Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:00019


This item is only available as the following downloads:


Full Text

.
N. 38
DIARIO DB-PERNAMBUCO.
.
.y

Hoje Sabbado 17 de Fevereiro de 1827.

-






s.
Faustino M;

Preamar as 9 horas e 42 minutos da manh



:




b





o
o
c


o
12. ), que os Navios Brazileiros, s
o pagaro, assim como o direito de-
iicenea, conforme a pauta determi-
nada para os Francezes, com alias ja
foi explicado, a respeito dos navios
In&lezes, pela circular de 27 de Mar^o
ultimo.
Para os direitos dePilotagem,
1 seguir-se-ha o que foi determinado
pela Circular n. 765, de forma que
2 a administracao das Alfandegas pos-
g sa indemnizar aospraticos que terjatt
g assistido Navios Brazileiros |a die-
g renca qne existe em suas tarifas loca-
Artigo 1. o da ordeanca de S. g es, os queteriaC exigido destes navi-
=Franca.==
TRADU^AO.
Das instruces dadas pelo Director
geral das alfandegas aos 19 de
OTUBRO DE 1826.


Pela applieaca* do tratado celebrado
com o Imperio do Brazil, aos 8
de Janeiro de 1826.
o
o
o
o
o
o
o
o
o
i.
Dos Navios.
M. de 4 de Outubro, relativa i exe
cucad do tratado de 8 de Janeiro de
1826, stipula que os Navios Brazilei-
ros, viudos seja donde for, pagaro
os direitos de Pilotagem, Cal deiras, e
quarentena, s conforme a pauta de-
cretada para os navios Francezes.
Era intil que este artigo mencio-
nasse o djreito deTonelagem, po-
is ja os Navios Brazileiros, so' pagao
pelo duodcimo artigo do tratado, o
direito de 3 Francos, 75 centesimos,
como a Nacao, a mais favorecida;
navegacafi de nenhum paiz, fcando
com effeito izenta deste direito.
A ordenanca tambem na5 fala do
direito dedespacho; mas deve-s
entender pelos termos do tratado (art.
o
o

o
o
o*
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
c
os se tivessem sido considerados como
estrangeiros, e o que de facto terao
cobrado, considerando-os como Fran-
cezes,
Os direitos deCaldeiras s tocad
aos portos de La Rchelle, e do Ha-
vre, e la'tabem seguir-se ha oque
ja foi ordenado ao respeito dos navios
dos Estados Unidos da 4-merica.
Quanto aos direitos de quarem
tena,nao pertcucem a administra-
9ao das Alfandegas.
O tratado, nem a ordenanza nao
fallao dos corretores, condutores, ou
interpretes, que por tanto nao terao
nada a bonificar aos navios do Bra-
zil, nem lecurco exercer sobre as
Alfandegas.'
irr


imtm

(\bO)

O artigo 3. explica como pode
estar composto athe nova ordem, a
tripulaya dos navios que deverao
ser recdnhecidos como pertencentes
xnarinha do Brazil.
Fica entendido que a lem da sua
qualidade de Brazileiro que o Capi-
ta5 deve justificar, elle tera' que pro-
varque o navio do seu cominaudo per-
tence a hmn subdito Brazileiro. e qe
tem sido reconhecido pelas authori-
dades, que no Brazit, passa os ttu-
los de Nacionalidad.
Os navios Brasileiros podem, ein
virtude do artigo undcimo, e em
gozando sempre do tratamento o ma-
is favoravel para o que diz respeito
aos direits de navegacaS, importar
em nossos portos toda sorte de pro-
ductos tarifados, exceptuando.
1.a Os artigos de contrabando de
guerra.
% 9 Mercadorias francezas, ou
mercadorias que ja teria pago os di-^
reitos de consumo, que os ditos na-*
vios teriaS carrejado em outro porto
de Franca.
( Continuar-se-ha.)



Sr. Redactor.
-'-
Como na seu Diario ni 35 vejo
encerida huma relajad de dividas por
obrigacoes e conta de livro que Ma-
noel Jos de Araujo Guimares, diz
entregara a Marcelino de Souza Pe-
reir de Brito, para pagamento dos
Credores do dito Guimares.' Ora Sr.
Redactor, sera' possivel que este Sr.
queira pagar a seos credores com o-
bri^aces e dividas quando agora de
prximo fez trespasse de huma venda
a Joaquin de Souza Cirnes receben-
do do mesmo em dinheiro hum cont
de reis, e agora quer pagar com quaa-
tias que a maior parte se nao sabe
quem sao os devedores. Sr. Guima-
res acho no meu fraco pensar que
Vm. deveria dar huma relacao aopu-

o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
g

o
o
o
o
,o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
c
o
o
O
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
c
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
blico do que deve a seos Credores, e
mhor seria que Vu\. com o^conto d;j
reis que recebeo vista do trespasse
da dita venda, e inais dinhehos que
apurou de fazendas da mesma, de que
nao da' contas, ti/esse pagamentos
aos seos credores, e nao chmalo a
si edizer que nao havia de ficardiscal-
so para seos cedres srein embolsa-
dos, nois i*to s fazevn aquelles que
pedem esmollas com o chapeo na Ca-
bessa. Portanto Sr. Redactor rogo-
lhe me queira insesir estas duas linhas
no seo Diario, para que o publico co-
ntiena a probidade do tal Guimares,
de quem por infelicidade "Sou
Hum Credor.
Mauoel Silvestre Machado





Variedades.
.
Hum Abbade extremamente gordo,
cauiuhando para ^a Cidade, que era
huma prassa fechada, e sendo quze
noite, perguutou a hum caminhante
que dalli vinha: se elle poderia pas*
sar pela porta, a que elle respondeo :
eu pens que si ni porque ja tenho vis-
to passar por ella ate carros carrega-
dos de palha.
iii. -.

Compras.
1 Quem ti ver hum escravo pardo com
principio de alfaiate, de menor idade,
que qut iiar vender, dirija se a ra da
Madre Dos caza N.' 203.
Vendas.
2 Quera-quizer comprar huma negra
da Costa, criada dentro de caza, cozi-
nha, easaboa, engoma, etambemtem
principios de costura, qualquerpessoa
que a pertender, ou quizer trocar por
alguin negro, dirija-se a ra das Cru-
zes, caza N. 167, para tratar do ne-
gocio.
.


/-


"N*
^^
(i'si)
III
v.

3
da
Quem quizer comprar huma mora- g
._ de cazas terrias de taipa, no largo g
da Caza Forte, dirija-se ao Hospital g
d9/s Pobres, na ra Nova, para tratar g
do ajuste, com Felis Manoel Noguei- g
4 .No Forte do Mato, caza N. 186, |
junto a Hospedara Ingleza, ha para
vender Gjffqs de batatas lnglezas de-
aeinbarcadas prximamente, a 64o, o
o
o
o
o
c-
Gigo. g
5~Quem quizer comprar huma preta' g
do Gento de Angoja, com abelida.le g
de tripqira, nariscadeira, e muito ife- jg
sembarassada, no servico de huma ca- g
.za, dir^a-se a ra do Sebo, caza N. g
396, que achara com quem tratar.
6 Quem quizer comprar, ou arrendar
huma lana, na estrada que vai para
o Giqui, com dous viveiros por fazer,
e trra para plantar, dirjase a ra do
Queimado, cazaN._7o, que la acha-
ra com quem tratar.
7 Quem quizer comprar huin Cvalo
preto, bem gordo, esquipador, e car-
regador, dirjase a na dos Quarteis
da Policia 277, que la achara
com quem tratar.
8 Quem quizer comprar huma" venda,
na ra dps Quarteis, caza N. 277,
dirija-se a mesina, que la achara com
quem tratar
9 Na ru do Livramehto, loja N.
216, existem vender os livros seguin-
tes, vindos novainente do Poj'to.
Marilia de Dirceo (Ticamente incader-
nados.) ul u.....
I
Novo Cmpadre.Matheus dito.
Mably direitosdo Cidada.
Contracto Social (nova traducao. )
O Campead Portuguez em Lisboa:
A Facecia Liberal, e o bnthsiasmo
Constitucional.
O Contra Censor pela Galera.
Jornal da Sociedade Patritica Ilite-
raria.
Tentatiya Filozofica por J. A. (Je
Macedo.
Cultura do Cora$ao Kfimano
Meditaces de Hervey,.

o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
;o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o.
o
o
o
o
o
o
o
c
o
o
o
o
I

Code Napolen ( ricamente encader-
nado. )
Ramalhete de Novas Bernar di cea.
Etelvin Noyella. <
Roxelane feliz, dito. ;
O vicio castigado, dito;
Liga da falca Theolgi com Filozoni.
Na tnesma. loja, fe vende.n -pror 1
races geraes, e particulares iirpressWs
para maior confnr/odidadedoa 'Sc-
v*is.
LeilaS."
10 Guilherme Walker Jnior,, por.
tendendo retirar-se: brevemente -Perambuc*, faz LelaS no da'tena
fe ira 2o do Crrante, de huma por^a
de fazridas que-anda Vem em ser na
caza da sua rezideheia na ra do Tra-
piche, caza N. 15.
Achados. Y \-
11 Quem Ihe faltar huma; negrinha,
di rija-s ao Arraial, a caza de Macario
Joze Rapozo, que dando os siguaes
cortos Ihe ser entregue.
Afretamestos.
12 Quem quizer fretar o Brizne Ame-
ricano, James Noble, Capitao Livis,
de 212 tonelladas, novo, da primeira
viage, cavilhado e forrado decentare,
dinja-) L. Ov Ferreira, e Maus-
ftel'd. t ,
Fgidas de EscraVos.
13 Fugio a Felppe Menna Callado da
Fonseca, huma negrinha crila de n-
me Liiza, idade de nove a dez annos,
em carniza de algdao-zinho; bastante
feia, o beico inferior mijito grande* e
signaes de bixos nos ps, quem della
souber ou a tenha achado, dirija-se a
ra do Rozario em cazas do Gusma5,
I. andar onde mora seu dono, que
Ihe dar asalvicaras.'
14 No dia 13 do corrente, fugio hum
moleque do Gento de Angola, por
nome Antonio, que reprezenta 13 an-
nos, com trez cruzes no peito dreito,
duas mais vivas, e huma mais apagada,
com algumas marcas de bixigas na ca-
ra* naris xato, queixocumprido, pes-
clo curto, olhos vermelhos. beicos
>
mam
T~7
y



- //^': /
gggmmy^tijHHHi
(l)

-

O
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
c
c
o
c
virados, com huma brecha-na cabera,
huma marca de talho na testa ja parte
dircita que acaba nasobranceilna, ps
e ma5s piquenas, com calc,a e carniza
branca, com huma corrente e hum ca-
diado na perna direita por ja ser cqs-
tlimado a fugir; qualquer Capitao de
Campo o poder pegar, e conduzir a
ra dos Curraes Verbos, caza N.
34o, onde ser pago o seu trabalho;
15 Oualquer CapitaS de .Campo, po-
der pegar huma negra de Na9a An-
gola, de nome Jozefa, cara redonda,
reforjada do corpo, com o segundo
dedo do p direito cortado, e com hum
vestido de xita, Portugueza: outra
da sobredita Na^a. velha, de nome
Violante alta, tem os ps algn, tanto
enxados, quem dolas souber ou as
prender, poder trazellas: a seu-Sr.
que mora na ra fas Laraugeiras no
sobrado de dous andares, junto ao de
Manoel Gomes, Sirigueiro, onde re-
cebera a paga do seo trabalho:
16 No dia 1. do corrente, fugiohutn
cscravo, mo$o, de nome Francisco,
com catya de brim groco, d\i estopa, g
bastante suja, carniza de morim taq- o
bem suja, muito ladino, e muito ami- o
go de Jogo de Buzo, qualquer Cap- |
lato de Campo, o poder pegar, elevar
ra da Cadeia loja N. 27, onde se
lhe pagar bem o trabalho.
Avizos Pabticlares.
17 Em Agosto do anuo prximo pas-
sado, fez publico por este Diario,
Bernardo Joze da Costa, que em seo
poder se achava hum preto que se ha-
via agregado aos seus, e que quem tos-
se seo dono, o podia hu" buscar.
O roesmo participa agora que o di-
o
o
o
i
o
o
o
c
o
o
o
o
o
o
c
o
o
o
o
o
o
o
o
o
o
to escravo desapareceo do seo poder,
desde Janeiro do corrente, levando em
sua companhia, segundo prezume,
hum seo muleque por nome Antonio,
Naca Angola, beicos e boca grande,
e quem delle fizer entrega, ou der no-
ticia, receber o premi do seo traba*
18 Stanislas proprietario da caza de
pasto da ra das Cruzes, faz sciente
ao resDeitavel Publico, que a caza de
pasto "que se nade abrir, annuciada
no piario de 1& do corrente, he a sua
abertura Domingo 18 deste ; na ra da
Madre Dos N. 267, com a entrada
pela ra da Cacimba, com todas as
iguarias e asseio, e laobem commodi-
dades para quem se quizer hospedar,
gozando toda atencao e prevegio
que lhes for necessano.
NOTICIAS MARTIMAS.
ENTRADAS
JLf 1A 16 do correrle. = Entrada
ncnliuma.
SAHIDAS.

o
o
8
o
o
o
o
o
c
o
o
o
o
o
o
o
Dia dito, -f-nna; S. strela Ma-
tutina, M. Joze Manoel Martins, e-
quip. 8, em lastro, passageiros Joze
Jorge Rodrigues, Manoel Lopes Sal-
danba, Antonio de Souza Cuna, Ma-
noel Joze Dias, Miguel Barreto, Car-
los Joze de Albuquerque, Francisco
Pinto da Silya! Urina; S. S. Jo-
ze Triunfo, M. Domingos Gomes de
Oliyeira, equip. II, ein lastro, pas-
sageiro Dpmingos Antonio Gon9al-
ves.
O roesmo participa agora que o ui- o vts.
'


A
PERNAMBCO NA TYP. DO DIARIO, RA DIREITA N. 267. ^
z_:
.i.
PA6INACA0 INCORRETA

wmm


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EBZ0A2CX2_WOEK8N INGEST_TIME 2013-03-25T14:50:43Z PACKAGE AA00011611_00019
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES