.-u ine/.n, bebe vinho de Champagne, loma cal do
l'i.i.d e genebia de llollanda, leas toldas estrangeirasc
uo sabe fallar porlugucz ? Ca e l ms fadas ha.
Do almanak da marinha real britannica para o anno
de 1840, extrahimos a seguinte classificacao c numero
dos olliciaes das forjas navaes inglezai.
Marinha.
Almirantes ...'........... 3(1
Vico-almirantes........... 43
Contra-almirantes..........
('apilaos.............. 766
Segiindos-cominandantes........ i.l.'l?
Tenenies..............2,575
llrigada.
Generaos e olliciaes de patentes superiores .
Cantinea.............
Primeiros (mentes..........
Segundos ditos ........!.,
Marinhagem.
I'riiui ii os inestres com graduarn ,
Segundos ditos dem.........
(.ontranifstres idin ........
(irurgides............,
Ditos assjstcntes..........
Ditos em exercicio..........
Pagadoresc dispnsenos.....'. ,
Nario entmdiis no dia 27.
Maranlio; 12 das, bi igne brasilelro Laura, de l(i:)t0.
nrladas, capiliio Antonio Ferreira da Silva Santos, p.
qilipagein 14, carga sal o mais gneros ; Jjfavaci i
Companliia. Conduz 5 escravns a eiKregar^*
dem ; 18 dias brigue-eseima krasileiro JosepMna
de 174 toneladas, capitao Jos Manoel barbosa, en,u
pagem 13, carga sal e arroz ; ao capitao. Passigeiro
A y res da Sorra Carreiro, com 1 sobriuho, 1 eicraro c
2 ditos a entregar.
Plo-dc-Janelro ; 32 das, hrigue brasilelro Animo-Gran-
de, de 190 toneladas, capitao Joaquim Cardnso, eqni-
papem 12. carga carne ; a Amnrlin Irmaos. Passagei-
ro, Joaquim Lopes dos Sanios, rom I escravo.
Santos; 18 dias. brigUe austraco Lusitano, de 414 tonela-
das, capitao O. C. Hollstein, rquipagom 18, em las-
tro ; a N. O. Bieber t C.
Rio-de-Janelro; 3fidias,patachobrasileiro Trn-di-Marto
de :96 toneladas, capitao Antonio Albino de Sonta, c-
quipagein 12,_earga farinha por conta do governo ;a
Aiuoriiii Irmaos. Traza seu bordo 13 marinhrirosp
o capitao da barca Inglesa Chardoes, que foi a pique
em latitude 22.16. e longitude 39.6. carregado de as-
iucar com destino para Cork; e velo a este porto par
desembarcaros passageiros e o capiliio, e segu para i
o Aracaty.
nio-Grande-do-Sul;29dias, hrigue brasilelro Flor-do-Sul
de 176 toneladas, capitao Jos Ignacio Plinenta.equlm-
gem 12, carga couro ; a Amorlin Irmos.
Parahiba, 24 horas, hiato brasilelro ituta-Cmi, de J|
toneladas, capito Nicolao Francisco dadista, equl- .
pagem 4, carga toros de mangue; ao capitao. Passa-
geiros Joo Paes Barreto e Joaquim Raphacl de Li-
ma.
Rio-de-Janeiro, 25 dias, brigue brasilelro Soeiedade.it
193 toneladas, rapilo Jeronymo Jos Tollos, equipa-
fem 10, carga farinha por conta do governo ; a Jos
ranclsco Colares.Segu para o Aracaty eCear.
Navin sahidn no metmo dia.
Liverpool com escala pela Parahiba ; barca ingleza J?i-
IherAnn, capitao Tilomas lliinter, carga aisurare
algodao.
Declar*iCOej.
24
lOl
131
66
497
lili
2i5
641
3t7
J5
496
7,269
ilteriita Unitersal Lisbonense.}
COMMEflCIO.
Alfandega.
REND1MENTO DO DIA 27........18:059/385
pal e para a irma, procurando adivinbar-ihes nos odos
o que elln inri.....s nao advinhavo.'
He contrario aos dogmas, disse a delphina, eoSr.
cardral vai peccar.
Senhora, nos oulros principes..... da igreja, como
multo mundanos, que somos, nao acreditamos as cole-
ras celestes acerca de viluaihas, e por sernioi muilo hu-
manos sobrrtudo nao queimainos honrados feiticeiros,
que noi servrm to bons boceados.
Nao graceje, meu senhor, disse o barao. Juro a V.
eminencia, que o autor de ludo islo he um feiticei-
ro, multo feiticeiro que me predisse, da ver una hora,
punen mais uiiincnus, achogada de S. alteza, eade
meu filho.
'-- Haver urna hora ? perguntou a delphina.
Sini, iiiiuha senhora, quando muilo.
E dentro de una hora, leve o senhor tempo de
preparar esla mesa, de j>r em contrihulcao as quatro
partes do inundo para-reunir osles fructos, e mandar vlr
viuhos de Tukey, de ConsUnca, de Chypre e Malaga?
Nene caso, he o senhor mais feiticeiro do que.o seu fei-
ticeiro.
Nao, nimba senhora ; foi el|e e icmpic elle
Como sempre ello ?
. Slm, quem fez surgir da trra esta mesa prompta,
tal qual he, ful elle eiirtlm.
Dar-me-ha a sua palavra senhor ? perguntou a del-
pliina.
A' f de gentilhomen, respondeo o barao.
i! rssa he peor exclamou o cardeal no mais se-
no tum, c abandonando o seu pialo ; en suppuz, que o
senhor graceja va.
- Nn, eniinenlissimo.
ARREMATAfAO, QDE PERANTE A TIIKSOURARIA DAS RINDAl
PROVIHCIAES l-ERA* IIF.ALISADA EM O DIA 1C D DEZKMBK0
PROVIM FUTDRo.
0 empedramento tic 270 brabas da 1.' parte do 8.'
lauco da estrada do Pb-do-Alho, feito segundo osys-
tema de Mac Adam, principiado um mez, e acabado
3mitro niezes depois da arremntaco, cpela quantia
e 2:160j000 rs., pagos em quatro prestaces, e pela
maneira prescripta no artigo 15 do regulamentu pro-
vincial de II dejulht) O brigue Soarii recebe a mala para o Rio-de-Janei-
ro (hoje) 28 do correntc, as 4 horas da larde.
0 escrivao da recebedoria de rendas internas gerars
servlndo no impodimenlo de administrador faz labor
a todos os devedores dos impostos de lujas abortas do
anno crrente, da laxa flos escravos, do anno lindo c
crrente, c da segnnda dcima de man niorta, que, se
nao salisfizerem o que eslo a dever at o lisia do mez
dedezembruprximo futuro, serao executados judici-
almente: incui rendo os que ficarem a dever os inipoitos
na multa de 3 por ernto dos seus dbitos.
Recebedoria, 27 de novembro de 1846.
Eitanilao Pereira di Ohveira.
Os credores do fallecido Joaquim
Anlodio Ferreira de Vasconcellos sSo
convidados o reunrem-e na sala da as-
socixcao commcrcial no dia 3 de deiem-
bro prximo futuro ao meio-dia em pon-
to.
BBBEBDBE
Os Srs. accionistas da compauhia de Ueberibc queirao
O senhor tem em sua casa um feiticeiro, um vei-
dadriro feiticeiro?
-- Um verdadelro feiticeiro/......F. atenume admi-
rarla, que o ouro, de que he composto este servico, fossj
de sua guisa.
( onhocer elle a podra philosophal! exclamou o
cardeal com os olhosbi libantes de cobics.
~ Oh! como isso se accommoda com o senhor car-
acal, disse a princeza. elle que toda a vida tem procura-
do a pedia philosophal, sem a poder achar!
-- Coufcssu a V. alteza, respondeo a mundana emi-
nencia, que nada me parece mais iuteresiaute do que
as causas sobrea turaes, nem mais curioso do aucas
Cousas unpossireis.
-- Ah toquei, ao que parece, no lado vulneravel. dis-
se a delphina : todo o grande hoinem tem sens nivsle-
rlos, especialmente quando he diplmala. Ku tambero,
previno-o disto, senhor cardeal, sou muilo foite em Mr
ticaria, e adivinho, e algumas vezes adivinho cnusas,
se nao iuipossiveis, nem sobrcuatnraes, au menos..-. .-
incriveis.
Era eise um enigma, sem duvida comprehensivo! so-
monte para o cardeal, porque este niuslrou-sc risirrl-
inrnte embaracadn. Verdade he, que os olhos to sere-
nos da delphina se acendro ao fallar-lhe, como um
desses relmpagos, que annunciavau nella una lemp'''"
tade interna.
Todava s o relmpago appareceo, mas nao irovejou.
A delphina conteve-se, e prnsrguio :
Ora bem, senhor de Taverney, para tornar afesla
completa, mostre-nos o sen feiticeiro. Onde etl dlc.
em que hcela o escondeo ?
-- Senhora, respondeo o baran, he antes elle quem
me inettei i.i, a iiiiiii e a minlia casa ii'uuia boeeta.
O senhor excita-me na verdade a curiosidade, dis-
se Maria-Aulonietu, decididamente quero v-ln.
O toin.com que Uto foi dito, apezar do encanto, que
Mara Aiitouioia sabia dar s suas palavras, nao adiuit-
tia replica. Obaro, que licra do pe com os (tlien*, para
servirem a delphina, o enlondeo perfeilamenie. Fez sig-
nal a La Bro, que, em vez de servir, conleniplava os il-
lustres convivas, c como que com esiia vista se pagava
de viole anuos de soldadas atrasadas.
Este lovantou a cabeca. _
V dizer ao senhor barao Jos Balsamo, disse Ta-
Terney, que 8, A real a senhora delphina desoja ve-lo
La flrie parti.
Jos Balsamo disse a delphina, que exquisito no-
ine he este f
Jos Balsamo repeli meditativo o cardeal pare-
ee-uie, que oonheca este noiiie.
Passro-se cinco minutos, sem que ninguem tlrcssi.
a idoia de romper o silencio.
De sbito eslrenicceo Andrea : ouvia ella, mullo.an-
tes que fosse perceptivel aos outrosouvidos, uin pM""
queavancava por entre o arvoredo. .
Os ramos desvirose, e Jos Halsaiiio appareceo, jus-
tanienle defronte de Naria-Autonictla.
(Coiilsiiiar-**-")'


rcafisar a entrada de 6 por cento ltimamente pedida
at o da 30 do crrente.
Ocaixa .
Jf. ( da Silva.
THEATRO PUBLICO
GRANDE FOGO ARTIFICIA!.
NO
DA. i DE DEZEMBRO,
.inniversuvio de S. 31. I. e C
Concordando alguns benemritos patriotas em aprr-
eniar mu brllhante fogo do artificio, deade a na d.i
Cadeia at palacio, o director do llicatro se lembrou de
construir uin tablado segliro, e decentemente guaruc-
I cido coin asedies na< mines, para todas as ramilla, ijue
tnmarem canarotcs. gazareni gratuitamente do dito la-
biado : e para combinar as horas dos dom divcrtinicn-
tos, principiara Infallivrlinente as 8 horas cm ponto, c
acabar as '0 horas e meia, hora propria de principiar o
fugo de artificio.
A' chegada do F.xm. Sr. presidente, se representar
un novo drama, em que ligurao: Olioda, o Despotismo,
fea LiUerdade.
lin seguida subir a icena a magestosa peca nova
n. jos. 11
nalocanda de Armrnstad, chegada do Rlo-de-Janelro
I prximamente no vapor S.-Sehailio, composta pelo Sr.
autillo Jos do Rozarlo Gucde, primelro tachigrapho
da assembla gcral.
O director do theatro declara ao r'rspeilavrl publico,
i|iie est autorisado pelo Sr. Andr Alves para annun-
ciar aapparico de un novo panno de bocea, em que
inosira, que nao s precisa mendigar auxilio estranho,
quanda o genio brasileiro quer lanzar niao dos recursos,
que prodiga Ihe liberaron a naturez* fpalavraa do
II roprlo artista, a que ae refere o director).
P.irere, nortanto, iira de toda a duvida, que lie este o
naisbrilhantc anniveraario do nosso Augusto Monar-
|. lia, pois que, principiando as sociedades patriticas de
Apollo cThalirnsea festeja-lo desde o da l. a pro-
pria Diana presidir no eu brilhante carro, at a au-
rora do terceiro dia.
PRF.SF.PF..
Todas as meninas e meninos j contratados a 20/000
e a 30/000 rs.,eosque anda o prrteuderein ser, apreson-
tem-se no domingo, 29do correte, as7 horas da noilc,
para rcceberein os scus ppela.
PuhiCfiQad Iliteraria.
Se a brevidade c clareza silo qualidades, de que
I se deve revestir qualquer systema de ensino he na
verdade escellente o das novas cartas para aprender
laler, eompostas pelo professor S. II. de Albuquer-
Iqun, onde, alm da mu benifeitadiviso do alpha-
Ibelo, seguem-sn mmediatamente os nomes rom os
Iquaes se aprende igualmente ns s\ liabas o que se
I nilo consegua pelas antigs cartas, visto que oslas
| as tra/i;*u> em separado.
A vista disto, he de suprior, que ellas sejio bein
|acccitas, pela superioridade, que levSo s outras.
Achto-sea" venda nalivraria do Sr. doutor Coiti-
I filio, esquina defronte do Collegio, pelo mdico
[proco de oitenta ris cada urna.
A
visos martimos.
= Para o Maranho saldr coin a inalor presteza o
Ibrigur-esruiia brasileiro FfM tem mrlade de seu
Icarregamento prompta : para o resto, dirijao-se ao
I consignatario Manuel Duarte Rodrigues na ra do
Trapiche n. 24 ou oo capitao e pratico francisco
I Itci ii.ii il de Mallos.
=> Para o Aracaty sai, em po'ueos das, a sumaca Car-
Ilota, mesircJos Goncalves Simas, por ter a maior
parle da carga prompla : quem na niesuia quizer car-
regar ou ir de passagem entenda-sc coin o ineaino
mi-aire ou coin Luiz Jos de S Araujo ua ra da
Gru, n.26.
=Para o Rio-Grandc-do-Snl seguir breve o brigue-
barca (enerlo o qnal recebe escravo a retc. e para
passagelros tem os melhores commodos: quem preten-
der, pode tratar coin Aiuorim Irmaos, ra da Cadeia, n.
45.
Vende-seo veleiro liiate Espodar-
le de lote tle 07 toneladas de nuiilo
boa construcc5o prompto a seguir via-
gem, e que se aclia fttndeatlo defronte do
trapiche do algodo : a tratar na rtia do
Torres, 11. 1 \.
Obligue Soarn, de prlmeira marcha, far-se-ha de
vela pava o Rlodc-Janclro, hoje 28 do presente inez ;
joque se participa a quenr tlver escravos a embarcar.
Para o Aracaty o hiatc nacional tiertide segu vla-
gein com inulta brevidade, coin o mesmo carrrgaiiienl",
que trouxe de S.-Matheos; recebe alguma carga a frefe:
os pretndeme* dirijao-se a ra do Vlgarlo, n. 5
Para o Ceai seguir, al o dia 4 de drzciubro pr-
ximo, o bein condecido patacho .narrafiati, por ter qua-
si toda a carga prompta ; porm aluda recebe alguma
carga para acabar de abarrotar ; asslin como tem ex-
cellenle commodos para passagriros : quem quizer
rarrrgar ou ir de passagem. entenda-se como capitao
do mesmo, nn com Joaquim Teixcira Lelte, na ra da
Cadeia de Santo-Antonio, n. 25, casa.ein que mora Fran-
cisco Joaquim Cardozo,
_i_. li X-JL-.-------------------------^t
=IIoje, 28 do corrate,pelas 4 horas da tarde, na pol-
la do Sr. (fautor juiz da segunda vara do civcl, se bao
le por em piafa pela ultima vea, por execucSo de Joo
Itaplista Fragozo Junior contra Jos Firmlno Alvea de
Quintal, os bens seguiiites : urna e mela duzia de cadel-
i4, mu par de bancas, un sof, una mesa redonda
(leiiieiode sala, ludo novo e de madeira de Jacaranda;
dons pares de lauteruas, nina mea de jantar, de ama-
relio, dous lavatorios, icte cudeiras aineriuauas, e urna
mesa pequeua.
Os abanto asslgnadossclentilirao ao commer-
ciodcsta praca que teetfi contrahido una socieda-
de cm eommaudite com o Sr. Antonio Joaquim Vi-
dal, nalojadarua da Cadeia, a.'M: e para an-
damento da qual deixrilu fundo stillieientcs, li-
candodoia em diant gyrando o dito cslabeleci-
mento soba firma somonte do socio responsavcl o
ditoSr. Antonio Joaquim Vidal o os annuncantes
desonerados do qualquer nutra responsabilidade
maisquea dos lundos.com queentrro como socios
commanditarios. Recite, 26 de novemliro de 1846.
Meiquitct t fluir.
Na ra do Jardim n. 32, cosem-sc los de linho
esedaperfeitamente, semapparecera costura, por
preco commodo; e tambem se tinge de differentes
cores bemeomo mantas diales, &C.
Precisa-se de dous contos de ris a premio cora
garanta : quem qui/cr dar, annuncie.
Precisa-se de um trabalhador de masseira e
que tonha alguma freguezia de vender po : promel-
te-se bom ordenado : no boceo das Barreiras n. 4.
Hoje, 28 do correte, pelas 4 lio-
ras da tarde, perante o Sr. doutor juiz
do civel da segunda varadestacidade, se
lia de arrematar a quem mais der, por
venda, um sobrado de dous andares e
soto em chaos proprios sito na ra do
Qucmado n a4> : os licitantes compa-
reci no dia e hora abrazados por ser a
ultima praca.
Antonio Jos Vicira faz publico, para conheci-
mentode quemeonvier, que pessoa alguma tifio po-
de contratar negocio algum, sejaellede que gene-
ro for, com a casa sita no Abreu-de-l!na do pro-
priodade do Sr Jos Pedro do Mello, visto acbar-se
este debitado com o annuncianlo : o todo aquello,
que o contrario fizer, correr o risco; pois que,
para isso, o annunciante passa judicialmente a exc-
cutaraqttclle Mello.
Jos SoaTcs Pinto Corroa faz publico e princi-
palmente a todas as pessoas, que teem negocios com
o annunciante que mudou-se da Soledade para a
ra de S.-Rita casa n. 83.
A vista do comprador, se entregaro boje mu-
tos objectos indispensaveis para urna casa e 111 ui-
td baratos : na ra das Larangeiras, n. 2.
O Sr. queannunciou ter a entregar urna car-
ta para Antonio Francisco Vianna, viuda do llio-
38, de 8 horas do dia as 3 da tarde.
Roga-su ao Sr. fiscal de Ulinda, baja de tomar
cautela na matanca dos gados do consumo ; pois uns
deitilo fra as rezes, que morrem, e os outros ven-
dem ao publico, como a conteceo ltimamente com
I. J. M. 0. Sr. fiscal, a lei deve ser igual para todos
como....
O BaronisladeOlinda.
Aluga-se um sobrado de dous an-
dares e sotao, com bonita vista e bas-
lante fresco, sito no largo do Hospital do
l'araizo, esquina ta ra da Koda : a Ira-
lar no pateo do Carino, sobrado novo de
um andar, n. 16.
Na loja de MvpolitoSaint-Martin & Compan|iia,
na ra Nova, n. lo", ha um novo sortimento de fa-
zendasde gosto, recebidas pela ultimo navio, viudo
de Franca; sendo: ricos MANTELETES DE TODAS AS
CORKS e dosmoldes.que se usflo hoje em Paris;man-
tasde seda do inullior gosto e padrocs modcrnosli'ii-
cos de seda e setim ; chapeos de seda, para sen hora,
ricamente enlejiados, e de bom gosto; ditos de pa-
Iba ; ilitiis para meninos meninas; luvas de pel-
lica, para hornera, de todas as cores j ditas para se-
nhora, curtas ecompridas, ricamente enfeitadas; di-
tas ilc seda, curtas e eompridas, muito ricas ; veos
para chapeos, de todas as cores; crep e seda para
chapeos, de todas as cores ; fitas do todas as qUali-
dades e larguras ; flores para chapeo cabeca e en-
feiles para vestido ; bicos de blonde, muito ricos e
de. todas as larguras ; espingardas para caca ; sel-
lins francozes muito bons ; ditos inglozes, muito
superiores; o outras muitas fazendas, tudo muito
em eonla.
Km oPasseio-Publico na loja de chapeos do
sol, de Joilo l.oubet, "se achilo ricos sorlinicntos de
chapeosde sol, de seda, tanto para hornera, como
os de mais lindos gostos pafa as senhoras, que apre-
cian o lempo festivo, e que cm lugar-algum deste
mercado os ha de tilo hora gosto ; e setis baratos
procos animao aos Srs. compradores. No mesmo
estabelccimento se achSo a venda ricos castoes pa-
ra bengalas o mesmo ponteiras, o bolntas para as
mesmas. Outro sim tem de presente inventado
uns chaiieos do sol grandes, de 32 pollegadas ,
para sonhores de ongenhos delles usarem no campo.
Na mesma loja ,se concerto e cohrem-se cora per-
feicflo e asseo ,' e isto sem tlomora ; tambem so ven-
dem chapeos do Porto.
--JOAQUIM DA SILVA LOPES pede s autoridades poll-
ciaes c capites de campo a captura de um escravo de
mime Jos de naco Rebolo estatura regular ; falla
lao bem que parece ser crioulo ; representa ter 35
anuos ; tem op esquerdn multo grosso, c na perna
urna I crida. Ksle escravo foi de Manoel Henrlquc da
Silva, da cidad deGoiunna, e foi embargado por divi-
da nesta praca, e arrematado cm praca publica pelo jui/
da segunda vara. Quem delle der noticia, dirija-se a
ra da Cadeia Velha n. 29.
O administrador da mesa do consulado, Joan Xa-
vier ( ai miro da Cunha, mudou a sua residencia, da ra
esireita do Rozado para a praca da Boa-Vista, casa n.
32, segundo andar.
= Thereza Paca de Miranda retlra-se para a capital
do imperio, levando em sua coinpaiihia una cunhada,
dous sobrinhos menores e quatro esclavos.
= O abaixo assignadn, vendo nos Diarios um remedio
para bdbas c rravos seceos, rujo remedio he cousa ex-
traordinaria, e [rudo engenho, ha inultos anuos, c ten-
do perdido diversos escravos, e desde o annuuclo des-
te remedio, tendo salvado todos, e por lim suasenho-
ra, que padeca esta molestia a ponto de j nao se poder
calcar, e com este-remedio ficou perfeitamenle sita, o
tambem um fillio de idade de 0 anuos: e romo vio este
remedio pruduzir estes elleilos, por isso faz este aiiiinn-
cio p.11 a Ilion ii o, dos Srs. de engenho, leudo visto ne-
gros aleijados c perderm a vida, por causa drsta moles-
tia. Faz este auuunclo para beneficio da iiumanidade.
.I 11(1111/11 Correia Pesioa di Mello.
- Alnga-se urna casa com copiar e trapeira no lu-
gar de S -Anua com dous porles c jardim ao lado a
qual pode servir para duas familias trndo a mesma 4
salas 7 quartos cozinha, cncheira e ettribaria com
terreno plantado de capu para um cavado aliu__de
algumas arvores de fruclo : os pretendenlcs dirijao-
se a piara da Boa-Vista botica 11. 6, ou a esta lypo-
graphia que se dir quem aluga.
O Sr. Manoel Joaquim, Ifaiate, que morou 110
HondOkNoro, (|ueira annunciar a sua motada para
negocio de seu muito interesso; isto no prazo tie ^
dis : do contrario perder tuda agencia. J>
Ra de Apollo, ns. 28c 5o.
Troca-se, por casas terrea! e tambem vende-ie a
dinhelro por preco rasoavrl, comoconvier aospreten-
dentes um grand^ terreno que delta o fundo para a
inar ; o qual est estacado e aterrado etfin um ar-
iiiaun edificado dos nmeros cima declarados r he
de esquina : o seu bom local merece toda a-preferen-
cia para quem quizer levantar um elegante predio e
offerece vantagem a quem saiba apreciar a boa locali-
dade do dito terreno : a tratar com Joo Estoves da
Silva.
Alugao-se varias casas na Copunga,
proprias para se passar o fesla, por te-
rcm muitos commodos, com grandes sa-
las, rjtiarlos, cozinlia, estribara, quartos
escravos, copiar, esc. : a tratar na
da Senzalla-Velha, n. 38, ou no
mesmo logar da Capunga, sobrado novo.
Precisa-se de um caixeiro, que tenha pratca
de venda : na ra Direita de Fra-de-Portas, passan-
do a intendencia, n. 135.
Deseja-se saliera morada do Sr. Antonio Cor-
reia Pessoa de Mello : na ra do Caldeireiro airas
dos Miirt.; lilis sobradinbon. i, ou annuncie.
Precisa-se de olFiciaes de alfaiate,
para
na
a
liClao.
-- Hoje. W do correle mor, ha leilo Judicial em
presenta do Sr. Dr. juit de orphaos, de fazendas, que fo-
rao da loja do finado I.uiz Jos de Souza, na ruado
'.'ni'imado, n. 10, as 10 horas do dia : quem quizer arre-
matar coinpareca.
ivnnaawii^v, _t_ i. ""^ms^ma^gm
Avisos diversos.
Lotera da matriz
da ciclado da Victoria.
Tendo-se apenas vendido ponco me-
nos de Hicladc dos lhrcs desta loleria*,
e nao podendo, por consequencia, effei-
luar-se o andamento das rodas no dia 51
i!, crtente; he o mesmo andamento
transiendo anda para o dia i de dezem-
bto prximo Lluro na espetones deque
para esse lempo se tenha completado a
exliacco do resto los referidos bilheles
~ Joaquim Avellino Tavarcs embarca para o Rio-
Je-Jafleire o seu escravo, de nonie Rufino.
de obra grande ; na ra Nova, n. 6o.
Aula de navegando
Agoslinho Fernandes Catanho de Vasconcellos
contina a onsinar navcgacio pratca e theorca, na
ra Imperial, n. 39
Arrenda-se o sitio do Arraial, da viuva de Hurgus &
Flhos, que ofTcrecc grandes commodldades para nume-
rosa familia : este sitio he murado, tem excellentccasa
sobradada, cercada de um espacoso e lindo jardim, co-
inha fra, com armazem; tem sobrado para pombos,
casa para feitor c rscravos, estribarlas, curial para
vaccas, duas cocheiras, e urna dellas com sotao, que se
avista paite, da cldade de Olinda; 24 canteiros, ponte e
um grande banheiro; todas estas obras sio de pedra c
cal; tem boa agoa do rio, que passa pelo sitio, viveiro
de pcixe, baixa para capim, e numerosas fiuclelras:
3uem o pretender, dlrigir-se-ha a ra Direita no sobra-
o, n. 20, que achara com quem contratar.
O abaixo assignado faz publico aos propieta-
rios das barcadas, que conduzem saceos com assu-
car por esta prae, que aquellas barcacas que
(iesrarresarem nos trapiches da alfaudcga velha do
primeirode dezembroem vante pagarO de des-
carga paia sacco 60 rs. de eadaum, o tambera os
LSre. recebedores pagarn 60 rs. de cada um no acto
separar e eviUr com isto alguna extravos que ja
tcemapparecido, icando desta forma o abaixo as-
signado reaponsavel pelos que all deseanegarem :
tambem so excederem a dous das de deposito nos
ditos trapiches pagarO mas 100 rs. de cada unido
armazenagera. -- Recife 87 de novembro de 1S46,
Joti Francisco Ribeiro da Silva.
ao bom tom Parisiense.
l\UANOVA,N.7.
TEMPTTE
Trancelina de qualquer modelo, aunis Horca, Illas ,
aderecos, pulcenas, brincos etc. ; ludo o mal* bem
feito possivel por preco mdico.
Offcrece-sc urna pessoa hbil para caixeiro de
ra: quem precisar .annuncie ou dirija-se- a ra
da S.-Rita, n. .i7, quo se dir quem ho.
Aluga-se o terceiro andar do sobrado da ra
cstreita do Rozaro n. 31: a tratar no mesmo so-
brado.
I'iirisa-sc douma ama de leite : na ra largar
do Rozario n. to>. prlmeiro andar.
Perante a.segunda vara do civcl, doutor Xa-
buco, so ha de arrematar, por ser ultima praca ,
hojo, 28 do corrente um sortimento de ferra-
gens, penhoradas a Jos Rodrigues Fon-cira, por
execur;ilo de J. D. vYolfhopp 6; Companbia.
Compras.
Comprao-so para obra da matriz de S.-Jos ,
taboas c caibros para andnimes ja servidos e que
estejilo em bora estado para esse tlm : as f.inco-
Pontas n. 31, casa do JosedeOtiveira.
-- Compra-se urna espada para ofTicint de guarda
nacional, sendo loda plateada sem roca e com
poucouso: na travessa da Concordia, n '. Na mes-
ma casa vende-sc tima barretina com pouco uso ,
para guarda.
Comprilo-se duas outres canoas, quo nSote-
nliSo mais serventa que silo para l'azcr tira aterro :
a tratar com Manoel Antonio da BilVa Molla, ou an-
nuncie. *
*= Comprao-sc escravos de 1U a 20 annos de Idade,
sadios, sem vicios, com ollicioi c sem elles: na ra Di-
reita, sobrado, n. 20.
Compra-se a obra em um volunte que tem
por titulo o actual estado da monarchia portti-
guezaeas cinco causas da sua decadencia : fia
ra largado Rozario, botiquim da Cova-da-Onca,
n. 34.
Vendas.
, ALPAIATK,
tem a honra de participar aos scus Ireguczes que dis-
solico desde o dia 15 de setembro do anuo passado ,
a soriedade que tiuhacomos Srs. Oolombiez & Coin-
panilla largando ao mesmo lempo a loja dos sobredi-
toa Srs. As pessoas que o quizerem favorecer rom a
sua freguezia o acharad na sua loja na ra Nova ,
n. 7. Tem pannos para calcas, cohetes e casacas, de to-
das as qualidades os mais novos chegados de Paria, e
a colleccao dos mais recentes flguriiios ; e recebeo no-
vamenteum lindo sortimento de objectos dr luxo e
phantaiia, de diversas qualidades.
Precisa-se de dous lavradores ; cm casa do doura-
dor, ou fabricante de candiciros de gaz na ra No-
va n. 52.
Precisa-se de um caixeiro para um deposito de
seceos: na na Direita, n. 18, a trajar at as 8 horas, c
de'ao meio-dla at 2 da larde.
O abaixo assignado avisa ao seus devedores, que
Amaro Francisco de Moura c Oliveira deixou de ser
cobrador de suas dividas desde o dia 24 do corrente, c
por isso nao levar em muta qualquer recibo, que possa
apparecer desta dataein dlanle, passado pelo mesmo.
Joaquim Ptrtira Aranlti.
-- Drsapparrcerao, da casa n. 55 da ra da Cruz, no
da 22 do corrente, dous i elogios de algibeira com os
signaes segulntrs : um de ouro, suisso, de sylindro,
com mostrador descoberto, tamanho regular, pontel-
ros de ouro, a coberta da machina de dentro tambem
de ouro e a coberta de fra lanada, figurando urna pas-
sagem: o outro dito, de prata, ordinario, de mojtrador
descoberto, bastante grande, e juntamente um trence-
lln de cabello. Roga-se a qualquer pessoa, a quem fo-
ii-iu oil'erecidns, o obsequio de os levar dita casa, que
ser recompensada.
Ha 15 das, pouco mais ou menos, que se deo
poi falta dos livros seguiutes : Direito das gentes da
Europa, 2 v.; Manual dos juizes de paz; t dito de
direito natural de Franca; 1 dito de direito natural
e privado. Estes livros suppOc-se terera sido furtados
por pessoa mesmo de casa : quem delles souber ou
Ibes forem ofTerecidos poder apprebendo-los e
leva-Ios a ra do Sol, n. II, que ser recompensado ;
e se estiverem vendidos so Ihe dar o importe delles.
THEATRO DE APOLLO
ABEUTURA
S. H.-T.
Os Srs. socios queirfio mandar receber os bilheles,
que Ihcs perteneci e pagar as mensalidades, que es-
tiverem devendo, ao tnesoureiro o Sr. Hollino dos
Anjns Teixcira, na ra de Apollo. E igualmente
3ueirilo apresentar as suas propostas para convda-
os, sem cuja approvacfio n3o poder estes ter n-
gresso.
Aluga-se urna ptima casa terrea sita na ra
Nova, que vai para a Trompe, com muitos commo-
dos para urna numcrnsssima familia, muito fresca,
com bom quintal e cacimba do boa agoa de beber
a tratar no pateo da S.-Cruz, n. 70, primeroandar.
I'erdeo-se, desde a ra da Cruz, vindo pela
ra da Cadeia do Recife, ponte, Passeio-Publico, pa-
teo do Collegio, pracinha do l.ivramento, pateo do
dito, at a ra Direita, um embrulhu contendo seis
varas de bico largo : quem o tiver adiado e quizer
restituir, dirija-se a ruado Rangel, n. 17, quo ser
generosamente recompensado.
-Vendi-se nina negra de nacao, de 17 anuos de ida-
de, de muito Jionlta figura; lava de aabao e varella, o
cozinha o ordinario de urna casa: na ra da Alegra,
11. !).
Vende-se tima morada de casa terrea na ra
Imperial, n. 91 cora bastantes commodos feita
a moderna i no pateo de S.-Pedro n. 16.
Vende-se CERA F.M VELAS do Rio-do-Janeiro ,
sortimento completo de 1 at 16 em libra e bogias
para casticaes, del, 5 c 6, em cafxas e as libras;
colla da Rabia superior, assaccas o as arrobas,
jor proco muito commodo : na ra da Senzalla-Ve-
h.-i, armazem n. 110.
No botiquim da Cova-da-Onca na ra larga
do Rozario ,-n. 31, continase a vender bichas'de
Lisboa edellespanba em qualidadc iguaes s de
llamburgo por preco commodo.
Potassa da ussia,
verdadeira e nova, em barris pe-
queos, por prego muitocommo-
do: na ra da Cruz, n. 10, casa
Je Kalkmann & RoseumunuV
Folassa.
Vende-se a bem condecida e
superior potassa da ussia, lti-
mamente chegada a este porto, e
igualmente vinbo dalNladeira, en*
garra fado, o melhor que se tem
condecido: na ra do Vigario, ar-
mazem n. 4,de Kolte&Bidoulac.
Vende-se um licoguarda-roiipa, cnvidiacado. por
50/ rs. i tuna cama de angico para casados, com rolcbao
e encherges, porl0/rs. ; um lavatorio novo, coin ba-
ca e jarro, por (i/ rs. ; dous pares de mangas do vldro
pequeas, por7'rs.; um par de banquinhas de ainarel-
lo com gavetasi por 8/rs. ; una banquinlia quadrada
com um so pil, que pode servir para nielo de sala, por
12/ rs. ; e una cama de vento de armarn, por 10/rs.;
ulna estante nova, para livros, por 8/rs. : nesta typo-
graphia se dir quem rende.
CARNAUBA.
No armazem de farinha do caes do Collegio conii-
na-sca vender cera de carnauba, a rctalho, de mui-
to superior qualidadc.
__ Vcndc-sc una preta moca de boa figura peiTeita
cozinbeira muito diligente para o servlco de una
casa ; e que se dar a contento ; urna dita cngoiuma-
deira eozinheira c cose, com uina mulalinha de uut
anuo multo bonita ; prclos de 20 annos proprios
para pageos c para todo o servico ; um moieque, de
l2annos, muito bonito : na ra larga do Rozarlo, vol-
tandopara os quarteis, n. 21, primeiro andar.
Vende-sc um lindo moieque de 14 annos, pouco
mais ou menos hem como duas pretas, boas para todo
o servlco, sem vicios e por preco commodo ; e um casal
de escravos, proprio para todo o servico c por prero
L-oinmodo : na tua do Crespo, n. 12, a fallar cora Jos
Joaquim da Silva Maya.
Vendcm-se 3 escravos, sendo: um molequo
peca, de 17 a 18 annos; urna moler, da misma ida-
do ; urna preta quitandeira; todos vendem-se por
precisuo: na ra estreita do Rozario, n. 23 pri-
meiro andar.
Vendem-se presuntos e queijos inglozes; Utas
com biscoutinhos finos e marmelada; tudo muito
novo ; na ra da Cruz, no Recife venda n. 66.
(MUTILADO


"--------------!---------------
A
Vende-sc a bordo do brlguc (7orifcifno-Ca6ocfos.il
do \ssm de lici.-i qualidade : Irata-sc abordo com o cap
tito.ou com Ainoriin Irmaos, ra da Cadria n. 45.
= Vcnilcui-se inoendasde fono para cngcnhos de as-
mcir, para vapor, agua e bostas, de diversos tamauhos,
por pirco rnnimodn ; e igualmente taixas de ferro coado
e balido, de todos os tamanhos : na praca do f'orpo-San-
lo, n. 11, i'in (ii de Me. Calinont Companhia, ou na
ruado Apollo, arinazoni, n. 6.
= Vende-so potassa branca do superior qualidade,
ein barris pequeos ; ein casa de Matheiis Auslin &
Companhia, na ra da Alfandega-Velha, n. 36.
Superior fardo.
Fareln de Trieste, em bar-
ricas de 3 arrobas ; o qual se
recoinmcnda como o inais nutritivo de quanlut aqu se
importao e por isso o inais proprlu para meIhor en-
gordar os cavados : vende-so no pritneiro arinaiein do
caes da Alfandega indo do arco ou cm casa de J. J.
Tasso Jnior.
= OcorretorOllveira tem para vender cobre em fo-
llia e pregos do dito para forros de navios : os preten-
den es dirijao-se ao mejiiio, ou aos Senhorcs Mosquita
8c Dutra.
Vende-se potassa da Rus
sia pelo milito mdico pre-
^o de 100 rs. a libra ; cal vir-
gein de Lisboa clirgad'a no
ultimo navio : no arma/emda
ra do Trapiche n. 17.
RF.I.OGIOS.
Vendein-sc 4 relogios 2 de ouro novos e suissos,
um dito um pouco usado ruin de prata em muito
bom uso ; 3 corremos de ouro novas ; tudo por mdi-
co proco : na ra da Cadcia n. 4.
= \ i inli ni -si- as ni.iis modernas caixas de tartaruga,
de riquissimo gosto, com chapa de ouro; superior ra-
p de Lisboa inulto fresco : na ra larga do Rozarlo ,
n.24.
== Vende-se cal virgen em nielas barricas, chega-
da prximamente, por preco cuiumodo; na ra da
Moeda armazem n. 15.
l\a ra do Crespo, loja nova
n. I'2 de Jos Joaquim
da Silva Haya ,
vonde-se brim .le puro linho de qundros c listrasde
core e que sio milito proprios para a festa pelo b'a-
raiissimo proco de 720 rs. cada vara ; ricns cortes de
casimiras elsticas para calcas a 6/ e 8/000 rs. cada
corte ; alpaca preta a 800 o i|600 rs. o covado ; pannos
finos, pretu e decores, por barato preco; cortes de col-
lele de velludo setim e gorguro ; tudo por prego ba-
rato ; assim comii um ricosoiiiinenlo de lencos de Seda
para grvalas multo proprios para a festa.
-- Vendc-se una nogriuha reeolhida de l5 annos ,
que cose, engoiuina alguina cousa e be de bonita fi-
gura ; um pardo bnin carreiro : no armazem de fari-
nha do caes do Collegio.
IB A endem-se novos corles de cassa de novos 8
EX padrrs e cores muito Anas pelo baraiissimo gg
tfg prego de 3/ rs cada um ; cortes do chita de no- ,','>;
'k.j vos padroes ; muilofinas eambraias, da ultima Bfcg
^s moda ; lencos de seda da India os melhores [
que teemapparreido. assliu como inais Inferi- fp
res ; merino preto, muilo fno; pannos ftnos de fc*
todas as qualidades e cores ; esguio e biela- ><
nha de puro linho ; loallias de mesa de todos os >',_'
tamauhos; assim como um couipleio sorlimen- y
lo de fazendas finas ludo por pregos, que a
vista dolas he impossivol o comprador deiiar
B de comprar : na ra do Queimado loja nova
,. da casa amarclla nos quatro-cantos n. 29.
Vende-se potassabranca, da
mais recem-chegada por mdi-
co prego : em casa deL. G. Fer-
reir & Companhia.
Vendo-e um prelo de nac.io de 30 annos de bo-
nita figura ; um pardo, de 18 anuos bom para pagem,
duende do servido do campo e he bom carreiro ;
4 prct.is rom algumas habilidades, que se diifi ao
comprador ; una negrinha de annos muito boni-
ta ; todos siin virios nriii achaques : na ra da Con-
cordia passando a ponteziuha a direita segunda
isa teriea.
Na ra da Crus no Rrcife n. 2(i, ha para ven-
der duas esclavas mocas de bonitas figuras com al-
gumas habilidades ; dous mulatiulios sendo um de 16
anuos e n nutro de r> ; sola em purgo o a relallio; cou-
ros uiiuilos ; lesenos; esleirs de lodos os tamanhos,
fritas nuCear ; urna porcao de barricas de sebo do
Aracaty um oculo de ver ao longe
Vcnde-e farlnha de trigo da marca SSSF de ra-
miiiho ; no caes da Alfandega armazem do Bacelar, a
tratar com vianoel da .-ilv.i :-antos.
Vendem-se 18 duzias de assoalho de louro,
por preco muito commodo, por se querer desoc-
cupnr o armazem sito na ra da Praia de S.-Hita ,
n. 23 : a tratar na ra cstreita do Rozario loja n. 31 \
Na ra do Crespo loja nova,
n. 1 *1. de Jos Joaquim
da Silva Maya,
vende-te um restante dos bem aerrditados cortes de In-
o'jo" paia VPR,illos dp senhora, pelo barato proco de
2/800 rs cada um ; cortes da lazrnda victoria, a .''/l'COr
cada um; ricas eambraias com listras de soda, aO/pOO rs.
cada corle; ditos do gosto chines, a 5/000 rs. cada um
corte; cassas chitas para vestidos, a 2/8000 c 3/500 cada
corte; eambraias de quadi os decores escuras, para ves-
tidos, a 3/500 rs. cada corte; calcinitas para mrninaa de
esrola a 400 rs. cada um par; lucias linas para meninos,
de diMei-cutes tamanhos; e outras muias fazendas, que
tudo se vender por preco barato, assim como um resto
das ricas e baratas lanlernas com castigaos de liuitsinia
casquiuha, e que se veudeni por 9, lOe 12 mil res cada
par.
Vende-se farello muito bom e novo, em sac-
casde 3 arrobas : no armazem do Bacelar defron-
te da escadinha, e na ra da Cruz, n. 52.
Vcnde-se una c?pada prateada sera roca ; 1
canana; 1 talim ; t banda rica ; 1 lid ; 1 barretina ;
tudoqu uuvoeem muito bom estado, por pre-
co commodo na ra Nova n. 58.
Casa da F,
na ra e.strfila to Rotario, n. 6.
Neste estabelecimento achTio-se a venda as cau-
telas da lotera da matriz da cidade da Victoria,
cujas rodas andao no dia 12 do dezembro. A ellas :
osprecos silo os do costume.
- Na fabrica de sah.'o da ra Impe-
rial n. ii'i, vende-se sahao amarelln
e pido, muilo superior e muito secco ,
pelos precos abaixo mencionados e tam-
l>em no armazem do Sr Jos Rodrigues
Pereira na ra da Cdeia do Recite.
Sabao amarello encaixado, a libra a ioj
Dito dito a granel, a 100
Dito preto encaixado. a 100
Dito dito a granel,a.....95
Sendo partidas de mais de 5o caixas,
abate-se alguma cousa no preco, e man-
da-se levar aonde for mais commodo ao
comprador.
Na ra do Crespo loja nova,
11. 15, de Jos .loaquim
da Silva Maya ,
vrndoni-se rios chapeos de seda lindamente enfelta-
dos para senhora, chrgadns ltimamente de Franca,
pelo diminuto proco de 12/000 rs. cada um ; mantas do
grande tom a 6/000 rs. cada urna as quaes se tornan
recomineiidaveis para as ncnboras que costumo ir
passar a festa
Veniiem-.se as mais superior es dra-
gonas para (ITiciees subalternos da guar-
da nacional chegadas ltimamente do
Rio-de-Janeiro, por mais barato preco
do que em outra qualipier parle : na ra
da C adeia do Renfe, luja n. 5i.
Na ra da Cadcia Yclha, loja
n. 29, de .1. O. Elster
vendem-se os seguimos viudos engarrafados
pega ; linhasde cores em carretel, a 320 rs. a duzia;
pegas de cordlo, a 20 rs. ; e outras mu tas mlude-
zas por mais barato prego do que em outra qual-
quer parte.
Vendem-se cadeiras de angico, bom fornidasc
bem feitas, mais em copla do que em outra qualqucr
parte ; na ra Augusta, n. 31, ou a tratar com Jos
Fernandes Goltz, na ra Imperial, n. 145.
Na loja da esquina
confronte ao arco de S.-
Antonio, n. S ,
de CuimarSes Seralim & Companhia, vendem-se
eambraias largas, de padrees os mais modernos, que
leem vindo a este mercado, pelo diminuto proco de
320 rs. o covado; cortes de chal fino, muito mo-
derno pelo barato prego de 3200 rs. o corte; alm
destas fazendas, ha um completo'sortimento, e tudo
se vende por prego muito commodo.
Vende-sea venda da ra da Madre-de-Deos,
n. 22, com poneos fundse bem afreguezada, tanto
para a praga como para o multo: a tratar na mes-
ii a venda.
Vendem-se, na loja de livros da ruado Crespo,
n. II, os seguintes livros latinos : Selecta, a 1280
1000 rs.; Fbulas, a 1000 rs ; Conidio, a 1000 rs.
Virgilio, a Ifioors.; Salustio, a 1000 e 1280 rs.; Ho-
racio, a 2000 e 2500 rs.; Ovidio, a 1000 rs.; Proso-
dia da stima ediefio, a 10,000 rs.; ditas francezas;
Telemaco, a 1000 rs.; grammaticas ditas, a 1000 rs.;
ditas inglezas, a 1000 rs.; Thomson, a 1600 rs. ; dic-
cionario dito e francez, a 1600 rs.; diclionaire cro-
nologiqueetraisonn des descouvertes en France,
17 v. em brochura, a 8000 rs.; obras de Pantheon
1 v. a 2000 rs.; diccionario classico, a 5000 rs. ,
Priineiros elementos orticos de direito civil, a 2400
rs.. com um appendice; Fphemeridcs nuticas, ou
diario astronmico, 1 v., a 2000 rs.
Vende-se, por multo barato pceo, uina mobilia
quasi toda de Jacaranda e ra inulto bom uso ; um pia-
no quasl novo e de excedentes votes : ein Olinda ra de
Mathias Fcrrolra, ao chegaraos Quatro-Cantos.
Vende-se urna preta moga sem vicio algum ;
o motivo da venda se dir ao comprador: na ra
Bella n. 40.
Vende-se sement de al face, muito nova, tan-
to branca como prcla : na venda da esquina do Ater-
ro-da-Boa-Vista, n. 88.
Vende-se um carro de quatro rodas, com os
seus compelentes arreios : no largo da praga da Boa-
Vista, cocheira, n. 30.
SI
^-r^m^A^^mw^
IB

i

de su-
perior qualidade : viudo do Porto muito velho ; dito
da Madeira ; Uucellas ; Carcavellos ; Sherry ; Rhrino ,
Uordeanx ; Cherry-cordial ; Teneriffe ; Champanha ;
marca cometa ; e lambem superior genebra hollndo-
la ; ago'ardcntc de Fi .inca ; velas de composicao ; cha
pelo.
= Vendem-se, recentomentc chogados queijos lon-
drinos ; presuntos Inglezes ; conservas ; cerveja bran-
ca ; ludo da inrlhor qualidade ; verniz copal, proprlo
para fabricantes c pintores de carros : na ra do Tra-
piche, n. 44.
I>a ra da Cadcia Yelha, loja
n, 50, defronte do Becco-
Largo,
vende-se um grande sorlimento de. pel-
lucia de sedo liqa e mais utensilios para
cbapeos bem como: cbbpeos de papelo,
a 8oo is. e de massa a i.siinn rs. ;
cbapeos de pnlbinha de 120 a 64o rs. ;
boneles de dita a 480 is.
Vendeni-sebicbiis grandes de llam-
bnrgo ebrgadas nltim:itiiente ; e lam-
bem se alugo, por preco commodo ; no
Aicriii-iJ.1--Jinii- \ .-I.I jirimeira venda
ao p da ponte, n. 1.
Vende-se urna casa terrea, peque-
a, no pateo do hospital do Paraizo, envi-
dradada e em bom estado: quein a preten-
der, dinja-se ra cstreita do Rozario,
n. 34, segundo andar, que ubi se dir
quema vende por preco commodo.
Vende se, na.iua da Cruz, n. 60,
cera cm velas do liiode Janeiro, de 3 a 16
em libra, em caixas pequeas, e por preco
mais commodo do que em outra qualquer
parte.
Vendc-se um fardamento completo para infe-
rior da guarda nacional, por prego muito commodo ;
na ra da Madrc-de-Deus. n. 8.
Vendc-se a casa terrea n. 20 no becco do Veras,
a sahir da praga da Boa-Vista e para a ra Velha, por
commodo prego-: na ra do Queimado lojadefur-
ragens do Sr. Cordeiro, sediraquem vende.
Na ra do Crespo loja nova
n. I'i, de Jos Joaquim
da Silva laya ,
vendem-se superiores cobertores de algodao proprios
>ara esclavos a 1/O0O rs. cada um ; urna fazenda de
indo escuro tambeni para roupa de escravos ou sac-
eos de assucar por ser de multa duiac.ao, por barato
preco.
Vendc-se um alfinetc de peito, de ouro de lei e
de bom gosto; alguna trastes ja annunciados e mui-
to baratos : na ra das Larangeiras, n. 2.
\o Aterro-da-Roa-
visla. loja 11. 14,
vendem-se longos de seda para homem e senhora,
a 640 e 1000 rs.; chitas finas, a 140 rs. o covado.
Vende-se um preto de nago, mogo, bastante
alio e reforgado do rorpo, proprio para armazem de
assucar, por ler disto pratica, e mesmo para parelha
de cadeiriuha : na ra da Cadeia, n. 59.
Vendem-se at 9 sacadas de pedra mulalinha ,
lavrada, por prego commodo; na ra de S.-Francisco,
palacete novo, at 9 horas.
CHEGUF.M FBEGEZES !
Na ra do Collegio, loja nova de miudezas do an-
tigo baraleiro.n. 9, vende-se o seguinte, por barato
prego: botOesde madre-de-perola, a 480 rs.;'bico
cstreito, a 40 rs. u vara ; meias de menino e menina,
a 240 rs. o par; pelles de marroquim, a 1280 rs.; tor-
cidas para candielro, ns. 12,13 e 14, a 100 rs. a du-
zia ; raixas e carteiras de agulhas finas francezas,
com fundo dourado, a 280 rs. ; botoes furados, de
metal branco e preto, a 300 rs. a grosa ; medidas pa-
ra alfaiate, de marroquim, a 560 rs. cada urna; luvas
de algodo, brancas e de cores, para linnien e se- .
nhura, a 320 rs. o par; luvas do pellica, para huidos, estrella, &c. ; ditos feito's
s
LIMA,
Na ra Nova9 n. 2, primeiro
andar,
tein para vender dragonas, ban-
das e fiadores para olticiaes sur
periores e subalternos da guarda
nacional ; mnntis e coldres guar-
necidos de galio de ouro; cbapeos
armados ; espadas de seo e metal
do principe; ditas com copos dou-
rados ; estrellas para abas de far-
|J das ; gales de ouro fino para
1 calcas, bonetes e divisa de todas as
patentes; botoes de metal para
tiobre-casacas militares ; ditos pa-
ra arlilbaria ns. 1 eh ; luvas de
camuica branca ; um arreio com-
pj piolo dos mis modernos, para ca-
W vallo de oicial da guarda nacio-
'rij nal ; o que Indo se vende por pre- [i
(|2| co commodo. U|
= Vende-se graxa superior, para vapores, engenho s
fabricantes de velas e para dar em encerados a 200
e 240 rs. a libra, e sendo em porcao dar-sc-ha por me-
nos ; a fallar na ra da Praia, aruiaicm, n. 18.
Carta.s francezas de jogar
para voltareite as melhores, que ha no mercado; pen-
tes de tartaruga para marrafas pelo diminuto pre-
co d e 640 rs. : na ra larga do Itozario n. 24.
Ilap princeza Novo-Lisboa
al8000rs. a libra.
De todosos raps, que a Industria brasilea tem at
hoje fabricado, nenlium imita inelhor o verdadeiro ra-
p princeza-portuguez, do que o intitulada RAP PRIN-
CEZA NOVO LISBOA, fabricado no Rlo-de-Janeiro, sen-
do tan prrfelta a sua semelhanca, que os inais ve terauos
tabaquistas o touiao pelo genuino rap princesa de Lis-
boa.
O deposito deste escolente rap, he no armazem de
AlvesVianna, ra da Senzalla-Velha, n. 11O; e lambem
se vende nos tres bairros da cidade : no do Rrcife ein
casa dos Sis. Jos Dias da Silva c Pontes It Sampaio, lo-
jas de ferragens ra da Cadeia-Velha; no de S.-Anlo-
nio _, em casa dos Srs. Antonio Domingos Ferreira ra
do Crespo, n. 11 ; Joaquim Jos Lody, loja de miude-
as ra larga do Rosario ; Jos Joaquim da Costa, lo-
ja de miudezas na ra do Cabug ; no Aterro-da-Boa-
Vlsta lujas de miudezas dos Srs. Antonio Avies de Ca-
iro & Companhia Antonio da Silva Gulmarca e Tho-
maz Peroira de Mallos Estima.
Ven,lc-iii-.se vidros para espedios ,
de varios tamanhos; ditos para vidracas:
na ra da Ouz n 10-
Vendem-se dous escravos aptos para todo o
ervigo: na ra da Moeda armazem n. 7.
-- Vendem-se as inslituigOcsdc medicina forense,
por Jos Ferreira Borges, 3000 rs.; Memorias his-
tricas do Rio-de-Janeiro, 9 v. novos, por 8000 rs. :
na livraria da ra do Crespo 11. II.
Vendem-se sapatOcs de bezerro, de sola e vira,
pelo commodo prego do 1440 rs. o par; ditoa supe-
riores, bem trabalbados,al760 rs.: no Aterro-da-
Boa-Vista, loja do ferragons, 11. 46.
= Vende-se, ou permula-se por um sitio perlo da
praca, urna excellente casa terrea: a tratar no
principio da ra Imperial, n. 9.
Vendem-se superiores charutos, ltimamente
chegadosda Baha, de todas as qualidades, bem
: regaba nonplusultra cigarrillia, cabecu-
no paiz, por bons
isso proprios para mari limos: na fabrica da rnabi
reita defronte da taavessa da Penha.
CHAPEOS DE MASSA A POLKA,
A 2400 6 2500 RES.
Vendem-se ditos chapeos no escriptorio da rus
Direita, sobrado n. 29.
Vende-se a venda da ra das Agoas-Verdes
n. 15, a venda da Camboa-do-Carmo n. 3 : i0I
das vCndem-se por seu dono retirar-se para tratar
desuasade : na Camboa-do-Carmo, n. :i,
Vendcm-se saccas com superior colla, fabrica-
da noP.o-Graiide-dc-Sul, por prego barato; barris
do varios, tamanhos de vinho do Porto, Figueira e
Lisboa : na ra da Moeda armazem n. 7.
Sal de Lisboa fino e alvo, a 1600 rs. o alquei-
re velho, e sendo porgllo.dar-se-ha por menos: na
ra da Praia armazem n. 18.
Vcnde-se urna espingarda de cagar, por pre-
go commodo : na-rua da Praia, n. 18.
Vende-se um prrtobem procedido, trabalhador
de enxada, por 350,000 rs.; 9 canoas de enrreira, a
saber : duas abertas novas, pintadas a oteo, de car-
regar familia e urna pequea de um so pao: n
ra cstreita do Itozurio, botica, 11. 10.
Vendem-se duasnegrinhas de 14a 16 annos-
dous molequos muito lindos e ptimos para todo o
servigo ; 4 escravos do servigo de campo; 5 pretas
de bonitas figuras, com varias habilidades : na ra
Direita, n. 3.
Vendem-se 4 lindos moleques, do 14 a 18 an-
nos; a ditosde7alt anuos; 1 pardo ptimo para
pagem de 17annos; um preto bom canoeiro, de
30 annos; 2 pretas com algumas habilidades, sen-
do urna de nagflo, com urna cria mulalinha, de i
annos com todas as habilidades ; uina parda, de
25 annos, com algumas habilidades: na ruido Col-
legio, n. 3, segundo andar.
Escravos Fgidos.
Alerta !
Omoleque Jos, crioulo, que representa a idadede
16 a 18 annos, fusiono dia 23 do corrente; levou cal-
gas de brim pardo claro, camisa branca; he bem
parecido, cor fula, olhos pequeos e as palpebraspe-
lo lado de dentro pretas, que parece estardoente dos
olhos; tem um dente da frente do lado superior par-
tido aomeio, que ao primeiro golpe de vista parece
faltar-lhe um dente; tem o pescogo comprido; he
muito humilde, e falla muito brando: quem o pe-
gar, leve a ra do Crespo, n. 11, que ser bem re-
compensado.
-- Anda se achao fgidos do engenho Tapicera os es-
cravos de nomos Antonio, Caetano eJoanna, annuncia-
dos no Uiario di Pernambuco e Diario de Noto de 10 do
corrente ; sendo o primeiro, de noine Antonio, visto na
ra das Cinco-Pontas, ha dias, o qual he crioulo, alto,
cheio do corpo, pomas e ps grossos com a cuUs enru-
Sada de calor de figado, do meio da cauclla at aos d-
os, e he carreiro: roga-sc a sua apprchensao s autori-
dades policiaes, capiiaes de campo, e mais pessoas, e
que os levem ao mesmo engenho, ou ra do Tabug,
n. 16, onde se dar generosa recompensa, recoininen-
dando-so a apprchensao do dito Antonio, que foi visto
nesta praca.
Fugioa cscrava Maria.de nagSo Congo, ladina;
representa ter40annos de idade, cor fula, com al-
gumas marcas de bexigas-, pintas, ou carocinhos na
magia do rosto ; venda azeite de carrapalo; ausen-
tou se da casa de sua senhora, na tarde do da 25 do
corrente : quem a pegar, leve a ra de S.-Thereza ,
11. ->-2 ou a ra da Concordia casa de Jos Anto-
nio de Miranda que ser generosamente recom-
pensado.
Fugio desde o dia 21 do corrente, urna pre-
ta de noine Thereza de nagSo Angola; representa
30 a 34 annos de estatura alta, bem preta den-
les limados, rosto redondo, aspecto alegre; tem as
costas todas cheias de grossas costuras, que pare-
cem lercm sido de bexigas; levou vestido de chita,
saia de lila preta e panno da Costa, tudo usado, e
mais2 caixoi's de folha de (landres, um maior e
oulro mais pequeo anda novo com algumas fa-
zendas e miudezas, que costumava vender na ra.
lin-a-se as autoridades policiaes, capit3cs de campo
e qualquer outra pessoa de a capturarem, e levarem
a seu senhor, Jos Saporiti, na ra da Cruz no Re-
cite, n. 18, tercero andar, que serSo recompensa-
dos generosamente.
ENIGMAS
PITTORESCOS.
IlCmiAvAD
AiaaaKiaara&raa.
Habito de Chriato he entre nos urna
condccoracao, que j aio distingue.
ShreSt'".Ara,a8^) F8' P?L;/a.raeraAra ,-rme8lre,V 'lous logios, sabonetas d~ prata, sendo!
;ibe.ra, a 160 rs. cada urna; tita de 10a, 160 rs. lum dellesde patente, muito bous reguladores, e porPERN. : m ttp. de m. f. de FAJUA.1846.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEWCM1EMQ_50NABY INGEST_TIME 2013-03-25T12:44:24Z PACKAGE AA00011611_00455
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES