Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00110


This item is only available as the following downloads:


Full Text
f
Anuo ce i8*4. Segunda Feira 20
de !Hao.
O DlABIlpubllO*.* I ,, j,.....ienr10 (onm Mnlfic|
, ,1 ires milrt. por <{ S-"< '' '1ue ': '"'" raijo de 80 reis po, linlne
Hu < yp mi ,,, Craici n |4 ou prea 1
o pmgo tlt stipiatura
i assignaniet sao inserid
A> retlamarea derea Mi Jiri-
(pendencia I,ja de litrun tS

..PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES
Coujm.. ;->J fundas, ie,1er..._Kio Gr.nd.do No,* c!,eSa.8e2Je p.,
7 U-adVf,'S'""l"7.K".l'..r.,.. ... 13*21 Hfc.-_Cld.de ,,.. \(.,M( ,,,, f, r,s._ 01, n,l ,,,, ,,,
! Canil)di suluf 1 i.ii' i-i :..
arn 870 rea por fra
Lisboa 112 |
DAS DA SEMAS \.
20 Seg s. l'anliK*. Aud. do J. de 11. da J. .
i( Irrra a Man,!. Hd. ,a,|. ,; j ,p j, (,R 3 f
S (.luirla i. It.la de tSsia Aud. do .1 C I), da j ,
cJ Quinu lasitov. Aud do 1 a 1 da 2
jl Win Afra. And doJ.de D .'n .'. r.
,., Sal 1 <;r goria. Kel. aud o .1. del) da I, v.
MncdaV .obre .1 por cen i e na
1 (icio de lrii/.s Je boa. l'rrai
~( iloui 1'asi-o.i do Kapirito Santo.
"L
ssunamsstBBW-"
J
Anuo XI. S. 110.
|e de i a energa ei a
uno pi i | i entre as natoea i
ir a tiI.)

10. rompra da
, 1 \ |7, I7.6i
. n, i
i J.iOO >J
1 i Cali n 1 'MI '
., I manares ,00 .' "
., | ,080
Pll \s;.s )\
I.ua cn.ia a _' aoi '> ma i lai
-*-
1 >0 : mi: m no.
! I.ua ora a |7a?f> horas e 32 ma ii.- ,..,."
>6 b S m As larde
'reamar de /,q <. \^.
as 0 horaae i. e 18 mirglu da lar r
' -
a ',-t ;? ..-
i
'
RIO !
( orrespoiulencia do Diario.
PantA. de Abril.
Ogovero ingle/ ficoudo la I manera a lata ri-
lado com a rotado de que a cima lallei sobro
o bil das manufacturas, que por espaco do al-
gun< das nao souhe que partido deveria tomar.
A final declarou que retirara o bil, o quo pro-
pona outro de novo. Todas as caitas do Londres
dizem que a resolurfio bem asentada do gabi-
nete be de retirar-so no caso de passar a emen-
da de Lord Ashley.
Depoisda pascoaha .10 la m bem ser apreserttdo
pelo Governo Cacara dos Cummuns um bul
para diminuiros direitos sobre o assuear oSIran
gero este favor porn, rnente se estender
ao assucar de java e ,|c Manilha He m is u n
acto de ho^tilitade contra o Brasil, eujo a car :car e, virtude de omelltante disposico,
se |iiissdr, em peiores circumstancias queat
aqu'..
^ Lord Palmi-rston npprcsentoii urna mogao na
Jamara dos Communs.pnra quesoenviasso ama
mensagom a rainha, podindo-lhe quo por cas*
rienlium consenlisse em alteracao ou modi-
caeflo dos tratados actualmente existentes sobre
o direito de visita, donde resultasse a menos
quebra naelllcaci das medidas estipuladas con-
tra a rcpressSo do trafico da escravatur;i. lista
carta nio temnecessi(ladedesoliresrripto;por(|iie
anda quesem elle a deitem aborta nocorreio,
c vira ter direita como urna linha porta do
Ministerio francez
0 lUoming Herald, commcntanJo esta mo-
ao, n5o Dde perdoar a lord Palmerslon olin-
ver declarado que, no caso de seren ineffcazes
s niiiiis empreados para embaraeara inlroduc-
.io de cscravos no Brasil, nem por isso faria os-
rupulo do comprar os gneros provenientes do
dito puiz, anda quo produ/idos por trabalho
' nao livro
Em ludo o por tudo se lia do manifestar o
rerdadeiro respeito da poltica inglesa. Nao lio
possivelque o interesse sincerodaraca nogra soja
o quo inspire os mesmos bomens que condom-
nSoeni Inglalcrr.i tantos militares de individuos
a 1V e 18 horas de trabalho por dia, e quo, tra-
tando-so de mulltcres e de enancas, nao se
contento com menos de 12 horas do trabalho
electivo. !le que se trata he do acabar com a
producc&o do algodo, do assucar o do cafe na
Am rica para transportal-o para a India, ondea
Inglaterra nao pude ter concurrencia. Assirn he
que se explica tudo quanto he relativo ao direi-
to de visita. Assirn he que se explicao as nsur-
rciies sobre nsurreicoes d'escravos que agora
iiicsmo estSo devastando a ilba de Cuba, e que
hSo de acabar poi arruinar de todo este paiz.
Ccbio ( arthagen;i, que se rendeo dscrl-
a.) no di i -j.o Veremos se acaba o anno de
1SH sem nova nsurreicfio.
InglaterfOi e l'iussia eslao negociando nesle
momento um tratado em que se ha de regular
o direito de proprieuade litteraria inter-nacio-
nal He mais um conselho ao Brasil para que
laca a mesma cousa relativamente a Portugal.
O i-squadrao do oras e Ribas de Lui/ i'illi-
pe que so preparava para o fazer av, j come-
cou a por-so em moviineoto, Bompeo a mar-
cha a Prince/nClemcntina. dando luz na ma-
nhaa do dia 28 um rapaz, que no mesmo dia,
ao modo da corto de Franca,loi baplisado com
o nouie de Filippe Seguir-se-lhe-ha d'aijui a
li. semanas a Ou |uesa de Nemours.
h Arcebspo d'Alby, e os Bisposde Strasbur-
g e de Metz, envi r3o os scus protestos relati-
vos a projectode Villemain sobre a instruceao
publica. Tcnho motivos milito particulares de
crerquo El-rei est de acord com o clero a
este respoito e que as suas intencoes 'ao as me
Ihores t.ue se p6de desojar, ou pelo menos as
importante, o que a petico rena em son favor
os votos das diilcrentes fraccSes da npposico
P. S. Em 2il'Aliril. No momento de fechar
esta correspondencia rhcgfio noticias importan
tes d'lnglaterra edo Haiti As circumtncia,s
destu negra repblica tem-so tornado ultima
monte tanto ou ainda mais negras do que ella.
O partido chil e o partido militar eslao em guer
ra declarada. J em diflerentes parles a Guarda
Nacional tein vindo s maos com a tropa de li-
nha, havendo morios e ferelos de parte a parte.
Tudo annunca que o paiz vai passar pola maior
ua todas as crisos, do que eni sido victima des-
de a sua independencia O estado do tbesou-
i'o nao permiti o pagamento da prxima
prestacao aos credoros Irancezes. He mais urna
eircumstanca terrivel, que nao pode deixar do
crear grandes einharaeos.
O ministerio ingle/, considera-se em perigo
evidente por causa da maioria reunida contra el-
lo o a favor da emenda de lord Ashley A sua
tctica actual coniste em anhar lempo para
verso podo redu/ros torys dissidentes, 'i lorca
de promessas e concessSes.
Tornara/) a apparecer no paiz de Galles as
Filhat de liebecca com o seu arreganho do cos-
tume. Ja domolirao militas barreiras o prepa-
rao-so para grandes cousas.
O'Connell declarou ltimamente em presen-
ca do um grande meeting ein Liverpool que,
a s portas de Gonstntinopla. Os jornals I elle deixe de occasonar (uando fr lempo,
tas franeo/.esespanto-se de quoa Austria este-
la presenciando tu lo isto, o que se cale; a mi ni
o que me espanta he que ellos nSo adivnliem o
motivo desta cegucira. Que as duas agiras, aus-
traca e moscovita; ambas extraordinariamente
vora/es, porque cada urna deltas lem duas cabe
vas e quatro garras, marchao d'acordo, he cou-
sa queja nao podo entrar em questio. Ambas
as potencias so tom entendido, desde longo tem
popara o restabelecimento dos dous imperios
romanos, do Oriente c do Occidente lua ir
marchando pouco o pouco para Gonstntinopla;
aoutra tomar o caminho da velha Boina; e
quando for tempo, vel-as hemos, apesar de to-
das as devoros da Gasa (Austria confiscaren)
em son proveito asduas berancasde Mafoma e d<
S. Pedro.
A crise financera da Hollanda pode direr-se
vencida ou porto disso, a lorca de bro, de gene
rosdade e de devoco patritica. Talvez nao
baja povoalgum na Europa quo tenha dado ao
mundo e.xemplos (ao estrondosos de Vordadeiro
patriotismo como a Hollanda: he bello \r des
les extremos d'anior de patria, o sobretodo cni
poca, em que o espirito nacional parece amor-
tecido por toda a parte. Logo que se abri a
subscripcao para o dom gratuito, o para o om-
preslimo ao par dos II por corito, immediata-
nienle comee irao a allluir a-signaturas. Pioni-
logo que voltasse d"Irlanda, para onde agora ; perao a marcha os dille-rentes membros da fa-
partia, tratara de promover^oin o axilu*^tkrj-^iiiat Boa 1,^0 todjus corr grandes sommas: se-
30 uavalheiros de distinevao, a subscripcao de guirao se llies depois os capitalistas e os pro-
urna pelicSo Cmara dos Communs para que priotarios, de modo que dentro do pouco tem-
o actual gabinete lossc posto em aecusacao
10 de Abril.
As ferias da Pascoa interromperao por 15
po estavao prcenebidos 120 mi I lides de florins
dos 127 que o governo bavia julgado necessa-
rios. O milhao de florins que restava foi ollere-
das assessdogdo parlamento d'lnglaterra, lord do pelo rcialem da somma, que bavia primei-
Brougham veiopara Pariz, O'Connell, depois ramente assignado Cada florim d'Hollanda e-
de promettor que voltaria em' breve para pro- quivale a 2 francos e uns 14 centesimos.
mover aecusacao do ministerio debaixo dos
:, i res que o c ca Ihe permitle.
i.amartille apresenlou a favor da liberdade de
D. Carlos urna peticSo com grande numero O.r
turas rcspoitaveis, inclus
iliriand. I
auspicios do 30 cavalboiros de dislinccao, parti
para Irlanda, onde o prximo julgamcnio da
sua causa exige a sua presenta; o governo ficou
um pouco mais desaforado para pensar nos
meios de reprimir o arreganho das l'ilhas de
Behecca, quo de novo levantrao a grimpa no
paiz de Galles e sobretudo para remondar a sua
maioria na Cmara dos Communs, que a emen-
da de lord Asheley doixou esfarrapada. Nao os
mili rompamos as suas importantes oceupa-
eoos e approvoitcinos esto momento de folga,
que ellos nos do para lancarnios urna vista J'o-
Ihos para a Europa.
As intrigas da poltica russu no Danubio tem-
se tornado nestes ltimos lempos particular-
monto significativas. Ao que as folhas allemans
dizem este respoito, possoeo accr sceniar al-
guma cousa de mais particular, que recebi
em primoira mo de um agente diplomtico ,
residente em Jassy, capital da Moldavia. Nao
lia duvida alguina que a [lussia pretende in-
corporar desde j nos sola vastos estados os
tres principados do Danublio: toda a questao
he se a ineorporaco lera lugar immediatamen-
to, ou so a cousa so lar i fazendo pnrneiramente
passar oj iiitus principados da co-suzerania col-
lectiva da Bussia oda Turqua par.i a su/crania
da primeira potencia exclusivamente. A Mol-
davia ser a primeira victima davoracidade mos
co'.ita, soguir-se-lho-ha a Valaquia, e quando
for tempo, a Servia. O dosenvoivimento do
plano comocar pela depisico do Principe
nova coniirmacao apezar de se di/.or transmitti-
da pelo Nuncio de Y ion na; mas as ultimas car-
Os tumultos da Italia forao mais graven do
que indiquei na minha ultima corresponden-
cia; porem os da Ciilabriii nao apresentarao ca-
rcter lao melindroso, como os da Bomania. O
quo o povo daCosenza quoria era soltar uns oi-
tocentos pre-os polticos que I., so achavo reu-
nidos. Se o consoguisse, he muito provavel i|uo
so nao contentasse com isso. O Estado pontifi-
cio be que parece ameacado do perigo mais
ilumnenle. (( pl.mo dos rovolucionanosconsiste
em marchar sobre liorna, logo quo posslo, abo-
lir o governo papal, o arvorar no Capitolio a
bandeira popular com a lamosa legendaSe-
natus l'opulus que Rom-mus Duvido porem
muio (jue consigno, ao menos por entretan-
to: os tres Estados do Pemonle, Lombardia o
Toscana, quo sao os que do o tom na penn-
sula itlica, eslao tranquillos; o Papa augmen-
ta por todos os meios possiveis a sua forca mili-
tar, e at trata de chamar novos regimenios su-
issos; o em ultimo recurso, j l eslao 20 mil
Austracos s portas da Bomania, promfilos a
entrar ao primeiro signa!. Isto nao^otatante,
as circumstancias em que actualmente so vo o
Summo Pontilice sao na roalidade mui graves.
So os revolucionarios italianos o arncaco no
poder temporal, o poder das chaves nao so acha
menos ameacado por outra parte. Parece que
os Bispos da Hungra conceboro o projecto do
se emanciparen) de Boma, estabelecendo urna
igreja hngara indopendente. A gravidade dos-
ta noticia exige que se Ibo nao de crdito sem
Sturdza, Hospdoarda Moldavia, a quem accu
sao de mil diflerentes bauatellas, entro mitras a ,
, i v -ii a r las de Boma dizem que se fi/erao preces na dita
uc se haver aupropriadnde tres miluoes do Irn- ,- .. ___
. r" capital para pedir a Dos que acudisse a sua
eos que nao erao seus. O successor do principo r. r i m- -
, ^. ,. j iltrea que se va em arando atllicao.
l'! usto sera em todo o caso, urna creatura da ^
Bussia, e com a sua ajuda procurar se-ha abo- A sanecoda constituiQo grega nao leve lu-
lir em todos os tres principados, so for possivel, gar sem grave desinlelligencia entro o Bei o a
c, nao o sondo, s na Moldavia, a constituicao Assetnbla constituinte. Quasi todas as modi-
rxislente sob pretexto que as popularles nao ficaces, propostas pelo Soberano, forao rejer-
eslo anda suflicientemente maduras para o sys- tadaS, e entre ellas aquella pola qual ello pedia
tema representativo. Por este modo, ou por que os Gregos adoptivos podesseni ser admitti-
outro. erfta Bussia assentando um p na mar- dos a todos os empregos pblicos, oxcepgo
goi.....querda do Danubio, com quulquer salto ci Ministro d'Eslado. v-sa portanto que o
que d est na outra banda, e d'ahi pelo Bal- fermento mais untante do todas as dissensoes
: id, i ieleati ou iotacto eno he possivel que
gravi simas perturbares.
\ poltica Franccza nlo lem dado, desde a
ninba ultima correspondencia cousa que va
'ha a pena .: so dizer. Nestes ltimos dias nin-
guem se lem oceupada mAo das c rri las de
Lonchamps, e de visitar o palacio da industria.
Asprimeiras nada oflerccero di particular; o
ultimo exige um artigo especial que a seu tem-
po a ppa rivera.
A imprensa parisiense ( porque j nao lie s-
menlo o Commtfce) contina a oceupar-sc do
Urasil, cat agora do urna manera imparcal.
0 Jornal dos Debates puhlicou em fns dome/,
passado um artigo da redacro sobre a marinba
lirasileira, que, se he retrato como ello pre-
tende visto nflirmar que loi cscriptoa vista do
documenl isofli aes, nao me parece desfavore-
cido. Aquellos que abi o lerem julgarSso
hooxaggerado o asserlo dojornalista quando
diz (juca m.,rin!ia rasilora lie superior em nu-
mero de vasos dos Estados I nidos visto quo
esta ultima s conla 68 o a primeira "(i.
A noticia dada pelo Commerce do estabele-
i imento de uma labrica de pape! na Babia,que,
com o tempo, podrira bastar para o consumo
de todo o Imperio nao fez grande sensaefio
na praea. N'um circulo em que eu me achava
no dia 2 do corronte disroina um dos inter-
locutores desta manera : A fundacao da la-
brica da Babia por mais colossal que a quei-
rosuppor, nao he acontecimento do tanta im-
portancia como Ihe quercm dar as folhas do
paiz, o as cartas que de l veri). O papel que la
se fabrica, be feito de trapo, importado da Eu-
ropa; o em quanto a materia prima tver a mes-
ma origom he impossivol que o papel brasi-
Iciro possa sustentar a concurrencia do euro-
peo. Seria preciso para isso que a materia pri-
ma fsse indgena; mas as machinas para redu-
zira bananeira a massa papyrifera inrportSo em
00 mil francos e a sociedade nao pode dispor
de semclbanto somma. orn lie que estas ro-
llexes, que mo parecem de pessoa entendida ,
cheguem po conhecimentodos interessados, pa-
ra que por ellas vejo o (fue Ihescumpre fazer.
Pars 11 de Abril.
As rendas publicas em Inglaterra tiverao este
ultimo trimestre um augmento de 325,034 li-
bras esterlinas. O accontocimonto he importan-
te porm nao tanto como as folhas inglczas
querom fa'el-o. Tudo bem examinado, a maior
parte deste argumento prov'eio do tributo sobre
a propriedade (ituome-tax) quesdeve durar
3 annos : supprimido o producto que elle deo ,
ha anda um dficit extraordinario.
O Governo vaireforcar os seus cruzeiros da
Costa d'A frica, o, ao que parece, tudo Ihe he no-
cessario O atrevimejlto dos negreiros tem sido
nestes ltimos lempos lo grande, que um del-
s, om bandeira hespanhola, levo barbas (di-
zem as folhas do Londres) do se medir com o
brigue de guerra Rapid, as aguas de Bcn-
guclla motlendo-o h pique com toda a equipa-
geni. Sao ossos do ollicio.
Morreo Thorwaldsen ein Conenhague; e pa-
ra em tudo ser feliz nem tempo levo de saber
que se parta deste mundo. Foi um alfaque de
apoploxia fiilminanlu que o levou. Thorwal-
dsen foi o mais Ilustro de todos os discpulos de
Canova. Alguns o igualio a seu mostr o ou-
tros o collocao cima dellc. Nem uma nem ou-
tra cousa ao menos no meu conceito. Nao
ha entre as obras de Thorwaldsen nenhuma
to miseravel como o tmulo de Po Vil, exe-
cutado por Canova; porem tambem nao ha ne-
nhuma to sublime como os leoes do tmulo de
Clemente XIII ou como os 2 pugilladoresdo
museo do Belvedere obras do mesmo autor.
I horwaldscn leve entro os seus contempor-
neos alguns que o igualarlo o lalvcz um ou
outro que em certos casos o excedeo ; Daniel
d Angero por oxemplo que me parece mais
admiravel na sua estatua de Gultemberg da
Strasburgo quo Thorwaldsen na do mesmo
Gultemberg de llaenga: Canova ha do fazer sem-
pre entre os esculpieres a mosma figura que o
nossoCamocs mitre os poetas ; ninguem desea



f
luan'' '' '"' '-' 'vagado mea admverssrio. Permitli que; que elle nao julga merecer, porque s merece
uando sobe. >s canee com a leitura desta corresponden- perdi quem commetle orime, portanto elle o
s noticia* receidas do Ha repelle com toia a frca e s espera de vos
-,w!,:' >e outras que so re Aqui se dh que existirao vexacoes em 43, justica, odas vossas conciencias imparcialida-
: '.equejaeraobastantedeploraveis pr idas estas vexac5es pela Cmara, por al- do e por consequencia absolvilo. Foi ra-
in que obra em nome della, a pela Abridor.
por conseq
mediatamente a isto que appareceo o punhal
mas eu
uu mui-
rai:sUv 'I 'is trez individuos, (re pesseea-distinclas na bocea do autor, ou do seu orgao;
l,nhiM l! HerAo vexacoes. a Cmara o Pro- passosbitamente (obre jalo, lamentan
Bferidor; mas nao se di/quaes sao toquetaes axpressoes aqu aparecSo. Agora
'com^ettidas por este,poraqull.oupassare a ootros pontos da defesa: eunioros
iavido raquelloutro, entretanto o aferidor com- apresonteis documentos, eu aprsente! tam-
le parte mett

vastio, : .' eoG'i
veraa n" tena i i
melhantes ::.-..- \ >. Marcos
: maneira metti la as ique pe i ln n i n -
pri'iimieiso documentos, eu apr
*exai oes rnais consideraveis, o procu- bem teslomunhat de cuja probidadee honradez,
tteu vexai Sea, c lorio estas de que ncm por um momento se pode duvidar aqui
ir, dando ordens. par* que sol-! aprsenle! o Sr. Pedro Ignacio Baptista, um
> a exigencia de temos completos; fnalmeo- proprictario um homem de consideradlo na
tea Ca nara tambem commdeo vexan.es .. j cidade, um liomem que lem talrcrnaa 3G annos,
Advi ga I, do autor Qaem ordenou ? c que vos declarou elle ? Oeclarou, que nunca
Aacogado do reo : (Juem ordenou foi o semelhante exigencia se fe/ e que s em 43
procurador. I be que o aferidor aconcelhado por outrem se
A'drogado do autor: Ento a Cmara nao determinau a fazer semelhante exigencia e
subordin ida; irou 3 'i -J. '21, e
2 Je Fevereir) ; con se ex essos de
todo o genero; a maioi parle dos h ib I mies re-
[ugi .u -1 em Po_rJ !' | A Loi ossjbili-
dadeemquQoGo irnos le pag r a pr-
xima pres'.jc.'io da divida france/.a he absoluta.
No caso de as c >usas continuarem do mesmo
nodo, be inevitavel a necessidade dealguma
inteW-nco estrangeira que pode terminar pela
i>crda da Independencia do pas.
[sambert, Lamartine e Agenor dcGasparin
appresenlario bontem na Cmara dos Depota-
dos nina petico coberta de assignaturas de ope-
rarios machos e femess) de Par iz requerendo
a abolicio mmediata ila escravid > as col
irance/as Os 1 primeiros Bppresentantes j i sao
suficientemente conl o ultimo heum
> rotestante, suipeito de mi th idism i membro
da m lioria c Deputa lo pe i C on le
no li i prot itantc l ma cin u mui
curiosa d i su i bi igraphia li i -'i esl
Apostlo que i '
ra obter a abolico immediata da escravidao ,
escroviaem 1839 pouco maisou menos por es-
tes termos :
\ io ha cou assig-
nar um periodo lixo para a completa emancipa-
cao dos escravos, ainda que seja para daqui a
um grande numero de O simple-i I icio
de marcar tempo equivale a urna quasi execu-
.' i da medida ; porque urna vez semeado o
principio, nascem immediatamente as conse-
cuencias e medrio, e crescem e vingo sem
que se Ibes possa pagar. Por mais queo 'o-
verno Ibes queira ter milo para traz, he impos-
sivel. As circumstancias oarrebatAo eve-se .
quer queira quer nao, na necessidade de Linear
de repente no meio da socieda le esta immensi -
dade de hordas sem Dos sem luzes, sem fa
mil a sem hbitos d'economia nem de tra-
balho. O exemplo a'Inglaterra ahi est para o
motar Nao he possivel faxer n'um da aqullo
queaantiguidade e a idade media s podero
conseguir a frca de seculos e le trabalho.
Nao creio que a peticao dos operarios de Pa-
r/, possa ser seguida de resultado. As opintes
da Cmara estao este anno muito rnais madu-
ras que o anno passado ; e o Ministro das colo-
nias cujo voto he o primeiro sobre a materia ,
lera actualmente sobre ella as ideias que dc-
ve ter.
Como fallei d escravos, bom be chamar a al-
inelo publica sobre a serie intrrminavcl d'in-
-urreicoes, de que actualmente esta sendo vic-
tima a ilha de Cuba. Ha muito tempo que ahi
lov iber-se que a influencia ingle/a he a cau
sa de lo las estas desgranas ; mas 'i que la I vez se
nao sai ha he que os missionarios inclhodislas
sao os pregadores desta cru/ada contra os bran-
i os. IJe preciso ter o olho muito aherto sol re
suasreverencias; e quando ellos ahi parece-
rem a semear Traet, i, o me-
Ihor que o governo poderia fa/er seria dar-
Ibes passagem gratuita no primeiro navio que
sahisse pela barra I ira c m in lal-os > :; y o 11
/arpara aspossessdas inglezas da !n>lii onde
acharo de sohejo em que empreguem o seu to-
lo eeardade. -
coinmetteo ve'xacdes ?
Adrngada da reo: Eu nao desejo que
emos em dilogos; mas eu respondo, a Ca-
aindase dir que esa testemunha nao merece
crdito ? Igual a ella viero outras, hor.ens de
criterio, homens de considert-cao, contra cuja
mar praticou vexceSes, porque appoiou o pro- \ prohidadesenao apresentou observaco alguma,
ccdimento do procurador, e do aferidor com porque o simples facto do tambem algumas del-
tudu a (.amara nao esta aqui, nao nos chamou i lasterem soflrido multas, nao ho bastante para
para provar essai voxacOes por isso nao en- os tornar inacreditaveis nos seus juramentos .
Iremos nel las, snoi cumpre provar actual- quando at urna deltas sucumbi a forca do afe-
inente, que o Sr. Antonio Joaquim ordenou ve- ridor, teve receio decombater face a face com
vnnes, rnandou que o aferidor evigisse temos a Cmara, e preferio completar os temos. Disse
lomplctos. Ora, existem vexaces commetti- j se tambem por parte da ccusaco urna cousa
Has pela Cmara, pelo procurador e pelo afori que nao deve passar, foi que as testemunbas
dor; mas mis nao entramos uo exameda qnali-, eraoale capases de jurar que oautor lisera urna
sto
efies
hile dessas vexacOes, da sua justica, ou injus- morte, ora tanto assassino nesta aecusacao, tan-
tica, sallemos apenas que algumas existem S lo punhal; para que he isto, Srs !! Oue vem
proprias de um carcter baixo, quanto a de e- aqui estas palavrai lser ? Como se pdic ojui/ar
\i.:;r maisquantia do que aquella que se acha.de tal modo do carcter de homens contra quem
e-l ibclecida pelo regulami nlo para asaferieSes, nao existe um so facto inmoral e cri inoso ?
'' essas nao comprehendem a pessoa do Sr. An- Ku enlendo que he necessario respeitar mais as
tomo Joaquim; nao saliendo mais do que testemunbas, que dcvet'ios acolher os seus u-
ramentos de urna maneira que nos faga hon-
ra, a lim deque nao afugeotemos das provas as
corito para a (.amara, como para o aferidor pessoas i|ue sao proprias para esclarecer-nos so-
spgue-se que a correspondencia nesta parle nao | hre punios que virio, ou de que tein noticia.
lie applicavcl ao autor; mas vamos a 3 parte i Srs., tu acho-me sobremodo caucado, pa-
i i correspondencia: diz esta (leo). Oa, de duas j rece-me que nada resta a defesa do meu cons
nina, ou commeller vexacoes be commelter I lituinte, parecc-nie que ella se aclia completa-
concusslo.e provado quflsflj que o Sr Antonio mente leila ; mas se em alguma cousa, .Srs.,
Joaquim commelleo vexacoes, provado estaque houver falhado, pela fraqueza, e debilidado de
he concussionario, p inoii ennstituinte uao me-; iniuhas larcas, eu espero que vos suprireisat
na, ou nem tolas as vex Toes imporlao tendendo a justica do meu constituinte, que
nao podando lomar o termo te.ra-
como igual lano para o procurador
concussiae tambem meu constituinte poraffir-
mar (|ue bouve vexacoes nao deve merecer
iena; mas. Srs., cuquero salvar a honra do
vislumbra em todos os seus actos. Espero por-
tanto a sua ahsolvicao, nao s para contenta-
mente scu, e de sua familia; mas para satisfa-
V. Antonio Joaquim. nao quero que Ihe baja. (To da justica c para ciimprimento do dever
do competir o nome de
concussionario, nem
meu constituinte o quer tambem. o seu advoga-
lo lie que quer lancar sol.re o seu nome essa
pecha, ponjuanto sustentando que veines nao
concussio, vendo provadas as vexacoes. deixa
que o seu constituinte seja alcunhado de con-
cussionario; mas eu sustento que o concussio-
nario nao he sempre aquello que commelte ve-
xacoes, porque pdem haver fortes motivos (c
mesmo boa f) que obriguem a pratical-as e
entilo nao existe crime; logo he seu advogado
que o compromettu e nao meu constituinte.
A ultima parte da correspondencia he inicua-
mente desligada das outras parles, nao tem na-
da com o Sr. Antonio Joaquim tem somante
contra Jo3o Harto que he contra quem existe
i acro, o (arito i-sto he assim que a ambizui
ladc
para
com o
em que estaes, para com eos, e
le.
Km seguida o Sr. Juiz dirigindo-sc aos Srs.
Jurados, expressou se desta forma :
(Continuar-se-ha.)
HAMO RE PEBMlBl'Cfl.
A 17 do corrente creou S. Ex. o Sr. Vice-
presidente um batalh8o de guardas nacionaes
na nova freguesia de Ouricury, termo da Boa-
\ islai, e nomeou para seu Tenente-Coronel
ao Capilao Pacifico Lopes de Santa Anna : e
no dia immediato um commamlo superior no
municipio do Cabo, composto da legiao ja all
existente, e de urna novamente creada; nome
lasexpressdes foi reconhecida pelo autor j fudo para Commandante Superior interino ao
C5!5BS

SESSODOJLPiY NO DIA 10 LMAIO
DE 1844.
(Conttnuafo do numero antecedente.)
O Adrogado do reo (continuando):Parece
me, Srs., ter demonstrado ;. primeira parle da
minha defesa, porque julgo. que nao sep i ipl
mais em dvida, que houv^rSo vexacoes o anno
passado as afericSus, e que tambem n5o he
j'..i pflr cm duvida quec as -, forao
feitas por ^r^'u' n do Sr. .'. i
primoira parte da minba del est prtanlo
demonstrada 'I i maneira a rnai evidente c
porisso e tanto a ella, quoomcucons-
'i vou mi lavras da
lo clellas cxpleacaS no roo e este II. ^
leo francamente disendo que o alfuem era elle,
porm que 0 mais nao Ihe tinha applicieao; ora
s le.s determin3o que quem assim se declarar .
nao sollra pena, e entSo nao sei porque se te-
na, muito mais quando a replanlo, ea hon-
ra do .-mlor, estao salvas.
Aqu; estao, Srs.. demonstrados os dous pon-
tos da deles, e agora s me resta nnlar, que
quando fallei da posicSo especial do meu cons-
tiluinle, foiemgeral, quiz dzer que o meu
constituinte, vivendo de um commercio apou-
cado, e oncrado rom muita familia, nao poda
azer essa aecusacie de magnanimidade de ap-
Coronel da enliga legi8o Bentn Jom* Leraenh
Lins, e para Cheles das legies Agostnho
Rizerra da Silva Cavalcanti o Jos Gomes Pe-
re ira de Bastos.
No da 18 urna escrava, da Costa, do Sr
Santos Neves tentou assassinar a senhora e
com quanto o nao tivesse conseguido em con-
sequencia de haver a mesma senhora evitado
algn golj.es d.i faca, rom que a atacava a ne-
gra, recebeo sempre um talho no rosto, que
principiando no alto da caheca e acabando no
labio inferior "Ihe parti o nariz : dizern que a
preta pretendeo suicidar-se, para o que se fe-
chara em um quarto, donde foi tirada com di-
versos talhos na caheca: esta acha-sc na cadeia ,
e a infeliz senhora tem de ficar com grande de-
feito pela difliculdade do curativo; mas nao
corre perigo de vida.
Correpondciicia.
presentar tantos, e tantos pesos, s pela exi-
gencia do aferidor; que por isso lancou mao
dos meios que julgou convenientes para alcancar
remedio a seus males ; esta circumstancia he
poderosa esta circumstancia he um incentivo
muito lortepara levar o meu constituinto a fl-
orar desta maneira; mas nao quero com i sto
diser que por ter filhos, e mulher, possa com-
metter um delicio. Srs. Redactores.Nao tendo eu por costu-
Senhores o autor, vendo a sua aecusacao me consumir meu precioso lempo em ler essas
desmoronada de todo teve urna recorra jfalbas, que se alimentan com odiosas personl-
> lo; mas urna recordacao triste, elle soli-1 dades c repetidos insultos aos homens, que Ihe-
cilnu de vos asentencade condemnaco, pa ao desafTectos. nao soube da correspondencii
ra elle ter o prazer de perdoar ao meu consti- JdoSr. J F. B. Quiniela, inserta no// noro
tilinte; pois.Srs., o meu constituinte deca- de 7 do corrente, senlo depois que, espargido
ra por roeuoraSo, que repelle temelbante par-1 este pela provincia, sooberSo todos que nelle
- orquq quando o homem nao tem com- havia sido insultado o Ilustre parlamentar Per-
mettido crime, (piando o homem (em obrado nambucan o Sr. I)r. Sebastian do Reg Barros
onformidade com as leis, resigna-se sua |'lo Sr. Quinlelinba: foi entSo que "brocurei
sorte, erejeitn o perdi para esperar que se oblar a tal folba, esy agora o consegu. K pus
justica, be esta que pede e nao quer tuque me na irgo responder a partoin-
Iruir os argutu n quema no-Jcomprar o repouso de sua familia por un Mtoj uUuom da correspondencia do Sr 0,,t
cscusarei todava de (anear rnao da penna. nao
digo para defender o Sr. H. B. porque a
sua defesa, est manilesta na mesma torpe
e inlundada aecusacao do Sr. Q. mas sirn
para o apresentar desembaracado do embriao
em que o envoheo o seu aecusador e aven-
turar algumas consideraioes que me sug-
gerio essa audaciosa a burlesca peca, em que
se falta ao respeito deudo al ao publico
Hesem duvida, I istimavel a posicio de do-
putadoquo loma a peito pugnar pelos interes-
ses pblicos, e os antepe aos dos particulares;
de todos os ngulos surdem-lhe inimigos, e tan-
tos, quanlos sao os que, a titulo de serventua-
rios pblicos, deslrutao as rendas da inanida pa-
tria, a favor de quem lodos inculcan prestar-se,
mas de quem em realidade a maior parle sao
ingratos lilhos, verdadeiros parsitas da precio-
sa arvore.
O Illustrc parlamentar Pernamburano, tao
dislincto, pela sua inteiiesa e lirmesa do carc-
ter, costumado a arrostar com pesadas difficul-
dades. para conseguir o beneficio publico, como
tem mostrado em lodos os actos da sua vida pu-
blica, desde os mais elevados cargos da socieda-
de, em que tem servido; nao poda ser indfle-
rente na tribuna pemambucana, ao horroroso
mal que nos corroe as entranhas: fallo do dfi-
cit progressivamenle augmentado, na rendas
provinciaes, que, como um cancro, arruina a
nossa prosperi-lade, enervando o nosso progres-
so industrial. Elle concebeo, que o remedio
mais conveniente desse mal, era economisar a
despesa, e melhorar a arreeadaco da raceita
para conseguir o seu augmento; tsl( qu(' outro
augmento nao seria, nem ;usto, nem proficuo
.10 desejado lim. Como membro da commisso
de orcamento elle propoz seu pensamenlo; e
pena foi que a Assemhla Provincial "5o con-
tisse na maioria dos seus memhros, epulados,
que como elle tivessem menos coiMemplacao
orn os -interesses individuaos, e mais com os
inleresscs pblicos; e per isso desprezarao se
muilas exlincocs de empregos inuteis, ea re-
duccao de ordenados que nao etavao em ha.'-
rnonia com o pouco servico prestado por alguns
empregados, etc. mostrou que a nossa arrecada-
cao nao se fa/a regularmente,e o provou com os
dados que tinha, concluindoque, ou desordem
na escrituraco, ou abusos c omissoes as re-
particoes. Ihe persuadiro que se davoo extra-
vos as resdas publicas:acciTscentando que uual-
quer Sr. Depulado, examinando o seu calculo,
e o publico mesmo,a quem elle o submettia.lhe
mostrussem se elle estava em erro.
Foi pois na discussao da lei do orcamento
queoSr. B. B. pronunciou esse discurso "que
desafioua colera do Sr. O.; ao publico porcm
cumpre julgarsenao .i bem cabido nenia oeca-
siao o discurso, por ser albeio da materia, como
a vanea primeramente o Sr. Q.
Entrando na questao, o Sr. Q. se nao dignou
defender a sua reparticao, apresentando lacios
que a justificassem, c explicando a regularidsde
desuas funecoes; antes s se ahalancou a escre-
ver insultos; e a dizer ao publico que acreditaste
na inlalibilidade da rerutacao do chele que foi
daquella reparticao. Passando ademontracodos
Lisos dados que teve oSr H. B. ,edos grosseiros
erros, em que cahio, ahi o justifica completa-
mente o Sr. Q., pois fallando do assucar e so-
hre as inlormacoes que servirn de base aoscal-
culosdo Sr. H. II, diz que a escrituraco sen-
do feita por anuos Itnanceiros de Junho a Julbo,
nao pude ir d'acordo com o curso das safras que
comccaoem Dezembro, etc. Ora quem nao
a insignificancia dessa assercao ? Primeiramen-
te o Sr. O nao mostrou que o Sr H. B. to-
masse por base a confusao do anno civil, ou da
safra, com o anno financeiro, como ello incul-
ca; e em segundo lugar, quando assim fosso,
nao poda haver tao hotavel dill'erenca; porque
o excedente de urna safra compensara o que
fallasse na outra; eento a dillerenca seria as
safras entre si, e nao na base do calculo que loi
sempre a mesma para todos os annos consecu-
tivos. Fez mais outro achado o Sr, Q que pru-
va ainda mais o augmento do extravio das ren-
das provinciaes: diz que, 590 rs por arroba
preco medio que tomou por base o Sr B. I{. he
preco queem parte alguma do Brasil existe, por
que nem o mascavado inferior assim se vende !
(a) Logo se a base foi excessivamente baixa, o
calculo ficou muito aquem do que deveria pro-
duzir. Mas o Sr. (^>. nao altendeo isso, quiz
s responder, ou ento tem alguma arithmetica
particular porque estuda, como man claramen-
te depois veremos.
Diz I imbemque e-producto dassafraaem o pa-
gamento da taxanio se poda regular peh p -1"
(a )OSr. O., cuidoque nao comprhendeo
que nessescalculos cnlrao em commum os pre-
eos do assucar hranco e mascavado e ton
do se o termo medio, sempre se firma corno
mais seguro urna Lase mais baixa para nao
gerar o calculo : creio pois que isso foi o
fezoSr. I. B. o por isso deveria ser louva-
mas foi por -su menuo viluperado
I



x
o o Sr. Manoel Percira Rozas: o mesmo a pro- 1 = Desappareccu da ra da Praia, dous
vcita osla occasiopara pedir a seus amigos Iho pranxocsde louro com a marca R. com da
accitem suas sauJodes, assegurando os le que nianle quem scuher dar noticias deltas dirija-
de que lem o maior scntimenlo de nSo se des- se a ra do Itanpel venda n. 9. a fallar ron;
pedir pessoalmente comodesejava eem Pariz, o abaixo assignoda que ser recompensado,
mentodosdirertosdoexporUcao,porquesepaga-i sendo vendida a do Rio Cumie de
vio laxadosvolttmes.logoquechegavaoaiiispec i 1,G00 h2j rs o a de Buenw-Ayres
ca... multas caixas, ou se convertido em Larri-: de 1*400 a 1*600 rs a ,.
cu paraexportar, ou fieavao para consumo da ; Cha Hvsson Vendeo-se de l,>800 a 1*900
provincia em refinaedes, &c. Ora, isso pouool rs. a libra.
ou nada juslifioa a ditavnca, ma.ormentcem Farinha do'trigo CbogrSo 1 300 barricas <
perda dos d.reilos provinc.aes : primoirame .te, dos Estados Unidos, e nao lem sof-
porque o exportador vai de novo pagar direitos, I frido atoradlo no precn
e assim augmentara sompre as rendas, o que Manteiga Chegario 30o Larris da ingiera .
Blm disso porquenio pagan- dos quaes apenas se vendeo una pe Os possuidores do engenho Jusaral ler- gund.....mar.
quena parlida de boa qualidade a *70 mn da villa deScrinham comarca do Rio For- l^iiom annunciou no diario de sbado n.
rs. a libra.
Contina a falla de navios exislindo no porto
1 americano 1 argentino 2 bia-
destino ou em outra
qualqucr parle onde per ventura possa ir, p-
dem disporde icu diminuto prestimo e ino-
Ibor vontade.
Marcelino da Silva iibeiro, CJu< ni | recisar de urna mulher forra para
an a de urna c isa para servil o de portas a den
tro, dirija se a ra direita sobrado n. J2 se-
do mis direito algum pelo assucar do consumo,
claro esta que aos consumidores mellior convert
comprar o assucar que vem ao mercado em sac-
eos noscavallos (que alias be boje a maior par-
le de nossas safras) do que preferir .> que vem
encaixado, que paga logo a laxa na Lalanca
publica, ou na iiispeicSo, como ('.j o Sr. O ,
e que por isso mais c .ro Lo. N ,-ntanto dan-
do-se a mesma differenca notada. no akodao, e
nao podendo o Sr. O. valer-so da mesma razao
lo consumo da provincia rea ,rre de novo a con-
lusiio daspocas da safra, d qUo j fallamos.
Finalmente chegamos i ponto em que o Sr.
Q, descobrio a ignoranc .apjena do Sr. Dr. S.
do R. B., etem a"insolencia de zombardo
publico perguntan .( onde uprendeo esse
Sr., que os 3/10 de 74:517*000 rs. erao
22:365*100 rs. ?',j] Bconcluo com estas for-
m a es, esempre (emoraveis palavras devendo
saber ma.s que os ;};|0 de 74:517*000 rs. de
\ S., bo erariB223S*8lO, &c=Ora, se
isso nao he r searnecer se do publico para quem
se escreve eu n;0 sei o que seja (a).
Alias o r> ()_ S8|)(J urna aritlimelica diversa
da que nsina Bezout, Bourdon, La Croy, &c.
*e 1 < com sobeja raso Ibe perguntaremos, co-
10 oeessa sua arilbmctica e com quem a a-
|r anden ? Parece-moa vista de tantos disparates
'.juc muito conveniente seria ao publico que o
Sr. (. explicasseessa especial maneira de roin-
prehender as fraccoes por que Lem podo ser
quo de sua origioalidade possamos ebegar a
resultad is desconbecidos das regras at agora
sabidas: como por exemplo, acbarmos a exacta
quadralura do circulo, &c Emuilimaanalise.
Srs. RR., a correspondencia do Sr. CL be o
corpo de delicio de sua ignorancia, ella veio
provar o queavancou o Sr. R. B. que sup-
punha desleixo na repartcSo; parece que de
proposito ollequucomprometter aquella ropar-
licao, a preiexio do u defender, viudo mostrar
ao publico que empregado alli,'cheio de ufana
sileiros, 1 dinamarquez, 4 ingle/es,
C.-portugue/es.
lovfrnonlo fio Por lo
Navio entrado no da 18.
libas de Sandxvich ; 210 dias, galera america-
na Joseph ftfeags de 310 toneladas capi
tao J R. Tobcr, equipagem 27, carga a/ci-
te de peixe.
Navio sahido no tnesnw dia.
Boston; brigue americano Sylfh, capiliio Pal-
lard carga couros.
iiiko faxem scienle a quem convier que nao 115 querer a colecao do diario de Novembro de
rompreni nem facao outio qualquer negocio i3, dirjase a rja Direita toja de barbero
com Ierras do mesmo engenho sendo uaia n. L23.
deltas o lugar denominado Curraes Os Srs. < Ictaviano de Souza Franca, e Jos
f.ui/. Ill
Xa norte do (lia quarta-feira !8do cor-
II1101 "Ill'IO
queirao mngir-se a ra

rente, acbarao-se duas sedlas no mcioila n:i Nova, luja de b rragens n. 10, a negocio de
do Colle-pio ; quem as perdeo pode ir recebe- seus inleresses.
las na mesma ra casa n. 13. No primeiro andar do sobrado n, li,
Precisa-so de um forneiro na ra Ui- do hoco laTgo da Matriz de S, Antonio, rece-
reila pa hiria n. 82 .'bc-se roupa de bomeiii |iara lavar e engomar ,
1 =; Percisa-se de um portugus para feitor e uproaiptar se de tudo niais por preco mui-
da um engenho ni provincia das Alagoas lo commedo; fambem recebe so negrinhas para
quem esliver neslas circunstancias dirija-se a ensinar se a cozer, engommar, marcar, o
ruada ruz em casa de Lourcnco Jos das Ne- razermeias por preco commodo. 7
ves que achara com quem tratar. [3
Da-so 300,000 rs a juros de dous porcen-
loaome/, sobre penbores de ouro ouprata: latina, e porlugueu pata a ra do Rozario
na ra da Madre de Dos n. 28. estreita primeiro andar n. Yo o mesmo
declaracoos
por sua sciencia magistral nao sabe o i
O patacho Filinto recebe as mallas para
o Rio Grande do Sol e Rio de Janeiro boje
(20) as 11 boras do dia.
1 O Administrador da Meza da Recelie-
doria de rendas internas geraes la/ saber a to-
das as pessoas que tcm escravos matriculados,
que o me/ de Junbo p. futuro be o mareado
no artigo 9 "do regulamentn de I 1 de Abril de
18V2, para fa/erem naquella nieza todas 88de-
ca racOeS dos escravos vendidos exportados ,
forros, morios, e evn., afim de so dar a com-
petente baixa na matricula apieentando do-
cumentos quo comprovem semelbantes ca-
os. Francitco Xavier Cavalcanti de Albu-
ijiieraue. (12)
Manoel Francisco Coelho fax scienle
ao publico que mudou asna auladegrammatica
A pessoa <|ue annunciou no Diario n. lio,
precisar dos Diarios do meado Novembro de
declara que continua a receber alumnos para as
ditas disciplinas : quem quizer utilisar-se diri-
Iviso* niaritinos.
seplo 3/10 de direitos que por all *e obraV ^ fl '
diariam nte do assucar para os cofres provin-
1 Spgue viage'm para o Par.*! impretervel-
mente al 25 do corrente a escuna brasileira
1843, dirija-se a ra do l.ivramento venda n. i ja-se a casa de sua residencia cima mencio-
38; na mesma vemie-se azeite de COCO a 3201 nada.
rs. a garrafa e em cana.la a 2240 rs. Engomma se com todo o aceio possivel 0
Offere:o-80 um rapa/, brasileo do boa con-
ducta para cobrar algumas dividas dentro da
praca, ou mesmo para aIguma escripturaeSo ,
quo para isso escreve solrivcl, sendo das duas
boras em van'.e, horas que Ibe sao desnecessa-
rias, da soa oceupacao; quem do seu prestimo
qui/cr se ntilisar annuncie a sua morada.
1 A asa e terrenos annexos do Sul e
Norte, em que presentemente mora o Sr. Joao
Figuoira sita na ra da l'raia de S. Francis-
co da cidade d'Otinda que pertencia a (aleada
l/abel Mara de Jess perlence boje por for-
mal de partbas e por legitima materna aos
seus dez netos menores filbos da falecida sua li-
Iha Genoveva Mara Campos de que be tutor
seu pai Joao Miguel da Costa; o que se faz pu-
blico para constar. (10)
1 rs Antonio de Moraes Gomes Ferrcira ,
vai a Portusal diligenciar o meihoramento d<
ig.i
caos I Quo conceto porem lar o publico di
urna reparticao que lem em seu seio tao eleva-
da capacidade Esse mesmo publico judicioso ,
julgara do estado de urna reparticao bical, en-
tregue a miios to habis (e o que mais he)
taes presumpcoSQS Concluirei em im Srs.
RR, com esses versos do imniortal hocago
....O tollo nunca lio irais tollo ,
Como quando presume que o nao lie.
Queirao pois, Srs. RR., dar publicidade a
e9tas toscas liobas como desabafo de outeo
traigo do Sr. R. Barros.
'.TL'jijl___ I B8afcBBI"'' j ""i" i
i .K
CanitAo Jonquim Jos dos Santos; sua s;|ude.
Fngoma-se com inuita perleicao e cse-
se da mesma forma ludo muito em tonta, a
quem quizer ir de passagem para o que tem
excedentes commodos, dirija se a ra da Cruz
n 10. (6)
2 Para o Rio Grande do Sul segu com
hrnvdadeo brigue escuna Constante CapiUo
Manoel Jos Monteiro Vianna inda pode re-
ceber alguma carga assim como escravos
quem perlender p le entender-se no Reeife
ra da Cadcia n 45,,com Amorim Irmaos, (6)
por um deminuto preco em consequencia de
adquerir fregueziu as pessoas que desta se
quezerem uliiisar, dirijao-se a ruado Clme-
lo, n. 18.
1 Aluga-se um sitio na Passagem da Ha-
i.'alena tom muito boa casa coxeira es-
tribara casa para feitor, e escravos baixa
para cap i ill e bando muito perto : trala-so
na ra Nova n. li, segundo andar, com Relli-
no Goncalves Pereira Lima (6
1 Aluga-se igualmente ouro sitio, na
estrada da Ponte de Uchoa defronte do caes
com muito boa casa coxeira e estribara ,
hsnho muito bom e perto trala-se na ra
Nova n. 44. (5
1. '= Firmo Antonio de Figueredo mudou
o seu deposito de licores, eaguas ardentes ,
para a ra da roda n. 23 onde continua a
vender pelo preco mais commodo possivel. (4)
1 s= Precisa-se de alugar urna casa terrea
na ra de Horlas, S. Tbcreza Caldereiro ,
Rangel, 'Bclla, de 12 at 13*000 ris ; quem
Leiloes.
fim de se adquirir freguezia narua do Col- a tiver annuncie ou dirija-se a ra do Ba-
il a n ciega.
Rendimento do dia 18......... 8:341*169
Descarreijao hoje 20.
BrigueVelocity Lacalfa o.
Barca americana .\ararre mercaJorias.
Galera Coumbusidem
PHA5A 1)0 REClfK 17 DK MAIO DE 1844.
lievista mercantil.
Cambios Houverao tian/acocs a 25 o 25 '/?,
o nao ha mais secadores,ao segundo
preco.
AJgodSo As entradas forao reculares, e as
vendas no principio da semana regu-
laro a 4*900 rs.; porm, em conse-
quencia das noticias de Liverpool, bai-
xou a 4*800 rs. a ^.
Assucar Forao pequeas as entradas e as
vendas de 700 a 750 rs. por (j sobre
0 ferro.
Couros Pequeas entradas, e sem ateracao
de prego.
Racalho Enlrou u.n carregamenlo com
1,500 barricas que se venderao a
9*500 rs., e o depozito he de 1,300
barricas.
Breu Vendeo-se a 4*500 rs o barril
lolaxinba dem de 'l* a Is200 rs a barrica.
Carne serca Existemem primeiramSo40,000
nao lend i bavido entradas durante
2 Kalkmam & Rosemmund far leilo ,
por intervencao do corretor Oliveira de gran-
de sortimento de ferragens e miude/as in-
clusive grande porcSo de fitas de nmeros, iSic.
lerca-feira 21 do corrente 10 horas da ma-
ndila no seu arma/em ra da Cruz (6)
1 = Leilo que faz Joaquim da Silva Lo-
pes de urna porcao do barricas com arenques
no caes d'Alfandega terea-feira 21 do cor-
rente pelas 11 horas do dia por conla e risco
de quem pertencer. (5)
veio n. 18
O Sr A. C. L queira quanto antes man-
dar ou hir entregar na ra "Alegra casa n.
34 a fl uta de quatro chaves de prata que a
muito tempo pedio por emprestimo ; eso o
nao lizer lera de verseo no me publicado por
extenso ; ficando certo que s ficar desonera-
do com o recibo da entrega.
1 = Correm-se folhas corridas e tirao-sc
passaportes para dentro e fora do imperio tan-
to para pessoas livres como para escravos ;
na ra do Rangel n. 34, (4j
1
ercisa se
um silio que tenha
avisos ^ivrrsos.
pisto para 4 ou 5 vaccas de leile baixa para
capim, casa de vivenda, e terreno para oceu-
parli ou 8escravos; na praca da l5oa-vistan. 19.
Precisa-se de alugai urna escrava prets
que seja capa/ para comprar, e vender na ra,
dando-seo sustento, c.pagamlo-so sele mil reis
va
a semana : o consumo loi grande ,
O calculo do Sr. I!. I d accotdo cun
invariavois da matbematica, mer<
ao Sr. O. o nome de cxpixadela e de erro
de palmatoria, este nos parece digno de di
pljna publico que os julgue .
Os abaixo assignados lem dissolvido a-
migavelmenle desde o dia 30 de Abril a so-
ciedade, quo linbao na botica da ra do Rozario
estreita n. 41 com a firma de Rrandao & Cu-
nta ficando a liquidacao da mesma a cargo do
ex-socio Brandio. Pernambuco, 15 de Maio
de 1844. Manoel Joaquim HrandoAn-
tonio Jos da Cunha. Eslava reconhecido.
1 O liacharel formado Joao loripes Das
Brrelo lente de phylosophia no Lyceo desta ci-
dade ensina particularmente essa laculdade ;
as pessoas que se quizerem utilizar do seu pres-
timo dirjo-so a casa de sua residencia na
ruadasCruzes n. 22. (0)
1 Da-se dinbeiro a premio com penbores
de ouro mesmo em pequeas porcoes; na ra
Nova n 35. (3)
Domingos Antonio Gomes Guimares ten
do de ira Europa tratar de sua sado, deixasua
cas i de negocio soh a direcrSn de seo primo Jo-
s Mendes deFreitas, e do Sr, Jos Lua de
Oliveira e Azevedo, esua mulher I). Mana Jo-
s do Jezus Cunha com plenos poderes para (ir-
mar, eaulorigar todas a-suas tranzaedescom
meri o primeira, e em tudo sua bastan-
te procuradora ; em segundo lugar a seu primo
Mendes de Freitas, e em terceiro seu ami-
por mei, a tratar na ra velba indo por (le-
tra/ da matriz da Roa-vista casa n. 20. ou
annuncie a sua morada para ser procurado (6)
Existe urna nova aula de primeiras letras
em Olinda ; na qual se promette ensinar com
pi rfeicao nao so o que a cima diz. como
tambem latim francez philosophia rbe-
torica egeograpbia : pois o professor da dita
empregara todo desello possivel para o au-
mento dos seus dissipolos. Assim qualquer
Sr. ou pais de familia quo do seu prestimo
quiser utilizar, dirija sea ladeira do varailor
n. 41. onde achara com quem tratar. Adver-
te que nao s admitle-se dissipolos externos,
como tambem internos at seis.
No dia 17 do corrente as 3 horas sumi
se um cavallo da padaria do Eduardo da Costa
Oliveira na ra do Rozario n. 2. quo he o
dito cavallo do Filipe Coelho de Moura mo-
rador no Ribeiro-grande distrito de nazarc um
cavallo ruso pedrez da saia comprida o sinsl
um juelho relado a coma grande elle peza-
do estiadeiro de duslro p aparecendo entre-
guen! a Manoel da Silva Braga ou na padaria
asima que ser recompensado.
1 : U Sr Gabriel Arcanjo Ramos tem
gel segundo andar da casa n. 89. (5)
1 r= Jos Schmiod subdito Alcmao retira-
se para o Para. (2)
1 GABINETE DE OBSER^ At.iO
NO
Microseojiio solar arhromatico exposto no se-
gundo andar dotorreooccupado pela As-
sorio Commercial.
As experiencias tem lugar todos os dias ( ex-
cepto as Tenas feiras ) quando o Sol o permit-
a, desde o meio dia al as 2 horas.
Preco dos bilhetes da entrada 1* rs. por cada
pessoa. (10)
Apessoa a quemse entregou um livrinhode
manus ripto de receitas com capa incarnada e o
nome de seu dono, tenha a bondade de o entre-
gar na mu direita padaria n. 40.
1Aluga-se o segundo andar, esotao da ca-
sa da ra da Roda n. 45 ; na ra do rangel
n. 30. (3)
- Aforao-sc perpetuamente e por mdica
pencao annual os terrenos que ficao ao lado da
estrada nova desta para a cidade de Olinda ,
que pertencem ao sitio de Tacaruna, com fren-
tes para a estrada, e fundo para o rio de Olin-
da e para a mesma Tacaruna ; a quem con-
vier dirija-se a tratar na ra da Guia n. 36
,0 \ gario Joao Evangelista LeaLPeri-
quito declara que tem em seu poder 2 bi-
lhetes inteiros da primeira parte da segunda
nova Lotera do Livramcnto perlenccnles ao
Dr. Manoel de Hollanda Cavalcanti de Albu-
querque, fallecido na Villa de Flores em Pa-
ja a 28 de Abril passado ; e dez mil ri- que
por sua orden) ja bavia cobrado do VI. G. S.
Quem annunciou querer comprar os dia-
rios do mez de novembro de 1843 dirija-se
as Cinco-ponas n. 45.
4 Existe no Engenho Vicente (.'ampollo
fregue/ia da Escada dousquartaos decangalha
castanhos sendo um andrino quo forao apreen-
didos a um llho de nome Jos Cordeiro que
descob.io que os tinha comprado por diminuto
preco a urna pessoa que os tinha Rutado nesta
praca ou nos seus arrebaldes quem Iho faltar
urna carta na ra da Cruz do Reeife n. 64. ('2) ditos quarlaos dirija-se ao mesmo Engenho a
1Quem precisar de urna pouca de califa fallar com o proprietario Manoel Goncalves Pe-
para mandar tirar na ra do Amorim n. 14 reir Lima. (10)
sobrado que se est acabapdo de consertar o' O Sr. que annunciou querer comprar a
mesmo sealuga perferindo-se a quem percisar collecao de diarios do mez de Novembro do
do aruia/eui licando esta muilo perto do de-j 1843, dirija-.se a ra do Rozario da Boa-vista
zembarque, (6), n. 2.


= -- -^.--j--. &
2 =Apessoa que anunciou oro sitio porto da
pr..'.-.i i r.i trocar por casas na mesma ; an-
nu<. ir na praya da in-
dependencia i), l
:3Joaqun) Marlinhoda Cruz Corroa, sub-
dito Portuguez, retira-se para a Baha. 2
;(! mafai incezaquer alugarum sitio
per;.' da i i i)o i ci i do viven 11 o ca-
p i ara ti ou quatro cavalios ; quem tiver
di i-se ru o u isa n. i 1 i
3 Josi loaquim da Costa Braga retira-se
pa ra.doim rio.
Quem precisar de urna ama para casa de
un liomem sol iro dirija-se ao pateo da Pe-
aba mi casa que Oca poi detrax da botica.
2 Francisco AntonioMendas retira-so p ira
fra do imperio, 2
2 Saealoz, logo que baja um numero de
subscriptores tal, que cubra a despez da im-
pressao, a tragedia intituladaCabala eamor
escripta em allemao peto immortal classico
FredericoSchiller, e traduzido para o poitu-
guez por Joo Carlos de Souza Machado; pre-
coda assigjnatura 1000rs ; as listas dos s:rs.
subscriptores achao-se as lojas dos Snrs. Car-
do80 Ayres, na ra da Cadeia, e Meiroz na
praca da Independencia. I11
- Aluga-se opriuieiro andar do sobrado
da ra estrella do Roza rio que faz esquina
para a ruadas LaraRgeiras; a tratar no segun-
do andar do mesmo sobrado i
'2Quem precisar de uina ama de lolle, des-
embarazada de tilh dirija-so ao pateo do Hos-
pital do Paraso n. 20. (3)
2 D-se a quantia de 600,000 rs. a pre-
mio, sobre ponboros de ouro, prata ou fir-
mas a contento tambemse dar oui a qual-
quer quantia sobre hypotheca em casas nesta
praca ; na ra das Cruzes n. '>';. '>
'2 Precisa-se alugar um sitio muito perto
desta praca, sendo pelo I gar da Solidada nao
seoihaa preco; na ra da Cadeia velhj, pri-
meira loja de asendas ao p da Conceigao ou
no I'asseio-publico, loja de fasendas n. ti. i
' No da 1 i do corrento mez de maio de
3844 desappareceo um negrada (osla talha-
do de nome Jos, com os signaes seguintcs ;
llura regular, bastante barbado, j .Miando,
com urna belida em umollio, cravos as solas
dos ps, o as palmas das maos calor do liga-
do; qualquer capilao de campo o pder pe-
gal-o ou alguma pessoa aonde elle esteja tra-
balhando, eleval-o aseu snr. na ra doQuei-
rnado n. 8, segundo indar, a Manoel JosGuc-
dcs Magalhacs, jue seri recompensado. ;i |
2 Aluga-se urna casa terrea na ra da (lo-
ria n. 14 com grande sala na frente ealcova,
com sotao sala atraz com camarinbas, quin-
tal com cacimba, e um telheiru ; Iratar na
ra do Livramento, armasum de louca o mu-
1 hados n. 20, (
l PhilipFurbij Ingles, retira-se desta pro-
vincia. (2)
Compras
t ComprSo-se cTectivamento para lora da
provincia mulatas negras, omolequesdo 12 a
J anuos, pagao-se bem ; na ra Nova loja
de lerragens u. 16. i
Cumpra-se um resplandor e um titulo
em poni grande para urna itnagem do Se-
nlior, que seja de boa prata e som (eitto; um
tonel, que leve al iGO caadas de agurdente,
que esteja em bom estado; no pateo do Car-
ino n. 13.
Comprio-se duas cscravas que sejo boas
engommadeiras; e um mulalinho de 16 a 18
atino!,, quenSoseja vicioso, pagao-se bem ;
na praca Jo Boa-vista n. 19.
uui*pru-aC um Iclemaco cm irancui na
praca da Boa-vista casa terrea de duasjanel-
los o duas pullas que luz fente para a praca ,
do mein da al as duas horas.
Compra-se urna espadada otcial, mesmo
usada, que nao seja muilocara; na ra dolan-
gel n. 34.
Cmprao-se cfTeclivamene para fra da
provincia mulatinbas, crioulas, e mas esora-
vos, de 13 a -20 annos pagao-se bem sendo
bonitos; na ra larga do Bozario n. ;o pri-
meiro andar.
eOOOO rs. chitas francezas mui largas j como papel decores em formato pequeo ; na
rs. o covado, merino de todas as cores ruadoCabug loja defasenias iiigle/.as o fran-
trasmuitas asendas, por preco muito com- ce/.as dol'ereira # Guedes.
modo ; na ra do Queimado n. 29, casa ama- 1Vendo-sc m cavallo ruco em boas carnes,
relia de Joao Antonio Martios Novaos, (tfl carregador baixo por preco commodo; na ra
'2 Vende-se um molcque peca proprio do Trapiche n. 32. (3)

Vende-se um sobrado de dotis andares e
solao com bom quintal e cacimba com boa
agua ; tratar na praca da Boa-vista sobrado
n. 22 primeiro andar ; tambem nao se duvi-
da receber em pagamento um casa terrea no
mesmo bairrn da Boa-vista.
2 Contina-se a vender spmente de hor-
talice telhas de vidro sestos para meninos
aprendeiem a andar, bules azues grandes para
quem tern muita familia ; na ra da Cruz ar-
masem 2Vendem-se ricos chales de seda, dilos de
lila, grandese pequeos a 2400 e 3040 rs. ,
ditos de lanzinha a 1000 rs. cortes le 13a de
parapagem, e do 14 anuos ; as Cit.co-pon-
tas n. l. 3
.; Vendem-se admiraveis navalhas de ac
da China que tecm a vantagem de cortar o
cabello sem offenca da pello, deixando o rosto
parecendo estai na su a brillianto mocidado ;
o vem excluzivamente da China, e sncl-
le trabalho dous dos melbores, e mais abali-
sad S( utelleiros da nunca excedida e rica ci-
dadedo Pekim capital do imperio Chim; au-
tor Shoio. N. //.lie recommendado o uso
destas navalhas maravilhosas por todas as
sociedades das sciencias medico-cirurgicas, tan-
to da Europa como d'Ameriea, Asia o frica,
nao so para prevenir as molestias da cutis, mas
tambem com um meio cosmtico; vendem-se
smente na ra do Crespo, loja n. 12, de Jos
Joaquim da Silva Maia (16)
3 Vende-s.) um |oge de bancas, urna me-
sa de meio desala quadraa de madeira de
oleo, eem bom estado ; na ra do Collegio,
armasen) de trastes do Sebastian. [?)
3 Vende-se urna bonita crioulinha de 10
annos propria para costura, sem molestia
algutna ; na ra des Cruzes n. 41, segundo an-
dar. I
2 Vende-se urna preta perita engomma-
deira e he ptima para todo o mais servico
de urna casa, o motivo da venda so dir ao
comprador; na ra do Hospicio n. 23. (4,
2Vende-se urna mesa redonda, de Jaca-
randa para meio de sala ; na ra das Trin-
tlieiras n. 32. (3)
" Vende-se um moleque de 18 a 20 an-
nos bom cosinheiro, padeiro e be hbil pa-
ra todo o servico ao comprador se dir o mo-
tivo, por que se vende ; na ra do Collegio ,
venda da esquina defronte do palacio, n. 25. (4j
2 Vende-se moeda de cobre a 2 por rento de
premio em poreiio grande te pequea a dous e
meio ; na ra do lories n.'18.
2 Vendem-se lencos para grvala a 3^00 e
3500 rs, tnu-.ilinhS pura dila a 1000 rs. lu-
vas sem dedos pa.a sen hora a 400, 480, e O'iO
rs. ditas com palmas a 720 rs. ditas com-
pridas a 1280 rs. e de pellica a 2 rs., ditas
para liomem a 1280 rs. lencos para algbeira a
2240 rs. bons de veludo para meninos a
1280 rs. dilos do seda com borlas a 2^ rs. ,
meias de seda para senhora a 2000 rs. ditas de
aigodo brancas e p/elas, ditas de seda para
liomem a 1(100 rs. suspensorios de burracliaa
320 rs. ditos imitando a 2'i0 rs., ditos de se-
da a 1280 e luOOrs. franja preta a30U rs. a
vara, abotuaduras de duraque para casaca e
sobre-casaca ditas luradas a 320 rs. a duzia ,
litas iavradas largas e estreitas bicos largos e
estreitos bons e chapeos de palhinha a 280 o
400 rs., facas c garfos a 2SO0 rs. a duzia pen-
tes de tartaruga a 1280r. marroquins do va-
rias cures a 1760 rs. bezerro de lustro a 3500
rs. a pelle meias garralas de agua de lavando
a <'>10 rs., agua de Colonia a 160. 'iQO, 500, 720,
;>00, e 1C00 rs. o frasco, sabonetes, banhas em
boioes de porcelana, pomada francesa, macass
oleo a KiO rs., e perola a 400 rs. o frasco, pa-
pel do peso a 3200 rs. c almaco a 2400 rs. ,
toucadores eestojoscom navalhas, costurei-
ras com msica e mais pertences para senhora,
peutes para prender cabello direitos e vira-
dos papel decores a 25 rs. a resma cai-
xos de flores para chapeos e guar.iicoes de ves-
tidos, agulhas fraucezas em caixinhas a 4^0 rs.
cortes de colletes de laa o suda com covado e
quarta a 2800 rs., o outras mullas asendas
hamburguesas e (rancezas po> preco commodo;
na ra do Queimado n. 24. 37
- Vende-se urna toalha do esguiao toda
aborta em roda de lavarihto por preco com-
modo ; na ra doCabog, loja de miudezas
junto da do llandeira. (f)
2 Vendem-se superiores caivetes finos
com mola que em se metiendo a ponna Sae
perfeitamenteaparada ; na ra doCabug, lo-
ja de meudezss junto da do Bandeira. (4j
9 ,- Vendem-se duas varundas novas de 30
palmos cada urna 'i pedras do sacada, 420
(tas de marmore para ladrilho 58 taboas de
l'iuio de assoallio j preparadas e alguns en-
tilantes tambem promptos ludo por preco
commodo ; no sobrado da esquina da ra do
Rosario, que secst concertando. ^7)
2 No lecile ra da Cruz n. 23, escrito-
rio de Jos Antonio Gomes Jnior, vende-se
por preco muito ommodo, saccas com'al-
queire de superior larinna de mandioca, muito
lina o alva feita na Moribeca. (5)
Vende-se o resto dos superiores lencos de
seda; na ruado Queimado loja do Vianua ,
as esquina do beco da Congregacao.
1 Vcnde-se a loja n. 22 da ra do Queima-
do ; tratar na mesma ra n 24 (2,
1 Vende-se um pardo de bonita figura ,
bom olicial de allaite ; na la da Cadeia do
l'.ecife loja n. 40, de Joaquim GoncalvesCas-
..<>. (4)
1Vende-se o bom peixe camorim vindo
superior ao baca-
nte, Rlagraa, e do vidro, fitas lisas e Iavradas
rendas de talas as larguras, ligas de seda para
senhora, marroquins de todas as cores a 79 rs.
a duzia e um completo sortimenlo de iriiuoe-
zas por preco cemmodo ; na ra do Cabugfi
loja n. 1 C do Francisco Joaquim Duarte.
,-._j-----------..*/u d0 ..rl,
Vendem-se4escravos mocos, bons para
todoo trabalhoda praca o campo; um mole-
que peca muito ladino, bom para pagein o ser- j
ve bem a urna 'casa; um dito de 12 annos, duas
pretas boas para todoo servigo; urna dita do 18
anuos, muito linda e sem defeilo algum pti-
ma para se acabar de educar; na ra larga do ; Ordem terceirado Larmo ja quasi alienado ;
na praca da Boa-vista, botica de \ iclonno Fer-
Vcnde-se urna canoa do carreira opUma
para conduco de familia por ser & berta a
carrega 10 a 12 pessoas, nova e bem construi-
da por preco commodo; na praca da Boa-vis-
ta n. 13.
Vendem-se dous terrenos no quintal da
Rosario n. 48.
Vende-se uina cscrava de 2'J annos, sa-
bendo perfeitamente engommar, cosiuhar, coser,
e lser lavarinto ; una negrinha de 13 annos ,
cose mui bem, e faz lavarioto; urna mulali-
nha de 12 anuos, propria para mucama de al
gumamenina ; urna prota da Costa de 22 an-
nos, cosinha, engomma, e he boa quitandeira;
reir de Carvalho.
1 Vendem-se boasthesouras deGuimares
para alfaiatc chapeleiro latoeiro ou ou-
rives ; na roa Direita n. 123. (3J
1 Vende-se um lindo moleque, de 20 an-
nos muito bom carpina e ptimo carmeci-
ro e tem excellente conducta ; na ra estreila
ima dita com as mesmas habilidades; um pre- do Bozano n. 3'i, primeiro andar. (4)
to de todo o servico e bom trabalhador de ma- Vende-se urna negrinha crioula do oitu
diado o fouce ; um cavallo rodado grande para 0 annos mu sadia e com principios de
co.n todos os andaros', e lio bastante carnudo; costura ; na ra de Ilortas sobrado n. 1)4.
na ra do Fogo ao p do Bozario n. 8. 1 ~ Vende-se um sitio parto da praca, com
- Vende-se urna negra de nacao moca excellentes fruteiras gran te baixa para oapim,
muito boa cosinheira de forno o fogao cose o pasto para vaccas casa de lijlo, boa agua de
engomma; na casa n. 7 defronlo da ordem b'ber, e todas as commodidades para planta-
lerceira de 8. Francisco. co\* por ser o sitio bastante grande ; quem o
Vende-so um preto anda moco, de borii- pretonderantiuncie. (6)
ta figura proprio para todo o servico ; na ra
>
das Larangeiras n. 5.
Vende-so um cavallo muito bom de carro;
na ra da Conceicao da Boa-vista n. 60.
Vende-se urna escrava parda recolhida ,
do 18 annos com boas habilidades ; urna di- esquina n. 39. (Ai
ta crioula de 16 annos cose bem ; urna parda
de 26 ann-.s, boa (WSioheira o engommadei-
ra por 350,^ rs. ; dou? escravos de nacao, sem
Vicio algutn de 2i a 2(i am.'os, por 740# rs. ;
um dito de bonita figura de 2o annos ; dous
moleques de nacao, de 20 anuos ; P nutro de
13 ; um bonito mulatinlio de 1 annCs 5 na
praca da Boa-vista n. 19.
Vendem-se pannos linos a 2500 rs. dito
superior a 4500 rs. casimiras do cores, pro-
prias para coeiros a 1200 rs ditas fraucezas a
a iCOOrs. cassa-chitas mui finas a .'i'20 rs. o
covado chitas e riscados de cores (ixas a 160 e
184 rs. ditas linas a 200 e 240 rs. merino
preto e azul de duas larguras a off rs. cortes
de chitas linas com 12 covados e meio a 3000
rs. meias para meninas e meninos a 200 rs.,
brelanbas de rollo com 10 varas a 1800 rs. ,
mantas de llnho grandes a 3000 rs. chales de
merino o 3000 rs. inadapoldcsfiio? a 3200,
4H00, e'iSOOrs. chapeos braneos de castor a
fi rs., ditos pretos aB.f rs e 2800 ,rs., dilos
4om pello a 3110') rs. ditos pardos a 1280 rs.,
luvasde algodao o de seda, e outras muitas
fasendas p.ir barato preco ; na ra do Crespo
n. 14, loja de Jos Francisco Dias.
Vende-se um quarto para carga muito
novo, e por preco commodo; na ra da Cadeia-
velha loja n. 60.
Vende-se farinha da trra muito boa a
12 patacas o alqueiro da medida velha ; no lar-
go da ribeira venda n. 3.
1 Vende-se sal do Maranhao em paneiros ;
nocaes da allandega tratar com Leopoldo
Jos da Costa Araujo. (3)
Vendem-so ricos estojos de navalhas mui-
to finas, por prego muito commodo oculos de
armacao de muito boa graduarlo bicos de li-
nho largos, proprios para roquetes do padres,
ditos do differentes larguras tanto braneos,
como pretos de seda e du linho, luvas pretas de
2 Vcnde-se ou aluga-se urna canoa de
carregaragua ; na ra Nova venda n. 65 ,2j
Vendem-se duas pipas com agurden-
te de cana muito boa e saccas com farinha de
mandioca ; na ra larga do Bozario venda da
Escravos fgidas
1 No dia 22 de abril do corrente anno fu-
gio do sitio dos Tanques districto de Alagoa-
grande e comarca do Brejo de Areia um es-
clavo de nome Antonio do gento de Angola,
de 30 a 40 annos, alto s:cco em proporcao ,
desdentado na frente ps pequeos, nao he
mai parecido tem as nadegas cicatrisadas de
rellio, ?.0.OU um sacco de couro do ovelha em
cabello, ui.'a rede com varandas um lencol
de laa 5 catiW535. 4 ceroulas duas caigas e
urna jaqueta, chapeo fino e urna espingarda ;
quem o pegar, leve ao" mesmo lugar que rece-
ber de Manoel Marlins Cazado a gratificagao de
oO.OOO rs. ou mais, conforme a longitud?
onde for pegado. 15
Foglo no dia l\ do corrente um escravo de
nouieJoo, de nacao Cabinda esialura regu-
lar grosso do corpo, pernas grossas, ps lar-
gos, tem urna orolba furada e um pequeo la-
lho em um dos cantos da bocea sobro o bei-
co superior maos bastantes grossas, e ce leja-
das do servigo os bramos dos olhos alguna
tanto avermelhados, eemumdelles tem una
marca de sangue de nascencia ; levou duas ja-
queles una de chita e outra de seda escoce-
sa j velha dus caigas, urna de panno pelo,
com dous ou 3 re mendos, e outra de brim gros-
so e de alsapao ui.'> collete amarello de gasi-
neta urna camisa de mongas curtas de algo-
dao da trra duas ceroulas, urna j velha e
outra nova e urna bafc'ta encarnada ; quem o
pegar, leve a ra Nova padartu n. 31, ou no
sitio da Estancia rio Giqui.^a sua sen boro Matia
da Conceicao Peruira, que ser bem recompen-
sado.
Boga-se as autoridades policiaes de Porita-
de-pedra appehendao um pardo, de nome
Antonio Bomo, baixo, grosso -do corpo com
seda, de lio doblado para senhora a 320 e i pouca barba, anda vendendo i/iiuJesas e fu-
800 rs., ditas com palmas a 400 rs. ditas de I sendas com urna preta de nome Ma rio, alt.i.bem
('.res a 200 rs., ditas de linho da Escocia, pro- I preta ; ambos bem fallantes o t spertos; os
prias para monlaria a Co rs. meias de algo- quaes fugirao no dia 27 de lunron / quem os
o pretas para padre a 640 rs. ditas de se- pegar comtudo queelles levaremcomsigv >, love-
l. covados o meio pegas di bretanha de puro
hubo, com > varas o meia a 4000 e 00 rs. do Cabo de Boa-Esperan^
cassa lavrada com 15 varas a pira mui ticas
para corlinadi i a 8a1 rs. coi es-
18 com 6 meia a o rs. s de
abas gra re-
des de '.Ores mu bonitas, viudas u iuo,
O em soceos de duas arrobas e meia para
na ra da Cadeia de
i lina a 2844rs, o sacco
S. Antonio n. 19. >
Vende-se um grande sortimenlo de livros
em bramo francezes por preco mais barato,
do que em outra qualquer loja de livros. assiui
da para senhora dilas de cores bordadas e li-
sos u 1 120 rs. papel almaco a 2600 rs., dito
de peso a 2700 papel de cores dito para en-
cadernagao grvalas de differentes cores a 2^
rs. thesouras finas para costura e unha, dita -
para alfuiate brincos doutados do ricos pa-
drocs a 900 rs. leques de seda e de papel ,
muito linos, esporas de lalao para salto de bo-
tina, pentes para prender cabellos a imitagao
de tartaruga dilos dourados a 800 is. ditos
do tartaruga para marrafas facas finas de ca-
bo branco do osso gargantillas do vidro e fi-
agraa de lindos padroes tinta propria para
riscar livros a 16 0 compassos e tira linhas ,
escovas para denles cabellos efato bonitos
padroes de abotuaduras douradas para casacas,
ditas do duraque a 560 e 600 rs. ditas de ve-
ludo a 480 rs. ditas de seda, e de roassa, ditas
para collete, ditas decores paraenfeites de ves-
tidos e para colletes, sapatos para meninos a
280 rs. o par, rap de Gasse a 1020 rs dito
rolaoa 1400 rs. dito de Meuron a 1020 rs.,
dito Vilele macass oleo e perola. abneles
finos agua de Colonia rainha das (loros a 5Uo
rs. o frasco ceroulas proprias para banho
tanto para homem, como para senhora, man-
gos de vidro para candieiros, facas de marflm
para lechar cartas transelins dourados e de
burracha de cores caixas de massa pura aliar
navalhas llores fraucezas lencos do garca
p.'M-ocinhos de linho broncos e pretos a 120 rs '
galdesentro-finos para bons e chapeos de pa-
gens alunelesde ferro para armacSo carias
francesas muito finas a 240 c 100 rs. o baralho
indos estampas linas a 320 rs., espellios -ron-
des proprios pora sala, calzas com papis pa-
raenfeites d asendas, brincos pretos de ata-
os em Olinda nos Quutro-canlos n. 18.
- Fugio no dia 16 do corrente. de Fort'-de-
porlas, da casado Mara do Pillar, a prVl>
Agostinha, de nacao Rebollo estatura regular,
cor fula cara grande, beicos grossos peitos
atacados maos e ps grandes dedo com-
pridos, levou vestido de chita branca com lis-
tras encarnadas, saia de zuarte azul por cima
do vestido, panno da Costa com matamos bran-
eos com listras encarnaJas ao p dos mataues,
sahio com um taboletro vendendo carnario ;
quem a pegar leve a dita casa ou no botcquim
da Estrella qm; ser ratificado.
No dia de abril ultimo ausentou-se de
um sitio da Varzea denominado Caianna um
escravo cabra de nome .\ianoel de 18 anuos,
estatura o corpo regular, rosto liso bem fal-
lante, consta que se inculca por fjrro, anda de
chapeo de couro novo caigas ora de metim
branco ora azul camisa de madapolo ou
algodozinho o temofierecidoos scus servigos
em varios engenhos por onde tem passado,
seguindo para o centro ; quem o pegar, levo
aos AITogados na ra do Motocolomb a entre-
gar a seu snr. Jos Francisco de Baiva que se-
r bem recompensado.
1 I'ugio a dios uina negra de nome Sera-
fina denaejio Angola, quundo anda melle
os joeihos para deniro deestatura baixa, na-
riz chalo, denles de cima limados e BV0S, X"<-
lo redondo lalla apressada ; levou sala de li-
la j velha, panno da Costa com debrum bran-
co suppoe-se que amia pido mallo venden-
do frutos; quem a pegar, leve a ra da ai
n. S, que sera gratificado, 9
E1FB \ iil'. m M. I*. BI l'At/A1844.
-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EP3CCCR2Y_JDK76J INGEST_TIME 2013-03-25T15:43:20Z PACKAGE AA00011611_00110
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES