Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00441


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A nno de 1846.
O DIARIO puhlic'-se todos o dias que n5o
rorm H guarda: o preco da assienatur. lie de
lino" rs. por qnartel, pagos adiantadns. Us
.anuncios dos asignantes 5o inseridos ai fallo
de in ris por Italia. 40 ris en typo difieren-
te e as repetices pela metade. Os que nao lo-
rem alienantes pKo 80 ris por linda, o 160
MU typo difiranle.
PI1 ASES DA LA NO MEZ. DE NOVF.MBRO
l,ii cheia a 3, as 8 horas 51 minutos dz inanli.
Miogoantea 10, as > horase 2 mi. da nlanh.
La nova a 18. as 8 horas e S9 min. da Urde.
Crescenle a ib, ai 8 horas e 11 min. da Urde.
Qunta-fcira 12
PARTIDA DOS CORRF.IOS.
Goiann Parahrha Segunda! e Settas feiras,
Itio Grande do Norte, cliega as Quartas feiras
no meio dia e parte uas mesmas horas nal
Quintas feiras.
Cabo Serinhaem, Rio Formoso, Porto Caito e
Macey no l., II eJI dcada mei.
Garanhunse Bonito a 10 e 24.
Boa-Vista e Flores a lo 2.
Victoria as Quintas feiras .
Olinda lodos os das.
PREAMAA de hoje. __
Primeira i II h 42 minutos da manha.
Segunda a 12 li. (i minutos da Urde.
de Novcmbro. Anno XXII. S. SM.
DAS DA semana.
9 Segunda. S. Oiesles. Au-I. do J. doi orph.
edo J. doC.da I. v., do J. SI da 2. v.
10 Tere. S. Andre Arelinn Aud. doJ. do civ.
da I. v. e do J. de paz do 2. dist. de t.
11 Ouarta. S. Martiuhn. Aud. do J.docif. d
2. ,e do'J.de par do 2 dist. de t.
12 Quima S Dioco. Aud. do J. deorplioi, do
I municipal da I. tara.
15 Sexta. S Eugenio. And. do J.docv. da
I. v. edoJ.depasdo l.dist. de t.
14 Sabbado. Ss Clrnientino Aud. do J.do cit.
da I. v., e do J de paz do I. dist. e J. de t"
ti Domingo. O Patrocinio de Nossa Senhora.
CAMBIOS NO til* II DE NOVF.MI1RO.
Cambio sobre Londres28 a zt'/jd. p.lfa 0 d.
Paiis 865 ris por franco.
. Lisboa lo0/,, de premio.
Desc. de letras de boas firmas I '/, P- '/o' ""
OumOnrashcspanholas-. 1*000 a 3lf50O
> Modas do OJtnO vel. I6i200 a
de 644(1 or. lo'SOO a
> de isOOu... 8/100 a
Prala Palacoes........ 1*080 a
* Pesos coliimnares. 11890 a
a Dilos Mexicanos. ttVto a
Miuda......... ijflOO a
1(1*400
16^400
9>J0"
2/llll
2|000
1*940
1*780
Acces da Comp. do lleberibe de 50*000 ao par.
DIARIO DE PERN AMBUCO
PERNAMBUCO.
AaSEMBLE'A PROVINCIAL.
SESSO EM 10 DE NOVEMBRO DE 1846.
PRESIDENCIA DO IB. SOCZX TE1XEISA.
(Contnuaco do numero antecedente.)
OSr.Ketto, fazendo icntlr. que, estando a terminar a
sessao, ainda nao appareceo na casa a relaeao dos deve-
dores da fazenda provimi.il, que rrquerlmento scu,
e por intermedio da presidencia, ic exigi da thesoiira-
ria, diz, que rrceia, nao lliechrgue essa relaeao s mos,
e venha assim a aconiccer-lhe uque lhc tem succedido
desde i839ou40, puis que desde esse teiupo a solicfla
elle, e desde eise lempo a nao pode obter; e por Uso,
pedindo venia no Sr. presidrnte, roga ao Sr. 1. secreta-
rio, que, como demasiadamente versado no regiment,
be declare se llavera outro meio, que nao o que al o
presente se tem adoptado, que o habilite a conseguir a
mencionada relaeao.
0 Sr. Peixoto de llrilo: Se cu reconhecesse no regi-
ment algum meio, pelo qual podrssc o noli 11- deputado
chegar ao fin, que deseja, cu Ih'o forneeeria ; mas no
regiment nao o vejo, e s o que posso dizer I respeilo
he, que a assembla tem dircito de exigir informnces
de todas as reparlices, para auxiliar seus traballios ;
c o canal, por onde c devem dar estas informacei, es-
t marcado no regiment; he por meio do presidente.
Ora, al boje tem-se pedido inforinacrs a respeilo de
nin i los objectos, e ellas teem viudo cora toda a brevida-
de: devend notar-se, cum ilcito, a vista duque acaba
de expr onobre depulado.que, lendo viudo nforuiaces
a outros muilos respeitos, n;Io tenba sido salisfeita ella
exigencia, de que trata o nobre deputado; mas nos re-
cursos do nobre denotado adiara elle cutios lucios pa-
la chegar a esse lim.
Nos uo podemos, nem devenios marcar .mu prazo
pacsidencia, para ella o marcar ibesoiiraria provin-
cial; a presidencia deYeria tomar esse arbitrio, lito he,
pode dlzer thesonrarla, que dentro de tal tempe apr-
sente as Infomiarocs exigidas pela assembla; lalvrz
que j.i ella 0 baja frito, uu estar dispnsta a fazc-lo ; en-
ti it.into, j que me pedio o nobre deputado, que eu
lrinbrc un meio, cu o faco, porque be nielo, que pode
ser usado pela assembla : se uo merecer esta miuha
lembranca o asscnliliieulo do nobre deputado, nadase
perde.
Eu emendo, que a asscmllla provincial pode nonicar
iima conmiissau, que se eiicarrrgue de ir ao thesouro,
e liusear i.i n que nao Icin podido obter por meio de suas
requisices: relo, que esic nielo be inulto curial, e lal-
vt leja o mals prompto e melbor, para que postamos
chegar (O fin todeiejado: de mal, o meio nao be no-
vo; no thesouro geral se faz isto, al por couimisses,
que sao Horneadas pelo governo: islo se faz quasi todos
os anuos, e se fez este anuo, por occasiao do encerra-
inento das cmaras: creio, poli, que, na (alinela do
meio legal, de que a assembla tem laucado nio, este
be inulto curial. ...
O Sr. Arito: Bulto faca-se sequestro nos papis da
tliesouraria.
O Orador : Se o nobre deputado nao approva a lem-
branca, rejeite-a; e seria melbor, que a livesse soli-
i it.id,
O .Sr Reg Mtmteiro: F.u ped a palavra, para dizer
ao nobre deputado, que me precedeo, que a lembranca,
que acaba de ser indicada casa, be de conformidad*
coni a le da crea9.n0 do Ihesouro publico, creio que de
4 de niitubi'ii de S.'II, que mesiiio recommeiida, que se
mmele Ulna comiuissn da assembla para este lincees-
la assembla jo tem feilo nos anuos de i839, 40 c 41-
() Sr. NttU: Mas nan era virtude delta lei.
O Orador: Pols bem ; p;ide ser, que seja por deduc-
fu dissa lei: o que sei, e allirmo lie, que se tem io-
ineado eslss commissdes e por rspaco do 3 anuos suc-
ceuitoi, e al a requeriuiento nieu.....
OSr. I'edro Cavalcanli: -- E os trabadlos dessas coin-
lllistoei existem ?
Morador: Nao sci: o Sr. 1.* secretarlo he, que o ha
de dizer; mas talrez nao existao, a cxemplo do que
acontece na assembla geral,aonde nunca st apresent.i-
ao irabalbos alguns da coiiiinisso do exime do tlie-
souro.
Agora dlrcl, que a thesouraria provincial cmverdade
tem sempre dado todas as nfoiniafocs, que Ihe teem si-
do pedidas, e isso coni brevidade eexadidau: en don
dillo lestcmuiiho, purque, como meuibro da coiumisio
de fazenda, alguns esclarccimenloi tenho pedido, e tc-
11I10 alcatifado iinmedialaiucnte : mi pudendo ileixar
d> admirar o retal llmenlo desses, que pedio onobre
denutido, nliro eu, que esse ictaidaiiieiitn be provenj-
">tedoCUIIO e complicaco de extraliir-se nina relaeao
'xtensa dos devedores, que mi ifiopOUCOf. Ko entre-
tanto, o presidente j narticlpoil ler solicitado os escla-
ei nclitos, e por certo ellesnao poder.o tardar minio ;
podendo-se, poriu, latear mao do meio lembrado, de
iiiniiear-se tuna coininissao para o exatiie do Ihesouro ;
u que nfiu he novo.
O Sr. Netto declara, que, quando se propoz a alcatifar
outro meio, que nao o Intermedio da presidencia, para
obter a relacj dos deredoret da fazenda provincial, nao
foi por suppor, que a mesilla presidencia se descuidara
de solicitar da thesouraria essa relaeao, porquanto, aliu
de depositar inulta conliauca no actual administrador
da provincia, observa a proinptidao. coin que teeinsido
fomecidos os etclareciinentM! que a assembla lhe tem
pedido, c sabe ipic elle niesmo, antes da abertura desta
sesso, ai\ij4n; mas siui por entender, (|iieao governo
filian os lucios ib- fazer com que a lliesouiariaaprsente
a mencionada ni.ir.10 coi lempo, pois est persuadido,
que se esta falta se nao dsse, esses meios ja terio sido
einpregados: comquanto reconbefa na assembla o di-
rcito de mandar examinar os cofres provinciaes por tuna
eiiniinisiao dosseus membros, acha essa medida impro-
licua para o caso em questao ; porquaiilo, nao poden-
do a casa, durante a presente sessao, dispensaros depu-
i-idos. que deisa cotnmissao devem fazer parte, ella s
sepder organisar depoU de encerrada a inrsina ses-
O, e por cotiseguintc sudar cotila do exame, que Ibe
f6rIncumbido, em mareodoanna vlodoaro; oqae mi
conten) a elle orador, que quer saber desde j do estado
da divida activa da provincia, para sobre elle propor al-
gumas medidas: e para prova de que tem na presiden-
cia a ciintianca, que no principio do seu discurso disse,
Ibe voUva, fazo aeguinte requeriinento :
Rcqueiro, ijede novo ie pefa cora urgencia ao go-
verno a relaeao dos devedores da fazenda provincial
com a declaracao da causa c data dos dbitos respecti-
vos. Loptt filio.
Apoiado, entra em dlscusso, e he approvado.
(Conlinuar-ze-AaJ
DIARIO HE I'EIIIAHRUCO.
Na assembla, a ordein do dia para a sessao de hoje
he : conlinuaco da de liontem, leilura de projectos c
pareceres, e de uina Indicaco doSr. Farla.
Pelo paquete inglez Exprtti recebemos o fisu de 5 de
outubro ultimo.
A ralnha e a real familia achav3o-sc no castello de
Windsor.
O casamento Monlpensier continuava a ser o tpico
absorvente das imprensas ingleza e franceza, entre ai
quaes se tratara seria discussSo a tal respeito.
As noticias de Pars alcancavao a 3 :
Os duques d'Aumale e de Monlpensier chegarao a Bai-
onna 110 l.de outubro.
O Moniteur havla publicado p segulnte despacho telc-
grapbico, datado de Bchobia, a 2 de outubro, s 11 ho-
ras da maulla 1 :
Os principes acabao de entrar na Hespanha. A sua
rerepeo em lriin foi a mais|brilhante e cordial.
O governo francez tambcni recebeo o seguiute despa-
cho lelegraphico ."
Ilaionna, 3 de outubro.
Os principes forao rccebldos e saudadns com o maior
enlhusiasiiio no icu caminho para Tolosa, onde se Ihes
olleiecco nina magnfica /ele. O concurso do povo era
iinin. uso.
SS. AA. RB. partera neste momento para Victoria,
onde os aguarda una semelhante recepcao.
O Heraldo duba aiiiiiinclado, queosdous casamentos
seriao celebrados a 4 (le outubro, e que a ralnha de Hes-
panha e sua riu.i. com seus augustos consortes, parti-
1 iao depois da ceremonia para Aranjue/., onde deviao li-
carat 10, da designado para os festejos pblicos.
A Epoque mencionara, como positivo, que o principe
Don Juan Mara, lilho de D. Carlos, nateido a 13 de mar-
co de 1822, deva de casar com a archiduquesa Marta
Beatriz d'Esle, qtienasceo a 13 de fevcrelro de 1884. A
familia Este he limadas mata ricas da Europa. Os du-
ques Marian cFerdinand d'Kste, tios da princeza, uo
teem lilho, c poisuem entre si una fortuita de 100 ini-
lltoes de ilorlns.
O governo francez continuava a prender os chefes car-
listas residentes em Franca, O brlgadciro Ubago tlnha
sido capturado em La Beole e inellido cm prisao solita-
ria ; e o Sr. Aalejo, antigo intendente do excrcito car-
lista d'Aragao, tinlia sido preso em Nantes.
Muilos dos amigos do conde de Monteinolin, em Pa-
rs, coinecavo a crir, que elle tlnha IdojuuUr-ie com
a sua familia na Italia.
As milicias de Madrid ebegavao a 28 de setemhro.
Un passageiro do paquete inglez, que tncou na Iba
da Madelra, dominio de Portugal, e que aqu te acha,
coinmiinicou-nos, que all corra a noticia, viuda direc-
tamente de Lisboa, de ler havido um levanlanieiito de
tropas a favor dos caistas, promovido pelo duque da
Terceira c pelo marquei de Ssildanba; e que, em uonie-
qiieucia de exigencias dessa tropa, tinlio sido reatllui-
dosaos res|iectlvos cargos muilos dos chefes militaras,
que, por sectarios dos Cabraes, forao demitlidos, quan-
do esles senhores cabfro dn poder.
A ser verdica a existencia dessa contra-revoluco ; a
ser exacto, que sao seus chefes os bonicos, cujos nomes
em prinieiro lugar citamos ; a ser certo, que esses ho
meiis, um dos quaes, aluda ha to pouco, claiuou ou fez
clamar pela demisiio desses chefes militares, apreten-
tando-os como perigosos causa publica,agora, de com-
iiiiiin accordn, exigirn ou niandarao eligir a sua relnlc-
graeo; he esse faci um daqucllcs, para que nao adia-
ramos causa racional, se a nao fosseinos buscar na po-
lili'eu, onde com mais facilidadc vilupera-sc hnje o que
bontein se elogiou, c n'tini da capitula-te de ptimo o
que no antecedente se classificou de pessimo, segundo
convin aos inlercsscs das preeminencias^ dos partidos,
as quaes rara lie a vez, que se negio a beijar a man, poi-
que foro esbofeleadas, ou que morderlo, se o braco,
que niove essa nio, tem Torca bastante para stisleutar-
llies as elevadas e seductoras posices, das quaes s per
aceidem voluntariamente desce, e a cuja conservafiio
uas! seiupre sacrilicao ludo.
Correspondencia,
Senhores Redactores,--Em 3l de julho appareceo em
seu Diario una correspondencia do Sr. Jos Feij de
Mello, analysando um ollicio dolllm. Sr. cnmmandanle
superior, Manuel Tliom de Jess, dirigido ao Exm. Sr.
presidente delta provincia, por occasiao da pcnbora,
que liz ao tal Sr. Feij, avaucando multas falsidadcs,
calumniando um dos mais honrados Pernaubucanos,
o dilo lilil. Sr. Manuel Thom, e insultando-o com os
nomes de ineutiroso, desmanchado da cabeca, c aliena-
do do buii tenso, etc. Eu dei-lbe una pequea respns-
ta pelo niesniu Diario no dia inmediato, fazendo ver,
que elle, o tal Sr. Feij, be que solivia aliena;ao de cabe-
ja, porque, classificaudo de roubo apenhora.quc Ibe t,
contesta ao niesmo lempo, que pagou a importancia da
execuco; c porque uessa mesilla correspondencia elle
cborava e dava gargalhadas ao niesmo tenipo. O meu
amigo, o III111. Sr. Manuel 'I hum, taiubeiulherespondeo
em o seu Diario de i4 de setemhro, fazendo ver, n'um
eslylo iiiuilJ) decente, com documentos os mais authen-
tloos, que elle he, que tlnha faltado verdade, e pro-
vando ,10 niesmo lempo, com inilhares de assignaturas
das pessoas principaes da provincia, a sua illibada con-
ducta publica e particular; o que elle nao fez com o
sentido de pertcncer subida escala dos bonicos de bem,
porque islo elle o be, c dos primeiros da provincia; mas
s rom o sentido de defender-se dessas calumnias!:!
Que faz o tal Sr. Feij.' V u desmentidas suas gentilezas,
armuu-se de um diccionario de nomes os mais injurio-
sos, appareceo com multo mo humor no Diario-novo de
12 do mez prximo passado E ah bem se deixa ver o
rllcito, que ]iroduziro naquella alma os ri:00,((000de
rs., que espichn, como elle niesmo confessa adiante,
quando diz: E como o Sr. Thom entendesse, que devia in-
lervir em urna queslo, que nao era sua, s e nicamente para
me fazer sentir o seu peso, etc.: e mais adiante : Eis-ulti a
arma (como elle diz) com que [o (erido, e que lhe fez pro-
fundas chagas- Ora, comquanto estasyenlile:a> s mere-
cen! o desprrzo de todo o liumein, que tem a mais pe-
quea educaran ; comtudo, como ellas veem acoberta-
das com um certo ar de vcrosuiiithanca, desafos, etc.,
nao tenho outro remedio senao cumplir a palavra, que
dei em a dita minha pequea correspondencia, apezar
de me julgar disso desnnerado pela resposta completa
do meu amigo, o Illtn. Sr. Manuel Thom, declarando :
pi imeiro que ludo, que he una sem-rasao o chainar-nie
o tal Sr. Feij leu inimigo, s por estar eu ;ba l4 annos)
revestido de una paciencia extraordinaria, luetando
contra a sua astuciosa chicana, para poder haver o que
me pertrnce, e s mesmas Irmaaa, o que s pude con-
seguir .liual, protegido por forja armada!.... E nao
sel at quando continuarei para haver o resto!!.
E principio j ratificando, a completa prova, que deo
o llliu. Sr. Hanoel Thom, da veraeidade de seu oflicio ;
com ell'eito, o [Um. Sr. Minoel Thom no seu ollicio dis-
se, que eu tlnha mostrado aos Senhores subdelegados
os titulos legaes da peuhora, que liz; gritou* o tal Sr.
Feij, quando chegou ah, mentira formal, tenho procas
concludenlrs; entretanto o lilil. Sr. Manorl Thom com
documentos at de um dos que aconipanhrao o Sr. sub-
delegado, provou, que eumostre os taes ttulos.... Pro-
vada, poi tanto, a falsidade desta primeira genlilesa, re-
corre a armado sophisma.quc lhc suggerioa ira,em que
se acha pelus 12:000^000 de rs., e diz coui palavras desa-
bridas: para ludo destruir, para tudo confundir, hasta aeer-
irfilo do escriviio, etc.! Fis-ahi as proras cnncludcnlcs. Po-
riu pergunta-se: primelro, a certidSo do eicrlto diz,
que eu nao inostrci os ttulos? Segundo, seria possivel
diz-ln, morando o cscrivao na cidade da Victoria; seria
possivel enxergar o que se passou em Noruega (seis le-
guas de distancia)? Terceiro, havia alguma tiecessidide
de ser o escrlvao sabedor do --- f'umpra-se ==, que o Sr.
juiz poe na precatoria, em sua casa? Quarto, ignota al-
'uiicui, que nina precatoria s com o = Cumpra-se = do
Sr. juiz he sulliciente, para que 01 officacs de juslica pro-
cedopenhora? Quinto finalmenie. ha em consequen-
cla alguma piecisao de preceder para peuhora algum
mandado passado pelo cscrivao' Logo, que se segu de
ludo isto? Seguc-se, que o tal Sr. Feij foi quera faltou
i verdade, quando poz de mentiroso ao llliu Sr. Manoel
Thom; legue-se mais, que ao tal Sr. Pello be, que per-
lencem todas as mais alcunhas, com que elle brindmi .10
lllin Sr. Minoel Thom. querendo rinbacar o publico
com a certidSo do etcrivo, que de nada vale, e que uo
veni ao caso para nada : iegue-ie mais. que osSenlioies
subdelegados, urna vez que virao os ttulos, como pro-
vou o III111. Sr. Manoel Thom, e que aliu disso virao,
que o destacamento, que eu levara, era de polica do Re-
cilc, destacado na cidade da Victoria, e que lio poda
me ai oinpaiihar setn ser por nielo de requlslco, e que
alm disso ouviraoan sargento coininandantododilo des-
tacamento dizer publicamente, queme linha acompa-
nhadopor una requislcao feila pelo juizo municipal,
como provou o III111. Sr. Manuel Tbome, e que alm de
ludo isso, tendo cninbiiiado com o llliu, Sr. Manoel Tho-
m, que ficaria em Noruega a escravalura penboiad.i,
at que se eei tilicassein das proprias autoridades da ci-
dade da Victoria, se eu tlnha rindo legalniente, e que
depnis ronipendo todas as barreir.is, qui/iiao vir arran-
car de nrtiega a esclavatura ;i Ittrca, sein esperar pela
decisao da cidade da Victoria, como ludo provou o lilil.
Sr. Manoel Thom; segue-se, digo, que os taes Senho-
res subdelegados coinuietlcro o maior dos crimes, qual
foi abusareni de sua autorida.de para resistrein fnrinal-
inente lei ; c que em consequciii i.i luan mis fac -osos.
como milito bem disse e provou o III111. Sr. Manuel 'fho-
in segue-se mais, que o llliu Senbor Manoel Thom,
vista desta faeco feila por subditos seus(l) ,poi ten-
se como 11111 here, iacrlicaiido-se si e .1 sua familia,
para defender a minha juttlca, nina vez que eu linha do
pousar em sua casa; fazendo ver com islo, queoasylo
de sua casa era inviolavel: e reunido commigo e meu pe-
queo destacamento, depois de ter chamado sua fabri-
ca e moradores, dispozeino-nos a bater os taes facciosos !
Pnrciii anda islo nao he nada. O tal Sr. Feij grita
eiueoenta mil ve/.es, que snflrco urna prepotencia, que a di-
ligencia nao foi legal, q'ic u precedeo rilaran, ele., (o que
laiulicni be falso como passarci a provar) a vista disto,
nao parece, que, se a diligencia fosse legal, como elle
pretende, e a medida de seu deseju, nao parece, digo,
que elle entregarla o dinheiro ou cscravos sem a mais
pequea queixa? Pois agora sai bao, que este inesmo Sr.
r'eij, quando em julho de 1814 cu I mandei os olli
ci-ies de Justina szinbos sem frca armada, para depnis
de fuzeri'iu a citaco (como hoje clama) fa/.erem a inesnia
execuco, que li/.ero agora, aprescutou-sc j ueste tcin-
poconi una frca de mais de 300 bonicos, piquetes a-
vaiiados.toqiiesdecorneta, etc., e pos01 pobres dos mei-
riulios coactos, obrigando-os assim a fazerciu a peuhora
como elle quiz, sem por os olbos nos esclavos,e aliude
dar os mais vclhosedoentes.tjuenao chegio para paga-
mento da divida, nao consentio, que ellcs troiicessem os
cscravos; c depois esta mesilla prihora assim frita tor-
nou-sc a deafazer, com urna celebre contra-carta preca-
toria, que elle aqui pode urranjar ; de inaneira que me
foi preciso requisitar frca ao Kxm. presidente tiesta
provincia, que pi limpiamente me coucedeo; fni-uie pre-
ciso apellar da lal contra-carta precatoria para a rea
cao ; e s depois que alcancei ta relaco os accordns
(documento 11. 1) he que pude utlisar-iue da ordem do
governo para as juslicas de Santo Anio prrstaieiii-me
loica armada, e esla ordem foi ratificada pelo Exm. Sr.
presidente actual, (documento n. 2| c foi a vista della,
que o llliu. Sr. capitn /.acacias, juiz municipal, requisi-
lou h..na para acompauhar minha diligencia, e que se
me deraozU honiens, sendo lT> de polica, e l4 de guar-
da nacional.
He preciso notar, que estes accordaos estavo copia-
dos na precatoria, que inostrci a um dos taes Senhores
subdelegados; o que ainda augmenta mais o seu crime.
Ora, vista distes accordaos tornava-se desnecess 111o
preceder nova cilaeo peuhora ; porquanto a senlcnra
da relarn, julgaudo milla a contra-carta precatoria,
manda proseguir a niesma peuhora j comecada em
1844, para a qual j linha precedido citacao, e neste sen-
tido foi expedida daqui do ilecife a mi lilla carta pn ca-
lora, que taiiibciutiiostrei ao Sr. subdelegado!.... Que-
rer o lal Sr Feij tainbem chamar prepotencia a sen-
tenca da relaeao ? Prepotencia a ordens do Estn. Sr. pre-
sidente ? Bem entendo. elle queria, que precedesse se-
(I) Dizer-se, que ha commandanlc sem subditos, he
um absurdo to grande, cerno dizer-se, que ha pai sem
filhos. A le eluda pelo mentor do tal r*elj s diz, que
todos os habitantes de urna provincia de qualquer classe
ou condicao que seja, sao subordinados ao presidente
della; mas nao eliminou, nem poda eliminar a palavra
iiifiiiid) da nossa lingos; porlanto be muilo ridiculo o
adiado de soberano dos subditos!
gunda vez nova cltaciio, para ter teinpo de esconder a
fabrica, como fez em 1844! I
Outra gentileza do tal Sr. Feij he o arrombamento de
parede, que elle diz eni sua correspondencia de 3l de
julho, que eu lhc liz, na occasiao da peuhora; com cun-
to, para provar esta falsidade, basta o documento n.3,
onde se v, que nao houve urna s testemiinha, que ju-
rasse cousa semelhante 110 processo, que se fez respei-
to, por pedido do tal Sr. F'eij, na cidade da Victoria.
Vamos a antedata do r= Cumpra-se =, com que elle faz.
tanta bulla e se prnvara quanto elle lie obstinado, em
suas gentilezas : rom ell'eito elle disse em 3l de julho
que o lllm. Sr. Manoel Thom inandou um portador
cidade da Victoria, para que o lllm Sr. capito Zaca-
ras pozrsse o = ioimpra-e= na precatoria; o lllm'
Sr. Manuel Thom, em sua correspondencia de l4 de
seteinbro, provou o contrario com urna resposta do
niesmo lllm. Sr. Zacaras; o tal Sr. Feij, que vio
assim detmaacarada esta gentileza, fez semblante de no
ver esta prova, c sem se dar ao trabalho de contrariar,
insiste em dizer na correspondencia de i2 do prximo
passado mez, que o llliu. Sr. Manoel Thom mandn
pedir o Cumpra-se =, pondo assim de mentiroso tanto
ao lllm. Sr. Manoel Tliom, como ao lllm. ^r. Zaca-
ras. Ora, cu poda ajuntar dous documentos, que tc-
nho em meu poder, um do lllm. Sr Zacaras, outro do
lllm. Sr. Dr. Beltrao, delegado daquella comarca; po-
riu, como o tal Sr. Feij, julgando os mais por si, poe
todo o inundo de mentiroso, eu passo dar outro ge-
nero de prova sem seremos taes documentos,a qual ge-
nero de prova he o puro raciocinio : com elleilo ; pri-
melro, eu para fazer a pcnbora s usei do n Cumpra-
se = posto pelo fallecido Paz de Lira, e do = Cumpra-
se = de facto posto pelo lllm. :-r. Zacaras, o qual
t'umjira-se = foi o auxilio militar, que elle me prestou
segundo, quando o procurador do tal Sr. Feij vio a pre-
catoria, que eu inoitrei; aquestoque elle teveconiniigo
versou sobre sern no valioso um Cumpra-e=, posto
por um juiz fallecido, e eu suslentava, que o a Cum-
pra-se = eslava posto pelo juizo competente, c que o
juizo he, que representava e nao o individuo, e que
ali'iu disso o lllm. Sr. Zacaras julgou desnecessario
um novo = Cumpra-se = urna vez que me prestava o
= Cumpra-sc =vcrdadeiro, que era a forra armada, a-
compaiihad.i pelos meirinhos ; terceiro, eu niesmo fui,
que inandel aosofflcltet de juttlca declararen! no auto
lavrado, que o = Cumpra-se era ao fallecido Paz de Li-
ra, como o tal Sr. Feij disse ; e nao sernie-hia f.icil,
se eu qtiizesse fazer aos meirinhos esperarem pelo novo
= Cumpra-se = nina vez que ellcs estavo reunidos a
minha frca armada, e no podiao se retirar sem que
eu llies pagasse o traballio de sua diligencia? Porlanto,
se eu nunca me baseci no novo = Cumpra-se -- para fa-
zer o que fiz ; se elle para nada servio ; se eu recebi os
12:000,^1)00 de ris (ah '^OOO^OOO de ris !] com o =
<-"nwi/i(i-.Yt- sa vclho cuino paia que mandarla o lllm.
Sr. Manoel Thom pedir um favor, que para nada ha-
via de servir?.... Eu fui, que mandei o nieu pageiu ci-
dade da Victoria participar s autoridades, que meacha-
va cercado por una sucia de facciosos, e que os guar-
das nacionaes tintino fgido, e que s me achava com
os l5 huilln, de polica ; e que comtudo eu segucria
para o Recife com os cscravos penhorados, se de I
niandasscm ordem positiva, para que este destacainen-
In luetino, Io pequeo como era vista da frca dos
taes facciosos, me aconipauhasse para o Itccile, porque
o sargento commandante do dito destacamento quera
j se recolhcr cidade da Victoria, dizendo, que a dili-
gencia eslava lilla, e que s Irazia ordem para acom-
panhur at Noruega. O lllm. Sr. Zacaras, levado de
milito boa fe, e pe sua.Hilo, que os taes facciosos s pu-
nilo era duvid.i, se a frca, que cu levara, era por al-
guma rcqtiisico feila por elle, fui que de seu motil
proprio poz o Cumpra-se dizendo, que, comquanto
elle no julgasse Decenario novo = Cumpra-se =, com-
tudo, para que ellcs se convencesaem, que eu tinha ido
legalniente, elle putilia novo Cumpra-sc = na preca-
toria !
Agora se val provar umaoenliea multo gentil! Elle
chama carias de enterro a milliares de assignaturas das
pe-.so.is mais respeilaveis da provincia favor da hon-
radez, probidade e ;serviros dn llliu. Sr. Manoel Thom,
e julga, que todas estas chamadas cartas de enterro ll-
eno destruidas, confundidas, e aniquiladas s pelo seu
lilao bumOr, e ao niesmo lempo, como elle no possue
una s deslas chamadas cartas de enterro passadas a
seu favor, faz-sc elle proprio o elogio a si niesmo ; e
afflrma multo tcrlo, debati de sua palavra de honra,
que /nuca urocurouaugmenlnr eun/orlunaco/n o mor al litio,
e nem manchou-sc com o sangue de seu semelhante .'!! Ento
he ou no gentil esta yntiteza ? Nao tem sua graca isto
dito ni inesnia occasiao, em que se tratada legitima dos
mus herdeiros.qiie elle est desfruclando, ha cinco annos,
scui querer pagar, e s quando soubc, que cu tinha
ordein do governo para ir I com frca armada, foi que
appareccro algUUiat cartas a este respeilo, mas nunca
passou de cartas, apezar de ine seren as propostas pre-
judiciaes? F'ra as rendas do eugenlio, que elle nao
paga, ha l- anuos, punco mais ou menos, das quaes an-
da hoje deve 4:3(1#OO ris f Pora a beranr.a de um
fallecido, herdeiro, que licou cm suas nios, eque, ape-
zar de dizer a todo o inundo, que nao quer herdar des-
te fallecido, vai comtudo por ora desfruclando, e julgo,
que os credores do dilo fallecido s por meio de una
grande chicana poder haver alguma cousa, sendo
inhibas manas credoras?
Nao tem sua graca isto dito por um hotnem, que con-
fessou (Liante do lllm. Sr. Manoel Thom, e do lllm.
Sr. coronel llenriquc Marques Lint, que subornou um
certo Sr. juiz arbitro, para que as panilbas se dsse o
engenho fabricado para elle sozinho ; de inaneira que
ficou-sc com o engenho pelo valor de 20:000/000 de ris,
e hoje achou o lllm. Sr. Jos Percira de Araujo, que
lhe dava por todo esse mesino casco do engenho 44:000/
de res, (lucro de 24:000/000 de ris, tendo so abater
uinaengenhoca de bois, que elle fez cm um pedaco de
Ierra, em que poz o nome de Maravilha), e assim ines-
mo elle nao quiz vender, fura o lucro da escravatura,
que t.nubi 111 foi avallada por muilo baixo pirco ? Km
quanto o uo manchar-se com o sangue de seu seme-
lhante, nao sei ; mas parece-inc, que isso no procede
da bondade de scu coracao ; porquanto elle mesnio
confessa, que, no caso de se Ibe tirar o juro do cont de
ris, c lieara quem ponha outra marca dando um tiro
a irair.no, como fez o outro assassino !..,. lailn ja nao
/uira s o recurso da lei ?
Terminara o meu trabalho se porventura o lal Sr. Feij
nao se lembrasse, que elle sozinho e s debaixo de sua
palavra de honra poden.i manchar a reputaco, calum-
niando de ladro de escravos, e outras cousas esse
mesuio hoiiicui, que ajuntou documentos (que o tal Sr-


L".* ?,rt"de "H <>' '("* milharos de
o .mico homein capaz .Ir envernar aquellos lugares!.. .
. j-iiiiio esta dada refutaclo rteasa calumnia Invo-
h,''>'.? Al! ai! Sr. Peij, Inc.squetsr-se
"Ift o*'lio poda later barreira mimares de
*?-. : IS5n I>rova fo K? ft cor"P0Mencla), que Vm solivia aliena-
cao assim. romo ningurm pader eonleilar, nimia que Vmc.
gmc rom u mmn rom odn n /i;rfn ,/, ieu< putmocs e de
tita crenca, nao ser Vine, mal digno c
do
que do recelo, em que esl, de
de coinmiseraco
que o meii lili
amigo, o Si. Hanoel Thomi1, (reos juros do cont de
res.... Mas euiliin, j que o Illiu. Sr. Manorl Tho-
"'' Pfnietleo nao responder-lho ruis, o i|iie talvcz
entrn em linli.i de conta para tanta releuma, ciim-
pramos mu dever de Ju-tica e de aiimadc, que con-
sagro ao Illm. Sr. Hanoe] Tiiom de Jczu !
F.lle. o i.iI Sr. Feij, avancou as calumnias seguin-
tes: primeiro, que o Illm. Sr. Manoel Thouic ospan-
cara un lioiiirm so por pescar no acude do sen miire-
nlio segundo, que o dito imii amigo, em um corlo
lempo, lacla um corto nrgoenho rom os sganos ; ter-
celro. que tem um eseravo pardo de nonio Antonio,
contra a vontndo do sen legtimo .senhor, Manoel Ignacio
la Cunha; quarlo, que nao p.-igou as rondas do enge-
nho Pimental (.4 animi); quinto, qe tambe... nao,,.,-
uou as rondas do engenho Noruega (20 annoii ; sexta.
linalmento. ,,,,e delxa varia de materia nova para outra
occasiao. de que pode bom precisar.
11 """ vco feij como son franco eln ropotir-
llic todas as suris calumnia*. Ora, respeito da primel-
ra calumnia ja fol respondido pelo Illm. Sr. Manoel
momo, queoUI homein, que apanhou, nao fol por
pescar no acude, mal lim por querer mata-lo ; 6 que
tena foilo, so nao fosse obstado por peisoai, que se acha-
vao Bill; o esta calumnia se transformara em elogio,
sabendo-sc, que o Illm. Sr. Manoel Thom maiidou con-
nuzro tal assassino para sna casa, onde o mandn cil-
iar, socenrrendo entrelanlo sua ramilla, que nao linha
culpa nonlmiiiadeiua malvade/.a ; o adianto so respon-
der .10 desafio, que o tal Sr. Feij faz, de querer con-
lerrnrlar em julio sobro oslo faolo.
Sr. Feij. que se explique com clareza e sein o mais pe-
queo reboco t respeito do Illm. Sr. Manoel Thom ; r
aluda mais ; eu llio rogo por quein be, que declare, e pu-
blique solemnemente ossa varia de materia nova, que
elle dii, quedeiiava ficar reservada por prudencia, e de
que anda poda precisar .... Ene tal Sr Jos" Feij de
Mello ulgou. que com o sen mo humor, causado pelos
12:000/ de res inanchava a reputacSo.eicrovendo um
libello difamatorio, deum dos maiores homens da pro-
vincia; pelo contrario, por isso mesuro que elle limito
descnmpoi, he que nao attinglo ao seu Hm ; porquanto,
ronhiT.ndo-se aoolera, deque elle esl possuido por
caua dos 12:000/ de rii, o vendo-so quinto elle ie inte-
ressou em pesquisar o mais profundo passo da vida pu-
blica o pai".icnlar do Illm. Sr. Manoel Thoiiie, e nao a-
chou, que dizer senao falsos lostoinunlios, e enes mes-
mns, aloni do serem lodos entro prenles, cimbado. Ribos,
genro o netos, elloexpoz com tal sagacdade con'i medo
da respoiisabldade. para a qnal elle tanto desafia e is-
so 110 decurso de setenta annos de existencia do nieu il-
luilro amigo, he a prova mala eflicaz deque olllm.Sr.
Manoel Tiiom he mu dos primriros lioinoiis de bem da
provincia. Rogo-Ibes, Srs. Redactores, o favor do dar ao
prelo esta correspondencia, que, para nao ler maii ex-
tenca, dcixei de tratar de algumas pequeas gentilezas,
que o tal Sr. Feij escreveo, como soja por oxemplo =
a va ilat ourinas ele. a e taniboni para nao Iho roubar a
glora drssas descobertas, que elle fez, eque mandou
publicar. E Ihos licar mullo obligado, este seu venera-
dor aliento
O major Jote Gabriel de Moraet Stayer.
DOCUMENTOS.
n .liioiii'ii Iqnacio de Turres Handeira, cnvalteiro da ordem
11 de Cbrislo, escriedn de appellelaeiies crimei e civeit da
retacan de Pernambuco, por S. ,!/. /. e C o Senhor Uom
Pedro 11, que Dos quarde, etc.
11 Certifico, que revi os aillos, por Iransladn, de revis-
ta civol, entre partes, recrreme Jos Feij de Mello, e
lector a quantia de vinte cinco mil reas, que pagou a Se-
nhora D. Theicza Joaquina de Araujn Barbnza, om 6 de
iiilubro do dilo anno, de roela liza correspondente a
quantia de qiiinhenlos mil n'is, por que coniprou a Ma-
nuel Ignacio da Cunha Soutto-Maior o eseravo Antonio,
iiladr de trinla c tres annos. O collector interino. Jote
Tiloma: Goncalves do Rotara. O escrivo, Joi Thomaz
Goncalves do Botara.Manoel Carnerode Souza Laeerda.
Numero 17, rs. 160. Pagou 160 rs. de icllo. Victoria 6 de
outubro de 1846.Pelo Collector, Araujo Bazar o.
Illm. Sr. Manoel Ignacio da Cunha. Conitan-
do-me, por va do Sr. liernardinn Martins Crrela de
barros, que V. S. tem um mulato de noine Antonio, e
que o quer vender, e que este mulato esl 0111 casa de
para Liverpool : quem quizor Ir de pasiagem. nr
r em caa de Oeane Youle &C. proc"ra-
Para o Ass com escala pelos portos da Car-'
Petltinga cTouros segu breve o bergantina 6W2
para carga o passageiros
da cadela n. 23.
'lirio;
trata-se no armazeni ,0 ,a()o
Para a Babia a sumaca Vova-Aurora pretende
blr na roar de boje 12 do crreme mez. 0 niie''1"
fazcertoaos Sis. passagoiros, para, le vespera, 1."'
rem com o capiliio ou com Ainorim limaos, M',.,' ,
Cadela, n. t. uaa
Para o Araoatv segu viagem a sumaca Cnrloi
mostr Jos Goncalves Simas: quein na inesma nn,
r 011 ir de passagom, dirlja-e ao meimo inest//
1 da Cruz, n, 2u, a tratar com Lula Jos de v'
carrega
ou a ra
Manoei Thom de Jezs, motivo por que o quero com-1 Araujo. uc *
prar; c por isso peco a V. .S'., queira dizer-me quanto| ~ Para a Rabia seguir em poneos diai o hiate 7>.
Jos Feij di Mello.
Itccife, I. de outubro de 1846.
Atiesto, que a qualro safras tenho pago ao Sr. Ma-
noel Antonio Das,- por ordem do Sr. capito-mr Ma-
noel Thom de Jezns a quantia de qnatrocenlos e cin-
coenia mil rls, cada safra, de melado da renda do en-
genho Piuientas, por pertencer a outra ineladea seu fi-
Iho Manoel Antonio do Rozarlo, qie igualmente tem re-
cebldo, Atiesto mais, que as rondas, pie ellos nao rece-
beraii do engenho Piuientas, fol emqiiantn se nao pagou
ao diio Sr capliio-mr Manoel Thom de Jozus as despo-
zas de demandas, que correo com Estevao Rodrigues
Duro, drfondendoas torras do mesmo engenho Pimen-
tal, e logo que fol pago, contnunlo os ditoi Das e Ro-
zarlo a roceherem a parto da renda, como cima lira di-
to, porque o dito Sr. capito-mr he incapaz de le ullli-
sar de bem alheios, e milito principalmente de seus fi-
.... Emolanlo a ie-
ffuoaa calumnia en rogo por pane do nim. Sr, Manoel
1 lime, romqiianlo nao teiibn proeuracao para isto,
que o tal Sr Fi-ijii declare publica o solemnemente.
',''' c '?."' nrcori"ho- que o nieu honrado amigo, o
llim. Sr Manoel Thom, Rizia com os sganos; porque
no tenho obrlgaelo de adlvlnhar e visto a baanfia le
irm desafos, espero, quo assim o far.i, e que declare
coni loda a tranquera, do que faz tanto alardo, sein a
man pequea amhigiudade !. .. Vamos a terreira ea-
Rimnla! AtlencSo! Diz o tal Sr. Feij: 1 mesmo boje e Sr.
1 hume nao poden, negar, qae tem em na poder um eterarnpar
lo.'lenomeAnlonn.eonlra a vontade^le.eu legil,m,,ienl,or Va-
noel Ignnem da Cosa, morador em Halarla. Pi imoirameiito
lie Don, raiernma pequea advertencia quohe a legiiinte:
!''',0ia,',r l"'ll(lil" lesinancbo de cabera, cansado lie-
os I2:llljn/,1o rs., para dizor com a franqueza, de que el-
le tanto se ufana que o Illm. Sr Manoel Thom ton,
Um eseravo fuado ; elle ah moMrou ler alg..... inzo,
usa de palavrai ambiguas ello diz ilmpleimente, que
o iiim. sr. Manoel Thom tem em seu poder um esera-
vo contra a Tontade do seu legilimo Sr. porque ou o
iiim .sr. Manoel Thom cala-so, 0,1 prova publira.nen-
e a_lals.da.to dosta calumnia. 011 o chama responsa-
W Idade, paia quo elle desalia 00111 lana omphase. No
piiiiioiro cato, ello ion. una alegra infernal de fazor a-
credltar um falso leitemunho ; no segundo cato, que
por ora he o modo, com que so Iho responde, elle natu-
ralmente applamlir-se-ba desta pequea genli7r:n,di/.eii-
vontaae de seu senhor no ultimo raso, ello j.i prepa-
ro!, para o tribunal dos jurados a inesma ehicana o M-
jia< idade, do quo usa no loro civil e contencioso i o 01,-
lao este mesmo equivoco ll.e servir de dolosa para qual-
quer Beciiiaffio, quo annarecer! Rxponhainoi, porta.no.
ii 2" 1 '""' M'1"np| Ignacio da (iinha, cintilado do
nuil. sr. Manoel Thom. innrava em Noruega, miidou-
so, elue.o-llio o dilo eseravo, o qnal mandoil-se valer
Ja sua Irma, a inolber do Illm. -r Manoel Thom, pa-
la ocomprar, que aoeonlrario elle tinlia para onde ir;
o .lila senhora, recella de que o dito eseravo fugisse, o
sen irmfio livesse mais osle prejlllio, alin de ser mu hu-
iiieni pobre. reiolreo-ae ,i oscrover una carta de son
pioprii. piinho, diendo. que, lombiando-se de sua po-
breza, e da colhsao. em que eslava, de fugir-lbe o osera-
vo, queso linha ido valer dVlla, oHerocia por rilo 400#
is.,e oirimio respondeo-lho, a 1 f> le judio do coi rente,
rom a cana Mocuinrnlo 4 ) F,n a dita senhora :i
VUla delta reipoita descansada, o chamando o eseravo a
11, ncou-lbe correndo ritco romo sen c espora que
oirmio viene para receber o dlnbelro e paiiar-ie-lbe
"papel do venda(comoj lepaisou, documento n.ft. j
entreunto o talSr, Feljii,desesperado por querer calum-
niar leni achar de que, teve noticia deit (acto, e osero-
veo ao dilo Sr, Manoel Ignacio a carta (documento 11. 6,!
A quarta calumnia sopor li he lufflclente paradeacre-
vero estado iracundo, 0111 que so acha o lal Sr. FelJ!
con. elle.lo o Illm. Si. Manoel Thom ten. um terina
julgada porientenca, que Ihe paiiro seu lilho c seu
genro, para que, eiuquanto elle fsse vivo,governasso o
engenho Pimental rni.10 seu proprio Drpoli disto quiz-
so apossar o Sr. Kilevo Rodrigues Duro de una por-
rao de torras do mesiiio engenho Pimental; o vio-so em
consequeiicia o Illm. Sr. Manuel Thom iiaobrigac.io de
sustentar nina demanda contra o dito Sr. Estevao, e o-
la demanda produzio leis demandas contra o meamo
o afinal r. Illm. Sr. Manoel Thom vencen, porque as
ierras erao do engenho Pimental o nao do ditoSr. Este-
vao. Das rendas do nirsino engenho Pimental pagrao-
sc todas as despesa, que o Illm. Sr. Manoel Thom fez
com as ditas demandas, e depos de pagas estas despesai
(lia quatro anuos), coinreriio os dlos genio e Ribo
receber ai ditairrndas, como ludo prova o documento
11. / Este he o ficto: oucamos agora o tal Sr. Fei sua
T, '"'""'">'' <1* o tal Sr. Feij fallando do Illm. Sr
Manoel Tbou.e) po mo pagou as rendas de mais de i4 an-
ua* do engenho Pntenlas sem Ihe perleneerl ... A' nao sup-
l>or o estado desesperado o fu.ioso, em que os i2:000#
d rs. o pozorao, podera alguem ler isso sem enclier-sc
de indignacao? Aecrosco mais,que, longo de estar o Illm.
Sr. Manoel Tiiom u ti usando se do quo pertouce i seii
fiIho. genro netos, s trabalha para llies dehnr nina
grande fortuna na sua m-irle; porquanto, para augmen-
ta, inalor ilesse proprio engenho Pin.cutas, o Illm Sr
Manoel Thom conipronaoSr Manoel MunlzTavares un
podaco de torra contiguo ao dito engenho
a verdade, niandei paliar a presente, c aus Santos Evan-
golhos jurarei, le fr predio.
" Engenho Mundo-Novo, 26 de outubro de 1646. Jos
Antonio da Bocha
(Estavfio reconhecidoi.)
COMIVIEaciO,
'cu. rielo o major .los Gabriel de llorad" Mayor, e Hel-
ios achci osaccordaus.de que faz n.eiieaoa petieo retro, j"'09 porque a sua 'libada conducta he bem conhecida
dos qnaes sao seus tlieoros 01 seguiites : j'le lodosos homens probos desla provincia ; epor aer eita
Accordaoem rclacao, ele.Iloformiio a senlenoa re- "
corrida de folbas 3.8 verso, julgaudo procedentes os em-
bargos do folbas 2!), porquanto, 0111 consequencia do
formal do nartliha, tendo-se procedido peuhora a fo-
ll.asi'i 0111 28eseravo* do engenho Ramburral, em l.0,le
juiho de 1Sj i.j, 11.1 cada interrssado llaveras quotas res-
pectivas do dito eiigonlio, designadas na petico do fo-
Ihas 2l verso, sendo a sua lotalidade de il:8,W/88i rs.,
ox-follias 2.'l verso, que o appellado (igualmente como
inlereisado porcabeca de sua mulherj Ihes Remide re-
por, nonliiiin oulro andamento caba sean progredir os
termos da dita pe.il.nra; o quo 1 oquererao os appellan-
tes.e Ibes folattendidn, inamlaiido-sepassar a cana pre-
caloria o execuloria de folas Si, que por isso Indevota-
mente foi suslada pela contra-procatoria de folbas 5,
com pretexto de benifeitorias, cujo importo, quandoex-
ceda ao das rondas de mais de i2annos,devidas pelo ap-
pellado, pode isto pedir pela aeco competente. Portan-
te, reformada a dita sontenca de folbas 38 verso, ejul-
gados procedentes os meamos embargos de folbas 29,
como jnlgao, inandfio progredir os termos da mencio-
nada peni.ora, pagas polo appellado as cusas.Recife,
i.'de julbo do iR4,i. Azendn, presidente.Ponce.__Ctr-
queira, vencido em parle. Villares, vencido. Siqueira
Perrira Monleiro.
Accordao om relacao, etc. Que sem embargo dos
embargos a folbas, que no rrcebem, por sua materia o
autos, cuinpra-se o accordao embargado faca lvn
prompta: quem prplonder carrogar, ou ir do paisaen,,
dirija-so a loja de cabos de Cae tao da Costa Sorel
ou a bordo do meimo. "*'
= No da toia-folra, 17 do corrente, segu viseen,
ara o Rio-Grande-do-Siil o brigue Independcnte- 0m
le fax soienU aoi Srs. passageiroi e carrrgadorei.
A barca Espirito-Santtt sai piraa
cidnrie do l'orto, mprelerivelmenie no
'lia 2 de dezemhro: quem na mesnia qol.
zer carrogar ou ir de pasMgem, para o
que tem exrellentes rommolos, dirija-se
10 se oon.s|nafario, Francisco Alircsda
unlia, ni na do Vigario. n n, ou ao
capilao, Rodrigo Joaquim Correia.napra-
ca do Commercio
11 <* I oes.
transito pela chancellara, o paguemos embargantes as
cusas. Recife, 7 le outubro de I84.VAzevedn presi-
dfiiic.Siquera.Ponce.Peixolo.- Ctrqueira, vencido.
Villares, vencido.
o Illm. e Rrat, Sr. Presidente Diz o major Jos Ga-
briel do Muraos Mayor, que. tendo oblido do antecessor
dcV. Ex. o despacho laucado 110 roqueriiueiito incluso,
para fazereffectlva a diligencia dajnsiica, c nao poden-
do o supplica.no, d'eilUlO paraca, ulilisar-sc deslc des-
pacho, porque Ibefol misier apellar para arelaeSo, de
una onlia-carla precatorla, que osupplicado Jos Fei-
jd de Mello, linha alcancado do jui/.o civol; agora po-
rm, que ja foi decidido pela relacao, e que o suppljcan
te val lazer a sua execuedo, e com quanio oslo respoita-
vel despacho incluso soja doslo mesmo govorno, coiniu-
00 nfm ler.l tal vez aquello vigor, como sondo dada osla
ordem por Y Ex,; por isso |>. V. Ex. soja servido
ratlAcar esta inesma ordem inclusa, por seu respeitavrl
despacho. E.H. !. Jote Gabriel de Sloraes ilauer,
major.
llespacho. Ratifico. Palacio de Pornanibuco, 17
de outra de 1845, Pmio Chicharro. >
= i Em virliule do despacho supra, certifico, quedo
um olttCO de 10 de agosto p. p do delegado dacidade da
Victoria consta ter promovido o procesan contra oSr
major Jos Gabriel de M.oaes Majer, no qnal uadadepo-
lerfio as lestemunhss, que possao voinprometter ao mea-
mo Sr, na ropnsenlacao contra elle folla ao Exin. Sr.
presidente da proviueia polo Si. Jos* F.ij de Mello,
assim como, que nao liouvera arroiiibaiuoiilo da casa de
vivenda dille Feij; e he qiianlo consta do dito ollkio
a 1 espolio; eeinf de verdade, passoi a msente, por
miin feitaeaiiiguada. Secretaria de polica, cmS de
novembro de iS4(J. Brlarmnad'Arruda Camera, l.ama-
nuense da secretarla de polica, s
Iilma. Sra. Dona Thorea Joaquina de Aiauio
Barboza. Dataria, 15 de ji.lho de 18-10 Itccob con.
prazei a sua aria, c sobre ocoiileudo da imsina passo
a rrspoiider-lhe :
Esse mulato nao poda oscolher possoa, que o eom-
prasse, paramim mais rospeiada. do que a Senhora
porque -ni liilui nao haver colisa, que ou possua, que
Vm. nrlla nao mando, por sso .....sino que a ii.nlia
propria pessoa lie subjeia ao seu diipr ; podo, por-
tan lo, cbama-lo si, como senhora, cao mosino lempo,
..ll.ando, ,,ue elle nao he eseravo s de valor qualiocen-
toin.il 1 os, olho com ollios do ternura para quem diz
mesmo, que lembre-se do meu desgracado oslado, por-
que su com este dnheiio mi compro oulro
AI fondera.
RF.NDIMF.NTO DO DA II......
DISCAIIEOl HOJE l2.
BarcaF.slhtr- .4nnmercadorias.
Consulado.
RF.NDIMENTODODIA II.
Geral.............
Provincial. .........
Diversas provincias.........
5:657
l:060 557/641
l:6i7/80:i
..... -------... u..n mu nao coiupru oulro para on-
lIk r o lugardelle, para cuinprlr o trata, que tenho leito
coin meu genro Dial, para no lempo do voncinionto da
ininha loma i-la tira. : rmfin fique con. o eseravo, que
sobre o mais do que trata, fallaremos ao depos. Agora
resta-iue pedir-lhe,que esto mualo furtou aqui do cer-
cado un, cavallo preto. e osle alheo. o con. cangalba e
caasuas ludoalhelo, aoqno me vejo ubjrito a pagar a
seusdonus e por Isiso quero, faca elle entregar Urfo,
para manda.-mo. Ilon.em, 14 ,1o crrante, oscrov po.'
Movimento do Porto.
Natos entrados no da II.
Marselha ; 51 das brigue francez ^ragn, de 176 tone-
ladas, capilao Deyrieu, equipagoiu l2, carga vinho e
mal gneros do pala ; a Lula Brugulerc. Passagoiros,
lolo llaplsta Navarro, P Coeanai, Joao Baptista Casa-
nova, com sin senhora, e n consignatario, Francozos
S.'.rii-Tenorille; 32 das, polaca hespanhola Nova-Raio,
de 124 toneladas, capilao JoanPl, equipagem 9, car-
ga cebollas o lauro ; a Joao Pinto de Lomos.
Liverpool; 4l dias, barca ingleza Eslher-Ann, do 266 to-
neladas, capilao Tilomas Hunter. equipagem 14. car-
ga fazondas ; a James Crablroe k Companhia. Passa-
gelra, a ara. Cox. com sua fiha.
Navio sabido no mesmo Ha.
Cotmguiba ; sumaca brasileira r'lr-do-Angelim, capi-
lao Bernardo de Souza, carga varios gneros, Passa-
goiros, Goncalves Vleira deCarvalho o Mello, com
eseravo, Leandro Ribeiro do Seqnolra Sobral, com 1
eseravo, Antonio Nobre de Almeda Castro, Antonio
Manoel de Mallos Freir, cen 1 criado, llrasileiros.
= 0 corretor Oliveira fara leilao, por mandado do
respectivo Juizo, ea rrqiicrimeuto dos credores do fal-
lido Antonio Joaquim da Silva Castro, de todas as fa-
zonda da loja deste : hoje i2 do corrente mez, ai
10 horai da uiaiihaa em ponto, no seu arinaiem da ra
da 1 a.lea do Recife.
Kalkmann ii Reseniniind farad leilao, por interven-
cao do corretor Ollvora, do grande inrllmento de fa-
zendai. rocen teniente deipachadailas: sexta-roba, t3
do corrente, ni i0 horas da maulla 1, no seu arinazeni
ra da Cruz.

..->.,
Avisos diversos,
lrlitacs.
Jaeome erarrfo Marta l.umacbi de Mello, eserivoda alfan-
deqa desla ndade, servindo inlcrinnmrnle de inspector, em
virhide da le, etc.
Faz sabrr.qne nodia l2(hojo)do corrente,aon,eo-dia,
na porta .laalfaiulega, se hode a. renialar en, basta pu-
blica .lchapcos doseda para senhora, no valor do sW
rs.; 12 loques, no valor 115/000 rs.; 6 chapeos de palhi-
iil.a para enanca, no valor de ,8/000 rs.; 6 bonetes de
fnm""|V I"'-'', '$nl i"'P''Kads. no despacho por
fa.luiadeAv.ial&Irmaoi, polo guarda da alfandoga,
t.euieniano de Azcvedo e Mello: sendo dla arremaia-
.10 subjoiia ao pagamento dos diroitos.
Alfaudega, ll do novembro de 1846.
Jaeome Gerardo Mara Lumachi de Mello
Jaeome Gerardo, etc.
Faz sabor, ,,,. o da 12 (baje) do correte, so bao de
a rc.naiaro,,,pracapul,lica..po,|.,,la alfandoga.aoineio-
II. i, li I11.M1I.1-. lies .!... .I~ tMW>sruts. .*
da M inanias 1,0 valor de 206/000 rs.. impucna.las
f: ??!ftl","ft "Dr* ehoaTno despacho porfac-
s bicha !'"' "......bb C': stnd arrematacao
Mibjeita ao paganionio dos lucilos.
= Una senhora de bons costuiiiei se encarrogada
criacao de meninos de pello, impedidos e deiiinpedi-
doi, c 1 aii.be.u recebe meninos para desmamar; no
que pronielte einiorar-se: ella mora na ra Anguila,
nal lujas do primeiro sobrado novo, vindo de Santo An-
tonio. Na ineiina casa vende-se um berco anda em bnm
uso, e por preco commodo.
Precisa-se do um ou doui homens de boa conducta e
sem familia, qiioentondao do servico de campo, o quei-
ra subjoilar-se a ir trabalhar de enxada om um enge-
nho distante desta praca cinoo legoas dando-se-lhe o
sustento e o jornal, que se ajusfar: a tratar na ruado
Fiogueira, sobrado parede-mcia de nutro, que cabio,
segundo andar.
= No dia 11 do corrente, polas5 e meia horas da ma-
nhaa, na ra da Assiimpcao, 11. 36, subirao ao segundo
andar da casa do solicitador Amula, e da sala furianio-
Ihe um relogio de ouro, sabonoie, suisso, e com ca-
deias : roga-so aquoinfor ofterecido, queira ter a bon-
dade do o lomar, c prender o ladran, se for possivel.
= A senhora, queeniponhou urna iniagem de Nosia
Senhora da Conceicao. na ra Direita, queira vir bus-
ca-la no prazo lo I Odias, na rua doCollegio, 11. 13: pas-
sando deste prazo, perder todo o dirrito.
=Na rua de Hortas, n. 86. se acha una porcilo de fa-
zondas parase vender adiuhriropor procos commodos,
e mesmo a troco de um a dous escravos,sendo de nacno:
quem pretender compra-las, dirija-sc :i inesma casa, as 8
horas da inanhaa, ou s duas da tarde, que achara con
quem tratar.
O Sr. Europeo, a quem no dia 24 do psssado.s 8ho-
ras e meta da noiieso empcnbou em sua venda, na Boa-
Vista, mu relogio por320 rs., queira por favor aununeiar
sua dita venda.
=OSr., a quem no dia 30 do prximo passado outu-
brose eniprestou nina casaca nova, em bom estado,
quena, por obsequio, tomar a entregar ao seu legitimo
dono.
Aluga-sc um sobrado de um andar sotao, pintado
de novo e .imito fresco, proprio para pequea familia :
na ruada Praia, n. 74.
Precisa-sede novamenle alugar una oscrava ou es-
eravo, que saiba co/iuliar : na rua do Cabug, loiade
lindezas, n. 18.
LOTERA DA MATRIZ DA GIDADR l'A VICTORIA.
NSo obstante todas as rasea que foio ponderada
nosanniineos anteriores anda o abaixo assignado,
Ihesouniro desta Inicia o que tambero o be da do
Ihealro, matriz da Boa-Vista o Ultras, se v bem a
son pesar, lia rigorosa necossdade do declarar ,
Alfandoga, 10 de novoiubro de i846.
Jaeome Gerardo Mara l.umacbi de Mello.
Ih'clarn^ad.
=0 brigiie-escuna Felt-Unio recebe
Porto, no da 14 do corrente.
a mala para o
Manoel Ricardo ao compadre, sobro esi
vera a carta, que Ihe mande), e s
mualo, e
P
Vm
r,ldn,n '""-"genlio Noruega 807/907., e tres Soao-Jfa/or.
lia milito
PUBLI<:AgAOI.ITTKRARIA.
que os Iliteratos e homens de costo reco-
nhecem a necesaidade do infundir en, os nossos jovons
S!VirTaV exeroplo, olasseos da eloquonc a
nacional, disciplina de lu.nina utibdade.e que de corlo
Onn h,.T,V" a',|,,i,ir '' rbetorlca de
1 .1 l.ano, a qual, poslo seja de grande mrito, coro-
tudo na sua parto essencial, que he a rlooucao sendo
^'i'Vi^^I!.1?"0-. *> P""- segrame,,!?servir pa-
drstas inesmas panes j o Illm. Si Manoel Thom tem
comprado, lasquaes todas tem recibo em son poder,
|ue se dara' ao prelo (so fr preciso): o mesmo leria f. Ito
com os otros, se ellos tivesseii! querido receber I Ue pre-
ciso notar, que, quando seavaliou o engenho Noruega,
11.10 exislio as grandes obras, que buje oxislem, como
sojao una grande casa de vlvenda, onde resido o Illm.
Si. Manoel I homo, eque se pudoria chamar um hotel,
pela innltidao de hospedes passagoiros, que diariamen-
te la vao pousar; .1 casa do sorra d'agoa. urna grande ca-
pella, que osla fa.ondo ,c.; o que ludo prova, que o
illm. Sr. Manoel Thom s trabalha para augmentar .1
101 luna, por sua mono, osles.....sinos, do quem o dilo
r. reijodu, que ello est desfruclanilo. Nole-se mais,
11 mo osla calumnia como as procedenies.be u... ueoo-
10 ininto particular do familia entra; prenles, eo.no se-
aocoobados, Ribos, genios e n.-los, dequen. oditoSr.
rujo se a, voiou de procurador.
fM22,nl0' |,.r parlc d0 Ill'-Sr- Manoel Tiiom", ape-
zar deque para iiio uno tenho procuracSo, rogo io tal
igadu-,W, I*** cuaba ^^^^2^^^^^
Digo eu abaixo assignado, que entre os mais
lyns.que possuo do mansa o pacifica posso, l,c bom as.
mu uro mulato, eseravo, de nome Antonio, de idade
pouco mais ou menos, de t.inlae tres anuos, o qual ven-
do desde boje para seninre a intima irinla I) Thrrea
nhXr.ni'l A;aUj0 "arb0"'' '"" F*> '."anlia ioqui-
nli.nto m.lrcs oiquaes rocebi ao fazer leste, en.
S na^oMr'"1 ?'lf f'Vi lesteniunha, presente, o.
Sis. padre Manoel [Sones Marti,., e J0,o Dia, Forroira
e po, ser verdade o referido, e para poder constar nas-
sei prsenle do ininhs leltra e slgnal. Eiiiidio hai
pe
m acha-se
V'os do Elo-
Pernambiico (estavao asarmas imperitos) Anno ,
ceiro de 1847. .Numero 24. Meia liza. A fojhas Sverio
do livro de receita, fica laucada eui debito ao aclualcol
-iZf aS l>ar? nualquer pono d Europa a escuna In
gloza Carohna, do lote de 160 toneladas, de milita boa
cons., ,,,-cao, o excollenlc marcha : a tratar con. os leus
ihe*n "42'ri0* Ada,',son Il'' <'. na rua do Trani-
o (i Iw-^id*'r!SiJmi ov.anor in6l-'- Antelope. capi
O Brieu; deve aqu chegar doi porto do Sul, at o
12 do crreme, e seguir, depoi'i de 24 horas, sua viag.
lao
dia
viagem
.......d-------..... ...,. ui uiiKn.ii que o
aiidanionlo das rodas, nnnuiieiado para o da 7 do cor-
lme mez, mo podo Infelizmente ser rrallsado; porque,
dependendo elle da completa venda ao bilhues esta
tem sido morosa e pouco adianlada. A visla do quo,
novamenle transiere o sobreditu andamento para o dia
21 do con cuto, na esperanca deque 01 compradores de
bilbeles o habilitarpaia levar esse acto a ell'eito em
o novo dia designado cossaudo assim tantas transfe-
rencias, bastantes desagradavels ao publico e multo mais
no abaixo assignado Conlinuao a oslar a venda os W-
llieles nos lugares do costuuie. He realisado o andi-
monto das rodas no ounsistoro da Conceicao ; eos pre-
mios serio pagos ininiedataiiiente e com a inesma
proinpido com que teem sido os las ouiras loterial,
de quohe theioiireiro 4nlonoda Silva Gusmoo.
O profrssor substituto das cadeirai de rbetorlca e
gengrapliia do colleglo das artos de Olinda leceiona, nri-
ta eidade, pelo lempo das ferias, as materias drssas ea-
deiraii aquellos, que se qizrrem matricular, dirjan-
se ao patoo da S.-< un na Una-Vista, 11. 4, alini do dareiu
os seus nonios; e depois se designar lia. hora o lugar.
= Alng i-si- un. sitio, na rua da Casa-Forte, coro co-
piar e gradara de Ierro na fronte, estribara, cocheira
o militas aceoinniodaroes, e vanas casas de piceos hla-
los, lamo na campia e rua da Casa-Porte, come na es-
irada do Poco oprlmelrb andar do sobrado aroarrllo
da 111a Augusta; a loja do dito, propra para venda; una
logmlia na travessa do Montciro; os 3. e 4. andares
do sobrado da rua do Amoriui, n. |5 ; trata-sc 110 pri-
meiro andar do inesinu.
= Aluga-se nina casa terrea, na rua do Jasmim atrl
leS.-Goni'alo, jiinloadi. Sr.l'.ailaiilt: tem duas lalas.ilous
aliarlos, cozinlia e cacimba uieielra : um sobrado na
rua do Noguelra, n, 16, com duas salai, dous qiiartoi.
cozinba lora e dispensa: iraia-sc na rua de Apollo, 11.
19, terceiro andar
= Precisa-se de uro caxeiro, que tenha pratlca de
venda, o que seja de boa conducta: quem esliv.r nesias
circunstancias, dii ija-sc a rua do Carnario da Boa-Vil-
la, 11 7.
D-se dinhriro a premio lobre peiihorri de ouro,
prata e hypoiheca em casas terreas : na rua estrella do
Rozarlo, 11. 30, segundo andar.
= JOS' LOL'RENCO ME1RA DE VASf ONCFLLOS
transfer,! o en*lmi, durante as foias. de LATIM. 1RAN-
.,;L>Dl,HKTOIt,CA'doPale" <1" Terfopara a rua da
AiuiORA, primeiro andar, n. 48; e principiara a ib do
corrente.


= Pcrdco se Ulll quaderno de faier asscntos de liado
de pao, cscripto com lapis drulro do un saquinho
do chita, desde a padaria do Coellio aln poni la Paa
sigcin-da-Magdalena: a pessoa, que o achar e o qimor
entregar, visio rile nao servir sena ao dono, sera bem
recompensado, dirigndo-so adlla padaria,ou aosQuatro
Cantos, na venda do Sr. Manoel Ferreira Falho, 011 a
Passagem, yenda do Sr. Machado, que em qualqucr das
partes receher a reconinensa promettida.
Quein quizor (lugar ama casa na Capunga para
passar a fesla drja-se a osla typographia ou na pla-
ca da Independencia livraria. ns. li o 8.
Na ra da Cruz, im Recite n. 66, se diz quem pre-
cisa de un noiii refinador de assnoar.
O lencutc-cnrnucl Ignacio Antonio de Barros Fal-
cao declara que nada herdou da legitima de sen ir-
mo Angelode Barros Falcan O nem lom concorri-
do para contenda alguuia eiH juizo ou (Vira delle, con-
tra alguein a respeilo da uicsina heranca do dito seu
innao.
Obscharel Angelo Henrques da Silva advoga no
clvel e criine ; pode ser procurado na rua de Hurtas,
li. 22, primeiro andar.
Oll'erecr-se una ninllier capaz para ama de urna
casa de poiic.i familia ou incsmo para de hoiiiom sol-
(riro que d ador a sua conducta : queui de seu
prestlmo M qu/.er ulilisar dirija-se a rua da Pe aba ,
o. 6, primeiro andar.
Deseja-se alugarum pritnciro andar para una pe-
quena familia sendo decente c em qualqucr das me
lliores ruai de S.-Antonio ou Boa-Vista: quem tiver,
annuncie.
Alnga-se oarinazcm com porta-coeheira no pateo
da matriz de S.-Antonio; quem o pretender dirija-se a
rua Nova loja n. 2.
1'reciia-se de urna preta que saiba vender na rua;
d.i-so liom aluguel : na rua dos Pires n. 26.
Quem precisar de mu Portugitei de 34 annos ,
para cuixeirodo alguiu engolillo, ou mitro qualqucr ci-
tabelecimento fura da praca annuncie.
Quem precisar de mu Portuguez para administra-
dor de engrnho do que teni bastante pratica a-
il unci.
Quem precisar de un Portuguez para tomar con-
ta de algiima venda ou de outro qualqucr estabeleci-
ini'iito, do que lom pratica, r para o que d fiador a sua
conducta e taiiibem nao duvida entrar com algum
fundo paran negocio fazendo-lhe Intercale, annuncie.
De boje por diante contina a estar aborta a loja
de louca da rua da t adela do Kecife, n. 8, que fui de
Ludgero Teixeira Lopes, para se vender por ludo o
proco, que se achar, a louca, que na indina existo, c
que eonsta de garrafas finas c ordinarias, caiupolci-
ras ditas, galheitoiras, mangas, bulos de tudas as
qualidades, chicar.s, apparcllios para cha, palos com
lampa, ditos travessos, lanternas, candil-iros e outras
umitas, que na mesilla se acho.
Ao amanhecer do dia terca-foira, 10 do corrente,
desappareceo do segundo andar da casa, na rua estrel-
lado Rozario, por cima do escriptorio do diiutnr Pedro
Ignacio, un par de casticaes de piala : e como un mo-
leque ein-onir.issr na oseada urna pessoa de chapeo
branco c casaca, a qual nao be desconhecida, por i sso
se pede, se fui da referida graca, que liaja de os
mandar entregar.que, do contrario, semprc se far pu-
blico o seu inmie, p.ira nao continuar a platicar da mes-
ial niaiioir i i-iii outras casas : assim como tanibcm se
podo a algunia pessoa, a quem foreiu otlerecidos ditos
easllcaes, de os apprchendcr.
~ Arrenda-se una padaria e duas casas para peque-
a familia, na Passagem da Madalena, junto a ponte
grande: na rua da Gloria, sobrado, n. 59.
1>
I*i ecis-se de nina an
liotnem estrangeiro
a para
solleiro,
cozinha
casa
que
, ou
de nm
uo I lie ser incumbida a
outro qualquer servico, senao cuitiar nos
arranjos da osa ; sendo urna pessoa na-
tural de Portugal, ou outro pajz.eslean,
geire, sei preferida : quem esliver ties-
tas circumstu nrias tlirija-se a i na da
t'ndeia Velha ti. 5a.
Manoel Cavalcanti, crioulo, pedreiro morador na
rua de ..Jos determina vender una casa na praia
do Porte : se houver algum impedimento, por onde
elle nao possa vender, auntiueicm.
- Poranle asegunda vara do civel, doutor Nabueo .
se ha de arrematar no dia 14 do corrente una lylo-
grapbia de iiiadeira, guarnecida de ferro, COtn seus
pertences ; 10 caixas de tintas proparadas; 8 caixas di-
vidi para cai.xilhos ;4 ditas de dito com faltas ; una
caixa com estampas de ges.su ; ludo priihnrado a Luiz &
ltelilz por cxoouio de Kussei Mellors&C.
Dao-sc I50/U00 rs. a juros sobre penhores de ou-
ro ; no pateo do Peralto u. li.
Quem precisar de urna ama da leitc dirija-se ao
paleo iiii i'.iiai/o. n.24.
Aluga-sc o solo do sobrado n. 7 da rua Nova, pro-
prio para potica familia, ou bouiem solleiro ; a tratar
na rua do Cabug loja n. 6.
I'reeisa-se ile dous lavradores ) em casa do doura-
dor, ou fabricante de candiel ros de gaz na rua No-
va n. 52.
O abaixo assignado faz saber ao respeitavol publi-
co, e parlicularmonlo aol pas de familia, que abri em
sua casa, no Alcrro-da-lioa-Vista, n. 82, una aula de pri-
inoiras Ultras, e os cursos de geographia edeliiigoa
francrzH; as possoas, que drseja.em srguit qualquer
desca aulas, pndoin dirigir-sr a indicada residencia, a
i|u iiijuor bora do dia: c ir taiiibem dar lifes em casas
particulares Ur. Joaquim di lllivrira Suuza.
Una senhora de bons coslumes, a qual sabe des-
cinponliar o servido de qualquer una casa do por-
tas adentro, se oll'errce para ama de casa de limiiom
'olteiro: quem a pretender, dirija-se a rua do Azeile-de-
Pelfe, casa, n. l4, que achara com quem tratar.
Cypriano Vanyeller retira-sc para Inglaterra.
= Alfonso Salnt-Martln, na rua Nova, n. 1-1, segundo
andar, recebeo, pelos ltimos navios viudos de Franja,
mais sorliinento do queja teni annunciado, constando
ilo seguinte ; manteletas de grosdenaple preto, guar-
necidas de franja de retroz ; mantas da uiesina fazenda;
chales do seda de noros padrScs, milito bonitos c supe-
riores ; mantas de seda, igualmente de milito bom gos-
to, c de entre ellas o que ha de mais rico; cortes de se-
da tarrada para vestidos, brancos c de cures ; chapeos
de seda para sonhoras, ricamente ornados e do ultimo
gosto ; ditos de paihiuha, lisos, abortos e rendados, mo-
delo a 1'omi-l.is ; ditos para meninas, abertos e lisos ;
ditos de palha da Italia, redondos, para meninos de 2
8 anuos ; lencos de setim de primeira qualidado, para
pescoco de senhora; bareges verdadeiros, de inuito bom
5oslo, para vestido; cortes de vestidos, de ganga de qua-
ros, milito boa fazenda ; luvas de pellica multo supe-
riores, com seus braceletes ; outras protas com malhas;
ditas de pellica de primeira qualidade, para huinem, as
quaes nao enruguecem por milito que dolas se use ;
panno prelo de Parta, todo de laa, seiu mistura de algo-
do, milito leve e de milita dura, panno este propissi-
ino para o clima dos anuos trridos ; casimira prela, de
tocido boasado, chamado seliin zelir, milito lino :_a virlu-
de desse novo tocido, he de nao mostrar o cordo por
velha, que lique a casimira, e assim d um uso extraor-
dinario : os senhores, que pretenderen! ver qualquer
distes objeclos, ler a bondade de mandar avisar ao
auiiiineiante, que iminediatamente Ih'os levar em suas
casas, ficaudo cerlos, que o Alfonso be camaradinha, e
nao vende caro, nao,
O capitn de fragata Caetano Alvos de Sonta faz
scientc que, por baverem sua familia outra possua do
inesnio noine, se assignar, d'ora em diante, Caelano
Alvos de Souza tilgueiras.
AOS SISRS. DF. ENOENIIOS F. A TODAS AS PESSOaS ,
QUE NTERKSSAlltM.
O arrematante das aferiedes deste municipio do Rc-
cifo previne aos mesinos Srs., que as ancoras que con-
diui-ni lquidos para vender no dilo municipio, devem
ser aforidas polo mesmo arromatanlc segundo o arti-
go 13 do regiment das aferiedes.
CASA DAS AFERigOES, RUA DAS LARANGEI-
RAS, N. 29.
O arrematante das aferiedes deste municipio de no-
vo lom a prevenir a quem interessar que, estando a
lindar-so o lempo marcado das ditas afei ices teein
concurrido poucas possoas ; motivo por que declara .
que nao se rcsponsabilisa pelos que deixarriu de alo-
rir dentro do lempo marcado ; pois que no be possi-
vel dar venciinonto a todos nos ltimos dias.
Na rua de liortas. sobrado n. 22, primeiro andar,
eiisina-se, einqiianto durarcm as ferias da academia ,
rhciorica, geographia, o geomoiria: as possoas, que qni-
zereni iitilisar-se do seu preslimo, podeiu comparecer
a qualquer hora.
- Vendem-se, na rua Imperial, n. 7. quatro frascos
de Vldro, cadaum com nove libras de acido chlornjaon-
cn, vulgo muriaticp.
\ rnde-H lagrdo de I.ishoa ; no largo
bla Provincial escriptorio de Francisco
Kabello & Filho,
ALEGRA! ALEGRA !
chegou Analmente esta tan desojada
fazenda denominada r-Alegria : nao
COr elogio a esta fazenda porque o
xa ver-so qual nao ser Ma qnalldn .
ella a propriedade de fa/.er-so riamorada s pedimos
assenhcrasdebom gosto que se quizerem prevenir
de mu elegante veslidn para a noitc de Natal de man-
daren! a loja de Anlonio Luiz dos Santos Sl Coinpaubia ,
na rua do Crespo, n. II.
=Vende-seuma linda gargantilha de ouro .pelo di-
minuto preco de 30/ rs., ou troca-se por 10 oitavas de
=Comprao-se osoravos de ambos os sexos, de 10 a 30 ouro do lei; na rua de S.-Rita-Nova, n. b2.
Furtrao, de um sitio, na estrada para Belin, urna
carleira pequea de senhora, coberta de couro de
patente, cuulendo papi I tuileiro un siuele peque-
o de nurii, una penna de marlini e piala um lapis
de piala c mais oulros pertences. Quem descobrir a
.....lia carleira a pude entregar no sitio que I'ol do
Lobato ou na rua do Trapicho n. 40 que ser bem
recompensado daudo-sc ate niaior valor do que real-
mente lom.
IVnleo-se, desde a rua do Arago at o hotel Fran-
cisco, na noite de 8 do crrente, non rede tte cor par-
da e iouxa, com eorddei de algodiio: roga-se a qualquer
pessoa, que aacbou, querendo restituir, dirija-se ao
mesmo hotel, que sera gcuerosameutc recompensada.
da Assein-
Scvcrianuo
c encantadora
ciso te
.,e bein dei-
de mais, tend
annos, com habilidades c sem ellas; eprecisa-se de um
earpiua o outro barbeiro c pagao-se bein : na rua da
Coucordia, lado direilo, segunda casa terrea
i.ompra-se um temo de saccas : quem tiver, diri-
ja-se as Cinco Ponas, n. 2l.
= Compra-se um cordo de ouro com duas varas e
mria, sem feilio : na rua de S. Rita, n. 9l.
-- ooipr.io-se, para lora da provincia, escraros de
ambos os sexos de 12 a 22 anuos : na rua larga do Ro-
tarlo voltaudo para os quarleis, a. 24, primeiro an-
dar.
Compra-se una carroca de um bol em nieio
uso | delimite da groja da Soledade, n. 2.
8
ilT

,-, j-.-i-i j.
2R^S3^3-i
LIMA,
Sirgueiro, rua Nova, n, 2,
meiro andar,
proximanieule chegado do
de-Janeiro, tcm n honra de ole-
recer aos Sis. ofliciaes da guarda
nacional e exercito aluns olijec-
m
. 1
Rio- |
T
H
Tl tes pe tencentes a seus uniformes, n
3 sendo estes os do ultimo uso naquel* \k
J| la corle, a saber: chapeos armados, j,^.
"TI dratronas. bandas, iadorer. esna- u!j
iliagonas,
, bandas, iadoref, espa-
la das de ac metal do principe r[
plj. dilas com copos doma Jos, tallos, |-'.
rananas, carleiras, manase col- Lj
dres guarnecidos de galao de ou- [u
ro lino, gales de ouro flnopa- Ihi
ra caifas, bonetes e divisas, de 11
loias as patentes, bot5es para so- jul
I
i
I
(8 resl
I
bre-casacas luvas de camursa
branca, etc O mesmo. leudo cor- t
i ^
responilencia com as primeiras ca- Ui
m


sas'do liio-dc Janeiro esta habili-
tado para se incumbir de mandar
vir daquella corle ludo quanto llie
se ja ciicomuieudailo, cun a maior
brevidade e cummodo preco.
r
ii
P
i
Folhiiilicis.
Ventlem-se folhinhas de porta, algibeira e pailrc ;
na prnr^a ta Independencia, livraria, ns. 6e 8.
i\a livraria da esquina Oo Collegio,
vendem-se folbinlias deporta para o onno
de 1847, milito correctas, e mpressas
em bom papel cucorpado
= Vendo-sea obra completa de Fylinto Elisio; no
Atorro-da-lloa-Visla n. 34.
Vende-sosal por proco conmnelo a bordo do hiato
Kspadarte, fndenlo defronte do trapiche Novo, ou na
rua do Torres, u. i4.
= Vendoni-so cortes de Ia mullo lina a 4/000 rs. ;
peras de cassas bordadas com 8 raras o Hiela a 2$000
rs. a peca ; nieiasdeseda preta para homem a Son
rs ; loncos adamascados superiores, a 600rs. ; cor-
les de inoia casimira, a .1/000 rs. ; riscados largos ,
proprios para camisas ,a 180 rs. o corado ; poscocinhos
de fil lino a 9U0 rs. ; cambraias lisas COIB 8 varas e
neia a2^881) rs ; mantas de algodiio;, para senhora ,
a 1/280 rs, ; cobertas de chita da India, a IH' > rs. ;
chapeos de castor superiores de Lisboa, a 7/400 rs. ;
corles de laa e seda milito superiores por preco
i mu i nenio : na rua do Cabug luja de Antonio Rodi i
gucs da Cruz.
Veudoni-se no hotel Francisco nos dias l2 fe 1."
do corrente as obras completas de Rousseau ; ditas
de Voltaire ; historia doF'ranca, de Anqtielil ; obras de
Cousin tiiii/ot o outras mullas de lilteratura phllo-
sophiae sciencia por proco milito commodo.
Vendein-ie canarios de imperio, inuito superio-
res; lucias de li n lio : na rua do \ gario, n. II pri-
meiro andar e na padaria junio a groja do Ro-
lario.
= Vendo-sea padaria do Corredor-do-Ispo n. 8,
promplaa Irabalhar; um relogio do parede com sua
competente eaixa com a fabrica toda de metal e bom
reguiador ; Iros pesos de ferro de 2 arrobas cada
um ; 3 laixos de cobre que servein para relinacao ,
Com pouco uso ; pipas arqueadas de ferro que servi-
rao para cgo'ardentr; barril ditos; nm alambique e ser-
pentina ; una aruiacao, que foi de vonda.de madeira
amai ella ; 8 cadeiras cni bom uso : na estiada de Jo;io-
Feneira, u. 19.
-- Aos Senhores armaclnrcs
ealfaiates do dignissimo clero avlsao Guimaraes .ora-
lim S V. com loja na esquina da rua do C'olloglo, n. 5,
que vendem-sc os seguintes arligos, que se lurno iu-
dispensaveis s suas occupacoei, a saber: volantes no-
vos, largos o ostreilos, sm lulos em cores ; trina, larga e
estrella ; galdei liugiudo os do verdadeiro ouro; dltu de
palhela com novos riscos, de um qnarlo al duas polle-
gadas de largo ; rendas amacollas, largas o eslreitas, de
novos padriies; cspiguilha liraoea e ainarclla;
AOS SRS. DONOS l)E TAHERNAS E ARMAZENS,
QUE VENDE! LIOUIDOS.
Oirreniatante das aferifoes dos pesos o medidas deste
municipio fa* idete aos ineimoi Srs., que, nao obstan-
te delurem de vender ago'ardentedo pala, sao obrlga-
dos a t,.r tpr0 para bebidas espirituosas, pois que veii-
iein espirito de outras qualidades; assim como, que nao
he possivi-l.que nina taberna, que tem todos os lquidos
para vender, Incluirte a/cite doce, deixe de vender vi-
aagie, para o que o arrematante est disposto a denun-
ciara quem compele, distes abusos: e para mais escla-
reclinenio vai abalea transcripto o artigo 10 do regimen-
t das alineos :
Artigo MI. 'lodos os armajcns. casas de negocio, de-
psitos, oslabelecinientos di- commereio. ou industria
de qualquer intuma, que leJSo, flso ou volantes, onde
I eumpre ou venda, em groHO ou a retallio, niercndo-
'ias ou gneros, solidos ou lquidos, e onde soja noces
sirio pesar e medir, serao oln gados a ter, como j se
chava rstabMddo, collecjei ou temos coinplolos de
posos o medidas, na forma do padl'o do Imperio, se-
cundo a naturezi di, nblecto ; e os armazn! e tabernas,
onde le vendorom dilleroutes lquidos, couliuiiar a
ter una collecfiio, ou terna de medidas para cada um
delles, com as rspeciticaeocs seguinies : um para a-
'oito de car rpalo ede peixc ; um para a/eile doce; um
para vinagre; um para vinho, e nutro para todas as mais
bebidas espirituosas.
Luiz da Costa Leite deca,a, que o annuncio da
venda de um sitio com casa na estrada da Soledad,- para
o Manguind ou Varzea com a assignatura das lei-
tras iniciars L. C. L. nao se emende com oannuneian-
te, que, posto algiima cousa possua na estrada da Sole-
dade para o Manguind nao quer vender e mora na
rua Nnva 58.
-- l'iec isa-se de um calicho brasilelro para venda ,
/que no exceda de lO a i2 anuos: quem esliver nei-
>tas ciicumiiancias dirija-se a Koa-Vista, na Ponlc-\o-
Jba, venda n. 33.
rJoo Lo
poitavi'l
ya poli
AO ROM TOM PARISIENSE.
liUA NOVA.N 7.
TBMPETTK ALFAIATK,
tein a honra de participar aos seus Ireguezes que dis-
soKen desde o dia 15 do sotembro do anuo passado ,
a sociedade que liuha com os Srs. (olombirz Si t 0111-
panln 1 largando ao mesmo lempo a loja dos sobredi-
tos Srs. As possoas que o quizerem favorecer com a
sua fregueila o acharad na sua loja na rua Nova ,
11 7. Tem pannos para calcas, folletos o casacas, de lu-
das as qualidades os mais novos chegados de l'nris e
a colleccJo dos mais recentes ligiiriuos ; e recebeo 110-
vaiiieute um lindo sorliuieuto de objeclos de luxo c
phanlaiia ,dc diversas qualidades.
fabrica ele chapeos de sol,
roa do Passeio-Publico, n. 5.
Joo I.oubot tem a honra de participar ao res-
rcl publico que acaba de receberdo Fran-
los ltimos navios francezes um bello
soi lmenlo do ultimo goslo sondo: chapeos,de sol,
para homem e senhora do seda lisa, lavrada e furla-
coivs com cabos c castoes inulto ricos ; soda de todas
as cores e qualidades ; panniihos entrancados o lisos;
tildo para cubrir chapeos de sol; chapeos de sol de pan-
iiiuhodo todas as cores para houieui com cabos c
casinos ricos: lambeni colicorta os mesmos, tanto
de bollicio como de sciihora ; pois tem ludo quanto he
-.rio para os ditos e prometi umita brevidade,
para fazer qualquer concert : ludo por preco com-
uiodo.
ro O abaixo assignado declara todos ns credores de
seu fallecido innao, o doutor Blanoel Podro de Ioraes
Mayor, que o nico coherdeiro, que licuu seiihor da le
gilinia do dito fallecido, he o coherdeiro .lose1 Feijii de
Mello, de quem os ditos credores dever haver suas di-
vidas ; porquanto neiii o abaixo assignado, ncm suas
irmaas herdrao do dilo fallecido.
O uiajor Jos (abritl de Morsa Maycr.
= No dia )4 do corrente, pelas 4 horas da tarde, po-
ranle o Sr. doutor julz do civel da 2." vara deila cidade,
se lia de arrematar a quem mais der, por venda, um si-
tio de torras com casa de \ i venda, no lugar da estrada
dcN.-S.-de-Belcm, ein chaos torchos, com as confron-
tades constantes do cscripto eui poder doporteiro. Joo
Januarin Sorra Grande, peuhorado a viuva e herdeiros
do fallecido Joanes pinches, por exocucao do onsul de
S. M. Rritanica, escrlvo Rogo : os licitantes compare-
can no dia e horas apra/ados, por ser a ultima prac,a.
= Joaquim Pedro Thomat, subdito portuguez, retira-
se para Portugal a tratar de sua sade, na escuna Felii-
Vniao.
lafot
de todas as cores ; e ha um cxccllcnle surlimeiiio de se-
tiiu-papol; cambraias lisas e ordinarias ; fil de iiuho
biauco, com lima e meia vara de largura ; bobine! da
incsiua largura; escomilha preta ; sargeliin de todas as
cores, e tambeni preto ; (esta fazenda he achamalolada,
flnge seda epor laso suppre a falla da verbotina 6 do vel-
ludilhni pauniuhos pelos e cor de rosa ; milins prctos ;
bol lamia prela, parda o branca; frunqucliiii preto; prin-
cesa preta; alpaca; lila branca de patente ; dita preta
milito superior ; e dita ordinaria.
E bom assim, lanibeui se veudeni excollenlos mojas
curtas, de linlio, Coilas no Porlo; babados de liuho, lar-
gos c ostreilos, ao que chamo tramla, fabricados em
Guinaracs ; pecas do verdadeiro panno de linbo de Alie*
Uianba.com 25 varas, por i2/rs.: todos os arligos ci-
ma aniiuiiciados serao entregues, a precos mais mode-
rados possivcs.c podemos asseverar, que por menos .li-
gnina cousa do que cni outra qualquer luja desta ci-
dade.
= Vendem-se sophs do augico ; cadeiras de dilo ;
bancas de ineid de sala, a 25/00 rs. cada urna, jogot
de bancas de columnas a25/rs. ; marquetas de augi-
co as nielhores que apparecein a25/rs. ; coinmodas
de aniarello ; ineias ditas de dito ; ineias ditas de au-
gico ; camas de angico ; cadeiras para seniora ; ditas
para meninas se assentareni a mesa; mocadores de Ja-
caranda ; banqiiiuhas de quatro ps de condiir ; ludo
dos inelhores moldes epor proco mais bar lo que
pode ser : una preta. de30 annos pouco mais ou me-
nos c da qual a vista do comprador, sedird as habi-
lidades : na rua da Camboa-Carmo n. 8.
J=Vende-so a venda da rua de Apollo n. I, junto ao no-
vo porto das canoas, o urna casa torrea na rua da Con-
cordia, nova, mullo bem construida, junto s casas do
Sr. Jos Antonio Corroa Jnior; vende-se tudo, por seu
dono retrar-se para fura da provincia com sua familia:
a tratar na mosiiia venda.
Vondeni-se ricas sedas oscocezas para vestido; di-
tas brancas para noivado; mantas de teda as mais rcase
de mol luir gosto, que teein Indo ao mercado; chales do
seda igualmente ricos ; luvas de pellica de todas as co-
res, tanto para hoiiiem como para senhora; dilas cum-
plidas brancas comenfeites; ditas de soda de diversas
cores, tanto enmpridas como curtas; lindas guarnicVs
para vestido; os mais bonitos cachos de llores para cabe-
ra e chapeo de senhora; chapeos de seda para cabera de
senhora, os mais modernos, que ha; ditos de sol para ho-
mem e senhora ; um completo surtimenlo de calcado de
todas as qualidades, tanto para homem c senhora como
para meninos boas o novas perfumaras; chapeos do
palha para meninos, os mais reos e galantes, que podem
haver; bem como outras limitas fa/endas, as quaes se
veiidem por procos os mais commodos possiveis: na es-
quina da rua do Cabug, junto a botica do Sr. Joo Mo-
r ira.
Vendem-se seis a oilo arrobas de sebo, do mais su-
perior, que ha, tanto em riin como decapas, a prefo de
4/rs: nos acougues de Joo Dubois, rua do Rozario lar-
ga, ns. 6 o 11 : no mesmo ha presentemente sebo de rim
de carnriro, proprio para inoisinha: as possoas, que j
liiiho encummeiidado, venhao busca-lo quanto antes.
Vende-ie cal virgeni chegada ltimamente de
Lisboa em caixas e barricas ; no largo da Assembla
Provincial escriptorio de Francisco Sevcrianno Kabel-
lo S I illio.
Vende-se urna parda recolhlda que cose, engom-
ma e cozinha nido mullo bom; 4 osciavas mocas, una
dolas cose engoniui.i e cozinha; duas negrinhas mili-
to lindas, de 14 anuos .queja coseiu e fazem lavannlo;
nina niiilalinha, de 15 anuos ptima para se acabar
de educar ; urna piola, de 35 anuos por 280/rs., que
cozinha lava roupac vende na rua ; b escravos mo-
cos boni para o trabalho de campo; um "" bo,a
oflicialdo alfaiate o bom pagem ; um piolo velho por
220/ rs : na rua do Crespo, n. 10, primeiro a'ar-
Vende-se una Linterna bordada, por 4/000 rs. ; l
bandejas anda novas por 5/000 rs. ; urna cama de
vento por 3*000 rs. ; una gamela comprida por
l#280 rs ; um candioiro de oseada por 400 rs. ; dous
quadros, por 1/ 20 rs. ; 20 lampeos pequeos anda
novos, por t/280 rs.; um garramo euipalhado por
400 rs. ; 8 massanetas proprias para berco ou cama
pequea por800 rs. ; um chapeo oleado para pagem ,
com galao falso por 2/000 rs. ; um cachimbo alloman ,
de excedente gosto por 2/000 rs. ; duas bancas do
condiir com gavetas em milito bom oslado por
12/000 rs. : na rua das Larangeiras, n. 2.
Cateado.
Vrndem-se sapates de bozerro viudos de Nantes ;
ditos de foitio inglcz; tpalos de couro de lustro de
unta e duas palas ; borieguins aspeados ; ditos con
pona ile lustro ; sapilinhos de laa para enancas de
pello ; sapatos de lustro c marroquim ; borzeguns ,
para senhora ; sapatos de tapete, para houioni c senho-
ra ; e outro- mu ios calcados, receuleiuonte chegadoi :
na praca da Independencia; ns. 13o 5, loja do Aramos.
Veiidein-se, na rua da Gloria, sobrado n. 50 te-
llias relhas lijlos, metralha, callea em grande porcao,
UWia porcao de pedral para alicorees de qualquer obra,
caibros, ripas, o portal com as suas competente! gradei.
m Vende-se una venda na rua da Aurora, bein a.rc-
giiezada para a Ierra, com coinnindos para familia, com
quintal e cacimba, e com os fundos gneros, que agra-
daron! ao comprador ; com algum diuheiro a villa
o mais aprazo: a tratar na inclina venda.
~Vemlem-se os pertences de una ronda, como sojao:
4 tornos de medidas de follia mu dilo de pao un dito
de pesos de meia qual la at meia arroba una batan-
ea com conchas de pao e corrente* de lati, 2 cntenos,
duas pipas arqueadas de ferro una porcao de taboas
depinlio, proprias para alguma armaeo pequea, por
j terein servido ; ludo em bom estado : na rua da Au-
rora n. 48 ou na rua Formosa. n. I.
Vende-se una cscrara 11109a boa engommadei-
ra, coslureira o queeuleiide alguma cousa de con-
idia ; na rua da Cadoia-Volha, n.30.
= Vende-se una cadelra de arruar forrada de seda;
macacos para arruinar carga ; encerados para cobrii
gneros ; na rua do Ainorlm 11. 15.
-- Na ruado Rangol, n. 1', anda ha para vender
varias obras de ouro tanto para sriihora como para
homem sendo : cordoes, ainicles, brincos, ele.
Casa da F,
na roa eslreiln do Kozario, n. 0.
Continiiao-se a vender na casa cima as cautelas da
lotera da malri da cidade da Victoria cujas rodas cr-
relo a 21 do crreme mez : os precos sao os do costunic.
2a Vende-se urna morada de casa de sobrado
'.'I de um s andar com soto quintal c ca-
KiasL cimba varanda de forro silo na rua Olrci-
ta n. 06; na qual lom una pequea parle um orpho;
e faz-so todo o negocio ainda niesnioa prazo e volta
ein algunia casa lenca, ou escravos : a tratar com Jos
Ignacio Soarri de Macedo em seu sitio Divertido, na
estrada do Manguiuho nu na rua dos Quarleis, no
primeiro andar por cima da padaria do Sr. Manoel An-
lonio de Jess. .
Vondom-se Memorias economicasda academia real
de Lisboa, 5v. ; Elementos de geometra, por Eucli-
dos um v. ; Melhodo fcil deescripturar os livros, uin
v ; um Onarda-Livros moderno 3 v. ; obras do Mr-
quez do Pombal 4 v ; ReereacJo philosophica 10 v.;
(utas do papa Canganele 6v. ; Cdigo coininercial .
um v.; Historia completa da inquiscao da Italia, Hcs-
panlia o Portugal ornada com 8 estampas L um v. ; or-
tographin de Madureira um v. ; o Cidado luziuno ,
um v. : no pateo do Piraizo, u. 24.
Vendo-so una venda com poucos fundos, na rua
do Collego n. 17 : a tratar na rua do Crespo, loja n. 3.
Vendoin-so 4 lindos niolorpies do l4 a 18 anuos ;
2 ditos, de 7 a 11 anuos ; un pardo ptimo para pagem,
de 17 annos ; 2 pretos sendo um carreiro e o outro ca-
uoeiro; duaspretas.de 18 anuos, com algiinias habi-
lidades; nina dita, de 25 anuos com um lilho mul.iti-
nho de 2 annos a prela cozinha o diario do iimacasa,
pngomina bem, cese chiio o lava ; duas pardas, de 15 a
25 anuos, com .-ligninas habilidades: na rua do Colle-
go, n. 3, segundo andar.
= Vende-se sal. a bordo do hiato Eipadarlt, Tundea-
do defronte o trapiche novo : a tratar a bordo do mes-
mo hiato ou na rua do Torres, n. l4.
Vende-se magnifica cera em velas do Rio-de-Janei-
ro sortiniento completo de I at i em libra e lam-
bn! bogias de 4, 5 e (i ein libra em caixas o as libras, a
voulado do comprador; collada Rabia superior, por
preco coiiuuodo : na rua da Scnzalla-Velha armazeui
u. liO.
Vende-se un cavallo ruco grande castra-
do, bom carregador que serve para sella ,
e tamban lie de carro ; na rua da Gloria,
sobrado n. 50. ,
Vende-se una cscrara de nacao Angola de boni-
ta figura, que cozinha o diario de una casa e lava de
ranilla por proco roinmodo ; na rua Dirrila, n. 18
__\ ende-te mu ca torrea, sita na rua da praia do
Caldcirciro n. : a Halar na niesina casa.
Na na Nova loja n. 88 conliiiiao-se a vender,
por barato preco sapatries e sapatos para homem c de
couro marroquim e couro de lustro.para senhora.
-- Vende-se nina oscrava de nacao, de IH a O annos
deidade; cozinha, engoiiiiiia, lava de sabao: a tratar,
na rua estreitado Rotarlo, loja de iiiarcene.ro, u. di.
Vendoin-se tres bonitas escravas de 20 anuos, eoui
prendas, que se faino vei ao comprador; un moleque
de 18 anuos bom trabalhador .le machado o fouce ; um
dilo de l2 anuos, proprio para officio: na rua larga do
Rozarlo, n.M. primeiro andar.
Vendem-se 25 escravos, chegados ltimamente do
Aracaty, sendo 6 parda, que coiem, eiigominao, lavo
ecozinhao; oilo negras com algumas habilidades, sen-
do una da Cosa, o quilandcira ; nove preto* e mulatos,
proprios para o servieo do campo tendo um mulato
bom cozinheiro; um moleque de i2 annes; cuinane-
grinha de 11 anuos : trata-se na rua da Cruz, n. 5l.
Aos iSrs. propriclark** de
ei i;eiilios.
Vendoni-se taixas de ferro coado, inoendas de canna
para agua, ou animaos, rodas dentadas, criros, boceas
de tu. i. ill. t. e mais objeclos uecessarios para cngenbo ,
por prc9o commodo : na fundicaio de forro de M.'' Cal-
luin S C, na rua do Bru no Recife, ns, 6 e 8.


A
Potassa branca,
da mais superior qualidade em
barricflB pequeas, e desembarca-
da no dia 30 de agosto prxi-
mo passado, vende-se por pre-
go commodo : cin casa de L. G.
Ferreira & C.
JNa ioja da esquina da ra Jo Collegio,n. 5,
deGuioiarSes Serafina & C.,
viiidc-sr, alera de um bonito sortimento de fazendas ,
por presos bstanle moderados, as scgulntcs :
Cortes Ditas ditas nirlhores, a.........50000
Ditas pretas franeczas o corado, a 3/000
Pannos, pretos, a/.ues, verdes e de muras cores
dillerrntes, desde 2/400 rs. o corado a 12/000
Corte*de calcas de pelle do diabo, a 1/440
Olales de la a e seda, grandes, a...... 2/560
brus de caiubraia ,guarnecido! bico, a /(>40
l.imle/as |> ara vestidos o corado, a /240
Eli i iv.es ile Iffa ealgodo, cotn ladrea ftngrndo
teda o corado, a.......... ,#320
Cortea de laa e seda para vestidos a 7/000
Chlta-cassas, o corte, a........ 2#240
Ciu tes de rolletes de Instan francs a I.niln
Lencos finos para gravata, a /400
b Vriiileui-se mnrmlas de ferro para engenlios de as-
SUCar, para rapcir, agoa e bestas, (Ir diversos tamaito*,
por preco commodo ; e Igualmente tahas de ferro ruado
e balido, ile lodos os (aiuanlios: na piara do '"orpo-San-
to, n. II, coi casa ile Me. (.aliuont & Couipanliia, ou na
ra de Apollo, annazen, n. 0.
Voltarrte.
Na esquina da rua do Collrgio loja n. />, de Giiima-
raes Seraliui Si Compartida, renileiu-se carias francezas,
finas, entre-fiias e ordinarias ; ditas portuguesas; to-
das por preco mais barato do que em outra qualqucr
parte.
Vende-te potassa branca de superior qualidade,
era barris pequeos ; em casa de Mallieus Auslln A
Companhla, na roa da Alfandega-Velba, n. 86.
Vende-se o prlineiro volunte do (iunrrln naciomal,
de Na. i a87, boa encadernacio, por 3/000 rs.; os nu-
ini rus arulsos do nirsino (iuarda nacwnttl de n. 88 a
128 por un tule do sen ralor por 820 rs. ; a clico-
ande Icis prnvinciacs, de N.si a 13;), boa cncaderna-
rao, por piejo coinmodo : na rua das I.arangeiras ,
n. 2.
Superior Trelo.
Fardo de Trieste, em bar-
ricas de > arrobas ; o qu:\] se
recnniuienda como o mais nutritivo dcquaulos aqni se
importan e por isso o mais proprio para mellior en-
gordar os cavallns : vende-se no priineiro armazcui do
caes da All'andcga indo do ano ou em casa de J. J.
Tasso luiiior.
Vende-se nina preta de naco inora ptima co-
viiilirira lavadeira de salino e quilandcira e que
tem boa figura : na praca da Independencia, livraria,
lis. (i e 8, se dir Cora qiiein se (leve Halar.
= O corretoi (Miveira tem para vender cobre ein fo-
llii e prego* de dito pan linios de navio* : os preten-
dentes dirijn-sc ao inesnio, ou aos Senhore (desquita
i l)u ti a
Na rua dodopo, Ira nova, n. la,
de Jos Jooquim da Silva Maya ven
dem-se ticos chapeos di- seda paro se-
nil ira, cllegados ltimamente de Franca,
e (pie sao milito propris para o lempo de
esta, tanto por seren de boni gost,como
pelo diminuto preco, por qnesevendem
Vcndcrn-se livros em lirancn com
rapa tic panno fcilos em Ilambnrgo ,
na praca da Independencia, liviana,
ns. G e 8.
Vende-se potassa da !us
sia pelo miiilo mdico pro-
co de 100 rs. a libra ; cal vir-
gen) de Lisboa ebegada no
ultimo navio : no armazem da
rua do Trapiche n. 17.
\ endein-se varios esclavos mocos de bonitas figu-
ras cora babilidades ; urna preta parida de dous me-
zei ; na rua Nova n. 21, segundo andar.
fra rua do Crespo, Ioja n. 1-5,
de Jos Francisco Dias,
rendcin-se as segnintes fazendas abaixo declaradas :
Indiannas de noros padroes, pelo barato preco,
cada corte de........, 2/000
Dita em corados............/220
Ciscados franceses, milito largos c de quadros,
o corado a ......../2-10
Cortea de chitas cora llatras Imitando velludo, a 3/000
Ditos de cassa ondeadas, de bonitos padres a 4.4000
Ditos de oulros gostos a ,......'1/200
Cpssa-rliilas de cores fixas, a vara a 320
Cambraia transparente rom lUtraaavelludada,
a vara a..............TlCO
Ditas era cortes, de noros padres a .'tftldO
Chales de laa e seda (le bonitos gostos. a 0/0U0
Fazenda do quadros, multorncorpada,para cal-
cas de cores lixas, pelo barato preco cada
corado, de ... ......../320
Merino milito largo, pelo diminuto preco, cada
corado.de...........I/MOO
Superiores chales de cores, de mulla duraco, a 2>riC0
Ditos de lia, de noros padroes, a.....I/GOO
Algodo trancado multo encorpado, de cor al-
v.idi i propria para roupa de escraros o co-
rado a ,............/220
Cassa lisa inferior milito larga a vara a /240
E ounas militas lazeudat que se yendero por pircos
multo rasoavels e das qnaes se darn as amostras tra-
zendo-se o competente penhor.
Prelo de arroz, em barricas,
de 4 a 5 arrobas cada barrica a 3s5oo
rs., mtiito prelerivel ao fartlo de trigo; o
qual tambem serve para engordar criarlo:
no armazem do Bicel r defronte d>
ccadinha e no do Braguez junto ao
arco da Conceicao.
= Vende-se um grande sitio com casa de sobrado,
dentro da cidade por preco multo commodo ; no qual
se pmi.-ni fa/.er mis poucos de sitios,ou abrir ras para se
edificar : a tratar cora N. Gadault no seu sitio noMan-
guinho.
o incontcslavclmcnte baratei-
reiro da rua do Crespo, Ioja
n. 5, ao p do arco de 8.-
Intonio, vende :
(.'hitas de soRrivels pannos, lindos padres, o
corado a.........140, 160, 180 e 200
Ditas milito linas, algumas francezas, ricos de-
senlio*, o corado a..........240 e 280
Madapoln, excellentes qualidades, a rara 180, 180 e 200
Dito miiiiiii fino, a vara......... 240
Algodaozinho. excellentes qualidades, sollrivel
largura, a rara........... 160
Lenco* de cambraia arrendados para senhora a. 400
Ditos de cassa misturados com seda para gra-
ratas, a.............. 400
Ditos ditos para inetade, a........ 200
Ditos de setim barrado, a. ...... 2,240
C.issas suissas com vara de largura, o covado a 320
Lindeza lingindo limito beni seda, o covado a 240
Corles dr pi II, do diabo e gambreoes de tres
corados "c ineio, a.......... 1,440
Ditos de brins francezes de lindos padres com
duas raras e una quarla, a....... 2,240
Ditos de casimiras, padroes novos, com tres co-
rados c nielo, a........... 1,800
' bales de Iffa e escocezes fingindo merino, a. 2,000
Ditos de cambraia bordados, a....... 1,000
Panno lino verde escuro o corado, a..... 2,000
Ditos cor derinbo c azul escuro muito linos o
corado, a............. 4,000
Chitas saracas de lindas ratnagrns, o covado a. 200
Peclnhas de cambraia lisa muito linas, com seis
rara* e niela, a...........3,400
Riscadinhos francezes, lindissimos padres, o
curado, a............. 240
>. B. do-sc as amostras deixando penhor.
Jo3o Jos de Carvallio Moraes ,
agente, nesta provincia, do contrato do
laboro rap prinecz., de l'ortngal diz
publico que se acba a venda o mesmo
rap ebrgado pelo ultimo navio de Lis-
boa em porcfio e a retalbo pelo preco
marcado pelos contratadores de 3s6oo
r.. cada bote a dinbeiroa vista : na rua
da Gadeia do Hecife loja le miudezis,
ii. 5i; tambem se vend ni as oitavas a ]<>
ris
-- Vende-se farlnha de trigo da marca SSSF de ra-
ininlio ; no caes ila Alfuideya ai ina/.ein do llacclar, a
tratar cora Uanoel da Silva Sanios.
=Vendem-se superiores charutos de regala (llega-
dos no vapor Imp'rmlor por preco commodo ; na rua
do Trapiche, n. ,'M, tercelro andar.
\a na do Crespo, loja nova
n. 12 de lose loaquim
da Silva Haya ,
rende-se liriin .le puro linho de quadros e listrasde
cores e que sao niuilo propris para a lesla pelo ba-
J ralissimo preco de ?-2ll rs. eaila vara ; rico* cortes de
casimiras elsticas para calcas a 6? e 8/000 r. cada
corte ; alpaca preta a 8(10 e 1/600 rs. o covado ; pannos
, linos, preto e decores, por barato preco; cortes de col-
I lele (le velludo setim e gorgurao ludo por preco ba-
rato ; assiiu como um rieosoriiinento de lencos de seda
para grvalas inulto propris para a festa.
Vende-se sement de alface milito nova e de qua-
lidade branca e preta ; na venda da esquina do largo da
lloa-Vista, ii. 88.
Na rua de % pollo, armazem
n. 10.
vende-se potassa da Ruma i ora, da fabrica nacional
do Rio-de-.Ianeiro. Esta potassa he milito forte e su-
pelor a estrangeira, que tem vindo, e j tem sido ex-
perimentada por diversos Srs. de eiigenho que assiiu
o alliruiao. Cal virgeui de Lisboa a preco milito baixo.
Commoddades para a festa.
Ha notamente chegado ao mercado um grande sor-
timenlodos bein procurados chapeos de Cbile: sen bem
inaniifaeliirado leeido, naldadee alvina da palha, os
torno assai recomiuendados ao, amadores, tanto mais
sendo sen* precos mais coiumodos do que em parle al-
Itunia. Vendeni-se as seguinles lojas: rua do Quelnia-
do, loja de miudezas, n. >6; na rua do Crespo, loja, n.
S; nada esquina da rua da Cadeia-de-Saiilo-Aulonio,
n. i; e na praca da Independencia, fabrica de chapeos,
n. 7.
a rua do Crespo Ioja nova,
n. 1*2, de Jos Joaquim
da Silva llaia,
vende-se mu restante dos bein acreditados cortes de in-
dianas para vestidos de senhora, pelo barato preco de
2f80ll rs cada un; corles da fazenda victoria, a .'1^000 rs.
cada um; ricas cambalas com Ostras de seda, ao/000 rs.
cada corte; ditos de gosto chinea, a ."i>iiihi rs. cada mu
corte; cassas chitas para vestidos, a 2R000 e .'i.v'.Mm cada
| corte ; cambraia* de quadros de corea escuras, para ves-
. tidos, a .'i/ftOO rs. cada corte; calcinhas para meninas de
escola a 400 rs. cada um par; lucias linas para meninos,
Ida dilleienles lanianbos; e onlias umitas fazendas, que
ludo se vender por preco barato, assiiu como um resto
das ricas e baratas lantei lias com casticars de linissiina
casqulnha, e que se vendeui por 9, lOc 12 rail ris cada
par.
Kap pricezn Novo-Lisboa
a ISOOOrs. a libra.
De lodosos raps, que a industria brasileira tmate
boje fabricado, nenbniu imita inelhor o rerdadelro ra-
>f piinrr/.i portuBuez dn que o Intitulado KAP l"RN-
CEZA NOVt) LISBOA, fabricado no lUo-de-Janciro, sen-
do tan perl'eita a Illa seinellianca, que os mais veteranos
tabaquistas o touio pelo genuino rap princeza de Lis-
boa.
O deposito deste excellente rap, he no armazem de
Alves Viauna, rua da Senzalla-Vellia, n. n0;e tambera
se vende mis lies bairros da cidade : no do Hecife era
casa dos Srs. Jos Dias da Silva e Puntes & Sainpaio, lo-
jas de lerragena rua da Cadeia-Vidha ; no de S.-Anto-
nio BU) casa dos Srs Amonio Domingos Ferreira rua
do Crespo, n. II ; Joaquina Jos Lody, loja de miude-
zas rua larga do Kotario Jos Joaquim da Cosa lo-
ja de miudezas na rua doCabug ; no Atrrro-da-lloa-
Vlsla lojas de miudezas dos Srs. Antonio Ajres de Ca-
iro & Conipanhia Antonio da Silva Guiniares e Tlio-
niaz Pereira de Mallos Estima.
Vende-se um diccionario de botnica, i v. ; novo
elemento de cirurgia e de medicina operatoria 2. v. ;
Nouveau dispansairc d'Edimhourg 2 v. ; um compen-
dio de geometra por Lacroix : na rua Helia n. 39.
Vende-se mu piano inglez, horizontal de um dos
melhnres autores era meio uso e por isso muito pro-
pi ni para quera qulzer aprender, por preco muito com-
modo ; na rua do Crespo, n. >-
Vende-se um sitio na estrada dos
Aflictos com boa casa de vivenda, de
pedra e cal cacimba de agoa de beber,
e estribara : a tratar com Joaquim de
Oliveira e Souza junto ao mesmo sitio.
Attencao !
Na rua da Cadeia, loja n. 5o, de G nha rk Amoritn ainda resta para vender
urna pequea porcao do formidavel ra-
p de Lisboa j bem conhecido dos fre-
guezes pelo baratissimo preco de 3sooo
rs. cada bote ; dito de Paulo Cordeiro,
do Rio-de-Janeiro que muito imita ao
de Lisboa por i^/ioo rs. o bote. Tam-
bem ha para vender rap de Lisboa do
ultimo chegado por 3s6oo rs. o bote ;
e garante-se a boa qualidade de todos.
=Vende-seurna honita cscrava, alta, bem parecida,
de 24 annos que engnnima, cose he multo fiel e uo
tem vicios n que se alianra : um preto niestie traba-
Ihador de enxada, que ganha na rua e paga certo 560 rs.
diariamente; 3 canoas, sendo duas a bertas de carregar
familia, novas, bem arranjadase pintadas a oleo, e
una pequea de um s pao : na rua estrella do lio/a-
rio botica n. 10.
Aterro-da-Boa-Vista, loja
n. 14,
vendem-se riscados Irancezcs de qua-
dros e cores fixas a 2oo rs. o covado.
Vendem-se 4 esclavos sendo: duas pretas rao-
cas de bonitas figuras; dous mulatinhos sendo um
de i6 annos e o outro de l2 ; sola; couros muidos ; be-,
zerros ; e una porcio de barricas de sebo; esteiras '
cera de carnauba : na rua da Cruz, n. 26.
Chitas (iuissimas, a 160 rs. o
covado.
A primeira loja do Alerro-da-lloa-Vista n. 10 acaba
de rciiber lindas chitas magnificas era panno e de ura
gosto exquisito, por serein todas guarnecidas de bico
preto, pelo pirro cima dito; ricos lencos de seda,
pequeos, para meninas, a 480 rs.
Na rua do Crespo, loja n. 9,
de Domingos Guimaraes,
acaba de c negar de Pars nm rico e variado sortiiuenlo
de fa>endas linas tanto para senhora como para ho-
rnera, tildoescolhido e do ultimo gosto, como sejao :
corles de seda de cores para vestido; ditos bramis, pro-
pris para casamento os mais ricos, que teein appa-
reeido ; chapaos de sol, para senhora, os mais ricos pos-
siveis; ditos para houieiu; luvas de pellica brancos, cor
de palha c de nutras multo bonitas cores ruin enrdoes
de goslo inoileriiissinio ; ditas de seda para senho-
ra runas e romp idas ; ditas de pellica, para ho-
ineiu brancas e cor de palha pespuntadas ; ricos cor-
les de casimira, de cores, lisas, de listras c quadros;
ricos curtes de colletc de velludo seda c gorgurao ,
tamo Usos como bordados riquissiniaraeiitc ; pannos
mesclados para palitos casacas e [sobre-casacas, os
mais proprio para este paiz por seren tamo ou mais
leves ipie o merino; lucias de seda de lodas as cores,
para senhora e bouieni ; suspensorios muito ricos, tan-
to em cores couioeiii qualidade ; ricas mantas de seda ,
para senhora com franja; chales de seda; e outras
inultas fazendas, que se inoslraroaoi compradores e
que, as.ni como as declaradas vender-se-hao por
prego muito commodo.
lor (2# rs. cada exemplar
do tratado do jogo de Voltarete cora as lcis geraes do jo-
go. nova ediran, um vol. dc300pag.: na livraria da es-
quina da rua do Collegio.
Cal virgem.
Vendem-se ancorase barricas com cal
virgem de Lisbi>a ebegada ultima*
mente por pieeo mais barato do que
em outra qnalqtei parte ; na rua da Ca-
deia loja n, 5o
=Vendeni-se passas miudas, para fazer pndins ; cere-
jas e ameixas seecas ; feijes ; ervilhas ; lentiha ; chani-
piulia ; vinliodo Porto Scherry ; Madeira ; vinho do
Ilheni ; Sauternet ; Clarettc, era quartolasecalzas di-
to engarrafado a 400 rs. muito bom; superior cognac;
rliiiin de Jamaica j arrae ; genebra de Hollanda ; vinho
de Malaga velho, era lucias garrafas ; frascos de lodas
as qualidades de fructas da Europa; repolbns conser-
vados ; barris prqucuos de caviar, de urna libra ; inos-
Urda francesa e incleza ; Scherry cordial; latas de sal-
mao ; sarilinhas; ervilhas e mais outras conservas de
peixe e carne conservas de pepinos e ccboilinhos; cer-
veja preta e branca da celebre mrca barclay ; azeile
doce superior ; cha ; charutos regala. Estes gneros
sao tiidus da mellior ipialidade e se ai bao amostras
para os senhores compradores, no armazn de Fernan-
do de I.ucca na rua do Trapiche n. 34.
RAPE'PRINCIPE
do Hio-de-Janciro.
Sempre a cha rali os tomantes as casas abaixo designa-
das este superior rap principe do Rio-de-Janeiro em
libras e mcias dilas e sempre fresco. Torna-se re-
cominendavel lauto pelo aroma agradavel e facilida-
de, com que deslila, como por nao seccar neni ferir o
nariz conservando-se sempre fresco na cala Deposi-
to ,na rua do Trapiche n. 34 escriplorio de Novaes
- ( omp.inlii.i ; rua da (.'adeia do ltecife lojas de raiii-
dr/as dos Srs. J. J. de C, Moraes, J. C. V. Soares Jnior,
l'onles t Mello Giiedes Si Mello A. F. Pinto & Compa-
nbia e de fazendas de J da C Magalhes e Cimba &
Amorini ; rua do Crespo llcnriqueV Companhiae An-
iiinni I).....iii-ues Ferreira; rua doQueimado, loja de
ferrageus, de Campos & Alineida de miudezas de J.
M, da (a ni A Companhia dulcera & Guimaraes ; rua
do I,vi amento loja de fazendas, de r. C. de Albuquer-
oiie | rua do Rozarlo, loja de miudezas, de Victorino
de C Mnura, e venda de J. M. Rodrigues Valcuca ;
praca da Independencia loja deC. (i. hrockemfeld; es-
uiua da rua do Cabuga e lojas de F. J. Duaite e J. J.
ra Costa ; Aterro-da-IJoa-Vista Cartano L. Ferreira ,
T P. de M. Estima e A. A. de Castro & Companhia; pra-
va loja de cera, de M. F. Rodrigues ; rua do Rozarlo ,
venda n. 43.
Vendem-se vidros para espelhos ,
de varios lmannos; ditos para vidracas:
na rua da Cruz, n. io-
Vende-se um guarda-roupa e um
lavatorio, com sen competente juro e
baca ; ludo com pouco uso : no Ater-
io-la-lioa-Visti n. ^8.
Vende-se um preto, de 20 annos de najao de
bonita figura ; um dito, de 26 annos que he bom ca-
noeiro ; urna preta de 18 annos, que engomma, cose
cozinha e lava de sabao c varrella ; urna dita de i(j
annos que cozinhao diario de urna casa e cose alguiqa
cousa ; 4 ditas para o servico de campo duas das quaes
osera e fazem renda ; umanegrlnha, de 10 annos, mui-
to bonita, e ptima para se educar ; todos esles cuera-
ros nao teem vicios era achaques, o que se afianca: na
rua da Concordia passando a pontezinha a direita
segunda casa terrea.
Vende-se lindo damasco de seda de todas as cores -
cortes de cambraia Inglesa muito ricos para vestidos
de senhora; casimiras elsticas de cores escuras ; vel-
ludo lavrado de bom gosto para rolletes ; pannos fi
uos de todas as cores ; lencos pretos c de cores, de sar-
ja para grvalas ; ditos de setim com franjas, para se-
nhora ; chales de seda ; ditos de laa e seda ; los de li-
nho, brancos e pretos ; mantas de cambraia adamas,
radas multo linas proprias tambera para cortinados
dccalxllhos ; chales de merino bordados inulto ricos;
um sortimento completo de livros em bramo pauta-
dos e outro de espadadores; e outras limitas fazendas,
por precos muito mdicos: na rua do Cabug loja
ii. 6.
Vendem-se os muito superiores
sapatos de [Santes de urna e duas palas;
ditos de feitio inglez chegados pelo
Armorique ; sapatos de cordovo, para
senhora, a 6^o rs. ; sap&tinhos de cl-
chete para meninos ; e um sortimento
de calcados inglezes e de outras mili-
tas qualidades, por preco commodo :
na rua da Cadeia-Velha n. 35, loja do
.Moreira.
rap de Lisboa em
commodo : na rua
n-
da
Vende-se
bras por preco
Cruz, n 9.
Na rua Nova, n. 8,
defronte da Camboa-do-Carino loja do Ainaral he
chegado, pelo ultimo navio de Franca un completo
sorimieiito de fazendas de gosto, como sejao: ere-
pe de todas as cores ; Atas de sctlra lavrado ; cha-
peos de palhinha para meninos ; luvas de pellica
enfeiadas para senhora ; ditas curtas, para homein,
senhoras e meninas ; ricos leques ; sedas brancas e
de cores para vestidos de noivados ; borteguins para
senhora e meninas ; sapalos de couro de lustro para
senhora meninas c homeui ; chapeos de sol, furta-en-
res para honiem ; luvas de seda, seni dedos curtas e
coinpridas, para senhora ; lindos corles de cassa de
listras para vestidos ; c outras mullas fazendas de gos-
to por menos preco do que era outra qualqucr parle.
= Vendem-se cadeiras e sophs de Jacaranda ; mezas
dentelo de sala una dita de Jacaranda, em bom uso;
mesas de jogo, de madeira de oleo, com columnas; dilas
de 4 ps torneados ; um giiarda-lolira pequeo usa-
do ; una comnioda de condur usada; nina d i la no-
va ; ramas dr amarillo : cadeiras de balanco, de dito;
ramas de angico ; niarquezas de condur; ditasde oleo;
toucadorrs de Jacaranda ; ludo por preco commodo :
na rua da Cadeia de S.-Antonio n. 18.
Fugirao do engenho lloa-Vista, da fregiiezla da Es-
cada, comarca de Samo-Antao, no dia 7 de outubrodo
correnle anuo, dous esclavos de iiomes, Domingos e
Narciso, sendo o Domingos, cabra escuro, alio e ebrio
do corpo; quando falla aperla os olbos; tem a bocea mu
pouco loria, por Ihe ter dado a molestia do ar, e Ihe fal-
tai em denles de nina banda; levoii Ulna rede, carniza e
ceroula de algodoamericanode listras largas,e mais ou-
tras carnizas r calcas de algodaozinho, chapeo de palha
pintado de verde. Este cabra veio do certo de Inbamuu,
villa de S.-M.itheus, e foi vendido para este eugenho.
O Narciso healto.secco do corpo,bem parecido,tem mar-
ras as nadegas de .sorra. O priineiro pertence a Jos
Eloy Machado, do mesmo engenho, e o outro a um la-
vi ador do um sino Consta, que seguiro pelas estradas
de Santo- Aiitao, Serra-da-Itussia, ou pela de Pajai'i-de-
Florcs. Roga-se s autoridades policiaes e a outras
quae-qurr pessoas, os prendan e levem ao mesmo en-
genho, ou no Reclf de Pernainbuco, rua das Cruses,
u. 30. que se recompensar.
No dia 7 de uovembro do correte anuo, fugio o
negro Manoel, de naco Congo, pnrin bem fllame, co-
mo se fossecrioulo, de idade, que reprsenla ter 50 an-
uos, estatura baika, secco do corpo, cara cumplida, e
por causa de tima queda de ravallo tem os peims bs-
tanle altos, e as cosas meltidas para dentro, cora o pes-
i 01,0 torio pai a um dos lados ; levou vestido carniza c
caira de algodo naneado de lislia azul; qualqucr pes-
soa ou campanha u poder pegar e lera-Jo a sua senho-
ra na praca da l'oa-Vista, sobrado n. 12, que ser
generosamente giatificado ; e roga-se as autoridades
policiaes, o faeno prender onde quer que for encon-
trado.
Escravos
Futidos.
Fugio, das 6 para as 8 horas da noile do da 8 do
enrrente o cabra Francisco ; levou calcas de algodo
trancado camisa de chiba ; tem o rosto corapridn, bar-
ba serrada ; tem no hombrodireilo um osso sabido pa-
ra fura. Este escravo he casado e he reme Hielo pelo
capitao Manoel Jos Femandes do Ass ; levou lain-
bein urna rede. Roga-se aos capiles de campo e lo-
das as autoridades de o pegarem e levarein a rua da Ca-
deia loja de ferrageus de Joo Jos de Carvalho Mo-
raes, que recompensar.
Fugio. na noitedodia 5 do correnle, ura prelo de
nonie Francisco; reprsenla ter 38 a 40 annos pouco
mais ou menos alto, grosso do corpo denles alvos,
careca na frente da cabera ; anda adoentndo ; levou ca-
inita e ia i nulas de algodo da trra una calca de bniu
cinzenlo, usada.'chapen.de como j velho mu iurrao r
urna rede. Este prelo j estere fgido baslante lempo
no serian por isso falla a moda do serian. Roga-C as
aiiilini id.idrs policiaes c eapiles de campo de o an-
prebendeieiu e levarein a rua da Cruz, no Ilccife, n.&z,
que serao bem gratificados.
= Fugio, do engenho Gongacari ura prelo, de no-
rae Joo banana figura ordinaria, crioiilo; lera nina
cicatriz drbaixo do olho esquerdo ; fugio com Uin ferro
no prscico : quera o pegar, leve ao dito engenho, ou
no principio do Aterro-dos-Afogados sobrado n. 31.
Fugln, no dia II do correnle, o moleque Francis-
co, de naco Rebolo de 18 annos; levou calcas la de listras camisa de algodaozinho ; cheio do cor-
po ; temo cabello di fenle da cabeca crescido e da
parte de detrs cortado rente ; julga-se andar nesla pra-
ca : quem o pegar, leve ao pateo do Hospital do Parauo,
na reflnaco que ser gratificado
Fugio do engenho Pedregulho o prelo Benedic-
to de Conangi, orinlo, de 16 annos, de bom corpo,
cor preta bem parecido, bocea grande, belfos grosso.
conauz aiguma roupa, que furluu bem como um cha-
pro preto outro de palha jaqucla e calcas brancas ,
c de riscado de listras encarnadas sendo algumas ja-
quetas de abinhas imitando farda de soldado uniforme
de charameleiro sendo tocador de baiso ; tambera le-
vou camisa de raadapolao. Quera o pegar, leve ao ano
engenho Pedregulho na comarca de Coianna ou sen-
ta praca a cata de Jos Antonio Alves da Silva mora-
dor no balrro da Hoa-Vista travrssa das Barr''"5' em ambas as partes se recompensar com luqfuuu rs.
PERKI. : KA TYP.
DE M. F. DE FAMA. itif.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUC2Q5D2K_QPJ7XN INGEST_TIME 2013-03-25T13:36:33Z PACKAGE AA00011611_00441
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES