Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00351


This item is only available as the following downloads:


Full Text
**
v



N 121.

Annode 1829.
=r


DIARIO DE PERNAMBUCO.
Sabscreve-se na Tipoeraa do mesmo Diario roa Direlta N. fi7 l. c andar en> mezes por C40 reis huma folha
que sabir todos os das uteis.
1
Quinta Feira 4 de Junho. & Querino B. M.

P reamar as 6 horas e 6 minutos da larde.

CORRESPOJYDEJYCMS.

Sr~ Ediclor.
Omnes homines, qui sese sludend prastare cmleris
animalibus summa ope nie decet, ne vttam silen-
tto transeant. n n
S. o. O.
VyOMo a todo o homeio de sentimentos
he permittido lamentar a su* sorte em par-
ticular, e as desgranas da Patria em geral,
eu como anda nao son de todo insensivel,
nao posso ser ind.fierente aos males que di-
lacerad efcta malfadada Proviucu ; digna
de huma mais favoravel sorte. Compre me
chora-la, e forcozo me tem sido ate ago-a
reprimir o silencio cerca do que aqu se
fem passado nesles ltimos tempos, mas,
crea Snr. EJictor, que nad tem sido por
desleixo meo, pois se.npre fui acrrimo dct-
fensor das lustituices promulgabas pelo
nosso Im.nortal Imperados, mas por que
moro mu dntante desta Praca ; sou Matu-
to; tarde, e muito tarde, venho a saber
das cotizas, e por tanto qiiando a ellas a-
cudo, ja as acta quazi finalizadas, porem
agora nao acouleceo assim, porque o nego-
cio tem seus altos, ebaixos: o cazo he,
que estando eu mu bem descansado na mi-
nha fazendinha, sem me dar canceira as
voltas que o mundo da ; eis quando recebo
huma carta de huui mec amigo dcsta praca,
dizendo-me Cobras, e Lagartos c dcste
Reeif, eao mesmo tempo enviaudo-me
hum masso de papis impressos, que logo
conheci serem'jornaes, para melhor escla-
recer-me sobre o que aqui se passava, e
qual foi o meu espanto quando em hum d'
aunelles papeluchos,' encarei com o gordo
titulo O Cruzeiro supuz primeira vis-
ta ser analago a alguma das Constellacoes
Celestes, e com toda a avidez comecei a 1er
oprimeiro N., e depois de findo, tosen-
sivelmente extasiado acheime com a mao
sobre o Coraca fazendo amiudadas crtl-
zea; como se Satanaz ( segundo o rito que
uzava minha a\, que Dos baja ) me ti-

vesse apparecido ; como alguna dizem, em
carne, e osso ; o que produzio sobre mim
hum extraordinario effeito, porque at ho-. *
je ( Dos louvado ) ainda me nao entrou
nos milos ta diablica doctrina, e fqei
enta crendoj que o que o meu born, e ve-
llio amigo me affinnava'na su carta. r'a
tudo puras verdades; e eu como apezar de
ser matulo, e pobre c-mo Job, nad son
( Dos me pordoe ), dos mais estpidos^ e.
de mais a mais curjososiulio de 1er os trie-
os ja rata dos folhetos, ( pieciozo legado do
Vigano da miuha Matriz ) apressei me erri
deser para o Recite quanto antes, fin de
indagar quem era o douto, e virtuozo Re-
dactor do tal Papelucho, e como tenho
aqu alguna couhecimentos, nao for ne-
cessaris milita* pesquizas para o conhecer,
porque dizia meu avo que pelo dedo se
conliecia o Gigante que talento de Es-
cr viuhador! que ciencia infuza, ou an-
tea, que pedantismo Em summa nr. E-
diclor, lauta couza me dicera os metis a-
migos, que quazi virodoudo; luins ass*-
verarao-ine, que osCollaboradores d'aquel-
le grande" Cruzeiro ", era nada menos,
qne cinco, ou seis, ( nem outra cou/a se
podia esperar de t. 6 foroidavel Jornal ) e
todos da p virada, ainda que alguus d'al-
to cothurno, e at me mostrara pessoas,
que eu tinha na#conta de homens bous, e
de reconhcidas virtudes cvicas ; lira di-
ce eu, pois he possivel, que esses Surs.,
que pela sua reprezentaca, e nao equivoca
probidade tem obtido a estima Publica, se-
ia*traidores ao juramento prestado as lus-
tituices que felizmente nos regem ; nada,
isso nao creio eu ; isso he falco ; porem
mais satisfeito fiquei, quando antros me
asseverara, que pelo contrario erad pesso-
as de pouco mais, ou menos, como Escri-
bes, Logistas, Padres &c &c. ; donde
conclu, que o melhor era deixar-me desias
inda-aces, abandonar publica execra-
ra taes Periodiqueiros, ou antes Borrado-
res de papel limpo; sem com tudo deixar
no fundo de meu coraca de blasphfina
' contra huma doctrina, que revolta o Esp

: .

V



.

.



i



484)
/



rito do mais estpido de meus vizinhos, e
at mesmo o do mea Vigaro; e dizia *c
com os meus botes : ora be possivel, que
em huui Paiz onde felizmente lege hum
Governo sabio, e Constitucional se abuse
tdo descaradamente da boudade do mesmo
Governo, e da paciencia Ilimitada dosGo*
vernados, pregaudo-lhes doctrinas subven
si vas da boa ordem, indispondo-os ta5 cla-
ramente para cm as.Iiistituigoes que jura-
mos! Desgracadinhos de nos se nao for
moa surdos as sugestoes de taes Euiissarios
de Belsebut, que nos quevem conduzir a
huma total desobediencia as Authoridades,
trasendo na frente, por deviza, a infernal
discordia, submergir a Patria etn hum pe-
lago de desgracas, e atear huma guerra ci-
vil... Que Catastrophe! Que fuettiro
ta rnedonho! tyas nao: Tremad antes
sanguinarios Despotas Vossas machina-
{des han de ser a (Togadas nascente mes-
Jm i A'Iertt Precanos Eu orno couto
deplorar-me aqu por algutn tempo em
quanto nao fnaliso os meus negocios, deze-
jave que apparecesse alguin destes Come-
tas de Cauda comprida ( que eu como sou
filho de Alfaiate, bemdepressa com atisou-
ra que meu Pai m<4 deixou Ih'acortaria } pa-
ra vej* se tera muitos sectarios que os jul-
gasse presagios de algum ebuveirode feli-
cidades ; mas ah Tremei 6 gente insensa-
ta vosso procedimento est j bein divul-
gado entre vosso* Concidadads Nos os
veramos imputar, com terriveis impreca-
\oes, e blasphemias a malogracao da sua
empresa s c re us tandas do tempo suain
quique culpam actores ad negotia transfe-
r!int" Nao se admire Sor. Edictor, desta
miuha rajada Latnoria, porque apezar de
rustico, dei Linguageus, e anida me recor-
d d'alguns Auctores Classicos com os
quaes as vezes combino minhas ideias : e
se este meu arrazoado merecer hum lugar
em qualquer cantinho do seu Jornal, muito
abrigar
Seu Servidor.
quim de Miranda Henrique por nao ter an-
da, como Supplente que he, tomado assen-
to; e que quanto aos ouiros, nao era pre-
ciso.
Ora sendo isto assm; eu nao fui
participado do chamamento tem por boa
desculpa os Deputados, fica illusorio o cha-
mamento, e a Assemblea, a bracos com ne-
gocios ponderesissimos, privada de tantas
luzes, que na9 podem ser suppridas quanto
aos cenhecimentos locaea da Provincia.
Ser, porque eu nao estoi na danca,
roas.... (eu sei! ) antes no seoda Repre-
se ntaca Nacional do que na balela da Pas-
quinada.
Sou do Sr. Edictor, com o mais pro-
fu udo respeito, e actameto.
Servo e Criado
ygravii.
Csniinuaca do Dicionarto Ftlosqfito, Poltico,
Literario.
M,
O Catimbira primo do Caipira.
Sr. Edictor
T,
Odo o C dada6 he promotor da cau*a
publica, e a Conslituica lhe garante o di-
re ito de intervir nos negocies da sua Provin-
cia com esta de vida venia, serei breve.
Dizem que amresentada recenternente
a nossa Cmara Municipal ordem de hum
chamamento especial da Augusta Assem-
blea para que se lite reuna os Deputados
desta Provincia, ainda por aqu assentou a
Cmara sement officiar ao Sr, Beuto Jea-
Inat. Sao as oascentes da pohresa
d'um paiz sao o inaior antagonista da in-
dustria e do trabaiho (nicas f un tes da ver*
da de ira riquesa.
Este postulado pode admittir o rigor d'u-
ma demonstrado. Por cada vez que as mi-
nas fornecein um augmento d'ouro, e de
prata s'augmenta na mesma proporca o
preco dos gneros. Logo que estes cre*cem
de preco, cresce taobem a utilidade dos im-
portar d'aquelles p^izes onde se podem ter
ooin menos cusi; pois, sueceda o que sue-
ceder, os gneros nao de ser sempre impor-
tados d'onde quer que o sen custo for mais
barato. En troca pois d'estes gneros s'es-
tari sempre escoaudo o ouro e a prata. A
miseria de Portugal e da Hespauha provena
muito particularmente d'este ouro de Mi-
das.
Ministro da Fazenda. Em theoria,
aquele agente do governo, que tem a seu
cargo saber qual a renda do estado co-
mo distribuida como recebida co-
mo em pregada e que faz uso do crdito
pelo meio da candura as suas operaces,
exactidaS as suas promessas, e solidez as
suas hipotecas. Mas segundo a pratica, n-
trenos, um individuo que nunca soube
mais do que assignar papis de rotiua, 0
nunca jamis pode calcular nem o que tem,
nem o que Ibedevem, e muito menos oque
elle deve o sisthema gastar o que en-
tra, e em faltando, ou pedir, ou tomar.....*
Modestia. E', no carcter, o mesmo
que a as sombras aa pin tura.
*
!



?
(>
.
Moderados. -A moderacaB em poltica #
quer diser digmdade no carcter, rectida'
e forca na maueira de pensar sobre a causa
publica. Mas urna moderacao falsa, e
aquella, que fcilmente sacrifica a verdade,
o de ver, e a consciecia; por isso mis se
Ihe pode dar o nome de fraquesa, debilidades
ou calcule disimulado do que o de moderacao.
Murmuracad. A conversa dos tolos,
e dos mos, que julga dos outros pelo que
el I es sao.
Aigrs.- E* umacreatura, que, so por
ter a cor preta, tratada como um bruto
por outros brutos maiores, que succede se-
r m braucos.
Originalidade. Imitaca occul'a.
Padeiro. E' o que gauha o sen pao
adulterando o das outros.
* {Ccntinuar-fh).
De Pemambuco para o Cear.... 18,000
Pyauhy................ 24,000
Maraohad............. 30,000
Para..*......,........ 36,000
N. B. As Comedorias na volta destes para
Pemambuco ser o dobro das da hida.
, Os criados, ou Escravos pagaraS hum
terco das Comedorias indicadas ; as Crian-
cas de 2 at 7 anuos pagaro hum quarto :
os menores de 2 a unos nada pagano. Os
passageiros da Proa pagara ao Mestre rae-
tade das Comedorias cima marcadas para
os de re i os seus Criados, ou Escravos oum
terco do que pagao seos amos, ou Senho-
res: e as Criancas de 2 a 7 annos, hum
quarto._____________' :i
Mizos Particulares*

EDITAL.
F.
-



["

O Douior Ernesto Ferreira Franca, Ouvidor
desta Commarca e Superintendente da Dcima
dos Bairros do Recije, e Fora de Portas, Boa-
Vista, e Jtfogados por S. M. I. eC.,que D-
os Guarde Sfc.
I
r Ac saber que no di a 1. do correte
mez principiou a cobranza da Decnia dos
Bairros da mhha competencia, pertenceilte
ao primeiro semestre, do corrente anuo;
caotinuando-se a me-.ma cobranza por 30
das na casa de minha rezidentia, fin dos os
-quaes se proceder executivjtmente contra
os que nao tiverem satisftito. E para que
chegue a noticia de todos niaudei passar o
l&eute. Uectfe 26 de Maio de 1829
eodoro Machado Freir Pereira da Si I va,
rrvao o escrevi,
. Ernesto Ferreira Franca,
fa
r,TabeUa das Comedorias que deve pagar cada Pas-
sageiro abordo dos roquetes Imperiaes ao
Commandante do Respectivo Paquete.
I
O Ro de Janeiro para Santos 14,000
Santa Catharina........ 18,000
Babia................ 34,0CO
Alagoas............... 30,000
Pemambuco ......*.... 36,030
Da Baha para Alag&as........... 9,000
Pemambuco........... 18,000
JV. B. As Comedorias sao as mea*
mas na volta.
. V. da Silva, partecipa a todas as pes-
soas que Ihe fizcia o fevor de entrar na
sua Rifa para o espediente do mes de Maio,
que ella fi concluida mo dia 2 docorreute
Junho, pelas 6 horas dataide, e por isso
pede a quem te ve os seus biluetes premia*
dos, baja d' mandar bu* car os seus premios,
cando-Ibes por este favor o mais obriga-
do : o mesiu participa ao Respeitavel Pu-
blico, que acha-se organizado o espediente
para o presente mes de Junho a> si 10 co-
mo ter deminuido o pi 90 dos seus bilhttes
para o valor de 6.40 res.
A pessoa que anuncin no piano de 2
do corr ute, querer 6 feixes de capim an-
imalmente, diriju-se a ra do Rozario. Bo-
tica I) l, para tratar do ajuste.
A pessoa que auunciou no Diario,
N. 120 ter hum moco, para ser en-
ainado a Boticario, anuucie a sua mo-adia,
para ser procurado.
Altxaudre Seuhorhiho Tavares de.
Gusmad, fas publico que no Engeaho Bom-
barda, se o (lia huma negra por nome Ma-
ra, naca Conga, cu jo Sr. diz ser, Jos
Felis, morador na Boa-Vista ; sendo verda-
de, e dando os signaes certos poder pro
curar ao dito na Trempe em caza de Fran-
cisco Joze Tavares Lira.
Antonio Luiz de.Souza, lendo 00 Cru-
zeiro do dia do corrente mez de Junho,
hum anuuciodoSr. Joze Rodrigues do Pas*
so, no qual diz que Jbe'dezeja fallar, faz
certo ao dito Sr. que a caza de sua residen*
ci he na ra do Lrvrameuto, lado direito
iX$.
A pessoa que anunciou no Diario
N. 120, querer comprar hum negro enzn
nheiro, dirija-se a ra do Livramento L).
21.
A pessoa que anunciou no Diario N.^


mp


.* -


Escravos Fgidos.
(486)
113, querer dar hum menino de 16 mezes gar u ir de pasaagem, dirjale aos seus
de idade, para 8er desmamado, e tratado Consignatarios,, Matheus e Forater, ra da
corn decencia, dirija-se a ra dos Quarteis, Cruz N. 56.
N. 279, 2 o andar.
Por imdespoaicadoSr. Ouvidor Gus-
tavo nao podera orttem fazer-se as pergun-
tas aos prezos dos pasquina na casa da Re-
la^ as 8 horas da roanh, mas hoje os
mesmasjcas e no mesmo lugar ellas tera
lugar.
Vende-se.
s.,
No da lft de Abril, desaparecen do
Eogenho Santa Cruz de Tracunhem, hum
escravo uovo, inuito bucal, de tiome Joze,
com os signaes seguintes : dentes muito li-
mado, cara com bastantes espinhas, e hum
dos pea s tein o dedo grande, e o outro
immediato, os aprehendedores o podera5
Hum Molequc de idade 16 a 18 annos, o podera pegar, ou outra qualquer pessoa
que cuitaba o diario para huma familia: o poder levar asen *;^Wr$
quem o pertender dirija-se a Marcelino de cante de Albuquerque ou no fW*^
Campos Quaresma, amado Mondego das ou no sen .i|io em Helena 9 ">ra-
hoas at as 8, D. 16, ou no 3. andar pensado generosamente do sen '^
oo sobrado onde morou o Ouvidor da Co- No dia II de Abnl, apareceo
marca hum negro por nomeAodre, nacao Ca-
Hnma corrente de trro, nova, que canje, representa dayd.de 40 a
tem 17 palmos de comprida, propria para cotn os s.gnacs seguintes'.talca^6*
qualquef canda, e mais hum fuga volante velha, e jaqueta prata de lila taob^m ve-
de ferro, quetemquatro boracos para pa- Iha, estatura ordinaria ceco do cor pe com
| ehuma greiha para assados : ao huma ferida era huma das pamas : os apre-
raeamo cima heudedores o podera pegar e leval-o a ra
Huraajcrioula, de idade 20 a 22 annos, Direira, D. 46, que sera bera recompensa-
sem vicios, que coze, engoma, bem, co- do.

zinhaigualmente: na Tipografa deste Dia-
rio.
Arrenda-se.
Hum Sitio na Madalena, no lugar de-
nominado Arac, com boa caza, e arvore-
dos, a margena de hum brao do Rio Capi
No dia 16 do Abnl desapareceu do
arco do Bom Jezus, huma negra por nome
Anna, de nacaq Angola, de idade 30 anuos,
alta, bem preta, olhos brancos, e dentes
limados, bem falaute, que parece crtfia,
com huma marca em hum dos brac,os, mul-
to bem vestida de saia preta, e pao fino,
iSt^ eveatidos brancos boa lavaera W
*~ ha. engoma, e sabe tratar do arranjo de
huma casa, coja escrava viwha com mais
grafa deste Diario.

-
Alluga-se.
Huma caza, com cmodos para fami-
hum negro fcon huma carga, de rdpa la
vada, cUegando aa Recfe desapareceu : os
aprehe;Jedo/&os podera pegar e leval-os
_____________ ... Cnk 1111II)a Caza, CUIIl vuuiuuus una auu- |~~------. i bul- ..-
le, e venda, no Atierro dos Affogadoe : os a ana eenhora que mora no Sobrado junto a
U-dentes dirija-se as Cinco-Pontea, ^#T&^\&'
D.43.
Arrematabas.
bem recompensado ; e protesta uzar dos
meios judicial a qualquer pessoa que os
tiver acoutados.
,
Noticias Martimas.
Perante a Junta do Hospital Militar
' desta Provincia se hade arrematar o 2. se-
mestre dos foroecimentos de pao e carne
verde para o dito Hospital, a quem por me-
nos fizer : as*pessoas que se acharem nes-
gas circunstancias, podera comparecer no pe(nraos setis passaportes de sahida
indicado Hospital nos dias 4, 11, 19, e25, corrente.
do corrente mez, munidos de seus respecti-
vos fiadores, das 11 horas da manh a 1 da
tarde, para se tratar do ajuste.
Yiagns.
j- o
no da 3
do
]PAna Unna, a Sumaca Estrella Matutina,
M. Antonio Francisco Nunes, dono Aoto
nio Rodrigues Lima.
Segu viagem para S. Petersburgo, Pare a Parahiba, a Escuna Temandi
oBriguelnglez''Diadem"tendo a maior de, M. Francisco Joze da Costa, dono An-
parte da carga pronta : quem quizer'carre- tonio Dias Monteiro.
Permmbuco na Tipografa do Diario.





#'.





"->
***_


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EM4B6DWM5_H6EJWU INGEST_TIME 2013-03-25T16:07:57Z PACKAGE AA00011611_00351
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES