Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00078


This item is only available as the following downloads:


Full Text
K. 102
DIARIO DE PERNAMBUCO.
-
==
Iloje Segunda Feira 14 de Maio de 1827.
.....
i. *- .i i
y *
#

____
____


-<



ni Y


Preamar as 7 horas e 18 minutos da tarde. iii ii




. ., -
i
PARIZ. J
Orreu boato de que lord Oo-
o
o
o
o
o
o
c
o

Hespanha ? Por-tiais que digao os i-
nimigos dos Grecos, que sa5 os das
luzes, e da civilisaca, o Sula de
Constautinopla nao o Soberano dos
ckrane fofa retido em Malta poror- o Grego, o cliefe de urna uaca bar-
den do govemo Inglez, eassegura' c bara, v-que invadi a Grecia, e n'ella se
se que Air. Sratford Caniug iufor- o mantevea forcad'armas, conservando-
nira d'isso o Res EtJVndi que res- | se 110 [neic dos indgenas, sem amal-
' pondeu: Estoii persuadido de que gamar-se coin elies. Os Turcos, eos
' o governo Inglez emprear todos g Gregos sa estraugeiros uns para os
' os mcios para impedir que os seus outros ein costurnes, ein lingoa, em
* subditos facao guerra a urna poten- g leis, em religia, e em traje. So erao
cia com quem elle tern relaces de
pMj e amisade. Este boato do
Observador Austraco, de quem o co-
piou a Estrella. Quando similbantes
jornaes nao tr.em desastres que referir,
inventan e propagao rumores, inda
que absurdos, atirn de descorchar os
que pugna pelos direitose liberdades
g obedecidos dos Gregos pela espada, e
o
o
estava para el I es na rasa5 das tropas
o de Joze Nnpoleao para com os Hespa-
o nhoes. Nao sao pois os Gregos um
o povo revoltado contra o seu monar-
g cha, porm uina naca que se defiende
g contra outra que sua inimiga, quea
invadid, e opprime. So o fanatismo
dos povos. A escravidao tein tabem g apostlico pode negar isto, elle tem
seus proselytos, e 6eus martyres, e
pode ser contada no numero das pai-
xdes violentas! Como possivel que
o goveruo lnglez iuipedisse que lord
Cockrane fizesse a guerra a sold dos
Gregos! Obstou por ventura que el-
le a fzesse a sold das Repblicas da
America do Sul ? lmpediu acaso que
elle servisse na marinha Brazileira?
Scra differentes as circunstancias d'
e>tes povos ? Ou os direitos do Gia5-
Turco mais legtimos que os do Rei d'
o
O
O
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
podido- fazer que a christaadade na5
so se baja conservado occiosa especta-
dora das batalhas do levante, mas que
com o seu dinheiro haja os iuimigos
da fe, comprado as armas, que teem
exterminado tantos christas: Tal-
q vez, se a isto nao acudir bein prompto
a politica europea, que ainda esteja
g guardado para os nossos ternpos o es-
o cndalo e a vergonha, de ver os des -
o cendentes dos Cruzados,
no mes uto
o terreno, em que seus avs cmbateme


-



{ATUJ

V ;la exterminacaS das las, e lrberda-
ue dos christas do oriente, derrama -
rem seu saague para que o crescente
tremole victorioso sobre as ruinas da
eruz.
( Do Portugucz. )-
'
Sr. Redactor.

Queira Vm. fazer-me o obzequio
transcrever no seu Diario a seguinte
fbula, de que Ihe ficar brigola*
O seu attento criad*
O Antiquario

FBULA DO URSO E DO BATEL.
ExTRAIIIDA DE GaY.
O
No tempo das Fadas, e quando os
brutos fallava ( agora repetio-sea e-
. pocha ) mora va hum urso sobranceiro
a hu rio navcgavel, e piscoso, milito
o diverta a maravilha de levar se hum
barco, em direcces oppostas como
niesmo vento, cora elle lardar a praia
atravessar o rio, pairar e desfechar
car reir, os remos e o leme," os mas-
tros e as vellas julgava servir de orna
to aquella maquina, hum e outro pes*
oador mal se embarcava fasia o mes-
Mo, e como quer que se julgasse hum
ente motivo bastante para governaro
barco, deaceo"a uiargem e apaiibwlo
hum batel o despreudeo, o empurrou
ao rio, esaltando ora a vella, eora ao
leme pensava desempenhar o preciso
para ludo hir-llie ao pintar. Mas ten-
do o vento cheio a vella. e d'encontro
achando o leme Virando o barco deo
cora o piloto n'agoa, que usando das
facilidades naturaes ao? ursos milito a
custo ensopado pomo hum pinto sahio
a praia; onde para maior uesgraca foi
pelos barqueiros que tudo observado
tinka, amarrado pelo pescoco servir
o
o
5
c

o
i
o
c

o
o
o
1
o
o

o
o
o
o
o
o
c
o
c
o
s
o
c
c
'*
o

G
G
c
o
o
o
s
i
o
o
o
o
o
o
o
o
3
ds escarnio e de papel de solfa onde o
mestee da contradana batia o comps-
so Eiso quesofrem ursos, quando se
julgao pilotos.
Sr; Redactor
Lembro-me ter lido o seo N. 83
respeito a huma Lotaria, aqual julga
algitns proscripta pela suaantiguidade
sendo pois eu hum dos qnecah no lo-
gro de comprar 20 bilhetes e.n diver-
sos nomes de pessoas de tniuha caza
por issojulgo ter lugar ininha reminis-
cencia sobre este objecto, em raza de
Ventureiro fundado na Ilusoria espe-
ranca, que costuma com engodo cap-
tar a muitos queira pois mea Sr. ins-
truir-me (se sabe") do motivo, que ha
para o esquecimento desta obra inco-
arla.. Sou com respeito de Vm.

O Ventureirov
5
a
i
o
o
o
o
o
c
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
:



f
Anrdocta.
Em huma Sociedade aonde se a-
chava huma Senhora poueo bella' com
hnm lindo, e rico annel de brilhautea
no dedo; estava igualmente hum (a-
valleirc da Ordein de Chsto. cu jo ha-
bito pend'ta de hitin formidavel lacada
de tita; o seu amigo llie bse emvozbaixa, mas
nao tanto, que nafosse ouvrdo pela
Senhora *jue Ihe ficava aop antes
qneria o aiud, doqne ama ; ao que
ella rpspondeo em prompto e eu an-
tes quera o cahresto, do que a beata.'
tw

Vewdab.
f Quera, quizer comprar ou alugar
hum morada de casa, Urrea de pedra


^^
-4I1 )

*
cal na Villa de Goianria tita ra Ra
Direita defronte ta Cadeia, dirija-se a
Roa das Flores caza N. 12.
2 Vendc-se o Eugenlio Cruzahi com
tret quartos de leg<>a de estrada, e le 2
goa e meia de fundo, junto a Villa do
Pau d'Alho, deis legoas fora daPraca,
com cazas de Engenbo, decakleira, de %
purgar, e devivenda desobrado, quein |
o pertender comprar dirija-se a caza
de Joa Ignack>da Costa na ra Ve- 1
Iha queachar com quein tratar one- c
gocio. o
3 Quew quizer comprar capim de I
planta dirija-se ao Cilio op dlleme- |
dio na Piranga, a 16U rs. mandando |
buscar la e querendo que mande trazer |
he a240 rs. o feixe mandando l part* g
cipar, g
4 Quem qnizer comprar hum negro o
canociro deidade de 35 annos pouco
mais oh menos crroulo, dirija se a ra i
da Cadeia Loje N. 44 a fular com 1
Antonio Gomes Pessoa para tratar do |
seo preco.
5 Quem quizer comprar hum (-avallo |
para carrhiho de cor foveira, frente a- |
berta, mu forte, de idade de 6 anuos, o
bom troteiro, mui gordo, e bem feito,
anuncie^e por este Diario, que obu-
lieiro.o levara mesuro a caza, para o
por a prova, e tratar do sen ajuste.
6 Quem quizer comprar hum taim
dourado na trra de ama relio; dirija-se
a Loje de Francisco Ignacio deAtaide,
na ra doCo'ejo que o niesmo fcir. tein
ordem para o vender.
7 Na Lo ja de Livros defronte de Pa-
lacio seacha a venda alen de inultos
infers livros que nella existe, agora
chegados de Lisboa varios Livros Por-
tugueses de diversas quali(ladea, Li-
vros Prancezes Eatorieos e Instru i vos
Cartas Geogrfica, das quatro partes
do Mundo, eCaitas particulares, Glo-
bos Terreste e Selesfe pequeos e
grandes, Papel Imperial de (Manda A|_
maco c de pezo de diferentes qualida.
des.
8 4*iem quizer comprar huma Venca' $
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
3
o
o
o
o
o
o
o
o
o
*
o
c
o
o
o
o
o
o
o
o
c
o
o
o
o
o
na na dd Queimado D. 5 fale na mes-
j mu ra a Mauoel Joze de Azevedo A-
morim.
> 9 Quem quizer comprar hurtiaJTipoy*
a nova, ainda nao servida, com os se-
us perteuces, dirija se a caza N. 141
| na ra das Cruzes.
10 Quem quizer comprar huma mora*
| da de caza terria N. 291 no Patio do
; Hospital de N. S. do Paraizo procure
no Aterro da Boa vista caza D 47 que
l achara com quem tratar do seu a-
J usie.
1! Quem quizer comprar huma canoa
grande procure no beco da Gamboa do
Carino o Capita Miguel deBrito Cor*
reia para tratar do seu ajaste,
12 Quem quizer comprar huma esra-
vade noine Maria do gento d'Angela,
de idade de 16 a 17 annos, sadia, para
aservico decoziuha, procure na ra d
& Thereza na caza N. 506, Amia
Mara Ferreira, qaehecom quem dte
tratar o negocio.
13 Quem quizer comprar huma negra
d boa figura, e boa lavandeira dirijan
se a ra da Guta caza N, 27 a tratar
do seu ajuste.
l\r Quem quizer comprar 4 vacas de
1 :ite de bizerros novos, a saber duas a-
mojadas ja a parirem, e huma novilha,
dirija-se ao"Aterr da Boa vista caza
N. l'i que achara com quem tratar.
15> Quem quizer comprar hum Citio no
Rio dosse com 24+ brassas de compri-
do com coinodidade de fazer curral de
pesqueira de matar pejxe, e conY al-
gn* pes de caqueifps,-e sem caza de
vivencia, cojo Citio parte pelo Norte
com o Cilio que foi doHerdeiro Anto-
nio Carllos de Almeida e hoje de Joze
Francisco Bellem, e pelo Sul com o
Citio denominado Bem fica, perten-
cente ao mesmo Bellem, quem o per-
tender dirija-se a ra Nova desta Cida-
de caza de Caldereiro N. 84 que l
achara, com quem tratar do seu ajuste.
16 Quem quizer comprar os gneros
aba i xo declarados dirija-se a ra do
Rozario na venda JD. t, itiho' feXbo

y

*T



do Porto a 1080 rs. a caada, Dito Mos-
catel a 3520 a caixa, e 280 a garrafa,
belaxinha ingleza a 140 a libra, vinho
fi lili a 1280, e caf a 140 rs. a libra.
"
- Leilao,
17 Que pertende fasero Agente da So-
ciedadedoCommercio dos Paizes Pai-
xos, uo da Terca feira 15 do corrente,
pelas 9 horas da nianhS, no-sen Escrip-
torio ama doTrapixeN.0 9, do se-
guate.
Panos finos sortidos,
Gasemiras,
Bretanhas de Olanda finas.
Ditas ditas cras,
Riscados para colxos,
Lencos de seda.
Alugueis.
18 Quem quizer alagar o primeiro an-
dar de huma caza com boa aila para
Escritorio junto a Praca do Comercio,
onde morou Antonio Manoel de Ol-
veira Arouca, fale com Bernardino de
Sena Das, morador na menina caza.
19 Preciza-se alugar hum andar de al*
gum sobrado, oo mesmo huma boa ca-
za terrea dentro do Recife quem ti ver
e quizar a u;ar anuncie por este Dia-
rio para ser procurado.
Fgidas dk Escbavos.
20 Quem achar huma negrinha de no-
me Joannado geutio da Costa com i-
dade de 10 a 12 anuos pouco mais ou
menos ; bem feita de pes e maos, as o-
rtihas turadas de novo, com corda de
ret com os talI)os da caneca para testa sig-
nal da trra, saia dexita azul da Fabri-
ca; com hum pedaco de pao velho
ruis costas, quem ativer ousouber del-
la a poder trezer a Cidade de Olinda
na ra da Bequinha de S. Pedro, caza
D. 3 que ser bem pago do seu traba-
luQ. ;
VlAGENS.
O Brigue Encuna Triunpho do Ma-
i
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o


o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
D-
3
O
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
i
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o


rannao. sahirimpreterivelmente, para
o Maranha, com escalla, pelo CVari,
at 30do corrente, quem nelle quizer
carregar, ou hir de passagem falle cota
o Capitn, em caza de Joaquirn Perei-
radaCuuha.
Avizos Partkulaiies.
%\ A caza de Pasto da Praca da Uuia6
Qita no Beco da Pule N. 5a 1. c an-
clar fas publico que vai principiar a
dar alinocos de maode vacca semana-
rio ex ceta Sextas e Sbados por me-
nos 20 rs. do que he do costme nos
Domingos, que ter principio no dia
Segunda feira 14>do corrate.
1 I
ERRATAS.
No Diario N. 68 pag. 393 linha
11 por Joao Tamerla lea-se -*
Grao Tamerla.
1
CftL
NOTICIAS MARTIMAS
ENTRADAS
'"%
iJlA 11 do corrente Costa de Pa-
tagonia; lgrnezes; G. Amer Sally
Am, tendo andado a pesca,da Balea, M.
Clement P. Covem/ carga azeite de
peixe, a o Cnsul da mesma Naca.
SAH1DAS.
Dia dito. Londres; B. Ing. Da-
vid Ricard, M. Jiobert Lacy, carga as-
sucar.Londres; G. Ing. Duke Vi
Kenh, M Eduard E. Lewthy, carga as-
lucar, algodao, couros, e Pao Brazil.
Trieste; B. Amer.General Bolvar,
M. Coble, carga assucar mi Porto de
Pedras ; E. S. Thereza de Jezus, M.
Antonio Francisco Nuies, em lastro
Alagoas; S. Bom fim,M. Joao Maria
Maza, carga diferentes gneros, passa-
geiros 'Joao Joze dos Santos, e Mano-
el Pereira Coitinho. Foi fundiarnas
Laminhas para tomar carga a. Amer.
Octavia, de que he M- Lervis Reivell,

PERMAM^UCO NA T.YJf, PO DIARIO, RA lRBiTA H *267.
4


i *
_
MN


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERU9U9QRL_C0SAT7 INGEST_TIME 2013-03-25T14:14:35Z PACKAGE AA00011611_00078
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES