Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00117


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo de 1844.
Quinta iFeira 50
ias que nao lorera sanl Cea tos : o prero
''SS'f'l
v "".....r?-------....... ,iiasquen;ut lori-m san' bcb-hm : o preco ca ^ssi^n
hr i!e !" mil re. pnrquartel pagos adianlados Os annunciosdos assignrnles sao inte
.ii. oe """ q"p nao forem raifio de SO reis por linfa* As reclamacei deven sei
ridni sit i yp roa das Crozee n 4, ou a praga da Independencia loja de lWrusn <>
, 1'AIVTIDA DOS COR REOS TERRESTRES.
Goiakna, l'araliyba seundaa. sexta, feiraa Mi Grande do Norte chega a Sr2c
lelde iabn, Serinhaem Ki .> Formoso Macejr, Porto CaNo, e Ala?oas no'
fie l ile cadamei, Garanliuns e Honilo a i{) e .'4 de ca
esa 4:1: -'f> dito.Ctdale da Viclori, quimas feiras O
DAS da semana.
27 Seg a, Jo.io. Aud. do J. de da '-'. r.
21 Terca + s Germano Hel, and. doj. de D.d 3. t.
1t\\ (uarln Maximino Aud. do J de D. da 3. r.
Zn <.>uinu s temando Aud do J del) da 2.
3' J>eita i. lelron lia. Aud do.J. de D da 2. .
i Sab s Firmino. Hel. aud do .1 de ) da i. v.
I lloui_ da -s. Trindado s. Maicelno.
\\ \ \\, s^l'i-'1' '''.' -, linuemoa como principiamos .- lernaas apuntadoi i i idmiri^o enli
,!, ,. !mbla Ger.l do
"',> '' **? SRV'___________________________________________.------
mez Boa-vista r
mN luilns os das
de Ufa o.
Atino XX. K. I**
ludo agors depende >' nos meamos; da nosss prode 'i. apodarajio" e enerjta. con-
. idmir.qao mire as naguas uais
irsiil.)
;. \ ; W^W/_^ /.'.I ,f*.\. l(*> 1....."- senme. ...... -- ----- -.
*; !^Jgf< -. -------------------------------------------__
CURIOS NO DI* 0DF.HUIO. eOSBpfS) "*
7, (7 Cambio. aobreLondrea 95. | Oura-Moeda da 6,400 V. 7,30 ,i'i>,'.
Paria 870 rei. por franco s.....N. 7.100
''WSVa^M < Lisboa HJ ,,.., .. > ,00 9,00 '
%5^*/ j-1'-'r'-'y,'-'"' oedadecobre ao par Peaoaeolummnsree l,M '
feSv'^^-^;, dem de letras 4e boas limas 1 ,' Din Ditos Menanos LUCO ,0
dem de letras -le boas firmas 1 i [1 0 ,i
PHASES l)\ Ll \ NO ME/. DE M UO.
La cheia a i aos 5.'; min da tarde | F.uanora a 47as6boras e3?n>in da man'i"
Mineante a 9 a< 0 boras e 2 Mtn da aanhli. (Creacente a jS u 6 b 18 datar,Ir.
Preamar de hqje.

DA
PER
Primera as .' hora e 51 min d-. man'i : l^er""'!. si i'l hnfM a 4* rf-">- A-tnJ4.
..:..'.> i-avj^ia-.Ti .i'
f.7.:;":,.;[:-5' /..:. -..:' OBi :'J: v;: l,i

.:..
P
sr
a.

L
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DE '21 DO CORUCNTE
Olcio Ao Inspector da Thesouraria da
Fazcnda lilm. Sr. Conformando-me
ootn o parecer de V. S.1, dada em ollreio de
2:1 d'este rnez de que o Inspector da Alfan-
dea nao obrara com acert em ter alterado ,
sem ordem do tribunal do Thesouro o que
se acha expressanieVte disposto no ^. 8. ao
artigo 115 do regulamento d 22 de Junho de
18^56 resumindo o registo dos despachos, que
o citado paragrapho manda a/er porinteiio,
em transunpto ; cumpre, que V. S." ordene,
que desile ja cesse sefiielbante alteracSo que
certamente nao esta comprehendida nos limites
da autorisatao concedida pelo ." do ar-
tigo .15 do regulamento citado, c inesino qtian
doesUvesse dependera da approvacao do tri
hunal do Thesouro ; e em lodo o caso deveria
ter dado parte V. S." d'essa oceurrencia ex
traordinaria como manda o 5 do artigo
32 do mesmo regulamento. E por improce-
dentes deixo de ser attendidas as nutras razdes,
com que o referido Inspector quar justificar o
st-u procediment'., mormente o exemplo e pra-
tica de longos a nnos seguida na Mesa do Con-
sulado e que nenhuma applicarao lern para o
negocio de que se trata,
Dito Ao Inspector do Arsenal de Mari
nlia aii'.orLs.indo-o azer largar boje para o
porto do Rio do Janeiro o patacho l'irapamn.
Dito Ao Agente da companhia das barcas
de v,por, dizendo que expeca suas ordens,
para que no ca res, destinados para pas-ageiros do estado no
vapor que esta a cln-gar dos portas do Sul ,
soja nelle transportado para Maranhiio JoSo
da Silveira Cansancio, que veio Janeiro, a fim de ir para aquella provincia ser-
vir de dispenseiro no patacho \'eptuno Com
inunicou-se do Inspector do Arsenal de .Mari
.n lia.
dem no da 25.
OllicioAo Cornmandante das Armas, or-
denantlo, t|ue ;i vista do orcamento, i|ue por
copia Ihe remelle, mande proceder aos repa-
ros de que precisa o pniol < a plvora dos par-
ticulares no forte do Buraco, sol direccao do
respective Co:p.;.arn!anc; intelligeiicinrido o ,
que a despeza, que com taes reparos se houver
de lazer, e que, segundo o orcamento supra-
rnencionado, he de 350,000 rs ., deve ser pa-
ga sua ordem na Thesouraria da Fazenda; e
scientilicando-o, de que ueste sentido ha oli-
ciado ao Inspector da lita Thesouraria.Com-
municou-se ao Inspector da Thesouraria da
Fazenda e ao Director do Arsenal de Guerra.
DitoA' Administrado do patrimonio dos
orpos autorisandp-a em consecuencia de
rep esentacao da da companhia de Behiribe, a
contraeUr com esla, de maneira queem nada
seja oRndidu o interesse dos mesmos orphios,
a venda de umi linha de trras com quarenta
palmos de largura, que alravesse os sitios da
estrada de Paroamerim ao dito patrimonio
pertencentes, em que motao Jos Fidelis Bar-
roso e Jjanna Francisca, im de ser por alli
condu/.ido o encanainento das agoas Part -
cipou-se a Adinmistraiao do Companhia de Be
birihe.
DitoAo lui/ Relator da Junta de Justica,
transiiiltimlo, para ser por ella julizado, o pro-
censo feito por or me de desercSo ao soldado d<
companhia de artfices, Pbilippe Jos de Santa
Anna,
l'h snuraria da Fazend .
EXPEDIENTE Oi> DA lo 00 CBRENTE.
Olicio -Ao Kxm. Vice P/esidente da Pro
vincia com os papis relativos aos vencmento^
dos Gu ir las N ici maes que condusirSo do ler-
lo Brfjo par i esta ridade nove recrutas, c
ibonosque uestes se Pi/erAo, que o '
misario Fiscal do Ministerio da Guerra duvi-
| dou dar porcorrenles. com o fundamento
1*3 nao se achara relacao daquel!e#acompanha-
da da respectiva guia, e haver-se fornecido a
estes ltimos vencimentos de 90, e 16') rs. dia-
rios, (piando ns instruccoes de 6 de Abril de
18! Ibes conredilo a de 2,0 rs.
DitoAo Inspector da Allandega, partici-
pando ter sido ndeforido o requeriment de B
l.asserre & C *, consignatarios da barca france-
ia Casimire Delavigne, em que requerero a
isencao da mulla, que foi imposta por aqnelln
Allandega, ao Capitao da mesmu barca, pela
(alta de um > caixa que se achou na conferencia,
dem do da 17.
OfficioAo Exm. Vice-Presidente da Pro-
vincia, informando o requerimento de Manoel
l.obode Miranda Henriquesem que pedio o pa
gamento da ajuda Jecustode volta.comoDepu-
lado da ultima legislatura da Assembla Geril
dissolvida.
DitoAo mesmo Exm. Sr., idem de Jos
ClementePereira dos Santos, Guarda da Al-
landega tiesta cidade, em que pedio a S. M. o
Imperador Ihe coneedesse reforma com o orde
nadode 4008 rs. annuaes, que actualmente
percebia, em consequencia da idade, e moles
lias, que o irnpediao de continuar no scrvic.0
publico.
DitoAo mesmo Exm. Sr., informando,
que o Btigaiieiro reformado Antonio Borges
Leal se ochava pago da gratificaco de 120jOOO
ris mensaes de que tratava em seu requeri-
mento al o fim do Fevereiro do anno prxi-
mo passado.
Dito Ao Inspector da Allandega, partici-
pando, que tendo levado ao Tribunal do l'he-
s uro Publico Nacional a sua representado so-
bro o augmento da consignac o, que se fazia
necessario para algumas despezas daquclla Al-
landega no corrente anno financeiro; cumpria
prevenir de que emi|'ianlo nao viesse de< isao
do mesmo Tribunal devia limitar-se as quan-
tias actualmente consignadas; porque se appa-
recesse algum excesso seria por elle respon-
savel.
DitoAo Administrador da Me/a do Con-
sulado, dizendo, em vista do seu officio de 15
do corrente em que communicou terse rccolhi
ilo aos arinazens do pao brasil dous quintaos
(leste genero de superior quaiidade, conducido
por .los Joiiiiiim Cassicol termo de Na/areth, declarando ter si-
llo cortado em trras pertenrentes ao engcnbo de
Francisco Gomes deAndrade, que nao poden-
do na forma da lei e regulamento existentes,
cortar se pao brasil sen3o pelos propietarios
das trras que o produziao, oucom licenca des
tes. nem igualmente pagar-se oseu importe sem
que (|ue pelo Tribunal do Thesouro se desse
consignacao: cumpria que dito pao brasil licas-
se em deposito at que o referido conductor ap-
liresenlassedita licenga, ese desse a menciona-
da consignacao
Dito o Contador interino da'Thesouraria.
para ticar na intelligencia de que d'ora em di-
ante devia pagarse mensalmente oaluguel da
casa, onde scacha\a a Secretaria de Polica, ao
Chefe della, como este requisitou por oflicio de
13 do corrente, a vista dos recibas por elle apre-
sen tados( logo que se achassem legalisados, e
com despacho da Thesouraaia.
dem do da. 18.
Officio -Ao Exm. V ice-Presidente da Pro-
vincia, com a inlormacao do Commissario Fis-
cal do Ministerio da Guerra sobre a conta das
despeaos do agoa e luz com o destacamento do
Limoeiro.
DitoAo mesmo Exm. Sr com a proposta
que, o Inspector da Allandega emiou The-
souraria, das despezas, que julgava aptas para
completarem a CommissSes de que tratavao os
artigos 108 e 271 do regulamento das Alfan
Dito Ao Inspector da Alfandega, di/endo
em resposta ao seu ollicio de 17, que poda
I ir comprar e pagar pela qu uili applii
usdespesas doexpediente daquella reparlicao a
colleeo de leis de 1812, que nao^ podia forne-
cer pela Thesouraria.
DitoAo Cnsul dos Paizes-baixos nesta ci-
dade, di/endo em resposta ao seu officio de 31
de Janeiro, em que representen sobro a multa
imposta pela Allandega ao Capillo da escuna
hollandcsa Anise, por ter trazido aborto os seus
manife.stos, que a simples declaradlo do mesmo
Capitio de assim os haver recebido do Cnsul
l'.r.isileiro nao o po lia relevar do pagamento;
mas que se dentro do praso de seis mezes com-
provasse isto por documentos, se Ihe faria a
competente restituico
DitoAo Inspector da Allandega, partici-
pando o contedo no precedente officio.
DEM Do DA 20.
Officio\o Exm. Vice-Presidente da Pro
vincia, com a conta demonstrativa da despeza
feita nesta provincia com o expediente dos cr-
relos no exercici de 1842-43 exigida em olli-
cio de 29 de Abril.
DitoAo Inspector da Allandega, dando o
pselarecimentos que pedio em seu officio de 17
de Abril, sobre a entrada neste porto, arrutada
com lastro de pedra e sem manesto, da escuna
Lopes Gama, vinda de Sorra l.eoa, com destino
para o Rio de Janeiro.
DEM DO DA 23.
OfficioAo Exm Vice Presidente.informan
do o requerimento de Joaquim Rodrigues Pi-
nheiro Jnior,em que pedio o lugar de (iuarda
da Mesa do Consulado, que vaaasse por demis-
sao de Joaquim Antonio Carneiro.
I ito Ao mesmo Exm Sr..iiiem de Ma-
iioi-l Ferreira Chaves Jnior, idem.
Ditoytamesmo Exm. Sr., informando so-
bre a demissao pedida pelo Guarda da Mesa do
Consulado Joaquim Antonio Carneiro.
Dito Ao mesmo Exm. Sr.. enviando como
pedia o Administrador da Mesa do Consulado,
a inlormacao por elle dada sobre o requerimen-
to do Inspector do assucar Manoel Lopes Vian-
na, e a copia da matricula da tripuladlo da bar-
ca hrasileira Ermelinda.
DitoAo mesmo Exm. Sr., satisfa/endo a
exigencia feita em officio de 20, sobre o regia
tro dos despachos da Alfandega desta cidade,
conforme determina va o 8. do artigo 115 do
regulamento de 22 de Junho de 1836.
DitoAo Administrador do Correio desta
cidade, participando para seu conhecimonto,
em vista do officio do Inspector da Thesoura-
ria da Fa/enda da provincia do Rio Grande do
Norte, que loro recebidos por aquella Thesou
raria os dez contos de ris, enviados por inter-
medio da respectiva administracao na malla da
barca de vapor Itnperalriz.
DitoAo Commissario Fiscal do Ministerio
da Guerra, participando para sua intelligencia,
e para se por nos respectivos assentos as notas
convenientes, ter o Cotnmandanle da ilba de
Fernando de Noronha, mandado abonar pelo
cofre do Almoxanf..do da mesma ilha, ao Boti-
cario Manoel Marcelino das Trovas (fallecido em
S de Abril prximo findo), a quantia de 1658
rs.. e ao Escrivao Jos Roberto Padilha, a de
200ji rs., a fim de serem aqui descontadas nos
seus ordenados.
ij_jma_i.ijsisijaii.iiii
H ESP ANUA.
Madrid de 31 de Marco a2dhAbrtl.
A filia offi ial de 31 publica um importan
loe longo decreto pelo qual se cria urna forca
armada, com o firn especial de manter a segu
ranea publica, sob a denominacao deGuardas
Civil.
Madrid de. 3 a l de Abril.
Continuando a circular boatos sobre modih
cacQes, OU mudanca de gabinete. Difidentes
supposicoes se apresentavao para explicar a cri-
so ministerial, que, segundo alguns jornaes ,
pareca aproximarse. Pcrtcndem uns dar-lhe
por origcn a talla de acord entre os membros
averno sobra punios importantesoutro-
insinuao que o motivo della est na desintelli-
gencia que se julga existir ontre os ministros ou
algum delles e o general Narvaezdiz se tam-
ben! que taes rumores sao espoliados por espe-
culacSo para jogo de fundos oque lio porcm
certo hoqueellestem feito impressao, o que o
mesmo Irruido que assegurava que erao desti-
tuidos de fundamento, lamenta que se comece a
manifestar a desunan deposdetSo assignala-
da victoria e que anibicoes mesquinhas prin-
cipiem a dar indicios de querer entrar em con
correncia.
O mesmo jornal publica um longo diario so-
bre os acontecimentos de Alicante, bem como
a narracSo das circumstancas mais importantes
dos de Cartagena Cada um desles documentos
he a historia das tramas da conspiradlo, edos
fados mais s-Mentes que tiverem lugar as duas
cidades desdo que a revoltoso declarou at ao
seu termo.
Preperava-se em Valencia urna expedicio pa-
ra a costa de Marrocos, > fim de exigir urna sa-
tislacao pelos insultos feitos por subditos da-
quelle imperio ao pavilbo hi spanhol. Alm de
oulras causas dadas por estes barbaros, e que
justificao um procedincn(o vigoroso e hostil da
parle da ilcspanba, coiiimclterSo ltimamente
a atrocidade de atirar sobre um falucho hespa-
nlml, (|uesabira a pescar com tres homens iner-
mes o se aproximara da trra, matando um del-
les. E-te facto escandaloso tinha produzido ge-
ral excilacao, pelo que he de esperar^que tenha
graves consequencias para o^mfustos 8ggres-
sores.
As novas eleicoesmunicipaestinhc-se ja fei-
to em algumas Ierras DOtaveis, com grande van-
tagem para o partido monari|uico.
S, M a llainba viuva, conlinuava a receber
diariamente l'clicitacoes pelo seu regresso.
U distinelo litterato Donoro Corlez havia si-
do nomeado secretario particular de S. M. a
Rainha Isabel. ,
O general Roncali tinha marchado com tor-
cas consideraveis para operar, de acord com
\ illalonga, na perseguicio dos bandidos no
Maestargo.
Madrid deSa'J de Abril.
A noticia de urna terrivel catstrofe que co-
hrira de luto a villa de 1 elanitx na ilha de May-
orca Imita excitado na capital profunda cons-
ternadlo. Eis-aqui a participadlo da aulorida-
de local, dirigida ao chelepolitico das Baleares,
informando-0 do fatal acontocimento.
Alcanlaria constitucional do Felanitx.
Urna espantosa catstrofe acaba de acontecer
nesta villa, agora mesmo 5 horas da tarde (Do-
mingo de llamos). Com o fim de acompanbar,
e ver a procissao que desde muito lempo lodos
os annos se cosluma fa/er na tarde de boje, ti-
nha concorrido muita gente ao lugar chamado
do Cemiterio \ elho, defronte da porta da igre-
ja de Santa Roza, eahi ouvia um dos dozeser-
nioes que, segundo o coslume, se.pregava Du-
rante este acto a parede q jo divida o cemite-
rio da ra chamada Mayor desabou sbitamen-
te sobre a multidao apinhada que alli se acha-
va Mais de 300 pessoas, segundo se calcula,
licarao sepultadas debaixo das ruinas. Conto-
se entre as victimas individuos de distinecao des-
ta Ierra. Estou dictando os providencias oppor-
tunas. O alcaide D. Francisco Bcnnaser, e mais
seis membros da municipalidade, que hoje ha-
via sidoeleita, ahi pertcerao. Perdoe V. S.* se
no meio do transtorno que me cerca nao sou
mais extenso. Em oulra oceusio darei mais
circumslanciadas noticias Dos guarde a Vossa
S.s muitos annos. Felanitx, 31 de Marco de
I8H. O substituto do alcaide, Jo&o Cnlden-
ley.Sr. chefe poltico das Baleares.
As correspondencias particulares de data pos-
terior elevao a muito mais o numero dos morios
e feridos. As autoridades da ilha tinho dado
as providencias para minorar os effeitos de ta-
maita calamidade. Ahriro logo urna subscrip-
caoem beneficio das infelizes que precisavao de
soccorros, comboni resultado Em Madrid fa-
zia se oulra com o rnesmo fim.
Urna participadlo dirigida ao ministerio da
inurinha, c publicada na foiha oflicial, informa
:i


o govo*no le que n i < >-' i de Cea I i foTa encon-
trado um bri. le paroi a ser hespanhnl
i onvez. I m
.r.i c il i\ i esta noticia,
i, 3u re '' ontra algu-
mi que | -- rec r ete hor-
'.: i nninia i mputava-o i
i s ipji isica i a
m i mi-i peridica recia ni iva o esperaya dogo-:
i nptas roed i las de vigor.
! inii.i >-s" f.*ito as eleicSes municipaes em
dilTerentes p -.res, obtendo os can lidatos minia-i
teriaesa maioria.
(I Heraldo, entrando na discussSoda conve-
niencia da convocaco das cortes, ou do seu a-I
uiamento, diz que i. -i ti; i coinrrt.ett.ciia um
gran le erro se as convocassc sen) ter desejnpo-.
lo completamente a sua missao, que he a
de assegur.ir a silu icio irtual por meio de leis
opportuna e eflieaies,
O mesmo jornal, referimlo sea um peridico
le Pariz, suppSe que S M. orejaos France-I
sesteen resolvido condecorar o Ministro da Fa-
zend i, ultim imente aggr iciado com o titulo de;
le de S. Olaia, o grande de Hespanha,-com
o corda o da leglSo de honra.
S. \1. a Rainha viuva eontinuava a receber
felicil i; > s pelo seu r< ress.
O general Ronc ili linha sido con lecorado
com b i H i ni -'tu i ordem de S. I ,,ri1 iodo; u
marquez de Pcn irdem de ir
los III.
Reinava g ;r lmente n is pr >\ inc is yocogo e
i diencia ao governo.
ra com a curte e o governo i firmeza na sus- 'achu-s quasi enterrada, porque a carreta pe-
tentaca da es llar, qui/essem agorado netrou em sitio paludoso. r.ntiio se poz. a p
rnonstraroi rio, e corto he que depois de um dos artilhairos, e fazendoprova de eitra
.ivos debates foi ipprovada somenle urna par- ordinaria forca, metteo os hombros a nula da
ledas alteraces proposUg pHo r.ei carreta,'e a tirou forado lugar do perigo. ra-
\ 16os vice-presidenles levario a S. M. o vo. exclamouo principe Augusto: e tirando a
resultado definitivo da assembla, e orei res- sua banda a entregou aosoldado duendo: pren
pondeo nos seeuintes termos dei esta insignia ao vosso cnturao, e guarda-
u TimiI recebid i o projecto de constituidlo i a em testemuflbo do meu apreco. Nao contente
que me foi at resentado pela assembla naci-1com esta deihonstracSo o principe mandn
nal en Icrecei-lbeas minhas observaces a cerca : entregar ao soldado, que se recolhia ao quartel,
desse projecto. Informado agora das suas ulti- urna bolsa com 50 escudos de ouro. Uulro sol-
mas deeses nao besito em acceital-as, depois dado do mesmo corpo tendo noticia desta oc-
de ter eito o meu dever, expondo com since- jcurrencia, com a mira na recompensa resol-
ridade o que entend mais conveniente para a i veo exceder-se com outro esloreo de maiorvi-
pros-peridade da naro. Terminare! fazendo'eor. O principe Augusto apparereo um da no
votos ao Todo-Poderoso para que se digne aben
coar ? carta poltica do Estado.
Estas expresses de S M. foro transmitti-
arsenal, e querendo lazer montar urna peca
de 24 mandou buscar urna carreta. 0 soldado.
que estava presente para se tornar notado,
das ao congresso, que se mostrou mui salisci- travou da peca e a susteve nos joelhos em quan
lo, e quedeclarou terminada a sua missao quan-
do ao pacto fundamental.
to nao chegava a caeta. Este homem he um
nescio. observa o principe Augusto ; abusa da
Depois tem-se discutido a'lei elei toral, e ou-! sua forca sem precisao, e arrisca intilmente a
tras disposicSes reglamentares, i sau sade : Irez das de prisao.
Falla-se de urna proiima reorganisaciio mi- !
nisteri d; entretanto suppoe se que nada se fa-
r i antes de se encerraren) os debutes da assem-
Antiguidndes iferiranas.
I ni viajante que atravessou grande parte das
mstituinte, e de ter prestado juramento | regtes do norte de Texas e o paiz situado entre
n i i Othon, oque se alga teria lugar a 21 Santa Fe o Pacifico refere que alisten) vest
I' Marco
Gibrallar !! di Abril.
O Gtb lar Cht micli de 8 referindo-se ao
negocios da Hesp mba, diz o seguinte : Agora
. i: i sea ultimo re-
. i espanhol i su i at-
. in a para i e\| li< ya i de \l irr i :os que (in
lo tem ilado |ue (aliar ha alguna das, salvse
r conhecer > .' i les^,' '-'>' agente attra
il .t i ii 'si o cruel tratamenlo
lie derao, los proni more
rem :. los do VIaz iga1 I i Irel into um i : trl
ripia n una po\ lacio Marroquina datada
na ultima semana do inez pa*s do, narra oom
:i n i i (tensau o- 5 preparativos
guei ra que se laiem n i ; lello iqyierio. Cons
. ir5 ens para levantar um
exercito le duzentos mil homens, e accrescen
la- v qu i ser empregado-contra certas tri
is argelinas, afug I le Can. que
i un ni hao gra i les roubos ras fronleiras di
ntcos. i (orea militar a que se Ilude he
; ivi la exagerada e nao se ere que seja
leslinada para dehellar os argelinos, Sabe se
mi c< rtc .i que n sulla" i h ivia annunciado a
guerra sania contra os que denomina infieis;
|ue quenta mil homens de cavallaria ligeira
tirados das provincias devino acampar se perto
i i lude donde he datada a carta; que as tro-
pas ja ni i exist ntes ti "u si I i inspeccionadas r
munidas li u ras n vas, carregando-se a arti-
Iberta (i is, etc., o me faz acreditar que
ve espera algum ata |ue pe i parte do m ir.
No numero d: 101.....n se mais i">tas noti-
cias: \ noticia de se estar preparando urna
exped cao emllespanha para vingar a morle
do seu :: (consular em Ma;agSo, he \h si-
bida em lodo o imperio de Marrocos; ebego
do interior as tropas que --."i i destinadas para
repellir o ataque ctue se espera pela parte do
ruar. Sao beduinos, e o seu c importamento he
tal, que reina a maior in |uiel iQao cntr os re-
sidentes europeos, porque nao mi empregSo urna
linguagem ameacadora, como tem por uns de
urna vez recorrido a actos de violencia para com
os ebristaos, sem examinar a que nacao per-
te ncem.
GRECIA.
Alcancao at 20 de Mano as folhas de A-
tbenas
0 congresso nacional havia terminado os de-
bates da carta liellenica a e imme liatamen -
te prorompero os vivasn.s galeras da assem-
bla com notavid enthusiasino victoriando se
o i.'i, a Rainba. a constitualo; &e A msica
militar que estava prxima uni os seus sonsas
acclauiac5es do poyo, locando varios hymnos
patriticos.
A noute uma muitdao de g mte, precedida
pida banda milil ir. se dirigi ao largo do pala-
cio, e os vivas se repetirn rom mais forra.
No dia i I urna deputaco de vnte e quatro
membros entregou o projecto ao re Othon. S.
M. recebeo o projecto declarando rpre^m loe-
ve dira a su i opinio sobre elle. Eflcclivainen
le no dia 13, issu iibl i -r i as obs irva
ces de S. M. sobre o projecto, recommendan-
do diversas modiliuacOes n i< suas disposii 6e3.
No dia 1 i- reuio-se o congress a p ira exami-
nai i : mas ou pi i |ue i I
| is n
senl mies n i dsIp,
terid i -i
de preferir a cond enca pa- J
ni lo lisas provincias da Grecia reina tran-
qu:llidade e o otado sanitario, tanto deste
m/, como dos distrirlos limilrophes do impe-
rio otlomano, he satisfactorio.
Diario do (ioverno. ]
Com :i i nica do.
r)uai palacras i re'piito da impotifo de mais
8 tobrt o premio* das loteras de um con-
11 (/ ris para cima.
<)- planos das loteras desta provincia, a ex
io de urna ou duas em lujar de des-
un irem d i total da lotera a porcenlagein
lo beneficio e o antigo tributo de 8-., v
do restante comporcm os premios como no
Rio de Janeiro acontece pelo contrario com-
[lozerSo os premios da totalidade da lotera ,
nara no acto lo pagamento fizerem o descont
de maneira que, porcxcmplo, o premio gran-
de da lotera do Livnmento nao be de 6:000j
rs.: porm sim de 'i:7i0j rs., porque dos seis
nonios se descernan 21 *'o; asalier, 12 para o
beneficio 8 para a Fazenda o 1 para o paga-
mento do sello dos bilhetcs.
Entretanto urna nova lei impe mais 8
sobre OS premios de 1:000j rs. para cima, per-
siiadindo-se o legislador que todos os planos das
loteras desconlSo do total a porcenlagcm res
pectiva, e quedo liquido compoem os premios
Mas como apezar desta razaa da lei baja quem
-i' persuada a beneficio iio poro ,'.'.'.. que
i'sta ultima imposicao se deva lazer em Pernam
buco o res pe to das loteras, que naodcscon
laro antes a porecntasem ) accressentnndo aos
21 '' mencionados mais 8 ; julgamos conveni-
ente advertir aos que c imprarao billietes. e que
ten liso a surte a seu favor que estes ltimos 8
j gao sobre o liquido que o premiado deve
receber deduzidosos primeros 21 "ja de ma-
neira que aquelles bilhetes, rujo premio liqui-
do nao chega a um cont do ris nao pagao os
ulti mi s 8 o embora esta quantia se complete
com OS 21 "/o i T1" devifio ter sido descontados
no totaT^como se descontao na Corte e cu-
ios planos de loteras servirao de base ao legis-
lador para impor 8 % mais sol>re os premios de
um cont de ris para cima ; isto he sobre a-
quelles bilhetes cujo proprietario deve receber
do Thesoureiro da lotera um cont do ris, ou
mais.
I'uhlca^o a pedido
> ja..--^asattarj^gan r 11------
(VUTA DE LE DE 10 DE Jl.MIO DE 183S.
Art. 1.* Sern punidos com a pena de mor-
te os escravos. ou escritas, que inatarem, por
qualquer maneira que saja propinarem vene-
no lerireui gravemente ou li/erem outra cf-
fensa physica a sen senhoi a sua mulher a
descendente, ou ascendente, que em sua com-
panha moraron), administrador, leitor, eas
suas mu Hieres, que com ellas vi ver oro. Se o
erimento ou oflensa phvsira frem leves, a,
pena ser de a c. .ules, a pro por cao das circums-iros .nada leraoa ,les,'lHr 'ue n rt'sl'eito
ios de cdades antigs, de castillos arruina-
dos, ede te-ripios em Rio-Puerco e no Colo-
rado d'Occidente. I) z que em um dos bracos
do rio Puerco a pouca distancia de Santa Fe ha
um immenso promontorio do ruinas, que se-
gundo a apparenca pertencem a um templo
antigo. Ainda se conserva em pe' muitas pa-
re les construidas com enormes pecas decanta-
ra. Occupa o edificio mais da urna geira de
extensao, Tem dous ou trez andares com mui-
tos aposentos de forma quadrada, sem mellas,
e alguns tao escurse sombros que mais pare-
cem cavernas do que habitac5eshumanas. O
viajante nos de-creve o genero d'arcbitectura ;
mas er que nao pde ser obra de Europeus
F.stas ruinas sao talvez de um ampbitheatro ou
ntulum mexicano. O antiquaro que dse jar
averiguar as emigraces das raeas Azlic ou
Tollec desde as resines do norte da America
encontrara nestas construeces seguros dados
para as suas consideracoes.
Guia don viajantes qut atraressSo o Egyplo.
Uma companhia estabelecida sob os aupi-
eios deS. A o vice-rei do Egyto com o titulo
-de Companhia Egypcia =ofTerece as seguin-
tes commodidades.
Em Alcxandria os viajantes cncontro um
barco de vapor para reboque, trez barcos de
transporte, construidos de ferro para os viajan
tes e suas bagagens, um barco de vela, o seis
cavados de tiro.
No Cairo ha dous vapores para o Nilo, seis
barcos de vela, um trem para atravessar o de
serto composto de 50 carruauens de duas e qua-
tro rodas, 300cavallos o 100 camellos ou dro
mdanos para as bagngens
Em Suez uin grande hotel, cujo servico de
transporte corresponde com o do (.airo.
Os viajantes que chegarem a Alcxandria vao
a *>uez no espaco de trez das.
No caminho do deserto encontrao-sc sete es
tacos perfectamente munidas de todo u neces
gario. A meio caminho do deserto ha um ho-
tel mui bem servido l) espaco que se gasta em
atravessar o deserto varia de 10 a 2V horas
Os comestiveis sao gratuitamente distribuidos
aos viajantes em todo o caminho.
A companhia reservou-se o privilegio das es-
tai oes no deserto assim como o dos reboques
no canal Mahmoudich. Nao pode ter a concur-
rencia de oulros especuladores. He esta uma
grande vantagem para o futuro, porque he mui
provavel que dentro em poucos annoso numero
dos viajantes da Europa para a India e a Chi-
na seja muito consideravel e que de compa-
nhia impoitantes beneficios.
Outra circumstancia que favorece a empre/a
he o estabelecimento da linha de barcos a v.por
(rancezes de Marselha a Alexandria, cujo servi-
co comeca em Janeiro de 18 Vi. N'um destes va
purea veni um empregado do governo encarre-
gadode organisar todos os dtalhes do servico.
0 preco da primeira classe de passageros be de
i80 bancos (70,800 ris) de Marselha a Ale-
xandria. Em Janeiro, Fevereiro, Marco e Abril
ha s uma viagem por n cz ; porm de Abril em
diante havera tres viagens mensaes. Neste tra-
jelo em sumptuosas embarcaeoes os passagei-
Uncas funis, ou menos a^r.n.inles.
Variedade,
conforto o commodidades.
A companhia egypcia estabeleceasssim os seus
precos :
A primeira classe de passageros de Alexnn
dra a Sue/, e vice-versa, coinprebendendo l)()
() Principe ivgusto de Prutsia. kilogr. debagagom, eo mantimento para a jor-
E*le-principe, que he o Commandante Ge nuda 5 libras sterlinas, ou perto de 380 fran
rada artlheria, atravesssava de noute a ren- eos (r 60,000),
i batera, que tinha sabido a exerci- Ascriancasde dus a dez annos com un
io. um terreno pantanoso as visinhancas de do n 30 kilogr, de bagagem 250 francos
Berlini. Jlurantu o transito, urna das pecas j r.'40,000).
A sgunda classe de passageiros, cri. dos etc.
paga -200 francos (r 32,000).
(Qualquer excesso de bagagem paga-se a ra-
rao de 20 francos (3,200) porcada 50 kilogr
de Alexandria a Suez e vice-versa. Todas ai
bagagens devem ser cuidadosamei te marcadas
para se distingurem, porque a companhia nio
he respjnsivel pela sua perda ou deteriora! ao.
As despezas nos botis de Alexandria Caire e
>uez sao pajjas peios viajantes. Nestas cidadrs
ha excellentcs casas, onde por 12 francos por
dia 1,920' se encontra mesa ecama : os v-
nbos e liquores sao pagos parte
Os vapores de Bombaim pertencem ;i com-
panhia das Indias Orientaes (ingleza). Parlen)
de Bombaim no 1." de cada mez. (guando he
lempo da inonco parlem oito c dez das mais
tarde. Chcgo ordinariamente a Suez, no lem-
po em que all se recebem as malas de Alexan-
dria, isto be, pelos meados do mez. O prego da
viagem de Bombaim a Suez he de 00 libias ster-
linas (r 210.060) Ha comtuih alojamentos
mais baratos. No lempo da momo o servico
he feito por barcos a vapor de guerra eo nu-
mero dos passageiros be en lio limitado. Ascom-
modiihdes destes vapores posto que assas bel-
las sao todava inferiores em exlenso as dos
dous magnifico* vapores o Indixtaj e o />>-
linck. Estas dual embarcaeoes as mais lindas
da marinha britannica na India sao de 2:000
toneladas e da forca de 550 cavallos. Podem
receber 100 passageiros e fazem a viagem de
Calcutt- a Suez n'um mez comprehendendo as
escalas. Parlem alternativuinenli-de Janeiro al
Abril, e depois da moncao fazem o servico meu
sal mente.
Apezar das consideraveis despezas do costeio
e dos esforcos para agradar aos viajantes, estes
vapores tomao sempre muitos passageros para
as diversasestac5esenlre (ialculla eSuez. Quan-
do o servico dos vapores (rancezes do Mediter-
rneo se achar definitivamenteorganisade, ape-
nas serflo nocessarios dous mezea ou dous mazt
e meio para ir de Pariz a Cabulla.
Estufa grandiosa.O ubjeclo que mais at-
irabio a attencao da Uainba \ ctoria na excur
sao que acaba de fazer a alguns condados do
interior de Inglaterra loi a estufa de plantas
exticas do duque de Dcvonshrc na sua ma-
gnifica casa de campo de Cha.'sroorlh onde
esse opulentssmo magnata hospt'dou a Rainba
durante tres dias. A estufa tem M)C ps de com-
pr i ment, H5 de largura, e 07 de altura. No
centro ha um caminho para carruagr.m e de
roda urna galera elevada a que se sobe oor ele-
gante escadaria. Todo o edificio he de pi'cas de
chry.-'.al, sustentadas por urna lorie arinatro de
ferro, que se apoia n'um muro de I ps de i'le-
vacSo Cada chrystal tem \ |is de compndo
e 0 polegadas de largo e toda a estufa apr-
senla o conjunclo de 70,000 ps quadradosde
chrystal. Os tubos (|ue condu/em o vapor que
forma a atmosphera artificial, eos que levio
a agoa de regado postos em linha recta leriam
urna extensao de 0 rnilbas e os marcos de fer-
ro que enquadram os chrystaes \' mi Ibas. O in-
terior he urna magnifica selvaequatorial noque
ciescem e florecein as plantas mais bellas e mais
raras do clima dos trpicos. Entre as mais no
lavis citaremos o arbutelum slriatum, um dos
mais alies que se < onlienni ; as palmeira gi-
gantesca ou cori/phu umbra culi (era ; o pltano
anao que deo o anno passado trezentos plata-
nos ; e o nico individuo que ha na Europa da
familia yJmherstetta nvbilis que cuslou do/e
tontos de ris e que da soberbas flores verme-
Ibas e amarellas de seis u* de lar ura.
U principe de Carine mr de Lagra mi-
nistro plenipotenciario das Duas Sicilias em
Hespanha foi por muito lempo secretario da em-
barcada de aples em Madrid. Quando mor-
reo Fernando 7., o embaixador napolitano re-
tirou-se, porque a sua corle havia protestado
contra o novo reinado e contra a pragmtica
senecio dada ern 1830 por Fernando 7 "4 lei
das cortes de 1789 que revalidava as leis funda-
mentaes da Hespanha em materia da successao
coroa. No entanto mr. de Lagra ficou en
Madrid i neai regado da correspondencia do seU
governo. Depois da revolucio da Granja reti-
iou se assim como oulros agento dploiuati os
que mitras cortes tinham em Madrid. Foi em
seguida feito principe de Carine e servio em
Pariz na quahdu.le de secretario de embaxa-
da.
I.'rupcao do Etna. A ultima erupeao em
fins de Dezembro causou grande estrago, l'ma
mullidlo de curiosos que se echa va a certa dis-
tancia do volcao para comtenqdar o espectcu-
lo teve urna lerrivel Burpresa. De repente a la-
va que Babia da crtera se precipitou com forca
extraordinaria ; lodos deilr 5 a fu-ir; mas a
torrente ganbou tal forca valenta que alguns
grupos forao involvid > por ella. Scssenta n
te | essoas perdern a vi la \ lava durante oseu
curso destruio nonio, edilii 09
Relojoaria. Esta profissio nunca mostrou
em Londres tanta actividade corno agora : urna
casa recebeo ordem de preparar vinl'e ecioco



rfil relogies deprafapara a China. Nao ha Manoel Joaquim Silveira Fiscal da fregut-
operarioem Londres que nao esteja occupadoj zia de J. Jote do Red fe em virtud* da
oeste miater. / i yc>
Catalani.--.EsU famosa cantora, quo o thea- Faa( gaoef aos habitantes desta cidade que,
tro de .V .arlos leve a gloria de apresontarom lendo a Cmara Municipal da mesma coi.fe
sccna e que porespaco do 22 a n nos en.antou ridome o emprego de Fiscal da referida Ir-
O mondo Mn a sua voz morreo na sua villa gllMJI deS.Jos do lenle, creado em virtu-
pertodeS.nigaglw,comaidadede89annos. de da loi provincial n. 133 de 2 de Maio tote
rmba ISaanoa quando pela vez prime ira so nno, em cojo exercicio me ncl.o dos.le o .lia
estreou no teatro de \ eneza; e em 1831 rcti- 2o do presente me/ assim mandei publicar o
rou se da scena para sempre. Casou com um | pregento p,|a imprensa, para quo chegue a no-
rranre. mr. de Va breque 0,00morreo em 1838. tica de todos. Manoel Joaquim Silvura.
e dello leve tres fillios. D-ixa urna fortuna de
porto de qu.itro militos de cruzados.
fugo eterno Em Ghedoz condado de
Cornwall ..acabado morrer na mesma casa em
que nanceo, que nunca havia abandonado ,
um (dalgo de 92 annos chamado Francisco
4dao Stradling o qual deikou sua familia
o encargo de manter, romo elle li/.era em toda
asua\ida, um fogo ascendido em 1022 por
umsou antepassado, por nome Jos Stradling .
e sustentado durante 221 annos com urna vigi-
lancia que as estaos teriain invejado.
(Diario doGovcrno.)
Ilecfaracoos.
4O Exm e Rm Sr. Bispo Diocesano man-
da declarar que os dias Santos, que leem dis-
pensado sao os seguiotes: 24 de Fevereiro;
a segunda oitnva da Pascoa ; o 1 de Maio ; a
segunda oitava do Espirito Santo ; 10, e 2- de
zas, e entra ellas gran fe porcio avariadas, qu nhairo e outro [tara o servico de casa ; na ra
serao vendidas por todo o preco: sexto [eir 31 do Crespn, I i. (3)
do crrante as lo horas d
mazem da ra da Cruz.
manhia, noseu ar- Precisa se de urna casa de um andar, que

rsos.
Sociedade Euterpina.
A comrnissao administrativa manda f'azer pu
sirva para grande familia ou de dous anda-
res, sendo as principaes rasdesta cidade.
c'on preferencia rm hairro da Boa-vista ; quem
tiver, annuncie.
- AJuga-se urna casa frrea nova, com so-
t"o na ra da Praia do Caldeireiro junto ao
armazem de madeiras: a tratar na Iravessa do
blico aos Srs. socios devedores que a socieda- '.lu''"";ili" 3, com Manoel l'irmino Ferreira.
que se-
e tem fi\a data do presente annuncio para rea I i/.a rain o
embolso de suas dividas, cortos de que, lindo
ililo pra/o seo nao tiverem feito, srd con-
siderados eliminados e com os socios que se
acharem quites se deliberara a dissolucio da |
sociedade em sessAo do 1. de Junho que he
desde ja convocada. (ir
1Hoje principia a pagaren) se 08 bilhetis
premiados da 1.a parte da 2.J nova lotera de N.
segundo
Precisa- se de uina ama de leiti
ja cjjojila ; i.i tua m ru/cs n. 18
andar ou annuncie.
Precisa-se alugar una casa de um andar,
iue seja no Vtterro da Boa-vista, que bofe para
a mar e nao se olha pre^o ; quem tiver, an-
nuncie.
Precisa-se de um leitor para um sitio, dis-
tante desta
praya legua e meia ; quem estiver
a. stas circunstancias, dirija-se a ra da Praia
\osto; 2le29de8etembro; 28 de OutU- k. do Livramento", na ru, dos Martirios n. 6, '" 8.
Alfandega.
Rendimento do dia 29......... 2:01 U006
Descarreya hoje 30.
Brigue portuguez S. Domingosdiversos g-
neros.
Barca americana frandymne idem.
Brigue inglez Flisa/iette He y non idem.
U-l.......- '. i...... i ',.....-,.
iro ; 30 le Novecnbro ; 21, 27. 28, e 31 d
Resembr. Recife 22 de Maia de 1844. U l'a
dre Francisco Jos Tacares da Gama Secre-
tario de S Exc Rm. (10)
Pela Administracao da Mesa do Consulado
se faz saber que no lia 3 de Junho futuro se bao
de arrematar porta da mesma Administracao
duas caitas de assucar aprehendidas por estar o
assucar viciado-; sendo a arrematadlo livrede
gados, queira mandar abrir u valla, queseen-
tulhou na estrada do Rongi pois a evasiva ,
que deo o mesmo Sr. o anuo passado ja nao
existe; porquanto j boje esta a dita valla na
estrada e nao he propnedade particular, dei-
dospezag arrenntan.e. Mesa do Consulado %p_M. de eonlemplacSes que riultem
de Pernambuco 29 de tVIo.o de 1844. descrdito, e que nos obrijuen, a continuar
1Anlonio Maia da Silva reta-se paral
ra da provincia I9.\
- Precisa-se de um tiomcm bom forneiro ;
na rua da Conceicio da Boa-vista n. lo.
Perdeo-se do trapii be da Companhia, al
De novo lembra-se ao Sr. Fiscal dos Alio- ia rua d vp*r0 um P81 ,J' lt de ouro ;
primeiro andar, c contina-se nos dias 30 e 51,
e deste da em vante as quartas e sabbados, na
rua do Livramento n. 22.
oviinento do 8*rto
Navios entrados no dia 2'J.
llha de Fernando ; 7 dias, brigue brasileiro
Dos le Guarde de 148 tonelada! capitao
Manoel Luiz dos Santos equipagem 10 ,
carga pedra ; a llennque Bernardo deOli-
veira &. Companhia.
Maranhao ; 18dias, brigue-escuna brasileiro
Laura, de 163 toneladas, capitao Luiz Fer-
reira da Silva Santos equipagem 14 car-
ga diversos gneros; ao capitao.
tiditac^
Francisco Manoel de //Imeida Catanho.
Pela Administracao da Mesa do Consu-
lado se faz saber que no da 31 do corrente
mez se ha de arrematar i porta da mesma Ad-
ministradlo urna caixa de assucar branco apre-
hendida pidos empregados do Trapiche da Com-
panhia, por nexactidio da tara; sendo a arre-
matado livre de despezas ao arre atante Me-
sa do Consulado de Pernambuco 2o de Main
de 184 4. O Administrador interino Fran-
cisco y/anoel de Almeida Catanho.
6 O Administrador da Meza da Recebe-
dona de rendas internas geraes faz saber a to-
das as pessoas que tem escravos matriculados,
que o me/ de Junho p. futuro he o marcado
do artigo 9. do reglamento de 11 de Abril de
1842, para l'a/erem naquella meza todas as de-
clararnos dos escravos vendidos exportados ,
forros, morios, c&r, afim de so dar a com-
petente liaixa na matricula apiesentando do-
cumentos que comprovem semelhantes ca-
sos. Francisco Xavier Cavalcanti de Albu-
qu erque. (12)
O Subdelegado do Recife fazsciente que
no dia 16 do corrente mez mandou remitiera
cadeia a preta Romana, naeao Cabinda, que
diz serescravadejns da Silva,rnoradorem Con-
ceicio la Praia em P;o Amarado.
Hoje 30 do corrente peranteoSr. Dr.
.luiz dos Orpliaos no Atierro da Boa-vista, vai
em praca pela ultima vez por arrendamento an-
nual a casa de obrado de trez andares n. 4 na
rua dos Tanoeiros ; os prelendentcs poderao
dirgir-seao mencionado logar.
quem os achou querondo restituir, dirija-se a
rua do Vigar o n. I i- que ser gratificado.
O Sr. Antonio Jos.- Nunes Guimaraes ;
queira dirigir-se a ruaduC.ru/. n. 63
1 Precisa-se alugar urna ama que saiba
conzinbar bem e engommar tizo para una
casa d<-pouca familia; no pateo du Pcnha nu-
mero 4.
5 0 lllm. Sr. Inspector da Thesouraiia
das rendas provinciaes manda fazer publico,
que em virtude da Lei perante a mesma The
Souraria se bao de anematar em hasta publica
a quem mais der nos dias S, 7. 8, de Junho
prximo vindouro pelas 11 horas da manha,
os seguintes Impostos.
1." Dois mil e quinlientos reis por cabeca
de gado vaceum que lr consumido.
2.o Di/.imo do gado caballar.
3." Quarenta reis por cada caada de bebidas
espirituosas do consumo da provincia, excepto ;)
agurdente de fabrico nacional, sendo feita a
arrecatlactto no Municipio do Recife.
A arreoadaclo de cada um dos r-ndimentos
sera feita por lempo de trez annos contados do
!. de Julho de 1844 a 30 de Junho de 1847.
e dividida segundo os diversos Municipios da
provincia com exeepeo do imposto de 40 rs
sobre as bebidas espirituosas.
As p. ssoas que se proposerem a estas arre-
matares comprenlo na sala das Sessoes da so-
bredila Thesouraria nos das a cima indicados
munidas de fiadores idneos e competente-
mente habilitadas.
E para constar mandou o mesmo Sr. Inspec-
tor afixar o presente, e publicar pela im-
prensa.
Secretaria da Thesouraria das rendas pro-
vinciaes de Pernambuco 2 de maio de 1844.
C1 Secretario Luis da Costa l'orto-carrei-
ro. (32)
3 cur-ojlriihco.
O Padre Miguel do Sacramento Lopes Gama ,
Commendudor da Urdem de Christo, Prega
dor, 0 Conego honorario da Imperial t'a/iel
la Dtreclor interino do ( urso Jurdico de
Olinda por S. Mngestade o Imperador, que.
Dos Guinde, ${c. Sc
Para inleiro cuinpriuiento do art. 5. cap. 1
los estatutos que regem esta Academia, fa-
Co saber a quem convier, que os que bouvereni
de requerer qu.ilquer dos exames preparatorios
ajiintar.io s suas petii oes documentos de ma-
tricula de aulas publicas sem os quaes tirara
entendido, que paludario pai ticularmenle ,
advertindo que os que is'.iverem no l.caso
nio n serio examinados com menos rijjor, co-
mo manda o citado art dos estatutos se nao "~------------------ ------------------ _
que lero prioridade i a serie dos exames. |[(,j,. ,.|ns 10 horas da manhia he b lei-
R par,, que rhegua ao conhei miento de lo lio de Lenoir Pugel & Companhia, ennunciado
dos | ufixar ese edifal que sera onldicado honlem.
lelos peridicos po alguns dias mu 1_ j mes Crablree &. Companhia f.rao
Ulmda, 21 de Mam de 1844 Miguel do Sa- leilao por intirvemio do crretorOliveira de
ndido sortimenlo de fazend s iogle-
3 Companhia frasileira de paquetes de
vapor
A barca de vapor Pernamhucana, comman -
dante Joao Mfilio Henrigues chegar dos por-
los do \or!e at o fim do corrente mez e se-
guir para Mecei, Babia e Rio de Janeiro.
Tambem dever chegar, e seguir para os di-
tos porlos do Sol o vapor Imperatriz com-
mandanle o Capilao-Tenente Jesuino La mego
Costa at os primeiros dias do mez. de Junho
vindouro ; os Srs passageiros que prlende-
rem embarcar as dilas barcas podeao diri-
gir-se a inscrever os seus nomes na Agencia
da rua de Apollo n. 6. (14)
T "" BIPJP iiiiiMiiiiJimi
Ivisv^ martimos
1 Para o Aracaty o liiale Flor de Loran -
gtirai segu viagem at 15 do corrente ; quem
no mesmo quizer carregar ou ir de passagem,
dirija-se a rua da Cadeia do Recife loja de fa
zondas n. 37. ^5]
3 Para o Porto partir dentro em poucos
dias o brigue brasileiro Fiel forrado, e enea
vilhado de cobre, tem a maior parle do seu car-
regamento engajado para carga ou passa-
geiros para o que tem excedentes mmmodos;
Ir. la se rom l'irmino J. F (la Roza, na rua da'
oda n. 7 ou com o capitao Manoel Marei-
anno Ferreira. (g-\
"""" ...i 1 ti..
IjHIops.
Fugio da rua Nova n. 12 no dia 29 .
umajandaia grande principiando a billar, com
falta de urna un ha em um p olhos brincos ;
quem a pegar, querendo restituil-a, piule leval-
a a casa cima mencionada que sera bem re
compensado ficando-se-lhc obrigado.
1 Aluga se a metade de urna casa a urna
mulher capaz sem familia; no pateo do Car-
ino n. 24 :
Rocohcm se nos pastes doBrejo do Mon-
teiro "duas legoas distante do Recife) vaecas. e
gado de creacfto; este a 4,000 rs. por anno pas-
sado o primeiro de sua idade at se entrega-
ren, paridas as que lorcm Cerneas, e em bois de
carro os que forom machos, ou antes se seu do-
no qui/er; e as vaecas a i.000 rs.. entregando
se com cria recem-nascida: o rendeiro dos pas-
tos garante a propnedade e se obliga a curar ,
e mandar tratar de bicheira, c Garrapatos, sen-
do o a/eite de peixe para este, e o mercurio pa-
ra aquella, meltido em despeza do dono do ga-
do ; que precisar daquelles remedios: nao se
responsabiliza porm morrendo o gado de mo-
lestias incuraveis ou de picada de cobra e
neste caso lera o dono aviso para mandar ver ,
e examinar o animal morto. c reeonhccol o pe-
la sua marca ; assim como quando p rirqual-
quer de suas vaecas para a mandar rareber, e
pagar sua pastoragem; quando baja alguma vac-
ca salladeira ou ai rom ha de ira de cercas e
cercados, daninha de rocas &c, ser relira-
da dos pastos no prazo de 8 dias, depoisdo
aviso ao dono, entragando-se llie gratuitamen-
te vaecas velhas magras, e ja cansadas, que
nem pdem emprenhar nem engordar nao se
receben), nem bois de carro |i mansos; a quem
convier e se quizer aproveitar desle annuncio,
poda follar com Manoel Luiz da Veigaem sua
casa em S. Amaro.
Manoel Joaquim do Reg e Albuquerque,
arrematante da ponte da Tacaruna,compra ma-
deiras para a construccao da mesma; as pessoas
que as quizerem vender dirijao-se ao mesmo
em a casa de sua rczidencia na povoacao dos
A (logados.
Achou se um brinco na sociedade Philo-
Dramatica; quem fr seu dono, procure ao Di-
rector da mesma que o entregara.
Pede se ao Sr que mandou tirar por um
rapaz Portuguez urna caria doconeio vinda
de Macei por o paquete Martimo para o a-
baixo assignado de a mandar entregar no Al-
ieno dos Aflogados n. 40 ficanJo cerlo o Sr.
interceptor de caitas que as correspondencias
com o abaixo assignado s ao mesmo dizem
respeilo corrigindo-se do sua curiosidade e
lembranca, ou refinada maldade, e m f, urna
vez que com ninguem se assemclha o nome do
abaixo assignado. Leopoldo Caio de Mello e Portuguez, retira- se para a Babia. (2)
Guararema o_ ja |0ja da rua do (ueimado n. ,'i de-
- D-se 100.000 rs. a premio na'rua Im- reja-se failar aos Srs. Jos dos Reis, Joao Pau-
perial do Atierro dos Rogados o. 5. 1 lo Guedes. Jos Christalino Cavalcanti, Ma-
lA luga se um sitio na Passagem da Mag- noel da Gama Romeiro, Manoel CaetanoSan-
dalena a margem do rio com muito boa casa tiago e Jos Fernandas de Albuquerque. to-
do vivenda. corheira, estribara, casa de pre- dos moradoras em Serinhaem : Josela Maria da
tos e baixa com capim e algumasfruteiras ; Paixio moradora no Rio FormozojFrancisco
trala-sena rua Nova n. 44 com Delfino Con- | Jos Ludovieo morador na Venda grande, e
calves I ereira Lima. ^6) ao Dr. Antonio Jos de Sousa Gomes, morador
I Aluga se um sitio na Ponte do Ucha em (.'linda, para negocio, que muito Ihes in-
com boa esa defronte do caes cocheira es- teressa. .fll)
Uiharia fruleiras e muito boa agoa de ca- 1 = Pcrcisa-se de urna mulher de meia ida-
nimba ; trala-se na rua Nova n. 44, com Del- .le para servico de urna casa de pouca familia
'""' *"'"''''' -* pera Lima. (5) distante desta praca, na rua das Trincheiras no
J = Alugtd.se dous moleques, um coi- -l. andar do sobrado n. 42.
i
1Aluga-se o sobrado de trez andares, da
rua do Vigario n. 15, com bons com modos pa-
ra urna grande familia e mui proprio para re
sidencia de qualquer negociante por proco
muito mdico todo, ou por andares; no At-
ierro da Boa-vista n. 42, segundo andar. (6j
Aluga-se, ou troca-so por algumas ra-
sas na praca um sitio na Magdalena prximo
ao Luca tem casa de pedra e cal, cocheira,
quartos para pelos estribara para dous ca-
vados, cozipha fura, boa agoa e grande bai-
la de capim, que no vero da capim para dous
cavados, coqueiros e mais arvnredos; aira-
lar aa rua Bella sobrado novo prximo a mar.
Precisa-so de um Portuguez "de idade do
14a L'i annos, para senaixeiro d'um engo-
nho distante desta prar;a 7 legoas; qem esti-
ver nestas circumslancias, dirija-se aos Ouatro-
cantos casa n. 3, que achara com quem tratar.
Manoel Jos da Silva Redo-monte avisa
a todas as pessoas que delle precisaren) o p-
dem procurar no pateo do Poraizo casa n. 4, das
7 horas da manhia, al as 4 da tarje.
1O abaixo assignado, vendo em o Diario de
23 do corrente Maio, um annuncio, em que
se diz, que a casa terrea sila na rua Direita dos
Aflogados 11. 36 esta hypothecada, e quer-se
lazer negocio; o mesmo abaixo assignado pre-
vine, qu" pessoa alguma lava negocio com a
dita casa, sem que primeiro se entenda com o
abaixo assignado, pois que tem de se cobrar
urna quantia de perto de 200,000 rs., capital
que o fallecido Padre Joaquim Bento do Roza-
rio Forres, se responsabilisou em casa de um
Sr negociante, e por ser a dita casa um dos
beusdodito fallecido Padre, e at ao presente
nao se ter anda falto o inventario de seus bens,
em cujocabe a justilicacao das dividas,por estes
motivos, he que o abaixo assignado faz o pr-
senle annuncio, para que em qualquer tempo
nao sechamem a ignorancia.
Francisco Fusehio dtFaria.(i8)
1D-se oO.OOO rs. de gratilicacao a quem
aprehender ou der noticia onde se acha oceulto
um cscravo de naci Costa por nome Carlos,
inda bucal, e que fdra sedusido do sitio do
Caldereiro levou vestido camisa de brim no-
va, e caifa do mesmo bastante usada e com os
signaos seguintc: alto, magro, bstanle fulo ,
feivoes regulares, e representa ter 20 a 2o an-
nos ; quem do mesmo souber ou der noticia ,
dirija-se ao silio cima, ou na rua do Atierro
da Roa vista casa n. 18. (11)
1 Perdeo se um dos meios bilhetes numero
2018. da segunda parte da segunda lotera de
Guadelupe, lem no terso o nome da pessoa por
quem foi comprado : na rua do Crespo n. 11
se dir a quem pertence. JJ)
- Manoel Maia Lopes Ferreira subdito


- Por noticia que tenbo qu, foi adia-
do no dia quinta fe-ira santa al sexta ('a Pai-
x3 i'ufli alunle de peil i todo di* brilhant re
dondo, i i 'r.-s carrn.i* lo brilhanles
en n la o mn hrilhanle no meto que foi
perdido [iiinla feira danta de lardeen *.Fran-
i si i.'sendo a groja que m is assistencia se fi'ji
ne l.ito er so as mais lo las,que di-
zem ser .ii hado por um Si dij engenho o (|ue
i ii i i seu correspondente para se procu-
rar o dono ; ete Sr. queii i annun :i ;r sua mo-
rada ou dirija-so ao pateo do Canto sobrado
n. 18 secundo andar que se I he dao a-
chado, ____ 1',
(uem achou urna DoKja de Sa escura
traila ou de quadrinhos. na noute deter-
ca feira -21 para 22 do corrente, contendo
dentro dola 30.>000 ris em sdalas, ornan
papis, que se precisao ; annuncie, ou dirja-
se ao pateo do Carino sobrado de dous andares
c isa n. 18 segundo andar que l so recom-
pensar rom o mesmo dtnaetro 8)
2Rozas Braga & Companhia lozem pu-
que na larde de ilili id i 23 Jo cor-
rente, se Ihe desencaminharao l'i leltras que
o seu caiieiro Imita em urna carU'ira n'algibei-
ra, para cobrar ; e por isso aquella pessoa, que
as aclnr pede-so-Ibo por favor para as restituir;
prevenin lo, que ningueni laca tran/acAo ou
negocio algurn coni ollas; pois |ue os acceitan-
tes j t so adio prevenidos p r~> as n o
rom sen u aos annunciantes: sendo as ledras
seguinti i rencillas pe >s Srs. Antonio Jos
Pinto i!,i-ilv.i !l.{>:}.!:'rs Manoel Jos de
Nuisa & Companhia 3(i7jG0G rs. Joaquim
Jos de Oliveira T-'52 .:',''.! rs. dito 379j rs..
Francisco Joaquim lardoro 814I00 rs., \la -
noel Joaquim Ferreira Juni< r 767:778 rs. ,Joo
lacinto le Sousa IS Ij690 rs. dito 21 j rs ,
Antonio Ja ai:: d \/vw i 312a i-93 rs di-
tu 2T.'i).'i0ii rs., Miguel Jos Barboza Guima-
raes ev Companhia I:238jo00 rs,, Cae tao Jo-
s da Silva 180j()00 rs. Joo da Silva Santos
38 i.OO rs. ,\ iuva (!unhaGuimaracs 336^922
r-.. Man el JosCi I h os 202^800
rs., Ignacio Viegas restante 1598750rs.: ob-
servando quo ctri algumas lettras ja se acha-
vao passados alguns recil os por conta das mes
m -; bom como em separado deltas. 26
2Precisa-se de um Capelln para um en-
genho distante 18 leguas i esta cidade, deven-
do o mesi......nsinar primeiras letras a alguns
assegura-se a pessoa a quem isto con-
ente (ratamente, o sulcienle retri-
rruicao i- sobre as mais condices pdem se
gil os pretonJentes a ra do Atterro da
Boa-vista casa n. SS. segundo andar. 8
2Tamhem se precisa de um destillador de
aguas r lentes que osle ja a coslumado a traba
Ibar segundo os syslcmosmodernamente empre-
gados, a pessoa a quom coovier engajar-sc [>oi
esta quali lade de trabalho pode procurar sa-
bor as condi oes esle uiesmo engajamento na
c isa acim i mencionada. 7
2 L' se dinboiro n premio com penhores i\r
ouro, n osmo cm pequeas quanlas* ua ra
Nova n. 35. (3)
:. GUjIN'EI E DR observacao
\ o
Hicroseopio tolar achromalico ex posto no se-
gundo andar do torr&ooccupado An _/>-
socise (ommercial.
As experiem ias lem limar todos os das ex -
copio as Tenas feiras ) quando o Sol o permit-
a, desde u meio uia ai as 1 horas.
Preco dos bilheles da entrada I > rs por cada
pessoa. (tO)
2 Precisa-se do urna prela que saiba co-
sinhar e engommar, efazero mais servido in-
terior do urna casa do pequea familia e tani-
biui um moleque que saiba tratar de aval-
lo apara compras de ra ; na ra do Trapi-
che-novo n 36, primeiro ailar. fi)
3 J. Cnardon tendo IVit<> entrega por es-
criptura publica passada no cartorio do I'abe-
li.i > Bezefra C valcanli, no dia II dircorrente,
de ludo o que possuo ao Sr. I.. I'oudra por
conta do que Ihe dere, precisa para terminar
ditaentrega que a- possoas que se ulgarem
seus credores i> >r qualquer causa hajo de
apresentarassuas cor.tas correnles, ou ttulos
8t i> dia g'-' do cor:cuto me/ ao ditoSr. L. Pou-
dia na ra .Nova n. 23, eslava reconhecido.)
9 LOTERA DAS MEMORIAS HISTRICAS.
PREMIO GRANDE i 10 DE RS.
Dll MMMEDIAT :OO0 foOO DE RS.
Bata loleria tem de correr. logo depois da
do Livramento que acaba de exlrair-se, o por
is-o o andamento de suas ro las tere lugar im-
preterivelmente no dia l'< de Junho prximo
luturo designado por S. Exc o Sr. Vice-Pre-
sidente da Provincia; osblbetes \ ndem-se ni-
camente as lojas de cambio dos Srs. Vieira o
Manoel 'i' mes na ra da I i R<
as botii rJoio Moreira ra lo Cabug; e
Chagas ra do Livramenl riptorio
ro,
.._ Precisa-se d 0| rs. a pre '
the
muito mais da quanlia pedida : quem qu
ai annuncie,
" Precisa-se de urna ama pan urna casa
b punca lamilla para o servlgo interno da
na 1.1 ru i o*es, loja do pintor o
': iceiro n. _s. 'A
>Arren la a casa de .'! andaros o dous so-
ti s, com 'i seu armasen, na ra da Cru* n. 8,
porl:'200 r. prco pelo qunl est arrenda-
da lia muitos annos, etambem se permuta por
outrfi propriedajles anida sendo suma de
campo e lambetn se vender se assim con-
\ er a tratar na mesroa casa. 7
2Francisco 'opollo, subdito Genovez, re
rira-sc pjra a cidade da Habia. (2]
2 D-sede l"0 a !:008# de rs. a juros so-
bre penhores de miro ou prata ; as Cinco-
pontas n. I'ti. (3
D-se almoco, jantar, e ceia com todo
sseio, promptidao e preco mais commodo ,
que em nutra qualquer parte : na ra alraz da
matri' d S. Antonio n. 1(, primeiro andar se
dir quem da.
rreoisa-so do umaesciava que seja fi-
el para comprar na ra e boa vendedeira ,
di-seo sustento, e paaa-se 8# rs. por cada
mez : na ra Velha indo pordetraz da matriz
do lado direito n 26.
I OlTereco-se um moco Portuguez, de 1"
annos para caiseiro de qualquer estabeleci-
menl neita praca, ou inesmo fura dola; quem
le seu presunto so quizer utilisar annuncie. (4)
Quem precisar de urna pessoa, que d
i:i lor a sua conducta para cobrar dividas no
cria.> dirija-se a ra Nova n. 31.
1 l'c le-se por Livor a um snr. bem contie-
ndo que no dia -27 do corrente segunda let-
ra de noute estando-se na vespera da fosta do
cuino, fez a graca de tirar urna larteira de
urna algibeira com urna porcao de sedulas ,
-eiido una do 5'l^rs. outra de 20 rs. urna
de 5000 rs. o o resto miudas; pois o dito snr.
tenha a bondadede entregar a dita cartelra na
ra Nova lujado forragens n. 2o o do con-
trario passar peludesgosto de ver o seu nomo
por extenco publicado. it
Tendo vindo para esta provincia ou suas
immediacSes, no estado de soltelr'o, Jos Anto-
nio \ ianna, ouJns Antonio Caminlia pois so
Isnora (|ial do 1 ltimos apelidos usava, e tal
ve/ que tomasse um terceiro; os prenles resi-
dentes na provincia do Mlnho em Portugal na
tem tido noticia suppoe-se que ser falleci-
do : portanto roga-se a qualquer pessoa que
possa ministrar alguns esclarecmentos a res-
peito o obsequio de annunciar sua residencia.
Perdeo-se urna corrento de relogio com 4
oitavas e meia desdo o Mondego at a ponle
do Manguinho; roga-se a pessoa que a tenha
adiado o a queira restituir de levar ao pateu
da S. Cruz. venda do 3 portas confronte a boti-
ca do Sr. Jos Mara Freir Gameiro que ser
--ral i tirado.
(Juem annunciou querer comprar um ca-
vallo manco goido e bom carregador baixo;
nlenda-se rom o porteiro do collegio dos or-
phos em Olinda.
1 Na ra estroila do lio/ario n. 21 pri
meiro andar, ensina-se meninas a lor, esere-
ver, contar, e coser, tambem acceitap-se meni-
nas de a a 6 annos o algumas meninas per*
cioiiislas, por proco commodo.
IA mesa regedoia da irmandado do glorio-
sos. Jos erecta na igrejadeN. S. da Paz, na
freguozia dos A fugados tendo avisado por car-
ias a tod s (iois devotos, o dia aprazado oara
festejar seu padroeiro e au sondo possivel fa-
nel-o por causa justa ; novamonte faz constai
aos me inos liis, que tica a festa transferida
paia o dia 2'i de Junho do corrente anno im-
prelerivelnieiile, pr cujo motivo suppliea suas
coadj > vacoes em tempo, a fim de se (azor o
acto com mais decencia. (If
Quem annunciou a venda dous pares de
laniernas, dtrija-se a ruu Nova n. 5.
3^ Vendo-se urna negra moca de bonita ti
aura tendo algumas habilidades, cmanla
cr1adfl dous ndos, multo esperta vendo-se
promplido e
(7
3 ar-
par precisao ; na ra Direita botica de Igoa-
'V-Vondo-sff ou permuta-se por escravos
urna arando morada de cana em Olinda com
eicellentes commodo, com grande quintal,
com grande baila para capim e poco ; na ra
de Agua-verdes n. 22 ; na mesma casa e
ma-see lava-secom todo aceio
preco commodo.
>_Vende-se farello novo em saccas de
robas. chegado de llamburgo ; em casa de H.
Mehrtens, na ra da Cruz n. 41). (*)_
4_Vendc-seuma pendra do rame, propria
par'a refinacao deassucar por prego commo-
do ; na ra da Cruz n. 37. segundo andar.
2-Vende-se um resto de arralas com vtahn
de Gerofiga por preco commodo; na ra da
Cruz n. ."7. segundo andar.
2 Vende-se moeda de cobre a dous por
cont de premio em por?ao de 50 rs. para ci-
ma : na ra da Cadeia do liecilo loja de cam-
bio n. 24, do Vieira. '
_>_ Vende-se um presepio dentro de urna
redoma de vidro ; o um S. Andr ; na ra do
Queimado loja de lerrauens n. 30. (3)
' .)_ Vendom-se '1 escravos de "20 a "22 annos ,
lo bonitas figuras ; no largo do Corpo Santo,
a lallarcom Antonio Rodrigues Lima.
> -Vende-se por precisao um cavallo de es-
tribara em boas carnes, e serve para carrora
por ja se ter experimentado ; na ra da Alegra
n. 34. '
Vendo-so una escrava de nacao Angola de
2!> aunos.bonita .'igura, engomma, coje,cosinha
lava urna crioula de 18 annos engomma ,
cose, coslnha.e lava; na ra das Cruzes n
41, segundo andar.
|_ Vende-se urna porcao de lo.'o serrado
com prancboes ; urna canoa pequea, nova,
urna caixa de tarramenta completa para marCr
neiroe carpina ; na praia de S. Rita, serrara
n. 23. 6)
t Vende-se urna nogrinba de nacao, milito
linda, de 16 annos, engomma muito bom,
la: lavarinto e case ; dous moloques de na-
cao, do 18 annos, com bonitas figuras, de
boa conducta e ptimos para todo o ser vico ;
mu dito do 12 annos; urna escrava de nacao ,
de 24annos boa cozinhoira e engommadeira ;
dous escravos pecas, ptimos para palanqun!,
os quaes ganh o dio rs. diarios; na ra Direi-
ta n. 3, primeiro andar. (10]
1 Vendem-so lindos cortes de asenda es-
cocesa para vestido de senhora o chambre de
homem-a 4500 rs., ditos de lanxinha a 2210 rs.,
ditos do dita de superior qualidade e de gosto
muito moderno a 6' rs., corles de dita com lis-
tras de seda a H>' is. parisienso para vestido
de senhora a 320 rs. o covado o cortes de di-
to de padres muito modernos a 6400 rs. ditos
de cambraia de listras e quadros de coros pelo
barato preco de 3800 e 4000 rs. ditos de lar-
latana a 6000 rs. ditos de cassa-chitas a ."20o
is. cambraias adamascadas de lindos padres
para cortinados de cama por preco commodo;
na ra do Crespo loja n. 12, de Jos Joaqnim
da Silva Maia. [lo]
Vendem-sc 3 escravos para todo o servi-
co ; um dito de meia idade por .'iOO.OOO rs. ,
bom canoeiro e serve bem a urna casa ; um
moleque de 12 annos de muito linda figura,
o servo bem a urna casa ; urna escrava rom
Utna fillia dos anuos de muito bonita figura ,
a preta vendo na ra e lava roupa ; urna dita
por 150,000 rs. ptima para o trabalho de
campo ; urna moleta de 16 annos ptima pu-
ra se acabar de educar ; urna mulata, que en-
gomma cose, cosinha o he ptima ama de
urna casa ; na ra larca do Rozario n. 'i v
1Vendem-se mantas de seda (bogadas l-
timamente inui ricas e de padres oscuros a
6 e 10,000 rs. rainha da India, lasenda mui-
to moderna paraveslido de senhora, com mais
de vara de largura a 500rs. o covado, lindas
cassasde chadrez e cambraias de cores com
llores, mu finas, chegadas lambem ultima-
mente, estas a 5500 rs. c aquellas a 1000 rs. ;
na ra do Cabula, loja de fasendas inglezas e
Irancezai de Percira Guedes. (lo
1 Vende-se iarinlia de mandioca de boa
qualidade vinda dos portos da Rahia a 3200
rs. o alqueire da medida velha ; a boido da
xaropeira Tundeada junto a oscadinha do Pas-
soio-publico e na ra da Cadeia de S. Antonio
n. 19. ;s,
1 Vende-se um moleque de bonita figura ,
proprio para pagem, ou para aprender ollieio ,
de nacao de 12 annos; na ra Nova n. 28 3)
Vende-se urna escrava de Angola de 25
annos, cosinha e he lavadeira ; na ra do
Sebn. 311.
Vende-se urna nearinha crioula de l'i an-
ns cosinha, tem principios de engommar, e
he ptima para tvdo o servico de urna casa: na
ra da Lapa n. j6, segundo andar
Vende-se um negro moco bom traba-
Ihador de enchada bom carreiro sabe tirar
leite, e tratar de gado, por proco commodo;
na ra d; Aguas-verdes, sobrado n 70.
Na padaria da ra da Sanzalla-velha n. 04,
[continua-se a vender por muito commodo pre-
Vendem-se listas geraes da lotera do Li-fco, superior po( bolaxa. bolaxinhas e biscou-
vramento; na praca da Independencia, livra-ito, ludo das melhores larinha, quo ha no uiei-
i; ,. s. cado.
3Vende-se a verdadeira gomma de mata-' Vende-se carne do sertSo, liiinuicas, e
de superior qualidade < SUU rs. a libra gomma do matarana a 310 rs. a libra ; na pra-
nailharga do Livramento botica n. 4. 3; i va daoa-R vista n. Is. -^
__ Vende-se cevadlnha de Franca nova, a
240 rs. a libr-, bolatlnha americana a 2'i0 rs. ;
na venda de Antonio Pereira Silva Mariins.
_ Vende-se umcavallo ala/.o cachito, bom
carregador e esquipador capado est bem
orlo; nos Coelhos, ,rua dos Praseres, olaria
do Mananno.
I__Vende-se lagedo chegado agora de Lis-
boa; no escriptorio de Francisco Severianno Ra-
bello. ... ,. j3)
_Vcndem-se queijos do sortao chegados
prximamente, muito descaes e de boa quali-
dade ; na ra da Coiieeicjio da Roa-vista n. "20.
__ Vende-se urna preta de 20 annos cosi-
nha, engomma cose, e lava; na ra das Trin-
ebeiras sobrado n. 10
Vendem-se urnas saccas de arroz pilado ,
de alqueire por proco commodo; na ra do
Collegio armasem de trastes n. 18.
]__Vende-se urna escrava de bonita figura ,
boa vendedera .na ra, cosinha e nao tem
vicios nem achaques ; na ra do Collegio n.
3, segundo andar ou na ra larga do Roza-
rio n.i30 '
Vendem-se charutos superiores (Napoleao
emeaixinhasde "200 a 2700 rs. cada caixa ; na
ra da Cruz. n. 37 c no armasem de Fernando
Jos Braguet, aop do arco da Conceicao.
I__ Vende-so assucar refinado, caf moido
o em grao, dito de cevada, c assucar de diversas
qualidd.s tudo por proco commodo ; na ra
larga do Rozarlo deposito n. 38. (4)
__ Vende-se um molequo sem vicios nem
i aahaques de 23 annos, por preco commodo;
; no Atlerro-da-Roa-vista n. 31, junto ao tanque
d'agua.
Vende-se urna negra moga do Angola ,
de bonita finura sem vicios nem achaques,
i muito boa engommadeira e cosinha soffrivel;
' na ra estroila do Rozario, venda da esquina
I que volta para o pateo do Carino.
i __Vendem-se duas camas de condur, urna
para casal ea nutra para solteiro e sapatos
' mira homem, senhora menino e menina ; na
ra Nova loja n. 58.
_Y',mde-se urna porcao de arralas pretas ,
limpasem estado de podorem receber qualquer
liquido; na rJ d0 l,',,".n' \'llr .
Vende-se u'na loJa ,dt f9iend" c"m
poucosfundos, na ^ Livramento n 14;
...... 1,, L.l l'i I" .11 :l .. ,
a tratar na mesma ptC^^ fa"'r todo
negocio favoravel ao compfdo' v,rlu(l
do annunciante ter de fazer "'a vla!?ein ai>
matto. .
1_ Vende-se no armasem deposito de vveres,
na ra do Praia beco do Carioca p.r bailo
da sociedade Philo-i'halia primeiro anua--':1".
arro' branco e vermelho pilado .lito de casca,
farinha de mandioca de boa qualidade a reta*
Iho e por atado, por preco commodo. 6}
Vende-se por preco muito commodo e
faz-se lodo o negocio urna parte do sitio que
foi do tinado Souto em Bebiribe ; na ra de
Hortas, sobrado de um andar n. 6ti.
Escravos fgidos
Compras
Compra-se um rento de larangeiras para
mudar ; na ra de Aguas-verdi-s, sobrado n. t6
l_ Ompra-se 4(i aeces da cuupanhia de
Bebiribe ; na ra da Cadeia do Rehile n. 'il (2)
Compra-se a historia sagrada em rancez ,
queostij- em bom uso e completa tm dous
voluntes ; quem tiver annuncie.
Compra-s urnagrammatica ranceza por
Sevene : na ra do Cabug loj.a de Pereira
Guedes.
Cumpra-se urna morada de casa terrea,
no bairro do S. Antonio, sendo etn boa ra;
quem liveraniuincie.
Compia-se duas escravas, que sojao boas
quitandeiras, oque nao se,ao bobadas, nem
(ojonas pagio-se bem ; um mutatinho de 15
.,unos e mais escravos de ambos os sexos ; na
praca da Roa-vista n. 10.
Compra-se a obra recreacao do homem
sensivel, eo feliz iodependenle ; quem tiver
annuncie.
1 Compra-se urna arte ranceza por Seve-
ne ; na ra a Penha n. 3.
Vendas.
o_ Fugio da povoacao do Assur, freguezia de
S. Anna do Araripe municipio da villa do Cra-
to um escravode nome Antonio cabra do
30 annos estatura regular, mayro, rosto bem
descarnado ponas arqueadas urna mais que
outra, e rep.irando-se bem. cocheia ; quem o
levar a Joaquim Onolre de Faria morador na
dita povoacao do Assur, reccher de gratiica-
Cao I00# rs. o quem so dor noticia delle, sen-
i do verdadeira receber 30' rs. (10)
No dia 'i do corrente fugio de bordo do
brigue Aurora o escravo Antonio, baixo re-
forcado, com a orelha osquerda cortada na par-
to Inferior [polo que he bom eonheciu uouhi-
te ladino, levoucamisa e calcas azues ; quem
o pegar leve a ra da C'uz n. 4o, em casa de
Nascimento Schaell.-r S Companhia, que ser
generosamente gratificado.
No dia 2( do corrente fugio um mulato de
nome Manoel, official de funileiro representa
ter'20 anuos baixo secco do corpo um tan-
to corcovado o quando anda pucha alxuma
cousa para o lado esquerdo tem urna malha
branca sobro um peito; I vou calcas e aqueta
branca ; quom o pegar leve a seus snrs. Mos-
quita \ Riitr.i na ra de Apollo fbrica de
caldeireiro que ser gratificado.
1 Nodia26do correle lugio um escravo
de naciio Cacange de nome Joao, baixo, tiros-
so ps grossos e loveiros com urna ferida na
canella da pona osquerda falto de denles
na parte superior COin calcas e camisa de al-
godo trancado azul, o chapeo de palha; quom
o pegar, leve a ra Direita n. '2. {"/)
1 No dia 6 doconente l'u.'io um moleque
de nome Aloxandie, do Id annos levou ca-
misa de madapolio e calcas de riscado escu-
ro com listras azucs, amarrada com urna cor-
rea defivela pela cintura, com boleos das ban-
das com nina belida em mn olho urna eos-
tura no pescoco degrandulas ; juntamente um
carneirocom cabeco do couro de lustro e um
panacum pequeo com dous pares de tam neos,
um urande e outro pequeo, um pralo azul
com 1 buiaozinlio do banba Irancea, > unta ioa-
Iha de chita rouxa de babadus ha noticias cer-
tas que anda pelos A logados; quem u pistar,
leve a ruado Cabug loja de Pereira S Gue-
des, que promette gratificar generosamente, i '<
IvHCIFif sv Itp. dk 9. I. ui. i a- a i si i-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHULKGI02_L7CEF2 INGEST_TIME 2013-03-25T16:17:41Z PACKAGE AA00011611_00117
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES