Relatório apresentado pelo Revd. Frei João Evangelista de Monte Marciano ao Arcebispado da Bahia sobre Antonio Conselhei...

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Relatório apresentado pelo Revd. Frei João Evangelista de Monte Marciano ao Arcebispado da Bahia sobre Antonio Conselheiro e seu sequito no Arraial de Canudos, 1895
Series Title:
Ralph della Cava collection of microfilms on Padre Cícero and popular religion in Brazil
Physical Description:
9, 8 p. : ; 23 cm.
Language:
Portuguese
Creator:
Marciano, João Evangelista de Monte, 1843-1921
Publisher:
Centro de Estudos Baianos
Place of Publication:
Salvador, Bahia
Publication Date:

Subjects

Subjects / Keywords:
History -- Brazil -- Canudos Campaign, 1893-1897   ( lcsh )
History -- Bahia (Brazil : State)   ( lcsh )
Genre:
bibliography   ( marcgt )
federal government publication   ( marcgt )
non-fiction   ( marcgt )

Notes

Bibliography:
Digitized from microfilm; best copy available

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Rights Management:
All applicable rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier:
oclc - 23598790
ocm23598790
System ID:
AA00009770:00001


This item is only available as the following downloads:


Full Text
















































I


JS3


r m


I I m


Lmr;.-3


fc. W .I




m* -. II -I I *-- U" I


F


I


i .


ANTONIO CONSELHEIRO


RELATORIO


APRESENTADO PELO


Revd. Frei Joao Evangelisla de Monte larciano


,
~,


rt~

$






,e ,


AO



ARCEBISPADO DA BAHIA




SOBRE



>- Antonio






SEU SEQUITO O RRIL OS C UDOS
SEU'SEOUITO HOARRAIAL DOS CANUDOS


BAHIA

TYPOGRAPHIA DO ,CORREIO DE NOTICIAS,

S- g55-Praga Castro Alves--55


.1.


1895


*~ 4
'4 ~ .4.
fIB 44


I '


54 .-
*lg'.~


*. .%^j"g ^I


r
r.
i
p
f.


4 P


* IL




-*;, j


4.1


'" ^.. .'


*.k. ~Ly ~~~d


~---


'''
r


:bi ii


''
'r Y, ..
I~ ')
L a,


CI






*V


S 4


'.4' P`~'


4'. K*'


6


t


I


** V


t~sh t.?. *t,,,


!.. tr
1*




I






4'!









1; ,


t'*.*


e
*


A


_J


^ 1


g x'.
... t


.,,


~: .cl
r


i:
,




















Relatorio apresentado, em 1895, pelo Reverendo Frei JoAo

Evangelista de Monte tarciano, ao Arcebispado da Bahia,

sobre Antonio 4Conselheiroe e seu sequito no arraial

dos Canudos


Exm. e rvm. sr.--No ignore v. ex. rvma. de abril, s6 a 13 de maio conseguimos entrar
que o exm. e rvm. sr. arcebispo, nas v
da sua viagem para a vista ad limma
loium, confiou-me a ardua missao d
povoaio dos Canudos, f'eguezia. do.
onde se estabeleceu o idividuo c
vulgarmente por Antonio Conselheiro, -fls a emora e muitos dias
procurar pela pregapo da verdade evangelica, no Cumbe, que ainda fila a 18 leguas dos
e, appelland9 para os sentiments da f6 catho- Canudos.
lica esqu e i ndividuo -diz rofe, ssart A -- distarntes;-t deparavamos s-pre-
mal-o e a ses infelizes assec as aos deveresnuncios da insubordinagao e anardhia de que
de catholcos e de cidadaos, que de todo es- iamos ser testemunhas, e que se fazem sentir
queceram e violam habitualmente corn as pra- por muitas leguas em derreido do referido
ticas as mais extravagantes e condemnaveis, povoado.
offendendo a religiao e perturbando a ordem Tres leguas antes de chegar ao Cumbe avis-N
public. Comprehendendo bem as graves dif- tamos um numeroso grupo de homes, mu-
ficuldades da tarefa, acceitei-a, como filho da lheres e meninos quasi s, agglomerados em
obediencia e confiado s6 na misericordia e no torno de fogueiras, e, acercando-nos delles,
poder infinite d'Aquelle que, para fazero ben, os saudamos, perguntando-lhes eu-si era
serve-se dos mais fracos e humildes instru- aquella a estrada que conduzia ao Cumbe.
mentos, e nao cessa de queer que os mais a e o i a m
inveterados peccadores se convertam e se Seu prmeiro movimento foi lanear mso de
salvem. espingardas e faces que tinham de lado, e
juntarem-se todos em attitude aggressive. Pen-
Munido, entio, de faculdades e'poderes es- sa accalmal-os, disse-lhes qOeramos dois
peciaes, segui acompanhado de um outro re- samsiaccan al-os, qe ssinhaes erado na es-
missionarios que s% tinhanm perido na es-
ligioso,A noafitaaos f V o e, hoje, desem- trada e queriam saber se era'longe a freguezia.
penhada, coo nos fo possive a inumbencia Responderam : no sabemos; pergutem alli,
recebida, venho relatar minuciosan(ente a v. e apontaram uma casa visinha.
ex. rvma. o que observamos e qual o resultado po ramumaasa viinha
dos nossos esforpos, em parte frustrados, para Era uma guard avan ada do Antonio Con-
que tenha v. ex. rvma. sciencia de tudo, e selheiro, essa gene que haviamos encontrado.
providence como for convenient, na quali- Annunciada no Cumbe, A missa conventual
dade de governador do arcebispado. do domingo 5 de maio, a miss que, iamos
Principiarei por dizer que, partindo a 26 dar nos Canudos, nao foi para os abitantes


/









i


S. A4.


:9


OW, -IMIB .^^- ? --- ;*[


f., \


'~Tli
~ '~* -~ ..
2 ... i4Z
I ~~ "rrv*'"~j*:-:~s~~l-l"~":t :


.o
-1


Krr
rsa


.i
I:~k;'~ ':
~~r~ir~Lr : rJ:


'. -^




4' 4. .. -.


if


inquieto eo ooinar ao -mnesn.mo tempo ufmiairw-
e sinistro denunciavam consciencias pertur-
1baas-t iRteu oes- hostis&
Alojamo-nos numa casa de propricdadte do
revm. vigario do Cumbe, que nos aeompanhava
e alli nao havia voltado desde que a cerca de
um anno soffrera grande desacato. Logo, ap6s
a nossa chegada, no decurso apenas de duas
horas pude ver o seguinte, que dA a media
do abandon e desgraca cm que vive aquella
gente: passaram a enterrar oito cadaveres,
conduzidos por homes armados, sem o mi-
Snimo signal religioso. Ouvi tambom_que isso'd
Sumespectaculo de todos os dias e que a morta-
lidade nunca 6 inferior, devido As molestias
ontrahidas pela extrema falta de asseio e, pe-
Snuria de meios de vida, que da lugar ate a
morrerem a fome.
Refeitos um pouco da nossa penosa viagem,
dirigimo-nos para a capella onde se achava
entao Antonio Conselheiro, assistindo aos tra-
ballios de construceco; mal nos perceberam,
os magotes de homes armados cerraram fi
leiras into A porta da capella, e ao passar
mos, disseram todos: aLouvado seja Nosso Se-
hhor Jesus Christo,, sauda~to frequent e corm-
mum, que s6 recusam em rompimento de
hostilidades. Entrando, achamo-nos em pre-


senpa de Antonio Conselheiro, que
do mesmo modo.


saudou-nos


desse povoado uma surpreza a nossa chegada
no dia 13 as 10 horas da manhia.
A fazenda Canudos dista duas leguas do
Riacho das Pedras, no lado opposto a serra
geral. A' uma legua de distancia o terreno 6 in-
culto, por6m optimo para a creagiao miuda,
principalmente nas cheias do rio Vasa-Barris.
Ur kilometro adiante descobre-seuma vasta
planicie muito fertil, xegada pelo rio, na baixa
de um monte, de cuja eminencia ja se avistam
a-casa antiga da fazenda Canudos, a caplla
edificada por Antonio Conselheiro, e as miser-
rimas habitac6es dos seus fanatisados disci-
ulos.
Passado o rio, logo se eneontram essas ca-
sinholas toscas, construidas de barro e cobertas
de palhaa; de porta,. sem janella, e nao arrua-
das. O interior 6 iminundo, e os moradores,
que, quasi nus, sahiam f6ra a olhar-nos, attes-
tavam no aspect esqualido e quasi cadave-
rico as privacoes. do today a especie, que cur-
tiam. Vinios depois a praca, de extensao regular,
Sladeada de cerca de doze casas de telha, e nas
Sextremidades, em frente uma a outra, a capella
e a casa de residencia de Antonio Conselheiro
i A' porta da capella e cm various pontos da
Sprapa apinhavam-se perto de mil homes ar-
mados do bacamarte, garrucha, facto, etc.,
s;a"atidan~-~&. I r llmelhanca de uma nraca


7 ,'


lv,,.-.


I











g


V,


N.
/~


Vestia tunica do azullo, tinha a cabeca des-
coberta e empunhava um bordao: os cabellos
crescidos, sem nenhum trato, a eahirem sobre
os hombros: as hirsutas barbas grisalhas, mais
para brancas; os olhos funds, raras vezes l- .
vantados para fitar alguem, o rosto comprido,
e de uma pallidez quasi cadaverica; o porte
grave ear penitente, davam-lhe-ao todo uma
apparencia quc nao pouco teria contribuido
para enganar e attrahir o povo-simples e igno-
rante dos nossos sertoes.
As primeiras palavras que trocamos versa-
ram sobre as obras que se construiam, e ello
convidou-nos a examinal-as,. guiando-nos a
todas as divisc6s do edificio.
Chegados ao c6ro, aproveitei a occasiio do
estarmos quasi s6s, e disse-lhe que o fnm a quo
eu ia era todo de paz, e que assim muito es-
tranhava s( enxergar alli homes armados, e
nao podia deixar de condemnar que se rou-
nissem num logar tao pobre tantas families,
cntregues a ociosidade e num abandoned e mli-
seria tacs, que diariamente se davam de 8 a 9
obitos.
Por isso, de ordem e em none do sr. arce-
bispo, ia abrir uina santa misso, e aconselhar
dispersar-se e a voltar aos lares e ao
no interesse de cada uln o para )

luo diokiiwfo. a c1apcva c& jlt.-.
de :ganlft, .(iMnda s-^aflf^^ u
ar, jai elles a uema voz clamavam: "(N6s que-
remos acompanhar o nosso Conselheiron. Este os
fez 4alar, e voltando-so jpara nim,_ disse; :E'
para minha defeza que tenho commigo estes
homes armados, porque v. revm. ha de saber
que a policia atacou-mie quiz matar-me no
logar chamado Macete, onde houve Inortes de
um e de outro lado.
No tempo damonarchia deixei-me prender,
porque reconhecia o governor; hojo nao, por-
que ndo reconheco a Republica). ,
((Senhor, repliquei eu, se 6 catholico, deve
considerar que a egreja condemna asrevollas,
e, aceitando todas as formas de governor, en-
sina que os poderes constituidos regem os
povos, em nome de Deus.
E' assim em today a parte: a Franca, quei
uma das pririipaes nacoes da Europa, foi mo-
narchia por muitos seculos, mas ha mais de I
20 annos 6 Republica; e todo o povo, sem cx-
cepcao dos monarchistas de 1h, obedece As au-
toridades e as leis do governor.
N6s mesmos aqui no Brazil, a principiar dos
bispos at6 o ultimo catholico, reconhecmemos o
governor actual; s6mente v6s ndo vos quercis
sujeitar?
E' mnau pensar esse, 6 uma doutrina errada a
vossa),


V
m J



*t,-


TT


I\


.


44
,' V. ^


k'E
14-Ci


C
iir'


Ir~g~u!
C 3.
'1
;rr:,, ; c $


,<)"i


c
e
~.I': 'I~. w- .i




oil I i
-
AP1 -w AW W, S T .




GO .- E="


Interrompeu-me um dos da turba, gritando
cor arrogancia: (V. revm. 6 que tern uma dou-
Strina falsa, e nuo o nosso Conselheiron. D'esta
i vezainda o velho impoz silencio, e por unica
resposta me disse:
,Eu nao deirmoa minha gente, mas tambem
ndo estorvo a santa missed,. Ndo insistino as-
sumpto, e acompanhados da multidao, sahimos
todos, indo escolher o logar para a latada e
providenciar para quo no dia seguinte princi-
piassem os exercicios.
Feito isso, e quandq me retirava, os fana
ticos levantaram-estrondosos vivas a Santissima
Trindade, ao Bom Jesus, ao Divino Espirito
Santo e ao Antonio Conselheiro.
Missionando em varias freguezias visinhas,
eu havia j colhido informacoes sore Antonio
Conselheiro e seus principals sectarios; mas,
estando entro elles, quiz antes de dar principio
Srniniha pregapao, averiguar o que realmente
elles eram e o que faziam.
Do que vi e puvi apurei o que pass a re-
gistrar, para que se aprecie melhor o occorrido.
Antonio Conselheiro, cujo nome de familiar e
\. Antonio Vicente Mendes Maciel, coarense, de
cOgrbranca tostada ao sol, magro, alto de esta-
S tura, tern cerca de 65 annos e pouco vigor
o/ physics, pareeien soflier 'alguma affeciao or-
,/ ganica, por frequentes e violentos accessos de
tosse a que e sujeito.
Corn uma certa reputaco de austeridade de
cotiuntes;envollvem-iio tahbem, e concorrem
para alimentar a curiosidade de que d alvo c o
prestigio que exerce, umas vagas, mas insisten-
t -- ,* -
tes supposicoes da expiacao rigorosa de urn
crime, commettido, alias, em circumstancia at-
tenuantes.
-Niguenriei-piode faltr-Ihe a sOs, porquc seus
pretoranos nio deixam, ou receiando pela
vida do chefe, ou para nao Ihos escapar ne-
nhum de seus movimeritos e resoluqoes.


Antonio Conselheiro, inculcando zelo reli-
gioso, discipline e ortbodoxia catholica, niao
tern rada disso; pois contest o ensino, trans-
gride as leis e desconhece as autoridades ec-
clesiasticas, sempre que de algum modo lhe
contrariam as iddas, ou os caprichos; e arras-
tando pd esse caminho os seus- infelizes sequa-
es, consente ainda qu elles Ihe prestem ho-
nenagens que importam um cullo, e propalem
m seu nome loutrinas subversives da ordem,
a moral e da ft.
Os alliciadores da seita se occupam em per-
radir o povo de que todo aquelte que quizer
salvar preeisa vir para os Canudos, porque
s outros logares tudo esta contaminado e per-
ido pela Republica: alli, porem, nii'mi precise
'abalhar; e a terra da promissao, onde corre
m rio de leite, e sio de cusduz de'niilho os bar-
ancos.
Quem tiver bens, disponha delles o entregue


o product da venda ao bom Conselheiro, nio
reservando para si mais do que um vintenmem
cada cem mil rels. Se possuir imagens, traga-as j
para o santuario commum.
O que seguir isto a risca, terA direitoa ves-
tuario e raEo; e contam-se em takes condieges
para mais de 800 homes e 200 mulheres no
sequito do conhecido fanatico.
As mulheres se occupam em preparar a co-
mida, coser e enfeitar os gorros de que usam
os homes; e a nbite vao cantar BemditoAsna
latada, accendendo fogueiras quando 6 tempo
de frio.
Os homes estao sempre armados, e dia e
noite,montam guard a Antonio Conselheiro; pa-
recem idolatral-o e cada vez que elle transpoe o
limiar da casa em que mora 6 logo recebido
corn ruidosas acclanmaces e vivas a Santissima
Trindade, ao Bom Jesus e ao Divino Espirito
Santo.
SEntre essaturba desorientada, ha various cri-
minosos, segundo me affirmaram, citando-se
ate os nomes, alguns dos quaes eu retive, como
ode Jodo.Abbade, que e alli chamadoo chefe do
povo, natural do' Tucano, e rdo de dous homi-
cidios, e o de Jose Venancio, a quer attribuem
dezoito mortes.
O santo home fecha. os olhos a estas tra-
vessuras e acolhe o
venha a perder a
Quanto a ever
tonio Conselheiro n
ico sacerdotal, ma
exemplo de aproxiar-s s sacramentos
fazendo crer com isto que nao carece dalles,
pem do ministerio dos padres; e as ceremonies
do culto a que preside, e que se repetem mais
A.niud entree osseu- sao mescladasdignaes
de aupersti~ao e idolatria, como I, por exemplo,
o chamado Beja das imagens, a que procedemn
corn profundasprostracoes e culto eguala todas,
sem distinccao entire as do Divino Crucificado,
e da Santissima Virgem e quaesquer outras.
Antonio Canselheiro costuma reunir em certos
dias o seu povo, para dar-lhe conselhos, que se
reseritem sempre do seu fanatismo em assumpto
de religiao e da sua formal opposicio ao actual
regimen politico; mas, ou para mostrar defe-
rencia com o missionario, ou por ter meios de
dar instrttcoes secretas, absteve-se de falar em
publi'co emquanto ei la estive.
Abri'a missao a 14 de maio, e ja nesse dia
concorreram njo menos de quatro mil pessoas:
dos homes, todos os que podium manejar uma
arva hi estavam, carregando bacamartes, gar-
ruchas, espipgardas. pistolas e faces; de
cartucheira a cinta e gorro a cabeqa, na atti-
tud e de (iqem vae a guerra.: 0 Conselheiro
tanmbfm vcio, trazendo o bordlo: collocava-se
ao lado do altar, b ouvia attento e impassively;
mas, como quem fiscalis, e deixando escapar
alguma vez gestos de desapprovaao, que os


2i .


I-


/
, tl

" 4 ;










it
r r










<;'*


4':~


( i
ii


' 0
1 3


_ .. -
I .^ R-- ^




'';


'I,


-- 6--


\1^


S'" .,
r


I
I


J9*


v i


mnaioraes da grei confirmavam cor incisivos
protests. Sueeqdeu isto de um modo mais no-
tavel, certa occasito em que explicava o que
era e como devia fazer-se o jejum, ponderando
que elle tinha por fim a mortificagao do corpo
Seo refreiamento das paixoes pela sobriedade
e temperanca, mas nao o aniquilamento das
forcas por uma longa e rigorosa privapco de
S alimentos, e que, por isso, a egreja para faci-
litar dispensava em muitos dias de jejum a
: abstmiencia, e nunca prohibiu o uso dosli
4 quidos em moderada quantidade. Ouvindoque
se podia jejuar muitas vezes comendo came ao
Sjantar, e tomando pela manhan uma chavena
de caf6: o Conselheiro estendeu o labio inferior
e sacudiu negativamente a cabega, e os seus
principless asseclas romperam logo em apartes,
exclamando com emphase um dentre elles:
S(Ora, isto nao e jejum, 6 comer a fartar.
Fbra essas ligeiras interrupc~es, a missso
correu em paz at6 o quarto dia,em que eu preguei
sobre o dever da obediencia d autoridade, e
fiz ver que, sendo a Republica governor consti-
tuido no Brazil, todos, os cidadaos, inclusive os
que tivessem c.onvicq6es contrarias, deviam re-
conhecel-o e respeital-o. Observ que neste sen-
tido ja se pronunciara o Summo Pontifice, re-
commendando a concordia dos catholicos brazi-
S onclui, declarando
tedi',i hustilisar
ileiro quasi na sua
zesseri da religiao
s e caprichos, por-
1 que a egreja ca oica nao enemy sera nunca
fsolidaria corn instruments de paixoes e interes-
ses particulars ou corn perturbadores da ordem
public.
stas minhas alavras irritaram o animo de
muitos, e desde ogo : comeha raina ze~ir
paganda contra a missao e os missionaries,
arredando o povo de vir assistir A pregapco de
um padre magon, protestante e republican, e
dirigindo-me, quando passavam e aWe ao pe do
pulpito, ameagas de castigo e atd de morte. Es-
palharam que eu era emissario do governor e
que, de intelligencia corn este, ia abrir cami-
nho a tropa que viria de surpresa prender o
Conselheiro-e exterminar a todos elles. E, pas-
sando de palavras a factors, "occuparam corn
gente armada todas as estradas do povoado,
,pondo-o.em estado de sitiode modo a ngo poder
S ninguem entrar nem sahir sem ser antes reco-
/ nhecido, como o fizeram ao proprio vigarioda
freguezia, detendo-o a bocca da estrada, quando
as 7 horas da noite, tendo. se ausentado por
just motive, regressava para os.Canudos.
Roguei aDeus que amparasse a minh, fra-
queza, e, sem me afastar da calma e 4a mrode-
racao corn que deve falar um missionario ca-
tholico, em um dos dias seguintes occupei-me
do homicidio, e, depois de considerar a mali-
cia enorme e a irreparabilidade deste crime,


/


***!

i,




r,:
i
i.. ?


..

r, '
"-<*
d


<


entrei a mostrar. que nao eram homicides s6
os que serviam-se do ferro on do veneno para
de emboscada ou de frente arrancar a vida aos
seus semelhantes; que tambem o eram, at6 cer-
to ponto, aquelles que arrastavam outros a
acompanhal-os em seus erros e desatinos, dei-
xando-os depois morrer, dizimados pelas mo-
lestias, a mingua de recursos e atW do pao,
como acontecia alli mesmo; e, entio, pergun-
tei-lhes quem eram os responsaveis pela more
e pelo fim miseravel de velhos, mulheres e cre-
angas que diariamente pereciam naquelle po-
voado em extrema penurla e abandon. Sahiu
dentre a multidao uma voz lamuriosa dizendo
assim: ,E' o Bor Jesus que os.manda para o
ceo).
Exasperava-os a franqueza e a energia, com
que o missionario Ihes censurava os mausfei-
tos, e nao perdiam occasiao de rugir contra
elle, mas rao se animavam a p6r-lhe maos
violentas, porque havia mais de seis mil pes-
soas assistindo a missao, e a m6r parte era
gente de f6ra que s6 a isto viera e reagiria
certamente se elles me tocassem.
Limitaram-se a injuries, acenos e ditos ame-
aoadores, at6 o dia 20 de maio, setimo da
missao, em que ja nao se contiveram nessas
manifesta6es isoladas e organisatam um pro-
testo geral e estrepitoso do grupo arregimen-
tado. Desde as i1 horas da manhan, odo Ab-
bade, chamado o chefe do povo, foi visto a
percorrer a prava .apitando imrnpvcinte, .onev,
a chamar a soldadesca a postos contra-alguma
aggressao inimiga, e a gente foi se reunindo,
ate que ao meio dia estava a Praca coalhada
de homes armados, mulheres e meninos que,
a queimar foguetes, e corn uma algazarra infer-
nal, dirigiram-se para a capella, erguendo vivas

tonio Conselheiro, e de 1A vieram ate nossa
casa, dando f6ras aos republcanos, magons e
protestantes, e gritando que nao precisavam de
padres para se salvar, porque tinham o seu
Conselheiro.
Nessa desatinada passeiata, andaram acima
e abaixo pelo espaco de duas horas, disper-
sando-se final, sem irem alem. A' tarde, verbe-
rando a cegueira e insensatez dos que, assim
haviam procedido, mostrei que tinha. sido
aquillo um desacato sacrilego a religion e ao
sagrado character sacerdotal, e que, portanto,
punha termo a santa missao, e, como outr'ora
os apostolos as portas das cidades que os re-
pelliam, eu sacudia alli mesmo o p6 das san-
dalias, e retirava-me, annunciando-lhes que se
a tempo nao abrissem os olhos A luz da ver-
dade, sentiriam nm dia o peso esmagador da
Justica Divina, a qual nao escapam os que in-
sultam os enviados do Senhor e despresam os
meios de salvado. E os deixei, nao voltando
mais a latada, nem me prestando a exereer o
meu ministerio em logar on acto public.


'''.f' : t', :.


*-^ 1


i I Fr.,
ff
*H~.-
.^r i :


I w~

r1
-~ i ~Lqf~F::'c'~




II ~l 4~' E~JL ~ ~ llt.51L~


. r


I -


Ssuspenslo repentina da santa mission pro-
( u nos circumstances o effeito de um raio,
ando-os attonitos e impressionados; os que
a nao se haviam alistado na companhia do
Jesus, que nao recebiam do Conselheiro
mida e a roupa, e ndo dependiam delle
anto, deiam-me plena razao, e, reprovando
almente os desvarios de tal gente, come-
m a sahir do povoado, ja queixosos e com-
tamente desilludidos das virtudes do Antonmo
selheiro.
s outros, conhecendo-se em grande mino-
Se avaliando que essa retirada em massa re-
S ndaria em notorio descredito delles,enviavarn-
e as pressas uma commissso, em que entra-
m os mais exaltados, e que veiu pedir-me
nome do Autonio Conselheiro a continuacao
Sa missao, allegando que nao deviam sofl.'er
s innocentes pelos culpados, e q1pe assim fica-
ia o povo privado do Sacramento do Chrisma
de outros beneficios espirituaes que s6 no
fim da missso se lucravam. Descobrindo-lhes ao
i\nesmo tempo a manha e a fraqueza, resist aos
Spedidos, e deixei que o meu acto, mais feliz do
ne as minhas palavras, acabasse de operar a
sper slo daquellas multidoes, presa imminent
dfanatismo de unm insensato, servido por
imbecis ou explorado por perversos.
SHaviam-se feito j~, quando encerrei de cho-
fwe os trabalhos da missso, 55 casamentos de
amancebados, 102 baptisados, e mais de 400
. confissOes. -- ...-
No dia em que deviamos partir, fui pela
manhan chamadopara uma confisslo de enfermo
e acudi sem hesitaqo, seguindo uns homes
armados que tinham vindo chamar-me a esse
fim. Chegado A casa, interroguei o doente se
queria confessar-se, e, respondendo que sim,
pedi aos takes homes armados que sahissem


a nao ouvir a contiss:o. lles nao se mo-
veram, e um perfilou-se e bradou <(custe o que
cuistar, ndo sahimos.,
Observei, entso, ao doente que nem eu po-
dia ouvir a confissso, nem elle estava obri-
gado a fazel-a em taes circumstancias; e im-
mediatamente retirei-me, protestando em voz
alta, da porta da casa e na rua, contra aquella
affrontosa violalso das leis da religiao e da
caridade.
Redobrou entlo a furia daquelles desvaira-
dos, e, vomitando insultos, impreca(ges e ju-
ras de vingan-a, tomaram a entrada da casa
em cjue eu me hospedara e onde ja me achava.
A minha misslo terminara: a seita havia le-
vado o maior golpe que eu podia descarregar-
lhe, e conservar-me por mais tempo no meio
daquella gente ou sahir-lbes ainda ao encontro,
seria rematada imprudencia sem a/ minima
utilidade. Os companheiros de viagem espera-
vam-nos corn os animaes arreiados nos funds
da casa: dando costas aos miseros provoca-
dores, de 1A mesmo seguimos, e, galgando a


7-

estrada, ao olhar pela ultima vez o povoado,
condoido da sua triste situacao, como o Divino
Mestre diante de Jerusaldm, eu senti uim aperto
n'alma e pareceo-me poder tambem dizer-lhe:
,Desconheceste os emissaries da verdade e
da paz, repelliste a visit da salva o; mas..ahi
vem tempos em que forqas irresistiveis te sitia-
rio, brago poderoso te derrubard, e arrazando
as tuas trincheiras, desarmando os teos esbir-
ros, dissolvera a seita impostora e maligna
que te reduzio a seo jugo, odioso e aviltante,.
Hoje, long dessa infeliz localidade, e po-
dendo informal sem resentimento e cor toda
a exactidao ejustiga, eu recapitularei o exposto,
dizendo o seguinte:
A missao de que fui encarregado, aldm da
vantagem de apprehender e denunciar a im-
postura e perversidade da seita fanatica no
proprio centro de suas operagces, teve ainda
um benefico effeito, que foi o de arrancar-lhe
innumeras prezas, desenganando a ons das vir-
tudes suppostas e premunindo outros contra
as doutrinas e praticas abusivas e reprovadas de
Antonio Conselheiro e de seus fanatics discipu-
los. Desreram delle e felizmente jA abandona-
ram multidaes consideraveis de povo que,
regressando a suas terras, maldiz da hora em
que os seguiu, e vai resgatar o seo erro ela
obediencia as legitimas autori
balho.
Onde nao chegarem as vou
ram tao amarga experiencia, .
palavra autorisada dos pastor'es
nunciando o character abominavel e a influencia
malefica da seita, e ella de certo nao lograrA
fazer novos proselytos.
Entretanto, comprazendo-me em consignar
ue s6 si conservam actualmente ao lado do
,onselheiro aquelles que jI estavam encorpo,
rados na legiao por elles intitulada Companhia
do Born Jesus, no interesse da ordem public
e pelo respeito devido a lei, garanto a inteira
veracidade do que informo e accrescento:
A seita politico-religiosa, estabelecida e in-
trincheirada nos Canudos, nao 6 s6 um foco
de supersticlo e fanatismo e um pcqueno
schisma na egreja bahiana;6,principalmente,um
nucleo, na apparencia despresivet,mas um tanto
perigoso e funesto de ousada resistencia e
hostilidade ao governor constituido no paiz.
Encarados o arrojo das pretenqdes e a sobeo
rania dos factos, pode-se dizer que 6 aquillo
um estado no Estado: alli nao slo acceitas
as leds, nas sao reconhecidas as autoridades,
no 6 admittido a circulago o proprio di-
nheiro da Republica. I
Antonio Conselheiro conta a seu servico
mais de mil companheiros decididos: entire
estes os homes, em numero talvez de oitocen-
tos, sempre armados, e as mulheres e crean.as
dispostas de modo a formarem uma reserve


.4-


Ii
I)


' P


a- -u
."


'a:
9 1*

K~4






b t.
4


- ----~------


.%:
Uf
i~
'Jeg


4f
',i

tj' ^


{.I


.~.
m
,
;b' ~.' t :~R.j


P.- .-






"~ ~ *~' ,- rir ,
... .~ ., ., ;


h A.
,,' 1J~.


I


I











.10

































I.
|'y



















^ja I


que elle mobilisa e poe em p6 de guerra, quan-
dd julga preciso.
Quem foi alistado na Companhia difficil-
mente poderA libertar-se e vem a soffrer vio-
lencias, se fizer qualquer reclamarao, como
succedeu durante a minha estada a um pobre
coitado que, por exigir a restituicao das ima-
gens que havia trazido, foi posto em prisio.
A milicia fanatic so da entrada no povoa-
do a quem bem Ihe apraz; aos amigos do go-
verno ou republicans conhecidos ou suspeitos,
ella faz logo retroceder ou tolera que entrem,
mas trazendo-os em vista e prompta a expul-
sal-os; quanto aos indifferentes e que nao se
decide a entrar na seita, esses podem viver
alli, e tim liberdade para se occupar de seus
interesses, mas correndo grande riscos, e
centre elles o de serene algum dia inesperada-
mente saqueados os seus bens em proveito da
Santa Companhia: sorte esta pouco invejavel,
que ainda recentemente, coube a um certo ne-
gociante que 1A se estabelecera, vindo da cidade
do Bomfim.
Naquella infeliz localidade, portanto, nao
ter imperio a lei, e as liberdades publicas es-
tao grosseiramente coarctadas.
0 desaggravo da religiao, o bem social e a
dignidade do poder civil pedem uma provi-


Noticias- 1895.


* ,


3
t .


: !


S'\ 1


-


~I'

I


Bahia--Typographia do Correio de


A I.


44. c
.L~
r. I ~


dencia que restabeleca no povoado dos Canu
dos o prestigio da lei, as garantias -do cult
catholico e os nossos f6ros de povo civilisad
Aquella situa~ao deploravel de fanatismo e d
anarchia deve cessar para honra do povo brazi
leiroparao qual 6 triste e humilhante que;aind
na mais inculta nesga da terra patria, o senti-
mento religioso desca a taes aberra6es e o
partidarismo politico desvaire em tao estulta e
baixa reacgso.
Releve-me v. ex. revma. a rudeza das con-
sideracoes que expendi e a -prolixidade desta
exposigao, cujo intuito 6 mostrar o quanto es-
forcou-se o humilde missionario por desem-
penhar a tarefa que Ihe foi confiada, e intei-
rar a v4 ex. revma. do quanto occorreu por essa
occasiao e da attitude rebelde e bellicosa que
Antonio Conselheiro e os seus sequazes assu-
miram e manalm contra a egreja e o Estado;
afim de que, dando as informnac es prestadas
o valor que merecerem, delibere v. ex. revma.
sobre o caso, como em seu alto criteria e reco-
nhecido zelo julgar convenient.
Deus guard a v. ex. revma.
Exmo. e revm. sr. conego Clarindo de Souza
Aranha, digno governador do arcebispado dd
Ballia. Frei Joio Evangelista de Monte Mar$
ciano, missionario apostolico capuchinho.,


rs 5
yr
s~


*" `* t


., I"


' ~irc~
i-


.I,























































































































































~sa:.w *'~*


I'. b4


.r 1


a. 4, '
*;
3 44


1, .








!' *t
1 ~'l"'

c ^










** *







Jp




^:i

v-' ^R




^f?
tf ,TI ^


rjj
h.





b I
s'


*.V


I.6 "


S.


f -1, V
fr^, 1. '




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUQGJ25K8_0TV4O4 INGEST_TIME 2012-03-02T22:03:48Z PACKAGE AA00009770_00001
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES