Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00428


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'
I
K 115.
RRBQO DA ASSiG NATURA
A nno Sam*.
0*0 RES P9R MMR
DIAUO
DE
P ERJYAM
HOJE SABBADO 31 DE MAIO DE 1828
<*
TrfQ
S. Petronilla Y.
Preainar as 6 horas c 6 minutos da tarde.
Viagem Segunda.
Temti, oh CarlatQes supersticiosos,
As settas da sciencia penetrantes,
Bem dirigidas por sagaz despeito,
Quesj so na forja, ej se agugQo
Na moral philosephica Oficina*
Fil: Ely : tom: 5.
s.
E o Thebano Epamnouda, anda
zumbando nao faltava a verdade, o Per*
iiambucano, qu.e se abroquelou com tal
neme nao deve ter duvida cumprir o
quanto proinetteu, conservando as le-
gras doi mesires, d'arte.
No dia 17 do corrente mez de Malo
sa para gozar da ponte da B6a-Vi*ta o
grupo que represen lava a Cidade de O-
linda pela illuminacao por causa da ins-
ta u rae. ad do Curso Jurdico naquella ci-
dade. Bastan temen te me satisfez, ver
o brilhautismo, que representava as
luzes, e muito inais pelo motivo tao faus-
to a que erao dedicadas. A minha alma
transbordada de prazer disia cortsimo
inesmo: va de novo formarem-se broa-
liados lus ao griiha que maniata a
transa, e tbida ignorancia, e para de
todo se elimiuar desta Provincia, e Sep-
tentrionaes, seus perniciosos prestigios;
e acuella cidade tornada quasi deserta
nao se enumeerar s deshabitadas Gra-
bas a Sapiencia dos nossos Representan-
tes; ea bem-faseja Dextra do nosso
Augusto, que sauccionou a dourada, c
lumiooza le. { 1 ) O direito publico....
Eis, que sinto huma pancada o hom-
bro esquerdo, virando-me para reconhe-
eer quein me molesta va; vejo o al ti-ma-
gro que me tinha conduzido a Madab.
Eia, he hoje o Club magno dos apost-
licos ( me diz ), a Pars he nossa via-
gem. Depois de me ter ungido as pal-
pebras, segurou-me pelo braco direito,
e velozmente subimos prependicular a
huin ponto, que apenas v huma som-
bra debaixo dos nossos corpos. Toman-
do a direccao do nordeste, o meu con*
ductor me dice : precisamente devemos
ser em Paris brevemente, pois antes de
se formar oajuntamento teriho de me-
tamorphosiar o criado do Presidente,
que deve trazer hum aderessede descul*
pa de nao poder assistirj hoje a seccao ;
por estar indisposto por hum susio que
de proposito lhe motivei, e poder tomar
a sna forma, para presidir aos tenebro-
sos trabalhos; assitu como tu deves to-
( 1 ) Beatus homo, qui invenit Sapiente*
am^. longiludo dierum in dexlera ejust et in
smistra iilius divttitc et gloria. Fice ejus via
pule ftr ce.
Porverb: III. 13.


h'V
[472 J
mar outra de hum consocio, e sendo ncste ntremenos que proeurarao os se-
Uwjgp expenderes quanto cu le inspirar, us lugares ( mui .morosos ) eu eslive a
hera passado hum quarte de hora, que* observar os quadros que ?f em ramle
me vi ero huma longapraca, e o meu# pomo pelas paredes da salla, que teria
pa me encamiobou proximoa hum so- J80 palmos de comprido e 120 de lar-
herb palacio. Tin ha nios parado, qu-
meus olhos desapareceu. Vtsfes me diz
o genio, aquello individuo ? pois lie quem
irasia a desculpa para os apostlicos, e
eu o fiz desaparecer para lr efleito o
meu projectado plano; e quarido for
lempo elle se retornar a casa de sen a-
mo, Mr. De V-----ChegaraS militas
carroagens berlindas, pacabotes, tri*
quitanai &c. ; e em quanto me entreti-
nha movido da minha natural viveza, e
curiosidade nao dei acord, mas depois
laricei as vistas para mim, eachei me
com hum vestido talar de cor negra, e
liuma capa da mesma cor que tinha tra-
bada debaixo do braco esquerdo. Qua!
seria a minha surpreza pode julga-lo
quern nao o tem experimentado Eu te
roga ( dice ao meu guia ) que me di-
gas quera es, pois tuas maravilhai me
tem assombrado : e se fores al ruin des-
ses espiraos reprobos, desde j renun-
cio os teus favores, e mesmo em Pars
ficarei exposto ao desamparo, e longe
da minha familia ; antes quero sofre
o maior desabrigo do que ter pacto com
miui espirito. Elle sor:*ido-se me di-
ce : nao sou ente iriu, nein cornmetto
ilagicios, pois a se-lo nao tentara tirar-
te as duvidas que tens. Ou tu ests per-
suadido que este Club he virtuoso, ou
forma planos para o bem da eociedade ?
Desengana-te, que cu nao pratico senao
* bem ; e qoando for ternpo ti\ conhece-
rs quem son, e enlao confessars a tua
preoccupacao Hetempo: entremos.
Com effeito entramos em huta gran-
de pateo com muitas luzes dentro de
globos de vidro, e ao subir pelas esca-
las chegarao se dous petimetres com
tochas de cera. Ao entrar em huma sal-
la quasi quadrad, chegarao-se a com-
primentar a minha cornpanhia todas
quantos estavao juntos; os quaes elle
recebeu com risouho agrado, enosen-
caminbamos para huma porta que tinha
espoteiro de panno/renle com huma tar-
ja, parecida ao pavilhno Marsau. Do-
us rapazinhos vestidos depreto abrram-
uo, e entrn toda a comida caterva ; e
go, teiido pelo centro nove columnas
porcada lado, da ordem drica, e entre
estas, e as paredes tinha a rq ni bancada
em que etavao poltronas com assentos
de damasco blanco, e na parte superior
hum thron com huma mesa, tinta &c.
O primeiro painel da parte da porta era
bum grande ajun I amento, querepresen-
tava o parlamento Ingjez, e por baixo
do edn* ci bu os poucos de barris a que
seis jesutas estavao laucando fogo :
fronteiro a este, via-se huma fogneira,
e prxima a esta hum homem sentado
em huma cadeira com manto Real, co-
ra, e sceptro aos ps, com braco nu, e
outro sujeito abriudo-lhe a veya, e hum
frade dominico ao lado com huma taca
na ma : outro que representava o papa
Gregorio 7. e o imperador Henrique
4, : fronteiro a este hum patbulo com
varios cavalheirospara seren jostrados,
que se me afgorarao os templarios: se-
guia-se, a pintura de hum acampamen-
to, e nenhiima barraca real, espirando
sobre o terreo loito Henrique 3, ulti-
mo ramo de Velois ; e o que Ihe corres-
ponda era a vista de huma cidade, e em
huma ra parado hum chiche, centre
varias pessoas ricamente vestidas huma
que tinha cravado v.& pescco hum pu-
nhal: junto a ultima columna estava a
figura de hum re decrepito cercado de
immensos trofeos, e hum papel da dex-'
tra em que tinha escripto = Kevogacao
do edicto de N antes : oque I lie tica va
fronteiro, era bastante expressivo: mon-
toens de cadveres; hnns semi-vivos,
ontros crirados de golpes, Olleros ja fri-
to pedacos, que canava horrorosa aii-
ca, c tinha escripto = Mcmoravcl da
de Sao Bartbolomeo; finalmente no fun-
do, estava outro em maior ponto com fi-
guras de hbitos que peitenciad a mon-
je, cercando huma meza redonda com
burra lenda = Secca sobre os principi-
os do regicidio = En me acbei junto a
mesado presidente da parte do sui, jun-
to a columna, Virtude, fronteira ajila
Seguranca, pois todas turban escriptofi
anlogos aos atributos nccessarios.a pro-
bidade. O roen conductor, qoc tinha
.*.

i
v


f m i
ou(ros vestidos, e feicoes, tomo o la-
gar da presidencia; e vendo que todos
tini.a tomado os seus lugares, moveu
huma campanilla, a cujos toques cfie-
ffot liuin que me pareca su tama dos
conejos reganles, e 1 he determino!
qnefechasse as portas por ser hora pre-
cisa para abrir os trabalhos. Retiroti-se
o Sacripaute. e passados algmis n^oinen -
ios dice: e^i a berta a secano : e*priuci-
pion a falia soguinte.
Devo lisonnar-me, e lnongiar-vos
pelo progresso das nossas proficuas ta-
refas. A Frauda tranquila, esmagada a
liberdade da imprensa, que nimeamen-
teos apoquentava promette hura pros-
pero ful uro : a Hespanha timorata com
intestinas discordias: Portugal convul-
so, c m'> nos deve pezar, *jue o Joven
que move as redias do governofosse ta5
precipitado, nao dando hcim antiistia
ampia e geral, como se fasia mister, pa-
ra com mais plausivo! motivo poderem
entrar na Patria, e no seiode suas fami-
lias csses acfalos, satlites deste coti-
giesso, e propagadores das nossas dou-
trfnas: nos dominios de S. M. I. e A.
admetidos os Jesutas, varees santos,
ene tantotein pugnado pelo direito uni-
versal de lium Ente, que por todos os
motivos nos deve ser respeitavel: na 1-
i a lia abalado o fermento da liberdade:
Veneza tacita Florera tubjugada, e
Genova deslernhrada do republicanismo,
nos oercce huma perenne e doradora
ventura ; mas enrr-pre nao perder de vis-
tasa ste sacro eollegio a corresponden-
cia do Brasil, nico motivo que faz o
objecto da reuniao de boje.
Mr. Per...._, ge ral da restabelecida
ordem, que ticou enea negado desta, nos
deve informar do resultado, para orien-
tar todos os nossos dignos consocios, (pie
vacila o na incerteza. Mr. Per.... di-
ce, que tinha eseripto em tennos pouco
concludentes para sondar os nimos no
Rio de Janeiro, Bahia, e Pernambuco;
e que smente da corte o informara,
que haviao escriptores que desempenha-
vuo as nossas perteneces: da Bahia, e
Pernambuco inda nao ti vera resposta,
por agalcra Apollo, que condusira a
correspondencia nao ter vottado; que
catara certo forao enviadas pelo agente
do Avre as cartas, c logo que se otfere-
cesse occasjao nao deixaria de ter respos-
ta, pois as pesseas a que forao dirigida!?
era O offeciosase urbanas. Ncsta cidade
(estou informado) lia a mellior disposi-
caS, pois se olha com horror para a ma-
rn ra, como seita fiha dos infernos :
que hnm grande numero da p*ssoas em
^entiodo algumas rrieias mais livres em
qi.nlquer individuo, tuda quesrja dota-
lio de todas as virtudes he olhado com
rancor, ej taiga o fercommiinicacad com
o diabo. tui usensivelmetite ped a pa?
lavra, que me foi concedida, e opiniei
na forma seguinte,
Non egnara malis, mtseris sttccvrrercidtsc*
Virg: Ltv. 5.
Senhores, com pezar grandioso pelo
foro da niinba consciencia tenboqne las-
timar os errados caminaos que procura*
es estabelecendo o vosso imperio. Cou-
vem fallar como opov*, mas nao pensar
como elle. Se pertendeis firmar com so-
lida rases o direito dos reis, e que he
einanacao do todo Poderoso, nao tomen-:
temos anarchias as sociedades dos here-
jes, quanto mais nasdos cristaos : lem-
brcmo-tos que a paz, e concordia he o
que mais o nosso Dmno Mestre nos re-
commenda: nem compre ser virtuoso
st>m seguiremos o que Elle nos encina
pelos evangelistas, e nos tempes prime-
vos da Igreja se bservava ; quern sea-
fasta dos seus preceitos nao besen dis-
cpulo : si praeeepta mea servaveritis.
Os povos querem ser governados como
Dos manda. O Levitico diz ( 2 ) Nao
consideres se o tan prximo he pobre,
ou poderoso, porque entre hutn. e outro
nao ha diferenca, quando se trata de fa-
zerjnstica.
Nem creio que foce framac.on Moy-
ses, quando por inspirara Divina fal-
lando com os que governa dice : ( 3. )
Nao haver para vos distinca, ou ac-
ceitaca de pessoa : daris ouvidos ao pe-
queo como ao grande. A utilidade ge-
ral he a lei suprema: diz Cicero.... ln-
t er rom pera o-me humas vozes, fora, fora ;
'' .11 .,. ..,, ,., ni II .
( 2 ) Non consideres persona paupe-
ris, nec honores vuitum potentis : juste
judien prximo tuo. Cap: 19.
( 3 ) Nulla erit distantia persona-
rum ; ita parvum audietis, ut ma n liiu.
-*-' Diulrer: cap : 1.
(


I 4']
eleve sor expulso com infamia. O pre-
aidoiMe reclaman aordetn; e depos de
star findo o metim, den por acabada a
seccao, e na immediata se tratara do que
tumultaariamente requeran.
Desaparecen aos meut olhos a salla,
auxiliado, nao pode disfurcar o receo
da possibiidadede tira seio menos.
O* (actos cm que. os abaixo asfcigiia-
dos se funda para assim se expiicrem,
sao notorios; enumcrallos, alemdeoci-
ozo, neste lugar pareeera lizongeiro: o
palacio, e tao genuinas perscuagens, e /Publico oa recorda, e S. M. O Impera-
vi-me no centro da pra^a, e junto a mirn
o genio com a toa anliga forma, que me
dice: por agora nao taco obseryaces
sqbreo que tens presenciado, mas eu te
apparecerei opportlmenle, e te esclare*
cerei sobre objectos importantes. As se*
gurou-me notamente pelo mesmo braca,
e recondusiome pela'estellifera motada;
teudo passado igual tempo de lium
quarto da liara, vi me na porta do meu
aposento as dea horas. Continu, Sr.
Redactor, a brindar-me com apublicida-
de detta minha segunda viajem para de-
sengao de quem duvida da existencia
dos apostlicos, e daquelles, que tem
taes correspondencias, reconhecende,
que tudo quanto se commette nap se ig-
nora por meios ordinarios, e que tem
lista perspicaz.
O Epaminondas Pernambucano.
COMMUNICADO.
A Connexao que com o Commercio
tem o Cargo de Intendente da Marinha
que V. S, lia anuos tem necapado ueste
porto he demasiadamente hnmediata,
para quequalquer alteradoemsimilhan-
te objacto possa ser-lbe indifferente: lie
por isso que no momento em que, en-
carregado por S. M. I. de huma Com-
missafi mais importante V, S. se retira
desta Provincia, os abaixo asssignados
Negociantes establecidos nesta Praca,
depois do cordialmente se congratularem
com V. S por tao honrozo Despacho,
nao podem supprimir ajusta expressao
da magoa que lhes motiva a consequen-
ca delle, *- A maneira porqne V. S.
semprc incansavel aprol da honra e se-
guranza Nacional, tem sabido desempe-
rnar as suas funccoeris tem sido tao e-
xemplar e umversalmente satisfactoria
que, por bem substituido que seja o lu-
gar na pessoa do sen sucessor, o Corpo
do Commercio todava a par da certeza
le na5 poder ser mais bem protegido e
dor premiando-as com ta5 marcada dis-
tineca,. assaz os reconhece, e galardoa.
Basta de Testemunhos.
Possa V. S. poisprogredir a passoa
largos na carreira decorosa que o sen
mrito Ihe parece haver tracado, c rigo-
rosa observador de seus deveres, conti-
nuar a merecer no seu novo destino, per
la desenvolucao de uteis ser vicos, futu-
ras Grabas da JVla Augusta da S. M. I.
e de Seus Concidadaos a mesma estima,
e saudoza recordacao que a V. S. con-
sagrad os abaixo assignados. Dos Guar-
de a V. S. muitos anuos. Pernambuco
20 deMaio 1828. 111 ~ Sr. Joze Pe-
reir Piuto Dignissimo Captta de Fra-
gata Intendente da Marinha &c. &c.
liento Joze da Costa = Antonio da Sil-
va & Companhia Joa Pinto de Le-
moa -r- Bento Joze Alves Joze Joa-
quim Jorge Goucalves Manoel Lou-
reaco Manoel Alves Guerra Ellas
Baptista da Silva Domingos Antonio
de Faria Manoel Joze Pereira Graca
Joze Antonio Gomes Jnior Ale-
xandre Pereira Coclho Francisco da
Silva Joze Antonio deOliveira Lu-
iz Gomes Ferreira Francisco Antonio
de Oliveira *- Luiz Eloy Durad Ma-
noel Carvallio Medeiros Joaquim Jo*
te MendesHerculano Alves da Silva
Antonio Cardozo de Queiros Fonceca
Ellas Coelho Cintra Adria Joze
dos Santos Joao Evangelista Pereira
Antonio Marques da Costa Soares
Joaquini Joze de Amorim -*r Joze lla-
mos de Oliveira Manoel Pereira Gui-
inaraens Antonio Luiz Gonc.alvfs
Ferreira Antonio Joze de Amorim.
*????'
ANUNCIOS.
1 Segundo feira 2 de Junho, na ra da
Lapa no Forte do Mato no Armazem do
Caldas se hade vender em Leila porca
de Barricas de bacal bao, em Ln!?s a
vontade dos compradores, principiara as
10 horas da manh.
I

\i
t.
!
t
\
.
PERN. NA TYP. DO DIARIO RA DIREITA N. 267'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW8CRACBI_QFGAUM INGEST_TIME 2013-03-25T15:25:25Z PACKAGE AA00011611_00428
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES