Citation
Jornal pessoal

Material Information

Title:
Jornal pessoal
Creator:
Pinto, Lúcio Flávio
Place of Publication:
Belém, Pará, Brazil
Publisher:
Lúcio Flávio Pinto and Luiz Pinto
Publication Date:
Frequency:
semimonthly
regular
Language:
Portuguese
Physical Description:
v. : ill. ; 31 cm.

Subjects

Subjects / Keywords:
Politics and government -- Periodicals -- Brazil -- 1985-2002 ( lcsh )
Genre:
serial ( sobekcm )
periodical ( marcgt )
Spatial Coverage:
South America -- Brazil

Notes

Dates or Sequential Designation:
No. 1 (1a quinzena de set./87)-
General Note:
Title from caption.
General Note:
Editor: Lúcio Flávio Pinto.
General Note:
Latest issue consulted: Ano 11, no 188 (1a quinzena de junho de 1998).

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Copyright. Permission granted to University of Florida to digitize and display this item for non-profit research and educational purposes. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions requires permission of the copyright holder.
Resource Identifier:
23824980 ( OCLC )
91030131 ( lccn- sn )
Classification:
F2538.3 .J677 ( lcc )

Downloads

This item is only available as the following downloads:


Full Text

PAGE 1

o aJUSTIA O golpe dos bilhes Uma das mais escabrosas e inacreditveis histrias da justia do Par foi concluda no dia Justia, unanimidade, condenou as za pena de aposentadoria compulsria pela conduta negligente em uma tentativa de golpe bilionrio aplicada por uma quadrilha de estelionatrios ao Banco do Brasil, em 2010. A histria comeou com uma ao surpreendente proposta pelo propriedade que ele pretendia garantir para si no era um imvel, rural ou urbano, como seria de se esperar. apossar de 2,3 bilhes de reais (R$ 3,3 bilhes em valor atual). Alegava que essa fortuna estava na sua conta -Foi s por negligncia e imprudncia em decises que tomaram sobre 3,3 bilhes de reais que as desembargadoras Marneide Merabet e Vera Souza foram punidas pelo CNJ? A aposentadoria compulsria de ambas encerra essa incrvel histria, a de maior valor na histria do judicirio brasileiro? recebesse a ao e a deferisse. A juza (hoje desembargadora) imediato, apenas quatro dias depois de distribuda a ao, instruda exclusivamente por cpias, e sem que o inacreditvel valor em causa pronar, sem consultar a parte, nem o o Banco do Brasil se abstivesse de movimentar os R$ 2,3 bilhes, que pertenciam ao autor do usucapio. O no cumprimento acarretaria a multa de R$ 2 mil dirios. Foi um corre-corre no banco, que despachou seus advogados para um contato com a juza da 5

PAGE 2

2 do extrato bancrio, fabricado por quadrilha especializada em golpes contra a instituio bancria. apenas com pequenas variaes no dores diversos e a prtica de acostar-se apenas cpias documentais ao feito. A fraude j fora reconhecida em sentena nos autos de processo semelhante que tramitou na justia do Distrito Federal. deu a deciso por presso de cima. de processos conclusos s varas e gabinetes, informou depois, em sua jogaria fora cerca de 33 anos de mao pedido de reconsiderao formulado pelo banco. um instrumento chamado agravo regimental, juntando a sentena da justia de Braslia. Relatora do caso, bet indeferiu o pedido do BB de suspender o efeito da sentena de prideciso judicial anexada aos autos, exigiu que o Banco do Brasil comtava de uma fraude e que o dinheiro alegado no estava depositado nas contas do autor da ao. do tribunal, o banco formulou queixa corregedora nacional de justia. deferiu a liminar e determinou a susobservou que as magistradas no se portaram com a prudncia, serenidiante da farta documentao sobre a prtica de fraude, atestada em sentena judicial anterior. foi constatado que o nome da dedo marido dela constavam da agenda telefnica do autor da demanda. nico dos investigados, durante o suposta prtica de crime de corrupo passiva por parte das duas magistradas, foi localizado um contato da demanda e com o advogado que atuou nos autos antes da distribuio do feito. J a Receita Federal detectou indcios de movimentao financeira irregular por parte da desembargaOito dias depois da concesso da valho Lobo, que representou o autor da ao, protocolou o pedido de timado a se manifestar, o Banco do mas sem prejuzo das providncias necessrias de ordem penal e administrativa. A juza ento homologou a desistncia. ar a cobrar providncias, e de acusar a juza de ter desconsiderado laudo e deciso provenientes da justia do Distrito Federal porque tanto o laudo como a somente foram apresentados nas peties de defesa, A gravidade deste caso muito maior que parece Os textos a seguir tomaram por co, dado em 2011, que serviu de base para a punio das duas magistradas. Apesar do desfecho da histria, parece que prevaleceu a posio corporativa de encerrar tudo com a maior das puaposentadoria compulsria (com uma penso de aproximadamente 30 mil reais), sem aprofundar a investigao. za no usou de cautela e prudncia, exigidas em uma inusitada ao de cerbada negligncia da magistrada no seu dever de cumprir e fazer cumprir com serenidade e exatido todas disposies legais, seja ao deferir a medida liminar nas condies j descritas, seja ao quedar-se inerte face s irregularidades a ela relatadas. Para o relator, a desembargadora demonstrou falta de prudncia e cautela, manifesta negligncia e parcialidade na conduo do procedimento judicial dotado de peculiaridades, conduzido por organizao criminosa contra o sistema das na apurao dos fatos mostram punio exemplar na rea penal poderia inibir outros casos semelhantes na justia do Par, como espero demonstrar nestas reconstituies dos PALAVRA DA DESEMBARGADORAalegou que, no exerccio do cargo, recebeu os autos e analisou o pleito diploma legal que recomenda cautela em processo em que se discute relao de consumo. momento foi induzida a erro pelos membros da quadrilha, acreditando que atuou na demanda. Asseverou que jamais poderia a tranhar os valores com que lhe apor tara o pedido de liminar, uma vez que o autor juntou extrato bancrio (que somente foi desconstitudo aps prova complexa). Aduziu que a sua deciso no causou qualquer prejuzo ao Banco cuir-se no livre convencimento do magistrado. Alegou que a procurao outor gada nos autos da ao de usucapio excepcionou o advogado apenas da

PAGE 3

3 prtica dos atos de recebimento de valores, dar quitao ou fazer acordo. Alegou que o uso da expresso presso de cima est sendo covardemente manipulado pelos advogados do Banco do Brasil e que as medidas 822/DF no lograram constatar qualquer elo entre a juza e os membros da quadrilha.DECISES INACREDITVEISUma pessoa, cujo comportamento suspeito vinha sendo divulgado pela imprensa desde o ano de 2007,ingressa com uma ao de usucapio de dinheiro. Argumenta que foi efetuado um bilionrio depsito em sua conta corrente h mais de trs anos, sem contestao judicial ou exreconhecida a sua propriedade sobre essa quantia. Distribudo o feito, a magistrada que recebe a ao concede liminar inaudita altera pars [sem ouvir a outra parte ] determinando que o Banco do Brasil se abstenha de movimentar R$ 2.307.777.919,43 (dois bilhes, trezentos e sete milhes, setecentos e setenta e sete mil, novecentos e dezenove reais e quarenta e trs centavos), sob pena de multa diria. da de primeiro grau, em sua liminar, vezes que o dinheiro existe e que o autor tem direito sobre o numerrio. Considerando a existncia de fumus boni iuris (direito do autor de garantir os valores depositados em suas contas bancrias no Banco do Brasil) bem como o periculum in mora (prejuzo do autor se houver movimentao de mais valores), dero o pedido de liminar para que o Banco do Brasil se abstenha de realizar qualquer movimentao no valor de R$ 2.307.777.919,43 depositado nas contas do requerente sob pena de multa diria de R$ 2.000,00. A falta de cautela permite, inclusive, que terceiros sejam induzidos a erro quanto efetiva existncia do dinheiro nas contas do autor da ao gistrada), propiciando indevidas cesem petio juntada aos autos quatro dias antes da juza homologar o pedido de desistncia, formulado por Ainda em relao falta de cautela, tem-se que a incomum ao de usucapio de dinheiro de origem desconhecida foi proposta por terceiro com base em substabelecimento de procurao que lhe concede poderes atos, inclusive movimentar os suposmava existir. Interposto agravo de instrumento por parte do Banco do Brasil, a decidiu o recurso sem a prudncia exigida para todo magistrado e, por meio de deciso proferida com par ciso liminar anterior, exigindo da prova negativa. tuao que revelou proceder incompatvel com o que se espera de mapresso de cima. da sentena proferida pela justia do Distrito Federal, que atestavam a falsidade dos documentos juntados com a inicial, a juza postergou o exame do pedido de reconsiderao formulado pelo Banco do Brasil, submetendo ao nus de ter que provisionar a quantia discutida na demanda para o caso de eventual deciso judicial que determinasse a liberao do montante. de desistncia, formulado na ao de usucapio, revogou a deciso anteriormente proferida e atribuiu efeito suspensivo deciso da magistrada de adotada de ofcio pela juza, quando estava de posse dos documentos que revelaram a tentativa de golpe na justia do Distrito Federal. do Banco do Brasil ao formular pedido no rgo, o processo ainda esencontrava-se em vigor (tendo sido enfrentado pela instituio financeira permanecia latente.BILHES IRRELEVANTESDilogo travado durante o deSubprocuradora-Geral da Repblica A senhora se deu conta que mais ou menos dois bilhes de reais ele [o autor da ao ] seria quase um scio, alis, seriam scios do Banco do Brasil? Depoente disso depois que o Banco do Brasil se manifestasse. Subprocuradora-Geral da Repblica ele pediu dois bilhes e alguma coisa e a senhora deferiu o bloqueio sem nenhum questionamento de dois bilhes, no me lembro o restante, que seria uma sociedade da pessoa com uma coisa lgica. Depoente sim. Subprocuradora-Geral da Repblica Depoente A FALSA PRODUTIVIDADE sobre o fato de ter levado quatro dias para proferir a deciso liminar que impediu o Banco do Brasil de transferir o valor de R$ 2 bilhes, declarou que essa era a rotina adotada na 5 minha produtividade, tanto na vara quanto no desembargo, a maior produtividade era a minha.. outubro de 2010 havia 867 processos aguardando andamento h mais de 100 dias e 3.706 processos na vara da novembro de 2010 havia 915 processos aguardando andamento h mais de 100 dias e 3.796 processos na vara. 1.034 processos aguardando andamento h mais de 100 dias e 3.819 processos na vara.

PAGE 4

4 dando andamento h mais de 100 dias, a ento juza concedeu a liminar pleiteada nos autos da ao de usucapio especial de dinheiro em apenas quatro dias.O RISCO FINANCEIROA concesso da liminar em favor dos autores criou situao temerria para o Banco do Brasil e para o sistema financeiro nacional, pois ao determinar que a instituio bancria se abstivesse de movimentar a quantia de mais de R$ 2 bilhes, teria que reservar referida quantia como forma de se precaver de futuou desfavorvel, sem falar na insegurana jurdica gerada pela deciso, pois demonstra que qualquer petio bilionria ser atendida sem O maior temor do banco era de que os agentes que montaram a ao de usucapio especial cedessem para cido em deciso liminar proferida pela juza, criando situao de risco para o BB e para o sistema financeiro nacional. O intento da suposta quadrilha era o de tornar aparentemente legtima, com chancela judicial, situao inexistente, qual seja, de que os valores discutidos na demanda de usucapio de fato existiam.UM ABALO MAIOR que atuou na ao de usucapio, no Ministra Eliana Calmontaria que o senhor narrasse sobre este caso deste bloqueio que houve de dois bilhes em favor de FrancisAntnio Lobo, e que depois se descobriu que era uma quadrilha que j tinha estado aqui em Braslia e que depois foi l para o Par e posterior certa ligao entre alguns membros Par com estas pessoas. O que o senhor sabe sobre este caso. Depoente reira, que tinha vrios apelidos, cohaver intentado outras vezes contra o patrimnio da empresa. O que base apenas em cpias, os autos estavam compostos por cpias apenas, as quais no demandavam uma anlise perceber que se tratavam de documentos falsos, inclusive com erros grosseiros de portugus, essa documentao tinha sido utilizada em tempo, no recordo exatamente os dias, mas foi no incio de novembro, como se fosse numa quarta, de uma sido deferida essa liminar, e isso nos preocupou. A primeira articulao nossa foi reunir o pessoal da segurana e montar uma caravana para que fossemos conversar com a juza e demonstrar que o judicirio estaria sendo utiescusos. Fomos conversar com a magistrada e fomos recebidos por ela, apresentamos, mostramos a documentao toda, explicamos detalhadamente como a quadrilha agia, as conexes que o banco j conhecia dessa quadrilha com outras atuaes dos, porque entendemos que havamos resolvido a situao. Ministra Depoente peticionassem e vou analisar isso adequadamente. Lembro umas passagens assim que ela falou com mais, autos vo reaparecer [os autos no estavam em cartrio ], e eu tenho 33 anos de magistratura ou algo assim e no vou jogar pela janela, no vou jogar fora por conta disso, vou analium pedido de reconsiderao, o jurdico local agravou, s que nenhuma dessas medidas surtiu efeito. Ministra possibilidade de os autos estarem no Banco do Brasil e vocs no saberem? Depoente to estranho, porque se estivessem com os advogados, teriam nos dito, imagino, a no ser que tenha havido algum erro de comunicao. Inclusive os advogados que nos acompanharam, se eu bem me lembro, eles diligenciaram pelos autos em cartvessem com eles. Depoente A questo de funca existiu, no existia esse dinheiro. ter que dizer no, porque o dinheiro no existiu, mas aquela deciso criava uma expectativa de que tivesse existido, uma aparncia, ela induzia, poderia induzir incautos a entender que aquele dinheiro teria existido. to pode parecer a uma primeira visocupaes, em que essas quadrilhas compram, vendem, aplicam golpes se torna muito preocupante, porque, com certeza, apareceria dali a pouco les dois bilhes depositados na conta tal, j resguardados pela deciso da 5 vara. Lendo aqui, tenho mais claramente a preocupao nossa. Ou seja, diz o seguinte qualquer movimentao no valor de dois bilhes, dedizendo que o valor est depositado. lha, de algum modo, conseguir uma quadrilha. ele vai l na juza. Olhe aqui, o bandois bilhes e trezentos e tem dez multa, eu quero no sei o que, eu ...qualquer movimentao de dois dia seguinte ele tira um extrato, est zerado, e a comea a se criar um valor que nunca existiu.

PAGE 5

5 SILNCIO SOBRE BILHES Depoimento da desembargadora Subprocuradora-Geral da Repblica nheiro de um banco em que, apesar Federal, a senhora acha que uma parte tem mais direito que toda a sociedade brasileira, que ela tem mais razo para movimentar uma quantia de dois bilhes de reais? Dois bilhes de reais! Depoente SEM CONTATOA partir da quebra de sigilo televalho Lobo (advogado que assinou a ao de usucapio especial) ligou mente utilizado pela Desembargadodo entre os dias 04/11/2010 (data do ajuizamento da ao de usucapio) e 09/12/2010 (dia posterior deciso da desembargadora que negou a concesso de efeito suspensivo ao agravo de instrumento interposto pelo Banco do Brasil. advogado Subprocuradora-Geral da Repblica Depoente advogado. Subprocuradora-Geral da Repblica contato com ele? Depoente Subprocuradora-Geral da Repblica Depoente MOVIMENTAO DE DINHEIROA Receita Federal, em cumpricaminhou relatrio em que aponta mentao financeira incompatvel com sua renda nos anos de 2009 e 2010 (mesmo ano em que proferida a deciso que negou efeito suspensivo ao agravo de instrumento manejado pelo Banco do Brasil nos autos da ao de usucapio), fato que configura, no mnimo, indcio de prtica incompatvel com o dever de integridade profissional preA Receita informou que a matas bancrias que representaram 2,6 e 2,52 vezes o valor dos seus rendimentos declarados nos anos de 2009 tos em suas contas bancrias caram visivelmente quando comparados com os anos anteriores. acima de padres normais foi no vacrio feito pela magistrada) e que no Banco do Brasil a movimentao alta se deu somente no ano de 2010 e que Falco, transcreveu trecho dos fundamentos adotados pela Receita Federal do Brasil para concluir pela movimentao financeira incompatvel da sindicada, o que levou instaurao de operaes contra a que, em regra, parece-nos que todos os valores em contas bancrias da contribuinte so integralmente sacabito da tabela acima. Isso nos leva a deduzir que os valores creditados em contas so distintas, ou seja, no seria o caso de ter havido transferncias que pudessem estar provocando uma vez que no faz sentido uma pessoa transferir valores de uma conta para outra, de sua mesma titularidade, para em seguida sacar integralmente. das contas bancrias da contribuinte se referem a valores distintos entre si, o que refora o indcio de movimenseus rendimentos.A batalha de 2017 2017 no Jornal Pessoal ser mantida a regularidade quinzenal em dezembro. a leituras mais exigentes. deste ano. jornais impressos em papel. a continuidade de uma publicao que no tem ponto de comercializao, a banca de revista, est em encolhimento tanto em quantidade quanto em diversidade, efeito da menor procura pelos clientes, outrora dos seus celulares. primeira vez em 30 anos dois mil exemplares de da sua histria, ter uma necessria para reduzir o encalhe, o desperdcio de papel, tinta e outros insumos trabalho manual), e ajustar o custo receita. Provavelmente oJPestar de volta na primeira quinzena de 2018. A edio seguinte depender mais do leitor do que do autor.

PAGE 6

6 Bernardo Kucinski: do jornalismo ficoAos 70 anos, Bernardo Kucinski realizou uma faanha de causar inveja a muitos dos seus colegas de profisso: transps as muralhas do jornalismo e se lanou plancie da fico. Na dcada de 2010 escreveu K Relato de Uma Busca, publicado em 2012. Deu densidade literria a um fato real: a busca do pai pela filha, sua irm, que desapareceu durante a ditadura militar. Aos 80 anos, Bernardo lana seu segundo romance, Pretrito Imperfeito. Li o primeiro: gostei e o comentei aqui. Ainda no vi o segundo, que dizem ser outra forma de tratamento dos mesmos temas: paternidade, ausncia, procura. Eu prprio gostaria de transpor para a fico parte do que acumulei na longa experincia de jornalista. A falta de talento me tem impedido de dar esse passo. Com alegria, acompanhei a transposio de Bernardo. Fiquei satisfeito pelo resultado positivo que ele conseguiu no primeiro teste. No tarefa fcil para um jornalista, que se condiciona e s vezes se reprime na busca pela objetividade da sua escrita, que tem que ser integralmente fiel sua percepo dos fatos. A fico deve completar a tarefa de libertar Bernardo do dogmatismo e da intolerncia com que ele se houve durante o perodo em que foi membro da engrenagem de poder do PT, na condio de assessor especial da Secretaria de Comunicao Social da Presidncia da Repblica, durante o primeiro mandato de Lula. Durante essa fase final da sua carreira de jornalista, nossa relao azedou. Em 1991, ele me deu uma grande alegria, ao registrar em seu livro j clssico, Jornalistas e revolucionrios, que, junto com Ivan Maurcio e Paulo Francis, eu adotara um estilo definitivamente outsider de exercer a profisso. Numa era em que a democracia parecia aposentar a imprensa alternativa, eu era alternativo. Travamos uma polmica no Jornal Pessoal por causa das minhas crticas a Edmilson Rodrigues, prefeito petista de Belm. A discusso chegou a ser muito dura e nos afastou. Na sua ltima vinda a Belm, houve uma tmida reconciliao, estabelecida base do esquecimento do que nos separou e continua a nos separar, mas agora, talvez, sem provocar sectarismos. Fico bem posto na condio de leitor de um ficcionista que comeou tarde, mas comeou bem e assim prossegue. Bernardo Kucinski mudou de forma de expresso na hora certa, enquanto tem hora e vez. Reproduzo trechos da entrevista que ele deu a Andr Oliveira.rava. A, de repente, baixou o esprito e eu escrevi primeiro uma pequena novela policial, que me saiu muito fcil. Depois disso, passei a encarar a escrita como meu ofcio. Ainda precieu gostaria de ter comeado antes, de ter feito essa transio do jornalismo para a literatura antes. P. Jornalistas e Revolucio nrios ria da imprensa alternativa no Brasil. O que se perdeu no caminho? R. Primeiro, existe hoje um discurso muito maniquesta, muito presioneiro de uma viso de mundo que acabou. O mundo da classe operria mo. Ao mesmo tempo, essa imprensa curso e reproduo de notcia, mas com pouca gerao de informao autnoma, pouca reportagem, que pensamento mais autnomo. De qualquer forma, acho que h exemplo, em captar novas lutas como questes de gnero, raciais, de etnia e eu trabalha na imprensa alternativa, tinha a ditadura, a guerra fria, a guer grandes utopias ainda estavam. Hoje onde esto? P. com durante o primeiro mandato do lismo brasileiro e como o v agora? R. imprensa convencional brasileira muiouro do jornalismo brasileiro. Aquilo j danoso alinhamento unidirecional prpria do jornalista brasileiro com a se tornou malandro, que vai fazer um jogo malicioso em entrevistas e repor processo pavloviano em que o jornalisdo, perdeu espao para a malcia.P. H uma epigrafe do livro lana do pela Companhia das Letras no dia 4] que diz que todas as dores podem ser suportadas se voc as colocar em uma histria. Foi por isso depois dos 70 anos? R. K surgiu quaescrever porque subitamente se criou um hiato, um vazio, na minha vida. do voltei para a Universidade, veio minha aposentadoria compulsria. Aos 70 anos, eles te mandam embora, nem importa se voc est bem ou lismo alternativo em que eu colabo-

PAGE 7

7 P. trabalhador. R. Poderia ser algo assim mesensina nas escolas de jornalismo e que aprendemos, no fundo, veio dos ca da verdade e fair play cultura que no tem traduo. Podefair play ser honesto com o entrevistado, no tentar passar viveu no Brasil. Foi outra ideia fora de lugar aqui, porque no existe mais fair play no jornalismo. Acho que a paternimuita atividade, mas de pouca conversa P. Falando em fair play voc acha surpreendente o Bolsonaro, um admirador do regime militar, estar em segundo nas pesquisas eleitorais para 2018? R. pre houve um processo social das classes dominantes desculpe usar o chavo de no expor as atrocidades da ditadura de forma a criar jogado meio debaixo do tapete, a lei pode ser processado, ditadores continuam sendo homenageados com os sempre houve admiradores, pessoas que se lembram de parte dela, mas no do todo. Lembram-se do emprego, do milagre econmico, mas no das atroda poltica como atividade, de falnlimitado, isso porque ele vai contra a vanguarda que abandonou a grande utopia, mas continua com pequenas ao machismo, a necessidade de, atralutas so muito recentes e ele vai contra isso tudo. P. dele so jovens. R. especialmente dos da Berlim Oriencoincidncia, mesmo porque quem mais sofre com os efeitos nefastos do normal que sejam os mais revoltados. P. locar esse momento do pas em algum de seus prximos livros? R. Outro dia, eu asRetorno a taca [com ro teiro do escritor Leonar do Padura ], em que um grupo de amigos cubanos para falar sobre suas via inteno de fazer algo semelhante, j que tenho um grupo de amigos bem semelhante. Falamos do passado, mas pas est sofrendo depois do que eu considero ter sido golpe institucional. Precisou ser dado um golpe para que houvesse outros ataques, como o teto de gastos e a nova lei trabalhista. O cenrio agora mostra o Lula em primeiro lugar e crescendo nas pesquisas, mas acredito que ele no vai agora. Ou vo dar um tiro nele, como torn-lo inelegvel. adeso da mdia e de parte da sociedade por isso, mas depois ela passou a atingir outros alvos. Agora, com a aproximao das eleies, o que pavem pela frente, por isso, acho que to mal informadoDalcdio de novo Depois de ter reeditado Ponte do Galo que estava fora de alcance j h vai relanar mais dois livros de DalcOs habitantes e Trs casas e um rio da outra vez, os editores esperam que que comeou meia-noite do dia 1, se.me/dalcidiojurandir em um empreendimento de alta qualidade cultural.O respeito ao autorA republicao da obra de Dalcdio Jurandir deu motivo a um debate, travado no meu blog (e, certamente, em outros espaos), sobre o trabalho o do editor sobre a originalidade e integridade do texto, a pretexto de ais erros ou mesmo estabelecer uma inteno do autor que no foi seguida na edio original. Um leitor pediu minha opinio a sino autorizado a emiti-la no caso concreto. Li Dalcdio sem atentar muito devem ser respeitadas as edies anteriores se foram todas publicadas com o autor ainda em vida, exceto se ele manifestou a inteno de mudar ou cor rigir alguma coisa do que escreveu e no teve a oportunidade de ele prprio executar o que pretendeu. acatados se o autor nunca os admitiu ou anunciou o desejo de corrigi-los. H erros gramaticais em Jorge Amado que ele considerava prprios do seu estilo. Provavelmente desconhenormas castias. Assim, como regra, a vontade (ou mesmo para impedir que seus editores publiquem textos que o autor jamais tuma soar como arranjo comercial.

PAGE 8

8 O lixo de Marituba: h mocinho no caso? de subsidirias, opera vrios aterros funcionam normalmente, conforme em 2010 para acabar com os lixes a nindeua, que atendia a regio metroo Aur a partir de 2016, a empresa age como facnora. De forma to criminosa e dolosa que, no dia 9, dois dos seus diretores foram presos (em cionrios conduzidos coercitivamenes, executadas por uma fora tarefa com 41 policiais civis e 16 promotoA ao foi drstica porque as autoridades envolvidas concluram que era necessrio dar uma resposta altura. Os diretores presos debochavam das autoridades paraenses, do sistema judicirio e da populao do Par, declarou o chenamento, a Revita teve que abrir 15 lagoas no lugar das duas que estavam previstas para o tratamento do das lagoas se rompeu, vazando mais de duas mil toneladas por dia. (guardadas as propores, em relao populao atendida) aos sete mil regio metropolitana do Rio de Jadepois de quase 40 anos de funcionalocal da Revita, se inspirou nele. As prises foram determinadas pela justia porque a empresa foi acusada de cometer poluio atmosou enganosos para obter o licenciamento ambiental, e enganar todos os judicirio polcia, passando pelo calizao no interior do aterro, esses acumula bilhes de reais (valor dades praticadas. A empresa reagiu declarando que foi surpreendida pela ao. Disse que cumpre rigorosamente o plano de alterao do manejo do depsito, depois de investir 20 milhes de reais (frao irrelevante do valor das multas lavradas) para operar dentro do padro de excelncia e em conformidade com as melhores prticas do setor. Uma empresa que age corretamente procede com cinismo e a mais deslaao longo dos meses de falta de reao tuba num inferno, causando muitos populao, por causa do mau cheiro emanado do seu aterro. O delegado geral da polcia civil, duzido a erro, inclusive o comit interventor, que recebeu delegao de poder para agir no aterro. A escuta telefnica das conversas entre os diretoacesso a informao privilegiada. Por parte de quem, ainda no foi dito. seriam feitas as fiscalizaes. Preparavam-se ento para enganar os fiscais, mesmo que a manipulao fosse medida em dezenas ou centeconseguiam maquiar o cenrio, fazendo de uma ao criminosa procedimento exemplar? Os diretores esto presos, a ao a histria toda ainda no foi contada. Ou foi mal contada. O lixo e a poltica do Par H algum tempo circula nos bastidores a informao de que Helder cional e ex-prefeito de Ananindeua, Resduos e da Revita, subsidirias no Par e no Brasil da multinacional itacries de conversas telefnicas entre ceptadas pela investigao policial. O material serviu de prova para a Opedias antes, que prendeu dois diretores das empresas, conduziu coercitivamente outros a depor e apreendeu material probatrio. cientes para mobilizar uma grande para indiciar Helder Barbalho, ou, ao material foi apresentado pelas redes As transcries reveladas no pro(por ter sido prefeito na regio metropor ser candidato ao governo e por ser locutores da empresa, lhes forneceu informaes, mas sequer chegou a dedo que lhe foi proposto.

PAGE 9

9 direo das empresas sobre o que esversa mais informal ele chega a ser to simblico ou concreto, se a possvel sociedade estava em cogitao sem conseguir se consumar ou se havia alguma transao ilcita na aproximao e abordagem. Por enquanto, a julgar por essas transcries, nem tes de uma melhor apurao dos fatos. o lanamento de uma ponte para o futuro imediato ou um pouco mais longnquo, pela ampliao dos nege Parauapebas (cujo prefeito, Dar Barbalho), e para outros negcios, como o lanamento de chorume no no est ao alcance dos Barbalho, mas passar para a sua rbita de ele for eleito em 2018). podem servir de frente ao combate componente poltico. Parece claro que os maiores adversrios dos peemedebistas, os tucanos, pretendem usar o episdio como tema de antecipao campanha eleitoral do prximo ano. O comportamento dos dois jor da tenso nos bastidores do poder ainda estivesse frente do grupo de comunicao, certamente O Liberal abriria manchete para o fato, estivesse ele amadurecido ou no. Ro minhoera aliado de Jatene e inimigo feroz dos Barbalho. Os novos dirigentes, que o derrubaram, seus cinco irmos, preferiram resguardar o principal jornal da casa de entrar numa jogada poltica e eleitoral. de expresso muito menor, mas com maior penetrao nas camadas de dar a questo, como fez o Amaznia, mas no fez O Liberal.se presso (e muita publicidade) do prximo a ele), para cuja campanha de reeleio recebeu das duas empresas 430 mil reais (informao citada por Helder), talvez o Amazniatam resposta de Helder na ntegra, ao inUm detalhe se destaca no digitar entre ovos que deve ter marcado a elase o redator tivesse optado por que uma diferena sutil, mas, em poltica, a sutileza pode ser mais importante do que o explcito ou desarrazoado. das necessrias investigaes de tema O lixo fede mais aqui? Os participantes de um seminrio sobre resdu os slidos realizado em alto padro de excelncia do aterro em todos os seus aspectos, conforme gaos, em nota de esclarecimento que ocupou pgina inteira das edies do dia 10 de O Liberale do Dirio do Par. efetuou uma das suas peridicas visitas, sem apontar anormalidades. dois diretores da empresa e a tomaram como razo de uma aparatosa operao, por estar agindo de forma criminosa na gesto do aterro e fraudar ou manipular as informaes do-o a erros. possui as devidas licenas ambientais para operar e vem atuando, desde abril, em modelo de cogesto, em conjunto com interventores nomeados pelo poder judicirio, com redos melhores modelos de excelncia, sidade Federal da Bahia (e, por que no, da UFPA?). atribudos ao empreendimento, tais como aumento na ocorrncia de gripes e resfriados e problemas respiratrios bem como o aumento, no ano de 2017, de infeces gastrointestinais, dermatolgicas e respiratrias, embora possa causar desconforto. rante que a unidade dispe de tratamento avanado, composto de dois mdulos de osmose reversa, uma tecnologia de origem alem, altanos melhores aterros do mundo. ro das lagoas de acumulao de chorume, de 2 para 15, foi para atender o compromisso de respeito ao ambiente, diante da produo de mais material do que o previsto, evitando, assim, que esse excesso alcanasse os recursos hdricos da regio. Ressalta que foram solicitadas as devidas licenas ambientais para que pudesse faz-lo (mas no informa se tais licenas foram concedidas). nente, aos demais participantes da administrao por interveno cabe, agora, apresentar suas respectivas por que as autoridades competentes consentiram na instalao do aterro em rea urbana e parcialmente superposta a uma unidade de conser vao integral. Origem alis, de todos os males atuais.

PAGE 10

10 Eu, blogueiro?O jornalismo e a poltica Duas semanas atrs, Helder Bar balho divulgou uma nota negando que seja scio das empresas responsou que lhes tenha dado algum tipo de ajuda. A nota saiu nas redes sociais nesse dia e apenas uma vez no jor nal Amaznia O Liberal, no apenas a explitalmente deixadas de lado pelo jornal do ministro. irio do Par fosse o mais empenhado em desmentir a presumivelmente injusta acusao, que circulava pelos bastidores j h algum tempo e agora se Pelo visto, o Dirio s acentuar a sua condio de porta-voz poltico dos seus donos, funo que predomina sobre o compromisso com o seu leitor. saber, quem cala, consente. Ou, pelo menos, teme encarar o problema, por saber como entrar nele e nada saber sobre a sada, se existente. sobre a relao dos Barbalho com o lobista Jorge Luz, preso pela Operao Lava-Jato por intermediar propina negar a relao com Luz, o senador Jader Barbalho teve que procurar nova explicao. Ainda sem convencer. fui receber pela primeira vez o prmio Par) de Jornalismo, na categoria bloeleitores. Perguntei onde eu errara para merecer aquela honraria. estaria sendo domesticado? der, ainda mais pela convico de saber exatamente quem sou e o que proreincidncia da Fiepa e seu crculo de julgadores mais me estimulam a ser o renunciar ao patrimnio que formei, embora o saiba de pouco valor. tava completamente distante do mundo virtual, blogueiros de verdade me convidaram para o seu encontro naque quase todos, fui recebido como um pioneiro e quase vanguardista. em papel, esteJornal Pessoal. A preferncia dada ao meu blog pao que se encaixa harmoniosamende pequeno formato e os textos so longos, frequentemente analticos, leitura rpida ou fcil. que meus temas exigem mais reexo objetivo do meu esforo jornalstico, desaconselhado pelos que entendem de internet. de audincia nem um fenmeno de porque no se desliga dos mesmos co na verso impressa em papel, o Jornal Pessoal, A segunda premiao da Fiepa parece dizer que se estou errado ou um tanto doido, o leitor internauta o que me deixa intimamente alegre e a perenidade do blog, cada vez mais incerta e no sabida.

PAGE 11

11 Ferrovia paraense, o domnio chinsUma semana depois que o governa--do de entendimento com empresrios Braslia, no dia 6, o documento foi pu-blicado na edio do dia 14 do Dirio O memorando diz respeito a uma pela atual administrao do tucano, ao a Ferrovia Paraense, projetada para ter 1,3 mil quilmetros de extenso e cus-tar 14 bilhes de reais. Desviaria para Barcarena um uxo de carga que pode-ria chegar a 100 milhes de toneladas, de tamanho equivalente ao da ferrovia para o sul do pas. Para uma obra desse porte, era de se esperar que o governo divulgasse a ntegra do memorial de entendimento, para pleno conhecimento e debate da soraqutico extrato dos documentos relaticomum entre os signatrios para a imple-mentao de projetos de desenvolvimen-to de infraestrutura logstica, comercial e industrial, com agregao de valores do Brasil, mormente com a construo e operao da Ferrovia Paraense. ferrovia e do que mais os chineses enten-derem de incluir no seu escopo. Por quanto tempo? O extrato diz que o memorando entrou em vigncia na data da sua assinatura, permanecendo paraense no saber. Por isso mesmo, o Participantes do massacre liberados porque seus subscritores tm a plena --que em branco para os chineses. O governo paraense, que vinha con-duzindo a ideia, delegou-a completa-mente a um grupo empresarial do se-tor ferrovirio e um fundo financeiro, -dos a fazer o que quiserem, inclusive sentar sobre a ferrovia. e Assembleia Legislativa no Par, esses dois rgos, para manter o equilbrio institucional no Par, precisam obrigar a ntegra desse perigoso memorial de prosperar, sem que a sociedade se ma-nifeste diretamente ou por suas enti-dades representativas. Jatene deixou para o seu final de man-dato a maior e mais grave iniciativa. Algo como um presente de grego para os troianos sitiados em sua cidademaiores legados da administrao do A relatora do processo votou con-tra o pedido de habeas corpus. Dois desembargadores a acompanharam. do dia 18, pela libertao de nove dos 17 policiais civis e militares denuncia--do, sob a acusao de envolvimento na morte de 10 trabalhadores rurais em Pau dArco, com todas as caracte-rsticas de execuo. As prises preventivas sero subs-titudas pela aplicao de medidas cau-telares diversas da priso que o juiz da vara criminal de Redeno entender aplicar, j que ele preside a ao em primeiro grau, que subiu ao tribunal pelo recurso apresentado pela defesa cumpram as medidas, a concesso de liberdade poder ser suspensa. por considerar devidamente funda-mentadas as prises preventivas, como necessrias segurana da instruo entendeu que tais requisitos no esto mais presentes, por ter sido superada acusados de capacidade de interferir na instruo do processo em juzo. Por isso, os ento indiciados j haviam sido em juzo. Foram soltos novamente. Os policiais foram denunciados em setembro pela prtica de homicdio consumado, homicdio tentado, tortu-ra, associao criminosa e o que tem a ver diretamente com a deciso do triRedeno dar cumprimento a 14 man-dados de priso a alguns trabalhadores, suspeitos de envolvimento na morte de em Pau dArco. Os policiais alegaram que o grupo se entrincheirou e recebeu a expedio a tiros. Os policiais reagiram, matan-do 10 trabalhadores. Percia chegou a concluso de que a iniciativa do ataque foi dos policiais, que atacaram sem dar oportunidade de defesa s duas vtitodas as pessoas que encontraram ao chegar ao local, manipularam a cena do crime e interferiram nas provas para induzir a investigao conforme seus interesses. a manuteno dos policiais em priso preventiva, para preservar a instruo violncia, como queria o representante da lei e no quiseram quatro dos sete desembargadores da seo de direito penal, incluindo a relatora? Depois do enorme impacto pelo conhecimento dos fatos, a deciso de soltar os parti-cipamtes do massacre soa mal para a justia do Par.

PAGE 12

12 AUSNCIA taa, no salo nobre do palcio do governo, espera do ministro do tratubro de 1953, mas ele no apareceu. Desde as 8 horas da manh, o gover nador Alexandre Zacarias de Assuno reunira os integrantes do seu sta para recepcionar o ministro do presiseguir direto para a arquidiocese, ignorando a parada na bela construo Depois de esperar por mais de duas horas, o governador saiu para outro compromisso, mas obrigou seus auxiliares a manter a viglia pela visita governador fez-se representar no emHILRIO do plenrio da Assembleia LegislaImpediam a casa de deliberar sobre isso deixavam de receber o jetom pela se manifestou o deputado Armando uma resoluo moralizadora. Foi o bastante para discusses sem Democrtico dos baratistas). Um dos seus mais destacados membros. nada demais que os parlamentares faltosos no s recebessem o pagamento da sesso de que no tinham participado, como recebessem a grana em suas residncias. camente falando.RDIO um grande cartaz de rdio novela. 11,30 e s 22,15, O Amor de Sinhazinha Aldo Madureira partir de 21,05, Festa na Aldeia o ras, no qual aparecero a orquestra da PRC-5, com todos os seus solistas, Virgnia de Moraes, Augusto Silva e os Comediantes da C-5. Festa na Aldeia do programa Cock-Tail de Ritmos, Avelino Henrique apresentar, numa das sequncias, voc j foi ao Mosqueiro musicais e crnicas sobre a aprazvel novo plano de programao para a voltar a apresentar o seu famoso e veterano programa de calouros, Na vio-Escola sob a direo de Lourival Penalber e Guies de Barros . RAINHAUma das datas mais comemoradas do carn social de 1954 foram dos maiores exportadores de castaj havia sido Rainha da Imprensa e ou o ttulo mximo de Rainha das concurso promovido pelos cronistas carnavalescos. Depois casaria com o das inuentes famlias com suas razes polticas e econmicas no vale do TEATRO Internacional), a pea No poo do falco de W. B. Yeats, baseada numa lenda da idade herica da Irlanda, com traduo da professora Angelido espetculo, que participaria, no Rio de Janeiro, do 1 Festival de Loris Pereira e Assis Filho. A direo UNIVERSIDADEAo ser criada, em 2 de julho de 1957, a Universidade do Par (ainda sem o Federal no nome) era formada PROPAGANDAA stima arteEste anncio, do Independncia, tem 70 anos. O cinema ficava na avenida Independncia, atual Magalhes Barata. Ir ao cinema era a maior diverso.

PAGE 13

13 logia, a mais antiga (de 1940), engenharia (1941), medicina, direito e nmicas e atuariais, as mais novas. O custeio da nova universidade durante 10 anos seria feito com recursos da acabou antes.CANTORA les veio cantar numa festa danante na sede campestre da Assembleia PaBarros ao piano. Foi apresentada como e televiso nacional. Para quem quis sair da sede social, no centro da cidade, houve transporte especial a partir das sete e meia da noite. O show comearia quem se interessaria?JUZES tembro de 1962, conforme as notas dadas pela comisso, integrada pelo cia Ferreira, 7,25; Joo Paulo de Almei6,33; Italzira Rodrigues, 6,28; Izabel e Izabel chegariam ao desembargo. Apenas trs candidatos foram reprovados, dois dos quais pretores e um advogado.docotidiano ORQUESTRAreira comandava uma orquestra com cordas, um de percusso, um crooner e o prprio band-leader frente do conjunto harmonioso, animado e vibrante.Depois de percorrer todos os be da capital maranhense. Orlando MSICAram, em 1963, seu segundo aniversrio com mais uma movimentada festa A festa teria dois conjuntos musicais e nela seria sorteado um LP, gravado recentemente, que ser o primeiro endas duas mais ativas bandas da cidade.FIGURINHAS poucas) bancas de jornais e revistas de cachorro mais famoso do mundo, contando sua vida e suas aventuras num regimento militar americano, ao lado de um menino que era membro honorrio da corporao. Lanamento dos Livros de Ouro da Juventude, aproveicustava 20 cruzeiros e cada envelope de de atrao para as crianas.FOTOGRAFIABelm melhorCena de Belm de 1962. Um nibus, daqueles montados sobre carroceria de caminho, chega esquina da rua Manuel Barata (sentido de trfego inverso em relao ao atual) com a Presidente Vargas, tendo ao lado o Cine Teatro Palcio. A seta aponta ao guarda de trnsito, chamado de sinaleiro, entre a frente de um nibus e a traseira de outro. No h semforo. A cobertura do cho ainda com paraleleppedos. Os trilhos dos bondes ainda esto intactos. E Belm ainda era muito melhor para se viver.

PAGE 14

14 Jornal Pessoal Editor: Lcio Flvio Pinto Contato: Rua Aristides Lobo, 871 Belm/PA CEP: 66.053-030 Fone: (091) 3241-7626 E-mail: lfpjor@uol.com.br Blog: wordpress.com Palestras: contato: 999777626 Diagramao e ilustraes: Luiz Antonio de Faria Pinto E-mail luizpe54@hotmail.com ANTOLOGIAO que mudou a Amaznia*dicar os dois fatos que mudaram a histria da Amaznia, dando-lhe a feio que ela tem hoje, no hesitaria um instante em apontar a cabanagem, a integrao fsica da regio ao pas A cabanagem raramente aparece nos manuais de histria nacional. no pacote das sublevaes do primei(praticamente tudo um resduo da histria brasileira, um mero exemplo demonstrativo, a favor ou contra. muna de Paris), com uma interrupo de retomada legal entre as trs presidncias cabanas, ao longo de um ano; no foi apenas um acerto entre elites; cabanagem arrastou para a morte um quinto da populao da regio. A engro tinha 150 mil habitantes. Devem tos em cinco anos. Houve muita sangria durante o perodo inicial, brasileiros correndo atrs de portugueses; escravos nada comparvel ao massacre dos cao, comandada pelo brigadeiro do Rio de Janeiro. Os amaznicos queriam se livrar da dominao colonial portuguesa, que sobrevivera, inclume, emancipao poltica do pas, como se ela ndios e negros deviam estar querendo mesmo era sua emancipao. tar todos os revoltosos encontrados tenas deles morreram de inanio nos pores da corveta imperial Decalabouo utuante em frente a Beportugueses poderiam ter executado nacionais, se quisessem. O regente, Diogo Antnio Feij, autorizou secretamente os trs pases, inclusive Por tugal, do qual mal havamos nos libertado, a Par com tropa embalada e exterminar os rebeldes, que no eram iguais. O governo central no se considerava em condies de reprimir simultaneamente os cabanos e os farrapos, do territrio da nao em formao (ou em dissoluo? perguntar-se-ia, depois, um dos nossos maiores histocontinente americano, mesmo o Brado isso acontecesse, o novo pas se dividiria em dois, porque fora duplo enquanto os capites-do-mato lusitanos e seus vasqueiros estadistas mandaram na colnia, Pombal, na metade rain forest do Piau para baixo. Desse ponto para Plenamente portugus, sem qualquer assim provavelmente permaneceria, mao de Pedro I, no tivessem os caboclos custeado a sangue a separao. num pas demasiado grande e demasiado mal representado para dispor de A voz que soou na plancie foi captada com interferncias no Rio mesmo quando a capital foi transferida para Braslia, no embalo da mtica corrida para gos de mando, cedeu seu ouvido para a retrica da jungle do poder nacional decidiu, na segunpassado, que j era hora de a Amaznia sair da sua condio de reserva e se tornar fonte de produo. De preferncia, de dlares, com os quais se suplementaria a baixa taxa de ciente para alimentar as caldeiras do Brasil grande (pra frente, durante os anos do milagre econmico do regime militar, em ao, no reinado de um prncipe republicano mal inspiraFoi o que disse o ento todo-po-

PAGE 15

15 do o PIB crescia anualmente numa taxa de dois dgitos. O crescimento r-la mesmo, lanando plataformas entre o almoxarifado de recursos naturais e o centro de transformao da natureza em mercadoria, o sul, ber o do parque industrial e tecnolgico do pas, do saber. absolutamente virgem, nas terras altas, distantes dos talvegues dos rios, que eram os caminhos da civilizao fcie amaznica, que corresponde a dois teros do Brasil e seria, se os sonhos dos portugueses tivessem se materializado, um dos maiores pases do planeta. Hoje, o desmatamenlhes de hectares do que era uma das maiores concentraes de grandes rvores do mundo. povo destruiu mais orestas do que exatamente quando a humanidade se conscientiza de que a combinao de alta umidade, chuvas abundantes e extensos perodos de insolao respondem pela maior diversidade de vida, animal e vegetal, na crosta ter restre no coberta pelos mares. giado. As rvores so o elo vital desse com um massacre sem paralelo, que resulta num ganho econmico lilipurios e um prejuzo sem retorno para geraes inteiras. A Amaznia tem uma histria e para resolver todos os seus problemas, os maiores com origem exgena, mas quer que seja o argumento contra seu primitivismo ou provincianismo. A Amaznia, alis, depende visceralmentecnolgico, de informao, de vontade. um processo aceleradssimo que a colocou, de um lado, entre produtonacional de bens eletrointensivos, como o alumnio e a prpria energia, e, nacionalmente, entre os principais fornecedores de insumos bsicos, enquanto vrios dos seus indicadores padro de pobreza que avanou sobre aquela que deveria ser a maior fronteira de recursos naturais do globo e virou o locus do saque. A imprensa teria a importante misso de colocar algumas pedras na ponte de ligao entre a Amaznia, o Brasil e o mundo. De tal maneira que no se continuasse a pensar a regio apenas como uma paisagem edniblemas complexos, vrios dos quais j caractersticos de uma sociedade avanada, industrial (e ps). j assumida por vrias estruturas de produo montadas na regio com o sionantes que pode exibir (a maior fbrica de alumnio do continente, a cional, a maior provncia mineral do planeta, etc.) no so garantia de futuro para a Amaznia. os anseios amaznicos, expressar sua prpria vocao quando orestas so destrudas, rios so aterrados e sua paisagem submetida a atividades sem perenidade, ou sem sustentabilidade, para usar um jargo da temporada, chocho, mas inevitvel. Aqui, como observou um grancopyright nos, portanto, uma responsabilidade r aviltar. O tamanho da Amaznia mento dos que, enfrentando-os com inteligncia, vencerem-nos. ___________________________* (Publicado na Agenda Amaznica n 21, de maio de 2001)cham em dar o cach ao artista. Beco prum lado e pro outro, enquanto grande. couvert artstico, salvo engano era o de um restaurante, que contei vez dessas, tem 52 mesas, que nos d um hora assistindo ao musico de 208 couvert cobrados, dariam 1.040,00 por espao [sem esquecer que alguns restaurantes cobram do cliente uma conta que inclui o couvert na soma em dia de grande movimento x 3 = 3.120,00 (salvo engano matemtidividido pelos 3 espaos, daria para cada um a quantia de 67,00, que ser a sua parcela para pagar o musico em voc ainda se d o direito de muitas co, que no tocou direito, que o som estava uma merda, que o repertrio no era adequado etc. Portanto, meus amigos, se comearmos a perceber, concluiremos que o erro primrio est nos empresrios de bares, restaurantes e similares, Imaginem o que tem por dentro da Rouanet etc.. de brechas onde polticos manipulam estes tipos de proventos legais para concorrer s isenes e ao caixa 2? continuar fumados e mal pagos sico queira dar seu depoimento aqui e agora para contribuir com o que estou falando. Afora, que h uma nova modalidade para os digamos que as autoridades tm de ficar aler tas neste crivo e pente fino cultural,

PAGE 16

Arte: farinha pouca, meu piro primeiro H meses venho denunciando uma negociata envolvendo polticos, burocratas e artistas, a partir do uso, do abuso e do desvio de dinheiro transfede artistas e, certamente, de mais pessoas, ainda ocultas. J publiquei dados que sugerem a existncia dessa transao margem de um mecanismo com aparncia de normalidade. Os deputados estaduais aproveitam o acesso que tm s emendas parlamentares para destinar dinheiro para o pagamento de cach artstico a artistas na capital e no interior. Os valores excedem e muito os padres do mercado local e, em alguns casos, nacional. A esmagadora maioria desses artistas, sobretudo os do interior, tem, quando muito, uma expresso fossem estrelas de primeira grandeza conivncia) dos rgos de controle. mesmo todo o dinheiro dos cachs gum parlamentar (ou alguns) no esto aplicando o mesmo ardil que usam com funcionrios dos seus gabinetes, mente a menor, e devolve a outra parte ao parlamentar, num mini caixa dois. Por enquanto, estas so apenas supleno curso. Os artistas so contratados com inexigibilidade de licitao, inexigibilidade, que permitiria a contratao direta, sem licitao de pessoas completamente desconhecidas e, por isso, sem a devida notoriedasimples citao dos seus nomes, suas qualidades. Logo, a operao no est inteiramente legal. tratos no DO deixou de ser includa h um empresrio ou intermedirio o foi suprimida. Os rgos de controle externo, cobrados, se mantm completamente publicado pelo meu blog, comprova o que todo circuito dessa transao dos os cachs pagos pelo governo do ral do Par, dirigida pela artista Dina e instrumentistas, intensamente explorados por donos de casas de espetculos, bares, restaurantes e similares. para eles o dia de ter acesso baba do dinheiro do contribuinte, mesmo que sendo obrigados a dividir a grana com o parlamentar autor da emenda. aparato institucional do Par, que essa tramoia prossiga, h tanto tempo, sem uma reao de dignidade, de apreo pela cultura, de respeito mnimo de qualidade. As reaes a partir da manifestao de Armando se desviaram para dos recursos e seu mau uso, a pretexto de fomentar a cultura, muitos dos que intervieram nas discusses pelas redes sociais exploraram o sentimento da desvalorizao dos artistas, fantasiando uma realidade que desmente seus argumentos. De qualquer maneira, o necesdesperte o que ainda existe de consfazendo a coragem sobrepujar o medo, a tibieza e o comodismo que o toma-l-d-c engendra, formando panelinhas e mfias que se protegem e atacam quem no faz parte desses grupos fechados. Ainda mais quando o mecenas utiliza os recur sos dos impostos para fazer cultura e arte, fazendo firula e enganao exemplo, para uma tocada de duas horas, tem empresrio que est pagando R$ 150,00 e, sonhando alto, R$ 200,00 (eu nunca recebi isso). lado, da qual voc, meu amigo, ou naqueles elevadores portugueses, no, o cach para duas ou trs horas, estiver errado). Pois bem. H uma do local com os donos e empresrios que esto nestes galpes onde esto os deslizantes. Ai, os