<%BANNER%>
Diario de Pernambuco
ALL ISSUES CITATION
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00011611/00304
 Material Information
Title: Diario de Pernambuco
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Publication Date: Thursday, December 06, 1855
 Subjects
Genre: newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage: Brazil -- Pernambuco -- Recife
 Notes
Abstract: The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding: Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation: Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities: Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: Applicable rights reserved.
Resource Identifier: aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID: AA00011611:00304

Full Text


M
'N
V
f

I


;
i*
r

AMO XXXI. N. 282.

Por 3 mases adiantados 4,000.
Por 3 metes vencidos 4,500.
QUINTA FEIRA 6 OE DEZEMBRO DE 1855.

Por anno adiantado 15,000.
Porte franco para o snbacriptoi.
DIARIO DE PERNAMBUCO
ENOARREGADOS DA SL'BSCRIPCAO'-
atedie, o proprietario 11. F. de Furia ; Kio .le Ja-
neiro, a Sr. Joao Pereira Marlins ; Baliia, o Sr. D.
i Dssrad; Macei, o Senhor Claudiuo Falcao Dias ;
ttersaiba, o Sr. Gervasio Viclor da Nalividade ;
Nalal, o Sr. Joaquina Ignacio l'ereira Juuiur; Ara-
ely, oSr. Antonio de l.eraos Braga ; Cear, Sr.
Joaquim Jose.de Oliveira ; Maranhao o Sr. Joa-
quim Marque Rodrlgnea; Pauty, c Sr. Domingos
Rerculano Achiles Pestoa Cearense; Para, oSr. Jus-
tino J. Ramos; Amazona!, o Sr. Jeronymo da Costa.
PAR
TE %TI
CAMBIOS.
Sobre Londres, a 27 1/2
Paris, 350 a 352 rs. por f.
Lisboa, 98 a 100 por 100.
. Rio da Janoiro, ao par.
Accocs da Banco 40 0/0 de premio.
da Companhia de Beberibe ae par.
da companhia de seguros ao par.
Disconto de Icltras, de 9 a 1/2 por 0/0.
METAES.
Ouro.Oncas haspanholas. 299000
Moedas de 69400 velhas. 16000
de 69400 novas. 169000
de 4000. 99000
Praia.Palaces brasileiros. 29000
Pesos columnarios. 29000
o mexicanos..... 1*860
CIAL.
COJJOIANDO *S AHM'S.
Waartet a ster eJ de commando dea armas .
VinuBtm m cldede o Becife a 5
eiembroete 166. .
ORDEM DO UIA N. 161.
O marecatl de *Jmpo coinroandajile das armas,
declara para scieeefa d guarnirao, e necessaro lim,
qse o goveruu de S. M. o Imperador, bouve por
esiajpn decreto d 15 de novembro ultimo, conce-
der pettaaim !* "* companhia do t balalhflo de
enrolara, ao Sr. capitao do 10 batalbao da mrstna
arma Aawiee Antonio Cerdoso, segando constoo de
oflicio da presidencia de honlem datado, rom refe-
ra'ieie ao aviso do ministerio dos negocios da guerra
de 19 do citudo mei de itoremlirn.
Dedtri ootro sim o mesmo marechal de campo,
que ante-houlem se apresenlou no qaarlel geoeral o
Sr. teiMute do 10" balilhao Firroino da Cuuha Reg,
qoe se ahava de quarenlena no laiarato do Pina,
desde o dia 18 do mea paisado, ein que edegou da
Corle uo paquete de vapor Paran.
Jote Joaquim Coelho.
TRIBUNAL O COMMERCIO.
Siitojuiictaria em 5 de dezembro de 1855.
Presidencia do Eim. Sr. detembargador Fumino
Antonio de Soma.
Patsagcns. .
Appellthle, exeqaente, Vicente Mareta da Silva ;
Appellado, embargante de lerceiro, Domingos da
Cos'.a Albuqaerque.
Do Sr. Villares ao Sr. L8o.
Julgamtntos.
.Yppellaules. Rspliael Flix Jase (jarcia e Joao
Augusto Binideirn de Mellu ;
Appellada. D. Marta Filippa Smiro.
' Foi confirmada a seolenra appellada, com res-
Iriccao. aL,
Embargaste, Vicenta Ferreira da Cesla ;
Embargados, Jos Fernandes Eiras e Fernandes
^^K& Companhia.
Veram deaprezados os embargos.
Embargante, D. Mara Carolina de Brilo Carva-
Iho, como totora de sen flllio< ;
Embargado, Joao Cardoso Avres, representado
por seu cesionario Manuel Alves Ferreira". .
Foi reformado o accordSo embargado
Embargante, a mesma ;
Embargado, Ricardo Depperman.
Foi reformado o accordao embargado.
Embargante, Raphael Flix Jos Garca e oulro ;
Embargado, Francisco Custodio de Stmptio.
Foi designado o primeiro dia til.
EXTERIOR.
DiOicilnisute se pasta un dia en que re nao en.
centre eni adjuras parte de nogsa correspondenoia es-
Iraseeirau'iue eipotipm.oy. um boato, ou ama allo-
aio i nrn boato, on urna reposto a um boato, ou
ama exposirao de que o boalo be sem fuudamenlu
algum, ludo acerca de certos projeclos de mediaruo
quese supraie nnlrdos pela Austria e pela Prussia,
cosa maiur ou menor concurrencia da parte da Rus-
sia. A' vetes he ama grta-dnqueza russ, ora ama
arquiduqueza austraca, as vetes el-rei da Prussia
disse, ae enes um ajudanle da campo do ciar, i ve-
tsaada de ara novo artdido, as vetes a vragem
de asa "principe, as vetes urna caria imaginaria,.as
vetet argomas palavras em ama gatela olDcial, e to-
M quiote mi arpa aaatrta Je fimo e de pii des-
re aofefe toda a fabrica, nm aoioritativamenle as-
ilenciada ser urna absoluta Ilutan.
Ledo o processo he o que est rnnlinuadamentc
em operaraem as nosa proprias cidades de segun-
lerceta classe, onde lia semfre alguma fonle
de beatos, ferveudo, e fumrgando, ludo acerca de
paaaaai que faiam timplesruenlc o que se poda es-
perar que tusa pessoas lizessem.islo he. nada de limi-
to me, ou nada de Importante aqaem qoer que se'-
a, isaiiii a al proprios.
Se a nonas esperancas pendessem de quacsq
Mm de pat das potencias neulraes, o povo iu
justamente se arrebenta e espalha pelo pait, de sor-
te que lata prematuro diter que nao ha boato de
mediarlo austraca ou prussiana.
Cerlamenle, se nao ha boato cm um lugar ha em
oulro, a semelhau; dos humores fluctuanle* de que
Iralam algum livros amigos de medicina, que sendo
etpellidos do estomago, refugiavam-se na cabera, ou
supprimi.los nojp reappareciam jios ilhargas. De
serle que, se acreditarmoi oestes voluveis e volaleis
existencias, podemos ero algum lempo asperar ou
desesperar, negando parle particular da agutha
que a iioso alleurAo for dirigida.
Se os uoaios leilores j nao lem lomado esleconse-
Iho por si meemos; aconselbamus-llies que risquem
totalmente do espirito qoalquer pemamenlo de me-
diac6 da parte da Austria ou da Prussia para algum
fim que no seja em seo proprio inleresse. Com ef-
(eilo,.dillicilmenle se pode dter que prelendem a
alguma poltica mais elevada,'e anda se aprsenla
algum objeclo que as potencias allemas podem
acreditar ser principalmente pelo seu proprio inle-
resse, o em algum menor grao pelo inters** da Eu-
ropa em geral, nao ha probabiidade de que deem
algum passo no sentido de algum ajuste amiga-
veJ.
Porlanlo, se devenios ir esparfado e convidando a
sua mediarlo, cumpre ser com a idea de que a me-
dacSo, quando apparecer, e qoando realmente ef-
feclutr-se, ser de um carcter desinleressado. Mas
uiuguem em seu juito pode imaginar islo por um
momento. Em verdade, lie totalmente possvel que
depois de alguos annos a Kussa se possa contentar
com um huraco para sabir das suas difliculdades
sem grande perda oiTdeagraca, e emprehenda in-
ventar 9emelhanle buraco com a coadjuvarao dos
seos dnlis vitinhos. lie totalmente poasivel que as
poleucias occidenlaes preslem altencaoa semelhan-
les suggeslors. Masquandochegar esta hora a Aus-
tria ti Prusia verao somonte nislo a longa (toseja-
da opporlunidade de fater a sua paopria colheita de
guerra.
Todavii podem dsejar tratar com a Ruisia nessa
hora de necessidade, cerljunenle julsam vantajoso
para t reforcar ai relaces da Inglaterra e da Fran-
ca no Oriente, para estabelecer e perpetuar o nosso
direito deinlervir em favor da prolecco da Turqua,
oosoffrera presenca das potencias, occidenlaes no
Oriente por mais. lempo do que pode ser desejada.
Fora em verdade urna cruel couclusao da guerra
que a Prussia e a Austria fossem capates de dictar a
pat, e, como estamos certos, ronbar-nos ludo o que
temos adqueridn com as nossjs proprias armas. En-
'ao, porque ratao havemis de acreditar neste ou
naquelle boato de mediarao 1 He com a Ruisia que
oslamos em zuerra J he com a Kussia que devemos
faaer a pat; he a Russia e a ni metmos que temos
a consultar nos termosdesta pat ; e ninguem, excep-
to a Russia e mis meamos, pode faier urna paz
duradoara.
A final raediacio das potencias allemas mo pede
ser mais desinteressada. mais sincera ou mais lene-
lica do que os.e*pcirnriis <|u;ji. ^aiuot a este respei-
|tfcAt baje lesnatd ImaiHvotumiite partWa, di-
latoria, equivoca e maligna. Tem invariavethienle
acabado tiosjataajsjt II.viciosa tentativa para collu-
aar as polenclaa occidenlaes n'uma situaran injusta,
laten In-as parecer mais obstinadas. Depois de mili-
tas derlar.-ires e malor ou, menor liom etilo em
compromctler qs nossos representantes, o resultado
lem ido procurar certa apparenle venlilarao ile urna
proposla conciliatoria, de que as potencias occiden-
laes nan tinliam realmente a opr,1o, mas que deviam
ler odio de recosar-V
<4V_ ultima mediado acabos prejudicando o
ministro'inglez, que anteriormente pareca bastaute
honesto na prosacorao da guerra,envenenando e des-
tacando urna .pVrio do gabinete britnico a minis-
trando nm texto aos discursos de Gladslone e is
cartas de Cobijen. -Neste momento os boatos a que
ja temo (iludido lem o effeilo de animar lado
quanto* tem um Tbleresse parlicolar na prompta
cuncIosSo da guerra, c que permille que o inleresse
parlirmlar qualiuque o seu patriotismo. Croa influ-
encia desta sorle so pode ser prejudicial entre o
o proprio povo, pois que ha sempre aquelle,
e pensam que a pat pode ser comprada a lodo
ponsublidade
is dflsa-
PART1DA DOS 0ORRE1OS. AUDIENCIAS.
Olinda, lodos os das. Tribunal do Commercio, quartas c sabbados.
Caruar, Bonito e Garanhuna, nos dias lelo. Relaco, lercas-feir^as e sabbados.
Villa-Bella, Boa-VisU,Exp)uricury,a 13e28. Fazenda*. quartas e'sabbados as 10 horas.
Juiz do commercio, segundas as 10 horas e as
quintas ao meio-dia.
| Juizo Heorphos, segundas a quintas is 10 horas
1' varado eivel, segundas e sextas ao meio-dia.
[ 2' vara do civel, quartas e sabbados ao meio-dia.
Goyanna cParahiba, segunda* e sexias-feiras.
Victoria e N,atal, nasquintas-feiras.
. PREAMAR DEHOJE.
Segunda s 2 herase 6 minutos da manhaa.
Primeira s 2 horase 30 minutos da larde.
EP1TEMERIDES.
Dezemb. 1 Quarlo minguante aos 9 minutos a|
40 segundos da urde.
0 La nova as 7 horas, 47 minutos i
o 48 segundos da manhaa.
* ](' Quarl crescente as 4 horas, 361
minutos e 4o segundos da manhaa.
23 La cheia as 8 horas, 18 minutos I
e 47 segundos da manhaa.
ocao no ministerio : mas dfJDa-se que u era susten-
tado por pessuas esclarecidas, amigas da Grecia, o
i i vemos depois a explicarlo desla linguagem. O ge-
neral kalergi, jolgando que devia queixar-se da rai-
nha, linha exprimido suas queixas em urna caria di-
rigida a um dos grandes dignilarios do palacio ;
entre oulrai cousas, ditia, que anda nao tinham
decorrido dous anuos do dia em que ella expot sua
vida em um duelo contra um oflicial eslrangeiro,
criminoso de ter proferido palavras oflensivas da
honra da ranha. e que nao devia esperar ver sua
dedicaran Un mal recompensada por S. M. A car-
la du general, se devemos dar cre'dilo a liazelle de
Trieste a era concebida em termos taes, qoe um
soberano nao os pode receber de um subdito s ; esta
carta era intima c confidencial ; todava oi publi-
cada pelas gazetas e esta publicaran produzio em
Alhenas orna dolorosa sorpreza ; o re sentio-se of-
fendido e declaro que nao admiltiria mais i sua
presenca o general Kalergi e Ihc fet pedir sua de-
misso.
Mas o conselho dos ministros, convocado inme-
diatamente, loniou o partido do general, porque o
rei nao devia inlervir em os negocios privados de
seas subditos e decidi que, seo rei persististe em
exigir a demisslo do ministro da gnerra. Iodo o mi-
nisterio se retirara. O rei pedip o apoio dos mi-
nistros da Austria, Baviera e Prussia, e eslaudo au-
sente o ministro da Franca, os tres ministros pr-
senles te dirigirn) ao Sr. de Maorocordato, presi-
dente do conselho, o qoal nao hesilou em reconhe-
cer, pelo menos aflirma-se, a desconveniencia do
procedimenlo de seu coltesa, mas susteuton a reso-
lacilo do gabinete. Talheaorgem da crise, e o
que augmenta sua importancia he tratar-se da
conservara ou da queda de um gabinete formado
-ol a influencia da Franco e da Inglaterra, que o
consideran! como nina garanta da ncutralidade da
'recia, que outra, influencias lerijm quatido fater
que se decidisse contra a Turqua. Para beui com-
prehaniler este inleresse das potencias occidenlaes,
he neressario referi'r-se as circumstancias em que o
Sr. Manrocordalo e seus collegas loram chamados
ao peder.
Era no mez de maio de 1851; a guerra *linha rc-
bentado e o govoruo do rei Olhon tinlia-se assig-
nalado por actos, que excitavam com justo titulo o
desconlenlamento dos alijados do sultn. As popu-
lares chrisUa visinhas da Grecia independenle,
sublevadas contra* autoriJade da Porta, eram ani-
madas pela Russise nao se duvidava que, por ins-
liaares desla potencia, ellas tambem fossem teuladas pela Grecia. O Sr. de Nesselrode jusliflra-
va oflicial e publicamente estas insurreices: l.e-
varam estas populaces ao desespero", dizia elle, e
como ellas tem perdido toda a esperanza de ver nie-
Ihorar sua sorle, tomaram as armas para sacudir
um jugo, que sa lornou nloleravel. Se sua suble-
vado tomatse urna extenso maior, ae viesse a ser
nma guerra de morlee longa durarao, como a dos
Gregos em Ifcil .ueiibaiua potencia chn.U. P**j*j^\fc~^^
caucmmt Ta cotucar ouua vb aaUs ""BMJBBa sstiusi aa aninatani
debaixo do ngo ottasaa sem olTender JoaesBal
ciencia. O imperador em iieuhum caso poderia
prestar-se a islo. u Sa a corta sle Alhenas nao lo-
masse parle abertamente nesla iiuurreir.lo. pudia-se
ao menos ceniurar-lhe consentir nos ulislamentos,
que se fatiam no territorio grego e dar por meios
indireclos aos insurgidos soccorros preciosos, tare
como o de certo numero de ofliciaes superiores do
ejercito, entre os-quaes conlsvam-se coronis, ge-
nenes, e at ajudantes de campo do rei. Um dia o
territorio torco lints sido violado por tropas regola-
res da Grecia que queriam defender um dos chefes
da insurreicao; a Porta tinlia reclamado, seu envia-
do em Alhenas linha entregado ao goverao urna pe-
lrao de explicarnos,scompanhada de uaWespecie de
intimacao, pela qual exiga a reansaSo dos fac
consumados e medidas severas para avilar a sui
prodcelo.
n leria tido muitas vete* transportes de alegra, e p0*'0' e 1ue *oi>'e 1"" "ao recahsjesr
alguma, qoer os termos sejain justos ou
fraqaentemeule mergulhado noaabysmos do deses-
pero, fto decurso dos ltimos Ires anuos, e (cria sof-
fridb as rneimas vicissiludes de emoroes todo o lem-
po entre esle e o primeiro dia do novo anuo.
aPortanlo, os nteos correspondentes nao faiem
mais do que osen dever Iransmillindo estes boatos.
verdade, aa Austria e Prussia nao pode haver
ostra cousa s nao fallar-te aeslerespeito, jucamen-
te como ama vlha ji incapaz de qualquer trsbalbo,
nlo, incapaz de fater qualquercousa.ua nada
enteinUoa tan nada pansa, poe-se entao a fallar so-
bre eossaa qoe realmeal# neiilium alcance ondeen
lomon negocioJN ueste momento, uatiigni-
*. de
coate ; psique, loso depoisde orna on-
wnlos, vam outra de Iterlim e Vienna que
FOLHETIll,
EPISMIIO BA mni DE CATALIMIA.
Poft L. DB BEAPaEPAlBI.
tula).
Continua;
Esperando ser atacado no fim de alguns mioulos,
masdei ratirar todas aa scnliurllas que miardavam a
ra estaNgera ; pois ia ler necessidade
todl a nimba gente. No momento em que dava
ir o fuiccionariu que eslava no
prtico du igra olkaa obslinairamente titos
sobre a ettrai ^^Hiram avistar una
massa somlina e co .ciaAeguir a ra
priacipalda villa. A eha drsia tropa chesou
asesoM lempo ao ouvido exereHailo da sent
pois mi siMneio tawaaeque nos rodeava quvio-se
o rumor secre dafJ-^H Ma que eila armava, e urna
vet tnae e vibroaas/aaadon em francez :
tjaenivivel <
Nao hoovrresposta, mas era evdentii que a tropa
contmuiva a adianlar-se. O MQMMBfoa intil re-
petir o grito, ponlou na dir^^^H Knor que Oii-
l foo# A labareda fMjsWlaS mosquete
_ ente com oniu clsridarle vermelha
[roa iwincipal, e pcrmitlio-me entrewaWafca
eom homens, que seguiam emfljeira o lado das ha-
ilacet, alim de porem se quanto fosee posakel ao
raj* de nosso primeiro fogo. | ., |uHs da
aoasolarii linhsm sido apaga.lasevrepcaode urna,
qa esclareca frajaniente a vasta cozinlia. Eu ti-
Hlia enllocado quinte homens sjanella, prumplos
para arerem foao ; oulros Irnla tinham ordem de
alirar depois da primeira descarga, astas forte para
faxer o inimigvsuppr que era geral, e indnz-lu a
precipitar-te sobre i hospedara esperando qoe uo
leamos lempo de carregar de novo as armas.
O qne oa urevira acouteceu. Depois do nosso pri-
iiMiro fog% uquai ordenei quando pensei que a ca-
htcaitla columna iniuiua ia desembocar -Sja. praea,
oTtasaanhoes aivavettaram-iia com rapflez. e ca-
biraoi sobre a hospedara dando aa ajaos furiosos
''e Hala Um gacachot l ," Kei earaw que viule
homeiii liuinn fogo quati a queiraa roupa sobre es-
ta mullidao.
Oe Heapanhoet recuaram orprendMos deixundo
sns dea honieus no chao. Seo luovimcnln de retira-
da foi sndalo por urna descarga de minlia reserva,
que fez anula algumas victimas.
Vollando em desordera, elles deram moiloa lirn,
cujas balas nlu liveram oulro resallado senao csca-
lavrar era alguns lugares a fachada da despejara.
O echo ata ultimas eiplosoes abalava ain Ja o ar,
injustos
{Timet.)
lia mais
asta em Iu
trise minis
i da tre-
I. con,
.lorial e
PARS.
8 de outabro.
res metes, que o reino da Grecia
una agitara causada por urna
Pem que se acham empenhadns as
peston do re e da rainha, e que satcila as queslOet
mais complicadas e as mais irritantes relativamente
i poltica externa do paiz.
Nos ultimo, dias du mez de julho, escrevia-se de
Alhenas que o general Kalergi, ministro da guerra,
era o alvo das intrigas, que poJeram compromel-
tersua poticao no gabinete e provocar urna saodili-
que qnitestes transformar em ama iuvasao ilo ter- I ridade da Grecia em conservar sua nentralidade ;
riloro grego por tropas ollomaaas. mas porventnra os senhores Kalergi e Maurocordato
A marnha dos dous paizas persegua ao mesmo sa os nicos eulre usque Ihes podem garantir '!
lempo tudos os navios gregot qoe teiilavart levar Gracas a Dos, a Grecia nao est neste caso; a gran-
soccorros tos insurgido! do Epiro, da ^estalia e da de masa de seus concidadaos nao he nem rusta,
Macedooa. Ogovemo halleniao. do tqu lado, ti- nem francaza, nem ingleta, he nacional, islo he,
nlia lomado francamente o partido dos insurgidos, grega; e os filhas da Grecia lem lana intelligencia
lomeando tres geueraes para nganisar e dirigir a e sabedona, quanto he necassaria para nao se ulu-
lla que ia cumecar oalra vea, e esle ultimo acto direm sobre os verdadeiros ioleresses do paiz, nem
linha determinado os gabinete ale Londres o Paris sobre o n.ellior modo de o servir. As lices e os ex-
a fazer sera mais demora urna demonstrar sigu- emplos de Colcll esta anda vivos entre nos, n">
(cativa a respailo da Grecia, s alim de levar seo- ha motivos para que a retirada do general Kalergi
(raga a dos oulros ministro. O dever lestes consiste
pelo contrario em continuar a servir o rei; sirvam-
uo pois, excepto em enlender-se com elle sobre a
escolha do novo ministro da guerra ; mas seo Sr.
Maurocordato e seus collegasquerem absolutamente
segoir a fortuna do Sr. Kalergi, permitam que o re-
deliherc em sea patriotismo e em sua tabedoria ;
ninguem pJ soppor que o rei queira de caso pen~
sado compromelter os deslinos da Grecia.
As ultimas noticias que tumos recebido de Alhe-
nas sao de :- de setembro. Naqoella dala anda se
eslava no mesmo estado de cousas; o rei Olhon per-
sista em sua resolurjo de retirar o general Kalergi;
os ministros da Franca e da Inglaterra, sfln contes-
taren! o direito do rei, faziam saber que a presenca
do general no ministerio da guerra, dava aos gabi-*
neles de Paris e de Londres urna srgoranra qoe elles
nao leriam mais depois da retirada daqoelle minis-
tro, e que ne*le caso, os dous governos nao pode-
riam deixar de exigir oulras garantas.
Dissemos que desde o priucipio da queslo, o rei
daGrccu linha pedido o apoio dos ministros da Aas-
,ria, Baviera e Prussia: parece que as Ires corles jul
.aram-se aolorisadas com este procedimeelo a offe-
recer seas bous oflicios para Irazer'uma cnciliar*o
entre a Grecia, a Inglaterra e a Franra, c qoe esta
iutervenc.o fui aceita em Paris e Londres. Temos
razoes para crer que esta intervengo lem tido seus
resultados, aplainaudo j,i os principaes obstculos;
desle modo osgalineles de Pars e Londres nao fa-
riam mais objeccao i desr-edda do general Kaleigi.
e que as Ires corles allemas leriam promettido oh-
ler do rei Olhon justas e su (Vicien les garantas para '
conservaro da estricta neulralldade da Grecia.
Oxal que assim teja Nos o desejamos no inle-
resse da Grecia, que uossas svmpalhas sojdnlaram
em sua longa e sangiiinolenla lula, e qu
cipalmenle Franca tua nacionalidade e
pendencia ; lis lambem o desejamos no i
paz, que seraalhanles discussea'podem compromel-
ter ; desejamos finalmente pn intevassa da ordem,
que ameacsm couslanteuienle todas estas commoede,
as qutes se pode ver sempre a mito dos partidos re-
volucionarios. A Grecia nao lem o privilegio de
eilar isenla delles ; ah exislem desde a sua regene-
rare eram baslaale podenaat Ipara despertar ha
mais de dtennos a atienes dos hmese de e-laao
que dirigiam entao os'negaaios da Europa. He isla
justameole o que se v de ama caria qoe Mr. Goi-
tet diriga a t8 de novembro de i*4 Mr. elo Ha-
entao
Usa.
overno a observar dos dsvtaet de ama estricta
neulralldade. a Em coiiseqoencia da oceupacao do
Preo por um deslacameulo dotexercilu francez, fie
que foi creado o ministerio 4Rajoe Maurocordato
he o presidente.
O Sr. Maurocordato, desos da morle do illustre
e nunca asaaz chorado ColetJt he ceriamenle de
toda a Grecia o bomein que a fceropa mais conhe-
ce e que conhece melhor a Eaeaaa. Nao he esta a
primeira vez que elle se ada a frcnle do governo
do seu paiz. Em 181 i, ella lambem era presidente
do conselho dos ministros, atas sendo necessarias
eleirc* parlamentares, succumKo perantc a man.
fesUjao quasi unnime do corso eleitoral, nao obs-
tante os esforcos do representaste bri(ani o. Co-
lelt o substiluio.
O general Kalergi, ministro da guerra, he talvez
depois do Sr. Maurocordato o pertonagem mait con-
sideravel do gtbiuele. Sea aome tajibem mu lo
condecido, esta cercado de raasfBafoes qoe nao dei-
xam ile ser gloriosas, e senao as aaganamns, o ge-
ral Kalergi'. enlau coronel, toman urna grande par-
le na revolurao do mez de sotembro de 18W, que
sem perimbacoes nem desordena fez a Greciasenho-
ra las inslilnircs lberses, de qae anda hoje goza.
Nessa occasiao o Sr. Kalergi fci. denunciado com
violencia . corle de S. Petersbargp.
Pelo qoe vimos de expor, viae quanto he grave
o conflicto qoe appareceo ea Alhenaaj lodos os
poderes eslAo confondidos. flao fallames da pre.
rogativa real, mas o Sr. Kalergi persiste em conser-
var sua pasla, e obra semen como ministro da
guerra ; apenas nao trabalha *om o re que Ihc fe-
cliou a porta do seu palacio e nao quer ler com elle
nenhuma communicacao directa ou indirecta. II-
liinameule escrevia-se em unta gazela allem-a que
pasta por ser muito bem informada : u As cmaras,
o exercito e o povo, profundamente ollem los. mas
cheios de conlianra, esperam- a cada instante o des-
fecho desla crise intoleravel. Os ministros das po-
tencias occidenlaes pedram aos seos governos ins-
Irucres de que necesstain fara fazer cessar tima
sluar.io lo. violenta c lao peggosa.
Ela silua.lo sirve maravillosamente as inlen-
rOes dos mnlfcilores de que ji paiz abunda. O
terror, escieviam a nos mesam, reina as cidades
como nos campos ; ninguem m er seguro!! Os la-
Irocinios os miit criminosos apilis audaeiosos
lugar al as portas de Alhenas, lina inqi
i de etttedi'
eplibHldal
:iososJajsja
"quia>o
i espritus ;
j As reclamares da Porta eram apoiadas por um.
nota collectiva dos represenlanles da 1/ranca, In-
glaterra, Austria o Prussia ; estes represenlanles
nao recebaran! respoila alguroa e relativamente i
que foi dada ao enviado da Porta, como rto conli-
vesse roncesso uenhumi, esle enviado deixoo Alhe-
nas imraedialamente.
Eulretanlo os governos da Franca e da Inglater-
ra Wnliam tomado urna attluile mait decidida ;
seus represenlanles em Alhenas diziam ao Sr. Pal-
cos, ministro dos negocios eatrangeiros do re
Olhon : o Nossos governos salieran' eoar admirara
que urna nota assignada colleclivamenle pelos re-
presntenles das qualro potencias e destinada a
apoar as juslis queixas da Porta, licou sem respot-
la, e que o ofieitu salular e legitimo que esla ola
leria podido produzir um consellios e na opinio pu-
blica do paiz, foi|prevenido e soffocado.... Proles-
lamos nos termos os mais formaes e meis euergicos
contra a violarao do territorio e do imperio olio-
mano, aggravada como foi depois pela tentativa,
de ajajartai
;#
inaliP e com
quando ouvio-se airas da pousada do lado das es-
(ribarias um clamor horrivel, e viole tiros estron-
daram pelas jauellat do pavimento terreo, que da-
vam para o paleo principal. E'a um bando de par-
itarios, que chegando a Callados por diilereule es-
trada, vinha sorprender-nos e tentar ama diverajo.
Uns vinte homens haviam conseguido escalar o mu-
ro do pateo, e daln lubam-iios assim rutilado pelas
janellas. Os dous ataques linham sido combinados,
e tallaran' poneos minutos par as duas tropas mel-
Urem-nos entre dous fogos.
Con vinha qua nlo antes desfazer-uos desses homens,
eujo ataque lornar-se-hia mu perigoso, se o inimi-
go rtuuvasse sua primeira lenlalivn do lado da pra-
?e. A necessidade de acabar prompta mente com es-
te bando atrevido foi Ingo comprehendida por todos
os bravea que eu commandava. Mea quarlel-mes-
ire benard lansou.se-lhes'ao enconlro lendo a espa-
de em urna mao, a pistola na outra, e seguido de
vmle homens dclermnad,*. enlre os quaes acht-
oo asi naluralmeiilc Vicente c o meu ordeuaiica.
iuella ; *'" numero de soldados qoileram segui-los para
iivio-se es?urr aos enmaradas urna viclnri^man fcil
porm recelando segundo ataque, eropregL,; ,a '
mnha autorid-4------
la rom os guerrilheiros.
Este esparo acauhad, onde qoarenla homens i
ri"rdeuurcrba.reo,,fr;iVrn,e dez ""t?
. Jeroiiymo de cabera descoherla e cabellos desgra-
ciados salltva no meio dos Calales com a hrineza
e aglidade de um ligre ; o saugue corra de todos
os lados debaito da arma lemivel que pareca en-
volv-lo em um circulo de c,o, arma oflensiva e
broquel ao mesmo lempo. L'm Bretao giganlesco
armailo de um mosquete, que manejava como mas-
sa segurando- pela exlremidade do cano, descrevia
em lomo de s um lemel molinete, que quebrava
caberas e pedos. Vicente e quartel-niestrii obra-
vtm com presteza. Na se davam mai< tiros ; as fa-
cas rangiamsinislramente sobre as espadas dos meus
soldados ", oenhum grito, iieuhum uemido intil:
matava-te c morria-se em sileucio. Era um comba-
le verdaderamente horrivel esta lula de Irinla ou
quarenta homens em am pateo eslreilo, onde oes-
paco ere tan raro qae aconteca s vetes aos comba-
lentes nao poderom servir-te das armas, a agarra-
lem-te corpo a corpo. Os feridot dos dous partidos
eram pisados sem piedade ; mas levanlavam-se au-
( da para lular e roordiam com os denles ensanguen-
VHe Diario n." 281.
Garachos he lermo da despreca.
lados, quando a faca escapava-lhe das maos enfra-
queridat 1 t
Depois de um quarlo de hora desse combala^a-
pantoso, qoe pareceu dorar um secuto nos espeta-
dores oaliiuns segundos smenle aos adores, nosit
gente prevaleccu ; o combate ccssra por falta de
combalenlesdo lid dos Hespanhoes, os quaes es-
tando menos armados que os nossos soldados soecum-
biram depois de haverem lutado al ao ultimo mo-
mento 1
sorles de aaledienles. Algasias pessoas ceas
a susceplimdado do rei que Ihes parece eiageff
por isso que nio veem na caria do Sr. Kalergi
uenliuma ofleusa pesSoa ret, nenhum allentado i
sua dijnidade.
ti Teadiae feilu moilo molim por uada; lodos se
comprazem em envenenar um incidente na verda-
de muito seasivel, e de qae abssam para agitar as
populaces laboriosas da Grecia, que so pedem Ira-
balho e socego; he telbpre a accau desla influeucia
occulla, que ha pouco te eslemba por Iodo o paiz,
e que comprehende qaepaU comer a escapar-
Ihe. Porque razao o general Kalargi na confessa
seu erro, e o rei uo lhe concede sua indulgencia e
ao-;
qaererataVque se lomasse um partido mais
. u Aprovuilem-se pois as potencias occiden-
a occasia, ditem elles, para oceupar a Gre-
contervar-se ubi al o rasltbelecimenlo da
paz. Debaixo da toa prolecajo as desrdeos desap-
pareceram, as leis lomaran! nutra vez sua aulori-
dade, e a Grecia depois deesa poca penivel, mas
necassaria, te veri mais norescenle e mais prospe-
ra que nunca. *- '
l'm lerceiro ptrtido pteteudqpar o mais nacional
e o mais z.eloio da independencia da Greau. Para
que a Grecia teja independenle, diz es partido,
cunvem que ella conserve sua honra e tua dignida-
de, que sao inseparaveis das do rei. O rei se jolga
offenddo, islo he bstanle para que ella o esleja'. O
rei tem sem duvida o direito de dar sus conlianra -
quelles, qoe julga roerece-la, e relira-la dos que jul-
ga indignos delta. Porlanlo a queslao he simples,
se nao a querem desfigurar: deixem o rei usar li-
vremenle das prerogalivas da sua coroa, nos limites
da conslituirao, e ludo sa arranjar, mesmo confor-
me a vontade das polalas occidenlaes, porque;
Grecia e o rei poderao sernaea>dar-llies sufllcienlee
garanlias. Estas pntenciaaaMi duvidado da si re-
se u afinco, foi echado sobre o corpo inanimado de
nm de meus soldados. O Uespaiibol morrendo era-
vara os denles na garganta do adversario, e para fa-
z-losoltar a presa foi misler quebrar-!he as quei-
xadas cora a coronha de um mosquete.
Acabada essa tarefa lerrivel, meus olhos conla-
rain vidamente o numero dos sobreviventes ; sele
soldados, e eulre elles o sargento, cuja fraqueza in-
dulgente proteger a rugida de Benedicto, eslavam
eslendidot sem riRviniento enlre os Hespanhoes !
Collados! algunsminutos antes 1,1o chelo de vida,
lao dedicados e lo valerosos I...
Essa derrota pareceu nao desanimar os Hespa-
nhoes, mas inspirar-lhes a idea de esperar qoe a-
mauhecesse para renovaren! um assallo lao ousado e
13o vivamente recebido. O ataque feto na nossa re-
taguarda por uns vinte homens smenle, deu-me
razflo para pensar que o bando que o tentara sepa-
rara-se dos astillantes antes desles lerem sido al-
ctnc4adps poi Beuediclo e pelo biiio ; fuera um rn-
deio para apanhar-nps prdelres. ignorando nosso
numero e o reforro qoe eu recebra.
Pelo contrario a allitude dos guerrlheiros que li-
u nham atacado a frente da eslalagem, e tua narran
..de em rele-los, o preclp.lel-ite ,, duranle 4 sorpreza que acabavamos da rcpellir oro-
janella 1,0 petco, onde m.nha gente eslava j tja^.|Sj!lam-n que haviam sido inforsj^os por Bene-
diclo os aconlccineiitos que tiuhar auamenlado
efl'erlivo^e minha pequea tropa. Assim julguri
Conforme alguos indicios, de que teuaa noticias
eterevia Mr. Gniaol, me parece que o Sr. de Met-
leriiicli lem querido algumas vezes jolgar-a
nos e o gabiuete ingle/ bastante indifferentes na
Grecia, nao a respeito de snas tentativas exlernas,
que ameacarium o socego do imperio oltomano, mas
sobre a qaetlao revolucionaria interna esobre a for-
ma ou o nomo proprio do governo grego. Seria da
sua parle um erro injustissimo. Eslou profunda-
mente convencido que o socego de todo o sueste da
Europa est ligado conservaro do re Olhon no
[bruno da Grecia e na eterccio regolar do seu gover-
no em sea pequeuo eslado. Desde que me involvi
nesses negocios, leoho feto desta dea o ponto
fixo de minha conducta e de minhat instrucroes, e
ao mesmo lempo tenho esla coovicrao de qoe todo
manlem-se na Europa, pouco me importa o logar
ouJe se levante o venlo revolucionario, porque da-
hi soprarn por 1 la a parte devendo-se por lano
lo era sua origem, por mais longiquo e pe.
pqoe seja. Mas o Sr. de Melterinch sabe
meiserque ninguem, que sao se impede, nem
se regula por toda a parle as revolures pelas mes-
mis coodicoes e pelas mesmas maos. Quanto mais
pens nislo, mait me conveuco de qoe nao se pode,
com o procedimenlo de que acabo de fallar-vos, de-
4e-lat por muito lempo na [Grecia, e que a obra es-
tara logo adianladase o principe de Mellernich pau-
saste como eu a tsle respeito.
Journal des Dbales.,
IITER10R.
, elle ftz as vezes de cirur-
inimigas
Depois de haver dado alguns minlos a estas re-
flexes, dirigi-me para a eseada que conduziu a
um.i'sala elevada, onde ordenara que fossotn depo-
sitados os feridot. Apenas linha subido alguns de-
gaos, recouheci as vuzes de Vicente e de meu orde-
nanza, os quaes, parados no palamar de um andar,
pareciara discutir com calor, posto que amigavel-
menle.
Applique o ouvido.
Entao approvas meu plano '.' dizia Vicente.
Elle na he mal imaginado ; mas u,io devo
dissimular-te que a execueo nao he possvel...
Que he isso '.' que project he esse, Vicente ".'
nlerrompi apparecendo de repente no meio de
ambos.
O vellio soldado pareceu embaracado, imploran o
segredo d carnerada com am olhar qae nao esca-
pnu-mt, e responden fazendo lodos o esforcos para
alleclar am ar de iodilTerenca :
. Oh nada, senhor lenle, um gracejo para,
nr com o Parisiense, ama farja que imagino para
qaandolivermos voltado a Ordal, emflm urna to-
lice.
Ah : esparas vallar a Ordal, meu bravo? essa
volla depender de mu las cousas!
Sim, senhor lente, era justamente ss o que
eu dina ha pouco a Jeronymo, responden Vicente
em lom singular, he tambem miaba Opiui"i, essa
volla dependtjrn de mullas cousas...
E-a, tornei-lhaf dirige-te a Benard
para que
elle trate desst facada que recebesle no hombro, em
Um Ulaiao que se assigoalara enlre lodos pele J vez de lagreliar aqu con uma velha ; has de a-
clia-lo em baixo, on
giao.
Ah! meu lenle, quer zombtr, he uma osci-
ladora.
Obedece!
Os duus saldados Irocaram nm olhar rpido.
Se sssfe me ordena, rei, taplior leneute: mas
eu desejava lzer uma palavra a Osea tenhoria.
E chegando-se a mim rom r coufuso e olhos
biitns, disse-me :
He urna supposirnu, mee ente, o ataque
podeni recomecar ho lim c elimos minutos, e ties-
ta vez poder acontecer-me alguma cousa ; vossa
senhoriu sabe o adagio : tanto Ni o cntaro .1 fon-
le.....
Reccias ser morto desta vez? leus present-
melos como teu enligo Jerouyino?
Vossa seuhora nao comprehendeu-me, lornou
o velho soldado com uma einocilo que fez-lhe tre-
mer osbigodes; mas por um effeilo de sua bonda-
de, eu quizrra ler a honra de aperlar-lhe a mao;
se eu morrer na'lula, Isso lera sido prova de que
vossa senhor ia perdoou-me a acclv desta noite ; par-
lrei eniao mais contente para o meu ultimo tquar-
lelamenlo.
Encarou me com uma expressaode auciedade res-
peilosa.
Crein que o narctico que befcssle tornou-le as
ideas om lano sombras, disse-iee tai torrindo ; mas
seja feto o qae desejas, meu soldarla, velho, aqu
lons a minha mao e com muito gotle.
Obrgado, meu ofHcial 1 t
Apertou-ine a mao com rude cnrdialidadc, de-
pois desappareceu. Dei alg iraas consolardes aos fe-
ridus, cerlilquei-me de que a sala que occapavam
eslava ao abrigo das bala1, e tornei a desccr. No
momento em que entreva na sala najoctpal da po-
sada, liras irregulares succederam-aa com mui pe-
queuo iulervallo na direcr.lo de Ordal um tanlo
lireila da estrada de Barcelont. ToJos os soldados
hincaram ntao das r.rmas.
Nflo se ncommodeatir disse o Parisiense com
uma impassibilidade que foatraslava alsgularmenle
com o seu aidor habitual, sei o que lia.
Debrucuu-se ,i janella que,
leudo reclamado o silencio
vo, escutuu allentamente.
aos pastos de om cavallo galos
da estrada ouvio-se no silencio^
a aera a pal, |e
um gesto Hnperati-
rumor semelhanie
lo sobre osteiios
guardaram logo
todas as testemanhas detsa scena extraordinaria.
Que significa ludo isso, Jeronymo '.'
O cerlo he, disse o corneta, cuja atienes era
lio profunda que pareceu nao ler ouvido minha
perguutu, o cerlo he qoe o cavallo corre anda ; mat
vai montado? Tem-*e visto cavallos correrero mui-
to lempo a gnlope regular depois de haverem perdi-
do o cavalleiro.
Mas qae cavallo e que cavalleiro perennlei
com impaciencia.
lie eousa mu simples, respomlen-me o meu
ordenaos" que entao osvira-me; Vicente eslava af-
Chegou b
'-'V
ca so diario be
veo.
I DO NORTE.
de novembro.
Unan de sua mascaleacao, du-
ranle a qual correu Secca e Mecea, e o qoe me
Irouxe de mais imporlanle he o qae patso a eom-
municar-lhe.
Honlem esperava-te uma grande desuniera no
lugarTimbasba, desle municipio ; a qoal a razao ?
Um homem de nomc Jos Mara Nogoeira, pre-
jeclava mandar pescar com redes na lagoa, que da
o nome ao logar: os demais proprielarios oppu-
nham-se a pescara, porque a nica lagoa que na
presente secca subministra agua polavel a mais de
qualrocentos habitantes na circumfereucia de mait
de uma legna, he arieTimbaba ; alm de que el-
la fornece agoa para o SeMas de grande numero de
animaes vaceum e cavalror, he emlim orna laga de
serventa publica. O Jos Mara nao qseria ceder
de teu capricho ; os demais propietarios nao que-
ran! declinar du inleresse da contervac3o da agua:
esles favam-seem si; aquella nao nio sei em qoe
se flava. A aurora, qoe largaodo as mantudas da
noile annunciava aos homens o dcimo texto dia de
novembro, marcava a hora de uma lira, cojo resul-
tado era a desgrara. de uiuitas familias. As ais ho-
ras da ruaulia a circumfereneia da laga eslava api-
libada de combalentes c espectadores em numere
(ao que pareca) de mas-de seiscenlas pessoas; os
eombalentet parece que se respeitaram ; a lula foi
t de palavras, grilos, protestos e ameacas. Assim
foi bom ; porque, se a lula se Irava, seria lerrivel a
carnificina. Todava de taes primicat nao te pode
deduzir boaa coosequeocias: os ani.not eslao exal-
tados ; cabe s auloridades se ellas quizerem ai
bar com ot malet qae a Iota oilrece.
Ja de hoje espera-te o juiz de direito para os tra-
balhus do jury, que devem comecar a 19 do corre-
le. On teja em razio do mo lempo, ou porque
lem de entrar em julgamento vinte e qualro pro-
cessos, diz o meu almanok, qae o jury nao sa, ha de
reunir. Veremos te'se (alisa a predcelo.
Foi marcado o dia 1G do prximo futuro de-
zembro pare as eleie|et dosdguitsimot. O alma*
nak anda em basca dasania chapa: lo*o que ella
chegue ao mea poder, eu Ih'a remelterei: ella deve
estar bem ruiihaia; la* obra lilha, tetime da me-
ditarlo e experiencia. Por tajniaflaafmuila gen-
la se est remecheudo; oulros com suas- rereren-
das faltas procuram dar vullo aos tens chamados
serviros: cabe aqui o bem condecido anexim :
ruim he aquelle,
que em m coula se lem,
Ji nao nos falla todo: o presidente da provincia
tienden a represenlic,io da cmara desle munici-
pio, e mandn orear a obra do cemiterio e limpe-
za da villa.
Ha quem digauf eidero non credam; eu
pens differenlemenle; e o lempo justificar o meu
juizo.
levantou-sea sessao.
A.
r, 1
PERNAIBIM
BEFAHTIfAO DA MUGA.
Parto do dia 5 de dezembro.
Illm. eExm. Sr.Levo ao conhecimento de V.
Exc. qoe dat differenles participaces hoje reeehidas
nesla repar^cSo, consta que se deram as tegoinles
oceurrencias : ...
Foi recolhido em cusludia a minha ordem, na ca-
sa de delencJo, Macario de luna Freir, por nao
guardar as conveniencias de respeito que devia ter
'aquella casa.
Pela delecacia do primeiro tjblricto desle lermo,
foi preso o portaguez Antonio Jos Ferreira, para
averguacoes par saspeilo de haver Irazido da ajea-
da do Porto notas falses do thesouro. '
Pela subdelegada da freguezia de Santo Aulonio,
o porluguez Miguel Avelino Ferreira, por furto.
E pela subdelegada da fregoezia da Boa-Vista, o
prelo Antonio Fraucisco Ferreira, e a parda Cle-
mencia Mara de Jess, por brga.
Dos guarde a V. Etc. Secretara da polica de
PernambucoJTrde dezembro de 1835.Illm. eExm.
Sr, consellieiro Jos Benlo da Cunha e Figueiredo,
presidonle da provincia.O diere de polica, u";
Cdrloi de Paita Ttixeira.
RELACAO' DOS BAPTIZADOS DA FREGUEZIA
DE SANTO ANTONIO DO RECIPE; DESTE
MEZ DE NOVEMBRO DE 1855.
No I Franeaya, branca, nascda a 3 de agosto do
correle anno.*
dem.Amelia, branca, nascida a 13 de jsnho do
crrante anuo.
A os 2. Joao, pardo, nascida a 6 de fevereiro do
correle anuo.
Aos .Joaquim, prelo. nascido a 70 anuos; sob
conditione.
dem.Agoslinho, brancu, niscido a 17 de maio do
coi -rente auno.
dem.Manoel, Ufaneo, Bastido a It de maio do
auno prximo pastado.
fliclo por aqoillo qoe vossa tenhoria. sabe, e resol-
veu tentar salvar-nos caita de sua vida tem avisar
a ninguem serillo a mim. pois sabia* ajeS-fossa se-
uhora se leria oppcslu ao seu projecto.Ssa aquella
porta? all ha um camnho de meia legua, que afas-
ta-e para a direila, e reupe-se i estrada de Ordal
pastando pelos bosques. Vicente sabio ha dez mi-
nulos por aquella parla, e ganhou a vereda a galo-
pe com a idea de ir a Ordal buscar soccorro para li-
vrar-nos / a pastngem eslava guardada, como era de
esperar : sena morlo ? leria a felicidadede pastar?
tajaque ignoro ; lodavia eslou certo de que o ca-
vallo galopava anda depois dos tiros que ouvimos.
Ah aiud.r om, dous Uros pens que o pobre
Vicente escapar* da primeira vez : leria sido lam-
bem muila felicidade, duas vezessucressivas, he pro-
ravel que elle leotia queimado comnosco esla uoile
seu ultimo cartazo ; eis o caso, meu lenle. O et-
qua/Jro perdeerem de seus bravo., e eu um cama-
rada velho 1 Era um projeclo diflicil de execular-se,
eis porqoe elle desejava lano apartar a mao de vas-
ia senhoria, era a atleslado da bom soldado pan
tua reforma definitiva. '
E Jeronymo enxugoa os olhos com as costas da
mi sem fazer o menor esforro para dissimular ama
eroorao que o honrava.
Bravo Vicente! exclamramos cavalleiros lo-
cados pela dedicacSo do camai'eaPk
Bravo Vicenlc! repel Usajommovido quanlo
elles dessa acra heroica.
As horas decorreram (enlmenle al i manhaa :
foramempregadas com aclividade pelos Hespanhoes,
pois a primeira claridade do da uiuelroii-nos o ini-
entnncheirado as casas da praca, e formando
quasi um semi-circul cm torno de nos. Apenas po-
derem-se dislingair os objeetos, appareceram al-
guns humeas s janellas, e de l nos insultaram com
gritos e gestos de desprezo. Os primeiros que ap-
pareesram foram saudados a tiros de mosquete, mas
staa grande resultado. Ordeuei que cessasse essa tro-
ca msjgsiliranle de tiros, c que fossem poupadas o
mole possivel as luuniroes, as quaes tornavam-se
lao preciosas, visto que o ataque lomava as appa-
rencias de um sitio regular.
O ajuntamento dos pdrlidaiios qoe eslava di,inte
trpidos cacadores dos Pyrcfme.i qse a guerra e o
engodo do saque promellito sua avidez prover-
bial linham feto sahir dat montandas inaceetsiveit,
e dos rochedos escabrosos. Erara fcilmente reco-
ndecdos pelo su Irage singular composto de cami-
sa branca de panno grosteiro fechada no collarindo
e nos pandos por nm enorme hotSo de cobre, cai-
ras pelas terminadas no joelho, rollete encarnado
ou verde ornado de aUon e chapeo inootanhez de
abas largai. Entra aquelles que componham a guer-
rilla eram quasi oa inelhor armados, e os mais for-
midaveis pela sua audacia brutal a por sua feroci-
dade.
Quom era o chefe a que obedeca loda esta gen-
te ? seria Renovales oa o Empecinado ? Eu o igno-
rara.
Depois de haverem irorado os iiroaVe que fallei,
os dous partidos ficaram obra de meia hora em com-
pleta inacrao. O inmigo hesitava talvez renovar a
lula corpo a crpo onde fura j vencido ; porem esta
espera com as armas na mao e os olhos filos sobre os
adversarios, pareca a nos lodos mais morlal do qoe
o combate e seus mil incidentes.
Oueasjjeram elles ? disse-me Jerony
a seo 'avo^a numero a occasiao ; nao co
do essa inacco que nao esla em seus habitat
pela esperance de algum reforro ; os patifeanao a-
cham-se anda com forras suflicienles gara
car-nos,
Tanto melhor, respond ao corneta,o qoal lite-
ra essa observara em voz alta. Cada hora qae el-
les nos deixam de um dia gando, pois o destacanlen-
to de infanlaria que me era auuuuciado nade edegar
doje, e neste caso os papis talvez se mudeui. Como
eslao nossos feridos? perguntei a Benard, qae Btra-
vessava a sala com ar pensativo.
oro do crrante anno.
os 16.Hortulano,
verabro de 1816.
Aos 18.Manoel, criou
do crrante anno. *
ionio, n
uascido a 25 da ne-
nascida a 7 de setembro
Nao muilo bem, senhor lente, respoudea o
bravo quarlel-meslre-crurgiao. Dous acabara de
niorrer-me as mos, e ha Ires pelos quaes 11A0 nosso
responder : esees malditos Calalaes manejara a faca
I bem romo carniceiros !
Nessc momento vi passar unta sombra de mulher
t pela eseada, ao pe da qual eslavamos.
de nos cumpuiilia se de elementos variados, e apre-
si ni iva asa razo dessa crrumslanciaii-um aspecto
pi licoSt e extravagante. Era uuia goerrilha roni-
pleU formada de voluntarios ntVarrezes e calalaes,
segundo pude julgar pelo Irege da alguns homens,
cojas manifestarles liuhim sido acolhidas com ti-
ros de mosquete. A arma principal desses soldados
bandolelros era a longa garabina 13o lerrivel pelo
calibre e pelo alcance quando era manejada por
m,1os exereiladae. Era empreguda principalmente
por Navarrezes de estatura alhlelica, cujo vestuario
de varias cres n,1o era falto de cerla elegancin ori-
ginal. A guerrilha qae nos sitiara conlava em maior
numero Calalaes lacis de reconderer-se pela mon-
tera nacional, especie de brrele do algodSo que
terraiuava em poola e cahia sobre o hombro. Ah
via-je tambem ilguos monlaahezes de Ruocal, in-
lie lliereza, disse-me o corneta, o qual nao me
deixara duranle a breve conversac,ao qoe eu Uvera
com Benard. Communiquei honlem pobre rapa-
riga a fvasao do pai, e ella agradeceu-me bejando-
me as maos como se eu me houvesse encarrogado de
dar escpula aquelle iniseravel ? He singular que lio
ba crealora seja tiln de lal demonio.
Thereza esl anda aqui ?
Conlesso que linda-rae esquecido completamente
desta rapariga no meio dos aconlecimenlot da noite.
Mas convein procurar iminedialasaenle um
meio de faze-la sahir desla casa onde nao est em te-
garanca. Deve haver em Callados alguma afma
boa, algum prenle oa conhecido que a recolha 1
Foi o que j lhe propoz, senhor lenle ; mas
ella encarou-me com ar espantada, erguau os hom-
bros sorrindo, e responden com urna firmeza que tu
na Ide conhacia : Ficarei aqui ; Van. nao compre-
hende que he agora o otaa dever ?
Que rapariga exeellente 1 etdamei. He ver-
dade que esta mais era leguraoca com nosce do que
junte do pai e do irmao. Qqj|taa ella ?
Deixei-a no quarlo ers'qee morrea Mr. De-
vfgne. e que serve de enfermara ; ella apoderou-se
da caita de drogas do pai, e eutrelem-se em tratar
ot feridot. Mu veja, senhor lente, na praca, qoa
uos fica em frente, naquella casa grande, parece qse
ha nevidade I
Oldei por uma das aberturas qne haviamos feilo
para a defeza. lim hornera apparecau no limiuar da
dabitacio que Jeronymo me designara ; eslava asm
armas,c agtlova os bracos o as roaos como para rogar-
nos que nao alirassemos.
Por sua felicidade compreheodi que elle desejava
parlamnlear, pois j o mosqaele de Benard abaix-
rt-se pela abertura, e levantei-lhe o cano. O qutr-
lel-raeslre encaron-me com ar descontenta, a disse-
me com todo o respeito qae poda perraittir sua ad-
miradlo.
He pena, senhor lente, en linha ja a mira do
mosquete sobre o palife ; mas poseo apotHar de aovo,
pois elle anda esla all.
E o honrado mas desapiedado militar i\\t\ttf no-
vamente a bocea da arma para o adversario, qlesdo
eu disse lhe :
l&io atire, aquelle homem ala sem armas, pa-
rece manifestar a inleurSo de parlamenleer. Nada
arriscamot.em discassOes que te lornarao provavel-
menle inoris petas condicOaa propoatas, mas cajo
resallado ser ao menos fazer-nos gandar lempo,
doas horas talvez, e duas horas sao talvea a vida 1
O velho qaaTlel-matlre desarmou o mosquete com
c
ar submisso, e voltea para u interior da sala appa-
renteraente salisfemjWesta explicarao, a qual ouvira
com uma iodifferenca que provava sua pouca tape-
ranea no xito das propostas qoe seriem trocadas.
Ordenei logo que se fizesse apparecer era uma das
janellas am gaardantpa branca preso na osla de
uma vareta de mosquete. Completamente Irnnquil-
lisados por este signal, que em todos os paites e qua-
si em todos os lempas lem sido um penhor de tre-
gua e de suspensSo das hostilidades, uns dez Hes-
panhoes satliram das casas da praca, e enlraram na-
qoella em que os esperava o homem qae apparecere
primeiro, e ao qual mnha intervengo salvara pro-
vavelmenle a vida. Eram os dieres dos guerrlhei-
ros, mas enlre elles o3o vi Benedicto.
Desanimados talvez pela primeira derrota, e sor-
prendidos quando esperavam sorprender, queriam
os Hetpanhoes cerlificar-se das perdas que trabamos
experimentado, oa propdr ama capitola^ao va ota jota
para elles antes da chegada de um reforco que ter-
naria sua victoria impostivel ? Eu o ignorara. To-
dava mandei retirar a mor parte de minha genle, e
conservei sement junto de mira na sala inferior
uns dez homens, pois quera occullar ao ioimigo nos-
taa perdas da noile, o lrar-lhe o maio de calcular
mesmo approximativamente o numero daquellss qoa
aioda resUvam-lha a tombiter. {Contimmim-ha.)
i
< DIA8 DA SEMANA.
.1 Segunda. 8. Francisco Xavier ap. das Indias
4 Terca. S. Barbara v. m.; 8. Pedro Crysologo
5 Quarta. S. Geraldo are. ; 8 Sabasm..
6 Quinta .S. Nicolao b.; S. Lioncia m.
7 Sexta. S. Arabrozio arc.doulorda igreja.
8 Sabbado. >J. A Conceieao da 88. Virgem.
9 Domingo, i. do Advento S. Leocadia v. m.
S. Resiiiuuto b ; 8. Hoptniaao m.
dem.Carotina, branca, nascida a 9 de jolito do
correle anno.
dem.Francisco, branco, nascida a 6 mazas.
Aos t.Belehior, pardo, escravo.natcido a 7 de se-
tembro do aneo prximo paitado.
dem.Manoel, pardo, aaseido a 3 mazas.
Aos 7.Hita, branca, nascida a 8 metes.
dem.Ovidio, pardo, aaseido a 6 aaoos e ? metes.
*os9.Evangelina, branca, oseada a 4 de feverei-
ro do correute anno.
dem.Jote, pardo, nateido a li de dezeatbro de
. anno prximo pastado.
Aos 11.Olimpia, crioula, forra por carta, nascida
a 4 metes.
demJoaquim, parde^seravo, noecido a 9 aa se-
tembro do correte fflh.
dem.Jos, croulo, eaamvo, nasudo a de Janei-
ro da'IS.
dem.Jos, branco, ntscido a 3 annos.
Idean.Firmiuo, pardo, escravo, nescido a 3 asaos;
Santos Oleo.
dem.Hermelinda, branca, nascida a 4 roetes.
dem.Marlanno, pardo, torro por carta, utsde a
8 mezes. /
dem.Joao, brauco, nascido a 4 mezes.
Aea 12.Plaeidia, branca, nascida a 11 de oOtubro
de 1853.
Aos 13.Loza, parda, nascida a 15 das.
Aosti.Clemeolina, pirda.AAida a 19 de oulu-
Idem.Ptcilico, crioulo, escravo, nascido a de ja-
Ihu do corrate auno,
dem.Herraina, branca, nascda a 1 aneo,
dem.Olimpia, branca, nascida a 7 de setembr"
do correute anno.
dem.Joaquina, parda, uasdda a 9 de jullw de
correle anno.
Aot 23.Serapdint, branca,'oaseida a 37 de osle*
bro do corrale anuo .
Aos 25.Joo, pardo, aaseido a 6 de setembro do
correle anno,
dem.Mara, branca, nascida no I do corrate,
dem.Benedicto, crioolo, nascido a 19 de oulnjiro
do correte anno.
dem,Joao, pardo, nascido'a1 e', auno.*
demAugusto, pardo, nasddo^a 7 de maio do
correte anno.
dem.Francolina, branca, nascida a 11 mezes;
Santos Oaos,
dem.I.uiza, parda, escrava, nascida a 16 de se-
tembro do correjis annov
Aos 27.Hara, parda, nascida a 17 de agosto do
correle anno ; Santos Ollieot.
Ao tado 10. ef
Freguezia de Santo Autouio do Kecife 30 de no-
vembro de 1855.O vigaro, Venancio Bt/Srifues
de /ye:adasBBBBBBBmBJk_
.Teaho a DStna da.eiper a V.
Etc. a coulinuacao do serviro do oselo dat roat des-
la ddade, etecotado tob miuba direecao, do dia 12,
a 17 do corrale.
Foram da novo asseiadat as qualro freguetias as
seguales rail:
Roa do Cordouiz, da Lapa, Moeda.Aasorim, En-
eautamento, Cacimba, Seoiala Nova, dita VeHia, rao
da Onia, dos Taopsiros, do Torrea, da Crax, Caes de
Apollo, Prace do Carpo Santo, Arco da Conceieao,
travesea do Bom Jess, dita de Apollo, neceo da Bcia
do Capim, do Qoaresam, do Campello, Largo, da
Joflo Pialo, da Lama, daa Mlndinhat, Croulaa, Vi-
garo, Noronha, do Chafarz, largo da Astembla,
paleo a roa do Collegiu, dita do Crespo, praca da In-
dependencia, ra do Cabog, Nbva, pateo da Matriz
travesea do Rosario, dita de S.- Pedro, pateo de Cor,
mo, roa das Flores, da Concordia, dat Larangeirae,
Trncheirai, dos (luarteis, pateo do Paraizp, roa da
Hoda.de S.Araaro.doSenborBom Jess du Crioalas-
do CaltUauco, do Mundo Novo, Bdla, Floreatiaa,
de S. Francisco, larga do Rosario, estrelle do dito,
do Queimado, pateo e ra do Linimento, dita do
Rancel, a Penda, Direila, do Fogo, becco do Padre,
da Bombando Sarapalel, ra de S. Thereza, de Bor-
las, de Aguas Verdes, Iravessa do Carcereiro, da
ViracSo, do Sergado, pateo da Penda, Ribeira, roa
de S. Jos da Assampcflo, do Nogoeira, de S. Ceci-
lia, do Fagundes, das Calcadas, do Padre Floriaao,
das Cinco Ponas, Mari; ros, Augusta,Caldeireiru,
dos Copiares, dos Pescadores, Iravessa do Dique,
de S- Jos, praca da Boa-Vista, roa do Aragao, do
Kosarlo, dos Pires, pateo a roa da S. Croa, Ribeira'
ra do Sebo, do Cotovello, da Gloria, da Mansueira,
da Alegra, Velha, Ponle Velha, roa da Matriz, Coe-
lho, ra do Camarao, do Hespido, becco do Ferrei-
ra,* aterro da Boa-Visla. Conlinua-se a fazer o mas-
Rio serviro, e juntamenlaaj aterrar-te a ruadas
Cinco Ponas, a Iravessa da Concordia, a ra do Ale-
crim, e a e\tremide*ietda raa deS. Amaro, conl-


T^
P'M'O PE KIMIBKO QUINTA FEIR1 6 DE DEZEMBRO |E 1855
^
gua aura; sujos Irabalhc* Jt ti ve i honra de no-
ticiar a V. Exc.
Conc|uio-se o aterrameato na roa di Roda, a quai
m tarea intransilavel a ettacao invernosa, era
coceequencia da lama qae criava, devida baixez*
do terreno.
ai principio aterrar a roa de Ooro em eonli-
wmo i do Alecrn), per te achar alagada.
O servido fes-a com 55 irabalhaclores e apdntado-
rw; aa folbat daa ferias das qualro fregaesia impor-
taran! en reto S8&680;alaguis de cerroeai, empre-
ada* no terrlfo da salo das ras as freguezia* de
S. Antonio e S. Jos, 1968000; Importancia da areia
distribuida em divertos lugares desl* freguezia
H#&0; Importe de 11 bracas de aterro feilo por era-
piafrili na sobredlta ra do Alecrim, rel 169300.
lado quaoio me compre relatar V. Exc.
Deo guarde V. Exc Htclte 19 de novembro de
1853. Illa, e Exm. Sr. bario de Capibaribe, pre-
sideela da cmara municipal.Jodo doi Sanios Por-
to*, administrador geral da compaobia de Ribeiri-
nbos.
Conforma: O secretario. Mainel Francisco Ac-
ioli.
COMUNICADO
*
RECIFE 3 DE DEZEMBRO DE 1853.
Um baile, mea amigo, sempre foi ame feeta x-
traordinari* do* sentidos : v-se muilo, ouve-se
muilo, clieira-se muito a apalpa-se mulle : o espi-
rito nada giraba cora uro baile, pelo contrario, mas
esafim heoma distrac;! qoando nada, sao algomas
lioras de brinqoedos, boa parte de ume noite de per-
feita expotijao. V-*a n'am baile de ludo, e sobre-
todo de varases gastrnomos. V-*e uro qudam,
que rulo tei como pode obler um cartio de entrada,
daar com urna mocioha mimosa, com ella con-
versar em chas fortes, paixoet e outras sandices de
igual jaez.
Uoolem, como Ihe disse em miaba ultima, deu a
guarda nacional do 3. balalhao um expleudido bai-
le no arsenal de rnarinlia as auno de S. M. o Impe-
rador. Eu nio pretenda ir, porque islo de ir de
noite a um baile, e pela manbaa estar roendo aa
trabas com Tome.... njo entendo, mas como o baile
era um baile assim a modos marciaes, influi-me *
fui. v
Pentei que era eu o nico velho qae l me echis-
se, pelo que qnando fui mpressionado pelo mgico
ciarlo das laxes qaix correr, mas vi logo orna velha
muilo vrllin, niais vellia que, o meo chapeo, estar a
conversar negligentemente repimpada n'um divn
com um guapo mancebo, que animei-me a flcar.
A concurrencia fui grande, meu amigo,' foi grande
de un. A P'afJhP arsenal eslava coallud* de
carree ; u* carros (Boira vara-se desde a Boa-Vis-
E a msica estroniloss que vibravs,
- Torrentes de harmona
Calava os echos da nocturna briza
Que saudades dizia.
Era doida walsa, perpassando airosas
Lindezas que matavam
O delirio de mor, menta tgaaamhara
Sentidos captivavam. ir
Era imagem do co, o ineigo riso
Os suaves.euleins
O casto peijo, a dama a refletir-se
Nros convulsivos seios.
nanlos ollures dardejavam 'fogo!..
Quanta docarn em fallas!
Quaota emocjio, desmaios de ventura
Qaanlo prazer uas talas!,..
V Vmc. que so a idea de um baile me inspirara
para fazer essa decimasinha.
Os Exros. Srs. presidente, general das armas, ba-
rio da Boa-Vista, e um grande numero de pessoas
gradas desta capital all se acharara.
Toda a oflicialidade do 3 balalh.io %tava far-
dada.
Os medico* dos corpos igualroeute se aprsenla,
ram com seus ricos farddes, e bemassim alguna dis-
tinctos oftlciaes da armada, entre os quaes liguravn
o coramandanle da estacao naval.
Al as 10 horas reinou a melhor ordem possivel
no baile, mas quando os huchas dos grosseiros, e
estopidoa>gastronomos foram cncolbendo-se n.io es-
llveram por davidn, aliraram qual famnta malilha
de caes devoradores, mesa e aos bufetes, e 1ra-
vnu-se entSo um combate vergonhoso e Hojelo, (com
vergonha o digo) mas he preciso.
A mesa que deveria primeramente ser oceupada
pelas senhorat,foi invadida,c eniao j noserviam os
talheres: Dos Ihes hnvia dado boos gadanhos Era
triste Ver homens brancos, motos e que pareciam ter
recebido alguma edacaro beberem e comerem co-
mo alarvs!
E o que mais nolei foi nao deiiarem uma pera
intacta, uma fructa por comerara ; ludo foi corlado,
estrangulado, machucado. Que faminlos !
Se ana ou mus bandejas de sorveles linham a
dtsdla de sabir a campo pira as senhoras.era assal-
lada de improviso, e antes dos criados fuerera re-
elama^oe* eslava vaxia!
O* oRIciae* e mais algomas pessoas iudignadas de
m la I procedimenlo censuraran) speramente tan-
ta* gentilezas, mas os famlicos ram-se de bocea
cheia cerno se ha mezes nai comessem de proposito,
eomo te eslivestem em um bolequim da Cova da
Onca.
A mesa principal que eslava em abono da verdade
primorosamente adornada de maitos jarros de flores,
e de grande profosSo em poneos minutos lica des-
la carro* as portas esperando convivas, carros qaat_,.
,_ ... _i ^^HPida das flores e da comida.
um, carro* que vinhajAlyvoida d* carro* ero-
fin, a noilt do baile foi Rata, e curiosidade para
osla capital crfc-mc, qae nao sei se pelo baile,
falla de aile, oo vallas, meu amigo, nao se illurai-
noa, a cicepc3o de um ou ostro edificio nacional,
slo he qae lie monarchia tolrenle, he a nossa 1 O*
tre* grandes aaloes do arsenal alavam decentemen-
te decorado*, e em cada um havia para cima de
Houve um portugoez (qne por delicadeza oceulto
o nome) qae alirou suas tres lhas e uma matrona
famlica a ama linda bandeja de boliohos, qae me
parece, meo amigo, que por este mex estro bem
providas de massas para o cha de familia.
Des qoe eu nasci, meus olhps nunca viram
.Nein poude conceber meu pepsamenlo
300 Inaes ejJM tres lastres, arandellas, candelabroajH* ""los eemeloes o ajonlamenlo
id- Que u baile, s de guelas, invadirn).
etc. No sallo do risco eslava' a mesa qu era surap-
teosa, profusa e s>mtrica ; abi eslava quati (oda*
asfractas do lempo, militas estriadas qoilidsdes de
doce* de nossas frutas, e esajpugeirs, alm da pro-
fosSo de astados de peixe e carne, lodoeam gosto e
aiUsxariamitle preparado. A mesa conporlava -JOO
talheres. '-Os bufetes qne gaaroeciam a mesa esla-
va* pojados de*efor{os gastro-alimertticits ; de
perloje trila gigo*do espirituoso champagne, de
um tem numero de garrafa* de crislae* cora o famo-
so Maieira, Porto, Bordean e oulros muilos grace-
jos de Baecuo, qne agradou a muila genle.
O sali di mesa eslava brilhantissimo.
Por tres dos bufetes Ir* bal ha vam as sorveleirss, e
as bandejas erara amiudadas parees saldes.
Seis grandes ricamente preparadas bandeijas de
bolos estavam por sobre os bufetes guardando entre
sdoces, atados frotas uma rigorosa s>raelria.
Cada uma liaba o sea disujeo, ou eso bandeirinlias
de lafel verde, oo em litas da misma fazenda com
le tras de ouro.
Primeira.
Oeot, Patria, Monorcha, Liberdoie.
Sega**..
k offieiaes do teretiro balalhao uu tu adorado
atMb-cAa em signal de amor, retpeite e gra-
Udio.
Terceira.
y%ca a briosa corporacio da guarda nacional,
fusleutatmto da independencia e do Ihrono .'
Qaarta.
A guarda nacional ralernism eom os companhii-
ros formas, os dignos offi&es do txercilo.
Quinta.
Kiaternita a guarda nacional com a digna offlcia-
fidade da marraba brasileira.
Setla.
Ao Hxm. Sr. conslheiro Dr. Jos Thomaz JVav
a*M de Aravjo, minlro ia justica, em signal da
fte eonj*leracio e amisade que Ihe comagram os
offieiaes io erceiro balalhao da guarda nacional
do municipio do fecifs.
Eis, mea migo, o que se chama nacionalismo,
qae alada saborendose goslosas masaat lonva-se o
llirono e a liberdade.
Qoalro bandas de mosica militar dostquatro ha-
talhdps de guarda nacional desle municipio, ejecu-
taran) pedaeos das melhores operas conhecidas Tro-
vador, (Helio, etc., ele.
Ado balalhao da Boa-Vista eslava i porla'princi-
pal, e a cade grupo das exeellenlisslmas prelndiava
aa cobrado, qne al no subir a escadaria do edifi-
cio era em eompnsso e enlhusiasmo.
Os conductores da porta, os conductores dos sa-
ISes,os mostrea salas eram offieiaes que exeeutaram
com gesto o garbo suas icolur.ocs palacianas.
O.mailaiaisiuo I... oh lo raadamismo foi soberbo !
Tffto liouverainbatodas eram bellas vassallas
da soberana opiniao. *
Diversoj foram as loileles do* vestidos, e dos penN
teados: meas trajavam sedas,' outras chalys, aquel-
las nobrezas, estas bareges \ aqaell'outras filos bor-
dados ; esl'ouffas clmbriiai. castas; e en at vi ves-
tidos de alpaca....
Os cavalheiros Irajavam de preto, tsceptao de
um que por etqusigjp aprasenten-se coa ama cal-
ta de cliiiioha boa vara riscado Ue miseria das
miserias, dess miserias, que nao h miseria
se compare com tal miseria.
A* 9 huras principlou o baile, qnando ai msicas
seertm com estrondo era todos os saloe*. l'm bai-
le Qoaatos peiisamentos. quantas seacaset,
qeaoln ideas em um baile! Qne meto continao
d pasteiiw, de rizos, de gracas, de qaias, de rai-
vinhas, Je acinles, de emalacoss, de murmu-
rac/Jes:
Vmc. ajuize esses sales com mais de dnzenlas se-
nhoras, todas Irajando divegsameote, todas com
sens pares passeando para Vedara ci: esses parta
uns fardados ricamente com mus peilos bordados ;
oaire* eom sltjs fardes vermelhos, oulros com soas
ciMCjuboMn, mal deixsodo apparecer oo os ri-
cos URfctde brilbanlcs, ou
nlio do slecrim...
A lana mesa coa Itjror despira m
Pnis era s coajfct, sea elemefAo
Qansi que os tiesalarves, n'um momento
Pralos, copos, toalhasenguliram.
Esla sucia voraz que ninguem gosla
NSo teme as iras provocar do Eterno
Nem por roao do flagela dar costa.
Das mocas nao Mr agrada o riso temo,
Haja sempre pspanca e mesa posta
Que bao de eslar a comer, at no inferno.
Resta porcm a briosa guarda nacional da Boa-
\isla a consolado de que nao foram esses coraeles
que poderam com lao inauditas grosserias deslastrar
9 acto brilhanle do grande baile do dia 2, dedicado
ao anniversario do natalicio de S. M. I.
O Sr. lenle coronel Jos Csndido d^ Barros fi-
cou comprehenden-Jo que he quasi inexequivel con-
servar-te ordem em um baile dado por uma corpo-
rasio, apezar de S. S. ter esgolado todos os recursos
de snay mane i ras allenciosai.
Cnm Indo o baile esleve brilhanle, por qne o ban-
do da devoriilas nao te arredou de om i gremio no
saldo da ceia.
As 3 horas da madrugada reinava perfeilo sileo.
ci nessa casa de fesla.
...
Mea amigo, esl-se aproximando (quero sabe he
Dos) a occaiiao se mostrarmos uma resignaran a to-
da prova. Se a epidemia .ios invadir mostremos,
qae o co ,he o nusso protector, e a coragem nossa
Ruia. ^ ,
, ***>meo amigo, logo Ihe fallo em eleicoes, por
ore vejamos. Seu amigo
ga-lo, qual oolro Judas como o tem sidOem todas
as pocas de sua praguejada, nociva, contradicto-
ria, e poica existencia, em todos os negocios em
que tem inlervido, e em todas as circumsl.incias em
que se teiu echado collocado.
Por ahi, pois, julgue o Ilustrado publico do
mais, e quera melhor se quizar inteirar da infimi-
dade do seu caracterconfronle esses virulentos, ca-
lumniosos, e torpes escriplos por elle actualmente
publicados no Brado do Poto, com os qae fez escre-
ver e publicar of/iciosamente no eAo Pernam-
bucano dea de fevereiro e 1^ de Janeiro do anno
correnle sob os pseudnimos de Bemlevi e Aymo-
r, nos quaes *jk coufessou e propalou a moralidade
e innocencia dos moradores da Cachoeira contra es-
sasfalsas imputacOes de assassinntos de escravos.'por
occasiao do brbaro assassinalo do capitao Francisco
Cavalcanli da Cunha e Vasconcellos; succedendo
que agora se contraluz miseravelmenle pelo mes-
quinho, deshonroso e vergonboso motivo de haver
sido repudiado como fiador no arrendamnto judi-
cial do engenho Po-amarello, visto que, lendo o
Iriennio subido a res >:200?000, elle apenas pos-
sue em razrs. 3:7008000, e nao quiz prestar ou-
lorga de Ha meieira. e nem renunciar ao menos,
os privilegios de fabricante de assncar ! ! Tal foi
e he a sua boa f.
Quem nao comprehendern, Srs. redactores, que a
ter sido o escravo Tiburcio victima de atroz cani-
balismo, nao fallaran! meios para occullar-se o sen
cadver, que essa vesloria sean requereria, e qoe a
qualqneresislencia d'apresenUrao judicial ss pode-
ria mu bem oppor, por eiemplo, a declinatoria da
fuga, que he nm relo mu ordinario em escra.vos,
e contra o qual au ha vera replica elhcaz, urna vez
que o lermu de segurauca nio prevenio, e uem po-
da prevenir semelhanle hypothese '.' '.'
He islo objecto de fcil inlulclo, e por couteguio-
le dispensa grandes desenvolvmenlos, como alias
exigem os assassinatos de sele liberaes do Acubuc,
prakicados em 1819 e o lim trgico e mui rcenle
que leve um cerlo Wenceslao de Tijucupapo, cojo
pescoco foi destocado em um fusso aberlo contra
as leis humanas e diviuas ao p de um dos partidos
do engenho Diamante e da estrada publica que se-
gu de Uoiauua para Pedras de Fogo ! Seu ca-
dver, segundo dizem, foi sepultado tem vetloria
na cape'lla do mencionado engenho, e ahi se acha
no abandono a familia dessa victima du menospres0
das leis.
Emqaanlo as demas impularoes, anda mais
graves de que se acha recheiadu o n. 75 daquelle
peridica sendo ufo falsas eomo a qae impugna-
mos, poderamos nicamente dar-Ibes em respecta
a seguale copla de um Ilustre poeta :
Montenegro

A
CORRESPONDENCIAS.
qa*
a* pontinhas do raroi-
m tnjate s
indo Wmio
seasaal.
e bella
B as voluptuosas ndnlai/ies'.' a
E os iierfeae* que eabaltamavam os sanes*'.' E
o ludo das watsas, das warsovianas, e das hygieuicas
mirad inses ?
L'm bajm he sempre um ,
Pistara a noile i
. Carambando i
Qual virgem de myslcrios e saddades
Cora a fronte n'um veo.
Bou va a briza as dor mentes agaas
Perfumada uas flores,
Parecendo envolver-se nos aromas
De beijos, e de amores...
O soluco das vagas a quebrar-se
Era arouosa soidao,
Qual nota de tristeza se perda
Era mar do corceo.
> Paasata t noila, o a natureza inleira
Em seu soubo de amor
- MoJulava caucos; que aleiu aerriem
Me seio do senhor.
Passava a aoite e o sclntilar das leus
Ne brilhanle salao
enelido em janelas ofuscava
Dos asiros o clsrSo
Srt. redactores.Para eterna confosSo e com-
pleto desmascaramenle .locelebrrimoMontene-
gro,ou anles do facanhude Benze-Caceles do
jornal Brado do Poco n. 7)< de 3 do correnle mez,
e do verdadeiro l'irababense do mesmo jornal,-n.
72, que he, sem coasa que duvida faca, e sem tirar
e nem por, o metmissimoBenze-Cteeles,por ser
elle uro Jubilado e misera Pretef^mquanlo disse-
raui que a polica fura inopinaaamente ao engenho
Cachoeira proceder a uma cihumac.ao jurdica no
cadver do preto escravo de nnme Tiburcio, e que
este, segundo he voz publica, uotc-sB bem, para o
desvio da tal voz publica, que>.ile*ica existi, foi
victima do mais atroz canibalismo, rosaraos-lhet i
pnblicajao, por seu preslimoso'Diario, dos docu-
mentos sob os.T, 2 e3.
Aquelle.oden. I, prova, i (odas as luzes que
o acto nao foi uma inopinada t\humac,ao jurdica,
como maligua, calumniosa e estpidamente o qaa-
lificaram ; mas sira uma simples vesloria requerida,
cora instancia, pela proprietaru do engenho, em
rarto de ter recebido esse escravo por um termo de
segoran;a: o segundo provr sofiejadamente, que
tanto esse aclo nao foi ollicial e ioexperado, segan-
do se quli inculcar, mas ira, procedido a reqaeri-
mento de parte que pjelle vivamente se inleres-
sou, qae delle se cobran casias, e elTeelivamen le
foaam pagas na importancia de ll mil e lano*
res : o erceiro, finalmente, que combinado com o
primeiro despacho do jais municipal supplente ds
comarca, datado de 8 de selembro protimo passado
provam sumcienlemente que a proprietarla do erw
genho e senhora do escravo, e o sea filhv adminis-
trador nao podera ser censurados e menos invecti-
vados, porque o cadver no momento da vesloria,
effecluada pelas seis horas e meia d* manbaa do dia
9 do mesmo mez, se achava em polrefacsao ; pois
que logo no Ha sele, em caja manbaa se dea o
pasamento, participaram-no ao subdelegado de
Uoianninha, o Sr. alteres Manoel de Azevdo do
Nascimenlo, como autoridade mais visinha, e assim
mesmo na distancia de daas leguas, e o convidaram
para qae fosso vstoriar o cadver, e tendo elle re-
cusadaji| por falta de escrivao, recorrastni na roa-
"iiMj !*> S ao juiz municipal suppleen em exer-
t'r^(fcrido-lhe amanbecer na porta um portador
ca o'r>querlmento que servio de base a esse acto
norqual, preveiiiudo-se o obstculo da eminente putrefac-
Moilo vence o que se vence ;
Muilo diz, ques), nao diz ludo :
^ Porque a um discreto perlence
A lempos fazer-se raudo.
Mas como, Srs. redactores, temos aprendido que
o mldizente he como o careao, que quando nao
queima, deixa-nos etteartoados, continuaremos a
eWundir esse caluniador com publicarles de doc.
menlos semelhantes, afim de que o publico Ilustra-
do lavre a sua ultima couderanacad, e seja elle alvo
do analhema nao s dos prsenles, como tambem
dos vindouros; pelo que muilo breve o ineommoda-
remos, cerlos como estamos de sua imparcialidade e
bom acolhimenlo ; e islo embora nos vejamos insta-
dos por pessoas proeminentes desta comarca para
nos recolherao silencio, ej o houvessemos al pro-
medido, uma vez que o ferrete de mais ama nbomi-
navel traigo nao nos perlence, e sim ao ignobil
MontenegroTimbabense^-Benxe-Caceles.
redactores, seu constante leitor
O Chico-polegada.
halo de novembro de 1855.
Jwkn municipal.
N. 1. Autoamenlo de um auto de exame fei-
lo no cadver do prelo Tiburcio, a requeriraenlo
de sua senhora B. Josefa Mafia de Jess Cooli-
nho. O escrivao, Costa Leite.
Auno do nascimenlo do Nosso Senhor Jetos
Chrislo de 1855, aos 10 das do mez de selembro do
dito anno, nesla cidade comarca de Nossa Senhora
do Rosario de Uuianna da provincia de Pernimbaco
em meu carlorio autoo a peleSo e auto de exame
qaesesegoe. De que fis este autosmsnlo. -* Eu
JwquiaVllSjfceJi liiliLae, ejerivao o esrrevi.
Diz a viuva D. Joiefa Mara de Jesus Coulinho,
proprielarjii do engtnho Cacboeir, onde tem f toa
re*dencia,que teodosucceddo fallecer namanhaa do
dia de hoje, 7 de selembro, o seu escravo Tiburcio,
uao pode dar sepultura ao seo cadver, que se acha
deposiUdo na capella do referido engenho, sera que
seja vestoriado previamente por eslojuizo, visto ter
sido esta urna daa clausula do termo de teguranca
juc assignou para lira-lo da prso em que eslava
na cadeia desla cidade ; por tanto vea requerer
a V. S. qne haja de proceder ou mandar proceder
dita vesloria hoje iroprelerivelmente, nomeando, e
juramentando doot peritos, que os rara notificar sob
as penas da le. atsignaudo hora certa, e determi-
nando que effecluada a vesloria, se d o original
supplicante. Nesles lermos:
Pede ao lllm. Sr. juiz municipal supplente em
exrcicio, se sirva deferir. E R. M. Cunha
Machado, como advogado.
O escrivao passe mandado para ser. conduzido
cadver de que trata a pelicao supra para esla eida-
de, afim de se proceder a vesloria, sendo
cada a viota.
Cidade de Goiauna 8 de selembro de 18.V>.
Pereira.
O coronel Antouio Francisco Pereia delegado de
polica e juiz municipal segundo supplente em exr-
cicio nesla cidade e comarca de Goiauna da provIejbosquejosTielicadps, du
ciadePeraambucopor-S. M. I. e C. que lieos gnar- nos lugares comniuus,
de ele
Mando aos ofliciaes de jusiiea satisfacam o meu
despacho relro, sendo nulificada sappllcanle D.
Jesepha Mara de Jesus Coulinho. Cumpram Ci-
dade deGoiannaSde selembra de 1855. -,vEu Joa-
qun) Jos da Coila Leiteescriv*|eacrevi.Pereira.
Cerlilico que sendo no lugar alo engeulio Cochu-
eira intimamos o maudadajt*JjBK jSas>|ia \t,rj,
de Jesus Coulinho e ppr esfl PJdito que podia-
aehava na ca-
rera, e em sua conseiencia enlenderem, e encarre.
gou-lhei que procedeacmao exame do cadver do
preto cima dilo que all ie achava e qoe respondes-
sem aos quesilos egointes. Primeiro te |o falleci-
meulo do referido pelo foi m virlade de molestia
on occaiionido por castigos e mi trato Segundo
o estado do corpo e dos orgaos tanto exterior como
interior nenie, quaes as le>6es, encontradas e suas
causas '.' erceiro, que lempo poucu mais ou menos
denota ter iallecMo o mesmo preto '.' E havendo os
perito* prorejfdo ao exame ordenado declararam o
seguinte :
Quanlo ao primeiro qoeslo, que em consequen-
cia de re echar o cadver do prelo ja em estado de
putrefacto nao poderam conhecer qoal seria a cau-
sa de sos mor,\ .
Quanlo no segundo que pela uiesma causa cima
nao poderam obervar o estado de seus oreaos assim
como nao enconlraram fcrimentns alguns feilos com
instrumentos perorantes nem corlantes, mas nao
poderam observar se) havia ou nao no cadver algu-
mas contutOea que concorresse para saa murle.
Quanlo ao erceiro que era conseqaencia do esta-
do ptrido em qoe se achava o cadver, moslrava
ter o preto fallecido ha mais de dous das. E por
nada mais lerem a examinar e a declara;, deu o juiz
por lido o exame de que se lavrou o presente auto,
que vai assignado e rubricado pelo mesmo juiz, co-
migo escrivao Joaqnim Jos da Costa Leile que o es-
cervi.Tesleinunhes.Manoel Ignacio Gomes, e Joao
Caelauo Ro Real ofliciaes de iusticalquclacompanha-
ram a diligencia o os peritos relro declarados do que
ludo dou f. Anlujiu Francisco Pereira. Joao
Domingoes da Silva.- Antonio Manoel de Oliveira
Bolas. Joao Casiano Rio Real. Manoel Igna-
cio Gomes. Joaqnim Jos da Costa Leite.
N. -'.lllm. Sr. capitn Feleciano Cavalcanli da
Cunha RegPor me adiar bastante incommodadode
umaperna por issouao voupessoalmente: vai o Ma-
noel Ignacio a quem V.S. poder* entregar o impor-
te das cusas da vesloria, e qusrendo pode o mesmo
passar o respectivo recibo ao p desle.Sou com
respeit e prezo se*.De V. S. alenlo venerador
e criado.Joaqala Jos da Cosa Leile.
Kccebi do Sr. capilo cttliciano Cavalcanli da Cu-
Sua primeira educado foi (oda religiosa, sob duas
influencias mui diversas e que Se corabinavam ma-
ravillosamente, a^aber : a devoi;jo rgida e severa
da disciplina paterna, a meiga e carinhosa |piedade
da mti, de sorte que o temor da autoridade qae
castiga era quasi sempre vencido pelo desejo de bem
obrar, e de merecer uma approvacao affecluosa.
Mandaram-no esludar no collegio dos Congrega-
dos do oratorio de Vendme ; seus prenles o des-
linavam para o esta lo ecclesiaslico, e elle se portara
sem vocablo ardente, como sem arrepeudmento, e
por mera obediencia, sempre com afirme lencao de
comprir seds deveres. Mas a constituir,) civil do
clrigo de 1790 veio desfuzer etle designio. Sea pa
coidou desde logo em aisocia-Io sua profisso d*
jurisconsulto para Ihe dexar mais larde sua clieulel-
la. As demolieres revolucionarias faziam rpidos
progressos. Em pouco uao exisliam mais escolas de
direitv, nao se loraavam mais graos nem ttulos de
advogado, s havia defensores ofliciosos, dispensidos
das provas e do diploma, porem a quem todava era
permillido cobrar-se do seu trabalho. A escola do
joven Pardessus foi a casa paterna, e elle nao se deu
mal, porque seu pai lbe ensinava a pralica e a theo-
ra ao mesmo lempo, e esla theoria nao era nuda
menos que a Iradicao d,iiJj;oes de Polhier, que for
o professor do pai. Uassfrellexo de sea raelhodo
passou s obras do filh
As reacnies das calamidades publicas aggravadag
ainda por uma alfliccao na familia, o firiram cons-
tantemenle durante tres anoos, de 1792 ao funde
1701. Seu irnulo mais vellio, agarrado pela requi-
sijao, escapavam-se i grande custo para ir raorrer
sob o estandarte realista na sanguinolenta batalha
de Savenav. Alistaram-no a elle mesmo, pobre dis.
cipulo dos Congregados do oratorio,na guarda uacio-
ual mobiliada ; sua raai suecumbia uma enfermi-
dade mortal pelas inquiutacoes e pozares, e quando
elle vollon a Blois achara sea pai eocarcerado por
suspeito.
Cada um ao nascer Iraz seu carcter proprio ; po-
rcm eolre quasi lodos os hmeos ha uma segunda
ualureza, que se forma ao principio pela educaban,
pelos babilosda infancia, depois pela impress3o mais
ou meos profunda dos acoulecimentoi, tobre lado
aba Reg, a qiiaaliaaa 1519130 ris das costa* dar as detgra^as que deixao lembranras mais dominan-
vesloria fela noeteravo Tiburcio, por assim ser Ver-
dade passei esla. por mira assisnado.
Cidade di> Hosanna 6 de outubro de 1855.
Manoel Ignacio Gomes.
N. 3.lllm. Sr. eapiao Feliciano Cavalcanli da Cn-
nlia llego. AmigceSr.Recebioseu prezado favor
de hoje datado, 6 qoal passo a responder-lhe : com
grande lenlimeolo digo ao meo amigo, qoe nao pos-
so fazer o seu pedido em consequencia de ainda
nao ler escrivao.
Aproveilo-mc da oceael para apresentar ainda
esli vez a *> S. as minhaf expressSes de re pe i lo e
eslima com que soa*dJe V. S. amigo e muilo obri-
gado. df
Manoel d'Azevedo do Nascimenlo.
Goiannnha7 de'selenskro de 1855.
Srt, redactores.^Vendo no Diario de 25 de se-
lembro lindo um abaixo atsignado firmado nesla
villa pelos lllm*.**. cninmandaiite superior Ma-
noel Pereira da Silva, r. jaiz de direilo Rodrigo
Castor de.Albuquerqne Maraohao, lente coronel
Braz Nones de Magalhaes, major Vletrino Pereira
da Silva, vigario Manoel Lopes Rodrigues dt Bar-
ros, e capitao Arnan Nones de Magalhaes. pessoas
es(as que por estarem a par de meus .icios e proce-
dimenlo, fieram-ae a jusiiea repudiando a ca-
lumniosa correspondencia publicada no Brado do
Poco de 14 de agosto do correnle auno, sobre a
assignalura do SertanejoPenhorado por esle
aclo de jusiiea e geefosidsde, cumpre-me agradecer
aos illn'lres assigianles, que sem jaclar-mc de bem
Ihes merecer, sao eredores de rainba gralidao, forli-
(icaram-me o nrofjosilo de nao desviar o caminho
rilbado no cumpriraenlo de meus deveres.
Manoel da Cunha Wanerley Lins
Villa Bella 14 de outubro de 1855.
LlTtERATLiA.
*HpEM!ADASIN9CRIPC(>ESE BELLAS I.ET
^* fBAS.
Sessao animal de 10 de ago'to.
unnual da academia das inscnpjOtc o
,-letlrfs leve bxalem lugar sob ajsjjresideiicia
do senboi \ illemaia, tsistldo do* senheTes Naudcl,
secretario perpetuo, e Eduardo Laboulayt, vice-
presidente. Os lugares reservados para o publico (o-
rnii cedo oceupados por uma endiente de gente
elegante eescolhida. O presidente, na forsaa docs-
tume, tomn o primeiro a palavra para annoneiar
os premios conferidos pela academia os assufnp-
los de premio propastos para os anuos segontes-
Daremos adenle a lisia dos premios e das medalhas'
Occuparum a primaireMrie da sessao duas pe-
cas dt nm interesse serk||Pe bem que mui differen-
les. A primeira he a noticia histrica, cuy o secre-
tario perpetuo, o senhor Naudet, leu sobre a vida
eos trabalhosde Pardessus, cuja perda ulli
le soflrer* a academia. He sabicb que o lal
senhor Naudet prima nesses eibocos biogr
A vida lao grave como t.lo simples de Pardi
qussi toda dedicada ao estado e interpretaba
nossas leis commerciaei, nao pareca ollerecer roa-
yi teria mui fecunda aos desenvolvmenlos Iliterarios,
ne tili- o papel que elle presentara em nossas assemblsas
deliberantes uunea foi de nalureza a dar-lbe um lu-
gar dislioclo entre os uossot oradores parlamentares.
Todava o senhor Naudet soobe lirar desse assumpto
lao rido na appafeneia um excedente partido ; elle
soub auisjp-lo e orna-ln com uma multidjo de
nos e engenhosos. Sem cabir
e as e\jgerares ordinarias
do elogio fnebre, (n'completa jastica ao sabio, ao
magistrado, ao hopeo) pirticnlar, e ao homem pu-
blico. Esta recente noticia do senhor Naadet ser
ida como mesmo prazer que todas .as que ja sahi-
ram de sua sabia peuna. Nos quizeramos poder re-
prodnzi-la integralmanle ; eis ao mena a maior
parle.
tes e mais duradooras que as alegras e ue prazeres.
Nao he pois de admirar que^educado por laes
pais soflrendo com elles laes affliccoes, Pardessus
vivesse durante lodo o corso de sua vida poltica sob
o imperio de dous principios, de dous lenlimenlos,
levados algomas vezes pelas circunstancias at a exa-
gerarlo: a saber, o reipeito da autoridade e o amor
da ordem. Conceber-te-ha tambem por isso que
Jalvez couservasse elle aversao repblica, a pon-
o de ler horror dos objecto* ou meimo su dos phan-
tasmas que podiam parecer precursores de sua volts.
Para-elle a monarchia poderosa, porcm salla, era o
Symbolo da ordem, o nome de repblica era synooi-
mo de revolueaj e deanarchia.
Mas nao autecipemos os lempos, e vamos encon-
Ira-lo em Blois fazendo sen aprendizado de advo-
gado.
Dorante a prisao do pai, o esesipierio nao se fe-
chou aos clienles, grajas habilidade do substituto,
qsje vedtia os graos da pralica pela precocidade de
sua razaoe% nao se senta a falla do mestre, senao em
nao se poder fallar a elle mesmo, com effeilo seu fi-
lho Ihe levava prisJo o conheciratnlo dos negocios,
e elle dava a direccSo na instancia ; e, eomo 03 ci-
dadaos demandavam sob o rgimen da fraternida-
de, nao menos que outr'ora os subditos do lyninno,
os procesaos uao faltavam, e o velho pondo nellea
seu saber o sua experiencia, o mancebo sua intelli-
genca e sua nclividade, a fortuna da casa ia antes
em sogmenlo que em decadencia.
Entretanto os desgostos do prisioneiro e sobre lu-
do seus perigos nao deixavam deapncar a Pardessus,
que resolveu ir Orleans supplicar aos cheles da ad-
ministrar jo jusiiea ou gra;a para seu pai.
Mas como chegar-se a estas potestades terriveis'.'
Em qaanlo relleclia a porta de pretorio e informava-
Iba nealher a quem ao principio elle se dirigir e nar-
rara o triste ^objeclo; de sua viagem ( desconheci-
dos e desgranados sentimos a necessidade da confian-
ca, e eremos acbar urna proteccAo em ludo] que nos
oflerece uma resnaata favoraaicl), a boa da velha q
Ladvertio por cautela que seos vestidos e chapeo o
faziam ser mal recebido ; era um vestuario do lempo
dor!. Elle comprou um barrete vermelho e en-
curluu a casaca. Era Franca, ha muilo rigor na eti-
queta do costme, torem u seu disfarce nao Ihe sor-
W o secre- -
sobre a vida
biograpH F
de PardeB
prelataol
usadq*fi p
SE
UBI o feqn
10 qual.'c,
ireveniudo
540. pedio-se que a vesloria fone feitaropreler.
vtracnleno dia 8 ; sendo que assim se nao reali-
sou, porque, como se deduz do despacho, o juiz
municipal buscou poupar-se u uma viagem de cinco
leguas, e os seus subalternos, como foi notorio, e
at coufesiaram tem a menor ceremonia, te eicu-
savam por consideraren, a diligencia de ossos, ido
he, sem veneimenlo de cusas.
E tanto he iito lima verdade, que logo que os of-
liciaes nao poderam conduzir o cadver, por lerem
chegado ao engenho pelas 5 horas da larde, e vol-
taramembolsados de 1895011 rs.. como prova o reci-
bo passado i raorgem da seguuda eertidilo, cessaram
os pretextos de longitude, de molestias, e falla de
ovillos, e lal foi a pressa que se deram, e a gana
pe l'argenl, que ao amanbecer do dia seguinte
acharam-se as ligaras uecessarias na porlj da ca-
pella.
Orajwuluctieo faci, provado autlienlicaineule,
c icteria *Je n,0d0 inconlestavel, fica evidente,
qu*>o MoustnegroTirabaubenseBenze-cacetei,
he mamo, esem a menor duvida, ora perfeilo ne-
ero mu obras, capa: de toda sorte de aletees, em-
bustes, infamias, villrzas, e alroes calumnias ;
qne he rapa; de beijar o prnprio f hrisln e entre-
mos lomar cunta do cadver qj
pella e conduzi-lo do modo que Bedeajfbos; o refe-
rido he vcr4ade. Cachoeira 8 de selembro de 1855.
Manoel Ignacio Gomes.Joao Caetino Ro Real.
CerlifiastWai* ofliciaes abaixo assignados. que
indo a cpala do engenho Cachoeira para conduzir-
moso cadver de que trata a peticiie cima, nao po-
demos eflecluar dita conducho de forma aguraa por
eslar o cadver ja com Irlnla e seis horas, c em es-
lado de podridlo, redondo muito. Paiso o referido
em f de verdade.
Cachoeira 8 de letembro de 185.). %tj
Manoel Ignacio Gomes.
Joao Caelano Rio Real.
Proceda-se a vestoria requerida ao lagar em que
se acha a cadver, para o que o esaeaao notifique
para peritos aos Srs. Drs. Jote Joaojacsn l'irmino, e
Joao DomioguS da Silva,afim de comparecerenTa-
manhsa pelas seis horas da manbaa.
jjafoianna 8 de selembro de 1855!
Pereira.
Certifico que em virlude do despacho supra, ci-
tei ao Dr. Joao Domngues da Silva pelo cnnliudo
da pelicao e deiuaeho supra, ficou entendido.
Cidade de GoffltW,8de selembro do 185.Em
f de verdade, o escrivao.
Joaquim Joic da Cosa Leile.
Cerlilico que nio cilei ao perito Dr. Jos Joa-
qaim Firmino, por esle nao se adiar nesla cidade.
Cidade de Goianna 8 de selembro do 1885. Em
f de verdade, o escrivao.
Joaquim Jcsda Costa I.eile.
Termo de exame loilo no cadver do prolo Tibur-
cio perlencenlo i suppllcanle D. Joscpha Mara de
Jess Coulinho.
Aos 'J das do mez de selembro do anno do nasci-
menlo de Nosso Senhor Jesus Christu de 1855, nes-
ieengenho t.acbeeira da l'retuezij de liamhe.lajrmo
de Goiannec provincia aV Peruambuco, omje fi
viudo o jairmuuicipal segundo supplente tsp eter-
cicio o delegado deriSolida o commendador Antonio
Fraocisco Pereira coroigo escrivao de seu cargo, as
teslemunhas abaiioamisudas e os pcritos|nomeados
o cirurgi.lo Jo;tc Domngues da Silva, e por nao ler
comparecido perito nomeado Dr. Jos Joaqnim
Firmino que por atar fora da cidade deixou de ser
-notificado,houve o juiz deueiuear para substituir ao
capitao Antonio Manoel de Oliveira Bolas, ambos os
peritos moradores na cidade de Goianna sede da co-
marca, e ando abi passou o juiz a deferir aos peri-
ta o juramento dos Santos Evaogelhos de bem e
fielmente dedararem com verdade o qne encontr
No lempo que coi
acabava de ler o trat,
pomposo e Iriumphai
de ordinario nao te
tristes, enfermidadei
ca, porcm da qual elle ce
erever esta noticia en
Cicero sobre a velhice,
Htgio de uma idade, que
ajuenao pelos lados os mai8
uraet melanclico, dacaden-
elejpj as van lagartera mes-
to bem. Elle se epresemou ainda itabtnrid i que
recemmendade de sen novo enfele, e tobre ludo
muilo perturbado a vista da ligora grava do magis-
trado rodeado de accessores nao menos graves. A-
peuas comerava a balbociar saa sopplica, e a pro-
testar a innocencia de seu pai abatido e enfermo,
o presidente o interrompeu : Teu pai he um aris-
tcrata ; vai-le, qoe' so ha de examinar ; naje nio
temos lempo para uos occopar delle. O pobre sop-
plicanle nao eslava preparado a replicar ; elle re-
tft-t como coracao magoado e cauisbaixo, alra-
vessando.ejfcgarosamenle estes longos corredora.
Depois corft quaemojao elle sobretalta-se, oovindo
mama voz qne o expedir e desesperara o cha-
mar! Cidadia, lbe diz o procoasul com um lom
lio spero,,mas com um semblante menos feroz,
tomando-o de parte, teu pai he advogado e eu larn*"
le* de jurisprudencia contenciosa, mas cuja repta-
lo nao tinha Iransposto o crculo dos subscriptores
da gazeta da provioci. Pouco lempo deipoii da pu-
blicarlo do qoarlo lvro do cdigo civil, elle publi-
cou staTratado das servido, que|em pouco lempo
toruou-se olaas tsjasjet sobre a materia, e asss ce-
lebre para'tj^ijS^Beija daquellet mamos que a
nao linham jamis ldo, e qae llhara ouvido s-
menle citar o titulo e o autor. Por quanlo um dia,
no mais forle de ama lula parlamentar, elle foi cen-
surado de pralicar, em seu zello ardente em defeza
do deipolsmo, saa doulrina das serviddes. Porem
os advagados os mais liberaes, s viam nesse tratado
um excelleole guia a seguir, ao o inimigo de li-
berdade alguma, a menos de ser aquella que maos
pleiteantes querem lomar de se furlar a obrigajes
legtlimas, ou de se crear direllos que nao lem. 0
Tratado das senidoes cm um pequeo numero de
annos leve oilo edic,Gei.
Mas em ludo os cornetos sao penosos. Qoaudo
Pardessus veo a primeira vez a pr, apresentar
seu manoscripto aos livreirus, qoe a recusas* que
de desgostos nao leve a vencer. Na) ej-,,ami.iva
a obra, pergunlava-se o nome de autor. Desconbe-
cido, nao poda arritcar as desperas da sapres-ao.]
Por toda a parle a mesma preveneao peremptoria.
E por conseguinle, ainda qne nao tivesse, como Ga-
lileu, uma demonsira;ao malhemalica do valor de
sua obra, sua conseiencia, seu bem seoio cfeara-lhe
a dapeito de sua modestia, qae elle litera ilguma
coma de bom, de utrl, que havia probabilidade
de ser bem soccedido. Elle lomou o pirtdo heroi-
co, fe dinheiro de lodo* o* tena recunos, ajunlou
1,200 francos, e achou por seu dinheiro um impres-
sor. O lvro uns, vez impresso, alguus leitores fal-
laran! nelle ; eniao um livreiro comprou-lbe a edi-
tan, sob.toda reserva de prudencia commareial, o
ret* se tabt.
Desde o auno aegoiule sua nomeacao para o corpo
legislativo o chamava a Parit, e como nao fosse da
opinio desse Ilustre ambicioso, que teria preferido
ser o primeiro em Bnrville, que o sguudo em Ro-
ma, cooseulio fcilmente dexar a mairie de Blois
para a unir aos qualrocinlos membros d* legisla-
tura. 4
As occupa{0es parfainentares nao eram enlo pa-
ra causar embararos s sabias rneditaroes de juris-
consulto, e elle pnblicou ainda tres obras muito
apreciad*, uma em dous volumes, intitulada:
Contrato de letras de cambio ; a oulra : Elemen-
tos de jurisprudencia commercial; e finalmente o
Curso de Direilo commercial, cujas cinco ediefles
alteslara seu valor, {pile nao tinha mais d'ora-avanle
a soflrer as ioberbafaescoofianeas dos livreiros ; el-
les mesmos corriam a Ihe uflerecer seus serviros e
solicitar snas preferencia-.
Elle tinha conquistado neite lempo uma alia po-
sicao, orna popularidad*, um auditorio, o poder pe-
la palavra, a popularidade pelo stber. Eu nio que.
ro fallar da tribuna do deputtdo, donde uma nova
le de idade o litera retirar-se, porcm da cadeira
do professor.
Ouservou-ac em 1809 qoe as escolas de direilo
em Franca, ama nec^U lao commcrciante e lao in-
dustriosa, preciavaui de uma cadeira de direilo
commercial; ella foi creada na Faeuldade de Pars.
Quando, em viajnde do privilegio de primeira ins-
lituico, qne parece nao ter oulra razio de ser que
crear um lugar para um hornera, em vez de procu-
rar o homem para o lugar, o director da Universi-
dade fez escolha de um candidato, e apresenloo o
decreto de noraeaejio assignalura do imperador,
que pergunlou a razio porque nao se havia posto a
cadeira em concurso como as oulras. Allegaram-lhe
o privilegio e o coslume, ao que relorquio o impe-
rador : u Se o concurso he bom para urna segunda
nomeacao,porque o nao ser para a primeira '.' Pon-
de o logar a concurso. E o concurso se abri.
Pardessus nao cuidava ao principio em se apre-
sentar ; elle gnoravu al o concurso. Foram ami-
gos qoe, ttudo lido seos primeiros escriplos, o ad-
vertirn), traconsriharam-iio a tentar a empreza,
que poda grangear-lhe honra e fortuna. Foi mis-
ler anima-lo e excita-lo, e ainda 'assim s se pode
vencer suas incertezas sob condicao coniava elle
entau lrinta*annos de idade] de ser esle passo, que
poda conduzi-lo a uma mudan;* de estado, appro-
vadopor seo pal. Vanse netle sen procedimenlo
o espirito da familia chrstaa, da familia anliga, o
repeilo religioso ao poder paterno, bate sagrada da
vida humana e da ordem social. Elle enconlrou na
lira dous lerriveis compelidoics, ambos eminentes
pilo talento como pelo saber umeemse; e iroperluc-
bavel lgico,- o oulro argumentador engeuboso e
sobre ludo lemivl pela facilidade, clareza e agude-
za na esprestao ; ambos comeravam enlio a ser co-
ndecidos oo foro, e aodepoit se distinguirn) n'um
theatro mais vasto e mais elevado, rauilas vezes no
potlo do pergo, nos vale ltimos annos do rgi-
men parlamentar, e excerct^pk com gloria ai
altas funches ai:inagslraluriri! na poltica (1)
dessus, menos incisivo, porm nao menos penetran-
te e mellar preparado nos esludo* especiaes, sobre-
pujou-os.
Esta foi ama das felizes pocas da toa vida, mais
feliz lalvez.que esses annos de sua Aova carreira.Na
idade em que a juveolude esli-s lindando.e vai co-
mecar a maturidade, quando o corari doatiomem
he mais sensivel e mais vivo s afTeictei serias e
Liolimas, quaudo as facoldades do seu espirito tem
aia nls a
mistara s emo;0e* da* hloria* cou-
temporiness, e ao fracasto de nostti dlieordia* el-
vis. Saa poltica em si he a poltica de Aristteles
oo a repuBica de PleWu ou a de Cicero. A hrsl*-
ria de que ella a occbm be O* gerate* envol-
vidas na poeire dos munuaenlo*. Pardessus perde-
se de nossas vidas, logo qa* entra na turba parla-
mentar.
Nos veriaaos sem duvida ahi o oradpr honra-
do pelos seas, temido pelos adversarios, celebris.do
porraerraro talento de expo.ir*. e deeonlroversia,
pela forra do su. lgica, p. ,ua ^ ua wbet .
o inn.balavel e victorioso defensor di verdade im
popular nedalei finios, do milhar de iuderilia-
qoe aplgou para sempre no*,, original de
parle consideravel dos ben. terriloraa d
bem o sou. Vai ver-me amanhia de manhaa em ra- tocado a plenilade de sua forta, ludo sortia bem
mo ol prazeres com sentimento lao |verdadciro
com tanta facundia e esplendor, que excilaria aos
mais jovens e aos v|orosos o desejo diarero velho*
logo, sem maisddeaja. 0< primeiros eaptlos de meu
assumpto dcpelar*ai -em mim as impresses des-
ta agradavel leilur.i Bar maravilhosos rasgos de se-
raelhanea. Com effeilo na vida de Pardessus, o que
afleda academia he a parte que'elle Ihe cuosagrou.
Ella qaer sobrelndoeacha-lo nesta ultima pratica,
tul qoal o veri por vnlc e qualro annos, desde o
dia em que ao sabir las agitarles da carreira poli-
tica, veo respirar emfini, e gozar entre mis de um
reponso til e occueado, e dar nova tempera ao,
restos viv.izes de sua illa inlelligencia n'ama alraos-
pl)era mai* calma e mais serena, templa serena.
Nos nos compraziamos de considerar nelle, utili-
sando para nosso* trabalhos, para nossas delibera-
oes, para o ovemplo, essas qualidades que o mora-
lista romano chama o ornamento e a coroa dn
anciao, essa calma na a6(ao, esse imperio de
si mesmo que se vao arraigando sempre a medi-
da que o fio dcseeisaCs'se embota e extingue ; essa
assidudede tabalbosa e sem efsorto do culto da (ci-
encia o'uma independencia honrosa c s restricta por
deveres voluntarios, essa affabilidade, essa benevo-
lencia ofllciosa que adrarte ao septuagenario a elen-
lella de uma mocidade virtuosa e discrela ; essa
amavel facilidade de indulgencia sob toda reserva
de razao para cetn as fallas e os| erras de oulrem,
quando nao se lem mais a si mesmo a fazer-se per-
doar ; esse fundo nexhiirivel de curiosas lembran-
cas, de bous oonselhos. de.eusinos graves, e tempe-
rados de sobria e agradieel alegra, que fazem o la-
roea deliciado commercio da amizade entre os ho-
mens dn difiranles idades ; enisran.a ess* salsfa-
eo de tipiar pela eitcridadc que dfero exponla-
nciailiite si luzes do uma longa esperieucia, o res-
peit de todoi que respeito a si proprio.
Mas esla dignidade do anciao. Cicero anda o diz
nao he simiente as rugas e as cuas que a dan ; estas
nao sao senao as insignias e uio a fazeiu assim como
as insignia da honra, nao conferem a estima e a
glora. He mislcr que ella' tire sua origem e base
as idades qae a precedern). Vejamos como e por-
que ttulos a velhice de nosso veucrado collega achou
sea reinado eslabelecido e legitimado.
Joao Mara Pardessus. filho de um afretado pre-
cidal, nascen em Blois aos 11 de ngolo d 1772.
nha casa.E no dia segrale elle recebiaoima auto
risaco para seu pai se tratar em seu domicilio por
15 das, e a autorisacao nao era datada ; o que per-
mitlio prolongar indefinidamente a quinzena al 9
lermidur. Eu lenho sempre sentido que se nu le-
nha conservado o nome desle escolenle terrorista -
Quando em fim chegou a berdabe, nesse mo-
mento em que se come;avn a respirar, a viver, no
regozijo de mais nao se sentir o enraro comprimido
e abatido coai a ameaja do dia seguinte, e psrecia
que cada um neeessit.v. de expanda saa existencia
em torno de si e de augmentar sua lelicidade devi-
dindo-a, Pardessus se casou ainda mallo moco, nao
tinha vinle qualro anuos completos. Seu p*J an-
nuio a esle casamento fac^meule, despjindc ell
mesmo restituir casa desolada o governo interior
que a ordena e anima e dissipa a tristeza. Mas era
sorte de Pardessus nao ler em sua mocidade l,lo
cruelmente prvida senao mui curtos momentos'de
Iranquillidade, como se detesse comprar por esle
preeo os bellos das de sua longa e socegada velhice.
Etla uniao qual sorriam os encantos do primeiro
amor, os prazeres da msceole familia, os dooeados
souhos de um porvir sem limita foi quebrada, an-
les do qaarlo anno, por umi morte imprevista, co-
mo dolorosa.
Envlovoo aos vinle sele anoos, carrejado do cui-
dado de dous filho*, um dos quaes eslava no bero,
o oulro apenas engalinbava. Mas nao quiz contra
hir novas nupcias, leineudo que novas andenes nao
viesas usurpar o culto de seas iembrancas, e in-
fluir sobre seus devora para com os dous orphaos'
enlregando-os proleesAo estrauha e ciosa. Elle
Ihes couservuu seu pequeo imperio sem partilha, e
oube 13o bem fazer, que ludo que a ternura mater-
na lem de caricias e allenres engenhosas nao Ibes
fallou jamis. (
Desde esle motuenlo fatal c solemne, um senli-
mnto encheu loda sua alma, deminou e fez curvar
como sob uma Ui absoluta, loda outra con'ider*-
cao, todo ou(rs%nlcresse, era todas as pocas, em
todas as situacoes de toa vida, ua idade das paixes",
como no declive dos anuos, nos cuidados da loriu
na por fazer, como nos gozos da fortuna ja feita
as preuccupjeei ardentes da poltica, assim como
na obsctsxjdade da condicao privada : foi o amor ds
seus lhos, a necessidade de viver com elles e para
elles, de viver nelles. lia inisler bem observa-lo
para-conhecer a fundo, para apreciar com equida de
seu carcter e seu procedimeulo.
E>le conseguin logo e totalmente conciliar os coi"
dados da tulella domestica com a aclivdade externa
do uma ambicio legitima em seu principio como re-
zoavel em suas'prelenrcs. Era por seos tubos qoe
ello aspinna a aogmenlar seu modesto patrimonio,
a olevar-se gradualmeulo ; posicjlo mais honrosa
eutre *eus concidadaos. Seus esbirros foram galar-
doados. Com rlleito, elle oi o mais consollado, o
mais oceupado dos advogados de Blois; depois foi
juiz adjunto no tribunal, o finalmente mafra da ci-
dade, em cujas finiccnes se d.islioguio, nao s por
urna adininslrarao activa, mas ainda por um corpo
de resulamentos inunicipaes adequado* a mcalida-
de, alguus dos quaes anda hoje servem d*regra.
llavero por venlura inuitas legislaes que teuham
durado ,'ra |*iigofanipu em nosso paiz '.'
Foi lmenle ea 1806 quaalle cajM{ou a tomar
ao lugar nlre os eseitTlore)! do direilo franca.
Al enlo elle a linha elevado cima de aos igoaa
no foto de Blois por airan-, bons artigas sobre qnw
"ZZ
Pardessus em sua casa e fora ; elle vio crescer e fl
rescer sob seus olhos a esperauca lao chara dolar
meslico; e, nomeio de uma affluenci* sempre
crescenle de dcalpulos espontneamente assiduos e
docei* por peneasflo, elle edilicava, com o applaaso
geral,um ensiuo o ovo sobre o duplo fundamento de
suas licc/iss e de aos livros ; e, para qoe sua feli-
ctdade fosse em ludo perfeita, o casamento de sua
filha ia acrescenlar-lhe a seguranza de ama longa
perspectiva, onde nao apparecia sep albos nuvem
algum.
ii Entretanto elle tinha j i appreadldo quanlo he
rajliz e ephemera a fdtedade. Vicram de golpe as
calujfrophes i que suecumbio o imperio, depois as
resfi*6es inespersdas e fulminaoles, as revulocei
inauditas e precipitadas, que expozeram os caracte-
res e os prindpios > lao violentas provanres e, op-
poiidaobiigaeoes aceitas por Torca a atVeirns here-
ditaria, Iembrancas de terror, a sentmenlos de
orgnlho nacional, o inlcresse, a existencia do qae
mais se presa no mundo, e de que se he o nico pal-
ladlo aos intmelos de generoso desespero, e de enr-
gica altivez, abalaran) es nimos, perlurbaram at
co|(sciendM, llzeram varillar a f do derer no
conflicto das potencias qae alternativamente se des-
troiaro.
Pardesiusera legtimisla por nascimenlo, por
educacao e de coraran, Depoit das alegras e das
esperances de 1814 13o vidamente embarazadas,
arruinadas 13o subditamente, leve elle um dia lerri-
vel, em que, eollocado entre a obrig.tao de prestar
um juramento contrario a suas opiuies, e a dr de
arrastrar em sua perda seus filho* e sen velho pai,
nao leve a forca de os turbar solidarios na renuncia
a que eslava promplo de sua parte ; elle codeo.
Triste effeilo, em nussas mui frequenles vlcissi
des de uma sorle que nao acera ordinariamenie
nao em desviirdeiHatada,ligninas almas estoicas, o
que nao encadeia senao aquellos que n8o linham
'.: essidade desle laco : os amigos que se tem pela
conformidade dos sehlimenlos e dos intereses ; as
pesroas honeitas, qae nao Irahem nem conspiran), e
os indiferentes que nao se movem e ludo veem pas-
sar. Esle instante de frnqueza nao leve juiz mais
sei ero,uem teslemunha da uma memoria mais ine-
xoravel que elle mesmo.Em sua velhice ninda se.'ex-
probrava essa fraque/a,posto que noesperaise que o
p.'rjgo livesse passado para a condenmar por seos
escriplos, e tiveiso algom lempo depois rasgado,
face de lodos, esta pagina de sna vida, n'nma expia-
rao solemne, arroslraoJo a maligndade das aecusa-
Ces e dos saicasmos ; especiada coragem mais df-
licil sobre ludo em Franca, que aquella que (Iron-
a a perseguirlo. Por inris qne tivesse podido en lao
di '.er a paixao inimiga, hoje apagada sobre om lu-
mulo, o arrepeudmento nao foi menos honroso cm
sua siuceridade que em sua constancia.
Oaando a segunda reslaurarao reuni uma no-
va legislatura, elle foi um dos primeiros dedos de
seu deparlamento a cmara dos depulados, onde
abrafuu om partido que nao linha, eu o coufrsso as
s; iiipatbias da maioria da i'raura, c poz-se a frenle
d tusis assisnalaJo com uma intrepidez de resu-
lojcc que os qae o conheceran bem, leero o direi-
lo de explicar pelo calor d* affec,ao e pela firmeza
da* convcc/3es.
a Ei-lo Untado na trrenle e ua borrasca da vida
poltica ; en nao o seguirei ahi. A vnz da aeade-
cao.
uma
Franca, sancrionou o principio agrado',"o
inviolavel da propriedade.
Nos nao veramos sempre o homem em sen na-
tural e verdadeiro caracler, com* us o couheceuios
como eile vivera comnoscc mais de vinle qualro ca-
li* : porm lal como o fizeram, ea algomas clr-
cumslanciss, as vehemencia* da tribuna, o ardor do
cmbale e da* represalia* no embale dos partido*, o
terror da anarebia, que Ihe pareca sempre prettea a
renascer, e cuja imagemja bavia muito doloresa-
mento gravado em tc^Hpaa para * apagar de-
pressa.
a Enlrelanlo o resenlimento dos miles sofiridos
|d>oreIle mesmo e pelo mus nio chagava a ponto de
elle renegar os progressos e as conquista* rcenles
do direilo publico e do direilo vil do nosso pirz.
Era para elle aba legitimidade tambem, e elle a
proclimavn francamente e a lleria reivindicado em
caso de nec*tsidde cora medidas, avrm com cons-
tancia.
Compraz-m* em sorprndele aa medilacjlo do
gabinete, tranquillo e ,e0hor de .(, e em eedir-lhc
uma profi*sa e f refl.C|d, a Jewera, i sen do*
arraslamenloi da discnssa. EirnSl a*im elle es-
crevia no frontispicio das ooro* 4e tVAgueueau :
Sem nos reinonlannos aa* lemnoi decatrosn*
que produzirjm esla urande madaoea, *ca preeu-
rarraoi avivar tristes Iembrancas, he perrito re-
conhecer quea volla a anliga ordem d coan,fcs-
e islo fcil, embra nao troaxesse nenhama de-
sordera, seria um mal que te devera evitar. Nio
' he t origem de uma nslluicao qae deve fizer *p-
u preciar as ibas vanlagens ou inconvenientes : as
i tempestada tem algumas vezes seos beneficies.
'i Para tnrmos como ellecnlendia o reaeeito da
autoridade, e a digoidede da obediencia, irisan
ainda estas palavra*.
> Os homens de eslido apprebenderam, lendo as
memorias que redigio nesMsoccasits, amo a no-
c de fazer sentir os inconvenientes ou reamo a pa-
c riges de uma opiniao sea atacar os autores; eomo
a mu espirito redo e sem rnbiclo pode conciliar
ci seolimeulos contrario*, e terminar debites qae a
ci paixes pessoaes fariam degenerar em ficto; cc-
mo finalmente sem se apartar de uma fidelidade
c< naturalmente gravada nu* ararjie fraacezes, e
ce mais solida ainda quando ella he o Trete do estado
refleclido da* leis, pode-se combater com renpeilo
esla fatal presumpeao do poder, que, seguado'as
ce bellas expresses de Bossiiei, *e er degradada
ci quando te Ihe mosl'a limites.
ce Estas mximas nao'esta ram em centradiceio
nem com sua moral, nem com aeu procedimeato.
A prerogalivareal nao leve defensor mais decidido a
mais invariivel; porem elle nio quiz ler da corle
nem corteto em oulra parte. Em poltica da nes-
nia torte que nos negocia privadas, elle nao k de-
clamo senao peles causas qoe elle julgava boa era
sua conseiencia.
ei lluuv.e lalvez das em que o zloo exalloo raaisdo
qU* nao quizera quando calmo ; ja mus a mbito.
e ainda menos a cubita nao Ihe arraocoa cebarees
complacencia*. Elle pde-se engaar; mas ni se
menlia a si mesmo. O poder a qoe Ue se-assa-
ciava coniava com elle, nao por alaria, mas por
concesiGes.
ce A valdad:, esle fraco de muilos sabios, o achou
ineorruplivel, assim tambem o tnteresse. Bercce-
ram-lhe um titulo de conde, que elle nao acceitou.
Elle linha o bom ento de ar o primeiro a rir-se a
idea de o chamaren) a conde de Pardessus, elle fi-
lho de advogado, neto de (imple* renderc. Eo re-
conheco a allivex generosa ec boro tino da velha
inirsiieza fraoeeza com om toe^uede malicia gaalexa.
Elle refusari esse Ululo ouerecido u3o por oeUnta-
tao de desprezo para com a nobreza, donde elle nae
doceodia, masa caique prefera conservar Miplcs-
raenle teu nome, que accreactntar-lhe um cHolo, qoe
nao precisava, e poderia parecer nao assentar bem,
sabendo coulentar-se de ser orador ouvido na cmara,
ronselheiro consultado na* deliberaces secrelas da
cora; ainda mais, segando elle, amigo de sea clien-
I protector de seus amigos no iea)i|jabNi4e; ma-
jado iodependenlc do tribunal de ctssee^e, pro-
ssor ulil ao porvir da mocidade a escolat^mais
que ludo isso, um pai, SJ^pav necessirio a' *oa fa-
milia e feliz por ella.
ce Qnando os priruypes, cuja causa servia Ute*
que a fortuna, a perderam por uma temeridad* qae
,uaconciencla p legisla, e saa prudencia de amigo
poltico tentaran combater n'um deliberacaie inti-
ma e suprema, elle coniervou-ie fiel a' grandeza de-
cabida.nao s pela affeitio, mrt aioda pelo sacrificio:
elle deixou sua cadeira de professor a de magistrado.
Debalde seus collegas de um e oulro lado, queo bon-
vara, o rugaran) que licasse eolre elles, em vio os
inislros do nevo reinado.ram muilos raga iaaiarara
com elle para que retirasse sua dupla demi**3o(*o o
sei daquelles mesmos qne fizeram insta ocias) He
ficou Irauquillamenle inflexivel, exhorlaudojnesmo
aos mais jovens que elle a nao seguirem seu eiero-
plo, e submsso foi sempre sem segunda *eni;.' ao"
governo qae o paiz acceilara, poto qoe rabdllo de
corario c conslheiro ofllcioso da dynasli* elT
lada.
i Desde entao deeafcou-se lodo a' academia, onde
Jra, de correspon-
hosa como inslruc-
iliga csie* dos dcsenvolvi-
tancia da materia ;
o prracro volume de sua Collecco das leis marti-
mas Ihe havia dado lugar em 18:29. -Esla obra capi-
tal era fructo de 20 ana** d*
denrias e meditar,oes;
tiva, ej critica lina como
na qual a exlcnsao e a*
menlos correspoodemjj)*
obra que parec* reservada a uagoverno eroeprehen-
der, a' uma eompatohte denhbios, foi execolida per
elle s com esse lodo e perfeitao de leda ss parles
qoe um s aulor pode por em om assuraplo d sua
propria creatao, que se concluiu cora tanto menos
vagar quanlo ella nao precian da colliborsjo de
mbitas >M|t
lie ama immeaa vantagem, em um homem de
ijcienria a constanciade applicae;o coma-unidade de
resolurao. Evemplos nio fattariam para demonstrar
o quanlo as ideas ahi progridem em etlen proCfejdeza.em eonsiilencia, se por ventura Me hou-
resamos d* ollerecer aqu o de Parttettos. Jaman
em sua vida os cuidados do hovTicn* polillco poderam
nlerromper e pertarbar os
e o direilo commercial fr
o objecto predominante
substancia diiSen casino.'
do prefesesr,
JO anuos,
nsamtntos como a
i--------
i'UACA DO RBi E 5 DE l)EESLRHO AS 3
UOM8DA TARDE.
Coletees ofliciaes.
Cambio sobre Londres(o d|v 27 1|ad.
Assucar inascivado escolhidoi,
aLKANDEGA.
Kendiroento do dia ^a 4 .' .
dem do dia 5 .^. .
*.. i .
ai riba.
73!.'WBj>9:jp
Desearregam hoje (i dffezembro.
Galera iuglezallermioneorvio.
Ilrigue inalezll'estmorelandincrcadori.i-.
Brigae suecol'iins Osrnrtaboadn.
Patacho porluauezHriihmntediversos nerec.
Brisue porlugueiTrocadorceblas e batatos.
Hiale americanoliminamercadorias.
CONSULADO GBRAL.
Rendimentodo dia 1 a 1 tO.-fl
dem de dia 5.......m^
UlVERSAS PROVINCIAS.
Keudiinenlodo dia 1 a i 79H|>l,tr!
Ide*a de dis 5....... 394a)iii;
^* \ _1:193*V.I
ExporlMao .
tiver|)ool com escala per*> Oir, galera ingleza
Bontau, de t toneladas, condnzio o seguinle :
,520 saceos om l2,6(X) arrobas de assncar.
Rio (Irauto do Nnrte, lancha brasileira nFelir des
Ondssu, dtrm toneladas, condnzio n seeininte 1
/
f
'V
vnlnmes lenceros eslrengeiros
\



DIARIO ti PERMIBOCO QUINTA FElRA 6 DE OEZEMBRO CE >S5S
N
1
Liverpool por Macei, barea inglesa S**!*, de
462 toneladas, < onduno o aeguinte : 2,800 sacco*
con 14.000 arroba* de asucar. 4n tonelada* ossos.
Parahtba, ltale brasileiro nCamSes, , ladas, condoli o seguir*: 325 totume* genero*
'Iriinliaa liJfj|Wi^fc|iliii liiinrm. 45 eai-
* abao, tO M Rui charalo, 2 sacco*
1,700 pataco** Id t barricas carvlo animal,
i rolo fumo.
Ceara, hiata braaileiro aCofraio do Norte, da 37
toneladas, condoli a lesuinta : 138 volurae* ge-
nero estrangi-inn e nacionae*, 7 caitas tap, 3 far-
do* fumo, t ctiiflo charutos t ', moda e I callao
com perlence, i torna* de ferro, 1 safra para fer-
reire, 1 malln, I ni irlello, t par de lanage, 1 sacca
fio de algodao, 1 volme asucnr.
enava.pajat nardo aZarauta, conduiio o se-
guiula ' l,6weeeco com 8,000 arrtjbis de a*-
ucr.
tiibrallar, patacho sneco oOIello. de 286 tone-
ladas, conduiio o seguinte : 3,128 accos com
17,090 arrollas de assucar.
MBCliBEUOKU KHlNDAS INTERNAS GK-
RARS DE PgKNAMBliCO.
Rendimanlo do dia tai 2:6689306
Mam do dia 5
58*9575
3:2529881
CONSULADO PROVINCIA!..
Rendimanlo do lia I a*
Ida de di* 5 .
():9t3209
3:861*951
13:8059160
MQV1MENTO DO PORTO.
10* entrado* no da 5.
I'arahiba2 ctai, hial* braaileiro Flor do Brasil,
de 28 toneladas, mattro Joilo Fracico Martins,
equlpagem i, carga loros de mangue ; .i Vicente
Ferreira de Cotia". Passageiros, Manoel Rodri-
go* de Andrea* e Paiva, Manoel da Silva.
Camaragibe8 lias, hiate brasileiro Santa I.uzia,
de 2i tonelada*, meslre Estevo Hibeiro, equipa-
geni 3, iirgt awucar e mai* gneros ; a Manos!
JoseLette. PaMageiros, Jos Luiz da Silva Car-
aeira, Manuel Roberto da Paixao, Antonio Manoel
da Cunda felina, atanoel Joaquim do* Santo*.
Babia17 di*", galera bra.ileira Josepliioau, de
5*9 tooeladus, capitao Francisco do* Santos da
Cunha, equipugem 20, carga sal ; a N. O. Bieber
& Gaafpauhia.r FTcou de qoarenlena por 15 das.
Ri* d* Janeiro20 das, barca ingleza uQueen of
lli* Times, de 303 Inusadas, capitao William
r. Stooke. equipagem 11, em lastro ; a Jame*
Ryder t Companhi. Flcuo de quarentena or
15 dia*. P
dem44 dial, patacho brasileiro S. Franeico,
de 105 ton-ledas, mostr Antonio Ferreiro de
Atetado, *c|iiip*gem 9, carga pipas ; a Eduardo
Ferreira Bailar.
iiaiias tahii* no mermo aKdP
l'arahibaBarca liamborgueza Elisa, capitao A-
dolf HeUen, em lastro. Suspenden do lameirio.
demBarca ingleza Salina, capitn Daniel Le
Page, carga b.icalho. Suspendeu do lameirio.
CanalPasadlo sueco Otcllo, capitao C. R. Wl-
man, cana assucar.
Babia pela Colinguibnlliate brasileiro FortoM,
tutilre Joaquim Jos da Silveira, carga bacalhnn e
mal gneros. Paatageirot, Francisco Borge de
Ataainpflo, Jos Gomes Camacho, Jos Joaquim
doOlivaira.
Liverpool pelo Cear(latera ingleza Bonita*, ca-
pitao A. G. Siiirmey, carga assucar. Passageirus
par* Cear, Itr. Brneilo Facundo de Castro Me-
nean, Dr. Victorino do Rogo Toscano Brrelo e I
aacravo, Francisco de Sall* Pereira Pacheco e 1
. criado.
EdtTAES.
O IHm. Sr. inspector fla Ihesooraria provin-
om curaprimento dn urdem do Eir. Sr. pre-
sidente da provincia da 1 do correte, manda faier
pabljaa que no dia 20do mesrap, perante a una da
fazeJRrda mesma thesoutaria, ae ha de arrematar
a quem per oanos Gier o* reparos d*' 300 brajas
d* ombarroauento entre a* marcos de 7000 8000
brac** da estrada do sut, avallados em 9909 ra.
A arrematado ara foita na forma da lai provin-
cial a. 3*3 de 15 de maio do anno lindo, e sol) as
clausulas spcciaei abano copiadas.
A* pesaoa* que ae propoerem a esta ariemalasao
comparacam na sala daiseuesda mesma junta no
din cima tUclaiado pelo mejo din compelentemen-
to habilitados.
E para conntar se mandou afltxar o prseme e pu-
blicar pelo Otario.
Secretaria da Ihesourafia provincial de Peram-
biico 5 de darembro de 1855.O secretario, A. F.
d'.V murucuca o.
CUtuuU-i ttpeciaet para a arremalanio.
(. Sarao leits* dito* reparos de confurmi.lade
com o rcama.i I o pprovado pela directora em con-
elho apresentado a approvacao do E\m. presi-
denta na importancia de 9909000 rs.
->. O arrematante dever dar prhaaipio as obra,
n praa* de cito dia* e coaelui-la* no praxo de tres
mere* ambo* cantados pela forma do.art. 31 da le
raudo orna luaii
-#
aparedio delllumii
No ota 10 de maio prximo de 1855 a actual lux
encarnada liza do Brealuraler Delaware, sera descon-
tinuada, eem seujlugar collocada urna luz de Fres-
nel da quarta ordem, moilraudu urna lui_branca
fiza, variada por fuzi*.
Luz da batea, Cite
foi collocado um novo apaTCTno JeHluminacao
na baliza em Clevelaud, sobre o lago Fre, e a luz
estar aceza desde o por al o nascer do sol, desde" a
abertura at ao encerramenlo da navegacao.
A luz ser produzida por um apparelbo catadiop-
trico da quarta ordem do st/slema de Freanel, mos-
trando orna lu Da com-um fuzil brilliantc com um
inlervallo de nm minlo.
A lu cal collocada a 50 ps cima do nivel do
lago, e deve ver-se em lempo claro em distancia de
flBegilhai.
^a torro he construida de ferro fundido, pintada de
branco o fica quasi e prjima i exlremidade do
Noroeste do, caagjle lesle.
Balat
Constr
Mobile ; dV*rSali||s correado
gem ChocUu com anteriormenle e alomiadas de
noite ; urna baliza no lugar do naufragio Stake ;
ama baliza no lugar do Stake superior ; urna
baliza no lugar do Stake inferior ; duas balizas
ao sul do ainia. prolongando a Italia do canal na
barra do RIc Dog.
Toda* a* baliza* cima, com eicep^So do n Range
Slakes, devem licara solavent quando se entra.
lima baliza de dia tambem fui collocada oa exl're-
midade da barra de Ostras, a qual corre para fra |
eni direcc.30 de lesle da Ponto Ceder ; urna ba-
*
i/o al ao
; daiRaliz
/i'a de Mobile na Florida.
a* seguinles balizas na baha de
aja correado por meio da passa-
3>. O pagacnailo da hanorlancia da arremata;ao
realiear-ie-ba eiajUas preslaeBe* iguaea, urna de-
poi* da feila a a4JgMe do* reparos, a aulra qnatv
ultimado* os ineimo* reparos.
1". Can1 todo o%ae n,1o for previsto na* preseo-
lo eisMaoia* uem no orcaa^Mo seguir-sc-ha oque
diipoe a respeko a lei n. 28ti.
Conforme.-0 secretorio, A. F. d'Annonciac,a"o.
O Uto. Sr. inspector da Ihesooraria provinci-
al, om europriinento do.disposto noajvtigo 31 dala))
provim m B. 129,manda faser publicrf, para conhe-
cinaeoto dosciedores liypolhecariose qoaesquer inte-J
ressados.qiie !>*ieriano'Francisco deSooza tem de say
indeaBniaado la qaantia de 1009000 r*. pala eitiacjlo
da.lana orc de *ua | proprledade na estrada i
-Magdalena, a qn* odito Souza tem de receber a
maiieioMda quantia logo, qoe ttrminar o prazo da
15 dia* contados da data de-te, que he dado para as
reclmsicoes.
E par constar *e mandou aflUar o presente, e
oMIaar peto Diarlo por 16 dia* succ essivoa.
Sacralarii (la Ihesooraria provincial de Pernam-
boeoBde deiembro de 1855. O secretario, A. F.
aTTwiaHiciafiln,
O Dr. Auaalnio FraociKo PereU{, commendador da
mpcrial ordein- da Rata, jolz -de direito especial
uor S. M. I.e C, etc.
~"'\ edil'al virem, que
de arrematar por
liza na eitremidade do oeste do Spil na entrada
da enseada d Navy d : orna baliza na exlremida-
de do baiso que corro em directa* ao oesle da Ponte
Clara ; o.uma baliza na pona do oesle do pequeo
baixo destacado ao sul da ponte ultima referida.
Assignado.John Washington, hydrograpbe.
Heparlieao hydrograpkica do almirantado em Lon-
dri$, aoi 9 de maio de 1855.
Estes avisos afleclam os secuinles mappas do al-
miranlado: Norte-Amrica E. C. folha 6, o. 269 ;
mappa do largo Erie, n. 332 ; geral das India* Oe-
ciJentes, u. 392 ; Florida Oeste, n. 529 ; bahia de
Mobile n. 23*4, assim como alista de phariie
dos Eslados-Unido*,m. 1*8 o 307.
. E oada mais continha ou declarava o dilo impresso
que bem e fielmente Iraduzi do proprio original es~
criplo no idioma inglez, aoqual me reporto, ede-
pois de luver examinado 3 achaabt conforme, o tor-
nei a entregar a quem m'o apresenlou.
Em f doquepassei o presente que assignei e
sellei com o sello do moa ofllcio, naata muilo leas
e heroica cidade da S. Sebastian, aos 19 de outubro
do anno de No aso Senhor de 1855.
Jote Agotiinho Barbota, traductor publico e in-
treprele commercial juramentado.
Eu, Jas Agottinho Barbosa, traductor publico, c
nlerprete commercial juramentado da praca, ele.
Cerlilico que me foi apre.enUdo um {apresto em
ioglez, o (|ual,lilieralmeulc Iraduzido para o idioma
nacional, diz o seguinte: ^
TRAHUCCA'O .
^ci*0 aoi nacegantem
Numero 20.
Cosa da Kespanha no Atlntico
Alleranto de phurol em Cadii.
O governo hespanhol acaba de participar que no
piimeiro de jonlio, a actual luz revolvente no cas-
talio de S. Sebasliao em Cdiz aera mudada pare
urna luz fiza brilhanle, com.fuzia encarnados com
intervallos d* dous minuto*. O novia aparatos Ilu-
minador he catadioptrlc, da tegoda ordem de
Fresnel. A luz ter elevarlo de 1*3 pe cima
do nivel do mar, e he vislvel a distancia de 18 mi-
Ihas, em lempo claro, do convz de um .navio. Nao
houw mudanca na collocnro da luz.
Assignado. John Washington, ludraaraplio.
fepaitiro hydrograpltka.
Londres, 22 de maio de 1855.
Esle aviso altela os seguinte* mappas do almiran-
(ado: Medilerraneo.n. 2198; approximacaa a Gibral-
tar,D. 92; babia de Cdiz o. 86; e igualmente a lisia,
dos phare* hespanhoes n. 180.
E nada mai* continha 011 declarava o dilo impres-
jo, que bem e fielmente Iraduzi do |prrprio original
escriplo no idioma inglez. ao qual me reporfo, e de-
pois de ha ver examinado com este e echado confor-
ma, o lornei a estimar a quem m'o apreseulou.
Etn f do que pasei o presente, que assignei e
sellei com o sello do mea ofllcio, nesta muilo leal e
heroica cidade de S. Sebasliao do Rio da Janeiro,
ao* 19 ae outubro do a.inn de Nosso Senhor de
1855.
Jote Agoslinho Barbota, taadaclor pnblico
ele commercial gaaroenlado.
Jos Ago*liuhB|*arbo*a, cisMlo brasileiro,
traductor publico e interprete commercial juramen-
tado da prac,a. ete.IrCerliaico que me foi aa/asenta-
do um documento impresso em inglez, o qoal, a
pedido da parla, Iraduzi para o idioma nacional, e
diz o seguinte :
TRADLCCAO.
, 'tAvito aoi navegantes.
Numero. 21.
Babia de S. Francisco na California.
Pharol (ixo no,for te da Pona.
Atommiasao de Phares dos Estados l.'nidos acab*
annunciar |que um Pharol lixo seria acendido
forte da Punta na parle do Sul da entrada da
bahia de San Francisco na Califoniagriio dia 21 de
marcu lido.
O/pparelho da illuminariio he da quinta oedem do
systema de Fiesnel, o foco da luz acha-se a 52
luz de baliza prxima a praia, como em distancia de
um quarto de milha da torre cima mencionada, de-
morando as duas lirzes com ,1 boiafde l'ora da barra
principal Sul 50 L'esto (S. E, 1|2 E.) magntico.
A baliza be construida de madeira pintada de
branco, 12 ps quadrados na baze, e 6 ps quadra-
dosnocume. '
A luz da baliza fica 30 ps cima do nivel do mar,
e ser vizivel na directo da barra em distancia de
10 milhas. A luz fica dirigida na direccao da bar-
ra, Iluminan lo um arco de 112 de cada lado da li-
nha reela. A psito do pao da bandeira do forte
Macu, seguudo determina^ exame od visloria da
costa est na latitud* 3** *1" 43 uorle, longitude 76
40 Oesle de (ireenwich.
Assignado.John Washington, hydrogoapho.
Ileparlieau hydrognpliica do almirantado.
Londres, 1 de julho de 1855.
Esle aviso corresponde au mappa do almiraiMado
da America do Nurle, costa de leste, folhns 7,n. 270
e lisia de phares dos Eslados-L'nidos n. 20*.
E nada mais conlinha ou declarava o dilo impres-
so, que bem o fielmente Iraduzi do proprio original
escripto em inglez, ao qual me reporto, e depois de
haver examinado com esle e achado conforme,o lor-
nei a entregar quem m'o apreseulou.
Em f do que passei o prsenle que assignei e
sellei com o sello do meu oficio, oesla muilo leal e
heroica cidade de S. Sebastian do Rio de Janeiro,
aos dezenove de outubro do anno de Nosso Senhor
de 1855.
Jote Agotiinho Barbota, traductor publico e in-
terprete commercial juramonlado.
Eu, Jos Agostiuho Barbosa, cidadao brasileiro,
raduclor publico e interprete commercial juramen-
ado da prara, ele. : Certifico que me fui'apresenla-
do um documento escriplo em inglez, o qual, a pe-
dido Iraduzi lateralmente para o diurna nacional, e
diz o seguiule :
TRADUCCAO.' .
Aviso Sut navegantes.
N.23.
Estados-Unidos.
PAnroi to llio BassJ'inttardSound, Mastachusieli.
A commiss|tj de phares dos Estados-1 nidos avi-
sou de que se linda edificado un pharol 00 Rio Bass
da parle do'norte daiVineyard Sound.e que urna loz
l!xa seria acendida all na noite do 1 de maio pnssado-
A torre est collocada no centro da caaa do empre-
gadu, ambos os eJicios sao piulados de branco, e o
tope da laiilerna encarnado.
A luz ser visivel de Teste pelo sul par oesle. As
eujbarcacoes que se aproximam do oesle devem por
o pharol a demorar norte 1|* NE. para safar a pona
de Testa du llrcaknaleo, e os que se aproximaren!
del'aaiedeveirflrazcr o afcarol a demandar N. t).
antes da rcorrerem para o aucoradouro.
O apparelbo he da quinta ordem do Fresnel, Iluminando um arco de 180 do horiaonle.
A luz fien lo ps cima do termo medio do nivel do
mar, e deve ver-se do, convez de um navisaj em lem-
po claro, na distancia de 10 112 millia.
Pona Core, Rio Patuxent, Bahia Chetapeake.
A commissio dos phares tambem deu noticia que
aacloal luz fita em Cove Poinl aera mudada no da
l5, ou protimo ao dia 15 de juubo futuro de 1855,
para urna loa fi\a, variada por fut.
O agarelho ser caladioplrico da quinta ordem do
sjsteina de Fresnel.
A lux aere, de cor natural lixa, com um fzil claro
em iaUrvallos de minuto e meio.
Assignado.John Washington, b>drograpbo.
10-
.. Jos
n-
,. iraduc
de
aja
o I
Face saber ao
arrai
venda, a qaem ma
jaiao, aeacrivn da
cinco anuos, avallada
rn pela qaanlin de
do laofaor sobre a1
da audiencia desle
noa, crioula.Tade
?qual va pra-
f Bio ler appareci-
0, tfado penhorada por
ps cima
de om na
milha*.
A posicao
vestoria
37, 49', 2T'
m a'
.val do mar, e saaaviiivel do convez
~ lempo claro, na distancia de 12
Repartirla hyirographica
Almirantado de Londres, 8 de junbo de 1855.
Esle aviso refere-se aos seguinles mappas do almi-
rantado , America ta* Norte, cosa de Teste, folhas
5 e 6,' ns. 268 e 269 ; Babia de Chesapeake, n. 355 ;
lisias de phares dos Estados-Unidos, ns.67 A,e 176.
E nada mais conlinha ou declarava o dilo docu-
mento impresso, que btan o fielmente Iraduzi do
proprio origina!, ao qual me reporto, e depohude
haver examinado e achado conforme, o lornei en-
tregar a qaem m'o apresenlou.
Em f do que passei *-o prsenle que assignei e
sellei com o sello do meu ofllcio, iiesfl muilo leal
e heroica cidade de Sanjatliastiflo da Rio do Janei-
ro, aos 19 deoulubro do anuo do Nosso Senho
1855.
Jott Agotiinho Barbota, traductor publico e iu'-
lerprete commercial juramentado.
Eo, Jos Agosiinho Barbse, rladao brasileiro,
traductor publico c interprete commercial juramen-
tado da prara, etc. Certifico que me foi aprsenla-
do um impresso escriplo em inglez, o qnal, a pedi-
do da parte, Iraduzi para o idioma nacional, e di
o seguinte :
i a TRADUCCAO.
Jritt aot navegantes.
t Numero 21.
rol de fazU em Trapani (Sicilia.)
O governo siciliano acaba de fazer publico que
depois da noite do dia 8 de fevereiro daj|B55 ent
lugar da antiga baliza na Colombajaa aflirapani,
urna nova luz seria acendida can f*j|s, Je tres em
tres minutos.
O apparelbo be cadioptrico da. quarla ordem do
alterna da Fresnel, a luz est elevada a 139 ps
ha do nivel do mar, deve ver-se em distancia de
tt milha* em lempo claro.
( lllia do l'ulco.
Assim como qoi na liba do Vulcao, na Pona do
Rosario, seaeentlcria na nolle de$ de marco de 18i,5
ama taz igual fixacain fuzis, com intervallo* de tres
minutos.
Esta luz est elevada *58 ps cima do nivel du
mar, eser visivel, em lempo claro, em urna distan-
cia de 1 i rstelas. .
Assignado.John Washington, hydrographo.
27', 33'
dnzi ilo proprio original, ac qual me reporto, e de-
pois de haver examinado com este e achado con-
forme, o lornei a entregar a. quem m'o apreseu-
lou.
Em f do qae passei o prsenlo qut assignei e
sellei com o sello do meu ofllcio, nesta muilo leal e
heroica cidade de San Sebasliao do Rio de Janeiro,
aos dezenove do outubro do anno de Nosso Senhor
de 1855.
Jote Agotiinho Barbosa, Iraductor^ublico e in-
terprete commercial juramentado.
Tela primeara sessflo da mesa do consulado pro-
viucial se laz publico aos propietarios di predio*
urbauos das freguezias dcsla cidade e da dos Aloca-
dos que os 30 (lias uleis para a cobranra bocoa do
cofre do primeiro semestre de 1855 a 1856 do im-
posto da decima, principalo a ser contado* do pri-
meiro de dezembro- prximo em dianle, e lodos
os quo deixarem de pagar nesse lempo iucorrero
na mulla de 3 % sobro seus debita*.
O banco de Pernambtico toma dinhei-
ro a juros, de conformidade opm os seus
estatutos. Banco de Pernambuco 2- de
novembro de 18").").Joao Ignacio de
Medeiros Hego, secretario da direccao.
BANCO DE PEKNAMBUCO.
O Banco de Pernarrbuco sacca a vista
sobre o do Brasil no Rio de Janeiro. Ban-
co de Pernambuco 5 de dezembro de
1855.O secretario, da dfeccao, Jo8o
Ignacio de Medeiros Kego.
AVISOS MARTIMOS.
PARA O -MARAMUAO" E PARA
Sahe com brevidade por ter maior
parte da carga a barca brasileira Bri-
lliante : para a resto trata-se com os
cajfcignalal-ios Novaes & C, rita do Tra-
picne n. 5i primeiro andar.
l'ara n liiode Japeiro sane no dia 7
de dezembro, o muito v*jaeir*||)rigue RE-
CITE, : para o restante da Jtga e passa-
geiros, trata-se com ManoerFrancisco da
Silva Carneo, na ra do Col ley i o n. 17,
segundo andar, ou com o capitao Leo-
poldo Bento Vianna.
Para o Rio de Janeiro segu viagein o ber-
ganlini nacional Despique de Beiris, capitao Elizeo
de Araujo Franca, al o dia 8 de deaaubro do cor-
rete c por ler duus lerdos de cargarpronla, c para
o realo da carga mioda, escravo* a (rete e pnssagei-
ro*: Irala-sa com o caMgnalariu Manoel Joa-
quim Ramos e Silva na^a da Qadeia Yelha do
Recife ou com o capilAo na prnaj,
ParaLisboa,a galerapoaiMgueza Jo-
ven Carlota, capitao Boa ventura Borges
Pamplona : ijara carga* e passageiros, tra-
se com os consignalarios Novaes & C., ra
do Trapiche n. 3i.
Para Lisboa
sabe imprelcrivelmenle no dia>11 oa 12 do correte
a barca porlugueza l.igeira \ para carga a passagei-
ros, trata-se com C. A. de Souza Carvalho, ruada
Cadeia do Recia*y. 39, segundo andar.
Pata o Rio Grande do Sul seguir breve o bri-
gue Camat/uam, c ni recebe passageiros e escravo*
a fr*(e .-quem pretender, dinja-se i ra da Cruz n.
3, etcrifjlorio di Amorim Irmo fc^ompanhia, ou
ao capitao a bardo.
PARA A BAHA.
-\ muilo veleira e bem condecida iHinata brttilei-
ra Itortmciii pretende sabir com *uuil,i brevidadu,
por ler quasi prompto o seu carrelamenlo ; para o
resto e paasageiroi, para o qae tem txcellenles cora-
uiodiis, Irala-aa com o seu consiaanlano Antonio
Luiz de 01 i ven a Aievedo, na ra a> Cruz n. 1.
Para Lisboa saha impreterivefagnle no dia I
do crrenlo a barca porlugueza UratidCio, por ler a
maior parle de sea carregameolo prompto ; para
um pequeo resto que he falta, trata-se comus con-
signatarios Thumaz de Aquino Fonscca Aj Filho, na
ra do Vigario n. 19.
Lquidacao
O arrematante da bem conbecida loja
darua dos Quarteis n. -'i, vende pjr me-
nos do que se poderia comprar em pri-
meira mao, salim de liquidar, um ri-
quissimo sorlimentode miudezas as mais
linas, consistindo nastpiepassa a demons-
trar : acs para sapateiro a (00' rs. a
duzia, gravatas e mantas pura ditas a
I 000 rs bicos de blond a 320, 500,
040, 800#e I000 rs. a vara, bico de li-
nho para todos os preros, tanto peca co-
mo vaca, pecas defroco decores dili'eren-
tes a -iOO rs., ricos quadros com moldura
dourada,defamando de 1 palmos, com
estampa de santos a 800 rs., mcias de al-
godao para homein, duzias a i.<{i-00. ditas
azuesa l, a 2#500. chapeos de sol de seda cabo de
canna a O.sOOO rs., ditos de panno a
I020, bengala* finas a Ij'iOO, ditas or-
dinal iasa aOOrs.. chicotes linos de baleia
para cavaH^a 1$280, linhas linas para
bordar, novello grande libra, a l.sOO,
escovas para.cabello a iOO rs., pecas de
franja com bolota para cortinados a
V.S'OOO, meias linas para senliora duzia a
S200, ditas para homem a 3^(500, 15a de
cores para bordar libra a 7,s500, meias
finas para meninos, rancezas para lecarte duzia a 5s'000,
pentesde thifre para alizar a 700 a du-
zia, papel* de peso superior a 2$800 a ies-
ma, dito almaco a 2.S200, pennas d*aco
em carteirat a 80 rs., meias de cores para
meninos a 240 o par, grozas de linissimos
lapis envernizados a 5000, groza de ca-
etas finas a 2.SOO, duzia de linha de
carritel a 520, caixinhas de liadas de
marca a 210, lacre fino libra a 2.S00,
clchete pretos em cartap a .80 rs., pe-
cas de lita de cores a 300, gratupas, li-
bra a 500 rs., escovas finas para cabello
a 600, borzeguins de merino bordado pa-
ra crianca a lrfOOO o par, loucasde Mon-
de a I 200, espoletas evcellentes mi-
Iheiro 800 rs., ricos pentesde tartaruga
para seguaar cabello a 1 e-la'500, botoes
de louca pintada, groza 210; este sotti-
Wentonao s convm a particulares, an-
io pode coiivir a algum Sr. logista de
miudezas, que querendose prove- de al-
gumacousa (|tteactualmente nao Iiajaem
primeira mo, achara' na loja cima um
l'ara urna viapu desle porto para seguir aos
do Rio da Pralo. precisa-se do uiuvotlicial nutico
qae fenha caria de piloto da academia do m
quem em laes circumslauciaa Se Sebe habiliL
e queira contratar, poda ilirigir-Sf a roa da Crd'n.
kescripturio de Amorim Irmoa A Compaohia.
as *> m
rara Lisboa
sal lira no dia 12 do correte, o patacho
portuguez liRILIrXNTH: para carga eu
passageijps, trata-se com o capitao na
praca, o com o consignatario D, J. F.
Guimarae%na ra do Queimado n. 55.
Para o Rio de Janeiro
segu com moihi breviaade o brigoe nacional Flor
do Bio: para o restante da carga e passageiros trata-
se com os consignatarios, Isaac, Curio & C, ua ra
da Cruz n. *"
Rui HOYAN, 31.
Carlos Ilardy annuncia ao respeitavrl publico,
que acaba de receber de Pars om rico sornieuto de
chapeos de seda para senliora, chapeozinlio para
baptisado de crianza, chapeoiinhss de patta enfeita-
dosdo alus largas para megino de 4 abflO aoooi,
bonetes de masjliios, capellas e mantas para noiva,
esparlilhcs, filas, chales de 13a de todas as corea lisos
e bordados, ricos chales de louquim, um grande aor-
liinenlo de finas camisiiibas bordadas que se vendem
pelo prec.) de 1&600 e '29, grosdenapole branco, rozo
e de core* a covado, lencos de mo de cambraia, le-
ques, e inuil.is uulras fazendas, que se vendlm em
conla.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da ma
Direila n. 121) com commodos para grande familia :
para tratar uo primeiro andar do inesmo.
Nossa Senliora da Conceicao dos Militares
A mes* regedora da irmandade de N. S. da Con-
ceicao dos Militares commuuica a lodo* o* seus ar-
rojo* e ais devotos, especialmente a aqorllH qur
se bao dignado contribuir para a prxima festivida-
de de nossa padrueira, que esta mesa so vio na rigo
rosa necessidade de transferir a referida solemnidad,
para o dia t*l crrenle, em vista das ordfeDS di
Exm. diocesano, que, segundo consta, pretende no
dia 8, ,|uc nos be permetlido festejarme* a Concei
rao) solemnisar na igreja de S. Pedro do* clrigos
desta cidade. o acto megesloso da mesma Immacula
da Virgen) Mara.
O Sr. Jos de Castro Freilas lem -1 carias viu-
das do Maranhao nu escriptoriu de N'ovaes 4 Com-
patliia. rua do Torre* o. ti.
I'recisa-se de um ollicial de cbaruleiroijue se-
ja bom para trabalhar em charutos de 3 por 2 : na
rua do Tiapiche Rovo D.-20.
Preoisa-se de ojna ama furra ou captiva para
casa de pouca familia : a fallar na rua do Vigario n.
14, primeiro sudar.
O Dr. era medicina Ignacio Nery da
Fonsefti, tendo resolvido fi\ar a sua re-
sidencia nesta capital, contina a of Cere-
ceros seus serviros aorespeitavel publico,
e a dar consultas em sua casa, na rua Di-
reila n. 31: acha-se tambem prompto a
acudir ios chamados do campo.
O arrematante do imposto das Ucelas dos insa-
cule* e boceleiras, previne aos mesmos mscales qoe
no sao s os que vendem Tazendas e miudezas em
(aboleiro* que deverSo.ser considerado* mscate, e
sim todos em getal que venderem pela rua ou por-
fua la/en tas em labnleiro ou braco, miudezas, lile i
ros com calcados, e obras cle*bro, outros objectos
semelbantes considerados como fazendas etc., qae
So obrisado* a lerein a respecliva liceiiija e madidaa
ou pesos se furem precisos ler, e develan lambem
aferir, e assim espera o mesmo arremalanle ser
poupado ilo Irabalho de denunciar a auloridade com-
petente tal abuso era prejuizo do mesmo arrema-
lanle.
O aif cinalanle do imposto das aferic/ie* desle
muuiripi i ain.la mauda pela ultima vez aferir o res-
to dos estabelecimenlos que se achata per aferir pa-
ra o torrente anno liuancciro da frcsueziatdo Fofo,
no dia 9 do curre ule j na volta pasear pela i'aina-
riueira. Ponte de L'choa. eoulros lugares perlencen-
les a fceguezia da Boi-Visia : lambem mandara no
mesmo dia um oulro empregado aferir os estabele-
cimenlos situado* no Remedio, Magdalena e paria
ila esttacia nova, ludo perlencenle a freguezia dus
completo sortunento, por precos bara- Afogadan.e por issodeverao se prevenir o inleres-
re,
1 Boaipia- coi
LEILOES


decU.
paa
alo
fura* dus le i
das eorporac.Ce de
casa* de den^^H
mapas, eaoV^pjH
por cent* em favor
nambuco 4de
r, Manoel Car-
cxeeusaode Bento FernarHes ho Pa**o, contra Joo
tiomo Moreira Izidoro Jos Pereira.
E para qaecaegueao conhecimenlode"'lodos man-
dei pasaar eiliLiw.que sero publicado* pt|a impren-
sa e afflxado'i nos lugares designados no
mercial.
Dada e passado nesta cidadJ^K tatciteao*5de
dezembro d3 lSj. Eu Maximiano Francisco Duarle
escrivio prisalivo do juizo coinmsjtcial o sulucrevi.
Anselmo Francisco PerellL
Peta rscebedoria de rendas internas geraaj) se
a* corrale me/, se Dada o prazo para
a imposlos do anno de
jba proprio* nacionaes,
lleclioa addicional
UJ**obre tojas,
casas de movis,
I i .a eslrangeiru, diti
labre Ure r,*|Uxa d eicravos,*depoi*
do qoal pagarlo a aMlal
dn esasradoraM R
dezembro de TO3S.
nlfuJeJWI*%ar'
_ .. a;iaoa^_ ACO'fcg.
KS=----------;-----V*----!-------
O illw.Sr. capilaodo porto, em aumprimenlo
duiJipol uo avia circular da refiarujE da ari-
nhaa* 6 da Bovatakro nlfimamenle fiado* o qoal
refere-se o oWei wEim. Sr. presidente, dalado de
bonlcn, manda dar publicidade ao sele exemplare
abaii dus aviso* sob atunero 19, a !'> feilos aos ua-
vegants, rebebido* do aamirantado britnico, e de
Triaily peVi cunaul'geral do Brasil cm Inglaterra.
Capllani.'i *>i Porto de ftniambuco 29 de novem-
br de 1852.O searelario, Alexandrt Rodriguee
iMAmjo,.
Eu Jos Aioaaiihu Barbosa, ciuaaV bMsileiru,
Iraduclor peblico e interprete commercial Infamen,
lado da pra;a, etc. Cerlilico que mu lu a|resenla-
ae nal documento impresso om inglez, a qual, a pe
dlod de parle, Iraduzi para o'Wioma nacional, a diz
o segoiult :
TR*lCI.:A'0 *%_
Aviso ao%navtoantes.
Nemero 19.
Eil*do-Unidos da America.
I'karol do Breakicatrr Delaicare.
A refariicjo do* pharoe no* FitadaaM.'nido" pn-
I^rec* oMtsjalar at
*
_orle da Pon'.a, segundo delermi-
E|s*me da cosa aal na latilude
Norle; longilude 1M",
Oesle de Ureenwich.
Pharol di luz /xa em Ponla-Bonita. *j
Fes uutra igual parlicipacio que urna luz liza se-
ria vizivel da turre de Poula-Bonita, do lado do
>'orle da entrada para a babia de S. Francisco MMri-
meiru de maio ultimo ero dianle.
A lorre he de ladrilho, com urna lanlerna piula-
da de preto cm cima, oapparelho da Iluminarlo
he caladioplrico, da segunda ordem do systema
de Fresnel ; a luz tica como j>(K) ps acias* do ni-
vel do mar, e em lempo claro deve vr-se
convez de um navio na distancia de -'ll mithas.
A posicao aproximada do Pharol esl na lali-
loda/de 37", 19', 10" Sbrle; Longitud lj, lio",
S//f Oesle de (ireenwich.
Assignado.John Washington, hydrographo-
Repartiro hydrographtca do almirantado.
Londres 9 de maio de IH.Vi.
Esb| avilo refere-se s carias do almiranlado da
bahia de San Francisco, n. 591, e lisia do' Phar-
es dos Estados Luidos, n<. 9 C e 9 l).
E nada Ibais continha ou declarava o dilo im-
em inglez^o. bem a Analmente Iraduzi du
rio original sjfcriplo no idioma inglez, como
refiro, a depoi de haver examinado com
este e achado couforme, o lornei a entregar a uem
m' o apresenlou.
Em f do que pa*ser^-^rjsjjta^que assianei e
serWicom u sello do meu olicio, nesta muilo lar*7u- de im
e heroica cidade de San Sebasliao do Riu de Janeiru
ao* dezenove da, outubro do aun de Nosso Senhor
da 1855.
Jos Agotiinho Barbota, Iraduclor publico ein-
terprelecommercial juramentado.
Eu Jos Agosiinho Barbosa, cidadao brasileiro,
traductor, publico einlerpretaitpmmercial juramen-
to da praca : etc. Cerlilico qaa me foi apresentado
um documento impresso em inglez, o Ma!, Iradu-
zido para o idioma nacional, diz u seguinte :
TRADUCCAO.
.biso aot navegantes.
Numero 2.
Carolina do Norle E-tados-Lnidos.
Pliarnes no forte Macn .Bata de Beaufort.)
A commissao de phares dos Eslados-L'nidos par-
ticipa e faz publico que uo dia 20 de maio ultimo
seria collocada ama luz llxa sobre ama torre recen-
iemente construida com 200 jarda no fundo do for-
te Macn. A torre he de ladrilho encarnado, c a
lauteraade ferro e galera em redor sao isualmaale
encarnadas.
O aparelho ser da qoarla ordem do sy alema de
Fresnel, e Iluminar um arco de 270> do horiionlc;
a luz est collocada 50 ps cima do nivel medio do
mar, e ser vir-ivel do convez de um navio em dis-
tancia de 19 milha* em lempo fiare.
N mm noli* ta aria pala arimeiri var ama
Repartir1) hyingraphira do nlmiranttdo em Lon-
dres, 1-2 dejunho de 1855.
Esle aviso refere-se ao* seguinte* m'ppa* "lo al-
miraoiado : Trapani aucoradouro, n. 189 ; cusa de
Oesla la" Sicilia, n. 187 ; ilba Lepar!, n. 172 ; cosa
do Norte da Sicilia, n. 167 ; geral do Mediterrneo,
n.2158; Iba d'a Sicilia, n. 165, assim como l.ivm
de pharovdo Mediterrneo, ns. 96 e 97.
E nada mais continua ou declarava o dito docu-
mento, que bem c belmente Iraduzi do proprio im-
presso, ao qnal me reporto, e depois de haver la-
minado com este e achado conforme, o lornei a en-
Iregtfea quem m'o apresenlou.
Em f do que passei o presente que assignei e
sellei com o sello do meu ofllcio, nesta muilo leal e
heroica cidade de San Sebasliao dn Rio de Janeiro-
ao* dezenove de outubro do anno de Nosso Senhor
de 1855.
Jos Agotiinho Barbota, (raduclor publicu e in-
terprete commercial juramentado.
Eu, Jos Agosiinho Barbosa, cidadao braaileiro,
traductor publico c interprete commercial juramen-
tado de prara, etc. : Cerlilico que me foi apresenta-
do um impresso cm inglez, u qual lilteralmen-
le traduzdo para o idioma nacional", diz o se-
guidle :
l TRADUCCAO.
Aviso aot navegantes.
Numero 25_. Jk
Estados-Unidos da menea.
M ou na praia de Tucker Bahia de
L'ttlle ligg Soca-Jersey.
A repartic,aodo phares nos Eslados-L'nidos, acaba
de notificar que a luz encarnada (xana praia de To-
cker na Hahia de Milla Egg em Nova-Jeasey, se-
ria descontinuada no dia 31 de maio de 1858, c que
depois dessa data seria collocada urna tu: branca fi-
ja cariada par fuzis da quarla ordem do sysleraa
de Fresnel. O fuzis serio visiveis, com inlervallo
de um minuto, e serlo alternados branco e encar-
nado.
A laz aeha-se elevada 50 ps cima do nivel do
mar, Iluminara o borisonle total do mar e ai proxi-
midades da bahia de ul.itHe Egg e deve ver-se em
lempo de orna almosphera ordinaria, da altura de
IB pos cima do mar em urna distancia de 12 mi.
Ibas. A lorre be escarale, e sua poficno aproxi-
mada he em Latilude 39., 30", 17" Norle ; c Lon-
giludc 74., 16', 18" ao Oele de Creen ich.
Assignado.John Wathiiigton, hydrographo
agente Borja, aulurisado pelo Exm. Sr. Dr.
direito especial do enmanercio, couforme o
pacho proferido em rcqueriineulo dos credo-
maesa fallida de Silva & Araujo, lera leao de
is dividas perloaceuleji dita massa, aa quaes
moniara quanlia de 6:7.3848, sendo 5:4229515
em lellras muilo boas, quasi todrs por vencer, e
1:3I6J302ata cotilas de livro, matea modernas, de
pessuas capazes: sexla-feir, 7 do Brrente, a* 11
hora* d manhaa, uo armazem do agente annunci-
anle, lito ua rua do Collegio n. 15. r
Buenaventura Millel, capilla, da polaca bes-
pauhola Violante, faia leilflo, por irrtervancao do
agente Roberls, o por cotila e riaao de quera p'erlen-
cer, de 170 divas com massa, tllimaineule ebega-
das de Malaga quinla-feira, 6 do crrciite, ao meio
dia em pontu, defronte da alfsridega.
U capitao J. W. Carllou do trigue^orle-ame-
ricanu Mcala II. Comerg, far leMo por aulorisa-
raa da alaWdcga dcsla cidade, em presenca do Sr,
cnsul dar Estados-Unidos, por interveurao do
agente Ovejra, e por conta e risco de quem per-
leucei. do mesmo hrigue iotaco 254 toneladas
americanas" IciMlmcnte condemnado ueste porto,
com a compeleule maslreafs*, vergas, vellame, an-
rcal di
l aoaue
lefafT.
silo na
al qual se, acba
acrpreviamen-
scxla-feira, 7 do
em puntn, porta
MHprar.a ; cm ponto,
lo^ia coulinuar-se-ha
no armazem alfandeaa-
tissimos, advertindo que muitos obectos
senao mencioiiam para noser fastidioso
este annuncioque ja' vai loilgo.
Predaa-se de um caixeiro para taberna, prefa-
rlndo-se com praca: a Iralar un Recife, beceo Lar-
go n. 6, laberua.
Ama de I cite.
Precsa-**jtule ama ama de leile : ua rua Direila
n. 69.
m JOIAS
Us abaixo as ves da ruado Cabugt n. 11, confrunle*ao
matriz^ roa Novii.fazcm publicatetie estn
lameiiH surtidos dos mais novoscnellm goslosdc to-
das as obras de ouro.necessarias tanto para sende-
ras, como para homens^e meninas, e continuam os
presos sempre muilo om'cuula ; us mesmus e ubri-
cam por quaesquer obras que venderem u passar
urna coma com responsabilidades especificando a
qualidade do ouro do 14 ou 18 quilates, Picando as-
sim sujeilos p*r qualquer duvid* que apparecer.
Serofim \ Irmao.
tima pessoa versada esa laliin, francs, inale/.,
Iiorlugoez, geographia.ajeomalria, arilhmeticae plu-
psoplna, ensina para a freguezia de Sanio Anillo ou
parle eonjuucta a ella : quejn precisar annuncie.
Du litio das.Rozeiras do tenenle-coroiiel Joa-
quim Ela< de lloura desappareceu, ua noile do dia
2 do eterenle um cavallu vindo do engenho Sauta-
Anna ; cor alazao, dous ps calcado-, com as ancas
pelladas do sangue, carresador'baixo. No mesmo
litio cima appareceu na noile do (lia 3 um oulro
cavallo sellado e eofreiado: quem for seu 'dono dan-
do os sigues cortos I lie sera entregue
tlabaixo assimiado, pcrgunla 0o Sr. Manual
Alves Ferreira, se no periodo da 4 anuos que foi seu
caixeiro, se leve negocio alaum afliani;ado pelo Sr.
Ferreira, para em seu annuncio de 4 do crrente
avisar ao corpu <(o commercio que nao se respunsa-
bilisava pur cousa alguma, desde 30 do passado em
dianle, quando com antecedencia, como se ver no
jornal de 3 foi publicad* nimba sabida de sua casa'.
Recife 5 de dezembro de 1855.
Joao Francisca de Souza Lima.
Carlos I boma/. Polngdeslre esna seiihnra reli-
raru-sc para a Europa no presente vapor que deve
passar no dia 19 do crreme.
Attenfio..
l'recisa-se aluzar 2 preto* bon<, smente para os
dia* atis, das 8 horas da manhaa as 6 da larde :
quem livor e qulzer alugar annuncie para ser procu-
rado; paga-se 209menues sefea.
Exisfe na loja do Sr. Nicolao tul eu lino de Car-
valho, na rua Nova, amas curtas vindas do Mara-
nbilo, remedidas pelo Sr. llago Jus da Silva para u
Sr. Anfouio Pire Ferreira, l>. Auna Joaquina Pires
Ferreira.
Atteneo.
LU (]mAIELU^.MJr$SU
casa de dansa da roa da Cadeia da Santo* Antonio
para o pateo do l.ivramenlo n. 27, e acha-se aberta
na* qu.rtas e settas-feras desda as 7at a* 9 hora
da noile.
INDUSTRIA ALGODOEIxLV TRNAM-
BLCANA.
FIAQA'O E TECIOS DE ALGODA'O
SOCIKDADE EM C0MMANDIT4
Para a l'tmduco de urna labrica de liar c
teceiialgodo, organisada por Francis-
co M;nia Duprat na capital da provin-
cia de Pernambuco.
CAPITAL SOCIAL 300:000*000.
Socio* era oome colleclivo gerente respoinuva*
da aociedade, us brs. Aulonio Marque da Amorim,
Justino Pereira de I-'arias, Manoel Alves Guerra.
Socio de industria administrador do material e
pe*soal da fabrica edepetHaaacia, Francisco Mara
Dupral.
Firma social, Amorim, Farla, Guerra , C.
Esla sociedade idnrllle socios commandilarias de
I0030OO at 5:1)003000.
A durara o da sociedade ser da. 12 Vinos a cot lar
do primeiro dia em que a fabrica principiar a traba-
Ihar.
Ella poder ser prorogada no lila do dilo prazo,
oa dissnlvid.i antes por deliberajao da maiorla dos
socios de 0OO9OOO res para cima, se a sua durario se
lomar prejudicial.
ucios ffklisarao as Miradas de seus fandos ao
ue lite* forera reclaktMdas pelos socios geren-
. i Mies paasarao os coutpelenles recibo*.
O mximo daa entrada sera de 20 por ceulo do
capital subscripto, a primeira entrada ser de 10
por ctnto e ser reclamada pelo gerentes para *ar
paga no rorrvnle de Janeiro prximo fuloro.
llavera sempre pelo menoTSO das d'iotervallo eo-
Ire cada llamada d* fundo*.
A saciedad conla com o coocurso da* assigaalu-
ras dos enbores de engenho* e plantadores de alga-
dao, porscrem directamente inleressados na promo-
ta realisarao da fabrica.
Ella poder consumir anuualmenl* 30 a 40 raH
arrobas de algodao, quando ella se adiar em pie* aa-
daraenlo.
- Poder dar o (ecido para saceos de assucar, e rou-
pa da claase pobre a 210 niaflBara ; da Bahi*
que coslumava vender-* da 2flB a 380 raa lem se
hjaadidu ullimameuiea32U re*, e na* ha mesmo a
Vapre^o agora que lia nsjjj procorado.
A fabrica oceupar diatjBenl'* para mai da 900
tornar pt
O* toe
DBMqui
les, qoe I
trabaibadore* de 10 a 12 aa*** dedada para cima.
Alem dos ,iprendze qae serio riHls numeroso,
ella empregara muilo*' leeeloes do* qo* traba-
Iham em leares a ma em diversos tugara d pr*-
viocia, aubre os quaes fazem com muito cu?to 5 a 6
varas do tecdo por dia. em peuce lempo se loraarto
sadus. habilitados a poder far aem grande Airco 40 a60
_ lM,,. : _, _ varas por dia sobre u leare mecnico.
rugi do eiigeuliiT Guararapei, de 29 a 30 doJ|CO feitio Ibes sera paga como na* fabrcaada Babia
pruximu passado, o rasjeque Benlu, de 16 a 18 >n-*J_Vrei a vara, o que Ibes produzir um*|s}rrial de
nos, secco, altura media, bem fcito. Talla bem, mu- fajo -
lo esperlo, e de mios e pus pequeos. Foi visto 00
flk- A irmandade das almas da malrizdc Santo An-
MMo precisa de um senhor reverendo sacerdote para
a* rnisss das 11 horas nos domingos e dias sanios : o
pretndeme dirija-** a ruad* Snnla Rila n. 85.
Precisa-se de um porloguez de 12 a 18 anno,
para crixeiro de taberna, com pralira ou sem ella :
em Fra de Portas, rna do Pilar n. 81.
No largo do Paraizu, primeiro cartorio de or-
phfii, precisa-se,
ininio do me
a negocio q
l'erdeu-s
no arsenal de
nbo lodo da
mesmo laby
oulro mais lambem
currenle. no baile dado
nm lenco de cambraia de li-
0, sendo 1 barra de matara^ do
ando om quadro 110 centro ; e
de can-braia de lilil* lodo bor-
dado, marcado com as- lellras O. L. I). :
coras o correntes, c niaii
ancorado nesle purlu, unde!
le examluado pelo, pretei
correnle, as II huras da
da as-ociac,lo romincn
porque pieci-ainoule
eiu seguiila o mesmo li
do do Sf. Almeida, teTha rua (lo caes de Ajjaiie, acltai pode levar a rua da Crot~n.':>
de algomas velas em bom esliulo, Jiula, manlimen- dar, que se remunerara se exigir-se.
los, um ptimo cbronoinetro, e OVIros perlcnces do
mesmo hrigue, assim como de 140 laboas grosta* de
pitillo, que fosnuvaiii a sua carga.
O agent Borja faro lc||*, f*r conta do Sr.
Dr. I.uiz Gome* Pereira, dos objeclo abaixu decla-
radas, perlencenle audilo senhor, a saber : urna p-
tima mobilia de Jacaranda, urna dita de amarello, e
oulras mais obras de marcineria ele.; alguma obras
de, ouro e praia, louca c vidros para serviro de me-
sa, varios ulencilius de casa, e onlros muilus objec-
tos ele, que Impussivel bira mencionar : quinla-fei-
ra, 6 do correnle, as 10 horas da manhaa, na rua
com Juaquim de Tal Liafa,
ucalo do EspiriterjWnlo,
ao mesmo menor.
quem ns
iro a li-
dia 3 do correnle ganhando ua
re-la na caber;*.
Prncisa-se alugar ama escIPI^aV meia idade,
enibora mo lenlu habilidades: na rua do Pilar, em
Fra de Portas n. 103.
Aluga-se por preco comniojo um sitio na lor-
re, a tnargem do rio : na rua da Sania Cruz o. 70.
ORDEM TERCira DQ CARMO
A mesa regedoca da veneravel ordem lerceira do
uno, 'onvicla a todos os sen* charisaimns irmilos a
compare:crem na nossa igreja com seos habito* no
das 8 e 9 do correnle, para assislirem s vsperos,
fesla e Te-Ueum da inmaculada Conceiedo da Vir-
gem Maria na igreja do convenio, por convite feilo
pelo Kvim. padre provincial o Sr. ir. Jou d'As-
sumpc.lo Mour'.
Aluga-se pala passar a fesla urna boa caaa no-
va, com i quarlo, 2 sala*, cozinha fura e muilo fres-
ca, na Capunga Nova, em muito bom lugar : a tra-
tar ua raa estrellado Rosario n. 19, ou no Chora
Menino coro Jos Marques.
Aluga-se a casa da rua do lluspiciu 11. ib, com
muilus commodos; e urna canoa de carregar rea :
oa rua Velha n. 18. ,
*- Em pipocoa ,lu*;*-t* una caaa para w passar
a Testa por prego commodo; bejlicm situada: lrata-*e
na rua da (.adeirde Santo Autouio o. 26, primei-
ro andar.
l'recisa-se de urna ama para casa de duas pes-
suas : na .rua das Trincheiras n. 8.
Deiappareceu na tarde du dia 26 de novembro
urna egoii com os signaes seguinles : grande, cor ru-
(*, anea de poico, orelbas acabaadas, a cauda com-
prla e aparada as pona, ferrada em om quarlo,
anda baixo: quem de!la der noticia ser bem re-
compensado : 00 paleo du Carino, taberna n. I^>
Ollerece- se urna porlugueza para criaoava
qual corta e faz lodaa qualidade de costura*: a ft-
lar na rua do Pilar, casa n. 63.
I'reeisa-se de dou preto* para carregar caiies
de fazendas, isla be, para andar vendendu petas roas;
quem quizer alugar, dirija-se aloja n. 10 da rna
Nova, de Manoel Joilo Francisco Duarle.
Precisa-sa fallar com o Sr. Manoel Meades
Ferreira GuimarAe, ou com pessoa encarregada dos
negocios do mesmo : em casa de Patn Nash & Com-
panhia, rna do Trapiche Novo n. 10.
Quem tiv.er um prelo que.seja sadio. qae sai-
ha servir a urna mesa e comprar, e o queira vender,
dinja-se a loja n. 3 prxima ao arco de Sanio An-
tonio.
Armazem para alugar.
Aluga -se o armazem darua do Encaotamcuto,
aonde eihaVollogado o ljmpiao a meio da ua : a
Iralar na niesidbasa, na rua da Cadeia n. 23,
l'r.'cisa-se de um pequeo para taberna alna
idade de 15 anno* : na rua Augusta, dcfronle do
chafariz n. 94.
Prccisa-se de nm coziuheiroou cozinheira, que
seja liuir, dando-se 35* por mez c comida : a tratar
uo lazareto do Pina, inda mesmo escravo,
Na rua do Trapiche Novo o. 22, precisa-se de'
um caixeiro portugus de dada de 14 a Ib auno,
que seja de boa cuudacta e inlelligenle.
E. II. Wyall retir,i-su com sua familia para
Europa, deiando encarregidos dos uegorio* ta sua
casa durante a sua ausencia, em primeiro lagar seu
mano J mes lletiry Wyatl,^ em egund* Oliver
Plessinann, Acando oolra prAurarilu bstanle em
poder dos Sr. James Cra'biraf & Cuinpanhia, para
servir 10 caso de qualquer circutiistancia imprevista.
Illaiulin Jnior, funileiro, no alerru da Bua-
para
cu;
52, primeiro andar, das 9 horas as 3 da lardea
A mesa, regedora da Irmandade de N. S. da
Suledade da Uoa-Visla eonvida a loilos o mrsarins
paaacoiuparccerem no consistorio da mesma irman-
dade no da 9 da euireme, a* 11 hura, aiim de se
preceder a nova mesa para o anno de 1856.'
O depositario geral desl cidade previne a
quem d direito for, qne exi*lem 13 lellras penho-
do ColleglO n. l, armazem do agente radas por e\ecuc*o de Julio Carioso Ayrs, fazenda
annunciantc, alim de se tornar ahi mais
commodo aos Si"S. pretenderttes, do que
na rua do Hospicio, conformefr? annun-
>it, J a se|
a pJturac.lo
iblraa & t.utn|
er circuios!itici
-, iunleiro. no alerr
,7,,.ZZVi ?.1Ti". qUCiSeJS e,,r,n!!c,ra. ViaU n. 47,encarrega-se de enllocar vidros em qoal-
*tr. n,;, A? i ". e"'Ver "e "- fuer pai te, por um Pre.;o muil. razoavel.
timslsncias procure para Iralar, na rua. da Cruz n. -gf
19200 res por dia.
J* tenhore* que residem fora da capital aaaue qui-
zerem entrar nesta til soejedade,poderlo dirigir anas
cartas de pedidos qualafcr dos tres socios gerentes,
(tupira fcpral, que tem em eu po-
der o livro daBHl)i:ripcoes.
Elles declanro o seus npmes por exleo**, do-
micilio, e o nume du correspondente ii'**i* capiiat
encarregado d'elfecluar o pagamento da entrada
da* predaees, quando forem reclamada.
Alem do bem geral qe rrsuMara para a provin-
cia com a inlroduccaud'esl industria acna(aad's-
la fabrica, o socios pudent entilar, loga qu* fa-
brica ettiver cm pleno andamento, com un bene-
ficio aounal de mais de 12 porcento do capital.
Urna copia impressa da eicriplara da sociadade
era eotregoe a cada um dos tocios na occaao de
efl'ecluar o pagameptu da primeira preslac.lo aa 10
por ceulo do calila)subscripto.
Peroambuco 1 de dezembro de 4855.
F. M. Dupral.
Precisase de utna ama furra *au escrava, que
ensoiniue e cozinhe perMtamente, para casa d* pou-
ca familia, a qual se pagara acontento, daad fiador
a sua conducta : na rua de S. Qsncalo n. 14.
O abaixo assignado fai acienta ao carpo do
cummercio desta prara, que o Sr. Joi Frauciico de
Soaza Lima deixou de ser seu caixeiro desde a da
30 do passado iner, e por jase nao se rauensabilisa
por cousa alguma desde aquelle da em dia'ate. Re-
cife 3 de dezembro'de 1K55..
Manuel Alves Ferreira.
Aloga-sc uma escrava da meia idade embota
mo tenha habilidades ; na rua do Pilar, em Fra d
Portas n. 103.
Predaa-se de uma afea forra 00 captiva, ou
mearan um molequ que seiba cozinliar : na rua da
Ouciraado n. 53.
I'erdeu se no baile do' arsenal de uurfliba um
lenco renondo lodo bordado : roga-te a pessoa que
u acbuu (eenlrega-lu na Gamboa do Carmo 11. 38,
primeiro andar.
Tara o Aracaly iahe imprelerivemeole 110 di*
9 do correte o bem conhecido hiale aBovidoaoo ;
aiuda recebsj aguma carga : a tratar na rua da Ma-
dre de Dos n. 2.
Precisa -se de una ama que saiba cozinhtreea-
gommar para pouca familia : a tratar na ra da
Praia n. 35, segando audar.
Thomaf FernaOdes da Cunha, tema salisfatSo
de levar consideraein do senhore* pprielarios a
administradores de armazens de assucar, qoe ero sua
loja, na rua da Cadeiu da Recife 11. 44, ha chegado
recenlemenle o maistayeriur fio ingles para saceos,
assim como barricas com 30 milheiros de pregos ri-
|iare, muito apropriade* para beneficiar a* barricas
com assucar ; seu pracaf he matta a aauilu eom-
niodo.
Precisa se de uma ama para o serviro de orna
casa de lamilla : quero ealiver tiestas circumstancia,
dirija-se ao aterro da Boa-Vista n. 39, legando an-
dar.
O Sr. Manuel Eslave de Abreu tenha a baa-
dade de dirigir-*e a praca da Boa-Vista n. 7, que
mullo se I be desvja fallar a negocio que llic diz res-
peilo. -
SYSTEMA MEDICQi DK HOLL WAV
Na paslel n. 17, bu aorvele* lodo os dia desde as 6 horas e
maja al as9danajle. No mesmo estahelocimenlo
vende-se o verdadero cognac.
O0ertce-se uma ama para casa de homem sol
ciado.
O agente Borja far lellilo em seu armazem, na
rua do Collegio 11. 15, de nm grande e variado eor-
limentu de obras do marcineria novas e osadas, va-
ria* obras* da ouro e praia, relogius para algibeira,
om rico lustre de 8 tozes, objeclo de vldro, uma
grande porcao de candieiros n globo, um cabriolel
com uto cavallo, e outros muito* oblarlos que se
arhato no mesmo armazem, nu dia doTeilo : quin-
l-teira, 6 do correle, as 10 hora* da manhaa.
I
Beparticao hydrographica.
Londres, 20 de juuhu de 1855.
Ella parlicipacao altela os tuaapa da almiranla-
do : America do Not|e, Cusa de l.'esw, folha 6, n.
04%, e lista do phafoes dos iCsfados-l nidos, n.
140.
E nada mala eonliaha *n declarava o dilo im-
pr*9. *rripw*m ingles, q bem ielmDte Ira.

AVISOS DIVERSOS.
AULA DE LATIM^
O [ladre Vicenle Femr de Alhuquer-
t|ue, comi|uanto lenlia de dar ferias a seus
alumnos no dia 20 do jrrente dezem-
bro. comtudo torna 1 abrir a sua au-
la no dia 2 de Janeiro prximo futuro,
nu mesma casa e na ja' anmmctffias, c
su com a dillerencu de yfkc nao^fecebe
cm sua aula alumno algum interno ou
externo, sem que pague adiantado sua
respectiva mensalidade, visto ulgumas
injusticas qne soll'reu % frrente anno
lectivo.
Pela subdelegada da fieguezia de S'Vr. Pedro
(oncalvcs do Itecife fui ap irehendido em cavallo
ala-ao, cum carga de cassuaes, cuntendo bacalhao e
onlras causas : quem fur seu dono apresenle-se, que
dando o* signaes e provsndo perleucer-lhe *ern en-
legacia do Itecife .1 de dezembro de
Jelegaito supplenle,
taDoel Antonio da Silva Antuues
A I ni maculada Conceicao de Maria
Santissima, opsculo em verso,
offerecido ao*Exm. #Sr. Bispo
Diocesano, e a clero Pernam-
bucano por****
Acha-sc no prelo csse interessanle .opsculo mu
proprio para di.tribuir-se as fe Us devotos que desso nuvo Iraballm raligiuso ae qui-
zercm prover, sendo em porjo de exemplare*, po-
den procurar com lempo antes do dia da lestivida-
ad mesma Senliora, na livraria claaaica do paleo
;> Collegio 11. ?, e os que quizerem avulso poderao
procura-Ios no dia 9 de dezembro, immediulo da
esta, na mesma livraria. O preco por que vai ser
espolio ee impresso he 18o dimiiiulo que a pessoa
mais pobre o poder alcanzar (era sacrificio. Convi-
damos, pois, a lodo* o* devoto* de Mana Santissima,
que venham proeer-** de**e llvro, onde euoenlra-
rio nm doce lenillvo {tara as dores rio espirito
a rua do Jardim n. 18.
Precisa-sede urna uma
liva. para oservieode umacaUde pouca
1 on
asm
a ou ca-
zeral e prnvincia^Bernardo Lasierre ot Companhla e
JoAoStuarl, t-onlra Jos de Oliveira Campos, pelo
juizo do commercio, assim mais 49 ledra* por exe-
cu;3o de Jos Aulonio da Silva Crilo, e fazenda ge-
ral, contra Jos Comes Morcira. mais 2 lellras *J L Negocia-se orna boa loja de forrasen* em uma
_______j______,_ -_ .,_____t-a.v____.._. .. J... -afcu^uu . ___^ ._ __.__-
dur :
quem quizer annuncie nar esle
par este
ilwrinho
qnestredaa pelo juizo de nrphus perlencenle* a les- das melhure roa desta cidade com u fundas a von-
Jainenlaria de Jo' Francisco Mindrllo, penhoradas
pela fazenda geral. mii*6 ledras perlencenle* a Jos
Joaquim da Costa Leile, por cxrrucao do Johnston
Paler V Companhia, juizo do rjajupereio, mais 1
ledra perlencenle a Francisco flae Anlunes, por
eiecucflu doesrrivu Franciscu Tfftcio de Allayde,
juizo da segunda vara civel, e mais 3 lellras perieu-
centes a Manoel Cnuncs de Araujo Villar, deposita-
das a rpquerimenlo du viuva de Antonio llaplisla
Ribeiro de Farias par cumprimrnto do declmen-
lo do referido Villar, juizo da segunda vara, esciivao
(ialdino Temislocles Cabral de Vasconccllos, alim de
que os inleressados requeiratn o que lhe< convier,
vido que nao Ib compele requerer a conservacao do
direilo de lercciru. e achar-se prusima a prescrip-
i-du das mesmas. Kecifa 5 de dezembro de 1855.
Manoel Goncalves Ferreira Silva.
teiru ou de pouca familia : quem precisar, dirija-se na cumpleicao mais robusta ; he inlciramenle inno-
cente em *ua operafoe e efleilus ; pois busca e re-
movo ns doen;as de qualquer especie grao, por
mais antiaas e tenates que sejam.
Entre milhares de pessoa* curada com esle re-
medio, mudas que ja fslavam a porta da morle,
prciervanrio em seo uso, consegoirsm recebrar .1
saude e forjas, depui da haver tentado intilmente
lodo* o* oulro* reinrdl)w '
As maisaffliclas uto devem enliegar-se a dasetpe-
ra'so ; fajara um cumpelrtil* ensaio ajos elllcaze*
efleiios desta aisombrosa medicina, c preiles recn-
peraraeo beneficio da saude. -
Nao se perca lempo em tomar esse remed para
qualquer das seguinlesenfermklades :
familia : 110 pateo do Terco n. 42 segundo
andar.
lade do oiuui
Otario. H
Precisa-se fallar com o Sr. Manoel Seii
Wanderley, bisneloda Sra. I). Hila do engenhaBoa-
cica, neto de Ju.lo Mauricio Wanderlov, que com
nutro mano vivem em companhia de sua F.iina. mili
j viuva, a seu inleresse ; na rua' da Caita d'Aaua
II. til.
Achaudu-so vago u lugar de andador da vaaspt
ravel ordem lerceira de S. Francisco desla cidade do
Recife, os nossos ii nulos que prcleudereni dilo Tugar
queiratn apresenlar ao ibaixo astiguado o seus re-
qaeriraentos em fco do que diape o artigo 146 com-
binado com os arligus 147 o 153 dos nosso estatutos,
alim dn <;ue a. mesa regedora possa tomar era devida
consideracio na primeira sessflo. Recife 1. de de-
zembro de 1855.aldiuo Jo.lo Jacinlho da Caoha,
secretario.
Precisa-se de nm bom amassador : na padaria
do Forte do Mallo, roa do Burgos n. 31.
Pracita-se de um caiseiro para taberna, com
ortica ou sem ella, dando fiador a sua conducta :
na roa da Sania Cruz, esquina que volta para a rua
da Alegra.
O abaiio assignado faz publico, que o Sr. An-
tonio C; valeanli do Albuquerque, rendeiro do en-
genho llecreio, na coma tea da Viclotia, Ihe hjpo-
Ihecou seos escravo: Luiz, Angola, de idade 30
anno. Ssraphim, croulo, idade 25 anno, Huberto,
Angolla, idade 35 annos, Belrhior, Aas^^u^idaile
40 annos, Euselwa. rrioula, idade 45 aulla) ian-
na, Angola, idade 25 auno, FranciioaBcnMaiple
idade 10 atino, Tbereza. crioula, idade 12 anno,
Clara, crioula, idade 12 anoo, Eusebia, crioula,
idade 10 auno, que lado consta du nota* do label-
liao Francisco Baptista de Almeida m 15 de novem-
bro de 185-5.Btrnardinn Francisco de
Campo*
PILULAS HOLLOWAY
Fslc incslimavelespccificu, composto inlairaiueu-
le de hervasmedicinaes, au co'nlem mercnrl*, uem
algama oolra *ob*taoeia deleclere. Benigno mail
(enra infancia, a compleicAo asis delicada, ha
igualmente prompto e seguro pira desarraigar o roae
tesepileplicos.
J entese
irfcs.
9
famFtle
qualquer
Accid
AJpor|
Ampo
Areias mal J
Asthtu
Clicas1. j.
Convulso,.'. *"
llehilidade ou C
<;o.
Debilidade ou
forjas para
coasa.
Desiiileiia.
Dur de garganta.
1 de barriga.
i nos rins.
Dureza no venlre._
Enfermidadeano ligado.
n venreas^
Enxaqueca.
Erisipela.
Fcbres biliosas.
iuteriiiillenles.
FeJtetodaaapecic.
HemorrholBas.
Ilvdropisia.
Ictericia,
ludigectoes.
lullammacoi-
frregularidade dainen
Irun.ad.
Lorabrigas d*
Mal-de-pedr
Manchas di
Obslrucrilo de ven I re,
Phtisicaou consumpi.au
pulmonar.
Hetem;ao d'ourina.
Hhenmalismo.
Symptoina lacandario.
Teinore.
I ico doloroso.
Ccera.
Venreo (3ta>.!
Veudem-se estas pilulas ua *slabcl|UHieiilu fu*
do Londres, n. 244. Slrand, e na lojaHe todo o
boticarios, droguistas e outros pessoas encarregada
de sua venda em lda a America do Sol, Ilavasa a
Hespanha.
Vende-se asbocelinha* a800 r.' Cada urna llalla
conlem urna iiulrucfao em portaguea pira xplicar
o modo de so usar deslas pilulas.
O deposito geral ha em casa de Sr. Soarn phar-
Areveda aaceiiico, na raa da Crnr a. 8, rm Pernam-
bacp,

\-
I

I
i
-

v
jraK
1 cnlWr
*m


*rjr
PIMO DE PERHaUBULO QUINTA FEIM 6 DE DEZEMBRO OEI5
CONSULTORIO DOS POBRES
O 1A Zf OVA 1 4VBAS ftO.
O Ur.jf A. Lobo Mosc na* da consultas laoawopalhicas lejos oa das aos pobres, d*ede 'J horas da
^^Bqualquer hora (lo da ou uoile.
l^Buperac,ao de cirurgia. e acudir prompl**aenlo aqual-
i9|Vr
ahaa il niri- dia, e en casos exlraordina
0fli>ri*ii** igualmente para pralicar quat
quer mull** que cslej mal departo, e cujasr*ani-l.iuciasii.io pennillam pagar ao medico.
JO CONSULTORIO DO DR. P, A. LOBO I0SCIH0.
50 RA NOVA 50
VNDESE O SEGUINTE:
Mannal completo de uieddicina homeopatliica do Dr. (i. II. ahr, traduzido em por
tugue; pelo Dr. Moscozo, quairo voluntes encadenados em dous e aconipanliadn de
um diccionario dos termos de medicina, eimrgia, analomia, ele., ele....... 201000 :
Ella obra, a maisimportante de todas as que I ratam do estudo e pralica da homeopalhia, por|ser a nica '
que conliu a base. fundamental d'esla doulrinaA PATHOENESIA OU ErFEITOS DOS MEDICA-
MENTOS NO ORGANISMOEM ESTADO DE SAUDEconhecimenlos que nao podem dispeusar as pes-
soas que se querem dedicar a pralica da verdadeira medicina, inleressa a lodos os mdicos que quizerem
esperimentar a doulrina de Hahneruaon, e por si mesmos se convenceren) da verdade d'ella: a lodos os
arendeiro e sniores de enaenho que eslo longe dos recursos dos mdicos: a lodosos capiliesde navio,
qae urna ou oulra vez nao podem deisar de acudir qualquer incommodo seu ou de seus-tripulanles:
a todos os pais de familia que por circunstancias, que ntm sempre podem'ser prevenidas, s3o|obriga-
dos a prestar in continenh os primeiros oecorros ere suas en Tenuidades.
O vade-roecum do horneopalha ou Iraducrao da medicina domestica do Dr. Hering,
obra lamben) til as pessoas que se dedican) ao esludo da homeopalhia, una volu-
nte grande, acompanhado do diccionario dos termos de medicina...... 105000
O diccionario dos termos de medicina, cirurgia, anatoma, etc., etc., encardenado. ;t}000
Sein verdadeiros e bem preparados medicamentos, mi se pode dar um passo seguro na pralica da
liomoopithia, e .propietario desle eslabelecimeuto se Tlsongeia de te-I o niaie bem montado possivel e
uinsuera dovida hoje da grande superioridade dos seus mejcamentos.
l'KECOS INVARIATOS.
Boticas da > oo 30a dynafeisaco.
' De 12 tubos................4 .
De4 ..................,
De 36 ......,. ,......."..*.,
Do 48 ....................
De 60 ................ .
De 144 ...................
(Jualquur deslas boticas em liocuiras, o dobro.
Cada lubo avulsu......'................. tjOOO
Meia 0115a de qualquer lindura da quin'.a d\nami*eoa.o........ jOOOat
Um fraHco da verdadeira lindura de rnica'......_..... 28000
Na mesmacasa ha sempre ,1 venda grande numero de tonos de cryslal de diversos laraanhos,
vidros para rdedicamentos, e aprompta^se qualquer eucommenda de medicamentoscom toda a bi ev ida-
de e par pregos muilo commodos.
lotera dk n. s. da CONCEICAO'
DOS MILITARES.
Corre iudubilavelmenle quarla-feira, 12 de
dezembro
Aos .1:000*000 2:500*000 e 1:000*000.
<> caulelisla Saliisliano de Aqoino Ierre ira avisa
ao respcilavel publico,, que os seus bllhete e cau-
telas nao solfrem odcscouto ile oilo por cento do im-
posto aeral ; os quaes aeham-se veuda as lujas
ilo iiislume. S be respfjusavel a pasar o- oilo por
cenlo nos bilheles iniciase vendidos em uriginaes as
os primeiras sorles.
Bi I tictes
Meios
Terco
Quarlos
Quinlos
Oitavos
Decimos
Viaesimos
."(5600 Itectke por inleiro
25KOO
.ISU20
1?510
1I60
720
60
l'ei nainluico 110 de novembro
.'.OOOJjOOO
2:."i00a0l>0
I :lj(i8 11 1:2505000
> IrOOOjOOO
>< 62.5,100o
u .500501X1
B 2505000
de 1855.0 caule-
Menores.
. 800O
. 159000
. 205000
. 29000
. 309000
. 609000
tirandes.
I050OO
205000
2.59000
309000
359000
TRATAMEHTO H010PATHIC0.
Preservativo e curativo
DO CHOLERA PAORBUS,-
PELOS DHS. *
ou iustrue^lo ao povuparase podercurar desta enferraidade, administrndoos remedios inais ellicazes
para ata /ha-la, emquanto'serecurreao medico, ou mesmo para cura-la iudependenle deales nos lugares
em que mo os ha.
TRADLZIDO EM PORTLT.LEZ PELO DR. P. A- LORO MOSCOZO.
! Estes deas op****uos contenas indicares mais claras c precisas, c pela sua simples e-concisa exposi-
Cio esta ao alcance deTodas as intWligencias, oilo s pelo que dizrespeilo aos meios curativos, como prin-
cipalmente as preservativos qoe tem dado os mais satisfactorios resultados em loda a parlo em que
elle tem sido poslos em ortica. *
Sendo o.lratamento fcoroeopalhico o nico que lera dado grandes resullados no curativo desta lioiri-
velenferniiiUde^ulaamosa proposito Iraduzir esles dous importantes opsculo em I nigua vernecu-
le.'para desl'artiTaciliiar a sua ieilura aquemignorco franecr.
Vetide-e nicamente no Consultorio do IreduHor, roa Nova 11.52. por 25000. Vendem-se latabem
os medicamentos precisos e beficas de 12 tubos com um frasco de lindura IO9OO, orn dito de 30 tubos
lisia, .salusliano de Aquiuo ferreira.
PEDIDO.
Tendo-se descncaminliado da sala da
audiencias do tribunal da relacao, no da
2 de outubro do correrte anno, depon
de publicados os i'eitos, os autos de revista
civil entre partes, como recorrentes Gan-
tois & Pailett, negociantes da cidade da
Rabia, e recorrida a corcpanTiia de pa-
quetes de vapores brasileiros, como ac-
cordaog favor dos recorrentes: pede-se
a quem os ti ver em seu poder, de os man-
dar entregar aoescrivao Postbumo, e isto
no prcas de oito dias, do contrario se usa;
ra' dos meios que a lei permitte, contra
quemde direito lbr.
COMPRAS.
Compram-so patces brasileiros
hespanhes a 2*010: na ra da Cadea
do Kecife, loja de cambion. 58.
Conipra-se agua de caj em caada,' paga-se
bem : na ra da Senzala Velha 11. 110, deposito de
licores.
Na fabrica de reclilicacAo do cugeulio liiioaa
de cuna, coiupra-se conslaiitemenle agurdenle de
20 graos pira qimn.com o abale de80 rs. em caada
do preco crrenle da prara, com a qual maulm'
urna frequenle correspondencia que Ibc marca as
allerai;es do mercado.
Compram-se 2 casaes de sacos :
Cadea do Kecife, loja de Hacha ft l'.ima.
na ra da
VENDAS.
ixKi
i
O SOCIALISMO
Pr.LO GENERAL ABRE E LIMA.
A inda existen) nlgnns etotnplarcsenqnailcrnadi
o acham-se a' venda naJoja defivros dos senliorea
Kicardo d# l'reitas & C, esquina da ruado Colloirt.
e em caa do olor, pateodOa&llegio,casa amarais
110 primeiro andar. #
Precsa-e de urna ana para niMcasa de pou-
ca familia: na prara do Curpo Sanio B"-
Nevos livros de homeopalhia em francez, sob
tois de summa imporlanria :
Hahuemaan, tratado das molestias
lunes........ .
Teste, n:olealias dos meninos.....
Bering, homeopalhia domestica.....
Jalir, pharmaenpra homeopalhica. .
Jahr, novo manual, 4 volumes ....
Jahr, molestias nervosas.......
Jahr, rroleslias da pclle.......
Itapou, historia da homeopalhia, 2 volumes
Harthmaiin, tratado completo das molestias
dos meninos. ..........
A Teste, materia medica homeopalhica. .
De Fayolle, doulrina medica homeopalhica
dinica de- Slaonefi .......
Castiiie,-verdade da homeopalhia. .
Diceioir 10 de N>sien ........
Attlas completo de analomia com bellas es-
tampns coloridas, conlendp a descripfan
de loilas as partes do corpo humano .
vtdem-t lodos esles livros no consultorio homeopa-
Ihicu do Dr. Lobo Moscoso, ra Nova n. 50 pri-
meiro andar.
chronicas, 4 vo-
. 209000
. . 69OOO
. . "9000
. . 9000
. iaooo
68000
X5000
1(13000
10900o
K9000
75000
65000
49000
IO9OOO
3OJOO0
COKSUffORlO CESTBAL
IIOKEOPATHin).
(Gratuito para os pobres.) 1
Ra ie Santo Amaro. (Hundo-Soco > 11. 6. i
0 Dr. Sabino Olegario Ldgero Pinlio d |
cousnjla lodos os bias detdo- a 8 horas da*i
maiihdat as 2 da larde.
Visita ofdenferraos em seus domicifos. da
2 horas,nAianle ; mas em casos repentinos
e de mltslias agudas e eravel as visitas serflo '
feilua em qualquer hora.
Ai ino|estias nervoias merecer tralamenlo :
especial segundo meios hoje acouselliados
pelo praliaM modernos. Estes meio exia- :
lem iio^consultorio central.
REPERTORIO Di MEDICO
lAAlEOPAtHA.
EXTRAHIDO DE ROOFI E ROEN-
NINSHAUSEP FOUTROS,
posto em ordem alphahetica, com a descripeo
abreviaia todas as molesfcs, a indicafao phvsio-
logica e lliorapcutica datados os modicaiueutos ho-
meopatliicos. seu lempv de accao 4*concordancia,
seguido da um diccionario da tignilicariio de lodos
oa termos de medicina e cirurgia, e posl ao alcance
das pesiioas do povo, pelo
DR. A. J. DE MELLO MORAES.
lis Srs. aaaignanle podem mandar buscaros seus
exemplirus, assimeomo qnem ajuizer comprar.
Massa'athmanliua.
Hegi.Tiiloienle raconheojja a e\cellcncia dcsla
prepanijao pura chumbar Antes, porque seus resol-
lados sempre felizes saV.ja do Bioio do publico.
Sebasliiio Jos de Oliveira faijlWi desla preciosa
nassa, para o lira indicado, a as pessoas que quize-
rem hura-to dispondo de se* servidos, podem pro-
cura-Iona lravaaa do Vigario n. 1, loja de bar-
beiro.
OTEUIA DE N. S. DA CONCEir.AO*
.-DOS MIL1XARES. '-
CASA DA^aJIA
O caulelisla Antonio da SilWOaiimaraes, lem ex-
posto .i venda os seus afortunados billiPles ecautelas
da segunda parle da primeira loleria de-N. S. da
Conceiro dosJIjHlars, a qual corre no da 12 de
dezembro, eWSo u Minia as sesuintes lojas:
alerro ta BoSFfsla ns. <8 e IW ; na do Sol n.
72 A ; ra do Kangel n. 5i ; ra da Cruz n. 36 :
ra do Pilar n. !K).
I'KKCOS.
Ililheles inte iros ?,5*00
'Meios m, 2s!K)0
19500
nu;irlo<
Oilavos 760
Decimos Vicsimos li 320
Loleria de Ufos-
sa Senhora da
Conceicao dos
Militares.
Aos 5000s. 3:500s e l:000s.
Corre quarta-feira 12 de.de/-embro
pr^pno futuro.
9i bilbetese cautelas docauteltsta An-
tooi Jos Rodrigues de Souza Jnior, nao
staosiijeitoaaodescontOjdosS por cento
do im'posto da lei ; os quaes se acham a
venda as lojas da praca da Independen-
cia^. 4, 13, 15 e 40, ua Direita n.' 15,
daran. 30, do Livranfento n. 30 edo
Craapotai. 3. Os prenjios sao pagos-logo
que saia alista geral.
Rilbete intero 3,s80u
Meio bilhete 2x900
Tercos
Qiiaito*
Quintos
Oitavos
Decimos
Vigsimos
-2x000
I.S300
1x200
760*
40
320
5:0005000
2:500/5000
l:6x(i
1:250x000
1:000.9000
25000
500x000
250S000

DEIITISX1 FRANCEZ.

!
Paitfi liaignouiT dentista, estahelecido
roa larga do Kosaiio n. 36, segundo andar,
colloca denles com a pressaodo ar, e chumba %
dioles com a masa adamantina c outros me- O
_ tes- aa
009 I |
O aballo assigoado muduu-sc da rna do Tra-
piche o. 17 para a roa da Cadeia do llecife n. 53,
lerceirc andar.Jos Antonio de Souza Machado.
Desoia-se saberse tiesta prara eviste o Sr.|Ao-
looo Machado Bilancourt de Mello, que ern 18i7
negueicu daqui para Abreu de Una ; na ra da Ma-
dre de Daos n. 32, a negocio de seu inleresse.
Aluga-se urna eicellenle casa para se patsar a
taita na povoa^aodo Cacliang ao lado da igreja, ou-
lra no l'oco da l'anclra com frenfe para o rio e com
uraudu. commodos, pintada e calada de novo : a
tratar ca ra da Cadeia do Kecifo.ii. 12, loja.
Jjinfia-se uiu silio com boa casa deaobrfdo, a
qual jtom inultos commodos, sita ua povoacflo do
Monteiro ; atlratar na ra do Trapcate u. li."
(1I1PNHI4 rEWAMBirjirt.
AaUlefcAo pede ao> Srs. accionistas se dignem
realiwi'a ultima preslarao de l.>()!0 ale odia 15do
Bseictfrronle. ^^ ^* V
JANE, dIkta. :
residir uaruaNova n. 19, primei- 0
o De seda trancas mu lidas,
De cores varias e bellas,
.Vivas qual nev mui pura,
Verde, azues e nsar ella.
Francas Mo propriss para u fesla
Nao as adiis, nao ;
Acharis a baiios presos
Na loja de Barros & Triado :
Ku* lar(;a do Rosario u. :l, junio a botica'.
O relerido caulelisla declara que s pa-
ga notjbllwtesinteJlM pdos eroorigi-
naes, os 8 por cento do imposto da lei, nos
premios grandes, devendo o possiudorre-
ceber do Sr. thesoure^o o se corOpeten-
te premio, que c9iu os ditoJ| por cento
recebdos do referidcTcauteiista preaz a
sorte por inteiro, sem descont algum.
COMPANHIA DE RERERIRE.
O Sr. director da tompanhia de Rebe-
fibe manda fazer publieo, (|ue por delibe-
ryrao daadministracao da mesma tem de
arrematai-se o re u di melo da taxa dos
qlialarizes e bicas desi^Made, por bair-
ros, ou na totalidad por rempo e 1 a 3
annos, a contar do 1 de Janeiro de 185.
A pessoas a quemjconvier contratar po-
dem enviar as suasjaropostas ao escripto-
noda companbiaj&t o dia 10 de dezem-
bro prximo. Recite 26 de novembro de
1855.O secretario, Luiz da. Costa Por-
tocarreiro. '^m .
AO PUBLICO.
No axmazem de fazendas bara-
tas, rna do Collegio n. 2,
vende-se um completo sortimento
de tazeodas, linas e grossas, por
preco maisbaixos do que emou-
ti-a qualquer parte, tanto em por-
^Oes, como a retalbo, affiancando-
se ao compradores um s preco
para todo : este esta beleci ment
alno-sc de combinarao oatn a
malor parte das casas cormnerciaes
inglezas, Irancezas, allemaa e sui-
sas.para vender fazenas mais em
cont doquese tan vendido, epor
No oiierecendo elle juiiores van-
gfens do que outio qualquer ; o
pVoprietano deste importante es-
tabelecimenlo conyida a' todo o
seus patricios, e ao publico em ge-
ral, para que venbam (a' bem dos
seu nieresses) comprar azendas
baratas, no armazem da ra do
Collegio n. 2, de
Antonio Lui/. dos Sanios Si Rolim.
lolliiulias .
PAR 1856:
Estao a' venda as be couliecidasfo-
Ibtnhas impressas nesta typograpbia, as
de algibeira a 520 e as de porta a 160; as
de algibeira ale'm do kalendario ecclesi-
asticoecjvil, contem um resumo dos im-
posto municipaes, provinciae e, gerae
que afiectam todas asclasses da socieda-
de, extracto dos regula montos paroebiaes,
docemiterio, enterrse sello, tratamen-
to de varias molestias, inclusiva* do cbo-
lera, contos, variedades e regias pura a-
zermanteiga e queijosde diiierentesqua-
lj^des, dittas ecclesiasticas ou de padre a
WO OU:: vendem-se unicamente na livra-
na b. i c f, da|)i-Mra da Independencia.
No im do mVsabirao i luz as 9k al-
manak.
Oracao contra a peste e o cliolera-
inorbus.
Acha-^e venda na livraria n. (i c S da praca da
Independencia um folhelinhu com diOcrenles ora-
coes contra o cholera-morbos, equalquer outra pesi
le, a 10 r. cada um. v
Em casa de J. I'alquc, roa do Cellepio n. i.
rfcebeu-se pelo ulUmo navio viudo de Tranca, um
lindo sortimcnlo de pnfeiles, toucados echapeos pra
senhoras,, dos mais modeTuos, assim como grvalas
de selim e chamalole brancas, propnas para casa-
mento e baile, camisas francfzas a' Mnusqoelaire
com pedos, punluw e colleirlnhos de linlio e outros
muitos ai ligo que.se venden) por prern muilo ra-
loavel. lamhem lia um grande sorlime'ulo de luvas
Jouwn imilando camorca, muilo boas e proprias
para paaseid por serem de cor, pelo diminuto preco
de I3a60 cada par.
i
Relogios.
Kdogios de ouro, relo-
gios de prata, relogios de
mesa e de parede, chega-
dos ltimamente: vendem-
se na loja de Cliaproiit ^*
Bertrand, pra9a da Inde-
pendendeneia ns. 18e40.
\ eode-se uo aterro da Boa-Vista n. 17, varias
obras de funileiria e lerramenlas para Tunileiro,
muito burato.
, 17 \ende-s muilo bom vinl,o verde a 390011 rs.!
a caada e a 400 r.. a ganara; mauteiga ingle,
muito boa, a 800 e a 720 rs. a libra ; caf a 180
^sd1e1^ril'"ha.BNanles a 580 ; espermacele a
' hbr i lalria a 320 rs. : na ra das Cruzes
n. M.
\ende-se om moleque rrioulo de 18 a 20 an-
do* ?m COIinlleiro : na Vua ua l>ua n. 63, segun-
Vende-se um cscravo orioul#,ale 25 anuos
bom ollicial de ltame, e principie dTnSreK
o quai se acha na casa de delencao : quem o ouuer
comprar falle aoSr. administrador d. mesmacasa,
quo o mandara aaoslrar, e mesiuo dar o preco.
\eude-se amia fabrica de charutos com arma-
cao envernisada ertvid acada, c com multas pro-
porcOcs, e lainKSn se vendo nicamente a armacao,
propna para loja de la/end*., miude/as ou calcado.
etc., oa ra do Vigario n. 13; a Iralar na mesnia.
\ ciiile-se por qualquer preco una purc/m de
pos de pinheira de minio boa qualidade, e que se
acham em estado do Irasplanlar-se : quem precisar,
dinja-se a estrada dos AUliclos, silic-d-fmnle do do
tinado Joaquini de Oliveira, a qualquer hora do dia.
cLindos cordoes de ca-
bellos
V endem-se ricos conloes de cabellos claslicoa^i
sos e enrolados, por haratissimo preco : na loja de
miude/as, na era-do (>einiado n. o:t."
Aterro 4a Boa-Vista n, 8.
\ endem-sc btseoilos ingle/es muilo linos, em ta-
las arando, pelo diminuto prc.o de 3900O a Jala,
cha da ludia cheaBdo ullimameole, o mais siipcrur
do mercado, maAeiga ingiera primeira qualidade,
e mnitos outros genero, par preco muilo coinmudo,
para acabar.
\ endem-en. os secuinles livros : Thnmpsoii,
Historia, asqualfo eslaroesde'1 hompson. Virgilio, a
Iraducrao dos quairo livros de Horario, Diccionario,
Kuclidcs. Arajlunelica de Olloui, dila de Besoul,
eloquencia nacional, arle potica, Charma eo me-
menlo, ludo la II ,a-\ isla n. 2, primeiro
andar.
Vende-se al e Malo de l.iaboa muilo supe-
rior : na ra da Cadeia do Kecife n. I(i. primeiio
andar. M
A CUIFOKMA TARA AS
SEORAS.-
Chapeos de ualha para setihoras muilo proprio8
para todos os rJTverliinento da lesla, e com especi-
alidade para lomar lianlio, por ser pelo preco
miiilodiiiiiiiiiltf, em razan da qu ilidade: vendem-se
na praca la IMepeiidriiria n. ^ 30.
iVa ldja das seis
portas.
Em /rente do Livramento.
Riscados francezes para vestidos de enhoras a
mcia-palaca o covado. camisu para senhora a selo
cada um, saias para enfeite a de/, tu-lc mansui-
losde canihraia bordados a quairo polacas, chaleade
seda a 8, chales de (oquim de core e prelos a
Jlos de cambraia e seda a 39, dilos de lila e de g
ga encarnados a duas pataca, e oulras rauilasfaa
das quo se qur acabar antes da fesla.
A's senhoras de
boii gosto^
Verdadeiro Mea de bloude brrico e prelo, e bo-
nitos chapeos de senhora por preco inintn romraodo.
A mesma loja acaba- de receber muilo relogios
americanos para cima de mesa, do ultimo goslo ; e
lamben) relogios francesas com caisa, por preco
moilo em cnnla.
S Vende-se Tumo da llaliia a retalbo para clia-
n de primeira, segunda c terceira or ; na roa
Imperial n. 171.
Vende-se a armacao e ulencilios da taberna n.
l da ra Direita : a Iralar 4* ra da Cadeie n. 26.
Na olaria que fui do Joilo liorna, siU no logar
llarbalbo. vende-se |qualqoei quanlidadf dos me-
Ibores lijlos .de Avenar i,-, grossa : a iralar com o
abaiio assisnado on na mesma ola':- '
Vende-se hlala de Lisboa em muilo bom es-
lado a 29000 a arroba : na Iravessa da Madre de
Dos n. 3. #
Veade-se
Eina ca ruja ho\a e bem construida, com boj muilo
om : airan da matriz da Boa-Vista n. 13.
FARINUA DE MANDIOCA.
Veodem-se saccasyrandes .com familia de man-
dioca por preco comnmdo : para fechar ronla : no
armazem de l.uizAnnes defronle da All'andege.
Venda-se excclleule laboado de piuho, recen-
lemente chegado da America : na rui de Apolla
trapiche do Ferreira. enlender-se com oadminis
Irador do niasmo.
Bons gostos e de
boas qualida-
des.
Na ra do IJueimado, nos quairo cautos, na segun-
da loja de fazendas n. 22, defronte do sobrado ama-
relio, vendem-se fazendas por preros que real
mente -fa/em admirar ao publico : Panno prelo
liiiissimo, prova de liman, para casacas e palitos,
pelos baralissiinos precos de 29500, 33500 e 09OOO
o covado. casemirs prela de superior qualidade
a 29 e 29600 o covado, alpaca prela muilo lina a
i00, 500 e 600 rs. o covado, corles de crteles de
fustoes de bonitos padroes e cores usas a 700 o 900
rs., chales prelos de la e seda muilo grandes
29600, chapeos de sol de seda prtos e de cores, fa-
zenda superior 1 69500, camisas Trncelas pintadas
para honiem a 19280, riscados da India moilo linos
e largos e muilo booilospara vestidos a 280 o cova-
do, srlini prelo mar.10, l'a/.eiida muilo superior a 3?
o covado, sarja liespanhola muito superior a 2,400 o
covado, merinn.inuito lino a 2JO00 o covado, meri-
no -riim o mais superior que piide haver e muito
proprio para palito a I96OO o covado, chapeos de sol
de panninho a 100, chitas ftaneexas muilo linas e
largas, de novo padroes a 320 o covado, filo de li-
11I10 liso c com flores a 15 e 19-140 a vara, luvas de
pellica de Jouvin para humen) e senhora, chegada
10 ultimo uavio francez a 19800 rs. o par, luvas de
seda de lodas as cores com belolas a 19280, camisas
de meia muilo finas 1?, lavas de u da Escocia
brancas c de cores a 400, 300 e 600 rs. ojiar, man-
as de seda'para grvalas, pretatt e da cates, muilo
boa faienda a 19280, panno rita azul de superior
qualidade ajl9 o covado, rieas romeiras de relroz
bordadas *119, lencinhos de relroz franec/.cs a
Iv280, cassas francezas muito " e de bonilos pa-
drOas a 300 rs. o covado, cambraia linissiaNa de sal-
pico a 19 a vara, camisas-francezas muilo finase
bm feilas para hornern a 2$500 e 2980Q, enres de
cassas para vestidos da bonitos padroes e com 7 va-
ras a 29o corle, lencos brancos de cambraia de li-
ndo muilt linos e srandes atfiy a dozia, ricas chales
de challv com lislras de saala e bstanle grnales a
8?, dilos de merino muito finos e lisos a bjiyTavas
pelas de loreal, de Lisboa a I9I20, challfll^arello.
fazenda auafrioreqve muilo se usa para vestido a
800 rs. o covado. romeiras de cambraia com laros
de ricas lita* de seda a 19280, grvalas de seda "de
bonitos padroes a 640, meias de laia para padres a
23 o par. Arles de casemiras linas arde bonito? pa-
roe pata calcas a 5,?, brinzinbos de liulio de bo-
llos padroes a 240 "covado. brim trancado de puro
linlio c de buuitus padroes a 800 rt.a'vara, lapim
prelo fioissimo, proprio para vestido e batinas de
padre a 19280 o cojudo, riscadinbos Trnceles moilo
finse bonitos padroes a 240 ocovado, meios leinjo?
prelos pafT grvala muilo superiores .a 19, lencos
brancos de cambraia muilo linos a300rs., ganga
amarella muilo superior a 320, meias branca finas
para senhora a 210. 300 e 500 rs. o parajaJitas prelas
muito finas a 320, ditas para homem, faxenda su-
perior, seud brancas, prelas e cruas a 240*' aa--
Alcm de lodas eslas fazendas oulras moilas qoa i
vista das boas qualidades lie que se pudem var o
quanln sao baratas, nlian^ando-se aos Srs. compra-
dores que nesle cslabclccimenlo nao ha fazenda al-
uin.1 que sepi avariada. c siui ludo sem avaria.de
bons goslos e boas qualidades. ,
Cortes de cassa para (|ueaa quer dar fes-
tas por poucodirmeiro,
Vendem-se corles de cassa chita de bem goslo a
29, dilos de padroes franeczes a2-300, cassas roas
para aleviar lulo, dilas prela- de.padroes miudos a
29 o corte, alpaca da seda deajuadros de todas as co-
res a 720 o covado, lencos de bico tanto piulados
'""froedadosa 320 cada om, grvalas ra homem a I5 e 19600 ; lodas eslas azenda ven-
dem-se na ra do Crespo 11. 6.
Vendeavee no armazesVa. 60, da ra da Ca-
deiado Recift, de Henry (iihson, os mais superio-
res relogios fabricados'emiaglalerra, por preco
Pipas vasias.
\ ende-se pono de pipas vasias proprias para eu-
cher de agurdente, a prefo de 17 cada urna : a
Iralar uo escriplorio de Manoel Alve Guerra, ua
ra da lrapich 11. |i.
Sacpas com milho. i
Vendem-se saccas com moilo bom milho e novo,
por preco mais cummodo do que em outia parle : ua
ra de Santa Hila, taberna n. 5..
Vende-* 1 prelo mor,., proprio para todo ser-
v ico, 1 dito de 18 annos. de bonita figura e com ha-
bilidades : na rna Directa n. 3.
V'ende-ie urna lina rarroca i no Manguind
casa que Taz esquina com as estrada dos Alielos e
I'onle de Uchda.
Navalhas a contento.
Na roa da Cadeia do Recife n. 48, primeiro an-
dar, escriplorio de Augusto C. de Abren, conli-
nuam-se a venrf
Da que
resCampello de Almeida.
riaaa-M.
a noel Pe-
lulo.
Para quem esta' de
Vendem-se riscados fraucezes pc.prios para ves-
tidos de senhora a mtia pataca o covado, .chales de
toquim prelo a R;. melim prelo a dous luslOes, chi-
ta prela a nove vinlens o covado: na.loja das seis
porla em frente do Livramenlo.
na ra
Sal do Assif
a ra Nova n. 38, 'defroerfe da igreja da Conceicao
dos Militares as desejadas lampadas paaaKrrja, lu-
ribulos, navetas, caldeirinhas d'agua bestaK escriva-
ninhis, ludo de latao, galhelas de estanto etc.
, RDUO FRANCEZ.
Vende-se esta deliciosa pitada tan
orciio como a reta I lio, em porcSo ni
da Cruz. 11. 2(i priij|eiro jidar, e a reta-
lhoa-40 rs. aoitava: na ra da Cadeia,
loja de Va/. 4.Leal.
NaruiBCruz n. 26 primeiro an-
dar, vende-se urna porriio decakas com
sardinlias caalatus, muilo uovaspor terem
chegado no ultimo navio francez, e por
aratissitno JMmWo.
Joropa.
Aosamantesdas
bellas artes
Joi IJgoceioni por motivo de molestia reinante
na corte, pretende demorar-se algum lempo nesta
proviDcia, e para isso convida lodos os que deseja-
reru aprender moiica.solfejo, rebeca, ele, de avii-
tar-se eora o mesmo uo hotel ingles, no Recife, a'
lodas as Iwras para Iralar.
LOTERA DO RIO DE JANEIRO.
A< liara-se a venda os novos hillieles da
lotera 7 dotheatrode San-Pedro de Al-
cantara, que deveria correr .1 ou \ do
crtente; asustas esperarnos pelo vapor
naciounjLjj, SALVADOR, a 18 011 1! :
os peemiossiio pagos a' distribualo das
mesmas listas.
Aluga-te no bairro da Boa-Vista, esceplo no
aterro, urna casa terrea com quintal e sollo, 00 so-
brado de nm andar, ou segundo andar de casa de
dous andares: no aterro da Boa-Vista o. 39, primei-
ro andar.
\ende-sc sal do Assii de superior qualidade a bor-
lo do brtgue Feliz DetUno : a tratar 110 escriplorio
do Sr. Manoel duncalves da Silva, 011 a bordo com
O Ciipiliiu.
Vende-se um rico piano de Jacaranda do au-
lorAU-oudwood & Sons, nu silio do-Sr. Carlos Tho-
"^jaigdoalre cm Santa .Vnna. por nreco com-
modo, fisto o ilito Sr. 1 elirar-sera ap
Veadein^se excellentes
cliapos de castor branco,
rato prego de 5,000 ris:
na praca da Independen-
cia ns. 24 e 26.
*>> a
CHITAS IIESI'AMIIil.A.v
Chitas de padroes os mais lindos que lem viudo a
esle mercado, e modernas, do ultimo goslo no Kio
de Janeiro, (.negadas pelo ultimo vapor, e se ven-
cm na lojaaaegoinle* : roa do Crcaoo. Campos &
LUM, roa do Qoeimado, l.uimarae* & Bastos, ra
do Crespo, Jos (ioncalves Malveira, ra da CaaJeia
Rocha & Lima, idem, Narciso Mara Csrneiro, idem,
Lunlia iV Amorim, idem, Manoel Ferreira de Sa,
a do Uueimado. Manoel Jos Leile, idem. Faria
Lopes,.dem, Kodrigues& Lima, idem, Bczerm
A Moreira, ra do Crespo, Antonio oncalves de
( liveira, dem, Siqucira & Pereira, ra da" Cadeia,
Ferrerrar Matheus.
-T Vendem-,e ^ablas ebegadas ullimaiueulc de
Lisboa no palacho Britluiiite : na Iravessa da Madre
de Deqs, armazem de Agoslinho Ferreira S. Guima-
r3es.
Vende-se linla lina de cscrever a 140 rs. a
garrafa, e em meias garraas a iiO : alraz da matriz
de Santo Antonio n. '0.
3U Velas estearinas de , pedras de uidrmore
Igf para mesas, papel de peso inglez, papel de
| embrulho, oleo de liubaca em botijas, chico-
S tes para carro c arreius para 1 e i cavallos,
2 nimias do ierro para fabrica de assucar, ro- *
B Um da ludia para einpalhar, linla branca e
&. verde, inetalaiuareHo para forro, cemeiilo W
f romano, arirunenlo datadas as qualidades, 2
cabos de linhl* dexairo^le inanilha, airar
r.lo e pixe de ^oOchatahaupague e vinhos
Reoho : vendem-sc noarmazcni de '%
C. C||u da Cadeia n. >\, S
Km^casa de Henry Brunn & C, ra da
10, ha para vender um grande
sortimento de ouro do melhor gosto, as-^ *m& "^ ' '3"M ""
sim como relogios de ouro de patente.
Vendemaee sellins com pertences pa-
tente inglez, e da melhor qualidade que
tem vindo a este mercado : no armazem
de Adamson Howie&C., ra do Trapi-
che n. 42. r
Vende-se^O eNcellenle champagne
em caivas. ultipaateenle chegadodeFran-
ca, e licor defcuSch : na i-ua da Cruz. n.
20, primeiro andar.
Vende-se na ra da (a-m. n. 2(i pri-
meiro andar o apreciavel Cria' preto em
libras, assim como chocolate l'raucez o
melhor (pie teB apparecido no mercado,
e por pceo imiitftem conla.
TEIVTOS
para vona relfe.
Veudm-se 'aav'rtia da Cruz n. 2(j pri-
meiro andar, calxinhas com testos muito
delicados par o fpreciavcl jogo de vol-
tarete, ou para outro<|ualquerjogo, l-
timamente viudos de Franca, epor preco
baratsimo.
Vendc-se nina poreao de frascos
com rolhas de vidro, muiloproprios para
conservar toda a qualidade de rape, e por
preco muito cotnmodo : na ra da Cruz
n. 2li pritrxeii'o andar.
A boa fama
VENDE BARATO:
Libras de linhai brancas ns. 50, 00, 70 80 I r?loo
Libras de dilas ns. 100, 120 e 130 I -jmi
Uuzias de tcaowas par costura 19000
Du'ia de dilas mais linas iy2*0
Macos com 18, 50 e 00 pecas de corda o
para vestido -2i0
rejas com 10 varas de l.ico eslreilo 560
Duzia de dedaes para senhora jijo
Caisinhascom agulhas francezas |(jo
Caitas cun 11; iiuv ellos de linda de marrar 280
Crozas de botes para carniza |i,ii
l'ulcuiras encarnadas naca meuiuas -2i0
Dilas grandes para seflkfa :;ju
Pares de meias liuasTBfWnhora a jii e 300
Meadas de lionas muiiT'liuas para bordar 160
Meada de linhas de pe-o 100
Grozasde buloes inui(o liuos para calcas -jxo
Babados de linho akerlos e bordados" 120 e 240
Carleiralinas deiiiarroquin paraalgibcira 600
l'ivelaa4|tiradas'para calcas c collcle 120
lintcirojrceiiosde porcelana,o par 500
Chai uleira entre lin.is |-jo
lluzias de Torcidas 11. U para caudieiro 80
l'cnles de verdadeiro bfalo para alisar :10o c 500
Pecas com 6 t|-J varas de lita branca de linho
Caixascom col.cheleajkncezes
boa
50
(10
MaciuhosAui 35, O e S~i grampas
Suspensorios, o par 40
Carriteis de linhas de 100 jardas, autor Ale-
xandre 40
.Vlrn de todas eslas miudeas vendem-se oulras
niuitissimas, que a vista de suas boas qualidades e
baratos presos causa adinirucao aos compradores :
na ra doQueiroado, uos auatro cantos, na bem co-
nhecida loja de miudeas da Boa Fama o. 33.
$
Rape.
Vende-se o verdadeiro e muilo fiasco rap Paulo
Cerdeiro : na ra larga do Rosario a. :I8, junto a
botica.
Chales de merino' de dores, de muito
., bom gosto.
Vandem-se na ra do Crespo, loja da esquina que
vona para a cadeia.
Vende-se um bom cabriole) descolarlo coas
arpuos, e lamhem um carro de 4 asientos, Ovo.com
arrefbs.ludo i visla de quem quizer se tentar, tanto
mais porque o preco he razoavel ; na ra Nova, co--
lier a doji. (Juinleiro.
VERDADEIRO.
ro cognac, .tanto em garrafas
na ra da Cruz n. 10.
CASEMIRA PRETA A 4VS0I
0 CORTE DE CALCA;
deai-ie na ra do Crespo, luja da esq
COM PEQUEOTOOUE DE AVARIA-.
Indiana de quadros de sedae algodio,
muito bom gosto. a 320o covado'.,
Vende-se na rna do Crespo, loja da esquina que
volla para a ra da Cadeia.
EsguiSo deiinho
^ algorfa o,
n iiito superior, com 11 vara a pesa, por 38500:
vende-se na ra do Crespo, loja da esquin que joI-
para ra da Cadeia.
tp POTASSA BRAS1LEIRA.
Q Vende-se superior potassa, fa-
0 brcada no Ro de Janeiro, che-
Q. gada 1 ecentemente, recommen-
**. da-se aos senhores de engenhos os
r seus bons elleitos ja' expertmen-
f tados: na ra da Cruz n. 20, ar-
mazem de L. Leconte Feron &
Companhia.
bem conhacida
pelo hbil fabrica
de Londres, as q
rianieiile, njose
vendcm-aeeom
darem os compra
pa compra resliiu
, a ja
feilas
rancio
eitraardina-
d corlar;
. radando, po-
15diasdpois
A lesti
apoi
Dinher# nao se
engeita.
19000
19000
'To
480
580
330
esquina 1
Vendel
volla para I ra da Cadeia.
VIKIIO JEREZ.
-Vende-se snperfir vinRn de Xerinavn barrisdo
lll.emcasa de E. 11. Wyarbt ra do Trapiche
LEONOR D'AMBOISE.
Vende-se oexcellente romance histri-
co Leonor dAmbois1; duquesa de Breta-
nha, 2 volumes por l.sOOO rs., na livrara
n. e 8 da praca da Independencia.
Vende-se cal cm pedra chegada no ul-
timo navio de Lisboa, e pobs
da mais nova : nq UBco de
de Apollo n. 5B,' de A.
Companhia.
Pratos ocos patentes
para conservar a comida
quelite: vendem-se na pra-
9a do Corpo Santo, arma-
zem n. 48, de Kostron Uo-
oker $ C. *
Vende-se ac,o em cuuhetes de um quintal, por
preco. muilo commodo : 110 armazem de Me. Cal-
mont & Companhia, praja do Corpo Saulo n. 11.
-Mama do Vigario n. 19, primeiro andar, ven-
de-iefarelo novo, chegado da Lisboa pelo brigoefis-
deranra.
^usatess: sdaa
Deposito de vinho de cliam- i
pagMiChateau-AY, primeira qua- (
lidade, de propnedade do conde
A3*500
Vende-se eal de Lisboa ltimamente chegada, at-
sun como potassa da Russia verdadsira : na praca do
Corpo Sanio n. 11.
AGENCIA
Ba Fundicao' Low-Moor. Roa da
Senzala nova n. 42.
Peste estabelecimento continua a ha-
ver um completo sortimento de moen-
das e meias moendas* para engenho, ma-
chinas de vapor, e aaixas de ferro batido
e coado, todos |b*tamauhos, para
dito.
,** Moinhos de vento
ombombasde repuso para regar borlase baTxa.
decajum.nafundicaddeD.W. Bowman: na roa
diirnaans.6.8el0. .
AOS SEXHORS DE ElfGENHO.
Redos. de 640 para 500 ra. a libra
Do arcano da imkjncao' do Dr. Eduar-
do Stolle em Berln, empregado as co-
lonias ingltjtas e holhthdezas, com gran-
de vantagfcn para o melhoramento do
assucar, aiwa-se a vendad em latas de 10
libras, junto com o methodo de empre-
ga-lo no idioma portuguez, em casa de
N. O. Bieber,4 Companhia, na ruada
Cruz. n. 4.
Vendem-se em casa de S. P. Ibhns-
ton & C., na ra de. Senzala Nova 11. 42.
Sellins ingreses.
Relogios patente nglez.
Chicotes de carroae de montara.
Canaiieirose castices bronzeados. ^ '
Lonas inglezas.
Fio deHapateiro.
Vaquetas de lustre para carro.
Barris degraxa n. 97.
Vinho Cheirv em barris.*
Camas de ferro.
Milho em saecas
Vende-se muito superior milho em saccas : na roa
lo Amorim n. 41, armazem de Francisco Guedes de
A rau|o.
Milho em saccas
Vende-se na ra do Encantamento n. T6A, milho
em saccas. de superior qualidade, por prero coro-
modo.
A boa a 111a
\ ENDE kU RUTO:
l.enerhos de relroz de indas as cores para pesco-
co de enhoras e meninas, pelo (rato preco de 19,
baralhos de cartas fiuissimas Trncelas para vullarete
a-SHO, toucas de Ua para senhoras e meninas a 10,
luvas muilo finas de fio da Escocia brancaa e de co-
rea para homem e senhoras a 400, 300 e (00 rs. 4
par, meias brancas ecruaspara hbem, fazenda
muilissimo superior a 160, -J00 e ->40 o par, luvas de
pellica de Joovin brancas e amarella para homem
e senhora a 15900 o par, camisas de meia mui tolli-
nas e de pura lila para homem a 39000 rs., dilas
algodiomuilissimo finesa 19 e 19200, tesooras
lo finas para papel a 19500, dilas superiores
barheiro a lajAO, leques moito fino a 39, ricas bo-
loaduras parsjStollele de madreperola edemetal'a
5<)0 rs., dilas para palitos 60/) rs., caixinhas cero
pbosphnros proprias para charutos a 20 r.. ricojar-
ros dourados de porcelana para llores de diverlbs ta-
manhos e preros, ricas filas de sedajavradas e lis*
de lodas as cores elarsuras, e'scov
roupa, dilas para cabello, trancas
tos padroes de diversas larguras ei
oissimas para barba, caivetes fin
as qualidades, ljeos finos de linho.

IIIOIU-
tasde
pin
e oiifb, patente inglez.
Vendem-se no escriplorio de Soothall Mellor i
^ompanbia, na ra da Cadea do Kecife u.1$, m
Inais superiorrelogios cuberlosa detcoberlo, de
ouro, patente inclez. de um dos aaetliorra 1 rkaa-
les de Liverpool, >indos pelo ultimo paquete inglez.
e diversas lara
linas para'
a de biiui-
navalhas li-
e de lo
itos p
1 rlcaa franjas 4a aiodo bra
raneas
cife n. 20 : este vinho, o melho
lio^
!-8l!
cha-se
L. Le-
a 56^000 rs. cada caixa, a
unicamente em casa de L
comte Feron & Companhia. N.
B.As ca xas siio marcadas a lo-
goConde de Marcuile os ro-
tulos das garrafas sao azues.
POTASSA E CAL YIRGE1.
No antigo e ja' bem conhecido deposi-
to da ra da Cadeia do Kecife, escriplorio
n. 12, ha para vender milito superior
potassa da Russia. dila do Kio de Janeiro
e calvirgem de Lisboa em pedra, ludo a
precos muito lavoraveis, com os quaes -
ai-ao os compradores satisl'eitos.
FARINHA DE MANDIOCA.
Vende-se superior farinha de mandioca
|C>u saccas que tem um aldjueirc, medida
velha por 3^000 res : nos armazavs ns.
3,5 e 7, e no armzem detronte da parta da
alaudegav op a ti atar 1:0 escriptorio de
Novaes &Co$panha na ruado Trapicjie
n. 34, pritmiroaldar?
Vende-se urna ha!nc,a romana com todos os
sus pertences,em bom oso e de 2,000 libras : quem
pretender, dirija-se roa da Cruz, armazem n. 4.
rgara-
f^eorljnado, tesorrai pra costura n
possivel cncouIrar-se. eoulras mui-
ue Indo se vende por (o baratos
roprios compradores causa ad mi ro-
clo: na ra do (Jueimado, nos qoalro canto, na
bem conhecid loja de miudezas da Boa l-'aaa n. 33
tores para c
inasquehe
as cousas q
iqueao.pr
;1o: na ra do 1
bem conhecida le
A boa* fama
. VENPEBARATQ:
Kicoi paAes de larlamga para caneca 49500
Lutos daralisar tambero de larlaruga 39000
tatos de anarlim lambem para alisar 19100
Hilos imitando tartaruga para cabeca _19400
lindas meias de seda de cores para'criancas 19H0O
.Meias piuladas fio da Escofia para enancas 2We 400
liandejas grandes e de pinturas finas39000 e 49000
Papelaimacogrevee pautado, resma 49OOO
1'ennaslinissimas bico de laoca. groza 19200
Ditas muilo boas sem ser de lauca,groza 640
Oculoa de armario de aro com gcaduacjoes y 800
Lunetas com armaro de tartaruga 19000
hilas com armacao de bfalo 500
Toocadoresde jacarando com bons espaldas 39000
Meias de laia muito superiores para padre* 29000
Hicas bengalasde canba com lindos rastes 2S000
Oas de-junco com bonitos casles
Ricos chicotes para homem e seahora aire
-Meias prelas de algodao para padrea, o par
VOS FGIDOS.
?l--------------->-------1-------*-~-
abaiio aiignado na dia 1
de dezembro, o cscravo crioulo de noaMFjQKionio,
com os sipiaes seguinles : bstanla balso,*chelo do
corpo, aspadaudo, roflo descirnodo, cabera peque-
a, quasi nenhiama barba, nemas arqueadas, p
secos e compridos, emende de correiar, rogi-se i
aoloridades policas que u aprehendan* aos -^pi-
taes de campo aaajevem a casa d* seu senhor em
Santo Amaro rMrjfcoalao qoe serlo gratificado* c*m
-2j9000.Amaro remande.? allro.
Uesappareceo do engenho Burralhe o crioulo
mus, estatura regular, ps
marca velli* da
m* laarca de ferida
pprehender levar
sa de Luiz .Gomes
recompensado.
do correnl* a werava
no, bnis.* do corpo
o, beisos grossoa, paitos
lados e carapiuhflf, coaa maita
deJMarcuil, ruada Cruz .do Re-M I!j_r*Vt^**^* txtaVascorea el
de todaa, Champagne, vende-s
r>oa
TOO
velludo de lodas as core, a vara 160 e 320
A lacadores de cornalina para casaca 400
Ricos reloginhos para cima de mesa 49OOO
Suspensorios linosde borracha, o par-'400, 500kri00
"rentes muilo linos para suissa
Escovaa muilo finas para cabello
Capachos piulados muilo bonilos
Boloes linissimos de madreperola era ca-
misa, a groza 19200
Alm de ludo islo vendem-se onlra* moilas cou-
sas, que a visla das qualidades e preros faz-admirar:
na roa do Queimado, uos qnalro cantos, Da loja de
miudezas da Boa I ama u. 33.
Taixas fart engenhos.
Na fujidicao' ,dc ferro de D. W.
Bowmanh, na ra do Brum, passan-
do o chafariz continua haver um
completo sortimento de tai\as de ferio
fundido c batido de 3 a 8 palmos de
bocea, as quaes aeham-se a venda, por
preco commodo c com promptdao' :
embarcam-se ou carregam-se em carro
sem despeza ao comprador.
SUPERIOR PANNO PARA ESC KA VOS'mS feZ^poTei;
Victorino, idade
grossos, em um
ferida, lem em ui
cicatrizada ha
anido euu'enhn
Ferreira, no
Auscnli
muala. Ca
e reforcad,
grandes, cabal
falla de denles, levando om vellido de alpaca verde
claro de t%orju, mais dous veslidoa nevos de chil
encarnad., oajfc de lislras, o um chales de chita
azul: quem dalla se-ober ou apprehende-la, leve-a a
c3,a dL'9 e'*r> abaiio assignado, na ra da
l'rai'anBa^B-n.aS, que ir. gratificado.
Edaar&o Frederico Bwsk.s
No dia 28 de novembro fugie o prelo Justino,
crioulo, idade 25 anuos, estatura regatar, com falta
de dous deules na frenle. lem calva de carregar pe-
aaMoita regrisla, imilaado sua falla a ser de Ango-
laPf/levou cal^a de algodio azul, camisa branca,Jclia-
po de baela prela : roaa-sa quem sober noticia^
de-te escravo, o mande pegar .lavar na ra LHreila
n. 75, que ser recompensad.
hesippareefj^H ando om de ri-
me Lucio, crinaba,' te sapateiro, saldo a
28 do corraH^^B ccido, com idade
anuos, j^BMH^Bp. barbad, bailo
grosso do corpeSeaier*oaa ^HMHle*, rea-
do a \erilb, > oda m [ajuando anda
posa pelo pe em razSo e na I liilllKuiu a planta
no clio.o sim de banda; lerou camisa de ilgodaezi-
nho ecalra de llaj*|r*zul,haveiido lM>du mais r*a-
Sp; he desuppOt^Meoha mudado:Toulro,crioulu.
e nonaaJuaqoim,. fugio N I", de ojlobro proiinso
pajd. boa estatura, ba eyrf*^rl")Wom ida-
de d* iVl anno, oouco 1 i,- fMtt*. re-
grhla, olbos grande, \>o^^aathmr^m.0^nu\h
pequenoa e feiaj ajpn>gaiado, puaporuWpK
ua qnando andCiaMMiiiheiro, eleve ba snuiie lo-
gado ao aafeha* Robiriard, e as veza akdava bo-
leandono-,cana lem sido encontrado ahromas
vezes Ha Glpoaiga. e oulras vezes em lora de Por-
la, e lem espalbdo qoe est farro, e a oolros que
eslacorlado, anda limpo, de cuica, camisa* jaque-
ta engommada s roga-se a que* o appre*On)r de
levara seu senhor lluminge* JMaee Villa*,
raja Nova n. 67, que ser bem r*e*mpeaid9.
Auseutou-s* da casa do abaiso akigstad. nu
dia 20 de novembro coaffile, o unja*.a* Samuel,
crioulo, cor prela tirando a fula, idde 14 anuos,
ollicial de aapnleiro, com oesH#na*"**uintcs : alin-
eo mais ou meammi secce do Cora*.
Ihos grindes
res, per
as per** le
levou camisa del
ra 6 pal
___com
oruTlaariaisap-
Vende-se DOr orcen eriinmnnn n l., Pe-*e ealar coilado emalgvna casa Irabalbando
*, .j_c Mz jf -? cymmoao> P LU1 pelooflicio, on do/ido por algoejn para fra da
praca o* daJkoyincia a ltalo de criado: r*g*-se
poiianlataTadas as autoridades e a quaasquer oulras
pessoas, qoe oapprebendim e o levem i serrara do
llerro da Bca-Tisla, que sero genecesamenle grati-
ficados, alen das despezas feilas.
Thomaz de Aquiao Carvalho.
conhecido algodao da trra, o melhor
que se tem descoberto para roupa de es-
crasos: nos Qua tro-Cantos da ra do
Queimado n. 20.
Brnsde vella : no armazem de N.O
Bieber & C, ra da Cruz n. 4.
I
Vende-se na roa do Qoeiroado/eta frenle do bep
co da Congregacao, paseando a fcolica, a segu** \o^
ja de f*zen*ts n. 40, o seguinU :
Bicas sedas de quadros do ellteyo goslo, o
covado
Frondelioa de sedaJ^^H a.*J**'"aa o
covado -
Mandarme brilhfllaratnieda de quadros, o
covadu
Alpaca de seda de quadrdf, o covado
Cassas francezas de eres fin, a vara
Alma viva delindo goslos, ocovado
Chitas francezas muilo finas, covado
lliscado fruneezes de novo padroes, o covado 240
Chales de merino' berdados de matiz, cada om lOSOUy
Uilos de dilo lisos, franja de teda, cada um 6*500
l'iios de dilo de core, franja de la, cada om 49500
Palitos de alpaca p.eta fina, rada um 4*500
Corles de caseroita de core, cada om 41000
Oilos de dila prela lina, cada nm JOOO
l eilos, collariohoa e puabospara camisas por IjJOOO
UnCos brancos de cassa pequeaos a floo 280
I"*slues linos |iara collete, o crl 0
Madapoloes finos com pequeo torroede avaria 38800
Lencos de seda de cores par grvala 500
Chapeos de palha aberlos, forrados de seda,
para homem 43500
Lencos de relroz decores 19000
Camisas fraocezas para homem
Pan nos lieos de varias cores, prova de limao.
ocovado jjjqu
Uilos prelos finos, o covado 2J500 e 59000
KCfiUISIO PAAA E1GE-
n
NA FUNDICAO DE FERRO DO ENGE-
NHEIRO DAVID W. BOWNLAI. A
RA DO BRUM, PASSANDO ^flA-
FARIZ,
haaaempre um grande soriimento dos seguinles k-
jeeTos de mechaiiao proprios para encubo, a sa-
ber : moendas e meias moendas da man moderna
coomruccao ; taixas de ferro rundido e batida, de
superior qaahdadc e de lodoso lmannos; sodas
dentadas para agua ou animaes, de loda a preper-
coes ; envos e boceas de fbroalhae registro debo-
eiro, aguilhdea, broozes, parafu* eoivilhoe, mi-
li lu. de mandioca, ele., ele.
NA MES8A FUNDICA'O.
ie eseculam lodas as encommeadas com a tarperior
r.dade ja conhecida, e com a devla prestezae7oro-
modidade em prego.
Emcasa de Henry Brunn 4 C, ra da
Cruz n. 10, vendem-se:
Lonase brins da Russia.
Instrmeatos pora msica.
Espelhoscom moldo.
Globogpara jardins.
ndeiras e sofa's para jardim.
Oleados paii mesa.
Vistas-de Peruambuco.
Cemento romano.
Gomma lacea.
CHAROPE
DO
BOSQUE
O nicodeposilo contina a ser na blica de Bar-
tholomeu francisco de Souz*. na roa largado Bosa-
riu H.J;garraras grandes5}500 e pequeas3S000.
IMPORTANTE PARA 6 FDIUCi.
Para cura de phlijica em lodos seus diOereulcs
grao, quej ntativaslt por conslipacees, Isaae, ada-
ma, pleuriz. carros d* aiisue, dor de costado e
peilo, palpilarao no coraea, coqaeluche, broncliil*
dor nagarganla.e todas as molestias dos ergios pul-
mena res.^
ReJoigios
coberMs e des-
eobertos,
I
i
I


PERN. : TYP. 1)1 M. F. DE FARU. 1855