Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00452


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo de 1840.
Quarta-feira 2$
O DIARIO publicase lodos o da] que no
forem de guarda : o preco daassignatura he de
4 (000 ra. por quartel, papos adianlados. Os
aanoncios dol tssagnanles sSo inseridos a razo
re }" ris por linlia, 40 ris e-n typo di fie reo -
le, e as repetices pela melado. Os que nao fo-
rtn asignantes paglo 80 ris por linda, e ICO
eni typo dillercnte.
PI1 ASES DA LA NO MEZ DE NOVEMBRO
l.ua clieia a 3, al M horas* &l minutos da inanli.
Miugoanlea 10, as I* llorase 14 mi. da raanli.
La ora a 18, s > horas e 89 mo. da larde.
Crescenls a JS, as 8 horas e 11 mi, da Urde. |
PARTJDA DOS CORRF.IOS.
(oianna e Paralivlia SeR'inilas e Sextas f'eiris
Rio Grande do Norte, chega as Quartas feiras
ao meio dia e parle uas mesinai horas as
Quintas feiras.
Cabo, Seriohacm, Rio Formoso, Porto Calvoe
Maceyo. no l., II e 21 de cada mez.
Garanhuas e Bonito a 10 e 24.
Boa-Vista Flores a II e 28.
Victoria as Quintas feiras.
Olinda todos os dias.
PREANAR DE HOJE.
Primeira a 10 h. 8 miiuilosda manlia.
Se^uuda a 10 ti. 20 minutos da tarde.
de Novembro.
Anno XXII.
N. 1MHS.
DAS DA SEMANA,
23 Segunda. S. Clemente. Au.l. d.. J. dos orph.
e do J. do C. da i. v., do I. M da 2. y.
24 Tere. S. Porciano Aud. do J. dociv. da I.
v. e do J. de paz do 2. dist de t.
25 Quarla. S. Jocunda. Aud. do J. do ct. da 2.
v e do J. de pal do 2 dist. de t.
2C Quiuta. S Hellino. Aud. do J. deorplmos,
do I municipal da I. Tara.
57 Seita. S. Josaphat. Aud. do J.do eiv. da I.
t., e do J. de pax do I. dist. de t.
28 Satibado. S Hortulauo. Aud. do J. do civ.
da i. v., c dn J. de pax do I. dist. e J. de t.
20 Domingo. S. Saturnino.
CAMBIOS NO DIA 24 DE NOVEMBRO.
Camliio sobre Londres 28 a 28'/,d.p.jf a 60 A.
I'aiis 155 ris por franco.
Lisboa 100% de premio.
Desc. de letras dr. boas firmas I ViP- "/omex.
OuroOncashespanholas.. 100000 a aoJfaOO
KIoda de 0*400 vel. IB\200 a "
i) u dcG,)400nov. ljl'HOO a
a de 411000... 0/000 a
Prata Pataoes.......... Ijun) a
a Pesos colmnnaies. 1|90 a
a Ditos Masicanos. i'.i?o a
IJTM
lfi|3uQ
It|l00
OlOfi
2/0uO
2*000
ifdttl
UT80
Miuda.......... iJio a l78(>
Acedes da Comp. do llelwribc de 50*000 ao par.
DIARIO DE PEVAMBUCO
EXTERIOR.
BESPANHA.
MADRID, 12 DE OUTUBRO
A Gixtti desta manha conten os decretos seguimos :
Scnhorn, A constituirn da monarchia ordena,
que o marido de V. M. nao tome parte no governo do
reino; mas essa disposico uo inhibe a pestoa etco-
Ihida por V. M. para seu augusto esposo degoiar das
honras, que estiio, para assim dizer, annexat alta posi-
rao. a que V. M. te dignou de eleva-lo, e que as rainhas
reinante* de Hespanlia teein invarlavelmente conferido
a seus consortes.
V. M. est alm disto autorisada a conceder honras
distinceaVs de todas a* especies. E por estas ra-
iiies lomos a honra de propora V. M. o seguinte decreto:
u Senhora. ~ Aos reaes ps de V. M., Javier de Islu-
ilz, presidente dd concelho e innaistro de exudo, Joa-
qiin Diat deCaneja, ministro de graca e jusllca, I.ou-
\ .mu Sanas, ministro da guerra, Francisco Armero, mi-
nistro da Marinha Alexandre Mon, ministro da fazen-
da, Pedro Jos Pidal, ministro do interior,
a herrn real.
Tendo ouvido omeu concelho de ministros, pores-
te conflro a meu augusto esposo, o principe I) Francis-
co de Assis Mara liorbon, o titulo honorario de rei, com
0 tratamento de magestade.
Dado no paco, aos 10 de otitnbm de 1843. (Referen-
dado por} Javier di lslurit ministro de estado, presiden-
te do concelho de ministro
RFPARTICAO POS KSTRANGBIBOS =*. DECRETO RBAL.
Desojando eu dar uin publico testemunho da ini-
nha real estima para com o conde Breason, par de Fran-
ca e embaixador extraordinario do rei dos Francc7.es,
junto minlia pessoa ; e de perpetuar na sua familia a
memoria do casamento de mjnha multoamada irma.D.
l.itiza Fernanda, pela parte, que nclle tnmou coino ple-
nipotenciario, por este concedo a seu fllho e meu afi-
lhado, Francisco Paulo Femando Fillppe de Kresson, a
dignidade de grande de Hespanha da primeira ciaste,
livre delantal t mrrlias anata*, com o titulo de duque de
Santa Isabel, para si, seut futios c successores sua casa
de mu e de outro sexo, nascidot de legitimo matrimo-
nio.
Dado no paco aos 10 de outubro de 1846. (Referen-
dado por) Javier di lilurii, ministro de estado.
OS ESTADOS UNIDOS B O MXICO.
A seguinte participacio foi publicada no Uorning Chro-
nicle de i2 de outubro. Dizlao ter sido recebida por ex-
presso extraordinario do Havre, onde se .lizia haver clie-
gado pnuco antes de Vera-Cruz un vapor com cartas de
1 de setrmbro. No havio unios de authenticar esta no-
ticia, que foi dada do mesuio modo, que foi recebida:
VEHA-CRCZ, 2 DE SETEMBRO.
Conclulro-ie os preliminares da paz entre ot Esta-
dos-Unidos e o Mxico.
i O presidente Sanl'Anna, que ltimamente detem-
harcou aqui, ten estado desde a sua chegada em cons-
tante correspondencia com um comtalssarlo americano
de Washington, Estados-Unidos, o qual aguardava aqui
a sua chegada, c, passados alguns das, acompanhou o
presidente tua casa de campo, onde se redigfroos
preliminares da paz ; ns quaet seriio assiguados a 0 de
srtembro em Tampico, para onde irao Sanl'Anna eo
commissario americano esperar unu depulaco de tres
comiuissarios dos Estados-Unidos.
u O esboyo das estiplateos propostas e acceitas por
ambas as parles he o seguinte:
Primeira.Proclamar-se c conclulr-te a paz enlre os
Estados-Unidos e o Mxico. Ccssarcm immediatainente
todas as hostilidades.
Segunda.-Ceder o Mxico a California para seinpre
ans Estados-Unidos, e pagarem-lhc estos por ella Ulna
indemnisaco de dez inilhes de dolais, em quatro
prestaces.
Terceira, Ser a pauta mexicana rcduzida metade
do seu valor actual, e enlrarem os navios americanos
Mil lodos ot porlos mexicanos sob as coudicOes mais fa-
vuravelt.
Quarta.Haver um ministro residente dos Estados-
Unidos no Mxico, c outro ministro mexicano em Wa-
shington ; e multas otaras clausulas, que nao sao de
grande importancia, excepto a de ser Paredes desterra-
do do Mxico.
* O tratado he todo concebido nos termos mais libe-
raos da parte dos Estados-Unidos, e tein porubjecto res-
labelecer a boa intelligencia sobre a base a maii (Irme
para ambos os palzcs.
Despachos dot Estados-Unidos, receidos por expres-
so de Liverpool em Londres no dia 14 de outubro pela
manha, annunciavo o facto importante de haver o
Roverno do Mxico recusado acceitar as propostas dos
E*tados-Unidos para a concluso da guerra, al que
>' nianifeslasse a vonlade do congresso cuiislituinte,
convocado jiara o 1. de dezembro prximo futuro. As
noticiai nao cr;io a otaros respeilos de grande impor-
tancia, e : exceptan de um certo riiuior de que a base
das ontracf a das Aireas dot Estados-Unidos se mudara
'inmediatamente para Tampico, nolaro tmente a re-
gular e anticipada avancada das forjas militares da
Uniao para os lerritorios do Mxico.
As noticias recebidat de Vera-Cruz akaneavSo a 6-de
soloiiibro inclusivamente. Todava, pouco accrescenla-
Vo ,i noticia recebida pola mala da India Occidental. O
hrigue hambiirguez Xaiade, Tallado em 80,000 petos,
india sido tomado p'la esquadra do bloqueio, quando
'oiiUva romper as linhas, e fui enviado como preza a
*ew-Orlcaus. Os Mexicanos linhao offerecido trocar o
I mu mandante do lirigue de guerra perdido Truzfon, |*lo
general Vega, que foi capturado no combate de Resaca
de la Palma. O presidente tinha concordado om accei-
tar a ollera. A esquadra eslava toll'rcndo inuilo do es-
curbuto, A Polomac, que havia chegado com provisiles
II l'ensacola, liuhu paramis de 80pessoas da tripolafiio
invalidas. A ttoritan e a Mismtipi linhao partido de
l'ensacola para reunir-te a esquadra.
Do Kio-Grandc sabia-se, que o general Taylor, ha-
Vcndn, seguido a liaba de marcha sobre Carilargo com a
flor dat suas tropas, a & de setembro tinha avancado at
Seraivn, e que o general Atupudia havia chegado a
Munterey para tomar o coinmando. O general Taylor
(sperava cbogar diante daquella praja para o fnn do
mez. A sua frca era avaliada em cerca de 7,p00 lio-
menr, e a d'Ainpadia de 5,000 a 8,000 bonicos. Di/.ein
ter este expedidiiiima proclamacao, probibindo toda a,
I coinmunicaco entre os Americanos e Mexicanos, tob
1 pena de morte. Havia mulla molestia entre as tropas
de Matamoras e Camargo.
Tinha-se recebido do Sudoeste noticia de que a frca
do general Kcarney havia cercado Santa-F, e tomado
poste do paii tein opposi;ao.
O general Wool estava recebefido armas, munices e
recrutat, e propaiava-se para urna marcha inmediata
tobre Chihuahua.
Altlm, dizia o Hnininglon 'nioii, ba tres arraiaes
em movimento, e esperamos saber de resultados decisi-
vos e prsperos de todos elles multo brevemente. Sup-
pe-.se. que dentro em 30 diat, ou antet disso, estar
o general Tarjar de potse de Monlercy, e talvex de
Saltillo. O general Wool, do excrcllo do centro, estar
etn Chihuahua, e o coronel Kcarney estar em Santa-
M. As redot vao-se apparentemente aportando roda
dos Mexicanos ; e tret importantes pontot ou secedes do
paiz esiarao em notsat mot, alui dot portot, que te-
ndamos binado na California.
. A expedicao da California tinha partido de New-
York.
A i nda nao se labiado resultado da ollera demedia-
cao inglesa. Tinho-se reunido numerosos concelhos
de gabinete ; eaopasso que, segundo todas at appa-
rencias, seria cortexmente recusada essa ollera, cons-
tava, que a guerra proseguira com redoblado vigor.
Dos negocios infernos dos Estados-Unidosfiavia pou-
ci< cotisa digna de noticia. A 15 de setembro tiverao
lugar na visinhanca de Nauvoo varias escaramucas pou-
co importantes, mas as desordens forao depois feliznien-
teaccommodadas sob condican de que os Mormonseva-
cuassem a cidade dentro em cinco das. Tendo ettas
condices sido acceitas, a cidade foi rpidamente cer-
cada polos Ilegtimos cidados do estado ; e, segundo
cartas de S.-Luiz, a seita desterrada cliegava todos os
dias aquello lugar ii'um estado de extrema penuria.
Noticias de Yucatn di/.iao, que o presidente Ilarba-
chino tinha publicado um decreto no llm do mez de se-
tembro, que oui tres artigos manifestava as inten(dev
do governo daquelle districto. 1.* Que Yucatn reco-
nhecia S.-Anna como chefe da revolucao, pois que desc-
java ver o Mxico gozando de um governo verdadera-
mente livre, e detettava toda a idela de monarchia.
2. Que Yucatn continuarla a preservar a tua neutra-
lidade, e seguira o mesmo sysiema de governo, que
adoptara no periodo da toa separaco.' 3." Logo que
o Mxico gozasse de um governo livre e estavel, Yuca-
tan voltaria sua posicao como parte integrante da re-
pblica mexicana, com tanto que seguardasse o ajuste
feilo em dexembrode 1843, e te reconheceste a sua ucu-
tralidade pelo que reapeita s potencias amigas.
PERNAWBUCO.
A&SEMBLE'A PROVINCIAL.
BECTIFICACO.
No discurso do Sr. Joaquim Villela, publicado em o
Diario n. IM, pagina 1.', columna 3.', liulia 51, em
lugar de = Eu mostrare! ao nobre deputado, Senhor
presidente, que asduas instituicOos 8ic. = la-se = Eu
mostrarei ao nobre deputadu. Senhor presidente, as
duas inslitiiices, 8tc.
Na mesnia pagina e columna, linhas 78 e 79, em lugar
de = e, tendo somonte em vista a distinecao essenci-
al, 8tc., = la-se = e he, tendo smente em vista a ds-
tinceo cssencial, le. a
SESSAO EM 23 DE NOVEMBRO DE 1840.
PRESIDENCIA DO SR. SOtlZA TE1XEIRA.
(Continuafio do numero antecedente.)
He lido e approvado o seguinte parecer:
A coinmissao de commerco c obras publicas, alim
de dar o seu parecer sobre o requerimeuto do cidado
Jos Candido de Barros, requer, se peca, por intermedio
da presidencia, a copia do contrato fcito entre o peticio-
nario e a thcsouiaria provincial.
Sala dat commissdos da assembla legislativa pro-
vincial de l'ernambuco, 21 de novembro de 1846. Cot-
ia. Correia de Helio.
Fica adiado, por ter pedido a palavra o Sr. Netto, o
seguinte parecer:
A assoclaco commercial delta cidade requer esta
assembla a abolicao do imposto de 40 ris sobre cana-
da de bebida espirituosas consumidas na provincia, por
considera-la ofl'ensivo aot inpostos geraes, segundo o
artigo 20 do acto addicional; e, queixando-sc ao mesmo
lempo das dillieuld ules oppostas ao eiiinmoreiii pela lll I-
neira, por que se aelia estabeiccida a arrecadacao do mes-
mo imposto, se contenta com um melhoramento nessa
arrecadacao, quando nao teja permiltida a abolicao re
querida.
A coinmissao de fazenda eorcamento nao se pronun-
cia pela abolicao do imposto, por considerar menos pon-
derosa a raso allegada pela associacfio, e recouheccr,
que nao ha ollnsa s inposiccs geraes, tanto assim,
que sendo este imposto creado no auno de 1838, e cum-
|n indo-so as disposicAes do artigo 20 do acto addicional,
ainda nao foi at hnje contestado peto poder legislativo
geral.
Quanto, porm, s difticuldades da arrecadacao,
penta acoinmissn, que sao lasoaveisasobscrvacOcs ci-
tas pela assoeiato em referencia doutriua do 2." do
ai ligo s." do regulauieiibi de 27 de julho de i845, que,
para prova da reexporlacao do genero, exige, alni das
condices contidas no 1.", urna certidao da alfandega
importadora, no pra/.o de seis metes, com deposito da
iiuportancia'do imposto ; e reconhecendo a commissau
como piiucijiio incuucuMO, ^ue a arrecadacao dat con
n iliui\oes se nao devt tornar pesada e dillicil para os
conii iliuinles, nenliuina duvida terla de propr a revo-
gacao do referido 2.a, como vexatorio, te mi fosse im-
pedida em sua vontade pela consideiacao de que o ob-
jecto he puramente administrativo, e que ao Exm. pre-
sidente da provincia se dere dirigir a associacao com-
mercial, como j o fez, quando obteve urna niodilicatao
na doutriua do mesmo que reduzio a lettras seguras
ot depsitos, que se fa/.iao em nioeda ; e por isto he a
cguiinitsao de parecer, que te delira a associacao no ien-
tfdo exposto.
Sala das comniiisdes. 23 de novembro de 184G.
Peisoo di Urito. llego ilunleiru
Ue lido, e mandado imprimir, o seguinte parecer:
a A coinmissao de exaine das posturas, repretenta-
coes e negocios das cmaras tuunicipaes, a que foro
tubmettidas at posturas da caiara da Villa de Flotes,
depoit de as ter examinado, he de parecer, que sejao
approvadas com as emendas, que tein a honra de offe-
recer considerado desta illustre assembla : ...
a Titulo 2.", artigo 5. Diga-se = Fica prohibida
emqualquer rio, ou lagoa a pesca com timbo ouqual-
quer'nutra substancia venenosa; assim como a de rede
e tarrafa nos pequeos pocos, cujas agoat servirein ao
povo para os usos necessarios e domsticos, sob a pena
de 4 dias de priso, e o duplo a reincidencia.
Artigo 6." Todo aquello,que delxar insepultos,ou
nao queimar os animaos de qualquer especie, que Ihc
mol i orein, ser multado em 6J\MK) rs.
O animal, porm, que for encontrado morto em po-
voado, sem que conste quein for seu dono, sera euter-
rado, ouqueiinado, de ordein do fiscal, c descdbcrto o
dono, sera executado pela multa e despezas, provaudo-
e, que ora tabedor.
- Titulo 3., artigo 2. Diga-sc =Ningueni dentro
deila villa e povoacOes do leu termo, vender plvora
tein licenca desta cmara, e nos lugares por esta desti-
nados. Os infractores sofficro a multa de 15/000 rs.
e o duplo na reincidencia.
Artigo 15. -- Depois da palavra =cruz= suppri-
ma-se ate a palavra = rio = e depois da palavra = ce-
roula ;= diga-se = os infractores scrao multados em
4/000 rs., ou 2 dias de prisfio, nao tendo com que pa-
giiein a inulta.
Titulo 4.", artigo 3. Depois da palavra = plan-
laces = diga-se = os infractores soIlVoro a multa de
4/000 rs. e o duplo na reincidencia, ou 2 dias de prisao,
nao tendo com que paginan
- Artigo 7." Supprima-se.
a Titulo 5.. artigo 15, nico. Diga-te = Fica
prohibida a eonduc(o degenero!, para seren expostos
venda no lugar da extincla fcira, ou em qualquer ou-
tro, onde se possa reunir grande numero de possoat
para compraren), ou venderem tlmultaneamcnte.
Us que venderem fazendas e miudezas sutl'rerd a
inulta do 30^'C00 rs. c por oulros quaesquer objectos
10/000 rs.
Artigo 6." Depois da palavra = lugares = diga-se
m os infractores sollrerd a laulta) de u/000 rs., ou 3
illas de priso, nao tendo com que paguem; c o duplo
na reincidencia.
I Avtigo 7." Depois da palavra = prisao = diga-sc
= nao tendo com que paguem.
Artigo 8." ~ Depois da palavra = prisao = diga-sc
= nao tendo com que pagar.
n Titulo 8., artigo 1." Depois da palavra = prisao
= diga-se = coduplo na reincidencia.
Artigo 10. -- Depois da palavra multa = diga-se
= soilrei 3 das de priso, nao tendo com que pagar.
Artigo 12. Supprima-se.
Artigo 14. Depois da palavra = contraventoret
= diga-se = sero entregues ao, procurador da cmara,
para promover cobranca peante a autoridade compe-
tente.
Supprimao-sc os artigos 18, 19 e 21.
Sala das commisscs, 19 de novembro de 1840. ~
Pinlo d'Almeida. Cabial, a
O Sr. Villela Tavare (pela ordem):Si. presidente,
nao soii amigo de fazer reeli/icacoei, limito principal-
mente de aiitirffi, e em multas occasioes lenlio deixado
de rectificar apartei, que tenho dado, c que nao sahem no
jornal da casa taes equaesos profiro, por entender, que
he isso de pouco momento ; mas hoje vejo-mc lineado a
fazei alguin reparo, e rectificar apartesnieiis, inserosnos
discursos do nobre deputado, o Sr. Figuoirrdo, porque,
em verdade, elles se acho bom desnaturados, e en nao
pusso consentir, que con ao como ah csto. Refiro-ine
aos iariot de Pernambuco de 2i e 23 do corrente, que he
hoje, em que vecm transcriptos os discursos do Sr. F-
gueiredo.
0 nobre deputado, tratando de demonstrar, como pu-
de, o (lucilo, que, segundo elle, assiste ao prelado dio-
cesano, de sor ouvido as divisos de freguezias, etc.,
recorreo autoridade do Sr. arcebispo da labia, e citou
algunias disposii;oes do concilio trideutiuo, que enten-
d nao vinho para o caso c cnto dis.se eu = ufo niio
lemypplicacSo parao caio, de que u trata =: entretanto no
jornal da casa este aparte sabe assim ni nao temos na-
da com tito "= ; o que importa dizer, que neis nao deve-
nios altender para a autoridade do cscriptor, que se
referia o nobre deputado, netii para o concilio tridenti-
no, etc. Ora, eu nao dase, ncm podia dizer tal cousa ;
apenas liz sentir, que a citaco nao era proposito : por-
tmo rectifico este aparte, c peco ao Sr. tacbigrapho, que
lome esta rcctiticacao. Isto lie pcloque diz respeito ao
discurto inserto no Diario do dia 21 : quanto ao de ho-
je tamben! vou faxcr um reparo, que julgo ainda mais
Decenario.
O nobre deputado, o Sr. Figuciredo, disse, que oSr.
bispo nao obiava por espirito de partido, que nao era
partidista..... e, eu do lugar, que ora oceupa o Sr. Dr.
Netto, dei este aparte = Ui, t muito=. A' isto respondeo
o nobre deputado, que, sendo cu partidista, nao devia
estranhar, que o Sr. bispo o fosse... utas, tendo enlo
eu rctorqiiido desta forma = Sou partidista, confesso-o,
mai nao sacrifico principios, nem menosprezo meui devere e
obrigaces=, nao vem transcripto este meu aparte, e, ao
contrario, vejo para diante, que o nobre deputado dis-
sera = que cu aqui sustentava e defenda os direltos do
meu partido. Eu nao ouvi o nobre deputado dizer tal
cousa, porque, se ouvisse, dar-lhe-hia' a resposta ne-
nessaria, isto lie, eu dir-lhe-ba* : =- JVo, Senhor: estou
aqui defendendo o direiloi e inlereises de minlia provincia,
etc.
Por esta occasio, Senhor presidente, uao posso dcixar
de pedir ao Sr. lachigrapho, que tome escrupulosamen-
te todos os uossos discursos, apartes c a pliysioiioinia da
casa....
O Sr. farrelo : Apofado.
O Orador : -- .... alim de que nao tejamos apresenta-
dos ao paiz como versatels, contradictorios (apoiados) e
nao sel se mesmo despidos de bom senso, apoiando com
fervor certas propositos, contra as quaes nos pronun-
ciamos quando se procede votaco. (Apoiados) Nos dis-
cursos do nobre deputado, o Sr. Vigueiredo, apparccem
loes e taei apoiados, tanta dciuonsliaco de assentimento
s suas ideas, que queiu os ler acreditar sem duvida,
que a cmara |ientacomo o nobre deputado, quanto
questo do Sr. blspo, entretanto que todos vimos, que
o parecer da coinmissao.... passou por uina grande niai-
oriade votos, e que apenas contra elle, e pela emenda
do Sr. Figueiredo votruo tret Senhores deputados.
Foi so para itto, que pedi a palavra.
OtDEH DO DIA.
Confinuaro da segunda diicutio do projiclo n.' 39, gue
reinstaura u inipeerao do aisucr e alyotlaii.
Depoit de algumas rellcxrtes do Sr. Netto lie o projecto
submettido a votaco e approvado em segunda dscus-
sao, para patsar terceira.
Segunda discussao do projecto n. 33, que reconhece
dirclto na cmara de Olinda, para cobrar at o 1.a de ju-
lho de 1841 o imposto sobre as balanoat de pesar assu-
car nos trapiches do Recife.
Depois de unta inui succintaquestiio de ordein,acerca
dos objectos, que dever ler preferencia na ordein do
dia,.
OSr. Netto faz algumas refiexiJes acerca do projecto
em discussao, e concluo mandando mesa o seguinte
roquei miento :
k Requciro, que se peca ao governo acopia das pro-
visos regias de 2 de agosto de 1728 e 28 de abril de 1730,
relativas balanca de pesar assucar no trapi.be do Re-
cife, ic porvcnlura exislirem registadas as rcparlicdea"
publicas da proviucia.
Apoiado entra ciu discussao.
Nao havendo quein impugne o roque rmenlo, nem o
projecto, he encerrada a discussao, sendo approvado es-
te, o rejeitado aquello.
l'i iineira discussao do projecto n." 34, que supprime a
freguezia de Barro i ros.
He approvado sem discussao.
Primeira discussao do projecto n." 45, que isenta do
pagamento de dcima a capolla, em que os lnglezet ce-
lebran os actos de sua religi.o.
OSr. Figueiredo: Sr. presidente, eu desejava, que
a nobre coinmissao me informaste, seos templos ca-
tholicos dos llraslleirotem Inglaterra nao sao subjeitot
abruma coulribuicao..... E emquanto espero a respos-
ta da Ilustrecomniissao, permilta-ine V. Exc,queme
tente. (Senla-se)
O Orador : tu espero pola resposta...
(Silencio prolongado.-- Vozes devoto, voto.)
O Sr. Cosa: (om aparte Consta-nie, que a Inglaterra
concede protecco...
O Orador (continuando) como ninguem diz cousa al-
guma, aleni daquillo, que disse o nobre meinbro da
coinmissao, me declaro contra o projecto, at que se
me prove, que os templos cathullcos dos Braslleiros em
Inglaterra nao pago cousa alguina...
0 Sr. A'uno Hachado: Nos somos mais li luaos e to-
lerantes do que elles.
O Orador:Por principio de reciprocidade nos pode-
remos convir, emque este projecto paste, mas somonte
polo principio de tolerancia, invocado pela coininisso,
nao temos necessidade de conceder um privilegio aos
templos protestantes; porquera constituicao, quando to-
lera a liberdade de culto, nao pretende mais do que
permitlir, que cada um exorca o culto da sua rpligio,
sem temer ser perseguido pela polica ; mas nao pro-
inette, e nem garante urna protecco pecuniaria ; no
que certamente vein a importar a isenfo de pagar
tuna coutrbiiico : mas esta protecaos devtmos re-
ligiao catliolica, apostlica romana, que he a religio
do estado : portauto, ainda que neguemos a iienco
pedida, fica salvo o principio da tolerancia para com os
subditos inglezes i ueste objeclo, pois, s temos a enca-
rar a questo de reciprocidade ; mas eu nao sei, se os
templos calmbeos em Inglaterra pago contribuicoos ;
o, na duvida, estou inclinado a votar contra o pro-
jecto.
Falla *a nobre coinmissao no excmplo da corte e da
Babia : nao soi quaes foro os motivos, que induiirao a
curte, a provincia principal do Brasil, a conceder essas
vantagens; se se dcixro levar su pelos principios de
tolerancia, digo, que nao sao suflicientes para o pri-
vilegio : emendo, que smente a religio do estado, a
religio calholica, apostlica romana he quem deve-
nios essa proteccao, ou privilegio, pois que as despe-
zas do culto sao citas pelos cofres publicos. Julgo, pois,
que, concedendo nos privilegios nutra, religides,(sem
ter em virtudc de reciprocidade) vamos_ equipara-las
religio do estado ; no que noacho raso, porque sup-
ponho, que nao temos interesse algum em que se edi-
fiquen! em nosso paiz mtiitos templos protestantes Ein
quanto, pois, me nao informaren! acerca do que desejo
saber, votaroi contra o projecto.
OSr. Brrelo : Sao mili justas estas reflexoes.
O Sr. llego Monleiro: Por este projecto nao vamoa
senao sentar una casa, em que os Inglezes prestan cul-
to a Dos, einbora fura do nosso rito, de pagar a dcima,
a que sao subjeilos os predios urbanos o do habitacao
domestica. A coinmissao teve ciu vista o que sepraticou
no Kiu-ilo-laiieiro, anude ha duas casas destas, e urna
outra na cidade da Babia, as quaes nao pago dcimas:
de mais em Inglaterra, nos sabemos, que o governo con-
sent- na pratica do nosso culto romano, e at o governo
protege as igrejas catholicas da Irlanda: ora, vendo nos,
que o governo ingloz presta estes servicos igreja ca-
lholica romana, nao podemos dcixar de eoutemporisar:
e por isso pareceo coinmissao, que devia sentar a casa,
donde elles Inuvao a Dos, do imposto decimal, por nao
ser justo, que uina casa destinada sci para se adorar
Dos seja equiparada na imposico aquellas, que ser-
vem para habitacao dos homens.
aleonada a discussao, he o projecto approvado.
Primeira discussao do projecto u. 46, que isenta do pa-
gamento da dcima, por 10 anuos, a caa, em que (lliris-
tovao Siarr i Cnuip.inhi.i vio montar a sua fabrica de
IuiiiIi. no, no bairro de Santo-A maro.
O Sr. Figueiredo : Tainbein nao estou disposto a vo-
tar por este projecto. Sou de opiniao, que devenios
prestar algum fomento e anima, ao aquellas industrias,
que nao pndem por si mesmo se desenvolver, j em
raso das difticuldades, que oftereceni, j em raso dos
grandes capilaes, que absorvein, e que por Isso neces-
sito do soccorro do governo mas aquellos, que teem
nos seus proprios recursos o germen de sua prosperida-
de, cntoiidii, Sr. presidente, que be anti-economic
conceder-Ibes qualquer privilegio : digo, que he antl-
ccouomico, porque nao smenle se d um premio, senx
raso sulticicntc, como taubem porque a iiiosma pro-
teccao, que se concede una industria multas vetes re-
dunda em detrimento de outra industria, que atlas vea
esuiorcccr, cmquauto que a outra vigora, nao custa
de seus proprios elementos e esforcos, mas custa da
proteccao, que se ihe presta imprudentemente. Ora,
eu ciclo, que a fabrica, de que nos tratamos, est nes-
te caso he j um estabeleciuiento de inultos annos,
tein tido e ha de ter interesses limito vantajosos, sobre-
ludo por ser um estabelecimento nico ueste genero,
e que nao lucta com competidor: devenios encarar si
questo por esse lado, para convencermo-nos de que
nao convem privar os cofres pblicos, j Lio definha-
dos, da vantagem, que Ibes pode resultar da dcima
desie esiabeleclmento ; nao vejo, que de semelbante
seiico pruvenlia utilidade aos nossos agricultores. Se
o Sr. Slarr nos prometlesse vender os seus productos
mais baratos, na proporc.io do favor, que recebe, eu
votara por elle, porque-dava um voto a favor da Indus-
tria agrcola do meu paiz ; mas eu estou convencldissi-
mo, de que elle coutinuar a vender os seus ferros e as


i ________i
suas machinas como d'antrs, spno mais.caros ; porque i
pile est so <'in campo, e nos porte dictar a le : porlan-|
lo, volando nos o projecto, nada mais faze os do que
allivlarosr. Starr. para sobri-carrrgarinosos nossos
comprovincianos ; porque he Indubltavi'l, que o allivio
de mu ihuioii-s a respeito de un produz grvame a
respeito de outrog: o vacuo, que a declina do estabele-
i lliu-lliu do Sr. Starr tlnha de encher no thrsouro pu-
blico, ha de ser preenchido pelos rendlmentos e pela
industria Jos nossos comprovincianos. Assim o enten-
do : a assemblea far o que quizer, que cu voto contra
o projecto. J nesta casa dei o meu voto a favor do pe-
ticionario, quando se tratou da mudaiifa doseuestabe-
leeimento para o lugar onde est. A cmara municipal,
em cumprimento de suas posturas, o quiz obrgar a
mudar instantneamente o establec ment : vi, que
isso ia prejudica-lo inulto : ento julguei, que a pro-
teceo era bem merecida ; mas agora nao posso votar
ploprolecto.
OSr. Peixoto de Brilo : Eu ainda estou um pouco do-
cnte, e sinto, que o meu estado de laude me nao per-
muta alongar esta discusso, como desejra, e respon-
der todas as oliscrvaccs, que sedignou fazer o nobre
deputado em oppnsie. So ao projecto, que se discute.
Felizmente o nobre deputado reconbece, que multo
convein animar quanto for possivel as novas industrias
em mu palz como o nosso, e faxendo Justina reotldn
dasideiasdo nobre deputado, estou persuadido, que
lain liriii convir na convenieucia de snecorrer qualqucr
industria prnvrtosa, que, por qualquer circumstaucia,
corra o risco de decahir.
OSr. Figuriredo : Convenho.
O Orador : tem : entiio Ihe mostrarei, que o favor, que
se concede por este projecto ao proprictario da fabrica
de fundico estabelecida na ra da Aurora dcsta cidade
he desla segunda ordem.
Antes de uiinhas breves reflexes nao posso deixar de
notar, que, sendo o nobre deputado tan prodigo em
concesses iguaes, se mostr hoje io restricto, to aca-
nhadu rm un favor, que he na verdade multo pequeo.
Senhores, se eu fura o Sr. Starr nao me oceuparia em
pedir semrlhante favor assemblea provincial. O Sr.
Starr nao procurou favores para o estabelecimento de
sua fabrica i,o auno de 1829, e se os procurasse, ochara
sem duvida a protceco, que eiirontrn emprezas de
milito menos proveito na assemblea legislativa geral ; e
na verdade, Sr. presidente, a fabrica de fundico do Sr.
Starr nesta provincia trouce tao grandes vantagens aos
nossos agricultores, que seria milito longo enumra-
las : apenas chamare! a memoria dos nnbres deputados
as difculdadrs, com que luctavo os nossos agricultores,
quando precsavo (fe concertar suas machinas, que
multas veies se inutilisavo, porque nao era possivel
manda-las concertar em paizes estrangeiros: qnautas
vetes se cqinpravo novas inacliinas pela raso nica
dse quebrarqualquer peca dessas inacliinas ? A fabri-
ca do Sr. Starr he considerada a primeira do Urasil.
O nobre deputedo sabe, e, ha pouco, acabou de repe-
tir, que a cmara municipal obrigou ao Sr. Starr a remo-
ver o seu estabelecimento para oulro lugar, co nobre
deputado confessa, que essa mudanza repentina, a nao
ser o prazodc tres annos concedido pela assemblea. e
para o qual votou o nobre deputado, poderia concorrer
Sara a extineco da fabrica : ora he notorio, que o Sr.
tarr tem rmpregado grandes capitars com a mudanfa
de sua fundico para a ra da Aurora, e aim das obras
novas ilh construidas tem de supportar os prejuizos in-
herentes mudanca de um eslalieleciiuenlo em ponto
tao grande; eo Sr.Starr vai apresenlar um grande niellio-
ramento com a miidauca : portanto o pequeo favor da
dispensa da dcima he urna aniuiaco ; he um signal de
proteceo, que Ihe d esta assemblea : e exemplos dcsta
ordeiu sao inulto favoraveit para aninarem novos cin-
prehendrdores.
J disse, que me nao podia estender mullo: e por isso
limito-ine a estas observacaes, votando pelo projecto
em primeira discusso.
O Sr. figuriredo: Sr. presidente, as rasoes do nobre
deputado, que acaba de fallar a respeito do projecto ,
cousistrm em que o Sr. Starr tem feito grandes despezas
para a rcnioco do seu estabelecimento; mas he neces-
sario, que o nobre deputado note, que estas despezas,
que elle tem feito para a remoco do seu estabelecimen-
to, esto calculadas na raso das vantagens, que elle tem
de tirar da sua industria ; porque os Ingleies ludo cal-
culo, e metteui em linha de conta : nao sao papal vus.
Masaquantiade l50rs.em quanto se diz importar essa
ispnco nao lie, que peder fazer face essas despezas ;
Su.111 tu oais, que he muilo le reparar, que o haver o
r. Siarr fundado o seu cslabelecimrnlo em ponto gran-
de, como disse o nobre deputade, he una segnranca
nao s de que aempreza otl'errce multas vantagens
como lainbem, que maiores ter elle de perceber, por-
que produzir maior quantidade de productos. Portan-
to os lucros sao certisiiiiiot : o Sr. Starr nao tem com-
petidor.
Votu '. J existe um oulro estabelecimento....
0 Orador : Raso de mais para nao darmos proiec-
cao ao Sr. Starr, aflu de poder se estabelecer a le da
competencia entre elle e esse novo emprehendedor : e
bed'ahi, que podrui os nossos agricultores tirar van-
tagem ; noli mili bem sabe o nobre deputado, que a
maior ollera produz baratrza. Avista disto, voto ainda
contra o projecto, nao obstaute ser eu um cnlhusiasta
da fundico doSr. Starr.
Encerrada a discusso he o projecto approvado.
Primeira discusso do projecto n* 47, acerca do paga-
mento do quedevem ao grande hospital de caridade Ha-
noel Vicente de Hollanda Cavalcauli e seus irmos e lu-
tcllados.
He approvado sem discusso.
Segunda discusso do projecto n.'-lO, que manda des-
contar no ordenado do medico do municipio os venci-
lientos, que elle perceber como vaccinador provin-
cial.
He approvado sem discusso.
Segunda discusso do projecto n. 41, que manda con-
siderar como matriz da freguezia de Pasmado a capilla
de S.-Gouc.alo de liapissuma.
He approvado.
Segunda discusso do projecto n. 42, que transfere
para a capella de Santo-Antonio cm Pedras-de-Fogo a
sede da freguezia do I tamb.
O Sr. fiunes Machado manda mesa o seguinle reque-
rlmento :
Rrquciro, que, sem prejuizo da discusso, se nuca
ao Exin. presidente da provincia sobre as utilidades dos
projectos nmeros 41 e 42 deite auno.S. R,
Apoiado entra em discusso, e etn seguida he appro-
vado com o projecto.
Tendo-se extinguido a ordem do da vai a mesa o se-
guinle requerimento:
Hcqui'iro dispensa do intersticio dos tres das, para
que se dreui para ordem do dia de amauha os projec-
tos, que passro em primeira e segunda discusso.
S. R. ISiinri Machado.
Apoiado, entra em discusso e he approvado.
O Sr. iVutiM Machado, declarando, que. supposto a
commissao encarregada da revisan das leis tenha algum
trabalho feito, nao se acha este no caso de ser trazdo ao
conheclmento da casa, pergunla se dita commissao sub-
siste durante o intervallo desta sesso prxima fu-
tura.
O Sr. Peixoto de Brilo observa, que, sendo a commis-
sao de nalnrrza especial, deve durar at a concluso do
negocio, de que fol encarregada. Esta observaco pe
termo a este incidente.
0 Sr. Presidente d para ordem do dia da sesso se-
5uiute: leilura de projectos e pareceres; discusso
os pareceres adiados ; segunda discusso das posturas
das cmaras municipaes da Hoa-Vista, Cimbres, I.imo-
eiro e Victoria, e dus projectos nmeros34, 43, 45, 48 e
47 ; e terceira dos de n." 33, 36, 39.40, 41 e 42: e levan-
ta a sesso. (Eroquasi duas horas.)
sn, das posturas dasramarai muniripacs da Boa-Vista,
Cimbres e Victoria, i dos projectos ni. 34, 43, 45, 46 e 47 ;
c em terceira dos de n. 33, 36,. 40, 4l e 42. ~ Adiamenlo,
pela hura, da segunda discusso das posturas da cmara mu-
nicipal do Limoiiro,
As onze horas e meia da manlia, o Sr. 1." secretario
faz a chamada, e verifica acharem-sc presentes 21 Srs.
deputados.
O Sr. /'residente declara aberta a sesso.
O Sr. 2 Secretario le a acta da sesso antecedente, jue
he approvada.
O Sr. i. Secretario declara nao haver expediente.
_____^_____________ (Conlinudr-M-Jid).
DIARIO HE PE RUS BUCO.
Na assemblea, a ordem do diapara a sesso de hoje
he : continuarn da de hontein; primeira discusso
do projeeto n. 44, que altera o comproinisso da irman-
dade do SS. Sacramento da cidade de Goianna, e do que
apresentou a commissao de fazenda e orcamento, re-
vogandoa lei n. 115: e terceira dos de ns. 34, 43, 45,
46e47, cujos objectos declaramos hontem, quando os
mencionamos como dadas para segunda discusso.
Correspondenci i.
SESSO EM 24 DE NOVEMBRO DE 1846.
VKESIDINCU DO S. SOC7. TEIXE1BA.
SUUNARIO. rECExs.~^pprovafo,im 'mposto algum geral, nem ao sello, como te tem deci-
dido ; sendo a lem disto certo, que, ainda mesino que
devesse pagar sello porporcional, nunca por este moti-
vo poderla ter lugar a apprehenso, porque a lei nao
iinpoe semelhantc pena : quanto ao terceiro ponto, he
da competencia da assemblea provincial explicar os
seut regulamentos ; cumprindo observar, que, posto
esteia subsistindo a ordem de 4 de feveveiro de 1840,
he um faci que a alfandega est incumbida da arreca-
daco de direitos provinciacs ; c havendo-se a isso uo-
iritado o respectivo inspector, erado seu devtr observar ore-
gulamento provincial, e estar por consecuencia subordinado ao
dathesouraria, como determina o mesmo regulamenU^-
Srs. Redactores.No seu Diario n. 244 appareceo a res-
posta, que Victorino Jos Ferreira deo corresponden-
cia, que havia-apparecldo no n. 2l8,e na verdade he dig-
na de seu autor; para se defender do que alli se lliedisse,
veiu implorando a suspenco do juizodo publico.alque
appareca esse processo, e alinhavott um elogioao Sr. Dr.
Telles de Mcnezes, que de certo nao precisa delle, pois
que j de multo teinpo se sabe da sua integridade; e
trauscreve ento um officio do Exm. Sr. Marques Lisboa,
em que traa de trapaceirass pessnas, que se queixa-
vo do mismo Victorino: notc-se, que S. Kxc, quando
tal escreveo, foi em lempo, ein que ainda nao couliecia,
que qualidade de empregado elle era, e todos em Ma-
celo sabein o quanto este empregado gritava. que Ihe
querio mal, por elle querer cumpliros regulamentos, e
para Isso assoalhava.japara com o Sr.Dr. Claudio Mauoe I
de Castro, j para com o mesmo Exm. Sr. Lisboa, que,
por querer evitar contrabandos, he que Ihe f.izio tanta
guerra; porm quem llavera to falto de sonso commuiu,
i|ue possa ao menos pensar, que nesta provincia, tendo
como tem um litoral deserto, se nao posso desembarcar
contrabandos, e que fosse necessario tmze-los capital,
para esse Victorino os prohibir ? Estas delle que elle:
nao ciinipria com o regulaiuenlo, j se fez no Diario
u. 218 com os dous casos alli especificados (e a que uo
respond o); o que se corrobora com a portarla junta do
mesmo Exm. Sr. Marques Lisboa (documento n. Ijcoiu
o inipresso (n. 2), ques liles rogo detranscreverrm tal-
qual vai, para que esse publico, para quem elle ap-
pella, veja se o acha na qualidade de I...... emprrgado;
e esse publico s se for de unir provincia, porque o
desta j bem o conhece, e tanto que as amiades delle
podem aqu serapontadas, por seren raras: esperemos,
pois, para o lempo do julgamento desse processo, que
elle diz estar recheiadn de montan de documentos j ex-
cntricos, j contradictorios, e at contraproducentes ;
(Uto he na sua cabrea) sim, depois desse julgamento
nque elle certo de que esses, a quem tacha de lualsins, a-
inda teem alguiis bous documentos para apresentarein
em publico e com elles o que houver de dizer a respeito,
para ficar sendo ainda mais bem conhecido: veremos
Pin que tira esse caso da lata das obras de ouro do Judco
Serfail, que anda appensoaos autos; bem como a de-
cantada descargada barca housede, qiede todooseucar-
rrgamento nem um so totume entrou para a alfandega, qur
de (alendas, quir de estivas. Os meninos do trem que diga se
isto he cumprir regulamento. Emquanto Boque diz do Sr.
Varella nem vale a pena responder tal baboseira, por-
quanto confessa o abuso, de que se fez menco: gostei
multo do final da tal arenga do Victorino Jos, e por a
adiar engrarjadinha, acabare! esta da mesnia inaneira=
OA / tmpora oh I mores.=(r', que tal, j apiendeo latim '.
Al breve, Srs. Hedaclores, e sou seu omito obligado
O llarcaceiro da encommenda dos queijos sem dinheiro.
Macei, 10 de uovembro de 1846.
DOCUMENTOS.
Certifico, que, revendo o livro de registo de ofiicios
e ordpns das autoridades superiores dirigidos a esta re-
partilo, nelle a II, II verso, se acha portarla ou offi-
cio, de que o snpplicante faz menco, o qual he do teor
seguiute, a saber.N. 14Respoiidendo o seu officio de
16 do crlente, cumpre-lhe' dizer-lhe que pod1 des-
pachar todo esse chumbo, em que me falla, mediante as
exigencias, que a lei o autorisa a fazer, para conhecer-
se a indentidade da pessoa, que pretende despachar o
genero : i'erommrti passem a excesso, e que Vmc. trate com urbanidade, e (ac,
que o mesmo praliquem os mais empregados dessa repartirn,
as parles, que no acto de suas pretencoes se porlem para com
Vmc, e para com elles com o devido respeito e moderaran.
Estando os salteadores das manas de Jacuipe j mais
apartados das raias de nossa provincia, nao acho incon-
veniente, que Vmc. de agora alguns despachos para
mais chumbo, e tambein para alguma plvora e espin-
gardas sem baiouetas, nina vez que por sua quantida-
de Vmc. cunlieca, que sao para usos nao prohibidos;
tendo sempre em vista o artigo223 por Vmc. citado. Dos
guarde a Vmc. Palacio do govemo das Alagas, 28 de
jiinho de 1845.--Henri(7ue Marques de Oliveira Lisboa.Sr.
Victorino Jos Ferreira, inspector da alfandega desta
provincia.
1 EXACTIDA EM SIOAVGE.
(i Jos Alves Pragaua Guabiraba pagou, na alfandega
de Jaragu, pela farinha de mandioca, que trouxe da
povoaco do Pilar, e que seguia para Pernambuco no
Inn de abril deste anuo as seguintes addifes: Dizimo
de dez por cento 33/600 rs.!!! Taxa sobre voluntes 2*41)0
rs.!.'! Sello 150 rs. !!! Sorama 36/150 rs.?.
APPENDICE.
Despesas feitas pela alfandega, em 85 de marco do
corrente anno para a apprehenso de duas canoas, car-
regadas com farinha de mandioca, na barra da Alaga,
viudas do Pilar :
u Aluguel de um cavallo para o Sr. inspec-
tor ir referida barra......... 2/000
Ao passageiro de ida, e volta..... 800
Somma..... 2/800
Joaquim Machado da Cunha ,
Guarda-mr.
Reconhe{o a lellra e firma tupia ser do proprio
conteudo, o guarda-mr, Joaquim Alachado da iJuiiha.
Macelo, 6 de malo de 1845 Em testemuoho de verda-
de, o tabellin publico-Jos Joaquim de Mello.
A* H. Para Pragana tanta exactido !! Para Manuel
Alves Pereira. que no mesmo mez fez tres despachos de
farinha, tambein viuda do Pilar, e que ia para Pernam-
buco, pagou si'niii'iite a estupenda somma de crino cin-
cuenta ris'.U V. qup tal? Quem duvldar, requcira
alfandega por cerlldo, que s Ihe custar 3i0 rt. As-
sim he, que he ter empregado imparcial e recto
DESFEIXO D'EtTE KECOCIO.
t> Jornal do Commereio de 29 de seteinbro, n. 265.- Mi-
nisterio da fazenda, expediente do dia 13 de setembro:
ic Ao presidente da provincia das Alagas, devolven-
do os papcis, que acoiupanliro o officio de 25 de a-
bril n. 29, a respeito dos_ quaes provisoria monte deci-
dir sobre a apprehenso das canoas com uieiculonas
pertencentes a Jos Alves Pragana Guabiraba, e por on-
de deve correr o recurso da parte sobre a intelligencia
dada ordem de 4 de marco deste auno, e a respeito
do conflicto de jurisdieco a que isso deo lugar entre
o inspector da alfandega e da thesuuraria provincial, te
responde, que, quanto aos primelro e segundo pontos,
no caso figurado, o dono das canoas nao era obrigado a
Varicclade.
PORTUGAL.
[maio ai 1846.]
Dies ira
Al! que parece no nelto
Estallar-me o coraco:
Hoje, que sora guerra
De inorte e destruirn,
N'esta malfadada trra!
To mimosa da fortuna,
Protegi'-a Dos outr'ora:
Corarn os fillios d'ruto ;
O boni filho de hoje chora.
Chora, que se vao perdendo,
Olvidando da memoria,
Altos fritos, que inda illustro
O livro da nossa historia.
Chora de ver profanado
Esse relicario saucto,
Que nossas avs guardavo,
A que elles querio tanto:
Esse claro amor da patria,
?ue nome e patria nos dera;
hrono que os reis Invejro,
Poder, que o mundo ternera.
Quem antes fra nascido
Portugusd'aquella era!
lirado unisono echoava
Dr respeito universal,
Sabido d'estranlias boceas,
Em favor de Portugal.
D'um breve espaco de trra.....
Ponto no globo : mais nada:
Mas, um ponto, que era polo
Junto d'estrella dourada.
Era luz do co brilhante,
Luz, que della s'cspama;
Farol de barbaros povos,
De cultos modelo e guia I
Suantos, que mao insolente,
oje sobre nos esteudein,
Submissameute pediro
Protecco, que ora nos vendem!
Duins-lhe forra e grandeza,
Que nao llnho, que perdemos.
Em troca, do-nos insulto*,
Contrarios queja vencemos,
Escravos, que libertamos.
Amigos, que defendemos!
Ora vemos um sudario
Tinto de sangueinnocente;
Ouviinos gritos da patria,
Oppressa, triste, gemente;
Terna ini, que dilacero
Culpes d'um i ingrata ino-,
Mo de Blho ~ golpe extremo,
Que nao erra o coraco.
Ricos, nnbres, e plebeus,
O vencido e o vencedor,
Sao tudo algozes da patria,
Victimada ein seu furor!
Afastai de nos O' Dcos
Qs raiosda vossa ira!
Urna s vista d'all'ecto
.Sobre a naco que delira.
Una s guita d'orvalho
Da vossa graca divina;
Una s, por piedade,
Sobre rsta naco mol na .'
Do cahos creaste o mundo
Das trevas a luz do dia:
Convertrl guerras ein paz,
Tristezas em alegra.
Das de sangue e d'horror
Afastai della Seuhor.
J. da C. Cascaes.
(P. dos Pobres no Porto).
ho de arrematar em hasta publica, na porta da alfan-
dega, dous caixotet da marca TC, conteudo nove arro-
bas e dezmis libras de narmelada, no valor de 92/320
rs., impugnados pelo guarda Joao Manoel Ribeiro de
Couto, no despacho por factura de Bernardo Jos da
Costa, sendo arrcniataco subjcila a direitos.
Alfandega, 24 de novembro de 1846.
Miguel Krehanjo Mnnteirode Andrade.
DeclaraQes.
O arsenal de narlnha compra, no dia 26 do cor-
rente mez, pelas 11 horatida manlia, ochre ainarelloe
inurro enxofrado. As pessoas, rme-seintltiantes ojee-
tos quizerem vender, compareci nesta secretaria no
indicado (fia e hora, com as suas propostas etn cartas
fechadas, acompanhadas das competentes" amostras.
Secretarla da Inspecco do arsenal de inarinha de
Pernambuco, 24 de novembro de l846.
O secretarlo,
Alexandre Rodrigue* dos Anjrn.
Os Srs. accionistas da companhia de Beberibe quelro
reaiisar t entrada de 6 por cento ltimamente pedida ,
at o dia 30 do corrente.
Ocaixa,
M. ti- da Silva.
COWMEHCIO.
Alfandega.
RENDIMENTO DO DIA 24. '......14:202/815
escaerecaS moje 25.
CaleraSironi-Fiiftmrreadorias.
BrigueTarujo-I.idein.
BrlgueFritandem
Uiatc nacionalSereidecharutos.
Hrigue sueco Rapd--laliado.
Escunallarr ir tbaca I ho.
II ligueGeminalijlos.
BrigueAndesbaca llio.
Consulado.
RENDIMENTO DO DIA JJ.
Geral...............2:251/183
Provincial.............1:423/403
3:674/586
DEM DO DIA 24.
Geral............... 971/925
Provincial............. 677/106
1:649/031
B
tov lucilo (lo rorlo.
Navimisahidos no dia 24.
Baha ; hiato braslleiro Tentador capilo Antonio Jote
ilarreiros, carga varios gneros.
Parahiba pelo Rio-Grande-do-Norte e Cear; barca bra-
silera .'unjinncia, caplto Antonio de Alineida, carga
a mesma, que trouxe.
PRESEPE NO THRATRO PUBLICO.
Todas at meninas e meninos j contratados a 20/000
e a 30/000 rs.,eos que aiiidaopretenderemser.apreien-
tem-se no domingo, 29do corrente, as 7 hora* da noltr,
paja recebereinos seut papeit.
Pubicagao Iliteraria.
OORADORFRANC-tfCON, ou eicolha de discursos
pronunciados por oecasio das solemnidades da maco-
neria. relativos ao dogma, historia da ordem, moral,
t iniciaces, s festas das lojas, etc., etc. Um volunte
de mais de 500 paginas em francez. Vende-se por 10/
rs., na ra do Queiinado, n. 27, loja de Manoel Jos
Gnncalves. ^^^^^^^^^^^
Avisos mariiimos.
iMlial.
= Para o MaranhSo ahircom a maior presteza o
brigue-escuna braslleiro F/ot; tem metade de seu
carregamento prompla : para o resto dirljo-se ao
consignatario Manoel Duarte Rodrigues na ra do
Trapiche n. 24 ou ao capio e pratlco Francisco
Bernardo de Mallos.
= Para o Aracaly sai, em poucos diat, a sumaca Car-
lota inrstre Jos Goncalves Minas por ter a maior
parte da carga prompta : qiieni na mesma quizer car-
regar ou ir de passagem entenda-se com o mesmo
inestre, ou com Luiz Jos de S Araujo na ra da
Cruz n. 26.
= Para o Porto tahe com a possivel brevldade, o
brigue portuguez Ventura-Felii, por ter a maior parte
da carga prompta : quem no mesmo quizer carregar nu
ir dr passagem, para o que lem bous commodos, dlr-
ja-se a ra da Cruz n. 54, 1." andar, ou ao capilo'
Antonio Francisco dos Santos.
Para o Rio-de-Janeiro segu o conhecido e veleiro
brigue Soorr, chrgado do Assu em' 16 do corrente, de-
morndole smente os das precisos, a receber una
poi cao de carga para abarrotar : quem quizer carregar,
ou ir de passagem,para o que tem asseiados commodos,
e mandar esclavos a relc, dlrija-se a Gaudiuu Agosli-
nlio de Harros.
c=Para o Rio-Grande-do-Snl seguir breve o brigue-
barca Generoso, o qual recebe escravos a Irete, e para
passageiros tem ot melhores commodos: quem preten-
der, pode tratar com Ainoriui Irmos, ra da Cadeia, n.
45" r-
Ycnde-fe o veleiro hiate Espadar-
te de lote de 07 toneladas de milito
boa coDstruccao, prompto a seguir via-
gem, e que se acha fondeado deronte do
trapiche do algodo : a tratar na ra do ,
Torres, 11. 1 \,
O brigue Soares, de primeira marcha, far-se-ha dr
vela para Rio de-Janeiro, no dia sabbado, 28 do pre-
sente inrz; oque se participa a quem tiver escravos a
embarcar.
Para o Aracaly o hiate nacional Sereide spguevia-
gem com umita brevidade, com o inesmocarrcgameiito,
que trouxe de S.-Matheos; recebe alguma carga a fete:
os pretendentcs dlrijo-se a ra do Vigario, n.5.
I .eiloe.s.
Lrilode urna vacca ingleza, vinda na galera n-
gleza Sword Fish, chegada iiltiinamcnte: na praca do
Corpo-Santo, hoje, 25 do corrente, ao mcio-dia.
Francisco Srverianno Habrllo i\ Filho faro lei-
15o por conta e risco de quem perlencer de 0 bar-
r* com bacalho em moura, das pescaras portugus
hoje, 25 do corrente mez, as 10 horas da manlia,
no armazein de Francisco Diat Ferreira, no caes da Al-
fandega.
Sabbado, 28 do corrente, ha lilao Judicial tm
prrsenca do Sr. W. juiz de orphos, de fazendas, que w-
ro da loja do finado Luiz Jos de Souza: na ruado
Queiinado, n. 10, as 10 horas do dia: quem quizer arre-
matar compare ja
Avisos diversos.
Miguel Archanjo Monteiro d* Andrade, oficial da imperial
ordem da Rosa, cavalleiro da de Christo, e inspector da al-
fandega de Pernambuco, por S. M.I.,0 Senhor D. Pedro II,
ru Dos guarde, etc.
'az saber, que no da 25 do corrente, ao tneio-dia, te
K
Lotera da 'matriz
da cidade da Victoria.
Tendo-se apenas vendido pouco me-
nos de metade dos hilheles desta lotera,
e nao podendo, |ior consequencia, eiiei-
luar-se o andamento das rodas no dia 3i
di corrente; he o mesmo andamento
transferido ainda para odia ia dedezeni-
bro prximo futuro na esperanza deq
para esse lempo se tenha completado a
extraccao do resto dos referidos bilhetes.
Urna renlber portugurza J idosa c de bou
comunes se oll'erece para servir de ama em una cas
de pouca familia e mesmo de liomem tolteiro : que"'
de seu prestimo precisar annuncie uu dirlja-s* a ra
Augusta n. 16. .
Alugo-te os segundo e terceiro andar da casaaa
ra do Queiinado tu 17: a tratar na loja da incsuia
casa. .
= Quem precisar de um sacerdote, para ditrr as ins-
tas de natal, ate da de Res, dirlja-se na ra da I-a-
dela do Recife, loja de fazendas n. 54.


. o I = o S |S S g o' gl gaill 1
oi.Unaiiff3'ai.c-.i.a(ji.Tit = Alnga-se a grande olaria, n. 7, sita na travessa do
Mondrgo : a tratar coin F. Pire no Aterro-da-Boa-
Vila, n.37.
= Fai-se todo negocio coin urnas dividas na cidade
de Olinda, as quaes sao cobraveis : a quem convier, di-
rija-te atrs do Corpo-Sauto, n. 68.
= O major Jos Gabriel de Moraes Mayer embarca pa-
ra o Rio-de-Janeiro a sua escrava, parda, por nonie Do-
mingas.
= Aluga-sc urna casa terrea com quatro portas na
frente, c una mr-ia-agoa no fundo da nirsina, sita as
Cinco-Pontas : quera a pretender, dirija-se a Boa-Vista
na travessa do Veras, sobrado n. 15.
= Precisa-ie de urna ama secca: prefere-se cslran-
gera : na Soldade, padaria n. 22.
I aliaixo assignado, vendo nos Dinrioi um remedio
fiara bobas e rravos seceos, cujo remedio he cousa ex-
traordinaria, e leudo engenho, lia muitos anuos, e len-
d perdido diversos cscravos, e desde -o annuncio des-
te remedio, teud salvado lodos, c por fin sua aenho-
ra, que padeca esta molestia a ponto de j nao se poder
calcar, e com este remedio ficou perfeitainente saa, e
t.imbeiu um fillio de idade de 20 anuos: e como vio este
remedio prodnzir estes effeilos, por isso faz este annun-
cio para beneficio dos Srs. de engenho, tendo visto ne-
gros aleijados c prrderem a vida, por causa desta moles-
tia. Faz este annuncio para beneficio da humanidade.
Antonio Correia Pentoa di Millo.
= Una senliora de bons costumes se encarrega da
criacao de meninos de peito, impedidos e desimpcdi-
dot e tnuibem recebe meninos para desmamar no
que promette esincrar-se: quein do seu presumo se
quiscr utilisar, dirija-se a ra Augusta na loja do so-
brado novo, que teiu a frente cor de chumbo : na mes-
illa casa vende-se um berco aluda cm bom uso, por pc-
eo commodo.
= Precisa-se de urna ama, que tenha boni leite : na
ra Nova, loja n. 9.
Allomo Saint-Martn, na ra Nova, n. 14, segun-
do andar, por cima da loja do Mr. Diogo Jos da Costa,
recebeo pelos ltimos navios viudos de Franca mais
sorliuiento ao que j lem annunciado, constando do
seguinte : manteletes de gros de Naple preto, guarne-
cidos do franja de retroz, inuitoem moda, e cujos coea
assento o melhor po'ssivel; mantas da mesina lazenda,
igualmente guarnecidas de franja de retrui; chales de
seda uiiiitu superiores, e de padroes modernos ; man-
tas de seda de cores, para todos os pircos, e d'enlre
ellas as ha do que ha de melhor e mais rico neste ge-
nero .cortes de sedal branca e de cores, para vestidos ;
chapeos de sedo para senliora, de multo boiu gosto,
modelo a la Diichsse e a la Ponidas ; ditos de palha
de llalla, lisos e abarlos, para senliora ditos para
meninas, de novos modelos; ciiapeliuhos para meni-
nos de 2 a 8 anuos, modelos a Bolivare ; lencos de se-
tim mullo elegantes para senliora ; barge verdadeiro,
desse que sefaiem os taes vestidos, que, ajusto ttulo,
sao to afamados ; corles de ganga de quadins para
vestidos,MilitandopcrlVitanifutescJa, equr nao desbolo
e duni a enfadar; sorlimento de luvas de pellica supe-
rior, para homem e senliora; panno preto da melhor
qualidade a 6/000 rs., e casimira preta chamada selii.i
zfir, limito superior a 4/UO rs. Os Srs., que preten-
deren! ver qualquer desles objectos, lero a boudade
de mandar avisar ao auniinciaiiie, que inmediatamen-
te lli'os levar em suas casas.
-- O S F. M. B. queirasatisfateraqUantiadcO^OOO
rs., que pedio emprestada em 6 dejulho do crrente,
se nao quizerver seu noine por extenso.
lia chrgado novas dragonas para offlciaes de guar-
da nacional, viudas do Hlo-de-Jaueiro pelo ultimo va-
poa, por pieco commodo : na ra da Cadeia do Recife,
loja de uiiudeasde Guedes & Mello.
Quem tirou una carta ou tartas do correio, vindas
no ultimo navio .lo Porto, para Joao Lui/.Machado Bran
dan, liaja de mandar entregar, no estado em que ellas
estiverem, ao mesmo na l'assagem-da-Magdalena, ou
na ra do Kangel a Francisco Jos Machado de Sampaio.
Drsapparrcco da casa doabaixo assignado, no dia23
do corrente, um moleque, crioulodo Maranho, esclavo
de Joaquiui 11 ij inundo Correia Machado,da mesniacida-
de, que representa ter l4 anuos de idade, cor fula, hel-
ios grossos, sobrancelhas bastante altas; tein um sigual
na cabrea de golpe,'levou calca de riscado azul e ca-
misa branca : quem o pegar, leve a rua do Vigario, n.
25, primeiro andar, que ser recompensado.
Quem precisar de urna ama, a qual. tem mullo e
boro leite: dirija-se a ra da Cadcia-Velha do Recife,
n. 19.
0 NAZARENO n. 63 est a venda na livraria da
praca da Independencia ns 6 e 8, e na ra estilita do
Rozarlo casa da f n. 6; traz artigo* de interesse esobre
Portugal.
Antonio Rorgcs da Foiucca se aclia constituido pro-
curador eadvogado da Sra. D. Mara Felisinina do Reg
Gomes, viuva do Sr. Joaquim Gandido Gomes, e aluga o
segundo e terceiro andar do sobrado do Alerro-da-Boa-
Vista, n. 49, pe tencente ao casal da incsuiasciibora, do
qual he ella iiiventariante.
Quem annunciou querer comprar urna ovelha
dando leite, se ainda quizer, dirija-se a ra Vclha, n.
117.
-- Prccita-se de urna ama de leite : na ra doRozario
larga, n. 46, piimeiro andar.
Ala noel Teixeira de Oveira ou
pode fazer

WV>*: au\>'
Trancrlius de qualquer modelo, aunis flores, fitas ,
aderecos, pulceiras, brincos etc. ; tudo o mais bein
feito possivel por preco mdico.
Precisa-se de 300/ rs., sobre penhores, ou hypoteca
em duas casas terreas, que rendan 8/000 rs. mensaes,
cada una : a quem convier este negocio, dirija-se a ra
da Gloria, n. 23, ou a ra larga do Rozarlo, n.4G, pri-
nieiro andar.
Precisa-se de una mulher, para urna casa de pou-
ca familia : na ra do Brum, no segundo andar do so-
brado do Sr. Francisco Aires da Cunha
Precisa-se de um ou dnus liomens de boa conduc-
ta e sem familia que quelrao ir trabalhar de enxada
em ierras de um esjgenho distante desta praca 5legoas,
dando-se-lhe-o sustento e o jornal, que se ajlistar : na
ra do Nogueira, sobrado ao pe de outro, que cabio, no
segundo andar.
fl'erece-se urna mulher para ama de casa de Iit>
niem solteiro, a qual sabe engommar bem e cozinhar to-
das as qualidades de manjares : quem dclla e quizer
utilisar, dirija-se ao becco do Burgos, casa n. 3, que to-
do negocio se far, sendo que lbe convenha.
Desapparcceo da casa da ra da S.-Crut, n. 82, um
boio de abertura de camisa, coui um brilhaute grande,
e um circulo de ditos liudos com esmaltes, formando
uina flor, ejulga-te ter sido furtado para empenhar ou
vender e por isso previne-ie o publico, para que a*
quem fr oli'erecido o apprehenda, que se gratificar.
Os Srs. que eiicommendrdo mergulhosde parrei-
ras na ra do Rozarlo da Boa-Vista, n. 2, qurirao os
vir buscar, por j se acharan proinptos para se planta-
ran; assim como se vende a qualquer outra pessoa, que
precisar.
Urna parda de regular conducta, e que sabe bem
coser engommar e cozinhar o diario de urna casa
propdc-se a servir de ama de casa de homeiii solteiro
Suein de seus servicos se quizer utilisar, dirija-se a ra
e S.-Rita, luja do sobrado n. 40.
A mesa rrgedora da irmaiidade de N. S. da Concel-
cao dos militares, de confoi inidade com os seus esta-
tutos, convida a todos os raos comparecerem no
consistorio da respectiva igreja. s 9 horas da manha do
da 29 do corrente, alim de eiegerem o novo jui.
Precisa-se de um caixeiro para venda ; prefere-se
doschegados agora: quem rstivernestas circuinstancias,
dirija-se a rila Nova, n. 65, que se dir quem precisa.
Preci*a-se de um caixeiro com pralica de venda,
3ue seja hbil e d fiador sua conducta: na ra larga
o Rosario, n. 52, venda da esquina, confronte igreja.
Jos Soares Pinto Correia Tendeo a sua venda, que
tinha na Soledade ao Sr Goncalo Lopes Lima.
Aluga-se urna preta escrava liara o servico interno
de qualquer casa de familia, e sabe tratar bem de ch-
ancas, cozinha e engnmma : a tratar com Manoel Luiz
da Veiga, na ra da Madre-de-Deos, n. 36.
Precisa-se de um caixeiro para um deposito de
vender p3o e bolacha, que esleja no caso de o tomar por
lialanco, dando fiador sua conducta : no pateo da San-
ta-Cruz, padaria n. 6.
Quem estiver cm circumstanclas de dar alguinas
lices de nutica, annuncic, para se procurar.
-- l'recisa-se ahigar tima prele escra-
va, que saiba engommar e lavar, sendo
para urna casa estrangeia de pouca fa-
milia
Os Srs.donosde
inestres pedreiros que precisareui de algn*
s, como cal branca, dita preta, parro amarello,
JL:
obras e
materiaes, ..
dito preto, arela fina de fingir, dita grossn, tenas, li-
jlos de ladrilho, ditos dcalvcnaria batida, dita gros-
sa, lijlos de tapamento largos, ditos estritos, tildo
mais cm conta do que em outro deposito, queiro diri-
g r-sc a o ni mazan n. 8, por detrs da rua de S.-Fran-
cisco, ouaoarmazem n.3, defroute da respectiva Or-
dem l'ercera.
Alugo-se as seguales casas : os dous tercelros
andares com sotan e estribarla dos sobrados ns. 4 c 6 do
Atcrro-da-Boa-Vista por250/ e 300/rs. anmiars ; urna
casa terrea com quintal e cacimba e mais commodos
para grande familia, na ra-da .Soledade, n. 3l por
12/000 rs. mensaes ; um iqjirjdinho na Ponte-Uchoa ,
para passar a festa na befa do rio Capibaribe : a tra-
tar no escriptorio de F.'A. djr Oveira & Filho.
Arrenda-sc o sitio dp Arraial, da viuva de Burgos &
Flhos, que offrrece grandes, coniniodidades para nume-
rosa fimilia : este sitio lie murado, tem exeellcntecasa ""J^VioS-i*
sobradada, cercada de um espacoao c lindo jardini, co-
zinha. fura, eiiui armaiem; tem sobrado para pombos,
casa para fetor e- escravos, estribaras, curial para
vaccas, dn.is coi belfas, c nina dellas com soto, que se
avista parte, da oidade de Olinda; 24 canteros, ponte e
um grande'banheiro; todas estas obras sao de pedra e
cal; tem boa agoa do rio, que passa pelo sitio, viveiro
de pcixe. baixa para capim, e numerosas fructeiras :
auem o pretender, dirigir-se-ha a ra Direita no sobra-
o, n. 29, que.achara com quem contratar.
= Huje 25 do corrente mes pelas 4 horas da tar-
de, perante o Sr Dr. juiz do civel da segunda vara desta
cidade, se ha de arrematar a quem mais der.por venda,
um sobrado de dous andares e soto, cm chaos proprios,
na ra do QiirimaJo, n. 24 : os licitantes compareci no
da e horas apenados, por ser a ultima praca.
Compras.
.
Compra-se uina negra mofa, que salba cozer, en-
gommar e colindar, e nao tenha vicios : na ra Nora,
ii 3.
= Comprao-sc escravos de 16 a 20 annos de idade,
sados, sem vicios, com offtcios e sem elles: na ra Di-
reita, sobraso, n. 29.
Compro-sc, para fra da provin-
cia escravos de ia a ao annos : na ra
da Cruz, n. 6o a tratar com Alachado
& Pinheiro.
Compra-se a orthographa de Madureira que es-
teja em bom uso ; na prafa da Indepeudencia loja
de niiu Je/as u. 3.
Compra-se urna rotula para porta nova, ou usada :
atrs da matriz da Boa-vista n. 22 ou annuncie.
Vendas.
= Vendem-se 7 pretas com habilidades, de 16 a 25 an-
nos ue idade; 1 moleque de"18 anuos de elegante figura
e de mui boa conducta; 1 pardo bom carreiro, de 20 an-
uos c bem robusto; l preto de nicia dade, por barato
preco ; 1 mulata de 15 annos, de bonita figura : no pa-
teo da matriz de S.-Antonio, sobrado n. 4.
outra tpjalquer pessoa, nao |
negocio algum relativo aos sitios da Ta-
caruna ; porque Mies nao pertcncem e
se adulo litigiosos, e com outras coni-
llicac5es, n3o de pequea monta.
Alugo-se varias caos na (Jopunga,
proprias parase pasear a esta, por te-
'cm muitos coiriuiodo9, coin grandes sa-
las, quarlos, cozinha, estribara, quartos
pora escravos, copiar, tfce. : a tratar na
ra da Senzalla-Velha, n; 38, ou no
mesmo lugar da Gapunga, sohrado novo.
Aluga-se um sobrado de dous an-
dares e sotao, com bonita vista e bas-
tante fresco, sito no largo do Hospital do
l'araizo, esquina da ra da Koda : a tra-
tar no pateo do Carmo, sobrado novo de
um andar, n. 16.
l'recisa-se de um preto cozinheiro ,
para cufa de um honieni solteiro, se agra-
dar, tanibem se compra, convindo a
pertes : ua ra da Cruz no llecile ,
n 43.
= fio largo da Soledade, n. 32, se fazem chapeos para
senhoras, vestidos e qualquer outra ronpa ; bem coma
bordados de todas as qualidades, e camisas para ho-
mem, tudo na ultima moda, e por precos commodos.
Aluga-se por festa una casa na biquiuha de
S.-Pedro em Olinda, coin 4 quartos, niii.iulc ca-
cimba e' um tanque para banho quintal murado,
bastante fresca; a fallar junto a incsnia casa.
, poga-se bem no caso que o ser-
vico da preta agrade : quem a tiver di-
rija-se a ruada Cruz no Recife, n. 48,
primeiro andar ou ao armazem do mes-
mo sobrado.
Aluga-sP, por 10/rs. mensaes o segundo andar
de um sobrado na rua cstreita do Rozarlo : a tratar na
ra do Nogueira n.27.
=i Precisa-se de um cozinheiro, no becco do Abreo
n. 20, defronte do Corpo-Santo; a pessoa que estiver
as circuinstanclai, dirija-sc ao dito botiquim.
= O abaixo assignado previne ao publico, que nin-
guem contrate com Manuel Teixeira de Oveira negocio
algum, relativo aos sitios d;i Taearuna, sem que sejo
ouvidos os herdeiros da fallecida Auna Joscpha de Men-
donca.
Manoel da Silva Mtndonca.
Precisa-se de um caixeiro, preferindo-sc dos l-
timos chegados agora do Porto : no pateo da S.-Cruz ,
deposito de assucar n. i27.
Aluga-sc nina casa com copiar o trpeira no lu-
gar de S.-Anna com dous portos e jardim ao lado a
qual pode servir para duas familias tendo a mesma 4
salas 7 quartos cozinha, cocheira e estribara com
terreno plantado de capim para um cavallo alm de
de algumas arvores de fructo : os pretendeutes drljSo-
se a praca da Boa-Vista botica n. 6, ou nesta typo-
grapla que se dir quemaluga.
Rua de Apollo, ns. 128e 5o.
Troca-se, por casa terreas e tamban vende-se a
dinlieiro por preco rasnavel, como convier aos preten-
deutes um grande terreno, quedeitao fundo para a
inar ; o qual est estacado c aterrado e tein um ar-
mazem edificado dos nmeros cima declarados,, e he
de esquina ; seu o bom local merece toda a preferen-
cia para quem quizer levantar um elegante predio c
oflerece vautagcm a quem saiba apreciar a boa locali-
dade do dito terreuo : a tratar com Joo Esteves da
Silva.
AO BOU TOM PARISIENSE.
RUA NOVA, N.7.
TEMPETTE, ALFAIATE,
tein a honra de participar aos seus Ireguezes que dis-
solveo desde odia 15 de setembro do anno passado ,
asociedade que tinha com os Srs. Golombicz.Si Com-
panhia largando ao inesino lempo a loja dos sobredi-
tos Srs. As pessoas que o quizerein favorecer eoni a
sua fregueza o acharad na sua loja na rua Nova ,
n. 7. Tem pannos para caifas, colletes e casacas, de to-
das as qualidades os irais novos chegados de Pars, e
a collrcco dos mais recentes figulinos ; e recebeo no-
vanieuteum lindo sortimento de objectos de luxo e
phantaii.1, de diversas qualidades.
Aluga-se o terceiro andar da casa da esquina da
rua larga do Hozarlo, defronte da igreja : a tratar na
rua das Cruzcs, ol.
Preasa-sede dous lavradoies ; em casa d doma-
dor, ou fabricante de candlciros de gaz na rua So-
ya n. 52.
Aluga-se por preco rasoavel o
armazem da rua de Apollo, n. 3o com
embarque para a mai : a tratar com
Joo K?leves da Silva.
Precisa-se de uina ama que tenha bom' leite
para criar um menino de idade de dous metes : na pra-
ca da Boa-Vista n. 6.
Muita atten$So.
Vendc-se noiassa russiana
muitonovaeclcmu.tosiipcrior
qualidade; os senhores de en-
genho, que gosliio de fabricar
bom assucar, mandem com-
prar a potassa russiana a Cu-
nta & Auiorim, na rua da Ca-
deia, loja n. SO, que o bara-
tissimo preco, por que se ven*
de, convida.
Vende-se, para fra da provincia, una formidavel
escrava, preta, crioula, nuca, bonita figura, coiiuha c
engomma : na rua da Cadeia, loja n.50.
Vcnde-se um cavallo milito pequeo, proprio para
menino, de cor castanha. com muitos bops andares bal-
sos sem defeito algum, emuito manco: os pretenden-
tes dirijo-sc a rua larga do Kozario, botica de Hartho-
lomeo.
= Vende-se um lindo moleque de 14 annos, pouco
mais ou menos ; lian como duas pretas, boas para todo
o sei vico, sem vicios e por preco commodo ; c um casal
de escravos, proprio para lodo o servico e por preco
commodo: na rua do Crespo, n. 12, a fallar com Jos
Joaquim da Silva Maya.
Vende-se, por preco commodo, urna farda e dous
taquis para ofncial ou inferiores do corpo de policia :
ua rua Nova, n. 18.
Vendem-se duas canoas, em bruto,
urna propria para abrir e outra para ca-
noa de carreira : no telheiro por tros da
igreja de Santa-Rita, petencente a resti-
laco de Franca & lrinao.
Vendem-se caixas de tartaruga feilas no Aracaty:
na rua da Cadeia do Recife, loja de calcados, n. 35.
Vende-se um rico guarda-roupa, envidracado, por
50/ rs.; uina cania de angico para casados, coin colcho
e encherges, por40/rs. ; um lavatorio novo, com ba-
ca c jarro, por 6/rs. ; dous pares de mangas de vidro
pequeas, por7/rs.; um par de banquinhas de amarel-
lo com gavetas, por 8/rs. ; uina banquinlia quadrada
com um s p, que pode servir para mel de sala, por
12/ rs.; e uina cama de vento de armacao, por 10/rs.:
nesta typographia se dir quem vende.
Vende-se excellenle inarmelada r. doce de ginja, em
latas, por commodo preco: na rua Nova, venda da es-
quina da rua de Santo-Amaro.
Vendc-se, por nimio barato preco, urna mobilia
quasi toda de Jacaranda e em mui tu bom uso ; um pia-
no quasi novo c de exeellentes votes : eui Olinda ruado
Matliias Kerrelra, aochegaraos Quatro-Cantos.
Veiide-sc, para fra da provincia una escrava
cabra, de 18 a 20 annos, sadla c robusta, que cozinha o
diario de uina casa, lava bem, engomma solli ivelinen-
te, i-tem muita aptido c deseinbaracopara todo o ser-
vico : em Olinda casa do doutor Loureiro se dir
quem rende.
CARNAUBA.
No armazem de farlnha do caes do Collegio oontl-
na-iea vender cera de carnauba, a retalho, de mili-
to superior qualidade a
Vendem-se uvas brancas ainda na parreira: ua rua
da S.-Cruz, n. 3.
~ Vende-se urna venda coin poucos fundos ; na tra-
vessa dos Marlvrios, n. 8.
= Vende-se uina casa terrea coin bons commodos
para grande familia quintal murado e carimba, na
rua da Concordia jnnto as casas do Sr. Jos Antonio
Correia Jnior : a tratar na rua de Apollo, n. 1 pri-
meiro andar ; vende-se por sen dono relirar-se para
'fra da provincia, com sua familia.
Vendem-se superiores chapeos de cator de
Lisboa, a polka mais baratos do que em ou-
tra qualquer parte ; na rua do Quclmado ,
loja n. 19. -,.
Vende-se um terreno prompto com um viveiro ae
pexe em multo bom lugar, eperto da praca : a tratar
com Manoel I.iiit da Veiga, na rua da Madre-de-Deos,
n. 36. at/
__Vendem-se uns breviarios em bom uso por of
rs.; 3 inoites porl2/rs. : no Alerrn-ila-BoaiVltt ,
travrssa do Martins n. 3.
Vende-se uina preta moca Ae boa figura perfeiu
cozlnhe'lra mulo diligente pira o servico de urna
casa e que se dar a contemo ; urna dita engorama-
deira eozinheira e cose, coin uina mulatinha de um
mez muito bonita ; iprelos de 20 annos .proprios
liara pageos e para todo o ervlco; um moleque, de
12 annos, muito bonito: na rua larga do Rozarlo, vol-
tando para os quarteis, n. 24 primeiro andar-
= Vendem-se 17 travs de pao-reno de 40 palmos
de coropriiucnto que se arho no caes do fallecido Jos
Hamos: a tratar com o Sr. Thomaz adroiuistrador ua*
obras do dito fallecido Ramos.
escrava do gentio de Angola com
urna cria de unpara dous anuos, bem ladina e que
sabe fazer todo o servir" de una casa como seja co-
zinhar bem, e.engoinmar : na rua do Collegio n. J.
O Pastor fiflelissimo ou defesa
da religiao catholica:
contm a dotilrina mais saa sobre a lndependenca_ da
antoridade da igreja necessidade da divina mlssao e
jurisdicciio legitima para exercer seus actos c o ma-
nanclal donde estas emanio sobre a alta dignidadc do
sacerdocio deveres dos subditos dospais de familia ,
autoridades e imperantes provado tudo de um modo
rreluctavcl com factos histricos innegaveis, autorida-
des sagradas, e rates as mais poderosa e (comprelieu-
siveis al dos illilteralos : i v. de mais de 400 paginas
cm formato de oitavo nancer. : vende-se por J/400 rs.
preco correspondente ao de Lisboa 1/J00 rs.
Vende-se, na rua Nova, loja n. 38,
o supplemento ao vocabulario portnguez
e latino por Bluteatix, obra prima ra-
os amadores da
para
r.i e interessante
lingoa nacional.
Nova publcaco portugueza
de Pars, a O^OOO rs. cada
cxemplar, cm 2 volumes
de mais de mil paginas, com muitas es-
tampas ricas cncadernac5o elegante da
Historia completa* de Napoleao, extra-
hida dos melhores autores c especialmente das obras
de Mr. Thiers pelo doutor Caelano Lopes de Moura ,
cinirglo-mr da legiao portugneza ao servico do im-
perador Napoleo.
Contina-se a vender chocolate novo, a 240 rs. ;
caf inoido, a 180 rs.; dito em grao, a 140 rs. ; cevada.
a 100 rs. ; bolichinha ingiera a 200 rs. ; passas, a 2W
rs. ; figos, a 120 rs. ; leiria a 240 rs. ; manteiga in-
eleza, a 800 rs. e frnncrza a 600 rs. ; cha hysson a 2/,
2240 e 24560 rs. ; dito uchiin.a 1/600 rs. ; dito perola
a 2#400 is.jespeiinacete dc6 e7em libra, a720 e 800rs. ;
carnauba de 6, 7 e 9 em libra a 320 rs. ; lingo'fas do
Porto, novas, a 400 rs.; paios novos e grandes, a 280 rs. ;
lunilla deporco, a 360 rs.; fcijo mulatiulio, a 240 rs. a
cuia ; airo branco, a 320 rs ; dito vermelho, a 280 rs.;
niilho, a 120 rs. ; arros de casca a 120 h-s.; queijos no-
vos frescaes a 1/440 rs.; no paleo do Carino esquina
da rua de Hortas, lado dircito, n. 2.
Cal virgem.
Vendem-se ancoraz e barricas com cal
virgem, de Lisboa chegada ultima-
mente por preco mais barato do que
em outra qualquer parle ; na rua da Ca-
deia loj.i n. 5o.
=Vcndeui-se passas mluda para fazer podins ; cere-
jas e amella* secca*; feijes ; crvilhas ; Icnliha ; cham-
panha ; vinhodo l'orlo; Scherry'; Madeira ; viuho do
Rheno ; Sautcrnes ; Clarettc, em quarlolase caixas di-
to engarrafado a 400 rs. muito bom; superior cognac;
rbuin de Jamaica; arrae ; genebrade llollanda ; vinho
de .Malaga velho, em mciasgarrafas frascos de todas
as qualidades de fructas da Europa; repolhos conser-
vados ; barril pequeos de caviar, de uina libra ; mos-
tarda francesa e inglesa Scherry cordial; lats de sal-
ino ; sardinhas; ervllhas c mais outras conserva* de
peixc c carne ; conservas de pepinos e ceboiliuhos; cer-
veja preta e branca, da celebre marca barclay ; azelte
doce superior ; cha ; charutos regala. Estes gneros
sao todos da melhor qualidade e se cimo amostras
para os senhores compradores, no armazem de rciiiau-
do de Lucca na rua do Trapiche -
n.34.
OL1VRO DE TODOS
ou
Manual da laude,
Contendo
todos os esclareeimentos theoricos c praticos nccesa-
rios para poder preparar e rmpregar, em o soccorro do
professor, os remedios, e se preservare curar-se promp-
tamente, com pouco dispendio, da mor parle das moles-
tias curaveis, e conseguir um allivio quasi equivalente;
saudc, na* molestias incuraveis.
Seguido
de um tratamento especifico contra a coqueluche, ede
regras bygicnicas para prevenir as molestias
pelo doutor G. de Ploesquellcc.
Preco 4/000 rs.em brochura.
O sppleinenlo, indispensavcl a quem tem a obra, ua-
ic gratuitamente aos compradores. O dito suppicuieii-
to traz as tres ditlerentcs reccilas para a couiposicaoda
agoa sedativa;este precioso remedio,que tamaita repu-
tcao j tem ganho, e que deve existir em todas as casas
para remediar proiuptaiiienle aos accidentes e incom-
modos repentinos. _
Vendc-se na praja da Independencia, Uvrariaus.oe.
CHOCOLATE DE SAUDK.
ATERRO-DA-BOA-VISTA, NA FABRICA DE LICORES.
DI- FREDERICO CHAVES, 26,
ha sempre um grande sortimento de chocolate de todas
as qualidades Sao se faz preciso dizer as boas quali-
dades, por ser condecido e por ser bem superior e
outros quaesquer, que tecm vindo, e que veem das ou-
tras provincias do imperio como tamben da Europa ,
porque o mesmo fabricante nao se tem poupado a tra-
badlos para o obter superior a todo* os que podein se
apresentar. Os precos das qualidades siio : saude (ca-
ndil e baunilhaa 400 rs. ; o chocolate ferruginoso a
14000 rs. a libro. Este ultimo se acha agora mui co-
nhecido c em toda a Europa acha-*e mui vangloria-
do, poriuas virtudes tnica*; e por este motivo torna-se
mu necessarlo nos paizes quentcs, onde sempre se pa-
decem as frouxiddesde estomago e nos quaes o* tni-
cos se tornao indlspensaveis. Na mesma fabrica ha li-
cores de todas as qualidade* e de todos os precos com
ricas tarjas douradas, c por preco mais commodo do
que em outra fabrica genebra ago'ardentedo reino,
di'a de anlz dita de Franca cin caadas ou engarra-
fas vinagre branco e tinto muito forte a 400 e 800
rs. a caada ; espirito de vinho de 38grao*.
N. I'.. Quem comprar o chocolate em arrobas, o obte-
r mais cm conta.


A
Vende-se a excelente historia de Saint Clair das
libas fin 3 rolumes: na prafa da Independencia, llvra-
ria n. 6 e8.
-- ende-se abordo do brigue Cmtcicao-Caboclo ta\
do Ass de boa qualidade : trata-se abordo con o capi-
i.ni.ciii i un Aniorim Irmaos, ra daCadeia u. 45.
s Vendem-se moendasde ferro para cngcnlios de as-
sii. ir. para vapor, agua c beslas, de diversos tamaitos,
por pre90 commodo ; e iguainiente taixas de ferro coado
e batido, de todos os tainanhos : na praca do (.'orpo-San-
to, n. II, i-ni casa de Me. t.almo ni Si Companbia, ou na
ra de Apollo, armazem, n. 6.
= Vendc-se pulis* branca de superior qualidade,
em barris pequenoi ;- em caa de Matbciis Austin &
Companbia, na rus da Alfandega-Velha, n. 30.
Superior farelo.
Farelo de Trieste, em bar-
ricas flf "> arrobas ; o qnal se
reeoniHienda como o inail nutritivo dequantos aqu le
inipniun e por iiso o mais proprio para mclhor en-
gordar os cavalloi : vende-se no primeiro armaiem do
caes da All'andcga indo do arco ou cin casa de J. J.
Tasso IIInun .
= O corretor Oliveira tem para vender cobre em fo-
Iha e pregos de dito para torios de navios : os pretn-
danles dirijao-se ao mesino, ou aos Senhorc Mesquita
& Dutra.
Ka lija n: 3da ra do Crespo ao p do arco de
S.-Antoniu vendem-sc duas amito boas e cxcellentei
redes de cores feitai no Maranho : sen preco dimi-
nuto em proporcao da sua boa qualidade he de 20/ rs.
cada nina.
Vende-se polassa da Rus
sia pelo minio mdico prc-
90 de 160 rs. a libra ; cal vir-
gen, de Lisboa chegada no
ultimo navio : no armazem da
ra do Trapiche n. 17.
RELOGIOS.
Vendem-sc 4 relogios 2 de ouro novos e suisios,
um dito um pouco usado e um de prata em muito
boni uso ; 3 correntes de ouro novas ; ludo por mdi-
co pre^o : na ra da Cadeia n. 4.
Vendeni-se capachoi redondoi c comprldoi para
ornamentos de salas de diversas cores ; na ra larga
do Rozarlo n. 2?.
Oh que peebincha
para a frsta do Natal!
He smente na ruado Crespo,
loja de Antonio Luiz dos Santos
8 Companbia, n. 11, que se ven-
dem pelo barato prego de b e
8.9000 rs. os mais elegantes
chapeos de crep ricamente en-
feilad s, para senhora.
= Vendem-ie as mais modernas caitas de tartaruga,
de riquissimo gosto, cum chapa de ouro; superior ra-
p de Lisboa muito fresco : na ra larga do Rozario ,
n.24.
> Vendc-ic cal virgem em meiai barricas chega-
da pruxiniainente, por preco commodo; na ra da
Hoeda aruiazem n. Id.
\a ra do Crespo, loja nova
n. 12 de Jos Joaquim
da Silva Maya ,
vende-se brm Je puro linho de quadros c llstras de
cores e que sao muito proprios para a festa pelo ba-
ralissimo juico de 720 rs. cada vara ; ricos cortes de
casimiras elsticas para caifas a 6/ c 8/000 rs. cada
corte ; alpaca preta a 800 e i flian rs. o covado ; pannos
finos, preto e de cures, por barato preco; cortei de col-
jete de velludo setim r gorgorito ; ludo por prego ba-
rato ; assiin i (nuil iiiii ricosortiincnlo de lencos de seda
para grvalas, muito proprios para a feta.
Vende-se urna negrinba recolhida de 15 annos ,
que cose, engomina alguma cousa e he de bonita fi-
gura ; um pardo.bom carrelro : no armazem de fari-
nha do caes do Collegio.
f Vendem-se novos cortei de casia, de novos K5
pad roes e cores muito finas, pelo baralissimo 5
preco de 3/ rs cada um ; cortei de chita de no- gj
mis p.nli nes muito finas cambraias, da ultima
l ; muda ; lencos de seda da India os melhores \
T& que teem apparecido, assim como mais intVriu- \
#;' res ; merino preto, minio fino; pannos finos de
t~4 todas as qualidades e cores ; esguio e breta-
C". nha de puro linho ; toalhas de mesa de todos o
i tamanhos ; assim como um completo sortiuicn-
^ lo de fazendas finas tudu por precos, que a
Pi vista deltas he impossivel o comprador drizar
f de comprar : na ra do Queimado loja nova
kj^ da casaamarella nos quatro-canlos n. 29.
Vende-se farlnha de trigo da marca SSSF de ra-
iiiin)i ; no caes da Alfandega armazem do Bacelar, ,a
tratar con Manoel da Silva Santos.
da na do Crespo loja nova
n. I'i, de Jos Joaqun
da Silva Maya ,
vendein-se superiores cobertores de algodao proprios
para escravos a 1/000 rs. cada um ; uina faienda de
linho escuro tambem pararoupa de escravos ou sac-
eos de assucar por ser de inulta duracao, por barato
preco.
Vende-se sement de alface inulto nova ; tanto
branca como preta ; na venda da esquina do Atcrro-da-
Boa-Vista n. 88.
Vendc-se nina armaran para luja de eoliro felta a
moderna com os poneos fundos, que tem ou sem ci-
tes por preco commodui; na ra do Livramento, n. 27.
= Vende-se una parda recolhida perfeita engoni-
madeira cose e cozinha ; 4 eicrav'ai mojas, com ha-
bilidades nina deltas cose, engoiiiina c cozinha ; Ulna
negrinha, de l4 annos, boa para ler educada; uina
mutatinha de i5 annos que cose c fas rende ; uina
preta de 35 annos por 480/ rs. que cozinha lava
roupa e vende na ra ; 6 escravos mocos bons para o
trabalho de campo ; um dito bom carrelro ; um dito
bom oflicial de alfaiate um imilatlnho, de annos, bom
pagem ; dous moleqnes de i2 a 16 annos: na ra
do Crespo n 10, primeiro andar,
Vrndem-se 3 escravos com habilidades ou sem
ellas : na ra estreita do Rotarlo n, 23 primeiro an-
dar.
Na ra do Crespo loja nova,
n. 12, de Jos Joaqun.
da Silva Maya,
vende-se um reliante dos bem acreditadoi cortei de In-
dianas para vestido! de senhora, pelo barato preco de
2/800 rs cada um; corles da faienda victoria, a .ytSOO rs.
cada um; ricas cambraias com listras de seda, a u/000 rs.
cada corte; ditos de gosto chines, a 5*000 rs. cada um
corte; casias chitas para vestidos, a 2/8000 e 3/500 cada
corte; cambraias de quadros de cores escuras, para ves-
tidos, a 3/500 rs. cada corte; calcinitas para meninas de
escola a 400 rs. cada um par; melas linas para meninos,
de difl'erenles lamanhos; e mitras militas fazendas, que
Indo se vender por preco barato, assiin como um resto
das ricas e baratas lauternai com casticaes de llnissiin
casquinha, e que se vendem por 9, 10 e 12 mil ris cada
Par-
-- Vende-se una casaterrea no bairro da Boa-Vista
na Ponte-Vellia n. 54, a qual tem negocio dentro : a
tratar no Aterroda-Boa-Visia primrira venda ao p
da ponte, n. 2.
Na ra da Cruz no Recife n. 2\ ha para ven-
der duas escravas mocas de bonitas figuras com al-
guinas habilidades ; dous mulaliiihos sendo um de 16
annos e o nutro de 12 ; sola em porgo c a retalho; cou-
ros mullios ; beterrns ; esleirs de todos os tamanhos,
feltas no Cear ; urna porfo de barricas de sebo do
Aracaty ; um oculo de ver ao longe
= Vende-se superior gomma para as engommadei-
ras em panelros por muito mdico preco ; no ar-
maiem do Bacelar, defronte da escadinha da alfandega.
c= Vende-se urna preta de 23 annos, com um mu-
lalinhu de '2 annos a preta he boa vendedeira de bo-
linhos ou oulra qualquer cousa sem vicio algum;
tambem se troca por oulra que seja anda robusta ,
nao excedendo a mais de duzeiitos mil rs. : a fallar com
Francisco Antonio de Carvalho Siqucira na ra do Ro-
zarlo, esquina do Peine-Frito.
-- a ra Nova loja n. 58, se dir quem tem para
vender 6 arrobas de doce de laranja goiaba e banana ,
a i20rs a libra.
Vendese um preto de nacao de 30 annos de bo-
nita figura ; um pardo, de 18 annos bom para pagem,
emende do serviro de campo e he bom carrelro ;
4 pidas nuil algumas habilidades, que se dird ao
comprador ; uina nrgrinha de 6 annos muito boni-
ta ; todos sem \ icios iiem achaques : na na da Con-
cordia passando a pontcziuha a dlreila segunda
casa terrea.
Lances
da forluna aos 20:000.? rs.
Bilhetes, meios, quarlos, oilavos, e VIGSIMOS da
loteriado theatro deS -I'edro-de-Alcantara de Rio-de-
Janeiro : na ra da Cadeia do Recife, loja de cambio do
Sr. Vieira.
Vendem-se as mais superiores adra-
onns para < fliciaes subalternos da guar-
da nacional chegadns ullimumenle do
Rio-de-Janeiro, por itibs barato preco
do que em oulra qualquer parle : na ra
da C adeia do Recife, loja n. 5i.
. Na l'.iliiici. de sab?o da ra Impe-
rial n. 116, vende-se sabao amarello
epelo, muito superior e muito secco ,
pelos precos aliatxo mencionados e tam-
bem no armazem do Sr Jos Rodrigues
l'eieira na ra da Cadeia do Recite
Atcrro-da-Boa-Vista primeira venda
ao p da ponte, n. a.
Vendem-se relogios inglezei de patente, de
ouro ; na ra da Cadeia loja de cambio ,
__n.38.
Vendem-se boas e lindas sedas brancas para ves-
tidos de noivado ; ditas escuras de bonitos pad roes ; ri-
cos chales e mantas de seda escoceza do melhor gpsto
que pode haver ; guarniedes de flores para vestido ; cai-
xos de dita para chapeos de senhora; chapeos de seda
com plumas e calzos ; ditos de palha mu beln enfei-
tados, para meninos ; luvas de seda, comprldas e cur-
tas de todas as cores, com dedos c sem elles ; ditas
de pellica, brancas e de cores, lanto para liomem como
para lenhora ; ditas com enfeites ; chapeos de sol, de
seda para homein e senhora ; ditos de panno ; cortes
de cambraia de listras para vestidos ; borseguius para
hoiiiciu e senhora ; sapatus de lustro e inarroqutm pa-
ra senhora, homeme meninas; meias de seda branca,
bordadase lisas; ditas prelas para padre ; assim como
de laia multo boas ; um completo sortlmento de boas
perfumarlas bem como ouiras mullas fazendas que
se vendem por prego inulto commodo : na esquina da
ra do Cabug; junto a botica do Sr. Joao Morelra.
Na ra da Cadeia Vcllia, loja
n. 29, de J. O. Elsler ,
vendem-se os seguintes vinhos engarrafados, de su-
perior qualidade : viuhodo Porto inulto velho ; dito
da Madeira ; Bucellas; Carcavellos ; Sherrv ; Rhelno ,
Bordean ; Cherrv-cordial ; Tenerife ; Champanha ;
marca cometa ; e tambem superior genebra hollande-
za ; ago'ardcnte de Franca ; velas de composicao cha
preto.
Vendem-se dous moleqnes, de l5 a 18 annos ;
3 escravos de nacao ; 3 negrinhas de 14 annos ; 4 es-
cravas com varias habilidades ; una dita de mela da-
de por 230/ rs.: na ra Olreita n. 3.
A BARATO E BOM I
Vendem-se superiores chapeos francezes ; ditos de
massa lina a polka do ultimo gosto ; e de todas as
mais qualidades at o diminuto preco de 2/500 rs; di-
tos brancos de verdadeiro castor a8/rs. ditos de pa-
lha do < hile, de todas as qualidades, al o diminuto pre-
co de 2/500 rs. ; bonetes de velludo para meninos : na
ra do Queimado loja de chapeos, n. 38.
= Vendem-se, recenteinente chegados queijos lon-
drinos ; presuntos inglezes ; conservas ; cerveja bran-
ca ; indo da melhor qualidade ; verniz copal, proprio
para fabricantes e pintores de carros : na ra do Tra-
piche, n. 44.
i
LIMA,
Na ra Nova, n. 2, primeiro
andar,
tem para vender dragonas, ban-
das e fiadores para ofiiciaes su-
periores e subalternos da guarda
nacional; mantis e coldres
lldades de fumo da Virginia, culo roma rivallsa ao
mais superior rap princesa de Lisboa.
Rap princeza Novo-Lisboa
a 18000 re. a libra.
Re todos os raps, que a Industria brasllelrn tem at
hoje fabricado, nenhum imita melhor o verdadeiro ra-
p princeza portuguez do que o intitulado RAP PRIN-
CEZA NOVO LISBOA, fabricado no Rio-de-Janeiro, sen.
do too perfeita a sua jeinelhanca, que os mais veteranos
tabaquistas o tomao pelo genuino rap princeza de Lis-
boa.
O deposito deste xccllente rap, he no armazem de
AlvesVianna, ra da Senzalla-Velha, n. Ii0;c .tambera
se vende nos tres bairros da cidade : no do Recife em
casa dos Sis. Jos Dias da Silva e Pontea 4c Sampaio, lo.
jas de ferragens ra da Cadela-Velba j no de S.-Auto-
nio em casa dos Srs. Antonio Domingos Ferrera rus
do Crespo, n. 11 ; Joaquim Jos Lody, loja de minuc-
ias ra larga do Rosario ; Jos Joaquim da Costa lo-
ja de miudezas na ra do Cabug ; no Aterro-da-Boi.
vista tojas de miudezas dos Srs. Antonio Ayres de Os-
tro & Companliia Antonio da Silva Guimaraes e Tlio-
maz Pereira de Mallos Estima.
^$ft&$!9tt$ttttttft.
g
or- lH,
Vende-se o resumo de aritbmelica,
por um feruambucano : na praca da In-
dependencia, livraria ns. 6 e 8.
Vende-se polassa branca, da
mais recem-ebegada por modi
co pre$o : em casa de L. G. Fer-
rera & Companbia.
- Vende-se uina rede; um baln ; Ulna espingarda de
caca ; 400 oilavas de prata ; tudo muito em conta :
ra Velha n. 38, das 10 horas ao ineio dia.
~ Vendem-se cortei de cambraias com barra pa-
di lies ns mal modenoi. que teem apparecido: na ra
do Queimado n. 42, loja de Jos Joaquim da Costa.
n/^ Vende-se um cavallo ruco e grande, proprio
UQ-oI para carro por ser ensinado ; na ra das La-
. BtX *! rangeiras, n. 18.
Vende-se, para fura da provincia urna escrava
crioula de 16 annos, he recolhida de bonita figura ,
muito prendada engomina com perfeicao, marca, bor-
da faz lavarinto e renda e tambem cozinba : na ra
Nova n. M, terceiro andar.
Aos f. proprielarios de
engenhos.
Vendem-se taixas de ferro coado, moendas de caima
Sara agoa, ou animaes, rodas dentadas, crivos, boceas
e furnalba, r mais objecin nrcessar ios para engenhu ,
por preco commodo : na fundlcao de ferro de M.c Cal-
lum & C, na ra do Bruin no Recife, ns. 6 e 8,
10")
100
100
95
Sabao amarello fiicaixado, e libra a
Dito elilo a granel a ...
Dito preto encaixado a .
Dito dilo a granel, .
Sendo partidas de mais de 5o caixas,
abalese alguma cousa no preco, e man-
da-se levar aonde for mais commodo eo
comprador.
Vendem-se 3 escravos sendo: urna parda moca;
Um innleqiie ; um preto : a tratar com Joo Jos de
Carvalho Moraes, no Recife.
Vende-se um bonita moleque peca de 14 annos ,
por 350/rs. ptimo trabalhadnr de caxada nao tem
vicios e nunca fiigin ; 3 canoas decirreira sendo duas
abertas, de conduzir familia, ambas novas e pintadas a
oleo ea outra pequea de um s pao : na ra estrei-
ta do Rozario, botica, n. lO.
]Va ra do Crespo loja nova,
n. 12, de Jos Joaquim
da Silva II a ya ,
vendem-se ricos chapeos de seda lindamente encella-
dos para senhora chrgadns ltimamente de Franca,
pelo diminuto preco de 12/000 rs. cada um ; mantas do
grande tom a 6/000 rs. cada uina as quacs se tornio
recominendavcis para ac senhoras que cosluino ir
passar a festa. |
Peehincha na loja do nicho !
Na esquina do Livramento, laja do nicho vendem-
se cortes de cambraia de cores, a 2/000 rs.
Venileiii-sebiclias grandes de llam-
burgo chegadas ltimamente ; e tam-
bem se alugSo, por preco commodo j no
i
l
i
p, necidos de galSo de ouro; cbapeos
p armados ; espadas de ac e metal
do principe; ditas com copos don-
rados ; estrellas para abas de far-
das ; gales de otro fino para
calcas, bonetes e divisa de todas as
patentes; bol5es de metal para
sobre-casacas militares ; ditos pa
ra artilbaria ns. a e/ ; luvas de
caminen branca; umarreio com-
pleto dos mais modernos, para ca* ,
vallo de oflicial da guarda naci- jSj
nal ; o que tudo se vende por pre- j
co commodo. lJj
?ia ra da Cadeia Velha, loja
n. 29, derontc do Bccco
Largo,
vende-se um grande soriimento de pe
lucia de seda fina e mais utensilios para
cbapeos bem como: cbapeos de papelo,
a 800 rs. e de massa, a i'2oo rs.
cbapeos de prlbinha de 120 a 6\o rs.
bonetes de dila a 480 rs.
Vendem-se, por barato preco, os objeclos seguin-
tes : duas bancas de conduru, com gavetas ; una ban-
ca de amarello com cinco palmos de comprimen e
tres de largura ; um babu preio e grande; uina cami-
nha de bonecra ; una luneta com passador de ouro no
trancelim ; urna calca de casimira ainda aova ; um cl-
lete de seda novo e da moda; uina quarta da medida
velha ; mu cachimbo novo, fabricado em paiz eslran-
geiro ; dous quadros pequeos ; umajaqueta de bom
panno azul ; 2 garrarlnhas lapidadas para chebo ; al-
guns objrctos para cavallo uina escada de 10 palmos ;
dous serrotes ; uina terrina branca e grande ; una gar-
rafa lapidada ; 4 callees lisos ; uina jarra sofl'rivel em
tamanho ; um caldeiro de ferro, de bom tamanho ; 6
cadeiras e urna mesa redonda prnprias para o interior
de uma casa ; una tina de amarello; dous copos com
p liso ; urna colher azul para terrina de molho ; una
regrade Jacaranda, larga c comprida; 6 botoes doura-
dos de massa para collete ; una abntuadura de du-
raque preto fina e nova ; urna bengala grossa enver-
nizada; 21 torcidas para candieiro de globo; uma gaio-
la grande com taboas em baixo ; um atiador de na-
valhas, francez ; uma correte para cao : na ra das
Larangeiras n. 2; assim como tambem se vende, pelo
preco que for oflerecido o primeiro voluine do iunr-
daNacional, bem encadernado de 11. 1 a 87 e os n-
meros avulsos de 88 a 128.
= Vende-se uma preta do gento de Angola, com
uma cria de 2 anuos ; 150 alqueires de sal ds Ass por
preco commodo : na ra da Praia, 11. 18.
As cautelas da lotera da cidade da Victoria achil-
se de hoje em diante expostas venda no Aterro-da-
lloa-Vlsta. as lujas dos Srs. Caetano Luiz Ferrera,
11. 40; Tiloma? Pereira de Mallos Estima, n. 54 ; Leal
& Irmio, n. 58, e Antonio Ayres de Castro, n. 72 ;
assim como na iravessa do Veras, n. 13, onde os fre-
guezes acharad sempre um variado sortlmento de bons
nmeros. O pagamento das que sahirao premiadas
na passada lotera do Livramento, contina a ser fclto
como d'antes a toda e qualquer hora do da, sem ex-,
cepeo de domingos e dias santos.
s
Pechinchas novas para a festa, a saber : cor- '
Stes de velludo da melhor qualidade e lindos 1
padrdes, que teem apparecido, a 5/000 rs. ; di- '
tos de setim de cores, de listras c quadros a '
2/500 rs. ; merino de duas larguras a 2/000 rs.
;S o covado ; alpaca superior a 1/280 rs. o cora-
do ; panno fino verde cor de garrafa a 5/000
n rs. o covado ; dito preto a 4/500 n. ; lencoi
X de sedada India a 1/280rs.; sedas de cores,
de lindos padrdes para vestido* de senhora ,
a 1/000 rs. o covado ; meias comprldas, estam-
padas com bonitos desenhos, imitando seda, a
f320 rs. ; luvas de pellica para hoinem ,. a 1/ |
rs; ditas para senhora, a 320 rs ; alm des tas
lia outras mullas fazendas bem como : ricas
cambraias de cores; lindos rlscados para vesti-
dos de senhora, por imitaren) cassas, de dile-
rentes cores.
Co Alerro-da-Boa-Vsta, so-
brado n. I, casa de modas
francezas, de llillochau,
vendem-se ricos e inulto lindos chapeos de seda, bico,
crep e palha fina, para senhora e meninas ; toncas
enfeitadas, para as ditas ; chapeos e manta* para lulo;
ludissimos e ricos capotes brancos de fil bordado e
cassa dita para senhora ; cortes de vestido bordados,
de fil, cambraia e tarlatana ; cambraias lisas e bor-
dadas ; tarlatana fina, branca e de cores ; mantas do
bien preto ; ditas de tarlatana bordadas ; boas fitas do
setim e tafet de todas as larguras ; ricos bicos de
Monde ; ditos de linho ; flores finas para chapeos e
enfeitcs de vestidos ; ditas para noivados ; lencos de
seda, para gravatas de senhora; ditos de cassa fina,
para liomem ; luvas de pellica, para lioiaeni e senho-
ra ; toucados para meninas; ditos para baptisado ; lu-
vas de seda, curtas e comprldas, para senhora; bicos
de lindos padrdes, para cabeedes ; lencos bordados,
de cambraia de linho ; ditos de cambraia; ditos de cm-
brala imprimida; meias de seda para senhora; dilts
de linho para meninas ; lindas bejoulerias francezas,
iinitacao perfeita ; tiras bordadas ; ditas de fustio; e
muilos outros objeclos de moda. Na mesma casa fa-
zem-se vestidos de casamento do ultimo gosto por
ter.todos os fieurinos os mais novos e tudo o mais, que
necessita o tolcle de uma noiva.
Vendem-se vidros para espelbos ,
de varios tamanhos; ditos para vidracas:
na ra da Cruz n 10
= Vende-se muito superior carne do sertao queijos,
e lingoicas atrs do Corpo-Santo, n. 68, loja de tonta.
Escravos Fgidos.
Kap-Gasse
O encarregado da agencia do Rap-Gasse nesta pro
vincia tem a honra de participar aos seus fregueses,
que se acha venda no deposito da ra da Cruz no Re-
cife, 11. 38 urna das melhores fornadasj, qu aqu teem
viudo do Rio-de-Janeiro do muito apreciado rap
gosso e mcio-grosso fabricado coin as melhores qua-
Fuglo, no dia 21 do correnle as 6 horas e meta da
tarde nina parda, de lime Domingas de 40 annos,
pouco mais ou menas estatura regular delgadaido
corpo, cara comprida, dentes pretos, de fumar caehim-
fbo ; levou saia velha panno da Costa ; desconlia-ie
estar acollada, para fugir para o sertao em alguin com-
blo se nao sabio inmediatamente : queiu a pegir,
leveao Corredor-do-Bispo ao majar Majer.
No da 21 do corrente, pelas 10 horas do dia, na
salada de um comboio para o Rrejo-da-Madre-l)eos,
desapparecco um uioleqne crioulo de lila 14 annos,
com camisa e calcas de nlgodo da Ierra e chapeo de
cauro ps grandes, cor fula ; tem nos peilos ccaln-
zes bastantes sobre sahidas, originadas de fago : quem
o pegar, leve a ra larga do Rozario venda de Joao Ji-
cinlho Pereira Cabial que gratificar generosamente.
(* Joaquim da Silva Lopes pede as autoridades poh-
claes e capites de campo a captura de um escravo de
noine Jos de nar.o Rebolo, estatura regular; falu
lao bem que parece ser crioulo ; representa ler S>
anuos ; tem o p esquerdo muito grosso, c na pe"1
uma ferida. Este escravo foi de Manuel Henriques u
Silva, da cidade de Goianna, e foi embargado por divi-
da nesta praca, e arrematado em praca publica pelojuu
da segunda vara. Quem delle der noticia dirija-1'1
ruada Cadeia Velha n.29. .
Fugio, no dia 11 do corrente da casa de Francis-
cos Jos Duarte um escravo cabra, de noiue Miguel,
cabellos nucas alto, cor um tanto fechada meo i>-
rolho, rosto redando,grosso do corpo.ps largas, perwi
um tanto grosss, com um nielo geito para dentro; levou
chapeo e calchas de-couro. Este cabra eslava no sino a
Hoa-Viagem e conduzia lelc para o Recife em um ca-
vallo : quem o pegar, leve a ra de Hortas sobrado n,
48, que rcccberSO/ rs. de gratilicacfio.
Fugio, no dia 23 do correnle, uina preta de no-
me alaria, de nacao Angola ; representa 14 a Ib' anuos ,
de bonita figura, secca e baixa do corpo ; lea un sl8"
nal em um braco cabello grande ; levou 3 vestidos
chita e um de chita panno da Costa j velho : <|ucn'
pegar, leve a ru^ do Kncantamento n. 4, terceiro a-
daa que ser recompensado.
Dcsapparccea no dia 22 do correute, pelas 7 ora
e mria da aaile, um preto, de nome Jos, de nacao Be
guela de 30 allos, pouco mais ou menos, de esta-
tura regular, beicos grossos, nariz grande e chalo p
e inios pequeas, pernas cabelludas ; levou calcas
algodao lisiado c camisa de dito branca uma lata pv"
Suena ao pesco;o com papel de matricula de ca^r'c"'
psappareceo junto com um bote pequeo ; Ju!Ba"
ter sido seduzido. Roga-se as autoridades policiaes
captaes de campo de o prgarem e levarem a seu
nhor, Izidio Jos Caparlca no eaes da Lingota,q"e
generosamente recompensara.
PERH. : KA TtP. DEM. F
.DE FARU. 1846.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E98C01Y7M_578Q9J INGEST_TIME 2013-03-25T15:58:29Z PACKAGE AA00011611_00452
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES