Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00102


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de IfiM.
Quinta Feira 9
O DiAUOpublica-M lodosos diasque na0 forera santificado : o preco <) ossipnlur
he grstis, o dos que nao forem raio de 80 rea por linh.. As rrclamacoes devem ser diri
pidaa 4 ata J yp rna das Crines n. 34 ou a praga ria Independencia loja de lirroan 6e 8
PARTIDA DOS CORRKIOS TERRESTRES.
CouN* e I arahyba. seSundssc sextas feiras.Bio Grande do Norte, chc-a a 8 e2> e par-
le a 10a 2 Lab, Sennhaera llio Formoio, Macer, Porto Caito, r Al.coa. no 4
' e .-?de"d D, ,G.nhun. e Honi.o <0 e 34 de cada me, ,.-,, e Flor-
es a 13e .'8 il.lo. Cidade da Victoria, quintas feira,. Olinda todas o di
, R DAS DA SKMAJN'A.
O Se? Jumo Damasceno. Aufm do J. de I), da '_'. v.
7 Terra s. lisian albo. Re. aud.-rlode D da 3. t
8 Qonrla Apparicuo de a. Miguel And. do J. de D. da 3 t.
4J .cexla s Antunino. A ud do .1 de D ra'.. v.
i< Sib s Anuncio. Re. aud. do J.de 1). da i. \.
il lloin s. Jonna prinrea
r^amnaallaalfllaial
de Maio.
Anno XX. % 108.'
Tuno agora depende de nos menino,: da nossa prudencia, noderagio" energa: o-
V linut-mos como principiamos sereno, aponanlos oom admiradlo entre as nagues roai
Uf cultas. (lWlamaij.i di Asemilles Geral do aratil.)
Caminos sobre Londres '.'5.
11 Paris 37U rea por fianco
a Lisboa H por lUII de premio
Moedade cobre 5 por Mata e nao la
Idam de letras de boas firmas i 0; /
c*mios ko un 8 uk MAIO, compra
Our-.Moeda de 6,400 V. <7,5W
,. N. 47.200
de 4,009 9,600
Prata-ratacea L90
u Pesos colummnare J,00'
ii Ditos meiicanos 1,960
senda
47,600
47,400
9 800
2.L0
1 040
',980
HELASES DA LA NO MK7. DE ABRIL.
La obeia a 2 .os 55 min. da larde I,,nt, tf (;<, Jj min. da aaSsMaV
MioRuanle a 9 as fi horas e 2 min da manli.ia I Gasenle a Jo as 6 b. e S ai. da larda.
Preamar de hoje.
I'iimeira as {0 horas e 6 min da manliaa
aaMMBffl su saac.-- :r,,-jKi.<.. .^v.i..: jjHaui/naaaaaLt.^
| Segunda ss 10 horas e .'10 minutos da larde.
-, .j.......-.jm | inilaUI
CO

.! riaszszxssjKSsrwssibiz/tBaE&ssa


m
MINISTERIO DO IMPERIO.
Illm. e Eicm. Sr.Transmiti V. Ex. o decre-
to, i>. lo qunl houve Sr. M. o Imperador por beni
conceder demissao, porV. Ex. indicia, do sar-
go de Presidente dessa provincia di- Pernanibu-
Dos guarde a V. Ex. Palacio do \io de Janei-
ro, oiu 10 de abril de 1844. Jote Carlos Pereira
de AlmviJa Torres. Sr. Bario da Boa \ isla.
HESPANHA.
Madrid, 19 de marco.
As folbas de Valencia dio extensos pormeno-
res da recepcao de S. M. a raitiha Chriatina. O
eiitlnisiasino nao podia ser excedido ; mas de
20,000 habitantes das povoocOes da provincia .
especialmente da ribeira do Jilear, allluirao ;'t
cidade para vereni a excelsa (.Jirsima.
S. M. visilou os eslabeleciinentos de piedade,
e segundo o seu cnstume dlstribuio avnlladas
esinolas. Na noutr de l.'Jassistio fuiccao do
ivceo valenciano, onde lionve grande concert e
leitura de varias composiroes poticas, assim
como representadlo de ttin drama.
No dia 10 pelas dez horas da manhiia, cerca-
da de inmenso povo, sabio S. M. de Valencia,
ileixando as inais gratas recordarors, em direc-
efioa capital, devendo dormir na cidad.e da Al-
mansa, onde descansar amanilla (17), porijuc
S. M. nao segu jornada aos domingos, c na
seguiula-feira 18 continuar o seu caniinho.
No ministerio da guerra recebcro-se of-
ficios do general Villalouga, que opera no iMaes-
trago, dando parte das disposicoes adoptadas
para que em todas as povoacoes se vcriliqucnt
as eleicoes municipaes na Forma da lei ; que em
aVenasal fra diasolvido o ajunlamenlo e no-
meado novo secretario, fazendo-se sabir dalli 1).
llamn Aparici por trabalbar contra o governo,
c a favor dos facciosos ; e Analmente que fra
passadopelas armas um cabo do provincial de
'uinca, que alliciava g( nte para os facciosos.
O general Roncali ollicia do seu quartel-
generaleni frente de Carthagena em data de 14
e lodo torrente, declarando que nao bavia no-
vidade na liulia do bloqueio que os trabadlos
progrediao ; que ComecavSo a chegar 09 par-
quet de artilbaria, e que tudo se dispunha para
terminal' quinto antes a rebellina dessa praca.
O Heraldo da os seguinles curiosos detallies
cerca de Bone : Pelas dez borne da noule
e\aniin;iriio-se os seus papis, centre ciles se
achou mu que diz : Manda-me tres du*ias de
pilulas, e o opio mais activo. Tendo observado
odele politieo que elle nao era mili coherente
nas suas respostas, cao mcsnio tempo que en-
gollra alguma cousa, maiidou ao calabouco o
medico do general com ordem expressa de re-
conhecer se Bon bavia tomado opio, para llie
dar logo o antidolo. Feito o exime, conheceo-
seque tifio bavia lomado o veneno, e quando o
facultativo se dispunba a sabir, t Qu o cbamou
de parle, e lite disse : t.'onjieco-o de Valen-
cia, e espero que me far o favor de dizer ao
general que da minha liberdade depende n sal-
vacuo da patria. En fui obrigado a fazer o que
fu. ; se me pronunciei lo i por gratidao quelles
a quem devo tudo o que son. Se fui desgranado
insta empreza, outros ficro atrs de mini que
talves nao o sejio. lslo anda n:lo acabou, nem
acabar ; aluda csto em p os que me cotnpro-
mettero ; elles me derao e dario a outros o
dinbeiro (le que se careen ; estao a chegar a esta
tres barcos com farinba, dous (le Malaga e um
de Motril, e tambein esperava uns caixoes eoin
dinlieiro. A Andatuzia em toda o costa eslava
preparada; se o general Roncali nao tiveate es-
tado em Valencia, teria a revolla rebentadoalli,
depois em \ Mean ti, Carlbageia, Sevillia, Cdiz,
e outros pontos. Diga tudo isto ao general ; e
se me perdoa descubrir! lodos os planos e todas
as pessoas que Bella estao comproinettidas, e
assim salvar a Hespanli.i
Pode ser, que estas palavras de Hon s ti-
vessein por lini demoraru fatal momento da sua
expiacao ; port'tn tudo indii/. a suppor que ha
exacttda em algumas cousas, eque os conspi-
radores piiueipaes fico agora, como senque,
impunes, Habilitando anda para transtornar a
ordem. e sumir-nos na anarehia.
insuiTcco na Irlanda, disse que a causa dessa
Iba era idntica de Birniinglinin. A rcunio,
depois de ouvir o orador, votou urna represen-
tacaoenrgica ao parlamento em favor das libcr-
dades irlandczas.
Na sessao de 0 de marco apresentou Mr. de
Labouchere.na cmara dos coinmuns.a proposto
de unta meiisagem a S. M., para que o goverua
tratasse de promover o comniereio entre a Gro-
sretanha e o Brasil. O orador expoz, que as ejt-
poriaces do Brasil avultao a jete milboes de li-
bras sli'ilinas ; e que desta quantia, quatro mi-
llioes. pelo menos, consisteni em assncar, caf,
e algodao. Disse, que o Imperio do sVrasil, em
vit lude do tractado, itnpunba 15 por cento de
direitos nas mercadorias britanncas, ao passo
que o seu assncar pagava em Inglaterra 100 por
cento de direitos, e o sin cale200 por cento. Al-
legou, que em virttide desta desigualdade, e de
oulras cousas, a exporlaco de Inglaterra para o
Ar.isil decabio de lies milboes de libias para
poueo mais de dous milboes de libras sterlinas ;
que o tratado acabffva em novembro desteanno;
que, sea lempo se naoTidoplassem providen-
cias, o coniniercio dos dous pai/.es soll'reria
maiores inconvenientes.
Sir Robert Pee I e Mr. Gladstone responderlo,
que a uiocao nao tinba lugar. Declarriio, que
se havio feito j as possiveis n dueces no assn-
car e no caf esirangeiro ; e que de modo algtini
poderiiio aniinir a que os producios feitos pelo
concurso da esevavatura viessem prejudlcar no
creado a iinportaco das possesses Inglesas.
Mostrarlo, que as exigencias do Brasil para a re-1
lovacfio do tratado erao inadniissiveis que pre-
redueco no direito do
RUSSIA.
S. Peenburgo, '2.') de fevireiro.
O general conde de Tolstoj foi immeado mi-
nistro da guerra em lugar do principe de Czer-
iiilcheir, que p;issa a governador geral la Po-
lonia.
A perseguicio dos israelitas, que pareca ter-
se moderado em vit tude da desapprovaco com
que foi acolbida pela Europa, renova-se infeliz-
mente; unta circular expedida ltimamente pe-
lo ministerio do interior ordena terminantemen-
te aos governadores das provincias, que por
pretexto algum, inesino coni o de visitaros li-
Ihos que se acbao (lenles nos bospilaes de Mos-
COW contras cidades designadas, se permita
nellas o ingresso aos israelitas que foro ba-
ntdos.
PORTUGAL.
Segundo a participa! o do governador civil
de \ i/cu, em dala de I(i dO crtente, consta que
a 27 do passado. pelas dez horas da tnanhaa, en-
tre as fregtiezias de S. Clll'istovao de Nogueira,
do consellio de Sinlaes, e Sant-Yago de Pies,
do coiiselbo dcSatilins, bouve una explosao de
agoa, ierra, e pedras, que seguio para o lado
opposto da freguezia de S. (Jhristovao, na diree-
cio do ribeiro de Oleiros at ao Douro, galiban-
do ueste curso grande incremento, e causando
inultos estragos em distancia de mais de urna
legoa.
Destruio todos os terrenos, fazendo vallas de
00 palmos de altura, e de 30 bracas de largo
Ievou no seu curso fiO monillos ou azenhas, en-
ttilhou o Douro, e eausou a inorte a S ou D pes-
S088, entre as quaes bavia unta familia inteira.
Poneos dias depois inr. Metaxa, presidente do
conselhu de ministros da nomeaco de .'i (15)
setembro, e chele do partido supplantado, deu
a sua demisso. foi imitado por inr. Schinas,
ministro do culto e da instruccao publica. Es-
tas deinissoes forao acceitas, e o rei conferio
provisoriamente a presidencia do cnselho a
inr. Canaris, ministro da marinha, e a pastados
estrangeiros a inr. Drosso Mausolos que fra
ministro das Rnancas. Para a reparticao dos cui-
tse iitslriiei fio publica foi nonieido nir. Len
Melas niiiiislri- da ustiea. Nesse dia a e/ler-
veseencia popular era grande, e reeciava-se al-
gum moviiiienlo. Entretanto as medidas mais
enrgicas forao adoptadas pelo coinmandante
militar de Vilnnas. Calerghi, e nao sealtcrouo
socego publico.
A 20 deeidio-se que o menor numero dos so-
nadores fosse de 27, e o maior igual a inetadc
do numero da cmara dos deputados, podendo
em caso urgente exceder-sc a regia, de accor-
do com a cantara electiva.
Consta que alguns agitadores tentarlo exci-
tara revolla nas provincias, especialmente no
l'eloponeso, pnrm nada teein conseguido at
agora. O estado sanitario do paiz he mui sa-
lislaclorio.
..!
tendia una enorme redueco no direito do as- .
sucar ecaf, emquattto entenda carregar 40 por o estrago calcula-sc em sessenta con tos de ris.
cento sobre as fazeudas ingle/as de algodao, Houve onda explosao no niesnio dia cnt o
alm de outras condices igualmente injustas, monte de Mareclini junto villa de Mures, fre-
Com Ittiio observando, que nunca em Inglater- gsjeziade Tendnes, do eonselho de Sinhies, que
ra houve maior almiidaneia de assncar e caf, seguio a direccao do ribeiro de Olixidr, o ijual
e por piceos mais razoaveis, do que agora ; sen- desagoa no rio Rastaiu;a. l.evou a casa de unj
do por conseguinte inopportuno o momento pa- lavrador, qualro vaccas, e gado miudo.
ra curar de reduec.oes nos gneros do Brasil. No districto de Viseu abrio-se una subscrip-
A moeo foi rejeitada por inaioria de 73 votos, ciio, por interveneao do referido governador ci-
vil para soccorrer as victimas desta catas-
ERANCA.
Parts, 10 de mareo.
O guarda-sellos, inr. Mantin duNord, dirigi
ao arcebisbo de Parlz una carta declarando-
Iheque o governo desapprova a memoria que
trophe.
Parlo, 28 de frrrrriro.
KIO [mi !".
Em a noute deanle-hontein para
hontem en-
Ihe dirigi junto ([Oin outros bispos sobre a li- cheo uns 20 palmos, em consequencia do que
berdade do.ensino, e oprojecto de lei sobre ins- se tomarlo providencias pela intendencia da
trcelo secundaria, porque Bella se falla ao de- marinha, conduzindo os hiates e vapores a a-
coro, e porque he contrario ao espirito da lei d- marracao mais segura. lista manilla o rio esta-
18 germinal do auno 10, em virtude da qual se va quasi no sen leilo.
prohibein as deliberaces em rcunio de bise
pos, que nao sejao competentemente autorisa-
das ; e que espera em futuro que se abster de
faltar aos artigOS orgnnieos da concordata.
O partido legitimisUi, alentado seni din ida
Extracto de tima caria de um ofpcial no cerco
de Almeida.
Ferrct opus. Aqui niiiguein dornie nem des-
canea; tudo he vida ; nao ha providencia que
com o triitmpho que alcaiicoii na reeleicao dos nao tenha lembrado, e de que se nao tenba lau-
cinco deputados da sua edr, tem ensaiado algu- pado mo.Entre as noticias que hoje vierao de
mas"dcmoiislraeoes contra o governo em dille- dentro da naca ha uinaque all fazeni circular
rentes pontos do Meio-din, especialmente em os chefes dos revoltosos, que nao deixa de ser
Marselha: e em consequencia houve algumas curiosa,e vein a serque boje se reunem OS nos-
prises, mas de gen te de\pouco vulto. sos generaes em eonselho para evitar o derra-
A opposieao francesa, apesar da derrota que mamento de sangue, e nlo haver logo de arti-
Sofireo no debate da proposta de mr. de Reun- Iharia !-Que tal he o niedo .' Tudo isto he as-
sal, apresentou outra Armada pelos deputados sim arranjado para entreter os habitantes da
Lacrosse, Gustave de Peaumont, e Legrand, em praca, que noticia da ehegada da arlilliaria es-
que se estabeleceni differentes reslrieeoes iin- lo vendo (pobre gente!) as suas casas untas a
fluencia que o governo exeree nas eleicoes, es- arder, mitras demolidas! Teni-se notado que
tabelecendo penas contra os funecionarios pu- uestes ullintos dias ja os habitantes se nao asso-
blicos que coarctarem a liberdade dos eleitores. cinos revoltosos. Segundo as melhores oppi-
RIO DE JANEIRO.
S. M. o Imperador designou o din de maio
para receber no paco da cidade, pelo ineio dia,
as autoridades, corporales e pessoas gradas,
que, iin grande gala, se dirigirein a felicitar a
ramilla Imperial pelo fausto motivo do augusto
consorcio da Senhora Princesa D. Januaria com
S. A. R. o Sr. Conde d'Aquiln, D. Luis Carlos
Mara, Principe do reino das Duas Sicilia*, que
deve vei iiiear-se domingo, 28 do correntc abril.
S. M. o Imperador bouve por bem conde-
corar com a gran-cruz da ordem imperial do
cruzeiro ao niarechal Sonlt, duque de Dalmacia,
e com a grnn-crn/. honoraria da ordem da Roa
ao cavalleiro 1). Fernando Ferr, ministro da fa-
zenda de S. Al. o rei das Duas Secilias.
S. 51. o Imperador houve por bem perdoar aos
soldados, Joaqiiiiu Rodrigues dos Santos e Eran-
cisco Borges o crinic de desersao que haviao
coinniettido. Sriitiiulla).
A cmara dos Srs. deputados priucipiou as
suas sessoes preparatorias no din 2 com 'iiliiiein-
bros: a 27, din da 3." sessao, s comparecerao
20; o Sr. presidente Cavalcanti Lacerda nomeiu
a deputarao que tein de ir saber de S. 51. a ho-
ra e lugnr dn abertura da assciubla. Os nieui-
bros presentes na corte at o dia 27 erao 48.
o dia 21 do passado foi sagrado o Exm.
Sr. hispo do Para no inostciro de S. /icnto. O
de Uarianna deveria sel-o a 28 no convento de
S. 'fhereza.
O Sr. lenle coronel, Ricardo Jos Gomes
Jardn foi nouieado presidente e coumiandante
GRAM-i RETANHA
Londres 11 Na sessao di cmara dos eoinmuns em 7 do
correntc houve tuna conversaco sobre as ne-
g'vi.;.-.,.., comincrciacs cutre .. !'.....,.. In-
glaterra. Sir Robert Peel declarou que em
vista ca lingoagem de mr. Guiso! na cmara
d is deputados devio eoosiderar-se rdtasasne-
gociaedes que tivessein por bise a redueco de
direitos.
O'Gonnell pronunciou em Kiriningham mu
discurso mui enrgico em que assegurou que
ssua inuencia se deve nao ter havido una
nioes o hoinein do decreto de 10 de feverclro,
ou antes o aspirante presidencia do eonselho
e ministerio da guerra, ter a inesina snrte do
infeliz Miguel Augusto.
Existe j um grande numero de espines dos
n prisao, e isto uo s entre nos,
SARDENHA.
Genova, 2 demarco.
As l'olli.is frnneczns e nllenies annunciarao
um ronipitiieuio prximo entre a Sardenha e o
governo de Tunes. Indienrao que o din (lo com- revoltosos <
bate eslava inminente ; que o bey se dispunha mas eni Hespanha, cujas autoridades nos teein
a Ulna seria resistencia, e que o governo de Tu- coadjuvado com a niclhor vontade, e sao na ver-
ritn, vendo que erao inuteis todas as reclama- dade dignas de todo o elogio,
ces feitas regencia barbaresca, dava as or- Posso assegurnr n V. Exc. que de dia na en-
dens mais activas para que iminediatainente.se ira eousa alguma na piara, e que de noute en-
reunissein no porto de Cagliari todos os navios tra poueo, e eom grande difliculdade.
de guerra disponiveis, a fin de se fazereni de Estava-se fazendo barraees para a cav.illaria,
vela para frica nos primeiros dias de niarv'o. o que se torna indispensavel ltenlo o fri que
Gas etlUlaS ui
roviCia ue .
A Oazelade Turim, falla Quicial, desiuente es-
sas noticias. Diz, que a reunino da esqnadrn,
assim como o que leni referido os joruaes es-
trangeiros cerca das desintelligciicias daSar-
dnnbn c Tunes, he indo falso.
est fazendo;'os soldados bao de arranjar-sc
como fr possiveU-no dia 2-1 he natural que co-
inece o fogo.
Recebemos jornaes de Athenas at 2'J de fe-
------------... vereiro.
SIJECIA. A assembla nacional eontinuava os seus tra-
Sinknlm, 27 de fcvereiro. balhos, e esperava-se que em poueo tempo hou-
A sade do rei Carlos Joo nao tein experi- vesst; concluido a diseussao dn cbnstitUicffo, A
mentado mi hora, casita vida olletece pouca 20de Janeiro vototi-se o artigo 70, unidos mais
esperama de salvar-se. O augusto enfermo ha- importantes, o qunl d ao rei o direito de no-
via prologado ate ao 1." de maio o decreto, pelo mear os senadores e foi approvado por 150 vo-
qual se confera a regencia do estado ao principe lo a fivor, e47 eofltrs;. A 2i apresentou-se a
q
innieiro (luante a (locura de seu pal. O boto
espirito (pie reina na Suecia, a tranquillidadi
que se disl'riicta em toda
se nao temo lamentaveis conv
fallecer o rei. O principe real, Carlos, duque favorito I contra o artigo do projeeto, al que
de Scania, he imii querido, e os descendentes no dia72 se resalveo em i
questiiose os senadores deviain ser vitalicios
ou fiineeionnrem por dez anuos, como se es(a-
a parte faz 'com que belecia no projeeto-. Houve prolongados deba-
Bonvitlsdes no caso de tes, e a qii'stao ficou empatada com 01 votos a
dos celbrese antigos Wosas nao teeui partidis-
tas na nohreza, nem no povo.
escrutinio por inaio-
ria de 112 contra 92 votos, que os senadores fos-
s< ni vitalicios, com grande desgosto da oppo-
sil'lll)
Paulo.
(Diversas folhas).
Eoi aposentado o Sr. Joo Bandeira de Gou-
veia, offlcial maior da secretaria da guerra, e
Horneado em seu lugar o ir. Francisco de Paula
Vieira de Azcvcdo.
Foi deinttido do cargo de director das es-
colas primarias da provincia do Rio de Janeiro
oSr. depiilado Jiisliniano Jos da Rocha, e no-
meado para substiluil-o o Sr. Dr. Ecrnnndo Se-
bastllo Dias da 51otta.
Foi deniittido o inspector do .arsenal de
marinha do Rio Grande, sendo substituido pelo
capitao de fragata Joaquim Manoel dcOlivcira.
Eoi lanbem dcniittido do comiuando da
forca naval estacionada na mesma provincia o
capitao de mar c guerra, Antonio Pedro de Car-
valho, e nouieado em sen lugar o capitao de
mar e guerra Raposo.
Eoi demittido oSr. Dr. Joaquim Antonio Pe-
reira da Cmilia, de juiz municipal da villa da
Paiahyba dosul.
Eoi demittido do cargo de ollicial maior da
secretaria da presidencia da provincia do Rio de
Janeiro,em portarla d-2S d'este mez,(Abril)o Sr.
iManoel Texeira Coimbra, sendo nomeado para
substiluil-o o Sr. Joaquim Francisco Leal, olli-
cial da mesma secretaria, em cujo Iug3r foi su-
bstituido pelo major Jos Pereira da Costa Motta,
que ejll um do' nossos ltimos nriinerot: apon-
amos como candidato secretariato da presi-
dencia. Em portara do inesmo dia 23 foi de-
mittido do lugar de amanuense da referida se-
cretaria o Sr. Francisco Jos Eialho. (Sentimlla).
Corra na corte que eslava uoineiado presi-
dente de Pernambuco o Sr. desembasgador Mar-
celino de iirito.
Morreo o Sr. senador por Santa Camarina.
Lourenro Rodrigues de Audrada. (tiratil).
S. PEDRO DO SUL.
Acampamento na costa do Uruguay no Povo de
Santa Atina i 1 de marro de 1844.
O exercito aqui se acba em consequencia de
terein todas as forras rebeldes se concentrado
sobre esta fronteira ; leudo o intitulado geueraj
9


^7
jomo Antonio passadopara a provincia de Cor-
rientes, o barao (!< Caxias J requlsitou o des-
armamento de sua forca ao caumandante do
rxerclto correntino, que alli se acha o qual
jn ometteo rerifical-o.
C uiavairo ai ha-so do ouiro lado doQuarafa] m,
onde supponho J ter feito juucco com I).
Fruclo. que para abi man lu com o resto do seu
exercito; p o exercito imperial, continuando
boje sua digressao em procura de i anavarro ,
espera talvez por essajunceo que elle se anime
a dar mu combate geral, que muito desoja o
baro.
Icha-se o nosso exercito boje muito bem
montado em consequencia de ter arrebanbado
3,000 cavallos., qui os rebeldes tinhao inverna-
dos por esta fronieira Palta gue a elles se torna
mui sensivel >m nao terrmiioje muilos recur-
sos de tal natureza. 0 estado de desmorallsa-
cao dos farrapos he tal que liento oncalv laj-
eaba, ein preseuca de Canavarro, de matar com
sua propria espada ao intitulado coronel Onofre,
queja ahi esteve preso.
O exercito imperial todo, como j disse a-
eha-se boje por esta fronteira, excepco po-
rm de mil bomens que scacbo na tronteira
i; age, operando sob o coinmando do coronel
de legio Francisco Pedro do Abreo a cuja gra-
duacao fui hotitera elevado junto aoutrosoth-
ciaes da guarda nacional que, sobrecarregados
de serviros. durante est i ciuipanha bouve poi
bem o general agraciat-os, uonlando-se nesse
numero, tambem em coronel de legio, ote-
non te-coronel honorario Joo Propicio cnua
i unto.
Dizeiu que os rebeldes expediro umemssario
ao barao, propondo-lhe urna accomodacao ; po-
rm aluda aqui uo chi gou o tal embaixador e
,'1' o que ,i nao ser ,i accomodaro o renderem-
se elles discrico, nada arratijaro cam o ge-
neral que os tem reduzido ultima extremi-
dadtj obrjgando-os .i p iss ir o (uarahj iri e l -
rugaj posl mdo-sc com todas as torcas sobre as
i'rou letras.
Do quartcl-geueral de D. Fructo aqu velo
un oflicial supe tor fallar ao barao h i dous dias,
porm uo respirou cousa alguma a respeito da
sua tnisso,
P. S. Euqueeeu-me dizer-lhe que o barao, no
mesmo da em que aqui ebegou comprou tres
la ni hoes e u> armou com artilharia e infante-
ra para rondarem o ruguay, c proliibirem
so o contrabando ionio a passagem dos
ii.io
rebeldes para este lado irla particular).
Imnudiacdes d- tiag, 2 de abril de 1844.
Todas as forcas de Fructo se acbo sobre as
nossas fronteiras, e os rebeldes col locados obre
a linba ni lias se apoio. D. Fructo foi encarre-
gado irlos farrapos de fazer um accomodaeo
com p barao, c diz que c vem; mas o barao
u.io perde un minuto em p< i seguir os rebeldes,
nproveitando o resto doverao e a boa cavalbada
que trouce do l ruguav.
Chico Pedro. por facilitar de inais com os lar-
rapos largou .i divisao etn Caugussu, e velo
por aqui perseguir o rebelde Antonio Manoel do
Vm.ii.il, que eslava reunindo gente, e depois de
conseguir derrotal-o, foi elle auxiliado por um
outro. la/i nilo rom que o triumpho Ihc sahisse
asavessas, e tlvesse entao de correr, porm
com pouco prejuizo mais do que ter sido elle
mesmo ftido levemente. (dem .
NOTICIAS.
No dia ? do correnle eslava S. Ex. oSr. barao
de Caxias na barranca do Uruguay, na Capel la
nova He Santa Anua: nesta oceasiao j S. Ex.
havia tomado aos rebeldes 2,600 bous cavallos .
com os quaes remoutou porfeitainente a sua di-
visao temi tambem O brigadcil'O liento .Ma-
no, I lomado 1,500 cavados dos mesuras rebeldes
no districto de Missoes; Deste modo est o exer-
cito imperial bem fornecido de cavalbada seni
que tenha a fazenda nacional despendido um so
vintciti, e he esta a segunha vez que tantos
romos de rs. lem ella poupado, em virtude da
actividade c attenco com que por seus inte-
resses pugna o distlucto general em chefe.
Us rebeldes reunindo ludo quanto podem
chamarsatellites seus. entre os quaes inultos
deveui haver imitis ou por pouca un por mili-
ta (lade e achaques e mesmo faltos de coragem
para encarar as tropas imperiaes, e sofl'rer rc-
vezes conto apenas 1,100 bomens, que. at-
icxl < mu ui smcralisacao si u terror, nao ou-
-ao accomi tter os soldados legalistas, chelos-de
coragem, cuthuslasinados de gloria, c vidos
jior mais ^lu ia conseguirem.
Os desgranados rebeldes, reduzidos ao indica-
do cstido abandonrao completamente a pro
viucia: a pequea forca ao mando de Joao An-
tonio passou para Corrientes, e espera-seque
nacpielle estadosejaella desarmada, como cum-
ple fuer, a nutra forra ao mando de Cauabar-
ro, e o govemlcho, passou para o estado Ori-
ental e pequeo resto ficou.
Deste modo podemos dizer seni errar que bo-
je se conl i a provincia quasi pacifica que no
(lio Grande aperas existe sombra deauarchia.
lli sta sim acabar esses grupos de anligosanar-
ehistas boje salteadores; resta extinguir de
una vez esse pequeo grupo de perversos, que,
uo pedendo pur militares de circuuistancias ,
appareccr no nielo dos legalistas, rsto firmes
ein se conservar na horrenda proflsso de per-
turbadores da ordem c de ladnies emquauto
poderem ir escapandocoin a continua fuga s
nao interrumpidas pesquisas de seus persegui-
dores : porm isto vista do queja se fez na-
da mais exige seno a couliuuaco da mesuia ac-
tividade e essa se ni duvida continuar por
iiSO que, Pi* feli'idade .'. sabia di niao do
barao de Caxias est conliado o exercito. '
A opiniao respeito e ainicade que para rom
o insigne general em chefe mostra o exercito
imperial desde o primeiro oflicial at o ultimo
soldado, he assaz uutaVc, e lie isto una nao
duvidosu prava do mrito de S. Ex.
[Commercio.)
iii-
j......
_____mmiiph wiihi www i ii niiiimi
dcixou a corte e mais provincias, onde tocn.
i ni paz, leudo sabido da pi hucha no dia 30.
Condnt este vapor os Exni. Sis. presidentes do
Mu uilio c Para, o Sr. teuenie coronel Favilla,
e outras pessoas.
esse*
1 tirano que o perseguio, e o tiranisou, redusin-! gadas, ele.
a miseria e a desnioralisaco ? Ou ento meus fregueses ? >oio-se mais, que o meu hon-
do-o
etc. Como administra elle
1

Coaii nicado.

DIARIO DE ;
jieixamos transcripta! as noticias, que come-
mos com a chegada do vapor Imperalrix, que
J una hbil pruna descreveo delalliadamen-
te o embarque do Sr. Barao da l'oa-vista ; e o
descreveo com a maior lidelidade; pelo que ser
occloso para qualquer que quiser comuientar
i sse ficto to rico, e to fecundo de COniequen-
cias amargas > disairoras para a opposicao de
Periiambiieo tornar a contar aquillo, visto e I ido por centenares de testemunhas ,
aquillo, que ainguem pode contestar, ou antes,
que SO a obstinaio e na f pode negar. Por-
tento se entrarinos de novo em a narracao de
suas circuinstancias ser tmente com o filo de
bem deseiivolverinos suas consequencias e pa-
ra di'dusirinos d'elle tudo quanto em si encerra
de brilhante.de glorioso para o Sr.barSo da oa-
vista de triste, de consternador para a opposi-
r.lo de Pcrnambuco.
Ha mais de trez anuos, que as gazetas,OU pas-
quins da opposiro de nossa Ierra siutentouma
guerra de exterminio contra a administracao e
com mais veras contra a pessa do Sr. barao da
Koa-vista ; ha mais de trez anuos, que a opposi-
cao, reunindo todas as suas minguadas forras, e
prevalecendo-se de calumnias injurias e de
toda sorte de infamias,procura convencer a I'er-
nambiico inteiro que o Sr. Barao da Woa-vista
lie un administrador inimign drseus patricio;
porque acolbeo benignamente os estrangeiros
i/nnranle, einepto; porque ella assini o quer e
porque elle nao administran como ella quiz; rf-
p lia, (irano, e monslro ; porque nao Ibe deiou li-
vre o passo as elcicdes, nos einpregos, e no ca-
ninbodas desordena. Orase todas essas aecu-
saedes, sobre que diariamente tein martelado a
OpposicSo por mais de trez anuos sao verdadei-
i as forra era que todo o l'eriiambiico estivesse
intimamente convencido d'ellas; necessariamen-
te esse boniem. que be inimigo de seus patricios ,
que he ignorante, inepto, tirano, monslro, estara
solado, sem amigos, seni circulo, sem conside-
rarlo, sem prestigio esrecebendo em troco
odio, e execrando. Certo que assini seria ; por-
que un governo que na actualidade das cou-
sas reunisse a ignorancia e ineptido qualida-
de de despota, e nionstro, teria tantos dias de vi-
da ipiantos bastessem para se divulgar a sua
tirana ; nao serbio precisos mas de trez anuos ,
e nein mesmo mais de trez dias, elle bachiarla
vu lima de una revQluc*o a despeilo de quan-
li forra se eireunilisse. Um governo tal pode-
rla ter .iluuiis anuos de vida no secuto de Ale-
xandre (i.", e de nutras monstros corados ; mas
boje, que as ideias sao oulras, que os principios
de liberdade estao bem plantados e extraordi-
nariamente enraizados em todos os coraces ,
nao teria inesnio trez das de vida : e segundo as
ideias, e n espirito dominantes no sectilo 19 um
governo iiileirauente tirano, e despota he una
entidade possivel mas que boje nao tem, nein
piule ter realidade. Mas ludo pelo contrario a-
conteceo aoSr. baro da boa-vista; elle sendo
diariamente alounhadodespota, tirano, mons-
lro, ua*O0 se eonservou na adininistrai o mais
de trez annos que tanto tem durado essa guer-
ra injusta, e eaprixosa, como em todo esse lem-
po naocessou um dia de ter grande roda de ami-
gos e um extraordinario circulo de allifoados;
i ii ilieo em todo esse lempo provas, e demons-
traedes nao equivocas de alta consideraco e
de estima ; c isto nao sr> da provincia que to
dignamente administran como do governo de
S. M. I., que aos gritos descompassados e in-
su I tilosos dos inimigos do Sr. /Jarn da Hoa-vit-
ta so dava como resposta sua conservaeo na
presidencia da provincia.
Chega o momento ein que elle, rcsolvendo de
seu proprio alvidrio deixar a presidencia da
provincia, linba de enibarear-se para a corte a
fim de como deputado tomar parte no feitura
das bis geraes. Vejamos como embarca esse ho-
iiioiii que a opposicao chama inimigo de seus
patricios, ignorante, inepto, despota, e Urano__Ve-
jamos se elle embarca S, e clandestinamente,
se be apedrejado se todos fogem do seu encon-
tr, se Pin lim ao passarelle, todos o maldiroo.
C o fulminan com terriveis aiialbemas. As trez
boras da tarde vino -se por todas as ras solda-
dos que pressurosos corrillo parada cida-
dos de todas as classes que apressados se di-
rigido para o caes ; em breve ficou o pateo do
palacio todo caes e a ponte do Recifc caberte
de innmero povo. Chega em lim o bomem, que
cbamo tirano, e despota, o povo demonstra O
mais vivo interesse, a tropa cobra enibusiasino,
e o povo, e tropa corresponden! com frea e
prazer aos vivas dados pelo digno, e brioso eom-
mandanteda parada, a S. M. I., a nacao Brasilei-
ra ao Fxin. Ilaio presidente ; apenas esse bo-
ineiu (iir dizem despota, se apeia do carro o
povo o cerca e qnasi Ibe embarga o pasto a
ponto de multOS de seus amigos nao o poderem
abi coiuprlmentar. Segu a galeota, ein queeni-
barcou o Sr. tfaro e todas as embarcaees
ele vilo a bandeira imperial e apoz a galeota
segu um numero extraordinario de botes, que
eondusio grande numero de pessoas, que que-
rio ter anda o prazer de acoiupanhar ao Sr.
Baro e dar-lbe um saudoso adeos. De todas
as partes resoao vivas das embarcaees de guer-
ra e ouvtmi-se repelidas salvas: ehega-se ao
vapor e n'elle j um grande numero de pes-
soas esperan ao Sr. baro que recebeo n'essa
oceasiao todas BS deinonstraroes da mais viva
saudade. Os botes, que juncavo o mar, espero
pela sabida do vapor e m,quanto elle suspen-
de o ferro, prorompem todos OS espectadores eiu
vivas ao Sr. baro da Hoa-vista que sao coi res-
pondidos pela gente do mar c pelo povo que
em pouca distancia se apinbava nos trapichea, e
mala lugares frontinos ao vapor. Lina banda
de msica toca obvmno nacional, enu|iianto o
vapor abre carreira, comeca de manso asulcar o
mar. Assini cinbarcou o Sr. liarn da Boa-VS-
ta, o Urano, o dspota o monslro da opposicao de
Pernambuco .' Que concluir daqui .' Ou o po-
vo de Pernambuco be vil escravo que beija os
ferros que Ihc roxeo os pulsos que bajula o
esse iouiem a quem elle tanto applaude. e | or rado collega he o mais exacto em remette
quem mostra tanto interesse lia oceasiao eui rezas do que faz em heguezias albeias. Diz
(pie deixa de o dirigir nao he despota nuo he
tirano, nao he monslro: he sim ohonieni a quem
elle deve a paz de que gosou durante sua ad-
ministracao he un hornera de prestigio um
lionieni que Ibe fez tantos benelici >s ; por cuja
cansa esse povo agradecido e saudoso pela sua
sabida quis demonstrar assim asna ratido .
o o grande apreco em que tem to prestrnosos
serviros: em fim quiz d'est'ai le responder ter-
minantemente essa guerra de obstinacao de
um partido, que, pensando ter derrocado o pres-
teglo emande mrito do Baro da Boa-vista ,
ve ao contrario que elle creseeo que toinou
mais vulto no momento mesmo em que esse
liomeiii deixa a presidencia sem mais tencao de
voltar a ella : eseolhei. Oh Mcsquiyha opposi-
cao se inda s capaz de pejo cora; se s capaz de
lirio calla-te Onde os leus esforcos Trez an-
nos de pona gritara so serviro para te rebai-
xar mais e para dar mais incremento ao bo-
inein iinpassivel que por generosidade de ani-
mo, por deferencia s leis, e para afastar da pro-
vincia sienas de pranto, e d aturou com por-
liosa constancia, e resignaco, leus convicios, e
las iniseraveis iras Onde o teu triumpho? (,'ue
elleitn produsiro tuas vis intrigas, tuas vilezas,
ein lim tuas loucuras ? Produsiro os maiores
applausos o maior fervor o maior interesse
pelo hornera forte que quizeste arruinar para
fundares la elevacao. A vista portanto da tre-
menda bofetada, que o povo Pernainnucano aca-
ba de dar na descarada face da opposicao de Per-
nambuco, o Sr. Barao est dell'endido comple-
tamente e os seus amigos j pdent depi as
peonas e deixar debater-se no pii c na lama
essas puncas e faadas andoi inbas que por
sei ein bem conhecidas era Pernambuco jamis
pdeni aqui fazer vero.
Bem disseinot, que o embarque do Sr. Baro
da loa-vista com todas as suas brilhantes cir-
cumslancias he um facto fecundo, e rico de con-
sequencias as mais favoraveis para elle.de cont-
inentes os mais tristes e vergonhosos para a
opposicao de Pernambuco : esse faeto encerra
em si diias sentenyas.unia deabsolvico gloriosa
de todas as aecusacoes de todas as calumnias
da opposicao a respeito do Sr. Baro da Boa-vis-
ta, e outra de reprovaro, e de ignominiosa con-
deiniiaro dos seus inimigos e vis detractores ;
e ambas as sentencas nao for'io dadas por lim
jury coinposlo de doze oppoidcioiiistas e presi-
dido por um juiz da mcsina facen mais sim
pelo povo, que espontneamente se encarregou
do julg.'iinento do pleito pelo povo que nao foi
caballado a quem ninguein pedio, epesspa
alguma cliamou nein eonvidou para isso. Fi-
nalmente essa sentenca foi dada pelo publico, a
quem a opposicao nao podo corromper, nao po-
de amedrantar. Queixai-vos agora do povo Per-
nainbueaiio cobr-o de injurias, de imprope-
rios como eostumais fazer a todos aquellos ,
que nao referendo vossas intrigas ralai-vos,
niordei-vos, porque est lavrada a sentenca pe-
lo tribunal mais indicioso e menos incorruptl-
vel ei-la C7*tiumpho e gloria ao Sr. Baro
da Boa-viste, vergonla, e eterno oprobrio seus
iniseraveis inimigos. J~T$

Correspondencias.
Sis, Redactores. Leudo no seu Diario os tra-
balbos da assenibla provincial na presento ses-
so. oni dous ns. (82 o 83) doparei com os discur-
sos do digno nienibro dola o Sr. Dr. Francisco
Domingues, ein um dos quaes (entre outraseou-
sasi diz r= que cu, eonsiderando-nie na iinpossi-
bilidade absoluta de administrar aos individuos
dos lugares prximos freguezia do Bonito, pe-
di encarecidamente ao viga rio de Bicerras (cuja
freguezia fica de alguma maueira favorecida
cora o projeeto) fizesse minhas yetes. -- Km ou-
tro accroscenta que o parodio do Alliuho,
nao pndendo administrar aos povos, que moran
nesses lugares, pedio ao vigario do Bonito, que
lizesse esse servico, e mesmo ao administrador
da provincia, que bouvesse de noniear um sa-
cerdote para coadjuval-o. ele F. comoalguinas
inexactides appareco nos tapios apontados,
rogo-Ibes, Sis. Redactores, a lmndade de faze-
rem inserir o que passo a expender, rogando
desde j ao Sr. deputado a devida venia, se em
alguma cousa oflender o seu melindre, pois sao
s minbas iiilences infoinial-o, e ao respeitavel
publico, da verdade : o por isso di re ao Sr. de-
pulado.que no todo o Iludi,quem Ibe aflirmou
ter ou pedido ao vigario de Bizerros, que flzesse
minhas vetes; tanto assim he, que, administran-
do eu, lia Itiannos, esta freguezia (por ser at
1837 parte da de Garannuns, aonde fui collado!
nesse espaco de tempo nao se aprsente carta
ou documento algum, de que conste ter eu. fei-
to tal supplica aos difl'erentes vigarios,que teein
tido a freguezia de nizerros. Alguns delles exis-
ten! ; elles que o digo.
Quando cu disse ao Sr. deputado ler pedido
ao Ry. vigario do Bonito para prestar alguns sc-
ennos espiriiuaes a alguns dos meus paroehia-
nos ; foi dizendo-lhe, que ero aquellos, que ha-
bitu abaixo do riacho da Prata, ou barra da
Prata, os quaes em verdade ficao prximos
ao Bonito, como o As ver a alguns Sr. deputa-
dos, e ao mesmo Sr. autor do projeeto, ao qual
por um eseripto de meu ]iroprio punbo fiz
ver, alm de mitras coutas, que divisao po-
lo riacho da Prata at sua barra era Una,
e por este a baixo, era nina divisao natural'
livre de toda a duvida. o coimnoda aos po-
vos. Masque eu pediste para administrar aos
que habito entre Barra do riai bao e Barra da
angada, lugar que conten mais de dez legu is
de distancia, he mero engauo, e tanto que ou
nao posso obligar a povos mais prximos a sua
matriz irem meudigai o pasto espiritual a :'. 1*2 e
Ib leguas, em matriz albeia. mxime tem ad-
ministrador junto a riles ; e por isso affirino
que, a excepefio do habitantes aluxo do ria-
cho da Piala, iienbiim nutro tem procurado o
tonito, e bem o pode attestar o Rv. parodio des-
so lugar, 0 qual, nicsiiio vista do Sr.depui ido,
remetter cla-
mis
que existein dous abaixo assignados ; mas rogo
ao Sr. diputado, que tenha a boudade de Idos,
e ver, que todos os asignantes sao habitadores
da Barra da Prata baixo, e a alguns destes, que
se quisero negar a esse assignado, fiz ver, que o
devio fazer, poique d'abi resultara bem ellos,
o ueiiliiiina ollensa iiiim, e bem o dirao os Sis.
FilippeNerl, seu man-, o ex-tcnentc-coronel Ca-
hlinbi, etc. etc.
Ileitt ereio, Sis. Redactores, que o Sr. deputa-
do, quera me rofiro, nao loo a polico, que en-
caniiiibci ao digno administrador da provincia ;
porquanto, querendo dar-se esse trabalbo,
dola ver, que eu rogo S. Ex. para marcar-sc
paga a um sacerdote, que queira ir de capcllao
paraos mattos de Vicente de Paula, lugar este
habitado de gente a mais bruta, e mais niisera-
vrl possivel, e onde a residencia constante de
um clrigo, que os v corrigindo de seus erros,
muito pode aproveitar, e que eu, alm de l ir
poucas vezes, a ininha estada alli era pouco de-
morada, e logo voltavr, oppriinido da orne, etc.
o que melhor se pido ver della, que anda existe
na casa da assenibla : nas leinbre-se o Sr. di-
putado, que niattos de \ cente de Paula, nao he
freguezia do Allinho. He sim um terreno, que,
nao perteneeiido freguezia alguma, v Ex.
Rvina. ordenoii-ine, ein portarla de 27 desetein-
bro de 1841, que eu soceorresse com o pasto es-
piritual a seus habitantes, emquauto nao inaii-
dava o contrario ; he terreno, que anula nao foi
unido freguezia alguma, e nielhor o sabe o Sr.
diputado, como raeinbro da assembla provin-
cial ; he terreno, que, pela sua longitude esta
matriz, nao deve perteneer a esta freguezia ; he
terreno, que pela sua e.vtensao e produeco,
com mais alguma outra parte, deve formar nina
freguezia, logo qu.e se torne mais habitado, e
seus actuis babtadi.res inelboieni de seus er-
ros ; lio terreno era fnm cujos moradores ad-
ministro pela umita obediencia, que tenbo ao
meu prelado, e de multe, hom grado, o com in-
dizivel alegra o cedo qi.-eni S. Ex. mandar, o
que ser at acceito por grai le esniola. Segue-
ta pois. (jue foi o contrario do que disse o Sr.
diputado a supplica, que din,'!' a? Exm. admi-
nistrador da provincia, a quem mo julgo pro-
prio para noniear coadjuclores, e .melhor o sabe
o Sr. deputado.
Deixo de os incoininodar mais, Sr.s- Redacto-
res, por julgar improprio de urna tos"* corres-
pondencia tocar em todas as razet, qu' <-M"'"-
deo o Sr. deputado para provar a utildd1''' do
projeeto; projeeto, ao nieu humilde peiis.',r>
mais prejudicial; porque, alm deoutros nva'''s
que acairela, be o principal nao torda barra 'lo
riacllo atea Barra da jangada, que deste aquel-
lo ponto tem a distancia que deixo dito, mu
monte, um riacho, una linba, una estrada mes-
ura, a exeepeo da de Panillas, S. Benedicto, etc.,
que sirva de extrema; seren lugares de niattos,
pela mor parte incultos, o por isso deve causar
maior barulbo e ruina entre parocbos e fregue-
-es, o talvez ijue para arredar males to sabidos
por todos, foi que a assembla provincial, crean-
do a freguezia do f'onito ein I83'J, enjo projeeto
de ereacao continba as mesillas palavras deste
em questo, julgou ein sua sabedoria separar ou
exceptuar a parte desla freguezia, o que bem
se pode ver dos seus trabalhos desse tempo.
Faco-seas divisos, que se julgareni precisas,
divida-se esta freguezia em tantas partes, quan-
tas o sabio legislador adiar justo; inas, por
Dos, rogo, que nos nao deixem em trabalhos o
barnlbos, donde senipre provni nullidades.
odios, vingancas, etc. etc., c eu mais divo temer
essas tristes consequeiicias, porquanto quasi
todos sabein, de que povo se coinpe a mor par-
te desta freguezia.
Sao estas, Sis. Redactores, as desalinhadas pa-
lavras, que Ibes rogo qm iro adniitlir no seu
bem conceituado jornal, coiu o que muito obli-
garn ao De Vms. capello respeitador e cons-
tante leitor Agostinho de Uodoy s VasronceUos.
Allinho, 6 de abril de 1844.
respeitope estiina-
desrinbargador
S. Redactores.0 grande
cao que consagro ao Exm. Sr.
Tbomat Antonio ataaiei Monteiro, baro de Ita-
inarac, me la/, ancioso eongratillar-me cora o
Sr. hachare! Joo de Barros Falco, pelo res-
t.ibeleciraento da culi i inidade perigosa, f|ue o
Ilustro baro padeca, e que deo causa a nos
deixar por tamo tempo. Portanto, chelo do mais
vivo prazer, eu don tambem (inmensos parabent
ao publico, por vorinos tornar ao seu paiz natal
esse prestantissiino concidado.
Eu son um dos beneficiados do Ilustre barao,
que talvez mais tenha experimentado as qua-
lldades eminentes, que o distinguen! da maior
parte dos honiens, que se aCho no inesnio es-
tado que (lio; tem ter para isso einpregado es-
tes molos, que os bomens boje doiiomiiifio com
o l'urnioso nomo de hiiinildade. e benevolen-
cia ; o isto nao so por nao ser do meu genio, co-
mo por ter condecido no Ilustre baro um a-
borreciinento total a esse vicio da lisonja, pro-
pi i dade excellente que tem a soberana virtu-
de da magnanimidade. Portanto agora ines-
nio que pego na pinna para me congratular
com o Sr. tarros Falco, nao he a lisonja, qu me tedilt, mas sim meu rreonhecimento para
eoni o i I lustre baro.
Permite Dos, que os ventos Ihe sejo pro-
picios no seu regrcssi.
Eduardo Soarcs d'Albegaria.
e*n
Publicado a pedido.
Sr. Luis Antonio dos Sanios.
Bogo-lhe de responder-ine ao p desta, so foi
liinc. une meentrrgou minha ..ni.1 b iiiuo
de S. Jos- d'Agonia cre ta na
Vi
la iriandade
igreja de N. S. da Penha ; se no acto entregar, Vmc recebeo de mim a entrada res-
pectiva; o por quem foi para isto auto risa do ;
este favor Ihe agradecer O sen multo venerador
Manoel Joaouint baptt
Fui eu quem Ihe entreguei s sua papeleta, e
e de outros membros da assembla, disse, que na oceasiao ..a entrega recebi a respectiva en-
nao sabia onde erao sanas de riachao, de jan-'irada a qual entreguei ao thesoureiro, como


......< *
COMMERC!

7:S22/400
Rendiment* do dia 8........
Descarregad Iwjc 9.
jrigue ^Josefinar= mercaduras.
Patacho S.Jos Vrnrrdor "dem,
migue =toa-vcntnra~ vinhos.c barricas razias.
irrigue Melrina mercadorias.
Barca Ertnelinda dem.
Imporafo,
Sijlph brigue americano viudo de mimos
Avies, entrado no corente mes, consignado
a llrnry Forsler & Coinpanbia inaiiilcsion o
segunle :
150 langas de sal, 375 quintara de ame secca.
Ertnelinda barca brasileira viuda de Lisboa,
entrada no coi rente inez, consignada a Francis-
co Severianno Rabello manifestou o seguintc :
2 pipas vinbo e 40barris dito ; a Isidro Av-
res de Souza.
Nu' pedias lavradas; a Jos Ramos de Oliveira.
10 pipas vinlio ; a Joo Manoel Rodrigues Ya-
leuca.
75 ditas, c40 barris vinbo; a Mcndes & Oliveira.
80 ditas, e 51 ditos dito, 50 barril vinagre, 26
ditos carnes, e 1 embiulbo ; a Francisco Seve-
rianno Rabello.
1 caixa inassas para chapeos; a Antonio de Oli-
veira Maia.
30 barricas sardinhas, 20 ancoretas aseitonas,
1000 inolbos de cebollas a Antonio Jo.njiiiii
Rodrigues.
5 caixas com rap ; a T. de A. Fonseca.
/ditas cbapcos ; a J. 1'. de J.emos & Fillio.
1 barril vinbo 1 dito carnes 2 caixas vinbo,
1 lata ignora-se ; a Angelo Francisco Carneiro.
I caixote era ; a Jos Pereira Vianna,
I dito impressos ; a Joaquim saptista.
15 caixas toucinbo ; a Francisco Jos Barboza.
10 ditas dito ; a Nascimcnto Schacller & C*
l caixote impressos; a M. .1. Ramos & Silva.
1 bar/i i vinlio ; a J. da Conccicad*Bravo.
10 pipas vinagre ; a Domingos Jos Vicha.
2 caixas livros ; a Coutinbo & Lopes.
1 dita dito ; a Luis Jos de S;i.
1 einbrulbo quadros : a Pedro A. Gomes.
1 dito papel; a Jos Jernimo Rodrigues C.
2 ditos navalbas 1 dito impressos 1 palit. i-
teiro de prata 1 salva dita ; a Jos J. da Silva
Maia.
2 barris plantas, 1 einbrulbo com 100 pecas de
ouro 2gaiolascom 3pombos; a ordein.
consta do llyro de entradas a folhi. 27 v., e em-1 messehaode arrematar porta da mesma admi-
quanto a autorisacao (o do mru moto proprio nistraco duas caixas de assucar aprehendidas
Recile era supra. Eu%s Antonio dos Santos, pelos respectivos empregados dos trapii lies d'al-
_________fandega-velbae novo,una poi inexactidoda i.u K
je outra por falsilicato no assucar ; c no diaf i;i
duas caixas aprehendidas pelos respectivos em-
pregados do trapiche do Angelo, una porine-
xactidao da tara, o outra por falsificncao no as-
sucar ; sendo a arreinataco livre dedespezas
ao arrematante. Mesa docousulado de Pernan-
buco (i de maio de 1844. o administrador inte-
rino Francisco Manoel de Al incida Calanko.
Pela secretaria da polica desta provincia ,
se faz publico para coub' cimento de quem
pertenec-, que, segundo participares reeebi-
das do delegado do termo de Flores,, consta,
que na cadeia daquella villa se acliio presos 2
escravos, de naciio Angola, un, que repre-
senta ter de 30 40 anuos de idade, e diz ma r-se Francisco, e ser escravo do casal do fi-
nado Portugus Jos de Oliveira morador que
foi na cidade de Macelo, e que actualmente se
achara em poder de un lilbo do mesnio finado ,
de nome Carlos, morador em o engenbo d'A-
gua-iria em Porto-Calvo ; e outro que repre-
senta lera mesma idade, e diz cbamar-se Bene-
dicto e ser escravo de Francisco Crrela, la-
viador do engenho Cutuguba, pertencente
Antonio Pessoa Camello, e distante legoa e
incia da villa de Na/aretd.
-- O abaixoassignado faz publico para que
chegue ao conheeimento dos proprielanos
de predios urbanos nos trez bairros desta ci-
dade, e na povoaefo dos Aflbgados, eassim
tambem aos que possuirem estabelecfmen-
tos de commercio, o industria que estejSo
sujeitos a impostas nrovinciaes taes como
senarias, diarias, fabricas de tabaco, casas
de cambio, e de modas, que vai ser remeti-
da paraojuizo dos fritos da fazenda una
rclacSo de lodos os (|iie eslivereni devendo
laes imposicoes at 0 fin de de/.enibro p. p;
isso impreterivelmente at o dia 15 de maio
prximo vindouro. Mesa de rendas inter-
nas provinciaea 30 de Abril de 1844. O."
esenpturario sen-indo de escrivdo c admi-
nistrador. Jos Gyedes Salgveiro.
O Dr. Francisco Joo < arnciro da Cimba
jniz de orphos e ausentes desta cidade, c
seo termo, declara, que se aeba em exercicio
lo sen lugar e continua a despachar em casa de
sua residencia na ra do Atierro n. 88 e a dar
audiencia nos dias, e lugar j designados.
Movmcnio do Porto
Navios sahidos no dia 7.
BlactM'; byate nacional Espcranca do Maranhao ,
capitao Marcolino da Silva Furtado, carga va-
rios gneros.
Liverpool ; escuna inglesa Glcnruy tay, capitao
Willian Kanfray carga algodo.
Lisboa; brigiie-escuna Deliberaran capitao Joo
Goncalvcs Rooba carga assucar.
Navio entrado no dia 8.
Poi los do sul; 8 dias ; vapor brasileo Itnpera-
rix ; eommandante capitfio-tnenle Jesuino
Lamcgo Cosa; equipagem 30; conduz 12
passngciros.
Navio* sabidos no mesmo dia.
Parahyha; lancha Cduccico flor das virtudes; ca-
pitao \ ictorino Jos Pereira ; carga varios g-
neros.
Jdem ; hrigue-escuna de guerra Gararapcs: corn-
il.andante o 1." lente Jos Sogundino Ga-
iiiinsor.
Philadelphia ; hrigue-escuna onn ricano II. F.
Lupes; capitao Williain Nortt. : passageiros ,
iMallicos c una lilba, ingleses; Ray, ameri-
ricano.
Leudes.
James Crabtree & C* farao leilao, porln-
lervenco do Corretor Oliveira, de variado sorli-
mciito de fitendasinglesas as inaisproprlas lis-
te mercado ; quinta i'eira, l) do correte, as III
boras da inanba. no sen arinazciu, ra da Cruz
Leilao que lazem Lenoir Puget&C.*, por
intervencao do corretor Oliveira, de um esplen-
dido soiiiinento de fazendas francezas c sulssas,
que se bao de vender para fechar coutas iinprc-
teriveliiiente por todo o prcr.o, a saber : cba-
pcos de maca e castor de pi'imaira qualid.ule,
brius de lindo e algodao, sedas para vestidos c
,...|,...... -.,,:... i 5 i ii.iinios lie nenie, e ,oi n neiuouoioil
oicics, si ini.. icniiis. chales de toniii i de I ... ....
Seda, lavas, mantas de setim, papel de peso de ?0rS'nh '"-' '(-"""' '""'^f' *"%***
cores, llores ai ti.iciacs. meias de'algodao pa ^ ^^ <\^ ^ ^^''''^ que...
lonicns esenhoras, ditas de sedas, litas de re-
tros, vellidos, e una porro de pecbinchas. que
sero inlallivelmeiite arrematadas terca l'era,
14 do corrente, as 10 horas da manqa, no
arnia/ein da ra da Cruz,
sen
J------I1L-."! l'U" I."
t\
visos oivrrsos.
npe-
fiH
Gdtaes.
*< --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
O Illm. Sr. inspector interino da thesouraria
das rendas |)iovinciaes, em unijii iineiilo da or-
d' ni do Kmii. Sr. vii-e-prcsidcnte da provincia da
17 do corrente, manda lazer publico, que ir
iovamciite praca no dia 14 de marco prximo
vindouro ; para ser arrematada a quem por me-
nos fiser, a 2.'parte do 8.* lanco da estrada do
Po-do-alho, of$ada na qUantia de 2O:413#660 rs.,
sob as clausulas especiaes, publicadas no Va-
rio ii. 95.
Os licitantes, devidamente habilitados, deve-
ro comparecer ante a mesma ihesouraria a ho-
ra do meio dia do indicado.
Secretaria da thesouraria das rendas provin-
ciaea de Pernambuco, 20 de abril de 1844. O
secretario Luis da insta l'orto-carrciro.
O Illm. Sr. inspector interino da thesoura-
ria das rendas provinciacs manda lser publico,
que, nao se tendo ellctuado a arreinataciio da
ponte da camboa da Tacaiuna no dia 17 do cr-
lente, ir novameule praca no dia 14 de maio
prximo vindouro.
Oeclaraces.
O vapor Imperatriz recebe as malas para os
portos do norte boje (ty as 3 horas da tarde.
O Exni. Sr. conselheiro presidente da re-
laio manda faser certo a quem convier que elle
teiu mudado os dias de segundas, e quinias-l'ci-
ras em '"- <, costumava leva as nenenlas,
provisdes, e mais papis para transitarem na
chancellara, para os das sessoes do dito tribu-
nal, devendo ser pOStOS taes papis em poder do
abaixo assignado, encorregado por elleSr. prr-
sidente do trabalho de porteiro da mesma ehan-
cellaria, Jvniiiiin Jos Ferreira de Carvalho,
I si rivao de appellaces.
Pela administracao da misa do consulado de liao-se a .Manoel Joaquim Pedro da Costa, na ra
Pernambucoicfaz saber,quenodialOdocorrentc da Cruz n. 51.
THEATRO PUBLICO.
Extraordinario e escolbido espctaculo gimns-
tico, jogos, equelibrios e mmica.
Oproprietario da conipanbia nacional, milito
respeitosamente anniincia ao respeitarel publi-
co desta cidade que tenciona dar a sua segunda
(nneco quinta Iiral6 do corrente,e espera,(un-
os Ilustres espectadores se retheni satisfeitos
com o dirertimento que Ibes vai presentar, o
qual ser delineado da nianeira srguinte:
Depols da orquestra ter executado nina bar-
inonfosa simphonia dar principio a
l'riineira parte,
GRANDE FORCa DEQUEIXADAS.
lima diflu-ultosa forca de denles, deSf
nbada pelo hrcules /frasileiro, que sustentar
dillicultosaiiii-nle em linha recta da bocea, una
mesa, urna eadeira e dons meninos assentados ;
e se sustntala na corda bamba em forca de den-
les suspendendo dous pesos nos ps.
OS JOCOS CHLNESES.
Executados pelo proprietario, onde equilibra-
r seis espadas sobre a barba; acabado que seja
equilibrar tres granadeiras, tainbcni sobre a
barba.
Seguir-se-ha Mr. ( arlos executando as deslo-
cacoes geraes.
Segunda parte,
O BAN O DE SANSAO.
Executado por Mr. Eugenio ; o qual collocar
i una pedia de desoilo a rintc arrobas sobre o
peilo, e sustentara a pancada de quato mallos
hatendo cobre a mesma pedra; findoque seja o
mesmo Mr, Eugenio desempenhar,
A DIAI LO.
Mr, Carlos, e Mr. Eugenio executard,
A CORRIDA DOS DOl'S AKAI'ES.
Seguir-se-ha, Mr. Eugenio executando o se-
guinte.:
ACADEIRA ROMANA, AS GORDAS GR EGAS.
Onde Mr. Eugenio em duas cordas perpendi-
culares, sustentar seis pessoas sobre o corpo.
Terceira parle.
Mr. Eugenio desempenhar virtosas ediflSceis
scenas no rame bambo.
Quarta e. ultima parte.
Terminar o divertiinenlo com a muito joco-
sa pantomima, que tein por titulo,
OS ACASOS NOCTURKOS.
O qual sri interlacado com agradareis, e jo-
cosas scenas.
He este o divertiinenlo, que o proprietario
lein a honra de apresentar nesta noute ao respe!
tavel publico o in.il espera se retire satisfeito,
e a quem pede humildemente desculpa de algu-
n i a falta, que possa occorrer ; pois nao se tem
poupado as despezas, nein fadigas para que o
diveriiniento se torne digno da attenco dos il-
lustres espectadores a quem implora proteceo,
c que continuem a prestar-lhe aquelle acolbi-
niento proprio das almas bem fazejas e a quem
protesta eterna gratido.
Principiar as horas do costume.
Aviso* martimos.
Para Lisboa sabii inmediatamente a barca
brasileira Ermelida; capitao Antonio Francisco
de Jess, forrada e eiicavilbada de cobre; quem
quizo- orregar ou ir (!< passagem dirHa-e ao
sen consignatario Francisco Severiano Rabello.
= Para a Hahiaein poucos dias, q patacho na-
cional S. Jos Vencedor capitao Manoel Jos Ri-
beiro ; para carga, e passageiros, trata-secoin
Movaes & < ompanhla, na ra da Crut n. 37.
* = Para o Cear o hiate Olinda tein parte do
carregamento prompto, e .sai Impreterivelmen-
te no dia 1'.i do orrente os pretendentesdiri-
1 m amigo do Sr, Francisco Jacinto Percha
eommandante superior da guarda nacional do
municipio do Recife responde ao aunuucio, en-
serido no i), oco de 7 do corrente siguilinaiido
ao sen autor, que o eommandante superior nao
da palha as bestas do mesmo I)., c por isso po-
dem a sen bclpraser lazer quautas perguntas
achincalbes quiscrein.
lina senbora viuva se oll'ereee para ama
de algunia casa: na ra Vclba casa n. 83.
Aluga-sc nina preta mili sadia, para ama.
e com muito bom leite: na ra Bella n. 22.
Precisa-se de um caixeiro, sendo destesche-
gados na barca Talladora: na vendada solida-
de n. '20, indo pilo corredor do hispo esquina
que volta para liclni.
Quem pretender vender alguma venda, que
tenha poucos fundos: annuncie o lugar.
= Domingos Jos Soares, com loja de pintor
e vidraceiro, mudoii de boje em (liante scu no-
me por haver outro igual na secretaria do go-
verno e por isso se assiguar' de ora em (liante
Domingos .lose de Oliveira Soares.
Precisa-se de una ama parda, ou preta pa-
ra o servifo de urna casa de portas a dentro, com
pouca lamia : quem estiver instas cii cu insta n-
cias annuncie.
Precisa-se de um bom amassador: em Fora
de portas ra do Pilar n. 122, ou no Forte do
Mallos casa de Joaquim Francisco Aliu.
Roga-se a pessoa que teve a habilidade de
tirar una carta viuda do norte no vapor liupera-
tr para o padre Antonio Claudino Pessoa, baja
de a ir restituir a sen dono, pois j se sabe
quem be O curioso; e se uestes tres dias nao a
levar na ra da Cruz n. 33, se usar dos ineios
que a le periniltc, [por to mo costume.
O Sr. que a cinco meses desta parte (leo
urna arinacao para lser um selim forrado de
couro de porco: queira ler a bondadade de
niandal-o buscar uestes oito dias, do contrario
vender-se-ha para scu pagamento; e para nao
haver duvidas faz-se o presente aviso.
Aluga-se una preta esclava, para todo o
cervifO d'unia casa de portas a dentro, a exeep-
co de cosinhar, quetn tiver annuncie, ou pro-
cure na ra da Madre de Dos n. .").
= Existe no engenbo >^ cente Canipello, fre-
guezia da Escada (leus quartos castanhos de
cangalha, sendo um andrino, que foro apre-
hendidos a um llbeo de nome /os Cordciroqiie
descubri que os tinha comprado por diminuio
preco a mu pessoa que os tinha furtado nessa
praca, ou nos scus arrebaldes, quem Ihe faltar
ditos quartos dirija-sc ao mesmo engenho a
fallar com o proprietario Manoel Goncalvcs Pe-
reira Lima.
A pessoa que tirn do crrelo una carta,
viuda de S. Paulo para Jos Felis da l amara Vi-
ineiitcl, queira anminciar para ser procurada.
ou entregal-a na praca da Independencia n. 13
e 15, que se pagar o porte.
Josephc Ray, pela brevidade com que em-
barca para Philadelphia, nao pude dcspcdii-ae
pessoalmente de scus amigos de considerai-o, e
ni geral dos Senhores Pernambucanos, de
quem leni recebido sempre generoso acolhi-
iiento, por isso a todos roga receba por este
siias despedidas.
= Troca-se por escravos bous, ou por una
inorada de casas terreas em Santo Antonio, ou
Boa-vista, um sitio perto da praca, com casa
de pedra e cal, bastantes fruteiras. as lucido-
res Ierras para pranlacajes, una grande baixa
para capim, vaccas ecxcellente agua de beber:
(juem este negocio quizer annuncie a l'un de
mostrar-se, eadverte-se que tambem se vende.
Oilcrece-se un homem para administrador
de engenho ou mesmo para fcitor de queja tein
bastante pa tica; he portugm z esolleiro; quem
o pretender dirija-se ao porto das canoas no
Recile na casa de pasto, no dia sexta-lia 10 do
corrente, que achara o referido.
- Os passageiros do brigue Triumpho Americano,
viudos ltimamente da ilha de s. Miguel eque
anda eslo a dever siiaspassageiis, hajo d-
as ir satisfazer quanto antes no Recife
na da Cruz n. 23, e do contrario sero as obri-
gates rcnictlidas para dita ilha, a lini de se la-
zer o recebiniento dos fiadores.
-- No Recile, ra da Cruz n. 23, escriptorio de
Jos Antonio Gomes Jnior, continua-st- a ven-
der por preco com modo saccas com alqueire
de superior familia de mandioca, muito tina e
aira feila na Muribeca.
-OCIEDADE THEATRAL MELPOMENENCE.
O thesoureiro avisa aos Sis. socios, que os
bilbetes para a recita de sabbado se dstribuem
nos dias I, 1(1, o II na ra da Cada-rcllia, lo-
Ja de louca. n.6e o mesmo previne, que so rec-
bela as inensalidades dos meses, marco, c
abril.
-- Ka fabrica de licores, no largo do Terco,
n. 10, tem superior ago'ardente de Franca, para
conipor viudos, aniz, reino, e genebra, licores
finos commutas, vinlio musate!, agoa de Colo-
nia, laRoy opodeldoquc, hite virginal, e espiri-
tos para bandas.
~ Roga-se encarecidamente a quem tirou por
engao una carta do corrrio, viuda do Porto
para Joaquim Francisco Cruz, queira ter a bon-
dade de mandar entregar na ra do Camaro
n 7, ou annunciar sua morada para ser procu-
rado, que se lli- licar agradecido.
Precisa-se de um homem para feitord'um
sitio, (lerto dapra^a, c que este entendade
plantacOes de espinheiros, e borlas, e trabalhc
brai al pn erindo portugus : quem estiver
nestas circuinslancias dirija-se ao largo do
Carino casa u. J.
Quem quizer comprar duas moradas de ca-
s.is h creas, una na ra dos Copiares n. 22 com
.-.ni.id outra na ra augusta, outr'ora do Pala-
cete, junio ao sobrado do fallecido Antonio do
Carino de ditas portas e urna jmila, com 2
palmos de frente, e 78ditos de fundo com sua,
ao car-
tra-
P
Aluga-se o priineiro andar do sobrado n.
45, da ra do Rozarlo estreita : quem pretender
dirija-se mesma,na venda.que bequemaluga.
Quein precisar di- nina criada branca pa-
ra o servii'o interno de casa mesmo para ves-
tir e pentear urna senhora, sujeitando-se a pa-
gar o resto de scu engajamento ; dirija-se ra
do Quetmado, loja de ferragens n. 4.
Aluga-se urna canoa d'agua por privo coin-
inodo : na ra Aususla n. 4.
Precisa-se de um fcitor para um sitio perto
da praca, que seja casado ou que tenha alguma
pessoa que Ihecosihhe ; na ra Nova n. .Vi, ter-
ceiro andar.
Arrenda-se ou vende-se um sitio na estra-
da do Monteiro, com boa casa euvidracada, COIU
bastantes commodos cocheira, estribarla ca
cimba com agoa de beber muito boa, muitas
larangclras, jaqueiras, limeiras, e alguma bor-
talica ; na i na Nova n. 52, terceiro andar.
GABINETE DEOBSER\ u:\()
lio
MICROSCOPIO SOLAR kCROMATICO.
Por meio do dito instrumento podem m- cincoenia
pessoas junta mesmo objecto, augmentado seis
milhes de meses, com temi que o sol brilhe sem
nuvens.
Se, segundo a opilHO do celebre PhisiCC in-
gles Baker, he o microscopio solar, de todas as
invciiies que se tceill feto lio inundo, o mais
propria para conjiiiietainciite divertir, instruir,
c satisfazer o espirito humano, vendo com a
maior perfeicSo algumasdas oceultas combina-
i'es na naliire/.a quem podi-ra duvidar dos
bous desejos que tero todas as pessoas Ins-
truidas de assistir a lo interessante espec-
tculo.'
o.sr. Andorfer, proprietario do dito micros-
copio solar acromtico, depois de ler recebido
os testemunhos mais lisongeiros em muitas ci-
dades da Europa, o depois de ter tido a distinc-
ta honra de haver felto como mesmo instru-
mento as experiencias perantc S. M. o Impera-
dor, suas augustas irines as Princesas lnipe-
riaes, e S. ,\. R. o principe de Joinville, tein ;i
honra de prevenir o respeitavel publico desta
capital, (pie far durante alguinas semanas as
experiencias cujoprogiaihmahe o srguinte:
O grao sublime de perfeico deste instrumen-
to, apreciado, ha anuos, pelos sabios, Ihegran-
gearao beni merecidos elogios, as visitas de di-
versos soberanos, c oconcurso de muitos ama-
dores de ambos os sexos.
Vario* infectas pequeos
apparcerrad (!< uin tamauho prodigioso, dei-
xandovr atravsdo corpo o movimento dos in-
testinos.
O pn (/ gueijo
apresentar inilharesde ananaes perfeifos em
todos os scus membros, e executando as func-
coi's vitaes com tanta regularidade, como os a-
iiimaes inundes de vesesmaiores do que elles.
As agoas estaguadas sao mares chcios de in-
calculaveis auimaes dillcrentcs, das quaes
/ mu gola
do tamanhoda cabera de um alfinete conten:
Militares de cubras
do tainanho de una vara, e outros aniniaes de
diversas formas.
DebuXOt mgicos de bordados
producidos pela cristalisaco de din>rentes ses.
Na circulafo do sanguc
ver-se-do girar os glbulos do sangue com ra-
pidez, tanto as veias, como as alterias mais
delicadas.
Outro* ninilos objecto* differcnlet.
As experiencias tero lugar todos os dias, ex-
cepto as lenas lebas, desde o meio dia at s 2
doras da tarde ; isto quaudo o sol o permita,
por se tornaren! scus ralos directos indispen-
saveis; de modo que a primeira experiencia
principiar ao meio dia, e a segunda a 1 dora, e
como a estaco chuvosa, queja se aproxima, dei-
xar si'i poucos dias para as experiencias, por is-
so o director convida o rcspeitavcl publico a ap-
proveitar-sedos priineiros liioiiieiitss favoraveis.
Preco dos bilhetes da entrada por cada pes-
soa, 1O0 ris.
N. t. No caso de que o horisonte escurefa,
se restitiiiro os bilhetes para que sirvo no pri-
ineiro dia que se possa etlectuar.
A sala da exposicao he no segundo andar do
trrelo oceupado pela associaco commercial.
- O Sr. Antonio Jos Rodrigues diriia-sc a
ra do niieiniado. loja de ferragem, n. 13 para
negocio de seu inleresse ou annuncie sua
inorada.
Oilrcce-se um joven alguma cousa pra-
tico na lingoa francesa, para ensinar por mu
diminuto pre^o, tanta a fallar, como a traduzir:
quem do mesmo precisar, queira dirigir-sc a
ra Nova, n. 48 esquina de Santo Amaro.
= Quem precisar d'um rapaz Portugus, de
14 anuos de idade, para caxeiro de qualquer
oceupaco, o qual tem j alguma pratica: di-
rija-se a ruadoQueimado.loia de ferragens.n.30.
O Sr. solicitador Jos Francisco de Sousa
Magalhaes queira pagar os alugueis da casa da
ruadeSo Goncalo, de todo o lempo que nella
morou, e como ha perto de um anuo nao tem
pago, por isso se faz o presente annuncio, fican-
do ceno, que s dcixar de ver seu nome no
Diario, quando pagar, e veja se quer que outrem
pague por sua inerc, entende.
Precisa-se de un preto para o servico en-
terno externo de urna casa, pagando-se bein ;
em casa de Manoel Joaquim Ramos e Silva, ra
da Cruz



L
Jos Alves l,i Silva rctira-se para a Euro-
pa a trota* da seu negocio.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
rua doliivramento n.38;a tratar na ra do Amo-
rim n. 15.
Muga-se i> segundo, e tercciro andarn so-
brada Oiieimado ii. 32 ; a tratar em
baixo na loja.
M.'Zo Popon, discpulo do conservatorio
de l'ari/.. annuncia ao respcitavcl publico,que
lie falso o boato que se tem assoalnado. di que
a aunancianie nao d mais lijos de cantoria c
piano [>>!> < 111 c a annunciante est prompta a
dar Jiges e eusinar a todas as meninas, que
sen-i pas qulzerem, tamo a piano como a can-
toria para eujo (im tem os melhores melbodos
que ate agoi'a se conhecem, tanto (Vancezes, co-
mo italianos, eallemes; ctambem dar ligues,
na casa de sua residencia aquellas pessoas .
que nao tiverem commodos para aprcnderem
nas suas prop as casas sendo estas limes por
menor prego do que aquellas, que a annunci-
ante for dar s ('asas da residencia das diseipu-
Ias: a dita prnl'essora mora na na do Vtterro
da Boa-vista casa n. 4 prinieiro andar.
Arrenda-seo arinaeni', eo terceiro andar
i* casa da rua de S. Franoisco defronte daca-
deia n. 5; a fallar no segundo andar do mcsuio.
O Secretario atuai da rmandadedo Glo-
rioso Patriarcba S. Jos d'Agonin erecta no
Hospicio di; S. da Ponlia convida ios seus
irmios por ordem da mesa regedora para se
reunirm era mesa geral no respetivo hospi-
cio no domingo \-i do corrente mezdemaio
pelas9 lloras da manhfla para se tratar de
olijeeio de mnitn consideraeflo, e por bao
roga-se ios meamos que nao deixem tle com-
parecer.
o Sr. V. M. ('.. queira razer o favor de
pagar a quantia de trintaedousmil cenlo e
sessenta res de ordenado, ao abaixo assigna-
do do lempo (lie esle\e em sua casa de C8-
xeiroj pois ja he bastante o lempo: pois quum
tem qniilii'iitos e seiscentos mil reis par
gastar se "for precizo, tambera deve ter a
quantia cima declarada para pagar; pois ja
nao son eu o primeiro que me qucixo queo
costume j he anligo, e quando nflo queira
pagar no prazo de oito das vera sen nome
publicado por extenso nesla folln.
Jos Francisco Rodrigues.
LOTERA DAS memorias histricas.
Premio grande 8:000/ rt. 2. premio 4:000/ r*.
As nulas desta lotera i orreiu Impreterivol-
iiente no da 18 de juuho prximo futuro, ionio
S. Ex. o Sr. vice-pri sidente determinon einom-
< o de 20de abril lindo. Os bilhetes vendein-se:
no llecifc, lojas de cambio dos Sis. Yieira, e Ma-
liocl Gomes ; c em Santo Antonio, boticas do Sr.
Cbagas, rua do Livramento, e do Sr. Moreira
Marques, rua do Cabuya O icsourciro.
Avisa-sc a quein se acbar encarregado da
procuradoria das casas da Sra. vuva do tinado
cuto Jos da Costa, que a pessoa, que afiangou
nina casa da dita viuva sita no liceo do \ eras ao
Sr. sernardino Algemiro Soares, em tempo da
procuradoria do tinado sent Jos Alves, nSo se
responsabiliza mais, desta data em diante, por
falta alguma do dito amansado, para o que roya
a esse encarregado naja quantoantesapresentar-
Ihe aconta do que o dito sernardino estiverade-
ver para ser logo paga.acompanhada aditaconta
da carta de anga, pode dirigir-se rua Velha
11. 63 ; o que se Ihe avisa para que nao se cha-
me ignorancia em tempo alguui.
I ni moleque, saliindo da rua .Nova de Olin-
sobrado mil ris, do padro braueo, que ia dentro de un
saquinbo ac chita, com um billiete assignado
pelo dono, que a iiiandava trocar ; a pessoa que
aachou, querendo restituir, pode diriglr-se a
mesilla rua, sobrado da esquina, que volta para
o Rccolnimento, que ser gratificado.
Arrcnda-se urna fabrica de olaria, no cen-
tro desta cidade, com ptimo porto de embar-
que, e un assobradado, que tem limito comino-
do para inoradla, leudo todas as proporges pa-
ra se fundar un estabelcciinento de quatquer
natureza, ionio padaria, inareineria, ou anna-
zein para guardar ludo, pela facilidade de sen
transporte,essafabrica tem sabida paraa rua da
Florentina, onde tem um arniazein, que con-
unctamente sealuga: trata-se na rua da Flo-
rentina, casa n. 10
= Findos osdias da !ci se lia de arrema taruma
boa casa terrea amado Amorini u, .r)S, a porta
do Dr. jui do civil da 2." vara na rua Aova;
quem a pretender compareca.
LOTERA de n. s. do livramento.
A mesa regedora desta irmandui'o tem
dctcrminadola7.tr correr as rodas desla lotera
no dia 13 do corrente infallivelmente fiqueni,
ou nao bilhetes por vender; o restante dos di-
ditos aeha-so a venda nos lugares do costume.
Francisco Alves da Cunha embarca para o
Rio de Janeiro sua escrava Luzia, de nago Na-
gou.
Precisa-se alugar urna prela escrava, que
entenda docosinha, e seja de todo o servigo ; na
rua do Queimado, primeiro andar, com en-
trada pela parte do Collcgio.
Domingos Jos Soares mudou sua loja de
tinta para a rua das Cruzes n. 28, por baixo do
snr. doutor Villela aonde contina a ter gran-
de sortimento de tiutas de todas as quaiidades, e
vidros do todos os tamaitos, assitn como ajus-
ta pinturas de predios, por mais commodo pre-
go que oul.o qualquer, e com o mellior gus-
to c perfeico possivel.
Avisa-se ao Sr. J. J. V. que queira ir
tirar os penhores, que tem empenhado na rua
dc"\ Rita pela quantia de 60,000 rs., e isto
no praso de 8 dias, do contrario ser vendidos
para pagamento da dila quantia e juros vencidos
Perante o snr. doutor juiz docivel da se-
gunda vara, vai a praca ho,e 8 do correle o
sobrado n 16 da rua da Sonzalla-nova com
dous andares e solio, com maitos commodos,
por execucao de Hcrculano Jos de Freilas, por
ser a ultima praca.
Aluga-se urna casa terrea na rua das La-
rangoiras n. 23 ; a tratar na rua da Aurora
o.4*.
Manoel Ferreira dos Santos com loja de
otirives no Atterro-da-Boa-vista,casa n. 56, faz
ciento ao respeituvel publico que d'ora em
diantclhc henecessarioassignar-sepor Manoel
Ferreira dos Santos Pimentel, por apparecer
>utro de igual nome.
Joo Antooio Villa-secca embarca para o
Rio Grande do Sul sua escrava do nago, de
nome Joaquina.
l)-so do 200 a 500,000 rs. a premio de 2
por cento com penhores deouro ou prata ;
no largo do Terco n. 10.
UlTerece-se um rapaz Rrasileiro, branco,
casado, com pouca familia para eosinar pr-
meiras lettras grammajtfca portuguea e fran-
ceza fra desta praca, por j ter servido neste
mesmo lugar; qualquer snr. de engenho, que
se queira utilisar de seu prestimo ou oulra
qualquer pessoa dirija se a rua Direita n. 80,
que all se dar conhecimonto do sua conducta.
Compras
Comprao-se olfoctivamente para fra da
provincia mulalinhas crioulas, e mais escra-
vos, de 13 a 20 annos pagao-se bem sendo
bonitos; na rua larga do Rozarlo n. 30 pri-
meiro andar.
Com,jro-se caixes do depositar assuca r,
8 um bom braco de balanca do autor liorna::, e
com pesos at 10 arrobas ; na rua de Apollo ,
armasem n. 20.
Compro 200 a 300 sancos vasios para fa-
rinha ; na rua da Cadeia de 8. Antonio depo-
sito de familia n 19.
Comprao-se alguna ceios de ps de liman
para cerca e de laranjas de embigo e selecta;
na ruada Cadeia do llecifc n. 35.
Comprao-seescravos de ambos os sexos .
para o servico de campo, pagao-se bem; na
rua Direita n. 3, primeiro andar.
Vendas
Vende-se rap do Lisboa do melhor que
ha no mercado, em libras e oitavas, assim como
ih hisson ; na rua do Collcgio loja n. 4 de
Menezes Jnior.
Vende-se urna escrava crioula de 22 an-
nos bem parecida com urna cria mulatinho
j principiando a andar a escrava engomma ,
cosinha e lava ; na rua do Livramento n. 33.
Vende-se um escravo pardo, carpira, e ou-
tro pedretro ; na rua Nova n. 33.
Vendem-se3 casas de taipa, todas unidas
em um s terreno no beco do Quiabo com
fente para a ruado Monteiro, por prego com-
modo pura pagamento de una hypotheca, que
existe sobre as mesmas ; a tratar com Luiz Jos
Marques, que est autorisado a fazer este ne-
gocio.
Vendem-se duas escravas mucamas ro-
colhidas, de 16 a 18 unnos, com boas habili-
dades ; urna parda, por 350^ r, boa cosinhei-
ra ; 3 escravas pecas; dous moleques de 15 a
16 anuos ; dous escravos proprios para sitio
por 740^ rs.; um bonito mulatinho de 13 an-
uos ; na piafa da Boa-vista n. 19.
Vende-so um escravo de naco, anda mo-
go, muilosadio tem tuda pratica do engonho,
sitio caqui mesmo na praca he cargueiro ,
sabe mogir leile o he bom vaqueiro ; tambem
se troca por urna escrava que tenha fgura ,
robusta que nao tenha habilidades ; no At-
tcrro-dos-AITogados casa terrea envidracada ,
do lado da mare grande, n. 171.
Vendem-se chapeos pretos franceics, mo-
dernos de superior qnalidade a 6500 e 7# rs ,
ditos blancos de castor muito linos a 8500 e
9^ rs. ; na loja de Cuilherme Sette na rua do
Queimado D. 25.
Vende-se a maior parte de urna casa de 2
andares.com grande armasem, proprio para
qualquer cstabelecimento em chaos proprios,
sito na rua estrella do Rozario por prego com-
modo ; a tratar com Jos Antonio bastos na
na rua da Cadeia do Recife.
Vende-se um resto de marmlada em la-
tas pequeas chegado ltimamente de Lisboa,
e lapis muito finos para desenlio ; na rua Nova
n. 57.
Vende-se urna tabolela de ourives, e um
livro gacretario portuguez ; na rua de Aguas-
verdes n. 15.
Vende-se urna carroga com dous bols; na
Solidade sitio do Sr. Herculano.
Vendem-se chapeos pretos trancazos a
6400 rs., ditos de sol, a 7 'i rs., pannos de ca-
simira grandes e pequeos para mesa casimi-
ras de cores para caigas e nutras umitas la-
sendas ; na rua do Queimado loja n. 11.
Vendem-se cortos de lanzinha de supe-
rior qualidade e de padrocs multo modernos
a 6400 rs. ditos de dito com Ii.sl.ras de seda &
10,000 rs. ditos de cumbraia de cordo/.inho e
lislras de seda a 7000 rs. ditos do chitas finas
c da gosto rnuito modernos a 3600 rs. cober-
tas de damasco para cama pelo barato prego
de 6400 rs. bretanha de rolo com 10 varas a
1920 rs. e nutras umitas fazendas por prego
commodo ; na rua do Crespo n. 12, luja de Jo-
sJoaquim da Silva Maia.
Vendem-se 2 pretos mogos de boas figuras, |
ptimos para todo o trabalho tanto da praga,
como do campo ; um pardo de 18 annas, mui-
to bom pagem e serve a urna casa ; um mole-
que de 12annos, muito vivo e esperto ; 4 os-
cravas mogas cosinhio o lavo ; urna dita
moga cosinha, engomma o faz todo o mais
servigo de urna casa ; na rua lafga do Rozario,
sobrado n. 48.
Vende-so urna mulata do 14 annos, pari-
da, hapouco, e com bom leite; na rua Nova
n. 18.
_ Vende-so urna casa terrea na rua da Roda
n. 23 ; na rua da l'raia de S. Rila ns. 9 e 11.
_ Vende-so urna escrava de 20 annos sa-
beodo perfeitamento engommar, cosinhar, co-
ser elazer lavarinto ; urna negrinlia de 13 an-
oos, muito bonita cose mu bem ; urna mu-
latinha de 12 annos propria para mucama de
alguma menina ; urna mulata de 20 annos, en-
gommadeira e costureira ; um preto de todo o
servigo ebom trabalhador de machado e fou-
ce; umapreta de boa figura d; 24 annos,
quitandeira e do todo o servigo ; um cavallo
rodado, com todos os andares e he esquipa-
dor; na rua do Fogo ao p do Rozario n. 8.
Vende-se um oratorio grande proprio pa-
ra se celebrar missa com urna itnagem de
Christo ; na rua de Ilortas n. 100.
Vendem-se 3 escravas sendo urna de 18
annos, outrade 14, com algumas habilidades,
ca outra parida de dous mezes com bom lei-
le ; um moleque de 16 annos, proprio para
todo o servigo ; e um carneiro gordo, bom de
sela ; na rua Velha n. til.
Vendem-se 200# rs. em cobre grosso, com
o premio de 6 por cento ; quem pretender an-
nuncie.
Vende-so urna escrava parda de 25 an-
nos de bonita figura, engomma, cose, cosinha
o lava ; urna escrava de nago Angola de 20
annos engomma, cose, cosinha e lava ; urna
negrinha crioula de 10 annos propria para
costura; um mulato de 20 annos, proprio pa-
ra criado, ou pagem ; um moleque do nagao ,
de 15 annos proprio para todo o servigo; um
negro de nagao Costa, proprio para todo o ser-
vigo todos de bonitas (guras ; na rua das
Cruzes n. 41, segundo andar.
Vende-se por commodo prego um diccio-
nario francez urna grammatica por Soaros
Barbosa e um cathecismn de Montpellier ; na
rua de Aguas-verdes n. 102.
Vende-se um Tito Livio, 3 v. ; Virgilio ,
2 v. ; Saluslio, latim e francez 1 v.; Oragoes
deSalustio, e Tito Livio, 2 v ; Horacio, latim
e francez 2 v. ; diccionarios escolhidos de Ci-
cero, latim e francez 1 v. ; e Cornelio ; na rua
estrella do Rozario n. 27.
Vendem-se rncdalhas, anneloes, alunles
de peito, brincos com diamantes e de ouro de
iei, e de bom gosto botos para abertura e
punho 4 voltas de cordofino, duas ditas de
dito grosso enfeites de ouro de varias qualida-
des para pescogo de meninos, argolas para di-
tos urna gargantilha de bom goslo para se-
nhora urna colher de prata de tirar soupa 1
par de castigaes de dita modernos um ar-
relicario de dita para pescogo corienlinhas
para rclogio ; as Cinco-ponta6 n. 45.
Vendem-se sementes de hortalice de to-
das as qualidades sestos para meninos apren-
derem a andar telhas de vidro das melhores
que tecm vindo, e outras muitas qualidades
de louga e vidros, e srrvigos de mesa, tudo por
prego commodo ; na ruada Cruz n. 48. '
Vendem-se saccas com farinha d trra,
multo boa ; na rua larga do Rozario n. 39.
Vende-se urna canoa com pouco uso, bem
construida carrega 1200 tijolos de alvcnaria ;
na rua da Aurora n. 44, ou na rua de Apollo
n. 10.
Vende-se um berg > de Jacaranda feitoa
moderna, e urna cama nova tambem de jaca-
randa feita com muito gosto ; na rua estrella
do Rozario n. 32.
Vendem-se saccas de leijo com 5 quartas
a8^rs. ; no armasem do'Antonio Annes.
Vende-se moeda de cobre a 4 por cento;
na rua da Cruz u. 51.
Vendem-se ricos cortes de seda escoceza
para vestido desenhora luvas de pellica tfhm-
pridas e enfeitadas sedas brancas lavradas,
lindos cortes de tarlatana ditos de cambraia
bordada de laa ditos de cassa, ditos dejparizi-
ence, chapeos do castor branco, dilos' pretos
francezes, riscados oscocezes um sortimento
de luvas de seda calcados de todas as quali-
dades para homem e senhora ; na rua Nova ,
loja n. 8, de Amaral c\ l'inhelro.
Vende-so um ptimo escravo, com princi-
pios de sapatelro de 20 a 22 annos ; na loja
da esquina ao p do arco de S. Antonio, que
vira para a cadeia.
Vende-se ptimo tabaco sim-onte da Ca-
choeira da Baha, era latas de duas libras; a
fallar rom Manoel Joaquim Gomos.
Vende-se muito boa farinha de mandioca; a
bordo do hiato linda lundeado defronte do
trapiche do algodo; o ao lado dcsle estar una
gana paraconduzr os compradores a bordo, a
3200 rs. o alqueire.
Vendem-se 4 escravos mogos, ptimos pa-
ra todo o servigo ; 3 moleques da nagao pti-
mos para aprenderem ofilcin ; um pardo com
bastante pratica de sitio ; 3 escravas boas la-
vadeiras e quitandeiras ; na rua Direita n. 3.
Vendem-se rneios bilhetes da lotera do
Livramento a 4500 rs ; na rua Direita, loja de
fasundas confronte aooito da igreja, n. 12.
Vende-se charope de lingua de vacca pro-
prio para extinguir os humores : he bem sabido
os bons efeitos que tem produzido esta her-
va purgativa; de que he composto dito charo-
pe : seu usoho vantajoso, por nao_ser preciso
dieta alguma : pelo prego de 640 rs. a garrafa;
dito de tamarindos a 560 rs. e do mai acuj a
640 rs. ; na rua do Livramento loja n. 11; na
mesma loja comprao-se diarios velhos a 90 rs.
a libra.
ss Vendem-se lencos naca grvala, 3200 e
3500 rs.; niantinhas para ditas, lOO rs.; luvas
para senhora, sein dedo, a 400 480 e 640 rs.
ditas com palmas a 700 rs. compridasa 1280, ,
pellica a2000 rs.; ditas para iioincm.pellica al28o
rs. ; icugos para algibeira a 2240 rs. ; bom s de
vellido, para meninos a 1120; ditos de seda, coiu
borlas aflOO rs.; Hielas de seda p." honicm a JO;
ditas d'algodo brancas c pretas ; ditas de seda
para senhora ,a2000 rs., d'algodo pretas e bran-
cas, niiiiio linas suspensorios de borraxa*a320;
ditos imitando a240|rs.;dilos de seda aMSOO c 128(1
rs. o par ; franja preta a 3150 rs. a vara; abotua-
diira de duraque para ca/.acas c sobre-cazatas;
dita furada a 320 rs. aduzia; fitas lavradas lar-
gas c estrellas ; bicos largos e cstreitos; bons
de palinha a 280 rs. ; chapeos a 400 rs. ; facas c
garlos a 2800 rs.; pentes de tartarugapara mar-
ralas a 1280 o par ; niarioqiiins de cores a 1?(J0;
becerros de lustro a 3500 rs. a pclle metas gar-
rafas d'agua de Lavande a640 rs.; agua de Colo-
nia a 160, 400 rs., 560, 720 c800 rs. o frasco ; sa-
bonetc, banba eill Jiote de porcelana ; pomada
francesa; macasa oleo a 160 rs., perola a 400 rs.;
papel a3800 c 2400 rs., peno a3200 rs; toucadores
e CStOJOS com navalha e seus pe teuces ; costu-
reira com msica para senhora, com seus per-
tcnces; pentes para cabello,direitos c virados; |-
nhas de cores,em cairelis; rap de Casse a 1000
rs. vilete a 800 rs. a lib. rolo a40 rs. aoitavae
outras muitas fazendas francesasehamburguesas
por piceos mais coiiuuodos, que cni outra qual-
quer parte: na rua do Queimado u. 24, junto
a loja de calvado.
ssYendein-se pannos linos,azul a2200 rs.jjprcto
de boa qualidade a 3000 rs.; cortes de lanzinlia.de
bonitos padroes, para menino a 1600 rs.; leudos
de seda para senhora, a 1280 rs. e de laa c sida
a 1000 rs.; cortes de lanzinha,dos mais modernos
gostos, a 4000, e 6000 rs.; lindas cassas piuladas
a 480 rs. a vara ; dilas a 160 rs. ; chitas de as-
sento branco a 100 rs. c escuros a 140 160 c a
211(1 rs. ; chillas de lislras encarnadas a 100 rs. o
covado ; algodo americano com listras azues ,
proprio para roupa de escravos a 240 rs. ; as
bein condecidas brctaiihas de rolo com 10 va-
ras a 2000 rs. ; riscadiulios lecidos para vesti-
dos e jaquetas.a 220 e 280 rs. ; vestidinhos ja bu-
los para criangas, a 800 rs. ; peitilhos para
senhora, a 100 rs. ; chales de lanzinha, c de laa
e seda ; bicos c rendas de todas as larguras e
outras muitas fazendas btalas com amostras
francas: na ruado i.respo loja n. 12 de An-
tonio da Cunha Soares Giiimaies.
= Vcndeui-se pegas de madapoln de 20 va-
ras a 2050 3050, 3800 4000 4400 4800 e
5400 rs.; chillas largas a 120 c 130 rs. o covado ;
chapeos de massa, francezes forma moderna ;
ditos de aba larga chegados do llio-de-Janei-
ro, castores de todas as cores a 200 rs. o cova-
do ; redes do Maranho muito ricas cinco-
res babados de linho aberto de todas as lar-
guras ; ricos chales de laa de gosto multo ri-
co ; cassas para cortinados ; merinos de todas
as cores c outras muitas laxaodas por prego
muito commodo : na rua do Queimado, casa
auiarclla u. 20.
Escravos fgidos
Fugio no dia 2 do correle um preto ve-
llio de nome Jos, do nago Angola ou Ga-
bo cambado de urna peina tem ido visto
nos Aflogados aondo Im muito condecido pelo
o alcunlia de viole e cinco perlenceo ao snr.
Servina morador naquclle lugar ; quem o pe-
gar, leve a rua da Senzalla-nova n. 4, que se-
r recompensado.
Fugio no dia 4 do corrente da casa d*
Lourengo da Costa Loureiro um mulatinho de
nome Benedicto levou camisa de dula, caigas
brancas, chapeo de massa edito de sol de
panninho azul, ecom urna argola de ferro ao
pescogo; quem o pegar, leve a Solidade n. 42,
ou na rua da Cadeia, por cima da loja do Sr.
Caldoso Aires, quesera gratificado.
No dia primeiro do corrente fugio utna
preta de nome Mara de nago Costa repre-
senta mais de 30 annos baixa, secca, rosto re-
dondo com um talho. que. principia do nari*
o vai a orelha esquerda e 3 tainos na lace de
cada lado levou vestido bramo e panno da
Costa e mais urna saia de chita encarnada
desbotada ; ^uem a pegar, leve a rua do Cala-
bougo-velho n. 20, que ser generosamente re-
compensado.
No dia 15 do passado fugio do sitio das
Roseiras do major Joaquim Elias de Moura ,
um seu escravo crioulo de nome Silvano ,
mestre pedreiro de estatura regular, secco do
corpo, bem preto, de boa pbisinomia, olhos vi-
vos suissas linas, falto de denles, quando
falla d um geito na bocea peitos cabelludos,
he canhoto, todo o seu trabalho he com a
uni esquerda pernas fluas, tem una sica-
tiiz no pede urna leuda ; quem o pegar leve
no sitio a cuna que sera recompensado.
Fugio no da 29 de p. p, a preta Getrudes,
secca, altura regular, um peito mais deseido,
queooutro, tema marca de urna fe,na em
urna perna e oulra do logo ao p de um dos
ouvidos abe crioula ; quem a pegar, leve a
linda na rua do Carino, casa que toin lain-
pio na poilu.
Kbcipb na Typ. db M. F. db Fara1844


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6E7YZ49V_L6AMOB INGEST_TIME 2013-03-25T12:26:55Z PACKAGE AA00011611_00102
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES