Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00060


This item is only available as the following downloads:


Full Text
N.e84
??????i

DIARIO DE PE I\ N A M BUCO

8gf.'.. ..a
.
rn.:': -

Hoje Sexta Feira 20 de Abril de 1827.
_fc:
*
-

:


Prtamar aos 6 minutos da manha.

i
-i------------
Ro Grande de S, Pedro do Sul.
A falta de noticias Officiaes, que
anda na5 temos, acerca do combate
que teve lugar na Provincia do Rio
Grande* entre o nosso Exercito, eo
do inimigo, .e a qnal se nao pode an-
da censurar, pela demora, que he ne-
cessario empregar para a9 ordenar con
exaccao: damos ao publico as que nos
forao enviadas por hum respeitavel
Negociante da Villa do Rio Grande.
Prosegua o inimigo em numero de
8:000 homens commandados por Alve-
ar, no seu lonco intento de invadir a
Provincia do Rio Grande, marchando
de Bag com direceaS a S. Gabriel; e
o nono Exercito o segua de perto,
>rincipalmcnte a vanguarda de 1:500
lomeus de Cavallaria Commandados
pelo bravo Coronel Bento Manoel Ri-
beiro, o inimigo manobron de manei-
ra, que arncacou passar o Ro"de San-
ta Mariano passo do Rozario; e que-
rendo o nosso General prevenil-o, man-
dn ao Coronel Bento Manoel, que
passasse, para que recebendo o inimi-
go pela frente, podesse o nosso fxer
cito altacal- o pela retaguarda. O Ge-
neral inimigo percebeu a manobra, e c
oppoz-lhe as seguintes disposices:
collocou huma batera de 4 pecas so
c
o
o
o
o
o
o
o
c
o
o
c
o
o
o
c
9
c
o
o
o
o
o
o
o
o
o
c
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
c
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
c
c
o
o



bre o passo do Rozario, e fez volta-
face para attacar o nosso exercito, que
assim se achou privado do auxilio do
Coronel Bento Manoel, que se achava
cortado pela mencionada batera, so-
bre a qual fez trez cargas infructferas.
Engajou-se a accao no da 20 de Fev-
reiro; a nossa Cavallaria sofreu alli-
ma perda, mas a Infantaria formada
em quadrados, bateu-se com o maior
denodo, particularmente o Batalhao
27. A firmeza da nossa Infantaria fez
recuar o inimigo, que alias teve a van-
tagern de tomar algumas carretas da
nossa bagagem. O bravo Coronel Ben-
to Manoel vendo-secortado, ouviudo
e at vendo os seus companheiros de
armas a bracos com o inimigo, tomou
o partido atrevido de abrir hum cami-
nho de mea legoa de mato ruis abai
xo do passo em que estava a batera,
e na noite do da 20 passou o rio com
a sua columna aado, e no diablas
? horas da manh estava reunido ao
Exercito: enta o General levante u
os Vivas a Sua Magestade o Impera*
dor, e ordena a carga: o inimigo ba-
te-se valorosamente, com especial ida-
de a Cavallaria couimandada' por La
Valhega, mas debalde ; os nossos fa-
zem huma horrivel caruagem, edepo
is de algumas horas Jicamos senhores
do campo de batalha; de toda baga.*


I
(.336 )
gem, cavallada, c artilhcria rio inimi-
go, que deixou sobre o campo mais
de 3:000 honiens mortos. A nossa per-
d he lamen tavel, por peiriermos o
General Abren, e mil etantos homeus.
O inimigo procurava reunir os restos
rio sen Exercito; mas siippiiulia se,
que Ihe seria impossivel pela acti vida-
co, com que era perseguido pela uos-
sa vanguarda.
g
o
o
o
O

o
o
o
o
o
o
o
*
o
o
o
o
8
o
o
Exlrahido do Diario Fluminense.
*?vgv^*
GRAN BRETANHA.
Londres 11 de Janeiro.
Recebera5-se Gazetas de Mont-Reai
de 11 de Dezembro, dasquaes da-
remos os seguintes extractos.
" 4 de Dezembro.
" A forma actual do nosso Governo
Colonial, se falla certo as noticias,
he provttvel que soffra alguma mudan-
za. Quanto ao boato, eremos que he
falso, mas ao mesmo tempo nao pode-
mos deixar de dezejar que fosse ver*
dadeiro. De passo a mudauca affecta-
ria somente as Assembleas Deliberati-
va e Legislativa, unindo os dois Cana-
das em hum s Governo. Foi talvez o
rnaior erro da sabia administraca de
M. Pitt, dividir o Canad em duas
Provincias. Os males que r^sultao riis
to se tem sentido feralmente; e ere-
mos que uial haver hum homem as
Colonias lnglezas, que najulguea
reunia das Provincias e Parlamentos
como huma fortuna para o paiz. Mas
he huma inedida que sentiramos ver
adoptada acceleradamente. A lei cons-
titucional de hum paiz nao he hum
brinquedo que se pouha e tire para
divertimento ou para experiencia.
" Ouvimos que o Deputado do Cor-
reio Mor teve noticia de hum conluio

c
o
o
o
o

c
o
o
o
o
o
o
o

o
o


o
o
o

o
o
o

o
Q
-
o
o
o
o
o
o

c
o
;>
3
o

o
o
o
o
o
o

o
o
o
c
o

o

o
o
o
o
o
o
o
o
o
para roubar a mala entre Quebec e
Ylont-Real. O principal deste plano
se diz ser huma pessoa por nome La-
le, que com varios cmplices, devia
elfeituar o roubo em lugar commodo
para aquelle Hu, e estava providen-
ciadas mudas de cavallos para escapar
para os Estados Unidos com o esbulho,
que ariqirissem. Es pera-se que des-
coberto o negocio, este malvado plano
se desconcert efectivamente em to-
do o caso bom he que o publico esteja
sempre em guarda. "
" Hoje se espalhou na Cidade, que
Bolvar traba chegado a Bogot, e fo
ra proclamado Dictador da Repblica.
Nao sabemos em que aathoridade se
funda esta noticia, ou se he mera in-
venca. Porem no Commercial Ad-
vertiser de New-Yorck, de 16 de
Dezembro, achamos a seguiute noti-
cia a este respeito: O Brigtife Bo-
got, dizem, chegou de Caragena
em vinte e dois dias. Ttirio estava so-
cegado quando elle sahio. Bolvar
tinlia chegado a Bogla de Vera Cruz."
Sobre esta asserca somente obser-
varemos que a inenca Je Vera Cruz,
onde Bolvar certamenle nao poda ha-
ver estado, faz mu duvidosa sua au-
thenticidade, sem tomar em conside-
rado as datas que la na6 quasi impos-
sivel u chrgada de Bolvar a Bogot
no tempo indicado. Todava os se*
guiutes extractos de huma Gazeta de
Baltimore continua o laclo de ha ver
elle chegado a Bogot.
i
" Laguayra 25 de Novembro.
" As tropas de Porto Cabello se re-
bel I a rao outra vez, sob Boge Ca pi-
ta do porto, e se declara rao pelo Go-
verno de Bogot, e a antiga ordem
de cousas, ua ihe agradando a nova
como elles esperava Sao quasi 1,000
honiens, desorte que Paez tem Ber-
mudes por hum lado, e Boge por ou-
tro Nao se espera cmbale. Pro-
vavehnente cada hum ha de conservar



(337)
sua posicao emquanfo nao chegar Bo
Jivar, o que sem dnvi 'a ter lugar ein
todo o mi'z que vein; temos noticia
positiva que est em Bogot.
" As corsas estaS horrivelmente
mas, e nao melhorar emquauto Bo-
lvar nao vier. Maiitimentos vendem-
se bem a diuheiro de contado, sendo
bem surtidos. O nosso Cnsul Mr.
Williainsot, chegou aqui a semana
passada de New-York.
" Caracas 23 de Novembro.
" Depois que o General Paez volfou
a este lugar das Llanas, houve huma
entrevista entre o General, eo Coro-
nel Marcenio ent Petare, havendo o
ultimo deixado seu batalhad no Rio
Chico, para fazer a sua entrevista.
Accoinpanhou o General at a Cidade,
e demorn se all alguns dias; mas
parece que nao se concluir") arranjos
satisfactorios; e Marceno voltou ao
seu batalha em Rio Chico. O Coro-
nel Montc7 esta de posse de Ciimana,
e Bermudez a est cercando dizein
queja liouve huma batcilha ; tal vez so-
ja certo. O General Marino foi hon-
tem despachado para dimana com
300, onde ha de tomar o cotnmando.
Bermudez dizem que publicou hu-
ma inalteravel deteruinaca de liad a-
baudonar seu d reito de govemar a-
quelle departamento, emquauto tiver
vida para sustctal o. Mas elle e Ma-
rino sao bravos quanto pode ser, e eu
temo que haja alguma desorden) na-
quelle departamento; mas espero que
nao chegue a Caraccas de certo na5
creio que chegue. "
o
o
o
o
(.
c
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
interinamente, do Expediente dos Ne-
gocios daquella Repartica, ao Viscon-
de de S. Leopoldo, do Aieu Couseiho,
Ministro, e Secretario de Estado dos
Negocios du Imperio. Palacio do Rio
de Jaueiro ern ouze de Alargo de mil
oitoceutose vinte sete, sexto da inde-
pendencia, edo Imperio. Com a Ru-
brica de Sua Magestade o IMPERA-
DOR. Mrquez de Queluz.


()G()
EDITA L.

1



DECRETO.
Tendo fallecido o Mrquez de Na-
zareth, que servia ocargade Ministro,
e Secretario de Estado dos Negocios
dajustica: Hei por bem Encarregar,
Joze Pe eir Pinto &c. Faco sa-
ber, que pelo Ex.mo Sr, Presidente do
Governo tiesta Provincia me foi remet-
ida a Portara do teor seguinte..
Teudo appatecido houtem defronte
deste porto huma Escuna deduas Ga-
veas, a qual deo caja a duas Sumacas,
huma que sania, e outra que entrava,
e ao que parece as conduzio com sigo,
devendo por tauto suppr-se que he
algum Corsario; oSr. Capita de Fra-
gata luteudente da Alariulia faca cons-
tar islo mesuio a Praga, para que os
proprietanos, e iuteressados em Em-
barcact>ens, tomem as suas medidas de
camelia, sem que com tudo se perten-
da e ni barajara sabida daquellas, que
por se acharem seguras, ou por qual-
quer outro motivo se queira arriscar.
porque pode acontecer, que no La
nieira seja atacada alguma Embarca-
g cao Nacional, o mesmo Sr. Capitao
de Fragata luteudente da Marimba en-
tendeu Jo-se com o oroprietario dar as
providencias, que julgar con vientes, e
requizitara a este Governo aquellas,
que nao estiverem ao seu alcance. Pa-
lacio do Governo de Peruatnbuco 19
de Abril de 1827 Ferrao E para
que cliegue a noticia a todos, a que o
conteudo cima perteucer, maudei afi-
xar oprezente Edital nos lugares do
costume. Intendencia da Marinhade
Pernambuco ly de Abril de lb7.
o
o
O
O
O
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o


m
(338)
Joze Pereira Pinto rpita de Fraga-
ta Intendente da Marinha.

(X]x(X)
Variedades,
Hotll frade pregando hum longo,
fastidiozo, e man Sernaao, teve huma
grande mortificacaS por ver que todos
os seus ouvintes estavao dorniindo a
tjxcep9ao de hum camponez: o frade
furiozo deu berros e tanto gritou (filie
finalmente acordarao: que vcrgonha,
disse o frade, voces todos a dormir, e
saquelle pobre rustico tem estado a-
cordado: o camponez olhando seria-
mente para a carado frade lhe respon-
ded e pensa V. Reverencia que se cu
na5 foss hum pobre rustico estara
o
c
o
e
o
c
o
o
o
o
c
o
o
o
%
o
o
o
o
o
o
o
c
O
o
c
o
5 Quem quizer comprar doisescravos
ladino**, hum com oorficiode Alfaiale;
e outro Canoeiro, e calador, de N;ca6
da Costa br>a figura, cum idade de 22
a 24 anuos; dirija-se a ra da Cadeia
no Recife na Loja de Antonio Pedio
Baptista N. 9 38 para tFatar do sen a-
juste.
6 Quem quizer comprar Caibros, e
maos travz, para obras de muito bo-
as qualidades dirija-se a caza nova da
ruado Rozaiio, que v*ti para o Carino
D. 29.
7 Continua-se a vender por preco de
640 rs, cada Folheto da Medecina cu-
rativa de Le-Roy na caza do Bilhar da
Praca do Commercio.
Algueis.
8 Quem tiver algumaescravaquitan-
deira para alugar dirija-se ao beco da
lUa3C 1IUII! pyiv .. -..- .- ~ 1
tanto tempo acordado Nao certamen- 6 Bomba na caza de nixo.
te, eu dermeria assim como os outros.
|

Compras.
;
1 Quem tiver para vender huir, escra-
vo bom cozinheirosem vicio algum di-
rija-se a ra d'Ortas caza D. 52 para
tratar do sen ajuste.
2 Quem tiver hum preto, ou mulato
oficial deSapateiro, e oqueira vender,
peder diriffir-se a caza do Doutor
Francisco Xavier Percira deBrito mo-
rador no Aterro da Boa vixta.
S Quem tiver para vender hum preto
a inda que soja velho, porem que saiba
arranjar quaesquer plantas em hum Ci-
lio anuncie por este Diario para ser
procurado.
Vendas.
4 Quem quizer comprar hum mole-,
que da Costa de idade de 15 a 16anuos,
que saber lavar, e cozinbar alguma coi
za; dirija-se a ra do Fogo caza N. '
350,
o
o
o
o
e
o
o
c
o
O
O
o
c
o
c
O
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
Arrendamehtos.
9 Quem quizer arrendar hum Sobra-
do que nao he pequeo com muito
grande quintal e algumas plantas, na
3oa vista por detras da Matriz, fale a
Joze Carlos Teixeira morador no At-
terro da Boa vista que lhe dir quem o
arrenda.
10 Arrendase huma morada de caza
nova, com bous cmodos, tres andares
e sot, com o seu Armazem, sita na ra
do Colegio junto a Antonio Lial de
Barros, quein a pertender dirija-se a
ruado Queimado, na vendada esquiua
do beco do Peixe frito.
, ., Viagens.
11 Para o Maranha at o ni docor-
rente a Galera Novo Paquete do Ma-
ranha Cappita Theodoro Antonio
Leite.


Avizos Particulares."
o
o
o
o
o
o
o
o
o
12 Perciza-se de hum Padeiro que se-
ja Mestre do sen officio, qnein o for,
pode-se anunciar por ete Diario para
ser procurado.
. -------, m.....1 '
*& FERNAMfit'-O NA TYP.DO DI A UO RA 01RE1TA *267 -#
Vcnde-se na Loje de Livros defrontede Palacio apreso de 60 r*
((

.
mr*
T


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFNKFOL0Q_PNG1OJ INGEST_TIME 2013-03-25T14:03:19Z PACKAGE AA00011611_00060
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES