<%BANNER%>

UFLAC



Voz da religiao no Cariry
ALL ISSUES CITATION THUMBNAILS DOWNLOADS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00008749/00032
 Material Information
Title: Voz da religiao no Cariry
Physical Description: Newspaper
Language: Portuguese
Creator: unknown
Creation Date: August 26, 1869
 Subjects
Genre: newspaper   ( sobekcm )
 Notes
General Note: Newspaper issues from the personal collection of Pe. Cicero Coutinho, Juazeiro do Norte, featuring articles on Padre Cicero.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution.
System ID: AA00008749:00032

Downloads

This item has the following downloads:

( BRIDGECACHE )

( BRIDGECACHET )


Full Text

ANNO lQ INTA-FEIRA 6d t AGOSTO DE 16089


3. 85.


A VOZ DA RELIGIAO MCAR 1RI.


ASSIGNATURAS.
CRATO. 5 000
OUThIOS PONTOS 6:000
NUMElO AVULSO 120
Public se os Domiigos.
As puliican6es de pArticular
ingtersse pagard 6 00 reis
por cala slliiha, sondo de
assignantes.


ITE ET DOCBTI OMNS GENTES.
Ideem todos os pontos, ensinae a todos os pnvos.
.
SfB 0o AUPICIOS 0O
PAI)itI JOSeI ANTONIO DR MARIA IBIAPINA
I RbDACXO )DE
Jost JoAQum TI LLS MIARnOCOS.


PARTIDA DO CORREIO.
0 correio particular da VnI
DA REIGIAO, psrtird na I 1
e 8'. dominga de cads mes
para todos os pontos do Ca.
rAr novo:
Ba rbalha, Misln veolha
Milagres, Porteiras, Goyan.
ninba e Jardim.


LOUVAD JA 0 DV E AMOROSO CORAA0 DE ARIA'
BENDICTO CE LOUVADO SEJA 0 DEVINO E AMOROSO CORAI AO DE MAR I.A'


O! CoaAvIo UA MAAIA I
Ardente em divino anior,
Do Ceo honre e altgria,



Mle minha, mandas que t' a me
AI t'-me o teu CoriqAn;
SouT amor o meu inflame,
0 consuma em dilecg "ol


Ob f1eiz quem to conhece,
Quem to louva cornm fervor;
Quem nunca de, ti se esquece,
Quando soffre ancias a dor.
MawI


Depois do Coranlo terno,
Do divino iRedemptor,
Ao hae outro tAo maternoo,
Que merega nossO amor I


Do coo a' eclipses a belless
Ctomparadia 4 que l toets 1
Do sol fences a pdresa !
Mais que .a terra encerras bens.


E's o putro sanctuario
Oade DEUS mais se compraz!
E's o bundito sacrario,
I' onde vemin .ais vida v paz.


Pol Maria,
No tmllpu


de menina,
'e otffreerecer I


Nunca offerta foi tAo digna
De em altar apparecer.



-Alii qne to prepares,
0' t(o puro oracAo !
Por virtues as mais ranrs,
A series de DEOS mansao.


Oh! que gzsoo, qua dilicia,
Que pasmus, qu delecSiao,
Quando em ti pulsar ventias
De Jesuz o Ceragio .


Anjos, vrode a maravilha,
Contemplai um Iovo cdo !
No Ceraglo ds Maria
Adorae uram Homem.DEUS.


Sn6s, filhbos do peccado,
Fracos, semrtpre a pirigar,
.' aquelle asylo sagrado
Nos vamus sempre abriger.


Coraglo de MIae o terna,
- Ei ti deixa- nost utrar I
S"a. gloria sempitersa ,
DLnos de emTi descausar,


0' Coraclo d~ 'Maria
Ardentr o diviao amOr,
Scd o hunra alaegia,
Dos mortesm coUsolauor.


r







A A VOZ DA M~LIGIAO 3O CArIItI


INi'C.DIO NO CALDAS. Uma corta, quo aca-
barmos de ler, datada m 19 do corrente, no0ida
quo pla dues horas d'esse dia incendiara.se a c4-
si grande feita p,,r occasiao das missOes no Caldas.
e que servi de bespedaria sob diverse romeiros quo
alli iao ter.
0 fugn f.4i active a n'um moment reduzio di tin-
zs t,)tIa plkha da fcas, e pasou-se pars a Capella,
que fica quase anipxa, mas ( parece inicrivel !) nao
offendeu nada, dtlxando apeOas as palbas do lec-
to tinciad de preto.
Fomto inuteis todos os extorgns empregados para
impedir o' fgo, e o prejtiizet, qu ellht ojuzu, so
avalia em males do um colto oe reis.
Esta certa, que nns refirimns trainsmittlndo esta
noticia, 6 do S.' Ten.' Ce.' Furtado, proprietarjo e
moradur do Caldas.


COMPOSICES MUSICAL'. A musi.a Sagraada do
Internsto contiluda sob a direcio do aluueuo.mestre
Maneel Felix de Moura, e apprezents progreswo,
geoto e approveitamento.
Entre as diversas tocatas sobre-sahem as que tpm
95.o10 o res tivo professor, a que sAo conhe-


I


a.' -- N. SEiHORA Da PENK
a 6. 0 Vice-director do Internato


9. 0 INTERNATO
t 10. -0 Venpravel Padre IBIAPINA
A' estas so vem junctar uma ontra composiglo,
do S.' Raymundo Nonato da Silva Saldanba, sob
n. 11 coum o nome P.* M.* Rolim.
E' tUo bern uma peca important e agradavel, que
fes honra a iutelligeucia do author.


ESMOLA GRANDE. 0 Senbor Pedro Jo:d Gon-e
salves da Silva praticnu mnais um acti de genrrosi-
d de e philantropia christen, que muito enobrece a
hour um coraclo come o seu.
A saneta Casa de Caridade acaba :de recabur plas
segunda vez a esmola de quinheltos mil r.s em fazen.
das pelo prego 4da facura em Pernambuco.
Conta.uos que so propoem ainda a dar Mais
5000000, si a irectoria do pio estabelicimento Ile
var a offeito a projectada compra de um sitio (o Pi.1
mental do Major Bilhar) para patrimonio da Casa.


CORRESPONDENCIA PARTICULAR
DA.


SYoz da Hleligisp no Cariry.
,-b-0 _2


Roma 12 de Junho do 1869.

I' da cMdade eterna, que foi a capital do velbo


mundo nos tempos ferrenihos da dominagIo dos
tyrauinos, e hije ainds a d le do mundo novo
sob a regencia do successor de Pedro; que tra-
Samos estas lihbas e estreamns a nmissgo de cor.
respondents da V.z da I eligifo no Cariry 14
nis cwntrus remotos e longiquus da America-me.
ridicional.
Saudando de cor-ao o prin eiro journal religioso
que apparece noa terra de uei.a cars patria, e
que taito promette pilo s'u liin itileiremenite hu-
manitario, farumos IAo bem o inisso prn graminma
IA qu. idsade de sd u correspiindlnie, prgramnma
qua se rezi.umo m dluas palaias Justic a cari-
dede --
E' poise pelos sou. prircipios que daremos sempre
o s u ao seu douo, expoi no os fc'tos co.m vurdad8
A precizAo, e quando ells e r(filirem 4s graves
quest6es com que n a actuhlidad e so procura e f.us.
sit, novos embaracos 6 causa d.a igreja, e d saicta
a*., tnunca teremos ufia plalvra d1e caimonia ua dO
malevolencia contra os inimigos e agressures da igre.
ja, onde n6s, e elles tenlus naecido e vivido.
An assuuipIo: cnmecemos pno cllegjo Pio Lati.
mn Americnse que e bije o object d' atlnceat o ge.
ral de today Europe e da Awierica, e quI tem at.
trahido tantos luminos de todas as prices.
.sa E f t wirtto literpario, o prirfoja, ,
M -1f 7 i-f. .... ...;j"i "tii-& ,'-'


, a -,.2 t q F l FOWWRIVfu reffgfosa
litterana quo dd aos sbus erduiliidol esid sob A
immediate protecqAo do granr/e h'io IX, e direcao
dos Padres da Compagihia de Jesus.
0 Immortal Chw-fe da Igreja disvela-se pela fellei.
dade do collegian e de seus aluinnos corn uma d.,
dicagIo que vai aid o sacrilicio.. .
Ainda, ha pouco, deu para o collegio urm bell0
e rico silio. com excel leie s'brado junto As ura
lhas de Roma, oide os estudanies v passar dias
em fer;as menores.


E alem desta grande dadiva, tern feito Outras
nuiltas, chegando mesmo a puonto de mander aod
seus alumios pratos de su, mesa. Coit.


Ll'TEATtRA.


CANTICO INAUCUR AL PARA A CASA DE
CAlIDADE DE MILAGlHE


Salve, 6 dia memoravel,
Que o .grande rnridjiu feieba
0 triumnpho glrioso
Do Chefeda isancta Igreja


Para n6s Milagrenses,
E' dia de immoirtl gloria;
SIia empire celebrado
Nus aunaies dii uudat historic,


I


1.


i







A VOl DIAs IL


Velbho, mogo, afflicto, ou pobre
Em cruel necessidade,
Todos tem consul so
Na Case da Caridade


10
Sim, aqui today ventnra,
Doce paz, terna alegria,
iExtste; pois aqui mora
0 Coreto de Maria !


Vinde pois tod s, que soffrem
liivucar a virgern Pia s
Yinde que aqui vus espera
0 Cura Ao de Maria


SSalve, 6 dia venturoz -I
SlveP, 6 tenipl.) d alegria !
Salve, 6 leriuoe senpi e amaval!.
0 Coraqao de Maria I
i.* Verso para u povo
Como surge no Orizonte


sol claro, e radios,
A vinte e nove de Junho
Surge o dia venturoso.


8
Neste dia umrn poo immense,
Cheio ide flhicidade,
Asqistia a intalaylo
Da Case da Coridade


0 sld surgia d nnnoso
ie bellczs, e ma gistlae !
Vinha ver a grade fpsota
Da Caza da Laridade


Todos o0 enS es sensiveisl
VWm ver o DEUS dobondade,
Derramar sons benIficios
Na Casa da Caridade
6*
Pobre menina deixada
Na mizeria e orphandade
Vem sachar Me carinhosea
Na Casa da Caridade
7..

Do mundo a tirpe maldade
Veim guardar sua pureza
4a Casa da Caridade 1


Mulher, que chors dos crimes
A lorpeza e feialdade
Encontra balsaino sancto
Na Casa da Caridade.
9.


il~cl ll


aste Misterio divine,
Que 1V6 nov dais em penbor,
Seja gors e para seni pre
0 meu pure, e$ S ato Amor I


3
Imitando a vnssa amavel


n km quauto durar-me a vida !


86 a V6s, 6 meu Jesus,
Quero sempre unida estfir:
N em voesa formomsure
MiuSha alma quero unlvar I


Eu "as dou eternias graas,
m euD 'DEUS, e Seaibor,
Por tlaitas misericordias
Quo maindes em meu favor I


V.


A' ASSUMP O10 DE NOSSA SENHORA.
SONETO.
Quern esta que vai p'ra o Co subindo,
Qual aurora quo bella verm raiando,
Qual a lua, que apeinas d.spoitanido
Cornm eus raitaj a Tirra vai cubrinduo

Quem 4 eats a quoe s Anjos applauidindo
Mil canticus de prazer v&v eatutiadu?
Quem d emia, que aromas espalbando:'
Vai lao cheia dv gracas refulgiudo

E* Maria, quem sobe gloriosa,
A chave da Trindade Sgacru-santa;
Do Jardim da Purezs a liida lousa:

Maria, cujo Nome o Averbo espanta,
Maria dos mortars Mae cariuhosa;
A quem as Ceus, u a Terra adora, e tanta.
(Do Noticiador Cfathilico,)


.. . '-: lr Hi iIIIWIHl-M-H .- - ,i^.


,I


Milagres. D.

EU VOS ADORO, MEO SENHOR JESUS CHRISTO
SACOAMENTA)O0
1.*
Corn a minha face em terra
Vos adoro, fmeu Senhor,
No Santissimo Sacramento
Em que eslais, pur vosso am. r


.








A VOZ Di RELIGION NO CAMRR.


4 '_f"______


Cabindo nas pedras
Nos trilbos, no chao!

Sois a facbo que DEUS nos mando '
Pare ver o Caminhbo da Cruz,
Sois o Apostolo que DEUS envious
A'firmar-nos no fd de Jesus,
Inds debeis na f6, que, faremos?
Quantas pedras, meu DEUS, cahbiremos ?
S6 V6s dos Milagres
O' Virgem sem par !
Nos rdareis a mAio
Para os segurar!
3.
Ai, nao deixes, 6 pai amorosot,
Vosso8 filhos em triste atfliccao I
Ai, nDo seja este adeusltAo penoso,
. De comprida, mortal, duraVlv !
Volve os othos a n6s 1 e, por DEUS!
Ai', mo seja este o ultimno adeus I
Volve a terra. amada
Do teu Cariri!
Cujo Apostolado
S n d0


DESPIDIDA DAS IRMAES DE MILAGBES.
1.*

Como flea. a orpbanzinha,
Quando perdl a Mae querida,
Assim t66 hbje ficamos
De nosso Pat psaltidar
ESTRIBILHO
Sem Pai outra vez!I
Que dupla orphandade ?! !
Mandai-o, meu DEUs,
A' n6s por piedade I


A aurora quehomtem surria
De nessa felicidade
loje vern chorar comnosco
Nossa segunda orphandade !
3,0 *
Ai, eu DEUS, nio permitaes,
Por voss0 immense bondade,
Que essa auzencia so prolongue
Nao, meu Deus! por piedade
4..
Agora o primeiro passo
Vamos dar no vosso. amor!
Mas, sem Pai, sem nossa Guia,
Que sera de o6s, Setihor?! I

Levai-o na vossa graca,
Pois ellde .digno de TV6s
Mlostrai-o as outrat ftibas,
Traze!-ooutra vez a N6s
o .o sa' .


6,
E v'u, 6 Pat amo oso,
Lanaln|i-.os voa benlio,
Becebei nnsos suspiros

O

Oh, mandai-me, V rgem Slanct,
Lindas flores de virtude,
Para tecer umra co*6a,
A qual jamais soe d mude.

Mandai me, em logar da rosa
A pureza, e virgindide,
Em vez do roau perpetus,
Linda floor de castidade.
3.


E trneai-me pelo cravo
*A flor de casto pudor,
A linda fl6r de. innocencia
Eo cndido lirio d'amur:

Dai-me, em logar di bonina,
Mimosa fl6r de clemencia,
Singella flor de caondura,
'. 1. -r .


Gravai a fl6r de humildade
Dentro do meu cora`Ao,
A linda fl6r de tlerlurs,
Sancta fl6r do devo~ao:

Estas fl6res juntarei,
Se me for isso possivel,
Para tecftr umra n r'i6a
Quu se torn immarcecivel.
7..


Agoro you offerecer
SEm signal de gratidlo
Esta cor6s tao singella,
Tecida por minho mAo.

A meu Pai Ibispina
Cargo pai Espiritual
Para que me aleanceum cantinho
Na Patria Celestial. Amen.
Seraphina.

ANNUNCIO.
0, 09, Did i ,: ;..
0 abaixo assignodo, padeiro, resident na cldade
do lc6, e presentimente nesta cidade, avisa ao res.
peitavel public, que acha se com seu estabelimento
de padaria no rua do fogo em uma casa contigua
ao sobrado do Ten.' Ce' Semiao T. de M, Juru.
mlenha, nonde deve ser procurado a quialquer hora.
0 mesmo abaixo assignado promette desempenhar
sua prohissao cornm too z61o. tend de accrescentar,
'que relativaniente a0 arligo bolaxas, pretend vender
pelo mesmo prego do 1c6.
Crato, 11 de Agosto de 1869.
Joaquim Jose de S. Aiia Muritiba.

Crato Lrago de Matris Typ. do Internato: imp'
por Deus-dedit Joaquim Marrocos fellis.


,/ r
[r 'l i -
.:'


1


E- -a .----


l


-I- "z" -r


o


c-