Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00310


This item is only available as the following downloads:


Full Text


N.M8
.
V-

/

Por S metras aantados
Por 3 meros vencidos
4,00
4,800
SEXTA FEIRA 14 DE DEZEMBRO DE 1855.
Por armo adiantado 15,000.
Porte franco para o subscripto*.
RNAMBUCO
EXC.illKKOAJMiS UA SUBST.RIPT.AO'-
Rocife, o propriebrio M. F. (le Faria ; Rio de Ja-
WiW"tar' ic" Pere>ra Marlins ; Babia, Si. .
^^BlaC'M, o St'iihor Clandino Falda Dia* ;
rlniha, u Sr. Gervasio Vctor "Natal, o Sr. Jaaqnim Ignacio Pereira Jnior; Ari-
el Sr. Amonio de Lemos Braca ; Cear.o'Sr.
lequim Jou de Oliveira ; M.iranliAo o Sr. J.oa-
iid Marques Rodrigues; Pinuhv, t Sr. Dominios
Rercnlano .ckilesPessoa Ceiuense; Para, oSr. Jus-
lne J. Ramos; Amazona, o Sr. Jeronjmoda Costa.
CAMBIOS.
Sobre Londres, de 87 .l/fc. 27 3(4 d. por 19
Paria, 350 rs. por f.
Lisboa, 98 a 100 por 100.
Rio de Janeiro, ao par.
Accoes do Banco 40 8/0 de premio.
> da (.'.ompanhia de Beberibe as par.
.da companhia de seguros ao par.
Disconto de letlras, de 9 a 12 por 0/0.
METAES.
OuroOncai.haspanholas. .
Moafn de MOO velhas.
*! de 69400 navas.
F de 4000. .
Prata.Pataebes brasileiros. .
Peso* eolumnarios. .
mexicanos.
FAITE imCII.
tWV ERBIO DA) PK0V3ISCIA.
Exiiedtat* do da 6 PortaraNomeando para lente da p
companhia docorpo ile polica, *o alfides da le
ra Joaqun) Horrnlano Pereira Calda*, e para alta-
res desla a Francisco Xavier de Salles Cavalcante
de. Aducida Fizeramse a necesarias corumuni-
cajes. '
GCiBOf ANDO Da AHMaS.
Qaartal c PtnuaM> ata cidade da Recite en t; do
dmr-' da 1SU. '
ORDE.U DOMA N. \FS.
O Sr. alferes do segando butalhAn Je iuuntaria
JosFrancisco de Oliveira Mesquita, em reqoeri-
ineato que dirigi ao marerli.il da campo comman-
Jaute das armas, allezou acli-ir-se (unstanjomente
doenle, a que seus sofrimeiilis so iggravavam de
d>a em da, pulo que desejav.i ser inspeccionado de
saude. Kcunindo-se hoje a jnhla
minicanos foram obrigados a relrata-lo. O peior
disto he, que sendo informado dos passos do seu em-
bajador, o noo secretario de Estado e assusla, e
s*m demneafemprehende a srala tarefa de applacar
a colara sotritada das potencias adiadas.
Assim, em liberdide para diciar os eus pro-
prios termos, o cnsul ingle Schomburgk c o cnsul
francez Duras* pozeram as suas caberas em enm-
mum, o deram como penhor a le fundamental da
repblica dominicano. A suas requisicoes fizeram
delta em lodos os intentos e designios pratiros, urna
dependencia das potencias alliadas ; e a essencia do
negocia jaz as eslipulares exlorquida* nos Domi-
nicanos, que em lodos es seus rumprmnissos diplo-
malicos dabi em vanlc 11A0 llavera disliucces de
casta ou edr concedidas a alguma potencia cslran-
aaaa-ein a .tusas*- algoma te qvaesque* aveato-
retros calomsadores de oolros paize, armados ou
liSo armados.
He manifest que esta exacjie* so se podem re-
ferir ao Eslailn*-ljuides, e especialmente i nnsa
insliluicAu nicrioioual de esclavatura. Ko a polili-
ca de Mr. Callioum, quamlo secretario de Estado no
lempo d" presidente Tylor, para reforjar lano
quanyj fosse possivel a repblica dominio.no contra
le saude para
* inspoejao pretendida, foi depareeerque j o' imperio nafro-'* Soouqae.'o ouro *tr**o" Tta
ilhadell i\h. soh a arenca deque o destino, da es
o dito Sr. alfares apresenlava urna cicatriz de feri-
nento antigo, ^ qae podio cor tiiinnr a prestar ser-
ijo, por Isio que o sofirimenlo nilo o iinpu lava : o que ludo o mesmo ma-echal de campo di-
clara para scirucia da guarnirn e lisas convenien-
tes.
Jos Joaquim Coelho.
EXTERIOR.
OS ESTADOS IM DOS.
Pelaor'es Ira/idos pelo .(menea, Multemos
qu un numero de polticos de New- York Ti/ia es
turtos estriar lntrios em Washington paro assegu-,
rars voto lie New-York ao presidente Pierce ua
cimveu(Au (iuemnati. Dizia-s- que o general Cus-
lung era raiii a 1 verso ao li.wn iK. nev na America Central, e irsislia que sn l'uus-e
alguma couia acerca do negocio. O Dr. Worrell,
rsmsul dos Estados Unidos din Matanzas Coba, vie-
ra p.ir.i representar os aulori ludes as cireuinstancias
q*:o tizaran) arrear a ban.leira e dcixar o seu pos-
to. Parece que, tendo posto o sello consolar aa ca-
sa docidadio americano, ultimamenle|morlo alli.foi
dupoisreinoc o pelo ulciide, soh a ilirecla autoriza-
da do capilo general,que dizen ter negado ojuris-
diccdo do Itr. sobre los Norte Americanos que via-
jaaa uos donimos hespanlioes.
Uassuuiiio .lo ultimo tralndo entre n Inglaterra
e a Franja e n repblica de S. Domingos be oulra
un tpico da denuncia as gazelas americanas,
ublicain a correspondencia oflicial a asle respeilo.
NlDi'aabemoi f- o tratado em qieshlo ja receben orna
sanecio forma., mas o respectivo objeclo pode ser
visto pala uta seguinti.qoe lem as asignaturas dos
cnsules ingle;: e Iraiicez :
o S. Douiuigos -\ ile dezemliro de |5i.
Sr. prndenle:Os abaiio assignados cnsules
' d Inglalena .) da Franja, no intuito ultim.s dill o. I Liles que se p id-m oppor a urna
tregua ile 10114a duracao entro osdoos partidos de Iha, deaejain saber seo goveruo dominicanoconsen-
nlrar pos seguimes comn prunisso comas duas
tanciasmsdianeiras.nocaso loque 11 imperador do
llajli conct J. sol ente* compromissos, a sua adheta
a tregua sol as garantas da mesma potencia :
u Nao alienar, abandonar, Jiypolbjecar ou rc-
raluiti.menle, ao lempor ma 011 permaneul-
mente, qua!qirar porrio du territorio dominicano,
particularmoote na baha do Saiasasi, a analquer
overnu qun spja.
. AJlaPUif Hr huiim 1 nina flnr.
10 com quulcnur estado cslraugelrn ; nAo aceitar
subsidio alium, nao hypolliecar ramo alguin das
rendas do E.sUdu domiiucauo.
1 'Sin lonaenlir'na alienaju de qualquer
fraeco da tojierana jurisJirjio nacional.
sr 4 Hgo pi;rnlfNir gnverno algum; qualquer
que seja fazfr estdbalpcimento martimo 00 Uc nutro
lionero; nao lundir 00 oceupar depsitos ou felo
ras da qualquer especie no territorio dominicano
' .au tolerar o desembarque, n 1 dito l.rrilo-
risi dequ.nsquer partidos de avenlureiros, armados
011 lio armados.
o f>' Jitu concluir tratado :om q lalquer poten-
cia qaalfej., segando algnma i:ousa que ja nao te-
lilla sida concedido a uniros em convenjocs anterio-
res ; prlimrjque tndo, tratado a'lgnm que 11A0 ga-
ranta da porte das ou Iras- potencias as' iqesmas vau-
lagens e os uiesmos privilegios a todos os l)nminica-
nos, sem iUcrSo mlgUma tieorigem ott'ctir.
a Os coiiaulesabaixo Hs.iuusdo'. soh a presente
urgencia, reden) a V. Etc. que de urna resposla a
esta ola den ro do rnais breve periodo que for pos-
Bisel.
Bobcr f. Scliofibur'sl., 1,1. 11. M.' cnsul.
i( R..S. V. Dnrass, consol iLs Franra. 11
Esta hoaiiisc diz urna carl.i de Washington; do
rl.itu quo I. Djuiinica, julga-se que a llespanh-
agora teten lornadn urna liarle n-sl graude r-
raajftfurDiieU. Ambos os consnlns forain cumpic
soeuladiH p-liis seus ro quencia do lnm etilo etn por lun s pretenees ame-
ricanas em S. Domingos.4) ron-ul dos Estados-I,'-
m tos taque l!u lugir .:iz, que Sir II iberj II.-Miom-
l>mgk recebu urna bella ad.lijio ao seu salario por
cans dnloillsde e promptido no negocio dcslas
notas.
, A' cxc.-pi;1(i de ser dirigidas contra o principio de
auiietiir.to ^ue est l.1o dlstin-tamcnlc iinpres.-o na
(Hilitic. eileru. dos Estados-Unidos, he jtUMl an
primeiro vt Iver d'olhoso que ha as e>lipulac
|>rn que ecrite o*humor de Jomitliau. A--
"es otiserva;6M duedilor no Kk York If'iad
meridionaes
mira o
cravidilo nos nossos Estados meridionaes eslava lar-
gamenle envolvido na final concluso entre a escra-
vidao c a euianripai.Mn as illias da India Occiden-
tal. Tinha |ira si .que eslas ilhas ullimameiite se
turnaran) urna cunte leraritn de eslabelecimenlns
negros livres ; o que quando a emanciparan e a in-
dependencia africana fossem tentadas, voveriam
antiga instituidlo da escravulao africana.
lluinprehendeu os designios de abohrn da In-
glalerra, e previo que, com a cmancipajAo ootravez
eslabelecida em lodosas ootras Indias Occideulae',
Cuba em breve segurria a mesma laaicli.i. Oeste pon-
to eri f^cil prever que orna guerra inis activa e
directa contra a escravidao nos Balados
seria o passo imme linio, leudo em
objeclo de violar e-la fornajda e a sua sUprrmacia naval e commer. ial.
jecto de Mr. Cilhoum foi fazer de Do1
cleo contra a abolicao da poltica da
luda Occidental, a
lloove niin immsuisa demonstrarlo
lliing cui Philadelphia a 5, na qual urna
mens.igem do Committie cieeutivo foi ...
do vanas admissdes e derlararOe.s relativamente aos
principios do partido americano acerca d interfe-
rencia nos direilos civis a religiosos, e dos limites
aos privilegios concedidos aos eslrangeiros. Esta
mensagem lem por objeclo a prosima rleijAo pre-
sidriici.d, e dizem quo exercer grande influ
enca.
Os casos de febre amaiella emNorfolke Ports-
mouth roiitiuiiam a diminuir. Kuiflorfolk a bou-
veram novus casos euma morte. Em Portsmoulb no
mesmo da honve soineule urna morle. Amor parle
dos casos hoyos silo nos cidadAos que lem rhegsdo
de novo ao paiz.
Noticias de tah, de 29 de agosto, annuncaro que
as.i-olbeilas srrAo provavelmentc mellmr do que
eram previamente nnlecipadas ; as do mirle slavam
Imis eaperaafas, c b Irign asj>atatas em lodo o ter-
rilorio ufTereciain um prospecto lisougeiro. John M.
llernliiscl fura reeleito delegado ao Congresso sem
opposicslu. s
Esto correielraz a relarao semanal da perda de
vida-nos caminlios de ferro. Occorreu um accidente
n via frrea do Boston e Mame no dia a pou-
i .1-nulli.is de lloslou. em cousequencia de urna vac-
c, quo ao ver um Irem. talln repentinamente so-
bre o Iriiho. A machina Iraustornou-se, e o. Irem
sjilou fora du trilho. Ooos ageatet foftaaiioit
PARTIDA DOS eORBF.ICS.
29sW0O jOiinda, todos os das.
lar, Bonito e Garans*, nos dias 1 e 15.
lia, Boa-\ isU, Ex*1 Kar}, a 13 e '28.
una e f'arahiba, seguniliaeaestas-feiras,
Victoria e Patal, oasquinlas-feiras.
PHBAMAR DBHOJF..
tos da nianha.
fttoid jarde.
29000
*0O0
160
s
amo seu bemajzcjo coraeo, animo-m* a esperar
de \ h\c. a aei(aco desle favor.
Eim. Sr., qtpndo se percorre 1 vjsla pela exten-
sa profusno deaiedieainento-, deque (em laucarla
mAo ns homeiuida scieucia desde remolos tempes
por diversas partes do orbe para combaler a medo-
35-
AUDIENCIAS.
Tribunal do Commercio, quartas c sablMdajB IDezemb.
Relacao, tercas-feiras e sabbados.
Fazenda, quartas e sahbados s 10 horas.
Juiz do commercio, segundas as 40 horas e D
quintas ao mcio-dia.
Juizodeorphaos, segundase quintases 10 ht
1* vara do civel, segundas e sextas ao meio-<
2* vara do civel, quartas e sabbados ao raeio-c
fe therapeulico, que
efi? miulia opirtiAo hevolinsa o aanito peeroso pa-
lle' 6 cholera loor Ixt, Jlo di re semprc s
sem oconenr-u de algunt 1 H** thurap-ulicos,
-1 nipismo-, rlystraj emissies saugni-
neas lootos 011 geraes, e internawente os calmantes
una molestia denominada chuttra-morhut, que 00 ano'h no coajbinadoseom sahtUncia. inucilagi-
por dental, lera aligid a misera humanidade, eigfeza. >u -orno/a, mas ..a veoiBnTii a coad.uvacAo
de a\ff"'n'J* (l.wlila ikSlrM.Au
lautas vidas tem rondado a este mundo, acode logo
ao pensamenloa fallbilidade de cada om delles !
E esta rallibnadaale dos meios aconselhados para a
debellar necessariamenle procede da obscuridade,
que alo boje lera reinado sobre a natureza de seme-
Ihanle enfermidade .'
Nao seisaaisaat anda longe a poca de se rasgal
o veo^qujjljj fccoberlo este poni J^^SMi* j te/e.
Igumas distas indicajoes.
Nu entanlo uestes trinta casos urna mi ve/ me vi
nbrigado a pieecrever a saagna geral. Ir; vezes as
sanguesngas no epigastrio, dote vezes 9 cozimenln
de gomnn-,ir. Inca una libra! eotn o ella ir parego-
rlco ,1111crica 10 nina oilava .'en sirope de cato
(ama onra e nenharoa vez os sinapismos e os rlvs-
nsl.mla-
am-'
MMMMM
has as pernis corladas, e foi couduzido lo hospila.
n um e'l-dj moribundo. Nenbuiu passagero sollreu
a menor leso.
Os nicos pidos relativos a poltica europea e
historia Beiuleresse as presentes chegadas, sAo urna
noticia em referencia 00 pedagi.i do S unid, e o es-
pantoso annuncio de qne llevemos aliueda de Se-
bastopol, 11A0 aos exerrilos inglez nem fr.ucez, mus
ao general ScolL Durante a visita do general Senil
a Washington no ver.io passdn (dii ama,carta da-
qnella cidade sfe soldada disliiclo, em conversa-
c.lo, observou que os alliados s podiam conseguir os
seus inlenlus pela ailupeAo de um plano, que elle
enlo explicoo, e, por mais extraordinario que. isto
possa -parecer, segiiiudu a estrada indicada pelo ge-
neral Scott da parte dos alliados, Sebastopol nao po-
deria permanecer como urna fortaleza rnsa. Esta
ancdota he agora, pela primeira vez, publicada por
una pessoa a quein foi referida, e lalvez ficasse em
esqoecimenlo se u.lo fosse a circumslancia cima
mencionada ; o assallo de Sebastopol foi que a re-
eordou-
(/oriini7 Chrgnicle.)
OTERIOR.
ver clocidcm o negocio:
11 Ouil lie o resultado da it.issao o .'eneral
iimii em Ddlninica '.' Foi uiiluris.nl
vo a ampio tratado de arisarlii e coincij^H
repblica. Oigan'isou semelhante Ir,
aceito pelo mitro lado ; mas, t,ndo
hs meajas di IngUtena e da Fian

PAR.V.
lllm. e Exin. Sr.Desejava nAo lomar o lempo
preno-o. que V. Exc. lAo cuidadosamente emprega
em promover a prosperidade desta bella provincia
conliada pelo goveruo de S. M. o Imperador ao seu
Zelo.e illuslr.irao.
Mas o objeclo. de que me vou oceupar, he por lal
forma impnrtaulo e serio, afecta (Ao vitalmente
progresso desle imperio e ns inleresses da humani-
dade, que rertamenle 1 neorreria na mais grave cen-
sura, em qualquer oulra occasio, miirmciile na ac-
tual, e me deinoiasse em comniuiiirar a V. Exc. a
nolicia^aue lenho a honro de fazer rhegar an sen
^hliccimenlo. afim de que V- F.xc. auxi-
BeanfO-me, -e di;iiedirlhe lodo a publicidade pus
Hvel, tanto pelas provincias, queeslao sendo o thea-
waaaes horrores da epidemia, que nos lem devasta-
0. romo por Indas as nutras qne felizmente anda
nao gcoieiu sob o rigor de semelhaiile flagello.
Conlindo as Virtudes cvicas de V. ICxc., e nAo
menos nos sublimes dotes de philanlropis, que or-
disse
KPISODI* IM GLKRRV DE {\\#
POR I- DE B-BA UREPAliE.
ISIO
Continua-ilo.,
A casa ilolTgedor ofTerecia um esfeclaculerque^hiiT,
indicava aiss a alureza do drama a que minos as-
sislir : por toda a parte o romor dos armas e chama-
ras significativas. N exlreurdade 10 conedor, que
separava a casa em duas parir iguala, viam-se hn-
Ihar ni meia eseurid 11 baimetas le qualro senli-
nellas silericiosst e vigilantes iiue gu.irdavam os pri-
sioueiros, es qnaes esperav ^^Bg.iuieiito em urna
sala iufeiiur, que n,lo lil Bd tenlo por esse
corredor.
Pastando di; ole das tealBellas, ouvi unu especie
de susurro mo lotono e regular, que saina d
sppliquei o ouvido; eram ai orafAetre defonic
os guerrilheirns recilavam po- s mesmos : es des-
granado* sabiam qne eslavam inevo!;avelmeiite per-
didos I...
tin hora mi.reacia pelo coraTUtadanle I0J03 os of-
flciaes acharam-se reunidos. A JMRa militar, ja 1.1o
prempla e tilo expedita em lellp ordinario, o he
naturabnei lo mau m campanlia/qua ido sobreludo
^p de decidir da sorte nos partidarios apandados
(.0111 as armas na mAn. Essa juslioe que ia punir
guarrillieirM, quehaviam sorprend un poto mi-
litar cm lempo de tregua, incendiando compalri v-
la* e assassieando liomcns de sua oscilo, essa juslija
nao devia i.tr piedade. e todos os ofliciaes leram is-
ho mesmo ni fronte pensativa do picsidenle dease
tribunal improvisado.
. Ouando e commindanle Cfrlificou-se de que ne-
nhum de o-s falta va, pronuncion .1 phrasc sacra-
mental :
Sejan Irazidos os prisioneiros !
Apenas foi dada esta orden), abrio-sc a porla do
fnndo, eapparecen um grupo de guerrilheiros ro-
deado jt hai metas.
Jeparem um desses homons, dsse o comman-
dinte com voz breve e severa.
Dous soldados de iul'anlari.i con li /iran um dus
prisioucirus 10 nirio da tala, ni quul estsbeleceu-se
um silencio profundo, lano nu circulo do* olliciaes,
como na outra cxlreniidade, mide e-lavam uns Irin-
la toldados .ruidos pela euriosidndo. O teulimento
de curiosidude era o nico qae poda distinguir-so
em suas feijOes linda denegr da* pelo fumo da pl-
vora e do incendio ; 11.10 havia nenliuina expressAo
de vinganea.
O gaerrilhe.ro que .1 acaso lejign ira para compa
lerer prinrjrc rJi.nle do tribunal, ero um ntvarrez
de alta'esiilu.-a, e de porte altivo e feroz. P.issou
rnlrr) oasoldadui lanjando-llies um olliar indoma-
vel. Oeou.mandanle eiaminou lirinemonlc o pri-
qal suslenlou esse eiame sem mostrar
tonto de temor.
rgunle a esso homedl, disse emlim o presi-
cial, que fallando perleramente u
rez e calalAo, olfereceu-se para se7
V, pergunte qojl he sea paiz. e em
e que, circumstasjcia- foi apanhado
iWli
mAo em umWlaque de guerri-
Vid* IHario n. 283.
HMflBI
Olio esta pergunla ao prisionei-
1 a catera como para ouvir me
om expressAo dr curiosidade que de
terror. Sorrio. Brgueu i allura dMeilo as mos ala-
das, e reapondou com acccnln *lHlbnsn e llrme.
Son Navarro/, los arredorSile Paropelun, c
men nome he Uuisfppc Carral. Qnanlo maneira
porque fui preso, heui carao o motivo pelo qual fui
apanhado cora as armas ua mAo, v o sabis me-
Ihor doqueeo. Dou-vos um conselho aumente .'
N80 sujieis o lobo que leudes em vosso po.ler : os lo.
bos iiavarrezes sao ingcuis. Morrerei como lenho
vivido ha dous anuo, que {ais a Hespanl.a. odi-
ando-vos. ede,,|,, ,-,,, e,lAo ida tintas de
vosso amigue Nao me poupeis, poiscsla noile ellas
.derramariam anda. NAo quero ,ai, perlUn
aoe lenho concedido ; en vos odio e etnr/o cus-
po-vos no rosto, malditos: '
O interprete Iradu/ni os ofliciaes esta resposla al-
tiva e selvagem.
qual ass
brimenlu. 7
E quando mesmn anda seja vedado lo chegar-se
coiu seavanja e precisAo, ao menos congratulme
Pr s Wfr encontrado um agente medicinal, lira-
do da ortJem dos plurniareiilicos, mais ellicaz e se-
guro dnTjue tudos os al agora empregados para ven-
cer a violencia do mal.
He a respeilo desse agente que tenhn de prender
a altenr.io de V. Exc. ; e eslimarei que V. Exc. ,
usando da sua inlluencia romo autoridade, baja de
solicitar novus eusaios nos hosptaes, afini de se re-
conhecer c alteslar a su* ellicaria real En pelo meu confirmad!
lado, na mmha clnica particolar, eonlinuarei ius-
se einpenho. e para o mesmo tira chamara! lamben.
a attenjAo dos meos ollegas das provineWe deou-
Iras parles, aos quaes vou dirigir-me.
llavendu recrssado a esla capital, no dia 15 do
correnle roez n Exin. Sr. I). Jos Alfonso de Mo-
nee Torres, dignsimo bispo desta diocese, de volta
da sua vi:,geni 10 Amazunas, para onde em o mez
anterior havia partido com o louvavel proposito de
visitar algumas freguezias da toa jurisdcc-Ao, ti ve o
prazer de ouvir de sua propria bocea, no dia 16, em
que me cincelen a honra de rer.eber urna visita mi-
nha. que a morlalidaie occasionadii peto cholera
no municipio de Vr-Franea fra diminutiitima, e
que esie feliz resultado era devido, segundo se di-
zia, ao aso que all se havia feito do fumo do limao
tomado internamente para atacar semelhante do-
enji.
Esta nnlcia foi Iransmitlida a S. Exc. Kvma. pe-
lo Sr. Joo Frajacisco Regis llaplisla, irrbradnr da-
quelle distocia da provincia, o qual conversando
com S. Exc. Kvma. Ihe contara, que em um dia la-
do uns pobres IMios pescadores em sua montara
parn o lago de villa-Franca com o lim de pescaren),
acontecen que um delles fosse atacado fulminante-
mente do cholera, a ponto de cahir n'agua.
Sendo logo recolhido pura bordo da pequea ca-
noa pelos seus cornpanheiros, e conduzido para tr-
ra, cuidaran! estes em soccorr-lo, como p 1 .leram,
em lao remotas e inhspitas paiagens. NAo pos-
suindo, porem, remedios algnns dos recoininenda-
dos como proprios p.r resistir a doenja, e nAo sa-
liendo camo valer cm Uta apuradas circnmsUncias
ao seu semelhaute gravemente enfermo, lembrou-
N um delles, tahez inspirado pela CRAI,.A CELES-
TE, de buscar no fundo da montara algnns limOes,
que alli levavam para seu gasto, de 09 espremer, c
de dar a beber o nrno ao paciente. Repetirn) isto
por algumas vezes miis no mesmo dia.
' Ma qual uao foi o espanto desses lumens aruiU
selvagen ao verem o seu companheiro reanimar-se,
lallar, atstniar-se, c fiti.ilmeule Hcar curado sem
outro aigum saccurro mais!?
I.ogo depuis adoeceram os.uulros Indios; foi o re-
medio o mesmo : e sempre o mesmo o resultado !
Espalhnu-se a nova da preciosa oescberta ; cur-
reu de bocea em bocea a milicia i c lodos qeanlos
aitoeceram pr remedio, e lodos sararam !!
Oh Providencia Divina, quanlo sois misericor-
diosa Como velis pela sorle das vossas Tracas crea-
I liras :
casos tiveise sido
-, -.......mesmo" emefgUiis
a para esse deseo- pas.ivel dispcnsarsemelliHiile* coad]uvante, sendo os
doeules medicados a penas com o aomo de 11111,10 ; ma*
nAo era prudente arriscar em taos expernincias a vi-
da dos nossos scmelhaiitcs.
os vomito*, avsli
mu completafeeiilc a .V, (i, 7,
liarrhej, a sede, e
Impressionado, pois. Eim. Sr., por esla extraor-
dinaria 1 evelacan, proferida com euthusiasmo por
um ungido do SENI10H, cegunimeute por elle s-
rollnao para ensinar s suasuvelhas o remedio mais
capaz de exterminar o mal, que as lem devorado, e
que moilo podero anda continuar a allligir e de-
vastar o resto do nascenle imperiio de Santa-Cruz ;
assim animado pelas persuagiv*s pslavras do vene-
rando prelado para experimentar em alguna doeu-
les do cholera esle IA simples remedio, prolestei de
que neiihuma davida peria em ensata-re na primei-
ra occasiio que te me olTerecesse.
Com clfeito.Tl n mesmo dia o empregoci em um
rapaziubode :re*aono-,accouimellido de vmitos,
diarrhca, mufla sedeepknde anciedade. tlolhi van-
la joto resullado. e no seguinle iba conceb mais f
pe* remedio. Foi, pois, nina Mnoceme crianja o
objecto da primeira experierAnTDeos a protegru, e
ella boje esl perfeilamente salva !
Novo* successos se seguirn), e paranlo m.iiur
confian ja foi concebeno a Tavor do remedio, que a
Providencia havia mostrado, e que a medicina nu
cadiiibo da oliservarAo folgava do recoiiliedr como
bora c favoravel para a misera humanidade.
Neste poneos das, desde entao al honlem, le-
nho tratado Irinla cholencos cm diversos graos por
meio do uino do limao, auxiliado em certas cir-
cumilancias por algn* uutros mios liierapeulicos,
e todos, menos um, lem sido curados, enjos uoincs
e observre* V. Exc. poder encontrar em a rela-
jAo junta.
Nao he de lodo novo, Exm. Sr. esle recurso
""si 10. Ja em 18.12 foi elle empregado em Paris
p.elo rhj miro ("..ivailion, e recninmeiidudo em o Jor-
nal de Chijmica Medica como exceden!e para hcllai os vmitos dos cholencos, cuja publicarAo en-
vi por copia a V. Exc.
Tainbem naquella poca o celebre professir Sr-
res, 11,1 mesma capital, prscreva nu periodo du c-
lap.o as limonadas ctricas concentradas com pti-
mo resullado.
NAo sei, pois, a razAo porque nao foram continua-
das e-sas prescripcoes, chegaudo mesmo a lerem ca-
hido em esquecimenjo. Convm, porlanlo, agora es-
a por iseo pr icure sem-
pre seguir aaiainho mais seguro, e livre de responsa-
bilidades. I.ojo mais para diante.te indagar inelbor
te o tamo do limAo su per si ser bailante na grande
maioria dos casis para destruir as effeitoi fe symplo-
ni.is dejan lerrivel euferinidade.
lenho enafregado o ,.i//.i d liman na d*e de
urna colfcerT de sopa ule rdeia em {meia hora
na c/io/eriiHBg, na choterina'grace, no choleim
^^Bbb chilera lgido
Por via iWpegru
a anvic.ta !e
ou S cullierda. A ede devora lora, quo atormenta
os cholencos, desapparace como por encanto, res-
tando apenas alguma sceme. Manifesta-se sempre
urna pequea rearcAo febril, acompauh ida de dia-
phurese lenta geral, faslio, hgeiro abalimento, e por
ultimo graud evar.dsjao de urinas.
Prohibo absolutamente a agua, e os caldos ; e or-
deno, que cnbram bem os doeutet com cobertores
r acuito algumas pequeas slipas, logo que a reacjAo
lem terminado, oque a couvaleseenja vii comerar.
Em poucos dias os daeales retlauelecern-se, e pro-
curam as suas occiipacoes habituaes.
Tambem appliquei o mesmo remedio cm um do-
eme no ultimo periodo dugroalgldosem proveilo ai-
gum ; o doente falleceu trea dias dermis que o vi ; foi
urna tentativa desesperada, da qiuil nAo poda rolh-r
senilo mo resultado e assim acoateceu.
Cousta-me que muitas pessoa?, Independeiileirjc-
te de contelho de mdicos, lizeram uso na semana,
que acaba de lindar, de.te remedio, e que obtiveram
bous successos. D'algumas me iaformei. e sube com
salisfacAo, que era exacto o que te coulava.
Igualmente me ofonnuu o Sr. cirrgiAo-miir re-
formado Manu-1 Monleiro de Azevedo, que elu urna
tapuia, jt idota, atacada do cholera bem caraclerisa-
do, empregara o dito, remedio fia sean sjccorrn de
Igum oulro medicamento, e qu aW* alcancado
feliz 1 esullado,salvando a doente biiHUi Ires das.
Com quant 1 o eraprego deslB^g^pWnedicinal
roica u rl,rl -ra nAo seja novo, Wm^f eslava de*-
prezado, e delle uinguem faltaflHIjtvo notar, que
nunca foi empregado puro, se*JH|Lra combaler os
vumitns, com,l'. Exc. poder tipio artigo dnchy-
mico Cavaillon. Tambera o di-(ac(o prafeasor Ser-
res soraente o empregava 110 periodo do coilapso, e
isso mesmo era em limonadas saturadas, e nunca o
rumo puro.
filia succede pois agora assim. ,
En o emprego puro em todos a* graos do cholera,
mesmo 110 periodo lgido, pela maneira que cima
j lenho declarado, o quo conslitue um systema no-
vo de (ralameiiio para esla tremenda doeja.
Paca mim estilo proscriptos o cognac, a agurden-
te, a geuebra, a cauca, o puxirtjy omrus esliiun-
lantes ule agora usados 110 acc^ta^Hlimeulo. 011 pre-
ludio ilo cholera ; bastam aTSiTfTF.is colheradas du
i/io de limao para lodos os sjinptomas desappare-
cerem.
Proseguir1, cm ulteriores observajes, e esludo so-
bre esle imp rante ponto. No enlanlo ronlo mere-
cer de V.Exc. todo o apoio na publicajAo desles fac-
los assaz expressivos, aliiu de que novas preserula-
jOes clnicas postara ser feitas por oulro.- pralicos
mais habis do que eu, das quaes a ciencia medica
venba n coIIht fruclos mais aproveilaveis.
tie-se V. Exc. psoporcionar-mi occasioes de
lentear a minha sincera estima, e considera-
oeo eoar.le 11 V. Exe. Para' 27 de novembro de
IKo.).lllm. e Exm. Sr. conselheiro Sebastian do
pliego Barro. Digni.simo presdanle deslt proviucia.
Dr. Francisco da titira Catira, presidente da com-
inissAo de hygiene publica.
RELACAO UOS DOENTES TlATinoS 1-OR
MEIO DO SUMO DO UMO.
I.enpoldido, mulato, lvre, Irr aniios.lilho da ca-
fusa Custodia, ra de Santo Antonio, cholerina.que-
tro culheres do sumo do limao, curado era Ires
dias.
Mara Antonia, tapuia, 10 annos, roa de SaiHb
Antonio, cholera lgido doze sangoesugas no epi-
gastrio, coziniento de gomma-arabica com elixir pa-
goricoe xaropede cato de .'! em 3 loras, e nos
uilcrv.,1 los, sumo do limfiu de niela em meia hora,
curada cm sele dial.
Lucia, pretn, livre, 10 anuos, ra de Sanio Amo-
nio, cholera lgido, muilos vumitos a diarrba, so-
bijos, o mesmo rozimeiifo e nos intervallos, sumo do
limo, curada era sete das.
xioilherme, prelo, escrayo do Sr. Anlonio Carlos
de Paivn, 20 anuos, ra do Santo Anlonio, rholeri-
na, sumo Mmenle cinco vezes, curado em dous dias.
Theophila, mulata, escrava de Joaquim da Silva
Castro, chnlcrina, mesmo Iralameuto desle ultime,
curada em dous dias. ,
Marciana Maria da ConceirSu, prela, livre, jS an-
uos, ra Fonnoza, cholerina rebelde a oulros Ira-
lamenlos j empregados, oilo colheradas do sumo do
limAo, curada em Ires dias.
Sr. Antonio da Cosa Neves, branco, negorianle,
32 anuos, ruados Mercadores, cliolerina, o (filo co-
zimento o nos intervallos, sumo de limito,, curado em
dous ilias.
Rila, escrava do Sr. (iersrdo Antonio Alves, 23
Se o* oulros iA 1 resolulos como esse Navarrcz
-nos o commandatile de btlalhao, a cousa nAo
so prolongara : o perdao oncedido a semelhanle
gente sena n* realidade orna tolice! Esse homein
velo de Navarra para eornlaler-noi em um paiz que
nAo he o seu. e no qual se tinha convndo em uirn
tregua. Beta circumslancia approiimada dos movi-
menlos sobre a (, 1 taluuha do coronel-general de Na-
varra, d-me a certeza de que este parlidario per-
(ence ou perlenceu a um dus eiecraveis bandos de
Mina, e tomou mu provavelraciite parle em mais
de urna cariiificiui, de um incendio, ou de ama pi-
Ihagem de comboy. Merece ou nAo a morle pela
violacAo de todas as leis militares e de tudos os usos
consagrados pelas iropas regulares? Todos vos co-
nhecris a natureza das orden- que foram emlim ar-
rancad** severidade muilo lempo comida denos-
sos g-ner.it. pelas revollantes crueldades dos bandos
naval rc/es 0 enlabies! SAo ou nAo execulaveis uo
caso que so aprsenla, lio ou nao applicavel a le da*
represalias a este homem, cujos companheiro* 111-
cendiarain e assassiiiarain aqu nietino ? .Merece ella
ou nAo a morle pela suo pailicipajAu bem provada,
visto que a Conessa, nos tristes aconlecimentos
corridos em Callados na noile do dia 1i e na
nhaa de l.'i".'
Todos o, olliciaes inclinaram-so em signal de
hesAn.
I veni o prisionelro, dis-a o eommandanle de-
pms do haver recolhido essa volarSo muda. Deem-
Ihe lempo para orar. f> senhoi ajudanle lem pro-
vavelmenle formado, os piquetes de execur 1 bem
como nr.lenei, va !
moa,
'5
O ullin.il inferior que commandava a gnarda e as
diia* Mnlinellas ieviram o prisioneiro, o qual alra-
vesson a tala sem parecer commovido pela lerrivel
senleiija pronunciada contra si ; o proprio presi-
dente seguio-o com uin olliar de atleijilo, que o sol-
dado sobreludo nAo pode recusar coragem desgra-
jada. No momeiilo era que. o enndemnado passou
dianle do grupo dos oulros prisioucirus, parou, er-
gueu eo co os bracos encadeados, e grilou cora
exaltacAo:
Viva el-rei, am gos'.
Viva el-rei! retajonderairtfam coro os prisio-
neiro* com igual exarnflu.
Viva el-rei! repeli sozinha, depuis desse gri-
llo, urna voz aguda que me fez estremecer.
O segundo prisioneiro! disse o eommandanle,
cujos olhusj linbam perdido a expressAo de intn-
retseque nAo poder recusar altilude alliva^o
guerrilheiro.
Antes que o segundo prisioneiro houvesse cliega-
du a presenca dos juizes, urna delonacAo surda que
ouvio-te na praja, anuuociou que a juslija eslava
feito.
Esta scena repugna-mc, disse-me nm segundo
lente qoe achava-se ao meu lado, so eu eslivesse
no lugar du eommandanle ra* contentara de reen-
viar lodos esses bandidos s chicotadas para suas
moulanhas. Essa juslija sera piedade parece-me ai-
gum lano feroz agora que o momento da lula j
passou.
Ha quanio lempo est Vmc. na Hespanha !
pcrgniilei ao mea joven interlocutor.
Ha seis semanas.
Entao sua piedade nAo me admira ; mas an-
tes J^e seis mezes eiri circumslancia aualoga, Vmc.
pensara e julgara romo seu eommandanle, sobrelu-
do se seu regiment patear as fronteiras da Calalu-
iiha, e achar-se encarregado de combaler as hordas
selvagcns de Mina, do Empecinado e de Renovales,
qae comranndava esla noile a guerrilha. Ug urna
guerra sera repouso, na qual deve-se matar sempre
para nao ser morto, urna guerra de ataques repen-
tinos, de assassinios, na qual a gente perde logo lo-
do 11 senliinento de humanidade. 0 perdao que en-
tre os outros povos afleijda qiusi sempre o vencido
ao vencedor, he para osles homens de ferro urna in-
jutii morlal e urna olfensa que os tornar mais dea-
piedados em sua vinganea.
Para onzi! prsioneiros anda a mesma scena reno-
vouse com iiicdeules quasi scmelhanles. Todos es-
ses homens guerrilheiros ou voluntarios, Nivarrezes
ou C.alalae- morreram cun a mesmn coragem. (iros-
*as gotas de soor reuniam-se debaixo dos cabellos
meo braucos do eommandanle : a< terriveis func-
Sjes de juiz comejavam a pesar-lhe.
O dcimo-lerceiro prisioneiro appareceu ; mas es-
lava longe de mostrar a coragem a altivez de seus
coraponheiros. As pernas curvavam-se-lhe, e pare-
ciam sustentar diltlrilmcnle seu eorpo varillante.
Iu! 'and.1 an menos pelo vestuario, disse-nos o
eotainaodante, parece-me que esle homem nao per-
leuce ao bando /Ir, guerrilheirns. Drija-lhe as per
gu;ilas ,io usnj'seahor capllAr, Renaud.
Seu nome?
Pert Muo, yj
Senpiii? P
annos. Ir. ves-a du l'.as.inho, rholerina, sumu sine"4
te, curada em dous dias.
Anua, preta, escrava do Sr. major Severian i-
Ionio CorJcirn, :ll anuo-, largo le Palacio, cJlolaV
ra lgido adiantado, sumo do limao, curada, em .ele
dias.
I). Jnaquima, branca, filha do dito major, II an- .
nos, chillen 11.1 pela i vez,,snmo tmenle, curaoVa i
em dous dias.
Fernando, braneo, marinheiro da barca Paraenn
2b" annos, cholera confirmado, coximenlode gomm
arbica com elixir etc., nos intervallos, samo
limAo, doze sfnguetugas 110 epigastrio, calido
cinco dias.
Domingos, Joaquim e Manuel,hrancos,lodos 111,1
nbeiros da barca Paracfc, cjioleripa raveojli
zimnTu e o suma do limAo nos intervallos; c
em Ires dias.
Sr.'Forlunalo Alves de Souza, branco, negocian-
le, 30 annos, ra dos Mercaderes, cholerina sangui-
nolenta, vnle e tantas dejpcroes em uito horas, su-
mo do limAo smenle, depoa limonadas cilrMcns.co-
rado cm qualro dias.
Joaquim, lillro da Sra. Maria Fructuoso da*Silv .1.
9 anuos, ra do Acougue, cholera" lgido adiantado,
hemalemse.anmo do limAo.sobreveio reacefto mode-
rada no lim de 2t horas, alguma seceuri. "cozimen-
to emoliente com nitrato de pulasssa, abuso da dieta,
symptomas de cougestAo cerebral, morte puncas ho-
ras depois.
JuSo, lillin da mesma, 7 annos. cholerina, sumo
puro, corado em dous dia-.
Jnaqnim, enteado do Sr. Silvestre Tcnreiro Ara-
ndo, branco, II auno-, ra de Santo Antonio, cho-
lerina grave, samo do limAo' smenle, corado em
Ires dias.
Thereza de Jess, preta, livre, 15 anuos, Iravcs-
sa drMiraiidas. cholerina grave, sumo do liman e
coziiiientn de gomma-arabica com o elixir, carada
em tres dias. #
Maria dos l'ra/ercs, mamclncii, livre, 20 annos,
ra Furmosa, chulerina, sumo do lim.i, curada em
Ires das.
' Manoel. irmaoda dita, |2 anuos, cholerina gr.v
. ve, sumo do limao, o mesmo cozimenln, curado em
tres dias.
Luiz Anlonio das Nevos, branco, encarregado da
barca da elfandega, 22 auno*, cholerina grave, sumo
do limAo smenle, curado em Ir* dias.
Jorge, preto, escravo do Sr. Custodio Jos dos
Santos, 21) anuos,run de Santo Anlonio, cholera con-
firmado, samo bras forles, multa anxiedade, sangra gerl de dez
oneas, reaccao moderada, cura lo em cinco dias.
EPHEMERIDES.
1 Quarto rning'uante ios 9 minutos e
10 segundos da tarda.
9 Lua-nova as 7hons, 47 minutos
e 4S segundo* da manhaa.
10 Quarto oreseaata a* 4 horas, 36
minutos JO segundos da manhaa.
23 La chia as 8 horas, 18 minutos
e 47sef^dos da manhaa.
OAS DA SEMANA.
10 Segunda. S. Melchiadesp.;S. Eulalia v. m.
11 Terca. S. Damazo p. ;S. Trason 111.
12 Qttarta. S. Sereno leitor m. ; S. Opimaco ni.
13 Quima .S. Luzia v. m.; S. Eutracio.
14 Sexta. Ss. Pompeo o Uruzo nim.
15 Sabbado. S. Albina m, ; S. Eusebia.m.
10 Domingo. 3.do Advento. Ss. inanias, Aza-
rias e Misael mm.; Ss. No*l e Cencordia.
muito canjadinhos; ma*- ausencia dos lares do-
msticos para lodos, a falla do mugido das vaccas
para uns, da presenca do odorfero bode para oulros,
da carne de mocos para estes, e das linguijas de
em.n, para aquellos, de ve ter causado a muilos om
incomtiioTo sensivel, do quil licaram livres, e Dos
queira que in trlcrnum.
\inle e cinco cintos para o cholera, noli le de
remoc es de pmressores para arranjn de alilbados,
urna falia maia quelles, u cemilerio para a santa
casa di misericordia, que necessila de misericordia
e nao tem onde cahir murta, quanlo a receita do
mesmo cemilerio nao pode chegarpira seu costeio,
essa heeconoinie.o-philanlropica., a nova divisan de
Magoa-N'ova e Campia, a lixajAo de fucos c u
lio do orr.iinenlivvsn os nadces
e sS) lomillo a niriBun iVatsem
mnrrer heroico grilna, esbrarejou e pinuteoii
enle.
A Ierra Ihe seja leve
Deixou unta bomba com a nova divisao de Ala-
gu.i-Nova e Campia, que eslonrou depois di seu
lia ..menlo, e moilo as proximidades da nova elci-
;io, nafa inulilisar alguns com seus eslilharos. One
ella alterasse a divisAo ecclesiasliea da fregue/.ia l"
Alagoa-Nova, que amhic.io de alguem quiz jzer
PERYilBtCO.
Son filho desla mesma aldeia, sen ir, respou-
deu o prisioi.eiro, e exerro a prolissao de barheiru-
cirurgiAo: sou um admirador e um amigo dos Fran-
ceze*, tenores, um amigo dedicado !
Esla resposla dada com extrema volubilidadc e
em mo france leve o privilegio de deaenragar a
fronte do* juizes : lodos compreltenderam que Vin-
cidenle ia tornar-te cmico, e este pen.amcnlo era
sullicienlenieiilc justificado pelo porle du prisionei-
ro. Sua resposla arrancou-me repentinamente da
medittjAo pe nivel em que eslava ansorlo desde al-
gn* minulus. Ao primeiro olliaff qne lance! sobre o
barbeiro, o qual espreitava sorrateiramei le nos sein-
blanlcs do auditorio as dilTereotcs tmpressi)es qoe
causara sua prolissAu de f. ciistou-me a recoiihecO-
lo, tanto o m ido o desfigurara. Emlim nnsso olha-
res cruzaram-se.
Francisco, filio do Sr. Fiaza, j .unios, branco,ra
Nova de Sani'Anua, cholerina grave, sumo do li-
mAoe o mesmo cozimeuto, curado em qualro ibas.
Anua, mulata, escrava do inesino senhor.S annos,
cholerina grave, o mesmo Iralameuto, curada em
qualro dias.
Sra. I), Kosa. branca, casada com o Sr. Vidinh.,
1(1 anuos, cholerina grave, samo do limAo, doze san-
guisugas nu epigastrio, curada em qualro dias. *
I/adora, muala, escrava do Sr. Duarle Jos Ro-
drigues, ra Formosa, cholerina, sumo smenlo.
curada cm tres dias.
Siman Arebola. peruano, branco, -21) .unios, roa
Fonnoza, chuleriui, omesmo Iralameuto, curado cm
dous dia*.
Angela Maria muala, hvre, 45eooo, Iravessa
da Piedade, cholerina, o mesmo' Iralamoulo, curada
am Ires dia*.
Anua Joaquina, mulata, livre, 38 anuos, ra For-
moza, cholerina u mesmo tralainenlo, curada em
dous das.
Par 27 do novembro de 1855,Dr. Francisco da
Silca Castro. s
MEDICINA.
TraJamento do cholera.
Movido por um senliinento de humanida.le le-
nbua honra de informar-vos, que em 1k:2, epoca
em que, como boje, o cholera ollligia o uosso paiz
coiri toda a violencia, praliquei em minha familia,
e aconselhei a alguii*/migos como meio de curaros
ataques do cholera o legitime Iralameuto.
0 emprego do negro animal, vulgarmente chama-
do p de marfin, em p mu fino, ekm ciVslres na
porjAo de duas colheres das pequeaflE, qae anda
pouco maistMi menos por 10 graminf ao que jim-
ia va 10 a !2.golasde laudauo.
1 ni ou dous desles clyslres lem flfn solTicientes
em lodos os casos de ataques qp cholcra-inorbus, os
mais bem caraclerisados pira suspender a diar-
rba.
Se-porm isla falhava, oontia|Hvam-se, e obll-
nha-se sempre hom retulada. Sefllpireciain caim-
bras iisava de frcjes fflas com o segunde lini-
mento :
Alconl camphorado. 2 parles.
Ethcr siiliurico.....I
Ammonia liquida ) *a Par*
Bem mislurndas,
Para os vomilos empregava sumo do limao aseoJ
Hieres de quarto em quarto d'hora : advirlo purol
que esles meius ilevein ter empregadut aules do ata-
que ler feilo grandes prugressos.
Osbons ell'eilos detle systema ineobrigaro a faze-
lo publico.
I'aiis lOdejiinhode 1KW.
(Assigtiado) I). Cacaillun, Chjmco.
'(Treze de Maio,)
esra3iv.----1------
COKUESPONDENCIA DO DIARIO DE PEK-
NAMBLCO.
PARAUIBA.
7 de dezembro.
Depois que se encerrou a nossa assembla lica-
mos sem aquella aniniarAo e vida que aquella reu-
niAo de mucos amaveis de necessidade da a urna ci-
dade pequea, a maJMm por i.so he minio sobrada
de dandi/s c de varieWde ; lainenlamos essa tristeza
cm que licamos, e rogamos a Dos quo Ibes d p-
tima viagein, e que cada um delles encontr o que
mais estima, lvre de quebranto, mofo, ou cara-
patos.
Em vVia do pouco que fizeram nao devem ir
tu mais quan-
recnsou-ss a
i-que! somen-
publiaa,
I. creando
roclo, be in-
ura bispadu, coucebo e acho iu.
do no.-o digno e respeilavel dioei
assentir a essa monstruosa divisli
le por fazer am cortejo, sem
se fosse alterar e perturbar a divl
emliarac.is. populajAo e a iuii
compreheusivel....
Muilo breve leem de fonnigir as reclamara^
a a IminisIracAo oceupads em negocios de al I
la tero de embaraear-se em soliicOes de
iiicomnin.lalivas duvidas, qOBnece-sariamaiite s
de suscitar, tanto pela perfJpVca i de imites cuno
pela rtati vuntade da populacho.
A nossa muiiicipalidade iloslris,iraa e ns >.u. lis-
caes, bem dignos de lAo desvelada corporacAu, dur-
me e dorme profandainenle, ein quanlo a previden-
te popularan enche os vacuos, qae nos beeiote "li-
tros lugares deixaram m esle quilinios, cuata de
COMARCA DE SANTO. ANTAO'
Victoria 10 de dezembro.
Men charo.Os rrteui aflazare*lem dado lugar a
Ihe eu nAo escrever ha mais-de mez : hje, porem ,
que rae vejo mais desembarajado, quero consagrar
algum lempo, que lenho de mea, era rabiscar eatas
liabas para dar-lhe noticias desle lugar.
Aqui, raen arrugo, anda, ss vai respirando oer
pestfero das intrigas ; a insolencia e a impudencia
com sua viperina lingiia v*o conspurcando e enxo-
valhriido com o amargo fel da calumnia a prnbida-
de. e zumbando do que ha de m.is respeilavel no
mundo, i) mais be, taiw.jsj.e casitoa auto-
aIo*. qi1 ,*^^tWifPl^lf-BTTwraen.Tpr-
que as almas's de chicharro, cem sempre quera os
proteja, e achara apoio para continuaren) impunes
em suas desordena e desalio. Isto he a prova mais
segura de que a hoa conducta delles os pfte a alvo
de ludo, e he a sua mtllior garanta. Eo'. pobre
malulo, rustico rumo soa, se seguiste a* suas hon~
rosas frauda*, do que Dos me'livre e me guarde,
qqa bom homem nao seria na bocea delles ? que
oyarOes : que encomios! que regalo* que Testas !
Fieacia eu confundido, c verga do. ao peso iinraeuso
de lanas lioozas. Pois lli'as agradejo todas. Nao
desejo eslar em contacto, e nem por momento res-
pirar o iiaii-eabuudo otilo desses aiitropophagos,
porque nao quero que me fique gravado o ferrete da
infamia, e que o bom senso da s'ociedade me repu-
la com desdem. lia tallas, meu amigo, pelas quaes
um taspito, um arrependimenlo de corajAo nos re-
concilia com a Diviudade, e una coudacla regalar
ros justifica peraute a sociedade ; innfha crimes lAo
infamantes, q&s impriinem no raiseravel, que os
commerte, una ola indelevel, que taz chamar so-
bre sua cabeja a maldiran da posteridade. qoe faz
xecravet sua memoria. Desla-. culpas muitas aqqi
te tem conMoetldo, e 03 incurias neltas, alero de
licorciii impones icousa incrivel e admiravel} tAo os
primeiros a apregoarem de si virtudes e probidades,
e assim vao postando bellamente a alegre vidi. He
vw- reside""' emU*er peoBO,i0 *t Prqe_ellei tem por melhor arania a sua boa
Multo breve esloa euderessando aquella ar.d'va
corporacAo um reqoerimemo, para' qae ella nos
ilis|ianse dos ironus, que lauto esliraa ver uspalha-
dospar esla cidade. Os sea* lscaes vivera iia pa*-
sibHidade de bor.s homens, e os pretinbos e niole-
ques eucarregam-se de dar-lheso que fazer tmon-
loandoo lixo nos lugares que sua lisealisaj.1'0 mais
Irequent*.
I enbo esparaiica de que S. Exc. que cosluma su-
siiiho ^^Hseius, muilo breve lo.nar cenias
a quein conpelenle for.
Apezar do* es torcos daque'lla corporajjo, cujo ren-
diinenlo se evapora em desconlns de ordenados, a
saluhri lade publica caminha sem novdade.
O Exm. vice-presidenle tinha mandado um estil-
ita me de medicina e nusso patricio, o Ur. Ab'lon
Filint "
Fililo Milancz estudar as disnosirOes hyeieinca, da
.1 Ij.tc d'Arca e villas de Campia a Alagoa-Nova.
ilm de que propozesse, nao ssins autoridades loces,
como ao goveruo, as medidafque entendesse conve-
iiicntes.
Agora o Exm. Sr. Cosa Pinto trata de organ*ar
o servir da cidade, no caso de sermus accomraelti-
do* daquelle lerrivel flagedo.
Vai determinar os lugares para os hospilaes e
ruilur icA,rilas, ambulancias, ilesiginr as commisses
encr(igadas do serviju e zoilo dos infelizes.
Maudou fazer camas,-colchet c lenjes, e reonir
medicainenlos. Finalmente Iralou do aorvijo do
cemilerio, dando as providencias para que eja feito
com a maior regularidade possivel.
Confiamos que essas providencias de S. Exc. nao
le'rso lugar de ser applicada*, ou o serao, quando
muilo infelizes sejamn*, em pequea arala ; mas
11A0 podemos deixar de agradecer-lhe o cuidado e
previdencia.
Timhem esperamos que nossa [mpulajan nao so
dcixar potsuirelo pnico, qive he muilo peior de
que a epidemia. Tenha ella rcsignajAo a confianja
na divina providencia, e deseanca em son conscic-
cia qualquer um.
Os Miajas, verdadeiro cholera, que nos llagella
sardWflB|a>inda nAo se esquecerain de tuii 1 u-
uaxtmkW
No lagar Laseiro, de Alagoa-Nova, fui assassina-
do Manoel de Barros, e dizem que por Manoel l.ms
filho d finado SebastiAo Lim, qne esteva por inuilu
lempo preso por suapeitas de criminoso, sem qoe
se Ihe poilesse descubrir crime iitgu,n. O motivo
*;s*e> crime, foi ler fgido urna e-
ello tuppoz estar acollada por
aosublelegado nina ordem de pri-
sflnlle deu-a em um oflico ao
Bufar, l.ins abri o olliciu e foi mesmo
a priso, mas enrrendo Barros, desfecbaram
raalle e o atsaaiinarmn.
nlrelanlo l.int er.i un liem homem emquanto
esleve preso,
O ossn jury depos que cutidemnoii o Sania Isa-
bel a morle lem estado de gracas.
Absolved o Ferrar., 110 que foi ju*lo, porque Fer-
raz eslava na c.ideia por fraudulento, entretanto
que o queixoso I|ie djvc uns dous contos '. ,
A juslija na minha tena he cega, loria, perneta
0 maneta, mas lem um grande sacco e tirabas adun-
cas.. Olhe que fallo da juslija emblema, e nAo que-
ro insinuar nada contra os homens de nteiro" e
vara.
Foiam absblvidos os intitulados mandatario e
mandante do assassjnaludo infeliz vigario de'l'aqna-
l*ra. O juiz appellou. Diz o Diniz, que fui injusta
a seulenja, mas eu disto nada ni, sii sim, qoe o vi-
drio morreu e de eslouro, que ata fui eu. Quanlo
ao ninis o jury o cntende.
Eu ful,c anda 1011 um sustentador dessa popu-
lar 111.liluicao ; mas nao po.so nega-lo^ faz sus* 111-
juslic.is ; porem como silo gralis e sempre contra o
crime, e nunca scnlenciando a innocencia, eu as
lulero
Nada mais ha de novo. Saude e quinto he bom
1 be desejo.
O entuman lanie perguntou ao prisioneiro como
fura presu enlre os guerrilheiros. O barbeiro estre-
mecen bincau-me um olhar que lerta enternecido
um tigre. Todos os meu* soldados eitavam uceupa-
dus nos preparativos da partida, e uenhtira achava-
se prsenle ; esla circauMkncia favoravel ao prisio-
neiro nAo Ihe escapara ; elle comprehendra' que se
eu consentase em nAo fallar das suas relacoes inti-
mas com Benedicto, haveria anda orna probahilida-
de de salvaran. Cora effeilo, vi lano desespero em
suas l'eicoes que senli ama piedade repentina. Dei-
lei-Ihe, pois, ler urna esperan ja nosornso desde-
ulioso qae deslisoa-se-mc pelos labios.
Dos me perdoe pensei ; he um crime lalvez
deixar escapar esse homem, mas de lodos elle he u
menos culpado.
Antes de responder aoja/nmandanle. o barbeiro
leudo os olhus titos nos afls passava alternaliva-
raenle da e-peranca ao deslenlo. Emlim, compre-
hendeu que eslava salvo ; o delirio de urna alegra
louru brilhou Ihe no olliar. e elle levou a mAo no
cur.ic.io, lano para comprimir-lhe as palpiajoes,
como para exprimir se>u recouhecimenlo.
Yoss.i senhoria me permillir que rectifique
um erro capital a meu respeilo, diste o barbeiro em
sen mo francez, quando conseguio applacar a emo
jAo violenta qas fazia-lhe anda tremer a voz. N.lo
fui preso entre os guerrilheiros como rogo a esle
tenor ollicial qae (esteinunhe : eslava deilado 110 ca-
ininlio, e anda m .do pelos p* doacavallos, levan-
tado por um cavalleiro e couduzido aqu.
O olliar do eommandanle, seguindo a direcrau que
Ihe indicava u barbeiro, encontrn o meu, e inler-
rugou-me lo claramente que live de responder. Ile-
sitei algum lempo antes de fallar, a hesitajo he Hi-
tara! a quein mbe que a palavra, qoe vai proferir,
deve ser urna senlenja que dar a vida ou a mnrte.
Esse lun lem foi preso n minha vista bem co-
mo atliima, disse cu emfim, e lamben) he ver.lado
que eslava deilado no chao sem fazer nenhnm
forro para fnair. .au acciescentei qne na minha
cnnvice-ao a niedo, que de ordinario d azas aos co-
bardes, o paralysra complelamenlej ; arcresce que
eslava sem armas. Talvezelle leha combatido con-
tra nos esta noile, mas nao posso'aluVmar isso, e na
duvida, teolinr commandiole, meu. parecer he que
: "V-4
rorra-se o risa de poupar um culpado antes do qae
ponir um innocente.
Tem razAo, e too do seu pareoer, senhor l-
enle, re*pondeu-me o velho ollicial com a ancla e
a satisfajo de queni acha meio de alliviar ofeo-
rajao.
Moslrame las roaot! ordeoou elle ao pri-
sioneiro.
Este eslendeu-lha ai aa^klimpas e alvai.
Es um patita feliz.lBmou o comunmente de-
puis de longa a'minuciosa iuspecjilo ; se eu livesia
reroubecido vesligios de um grao de plvora, terias
lido a sorle de teas cantaradas.
Um inmenso suspiro de alltvio foi a uniejp res-
posta de Perz.
Todava, conliouou, o eommandanle, como le
achasle era coiitravenjAo flagrante com \ le mili-
tar, que prohibe aos habitantes sahirem de suas ca-
as, quando o inimigo nlaca um posto' francez, he
justo que sejai punidle has de o ser.
O desgrajado barban perdeu sbitamente o ar
alegre, e licou paludo.
Ei-a, grilou 9 eommandanle, qualro homens
de boa vontade pira coadozirem esle palife ao pa-
leo Dispam-uo al a cintura e adminislrem-lhe
vinlo e cinco vareladas sobro as costas, ueuliuma de
mais nem de men* Isso Ihe ensillar a uceupar-se
smenle em seu ollicio.
O barbeiro em um arrojo burlesco de reennhec-
menlo qniz ianjar-sa aos ps dosjaizes; mas ape-
nas ajoelhou, foi levantado por um de mus robustos
guardas, e conduzido imniedialainenle ao paleo,
onde receben a coi mecau presciipla. Depois o mise-
ra vcl fugio, u pro va v el me 11 le acautelou-se dahi em
dianle; seu patriotltmu il 1 vi loso ia-lhe cantando
caro.
Todava um ultimo incidente awignalou sai fgi-
da. Em sua |irecpiiajAo Inniou um corredor por
outro, e vollando achou-se, dianle do ultimo prisio-
neiro. Kulo a mesma voc eslrideiile, que ratpou-
dra exelnmarAo do primeiro guerrilheiro condu-
zido ao supdu,111. grilou aoaoovidos do barbeiro al-
lonto com mu acceuto de soberano desprezo :
Gavacha!
Ah! oh diss o barbeiro, he hoa cousa 1 vi-
da O diabo leve os conspiradores, as juntas, o*
guerrilheiros e bofe, vivam os Fnncezes !
Cobarde repeli a mesma voz.
Perz 11.10 fez raso dessa segiima injuria, a qual
tevo pan elle o elfeito estiiniitanlH de urna cbicola-
da, e coirn a fechar-.se cmsua'casa.
Decididamente, disse cu comigo, nAo linha-me
engaad", conhejo aquella voz, he a de Benedicto ;
Deni he justo !
Na miuh 1 impaciencia en teria deixado o circulo
para cerliliear-inp, se nAo fosse retido pelo recalo de
es-^meu poslo, e pela rerlez! de que o prisioneiro ia
comparecer dentro de pouens minutos. Todaajja er-
goi-me sobre os |5i para procurar a-.sl.i-lo ,
nAo u consegu, |ierquo a sala eslava cheia do Hila-
do*, e as balonetas formavam urna cortina, impeiie-
Iravel. Quando elle appareceu emfim diaute dos
jotaes, o-presidente deuoa etcapar um movimeoto
-4
de sirpre/a vista de seu estranhn vestuario, e dis-
se-nos voltaniln-sc para nos :
Seuhnres, he de meu dever declarar-vos, que
as iuslrucjoes que recab prescrevem-nia o mais 111-
flexivel rigor pira com sacerdotes ou frades de qual-
quer urden) que forem apandados com ai armas ua
roao. Sao os nossos inimigos mais encarnijados na
Navarra e na Catilunlii, e precisamente he pira com
elles qne nossa indulgencia tem ido mais perseve-
rante.
Mas inte* de o prisioneiro ter dado am pasto, lan-
cei-mi! ao sen encontr, e arranquei-lhe as barbas
pnilirai que trazia. NAo linlia-me engaado, era
Benedrelo iO olhar do estalajadeiro brilhou de urna
maneira lerrivel, seus beirot murmuraran) urna sar-
da intfireeajAo, e elle lorceu-se as curdas para ten-
tar quehra-las e lanjar-se sobre mim ; mas este es-
forjo poderoso nAo leve oulro resultado sean fazer-
Ih'as entrar mai* prorundamente na carne. Enlio
julgando que forjoso era resignarse, licou em p,
em aludido desdenhosa.
Onvi-me, disse eu em Voz alta, vou dizer-vos
quein he esle homem eque lem feito ; julgareis de-
pois. ,
E em urna narrajAu que fez estremecer muitas ve-
zes o idiiorio, coiilei a morle do lenle Devigne,
o assassinio da tentinella do respiradouro, a rvasAo
do prisioneiro, a tentativa de que escaparan) de ser
victimas nossos soldados adormecidos, e emlim 1
morle de Thereza.
Esle homem, disse eu terminando, um dos
memhros mais formidaveis da junta secreta de Cata-
liinha, nAo se (em coberto tmenle dos crimes de
que acabo de fallar ; ha dous annos lora espalhado o
terror ncsle paiz, e depois de suas sanguinolentas ex-
pclicois vollava aqoi carregado de despojos e man-
chado de sangiie Iraacaz para meditar seus sallea-
roenlos u occultar seus lliesoaros. N'Ao vos diz nada
este destarre? nAo reconheceites j o assassino do co-
ronel di Bremond, o bandido do desladeiro de
Almenara, oceodilun audaz que atacava ha dous me-
zes vosioe poslo* avanjadoi em Ordal, e alava seus
prisioneiro* s arvore* da estrada com esla insultan-
te insciipcao : absolcicSo dofrade? Nada vos disse
emlim qae esle homem he .aquella qoe iodos desig-
namos com horror pelo nome de Fradinho ?
(1 Fradinho exclamaran) os espectadores desla
scni.
E casos bravos soldados fizeram um movimenlo
pr.ra Iraz.
Sim, o Fradinho, repolio com allivez o estala'
jadeiro tanrando-nos um olhar de orgalhoso trium-
plio ; este nome vos fez tremer muilo lempo, e vos
taz tremer aindi agora que eslou em vosso poder :
11S0 ignoro nem temo a orle que me reservis, mor-
rerei consolado, pois lenho vivido bastantemente
para saber que meu excmplo ser seguido, e que le
re vingadore*... Sinto que voseo dominio espurio e
sacrileg) chega no s-u termo, e meu maior objeclo
do orguiho he pensar que dei as primeiras machada-
das aa edificio que elevaste* sobre a rapia e vio-
lencia O* v< na leiros filho* da Hespanha vo vi-
gan) na sombra, espreilnndo todos os vouos pino* ;
desgrajado* de vos Estis rodeados por toda a par-
cmtducta, como diz um hom.m de longa experien-
cia, he porque urna pura e sAa conscieneia de nada
os arge. Nao lie assim, boa cenle, vows lodos
nao sAo uns augiulius, unssintiuho* que sabara fazer
muilo* milagras por meio do magnetismo manual'.'
Ole .' sem duvida he assim, e vosss esUto milito en-
soberbecidos^ "e incitados com isso ; fazera muitu
bem, boas gentes, e continen) : o premio de suas
heroicas acra'ies la no lim da estrada aelurao. Ca-
miuhem avante sem esmorecer, bem veem. boas gen-
te*, que cslAo garantidos pela sua' hoa e cxemplar
conduela.
Vire folha, amigo meu ; n.io fallar acusiad pa-
ra Iratar desles boas gente* com seus bellos modos,
que Ibes ervem de melhor garanta ; vamos an aue
mais lio* importa, s noticias, eos tactos que se tem
dado no.la heroica e nunca as>s decantada cidade
da \ doria, qu tan celebre se lem turnado por pos-
nir em seuteio estas boas gentes, qae querem ser
senliure* do lugar, considerando os mais seus homil-
de* feudatarios. Senhores da caverna docapiuto D.
Botando serio elles. lendo por humildes feudatarios
os q... Arre raes uan me fajara perder a lem-
branra das noticias. Vareos pois, meu amigo, a el-
las sem mais aquella. Priiicipiemut pelas eleijOes
para deputados provinciaes. Eslas s lizeram aqu
no da 2t> do prximo pastado, sem graja algama por
nao haver oppostjAo, e estara eu bem mal, sem po-
der dizer coosa alguma a respeilo, ale'nao bauvesae
por essa occasiAo certas geringonjas dignas de reparo,
segundo informo ora eleilor.
Va vendo como as cousas se lazem. No primeiro
dia das eleijes, apurando-te 18 chapas, appareceu
um ibiqsissimo candidato com 19 vol*', como po-
rem via-se qae isto era um motivo para dar que fa-
zer t mis liugua*. para sanar-se lado, principia-
rom uo dia immedialo nina nova apurajAo da todas
as chipas, e foi enlAo que se vio o maior dos mila-
grea. Alguns candidatos que na vespera liveram ti,
8 ou 10 volas, licaram tmenle com I, 2e alguas
com cifrAo. Ora, enleodam la esta historia. O ca-
so he que o padre Vicente Vare jAo, o profestor Cas-
tro Kanes, o Dr. Moscozo e alguas mal* devem ea-
lar a essas*horas com bem justas queixas pelos votos
que lao sera ceremonia Ibes foram engolidos. Sem-
pre sAo obras de eleilores da Victoria, que sao fei-
lot a dedo nM&aaiervirem cegamenle vontade
al beta, vislojjfl jurera elle* propria ; salvo ilgnma
rara exceMt^Kie no meio de tanto* nAo pode fa-
zer vcraafl aKbcada apenas apareceram IV ou l
ia senli. porque formando estesa
llegio, a sendo pessoas que nAo rece-
nao se dariam certas lergiversajes
eleilores f o
maioria do
bem im
mirafisl___
_.m d s ltimos dias do p.is-a.lo mez, Antonio
l.Bknuj couhecido por camarista porqueiro,
i!-lande)*a(aaguc, ahi deu rom um lipn-pio por
caus nraluTtrivola ein nm pobre homem, qoe es-
lava retalhando carne, e que nessa occatio nAo fez
a menor accao* hostil. E tabe Vmc. quem se
prenden ? Ao pobre homem, mea amigo, sem duvi-
da porque 11A0 pertence famigeradk sucia do et-
commungadn Casusa. L'm Camelo foi quem fez a
prisao,'pelo motivo de que estando-o homem com
a faca com a qual cortava carne, 11A0 podesse laaer
mal algum. O homem te quizesse fazer mal, linha-o
feito, mas elle por ser pacifico contenten-se emvol-
lar-se para seu aggressor, pergonlendo-lhe : Sr.
Anlonio l.ourenjo, porque me da '.' Nulo foi preso :
1. ron ira elle, que foi o injuriado, instaurou-seum
procesto : AS teslemunhas por mais qu fossem tu-
hornadas nao poderam aberlamenle apadrinhar o lal
Anlonio l.ourenjo, pois o tacto foi muilo publico, de
maneira que a haver jnslija, deve ser esle o pronun-
cia lo. Ji eu vejo, meu charo, que de proposito
vA > demorando o lal prncesso, fien observando qne
geiio loma esle negocio para Ihe dar parle na pri-
meira occasiAo, entretanto sempre quero aconse-
Ihar ao sevandija do Antonio Lulii.que nio e*(rie, e
v dando com sipu-po em homens livres, que logo,
rereher o troco, que cita gentileza mi
lemos igora dos gatunos.
gentileza merece.< Fal-
a amioso por
1 Cataln tabe
o preduzi-
im arreba-
enlre mis
a a apologa
le de iraijoes.de punhaes e de venenos ; vosea parda
he cerla. Como podesles pensar qne um povo altivo
e independenle, que foi durante muitu lempo maior
nacAo do mundo, se deixaria escravisar sem tentar
sacudir o jugo ? Ha cem mil humen* ua Hespanha
que juraram pela sua salvajAo uan deporem as armas
senao depois qoe tivesseii passado vergonhosamer.le
os Pyreos. Sim, leuho ferido sem piedade, lenho '
morto sem misericordia ; ra* Dos me perdoe eu
vingavn a Hespanha, e trabalhava para osea livra-
menlo. Inventai lodasai torturas ; basta-ma.tiesle
momento a lembranri dl^^HVfeio. e nm cruci-
flxo, e lenho o meo >ebreV|HH
moslrar-vos como um HespnH
morrer I
Quando applacou-se um pouco 1
da por eslas palavms prononeiada
(amento feroz, o eommandanle qo,
ouvira com la impisiibilidade orrj
do catidilho, ecgneu os hombro* com averslo'a de>-
prezo, e disse-nos em tora tevero :
Senhores, supponbo qne vossa opiniao he cer-
lamenlu que etle bandido merece a morle. ella he
tambem a miaba ; mas ao meu ver. (lie deve soflrer
um castigo vergonboso ; morte do soldado, petas
armas seria muilo honrosa para semelhanle saltea-
dor, para um assassino que fez do patriotismo uro
maulo, debaixo do qual occolloa suit ma* inclina-
cues e toa cobija; uando pois de meu* poderes, eon-
demno esle homem n torca : dar-se-lhe-ha meia har
para prepararse pelo arrependimenlo para o julio
de Dos. A seulenja ser execuladn na praja de San
Jos, dianle da* tropas reunidas para a partida. Aju-
danle mande reconduzir este homem prisAo, e
transmuta minhas ordeus aos toldado! dos don* des-
tacamentos.
Esta tentenja foi pronunciada no meio de profan-
do silencio, e lmenle foi perturbada pelo grito tur-
do que Benedicto deixou escapar, quando o velho
ollicial julgou dever manchar 1 vida de partidario ;
mas depois dessa exclamaras arrancada ao orgulha,
Benedicto nao moslroii man aenbuma emoja : bem
como o gladiador amigo, qaiz cahk com greca a me-
recer morrendo os applausot de teas inimigo*. Atra-
vessou pois a sala de fronte alta e a pnsso firma, es-
coltado pela gnarda para rrcolher-se ao quarte que
havia de servir-lhc de prisao dorante meia hora an-
da : u lempo de levantar urna fnrea na praja, con-
forme a tentenja.
At leis da guerra o a pena de taliAo, dme nos
o eommandanle depois que reliroa-se o prisioneiro,
autorisavam-me a mandar fuzilir esses bandidos tem
processo ; porem ss orden* enviadn palo Exm. Sr.
uiaredial Macdonald aos generaen de tea governo, e
at que eslAo quasi proscriptas aos chefes de corpos
em expajjAo, fizeram-me obrar dilTerenlemenle do
que feilo at hoje. Peta minha parte moilo
eslimel qoe tenha havidn nm julgamento nesla dr-
cnmslancia. Tenho lanto maior snlisfajAo do haver
obrado conforme o espirita das crdeos que hei rece-
hido, porque echamos a occasiAo de perdoar ao roe-
nos culpado e de infligir am castigo lerrivel ao mala
criminoso. Agradeco-vo*. seuhores, vomo conenno
Esta terminada a audiencia... [Contimutr-ta-hm.)
*
'
amiai



MIMO DE PERMMBUCO SEXTA FE>M U OC DEZEMBRO O 1855
I

Anu! polica alo impde oasa alguma, e in-
da asta eni complcla modorra, be por iteo que os
lldroet, esjecialmenle os de ca alio, esto raais
atonto <[Q'9 nunca. Os priprietarios andam bem
assuslado. vendo a hora de llcart;m tem o que Ihes
coslou o suor de sen rosli. Nenies das furlaram
dou cavallos ao capilao .los Severno, quiltro a o
r. Pedio Delirio, um il( eogenho Pacas, e nia'it
alguns, rujos donos nao condece. He um clamor
gsraL
Veja, ineu amigo, at on Je pode, cliegtr o desea-
ramenlo lestes roiseraveis. que so qiierem viver do
aiheio. jendo presos pelo capillo Jos Severino 3
ladrues de cavallo-, suspeilo lambem dt deteriore),
e entrando por tita cidade, m dos horneo que vinha
na patrulla, dingindn-se a um dus la es presos, en-
Uo, lite perganlou, anda vosa vai furlar cavallos ?
OU teSuu responden ; e aquelle que acola esta,
disae ainda o preso, aponlando para um bonito ca-
vado, que eslava urna piula, lia de ser meu. A-
quelle oulro rugo, como me agrada mais, breve o
dono fie ira tem elle, acrescenlou oulro preso, que
at enlii> nlia calado. Enllo j* vio maor cyuis-
mo, e maiDr certeza de iiiipuiiid.ido 1 E isto a que
era divido '.' Eu nao sei! quein o lr. qne o cu-
nad..
Um Antonio Carlos, U do Barro, diz claramente
na (eir que se foste preso aqui etn Sanio Anl.io.
kavia de descobrir quem orto os tingas, e cheles
das ladmeiras. L'm oulro individvo tambera na fe i
ra, falla nco sem duvida coin umeompanheiro de iu-
daslria, lsse em ar de mof.i : (orno he bello o di-
nheiro do Betno Velho. mostrando talvez a moeda,
que Ihc vendeu os cavallos all roubados.
Tem havido mais algumas novidades. como um
liro na Meringaba, urna encelaba dada por um ju-
gador eio seu antogonista aqu na cidade, de que
resuliou quebramento de cabera. Os autores deslas
desorders ainda nlo soflYe am o menor incoraraodo.
As amelis de ccete ainda conlinuam. Veremos
at ondn chega este estado de cnusas. Onvi dizer
qae pan nqui vinh.i un oIcial da linlia como
delegado, e at o presento nada vejo. Parece que
lodo dotnie Esperemos ainda.
Temo sollrido um lerrivel verlo, e o calor, nlo
obstante cahir de vezm quando alguns ehuveiros,
est ara seu auge.
A saluhridade publica vai sem literario. Algumas
vetes apptirecem pur aqui malignos visionarios, que
se regozijum com o medo que o povo tem do cho-
lera, por sso vM espaldndn qae estamos ja amea-
rados por esl pesie, sendo ellos a mais verdadeira
pesie. lie nada me adoiirarei, pois'eslou convencido
que ueste mundo lia genlu para ludo.
Os gneros alimenticios em razio da secca, estilo
caros..A lanuda lom dada de -240 a 320 rs. a cuia :
o lailho a 280 rs. ; o feijilo a 1JJ rs. a cuia. A car-
ne verde lera-te relalliado de 12 a 16 patacas.
0 escrivio Lina maoda tombranens ao Bacurno de
becaroarle.
Muita gordura o as algibeiras reche'iadat de di-
uluiro para patsnr bem a lala Ihe deseja
O Victoriense.
'____( Caria particular.)
.tpuraio dos collegios do Rlcife, linda, Igua-
rassu, Goianna, Limoeiro, Sazareth, Po-d'.llho,
Victoria, Cabo, SerinHem, Rio-Formoso, Bar-
reiror,. Bonito, Caruir i, Brejo, Cimbra, Gara-
nhum, Aguas Bellas, (*) Villa Bella e Innazcira.
Ot Srs. Votos.
I Bario de Camaragibe 750
Padre Leonardo Aotimes Me ra llenriques 7:17
3 Dr. Francisco Carlos Bramido 666
Dt. Joaqun) Pires Machado Portel 618
5. Dr. .Ignacio Joaquim ae Sodza Lea 394
Dr. Si I vino Cavalcanti de Al'iuqnerque 589
Dr. llieodoro Machado Freir Pereira da
Si" 584
H Dri Sobasliao do Reg Barros de l.acerda 573
'J Dr. Antonio- dos Santos de Siqueira Caval-
eaai.i. ,-,72
10 Dr. Antonio Alves de Souza Carvalho 570
Dr, Antonio Epaminondas de Mello 568
12 Negociante Antonio Marques de Amorini 565
Dr. Ignacio de Barros Brrelo 550
1 Inspeolor Jos Pedro da Silva 545
15 Dr. Lato Filippe de Suata Lelo 545
16 Dr. Jlo de Souza Reis 533
Dr. A bilio Jos Tavar ;s da Silva 532
Dr. Jos Quintino de Castro Lean 520
19 lr. Manoel do Nasciiuento Machado Por-
. 1" ",l7
JO Dr. A ngusto de Sonta Leo 515
21 Dr. Antonio Loiz Cavalcanti do Alhuquer-
fM> 502
Dr. Jas Maria Freir Gameiro 486
I Dr. Sabino Olegario LudgeroPinho 486
Dr. Caelano Xavier Pereira de Brilo 471
Dr. J aaquim Francisco de Mello Cavalcanli 465
26 Dejembargador Jerotvmo Marliniano Fi-
gutira de Mello ,fiO
27 Dr. Manoel Cleraenlino Carneiro da Cunda 459
28 Coiego Joaqun) Pinto de Campos 457
Dr. Augusto Frederico de Oliveira 456
30-Vitado Antonio Francisco Conralves Cai-
manes
31 Dr. Manoel Jos da Silva Neiva
pr. Caelano Eslelllta Cavaleanli Pessoa
I Dr. Denlo Jos da Costa Jnnior
Dr. Manoel Francisco de Paula Cavalcanti de
Albuquerque*
Dr. Ignacio Joaquim de Souza Lelo
Padre Vicente Ferreira de Siqoeira Varejao
Dr. Francisco do Kego Barros Brrelo
Dr. Benlo Jos da Cosa
Dr. Augusto de Souza Leilo
Dr. Ignacio de Barros Brrelo
Joao AlfredoCorra de Oliveira Andrade
Dr. Silvino Cavalcanli de Albuquerque
Dr. Aprigio Jusliuiano da Silva Guiraarles
Dr. Antonio Alvea de Souta Carvalho
Engenheiro llenrique Augusto Milet
Dr. I.uiz Filippe de Souza Lelo
Dr. Francisco Carlos Brandlo
Dr. Manoel de AJbuqnerquc Machado
Acadmico Jos Leandro de liodo\ e Vaseon-
cellos i
Major Jos Joaquim do Bego Barros
Dr. Manoel do Nascimenlo Machado Portella
34 Dr. Cosme de S Pernira
> Xeiienle Francisco Kaphael de Mello llego
36 Dr. Arislides da Rocha Bastos .
37 Dr. Francisco Jo3o Carneiro da Cunha
I Dr. Manoel de Barros Wanderlev Lint
39 Dr. Manoel Francisco de Paula" Cavalcanti
de Albuquerque
40, Tenenle-coronel Jo3o Valenlim Vilella
41 Major Jos Joaquim do Reg Barros
42 Dr. Francisco do*Rego Barros Brrelo
13 Dr, Jos Maria Mostoso da Veica Pessoa
drade
44 P*lra Marcal Lopes le Siqueira
13 Joo Alfredo Correa de Olivoira An
leiro Moo
aptisia
> SiqmliVai
aeiro di:
HS ^*l0-'- '"'"'aucio Jos Carneiro Montelro
Dr.'Francisco 48 Padr-3 Vicente Ferreira de Si
49 Tenenle-coronel Antonio
30 r. Manoel Joaquim Carnai._
51 Dr. Manoel de Albuquerque Machado
58 Dr, Nahor Carneiro l'e/erra Cavaleanli
. Dr. Jlo Francisco da Silva (kaga
Varejao
Ira
450
447
447
444
4;to
120
419
417
416
415
411
4tr7
40fi
399
397
397
39S
390
:W9
:i8.
;t79
377
:i74
363
51 Dr. Delfiuo Augusto Cavalcanli de Allni-
fliurpn. .,-
COI.LEGIO DE BAKKEIROS.
Eleirao era duplcala do collegio eleiloral de Barrei-
ros para deputados provinciaes, presidida inleri-
iianienlc pelo juiz de paz Pedro Ignacio Wan-
derley.
Membros da mesa.
Presidenlc.
Coronel, /eferinoda Cunha Balos.
.Secrelaroj.
r. Antonio Borgcs Leal.
Ivo Pinto de Miranda.
tscrutadorts.
Capilao, Pedro Ignacio Wanderlev
Professor, Joo Manoel Pereira da Silva.
Os Srs.
Barao de Camaragibe
Dr. Manoel Francisco de Paula Cavalcanti de
Albuquerque
Bario da Boa-Vista
BarAo de Suassuna
Dr. Joao Jos Ferreira de Asmar
Desembargador Jeronvmo Marliniano Figueira
de Mello
Dr. Francisco Carlos Rrandan
Dr. Francisco Xavier Paes Brrelo
Dr. Antonio Coelho de S Alhuquerquo
Dr. AuusIo Frederico de Oliveira
Dr. Francisco do Reg Barros Brrelo .
Tenenle-coronel Antonio Carueiro Machado
. Rins
Padre Anlonio da Cunha c Ficueiredo
Dr. Antonio I.uiz Cavalcanti de Albuquerque
Dr. Seli.i-iian do Reg Barros de l.acerda
Dr. AprigM Jusliuiano da Silva Guioaraes
DrJIgnacio de Barros II niel"
Dr.' Ignacio Joaquim de Souza Lelo
Dr. Luiz Filippe de Souza Loan
Dr. Joaquim Pitjes Machado Portella
Dr. Cosme de Su Pereira

, Votos.
17
17
17
17
17
17
17
17
17
17
I
Dr. Caelano
Dr. Rodrigo,
Dr. Theodoro
r. Jos Ou
Major Jos
Dr. Leopoldi
er Pereira de Brilo
de Albuquerque Maranhjo
ado Freir Pereira d? Silva
e Castro l.cao
do Reg Barros
Mino de Abreu a
Dr. Joao Francisco da Silva Braga
l)r. Francisco Raphael de Mello llego
:)r. Joso Nicolao Pereira dos Sanios
Padre Vicente Ferreira de Siqueira Varejao
Dr. Augusto de Souza Lelo
Dr. Diodoro I" I pa no Coelho Calando
Dr. (ieminiauo Antonio de Oliveira Vilal
Vigario Nemesio de S. Joao Gualberto
r. Alvaro Barbalho L'cha Cavalcanti
REPARTigAO DA POLICA.
- Parte do dia 13 de dezembro.
Illm. e E\m. Sr.Levo ao conheciraenlo de V,
Etc. qne das dillerentes parlicpac,dei boje recibi-
das nesla reparlicao, consta que sa derain as segua-
les oceurrencias :
Foi preso: pela subdelegada da freguetia do Re-
cife. o prelo escravo Bernardo, por furto. >
Pela subdelegara da freguezia de Santo Antonio,
o prelp escravo Augusto, por fgido.
E pela subdelegada da freguezia de S. Jos,
Fraucelino Jos do Souza, para-recrula.
Dos guarde a V. Ec. Secretaria da polica de
Peruambaco 13de dezembro de IS.jS.lllm.e Ktm.
Sr. conselheiro Jos Benlo da Cunha e Figoeiredo,
presidente da provincia.O chefe de polica, Luiz
Cdrlot de Paica Teixelra.
Senltoret redactores.Como alguem possa crer.
onTinsir crer que de mim partera as corresponden-
cias, que acerca do cai9o que encerra o cadver da
filha do Sr. desemhargadr Jeronvmo Marliniamo
Figueira de Mello, (em -sido publicadas no Liberal
l'ernambucano, segundo se l em duas correspon-
dencias que dei lido no Diario de Pernambuco, de-
vo declarar que nao sao mindas aquellas correspon-
dencias, que as nao li, e que nao condeno a. pessoa
qoe as escreveo. *
Espero, senderes redactores, que se dignarlo de
dar puhlicidade a estas lindas, e sou com loda a con-
siderajao, etc.
r. Joaquim d"Aquiuo Fonceca.
13 da dezembro de 1855.
qaerqoe
35 r. I.ourengo Francisco de Almeida .Ca-
tanhs -*^
56 Mijor Antonio Jos ile Oliveira
57 Dr. Manoel Isidro de Miranda
58 Dr. Joao llircano Alves Maciel
59 Dr. Jlo Vicente da Silva Costa
60 Dr. Rodrigo Castor de Albuquerque Ma-
r ahao
61 Dr. Adolpho de Barros Civalcanli de 1.a-
eerda
62 Di. loao Jos Ferreira de Agoiar
63 Dr. Vpnsio Jusliiiia io da Silva liuiiiiaraos
ftl Di. .los Rodrigues do Pac,o
65 Padie Francisco Peinlo finarla
66 Gnni'ral Antonio Correa Seiira
67 Prolessor Joaquim Antonio do Castro
Mines
8 Di. Antonio de llolliuda Cavalcauli da Ro-
cha Wanderlev
69 Crnogo Francisco Rochad Pereira de Brilo
Medeiros
70 r. Francisco Bredernde di; Andrade
71 D-. Anlonio de Mnetes Vasconcellos de
llriimmond
72 D-. Leonanln Aaguslo Ferreira Lima
73 Div Manoel Filippe da Fonseca
74 Tenenle-coronel Anlonio Carneiro Machado
Rio-
Dr. Francisco Ferreira Marlios Ribeiro
i Pudre Antonio da Cunha e Figueircdo
' Dr. Julio Barbosa di: Vasconcellos
78 r. Francisco Xavier Paes Brrelo
i9 A:ademico Jos Leandro lodoy e Vascon-
cillos
Hl) Li'.npoldiiw Deldno le Abreu
I a noel de Souta Garda
nado Nery da Foneiiea
U-. Pedro Gaudiano de Ha ia e Silva
onio Wilrovio Pinto Bandcira e Ac-
cin de Vasconce&oi *
> Dr. Francisco Gornts Velloso de Alboquer-
que Lis
Padre Jlo Capislrano de Mendonra
Cr. Domingos de Souza Lelo
Or. Francisco Bernardo de Carvalho
89 Barao de Suassuna
J? *l"J"r Silvestre AnU.nio de Oliveira Mello
Teaenle Candido Leal Ferreira
92 llenrique Augusto Milet
358
339
33:2
331
390
330
313
:I7
306
281
268
263
259
216
213
240
239
229
229
215
214
212
211
205
204
195
188
168
165
153
143
131
104
101
98
96
"89
88
acto recebi nao equvocas provas de agradecimen-
tot de ricos e abastados fateudeiros e de oulros lio-
raens honestos, mmicos do crime e apreciadores
dasecur.ini;.! individual, e'dodirtiloile propriertade.
.luslnlcrpoz recurso ; o Dr. juiz municipal susten-
ten sua decisao.
O Dr. juiz de direito por justo motivo eslava im-
pedido para tomar ronli.-cinieiito do recurso, o que
fez seu legitimo substituto, que depois de ouvir *
yroinotoria publica. s?gundo me conslou.'leu provi- contra Jlo l.ins de Albuquerque foi ex-ofllcio'da
COI.I.ECIO DE INGA/EIRA.
Drputadux prorinciaes.
Dr. Manoel Joaqnim Cirneiro da Cuoha
lr. loaquim tioncalves Lima
Dr. Rodrigo Castor de Alhuquerque Maranl.o
lesemliargador Jeronymo Marlioiano Figueira
uii Helio
Dr. Aaguslo Frederico de Oliveira
Dr. Francisco Joao Carneiro di Cunha
Dr. Antonio dos Sanio. Siqueira Cavalcanli
Dr. Julio Barbosa de Vasconcellos
Dr. Francisco Xavier Paes Brrelo
Conngo Joaquim Pinto de Campos
Dr. los (luinllno de Catiro Lelo
Dr. Francisco de Paols Baplinta
Padre .Marc.nl Lopes do Siqoeira
Tenc-nle-coronel Joao Valenlim Vilella
Dr. Dellino Augusto Civalcanli da Albuquerque
Padre Leonardo Aniones Meira llenriques
Bario de Cnmaraaibo
Dr. Sebaslio do Reg Barros do l.acerda
Dr Mnnoel Clemcutino Carneiro da Cunda
l>r. Julo Fraucisco da Silva Braga
Dr. Joao Jos Ferreira de Aguiar
Vigario Antonio Francisco Coocalvcs Guima-
rlc*
Dr. Arislides da Bocha Bastos
Dr. .'nao Vicente da Silva Cosa
Dr. Grane de S Pereira
Dr. Francisco Kaphae'. de Mello Reg
Dr. rueodoro Machad, Freir Pereira da Silva
Dr. Antonio Witnrvii. Piuto Ilandeira e Attioli
da Vascontllos ^p
r. AolunioEpamincndas <1 Mello
Loiiesj. Francisco KocWl Pereira .le Brilo .Me-
if|M(
Votos.
19
19
18
18
18
18
18
18
18
18
18
18
18
18
18
s
1.7
17
17
16
16
16
16
16
16
M
13
14
14
Srs. redactores.Tando recebido honlem do Pa-
r, pelo vapor Guanabara, urna caria do meu ami-
go e collega o Dr. Francisco da Silva Castro, presi-
dente da -commisslo de dygiene publica daquella
provincia, em qne elle me da a agradavel noticia de
daver-se descoberlo um novo Iralamento do ebolera-
morhus, pedinde-me que o Taja publicar, com mui-
lo prazei preslo-me a isto. para o que recorro a
\mcs. ; ecorao me parece(impurlanle o ajnnjne.li/
aquelle dislinclo funecionario, evlracla'rnTnlb perio-
do de sua carta, que submello a considerado do
publico.
Sou, Srs. redactores, com Inda a eslima, *tc.
Dr. Joaquim d'.lquino Fonseca.
13 do dezembro de 185..
ci Para. 30 de novemhro de IRV>.
< Junto adiara V. S. um jornal, e nelle unta im
portante noticia acerca do Iratamanto do cholera,
tratamento iii/aUicel. prompto e /loeoV Jfspero que
\ S. preste toda a atleunlo a semdnfl a noticia,
e llie d toda a puhlicidade possivel pelos jornaes
por bem e amor da dumanidade e daiencia.
Alm dos trinla curados pelo novo syateoin, cont
mais dezesele, que s usaramdo sumo do liman ( ,
e se curaram rpidamente, sendo cinco desle de
cholera confirmada, e bem enractensado. MnRas
oulras curas se tem operado s por meio deste 13o
simples remedio oestes ltimos quuj/.c dias, e sem
ser preciso assistencia de medico, li lioje ura reme-
dio familiar e mallo popular aqui. Alguns dos nos-
sos collegas o lem empregado com iguaes vaiilagcns.
Srs. redactores.No'seu Diario n. 231 de 6 de
oulubro provino passado, na pag. 3 col. 2, encon-
Irei um acervo de calumnias e mentiras conlra mim;
assiguado peloNioguem.Tendo Vmcs. dado ca>-
bida m seu jornal a essa correspondencia, ao me-
nos por equidade hao de permillir a iuserrlo desla
em defeza.
Principurei restiluindo a verdade dos faclos in-
vertidos e adulterados peloNinguem.__
Pelo correr do anno protirao patsado, procurad-
me como delegado de polica urna miseravel viuva
de nomo Josepha Maria, e queixou-se-ine que Jos
lildo de seu visindo Manoel da Costa, deflorara so
IIIda, orplila Thereza, e que esta sa achava grvi-
da, e que sendo nimiamente pobre, ule linda meios
de buscar um advogadoque llie lizesse um requeri-
mento, que por sso viuda pessoalmcnte queiur-se
Promelli a essa mullier azer quanlo licitameole po-
desso a favor da lilha. Manoel da Cosa, pai de Jos
era pessoa a qoem cu linda alguno amisade, mande!
cdama-lo, commiiniquei-llie a queita que davia-se-
me feilo do fillio, e persuadi-o para que ao menos
utksse a infeliz orphila, elle porem nao quiz aeceder
i-so. Patsado algum lempo veio tambera entender-
se comigo Joao to Bosari, lio legitimo de Jos, e
disse-me que elle anles que seu sobriuda davia lido
copla com Thereza, e por isso aquello-nao a ha-
via deflorado, e por conseguinte nao devi do-
ta-la. m
A.' vista da dedara^o de Joao do Rosario, consi-
gne! um dia para em minha presenta comparecerem
as pessoas que representavam nesse drama; isso
realison-se : Tdereza lllrniava qoe Jos era quem
a davia ofTendido, eddle era o tildo, qoe por j ler
nascido eslava prsenle, Jos egava, Jlo do Rosa-
rio atsegurava o que davia dito, s acrescentando
que Thereza ja era deflorada quando com elle leve
copula ; Thereza porm negava ludo isso. Conven-
c-meque davia urna combinarlo para nlo ler lu-
gar o casamento, e nem o dote desvalida orphla.
Decltrei que recrulaha tardo a Joao como a Jos,
visto eslarem ambos aptos para isso. Com pouca de-
mora appareceram pessoas olTereccndo dote por par-
te de Jlo e Jos, a Josepha para a tilda, a qual
asslro como a orpdla e mais pessoas da familia, o
accilaram e eu nada mais fiz. He este o primeiro
fado que foi invertido peto perverso e mentiroso
Nili.uein.
Em 1884 o r. jaiz de direito desla comarca, cerlo
de daver nella muilos criminosos, ofliciou-me para
que eu entendendo-me com o delegado de polica de
P., procurasse fazer urna combinadlo, para des-
la orle padermos capturar os criminosos, e sen-
tenciados que 'vagavam por este termo, e que com
fadlidade se passavara para aquelle e vice-versa.
Fitessa combinajo, que para os bonst.urdio os me-
Uiores resollados, mas para os perversos e seus pra-
loctoi-cs. foi motivo de crueis imprecagoes contra
mim e aquelle delegado.
Ecao sitio de Saulo Anlonio ueste Icrmo, a espe-
lunca aouile se asilavain muilos criminososa ladrues;
e |iara all foram as primeiras diligencias, eu dei
ordem e aulori daquelle sillo para averiguai;oes, a qual toi effecli-
vamentecumprlda, edisso me uano. No numero
dessas pessoas que foram presas, entrou um velho
Jlo l.ins.
O promotor publico do comarca, informado das
imputarnos que pesavam sobr Joao Lius e oulros,
dellos denunciou a delegada ; leve lugar otumma-
rio crime e cu dei a pronuncia, como ludo provarn
as cerlides jimias. O r. juiz municipal suslenlou
os-.i pronuncia com^alguma raodilicarao. Por esses
ment a esse recurso.
lie verdade que meu inno. o capitn Domingos
freir da Silveira, compiou a Ierra de l.ins pelo
rejo que Ihe foi pedido. Offereceu-lhe a compra
essa Ierra, Ricarte Cavalcanli genro de l.ins, por
ordem deste, e isto por Ihe haver dito Francisco Xa-
vier Nogusira, que tilo meu irin.Vi nutria desejos de
comprar urna prelo de Ierras em serllo pedregoso
pira tiluir una fazenda llenados.
Etlilem Rirarle o Nosuoira, em Maranguape no
Cear, l.ins dous oo tres nidos no tormo de P.
oesla provincia, informe-se delle oNinguem. e
quem quizer, que eslou persuadido que elles dirlo
0 mesnio que venho Je dizer.
j* Por esse niesuio lempo foi lambem pronunciado
lim sidu mliii de Lius de oras Trajano, que couli-
noa a estar criminoso, o qual lambem vendeu no
meseao sitio nulra parle de Ierras ao inesmo meu ir-
rolo.
Vivo na lovnaro de Utinga desta provincia o Sr.
Jlo Gualberto Raposo da Cmara,que enllo morava
nesla comarca, eeslao dia de todas easat oceurren-
das, por ser o advocado de Trajano; esse se-
nhor, qne nlo pode ser suspeito ao Ninguem,
ijue declare-lhe quanlo a respailo se passou. He
este o secundo fado que o infame Ninguem a-
geitando-o a seu modo, puhlicou-o, com o fim
de desconceluar-me. Esse laclo deu-so como
acaBo de relala-lo ; e repilo, que moito me ufano
do have-lo pralicado.
Antes da secca de 1845, nao me record o anno,
eomprei a Jlo de (ioc, por anluuoraazia condecido
por Bandurra, um polrlro do urna lilha de nonie
Clara,' por tioyXjO. com a condirao de Irazer-lde da
cidade do Recito duas varas de colar d miro, e de
inteira/ o dindeiro que para essa compra fallasse,
ou de follar oo caso de sobrar dos 100000 r-.
Trouxe essa encnmmenda'por menos daquelle pro-
co, e enlreguei a Bandurra, assim como o dindeiro
I que sobrou, e nessa ola assjgnada por Manoel dos
f Santos Tavares. dono de urna lbatela na roa do
Cabilgi ; nina ola que continda o preco c feilio i!o
colar,se odrigava lavares a receher o onro yresl-
luir o valor recebido no caso de ser o ouro ruim.
1 son a tilda do Bandurra de seu ouro e cu servicei
o meo cavallo. Em o auno seguinle, antes do eo
ir para o Recite, disse a lidiado Bandflrra que o ou-
ro era rum e na realidade o era, disse-lde que se
quera o cavallo, que ou Id'o entregava recehendu
eu o collar, o resto do dindeiru que Ide davia dado
e a nota de qoe fallei, o quo ludo cITectuandose
conduzi o callar para o Recito, aonde em compa-
ndia de meu amigo o Sr. Jos Esleves Vianna,
apresenle a referida ola e o collar a Tavares. e el-
le me reslltoo o dindeiro qoe no anno precedente
davia de mim recedido.
Haveria dolo em lal negocio"! Gerto que n3o.
Agora a mais impudente calumnia. Diz o Ninguem
que eu inandei ferrar urna garrota, ,cujo dono se
odo sadia; para um meu cimbado, e que quz a -or-
lo que apparecesse o dono e dola luraasse conta !
Mente e mente destocadamente esse infameNin-
guem, e se assim nao he diga o lugar, o auno era que
isso acontecen, por quem mandei ferrar essa garro-
ta, para qual dos meus fundados, e qual o dono que
della tomou conta; e emquanto isso nlo lizer, ser
lido por mim e por lodos que me condecen, por
nm vil calumniador; e repelirei urna e mil vezes,
mente e mente desfasadamente oNinguem quo
assgnoii a correspondencia que ora respondo. Em
18.(3 requer competentemente urna demarcacoju-
dicial, m nmdos terrenos que possoo. Procedeo-
te ao acto da demarcarlo e as uecessarias formali-
dades, ficon com cffeito denlrd do terreno qne ea
possuia, a situadlo e o assude do finado major No-
Eueira, como muilas veses lia succedilo a muita gen-
) que faz situaees em terrenos nlo demarcados. Foi
svju/. do tal demarcarlo, o Dr. Manoel Amonio de
Oliveira, magistrado integro a toda prava, domem
assas coiiscieucioso, de carcter mullo independnle
e probo, que alm deslas ptimas qualidades que p
adornan), em sudidn grao,por si possue alguma for-
tuna, seus dignos pai e sogro, san contados em o
numero dos maisadastados proprietados e ricos fa-
zendeiros desla provincia. Todos quantos coobecem
o Sr. Dr. Oliveira. drao o qua eu vendo de dizer, e
se alguem disser o contrari lambem ser capaz de
diter que < togo nao da quenle, e o gelo nlo he
friu. O piloto foi o Sr. Joao Maria Valle, da villa
do Principe, andan muilo honrado c por tal recouhe-
cido pelos que o conheccm; e empragados desla na-
tureza sao os que haviam fazer ama demarcaco co-
mo eu ou quem quer que fosse qui/.esse '.'-Cerlo que
nao. E como o perverso .Ninguem tem arrojos a acoi-
mar de injusta e nlo sei de que mais, essa demar-
carlo i Em a noile de 25 de dezembro de 1830,
destecharan) de emdoscada um tiro em meu cunda-
do, o lenentc-coroiiel Elias Antonio, qoe era entao
delegad de polica. Alliihuio-se ao principio ler
dado esse liro. um Manoel da Rosa, de que falla o
Ningoem. Foi elle preso pelo subdelegado de
polica de I'., donde foi remedido para a Im-
peralriz, e dalli para esta villa de Apodi, por tropa
regular, para se' interrogado e assislir a inquiricao
das teslemunhas do processo que se instauran. Nao
foi pronunciado por n.'.o haver provas conlia elle,
enllo meu cimbado recrulou esse individuo, nao
porque Ihe liouvesse destechado o tiro, mas por ser
vadio c remullendo socio de furtos de gados, mui-
losdosqnaes confesa>u. Chegou a capital," e pelo
enllo presidente Dr. Cunha toi mandado embarcar
com oulros recrulas.
Nos lins de Janeiro seguinle, uto escravo de meu
condado e oufro de inioba mili, disseram qoe em
uma noite virSn vultos emboscados. Fizsram-se
as uecessarias pesquizas, eu meu cimbado e meus
manos, recnhecemos que acuella farra davia sido
hita por taes eacravos, com o lim de mais merece-
rein nossa ruiilianca, ineu cimbado indignado ppr es-
se proceder do delle, mandou-o castigare vender.
He o fado verdadeira qoe o Ninguem adolleran-
do-o e envenenando-o escrevo a seu geilo para
desconceituar-roc. Iufame, mil vezes infame he
esse calumniadorNinguemAo ultimo fado des-
eriplo pelo Ninguem, deixo de responder por ser
Sou, Srs. redactores, de Vmcs. venerador e
criado,
* Manoel Freir da Sihra.
Villa do Apudi 8 de novemhro de 1855.
Illm. Si. juiz municipal.Diz Manoel Freir dt
Silveira, ex-delagado de polica desle termo do
Apndy, que se Ide faz preciso a bem de seu direito,
que V. S. mande o escrivio desle juizo certificar
de palavra ao p desla, se o processo que leve lugar
delegacia de polica, ou por denuncia da promotoria
publico di comarca ; nntro aim, que o inesmo es-
crivio Ihe d por certidlo de rerho ad lerbum
o theor da pronuncia proferida pal tupplicanti,
quando delegado, no referido processo; e para
isso
Pede ao Illm. Sr. juiz municipal Ihe delira co-
mo requerido tem.C R. M.Manoel Freir da
Silveira.
Como roquer. Apudv 3 de novembio de 1855.
Cavalcanli de Albuquei'que.
David l.aureniu de Frailas Dantas, escrivio vita-
licio de orpdlos e interinamente do crime no termo
do Apudv, em virlude da Ici, etc.
Cerlidco que o processo que leve lugar na dela-
gacia de polica desle termo conlra Joao Lina de
Alduquerque. foi por denuncia dada pela promoto-
ria desla comarca.
Certifico mai, que a pronuncia proferida no
mesmo processo pelo supplicante, quando delegado,
de do tdeor segoinle :
Obrigain os ditos das leslemundas por mira inque-
ridas nesle processo prislo c livromcnio aos de-
nunciados Jlo Lins dftAlbuquerque e Belarmino
de Souza Campos, por eslarem ocursos as penas
do arl. IM do cdigo criminal, com referencia ao
arl. 35 do inesmo. Conservem-se os denunciados
na prisla em que te acliam. Nlo obrigam porem
os depoiinentos das leslemundas a prislo e nem
livramenlo ao denominado Manoel Bav mundo Ca-
valcanti, que supaatar mandado de oilura, O es-
crivio faca remesan tiestos aulos ao L'r. juiz munici-
pal do tormo deslavbmarea para sustentar oh revo-
gar esta pronuncia como for de direilu. Villa do
Apudv 5 de agosto de 1854.Manoel Freir da
Silcetra.
E mais se ulu continda em dit pronuncia, que
belmente extrahi do proprio processo de cerdo ad
verbum, e vai sem coma que duvidn faca, por mim
escripia, conferida, concertada e assicnada, do que
dou fe. Villa do Apudv (i de novemhro ile 1&->">.
O oscrivo interino do crime, por impedimento do
actual, llavid Laurenio de Freilas Dantas.
ato. redactores.Fui informado que se publicara
no peridico Echo Vernambucano artigo ou arligos
argundo de varios fados qoe dito papel jnlga repre-
hensiveis, ao Illm. Sr. capillo Wanderley, mui dig-
no delegado deste termo de Villa-Bella, e eolre ou-
lros o de ler elle deflorado e depois raplzrdo em San-
ta Rita uma minha mana, lilha de Pedro de Alcn-
tara, aqual o mesmo peridico figurou de mu lenr.i
idade. Pugnando pela honra de minha familia e da
casa de meu pai, resnlvi-me a apresenlar esto breve
communicado, alHrmando que uunca#este aconteci-
menlo succedeu, nnico mojo de detoza de que pu-
de lauca.- mao, ja que pelo meu esiado de pouca
fortuna e baldo nos meios neoesHrio nao posso fa-
zer que o autor dessa publicara > pague pelo preco
que devia suas calumnias, arrojo eousadia. Miabas
manas tem de dade, uma 40 aunos e oulra 30 : ha
he verdade, emeasa de meu pal .uma sua sobrinha
moca, mas cuja honeslidade, recato e boa reputadlo
slo de Indos condecidos, axcepelo de um infame
edespre/.ivel calumniador que todos sabem quem
he, que para ala-saldar a reputara alheia, sem du-
vida por que na sua nlo ha mais que atasSaihar, e
deseja ver se nlo tica s no pessimo juizo que delle
se faz, nlo se importa de envolver fin suas mesqui-
nhas viiiganca* a hojira de lerceiros, que uunca o
oIlVii ler.ini, que dispeiisam, e muilo se irritara com
seu aleivoso telo em defendo-los. Fazenda de Sania
Rila 25 de novemhro de 1855.
Pedro de Alcntara Jnior.
Itecor doe.i verdadeira a firma supra, do que dou
f. Villa 25 de novembro de 1853.Em testemnnho
de verdade.O labelilo publico interino.Manoel
do rvatcimenlu Casado Lima.'
Sr. redactores.Tendo diegado ao meu conlieci-
menlo qoe se dissera em um dos nmeros do. Echo
Vernambucano, ler eu sollrido uma prisao injosls,
cfleriua la pelo Sr. capillo Manoel da Cunha Wan-
derlev. delegado do termo de Villa-Bella, com o
nico lim dfjne perseguir pelo molivo de se ler en-
conlradocwfconm ca-a de uma meretriz, e on o
tor tratado retase lugar com descorlezia : declaro
ser verdade oler lido tugara prislo, mas em razio
de ter eu embarcado em 1859 como recruta para o
Rio de Janeiro,oo mesmo Sr. capino, sabido disto,
0 que confessei no interrogatorio que-respond pe-
rante elle. Nlo pude justificar rae ua Vill.i-ll.-ila por
me nao adiar prevenido, maso liz no Recito, para
onde segu com o Sr. r. Jos Mara Gameiro. O
(co do suprndito encontr entre mira e o Sr. capi-
llo he mera fbula, de que algoem malignamente
se quiz servir para dar maior eipansao a sua raiva,
e que desminln completamente. Nlo ha pois in-
triga do Sr. capitn para cmico, nem vice-versa,
antes llie sou agradecido pela franqueza com que me
Conceda todossflnrerursos legaes e hom tratamento
dorante minha'' '^B^>. Rogo a autor de tal cor-
respondencia qiS-ii:, lance mao da coasas fabulo-
sas, envolvendo asim lercciras pessoas, isto s com o
lim de deprimir omerilodeuin funecionario publico
de qncms lenhooovido elogios, e presenciado seus
actos, que nada deixam a se notar. Villa Bella 20
de novtimbro de 1855. A rogo de Joo Paulo de
Farias, Loarenc,o Bezerra d'Abuquerqne.
Como I esl em n das.Joaquim Pereira da Silv
1 inian, .Smelo Correa Cavalcanli Macambira.
Beconheco verdaderamente as tres firmas supra
Villa Bella 20 de novembro de 1855.Em teste-
munho de verdade.O tabellilq publico interino.
Manoel do Nascimenlo Casado Lima.
WRIED.DE.
I de que se fn-
celos de menor
: transplanlado
comcrarara a
le que deram a verdadeira vida intprensa, eco-
mecaram a torna-la um poder politice. Nao" lie de-
baixo desle pontos de visto que agora temos de con-
sidera-la : s desrjamos esludar a origem a os pro-
greasos doannuncio. Ora esto rame.de publicidade
nao podia naturalmente dcsenvolveMe em quanto
todos andavam rom as armas na mo. e s depois
da execuclo do re Carlos, e quando a repblica co-
mecou a respirar livremenle lie que vemos appare-
cer o antiuucio. O primeiro com que deparamos
lem por objeclo um livro e lie concebido uestes ter-
mos : .
Irenndta Gratulatoria, poema heroico para
solemnisar o regresso da lord general, e narrando s
suas viclorias com eloqtwncia. Vende-se em cata da
John llolden, na nova Bolsa, Londres. Imprenta
de New-Courl. 1652.
Esleannnnrio l-se no Mercutvu l'oliticut eo
livro ha um panegyrico de CromwaR. Os livreirot
foram os primeiros que empregarum este meio de
publicidade.
Alguns aunes depois, n'um jornal de |63'J, depa-
ra--o com o aiinuncio de ura tldelo do grande Mil-
ln ; considerarnos acerca da lucidor forma de ex-
purgar a igreja de Simouiaos... Autor J. M.
Detde esta pica corneja a usar-te do innuiicio
para descubrir os objeclos peididos, inatuin do as ch-
ancas, os criados de servir, os cavallos os ces. ele.
Nola-se uma parlieularidade mui curiosa, a saber
em quasi lodos os signaes se comprehende a maior
parte das vetes, as marest das betigas, o que de
uma prava dos estragos que enllo fazia essa moles-
lia, lie em'Ki.i'J, e por meio desletannuncios, que
se encentra pela primeira vez, mili
pregavam no servio,, domestico
dade ; naturalmente este coslume
de Portugal, porque os Inglczes
traficar na escravalura em 1680.
Diz-uos um a inmune, que os Puritanos, a que eda-
mavam, como de sabido, cabeces redondas,
porque usavam de cabello quasi rapado, applicavam
a mesina ceremonia aos seus pretos, porque te pro-
melle um premio a quem descobrir e entregar um
pretinho com o cabello corla lo rento. Parece que
era todas as pocas se julgou raais ctmrnodo rapar a
cabera dos prelos que lava-la.
Pouco a poucosev orgausar-sc o servir > das car-
roageus publicas e da poda. Ja a rainha Isabel li-
nda esiab-i-ri lo as eslaces postaet as estradas
reaes para o transporte das correspjtodeneids da cur-
te, depois m 1633, cstabeleceu-Ya (losla publi-
ca, qu. artdava de noite e do dia contra srelooidade
de" inilhas por hora no verlo, e b- ", milliis no iu(-
verno. Porem as diligencias s no lempo daj
Crumvvell coracc.arara, c esto industria lanjon logiv
nlo do aniiuncio. O Mereuritu Putiticu do I- ie
abril de 1638 coulem um nos seguinles Itrmos :
ir Desde odia Jii de abril de 1658,as diligencias
partiram da estalacem do Jorje, Aldersgale, om,
Londres, para as seguinles Ierras, e s horas e com
condicues seguinles, todas as segundas-leiras, quar-
las e sexlas. Para Salisburg, em dous dias, 20 schel-
lings, ele.
Para comparar a locomogio dessa poca com a
de boje, vede o manual dos caminhos de ferro,
adiareis que se en 1658 eram precisos qualro dias
para ir de Londres a Exeler, e oulros tantos a York
em 1S55 bastam para isso cinco horas, lina cousa
ha mui curiosa, he que os presos slo quasi os mes-
mos, 35 a 40 schelings j7}870 a 9 rs.'- .
Entre os annuncios desse lempo, eis aqui oolro
de Milln, que al final protestaba conlra a restau-
radlo da nionarchia :
Da middor icaneira de estabelecer uma
blica livre. edas suas
rece cerero exclusivamente nglezei, como ooraaxem-
Uylield, e detejando uma alisr.iro, convido-a a
iL.toil.r' C",O88,0>re 'f!!*' e a j?g" ,occo' P'" oi'dT coiD.goportre, guineos. Ambas o. deverao ter malvolo, dizem que lera havido algo,.;
era cada .nao, e a pnmeira que os deix.r cahir | monia roaamo mlrinf : por.m VZ,^2
er,i_e. ^^H^ em publico com lamanho rvnismo da vend.
>______._ o n ,i i----I"""v" vwm iniiiauuu < nlSmO da Venda ~ J
. Resposla-Eu Auna Hyfield, de Nevvga len- cargos pblicos, como lodos os diasesl s7ei?
do sido informaJa.dasintoiices de Isabel \\ ickinson na Inalalerra. Todos o, da,, com effeilo te dtS.0
..I..., pnn, ....n.....:.. -__"
de GocwNogueira, cij
1827, inoo botetr
unuinvectiva, e muilo me degradara se o lizesse,
raf|>ondeudo a tal infamia, pos quem con!iece-nie,
sabe que lendo vivido c vivo na mtior harmona
com ledos os meus cunhados.
Tenho respondido, e creio que de-mascar.ido ao
Ninguem, o qual sabe que ja nao sou delegado de
polica, por haver ohtid a demissao que ped ; mas
tenho a consciencia tranquilla por me liaver porta-
do no desempenho desse lugar com loda a dignida-
de, como pravo com os documentos impressos em o
Diario de I i de selerabro deste anno.
No Diario 4 27 do selembro, na missiva do nin-
guem da cidm do Ass, li a reveladlo que Ihe fez
a vespa, e s nlo pasmei ao ler as calumnias feitas
pela tal vetpa a Sra. de Manoel Mendes e ao lildo
deste, por_ saber de quanlo he capaz a vespa ; en-
tretanto, dird, que he falso que morresse lildo al-
gum de .Manoel Mendes ; sendo eerto. que um
maior de 21 annos, que ha pouco sorTreu nm pen-
riz, osla gozando de vigorosa san,lo ; e que a 'mu-
Iher do tildo do Mendes, que eslava mal de um
parto, est melborada ; e creio que esse Ninguem
ja deve estar certo das calumnias da vesta ; e por
isso nao sera to fcil era acreditar nos seus zum-
bidos.
Disse o Ninguem dessa missiva que a vespa, comb
que censuren o juiz ai oceurrencias criminosas hayidas no dislrrto de
S. Sebaslilo, que sao as de que fallei), eu, porem,
ouvi censurar, por elle nlo investigar os fados
mencionados em certa denuncia que Ihc deram
em uns versos, a qual corre pelos dillerentes muni-
cipios do centro desta provincia.
. Como o Ninguem desta missiva disse que a vespa
linda ido colher oulratftores para levar-llie, eu o
quero tambera raimajBk cora as teguioles: Jlo
Rido por Bandurra, em
Tarrada no municipio de Extre-
me*! levava era sua companliia um menino forro, e
all venden ao Rvm. padre Flix, (hoja fallecido,
e entlo vigario da freguezia daquelle municipio) :
em 1828 foi o vigario informado que era forro esse
menino qoe davia comprado por captivo, e dirigi-
se meu finado pai e sendor Manoel Freir da Sil-
veira. para meu pai redaver o dindeiro no caso de
ser cerlo o que Idediziam, e mandar-Ihe levar e con-
dnzir o menino, e assim surdio ; porque meu pai
peranle a autondade competente veiilieou o fados;
Jlo de (loes confe-sou o e resliluio o dinheiro ;
mea pai remelteu ao vicario, regressoii o menino,
que daqu foi para o Cear, donde era natural.
Depois disso foi Jlo de Coes ser vaqueiro de uma
fazenda de um to que por ter lugar esquezilu di-
zia-se que linh.i ido cumprir degredo pela gentile-
za que tinha feilo), onde consta qne lizera ptimas
Iracanciaa; por lim o lio expellio-o da fazenda.
Ceme o I i no de I oes, filho dejlo de (loes Bandur-
ra, impula-se-lhe o Tacto de ter em 1818 mandado
dar um tiro cin Jos Francisco das Chagas Jaquei-
ra, do que cscapou milagrosamente; leve lugar o
processo, e elle por muilo tolizlo fot pronunciado,
sendo um irmloe dous cmplices.
Antes desse successo havia-sc mudado o Cle-
menlno para Sania Lu/.ia de Mossor, onde lem
feito gentilezas' no commercio, .por excmplo, com-
prando cavallos furtadns, m.,iii|:md.i-us para o. pai
giiKdar aqui no Apudi, segundo tem declarado
seus lios, irmlos de -un mai, o que se prova com
uma caria de Jos Barroso Torlulino, que foi en-
viada ao Sr. Dr. ebefe de polica da provincia, da
qual lenho a publica forma, c onlra de Anlonio
Itairoso, que lambem cxsle em meu poder. Com
esse inesmo Cleinenliiio, filho do Kandurra, ajuslqu
o Sr. Felicissimo (Jomes da Silva veiiiler-lhe (iOe
lanas arrobas de cera de carnauba, e na occasilo
de vericar-se o peso da cera, fullaram 15 arrobas,
por eslar viciada a halanra ; i vala do que, dei-
xou 1'elicHmo de ellerluar -. venda, e recondu-
zindo a cera em oulra balanca, den o peso que li-
nda de 60 e lanas arrodas: esse Clementino, por
denuncia do promotor publico, acha-se em proces-
so pelo liro de que fallei. Bernardino, lambem fi-
lho lio Kandurra e rmio do Clemeulino, que se
achara as cideias dacidadedo Ass cumpriudo sen-
OS ANNUNCIOS DOS JORNaIS INGLEZES.
Temos vista om exemplar do Journal des De-
bis do mez de dezembro de 1702 ; quando muilo he
uma folha separada de um volunte em 8., e compa-
rando ossa pequea folha com a que agora publica-
mos todas as manillas, fcil he c apreciar o pro-
gresso que tem havido, e note-sc que s nos reto-
rnos ao progresso material realisulo pela imprensa
jornahslira. Com ludo o desenvolvimento qoe se
observa nos jornaes lanto em Franca como no conti-
nente, n:lo se pude comparar absolutamente cora o
fabuloso ngraudeciiiioulo dos jornaes ingle/es e a-
mericanos. O formato, o numero o a circularan ties-
tos jornaes assumiram taes proporres, que em bre-
ve Ihe rallar a propria materia prima. Gelogos il-
luslret calcularam o carvlo qoe as eulranhas da
torra pode ainda daver, e previrain a poca em quo
este comduslivel nao bastar para o consummo. Pa-
rece que este periodo de escacez j edegou para o
papel, e que no mundo nlo da irapo sufficienle pi-
ra salsfazer as exigencias da litleralura. Procuram-
se com afn por loda a parle novas materias primas
para substituium aquellas qoe al agora se emprc-
g-ivam np fabrico do papel, e o jornal ingle/, o Ti-
mes, ao ipial a extraordinaria carctlia deste artigo
cusa perlo de 300,000 francos (5i contos por anno,
oltoreceu um premio de 25,000 Traucos (l:500a000
rs.i a qualquer que lizer alguma descoberla nesla
materia.
A leilura e a escripia estao mais propagadas, e
sao mais populares enlre a rara normanda, que
entro alguma oulra, e na America ainda mais que
na Inglaterra. Esl cAeulado qua nos Estados
Unidos se consumte por individuo Ires vezes mais
papel que na Inglaterra, e qnando os colonos ame-
ricanos fundam qualquer estabel.-cimento nos pra-
dos ou as florestas, depois da igreja e da taberna,
a pnmeira cousa deque tratam he de crear ura jor-
nal. >as nropiias colooias inglezas, a imprensa tem
ainda maior desenvolvimento que na metropole;
Im na Australia jomaos cuja tiragetn he de lO.Otit) ex-
emplares, numero ao qual nao chega nenham jor-
nal de Londres, excepto naluralmente o Times.
O Times he a grande excepcao. excepciofni lu-
do. Ouaudo se falla na iraprensa ingleza lemBra lo-
go o Times. Aqui rio temos que nos oecuparmos
deste jornal seuao pela lado material; he elle o mais
voraz, o mais Insjoi ivol consumidor de papel, qoe
da no mundo, e o que mais ronlridue para a esca-
cei deste artigo.
O Times publica, pouco mas.ou monos, 60,000
exemplares por dia, e ha occasiftes em que a th-agem
chega a 70,000. Tres fabricas Ihc fornecem diaria-
mente n neceisario pspel, cuja resma pesa 82 libras
Para 60,000 exemplares to uecessarias 210 resmas,
quep'-sam 19,160 libras, perto de 0 tonelladas. Se
sedeadobrassem as folhastala matsa de papel, pon-
do-as amas sobre as oulras lerism a altura de 50
ps, e o papel que se consummo n'uraa semana,
medido da mesmn forma, loria a mesma altura que
a copula da calhedral de ,-s. Paulo.
De resto o Times, cresreu al estas proporres
quasi illimiladas, da mesma forma que o podeiio in-
gle/. se desenvolveu na ludia, islo he. sem o desejar,
c pelo contrario Litando contra o seu proprio en*
graudecimenlo. Foi particularmente o augmento
tempre progressivo ilos amiunc'os que o obrjgou a
alargar cada vez mais o seu frmalo ; he porem sa-
bido que alm de cerla medida esses annuncios slo
para elle uma causa de perda, em vez de ser uma
fonle de lucro;;, porque carecen-, de um snpplemen-
lo pelo qual se deve pagar uma laxa addieional.
Na ultima sesslo, e durante a discosslo da. toi so-
bre o sello, o proprio Time* expot esla parlo de sua
vida intima, e rifereeeu ceder o seu supplcmeuto a
quem qni/.es-e cost-ar-lbe a despeza. Actualmente
o Times publica -indos os das quarcnla columnas
do annuncios.; a civilisaclo moderna, dehaixo de
todas as suas formas, acha-se repreientada nesta
babel, lie curioso, ao contemplar este campo de ba-
talha onde todos os iulcresses dmanos vozeam e se
agitan para se ostentaren) a luz do dia, prescrular
no que se cosluma chamar a noile dos lempos a pn-
meira origem o os primeiros antiaes. As noticias
que vamos dar sobre esto ramo da publicidade cotn-
prehendida sob a denominadlo de Annuucios slo
exlrahidas de nm curioso e excellente escripto do
Quurtcrlu llnete.
Em l-ranra, a crearlo do .\fircure franrais re-
monto, segundo se diz, a 1605, a Etoile, Gaielte de
Fran&a 1631. Na Inglaterra, os primeiros jornaes,
repu-
vanlagens comparadas aos
inconvenientes e aos perigos da restaurarlo da rea-
leza. Autor J. M. Nlo se leudo recebido em lem-
po as erratas, por causa da rapidez da impressao,
pede-se que se corrijam os seus erras...
Seguem algumas erratas indicadas cora, o maior
esmera por aquella mo illullre, na occasilo em que
a realeza ia assumir de novo o poder. Dons mezas
depois era proscripto, e as mas obras queimadas pe-
la mo do .carrasco. Todava, algumas esraparam.
Depois da restaurado o iUj*re*iiti Politicus
transformare em Mercurius Publicas.. U-a an-
nnuci desse mesmo anno de 1660 .demonstra qual
era o esl y I o da alguns desses pobrer cavalleiros t)ue
Waller Scoll lornou lio nossos condecidos. Urh
delles annunciou a perda de sua bagagera nos se-
guinles termos. /
Perdida no regresto de S. M., uma malla, a
qual coiitiulia ura falo de comedio de Hollanda, o
lo pares de luvas. 20 covados da fita azul celeste,
uma capa de panno prelo, nm par de sapatos, uro
par de pantufot ele, pertencentes a um gentillio-
meni cdegidoa pessoa de S. M., e que esleve muilo
lempo preso e sequestrado para ser mudado jusla-
meutequaiido lodos esperavam entrar na posse do
que he seu... a
Que l.isimiuso qtieixume o dessa bagagem e o del-
ta antiuucio Nlo larda a realeza a dar o exem-
plo, e Carlos II manila annunciar a perda de um
co, naluralmente algum da rara King Charles :
Um cao prel, mais pequeo que um galgo,
cora uma msllii branca no peito, e pertoucente a
S. Al., foi modulo em Wbitehall no dia IS de ju-
ndo, ou nos arredores. Recompensl-sejdem a quem
delle der noticia...
O clezinho nao se enconlrou togo ; o que dea lu-
gar a.oulro annuncio, ou reclamo, que o escriptor
da Revista Ingleza nao duvida atlnbuir ao proprio
Carlos II, o quo cora elle,I > do caracterstico desse
espirituoso e joveal moii Somos odrigados, dizia elle, a reclamar nova-
mente um co prelo, entro o galgo e o fraldiqoel-
ro, sem bronco algum, excepto uma risca no paito,
e com o rabo um pouco curto, fie o proprio co
d; S. M. e por cerlo foi roubado, porque nlo nas-
ceu nem foi creado na Inglaterra, por isso nao
abandonara o seu dono. Quem o adiar pode di-
rigir-se a qualquer pessoa do paco, porque o cito era
mais condecido na corte que aquellos que o rooba-
ram. Por ventura nlo acabarao de rouhar o' re 1
Por ventura nlo Ihe he licito (er um co? De res-
to, o lugar desse cao ( posto que nlo seja lio mo
como muilosjulgara, ) he o nico que nlo tora pre-
lonilenles..
Este desafogo do rei era mais que um annuncio,
era uma sal>ra pungente.
O rai fuera com que fosn d moda os des pe-
queos, e a publicidade defce lempo divrde-se enlre
os animaos e os falces. Em pouco chegou lam-
bem aos elixires, ajas dentilicos, s patlilhat, e ou-
lros cosmticos, qun-efn lodos os lempos abunda-
ran!, e gosaram de fortuna. As formulas desses
annuncios assemeldam se singularmente aos que
boje lemos om todos os jornaes, e de certo nesse
lempo davia Unios cdarlalles e tantos parvos como
nos nosaos dias. Porm o mais curioso desses an-
nuncios, he um era que o proprio rei manda an-
nunciar, que n'um determinado da se achara na ci-
dade, e locar os seus subditos para os curar das
escropholas. Eis o theor desse annuncio :
Whileliall, ti de mtio de 1664.S. Al. sagra-
da, lendo manifestado a sua real vimlad- de conti-
nuar a curar o seu povo da molestia durante o mez
de maio, suspendendo depois al ao S. Migad, te-
nho ordem pura as-mi o fazer constar publicamen-
te, alim de que ninguem nesse intcrvallo venha
cidade perder o seu lempo e o seu Irabalbo.
O etercicio desla prerogaliva de curar, qoe s
perlenre aos reis legtimo'', subsisti na Inglaterra
ala rainha Auna, que anda-perlenceu verda-
deira leglimidade, mas nunca foi reivindicada pe-
los principes da dvnaslia da llrnnsvvick, quo eram
de direito parlamentar, e nao de direito divino. ,
A grande peste de 1665 dea origem a am sera
numero de especficos, como no nosso lempo ten
succedido eom o cholera, lambem por este motivo
a corte emigran para Oxford, a. foi uesla poca que
conieeou a publicar-se a gazeta chamada, primeiro
Guela de O.r/ord, e que depois conlinoou a ir bo-
je com o titulo de Gazeti de Londres. lie como se
sabe, um jornal ollicial, que so,publica os actos of-
ficiaes e pblicos.
A atlene i naturalmente pren.le-se quando se
depara com nomes celebres envolvidos nos inciden-
tes mais volcares ; assim acontecen com Milln e
depois com Dryden. Na Gazeta de Londres de 22
e dezembro de i76!) le-se que so da' um premio
e I.-250 Trancos QliSS yiuein descobrir os mal-
Teilores que atacartWn e fernjsn defnoite, na ra a
John Dryden. Eram mui communs uesla poca
os ataques lias estradas, e al pralicadas por lidal-
gos. Um aviso da polica prometi uma reaompen-
sa a quem descobrir um certo M. Urden Jones,
advogado e magistrado, que muilas vezes assaltara e
roubar.t a mala-posta.
Tambera se anniinciavam na Gazeta os leilnes.
Estes leiles faziam-sea medida da vella, e o es-
criptor Index declara que por milito lempo esteve
embarazado para descobrir o verdadeira sentido
desla expressao ; era Franca nlo Iho succederia o
raesmo, porque como he sabido, essa pralica ainda
boje subsiste, pois nlo se fazem as adjudicarles em
leillo se nlo depois de consumidas tres pequeas
vellas de cera.
O ultimo annuncio do lempa dos Sluarls denun-
cia um symptnma da prxima revoluclo. He a pu-
blicarlo de um sermlo sobre o dever "da obediencia
a realeza calholica, pregado na presenca de SS.
AIM. pelo reverendo padre Scaresbruke, da compa-
uliia de Jess.
nlo deiiarei, com a ajada da Daos de Ihe applicar
mais soceos do que palavras, e nlo Iho levo nada
por isto. Pode contar cun uma boa tova.
He conveniente explicar que o escudo, moeda
2ue cada auna davia conservar as mos) linda por
ra obstar a que ai duas combatentet te serviasem
das midas.
Eit aqui oulro desafio mui eugrarado :
i Visto que eu Anua Fisld, de Stoke-Newington,
buiriqueira, bem condecida pelo modo porque me
definido rom ot punhot, fui insultada pela Sra. Slo-
kes. que se intitula a campeadora europea, convi-
do-a para mostrar lodos os seus recursos jogando o
socco comigo por 10 libras slerlmas -'i.Vj jogo fran-
co; e nlo tenho duvida em Ihe applicar laes provas
da minha destreza, que a obriguem a reconhecer-
me a campeadora do Ihealro.
Eu, Isabel Stokes, da cidade de Londres, nun-
ca me bat dessa forma desofe o meu duello com a
lamosa jogadora de socco da ribeira, que venci com-
plelameute ao cabo de vinle minutos ; porem como
a lamosa borriqueira de Stoke Newinuton me desa-
fia por 10 libras slerlmas, obrign-me a combater
com ella, e nlo duvdo de que a pancadaria que
Ihe hei de applicar Ihe ha de doer mait qu a que
cosluma dar nos seus burros.
Outro annuncio que inoslra a singular gllantera
daquelle lempo, e como enlio te requestava uma
dama, he o seguinle :
i So a menina que eslava na lerca-fe'ua no Ihea-
lro de Coveat Carden, e a quem nm pedafo de
madeira foi bater ao pelo nlo he catada, e dete-
ja enconlrar-se comigo no domingo, s duat lio
ras, no parque de Saint James, oo iodicar-me o
sitio ondejioderei procura-la para Iba communi-
car cousa para ella mui vanlajosa, dar um espe-
rjalissimo prazer ao seu obediente servo.
Este estado dvt primeiros lempos do annuncio al-
cauc al poca da segunda revoluclo ingleza. A
parle commercial dos 'aiinuffcios comecou entlo a
tomar a forma que hoje observamos, e que ser o
objecto de oulro arligo.
H
No procedente arligo Tallamos do immenta desoa-
volvimento dos anuuuciot inglezrs. O escriptor do
ijaarlerly Hedeieaialysoq, enlre oulros, um exem-
plar do Times, o de 21 de maio desle anno, e n'um
s numero enconlrou ,573 annuncios. Em primei-
ro lugar conlou 1-29 annimo- de navios a sabir ;
depois os annuncios de criados de servir, de lugares
merecidos e de lugares pedidos: 420 cozindeiros,
cocheiros, grooras, criados graves, criadas, etc., que
ollerecem o seu presumo, 136 anuunriot de leiles,
195 de pubticares Iliterarias, :)78 de casas para ala-
gar, I4i de quartos cura comida,' igual numero de
mestres c governantas e 36 de mdicos e de medica-
mentos. O resto to annuncios commtrciaes de lo-
das as qualidades, de espectculos, listas de subs-
cripc,es para obras de beneficencia : ludo te an-
uuiicia, ludo se paga.
Os annuncios nlo servem nicamente para os va-
riados iulcresses do commercio e da industria, .lam-
bem servem para a correspondencia particular e in-
lima..
Follieai' qualquer jornal, ahi veris pais e mlis
qio reclamara sant filfa >s perdidos ou fugitivos, e
ni lderes que reclamara os seus maridos. Quasi lo-
tos os dias se depara com annuncios semdbanles a
esle:
Se Carlos N... que abandonou toa casa na lerja
feira panada, deseja volcar para a companhia de seus
inoonsolaves pais, ser recebido com alegra, e Indo
se far para o tornar feliz, o
ii Roberto. Sou inulto desgranada. Esoreve-nie
e lize-roe para onde hei de dirigir-te as mindas
cartas. Possa en ver-le ainda uma vez, e prometi
de estar por ludo o que quizeres.
i zVtt mal comigo''. Fizette-me esla pergun-
ta repetidas vezes durante a nossa viagem a Briah-
lon. -Na verdade nlo eslava mal comligo, e anhelo
por tornar a ver-te. Dize-me onde podar encon-
trar-te uma carta minha.A'ae Calharina
Eit um annuncio em eslylopalhetico:
Basta. No mondo s enconlrei um domem ge-
neroso. Afasia-te de mim para tempre, hornera sem
coracao, espirito vil. PerdeHe o que nao podiam
dar-te nem os milhoes nem os imperios, mas, que
uma s palavra tua baslava para aer teu para tem-
pre. E apezar de ludo, perroo-to. Ide em paz. Em
quanlo a mim confio e espero no meu Rederaplor.
Eis ura annuncio de 3 desle mez :
a Querido Roberto. Porque me deixaste lio de
repente no domingo noile? Eu o-lo supplfco,
uscrevei e volvei aos h.-aros da vossa afilela esposa,
ou enllo dizei-me orTde posso encoulrr-vos. Pelo
amor do nosso querido filho. que esl inconsolavet,
communieai-rae quaes slo|s vossas intenc/les, por-
que estou cerla que tuda pude ainda arranjar-se.
Escreveia vossa rali, qoe a vossa repentina ausen-
cia magooa Unto, e a quem este golpe pede ser fu-
nesto.
Alm da correspondencia misteriosa, ha lambem
a correspondencia hieroglypliica, on por meio de ci-
fra, ou pela iransposiclo de letras. As vez-t encon-
IraraHje na segunda columna
Times algamas lindas co
bato sem sentido appare
esle modo de escrever julgam que s elles o conde-
cein e que se correspondem sem ninguem os per-
ceber.
He um engao. Ha gente cariosa e ociosa para
quem a sua maior fortuna, ede cario a nica distrae-
rlo he decifrar etsas correspondencias amoratas, e
seoipre o cotueguem. l-'.is-aqui um exemplo desle
genero epistolar publicado em muilos numero do
rime de 1883 e 1851.
feira. Parto na prxima segunda-feira. e tabbado te
abrajarei, Dos seja comligo (Novembro de 1853.1
" fio Voz da minha alma: Estou ta s lin-
io mais que nunca a la ausencia. Todas as noites
olho para o leu retracto. Envio-te um chaile da
India para le abalares quando dormes depois de jan-
Ha de resguardar-te de todas as penas, a j al-
garas que to ot meas hraros que le onlei.im. Dos
te abenr-oe! como eu le amo.' .Dezembro de 1853.}
Fio.Meu charo amor, eis-me outra vez feliz.
Parece que acordd de um sonlm mi... Em breve
uslarei comligo. Escreve-me. Dos seja comligo,
voz da minha alma. (Janeiro ale I81.)
Fio.O'voz da nimba alma.' como eu te amo !
Como pastas! Ters o leu bom successo anlet da pri-
mavera '.' parece-nig que estou a verle passear com
o leu fi.hiuhu. Qiie"iiao dara eo para eslar comligo!
Agradeco a toa carta. Tu i a minha vida, o meu
universo, a minda etperenea. Adeos, tu que s
mais que a miada vida. Dos le abence Janeiro
le 1854.)
Quando os prenles imploravet decifradores,
qoe andam na pista destat correspondencias, julgam
que chegou occasiao de fazer rebeolar a tua mina,
mandara inserir no mesmo jornal, c com as rae-mas
cifras, um aviso que traustorna os desgranados a um li-
le o os reduz ao silencio. A correspondencia qse
cima Iranscrevemos, acaba assim :
Fio.Receio, minha amadi, que a nossa cifra
foi descoberla. Escrevetlireetamente ao lea amigo o
chaile da ludia. Janeiro tle-185..
reslu parece que a arte de decifrar he como
qualquer oulra, e com alguma pralica vem a enten--
der-se fcil esta especie de correspon leudas hiero-
glyphicas. Aquelles por lano que a quiterem em-
pregar devem eslar prevenidos.
A aualyse do annuncio th tolas at suas formas
seria um nunca acabar, por isso so e podem arfre-
senlar alguns ciempis. Assim lodo lem valo de
certo nos jornaes inglezes o ministro da fazenda pa-
na Inglaterra.
ra nos jornaes inglezes com annuncios, no uuaeTL
nrflmollnm .1.:________ .._______ .
promeilem ubicaras ou um premio a quem alean
car para o annunciaoto om lugar n'alguma admi-
nislrarlo; cousa singular, etle trafico dos caro. r,,._
blicot nlo esta
singular, etle tranco dos cargoa pu-
ubjeilo a ac^lo da lei. Para expri-
mir o que nos chamamos luvaa pots-de-viu) os in-
glezes empregaro uma palavia fraoceza, dande-the
0 nome de douceur mimo;.
Mimo.Oiote 200 libras 9OO0O0 rs.)a quem
legalmenle alcancar para o annuncianle um lunar
f v?!'in!!.e de m o30? Iibrai 'rei 903<0
1 .AiOJOOj por auno. Prefere-te um ctrao Dublice
Dirija-se, elr. K w
Para apreciar qual he o desenvolvimento a que
lem diegado os annuncios na Inglaleira, basto ver
o qoe ellos cuslam a certot eslabelecimeiito e a cer-
tas industrias. Junto da porto golhica, chamada
lem pie-llar, qae serve de barreara cidade de
Londres, ha dina botica ordinaria, qne s venda pi-
lulas. Ora pois, queris saber quanlo r. Hol-
loway, dispen.le aiinualmenlo em annuncios para
propagar a sua mercadora '.' A somraa de 30.000
libras, islo he, 135 conlos de reis! Nlo ha niugueui
que nlo condec a famosa laja de alibebe de Mej-
set & Filho ; todos quantos chegara a Londres ao
sahir do caoiindo de torro, slo atsalladot por uma
chava de folhelos, em que as merca-lorias desses fi-
Ihos de Ismael slo exaltadas em prosa e em verso.
Movses i Filho nlo eslo.ao nivel do hornera das p-
lalas, mas anda gastara em annuncios 45 conloa da '
reis. O oleo de macattar para a conservay/io dos
cabellos, gasta oulro Unto, u igual quaotia dispende
o Dr. Jongh com os annuncios do oleo de ligatlo'de
.. conloada1
eit. O oleo de macastar para a conservadlo dos
.JOde
figado'de
bacalhio. l'm fabricante do camas e objeclo rela-
tivos chamado Ieal. gasta 2T contoS de reit. O al-
raiale Nicdollt, que com tanto brililanlismo expe
os seus productos em Regenl-Stree, dispende em an-
naucios2l contos. L'm do melhoret redamot.qae
viraos desle olfaiale. de o qua elle fez por occatilo
lot funeraes do duque de Welliqglon. Tinhi
ranjado no muslrador uma cdmitra ardente. no meio
da qual eslava um mmequim veslndo um palelol.
cora um pequeo chapeo, dragona e uma espada a
liracollo e por cima do palelol lia se o tenaiole
a Palelol idntico ao que usan S. (,. ,,.,
Wellington, e inventado por Nicdollt A cmara
ardente e.tava esplndidamente Iluminada
Anda o repetais* ; he mi.ter que etles' ,nnun-
ciot sejam mu pro.vjilo*o as iiidutlru qua ,.
gara, pois que em vez de diminuir, vio augmentan
do. Porem que qoantidade de pillas deve abwr-.
ver a dumanidade su para compensar os 133 ODOaOO
aunuaes que ditpendem coro os annuncios f Ecino
todas as pomadas e ungentos francezet c coulioen-
laes, esto longe desta gigantesca fortuna.
Vimos que o Tlmei. enlre os jornaes diarios, linda
quasi o monopolio jlos annuncios; vimos lambem
que esla vanl.igem Ide era prejudicial at vezes o
gando-o a alargar-se alem <|ps limites que Ihe to
provedosos. Porem esle grande jornal de forrada a
subjeilar-sa aoicommojot, u aos incommndos ta tua,
grandeza; e afinal de conlas oarece-nos que nlo he
muilo para lastimar. Nlo sabemos qual he o ren-
limenioaclu.il dos seui annuncios, mata Retiita
Ingleza aprsenla um quadro que te refere aot ul-
timo mezas de 1813, quanlo a mana dos raisinhos
de ferro eslava no seu maior auge, e ahi vemos
por exemplo, qoe ni no mez de oulubro (a recel
los annuncios) -do Times foi :
Na l.'temau.i. ..'.... 6,318 Ib. 14 i*.
" '- ".......6.513 17
" ;' ".......6.687 a 4 '
" *-'1 '........6,025 14
NKm,min-- \.....25~575:ib.Tj.
ts^a allluencia de annuncios, he misbsr di/
excepcional, dependa da inania dos caminhot de'
Ierro. Porm se allendermos a que o Times, nessa
poca, linha mezes de 25,000 assignanlet, e que lia-
je lem 60,000, e que seu formato desde este lempo
crescreu de am modo espantoso, pode-se imaginar u
que Ihe rendein os seus annuncios. Uma particnlii.-
rdacle curiosa, e que provi at que ponto, na In-
glaterra a publicidade propnamenle dito te distin-
gue do jornalismo, isto de, da opinio e do etaa^HI
dos jornaes, de que o Times enllo cppunda-se as
einprezudecamindosdererro, c abrir em devilla
forma, uma campanda conlra as industrias que
quella mesma occasilo enriquecan) as suas colani-
llas. Porem como circulava n'uma esetU imm<
era islo o estencial para a publicidaJe.
He sabido que a circularlo dot jornaet inglezes
nlo esla esladelecida segunde o mesmo tyilema .que
o dos jornaes francezes Era Inglaterra nlo da at-
signaluras regulares ; /n jornaei corapram-se por
nmeros e sao Iransmillidus ao pnblico por Inter-
medio da icorrespondenles, qoe fazem. ai encom-
mendas segando as pedidos que lem. Ha pois al-
gumas vezes alia e baixa extraordinaria na circula-
ra o da toldas ingleca* e os acoiitecimenloi influem
lano sobre ella como as mudanzas do lempo oo tar-
momelro. Atiim em 184.".. a liragm do Time era
de 23,000 exemplares, lermo medio ; em 28 de Ja-
neiro de 18i, quando Roberto Pee! apresenloa a
lumiia da tegunda pagina do i ceforma das leis sobre os coreaos, a lirsKtm sobe de
tompotla de letra do alpha- um alio a 51,000, depois torna a descer ao sea ori-
ente, e os que coraprehendem mciro nivel. Cornee^ o anno de 1818 com 19 000 a
"" i? '9e-uin,B Hu r*Cao de fevereiro sobe a
43.000; corneja o anno de *852 com 36,009. e no
dn 19 de novembro dia di morte do duque de Wel-
lington, sobe a 69.000. Adualmenle. com a guerra
do Oriente, a linigem ha e conserVi-se em mais de
60,000 exemplares.
Comocirculaco lia apenas nm jornal qae se patn
comparar ao nmat.de a Dlustracan ingleza; mat he
um jorntl hebdomadario, lllu.traled Veiot (em
uma tiragem de |I70,000 exemplares. Oulrot ior-
uaa do domingo, como-o Spectator, o Examinare
o Leader ten maior rmporlancia poltica, Hat asilo
longe de tttingh- a mesmi popolaridade. Anliga- .
mente havia annuncios Ilustrados ; mis mulliptica-
ram-se dejal sorle que nlo lardou a faltar-Ibes o
espigo ; nos jornaes inglezes nlo te veem destat nn-
iiinciot que encontramos muelas vezes aot jornaes
francezes monopolisando ama pagina' Inteira: O
annuncio inglez esla lbilmente democralitido. e to-
dos o interesses gran les c pequeos, ah se iriism
nivelados. J*hn Lcmoint.
Jornal des-Deba *
Jornal do\Cmomercio d Lisboa.
COMMERCIO.
HACA DO KF.CIFE I3DE HE/EHBHOVS 3
HOHASATARDE.
Colatiei olidaes.
(.amblo sobre Londres60 d|v. 27 3|4 d. a ditmeiro,
Assncar matcavado lino 2?)700 por arroblt'fom
sarco. .
N. B. Por engao sabio honlem assucar mastl-
vado a 2JDI0 devendo er 28400.
Al.l'ANDKC.A.
Kendimento do dia 1 a 12. .
dem do dia 13. ......
175:8894661
31:1319687

Netla aporaclo vio incluidos os Tonas do col-
letio de Aguas Bellas. Inferiores a onie. se goudo
umit liHla que recebemos. ^,
() Sumo do limito he o seu sueco, mo o qae te
obtem da casca dessa frocla. quando he exprimida.
Sumo, dit Constancio em sen diccionario, he o
meto de tractos e de derva, v. g. de limo, de
azeios, etc.Dr. A. Fonseca.
Mossor pelo honrado subdelegado o Sr. Florencio
de Medeiros, por lorio de cavallos. Oulras umitas
llores podia apresenlar ao publie*. para dellas ex-
Irahir tahornso mcl, porm por se ja ir eslator-
nando muilo enfadonda deixo-de faze lo oor ora.
n.n.B* ... ...,__- .. ._ ... ___' ... '
tonja, ja foi preso e algemado em Sania l.uzia de as prlmerat .folliai verdadeiramente pollicaj, sa-
liindua luz periodit amento tlalam do fim do reinado
de Jacob I. A priqjeira tolda desle genera foi o
IVeekely Setos, i-J. de, a Semana publicada em
Londres em 1632/: nella apenas se liam magros
extractos de nolicl.s eslrangeiras, e nem um aunun-
e Ileara para oulra occasilo se esla for respondida. 1 ci. Foram at terrveis agita-oes do reinado teguin-
Esle annuncio be do mez de marco do anuo de
1688, poca da segunda rovoluro.
Al enllo a imprensa pode dizer-se que eslivera na
sua infancia, com o arrojado vo que deu a liber-
dde e a industria, vamos ve-la dcsenvolver-so e di-
lalar-se. Qualro annos depois da revoluclo, ja ha-
viam vinle e seis jornaes novo, e desde essa poca
vemos fazer urna tentativa multas vezes repetida{no
nosso lempo, a saber a crearlo de uma folha dis-
tribuida gratuitamente e destinada t aot annun-
cio-. Em 170!) appareceu Taller, c logo depois o
Spectator o o Guardian. Aparto dos annuncios
comer a lornar-se original no Taller de 21 de
agosto de 1710 depara-te |Com um annuncio que
lem alguma semclhanra com um gracejo bem co-
ndecido boje, que he o dol'orteiro, qae-o os lew
cabello'. i> orpalista quer por forr,a convencer um
astrlogo de que esta' mor lo, o astrlogo insista em
reclamar e protestar conlra a sua morle duendo qoe
eslava vivo. Eis o annuncio.
i Visto que nm ignrame adcplo da astronoma
Irala de persuadir ao publico que he o defunlo Jolrh
Parlri.lge, que morreo em 28 de marco de 1708,
por esto se previno e certifica que nlo so o referido
John Partridge morreu ne'sa poca, senlo que con-
tinua a estar muri. A r.aulelai-voi das fraudes.
Havia lambem nesse lempo assallos de armas, a
arma branca, e nlo ao flarele, e oulros assallos me-
nos convenientes, como erara os dudlos a tocco en-
tre niulheres. O annuncio seguinle da' uma idea
dessa estravagancia.
Desalio.Eu Isabel NVickisson. de Clenkewel
tendo (ido urna pendencia de palavras eom Anua
bhcar que. recebeu esl ou aquella .manila, a qua
e da o nome de dinWeiro de ron enca, islo ne,
(inda uma cerla somma sonegada no tvfjvaaste-frolun-
idamente he restituida ao estado porania raaeren-
cia limorata. Temos visto cora sali-raijto'alguns ca-
los destes no Montjkur, o que demonstra, ole a boa
f progride em Frain;a.
Auiiuncia-se lambem nos jornaes o Om prxima
do mundo, e militas oulra cousa desee genero. Ai
respeito de objeclos perdidos, eis-aqoi um curioso,
annuncio que temosa' vista.
Desde seguj^-feira passada perdn se um
mancebo de 26 aaaaV, cabellos protos, olhos prelos,
Irigueiro, bigodes prelos ; as inieiaet do ten nome
lo K. 1. Levava uma pequea biblia. SotTre de al-
liiriiiacoos religiosas e de accessos de cholera. He
provavel que seja encontrado no offtcio divino em
qualquer igreja prxima do lunar em quo cileja... .
Oulro promelle -229500 de olvidaras a quero des-
cubrir um individuo que cuslou mais do qua isso em
annuncios, porque esta'perdido desde oroetdeju-
Ido de 1854. e detde essa poca adiamos o annuncio
lodos os das no Times. Um dos tignaes para ss
conheceresleinjeilo he qae he dado a bebidas alcoo-
licas, e lem nfao vinbo.
Eis-aqui oolro anu uucio orignalittirao:
o Eslampllhas. Uma tenhorn anda moc,a dese-
ja alcatifar o seu qutrlo de toilette com esla'mpilbas
servidas, ja lem, gr,u;as aos seus obsequiosos amigos,
mais de 16,000 ; porm como estas nao bailara, li-
cara' malagradecida as pessoas bondoiasque Ide li-
zerem a fineza de contribuir para a realisaflo da tua
pbanlasia.
jEnlre os annuncios mais frequentes, nolam-se os
de senhoras que offerecem o sen prestmo na quali-
dade de aias.
He sabido que esla classe he mui numerosa na In-
glaterra, e algumas revelaees ullimamenie felas
u um tribunal correccional mostram lien a que pe-
rigos anda exposla. Um snjeito tjbe se appellidava
W. Fynn, e te dizia morador em Wiesbaden, co-
merou a responder regularmente acs aiiniinoius das
moras tas, convidando-as a dirigirem-se a Wiesba-
deu para viajaren) em companhia da sua familia.
As -ua. con .lenos eram complicadas e dillicilimas
de salisfazer, c estas ines.n.is exigencias eram urna
garanta da sua respeitahilidadr.
Fura elle apresrnladu a corle de Franca por lord
Normanby, csua inulher i corle de Berln por lord
Weslmoreland, e conviva cm as melhores l'.milias
do continente. As meninas parliam nesta topposi-
clo, e logo que chegavam viam-so sem recursos,
sem protocolo, sem relace, e entregues a um mi-
seravel Esta honesta industria foi desrohern no
mez de junho pastado peanle o tribunal do lord-
maire, parara quantos victimas nlo conhecidas e tor-
tadas au silencio nlo davia ja tollo?
Ha lambem os annoticios das pessoat que desejara
casar: a este respeito a Franca nada lem que apren
der com a Inglaterra, porque Pars possue at las
agencias malnmouiaes, organtadas, auloritadas
registradas.
Ha porm outra ordem de annuncios que nos pa-
210:0*8318
Deiearregam hoje i i de dezembro.
Barca inglezaEliza llandsmercaderias.
Ilrigue inglezcenebacalhio.
Brigoe toeeel'rins Oseartaboado.
Brigae tantoDainofarinha e massas.
Patacho (raticezGeorgeiliversos gneros.
Brigue porloguezTrocadoro resto.
IMPORTACAO-
Brigae sardo Daino, vindo .le Genova, consigna
do Batios A Lemos, manifettou o seguinle :
300 barricas arnha de trigo. 5 barris azeite do-
ce, Ji cana papel, 3 sacros gallia. 10 fardos alfs-
zema, t.) saceos coinlndn*. 13 birricts Ipittt, 50
bocetos man, 6 fardoi erva-doce, 3 caita esseucia
de alfazem. 10 dilas Ivaiade. 10 vasos de barro, I
?'v,v, ca|,L "" cli,iM m"*a- t,riloi cordal,
2,000 Hdrimos de marmore, 1 caixinha peaiet,
<9mi rcsilea, 1 barril com conserva de (rnales :
aot consigna lar i os.
Polaca desbandla Jtreeiia, viaajflk Montevi-
deo, consignada a ordem, mnifae^BEseguintc ;
J0.3I2 arrobas carne
2,760 lineoas de lio: ; a
^ONSUI
llendimento dn da 1
dem do dia 13
70 couros de pono,
1.1:6718601
3430;j67
47:10-28275
IVBK5AS PROVINCIAS.
Kendimentodo dia 1 a fS
dem do dit 13 .
2:7858987
2068701
2:9028688
----------------
Exportacao .
I'.isso de Camaragibe, hiale hrasileiro uSania l.u-
ziin, condozio o seguinle :S voluntes general ei-
Irangeiros e naconae', 1 barril gurdenle de duas-,
2 molhos pallia d carnauba. 15 meios de sola, 100
couros miados, 12 caixas sabio, 1 tacen caf, 100 al-
queiresial.
Parahiba, lancha bratileira aConceiclo Flor das
Virtudes, de.26 tonelada!, condozio o seguinle :
lili volme generas estrangeiro e naconae, 500
caixas sabio, 0 arroba de carne secca.
New-York, barca americana Ar.ela, de 31 lo-.
Heladas, condozio o seguinle : 3,700 saceos com
18,500 arrobas de assucar.
KECEKEllOItlA DK KENDAS INTERNAS E-
ItAES DK PEKNAMHliCO.
Rendimenlo dn dia 1 ,t 12 9:6208001
dem do dia 13........l!07sl(nl
11:0368113
CONSULADO PROVINCIAL.
Keudiineiilo do dia 1 a 12 'm-IHWl|nail
tdetn do dia 13........:l:344*mrl
10:18380511
MOVIMENTO DO PORTO.
oii'atio entrado no dia 13.
Aun'8 dia, barca brasilera Maria. de 30$ to-
neladas, capillo Joaquim Francisco da Cosa, equi-
pagem II, carga sal e pallia ; a Antonio I.(ii de
Azevedo.
.Vm-o sa/tidc! na mesmo di*.
Paradiba Brigue hespanhl ar^uvisor, capitJo
/
<
'



T. w
OIABIO DE KRUIBUCO SEXTA FEIM 14 D DEZEIERO IE 1855
r
>**
i \
A
\
y
y
)>


Narciso Alva, em lastro. lawigeiros^Aalnnio
> Rodrigues Mirliat Ferreira e o pialiaT costa
ico Grande.
demHiale briuiletro Conceicjlo Flor das Virlo-
deee, raese I /.doro Barrtlo >1 Mello, carga sa-
bio o real) nieros.
Cemarasibe Hus bruslleiro Santa l.uzia, nM-
Ire Eslevio H lieiro. carga sal e mais eneros.
Passageiros. Manoel Retelo la Ftii3o, Aulouio
Doar'e da IPaitifi', Jw Joiq.um des Santos, Ma-
noel Joaqoim, Aiiloote Joaquim do llego, Anto-
nio Lisboa.
BahaBarca aniericauu General Ure;n, capilao
F. K. Davids.in, em lastro. Suspnndeo. do la-
aselrlo.
Mar P.eincoBirea americana Elliol C. Cowdim,
capiUoS. llaailtw,argaa ntaaiM qae Iroeie. Sus-
peudeu do
Rio da Janeiro e portos inlermdiosVapor brasi-
lero aPartin), coraman lanti Rorgei. P>ssigei-
na dalla p-ovincia, I). Francisca Eliza da Cosa,
Franci.co I.. Aulunes de Canipoi o 2 escravos,
Antonia Jjsh da Amorim e 1 eserevo. vigario
Antonio da Hocha Vianna, Casemiro Pereira da
Castro a 1 useravo, Pedro da Cusa a Abren s 2
escravos, Suluutlo Pereira da Motta, JjAo da Sau-
lus Saralubie 1 escravo, Framisco Vaz de Car-
vallo Sodr a :.' escravos, Jotla dos Santo Neves
.Juntar, Vicenfce k'erreira (oihk e 1 criado, Ao-
h, lio de Avilla Poinpna a Centro. Joi Francisco
Viaaaa, Pedro Velloso Rehalle, Jos buarte Bol
Jomor, Carlos Thendoro BuslaHWtnte, Joaqaim da
Silva Araoj i Amazonas. I ^
EPITAES
O Dr. Francisco d etaei;l, juiz mo-
incip.it e peni e capillas, nesta
cidada da Recife e sen termo, por S. M. I. e C,
que Dos guarde etc.
Faeo saber aos que o presenta edital virem, qne
oraste juizn e na segunda praca,depois de aflha-
este edital, se proceder a arremata ;3o da renda
lo n. 66, sita na ra alrin do Corpo
Sadr, pelo eip.co de 1 amius, sendo a renda au-
na! atall 7008000 rs. perlenceute ao patri-
moni h Almas, a reqterimento de
cuja i raa dale se procede a dll a arrenalacao. E
para qua btiet de todos se passou o pre-
(siite qa ^^^^Mn e alHiao no "i-ar do cs-
ame. Recife 111 de dezembro de 1855.Caldillo
Teuiistoeles Obral de Vasconcellos o isscrevi.
Francisco de -imis Oliveira Maciel.
i Mi no el Antonio da :ilva Aniones, juiz
ttiguudo auno naita freguezi de S.
Pedro Concatves do Recife de l'ernambuco,
em virlude da le, etc.
Fajo saber, que devendo proceder-se na (erceira
nga de jineiro prximo vinjourn, a revi-o da
J;io,n:i ronformldade do art. J da lei n. :W7
' de agosto de 1810 ; se faz mister que os elei-
lores e supplitotes abaixo designados, compareram
atim de proce let--e a I'urma(io da junta de qualili-
cac,3o : por iss), e em evecuco do art. 1 da dita lei,
convoco-os pura que se aclierh na igreja do Corpo
Sanio s 9 ho-as da manhan da indicad, terceira do-
minga (30 de Janeiro de 1856}, lob pona de Inc.orre-
reo, os qne f illirem sem molito justifuado, ua mal-
t.i imposta nr nesma lei.
Bleitores, os senhores r
Joe Joaqoim da tHiveir.i *
Tabante-coro ae Antonio (jomes Leal.
Jflo Marqne f rr.
Francisco Mardsde de Almeida Jnior.
Antonio Jos du Castro.
Francisco Xavier de Oliveira.
Jaron ,'inlo.
Itomigos-Aleii Matheus.
calves de Moraes.
Hr, Jote Joaquim de Soma.
ioa> f ernandes de Castro Madeira.
biz Antonia Vjeini.
Sapplentes el sanhoree :
Manoel Goni;lves da Silva.
Jos FrancJsiio Marinho.
Padre Frapei:iec> Josa Tarares da Gama.
i da Santa Cruz.
Jo Bernardo de So'iza.
F.stero Jorge Uaplista.
Jos da Silta Satn.
Flix da Cn la Teixeira.
Jote Fauslin. lorio.
Jos Gomes Leil.
oaquim Alies da Silva.
Caeiraa os Coelho.
Manoel Esta .slo da Coila.
Francisco Jo
E para qni chege a noticia ilc lixlo-.inandei pas>
N. 27. Joo Francisco de Cirvallio Paes
de Andrade
N. 99. Joao Mauricio Wanderley
N. 31. Ignacio Nery da Fonseca
N. 35. Jnaquim Francisco de Aievedo
N. 37. Gertrudes de Barros
3. 39. Herdeiree de Mara Mxima Mi-
qualina
N. 41. Jos Fernapde da Crui
N. 43. Padre Francisco MuiU Tatarcs
M. 44. Antonio da Costa Reg Mou-
teiro
H. 47. Antonio Jos Pinto
N. 19. Irmandade das almas do Recife
N. 5t. Jos Francisco Pinto'
N. 63. Jlo Hermenegildo Borges iniz
N. 5o. Irmandade das almas do Recife
V. 57. lierdeiros de Francisco Casado
Lima
N. Ditos ditos
N. 05. Desembargador Joaquim t'oixai-
ra Peixolo de Abreu Lima
N. 07. Jos Fernandes da Cruz
N. 69. Capella dea Prazcres du Guara-
rapes
N. 71. Francisca Thomazia da Conceijio
N. 73, Joio Joaquim da Silva Maia
N. 75. Maria Umbeliua Correia Parete
N. 77. Alina Joaquina dos Santos
N. 79. Luiz Francisco Barballio
H. 81. Aulonio Goncalres do Moraaa
N. 83. DHo dito
N. 85. Jos da Costa lloui.nlo
N. 87. Frencisc Luiz de Mello
N. 89. Viuva e bardeiros de Antonio Ig-
nacio da Rosa
N. .91. Dilae ditos de dito
N. 93. Dita e ditos .ie dito
N. 95. Ordem terceira de San Francisco
S. 97. Irmandade do Saiilissiino Sacra-
mento de Santu Antonio
N. 99. Bernardo Duarte Brandgo
N. 101. Herdeiros de Lourenro Manoel
de Carvalho ,
N. 103. Herdeiros de Maria Mxima |Mi-
quelina
N. 105. Francisca do Corado de Jess
N. 107. Viuva e lierdeiros de Miguel
.Nunes Pereira Guimares
N. J09. Amaro Jos dos Praieres
N. 111. Jos Fernandes du Cruz
N. 113. Viova e herdelroa de Joaquim
Jos Lourenro da Costa
N. 115. Fillios de Jos Ramos de Uliveira
N. 117. Antonio Joaquim dys Santos Ati-
drade
N. 119. Tiunrcio Valeriano Baplisla
N. 121. Manoel Coelho de Moracs
N. 123. Joaquina Mara Pereira Viauna
N. 125. Pedro Alexandiino Rodrigues
Lins
N. 127. Manoel Gomes da Silva
N. 129. Dito dito.
N. 131. Manoel Bomao de Carvallio
N. 133. llioni/.io Hilario Lopes
N. 135. Ordem terceira do Carmu
N. 137. Filhos de Jos Mac/ia de Jess
Muniz
N. 139. Joaquim Lopes de Ameida
N. 141. Jos Martius Loposi
859200
909000
iS.'jOO
:l600
229500
3153000
IJKiftO
65SO0
I6|80Q
189000
189000
189000
229500
229500
259200
219600
45*000
9600!
229500
2Ss200
1-1*100
2I360U
2*)ia)
51-9900
-IC9800
219000
que cima fica exposto ; e o porteiro do juizo afxa-
ra' e presente nos lugares do costume e sera' publi-
cada pela impreosa.
Dada e pastada nesta cidada do Recife aos 11 de
dezembro de 1855, Ea Matimiann Francisco Duar-
te, eterivo privativo do juizo commercial o sobi-
orevi.
Anselmo Francisco Prtlti.
rTCLARAgO ES
Correio g-eral.
Carlas sesuras vindas do norte palo vapor Para-
n, para os seauiutes Srs.:
Candido Narbal Pamplona 1.
Felisiniuo Mnthias Fernandes 1.
'oaquim Mouleiroda Cruz 1.
Joo daCuoha Magalhaesl.
Jos Aniones Guimares 1.
Jos Calandriuu de Azevedo 1.
J, Joaquim Alve* 1.
Mzyioet Go'icaives da Silva
O conselhode adminislra;aodo lardtmenlo do
corpo de polica precisa comprar 2tt> parea de spa-
los de sola e vira Mos na (erra, ede boaqaalidade:
as pessoas que se propozerem vender, detalla com-
parecer na sala da secretaria deste qnartel cota suas
propostas em carta fechada, acompanbadas da"s com-
petentes amostras, no dia 17 do corrente, pelas 11
horas da manlia. Quartel do corpo de polica 12
de dezembro de 1855.Epiphanio Borges de Mene-
529200 ses Doria, lente secretario.
ti**ifa A
ssr o proseis, qne ser a
buco a publicado |
Dado e pa ido
Goncalvcs d>"
Kn Manoel
eserivi.
oai
11
limo
rii,
bea*!
ella
te Jaboala
de um terco
As pessoas a quem
lugar mais pu-
Frei Pedro
de 1855.
vio o
219000
77*00
1039200
979200
21)600
169200
259200
25920O
219600
219600
219600
2I9OOO
189000
219600
UW800
:14920o
609000
509100
149400
14I00
579600
689400
603000
009000
309000
759600
673500
909000
4:2869175
ram-as vir pagar boje, no escriptorio de Autonio
Luiz de Oliveira Azevedo, roa da Cruz 11. 1.
Para o Rio de Janeiro segu imprettinvelmen.
te sabbado, 15 do crreme, o patacho brisileiro S
Francisco, por se echar com o seu carregamento
promplo : 10 apenas pode receber pas cravos ; a tratar com o consignatario Ediardo Fer-
rara Rallar, ra do Vigario n 5.
Vende-se a pnlhabota bratileiro Vinas, de \9i
toneladas, forradoe pregado de cobre, promplo a se-
guir viageiu, fondeado em frente do Irap rhe de al-
coitao : a tratar com Caelauo Cyrlico da C. M., ao
lado do Corpo Siuto n-25.
LEILOES.
E para constar se mandou alliiar o presente e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco 11 de dezembro de 1855.>0 screlario, Anto-
nio Ferreira da AnnunciaraoA
O Dr. Anselmo Francisco Permit, commendador
da imperial ordem da Rosa, juu de direito espe-
cial do commercio desta cidadu'do Recife, capital
da provincia de Pernambtunpor S. M. I. e C.
Faco saber aos que prenote caria de edilos vi-
rem em como Paulo Pereira Simoes me fez a peli-
;3o do llieor seg inte :
Diz Paulo Pereira Simoes, que sendo-lhe devedo-
res as pessoas constantes dal relajo junta,por lellras
aceitas ao supplicante as datas declaradas na mes-
111a relac'o. acontece que, (ja omito achando-se ellas
vencidas, al o presente u2o lein os referidos suppli-
cados pago ao supplicante essas quanlias, e como n.lo
s seaproximajpoca di, prfscripjodos citados lilu-
los, nui termo dos arts. 143 e 192 do codito com-
mercial ; como gnoru o (supplicanlt- o lugar onde
preseiileinenterosblem mullos desses seus devedores,
sendo que outrwresideiu de presente tiesta cidade,
por isso vem c-supplicaute''proleslarpetante V. Eic.
nos termos dos arts. 390 e 391 do regvlarcento u. 273
contra os ditos seus devedojres, afim nao s de inler-
romper a citada prescripraio das referidas lettras por
cada um aceitas, como par que dest'arle liqoe salvo
ao supplicante a todo o lempo o direito da acco que
contra cada um oo seos heVdeiros lem para haver as
referidas qnaulias tanto pelo principal, como pelos
as mesinas estipuladlos, protestando ao mes-
mpo levar em coota Irie alguns desses tilnlos
as quanlias qoe ja li4er receliido por tonta a
do recibo que por forKda leltra-stjvcr oassado
impelente devedor. i \ S
ortaoto lequcr que port %a formas'
por termo seos protestos qu j Hfc ini#>
soa dos devedo^es, coja jf leneiajaf fiel
"CD"1 "."<" declaifSo aa relacilo kdjfJ o poaP v t-r-
iran^viUijijtos. jasJBe^rt o. qoeF^rlra ^T-^J-
eo iuer/ffT>aas5maTy ,|u .|u \\\g,. e Exm. Sr. t/. iniz de direito ao com-
l'lJIislllll'tliesouraria a mercio astim lhe delira.-.E R. M.O procurador
1 ierra!
ia de Santo Amara
Serio arrematados com o abate
! -Wtfrulo dia.
crctari-i da thesonraria de fazenda de Peruam-
_co em 13 de dezembro. %
lim pratinho de prata qqe fui avallado em
000............OO
Um sino pee, unno, dem em 30}000 209000
Os naateriaei resollantes da dmolir.io da
capella e restos desto, idem em 3009000. 200)000
50 bracas de trra em redor da capella,
idem 350f00.........2339332
12 <>.
presi
un c
4579:132
O oOicial-malor,
lio Xavier lobreira de Mello.
NosdiatilS, 17 e 19 do correle estario em
prara no peo da rimara muuicrpat ela cidade, os
materiaes' ItjhjMHp das minas do telheiro de po-
dra acal, sito as Cinco Ponas, no lugar do anligo
bebedouro, servando ile base di, arrematado a quar-
lia de 309OOO rs., offerecida por Jos de Almeida
Lima.
i^o da enmara muaicipal 12 de dezembro de 1855. BarUo de Capibaribe,
presidenta Manuel Ferreira Accioti, secretario.
O Illca. Sr. inspector da thesonraria provincial,
em cumpriinnato da ordem do Exm. Sr. presidente
da ptovlocia, mand. convidar aos pfoprielariosabai-
10 mncioradot. a entregarem na rotismn thesonraria
no prazo de 30 diaa, a contar do dia da primeira pu-
bhcaiao do preseole, a importancia das quotas com
quedevem entrar para o cale,amento da ra Direita,
desde a trjvcssa da Penha al o lim da mema ra,
conforma 11 disposto na lei provincial n. 350. Ad-
verlindo que a falla da entre a voluntaria sera pu-
nida com o duplo das referida! qoolas, na conlormi-
dade do arl. i> do regolamentn de 22 dedezembro de
1854.
% 32. Vin-ti e herdeiros d Jos Machado Freir
TereUa U SHta
Castillo Branco.
Nada mais se contioha em dita peticio aqu trans-
cripta, a qual sendo-meapreseutada dei o despacho
do theor seguinte:
Tome-se por termo o protesto do supplicante e
intimado aos devedores,Scojas residencias forem sa-
bidas, jaslilique o mesmo; supplicante a ausencia dos
outros, alim de ser-lhes dito protesto intimado por
meio de edito. Recife 12 de novembro de 18)8.
Perelti. l
Nada mais se coulinha em dito meu despacho, em
virlude do qual selavroT' o protesto do theor se-
goinle. d 1
Aos 12 de novembro Me 1855, nesta cidade do
Recife da Pernambuco e|n: meu escriptorio, veio o
solicitador Miguel Arcano Fernandes Vianna, pro-
coradoflk supplicanleAPaulo Pereira SimOes, e
peran|^^Bajtomunhas ililra assignadas, disse que
nos lertt* Bkna petitio retro, que Dea sendo par-
te du preHa^R prolesUta pelo seu eonteudo ; e de-
como essior-o-disse e protestoo, liz este termo no
qual te assignou coa as mesmas leslcmunhas.
Eu Francisco Ignacio de Torres Bandeira.escrivao
interino o cscrevi.Misoel Arcanjo Fernandes Vian
na. Gamillo Augusto Ferreira da Silva, Joaquim de
Albuqoerque Mello. .1
Nada mais se couliuha em diln termo dn protesto
aqoi transcripto pele conicu lo do qual foram cila-
BANCO DE PERNAMBLCO.
O Banco de Pernairbuco sacca a vista
sobie o do Brasil noBio de Janeiro. Ban-
co de Pernambuco 5 de dezembro de
1855.O secretario da direccao, Joao
Ignacio de Medeiros Reg.
O banco de Pernambuco toma din lin-
eo a juros, de conformidade com os seus
estatutos. Banco de' Pernambuco 24 de
novembro de 1855-Joo Ignacio de
Medeiros Bego, secretario da direccao. '
Pela primeira sessao da mesa do consulado pro-
vincial se iaz publico aos propietarios dos predios
orbauos das freguezias desta cidade e da dos Afola-
dos, que os 30 das uteis para a cobranra i bocea do
cofe do primean semestre de 1855 a 1856 do im-
posto da decima, principian) a ser contados do pri-
meiro de dezembro prximo em dianle, e todos
os que deixarem de pagar nesse lempo incorrerao
na mulla de 3 % sobre seus dbitos.
Directora geral da instruceao publica.
Pela respectiva secretaria se faz publico, que o
concurso geral annunclado para os discpulos de to-
das as escolas publicas de ioslrucclo primaria, maio-
res de 12 annos, e dados por promptos com disliuc-
i;So uos exames annuaes lera lugar na sala dos exa-
mes do Gymnasio Provincial, e as 10 horas do dia,
no lempo que decorrer de 15 a 20 do correle. E
para constar se publicou o presente. Secretaria da
directora geral 13 de dezembro de 1855.O secre-
tario, Francisco Pereira Freir.
CONSEI.HO ADMINISTRATIVO.
O conselho administrativo tem de comprar o >e-
guinte:
Para a fortaleza do Brum.
Litros em branco paulados de 200 tullas, 2 ; facas
(lameugaa, 6. '
Companhia de aprendizes menores.
Panellas de ferro para 50 pracas cada urna, 2.
Provimeuto dos armazens do almoxarifado.
Papel almaco lino, resmas50 ; dito de peso, ditas
16 ; tinta prela, garrafas 40; lapis, daziaa 6.
Officinas de I." e 2.' classe.
Costados de amarello, 6 ; cosladiohos de dito, 6 ;
ene'liaines de madeira de construccSo de 5 a ti pole-
adas em quadro e de 20 a 27 palmos de couipri-
menlo, 20 ; oleo de linhaca, arrobas 5 ; ocre, ditas
4 ; pos pretos, ditas 2 ; roxo-terra, ditas 1 ; zarcao,
libras 16.
ODicinas de 3.* classe.
Limas chalas surtidas de 16, 14, 12, 8, 7, e|l;}
polettadas, duzias 37 ; ditas muras de 8 e 6 ditas,di-
tas 16 ; ditas meia-cauoa sortidasde 16, 14,12, 8,
7, 6 e 4 ditas, dilas 32 ; ditas ditas muras de 8 e 6
ditas, ditas 12 ; ditas triangulas de ti e 4 ditas, ditas
16 ; limaloesde 10, 8, e 5 .litas, ditas 12.
Ofllcinas de 4.a classe.
Limas chalas sorlidas do 10, 9, 8 e 7polegsdt.s,du-
ziasM ; ditas ditas meia-canna-muras de 8 poletta-
das, ditas 4; ditas meias-cannas sorlidas de '.), 7 e
5 ditas, ditas 8.
5.' classe.
Lona, pera 1 ; cooro de lustre, pellos 12 ; lila de
laa para silbas, pecas 4.
Forneciinenio de luzes as estaces militares.
Azeile *** carrapalo, caadas 784 ; dito de coco,
ditas 20; pavioi, duzias 9 ; Tos de algndo, libras
64 ; velas de carnauba, ditas 223.
Sapatos bilos nao so nesta como em oulra qual-
er urrjf^ki, parca 1.10i.
lzer vender estes objeclos aprsenle as
tuas p(*4a>stas%in carta lecli.ia., na secretaria do
come I lio as 10 huras-do dia 17 do corrente mez.
Secretaria do conselho administrativo para forne-
cimento do arsenal do guerra tO de dezembro de
1865.BenloJos Lamenlia Lins, coronel presiden-
te. Bernardo Pereira do Carino Jnior, vogal e
secretario.
Pela delegacia de polica do termo de Gara-
nliuus se faz publico, que se achara rccolhidos a' ca-
dea da mesina villa os escravos fgidos.
Manoel, escravo de Marcelluo Alves dos Santos,
morador em Tapagipe, termo da cidada da Babia,
com os signaes seguinles: crioulo, alfo, grosso, com
os olhot prelos, nariz grosso, labids grossos, barba-
do, representa ter 50 annos.
Fihppe, escravo de Anna Maria de Sao Jos e
Arago, moradora na Mararaiululia, termo da ci-
dade da Baha, o qual lem os signaes seguinles: mu-
lato, nariz grosso, alto c grosso, cabellos pegados,
olhospardos, barbado, cabelludo nos peitos, repre-
senta ter trila o tantos annos.
Delegacia do termo de Garanhunt 1 de dezembro
de 1855.Francisco Antonio de Carvalho, capilao
delegado.
O gente Borja aulorisado pelo Exm. Sr. Dr.
juiz de direito especial do commercio, conforme o
seu despacho proferido em requerimenlo dos credo-
res da massa fallida de Silva & Araujo, fura' leilao
de todas as dividas pertenceutes a' dila massa, aa
quaes moutain a quanlia de 6:7389818, sendo
5:4229515 em luirs mu lo boas, quasi todas por ven-
cer, e 1:3169302 em coutas de iivro, mullo moder-
nas, de petioas capazes: sexta-feira 14 do corrente
as II hora* da manhla.
Por despacho do Exm. Sr. Dr. juiz
especial do commercio, exarado em re-
querimento dos negociantes Bostron Boo-
kerdiC.o agente Oliveira fara' leilao,
por conta de quem pertencer, de dous
mil saceos de assucar mascavado, dos
quaes he depositario Jos Vellozo Soares:
sabbado 15 do corrente, as 11 horas da
manha, no armazem do trapiche do
Angelo.
O agente Borja tara'
leilao ,ultimo deste an-
uo) cm seu armazem
na rna do Cullecio 11.
15, de lodos os objeclos
existentes no mesmo,
consistindo n'iim gran-
de e variado sorllmen-
_ to de obras de marci-
neria novas e usadas, dous ricos pianos de jaca-
randa' de arm.'irin sabidos ha pooen da altan lega,
obras de ouro c prata, relogios para algibeira, cau-
dieiros Irancezes e ihgler.es de varias qualidade,
lanternat, candelabros, vidrns, loucas e oulros mui-
tus objeclos que fura impossivel mencionar, os quaes
se venderao sem limite de preco algom: quarta-fei-
ra 19 do corrente, as 10 horas da inanhaa.
AVISOS DIVERSOS-
Traspassam-sa as chaves e urna linda armicjo
de amarello envidracada da loja n. 35 da prara da
Independencia : a tratar na roa Nova n. 23, fabri-
ca de chapeos de sol, esquina da Gamboa do Carmo.
O juiz de direito Jos FraueUco de Arruda
Cmara reliando-se por algom lempo para um si-
tio fura da cidade, previne as pessoas com quem tem
negocius, e as que se quizerem militar de seus ser-
vijos, que pudein eotender-se cora o Sr. Joaqaim
Jos de Campos era sua cata na rna do Rosario es-
trella n. 19, primeiro andar, a qaalqatr hora de
dia. .*
Reliraudo-me lioje para a Viuda provincia, a
Dio me leodo sido possitel despedir-me de todas ai
pessoas com quem rlacionei-me durante os 5 anoot
deminha estada nesta bella Ierra, que 19o bera me
bospedou, soecurro-me a este lido jornal para sgoi-
llcar mu sinceramente a tedas ellas a minha grali-
dao pela bondade com que se dignaram tratar-me,
podendo contar em qualquer parle coro os curios
prestimos e acanhados serviros do vigario Hocha
Os Srs. que levaram por empresti-
rno volames da collecewo ao '< Diario de
Pernambuco de julho a dezembro de
1838, e Janeiro a junho de 18VV, perten-
cente a esta typographia, tenham a bon-
dade dos mandar trazer, que sao neces-
sarios.
O Sr. Manoel Antonio Simoes do
Amaial tem carta na ra do Queimado
n. IV, loja.
lili mos.
Teem a honra de participar ao respeita-
vel publico queteem aberto urna nova loja
e fabrica de chapeos na ra do Crespo,
no sobrado novo que faz esquina para a
ra da Cadeia, aonde os compradores
acharo desde hoje em diante um bello
sortimento de chapese lazendas tenden-
tes ao mestnocstabelecimento, e por me-
nos preco doque em outra qualquer parte,
tanto em porro como a retalho, e desde
ja lhe recommendam chapeos rancezes
de bonitas e elegantes lrmas e de boa
Vian...
Ha noile de 19 para 13 do corrente furlaram
na estrada de Joo de Barros, do sitio em qne mora
o alteres AstumpcAo, um poltro de primeira muda,
grande, preto, com um sigaal branco aa testa, lem
em cima da junta do peiador da mao esqnerda ora
caroeinho proveniente de nina cstrepada. he inulto
ardigo, tem o costume de dar couees na espora qaan-
do i seute, e he alguma cousa inanhuto : quem des-
te poltro der noticia certa ou o levar no mesmo sillo
ao dito alfares Assumpcao, sera bem recompensad*.
Precisa-se de urna pessoa habilitada ptra en-
sinar francez e msica em um engenho distante 12
legoat desta praca : os pretndeme* queiram en ten -
der-se com Luiz de Carvalho|Pes de Andrade,na al-
fandega.
Aluga-se urna casa terrea de pedra e cal, em
bom estado, com excellenle banho atraz de casa, ao
principio da povnacao de limpi, por preco conuno-
do : quem pretender, dirija-se a casa das afericoes,
ruada Florentina n. 36.
A mesa regedora da irmandade de N. S. da
Coiieeicao daCoogregacao faz sciente ao respeitavel
publico que a fesla da padroeira da inesma igreja he
no dia Iti do crrente ; assim como convida aosir-
maos alim de eomparecerem para assisiir a vesperas,
festa e Te-Deum.
Precisa-se de 3009 a juros sobre hypotheca em
urna casi que rende 69 mensaes : quem pretender,
dirija-se ao becco das Barreiras 11. 4, que se dir
quem quer.
A pessoa qoe annunciob ter perdido uo dia 2,
no baile, um leque de madreperola, dirija-se a rna
do Trapiche, qoe daodo os signaes lhe ser enlre-
goe. *
Acliuu-se ha umitas dias um estallo perdido
dentro do sitio em que moro : quem for sen dono,
daudo os signaes competentes lhe sera entregue.
Jos llvuiiin de Miranda.
Precisa-se de una ama para casa de pouca fa-
milia ; na ra das Trmcheiras, defronte do sobradi-
uho novo o. tu.
Aluga-se a loja do sobrado do paleo de Terco
n. 36, proprio para qualquer estabelecimeolo : a
tratar n> roa da Senzala Nova n. 4.
A porluitueza que se offerece para servir, pode
dirigir-se ao aterro da Boa-Vista n. 4, terceiro au-
dar, das 9 horas da manli.ia as 4 da larde.
Precisa-se alugar om silio que tenha baixat de
capim, que seja i margem do rio Capibaribe : quem
liver aiiniiiicic por esle jornal.
I.111/ l.ucien Panlain, cidadao francez, segu
para .1 Franca.
Ainda est.lo por alugar alguns armazens ua roa
da Praia e travessa do arsenal de guerra, perteneen-
les ao patrimonio dos orphaos do fallecido Sr. Mee
Ramos de Oliveira : os preteudentes podem enten-
der-te com Manoel l.uiz da Costa, na mesma ra,
armazem n. 1.
Avisoao publico.
Em consecuencia da
falta de trocos .mudos, as
cautelas dos cautelistas
abaixo ssignados de pre-
mio menor de $0,000 rs.
godo para homem, duzias a ljjiOO, ditas
azues a l,i(200,espelhos de gaveta duzias
a 2#500, cliapos de ol de *eda cabo de
canna a* 6$000 rs., ditos de panno a
l924j, bengalas linas a 1S400, ditas or-
dinal tas a 500 rs.. chicotes linos de baleia
para cavallo a 1^280, linltas linas para
bordar, novello grande libra a 1J900,
escovas para cabello a 400 rs., pecas de
franja com bolota para cortinados a
i.S'OUO, meias Unas para senhora duxia a
3,<200, ditas para homem a 3|500, laade
cores para bordar libra a 73500, meias
finas para meninos, du/.ia a 2^500, cartas
francezas para lecart duza a 3s000,
pentesde chifre para alizar a 700 a du-
zia, papel de peso superior a 2#800 a es
ma, dito almaco a 2$200, pennas d'aco
emearteiras a 80 rs., meia de cores para
meninos a 240 o par, grozag de finissimos
lapis e nvernizados a 5^000, groza de ca-
etas finas a 2.S400, duzia de linha de
carritel a 520, caixinhas de linhas de
marca a 240, lacre fino libra a 2(1600,
colchetes pretos em carto a 80 rs., pe-
cas de fita de cores a 500, grampas, li-
bra a 300 rs., escovas finas para cabello
a 600, borzeguinsde merino bordado pa-
ra crianra a lSOOOo par, toucas.de Mon-
de a l.S'200, espoletas excedentes mi-
Ilieiio 800 rs., ricos pentesde tartaruga
para segurar cabello a 4$ e 4^500, botoes
de louca pintada, groza 2i0: este sorti-
mento nao s convm a particulares, co-
mo pode convir a algum Sr. logista de
miudezas, que querendose prover de al-
guma cousa que actualmente nao baja em
primeira mao, achara' na loja cima um
completo sortimento, por precos bara-
tisstmos, advertindo que muitos obiectos
se nao mencionam para nao ser fastidioso
este annuncio que ja' vai longo.
Na ra estrella do Rosario n, 11, canta o Soa-
res ao violao estas quadriuhas, convidando os patus-
cos a comprar do melhor no mercado.
He gostoso uesla (erra
C uo becco do Rosario
Ver Soares e o Macario
Sempre ao gelo a fazer guerra.
tMi! que ealor
- He de abalar ;
Vamos, rapases,
A refrescar.
1. so algum cndinlieirado
Bom damasco quer papar,
Frescas passas peliscar,
Ameias por um cruzado ;
Mauda o caiieiro
Pesir em quenle,
He bom regalo
P'ia malta genle.
Eo porm que sou linorio,
Nao dispenso a mermelada ;
Mas a bella goiabada
lslo sim, he regalorio !
Figos, pecegos,
Latas de soda
Tamben, nos fazem
Ua bolsa a poda.
qualidade, ditos teitos na trra de toda SdO pag'aS em COUtliente
______I:j.j___I____IU.. ___1. .._____ O _
nos seus pontos da ra do
ludo Uto he gostosSo,
V, melior que tudo islo
He da caslanha om pelisco
Assada por pai Joao.
Autiga galera e officina
de Dag uerreotypo.
Aterro da Boa-Viita u. 4, terceiro
andar.
A esta casa acaba de clregar dPars um rico sor-
timento decai\inlias, qu.idros. melduras, patse-e-r-
louls, casaolelas e allinetes de uro -com esmalte o
tem elle, para collacirero-se retratos e cabellos ; lin-
do mimo para festas. Na mesma rasa centinua-se a
tirar retratos com toda ( perfeicao. laato de friti-
cas cono de pessoas adultas e idosas. Vao-se tirar
em qualquer lugar retratos de peisoas moras, Ti-
ram-se tambera retrato em slereoscopo, uto he, de
maueira a apreseular a pessoa o relevo a ao natu-
ral. Incambeai-ea.de tirar eopiau em dsgaerreoty-
po de edificios, paHeaens, ntrato, esUtoat a qua-
dres. Ezistem para eases Irabalhos dnas ezeaUeales
machinas navas, ebegadas uitimaoiaota, sendo nata
deltas dos celebres autores Vaigtlaader & Schn, ead-
verte-sa que nao te entrega retrato oa Irabalho al-
gum sem estar perfeito, mellisote a ao gosto da sao
dono. A galera e oflicioa estira abarla desde aa 9
hars da manhaa at as ? da tarde.
Rui IOTA 1.3
Carlos Hardy anouncia ao retpeti
qae acaba de receber da Parle nra rico sorlimeuta da
chapeos de seda para senhora, -lnpeoriiUios para
baplisado de crianca, chspeuzinhi* de peina enfeila-
dos de abas largas para menino da 4 al 10 auno,
bonetes de meuiuos, capellas a niautas para noira,
esparlilbas, filas, chales da laa do todas as cores lisas
a bordados, rices chales de tosejaba, um glande aor- '
lmenlo de finas csmieinllas bardadas qae se veadem
pelo preco de 19600 e 29, grosdnipole branco, rozo
a de cores a eovado, lencos de mi de cambra, la-
ques, e muilas outras faiendas, que se veadem em
coota.
O Dr. era medicina IgnacioNery da
Fonseca, tendo resolvido lixar a sua re-
sidencia nesta capital, conl ina a offere-
cer os seus servidos ao respeitavel publico,
e a dar consultas em sua casa, na ra Di-
reita u. 51: acha-se tamberm prompto a
acudir aos chamados do campo.
Acudam por caridade, neutralismrseos
focos de putrefacao.
Koga-se a quera competir que, palo amor de Daos
luja de fazer remover qoauto antes o raonloro ezis-
teule uo Um da roa da Praia da S ata Rile, ofjjjba-
te o becco de S.Jos, o qoal j esti qoasi a asaMnar
por cima do caes, a depois diste vadar aa despejos
naquelle logar, como ja mu bem ordeuou a Illm."
cmara municipal, segondo nos iaformaram ; pois
be iucrivel que na poca actual aa cansiota fazer des-
pejos n'om reeaata onda s chega n as grandes mares
do equinoeio : lembramea a coavuniencia da peque-
as pontea para fazer-se delias as despejo ; a islo
nos lugares mais salientes do litoral.
.
Na roa de S. Geacalo n. t< precisa-se Aa ama
ama qoe tenha boma bstanla hule, quer aojefcrra
ou captiva, para criar ara menino com 19 dias de
uascido : a pessoa qoe a isso se quizer sujeilar dirija-
Is a casa cima para Iralar do ajo.te.
O aoUettador Manoel Loiz da Veiga madeu a
sua residencia para a fregoezia do Recife, roa da
Senzala Velbaa. 68, segando andat.
Aviso importantiissimo pa-
ra os senhores logado-
res das loteras,
O cautelista Salustiano de Aquino 1
reir avisa aos senhores jugadores das lo-
teras da provincia, que os preco* dos bi-
lhetes e cautelas fcam liriaes como abai-
\o se demonstra, os quaes to pagos sem
o descont deoito por oento da lei, em-
quanto existir o plano actual de 5000 bi-
lnetes," pelo qual sao> extrahidas as lote-
ras da provincia.
asqualidadesdepalha, seda, e montara
para senhora, de lustre para pagem, e um
rico sortimento de galftes finos, de prata
e ouro para os mesmos; chapeos de castor
francezes ingleses, ditos de Italia para
hometls, me/iinos esenhoras, do Chile finos
para homens, meninos e senhoras, bone-
tes de todas as qualidades. assim como se
apronta qualquer encommenda tendente
ao mesmo estabelecimwto. e tudo^pur
ecos maisbaratos doque eistra qual-
parte
rn-ecc
dktei-
K. ; iimndi.de das armas do Recife
N. 3& K erdtiros de Joaquaa Francisca
de Atan;
N. 38. Joiii Matheus
N. 10. Thereza Goncalvcs de Jess Aze-
vedo
N. 42. Capella dos Prater! de Guara-
rape
. N.
N. f
N. lT.'liet' lo ulra..
If. Coelho
N. r> Cipella dos Prazerts de liuara-
rapa
N. M. 1 uim d.- Souza
icreza G( ives de Jess Aze-
vedo
N. 38. In. Saalaslmo Sacra-
mento de
V. 60. Hila dita
6-2. Joa'>na Maria da OncaicAc
co Mniz lavares
i Peieira Bastas
l.uiz Gonc^llves Ferreira
ios ds Jos Joaquim de Abreu
dos os devedores p
guiles:
Antonio
cipal i:
de selembro
Lobo por prr
era de abril
es, e siio os ausentes os se-
N.
N.
ti.
W.
1.

J oi Soares Pinto Correia
Hetdeiros de Anlonio Fraocisco
aptiila Pereira Pa-
ren!
N. 7d. Irmandade das almas do bairro
do Bacife
N. 19. Joanna Raptlsta Pereira Prenle
N. 8p. lierdeiros de Maria Joaquina du
Anenniaa^ao
N. ffi. Josnaa do Rosario GoimariesMa-'
charlo
N. i. tlapella de Santa A na do Cabo
N. &6. Illirdeiros de Anua Joaquina Ma-
ciado
i. Manoel FlorencioAlvesdeMoracs
sembargador JoaciOim Tfixeira
Hto ta Abren Lima
N.' 9. Viuva de Jos Machado rmen-
te!
2. Joic Pinto da Costa
N- 94. .Salvador Pereira Ilrggi
IJ- 96. Antonio Maia Corles
Aleandre Jos tcales
!"0. Tlmmaz de Aquiriu Fonseca
ii)2. Joao Piulo do l.e.nos
N. 101. Dito dilo
N'. lot. Fhos de Jos Mara de Jeeus
Muni/.
>'. 10$. Frincisce Ramos Maia
N. 110. MndMro de San Beuto
N. 112. HeBTique Gibson
)> Joauna Militaba de Jess
N. 114. Herdeiros de Jos Mana de Jess
Muniz
N. 116. H.aarique Gibson
a n (ladina MarImlu do Sacrameuto
N. 118. Capella dos Pra;:eres de Guara-
rapes
N. 120. t:aelano Piolo de Veras
>'. 122, RecoUiimenlodsijloiia
N. 122. ilo dito
K. 23. Viuva Je JoJoLeito Figueira
^. 23. Dr. Pedro Francisco de Paala
, Caralctota de Albuquerque
69800
?09000
1149375
219600
1059O0O
9100
99000
99000
219600
549000
15*000
719100
459000
549000
549000
255800
599100
639000
139200
119100
IO98OO
1O98O0
335000
309000
3492OO
229500
759OOO
I89OOO
529500
309I6G
749834
365900
625400
379800
189000
I89OOO
599400
219600
2I96OO
AVISOS martimos.
225500
185000
109800
405800
409800
S.ussuarana por prin-
lelra vencida em 16
Joo Baptisla da Silva
de una letr* veucida
^^pem 2OO9 por outr ven-
cida em 22 de maiodb1 r.esmo anuo, idem 2009 por
oulra vencida em 22 'de junlio do referido aun
Idem 2009 por eMr* Vencida em 22 de julja do
citado auno, iJem por outra vencida em 22 dWgos-
lo do citado auno 20091 idem 2009 por oulra venci-
da em 22 de selembro, do supra citado auno, idem
1325370 por outra vencida em novembro do ja'
mencionado auno, Francisco Luiz Guedes Ancan-
torado 127s820 por resto do principal de urna lelia
vencida em :10 dtfJasWiro da 1851, Jos de Araujo
Pinlieiro principal denima letra vencida em 26 de
fevereiro de 1812 32*j280, las Joaquim de Mello
resto do principal dal urna letra vencida em 24 de
maio de 1842 46.3925U, Dr. Anlonio de Sa' Caval-
cinlo Lins 3859020 principal de urna letra vencida
em 30 de dezembro de lfli, Manoel Carlos Caval-
canle de Albuquerque 1;5689l87 principal de urna
letra vencida en 1 Je marvo de 1847, idem 3009
por outra vencida col 1 de marco de 1847, idem
I3998O6 por outra vencida cm 5 de agosto do mes-
mo auno, dem 4649674 por mira vencida em 3 de
junhoae 1848, Francisco Gonralves Arruda 80.-2)0
resto do principal de' urna leltra vencida em 3 de
abril de 181*1, Manoel Bezerra de Figoeiredo 1409
resto/le una letra vencida em 11) de selembro de
1847, Joo Kodriguea de Mesquila 12t>;970 princi-
pal de urna letra veijaida em 13 de julho de 1846,
Antonio Julio Basto 8139052 principal de urna letra
vencida em 13 de jiAiho Ue 181G, Idem 2189145 res-
to do principal de uiua letra veucida em 17 de abril
de 184^7, Jos Marlihiano Ximencs 30- resto de
urna letra vencida eui I de abril de 1847, Jos Al-
ves Bezerra 309740 principal de orna letra vencida
em 2 de fevereiro de mil oitocenlos quarenta e oilo.
Jeronvmo Jos Ferreira Guimares 325 principal
de urna letra veucida em 28 de fevereiro de 1843,
Jos da Cosa Martins O'i-IO"> priucipal de urna le-
tra vencida em 2 de marco de 1851, Manoel Gomes
da Cosa 255 resto de nina letra .vencida em 18 de
selembro de 1843, Jos Hodriaues Borges 2:0009
principal de urna letra que lhe garanti a Jos An-
lonio dos |santos Coelho e paga pelo garante Paulo
Pereini Simoes em 20 de agosto de 1831, quando
vei.ceu-se, Ignacio Tliomaz de F'reitas 1289320 resto
do principal deumnlelia veucida em 30 de Janeiro
do 1846, idem 4869320 priucipal de una letra ven-
cida em 30 de maio do mesmo anuo, idem 9059400
principal de urna letra vencida em 30 de selembro
do referido auno, idem 5239 principal de urna letra
vencida em 30 de Janeiro de 1847, idem 5419 prin-
cipal de orna letra vencida em 30 de maio de 1847,
idem 5599 principal de urna lelra vencida em 30 de
selembro do dilo anuo.
Nada mais se conliuba em dita conl aqu trans-
cripta, e tendo o supplicante produtido suas lesle-
munlias foram-iue os autos conclusos c uclles profe-
r a senlenc.a segoiule :
A' vista da inquirirn de folhas 8 a folhas 10 por
onde se preva que os devedores designados na rola-
c9o de folhas 6, menos dous, estao ausentes em lu-
gares nao sabidos, mando que para ser Ultimado a
eeses ausentes o protesto constante do termo de fo-
lhas 2 verso, se pasee Arta de edictos com o prazo
Companhia
DE NAVEGAGAfi A VAPOR
LUSO BASILEIRA.
Uevendo che-
ga r a esla al o
dia 21 do cor-
rente proce-
dente de Lis-
boa o vapor D.
Pedro II, com-
mandanle o t-
lente Vi.ju-
do O", seguir
depois da com-
petente demo-
ra para a Babia e Rio da Janeiro : os preteudentes
a passsgens dirijam-se ao agente Manoel Duarte Ro-
drigues, na ra do Trapiche n. 26.
Real companhia de paque-
tes iiig'lezesa vapor.
Uo dia 20
deste mez es-,
pera-so do su I
o vapor Taij,
coniniandant e
Sawycr,o qual
depois da de-
mora do coalu-
me seguir pa-
ra Soulhamp-
ton tocando nos portos de San-Vicente, TenerilT,
Madeira l Lisboa: para passaeeiros etc., tratase
com os agentes Adamsen llowie & C, roa do Tra-
piche n. 42.
N. B.Os embrnlhos que prelenderem mandar
para Soolhamplon deverio estar na ajtencia 2 horas
antes dse fecharem as malas, o depois dessa hora
nao se receber embrulho algum.
Para o Rio de Janeiro
segu com rooil brevidade o hrii>ue nacional Flor
do Rio: para o restante da carga o pnssageiros trata-
se com os consignatarios, Isaac, Curio \ C, na ra
da Cruz 11. 40.
PARA PORTO.
Sahir com umita brevidade o brigue portuguez
Trocador, para carga ou passageiros Irata-se com
Barroca A Castro : na ra da Cadeia n. 4. ou com
o capjtilo ua praca.
23;4O0
109800
109800
I89OOO
819000
2I.J600
605000
luga-se o terceiro anCMcTsTJbra-
do danta do Amorim 11. ~"]i~ Jh" *""""
e por preco ct)min-4^irata-s^--Bfl se-
gundo andar do mesmo obrado.
Manoel Jenne participa aos seus freguezes que
tem chapeos de sol para concertar, na sua loja da
praca da Independencia n. 35, qoe queiram ir. bos-
ca-lns na ra Nova n. 23, loja da e-quina da Cam-
boa do Carmo, al o flm deste mez, e depois deste
prazo os mesmos chapeos serao vendidos para paga-
mento dos respectivos concerlos.
Desapparecru no dia 6 do corrente mez, larde
nina esrrava de iiac.'io, de nome Carlota, quem a v
pare.ee crioula, cor prela, bai\a," corpo groc/i, agora
esta' ineia msgra, rosto redondo, olhos pequeos o
vermelliacus, nariz chalo, sem denles na frente ore-
lhas inuito pequeas, os pes em cima queimados que
estao engiadu, falla haixo, sabio de veslido de algo-
dSo azul e panno da Cusa sem mtame, levon a mil-
pa toila, vestidos de cassa chita de barril e sem ella,
vestidos novos de chita, panno preto novo, saia pre-
la nova : quem a pegar dirjase -ao aterro da Boa-
Vista, loja de ourives n. 59 que sera' recompensado.
Precisa-se de um calxeiro de 13 a 16 annos :
na ra Direila n. 82, padaria.
J^Attencao.
O abano asignado, com loja e fabrica de chapos
de todas as qualidades, na praca da Independencia
ns. 36 o 38. participa ao respeitavel publico e par-
ticularmente dos seus freguezes e amigos, que aca-
ba de receber o sortimento seguinte: chapeos de
castor e prelos de furnias elegantes e de gosto, ditos
ditos de castor preto, ditos de fettro lento para ho-
mem como para meninos, sorlidos de cores, ditos do
Chyle muito Onos, ditos entrefinos, ditos de palha da
Italia tanto de una aba como de doas, ditos Cahaps
Almuzina para senhora, dilos de palha da Italia,
bonetes de meninos, ilos de guarda nacional para
qualquer das batalhSes: na mesma loja recbese
encoromt-ndas para qualquer obra pertenceutes a
mesma arle, prumelle desempenhar piouiptamenle
as obras de que se encarregar ; assim como lem des-
empeobado nos bonetes que tem feilo eileclivo para
o arsenal, ludo islo mais barato do que em ou-
lra qualquer parte.
Domingos trancisco famalho.
O proprielario da linha de M-
NIBUS faz sciente aos senhores as-
signautes, que as mei.salida.ies sao
pagas adiauladas, e 110 e>criplorio da ra da Cadeia
de Santu Anlonio 11. 13. aonde receberau o compe-
tente recibo para poderem ter ingresso nos mni-
bus, do contrario sero obrigados a pagar a razan de
viagem avulsa ; assim como quando deixarem de
ser assignaiilcs, hajam do participar no ine-nio es-
criptorio paruseren eliminados : faz este aviso para
evitar os muitos abusos que ha.
Precisa-se de urna ama forra que saiba cozi-
nhar o engommarparacasa.de pouca familia: a
tratar na travessa da Madro de-Deos 11. 5, arma-
zem.
Precisa-se de um caixeiro de idado de 12 a 15
anuos : ua padaria da ra da Senzala Velha n. 98.
O abaixo assignado pedo ao 81. Joaquim Jos
Conleiro de Mello, torne o aniiuncio, que publicou
no Diario Ce honlem, menos ambiguo do que esl ;
serviudo-se declarar quem na loja do abaixo assigna-
do pralicou u furto, de cuja localidade 15o cerlo pa-
rece eslar o Sr. Mello.S. Falque.
Precisa-se de urna ama de casa para comprar
e cosinhar : na travessa de San Pedro 11. 2, segundo
andar.
Precisa-se de um raixeiro que emenda bs-
tanlo de lazendas, e que seja bom balcio : na ra
Nova, loja n. i.
Luiz l.ucien Poulain, socio gerente da casa de
Lelelliei & Companhia nesta cidade, tondo de fa-
zer una viagem a Europa, deixa como procurador
e encarregado dos negocies de sua casa ao Sr. Jos
de Alenquer S. do Amoral.
Collegio 11.. ld^e^Tua do
Rosario estreita n. 17.
Oliveira Jnior & C.
CABRIOLET AMERICANO.
Quem annunciou querer comprar um
c abriolet americano de 4 rodas, dirija-se
a ra do Trapiche n. 40, segundo an-
dar, g
O aliai\oMsiRnado avisa aos ceus freguezes,
que anda ti ni f nrrao de pslvora grossa e fina para
vender, aqoil se acha depositada na fortaleza do Bu-
raco.Antonio Jos de Castro
Precisa se de 1 ou 2 bons om'riaes de obras
grandes : na loja de alfaiate da ra Nova, esquina
da ponte.
Roga-se a lodas as autoridades, pessoas parti-
culares e capilaes de campo a captura do urna roola-
linha por nome Anna, de idade de lalo aunes,
cor de cauella. retorcida do corpo, ja com seio, ros-
to redondo, olhos grandes, bem parecida, denles es-
pontados, urnas coslunnhasde glandalas nopesroco,
urnas argolinhas da ouro as orelha, vestido de Ao-
riuhas e assenlo rdxo ja usada, cabello aparado e
nao muito crepq,e bem prelo : ser muito bera
gratificado quem a levar oa der noticia no pateo do
Terco n. 40.
Attenco.
o
O cautelista Antonio da Silva Guima-
res vendeu o n. 190G com o premio de
2:500jj'O0O rs. em 4 quartos da lotera de
Nossa Senhora da Conceico dos milita-
res, assim como outros de 200.S, 100se50#
rs. Recife lo de dezembro de 1855.
O cautelista, Antonio da Silva uima.4
raes.
Us cautelistas Olivei-
ra Jnior & Ge, vendern)
a so re de 1:000,000, no
bilhete inteiro n. 5825;
o possuidor do dito bilhe-
te poder vir receber os 8
por centola garanta, no
escriptorio dos mesmos:
Tambera vendern* em
cautelas os seguintes n-
meros.
5972
562
2124
5262
500,00o.
200,000.
100,000.
100,000
Lisboa.
Oliveira Jnior C
. LOTERA DA PROVINCIA.
O cautelista Salusliauo de Aquiuo lerreira avisa
as pessoas que compran) bilhetes e cautelas das lote-
ras da provincia para uegociu, o qual esta resolvido
a vender os referidos bilhetes e cautelas pelos preces
ahainu deelaraJus, diuheiro visla, sendo a quanlia
de 1003 al 1:0005, permanecendo firmes estes_pro-
cos em quaulo nao se alterar o plano aclual de 5,000
bilheles, pelo qual sao extrahidas as loteras da pro-
vincia. Sio pagos sem o descont de 8 por cenlo do
A {jalera portugueza JOVEN CARLO-
TA segu para Lisboa at 25 do corren-
te, tem a raaior parte da carga prompta :
para o resto e passageiros para os quaes
tem excellentes commodos, trata-se com
Novaes & C., ra do Trapiche n. 4, pri-
meiro andar, ou com ocapito na praca.
PAHA A BAHA
sabe at o dia 14 ou 15 impreterivelmente a sumaca
nacional Horlencia : para o reslo da carga e passa-
de 30 das e costas. Recife 4 de dezembro de 188o -eir(18 ,,_ rom seu consignatario Antonio Luiz
Anselmo Francisco Perelti. -
- Nada mais se continha em dila sentenra aqui
transcripta, em virlude da qual o.escrivao que esla
sob'screveu mandou passar. a presente carta ue edic- ou"" "" ". a roum u,
los com o prazo de 30 dias, pela qual e seu Iheor so capitSo Joaqnm Anlonio de Parla e Silva, por ler
chama e intima e hei por intimados aos supplia- mais de mala carga prompta : para o reslo ou pas-
dos devedores ausentes cima declarados de todo o sageiroj, trata se na escriptorio dos consignalai
eonteudo na pelillo e termo d protesto cima Isaac Corio& Companhia, ra da Cruz n. 49.
de Oliveira Azevedo, rjia da Croz n. 1.
amuiin., riu imuuc na uuai w.cvii.au iiuc 08M 1 AnA J\ ll.llll.l
ob'screveu mandou passar. a presente carta de edic- vai seguir mnito breve a escuna brisileira Zelosa,
transcripto.
Pelo que toda e qnilquer pessoe,prenle ou ami-
gos dos upplieados os pederao fazer sciente do

Para a Babia, a sumaca brasileto Dortencia
sshe imprettrivelmele ao da 14 ou 15 ; os Srs.
psssageiroa que t|U tem de ir de pasegerD, qul-
Precisa-se alugar um escravo para o servico
de urna casa de pooca familia : paga-se bem : ua
ra do Queimado n. 7, primeiro andar.
Troca se a Legislarlo Brasileira dos anuos de
1817, 1818. 1849 e 1850 por onlra qoalquer dos an-
nui de 183 al 1837 : na loja de uucaderuarAu do
Pinto, na ra eslreila du Rosario.
Sabio do rajicho n. 8t> da roa Direila da fre-
guesa dos Afosados, uo dia 13 du crrenle, as 7
horas do dia, un cavallo castanho-escuro, pequeo
e em boas carnes, e lomon para o Rec.fe : roga-se a
quem o pegarqueira leva-loan dilo rancho, que se-
ra' gralilicado.
- Paulo Pereira Simoes avisa a ledos os seus de-
vedores constantes da relcelo ilo edit.il cima, e ou-
tros ja' protestados, que pretende liquid-r ditas di-
vidas pelos meios ju'liciaes, assim como ou Iras mais
modernas: por islo, antes de entrar em pleito pa-
ra dilo lim, esta' resolvido a cenclni-las com venta-
josos abatnenlos em favor dos devedores, o qoe
nao fara' depois de entrar em cobranca judicial
Prtenlo, aquelles que assim quizerem fazer seus
pagamentos mediante dilo abatimenlo, dirijam-se a
sou bastante procurador, na rna do Queimado. so-
brado que faz esquina para o becco do Peiie-Frito
n. 2, segundo andar, que com elle di lo concluirn,
segundo suas ordeus. O mesmo de fevereiro vin-
doure em dianle principitr*' ajuiza-los.
imposto geral, ua ra du' 'rapiche n. ! 0, segondo
audar.
Bilheles 5-10H Recebe por inleiio 5:0009000
Meios 8700 0 2:5003000
Tercos 158:20 a n 1 :(ifi(i5boti
Quartos 10300 u 1:2503000
Quintos 1S090 w 1:0008000
Oitavos OSO a 0258000
decimos 5U0 a o 5008000
\ Igesiinos 280 i> 0 2508000
G cautelista
Salustiano de Aquino Ferreira.
Oh! qoe caslanha
Crua ou assada !
Haja dioheiro
Rapazcada...
Aluga-se urna ama forra on escrava para o ser-
viro de urna casa de familia, qoe engomme, cozinlie
e lave : delraz da malriz da Boa-Vista n. 5..
A HOMEOPATHIAO CHOLERA.
nico trata ment preservativo e curativo.
DO
CHOLERA MOHBUS,
Pelo Dr. .Sabino Olegario I.udgero Pinito.
Acaba muito deve contribuir para a salvado do povo no
Iratsmenlo da epineaWa que se receia.'
^|d6-so por. .^.......18000
Ti destribuido gratis aos senlioresassi gnantes do
IhaJuro homeopalkico eo tade-mecnm do homeo-
pata e igualmente a todos os Rvms. Srs. vigario),
que acredilam na homropalhia. ,
Consultorio central homeopathico de Pernambuco
Mundo Novo} n. 6.
Roga-sa a Exma. pessoa, qoe iado ao baile do
dia 2do corrente uo arsenal de mariuha sem que
levas-e leque, e por eugauu oa gracejo quando se re-
liruu levou um de madreperola que acbou sobre om
consol, o favor de o mandar restituir na roa da
Cruz do RaeaTe u. 54, primeiro audar.
No engeohe Morojo, comarca de Natareth. foi
preso um escravo de naine J oaquim, que dia ser cap-
tivo de Joaquim dos Santos, dono da palbabote Ve-
nus, que andando jnfcareado o* mosrao palhabole
sallou em Maranhaft donde fugiu ha (ampos, o qual
escravo Oca recolliido aa cadeia de Nazarelh, e quem
for seu legitimo douo baja de o mandar ver em
quaaAo mo lie arremata*). Diz o dilo escravo que
seu aaolior Joaquim dos Saulos ha ussistente no Rio
de Janeiro.
Desapparcceu em 28 de novembro um menino
de 11 "i K annos, lirancu mas moreno por ser do
campo e indar sempre ao sol em companhia de seq
pai do lugar Traieiras termo da cidade .da Victoria,
chaina-se Jos, filho de Jos Antonio Bezerra : e
quem delle souber ou der noticia pode dirigir-se a
ra Direila u. 19, ou a seo pai no sitio Traieiras.
OITerece-se urna ama de boa conducta para o
servico de casa de um homem solletro ou de pouca
familia : quem precisar, dirija-se a Boa-Visla, bac-
co dos l'erreiros o. ?.
Troca-se om oratorio que tenha 4 palmos de
altura, leudo duas imagen*, urna N. S. da Coocei-
rfio, ootra de Christu, ludo em bom estado: em casa
do sackristao da ordem terceira de S. Francisco.
O abaixo assignado declara, qne nada deve a
Manoel Moreira da Costa bur, a pede a esse Duro
declare com verdade o motivo per que o abaixo as-
signado deixou de cobrar as suas dividas, alim de
que nao faca o publico juizo desfavoravel a
Manoel Augusto Candido Pereira.
Precisa-se por aluguet de duasprelss escravas
para fazerem o servico de urna casa de familia, e Ira-
lareui de criancas : quem as liver, dirija-se ao por-
teiro da alfandega desla cidade na mesoia repartido,
das 8 horas da manha as 4 da larde.
O arrematante do imposto das aferiroes desle
municipio (az cerlo aos douos de estabelecimentos
situados ua estrada nova e oa da Treguezia da Varzea
at as barreiras du Cachang, que no dia 16 do eor-
roule pretende mandar aferir os mencionados esta-
belecimentos, e por isso se devem prevenir appro-
veitan lo a occasiao.
Eu abaixo assignado declaro para conhecimen-
lo dt qualquer a quem pussa interesssar, qoe nada
fiquei a dever a meu fallecido irmao Delfino Goncal-
ves Pereira Lima com quem negocios tive, lendo-me
o mesmo dado as precisas qoitaces no ajuste final de
mi-sis contas ; porein como talvez algumas lellras
nao fossem inutilisadas em virlude da' boa f e cdo-
lianra que sempre presidiram as nossas IransaccOes,
faco a presento declara^Ho, tendo em vistas apenas
evitar supposicOes em contrario do qne acabo de ex-
por.Recife2 de dezemfcfn de 1855.
Manoel Goncalvcs Pereira Lima.
A pessoa qne annunciou por este Diario pre-
cisar de 2 escravos pora alugar, sendo que ainda nao
tenha contratado negocio com oulrem, queira diri-
gir-se ao bairro ca Boa-Vista, ra da Saudade, ulti-
ma i asa do lado do norte.
Koga-seao Sr. Francisco Pereira Pinto Caval-
canli o f.Vor apparecer na ra dos Martyrios, taber-
na u. 36, Mo uo prazo de 3 dias, que muito se lhe
deseja fallar.
OITerece-se um mo^o brasiteiro para caixeiro
de alguma casa estrangeira. oo escriplorio de advo-
gadn, o qual sabe bem ler, escrever e contar, e tem
alguns preparatorios ; quem precisar dirija-se a ra
Direita n. 86, segundo andar.
~ Precisa-se de nma ama para lavar e engom-
mar para urna cnauca, e para comprar : na rut Di-
reita n. 86, segundo andar.
Bilhetes. 00 5:00ft|f000
Meios. 'JJ800 2$500,,O0O
Tercos. l92 l:866fM6
Quartos. 1**0 1:250^000
Quintos. 1*160 1:606^000
Oitavos. 720 625J8O0
Decimos. 000 500|(>00
Vigsimos. 300 250S000
Pernambuco 20 de dezembro de 1855.
Ocautelista, Salustianoae-A(juino Fer-
reira.
Preeia-se de orna ama para casi de. duas pes-
soas, mas que saiba engommai e coziuhar: na ra
das Cruzes n. 20 se din' quem precisa.
Precisa-se de um criado para com- *
prar e fazer mais algum servicp-denti-o de
casa e que seja iel: qtiem quisr dirija-
se a ra do Cabuga', loja de cera do Sr.
Angelo Custodio dos Santos.
Precisa-se de urna ama de lerte forra ,
ou captiva: na ra Nova n. V7, primeiro
andar.
Carros fnebres
Agr, administrador.
Confronte a secretaria de polica, em om artaaeem
perlencenle ao convento de S. Francisco, exista esle
eslabelecimenlo com proporcSt s saflicienles para o
desempenho de qualquer enterre, pois lem tade no-
vo a salisfazer qualquer exigen .'ia dos pretendentes,
com loda a promptidjo e zello : para tratar no ases-
ino armazem, e na) ras do Queimado, loja o. 1, ua
da Cadeia de Santo Antonio n. 34, a a norte oa de
Santa Thereza n. 32 ; daodo-su todos aa pasaea ne-
cessarios a esle fim, sem o menor iocommodo dos
pretendentes.
Aluga-se ama grande cata na Soledada n. 42,
com om solao e grande quintil lodo morado, coto
algumas arvores de frocto, na ra de Joio Fernan-
des Vieira : quem a pretender, dirija-se "a ra de
Apollo, armazem n. 30, a fallir com Jos Antunes
Guimaraos.
Liquidaco
0 arrematante da bem conliecida loja
da ra dos Quarteis n. 2i, vende \tv me-
nos do que se poderia comprar em pri-
meira mo, salim de liquidar, um ri-
(inissimo sortimento de miudezas as mais
finas, consistindo as que passa a demons-
trar : facas para sapateiro a C00 rs. a
duzia, gravatas e mantas para ditas a
1000 rs bicos de blond a 520, 500,
640, 800 e .000 rs. a Vara, bico de li-
nho pura todos os precos, tanto peqa co-
mo vara, pecas de froco de cores dilleren-
tes 400 rs., ricos quadros com moldura
dourada.tletamanlio de 2 palmos, com
estampa de santos a 800 rs., meias de al-
At tencilo.
Os senhores qve tem contas do auno passado e do
prsenle auno com o hotel da Europa, hajam de vir
salisfazer os seus dbitos no prazo de 4 dias, do con-
trario tent seus noiues publicados uesla folha. Ito-
cife 13 de dezembro de 1855.
Precisa-se de 400,*- a juros sobre urna escrava;
ua ra da Coucordia n. 26, se dir, ou annuncie
Aluga-se um sitio com casa de vivenda, em
Sar i'Auna, por anuo ou lempo de testa : a tratar na
ra do Vigario n. 7.
L'ma familia que se retira, -tem par vender
um lioi e urna vacca lourina, e algumas crias da mes-
ma ruca : quem pretender, dirija-se a estrada nova,
sitio do Forte.
Quem liver orna escrava que saiba fazer o ser-
vico de urna casa de pouca familia, dirija-se a roa
do alerro daJloi-Vista, casa u. 12, ou annuncie pa-
ra ser proe
No |
pililos, pn
irmSo do
a negocio
JOIAS
Os abaixo assignado*, donos da nova loja de uori-
ves da rna do Cabuga n. 11, confronte no paleo da
malriz e roa Nova,fazem publico que estao comple-
tamente sorlidos dos mais novosebellos goslosde to-
das as obras de ouro, necessarias tanto para senbo-
ras, como para homens e meninas, e coutiuoam os
precos sempre muito em conta ; os mesmos se bri-
gam por qusesquer obras que venderem a pasear
urna conta com responsabilidade, especificando a
qoalidade do ouro de 14 ou 18 quilates, (ltMdo as-
sim sujeitos por qualquer duvda qoe apparecer.
Sernfim &. IrmSo.
L ma pessoa versada em ltiro, frunce, iaclex,
Eortugoez, geographia, geometra, ariuSmeticaepbi-
isophia, ensina para a fregueiia de Sautu Anido ou
parle conjoncla a ella : quem precisar annuncie.
Francisco dos Santos Rea, ou por mais coulie-
cidu Xixt, previne a lod reguezes, qoe se
arrancham e davam animaes para ti
praca como fra delta, qoe nmdoii a sua casa dfc
rancho da ra das Cinco Ponas n. 150 para a Htt
Imperial"n. 112 juUo a fabrica de sabSo, acharo n oito bous commodos para se arranchar,
com urna bella estribara cobjrla c estivada para
animacs de eslimaclo.
(Juem precisar de urna criada portugueza para
o servico interno de casa, a qual corta vestidos e
faz toda a qualidade de' costara ; dirrja-se a rae
Pilar, em Fra de Porlas, casa n. 63, ou anou
sua morada.
Lulx Jos da Rocha, lendo o Diario de quar
feira, do corrente n. 281, nelle deparoa com a
lista de devedores casa de Francisco Rodrigues da
Cruz, e porqoe nao lem conlrihido debito elgum,
declara ao respeitavel publico, qne nao deve a dita
rasa, e para que nao haja equivoco de nome*, fica
d'ora em diante assignando-se por Luiz Jos da Ro-
cha Pinheiro. Recife 11 de dezembro de 1855.
B O coronel Trajano Cesar Burlamaque embar-
ca o seu tildo Joaquim Ribeiro de Brto BurUroaquc
para fra do imperio.
Alugam-se o segando e terceiro aadarea da ca-
sa da ra da Aurora em qoe esleve o hotel d ro-
pa : a tratar oa roa da Praia n. 27.
aviso impor-
tante .
O 39 A, confronte ao Rosario de Santo Al
avisa ao respeitavel publico, que reeelieu
as mais delicadas qne tem vtdo a esla K|L_
como confeitos ; dao-se pan amostra viudo peolior.
Agencia de passaportc e tbllia i
Claudino do Hego I.ima, despachante |
ligio da polica, tira passaportss para Har e d
do imperio, e folha corrida, por commodu
ua ra da Praia, primeiro andar n. I
Forlaram ao abaixo gassiguado
Jo3o Falqne urna carlsira conlendo2
rs.. meio bilhete da loterft da Concel
um quario da mesma lotera n.:
correo honlem : pelo qual roga tos
e cautelista) uao paguem dilos
abaixo assignado, assim como urna
de 709 aceita por Florencia HE
Joaquim Jos .Coi
O abaixo assignado avisa
es
un
1
1ro
to ao
quanlia
tei{o.
McUv.
raizo, primeiro carlorio de or-
tallar com Joaquim de tal Cima,
ellino Goncalo dotspirilo Santo,
lo ioleressa ao mesmo meuor.
dores que veuham ou rnandem
lano de contato Iivro cuino ^
presente met, alim de que se,
pregar os ase") indiciariosj
os leferidos dbitos.
W anligodg,
*aW Jaem-
ja fora^Terpm
fio pr
r


\
OIMIQ OE PERUMBUCO SEXTA FEIRA \k DE OEZEMBRO 1015
CONSULTORIO DOS POBRES
O miJA WOVA
r.l'. A. Le* Mosco.
al o ineiefK, id c.
recs-se igualmente pa
1 AMWAM ttOi
O Dr.l
maoba a ale
OffertM-t* igoUmenle para praticr qualquer operario de cirurgia, e acudir promptroenle a qual-
qoer mulhcr que esleja mal de parlo, e cujascireuiustaiiciasnitoperiuilUm. pagac ao medies.
HI.CHHDUHIO DO BR. f. L LOBO 90SC0Z0.
80 RA NOVA 50
SE O SEGUINTE :
Manual completo de meddicioa"homeopaUiica do Dr. G. U. Jahr, traducido em por
tuguei pelo Dr. Motcozo, qoalro volumes encadernados en dous e acompanhado da
om diccionario dos termo* de medicina, cirurgia, analomia, etc., etc.
1 D.i^ ..I,... i> ., le iMnnvian la, >4a t itA a a a >** 1 ^ __ _____a

que
Esta obra, a maisimportante de todas as que Iratam doe>tndoepralicadahomeopathia,por|ser annica
contara abase fundamental d'esla doutrinaA PATHOGENESIAl
'20000
annica
0UEFFE1T0S OSMEDICA-
a/endaj jj senhores deenirenho que esiao lonce dos recursos dos mdicos: a lodosos capilaesde navio,
que unja )iltrl vez nao pniiem denar da acudir a qualquer incommodo sen on de seus tripulantes :
ilia qun por circunstancias, que uam sempre pndem ser prevenidas, sao|obriga-
dos a prestar fn conlinenli os primeiros soccorros em suas enfermidades.
O tade-raerarn do homeopata ou tradcelo da medicina domestica do Dr. Hering,
obra tumbara ntil is pessoas que se dedicara ao estndo da homeopathia, um volu-
me grande, acompanhado do diccionario dos termos de medicina...... 10J000
O diccionario dos termos de medicina, cirurgia, analomia, etc., ele, encardenado. 3*000
Sem vi rdsdeiros a bem preparados medicamentos nao se pode dar um passo seguro na pratica da
homeopathia, e o proprietario deste estabelecimento se lisongeia de le-lo o raais bem montado possivel e
uincuem dtwida hoje da grande superioridade dos seus medicamentos
PRECOS INVARIAVE1S.
Boticas da 5* o o. 30' dynamisaco.'
12 tatos....................
24 ....................
De
De
De
De
De
36
48
60
Menores. Grandes.
. 8000 I09OOO
. 1SJ000 209OUO
. 209000 239000
. 25|000 309000
. 309000 339000
. 609000
19000
, . 29OOO
29OOO
De 144 ...............
Qualquer dstai boticas em lindura], o doltro.
Cada tubo avulso............
Meta onca le qualquer tinctura da quinta dynamisacAo
Um frasco da verdadeira lindura de rnica ....
la mesmacasa ha sempre veada grande numero de (unos de cryslal de diversos tamaitos,
vidrospara medicamentos, e aprompte-se qualquer encommenda de mediramenloscom toda a brevida-
de e por presos rnnito commodos.
TRATAIEMTO hIiOPATHICOT
* Preservativo e curativo
DO CHOLERAMORBUS.
PELOS DRS.
?M-^.M*.JaB2 E J^HR.1%,
ou intlruccio au povu parase poder curar desta enfermidade, administrndoos remedios tnais ellicazes
para ala/hi-li, emquaotoTserecorreao medico,ou mesmo para cara-la independente desle nos lagares
em que nao os ha.
TBADUZIDO EM POKTUGUEZ PELO DR. P. A LOBO MOSCOZO.
Estes .dous oposcoles conlm as indieaefies mais claras e precisas, e pela sua simples c concisa eiposi
5.I0 esta aoilcance de tedas as inteligencias, nio so pelo que dizrespeilo aos me ios curativos, .como prin-
cipalmente as preservativos que lem dado os mais satisfactorios resultados em toda a parle ero que
o:ies lees ihlo pollos em pratica.
do o Iratamenlo homeopithico o onicoque lera dado grandes resollados no curativo desta horri-
veleofermiiraile, jaleamos a proposito Iradusir estes dous importantes opsculos em lingaa veroecu-
li.lparadeH'irte facilitar a sua tai tara a qoem ignore o francei.
Vende-te nicamente no Consultorio do traductor, roa Nova n.52, por 29000. Vendem-se lambem
o-, medicamentos precisos e boticas de 12 tubos com um frasco de lindura 109000, um dito de 30 tubos
209090. ___________________
O SOCIALISMO
LO GENERAL ABRE E LIMA.
Viuda existen] algans exemplaresitnquadernsdos,
e acham-se a* venda na loja de litros dos senhtires
Ricardo de Frailas & G., esquina daruartoXollesio,
e em casa do notar, piteo do Collegio.casa amarella,
no primeini andar.
Precisa-ie de ama ama para ama casa de pou-
im familia: r a ptaca do Corpu Sanio a. 17.
Novo 1 vros de homeop Ihia em fraocez, sob
todas de sunioa importancia :
I lahnemann, tratado das molestias ehrooica, 4 vo-
lumes............ 209000
Teste, irolostas do meninos 69OOO
Herios, honoopalhia domestica.....79000
Jahr, pnanaaenpa homeopalhica. 69000
Jahr, novo manual, 4 volumes .... 169000
Jahr, molet lias nervosas.......69OOO
Jahr, moleiliasda pelle........ 89OOO
Kapon, historia da homeopath a, 2volumes I69OO
llarlhmana, tratado completo das molestias
dos meninos...........
A Teste, materia medica homeopalhica. .
De Fayolle, doutrina medica homeopalhica
Clnica de Slaonati .......
Casting, verdide da homeopalhia. .
Diccionaric deNysten.......
Alllas compiti da analomia eem bellas es-
tampes coloridas, oontendo a desrripcan
le lodas as partea do corpo humano .
vedem-se tndueeslea livros no eonsallorio homeopa-
Ihieo do Dt. tobo Moscoso, roa Nova n. 50 pri-
meiro and ir.
lOJOOo
89000
79000
69000
49000
IO9OOO
309000
CONSULTORIO CENTRAL
BOIffiOPATHlCO.
Gratuito para os pobres.)
llua de Santo Amaro, (Mundo-Vovo) n. 6.
O Dr. Jabino Olegario I.udgero Pinho di
' consol!; s lodos os das des le a 8 horas da
m roanhSa a'. ae 2 da larde.
Visita os enfermos em sitos domicilios, das
2 horas em diante ; mas em casos repentinos
|#dMBle le alias agudas agrave* aa visitas serao
^^^Bi qualquer hora.
Ai molestias nervosas merecem Iralameplo
especial segando metas hoje aconselhados
pelos pradeus modernos. Estes meios exis-
lem na consultorio central.
SOBOHlHBOrJSOrJBftfti
REPMTORIO 110 MEDICO
MOMEOPATHA.
EXTRAHIDO DE RHOFF E BOEM-
NINGHAUSEN E 0UTR0S,
o posto em ordem alpltabelica, com a deseripcSo
abreviada de todas as molestii 1, a indicacA pliysio-
logiea e lliernpealica de todos os medicamentos ho-
meopalhic(, seu lempo de aejao e concordancia,
seguido ale um diccionario da signiticacAo de lodos
os termos'de inedicltaa e cirurjjia, e posto ao alcance
das primal, do povo', pelo
DR. A. J. DE MELLO MORAES.
isoignanles podem mandar bascar os seas
1, assiracomo quein quir comprar.
Masa adamtnlina.
mente reconhecida a eicellencia desta
para chumbar dilles, porque seus remi-
re felitea sao j 1I0 dominio do publico.
o>o de Oliveira taz oso desla preciosa
1 o lira indicado, t as pessoas que qaize-
Ic dispondo de tes servijos, podem pro-
.travessa do Vicario n. 1, lojudebar-
Os Srs. 1
eietn piare
Hegerui
prepara**
lados semf
Sebasto J
inassa, par.
rem honra
cura-lo na
beiro.
Illm. Sr. presidente e raais merobros da com
missio de llyjiene desta profincia.Diz Paulo Luiz
'jaiKooai, 1 solista francez, que precisa n bem de
mu dswilo, Vs. Se. lerem servidos examinar a pre-
parando de que se serve para rhumbar denles, e de-
nomiuou matsa adamantina, itm ordem de verificar-
no qoo a dita preparacao dinero inteiramenle de to-
das as eont eddas. Pede a Vs. Ss. sejam servidos de-
ferir-lbe orno requer.E. Me.
Paulo r.uiz Gaignoux.
X masa denominada pelo sopplirante- Adaman-
tinae po- elleapreseniada i comoiisiao de hygie-
ic publica. illfere de todas as apresentadas netsa
tnetma occasiao por outroi; sendo a confrontarn
feila na presmea de todos. Sala das seasoes da com-
misaSo 30 de julho de t853.tr. A. Fonaeca.
: DENTISTA FRAKCEZ. S
PajiloOaigoont, denlta, esttbelecido na
roa laigit do Rosario o. MJ, segundo andar,
colloca denles com a prest ao do ar, e chumba 0
denles com a mapa adamantina e outr'os me-
taes.
411
mnmw pernairl^ana.
Atlireccao pede aos Srs. accionistas se dignem
realisar a ultima prestacio di 15 o"' ate o da 15 do
mez correrte.
t J. JANE, DENTISTA, ;
contina a residir sarna Nova n. 19, nrimei- #
ro andar. Z
#
Us) seda (raneas inai linda,
De cores variis e bellas,
A Ivas qual nev tni para,
V erdes, zoes e a marews.
I'raro.as hloproprias para a fesla
Mn as adiis, nao ;
Adiareis a baixos prero,
jPb leja de Harrea & Irn
le Rosario n. 38, :uotoa blica.
~ DO RIO DE JANEIRO.
da os no vos bi I lie tes da
rodo San-Pedro de Al-
iberia correr 3 ou "4 do
AetHt
lotera 7
cantara,
nacis^Nll,S^SA1S.2P"^l^0,J^,0 vaP?r
os prefaips sao
mesmai mas.
IR, a 18 ou I!
<* a' disliibui^o das
i
0 NO CONSULTOR Ib
HOM^OPATHICO DO
DK. CASANOVA.
28. Ra das Cruzes 28.
fff lia sempre grande ortimento dos mais
Mk acreditados medicamentos homiropalhicos,
2 carteiras de lodosos tamanhos, e muilo
A mais em cania do que em outra qualqu
2a Prle.
(Os pobres Iralam-se de grata.' 99
Precisa-se fallar com o Sr. Manoel Mendes
Ferreira GuimarSes, ou com pessoa encarregada dos
negocios do mesmo : em casa de Paln Nash & Com-
paitltia, ra do Trapiche Novo n. 10.
Qoem precisar de um rapaz de boa conduela
para qualquer arrumaco commercial, oqoal cuten-
de o idioma francez, dirijasp a loja o. 3 prxima
ao nrco de Santo Antonio, a fallar com Gnilherrre
da Silva Uoimaraes.
Aluga-se um sitio com boa casa de sobrado, a
qual lem mullos commodqs, sita na povoacao do
Monleiro ; a tratar na ra do Trapiche n. 1 i.~
Aluga-se o segundo andar e solio da ra do
Visario n. 29, pintado de novo ; a tratar na ra do
Collegio n. 16, terceiroand.'.r.
Precisa-sealugsr urna prela captiva que saiba
cozinhar : no aterro da Boa-Vista loja n. 18.
COMPRAS.
Compram-se escravos de amlioyos
sexos, assun como recebem-se paraseven-
der de commissao: na ra Direita 11. 3.
Compra-se om mualo de 18 a 25 annos de ida-
de, sadio e de boa lisura pira pagem^sqoe lenha al-
gum oflicio, prefere-se sapaleiro : na ra da Madre
de Dos n. 36, primeiro andar.
Compram-se dais casas terreas, que sejam no
bairro de Santo > ntonio, prefere-se em chao pro-
prio : qaem liver dirija-se a ra do Kaogel o. 23.
Compra-se' urna casa terrea que esteja em bom
estado, e seja na fregueaia de 'Sanio Anlouio on S.
Jos : na loja da ra do Crespo n. 12.
Coropram-se 2 rasaes de gaaejos : na ra da
Cadeia, loja de fazrndes de Racha & Lima.
(;ompra-se um boi manso, que leaha servido
em carro on carfece, eseja novo : nn ruhJHova, loja
daferragens n. 39.
Compra-se umo escrava criotilat com
habilidades: a tratar na Captinpa, casa
da esquina da ra dos Deoses, ou na ra
do Qucimado n. 7, primeiio,andar.
Compra-se um cavallo para cabrio-
let: atssiz dcfllieatro, arraazemde laboas
de pinho.
r j # f>
Compra-se nm par de banquinhas de qualquer
madeira, estando em bom eslado : na ra Direita
n. 2*.
-----
VEeVDA.
Vende-sa superior fumo da Ierra em folha
para charutos assim como da Babia pelo commodo
preco, cigarros de palha de mlltio de >S. Paulo os
maii modernos que ha 00 mercado, e charutos de
todas as qoalidades : na roa do Itangel n. 2.
Vende-se
tima carrocha .de ditas rodas com arreios
e em muito bomesli.do para um cavallo:
na ra da Cade do Recife n. 26.
Veude-se
um carrinlio elegantedequatro rodas pa-
ra um on dous cavallos, e tins rreio no-
vos para um cavallo:* na ra da Cadeia
do Recife n. 26.
GUARDA NACIONAL, i
Acha-se a venda 110 pateo do Carmo 11. *gk
9. primeiro andar, o MANUAL DO ^T
GUARDA NACIONAL, obra inleressante 0
a lodos 01 senbores olliciaes e gaardas, e /AS
mesmo aos Srs. advogados por conter lo- /
dasasleis, regulimenlos, ordens e avisos S*}
concernenles a mesma guarda, desde a Z
creacao da le n. 602 de 19 de setembro de 1830. al 31 de dezembro de 1831, acom- g)
panhado de um importante ndice. Ha en-
cadernadoi e em brochura. f*[*)
PECHINCHA.
Na roa Nova, loja de selleirn n. 47, ha urna por-
cao de oculos de arraacao de ac lino, para toda, as
vistas, e com especialidade para miopes, pelo insig-
nificante preco de 500 rs. o par.
Vende-se umi propriedade com chaos pro-
pros na cidade de Olinda, na roa do Cabra I: quero
a pretender, dirija-se mesma ra a Iralar com a
proprielarii na casa do Sr. Manoel Legada.
Vende-se milito muito novo a 58120 o alqoei-
rc, medida velha ; a bordo da barcaca Diligencia,
no caes do Hamos.
Piarnos
tes.
ellega
n-
No escriplorio de Domiugos Alvez Malhous, na
roa da Cruz 11. 54, ha para vender ricos e eldan-
les pianos com ezcellenles vozes, vindosde Hambur-
go pelo ultimo uavio, por procos mais mdicos do
que em outra qualquer parle.
Vende-se um rico piano de Jacaranda, aulor
Ilroadwood & Sons, no silio do Sr. Carlos Thomai
Poingdeslre, em Sanl'Anna, por prec,o commodo,
visto o dilo Sr. retirarle para Europa.
Tijolos de marniore.
Vendem-se lijlos de marmore : ero casa dos Srs.
Basto & Lemos, ra do Trapiche 11.17.
Cortes de seda.
Vendem-se cortes de seda escoceza, muito supe-
rior, de quadros asseliuados : na roa du Oaeimado
n. 21.
Sedas furta-cores de lis-
tras miudasa 1,200
. q covado:
vende-se na rua do Queimado n. 21.
Cebolasv
Vendem-se ceblas chegadaa nltimameitlc de Lis-
boa no patacho Brilhame: na Iraveisa da Madre de
lieos u. 16, armizem de Agoslinlio Ferreira Senri
Goimarfles.
Vende-se ama morada de casa, sita na rua Im-
perial n. i i : a tratar na mesma casa.
CARRILET DE PATENTE.
Vende-se umcabriolet descoberto, pa-
tente- pglez, em bom estado com arelos:
na rua da Trapiche n. iO, segundo an-
dar.
i\a rua JYova
n. ttM
acaba de ifcalter um lindo sorrimento do corles de
seda brancos e de cores para vetles, ricos eofeiles
para cabrea, rico chales de retroz bordados, cha-
peos de seda para sennora, rotueras muilo linas de
relroz e de lit de linbe bordado, ttdhos de tilo de
linho muilo linos e d" ultimo goslo, lencos de Ires
ponas de relroz bordados muito riese.
A la moliere
m
Clteaoa ollimamente i teja franeeza da rita Nova
n. 10, om lindo sorlimenlo de calcado francez para
homens, romo sejam: betim de berro, borzeguins
de lastre, saphloes de'eouro de lustre, chapeos de
castor braucus finos, tilos de fettro brancos e prelos.
Muito barato.
Cnileles feilos pelo diminuto preco de 1g600 ou
cinco patacas cada um : na roa Nova n. 10.
Faz gosto com-
prar-se.
LKJUIDACAO.
O arreoulante da bem conhecida loja de miude-
zai da ru dos Qoarleis u. 24, querendo acabar em
pouco lempo com as iniudezas que dita loja conlm,
v-ie toreado, a vender barato, e lito barato que mui-
la coala far mesmo a alguina pessoa qoe queira ne-
ociar.
Par de catanga* de porcelana douradns
_paraeufeii.es de cocilos 288 Libra de cordio brinco para vestido 9300
Kiinssiino lacra encarnado, a libia 21506
Papel de cor om massinho com 20 quadernes 600
Boloes Lencos de cassa para menino., a dozia 29000
Fila de seda lavrmla, larga, a vara 500
Uila de dita escoceza, o inethor nesle genero 9.50
Tesourai eutrefims, a duzia 560
Kicas trancas de seda branca e de core,
a rara 100
l.ova. para meninos, o par 400
Uonecaa de camurca com pe oleados de ca-
bello natural, diversos tamaito*, a duzia 49000
Ricas lilas de velludo de ludas as cores, a vara 400
Toalbas de linho para mSos, uma 18000
Quadros com moldura doiirada e com sanios 100
Boloes de madreperola para palitos (aiioloaduraj 320
500
280
18000
320
400
S500
320
78500
160
240
240
320
Metas de seo prela para meninos, o par
Luvas linas de algodao para bomein, o par
Escovas para uuhaa, a duzia
Aboloaduras liuas para palitos
Di las brouzeadas
Agua de Colonia (do Piver) a duzia
Peules de bfalo linos para alisar
Lila de cores para boidar, ,t libra
Agu has em caixiuha
.Mi' a. parasenhura,u par
lillas prelas para lioineiu
Ditas ditas para senltora
e oulros moilos objecios inleiraroenlc indtspensaveis,
que se vendem por lodo preco para acabar-se com a
casa.
Ven de ni-se
na uova loja da rua larga do Kosario n. 35, diversas
iniudezas e quinquilleras por prego muilo barato,
assim como : baiaios grandes c mais pequeos a Is
e 28,boneles de velludo com atauuia avaria a 240 ca-
da um, luvas de pellica amarellas e brancas a 240 o
par, meias de algodao prelas a 200 rs. o par, pililos
de denles o masso 100 rs., cunta* amarellas de aljo-
fare, na.o de 100 lios 500 rs., trancas lisas e de
caracol a 50 e 100 rs.a peca, ditas mis filias de 18
varas a 200 rs., Irancelius de borracha prelos a 100
rs., atacadores de seda prelos pra borzeguins a 100
rs., luvas pretas de torgal bem feilas a 800 rs. o par,
vollas de pescoco muilo proprias para escravas a 200
rs., briucos prelos em caixiuha, cada par 300 rs., ro-
zelas prelas dila, novo padrilo a 400 rs., enlxeles pre-
t'i-, a ramulla 70 rs., tranceln* de relroz prelos e
de cores a 40 rs. a vara, fio de sapaleiro, o novello
20rs., a libra 400 rs., ara ailada para bolar em es-
cripta, a libra a 80 rs., brinco* de aljofares encar-
nados mu proprios para escravas, o par 200 rs., cai-
ta de metal priucipe fino para rap a 240 cada orna,
boloes lino* dourados para pasero, a duzia 200 e 400
rs., alllneles prelos de vidro a 100 rs., medidas de
marroquim numeradas para alfaiale a 160 rs., cha-
ves de relogio a 500 n. a duzia, uma 80 rs., papel de
peso marca vapor a 60 e 80 rs. o caderno, almaco
bom a 40 e 60 rs., suspensorios mnilo elsticos para
escrotos a lff cada um, franjas para loalltas on pan-
nos de prela* a 200 rs. a vara, rosarios brancos e de
cores, a dozia 210, paulas a 30 is., cuntas de missan-
ga azul e encarnada, masaos, canelas ordinarias e li-
uas, boloes de oVo prelos e brancos, linos, para rou-
pas feilas a 160 rs. a grosn, rozeladouradas linas de
novos padrees a 800 o par, livelas para cabecadas;
pennas douradas, el.-.
Vende se um escravo de idade 18 annos. muilo
fiel e sadio, de bonita ligara e possanie, com prin-
cipio de marcineiro, emende de cozinha, ptimo pa-
ra pagem, boheiro ou armazem de assucar, padaria,
etc. : na rua de Hurtas n. 82.
Rap francez.
O verdadeiro e genuino rape francez,
dewj ter preferencia sobre outro qual-
cjtter rap, tanto pelo seu simples e agra-
davel aroma, como pela sua qualidade
liygienica. visto nao ter a menor compe-
IjCao que faca damno as pessoas que del-
i fazem uso. Vende-se por 3.$200 risca-
dalibra, naslojasdosSrs. Moreira & Du-
atte, rua doCabugan. e Joao Cardoso
Ayres, rua da Cadeia do Recil, n. 41.
Graixa do ro
Grande em
Verr)o-s^>
n. 13.
i gas.
Cruz, no Recife,
armazert.
inezes.
Vendem-se na rua do .Queimado n. 21, e dao-se
as amostras com penhor.
^Rrins de vella: no armazem deN.O.
Rieber & C. rua da Cruz n. 4.
Cortes de seda
superiores.
Vendem-se corles de seda de quadros, estreitas e
largas, de muilo bous so*lo< e modernas, assim como
lenrostde cambraia muilo finos com bicos muilo lar-
gos, chales de 1,1a e merino, lisos, com barras de co-
res, lislns de seda e bordados, assim como oulras
tnuitas lizendas por preso muilo commodo, a di-
oheiro visla : na rua da Cadeia do Itecie, loja n.
50, defronleda rua da Madre de Dos.
1 olhiiiKia s
PAR 1866.
Estiioa' venda as bem condecidas fo-
Ihinhas impressas nesta typographia, as
de algibeira a 320 e as de porta a 160; as
dealgibeira alm do kalendario ecclesi-
asticoe civil, conten um resumo dos im-
posto* municipaes, provinciaes e geraes
aue affectam todas asclasses da socieda-
e, extracto dosregulamcntos parocliiaes,
docemiterio, enterrse sello, tratamen-
to de varias molestias, inclusive a do clic-
lera, contos, variedades e regras para fa-
zer manteiga e queijos de dill'erentes qua-
lidades, dittas ecclesiasticas ou de padre a
480rs. : vendem-se unicanfente na livra-
ria n. 6 e 8, da piara da Independencia.
Oracao contra a pesie e o cholera-
morbus.
Acha-sei venda na livraria n. 6 e 8 da praea da
Independencia um folhelinho com dillereules'ora-
coes coma o cholera-morbos, equalquer outra pes
te, a 40 rs. cada om.
Vende-se uma prela com ama crja ou troca-
se por um prelo possanie : na roa larga do Rosario
n. 4o.
Aos Srs. padeiros.
Vendem-se pus de tornear e de tirar pflo e bola-
cha, por proco muilo commodo, e fazem-se a volita-
do dosfreguezes : na rua da Florentina n. 3.
*- Vende-se milito muilo novo, lauto em relallto
como em alqueires velhos, por menos do que em ou-
tra. parte : no armazem de farinha do pateo da ribei-
ra de S. Jos n. 7.
Palitos francezes.
Vendem-se palitos e sobrecnsacns francezes de
panno fino preto e de cores, lodos torrados de seda,
a 209 : na roa Nova, loja n. \.
Chapeos para senlioras.
\ endem-se os mais modernos c elegantes chapeos
de seda e blonde para senhoras: ua roa Nova, loja
Coortes de ves-
tidos de seda
Furta-cores de quadros, o
mais lindo possivel, a
26,000 o corte :
na ma do Quaimado, era frenle do beceo da Con-
gregacflu, passaodoa bolica a segunda teja de fazen-
dai n. W, do Henrique & Sanio*.
Lindos corles de canas francezai, pelo diminuto
preco de 2920 cada corle, assim romo bonitas ca-
misas francezes: na rua Nova n. 10.
Sal do Ass.
Vende-se a bordo de hiate Anglica : a Iralar
com Antonio Joaquina Seve na rua da Cruz n. 13.
Vende-se ou Sloga-se um moleque para lodo
servico : em Fora de Portas n. 37
Na estrada dos Afilelos, no silio da viuva do
Quinlella, ha para vender-se uoabom carro de 4 ro-
das, com 4 assenlos e os complenles arreios, por
preco commodo.
Vende-se uma casa na estrada dos Aflliclos,
feitio moderno, com pepueno silio : quem preten-
der, dirija-Te a casa confronte o becco do Espinhei-
ro, que achar com quem Iralar.
Veudo-se a taberna da rua larga dn Rosario
d. 9, quina do becco do Peiie Frilo : a tratar na
mesma taberna.
Vende se uma vacca sem cria : na roa da Cuia
n. 2, cocheira.
Na Uniao, rua da Cruz n. 40,
vende-se cognac de boa qualidide a I a dozia, p-
timo violto do Porlo a 19500, e bom vinho Bordeaui
pelo barato preco de 800 rs. a g.trrafa.
Aiod ie acha venda o cavallo bem conhe-
cida pela sua bondade, e por preco moito commodo:
na rna da Florentina n. 36.
Vende-se no paleo do Carmo, quina do becco
da Homba n. 13, vinho a 400 rs. a garrafa, dito de
Lisboa a 480, dilo da Figueira a 560, lingoicas a 320
a iiltra e a 400, farinha do reino a 120, velas de car-
nauba a 140, gomma, carne do sertiio c bolachinhas.
Alctria.
Vendem-se caixas com alelria prximamente che-
gada, muilo proprias para casas particulares, por
serem baratas: no armazem do caes da alfandesa
n. 7.
Vendem-se a preeps muilo commodos, os se-
guales objeclos: relogios de ouro patente, obras de
ouro de gosto moderno, melal amarello para forro
de navio, cemeulo romano muilo novo, pipas vasias:
Irala-se no escriplorio de Isaac Curio & Campanbia,
rua da Croz n. 49.
SAL
do Assu' de superior qualidade, a bordo do palhabo-
te Venuf, fondeado em frenle do trapiche do algo-
do; vende-se por preco commodo : a Iralar com
Caclano Cyriaco da C. M. ao lado do Corpo Sanio
n.25.
aos amantes dos
bous charutos
Na loja de calcado de Antonio Angosto dos Sanloi
Porto, na praea da Independencia n. 37 e 39, rece-
heu-sc iiltimainenle os verdadeiro charutos lancei-
ros, grandes, da acreditada fabrica de Casuiulio Filhos, du Porlo, de S. Feliz, da Itahia.
Doce.
Na rua do Qaeimado, loja n. 2, vendo- so doce de
calda seeco oe todas as qualidades de Trocla, muilo
bem feilo, nSo s as libras como em barrilinhos o de
calda, e o secco em bocelinhas enrolladas, proprias
para presentes.
COGNAC VEHDAEIRO.
Vende-se o verdadeiro cognac, lauta em garrafas
como em garrafoes: na rua da Cruz o. 10.
Bons gostos e de
boas qualida-
des.
Na rua do Queimado, nos quatro cantos, na segun-
da loja de l'azendas n. 22, dejronte do sobrado aroa-
rello^ vendem-se fazendas por presos que real-
mente fazem admirar ao publico : Panno preto
(iuissimo, prova de limito, para casacas e palitos,
pelos baraesimos precos de 2J500, 35500 e 5*000
o covado, caaemira prela de superior qualidade
a 29 e 29UIM) o covado, alpaca preta muilo lina a.
400, 500 c 600 rs. o covado, curtes de colleles Ac
fustoes da bonitas padioes e cores lizas a 700 c 900
rs., chales prelos de lia e seda muilo grandes a
2S80O, chapeos de sol de seda prstos e de cores, fa-
zeuda superior a 69500, camisas francezas pintadas
para hontem a 13280, riseados da India muilo linos
e largos e muslo bonito, para vestidos a 280 o cova-
do, selim prelo maco, fa/.enda muilo superior a 39
o covadu, sarja liespauhola muilo superior a 2,400 o
covado, merino muilo lino a 29000 o covado, meri-
no lelim o maii superior que pode haver e muito
proprio para palito a I96OO o covado, chapeos de sol
de pan ni nho a I96OO, cbilast francezas muilo linas e
largas, de novos padroes a 320 o covado, fil de li-
nho liso e com flores a 19 e 19410 a vara, luvas de
pellica de Jouvin para homem e senltora, chssjada
uo ultimo uavio francez a I98OO rs'. o par, lavas de
seda de todas as corea com belotas a 19280, camisas
de meia muilo linas a 19, luvas de fio da Escocia
brancas e de cores 400, 500 e 600 n. o par, msn-
las de seda para grvalas, pretas e de cores, muilo
boa fazenda a 19280, panno fino azal de superior
qualidade a 49 o covado, ricas romeiras de relroz
bordadas 119, lenciubas de relroz francezes
19280, cassas francezas muilo finas e de bonitas pa-
proes a 300 rs. o covado, cambraia linissima de sal-
bicos a 19 a vara, camisas* francezas muilo finase
bem feilas para homem a 29500 e 29800, corles de
cassas para vestidos de bonitos padroes e com 7 va-
ras 29 o corle, lencos brancos de cambraia de li-
nho muilo linos e grandes a 69 a duzia, ricos chales
de challv com listras de seda e bastante grandesia
89, ditos de merino muilo finos e lisos a 69, luvas
prelas de torra!, de Lisboa a 19120, chal y amarello,
fazenda superior e que muilo se usa para vestido a
800 rs. o covado, romeiras de cambraia com lacos
do ricas lilas de seda a 19280, grvalas de seda "de
bonitos padroes a 640, meias de laia para padres a
29 o par, cortes de casemiras unas e de bonitos pa-
drries para calcas a 59, hrinzinhos de linho de bo-
nitos padroes a 240 o covado, brim trancado de puro
linho e de bonitos padroes a 800 rs. a vara, lapim
preto finissimo, proprio para vestidos e batioas de
padrea 19280 o covado, riscadinhos francezes muilo
finse bonitos padroes a 210 o covado, meios lencos
pretas para grvala mnilo superiores a 19, lencos
brancos de cambraia muilo finos a.'iOOrs., canga
amarella muito superior a 320, meias brancas finas
para senhora a 210, 300 e 400 rs. o par, ditas prelas
umita-linas a 320, dilas para homem, fazenda su-
perior, sendo brancas, prelas c cruas a 240rs, o par.
Alm de lodas estas fazendas oulras muitas qoe s
visla das boas qualidades he qoe se pndem ver o
quanto sa"o baratas, nfiancando-se aos Srs. compra-
dores que nesle estabelecimenlo nao ha fazenda al-
guma que seja avahada, e sim Indo lem avaria, de
bons goslos e boas qualidades.
____ /
Cortes de cassa
fes-
para quem quer dar
tas por pouco dinlieiro,
Vendem-se corles de cassa chita de bom goslo .1
29, diloi de padroes francezes a29400, cassas rozas
para ataviar talo, dilas prelas de padroes miados a
29 o corte, alpaca tic seda de quadros de lodas ss co-
res a 720 o covado, lencos de bieo tanta pintados
como bordados a 320 cada um, grvalas de seda pa-
ra homem a 19 e 19600 ; todas estas fazendas veo-
dem-se na rua do Crespo n. 6.
LEONOR D'AMBOISE.
Vende-se o excellente romance histri-
co Leonor d'Amboise, duqueza He Breta-
nha, 2 volumes por l.sOOO rs., na livraria
n. 6 e 8 da prac_ada Independencia.
Vende-se cal em pedra chegada no ul-
timo navio de Lisboa, e potassa americana
da mais nova : no nico deposito da rua
de Apollo n. 2B, de A. J. T. Ba^sto &
Companhia.
Pratos ocos patentes ,
para conservar a comida
quentc: vendem-se a^oxa-
9a do Corpo Santo?, a'Wiia-
zem n. 48, de Hostron Ro-
oker #C.
Na roa do Vigario n. 19, primeiro andar, ven-
de-se farelo novo.chegado de Lisboa pelo brigoefi-
deranca.
AGENCIA
Da Fundicao Low-Moor. Rua da
Senzala nova n. 42.
Neste estabelecimento continua a ha-
ver um completo sortimento de moen-
das e meias moendas para engenho, ma-
chinas de vapor, e taixas de ferro batido
e coado, de todos os tamauhos, para
dito.
Moinhos de vento
ombombasderepuzopara regar tiortas e baiza,
decaptm, na fundicao de D. W. Boman : Dama
do Brarn ns. 6, 8 e 10.
ASSENHORES DE ENGENHO.
Reduzido de 640 para 500 rs. a libra.
Do arcano da invencao' do Dr. Eduar-
do Stolle em Berln, empregado as co-
lonias inglezas e hollandezas, com gran-
de vantagem para o melilota ment do
assucar, acha-se a venda, em latas de 10
libras, junto com o methodo de empre-
ga-lo no idioma portuguez, em casa de
N. O. Bieber & Companhia, na ruada
Cruz. n. 4.
Vendem-se em casa de S. P. Johns-
ton & C., na rua de Senzala Nova n. 42.
Sellins inglezes. r-
Relogios patente inglez.
Chicotes de carro e de montara. /
Candieirose casticaes bronzeado.%.
Lonas inglezas. f
Fio de sapateiro.
Vaquetas de lustre para carro.
Barris de graxa n. 97. f
Vinho Cherry em barr%.
Camas de ferro. f
Milho etn saccas
Vende-se muito supes,jor milho em saccas : n. rua
do Amorim o. 41, armaIem de Fraucisco Guedes de
Araujo.
Milho em saccas
Vende-se na rua do sneanlamenlo n. 76 A, mllhe
em saccas, de superior qualidade, por preco com-
A boa fama
VENDE BARATO:
Lencinhos de relroz de lodas as cores para Desco-
jo de senhoras e meni uafi pc| barllo preco ^ jj,,
baralhos 4* cartas hus gimas francezas paravoltarete
a o60, tooTas de 13a pa;ra nhoras e meninas a 640,
lavas mnito finas de t",0 da Escocia brancas e deco-
res psra homem e se*n|,oras a 400, 500 e 600 rs. e
par, meias brancas/ e ^ruas para homem, fazenda
muilissimo superior a 160, 200 e 210 o par, luvas de
pellica de Jouvin blancas e amarellas para homem
e senhora a 1900 r, par, camisas de meia moiloili-
nas e de pura lila psra homem a 3000 rs., dilas de
algodio muitissimo .Jims a 18 e 1200, lesouras mni-
lo linas para papel a -,8500, ditas superiores para
barheiroa 100, taque muilo linos a 39, ricas abo-
loaduras para colleta de- madreperola e de melal a
500 rs., dilas para palitaisa 600 rs., caisinhas com
phosphoros proprias para charutos a 20 rs.. ricos jar-
ro* dourados de poreelan:, para flores de diversos l-
mannos e precos, rica fyaas de leda lavradas e lisas
de todas as cores e largor. as. eseovas flnlssimas para
roup.i, dilas para cabello. (raneas de seda de boni-
tos padroes de diversas I** rgoras e cores, navalhas fi-
nissimas para barba, can-'veles nisaimos e de todos
as qualidades, bicos linos de linh*ddbonitos padres
e diversas Isrcuras, ricas franjas d algodao brancas
e de cores para cortinado lesooras para costura as
mais finas que he possivel' encontrar-se. e oulras mui-
lissimas eoosas que ludo M vende por lAo baratos
precos qoe aopropriosc ompradorescaaia idmira-
to: na rua de Queimai |0, nos quatro cantos, na
bem conhecida loja de mi udezas di Boa Fama o. 33
Sal do Assu
Vende-se sal do Ass d) ,e superior qualidade a"M
do do brigne^iWir Deslf %p : a Irttar no escriplo*
oel Gonralv da Silva, ou bordo cor*
A boa fama
19100
1280
19000
19280
248
560
100
160
280
160
240
320
240e300
M ,. ,_ VENDE BARATO :
Libras de liabas brincas us. JO, 60, 70 e 80
Libras de ditas es. 100, 120 '430
Outus de lesearas pasa costa rs
Dozia de ditas osis finas
Maco, com JO e 60t.ec.ai de cordao
Para vesl-___|
Pecas com 10 varas da breo direita
Dozia de dedaes para senhora
Caisinhas con agu lias francezas
Caiascomienovf asd# marcar
lirozai de boloes para ca___TB_|
l'ulceiris encarnadas psra meninas
Hilas grandes para senhora
Pares de meias linas para senhora a
Meadas de linhas muilo finas para bordar 160
Meadas de linhas de peso jqq
Crozas de boloes muilo fines pera calcas M
Babidos de linho iberios e bardados 120 e MIT"
Cirleirai linas de marroquim para algibeira 600
r ivelas douradas para calcas o collele 20
lioleirose arseiros de porlaaa,u par 500
Charuleiras entre finas \-%
Ouziassle torcidas b. para randleiro 80
Feotes de verdadeiro butilo ara alisar 300 e 500
reca com 6 112 varas de tila branca de linho 50
Laizascom clcheles trancen* a
aLLairr^*1111" dB 20 irti" d* bM
Ma>fDhos com 35, 40 a 4? grampas
Suspensorios, o par
Carrileisde lioliae de 100 jardas, aulor Ale-
jandra fQ
Alm de todas estas miudezas vendem-se o altas
muttissimas, que visla de kubs be qualidades e
baratos precoscausa admiraelo aos compradores :
na rua do Qaeimado, nos quatro cantos, na bem co-
nhecida taja de miudezas da Boa Fama n. 33.
Ruado Quei-
mado u. 1.
Chales de tooquim com ramos de seda Bastisades'
pelo baralissimo preco de 169,-aioalbado adamascado
com 8 palmos de largara, o qual se lem vendida por
:i-> a vara, por tei om pequeno loque se venda por
IjOO, corles de cassa chita tsotes fizas com 6
r-s por 19600 esda um, meias de la muilo eneor-
padss proprias para qoem piideeer do ritenmaliemo
por -28 o par ; alm destas ha ostras mu
das, que para acabar, se vndenlo par lodi
SVSTEMA MEDICO DE HOLLOWAY
/
70
60
40
Deposito de vinho de cham-
riagne Chateau-Ay, primeira qua-
idade, de propriedade do conde
de Marcuil, rita da Cruz do Re-
cife n. 20: este vinho, o melhor
de toda a Champagne, vende-se
a 56$000 rs. cada caixa, acha-se
nicamente em casa de L. Le-
comte Feron & Companhia. N.
$ B. As caixas sao marcadas a fo-
j|i goConde de Marcuile o* re
h tutos das garrafas sao azues.
A's senhoras de
bom gosto.
Verdadeiro bico de bloude blanco e preto, e bo-
nitas chapeos de senhora por preco muilo commodo.
A mesma loja acaba de reeeber muilos relogios
americanos pura cima de mesa, do ultimo goslo ; e
lambem relogios francezes com caita, por preco
muilo em eonla.
Vendem-se duas escravas, sendo uma linda
mnlalinha recolhida que cose e engomma bem, co-
zinha e de ptima conduela, uma negrinha de idade
de 18 annos, com principios de varias habilidades
na rua Direita n. 3.
Vende-se um carro novo de
quatro rodas, e de dous e e qua-
tro assenlos a vontade, muito
maneiro, vende-se um oulro
dilo churriao, muilo proprio
para o millo, para algum se-
nhor be engenho e por preco commodo: na rua
Nova, cocheira de Adolpho Bourgco..
Vende-se excedente taboado de pinho, recn-
tenteme cltegado da America : na r 11 de Apollo
trapiche do Ferreira. a enlendr-se comoadminis
Irador do mesmo. ,
Vende-se aro em cimbeles de um quintal, por
preco moito commodo : no armazem de Me. Cal-
moni & Companhia, praja do Corpo Sanio n. 11.
Vendem-se no armazem n. 60, di rua da Ca-
deia do ltecife. de Henry (iibson, os mais superio-
res relogios fabricados em Inglaterra, por precos
mdicos.
POTASSA E CAL YIRGEM.
No antigo e ja' bem conhecido deposi-
to da rua da Cadeia do Kecife, escriptorio
n. 12, ha para vender muito superior
potassa da Kussia, dita do Rio de Janeiro
e calvirgem de Lisboa era pedra, tudoa
precos muito favoraveis, com os quaes li-
carao os compradores satisfeitos.
FARINHA DE MANDIOCA.
Vende-se superior farinha de mandioca
em saccas que tem um alqueire, medida
velha por ogOOO res : nos armazens ns.
3,5 e 7, e no armzem defronte da porta da
alfandega, 011 a tratar no escriptorio de
Novaes & Companhia na ruado Trapiche
n. 34, primeiro andar.
Vende-se uma balanca romana com lodos os
seus perlences.em bom uso e de 2,000 libras : quem
pretender, dirija-se rua da Cruz, armazem n. 4.
FARINHA DE MANDIOCA.
Vendem-se sacra*grandes com farinha de' man-
dioca por preco commodo : para fechar cotilas : no
armazem de l.uiz.Ynnei defronle da Alfandege.
p 1 lulas j^m
Esta ineslimivelespecifico, composto iuleiranieu-
le de hervaa medieinaes, nao conlm mercarlo, aem
alguma oulra substaocts delecterea. Benigno a mail
leura rnfaucia, e a- complcicao mais delicada, lis
izualmeote promplo e seguro psra desarraigar e Bsae
us cumpleicao mais robusta ; he inleiramenle iuno-
cente era suasoperaces e elTeilos ; pois busca e re-
move lis doencas de qualquer especie e grao, por
mais inliuas e leases que lejim.
Enlre milhares de pessoas casadas con asi
medio, muilas que ja rstavan) as parlas d
preservando em seu oso, conseguirn recol
saude e torcas, depois de haver tentado
lodos os oulros remedios.
As mais ardidas nao devem enlregar-aa esespe-
raco ; facam uaa competente eosaio des alDeazes
elleilosdesta assombrosa medicin. e prestes recu-
perarlo o beneficio da saude.
Nao se perca lempo en lomar este remedie para
qualquer das scguiiileseiltarmidades :
Accideotesepilepliees. Febre toda especie.
m
doSj
Al p oreas. Gola.
Ampolas. Heniorrhoidas.
ATeias (mal d'). 5 Hydropisia.
Asthma. Ictericia.
Clicas. Indigestoes.
Coo valsos. BBBBBBBViaeeS.
Debiii*,..; ai BBBBBBtridide damens
cao. aaaaaaWso.
gas ^ lodaespe-
ie-pedra.
^^^Hl aa culis.
|t,ir de aati; Ib de enlre.
rousumprao
V*
(^>&uia
VENDE BARATO:
Ricos pcnles de tnrlaruga | ara cabera 19300
Ditos de alisar lambem de tartaruga .'CSOOO
Ditos de marlim lambem [ ira alisar 19400
Dilos imitando tartaruga | ira cabeca 19100
Lindas meias de seda de c res para crianzas 19800
Meias pintadas fio da Escocia para crfancas24Oe4O0
Bandejas grandes e de pinturas finas 39000 e 44000
Papel almaco grevee paol ido, resma 49000
Peonas linissimas bico de anca.groza 1>-200
Ditas mullo boas sem ser e laora.sto? 640
Oeolos de armario de ac spm graduac.oes 800
Lunetas com ermaco de rrlaruga 19000
Dilas coro armactlo de bu alo 500
Tnucadoresde Jacaranda coro bons espelhos 35OOO
Meias de laia muilo superiores para padrea o000
Kicas bengalasde canna c->m lindos castOes 29OOO
Dilas de junco com bonilt 1 casloes .300
Ricos chicles para homem e senhoiva^Hk f >j'>00
Meias prelas de algodao para padreflH gorj
Grvalas de seda de lodas \i cores ^^is e 190(|
Fitas de velludo de lodas *\tasf*r*+gtrf&t 320
Atacadores de cornalina para casaca 400
Ricos reloginhos para cima .de mesa 43000
Suspensorios finos de borracha, n par jqq ^qq goo
I '500
Dureza no venlre. -"io domina.
Enfermiddes no flgad*o. Rhettmalismo.
o venreas. y Symplomas secundarios.
wB*iaMueoa.a. Xemores.
ErxsipeTlT '.-X, 1. \ Ticodoloroso.
Febres biliosas. -~-
inlermillentei. .------,
slasai
de Londres, 244, Airona, e na loja de todas^
boticarios, droguistas e outra pessoas encarreaadU
lies,1anh,da "" Ud* Aro*"CI dI- Haa e
Vende-se as bocelinhas a 800 rs. Cada ama delta
conlm urna inslruccita em poriusuez para explicar
o modo de se usar deslas pilla-.-.
O deposita seral he em casa do Sr. Soura phar-
macealtco, na rua da Cruz n. 22, em Per na m-
610
700
rola para e.i-
19200
muilas cou-
fa/ admirar:
nlos, na loja de
Rape.
Vende-se o verdadeiro e multa fresco rap Paulo
Ordeiro : na rua larga do Kosario n. 38, junio a
bolica.
Chales de merino' de cores, de moito
bom gosto.
Vendem-se na rna do Crespo, loja da esquina que
Milla para a cadeia.
Vende-se Un bom cahriolct dcscoberlo com
arreios, e lambem um carro de 4 assenlos, novo.com
arrcioSttudo visla de quem quizer se tentar, lano
mais porque o preco he razoavel ; ua rua Nova, co-
heira do Sr. Ouinleiro.
CASEIIRA PRETA A 4*500
0 CORTE DE CALCA.
Vendem-se na rua do Crespo, loja i a esquina que
volta para a rua da Cadeia.
VINHO XEREZ.
Vende-so superior vinho de Xerez em barris do
1j4, emeasa deE. H. Wyatt: rua do Trapiche
n. 18.
Pipas
vasias.
Vende-se porc.no de pipas visias proprias para en-
cher de agurdenle, a preco de 179 cada uma : a
Iralar no escriplorio de Minoel Alves Guerra, na
rua do Trapicho o. 14.
Esguiao de linho
e algodao,
muilo superior, com II varas a peca, por 39500:
vende-se na rua do Crespo, loja da esquina que vol-
ta para a rua da Cadeia.
0
POTASSA BRAS1LERA.
Vende-se superior potassa, fa-
bricada no Rio de Janeiro, clier
gada i ecentemente, recommen-
da-se aos senliores de engenhos os
8eus bons elidios ja' experimen-
tados : na rua da Cruzn. 20, ar-
mazem de L. Leconte Feron &
Companhia.
a l-flOO RS.
Vendem-se palitos de alpaca
Cadeia do Kecife n. 3,
prela ; na rua da
COM PEQUENOTOQIJE DE AVARIA-
Indiana de quadros de sedae algodao,de
muito bom gosto. a 520 o covado.
Vende-se na rua do Crespo, loja da esquina que
volta para a roa da Cadeia.
A3$500
Vende-se cal de Lisboa ltimamente chegada, as-
sim como potassa da Kussia verdsdsirau na prac,a do
Corpo Santa n. 11. I
/
Pentes muilo finos para suissa
Eseovas muilo finas para cabello
Capachos piulidos muilo bonilos
Bolftes finissimns de madre
misa, a groza
Alm de ludo islo ven
sas, que visla das qual
na rua do Qaeimado. ni
miudezas da Boa Tama
Taixas parami umoss.
Na fundicao' de ^Rrro de D. W.
Bomiann, na rua do Brum, passan-
do*T> chafariz continua haver um
completo sortimento He taixas de ferro
fundido e batido de |0 a 8 palmo* de
bocea,-as quaes. acham-se a venda, por
preco commodo e c**ni promptidao' :
embarcam-se ou carr^gam-se em carro
sem despeza ao comprador.
Gomma excel-
lente.
Vendemse saccas com encllente gomma pira en-
gonimar.muilo.alva; na coa da Cadeia do Recife,
oja n. 50, defronle darua da Madre de Dos.
SJB.0,00.
Vendem-se excellentes
chapeos de castor branco,
de bonitas formas, pelo ba-
rato preco de 5,000 ris:
na pra9a da Independen-
cia ns. 24 e 86.
chitas; hespanholas.
Chitas de padroes os mais liados que lem viudo a
eita mercado, e modernas, do ultimo goslo no Rio
de Janeiro, thegadss pelo ultimo vapor, e se ven-
dem as tajas segoinles : rua do Crespo, Campos &
Lima, roa do Queimado, Goimaries & Bastos, rua
do Crespo, lose tioncalves Malveira, roa da Cadeia
Rocha A Masa, dem, Narciso Mara Cirneiro, dem,
Cunta & Amorim, idem, Manoel Ferreira de Si,
rus do Oaeimado. Manoel Jos l.eile, idem, Faria
i Lopes, idem, Rodrigues & Lima, idem, Bezerra
& Moreira, rua do Crespo, Antonio Genralvea de
Oliveira, idem, Siqueira & Pereira, roa da Cadeia,
Ferreira & Matheus.
\ende-se por qualquer preco uma poreflo de
pe de pioheira de muito boa qualidade, e que se
acham em eslado de Irasplantar-se : qnem precisar,
ditija-se a estrada dos Afflictos, sitio defronle do do
finado Joaquim de Oliveira, a qualquer hora do da.
Lindos cordoes de ca-
bellos.
Vendem-se ricos cordoes de cabellos elsticos, li-
so* e enfeilsdos, por baralissimo preco : na loja de
miudezas, na roa do Qaeimado n. 63.
Aterro da Boa-Vista n. 8.
Veodem-io liiscoilos aglczes muilo fios, em li-
las grandes, pelo dlaai'nuto preco de '9000 a laia,
chu da India chegado ltimamente, o mais superior
do mercado, manteiga iogleza primeira qaalidade,
c ninilos oulroi generes, por preco muito commodo,
pata acabar.
buco.
Navalhas a contento.
Na rua da Cadeia do Recife o. 48, primeiro an-
dar, escnplono de Angosto C. da? Abroa, conli-
ouam-se a vender a 89000 o par (reco rho, as la
bem coiihecidas e atamadas navalbs'de barba feitas
pelo hbil r.ibncaute que tai premiado na esjoacao
de Londres, as quaes alm de durarem ezlraardiua-
namenle, naosesenlem no rosta na aceita d csJlrt
ve.,dem-se com a eondicJIo de, Mo aaradaudo, po-
derem os compradores devolve-la, at 13 dias depois
pa compra reslilaindo-se o importa.
CHAROPE
110
BOSQUE
0 nico deposito continua a fer na bolica de Bar-
lliolomeu Francisco de Sansa, na rua largado Basa-
rlo n. a; carrafas grandes5*500 e pequeas3000.
IMPORTANTE PARA 0 PCBIM
1 ara cura de phlisica em todos os seo diflerenles
araos, quer motivada por constiparfies, losse. asth-
ma.jpleunz. escarros de saBgue, dr de costados e
petlo, palpocao no coracap, coqueluche, hronchile
dor na garganta, e lodas as molestias dos orsos pul-
inaniraa
IR
/
mouares.
Relog-ios
cobertos e des-
cobeptos,
de ouro, patente inglez.
Vendem-se no escriplorio de SouUtail Mellor ri
Companhia, na rua da Cadeia do Recite o. 36,- os
mais superiores reloaios cobertos e eesoobertos, de
ouro, patenta ioalez. de um dos melhores fabrican-
tes de Liverpool, viudos pelo ultimo piquete inglez
VARAMMS E GRABES.
lm lindo e variado sortimento-de modellos para
varandas e gradaras da gosto msdernissimo : na
fundicao da Aurora, em Santo Amaro, ano deposi-
to da mesma, na roa do Brum.
Uniao, na rua da Cruz n. 40,
lia para vender om sor limen ro de conservas linas co-
mo pilis pois, sardinel,.asperges, laogae de buf-
pale de feiesancisses/beafstitak, chaponneaa aa jam,
bon, poulel au ju d'crevisse, triandeau da veau ;
assim coma diversas qoalidades de viuhos, como
Champagne, Xeres, Madeira, Porlo de ptima qua-
lidade, vinho de Franca branco amigo) e tinta, di-
versos licores, hummel, etc., cognac eniarralado ;
lambem ha peliscos acetados ao modo europeu a
qualquer hora.
LIQUIDACAO. \
Na anllga e bem conhecida loja de miudezas) da
rua dos QUarleis n. 24, vende-ae um completo snr-
limenlo de miudezas por menos do .que poder
comprar em primeira mo,que heparaliquidar-sei e
aliaiica-se a boa qualidade, ^t
Vendem-se sellins enm pertences pa\
late inglez, e da melhor qualidade que\
tuin vindo a este mercado : no armazem \
de AdamsOn Ilowie&C, rua do Trapi- "
che n. M.
WT CORTES TURCOS-
Vendem-se estes delicados corles ate c'sa prela
com pintas earmezins e Ihlrados, os roaWlindos pos-
siveif pela eua novidade de padrile
uas tojas dos Srs. Campos i Lima, rna do Crespo ;
Slanoel Jos l.eile, rna dp Qaeimado ; Narciso /
la Carneiro, rua da Cadeia, por preco muilo em /
conta.
a
PERN.: TYP. DB M. F. DB FARIa.
-'?-.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXUHYJ5EF_HLBDGO INGEST_TIME 2013-03-25T14:54:42Z PACKAGE AA00011611_00310
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES