Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00308


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO XXXI. N. 286
Por 3 mores adiantado 4,000.
Por 3 mores vencidos 4,500.
QUARTA FEIRA 12 OE DEZEMBRO OE 1855.

Por auno adiantado 15,000.
Porte franco para o subscripto*.
I
*
i
DIARIO DE PERNAMBUCO
r

ENLJ GADOS DA SCBSCR1PCAO'-
Recite, Bterio M. F. de Faria ; Rio de Ja-
le stiro, o Si Mo .Pereira Martina; Baha, o Sr. I).
Duprad ; Macei, o Seulior Claudico FalcSo Das ;
- Paralaba, o Sr. Gervazio Viclor da Nalividade ;
' Nttil, o Sr. Joaquim Ignacio Pereira Jnior; Ara-
csty, o Sr. Amonio de Lomos Braga ; Cear, o Sr.
Joaqetra Jos deOliveira ; MaraohAo o Sr. Joa-
qaim Marques Rodrigues; Piauliy, < Sr. Domingos
Uerculmo Ackile; Pessoa Cearens; Para, oSr. Jus-
lias J. Ramos; Amazona*, o Sr. JeroDymoda Coala.
i I

r
\
CAMBIOS.
Sobre Londres, de 27 1/2 a 27 3|4 d. por 1
a Paris 350 rs. por f.
Lisboa, 98 a 100 por 100.
Rio de Janeiro, ao par.
Accoes do Banco 40 0/0 de premie.
da Companhia de Beberibe ae par.
da companhia de seguros ao par.
to.de lellras, de 9 a 12 por 0/0.
PiME irricui.
METAES.
Ouro.Oncas haspanholas. 299000
Moedas de 69400 velhas. 16000
de 69400 novas, 169000
de 4000. 99000
Prata.Pataches brasileiros. 89000
Pesos columnarios. 29000
> mexicanos..... 19860
PARTIDA DOS COR 11 ElOS. AUDIENCIAS.
Olinda, todos os dias. Tribunal fio Commercio, quartas e
Caruarii, Bonito e Garanhuns, nos dias lelo. Relacao, terjas-feiras e sabaados,
Villa-Bella, Boa-Vista, ExeOuricury, a 13 e 28. Fazenda, quartas e sabbados ie 19 hora..
sebeados
J>'7.emb.
oas da semana.
Goyanna eParahiba, segundas e sextas-feiras.
Victoria e Natal, ata quintas-firas.
PREAMAR de iioje.
Segunda s 2 horase diminutos da man haa.
Prmeira s 3 horas el 8 minutos da tarde.
| Juiz do commercio, segundas as-10 horas e as
quintas ao meio-dia.
| Juizo deorphos, segundase quintasis 10 horas
1* vara do civel, segundas e sextas ao-Heio-dia.
I 2* vara do civil, quartas e sabbados ao meio-dia.
Segunda. S. Melchiadesp.;8. Eulalia-v. m.
;a. S. Daraazo p. ;S. Traaon m.
EPHEMERIDES. I
1 Quarto minguante aos 9 minutos e )0
40 segundoj.d* tarde. 11 Terca. ^
9 Lita nova** 7horas, 47 minutos N2 Quart a. S. Sereno eitor m. ; S. Opirnaco m.
e 48 seguidos da manbat, 13 Quinta .S.Luzia v. m.; S. Eutraeio.
16 Quarto crescentfas 4 horas, 36 14 g.xta. Ss. Pompeo e Druzo mm.
minutos e 40 segundos da manbia. 15 Sebbadft.8. Albina ro. ; 8. Eueebio m
23 Luacheia as8 horas, 18 minuto 16 Domingo. 3.do Advento. Ss. Ananias, Aza-
e 47 segundos da manha. as e Misael sum.; Ss. Noval e Cencordia.
QOVEaNU na. PROVINCIA.
Baya atado 41. 21) de owmbro.
OIHeioAo presidente da eomtoijio de I
publica.Em viola do que Vmc. ma roala era
tlido de 28 de crtenle,* pe*'B momento recebido.
curo.pr* que a commUsAo i* hygieue vi a bordo do
f'iritpama, a verilicejo ficto do que ae MU, e exa-
minar coca efTeilo o caiko cusiendo um cadver,
aeha-sa mesial <"" qu; suppoe*a coramisslo por
ouviriliztr. EentAoserAo dadas as providencia* que
tita lite-
2 daelezembro.
OffiexAo presidente da comraissSo de hygiene
pub'ici.Rtcebondo ueste momento o oflicio que
Vmc. nie remellen em dala de boje, danto parle
do tumo que a procedeu no caixSo que *e acha
a bordo do Pirapama, contendo um cadver embal-
stsaado, que esta disposicao do deserabargador Je-
ronymn llarliniano Figueira de Mello, lenlio a res-
ponder que compre que a commssAo de liygiene
depois df> oavir o uicsmo deaemliargador, resolva de-
iinilivnnieiile o que julgr convenienle salubrda-
de publica, devend a Hender que pelos exames fei-
tos se condecen qae o di lo caixAo uilo exhala cheiro
desagradivel.
OflicioAo Exm. director geral interino da int-
Irocjaj pablica, aecusando recebido o oflicio em
que S. Etc. parlicpou haver o delegado do dislric-
lo IIMorario da freguezia dos Afosados, admiltdo
por substitua da reapecliva profeaaora pablica du-
ranls r> neo impedimeolo de molealia, a irm,1a da
mesan, > declarando que approva semelhante me-
dida.
HiloAo inspector da thesouraria de fazenda,
aalorisando-o, a viata da ruquisirAo do commao-
dante da estafo naval, a mandar abonar a cada
um des coumiissarios dos navios de guerra da mes-
mo ealacao a quantia de iMI^OUO, que lltet dWer
ser ca regada no conapclenlelivro direcertadr-
pea de dialieiroa a baolu.t>p>mdbr.oii-ee ao re-
ferid cimmaadanie. I '
llilnAo cliefe de polica.Teudo-me o direclor
do arsenal de guerra fea ver a falta de coofciodos,
que ni) roeamo arsenal le di para oa Africanos bo-
raia alli depositados haj V. S. de os farer trans-
ferir em todo, ou en parle para o arsenal de man-
aba onds me parece que licarSo inelhor acoiu-
taialuj.
Diti>Ao joi relator da junta de juslirn, traas-
mittiudo para ta, o proceuo verbal do soldado do !). balaihao de
inlautariu Luir Antonio Xavier Machada.Partici-
pou- Oiln-..Ao director das obras publicas, aulorisan- L
de-e 1 elevar maisam luco o jornal eos serve-; jft
les da companhia de operarios daquella repar-
tico.
Diti>Aagwsdadireilode Pa d'Allio, dizendo
qu ana a^K*V^a|ue rumelle por copia do consv
llmiro preaidaule da reUfao, rtapoude ao ollicio em
qeeSnin. consiitla sobre dever ou nao 'tolerar, que
aejam (l-po>ilailoaye|der de particulares os valo-
ren dos quaalias ald Plaa nos diversos crimes, l-
tenla, a falla de cofre oa cmara municipal daquel-
la comarca.
DitoAoinspeetor da thesouraria provincial, de-
clarando que a despea com a viuda das irmaasde
caridndo deve correr por conla das eventuaes.
Dil>^-Ao mesmo, para que a vi'la do pedido
que rumatte, mande adisntar no thesoureiro pasa-
dor dii reparli{&o das otras publicas a quaeuK,
11:7901000 ris, para continuarao da obras por ad-
aninxl.ricao a cargo daquella reparligao nn crlenle
mez.l;ommuoicou-ie ao respectivo direclor.
DitoAo mesmo, dizondo que os '2:0B de que
traa o < flicio da presidencia de '1 de 'D4Hto "1-
Urooilevcm ser entregues a uin dos ageales p
res da rspartijao dasobiaa publicas, par esflfva-
los ao proprintuno Joao Mauricio de Barros Wan-
derley.Communicou-se ao respectivo detector.
Poi'tariaExonerando a Severino rfenriques de
Castr) Pimentel, do lugal de primeiro comnJInii-
tc da lerpeira compauhin do corpo de polica, e no-
nveando-o para terceiio^escriplurario do consula-
do pfcnv ocia!.Fizerain-se as ueceasarias commu-
"^icacnas.
\ Di- a>-Coocedbnilo ao continuo da repartirlo das
opra publica Josfi Ignacio Ribtiro. um inez de li-
Clmi; com vencimenlos p%ra tralr de ana saud
Eipedlram-se as necessarias couunonicates.
pilaMandando adr.iillir aolfcrvico do eiercilo.
Mine voluntario por esparo de aeia anuos o paisano
Andr Avellioo Sobre i ri de MMk que pecceber
aln doi vencimeulos que poc^Rte compettireni o
premie de 3OO3OOO.i'iieJ|Jk^b as necessari
cinnin nica cues
6
OflicioAo Exm.cooimaodaole superior da gu;
da nacional do municipio do Keeife, recommeadan-
do que combine com o naarecbal rommandanle das
ariMH, lehre o modo do sem iramlorno do eervico,
fazer mircliar para a frcele da igreja de S. Pedro
no da 8 do correle as 10 horas da manliia urna
a. para ssislir a festa de N. S. da Coiueir.io, I
qoe devera ler lugar na mesma igreja.Ofliciou-se
ueste sentido ao mencionado mareokel.
DitoAo Faiii. marechal cornmandante das armas,
dizeudo que vista da informarao do inspector da
thesouraria de fazenda, nao pode ler lugar o aborto
de ajoda de custo e bestas de bagagem, que pedio o
major Joaqun) Coelho Kelly no requerimento a que
se refere o oflicio de S. Ese. sob numero 1047.
DiloAo chefe de polica, inleirando-o de haver
expedido ordom a' lliesouraria provincial para man-
dar pagar an-almocreve Pedro Lopes, acuantia de
85OOU rea qoe, segunde a conta que S. S. remellen,
se despndeu com a condcelo para esla capital de
19 grauadeiras, i estoques e om facAo.
DiloAo presidente do conselho admHHrsIivo,
dizendo que visto nao haver no mercad abetos fei-
los na trra, pode aquelle conselho comprar do cal-
cado vindode oulraa provincias o numero de pares
que for preciso para completar os pedidos do arse-
nal de guerra.
DitoA o mesino, para promover a compra dos
objectos mencionados na relacao que remelle, os
qnaessao necessarios ao aftenal de guerra.Fiie-
ram-se as necesatrias commnnic(6es.
DitAo cipitao do porto, inteirando-o de
"oaerisado o inspector da thesouraria de fase
T.
Dito, Flix Jos de Freitas.
:!' companhia.
Capitn, Jos de Barros Madureira.
Tenante, Jos Norberto Casado Lima.
Alferes, Ivo Pinto de Miranda.
Dito, Candido Fausto da Silva.
Commanicou-se ao respectivo commandanle su-
perior.
DitaNomeando deconfurmidade com a proposta
do major comuiandante da seceno de balaihao de re-
aerva n. 3da guarda nacional do municipio de Bo-
nito, parewiciacs da referida secc.o de balaihao
aos cidnriaos seguiules :
Estado-maior.
Cirargiao.alfres,Jos Maria Pereira Brayner.
1* companhia.
Capilao, Candido Jos da Slveira.
Ttnente,Antonio Joac Henriques.
Alferes, Anlonio Jos Rodrtaies.
Dilo, Francisco Pereira da Costa.
2" companhia.
Capilao Manuel das Neves Vieira.
Tenenle Jos Bezerra de Vascoucello- Torres.
Alferes Meaiod Thomaz da Aquinn.
Dito Francisco Antonio da Silva.
e
mandar pagara' associarSo dos pralicos a qunntia de
que trata o ollicio da Maje, sob numero 425.
DiloAo ida>ector da thesouraria provincial,
commonicando que conceder ao 1.- esetipitiarioff Bol
d'aqulla thesouraria, Joaquim Pedro Brrelo de|MBi>
Mello Reso, um mez de enc.a com ordaado n
forreada lei para tratar de sua saode.
DitoAojuizdedireito ileljaraiiliuns.Nesladataj
faju seguir paraflae pmarca urna ambulancia, a (i tu
de qoe caso algum poni della venlu infelizin-iile a
se: acommetlido.do cholera, que consta ja grassar pe.
los povoadfljHarj|!in do Kio de S. Francisco,
sa ser promplaaeiaft* soccorrido de medical"
apropriados, para'qoe lamb-m farei
d'aqui pirtir um facultativo. Entretanto'
to esle ahi nao cbesar, cuiafte qae a' vista da1
cripesque ja reeaetti e de que ora envi no
exemplan-s, peaaoaa^Wriosas incumbam se de facer
as devidas appliefcSes de modo que nao deixe de ser
rpidainenle soccorrida qualquer localidade qoe for
afteclada, eefllcazmenle trillado quem adoecer, de-
vendo em lodo o caso ler esle governo caminunica-
5o do que for oceorrendo para providenciar oppor-
tnnamente.
E porque ja se falla que em Aguas-Bellas adoe-
cera um individuo que tinha ido a villa de Pao de
Assucar onde reinava o mal com iuleiisidade, deve
Ymc. para l estender logo sitas vistas enviando roe-
dicamenlos, e podeudo a tal reapeilo entender-
cees o cidadii Jos Afro de Albuquerqoe.
DiloAo juiz ineoicipal da primeira vara, inlei-
^Hido-o de o haver'designado para no dia 12 do cr-
ranle presidir a extracto dos bilheles da segunda
parla da primeira lotera em beuelicio da igrrja de
Nossa Seuhora da Couceigao dos militares.Com-
municou-sa a thesoureiro das loteras.
DiloAo cominandant* do corpo de polica, di-
zeudo qoe pode Sinc. dar haixa do aervio ao solda-
do daquello corpo, Jos Joaquim l'mbeliuo de Mi-
randa, visto qae por molestias se acha impossibilila-
do de conliuunr no mesmo serviio.
DitoAo inspector da alfaodega.Cumpre que
Vmc. faca salr com urgencia a escuna,l.indoya
para a ilha dcanlo Aleixo, alim de empregar-se
alli no registro das carearas procedentes de porlos
iofectadae, pudendo ella ao mesmo lempo cruzar
as imrnediaroes da mesma ilha. Ao commaudan-
te da referida escuna ordenar Vmc. que compare-
na repartirlo da saudajkt porto aul de partir,
afim le rrreber as ordeaat de respeclivo provedor.
^]ommuuicon-*e a le. ^
Portara.Nomeando de coiiformdade com a
proposla do major commandante do esquadrao de ca-
vallaria n.7 da suarda nacional do municipio do
Rio-Fonno cidadaosabaixo mencionados:
Estado-maior.
Alferes noria-estandarte Joao Rodolpho de Mi-
rauda.
1' companhia. ^
Capilao, Francisco l.uiz VVanderley.
Tenenle, Thomaz Luiz.de Barros Wanderlev.
Alferes, Antonio Baodeira de Mello.
2a companhia.
Capilao, l'resciano de Barros Accioli I.ins.
Teneole, llerculano Antonio Jos Marroquiro.
Alferes, Manoel Affonso Aquino de Alboquer-
|he.
l'arlicipou-se ao respectivo commandante su-
perior.
DilaNomeando de conformidade com a propos-
Ig.do major cnnmjndanteda secrSo n. 12 da guarda
nal de reer\a do municipio de Barreiros, pa-
ollicia>s da mesma secc.lo de balaihao, os cida-
rdos seguinle :
I> companhia.
CapilSo Francisco Gavalcenli de Albuquerque
Mello.
Tenenle,Jos Rodopimo do Sanios.
Alferes, Antonio Augusto Maciel.
e com a propos-
drao de cavallaria
nicipio de Bonito,
aos cidados
Inleirou-se ao respeclivo commandante su-
tierior.
DitaNomeando de coufo
la do major comandante
D. 4 da aoarda nacional m
olliciaes do referida) esquadrAo,
lee: .
Estado-maior.
Alferes porla-bandeira, leandro Pereira Barbosa
elumbi.
1" companhia.
(jpitia, Tbeodoro.Rodrigues Valenca.
reaessw, Aolonio tfa Costa Helio Lima.
Alleres, Jos Francisco de Sonsa Moura.
2a companhia.
Capilao, Ooncaki Teixeira de Carvalho.
Alferes Casemiro Lucio Jorge.
Commanirou-se ao respectivo commandante
superior.
Dita. O presidente da provincia attendendo ao
qae Ihe representot o che/e de polica em oflicio n.
386 de ,'t do corrente. resolve desonerar do cargo de
primeiro supplenle do subdelegado da freguezia do
Oorcory ao cidadSo Dimns Lopes de Siqueira, vis*
to qoe na ajoalidadc de colleclor das rendas da co-
marca he incompalivel o seu ejercicio com o dito
cargo, e nomear para o substituir a Manoel F'erreira
Lope da Siqueira, e bem assim para o de primeira
supplenle do sobdelegado do districlo de Ortigas e
Contendas daquella' termo, o qual ora se acba vago,
o cidadao Franelacn Antonio llelmondes. Com-
municou-se aosopradilo chefe.
Dila Desondrando de conformidade com a pro-
paeta do chefe de polica, do cargo de primeiro sup-
plenle de delegado do lerna* do Ouricury a Joao
Marinho FalcSo de AlbuajMIfete, e nomeando para
o referido cargo a /.eferioo^Sncalves Lima Granja,
aaBWaaBBBBBBBBBBBBalatarfa^eawderapplenle do mesmo
la 1 43eMBj.i
con-se ao referWaJrlie fe.
Dita Nomeando e lenle qoarlel meslre do
corpo de polica, Alexdrc dettetos de Alhuqner-I0
que, para capilao da lerceira tatHpaiiliia do metnw
corpo, e o lenle Francisco Velloso da Silveira <^cc'u*ule
DiloAo inspector da lliooiuataa provincial,
iransmi lindo para o iim conveniente a rela^Ao das
despezas feitas para o espediente e asseio da repar-
lie.lo das obras publicas un correol mez.
DitoAo mesmo, declaraudo que nae,podendo
ser aceila a medida por Sinc*. indicada da) leanar o
conselho da directora das obras publicas conlas ao
respectivo thesoureiro pagador,, visto tm negocio
alheio as suas funcjOss, mande Vmc. por um em-
pregado daquella thesouraria, proceder no princi-
pio de eada mez, a um eiante nos saldos existentes
em pdtler do mencionado thesoureiro, alim de ae-
rem saliseilos com proinptidao os pedidos da mes-
ma repartiere. Coinmuuicau-se ao director das
obras publicas.
PortaraAo agente da companhia das barcas de
vapor, para mandar dar passagam at o Cear, por
conla do governo e no vapor que se esperas do sul,
ao msico Bernardo Goncalves de OlWeira, que le-
ve haix.i do servido militar.
DitaAo direclor do arsenal de guerra, recom
mendaudo qu forneea ao lente coronel comman-
danle do batalhto a. 41 de guarda nacional do mu-
nicipio do Cabo,'Maaoel Gamillo Pires FalcAo, 200
srauadi iras, 32 refes e 232 rorreantes completos,
sendo J2 para olliciaes inferiores.Communicou-se
ao respectivo commandante superior.
DtDemillndo a Andr Avellioo de Meneaes
Amorim, do lugar de fiel do almojarife do arsenal
de guerra, e nomeando para o subslitnir a Joaquim
de Paula Meira Lima, que foi propaplo para o re-
ferido lugar.Fizcram-se as necessarias communi-
cafoes.
ralidade de votos dos cardeaes prsenles, sao depois
aubmeltidas i apprnvafio do papa, pelo secrelario,
que implara os poderes necessarios para as por em
execufio. O eslabelecimeolo he dividido em cin-
co repartibles ; a repartirlo do secrelario, em que,'
aleui de cinco subsecretarios, ha varios olliciaes e
interpretes para as cartas escripias bms lingual
oriunlaes ; os archivos com a bibliolneca e o mu Mu conlem muiUs raridades curiosas, parlicular-
II
COBUWANDO Das AHH.S.
Qaartei feneral do comanaado das
Peniambnco na cld.de do Recite
denaabro de 1855.
ORDEM DO DIA V. 164.
O lllm. e Exm. Sr. marechal de campo Joa Joa.
quim Coelho, rommandanle das armas, manda de-
clarar aos Srs. commandantes de corpos, que o Exm.
Sr. rouatlheiro presdanle da provincia em dala de
hontem, expedto as convenientes ordens ao Sr. ins-
pector do arsenal de marioha, para fazer postar jou-
to ao cae do Collegio as qointus-feiras e domingos
de cada semana, as 6 horas da manida, um bole oa
canoa, afinrVie conduzir para a ilha do Pina as ra-
cOad deslinadaeao desUcamento que alli permanece.
Candido iJA Ferreira^aOn te de ordens en-
carregado do delallie.'
Tellespara o lugar de quartel mesare___Fizeram-se alm* C3paz deepreciar a asta comprehensibilidad
as necessarias commuaMernes. dil idea W**
CONtiREGAC.\0 DA PROPAGANDA.
A congregasao da propaganda he urna dessas vas-
tas coucapsoes quo se maBifestam na sua sublime
originalidade, sem parallelo na historia da raca hu-
maua ; eleva-se cima de todas as instituirte- dos
lempos amigos ou modernos, e eaUraoisa os seus
autores oa mais alia eminencia da superioridade in-
Ulleclual. Excitou admirado e a oveja Jo
maior conquialdor que tan vivido desde odia em
que os Trtaros se (oroarara senhores da Europa
orienlal, e qM*a sitiadas mumlha de Breslau o
Por que esle grande capilao tiniia urna
FQiHETiSL
EfiliDIO DA (.iiERRA DE CATALliMIA.
?OR L. f> Bbadrepaiie.
Ollirio Ao Exm. presidente eaaeAlagoas. 1
ctesas tenho a honra de eaiviatrVv. f^. as rela-
(Oes dos medicamentos e aMis generos.fl^V. Exc.
reqnisilados, com especiflca;ao do que' foram re-
mettidos no vapor Imperador, e do qoe sgoma
nesta dala em duas barcaras .vosa &tlmo e ftot
da Cunha.
Muilo me felicilarei se cliegirem stempo de pres-
tar a' populacho dessa proviatja o socenrro desejado,
e alianro a V. V.\c que seaapte re* adiar promplo
em auxilia-lo com o que eslSSlt a mea alcance.
Beinclleu-se copia dele oBcio thesouraria de fa_
zenda.
Dilo Ao mesme! Esa aditamento ao meu o(B-
cio desta dala remello ijjHsos V. Exc. os conbe^
cimenlos Armados pelos meslre-das bar cicas .Vm
Deslino e liona da Cunha, aflrn de que se digne de
maudar salisf..zer ahi o fre-da conducho dos g-
neros e medicamentos de que I rala o cilado oflicio.
Dilo Ao Exm. marechal coramandanle das ar-
mas, transmittindo por copia o aviso circular da re-
partirlo da guerra de 15 de novembro ultimo, do
qual consta que. para boa ordera e regularidade do
servico se determiuou que os individuos a quem
possa aproveitar as disposirOes da provisao de 7 de
dezembro de 1835 requeiram ao governo na forma
das ordens eslabelecdas, licando por consequencia
prohibido a qualquer a ulerete militar fazer appli.
.carao do preceito da menafcaada provisAo, quando
assim Ihe soja requerido pssnlguma pra^a do exer-
cilo que esreja sob sen commaudo.
DitoJjKXto mesmo, recummeudando que maude
iiomeaTOB dos cirur^ioes do corpo de saude do ex-
ercito partir com brevidade em diligeucia a' comar-
ca de l'i irahun-, ordenando-lhe que venha fallar
presidencia aules de partir para aquelle lugar.
1810.
Con linuac So.)
No eilor da persegulcla fui leva 1)0 diante djmi-
eha gente muito alm das ultimas haJuUrea da al-
daia, quando onvi atri de mi na galope fariseo de
um callo, vollei acaliofa e VaaaasVoconhecido ve-
Iho Vicente; ma* nesst
renla pasaos, n rainha 1
ra escapar nossa v'isla
quebrada estrella para cheratro lugar, .
se salla-la. Parei o cavallo Un repenti
elle curteu 01 jarreilos ; Vicente imitdu o'meu
vinienld. Ntase homem, ness fagrRvo en reconhe-
Cira Kf novales.
--Ten moMfhalc ei
^TOtwi velho.
Sim, senbor leuetite.
\ s aquella lio
U par elle e dez lu
Poi bem, Reno'
Vrenle levanlou a
lentamente e fez fogo.
No momento da detonarlo,
do periao por om olhar rpido pi
um rochedo, quf devia aublrahi
bala .lcaniou-o')o ar. Elle aga
instante com a mAos s urna feuds, bus sendo
mais forte do que sua vonlade. aelrtwredond
le no chao. A bala do soldado quebrara
horribro.
O miseravel lem a vida mais dora dequeum
galo monte/.. die-me Vicente estupefacto. Est
chumbado, e antes de alirar. cu teria jurado qoe el-
le receberia a hala na ilbarga.
Arante! grlei-lhe ; elle mo ir longe; he
niister ptend-lo. Dei de esporas ao cavallo, e pre-
cipilei-ne pgra Renovales.
O eaudilho sem perder nada de sua lerrivel pre-
senta de espirito, tirou do cilo urna pistola com o
brasil que tlnha-LWre, armou -a com os denles e dis-
paroo-ii sobre Oafti, quando eu eslava a dez passos
detlhi.
?or um 'fcoejo 'ara; liat aos cavalleiros, empinel
meo cavallo curva ndo-me sobre a sella ; o pobre a-
Vide Diario n.
14.
_ jiimal recebeu a bala no peito, bateo um instante o
ar com as m3os, e caho atlrahindo-me comsgo. O
guerrilheiro parecen medir com a. vista sumado
cruelaasnle a distancia que nos separava, e alormeu-
lou o cabo da faca ; mas vendo a Vicente que vinha
aps de miro com a espada nua, corren Iriuta passos
ainda para a direita, e passou a quebrada com om
siilln prodigioso no lugar em que era mais eslreita.
Chegando do ontro lado vollou-se, lancou-nos urna
m&ldiclo1 tcrrivel e desnppareceu entre os roebedos
e as azinheiras. Eslava reservado a etsehomem con-
raoar anda a ser temido pela sua audacia e pela
leldade.
gui emfim detembararar-me do cavallo. Lan-
fO%ra olhar em torno de mim ; ludo eslava termi-
nado : as cavalleiros que linham" perseguido" o ini-
migo ale i enlrada do bosques, vollavam para a al-
postos de infamara eslabeleciam-se por toda
Irle, tanto para acaulelar-se contra alguma leu-
va deseiperada dos guerrilheiros, como para con-
sposiC4Jes que se coslumam lomar em
s. Abandonei o meu cavallo de-
sde haver pedido a um doa soldados que passa-
vam perlo Je niith, que o acabasse de matar, alim
untei oo de pnupar.ll)4) os tormentos da agona. O mesmo sol-
dado encrgoLi-se da sella e dos arreios, a empres-
esj-me o seu cavallo.
?ollei lealaieiiie para a nldeia acompanhado de
Vicente, o qmroiiloo-mo em seu eslylo enrgico a
maoeira verdadeiramente milagrosa por qoe escapa-
ra doas vetes aos poslos hcspaiihoes, debaixo de cu-
jo fogo fora obrigado a pastar. Depoit de haver al-
cancado a estrada principal, fazendo om longo ro-'
deio, cravara as esporas no veulre do cavallo, e che-
gara sem mo encontr, mas quebrado de rediga a
aoarda avancada de Ordal. Tendn ouvido sua nar-
1 aiao. o coronel litera partir immediataraente cin-
coeula humeiit sob o commaudo de um capitn :
essa tropa chegra a tempo, c acabara de infundir o
terror entre o izuerrlheiros ja sorprendidos pela in-
famara. Apezar das instancias de todos. Vicente
montara em novo cavallo, e guiara a nova (ropa que
diriga-se a Callados. A marcha nunca era asss r-
pida ao goslo do iiifaliiiavel toldado, o qual apeuas
vio o fumo do incendio, nao pode mais conler-se, e
parti adiaule atlrahindo aps de si a tropa intera,
que correu duas leguas a galope sen conseguir mais
aleanc.a-lo.
Muile bem! disse eu ao decano do esquadrao
aperlandu-llic vivamenjaa m,To, remisle smplameu-
te tu falla ggtpssa horfie dedirae.io : no ielalorlo
que hei de m mg ao coronel Pica certo de que es-
iiuecerei mencionarei a ftulra com \olfs os
elogias que merece.
Ah mea ten
urna
M
aponlou
o advertido
ira-te para
sa vista : a
ainda um
a propagandaa idea de con-
quista universal; mas era a conquista do espirito
vesdade, e do fcerarao i verdade. restiluindn ao ho-
mem 11 alais nobre poreao da sus primitiva lieran-
a per Jidaajjieotfrindo-llai a rrgeneradora cons-
ciencia dJRrandcza moral.
il nobC insliluicao dan a sua origem a p-
desele iatelligencia de (,regado XV, qoe. em 22 de
de 622, erigio-a pe* bulla Iiiscrutabli
'1 Providentia? arcano^ e deu-lhe o titulo
'Divina
appropriado de Coug
de. O seu objecto
lolado chrislAo, e pr,
Christo deu ao pri
Vai, ensina \ todas
otaipunhn-se de ti
qaencia do providen
lie de Propaganda Fi-
e esforc,os do apos-
diviuo preceito qoe
principe da sua igreja,
nacAei.s Ae principio
nleaes ; mis, em ssm-e-
'ado de'successivoi pou-
simular, ido devia eu a vossa senhoria e aos mees
carneradas o sacrificio de urna vida que exponho ha
vi'ite atmos a todos os riscos da guerra '.' nao era
justo qae ssim obraste depois do aeootecimeulo
desta noiie'.' Demais tenho aqu um pedacioho de
fila encarnada, que'no meu pentamenlo ese faz
igual a um principe. Vossa senhoria poderla-pedir
para fazer-me entrar na guarda ; porm a nenra de
estar mais perlo do imperador seria bem resn|ada
pelas saudades que eu teria de dexar o quintero
qual he qnasi toda a familia que tenho conhecido.
Selle tenho vivido, uelle tenho combatido ha qoiu-
ze anuos, e uelle quizera comer a ultima racjlo !
Assim, se vossa senhoria permute, Acaremos ahi, e
eu Ihe serei anda obrigado.
Quando cheguei prara, que espectculo dille-
rente do que ella oflerecia urna hora antes 1 Alguns
habitantes vigiados por palmillas de infaotaria con-
duziam 01 cadavares dos guerrilheiros para o cemi-
terio, onde urna vasta covu havia de ser .iberia para
receber iodistinctamenle Franceze e Hespanhoes :
os mestnos homeos que acabavam da combater-se
com tanto afinco, e que linham suecumbido na lula,
lam dormir juntos sem lembranca e sem paixao. o
prtico da igreja, ao abrigo dos arden! raios do
sol de meio dia, un cem soldados oceupavam-se em
alimpar as armas debaixo da proleccao das senliuel-
las c dos poslos enllocados ero todas as avenidas da
aldeia. Dianlc da igreja, oa oulra extremidade da
praca, a hospedarla enroada de dentaa nuvens de fu-
mo acabava lentameute de coiisumr-se : como a ha-
bitarlo que a limitava direita, e na qaal o fogo se
manifestara prmeiramenle, eslava dstodo destrui-
da, e a eslalagem e os edificios que delta dependiam
nao linham nenhuma consIrurcAo contigua do lado
esquerdo, a infantaria nao se dera ao traballm de
apagar o fogo, o qual por falta de alimentos conser-
vava-se 00 foco mesmo du ucendio.
Os soldados habituados a esses espectculos con-
templavam a posada coro a ndflerenc, de pessoas a
quem essas ruinas fumeganles nao podiam oflerecer
nenhuin interesse, iienbuma lembranca. O incen-
dio nao sendo combalido mais por iienhum esforco
augmentava em lotensidada *, violencia. Emfim as
chammas brilbaram ao nivel ata praca, e abriram de
loda a parles larss abidasalravez da fumara ;
ourio-fe um eslalo qae abaleo posada at quasi
SI alcerees, e a hospedara desmoronou-se esina-
odo debaixo de seus destrozos os morios do pri-
meiro cmbala.
Eu teria Hado mui(o lempo con!.tupiando estas
minas, se oiio livesse sida arrancado do minhas me-
ditatOM aor Vicente, o qual tocou-me respetosa-
menlo o ifaeo. o mustrou-me com o dedo o cadver
._.nle, responileu-mc o soldada de unvlMspanhol que jaza a alguns unssos de mim.
velho ajtom commovide, que lenlava em vao dhW Na* recouhece aquello homem, meu tenste 1

tiiees, este numero r<>i-araduaiUMiiite augmentado,
desorle que pre-entemenle seeWaOo de um pre-
feilocardeal. e de 26 oatros eardeaes, um secreta-
rio, um prothonolaro, 20 cooeullores.
As menores funeces 4 Propaganda t3o tratada
pelo cardeal prefeilo, cotn a assislencia do secreU-
rio e de cinco subsecrcUfios. Mas lodos os nego-
cios de importancia ate/reservados para a decisao
de una pasa* assembl de lodos os cardeaes, que
com|iO< acoagregacao. leueem-se urna vez em
cada inez, sob presideata du cardeal prefeilo.
Nesla assemblae ou coogregirOes, como sao clia-
nudat, se discuten! todas, as questoes religiosas re-
lallvts as mistoes, escofJaa dos bisos para as sedes
vagas, a ereegao de nevos bispados, o enviar misso-
narios aos varios legarafsugeilos superiateudeocia
da Propaganda, o eslabelccimeulo de nova misses
e a sustentacao das 'antigs,n'uma palavra, lodos
os negocios.ledenles 4propagacAo manuleneao da
fe no differentes paizas mtsionarios. As decises
desta :ougregarOes, que sao determinadas pela plo-
mete chnelas; o collegio de quasi cem cstudan-
tes ; a Ivpographia tao afamada pela variedade e
belleza dos seus lypns ; a repartcio das finanzas,
em que se tralam todas as lransact;oes mouelarias
da congregaclfe', esta ultima he sob a disliocla su-
perintendencia de om cardeal, denominado a Pre-
feilo de Economa. Esla nmmernra'o ser sulli-
ciente parr mostrar quao extenso deve ser o estado
maor offlcial requerido para dirigir os negocios da
Propaganda ; mas lie apenas proporcionado a vasla
ordem da sua esphera de dever, da tua grave res-
ponsabilidade e extensa correspondencia.
A congregado coroecou os seus Irabalhos resla-
belecendo varios aoUgos arcebispados e bispados no
Oriente. Manda uarjapalriarcha aos Caldeos, oulro
aos Syrlos; hispes e vigarios apostlicos s Ibas do
Arcltipelago, Albania, Servia, Bosnia, Itauniela,
Mesopolamia, Egyplo, Smyrna, Anlochia, Anticy-
ra ; dnus hispo Conslsnlinopla, om para o rilo
armenio, o oulro para o latino, (irande numero
de bispos e vigarios apostlicos lem sido enviados a
Persia, .1 Mongolia, ludia occidental, aos reinos
de Siam e Pegu, Cochinckina, Touquin, Java,
Molucas, e oulras ilha do Arcliipelago indico.
Erisio seis escolas ou col lea ios para os jovens eccle-
tiaslicos no Egyplo, qualro na Illyria, dous na Al-
bania, dous na Transylvania, um em Conslaalino"*'
pa, um em aples para C.hinezes, varint nos dfle-
renles paizes heterodoxos da Europa. Dentro de
poucos anuos a f foi espalhada uas vaslas resines
ale eulao descunhecida Europa, desde Ormuz at
Coreadesde as modtanhas Allai at a trra mais
meridional qae a descoberla tinha penetrado 11-
quelles mare. Na China e no Jap3o, cajo cuidado
foi confiado ao ateiro Wlo e aclivdade da soceda-
de de JesoafSi aslabelecida com grande prosperi-
dade. Com itlo as artes, as sciencias, o Itivo da ci-
vilisaeao europea entrara neslas parai;ens al aqui
prohibidas ; igrejas, escolas, collegio, uuiversid.
des se levantaran! em lodas&a partes ; as ling
eslrangeiras do occidente se tornarsm a linguagem
elegante para a conversarlo as cortes d Pekn e
Yeddo. As miases nuuca foram dirBam. com tal
aclivdade depois da era de.-es hoineasaaailolicos
que partirn) da Irlanda e da Inglaterra com a ben-
cao de Roma para pregar a verdade e a civil isacao
as nar;0e do norle.
A congregaco (icou individada pela sua ptianeira
dolaclo ao mesmu grande pontfice, Gregorito XV,
que pela coustiluicAo Kcmmuin decel 1'onliSept
ex-Pasloralis oflieiei debilo, dada no mesmo dia
(22 de junho de 1622, ) assiguou-lbe a somma de
quiuheiilos dollars de ouro, para ser paga por cad
novo cardeal,em cambio do aune! de cardeal qdd
lbesse 9"'8ngregBtno. Esta somma foi rerfar
por Pie Vil quantia de seis cenlos dollars de pra*
la. Os papas que se succederam augmantaram-lhe a
renda ; mas devia o seu principal augmento a pa
generosidade de varios cardeaes e prelados da corle
romana, ot qiiaesiostituiram a congrega;*) seus her-
deiros, ou que Ihe deixaram por teslamento largo
legados. Todava a maior soruma da raavla amina
no seu estado mais llorescente aunca igualou a que
goza qualquer das associacOes protestantes. As vicis-
silii.les polticas do seculo ultimo e do actual,quepre-
fpdicaram em tao vasla exteiirAo todas as oulras pro.
piiedades ecclesiacticas, ou antes quasi que as ani-
quilaram. nAopouparam as rendas desta congrega-
cao ; e nunca excedern) at agora a diminuta quan-
tia animal de 8>,0004HUrs romanos, algumas vezes
menos de 18 000 libras. Esla mstgaificaule quanlia
na Inglaterra nao faria face a' mesde das despezas
que seriain necessarias psra a manuleneao tomenle
do eslabelecimenlos deBro do paiz ; todava, com
islo, a s apostlica deve fazer as missOes que as so-
ciedades protestantes com todas as suas numerareis
riquetas, se r.onsi leram incompetentes para empre-
hender.
Romaa eongregagao da Propagandanao se cur-
vara a incitar un. trafico miseravel em almas im-
morlaes. Sabe pralicamenle que taes almas nao
compramcom moeda ; o seu nico preeo he o tre-
mendo prero do sangoe de um Dos. Os missionari-
os da igreja calholica nao iriain i cabana do pobre,
do doeule, do famiulo propor-lbes.que trocassem a
esperanea qae nulrdr ea si pelo ouro-vil. NAopro-
carariam fazer Ipocrates de um dia, aliis elerna-
menle. os quaes, por urna externa adhesito as formas
chimeneas, que nos seus corarles aborrecem, accret-
cetilam umi forra apparenle a ama cansa decaden-
te, que aliual Ihe pole tmente aprcrar a ruina. Por
qoauto aos oulros elementos de aJissolueAo serao ac-
crescentados os de irrelgiAo e indiOerentismo, e um
escarneo e zumbara para todoa os credos. E os ho-
mens infelizes que forem nduzidos. por urna peita
mundana a praticar egle liniido engao de professar
urna coiisa de uso,, e crer em uro tymbolo to-
talmente oppeslo, desprezarAo e zombarlo dos apos-
tlos que pensarem, ou parecerem pensar, que al-
mas sao como mercadorias da India ou aceoes de ca-
1 inilios de ferro ; que as comas do mando desconhe-
eido sao reguladas como as traiisacfoet do vsivel,
ou que o cliefe que governa o reino infernal avaha
os hinens aagundo a escala dos seus agentes aqu
1,este mundo. Pelo contrario.ojreino do ceo nao he de
carnee de saugue ; nem as saafl da propaganda po-
diam ser coaverlidas em urna bolsa em que te raer-
cassem almas.
Do collegio da Propaganda nada direi. Ha alga-
ma cousa que niove e purifica o espirit de um ho-
mem quando contempla os mancebos re^siajidas de-
baixo da sombra do Vaticano, chegados de todos os
climas. Fallam-lhe poderosamente da iiselo uni-
dos
versal da igreja calholicao Ilimitado
pontfices romanos. Emblemas dala
versal que esta igreja e osles ponlfl lrdaram do
divino Fundador da nossa religio, nee fallam ilestd
solclude que v ela com gusl c fiadas as ra
Ap
cas, cores e linnuas. E qi
em suas ~alas, para ( ir em
Inicuas nma academia em hoori
cenlios, recordam-se for^osanieule da
renueva 15 Dr. I.uiz Filipp* de Sooza LeAo
'renles
Ao dos
primeira fa-
So dos coltegiot do Reeife, Olinda, Igua-
1, Goianna, Umoeiro, Sazarelh, Po-d'Alho,
ria, Cabo, Serinhdem, fio-Formono, Bar-
reiros, Bonito, Garuar, Brtfo, Cimbres, Gara-
nhuns, Aguas Bellas e Villa Bella.
Os Srs.
t Rara de Camaragibe
1>'K Leonardo Antunes Meira lleariqu,
i o Branciseo Carlos BraadSo
I Baquim Pires Machado Portslla
> Dr.-wrnacio Joaqoim de Souza Lelo
6 Dr. Silvino Cavalcaoli de Albuquerqoe
/ Dr. Theodoro Machado Freir Pereira Ja
Silva .-o,
8 Ivegocianle Antonio Marques de Amorim 565
!lDr. AntoolatAlves de Souia Ctrvalbo 562
10 Dr. SebasliSo do Reg Barro d Laeerda .t
11 Dr. Antonio Epaminondas de Mello ji
12 Dr. Antonio dos Sanios de Siqueira Cival-
canti
13 Inspeclpr Jas* Psdro da Silva
l Dr. Isnacio dABlrrot Brrelo

55*
545
538
537
535
532
ae r-----------
.a. I Uorn, as c
galerna
Nlo, de certo, respond. Jolgaado-o pelo ves-
tuario, pens que nao devia fuzer parle doa guerri-
lheiro. He algam pofcre habitaotoda aldeia que te-
re paga com a vida sua complicidad nos aconleci-
menton desta noile, ou sua cariosidade.
Ss-nSo engano-mej jnlgb rernnhecer o imb-
cil Parir.: vamos adiar provavelmsnle, nao longe
daqui, o corpo de Benedicto ou do (Htio ; poi, o es-
lalajadeiro e o barbeiro eram iot(paraveis.
Acabando seu jionologo, o arralleiro dirigira-se
ao cad tver do pobre barbeiroaj?
Sem duvida o patife ocewkeu-se durante o
combale, coutiouou Vicente examleando-o com orna
aliene;'o que pareceo-me extraordinaria, e depois
caho debaixo da espada de nosses soldados queren-
do fogr, quaodo vio as cousas mal paradas. Mas co-
mo foi elle morio? nAo Ihe vejo nenhuma ferida.
A eslas palavras o cadver levantou-se sobre os
joeihos por um primeiro movimento rpido Como o
relmpago, e por um seguudo ach.iu-se em p pres-
tes a fugir ; mas o herbelro eslava em boas mAos :
i primeira lenlnliva foi derribada pelo rude puuho
do velho toldado.
Ets o que pode chamarse nena famosa aventu-
ra I exclamou Vicente depois do primeiro instante
de pasmo, em que o lanceo.asta resurreieao sbita.
Sinto por elle, pois ha de en|ender-se cem o com-
mandante da infantaria, homem severo, bem como o
pobre Mr. Deviene, lera stneute o lempo de fazer
urna oracAo ; he verdade qoe 'dila assim o lera me-
recido pelas suas relafea com Benedicto. Ei-a, ca-
minha. cuntiaanu o iullexivel atvallelro. Meu le-
ueule, vou eoeduzi-lo a casa do ntgedor onde vi al-
guus pi isioneirss, emquaulo votaj senhoria conlem-
plava o inaaooso ; procurar! aasaesmo lempo a-
chat Jerouymo, ao qual attou auajoao por apertar a
mflo.
E afasluu-se na direeala que dstigura escollan-
do pasio a passo o barbeare; o dersjra^ado mal sus-
(inha-se sobre as pernadas quaes tremiam como as
de um horneo) embrigalo. A vejafeo soldado e este
curioso incideiile linbam-me lirado de mnha me-
ditacAo, Dirigi-me a alguns olliciaes de infantaria,
que estovan) rouiiidosvjp prtico de San Jos, e
conversavam sobre os IBereotes episodios dessa ex-
pedicA com o capilav]aa irouxeM o detlacamento
de cavallaria em nosso soccerro. Ouando ellos avis-
laram-me sem capacete, lendo o uniforme rasgado,
denegrido pelo fumo do incendio pels.aelvora do
combale, desceram logo os degros do peBaj^s e vie-
ram enconlrar-me. r.
Senhores, Ihes diste eu, desculpem a lardan-
ea que tive de vir agradecer-Ibes, mas creiam que
Jorge l.asa'.le Ibes ser:i para ssmpre reconhdo.
Ser enlao ama desforra, iottrrsmpeu o msis
ido-o dos olliciaes, o qual tinh as dragonas de com-
inilia que exltlio a* Ierra. A sn joven uniAo na f
e no louvor perece um varligiu daquella harmona
que teria prevalecido taire se tilbot de Adam se
elle nuuca liveats peeeadourna soatbra daquelle
myslerioso amor e fralernidnde que aaroar a isreja
no dia do ssu triomplto. O 1 aBuC celebrou a so-
lemnidade da Epiphania esle anno com as usuaes
observancias religiosas, e, a II e 12 de Janeiro com
as publicas sesiOes acadmicas, como he costume.
Mgr. Alesaudro lache, bispo de rala, inpartibus
in/idelium, presidio, e 19 composiroes litterarias-
lauto em prosa cano em verso, foram lidas em dille-
rentes lintrtfJL Em linguagem asitica foi lida urna
peca do poelellebrew ; ostra em syriaca, uo rhy-
ilmio de S. James urna cloga no chaldee classico ;
mu canuco uo classico armenio ; verso arbicos ;
versos no chaldeo vulgar, seguudo o rbylhmo de S.
Ephraim ; tm fragmento no chiuezclassico ; versos
nas lnguas georgiaua e hinJoslaiiica ; um soneto
turco; discursos emcircassano, birraao e prsico; um
dialogo Kurdish ; oulro na linguagem de Bengala ; e
urna peca era cngalez. Entre os ediomas europeos sao
' grago moderno, o illyrio, cltico, irlandei, noeee-
no^ueeo, rawo, alhanio, hongaro, reliattio e val-
. Os idiomas africano.apreseotaram prodoc-
eoes no coptco, lauto de Memphis como de Tliebas,
""'' BLecongo.
Pouei la dous seculos se lem passado desde
que a cosgregacao da Propaganda foi eslabelecida ;
mas quasi metade ds um scalo desle periodo os seas
esforeos foram parafvsWos pelos aconiecimenlos la-
meulaveis que precedaram e seguiram a primeira
revolucAo francesa. Com ludo os admraveis effei-
Uis da sua ar^Jo se parecem mais com fbulas de ro-
mance do que aconlecimentos reae da historia. Du-
rante este periodo a f tem sido plantada em todos
os paizes desde a baha de Iludton ate o cabo de
llorn, nas cosas africanas, desde ot montee do lo-
is longnqua exrlemidade o JapSo. Se-
paes tem sido levantadas na Australia,
Nova Zelandia, nas illias do Pacifico ; o missiouario
catholco alravessa as aguas cio> que. ha cncoenta
anuos, neahuma vela tnba sido armada. Nas vas-
tas florestas e solid&es das monlanhas Roxotss os Je-
sutas reviveram as maravilhas do Paraguay, e re-
t cordatido os lempos em ja Bonifacio e Kilian, e
j. SViHifciord, e Virgilio pregaram ao indomaveis
goerrelrosda Soabiae Saxonia,oCarDlliia e doTyrol
e coiisajjuirain tornar deshilos filhos da Cruz aquel-
fes a quem as proesas do grande Karl nao poder fa-
zer subditos da espada. Nos EsUdos-Unidoisoiiien-
le levantou-te urna hierarrhia, que, em seu numero,
ze!o pela religiao. dcvocSo i santa s, exacta legis-
larlo domestica, e esplendidos conselhos eaclesiasli-
cos, antes de oulro seclo, revalisar com a antiga
igreja d*frica naquelles dias da f em 'que Agus-
tiuho pregava, e mais de 200 bispos se reuniam
era Carthago para con Jemnar Pelago. E tedas es-
tas maravilhas lem sido realizadas pela Propaganda.
Presentemente cxislem sogeitos i sua dreocAo cin-
co patriarchas, e mais de 31 arcebispados, 165 bis-
pados, 92 vigarris apostlicas, 4 legaces aposloli-
cas e dez preteiluras apostlicas, alm de varias es-
tilo poderemos us
a Eis-ahi o ca-
Iholicismoda igreja, o complemento do ultimo pre-
ceito de Redeuiplor'.'
Ahi seola-se enthronisado pelo Capitolio donde as
aguias impsMaes da antiga Roma* partiam para a
conquista,Km encanecido e venerare! homem que
governa os voluntarios e devotados subditos em lo-
dos os ngulos do globo habitado. Esle sublime ve-
lho governa pela nica auloridade das suas palavras
os livres espiritos dos seus sob filos. A lei que pro-
mulgalei de paz, de amor, de ju-liea, de fr.iter-
nidadefui a foule donde a eivilisacAo manou sobre
a Europa : suhjugou as florestas do mundo occiden-
tal antes que tentistem os golpesjdo machado euro-
peo. Aos pos desle velho admravel floresce urna
assembla de cosmopolitas,que o coadjuvam na la-
refa de subjugar o mundo, de cobrr a Ierra com as
heneaos da eivilisacAo, de restituir ao hornera a sua
perdida infancia da f.
[The TaMet.)
16 Dr. JoAodeSaza Res
1" Dr. Abilio JasTavartsda Silva
1H Dr. .Manoel do NaKieiento Machado Por-
lella ar-i
19 Dr. Augusto de Souaa LeAo
20 Dr. Antonio Luiz Cavateanti de Albuquer-
que
21 Dr. Jos Ouiuno de Castro LeJfe
22 Dr. Jos Maria Freir Garaeiro
23 Dr. Sabino Olegario Ludgero Piohp
24 Dr. Caetano Xavier Poreira de Brito
25 Dr. Joaquim Francisco de MtJtoCavalcauti
26 Dr. Manoel Jos da Sites NsS
27 Dr. Ceeteno Estelltta livaicauli Kessoa
28 Dr. Manoel Clemealino Carneiro da Cunha
29 Dssemaargador Jaronvnte Marliniano Fi-
cueira de Mello 3
30 Conege Joaaara Pinto de Campos 439
11 Dr. Aagaalo Fi^darteo de Olivera 438
12 I ir. Bento Jos da Cosa Juniar 432
33 Vlgarlo Antonio Fraiicitce Goncalves GuV-
marjes 426
3i Dr. Manoel de Barros Wsnderlej' Lina 408
:)5 Tenenle Francisco tU|djael de Mello Reg 4ft5
36 Dr. Cosme de S Pereira
512
503
502
502
486
484
471
465
47
445
442
405
403
40a!
tarSes inferiores missionarias.
apontar para ettes-actos e di
37 Dr. Aristides da Kochti Bastos
38 Major Jo Joaquim do Kego Barros
39 Dr. Manoel Fraucisco dBjPaalt Cavalcanli
de Albuquerque. 40t
40 Dr. Jos Maria Mascoso da Veiga Pessoa 399
II Dr. Francisco JoSo Carnt 399
i2 Tenenle-coronel Joao Valenlim Vilag 393
43 Major Florenr iro Moeti 392
44 Dr. Francisco d Rege Barree Brrelo 388
45 J0A0 Alfredo orre de Olveira A adrede 386
46 Tenenle-coronel Anlonio Gomes Leal 385
tt Psdre Margal Lope de Siqueira 379
48 Dr. Nabor Carneiro Bezerra Cavalcanli 374
49 Dr. Francisco de Paula BaptiiU 372
50 Dr. Manoel de Albuqueraaja! lachado 36
51 Padre Vicente Ferreira de Siqueira Varejio 366
52 Dr. Manoel Joaquim Carneiro da Cunha 360
53 Dr. Joao Francisco da Silva Braga 347
54 Dr. Dellino Angosto Cavalcanli de Albu-
querque 340
55 Dr. Lourenco Francisco de Alaaaida Ca-
tanlio 339
56 Major Antonio Jos de Olivsira 332
57 Dr. Manoel Isidro de Miranda 331
58 Dr. J0A0 Bircano Alves Massel 330
59 Dr. Joao Vicente da Silva Cosa 312
60 Dr. Adotpho de Barros Cavalcanli de La-
cerda 307
*>( Dr. Rodrigo Caator d* .JJtuteWqa* 11*-
raohao 295
62 Dr. Joao Jos Ferreira de Aguiar 290
63 Dr. Aprgio Justiniano da Silva GaiaiarSet 272
64 Dr. Jos Rodrigues do Paco 28
65 Padre Francisco Peixolo Dnarle 263
66 General Anlonio Correa Sera 259
67 Professur Joaquim Antonio de Castro'
Nunes 246
68 Dr. Anlonio de llollanda Caslcanti da Ro-
cha VVanderley 243
69 Dr. Francisca Brederode de Andrade' 239
70 Conego Francisco Rochael Pereira de Brito
Medeiros 236
71 Dr. Anloata de Menezes Vascoucellos de
Drummond 229
72 Dr. Leonardo Augusto Ferreira Lisia 229
73 Dr. Manoel F'illppe da Fonteca 215
~% Dr. Francisco Ferreira Marlins Kiaaro 212
75 Padre Anlonio da Cunha e Fiaueiredo 211
76 Teueate-coronel Antonio Cirneiru Machado
77 eopoldino Datnoo de Abren '188
.8 Acadmico Jos* Leandro Gody e Vatcon-
cello 187'
79 Dr. Julio Barbosa de V'asetmcellos 187
"A "- "-- Vi in rajiliii 1 183
81 Manoel de Souza GaroflH
82 Dr. Ignacio Nery da I'oneeca
S1 Dr. Pedro t.audaano de Ral e SiPVa 153
B^UOCmo domes Velloso de Albuquc
mandante de balaihao ; pois esta maldita u
pode pnr-nos ainanhaa 110 caso de Ihe deveciuos"
mesma obrigafAo. Demais todo este aegseio he mu
honroso para o sennor tenenle, a se he sua Pri arcan, felic*to-o, pois vossa senhoria fez ama bellf permi
defeza, e tena conseguido mui provavelmeote em
sua tortida desesperada pastar por entre os ioirai-
gos e livrar-se.
I Sobre este ponto o senhor commandante me
permittir qne eu nAo seja da mesma opiniao, res-
pond profundamente tocado da delicadeza dette sol-
dado veterano, que exagerava meu merecimeolo pa-
ra atenuar a importancia do servico que nos"'fuera
chegada da infantaria. Rogo, pois, a vossa senho-
ria e a todos estes senhores collocados debaixo de
soas ordeos, que recebara meus agradecipentos por
mim e pelos meo soldados. S
Os olliciaes de infantaria incliuarsm-se com po-
lidez grave.
Mr. de Launois, disse eu ao capilao de caval-
laria que se achava entre elles, crea que guaran-
lite urna parle de reconhecimenlo igual a que con-
sagro a estes senhores, pela sua dedtcacAo e pela el-
Gcacia de sua diversao.
O semblante desse bravo oflicial tomra-se som-
bro, quando eu parecer esquece-lo ; mas entao sua
fronte desenragnu-se, elle deu alguns passos para
mim 13o precipitadamente quaulo Ih'o permilla sua
enorme corpulencia, e disse-me apertando-mc a
mao com viva cordialdade :
Muito bem! Jorge, muito bem Era justo que
ten reconhecimenlo se dirigisse em primeiro lugar
aquelles que lizeram mais ; todava conlessn que eu
teria sido cruelmente mortificado, se nao tivesses a-
chado essas boas palavras. Meu amigo, eoutinuou
elle em voz mais baila a sorrindo, tenho mais roe-
recimeuto do que suppoes : durante urna hora mal
pude respirar, porque vendo o fumo do iiireudio.
julguei-te perdido. I.ancei meo cavalleiros a ga-
lope aps daquelle endiahrade Vicente, que
ra como una bala, c corremos assim tres lew-,, n
atrs dos oulros, tendo os olhos filos sobreda^|tirn.
nade fumo c o ouvido appRcado ss dejait/V,,,,,. ja-
mis eu me teria julgado capaz dTsemelhan'leesfor-
co. Trombeta esla eslrado^etalvez n,ose rislabe-
lecera ; mas issoinlefass*,e ,ecoudarme/ile, pois
o essencial he qne USlia^,,, c|iegan0 leffjpo.
Aperle com eflusao as m5o, do capila>' d, Lan/
nois, o qual nfla eslava ai|lda cump|etainente ser-
uadodacarreira fuos 9 dera. 0 xcellenle Ine
memsoltou-measm3oss aaspirar foriemenlt o
ar. e abanar-se eotn u ue soas enormes manoplas
salptcadas.de sangue.', ,...,. .
ente as maoeiras do homem eorlez para
lomar o ar severo do soldado encarragado de exeeu-
lar nina missao rigorosa, agora, senhores, qoe (ro-
oostes felicitares e 1 irosos comprimamos,
ie que Ihes lembre qoe ordens soperio-
' oouco te 300 pardemorar-nos aqu,
rmos?s/i^*hv_temos de inlerro-
uoir culpados ; temos usado
otidade, mas represalias ter-
uma das necessidades absolu-
j*. pronunciando estas ultimas palu-
tv^ra nflexiblidade de um homem ha-
per
res de
e que
gr.pt
muilo
riveis
tas de
O c.
v rateo
bitaado lia trala anuos a obedecer e a esmmandar,
acbou de dar s san fe i cues urna expresas r-
gida.
He necessario julcaraenlo para fuzilar meta
lu/ia de misera veis'.' pergunlou um velho capitAo ;
deve-se ter.atten(oes para com 01 soldados de Rfoel,
de Renoeals c de Mina'.'
al picadas, de sangue
rilheiros linh.m senPido-'J-eVdo"braV"ainda''n"er-
voto, apezar daida^ (|o b'ravo capil0.
Agora, disse ,nofl 0 ronimandaula'deixando re-
Os senhores sabero depois, lornon o romman-
danle, o motiv, pelo qual obro assim, e todoa- qui- .
respeitairk awtSa disciplina para nao disenlirem ne- t
jihuina ordem orina por mim ou pelo meus supero-
es. Pens que urna hora bastar para preparar
nossa partida s pera repouso dos cavallos. Quaodo
eo mandar tocara reunir, os senhores lera o a bou-
dadedeira cata do regedor na qual nos consliluire-
inos em tribunal militar para julgarmos os prisio-
neiros.
Elle saudou-oos e retrou-se. Empregoei tempo
; que fura dado aos olliciaes para vigiaren) os prepara
ti vos da partida em i n for mar-rae da gravidade do es*
jtado dos nosso feridot, e sobretodo em procurar Je-
fronymo.ao qaal nao lomara a ver depois do momen-
llo em que elle desmaijd|L Achei-o emfim atraz do
carro quejicra nuja*^,^ lugar que oecupava no
roraifi' "da^MieSde iiied?, cavalleiros, quando a
thegar, a da infantaria lAo Vl'zmenle inverlera os
papeir.. O corneta eslava apVa(1 ao eiI de UID1
roda e contemplava com ar sXmDri e Pmad as
-uipias da posada. Culou-me\a reconliece-lo, 13o
midada eslava. Seu semblanleVn,f,all,ae1110 Pe-
chera a expretsao de allvez, l)ra,?'ur, ^an'^uel!,
csolula queojmbelezava, os olhosVa0 Imham mais
sen hrilho alegre, e permaneciam em"8?*"01 e.llsus
sobre o moujn de deslroeos ileuegrioP* e "e cn"s
ainda qoenles, onde ficara oatlorpo de T"ere,a '< e,'e
eslava ihclnado para diantfcndo a caBe.8 curvada
para o peilo, e sem dar unweiuro nem ^erter urna
lagrima Pela alltude de sua dor compreheudia-e
que um soffrimenlo terrivel "atacara esse ho\mem 13o
bravo, e que depois de um desses apertos ^devora-
dores que ferem por toda a vid quando nlo rtltlam,
arara sem energa e quasi sem iotelligencia. \
85 Dr. Aionio VVilruvonoto Bandeira
cioli de \ ascoocellos
86 PadreJais|AlraSH> de Mfcdonca
87 Dr. OmM e soe.,1 l.eov
SS Dr. Franeit -nardo de Carvalho
89 BarWMaTsftBBsVt
90 Majorilveslre Antonio de Olveira Mello
91 Tenenle Candido Leal^ferreira
92 llenrique Augusto Milel
31
122
10*
104
i trn
8
80
BJSPABTXQAO SA POLICA
Parte do dia 11 de deiembre.
Illm. c Exm. Sr.Levo ao conhecimeala de V,
Exc. qae das dillerenles parliciproes boje recebi-
das nesla reparli^ao, consla qae ae derain at seguin-
tes occorrencias:
Foram presas: pela subdelegacia da fregoeais do
Reeife, Francisca Maria do Espirito Santo, Maria
Rota da Conceico, ambas per brigar e Fortunato
Alves CatxUxo, para recrula.
Pela subdelesgacta da fi eguejU de Saalp Antonio,
. Jerouymo in
em loroo de si,
aquelle que o
me, a smenti
daria, quando
Nao de"
te 1
lo o aasjsjaeulo qaerJJfo fbsw
v, aja^livio-meapproximar-
iu afaS fixa sobre a hospe-
com o ledo.
aqui. disse-lhe eo, esteespec-
taculo mala-te, mea amigo. Perdesle moito, mas re-
flecte qoe o quioto esquadrAo d cavallacis alada ne-
cestita de um bom soldado como lo, de um coracao
toda a prora bem como o leu. Vera comigo ; -mi
perdesle lodo o leus amoreajffeasiam-le ainda leus
amigos, eu, leu regimenle...^^ail-..
O corneta oovio-me respei!o*aateote ; mas or*
evidente que o som das palavran sgava-lhe aos
ouvidos sem despertar-lhe a iulelligaijaf Qoando
deisei de fallar, elle abaixou uovamente a ajea, e
recobrou sua attilnde triste e sombra,
Nao me ouviste, Jerouymo t lornei com inils-
tencit ; queres abandouar-l a um abelimenlo que o
homem brioso nao deve conhecer t
O soldado desviou a vista das ruinas oada perma-
neca obstinadamente fixa, e respondeu-me meneen-
~ com ar doloroso :
Comprehendi-o e agraderio-lhe, mea tenenle ;
mas perd teda a coracero, todo o bro Nlo son mais
homem ns*> tenho maja caragem, nem jovialidad,
nem eusrgi ; toilas estas peJayrss qae vossa echo-
na pronaaeiou ha pouco, ter-rfte-hiaro oulr'ora feilo
andar sobre o fogo ; acabo de ou vi-ka, ellas nlo
me aniniaram ; que quer '.' ludo est liae para mam.
Ah se eu podesse chorar !
E o pobre soldado deixou cahir a cabera nas mos.
Picoa atdhn dorante alguns minutos agitado porte-
latos convulsivos, sem que uata lagrima, que o te-
ria talvez salvado, Ihe chegasse s palpebras desee-
cadas.
Ah exclamou elle emfim, meu lenle, nao
sebe qoe sou engelado, nlo conheci pai nem snli,
nunca tive irmAo nem irrua para amar, compre-
hendi qoe Thereza seria ludo isso para mim !
Etperei com paciencia qoe se applacasse um pou-
co esse impulso de dor, e erapreguei depois urna es-
pecie de conslrangimento para arranca-lo do triste
espectculo que irrilava-lhe at lembranca. Conse-
gu leva-lo para longe da posada. Eu fallava a Je-
roaymo assim como teria fallado e um irotto ; pois o
soffrimenlo approxupa as distancias e enche osin-
lervillos que as letssociaes poieram ntreos horneas,
e a dor de Jerouymo era tao verdadeira e tao pn-
geme qae ea esqaecia Indo para coosola-lo. Elle
refero-mc os acontecimentos que narrei, e eu soube
assim as circumstaaeias da morte de Thereza ; mas a
hora do conselho de guerra approximava-se, e tive
de ir a casa do regedor, onde elle havia de reunir-te.
(Ctmjmwr-ae-iia.)

\

. /



DIARIO DE PERIMBUCO QIMTA FEIRA 12 OE DEZEMBRO IE 1855
\





Jos Amonio de Oliveira, ior insultas, e Inuocencio
Jos di Snva, por suspeito da Mr escravo fgido.
Pala Mibdelegncia da frsguezia da S Jos, as pre-
tal Anoa Mara da Aununciacsjo 8 Hara Joaquina
da Conceieao, ambas por triga.
E pela subdelegara da fregoezia da Boa-Viita,
Ifanoel (Juirinoda Encarnado, por insultos.
Deo guarde a V. Exc. Secretaria da polica de
Peruanibueo 11 de dezembro de 1855. Illm.eEim.
Sr. eonselheiro Jos Benlo daCunha e Flgueiredo,
presidente da provincia.O chefe de polica, Lu;
Cirios i* Paiva Teixeira.
Illin. Sr.Con<(aDdo-me que o prego d terraha
uoa mercados pblicos desla cidade lem sabido con-
sidersvelmenta, cor.i grave delrimentu do povo e es-
pecialmente da pobrera, sera que para isso haja ou-
tro motivd'se nao o do grande numero de atraves-
adores, que segundo sou informado se calenden) era
umalinha desde as Cinco Ponas atea povoaco de
Sal Amaro de Jaboalao, particularmente aa fre-
goezlados Atogados, chaguado o escndalo de mu-
tos deas atravessadorea ao ponto de largarem os
ofticloa a liabalhos a que se dedicavam para se en-
trega rem a um trafico menos licito, o a respeilo do
qoal as posturas municipae* lem cominado peuai,
recommendo a V. S. que d sem demora e coa) ac-
tividad* todas as providencias a sen alcance para
que cessc un tal atrav estamento, e se facam
effeelivas ihre samelliautcs individuos as diiposicOes
das referidas postaras.
i Dos guarde a V. S. Secretaria da polica de
Peroambuco 11 de dezembro de 1855.Illm, Sr.
Dr. Francisco Bernardo d j Carvalho, delegado do
primeiro districlo deste termoO chefe de polica,
Luiz Carlos de Paiva Teixeira.
Illm. e Exm. Sr.Cuiopre-mo participar a" V.
Eic qa* o servico do aceto das mas d'esla eidade,
feito sob minha direecao do dia 19 a 24 do correte,
foi o segrate :
J.impou-se novameote as qualro fregnezias as
ras, travesas o pateos que se seguem :
Ra da Seazala Nova, Caes de Apollo, roa da
Lapa, do Codorniz, Moeda, Amurim, Eoeaolaujen-
to, Caci alia, Saoula Velha, ra da Guia, dos Ta-
aoekos, do Tarros, da Cruz, praga do Corpo Sanio,
arca 4a CouceicAo] travessa do Boro Jess, dita de
Apollo, becca da Boia, do Capim, do Quaresma, do
Campello, Lama, Joo Piolo, Crioulas, Largo, Miu-
dmfaai, Vigario, Norooha, Chafariz, largo da Asseni-
Wa, ra do Crespo, de S. Francisco, travessa de
dito, roa dasCrozes, do Queimado, paleo o ra do
Collogio, tilla do Passeio, do Cabugu, paleo da Ma-
triz, rna Nova, das Flores, da Coocordia, Crabos
do Carmo, becco da Bomba, do Sarapatel, ra do
Fogo, bocio do Padre, rna das Triocheir as, das La-
raageiras, pateo do Carmo, ra larga do Kosario,
eslreita do dito, pateo e ra do Livraraeuto, dita da
Santa I ha reza, dos Qoartuis, paleo do Paraizo, rea
da Roda, da Sanio Amaro, do Senhor Bom Jess
das Crioulas, do Cataaooco, do Muodo Novo, Bel-
la, Florentina, da Harta, das Aguas-Verdes, pateo
de S. Pedo, ra dos Marlyrios, Dircita, travessa do
Serigado, pateo da l'enha, Ribeira, roa da Praia, de
S. Jos, de Santa Cecilia, do Nogueira, da Assump-
c pateo do Terco, ruadasCiueo-Pontas, Aagusta, Csl-
deireiro, dos Copiaros, dos Pescadores, travessa do
ique, aterro da Boa-Vista, basco do Ferreiro, ra
do Carnario, do Hospicio, praca da Bsa-Vista, ra
da Cooceicao, travessa do Tatnbl, ra do Rosario,
da Caixa d'Agoa, dos Pires, paleo da Saola Cruz,
ra Velha, da Gloria, Pont*-Velha, ra da Saola
Croa, Ribeira, ra do Cotovello, do Moodego, do
Sebo, do AragJo, da Matriz, Caes da ponte da Boa-
Visla.
Contioua-se a fazer o mesino servico do aceto das
ra*, eos aterramentos as roas e Iravessas j men-
cionadas em meus altimou raUtorios.
Forain tirapos os qaintaes dos casas numero 24 a
una? ra do Tarjo, da casa numero 2 na ra dos
Marlyriot.
Fuz-se o servico eom 55 trabalbadores e apunta-
dores ; a loiha das ferias das qualro fregnezias im-
portaran) em 2249880 rs.; alugueis de carrosas em-
pregadas liariaraeoie no servico do aceio das roas
uas freguizias da Santo Antonio a S. Jos 126(000
rois ; importa da areia distribuida em diversos laga-
res neslas fresjnexias 23f0cO ris ; empreiUda de dez
bracea di! aterro, feito na roa do Ooro lSfoOO
ris.
Ha tu Exc.
lieos guarde a V. Exc. Recife 26 de novemliro de
1855.Illm. e Exm. Sr. barao de Capibaribe, pre-
sidente da cmara muu.cipul.Joao dos Sanios
Porto, administrador gernl da companhia de Ribe-
rinhos.
(,*afoi w.O secretario, Manoel Ftrreira Ac-
cin.
Os santos padres, os mais abalisadus e insignes
doulorea da igreja, em voz unisona, acorocoados
por um estimlo de piedade e devocSo inceesanle-
meule precouisam, uns com energa e vehemencia
de pensamenlo, a pureza de Mara, outros, porm,
randera subraiaios as mais iugenuas vasullagens, os
preitosmsis respaillos s soas singulares virtudes,
todos alfim a' pora querem elevar seus peosemeu-
tos ao pinculo do raagesloso o do sublime, quaudo
se traa da imraaculidade da sua Conceieao.
Eala crcnca, pois, Uto vetusta, arraigada nos co-
rarles dos liis, e que ha dezenove seculos toda a
chrislandade livre e esponteneiraenle desde o mais
elevado solio, al o mais humilde tugurio se Ihe
preslavam os mais sinceros cnltos e subidas honras,
veneradlo e acalamento, nao se achava todava fir-
mada pela auloridade da igreja, como dofaju de fe
calholica.
Chegou lioalmoute o dia dessa gloria sem par,
dessa alegra acrisolada para o chrislianismo.
O soberano Pontfice Gregorio XVI de saudosa
memoria, havende prodigiosamente revivido no orbe
calholico o desejo de que a Sauta S dogmalicamen-
te julgasse que a Vrgeni Mii de Dos lora concebi-
do sema macula de origera, mas a sabedoria divina,
os arcanos de Dos uau acharam apporluno lomar-
se effectiva essa solemoidade; o vehemente anhelo
do piedoso pontfice ficou sobr'eslado, licou suspen-
so porque com elle deseen ao sepulcro.
A cadeira de Pedro recebe outro successor; as cha-
ves da igreja sao entregues a Pi IX.
Este soberano pontfice chefe da igreja, vigario
de Chrislo na trra, animado pelas reiteradas roga-
tivas e supplicas ardautes dos fiis catholicos e dos
Cus pastores, e simultneamente por sua fervorosa
venerarlo e amor para com a Mai de Dos, qoer
realisar o pensamenlo sublime do seu predecesor ;
e logo que senlou-se na cadeira do Pescador nada
repulava Uo sagrado copio venerar com especial
piedade a devocjto a Saotissima Virgem Mara, e por
em pralica lodo quanto entendase que podia con-
correr para sua raaior gloria, louvor e honra ao seu
culto. ^~-
Aisim pola, dirije ensielyeas firmadas em Caiela
em 2 de fevereiro de 1849 aospalriarchas, primazes,
arcebispos, bispos ^da chrislandade, as quaes
solioitava a cada nm qua com a maior presteza e
brevidade^ possivel jnf< aasso acerca da devocao
que o clar e o povo isagravam Conceic.ao da
Virgem Immaculada ; ebem assim do ardenle alle-
lo de que esta crencra seja firmada pela S Apostli-
ca, como dogma de f.
Esta exigencia fora eom goslo satisfeita por
meio de 603 respostas dirigidas pelos bispos da
chrislandade, e as quaes caecaram otadas cadei-
ra de Pedro.
Emsamma, envidados lodosos meius, preenchidos
em toda a sua planllude os requisitos que o episco-
pado catholico jalgou de mister para o complemento
da definidlo de um myslerio tao transcendente ; o
SS. Padre Po IX convida os bispos,do orbe calho-
lico para loroarem parte do grandioso banquete ec-
clesiaslico.
Eisas mitras respeitaveis, esses sagrados pastores
da grey de Jess Christo, espalhados por toda a
chrislandade, huleando as ondas do salso mar, ar-
rostando tantos incommodos, chegam inclumes ao
centro da anidada calholica.
Electivamente no dia 8 de dezembro de 1854
achavam-se reunidos na Baslica do Vaticano o sacro
collegio doscardeaes em numero de i; o senado dos
bispos em numero de 141, sendo sua lolalidade
195 prelados sagrados (6), e todos congregados sob
a presidencia do soberano pontfice, aclualsaeule
reinante, para eom a assisteocia do Parad
rito, firmaren) como dogma de f, o maguo
e religiosos das ordens regulares ; leiitesj'do semi-
nario episcopal; o Exm. presidente da provincia ;
governo das armas, e mais autoridades militares e
civis ; pessoas gradas da provincia, e um grande
concurso de povo que oceupou todo o recinto do
elegante templo do principe dos apostlos S. Pedro,
em frenle do qoal se achava poslada urna brigada,
fazeudo as devidas honras a leslivida le a una se con-
sagrava a excelsa Padroaira do Imperio.
S. Exc. Revm. vio seus anhelos consumados, e
lodo o povo sobramaneira satisfeilo por verfblem-
nisado ui igreja pernambncense, o dogma definido
Ja Cooceicao Immaculada de Maria.
Fr. Lino do Monte Carmelo.
CORRESPONDENCIA.
Sehneres redactores. Sabo o mundo inicuo
que por humanidadee nao por oolro principio, pro-
tejo a justsima causa dos libertos do Gnado Anto-
nio DaulasCorroa, contra a hidrpicaavareza do Sr.
Manuel Salusliano de Medeiros, o qual pretende a
cusa de todas as banalidades destrnir a manumissAo
do-tes i niel i es; e porque forgicasse uina que-ljo
monslro o mesmo Sr. Salusliano, para melhor dizer,
um lihello ineplo, um verdadeiro moniao de quan-
las irregularidades, a venalidade e corrupto pode-
ram inventar, chamei os aulos a mira, e os submelli
a varias capacidades jurdicas, para que dessem seu
imparcial laudo a tal respeilo.
Com effeito, todos una voce declararan) que nem
mesmo nos mais remolos serles, aonde a selvajaria
hoje e enconlra, com dificuldade se depara com
um processo, que desde a primeira al a ultima pa-
gina he a raaior Has pedanlarias em phrase jurdica,
pois que por irrisao ao senso publico as mais peque-
ninas formalidades ah foram preteridas, deixaudo-
se claramente ver o crime que resurabra cm toda
mageslade da quem se nao importa eom a responsa-
bilidade de seus actos. E sS por esta forma he vis-
to que o Sr. Salusliano fugio do lugar de sua residen-
cia, para que nao fosse alcanzado para o prosegui-
menlo da appellagao, o at laucado ten mao de meios
capciosos para que seja fraudado o deprecado que
anda em sua busca.
Ora; como se ha espalhado que teoho lomado sob
mluh.i respoosabilidade palenlear semelhantes
miserias, que na phrase dos mais correctos ellas se
appellidam antes por um verdadeiro rouho, do fonte
muito lmpa sube agora, que o Sr. Jos Caetano
Fian Lima pretende vira muha residencia fazer-
me um ataque munido de forca : venha, Sr. Fluza,
esteanuuncio firmado do met proprio punho he a
luva mais solemne que Ihe aliro a' cara; fique certo
que nao trepldarei; e Vmc. licar de urna vez con-
vencido, que sua bruta audacia ser completamen-
te repellida, e servir de HcSo meslra para todos
que lerera na sua pessoa a historia daquelle que foi
obrigado recuar permite suassjlosensatas fouficcs.
De oulra vez farei publico peca por peca as gen-
tilezas do raseravel e hediondo huello, mseravel
basolia de gente tao estupida e setvagem ; eu me
comprometi levar a effeilo, puitdojuo olho do sol,
scraelhanlearchilecto innovado pela mao da fraude:
e como no magisterio de rainlias funcroes seja-me
preciso caminhar looge e al por lugares desertos,
nao leiiho outros inimigos, Vmes. serio desde ja os
resroosaveis por ludo quaulu me honver de acon-
tecer.
Queram, senhores redactores, dar ptihlicidade a
estas liuhas.o que muilo Ihas agradecer seu constan-
te leilor.Padre, Francisco Rodrigues Machado.
Titnbauba 4 de dezembro de 185o.
COMMIJ^ilCADO
O Sagena a faaaaaml.da Caacalc>o' lolent-
ttleanau asa Faraambaco sal* Exm. Rvm,
publicacao a pedido.
Totii puteara esel macula non est in le.
Cant. cap. 4,.v. 7.
Pirfo per graliam a omni integra labe peccali.
8. Ambrosio, Serm. 22 io Psal. 58.
Desde oa primeiros seclos da igreja at os nosios
das, qua a devoe.au cousigrada Cooceicao de Ma-
ra, lem sido a mais doce eoosolacao dos fiis ; o
ohjeclo mais jucuodo e complaceole para os catho-
licos.
As inullipiices iavoca{oes e ttulos com que an-
uualmenle sa Iba tributa as mais puras vassalla-
gsos, os mais submisaos preitos ; os bellos templos
consagrados em sua lumia ; o grande numero de ca-
thadraei, mosleiros, parochias, capellas o mesmo
oratorios particulares, todos e.-les monumentos dao
a mais irref/anaveis provas d siugolar davojao-
praatada soberana douoe da Ierra.
As dioereules, corpofres religiosas, ewnfrarias,
ordens reaes, coraaoeudadores, cavalleiros das ami-
gas ordena militares, as quaes juravam defender o
myslerio da Immaculada Colaaoscao de Maria, nao
meuo- alteslam esta verdaJe inconeossa.
^Mvenas nniversidade*, academias, collegios, ly-
aaua, ntitituices glorilas que os nosaos maiores
haviam fondado' sob os auspicios de Maria Saotissi-
ma, a a cuja poderosa egide ellas sa lem prodigiosa-
mente corrido ; o afierro a este sublime myste-
rio da Gaaeeie3o da par dos soberanos catholicos
tomando a Saotissima Virgem immaculada em sua
Caoceiplo, como padroeira de seas reinos, como
bem donlarou um Fernando III de Alletnanlia, a
Coaotifi da Maria padroeira universal das Indias;
Alfonso Henriques, padroeira especial de Portugal:
e o Bradi tomando igualmente seu imperante, a
Conceicdo da Mii da Dos, ellicaz padroeira do Im-
dajgy|aMbu Cna ; t ado demonstra por demais a
(^.solada qoe t jdos os fiis cousagraai a es-
'esssiii|iasubrioaa,mysIeiio. -
ato lantma, a IttjRaiidade dtenlos outros mo-
narebas piadosos, que consagrarm a' Conceieao de
Marte sua pessoa, sua familia, seaUSestedos e todo
o sao reino (1) ioaugor, ndo-llte famosas e indele-
veis teainorias como exceltetites exaaaelos de seu af-
ierro a esta excelleule devotao, ludo allesla o con-
cludeutemeute prova a suuularidad do culto pri-
moroso que os fiis dS mais reinte aadguidade, hu-
mildes e reveroales com grande piedade Iribulavam
Mii do Soberano dos orbe*, e simultneamente
mostra a eredibilidade que deposilavam em seus co-
raijis, dB que a Virgciu de Siao uao fra com p re-
hundida no neceado d origem, (ribulo funesto le-
Bada p. lo primeiro habitante do Edn aos seas des-
cendente, porque um i -rara especiota preservara
desea infetcno universal. .
fe feito, a Escripluri sania, o saulo deposito das
verdad* eternas, o repertorio dos designios de Dos,
dos orculos de Dos, ja a ules indicara a iramaca-
liidade da creatora falii qae havia da desaggravar o
/irnaeiro insulto da serpa astuciosa, triturando eom
victorioso p a sua protervia cerviz. Ipsa coulerit
captt iMsun. (2)
Igualmente declara em termos mais claros e ex-
plcito), que Maria era Incompreheadida nos tristes
eileilos dajatobedieoeva do ousado Ado, sendo que
por ara^aTe Dos, ca pora e inmaculada em sua
Convicio gloriosa.
(3; Totaputchra es... el macula non est n le.
, O paranimplio cele te ani|unciaudo a grande u
importante ubra da redemp^o qiio linha nella de
Yariliear-se, para e que havia sido ab (eterno osco-
Ihida, j sada com estas bellas expresses : Ate gra-
tiapkna. v4i
Os evangelistas poh team lugo a niagnitude de
!* oxcerlencias e a eminencU de snas virtudes, af-
llrmodo que della uasceu Jfsus ; De qua nalus
est Jess.. (5)
ccllenle myslerio da Immaculada' Conceieao de
Maria.
Eotaofo SS.|padre l'io I\,do alto da cadeira de Pe-
dro depois de haver iudReadoo aaailio do Espirito
Consolador,l6 cheio de prufaada e viva emorao.o de-
creto dogmtico e no qual afflrma seruUm dogma
de f, que a beraavenlurada Virgem Mara, desde o
primeiro nstenle da sua Conceieao por singular
privilegio e grac.a de lieos, pelos merecimenlos de
Jsbssb Christo Salvador do genero humano, foi pre-
servada e isenla de loda a mancha do neceado ori-
ginal, a '
Esta definirao he recebida com grande eulhusias-
mo, d'eotrc os fiis catholicos da capitel dB Roma.
Um jubilo por demais acrisolado penetra, rere, e
moveos corases de todos os liis quo assisliram
nm acto 13o magesloso, tao solemne, e tao sublime.
L" in grito de perfeita. alegra soou unisono as
abobadas da grande bazilica do vaticano, e repercu-
ti em lodos os augulos da ] cidade sania ; e esla
mesma alegra espalhadu do ceolro da uuidade che-
ga gloriosamente a circuml'ereucia da chrislandade,
bem como os raios do sol do seu disco para,, loda a
redondeza do mando ; percorre o Brasil, loca a dio-
cese de Pernamboco.
O Exm. Sr. bispo diocesauo movido por urna es-
pecial devocSo a SS. Virgem, anhela dar urna prova
exuberante de sua dedicacslo lo singular mysle-
rio ; e para o qual por sua carta pastoral de 27 de
noverabro do andante, couvida o seu amante cleio ;
as suas predilectas ovelhas para com elle u presen-
ce do Allssimo, reuderem immortaes gracias pelo
grandiosp beneficio ootorgado a Raioha dos Ceos,
declarada pela auloridade da igreja, preservada e
nenia por greca especialissima gde lodo o conlagio
de origem, em sua Couceic.lo prodigiosa.
De certo no dia>8 de dezembro de 1855; primei-
ro anniversario da deliuicao dogmtica desle ioefa-
vel myslerio, quando o rei|dos astros ;illuminava
com seus raios i-face da trra, o magesloso e sober-
bo templo do principe dos apostlos, S. Pedro,
annunciava pelo ribombo de seas campanarios, a
graodiluqua solemuidade que ia ler lagar em liou-
ra .da Mal do Soberano dos Urbes.
As 8 horas desse dia, o bello templo dos clri-
gos peroambucanos, franqueava sua entrada, e a-
colhia em seu recinto sagrado, o povo calholico.
Ao entrar-so nesle bello saucluario, decorado
com lodo esmero admrava-se, o via-se em cada
parle delle scinlilar|o expleudor; em cada Ju-
gar lazir a magoificencia ; em cada canto pri-
mor 'fuasto, e|em ~lodo|elle sobresalir a pompa e
sumptuosdade ; sendo lodo este grande apparato
copsagrado em honra da Soberana do universo, da
Mai de Dos, da Padroeira efllcaz de imperio da
Sania Cruz, Virgem Immaculada em sua Coucei-
e.io.
E eia que se d comeco ao acto : o ministro sagra-
do, com os levitas do Senbor, cliega a ara saola, ao
altar do holocausto, da principio ao sacrificio incru-
ento ; offereee ao Eterno a Hostia immacolada. S.
Exc. Rvsa. o virlooso prelado diocesano apezar de
tiysiees,
si diodo
u mu
ispado;
>. Exc.
Illm. e Exm. Sr.Diz o desembargador Jerony-
mo Maajioiano Fgueira d Mello, que lendo-lhe
morrido na corle do Rio de Jaueiro ama filha me-
nor com quasi 3 anuos de idade em consequeocia de
urna desiuteria chronica, de qae fra accommellida,
e hivendo elle cooduzido seo cadver |iara esla ci-
dade Do vapor Paran, depois de ser ali embalsa-
mado conforme o procedo do Ur.^Gaooal, modifica-
do pelo Dr. Souquel, como ludo V. Exc. ver dos
duus certificados juntos, que Ihe passaram o Dr. Jo-
Tifcc Pereira Reg, memhro da juuta de hygieoe pn-

(\) Vide La Vierge, Histeire da la more da Dita
el son cuite, par M. i-'Abbe Uraiui.
K>. Uens. cap. 3. v 15.
(!) Cant. can licor, cap. 4, v. 7.
s
sau estado valetudinario, a padecimor
daixa contra seus anivelo^; ponlt1
apenas a 'imM\l J"fl!(lndo|' '
solio episcopal. A missa foi
digno delegado, o Rvm. cooegs,
sendo que depois da entrada do.
Rvm. debaixo do solio paramenta, es pon
tificlaes, d a beui-ao pastoral lodas e'h^i ove-
los, a lodos os seus diocesauos que assisliam a este
llii solemne aclo de jubilo e de gloria ; conceden-
do-lhes 40 das de indulgencia. Terminada a mis
um eximio orador sagrado sobe a cadeira da ver
dade, o recita um especial, o erudito serrado, sendo
que a gravidade do orador, o assumplo primoroso
do panegrico, a eloqueucia querelle usteutav, e a
ternura com qae o expunha,tudo etevava o espirito,
e movi o urac,ao.
Concluida esla urac,ao sacra, o virtuoso autislel
sagrado, com seu clero rende ao Soberano dos Orbes
infinites gracas por beneficise favores tao transcen-
dentes, que a Providencia Divina apreuw prodiga-
lisar ao christiauismo;e em sua real.presenta ia,',
cheio de emo^ao e ternura, o saudofe bymno ambro
siano.Te Deum Laudamus, o qual fora alternada-
mente correspondida por urna bem orgaaisada orchet -
Ir, cujos sons armnicos de seus cnticos arrebalava.
com vehemencia o espirito.
1'euelrao anda o esclarecido y-elado (xocesaTS.
do mais excessivo pruz-r, dirje-se.depois aoylUr|da
inmaculada ConceicAo pomposamente deeoado, e
ahi com tanta piedade, que ressumbrava era seu
roslo caula com seu clero, o senipre jucuudo, lexno
e sedoso. Tota pakkra es Maria, e tdesl forn>a
dar o ultimtum da solemuidade quo respetosamen-
te cousagrara em honra do dogma definido, pelo
chefe vvel da igreji, vgaria de Chrislo lia Ierra,
successor d-a Pedio, o soberano pontfice l'io 1\.
A lodo sle brilhaDteavlo, a loda este solemuida-
de religiosa, assisliram, o clero da capital, o Rvm.
deo e caaogaada calhedral de Oliuda ; os prelados
(4; S. Luc.cap. l.V.a;
(>) S. Malh. cap. 1, v. 16.
ie cuuegeec
(6) Vide o Dterto de Pernambuco de 1. de oula-
bro do correnta.
blica da referida corte, que tratara como medico a fi-
lha do supplicanle, e pelo Dr. Ar.louio Jos Peixoto,
que praUra o dito processo,foi o caixo,que conli-
nha o cadver da lilha do supplicanle depositado a
bordodeaaliahei'irapa'iia.emquaulu o supplicanle
passava no lazareto do Pina os 15 das marcados para
asquarentenas desle porto.
leudo, porm, o supplicanle sido desimpedido no
dia 2 do c irreule, e desejaudo desembarcar o caixio
que contiuha as queridas reliquias de sua filha, para
Ihe dar as honras da sepultura,foi embarazado de fa-
ze-lo,por Ihe dizer o guarda daalfandega a bordo do
referido patacho,quo Ihe fora vedado o.eulregar-lh'o
at segunda ordem da commi desla cidade ; e porque enlao consto ao suppli-
canle que os motivos de scraelhanle resolucsJo
eram o boato propalado pelo Liberal Pernambuca-
no, de que a filha do supplicanle morrer.i de chole-
ra e se achava exalando pessimo cheiro, assim como
que dous exames feilos nm pelo Dr. Casado Lima,
eucarregado do lazareto do Pina, e outro pela pro-
pria commissao de hygiene.haviain dado em resulta-
do a con vicro de que a fallada pulrefarao era nma
fbula inventada lalvcz por aqaelie peridico, cujos
rodadores sao de ha muilo inimigos do supplicanle,
esperava este qoe lodo o obstculo essasse, urna vez
qoe o supplicanle demonilrasse qoe sua filha nao
raorrernde alIecQao choierica ; e para isso dirigi-
se no dia 3 i casa do presidente da commissao da
hygieoe, o Dr. Joaquim da Aquioo Fonseca, levan-
do os precisos documentos comprobatorios tanto d
causa da molestia, como da maneira porque fora
embalsamada ; mas nao o anconlrando recebea logo
depois o offlcio por copia sob n. 3, no qual se Ihe
propunha o mandar construir no Pina ama sepul-
tura de lijlo e cal em que eslivesse depositado o
caixao da filha do supplicanle emquaoto reinasse o
cholera no imperio. O supplicanle ficou inlera-
meute sorprendido com semelhanle intimarlo, nao
smenle porque nao foi ouvidoantes, como ctimpria
em negocio que tao de perlo o interessava, como
porque o3o vio nella urna srazao, que senao fun-
dada, ao menos plausivel fosse ; e sob a impressao
dolorosa de negar-se sua filha placido jazigo uo ce-
milerio publico, responden a commissao pela ma-
neira constante do oflicio por copia junto sob n. 4, e
julgando ler refutado da um modo victorioso os fu-
teis considerandos da commissao ere hygiene, espera-
va.que esse utlicio fosse levado ao Conhecimcnlo de
V. Exc, para sobre elle deliberar em sua sabedoria,
como mais acertado parecesse, visto que o meio pro-
posto, no da commissao o era em cumpriroento de
ordem de V. Exc, e V.Exc. em tal caso compele
deliberar sobre a nova resoluc,ao que se devera lo-
mar. ,
Assim, portan, se nao feati/e a commissao de hy-
giene, prelerindo uessa parlo toda Referencia para
com a primeira auloridade da provincia, contra cu-
ja ordem cu reclaraava refutan lo os Traeos funda-
mentos que Ihe emprstela, dirigi ao supplicanle o
oflicio quo V. Exc. ver por copia n. .'>.
Ahi declara ella exfpressomeule, que acredite as
allegac&ei do supplicanle, e aeha fondado quaulu
diz ; ahi ella nao aprsenla a menor expressao, que
possa Uludir a arCjumenlacSo do supplicanle, e eu-
tretanfo, por una dessas aberraees da lgica que
se nao pode explicar, a commissao de hygiene conti-
nua i insistir na realisacao do meio proposto ao-
lleBaseando-se nosinterestes da salnbridade pu-
blica, qW a commissao de bygiene Ceve dar o sen
parecer : >ora,teudo1ella confeaMdu que o supplican-
le arguiniulava com fundamente, segus-se que reco-
nheceu : l., que a molestia da lilha do supplionle
nao l^jracoulagiosa; 2., que o cadver dessa me-
nina nao pode produzir o cholera ; 3.", que desse
cadver nao procedeu mo cheiro por ser imperfeilo
o processo de seu eiubalaauieiito,oqual possa damni-
ficar a almo phera ; e entretanto, abandonando o
campo scieutifico, que Ihe he Iracadu pelos seus res-
trictos deveres, a commissao uo seu ultimo oflicio
apena* allega em fundamento da sos insistencia que
he necessario obrar de modo qoe a populacho nao
extranbe ; mas que razoes sera essas que dirigen) a
sua prudencia '.'
Por contissao de um dos mein! ros da junta, feita
era casa de V. Exc, sabe someiile o supplicanle que
ha pessoas que estro disposlasa coimneller toda a
qualidade de desatinos, se o ehulera se desenvolver
oeste cidade depois ,do sepultemenlo da filha do
Wipplicanle, accoameliendo j ao supplicanle, oj
a tiroprias loembros d commissao. se porveutura
cutisenu'.sem em lar, mas, Exm. Sr.. emhora coule o
supplicaute jnuilns amigos, que lambera andaiu
eulre o povu, nunca uenhum driles Ihe afirmara tal
alentada, e por isso o su^iplicaule auima-se a decla-
rar que Henielhaute allegcadnao pode partir da
m.iiuria dos Pernambucinos., que nu sau cafres uu
DMecanos, para desconheceripm os seulimculus que
dirjgem o supplicaute, por em dosses iuimigos do
suplicante, que dando marte de sua filha causa
diversa, propalando o boato ota corrupto do seu
cadver, eutendem que devenr aterrar a commis-
sao de hygiene a ao governo, e u ao se dedignam de
iojariar os Pernambucanos. em prestando-Ihes sen-
tmenlos qoe ellas nunca liveram, nem podem ler.
Se existen porem taes boatos, tses perigos, que amea-
rem a tr.niqullidade publica, a polica desla capital
dever sem duvida te-Ios descoberlo, e prudencia
administrativa somente, e n,lo commissao de hygi-
ene compete allende-los e reprimi-los, pois para
isso fora oonililuida. '
O.supplicanle compreheuderia bem a resolurao
prudencial da commissao de hygieoe publica, se
accaso sua filha livesse morrido do cholera, e em-
bola tivesse recouhecido que do caixao que continha
as suas reliquias, nao provinha eialacio alguna
mephiticaa commissflo de hygiene, ignorando quaes
osefieitos da corropcao do cadver, dentro de certo
temposobre o leocol de chumbo que o forra, qui-
zesse depositado Torada cidade ; mas tal cholera se
nao dea, o supplicanle o aftlrma sem temor de ser
era lempo algum contradicladu, o justifica essa as-
serrao com o jtlcstsdo do facullalivo que a tratou
al sea clerradero tostante, e finalmente u3o se
pode dizer tunca que o cadver dissolver ou per-
furar o chumbo do caixao.
Do documento que o supplicanle junta sob n. 4,
ver V. Exc. que o supplicanle prope um rasoavel
arbitrio que deveria acabar com lodas as difliculda-
dea, que se podero dar no sepltamento de sua filha;
a coinmiisao o regeils sem o menor fundamento,
baseada na sua prudencia ou antes pueril temor de
livrar-se de comprometlimenlos. O supplicanle
deixaa V. Exc. e ai pessoas sensatas apreciaren a
justca t imparcialidade de semelhanle procedi-
menlo.
Mas, Exm. Sr. se razao e a justica sao as qoe
devera dirigir a sociedade, c se os governos foram
creados para at!eude-las, o supplicanle espera qae
essa tao extempornea, quaulu infundada resolurao
da commissao de hygieoe nao possa prevalecer, mui-
lo principalmente qua mo o supplicanle eocherga
nella, uo a expressao sincera do seolimento do bem
publico, as vezes mal apreciado por ama razao fr-
gil ou nimiamente escrupulosa, mas o da Inimisade
poltica o da vinganra individual do presidente da
junta de hygiene, qae assim quer offender ao sup-
plicanle no qua elle (em de mais sensivel, repellan-
do do cerailerio publico a sepultura de sua filha,
que elle deseja cubrir de flores e regar com as lagri-
mas da sludade, leudo-a prxima sua haliilaro ; e
he por isio que o supplicanle cheio de confianza que
inspira odireito, e animado pelo que lite d a im-
parcialidade de V. Exc. vem recorrer a sua aulori-
dade para por termo a ama violencia qae nada jus-
tifica, e que a razan reprova; a um escndalo, que
mais que muilo oliente a qaanlos presam os nobres
motivos que levaram o supplicanle a ole enterrar
sao filha qo Rio de Janeiro, mas na trraPernam-
bucana.
Neslas circumslancias, Exm. Sr., nao devendu o
supplicanle segeitar-se a violencia que se Ihe quer
fazer sem tentar os ltimos recursos que as leis Ihe
facultara ; nao considerando mesmo infallivel a com-
missao di hygiene, ainda quando nao conhecesse o
espirito que anima o seo respectivo presideute, que
o supplicanle considera parcial e suspeito ; e haveo-
do na provincia mdicos Ilustrados que podem dar
aobie a quesiao um parecer que au se apreseute
com as cores da vinganra e do arate, o supplicanle
requer a V. Exc. que se digne iioinear urna com-
missao dos mais habis facultativos desla cidade,
que examinando o caixao em que eslao as reliquias
querida! de sua filha, apreciando os faclos e os do-
cumentes com espirito de 'ectidao, d son opioiao
sobre o dever ella ter entrada no cemiterio.
Desla maneira a resolurao de V. Exc. se fonde-
ra era niais um documento digno de consideroslo,
ao passo que uenhum mal pode resultar da demora
que um tal procedimento acarreta, assim como uen-
hum al agora lem resultado d permanencia do
cadver a bordo do Pirsmama, oude.lem estado suc-
cessivameule differenltj^aardas e niirinheiro, sem
que ncnltum fosse afectado du ehulera, que tao es-
Ireraecido loma o fols e pkarisaico zelo da apavo-
rada commissao de hygiene publica desla cidade.
E R. M. Recife 7 de dezembro de 1855.
Jeronymo Martiniano Figueirade Mello.
Illm. Sr.A Commissao de Hygiene Publica leu
com atleocao o oflicio que V. S. se dignou dirigir-
Mie com date de 4 dn correle, recebido hontem, em
que, depois de entrar em largas cousiderares, con-
clue propondo que o caixao que contera o cadver
de sua lilha, Tallecida no Rio da Janeiro, o dessa,
provincia Irazida porV. S. no vapor Paran, se-
ja |reiuovido de bordo do patacho Pirapama, onde
se acha, para o cemiterio publico; e comquanlo
nao teja infundado ludo qae V. S. diz i ella crf
no que V. S. furnia, ludavia v-se forrada a
insistir no que propozera a V. S. em seo oflicio de
3 desle mez, pelas raines all expoliaos A Commis-
sao procedendo por eslemodo obra pudentemente;
e se V. S. so nao achasse sob a impronto da sauda-
de, natural era um pai que passa pela dorque a sor-
le lem leito soirer a V. S., recunheceria que ella
lem razio. A Commissao uao quer que e cadver
da filha de V. S. permanece na iih i do Pina e na
se uppSe a que elle volte a trra de seus antepassa-
dos: all Gcar somente em deposito, e ser remo-
vido Invoque as circunstancias o peraoillirem. O
que boje) se Tarta precipitadamente, e excitarla a po-
pulacho aterrada com aa noticias procedeules do sol
do imperio, o impressoosda pela chegada desse ca-
dver, poder-se-ha fazer c*m lodo o respeilo, e sem
que a populaeao o estranhe; c V. S. lera tempo
para mandar construir no cemiterio um tmulo dig-
no do cujelo qoe devo encerrar. A Coinraissie
espera que V. S. adoplare o que leve a honra de
propor a V. S. e qoe Ihe far a juslica de crer que
ella proenra cumprir o seu dever; e aflirmua V.S.
qoe reconhece que os seus esteros sao o resultado
dos impulsos do seu corarlo de pai, coja dr seus
membros respailara.
Deo; guarde a V. S. Sala das sussoes da Commis-
sao 6 de dezembro de 1855.
Illm. Sr. Desembargador Jerouymo Martiniano
Figueira de Mello.
Dr. Joaquim de Aquino Fonseca.
Presidente da Commissao.
lecer em Roma, e em algaos pontos da Toscaoa,
Irabalhos que consistan) em copiar ou pelo menos
em esludar os autores anteriores a Peragra. Coovra
dizer, em louvor oeste pequea colonia allema,
que os artistas que a compunham proseguiram no
seu projecto de reformar a arle de pintura com una
coragem heroica, luclando contra os sarcasmos qua
mais d omn vez se Ibes dirigi.
Estes dilliculdades nao fizeram mais do que aug-
mentar o seu enthusiasrao, e logo depois, em 1814
Mr. de Cornelius, naicido em Dusseldorf, se ligou a.
elles na cidade eterna, o que prova que os seos prin-
cipios e os seus ettudos coocordavam amplamente
com os dus seus predecessorst. Urna das primeiras
obras imprtenles de werbeck he a Entrada de
Chrislo em Jerusalem.
Mr. de Cornelius, cujo talento se uioslrou mais
enrgico do qoe gracioso, empreheudeu urna vaste
composirao em que esteo representadas a destruido
de Mebelungeu, e o Iriumpho de Al lila. A gravu-
ra deste iramensa scena esta muilo espalhada em
Franco, entre os artistas e curiosos, porque o seu
aspecto estranho, as suas formas golhicas, e a obscu-
ridade do objeclo, o lem privado de loda a popu-
laridaoe.
O carcter das physionomias, as altitudes e os cos-
turaos dos personagens sBo escrupulosamente imilla-
dos das obras dos autores, piolores, e gravadores
alleraaes dos seculos dcimo quarlo e dcimo qain-
to ; e ueste rompo-ic.i > ludo aprsenla urna appa-
rencia severa das prodcenos pitlorescas di poca
chamada golhica. Mas o que ainda se loma mais
nolavel ueste desecho, segundo a arte, he o com-
plete desprezo da imilarjo da nalareca. Alli ludo
se acha desenvolvido segaodo a idea, e sem que u
artista leuha nem de passagem consultado o modelo
como se recorre ao diccionario quando se nao com-
prehende urna pilavra ou urna sicnificarao qualquer.
Originariamente o objeclo da escola, ou antes do
syslema eslabelecido por Owerbeck e Cornelius era
a rehabilitado do que haviam qualificado d'arle
chrisiaa, islo he, seguir exactamente os traaos das
pinturas anteriores a Perugio, e conseguinlemenle
nao Iralar mais do quo objecloi religiosos, sobrena-
turaes ou histricos.
Entre os resaltados desta paixfto to viva para as
pintura religiosas da idade media, da-M urna cir-
cunstancia curiosa que nao devemos ntir. Co-
nliece-se a histeria romanesca do mooge de Lews
que, de sanio e casto que era, tornoo-se intimamen-
te amoroso, fazendo lodos os dias as suas supplicas
em frente de uto quadro da Virgem, que havia al-
Irahido o seu cuidado. Acooleceu o contrario com
werbeck; este artista, torca de estudar as iraa-
gens da Madooa, qaal a natoreza do seu talento
o do sea espirito davam preferencia, sentio-se pouco
a pooco penetrado da f, e entregou-se logo depois
s vaidades do chrittiamsmo.
Animado nesla occasiao por Frederico Schlegel,
que j se achava separado do protestantismo, Mr.
werbeck abjuran desde 1814, Cora muitos dos seas
amigos, que u3o se demoraran) a adoptar as opi
nioes religiosas daquelle que os liuha dirigido no
estado da.sua .irle. Se os esforeos distes artistas
convertidos, nao os levirara o rehabilitar a arte ebris-
ISi como era sua inlencao, devoran) ao oslado apsi-
xonado que fizeram das formas exteriores do catho-
liciamo, terem entrado no gremio da igreia uni-
versal.
Mas desde esta peea ludo lera seguido a par da
f religiosa que reina o Allemanha ; quasi todos aa
espiritas cultiva ios se occepam do systema seguido
por Owerbeck. As recreacoes philosophicas alo se
combinara fcilmente com o exercicio de urna arte
hierotica, dogmtica e severa, como o haviam sup-
poslo os instituidores da nova escola allemaa ; foi
em consequeocia disto que ha alguns aunos este e>
cola se dividi ; de urna parle sao os artistas menea
numerosos, nnis ou menos fiis aos principios du ar-
te chrislaa; em quanto a oulra he formada de um
grupo de pintores que se lanjaram n'uma castrada
menos ardua, e que conduz a um Gm muito menos
elevado, he verdade, mas onde seguem mais fcil-
mente.
Este panlheismo de que temos fallado, tem cer-
tamenteeonlribuido para dispertaros principios eos
adeptas da escola allemaa, e nao lem sido sem in-
fluencia sobre o carcter tao variado das obras d'ar-
le, execuladas particularmente na cidade de Mu-
nich.
Se effeclivamenle se considerar qoe estes artistas
partilhavam da idea absoluto de refazer a arte de
pintar, segunde o goslo de pralica dos homens, qoe
a exerciara desde o dcimo terceiro at uo dcimo
quinto secute, para chegar ao ponto a que a arte es-
t hoje, comprelien leo se que leria sido necessario
experimentar mais urna revolufHo na Allemanha,
para que adopta-som esla dispoii'eao, que lem feito
levantar variados edificios d'eslylo, desde a archi-
tectura grega, romana bvsantina al as formas go-
lhicas e da reinaistance. Mas quaes quer que sejara
estas evolucoes do pensamenlo, o tesullado princi-
pal tem sido red u/ir o exercicio das artes a ama es-
pecie de trabadla archeologico qoe taca a imagiua-
jao e a phantasia dos artistas. ?>
II.
Resamindo os pontos principaes da doalrin leg-
malica da nuva escola allemaa, taes como a regeiclo
dos modelos, a obrigaja de nao tratar se nao de ob-
jeclos chrisiaos, e a de se sujeiUr s ideas, ao estvlo
e parlica oe autores da idade media, pode calcu-
larle que nunca teria sido iteeessarte mais do que
urna oestes coudicSps tejposla ae oHtehabil artista,
ao proprio Raphael, para Ihe fazerperder a vocacao.
Apezar das grandes e enrgicas combiuaoes segundo
se v nos desenos e carleseempostas por MM. Ower-
beck e Curoelius, dillicilmeate se enconlra urna pin-
tora saluda das raaos daqualles artistas ; e ninguera
ignora hoje que altes procuraram com todo o inters
se inculir nos nimos dos seus discpulos o systema
das suas eoraposicOes. Acontecen o mesmo que acon-
tecera se Racine ou Schilter livessem confiado as
suas comedias a algum aprendiz de poeta para asre-
dozir a verso.
O desdem do pincel da parle dos mais notaveis
compositores da Allemanha, e o uso que faziam do
sen taientb para ornar as fachadas dos edineios, justi-
fcalo lalvee o pequeo numero, e a ualureza das
obrasquese acliam ua exposicao universal. Enlie
ellas observam-se composlcaes, segundo Cornelius e
(iiiilhermo Kaulback, sobresaiodoainda os principios
do Owerbeck. Pelo que resoeil.i s de mais produc-
ees pitlorescas collucadas no grande salau destina-
do Prussia, revelam mais ou menos directamente,
tanto pelo syetema de composirao, nomo pelo colori-
do, o goslo a systema seguidos em Franca, e em
oulros paizes da Earbpa ; e nesla parle da exposicao
prussiaua, com poste de quaJros histricos, de sceuas
familiares, de paizagehs e retratos, nenhum vesligio
se aprsenla do mpulso*-dado nova escola allemaa
'por Mr. Owerbeck.
Alli nao existe cousa algnma da Owerbeck ; toda-
taneamenle uo mesmo quadro todas as circumslan-
cias, anteriores e posteriores, que se referen! to-
mada de Jerusalem por Titas, annunciada por Jess
Chrislo.
Existe actualmente em Pars, snjeitu edmira-
c;,l i geral, nm immenso quadro de Mr. kaulback. a
Torre de Babel em que, levado pelo desejo de expor,
nio s todas s parles do sea assumplo, mas de dar
mesmo urna interpretarlo scientifleameute minuciosa
e profunda, o auloi nao recuou em presenta da ne-
cesiidade de inlruduzr no seu quadro urna centena
de figuras, das qnae*s cada ama he pelo menos a per-
sonlficaoao d'um rclitiio, d\ima seila, e raesmo das
numerosas extravagancias que a uperslicao fez in-
ventar aos homens. Esta multidao de seenas sola-
das, mas cmplelas, reunidas em um quadro enor-
me, onde nn axaminar-se a unidade do assompto
principal senao depois de urna penosa altenfSo.pro-
daz sobre o espirita um efleito anlogo aquello que
oossa viste offereee o horisonle permanente d'um
panorama.
As meditacoes constantes sobre as coasas divinas,
sobre as verdades inoraes, e os factos da historia,ojo
teem inconvenientes para os artistas. Quasi sempre
este habito faz seguir a imaginacao at alera da es-
phera.das cousas humanas,que pouco a pouco o alian
dono, a repudiaeaa e finalmente o esquecimento
completo das formulas, os privara de toda a liogua-
gem possivel para exprimir as soas ideas. Os artis-
tas alternaos de que tratamos nao eslao cortamente
nesle caso.
Apezar da grave critica que os qua Iros dos artis-
tas prussianos uoa lea) inspirado, nao deiaatee de
fazer menrao especial dos homens corajoos e de
talento que teem fuudado a nova escola allemia.Fa-
zera sobresahir o roereciraento de ter empregado os
recursos da sua inlelligencia para elevar a arle da
pintura, de so esforcarein para a sojeilar so eslylo
mais eminente e mais grave : de cultivar os espiri-
Igs, e de baoir da imaginaego dos homens as frivo-
lidades pitlorescas com quede ordinario estovan)
prevenidos. Este menta tao raro erasufliciente para
promover a oossa sympathia. e fazer-nos enllocar
aquelles arlistaseolre o pequeo numero dos da nos-
sa poca, cuja vootade firme, e Irabalhos intelligen-
bh teem por ohjeclo constante dar de novo arte as
suas mais aliase mais nteis qualidades.;
III
N3u foi sem admiraco que se viran) as limitadas
remessas faites pela Allemanha espusiogo uni-
versal.
Era de esperar enconlrar-se alli nao so um gran-
de numero de obras dos fundadores da nova escola,
mas alaa disso os Irabalhos de alguns discpulos que
della tivassem sabido, cujas doulrinas se houvessem
mostrado menos severas, o se tivessem feilo conhe-
cer us seus quadros em que a finura do pincel e o
colorido esto desenvolvidos com arle e facilidade.
MM. Bendemann, Lessing e llesse, por exemplo,
cujas pinturas foram tao bem acolhidas uo Louvre
em 1837, nao enviaran) cousa alguma imprtenle
exposicao deste anno Lamentemos essa falta, por-
que ainda que as suas prodceles se atestara dos
principios de Owerbeck e de Cornelius, sao eomludu
perdadoiras pinturas d'um genio serio e elevado,
qua teriara dado urna idea exacta da segunda phase
da escola fundada em Roma e desenvolvida em
Dusseldorf.
Para se fazer urna idea do carcter das obras des-
ta segunda poca, nao vensns ua actual efposicao
mais de que dous quadros; *3o de C. J. Begas, falle-
cido en Berlim no anno lindoChrislo predizendo
a ruina de Jerusalem e a morte de Abel. Estas
duas obras sao de merecimetilo, mas a primeira pa-
rece tnaito superior. Chrislo indcaodo com a mao
a cidade' volada destruoslo, aprsenla exceileotes
contornos, e as variadas expresses que se nolam
nos|semblanles dos seus discipulaKdi a esla compo-
sicao um carcter de magestele qoe prodoz verda-
dera impressao.
O colorido deveria ser sombro como o assump-
lo ; mas comquanlo a itnagem de Gkriato n,1o seja
am chefe d'obra, hecomludo ama obra de latente.
Begaspinlava de ceilo cora bulante habilidade, e
islo reconhece-se observando-se o seu proprio retra-
ta feilo por elle mesmo,
Ealre as circumslaucias que podem esclarecer a
historia deste segunda pitase da pintura allemaa, ha
dous faclos curiosos que se referen) a llegas. Ainda
joven foi dos discpulos de Owarbock que nao quiz
abjuraras suas creocas, e foi naquella epooa aproxi-
madamente, qurt elle se dirigi a Pafis, para apren-
der a pintar debaixo da direceo de Gross. Estes
dous actos da vida de Begas nio foram independen-
tes um do outro.
Trataremos agora das obras da um discpulo de M.
Sliadow, e da escola primitivo de Dusseldorf ; as
composicSes do artista M. Schroedler que clarifica-
mos na categora dos descendentes de Owerbeck e
Cornelias.
Slo quadros desenliados a penna, o nicamente
Iluminados a agua relia.
As duas principaes obras representam as duas es-
tcales, a Primavera e u Invern personificadas em
umajoveoeum velho, cujas dimeosoes, cm relarao
ao grande numero de figuras qae as rodeara, eslao
na razao de nove para cera. Esta anomala em pin-
tura, este falla de goslo "he exaclamente o mes-
mu em que cabio o pintor inglez, M. Patn no seu
extraordinario quadro a conlenda de Titania ed'O-
beron.
Urna arle cujo ponto de partida, asseola as for-
mas da cralura humana, nao pode detxar de resen-
tir-se de urna transposicao relalivaja dimensfles, e
de que um dea resultados iraraed^Hphe desorgani-
sar todas as leis de perspectiva iJKr'em as quaes a
oossa vista nao poda apreciar neta a importancia re-
lativa dos objectos, nem a distancias que os separan).
He pois admiravel qoe M. Schroedler se tenha dei-
xado levar destas excentricidades, porque as suas
produccoes ha susto e muila imaeinacao, nolaodo-se
um certo encanto nos seus Irabalhos.
As piolaras qae se achara no salao destinado
Prussia, e de que ainda nao fallamos, nao tem a me-
nor relocSo com as producidos filhas da influencia
da escola de Owerbeck e de Cornelius. Sao quadros
aneedulicus, retratas e paisageus que puderiam ser
tao bem concebidos e executados em Bruxellas, em
Arasterdara uo era Paria, como em Berlim. O pouco
goslo que se note as paisageus, nao deixa formar
urna perfeita idea dos esos dn das localidades pelo
qae perlence Allemanha, e no pequeo numero de
retratos perteocenles Prussia neuhum se observa
cuja physionomia e coslumes se aliaste do que hoje
se v por loda a parte na Europa.
M. E. Magnos, he o mais hbil retratista da Prus-
sia, e entre as snas obras veem-se os retratos de
madaraes Sonlag e Jeony Liad, as duas mais cele-
bres cantoras desla poca, assim como, o do hbil
compositor F. Meddelssolm-Barlholdy. Nos dous
retratos das damas divisa-se o grande talento de ar-
tista e o carcter da physionomia de madame Jeony
aLFANDEGA.
Rendimento do dia 1 a 10. .
Idara do dia 11.......
136:755J531
22:5665998
159:322*529
Otsearregam hoje 12 i* dezembro.
Brigue inileiiK./more/and'mercaduras.
Brigae inafoz Cresetnt bacatho.
Brigue inglezleeneideiu.
Brigue suecof>rin Oteartaboado.
Brigue portuguej Trovadordiversos gneros.
Barca maleza -tuaujiasal
Barca inglezaContestcirvlio.
Brigue bt asileiro Flor do fiopinas cora sebo.
CONSULADO GBRAL.
Rendimento do da 1 a 10 ,
dem do dia 11.....
DIVERSAS PROVIN
Reudimentodo dia 1 a 10 ,
dem do di 11 ... .
I i
KECEBKDORIA DE RENDAS INTERNAS E-
tlAES DE PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 1 a 10 6:0739808
dem do dia 11........1:726|3ll
7:8009119
CONSULADO PROVINCIAL.
Reodimeutododia 1 alO ... 2
dem do dia 11 ...,.. .
4:699*529
33:3619896
MOVIMENTO DO PORTO.
navios entrados no dia 11.
Amo'lOdisi, hiate brslleiroeVenus, de 122 to-
neladas, mesure Florenciojrfranciara Marques,
equipasem 9, carga sal o ptlha ; a Caetano Cy-
riaco da Coste dlorera. Paasageiros, Joaquim
Rodrigues Ferreira, Aolonio Menezes Crrela.
Liverpool38 dias, bina inglesa aElisa Uaods. de
264 toneladas, capilao Waller Thompson, equipa-
gera 13, carga (azoadas e mais geueros ; a C. J.
Aslley & Compauhla. *
Rio de Janeiro27 dias, brigue brasilelro Adol-
phou, de 212 toneladas, capilao Manoel Pereira de
Sa, equipagern 11, carga varios gneros ; a Eduar-
do Ferreira Bailar. Passageiro, Joaquim Antonio
Mendos Rnas. Ficoo de qoarenlena por 10 dias.
Da commissaoBrigue de guerra brasilelro tCea-
rense, commandanle o capillo de fragata Moreno.
Aracaly15 dias, hiate brasileiro Auroran, de 37
toneladas, mestre Estaco Meodes da Silva, equi-
pagem 5, carga couros e mais generas ; ao meslre.
Passageiro, Antonia Lucinda dos Praxeres, S ff-
Ihos o 1 oscrava menor.
Marselha66 dias, brigue francez ojales, de 231
toneladas, capilao E. Hedelle, equipagem 15, em
'lastro ; a ordem. Conduz 15 passageiros. .
- Xaeios sonidos no mesmo dia.
BarcellonaSumaea hespanhola Violante, capilao
Boavenlura Millel, carga algodSo.
LisboaBarca porragoeza Gralidio, capilao An-
tonio Ferreira Borges Pestaa, carga asaocar e
mais gneros.
demBarca portuguesa Liceira, capilao Rapbaal
Goocalves Branca, carga aseucar.
~EDITAES^
O Illm. Sr. inspector da (hesouraria provin-
cial, em cumprimenlo da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia de 4 do correte, manda fazer
publico que no dia 20 do mesmo, peraule a jante da
fazenda da mesma lhesour,rti. se ha de arrematar
a aneai por menos Dzer os Mparos de 300 bracas
de barreatnenio eolre os tercos de 7000 e 8000

V\Rffi\L
A PINTURA NA^LLEMANHA.
A rcvolucjo porque esta arte lem passado na Al-
lemanha, he materia que lem sido tratada em mui-
las obras francezas.
Daremos por agora ama uurraeao succinla da
origem e esteros da nova escola allemaa, e espera-
mos que islo pora os crticos em circumslancias de
descobrir a importancia das compusieses o das pip-
luras naquelle paiz.
Depois da revoluco provocada no goslo e na ar-
te por Sulzer, Sessing, Heine, Winkelmann e Ra-
phael Mengs, cujos resoltados produziram oaslabe-
lecimento o a tanga influencia da escola fundada
em Franca por L. David, os arlisias na Allemanha,
assim como ua Italia ficaratn aujeitos aos principios
establecidos pelo aotor dos Horacios e dos Sa-
binos.
Os principios coosisliam em fazer aso do estatua-
rio anligo para estedar, interpretar e rallar a ualu-
reza. Esta reforma assenlava esseucialmente sobre
oa meios de imUacRo, que efleriivaraenle linliam
sido falsificados anteriormente,o deixavam aos artis-
tas pluualiberdade de tratar dos objectos como lhes
apruuvesse.
Est melhodo simples de imllar, fundado sobre a
observado e o esludo da natureis, he o dusMasac-
eios, eos Moulagnas, dos Leonardos de Vinci o dos
Rapiis, e presla-se igualmente a realisar as mais
opposias ideas, como he fcil reconhecer, consul-
tando as obras dos autores qae acabam de ser cita-
dos, ju us objecte chrisiaus, com quanto os exlra-
hidus da fbula e da historia nao perdera cuusa al-
gnma do seo carcter particular, ainda que sejam
sujeilos a um syslema uniformo de imilacao.
E: le systema que prevalecen doanle o dcimo se-
cuta e romero do dcimo sexto, esle methodo que
L. David diligencien levar a esecu;ao, eslava ge-
ralmente adoptadoom 1809, qtisndo um joven nas-
eido t ra Lubeck ao anuo de 1789, Mr. Owerbeck,
obedeceudn, asshn como algn* dos seus amigos,
as mais mislicas InspiraoOesdo chrislianismo, e pro-
pondo-se a dar um lira mais fito e sobretodo mais
elevado, a arte que estudava, oc:upou-e dos qua-
dros dos autores da anliga escola -illemaa,persuadi-
se de que as formas da arte gothica erara as nicas
que eunvinham ao que churaava arle chrisla, e re-
solv u na secuto decima adno, seguir o syslema sim-
ples de pintura cuino exista ha qualruceutus
annos.
Importe saber qual era o principio fundamentar
do novo syslema qoe Owerbeck preleudia substituir
ao autigo, porque islo podara auxiliar-nos para ava-
har o resollado dos Irabalhos da nova escola alle-
maa. Debaixo pois do pretexto de que Mengs e
David desprezavam absolutamente o pensamenlo, de
que nao haviam feilo mais do que urna imilacao
mate.'iaL anatmica da ualureza, pretenda mostrar
a conv^MsKi de obedecer su i imaginacao, e de-
seuhar afielar tem modelos, priocipio este que tem
prevalecido na escola espiritualista e myslica de Al-
lema aba, segi/ndo alteslam algumas obras que hoje
se acham expostas no grande palacio da industria
era Pars.
Foi pois em 1809, qua Mr. Owerbeck, e alguns
amigos parlilhando destas ideas, procuraram esube-
Tia, uao podemos peimanecer raudos a respailo de, J.ind, que musir toda a docura e simplicidadc, es-
um hornera, cuja alma e espirito sao elevados, der"
urna imaginacao fecunda, e cujo talento, senao como
pintor, ao menos come compositor, merece ser appre-
ciado por aquelles qo protestara ara amor sincero
pela arte. A' torga de interesse, Owerbeck, anda jo-
ven, pobre, e sem recursos, concebeu e realisbu al
um corto puulo, o projecto que havia concabido, de
dar a pintura a verdadeira importancia moral, e re-
vestir aquella arte das maiores e mais austeras for-
mas ; esle mereciraenlo que nao pode dimanar senao
de urna alma elevada e de um espiritodislinclo, tor-
nara o nome deste homem digno da altanero daquel-
les qae leem ioltressesiocero na conservarlo da dig-
uidade das artes.
Na fallad'obras origioaes desle artista, indicare-
mos s pessoas qae pretenderen! formar ama idea ex-
acta do seu talento ; abjemas gravuras tiradas da
vida dos apstalos, e especialmente aquellas que fo-
ram taitas, segundo urna serie de composices, repre-
sentando os prineipaos tratos da vida de Jasas Chris-
to, tirados do Evauvelho.
O tlenlo de M. de Cornelius he de nalareza intei-
rameiile dillerenle ; ese se sdmille qoe Owerbeck
he o Raphael da nova escola allemaa, Mr. de Corne-
lias ser o Miguel Angelo. Pederamos lembrar Me-
belungeu, que date apenas de vinle annos, mas na
exposicao universal veem-se obras mais recentes da
proprio in.io do Mr. Cornelius. Enlre duas grandes
te desenvolvido com a raaior arle e finura. Estas
obras sao exceileotes; todava nao excedera em m-
rito s que temos encontrado as galeras de outras
nacoes, e nao podem de certo entrar era concurren-
cia com as obras desle geoeru de Mrs. Grant, Mac-
nee e Gordon, pntales inglezes.
Tamben) se observa o retrato de urna mulher,
com as suas cures finas e bem combinadas ; he de.
M. G. Rilcber, nascido em Berlim, e discpulo de
Mr. Coguiet.
Ainda se enconlram alguns retratos executados
com tlenlo, mas inferiores aos qne acabanvisMe
mencionar ; taes sao os do grande almirante, pria-
cipo Adalbert, da Prussia, por M. F. Kriiger : o
das duas donzellas, por Mr. Blulm, e o de ura ofli
eial, por M. J. Roetling.
Sabese qne a marcha ascendente desla esi
bracas da estrada do sul, araliada* em 99015 rs.
A arremalacSoeera feria ua tema da le provin-
cial n. 343 de 15 de maio do anno lindo, i sob as
clausulas especiaes abaite copiados.
, As pessoas que se propoetrem a esla ariemala{o-
compareeam na sala das sessoes da mesma juuta no
dia cima declarado pete meio dia competeolemn-
le habilitados.
E para constar se roandou affixar o presente e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria proviucial de Pernam-
buco 5 de dexembro di 1855.O secretario, A. >.
d'Annunciacao.
Clamulas especiaes para a arrematacao.
1". Serao feitos ditos reparos de conformidade
com o ornamento approvado peta directora em con-
selho e apresentsdo a appronclo do Exm. presi-
dente ua importancia de 9903000 rs.
2*. O arrematante dever dar prM^pio as obras
.no praxo de oilo dias e conclui-tas e prazo d tres
mezes ambos contados pela foi'm^ do art. 31 da le
a. 286.
3>. O pagamento da iasaMUMa* da arrematacao
realizar-ie-ha em duas prea]aa|aes igoaes, urna de-
pois de feita a melade dos reparos, a oulra qaando
ultimados os mesmos reparos.
4*. Para lodo a qoe nio tor previsto as presen-
tes clausulas era no ercaroento seguir-se-ha o que
dspSe respeilo a lei n.N286.
Conforme.O aterelario, A.'F. d'Annanclacio.
jatr O Illm. Sr. inspector da Ihesouraria provinci-
al, em cumprimenlo dojnisposlo uo artigo 34 da le
provincial u. 129,manda fazer publico, para conhe-
cimenlo dos credores hypolnecariose qaaesquer inle-
ressados.qoe Severiaoo Francisco deSooza tem de ser
indemnitado da quanlia de 1009000 rs. pela exUacao
da letra e ara de sua | propriedade na estrada da
Magdalena, e qne o dita Souza lera de receber a
mencionada quanlia logo, qae*terminar o praxo de
15 d,ias coutedos da date desle, que he dado para as
reclamaeoes. .
Epara constar se maudou afOxar o presente, e
publicar pelo Diario por 1 & dias successivos.
Secretaria da ihesouraria provincial de Pernam-
buco 5 de dezembro de 1855. O secretario, A. F.
tfAnnunciaeao,

DECLARAQO-SS.
CONSELHO ADMINISTRATIVO.
O cooselho administrativo tem de comprar
guile :
Casemira carmTosn, covados 100; aoiagem ou es-
topa, eras 509 1)2 ; sapatos feitos na provt parea^aOi ; a I goda o era rama, arrobas 4 ; rulhai;
decortiQa para garrafas, grozas 3 ; pavios, dnzijs'J ;
secante, libra 1; cobre, arrobas20. o
Quem qaizen^Bjer estes objectos a presen 16 a
as pro-vostas eBaarla fechada na secretaria do
nselhoras 10 horas do dia 12 do correte mez.
tem ha muilo tempo chegado ao seo apogeo, c que Secretaria do conselho administrativo para torne-
a Prussia, assim como na Allemanha renuuciou-
se ao rchaismo da idade media, para seguir o
eslylo correte de pintura que satisfaz s ueces-
sidades de dislracjao, e da conveniencia Jos ausfl
dores.
A galera prussiaua tornees mais de um teslemu-
nho desla reaccao ; Joaquim II achando-se com ou-
lros principes mesa do duque d'Alba, que ameaca
cora a sua espada, he ura fado da historia, ou an-
te urna dessas intrigas polticas, cujas ramiflcac,uer
coraposicOes liradas do Apocalypie, das quaes n mais i uao podem seguir-se senao depois "de haver lido a
nolavel representa a deuirarao do genero humano, correspondencia diplomtica do cardeal de Granvel
i. D_.__ _____... ___. _______.t. A o; .:
a tome, a guerra e morte, he urna grande figura al-
legorica, e pela parle superior tica um espaco onde
o artista pz um acedo as obras de caridade enrie-
le. Estes objectos reaes, multas vezes mais difliceis
decoraprehenaer do que es quadros syrabilicos dos
ISiebelungen e da torre de Babel, teem alem disso o
deleita, como a maior parle das seenas anecdoli-
lodo-quante possa dtzer-se de favoravel a respeilo cas, de serena anlipoeiicas e iucooipreliensivel sem
dj^ivr*ascomposiri;e, deve applicar-se a da des- i o auxilio de um commenlario.
(attSo do genero humano. q artista prusslano. .. L. Rosenfelder. he um
Anda que a grande diraensao e o numero dos homem de tlenlo.Mas trataodo-se agora do qua-
quadros de Mr. Guillaume Kaulback os linliam leito dro de Joaquim II, renovarei a observado que ja
collocar na grande galera das esculpturas,reuni-los- "
hemos, segundos principios, aos de Cornelias,
mestre. Mr. Kaulback esludun a arle em Qusseld
quando Mr. de Cornelius acabava de dar urna nova I modernos, em que as vestes, os movis e accessorios
kclividade a academia daquella cidade. A primei- |occOpam vinle vezes mais espaco do que as figuras
ras obras, como ja' dissemas, altrahiram a atlencao ; dos personagens.
publica a favor de MM. Owerbeck e de Cornoljus tambera merece muila atlencao o quadro coga
foram a elilrada de Chrislo em Jerusalem, eos.N'te- Hatalha de Fehrbellin, em que" Frederico Guilaar-
belungen. Segundu estes mestre, Mr. G. Kaulback me. eleitor de Braodehourg, baleo os Soeces em
leito dro de Joaquim lt, renovarei a observarlo queja traductor publico e inU
-los- liz a respeilo das iuiineiisas paainas aaecdolaMMle tado-da praca, etc. Cerlifico que rae
seu aigau. habis piulores da Blgica ; a dimen.fo de onvaocaBWUlo iafttmt M
dorf,, grandeza natural nao conven! em geral aos ol ectos ,
'- traj ai pera e ;j:
Rawjcc
sahio da obscuridade para preencher nma lacuoa no
mundo artista da Enropa. Em urna das suas com-
poiieoes.A casa dos loucos, cujos delalhes linham
sido forueridos ao pintor pela propria ualureza, ad-
rara-se a inlelligencia com qae aprsenla esta as-
sembla de inlelizes alienados, assim como a verda-
deira singularidade das altitudes, dss phisionomias,
e das vestes dos personagens,
Observando silentemente este obra, era fcil re-
conhecer que o compositor se aflastou d'um dos prin
que nao duvldou cumnllar u modelo ; pode mesmo
dizer-se que entrando ua carreira, Mr, Kaulliack se
aprcsenlara como pintor naturalista.
Mas ainda que os quadros que actualmente se
veem em Pars, assim como o seu quadroo saque
de Jerusalem pelos Romauosprovam qae elle mais
hbilmente se applicou a imitar a ualureza do que
os seus meslres, todava, quer seja porque obedeees-
se ao impulso das suas proprhs ideas, oa porque se-
guisso os v. r.ladeiri's priucipios da escola a que per-
lencera, Mr. Kaulback nao deixp'u de cnlregar-se
ao genero de composioes symbodcas, para qae os
artistas da nova e-r da allemaa, Jparecem estar alu-
ralmenle inclinados, v x/
Ao myslieismo puramente religioso, M. G. Kaul-
back subsliluio us assnmplos dte liidoriaapreseiilados
sob formas symbolicaa. He esla a razi porque ella
se aflastou do syslema de seus mestatt, deu nm
carcter particular ao seu tlenlo. Foi pois segjjln-
do estas i leas qne, debaixo o titulo de Combate
dos etpirilos, cumpusicau de que j nBu existen) ves-
tigios, elle representan o corbale dos Romanos e
dos brbaro",onde se veem estes ullimo victoriosos;
foi sempre parlindo desle principio qae elle cuoce-
beu e realisou u projeclu do fazer aparecer simul-
KiTti. Esla obra he de Eybelas roupas e as figu-
ras sao muilo bem combiuadas.
O genero anecdolico lem seus inconvenientes :
em primeiro lugar Ilude o artista, porque tem de
oceupar-se de um assumpto qualqoer, qua comqaan-
to nao seja verdadeiro, lera comludo de ser cosafei-
uado de maneira que nao offereja tHaaarmonia as
suascombinacoes. M. J. Schrader, discpulo das Aca-
demias de Berlim e de Dusseldorf, por exemplo,
que era autor dos dous grandes quadros: A morte
cimente do arsenal de guerra 7 de dezembro de
1856.Bento Jos Lamenha Lint, coronel presiden-
te.Bernardo Pereira io Carmo Jnior, vogale
secretaria.
O Illm. Sr. capilao do porto, esn cumprimenlo
do disposlo no aviso circular da repartirlo da mari-
oha de 96 de oovembro ltimamente fiado, ao qoal
refere-ae o offlcio do Exm. Sr. prtilidaaW, datado de
hontem, manda dar publicidade aas seto exemplares
absiixo dos avisos sob nmeros 19, a 25 feitos aos na-
vegantes, recebidos do alcairantado britnico, e da
Trinity pete consol geral do Brasil em Inglaterra.
Capitana do Porta de l'eruambucu 29 d
bro de 1855. O secretario, Alexandre Rodriguee
ios Anjos.
Fu Jos Agastinho Barbosa, cidadao brasileiro,
traductor publico e interprete comntercial luramen-
foi apresenla-
o qual, a po-
dido de parle, trajas para e idieasa nacional, e diz
o seguiutt
"EgA^
Atino a navegante!.
Numero 19.
Estados-Unidos da America.
Pliarttlio Breaheater Delaware.
A repatBfJgflPis pharoes uos Esasdos-Lnidj pu-
cipios^fundamentaos da dnulriua de Mr. Owerbeck,e de Leonardo de Vinci e Milln dilando o Parai-
mu nn iIuim I. ,. u ...ti.. ^..J^ln ^^ .* *_ sa na fiit rt\ n mar** filia. J_!____* J____I. __ a_b
so perdido a suas /(Ao*deixaria de saber que
Francisco I eslava era Fontainebleau, quando Leo-
nardo exclamava o ullimo suspiro prximo de Am-
boise, e que em vez de tres filhas, .Milln linha ape-
nas duas '.'
Seja porem como tor, Schrader parece muito su-
perior a si raesmo no quadro que desempcuhou de
Francisco 1, porque uelle se observa o bem dese-
nliado, bem pintado, intclligenlemente collorido,
apresenlando no seu todo um dos bous qoadros anec-
dticos qae agradara aos amadores.
Concluiremos, pois, declarando que as paisagens
dos pintores prussianos, especialmente, sao muilo
dignas de um exame particular.
Jornal do Commercio de Lisboa.)"
COMMEHCIO
PleACA D RECIFE II DE UEiZUlBRO AS 3
llOBAS DATARDET
Culatees ofllciaes.
Cambn sobre Loudres60 d|v. 27 5|8 d.
Trote para Liverpool, de Parahtba50| e 5$
tonelada deassucar.
por
/
blicoo os segaWes avisos :
No dia II) ddtnaio prximo do 1855 a actual luz
encarnada lxa do Breakartter Delaware, ser descon-
linuada. e cm seu lugar colocada uina luz de Fres-
nal da qoarta ordanv mostrando ama taz bronco
lixa, variada por foxis.
Lus ia balita, Cleveland, Okio.
Foi collocaap am novo aparelbo de illaranac/to
na baliza cm Cleveland, sobre o lago Erie, e a laz
estar aceza desda o por al o naseer do sol, desde a
abertura al ao eocerrainenlo da navegarao.
A luz ser produzida por um appareiho catauiop-
trico da quarla ordem do syslema de Fresnos, mos-
traudo orna luz lixa cora um fuzil brilhante com nm
iutervallo ds utn mnalo.
A luz esta collocada a 50 pes cima do nivel do
lago, e deve ver-se em lempo clsro em distancia de
13 milhai.
A (orre he construida de ferro fundido, piolada de
branco c lica quasi e prxima exlreuiidade do
Noroeste do caes de leste.
Bausas na baMa i* Momle na tWorda. ,
Ceustruiram-se as segaintes balizas na baha de
Mobile ; duas balizas cortendo por meio da pissa-
gem Choclea como interiormente e Jomladu de
i
i


DIARIO II KMAINCO QUVRT FURA 12 O OEZEIBRO O I8S5
N

%
"N
*
/
\
noite ; ana baliu no lugar do naufragio Slake i>;
urna balita no lagar do Slake a superior ; ama
baiiaa uu lagar io Stake inferior ; dnas baliza
aoaal do eirns, prolongando a linhi do canal na
barra do Re Dog.
Todas a baliiiai. cima, com excepcSo d Kanga
Slake*, devem Acara aolavenlo quaodo aa entra.
Urna balita de dia lambem fui cbllncada na exlre-
mklaile da barra de Oslras, a qual corro para fura
ere direccao da lale di Pona Ceder s; urna ba-
lita ua etlremidade do oeste do a Spit na enlrada
da aoaaada de Navy d ; ama baliza na etlremida-
de do kaito que corre era direccao ao oeste da Ponte
Clara e.'uuia balita ua puna do oesle do pequeo
baitb destacado ae sul da pona alima referida.
AstiRnado.-ydAn Washington, hydrographe.
Reparticio hydrographica do mlmiraiUado em Lon-
dres, aos 9 de maio de 1855.
Ksles,avso affealam o> saguinles mappas do al-
miraulado: Norle-America E. C. folha 6, n. 269 ;
meppn do largo Brie, n. 33 ; geral dan Iudiaa c-
cideoiee, n. 39-2 ; Florida Oesle, n. 529 ; baha de
Mobile n. 2341., assim como a lista de phares
da Bilados-Unidos.oa. 148 e 307.
E nada mais conlinha ou declarava o dito impresso
quo bem e liaiioeute Iraduzi do proprio original et-
eripto ao idioma inaJei, ao qual me reporto, e de-
poi da ha ver ekamidado e adiado conforme, o tdr-
nai a entregar a quem m'o apreseuloii.
Em f do que passei prsenle que assigriei e
sellei com o sello do meu oftlcio, nesla mullo
e heroica cidado de S. Sebasliao, aos 19 de oaj
do anao da Nosso Senhor de 1855.
Jote Agottinlie Barbota, traductor publico e 0-
trepi-ote commercial juramentado.
Eu, Jos Agcttiubajiarbosa, traductor publico, e
nterprele commerclar juramentado da prac,a, etc.
Certilico qae ou foi apresenlada* uro impresso em
inglez, o qual.lilieralmenle tradu/ido para o idioma
necmaal, diz o ;eguinle:
TRADUCCAO
Aviso ao* navegantes.
Numero 20.
Costa da Ketpanha no Atlaolico
Alterucao de pherol em Cdiz.
U governo heipnohol acaba de participar que no
piimeiro de jutiho, a actual luz rtvolvenle no cas-
tello de S. Sebasliao em Cdiz sera mudada pare
urna loa fu brilhanle, com fuzls encarnados com
inlervallos de d-ius minutos. O novo aparatas Ilu-
minador he catdioplrieo, da seronda ordem de
Fresnal. A lu tari a elevarlo de 143 pos cima
do nivel do mar, e he visivel distancia de 18 ini-
Iha, em lempo claro, do eonvt du um navio. Nao
houvo rauda nct na collocacSo da luz.
Atsigntdo. John Washington, hydrographo.
Refottico hydrographica.
Londres, M de maio de 1855.
Este aviso alsela os tequiles mappas do almiran-
lado: Mediterrneo.n. "21B8; approxiraacOes a Glbral-
lar.eJJP; baha de Cadit n. 86; e igualmonle a lista,
dos phares heipanhoes o. 180.
E nada mais :oetinlia ou declarava o dito impres-
,o, que bem e lielmenle Iradazi do prrprio original
escriplo nb idioma inglez, ao qual me reporto, e de-
peis da havor ataminaato com esto e a citado coufor-
me, o leruei a entregCa quem ra'o apreseatou.
%Eui f do que pa.,*tr$ presento, que assigaM e
llei coi o ello do nie Juicio, nesla muito leal c
ro cidjde ii i S. Sobaatiio d JBo de Janeiro,
aosltfi ootulwo.do aanu de Who Senhor de
ISO,'. ^^ 1^.
Jo Agotlinko Barbosa, tiadeKlor publico e iu-
i lerpiel* eoiomercial juramentado.
En, Jos A ;ot.tmlio Barbosa, cidadao brasileiro,
traductor publico e interprete coifimercial juramen-
tado da praca, etc. : Certifico que me foi aprsenla-
do um documento impresso em inglez, o qual, a
pedido da parte, traduti para o i liorna nacional, e
dit o segainte :
TRADUCtAO.
Atito aos navega/ tes.
Numero. 21.
Bahia de S. Francisco na California.
Maro fixo no forte da Panto.
\ commissao de Phares dos Esudos lruidos acab
de anoBuciar Jque um Pliarol Oto seria acendido
no forte da naja sta parle do Sul da entrada da
bahia de San 1 laucisco na California, no dia 21 de
Bttrqo fiado.
O Jopare I no da llunuojuJo he da quinta ordem do
systema de F etaet^Soco da luz acha-se a 52
ps cima do nivel do mar, e seravitivel do convez
de em navio, em lempo claro, na distancia de 12
milhas.
A posiej. do Forte da Punta, segando determi-
na a veeloria ou etame da costa est na laiilude
37", 4ff, 2r Noria; langitude 122, 27', 33" ao
Oeste de Groen vricii.
Pharol da luz foca em Ponta-Bonita,
fot outra igual parlicipacao que urna lu fu se-
ria vizivel da turre de Poula-B niila, do lado do
Norte da ntrala para a baha de S. Francisco do pri-
melro de maio ultimo em dianl;.
A torre be de Udrflho, com ama lanterna piula-
da de preto en cima, o'appare.ho da iuminaco
he catdioplrieo, da9segunda orueni do systema
de Fresnal ; a lu fica como 200 ps cima do ni -
val do mar, ,s em lempo claro deve ver-se do
convez de um navio na distancia de 20 milhas.
A pojicao aproximada do l'hufol est na lati-
lode de 37, W, lo" Norle; 1 ingilude 122, 30",
50" Oeste de (jreeuwich.
Asaiaaiado.lohn Washington, hydrographo.
HtparticUo hyirograplUca do almtrantado.
V Londres 9 de maio de 185").
Este avl* refere-se s caria; do almiranlado da
oaria de Sin Francisco, u. 591. a a lista dos Phar-
es dos Estados Luidos, ni. 29 C a 20 t.
E nada mais continha ou declarava o dito im-
preieo em ioiflet, qae bem o linalmeule Iraduzi do
proprio original escriplo no id;orna inglez, orno
ciisje refiru,# e depois de haviisvfiaminado com
klregar a quem .
'#_
o presente que assignei e
seliei eom o ilio da meu oilicio, nesl^ muilo leal
e heroica cidad* de San Sebajliao do Bio de Janeiro
aos dezeoova do oalubio do anuo de > osso Seehori
de 1855.
Joi Agottinht) Barbota, traloctor pajH
terprelecomiiereiul juramentado. alfl
lia Jote Atfostiobo Barbosa, eidadtel
baver examinado com este e achado conforrne,o lor-
ne a entregar quem m'o apresenton.
Em r do qae passei o presente qae assignei e
sellei com o sello, do meu oftlcio, nesla muilo leal e
heroica cidade de S. Sebasliao do Rio de Janeiro,
aos deteoove deoulnbro do auno de Nosso Senhor
de 1855.
Jote Agoslinho Barbota, traductor publico e in-
terprete commercial juramoolado.
Eu, Jos Agoslinho Barbosa, cidado brasileiro,
raductor publico e interprete commercial juramn-
telo da praea, etc. : Certifico qu* me foi aprsenla-
do um documento escripto em iuglez, o qual, a pe-
dido Iraduzi lilleralmeule para o idioma nacional, e
dit o seguiule :
TRADUCCAO.
Aviso aos navegantes.
N.23.
, Estados-Unidos.
Pharol\no Ri Batt, yinevardSound, Mauachuttels.
A commissao de phares dos Estados-Un dos avi-
sou de queso tiuha edicado nm pharol no Rio Bass
da parte do uorte de Vioeyard Sound,e qae urna luz
lita seria aceudida all na noite do 1 de maio pastado,
A torre esta collocada no centro da casa do embre-
gado, ambas os edificios sao piulados de branco, e o
lope da lanterna encarnado.
A luz ser visivel de l'esle pelo sul pan oesle. As
embarcaces t]ue se aproximan) do oeste devem por
o pharol a demorar norte 1|4 NE. pare safar u ponta
de l'este do Breakwaleo, e os que se aprotimarem
'de l'esle devem trazer o pharol a demandar N. O.
teles de occorrerein para o aucoradouro.
O apparelho he da quinta ordem do systema de
F(esnel, Iluminando umareo de 180 do horisenle.
A luz fica 40 ps cima do termo medio do nivel do
mar, e deve ver-se do convez de um navio, em lem-
po claro, na dislaucia de 10 1|2 milhas.
Pona Cote.a Itio Palu.cenl, Bahia X.hesapeake.
A commissao dos phares taiubm deu noticia que
a actual luz lisa em Cove Poinl sera mudada no da
(5, ou prximo ao dia 15 de junho futuro de 1855,
para urna luz li\a, variada pur fins.
O aparelho sera catdioplrieo da quinta ordem do
systema de Fresuel.
A lu ser de cor natural lita, com um fuzil claro
em inlervallos de minuto e meio.
Aasigudo.John Washington, hydrographo.
Reparticio hydrographica
Almiranlado d^Loudres, 8 de junho de 1855.
Este aviso refere-se aotseguintes mappas do almi-
ranlado ; America do Norte, costa de l'esle, folhs
5 a 6, ns. 268 e 269 ; Bahia de Chesapeake, n. 35i;
listas de phares dos Estados-Luidos, ns.67 A,e 176.
E nada mais continha ou declarava o dilo docu-
meulo impresso, qae bem e lielmenle lradu do
proprio origiual, ao qual me repc-rlp, e depoia de
haver examinado e adiado conforme, o lornei a en-
tregar a qoem m'o apresenton.
Em f do que passei u presente que assignei e
sellei com u sello alo meu oilicio, nesla muito leal
e heroica cidade de San Sebasliao do Rio de Janei-
ro, aos 19 deoulnbro do auno de Nosso Senhor de
Jos Agostinht Barbeta, traductor publico e in^
terprele commercial joramenlado.
Eu, Jos Agoslinho Barbse, cidadao brasileiro,
traduclor publico e inlerprele commercial jarnmen
lado da prara, etc. Certifico que me foi aprsenla-
do um impresso escripte em iuglez, o qual, pedi-
do da parle, Iraduzi para o idioma nacional, e di2
o seguiule :
TRADUCCAO.
Acite aos navegantes. .
Numero 24.
Pharol de fuzit em Trapani (Sicilia.) *
O governo siciliano acaba de fazer publico que
poisda noite do dia 8 de fevereiro de 1855 em
gar da aoliga baliza na Colombaj.m em Trapaui,
urna nova luz seria aceudida com fntis, de lies em
tres minutos.
O apparelho he cadoptrico da quarta ordem do
systema de Fresnel, a luz est elevada a 139 pesa
cima do uivel do mar, e deve ver-se em distancia de
14 milhas em lempo claro.
llha do l-'uleao.
Assim como que ta llha do Vulcao, na Ponta do
osario, ie atenderia aa noite de t* de mareo de 1865
urna lu igual lila com fuzis, com inurvallos de tres
minutos. JBL
Esta luz eLT| Bi 458 ps cima do.nivel du
mar, caer vitivMfvm lempo claro, em nma distan-
cia de W milhas.
Aasignado.John U'ashington, hydrograpbo.
Repartirao hydrographica do almiranlado em Lon-
dres, 12 de junho de 1855.
Este aviso refsre-se aos segnintes mappas do al-
miranlado : Trapani aucoradouro, o. 189 ; cosa de
*j Oeste da Sicilia, n. 187; ilha Lepari, n. 172 ; cosa
de Norle da Sicilia, n. 167 ; geral do Mediterrneo,
n. 2158 ; ilha da Sicilia, u. 165, assim como Livro
de phares do Mediterrneo, ns. 96 e 97.
E nada mais continha ou declarava o dito docu-
mento, que bem e fielmente Iraduzi do proprio im-
presso, ao qual me reporto, e depois de haver exa-
minado com esle o achado conforme, o lornei a en-
tregar a quem m'o apresenloa.
Em f do que passei o presolite que assignei
sellei com o sello do mea oilicio, nesla muilo leal
heroica cidade de San Sebasliao do Rio de Janeiro.
aos dezenove de oulubro do auno de Nosso Senhor
de 1855.
Jos Agotlinho Barbosa, traductor publico e in-
lerprele commercial juramentado.
este a achado contera, o torada
m' o aprasralou.
Km fVdo que passei
Eu, Jos Agoslinho Barbosa, cidadao brasileiro,
traduclor publico e interprete commercial juramen-
tado de prara, etc. : Certifico que me foi aprsenla
^to um impresso em inglez, o qual lilteralmen
te traduzdo para o idioma nacional, diz o se-
guinle :
TRADLCCAO.
> av> Arito aos navegantes.
Numero 25.
Estados-Unidos da >merii
tpz de fuzil em ou na praia de Tu
uLittle liggu boca-Ji
UArepartijabdo phares nos Estados-Un dos, acaba
Hplilicar que a luz encarnada lixa na praia de i'u-
cker na Bahia de uLiltle Egg em Nova-Jersey, se-
it descontinuada no dia 31 de maio de 18.5S, e que
Pois dessa dala seria collocada urna luz bronce 1-
* xa variada por fuzis da qurla ordem do systema
{Bahia de
1855.O secretario da direccao, Joao
Ignacio de Medeiros Reg. -
O banco de Pernaubuco toma dinhei-
ro a juro, de cont'orinidade cornos seus
estatutos. Banco de Pernambuco 24 de
novembro de 1855.Joao Ignacio de
Medeiros Reg, secretario da direccao.
O Exm. Sr. presideule da provincia, com o
lim de fazer mais completo o systema das quarenle-
nas ueste porto, revolveu ai\o mandar eslabele-
cer um lazareto na illia de Sanio Aleito para as
barracas e uulras pequeas embarcatSes precisando
eslarem de quarenlena, procedentes das Alosnas,
Parahiba, Itio (irande do Norle, e Cear, e do sul e
norte do litoral d'esla provincia como lamber orde-
nar que nenhumn d'ellas possa entrar ou sahir aero
1 documento-declaratorio do porto de sua proceden-
cia relativamente ao estado de sauidade delleseu-
do o documento para a sabida, a carta de saude,
que a respectiva prevedora passar gratuitamente
e para a entrada da que vier do litoral desta provin
ca um cerfiaado da autoridade policial do logar.
O que o lllm. Sr. capiao do porto manda fazer
publico em cumprimeoto da ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia de 3 do correnle mez, para
conhecimeulu de quem possa nleretsar.
Capitana do porto de Pernambuco em 5 de de-
zembro de 1855. O secretario. .exandre Ro-
driuet dos Anjos.
CONSBLHO ADMINISTRATIVO.
O conselho administrativo (em de comprar o se-
guate :
Pare a fortaleza do Brum.
I.ivrosem branco pautados de 200 folhas, 2 ; facas
flamengae, 6. ,
Companhia de aprendiz? menores.
Pauellas de ferro para 50 pracas cada urna, 2.
Provmento dos armazensdo almoxarifado.
Papel almajo fino, resmas50 ; dilo de peso, dlas
16 ; tinta prcla, garrafas 40; lapis, duziai 6.
Olliciuas de 1.a e 2.a cla Collados de amarello, 6 ; cosladinhoi de dilo, 6 ;
euchames demadeira de eonstruccSo de 5 a 6 pole-
gadas em quadro e de 'JO a 27 palmos de couipri-
inenlo, 20 ; oleo de iinhac.. arrobas 5 ; ocre, dala*
pos prelos, ditas 2 ; roto-letra, ditas 1 ; zarco,
libras 16.
Oflicinas de 3.a classe.
Limaa chalas sortidas de 16, 14, 12, 8, 7, e|tl 4
polegadas, duzias 37 ; ditas mucasdeS c 6 dlas, di-
las 16 ; ditas meia-ranua sorlidasde 16, 14,12. 8,
7, 6 e 4 ditas, ditas 32 ; ditas dita* muras de 8 e 6
dit.i-. dlas 12 ; dlas triangulas de 6 e4 ditas, ditas
16 ; limatesde 10, 8, e 5 ditas, ditas 12.
Oflicinas de 4.a classe.
Limas chalas sortidas de 10, 9, 8 e 7poleg>dks, du-
zas8; das ditas meia-canua-iuuc,as de 8 polea-
das, ditas 4 ; ditas meias-caouas torlidas de 9, 7 e
5 dilas, ditas 8.
5.' classe.
Loua, peca 1 ; couro de lustre, pellos 12 ; lila de
13a para silbas, pecas 4.
Forneciinenio de luzes as eslafSes militares.
Ateile de carrapalo, caadas 784 ; dito de coco,
dilas 20 ; pavios, dutias 9 ; fiosde algodao, libras
Oj; velas de carnauba, dilas 223.
Quem quizer vender estes objeclos aprsente as
soas proposlas em caria fechada na secretaria do
conselho as IU horas do da 17 do correle mez.
Secretaria do conselho administrativo para forue-
cimenlo do arsenal de guerra 10 de dezembro de
I8K.Bento Jos Lamenha Luis, coronel presiden-
te. Bernardo Pereir do Carino Jnior, vogal e
secretario.
Pela delegada de polica do termo de tiara-
iihuns te faz publico, que se acharo recolhidos a' ca-
dea da mesina villa os esrravos fgido1.
Manoel, escravo de Marcellino Alves dos Santos,
morador em Tapagipe, termo da cidade da Bahia,
com ot signaes saguinles: crioulo, alto, grosso.com
os olhos prelos, nariz grosso, labios grossos, barba-
do, representa ter 50 annos.
Filippa, escravo de Anna Maris de San Jos e
Arago, moradora na Macaiamiuba, termo da ci-
dade da Bahia. o qual leni os sisnaes seguinles: mu-
alo, nariz gros-o, alio e grusl"*, cabellos pegadda,
olhu panto-, barbado, cabelludo nos [leilos, repre-
senta ter triiita e tantos anuos.
Delegada do termo de Garanhuns 1 de detembro
de 1855.Francisco Antonio de Carvalho, capitilo
delegado.
Pela subdelegacia da fregoezia de San-Jos do-
Recife se faz publico, que acha-se em deposito um
cavado pedrez, que andava vagando pelas rnas deala
cidade: qoem for seu dono, justificando 1 lie sera'
entregue. Subdeleeacia da fregueta de San Jos do
Kecife 10 de dezembro da 1855.O subdelegado,
Eduardo Frederico Bauks. .
Pela subdelegada da freguezia da Boa-Vista
se fai publico, que tora apprebcndido ese ucha de-
poailiuo um cavallo de cor caslauha ; seu dono
comparec nesla ululolegacia, quejuslificando, cum-
pelenlemcnle I he ser* entregue. Subdelegacia da
Boa-Vista 11 de detembro d 1855.O subdelegado
A. F. Marlins Ribeiro.
traductor palmeo enterprele commercial juramen-
to da praca : ote. Certifica que me foi .presentada d. m ro alternados, branco e encar-
um documenlo impresso em ingles, o qual, trado-
de Fresnel. Os fuzls serao visiveis, com utervallo
zido para o (liorna nacional, diz o seguiule :
TRADUCCAO.
AVtto aos navegante'.
Numero 22.
Curolln do Norle ;EsUdos-Lodos.
Phartvno forte Matn (Bahia de Beaufort.
A commissao do phares dos lisiados-Unidos par-
ticipa e fai publico que so di i 20 do maio ultimo
seria collocada ama luz fixa so!>re ornu torre recen-
iBtaaot consl ruida cem 200jar la M fundo d
te Macn. A (orre he de UdrillUpniarnad
laulerna de ferro e galera era rndor a|i> igu:
encaroadai.
O aperejbo ser da qaurla erdem de sytleme
Fresnel, fflllasninar um arco de 270 do horisonle;
a luzesl ollocada 50 ps cimd do Ovvel medio do
mar, esf vii.vtaVdo convez du um a.vio em dls-
V- ^2 milhas em lempo :laro.
INl me. ni a nolis se verie, pala prinadra vez, orna
lu te baliza protima i aeajta, como em distancia de
ata quarto do mlha da taete cima mencionada, dev
moraiida as Uoaa luzes com a bsia de fora da barra
principal Sul O L'esle (S. E, l|2 E.oaagnelico.
A balita he construida de madjura pintada de
braaeo, 12 ps quadrados na biauff (ispis quedra-
dor lcame.
A lai da balita fica :i0 ps cima do uivel do mar
e ser vir.ivt 1 na direccao da barra em distancia de
10 milhas. A luz Gca dirigida na direccao da bar-
ra, iltorolaando em ucV) de 112 de cada lado da li-
nha recta. A posi(ilo do po da bandeira do forte
Macu, segundo determina o eiame ou .visloria d
nado.
/k luz acha-se elevada 50 ps icima do uivel do
mar, Iluminar o horisonle total do mar e as proxi-
midades da bahia de Lillle Eig e deve ver-se em
lempo de urna atmosphera ordinaria, da altura de
la ps cima do mar em* orna distancia de 12 mi.
Ihas. A torre he escarale, e sua posico aproxi
mada he em Lalilude :i9.o, 30', 17" Norle ; e Lon-
giloeilW.-, 16', 48" ao Oeste de t.reemvich.
^, 'Assignado.John Washington, hydrograpbo
THEATHQ
DE
S. I VilU I,
Grande e extraordinaria represeutacao
. gynastica em beneficio do Sr. Flix e a
joven pernambucaja mada maselle Ale-
xandrina.
QUINTA-FE1HA 13 DE DEEMBRO.
Depois qae a nrcheslra liver desempenhado pela
primeira vez nesle Ihealro a bella ouvertura da ope-
ra novaas Vesperal Sicilianas, principiara o es-
pectculo da maneira seguiule :
i .Mrte.
O joven Ernesto dansan um passo gracioso,
2.a parte.
O joveu A tluusii dansar um difticil passo de sua
invencao.
3.a parle.
O beneficiado dansar ama grande da usa extra-
vagante e terminar com o grande salto mortal.
4.a par*.
Dansa graciosa pela beneficiada.
5.a parte.
. Dansa de corda sem maromba pelo beneficiado. '
6.a parle.
A deslocaco pelos jovens Alfonso e Ernesto.
7.a parte.
Grande e dfficil trabalho sobre 12 carrafas execu
lado pelo beneficiado.
8.a parle.
O Ball-dogue-inglez subir al o teclo do Ihealro
comnmfogo artificial. -
9.a parle.
A Monle-do-roo. sceua cmica, pelo benefi-
ciado.
PosicOes acadmicas.
1.a tjladiadore.s cembatentes; 2.a, Uelisario pe-
dindo esmolas ; 3.a, Hercules esmagando Anillen ;
4.a, Tilo e Romulo ; 5.a, combale de Horacio contra
osCuracos; 6.a, o sacrificio, de Abraho ; 7.", a
morle de Holnpherjies.
Os blhejes vendem-se de hoje em dianle no Ihea-
lro.
PrinciSni s H horas.
AVISOS MARTIMOS.
Para Lisboa, a galera portuguesa Jo-
ven Carlota, capitao Boa ventura Borges
Pamplona : para carga epassageiros, tra-
se cqijj os consignatarios Novaes & C., ra
do Trapiche n. 54.
Para o Rio de Janeiro segu viasen o ber-
gantim nacioual Despique de leris\ espillo Elizeu
de Araujo Franca, al o dia 8 de dezembro do eor-
Cumpaiiliia brasileira de
paquetes a vapor.
O va por Pa-
ran cm-
ala ndanle
F. F. Bor-
ges, deve
chegar hoje
dos pollos
do norte, e
seguir no
inesmo dia
para o sol,
i as 4 da tar-
de : agen-
cia na ra do Trapiche n. 40, segundo andar.
PARA A BABIA
vai seguir muito breve a escuna brasileira Y.elosa,
capilo Joaquini Antonio de Faria e Silva, por ter
mais de ineia carga prompta : para o resto oo pas-
segeiros, traa se oo escriplorio dos consignatarios
Isaac Cario & Companhia, roa da Cruz u. 4t>.
LEILOES
O agente Borja far leilao em seu armazem, ua
ra do Collegia n. 15, de um grande e variado sor-
limento de obras de marcineria, entre as quaes so-
bresahem um rico sanctuario, nma ptima secretaria
de Jacaranda, um guarda-vestidos, doosguarda-lou-
cas, etc., e diversas obras de ouro e praia, relogios
para aigibeira, lanlernas de vidro, candelabros, urna
porc.au de candieiros francetes e ingleses para meio
de sala, louea e vidros para servido de mesa, etc., e
outros mullos objeclos que se tornara enladoubo
mencionados, os quaes serao vendidos sem limite de
proco algum, e urna grande porro de raudezas de
difiranles qoalilades.com um pequeo loque de
.nana : quiula-feira, 13 do correle, as 11 horas da
maubaa.
O agente Borja aatorisado pelo Etm. Sr. Dr.
joiz de direilo especial do commercio, conforme o,
seu despacho prolerido em requer meo lo dos credo-
res da massa fallida de Silva & Araujo, fara' leilao
de lodas as dviCas perlerfceutea a' dila massa, as
quaes monlam i quautia de 6:7385848, sendo
5:i22954'iem letras muilo boas, quasi lodas por ven-
cer, e 1:3169302 em conlas de livro, minio moder-
nas, de pu-saas capazes : sexla-feira 14 do correnle
as 11 horas da manhaa.
O agente Oliveira far leilao, por conta o risco
de qoem perlencer, de cerca 60 barris de 7 em pipa
de ptimo vinho de Bucellas, u mais proprio para
mimos na prxima festa. e do qual os apreciadores
muilo goslaro : quarla-feira, 12 do correte, as 10
lioras da manh.ta, no armatem do Sr. Anoes Jaco-
nie, defronte da urcada da alfaudega.
Scolt Wilsou 4 C. farao leilao, por interven-
cao do agente Oliveira, de 25 barris de ale ilrao de
Stockholmo, 20 ditos de pite, 15 ditos de verniz de
carvo, e daJi quartolas de oleo de linhara : quinta
feira 13 do correrle, as 11 horas da manhaa, oo seu
armatem silo no Forte do Mallos,o qual foi oolr'ora
de Vicente Ferreira da Costa.
S .v.
s PEORAS PKEt'.IUSAH *
I I
Aderemos de brilhanles,
.'\ diamantes e parolas, pol-
'< ceirat, alfinetes, brincos ',
e roalas, bolees e aunis *'
^ de diferentes goslos e de '.
v diversas pedras de valor. V
%
Compram, venden) ou
5 trocam praia, ouro, bri-
Ihanles.diainanles e pero- ;.
(B las, e oulras quaesquer 1
% joias de valor, diuheiro g
1 ou por obras.
MOREIRA i DARTE.
LWA N OUVS
Ra do Cabnga' n. 7.
Recebem por to-
dos os va pores da Eu-
ropa as obras do mais
moderno gosto. tan-
to de Franca como
***- ultUtUs ileti
atL OURO li I'lt A l V
; Aderecos completos de J
ouro, meios ditos, pulcei- '4.
% ras, alfioeles,' brincos e f
g r o zetas, cordoes, trance- ^
~fr, lins, medalhas, correules s>'
" e enfeiles para relogio, e *
;' oulroe muilos objeclos de
oure.
' Apparelhot completos, B
^ de praia, para cha, ban- S
^ dejas, salvas, caslicaes, 9
' coi he res de sopa e de cha, *
^ e mallos outros objeclos
ft de. praia. g
de Lisboa, as quaes vendern por
pre$o eommodo como costuiuam.
AVISOS DIVERSOS.
Os Srs.que levaram por euipresti-
mo voluntes da collecrao ao Diario de
Pernambuco dejulho a dezembro de
1851, ejaneiroa junho de 1814, perten-
cente a esta typographia, tenham a bon-
dade dos mandar trazer, que sao neces-
sarios.
IAIA IRMiflS.
leem a honra de participar aorespeita-
vel piiblicoqueteem aberto urna nova loja
e fabrica de chapeos na rita do Crespo,
no sobrado novo que faz esquina para a
ra da Cadeia, aonde os compradores
acharao desde hoje em diante um bello
sortimento de chapese azendas tenden-
tes ao mesmoestabelecimento, e por me-
nos preco do que em ouMa qualquer parte,
tanto em poicao comoa retallio, e desde
ja Ihe recommendasa chapeos francezes
de bonitas e elegantes irmas e de boa
quahdade, ditos teitos na trra de todas
asqualidades de palha, seda, e montarla
parasenliora, delustre para pagem, eum
rico sortimento de galoes linos, de prata
e ouro para os mesmos; chapeos de castor
francezes e inglezes, ditos de Italia para
homens, meninosesenhoras.do Chile linos
para homens, meninos e senhoras, bone-
tes de todas as qualidades, assim como se
apronta qualquer encommenda tendente
ao mesmo cstabelecimento, e tullo por
presos maisbaratos do que em outra qual-
quer parte.
>io hotel di Europa d-se I49DIK) rs. meosaes
por um molequti de 21) annos de idade.
Uesappare<:eu na manhado dia 8 do Hrrenle,
o moleque Gregorio, crioulo de idade pouco mais ou
menos 16 aunos, altura regular, corpo lambem re-
gular, nlhos graudes, nariz chalo, roslo pequeo.p*
grandes,mostrando ter soffrdo hitos e lev ju vesti-
docalca e camisa de algodao de lis ira j bastante
sujas ; quem o apprehender ser recompensado, e
pode eolrega-lo nesla cidade no pateo de S. Pedro,
primeiro andar do sobrado contiguo ao do Sr. I Ir
Leal, ou na villa do Cabo ao advogado Jos l'aolo
do Kego Rarreto.
q abaito assignado faz seieuleque Manoel Au-
gusto Caudido Pereira, deivou da ser seu cobrador
de dividas desde o dia 25 da novembro de 18W5.
Manoel Moreira da Cosa Doro.
George Palchelt, leude de relirar-se para In-
glaterra, deixa por seu bastante procurador, o Sr.
Benjamn Tuctness, para dirigir os negocios da
casa commercial dos Srs. Koslron UooWer & C.
Roga-ae a pessoa que *m em seu poder os au-
tos de oxee ocio, nos quaes he appellanle Francisco
Jos Rodrigues, e appellado, Joao Francisco Regs
Quinlella, como teslamenleiro do padre Manoel da
Fouseca e Silva, que os faca remetler para o cario-
ro a que perlencem ditas autos.
Alnga-se um sitio com casa de viveoda, em
SanVAnna, poranno ou lempo de fesla : a tratar na
ra do Vigario n. 7.
O abaito assignado declara nao ler aatorisado
a pessoa algoma para faier quaesqoer lran>acroes
com dividas do mesmo abaito assignado, e como vis-
e no Diario de Pernambuco a. 283 de 7 do cr-
ranle um anuui co nesle sentido, por esta occasiao
agradece ao philaotropo auuuncianle o s%o rasg
de generosidade, pois fclit%aute o abaito assignado
ainda nao est no caso de prensar de 13o grande ser-
viro feilo por esse quem quer que seja ; e te as vis-
las do annuncianle alo oaj]ras, eutao paieee-lhe que
por esse lado nada arranjara, e ser boin fuer ueste
raso algtim milagro. Aconselho porm ao dilo an-
nuncianle que ser melhor n.lo lucommodar-me por-
que lenho familia a quem sustento, e lodo o lempo
que rouho ao inen servir faz-me baslanle falta.;
dedique-se o onnonciante a um trabalho honroso,
que nisso lucrara mais. Recfe 7 de dezembro de
I8!.Manoel de AssunipetV) e Saoliago
lim familia que se retira, lem para vender
um bo e urna vacca lourina, ealgumas crias da mes-
mo race : quem preleuder, dirija se a eslrada nova,
silio do Verte.
De 6 para 7 do correnle met, em eamiiihn de
Olinda, perder; in-se duas Ultras sacadas em 17 de
rente e por ler dons tercos de carga pronta, e para oulubro de 1854 por Antonio Jos da Silva C-uima-
o jesto da carga miada, escravoa a frele e passaajajkj raes, temi una de rs. 1005 vencida em 17 de inar-
ala-se com o coosignatari.. Manoel JsaJJ 0, e oulra da rs. 230 vencida em 17dejnnhodo
VI aorle,
i fisiona da
hWUKle76
coala est na lalilude 34' 41
40 Oeste A jreeowich.
Assignado.John Washington, hydrogoapho.
Reparticio hydrogrophica do almiranlado.
Londres, 1 de julio de 18.V>.
Kete a^isri corresponde ao mappa do almiranlado
da America djo Norte, costa de lente, folhas 7,n. 10
e lisia de plierees dos Estados- Unidos n. 204.
E nado mais continha ou doidarava o ditoiiupres-
se, que bem e lielmenle Iraduti do proprio original
riplo m iagle, ao qual me reporto, e depois de
Repartido hydrographica. l
Loudres, 20 de junho de 1855.
|)a parlicipacao atlecla os mappas do almiranla-
: America do Horle, Costa de L'esle, rolha 6, n.
H3, e lista dos phares dos Estados-L'nidos,' n
140.
E nada mais continha ou declarava o dilo im-
presso, escripte em ingles, que bem e fielmente tra-
dezf'do propfiejroriginnl, ao qual me reporto, e de-
pois de haveT examinado com esle e achado con-
forme, o loruei a entregar a quem m'o apresen-
loa.
Em f do qae passei o presente qae assignei e
sellei com o sello do mea oflirio, nssla muito leal e
heroica cidade de San Sebasliao do Ro de Janeiro,
aos dezenove de oulubro do anuo de Nosso Senhor
de 1855.
Jote Agoslinho Barbosa, traduclor publico e in-
terprete commercial juramentado.
Pela primeira sessao da mesa dn consulado pro-
vincial se faz publico aos proprielarios dos predios
urbauos das freguezias desla cidade e da dos Afoga-
dos, que os 30 das uleis para a cobranca ; bocea do
cofre do primeiro semestre de 1855 a 1856 do im-
posto da decima, priocipiain a ser contados do pri-
meiro de dezembro protimo aa dianle, e lodos
os que deivaremde pagar nesse lempo incorrerao
na molla de 3 fMbre seus dbitos.
BANCO DE PERNAMBUCO.
O Banco de Pernambuco sacca a vista
obre de Brasil no Rio de Janeiro. Hun-
co ie t*eTQambuco 5 de dezembro de
oim Ramos e Silva ua ra'da Cadeia Velha
iecife ou com o capiULo na praja,
Para Lisboa
sahira'no dia 12 do crtente, o patacho
portuguez BUILHANTE: para carga ou
passageiros, trata-se com o capitao na
praca, ou com o consgn.tario r. i. F.
Guimaraes, na ra doQueimadon. oo.
Para o Rio de Janeiro
segu com muita brevioade o brgue nacional flor
do Rio: para o reslintof corsa e piusaifeiros trata-
se com o, consignatario!; Isaac, Curio &C, na ra
da Cruz n. 40.
- PARA O PORTO.
Sahir com muila brevidade o brigue porluguez
Trovador, para carga ou passageiros Irala-se com
Rarroea & Castro : na ra da Cadeia n. 4. ou com
o capitao na pr.-.c.i.
Para o Cear, o hiate Novo Olinda, pretende
sahir at o dia 14 do correte: quem quizer carre-
gar carga muida ou ir de passagem, dirija-sea Lima
Juuior .\ Companhia ou l'.is-n limaos.
Lisboa.
Autig^a galera e oilicina
de Dag'uerrcotvpo.
Aterro da Boa-Vista u. 4) terceiro
andar.
A esta casa acaba de chegar de Pars um rico sor-
lmenlo decaixiuhas, qu.ulros, molduras, patse-par-
louls, cassolelas e allineies de ouro .com esmalte e
sem elle, para collocarem-se relraloe e cabellos ; lin-
do mimo para testas. Na mesroa casaxumiuua-se a
tirar retratos com toda a perfeic,ao, lano de crian-
zas como de pessoas adultas e idosas. Vao-se tirar
em qualquer logar retratos de pessoas moras. Ti-
rara-se lambem retratos em slereoscopo, islo lie, de
maneira a apreseutar a pessoa em relevo e ao natu-
ral. Incumbem-se de lirar copias em daguerreoty-
po de edificios, paisageus, retratos, estatuas e qua-
dros.. Etislem para esses Irabalhos dnat excedentes
machinas novas, chegadus ullimamenle, sendo urna
del las dos celebres autores Vnigllander j Schi., e ail-
verte-se que nao se entrega relralo ou trabalho al-
gum sem estar perfeilo, semelhanle e ao gosto de seu
dooo. A galera e ofllcina estar aberta desde as 9
horas da manhaa at as 4 da tarde.
Liquidaco
O arrematanteaa bem conhecido loja
da ra dos Quarteis n. 2i, vende p ame-
nos do que se poderla comprar em pri-
meira mo", f aim de liquidar, um ri-
quissimo sortimento de miudezas as mais
finas, consistindo nasquepassa a demons-
trar : facas para sapateiro a (00 rs. a
ilu/.ia, gravatas e mantas para ditas a
I $000 r bicos de blond a 320, 500,
6i0, 800 e l$000 rs. a vara, bico de li-
xiho para todos os precos, tanto perja co-
mo vara, pecas de froco de cores dilleren-
tes a 400 rt., ricos quadrts. com moldura
domada, de tamanlio de 2 palmos, com
estampa de santos a 800 rs., meias de al-
jodo para homem, du/ias a lgiOO. ditas
azues a I$200, espedios de gaveta duzias
a -2.SJ00. chapeo ele sol de seda cabo de
carina a (i$06tT rs., ditos de panno a
l.S'920, bengala linas a I,s'40(), ditas or-
dinal iasu 500..chicoteslinos de baleia
para cavallo a l.s'280, lindas finas para
bordar, novello grande libra a 1$900,
escovas para cabello a iO rs., pecas de
franja com bolota para cortinados a
43000, meiag finas para senhora dsjaia a
3,<200, ditas para homem a .",$30tlSi de
cores para bordar libra a IX^TOOf,-teius
finas para meninos, duzia a 2x500, cartas
francezas para lecart duzia a s|g00,
pentesde cliif're para alitar a 700 a du-
zia, papel de peso superiora 2$800a ie-
ma, dito aluiaco a 2$200, pennas d'aqo
emearteiras a 80 rs., meias de cores para
meninos a 240 o par, grozas de (inissimos
lapisenvernixadoea 5s000, groza de cej-
uelas fina a 23400, duzia de linlia
carritel a 520, caixinhas de linhas del
marca a 240, lacre fino libra a 2&600,
colchetes pretos em cartao a 80 rs., pe-
cas de lita de cores a 300, grampas, li-
bra a 500 rs., escovas linas para cabello
a 600, borzeguins de merino bordado pa-
ra crianca ai $000 o par, toncas de blon-
do a 1$200, espoletas excellentes mi-'
Ilcito 800 rs., ricos pentesde tartaruga
para segurar cabello a 4$ e 4$500, botoes'
de louca pintada, groza 240; este sorti-
mento nao s convm a particulares, co-
mo pode convir algum Sr. logista de
miudezas, que quetiejidose prover de al-
guroa cousa que actualmente^itto baja em
primeira mao, achara' na loja cima um
completo sortimento,,'por precos bara-
tissimos, advertindo que muitos obiectos
se nao mencionain para nao ser fastidioso
este annuncioque ja' vai longo.
RA ROYA N. 34.
Carlos Hardv annuneia ao respeilavel publico,
que acaba de receber de Paiis um rico sortimento de
chapeos de seda para senhora, chapeotiohos para
baptisado de crianca, ehapeotinhos de palha eufeila-
dos de abas largas para menino de 4 al 10 annos,
beneles de meninos, capellas e mantas para noiva,
espartilhos, fitas, chales de las de todas as cores lisos
e bordados, ricos chales de looqum, um grande sor-
lirnenlo de fina camiiinhas bordadas qne se veudem
pelo prajo de I96OO e 2, grosdeuapole branco, rxe
e decores a covado, lencos de mao de cambraa, le-
ques, e muilos oulras fazendas, que se vendem em
coola.
Na ra Nova n. fzdir-se-ha quera d de 50a:a
1009 a juros com penhores, assim como quem vende
ama escrava crioola, de dade 2 annos, pouco mais
ou menos, com duas crias, sendo urna de 3 adnos e
outra de 1 ; a qual escrava cozioha, lava eengomma
perfeilameute.
O Dr. em medicina Ignacio Nerv da
Fonseca, lenA tJolvido fixar A sua re-
sidencia tiesta capital, contina a oll'ere-
ceros seus serviros"aorespeitavel publico,
e a dar consulta* em sua casa, na ra Dir
reita n. 31: adiarte tambem prompto a
acudir ao chamados do campo.
Precsa-se de ama ama forra on captiva para
casa de pouca familia : a fallar ua ra do Vi
14, primeiro audar.
Alugam-se duas etcellentes casas terreas, com
ostao, e muilos commodos : na Cidade Nova em S.
Amaro : qoem as pretender dinja-se ao sea propri-
etario Antonio Jos Gomes do Correo, para trttar
do ajuste.
FESTA DEN.S.DASOLEDADE.
PKOGKAMUA
A mesa reqedora da irmandade do N. S. da Sole-
dade erecta na Igreja do mesmo nome, (tendo de fes-
tejar com toda a pompa e respailo que he devido a
roesma Senhora em o dia 23 do correte, e
lendo j de principiar com a bandeira no dia 13
do crtente a noite, sahindo da igreja em direccao i
Trempe, na do Sebo, pateo da S. Cruz, roa do Ara-
gao, largo da Matriz, ra da Conoeirao, Pires, e Cor-
redor do Hispo, al a mesiua igreja, sendo carreja-
da por meninas virgens ricamente vestidas, e com
msica militar do !).* balalhao de infamarla, assim
cuos de exercer a caridade em favor das clattaes des-
validas, que posiao ser acomeltidas da epidemia, que
te receia.
Traar-te-lu igualmente de eslabelecer ou diffe-
rentea freguetias desla aidade, as da Olinda e em
quaesqoer oulraa localidades da provincia, pontos
anuarios, oode os pobres possam receber gratuita-
mente os remedios preventivos, e os qae forero ne-
cesssrios para o curativo do mal, cato appareca.
Para essa reuuiao hamanilarianao julgaei oecetM-
rin dirigir couviles especiaet, por me parecer que se-
ria isso duvidar do espirito de caridade que anima
este povo msgoanimo.
* ,fe d! '?im ''verem algum resseotisnento bem
on mal tundado, sacrifiquem por urna atora esse ea-
timento no aliar da homanidade.
Com os amigos conlo eu.
Dr. SaMno Olegario Ludgtro Pinho.
LOTERA
DE HOSSA SEBH08A Si.
COHCEICiODOS MILITARES.
Quarta-feira 12 de de-
zembro he o indubitavel
andamento da referida lo-
tera, pelas nove e meia ho-
ras da manhaa, noespaco-
so-salo da ra da Praia
n. 27: o resto de ineus bi-
lhetes e cautelas esta a
venda as lojas j conhe-
eidasdo respeitavel publi-
co.--Pernambuco 8 de.
como tora novena lodas os nuiles com versos, e sendo leZeillrO Qe lo55< "- O
pregador da fesla o pregador da capaila imperial Fr. -._._#-. 11-,, Ole' JA
Lino do Moiile-Caimello a uo Te Dium Laudamvs CdUieiISJia, SUlUSllUnO l A*
o reverendo padre Custodio, capelUo da metma ir-1 ^ JPpvPoirn
Aviso importautissimo pa-
ia os senhores jogdo-
res das loteras.
Ocautelista Salustiano de AquinoFer-
reira avisa aos senhores jogadores da lo-
teras da provincia, que o precodobi-
liietese cautelas licam firmes como abai-
\o se demonstra, os quaes sao pagos sem
o descont dcoito por cento dar lei, em-
quanto existir o plano actual de 5000 bi-
lliete, pelo qual sao extraUdad lote-
ra da provincia.
mandade.
E assim a mesma mesa roga a ladee ai irm3os
para qae apparer;am na mesrnaateeja, alim de astis-
tir a todos os aclos como seja-bandeira, novenas, fjs-
(a|e Te Ueaiu. Soledade 10 de detembro de 18>5.
Piecis-se d. um caiteiro de 1-1 a 18 annos :
na ra llireila n. i\, padarla
Perdeu-fse urna puleera de ouro com esmalte
verde, desde a ra do Queimado ale a ra da Cadeia
do Kecife, indo pelo largo e caes do Collegio e lar-
go da alfaudega : quem a achou qnerendo restituir
falle na loja do Sr. Manoel lonjalves da Silva,
que sera' recompensado.
, Precisa-se de urna ama de leila : ua raa do
Livramenlo n. 4: n8o se olha a prejo.
Lava-se e eugomma-se com prest era e asseio:
na raa dos Prazeres do hairro da Boa Vista, a ulti-
ma casa que lem doos lees no portao.
Perdeu-se na noite de 8 do correule, desde a
igreja do Corpo Santo al a roa deOoararapes, urna
luneta de doua vidros com aro de ouro, e um cor-
dio de cabello : roga-e a pessoa qae.achou e qoe-
rendo resl lui-la, de a mandar ao armazem n. 30 da
ra de Apollo, onde se Ihe agradecer'.
HOSPITAL PRTGEZ DE
BENEFICENCIA.
Achandj-se promplas as acedes do Hospital Por-
luguet do Beneficencia, e cumprindo etpedi-las
quanlo antes alim de poder litar-se a despeta do es-
labelecmi nlo, conforme o disposlo no arligo 24 dos
estatutos, por ordem do lllm. Sr. provedor, sao con-
vidadas todas as rommissoes enearregadas da subs-
cnpjao a .ipresenlarem as respectivas listas doa Srs.
accionista al domingo, 1b do correte, na secreta-
ria do hospital.
Secretaua do Hospital Portuguet de Beneficencia
IftJjP*111"11 oe 1855.O secrelano.
Manoel ferreira de Souta Barbota.
Desappareeau no dia 1.' do correnle um preto
de nomo \ iclor, de uarao Congo, os olhos com be-
bdes, com marcas de beuizas: quem o peuar, leve-o
a roa do Pilar n.Tfc. '
O solicitador Mar vflaw da Vega mudou a
sua residencia para sj Htezia do Kecife, raa da
Seuzala \ elba n. (iS, ia^nido andar.
COZWHEIRO.
Precisa-se a!ugar um cozinheiro que
A galera portugueza JOVEN CARLO-
TA a^gue para Lisboa ate 25 do crlen-
te, tem a inaior parte da carga prompta :
para o resto c passageiroi para os quaes
tem excellentes commodos, trata-se com
Novaes d Gr, ra do Trapiche n. i, pri-
men) andar, ou com o capitao na piarla.
PAKA A BAHA
sahe al odia li ou 15 imprelerivelmente a sumaca
nacional Hortencia: para o resto da carga e passa-
geiros irata-se rom o seu consignatario Aolonio Loiz
de Olireira Aeeredo, roa da Crur n. I.
prsenle anuo, ambas aceitas por Francisco Luit
Paes Brrelo, propietario do enzenho Guerra, e eu-
dnmadas a Bailar & Oliveira. Nao obstante ler-se
dado ludas as providencias aflm de inulilisa-las, pe-
de-be a quem aa achou o favor de entrega-las no es-
criplorio n. 42 da ra da Cadeia do Kecife, para ah
receber nma gnitifieacao.
Quem liver ama escrava que seiba fazer o ser-
vico de urna casa de pouca familia, dirija-e a ra
da aterro, da Boa-Vista, casa u. 12, oo aiinuncie pa-
ra ser procurado.
AULA DE LAT1M.
O padre Vicente Ferrer de Albuquer-
que, cotnquantotenha de dar ferias a seus
alumnos no dia 20 do correnle dezem-
bro, comtudo torna t abrir a sua au-
la no dia 2 de Janeiro prximo futuro,
na mesma casa e rua ja' arJnunciadas, e
s com a dlerenca de que nao recebe
em sua aula alumno algum interno ou
externo, stm que pague adianttulo sua
respectiva mensalidade, visto algumas
injusticas qne sollreu no corrrJnte anno
lectivo.
Piectsa-se de urna ama forra ou cap-
tiva para serviro de urna casi etrangei-
ra: no aterro da Boa-Visla, loja n. 12.
Do sitio das Rozeiras do (enenle-coronel Joa-
quim Elias de Moura desappareceo, na noite do dia
2 do correnle um cavallo viudo do enger-ho Sanla-
Anna ; cor alatao, dous ps ciliados, coto se aucas
polladas do anmie, carregador bauo. M~%esmo
sitio cima appareceo na noilo do dia 3 nm oulro
cavallo s-llado e enfreiadorqaem for ..eu.ciono dan-
do os tiguaes cerlos Ihe ser entregue
No largo do Paraizo, primeiro carlorio de or-
plialos, precisa-se fallar com Jo.quim de Tal Lima,
iruiao do menor Bellino (j/oucalo do Espirito Sanio,
a nejbcio que muito inleressa ao mesmo menor.
NO CONSULTORIO
m H0N(0PATIIIC0 DO
H DR. CASANOVA.
^ 28. RuarBs Crit/.es 28.
() Ha sempre grande sortimento dos mais
g, acreditados medicamentos honufopalhiroi,
J carteiras de lodos os lmanlo-, e muilo
fff) mais em conta do que em outra qualquer
X parle.
(Os pobres Iralam-se de ruca.
I
ras ao violto eslas quadriuhas, convidando os patus-
cos a comprar do melhor no mercado.

He gustoso nesla ierra
Ca no beceo do Rosario
Ver Soares e o Macario
Sempre ao gelo a fazer guerra.
Oh que calor
He de abetar ;
Vamos, tapates,
A refrescar.
U se algum endndieirado
Bom damasco qoer papar,
Frescas pastas petiscar,
Ameitiis por nm cruzado ;
Manda o caiteiro
Pesar em quenle,
He bom regalo
P'ra muita gente.
Eu porm que sou fuorio,
Nao dispenso a marmelada ;
ilas a bella goiabada
Isto im, he regalorio
Figos, pecegos,
Catas de soda
Tambem nos fazem
Da bolsa a poda.
H- l'udo sin he gosloeSo,
E melhor qoe ludo islo
He da caslauha nm pelisco
Assada por pai Joao.
Oh! que cistaoha
Croa ou assada !
Haja dinheiro
Ka pateada...
Traspassa-se o arrendamenlo do eugenho Jun-
di de bhito, na ribeira de Una, alistante do embar-
que nina legua, com muita malta e ptimos partidos
de cannt perlo do engenho, boa moenda horisonlal,
e prompo do neceasario para ruuacem. Cede-se 5
annos que restam ao reudeiro por 1:300$ de renda
animal, em ine baja obslaculo maltas e nem re-
serva alguma. Vende-si a safra nova que eslu muilo
boa e pule dar 1,800 pes de assocar, a qual vnde-
se por 4:0009, sendo doos vista e o mais para
malo detle a um anno : cjuem quizer este negocio,
pode ir concluir com Joe dcBarros Pimenlel, mo-
rador em sea engenho Conselho, fregoezia de Agua
Preta.
Aluga-se nma ama forra en escrava para e ser-
vico de i ma casa de familia, que engomme, oesiirhe
e lave : delrat da rdalriz da Boa-Visla o. 5.
Precisa-se d urna ama de leite qae no leoha
(iibo : na rua ealrelta do Rosario o. 35.
'* Boi,'a-se ae lllm. Sr. fscat da frecuetia de
balito Amonio, qoe lance as saas vistas sobre o bec-
eo da ru; do Rangel, em cuja esquina mo.'a o bem
couhecidjQueiroz, por ser amigo criador de porcos,
oode esMe um grande deposito delles, cuja malanca
se faz diariamente eom grande prejuizo da salnbri-
dade publica, e incommodo do loda a visinhan^a,
pois que sera retpeilar as horas reservadas ao socego
publico, atrpela os moradores acordaodo-oscom et-
Irondosot, gritos dos ditos animaes por occasiao de
Ihes dar a morle ; acresce mais, que lorua-se o bec-
eo lulrai silavel, anda em peor estado depois que
foi calca lo, porque be "ni foco de corruptos lqui-
dos, lant do lado do dilo deposito como de proprio
qeinlal da sua morada. O dito Oueiroz he ISoperti-
naz em abusar da postaras da cmara, que nao fez
o menor caso de um aunoucio interrogativo queja
foi publicado por esle Diario sobre o mesmo assum-
pto : e em que lempo se pralica desla forma? quau-
do a pesie nos aaieaca : ao mesniu lempo que reli-
ra-sa o miladouro-ejeceam para a Cibangawroaserva-
se o muilo mais perigow denlro desla cidade.
A HOMEOPATHIV E0 CHOLERA.
nico trtaiiento preservativo e curativo.
OHOIaERAMORBUS,
Pelo Dr. Stftmo Olegario l.iidgero Pinho.
Acaba de sthir luz eateetcelleule opsculo, qoe
Bilhetes. ojjfJOO IMHIJOOO
Meio. ->Sr\Q{} 2j500jj00<
Tejeros. 1S920 1:6668666
Quartps. 1#A40 1:2505000
Quintos. 1i60 1:600S000
Oitavos. 720 625J000
Decimos. 600 50OJ0O0
Vigsimo. 00 25OJOO0
Pernambuco 20 de dezambro de 1855.
Ocautelista, Salustianode Aquino Fer-
reira.
Roga-se a Exma. pessoa, qee indo ao baile do
dia -2do correle uo arsenal de miriuha setn qne
levaste leque, e por engao on gracejo qatndo se re-
liron levou um de madreperola qae echaa sobre em
consol, o favor' de o mandar rettilair na raa da
Cruz do Recfe n. 3i, primeiro andar.
Oilerece-se arta portogoeta para dispeoaeira
e mais aervieo de ama easa, ou para coser em cata
fraaeeta: oa rua dos Quarteis a. 21, segundo andar.
Eduardo Feuton com a toa ramilla e urna cria-
da fazem ama viagem para Europa un primen o va-
por inglet.
No engenho Morojo, comarca de Nazarelli, foi
preso om escravo de nome Joaquim. qtte dit ser cep-
Uvoide Joaquim dos Sanios, dooo do oailiabole V'e-
taiba btm co/.inhar o .diario Je tima ca- us, que andando embarcado no mesmo palhabote
sa, paga-se bem : na rua do QueimMtfl *
loja n. 17.
Acuciam por caridade, netitralisem-seos
focos de putrefaco.
Roga-se a quem competir que, peti amor de Ueos
haja de fazer remover quaulo antes o niouluro etis-
leute no lim da rua da Praia de Sania Rila, confron-
te o becco do s.Jo-e, o qual ji est qua-i a asuberbar
por cima do caes, e depois disto vedar os despejos
naquellc lugar, como ja mui bem ordenon a lllm."
cmara municipal, segando nos informaram ; pois
he incrivel que na poca actual se consinla fazer de- I muila deve c^ajlrner para a salvado do povo no
pejos n'um recaulo onde s chegam as grandes mares
doequinocio : lemhramosa conveniencia de peque-
as ponles para fazer-su dalias os despejos ; e isto
nos lugares mais salientes do lildTal.
O. S.
l'ueio no dia S do corronte e preto Antonio,
do geutio Mossarubique, com os seguinles signaes,
parece crioulo, una pequea coroa, muila barba,
urna cicatriz sobre o olho esquerdo, a noio direila
muilo calejada, lendo um grande calo uo dedo pol-
legar por ser picador de fumo, levou calc,a e camisa
azul, e lem boa e-lalur;' ; quem o pecar, leve-o a
rua larga do Rosario, fabrica de cigarros junio ao
quartel us. 15 e 17, qne se recompensara.
Aluga-se um prelo captivo qae saiba cozinhar
e fairer as compras : na rua do Livramenlo, casa da
e-quina n. i.
Na rua de S. Gonzalo n. 8 precisa-se de urna
ama que lenha borne bstanle le le, quer seja forra
ou captiva, para criar uro menino com 19 dias de
uateido : a peisoa que a isso se quizer tujeilar dirja-
se a casa cima para tratar do ajaste.
Irtltmenlo di epidemia que se recis.
Vende-sa por..........10000
He de-itribuido gratis aos senhnresassi gnanles do
thetouro homeopalluco ou vademcum do horneo-
patha e igualmente a lodos os Rvmt. Srs. vigarios,
que acrtditam-na homeopalhia.
Consultorio central homeopalhico de Pernambuco
Muu.lo Novo) ii. 6.
AOS SRS, HOKEOFATHiS, E
IOS AMIGOS DA HMHOPA-
THIA.
Aproximando-te desla provincia o lenrivel Magol-
lo do cholera lenho a honra aKonvidar aos horotco-
pathas, ti aos amigos da homepatbia, que quizerem
prestar sena serviros a huinanidade, para ama reu-
nido qae lera lugar n i dia quima-feira 13 do torren-
te pelas V lioras da tarde no consulterio central ho-
mopopalliico, rua deS. Amaro mundo aovo) o. 6.
Nessa reunilo tralar-se-ha dos melee mais proli-
eacravo tica recolliido ua cadeia de Nazarelh, e quem
for seu legitimo dono haja de o mandar ver em
quanlo nao he arrematado. Dit o dita escravo qae
seu senhor Joaquim dos Santos lie assialeole nonio
de Janeiro.
Desappareceo em 28 de novembro am menino
de 11 a 12 annos, branco mas moreno por ser do
campo e andar sempre ao sol em companhia de tea
pal do lagar Traieiras, termo da ciliado da Victoria,
chania-se Jos, filho de Jos Antonio Bezerra :
qoem delle souber ou der noticia pode dirigir-se a
rua Direila u 19, ou a tea pai oo sitio Traieiras.
Precisa-se de urna ama para cita de dnas pes-
soas, mas que saiba engomraar c cozinhar: na rua
das Cruzes n. 20 se dir' quem precisa.
B Desappareceu no dia 5 do correte um menino
franco de uome Firmino, de idade de seis a sale
annos, com os signaes seguinles: cabellos crespos e
luuros, com falla de dous denles na frente, levou ca-
misa hnnea : qoeen o achou leve-o a rua do Amo-
rim n. 16, qoe aera' bem recompensado.
Joaquim da Silva Lopes, tendo por
engao incluido na relacao de seu deve-
ilores protestado Jos Meudes da Silva
tiuimaraes, hoje residente na provincia
do Para', declara que esse senhejV nada
Ihe detl
Precisa-se de um criado para com- .
prar'e fazer mais algum servico dentro de
casa e que eja fiel: quem quizer dirja-
se a rua do Cabnga', loja de cera do Sr.
Angele'Custodio dos Santos.
Precisa-se de urna ama de leite forra
ou captiva : na rua Nova n. 47, primeiro
andar. i
Lotera
DE NOSSA SER HORA DA CON
CEICAO DOS MILITARES.
. Hoje as 9 y% horas a
manhaa, andam as rodas
da lotera cima.Os cau-
telistas, Oliveira Jnior*
Carros fnebres
Agr, administrador.
Confronte a secretaria de | olieia. cm ara armazem
perteiicenle ao convento de S. Francisco, einla esle.
eslabelecimeole JBB propor0es salticientes para o
desempeuho ^ejHquer enterro, pon lem ludo no-
vo a salitfater rraakfaer eiigencia dos pretendentes,
cora toda a prcsmptfdo e zello : erra Iratar no mes-
mo armazem, e naaeruas do QueMndo, loja n. 1, aa
da Cadeia de Saulo Anlonio n. 31, a a boile oa de
Santa Thereza n. 32 ; dandorse todos os passos oe-
ceasarios a esle fim, sem o menor incommodo dos
pretendentes.
Alusa-se ama grande casa na Soledade n. W,
com um solio e grande quintal todo rearado, eom
algumas arvores de fructo, na rua de Joao Veraan-
de Vieira : quern a pretender, dirija-se a rua de
Apollo, armazem o. 30, a fallar com Jos Antunes
Gnlmaraet,
Fraoeitco de Sanios Reis, ou por mais conhe-
cido Xiti, previne a lodos os seus freguezes, qae se
arranchara e davam aidmaes para tratar, lano desla
praca como fr della, que mudou a sua casa de
rancho da rae das Cinco Ponas u. 150 para a roa.
Imperial n. Il junto a fabrica de sabito, qae l
acharan muilo bous commodos pera se arranchar,
com urna helleahlriharia cubera e eslivadat para
animaes do ealimacSo.
(Juera, precisar de urna criada portugueza para
n servico interno de eaa. a qual coMajastidos e
faz toda a qualidade de costura ; dirijakrt rua do
Pilar, em Fura de Porlas, casa n. 63, oa annuncie
sua morada.
Luiz Jos da Rocha, lendo o Diario de quarla-
feira, 5 do correle n. 281, nelle leparou com ama
lisia de devedores casa da Francisco Rodrigues da
Cruz, e porque nao tem contrahido debito algum,
declara ao respeilavel publico, qae nao deve a dita
casa, e para qoe uSo haja equivoco de nemes, ee
d'ora em dianle assignando-se por Luiz Jos da Ro-
cha Pinheiro. Recite 11 de dezembro da 1855.
O coronel Trajano Cesar Rorlamaqn embar-
ca o seu lilho Joaquim Ribeiro de Brilo Borltmaque
para fura do impera.
Alugam-se o segando e lereeiro andarte da ca-
ta da roa da Aurora em que esleve o hotel da Euro-
pa : a Ira lar na rua da Praia o. 07.
O primeiro secretario nterin > de sociedade das
arles mecnicas e liberaos desla cidade, convida a
todos os socios para se reaoirtm era assembla gtral
oo dia 13 do correule, asT horas da larde, aa sala
das sMej da reterida sociedad.
,;
I

*
*


Q.H.IO DE PlnMSBUCO QUIRU FEIM 12 Ot OEZEHBfr~wt^v
CONSULTORIO DOS POBRES
O IftUA VOTA 1 **m**ft so-
U Dr.P. A. I.obo Mnscozo da consultas liomeopathica todo os dissaos pobres, duda I) huras da
raanhaa aleo roclo da, e cm casoa extraordinarios a qualqoer hora do dia ou noite.
Oflnrece-ee igualmente para pratiear qualquer operario decirurgia, e acudir promplamente qual-
quer mulhaf que esleja mal de parto, e cujascircurasteucia nao permitan) pagar ao medico. 1
HO CNSQfcTOlIO DO DR. P. A. LOBO I0SC0Z0.
50 RA NOVA 50
VNDESE O SEGUINTE :
Mautial completo di meldicina homeopathica do Dr. G. H. Jalir, traduzido em por
luguez pelo l)r. Moscoio, quatro volumeseocadernados em dous e acompanhadode
um diccionario do termo* rie medicina, cirurgia, anatoma, etc., ele...... 20*000
Esta obra, amis importante de todas as que tratara doesludve pratica da homeoptica, por|ser a nica
que conten abase fundamental d'esla doutrinaA PATH0GENESIA0UEFFE1T0S DOS MEDICA-
MENTOS NO ORGANISMO EM ESTADO DE SAUDEcouhecimeotos que nao podem dispensar as pes-
soas i|ne se qoerem dedicar pratica da verdadeira medicina, intereSsa a todos os mdicos que quizerein
experimentar a rfoatrina e Hahnemann, e por si meamos se convencerem da verdade d'ella: a todos os
azendeiro* e aenhores de (ingnito que %iao longo dos recursos dos mdicos: a lodosos capilaesde navio,
que urna on oatra vez nao podem deixar d acudir a qualqoer i n commodo sea ou de seus tripular) tes :
a todos os paia de familia que por circunstancias, que nem sempre podem ser prevenidas, sao |obriga-
do a prestar in eontineri os primeiros soccorros em snas enormidades.
O vaiie-mecum do homeopalha ou tradcelo da medicina domestica do Dr. Hering.
obra larabem til as pessoa que se dedicam ao esludo da homeopathia, um volu-
rne grande! acompanhado do diccionario dos termos de medicina...... 109000
O diccionario dos termos de medicina, cirnrgia, anatoma, etc., etc., encardenado. 39000
Peni verdadeiros e bem preparados medicamentos nao se pode dar un passo seguro na pratica da
hemeepathia, e o proprietario deste eslabelccimento se lisongeia de te-lo o mais bem montado possivel e
muguen) duvida boje da grande superioridade dos seus medicamentos.
PRECOS 1NVARIAVE1S.
Boticas da 5a oo 30> dvnamisarao. Menores.
De 12 tobos......y................89(10(1
Do* .......................159000
De 36 a.......................209000
De 48 ....................259000
("randes.
109000
209000
259000
309000
359000
De 60 ...................... 309000
De 144 .........s '............60*000
Qualquer destas boticas em linduras, o dobro.
Cada tulK) avulso.................,*. I9OOO
Meia tica de qualquer liiclura da quinta dvnamisaco......... 25000
Um Irasco da verdadeira linetnra de rnica............. 29OOO
Ka mesaaa casa ha sempre venda grande numero de tobos de cryslal de diversos tamaitos,
vidros para medicamentos, e aprompla-se qualquer encommenda demedicameuloscom toda abrevida-
de e por presos rauito :ommodos.
TRATilEHTO HOIOPATHICO.
Preservatiyo^ curativo
DO
IQLERi
CHOLRA-WKJRBUS,
PELOS DRS
ou instrucco aopovoparase poder curar desta enfermidade, adminitraiidoo remedio mais ellicaze
para ata /ha-la, emquanloserecorreao medico, ou mesmo para cura-la independenle desle nos lagares
em que nao o ha.
TRADUZIBO EM PORTUGUEZ PELO DR. P- A- LOBO MOSCOZO.
Estes daas opa*culo*conlmasindieac,oes mais claras e precisas, e pela sua simples e concisa exposi-
cao ent ao alKnce de toda as inlelligeucias, nao so pelo qae dizrespeiloaos meios curativo, como prin-
cipalmente aus preservativos que tem dado o mais satisfactorios resaltados em toda a parle em qoe
elle lem ajeo poslosem pratica. ,
Sendo o tratamento homeopathico o nico que teiD dado grandes resaltados no curativo desta horri-
vel enfermidade, joigamos a proposito traduzir estes dous importanles opsculos em lingo vernecu-
Ii.Jpsra deal'arle lacilar a sua leilura a quetn ignore o francez.
Yeode-se unicaaaVle ao Consultorio do tradoctor, roa Nova n. 52, per 29000. Vendem-se tambem
. os medicamentos preciso e boticas de 12 tubos com ora frasco de lindara lOgOOO, um dito de 30 tubos
2090(10.
O SOCIALISMO
PELO GENERAL ARREU E LIMA.
Anda existem algnns exempLresenquadernados>
e achato-ae a' venda na toja de livrosdos senhore*
Ricanto de Freitas & C, esquina da ra do.Collegio,
e em nasa do autor, paleo do Collegio.casa amarella,
no primeiro aodar.
Precisa-se de ama ama para ama casa de pou-
ca familia: aa praca do Corpo Snto o. 17.
Novo* Uvroa de homeopathia em francez, sob
toda! de summa importancia :
Hahnemann, tratado das molestias
luniet............
Teste, molestia doa meuin>s.....
Hering, homeopathia domestica. t
Jahr, phiirmacnpa bomeopalhica.
Jahr, novo manual, 4 volunte ....
Jahr, molestias nervosas........
Jahr, molestias da pelle. ......
Rapou historia da homeopathia, 2 volumes
Harll mano, tratado completo das molestias
dos momuos..........
A Teste, materia medica hcmeopalhica. >.
De Fiiyolle, doutrina medica homeopalhica
Clnica de Slaonel ........
Casling, verdade da homeopathia. .
Diccionario de Nyslen.....- .
Aula completo de anatomia com bellas es-
tampa coloridas, conlendo a descripcao
de todas as parte do corpo humano .
vedem-sc lodos eles Ijvros no consultorio homeopa-
thieo do Dr. Lobo Moscoso, roa Nova n. 50 pri-
meiro aodar.
. 36
chronicas, 4 vo-
. 209OOO
. 69OOO
. 79000
. 6000
. 169000
. 69OW
. 89OOO
I69OOO
10900o
89000
79OOO
69OOO
490M
IO9OOO
309OOO
CONSULTORIO CEMR.VL
H09UE0EATHIC0.
(Gratuito para o pobres.)
Ba de Santo Amaro, (Mundo-Noto) n. 6.
O Dr. Sabino Olegario Ludgero Pinho di
consaltas todo 01 dia cesde s 8 horas da
manilla at as 2 di Urde.
Visita o enfermos em seus doncilios, da
2 horas em diante ; mas em caw aapanlinos
e de molestias agudas e graves us visitas serao
(cita em qualquer hora.
Ai moleatias nervosaa merecer tratamento
eapecial egundo meiot hoje aconaelhados
pelo pralicos modernos. Estes meioa exis-
tem no consultorio central.
m
LOTERA DE N. S. DA CONCEigAO'
DOS MILITARES. *
CASX DA I-AMA
O caotelisla ADlonio da Silva Guimares, lem ex-
posto a venda os seus afortunados bilhetes erautelas
da segunda parle da primeira Idteria de N. S. da
Conceicao-dos Militares, a qual corre no da 12 de
dezembro, eestao a venda na seguales lojas:
aterro da Boa-Vista ns. 48 e 88 ; ra do Sol n.
72 A ; ra do Raagel 11. 51 ; roa da Croz
roa do Pilar n. 90.
PRECOS.
Ililhe(es intetros 59800
Meios 29900
Qoarlos 15500
Oilavos 4 760
Decimos '640
Vigsimos 320
Loleri de Nos-
sa Senhora da
Militares.
Aos 5:000o, 2:500o e lOOOs
Corre quarta-feira 12 de dezembfo
prximo futuro.'
Os bilhetese cautelas do cauteiista An-
tonio Jos Rodrigues de Souza Jnior, nao
estao sujeitosao descont dos 8 por cciito
do imposto da le ; os quaes se acham a
venda as lojasda piara da Iiidependen-
cia ns. 4, 15, 15 c 40, ra Direita n. 15,
da Praian. 50, do Livramento 50 e do
Crespo n. 5. Os premios sao pagos logo
que saia a lista geral.
Bilhete inteiro 5.s80o
REPERTORIO DO lEflCO
HOMEOPATHA. .
EXTRAHIDO DE RJJOFF E BOEN-
NINGHAUSEN E OUTROS,
p abreviada de todas as molestias, a indicarlo physio-
logica e therapeotica de todoi 01 medicamentos ho-
meopalhiros, seo lempo de acSo e concordancia,
segoido de um diccionario da signitica<;ao de todos
o termo de medicina e cirnrgia, a posto ao alcance
da* peMoai do povo, pelo
S1
R. A. J. BE MELLO MOIUES.
Pela segunda vara do civel, eterivlo Molla, vao
praca com o ahatiiniMilo da le, lio illa 12 do cor-
rele, ujirle dos bens peuhorados por execuco de
Joaquim francisco de Alem e Ma mulher contra
Sebasliao Frauciaco Belem e herdeiroa de sen casal,
cojos beua sao os segoinlex : nina cruy, de ouro por
7!f-JO, um par de brincos por 79*25, uiu eordfil de
ouro por 119880, um rosario encadoado o I res linas
pnr 2129500, urna redoJHMe pedras com dous cravos
por "29250, qualro paM de roletas pequeas por
I i. 'H, um par de estribo com 186 oitava por :'T-,
um par de caslicaes com 256 oitavaa por 4690NO,
urna caha pequea com 12 colheres por 119400,
una cMha de prala dourada por 39600, j parles
de dous ecravos Caelano e Joaquina por 1509000, a
sexta parte da sexta parte dos dous tercos na divi-
das raleada '2:5699 21.
n Qoen precisar de um rapaz de boa conducta
para qualquer arramaeo commercial, o qual emen-
de oidioma francez, dirija-se a toja n. 3 prxima
ao arco de Santo Antonio, a fallar com I millici ir
da Silva lioimaraes.
l'recisa-se de urna ama para o servido interno
de urna casa de pouca familia : na roa da Cadeia de
Santo Antonio delimite da ordein terceira de S.
Francesco n. 1.
COMPRAS
Compram-se escravos de ambos os
sexos,assim como recebem-se paraseven-
der de commissao: na ra Direita n. 5.
C.ouipra-se om mulato de 18 a 5 annos de ida-
de, sadio e de boa finura para pagem, qae lenha al-
gum ollicio, prefere-se sapateiro : ua ra da Madre
de Dos n. 36, primeiro andar.
Compra-se agua de caj a 320 rs. a cauada,
tendo espremida no mesmo dia, e recebe-ieal s8
hora da noite : na dislilacao por Iraz da igreja de
Santa Hila.
Compra-se umt vscrava crioula com
habilidades: a -atar na Capunga, casa
da esquina da ra dos Deoses, ou na ra
do Qucimado n. 7, primeiro andar.
Compra-se um cavallo para cabrio-
let: atra/. do tlicatro, arma/^m de pinlio.
Compra-se om diccionario latino: 111 roa No-
va, armazem de trastes do Pinto.
VENDAS.
i
Srs. assignantes podem mandar bascar o seos
ejemplares, assim como quero quizar comprar.
Mana adamantina.
He'aanraeote reconheclda a eicellencia desta
praparaajii para chumbar denle, porque seas resul-
tado aelipre felizea sao j do dominio do puMico.
Sebaaliio Joa de Oliveira faz oso desta preciosa
maesa, para o fien indicado, e as pessoas qoe quize-
rem hoora-lo dispondo de aeoe servidos, podem pro-
cura-lo aa travetaa do Vigario n. 1, loja de bar-
beiro.
Illm. Sr. presidente e mais membros da com
musi dti hjgiene desla provincia.Diz Paulo Luiz
liaignoui, deniist.i francez, que precisa a bem de
eo direita, Va. S. aerem frvido examinar a pre-
parajio (le qoe so serve par chumbar denles, e de-
nomine* raaisa adamantina, em ordem de veriGcar-
0 que a dila preparadlo di Tere inteiramente de to-
da ai eetiboeida*. Pode a Vi. Sa. ejam servidos de-
ferir-lhe como reqoer.E. R. Me.
Paulo Luiz Caignoux.
A mana denominada pelo snpplicante- Adaman-
tina f or elle apresentad.i coramisao de hygie-
ne poblica, differe de loda as apresentadas neua
mesma eeeaaiao por oatrea; sendo a confrontae.no
feila na preaenca de todos. Sala das seMoes da com-
miasio :t()e julho de 1855.Dr. A. Fonseca.
DEHTISTi FRANCEZ.
Paoko Gaignoux, den .'.isla, e+tabelecido aa
# rea larga do Rosario n. 36, segundo andar,
:eclloca denles com a pnasodo ar, e chamba
dantos com a massa adamantina e oulros me-
taes.
<* MtlaptCNI I
immii nm\mma.
A ilireeclo pede -aos Srs. accionistas se dignem
realnar 1 ultima preitaco de 15 (iKl at e dia 15 do
mez crrante.
j. mi mmm, s
contina a reiidir na ra Nova n. 19, primei- 0
B ro andar. M
Va leda Iranras mui linda,
Da cores varia e bellas,
Alva qual nev mui pura,
Verdea, azae e amarellas.
Trancas tao proprias para a festa
Nio as achais, nao ;
Acharis a buixos precos,
Na loja de Barros c5i Irmao :
Roa larga do Rosario 11. 38, junto a botica.
Aos amantes das
bellas artes
Joo Ugoccioni por motivos de molestia reinante
na corte, pretende deroorar-se algum lempo nesta
provincia, e para iwo convida todos os que deseja-
rem aprender masica, sol fojo, rebeca, etc., de avis-
tar-aa com o mesmo no hotel inglez, no Rocife, a
lodas. ai horas para tratar. r
5:000$000
Mio bilhete 2^900 2:500. Tercos 2J0OO- l:66tis68o
Quartos l.s'iOO t:250$000
Quintos 16-200 1:000$000
Oitavos 760 625S000
Decimos 640 500$000
Vigsimos ."i0 250S000
O referido cauteiista declara que s pa-
ga nos bilhete* inteiros vendidos emorigi-
naes, os 8 por ceritodo imposto da lei.'nos
premios grandes, devendo o possuidor re-
ceber do Sr. thesoureiro o seu competen-
te premio, que com os ditos 8 or cento
recebidos do referido cautelisflt prefaz a
sorte por inteiro, sem descont algum.
LOTERA DO RIO DE JANEIRO.
Acham-se a venda os novos bilhetes da
loteria 7 do theatro de San-Pedro de Al-
cantara, que deveria correr 3 ou 4 do
corrate; asustas esperamos pelo vapor
nacional S. SALVADOR, ,a 18 ou 19
os premios sao pagos a' distribuicao das
mesmas listas.
JOIAS
Oa abaixo antiguados, dooos da nova loja de onri-
ves da roa do Cabuga 11. 11, confronte ao pateada
matria e roa Novo.fazem publico que eatao comple-
tamente eorlidos dosmaii novos e bellos goslosde to-
da as obras de ooro, neetssarias lanto para senho-
ra, como para horneo e meninas, e coolinuam os
preis sempre moito em conta ; o mesmo's e obri-
gam por quaesquer obra qoe venderem o passar
ama conta com responsabilidade, especilicando a
qualidade do ouro de 14 ou 18 quilates, ficando a-
sim sujeitos por qualqoer duvida qae ipparecer.
Scrafim Irmao.
Urna pessoa versada em latim, fraocez, inglez,
portugnez, geographia, geomatria, arithmetica e phi-
losophia, ensina p;ira a freguezia de Santo AntSo on
parte conjnncla a ella : quem precisar annuncie.
Precisa-se fallar com dSr. Manuel Mendes
rerreira Guimares, ou com pessoa encarregada dos
negocios do meamo : em casa de Paln Nash & Com-
panbia, rna do Trapiche Novo o. 10.
Aluga-se om sitio com boa casa de sobrado, a
qual lem mullos commodos, sita na povoarao do
Monteiro ; a tratar na roa do Trapiche 11. 14.
lotera de n. S. DA*ONCEICAO'
DOS MILITARES.
Corre iodubilavelmente qoarla-feira, 12 de
dezembro
Aos .V.OOO.sOOO 2::iOOsOQOei:|M)0$000.
O cauteiista Salustiano de Aqoino lerreir avisa
ao respeilavel publico, que os seu bilhetes e cau-
telas nao soffrem o descont de oiuPpbfr cento do im-
posto geral ; os quaes acham-se venda uas lojas
do eoslume. S he responsavel a pagar os oilo por
cento nos bilhete inteiros vendidos em briginaes na
tre primeira-- aortes.
5:0009000
2:5009000
1:6669666
1:2509000
1:0009000
(25S0OO
SOMBOO
2509000
Peruambuco 30 de uuvembru de 1855.U caute-
iista, Salustiano de Aquiio I erreira.
Paulo (aignoux, cidadio francoz.la/. luna via-
gem a Europa.
Agencia de passapette c l'ollia corrida.
Claudino do Reg l.ima, despachante pela repar-
tii;o da polica, lira passaportcs para fra e dentro
do imperio, a folha corrida, por commodo prego
na ra 8a Praia, primeiro andar n. 43.
O Sr. Maooel Antonio SimOes do Amaral lem
caria ua ra do Queiuiado u. 14, loja.
lOlllllKl.lN
PARA 1856.
Estao a' venda as bem OBnfucidas fo-
Ihmhas impressas nesta typographia, as
de algibeia a 320 e as de porta a 160; as
de algibeira alem do kalendario ecclesi-
astico e civil, con tem um resumo dos im-
postor municipaes, provinciaes e geraes
3ue allectam todas asclasses da socieda-
e, extracto dosregulamcntos parochiaes,
docemiterio, eallerrose sello, tratamen-
to de varias m&lestias, inclusive a do cho-
lera, con I ns, variedades e regias para fa-
zer mnteiga e queijosde dillerentes qua-
lidades,dittas ecclesiasticasou de padrea
480 rs. : vendem-se nicamente na livra-
ria u. 6 e 8, da praca da'Iodependencia.
Oraco contra a peste e o cholera-
morbus.
Aclia-se venda na livraria n. 6 e 8 da praca da
Independencia um folh'elinho com dillerentes "ora-
^oes contra o cholera-morbos, equalquer oulra oes-
te, a 40 rs. cada um.
Vende-se um escravo de idade 18 anuos, moito
liel e sadio, de bonita figura e possanie, com prin-
cipio de narcineiro. entende de cozinha, ptimo pa-
ra pagara, tkolieiro ou armazem de assucar, padaria,
etc. : oa roa de Horlas n 8.
Vende-se no pateo do Carmo, quina do herr
da Bomba n. 13, vintfo a 400 rs. a garrafa, dilo de
Lisboa 480, dito daf ieueira a 560. linguicas a 320
a Obra e a 400, farinha do reino a 10, velas de car-
nauba a 440, goraroa, carne do serlo. e bolachinhas.
(Alctria.
Vendem-se caixas com aletria prximamente che-
gadas, muito proprias para casas particulares, por
seram baratas : no armazem do caes da alfandega
- Vendem-se 3 procos limito commodos, os ae-
gainles objeclos : relogios de ooro patente, obras de
ouro de goslo moderno, metal amarello para forro
de navio, cemento romano muito novo, pipa vasias:
trala-se uoescriptorio de Isaac Curio ^ Companhia,
roa da Croz n. 49.
SAL
do Assu' de wjperior qualidade, a bordo do pailebo-
te Venus, Tundeado em frenle do trapiche do algo-
dao ; vende-se por prec;o commodo : a tcatar com
Caetaoo Cyriaco da C. M. ao lado do Corpo Santo
n.25.
aos amantes dos
bous charutos
Na loja de calcado de Antonio Augusto dos Saulos
Porto, na praca da Independencia n. 37 e 30, rece-
beo-se ltimamente os verdadeiros charutos lancei-
ros, grandes, da acreditada fabrica de Castanho &
Filhos, do Porlo, de S. Flix, da Babia.
ARADOS DE FERRO.
Na liindirao' le C. Starr. & C. em
Santo Amaro acha-se para vender aras
s r1 ferro de -'nir"qualidade.
AEOFE
IX)
BOSQUE
O nico deposito contina a ser ua botira de Bar-
Iheiomeu Francisco de Son/a, na rila largado Rosa-
rio n. 36 ; garrafas grandes5?50 e pequeuas39000.
IMPORTANTE PARA 0 PIBLICO.
Para cura de plilisira em lodos es seusdiOereules
graos, quer motivada por coustipaees, lossc, aslh-
m.'i,.plenri/.. escarAs de sangue, dr de costados e
peito, p;:l pila cao no ror ac i>. coqueluche, bronchile
dor nagnrganla.e toda as molestias dos orgos pul-
monares.
Veas estearinas ue o, pedras de marmore |*
para mesas, papel de peso inglez, papel de S
embrulho, oleo de liuhara em botija, chico- w
tes para carrol arreios para 1 e 2 cavados.
formas de fer para fabrica de assucar, ro- tt
11 m di India para emrfclhar, tu la branca e JK
I verde, metal amarello para forro, cemento S
| romano, armamento de todas as qualidade, ,:,*
M cali; de liaho. de cairo e demaiiilha, aira- **
1 trAo pixe de boecia, champagne e ,vinho aa
% linos do Renho : vendem-se no armazem de S
fC. J. Aslley & C, ra da Cadeia o. 21. ,f
Rap francez.
O verdadeiro e geuuino rape francez,
deve ter preferencia sobre outro qual-
3uer rape, tanto pelo seu simples e agra-
avel aroma, como pela sua qualidade
hvgienica, visto nao ter a menor compo-
sicao cpie faca damoo as pessoas que del-?
le fazem uso. Veude-sepor o$00 ris ca-
da libra, as lojas dos Srs Moreira & Du-
arte, ra doCabuga n. e Joiio Cardoso
Ayres, ra da Cadeia do Kecil'e, n. 41.
UQL'IDACAO.
O arrematante da bem contienda luja de miude-
zaa da ra dos (Juarleis u. 21, qoereudo acabar em
pooro lempo com as miadeza* que dila loja coutem.
\-se forrado a veoder barato, e lao barato que mili-
ta conla lar mesmo a alguma pessoa qyaquejra ue-
cociar. *
Par de talunga de porcelana dourados
para enfeiles de consolos
Libra de cordio branco para vo-li Ui
Finissimo lacre encarnado, a libra
Papel de cor em massiuho com 20 quaderues
Botdes de seda para casaca, a grosa
Lencos d; casta para meninos, a danta
Fita de arda ravrada, larga, a vara
Dila de dita escoceza, o melhor oeste genero
l'esooras entrenas, a duzia
Ricas trancas de seda branca e de cores,
a vara
I.'ivas para meninos, o par
Bonecaa de camurca com penteados de ca-
bello natural, diversos lamanhos, a duzia
Ricas Tilas de velludo de todas as cores, a vara 400
Toalbas de linho para maos, urna 19000
(.luadros com moldura dourada e com saulos 100
Botoes de madreperola para palitos (aboto'adura) 320
2800
laJOO
2>j00
600
292OO
2:000
.5
050
560
400
400
49000
Meia de seda preta para menino, o par
Luvas unas de algodo para homem, o par
Escovas para uuhas, a duzia
Abaleaduras finas para palitos
lillas hronzeadas
Agua de Colonia (do Piver) a duzia
l'enlcs de bfalo linos para alisar
Lila de cores para bordar, 1 libra
Agulhas tira caixinha
Meias para senhora, o par
Ditas prelas para liomein
Ditas ditas para senhora
e oulros muilos objeclos inteiramente indispensavei,
que se ve dem por todo preco para acaba r-se cora a
casa.
500
280
ISOOO
320
too
S500
320
79.500
160
240
.240
320
Vendem-se
Vendem-se doa eacravaa, sendo urna linda
molatiuharecolhida que cose e engomroa bem. co-
zinha edeoptimg conduela, urna negrinha de idade
de 18 anuos, rom principios de varia habilidades :
na ra Direita n. 3.
Vende-se um carro novo de
qualro roda, c de dous e e qua-
lro assenlo a voulade, moito
in.meiro. vende-se um outro
dilo iburriao, muito proprio
p ira o mallo, para algam e-
uhor he engenlio e por preco commodo: na ra
Nova, cocheira de Adolplio Bour^eois.
Veude-6e exCellenle taboado de pinho, reeen-
temenle chegado da America : na rui de Apollo
trapiche do 1 erreira. a euteader-se com oadmini
Irador do mesmo.
FARINHA DE MANDIOCA. .
Vcnileiii-se sarcasgrandes com farinhade man-1
dioca por preco commodo : para fechar coalas: no
armazem oc Luiz Annea defronle da Alfandege.
Pipas vasias.
Vende-se poroso de pipa vastas proprias para en-
eber de agurdenle, a preeyafle .179 cada urna : a
tratar no escriplorio de Ma'uol ,Alves Guerra, na
ra do Trapiche n. 14.
Saccas com ipil lio.
Vendem-se arcas com muilo bota milho a novo,
por prego mai* commodo do que em outra parle : na
ra de Santa Rila, laberna n. 5.
COM PEQUEO TOQUE DE AVABIA.
Indiana de quadros de sedae algodo,de
muifo bom gosto. a 520 o covirrJ.
Vende-se na rna do Crespo, loja da aaquina qoe
volta para a roa da Cadeia.
Esguiao delkiho
e algodo,
'muito superior, com 11 vara a peja por 39500:
venile-e na roa do Crespo, loja da esquina que vol-
para a ra da Cadeia.
a 49000 US.
Veodem-M palitos da alpaca preta : na roa da
Cadeia do HedA o. 3,
Veode-e cera de carnauba, velaa a couros ano-
oa. em porcao e a retalhe, por meno preco qoe anr
ontra qualquer parte : na ra do Qaeiaiado a. 39.
ftT4 loja das seis
portas.
En* frente o Livramento.
anliora a

POTASSA BRASILEHU. 0
Vende-se superior potassa, fa-
bricada no Rio de Janeiro, che-
gada recentemeote, recommen-
da-se aos senliores de eogenhos o j
seus boas elleitos ja' experimen-
tados: na ra da Cruza. 20, ar-"
muzem de L. Lecohte Feron &
Compaohia.
Doce.
Na roa do Queimado, loja n. 2. vende-se doce de
calda e secco de todas as qualidade de frocla, muilo
bem feito, nao s as libras como em barrilinhos o de
calda, e o secco em bocetinhas enfeitadas, proprias
para prsenles.
MOENDAS SUPERIORES.
Na fundicao de t. Starr & Compaohia
em Santo Amaro, acha-se para vender
moeudas decaoaas todas de ferro, de um
modello e coustrucc5o;->ymuito superiore.
*Vendem-se dous Unos fortes de ja-
caraoda', coostruccfJRrtical e com to-
dos os mellioramentos mais modernos,
tendo vindo no ultimo navio de Hambur-
go : na ruada Cadeia, armazem n. 8.
Relogios
cobertos e des-
cobertos,
Bilhetes 59600 Recebe por inteiro
Meios 29800
Tercos 19920
Qaartos 19140 u
Unilos 19160 1> 11
Uitavos 720 "
Decimos 600 11
\ igesiinos 300 11 >!
aemii
ieberA C, ra
quartos e oitavos
dewmro, patente ing-le/..
VerSem-se oo escriplorio de Soulhall Mellor ck
Companhia, na roa da Cadeia du Recite o. 36, oa
in ais superiores reos ios coberlos e deacebertos, de
ouro, patele inglez. de om dos methores fabrican-
tes de Liverpool, viudo pelo ultimo paquete inglez.
Em casa de N.
da Cruz n. 4, \eiide
Yin lio de Madeira
barris.
Vioagre branco.
Tintas em oleo.
Lonas.
Brins da Russia.
Papel de embrulho.
Saceos de estopa.
Cemento.
Por commodos preces.
Em casa deHeory liiiinn &C., ra da
Cruz o. 10, vendem-se:
Lonase brins da Russia.
lostrumeotos pora msica.
Espclhos'com moldura.
Clobos para jardins
adeiras e sof's para jardim.
Oleados para mesa.
Vista de Periiambuco.
Cemento romano,
(iomma lacea.
Navalhas a contento.
Na ra da Cadeia do Recite n. 48, primeiro au-
llar, escriplorio de Aagnslo C. de Abren, conli-
nuam-se a vender a 89000 o par (preco li\o, a ja
bem couhecidas eafamadasnavalhas de barba, feilas
pelo hbil fabricante que foi premiado na ex,io-ico
de Londres, as quaes aliu de durarcni eztraardina-
riamente, nao se seiiteui no rosto na acciln d cortar ;
vendem-se com a coudiciio de, nao agradando, po-
derem os compradores dev ol ve-1 as al 15 dias depoi
pa compra restituiudo-se o importe.
na nova loja da ra larga do Rosario u. .15, diversas
miudezas e quinquilharias por preco muilo barato,
asaim como : li.itaios grandes e mais pequeos a 19
e 2},bonetes de velludo com alguma avaria a 240 ca-
da um, luvas de pellica amarellas e branca a 240
par, meias de algodo pretas a 200 rs. o par, palitos
de dentes o masso 100 rs., conlas amarellas de aljo-
faro, masso de V\0 lios 500 rs., trancas lisas e de
caracol a 50 e 100 rs. a peca, dila mai finas de 13
varas a 200 rs., Irancelius de borracha pretos a 100
rs., atacadores de seda prelos para borzeguins a 100
rs., luvas pretas de (orcirl bem feilas a 800 ra. o par,
vollas deaaescoco muito proprias para escravas a 200
rs., lirniew pretos em caixinha, cada par 300 rs., ro-
zelas prelis dita, novo padiio a 400 rs., coliele pre-
los, a caixinha 70 rs., Irancelius de retoz prelos e
de cores 40 rs. a vara, fio de sapateiro, o novello
20 rs.. a libra 400 rs., arca aullada para botar em es-
cripia, a libra a 80 rs., brincos de aljofares encar-
nados mui proprio para escravas, o par 200 r., cai-
ta de metal principe lino para rap a 240 aula ama,
botoes liuos dourados para pagem, a duzia 200 e 400
rs., aUmeles preto de vtdro a 100 rs., medidas de
marroquim numeradas para alfaiate a 160 re., cha-
vesderelngio a 500 rs. a duzia, urna 80 rs., papel de
peso marca vapor a 60 e 80 rs. o caderuo, alroaco
bom a 40 e 60 rs., suspensorios muilo elstico para
escrotos a l> cada om, franjas para toalbas ou pan-
nos de pretas a 200 rs. a vara, rosarios brancos e de
cores, a duzia 210, pautaia 30rs., conta de mitaan-
ga azul e encarnada, masaos, caetas ordinarias e fi-
nas, botoes de osso pretos e brancos, linos, para rou-
pas feilas a 160rs. a grosa, rozelas douradas finas de
novos parros a 80 rs. o par, livelas para cabeja/laa,
pennai douradas, el.-. '
Graixa do ro|
Grande em
bexigas.
Vende-se na roa da Cruz, no' Recife, armazem
n. 13.
Cortes ehinezes.
Vendemie ua ra do Qneimado n. 21, e d.to-se
as amosjru com penhor.
Vende-se um moleque de S a 1J anuos de ida-
de : no paleo do Tere,* o. 9.
Brins de vella : no armazem deN.O.;
Bieber A C, ra da Cruz n. 4.
A pessoa a quem convier comprar urna cadei-
ra de rebufo em bom uso, queira ter a boodade de
comparecer i_rua do Collesio n. 18, segando andar,
qae achara com quem tratar.
Vende-te urna preta de meia idade, cozinheira,
lav&de sabao, e fai lodo oserviro de urna casa, mui-
to robusta e forle, por prero commodo ; na rnTCa
Madre de Dos n. 36, loja.
Patente.
Bons gostos e de
boas qualida-
de s.
Na ra do Queimado, nosqualrocanto, na egnn-
da loja de fazeuda n. 22, defronle do aohrado ama-
rello, venden i-se [a/.en das por precos que real-
mente razem admirar ao publico : Panno prelo
finissimo, prova de liniflo. par caaacas e palitos,
pelo baratsimos presos de 29500, 39500 e 59000
o covado, casemlra preta de superior qualidade
a 29 e 29600 o covado, alpaca preta muito fina a
400, 500 e 600 rs. o covado, corlea de cuteles de
fustoes de bonitos padiOe e core Osa a 700 e 900
rs., chales pretos de 1,1a e seda muilo grandes a
2J800, chapeos de aol de seda prttos e de cores, fa-
zenda superior a 69500. camisa franceza pintadas
para homem a 19280, riscados da India muilo linos
e largos e muito bonitos para vestidos a 280 o cova-
do, selim prelo maco, fazenda muilo superior a :!;
o covado, sarja hespanhola muito superior a 2,400 o
covado, merino muito lino a 29000 o covado, meri-
no seliio o mai superior que pode haver e multo
proprio para palito a I96O o covado, chapeos de aol
de panninho a 19600, chitas franceza* muilo linaa e
largas, de novos padrOes a 320 o covado, fil de li-
nho liso e com llore a 19 e 19440 a vara, luvas de
pellica de Jouvin para homem e senhora, chegadaa
no ultimo navio francez a I38OO rs. o par, lavas de
sed de todas as cores com belotaa a 19280, camisa
de meia muilo fins a 19, lava de fio da Escocia
brancas e de cores 400, 500 e 600 r. o par, mau-
las de seda para grvala, prelas e de cores, muito
boa fazenda a 19280, panno fino azul de superior
qualidade a 49 o covado, rica romeiras de retroz
bordadas a 119, lencinhos de retroz francezei a
19280, casias franceza muilo fina e de bonito pa-
dre a 300 rs. o covado, cambraia fusima de sal-
picos a 19 a vara, camisas franceza muilo fin,
bem fritas para homem a 29500 e 29600, crl
canas para vestidos de bonitos padrOes e com
ras a 29 o corte, lencos brancos de cambraia de li-
nho muilo finse zraude* a 69 a duzia, ricos chales
de chally com listras de seda e bastante grandesa
89, ditos de meiin muito finos e lisos a 69, Iqyj
pretas de (orcal, de Lisboa a I9I2O, chally amare,
fazenda superior e que muito se osa para vestido a
800 rs. o covado, romeirae de cambraia com laros
de ricas filas de seda a I928O, grvalas de seda de
boaitos padrOes a 610, meias de laia para padres a
29 o'per, cortes de casemiras finas e de bonitas pa-
drOes para caifas a 59, hrinzinhos de linho de bo-
nitos padrOes a 240 o covado, brim trancado de poro
linho e de bonitos padroesa 800 rs. a vara, lapim
preto finissimo, proprio para vestidos e batinas de
padrea 19280 o covado, riscadinhosfrnncezes muilo
finos e bouiloa padrOes a 240 o covado, meios lein-09
prelos para grvala muilo superiores a 1?, lenctM
brancos de cambraia muito finos a 300 n..
amarella moito superior a 320, meias brue
para senhora a 240,300e400rs. o par, dilas prelas! ~ ~r---
u.uilofiiasa 320, ditas para homem, fazenda su- |6a_l n.. ''Oma jportuguez, em Casa de
perior, sendo brancas, prelas e croas a 240 rs. o par.
Alera de todas ealas fazenda* oulras muila
villa dai boas qoalidades heqae te pi
quanto sao baratas, afiancendo-se ao S
dores que neste estabelecimento nao ha fafeuda
cuma que seja avariada, e sim ludo iem 'aria,
bons gostos e boas qualidade.
Cortes de cassa para quem quer dar fes-
tas por pouco dinbeiro,
Vendem-se cortes de cassa chila de bom gosto a
29, dito de padres nSncezes a 25100, cassa rias
para aleviar lulo, ditas preta dejpadroes miudos a
29 o corle, alpaca de seda de quadros de todas as co-
res a 720 o covado, lencos de bico lanto pintados
como bordados a 320 cada um, grvalas de seda pa-
ra homem a 1.3 e 19600 ; todas estas fazeudas veo-
dem-se na ra do Crespo o. 6.
Vendem-se no armazem n. 60, da rna da Ca-
deia do Recife, de Henry Ginson, os mais superio-
res relogios fabricados em Inglaterra, por preco
mdicos.
Riscadoe francezo p,
meia pataca o covado. *aSS?
cada uro, *jM liarjyjofeile^M
ra aei
tostoes,
a aelo
ti na
A3$500
Vende-se cal de Lisboa ltimamente chegada,
im como polaaia da Russia verdad jira : na praca do
Corpo Santo n. 11.
AGENCIA
Da Fundicao Lw-Moor. Ba da
Senzala nova n. 42.
Neste estabelecimento continua a ha-
ver um completo sortimento de moen-
das e meiaa moendas pzA engenlio, ma-
chinas de vapor, e tai xas de ierro batido
coado, de todos os tamauhos, para
to.
Moinhos de vento
orabombasderepaxopara regar borlase baa,
decapim.nafandisafldeD. W. Bowman : naru
doBrum us. fi,8e 10.
AOS SENH0RES DE ENGENHO.
Redondo de 640 para 500 rs. a libra.
Do arcano da iuvencao' do Dr. Eduar-
do Stofle em Berln, empregado uas co-
lonias inglezas e holiraatffr, com gran-
de vantagem para ofiPMbrament do
assucar, acha-se a venda, em latas ele 10
bras, junto com o methodo# de empre-
Rape.
Vende-se o verdadeiro a muilo fresco rap Paolo
Crrdeiro : na roa larga do Rosario n.'38, junto a
botica.
Chales
de moito
Vendom-ie relogies de ouro patente inglez; no
escriplorio do agente Oliveira, ra da Cadeia do Re-
cife n. 62, primeiro andar.
Cortes de' seda
superiores.
Veudem-ae corles de seda de quadros, estrellas e
largas, de muilo bons gosto e modernas, a*im como
lencostdecambraia muito liuos com bico muilo lar-
go, chales de laa e merino, liaos, com barra de co-
re, liitras de seda e bordados, assirn como ontrai
muitas (azenda por preco muito commodo, di-
nheiru a vista : na roa da Cadeia do Recife, loja n.
50, defrt ule da ra da Madre de lieos.
de merino' de cores,
bom gosto.
Vendem-se na ra do Crespo, loja da esquina qae
volta para a cadeia.
Vende-se un bom cabriole! descoberlo com
arreio, e tambem om carro de 4 assentoe, novo,rom
arreioa.tudo i vista de quem quizer se tenlar, lano
mais porque o preco he razoavel ; na ra Nova, co-
iieir a do Sr. Qainteiro. ^ .
COGNAC VBapAKIRO.
Vende-se o verdadeiro^pnaiw tanto em garrafas
como em girrafOes: ua roa da Cruz n. 10.
CASEIIRA PRETA A 4?500
0 CORTE DE CALCA.
Vendem-se na ra do Crespo, loja da esquina qoe
volta para a ra da Cadeia.
VINHO XEREZ. '
*Vende-e superior vinhn de Xerez fem barris do.
1|4. em casa de E. II. Wyall: rna do Trapiche
n. 18.
1 LEONOR D'AMBOISE.
Veade-se o excelleote romance histri-
co Leonor d'Amboise, duqueza He Breta-
nha, 2 volumes por li'000 rs., na livraria
n. 6 e 8 da praca da Independencia.
Vende-se cal em pedra chegada no ul-
timo navio de Lisboa, e potassa americana
da mais nova : no nico deposito da ra
de Apollo o. 2B, de A. J. T. Basto &
Compauliia.
Pratos ocos patentes
para conserYar a cCni<*a
quente: vendem-se na pra-
$a do Corpo Santo, arma-
zem n. 48, de =4ostrn Ro-
oker #C.
Vende-se ac em cunhetes de um quintal, por
preco moito commodo : no armazem de He. Cal-
raot & Companhia, prac,* do Corpo Sauto n. 11.
Na roa do Vigario n. 19, primeiro andar, ven-
de-se Trelo novo, chegado (Je Lisboa pelo brignei-
*afM$S: SSSGGet
i Deposito de vi nlio de cham-
iague Chateau-Av, primeira qua-
idade, de propriedade do conde
| de Marcuil, ra da Cruz do Re-
I cife n. 20: este vinho, o melhor
..de toda a Champagne, vende-se
a 36000 rs. cada caixa, acha-se
' nicamente em casa de L. Le-
I comte Feroo & Companhia. N.
| B.As caixas sao marcadas a fo-
) goCoude de M#cuile os ro
i tolos das garrafas silb azues.
N. O- Bieber & Companhia, na ruada
Mfcdem-se em casa de S. P. Johns-
Wt, oa ra de Senzala Nova a. 12.
Sellins inglezes.
Relogios patente inglez.
Chicotes de carro e de montara.
Caodieiros e casticaes broazeados.
Lonas inglezas.
Fio de sapateiro.
Vaquetas de lustre para carro.
Barris de graxa n. 97.
Vinho Cherry em barris.
Camas de ferro.
Milho em.saccas
Vende-se muito superior milho em saccas : na roa
do Amorim o. 41, armazem da Francisco Guedes de
Araujo.
iVraujo.
Milho erafa
ocas
ni
prer;o com-
Vende-se na ra do Encantamento n. Tt A, milho
em saccas, de superior qualidade, por preco com-
modo.
A boa fama
a encamados Sf.st^?&*
da. que se quer acaba antee da feoT ftM0^
Pa/ra quem esU' de luto.
vendem-e riKado. franeaBii proprio. eara as-
idode MDhora a meia pataca o covado,Vl*la
oqaim prelo a 8. melim prelo a doos i.aioe, fci.
la preta a nove vintn* o covado: na loja da* ti
porlai em frente do Livramento.
SaldoAss
Vende-se tal do Ass de inperior qealidade a bor-
do hrisae j'Wis Dettino : a tratar oo escriplorio
ir. Manoel Gonjalves da Silva, en a bordo com
5JLO00.
Vendem-se* excelleutes
chapeos de castor branco,
de bonitas formas, pelo ba-
rato preco de 5,000 ris:
na praca da Independen-
cia ns. 24 e 26.
r i
CHITAS UESPANHOLAS, Pj
Chita* de padroe o mais lindo qoe lee* vindo a
et. mercado, e modernai, do ultimo goda oa lio
de Janeiro, chegada pelo ultimo vapor, o *e (an-
dera na lojassegoiole* : raa du Crcapo. Campa* &
tima, roa do Qaeimado, lioimare & Basto*, raa
do Creapo, Jos Goocalves lialveira, raa da Cadeia
Rocha & Urna, dem, Narciso Mari Caruero, dem,
Conba & Amorim, idem, Manoel Ferreira de Si,
ru do Oueimado, Manoel Jas Leile, ideo, Faria
& Lopes, idem. Rodrigues & Lima, idem, Bezerra
\ Moreira, roa do Cresr*. Antonio GoBcalve da
Oliveira, idem, Siqneira es Pereira, roa da Cadeia,
Ferreira & Matheu.
Vendem-e cebla cliegada ollimamenle de
Lisboa no patacho Brilhanle : na travesa da Medra
de Heos, armazem de Agoilinbo Ferreira S. Guima-
res.
Relogios. #
Relogios de ouro, relo-
giosjle prata, relogios de
mesa e de purede, chega-
dos ultpame nte: vendem-
se na *ja de Chapront $
Bertrand, praca da lude-
pendendencia ns. 18 efO*
Veode-*a por qualquer preco orna parean de
pe de pinheira de moito boa qualidade, e qoe aa
acham em estado de Iraiplantar-ie : quem precisar,
dirija-se a estrada do. Affiicloi, sitio defraale do. do
finado Joaquim de Oliveira, a qualqoer hora da dia.
Lindos cordoes de ca-
bellos.
Vendem-aa rico* corda da cabellos elstica*, li-
so, e entenado*, por barnliisiroo prefo : aa loja de
miudezas, na roa do Qaeimado o, 63.
Aterro da Boa-Vista n. 8.
Vendem-se biscoito inglese mallo linos, em la-
tas grandes, pelo diminuto preco de 39000 a lata,
cha da India chegadooltimamanle, o mais superier
do mercado, mnteiga iogleza primeira qualidade,
e muilo outro geueroa, pa* preco moito commodo,
para acabar.
A boa fama

4
X
4


I
A's senhoras de
bom gosfo.
Verdadeiro bico de bloude blanco e preto, e bo-
nito chapeos de unhora por preco muilo commodo.
A mesma loja acaba de receber muito* relogios
americano para cima de meia, do ultimo goilo ; e
lambem relogios francezea com cnia, por prero
muito em conta.
POTASSA E CAL VIRGEN
No antigo eja' bem'conhecido deposi-
to da ra da Cadeia do Recit, escriptorio
n. 12, ha para vender muito superior
potassa da Russia, dita do Rio de Janeiro
e calvirgem de Lisboa etn pedr^tudoa
precos muito avoraveisf'epm ajfjfuaes li-
en rao os compradores satsl'eitos. '
FARINHA DE MANDIOCA.
Vende-se superior 'arinba de inanaioca
em saccas c|ue tem um alqueire, medida
velha por 5^000 reis: nos armazens ns.
T>, 5 e 7, e no armzem defronte da porta da
alfandega, ou a tratar no escriptotk) de
Novaes & Companhia na ra do Trapiche
n. 34, primeiro andar.
Vende-se urna batanea romana com todos os
us pertences.em bom oso e d 2,000 libra* : quera
pretender, dirija-sen ra da Cruz, armazem n. 4.
VENDE BARATO : 1
Lencinhos de relroz de Indas as cores para peseo-
co de senhoras e menina, pelo barato preco baralhos de cartas finissimas franceza para voHarete
a 560, toncas de 13a para senhora e meninas aMO,
luvas muito fina de fio da Escocia branca e de co-
re para homem e senhoras a 400, 500 e 600 rs. o
par, rneia brancas e croas para homem, fazenda
muitissimo superior a 160, 200 e 240 o par, luvas de
pellica de Jouvin brancas e amarellas para homem
esenhora a 19900 o par, camisas de meia moito|li-
nas e de para laa para homem a 39000 rs., dita* de
algodio muitissimo finas a 19 e 19200, tesooras mui-
lo finas para papel a 19500, ditas superiores para
barbeiro a 19500, leques moito finos a 39, rica* abo-
loadoras para collete de madreperola edemelalja
5O0 rs.. dila para palitoa 600 r., caiiinha com
phosphoroi proprias para charutos a 20 rs.. ricos jar-
ro dourados de porcelana para flore de diversos la-
manhos e precos, ricas fita de seda lavratJas e lilas
de todas escores e largara, escovas finissimas para
mapa, ditas para cabello, trancas de seda de boni-
tos padres de diversas largaras e cores, navalhas fi-
nissimas para barba, caivetes finiasimos e dlo
as qualidades.bicos finos de linho de bonito* pad
e diversas larguras, ricas franjas de alcod.lo brao
e de cores para cortinado, tesouras para d
mais fina qne he possi ve I encon Irar-se, e ou
lissimas cousas que ludo se vende por tflo'
precos que aoiproprios compradoresc
c.o: na roa do Qaeimado, nos qoal
bem contiecida loja de miudezai da ITa Fama,
A boa fama
VENDE BARATO^ |^fl
Rico* pentes de tartaruga para cabera
Dito* de alisar tambem de tarlaroga
Dito de marfim lambem para alisar
Ditos imitando tartaruga para rabeea
Lindas meia de seda de cores para criancas 19P
Meia pintada* Go da Escocia para criancas240e*JB
Bandejas grandes e de pinturas lina* 39000 e 4JH
Papel alma^p greve e paulado, resma JjgJ
Pennas linitilanas bico da iani;a, aroza ^"^
Ditas muflo boas sera **jr da lanca.aroza 640
Oculos de armario de aro com graduacGe*
Lunetas com armacJio de tartaruga 19009
Ditas com armario de bfalo 500
1 oocadores de Jacaranda oom bons espelhos 3J000
Meia de laia muito superiores para padre 29000
Ricas bengalasde canna com lindos casidas 2*000
Ditas de junco com bonito* caslOe 500
Rico chicles para homem e senhora a 19 a 19200
Meia prelas de algodo para padre, o par 600
(iravalas de seda de toda as cores 19 e 19200
litas de velludo de toda aa cores, a vara 160 e 320
A lacadores de cornalina para casaca 100
Bico reloginhospara cima de meaa -.> 49000
Suspensorio linos de borracha, o par 400,50*^600 ]
T enles muilo finos para usa
Escova nruilo finas para cabello 640
Capachos pintado* muilo bonito* 700 .
Botoes finisimos de madreperola paraca-
misa, a groza 19200
Alem de todo islo vendem-se oatra murta can-
s*, quevi*U das qualidade* e prego faz admirar:
i.a roa do Queimado, noi quatro cantos, na loja de
miudezas da Boa Fama n. 33.
Taixas para engenhoss.
Na fundicao' de ferro de D. W.
Bowmann, na ra do Brum, passan-
do o cliafariz continua haver um
completo sortimento de tai\as de ferro
fundido e batido de 3 a 8 palmos de
bocea, as quaes acham-se a venda, por
preco commodo e com promptidao' :
embarcam-sc ou carregam-se em carro
tem despeza ao comprador.
Vende-se urna easa lerore sita na ra do Se-
i e.lior Bom Jess das Crioula, com bons commodos :
'.ratar no becco'du Vera n. 20.
Gomma exeel-
a
lente.
VeAem-se sacca com excellente gomma pera en-
gommar, muito alva; na roa da Cadeia do Recife,
[uja n. 50, defronte da roa da Madre da Dos.
VENDE BARATO:
Libra de liaba branca* o*. 50, 60, 70 e 80,
Libra* de dita* ns, 100, 120 e 130
Duzia de leaouras para costura
Duzia de ditas mai fina
Magos com 40, 50 e 60 peca de cordao
para vestido
Pega com 10 vara de bico estrello
Duzia de dedaes para senhora
Caixinha com agulhas francezas
Caixas com 16 novellos de linhas de marcar
Crozas de bolees para cam|xa
Pulceiras encarnadas para meninas
Dita grandes para senhora
1100
1280
1|000
19280
240
560
100
160
380
> 160
240
330
Pare de meia fina para senhora a 240 a 300
Meadas de Imhas muilo fina* para bordar 160
Meadas de linhas de peso < 10O
Arozasde bolees muito fios para calta 280
Sbados de linho abertos e bordados 120 e 240
Carteiras finas de marroquim para algibeira 600
Fivelas dourada* para calca* o collete 120
Tinleirose areeiros de porcelana,u par 500
Charuleiras enlre fina* to
Duzias de torcida n. 14 para candieiro* 80
Pentes de verdadeiro blalo para alisar 300 a 500
Pegascom 6 1(2 varas de fila branca de linho- 50
M
com clchele frincezes
tala de llallas de 200 jardas de boa
ade ~
com 35, 40 e 47 grampai
__tos, o par
Carrileisdalinlias de 100 jarda, aolor Ale-
60
70
60
40
40
de todaastas miodea vendem-se oulras
nniilissamas, qa vista de suas boisqoalidades a
baratas precos causa admiracSa aos compradores :
oa roa do Queimado, noi qualro canloi, aa bem co-
^^^b laja de miudezas da Boa Fama n. 33.
Ba do Quei-
Mido 11.1.
a-
Chale* de tooquira com ramos da teda matisados,
pelo baratissimo prero de 16*, aloalhado adamagado
em 8 finimos de largura, o qual e Um vendido,por
3 a vara, por tei om pequeo lenla nde por
1*500, corte* de cassa chila corea fixai com 6 y va-
ral por I96O1) cada um, meias da lia mailo eeor-
padas proprias para quem padecer do rheamaliimu
por 29 o Dar ; alm desta ha ootraa muitas fazeu-
das, que para acabar, se vuodero por todo o praca.
Vende-se urna vaccti a om garrote ou vilello :
Da estrada que vai.de Sanio Amiro para Belem, do
sitio do primeiro BorUo attearndo.
Vende-*a ama escravii crioola, de idade 20 ao-
1, e boi ligura, a o qne silbe le dir ao comprador:
roa de Horofep. 110.
ESCRAVOS FGIDOS.
Desappareceo do engenho Burralho o crioulo
Victorino, idade 20 auno*, estatura regular, pee
grosso, em um dos quaes tem ama marca veha de
ferida, lem em urna das m.lo fjhia marea rhrfjrida
cicatrizada ka pouco: quem o apprehdtMpPtW"
aodito engaafao Burrajho, oa a cau di LuT? Comes
Ferreira, no Mondego, ser bem recumpeusado.
Fugio do engaito Jonqoeira, uo di. 5 doaor-
rente, um moleque crioulo de nome Ado, de idade
de 11 a 12 aanoa, pouco mai* ou menos, com aattg-
naes seguales : pos seceos, pernas linas, a a eabeca
um lanto pusaatonara Iraz ; levou omisa e carela
de algodaozinaaWbosla que v.io para eita cidade :
quera o pegar leW-o ao mesmo engenho a entregar
a Cela no Jos Fragozo, 00 no paleo do Carmo u.
17, que ser recompensado.
Desappareceo na noite de 2 do camota, da
freguezia da Ewada, o prelo Jo-, ccioulo, cor pre-
ta, bastante alto, de 22 a 24 anooe de idade, nSo
teodo anda signal de barba, cara grande, nariz achi-
lado, bocea rasgada, e alguna tanlo beicudo. lavando
cm sua companhia ama parda forra acaboclada de
quem aa.lhiee marido. Este negro auppoe-ie aefrai-
ra para a freguezia d'Aaua Preta em razio de ter
sido nella escravo de Joa Ferreira de Amorim, onde
(em conbecimentos: rnga-ae a autoridad** poticiaes
eca pitaes de campo qoe o apprehendam'e leven a
seu fcnhor o vigario da freguezia da Eacada, qae se-
rio recompeosados. O escravo levou calca de cate,
mira, camisa de madapoln, e jaquela azul de gan-
ga, levando mais varias calcas em o esa Irouxa, tssiai
como camisa, e om leocol de algodaozinho.
PERN. : TY1. DB M. I'. DB FABlA. 1855


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV4I6W6QB_IXHKJY INGEST_TIME 2013-03-25T15:09:20Z PACKAGE AA00011611_00308
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES