Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00322


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I

AUNO mi. N. 300.
- -
Por 3 mezes adiantados 4,000.
Por 3 mezes vencidos 4,500.
SABBADO 29 OE OEZEMBRO DE 1855.
Por anno adiantado 15,000.
Porte franco para o subscripto!.
^
=tt
DI ARIO DE PERNAMBUCO
i
I
i
enCarkegados da subscripcao'-
Recife, o proprieterio M. F. de Faria ; Rio de Ja^
nelro, o Sr. Joao l'ereira Uarlini; Babia, o Sr. D*
Duprad ; Maeei, o Seulior Llaudino Falcan Diai;
l'arahiba, o Sr. Gervasio Viclor da Nalividade;
Natal, o Sr. Joaquim Ignacio Pereira Jnoior: Ara-
eaty, o Sr. Antonio de Lemos Braga ; Ceara.o Sr.
Joaquim Jos de Oliveira ; Maranhao o Sr. Joa-
?uim Margues Rodrigues; Piauhy, o Sr. Domingos
lerculano AckilesPessoa Cearense; Para, oSr. Jus-
tino J. Remos-, Amazona, o Sr.Jcronymoda Costa.
CAMBIOS.
Sobie Londres, de 27 3(4 a2Sd. por 19
Pars, 348 rs. por f.
* Lisboa, 98 a 100 por 100.
Rio de Janeiro, ao par. .
Acfoes do Banco 40 0/0 de premio.
da Companhia de Beberibe ae par.
da companhia de seguros ao par.
Disconlo de ledras, de 9 a 12 por 0/0.
MKTAF.S.
Ouro.. Oncas baspanholas. . . 209000
Moedas de 69400 velhas. . 16000
u de 69400 novas. . 169000
> de 4*000. . 99000
Prata.- Patacoes brasileiros. . . 29000
Pesos columnarios. . 29000
1)860
.
PARTIDA DOS t IR REOS.
Olinda, todos os dios. f <
Caruar, Bonito eaGaranhuht nos dias 1 e 13.
Villa-Bella, Boa-Tista, Ex eOorioury, a 13 e 28.
Goyanna eParahiba, segundaiB'sextas-feiras.
Victoria e Natal, nasquiola-was.
PREAMAR DESOJE.
Prmeira as 8 horas e 30 minus* da manha.
Segunda s8horase 4 minutada urde.
AUDIENCIAS.
Tribunal do Commercio, quartas e sabbados.
Relaco, lercas-feiras e sabbados.
Fazenda, quartas e sabbados s 10 horas.
Juiz do commercio, segundas as 10 horas e as
quintas ao meio-dia.
Juizodeorphos, segundase quintas s 10 horas
1* vara do civel, segundas e sextas ao meio-dia.
2* vara do civel, quartas e sabbados ao meio-dia.
\ FPnEMERlDES.
Dezernb. 1 Quarto minguante aos 9 minutos e
40 segundos da tarde.
9 La ifova as 7 horas, 47 minutos
e 48 segundos da manha.
16 Quarto crescente as 4 horas, 36
Correio de Po-d'Aiho e Naza J ta.
No prximo mei de Janeiro daremos principio a
remeta* do Diario para a villa de Piio-d'Alhn, e ei-
dade de Nattrelh. por uro expresso nosio qoe sald-
r regalurmente orna vez por semana, devendo pat-
sar a duas quando o numero da assignanles augmen-
tar : o eenhores dos referidos lugares, e oulro* que
moraren) oaquella direecao podem mandar abrir
sua* asignatura*, contando com a cartera da re-
meta.
nm mcuL.


H
r
t
80VERN0 DA PROVINCIA
xa*dlea*u da dU 22 de dezembro.
UfllciaAo Exm. luarechnl commandante das ar-
mas, inleirando-o de baver o Exm. Sr. ministro da
aterra participado cm aviso de 7 do crrenle, que
rdra ndeferido o requerimenlo em qoe o soldado do
10. balalhao de infantera Manuel Joao, pedia pas-
sagjttn para o 5. da mesma arma.
DitoAo mesmo, eommnnicatido que por nHo lia'
ver vara no 8. balalhao de infanlaria, segundo
constou de aviso da guerra de 7 do correle, nao po-
li* ter tugara passagem pedida para o mesmo bala-
Iluto peloenpilao Manoel Luciano da Caara Gua-
ran, pertencente ao 10. da mesma arma.
DittAo mesmo, declarando haver expedido as
conveniente* orden*, nao so para que se d trans-
porte para a corle uo vapor que se espera do norte
ao atroces Gustavo Chrttiavio Dezuzarl, mas tim-
be pera que te Ihe paste guia de soccorrimenlo.
Expediram-se as ordeus de que se trata.
UitoAo inspector da thesouraria de fazenda, re-
rnttlemlo, para os conveuienles exames, copias das
acta*' do conselho administrativo para furneci-
mento do arsenal de guerra, datada* de 3 e I-.' do
correte. *Jfi>jf
DitoAo mesmo, aulorisando-o a entregar no pro-
redor desande com a* formalidades do costume, ni
3tWW0> r., destinados para a provincia das AIh-
< goat, aOm de que elle os remella ao Exm. presi-
denta d'aquella provincia pelo commandante do va-
por qoe ae espera do norte.Fizeram-se a* neces-
tariat commuaicacOet a reipeilo.
DitoAo juiz relator da juma de juslira, trans-
littindo para ter relatado em *et*ao da mesma jun-
i o processo verbal do soldado do V- balalhau de
arlilharia i p Zetarino Goncalves daEocauucjio.
PaHWpouse ao marachal eommindant das ar-
ma*.
Dito*Yo provador da taade, iuleirando-o dshs-
ver nao t recoinniendado ao c.ipiUo do porto es-
pedir da* convenientes orden, para que-oeeapa-
tazetdn porto* detta provincia, onde liver de tocar
por eaoala o vapor Mrquez d'OUnda, nao consta-
tata ter eommunicamlo com a ierra na sua pro-
xiaaa vlagesn sen haverapretenlado primeirs desem-
barace la tn taina provedotin, mas lamben) declara-
do a directora da companhia Peruambucana, por ib-
ltrtaedio do retpeclivo secretario, qaeo referido va-
por deve Tazar quarenlena no porto detta ci-
dadecm o lugar do costme.Fez-se o expediente de
qoe te trata.
DMnAo Dr. Francisco Marciano de Araujo l.i.
ata.Parliodo Vnr, para a comarca do Bonito, alim
de prestir o* toccorfos medico* qualquor ponto da
mesrn.i comarca que for acoommetlido do cliolera-
roorbus, trate logo de dirigir-te i Ireguezia do Alli-
nlio, oude consta j ler-te desenvolvido o mal, e en-
leudtudo te com as autoridades respectivas, procure
auxiliar o mais pron.pta e eflicaznienle possivel a
todes os qoe forem alteados. Pera la j seguo e Jc-
ve ter chtgade orna ambulancia : Vmc. recebera-a-
-gora do iatpecltr da thesouraria do fazenda 40 co-
btrlorM e ama porcao de baela. E quanto a despeza
toecorre* pecuniarios deverao ser forneeido* por
alguma pettoa da comarca que apresentar depois
sen coala para ter satiafeita. Cumpre que Vmc. par-
la tora demora e que nao tesse de communicar
esta governo o retallado de sua commisso.Ofll-
cioa-se tnetonraria para entregar os cobertores e a
bala de que ae traa.
DiloAo juiz municipal ejdelegado do Bonito.
Em ratposta ao tau offlcio de 9 do correle, que
acabo de receber, pedindo alguna toccorros para esse
Icrjao. viito ter appafecido a epidemia na freguezia
SAItinho, tenlio a dizer-lhe que para essa comarca
ira mandado,e j l deve terchegado, una ambu-
lancia cuan as precisas instruecOt s s autoridades
respectiva* ; que tambero j enviei a Vmc. Ires car-
letras botheopalhica que reqoisilou, e que agora ex-
eojortlem para partir qoaoto ante* para ahi nm f*
eullao que levara urna porcao de cobertores e
botfi aWh de soccorrer a qualquor ponto deisa co-
marca em qoe se desenvolver o mal. Oulro sini, au-
lortto a Vmc. que quanto as despezas e soccorrospe-
cuniarios, veja algnma pessoa d'alii que faja o for-
neciiaeolo do diaheiio que or sendo ueeessario,
os nuis>M nmu. (*)
Fok Paulo Feval.
apresenlando ilepois a conta para sor prompla-
mrnle salifeila. devendo observar-llic que deve ni*,
so haver a maior p^rciraonia, fazendo-se essa det-
peza somenle com os verdaderamente uecessi-
Itdvs.
OfliiioAo inspector da thesouraria de fazenda.
Con viudo d.r promplas providencias acerca da re-
mosta das ambulancias que devem partir para di-
versos lugares de provincia, compre que V. S. no-
me urna commisso exprcesamenle eocarregada de
as fazer prompliflcar a expedir a loda a hora, qoe
pata istofor avisada, visto que sendo esse Irabalho
desempenliado romo al agora pela iesOuraria de
fazenda,nao dcixa de er um tanto moroso. Rccom-
roendo urgencia.
2fi
OflicioAo Exm. mareclial commandante das ar-
mas, Iransmiltindo para lerem o conveniente de-lino
a* ordena que expeli para o capitao Manoel Pe-
reira de Souza Burily ser transportado para a Baha
no vapor procedente do uorte, e declarando que au-
lorisnu o inspector da lliesoararia de fazenda a mau-
dar uaos abonar a familia desse ofcial, a contar do
1. de Janeiro vindouro em diante,a prestaejo mensa)
de Itlg rs. que elle eonsignou de seu sold nesta pro-
vincia, masiambem passar guia desoccorrimenlo ao
refeiido capilSo.Exptdiram-se as rdeos de que se
lala.'
DitoAo mesmo, recommendaodo que nome um
dos cirurgioet do corpo de saudc do exercito para ir
com brevidade a cid.de da Victoria, e d'alli al a
do Kio Formoso, passando pelo municipio da Esca-
da. afn) de examinar o estado de salobridade d'a-
quellas com-reas e occorrer a qualqoer caso de epi-
demia que iultlizmente lenlia de por all appt-
recer.
DiloAo mesmo, aulorisaudo-o em visla de sua
informarlo, a mandar passar e-cusa do servido do
exercito ao soldado particular da companhia livi de
cavallaria Benedicto Marinho l'alcao, aceitando em
seu lugar o ferradorda mesma companhia Julio Ro-
drigues, que foi por elle Qerecido e j finalisou o
seu engajamento. ,
Jii'.'j-Ao mesmo, remetiendo as ordens queexpe-
dio em visla de seo offlcio n. 1:M:I, alim de ser trans-
portado para t Babia Joao Pereira de Suza, que le-
va ba i xa doeervieodo exorcilo.-Fizeram.se asor-
den* de que se traa.
Hilo -Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Da< ambulancias que se team mandado tpromptar,
f.ra V. S. remetler orna com toda a urgencia para a
cidade da Victoria, a entregar aojuiz de direilo d'a-
quella comarca, e 6 a que foi destinada para o Rio
Formoso, conforme determioei anda nao seguio, fa-
ca-a V. S. lemelleY igualmente com urgencia.
DitoAo commandante da csiarao naval, dizeu-
do que mande apresentar ao cliefe de polica, para
lar o conveniente destino, o recial., de raariuba
Paulino Manoel dvCann;', fti;0 lar ido jatead *aV
capaz do lerviro por molestia.Cnununicou-se ao
referido enere.
DiloAo jurr. relator da junta dejustica, Irana-
inillilulo pura seiem relatados em sessao da mesma
junta, os processo* verbaesdo* soldados Antonio Jos
l.ourenro e Filippe Jos de Santa-Anna, este dS
companhia de artfices, e aqoelle do S. balalhao de
infanlaria.I'arlicipou-se ao mareclial commaudan*
te das ar.nai.
Dito^Ao director das obra* publicas, approvando
a compra que Smc. mandn fazer para a obra da ca-
sa de delenrao.de qoalro duijas detaboasde forro de
amarello a -lSOOO rs, a duiia, duas dozias de as*oa-
lbo a 66*000, qoalro ditas de eostadinho a
909000 rs.Commuuicou-se i Ihesnorara provin-
cial.
DiloAo inspector da thesouraria provincial, re-
commendando que com urgencia mande fornecer ao
administrador da casa de detenerlo o* bjeclos men-
cionados na relarao que remelle, os quaessao neces-
saiios ao servico d'aquelle eslabelecimenlo.Com
muiiicou-sc ao chefe ile polica.
DAS DA SEMANA.
24 Segunda. S. Delfino b.; S. Tharsila m.
25 Terca. i5 26 Quarta. S. Estevao Protomartyr; S. Marinho
-2~ Quinta. S. Joo Apostlo e Evangelista.
28 Sexta. Ss Innocentes mm. ; S Castor.
minutle 40 segundos da manha. I 29 Sabbado. S. Thomaz deCantuaria are.
3 Lacheit"as8 horas, 18 minutos 30 Domingo. (Vago) S. Sabiuob.m. ; Ss. Ve-
e 47 segundoMa manha. nusanoe Agripiniano mm. ;8. Anisio,
S
i


CAPITULO VII.
Eatalo tabre oa Bicardos.
da
21 a
COMMANDO SaS AHBCaS.
Qaartel tjenerat do coaatanda di
Peraatabaco tu cidade do Recife ai
i dezeabro da 1855.
ORDEM.O DA N. 171.
O mareclial de campo commaudante das armas,
em face dos ufllcios que Ihe foram enderezados pe-
la presidencia desla provincia, com dala de hon-
tem, referinilo-sc ao* avisos do ministerio dos oe-
gocios da guerra.de 3 e 8 do correte, Irans-
crevo para ciencia da gutrnicSo e devido eflei
lo, as relaroes dosSr*. ofliciaet, ofliciaes inferiores e
cadela, que por decrelo de 2 do correnle mez de
dezcinb'ro foram promovidos, pesiado* para oulros
corpos e distribuidos pelos roesmos, bem como, dos
qiu .lei\ar.ini de ser promovidos por nao terem ta-
iwfeitb a condicao segunda do art. 8, do regulamen-
lo approvado pelo decreto n. 772 de 31 de marro f
de 1851.
Htlano dos o//ciaes, inferiores e cadetes pro-
movidos.
Corpo do estado maior de 2. classe.
Para coronis, e coronel graduado Trajano Ce-
sar Borlamaque, por antigoidade, e tenenle-co-
ronel Jos Maria Idelfonso Jacowie da Veiga I'essoa,
por mererimentii.
Corpo de saude do ejercito.
Para 1.crurgao-capilio, o 1. cirurgi.Vo-lenen
te Prxedes Gome* de Sooza Pitonga.
ARMA DE INFANTARIA.
i!, balalhao de infanlaria.
Para major, o capitao da 2. companhia do 1. ba-
lalhao Fernando Machado de Souza, pormereci-
mento.
6. balalhao.
Para major, o capitao da. 6.* companhia do 10-
balalhao Miguel Jerenymo de Novaos, por merec-
inenlo, 1
8." balalhao.
Para capitao, o lenle Candido Leal Ferreira,
para a 4. companhia.
9. balalhao.
Para major, o capitao da 6.a companhia de I.
balalhao Luiz Jos Pereira de Carvalht, por ruete-
-cimento.
10. balalhao.
Para (enenle-coroael-commaodanle, o major do
2. balalhao Joaquim Rodrigues f.oelho Kelfy, por
aotigoidade.
Para capitao, o lente Jos Antonio de Ctrvalho
Daiilas, para a U.< companhia.
12. balalhao.
Para capitao, o teneole Jos Manoel de Souza, do
2. balalhao, para a i.a companhia.
Balalhao de caradores do Mallo rosso.
Para teneiile-corenel-commaodanle, o major do
9. balalhao Joao Nepomuceno da Silva Porlell.i,
por anliguidade.
Para leneoles d'arma, os alferes Nicacio Alves de
Sooza, Joao Gulherme Marialh, Joaquim Fabricio
de Mallos, Theotonio Joaquim de Almeida l-'orla-
na, a Aagusln Carlos de Siqoeira Chaves.
Pira alferes d'arma, o sargento ajudante Luix
Castilha de Aguiar, o sargento quartel-meslre Rai-
mundo de Almeida Sampaio, o 1. cadete Franklin
do Reg Barros Cavalcanli de A'lbuquerque, o 1.
sargento Joao Paulo MarJfns .\aninguer, o 1. cade'-
to.2.t sargento Feliciano Caliope Monteiro de Mel-
lo, lodo* do 2.0 baUlhao, e o l.o eadele do 10. Ma-
noel Fernaadet dos Santos Franco.
Reanlo dos officiaes transferidos de unpara ou-
lros corpos, e dos promovidos, dislrihuidue pelos
mesmoi.
INFANTARIA.
1. balalhao.
Os alferes Francisco da Cuaba Bita acotar I, de 10
balalhao a Gustavo Chrisliano Dezazart do 2.a.
-'." balalhao.
O* lcenles Joao Maria Petra Bilancourl e Jos
Mara do Nascimento.
Os alferes Joaquim Jo* l'ereira Vianna e Fran-
cisco Jos de Souza Neiva.
3. balallido. .
O lente Manoel Antonio Soares da Gama, do
10. balalhao.
I." balalhao.
O tenente Augusto Carlos de Siqoeira Chaves, du
10. balalhao.
5. balalhao.
O alfere*Ra> mundo de Almeida Sampaio, para
secretario eom direilo a accesso.
6.* balalhao.
O lente Jlo Guilherme Marialh, do 2.* bata-
ttftM
Os alferes Manoel'Fernandes dot Santos*!-'raneo,
para njudante e Franklin do Reg Barros Cavalcanli
de Alboquerqoe.
8." balalhao. .
Os alteres Feliciano Celiope Mouleir* de Melle e
r.tiit Castilho de Aguiar.
u. balalhao.
O* tenente* Theotonio Joaquim de Almeida For-
luna.e Joaquim Fabricio de Mallo*.
Os alferes Joao Paulo Martn* Nanioguer, Benlo
Macicl da Cruz e Joaquim Jos Gunr;alves.
10 balalhao. Jb
Os lenles Nicacio Alves de Souza 'e Joao Anto-
nio l.eiao.
Os alferes Jos Anadacio de Cartalho, Pedro Alva-
ro da Silva, Antonio da.Veiga Cabral de Moraes de
Mesqulta Pimeulel, Jos Caelano da Silva e Jos
Francisco da Silvay
Corpo da guarnirn lisa do Paran.
Pira commandanle du dito corpo, o lenenle-co-
ronel Mapoel Rolembcrg de Almeida, 'comman-
dante do 10. balalhao de infanlaria.
________________________\___________________________
es|Soydn, do,9.
rt Neva, do 10.
ler fatisfeilo a
lamento de 31
atar de l. ciaste,
commandante das
Meio balalhao daPabhiba.
O* lenle* Jos Antonio Aira, du 1. balalhao,
a Luiz da Franca de CarvalHf, ) 9..
Os alferes. Henrique JotdVB
balalhao, e Jos de Avila BiVm
Deixoo de ser promovido por
condicao segunda do art. 8.
de marco de 1851 :
O tenente do corpo de
I rancisco Ruphael de Mei
O mesmo mareclial de ca
anuas, em cumprimenlo do eildo avi*o de 8 do
correnle. declara que o* Sr*. oftleie* arregimenttdot
promovidos no referido dia 2, devm, i 11 dependente
de nova ordem do governo, reemer-te aos respec-
tivos corpos, sob pena de suspendo do pasamento
e sold pela thesouraria de faaeala, salvo o caso de
especial delenninac.lo dogovernc, para que algum
dos despachado* continu a prmanecer aqu :
conseguiutemente os promovido* e transferidos pa-
ra o* corpos existentes em oulraoprovincias. devem
estar promplos para seguir ;a*t aeu* destino* nos
primeiro* vapore* procedentes donarte e sul, depois
do que deve chegar ueste dons das.
Joit Jtai/uim f'.ie(Vi-i.
EITEHyt.
Auge publica ns Jim
-r
O nattello des Gareunes uo era, como a mor par*
te do seu* vizinlio* das margeos 1I0 I.oire, una ha-
bilariko feudal, que com sunslorrinhas e ameias con-
tara a historia dot tctiles caval'.eirosos ; nao era
Loches povoado de lembrancas, r.ein Chambord. o
eastello do rei e o rei dot castalios, nem Cheuou-
reaux, nem Amboi-e, a altiva ridadella, onde o he-
ree da* guerra* algerina* fez penitencia de sut glo-
ria ; ano era Chanleloap, nem Villandry, nem Va-
teneay, nem meinio a casa de Cuiq-Mars, ou a dos
senderes de Ctiaomoot. Nao sei porque leriamos sen-
tido crta repngnancia em collocar em lujar nobre
Hieanlo a na familia ; todava he certo que se o
l.oovre etliyesse par veoder-se, e Ricardo podcsie
compra-lo a dinlieiro ou a crdito, esse notavel coin-
merriante n5o teria tdo ir.ah peju de chamar-se
Mr. Du UiivraatVi qoe Mr. Des Garennet, Du l'ail-
> lit, Du Gutrel, De l'Elaug, Des Jardint, De la l,n-
zerne, ou outn.
Nao ha nada cima de Ricardo, seja qual for o so-
brenome. K porque teria Ricardo o supersticioso res-
psilu das gloria* passadas. su o esplendor delle e de
na familia lem apenas a idade do* cogumelos '.' An-
te* de Kirardo houve imperadores, reis, condes, ha-
rfiot, ele... Houve fortaleza* de granito, palacios de
marmore, calhedraes; mas cadn cousa lem teu
tenpo.
f Ricardo tnbstiloio ludo isso ; nao he imperador,
nem rei, nem conde, nem baro : nao digna-se de o
Mr. He Ricardo aim como llohan lie Rohan. O
ge**', seu amigo, mateo o granito e 11 marmore ;
cotn.o gesto elle cdilicou em Pars, a capital do mun-
do, um novo Pars, qoe nao he primo de Notrc- Porcao do antiso jardim de turlol. Eram carpes ja
cardo do lempo de Luiz XV, o qual chamava-se Mr.
Torh'l DefGarenues, e era recehedor do hnposlo do
sal na provincia de Anjou. Os Ricardo* detsa poca
ido assemrlhavam-se interamente aos Ricardo- 110S-
sos cunlemporaiieot; liuham certa grandeza e cerlu
ar de nobreza. Esse Mr. Turlol Des Garenne* era
um ricaco provavelmenle ; pnis maudra consli uir
sobre urna mageslosa collina, que dominava ao lon-
go o curso do I.oire. orna habilacao verdaderamen-
te digna de principe.
Os Ricardos nao erain anda assas numerosos para
lerem arcliilectos especiae* e um eslylo particular ;
rviam-te da arle e do estylo de todo*. Mr. Turlol
Des Gtrennes leve, pois, ftm palacio de gosto eicel-
lunie; teu catlello nao cepiava nenhum genero,
nem caracleritava neuhiima maueira, erguia-sc alti-
vo e tranquillo no cume da collina ladeado por duas
alas graciosas, e dispersando em Ionio de s anas de-
pendencias que pateciamumaaldeia. O paleo prin-
cipal licava sobre a chapada, e cummuuicava com a
avenida por um porta de ferro com espigas doura-
daa. Essa avenida, que o ricaco mandara plantar de
orna feta como o parque de Yersalhes com arvores
de trila anuos imha Iresquartosde legua de com-
primenlo, e descia al ao Loire di.nte da casa do
nosto amigo Morin. A' direila e i euiaerda esten-
diam-se os grandes bosques, que nvi>tavam-se da
planicie, e cujos sombros perli* dominavam tanto
obre o co. Crescendo, as florestas linham onulla-
do o eastello.
Alm da fachada principal, a mala ricamente or-
nada olhava para o sudoeste ; um poial de marmo-
re branco lendo es doze degraos consagrado* descia
para um bello terraco, cuja figura era a de metade
de um nolvgoiio regular de dez lado*.
Tres oteadas desciam desse primeiro lerracoao e-
guodo j plantado de arvores, n qnal alcanrava o
lerceiro por um inimenso polal circular.
Abaixo detse poial lieava o pleanre-ground, co-
mo di/.ia madama Des Gareoae*, que tomara doze
lijOe* de iiigrez em casa de Robertfoa : um enorme
taboleiro de relva semeado de algrele*, de flore e
de arbustos.
Apezar de sua predilecto pela arte britnica, ma-
dama lies Giicunes deixra subsistir no fm ama
t
Dame, e que reneg as Tullieria". Denominou essa
palljda inetropole Chausse d'Antin, e levo a bou-
dada de permitlir que se construas; nesse dominio,
qae he tea, orna baslica segundo sen corarao. de
gesto, estoque e papel, pequea, porque nao con-
vat aluperditar o terreno, quadrida porque o me-
Ihar aioslflo he a iiolsa, branca por fura e borrada
cea piacel por dentro, bem amo o camarim de ma-
dama Augatta Maawnneaii, que tambem perteuce i
familia. A't vezet, passandodianledease templo, Ri-
cardo diz eonwigo que Dos deve ser-lhe mu reco-
nhecido por etse lugar concedido ao cuno em um
bairro, onde oa alugueis sao 13o raro* l Mas he ne-
fCjMria ama leligiao para a* roulberea e para os es-
pirito ponro adiintados : he esta a opiniAo de Ri-
cardo.
O rastello Des Garenne* fra edificado por um Ri-
Vid Diario o. 299.
seculares, canleiros de que o buxo dezeohava as mil
bordaduras, e inniimeraveia roa* marcadas por ar-
vores corladas. Um regalinho tributario do Loire,
inotivava urna ponte grotesca, que cominzia a om
ermo delicioso ; ah romrrava o parque, a o parque
bem como a avenida ebegavn al ao Loire, caja*
asua* cjmplacentes formavam nm ngulo de propo-
sito pai guarnecerem a propridade de Mr. Des Ga-
rennes.
O parque formava por si s urna paizagem adm
ravel, c, alm do parque, a perspectiva era ainda
mais maravilhosa. Todava devemosdizer qaeo eas-
tello fdra mal caiado. e que as diipnsi^oes tomadas
mvamento oos jardn* e no interior do parque, of-
fendiarr. o ponto de vista ; em urna palavra que a*
garras de Ricardo moslravam-sc em milito* tingares.
'oren Ricardo nao poda mais do que .vs mitro
auimaes damoiuhos coulra a opolenla naliireTi ;
lagartas dcixa'm aiuda algumas folhas isarvor
os caracoes nao mancham todas as rosas. Tal vez Ri-
cardo nao tvesse lido anda lempo de levar soa obra
.10 cabo, lalvez agoardasse a elevtrao do preco da
lenha para cortar soas florestas, e algons embolsa-
mentos importantes para estrumar a trra dos bos-
ques 1- plantar ah couves. Qoizera abaixar o* le-
los do eastello para pillos moda ; porm o orea
ment dos gastos moderara seo ardor. Assim, boro
ou mo grado seu, Ricardo deferir os melhoramen-
(ot qae tiaviam de desfigurar soa propried ide. De-
mais, elle nada poda fazer contra o corso mageslo
so do Loire nem contra as bellas variedades do ter-
reno : a respeitn desse magnifico dominio, Ricardo
era como a vbora da fbula embotando os denles.
contra a lima.
Madama Des Garennet, que era liberal, e que res-
tablecer a corvea em suas Ierras, mandava cavar
de quando em quando alguma grata nova, e cons-
truir algons rochado, de pedra e cal ; mas essat fa-
cera* estpidas perdiam-se 110 lodo, estmenle dam-
nilcavam aos pobres reodriros.
A origem de lodas essas grandes rai.as perdo-se
na noile dot lempos. A tribu dot Ricardos tioha
lalvez sen tronco fabuloso como os Atridat antigs e
os Lusignan modernos'. Ricardo lies Jardias que li-
ona alguos conhecimeolos histricos, fallava s ve-
zet de um lillio natural de Ricardo Coracao de Lelo,
o qual deixra a loglaierra por motivos honrosos, a
eslabelecra-se em Saumur. Mr. Des Jardins liuha
em seu tallo, em Pars, o retrato desse real bastar-
do, e ensillara a nuilher a cobriro rosto com o leu-
Jo qu.ndo o tenor da opera cmica enloava : f miz
febre arden!c...
Ninguem ignora que Ricardo Planlagenel era ao
mesmo lempo conde de Poilou o rei dn loglaierra.
Saumur, dzia Mr. Des Jardins, Sea mu perlo de
Poilou.
O certo he que a geote de Treves, de Tuiluaiu e
de Saint Lamben des Leves do oulro lado do Loi-
re nao podeodo remontar pela memoria ao scalo
XIII, nao reuna neuhuma idea de pritjSpe i lem-
brnnca que liuha conservado dos Ricardo*. Os Ri-
cardo* eram mu conhecidos na* dnas margena do
rio ; o* reudeiros velhos dziam em meia voz, qoe
Vicente Ricardo, pai de Mr. Du Taillit, patttra
multas semanal no qaarlel da polica por latroci-
nios. Quando chegeva o tempo de colher o feno,
orna calila de Ricardos percorria o pi% todos esfar-
rapadot, vagabundoi e sem dislngnirem bem o mea
do leu. Os Bicardos de Saint l.amberl des Leves
linham oulra industria, mandavtm os filhot espe-
rar *.,,ililigencia na estrada de Par*, e estes davam
caim. .iholas durante/nei legua al que os viajante*
enfadadot Ibes tivessem* lineado o bolo. Quando
voltavam para a rasa**arm bolo eram devidamenle
castigado
v O precioso Dm GaTCret, madama Augusta Masson-
near,, beto como Mr. De la Lozarne pertenciam a
ajern Loire.
' 'iareuuei era (litio de um hemem
/Trailla loda, mas honesto, qoe exerca
olcio de l.ilhador de madeira. Fa/.en-
4llas podemos afUrmar que nao cuida-
He Filippe Angoslo, seo Ilustra avo.
Mr. de Saint Auge publica njfjkitrmif des Debat
o seguinlo importante artigo ierca da guerra da
Asa :
<> assallo lado pelos Russos altdade de Kars na
Armenia, assallo tao corajoaapte repellido pela
guamil.,io ollomana, e .1 maAi de Omer-Pacha
obre Kutais, na Mingrelia, (aBcm ter garantido
a praca de Kars, sitiada de bajBia seis mezes pelo
general Mouraivieff. V'oluireaWB a esta atsumpln
quando as operares de parBt parle loinarem
inaiores propor;0es.
No eutrelaulo deixemos reffMtdo qoe os soeces
sos que se passam ai Asia, strBta ja para esle se-
gando Ihealro da guerra do OrBe, a altenra pu-
blica ha moilo lempo eolretidam as graudes pe-
ripecias do assedio de SebasloM.' Alm dijso poo-
eas noticia* havia da guerraflr vaina Armenia,
guerra em qae os Tarcos, apelp da sua muila co-
rasen), at agora linham sido *sl saccedidos pela
falla de boa organisac.lo e de bats ofliciaes.
Agora que as operaces da Qrinea parecem sus-
pensas por algum lempo, a alien ao pode com mais
descanco l'uar-se oos successos d Asia, e nos que-
remos compendiar o que nesle cuerra lem havido
de mais notavel al a chegada -e Omer-Pichi, e
dorante a cimpanha anterior, emlti, na qual hou-
ve alguna incidentes digpos de alencao.
Logo depois da declararlo deiuerra, no outono
de 1833, todos se recordam de cqto qae os Turcos
te assenhorearam do forte S. ISirMo (Chefklil) na
cosa da Asbavia, ao norte da Beliutot, e que a'ama
jomad dewpon,-optin )oMK 51 de uta do* dislrictos dofioorel, sera lerem po-
dido avaoc.tr mais para alm. Un exercito reuni-
do em Erzeaoum, em forra de 41,000 horneas, cu-
ja metade eram irregnlaret, m.ndava avancada*
al Kars e Bayazid. Em breve, remido o grosso do
exercito rm frente de kars, amaeava a fronleira
da Georgia pelo lado de Gurari (klexandropol:. Os
Russos n.lo estavam prevenidos, pit que apenas li-
nham 18,000 homens na fronlein. No dia 20 de
novembro de 1853, travou-se um; battlha cerca de
um povo chamado Guedikler. e> exercito olloma-
no foi derrotado. Os Turcos iim as ordens de
Achmet-Pach, e os Russos do general BebulofT.
A superioridade da organisacao. la disciplina e da
tctica, triumpharam entio comrserapre da supe-
rioridade numrica.
Os Russos tiohim.se exerejtado nos combates do
Caucaso : o exercito turco, organsado havia rni-
co, enlrava em caropanha pela prroeira vez.
As (ropas regalares com diflicaUade se sujeila-
vam a combater em massai comiactas, preferiam
baler-se em atiradores. As hordis de baehi-bou-
zouks a p e a cavallo, obedeceodi s aos seus che-
fs de tribus, nao se conforriavamao plano de bi-
talha do general em chefe. Creicii a confuan com
urna mull lo de ofliciaes earopeui, qae todos que-
riam commaodar ou dar conselhosapresentando ca-
lla um o seu plano, como o melhor, cosos ons dos
oulros, e dando o mais deploravel exemplo de dis
corda e de indisciplina. Muilo destes ofliciaes
nanea linham entrado em campinha, muilos al
nuncahaviam estado no servico millar. '
A Torta Ottomana, lendo side informada com
pouca fdeldade, a sea respeto, Ihis conferir pos-
tos que na podiam desempenhar.
Devemos desde ja dizer, que senelhante* abusos
nao eiisleiu agora, que esses oflliiaes incapazes e
vaidoso* foram chamados a Coustintiiiopla, e que
todos os ofliciaes europeus actoalmsote empregados
no exereiln turco da Alia, especialmente nos esl.i-
dns-maiores, na arlilharia e engenharia sao ofliciaes
di.niirtiis que preslam relevantes serviros 1 causa
com muro.
O revez de Guediclerfoi grande ; as perdas con -
sideraveis, e a derrota completa.
O esercilo nao padendo sustentar-se em campo
reuni os seus restos em kars, em forca de 26,000
homens. Em consequencia do desarranjo adminis-
trativo, ou antes pela falta absoluta de admini-lra-
eflo militar dos Torcos, esles daagrasadot verain
qu soffrer as intemperies de um demorado invern
n'iiin clima spero, agglomerados em dasardesinsa-
lubres, cobertos de esfarrapados uniforme*, sem le-
nha para so aquecerem, c quasi sem pao. A fadiga,
a miseria e os lyplius mataran) mais de 10,000. Se
o* Russos tivessem Torcas dispooiveit para sitiaren)
Kars, apezar da estarao, apoderar-ie-hiam detlt
praca arruinada,' que o delexo e incuria asitica
deixra tal qual lie ara d,'pois do sitio que Ihe pOz
o mareclial Paskewitch, em 1828.
O generalissimo da Analolia, Zarif-Mostapha,
emprehendeu na primavera de!8>4 a reorganisaedes
das (ropas, e consegnio organsar um nuvo exercito
bem armado, em forra de 60,000 homens, e con-
venientemente forneeido de vveres e de municao.
Iin corpo de 10,000 homens foi destacado para
Bayazid pira cobrir a direita, oulro para Arda-
g/ian, sobre a estrada de Akaltsik, para cobrir a
esquerda, e Zirif, com o groiso do exercito, pos-
tava-se em frente de Kars, sobre a estrada de
Guimri.
S uo mez de juaho se concluiram os preparali-
vos para o comer da campanha.
Os Rosaos laoibem se upo apromplaram mais ce-
do que os Turcos. Sem nos demorarmos com os
combales, escaramucas que frequeulemente haviam
entre os Bachi-bodtooks e os Cotsacos, vamos tra-
tar da batalha de 6 de agosto, chamada de lod je-
Dr, cm que a victoria ficou indecisa.
O* Russo* estavam nlrincheirhdos n'um campo
em Kourouk Dr, e os Turcos em Indje-Dr. Ha-
va ja Instante dias que mutuamente te obterva-
vam, quando o inurhir soube que Bayasid cahi-
ra em poder dos Russos. *Selira-Pacht fra der-
rotado em 29 de julho, nao defender Bayasid e
rugir para -o pachalado de Van. Immedialamenle
o general BebololT, muilo inferior numricamente
peln lado de Kars, manda reunir ao seu corpo o de
Erivan, que formava a sua ala esquerda, e acabara
de auniquilar a direita do exercito turco em Baya-
lid.
/.arif, nestas circomstancias, e segundo o voto
dos melhorcs ofliciaes do sen estado maior, n-.ol-
veu dar batalha. antes da chegada do reforrn que
esperava BebulofT, aflm de se aproveilar da sua
superioridade numrica.'
O* Russos linham 22,000 homens e 60 pecas os
Turcos 35,000 homens, sendo 4,000 Bach-Bou-
zouks, e 81 pechas aervidis pgattbons artlheiro*.
m' o asarcilo oltaniano que rompeu ,1 acco.
solava-n, islo na prmeira quinzeua de julho. Pe-
diram-se reforjo* ao general BebutotT pelo general
Read, que morreu depois na batalha de Tcnecnaya,
e que uessa'poca governava a Georgia. Os Russos
tive a 111 por tanlo de suspender as suas operaroes
na Armeflia ; evacuaram Bayasid depois de lerem
frito voar as sua* forlilicacOes: igualmente evacua-
ram o seu campo de Konrook-Dr, e com lana
precipilacao que os Turcos, que logo acudiram, to-
jBfram muila* barracas e bagagens que a reda-
guarda russa nao podo defender.
Nos mezes de outubro e de novembro, os Russos
entraran) uivamente em forca no pachalado de
Kart eem Bayasid, e avanzaram al Tuorak-kile,
que fca sobre a estrada de Bayasid a Brzeroum.
O exercito ollomano retirou-se riianle delles depois
de ler deixado 12.000 homens de goirnicao em Kars.
Esle exercito depois di batalha de Indje-Der, acha-
va-se oulra vez desorganisaJo, nao se sabe como,
posto que nao tivesse sido derrotado ama vez. Meta-
de dos soldados dspersaram-se em guerrilhas, as-
solando lodo o paiz ao modo do* B.ichi-Bouzooks
O* restos de tropas regulares, em forca de 18,000
homens, foram reunidos nos ultimo* diat de m-
vembro n'um campo enlrincheirado enlre Erze-
roum o Tuprak-Kale. Os doos exercito* eniao in-
vernaram.
Foi e*(a a feicao da guerra durante as duas pr-
meira* campanhas. Agora lereinos de compendiar
da mesma forma os successos desle anno at o mo-
mento' em que o commando supremo de mer-
Pachii vai dar as operaces dos Toreos om desata-
do vigor estratgico.
(Jornal do Commercio de Lisboa.]
honra
sua grandeza d'alma, pela extensao das sua* previ-
ses, pela ioteireza e o'nidade da sua poltica, ci-
mentou a uolo das dot* nacOes por ailo lampo
separadas pelo cime e pela detconfineu, mu que
espero conservarao para sempre, como disto o mea
nobre amigo o embaixador de Franca, a tua intima
e confiada uniSo. Muilos applautot.)
Temos tambem a etls meta o representante do
sullo, cujos subditos tem mostrado que tao dignos
do apoto que nos Ihe prestamos.
Temos finalmente ao oeiio lado o representante
do rei da Sardenbt, laoberano, cojo carcter excita
as maiores lympalbiat oeste paiz.
Espero que os repreteoltule* dos novaos attiados
adiarlo aqui por toda a parta a prora de que tetaos
plena eootUoca na sua constancia, e de que podem
contar com a resolucao da nossa grande naoao. Nin-
guem pode dovdar da qoe, desembainhaodo tilas
qualro potencias a espada, com a firme vonlade de
a nio tornaretn a embainbar emqoanto nao conte-
gairem o cumprimenlo dot seus projeclot, (muilos
applausos) nao ha esforz* humillos capazet de te
opporem sua vonlade.
Peco licenfa para propr urna saude ao noate Imm-
pede o lord maire.
lua das tuai alas levou de analto oseiilrinchei-
rameulo* do campo rusto, oode o general BebulofT
deixra urna pequea forca, lendo operado lora
da sua linha esperando flanquear o exercito torco.
Esle ilumnenlo poda ser funesto ao general russo,
porque elle propro eslava flanqueado pelo lado do
seu acampamento. A arlilharia turca, bem servida
e cummandsda cm parle por escolenles ofliciaes eu-
ropeus, causava grande* perdas aos Russos formado*
quasi sempre em.columna* cerradas, em quanto que
o* Turco em atiradores, estavam menos expos-
(os i arlilhria do inimigo.
Chega a occasiao favoravel para romper o cenlro
dos Russos por urna vigorosa ca.ga da cavallaria.
Um regiment de cavallaria regular e arremessado
contra um quadra lo, prem, desanimado com as
priineiras descargas, os cavalleiro* turcos recuam ; a-
\anca outio regiment ao qual succede o meimo e o
resto da cavallaria nega-se a carregar. Ao mesmo
lempo o destacamento russo de Bayasid, avauran lo
a marchas forjadas, comecava a chegar ao. campo
da batalha. Os Russos entau cobram animo, avan-
cam em columna a bayoneta contra a cavallaria li-
morata, e a infantera sem ncleo, e o exercito ol-
lomano he obrigado a retirar.
Mas antever a retirada, nao foi ama derrota : reu-
oiram-sc n'uma posicao all prxima onde os Russos
nao se aventuraran a ataca-los. Cada um dos doui
etercitns perder parto de 3,000 homens; a victoria,
como dissemos, licou indecisa.
Os Turcos combalereiu com intrepidez e O'alguns
pontos com urna firmeza que admirou aos Russo*,
acoslumados a sempre vencer os seo* adversarios na
Asia. Se a cavallaria turca tivera affronlado com
denodo o fugo da infanlaria, esla j vacillinle pelo
logo da arlilharia, houvera sido destrocada. Em
quanlo arlilheria turen, dislinguio-se pela rapidez
das nuil luas e pelas pontanas cerleiras.
No majo .lestes successos, Schamyl, com 10 ou
15:000 monlaohezei descia a planicie de Tiflis 'is-
Todos perdoavam-lhe a qualidade da Ricardo, por-
que nio assemelhava-se aos primos, e tambem por-
que catira com urna molher geraimente amada e
respeilada. Doui tilhos nasceram dttsa uniao : Tilo-
mas Ricardo, que havia de enriquecer com o nome
de Mr. Det Garennes, e Joao Ricarfo, o patift, que
deixra seu lilho Rolando, e fra, s o oiabo sabia
para onde.
O velho lalhador de madeira tinha morrido desde
muilo tempo ; mat a viuva ainda viva inornva com
teu lho Thomaz no catlello Det Girennei. lalvez,
apezar de seus ridiculos e de seus defeitos, esse Des
Garennes lito importante entre, os Ricardo* era ao
menos bom lilho.
Vejamos agora comooi Ricardos ratnenos velho*,
lores nmadas e mendigos (inham-se lomado
personagens.
O letor nos agradecer empregarmo* assim lodo
o nosso cu dado em compielar esla historia. Oulros
lempos, oulros coslumes ; aotigamenl os laborioso*
iovestigavam a* chronica* velhas para descobrirem
a origem de Bourhon, del Dreax, ou de Montmoren-
cy ; porqae razfio nio ter Ricardo, o alto barao de
nossa era, direito s mesma* atlenc<5es'.'
Havia em Antuerpia, abaixo do eastello, em urna
ra infeca e escura um Ricardo, qae nao era rtto-
neiro, nem segador, nem mendigo ; venda roupaa
j usadas, movis velho* e mesmo alfarrabios. Ot
oulrot Ricardos nSo o conheciam; elle nao tioha
mulher nem lilho*. Entre o* fregueies que affronla-
vam a lama da ra para varitirern teu srmazeiri a-
chas a-se um etcrevinle r,e advogado einmagrecdo
pelo Irabalho c pela miseria. Esle vinha procurar
livros de direilo, o* quaeslia quasi sempre do prin-
cipio ao lim sb pretexto de comprados. O alfarra-
bsla e elle eram amigos.
Um dia, na poca em qaaNapole.lo promulgou os
coJigos, o etcrevenle de advogado chegou mui pensa-
tivo casa do adelo ; seu-, olhot estavam ardente*. e
a emocao corava-lhe um tanto as faces paludas. Ri-
cardo pergunlou-lhe qoe tinha, e o escrevente res-
ponden :
Son pobre como Job, e licarei sempre pobre
rrqoe iai tenho com que comprar um ctrlorio.....
todava ha em moha cabecil urna idea que vale
cerlamente urna riqueza.
O adelo ergoeu os hombros e eicl.imou :
Ah 1 eu admirava j milito que Vmc. nao ti-
vesse ainda lido ideas que valem urna riqueza !
O escrevente poz-te a folhear os alfarrabios que
estavam expolio! venda. Quando o adelo vio que
elle calava-se, detejou conhecer a famosa idea. O et-
crevenle qoe eslava tambem aocioso por allviar o
cerebro, exelamou :
Minha idea he simple*, e Vmc. lia de compre-
hend-lu embora nao tenha uenhuma nuca do di-
reilo... O novo ,'odieo matn o uto e o costume ;
de ora em oanle a Franca itera tica aujeila a mes-
ma lei ; o anligo processo e seus formulario* nao
exislem in: is... Ora, ha demanda* penden.es, e de-
mandas que han de nasrer ; dame das formulasilei-
conhecidss do novo processo todos hesitaran emba-
razados'... Nio fallo somenle do commum dos advo-
gados, fallo tambem da maioria dos homens de lei...
Londres, 10.
No banqaele dado honterii em honra do novo
lord maire, S. Exc. o conde de Persiguv disse :
Ha trinla e cinco anno* NapoleSo I exprima o
seu pezar por nao ter podido vencer os preconceitas
dos dous povos da Inglaterra e' da Franca, e por
nao ter podido conservar a amizade da Inglaterra.
Que grandes cousas, exclamava elle, nos poderia-
mos ler feilo juntos
Esla* grande* coasas fazem-se agora para felici-
dade e seguranza do mundo. O lomlo de Napo-
leao raaebeu a piedosa visita da vosea illoslre rai-
nha, e no reinado d'oulro Napoleao qoe compre-
hendeu 01 verdadeiros ileresses do sea paiz, a
Franca lornou-se a intima alliada da Inglaterra.
Lord Palmerslon responden nos tegunlet termos
ao toast dirigido taatninislros da rainha :
Mylord maire, em nome dos mens collegas e ou
meu peco-vos que recebis o nossos mais vivos
agradecimenios pela honra que nos lizesle propondo
esle Ivasl. He sempre salisractorio para aquelles
que sao honrados com a coiifianra da coroa, sen-
lar-se mesa do primeiro magistrado desla grande
cidade.
..Qthomeni^ictrregados da directo dos negocios
pblicos nao serum dignos da alta posc,ao qoe
occupam.se nao tivessem cousciencia da importancia
do commercio.
As mprezas commerciaes sao urna das princ-
paes bases da grandeza e poder das nac,oe*. Du-
rante a paz o commercio leva a loda a parle e ea-
lende a civilisac,ao ; eslabelece relaroes entre as
nares e derriba as harreirasjque separara os po-
vo* ; finalmente reune-os nos lardos de urna fraler-
uidade universal. .
Quando infelizmente a guerra rebenla, o com-
mercio fornece os meio* de a susteotar com inccesao
para alcanzar ama paz gloriosa c doradoura.
Em lodos os lempos, mylord maire, se deve con-
siderar como a mais nobre posicao a que um ho-
rnero pode aspirar, o ser eucarregado dos negocios
de una grande oicaocoiuo esta. Porem se lia mo-
mento em que os homens encarregados de urna tal
missAo se julguem orguLhosos pela honra que se Ihes
faz, e ao mesmo lempo convencidos da grave res-
ponsabilidade que o seu elevado carg Ihes impoe,
he o actoal, muilos applauso") porque nunca urna
narilo appresenlou ao mundo mais nobre espectcu-
lo do qae a uacao britnica nesle momento. Ap-
plausos.,
HEmpreheodemoi urna grande lula sem precipi-
lacao, sem lemeridade, tem leveza, mas depon de
madura e completa reflexo ; emprehendemos es-
la lula porque conhecemos qoe a guerra era lao
necessaria,quanlo justa, (applausot) e a nacao mos-
Ira de urna a iitrt.extremidade do paiz ama deci-
dida resolucao de se sojeitar a todos os sacrificios
que a guerra possa exigir (applausos prolongados
para a continuar al que alcancemos a paz com as
condiedes qae lemos direilo de eligir. (Muilos ap-
plausos.)
Temos boje aqu, senhores, o representantes dos
ires alliados que se unirn) a nos nesta grande em-
preza. Temos a esla iR.sa o embaixador do impe"
rador dot Francezes, esle grande alliado que pela
Tendo os delegados maocipaes da cidade de Ber-
lira dirigido ai suas felicittc/aea ao rea pele ani-
versario do sea nascmenlo a 13 de outubro, ettt
respoodeu-lbet pela teguinte caria :
Agradece sinceramente aos delegado! muaicipaes
da minha eapilal e residencia de Berlim os votos de
fel cidade qoe el les me dirigiram por occasiao do an-
iversario do mea nascimeolo.
Tao agradavel foi para meu corceo paternal a
expretsao de urna fldelidade e dedicarlo inabalavees
d parle de orgftos Uo honrados a importante*,
quinto foi penosa a impretsJo qae em mim produ-
zirara as eleifOet qoe tiveram lugar ha pooco nesta
cidade para a cmara dot depulado*.
O vosso toracao nobre e leal ha de seali-lo
como eu, principalmente em um tempo em que a
prmeira necessidade do paiz he dar forja ao go-
verno.
Seat Souci 31 de outubro de 1855.
Fredtrico Guilherme. -
L-te na correspondencia Havas :
Berlim 9 de notemhro.
A reiposla do rei muoicipaet fesaqoi grande teiiMcao. Asaim devia
ter, porque o ral queixa-se do rttollado dat jlet-
ele* de Berlim para a segara!* cmara.
Por conseguinle a prmeira pessot que oflerecerum
formularlo de processo conforme i prescriprdes do
cdigo, ficar rica!
O alfarrabisla perder o soirisn sceplico desde o
principio desle discurso ; no meio cocan a orelha,
no lim lirou os ocolos e mrlteu-os na caia. Toda-
va disse com ar desdenhoso :
Esta idea nao me parece iniit boa !...
O escrevente abaxou a cabera, e volloo para aeu
aposento.
Dize-me... gritn o alfarrabisla no momento
em que elle ia dobrar o ngulo da ra, lenho a p.i-
nella ao fogu ; queres participar da sopa, meo rapaz?
O escrevente parou raaravllhado ; se livrse visto
ahalari'in-se e dansurem as torres do caslellode An-
gers, sua sorpreza nao teria sido maior.
Comprarei algumas garrafas de vinho, lornou
o adelo, e poderemo* regalar-n*!
O escrevente vollou ; o alfarrabisla comprou o vi-
nho promeltido-, e regalaram-se. Regalando-se, eis-
aqoi no que concordaram :
Posto que Ricardo nao arhatse a idea muilo boa,
promelleu p-la em execucao eoni lano que o es-
crevente Ihe aolrcgaste o manuscripto do formula-
rio dentro de quinze dias. Todas as despezas fica-
riam a cargo do alfarrabisla, o qual consenta gene-
rosamente em repartir os lucro* com o autor na*
proporr/ies segointe* : ouze doria* pira elle Ricar-
do, urna duzia para o escriplor.
O escrevente vollou para a casa mui contente, e
sondando colheila de ouro. No da seguinle os dous
socios parliram para Par* na rotunda da diligencia
de Anjou. Em quinze das u formulario loi compi-
lado, o duas semana* depeis foi expolio venda nat
livrarias de jurisprudencii.
O formulario leve sestela edicis no mesmo an-
no. Nao le como foi feta a pardilla ; mat he certo
que Ricardo comprou a grande livraria de Saint
Ao lie des Arts e o etcreveuie morreu pouco de-
pois 00 hospital. Lancemos urna flor sobre o tmu-
lo desse Chtlterlon do processo !
Entretanto Ricardo runlinuoii a crescer na eslima
de seus concidadaos. Era commercianle hbil, mui-
lo exacto e inflexivcl, e como nao sollreu aajveze* foi
proclamado hornera de bem. Foi decano da livraria,
juiz do tribunal de commercio e raerabro de mudas
sociedades phitanlropicas. Seus proprios deleito*
serviram para sua noloriedade. Era duas vezes mais
ararento qae Uarpagon, e runlavam delle diverso*
fltos que davam-lhe a pona de exccnlriciJade, sem
a qual nenhum homem he completo entre nos. Seu
alfaiale por tua ordem fazia-lhe ralcat demasiada-
mente longsi ; elle icava-as por meio de suspenso-
rio-, a 1 proporc.l i que as calcas goarneciam-ie de
franjas por bailo, coi la va-lhe cuidadosamente as bar-
bas e afrouxaVa m uipensorios ; chegsva om mo-
mento em que o cs deacia-lho s ancas, e ao mesmo
lempo as perna* inseusivelmenle encunada, detco-
bnam-lhe os lornozelos; s entilo Ricardo comecava
a calcar meiai e a vei.iir cllele. As calcas duravain
mais 011 menos lempo astim, dimiiiuindo serapae
como la pe-iu de chagiin de Balzac. F.mfim clieaa-
vt a lerceira phase : quando as caljas ficavam mui
corlas, Ricardo recorra ao grande expedienta, tor-
ntva a ira-las al que o cs vollasse cintura, apara'
va-as ainda por bailo, e linha assim calenes novo*
alados galantemente na altura do juelho.
Todos sabiam essa historia, todos sabiam tambem
que Ricardo, decano da livraria, e juiz consular, lo-
ma v a pontos as meits de seda que caleava as oc-
rasues solemnes, com obreias prelas. Euat cuntas
divertan) a muila gente na Bolsa e nos salOet do
commercio mediano. E nao podemos dizer que pre-
c,o urna boa replanlo de avareza d entre nos ao
papel de um velho patife I
Dorante saa vida o livreiro nao qoz jmaii abrir
sua porta a nenhum Bicardo. Correr a noticia oio
sei tomo em Treves, em Tull'uaux o em Saint Lam-
ben de* Levei de que os Ricardas tinham em Parii
oro primo mail rico do que Cresus. Raloneiro*, se-
cadores e mendigos tiveram logo a mesma idea, e
sem combinaren), parliram lodos oa quasi lodos para
a eapilal. Cada um levava alguma coma para brin
de ; un* um presunto, oulro* um cesto de ma(4a*. A
chronica afllrqia que o livreiro eliminando aeu* po-
bre* prenles, nao leven a roalvadeza a ponto de re-
geilar-lhesssofferta*. Viveu seis mezes de maceas
e de presuntos, depoii do qoaet cabio doente e mor-
reu ufloeido de colera no dia em qae o medico Ihe
receil ira vinle e qoalro tanguesuga*. Queriam ven-
der-liras a seis sold* cadn ama I Este prejo exor-
bitante m itoii-o de repente.
Os Ricardos linham vallado desde muilo lempo
para suas caa*. Corra** um boato pelai doat mar-
geos do Loire, e os andrajos da tribu Inteira agita-
rain-se ; foi urna festa telvagem e eslrondoia : sem
duvida o livreiro estremecen uo fundo da sepultura.
Os Ricardos abracarara-se, bateram-se, andnram um
dia inler ebrios de alegra a de agurdenle, e de-
pois precipilaram-se segunda vez para Par*. Toda*
a* idade*, lodo* o* *exos eram representados nesta
cfila qoe ia dausando e gritando em busca dos escu-
dos do avareoto. Ninguem *u*peilava o que poda
ser a tribu symbolca do* Ricardo. Pareca o povo
hebreo dirigindo-te a Chanaan. E no camiuho ou-
lros Ricardo* vinham reunir-te cruzada ; sabiam
de todas as malla* e de todas as moulas. Ora era um
mia'ravel Callul saltando sobre urna perna, e trazan-
do com ufana s coala* tna saccola remendada ; ora
era om burguczinh j vellido com a*seo de palito j
muilo usado ; aqu gorda* campooezas, all um ban-
do de vagabundo*, acola um risonllo enxame de ra-
parigas. E tuda isso era Hicardo I E proporc,3o
que a estrada adianlava-se, lodos esses Ricardos afas-
tavam-se uns dos oulros trocando olhare de odio
dissimulado.

Chegando t Paria achatam a casa do defunlo cheia
de Ricardos qoe haviam sahido debaixo dat eti-
cadas da capital, l'm choque lerrivel esleve pres-
tes a haver entre os dous exercitos. Nao eram mais
urna tribu os Ricardos, eram urna nacao Assim a
riqueza do livreiro corra o risco de ser dividida in-
flnilamenle ; o ningnem abia se 01 Ricardo* de An-
ito.por exempl 1 Icriam com que pagar a viagem.
O livreiro nao dexara testamento ; houve grande
demanda, c os gasfns auso veram quasi melada da
riqueza, vp-jue"foi rejigio-ainenie segoido o for-
mulario RitSB^KaWo qoinhao dot empregados
L-te no meimo jornal : .
Lord Howden, ministro da Inglaterra na corte de
Madrid, acaba de entregar ao gabinete hespanhol
orna nota diplomtica, oa qnal protesta contra a
nomeicilo de M. Domingos Moostich para goveraa-
dor da Fernando P, ilha siloade no gotpho de
Gula. -
A Inglaterra ameaca com tratar eeta pottataao
como om depotito de eteravot, se a medida da que
se quexa nao for revogada. Em spoio dat sua* re-
clamares ella declara que tem em seu podar docu-
mentos ofliciaes pelos qoaes se prora due M. Do-
mingos Moostich se empregava. no commercio da
eteravatora em grande escala, quando residi en)
Whidah, na costa de frica.
O novo governador de Fernando P he tambem
interetttdo na propriedide de urna embarcacao por-
teneente a catas de Barcelona, a qoal os cruzeiros
apprehenderam como sospeita de se destinar a um
commercio prohibido.
Pela sua parte os proprielarios da embarcaras ap-
prehendida expozerara as suas queisis ao governa-
dor. Esle parece qae al agora nao fez caso nem das
representacOe* nem das qneixas que Ihe foram diri-
gidas.
L-se em urna correspondencia do Times, escrip-
ia do campo da 4." divisae em 25 de oolobro :
Os habitante* da pequea aldeia de Kareni, tilua
da a meio caminho de Baltclav. ao moeteiro de S.
Jorge, ot qoaes durante lodo o sitio de Sebastopol
tinham estado tranquillos oas suas hnbilac/les, rece-
bendo orna parte do tempo, se nio foi todo, racCes
dot alliado* qae queriam poupar-lhes o horrores
da fome, exptimiram depois da tomada de Sebasto-
pol o desejo de ser traosporlados para um ponto da
Crimea oecupado pelos Russos.
Dea-se arito to iuimigo, e fizeram-se 6t arraojoi
neceisarios. Sabbado pastado foram, embarcados
para Kaffa. O prncipe Viclor de Hohenlobe com-
mandava a embarcarlo que os levava a bordo, e foi
acompanhade pelo major Ross algn* ofliciaes que
lam como cariosos.
Os Ingle/es lerabrados ainda de Hango, lomaran*
prudentes precaucOei, e flzeram observar rigorosa-
mente as formalidades. A' vista de Kaffa ota odia-
da jutlica, e eliminados ot Ricardos de conlrabando,
o resto foi repartido desigualmente entre urnas quin-
ze caberas.
0 raloneiro pai de Dn TaiHIt leve trinta mil fran-
cos, a raai de Augusta vinle e cinco mil francos, os
Ricardoi de Saint Lamben des Leves que haviam
de chamar-te posleriormecle Des Jardins, Da (so-
rel e De la Luzerne receberam vinle mil francos ;
depoit nt quinhOe* fortm diminuiudo al ao lalha-
dor de madeira pai de Det Careno, o qual apenas
leve qualro mil francos.
Os Ricardos qoe uada receberam foram declara-
dos falsas e expulsos da confraria ; os etcolhidv*,
quer livestem sido raloneiro), segadores, mendigos,
ou ainda cousa aeior, formaram detda eolio a verda-
deira e legitima familia Ricardo, rojo papel apaas
comer agora na Europa. Soa riqueza era ainda
mui msquinha, mai Berlrand Duguescliu fez seus
primeiro* exerticios de armas jogando morras, e Na-
poleao ganhoo a prmeira baialha con balas de
nev.
Os Ricardos linham sahido do lodacal ; o engenho
detta rara realmente nolavel devia fazer o reto.
1 ns viole anuos depois da morle do livreiro, m
poca em que pasta-te etla historia, a familia Ricar-
do nio era pira gr.icat; a mor parta de teui ratm-
bros linham chegado a poticoet importante*; ella
conlava em tea teio magistrados, baoqueiret, eccle-
iaslicos, diplomatat e proprielarios ricoi. Posto que
o pai houvetse tdo pooco favorecido na partilha,
Mr. Det'Garennes loroara-te como o centro da fami-
lia, e aquelles que nio queriam dar a o acaso o m-
rito dessa preeminencia, achavam-lhe o motivo na
superioridade de 101 molher.
Madama Det Garennet fra mu bella, e alada di-
va provas disso embora tivesse j dsae aonot de ca-
samento. Passava por conhecer a fundo ot myile-
riot da diplomacia commercial ; sabia encobrir por
meio de um augmento de luxo o incommodo mo-
mentneo, tabla sobretudu regatear a magnificen-
cia t brilhar em conla. Nao era muila amada, mas
a queni amava essa familia citada pela tua uniao pa-
Irlarchal 1 Todos admiravam-na, a era tmenle o
qoe ella quera. Todos iuvejtvam... toa cata do Pa-
r*, teu eastello dat margena do Loire, itto dtleita-
vi-a : o maior pezar parra eHtHeria tos nio fazer
morrerem de inveja seos bons prenles Ricardos.
Elle* leriam applaodido com eothasiasmo ruina da
prosperjdade dot Dea Garennes.
Julgariamos ioiullar o commercio honeste e a in-
d usina leal, se tonaassraos o irabalho de fazer aqui
exceptan em teu favor. A Irib Ricardo exttte ;
mas nao se infere dalu qae o commercio franesz
eja composlo tmente delta. Ha mullos Ricardos,
porm seus ridculo!, e seus vides fazem brilhar palo
contraste ot coslumes excellenle* de cecial familias
nobres pelo Irabalho, que adquirlrtm toa influencia
forca d integridade, de honra, e que lornariam a
elevar.* uome de neaocianle, se os Ricardos etnse-
gulitam jamis tfoga-lo no lodo.
Agora qnej esbocemos o quadro dessa familia
numerosa e respeitivel, tomemos novamtnle o fio
de nossa historia.
(Co*l.iit|ts.|a-JJ.)
"'-' aasaaf
.
.


*' '
"''0 KI|M'ttM SffADO 29 01 OEZEIBRO 8! 151
I tuta v*a t bor.lo lomar medidas relativas ao de-
sembarque doi einiuraiile*. Ficou para alminar, e
como alguna Ingle! detsem a enlander que julga-
vam que nao lites seria peruiillido desembarcar, o
ofcial disse que sim, e por fin desembarcaram.
Mal haviam posto p em Ierra, foriro cercados por
asna mullidao de hmeos, entre os quite vichan al-
go ns cossacot. Cada um delles monloa ero urna
irtmde sella de coasaco, censa bastante incomraoda
para os notaos cavalleiros, que nao estavam a cotia -
madot a este modo de civalgir.
Os Inglese* foram condatido* n cata de camp^!,
principe Gagarin, distante da pra.ia alaflm^Tiha"
foram receidos cora grande corleiiay^ principe,
qn* he um hornera dn seticnla aunes ^oueo roait ou
menos, que anda de aanletavplSr cansa da perda de
nota perm na campanhay^fo Caucase. O principe
falloo-thes em francoffdisse que entenda oj inglez.
Trouxeram-lheo^fueiras e urna mesa, e serviram-
Ihes inhy>e^fructss que elles aceitaran).
A cenversacio foi bem sustentada, e ajulgar 'pelu
que mediase um official presente, Coi quasi cordeal.
Fallon-se entre ontras coasas da guerra, e conis_
ram-te varios incidentes de sitio. Durante a coovcr.
safio o ofllcial ruase que tinba viudo a bordo dase
ao principe Gagarin algoroa cousa, de que o official
ingles percebeu so a palavra Kinburu. O principe
responden com urna viva exclamacSo inintelligivel
para os sens hospedes eslrangeiros, e pergnntoo em
seguida a estes quaes erara as ultimas noticias. Nada
da Inglaterra, Ihes respondern) elles, porem na Cri-
mea ha o ataque e tomada de kiubirn.
Esta noticia pareceu afleelar o principe; poreM
elle apeuas encolhen os hombros, e observon/que
en a fortuna da guerra. Quaodo os ofiiciaes vol-
larain para bardo, mandou-lhes urna provisSo de
vinho e de uvas que elles linliam mostrado desejos
de eomprar, ante* de Moer que Ihe* seria permillido
desembarcar, e pedio em troca cha. O* lngle-es.
roaudaram-llie cha, queijo e ontros gneros que jul-
garam Iba serum agradarais.
Aiaira terminoo este pequeo episodio amigavel
di guerra.
[Da Independencia Belga de 9.)
Londres, 8de novembro.
O Merning Chroniele publica o despacho e-
qninle:
Bcilira, qaarla a uoile.
Falla-te novamente que o czar fez recentemen-
U cnramuniearoet confidenciaes l'roasia e a Aus-
tria por causa do seo desejo de renovar as negocia-
COe*.
imperador da Austria parece ter-se eiprimido
neaaesmo sentido ao nuncio do papa n'uraa recente
entrevista. Boorquenay regressoa i Vienna muni-
do, diz-se, de novas instruecOes para a eventuali-
dade de proposlas da parte da Russis.
O principe Gorlschakoff (ministre da Russia em
Vienna) a os oulros ministros russos perlo das cortes
da Allemanha devem se encontrar com o ciar em
Varsovia pelo roeio deate mez.
A qnostio das negociares ser entio r
leda.
He fora de duvida que o czar e o principe duq
Conilinliin assistiram a eanhonadf do forte Ki
bnrn, dojalto de orna eminencia do lado de Otcl
kan".
1>) norso correspondente:
Londres 6 de novembro.
Lord Stanley, o faci he agora official, eslava
l>eJsoalmente disposto accailar, com lord Palmer*.
ton, o posto de ministro do* negocio* colonfaes, po
rem recnsoo, em eoaseqoencia do desejo exprimido
l>elo sen pai, o conde de Derby. He um fado la-
tnenlavel no ponto de vista de lodos os partidos,
porem maia especialmente no ponto de vista do par-
tida-tory que foi salvo de urna falsa poticflo pelt
acceitacJo de lord Slanley, sem que retallaste para
setrparlido nenlnim prejuizo real.
Lord Palmerslon enlregou-se novamente ao* to-
ry* em consecuencia das intrigas tambern descriptas
pelo Morning Adctrtiser, e nao seris sorpren-
dido senio da pouca guerra que Ibe faeim, e deci-
dirnte-ha brevemente o offerecer un logar no ga-
binete a Lowe. Terson Smilh oio esta na elevada
noticio ; lord John Russell seria impopular ; lord
Bagia entrar rodeado de um certe prestigio, mas
seria finalmente um ministro avaro. Todas estas
tsrgiversacOes teem era ratultadoleofraquecer o ga-
binete, e cada dia que lord Palmerslon deiza pas-
tar sera appellar ao paiz he para elle ama caosa de
fraqueza. Bttou convencido pela minha parte que
urna dissolucJlo do parlamento forneceria ao gabine-
te aetnal urna mni grande maloria.
Tereis visto pele* jornaes que Sr Carlos N apier
ttreleito no districlo de Soulhwark, sob o prele-
loeipresso ou por molivo que a svmpalhia qoe ins-
pira a enligo commandante da etqnadra do Blti-
co permute pouca opposirio. Sir CtrlosJNapior foi
inuto mal tratado por Sir James Grabara. Porem
nao be sobre lord Palmerslon qoe cahira o castigo
deste Impasto da opiniao publica; bem como
aaeatbre do gabinete de qoe Sir James Graham era
miuislro da marinha, nao se pode lomar reaponsa-
vel sent do* acto* esaauadoa do departamento de
na ara chafe.
Compre nao dar muila importancia a carta de
Cobden sobre a quettio da guerra, anda que a* ar-
gumento* que emita sejam marcados ao canto da
lgica. Astna* obsorva(oes noque diz re,pe lo n
situars* do exercilp tilo mullo justas. A emigraciu
na* lem roubado parte da populadlo que se|teria alis-
tado, a a orginisaco actual do muso exercilo nao
oaerece nenhuns altractivos aos jovens das dasset
superiores da sociedade.
Cobden tem igualmente razio quaodo censara o
Tismet e ojlorning Adeertiser, os dons jornaes os
Mi* lidos na Inglaterra, de qnererom lancer o paiz
n'otaa guerra indo alera dos seut recursos. Mude-
rai i vossa linguagem on augmeutai a vossa torca,
diz elle com muilo bom senso. Todava aquellos
qae quizerem concluir desta carta que o paiz, ou fa-
tigado ou por qualqucroolro motivo, eal disposto
a concluir a paz com condfc,des que nao seriara
completamente satisfactorias, eiiganar-se-hiara do
estado da opiniao publica nette paiz ; queremos paz
segura', mas qoeremo-la com condiroes honrosas e
em relie*) com os sacrificios feitot.
Nio queremos a humiliasio da Russia que poda-
r elgnm dia vir o ser nossa adiada ; mas he eo-
nboeer mal o carcter inglez, apezar de todas as
su* fallas, osuppor que o cansaco ou o receio pos-
ta lavar a naci as conceptees. A immensa influ-
encia daajarnaeto Times e o Adctrtiser a deaper-
tamm o* entimento* populare*, ja nao serio contes-
tados, e, marlelando todos o* dias a opiniao publi-
ca, prodozirs, sem dovida*orna impreasflo maior a
naaiseeravel, aiada que lamenUvel lalvez, que a
lgica de Cobden o dos amigos da paz .
a. f.
Correu e boato boje que um despacho telegraplii.
ca foi enviado aouuqne.de Nevrcastle, Crimea, pa-
ra Ihe arTereeer a pasta das colonias.
Osaermensde tua precipitada di-wducao so viode-
senvolvendo cada vez mais, porque o descrdito, em
muitaa parles merecido, emquo os acbx da domi-
nadlo progressisla fizeram caliir 'principios e a
pralica do governo represenlali>o, he o nico e ver-
dadeiro perigo da crise pellica para a qoal cami-
uhamos.
Anda que mo'apetecemos essa dissolu^ao ; por-
que nada vemos raelhor no horisonte da polica
contwnporanea, como aquella que lumou o seu pou-
1 de partida no principio dos poderea limitados, e
tettemunhados; porque sabemos d'oode se .,ia pa-
rar e o uso qne se pretendesse fazer do que reco-
tjbeeesse urna origem dislinct?, assisle com dor ao
espectculo do presente, e nao echamos na nossa
indignadlo palavras bstanle acerbas para condena -
nar a conducta dos que esli fizando da situar
actual a promesas lgica desle limido desenlace.
(Do mesmo de 13.)
Circularan) muilos rumores sobre os suaeessos de
SaragofB. Todos coovem enodarem itnportancia a
sjsblevacio que longe de apasiguar>ec, segundo ao
principio se julgava, maulinha-*nenaz e resistente.
O governo recebeu as duajrtj racia oulro despacho,
doqual oavimos assegurar a pessoa que julgamos
bem informada, quearniilicia nacional se havia col-
locado da parle diatfsublevados, e que as autoridades
se juigavam Impotentes para cnnlcrem e vencerm
a rebeliao.yn'ambem a noile se receberam despa-
leuao nao deve ser satisfactorio, quan-
do pao s communicaram pela Gazeta aos perio-
08.
Ha receios que o movimento de Saragoc se estn-
da a Valenca, cujo captio general se dimittio do seu
posto, nao se jutgando com bastante torca tara lu-
tar contra os multiplicadoa elementos de desordem
amontoadot naquella cidade. Tambern corra :i
nuite que as Vascongadas haviam occorrido succes-
tos gravea por molivo do goveruo querer vender os
bens ecclesiasticos.
A Gazela de hoje diz que por participaran do go-
vernador de Navarra de 12 esta capital eslava irau-
quillaetoda a provincia.
Em Saragoe,a ante-hontem in 5 da tarde alteraran)
a ordem algans grupo* qae qoeriam tentar contra
os barcos carrejados de trigo para a exportarlo.
Reunio-ie a milicia nacional e os grupos desappa-
receram do poni em que se haviam a presentado,
drigiudo-se para o centro da povoacAo : isto e al-
gumas pretendes que a milicia dirigi muoicipa-
lidade por molivo de caresta, junio as votes alar-
mantes que circularan), prodazio as fileiras da
(brea citada certa agitarlo que se fez sentir em
toda a cidade.
As autoridades cvia e militares c a raunicipalida-
desc reuniram paraouvirem as reclamarnos e nie-
laren) as medidas qoe se exigia.
Muilas commissos se apresentaram na munic-
palidade com pelifea daquella, a inunicipalidade
eedeu quaulo eslava ddntro dos limites de suas al-
tribui^Oes, offereceu alleader aos que rcclamavam.
A'snove da manhaa dehoiitem, a milicia tornou-se
a formar ao toque de chamada e tambern a tropa
com animo sean duvida de espor o reproducir as
suas pelires mas formalmente. As autoridades e
a municipalidade adoplaram tsdisposijoes necessa-
rias para devolveren) o sacego capital, o se ana
cortaran) algumas medidas sobre subsistencias.
O capitao general de Aragio, por parte telegra-
phica de 12, as nove e meia da noile. diz a este
ministerio qne a cidade de Sarago;a se achava com-
pletamente tranquilla, e que a milicia nacional que
eslava de sarviru patrulhava e cumpria bem com
ot eus deveres.
(Peridico dos Pobret no Porto.)
PEKMIBICO.
HEPAHTIfJAO DA POLICA.
Parte do dia 28 d dezembro.
llltu. e Exm. Sr.iLevo ao coohecimenlo de V.
Exc. qqedas diQerenles parlipipacdes hoje recebi-
dasnesta reparlirio, consta que se deram as seguin-
tes occarrencias:
Pela subdelegacia da fregnezia preso o porlugoez Ernesto Jos da Konseca, por in-
sultos.
E pela subdelegacia da freguezia de Sanio Amo-
nio, o pardo Manuel Francisco Pereira, por espan-
camenlu, e Thereza Mara de Jess, por feriineo.
las.
Deo* gnarde a V. F.xe. Secretara da polica de
Perntmbnco 28 de dezembro de 1855.Illm.eExm.
Sr. conselheiro JosBento daCunha e Figoeiredo,
presdeme da provincia.O chefe de polica, Luis
Cdrlof de Paita Teixeira.
COMMEHGIO.
RACADO RECIFE28UEEZEMBROAS3
HORAS DA TARDE.
Celajuet ofliciaet.
Descont de letlrat de 2 a (i mezes15 ao anuo
AI.FANDEGA.
Rendimeuto do dia 1 a 27. .
dem do dia 28. .... .
3467.8350
12:173j580
354:8}930
Oe$earregam hojeH9 de dezembro.
Barca inglezaTown of Liverpoolmercado) ias.
Barea porluguezaCor/o/o Ameliapedraa de cau-
laria.
Palpcho porlugoezAlfredopedras.
Brigue snecoTherezataimado.
Hiato brasileiroindo Paquetediversos seero*
CONSULADO GEIIAL.
Reidjmenlodo da 1 a 27 9ti:;87o4
dem do da 28 ....... 3:273J554
wMinm
DIVfltJSAS PROVINCIAS.
Rendimentodo da I a 27 .
dem do dia 28.......
5.-2S*#4fj4
50J919
5:3056383
Exportacao.
Porto, brigue porluguez Trovadora, de 3i5 tone-
ladas, condiizio o segoinle : 3.it0 taceos, 4 bar-
ricas o7 caitas com 17,674 arrobas e 7 libras de
asaucar, t quarlolat e 30 barris de mel, 30 pran-
cboea de vinhalico. 103 ', laboas de costado, t aacca
arroz, 1 dita caf, 60 ditas com 328 arrobas e 20 li-
bras dealgodao. 2 barricas farinha de mandioca.
' Lwboa, brigue escuna pnrtuguez Atrevidos, de
127 toneladas, conduzio o seguinte : 864 stecos,
i barnquinlias e 1 caixote com 1,444 rroba de as-
sncar.
Rio Grande da Sul, briaue brasileiro Inca, de
214 toneladas, conduzio o si amule : 400 barricas
e300meias ditas com 4,250 arrobas e 4 libras de
atsucar, 1,000 alqueires de sal.
RECEBEDORIA UBKBNDAS INTERNAS GE-
RAES DE PEHNAMBUCO.
Kendimento do dia 1 a 27 S6aMl9
dem do dia 28........1:S30220
2G:28832
CONSULADO PROVINCIAL.
Reudiraenlo doilia 1 a 17
dem do da 28 .
84:6629244
6:176f274
00:8385518
HESPANHA.
(Da Diario lleepanhol de 11.
Da lodos ot prognoslicos qne a situarlo do paiz
inspira ao* bomens dados a boscar no fundo deila
a* fortnaUt do porvir, ninguem te aprsenla nos-
sa viaUcom caracteres da mais inqnestlonavel e de-
ploradora evidencia como i da solu^ao nica o ter-
mo forcoso da dominacio actual, se retolve inevi-
lavoinenle n'uma dictadura, nao ja puramente da
forra, que isto, segundo as eircomstancias, poder.i
atr tMi*ou menos conveniente, mat naquella que
se deateea come rasga primario e caracterstico,ese
lome como ponto de partida a idea de coostilnir
permaneuiemente o paiz com o absoluto a systema-
licoprascindimentodas forma* que boje, todava
mal consignada e peior uotendidos, servem para
designar a soa oruaulsajo polilica com o uome de
unta atoaarebia couslilacional.
Emqoanluquo clomuiados lias suas inlenri'ies,
os bomens graves, ot legilimos represeutautes do
partido conservador, se preoecupam quasi exclusi-
vaineute destesclarlssimos signaea de um desauiace
qae quizeratn afaatar a todo o cuito, e perunte cuja
catrlemplatlo e conseqaencia desapparecem como
lev* vapor os actos dssaatrosut de urna dominacio
fugaz e espirante, nada intentara para evita-la, neo)
todava parecem cahir na conla da parle principal
qnanella haverao (ido os liomeni que arrogama re-
preseatnio exclusiva daa ideas liberaes e dos pria-
eipia<|oe te-n por objeclo fundar sabr m seu* na-
turaet menlos o governo qae lodos invocarnos. -
Cerlamenle, se o teloal houvnsae de ser eterno,
nadahaveria maia funesto, nada mai* depreasivo
para a diauidada a pan o homem do nosso paiz.
MOVIMENTO DO PORTO.
Saltos sahidoi no da 28.
Por loBriaue porluguez Trovador, capitao Joa-
quim de Azevedo Canario, carga assocar.
Cabo da Boa EsperanzaBrigue americano Noble,
cspiao M. Ludberg, carga parte da que trouxe.
EDITAES
O lllm. Sr. inspector da tliesouraria provin-
cial, em cumprimento da reaolu;ao da junta da fa-
zenda, manda fazer publico, que no dia 17 da Janei-
ro prximo vindouro vai novamente n praca para ser
arrematada a qoem por menos fizer a obra do em-
barreamento da estrada do sul entre o* marcos de
7,000 e 8,000 bracas, avahada em 990.
E para cooslar se inandou allixar o presente e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da IhesOuraria provincial de Pernam-
bnco 24 de dezembro do 1855.O secretario.
Antonio F. d'Anunnciaran.
O lllm. Sr. inspcclor da Ihesouraria piuviucial
em cuiuprimculo da resolurau ilajunla da oatjatta,
manda fa/.er publico que as obras supplemeotares *
laier-se na poule sobre rio Capibaribe na estrada
do Po d'Albo, vo uuvamenle a praca no dia 17 de
Janeiro prximo vindouro, para seren arrematada
a quera por menos as lizer, 'avallada* em 12:8918820
tais.
| E para conslar se mandoa afxar o presente e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da Ihesouraria proviucial de Pernaoa-
buco 17 de dezembro de!855.
O secretario.
A. Jf. d'Annuneitrao.
O lllm. Sr. inapeeior ,|^bdf>^L.pr**inciali
era cumprimento da raaolfle an jaiMW* fizand*.
manda fazer publico, que no dia 17 de Janeiro pr-
ximo vindouro, vai novamente a praca para ser
arrematada a qoem por menos fuer a conserYacio
permanente do 1. termo da estrada da Viclofa, ava-
hada em 2:0579000 res, por lempo de-'lO mezes.
E para contar se mandou allixar o presente e pu-
blicar pelo Diario. y
Secretaria da Ihesouraria provincial da Pernambu-
co 17 de dezembro de 185J.
' O secrelario.
A. F. d'Annunciarao-
O lllm. Srytftpeclor da Ihesouraria provincial,
em cumprmtnto da resoiuoo da junta da fazenda,
mandafaftr publico, que no dia 24 de Janeiro proxi-
no vlfldouro, vai novnmente prara para ser arre-
ada a quera por menns fizer a conservaran per-
manente da estrada de Pao d'Alho avaliada em
4:0(M*JOO() res, por, 10 mezes.
E para constar se inandou [allixar o presente |
publicar pelo Diario.
Secretaria da Ihesuoraiia provincial de Pernam-
buco 17 de dezembro de 1855.
O secrelario.
A. F. n'Annunciarao.
O lllm. Sr. inspeclor da Ihesouraria proviucial
em cumprimenlo da rewlucflo da junta da fazenda,
manda fazer publico, que no dia 21 de Janeiro pr-
ximo futuro, peranlea mesir.a junta, vai novamente
a prara para ser arrematada a quem por menos fi-
zer a conaervarao permanento da estrada do Sul
avaliada ein 5: tOOJtOOO reis, por lempo de 10 mezes.
E para constar se mandou allixar o presente e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesonraria provincial de Pernambu-
co 17 de dezembro de 1855.
O secretario.
A. F. d'Annunciarao.
O lllm. Sr. impeclor dalheaourariaprovucal,em
cumprimento da resolucao da junta defazenda.manda
fazer publico, que no dia 24 de Janeiro proiimo vin-
douro, vai novamente a piara para ser arrematada
" quem por menos fizer a conservacRo premanente
da estrada do Norte, avaliada em 1:20197% reis, por
lempo de 10 mezes.
E para constar se mandou afiliar o prsenle e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da Ihesouraria provincial de Peroam-
bnco 17 de dezembro de 1855.
O secrelario.
A. F. d" 4nnunciaro.
O Dr. Anselmo Francisco Perelli commendador da
imperial ordem da Rosa e juiz de direito especial
do commercio desla cidade do Kecifc, por S. M.
I. e C. ele.
Faro salier aos que a presente carta virem ou della
noticia liveremera como D. Mara Jos Piuheiro me
fez a pelicao do tbeor seguiote :
lllm. Etm. Sr. Dr. juiz do commercioDiz D.
Mari* Jos Pinheiro, que ndo-lhe Joaqun) Salda-
nha Marinlio devedor da unanlia de.1W>000,lhe ac-
ceilara urna lellra de dila quaniiaa prazo de seis me-
zes ecorreodo os juros de 2 por cenlo ao mez, aqual
leudos* vencido a 12 de Janeiro do anuo de 1838 o
supphcado nao Ihe pagara, e querendo ella propor
tua ncrilocompetente auo vota podido fazer por
ler o supplicado ae ausentado para fora desta pro-
vincia para logar onde a supplicante ignora at o
prsenle, porque se acbe prestes a espirar o prazo
marcado pelo arl. 453 do cdigo cimmercial para a
prescripro dos dbitos de semelhanle naturez, por
isso qnerendo a supplicante garantir seu direito e fa-
zer inlerromper a mesma prescripcio, vem requer
a V. Exc. se digne mandar tomar por termo o seu
protezto.e que justificada a ausencia e incerteza do lu.
(tarde residencia do-supplicado porsenlenra a mesm
juslificarao a prsenle caria de edictos para por ella
ser a sopplicado intimado do mencionado prolexto
de conformidade com o disposto no 3 do arl. 453.
do cdigo commercial e arl. 391 do regolamento d
2,i de novembro de 1850.
Nesles lermos-Pede a V. Exc. deferimenlo-E R.
MeAdvogado, Calanho.
Tome-se por termo o protesto da sopplicante e
juialifique a ausencia do supplicado.
Recfe 6 de deaombro de 1855___Peretti.
Aos 14 de dezembro de 1855, nesla cidade do Re-
cite de Pernamboco, enTmeu escriptorio veioo Dr.
Deodoro Llpiano Coelho Calanho como proenrador
basiaulede D. Mara Jos Pinheiro, e disse peranle
mim e as leslemunhas a baixo assignada-, que pro-
leslava por parle de sua conslituinte contra Joaqoim
Saldanha Marinho, pelo conlendo em tua pelicSo
retro, que fazia parte do presante lermo para o flm
na mesma requerido.e de como assim o disse e pro-
tettotfassignou com as lesterounhasopresente termo.
Eu Maximiano Francisco Doarte eserivio priva-
livo do joizocommercial o escrevi.Diodoro Llpia-
no Coelho Ctlanbo, Jos Gonralves de S, Leopol-
do Ferreira Marlius Ribeiro.
E mais se uaoconliuha em dita peliao.despacbo e
termo aqu todo copiado. Depois do qne produr.in-
do a tnpplcaule anas leslemunha, e suhindo-me os
antos a conclusao dei a senlenra do theer se-
guinle :
A vista da inquiicao de fl. 5 a (1.6 verso, jolgo
provaoa a ausencia em lugar nao sabido do justifi-
cado Joaqoim de Saldanha Marinho, pelo qoe man-
do que seja citado por edictos para o tim reque-
rido na peticio. de fl. 2 pasiando-se a respectiva
carta com o prazo de 30 dias e rustas.
Recite 21 de dezembro de 1855.Anselmo Fran-
cisco Perelli.
Emaissenaoconlinlia em dila senlenra aqui cu,-
piada, emvirlude da qoal o escrivao que esta tub<-
creveu mandou passar a presente carta com o praso
de 30 dias, pela qual e seu Iheor se chama, cita e hei
por intimado ao supplicado para lodo o lira decla-
do na peticio e lermo de proleslo aqu lodo copiado.
Pelo que toda e qaalquer pessoa, prenles ou amigos
do supplicado p poderao fazer sciente do qoe cima
tica exposte. E oporteiro do juizo afiliar e publicar
esta nos logares do coslume e ser publicada pela
imprensa.
Dada e passada nesla cidade do Recie, aos 22 de
dezembro de 1855.
Eu Maximiano Franciscco Doarte, escrivao a
subscrevi.
Anselmo Francisco Perelli.
O Dr. Anselmo Francisco Perelli, commendador da
imperial ordem da Rosa, juiz de direito especial
do commercio desta cidade do liedle de Per-
nambnco, por S. M. I. e C o Sr. D. Pedro II,
ele, etc.
Faro saber aos que a presente carta vrero, ou
della noticia tiverem, em como Gnmaraes & Hen-
riques me fizeram a pelicao do Iheor teguinte :
lllm. e Eim. Sr. Dr. juiz do commercio. Gui-
maiaes& Henriques, querem protestar judicial-
mente contra os devedores abaixo declarados : Joa-
qoim Jos Esleves, pelo importe de orna lellra ven-
cida era 20 do marro de 1842,a quantia de 8539676;
Jos de llollauda Barros Cavalcanti, dito de urna
dita vencida em lide tetembra de 1848, a quantia
de :<6>io0 ; Francisco Soares Leiilhier, dito de urna
dita vencida em 10 de novembro de 1848, a quanlia
de 509 ; Francisco de Paula Mendonca, dilo de urna
dila vencida em 14 de setembro de 1848, a quaulia
de 99#9O0 ; Mauoel Porfirio de Castro e Araujo, di-
lo de uina dita vencida em 13 de dezembro de
1850, a quantia de 430.110 ; Jos Mara da Silva
Jacnnda, dilo de orna dita vencida em 19 de no-
vembro de 1851, a quanlia de 338 ; Frthcisco Xa-
vier de Oliveirae Ignacio Lopes da Silva, dito de
ma dila vencida em o 1- de setembro de 1843, a
quanlia de 47/430; Jos Urandao Jonior, dilo d
urna dila vencida em 6 de abril de 1851, a quantia
de 1319120 ; Juliao Leocadio de Lima, dito de urna
dila vencida em II de abril de 1848, a quanlia de
1:0289415 ; Manuel Jonquim Flix da Costa, dito de
orna dita .vencida em26 de jaucico de 1853, a quan-
tia de 1269040 ; Jos Francisco, Pereira Fonles, dito
de una dila vencida em 28 de elembro de I .Sil, a
quanlia d*>S09; Claudino Jo*e Bastos, a importan-
cia de seu debito 969 ; Francisco Antonio da Ro-
cha, dito de urna dita vencida em 30 de inarjo do
1851, a quantia de 400* e^mai's 1:7389280, impor-
tancia du qualro letlras vencidas, sendo a I. da
quanlia de 4009, em 30 de abril de 1851, a 2.a da
mesma quantia om 30 de roaio do raesmi anuo, a
3." da de 909200 em 28 de junho dilo auno e a
4. da de 4489080 em 30 do mesiqp mez de junho
e anno ; Claudino Pereira de Caslro, dila de oina
dita ein 30 de junho de 1852, a quanlia de ra......
3609040 ; Manoel Juaquim Dorio, dito de ama di-
ta dil. era 5 de Janeiro de 18)1, a quantia de rs.
2M340 ; Praca & Magalhies, dito de duat ditas
dUas em 5 de junho de 1852 e 18 de juliao de
1851, a quanlia de 4:3319123 e maia 2:0089601 im-
poriaaeia de urna contt de livros a que esli obri-
gados os mesmos; licolao Josqunn de Gnuveia, di-
lo de urna dila dilaam 14 de novembro de 1851,
a quantia de 1509' mais 7 letlras, sendo da mes-
ma quanlia, vencij. a 14 de dezembro de 1851, a
14 de janero. feveeiro e marro de 1852, e Iros
sendo urna de 146&venci la a I i du abr) do mes-
mo anno.oolra de 0 veneida eni 22 da maio do
dito anno, e finaln ate a lercera de 128600 ven-
cida em 4 de outi ro do j dilo anno ; Filippe
Jose de Almeida, i o de conla de livro 2009 ; Jos
Angelo Marcio da Iva, dito de dita dilo 3058;
Francisco Antonia Ksleves, dilo de dila dilo rs.
1308746 : Jato da Mita Cardoso dito de dila dilo
4468747 ; o Jos Juquim da Silva Madeira, dito
de-dita dilo 77305Q todos auzente* a de residen-
cias incerlas, o qneqoerem os suppllcanles provar
para serem expedas as caria* de edilos em as quaes
se far a inlimaraodo protesto dos supplicanles, co-
mo o determina o ni. 453 do cdigo commercial no
3.
Pedem a V. Eb. deferimento. E R. M___
Martin* Pereira.
Torae-se por temo o protesto do supplicante,
sendo dilo protest intimado aos devedores prsen-
les e justifique oamesmo* supplicanles a ausencia
dos oulros. Recifr 19 de dezembro de 1855.A. F.
Perelli.
Aos 19 de de/.mbro de 1855, nesta cidade do
Recife de Pernnbuco,oo meu escriptorio vieram
liuimarcs & llanques peranle mim e as lesle-
munhas abaixo asignadas disteram que proteslavam
pelo rnnledo en sua policio relro e supra, qae fa-
zia parle do preste termo, para o lim na mesma
requerido, e de emo assim o disaerara e protesta-
ran), assignarameom as leslemunhas o prsenle
termo.
En Maiimianof'ronrisco Duarle eserivio priva-
tivo do juizo rormeicial o escrevi.Guimaries &
Henriques.JosiGoneatves de Miranda.Manoel
dos Santos Azevdo.
E mais seno onlinha em dila policio e termo
aqui copiado, serlo-me os autos conclusos dei a sen-
lenca do Iheor squinle :
Atteodcndo aiuslificacio de fl. 6 i fl. 7 verso,
julgo provadi a usencia dos justificados em lagares
oio sabidos, mano que para o lim requerido na pe-
litio de fl. 2, sejrocitados por editos patsando-se a
competenle carla:ora o prazo de um mez e cusas.
Recife 22 dedezenbrode 1855.Anselmo Francis-
co Perelli!
E mai- senio ranliuha cm dila senlenra aqui
transcripli, em \rlude da qual o eserivio que esta
subscreveu niamlai passar a prsenle carta de edi-
tos com o prazo d) 30 dias, pela qual e seo Iheor se
chima e intima,e hei por intimados aos supplica-
dos devedores auenlet cima declarados, de lodo o
conteudo na pef$io e termo do protesto cima
(ranscript). Pela que loda e qaalquer pessoa, p-
renles ou amigos jos dilos supplicados, os poderlo
fazer trenles do soa cima fica exposto ; e o por-
teiro do juizo alfiuara e publicar a presente nos lu-
gares do coslume a sera publicada pela imprensa
Dada e passada nosta cidade do Recife aos 24 de
dezembro de lKn. Eu Maximiano Francisco Doar-
te, eserivio privalvo do juizo commercial, a subs-
crevi.
ttuelmo Francisco Peretti.
O Dr. Auselmo Fmeisco Perelli, commendador da
imperial orderaJa Rosa, e juiz do direilo expecial
do commercio dssta cidade do Recife, provincia de
Pernamboco po sua mageslade imperial e consti-
tucional o senlur D. Pedro II, a quem Dos guar-
de etc.
Faco saber aos rem, em como Joa Mara da Costa Carvalbo, me di-
rigi a pelicao dotlieor seguiute :
Diz Jos Mara da Costa Carvalbo, eslabelecido
nesta cidade, que sendo-lhe devedores em diversos
ttulos as pessoas ansiantes da relafio janla, mora-
dores nesta proviicia,e fora della, dos quaes nio
lem noticia, e nir querendo o supplicante perder o
seu direilo, segn oque diipoeo artigo qualr-
cenlos e ciucoeutae Ires, paragrapho lerceiro do c-
digo commercial, cquer que lomado por lermo o se0
protesto, o procedudo-se nos termos legaes se patte
caita de edilos paa serem intimado* do dilo protes-
to e verei'i correrle mixo a prescripcio, e assisn.
Pede a V, Exc, lllm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio assim he defira como requer o suppli-
canteE R. M.Jos Mara da Costa Carvalbo.
E maia te nio cmlioha em dila pelirio na qual dei
o despacho do llior Mgninle:
Tome-se) por temo o protesto do supplicante que
justificar a ausenta das supplicados.
E mais se nio ootiahe era dilo despacho, om vir-
lude do qual o ecrivio lavron o termo de proleslo
do Iheor seguiolt,
Aos 28 dias do oez de novembro de 1855 nesta
cidade do Recife veio o supplicanli Jos Mara da Costa Carvalho, e
disse peraule as eslcmuuhas abaixo aaignadas, que
proteslava pelo ciiendo em la pelicao retro, con-
tra oa supplicado: referidos na relario seguinte que
faz parte do presinte ttrmo, para o lim em dila'pe-
Urao requerido, ecomoassim o diste e protestou as-
sgnou com as le lerouuhas o prsenle termo.
Eo Maximiano Francisco Duarle, escrivao priva-
tivo do juiso corarierciil o escrevi.Jos Maria da
Costa Carvalho, Islanislao Pereira de Olivcira, Nor-
berto Alves Cavacanti.
E mais senio oiilinlia em dilo termo de protesto,
depois do qae sema-se a relaco dos devedores do
Iheor seguinte.
Pernamboco 2 de novembro de 1855, relac.lo das
dividas em obrigi^es e letras perteooanlos ao abai-
xo assignado.
Manoe Paes te OHveira. 1258980, Ignacio Jos
Peslaua, 173825(1, Vicente Jos da Cosa a Miguel
Correia de Miranda 448670, Patricio Jos de Almei-
da 428000, Jos Joaquim da Silva Braga, 13X8196,
Leandro Jos Mirtns Teixeira, 388000, Francisco
Ferreira de Alcailara Barro*, 309000, Joaquim dos
Sanio* Fraga 15"8630, Francisco da Rocha Preto
288100, Luiz Amonio Goocatves 4939304. Antonio
Marques dos San os 559400, Thomaz da Silva Dutra
Brasil, 688360, Anlonio Candido da Silva 328500,
Jos Maria Bocota 56360O, Oliveira Goncalvea & C.
619480, Anlonio Jos da Costa Prlto 2748175, Jos
Francisco Pereir: Feio 119360, Vicente Ferreira de
Souza 239*00, D. Senbornha Maria da Concedi e
sea* herdeiros 6:W)0900fl, Luiz Ignacio da Albuquer-
qne Mello 4O90O), Jos Iunocencio Pereira da Cos-
a e Francisco Mathias P. Costa 998232, Sebastiio
Anlonio de Albuquerque I09OO, Francisco de Pau-
la Albuquerque Montenegro, 2 letras 60O8OOO, Ma-
noel Comes da Silva e Manoel Gomes da Silva J-
nior em 3 lettras 4:3368900, Joaquim Francisco do
Rgo 7O9OOO, Manoel Francisco Guimaries 2000125,
Francisco Xavier Correa 119280, Jos Rodrigues Li-
ma 329403, Maooel Bezerra Cavalcanti e Albuquer-
que4288IO, Joaquim Ignacio de Carvalbo Mendon-
ca 269535, Francisco Xavier Cavalcante de Albu-
querque 43400, Anlonio Pires de Albuquerque Gal-
vio 1049473, Homem Bom Soares de Maeedo 369<
Engenio Uuperron :45800o, Antonio Pires de Albu-
querque Galvo 3589405, Manoel Jos de Serpa, em
2 lettras 9389415. Manoel Cavalcanti de Lacerda em
2 obrigares 5079048, Jos Gomes de S 178/600,
Bento Fernandes Rebello 3389140, Jos Marlios Fer-
reira 1359810, Antonio Pires Galvin 1049473, Pedro
Rodrigues dos Santos Franca l.ile 42OO0, Manoel
Toseano do Reg 3769500, Agostinho da Casta No-
gaeir> 4o0900, Alexandre da Cosa Pinlo 6008000,
Antonio" Anacido da Silva 5009000, dita do mesmo
5813*518, Antonio Franklin dos Santo* 5108365,
Jlo Delgorio Ferreira Comes 3289182, Francisco
Gomes Prente 199996", Anselmo Pinlo de Souza
34:18520, Francisco Xavier de Souza 1318200, Agos-
tinho ChralMacdo IO4&000, dita do mesmo lOOg
Galdino Marques de Pinho Galvao 2999185 JoSo
Baplisla Carneiro Liio, 66-9000, Jos Lourenro
de Freilas UHt9000,Jos Maria da Cosa Carva-
lho.
E inais senao conliiilia em dila relami, o tendo o
supplicante produzido suaa tesleiuunhas, e me sendo
os aulos conclusos, nclle, dei a senlenra do theor se-
guinte:
A vista da inquiridlo de folhas 5 u folhas 6 verso
por onde se uioslra eslarem ausenles em lugares uio
sabidos os iudividuos designados na rcla(io de folhas
3, mando que para ser-lhes intimado o proleslo cous-
tanle do termo de 11, 2 verso se passe carta de e-
dilos com o prazo de 30 dias; e cnslaa. Recife 12
de dezembro de 1855, Anselmo Francisco Perelli.
E mais senio continha om dJM sentenca aqni
transcripta em virlude da qual o er-ivao qae esta
subscreveu mandou passar a presente arla da edic-
tos com o prazo de 30 dias, pela qual e seu theor, se
chama, e intima, e hei por intimados ios sopplicadot
devedore latentes cima declarados, de lodo con-
eudo na pelirio e lerrnp do proleslo cima (rana-
ri i|.i i. Pelo que loda e qualquer pessoa,prenles ou
amigos dos dilos supplicados os podero fazer scienles
do que cima fica exposto; e e porteiro do juizo fei-
xar a presente nos lugares do costme, e sera pu-
blicada pela iroprensa.
Dada, e passada nesta cidade do Recife aos 18 de
dezembro de 1855.
Eo Maximiano Franeisco Duarle, eserivio priva-*
livo do juioz commercial o subscrevi.
Ancelmo Francitco Peretti.
O Dr. Anselmo Francisco Perelli, commendador da
imperial ordem di Rosa, juiz de direito espacial
do coramsrcio desta cidade do Recife, provincia
de Pennmbuco, por S. M. I. e C. o Sr. D. Pedro
II a quem Dos guarde, ele.
Fac>> aaber aos que a prsenle caria virem, em
como Anlonio Carlos Pereira de Burgos Ponce de
Len me fez a pelirio segointe :
Diz Antonio Carlos Pereira de Burgos Punce de
Len, que tendo em seo poder varios ttulos de que
he credor, e devedores diversas pessoas ausntete
alaomas desconhecidas, de que nio ha noticia, e
cujas residencias sao incerlas, constantes da relaco
junla, vem o supplicante requerer a V. Exc. que se
digne de o admit ir a protestar, como protesta para
conservario e ressalva de scus djreitos contra seos
devedores respectivos, e que se Ihe tome por lermo
o seo protesto passando-se caria de edictos para ser
intimada aos supplicanles devedores ou a seus her-
deiros, atim de iulerromper-se a prescripcio na for-
ma do artigo 453 paragrapho 3 do cdigo comm.;
pede a V. Etc. lllm. senhor Dr. juiz de direito do
commercio assim Ihe defira.E B. M.Dr. Nasci-
menlo Feiloza.
.Nada mais se continha cm dita pelicao qual dei
o despacho segninte :
Tomo-te por termo o protesto requerido, e inti-
me-se aos devedores presentes, justificando o sup-
plicante a auzancia dos oulros, afira de Ihes ser mi-
mado o dilo protesto por carta de edictos.Recife
13 de novembro de 1855.Peretti.
E mais se nio continha emdilo despacho, em vir-
lude do qual o respectivo eserivio lavrou o termo de
protesto do Iheor seguinte :
Aos 13 dias do mez de novembro de 1855 nesla ci-
dade do Recife de Pernambuco em meu escriptorio
veio o solicitador Flix Francitco de Sonza Maga-
lhies, e oa qualidade. de procurador bstanle do snp*
plicante Anlonio Carlos Pereira de Burgos Ponce de
Len, disse peraule as leslemunhas abaixo as-
signadts qne nos lermrs da peticio relro, que fica
sendo parle do presente, proteslava pelo seu canteo.
do, e de como assim o disse o protestou, fiz o pre-
sente, no qual se assignou com as mesmas testemu-
uhas. Eu Francisco Ignacio de Torres Randeirn,
eserivio interino o escrevi.Flix Francitco deSuu-
z Magalhies.Mauoel Alves. JoAo Caelano de
Abren.
Nada mais se continha em dilo termo de protesto
em seguida ao qual se via a relacao segninte :
Joiu Camello Pessoa de Siqaeira Cavalcanle por
lelra vencida em 10 de Janeiro de 1845, correndo os
juros de 2 por cenlo ao mez 298, JoBo Camello Pes-
soa de Siqueira Cavalcante por lelra vencida em 1 de
abril de 1846 correndo os juros de 2 por cento ao
mez 908. Ignacio Camello Pessoa de Siqueira Ca-
valcante por lelra vencida em 29 de dezembro de
1845 correndo ot juros de 2 por canto ao mez 909,
Manoel do Reg Barros por letra vencida em 30 de
Janeiro de 1847 vencendoos juro* de 2 por cento ao
mez 7608865, Leonardo Bezerra Cavalcante da Sil-
veira por saldo da 3 letras vencidas em 12 de maio
de 1847, em 12 de maio de 1848, em 12 de maio de
1849, correndo os juros de 2 por cenlo ao mez
3688876, Joao Cavalcanle de Albuquerque Mello,
Anlonio Brazilino de Hollanda Cavalcanle por letra
vencida em 7 de Fevereiro de 1841 correndo os ju-
ros de 2 por cenlo ao mez 628, P"r letra vencida em,
15 de fevereiro de 1841 correndo o premio de 2 por
cenlo ao mez 4479731, por letra vencida em 28 de
fevereiro de 184*1 correndo o premio de 2 por cento
ao mez 4179, Joao Rodrigues dos Santos Franca
Leite por letra ve'ncida em 16 de julho de 1844 cor-
rendo o juro de 2 por cenlo ao mez 899600, por le-
tra vencida em 17 de julho de 1844 correndo ot ja-
ros de 2 por cento ao mez 388, Joio Francisco Bor-
ba por saldo de urna letra vencida em 30 junho de
1845 correndo o juro de 2 por cento ao mez 1279600
Franeisco Xavier Cavalcante de Albuquerque por
lelra vencida em 30 de setembro de 1846 correndo
o juro de 2 por cenlo ao mez 228320, por lelra ven-
cida em 30 de onlubro de 1846 correndo os joros de
2 por cenlo ao mez 208, Pedro de Mello e Silva por
urna declararlo obrigaloria responsabilisando-se a
dividas de Mequelino Jos de Almeida e oulro.......
303986), Jos Cesar Muniz Falco por obrigacao
vencida em 26 de marro de 1846 correndo os joros
de 2 por cenlo ao mex 1248, Manuel Paula Cmara
e Auna Victoria do Espirito Sanio por saldo de letra
vencida em 18 de novembro de 1845 correndo o juro
de 2 por cenlo ao mez 648584, Joao Antonio de
Moura ou teus herdeiros por letra vencida en> 17 de
fevereiro de 1853, correndo os juros de 2 por cento
ao mez 1839600.Total 3:239-041. Recife 9 de
novembro de 1855.Antonia Carlos Pereira de Bur-
gos Ponce de Len.
Nada mais se continha era dita relacao, em virlu-
de do que dei a seguinte sentenca :
Alleodeudo a justificarlo de folhas 6 1 folhas 7,
jolgo provada a aazencia do* individuos consientes
da relacao de lis. 3, e mando que para o fim de-
clarado na pelicao de folhas 2, jam citados por
edictos, passaudo-se a respectiva carta com o prazo
de 30 das e cusas, Recife 22 de dezembro de
1855. Auselmo Francisco Peretti.
E mais servio continha em dita senlenca em
virlude da qual o c-rriv.lo que esta subscreveu, man-
dou passar a presente carta de edictos com o prazo
de 30 dias e cusas, pela qual e seu tbeor se chama
e intima, c hei por intmanos ads supplicados de-
vedores ausentes cima declarados de todo o conteu-
do na peticio e lermo de protesto cima transcripto.
Pelo que, toda e qualquer pessoa, prenles uu ami-
gos dos dilos supplicados os poderio fazer scienles
do que cima fica exposto, e o porteiro aluzara' a
prsenle nos lugares do costume e sera' publicada
pela impreusa.
Dada e passada nesta oidade do Recife aos 24 de
dezembro de 1855.Eu Maximiano Fraocisco Du-
arle, eserivio privativo do juizo commercial a subs-
crevi.Anselmo Francisco Peretti.
O Dr.' Anselmo Francisco Perelli, commendador da
imperial ordem da Rosa, juiz de direilo especial
do commercio por S. M. I. el'., o Sr. D. Pedro
II a qoem Dos guarde ele.
Fajo saber aos que a presente carta de ^edictos em
como D. Francisca da Cunta Bandeira de Mello me
fez a peticu do theor segninle<
Diz D. Francisca da Cunha Bandeira de Mello por
si e como viuva do fallecido Joio Carlos Pereira de
Burgos Ponce de Leou, que tendo Braz de Viveiros
Camello Pessoa, saccado por si e a favor da suppli-
cante nma lelra da quanlia de 5009, datada em 9 de
dezembro de 1813 a 6 mezes precisos, cum os juros
de 2 por cenlo ao mez ; assim como que leudo Vi-
cente da Cosa Bamos Brasil aceitado a favor do fa-
lecido marido da supplicanle 2 letras r,a importan-
do 7719668, saccadas urna a 4 e a oulra a 12 de
maio de 1838, a 6 e a 7 mezes precisos com os juros
de 2 por cento ao mez, quer a supplicanl* protes-
tar como protesta para resalva de 1 en direilo, a lim de
inlerromper a preanripro, senJoossupplicados inh-
umados do proleslo por odiclos,depois de justificada e
julgada ausencia e lugar incerlo dos meamos, como
determina o artigo 453 peragrapho 3 do cdigo do
commercio.Pede a V. Exc. assim Ihe defira.E.
R. M. Mr. Nascimenlo Feiloza.
Nada mais se conlinlia em dila peticio aqui Irans-
crlpla, a qaAlsei'.iio-rae apiesenlada Della profer o
despacho segninte :
Tome-se por lermo o proleslo do supplicanle, c
.justifique esle a ausencia dos supplicados. Recife
20 de dezembro de 1855.Peretti.
Nada nlais se coiiliuha em dilo meu despacho aqui
Iranscriplo, esjfvirlude doqual te lavrouo lermo de
proleslo teguinte :
Aos 20 de dezembro de 1855, nesla cidade do Re-
cite de I'crn iniliucoem meu escriptorio, veio elix
Francisco de Sooza Magsllios, procurador bastante
de D. Francisca da Cunha Bandeira de Mello e disse
peranle mim e as leslemunhas abaixo asignadas,
que por parle de sua co.istituinte proteslava pelo,
conteudo em sua pelicio relro, que fazia parle do
prsenle termo para o fim na mes-* '
de como assim o disse e protestou, ^<\
leslemunha. o prsenle lermo. Eu
Francisco Duarle escrivao privativo do?
mercial o escrevi.Flix Francisco de _
ualhiesLeopoldo Ferreira Martin* Ribeiro.Es-
tanitlao Pereira de Oliveira.
Nada mait se conlinha em dito lermo da proleslo
aqui transcripto, e leudo o supplicanle produzido
suat leslemunhas foraiu-me os aulos ondosos, e
oelles profer a senlenra seguinle :
Aliendeudo a justificar*, a< fli. 6 (1. 7 verso,
julgo provadi a ausencia dos justificados em lugares
nio tbidos, e mando que para o Om requerido em
ua pelicao defolha*2, sejam citado* por edictos,
passando-se 1 respectiva caria Com o prazo da 30
da* e cosas.Recife 22tde dezembro de 1855.
Anselmo Francitco Perelli.
Nada mai* le continha em dita senteuc'i aqui
trincripla, em virlude da qual o escrivao que ta
subscreveu mandoa pstsar a present carta di edic-
tos com o prazo de 30 dias, pela qoal e ten thtor te
chama e inlim >, e hei por intimados aos upplicados
devedores ausentes cima declarados de todo o con-
teudo na peticio e termo de proleslo cima trans-
cripto.
, Pelo que loda e qualquer pessoa, parenlet oa ami-
gos dos dilos tupplicados os poderao fazr scienles
do qne cima fica exposlo, e o porteiro do juizo af-
fixar a presente nos.lugares do coslume, e ser pu-
blicada pela imprenta.
Dad. p.,*ld. nesta cidade do Recife ao. 26 de i SilvV/c^SoV ;"oitoTelr.."d.'M7no ene
dezembro de 18o5. Eu Maiimianno Francitco
KEE
que trata.
Duarle, escrivao privativo do juizo commercial,
subscrevi.Anselmo Francisco Peretti'.
O Dr. Anselmo Francisco Perelli, commendador
dn imperial ordem da Rota, juiz de direilo etpe
cial do commercio desta cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco por S. M. I. e C. o
Sr. I). Pedro II a quem Deoa guarde etc.
Fajo taber aos que a prsenle caria virem,
em como Schaphtillin & C, me fez a pelirio le-
guinte :
Dzem Scbaplieillin & C.uulr'ora Schapheillin &
Tobler negociantes establecidos nesla cidade, que
iehando-se proiima a poca fixal.i pelo cdigo com-
mercial para a prescripsio das letras de commercio
e oulros ttulos, e sendo os supplicanles credores du
quinlias devidas pelas pessoas constantes da relario
junta por letras ja vencida*, vem pnale este juizo
fazer protestar contra os referidot devedores os de-
hitos de que filiara, afira de inlerromper a prescrip-
cio da lei.
Admiltindo V. Exc. nos supplicanles a dar a
jnttificacio deaaseuci*, visto qae o* mesmo* tio mo-
radores em lugares incerlo* e nio tbido* para serem
citados por carta de etilos,como dispoe o arl. 483.
3 do mesmo cdigo, lavrando lermo de proleslo. Pe-
dem a V. Exc. lllm. Sr.|Dr. jnz especial do com-
mejrio qne Ihes defira.E R.M.Jos Mariaunode
Albuquerque.
Nada mais se conlinha em dilo reqnerimenlo ao
qoal dei o despacho seguinte :
Tome-se por termo o proleslo dos supplicanles qae
jutlificario a ausencia dos devedores de que trata.Re-
cife 17 de dezembro de 1855.Prelti.
Nada mais se conlinha em dito despacho em vir-
lude do qae o respectivo escrivao passou o lermo de
proleslo seguinte :
Aos 18 de dezembro de 1855, uesla cidade do Re-
cife de Pernambuco em mea escriptorio vieram Scb-
pheillin, representados pelos gerentes Adolpho Scha-
pheillin, e disse peranle mim e as leslemunhas abai-
xo atsignadat, que proteslava contra Ganda & Ir-
mio e oulros pelo conteudo em sua peli(3o e relro,
e relacao qae adiaste te segu, qoe fazia parte do
prsenle termo, para o* fim na- mesma requerido
e de como assim o disse e proleslou assignou com a*
teslemuohas o presente termo.Eu Maximiano Fran-
cisco Duarte, escrivao privativo do juizo commer-
cial o escrevi. Adolpho Schapheillin, Coelho da
Silva Braudio.Norberlo Alves Cavalcanle.
Nada mais se conlinha era dilo termo de protesto
em seguida ao qoal se via a seguinle relajio.
Vencida em 14 de marco de 1849, orna letra acei-
ta por Jos de Oliveira Campos, da quanlia de.......
3009710 com o prazo de 6 mezes juros de 11|2 ao
mez, vencida em 14 de dezembro o mesmo cima
da quantia de 3008710, com o praz'o de 3 mezes e
os mesmos jaros, vencida em 15 de jaueiro de 1848
Joaquim Jos Machado Pimenlel da quaulia de.....
452-; i 15, como prazo de 8 mezes juros de 1 1|2 por
cento ao mez, vencida em 15 de marjo Joaquim Eze-
quiel Barbosa da quantia de 5528, com o prazo de
12 mezes juros de 1 1-2 por cento ao mez, vencida
em 15 de raarco^ de 1849 o mesmo cima da fquan-
tia de 55*9, com o prazo de 24 mezes juros de 1 1-2
4>or cenlo ao mez, vencida a 15 de novembro de
1847 o mesmo Ezequiel cima da quantia de 5538,
com o prazo de 8 mezes e com o mesmo premio,
vencida a 13 de abril de 1851 Fernandes da Luz &
Inuao da quanlia de 1759760, com o prazo de 6 me-
zes juros de 1 1|2 per cento ao mez, vencida em 24
de abril de 1851 os mesmos Fernandes da quanlia
de 448160, com o prazo de 6 mezes joros de 1 1|2
por cento ao mez, vencida em 12 de maio de 1851
os mesmos Fernaudes da quanlia de 469800, com o
prazo de 6 mezes e juros de 1 l|2 por cento ao meu
vencida em 30 de maio de 1851 os mesmos Fernan-
des da quantia do 2299, com o prazo de 8 mezes e
juros de 1 l|J por cenlo ao mez, veuoida em 15 de
agosto de 1851 os mesmos Fernandes da quanlia de
1568, com o prazo de 8 mezes e juros de 1 1|2 por
cenlo ao mez, vencida em 15 de oatubro de 1851 os
mesmos Fernandes da quantia de 2039250, com o
prazo de 8 mezes e juros de 1 t|2 por cenlo ao mez,
8 de fevereiro de 1851 Lemos Amaral & C. da quan-
lia de 2579150 cum o prazu de 4 mezes jaros de 1
1-2 por cento ao mez, vencida em 8 de junho de
1851 os mesmos Lemos da quanlia de 257;, com o
prazo de 8 mezesjarosxle 1 1(2 por cenlo ao mez,
vencida em 6de setembro Gandra & Irmioda quan-
lia de 5589, com prazo de 10 mezes juros de 11-2
por cenlo ao mez, vencida em 30 do dezembro os
mesmot da quantia de 6158320, com o prazo de 6
mezes joros de 1 1|2 por cenlo ao mez, vencida era
30 de abril de 1852 os mesmos da quanlia de 6158,
com o prazo de 10 mezes juros de 1 1-2 por cenlo
ao mez, vencida em 30 de junho de 1852 Joaquim
de Oliveira Maia Jnior da quantia de 2229i87,com
o prazo de 31 mezes c juros de I 1|2 por cento ao
mez, 30 de julho de 1852 o mesmo Maia da quantia
de 2228487.Pernambuco 1.5 de dezembro de 1855
Schapheillin & C.
Nada mais se continha ero dita relario em virlu-
de da quat dei a seguinle senlenca :
Avista da inquiriro de lis. 5 a lis. 6, pela qual se
mbstra eslarem ausentes em lugares nao sabidos os
individuos designados na relacao de fl*. 3, mando
qu: para a iulimacio do protesto constante do ler-
mo de ffs 2 verso.se passe caria de editos com o pra-
zo de 30 dias e casias. Recife 21 de dezembro de
1855. 7 Anselmo F'rancisco Perelli.
U mais se nio conlinha em dita sentenca aqui trans
cripta em virlude da qual o escrivao que eala subs-'
creveu mandou passar a prsenle caria de edilos com
o prazo de :I0 dias e cusas, pela qual o seu theor
te chama e iolima a hei por intimados aos suppli-
cados
o conteudo 01 pelirio a lermo do protesto cima
Iranscriplo.' Pelo quu loda e qoalquer pessoa p.i-
rei.les ou amigo*do* dilos supplicados devedores
podorio fazer scienles do que cima tica exposlo, e
o porleiro do juizo fizar a presente nos lugares do
coslume e ser publicada pela imprensa.
Dado e pastado nesla cidade do Recife de Pernam
buco aos 24 de dezembro de 1855.Eu Maximiano
Francisco Duarle, eserivio privativo du juizo com-
mercial o subscrevi.Anselmo Francisco Perelli.
justificar a ausencia dot devedores de
Recife 17 da dezembro de 1855.A. F. Perelli.
E mait 1* nao eonlinba em dita peticio e despa-
cho em virlude do que o escrivao lavrou o lermo da
proleslo do theor; forma, modo e maneira seguinle :
Aos 18.de dezembro da 1855 nesla cidade do Re-
cife de Pernimbuc em mea scriptorio veio o bi-
cha re I Jote dot Santo* Nona* de Oliveira como pro-
curador bstanle de D. Therea ooealves de Jess
Azevedo peranle mim a ai tettaaoonhu abaixo *-
signadas diste que por parle de aaa consliluinle,
proleslava contra Jote Dominguet Ferreira Fradel-
los e oulro pelo cooleado de soa pelicao qne fazia
parle do prsenle lermo,para o. fim na mesma-re-
querido, a de eomo assim o dina a prolettou^s-
Ignon com as leslemonlias o prsenle lermo. Eu
Maximiano Francisco Duarli, eserivio privativo
do juizo commercial o escrevi. Nnne* da Oliveira.
Estanislao Pereira de Oliveira.Joao AoSuUn de
Vasconcellos LeiUo.
E mai* se nio conlinha nem oulra cousa alguma
se declarava em dito lermo de proleslo depois do
qual se via a relacao do* devedores asuntes que lie
do theor seguinle :
Tres letras de Jos Dominguet Ferreira Fradallot,
1399908 ; qualro letrat de /.icarias Rodrgaos da
Pe-
dir, 1:0268768cinco letras de Maooel Anlonio
''"cas. 1:1529888 ; duat letras de Augutlo Baoaei-
n & C, 1068400 ; um vale de Jos dot Sania* Por-
l-N 1439320; duat letras do mesmo Jos do* Santo*
Porto, 5559; urna letra de Joaquim Teixeira Bastos,
6289920 ; duas lelras de Rernardino Jos Ferreira
Barbosa & C, 1839830; duas letras de Filippe Chll-
que, 9258045 ; urna letra de Manotl Francisco dos
Santo, 2939840 ; orna letra de Maooel Jos da Sil-.
va Cabral, 2318 ; melad* em letra de Antonio to-
pes da Silva 1:0008; saldo de tres lelras de Modes-
to Honorato Vctor, 8129 5 doas letra, d Antonio
Mendet, 1:1798 ; saldo de urna letra de Francisco
Meona de fcoaza, 178250 ; urna lelra do mesmo
Francisco Mennt de Soaza, 628250 ; ama letra de.
Manoel Antonio de Azevedo Ramo, ajig-,. dn
letras de Anlonio Moreira de Almeida Leal, "sJmsjj.
doas lelra* de Ignacio Lope* da Silva, 1-0009 ; una'
letra de Franci*co Teixeira dot Regit Guimarle,
3188500 ; qualro letras de Joaquim di Coila Perei-
ra, 1:1609 ; daas lelras de Jos Alexandr* Seabra
de Mello, 1:1009; duas letras de Manoel Mendes
Bailo*, 256; urna lelra de Jeronymo da Costa
Guimaries e Silva, 495/850; urna letra de Francis-
cisco Manoel de Freita, 1269 ; ama letra de Fran-
cisco de Souza Muniz, 1109 ; ama lelra de Joaquim
do Santo* Azevedo, 1869545 ; ama lelra da Jos
Theophilu Rebello, 4799250 ; om vite do Eduardo
Bourgard, 200/; Manoel Francisco do* Santos e
Silva, saldo de conla 659400; Bernardiuo Jos Lo-
pes, saldo de conta 688000; Victoriano Augailo
Borges, aiids de conla 3*S>I00 ; Manoel Martina P
de Almeida, 1378972 ; ama obrigacao de Jet do'
Amaral, 1019120.
E mais se nio continha nem' onlra cousa algoma
declararjo em' dita relaco de devedores aowatar,
e tendo a supplicanle produzido soso tetleraanhn,
sellado o documento e tendo-me ot aolos conejeos '
ueiles dei 1 lentenco do Iheor segninte :
A visla da jnstificacSo de lis. 5 a fls. 6 verso, jua-
go prvida a amencia das justificados em logares
nao sabidos, e mando qoe para te Ihes intimar o
proleslo constante do lermo di folhas 2 vene, se
passe cirla de editos eom o prazo de 30 dias e
cusas.
Recife 22 de dezembro de 1855.Anselmo Fran-
cisco Peretti. '
V
j
,
Nada mais se conlinha nem entra cousa algasia
se declarara em dila seatenca aqui fielmente Iran**-
cript*, emvirlude da qual o eserivio qae eslatubs-
creveu mandoa pastar a presente carta de edicto*
com o prazo de 30 dias, pela qoal e seo tbeor te
chama e intima ehei por intimados ao* devedores
ausentes cima declarado de todo o codeado na pe-
licao e proleslo aqui transcripto. Pelo que lo-
da e qualquer pessoa, prenles oa amigo* do* dilos
supplicados os poderio fizer sciente* do qoe cima
fica exposto ; e o porteiro do jaizo ifliiiri' o pre-
seale nos lugares do coslume e sera (publicado pela
imprensa. ,
Dado e pastado nesla cidade uo Recife de Per-
nambuco ao* 22 de dezembro de 1855. Eu Maximia-
no Francisco Duarle, escrivao privativo do jaizo
commercial o subscrevi.
Anselmo francisco Perelli.
O Dr. Anselmo Francisco Perelli, commendador dn
imperial ordem da Rasa, ejniz de direito espe-
cial do commercio desta cidade do Recife, pro-
vincia de Pernambuco, por S. M. Imperial o
Constitucional o Sr. D. Pedro II, a quena Deo*
guarde etc.
Faco aaber aos que a presente earta de edictos
virem, em como Diogo Cockshslt & C, me dirigi-
rn) a peticio do theor seguinle:
. Diogo Cocktholl & C, oulr'ora negociante* nesla
praca, hoje representados par seas bailante* procu-
rador Samuel Power Johoston & C-. que qureen
proteitar para conserv acio e resalva de seus direites
e inlerruprio da prescripcio quanqoeunil, contra
os sen* devedores constantes da relasio juma, des
quaes algnn* residen) nesla cidade, ata* de eotros
oio ha noticia.
Para o que requeren) a V. Exc. te digne oxan-
dar lomar por lermo o prutesle dos snppliciotts,
afim de ser intimado aos sapplicades 00 a seaslirr-
deiros petsoalmenle, aos condecidos e presente* or
editaes, ao* desconhecidos e ausentes, e por edftaes
admiltindo os supplicanles a justificar a aatencr
destes em parle incerla pira o indicado fim nos ler- **
mos do arl. 453 3 da cod. corara, arl. Si I- ,
a arl. 391 do regolaraento n. 737.
Assim pois.Pedem a V. Exe. lllm. e Eni.
Sr. Dr. juiz de direilo do commercio dererimen-
lo.E R. MeAdvogado, Dr. Vicente Pereira do
Reg.
Nada maisse conlinha em dil pelicaofaqui bem
e fielmente transcripta, na qual dei e profer e roen
despacho do theor teguinte:
Tome-te por termo o proleslo dot eupplicantes
sendo o mesmo protesto intimado oes devedores
presentes, e justificados os supplicanle* a ausencia
dos oulros aaa ordem a Ihes intimar o processo em
queslio por carta de edictos.
Recife 13 de dezembro de 18S5.Peretti.
Nada mais se conlinha em dito meu despicho
aqui bem e ficlmenl* Iranscriplo, em virlude do
qual o escrivao qae esta ha esubscrever lavroa o
lermo de protesto do theor segointe.
Aos 14 de dezembro de 1855, nesta cidade do Re-
cife de Pernamboco, em mea escriptorio vea Sa-
muel Power Johnslon 4 C, enmo procuradvres bas-
tantes de Diogo Cockols & C, peranle mira e as les-
lemunhas abaixo assignadas, disse que protestara
contra Antonio Joaquim de Oliveira e oulros, e pe-
.
ranle miro e as leslemunhas abaixo assignadas disse
usemes'acima"draV.d'o"." '^iq*"'P-"" seus consliluinle* que fizit parte do preseote lermo
para o (ira na mesma requerido, e de como assim
o disse e proleslou assignou com a* lestemaohas o
presente termo.
Eu Macimsaiio Francisco Duarle, eserivio prira-
livo do juizo commercial o escrevi.Samuel Power
Johnslon C. ; Manoel Duarle Vieira; Luiz An-
lonio dos Sanios.
' Nada mais se conlinha em dito jrao de protesto
aqu bem e fielmente iranscriplo, e junto ae dilo*
protesto via-se a relaco dos devedores menles da
casa de Diogo Cockshotl, a qual he do Iheor se-
guinle:
Relacao dos devedores ausentes da casa de Diogo
Cockhott, representada nesla cidade por sen* bas-
tantes procuradores Samuel Power Johnslon & C
a saber:
Anlonio Joaquim de Oliveira, urna lellra vencida
am 30 de dezembro de 1840 1:7189057, Joaquim
Mauricio V auderlev o. C., por 4 leltraa vencida
em 12 de agosto, 12 de outuhro, 8 de novembro de
1837 e 8 de fevereiro de 1838 1:4918500, Joaquim
dos Santos Azevedo Jnior, por 2 lettraa vencidas
cm 31 de marco de 1850, 6779066, Julo Jaeintlio
de Souza, por ama lellra vencida em 15 de outuhro
de 1814 1659110, Jos Maria do Amaral Carduzo,
por 3 lettras vencidas em 15 de uutubro, 30 de no-
vembro de 1845 30 de Janeiro de 1846 2859000,.
Anlonio Jos Machado, por 4 lettras vencidas em 31
de Janeiro, 31 de setembro, 15 de onlubro di 1843 e
15 (Je jane. .' de 1844 5759000, Luiz Henriques.
por urna lellra vencida em 19 de novembro de 1845
4329-300, Jos Ignacio dos Sanios, por urna lellra ga-
rantida por Manoel Francisco de Azevedo Campos,
vencida em 17 de fevereiro de 1843 5568*90, Ale-
xandre Manoel de Souza, por 1 lettra vencidl.eso 8
de dezembro de 1842 7239620, Mlboel Bernardo
O Dr. Anselmo Francisco Perelli, commendador da
imperial ordem da Rosa e juiz de direilo especial
do commercio desla cidade do Recife pe)) S. M.
I. e C. que Dos guardo ele.
Faco saber aos que a prsenle caria de edilo*
virem, em como D. Thereza Gonralves de Jess Aze-
vedo, me Tez a pelirio do theor seguinte :
lllm. e Exm. Sr.Diz Thereza (onralves de
Jess Azevedo, vinva de Caelano da Silva Azevedo
e lulora de seus lillios menores que su desadore de
sen casal por obrigares vencidas e conla crranles
as peasoas cooslantei da relacao junta, e como al o
prusenle nio tenham pago as quanlias do que sio
devedores, mencionadas na dila reluci nem seus
competentes juros, vem a supplicanle em virlnde do
disprslo do irt. 453 do cdigo commercial protestar
judicialmente para salvar o direito de seus tutelados
requerendo a V. Eip. se digne mandar lavrar o
protesto intimado por edilos na forma de direito.
Pede a V. Eic. IUm. Sr. Dr. juiz de direito do com-
mercio Ihe defira como requer.E R. M.Advo-
gado, Xiinei de Oliveira.
E mait se nio continha nem oulra causa alguma
deca.j\* em dila pelirio, a qunl dei e pioferi o
'ifcho do Iheor, forma e maoeira seguinle:
Tome-se por lermo o protesto da supplicinlc que
'
f
l_
tu inn
i
'ftiiri


PIAR'O DE HRMMBUrO SBADO 29 DEZEIRRO E I8S6
I em 7 di tT .
j b Jrxssimo
l d Rocha/ ,.
. jfcuz. Li-
cio Jote f. .,.
_.. j vIiodel8il
nato Jordao, i4359086,
uarque. por letirts vencidas
los alvet Xavier, 342*000,
Silva Carito, 1479630. Anlooio
Ferreira, por I letlra veucida
18121989980, Joaqun Alvet
Jo deSoaza l.ima eSimplir
aa, por orna ledra vencida em II d_
2:693*510, Anlohio de Oiiveira ?lj! .U"
veoeida em 23 1* jolho de IM/T*180, ,
Rapoto Pereira, por 3 bilhele./C0Dr* om mU
junho 4, Ue 16 246300, Mbr\Arch,njo de BtT~
ro Cerreii, 10r8Mj)802, f0 P" d* S,lw'
7443000, Jote Joaquim da/'* LeUe> *53,5650.
Joao da &w de Meado/9*706'' lm1aim de
8oom Pinlo, W6Mn/ Domiugoet da Osla,
1 '21355, Al vira,
Francisco da
5:2838060, J.a
A o lano Jot
Carneiro I
Sanio*, f,i
hoit A. Samnei Power Johnslon & C.
N,,-mais a* eontinha a*f dila relajo aqui bem
t Hrnenia transcripta, e depois do qua lindo otop-
plt-inte produxido as suts (rMimnnhH. o eserive
.ea setter o aalos e loio m'os fez concluso, nos
q*ae* dei e profer anab aenleDca do llieor se-
aiale.
Allandaoiln a inqujrica.0 de fia. 8 na. '.I vano,
pela qual re morir talaren! anuente em lagares nao
ubidoi oa (upplicidos, mando que para o Qm ex-
porta na pelillo da St. 2, tejara eiltdot por edictos,
pissando-se a respectiva carta con o prats de 30
dial a coalas'.
Recite 2t de deiembro de 1855. nsetmo Fran-
cisco Peret%.
Nada mais te eenlinha em dila minlia sentenca
aqui bem e fielmente (raoaeripla, pela qual e seu
thear chama a iniimo a hei por intimados os deve-
doret coaitiDtes da relami cima transcripta.
Palo trae toda e qualquir peasoa parantes oa
amgs* das tupplicadot Ule poden laxar scientat
de que cima flea exporta, e o porteiro do juio fi-
xara a presente nos lugares do costme, e tora pn
blicado pela imprenta.
Dado e patuda nesta cidade do Recite de Per-
namboco, aos 21 de dexembro de 1835 Eu Maxi-
oaiano Francisco Dnarte, escrlvlo privativo do juio
commerel, oaubserivi.
Anselmo francisco Pirtlti.
"~^ Dr. Aaaeimo Francisco I'eretli, eommendador
da imperial ordem da Rosa e joix de direilo es-
pecial do commercio desla cidado do Recite, pro-
vincia de Piroarobaeo, per S. M. Imperial e
qnem Dos
saldo 762)295 ; idem aceita por Francisco Romual-
do da Silva, vencida em 14 de junho de 1840, reii
4419730 ; 1 idem aceita por Manoel Ferreira de
Albuqoerque, vencida em 25 de abril de 1811, abo-
nado pelo padre Jos Anlonic Marques da Silva
GuimarAes 8419175 ; t ledra aceita por Joao Anto-
nio de Mallos, vencida em 17 de oulubro de 1841,
28bd42, I dem aceita por Manoel da Silva Leite,
vencida em 25 4a maio de 1812, 1779225 ; 1 idem
aceita por Jos Antonio Seabra, vencida em 19 de
maio de 1812, 1729012; urna lellra aceita por Vi-
cente Ferreira de Mello Jnior, vencida em 20 de
Agosto de 1842, 3339980, 1 idem aceita por Ignacio
Xavier Carnairo da Cunha, vencida em 2 de feve-
reiro de 1843, 6939560 ; 1 idem aceita por Vicente
Ferreira Longinho.veneida em 29 de jnlhp de 1813,
5669185, 1 idem aceita por Jlo Alves de Carvalho
vencida em 29 de jnlho de 1843 2819220, i idem
aceita por o mesmo vencida em 13 de outobro de
1843 3209255, 1 idem aceita por o mesmo vencida.
30 de Janeiro de 1844 8I}975, 1 idem aceita por
o Ros, 639840, Jos Rodrigues doa
.-Como procurada de Diogo Cock- 'J mesmo vencida em 15 de outobro de 18443208255,
1 dem aceita pur o mesmo vencida em 10 de maio
de 1815 7999793, 1 idem aceila por o inesmo venci-
da em 15 de oulubro de 1845 3209255, 2:1239753, 1
Idem aceita -por o padre Jos Antonio Marques da
Silva Quintarais vencida em 25 de selembro /Je 1843
por saMo 6979566, idem aceita por o mermo venc
da em 22 da Alambro de 1844 7239683, 1:4219049,
1 letra aceila por Gaspar Leile Ferraz vencida em
7 da aatembro de 1843 209. 1 idem aceita por Ray-
munda Jos de Mello vencida em 26 de dexembro
de 1843 por saldo 6619880, 1 idem aceila por u mes-
mo vencida em 26 de agosto de 1844 6969870, 1 or-
la aceita por o mesmo vencida 248/140, 1:6069890,
1 letra acaila por Julio Antonio de l.ima vencida em
29 de fevereiro de 1844 3688852, 1 dila aceita por o
mesmo cima vencida em 18 de marco da 1846
739210,4429062, 1 dita acaiU por Manoel Antonio
Ribeiro vencida em 2 de junho de 1844 1869188, 1
idem aceita.por Jnaqnim de Soma Rolim vencida
em 26 de fevereiro de 1845 6349275, I idem aceita
por Jet Ferreira de Mello vencida em 28 da marco
de 1845 4709945, 1 idem aceita por Anlonio Pereira
de Oiiveira vencida em 14 de agosto de 1845 799790,
idem aceila por Vicente Ferreira Marques vencida
em 13 de julho de 1845 4489315, 1 lelra aceita por
Domingos Aflonso F-rreira vencida en 7 de feve-
reiro da 1846 3669740, 1 letra aceita por Domin-
go Jos Rodrigues vencida em 29 de marco de
184G por saldo 1528432 r., i idem aceila pur llel-
larmino Alves de Suuza vencida em 15 de Janei-
ro de 1847 por saldo 198000, 1 idem aceila por Jos
Pedro de Miranda Uenriquii em 8 de julho de
1847 409900, 1 idem aceita por Theoloiiio Joaquim
d'Albuquerque, vencida em 11 de oatubru de
1847, J999950; I idem aceita ;por Manoel C
valcanti d'Albuqoerqoe, vencida em 9de nevembro
de 1847,150/; i dem aceita poi Joao Dominsnes
Pereira; vencida emlde fevereiro da 1848,197/310;
1 Idem aceila por o Dr. Benedicto Marques da Silva
Acanan, vencida em 19 de julho de 1848, 4009 ; 1
idem aceita por o mesmo, em 19 de agosto da 18 48,
4819967 ; 1 idem aceila por o mrtmo, vencida em
19 de junho de 1840, 1:0009 ; 1 idem aceita pr o
CoulifaMrea** o Sr. i. Pedro II,
inlimador aor sopplicados declarados na pelic.3o ci-
ma copiada de lodo o Qm na mesma declarado e ter-
mo de protesto aqu (udo transcripto, palo que loda
e qualquer pessoa prenles on amigos dos tupplica-
dos, os poderflo faxer .cenles do que cima Oca ex-
rosto, e o porteiro do jnixo afiliar a prsenle nos
lugares do crlame e ser publicada pela impiensa.
Dada e panada oesla cidade do Recife aos 24 de
dezembro de 1855. En Maximiano Francisco Ou-
arle, escrivo privativo do jixo do commercio a
subscrevi.
Anselmo Francisco Perelli
1851 327S750, Theodolino Pintode Carvalho venc-1 de que por va de edllo seja intimado do mesmo
/
Faco raber aos qoe a presente caria viren), em
como Anlonio da Cosa Ferreira, me dirigi a
pelicio do iheor e maneira seguinle:
lUm. a Exm. Sr. Dr. jnix de direilo do commer-
cio.Dia Antonia da Coila Ferreira, residente em
Portugal por seu batlaolc procurador nesta praca.
que srndo-lhe devedores J0A0 Jacinlhu Obral de
lOKgOOO, por urna letlra vencida que corre premio,
Laix Leis Castalio Branca, por 1:2579470, por
"1 lellra e (ilulos qoe vence igoalmente premio e An-
tonio Jote Pinto, morador nata cidade, aquanlia de
1049. alea] do premia ; e para que se ule di) a pre-
eripgle e a todo lampo posta fuer valer o'teu difei-
no t contra 01 mincionidos tea* devedores, mas
lamben) contra os saeressores o berdairor do mes-
moa, venj jaanerer a V. Exc. que em virlode do
3 do art. Manso cnd. comm. se digne mandar tomar
por termo ata protesto, afim de ter diado por elle,
. Anlonie Jaai Piala, a 01 demais por adidos, depoit
J de prevala e jalgada n ausencia e incerteza de anas
\ reaidencias.Pede a V. Exc. dTenmento.E R.
Me.Procoralor bstanle, Anlonio Pinto de Barros.
E mais te alo conlaha, aera ama nem oolra cou-
sa alguma te declarara em dita pelijie, a qoat dei
e profer o deapacho do Ibeor. forma a maneira se-
gainle :
Tome-sa por termo o protesto do topplicanta
senda intimado o mesmo protestoao devedor presen-
te, ijastiaqae dilo snpplicante a ausencia doa oa-
v ir*.
Redfell de dezembro de 1855.Perelli.
E mais te nio conlinh em dita peti^ao e despi-
cho, era virlade slo qual o escrivio lavrou o lermo
de pretttla do Iheor, forma, modo e maneira te-
guiole:
Ao 14 de dezembro da 1855, nesla cidade do Re-
cife de Pernambuco, em meu escriptorio veio Amo-
nio Joiquiat Vidal, como procurador bstanle do
snpplioame^ntoaio da Costa Ferreira, a peranle
mim e a icslemunhas abaiio astignadas, ditse que
protestara contra JoSo Jacintho Cabral e oalros, pe-
lo uniendo na peIi(lo reir de seu eooslluiote,
qae faxia parle do presente termo para o rlm na
mesma requerida, a de eomoassim o date e pra-
terloo, aatignoai cm. saa. Ialafiiaii praa.uU
lermo.
Eo Maximiano Francisco Duarle, eterivio priva-
tivo do Junto rom inercia I,- o eserevi.Anlonio Joa-
quim Vidal. Muaatri Huirte Vielra, Joi Mara
Lionraives Vieira Guicnaraea.
E reate aa nao comino* nem ama una mm a'n-
aa alguma te declirava era dito icojo de protesto,
e lendoo supplicanle produiido tuat Untemunliat,
telladoi ot documentos, e sendo-mo es ...i. -
dnsot nelles dei a sentenja de theor, forma e ma-
neira segainhf.
Alista da Hrajuiricao de folha 4 a 5 vera, pala
qual te prora ealarem justificados ausentes em loga-
res oto tbidos, mando que para tar-lhes intimado
o pretcaW constante do termo da fl j verso, te passe
caria da edictos oom o praxo de 30 das e caitas.
Recita 2V Je dezembro de 1855.Anselmo Fran-
cisco Ptrettt.
Nada alais te conlinha nem ama nem uuXrl coa-
la algama te declarara era dita sentenca. aqui flel-
raenle iranscfiaia, em virluda da qoa I o eierivlo
3ue esta subscrevea, mandn paasar a presenil caria
a edictos com o prizo de 30 diar.
Pala qoal e seu theor ae chami e intima e hei por
intimado aos devedores tsenles cima declarados de
lodo o conleudo na pelic-lo e termo de protesto
aqui transcripto. Pelo que loda e qualquer pes-
soa, pranles 00 amigos doi ditos supplicadea po-
derlo fazer tdentea do que cima fica eipodo, e o
porteiro do jeito filar a pretente nos lugares do
coitame e tara publicada pela iinpreina.
Dada a pastada nata cidtde do Racidt da Per-
nambawa aos 27 de dexembro de 1855. Eu, Maxi-
miano Francisco Duarle, escrivio privativo do jallo
commerdtl, o tabscrevi.
Anselmo Franciico PerttH.
/
O Dr. Anselmo Francisco Perelli, eommendador da
imperial ordem da Bosa e juiz di direilo especial
do commercio do Recife provincia do l'ernanbo-
coporS. M. I. &.
Faco saber aos que asa caria virem em como Ma-
noel Luis Gon(alvea Be diriuio a peli(lo teginle:
Illm. a Exm. Sr. Dr. juir. de direilo do commer-
cio. Dix Mantel Lua Grucalve eomraurciante ei-
tabelecido nesla pra(a cam lojade faxeudatquesen-
do-lhe devedor Luiz Alves Barboia qoe agora te a-
tina Lat Alves Maximiano Barbota da quanlia de
262JS68 por na lellra vmeida em 24 de maio de
1848 que vence premio, aatim com a diversos deve-
dores coudos na inclusa ralladlo aquanlia priucipal
de 39:951579 Ipor lettras ebriga^es que igoalmen-
te veneem premio e par que e no d a presenp-
fio e a lodo o lempo posta fater reo direilo Dio t
contra ai mencionado! devedores mas lambem contra
os herdeiros a tnttessores dos meamos com o soppli-
caule raqaerer V. Ele. em yirtude aos disposto uo
$ 3 do art. 453 do cdigo coramercial se digue'man-
dar lomar por lermo on protesto e depois de provada
e jalgada a aoxencia e incelleza do lugar em qoe os
mesmo devedores residem tejmosles citados por
editos P. a V. Exc. referimenlo E. R. M. Heuri-
queda Silva.
Nada mais te conlinha em dilo reqoerlraenlo aqui
beav Halmanta copiado no qual dei o mau despaeb*
do leer tea,niara:
Tome-tepoi|lermoo requeridos-eaundoejuslifique
o supplicanle a ausencia dos devedores 'e que Irala
Recife 15 de aovembro de 1855. Perelli. Assim
dado o mea despecho em dilapdelo o escrivo
qoe enlao servia inlerinarueDle Francisco Ignacio de
Torres Baodeira lavrou o termo de protesto do teor
secainlp,
Aos 15 disido roet de norembro de 1855 nesla ci-
dade do Recife de Pernambuco em meu escriptorio
veio Manoel l.tic Gonfalves e peranl<: a (eslemu-
nhat infra assignaas diste qoe nos Itrraosdesua
porem retroqu Me faiendo parle do presente pro-
tettava contra osteal devedores, na mesma e nn ael-
liclo a ella annexa declarados: e de cono animo
ditse eprotestuo flxesle'yrmo noqajalse nssignn enm
as liilnnioh -
Ea Praice Ignacio de loatas Bandeira escrivo
i rilen no o eeerevi. Manoel I.mr Goncalvet, Manoel
Jote Searai do Avellar, Malhas de Axevedo Villa-
roneo.
E manenlo eontinha em dilo termo de protesto
aqui bem e fielmente transcripto dep,, do que va-
se a reliadlo dos devedores casa de llanoel Luiz
tioncalvrs coja rellano ara do teor sefahkie.
Reliadlo dot devedores a easa de Mano| Lux
Goaealvet para seren a inizarios a saber I leMra ac-
ceilt por Anlonio Francisco Bandeira ile Mello ven-
cedor em 15 de ootaaVo da 1834 1:3849974 1 Idam
Chrwtorio Mareira nales veacida em 21 de Janei-
ro 1836 por asida 1:544*361; 1 dar o mesmo, ven-
cida at 19 de julho da 1840, 1:2932li5 rs.
2:8375626 : 1 obrigaco de Pedro Cirnanle Bandei,
ra de Mello, vencida em 3 de feveriiro de 1817,
1789385 ; 1 idem do mesmo, vencida em 90 de abril
da 1837, 308*680, rali 44)74905 ; 1 idem de Jos
Rodrigan de Alroeida, veeeMt em 27 de marco de
1837, I29B600 ; 1 idem de Pe tro Celestino, veucid
ees 22 de marfo de 1838 abonado por Jota Anlonio
de Castro 3IG9565 ; 1 Idam de Jernnymo Cavalcanli
de Albuquerque, vencida cm 10 de abril de 1838,
1:1865250 ; Ideal de Jofl Rodrigues de Mesqaila.
vencida ero II de julho de 1839, por saldo 6549716 ;
1 idean aceila por Jlo Evangelista da Silva Tabora
veaeidt era 7 de julho de 1(97.4009000 ; idem acei-
ta pato mesmo, vencida em 7 deteleiabrode 1839,
189*555 ; o mesmo, coala de livro 107*825. ren
997*380 ; 1 lellra aeaila por UureneiMarlns das
eros, vencida em 13 de dezembro de 1839 portal-
do 250*ue0 ; obngtfio aeaila por Arnau Nonea de
nacida em 24 da fevtreiro da 1840, par
mesmo, veucida ero 19 da julho de 1850, 1:000* ;
1 idem aceili pelo mesmo, vencida em 19
de julho de 1861, 60478 ris 3:487*437 :
1 idem aceila por Domingos Gomet da Silva, venci-
da em 7 de agoilo de 1848, de Thereza Joaquina da
Jetas, 2009 ; I idem aceila por Claudino do Reg
Tosrann de Brilo. vencida em 24 de selembro de
1848,1009; 1 idem aceila por Miguel de Barros de
Snnza Oiiveira, veucida em l5dedembro da 18)8,
1008 i 1 ideu) aceita por Trajaoo da Molla Cavalcan-
li, vencida em 27 de marco de 1819, 115^932 ; 1
dem aceila por o inesmo, vsdeida em 27 de marro
de 1850, 115*932; 1 idem aceila por o mesmo, ven-
cida em 27 de mareo de 1851, 1159932: 1 idem
aceila por o mesmo, vencida am'27 dt marco de
1852, 1159932, ra, 4C39728 ; 1 idem aceila por Se-
bastiio Gnedes Alcolorado, vencida em 15 de no-
vembro de 1849 por saldo, 1068420 ; 1 idem aceita
por Francisco Jos do Prado, vencida em 30 de Ja-
neiro de 1860 por saldo, 33*040 ; 1 idem aceila por
BenloGonsalve, vencida em 2i de norembro de
1850, 42*640 ; 1 Idem aceila por Lait Pereira da
Cunha, vencida em 28 de dezembro de 1850 por
taldo, 46*755 ; 1 idem aceila por o mesmo. vencida
em 25 de selembro di 1851, 177*225, rs. 223*980 ;
idem aceita por Jos Paulo Travassos de Arroda,
vencida em 25 de marco de 1811, 800*; 1 idem a-
ceita por o mesmo, vencn.a em 25 de marco de 1852.
800*, 1 idern acceita por o mesmo, 'vencida em 25
marco de 1853, 8OO9, 1 idem aceita por p mesmo
vencida em 25 de marco de 1854, 8008, rs. 3:2008 i
1 idam aceita por Jeremas Pinlo de Miranda, ven-
cida asa21 do novembro da 1851, 530*760; 1 idam
aceita por Francisco d'AstitUliveira e Silva, vencida
em 22 da Janeiro de 1852, 260*, 1 idem aceita por
Eufrasio d'Arrada Cmara, vencida em 26 de Janei-
ro dd 1852 por saldo, 4098. 1 idem aceila por Anlo-
nio de Stqiieua Carvalho e Cuuha, vencida era 5 de
marco de 1852 por saldo, 327*900; I idem aceita por
Anlonio Paes Brrelo, veucida em 9 de marco de
1852, 544*710 ; 1 idem aceita por o mesmo, vencida
em 9 de aaaio de 1852, 799*218 ; 1 idem aceila por
Jlo Theodoro da Cruz, veudda em 23 di abril de
lia Lis-
boey vencida em 3 de anho de 1850j Vicenta l'n-
xrrn Benevnlos Pimetcl. :I9790*TJ; T-ttiem aceita
por Jlo Paulo Freir do linio, Severino Anlonio
Freir de Brilo e Joio Nepomuceno Freir de Brito,
veneida en 16 de oulubro de 1852, 200*380 ; 1
idam aceila por ot mestuos, vencida em 16 de oulu-
*fode1853. Apa-* lun 1 .1--,ii mola-
toxg Tectro lavares, vencida era 27 de dezembro de
1802 por rada, 78*360 ; I dem aceita por cann
Soares da Medeirot, vencida em 22 de agosto de
1830 por saldo, 22*800 ; 1 dem aceita por Joanna
Francisca de Albuquerque e S, vencida em 20 de
junho de 1853,10O9; 2 diUs de Porfirio Teixeira de
Mendonca, 3458580; 1 cerlidao de i.rpliilos da Joo
da Silva Mondes, 800/ ; 1 idem de Aalonio Alves
da Silva, 3358686; Francisco Barbosa Nogueira
Paz, coala do iivro, 3:2359340 ; I letra aceila por
Jlo Paulo Freir de linio a Jlo Nepomuceno
Freir de Brito, vencida ana 16 do oulubro de 1854,
400*: idem aceita por Novaet & Irmaos, veucida.
em 21 de selembro de 1847, 40*; aomma
39:317984. Pernambuco 22 de oulubro de 1855 ;
1 le lira aceita por Fraucisco Gomes da Silva, ven-
cida em 10 de Janeiro de 1845, 160480.; Novies
4 Irmlos conla de livro, 476J489 ; Somma ris
39:954*'93. Pernsmbuco 12 de oolabro de 1854.
Mantel Luiz Gooe,ilve.
Nada mais te conlinha era dita reanlo aqui bem
e fielmente transcripta : depois do que via-se doi
autos que o escrivio que eiilo servia jnntoo a in-
quirido de leslemonhaa dos sapplicanles, e logo
fez-meos referidos autos conclusos, nos quaes dei
rainha sedienta dv theor seguinle :
Allendendo 1 jutlilica(lo de fl. 9 a II 10 jalgada
provada 1 ausencia em lugares alo sabidos dos indi-
viduos designados na relac,lu de fl. 4 i fl. 8, pelo qae
mando que para o lim daelarado na pelillo de fl. 1
aejam citados por edictos, caja carta te pastar com
o praxo de 80 dias e cuslat. Recife 21 di dezembro
de 1855.Anselmo Francisco Perelli.
E'mais te nio continua em dila sentenca
aqui bem e fulmente copiada, em virtude da qaal o
escrivio que esta hade subscrever mandn pastar a
presente carta, pela qu-il t chaina e Intima e hei
por intimados, os individuos constantes da relaea
cima transcripta. Pelo qoe loda e qualquer pessoa,
parales ou amigos dos suppUcados, I lies poderlo
faxer Mientes do qua cima fica eiposto, e o portei-
ro do juio filar esta no lugares do1 coslume, ose-
ra publicada pela imprenta.
Dada e passada n'etta cidade do Recife, aos 27
diar do mex de dezembro da 1850.
Eu Maximiano Francisco Duarle escrivio privati-
vo do juizo commercial, a subterevi.
Anselma Francisco Perelli.
O t>r. Anselmo Francisco Perelli, eommendador da
imperial ordem da Ros* ejuiz de direilo espedal
do commercio derla cidade do Recife, provincia
di Pernambuco par S. M. 1. eC. o Sr. U. Podro
II a quem Deo guarde ele.
Faco saber aos qoe a presente carta virem em
ceato Francisca Marii da Rosa, me fex 1 pelicio do
Iheor seguinle :
Illm. a Exm. Sr.Diz Francisca Miria da Rota,
qae per morte de seu marido Antonio Ignacio da
Rosa, Ihe couberam meiaejio ama lellra de Ierra da
quanlia de 256*000, aceila por .Manoel Germano
Uuarque e garantida por Anlonio Buarque
de Lima aos 25 de egotto do 1840 com S meaas de
prtzo e juros estipulados de 2 por cenlo, maisa
quanlia de 153*380 rs., de principal de nina ola
Ipromissoria pastada por Joaquim Ignacio da Silva
bularle, aos -24 de oolubro de 1842 com 4 meras,
de prarose sjnros de 2 por cenlo; mais 143*321,
principal constante de 4 olas promissoria da quan-
lia de 359830 cada urna patuda por Hygino dot
Santos Araglo aos 23 de dezembro i'j 1849, com os
praios de 5, 8, 10 e 12 metes, jaros "e 2 por cenlo,
cerno al o presenta nao lenham tido pagas taes di-
vidas, vem a snpplicaale protestar pelo pasamento
deltas, requer a V. Exc. que mande lomar por ter-
mo o seu protesto, e bem assim a admita a justificar
que ditos devedores acham-se ausentes em lugares
incerlos e no libidos, afim de que sejnm intmalos
por ediclos oicmcimus protestos ni forma prescripla
peto arl. 453, 3 do cdigo commercial. Pede V.
Exe. assim Ihe delira.E R. Me Souto Maior.
Tome-re por lermo 3 protesto da supplicanle, qae
justificara a ausencia dos supplicados. Recite 18 de
dexembro de 1855.A- F. Perelli.
Aos 18 de dezembro da 1855, nesla cidade do Re-
rife de Pernambuco, em meu eacriplorio 'veio D.
Francisca Mara da Rosa, e peranle mim e ai leste-
mu 11 has abaixo anignadaa, diste que protesta va con-
tra Manoel Germano Buarqa* I oulros pele conleu-
do na tua peliflo retro, que faxia parle do
frtenle termo p.ra o fim ni mesma requerido, a de
como assim o dase e prolestou assigoou o prsenle
terrp-> Eu Maximiano Francisco Duarle. escrivio
privativo do juizo commercial o eserevi.Francisca
Maria du Rosa, Antonio l'ereira de Ferias.Jlo
Caelano de Abreu.
E mais se nio conlinha em dila pelicio "e termo
de protesto aqu ludo copiado, e produxindo a sup-
plicanle suar tertemanhat, snhindo me or sotos a
conclurlo dei a sentenca do Iheor seguinle :
Allendendo a justificarlo de lis. 5 u 6 verso, julao
prvido que os justificadas acham-se ausentes em
lugares incerlot e nio sabidos, e mando que para o
fim requerido na pelillo de dt. 2, sejam rilado por
edictos, paesando-se respecliva caria cora o prazo
de 30 dias e rustas. Recife 22 de dezembro de 1855.
Anselmo Francisco Perelli.
E mai seolo eontinha em dita sentenca aqui co-
piada, por torea da qual oescrivio qae esta lubirre-
veu mandou pastar 1 preesnle com o prazo de 30
dias, pela qual e sea iheor se chama, cita a hei por
O Dr. Anselmo Francisco Perelli, eommendador da
imperial ordem da Roaa e juiz de direilo especial
do commercio desta cidade do Recite provincia
de Pernambuco por S. M. I. e C. o Senhor D. Pe-
dro II, a quem Dos guarde, ele.
Faco saber aos que a presente caria de edictos vi-
rem era como Joaquim Francisco de Alem me fez a
pelicio do Iheor segnlnle :
Diz Joaquim Francisco de Alem commerciante
desta cidade que os pessoas constantes da relelo
junta Ihes slo devedores por letras da quanliat na
merma dedaradas, cajos ttulos acham-se ha muilo
vencidos, e seos devedores nio lem al o prsenle
tratado de resgala-los e como se aproxime a poca
da prescripclo dos direitos e acedes provenientes de
(lulos desea ordem, por isso vein o supplicanle pro-
testar peranle V. Exc. nos termos dos arligos443,
453 3 do cdigo commercial e arl. 390, 391 do re-
gulamento n. 737 contra tal prescriprjlo, e desl'arle
resalvaodo contra os sopplicados a aceao que Ihe
competir o teu direilo sobre os ditos ttulos. Por-
lanto requer que tornado por lermo o sea protesto
seja o mesmo intimado pessoalmenle sos devedores
de residencia caria e como oulros de prsenle se ig-
nore o lugar de toas residencias o serlo por edictos;
para isso protesta o supplicanle faxer a prova de di-
reilo. P. ao Illm. t Exm. Sr. Dr. juiz de direilo do
commercio daferimenlo.E R. M.CailelloBranco.
Nada mais se conlinha em dita pelicio a qual dei
o despacho seguinle :
Tome-te por lermo o protesto do supplicanle e
sendo o mesmo protesto Intimado aos devedores cu
ju residencies forem nestt cidade, justifique n sup-
plicanle 1 ausencia dos oalros, afim de ser-lhis em
lempo opporluno intimado o protesto em quesillo
por caria de edictos. Recife 12 de dezembro de
1855.Anselmo Francisco Perelli.
Nada mais te eontinha em dito despacho em vir lu-
de do qual o escrivio respectivo lavrou o lermo de
protesto do Iheor tagoinle :
Aos 15 de dezembro de 1855, nesla cidade do Re-
cife de Pernambaeo em meu escriptorio veio Joilo
Paolo Xavier doa Sanios, como procurador bastante
de Joaquim Francisco de Alem, e disse peranle
miro eat tetteraunhas abaiio signadas que proles-
lava contra Jos Feliciano Cavalcanli de Albuquer-
que e oalros pelo comeado em sus peticlo e relacao
que adianle se segu que fazia parle do prsenle ler-
mo para o fim na mesma requerido, e de como as-
sim o disse e proleilon astignuu com as letteraonhas
o prsenle lermo. Ea Maximiano Francisco Duarle
escrivio privativo do juizo commercial, o eserevi.
Jlo Paulo Xavier de Sallas. Loii Francisco de
Mello Tarares.Antonio da Silva Ramos.
Nada mais se conlinha em dito termo d protesto
m segaida ao qoal se ra a relaco seguinle :
Letras.
Anlonio Minoel Eslevlo orna letra vencida ero 1 af
de marco de 1845 5648748, Jacintho Jos Estrella
vencida em 12 de maio de 1815 105*160, Eslevlo
Marqoea vencida em 16 de junho de 1842 1789920,
Jos da Rocha Bexerra vencida |em 11 de junho de
1850 99*, Jos Beoto de Monra vencida em 3 de de-
xembro de 1844 134*080, Domingos Goncalve de
Araujo vencida em 7 de julhnde 1844 86*460, An-,
Ionio Jacintho da Cunha vencida em 12 de fevereiro
de 1841 60*, Jos Fernandes Ribeiro vencida em 13
de abril de 1840 572*660, Jos Diogo de Sanl'Anna
vencida em 26 de fevereiro dt 1839 101*. Joaquim
Leite de Albuquerque vencida em 17 de julho de
1839 489, Bernardino Jos de Mello vencida em 4 de
marco de 1840 348100, Jlo Manoel Jnior vencida
em 2 de abril de 1840 5899560. Joio Loii de Souia
Pereira vencida em 9 de selembro de 1846 838640,
Jos Gomes Pereira Lima vencida em 24 de dezem-
bro de 1846 217;00, Jos Gomes Pereira Lima ven-
eil ss 24 de marro de 184 247*400. Gallillo Jo-
5Me Andrade Cavalcanli vencida em 9 de selembro
da 1846 3169460, Victorino Jos de SouuMagathaes
vencida em 19 de marco de 1846 78*640. Jos Vi-
fnle Lelo vencida em 5 de novembro di 1836 rs.
164*100, M*noei vieira da Rodil vencida em 18 de
.....,u ot ion nano, Eltevlo 1)11) dos Sassios ven-
cida eml0.de oulubro de 1846 73*987, Jota Joa-
quim de Mendonfa vencida em 12 de fevereiro de
1847 62*530, Felii Jos Correa vencida era 11 de
marco de 1846 941873, Flix Jos Correa de Araujo
vencida em 11 de abril de 1846 94*873. Jos Airea
B.iptisla vencida em 24 de outobro de 1846 190*.
Jote Alves Bapli 1846 213*680, Antonio Manoel Ribeiro veneida em
26 de Janeiro di 1817 49*080. Jos Joaquim do Nas-
cimenlo veneida em 3 de julho da 1842 236*190.
Joaquim Jos de Mendonca vencida em 28 de feve-
reiro de 1846 489780, Eslevlo Dias dos Santos ven-
cida em IQ de novembro de 1846.739988, F*aneeo
Anlonio Ferreira Farota venada em 20 de oulubro
de 1845 429*. Pedro de Azevedo Soares vencida em
20 de dezembro de 1842 408180, Manoel Antonio
da Silva vencida em 5 de fevereiro de 1843 70*200,'
Joaquim de Almeida Cerdoso vencida aro 15 de fe-
vereiro de 1813 82*160, Alejandre Manoel de Men-
donca veadda em 16 de dezembro de 1844 29*160,
Manoel Francisco da Coila vencida em 20 de junho
de 1844 57*610, Luiz Jos Rodrigues de Gooveia
vencida em 14 de fevereiro de 1815 20*, Tarquinio
Alvos de' Piiva vencida em 3 de fevereiro de 1846
1218780 Aalonio Rodrigues Miriz vencida em 12 de
oolubro de 1843 729080, Jos Pedro de Andrade
Vasconcellos duas lelras urna vencida ero 23 de maio
de 1842461*497 e oulra vencida em 23 de agosto de
1842 288*060, Anlonio Ferreira de Miranda venei-
da em 6 de fevereiro de 1841 6 13350, Leiz de Fran-
ca Axevedo vencida em 15 de feveriiro de W48 .
104*480, Jos Francisco da Rocha vencida em 5 de
ageste de 1841 1569410, Bernardo Soares Pereira
duas letras urna vencida em 7 de oulubro de 1841
1:4269602 e oulra vencida em 8 de dezembro de 1841
162f395, Joaquim Jos da Fonseca Jnior vencida
em 19 de julho de 1842 105*790, Jos daSilveira
Borges vencida em 20 de novembro de 1845 47*700,
Aalonio Lozano da Costa Teixeira vencida em 8 de
novembro da 1847 329*069, Jo.lo Cavalcanli de Al-
buquerque Mello vencida em 3 de fevereiro de I87
IOO9, Anlonio Luzano da Coila Teixeira veneida em
29 de agosto de 1847 3598, Jlo Alvares di Silveira
vencida em 18 dragoslo de 1849 108/840, Anloni"
Ricardo Bravo Susuarana vencida em 17 de selem-
bro de 1841 5318140, Julo Jos Garria do Amaral
vencida em 16 de abril de 1850 117*760, Jomo Aree-
no de Souza vencida em 19. de fevereiro de 1841
848*10, Manoel Pimenta Carneiro da Cunha vencida
em 14 de Janeiro de lee* 2248, Ignacio Rodrigues
Birreto vencida em 20 de marco de 1842 5339126,
Ignacio Jos Barbosa vencida m 30 de junho de
1843 1358370, Jus de Barros Falclo vencida em 10
de agosto de 1841 3188890, Francisco Dias Monleiro
veacida ero 21 de novembro de 1815 194*050, Ben-
lo Aalonio de Moura vencida em 7 de fevereiro de
1846 210*800, Anlonio de Dos Bezerra vencida em
1 de fevereiro de 1816 85*697 Jos Robera Padilha
vencida em 23 de novembro de 1843 1188240, Jos
Feliciano Cavalcanli de Albuquerque vencida un 16
dejaneirade J846 287*535, Ignacio Jus Itolellio
vencida em 20 de junho de 1848 599*945, Joaquim
Migael Freir da Cunha vencida em 19 de dexembro
de 1850 2018900, Pedro da Corla Goncalve veneida
era 18 de fevereiro de 1850 418089, Anloujo Alves
de Souza vencida em 17 de dezembro de 1850 60.
Manoel Cenlalice Villarim vencida em 8 de mrco
de 1850 35*440, Antooio Roviino da Axevedo Bi-
cancourt vencida em 3 de oulubro da 1848 128*178,
Jlo Jote da Silva vencida em 5 da selembro da 1850
2358680, Aalonio Jos Quaresma Lirqa vancidt em
22 de junho de 1850 38*000, Jas Vello di Silva
Dias duas lelras urna veucida em 22 di selembro de
1850 31 i.II380 ris e oolra vencida ara dezasele
de marco de 1851 1909250, Manoel .'naqolm da Sil-
va Villarim vencida em 8 de novembro de 1850
968270, Joao Marques dt) Silva vencida em 20 d'
oulubro de 1850 16*110, Jos Gomes Duarle venci-
da eos 10 de oolubro de 1848 204*929, Paulino Jos
de Oiiveira vencida em 23 de agosto de 1849 1068540
Francisco de Assis Uezerra de Menezes vencida em
10 de abril de 1850 228*160, Manoel do Naseimenlo
Soares vencida ara 3 de junho de 1818 100*, Jos
Joaqun) da Silva Madeira vencida em 8 de novem-
bro de 1848 141*700, Antonio Lopes Pessoa da Cos-
ta vencida em 26 da Janeiro de 1847 194*830, Fortu-
nato Anlooio Coelho vencida em lt de oulubro de
da em 19 de marro de 1849 40,500, Bernardo Ja-
nuario vencida em 6 de novembr de 1843 1669649,
Jlo Antonio Gomes vencida ea 13 de novembro
de 1S2 40*160, Jote do Reg Baros veacida em 26
de abril de 1810 9218880, Jos Ptdro da Andrade
Vasconcellos vencida era 22 de junio de 1842. .
1619196, Luiz Pereira de Caslro vncida em 15 de
abril de 1853 421*125, Manoel do hscimeolo Soa-
res vencida em 17 de abril do 1852 .42*080, Fran-
cisco Xavier de Albuquerque vencdaem 31 de de-
xembro de 1852 200*, Jos Gomes Diarle vencida
em 12 de maio de 1851 302*560 e oota lelra venci-
da em 17 de abril do 1852 352*010, Viente Ferrei-
ra Nobre vencida em 22 de marco de tl 12*460.
Thereza de Jess Maria vencida era 17 le marco de
1851 338100, Anlonio Joaquim dos Sanos e Fran-
cisco das Cliagas Cavalcanli urna lelra veicida em 5
demarco de 1845 700, Manoel Francisctde Lemus
vencida era 11 de jolho de 1845 207*690, llanoel da
Cosa Prtzeres Jnior vencida em 25 de fe'ereiro d>
842 186*560, Manoel da Cosa Praxeres vmeida em
12 de marco de 1817 1729735, Manoel da Osla Pra-
zeres nocida em 19 de jineiro de 1848 ,728735,
Frauciteo de Albuquerque MiranhKo Ca-alcanli
vencida em7 de maio de 1844 52*700, Jote rerrdra
da Silva 260;, Francisco Gomes dos Santos (liaran,
duas letras nma de 2:11 i; e oulra de 916*892 trabas
ja vencidas.
Oe>r0df>.
Jos Pires Campello vencida em Janeiro da S38
115*180, Manuel Marlins da Silva veneida em fera-
reiro de 1836 167*140, lanado Ferreira de Moira
vencida em abril de 1839 73*190, Manoel Xavier
Carneiro vencida em abril de 1835 352b Jos Agos-
linho de Acolar vencida em agosto de 1837 369*980.
Joaquim Goncalre da Silva vencida em selembro
de 1838 308, Manoel Jos Brax de Oiiveira venci-
da era malo de 1838 57*280, Jos Alfonso da Pai-
xilo vencida era janwo de 1838 14*200, Joaquim
Carneiro da Costa vencida em novembro de 1838
I28*i220, Jos Joaquina de Albuquerque Mello ven-
cida em selembro de 1841 112*680, Joaquim Cetario
de Mello vencida e o fevereiro de 1837 167*710.
Ilenrique Luiz de Souza veneida cm fevereiro de
1838 808, Ambrollo da C isla a Silva vencida em
janeira de 1835 59*610, Antonio Cali! Soarea de
Almeida vencida em dexembro de 1837 78*040, Jo-
s de Barros vencida em Janeiro de 1836 219050, Jo-
s Gomes .los Reit veacida em fevereiro de 1843
114*310, Joaquim Francisco Cavalcanli vencida em
abril de 1831 70*108, Bernardino Linsde Albu-
querque vencida em julho de 1835 52*020, Jos Cae-
lano Coelho vencida em fevereiro de 1835 12*,
Francisco Antonio de Oiiveira vencida em Janeiro
de 1838 83*200, Joaquim da Silva Nones vencdi
em marco de 1837 79970, Anlonio Marques Portu-
gal vencida em julho de 1837 6358965, Joaquim da
Rocha Pinlo vencida em Janeiro de 1837 13*095,
Manoel Leite da Silva vencida era Janeiro de 1833
2OO9OOO, Ricardo Clirisosloino Rodrigues vm-
eida em maio de 1844 30*720, Carlos Bexerra Vil-
larim vendda em Janeiro de 1838.....ris
1:2673550, Manoel Bezerra Cavalcanli vencida em
marco de 1851 30*, Francisco do Reg Barros ven-
cida em Janeiro de 1835 3459200,Ilenrique de Sonza
vencida em fevereiro de 1838399, Joaquim Francis-
co Cavalcanli vencida em abril de 1831 709, Maoeol
Luiz Andrade Guedes vencida em dezembro de 1833
tus, Francisco Jos dot Sanios veacida em julho de
1838 25*925, Manoel Xavier Carneiro veneida em
maio de 1835 52*, Andrade Correa de Albuquerque
vencida emJaneiro de 1838 39*815, lanado Sarai-
va de Moura vencida em Janeiro de 1837 72*. Jol0
Ferreira Lima vencida em maio de 1837 169*865,
Josda Silva Pereira vencida em Janeiro de 1837
6J8960, Antonio Dias Lima vencida em jolho de
1838 548*990, Rila Mara Capeaba vencida ero
agosto de 1844 2<<2*Q45, Jos Francisco -de Bar-
roasjencida em agosto de 1835 42*260, Antonio Ca-
late Soares de Almeida vancid em dezembro de
1837 788040,Pedro Anselmo da Silva vencida em Ja-
neiro de IK37 2279130,Anliino Joaquim Vax vencida
em dezembro de 1836 330*160, Francisco do Reg
Barros vencida em marco de 1836 48*080, Anlonio
Joo Cardoto Moreno vencida em marco de 1838
3188064, Pedro Anlooio da Rocha vencida em marco
fie 1837 309*269, Pedro Antonio di Bocha veneida
em fevereiro de 1838 1319, Pedro Antonio da Rocha
vencida em oolubro de 1837 162*680, Anlonio di
Fonteca e Silva vencida era julhu de 1831 34*120,
na.lr. .jO Uniau. rWiW ,n*^v .. iinii. u
10TO 128. Antonio Lejle l'ereira vencida em novem-
bro de 1838 135*060, Jote Francisco de Birroe ven-
cida era agosto da 1836 42*260, Anlonio Moreira da
Silva vencida em marco de 1836 109*060, Joaquim
Fraucisco de Mello vencida em novembro de 1831
24*, Manoel de Sania Roza vencida em oolubro de
18)6 3.50*870, Manoel Marlins da Silva vencida em
agosto da 1831 147*280, Jos da Rocha Oiiveira.
vencida em julho de 1831 70*480, Alexandre Cor-
rea de Albuquerque vencida em Janeiro ds 1S38
393815, Joaquim Carneiro da Cotia vencida em no-
vembro de 1838 159*310, Jos de Barrot vencida em
janeiro (i 1837 21*050, Francisco Antonio da Oii-
veira em Janeiro de 1837 71*440, Jote Francisco
Limavencida em marco de 1837 235*825, Joao de
Azevedo Campos vencida ero jolho de 1841
1*120, Joaquim Cesado de Mello vencida em abril
de 1837 71*. Anlonio Leite Vieira vencida im no-
vembro de 1838 1359060, Anlonio Pereira da Costa
vencida em oulubro de 1838 51*710 Vicente Fer-
reira soares vencida era Janeiro de 1836 107*980,
Fraiicis-o Paulo de Andride vencida em janeira de
1837 30*900, Joaquim Jos da Arrdi vencida em
novembro de 1829 79*520, Flix Jos aues ven-
cida em junho de 1836 59*255, Ambrozio di Cotia
e Silva veneida em fevereiro de 1836 237*850, An-
lonio Jote de Freitis vencida em agosto de 1836
116*040, Jos Francisco ae Atlshyde Albuquerque"
vencida em junho de 1837 30*920, Jlo Correa dr
Araujo 2 letras venddas, urna di quanlia de..........
1:135*742, oulra da quanlia de 1:90a^correudo ju-
ros, Jlo Manoel de Almeida ama lelra veacida da
quanlia de 360*180, Aalonio Nuaes Viinna urna
lelra vencida da quintil de 179*040, Jlo da Cosa
Henriques 3 lelras vencidas, formaido todas a
quanlia ile74l*270, ama dila de Ignacio Quareema
de Araujo de 106*,Joaquim Francisco de Alem.
Nada mait te eontinha em dila relarlo aqui trans-
cripta, e tendo os sapplicanles produzido toas les-
temunhas, depois de selados suhiraru a conclnsgo,
nos quaes dei minlia sentenca do theor segainle :
Allendendo a juslilicaclo de folhasS a fls. 10, jul-
go^provada a ausencia em lagares nao sabidos dos
individuos mencionados na relajlo de folbas 3 a fo-
Ibas 5 verso, pelo que mando que para ser-lhes in-
timado o protesto constante do termo de tullas 2
veno te ptsse eirla de edictos com o praio de 30
das e casias.Recife 15 de dezembro de 1855.
Anselmo Francisco Perelli.
' E mais si nio conlinlik em dita sentenca aqai
transcripta, em virlude da qual o escrivio que esta
ha de subscrever mandn ptssar a pretente carta de
tdictot com o prazo de 30 dias, pelo qoal c seo Iheor
se chama e intima, ehei por intimadosoj snpplira.
dos cima declarados para lodo o conleudo na peli-
cjlo e lermo de protesto cima transcripto.
Pelo qae toda e qualquer pessoa, prenles oa ami-
gos dos ditos supplicados poderlo fazer scientes do
que cima fica expo-lo, a o porteiro do juizo aflix .r
a presente not lugares do cosame e ter publicada
pela imprensa.
Dada e passad nesla cidade do Recife de Per-
nambuco aos de dezembro de 1855. Eu Maximiano
Francisco Duarle, eterivio privativo do juizo com-
mercial o subscrevi.
Anselmo Francisco Perelli.
O Dr. Anselmo Francisco Pernlll, eommendador da
imperial ordem da Rosa e juiz de direilo espe-
cial do commercio, detla cidade do Recite provin-
cia de Pernambuco por S. M. I. e C. ele. etc.
Faco saber aos que a presente carta de edilos
virem ou delta noticia liverem em como Francisco
Antonio da Rosa me fez a pelicio do theor seguinle:
Illm. e Exma Sr. Dr. jaiz do commercio. Diz
Francisco Anlonio da Rosa, commerciante eslabele-
cido nesla cldadu que Gaspar Leite da Silva Goi-
marles Ihe he devedor da quanlia de 2979415 prin-
cipal constante de tres notas promisorias de 759805
cada orna, pasudas todas ios 10 de junho de 1851,
urna com 6, oulra com 12, e oulra com 18 mean
de praxo e juros estipulado d 2 por cenlo, e como
se ade por pagar al agora quer o supplicanle pro-
letl.ir pelo seu pigimenlo; em virlude do que vem
requerer 1 V. Exc. qoe se digne de mandar tomar
por termo o seu protesto, seguo.lo o disposlo no
art. 4533 do cdigo commercial, pastar caria pre-
catona o admita a justificar que o dito devedor Sil-
va Guiarles se acha ausente em lugar lacerto, afim
protesto, como precepta o arao e paragrapho ci-
tado. Pede a V. Exc Sr. Dr. jui especial do cora-
merdo assim Ihe delira.E R. M.Soalo Maior.
Lavre-se termo do protesto do supplicanle' e pro-
duta este a justificaran de que Irala. Riclfe 18 de
dexembro de 1855.A. F. Perelli.
Aos 18 de dezembro de 1855 nesla cidade do Re-
cife de Pernambuco em meu escriptorio veio Fran-
cisco Antonio da Rosa parante mim e as teslemu-
ntuis abaiio aisignadas dis.e que protesta va coutra
Gaspar Leile da Silva GuimarSes, pelo conleudo em
sai pelicio retro que fazia parla do prsenle termo
para o fim na mesma requerido, e de como aseim o
disse e prolestou assignou .com as lestemunlias o
prsenle termo. Eu Maiimiano Francisco Duarle,
escrivio privativo do juio commercial o eteravL
Frandsco Antonio da Rota.Jos da Silva Axeve-
do.Jlo Caelano de Abreu.
E maii ii nio conlinha em dila pelicio e lermo
aqui copiado, e produxindo o supplicanle loas teste-
muohas tobindo-rae 01 aolos conclusos tlci a leoteo-
i;.i do Iheor seguinle : T
Julgo provada a aoteocia do justificado Gitpar
Leite da Silva Guimarlas em lugar alo sabido, pelo
que mando qoe para o lira declarado na pelicio
de folhat 2 seja cilado por edilos. coja carta te paste-
ra rom o prazo de um mex e euslai.
Recife 22 de dezembro de J855.Anselmo Fran-
dsco Prela.
E mais se nao conlinha em dila tentence aqai
copiada, em virlade da qual mandn o eterivio qae
etta tubeerivea pastar 1. prsenle com o praxo de
um mex, pela qual e sea theor te chama cita ha>
par intimado 10 sopplieado anenla de ledo o re
querido na pelicio e prolarto iqui ludo copiado.
Pelo que loda e qualquer pesoa, prenles ou ami-
gos do, dilo sopplieado podarlo fazer tlenle do
qae cima flea expolia ; a o perlcirn do juio filar
e publicar 1 presenta nos I o gires do enslume, e le-
ra publicada pela Imprima.
Dado e pastado nata cidade do Recita de Prr-
namboeoaot 2-4 da deierflbro de 1855.Ea Maxi-
miano Francisco Duarle, escrlvle privativo do Jnlze
commercial o subterevi. 1
Anselmo Franciseo Ptreltf.
O Doulor Anselmo Francisco I'eretli, eommendador
da Imperial ordem da Rota, a juiz de direilo es-
pecial do commerdo desta cidade do Recita pro-
vincia da Pernambuco, por S. M. 11 constitucio-
nal o Sr. D. Pedro II, a quem Dos guarde ele.
Faco saber aoi que a presenil caria virem, ero
como Samuel Power Johnslon A Corapanhia ma li-
reram a pelicio do Iheor uguinle :
Diiem Samuel Power John.ion & Companhia, ne-
gociante! raatticuladot desta praca, por s, e como
liquidantes da eilincla firma de Fox & Slodarl, que
qoerem protestar para conservarlo e restira de seus
direilos, e inlerrupclo da presencio qoinqoenal con-
tra os seus devedores constaotesda retarlo junta,dot
quaes apenas consta aos lopplicaole que, Miguel
Aflonso Ferreira reside no termo do Cabo, e Pedro
Gircia Prales nesla ddade, a dot mais nao ha noli-
da ; pelo qoe requeren) a V. Exc. que se digne de
mandar lomar por termo o seu protesto, afim de ser
intimado aot supplicados ou a seus hardeirot, pis-
sando-se caria precaloria contra o primeiro para o
juizo municipal da villa do Cabo, sendo intimados
prssoalmente os resideules nesla praca, e por carias
de edictos, os ausentes em parle iucerla, dignndo-
se V. Exc. a admitlir os tapplirantet a justificar a
aa ausencia para o indicado fim, nos termos do arla
453 3 do cdigo commercial art. 53, 4, e art. 391
do regularoenlo n. 737. E assim ped-m a ,V. fie.
Illm. e Evm. Sr. Dr. juiz de direitn do commercio,
deferimenlo. E R. Me. Advocado, Dr. Vicente
Pereira do Reg.
Nada mais te conlinha em dila pelicao, a qoal dei
o despadio do iheor aeguinle :
Tome-se por lermo o protesto de supplicanle qu
senda o mesmo protesto intimado aos devedores re-i
sidentes nesl.i praca, passaudo-s precaloria para *
inlimac.10 do protesto em qneslao so sopplieado Mi-
gael Afronto Ferreira, e justificando o* supplieajles
a ausencia dos oulros devdures constante! da rea-
cao junta. Recife 13 de dexembro da 1855.A. F.
Pereli. .
E na-a naia ra onlinha em dilo do'paeae, eat vir-
lude do qoal o eterivio respectivo lavrou o termo
da protegi do Iheor seguinle:
Aos 4 de dezeinhr" de 1855, nesla cidade dt Re-
vjrfr" de" ts..naTobueo, em meu escriptorio velo
Anlonio Piolo de Barros como procurador batante
de Samuel Power johnslon & C. e peranle mim e
as letlemuobas abtixo astignadas, dista que proles-
lava contra Miguel Alfonso Ferreira e oalros pelo
conleudo na pelicJo relro, dos seusfconsliluinlesque
fsxia parle do presente termo ; de como assim o diste
e protettou, assignou com as leslemunhas o prsenle
termo. Eu Maximiano Francisco Duarle, escrivo
privativo do juio commercial o eserevi.Aptonio
Pinlo de Barros. Luiz Antonio dos Sanios.Mi-
guel Jos di Coila.
Nada mais de conlinha em dilo lermo de protesto
em segaida ao qoe se segua a relaclo dot devedo-
res do theor seguinle :
Comarca do Cabo, Migael Alfonso Ferreira, por
urna letlra vencida em 14 da malo de 1816, res
2:305*000 ; Marcelino Aalonio. por ama lellra ven-
cida em 28 da fevereiro di 183. 546*800, Joo de
Alemn Cisneiru, por ara lellrr veacida em 29 de
novembro de 1841 156*490 ; Jos Joaquim das Res,
por orna letlra vendda em 8 de jineiro de 1841, res
596*160 ; Francisco da Albuquerque Maranhio Ca-
valcanli, por 2 lallrat veneida em 22 de jineiro de
1841 e 22 de marco do mesmo anno 1:0168970;
Francisco Xavier Cavalcanli Ucluia, por urna lellra
vendda em 20 de abril de 1844,88*500 ; Joio Fran-
ciseo dot Sanio Squeira, por urna lellra vencida em
20 de fevereiro de 1841, 242*540; A. fatlonatna
lellra vendada era 23 de teveireirn de 1843,5888680
Pedro Garca Prales, par urna lellra vencida em 12
de jolho de 1842, 241*100 ; Joao Corris Gomes, por
2 laixas 113*570 ; Joat> Claaditio Leite, por ama
laixa 57*120; Jlo Clemente 50*000 re. ; Luiz
Eloy Dorio 77*680 ; Anlonio Alvet Teixeira Batios
101*000 ; Lourenco Rodrigues Lima 71*700 ; Anto-
nio de Albuquerque Maradhao Cajralcanti 76*360 ;
Francisco de Albuquerque Maranhao Cavalcanli, in-
dependenle de soas lettras 132981o ; Anlooio Ma-
ria de Vasconcellos Bourbon 720*000 ; Lourenco
Cavalcanli de Albuqoerque Maranhlo 84*250;
Francisco Paes Brrelo 401*150 ; Jos Joaquim dos
Reis 45*520; Antonio Ferreira Bailar 368000.
Samad Power Johnslon & C.
Nada mais se eontinha em dita relaclo, em vir-
lade do que dei a sentenca do Iheor seguinle:
Avista da inqunelo de fls. 6 verso, e fls. 8 ver-
so pela qual se mostra eslnrem ausentes em lugares
nio sabidos 01 individuos designados na relaclo de
fls. 4, mando que, para ser-lhes intimado o protes-
to constante do termo de fls. 2 verso, se passe caria
de edictos coro o praxo de 30 das, e cutas. Recife
21 de dexembro de 1855. Anselmo Francisco Pe-
relli.
Nada mais se conlinha em dila sentenca cm virlu-
de da qual o escrivio que osla tubsereveu mandou
pastar a presente com o prase da 30 dias e cusas ;
pela qual e seu Ihenr te chama e intima e hei per
intimados os supplicados devedores e ausentes arima
declarados, para lodo o conleudo na pelicio e termo
de protesto cima lrancriplu, pelo que loda e qual-
quer pe>aoa, prenles e amigos d >s ditos supplicados,
os podvio fazer scientes do qoe cima fica ex pos-
to ; e o porteiro do juizo aftHara a pretente not lu-
gares do cosime e tero publicada pela imprensa.
Dadle passada nesla cidade do Recite de Per-
nambuco aos 26 de deZ3tnbrode 1855. En Maxi-
miano Francisco Duarle, escrivio privativo do juio
commercial a>subscravi.
Anselmo Francisco Perelli..
nellis se acha eslipolado, e bera assim por conla de
livro os seguinlM devedores:
Francisco Xavier de Cafrolho 336*346, Joto Da-
masceno e Silva 313*940, Joaqoim Pereira da Costa
70*875, Ignacio Paulino da Cunha 97*282, Cuelodio
Moreiri dos Sanios 318*511, Joaquim Jos Correia
790*817,Joaquiin Francisco Loyoli Birala 132*560,
Manoel de Barros 19*. Joaqoim Antonio da Silva
529900, Fraucisco de Paula Susa 108590. Julo Cor-
rea Tiixelra 479193, Jeronymo da Cosa Guiroarles
e Silva 124, I-rancisco Alves Xavier 16*. Anlonio
da Cotti Guiniaries 33, Jos Filippe Santiago Ra-
mos 248*490, Joo Nicolao Gomes da Molla 599830,
Francisca Romualdo da Silveira 682*397 e Jlo Jo-
s Pereira 31;240,e para que se nod a preseripcAo
e a todo lempo possam os sopplicaules faxer valer o
sen direilo nio s conlra ot mencionados devedores
mas tambero contra os tusseitores e herdeiros dos
mesmos, vem requerer a V. Etc. se digne mandar
tomar por termo teu protesto, afim da 'rom citados
por edilos depoit de provada a ausencia e iocerleza
do lugar. Pede a V. Exc. te digne assim de-
firir-lhes.-E R. M.Henriques da Silva.
Nada roaii se conlinha em dila pelicio a qual dei
o detpacho do theor seguinle :
Tome-se por lermo o protesto dos suplicantes, t
justificarlo a ausencia dot supplicados Recife 17 de
dezembro de 1855.Perelli.
Nada mais se conlinha em di') despacho aqui
transcripto em virlade do qual u eterivio lavrou o
termo de proleslo do Iheor seguinle :
Aos 17 de novembro de 1855, nesta cidade do Re-
cite em mea escriptorio viernm os supplicantes Jos
Antonio da Cunha & Irmlos, e peranle as letlema-
aliat infra astignadas disteram.qoe reduxiam a pro-
testo a sua pelicio em frente da qual ofiereciara como
ptrte do presente, e de como issira o disseram e
protestaran, fiz este termo no qusl se assignaram
com as mesraas leslemunhas. Eu Francisco Ignacio
de Torres Bandeira, escrivio interino o eserevi.
Jos Antonio da Cunha Irmaos, Manoel Ignacio
Torras Bandeira, Manoel Alves l.erra.
Nada mais seo conlinha em dilo termo de protesto
aqoi transcripto, em virlude do qual ot supplicantes
leudo produzido suat teslemunlias, e tendo-me re
aotoa cendusos, dei e profer 1 sentenca do theor
seguinle :
A' visla da inqunelo de fls. 5 a fls. 6 pela qaal
a prova attarem em lagares nio tbidos 01 indivl
dun mendonados na peliclo.de fl<. 2 mando qoe
pira o fim declarado na mesma pelicio sejam cita-
do! por editos passundo-se a respectiva caria com o
praso de 30 das e cuta. Recife 21 de dexembro de
1855.Anselmo Francisca Perelli.
-Nada mais te conliuha em dila^eenlenca aqui
Irtntcripla, em virlade da qual o escrivio que esla
subscrevea mandou pastar a prsenle carta com o
prazo de 30 dia e cusas, pela qual e sen Iheor se
chama e intima a hei por intimados os devedores ci-
ma declarado* em todo o conleudo na palelo e ter-
mo de proletjo cima transcripto*. -
Pelo que loda e qualquer pessoa,prenles ou ami-
gos dos drres sopplicados, os poderlo fazer scienlea
do que cima fica exposlo, e o porteiro do juio fi -
xar presente nos lugares do coslume e sera publi-
cada pela impiensa.
Dada e passada neslatidade do. Recite aos 24 de
dexembro de 1855.
Eu Maxinnauo Franci.ro Drade escrivio privati-
vo do juizo commercial a subscrevi.
Annlmt Francisco Perelli.
DECLARACOES
Maranhao e Para'.
Segae em poucot dias o brigae escuna Graciosa ;
recebe carga e passageiros : Irgla-te cara o consig-
natario J. B. da Fonteca Jnior, na roa do Vigario
n. 23.
Keal coiupanhiade paque-
tes inglezes a vapor.
No lim do
mex eapara-se
da Europa um
dot vapores
datla compa-
nhia, o qual
depois da de-
mora do cos-
ta me seguir
para o tul : pira pastageiroc. ele, Irata-se com os
agentes Adamson Hewie & C, roa do Trapiche No-
vo n. 42.
J'ARA O RIO DE JANEIRO.
. A barca brasileira Ipojuca, forrada a encavilliada
de cobre, j bem conliecida pela sua velox marcha,
vai seguir para o Rio de Janeiro com presteza, por
ter meio carregamenlo promplo : quero na metma
quizer carregar, dirija-te a roa da Cadeit do Recife ,
n. 12, eacriplorio de Hallar di Oiiveira.
Pira o Ro de Janeiro segu com brevidade o
brigue brasleiro Elvira ; s recebe carga mioda,
escravos e passageiros, para o qae ten excelltnles
eommodos : a Iratar com o consignatario Jas Joa-
quim Diat Fernandes.
Para e Cear.
Segu 110 dia 5 do mex prximo viadoaro o palui-
bole Venus; para o resto da carga a paatiaairos,
trata-se com Caelano Cyriaco da C. M., 10 lado da
Corpo Santo n. 25.
Para a i I lia de S. Miguel
pretende aahir com a maior brevidade o patacho Al-
fredo, aovo e de priraeiri marcha : para o reto da
carga e passageirot, para o qae lem es mili adia-
dos coromodua, Irata-se con 01 cenarfaitiriet T. da
Aquino Fonsert & Filho, na rea de Vigarie a. (9,
eu eom o capillo na praca.
O capillo da barca francesa ai Frane* tara a
honra de prevenir aa correspondate Desta prisa
dot Srs. II. Lebrelon & Compaahii, da Pars, coas
01 quaet elle lem engijimento, que elle arha-se
qatsi promplo a receber carga.
Cear, Mara-
nhao e para.
Opalbabote LINDO PA-
QU1TE, vai seguir com
prdte7a : para o resto
. do seu aaiTegamento e
passageiros, trata-se com
os consignis rio, na ra do Trapiche
n. 16, segundo andar.
LEILOES.
__ O leilao da mobilia do Sr. Eduardo
Fenton, continua nodia segunda-feira 31
docorrente, as 10 horas da manhaa, na
sitio defronte do do fallecido Exm. baraQ ,
de Beberibe, estrada da Ponte de Ucbaj'
AVISOS DIVERSOS
__ Precita-se de um eilfermeiro eni ai habilita
coet necessiriis. para om engenho muilo perto des-
la praca, da-se bom ordenado : na roa do Nogaeira,
sobrado o. 39,
Francisco Alves de Plotio faz scienle a qoim
eonvier, qae de 31 do correle em draate deixa de
vender perfaraariat em aaa toja da mindeut, em
frente do Liiramenlo n. 52 A.
Aviso.
BANCO DE PERNAMBUCO.
O Banco de Peruairbtico sacca a vista
sobte o do Brasil no Rio de Janeiro. Ban-
co de Pernambuco 5 de dezembro de
1855.O secretario da direccao, Joao
Ignacio de Medeiros Reg.
O banco de Pernambuco toma dinliei-
ro a juros, de conformidade com os seus
estatutos. Banco de Pernambuco 24 de
novembro de 1855-Joo Ignacio de
Medeiros Reg, secretario Ja direocao-
O Illm. Sr. inspector do arsenal de roarinha,
contrata cora quem mais vanlagtns oueracera favor
da fixenda. encoinmenda e compra de 1,000 bar
ricas de bom cemento, p&ra at obras do melhora-
roento do porto, viadas da Europa, e entregues-no
lodo on em partea as pocas que convencionar-se,
tendo lusir oeenlrati no dia 30 do concilla
pelas 11 horas da manlia, em isla de nroposlas em
carias fechada apresanladas al essa liora.
Secretaria da intpeccilo do arsenal da rnarioha de
Pernambuco em 18 lario, Alexandre Rodrigues do.' Anjos.
Tendo o hospital regimental a cargo doD.- ba-
lalhao de infantaria de faxer arrematar os (eneros
alimenticios para o trimestre do janriro a marco do
anno vindooro, convida-se a quem os quizer foroe-
cer, para comparecer na secretaria do mesmo hala-
Ihao no dia 28 do crrante, at 10 horas da roanhaa,
e cujoa gneros, sendo oa segainles devem ser dos de
melhor quolidade do mercado : alelria, estocar re-
finado, bolachinha de aramia, dila iuglexa, biscoilot
doces, bolacha da Ierra, carne verde, dita secca, cha
da India, caf muido, velas de cera, doce de goiaba,
r-1-^ a .iiainiiacD, Jitn 4 witto, feijAo. iulei
luslexi, marmelada, roscas, toocinho de Lisboa, ar-
rox pilado, bacalhio, vinho do Porto, axeile doce,
vinagre de Lisboa, sal, leu bu, papel paulado, dito
almaeo, dito de peso, pies de i OfO, frango, ovos,
velas de carnauba, leile e garrafal da tinta. (Juarlel
em Pernambuco 4 de dexembro da 1855. Manoel
Ernsmo de Carvalho Muora, alferes agente.
A companhia li\;i de cavallarla desta ploviucia
tena de contratar o fornecimenlo de agua para o pri-
meiro semestre do aano vindouro; aatim quera qui- Lm pessoa recealeateole efceatdi
zer contratar, dirija a secretaria da mesma sua pro- I m,nte habilitada no oiBeio de a
posla ale :10 do corrente.L. A. Ferreira, capilio.
Precisa-se contratar o fornecimenlo dos segla-
tes gneros para consumo do 9." balahio de iolan-
laria : pao de 6|0 e de X\0, cit moido, dito em ca-
roco. assucar brinco, mameiga franceza, carne ver-
de, dita tecca, bacalhio, arroz, feijlo, axeile doce,
vinagre, tnueinho, tal, viuhu, farioha, lenha : quem
ot quizer fornecer, tpresente suas propostas no dia
29 do corrente. Quartel na Soledade do 9.- balalhao
da infantera 20 de dezembro de 1855.Villas Boas.
Tendo-se de preceder nesla provincia a demarca-
rlo e balisimenlo dis barras de Caroaragibe, Porta
de Pedras, Tamandir ao sal e Maranguape ao norte
na conformidade do disposlo no aviso da repartirlo
da marinlia de 13 de novembro prximamente lindo,
ao qaal refere-te o ofllcio do Exm. Sr. presidente de
27 do mesmo mez, o Illm. Sr. inspector de arsenal
de miriuha manila fazer publico que contraa com
qualquer dai tuodicoes desta cidade a aequsicilo das
seis boias de ferro precisas pira om tal lira, de eon-
figuracoet comanles da planta exilenle nesta se-
cretaria, que ser franqueada a qutm queira ve-la
antei d contrato ; devendo este ter lucir no dia 3(
do andante mez, pelas II horas da manhaa, prece-
dendo at respectivas propotlas entregues al esli
raesma hora.
Secretaria da inspeecgo do arsenal de marinha de
Pernambuco em 15 do dezembro de 1855.-*-0 secre-
tario, Alexandre Hodrigues dos Anios.
O c n-ellni de aduiinistrac.lo naval' contraa
para os navios srmados, barca de escavacao, enfer-
Nao sendo posevel fe-
zer-se a,s cavalhaclas no
dia 25 do corrente, como
se tinha destinado, por ha-
ver um transtorno, fia
transferida para o dia 50
do corrente, peas 5 hor8
ta lard, no pateo da So-
ledade.
Ahiga-ee urna ama forra ou capti-
va, quesaiba cozinhare engommar, para
casa de pequea familia : no pateq do
Carmo, sobradon.7, primeiro andar.
per tai ta-
se prop&e a
ser contramatare de alguma loja, e responde por
su as obras: qnem do mesma praettir, dirija-se a
ra do Vigarie o. 19,, onde se data eoohecimento
idneo.
A meta actual dt Irmandado da N. S. da So-
ledade, erecta aa Igiaja de N. & de UttaaMola,
convida urdes oa toe charmitaea rnosos par* cem-
pareerrem aasanbti, petas 9 berta do dia. ae can
sitiorio da mesma, afim de ae preceder a creiejato doa
novoi leventairitM.O aacrntaiio interino.
Alphee Odoa da Ctteha GataaM.
Aluga-ae ara meieetue da 90ana**, mato fiel,
a da boas satinara: aa ra eaaTriuebeirai jaato a*
nicho.
O abaixo astignido rompron a laberaa di raa
da Guia n. 36, aa Sr. BeraerdlBO de Seaxi Piala :
Iitea tiver direilo a ella apretenle-sa aestes 3 das,
ecifa 28 de dexembro de 1855
Manoel Barbosa Ribeiro.
O abaixo atsrgnido proprietarie da
linha de mnibus, fax acicale aa*
Srs. aasigoanlea qae ojeando dona-
ren! de ir alguma vea nos mnibus e quierera xaea-
d.ir algorra ara sea lagar, hajam da dar o recibo a
essa persea para os botieirot darem ingresso, do
contrario' nao terao entrada em ditos mnibus sera
que apresinte o bi 1 hete valsa ; fiz este aviso para
evitar oa muilut abasos qua teta apparecido de vi-
rara nos mnibus 3 4 petsoas toccerrextdo-se a um
so nome da qualquer doa Sis. astigaantes ; tesina
como qoe o art. det estatuto qoe rege esla linha
. de mnibus est em sen inteiro rigor. Tambem
maria de marinha, prac^t dos escaleras e africanos, fax cerln ao publico qoe. pessoa alguma leri innres-
0 Dr. Anselmo Francisco Perelli, eommendador da
imperial ordem da Knsa, juiz de direilo especial
do commercio desta cidade do Recife, provincia
de Pernambuco por S. M. I. e C. o Sr. D. Pedro
II a qaem Dos guarde etc.
Feeo saber aos qoe a presante carta virem, em
como Jos Anlonio da Cunha j,Trm3os me fez a peti-
r.lo do Iheor eeauinte :
Illm. Exm. Sr. I>r. juiz'da direilo do commercio.
Dizent .\atonio Jos da Cunha A Irmaos, cmn-
mrciantes eslabelecidot nesta praca cora loja de fa-
zendas, que sendo-lbes devedores Manoel Bexerra
Cavalcanli de *I63, principal da urna letra vencida
em d'terabro de 1848, Francisco de Arsis Bezerra
(ale Menezes, garantido pelo ja mencionado Bezerra
Cavalcanli :)5U>, principal de una lelra vencida em
agosto de 1818, Thomax Orneiro de Almeida aaldo
do principal de urna lelra 3503340, vencida em
maio de 1845, Anlonio Jos Villas-Boas 4279512,
saldo do principal de daos lelras vencidas erojnnho
e julho de 1852. Manoel Gomes da Cunha 5619865,
saldo de duas lelras vencidas em fevereiro de 1840
e marco de 1841 cojai letras vencen) premios como
por lempo de Ires ineze-, ou pelo que eonvier ao
inesmo couselho, o fornecimenlo de agurdente bran-
ca de 20 eraos, arroz branco do Maranhao, assucar
braoco. dito refinado, azeile doce de Lisboa, dilo do
Mediterrneo, dilo de carrapato, pictlhao. bolacha,
cafcem grao, carne verde, dita secca, feijSo mulali-
uho, farioha dr mandioca, pao. toeeinho da Lisboa,
vinagre dilo, stearinas e carnauba em velas ; pelo
que convida-se aos que iuleresetrem em dito forne-
cimenlo ,i apresentarem-se com as amostras e pro-
posita, declarando ot ltimos oreos e seus fiadores,
at 12 hora do dia 3 do mex de janeira vindouro, na
sala de >uat srssOet.
. Sala das ses-oes do conselho de adminislracao na-
val em Pernambuco 28 de dezembro de 1855. O
secretario do conselho,
Chrittpvao Santiago de Oiiveira.
Aeha-se recolhido a eadeia da cidade da Vie-
loia, na comarca de Sanio Antao, um individuo,
que diz cliamar-se Manoel Antonio de Souza, de es-
tatura legalar, reprsenla ler 30 anuos de idade,
poura barba, rosto chato, reforrado do corpo, olhos
vermelhos, lem as costas r.talli.i las como de chicote,
tendo no pescoco urna cinta como se tivesse levado
ferros, de cor fula. Foi preso por suspeilo de ser
ateravo.O delegado supplente,
Tiburlino Pinlo de Almeida.
O conselho de adminislrae,ao do balalhao 10
de infamara de linha, tendo deeonlralar o forne-
cimenlo de primeira qnalidnde para o rancho das
pr.o-a- do mesmo ba.alhao, a cont.r do 1. de Janeiro
a 31 de marco vindouro, convida o licitantes a
diriairem aun proposlas i secretaria do batalhao no
quartel do Paraixo, al o dia 31, aa 10 horas da lu-
nilla, em que serSo aberta, constando o forneci-
menlo de carne verde, dita secca, bacalrato, louei-
nlio, axeile, vinagre, feijfto, anoz, farinhs da Ierra,
caf em grao, assucar branco, paes de 6 oncis para a
almoco, a de 4 oncea para ceia. tiuilhenni dos
SaulosSaxes Cadt, alferes secretario.
AVISOS MARTIMOS.
Para o Aracaly pretende seguir por osles dias
o hiale aCapibaribevcom a carga q*e 'liver ; para
o reto uu passageiros, dirija-se a ra do Vigario
n. 5.
Para Lisboa pretende sahir com
inuita brevidade o brigue portuguez Im-
perador por ter a maior parte da carga
prompta : para o resto da carga trata-se
com os consignatarios Novar & C, ra do
Trapiche n. 5i, ou com o capito na
praca.
Para o Aracaly segu cora brevidade o hiale
iiExiilacaoo ; recebe raru*. e passageirot : (rala-te
com Caelano Cyriaco da C. M., ae lado do Corpo
Santo n.25.
Para o Acaraco' sahe at o dia 6 de Janeiro o
hiale AragBo ; ainda recebe alsuma carga e passa-
geiros : a tratar com Guuveia & Leile, roa do Qoei-
mado o. 27.
so nos mnibus sem que primeiro entregue aot bo-
lieiros o bilhele de entrada, pois nesta oecasnlo tena
dado as mais terminantes ordem aot dnos boeire*
para nao receberero ninguein nos omnihn, e nem
pre-lar attencAu a quera q*er qae soja, que Ibes nao
apresenlar o bilbele que prove ter pago a sua eu-
Irada, porque nao pode m.tis soffrer o immenso pre-
joizo que teau tido de rauilas petioai que enlriru
diariamente nos mnibus sem pacarerae sahein da
mema forma. As assignalurus c os bilheles avulsos
sao paitos adianlados e vendera-se no escriptorio do
abaixo assign.ido na ra da Cadeia de Santo Anlo-
uo ti. 13. Claudio Dubeux.
Illm. Sr. presidenle e itxni* membros de hy-
giioe.lenlo Alvet di Our, eslaheleeido com rali-
nacfto deatsucar na ra de Vlortas n. 7, sendo coslu-
me trabalharem ditas retinarse com singue, qua
para osle niiiler mandan) lodos os refinadores bas-
car ao maladoaro publico, tuccede que o supplicia-
le mandando buscar por um seu escravo, esle (ora
espancado peto inspector do lugar, e o tanaoe qae
(raxia laucado tora, que ind >aando o supplicanle a
raiio de-te luccesto, soabera que estiva prohibido,
porcm como o supplicanli jaliou que, para os casos
de salabridade asi esla respeilavel conselho est au-
lorisado para conhecer se com elle lo he prejudicial
o relinar com sangue, eolio oaappticanle ru* pedir
a Vi. S. ie dignen) declarar-lhe se he prefedicial,
e se re acha prohibido, pois que se assim o he, nao
deve ser nicamente pan um, ouiro nao, pois cons-
ta que inuilos o mandara buscar e nada tsaerrra: por
lano: 1'edcaVs.St. isiim Ihe delira.E.(LMc
B-nio Alves da Crol.
Despacho.O sangue pode ser empregado na ra-
finar.lo do assucar, sen) que prrjudique M sande pu-
blica, urna vez qu* seja fresco ; e e>se meio de qae
se servemos refinadores nao foi prohibido pclacom-
missao dehyaieue publica, e por consecuencia nao
pode se-lo nem pelo inspector do lugar, nem por
qaalquer ouiro. Sala dti seoes da commissao IS
de dexembro de 1855.Dr. A. Fonseca.
No dia 26 de dezembro de 185o nusenlou-ie da
cita do abaixo assignado o seu escravo Luis, por al-
cunho Lnix naradao e baixamo, cora ofllcio de car-
niceiro; por isto rog o abaixo nsugnido as autori-
dades policiaes eu capi^es de campo, que o appre-
hendain e levera-o a sen srnhor, qoe ser recom-
pensado generosamente.
Jorge Antonio de Souza Oueiroz.
Desappareceo no dia 24, da Capnga, da cata
do abaixo astienada, ara carillo ruco pombo, car-
rega baixo, o qual foi encontrado tollo na estrada do
Mauguinho, em procara do enaenh Colioguna :
quem do mesmo llver noticia, e querendo mandar
por um proprio na casa cima, ou a roa da Cruz a.
18, primeiro andar, aero generosamente gratificado.
Francisco de Paula Fiuetra de S*uoii
Pede-te ees I lima. Srs. lucirrrgadea- de poli-
ca que se dignan) capturar o pardo eacnvo, da l-
enle Francisco (onfalves de Arroda, de nomo Joao
CimirSo, que tibio deeasa desda o dia 17 de dexem-
bro do corrente anno, sem motivo, o qoal lem ot
tignaet seguales : lito, migro, pinta de branee a
cabera e barba, falla fanhoso e detcaasjad* : quena
delle liver noticia oa ceudazi-le a preaeaca de sea
tenhor o cima mencieaado, na barra de Catoama,
municipio de Goiinaa, ser recomaeaaadi.



1
i
1
\
i
omino o< nimicFU'ii sB* o 2J & aEZEUBfto o 855
CUNSULUHi DOS POBRES
o mma no va i jjmkm 50.
O Dr.P. A. Lobo lloicoio d. consultas hoineopathica lodo os dia aos pobre*, desda 9 horas da
manhiaalo ineio di, e emca>o* eitrnordinarios a qualquer hora do da ou noile.
Otforece-se igualmente para pralicar qiralqucr operario de cirurgia, acudir promptamele a qual-
quer moUher que estoja mal de ..irlo, e cujascircumstanciaf nao permutara pagar ao medico.
U MLfORIO SO BR. t A. LOBO lOSf OZU.
m
50 RA NOVA 50
VENDE-SE O SEGUINTE:
anual compiti de meddieina horaeopalhica do Dr. G. H. Jahr, traduzido em por
lagoei pelo Dr. Motcozo. qnalro volumes encadernados em dous e acompanhadodo
a id dircioaario do termo* de medicina, cirurgia. anatoma, ele, ele...... 20JOO0
Esta obra, a mais iniporlante de toda as que Iralam do eilodo prallca da homeopalhia, porlser a nica
queeonlm abase fundamental d'esta doulrinaA PATB0ENE8IA0 EFFEITOS DOS MEDICA-
MENTOS NO ORGANISMO EM ESTADO DE SAUDEconhecimeulo qne no podera dispensar as pes-
soas que sequerem dedicar a pralica da yerdadeira medicina, inte/e ssa a todos os medico que quierem
experimentar a doulrina de Hahnemann. e por si meimos se eonveocerem da verdade d'ella: lodos os
azendeirosesenhores deengenho que eeto longe dos recursos dos mdicos: a lodosos eapitesde navio,
que urna ou oolra vez nao podera deixar de acudir a qualquer incommodo leo ou de seus tripulantes :
a lodo os pas de familia que por circunstancias, que nm sempre podem ser prevenida, sao |obriga-
doa a prestar in continmli os primeiros soceorros era soas eofermidades.
O vade-meeum do homeopalha ou Indcelo da medicina domestica do Dr. Hering,
obra tambem utiMs pessoas que se dedicam ao estudo da homeopalhia, um volu-
grande, acorapanhado do diccionario dos termos de medicina...... 18*000
O diccionario dos termos da medicina, cirurgia, anatoma, etc., etc., encardenado. 3000
Sem verdadeiros e bem preparados medicamentos nao se pode dar nm paseo aegoro na pratica da
homeopalhia, e o propietario desle eslabelecimeoto se lisengeia de le-lo o mais hem montado possivel e
nincuem dnvida hoje da grande soperioridade dos seus medicamentos.
PRECOS INVARIAVE1S.
' Botica da 5> ou 30" dynamiaclo.
12 tubos.............
?>.................."
JO B........."......
48
60
De
De
De
De
De
.....................
De 14* '.'.'.'.'.'.'.'..'.'.'.'.'. :
Qualquer deslas boticas em linduras, o dobro.
Cada tubo avulso.................
Mea onca de quMqoer tinetnra da qninta dynamisasJo ..'.
Um frasco da yerdadeira (indura de rnica .........
Na mesma casa ha sempre a venda grande sesmero de tubos de ..
yidrospara medicamentos, e aprampta-se qualquer encoromeoda de medicamentos com toda a brevida-
oe e por preces mnito commodos.
Menores. Grandes.
. 8000 loaOOC
. 159000 aojooc
. -2o000 25900C
. 259000 308000
. -30*000 .toooo 35900(1
.... 19000
3000
. . 38000
cryslal de iiversos lamanho,
TRATAMEHTO HOIOPATHICO.
Preservativo &curativo
DO CHOLERA-MORBUS.
PELOS DBS.
ou mstruccAo ao novo para se podercorer rJMla eofermidade, administrndoos remedio mais eflicazes
para ata/ba-la, emquantosefeeorreao medico,ou mesmo para cura-la iodepeodente desle nos lugares
em qoe na* os ha.
TRADUZIDO EM PORTUGIJEZ PELO DR. P. A. LOBO MOSCOZO.
Estes doos opoecolos contm as indieafoes mais claras e precisas, e telesua simples e concisa expos-
> est ao alcance de todas as indiligencias, oSos pelo que diz respailo aos meios curatii
tivo, comoprin-
salifaclorio resultadas em toda a parle em que
So
cipalmente au preservativos qoe tem dado os mais
elles tem sido por los em prallca.
Sendo o Ira (amanto horaeopathico o nico que tem dado grandes resaltado no carativo desla horri-
velenfermidade, julgamos a proposito traduiir estes dous importantes opsculos em lingos verncu-
la,fpara dest'arte facilitar a sea leilura a quem ignore o francs.
Veade-se nicamente no Consultorio do traductor, ra Nova n. 52, por 29000. Vendem-se tambera
o medicamentos precisos e boticas de 12 lubos com um frasco de lindura 109000, um dilo de 30 tubos
209000.
--------------------------------------------------
Dag-aerreotypo.
Na roa do Crespo, sobrado o. 19, primeiro andar,
aa abri um novo estabeleeimento dagnerreotypo,
aonde se aclis um completo sortimeolo chegado l-
timamente de Pars, do pertences necessarios para
se lirarem retratos de pessoas de lodo os tamanhos e
idades. Tambem sa vio tirar em toda a parte aon-
de for chamado para ene lira, tanto de vivos como
de morios, villas, edificios, ele. : quem se quizer
ulilisar, pode ir ao mesmo sobrado das 8 hora da
manlUa a 4 da tarde ; os precos sao razoaveis.'
RAPE FRANCEZ.
O verdadeiro e genuino rape francez
deveter preferencia sobre outro qualquer
rape tanto pelo seu simples e agradavl
aroma,comopela sua qualidadehigyeHica,
visto nao ter a menor composicao que
faca dair.no as pessoas que delle fazem
.Uto. Venderse por /jOOO cada meio ki-
lograma, que regula muito mais da urna
libra: as fojas dos Srs. Moreira & Duar-
te ra do Cabuga' n., Joao Cardozo Ay-
ret ra da Cadeia do Recite n. il, e ro es-
criptorio de Burle, Soum 4 C. ra da Cruz
n. 18.
Bilhetes
Meios
Terso
1 f Uarlo Quintos Oltevo
Dcimo
- Vigsimos
1SV20 i>
19440 i)
19160 ^
790 s
09
:ioo ' B
diviso importan-
tissimo para os
Srs. jogadores
dasjoterias.
O caulista Salustiano
de Aqu no Ferpetra
avisa aos Sr. jogadores dA lotera da provincia,
queeeprecos dos bilhetes e cetelas ficam fumes
como abati se damoaetra, o* qoaes sio pagos sem n
descont de oilo por cenlo da lei as, tees pricreira
orles grandes em quinto eiislir o plano aclu.l de
5,000 bilhetes, pelo qual sao extrahid.* as loleras
da provincia. Elles eslM etposlos venda na to-
ja do costme. S he responsavel a pagar os oilo
por canto da lei sobre os tres primeiros premios
grandes em sen bilhetes intelros vendidos em ori-
Binses.
59tM Recebe por inleiro 5:0009000
S9800 >> 2:5009000
o 1:6669666
fSOSOOO
1:0009000
> m 359000
5009000
i) 2508000
O csuleliala
Salustiano de quino fterrttra.
Attencio.
Na coofeitaria da roa da CrOz u. 17,acha-se ven-
da um grande sortimeolo de doces seceos e de calda
de toda a Iqoalidades, por preco mate commodo
qne em oulra qoalqoer parle, aasim como tambem
se apromplam encommendas para dentro e fra do
imperio com aclividade e limpea, e igualmente um
grande sedimento de confeilos e grande porteo de
ananaze abacaxii, proprios para embarque para fra
do imperio, tudo por preco commodo.
COIPAHHIA
Fernambucana.
A. direcjfto pede aos
Srs. accionistas que anda
nao entraran) com a ulti-
ma prestacao de 15 por
cento, se digneni paga-la
atofmdo corrente au-
no^ no escriptorio n. 26,
ra da Cruz.
Alaga-ie urna grande cata terrea com mullos
commodoe!ila na roa airas da malrix. da Boa-Vis-
ta : a tratar no Manguinho, sitio de Hrculano Al-
va* da Silva. _____ ___________
AO PUBLICO,
^^fc armazem de fazend as bara-
tas, roa do Collegio n. 2,
vende-se um completo sortimento
de fazendas, fnate grossas, por
precos mais bairt do que em ou-
tra qualquer parte, Utnto em por-
j5es, como a retallio, aflianrando-
se aos compradores um s preco
para todos : este estabeleeimento
ahrio-se de combinacSo com a
maiot parte dai casas commerciae
fhglezas, rancezas, allemaas e suis-
sas, para Tender fazendas mais em
ejita do que se tem vendido, e por
isto offerecendo elle maiores yan-
tagens do que outro qualquer ; o
proprietario deste importante es-
^Jtelecimento convida a' todos os
Qnftfatricios, e ao publico em ge-. I
ral, para que tenliam (a' bem dos
seus nteresses) comprar fazeadas
baratas, no armazem da ra do
CoWfen. 2, de
Antonio Luz dos Santos & Rolim.
J DEHTISTA PRAHCEZ. :
Paulo Gaisjnoui, dentista, estabelecido n"a 9
9 ra larga do Rosario n. 3(i, segundo andar,
9 colioca denles com a pressaodo ar, e chamba 9
9 denles com a massa adamanlioa e ouiros me-
lee. Z

Illm. Sr. presidente e mais membros da com
missao de hjgiene desla provincia.Diz Paulo Luii
Gaignoui, dentista francez, que precisa a bem de
seu dircito, V. Ss. serem servidos examinar a pre-
paraban de que se serve para chumbar denles, e de-
nominou massa adamantina, em ordem de verificar-
se que a dita prepararlo diflere inteiramenle de to-
da as condecidas. Pede n Va. Ss. sejara servidos de-
ferir-lhe como requer.E. R. Me.
Paulo Luz Gaignoux.
A masa denominada pelo supplicanle Adaman-
linae por elle aprrseulada commis3o de hygie-
ne publica, dilfere de todas as apresentadas iiessa
mesma oceasiito por ootros; sendo a confronlac.no
.feita na presenta de Indos. Sala da sessoe da com-
misso 110 de julho de 185.5.Dr. A. Fooseca.
REPERTORIO DO MEDICO
HOMEOPATHA.
EXTRAlIDO DE KUOFF-E'BOEN-
NINGHAUSEN E OUTROS,
posto em ordem alphabelica, com a descrpcio
akrpvioilii lie lodaamii!ael.. l-J".,tn nhv lgica e Iherapeiilica de (odos os medicamentos ho-
meopathiros, seu lempo de ac^ao e concordancia,
seguido de um diccionario da signiGca;lo de lodo
o termos de medicina e cirurgia, a posto ao alcance
das pessoas do poyo, pelo
DR. A..!. DE MELLO MORAES.
O Srs. aseigoantes podera mandar bascar o seus
ejemplares, assia como quem quizer eomprar. ,
Massa adamantina.
He'gerluieole reconbecida a eicellencia desta
preparacSo para chumbar denles, porque seus resul-
tados empre felizes sio j do dominio do publico.
SebasliSo Jos de Oliveira faz uso detta preciosa
massa, para o fim indicado, e aa pessoas qoe qoize-
tcD honra-lo dispondo de eos servicos, podem pro-
cura-lo ni travessa do Vigario b. 1, lojade bar-
beiro.
t J. JANE, DENTISTA, |
% contina a residir na ra Nova n. 19, primei- m
:ro andar. 9
90
Precisa-ae fallar com o Sr. Manoal Mendes
FerreiratjuimarSe, ou com petsoa encarregada dos
negocios do mesmo : em casa de Paln Nath & Com-
panhia, ra do Trapiche Novo o. 10.
O SOCIALISMO
PELO GENERAL ABREU E LIMA.
Anda eiislem algn ejemplares enqaadernados,
e aetiam-se a' venda na loja de livros dos senhores
Ricardo de Freita Si C, quina da ra do Collegio,
e em casa do autor, pateodo Collegio.casa amarella,
no primeiro andar.
Preciss-se de urna ama para orna cata de pon-
ca familia : na pracadoCorpo Santo o. 17.
MA1A IRIi'OS.
Teema honra de participar aorespeita-
vel publico queteemaberto urna nova loja
e fabrica de chapeos na ra do Crespo,
no sobrado novo que faz esquina para a
na da Cadeia, aonde os compradores
acliarao desde boje eni diantc um bello
sortimento de chapese1 fazendas tenden-
tes ao mesmo estabeleeimento, epor me-
nos preco'doque em outra qualquer parte
tanto em porcao como a ictalho, e desde
jd Ihe i ecommendam chapeos francezes
de bonitas e elegantes lrrhas e de boa
qualidade, ditos Jeitos na trra de todas
asqalidadesdepalba, seda, e montara
para senhora, de lustre para pngem, e um
rico sortimento de galoes finos, de prata
e ouro para os meamos; chapeos de castor
francezes e inglezes, ditos de Italia para
homens, meninos esenhoras, do Chile linos
para homens, nKninos e senhoras, bone-
tes de todasas qualidades, asstm como se
aprontp qualquer encommenda tendente
ao mesmo estabeleeimento, a tudo por
precos maisbaratos do que em outra qual-
quer rapte.
C. FTARRdtC.
respeilosamenlt^onutciam qne no seu estenio es-
(abelecimentoeai Santo Amaro,coulinujm a fabricar
com aniaior perfeiaoe promptidao, lodaaquaida-,
de de machinistno para o uso da agricullera, na-
vegado e manufactura; e que para roaior commodo
de seus numerosos fregueses e do publico em geral,
teem aberlo em um dos grandes armazens do Sr.
Mesquila na roa do Brum, alraz do arsenal de ma-
rinha a
DEPOSITD DE MACHINAS
construidas oo dilo seu eslabeiecimelo.
Alli achargo o compradores um completo sorti-
mento de moenda di canna, com lodos os melhora-
meulos (alguna delle novos e origtnaes) de qoe a
eiperienria de muitsa anuos tem mostrado a neces-
sidade. Machinas d vapor de baila e alia pressao,
taixa de lodo lamaaho, tanto batidas como fundi-
das, carros de irrito ditos para cooduzir formas de
assucar, machinas para moer mandioca, prensas pa-
rsito, tornos de ferro balido para farinlia, arados de
ferro da mais approvada conslruccao, fundo para
alambiques, envos a porlaa para fornalhas, e urna
inllnidade de obras de ferro, que seria enfadonho
enumerar. No mesmo deposito eiiste urna pessoa
intelligenle e habilitada para receber todas as en-
commendas, ele., ele, que os annunciantes con lan-
do com a capacidade de suas oflicinase machinismo,
e pericia de seu ofllciaes, se compromelleni a fazer
ejecutar, com a maior presteza, perfeirjio, e exacla
conformidade com os modelosou deseuhos.e inslruc-
6es que Ibes forem fornecidas.
ROBLAFFECTER.
Ounico autorisado por decitao do eonttlho real t
decreto imperial.
Os medico dos hoapilaes recommeodam o Arrobe
de Laffecteur, como sendo o nico autorisado pela
aoverno, e pela real sociedade de medicina. Este
medicamento d'um goslo agradavl, e fcil a lomar
em secreto, esta em oso na marinha real desde mais
de 60 annos; cora radicalmente em pouco lempo
oom pouca despeza, sem mercurio, as aflecc,oe da
pelle, impigen, as consequencias das sarna, ulce-
ra, e os accidentes dos partos, da idade crtica, e do
acrimonia hereditaria dos humores; coovm aosca-
tarrhos, a beziga, as rontracc.oes, e fraqueza dos
oreaos, procedida do abuso das injecrOes ou de son-
da. Como anli-syphilitico, u arrnbe cura em poui-
lempo os floxos rcenles oo rebeldes, qoe volveo
incessantea em consequeocia do eraprego da copac
ba, da cubaba, oo das injecc,oe que repreieulem o
virus sem neulralisa-lo. O arrobe Laffecteur lie
especialmente recommendado contra as doencas, in-
veterada ou rebeldes, ao mercurio e ao iodorelo de
io. Lisbonne. Vende-so na botica de Brrale de
Antonio Feliciana Alves de Azevedo.prara de D. Pe-
dro n. 88, onde acaba de chegar urna grande porcao
de carrafas srandes'e peqnenas viudas directamente
de Par, de casa do dito Boyveau-I.affeclcur 12, roe
Richeo Pars. Os formularios dao-se gratis em
casa do agente Silva na praedoD. Pedro, o. 8-.'.
Porto, Joaqun) Araujo ; Babia. Lima & Irmaos ;
Pernambuco, Souui; Rio de Janeiro, Rocha & Fi-
Iho ; el Moreira, loja de droga ; Villa Nova, Joao
Perera de Msales l,eile; Rio Grande, F'ran de
Paulo Cont A C*
Traspassam-e ns chaves e urna linda armacao
de amarelloei vicrajada da loja n. :I5 da prara/ da
Independencia : Iralar na ra Nova n. 23, fabri-
ca de chapeos deso, esquina da Camboa do Carino.
Joao Frantsro Marques, estabelecido com casa
de negocio na vtla do Paiso, provincia de Alagoas,
declara que terlo encontrado ootros individuos do
mesmo nome, idesejando evitar as duvida que isso
pii.le orcasoi-, desde o !. de ji*ho de 1856 em
dianle se assipar JaSo Francisco Teiieira Mar-
ques.
Preeiseae de orna ama de leile que tenha bom
leite e seja sdia : no aterro da Boa-Vnla n. 78.
Precsando-sefallar ao Sr. Jos Cne-
tano de laria, e ignorando-se sita inora-
da,, rogs-se de annunci:i;la ou dirigir-se
a rua da Cadeia n. 50, primeiro andar.
Mmoel Ignacio de Oliveira Jnior.
Alma-s urna grande casa com soiao, 4 quar-
Ios.co7.jiha lora, estribara, caa para pretos, 2 co-
piare, prrlSo de madeiru. bom quintal plantado,
sendo naCiponga, canto da na dos Droges: o pre-
lendenle puilcm dirigir-se a roa do Queimado n. ?.
O Dr. Firmo medico, mudou
asua residencia para a.rua Nova
i. 23, primeiro andar, e conti-
nua no e\ercicio de sua prolissao.
O ez-proprielario do hotel da Europa faz pu-
bli:o, que nada deve oesta prac, mas te alcuem se
justar seu credor aprsenle suas conlas legalisadas,
qieserio immediatamente pagas; igualmente roga
ats seus devedores, que venham salisfazer seas de-
bito na roa da Aurora o. 58.
Sr Joao de Coalo Pacheco e a Sra. D. Ma-
riahna Moifleiro de Lima, viuva de Antonio de Me-
deiro Maciel, lem cartas na rua Nova n 8.
Arrenda-ee orna olaria boa e que tenha casa
anda que seja para pouca familia
nuncie.
quem liver an-
IvrUTSTIllA
Au;onnF"A.
BUCANA.
mZtoZSStt PT ',og,,el om *"> Par o
meie. n'i.0,'"- ^"'"- P**- lodoso,
Santa Cr.,.P,d"ta JUnl ,obr,do D0 P" <
. irl.VL'*? "m *obr.,do "> rende commodos:
* lr"" con> Je Hygino de Miranda.
Vetta^MT* d" Um """'"" : 'a roa da Senra,a
Avisa-ee encarecidamente ao Sr. J. de 1) A
C.,venhaquanlo antes re.g.tar o seo penhor que
empenhod por 3 das, e j< vai com doos mezes aira
ler app.rec,d Boa-Vi,., onde nao ignora.
iTLi ^ en"no C41"-'"' de Albuquerque,
estabelecido com loja de fazenda, ..a villa de Cam-
pia urande, provincia da Parahiha do Norte, e ahi
major ajudanle do commaudo superior da guarde na-
cional, lendo-lhe sido inlimada urna precatoria para
pagamento de quautia, evd, fazend. nacional,
na qna idade de eolleclor da Serra do Pnreir. jarorn-
c.a do Lear., e como nao live.se oceupado hif logar,
e nunca l,vee ido a dita provincia! como prov,
f.TmdwT ? 'rrefr48vi P"ranta ojoizo dos
felo da fazenda da provincia onde reside, e nao
podendo aliribuir isto 8e 0 a ler nome igual ao
de.se que lal lugar occopou, e par. nao ter para o
futuro incommodo como agora acabou deler, d'ora
em dianle se assignar Jo3o Florentino Cavalenoli
de Albuquerque Bello.
e.PLr.i.C0I,nhWr,'/, *er ""P" orotnln
"l".'"!0.!..'.** de f,mili. P-s bm agra-
e dando eonhecimenlo a sua
rua Direila n. !)|, primeiro
dando o seu trabalho,
conduela : a tratar na
andar.
- Jos de Azevedo Maia avisa ao publico, que
Jos Francisco Moreira deizou de ser seu caizeiro
desde o die 28 de dezembro de 1855.
- Precisa-se de orna molher de bon coslume e
hel, que saina enzunmir com perfciplo, para orna
casa eslting.ira de pooca familia, paga-se bem : a
tratar na rua do Trapiche n. 38, armazem.
Precisa-se de urna ama que seja fiel e saba
engnmm.r, para lomar coi,la de orna casa de ho-
rnera solleiro : a tallar ua rua do Tr.piehe n. 38,
primeiro andar.
Aehon-se nm relegio na estrada de SantV
na : dirija-sea Iterara da prara da Independencia,
que se dir quem o achoa.
COMPRAS.
Compra-sr- qualquer porgan de cauca a 2i0 a
earroja : na cocheira da roa da Boda.
Compra-so urna ampolbela de hora ou de meia
hora : nesla lypographia.
Compram-se3 painho de frucla-nao de ms-
sn : nesla lypographia.
i .HVKinX^I^Rjnl ? CONSULTORIO CEMB.VL
HOMOPATHICO.
(Gratuito para os pobres.)
Rua de Santo Amaro, {Mundo-Novo) n. 6.
O Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho da
j eonsallas lodo os das desde s 8 horas da
~ manhaa at as 2 da tarde.
Visita ce enfermos em seus domicilios, da
2 horas em diante; mar em casos repentinos
e de molestias agudas a grave as visitas serlo
feita em qoalqoer hora.
As molestia nervosas merecer Iralamenlo
pecial segundo meios hoje aconselhado
pelo pralico modernos. Estes meios exis-
ten) no consultorio central.
Novos livros de homeopalhia era francez, sob
todas de summa importancia :
Hahnemann, tratado das molestias ehronieas, 4 vo-
lumes......... 209000
Teste, molestias dos meninos .'.... 60000
Hering, homeopalhia domestica.....- 78000
Jahr, pharmacnpa homeopathica. 69OOO
Jahr, novo manual, 4 volumes I65OOO
Jahr, molestias nervosas......,. 65OOO
Jahr, molestias da pelle.......89000
Rapou, historia da homeopalhia, 2 volumes I69OOO
Uarthmann, tratado completo das molestias
dos meniuo..........lOSOOn
A Teste, materia medica homeopathica. 89OOO
De Fayolle, doulrina medica homeopathica 79000
Clnica de Slaoneli ....... 69000
Cssting.^erdade da homeopalhia. ... 49000
Diccionario de Nyslen .-.. IO9OOO
AJJta completo de anatoma com bellas es-
Hampas colorida, conlendo a dcscripcao
de todas as parle do corpo humano 309000
vedem-se todos este livro no consultorio homeopa-
Ihico do Dr. Lobo Moscoso, rua Nova o. 50 pri-
meiro andar.
Precjsa-se de urna ama de leite, pre-
ferindo-s escrava : quem pretender di-
rija-se a rua das Cruzes n. 11, segundo
andar.
LOTERA DO RIO DE JANEIRO.
Axliain-sc a venda os novo bilhetes da
lotera 8 do theatiode San-Pedro de Al-
cantara, que devia correr a 18 do pre-
sente ; as listas esperamos pelo vapor
nacional no dia 1 ou 2 de Janeiro vin-
douro : os premios serao pagos a' distri-
buirn das listas.
PERNAM-
FIACA'O E TECIDOS DE ALGODAO.
SOCIEDADE EM C0MMAND1TA
Para a fun,darao de urna fabrica de fiar e"
tecer algodo, organisada por Francis-
co Mara Duprat na capital da provin-
cia de Pernambuco.
CAPITAL SOCIAL 300:0005060.
Socio, em nome colleettvo gerente respongaveis
da sociedade, o Sr. Antonio Marques de Aiuoriro,
Justiuo Pereiri de Farias, Manuel Alves Guerra.
Socio de industria administrador do material e
nessoal da fabrica edependencia, Francisco Msria
Duprat.
Firma social, Amorim, Faria, Guerra & C.
Esta ocied.de admiUe socios commaudilarias de
1009000 at 5:0009000.
A durado da sociedade ser de 12 annos a contar
do primeiro dia em que a fabrica principiar a traba-
lhar.
Ella podera er prorogada no fim do dilo prazo,
on dissolvidn antes por delibera^ao da maioria do
tocios de 5009000 reis para cima, se a sua durado se
tornar prejudicial.
Os tocio realisrao as entrada de eeu fondos ao
Msjo que Ibes torera reclamadas petos sociee geren-
te, que Ihes passarao os competentes recibos.
O mximo das entradas sera de 20 por cento do
capital subscripto, a primeira entrada seta de 10
por cento e ser reclamada pelo gerentes para ser
paajro corrente de Janeiro prximo futuro.
Haveriaiemnre pelo menos 30 das d'intervallo en-
tre cada chamada de fondos.
A sociedade' cotila com o coocurso da assignalu-
ras dossenhores de engenhose plantadores de algo-
do, por serem directamente inleressados na promp-
ta reallsa0io da fabrica.
Ella podera consumir animalmente 30 a 40 mil
arrobas de algodao, quandoellase adiar em pleno an-
damento.
Podera dar o Incido para saceos de assncar, e rou-
pn da ciaste pobre*a 240 reis a vara.; o da Baha
que rostumava vender-se vendido ltimamente a 320 reis, e nao ha mesmo a
este preco agora que he mais procurado.
A fabrica oceupar diariamente para mais de 200
Irabalhadoret de 10 a 12 annos de idade pan cima.
Alera dos aprendizes qne serao mnito numerosos,
ella empresa muito tecelOes dos qoe traba-
Ihiim em learea a m3o em diversos lugares da pro-
vincia, sobre os quaet taaem com muilo cusi 5 a 6
varas'de lecido por dia, em pouco lempo selornarao
habilitados a poder fazer sem grande esforco 40 a 60
raras por dia sobre os leare mecnico.
O feitio Ihes er.i pago cerno na fabricas di Baha
20 reis a vara, o qoe Ihes" produzir um jornal de
800 a 18200 rei por dia.
O senhores que residen) tora da capital e que qui-
zerera entrar nesla til sociedade,poderao dirigirsuas
cartas de pedido a qulquor dos tres socios gerente,
oo ao socio de iodoslria Dupral, que lem em seu po-
der o livro das subscrpefles.
Elles declararlo 01 sens nomes por extenso, do-
micilio, e o nome do correspondente n'esta capital
encarregado d'erTectUar o pagamento da entradas
das preslacoes, quando forem reclamadas.
Alem do bem geral que resultar para a provin-
cia com a introdcelo d'esia industria e ereacjlo d'es-
ta fabrica, os socios podem contar, logo que a fa-
brica esliver em pleno andamento, com um bene-
ficio animal de mais de 12 porceulo do capital.
- Urna copia impressa da escriptura 'da sociedade
ser. entregue a cada um dos socios na oceasiao de
etfecluar o pagameoto da primeira prestadlo .de 10
por cenlo do capital subscripto.
Pernambuco 1 de dezembro de 1855.
P. M. Duprat.
VENDAS.
rua
EmcasadeN. O. Bieber&C,
da Cruz n*. 4, vende-se :
Vinlio de Madeira em quartose oitavos
barr s.
Vinagre branco.
Tintas em oleo.
Lonas.
Brinsda Rtissia.
Papel de embrullio.
Saceos de estopa.
Cemento
Por commodos precos.
MOENDAS SUPERIORES.
Na fundicSio de C. Stai-r & Companbia
em Santo Amaro, acha-se para vender
moendas de caimas todas de ferro, de 11 ni
modello e construccao muito superiore-
Em casa deHenry Brunn & C, rua da
Cruz 11. 10, vendem-se:
Lonase brins da Russia.
Instrumentos pora msica.
Espelhoscom moldura.
Globos para jardins.
ndeiras e solas para jardim.
s Oleados par* mesa.
Vistas de Pernambuco.
Cemento romano.
Gomma lacea.
CHAROPE
DO
BOSQUE
O nico deposito contina a ser na botica de Bar-
(helomeu Francisco desonza, na rua largado Rosa-
rio n. 36; garrafas grandes 59500 e peqnenas 39000
IMPORTANTE PARA 0 PUBLICO.
Para cura de phlisica era lodos os seusdiflerentes
graos, quer motivada por constipac,oes, loase, asin-
ina, pleuriz. escarros de sangue, ddr de costados e
peito, palpilacao no coraclo, coqueluche, brenchite
dr na garganta, e todasas molestiasdos orgo pul-
monares.
Patente.
Vendem-ie relogies de ouro ptenle ingtez ; no
escripiorio do aseule Oliveira, rua da Cadeia do Re-
cite n. 62, primeiro andar.
MQU1DACAO.
Na nntiga 'e bem conhecida loja de miudexas da
rna dos Qoarteis n. 24, vende-se um completo for-
tnenlo de iniudezas por menos do que poderia
comprar em primeira mo,que he para liquidar-so, c
afianea-se a boa qualidade,
Vende-se um novo e excellen-
le carro de 4 rodas e de moder-
no gostn: oa roa da Madre de
Dos n. 36, a tratar com Sezis-
nandn Joaquim da Silvetra.
AOS PR0PR1ETAR10S.
Vendem-se excellentes maslros de 75 a 80 palmos
de compnmcnlo e de madeira de qualidade, pro-
prios para subir madeira para obr, por preco mui-
to commodo : no A togados, a tratar com daldino
Lope de Oliveira, casa dodefonto Canute, pateo fie
N. S. da Paz.

DO
GUARDA NACIONAL.
8
:

loHSiiiilias
PARA 1856. '
EstSo a' venda as bem conliecidns fo-
lln i has impressas nesta typographia, as
de algibeira a 320 e as deporta a 160; as
de algibeira alem do kalendario ecclesi-
asticoe civil, contem um resumo dos im-
posto* raunicipaes, provinciaes e geraes
3ue affectamtodas asclasses da socieda-
e, extracto dosregulamcntos paroebiaes,
docemiterio, enferros e sello, tratamen-
to de varias molestias, inclusive a do cho-
lera, contos, variedades e regras para fa-
zer manteiga e queijosde deferentes qua-
lidades, ditas ecclesiasticas ou de padre,
correctas, e conforme as rubricas e uso
deste bispado, inclusive aresa deS- Tito,
e feitas pelo padre Machado, o mais an-
tigofolhinheirodesta provincia, (sem pri-
vilegio visto como a constituieo eleisdo
Brasil o prohibem) a 400 rs. cada urna:
vendem-se nicamente na iivraria n. 6 e
8, dapraca da Independencia.
Oracao contra a peste e o cholera-
, morbus. "
Acha-se venda na Iivraria n. 6 e 8 da praca da
Independencia nm folhelinho com diflerenles ora-
yoeeeonlra o cholera-morbo, e qualquer oulra pesl
te, a 40 r. cada nm.
Vendem-se a precos muito commodos, os e-
guinlet objeclos: relogio de ouro patente, obra de
ouro de goslo moderno, metal amarello para forre
de navio, cemento romano muilo novo, pipas vasias:
Irata-se no escripiorio de Isaac Curio & Companhia,
roa da Cre n. 49.
Vende-se um cabriolel ero hom uto ; a trata
oa rua do Collegio n. 21, primeiro andar.
Pannos pretos
de superior qualidade, para precos de29800, 3S200.
33500, 49, .19500, 59 e 69000 : na rua do Crespo,
loja n. 10.
Pratos ocos patentes
para conservar a comida
qnente: vendem-se na pra-
ca do Corpo Santo, arma-
zem n. 48, de Rostron JUo-
oker tif C. .
Cartas frince-
zas. '^^9
Vendem-se superiores earlas franceza para vol-
larele a 500 r. o baralbo : na rua do Queimado,
loja de miudezas da Boa Fama n. 33.
Cousas finas ede
bons gostos
NA-LOJA DA BOA FAIA.
Vendem-se ricos leques com ploma, bolota,e
espelho a 29, luvas de pellica de Jeovin o melhor
|M pode haver a 19800 o par, ditas de seda ama-
relias e brancas para hornera e senhora a 19280, di-
tas de (ore.al pretas e com bordados de cores a 800
r*. e 19200, ditas de fio de Esencia brancas e de le-
da as cores para homem e senhora a 500 r., dita
para meoino e meniuas muito boa fazenda a 320,
lencinho de retroz de toda a core a 19, tonca de
lai para senhora a 640, pente de tartaruga para
alar cabello, fazenda muito superior a 59, dito de
alisar tambem de tartaruga a 39, ditos de verdadei-
ro bnfalo para lar cabello imitando mnito ao de
tartaruga a 18280, ditos de alisar de btalo, fazen-
da muilo soperier a 320 e 500 r., lindas meia de
seda pintadas para crianeas de 1 n 3 anno a I98OO
o par, ditas de fin de Escocia tambem de bonita
core para criantes de I a 10 anno a 320 o par. es-
pelho para parede com escolenles vidros a 500,
700, \0 e I9200, loocidores com p a 19500, fita
de velludo de todas as cores a 160 e 240 a vara, es-
eovas fina par denles a 100 rs., e finsimas a 500
r.. ditas fimssima com eabo de marfim a 19,1 ran-
ea de seda de todas a cores e larguras a 320, 400 e
500 r. a vara, sapalinho de ISa para crianzas de
bonito padroe a 240 e 320. aderemos pretos para
luto com brincos e alunles a 19, tencas pretas de
seda para crianeas a 13, travessas das que se osam
para segnrareabelle a 19, ptsloliohas de metal para
crianeas a 200 rs., galheleiras para azeita e vinagre
a 292OO, bandejas mnito linas e de lodos o laase-
nho de 13. 29, 39 e 49, meia branca finas para
senhora a 2i0 e 320 o par, dita pretas mnito boa
a 400 rs., ricas caizas para rap com riquissima es-
tampas a 39 e 29500, meias de teda de core* para
hornera a 640, charoteira muilo Gnas a 29, c.stoe
para bengalas a 40 rs., pastas para guardar papis
a 800 rs., ocalos de armario de ac,o praleados e dou-
r.do.a 640, 19e 1*200, lunetas com aro debtalo
e tartarosa a 500 rs. e 19, superiores rica benga-
linha a 29, e a 500 rs. mai ordinarias, chirotes pa-
ra cavado pequeos e grandes, fazenda muito supe-
rior a 640, 800,1J, Ijaoo, I950O e 2, atacadores de
cornalina para canea a 320, penles muilo finos para
soissa a 500, escora finas para cabello a 640, ditas
para casaca a 640. capachos pintados para sala a
640, meias brancas e croa para homem, fazenda
superior a 160, 200 #940 o par, camisas do meia
moito finas a 1 e t9200, lovas brancas encorpad.is
propria para montara a 240 o par, meias de cores
para senhora muilo fortes 220 o par, ricas abotoa-
dnras de madreperola e de entras muitas qualidades
e gostos para colletes e palito* a 500 r., fivela don-
radas pera calcas e colletes a 120, rieas filas fina
la vradas e de todas as largura, bicos finissimoa de
bonito padrOes e todas a largaras, rica, franjas
brancas e de cores para cama de uoiva, lesoor-
nha. per,) costura o mai fino qoe e pode encontrar.
Alm de todo isto oolras muiliwima cousas moito
proprias para a Cesta, e que ludo se vende por pre-
co que faz admirar, como todos oa fregneze ja u-
bem : na roa do Queimado, nos qualro canto, na
bem conhecida loja de miudezas da Boa Fama
n. 33.
Meias pretas pa-
ra padres.
Vendem-se superiores maia de lata para padres,
pelo baralissimo preco de 13800 o par, ditas de al-
godo pretas a 6J0 o pr : na rua do Qnelmado, toja
de miudezas da Boa Fama n. 33.
*
i
coletos e
des- t
c ro Wente ingle/,- f
dem-se nc[eripto^j^ ^UU Meltor & |
i
de
Vendero-ao 00 escupi
Companl*
mais.uperio/esrelogio cobISL de,coberto, de
ouro, patente intlez. de atni oT^,horM fabrio0.
le de Liverpool, viodo pelo ufw paqM|e inlez
Vende-se em terreua de ma.o., ,y0 e(n fi-
ra de Porta, do lado da mar gran!\.', correr da
casas do Sr. Joao l.eite Pita OrIigueirX0m210 pal-
mo de frente, e fundo al a baila mar^nio pro-
prio para armazem de recolner por ntar 4rronte da
barra : a tratar na ru lo Llvrameolo o. i, ioj.
Vende-se nm terreno na rua do Hop,.j0 u
aterrado e promplo par* se edificar, he prozian ave
quartel : a tratar na ruada Trapiche n. 14.
Vende-se uperior (e*fne mulalinho
ullimamenle : oa roa do V'ario o. .
Vinho de aju'.
Este excellento vicho engarrafado, achn-te ven-
da a I9OOO a garrafa, na wgainle* taberna: oa
rua d> Cadeia do Rocife, cas do Srs. Fonle* & lr-
milo ; na rna eitreita daJtoeario, cas* de Sr. Po-
ca, e desmonte na toja de doce* n. 39 A. Por ata-
cado vende-te na loja dos Sr. Genvn & Leite, rna
do Queimado n. 27. WT
Pipas vastas.
Vende-se poroso do pipe* vasia* proprias pera en-
cher de agurdente, preco de 179 cada orna : a
tratar no escripiorio de Manoel Alves Guerra,' na
roa do Trapiche n. 14.
Ssv'W'aPw
RA. #
POTASSA BRAS1LEIRA.
Vende-e superior potassa, fa-
bricactn no Rio de Janeiro, che-
gada recentemente, recommen-
da-se aos senhores de eDgenho os
seus bons effeitos ja' experimen-
tadot: na rua da Cruz n.. 20, ar-
mazem de L. Leconte Feron 4
Companhia.
Acha-se a veml no paleo do Carmo
primeiro andar, o MANUAL DO
OUARDA NACIONAL, obra inleressanle
a todos o senbore ofllciaes e gurda, e
mesmo aos Srs^advqgado, por conter to-
das a leis, regulamenles, ordene e avisos
concedientes .1 mesma suarda, desde a
crearlo da le n'flOide 19 de selembro de __
1850. al 31 de ,'feiembrode 18.U, *!te-M. A. *\ >*V#*J TSi O \th man
panhaso de um Im/Torl.-ins llullce. lia en- ^t" ,UUn9u9 SJSj IMJI Cl
endentados e em brochnra. ^*
de pura laa.
t k1. preso de 39: na roa d Queimado, luia
de miu.ieza da Boa Fama o. 33.
Moinhos do vento
ombombasderepuopara regar hortasa baixa,
decapim, nafundi;aode D. W. Bowmaa : na rua
do Brum ns. 6,8el0.
COGNAC VERDADEIRO.
Vende-se o verdadeiro cognac, tanto era garrafas
como em garrames: na rna da Cruz n. 10.
AGENCIA
Da Fundicao Low-Moor. Roa da
Seniala BOTa n. 9.
Neste estabeleeimento continua a ha-
ver um completo sortiment de moen-
das e meias moendas para engenho, ma-
chinas de vapor, e taixas de ferro batido
e coado, .de- todos os tamauhoo, para
dito.
AOS SENHORES OE ENGENHO.
Reduzido de 640 para 500 rs. a libra.
Do arcano da invencao' do Dr. Eduar-
do Stolle em Rerlin, empregjsja na co-
lonias inglezas e hollandezas^Sm gran- \
d vantagem para o melhonrmento acy
assucar, acha-se a venda, em lates de 10**
libras, junto com o metliodo de empre-
ga-lo no idioma portaguez, em casa de
N. O. Bieber & Companhia, na ruada
Cruz. n. A.
Vendem-e em casa de S. P. Johns-
ton & C., na rua de Senzala Novan. 42.
Sellins inglezes.
Relogios patente inglez. s*
Chicotes de carro e de montara.
Candieirose csticaes1 bronzeados.
Lonas inglesas.
Fio de sapateiro.
Vaquetas de lustre para carro.*
Barris de grasa n. 97.
Vinho Cberry em barris.
Camas de ferro.
,
Precisa-se de urna ama :
la n. 60.
no aterro da Bon-Vis-
Precisa-se de orna ama que saiba enzinhar e
eogommar: na rua dos Goararapes n. 36.
Pela teceira vez se annuncia a pes-
soa a quem faltar um caixo com Utas e
trancas de velludo, que se achou na estra-
da da Capunga, que' baja de dirigir-se a
rua. do Crespo n. 16 A, para se Ihe en-
tregar, no caso que d os signaes certos.
Magalhiies da Silva Irmaos.
l'reciia-se de nm caizeiro porlugoez de 12 a 20
anno para taberna, eom pratica ou em ella : em
Fra de Porta, roado Pilar 11. 81._____ ^^_
Fabrie de bo-
toes.
Jos Bapllsla Bragi. com fabrica de laloeiro, fuo-
diijio e funileiro, na rua Nova n. 38, acaba de mon-
tar urna outr fabrica de bolees de metal em poni
grande para fabricar toda a qualidade de botSes com
nueiero, letlras ou qualquer dizer qoe o pretendente
queira, tanto para tropa de Ierra como de marinha,
douradotou em amarello, assim eomo para os bala-
lhoesde guarda nacional, por preco barato.
Jouvin.
Lnvas de pellica da fabrica, de Jonvin, para ho-
mem o senhora ; vende-te na rua do Ciespo, loja
Chales de me
ri
com orna rica palma de seda na pona ; vende-se
por pre(o commodo : na rua do Crespo, loja n. 19.
Vendem-se qaeijos do Reino, os mai novo'
3ue ha no mercado a 23-200, rrsponde-se pela quali-
ade, ligo a 320, aletria a 400 rs., macarra a 360,
l.lh.rim a 360, Hnguc.as do Reino a 440: na rna
dos Marlvrios, taberna o. 36.
AVISO.
Na rua da Cadeia do Hecife, loja de
miudezas, de Antonio Lopes Pereira de
Mello 61 C, vendem-se saccas com o ja'
bem condecido feijSo mulatinho, chegado
nestesdias do Aracaty, no hialc Capiba-
ribe-
Vende-se nm oculo de armarn de prata dou-
rada e vidros azues, em bom estado, por 89 : ns
(ravessa do Veras, casa terrea n. 24.
Vendem-se o* excellentes romance* do Dr.
Macedoa Moreninha, com a linda balada em m-
sica, por 39; e a Rosa por 19: quem os quizer
comprar, dirija-se a prac,a da lina-Vista, taberna
n. 3.
CKR DE CARNALBA.
Na loja da rua do Crespo n. 10, vende-se ezcellen-
le cera de carnauba, por menos do qne em oulra
qualquer parte.
Vende se um (orno para torneiro, por preco
commodo : mis qualro canto da Boa-Vista n. 1.
Venden -se saccas com milho por 39200 : na
rua do Vigario, taberna de J0S0 Simao de Almeida.
A's senhoras de
bom gosto.
Verdadeiro bieo de bloude blanco e prelo, e bo-
nito* chapeo de senhora por prego muito commodo.
A mesma loja acaba de receber muilo relogio
americanos para cima de mesa, do ultimo goilo ; e
tambero relogios francezes com caiza, por prec,o
moito em enuta.
O 59 a
confronte ao Rosario de Santo Antonio, avisa ao res-
peilavel publico, que receben ltimamente de Pars
um grande, sortimento de confeito* e caiiinhas ai
mai* delirada* que lem vindn a este mercado, as
quaes se acham ezposlas em um grande fiteiro pare
bem poderem apreciar o que ha de mais delicado
nesle genero 1 vendem-se por preso commodo ; e se
algum senhor logisla quizer (lear com porjao, ven-
de-se com um pequeo ganho.
A.ctritt!
Vendem-se caitas com alelriaJs>roprias para casas
perticolares por serem moito era conla ; uo arma-
zem do caes da alfandega, de Jos Joaquim Pereira
de Mello n. 7.
Vende-se urna porcjio de ola moito boa, pelle
de cabra, vindo do Aracaty : a tratar com Antonio
Joaquim Seve, rua da Cruz n. 13, primeiro andar.
Vende-se um cavallo pedrez, muilo manso e
novo, deearro, e tambem serve para sella por car-
regar al meio : ne rua da Praia, loja de fazenda
n. 30, defronle do becco do Carioca.
Vendem-se saccas com milho por preco coro-
modo : na taberna da roa das Flores n. SI.
Novo sortimento de calcados francezes,
no aterro da Boa-Vista, defronte
da boneca n. 14.
He chegado om novo etompleto sorlimenlo de
calcados de lodas as qualidades, lano para homem
como para senhor, meninos e meninas, assim como
os muilo desejados borzeguin e sapato de Nnnles,
lodo por preso commodo, a troco de sedula velhas ;
assim como muilo superiore velas de carnanba fei-
tas no Aracaty pelo melhor fabricante qne 1* ha.
Em casa de Timm Momsen & Vin-
nassa, prara do Corpo Santo n. 15, ha
para vender:
Um sortimento completo de livtos em
branco viudos de Hambrgo,
Cortes de seda
superiores.
Veudem-se cortes de seda de quadros, estreilas e
largas, de muilo bonsgoalo e modernas, assim como
lenc,os'decainbraia muito unos com bicos mnito lar-
gos, chales de.!** o merino, lito, com barr do co-
res, Ultras de seda e bordados, assim como outra
moila fazendas por preso muilo commodo, a di-
nheiro vista : na rna da Cadeia do Recita, loja n.
O' defronte da rua da Madre de Dos. '
Cura infalivel
DO
ehlera morbus.
Acaba de ser publicado, e aeha-se venda na II-
vraiia universal, rua do Collegio n. 20, nm folheto
que trata do modo de curar essa lerrivel molestia
pelo sumo do limo, por 200 rs.
Tijolos de marmore.
Acaba de cheaar om novo sorlimenlo de lijlos de
marmore, e vende-se no armazem de Tasto Irmaos,
no becco do Goncalves.
Cortes de cassa para quem quer dar fes-
tas por pouco dinheiro,
Vendem-se corles de casia chita de bom goslo a
29, ditos de padroea francezes a 29400, castas rozas
para ataviar lulo, dita* prela de.padrfie* miudos a
29 o corte, alpaca de teda de quadros de toda as co-
re* a 720 o ovado, lene,os de bico tanto pintados
como bordado* a 320 cada om, grvala* de eda pa-
ra homem a 19 e laGOO ; toda* estas fazendas ven
dem-se na rua do Crespo n. 6.
LONOR D'AMBOISE.
Vende-se o excedente romance histri-
co Leonor d'Ainboise, duqueza He Breta-
nha, 2 volumes por 1 $000 rs., na Iivraria
n. 6 e 8 da prara da Independencia.
Veade-se cal em pedra ebegada no ul-
timo navio de Lisboa, e potassa americana
da mais nova : no nico deposito d\ rua
de Apollo n. 2B-, de A. J. T. Basto &
Companhia.
ama do Vigario n. 19, primeiro andar, ven-
de-te farelo nove, chegado de Lisboa pelo brigne>-
deranca.
_ &#$* 8699&
Deposito de vinho de cham- f
'agne Chateau-Ay, primeira qua-
idade, de propriedade do conde
de Marcuil, ruada Cruz do Re-
cife n. 20: este vinho, o, melhor*
de toda a Champagne, vende-se
a 56$000 rs. cada caixa, acha-se I
nicamente em casa de L. Le-
comte Ferott & Companhia. N.
B.As caixas sao marcadas a f<
8goConde de Marcuile os r-
tulos das garrafas sao azues.
wmBmm*-*-mmm*m
POTASSA E GAL TII6BI.
No antigo e jaNbem cohhecido deposi-
to da rua da Cadeia do Kecife, escriptorio
n. 12, ha para vender moito superior
potasa da Russia, dita do Rio de Janeiro
e calvirgem de Lisboa em pdra, tudo a
precos muilo favoraveis, com os quaes 13-
carao os compradores satisfeitos.
FARINHA DE MANDIOCA,
Ve de-se superior farinlia de mandioca
em suecas que tem um alqueire, medida
velha por 5J000 reis : nos armazens ns.
5, 5 e 7, e no armzemdefrCnte da porta da
alfandega, ou a tratar no escriptorio de
Novaes A; Companhia na ruado Trapiche
n. 34, primeiro andar.
A3$500
Vende-se cal de Lisboa ltimamente chegada,as-
im como potassa da Russia verdadsira : pa prac da
Corpo Santo n. 11.
Vende-se ac em euohetas de um quintal, por
preso muito commodo : no armazem de Me. Cal-
mont & Companhia, prasa do Corpo Santal. 11.
Voade-se urna balan;* romana eom lodos os
*eu pertences,em bom oso e de 2,000 libra*: qnem
pretender, dirija-se rna da Crns, armazem n. 4.
Brins de vella : no armazem deN. O
Bieber & C., rua da Cruz n. 4.
Vende-se excedente taboado de pinho, recen-
temente chegado da America : na ra de \ pollo
trapiche do Ferreira. a eolender-se eom oadminis
Iridor do mesmo.
,. VINIIO XEKEZ.
Vende-se soperior vinho de Xeres em barris do
1|1, err casa de E. H. Wyall : rna do Trapiche
n. 18.
TnJTtta para, ntranos.
Na fimdicao' de trro de D. W.
Bowmann, na rua do Brum* pastan-
do -O chafara continua fiaver Mm
Mmpleto sortimento de taixas de ferro
inaTdo'~ b*"t*> de 5 a 8" palmos o*e
bocea, asqtfaes acham-se a venda, por
I prelpJ commodo e com promptidao' :
embarcam-se ou carregam^e em carro
sera despeza ao comprador**
Jos Nokia* de Oliveira vende na ferraea.nl
de sua olllcina de oorive, toJa perfeita e em granee
porreta, e de boa qualidade, vende-se com pr.zo oe
abalimento nos presos, a constato de 40*01 sjotira
eomprar toda tarramenta e ulencilio* d messna ufli-
cina : a Iralar ne pateo da Santa Crns, casa de mo-
mo in
rada n. 8.
Na roa Direila, sobrade de otsFandtr n. 33, a.
pJa botica, vende e doce eeco de caja' muito at.^
vo e bem leeco, por preso mnito em couli, e oulra*
qualidade, f*zem-te bandejas de bolinho. dece vos, rrot- de leite, pic-de-l enfeitd de Ifinins,
e ludo quinto e precisa para obre-mesa, tambem
e faz jela de substancia.
Vende-se banha de porco derretida, de (ora, a
400 r. a libra : na rua do Rangel n. 35.
Vende-te urna prela mofa, boa lavideira
engommadeira, cote e corintia : no Recita, reeldi
Cruz 52. ,
IECHAHISIO PARA EIGE
no.
NA FUNDICAO DE FERRO DO ENGE-
NHEIRO DAVID W. BOWNIAX. *A .
RUA DO BRUM, PASSANDO O sHA-
FARIZ.
ha sempre om grande sormenlo do* segninle ob-
Kitos de raechaoismos proprios para en^enbos, a si-,
r: moendas e meias moenda. da mais moderna
constrncslo ; laUas de ferro foniUdo e balido, de
superior qualidade e de lodos o tamanhos; ro^"\
dentadas para agu on animies, de todas as propor- "
Ses ; crivo e boceas de foroalhae registres de bo-
eiro, agoilhoes, broniee, parifnsos e carlhoes, rooi-
nho de mandioca, etc., ele. '
NA MESMA FUNDICAO
te execnlam lodas as eoeoasaeoda* eom a soperior
ridide j coohecida, e com a devida protza e com
meeUdade em preso.
- -\
escravos ruamos.
Detappsrecen do patacho nacin*! Mra um
relo marinheiro, natnral desla provincia, por neme
oaquim, o qoal pode ser eaahecido' pelos siRoaes
segninle* : estatura mediana, barba por. beise do
jneno, marca de bexigas.no rosta, lesllciilo* voio-
pmt, fign 4") annos de idade, trajava cal$a e ca-
rmn de alsodlo azul echapeo velho de baVla: quem
ocaptorai, pode leva-io a bordo do dilo patacho,
qoe se acha ancorado perlu do caes do Cellegio, on
a roa da Cadeia de Recita a. 12, qne sor* gritifi-
cado.
Em 25 do exrenle, u7 hora de noite, fugki
a escrava Joaquina, de cdi cabra, bsiia, bem pere-
cida, cabello crespo, cortado de poooej, e com gafo-
lina na frente, denle* limado* com falla de nm na
frente da parle de cima, tem no broeo direilo 4 oo
j marcas de sarnas taradas ullimamenle, levou nm
vestido de chita encarnada e ijde diversas qualida-
des ; esta cabra ha bem contienda porque anda sem-
pre na rua, e de continoo eslava roellida no aeongue
da roa do Kangel sooie corla cerne Mano*) Eu/e-
bo com quem ortero \er negocio, e foi eterava de
Benedicto Cedrim rtjoem a pegar lev*M( a roa da
Cruz do Recita n. 6l7que ser recompeaedo.
Uesencsmiobou-se no di. 29 do passtdo, do
abaizo asssignado, de sua loja al a alfandega, oa
denlro desla, uma caiteira com alguraas nota e di-
versa carlas,facluras e mais papei, qoe a ningoesn
mai podem interessar ; por Isto rogs-te a quem a
achae oa seiba della, o obsequio bola-la per beixo
da porta da loja de miudezas em frente do Livra-
meole, ou restitui-la, qoe era generosamente re-
compensado. Fraocieco Alves de Pinho.
Joaquim Gonsalve de Almeida deseja ssmer
em que cidade, villa ou povejesSo de*t* prwvhtria
reside seu cunluio Jola Merques Ferreira Lim*,
para negocios de familia ; o annuneanie reside so
presente no aterro da Boa-Vista a. 70.
Fugi* no noile do dia 35 do correle umjnole-
que crionlo, de nome Liberato, idade de 12 annos,
o quil foi comprado no dia 24 do mesmo roez ao Sr.
Francisco Xavier Cavalcint. e afiancM pelo Sr.
Kranriseo Xivler Cavalcinli I.ins, morador na rua
do Rosario da Boa-Visla ; o qnal moleqne lem es
sigmes segninle : cor preti, olhos grande, rosto
redondo, p apnlheladoa, lem uma das pernas qne
foi quebrada, oa de pool* de charutos detraz da
orellia, levou c.msji de ritcado e caifa d algedio-
linho azul j velha e batante suja : roga-se fs a-
Uridades paliciies ou qoalqner rapitao de campo
que virem e dito moleque. o qual tai do ditlricle de
erinhaetB, o apprehendam levern-o i roa Direila
n. 3, qne ser gratificado. *
PERN. : TI9. DB 11. F. DE PARIA. toV
^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY0TZ9DBG_J754DW INGEST_TIME 2013-03-25T15:27:59Z PACKAGE AA00011611_00322
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES